Você está na página 1de 7

FACULDADE SANTA RITA – FASAR

Curso de Engenharia Civil

CIDADANIA E DEMOCRACIA NO BRASIL CONTEMPORÂNEO

Alunos:
Ana Paula Martins
Debora Cristina Cardoso Freitas
Thais Furtado de Freitas
Thaissa Eduarda Araújo Rodrigues

CONSELHEIRO LAFAIETE
2020
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO .................................................................................. 03
1.1 Objetivo.............................................................................................03
3. DESENVOLVIMENTO........................................................................04
5. CONCLUSÃO ....................................................................................06
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .................................................07
1 INTRODUÇÃO

Democracia e cidadania são temas de notória importância para a sociedade


hodierna. Verifica-se isso nos diversos enlaces políticos, econômicos, religiosos,
filosóficos e principalmente sociais. Os dois institutos visam, em geral, a
consolidação da dignidade humana que corrobora a uma sociedade igualitária e
isonômica.

1.1 Objetivo

O objetivo desse trabalho e nos ajudar a entender o que é Democracia e


Cidadania de onde surgiu e seus principais pontos.
2 DESENVOLVIMENTO

O Termo “democracia” é originado da língua grega, na qual significa governo


do povo (demo = povo e kracia = governo). Foi em Atenas, considerada uma das
principais cidades da Grécia Antiga e berço da democracia, que esse sistema
governista teve sua criação e desenvolvimento. Contudo essa forma de democracia
era considerada ainda primitiva e limitada por não permitir a inserção de mulheres,
estrangeiros, escravos e crinças nas participações políticas, assim como será dito
mais adiante.

“A democracia é antes de tudo o regime político que permite aos atores


sociais formar-se e agir livremente. São os seus princípios constitutivos que
comandam a existência dos próprios atores sociais. Só há atores sociais se
combinar a consciência interiorizada de direitos pessoais e coletivos, o
reconhecimento da pluralidade dos interesses e das idéias, particularmente dos
conflitos entre dominantes e dominados, e enfim a responsabilidade de cada um a
respeito de orientações culturais comuns. Isso se traduz na ordem das instituições
políticas, por três princípios: o reconhecimento dos direitos fundamentais, que o
poder deve respeitar; a representatividade social dos dirigentes e da sua política; a
consciência de cidadania, do fato de pertencer a uma coletividade fundada sobre o
direito”.

Já no que tange ao termo “cidadania” vem do latim, “civitas”, que significa


cidade, assim sendo cidadania é a participação e inserção social nos diversos
ditames da sociedade rumo à consolidação e exteriorização de seus direitos. 
“cada homem e cada mulher deve ser alvo de um tríplice reconhecimento, ou seja,
devem encontrar igual proteção e igual respeito em sua integridade: enquanto
indivíduos insubstituíveis, enquanto membros de um grupo étnico ou cultural e
enquanto cidadãos, ou membros de uma comunidade política.” 

Quando falamos em cidadania, nós a enaltecemos como se fosse uma


dimensão superior à política. Não devemos desmerecer a política, como se fosse
pertencente a um campo menos expressivo e inferior à cidadania. Através da política
é possível construir a cidadania e a democracia, na definição política do termo: bem
comum, igualdade social e dignidade coletiva. E, nesse sentido a cidadania e a
democracia se revigoram e se reinventam. Como afirma Boff: "o ser humano é um
ser de participação, um ator social, um sujeito histórico e coletivo de construção de
relações sociais o mais igualitárias, justas, livres e fraternas possíveis dentro de
determinadas condições histórico-sociais".

O conhecimento social e o desenvolvimento político são dois aspectos que


cada vez mais vem se desvendando como instrumentos de emancipação e
autonomia do cidadão que deseja entender a sociedade e atuar como autor,
construtor e reconstrutor de realidades.

Ao pensarmos a democracia unicamente como ideal de igualdade, acabamos


por aniquilar a liberdade. Existe um grande perigo em conceber todos os indivíduos
como iguais, pois excluiremos o direito democrático da diferença, a possibilidade de
pensar de maneira diferente e de ser diferente.

“É preciso que a cidadania do outro seja preocupação de cada um. A cidadania


é pessoal, intransferível, ninguém terá mais se o outro tiver menos”. (Amarildo Vieira
de Souza).
3 CONCLUSÃO

Enfim, a democracia e a cidadania são dois amplos institutos que devem ser
amparados e respeitados por todos. Não só o governo, mas como os que estão
inseridos no cenário nacional devem seguir de acordo com os princípios por eles
estabelecidos. Contudo, importante ressaltar é que jamais poderá alcançar uma
sociedade livre, justa e solidária capaz de respeitar os ditames democráticos
cidadãos sem luta ou movimentos para transformação de um cenário social injusto.
4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[1]-https://educador.brasilescola.uol.com.br/gestao-educacional/politica-cidadania-
democracia.htm Acesso em 22/11/2020

[2]-https://jus.com.br/artigos/35652/democracia-e cidadania#:~:text=Introdu
%C3%A7%C3%A3o-,Democracia%20e%20cidadania%20s%C3%A3o%20temas
%20de%20not%C3%B3ria%20import%C3%A2ncia%20para%20a,uma
%20sociedade%20igualit%C3%A1ria%20e%20ison%C3%B4mica.Acesso em
21/11/2020

[3]-https://revistacult.uol.com.br/home/cidadania-e-democracia-no-brasil/ Acesso em
23/11/2020

[4]-http://www.unieuro.edu.br/sitenovo/enade/enade/democraciaecidadania.pdf
Acesso em 23/11/2020