Você está na página 1de 181

Manual de Instruções -

Polo

No presente Manual de Instruções estão descritas todas as versões do Polo.


~ ~
-~
-- - ~

~~ ~
~ - - -~
1

Estamos-lhe gratos pela confiança em nós depositada


ao optar por um Volkswagen.
O seu carro e o ambiente
Decidiu-sepor um carro. avançadosobtodos Todas as motorizaçóes são obviamente LI I! ermos de seguranw. v 2-4 novo carro

os pontos de vista. Também em matéria ecológicas. é exemplar, proporcionando um elevado


ambiental. O seu carro foi desenvolvido nível de segurança activa e passiva.
O seu funcionamento é particularmente si-
com a preocupação de preiudicar o menos
lencioso e económico - como é natural, em Activa-desdeo chassisatéà ergonomia no :
possível o ambiente. habitáculo. Passiva - desde a estrutura da
função do seu estilo de condução. Ao longo
Pensamosqueamelhordefesadoambiente deste Manual, damos-lhe algumas indi- dianteira.passandopelohabitdculo.direcção, ',

passa hojepela renbncia de algumas coisas. caçóes sobre a matéria. Consulte. para o volante. bancos. atéaoscintosde segurança
Na construção prescindimos, assim, tanto efeito, a rubrica "Ambiente" no índice re- com pré-tensor nos lugares da frente.
quanto possível, de materiais poluentes. missivo. Tudo isto é o resultado da nossa filosofia de
como, por exemplo, os CFC's nos compo- O seu novo carro foi concebido de forma a segurança.
nentes de pldstico, o e o amianto,
poder ser eliminado um dia. sem sobre- Com efeito, para nbs, segurança significa
Na pintura, renunciámos. em grande parte carregar o ambiente. protecção dos ocupantes.
da nossa produção. aossolventes químicos,
passando a utilizar tintas hidrossolúveis. Os componentes de plástico uma iden- Alguns exemplos:
tificação especial. com vista à sua posterior
reciclagem selectiva. por materiais. A construção da carroçaria de segurança
não só é extremamente estável, como dis-
Alguns destes componentes são já produ- tribui, num acidente grave, a energia de
zidos de material 100% reciclado. impacto, desde a estrutura dianteira à tra-
seira, sistematicamente por diversos com-
ponentes da carroçaria.
A titulo de exemplo, citaremos os perfis de
reforço nas portas, barras de reforço e tra-
vessas especiais.
O seu carro e o Serviço
Para assistir oseu carro, disporá de uma das
mais eficientes organizações de Serviço:
s6 na Europa existem mais de 9000 oficinas
satisfeitas as nossas exigências, Volkswagen qJe traoalnam em conoições
-
oe preço vantajosas e segundo as d recrivas
pela legislação e que, em certos da fábrica.
Compete tamb6m aos concessionários
Vo kswagenzelar qLer~doestejaem ordem
noseLveiculo. proporconand~lheumamplo
ro, uma eficiente protecção dos conjunto de garantias e serviços.
Os concessionários Volkswagen informá-
ubstrutura 6 estável, o assento bem -lo-ão sobre todos os pormenores desses
a sua construção de molde a não serviços e eventuais diferenças em vigor no
, num caso de colisão, que o respectivo país. Queira teraindaematençáo
as instruçóes no Plano de Assistência.
Se tiver dúvidas, sugestões ou críticas a
o dispóe de uma coluna de apresentar. contacte; com chamada paga
no destno. o nosso Serv co oe Assistência
a Clientes. De momento; este serviço s6
está ainda implementado na Alemanha.
Desejamos-lhe óptimas viagens ao volante
istema de airbag da Volkswagen é do seu Volkswagen.

ndutor e o passageiro da frente. Cordialmente


VolkswagenAG
ILITERATURA DE BORDO I

O Manual de Instruções A terminar queremos fazer-lhe um


pedido:
easinstruçõesadicionaisque eventual-
mente venham a ser-lhe entregues de- Quando vender o seu carro. entregue o
verão receber a sua atenção imediata, a livro de bordo completo ao novo pro-
fim de que se familiarize rapidamente prietário, pois a literatura de bordo faz
com o seu veículo. parte do veiculo!
O correcto manuseamento do seu carro
contribui, a par da manutençáo e dos
cuidados periodicamente dispensados,
para a preservação do seu valor. sendo,
além disso, em muitos casos, uma con-
diçáo indispensável do direito&garantia.
Por razões de segurança, é ainda in-
dispensável ter em atenção as infor-
mações sobre acessórios, substitui-
ção de peças e modificaçõestécnicas
na página 132.
lume de equipamentos índice Advertências
ita a descrição do maior volume de Nas páginas seguintes disporá de um ~ . ..~ . .

'pamentos previsto à data da im- índice que contém todas as matérias ::Todos'ostextosim~r~Ò~~.nqgi:
são. E possível que algunsdosequi- descritas no presente Manual de Ins- pgt>reertefundode rede rev$e,m,
entos s6 estejam disponíveis em truções e sequencialmente ordenadas. ":pa'~a'p.oqíveisriscos de atfdbnie
osterior ou que não sejam comer- l ,o&d#ilM&+;:;7rila/ . .
..r;
dos em certos mercados da expor- índice remissivo ,, , , > , . .:. .

No final do Manual encontrará um amplo Os textos impressosa negro referem


0 s equipamentos assinalados índice remissivoapresentadoporordem riscos que poderão dar origem a da-
com este símbolo s6 são monta- alfabética. nos no veículo ou contêm informa-
dos de s6rie nalgumas versões Através dele poderá localizar selectiva- ções particularmente importantes
modelo ou s6 são fornecidos como mente as informações assunto que lhe para o correcto manuseamento do
ias em certos modelos. interessam. seu veículo.

ções sobre defesa ambienta1 Indicações de direcção


Os textos assinaladospor este Todas as indicações de direcção (es-
símboloeimpressos em itálico querda, direita, à frente. atrás) neste
contêm indicações [mportan- Manual se reportam ao sentido da mar-
sobre a defesa do ambiente. cha do veículo.
Semprequeexcepcionalmente haja um
desvio a esta regra, haverá um esclare-
cimento específico no texto.
.
I INSTRUCÓES DE UTILIZAÇAO I
Painel de bordo .............................. 8 Pedais ............................................ 41 Capota ........................................... 77
Chaves .......................................... 10 Travão de máo ............................... 41 Luzes interiores ............................. 78
Fecho centralizado ......................... 11 Caixa de velocidades manual ......... 42 Palas de sol. porta-luvas ................ 79
.
.
Portas .....................
............. 12 Caixa de velocidades automática ... 42 Receptáculo do Livro de Bordo ..... 79
Tampa do porta-bagagens ............. 13 Volante regulável em altura ........... 46 Cinzeiros ....................
............... 80
Janelas ................... .
...
........... 14 Fechadura da ignição ..................... 47 Isqueiroltomada ........................... 80
Espelhos retrovisores .................... 15 Arranque do motor ........................ 48 Porta-bagagens do tejadilho .......... 81
Cintos de segurança ...................... 16 Paragem do motor ......................... 50
.
Sistema de airbag .......................... 26 Instrumentos ................................. 51 [INSTRUÇOES DE CONDUÇÃO
Segurança das crianças ................. 30 Luzes avisadoras ........................... 56 Durante e depois da rodagem ....... 82
Encostos de cabeça ...................... 35 Interruptores ................... .
........ 64 Condução económica e
pouco poluente .............................. 83
Bancos dianteiros .......................... 36 Alavanca dos indicadores e da
comutação de médios/máximos .... 64 Travões ......................................... 86
............................... 38
Banco traseiro
Limpallava-vidros ........................ 65 Bloqueio electrónico do
Porta-bagagens.............................. 39 diferencial (EDS) ......................... ... 88
Aquecimento e ventilação ............. 66
Cobertura do porta-bagagens ........ 40 Direcção assistida .......................... 89
Ar condicionado ............................. 69
Condução com reboque ................ 89
Tecto de correrlabrir ...................... 76
( DADOS TÉCNICOS I
Viagens ao estrangeiro ................. 129 Dados do motor ...............
....... 156
Telemóveis e Performances ............................ 158
emissores/receptores ...................131
Consumo de combustível .............159
Acessórios. modificações e
substituição de peças ...................132 Pressão dos pneus ....................... 161
Pesos ...........................................163
I AUTO-AJUDA Cargas de reboque ....................... 164
Caixa de primeiros socorros. Pontos de fixação do dispositivo
triângulo ....................
..
........... 133 de engate de reboque ..................165
Ferramenta de bordo. Dimensões ...................................166
roda sobresselente .......................134 Capacidades .................................167
Substituição duma roda ................ 137 Dados de identificação do veículo 168
. .
Fusíveis ...................... ........... 140
Substituição de lâmpadas .............143
Montagem do rádio ......................149 índice remissivo ...................... ..... 170
Ajuda de arranque ........................150
Rebocagemhebocagem para .
arranque ...................
. .
..... .
..... 152
Elevação do veículo ......................154
I INSTRUÇOES DE UTILIZA^^^
Painel d lrdo A
1
ador de máximos medi

nstrumentos

H Alguns dos equipamentos indicados fazem apenas parte de


determinadas versões do modelo ou são equipamentos extra.
H Nos velculos com direcção à direita alguns dos comandos tem
uma disposição diferente. Os respectivos símbolos são. porém,
iguais aos dos comandos dos veículos com direcção à esquerda.

'' Os veículos com rádio montado de fábrica trazem as respectivas


instruçóesdparte. Nocasode montagem posteriorde um rádio deverão
ser observadas as instruç6es do capítulo «Auto-ajuda. página 149.
Ghaves
Nota
A etiqueta de plástico deverá ser guar-
dada em local seguro, pois só indicando
orespectivonumerosepodemsubstituir
as chaves.
Quandovenderoveículo, entregue também
esta etiqueta ao novo proprietário.
Imobilizador electrónico
rigo de acidente1 O imobilizador impede o arranque abusivo
do seu vetculo por intermédio de estranhos
Só retire a chave da f
de o veículo estar im O protector da chave contbm um chip, atra-
Com o veiculo são entregues duas chaves1' vésdoqual éautomaticamentedesactivado
A que servem em todas as fechaduras. e contrário, o bloqu
o imobil~lzador,quando se liga a ignição.
Além disso, é entregue uma etiqueta de O sistema 6 automaticamente activado
plásico B mencionanao o nLmero da chave quando se extrai a chave da igniçso.
e o c6d:go secreto ao imobilizador.
Duplicados da chave Nota
Porra~õesdesegurança~sÓ~oderáobterPoressarazao,r6épossíveldararranque
duplicadosdachave num concessionário ao motor com a h
.,ave
Volkswagsn. Volkswagen.
Etiqueta Só com chaves originais Volkswagen é
A etiqueta de plástico contém O número da possível garantir a perfeita operaciona-
chave indispensável B confecção de um !idade do seu veículo.
duplicadoeo código secretodo imobilizador.
'1 Em certos mercados da exportaçáo sáoforne- S6 a parttr desse número é possivel en-
cidas 4 oliaves. comendar umduplicadonumconcessionário
Volkswagen.
1 Fecho centralizado
Através do fecho centralizado, quando se Nota
abreme fechamas portasdianteiras, podem Atenção
sertrancadasoudestrancadas. emconjunto. Em caso de avaria do fecho centralizado. H Com o veículo trancado por fora,
todas as portas e a tampa do depósito, e. todasasfechaduras,comexcepçãoda tampa deixa de ser possível abrir qualquer
conforme a posição da fechadura da tampa do depósito, podem ser accionadas das portes por dentro com o botão de
do porta-bagagens. também esta última. normalmente.
tranca. pelo que, nestas condiçóes,
Quando se destrancam as portas, todos os Desbloqueamentodeemergênciadatampa não se devem deixar pessoas, nomea-
respectivos botões sobem. do depósito, ver página 93. damente crianças, dentro do carro.
Esta recomendação aplica-seespecipl-
Quando se trancam, os respectivos botões Abertura independente da porta do mente aos veículos com elevadores
devem descer. Se isso não acontecer em condutor ou do passageiro -
eléctricos dos vidros ver tamb6m
qualquer uma das portas, dever-sedvoltara O fecho centralizado está preparado para a página 14.
abri-lae premiro respectivo botão da tranca. possibilidade de só se abrir a porta do W Ouandoépremidoo botáodatranca
As portas podem ser também trancadas, condutor ou do passageiro. sem destrancar da porta docondutoroudo~assaaeiro,
OS restantes sectores. todas as restantes portasficamtam-
premindo os respectivos botões. Com a
porta do condutor. ficam também trancadas W Para destrancara porta docondutoroudo b6m automaticamente trancadas.
todas as restantes portas. passageiro, rodar a chave uma vez. Como, por6m. com as portas tran-
A porta do condutor aberta não pode ser H Para destrancar todas as portas, o porta- cadas, poderé ser dificultada. numa
trancada, premindoo respectivobotão. Evita- bagagens e a tampa do depósito, rodar a emergancia, uma ajuda do exterior,
-se, assim que o carro fique, por descuido, chave duas vezes seguidas. não se deverão deixar nunca crianças
trancado com a chave na ignição. sozinhas dentro do carro.
Para mais informações e relativamente h
activação desta possibilidade. consulte um H O bloqueiodasportas poderá impe-
concessionário Volkswagen. dir a sua abertura em condições espe-
ciais de acidente. Com as portas tran-
cadas,evita-setambám o acesso inde-
sejado pelo lado de fora-por exemplo
nas paragensnos sem8foros. Poderão
dificultar, contudo, temb6m a acção
dos socorristas num caso de emer-
gancia.
Portas
As portas do ladodo condutore do passageiro
podem ser abertas e fechadas por fora.
com a chave.
Ao abrir, o botão da tranca sobe. ao fechar,
desce. ... . . . .
A porta do passageiro e as portas traseiras Com. ,as portas trancada6 evita-se
:~~B$fi*~,a~i~d~i~bpeio
também podem sertrancadas porfora, sem
chave: basta premir o botãoefechara porta. -
de fora ~or"b%hnirilo'icas^b;aiagens

A porta do condutor não pode ser trancada


atrav6s do botão, estando aberta. Evita-se.
assim, a possibilidade de trancar o carro,
com a chave na fechadura da ignição.
Tampa traseira
Pelo iado de dentro. todas as portas são
Quando a fechadura tem a ranhura na trancdveis. premindoosrespectivosbotões.
posição horizontal (a], a tampa traseira é
automaticamente trancada e destrancada Com OS bOtbes premidos, é possível
por intermédio do fecho centralizado. A abrir nenhuma das Portas. nem Por dentro.
tamoa oode ser. além disso, trancada e nem por
desiran'cada, isoladamente, com a chave.
w Se se retirar a chave na posição vertical
(b),atampaficapermanentementetrancada,
depois de fechada, s6 podendo ser então
destrancada com a chave.
Para destrancar a tampa, rode a chave para
a direita, at6 encostar (c1 e, mantendo-a
nessa posição, prima o botáo.
Tampa traseira

Para abrir a tampa. com a ranhura da chave , .


na posiçáo horizontal, remir o cilindro da
fechadira e levantar a tampa.
Para fechar, baixar a tampa, puxando-a, de
prefergncia, pela reentrgncia no revesti-
mento da tampa traseira e batê-la com um
ligeiro impulso.
A tampa traseira encontra-se trancada se a
ranhura da fechadura estiver na posição
horizontal.
Janelas*
I
I • Para abrirosvidros, carregar continuamente
na superfície inferior do respectivo
interruptor.
Elevadores mecânicos
Os vidros abrem-se e fecham-se com as
manivelas colocadas no revestimento da
Para fechar os vidros, carregar continua- porta.
mente na superflcie superior do respectivo
interruptor.

Atenção

1
4
Cuidado ao fechar os vidros1
Q manuaeamento inadvettido ou de*
BeN.omc controladodosvidrospodedarorigem
a entaladuras.
Elevadores eiectricos aos vidros*
Por isso, quando abandonar o veículo
Os interruptores têm a seguinte l0callZa~ã0 retire sempre a chave da ignição.
na consola central
a - porta do condutor
b - porta do passageiro
Os comandos dos vidros funcionam com a
ignição ligada.
Nota
Os vidros traseiros são abertos e fechados
com as respectivas manivelas no revesti-
mento das Dortas.
Espelhos retrovisores
Ajustamento dos espelhos Indicação sobre o uso de retrovisores
exteriores convexos ou asféricos*
Os espelhos retrovisores devem ser ajus-
tadosantesdesep8rocarroemandamento. OS retrovisores exteriores convexos (com
a fim de garantir a visibilidade para trás. curvatura para fora1 aumentam o camuo
v : s ~ afazenoo,
. porém. parecer os object'os
Retrovisor interior anti-encandeamento mais pequenos. Por isso estes esoelhos
Aoajustaro espelho retrovisornasua posição só são relativamente adequados para
básica. a alavanca colocada no rebordo infe- calcular a distância a que seguem os
rior do espelho deve ficar apontada para a carros na retaguarda.
frente. Os espelhos asféricos têm uma superfície
Para evitar o encandeamento, empurrar a dividida com diferentes curvaturas. Estes
alavanca para trás. espelhos aumentam o campo de visão
0 s retrob.,, ,-*r de regulação ainda mais do que os convexos e são
O retrovisor exterior de regulação mecâ- ainda mais inadequados para calcular a
nica pelo interior é ajustado. girando o eléctrica* sao a;~sradospremindo soure o
rebordo do respectivo botão, instalado na distância que separa os carros da reta-
comando no revestimento da porta. guarda.
consola central.
Premindo os dois botões inferiores L ou R, Desembaciador dos espelhos
éfeita a comutaçãoao espelho da esquerda retrovisores*
ou ao espelho da direita.
Os retrovisores exteriores de comando
No caso ae falha aa reg~laçaoe Bcrrica dos eléctrico são aquecidos sempre que se liga
retrov Sores exrerores. é ~oss've.reaJ 5- o desembaciador do vidro traseiro.
-10s manualmente, exercendopressão&bre
o rebordo.
1 Cintos de segurança
Finalidade dos cintos de segurança
Está provado que os cintos de segurança
proporcionam boa protecção em caso de
acidente. Por isso,oseuusoBobrigatório
na maioria dos paises.

w e s dp empreender qualquer via-


gem, mesmo na cidade, dever8 colo-
..
. . , ,., :- ~.
. ~arocintodes8aufa~ca.l~o6tambBm
.
:ig@@d#fi:iapq qc~&ilt@9.dólbanco,
~

, . .
:tia's'er4'0.;
I . , .. . . ~;!.
I ',, ' ., , ,
A figura representa um veiculo que colide A velocidade do veículo é, porém, o factor
TanibBmassenk6~asgrBvidasdevarão' contra uma parede. Osocupantesnáotrazem
~coloc8rsempre:o cinto?deisegurança. mais importante. Se, por ex'emplo, se dupli-
o cinto de segurança colocado. cara velocidade de 25 k m h para 50 km/h, a
Só aei-m se a.segurar8 a melhor pro- energia cinética aumentará quatro vezes!
tecçãio powivel da criança que eat8 O princípio físico de uma colisão frontal é
paranaSdérl Ver mais poimenores na fácil de explicar: Como no nosso exemplo os ocupantes não
p8gina 22. estavem protegidospelocintodesegurança.
Assim que o veículo entra em movimento, toda a energia cinética dos ocupantes s6
Para que o cinto seia eficaz, B da produz-se energia cinética quer no pr6prio
velculo. quer nos ocupantes. será contraposta, em caso de colisao, pela
máxima importancia a sua colocação parede. A consequ8ncia seriam graves
correcta. Dela se fala nas ~giainasóe-
Adimensãodessaenergiacinéticadepende lesbes que poriam inclusivamente as suas
guintes.
fundamentalmentedavelocidadedoveículo vidas em risco.
e do peso do veículo e dos ocupantes.
Sobre a forma mais segura de transportar
crianças, ver a página 30. Quanto maior for a velocidade da marcha e
o peso, tanto maior será também a energia
que será necessário neutralizar em caso de
acidente.
Numa colisão frontal os ocupantes não E tamb6m importante aue os ocuoantes
,~
do.
protegidos com o cinto de segurança são banco traseiro uri izem'os cintos. pois. em
lançados em frente, embatendo descontro- caso de acidente. são incrontro avelmente
ladamente nos componentesdo habit6culo. pro;ectados no habirac~o. correndo sbros
p. ex. contra o volante, o painel de bordo ou rscos ae lesão e pondo tamoem em oeriao
o pára-brisas. a integridade dosocupantes da frenfe.
0 s passageiros sem cinto de segurança
podem ser. em certas circunstâncias, inclu-
sivamente arremessados para fora do
veículo, sofrendo lesões que podem ser
fatais.
Aopiniáogeneralizadadeque,numacidente
ligeiro, 6 possível amortecer o impacto do
corpo com as mãos, é errada. Já a baixas
velocidadesdeimpacto, ocorpoé submetido
a forças não amortecíveis.
I
I INSTRUÇOES DE UTILIZAÇAO

Os ocupantes que utilizam correctamente o Nasp2ginasanterioresmostrámos-lhecomo


cinto de segurança beneficiam, em grande os cintos de segurança actuam num aci-
medida. do facto de a energia cinética ser dente.
absorvida de uma forma optimizada pelos As de acidentes comprovaram
cintosdesegurança.Alémdisso,aestrutura que o uso do cinto de segurança diminui o
da parte dianteira do veículo e outras
características de segurança passiva do seu risco de lesóes aumentando as probabi-
lidadesde sobre;ivênciaem acidentes mais
veiculo, como, p. ex. o sistema de airbag,
contribuem para a redução da energia graves.
cinética. A energia que B criada é assim Por esta. razão na maior parte dos países. o
reduzida. minorando o risco de lesóes. cinto de segurança é de uso obrigatório.
Os nossos exemplos descrevem colisóes Nas páginas seguintes descrevemos-lhe a
frontais. Evidentementequeestesprincípios forma correcta de colocar os cintos de se-
Os cintos de segurança protegem físicosseaplicamtambématodososoutros gurança bem como o modo de funciona-
tipos de acidente e nos veículos equipados mento do airbag.
Os cintos de segurança correctamente co- com airbag,
locados mantêm os ocupantes numa posição
correcta e reduzem significativamente a E, Por isso. indispensdvel que coloque
energia cinética. sempre o cinto de segurança, mesmo que
só tenha de ir, num instante, "ali adiante".
Além disso. evitam OS movimentos descon- Certifique-se também de que os seus
trolados que poderáo, por sua vez. estar na passageiros colocaram correctamente o
origem de graves lesões. cinto.
-
INSTRUÇOES DE UTILIZAÇAO I

Advertências
-
H Antes de empreender qualquervia-
gem, mesmo na cidade, deverá colocar
o cinto de segurança. Esta medida
aplica-se também aos bancos tra-
H Em andamento manter os pés
sempre no espaço próprio, sem os co-
kcar nunca no painel de bordo, nem
m cima do banco.
I Ocintodeverá ser mantidolim~o,a
seios. m de que não seja afectado o funcio-
todoanroladorautomático (ver
Aeficácia de protecção máxima dos ta n o capítulo "Conservação do
cintoss6é atingidacom asua correcta veículo").
colocação.
H A recepçao da lingueta do fecho
H Certifique-se de que os cintos de não deverá estar obstruída por papel
segurança foram colocados exacta- oucoisasemelhantequepossaimpedir
mente conforme se descreve no pre- H A faixa do cinto de segurança não o seu respectivo encaixe.
sente capítulo. deverá apoiar-sesobre objectosduros H Verifiaue regularmente o bom
A colocação do cinto de segurança, ou frágeis I6culos. esferográficas, estado dos cintós de segurança. Se
por exemplo, por baixo do braço au- chaves, cachimbos, etc.1 porque po- detectar danos na faixa do cinto, nas
mentaria significativamente os riscos derá dar origem a ferimentos. ligações, no enrolador automático ou
de lesão em caso de acidente! H O vestuário grosso e solto (como no fecho, deverá mandá-lo substituir
por exemplo um sobretudo por cima num concessionário Volkswagen.
H A faixa do cinto de segurança não
pode ficar entalada, retorcida, nem do casaco1 impede que o cinto fique
roçar em arestas vivas. bem assente, obstruindo o seu correc-
t o funcionamento.
H O mesmo cinto não deve ser nunca
utilizado por duas pessoas, simulta- H Aeficáciade ~roteccão máximados
cintoss6 éatinéida cóm uma correcta
neam,ente (mesmo que sejam crian-
çasl. Eespecialmente perigosocolocar -
posição do assento ver página 36.
o cinto numa criança transportada ao
colo.
L INSTRUÇ~ESDE UTILIZAÇÁO

Como colocar correctamente os


w Os cintos de segurança não podem
de
ser desmontados nem submetidos a
qualquertipodealteraçóes. Nãotente, cintosautomáticos de três pontos
reparar um cinto de segurança, peles
suas próprias mãos. Antes de colocar o cinto de segurança,
comece por ajustar o banco dianteiro de
Oscintosdesegurançasubmetidos, acordo com a sua estatura -ver a página
num acidente, a u m grande esforço e, 36.
porisso, alargadosterão desersubsti-
tuidosnumaoficinaautorizadaVolks- Quando puxados lentamente. estes cintos
wagen. permitem uma total liberdade de movi-
mentos.
Deverão ser verificados, além disso,.
0s P ! Em caso de travagem brusca, o cinto fica
6 ; bloqueado, o mesmo sucedendo na W Para colocar, puxar o cinto pela I
aceleração, em pendores pronunciados e do fecho. com movimento lentoe un
Nota nas curvas. passando por cima do tórax e da ba
Em certos países poder20 ser utilizados cin-
tos de segurança com um funcionamento ~ t ~ ~ ~ á ~
diferente do descrito nas páginas seguintes encaixe (prova de tracção).
Em caso da acidente os cintos de se-
para os cintos automáticos e abdominais. gurança só poderão oferecer uma
protecção optimizada se os encostos Atenção
dos bancos se encontrarem numa A lingueta do fecho
duzidano raspeetiv
.
1 *
r, cente a esse lugar
eficácia da protacç
f comprometi.i*
aumentar!

20
h
H PararegJaraaltura,deslocar entamente
para cma ou para baixoooisposirivo 'nversor
comprimidoem cima. nosenr doda seta. de
modo a que a faixa do omoro passe pelo
centro dele, conforme se vê na fgura aa
pdgina anterior - nunca sobre o pescoço.
H Uma vez aj~staoo.verficar se o cinto
encaixo^ devidamente. p~xando-ocom um
esticão.
Nota
N~~ bancos da frente6 poss[vel ajustar o Para ajustar a faixa do cinto, pode-se utilizar
cinto6 estatura do por meiodo também nos bancos da frente o dispositivo
dispositivo de regulaçáo do cinto em de regulaÇá0 dos bancos e m altura*.
altura.
I . O cinto abdominal d&arh mssar

cbrpo. Se necesshrio, reape&;cafaixa


do cinto.

seauranca aue convem 'a6e fiaue

pontos
O banco central traseiro está equipado com
Premir a tecia cor de laranja na recepçáo;lo um cinto abdominal,
fecho. A lingueta solta-se pelo efeito duma
-dl
,,,-,". Os fechos destes cintos funcionam de um
modo idênticoao dos cintosautomáticos de
Reconduzir a lingueta com a mão até ao seu três
lugar, a fim de que o enrolador automático
recolha o cinto mais facilmente. Um bota0 Por razões de segurança, o cinto abdominal
de plástico mantém a lingueta na posiçáo deverá estar sempre introduzido no
mais conveniente. respectivo fecho, quando náo for utilizado.
--

[ INSTRUÇÓES DE UTILIZAÇAO
-

Paraoalargar, dever-se-á mantera lingueta Para o encurtar. basta puxar pela extremi- Suporte do cinto
em ãngulo recto em relação A faixa do cinto dade livre do cinto.
e puxá-la at4 esta ficar com o comprimento Para evitar ruídos de batimento e danos, as
desejado. O excessode comprimento4 recolhido pelo linguetas dos fechos dos cintos exteriores
cursor de plástico. devem ser introduzidas nas aberturas do
O ajustamento do cinto 4 facilitado, pre- revestimento lateral doencostotraseiro nas
mindo, uma de encontro A outra, no sentido versões de 4 portas ou, nas versões de 2
longitudinal, a lingueta e a cobertura do portas, sob os suportes, ao lado dos botões
fecho. desbloqueadores (ver figura) do encosto
traseiro.
o . ::
i I . Notas
'lenção ,z?,n%a+$striiiia::a
~ , , ~ i ~ ~ ~ ; : i.,*:
w & j ~ ~ e.~: & Quando o pré-tensor é disparado, e liber-
iisam
~ 4&im ~ a' montagem e deSmdn-r;i tado fumo. o que não indicia qualquer
do sistema
execução de'outras reparações
.
,,ar&$&n
>i:F"
incendio no veículo.
:6 4 Se o veículo ou alguns dos. seus com-
kodemseraxecutados~orumaofici.a"l ponentes forem dados a sucata, é indispen-
autorizada Volkswagen. , . sável terem consideraçáoestas~rescricões
de Segurança. que são do conhecimento
dos concessionários Volkswagen.

