Você está na página 1de 82

Espaços Confinados

NR 33

“PREVENÇÃO PARA PROTEGER COM EXCELÊNCIA”


Apresentação...

José de Sousa.

• Engenharia de Produção Mecânica - Cursando;


• Técnico de Segurança do Trabalho - Formado;
• Gestor de Riscos Corporativo - Formado.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
▪ Objetivo;
▪ Definição;
▪ Reconhecimento, avaliação e controle dos riscos;
▪ Funcionamento de equipamentos utilizados;
▪ Procedimentos e utilização das Permissão de Entrada e
Trabalho; e
▪ Noções de resgates e Primeiros Socorros.
▪ Identificação dos Espaços Confinados – “s”;
▪ Critérios de indicação e uso de equipamentos para controle de riscos – “s”;
▪ Conhecimentos sobre praticas seguras em Espaços Confinados – “s”;
▪ Legislação de Segurança e saúde no Trabalho – “s”;
▪ Programa de Proteção Respiratória – “s”;
▪ Área Classificada – “s”; e
▪ Operações de Salvamento – “s”.
Fundamentação Legal
• Lei Federal Portaria 3.214/78.
• NR-1 Disposições Gerais - Cumprir e fazer
cumprir as Normas.
• NR-6 EPI’s
• NR-33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em
Espaços Confinados; (Port. Especifica Nº
202/2006).
• NR-15 Atividade e Operação Insalubre (Limites
de Tolerância).
• NR-26 Sinalização de Segurança
(Obrigatoriedade de Sinalizar);
• NR 28 Fiscalização e Penalidades.
DEFINIÇÃO DE ESPAÇO CONFINADO
33.1.2 Espaço Confinado é qualquer área ou
ambiente não projetado para ocupação humana
contínua, que possua meios limitados de entrada e
saída, cuja ventilação existente
é insuficiente para
remover contaminantes ou
onde possa existir a
deficiência ou
enriquecimento de oxigênio.
OBJETIVO
33.1.1 Estabelecer os requisitos mínimos para
identificação de espaços confinados e o
reconhecimento, avaliação, monitoramento e
controle dos riscos existentes, de forma a
garantir permanentemente
a segurança e saúde
dos trabalhadores que
interagem direta ou
indiretamente...
DAS RESPONSABILIDADES
33.2.1 Cabe ao Empregador:

a) indicar formalmente o responsável técnico pelo cumprimento


desta norma;
b) identificar os espaços confinados existentes no estabelecimento;
c) identificar os riscos específicos de cada espaço confinado;
d) implementar a gestão em segurança e saúde no trabalho em
espaços confinados, por medidas técnicas de prevenção,
administrativas, pessoais e de emergência e salvamento, de forma
a garantir permanentemente ambientes com condições adequadas
de trabalho - [......]
DAS RESPONSABILIDADES
33.2.2 Cabe aos Trabalhadores:

a) colaborar com a empresa no cumprimento desta NR;


b) utilizar adequadamente os meios e equipamentos
fornecidos pela empresa;
c) comunicar ao Vigia e ao Supervisor de Entrada as
situações de risco para sua segurança e saúde ou de
terceiros, que sejam do seu conhecimento; e
d) cumprir os procedimentos e orientações recebidos nos
treinamentos com relação aos espaços confinados [...]
Gestão de segurança e saúde no trabalhos
33.3.1 A gestão de segurança e saúde deve ser
planejada, programada, implementada e avaliada,
incluindo medidas
técnicas de
prevenção, medidas
administrativas,
pessoais e
capacitação para
trabalho em
espaços confinados.
COMO EVITAR ACIDENTES EM
ESPAÇOS CONFINADOS?
➢ CERTIFICANDO-SE QUE A EMPRESA:
SEGUE A

➢ NBR 14.787 – “ESPAÇOS CONFINADOS – PREVENÇÃO DE


ACIDENTES,

PROCEDIMENTOS E MEDIDAS DE PROTEÇÃO”.

