Você está na página 1de 12

O PROTESTO DE JOÃO BATISTA

Mas não é só Cristo que fez Cristo de protestos nos Evangelhos, o filho
do trovão, João Batista, estava no deserto clamando arrependimento e
chamando os judeus a essa contrição. Era um lugar ermo, não uma
sinagoga e menos ainda o templo, João não tinha nenhum lugar lá. Todo
o0 sistema tinha rejeitado, me João vai para a beira do rio e chama os
judeus ao arrependimento. A vida do Batista tem sido aos olhos
humanos como uma tragédia, seu ministério terminou em martírio da
pior forma; decapitado, e qual o motivo? Não concordou com um
adultério. Não olhou para as circunstâncias, poderia ter usado dela para
ter vantagens pessoais, afinal de contas se ele estava presente no
“casamento” é porque esperavam que ele abençoasse aquela suposta
união conjugal. Mas a voz é de protesto, não vai se apostatar de sua
posição conservadora por causa de interesses de conveniências pessoais
com políticos influentes de destaque. A grande surpresa é que a verdade
proclamada suscita o ódio, esse é a realidade mais dura da verdade, ela
consegue levantar inimigos mortais. Que os mártires sejam testemunhas
eternas desse fato, que Cristo seja um testemunho vivo dessa verdade.
Entendemos a lição? Cada vez que você resolve ser realmente sincero e
deseje falar das doutrinas do Novo Testamento tal como elas realmente
são, você irá ter ao seu lado pouca gente a lhe defender e muitas
milhares para lhe atacar. A perda de oportunidades de projeção e
aplausos é uma delas, já que você não entra na moda, não é relativo e
nem pragmático então será uma espécie de oposição direta com um viés
religioso de intolerante selado com a acusação de ser um fanático. São
esses os fatos. Você nunca terá muitos amigos se estiver ao lado da
verdade, simplesmente porque a maioria sempre esteve a favor da
mentira, principalmente de mentiras religiosas. A verdade pode isolar
um profeta se maioria for contra ele, olhe para a vida de Elias e verá o
quanto é correta essa analise teológica a respeito dos que defendem
uma verdade, haverá gente lhe acusando e lhe atacando e pouca gente
ao seu lado para sofrer e chorar na medida em que as chagas são abertas
pelos inimigos da verdade. A maior parte das pessoas ama ouvirem
mentiras e odeia ouvir verdades, porquanto quem deseja ser fiel a Cristo
precisa estar pronto a sofrer dura oposição do mundo. Assim aconteceu
com João Batista, sua vida foi de verdadeira devoção e fidelidade. Não
estava associado com as conveniências comuns que caracterizava a
maioria a sua volta. Lembre-se da parábola do bom samaritano, o levita
e o sacerdote não cruzaram a linha do formalismo religioso de uma
religião fria e morte que produz falta de sensibilidade, a agenda religiosa
estava cheia e o compromisso com ela era serio, mas não era a religião
de Cristo, não havia verdadeira piedade. Dias atrás encontrei um homem
extremamente complicado na conduta, sei que de alguma forma, sua
vontade de servir a Deus estava associado a dificuldade que tinha para
isso. O velho homem misturado com uma vontade intensa de servir a
Deus produz esse tipo de cristão, mas ele era sincero, sincero e fraco,
admitia suas fraquezas, como realmente vejo em outros que afirma que
sentem a necessidade de pedirem perdão a todo o momento, pois são
conscientes de que pecam constantemente. Mas a tristeza é que no caso
do primeiro a ser mencionado a acima, ele afirmou que foi expulso de
certa congregação de irmãos, porque não podia apresentar um padrão
de santidade de alto teor elevado como os membros exigiam dos outros.
Acredito que uma espiritualidade autentica segue os passos de Cristo,
não há duvida que é um caminho santo, mas exigir dos outros padrões
imediatos quando na verdade há muita gente que precisa de uma
lapidação muito demorada para refletir a gloria de Cristo, torna-se um
tanto legalista querer que as pessoas se tornem perfeitas da noite para o
dia.

Assim é motivo de choro amargo, um homem dispõe-se a falar contra a


opinião equivocada da maioria e vai ser decapitado pelo sistema
inquisitorial dos apostatas. É digno de morte, os inimigos estavam a
espreita, numa festa, cheia de mascaras de sorrisos falsos, gente que
parecia pacata, mulheres de singeleza falsa e homens fracos. AS garras
diabólicas apareceram no momento oportuno, silenciar a boca de João
Batista era a resposta aas suas acusações. O preço de dispor-se a falar a
verdade tem o custo do desprezo da maioria, inclusive da maioria que
quando não é confrontada se mostra simpatizante da causa divina. Esse
é o preço do apostolado cristão, o mundo é inóspito e a maioria dentro
da cristandade também é. Os maiores inimigos do cristianismo não são
os ateus ou os materialistas ou ainda os pagãos, os maiores inimigos da
fé cristã são os falsos cristãos. Duas pessoas podem professar a fé em
Cristo e crer nos relatos do Evangelho, mas uma pode colocar a outra na
fogueira, e isso mostram que a divergência na atitude revela que o falso
pode usar termos certos que não correspondem à natureza do interior,
um hipócrita tece as suas mascaras com palavras santas, para ocultar a
natureza demoníaca do seu coração.

Por isso meu amado leitor, devemos chorar e lamentar pela situação das
coisas como chegaram chorar com sincera amargura.

Chorar não é apenas derramar lagrima às vezes o choro derrama


silencio. E quando mais intenso é o choro, o silencio fecunda a
profundidade do senso de todas as ausências. O mar do desespero pode
ser uma longa trajetória entre ondas revoltas e calamidades de
indiferenças. Mas prosseguir é necessário, você encontra
posteriormente pessoas perdidas na escuridão que elas criaram,
encontra indiferentes naufragados nas profundezas da miséria que
promoveram. Quando você sofre, tem a percepção da importância da
sobrevivência, e consegue atravessar as crises, e no final da historia,
acaba descobrindo que saiu cada vez mais forte, quando suportou cada
uma das aflições que teve que enfrentar na vida.
CLAVIO J JACINTO