.o. si&
~~t~.,4..~qcpqcpy$ri~..p~brti?~~r.
, .
,?eP.a:.,l: !,.::, . , ,. ., ,
,:, L : .I. %.,< .
$ : ~ ~for. i vénaia&,
~ & ~:o,
presente Manuald@lnstiu'@(wdc~~er8
de l
Os veículos equipados com sistema de O sistema de airbag não é activado nos O sistema consiste essencialmente dos
airbag para ocondutor e o passageiroestão seguintes casos: seguintes componentes:
identificados com o logotipo "AIRBAG" na colisões laterais W unidade electrónica de comando e
placa almofadada dovolante edo ladodireito controle
do painel de instrumentos. W colisóes traseiras
dois airbags (sacos de ar com gerador de
O sistema de airbag frontal proporciona. W capotamento gás para:
em complemento do cinto de segurança
detréspontos. "ma prorecção aa c'ona na W colisões frontais ligeiras - o condutor (no volante)
zona dócrânio e do tórax do condutor e do O airbaa- não é um substituto do cinto de - o passageiro (do lado direito do painel de
passageiro, no caso duma colisão frontal segLrança, mas apenas Jm componenre ao bordo)
violenta. sstema ae sewrança gooal do ve'c.. o.
Deverá não esquece; nunca que a eficácia W luz avisadora no painel de instrumentos
Além da sua função normal de protecção, os
de protecçáo máxima do sistema de airbag -ver página 57.
cintos de segurança têm. em combinação
com o sistema de airbag, também a missão só se atinge através da sua conjugação com
de manter. numa colisãofrontal. o condutor os cintos de segurança.
e o passageiro nJma posiçao qLe perm ra a A operacionalidade do sistema de airbag
Por isso os cintos de segurança devem é electronicamente controlada.
ma or protecçao possivei arraves ao a rbag ser sempre utilizados, não apenas por
imposição do código, mas também por A - z abisadora acende-se d ~ r a n t ecerca de
Atenção razões de segurança! 3 segLnoos Ia-todiagnósr co) sempre qJe
se liga a ignição.
A eficácia de protecção máxima dos Observe, a este respeito, as instruções
cintos e do sistema de airbag só 6 referidas nas páginas 16 a 24.
atingidacom uma correctaposiçãodo
-
assento ver página 36.
Haverá uma avaria no sistema quando a
luz avisadora
se não acender quando se liga a ignição
se não apagar ao fim de cerca de 3
segundos depois de ligada a ignição
se apaga e volta a acender-se depois de
ligada a ignição
se acender ou entrar em intermitência
em andamento.

Atenção
Nocasodehaver uma avaria,osistema Funcionamento O saco de ar foi concebido de modo a
deverá ser verificado, sem demora, O sistema de airbag está concebido de permitir uma evacuação controlada do gás,
por uma oficina Volkswagen. De con- .formaadispararnumacolisáofrontalviolenta. sob a pressáo exercida pelos ocupantes,
trário, haverá o risco do airbag não amortecendo-lhes suavemente a cabeça e
actuar, em caso de acidente. A zona de actuação do sistema esta repre- o peito. O saco de ar fica então suficien-
sentada na figura. tementeesvaziado para permitiravisibilidde
em frente.
Quandoosistema Bactivado. os sacosde ar
enchem-se com gás, à frente do condutor e O enchimento do airbag efectua-se numa
do passageiro. fracção de segundos, a fim de proporcionar
num acidente uma protecçáo adicional.
Ao mergulhar nosacodear cheio (verfigura
da direita) o movimento em frente do con- Quando o airbag B detonado. é libertado um
dutor é amortecido, reduzindo-se o risco de p6 fino que é perfeitamente normal e não
lesão na zona craniana e torácica. deve ser considerado como indício de um
incêndio no veículo.
a

Recomendações

dos ocupantes (ver phgina 36).

TambBm não poderão ser fixados.


crianças podem ser nunca quaisquer dispositivos, tais como Nota
SuPol*detelem6veisoudabebidas*
transportadas sem protecção nos
80s nY6du10sdo airbag, se o ve,culo ou algunsdos seus
bancos dianteiros. Se 0%: caso de nentes forem dados h sucata, é nec
acidente o sistema de'airbag for ter em consideração as respectivas
detonado, as crianças p+dertiÒ Rcar crições de segurança, que são do c
gravemente e feridas ou sucumbir.ao
acidente.:\Hgr m.ais pormenores no
capitulo "Segurança das crianças, a
partir da página 30.

28
a L
Particularidades com o airbag do Haver6 uma avaria n o sistema quando a

.
passageiro desligado luz avisadora
Oseuveículodispóedapossibilidadetécnica se "O acender Ou se piscar quando se
de desligar o airbag do passageiro - p. ex. liga a 'gnição
quando se utiliza um assento especial para se não apagar ao fim do tempoacima
crianças em que estas viajam de costas

.
indicado, depois de ligada a ignição
voltadas para o sentido da marcha. no banco
do passageiro. ¤ seapagarquandose liga a ignição evoltar
a acender-se
Assim que o assento para crianças deixar
de ser utilizado,o concessionário volks. se acender ou entrar em intermitgncia
wagen deverá reactivar o airbag do em andamento.
passageiro.
Se utilizar assentos especiais para crian- Atenção
ças, é imprescindível que respeite as Nocasodehaverumaavaria,osistema
instruçóes do capitulo «Segurança das dever8 ser verificado, sem demora,
crianças*, a partir da página 30. por uma oficina Volkswagen. De con-
tr8rio. haver6 o risco doairbag não
Aoperacionalidadedo sistema de airbag é
também electronicarnente controlada, actuar, nocasodeumacolisáofrontal~
mesmo com o airbag do passageiro
desligado.
A luz avisadora acende-se durante cerca de
3 segundos e pisca depois durante 12 se-
gundos iautodiagnõstico) sempre que se
liga a ignição.
"
I INSTRUÇÓES DE UTILIZAÇAO

Segurança das crianças


AS crianças com menos de 12 anos de-
Atenção Umsistemaderetençãoapropriado
verão ocupar, em regra, o banco trasei- poderá proteger eficazmente o seu
ro'). Consoante a idade, a estatura e o Todososocupantes, em especial as
crianças, terão de utilizar o cinto de filho1
peso, deverão ser ali seguras por um
sistema de protecção especial ou por segurança em andamento. Não deixe uma criança sozinha
meio doscintos de segurança do próprio Não consinta que o seu filho viage instalada num assento para crianças
carro. Por razões de segurança, os sis- dep6 ou ajoelhado no banco, pois, em
temasde retençãoespeciaisparacrianças As crianças com uma estatura inf
caso de acidente, poder8 ser arremes- rior a 1-50 m não poderão ser segur
devem ser instalados no banco traseiro, sadoviolentamente dentro do carro e
ao centro ou atrás do passageiro. com u m cinto de segurança norma
sofrer ferimentos fatais. pois,decontr8rio,poder-se-áoreg
Osprincípiosfísicosde um acidente,des- W Se em andamento as crianças se lesões a nlvel abdominal ou do
critos nas páginas 16 a 18, aplicam-se debruçarem para a frente ou assumi- coço.
obviamente tamb6m as crianças. rem Úma p&ição incorrecta, ficarão
Ao contrário dos adultos, a massa mus- expostas a maiores riscos em caso de
culareaestrutura ósseadascriançasnão acidente. Isto aplica-se particularmen-
seencontramaindatotalmenteformadas, teBscriancastransportadas no banco
pelo que as crianças estão sujeitas a do passageiro quando o airbag 6
maiores riscos de lesão. detonado, o que poder8 ter conse-
quhcias graves ou at6 fatais.
Para reduziressesriscos,ascriançasterão
de ser obrigatoriamente transportadas
em assentos especialmente concebidos
para esse efeito!

'1 Ter em atençáo a eventualidade de legislaçáo


diferente.
ÇO poderão ser utilizados sistemas oficial-
mente homologados e adequados A
respectiva criança,
Sobre esta matéria foi aprovada a norma
ECE-R" 44, segundo a qual os sistemas
estão divididos em 4 classes, de acordo
com o peso das crianças.
Classe 0: 0 - 10 kg
Classel: 9 - 1 8 k g
Classe 2: 15 - 25 kg
Classe 3: 22 - 36 kg
Classe 1
OSassentos es~eciaisDara criancas homo- Atenção
;gados de acor'do com a norma ECE-R 44, S6 pode ser utilizado u m assento es- Para oeo6se cr ancas com Jm peso entre 9
osrentam essa mesma marca (um E ma LS- pecialparacriancasemaueestasviaj- e 18 ng recomenda-se a uri. zaçáo ae
culo inserido num círculo, com o número de am de-costasvoltadas para o sentido assentos com mesa de segurança - ver
homologação por baixo). da marcha, no banco do passageiro figura - ou assentos em que a criança é
depois de pôr fora de funcionamento instaladadecostasparaosentidoda marcha.
Classe O o airbag do passageiro, pois, de con-
para bebés com um peso até 10 kg reco- trhrio, haver8 risco de lesão para a
menda-se a utilizaçáo de porta-bebés de
inclinação ajustável (figura da esquerda). O seu concession8rio inform8-10-8
sobre a possibilidade de uma trans-
formação.

Assim aue o assento para criançasdeixar


" Reg. amento oa Com ssáo EconOm ca E~ro- de ser utilizado, o concessionário Volks-
pe a wagen reactivará o airbag do passageiro.
Atenção Atenção
Só pode ser utilizado um assento es- O cinto deverá passar por cima do
peÊial para crianças em que estas via- -
meio do ombro nunca por cima do
iam de costas voltadas para o sentido
da marcha, no banco do passageiro
.
oercoco.ficando
. -
bemcinaido aocomo.
O cinto abdominal deverá ficar bem
depois de p6r fora de funcionamento aiustedo. iunto B bacia-e não sobreo
o airbag do passageiro, pois, de con- ábd6me; da criança. Reesticar, se
trário, haverá risco de lesão para a necessário, o cinto de segurança.
criança.
O seu concessionário informá-lo-á
sobre a possibilidade de uma trans-
formação.
Classe 2
Assim oue o assento oara criancas deixar Para crianças com um peso entre 15 e 25 kg
deser itilizado, o concessioná;io Volks- os assentos mais adequados sáo os que
wagen reactivaráoairbagdopassageiro. podem ser usados com os cintos de se-
gurança de três pontos.
Atenção
O cinto dever8 passar por cima do
-
meio do ombro nunca por cima do
pescqp,fioando bemcingidoao wrpo.
O cinto abdomial dever& ficar bem
-
ajustado, junto a bacia e não.sobre o
abdómen da criança. Reeoicar, se
nèces'sário, o cinto de seguian'ça.

A partir de 1.50 m de estatura as crianças


poderão usar os cintos de segurança
existentes no carro, sem almofada.
Classe 3 Atenção
As crianças com um peso entre 22 e 36 kg Em caso algum se devem transportar
e uma estatura inferior a 1.50 m deverão crianças, mesmo que sejam bebés, ao
utilizar almofadas de segurança e o cinto de colo dum adulto.
três pontos do carro.
Em relação à utilização dos cintos, ver
também o capítulo "Cintos de segurança".
. .
Notas , ,..., .
Atancão .' .,, . ..:,!
Recomendamosa utilizaçaode assentos
especiais para crianças do Programa de
Acessórios Volkswagen à venda nos tivos especiais para o transporta de
concessionArios Volkswagen sob a desi- criançasqueutilizam amesmafixacád
gnação comercial "Bobsy"ll. Estes disposi- dos cintos de segurança do carro;
tivos e assentos preenchem todos os dever-se-ão ter cuidados especiaiq;
requisitos indicados,tendosido,além disso, Certifiaua-se da aue os oarafusos têni
especialmente desenvolvidos e testados o mesmo comprihento'da perfuraçã4 '
para os velculos Volkswagen. al6m de roscada e aue o bin8rio de aoerto 6 de
satisfazerem a norma ECE-R 44. 40 Nm.
N~ e dum :.%:.Dever-se-á verificar a correcta,:
assento especial devem ser observadas colocação do cinto de segurança,.
' 'devendo-se atentar, al6m disso, a que
as prescrições legais e as instruçõas do
respectivo fabricante. o cinto não seja danificado por
ferragens c o d arestas vivas.
, ,., ,
S6 se pode instalar uma criança em
cada sistema espacial de retençáo.

'1 Náocomercializadosemtodososmercadosda
exportação

34
-
INSTRUÇOES DE UTILIZAÇAO
"
1
Encostos de cal *

0 s encostos de cabeça são reguláveis em Desmontagem e montagem Encostos de cabeça dos bancos
altura e deverão ser ajustados, de harmonia desportivos Recaro
com a estatura do utente. Os encostos de Para desmontar um encosto de cabeça.
cabeça devidamente ajustados proporcio- puxá-lo para cima at6 ao batente, premir a Afastar os estofos e puxar as duas molas de
nam, juntamente com os cintos de segu- tecla (seta) e extrair simultaneamente o engate(seta)simultaneamenteparaafrente.
rança, uma protecção eficaz. encosto de cabeça. O encosto de cabeça deverá ser extraído
por uma segunda pessoa.
Ajustamento e m altura Para voltar a montá~lo,introduzir as hastes
do encosto nas guias, at6 ouvir o ruído do Para montar, enfiar primeiro os encostos de
Pegar no encosto com ambas as mãos, encaixe. cabeças até ao fundo, ajustando depois a
lateralmente, e deslocá-lo para cima ou para respectiva altura.
baixo.
A maior eficácia ae protecção 6 ootida.
a:-srando o rebordo sJper or pelo menos a
aitura dos olhos ou numa mais alta.
Bancos dianteiros

Uma correcta posição é importante para: Banco do condutor Banco d o passageiro


- umacesso seguro e rápidoaos elementos Recomendamos a seguinte regulação do Recomendamos a seguinte regulação
de comando banco do condutor: banco do passageiro:
- uma posição descontraldae não fatigante - Ajustar o banco do condutor no sentido - Colocar o encosto numa posição erec
para os ocupantes longitudinal de modo a permitir que pise - Colocar os p6s confortavelmente na zo
- cintos
um efeito máximo de protecção dos
de segurança e do sistema de
os pedais at6 ao fundo, com as pernas
ligeiramente flectidas.
que lhe está destinada.

airbag. - O encosto do banco do condutor deve ser - Afastar o banco para a posição m
recuada posslvel.
regulado de modo a que ele chegue ao
Atenção ponto maisaltodovolante, com os braços
ligeiramente flectidos.
Os bancos dianteiros não devem
ficar, por isso, demaslado próximo do
volante ou do painel de bordo. Atenção
W Em andamento manter os p6s Não poder6 haver nunca objectos na
sempre no espaço próprio, sem os zona dos p6s que, numa manobra de
colocar nunca no painelde bordo, nem travagam súbita ou de um acidente,
em cima do banco. possam obstruir o acesso aos pedais,
impedindo o condutor de travar,
embmiar ou a q 1 . e ~ .
Ajuste o banco conforme se descreve nas , .
páginas seguintes.
-

I
I Regulação do banco no sentido Aliviar a pressão sobre o assento e puxar a Desbloqueamento do encosto
longitudinal
Levantaraalavancaefazerdeslizaro banco.
alavanca para cima. O assento inclina-se
para cima. Sese pretenderajustaroassento Versões de * portas)
para baixo, comprimi-lo nesse sentido com Puxar para cima a alavanca, de lado, no
Soltar depois a alavanca. continuando a o peso do corpo,
deslocar ligeiramente o banco, at6 sentir o encosto e rebater o encosto para a frente.
Banco traseiro

Para siiiipl,dr a capacidade do porta-baga- Rebatlmento do banco Recolocaçao ao Danco na sua


gens, 6 posslvel rebater o encosto e o posição normal
assento; nos velculos com o banco traseiro Levantarligeiramenteocoximdoassento
divididoesse rebatimentopoderáser parcial. (seta 1). puxando-o, at6 encostar A frente. Recolocar primeiro o encosto traseiro n
Seguidamente levantar o coxim (seta 2) sua posição.
Para esse efeito dever-se-áo desmontar atrás.
previamente os respectivos encostos de Empurrar seguidamente o assento pa
cabeça* -ver página 35. Pdxar o botão desboqdeaaor (3)no en- trás. at6 encaixar. Levantar aaui o cinto d
cosro traseiro - no encosto 'nteiriço ambos segdrança domeio q ~ ede . conir~rio.pooer
A fim de evitar possíveis danos, antes de os botões simultaneamente - no sentido da ficar entalaao entre o encosto e o
rebater0 encostotraseiro devem-se colocar
os bancos dianteiros ndma posição qLe
seta e rebater o encosto. não podendo ser utilizado. r
perm'ta a mobldade do encosto. que não
deverá bater neles, quando rebatido.
]r--porta-bagagens
para preservar o bom comportamento do
~eiculoem andamento. deve-se zelar Dor
Recomendações
-
INSTRUÇOES DE UTILIZAÇÃOI

1 geiros e oagagem/cargai. Os objectos pesa- Atenção


00s a transponar deverão ser co ocados tão Em caso nenhum se deve ultra-
próximo quanto possível doeixo traseiroou, passar a carga sobre os eixos nem o
8 de preferência ainda, entre os eixos. pesototaladmissivel-verpágina 163.
Os filamentos do desembaciador do Dever-se-á ter em atenção que, no
vidro traseiro não deverão ser afectados transporte de objectos pesados, o
pelo roçar dos objectos transportados. ComDortamento do carro se noder6
O ar viciado sai pelas aberturas de respi- modificar por deslocação do centro de
ração nos revestimentos laterais* do porta- gravidade. A conducão e a velocidade
-bagagens. devem ser ajustadis a circunstância.

Estas aberturas não poderãoficar. por isso. A carga a transportar deverá ser
tapadas. arrumada deforma a que numa trava-
gem brusca os objectos não sejam
projectados em frente.
Não podem ser transportadas no
porta-bagagens nem na superficie de
carga pessoas, nem mesmo crianças.
Todos os passageiros terão de viajar
devidamente protegidos por u m cinto
-
de segurança ver página 16.
Nfio viajar nunca com a tampa tre-
seira ou as portas de batentes só en-
costadas ou abertas, para não permi-
tira penetração de gases de escape no
habitáculo.
1 1
Cobertura do porta-bagagens II
'Bi A cobertura do porta-bagagens pode ser
utilizada para depositar peças de vestuário.
Desenganchar os cordões de suporte da
tampa traseira.
,I,' Comoaventilaçãodo habitáculoseprocessa H Extrair a cobertura, por trás, do seus
i através do porta-bagagens, a fenda de ven- suportes (setas).
i tiiação entre a cobertura do poria-bagagens
Acoberturadoporta-bagagensdesmontada
I e o vidro traseiro não pode ficar tapada.
podeserarrumadaatrásdoencostotraseiro:
Nota - Desbloquear oencosto traseiro e rebat8-
Preste atenção a que náo fique prejudicada -10 um pouco para a frente.
a visibilidade para trás atrav6s do espelho
- Colocar a cobertura do porta-bagagens,
retrovisor devido às peças de vestuário co- com a parte de cima para a frente e os
I:: locadassobreacoberturadoporta-bagagens. cordões de suporte para baixo, entre o
s !
r. .. : :, ... s,., . .:.>.-,,.?.,!\:-., , e as cavas das rodas.
'

- .o,

-,i , , , & t 9 n ~ ã ~
,L-..:

!,Não se devem colocar por cima da


Quando se abre a tampa traseira, é também
levantada a tampa de cobertura do porta-
-bagagens.
"Oitar a
H Aorecolocara cobertura, empurrá-la para
, rwberturadoporta-bagagensobjectos a frente. introduzindo-a nos seus seus
se houver a necessidade de transportar
.,..
,pesadose
'
nem animais* pois,
representam um risco para os
objectos volumosos, essa cobertura pode
serdesmontada:
suportes laterais e engancharos cordões na
tampa traseira.
bcupantes numa travagem repentina.
.~.>

Além disso, os filamentos do desamba-


ciadortraseiropoderiamficar danificados
pelo roçar de&es objectos.
pedais Travão de mão
Oacessoaospedaisnãodeverásernunca
obstruido!
~~-
Não coloque. por isso. objectos no chãoque ~

possam resvalar para baixo dos pedais. .. ...~.


r:&ntariamante; deverá puxar sempre

Na zona dos pedais não deverão ser colo-


cados tapetes adicionais.
Em casodeavaria dos travóespoderá ser
necessário um maior curso do pedal.
8 Ospedaisdaembraiagemedoacelerador ,.I"Faixa
.I
da velocidades autom8tioá)Y
devem poder ser pisados a fundo em
qualquer momento
8 os pedais têm ae estar desimpedidos Para accionar o travão de mão. pLxe a . libartads. ,O,travão
de. @o apenas
alavanca f rmemente. N ~ m a esrraaa ingre- ~affiialmb.:?oko poder6 prqv&bar
para regressar A sJa posição de partiaa,
me. enaate ad c onalmente a 10 veiocidaoe. r um Nbraegueoimanto dos..travbee,

S6 podem ser ~tilzados.por 'sso. tapetes 0 traváo ae mão aeqe ser pjxado firme- prejudica~doofuncionamintodosis-
q,e oexem ivre a zona 00s peoais e qJe mente Dara ev:tar a j e o carro crcule.. .Dor . temadatravagem.A16mdisso,piovo-
não escorreguem. inadvertência, com o travão accionado.
J . Li ir;,,, . ;,J n.,,.,
/ .,.._ ,..,
',V:, . ~ . .,' ,. ..:.' .:
'~

. , ..
Com o travão de mão puxado e a ignição
., .. . , ., . .
.
ligada.acende-sealuzdecontroledotravão.
i.-.
para soltar o
nunca obiactos:na. tem de se levantar a
FPzonadorp(Hmueiem'Wde:mivagm. a~avancaligeiramente, carregar no de
~c$fib&t:ou>tde<umiiaaldentei possam bloqueio e baixar a alavanca totalmente,
cobstruir o .ac~diáw~@&Èir;:impB~~~
dindo o condutor da travar, embraiar
Caixa de velocidades m i I- Caixa de velocidades automática*
O programa é seleccionado automatica-
mente, em função do accionamento do
pedal do acelerador.
Quando o pedal do acelerador é accionado
I
lenta ou normalmente, é seleccionado um
programa económico que se caracteriza
por passagens as mudanças mais altas num
regime baixo do motor e mudanças
regressivas mais retardadas.
O programa maisdesportivoéseleccionado
quando se acciona rapidamente o pedal do
acelerador, sem que seja necessáriocarregá-
-lo, até ser ligado o dispositivo kick-down
A marcha-atrás só pode ser engatada com o Programas L-. ..v,,,,~ão (verpágina45).Asmudançassãoefectuadas
velculo parado. Com o motor em andamento,
deve-se aguardar alguns instantes. com o O comando da caixa de velocidades d i s ~ ó e em regimes mais altos, permitindo um total
pedal da embraiagem carregado a fundo, devár osprogramasdecono~ção.~ m f ~ ~ ç aproveitamento
ã o das reservas de potencia
antes de engatar a dita marcha, a fim de do esri o aa cond-cão ou aa s t-acão do do motor.
evitar ruídos na caixa. trânsito, poderá ser seleccionado um Nota
programa económico, isto é, orientado
Com a marcha-atrás engatada e a ignição para o baixo consumo, ou um programa Em funçãoda resistencia à marcha, p. ex. na
ligada, acendem-se os respectivos farolins. mais "desportivo". condução com reboque ou em subidas, 6
automaticamente seleccionado um progra-
Nota ma que. através de mudanças regressivas.
Não conduza com a mão Dousada na assegura uma maior tracção, evitando,
alavanca: a pressão da mão tra'nsmitese as assim. câmbios constantes.
forquilhas da caixa de velocidades, o que
poderá provocar oseu desgaste prematuro.
-
P Bloqueio de parqueamento
As rodas motrizes estão bloqueadas me-
canicamente.

1 O bloqueio só podeser seleccionado com o


velculo parado. Antes de engatar a posição
"P",6 necessário premir0 botão bloaueador
no m a n l p ~
o da a.avanca selectora. Para a
7 veiculo entre
oesengatar. deverá pisar sim~lraneamente
o pedal do traváo. com a ignição ligada.
rdador evita que, numa
> m , , a n a c = a na13 nna;,-zn -
R Marcha-atrks
"J3 Sódeve serseleccionadacom ocarro arado
Posições da alavanca select-- e o motor na marcha lenta.~ntesdeen~atar
a posição "R", partindo da "P" ou "N". 6
necessár o pisar o pedal ao travão e
o botão bloq~eaaornomanip~lodaalavanca
nte a marcha do veículo , selectora
oque nunca e alavanca selecto i
Na posiçáo "R", com a ignição ligada,
acendem-se os farolins de marcha-atrás.
aixapoderdficardanificad N -Posição neutra (de ponto-morto)
Para desengatar a alavanca da posição "N",
pisar, com velocidades inferiores a 5 km/h
ou com o velculo parado e a ignição ligada,
o pedaldo travãoepremiro botãobloqueador
no manlpulo da alavanca.
I INSTRUÇOES DE UTILIZAÇAO
3 - Posição para percursos acidentados 1-Posiçãoparainclinaçõespronunciedas I

I
A 11,2a e 3Pmarchas são automaticamente Esta é a posiçáo adequada para inclinações
engrenadas em funçáo da carga do motor e extremamente íngremes.

mentando assimAo 4*
da fica de travagem do
efeito Para seleccionar esta posiçáo, é necessário
bloqueador no manipulo da
premir o
motor quando se desacelera. alavanca. O veículo anda só em Ia, ficando
Recomenda-se esta posiçáo da alavanca bloqueadas a 2'. 3'e4= marchas. Obtém-se,
quando, sob certas condições na posiçáo assim, o máximo efeito de travagem do
"D", a 3a e a 4' mudam constantemente. motor.
2- Posiçãopara percursosmontanhosos Nota
Esta é a posiçáo adequada para trajectos Na selecção manual duma mudança mais
-
D Posição permanente de marcha em mais extensos em subidas ou descidas. baixa é possível engrenar as posições "3".
"2" e "1" mas o sistema automático só
frente A Ia e 2' marchas são engrenadas auto- engata mudança quando já há
Asquatromarchasemfrentesãoengrenadas matiamente em função da carga do motor possibilidadeduma sobre-rotaçãodo motor.
automaticamente em funçáo da carga do e da velocidade.A 3 a e4aficambloqueadas,
motor e da velocidade. aumentando assim o efeito de travagem do
motor e evitandoa selecçáo escusada duma
Em cenas condições oe cona~çáo.poderd marcha superior.
ser convenienre seleccionar Lma das
posições da alavanca seguintes

i
Dispositivo kick-down Selecção duma gama de velocidade
Se, com o velculo parado, estiver uma
Este dispositivo permite uma aceleraçáo Antes de seleccionar uma gama de marcha engrenada, não se deve, em
rnhxima. Pisando o pedal doacelerador para velocidade, com o veiculo parado e o circunst&ncia nenhuma, acelerar
além do ponto de plena carga e em função motor em andamento, accionar sempre inadvertidamente (por exemplo
da velocidade do velculo e do regime de o pedal do travão. através de manipulações no compar-
rotações do motor, engrena-se uma mu- timento do motor). De contrário, o
Nãoacelerequandoseleccionaramarcha, carro entra imediatamente em mo-
dança inferior. A passagem para a marcha com o carro parado.
imediatamente superior s6 se efectua vimento,em certoscasos mesmo com
quando se atinge o regime máximo do mo- Se, em andamento, engrenar, por lapso, o travão de mão accionado.
tor respectivo. a marcha "N", antes de meter uma Se houver necessidade de manipular
marcha em frente, terá de retirar o pé do o motor com este em funcionamento,
acelerador e esperar pela marcha lenta colocar a alavanca relectora na posiqáo
F~ten~áo . , do motor.
Tenha em atenpo que nuni pia" es-
'P" e accionar o travão de mão.
..,corregadioas rodas motrizes poderão
;.patinar quando se acciona o kick- Atenção Início da marcha
I. -down. ., Com o motor em fucionamento,
qualquer seja a marcha, é necessário Seleccionara posiçãodaalavanca (R, D.3.2,
manter o carro travado com o pedal, 1) Aguardar quea caixaengatea marcha
pois, mesmo na marcha lenta, a trans- e que se estabeleça o circuito de trans-
missão nãoétotalmenteinterrompida missão atéas rodas motrizes(é perceptível
Instruções d e condução um ligeiro solavancol. Só depois, acelerar.
- O carro "arrasta-se".