E ATENDE A
➢ NORMA REGULAMENTADORA - NR n.º 33
SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM
ESPAÇOS CONFINADOS.
Direitos dos trabalhadores
Entrada Segura
O empregador deve garantir que os
trabalhadores possam interromper suas
atividades e abandonar o local de trabalho,
sempre que suspeitarem da existência de
risco grave e iminente para sua segurança
e saúde ou a de terceiros.
➢Trabalhador autorizado: é o profissional com capacitação
que recebe autorização para entrar em um espaço confinado.
DIREITOS DO TRABALHADOR
➢ CONHECER OS RISCOS DO ➢ CONHECER O TRABALHO A
TRABALHO A SER EXECUTADO. SER EXECUTADO.

➢ CONHECER OS
PROCEDIMENTOS
E EQUIPAMENTOS
DE SEGURANÇA
PARA EXECUTAR
O TRABALHO

➢ CONHECER OSPROCEDIMENTOS
➢ RECEBER TODOS OS EQUIPAMENTOS DE
E EQUIPAMENTOS DE RESGATE
SEGURANÇA NECESSÁRIOS PARA
EXECUÇÃO DOS TRABALHOS. E PRIMEIROS SOCORROS.
Riscos...
Espaços Confinados
O trabalho em espaço confinado pode
envolver sérios riscos.
O local pode:
❖ Possuir atmosfera pobre ou rica em
oxigênio;
❖ Possuir agentes contaminantes;
❖ Possuir Riscos Físicos e Biológicos;
❖ Causar asfixia, claustrofobia, medo ou
insegurança.
Por que conhecer os
Espaços Confinados?
✓ Para a nossa própria segurança;
✓ Porque a autoconfiança ou
desconhecimento são as maiores
causas de acidentes;
✓ Porque acidentes espaço
confinado podem ser
evitados.
Analise Preliminar de Riscos (APR)
https://www.youtube.com/watch?v=t_IoYCgqpJ0
Exemplos de Espaço Confinado
Tipos Mais comuns
➢ Bueiros ou poços de visitas;
➢ Forros de teto;
➢ Pisos duplos;
➢ Tanques, torres ou vasos;
➢ Valas e escavações.
Inventario dos
Espaço Confinado

Avaliação do local é o processo de análise os riscos


aos quais os trabalhadores estão expostos...
Devem serem identificados e Quantificados
(identificando cada um deles - inventario / número).
A importância das avaliação
(Durante todo o período das atividades)
• Quais os riscos?
• O perigo está presente durante toda a rotina de trabalho?
• Existe equipamento adequado para o trabalho e eventuais resgates?
• O pessoal envolvido está devidamente treinado?
Condição de Entrada
São aquelas que devem permitir a entrada em um espaço
confinado, onde somente hajam critérios técnicos de proteção
para riscos atmosféricos, físicos, químicos, biológicos e/ou
mecânicos que garantam a segurança dos trabalhadores.
Riscos Físicos
São aqueles que atingem o corpo humano. Por exemplo:
• Ruído e vibração;
• Sistemas mecânicos, hidráulicos etc.;
• Eletricidade.
• Agentes Físicos:
• Temperaturas Extremas;
• Umidade;
• Ruído;
• Vibrações;
• Iluminação Defeituosa;
• Pressões Anormais.
Risco Biológico
Está presente em toda atmosfera. Pode ser acentuado
se a mesma for modificada pela atividade humana.
Como exemplo podemos citar:
➢Microrganismos;
➢Todas as variedades de seres vivos (peçonhentos).
Risco Químico
Aquele proveniente da exposição a
líquidos, gases ou vapores, podendo
causar diversos acidentes e
prejuízos à saúde.
Atmosfera de Risco
• A presença de gases e vapores perigosos podem
trazer prejuízos à integridade da vida humana.
• A exata natureza deste perigo depende do gás ou
vapor presente; geral, dividimos em três classes:
Atmosfera de Risco
S
I
M
B
O
L
O
G
I
A
Atmosfera de Risco

