Você está na página 1de 12

MANUAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE SPDA

1. GERENCIAMENTO DE RISCOS

Antes de iniciar um projeto de SPDA é preciso conforme NBR 5419 na sua


segunda parte analisar as perdas e riscos do estabelecimento antes mesmos de
projetar. Uma vez que um limite superior tolerável para o risco foi escolhido, este
procedimento permite a escolha das medidas de proteção apropriadas a serem
adotadas para reduzir o risco ao limite ou abaixo do limite tolerável.

2. DEVE SER ANALIZADO

2.1. As Fontes dos danos


• S1: Descargas atmosféricas na estrutura;
• S2: Descargas atmosféricas perto da estrutura;
• S3: Descargas atmosféricas na linha;
• S4: Descargas atmosféricas perto da linha.

2.2. Tipos de dano


• D1: Ferimentos aos seres vivos por choque elétrico;
• D2: Danos físicos;
• D3: Falhas de sistemas eletroeletrônicos.

2.3. Tipos de perda


• L1: Perda de vida humana (incluindo ferimentos permanentes);
• L2: Perda de serviço ao público;
• L3: Perda de patrimônio cultural;
• L4: Perda de valores econômicos (estrutura, conteúdo, e perdas de
atividades).

2.4. Riscos
• R1: Risco de perda de vida humana (incluindo ferimentos permanentes);
• R2: Risco de perda de serviço ao público;
• R3: Risco de perda de patrimônio cultural;
• R4: Risco de perda de valores econômicos.

3. ANÁLISE DOS RISCOS

A necessidade instalação de proteção contra descarga atmosférica pode


ocorrer se o risco calculado R (R1, R2 ou R3) for maior que o risco tolerado (RT). Esta
avaliação é feita através das instruções contidas na parte 2 da norma que apresentada
na fórmula:
R > RT
Sendo que:
- R: risco calculado com base no gerenciamento de risco;
- RT: riscos tolerados definidos por norma.
Conforme quadro a seguir, se R ≤ RT, a proteção contra descarga atmosférica
não necessária ficando opcional.
No entanto, se R > RT, devem ser adotadas medidas de proteção contra
descarga atmosférica para reduzir o risco de R até R ≤ RT.
Veja a seguir o estudo dos possíveis níveis de proteção e as equivalentes
classes de proteção que podem ser determinadas pelo gerenciamento de risco.

4. NÍVEL DE PROTEÇÃO

A instalação de um SPDA não oferece uma proteção total contra descarga


atmosférica. Há sempre a possibilidade de falha da proteção. Com esta situação, na
fase projeto, são determinados os níveis de proteção de leve a severo em função das
consequentes perdas ocasionadas na falha do sistema.
Veja a seguir os níveis de proteção e os possíveis tipos de estruturas
equivalentes.
4.1. identificação do nível de proteção
5. ELEMENTOS QUE COMPÕES UM SPDA
O SPDA é construído de captores, condutores de interligação ou descida e
um sistema de aterramento.
• Os captores: são localizados na parte superior em alguns casos,
também, na lateral do prédio. São constituídos de hastes metálicas ou
para-raios Franklin e/ou cabos elétricos;
• Os condutores de descida: podem ser cabos, fitas condutoras ou a
estruturas metálica do prédio, onde são previamente instaladas narras
condutoras específicas dentro das colunas de sustentação, desde a
fundação até a parte superior do prédio;
• O sistema de aterramento: pode ser composto de gaste de
aterramento, cabos enterrados em volta da estrutura do prédio ou a
combinação de haste mais cabos.

6. MÉTODOS DE PROTEÇÃO

6.1. Método Franklin

A filosofia dos captores tipo Flanklin se fundamenta no princípio de que uma


descarga piloto descendente pode ser interceptada por uma descarga ascendente
iniciada a partir de um dos captores instalados na edificação.
Tabela de posicionamento dos captores conforme o nível de proteção:

Calcula-se o número de condutores de descidas N em função do perímetro


da construção P (em metros) e da distância máxima D entre condutores de descida,
dada pela tabela:
N=P/D

6.2. Método Faraday

O método de Faraday é indicado para edificações com uma grande área


horizontal, nas quais seria necessária uma grande quantidade de captores do tipo
Franklin.
Consiste em envolver a parte superior da construção com uma malha de
condutores elétricos sem encapamento, cuja distância entre eles é em função do nível
de proteção desejado.
Designando-se por Ncm o número de condutores da malha, e por
Dm – dimensão do comprimento ou da largura da área plana, em metros;
Dco – distância entre os condutores, em metros. Podemos calcular o número
de condutores da malha para qualquer dimensão da malha pela equação:
Ncm = (Dm/Dco) + 1
Recomenda-se a instalação de captores auxiliares verticais com altura de 50
cm ao longo dos condutores que compõe a malha protetora. Isso evita que o
centelhamento devido ao impacto da descarga atmosférica danifique o material da
cobertura. A distância entra esses captores não deve ser superior a 8 m.

6.3. Método Esfera Rolante

O método da esfera rolante se baseia na delimitação do volume de proteção dos


captores de um SPDA.
Os captores são posicionados de uma maneira em que qualquer líder
descendente que surja nas imediações do volume de proteção estaria distando Ra
metros de um captor e uma distância maior do que Ra metros de qualquer parte da
edificação.
A figura a seguir ilustra uma esfera de raio (Ra) rolando sobre uma edificação:
Raio de atração Ra para os níveis de proteção:

7. DIMENSIONAMENTO DOS MATERIAIS

7.1. Captor
Segundo a NBR-5.419 a secção mínima para captores não naturais é a
seguinte :

7.2. Condutor de descida


7.3. Anel de equipotencialização
7.4. Cabo de proteção de bordas

7.5. Aterramento

O aterramento usado deve ser o mesmo que a construção já possui na sua


instalação, caso não tenha ele deve ser dimensionado de acordo com o nível de
segurança, e caso haja um aterramento na construção pela qual o projeto será
realizado, deverá ser feito a verificação da resistência da haste e possíveis
modificações deverão ser feitas de acordo com o nível de segurança implementado.

8. REFERÊNCIAS NORMATIVAS
• ABNT NBR 5419-1:2015 - Proteção contra descargas atmosféricas Parte 1:
Princípios gerais;

• ABNT NBR 5419-2:2015 - Proteção contra descargas atmosféricas Parte 2:
Gerenciamento de risco;
• ABNT NBR 5419-3:2015 - Proteção contra descargas atmosféricas Parte 3:
Danos físicos a estruturas e perigos à vida;
• ABNT NBR 5419-4:2015 - Proteção contra descargas atmosféricas Parte 4:
Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura;
• ABNT NBR 7117:2012 - Medição da resistividade e determinação da
estratificação do solo;
• ABNT NBR 15749:2009 - Medição de resistência de aterramento e de
potenciais na superfície do solo em sistemas de aterramento;
• IIEC 61024-1:1990 - Protection of structures against lightning;
• IIEC 61024-1-1:1991 – Guide A - Selection of protection levels for lightning
protection systems;
• IIEC 61024-1-2:1998 – Guide B - Design, installation, maintenance and
inspection of lightning protection systems.

Você também pode gostar