Isto aplica-se muito particularmente


O motor s6 pode arrancar com a alavanca aos velculos com ar condicionado, em
selectora na posição "N"ou "P". que, com o ar condicionado ligado, o
regime do motor na marcha lenta é
auiomaticamente aumentado.
'1 Se se accionar0botáo no manipulodaalavanca
selectora antes de se ligar a ignição. deixa de
ser ~ossivelrodar a chave na fechadura da
Paragem Arranque por rebocagem

,
, "Ajuda no arranque", página 150.
Rebocagem

Numa estrada íngreme. accione primeiro o outra vez para cima.


traváode máoantesde engrenar o bloqueio,
evitando, assim, uma sobrecarga do
mecanismo de bloqueio e facilitando o
respectivo desengate.
1 ~ h a d u r da
a ignição
ara todos o s veículos:
enção
R m t i r e e chave da fechadura s6
'.&Pois de o velculo estar imobilizadol
i bloquear a direcção, uma vez retirada
6 ~ wntrhrio,
e o bloaueio da direccão
*+ria engatar imprevistamente: a chave, rodar o volante at6 se ouvir o
encaixe da cavilha de bloqueio.
' Sempre que abandonar o veiculo
-
pouco tempo que seja retire a
- Nota
*'-+ave da ignição. Esta recomandação Se as luzes eos indicadoresde direcção não
,lica-se $articularmente, quando estiverem desligados quando se retira a
r m crianças dentro do carro que chave da ignição, ouve-se um sinal avisador
dariam. nesse caso, ligar o motor acústicox enquanto estiverabertaa portado
accionar equipamentos el6ctricos condutor.
ex. os comandos dos vidros). Motores a gasolina Posição 2
1- Ignição desligadalmotor parado Caso, nesta posi~ão,a chave não rode ou s6
2 -Ignição ligada rode com d.fic~ldaoe.mova o volante para
puxar sempre Jm ado e para o o ~ t r o lioertando
. assm o
3 -Arranque do motor bloqueio da direcção.
Motores diesel
1 - Alimentação de combustivel
interrompida Imotor parado
2 - Posição de pré-incandescência e de
marcha
Durante o processo de pré-incandescgncia
não ligar nenhum dos principais consumi-
dores eléctricos para não sobrecarregar,
desnecessariamente. a bateria.
3 -Arranque do motor
Arranaue do motor I
J
Posição 3 Generalidades @ Não aquecer o motor com o carropa-
rado. Arranque imediatamente.
i Nesta posição os faróis são ligados nos . ", '
r*~,T;.2+,.'l,.;: e . : ' :i ...: ii . .: .r...
~

mln mos e desligados os restantes grandes ,Atenção Evitar os regimes de rotações elevadas e
cons~midorese,6ctricos. não pisar o acelerador a fundo enquanto o
:.Ao arrancar o motor em recintos fec- : motor não tiver atingido a sua temperatura
1 Sempre que seja necessário repetir o i,.hados existe o perigo de intoxicaçãol , de serviço.
arranque, ter-se-á de fazer retrocederachave
i at6 posição 1. O bloqueio de repetição de O motor não deverá ser posto em
Antes de arrancar, coocar a alavanca de
I' arranque montado na fechadura da ignição veloc;dades na pos'ção oe marcha enta (na
funcionamento por rebocagem, com o
impede que o motor de arranque engrene catalisador a temperatura de serviço, ao
caixa de velocidad& automática: alavanca longo dum trajecto com maisde50 m. De
com o motor em funcionamento, podendo, selectora na posição "P" ou "N")e puxar
com isso, danificar-se. contrário, poderá chegar gasolina não
firmemente o travão de mão. queimada ao catalisador, danificando-o.
Bloqueio da extracção da chave da W Durante o arranque dos veículos com W Antes de pôr o motor a funcionar por
ignição* caixa de velocidades manual, pisar o pedal rebocagem, deve-se procurar utilizar a
da embraiagematéaofundo, afim deque o bateria deoutroveículocomo auxiliar de
Nos veículos com caixa de velocidades motor de arranque actue apenas sobre o
automática* s6 se Dode extrair a chave da arranque -ver página 150.
motor.
ign'ção. depoisoesradesl gada. seaalavanca
selectora se encontrar na posição "P" H Assim que o motor pegar, largar
imediatamenteachave-omotordearranque
Com a chave da ignição extraída, a alavanca não deve ser arrastado.
selectora fica trancada nessa posição.
Depois doarranquedo motorfrio, poderão
ouvir-se transitoriamente ruidos d e
funcionamento mais fortes devido A
formação da pressão de 61eo na compen-
sação hidráulica da folga dasválvulas.Trata-
-se dum fen6meno normal e, por isso.
inofensivo.
-

-
INSTRUÇOES DE UTILIZAÇÁO 1
- -
B- Motores a gasolina Motores diesel Assim que se apagara luzavisadora, ligar
O motor.
Estes motores estão equipados com um Sistema de pré-incandescência
e sistema de injecçãode gasolina que fornece Durante o arranque não pise o acelerador.
o automaticamentea misturadecombustível/ motor diesel de 47 kW a pré-incandes-
a ar adequada, com qualquer temperatura cêmia é automaticamente iniciada quando ~eai~niçãoforirregular,continuaraaccionar
exterior. se abre e fecha a porta do condutor. Se o motor de arranque durante mais alguns
subsequentemente não for dado arranque segundos (30, no máximo) até o motor
n Com o motor frio ou a temperatura nor- ao motor, não é desencadeada nova pré-in- Começar a girar por força própria.
o maldefuncionamento.nãoacelerarnem candescência naaberturaefechoseguintes
O antes nem durante o arranque. dessa porta. motor não pegar, repetir a pré-incan-
te descência e o arranque. conforme descrito.
o Se o motor não pegar imediatamente, Nos motores diesel de 42 kW*, uma vez Se. apesar disso. o motor continuar sem
Y. interromper o processo de arranque ao fim ligada a posição de marcha (ignição ligada), Pegar. poderá haver um fusível do sistema
de 10 segundos e repeti-lo ap6s cerca de o tempo de pré-incandescência necessário de pré-incandescência diesel queimado -
)r meio minuto. é indicado pela luz avisadora da pré-incan- ver página 140.
a descência. comandada pela temperatura do
le Seo motor continuara não Pegar, 4 posslvel A~~~~~~~do motor à temperatura
que o fusível da bomba eléctrica da gasolina
líquido de - ver página 60, normal de funcionamento
esteja queimado -ver página 140. Motor de 47 kW A luz avisadora de pré-incandescência não
Com o motor muito quente, poderá ser Arranque do motor frio se acende-o motor pode arrancar imedia-
necessário acelerar um pouco, depois do tamente, sem pisar o pedal do acelerador.
motor pegar. RodarachaveatéAposiçáo2nafechadura
(ver página 47) -acendese a luz avisadora.
Apagar-se-áquandoseatingira temperatura
de ignição (ver página 60).
Durantea pré-incandescêncianão deverá
ser ligado nenhum dos grandes consu-
midores eléctricos, a fim de não sobre-
.. carregar desnecessariamente a bateria.

49
A.
-
( INSTRUÇÓES DE UTILIZAÇAO

Parar o motor
Motores de 42 kW* Arranque do motor a temperatura de Quando o motor tiver estado submetido
funcionamento a uma carga mais elevada e prolongada,
Arranque do motor frio não deve ser desligado de repente, dei-
A luz avisadora da pré-incandescência não xando-o rodar minutos na marcha
Temperatura exterior a +5 se acende - o motor pode arrancar ime- lenta,afimdeevitarumaacumulaç8ode
Pode ser dado imediatamente arranque ao diatamente. calor.
motorsempré-incandescencia.Náoacelerar
no arranque. Arranque depois de esgotado o
depósito AVdnçSv .
Temperatura exterior inferior a +5 "C:
se num veiculo com motor diesel se tiver Se O 'mdtoi e s t i e @:ente. mesmo
Rodar a chave na fechadura da ignição esgotado totalmente o depósito do depois de desligado, o vdntilador do
para a posição 2 -acende-se a luz avisadora combustível, o arranque após o reabaste- rqdiadorpoderácontinuarafuncionar,
da pré-incandescência.apagando-se quando cimentopoderá ser mais demorado do que um certo tempo (atB10
,qi?d%,d.urante
é atingida a temperatura de ignição. habitualmente - chegando a atingir um m~nutosl.ou at6 entrar em funciona-
minuto. A razão prende-se com a neces- mento, mesmo com a igni*áo de*
~~~~~~~~~~~-i~~~~d~~~g~~.~~ã~d~~~~~ ligada, se:
ser ligado nenhum dos grandes consu- sidade de o ar que existe no sistema de
midores eléctricos, a fim de não sobre-
carregar desnecessariamentea bateria. que.
ser evacuado durante arran- - etemperaturadolíquidoderefrige-
raçáo subir devido a uma acumula-
Assim que seapagara luzavisadora,ligar , ,

O motor. - com o motor quente.0 seu compar-


timentoforaindaaquecidoporuma
Se o motor não pegar, esperar meio minuto exposiçáo ao sol.
e repetir a pré-incandescência e o arranque.
conforme descrito. Se. apesar disso, o mo- É, pois, necessário tomar muito cui-
tor continuar sem pegar. poderá haver um dado quando seefectuaremtrabalhos
fusível do sistema de pré-incandescência no compartimento do motor.
diesel queimado ver página 140.
-
INSTRUÇOES DE UTILIZAÇÃO I
-1 ~nstrumentos

O ponteiro do conta-rotaçóes não deve, em


circunstância nenhuma. atingir a zona
vermelha da escala.
@ A engrenagem precoce duma mu-
dança superior ajuda a economizar
combustível e a reduzir os ruídos de
funcionamento.
Aveiocidade imediatamente inferior deverá
ser engrenada, o mais tardar quando o mo-
tor deixa de rodar uniformemente.
A localização dos instrumentos depende do Página
modelo do veículo e da motorização.
1 - Conta-rotaçóes ........................... 51
2 - Relógio digital .............................. 52
3 - Temperatura do líquido de ...........
.
refrigeração ................... .
....... 52
4 - Indidacor do nível do combustivel 53
5 - Velocímetro ................................. 54
com indicador do próximo serviço 54
W Rodando o botão no sentido dos pon-
teiros do relógio (seta 2), até ao batente,
acertam-se os minutos. Rodando-o rapida-
mente uma sóvez, oacerto éde um minuto.
Mantendo o botão do acerto nessa posição,
OS minutos avançam continuamente.

Com este botão é possível um acerto do


relógio ao segundo:
W Rodar o botão para a direita (seta 2) até o
relógio marcar um minuto menos do que o
que se pretende que ele marque.
W No instante em que o ponteiro dos
2 - Relógio oigiral segundos de um relógio que esteja certo
atingir o minuto completo, rodar o botão refrigeração
Para acertar a hora, existe um botão. A uma vez para a direita.
direita, por baixo do conta-rotaçóes. O indicador funciona com a ignição ligada.
W Rodando o botão no sentido contrhrio Quando se liga a ignição, a luz avisadora (c)
ao dos ponteirosdo relógio (seta 1).até ao acende-se, além disso. durante alguns,
batente, acertam-se as horas. Rodando-o segundos, para controle funcional.
rapidamente uma s6 vez, o acerto é de uma
hora. Mantendo o botão do acerto nessa -
a Faixa fria
posição. as horas avançam continuamente. Evitar os regimes elevados de rotaçóes e
náo submeter ainda o motor a grandes
esforços.
-
b Faixa normal
Numa condução normal o ponteiro deverá
manter-se dentro desta faixa.
-
L INSTRUÇOES DE UTILIZAÇAO 1
Quando o motor é submetido a um grande Notas
&forço e a temperatdra exteror B ekvada.
o ponteiro poderá avançar para a d.reita. Os faróis auxiliares montados na
grelha do radiador reduzem a eficácia da
Isso não será preocupante enquanto a ;efrigeração. Com temperaturas exte-
luz avisadora (c) não se acender. riores elevadas e o motor submetido a
-
c Luz de adverthcia
esforço, existe o perigo de sobreaque-
cimento do motor!
Sea luz se acenderem andamento, verificar
O spoiler dianteiro serve também de
primeiro qual é a temperatura indicada. conduta da entrada de ar fresco. Se o
Se o ponteiro se encontrar na faixa normal, spoiler for danificado ou arrancado de-
dever-se-á acrescentar. na primeira vido, por exemplo,a um embate na borda
oportunidade, liquido de refrigeração. do passeio, isso poderáconduzirtambém
a u m sobreaquecimento do motor.
Se o ponteiro se encontrar na faixa de Recorra a u m concessionário Volks- 4 - Nível d o combustível BI
advert&ncia da direita, é sinal de que a wagen!
temperatura do líquido de refrigeraçáo está O indicador funciona com a ignição ligada.
excessivamente alta. Pare, desligue o mo- O depósito de combustlvel t e m uma
tor e procure a causa da deficiencia - ver capacidade aproximada de 45 litros.
página 56.
Quandoo ponteiroentra nocampo da reser-
va (seta) e, ao mesmo tempo. se acender a
Atenção luz avisadora íd), o depósito contém ainda
i É imprescindivel prestar atenção As cerca de 7 litros de combustível.
i recomendaçõesna pdgina 57. Nota
Duranteoabastecimentodever-se-ádesligar
a igniçáo. pois. decontrário. sóao fim de um
certo tempo (que poderá ir até uma hora)
será indicado o seu nível correcto.
i'
I Indicador do próximo serviço
II Quando é atingido o prazo para proceder a
uma ins~eccão.é dada uma das seguintes

I inoicações 60 contaoor de ba xo (conta-q~i-


Iómetros didro) ao velocimerro:
Com a ignição desligada
W Indicação ....................
...
...... . service
Com a ignição ligada, em intermithncia

. -
5 - Velocímetro Conta-quilómetros Depois do arranque do motor, apenas a
Durante a rodagem deverão ser observadas O contador de cima regista total da quilo- indicação do respectivo seiviço se apaga ao
as instruções referidas na página 82. rnetragem percorrida e o de baixo os fim de cerca de 3 minutos. É possível co-
percursos parciais. mutar,antesdisso, paraocontaquilómetros
diário, premindo o botão de recuo (durante
O último dígito do contador de baixo indica mais de 0.6 segundos), A palavra
troços de 100 m. mantém-se visível.
Se se remir o botãode retorno Dor baixo do
velocimetro, o conta-quilómetros diário
regressa A posição de zero.
Depois de se realizar um serviço, o Notas Válido para todos os motores, incluindo o
concessionário Volkswagen que o realizou motorSDI de47 kW, exceptoo motordiesel
deverá reajustar o indicador. Não recuar o indicador nos intervalos aspirado de 47 kW:
entre os sewicos. De contrário.. será dada
~~~~~

Se o serviço não tiver sido realizado por um uma i n d i ~ a ~ ã ~ n c o r r e c t a . O prazo do serviço de mudança do óleo 6
concessionárioVolkswagen, o indicador de- atingido cada 15.000 e do serviço de
verá ser reajustadopelo seguinte processo: H Quandosedesligaa bateria, sãomantidos
inspecção cada 30.000 km ou 12 meses.
os valores do indicador do serviço.
Com a ignição desligada, premir o botão W Vtrlido para o motor diesel aspirado de
de recuo do contaquil6metros diário, por Se, depois duma reparação, se substituir 47 kW íexcepto o motor SDI de 47 kW):
baixo do veloclmetro, e mantê-lo nessa o velocímetro, ter-se-á de programar de
posição. novo a indicação do próximo serviço. Essa Consoante o estilo da condução e a
tarefa deverá ser executada por u m solicitação do motor, o prazo de um serviço
Ligar a ignição e voltar a soltar o botão ao concessiontrrioVolkswagen.Se nãoforfeita 6 atingido ao fim de 7.500 km a 15.000 km
fim de 10 segundos, no máximo. No uma reprogramação, os serviços deverão ou de 8 a 12 meses.
mostrador aparecem traços. O indicador do ser executados. não segundo o indicador,
serviço foi recuado. mas de acordo com o Plano de Assistência.
Desligar agora a ignição.
Repetir os passos. para recuar outro
serviço.
Luzes avis
-
Página 2 - Máximos
1 - Indicadores de direcção ................ 56
A luz de controle acende-se quando estão
2 - Máximos ....................................... 56 ligados os far6is de mdximos ou quando
3 - Temperatura/nível do líquido eles são utilizados para dar sinais de luzes.
de refrigeração ............................. 56
4 - Luz traseira de nevoeiro ............... 61
5 - Sistema de airbag ......................... 57
3 - Temperaturalnível do -1-
líquido de refrigeraçáoM
6 - Alternador ..................................... 58
7 - R e s e ~ ade combustível ............... 58 A luz acende-se durante alguns segundos
8 - Sistema de travagem ................... 58 para controle funcional, quando se liga a
ignição.
9 - Sistema anti-bloqueio (ABS) ......... 59
A disoosicão das luzes avisadoras depende 10 -Pressão do 61eo do motor ............ 60 Se. oepos disso, não se apagar OJ começar
da vekãodomode oedomotor. ~ s s í m o o ~ o s a D scar em anoamento. sso siqn fcará q-ie
ao'ante reoroo~zidosesrao tamobm repre- 11 -Sistema de pr6-incandescência.... 60 a remperat~raao líquido oe ;efr geração
sentados nas prõprias luzes avisadoras: 1 - Indicadores de direcção 40 está excess vamente e evaoa O J o seu nive
excessivamente baixo":
Aluzdecontroleacende-seem intermithcia,
Pare, desligue o motor e verifique o nlvel,
ao ritmo dos respectivos farolins. Se houver
Se necessário, acrescente de refri-
falha numdosfarolins,a luzavisadoraaumen- geraçáo,
ta o ritmoda intermitência. O mesmo não se
aplica A utilização do reboque.
Mais pormenores na página 64.
indispens8vel que se respeitem as
comendações na p8gina seguinte.

" S6 nos veiculos com controle automdtico do


nível do liquido de refrigeraçáo (pagina 111).
4 - Luz traseira de nevoeiro* ()$
Depois de se acender a luz traseira de
nevoeiro, acende-se a luz avisadora.
Fóartimento do motor se verificar afih?. Ver mais pormenores na página 61.
h8 a sair vapor ou líquido de refi
(ção do compartimento do moto&&
brigo de queimaduras1Aguarde
5 - Sistema de airbag 95
vapor ou o Iíquido de refrigeraçgoi A luz avisadora acende-se durante cerca de
Para mais pormenores, veja a página 112. 3 segundos, quando se liga a ignição. Nos
bixar de sqir. . '.c:i
., ,
Se o nível do líquido de refrigeração estiver veículos com o airbag do passageiro
em ordem. a avaria poderá ter sido provoca- desligado (ver também a página 29) a luz
I O ventilador poder8 entrar da por uma falha do ventilador do radiador, avisadora pisca depois durante aprox. 12
cujofusível deverá serverificadoe, se neces- segundos.
a ignição desligada1
sário, substituído -ver pagina 140. Se, depois disso, não se apagar ou se se
Se se não apagar a luz avisadora. embora o acenderem andamento, issosignificaráque
nlvel do Ilquidoesteja correcto e ofuslvel do existe uma avaria no sistema de airbag, que
ventilador em ordem, não prossiga a deverá ser imediatamente inspeccionado
viagem - peça o parecer dum técnico. num ConcessionárioVolkswagen.Ver mais
pormenores nas páginas 26 e 29.
Se aavaria forapenas noventiiadoroo rad:a-
dor, poaerdcontin~aratéBoficinaa~torizaoa
~olkswagenmais próxima, desde que o
Ilauidoderefrigeraçãoestejaaonível correcto
e a LZ do conrroleda temperatura apagada.
Para aprove:tar, nessa a.tJra. o aroeslocado
paraarefrigeraçãodomotor,evitara marcha
lenta e a circulação em engarrafamentos.
um pano espesso que o proteja do
vapor ou do líquido de refrigeraeo
quqm.. .. , , ..
Se estiver solta ou art ti da. não dever8 7 - Reserva de combustível
prosseguir a viagem'-a bomba do liquido
derefriaeracáo deixa de funcionar. Acorreia A Igmpada avisadora acende-se quando a
terá deser hspeccionada e eventualmente reserva de combustivel no depósito é já só
substituída. de arienas 7 litros.
Nos niorores a gasoina. mesmo com a
correia tra~ezoaaestraaa so ta OL part'aa.
poder-se-á prosseguir normalmente até ao
8 - S i s t e m a de t r a v a g e m 0%0
concessionário Volkswagen mais próximo, A luz avisadora acende-se quando
dadoa bomba do líquido de refrigeraçãoter
comando independente. Como, porém, a o travão de mão está puxado
bateria se vai então descarregando. devem W o nível do liquido dos travbes é insu-
ser desligadostodos os consumidores eléc- ficiente.
6 - Aiternador Ei tricos que não sejam indispensáveis.
A ignição terá de estar ligada.
A luzacende-se quando se liga a igniçáo. de- Se a luz avisadora se acender, embora a
vendo apagar-se após o arranque do motor. correia trauezoidal estriada náo esteia solta Nos veículos com sistema anti-bloqueio*
nem parrsda. pooer-se6 prossegLir normal- (ABS) a luz avisadora acende-se durante
O alternador é accionado por uma correia mente ate ao concessionário Vokswagen alguns segundos, quando se liga a ignição e
trapezoidal estriada de longa duração. mas próx,mo. ndepenaenremente ao tipo o motor arranca. No caso de uma falha do
aemoror queeqJ paoveic~loAbateria vai- sistema ABS" tamb6m em conjunto com a
Sea luzavisadoraseacenderemandamento, respectiva luz avisadora.
pare, desligueomotore ver.f qLea corre'a -se. no entanto, descarregando-ver o pará-
trauezoidal OL acorreia trapezo oa estrada. grafo anterior.
Atenção
indispens8vel que se respeitem as
recomendaçóes na p8gina seguinte.
9 -Sistema anti-bloqueio @ W Se a luz avisadora do ABS se acender
(ABS)* juntamente com a luz avisadora dos tra-
o traváo de vões. haverá uma deficiência não s6 no
ar, OU sa se A luz avisadora controla simultaneamente o sistema ABS, mas dever-se-ácontartamb6m
cend,é@ma.pdamento, 6 s.ip@lde q u ~ sistema ABS e EDS*. com uma alteração no comportamento dos
nível do líquido dos travóes eat6: travões normais.
maslado bdxo. Dirija-se.imedi$a-,: Sistema anti-bloqueio (ABS)'
nte ofíCi,na Wkswagen. mais: A luz avisadora acende-se durante alguns
.a mande verificar o sirter&aj .z, segundos, quando se liga a ignição ou o
'.,i,. motor arranca e apaga-se depois de um
ver& contudo, contar com a nec& processo automático de verificação.
ada de exercer mais força no pedal, Se a luz avisadora do ABS não se acender
avão, com uma diatíincla de tra- quando se liga a ignição, não se apagar, ou
m maior e com um maior curso seseacenderem andamento, é sinal deque
&m vazio d,o pedal,,.. : : . , ! , . ,. há uma deficiência no sistema.
Ver mais informações relativas ao ABS na
e se acender a luz 8+lâáW&~aodbffite- Uma deficiência no sistema ABS é indicada página 87.
juntamente coma luz da seguinte forma:
as rodas traseiras Bloqueio electrónico do diferencial
ríio bloquear pracocementeaflw W Se a luz avisadora do ABS se acender (EDS)"
gem. Ter-se-6 de contactar com sozinha. o veículo poderá ser ainda travado
vidaile Um conCession'grià'volk@' com o sistema de travões normal. Deve-se O sistema EDSfunciona em conjuntocom o
::; . ~ ~ , ~ ~ ! ~ ~ < ~ ! ,procurar.
; ~ , ~ , l no entanto, sem demora, a assis- ABS. No caso de avaria no sistema EDS,
, . . ~. :, , . . tência de um concessionário Volkswagen. acende-sea luzavisadorado ABS. Dever-se-
á procurar a assistência duma oficina
Volkswagen, logo que possível.
Ver mais informações relativas ao EDS na
página 88.
-
I INSTRUÇOES DE UTILIZAÇAO

Se a luz avisadora continuar acesa, apesar Se não se acender, haverá uma falha
do nível do 61eo estar correcto. não deverá sistema de pré-incandescência, sendo
prosseguir viagem. O motor não deverá cessário consultar a assistência t6cnica
funcionar, nem na marcha lenta. Recorra à
ajuda dum técnico. Depoisdeseapagara luz,arranque imedi
mente o motor -ver página 49.
Se, em andamento. o motor funcionar num
regime inferior ao da marcha lenta, a luz Uma vez que com os motores diesel
avisadorada pressão do61eopoderáacender- 47 kW a pré-incandescência se inicia ai
se. Aumentaroregimedo motor, acelerando maticamente assim que se abre e fect
ou seleccionando uma mudança inferior. porta do condutor, 6 possível que, cor
motor frio. depois de ligar a posição
Nota marcha (ignição ligada), a luz avisadore
pr6-incandescência não se acenda, se
A luz avisadora da pressa0 do óleo não 6 possível dar-lhe imediato arranque.
'10-Pressão do óleo do motor um indicador do respeotivo nível. Este
deverá, por isso, ser controlado a inter- Quandoo motorseencontraàtemperat
Quando se liga a ignição, a luz avisadora valos regulares, de preferência sempre normal da funcionamento, a IAmpade
acende-se, devendo apagar-se quando o queabastecero depósitodo combustível. pré-incandescêncianão se acende e pc
motor arranca. s e arrancar imediatamente.
I Se se não apagar ou voltar a piscar em
andamento - com o motor num regime
superior a 2000 rpm, ouve-se simultanea-
I 1-Sistema de
pré-incandescência
-
uu
Nota
Se nosmotoresdieselse registar umaav
mente um sinal acústico* - oare. deslieue na distribuicáodo motorem andamento.
o motor, verifique o nível'do 61eo e; se (s6 motores diesel) é indicada Pelo piscar da luz avisadori
necessário, completei, - ver página 108. Com o motorfrio a luzacenA. ..-.
.,. . motor deve ser imediatamente i n s ~ e c
liga a ignição.
-
INSTRUÇOES DE UTILIZAÇAO
"
I
I

-
1 Interruptor das luzes -Q Luz traseira de nevoeiro* o*
- desligado Veículos sem faróis de nevoeiro
305 - luz de presença" Rodar o nterrdptor das uzes para a posição
ae m8a oslmáximos e puxa- o para fora atB
g0 - médios e máximos
ao batente.
Os faróis só se acendem com a ignição
ligada. No arranque são comutados auto- Veículos com faróis de nevoeiro
maticamente para luzes de presença. Com o interruptor na posição de luz de pre-
Comutação de médios e máximos e sinais sençaou médios/máximos, puxá-lo para fora,
de luzes, ver página 64. até ao 2Qencaixe.