• A concentração de oxigênio encontrada


em nossa atmosfera é de 20,9%, em
volume;
• Os limites permissíveis para trabalhos
concentram-se na faixa de 19,5 % a 23%,
em volume de oxigênio.
Atmosfera de Risco
Efeitos ao Ser Humano
▪ Risco de Explosão - Acima de 23 % em Volume
▪ Faixa Normal - De 19,5 a 23 % em Volume
▪ Descoordenação – De 15 a 19 % em Volume
▪ Respiração acelerada – De 12 a 15 % em
Volume
▪ Náusea – De 10 a 12 % em Volume
▪ Inconsciência – De 8 a 10% em Volume
▪ Morte após 8 minutos – De 6 a 8 % em Volume
▪ Coma em 40 segundos –De 4 a 6 % em Volume
Gases Inflamáveis
➢ Ou Combustíveis são aqueles que podem inflamar ou
explodir;
➢ Como exemplos: Metano, Hidrogênio, Acetileno, Gasolina,
GLP, etc.
Gases Inflamáveis
Para que ocorra uma ignição de um gás
combustível, são necessárias três
condições:
• A presença de gás em quantidade
suficiente;
• A presença de ar em quantidade
suficiente;
• A presença de uma fonte de ignição.
Gases Inflamáveis
➢ Astrês condições fazem parte do tradicional
“Triângulo do Fogo”.

FOGO
Ignição e/ou Explosão Ar

Em Espaço
Confinado

Gás
Limite de Explosividade
São os limites de concentração entre os quais
uma mistura gasosa é explosiva ou inflamável.
Essas misturas são expressas em percentagens em
relação ao volume de gás ou vapor no ar, e são
determinados a pressão e temperaturas normais para
cada substância.
São definidos dois limites:

Limite Inferior de Explosividade (LIE): É a menor


concentração de uma substância que misturada com o
ar, forma uma mistura inflamável.
Limite Superior de Explosividade (LSE): É a maior
concentração de uma substância que misturada com o
ar, forma uma mistura inflamável.
Uma mistura abaixo do limite inferior é dita "pobre" e uma
mistura acima do limite superior é dita "rica". Tanto a
mistura "rica" como a "pobre" estão fora dos limites para
poderem queimar ou explodir.
Exemplo dos limites de
algumas substâncias:
Etanol 3,5%-15%
Acetileno 1,50%-82%
Acetona 2,50%-13%
Amoníaco 15%-28%
Benzina 0,7%-8%
Butano 1,50%-8,50%
Hidrogênio 4%-75,60%
Gasolina 1,4%-7,6%
Conceitos Inflamabilidade
LIMITE INFERIOR DE EXPLOSIVIDADE OU DE
INFLAMABILIDADE (LIE) - “MISTURA POBRE”
Mínima concentração de gás ou vapor que, misturada ao ar, é capaz de
provocar a combustão do produto, a partir do contato com uma fonte
de ignição. Concentrações de gás ou vapor abaixo do LIE não são
inflamáveis, pois, nesta condição, tem-se excesso de oxigênio e
pequena quantidade do produto para queima.
Conceitos Inflamabilidade
LIMITE SUPERIOR DE EXPLOSIVIDADE OU DE
INFLAMABILIDADE (LSI) - “MISTURA RICA”
Máxima concentração de gás ou vapor que, misturada ao ar, é
capaz de provocar a combustão do produto, a partir de uma fonte
de ignição. Concentrações de gás ou vapor acima do LSI não são
inflamáveis, pois, nesta condição,
tem-se excesso de produto e pequena
quantidade de oxigênio para que a
combustão ocorra.
Conceitos Inflamabilidade
LIMITE DE EXPLOSIVIDADE OU DE
INFLAMABILIDADE “MISTURA IDEAL”
Concentração percentual, em volume, de gases ou vapores
inflamáveis no ar, em condições ambiente de pressão e
temperatura, que podem-se inflamar com uma fonte de
ignição. A menor e a maior concentrações de gases ou vapores
no ar que podem-se inflamar indicam, respectivamente, o limite
inferior de explosividade (LIE) e o limite superior de
explosividade (LSE).
Conceitos Básicos
Mistura Mistura Mistura
Pobre Ideal Rica