Nota Notas
Notas Com a luz traseira de nevoeiro ligada,
Se as luzes não forem apagadas depois de
acende-se uma luz avisadora (ver página
INos veículos com direcção à direita os se extrair a chave da ignição. ouvir-se4 um
57).
ínterruptorest6m uma disposição um pouco avisador acústico* enquanto a porta do
diferente, mas os respectivos símbolos são condutor estiver aberta. W Devido ao seu forte efeito encandeante,
idênticos aos dos veículos com direcção à a luz traseira de nevoeiro s6 deve ser ligada
esquerda. auando o alcance visual for muito reduzido
INa utilização dos sistemas descritos Faróis de nevoeiro* #D (porexemplo. na Alemanha, inferiora 50 m).
dever-se40 respeitar as disposições legais Com o interruptor na posição de luz de O sistema eléctrico foi concebido de modo
em vigor. presença ou médios/máximos, puxá-lo para aqJe nacondbçãocom reboq~eaIJZtrase -
fora. ate ao encaixe 1. ra oe nevoeiro oo arrelaao sea a~romarca-
mente desligada no veículo rebocador.
'' Quando, com a igniçáo ligada, se liga a luz de
presença nos veículos destinados a certos
paisesdaexportaçáo,acenoem-se sim^ tanea-
mente os m6d os. com I~minosdaae reoLz da
iI [ INSTRUÇOES DE UTILIZAÇAO
"

Para baixar o feixe luminoso. girar a roda


serrilhada a partir da sua posição básica í-)
para baixo.

4 - Desembaciador do vidro @
traseiro
Este desembaciador s6 funciona com a igni-
ção ligada. Quando está ligado acende-se
uma luz avisadora no respectivo interruptor.
Quando o vidro tiver recuperado a
@ sua nitidez, dever-se-á desligar o
2 - Iluminação dos (3
desembaciador. O consumo de corrente
mais baixorepercute-se favoravelmente
5 - Luzes de emergência
instrumentos no consumo de combustível
tambdm página 84.
ver - O sistema funciona. mesmo com a igni
desligada.
Com as luzes acesas, é possível regular
Nos veículos com espelhos exteriores de Acenda as luzes de emergência nas S
progressivamente a intensidade da ilumi- guintes situaçóes:
nação dos instrumentos. regulaçãoeléctricaasuperfíciedosespelhos
é aquecida enquanto o desembaciador do - Se o seu velculo apresentar alguma d
3 - Regulaçáo do alcance $0 vidro traseiro estiver ligado. ficiência técnica.
dos faróis * - Numa situação de emergência
Com a regulação eláctrica do alcance dos - Quando atingir a cauda de um engar
faróis é possívelajustá-losprogressivamente famento.
à carga dovefculo, evitando-se. assim, dentro Com as luzes de emergência ligadas, ace
do possível, encandear os condutores dos dem-se os quatro piscas em simultâneo
veículos que circulam em sentido contrário. luzesavisadorasdosindicado
Ao mesmotempo éasseguradaao condutor e uma luzavisadora no interru
a melhor visibilidade posslvel. -se ao mesmo tempo, em in
Osfaróiss6podemajustar-secomos médios Respeite as regras do código.
ligados.
6 - Comando eléctrico dos a
vidros dianteiros*
Utilização dos interruptores basculantes de
comando dos vidros dianteiros -ver página

Os vidros traseiros sáo abertos e fechados


comasmanivelasinstaladasnorevestimento

7 - Manípulo do aquecimento &! 8 -Capotae


dosbancos* O comando da capota eléctrica encontra-se
Os assentos e encostos dianteiros podem descrito na Página 77.
serelectricamenteaquecidos,com a ignição
ligada.
Para ligar e regular progressivamente este
aquecimento, girar o manipulo.
Para desligar o sistema, girara mesma roda
para baixo, at6 à sua posição base (-).
Alavanca dos indicadores de direcção e de máximos Imédios
Sinais de luzes para mudar de via Luz de estacionamento
Levantar (1) ou baixar (2) a alavanca até ao A luz de estacionamento s6 se acende com
ponto de pressão e manté-ia nessa posição a ignição desligada.
- a luz tem de em Luzesdeestacionamentoàdireita-alavanca
intermit6ncia. para cima (11
de médios e máximos Luzes de estacionamento A esquerda
Com os médios ou máximos ligados, puxar alavanca Para baixo (2).
a alavanca na direcção do volante, ultra- Depoisderetirara chaveda ignição,
passando 0 Ponto de Pressão (3).Com 0s um avisadoracostico* enquanto a porta
máximos, acende-se tamb6m a respectiva condutor estiveraberta,
luz avisadora.
Os indicadores de direcção 96 funcionam
com a ignição ligada.
Indicadores de direcção do Iado direito -
alavanca para cima (1)
Indicadores de direccão do lado esquerdo -
alavanca para baixo (2).
Sinais de luzes
Puxar a alavanca de encontro aovolante até
sentir o ponto de pressão (3)-acende-se a
respectiva luz avisadora.
Notas
Na utilização dos dispositivos de ilumi-
nação e sinalização descritos devem se
observa-das as determinações legais. 1
Se os indicadores de direcção não e s t i a

I
Quando os indicadores de direcção estão verem desligados quando se extrai a chave
da ignição, ouve-se um avisador acústicox
1,gados. acenoe-seLma luz av saaora com o
quando se abre a porta do condutor.
mesmo f'tmo de 'nrerniir&nc:a- verramoém
página 56.
Quando o volante desfaz a curva, os indica-
dores de direcção apagam-se automatica-
mente.
~impallava-pára-brisas
Soltandoa alavanca, deixa de sair água. fun-
cionando as escovasainda uns4segundos.
Lava-faróis*
Com os médios ou os máximos ligados,
cada vez que o lava-pára-brisas funciona, OS
faróis são tambbm lavados.
O limpapava-pára-brisas só funciona com a Osvidrosdosfar4isdeverãoser. noentanto,
ignição ligada. limpos a intervalos regulares, por exemplo
No caso de frio intenso e quando houver quando se reabastecer o depósito de

.
geada, antes de accionar o limpapára- combustivel.
.brisas verificar se as escovas não estão Vidro traseiro
coladas ao vidro.
PBra-brisas Premir o botão no sentido da seta 5 - a

..
~sajeetoresaquecíveisdoesguicho*são de movimento único escova descreve um movimento cada 6
automaticamente ligados quando se liga a segundos (funcionamento temporizado). O
jgniç.o, sendo a sua pot&ncia calor,fica
re- Levantar a alavanca só até ao ponto de
pressao, antes do encaixe da posição I. botão fica engatado.
gulada em função da temperatura exterioi,
Limpa-phra-brisas lento Premindo o botão de novo. o limpa-vidro é

.
Notas
Alavanca no encaixe 1. desligado.
Reabastecimento do depósito do lava- Limpa-p~ra-biisas rápido: Sistema automático limpallava-vidro
-vidros - ver página 120.
Alavanca no encaixe 2. Afastar brevemente a alavanca dovolante 6
Substituiçãodasescovasdolimpa-vidros F~~~~~~~~~~~~temporizado
-ver página 121. -o limpallava-vidro funciona enquanto a
Alavanca na posição 3. alavanca for mantida nessa posição.
Asescovasdescrevem ummovimentocada Soltando a alavanca, o esguicho pára e a es-
6 segundos. cova funciona ainda duranteuns4segundos.
W Sistema automático limpallava-pára-
brisas
Puxar a alavanca para o volante 4-fazendo
funcionar o limpaliava-pára-brisas.
-~

I INSTRUÇOES DE UTILIZAÇÃO i1

Para a direita -aumenta a pot&nciacalorifica

i limpos de gelo e
baciados.
-
Interruptor giratório C Distribuição do

A salda do ar é regulhvel em 4 velocidades.


Na posição O o ar fresco é fornecido atrav8s
da deslocaçáo do ar, sem intervenção do
ventilador.
Nos veículos com filtro do ar fresco* as
poeiras, pólen, etc. são retidospelofiltroem
qualquer posição do interruptor A.
Desembaciamento do phra-brisas e
dos vidros laterais
Se. devido a uma arande humidade atmos-
f6rica. por exemploqbandochove, osvdros
seembaciam, recomenda-seauese~roceda
do seguinte modo:
H Interruptor A na posiçáo 2 ou 3
H Interruptor B na posiçãodeaquecimento
desejada
Interruptor C na posição ...................
Difusore Movendo a grelha dos difusores 3 e 4, é H Fechar os difusores 3
posslvel orientar o fluxo do ar na altura. Pelos difusoreç 4 pode-se orientar
Por todos os difusores sai ar renovado,
aquecido ou não. conforme a posição do Roaanoo a roda recani hada da grelna para adicionalmente ar quente para os vidros
interruptor 8. esq~erdaOJ para a d:reita, direcc'ona-se o laterais.
fluxo do ar no sentido lateral.
Os difusores são comandados pelo inter- Aquecimento rápido do habitáculo
ruptor giratório C. H Interruptor A na posição 3
Degelo do pára-brisase vidros
Os difusores 3 e 4 podem ser, além disso, Interruptor B totalmente rodado para a
abertos e fechados individualmente. laterais
direita
Interruptor A na posiç.30 3
Roda recartilhada para cima ou para a direita
- difusor aberto Interruptores B e C completamente
Interruptor C na posição .................*b
rodados para a direita, at6 encostarem H Fechar os difusores 3
Roda recartilhada para baixo ou para a
esquerda - difusor fechado H Fechar os difusores 3 Abrir completa ou parcialmente os
difusores 4 com a roda recartilhada.
H Atrav6s dos difusores 4 6 posslvel
orientar, além disso, o ar aquecido para os
vidros laterais.
. Interruptor
, -
C *'
na posiçao .......................................?A
.
Instruçóes gerais
Para que o aauecimento e a ventilacãc

.
ou .............. f ~ n onem
c efic entemente. 6 necessdr 0q.c
conforrnea distribuiçãodoar que sedesejar asentraaasdear I-ntodopára-brisaseste arr
Se o pára-brisas voltar a embaciar- desobstruidas de gelo, neve ou folhas.
-se, .colocar
- o interruptor C entre a Todososcomandos, exceptoointerrupto,
posiçao ....................... . . *d A, podem serreguladosem qualquerposiçãc

Aquecimento confortável do
habitáculo
.
e ..........................
Fechar os difusores 3

dearaouecidon
............................. W

Nos difusores 4 pode-se regular o caudal


bemassima suaorientacão.
....................

Ventilação (renovaç6o do ar)


intermédia.
Para evitar o embaciamento dos vidros
quando o carro circula devagar. deve-se p8
o ventilador a funcionar na velocidade mai:
baixa.
ComoaeficáciadoaquecirnentodeDendc
da temperaufa ao 1lq~~'oooe refrgeração

.. .. .
Umavezdesembaciadososvidroseatingida Para que saia ar fresco não aquecido pelos sb se aringe a porência calorif ca maxmz
atemperatura interiordesejada,recomenda- difusores 3 e4, deve-se procedera seguinte quando o motor se encontra a temperaturr
mos a seguinte regulação: regulação: normal de funcionamento.

..
11 Interruptor A na posição 1 ou 2 Interruptor A na posição desejada O ar viciado é evacuado atravbs das ra
li: Interruptor 'Odado a nhuras localizadas por detrás dos revesti
Interruptor B regulado para a potbncia mentos laterais do porta-bagagens. cujr
5\ calorifica pretendida esquerda r função não deverá ser obstruida.
$1
I'
Interruptor C na posição .................. A
Abrir os difusores 3 e 4
Se for necessário. o'nrerr-ptorC poderá ser
tarnobm regu(aa0 nLma oLtra posição.
Ar condicionado*
.. * ..g$.a:!
:^,~li<r.iiu>Y
Comandos

es para uma boa Interruptor giratório A - Ventilador


ade, que contribuem para a A salda do ar b regulável em 4 velocidades.
a no trsnsito 86 estarão
s se todos as vidros Na posiçãoOficam desligadosoventilador e
opdegefo,neveedesemba*ad@:8:' o ar condicionado. Se se pretender evitar a
entrada dear poluído (mauscheiros), premir
o botão E (recirculaçáodo ar).
Nos velculos com filtro do ar fresco* as
poeiras, p6len. fuligem, etc. são retidospelo
filtro, em qualquer posição do interruptor A.

O ar condicionadoé um sistema combinado -


Interruptor giratório B Regulaçáo da
temperatura
de refrigeração e aquecimento que propo-
. .
rciona um máximo de conforto em aualauer Para a direita-aumenta a potência calorlfica.
época do ano.
Para a esquerda - diminui a pot&ncia
O ar condicionado s6 funciona com o motor calorlfica.
a trabalhar e com temperaturas exteriores
siperiores a +5' C aproximaoamente e nas Com o ar condicionado ligado, aumenta a
velocidades 1 a 4 do ventilador. potência de refrigeração quando se roda o
interruptor para a esquerda.
Com o sistema de refrigeraçáoligado, baixa,
no habitáculo, não s6 a temperatura, mas
tambéma humidadeatmosférica. Aumenta-
-se, assim. o conforto dos passageiros e
evita-se o embaciamento dos vidros, se a
humidade exterior for elevada.
-
Botão D LigarIDesligar o ar -
Botão E Recirculação do ar
condicionado Premindo este botão, liga-se o funciona-
O sistema pode ser accionado carregando mentoporrecirculaçãodoar. Quandoligado,
no botão. No botão premidoacende-se uma acende-se o símbolo.
IAmpada avisadora. Para desliaar a recirculação do ar. premir de
novoo bo%o premido.~iuzavisadoraapaga-
-se.

i, I,,;
:Com o ar ypdlcionado ligado. 0 ra-
..gima na marcha lenta do motor 6
. automaticamente
: . , . . . .,. c.
aumentado. Por
p ~ " . r í i z & o ;OS ~eiculollcom caixa da
Comarec;rc~laçãodoarimpede-seaentrada
de ar exterior p o l ~ l a ono n a o t A c ~ o .por
.~
exemolo
- - na travessa de um tLne ou num
engarrafamento.

lnm..mm.,,.-.
r,.-.-.,- -- . .-
,.Aribuiçao do
velocidades automAtica teráo da ser
imo.bilizgd.~$.s@mpre numa paragem Se se pretender aquecer o velculo mais
( p . i e x . , n y ~ ~ ~ ~ f o ~ . o ~ . c o m . ~ t ~ rapidamente,
a~ãode poder-se-á seleccionar a
pej :.quan#.o sH4, u m a posição da recirculaçãodo ar, em que o ar6 aspiradodo
mavbhs.sela~cionada. habitáculo para ser aquecido.

abertos Para desligar o sistema, basta carregar de


novo no botão premido, apagando-se então
a lâmpada avisadora.
1. 2.3,4
3.4. 5 1.2
3,4

Veja na página seguinte a disposição dos


difusores.
I ~ t'.-""-'@bQifflPlfiWhtJ<ni361~pA
ençao

r
recirculaç~iprd~36ph~bpd&$&~#&~~m
.necar seleccionada duranC~b&qif?~
!tempo, pois impede a entre@r:aP.$dWn
fresco no habitáculo. pode* t~;y-@
baciarosvidros,comoarconc@&na o
jdTig,aba. E ~ @ ~ a u i irbo ?<;d>i-'i R
le:rz3>tP 8 <+alt.Á+Qc.) 1 3 6 ~ <,? , !:P.I<<!.I!::G
Durante o funcionamento Dor recirculacáo
do ar náo se deve fumar oenrro do ve1c;lo.
~ o ' s o f ~ m o a s ~ i r a dhabirbculode~osita-
ooo
-. no evaoo.rador
se ~~- - ~ do - ar~ condicionado.
, - . ~ .-.,
-. ~ ~ ~
~ ~ ~ ~
provocando uma permanente emissão de Movendo a grelha dos difusores 3 e 4, é
cheiro desagrad6vel. com oar condicionado posslvel orientar o fluxo do ar na altura.
ligado. A eliminação deste inconveniente é Portodososdifusores sai ar renovadoaque- Rodandoa roda recartilhada na grelha para a
dispendiosa, exigindoa troca do evaporador. cido ou náo ou refrigerado, conforme a po- esquerda ou para a direita. direcciona-se o
siçáo do interruptor B e dos botões D e E.
Nota fluxo do ar no sentido lateral.
O comandodos difusores efectuaseatravés
Os interruptores D e E podem ser premidos do interruptor C.
em combinaçáo.
Os difusores 3 e 4 podem ser. além disso,
abertos e fechados individualmente.
Roda recartilhada para cima e para a direita
- difusor aberto
Roda recartilhada para baixo e para a
esquerda - difusor fechado
L INSTRUÇOES DE UTILIZAÇAO
Desembaciamento d o pára-brisas e
dos vidros laterais
Se, devido a uma grande humidade
.
Aquecimento rápido do habiiáculo
interruptor A na posição 3

.
U Interruptor 6 totalmente rodado para a
atmosférica, por exemploquandochove, os direita

.
vidros se embaciam. recomenda-se que se
proceda do seguinte modo: bJ
Interruptor C na posição .................

.
) H interruptor A na posição 2 ou 3 Fechar os difusores 3
Interruptor6 naposiçãodeaquecimento H Abrir completa ou parcialmente os difu-

a' ~. sores 4 com a roda serrilhada.

..
deseiada
Ligar o ar condicionado. premindo o bo- Ligar a recirculaçáo do ar, premindo o
tao D. botão E (ar condicionado desligado)
Degelo do pira-brisas e vidros Interruptor C na posiçáo ...................
laterais Atençáo
Fechar os difusores 3
A recirculaçáo do ar não deve perma-

.
W interruptor A na posição 3
H Pe os dif~sores4
pode-seorienrarad co- necer seleccionada durante muito
H Interruptores B e C completamente ro- na,mente ar qLenre soore os vioros aterais. tempo, pois impede a entrada de ar
dados para a direita, até encostarem fresco no habitbculo, podendo emba-
Fechar os difusores 3 ciar os vidros, w m o ar wndidionado
desligado.
Através dos difusores 4 é possível orien-
tar, além disso, o ar aquecido para os vidros
laterais. Respeitar as instruções relativas A recir-
culaçáo do ar, na phgina 70 e 71.
Aquecimento confortável do Refrigeraçáo normal Refrigeraçáo máxima
habitáculo W Interruptor A na posição 1-4. conforme Fechartodos os vidros e o tecto de abrir"
urna vezdesembac adososv oroseatingida se deseje. ou a capota
atemperat-ra interioroese:aaa. recomenda- InterruptorBreguladoparaatemperatura Interruptor A na posição 4
mos a seguinte regulação: pretendida (deste modo, também possível
o aquecimento). W Interruptor B rodado h esquerda
8 Interruptor A na posição 1 ou 2
Interruptor C na posição pretendida. H Interruptor C na posição ..................
8 Interruptor B regulado para a potência
calorifica pretendida Com o interruptor C na posição terá de Premir o botão D para ligar o ar condi-
8 Interruptor C na posição ................... *2 haver sempre pelo menos um difusor
aberto. a fim de que o sistema de re-
a
+O
cionado
W Abrir os difusores 3 e 4
ou ..................................................... ..... frigeração não congele.
conformeadistribuiçãodoarquese desejar. Teráde haversemprepelomenosum difusor
W Premir o botão D. aberto. afimdequeosistemaderefrigeração
8 Se o pára-brisas se embaciar, colo- não congele.
car o interruptor C na posição ............... W Abrir os difusores 3 e 4, conforme se
pretenda. Neste regime de funcionamento H Ligara recirculaçáodoaratravés do botão
8 Fechar os difusores 3 é aspirado e refrigerado ar do exterior. E
8 Nos difusores 4 pode-se regular o caudal
de ar pretendido e bem assim a sua orien- Atenção
tação.
A recirculaoáo do ar não deve Derma-
necar seleccionada durante. muito
tempo, pois impede a entrada de ar
fresco no habiiáculo, podendo emba-
ciar os vidros, com o ar condicionado
desligado.

Respeitar as instruções relativas a racir-


culaçáo do ar, na página 70 e 71.
Recomendações gerais
Quando a temperatura exterior e a humi-
dade atmosférica são elevadas, poderá
Para qJeoaq~ecmento.a venr'.açáoe o
ar conoicionaao f~ncionem ef cientemente.
é necessário que as entradas de ar junto do
I
pára-brisas estejam desobstruídas de gelo,
pingar água de condensaçãodo evaporador, neve ou folhas.

.
formando uma poça de água por baixo do
veículo. Isso é normal e não sinal de uma W Dado que a eficácia do aquecimento de-
fuga. pende da temperatura do líquido de refrige-
ração. s6 se atinge a potência calorífica
Todososcomandos, exceptoointerruptor máxima quando o motor atinge a tempe-
A e os botões D e E, podem ser regulados ratura normal de serviço.
em qualquer posição intermédia.

I
W O ar viciado 6 evacuado através das ra-
Para evitar o embaciamento dos vidros, nhuras dispostas nos revestimentos late-
quando o carro circula devagar, deve-se p8r rais do porta-bagagens. Por isso, quando se
Ventilaçác ..-.iovaçáo do ar) o ventilador a funcionar na velocidade mais carrega a mala, terá de haver o cuidado de
Para que saia ar fresco não aquecido pelos baixa e rodar o interruptor C para a manter essas ranhuras desimpedidas.
- posição ....................
. W
...................

..
difusores3 e4. deve-se ~rocederà seauinte
regulaçáo: Seoar condicionado tiver estadodurante
Desligaroarcondicionadocom o b o t ã o ~ ~m~eríodomaislongosemfuncionar, poder-
-se-ão registar cheiros desagradáveis devi-
Interruptor A na posição desejada dosa sedimentos noevaporador. Paraelimi-
nar ou evitar esses cheiros, dever-se-á ligar
totalmente rodado a es- o sistema pelo menos uma vez por mês, na

.
Interruptor
querda
,, velocidade mais alta do ventilador, mesmo
W Interruptor C na posição ..................2 na estação mais fria. Abrir uma janela, por
alguns instantes.
Abrir os difusores 3 e 4
Sefor necessário, o interruptorcpoderá ser
também regulado numa outra posição.
Utilização económica do ar Deficiências de funcionamento
ISe o ar condicionado não funcionar, po-
O compressor do ar condicionado consome derá verificar-se uma das seguintes causas:
potência do motor na refrigeração. influenci- - temperatura exterior inferior a +5 OC
ando, deste modo, oconsumo de combustí-
vel. Afim de reduzir ao máximo o tempo de - o fusfvel está queimado.
funcionamento. devem observar-se os se- Verificar e, se necessário, substituir 0 fu+
vel-verpágina 140. Senão houveravariado
Ise, com veículo ao sol, o habitá- fusível, mandar verificar o sistema de re-
culo tiver aquecido muito, é conveniente frigeração.
abrir durante uns instantes as portas e as - o ar condicionado poderá ter ainda
janelas. a fim de que 0 ar quente Possa sair. desligadodevidoatemperaturaexcessiva-
Icomas janelas e o tecto de correr* ou a mente elevada do líquido de refrigeração.
capota* abertos. não se deve ligar 0 ar w Seacapacidadederefrigaraçãodiminuir,
condicionado, em andamento. desligueoarcondicionadoe mandeverificar
I Se se puder atingir a temperatura pre- O Sistema.
tendida no habitáculo sem ligar a refrigera-

75
Tecto de abrir*
Abrir Atenção
Rebater a manivela, premir o botão (1) e
Porrezoesri
rodar a manivela para a direita - seta (Ai. dote~odever~e~arsempreescamo
I:
\
Fechar
Rodara manivela paraa esquerda-seta (B).
teada na respectiva cavidade.
rn Tenha cuidado ao fechar o tecto1
Quando se fecha o tecto descuidada
Levantar ou inadvertidamente, h6 o perigo da
Com o tecto fechado, rebater a manivela, provocar entaladuras.
premir o botão (1)e rodar a manivela para a
esquerda - seta (B).
b
Baixar
I tecto e aberto e fechado por meio da Rodar a manivela para a direita, até o tecto
1. manivela. ficar fechado e o botáo encaixado.
Nota
Quando se abre o tecto de abir, abre-se
também automaticamente a protecçáo
corrediça contra o sol. Com o tecto fechado.
esta protecção pode ser aberta ou fechada.
a maõ, conforme se pretenda
Capota*

Para evitar danos, a capota não deverá


ser aberta nem fechada a velocidades
superiores a 150 kmlh.
A capota é aberta e fechada por meio do Retirar a guarniçáo protectora
interruptor, com a ignição ligada. Accionamento de emergência W Empurraraguarniçãoprotectora.àfrente
Abrir No caso de uma avaria no sistema, a capota (do ladoda Iarnpada),alguns millmetrospara
pode ser também fechada à mão. Existe, trás.
Premir o interruptor, em baixo, e mantê-lo
premido. até ser atingida a posição de aber- para esse efeito, uma manivela por baixo da H Virar a guarniçáo protectora um pouco
tura pretendida. guarnição protectora da luz interior. para baixo (I)e puxá-la depois para a frente
(2).para fora do recorte.
Fechar
Premir o interruptor, em cima.
'P
I INSTRUÇ~ESDE UTILIZAÇÃO
Lui
- ' iteriores

. ' -1 interior a~u~ireira

I
.
Fechar a capota Rodar a manivela no sentido dos pontei-
ros do relógio (4), para fechar a capota.
Retirar a manivela (1)do seu suporte e .o difusor premido A esquerda (pos. 11-
enroscar a extremidade roscada (2) da ma- Depois de se fechar a capota: luz permanentemente acesa.
nivela. no sentido dos ponteiros do rel6gi0, Desenroscar a manivela do furo roscado, Vidro difusor na posiçáocentral -ligação por
no furo roscado (3). inseri-la no suporte e montar a guarnição contacto da porta.
protectora. Para esse efeito, inserir esta
última com as suas fixações primeiro, atrás, Vidro difusor premido A direita (pos. 2) -luz
no recorte, pressionando-a depois A frente. apagada
para cima, at6 encaixar. Luz do porta-bagagens*

I
A luz acende-se com a tampa do porta-ba-
gagens aberta (mesmo estando desligadas
as luzes do carro e a ignição). Dever-se-&,
por isso, ter sempre o cuidado de verificar
que a tampa do porta-bagagens fique bem
fechada, mesmo quando se estaciona o
veiculo.
palas de sol Receptáculo do Livro de Bordo Porta-luvas
AS palas de sol podem ser desencaixadas
dos seus suportes laterais e voltadas para o
Iado da janela.

rj
0s espelhos de cortesia do lado de trás
estão protegidos por meio de tampas.

BBN.088C

O receptáculo do Livro de Bordo encontra- Para abrir^ ..,. .-v.I. .drta-luvas,


-se do lado de fora do banco do condutor. premirasteclascursorasnosentidodaseta.
- .....- -

,.
!
, .

a-'
1s'
i,
ar:
".
o
i

. 79
Cinzeiros Isqueiro I Tomada
1
Para acender o isqueiro, introduza-o, p r e
mindo ao centro. Dara dentro do seu re-
A tomada de 12 Volt do isqueiro pode ser
também utilizada para qualquer acessório I
ceptác~io~ ~ a n despirao i entra em incan-
aescência o botáo repressa b sua posição.
eibctrico com Lma potencia nao sdperior a
180Watt. Com o motor parado. a bateria vai I
I
Retire o isqueiro e utiize-o imediatamente. sendo, porém. descarregada. Mais porme-
nores nocapítulo "Acess6rios". página 132.

ado ao utilizar o isqueiro1


ilizaçáo descuidada o u inadverti-
o isqueiro pode provocar queima-

1 Despejar-abriro cinzeiro, premira mola de


retenção (ver seta) no cinzeiro e extrai-lo.
Recolocar-introduzir o cinzeiro nas guias e
fechá-lo. Não deixe, por isso, nunca.crienps
v R"'" ,,...
" .'"f<".<..~L" .,-. .-, , sozinhas dentro do cano.
' & ~ $ ~ 1 ~ r n & 1 e 8 ~ ~ ; F5,b(ifi.+
~~?
&ti. .brra tns
-N~@;:~Jli~~@~nu,n~-gs'ci!tzeirgs .cem0
-
recept6culos d e papel risco d e in-
csndiol
L 1; porta-bagagens no tejadilho
Ouando pretender transportar bagagem no Carga sobre o tejadilho
tejadilho, deverá atentar no seguinte:
Acarga admissivel notejadilho (incluindo
8 Como as caleiras estão integradas no o porta-bagagens)no total de 75 kg e o
teiadilho por razóes aerodinamicas. não peso bruto admissivel do veículo não
&em ser utilizados os porta-bagagens podem ser ultrapassados - ver pagina
convencionais. Para evitar,riscos. recomen- 163.
damos que utilize exclusivamente os su-
portes básicos previstos pela fabrica. Distribua a carga uniformemente. No
caso de se utilizar um porta-bagagens com
iEstes suportes constituem a base dum menor capacidade de carga, não se poderá
~s~ernacompletoaetransportesno~ejadilno aproveitar a totalidade da carga sobre o
- oagagem. bicicletas. prancnas de surf. tejadilho. O porta-bagagens do tejadilho
sks e barcos- para os q ais existem %por- só poderá ser carregado até ao limite de
tascomplementaresaaequaüosa cadacaso. W O sistema de porta-bagagens do teja- peso indicado nas instruções de mon-
Todos os componentes deste sistema po- dilho terá de ser fixado rigorosamente tagem.
dem ser adquiridos nos concessionários~ da acordo com as instrucóesfornecidas. No transporte de objectos pesados ou
Na montagem dos suportes de base é muito volumosos no tejadilho não esquecer
indispensável ter o cuidado de que as que, devido à deslocação do centro de gra-
8 Os danos provocados pela utilização basesdas barras de suporte fiquem rigo-
vidade e à maior superflciede resistgncia ao
de outros sistemas de porta-bagagens rosamente assentes nas marcas feitas
ar, o comportamento se modifica. Dever-
gs instruções ficam excluídas da garan-
-
ou por uma montagem que não atenda nas caleiras de plástico ver figura.
-se-á, por isso. adaptar a condução e a velo-
tia~ cidade a essa circunstância.
W Tomar atenção a qde, qJanoo aOert.3, a
tampa 1rase:ra não bata nacarga dotejadi ho.
1 I I N S T R U G ~ ~DEE ~CONDUCÃ~
Os primeiros 1500 quilómetros e depois
~ ~ -. . . ~ ~ ,.. ~~~~~~.
>$
@ Náoconduli'nummgimederotaçóes
Rodagem As pastilhas de travão novas pre-$ desnecessariamenteelevado-selec-
Durante as primeiras horas de funciona- cisam dese«esmerilar», necessitandc& cionando uma velocidade mais alta,
mento, o atrito interno do motor é maior do duma rodagem de cerca de200 km atd;,, economizará combustível, reduzirá os
que mais tarde, depois de todas as peças
rnbveis se terem aiustado entre si. Para aue
~~
atingirem a sua capacidade máxim4;;
de fricção. Para compensar, ter-se-g?.!
. .
ruídos e preservará o ambiente ver
tambám .~ á-g i n a
83.
-
este ajustamento' seia perfeito, é funda- de pisar o pedal do travão com maio,,
mental o tipo de condução adoptado nos força. O mesmo se verifica quando ao:: Não conduzir num regime de rotações
primeiros 1500 km. pastilhas são substituídas. $,i desnecessariamentebaixo-seleccioneuma
...
55 velocidade mais baixaauandoomotordeixar
~~~~~ ~

Durante os primeiros 1000 km de funcionar uniformemente.


Entre os 1000 e 1500 k m
aplicam-se as seguintes regras gerais:
Pode ir aumentando gradualmente a veloci-
não acelerar nunca a fundo dadeat6atingiroregimemáximoadmisslvel. Depois da rodagem
nãocircularamaisde3/4davelocidade O regime máximo admisslvel é assinalado
máxima pelo inlcio da zona vermelha na escala do
Durante e depois da rodagem conta-rotações.O ponteirodoconta-rotações
evitar os regimes elevados
Não conduzir nunca, com o motor frio. "0 pode entrar nessa
evitar, na medida do possível, a utilização num regime de rotações elevadas- nem na
com reboque. Existe um sistema de regulaçãoautomática
marcha lenta. nem com uma velocidade que evitaos regimesexcessivamen
:i engatada. - elevados.
Atenção r' Todas as indicações relativasa velocidade e
Os pneus novos precisam tambánk regime de rotações referem-se apenas ao
duma certa .rodagem», pois não diq6, motor A temperatura normal defunciona-
põem, de início, ainda da sua capaci- manto.
dade de aderéncia optimizada. E ne-
cesshrio ter isso em conta e conduzlt
com adevida precauçãonos primeiro8
100 km.
condução económica e pouco poluente
O consumo de combustível, a poluição do O consumo de combustivel é, por exem- As condições individuais de utilização
ambiente e o desgaste do motor, travóes e plo, na 2" velocidade mais do dobro que
pneus dependem de diversos factores. namudançama1salta.Aomesmotempo do veículo influem também naturalmente
Neste capítulo são referidos os aspectos consegue-se, nesta última, uma redução no consumo de combustível.
que assumem uma importância fundamen- dos ruídos, graçasao regime mais baixo. Desfavoráveis para o consumo são, por
tal. #? Evitar, sepossível, conduzir a veloci- exemplo. as seguintes circunstâncias:
O estilo de condução pessoal dade máxima. W Grande densidade do trânsito, nomeada-
6 um dos factores determinantes da eco- O consumo de combustível, as em;ssóes mentetrânsito urbanocomosseus inúmeros
nomia. da emissão dos gases de escape e de escape e os ruídos aumentam des- semáforos.
dos ruídos: mesuradamente com velocidades altas. W Trajectos curtos frequentes. com arran-
@ N ~ aquecer
O o motorcom o carro Se Se aproveitar a velocidade máxima ques constantes e repetidas fases de aque-
parado. apenasa trêsquartos, oconsumo baixará cimentos do motor.
a cerca de metade, sendo a perda de
Na marcha lenta o motor demora muito tempo, reconhecidamente, diminuta. W Conducão em filas de trânsito. a uma ve-
tempo a aquecer. Na fase de aquecimen- ociaaoe oaixa. o.. se a, nLm elevado reg me
to o desgaste e a emissão de #? Conduzircomamáximaregularidade ae roraçóesem re açaod a stanc a percorrioa
tóxicas são, por outro lado, especialmen- e na defensiva.
#? Programandopreviamenteositinerá-
te elevados. Arranque, por isso, ;me- AS acelerações e travagens desnecessá- rios, poder-se-áevitarengarrafamen-
diatamente, e evite os regimes altos. rias representam um consumo tos: e o trânsito em filas cerradas.
@ Evitar acelerações a fundo. de combustível e uma maior poluição do
ambiente. Existem naturalmente outros factores de
Através dumaaceleraçãoequilibrada não influenciasobreoconsumo, independentes
só se reduz consideravelmente o consu- #? Deeigaromotoremcasode~aragens do condutor. E, por exemplo. normal um
mo de combustível, como também a mais prolongadas no trânsito. maiorconsumo no Invernoousobcondiçóes
poluição e o desgaste. adversas (estradaem mau estado, utilização
de atrelado, etc.).
#? Não conduzir em regimes desneces-
sariamente elevados - seleccionar
uma mudança superior logo que seja
possivel e só optar por uma inferior
quando o motor deixar de funcionar com
regularidade.
I

I
I
I INSTRUÇÓES DE CONDUÇAO
Os requisitos tbcniws @ Não transportar pesos inúteis no @ Controlar regularmente o consumo
carro. de combustível.
para um consumo baixo e boa rentabilidade
foram facultados ao seu carro «A partida)). Nomeadamente no trânsito urbano, com É conveniente controlar o consumo em
Foi dada uma especial importdncia a um frequentesacelerações,opeso do veiculo cada reabastecimento. Poderá, deste
baixo nivel de poluição. Para aproveitar e tem arande influência no consumo modo, descobrir a tempo qualquer irre-
conservaressaspropriedadesdeveráobser- de co~%bustivel.Porcada 100kg de peso, gularidade no veiculo que dê origem a
var os seguintes pontos: o consumo aumenta ((grosso modo» um acréscimo do consumo.
I litro/IOO km.
% Mesmo os veiculos sem catelisador H Verificar o nível do 61eo em cada rea-
bastecimento.
deverão serabastecidos, senossivel, @ Desmontar o porta-bagagens do teja-
comgasolinasemchumbo, emdefesado dilho assim aue deixar de ser neces- O consumo de 61eo depende, em grande
ambiente. sário. medida, da carga e do número de rotações
% Os trabalhos de manutenção previs- Especialmente a alta velocidade, o con- do motor. Conforme a condução. esse con-
sumo poderá ir at6 1 ,O 111000 km.
tos deverãoser executedosrigorosa- sumo aumenta consideravelmente de-
mente em conformidade com o Piano de vido a maior resistência do ar. É normal queoconsumode6leo dum motor
Assistência. @ Ligar os consumidores el6ctricos só novo só atinja o seu valor mlnimo ao fim
A assistência metddica através das ouando são efectivamente necessb- dum certo período de rodagem. Por isso, s6
oficinas Volkswagen garante não s6 uma rios. depois de completados 5000 km aproxima-
ooeracionalidade oermanente, como damente. é possível determinar a média do
O desembaciador traseiro, os far6is consumo.
também a rentabilidade, um baixo nivel adicionais e o ventilador do aquecimento
de poluiçáo e uma grande longevidade. requerem uma considerável potência. O mesmo sucede quanto ao combustível e :
@ Verificar a pressão dos pneus uma Divido a maior carga do altarnador, o ao rendimento do motor.
vez por mês. consumo de combustível aumenta. O
desembaciador traseiro aumenta, por
Uma pressáo baixa aumenta a resisténcia exemplo, o consumo em cerca de 1 litro,
ao rolamento. Isso conduz a um maior ao fim de 10 horas.
consumo de combustivel e desgaste dos
pneus, al6m deafectaro comportamento.
O perfeito funcionamento do sistema de W Não exceder a quantidade máxima de Nota
depuração de escape é de importgncia óleo do motor - ver página 108.
decisiva para o comportamento ecológico Mesmo no caso de correcto funcionamento
do veículo. W O veículo não pode ser rebocado para do sistema de escape, poder-se-á registar,
arranque durante mais de 50 m -ver página em certas condiçóes de funcionamento do
É, por isso, imprescindível observar os 153. motor, um desagradável cheiro sulfuroso
seguintes aspectos: nos gases de escape.
8 Os veículos com cara isador só pooem A causa está relacionada com o teor de
ser abastecaos com gasol na sem chumoo enxofre do combustível.
-ver página 93 -.I&Devido bs temperaturas eleva&&
8 Nos velculos com catalisador não deixar
arerao
' eL em condiçó& adversas, se po-
registar no catalisadordosgases
Muitas vezes bastará trocar de marca da
gasolina ou utililizar gasolina super.
nuncaodewósitoesvaziaratéaofim. Devido
a~irregula;idades no abastecimento de
combustível, poder-se-ão registar falhas na
igniçáo, chegando assim gasolina por quei-
mar ao sistema de escawe. Isso wode con-
duzira um sobreaquecimentoeconsequente .?i Não utilize nunca produto
danificação do catalisador. lyotecção do chassis adicional nem
&odutos anticorrosão no colectoh.e
8 Sed~ran1eaviagemseverif;caremíahas iubagens de ascape, catalisadores e
na .gniçao. queora oe pot&nc:ae bm f ~ n c i o - çbapasde blindagent6rmica,pois, em
namenro rregJiar do moror. a caLsa poderli andamento. esias substancias pode-
residir nLma avara ao sistema de ,gn cão. o r60 incendiar-se.
que poder&fazer com que cheguegasolina
por queimar ao sistema de escape e, por
conseguintehatmosfera. AIBm disso, devido
ao sobreaquecimento, o catalisador poder6
ficar danificado. Reduza imediatamente a
velocidade e mande eliminar a defici&ncia
na oficina Volkswagen mais próxima.
Travões
O que pode influenciar negativa- Sobreaquecimento dos travões
Recomendações gerais
mente a acção de travagem?
O desgaste das pastilhas depende, em
grande medida, das condições de utilização Humidade e sais antigelo
e do estilo da condução. Especialmentenos Não provoque nunca o atrito dos i
,I
velculos utilizados predominantemente no
circuito urbano ou em trajectos curtos ou
ainda sujeitas a uma condução despoitiva
ooderá haver necessidade de verificar a
espess~radas pastithas nJma of,c;na aJto-
Atenção
6
1
?B Sob certas condicões, por exemplo
I
'ao atravassarzona&lagadas, debaixo
d e chuva intensa ou depois de lavar o
avões carregando levemente no i
não tiver de travar de facto.
provocar8 o seu sobreaque-
aumentando o curso de (
/
.
rizaoa Vo kswagen antes ao prazo prevsro
no Plano de AssistBncia
,q
barro, poder-se-8 regiatar uma res-
;posta retardada dostravões, devido a
;;bresença de humidadeou, no Inverno.
Nas descidas dever-se-á aproveitar o @e gelo nos discos: conv6m secar as
efeito de travagem do motor, aliviando o t astilhas e osdiscos atrav6sdo efeito
sistema de travões. Se houver necessidade 9
:,da fricção.
".,
de proceder a travagens adicionais, deverá
fm O mesmo se poder6 verificar em

-
efectuá-las inte~aladamente,sem exercer
uma Dressão constante. .estradas tratadas com sais antigelo. eitodetravagemdomotor ealiviar
$após um trajecto mais longo sem
-
' , w s oaos travões a camada de sal
ilformada nos discos e nas pastilhas
&tem de ser eliminada por acção do spoilerdianteiro,ter-se-8deassegurar
não seja prejudicada a passagem
$trito~~~~ e ar at6 aos travões dianteiros, pois,
econtr8rio.ostravõespoderão aque-
excessivamente.
Servo-fi Sistema anti-bloqueio* traseiras é idêntica, mantendo-se. tanto
auanto oossível. a estabilidade da marcha.
mz O ABS contribui dum modo fundamental ~ o t a - sessa i regulação pelo movimento
'"~tenÇá0 para aumentar a segurança activa. A vanta- do ~ e d ado l travão associado a certos
!ÍJ se?q?i*io ?"ncl6pi.pai v6@qq:<i"el, gem decisiva do ABS, relativamente ao ruidos, servindo ao mesmo tempo de
%6 se'fórmb com i? nicitoy e* anda-. ,
.-..:,:T,.,.. sistema de travões convencional, consiste advertgncia para o condutor de que uma ou
Finento. Nunca circule, por Isso, q ~ . ?no facto de, mesmo em piso escorregadio. mais rodas se encontram nos limites do
,,

motor desiigedo. as rodas não bloquearem quando se trava, bloqueio. Afim dequeo ABS possa efectuar
continuandooveículoa poder serconduzida aqui uma regulaçáooptimizada, é necessário
:.
não trabalhar por.^
." .
, neceWrio ,idjoaP@i,
eprese~andoamaiorestabilidadeposslvel. manter o pedal do traváo pisado até ao
au~pora~a~a;dopr6pridsé~- Não se oeve. porém. esperar qLe. por acção fundo - não bombear em circunstância
&i-õo:6d~& chriegai:darh ba* ao ABS, a distância oe travagemse'asempre nenhuma!
força n&bebal:'d&traqão, redJZ oa N ~ m p i S ~ d e S a i b ~ ~ ~ ~ n L m a e . t r. a -.
S ,,: : :,;t.::
8 '~: ,.!,.:>,,,-: , ~ , . ' > , , < : ;
da geada e com neve fresca. onde a con- Atenção
o ~ ç ã odeve ser. em qLa qJer caso. sempre
prLaente e a veloc dade red~zioaa a stânc a Nem mesmo o ABS oode ultraoassar
detravagem poderá ser até um pouco maior. as limitaçóes lmpo&s pela Gca. H&
aue terestefacto em es~acial atencão
Modo de funcionamento do ABS num piso liso ou húmido. ~ u a n d as ó
rodasentram nos limites do bloqueio,
Quando o veículo atinge uma velocidade de h& que ajustar imediatamente a
cerca de 6 km/h, é desencadeado um teste velocidade Bs condiçóes do piso e do
automático, podendo-se ouvir ruídos de transito. O facto de se dispor duma
bomba. maior segurança não deverá induzir a
Quando avelocidade ~eriféricaduma roda é que se corra um maior risco.
excess,vamente oaixa para a veloc oade oo
veiculo e tende a bloq,ear-se. a pressáo de Q ~ a l q ~falha e r no funcionamento do ABS é
travagem nessa roda dimin~i.Nas rodas indicaaa por m a 1.2 av sadora -ver p8gina
dianteirasa pressão aetravagem é regulada 59.
indi~;~Jaimenle, ao passo q-e. nas ao eixo
traseiro. e a é reg~laaaem coni~nro.Por
isso. a acção de travagem das duas rodas
Bloqueio electrónico do diferencial (EDSI*
Os veículos equipados com sistema anti- Esta regulação pode ser detectada Assim que o travão tiver arrefecido, o EDS
bloqueio (ABS)* poderão dispor adicional- atrav6s o seu ruído. volta a ligar-se automaticamente.
mente de um bloqueio electrónico do dife-
Para atingir a maior eficácia possível do Quando se acende a luz avisadora do ABS
rencial. EDS, dever-se-ão accionar o pedal do (ver página 59).poderá haver também uma
Através do EDS são substancialmentefacili- acelerador eaembraiasem.de harmonia deficiência no EDS. Procure, sem demora. a
tadas ou até viabilizadas, mesmo nas con- com as condições do piso. assistência de um concessionário Volks-
diçóes de piso mais adversas, a aceleraçáo wagen!
e as subidas íngremes.
Atenção i
L i
O EDS funciona automatbmente. isto 6. N, num pisoescorregadio, Atenção
sem intervenção do condutor. p. ex. com nevee gelo-dever-se-6usar O estilo de condução tem de ser
Através dos sensores do ABS, controla a da maior prud6ncia, em virtude de as sempre ajustado 9s condiçóes do piso
rotação das rodas motrizes. Uma diferença rodas motrizes poderem patinar. e do tr8nsito. O mais elevado nival da
na rotação das rodas motrizesdaordem das 'PeS" do EDs, segurançadeque se dispõe nãodeverá
100 rpm, resultantedeum pisoescorregadio a estabilidade na marcha. levar a áue se enfrentem maiores
de um dos lados, é compensada. até uma . ,

velocidade de 40 kmlh, pela desaceleração A fim de que o disco do travão da roda


da roda que Patina. transferindo-se a força desacelerada não aqueça excessivamente,
propulsora Para a Outra roda motriz. Por O EDS desliga-se automaticamente no caso
meio do diferencial. de uma grande solicitação. O veículo man-
tém-se operacionaí, com as mesmas pro-
priedades que um veículo sem EDS. Por
esta razão. não é indicado o corte do EDS.
I Direc(ão assistida*
Com o motor a funcionar não deverá deixar
Condução com reboque
Embora o velculo tivesse sido concebido Instruções de utilização
volante completamente virado durante essencialmente para o transporte de
mais que 15 segundos. Devido a uma vira- passageiros e de bagagem, elepode ser W Em caso nenhum se devem exceder as
gem total permanente, o 61eo hidráulico é também utilizado com reboque, desde que cargas de reboque admissiveis-ver página
fortementeaauecido pela bomba da direccão disponha do necessário equipamento 164.
assistida. t6cnico. W Se se não aproveitar a carga de reooqLe
Daaui poderãoresultar danosnosistema Condições técnicas adm:sslve do v e i c ~ l ona sua total daae. DO-
da direcção assistida. derão ser vencidas inclinações mais sinu-
W Se ovelculovier equipado de fábrica com osas.
Além disso, uma viragem total do volante um dispositivo de reboaue. isso sianifica
como velculo parado manifesta-se também que ele foi dotado de todos os reqüisitos W As cargas de reboque indicadas são vá-
atrav6s de rufdos. devido A forte sobre- técnicos e legais necessários para essa lidas para altitudes até 1000 m acima do
solicitacão a aue a bomba fica submetida. utilizaçáo. nível do mar. Em virtude de. com maior
~orout;o ladoiambém, o regime da marcha altitude, o rendimento do motor diminuir
lenta do motor é transitoriamente reduzido. W Se o atrelado dispuser duma tomada de devido A rarefaccáo do ar. diminuindo
7 p nos. poaer-se4 uri zar umcaboaaaptaaor também a capacidade de subida, por cada
a venaa nos concess onar os Vo kswagen. fracção de 1000 m adicional dever-se-á
deduzir 10% ao peso total".
W A montagem posterior de um dispositivo
de engate de reboque deverá ser efectuada W Sempre que for possível, aproveitar ao
de acordo com as instrucões do resoectivo. máximo, sem a ultrapassar, a carga máxima
fabricante. de apoio admissivel da barra de reboque
sobre o engate de rótula -ver página 164.
W Os concessionários Volkswaaen estão a
paroospormenoresda montag~mooaispo-
sitivooe reooaLee ao modocomo proceder " O DesototalBconstituído oelo Deso efectivodo
ao reforço do sistema ae refr geração. pelo ve'ícb80rebocaaore do pesodo reooqLe Se se
a ~ recomendamos
e o seL contacto no caso pretenderaprove lar na toial'dadeacargareoo-
de pretender mandar executar essa cável admissivel. ~oderáser necessárioreduzir
montagem. correspondentementeo peso do veiculo rebo-
cador.
I INSTRUCOES DE CONDUCÃO

Tendo em conta a carga e a pressão de Instruções de condução W De acordo com a directiva 92/21 CEE
(verso 95148JCE) o peso bruto admissivel

nça não se deverá


ais de 80 kmlh,
mesmo nos países onde for permitida
uma velocidade mais alta.
dosetratar dum re-
ático. travar primei-
s com mais força.
s esticõesprovoca-
dos pelo bloqueio das rodas do reboque.
Nas descidas, engate uma velocidade mais
Em CIUalquer caso. dever-se4 reduzir !me- baixa, a fim de aproveitar a capacidade de
A regulação
verificada antes dedos faróisa viagem,
se iniciar ser
deverá com diatamenteavelocidadeasçimquesenotar travagem do motor,
o menor movimentooscilatório do reboque.
o reboque atrelado. Não experimente nunca «endireitar)> o
Nos veiculas equipados com regulação do reboque através da aceleração!
alcance da luz dos faróis bastará rodar a
respectiva roda serrilhada no painel de
instrumentos.
Se, com temperaturas exteriores Observações gerais
invulgarmente elevadas. se empreender
uma subida mais extensa numa mudança Seovelculoforfrequentementeutilizado
baixa e num regime elevado, dever-se-á com reboque, recomenda-se que se man-
vigiar o indicador da temperatura do líquido dem efectuar serviços de manutençáo nos
de refrigeração.Quando o ponteiro entra na intervalos entre as inspecções prescritas.
zona direita da escala, há que reduzir Acarga de reboque e peso de apoio indi-
imediatamente a velocidade. Se, porém, a cados na placa de identificação do modelo,
luz avisadora entrar em intermitência. é afixado no reboque, são apenas valores de
necessário parar e deixar o motor arrefecer homologação do equipamento. 0 s valores
durante alguns minutos em funcionamento relativos ao veículo estão indicados na res-
na marcha lenta. pectivadocumentaç~oenopresenteManual
A eficácia de refrigeração do ventilador de Instruções.
não aumenta pelo facto de se engatar uma
mudança mais baixa, uma vez que as rota-
ções do ventilador são independentes das
do motor. Por isso, mesmo com reboque.
não se deve engatar umavelocidade inferior
enquanto o motor for capaz de vencer uma
subida sem grande perda de velocidade.
Abastecimento
@ Assim que a pistola de enchimento, Nos veiculos com catalisador não deixar

Depois doabastecimento.enroscar correcta- catalisador.

O combustível derramado deverá ser


O bocal de enchimento está colocado no removido,semdemora,dachapepintada
do veiculo, pois esta poderá, em certas
circunstâncias,ficardanificada,nomeada-

O tampão do depósito pode ser encaixado


j' na tampa do bocal - ver figura.
-
I i INSTRUÇOES DE SERVIÇO I
Combustível --

Motores a gasolina

.
Notas
Versões com catalisador W Agasolina semchumbotem desatisfazer
a norma DIN EN 228.
Motores de 37.44 a 55 kW
gasolina super sem chumbo ROZ" 95 Se. numa emergancia, a gasolina
OU disponível tiver um número deoctanas mais
gasolina normal não inferior a ROZ 91 baixodoqueasqueo motor necessita, s6se
poderá conduzir num regime m6dio de
A utilização de gasolina normal sem rotações e com carga reduzida. As acele-
chumbo com 91 octanas, no mínimo, conduz rações a fundo e os regimes elevados
a uma ligeira perda de potência. poderão ocasionar, nesse caso, avarias
no motor. Logo que seja posslvel, fazer um
Motor de 74 kW reabastecimento com gasolina com um
Desbloqueamento de emergência da gasolina super sem chumbo Indice de octanas suficiente.
: tampa do depósito ROZ" 98 W Pode ser utilizada, sem restricões.
I Em caso de avaria do fecho centralizado* a E incondicionalmente oossível a utilizacáo gaso ina com Jm lna'ce de octanas s~perior
tampa do depósito do combustível pode ser ae gasolina super sem chumbo com "m ao qJe o motor precisa. Não são oe esperar.
i desbloqueada manualmente. índice de octanas não inferior a 95 contudo, quaisquer vantagens em termos
de desempenho e consumo.
Abrir a tampa traseira e remover. se Devido ao ajuste automático do ponto da
existir, o revestimento do lado direito do ignição à qualidade do combustível (regu- @ As versões comcatalisadors6podem
porta-bagagens. laçáoantidetonante), poder-se-á registaruma funcionar comgasolinasemchumbo.
ligeira quebra de pot&ncia, sob condições @ Um simples abastecimento com
Retirar a caixa de primeiros socorros*. adversas de utilizaçáo. Isso poderá ser, em
levantar a unidade do fecho centralizado e gasolina com chumbo é suficiente
parte, compensado com a utilização de para reduzir a eficácia do catalisador.
extrair a peça de espuma. gasolina super sem chumbo, ROZ1I98.
Introduzir seguidamente a mão entre a @ No interesse da defesa do ambiente
chapa e o elemento de regulaçáo e puxar o dever-se-iapreferir sempre gasolina
ferrolho no sentido da seta -ver figura. sem chumbo.
'1 Research-Oktan-Zahl:medida do poderantide-
tonante da gasolina.
Aditivos da gasolina Motores diesel Particularidadesdo PME
Ocomponamenro, o rendimentoea ongevi- Gasóleo O PMEBproduzidoapartirdeóleovegetal
dade do motoroependem. emgrande meoi- (particularmente de óleo de colza) através
da. oaqual dadeaocomo~stive. Desempe- de acordo com a norma DIN EN" 590 de um processo químico, sendo o óleo
nham aqLi Jm papel especialmente mpor- CZZlnão inferior a 49 vegetaltransformadoem PMEcom metanol,
tanteosaa't vosmisr~radosAgasolina. Reco- por meio de um catalisador.
menoa-se.pois, qJeseLti izeexcl~s'vamen- Combustível PME (gasóleobiológico)
re gasolina de boa qualidadecomadiiivos. W O PMEB praticamenteisentodeenxofre.
de acordo com DIN 51 6063 Por isso na sua combustão náo B produzida
Se se não dispuser deste combustlvel ou se 0 s velculos com motor diesel podem ser senão uma quantidade mínima de dióxido
se registarem deficiencias no motor, coma tambémabastecidoscomcombustlvel PME sulfúrico (SO,).
por exemplodificuldades no arranque. para- (éster metllico de óleo vegetal).
aem na marcha lenta. treDidacã0 e Derda de As emissões de escape contêm menos
pot&nc a, aever-se-aoacréscentaros neces- Consulte o seu ConcessionárioVolkswagen - monóxido de carbono.
s6r:osaat vos Aaasol na, noabastecimento. ou um automóvel clube sobrea distribuiçáo
Estesaa t'vosprÕtegemdacorrosao. limpam de postos de abastecimento de gasóleo - hidrocarbonetos
~sistemadecomo~stlve eevitamsedimen- biológico. - partículas (p. ex. fuligem)
tos no motor.
que no caso de uma utilização de gasóleo.
Nem todos os aditivos comercializados se
revelaram eficazes. Os aditivos testados e Todos os valores das emissões de escape
aprovados pela Volkswagen podem ser sáo inferiores As prescrições legais.
adquiridos nos concessionáriosdamarca na
Alemanha e em muitos outros países.
OsconcessionáriosVolkswagenestáoinfor-
mados sobre a sua respectiva utilizaçáo e
sabem o que se deve fazer no caso de se
terem formado já sedimentos.
Não deverá0 ser acrescentados outros adi- do gasóleo.
tivos a gasolina. Projecto de norma DIN
8 O combustível PME é biologicamente Utilização no Inverno
, -- .-..
Aancirlãval
II

Quando se utiliza gasóleo de Verão com


Pré-aquecimento do filtro
O veículoestáequipado com um sistema de
8 O PME é resistente às baixas tempera- temperaturasexterioresnegativas,poderão
turas, até cerca de -15 "C. préaquecimento do filtro que, associado
registar-se falhas em virtude do combustí- utilização degasóleo de Inverno, assegura o
O PME ser misturado com gasóleo velficardemasiado espessodevido B segre- eficientefuncionamentodosistemadecom-
1 em qualquer proporçáo. gação de parafina. bustível até uma temperatura de -25°C e é
resistenteaté-15°C. deixandode ser neces-
Por isso, na estação fria, existe A venda na
~sper~ormancespo~er~oser~igeiramen~
Alemanhagasóleo «de Inverno»,maisresis- sário misturar gasolina.
te inferiores.
tente ao frio. de funcionamento eficiente, Se. com temperaturas inferiores a -25°C. o
8 Os consumos de combustível poderão consoante a marca, até -1 5 a -220C. combustível se tornar tão espesso que o
ser ligeiramente mais elevados. motor deixa de pegar, bastará deixar o carro
Nos países com condições climáticas dife-
rentes é comercializado gasóleo com outra algum tempo num recinto aquecido,
reacção B remperatdra. Informe-se j ~ n t o Nãosedevemmisturaraogasóleoquais-
aos concessionáros Volkswagen e dos quer aditivos (f bidificanresl OJ oroaJros
postos de abastecimento sobre as caracte- similares.
rísticas do gasóleo B venda.
'1,
I, Conserva~ãodo veiculo
p~
ÍI
Uma adequada conservação periódica Lavagem No final da época do lançamento de sais
contribui para preservar o valor do vei- antigelo, é imprescindível lavar também a
culo. fundo a parte inferior do veículo.
Atenção
Além disso, poderá ser condição para A presença de humidade e de gelo no Instalações de lavagem automática
salvaguardar o direito B garantia no caso sistema de travagem pode preludicar
de evéntuaisdanos poriorrosão ou defi- A pintura do carro é tão resistente que ele
a eficácia dos travses. pode ser em regra lavado, sem problemas,
ciências na pintura da carroçaria.
numa instalaçãoautomática. O desgaste da
Poderáadquirirosprodutosapropriadospara A melhor proteccão contra as influências pintura depende, porém, muito do tipo da
uma perfeita conservação nos concessio- nocivas doamoiente e a lavagem frequenre instalação, da filtragem da água da lavagem,
nários Volkswagen . Queira observaras ins- e a ap icacao oe DroaLtos oe conservação do tipo de detergentes e dos conservantes,
truçóes de utilização nas embalagens. no veículo. etc. Sedepois da lavagem, a pintura parecer
Afreq~ênc'aoesraoperaçaodepenoe.entre baça ou se detectarem até riscos. dever-se-
oJrras coisas. do JSO do v e ' c ~o. do seu par- -á chamar imediatamente a atenção do res-
Atenção ponsável pela instalação de lavagem. Se for
aueamento íaaraaem. aor baixo de árvo-
W O uso inadequado destes produtos necessário, mudar de estação de serviço.
res, etc.1, da esta60 &ano, das condições
pode ser nocivo B saúde.
atmosféricas e das influências doambiente. Notas
W Os produtos de conservação deve- Quanto mais tempo os excrementos de
rão ser guardados sempre e m lugar W Quandoo carro é lavado numa instalação
aves, residuosde insectos, resinasdasárvo- automática. só terá de observaras medidas
seguro, em especial, fora do alcance res, poeirasdaestradaeindustriais. manchas
das crian~as. de precaução usuais (fechar as janelas e o
de alcatrão. particulas de fuligem, sais anti- tecto de abrir).
gelo e outros sedimentos agressivos per-
@ Na compra dos produtos de conser- manecerem aderidos a pintura do carro, W A antena do tejadilho de origem não
vaçao devem-se escolher produtos mais persistentes serão os seus efeitos precisa de ser removida.
oestr~idores.Asremperar-raselevadas. por
pouco poluentes. As sobras não devem
ser lançadas n o lixo doméstico. exemplo. deu oo a Jma exposição ao so
aumentam o efeito cáustico
. W No caso de haver peças especiais mon-
tadas - p. ex. spoilers, porta-bagagens do
teiadilho, antenasdeemissores-receptores,
Poderá ser, assim, necessária uma lavagem etc., -chame a atenção do responsável da
semanal, tal como poderá ser suficiente lavagem para elas.
uma lavagem por mês com a subsequente
aplicação dum produto conservante.
INSTRUÇOES DE SERVIÇO I

Lavagem manual Notas Lavagem por sistema dealta pressão


& No interesse da defesa do ambiente, O carro não deve ser lavado à chapa do Respeitar rigorosamente as instruçóes
v
ocarrosddever8serlavado emlocais sol. de utilizaçáo da instalação de lavagem por
es~ecialmentenrevistospara esse efeito. altapressão, nomeadamentenoquerespeita
A 'lavagem de veículos noutros locais Seocarro for lavadocom uma mangueira,
ovalorda pressãoe a distancia deaplicação.
poderá ser inclusivamente proibida. não se deverá dirigir o jacto directamente
sobre as cavilhas de fecho nem sobre as Não utilizar agulhetas de jacto redondo.
Começar por descolar a sujidade com água junções das portas e das tampas. que, de
abundante, removendo-a tanto quanto contrário. poderiam congelar no Inverno. Atemperaturada água não pode exceder
possível. os 60 'C.
i ã6.. ,
At"eÇ ,
Seguidamente limpar o carro com uma es- ~. Atenção
ponja macia, uma luva ou uma escova pró-
prias, de cima para baixo, começando no
a.~ ã o ' i a v eo carro com o motor em Os pneus não podem ser nunca lava-
funcionamento.
tejadilho. exercendo pouca pressáo. Só dos com agulheta de jacto redondo1
utilizar champó no caso de sujidades persis- iProteja as mãos e 'o= braços de Mesmo que se utilize uma maior dis.
tentes. eventuais ferimentos pelas-peçao,*.l, ancia de aplicação e que o tempo de
metal com arestasvivas na parte infe; actúa#ãokejacurto. poderão registar-
Enxaguar a esponja ou a luva a pequenos rior do chassis, no interior dos guarda- -se danos.
intervalos. -lamas ,(cavas.das-rodas)e tampões
Guardar para o fim as rodas, embaladeiras, das rodas.
Acapota não podeser lavada,em circuns-
etc., utilizando, de preferência, umasegunda tância nenhuma, num sistema de alta
esponja. pressão.
Depoisde limpar. enxaguarcuidadosamente
o carro e, por fim, passar uma camurça.
Consewaçáo da capota Conservação Retoques na pintura
É imoortante uma limuezaatemuada e reau- Uma boa conservação protege. em grande As pequenas imperfeições na pintura, como
i r do revesr.mento sintét'co. AS capotade medida, a pinturadocarrodas influências do seiam riscos. arranhões. uancadasdeDedras
cor cara deverio ser sempre avadas Lma ambiente referidas na alínea ~(Lavagemn,na diverão ser imediatamente retocada's (com
vez por semana. página anterior, e até de influências mecâ- bisnaaa ou sorav
, . uara
. retoaues W antes
nicas ligeiras. que forme ferrugem.
Não lavar a capota com detergentes