pouco GÁS muito GÁS


muito AR pouco AR

Não ocorre a Ocorre a Não ocorre a


combustão combustão combustão
Atmosfera de Risco

➢ Os gases tóxicos podem causar vários


efeitos prejudiciais à saúde humana.
➢ Os efeitos dependem diretamente da
concentração ao tempo de exposição.
➢ Podemos citar dois gases bastante comuns:
- Monóxido de Carbono (CO);
- Gás Sulfídrico (H2S)...
Atmosfera de Risco
(Limites)
➢ Os limites dos gases tóxicos em relação ao tempo são dados pela
sigla TLV (Threshold Limit Values) –Valores de limites de
tolerância.
➢ Unidades: partes por milhão – ppm mg/metro cúbico –
mg/m3.
➢ TLV-TWA – Limite de Exposição para um período de 8 Horas
por dia, durante 40 horas por semana;
➢ STEL – (Short Term Exposure Limit) – Limite de Exposição
por Curto Período – 15 minutos.
Monóxido de Carbono (co)
(Origem)
É um gás levemente inflamável, incolor, inodoro e muito perigoso
devido à sua grande toxicidade. É produzido pela queima em
condições de pouco oxigênio (combustão incompleta) e/ou alta
temperatura de carvão ou outros materiais ricos em
carbono, como derivados de petróleo.
➢ É absorvido pelo pulmão até 100 vezes mais
rápido que o O2.

➢ Limite de tolerância para 8 horas: 25 ppm.


Monóxido de Carbono
(Efeitos)
Monóxido de Carbono
(Efeitos)
4000 ppm – Morte;
2500 ppm – Inconsciência;
2000 ppm – Confusão Mental;
1000 ppm – Náusea;
600 ppm – Forte dor de cabeça;
200 ppm – Dor de cabeça;
100 ppm – Limite para instantâneo;
50 ppm – Limite para 15 minutos;
25 ppm – Limite para 8 horas.
Gás Sulfídrico
O gás sulfídrico (H 2 S) é um gás incolor, mais pesado
que o ar, forma mistura explosiva com o ar, altamente
tóxico, possui cheiro de ovo podre em baixa
concentrações e inibe o olfato em
concentrações elevadas.

➢ Limite de tolerância para 8 horas: 8 ppm.


Gás Sulfídrico
(limites).
700 ppm – Inconsciência, danos cerebrais permanentes e
morte se não for removido imediatamente;
500 ppm – Inconsciência, morte – ½ hora;
200 ppm – Tosse e inflamação nos olhos em 1 hora;
100 ppm – Tosse e irritação dos olhos, perda do olfato;
50 ppm – Odor forte de ovo podre;
15 ppm – Limite para instantâneo;
12 ppm – Limite para 15 minutos;
8 ppm – Limite para 8 horas.
Riscos
https://www.youtube.com/watch?v=cxUgdEZSEC8
Gases Asfixiantes
➢ São aqueles que tomam o lugar do
Oxigênio.
➢ Podemos citar alguns mais comuns:
- Nitrogênio (N2);
- Dióxido de Carbono (CO2)...
➢ Alguns gases podem estar presentes
nas três categorias (Inflamável, Toxico e
Asfixiante), como exemplo o
monóxido de carbono.
Atmosfera IPVS !!
(Imediatamente Perigosa a vida e a saúde)

É qualquer condição que cause uma


ameaça imediata à vida, ou que pode
causar efeitos adversos irreversíveis à
saúde ou que interfira com a
habilidade dos indivíduos para
escaparem de um espaço confinado.
Condições:
• Requer um assistente presente e preparado para
entrar imediatamente na área de risco.
• Comunicação contínua entre o assistente e a pessoa
que entrou na área de risco.
• Uso de cinturão apropriado, com corda para permitir
resgate.
Densidade (Importância da Medição)
É a medição de quanto ele é pesado em
relação ao ar.
➢ A Densidade Relativa do gás ou vapor é dado
quando o ar = < >1:
➢Densidade < 1 : Gás mais leve que o ar –
Exemplo: Metano;
➢Densidade =1: Gás igual ao ar Monóxido de
carbono;
➢Densidade > 1: Gás Mais pesado que o ar –
Exemplo: Sulfídrico.
Densidade
(exemplos dos gases mais conhecidos)
Densidade
(Exemplos de gases mais comuns em E. C.)