"agressivos"! O mais tardar quando, com a superfície lim- Se, no entanto, já setiverformadoferrugem,
pa. a água deixar de escorrer soba forma de ela deverá ser totalmente eliminada, apli-
Utilizar produtos de conservação apenas gotas, dever-se-á voltar a proteger oveículo cando depois, nesse ponto, um primário
nas superfícies pintadas! com uma boa cera de conservação. Mesmo anticorrosão e, em seguida, a tinta original.
As sujidades e as manchas devem ser, de aue seia reaularmente aolicado um conser- Naturalmentequepoderáencarregardesses
preferbncia, removidas com uma escova e vanre na avisem. recomenda-seumaap.ica- trabalhos uma oficina autorizada Volks-
um produto de limpeza de tejadilhos de ção de cera pelo menos auas vezes por ano. wagen.
cabriolets. Recomendamos, em especial, o A referbncia da tinta original da pintura do
uso do produto com a referhncia 000 096 Polimento carro figura na placa de identificação do
413 B, venda nos concessionários Volks- veículo - ver página 169).
wagen. Os diluentes de tinta, tira-nódoas S6 4 necessário quando a pintura tiver per-
cloretados ou outros produtos afins são dido o seu brilho e este já não for recuperá-
inadequados, pois atacam o material sin- vel com a aplicação de conservantes. Se o Juntas de vedação das portas,
tbtico. polimento utilizado nãocontiver substancias tampas e janelas
Os excrementos de aves t8m de ser remo- conservantes, estas deverão ser posterior-
mente aplicadas. As juntas de borracha conservam a sua
vidos imediatamenteem virtudede os Bcidos elasticidade e tbm uma maior duração se
aue contêm destruírem a camada intermédia As peças com pintura baça e de plástico forem, de vez em quando, untadas com um
de borracha e a capota perder, assim, a sua não podem ser tratadas com produtos de produto de conservação de borrachas. Isso
impermeabilidade. polimento. evitará ainda que gelem no Inverno.
1" INSTRUÇOES DE SERVIÇO I

Vidros Cavilhas de fecho das portas Limpeza dos cintos de segurança


para remover a neve e o gelo dos vidros e Para eliminar o gelo das cavilhas de fecho Mantenha os cintos limpos1 Os cintos
dos espelhos utilize exclusivamente uma das portasdeve-se utilizarexclusivamenteo muito sujos poderão obstruir o seu enrola-
espdtula de plástico. Para evitar riscos pelas spray original Volkswagen, com proprieda- mento automático.
partículas de sujidade, não utilize a espátula des lubrificantes e anticorrosão.
em movimento de vai-vém, mas empurre-a Na sua limpeza utilize apenas uma solução
sempre no mesmo sentido. suave de água e sabão, sem os desmontar
Materiais sintéticos do carro.
Os resíduos de borracha, 61eo. gordura ou
silicone podem ser removidos com um pro- As peças de pi6sr'co exter ores sáo avadas Nota
dutolimpa-vidrosou umsolventedesilícone. normalmente, as interiores são I ' m ~ a com
s Oscintos automáticoss6 devem ser enrola-
Lm pano h h i d o Se sso nao for s ~c fente. dos depois de secos.
Os vidros deverão ser também limpos por poder-seao JI izar. na limpeza e conserva-
dentro regularmente. .
çáodopl8sticoeaocouroartificia produtos
especiais que não contenham solventes
Para secar os vidros não utilize a camurça
que costuma usar na carroçaria, pois os
resíduos dos produtosconservantespoderáo
É indispensbvel que se respeitem
K ~ . @ W ~ $ ~ ~ n ~ p ~ @ ~, 8 ~
4:
Estofos e revestimentos de tecido .,
sujar os vidros, prejudicando a visibilidade.
Os estofos e revestimentos de tecido nas
Para não danificar os filamentos do de- portas, na superfícietraseira porta-objectos,
sembaciador do vidro traseiro, não afixar na tampa por cima do porta-bagagens, no
autocolantes pelo lado de dentro. forro do tejadilho, etc, são limpos com
produtos especiais ou com iiespuma secaii
e uma escova macia.
~

~.
~ . . ~ ~
Jantes de aço
i - o s " e i n t s r d e s e g ~ m ~ ~ a ~ n ~ d ~Por
~ docasião
e m ~ de cada lavagem normal do seu
Jantes de liga leve*
Para conservar por muito tempo o aspecto
I
1
ser desm6ntado8,para Serem limpos. carro deverao ser avadgs também a f ~ n d 0 decorativo aas :antes de iga eve. é neces-
as jantes ou os tampoes das rooas. Evitar- sdr a a s ~ conservação
a reg~lar.Acima de I

I
0sici&s náo poakkser lavados -s&&, ass m. qt.e se oepos te p6 oeabrasão tudo, deve-se limpar de duas em duas se-
quimic~meM~;pais.~s~produtos qui- aos travões. su.idaoe e sais antigelo Se se manas os sais antigelo e o pó de abrasão
micoai~odbmidanificBr'b tecido. .. tiver já depositadop6de abrasãodostrav6es, que, decontrário,atacarãoaliga leve. Depois
1. Eviie &bBm o seu wntaeto com. ' ele poderá ser removido com um produto da lavagem, as rodas deverão ser limpas
-
I Ifquídos
,
cáusticüs.
. . . ,
.- . . .
. m ; ~ & ~ & ~ ~ ~ , ~ & f ~ ~' r de
:<i
especial de remoção de p6 industrial. Os com um produto especial, sem ácidos, para
danos na pintura deverão serretocadosantes jantes de liga leve. Aproximadamente cada
e se
" ~formar
' : ~ferrugem.
m tr&s meses é necessário aplicar cera nas
iI ~tado.'ddscintosde.segurança. Se de-. jantes. Não utilize produtos abrasivos. No
te,ciqr danos ,na:faixa do cinto, nas caso da camada de verniz protector ter sido
liga+s, nó-eiiroladorautomático ou danificada, por exemplo pelo batimento de
no fecho, deverá mandá-lo substituii' pedras. dever-se-á proceder sua imediata
. num concessionário Volhswagen. : a que a humidade, o gelo e os sais reparação.
. .;,.::, ,. ...
~

. . . , I : 1: ,'
antigelo prejudbamia.:eficácia dos
travóes.
..., . , . ..
-
INSTRUÇOES DE SERVIÇO I

Limpeza e conservação do O compartimento do motorea superfície do @ Como numa lavagem do motor sáo
compartimento do motor agregado propulsor recebem de fábrica um arrastadospela água restos de gaso-
tratamento anticorrosivo. lina, lubrifiintes eóleos, aágua contami-
nada precisa de ser purificada atravds
Especialmente no Inverno, quando se viaja dum separador de óleo. Porisso, o motor
com frequ6ncia por estradas em que se só pode ser lavado numa oficina ou esta-
Antes de se proceder a quaisquer aplicaram sais antigelo. é muito importante
trabalhos no motor, h indispenshvel ção de serviço.
uma boa protecção anticorrosiva. Deve-se.
terem atençáoasinstruçóesdapbgina Dor isso. l i m ~ a ar fundo todo o comoarti- Os concessionários Volkswagen dispõem
manto ao motor e a caixa colectora d e a g ~ a dos produtos de limpeza e conservação
Antes de mexer na caixa colectot4. antes eaepo;s da &oca deaD icacãooe sais recomendados pela fábrica e bem assim
água, deve-se retirar a chave & antigelo, utilizando'em segGda Üm produto
de conservação.
dos equipamentos necessários.
niçáo como medida de precauçã&
e outro modo, se os limpa-vidrw: A lavagem do motor só pode ser efectua-
orem involuntariamente ligadop&., da com a ignição desligada.
. ,
. . .- : , : Quando o compartimento do motor é sub-
metido a uma limpeza com produtos dissol-
A caixa colectora da água, por baixo da ventes de gordura1' ou se mandar efectuar
tampa do compartimentodo motor, &frente uma lavagem do motor, elimina-se quase
do pára-brisas, deverá ser limpa de vez em sempre tamb6m a protecção anticorrosão.
quando para manter desimpedidos os furos E, por isso, recomendável proceder e m
de escoamento e para evitar que folhas, seguida a uma conservação duradoura de
p6talas de flores. etc, penetrem no habitáculo todas as superfícies, rebordos, ranhuras e
através do sistema de aquecimento e agregados do compartimento do motor. O
ventilação - nos veículos sem filtro do ar mesmo sucede quando se substituem as
fresco*. peças protegidas contra a corrosão.

'1 Utilizarapenasosprodutosdelimpezaespeciais
para o efeito e nunca gasolina ou gasóleo.
Conservação das cavidades Protecção do chassis
Todasas cavidades expostas à corrosão são As partes inferiores do chassis estão pro-
submetidas, de fábrica, a uma protecção de tegidas contra influ&ncias químicas e me-
longa duração. canicas.
Essa conservação não precisa de ser verifi-
cada nem retocada. Se, com temperaturas
exteriores elevadas, escorrer um pouco de o uso, recomenda-se que se mande inspec-
cera das cavidades. ela poderá ser removida cionare, se necessário. retocar de temposa
com uma espátula de plástico e benzina tempos - de preferência antes do infcio da
estação fria e na Primavera - a camada pro- Instruçóesparaveiculoscom catalisador
@ Se se remover a cera escorrida w m tectora das partes inferiores.
benzina, h.4 que respeitar as prescri- Devido as temperaturas elevadas que se
ções de segurança e de defesa do ambi-
ente.
7
( INSTRUÇOES DE SERVIÇO

Conservação das cavidades Protecção do chassis Atenção


Todas as cavidades expostas ?I corrosão são As partes inferiores do chassis estão pro- Não dilizenuncaprodutodepmteoç80
submetidas, de fábrica, a uma protecção de tegidas contra influências químicas e me- do chassis adicional nem produtos
longa duração. canicas. enticorrosão no colector e tubagens
de escape, catalisadores e chapas de
Essa conservação não precisa de ser verifi- Como, porém, não há forma de impedir que blindagem thrmica, pois, em anda-
cada nem retocada. Se. com temperaturas
exrer~orese evaoas. escorrer Lm pomo oe
essa camada protectora seja afectada com
o uso. recomenda-se que se mande inspec-
mento, estas substancias poderão ,
incendiar-se.
cera dascavidaoes. ela pooerá ser remov oa cionar e, se necessário. retocar de tempos a
com uma espátula de plástico e benzina. tempos - de preferência antes do início da
estação fria e na Primavera - a camada pro- Instruçóes para veículos com catalisador 1)

I
@ Se se remover a cera escorrida com tectora das partes inferiores.
benzina, há que respeitar as prescri- Devido as temperaturas elevadas que se
ções de segurança e de defesa do ambi- Os concessionários Volkswagen dispõem produzem na combustão posterior dos ga-
ente. dosprodutoseequipamentosapropriadose ses de escape, são montadas placas de
estão a par das técnicas de aplicação, pelo blindagem térmica na zona do catalisador.
que é conveniente encarregá-las dos traba- Nestas placas, no catalisador e nos tubos
lhos de retoquee de quaisqueroutras medi- de escape não se pode aplicar o produto
das destinadas à protecção anticorrosáo. de protecção do chassis. Também não ê
permitido remover as placas de blindagem '
térmica
Tampa do compartimento do motor

Para destravar a tampa, puxar a alavanca,


colocada no painel lateral esquerdo, por
Par6 n
,a
tr ligeiramente a tampa e
desengatar o grampo, pressionando-o de
Atenção rn
baixo do painel de instrumentos - a tampa lado, no sentido da seta. z6es de segurança, a ta
do compartimento do motor saltará do seu artimento do motor tem
Levantaratampa, retiraravaretadeapoioda mpre bem fechada,
bloqueio por força duma mola. sua fixação e introduzi-la no orifício previsto
Nota para o efeito (ver figura da direita).
Antes de abrir a tampa do compartimento Para fechar. levante a tampa e desencaixe
do motor, verificar primeiro que os braços avaretadeapoio, voltandoa colocá-la na sua
do limpa-vidros nãotenham sido levantados. fixação. Baixeatampa. deixando-acairduma
a fim de evitar danos na pintura. altura aproximada de 30 cm - não carregue
com a mão.
~amoartimentodo motor
No reabastecimento de líquidos ter o
No caso de haver necessidade de máximo cuidado para não os confundir,
trabalhos a realizar no comparti- efectuar verificações com o motor em pois de contrário, poder-se-ão provocar
andament~~aspeças giretóriasrepre-
t o do motor há que tomar as
iores precauções! sentam um perigo adicional - por
exemplo, correias trapezoidais, alter-
graves falhas de funcionamento.
@ A fim de se detectarem atempada-
Parar o motor, retirar a chave da nador, ventilador do radiador, etc. - o mente as fuaas, deve-se controlar
fechadura da ignição. mesmo sucendendo com a ignição de regularmente a p% inferior do chassis.
alta tensão. Sealise detectaremmanchas~mvocadas
Puxarfirmemente o travão de mão. por óleo ou por outros líquidos do carro,
W Sefornecessárioefectuartrabalhos será conveniente mandá-lo inspeccionar
Colocar a alavanca de velocidades
ponto morto ou na posição "P". no sistema de alimentação ou na ins- numa oficina.
talação eláctrica:
Deixar arrefecer o motor.
- desligar sempre a bateria do carro
Enquanto o motor estiver quente: da rede de bordo
nãotocar no ventilador do radiador - não fumar
que poderá entrar de repente em
funcionamento;
- não trabalhar nunca junto de cha-
- mas vives
não retirar otampãodoreservat6rio
do líquido de refrigeração, pois o - ter sempre um extintor h mão.
sistema encontre-se sob pressão. As advertências feitas nestas ins-
verta nunca líquidos sobre o truçóes e bem assim as normas de
quente, pois esses metbrias -segurança de aplicação geral tém de
o incendiar-se. %er observadas.
Motor a gasolina de 74 kW
Página Página
1 - Vareta de medição do óleo 1 - Vareta de medição do óleo
do motor ....................................... 108 do motor ............................. . ...... 108
2 - Bocal de enchimento do óleo 2 - Bocal de enchimento do óleo
do motor ....................................... 108 do motor ....................................... 108
1 3 - Reservatório líquido de travões 113 3 - Reservatório Ilquido de travões .... 113
4 - Reservatório de expansão do 4 - ReseNatóriO de expansáo do
líquido de refrigeração .................. 111 Ilquido de refrigeração .................. 111
5 - ReseNatóriO do lava-pára-brisas 120 5 - Reservatório do lava-pára-brisas ... 120
6 - Bateria ..........................................114 6 - Bateria .......................................... 114
1
Óleo do motor
Viscosidade e especificação
O óleo abastecido de f8brica B um 61eo j
especial multigraduado, de alta qualidade ;
que, excepto nas zonas de frio extremo. i
pode ser utilizado todo o ano.
As especificaçóes indicadas nesta página
deverão constar no recipiente, separada-
menteou em conjunto com outras especifi-
cações.
No reabastecimento B também posslvel
misturar estes 6leos entre si.
O grau de viscosidade oo 61eo deverá ser
escolnido. seaundoos diagramasaqui repro-
d~zidos.~ e i m qLe
o a temperatua ~ l t r a -
passe. por poucotempo. oslimiresindicados.

I
não hánecessidade de substituir o 61eo.
Nota importante
Como é óbvio, os óleos do motor estão em
evoluçãoconstante.Porisso,osdadosdeste
-
2 Bocal de enchimento do 61eo
Manual de Instruções reportam à data da
sua respectiva impressão.
do motor ....................................... 108
3 - Reservatório Ilquido de travões .... 113 Os concessionários Volkswaaen são infor-
-
4 Reservat6rio de expansão do
Ilquido de refrigeração ..................
5 - Reservatório do lava-pára-bnsas ...
111
120
maoospe afábricasobre~oda~asalterações.
elo a ~ 6e conveniente recorrer aos se-s 1
6 - Bateria .......................................... 114
Motores diesel Os óleos económicos segundo a norma
VW 500 00 possuem, além disso, as se-
A - óleos económicos. especificaçáo WV guintes vantagens:
500 00" (nos motores turbo-diesel só
em combinação com a especificaçáo - possibilidade de utilização durante todo o
VW 505 00) ano com praticamente todas as tempera-
turas exteriores que se registem
B - 6leosmultigraduados.especificaçáoWV
505 00" (adequado. sem restrições. a - menores perdas por atrito do motor
todos os motores diesel)
- capacidade de arranque em frio optimiza-
- óleos multigraduados. especificaçáo da-mesmoa temperaturas muito baixas.
API-CD (nos motores turbo-diesel só
paracompletar nível, numa emergencia) Notas

- óleos multigraduados, especificaçáo W Os Óleos monograduados não são, de-


Motores a gasolina vido ao seu grau de viscosidade, em geral.
WV 501 O1 'linos motores turbo-diesel
A - óleos económicos. especificaçáo WV só em combinaçáocoma especificaçáo utilizáveistodooano. Estesóleos só devem
500 00" VW 505 00) ser, por isso, utilizados em zonas de clima
extremo.
B - óleos multigraduados, especificação Características dos óleos
VW 501 01" W Quando se utiliza óleo multigraduado
Os óleos multigraduados,segundo a nor- SAE 5 W-30 devem-se evitar os regimes de
- óleos multigraduados de marca, espe- ma VW 501 O1 e 505 00 são óleos eco- rotações elevadas constantes e as grandes
cificaçáo API-SF" ou SG2' n ó m i c o ~com as seguintes características: cargas permanentes. Esta limitação não se
aplica aos óleos económicos.
- possibilidade de utilizacão durante todo o
ano em zonas de clima moderado
- excelente capacidade de purificação
Afrentedestanorma~temdeestarindicada - efici&ncia de lubrificaçáo a qualquer
tem-
uma data náo anterior a 10.91 peratura e nível de carga do motor
Estes óleos s6 devem ser utilizados se se náo
dispuser de nenhum 61eo do motor aprovado. - grande resistência ao envelhecimento
1
Para controlar o nlvel do 61eo. o carro terá de Reabastecimento deóleo do motor
estar na posição horizontal. Depois de parar
o motor, aguardar uns minutos, a fim de que Poderá ver nas figuras das páginas 105 e
o 61eo em circulação regresse ao cáner. 106a localizaçãodobocal deenchimento do
6ieo.
Retirar então a vareta (A). limpá-la com um
trapo limpo e voltar a introduzi-la até. encos- Desenroscar o t a m ~ ã o(61 do bocal de
tar. enchimento na tampa da cabeça do motor e
merero61eoem fraccõesde0.5. contra ando
Retire-a novamente e proceda Averificação: o nlvel com a vareta.
a - É necesshrio reabastecer o 61eo. O O nível do óleo não pode ultrapassar
nível poderá situar-se depois em qual- nunca a zona (c). De contráro. po&rá ser
quer ponto do campo de medição (b). asp rado 6 eo pe a ventlação oo c6ner.
b - Pode ser feito um reabastecimento de pa'ssando peiosistema de-escape, e ser
Verificaçáo do nível lançado na atmosfera. Nos veículos com
61eo.
Énormaiomotorconsumir6leo.Oconsumo O nlvel poderá eventualmente situar-se catalisadoro6ieo podeserqueimadodentro
de óleo pode atingir 1,O I aos 1000 km -ver , depois na zona (c).
deste. danificando-o.
tambbm página 84. Verifique, por isso, a c - Não pode ser feito nenhum reabas-
intervalos regulares, o nlvel do 61eo do mo-
tor, de preferência sempre que reabastecer
tecimento de 61eo. .,',
No reabastecimento não se pode dei-
odepósito decombustível e antes deviagens Quando o motor é submetido a grandes jlbrcair6leoemclmedepeçasquentw'
mais longas. esforços, como por exemplo em viagens do motor sob o risco de inc8ndio.
longas por auto-estrada no Verão, com
Nas figuras reproduzidas nas páginas 105 e
reboque ou em trajectos de montanha. o
106 poderá ver a localização da vareta de nível deverá situar-se o mais próximo Fechar com cuidado o tampão do bocal e
medição. possível da zona (c), sem a ultrapassar. introduzir a vareta de mediçãoaté. encostar.
De outro modo. poderá sair 61eo com o
motor em andamento.
Mudança do óleo
Se as suas máos entrarem em
O bleo do motor deve ser mudado de har- contacto com óleo do motor, terão de
monia com os intervalos indicados no Plano ser escrupulosamente lavadas em
de AssistBncia. seguida.
AtB ser eliminado, o 61eo usado
deve ser guardado em lugar seguro,
fora do alcance das crianças.
Se preiender encarregar-se da mu-
dança do 61eo do motor, tenha em
afencão wseouintesrecomendacBes: @ Em circunstância nenhuma ele deve
serlançado na rede de esgotos ou na
Paraevitaroperigodequeimsduras terra.
orovocedas elo 61eoauente. deix6-lo O óleo e o filtro devem ser substituídos,
deprefer6ncia numaoficinaVolkswagen,
Parapurgar o 61eo usadq utilize um que dispõe da ferramenta especiale dos
recipiente apropriado e com cepa- conhecimentos técnicos necessbrios e
cidade suficiente. que está, por outro lado, apta a resolver
a questão da eliminação do óleo velho.

Sedesenroscarobuj6odepurgado
óleo com as mãos, coloque os braços Aditivos dos óleos do motor
em que B vertido não lhede
óleoposição que
escorra Nãosedeveacrescentarqualquertipode
aditivo ao óleo do motor.
pelos braços.
Os danos produzidos por esses aditivos
estarão excluídos da garantia.
Sistema de refrige o
O sistema de refrigeração é abastecido. de Os velculos destinados à exportação para Nota importante
fábrica. com um liquido permanente que palses frios, são preparados, em regra, de
não precisa de ser substituldo. fábrica para suportar temperaturas at6 Como adiiivo do Iíquido de refrigeraçáo
-35°C. só pode ser utilizado o nosso 12 A8D
Esse Ilquido consiste de água e 40% do (atenção a inscrição na embalagem), B
nosso aditivo G 12 A8D (anticongelante à Como aditivo do Ilquido de refrigeração só venda nosconcessionáriosVolkswagen.
base de glicol com aditivos anticorrosão). pode ser utilizado o nosso G 12 A8D ou um
Estamisturaproporcionanãos6anecessária aditivo com a especificaçáo TL-VW 774 D Quandofizerumreabastecimento,queira
protecção anticongelante até -25 "C, como (atençãoàinscriçãonaembalagem),àvenda pWstar seguinte:
protege em especial os componentes de nos concessionários Volkswagen. O G 12 não pode ser misturado com'
liga levedosistemadearrefecimentocontra outros aditivos (nem mesmo com O 11).
acorrosão.Alémdisso, evitaa sedimentação Outros aditivos podem afectar
calcária eaumenta sensivelmente o ponto ravelmente a eficácia da protecção Poderá identificar o G 12 no reservatório
de ebulição. anticorrosáo. de expansão pela sua cor vermelha. Se o
Os danos daí resultantes dar líquidonoreservatóriodeexpansãoapre-
Por isso, não se pode reduziraconcentração origemaperdasdolíquidoderefrigeração ~entaruma~lora~ãocastanha.~porqu
do líquido de refrigeração. adicionando oG 12foi misturadocom outrolíquidode
apenas água, mesmo na estação do ano ou e conduzir consequentemente a graves
no motor. refrigeraçáo!
nos países mais quentes. A percentagem
de aditivos não deverá ser nunca inferior Deverá, neste caso, substituir imedia-
a 40%. tamente o líquido de refrigeração!
Se. Dor razões climatéricas. for necessária De contrário, poderão daíresultar graves
Jmama orprorecçãoanr congelante, poder- falhas de funcionamento ou danos no
se-á aumentara concentracão de G 12 A8D. motor1
mas s6 até 60% (protecção at6 cerca de
-40°C). pois, de outro modo, o efeito
anticongelante volta a diminuir e a acção
refrigerante,fica afectada.
O nível s6 pode ser devidamente verificado
com o motor parado. Atencão
Nãoabriro tampa0 do reservat6riode
Com o motor frio. o líquido deverá situar-se expansão com o motor quente, pois
num nível entre as marcas min. e máx.; poderá queimar-se.
com o motor quente, esta última poderá ser
ligeiramente ultrapassada. O sistemade refrigeraçãoencontra-se
sob pressão1
Perdas de Iíquido
Se se não dispuser do G 12 A8D, náo utilizar
Qualauer uerda de liauidodeverá ser atribuí- nunca um aditivo diferente. Utilizar, neste
da. em p; meito Liar. a uma Lga. Neste caso, auenas água e restabelecer. assim
caso o sistema deverá ser imediatamente que f o i possiv6 a correcta proporção da
verificaoo por Lma o f c na a~torizada m i s t ~ r acom o aditivo prescrto (ver págna
. .
Verificação do nível do Iíquido de Vo 6swaqen. hão oasta repors mp esmenre anteior).
refrigeração o nível dó líquido.
No caso de perdas maiores do líquido de

I
i
Atenção
Não abra nunca a tampa do compar-
timento do motor se verificar que está
Se nãosedetectarnenhuma fuga. s6poderá
haver perda de líquido por sobreaquecimen-
to, entrando em ebuliçãoe escapando-sedo
sistema devido a pressáo.
refrigeração. repor o nível s6 depois do
motor arrefecido, a fim de evitar danos.

Atenção
a sair vapor ou Ilquidode refrigeração É indispensável que se respeitem as
pelocompartimentodomotor-perigo Reabastecimento do Iíquido de recomendaçóes na phgina seguinte.
1 de queimaduras1 Aguarde at6 que o
vapor ou o líquido deixem de sair.
refrigeração
Comece por parar o motor e oe'xe-o arre-
fecer. Coor r depos o rampao do resewatór'o
O reservatório de expansão está instalado deexpansãocom umtrapo, desenroscando
nocompartimentodo motor, juntodoapara- -o com cuidado. para a esquerda.
-
gotas ver figura.
No reabastecimento náo ultrapassar a Ventilador do radiador
marca máx.
O ventilador do radiador 6 accionado electri-
O liquidoemexcesso, aoaquecer. éexpulso camente e comandado, através de termós-
pela válvula de sobrepressáo que existe no tato, pela temperatura do liquido de refrige-
tampão do sistema de refrigeração. raçáo (em certasversóes de motor, também
Enroscar firmemente o tampáo. pela temperatura do compartimento do
motor).

[
IO a d i v o e o próprio liquido de refri-
geração são prejudiciais il saúde!
Oadiiivodeveser, portanto,conserva-
ode, por isso, funcionar
uns 10 minutos, depois
do, mesmo com a igni-
do na embalagem de origem, fora do
alcance das crianças. Se houver ne-
.Poder&tamb6m entrar
funcionamento se:
cessidade de drenar o liquido de refri-
geração, ele dever8 ser recolhidonum atemperatura do líquidoderefrige-
recipiente, a guardar tamb6m em lo- racáo subir, devido a uma acumula-
cal seguro. "
com o motor quente, o seu compar- 1
# Esteliquidonãodeveráser, em regra, timento for ainda adicionalmente
reutilizado, pelo que haverá que aquecido por uma exposiçãoao sol.
eliminá-lo, observando-seasprescrições trabalhos a efectuar no compar-
de defesa do ambiente. imento do motor h8, pois, que
as maiores precauções!
1 L cios travões
Se, no entanto, se registar uma baixa acen- S6 deve ser utilizado o nosso liquido de tra-
tuadanum curtoespacodetempoouonivel võesoriginal(especificaçáosegundoanorma
descer abaixo da marca de i<MINn,poderá americana FMVSS 116 DOT 4). O líquido I
haver fuaa no sistema de travões. Um nivel tem de ser novo.
do liquido de travões excessivamente baixo
I
6 indicado ela res~ectivaluz avisadora no
painel (ver iamb6m página 58). Atenção
Recorra imediatamente a uma oficina O líquido de travões B tóxico1 I
autorizadaVolkswagen emandeverificar Dever6 por isso, ser guardado ,no
o sistema.
Substituição do líquido dos travões
recipiente de origem, bemfedh@Q'i,
fora do alcancedas crianças. . - - ~
O Iíquidode travõesatrai a humidade, absor- i
vendo. Dor isso. com o correr do temoo. Tenha, al6m disso, em atenção que o
O reservatório do liquido dos travões está
localizado do lado esquerdo do comparti- água q i e extrai do ar ambiente. Um teo;d& Iíquido de travões ataca a pintura.
mento do motor. áaua elevado no Ilouido de travões ooderá. @ Devido ao problema da eliminaçifo
com o tempo, causar danos por corrosão do líauidodos travões velho, as ferra-
Nota no sistema de travões, além de que o ponto mentas especiais e aos conhekmentos
de ebul~çãodo liquido desce considera- técnicos necessários, dever-se-áencarre-
Nos v e í c ~os com d recção A oireita o reser-
va16rio do Iíquido aos travões está instalaao velmente. gar, de preferbncia, uma oficina Volks-
do outro lado do compartimento do motor. Por isso o líquido dos travões tem de ser wagen da mudança do líquido dos tra-
substituído de dois em dois anos. vões.
Verificação do nível
Recomendamos que mande proceder h
O nível correcto do liquido de travões deve Atenção substituição do liquido no Ambito dum Ser-
situar-sesempreentreasmarcasde «MAX» Seo líquidodostravõesfordemasiado viço de Inspecção.
e «MIN». velho, podar6 ocorrer a formação de
E normal uma ligeira baixa do nível devido a bolhas de vapor nos travões, quando
desgaste e ao reajustamento automático submetidos a um maior esforço. Fica
das pastilhas dos travões. assim prejudicada a efichcia de tra-
vagem e, com ela, a segurança na con-
dução.

113
1
Bateria 31
. ... -.._; . .,,.,,,
ndo desligar a bateria da

_
do carro, desligue
,,! ,:.
,,,',,.!,-,.; .: : , , ' . . .,;,: '8..

'Clt$rid@foi iieees6rii;,lee@u$k:$ra-:. @abonegativo e s6 depois o positivo. ,


~Wai&&*ha'bateria,dèveh-s~obseruar
, qs&&afnt*reeo~ eizádpópóeaeae.
?$-:~,..
nP,m$o Com o motor a trabalhar não se deve
i :de:&uon@a
.. > - ...,,
. - ..,. . ,
; . ,:
....
, .
".-'.t"'.
% >
. .
. ~ .
'kiesliaarabateria, afimdenão danificar

ovo a bateria B rede 1

nenhuma, trocados
'.:hueimarem;. -
-
,- . -.
. , :, : : .. , , :.:

A bateria não deve ser desligada com a


ignição ligada nem com o motor em fun-
'elactrblito pelasaberiurasda saida de
-.>*-,
<~ cionamento, pois isso poderia danificara
instalação eléctrica (componentes elec-
bases. ~ventuaissal~iwsdeelactrbli~~ ''
trónicos).
Para proteger a carcaça da bateria dos
raios ultra-violeta, não expor a bateria
directamente a luz do dia.
que tenham atingido ain$e(g,u:o~w.s~
tu~iOdaverãoseiimedI~m,ante neu-
tralizados wm6gua asabãoe lavados
com 6gua fria abundante. No caso da
ingestão da alsctrólito, procurar ime-
diata assistbncia m6dica.
o nível do electrólito
~ e r i f i c à ~ ãdo No I n v e r n o
Em condições normais de serviço, a bateria Principalmente no Inverno a bateria é bas-
não carece praticamente de manutenção. tante solicitada. Além disso, com tempe-
Com temperaturas exteriores elevadas. raturas baixas, ela perde uma parte da
recomenda-se. Dorém. aue se verifiaue ca~acidadede arranaue de aue disoõe a
regdarmente o nive do electr61 ro q ~ e ' s e temperar~rasnormais:~ecomenaam&.por
aeverá sir~arenrreas marcas MIN e MAX . isso. a ~ e mande
a verificare. se necessár:~. r
na face ong t~dinalaa oarera O nivel aeve- recarregar, de preferencia &ma oficina au:
rá ser rambém conrro.aao depo s ae cada torizada Volkswagen, antes da estação fria.
recarga.
Se em caso de frio intenso, o veículo não
O mais tardar quando o nível do electrólito for utilizado durante várias semanas, é
tiver descido abaixo da marca de min., é preferível desmontar a bateria e guardá-
A bateria está instalada no compartimento necessárioatestaros respectivoselementos -la num lugar abrigado do frio, a f i m de
do motor. da bateria com água destilada. at6 que seja que não congele, danificando-se.
atingida a marca de mhx.
Arranque com a ajuda de outra bateria - ver
o capítulo «Auto-ajudan. Não encha excessivamenteoselementos
da bateriaafim deque náosaia electrólito
pela abertura de saída dos gases, danifi-
cando a pintura e causando problemas
de corrosão n o veiculo.
Depois do encnmento é necessário fecnar
ose ementas da oarer a com os respectivos
bujões.
Recomendamos. por isso, que mande veri-
ficar e corrigir o nível do electrólito numa
oficina autorizada Volkswagen.
Recarga da bateria
Desligar a ignição e todos os consumidores
el6ctricos. antes de proceder à recarga.
Para recarregara bateria com corrente redu-
zida (por exemplo com um carregador pe-
. Proteja os olhos e a cara e não se
debruce sobre a bateria.
Enxaguar eventuais salpicos de
electrólito nos olhos ou na pele
. Nãoabrir.narecarga.0~bujõesda bateria.
O cabode ligaçãoà rededocarregador só
deverá ser ligado depois das pinças dos
pólos do aparelho de carga terem sido
correctamente ligadas aos pólos da bateria:
:
:.

.
queno), n30Bnecessári0, em regra,desligar
diatamentecom~gualimpaabundan- ..
te, durante vários minutos. Consultar vermelho ...................................= positivo
os cabos que ligam a bateria à rede do depois um'm6dico, sem
veiculo. Dever-se-30. em todoocaso, obser- ~. preto ou castanho .................... = negativo
varasinstruçõesdofabricantedocarregador B Uma recarga rápida da bateria B Depois da recarga, desligue primeiro o
de baterias. ~erigosaesódaverás~refectuada~or carregador e só depois o cabo de ligação a
Parapoderligaiocabopositivodocarregador, umcOncessiOnáriOVO~kswagen~dadO rede. Retire seguidamente as pinças dos
B necessáriovirar primeiramente parao lado Iarem e pólos do carregador da bateria.
a cobertura do porta-fusíveis na bateria -ver conhecimentos especiais.
página 1 17. Não recarregue nunca uma bateria
Para umarecargarápida, isto&, com corren- congelada -perigo de explosão! Uma
te de alta intensidade. há que remover bateriadescarregadapoderácongelar
primeiro os dois cabos de ligaçáo. já com temperaturas de O "C, devendo
Deve-se prestar atenção Bs seguintes ser descongelada, antes de ser carre-

.
instruçóes:

Atenção
Mantenha as crianças afastadas da
bateria e do alectrólito. bem como do
carregador.
H Só carregue a bateria em recintos
gada.

Recomendamos que não volte a utilizar


uma bateria que foi descongelada, pois,
devido B formação de gelo, o interior da
caixa da bateria poder estar estalado.

bem arejados. Não fuma nem faça


chamas nem faíscas, em virtude de
durante a recarga das baterias se for-
mar-uma misturade gases altamente
explosiva.

116
--

INSTRUÇOES DE SERVIÇO I

Se a batqia for desligada e voltar a


ser ligada,.
Se derlighr a bateria do veiculo, deverá
prestaratenção.Asseguintescircunstâncias:
Por exemplo
- o relógio digital apaga-se,
- o rádiomontadodefhbricafica bloqueado.
Depois de ligar a bateria .A rede de bordo
deverá voltar a acertar o relógio digital.
O rádio montado de fábrica só voltará a ficar
operacional depois de se introduzir o res- Desi..,..iagern da bateria Retirar depois o cabo negativo A.
pectivo código - ver Instruç6es do rádio.
Antes de desmontar a bateria, desligue a Em seguida desapertar um pouco a por-
igniçãoe todos os consumidores eléctricos. ca B do cabo positivo.
W Comprimiras patilhasde mola nosentido W Desprender os dois suportes (setas) da
da seta 1 eviraracobertura do porta-fusíveis bateria. exercendo pressão para os afastar
para o lado (seta 21. da bateria.

como cabo positivo, por cima, e colocá-los


de lado.
Por último desaparafusar o suporte da
bateria C e remover esta última:
I INSTRUÇÕES DE SERVIÇO

Substituição da bateria H Inserir o porta-fuslveis em conjunto com


'I
o cabo positivo na bateria. até as placas de
As nossas bateriasforam desenvolvidasem suporte engatarem do lado longitudinal da
função do seu local de montagem. Se a bateria.
bateriaforsubstitulda, a bateria nova terá de
t e r a mesma voltagem (12 Volt), tipo de Seguidamente apertar a porca B do p4lo
construção e caracterlsticas de segurança, positivo.
como, por exemplo. evacuação central dos W Ligar depois o cabo negativo A à bateria.
gases e O-ring's para vedar os bujões.
Recolocar a cobertura do porta-fusíveis,
A amperagem e a capacidade deverão ser na sua posição original e deixar engatar as;
identicas As da bateria anterior. Os con- duas patilhas com mola.
cessionários Volkswagen comercializam as
baterias apropriadas ao seu velculo.
-
Na montaaem da bateria é necessárioter o
cuidado de desligar previamente a ignição e
Montagem da bateria
H ~~~~~d~ligara bateria, desligues igniçáo
os consumidores eléctricos. e todos os consumidores eléctricos.
~~~ ~~ ~

% Devido ao problema da Instale a bateria no respectivo local de


da bateria é montagem. Deverá prestar aqui atenção a
substituí-Ia numa oficina Volkswagen. que o rebaixe central no friso que serue de
As baterias contêm, entre outras coisas, baseà bateria, coincida com a salibncia
h i d 0 s~lfÚric00 chumbo e não podem, dofriso de aperto, Em seguida fixea bateria
em circunstâncianenhuma, ser deitadas ao suporte C,
fora com o lixo doméstico.
Velas Correias trapezoidais
As velas de ignição são substituldas no H As correias trapezoidais fazem parte das
âmbitodoServiçodeInspecçáoVolkswagen peças mais solicitadas dum veículo e. por
Se. no intervalo entre dois Serviços de Ins- isso, deverão corresponder a um elevado
I n,vel de qualidade,
pecção, houver necessidade de substituir
as velas de ignição, dever-se-á atentar no W Quando se substitui uma correia trape-
seguinte: zoidal. nêo basta utilizar aualauer uma com
a mesma dimensão. PO; razkes de segu-
W As velas e o sistema de ignição estão
harmonizados entre si, contribuindo para a rança, utilize unicamente as correias
redução de matérias tóxicas nas emissóes trapezoidaisoriginaisVolkswagen,previstas
para o seu carro.
de escape. Para evitar falhas no funciona-
mento, avarias no motor ou até a anulação W As corre as rrapez0;aais poderão rer de
da licença de circulação. dever-se-á utilizar ser moo ficadaspor razõesaeoraem técn ca.
unicamente as velas de ignição originais, Recomendamo's, assim, que as adquira
previstasparaorespectivo motor. O número sempre num concessionário Volkswagen.
de eléctródos, ovalor térmico e a supressão que dispõe das informações mais actua-
de interferbncias revestem-se de especial lizada~.
importância.
Em certos motores sãotambém utilizadas
W As velas poderão ter de ser modificadas, correias trapezoidais estriadas. de baixo
a qualquer momento, por razóes de ordem desgaste, que deverão ser verificadas e
técnica. Recomendamos, assim, que as reajustadas no âmbito de um Serviço de
adquira sempre num concessionário Volks- Inspecção.
wagen, que dispõe das informações mais
actualizadas.
Reabastecimento do reservatório
Recomendamosque acrescente a água um
produto para limpeza dos vidros (com
protecção anticongelante no Inverno), pois
só a água não é, em geral, suficiente para
limpar rápida e eficazmente os vidros e os
faróis. Respeite sempre as instruçóes de
mistura indicadas na embalagem.
Mesmo q ~ e obicosejectoresdoesguicho
s
seiam aauecidos*, dever se-6 acrescentar
n ó l n v e r k um produtode limpeza com anti-
congelante.
.
O reservatório do liquido esra coiocado no Nota Regulação dos ejectores
lado esquerdo do compartimento do motor
e tem uma capacidade aproximada de 2.5 Nocasodealgumavezse nãodispordepro- Com o carro parado, os esguichos deverão
litros e de 7 litros nos velculos com lava- dutolimpa-vidros,poder-seáutilizartambém ser projectados sobre o pára-brisas.
faróis*. álcool (a sua percentagem nãodeve, porém, O esguicho do vidro traseiro deverá incidir
exceder 15%).Tenhanestecasoematenção sobreocentroda zona abrangida pela escova.
O lava-vidro traseiro* é abastecido através que a protecção anticongelante só tem
do reservatório no compartimento do mo- eficácia at8 -5°C. Aorientaçãodosejectores pode sercorrigida
tor. por um concessionário Volkswagen.
Não misturar nunca anticongelante do
radiador ou outros aditivos. Os ejecloresdo lava-fatúis*s6podem ser
ajustadoscom uma ferramenta especial. Se
for necessária uma correcção, recorraa uma
oficina autorizada Volkswagen.
Escovas dos limpa-vidros
\,<~,;~!:
Atenfiol,
;,.:; . ' ,
' "': , :< ;, Se as escovas estiverem danificadas, o
, , . . .' .',L, ; %ii ;,,, \.>a,,.i . , . , c,. , . , !, facto poderá dar igualmente origem a uma
,
@'PataTirmab6a~iiidibiIidade~~i'mpré~ .ki9jjh-, trepidação. Substitua as escovas.
i5jndível que as escovas do@l,,,, :,.
F;.
: W O angulo de inclinação das escovas do
:yg!plrqyjg.npbom esta o. , . .. limpa-vidros não está correcto.
~a$a,evita~ af&nação de estrias, 6 Peça a um conceçsionário Volkswagen que
cohvhlenb l i m ~ a reaularmente
r as proceda ao ajustamento do angulo de in-
~ ~ ~ c o v a s cumomprodut'ólimpa-vida& clinação.
.&Quandoestiverem muito sujas,$!.
~ e m p l ocom resíduos de inse p$,j Substituição das escovas dos
poder-se-á
... . utilizar na sua limpezau : m ~ limpa-vidros
.
.
:es$pn@ati'p@jlii. .. ,, '.",*.,>.TF**r*&.-<:..:
d,

r : <* &.~qq.e+2k!:,*.,!~.,>::
"..' -"
Retirar a escova
W Na lavagem numa instalação automática
poderão depositar-se reslduos de cera no Levantar0 braçodo limpa-vidrosecolocar
pára-brisas. a escova numa posição perpendicular em
relação ao braço.
Para eliminar esse inconveniente, utilizar
um produto limpa-vidros com solventes de W Apertar a mola de segurança no sentido
cera. Não se recomenda a utilização de da seta A.
No caso de frio intenso, certifique-se solventes de gorduras, p. ex. detergentes. W Desencaixar a escova no sentido da seta
sempre, antes de ligar o limpa-vidros
pela primeira vez, de que as escovas não Através dautilização de um produto limpa- B e retirá-la depois do braço, na direcção
vidros com solventes de cera, é possível contrária.
estão coladas pelo gelo.
eliminar a trepidação das escovas. Fixação da escova
Se as escovas trepidarem, o facto poderá
ser atribulvel a uma das seguintes causas: Os concessiondriosVo kswagen rêm B ven- É necessário ouvir o encaixe da mola de
oa os prod~tosrecomenoaoos pe a fábrica. segurança no respectivo braço.
Na montaaem de uma escova com deflec-
tordovento integradohá que prestaratenção
a que este fique virado para baixo.
-
I INSTRUÇOES DE SERVIÇO

Filtro de poeiras e pólen*


J

I
O filtro de poeiras e do sistema de W Retirar a cobertura das patilhas de mola, Montagem do filtro
aquecimento e ventilação está colocado do por cima.
lado direito da caixa de águas, por baixo A figura mostra, para uma melhor visuali-
duma tampa de dois componentes, O filtro H Comprimir as patilhas de mola C no zação,ofiltrodepoeirasepólendesmontado.
deve ser substituido de acordo com as sentidodasetaeextrairoelementofiltrante,
Por Cima. Inserir o filtro, engatando primeiro as sa-
instruçóesdo Planode Assistência. Nocaso
de uma acentuada redução do caudal do ar
. .
liências D nos rebaixes da rece~cãodofiltro.
dever-se-á antecipar a substituição do filtro. Em seguida. empurrar o filtro pela frente.
para baixo, até as patilhas de mola C enga-
Dermontagem do filtro tarem nas saliências de retenção E da
H Remover a junta de borracha A da caixa recepção do filtro.
colectora de água, até ao meio, por cima. Colocar depoisa cobertura sobreas patilhas
H Levantar com uma chave de fendas os de mola.
dois clipes de fixação da cobertura (por Fixar acooenura comdoispati hasdef xação
baixo da borracha de vedação do vidro) e e press onar a .Lnta de oorracha A n aca xa
extral-10s por cima. colectora de água
H Retirar a cobertura,
-
I
II
I
INSTRUÇOES DE SERVIÇO

Rodas
Recomendações gerais Os danos nos pneus e nas jantes estão fi As rodas e pneus desmontados devem
frequentemente encobertos. Vibrações serguardados em lugarfresco, secoe. tanto
fi 0 s pneus novos não dispõem, de início, inusuais ou a guinagem unilateral do veículo quanto possível, escuro. 0 s pneus sem

i
(
da sua máxima capacidade de aderência,
pelo que nos primeiros 100 km se deve
conduzira uma velocidade moderada e com
a necessar a precadção. o qLe se ref ecrira
tamobm posr vamenre na longev dade aos
poderão ser indício de um pneu danificado.
Se suspeitar que uma das rodas está
danificada, reduza imediatamente a
velocidade! Verifique os pneus quanto a
danos (papos, rasgões, etc.). Se não forem
jantes devem ser guardados na vertical.
Recomendação relativa aos pneus com
sentido de marcha programado
~
I
Nocasode dm0eSenhO00 psocom senr do
pneus. visíveis quaisquerdanosexteriores, conduza oe marcha programado lidentif'cávelarrav6s
Devido a características de construção mais devagar e com prudência e mande das setas no sentidoda marcha noflanco do I
diferentes e a estrutura do perfil, poderá verificaroveículonum concessionárioVolks- pneu) é indispenstrvel que se mantenha
haver diferenças na profundidade do perfil wagen este sentido, de modo a assegurar um
de pneus novos, segundo a versão e o H Proteja os pneus do contacto com gor- aproveitamento optimizado das caracteris-
construtor. dura, 61eo e combustível. ticas de hidroplanagem, aderência, ruídos e
desgaste.
fi Verificar. de tempos a tempos, os pneus H Substitua imediatamente os protectores
quanto a danos (picadas, cortes. fissuras e das válvulas extraviados.
papos) e remover os corpos estranhos que
se tenham introduzido no perfil. H Se as rodas forem desmontadas, identifi-
que-as, a fim de que, quandovoltarem a ser
H Afim deevitardanos nos pneuse nasjan- montadas.sejaconse~adooanteriorsentido
tes. quando subir o rebordo dum passeioou de marcha.
passar por cima de qualquer obstáculo, con-
duza devagar e avance, tanto quanto possí-
vel. em ângulo recto.
Duração dos pneus Quera pressão insuficiente,quera excessiva Condução
reduzem a duracão dos meus indeoenden-
A duração dos pneus depende essencial- tementede prejÜdicaremocomportamento Em curvas a alta velocidade, as acelerações
mente dos seguintes factores: do veiculo em andamento. bruscas e as travagensviolentasaumentam
o desgaste dos pneus.
Pressão dos pneus
Atencão Equilibragem das rodas
Osvalores da pressãofiguram no interior da
tampa do depósito. Aalta velocidade decruzeiro, um pneu As rodas do seu veiculo foram equilibradas.
com pressão baixa aquece excessiva- Coma rodagem, poder-seá registar, porbm,
Em especial a altas velocidades, a pressão mente o que poderá provocar o des- devido a diversas influências, uma dese-
dos pneus B muito importante. A pressão prendimento da faixa do piso ou, at6 quilibragem, que se manifesta através de
dos pneus deverá ser, por isso. verificada, mesmo, o seu rebentamento. vibrações na direcção.
pelo menos, uma vez por mês e antes de
empreender uma viagem mais longa. Como a desequilibragem origina também
@ Uma pressão dospneus insuficiente um maior desgaste da direcção. da suspen-
Nãoesquecertambém, nesta oportunidade. fazaumentaro consumo do combus- são e dos pneus. deve-se mandar equilibrar
a roda sobresselente. tível, poluindo desnecessariamente o as rodas de novo. Além disso, também
W Na roda deemergênciaovalorda pressão ambiente. depois de montar o pneu novo ou reparado,
vem indicado no flanco do pneu. é conveniente equilibrar a respectiva roda.