Podemos citar alguns exemplos:

Metano
Monóxido de Carbono
Gás Sulfídrico
Vapor de Petróleo EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE OXIGÊNIO,
GASES E VAPORES TÓXICOS E INFLAMÁVEIS.
Medidas de Controle
Atmosfera de Risco

Incluem as seguintes etapas:


➢Teste Atmosférico;
➢Ventilação e Limpeza;
➢Equipamentos de segurança.
Teste Atmosférico
➢ Consiste na monitoração da atmosfera
interna, antes da entrada com o monitor
de gases calibrado e verificado antes do
uso, para as concentrações de:
➢ Oxigênio;
➢ Gases Combustíveis;
➢ Gases Tóxicos.
Limites de Alarmes
Monitor de gases, segundo a norma:
➢ Gases combustíveis – 10% do L.I.E.
➢ Oxigênio – 19,5% Vol. E 23% Vol.
➢ Monóxido de Carbono – Inst. – 58ppm
Stel – 58ppm (Limite de Exposição por Longo Período -
8 Horas);
Ltel – 39ppm (Limite de Exposição por Curto Período –
15 minutos).
➢ Gás Sulfídrico – Inst. – 16ppm
Stel – 16ppm (Limite de Exposição por Longo Período -
8 Horas);
Ltel – 8ppm (Limite de Exposição por Curto Período –
15 minutos).
..... Erros comuns em E. C.:
• Quando se utiliza apenas explosímetro,
em áreas inflamáveis onde possam ocorrer
vazamentos que provoquem atmosfera saturada...
Deve-se utilizar oxi-explosímetro.

• Fazer medição de gases tóxicos (por ex. CO -


monóxido de carbono) com explosímetro, com
alegação de que o CO é inflamável. Antes de haver o
risco de Inflamabilidade, o risco é de gás tóxico.
Recursos de Segurança e Resgate...
Equipamento de Proteção Individual
utilizado para trabalhos em altura onde
haja risco de queda;
Com uso de Talabartes ancorado em um
tripé que ofereça opção de resgate em
trabalho em E. C.
Silos Engolfamento
Espaços Confinados:
•Silos
Ventilação Mecânica em E. C.
É o procedimento de movimentar continuamente uma
atmosfera limpa para dentro do Espaço Confinado
Seu objetivo é reduzir a concentração de substâncias
tóxicas e/ou perigosas na
atmosfera do espaço confinado:
A Ventilação pode ser dividida
em 03 categorias:
Ventilação Combinada – Exaustão/Insuflação.
Ventilação Local – Exaustão.
Ventilação Geral – Insuflação.
Ventilação Geral – Insuflação
Consiste em introduzir ar limpo no Espaço,
diluindo a atmosfera e restabelecendo a condição
do Oxigênio. Tem como objetivo manter os níveis
adequados de oxigênio; diluir contaminantes
presentes ou gerados em atividades não
passíveis de exaustão localizada (corte à chama,
goivagem, pintura, etc); prover conforto térmico,
calor ou frio (consequência secundária).
Ventilação Local – Exaustão
Consiste em remover a atmosfera diretamente da fonte
geradora. Tem como objetivo captar poluentes o mais
próximo possível dessa fonte; otimizar a ventilação geral
(consequência secundária); e é um procedimento
aplicável principalmente em soldagem de arco elétrico.

Exaustão / Insuflação: Combinação dos


02 procedimentos anteriores, promovendo
uma melhor qualidade atmosférica.
EXAUSTOR
Ventilação Combinada
(soldagem em ambientes confinados)

Mais

Sistemas de
ventilação
forçada e
exaustão para
ambientes
confinados.
Inertização
Inertização: deslocamento da atmosfera
existente em um espaço confinado por um
gás inerte, resultando numa atmosfera não
INERTIZAÇÃO: combustível e com deficiência de oxigênio.

É A OPERAÇÃO REALIZADA COM A FINALIDADE


DE TRANSFORMAR UMA ATMOSFERA EM NÃO
INFLAMÁVEL, NÃO EXPLOSIVA, NÃO
REATIVA, ATRAVÉS DA DILUIÇÃO DA
ATMOSFERA ORIGINAL, COM UM GÁS
CONSIDERADO COMO INERTE OU NÃO
REATIVO.
Vigia de E. C.
➢ É o trabalhador que se posiciona fora do espaço
confinado e monitora os trabalhadores autorizados,
realizando todos os deveres definidos no
programa para entrada em espaços confinados.
 RECONHECIMENTO DOS RISCOS;
 PREPARAÇÃO DO TRABALHO;
 COMUNICAÇÃO;
 EPI;
 ABANDONO DO LOCAL.
Vigia assassino
https://www.youtube.com/watch?v=v3bCcDWUizQ
Vigia de E. C.
“Itens que protegem...”
Trabalhador Autorizado

É o profissional com
capacitação que recebe
autorização para entrar em um
espaço confinado.
Reinício das atividades
O reinício dos trabalhos em espaços confinados
sempre deve ser acompanhado de nova permissão
de entrada – P.E.T., verificando, principalmente, se
não existe atmosfera de risco.
Conhecendo os Recursos
de Medições
INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO:
CONCEITOS E APLICAÇÃO
1 - Medidor de Stress Térmico
(termômetro de Globo);
2 - Dosímetro de Ruído;
3 - Luximetro;
4 - Multifuncional;
5 - Detector Multigás.
Medidor de Stress Térmico
• Utilizado para análise de exposição ocupacional
ao calor
• Medições:
✓Temperatura de globo
✓Temperatura de bulbo seco
✓Temperatura de bulbo úmido
✓Umidade
• PPRA
• CÁLCULO DE IBUTG ÍNDICE DE BULBO ÚMIDO – TERMÔMETRO DE GLOBO

• ATENDE À NHO 06
Dosímetros de Ruído
• Utilizado para análise de exposição ocupacional
a ruídos

✓Medição SPL (Função


decibelímetro)
✓Cálculo de dose (%)
✓LEQ (Nível de Ruído
Contínuo Equivalente)

• Atende as normas NR 15 e NHO 01


• Software
DIFERENÇA ENTRE AS NORMAS
Dosímetros de Ruído Software
Dosímetros de Ruído Relatório

Configuração Resultados Medições


Luxímetro
• Utilizado para análise de luminosidade em ambientes.
✓ Unidade Padrão: LUX (1 Lux = 1 Lúmen por
metro quadrado);
✓Data Logger;
✓PPRA;
✓PCMSO;
• Norma NBR 5413/2002.
Tabela de LUX
CLASSES DE LOCAIS DE TRABALHO ILUMINÂNCIAS
(LUX)

Mínimo para locais de trabalho onde não se realizem atividades 100 a 150 Lux

Classe I 250 a 500 Lux


Tarefas visuais simples, que não exigem grande esforço

Classe II 500 a 1000 lux


Observação contínua de detalhes médios e finos

Classe III 1000 a 2000 Lux


Tarefas visuais contínuas e precisas

Classe IV Mais de 2000 Lux


Trabalho visual muito preciso, exigindo grande esforço
Multifuncional
• Realiza varias medições direcionadas para
Segurança do Trabalho
✓Temperatura
✓Humidade
✓Luminosidade
✓Decibelímetro
✓Velocidade do ar
• Versatilidade e agilidade das mais variadas medições
Detectores Multigás
• Detecção de 4 tipos de gases simultâneos:
✓O2 (Oxigênio);
✓CO (Monóxido de Carbono);
✓H2S (Sulfeto de Hidrogênio ou Gás Sulfídrico);
✓LEL (Gases Explosivos ,Inflamáveis e
Combustíveis).
• Ideal para a utilização em espaços confinados;
• Intrinsecamente seguro;
• Certificados pelo INMETRO no Brasil;
• Atende a NR 33.
As áreas classificadas...
As áreas classificadas...

Classificação de área (Zonas) segundo a normal IEC / ABNT


International Eleectroteechnical Commission / Associação Brasileira de Normas Técnicas
Os acidentes só existem,
onde falha a prevenção...

DUVIDAS ??
Fale com o professor
spatconsult.com
dhelly.com