W Na roda sobresselente com pneu normal Desalinhamento das rodas


observar sempre o valor da pressão mais Odesalinhamentodas rodas provoca não s6
alto previsto para o veiculo. um maiordesgaste, muitasvezes unilateral,
W Proceda~verificaçãocomospneusfrios. dos pneus como prejudica também a segu-
Não reduza a pressão dum pneu quente, rança de rodagem. Em caso de desgaste
se estiver mais alta. Se a carga do veículo anormaldos pneus, deverá, porisso, recorrer
for substancialmente alterada, ajustar a a uma oficina Volkswagen.
pressão dos pneus em conformidade.
Atenção
O mais tardar quando os pneus
apresentarem um deagaste at6 ao res-
pectivo indicador, dever60 ser subs-
tituldos sem demora.
.. ,Qp::pneus rhm:,dejgaste,afectam,
.em:ehp@.ia& altas yel,ocidad.@numa
~adahlqida,,a~ecm@riaad~18hcia
ao- pisa de rodagem. ,AI6m.~disso;o
YéCriulo entra -mais facilmente em
iiidroplanageml

Indicadores de desgaste Troca d e rodas


Nota
~ ~~

Os Pneus de Origem do seu veiculo tem Quando houver um maior desgaste vislvel
de desgaste' com I a 6 mm de ~~~~d~ a do perfil for de
1,6 mm, nas estriasdo perfil junto dos pneus da frente, recomenda-se uma
altura, perfil e trans- dos troca dos pneus de trás com os da frente,
versalmente em relaçáo ao sentido da mar- indicadores de desgaste, ter.Sed atin-
gido o perfil minimo prescrito por lei (este Conforme indicado no esquema. Desse
cha -ver figura. Estes indicadores de des- modo, os quatro pneusatingirãoaproxirnada-
gaste estão dispostos em 6 ou 8 grupos, valor poderá variar noutros paises,,
mente a mesma duração.
conformeofabricante, ainte~alosregulares,
em torno do pneu. A localização dos indi- No caso decertos sinais de desgaste, poderá
cadoresdedesgaste Bassinalada porcertas ser vantajosa uma troca cruzada. Para mais
marcas noflancodos pneus (porexemploas pormenores, contacte uma oficina autorizada
letras NTWIII ou triângulos). Volkswagen.
US H Por razões de segurança. evitar a subs- P. ex.: 175165 R 13 80 T
tituição individual dos pneus, procurando
substituir, pelo menos. ambos os pneus do 175 = Largura do pneu em m m
construção importantes. Por isso, os pneus mesmo eixo. Os pneus com maior profundi-
e jantes pornósaprovadosadaptam-seexac- 65 = Relação alturallargura em %
dadede perfil deverão sersempre montados
tamente ao respectivo modelo do veículo, à frente. R = Tipo de construção letra de
contribuindo, assim, fundamentalmente. código de Radial
para a sua estabilidade na estrada e com- H Montar nas4rodasunicamentepneus
portamento seguro. radiais do mesmo tipo de construção 13 = Diâmetro da jante em polegadas
tamanho (perímetro1e, se possível, com
Os concessionários Volkswagen estão petfil da mesma versão. 80 = Capacidade de carga - nQde
informadoidas marcasde pneuspor nós código
aprovadas. Muitos deles dispõem. al6m H Sea roda sobresselente for dumaversão
diferente das que estão montadas (por T = Código de velocidade
disso,dumainteressantegama de pneus
e jantes. exemplo pneusde Invernoou pneuslargos).
só pode ser utilizada por pouco tempo e A data de fabrico está tamb6m indicada no
Amontagem ereparaçãodepneus requer adoptando uma conduçãocautelosa.Deverá flanco do pneu (eventualmente só no lado
conhecimentos especiais. devendo ser, por ser substituída. omais rapidamentepossível, interior da roda):
isso, exclusivamente executadas por um pela roda normal.
tdcnico especializado. DOT ... 187... significa que o pneu foi
Não utilizar nunca pneus usados. cujos produzido na 188semana de 1997.
@ Devido ao problema da eliminação antecedentes se desconhecem.
dospneus velhos, a ferramenta espe-
cial e aos conhecimentos técnicos ne- H A identificação da referência do pneu e Atenção
cessários, é convenienteencarregaruma seu significado facilitam uma escolha cor- Deverão ser imprescindivelmente
oficina Volkswagen da substituição dos recta. Os pneus radiais t8m a seguinte ins- respeitadasas advertências na pbgina
pneus. crição nos flancos: seguinte.
Atenção
ospneus com mais de 6 anos de-
verão ser utilizados em caso de emer-
gência e tomando as devidas precau-
ções na condução
W As jantes e os parafusos das rodas
estão tecnicamente adaptados entre
si.
No caso de se optar por outro tipo de
jantes (por exemplo de liga leve ou
Pneus d e Inverno

Atenção
-
Em condições de Inverno rigoroso, o
uso de pneus de Inverno melhora as
rodas com pneus de Inverno), terão de qualidades de condução do seu carro,
No caso de se pretender equipar pos- se utilizar os parafusos respectivos mesmo nas versões com tracção Bs
teriormente o carro com pneus e jantes com o comprimento eforma de calota quatro rodas.
diferentes dos montados de fábrica, adequados, pois deles dependem a Devido ao seu tipo de construção (lar-
deverá ter em atenção o seguinte: fixação das rodas e o funcionamento gura, mistura de borracha, confiau-
dos travões1 iaçãodoperfil, etc.) ospneusde~e&o
Atenção Se se montar posteriormente tam- derrapam mais no gelo e na neve.
pões,ter-se-8deassegurarapassagem
W Por razõestécnicas, nem sempre se de ar suficiente para a refrigeração
podem utilizar as jantes de outro Ao montar pneus de Inverno deverá atentar
-
veiculo em certos casos nem sequer
dos travões.
i~sbornAain \huitzzidrrit. h no seguinte:
as de outro modelo idêntico.
W Escolha só pneus de Inverno cintados.
Os concessionáriosVolkswagenestão infor- As dimensóes recomendadas pela fábrica
D Em consequ6ncia da utilização de
mados sobre as possibilidades técnicas figuram na página 161.
pneus e jantes não aprovados por nós relacionadas com a mudança de pneus e
para o modelo do seu carro, poder-se- jantes e sua montagem posterior W Para obter o melhor comportamento
-á prejudicar a segurança de roda- possível do veículo, terá de equipar as 4
gem. AIBm disso, a licença de circu- rodas com pneus de Inverno.
lação do veiculo poder8 perder a sua
A pressão dos pneus de Inverno deverá
~ T .~ F : ~ : ~ T ~ P p 4 Y . V 4 i ? ? L i ~ ~ V J
,A
ser 0.2 bar superior à dos pneus de Verão
ver <<Dados técnicos», pág'lna 161.
W Os
- -~ oneus de Inverno perdem grande Em vez de pneus de Inverno podem utili- Por razões de ordem técnica, não é per-
parte das suas qualidades quandoo perfil se zar-se tambbm pneus «para todoo tempo». mitido o uso de correntes para a neve na
reduziu a 4 mm. roda de emergência de dimensões re-
W No caso de avaria dum pneu devem-se duzidas. Para maispormenores,vera página
Limitaçãodevelocidadeválida para os pneus 0 b ~ e ~asa rinstruções da página 126 sobre 135.
de Inverno: a utilização da roda sobresselente.
Usarapenascorrentesde elosfinos que não
Referência Q: máx 160 kmlh W Náodeixarospneusdelnvernomontados sobressaiam mais do que 15 mm (incluindo
mais tempodoqueonecessário, pois, numa o fecho).
Referência T: máx. 190 kmlh estrada sem neve e sem gelo, os pneus de
Referência H: máx. 210 kmlh Verão têm melhores ~ropriedadesde Quando se utilizam correntes para a neve,
conducão. devem-se remover os tampões e os aros
decorativos das jantes Por razóes de se-
Atenção %8 Tambdm no jnteresse da defesa do gurança os parafusosdas rodas deverão ser
ambientesedevemmontarospneus tapados, nesse caso. com protectores que
A velocidade m8xima permitida para
osseuspneusdeInverno não podeser de atempadamente,pOis podem ser adquiridos nos concessionários
mente os ruídos de rolamento reduzem- Volkswagen
ultrapassada em circunstância ne- -se, o desgaste é menor e o consumo de
nhuma, pois isso poder8 dar origem a Em trajectossem neve, removaascorrentes,
combustívelmais moderado.
danos nos pneuse a graves acidentes. pois. nesse caso. preiudicarão o comporta-
hento do veiculo,' danificando os e
Na Alemanha tem de se afixar um autoco- Correntes para a neve destruindo-se rapidamente.
lante com essa chamada de no Ascorrentessópodemsermontadasnas N, ~ l a velocidade
~ ~ permi-
máxima ~
campo visual do condutor, nos veículos que rodas dianteiras tida, com correntes de neve montadas. & de
podem ultrapassar esses limites de velo-
cidade. Essesautocolantespodemserad~ui- Náoépermitidaamontagemdecorrentes 50 kmlh.
ridos nas oficinas autorizadas ~ o l k s w a ~ e n . para a neve nos pneus com as medidas
195145 R15 78V e 185155 R14 78H.
Terem atencãoeventuais prescrições legais
a este respéito, em vigorno seupaís. Nosveículoscommotorde74kWpodem
ser montadas correntes para a neve nos
pneus 185155 R14 78H, nas resiantes
motorizações isso não é possível.
Viagens ao estrangeiro
Quando viajar no estrangeiro deverá ter em Neutralizaçáo dum sector dos
consideração o seguinte: faróis
Nos veículos com motor a gasolina e Ao entrar num país estrangeiro onde a
catalisador assegure-se da disponibilidade circulação se faz pelo lado oposto ao do seu
de gasolina sem chumboao longo de todo o pais de origem. a luz assimétrica dos far6is
percurso da viagem -ver também a página do seu carro encandearia os condutores em
93. Os clubes automobillsticos fornecem sentido contrário.
informações sobrea rede deabastecimento
com este tipo de gasolina. A fim de evitar esse encandeamento, há
quetaparcom fitaadesivaopacaossectores
Embora existam em todo o mundo mais cuneiformes dos faróis.
de 10000postosdeassist&nciaVolkswagen,
em certos países o serviço de após-venda é
ainda limitado ou até mesmo inexistente. Mudança do trânsito pela direita para o
Em certos paises poderá acontecer trânsitopela esquerda,dofarol dadireita.
também que0 modelodoseu carro não seja
comercializado, não se dispondo, por isso,
de certas peças de reposição ou o pessoal
técnico dos concessionários Volkswagen
só poder executar algumas reparações com
restrições.
Os centros regionais Volkswaaen na Ale-
manna e os iiportaoores aos Tespecr vos
paises dar- ne-ão todas as informações
necessdrias soore os preparativos técn cos
a qLe r verde sLometeroseL veic~lo.e bem
ass m soore a man~rençáooe qJe precisar
e as possio I dades de reparaçáo de qLe po-
derá dispor.
Os endereços figuram no Livro de Bordo
I
Mudança do trânsito pela direita para o Mudança do trânsito pela esquerda para Mudança do trânsito pela esquerda para
trânsito pela esquerda, do farol da otrânsitopeladiraita,dofaroldadireita. o trânsito pela direita, do farol da
esquerda. esquerda.
1
r(
Telamóveis e emissoreslreceptores
A montagem de telemóveis e emissores/ Por isso, os telemóveis e os emissores- Nota
receptores esrá, em geral. S J eira a .ma receptores não podem ser operados do
interior do carro sem antena exterior ou E indispensável respeitar as instruções
Icença espec a eoever.4 ser conf ada a Lma de operação dos telemóveisl
of;c na aa es~ecialdade O J a -m conces- com uma antena exterior mal instalada.
sionário ~olkswagen. Se pretender utilizar um telemóvel ou
emissorlreceptor com uma potência de
A Volkswagen aprovou para o seu veículo a Atenção emissão sJper or a 10 Watt. contacte. sem
utilização de telemóveis e emissoreslre- Os telemóveis ou emissores-recep- fara. o se.! concession.4ro Volnswagen
ceDtores com uma antena exterior correc- tores operados do interior do carro sobre esse assunto. pois e e o spóe-de
tamente instalada, com uma potência de sem antena exterior ou com uma an- informacões soore a possio l oade 18cnica
emissão máxima de 10 Watt. tena exterior mal instalada poderao de proceder 2 montagem posterior de
Notas causar oroblemas de saúde, devido h telemóveis e emissores/receptores.
formaç80 de campos electro-magn6-
A operação de telemóveis ou emissores1 ticos exagerados.
receotores ~ o d e r Bestar na origem de Atenção
defiCiênciasdefuncionamentonosistema Concentre a sua atenção essencial-
electrónico do veiculo, nas seguintes AIBm disso, só com uma antena exterior B
. mente na condução.
condições: posslvel atingir o alcance optimizado dos
aparelhos.
- ausência de antena exterior
- deficiência
exterior
de montagem da antena

- potênciadeemissãosuperiora 10Watí
Acessórios, modificações e substituição de peças
O seu veiculo foi construido segundo as Os acessórios aprovados pela Volks-
m~is recentes
~-~ informacóes em matéria de
Atenção wagen e as peças originais Volkswagen
!
~

técnica da segurança, proporcionando, H Noseuprópriointeresse,recomen- podem ser adquiridos num concessionário


... . - .
assim.umelevadoniveldeseaurancaactiva damos aue utilize n o seu veículo Volkswagen que poderá naturalmente
e passiva Para qLe a sir~açãoseja preser- exclusivamenteacess0rios1'originais, encarregar-se também da sua respectiva
vada, nãoé. porém perm tioo nrrod~zr-lne ouporn0shomologedos.epeças0rigi- montagem.
modificaçóes aroitrárias. Se o veic~lofor nais Volkswagen cuja fiabilidade, se-
gurança e adequação foram especial- H Oscons~m
doresaaicionalmenteIigaaos.
oosteriormente eaJ oado com acess6rios.
por exemp o ca xa frigorif ca. b ~ nas.
z ven-
1 ~ubmetidoamodif~~~óestécnicasouaind~ mente aprovadas para o seu veiculo. t ladores. etc
nãodirectamente relacionaaos
I
/
se, mais tarde, for necessário substituir pe-
ças, dever-se4 observar as seguintes ins-
truçóes:
Náoobstanteosconstantesestudos
de mercado, não nos pro-
nunciar nem responsabilizar por outros
com o controle do veic~lo.terão de ex o r
uma referência CE

H Antesdaaq~isiçãodeacess6rioseantes produtos, mesmo que oficialmente H Os aparelhos de montagem posterior


homologados. que influenciam o controle do veículo pelo
ae se proceder a Lma modificação técn ca.
condutor, como, p. ex. sistemasde regulação
/ dever-se-á consultar sempre um concessio-
da velocidade ou sistemas amortecedores
nárioVolkswagen,especialmente habilitado,
de regulaçãoelectr6nicaterão deexibir uma
graçasa umaestreitacolaboraçãoconnosco,
referbncia e estar homologados para este
a prestar-lhe a devida assistbncia.
veículo.
No caso de se pretender proceder a
qLa qLer mod f,cação técn ca. deverão ser
observadasasnossasd recr vas Assegurar-

I
-se-á, assim, que o veiculo náo seja danifi-
Nãocomercializadoserntodososmercadosde cado. a segurança do funcionamento seia
exportação. preservadaeastransformaçóessejamlegal-
mente permitidas. OsconcessionáriosVolks-
wagenexecutaráoostrabalhoscomcompe-
t&ncia ou recorrerão, em casos pontuais. a
uma firma especializada.
'I
AUTO-AJUDA I
I Caixa de primeiros socorros, I
triângulo de pré-sinalização

Na versao da figura é possível guardar uma


caixa de primeiros socorros e um triângulo
1 de pré-sinalizaçáo dentro de um alojamento
em espuma sintética, por baixo da alcatifa
1 do porta-bagagens.
IAUTO-AJUDA 11
Ferramenta de bordo, roda sobresselente
Ferramentas Com o veículo poderão ser fornecidos:
I
As ferramentas do carro encontram-se - Estojo de ferramentas1]
dentro de um estojo, colocado na cavidade - Chave de rodas
da roda sobresselente e fixado por meio de
um elástico. - Gancho metálico* para os tampóes das
rodas
- Extractor* dos protectores dos parafusos
das rodas
- Argola de reboque
de carro. Não deve, em circunr
- Chave de bocas 10 x 13
- Macaco
ar nunca o motor com o veí- Antes de recolocar o macaco dentro da
Aferramenta do carro e a roda sobresselente -
-eu10 levantado perigo de acidente. caixa da ferramenta, dever-se-á recolher
totalmenteagarra. Depoisdever-se-ápren-
encontram-se dentro duma cavidade, por : 'h Se houver necessidade de efectuar der a manivela parte lateral do macaco.
baixo da alcatifa do piso do porta-bagagens. trabalhos debaixo do carro, ele ter8 de
,estarseguramenteamparadoporram- - Chave defendasde haste intercambiável,
' L..: . .. com sextavado interior no punho.
*@i*$::.
.. ; ' , par de apoio.
A haste da chave é intercambiável.
certifique-se de que as ferramentas
,.,#ebordo e a roda sobresselente fica- Nota
; 'tam bem fixadas, a fim de que num Não utilizar em circunstância nenhuma o
acidente um numa travagem brusca sextavado interior da chave de fendas
não provoquem ferimentos nos ocu- para desapertar e apaitar os parafusos
pantes. das rodas.

'1 Emvezdacaixadeferramentas.asferramentas
poderá0 ser tamb6m guardadas num estojo
em plástico.
Ii AUTO-AJUDA I
Após a substituição de uma roda, ter-se- A fim de voltar a aproveitar as vantagens do
-á da fixá-la firmemente por meio do pneu com sentidodemarcha programado, o
manipulo. pneu avariado deverá ser substituldo sem
demora.
A pressão deste pneu (4.2 bar) deverá ser
controlada regularmente, a fim de garantir a Se for caso disso, procurar proceder à
suaoperacionalidadeem qualquer momento, remontagem do pneu de reserva. de modo
sendo oacessoà válvula feito através duma a respeitar o sentido de marcha previsto.
abertura na jante.
Recomendação relativa aos pneus com
sentido de marcha programado
Nocasode um desenhodo pisocom sentido
demarcha programado(identificávelatravés
Roda sobresselente dassetas noflancodopneu) 6 indispensável
O carrodispõede uma roda deemera&ncial~ queserespeiteosentidodamarchaindicado.
de dimensões reoiizidas qJe oc~pamenos Assegurar-se-ão assim as caracterlsticas de
espaço no porta-bagagense B oastante mais comportamento optimizadas em termos da
leve do que a rodasobresselente normal. hidroplanagem, aderência, ruídos e
desgaste.
A roda encontra-se numa cavidade por baixo
No caso da roda sobresselente ter de ser
da alcatifa do piso do porta-bagagens, fixada
montada, na sequência duma avaria num
por meio de um manípulo. pneu,aocontráriodoseu sentidodemarcha,
essa utilizaçáo deverá ser transitória, uma
" Em certos palses e em certas versões do vezqueaspropriedadesdopneu em relação
veículo poder6 ser fornecida uma roda sobres- à hidroplanagem. ruídos e resistência
selente de dimensões normais em vez da de ficariam comprometidas.
emerg&ncia.Em caso de utilização desta roda
sobresselente. devemse observar as instru- Recomendamos uma especial atenção no
ções da p6gina 126. caso de piso húmido e que seja ajustada a
velocidade às condições da estrada.
I AUTO-AJUDA
T
Para utilizar a roda de emergência de
dimensõesreduzidasdeverá observar as
seguintes indicações:
Na jante duma roda de emergência náo
se podem montar pneus normais ou de
Inverno. I
Depoisdemontada a roda de emer-
gência, verificar a pressão logo que
, possível, devendo esta cifrar-se em
i
Aroda deemergência 6 mais pequena de 4,2 bar.
1
Quea normal, diminuindo. Dor isso, a altura Atenção I

N60 conduzir a mais de 80 km


lLre ao solo do respectivo eixo em 30 mm. A roda destina-se a ser utilizada Evite as aceleraçõesa fundo, astra
Paraevitardanosnaspeçasbaixasdoveic~o, qpena8:transitoriamente.e por pouco gans violentas e as curvas a alta velo-
não passepor c'madeoostác~losoub~racos tempo: por isso, dever-se-8,substitul- .;%dade,
da esrraaa. TambBm se deverá ev:tar. nesra ~\~,,!~q~.q@:~i~~~,p~I~,e,I,,,~~eIa,~0~6
altura, a lavagem automática - as peças normal. .,,. Náomontenuncasimultsneamente
1
,
baixas poderão roçar no chão. i"$ais do que uma roda deemergência.
:c ,...
Por razões de ordem técnica, não 6
As rodas de emergência para cada um ~.ermitidaautilhacãodeconentes~ara
dos modelos do Passatforamdesenvolvidas a nave em rodas de emergência..
especificamente para essa versão. Não No caso de avaria dum pneu da frente,
podem ser, por isso, trocadas ou utilizadas se houver necessidade de montar
em modelos diferentes, tal como não se correntesparaaneve,ter-se-8 de mon- I
devem utilizar rodas de emergencia $ar e r 0 6 de emergência no eixo
pertencentes a outros modelos. traseiro, passando pira afrentea roda '
dali retirada, de preferência j8 com a ;
wrre,nte.mentada.
T
AUTO-AJUDA I
I duma roda
Mstitui~ão

- Retirar o tamp,, ,,,,, ,com a chave de Introduzir, conforme se v& na figura, a


rodas e o gancho met6lico (do jogo de chavede rodas sobreo parafusoda roda, até
ferramentas de bordo). encostar e rodá-la para a esquerda, pro-
Conforme a versáo do tampão, introduzir curando segurar a chave pela sua extre-
o gancho metálico no Dar de furos no midade.
emo ema W ao tampáo OL no rebordo
Substkuir a roda num plano horizontal, do pr6prio tampão. Nos tampões integra:^ Seoparafusoestivercalcinado,poderátentar
se possível. prender o gancho no furo de ventil&áo. soltá-lo. carreaandocom o ~ naéextremidade
Introduzir a chave de rodas através do da chave de rodas segurando-se ao vefculo
Retirar a ferramenta do carro e a roda gancho e remover o protector com mo- para não perder o equilíbrio.
sobresselente do porta-bagagens. vimento de alavanca - ver a figura. Aliviar os parafusos cerca de uma volta.
Háversóesde jantesde liga leve equipadas
com tampões que se removem com a
haste achatada da chave de fendas (do
jogo de ferramentas de bordo).
IAUTO-AJUDA
- Rodando a manivela, levantar a garra do
macaco, at6 este caber, h justa, debaixo
do carro.
- Agarra do macacoterádeenvolveroperfil
vertical da longarina. a fim de que, ao
levantar o carro, o macaco não resvale -
ver figura.
- Ajustar bem o macaco e subir mais a gar-
ra, até ficar encostada ao perfil.
Levantarocarroatéquea rodaasubstituir
deixe de tocar no solo.

H Colocar o macaco no velculo: H Desapertar os parafusos das rodas e


H Pontos de recepção do macaco: coloch-10s sobre uma superfície limpa
Afigura mostra o macaco aplicado atrás, do (tampão do cubo. pano, papel), ao lado do
lado esquerdo. macaco, e remover a roda.
$se o macaco não for colocado nestes# i95t~&~::q~::~~":@y1,$~.~7;~:iP>.;,
Goontos marcadose adiante descritos, _ PAtenoáo
2

'sso hav rá r i m de 1
-
$Poderãoregistar-se danos no veiculo. 2 f ~ áiso
m mola Dor baixo do macaco
'%&$b.sabm?uMartm &%?A3 $
- O macacos6 pode ser aplicado nos pontos
assinalados na longarinainferior-versetas
na figura.
Esses pontos ficam a uma distgncia de
cerca de 19 cm h frente e 22 cm atrás, da
respectiva cava da roda.
AUTO-AJUDA I
I
!

! . Colocar a roda sobresselente.


4 Apertar ligeiramente todos os parafusos
com a ajuda dosextavado interior no punho
Notas
~- - - - ~ -

4 Quando se utiliza a roda de merg8ncia


de dimensões reduzidas ou uma roda
4 A roda avariada deverá ser reparada tão
depressa quanto possível, a fim de voltar a
sermontadaemvezdarodadeemerg&ncia,
provisória. Voltar a montar tambbm, neste
i1
da chave de fendas. sobresselente diferente das que está0 caso.
- .., os
..,orotectores e o tamoão.
osparafusostêm de estar limpos e leves montadas.devem-seobservaras instruçóes
1 -em circunstância nenhuma devem ser das páginas 129 e 135. A-~-..LI
m.-.,y..v
I oleados ou lubrificados! 4 Após a substituição duma roda dever- se pretender equipar posteriormente
I 4 Baixar o carro e apertar os parafusos fir- -se-á proceder da seguinte forma:
I memente, em cruz. - Verificar imediatamente a pressão do
ocarro com rodas ou iantes diferentes
das fornecidas pela-fábrica, dever6
rn Nos velculos com roda sobresselente pneu sobresselente montado. observar imprescindivelmenteas ins- 1
j
1 normal, voltar a colocar o tampão e os
protectores.
- Mandar verificar, logo que possivel, o
binário de aperto dos parafusos com
truçóes da página 127.

.
; Ao montar o tampão da roda, encaixá-lo uma chavedinamométrica. Comjantes
1 primeiro no recorte da válvula. calcando-o de liga leve ou de aço o binário é de
depois a toda a volta. 110 Nm.
I Colocar a roda avariada no lugar da roda Se, na substituição da roda, se verificar

1
sobresselente e fixá-la com o respectivo que os parafusos têm corrosão ou estâo
manipulo. perros, dever-se-á substituí-10santes de
verificar o binário de aperto.
I Até lá. conduzir, por medida de precau-
ção, apenas a uma velocidade modera-
da.
I AUTO-AJUDA i I
Fusíveis
Os diferentes circuitos do sistema eléctrico
i
estão protegidos por meio de fusíveis.
Acentral eléctrica com os rel6s eosfusíveis
encontra-se na zona dos pés dianteira, do
lado do condutor, atrás dum porta-objectos.
ConvBm ter sempre alguns fusíveis de
reserva que podem ser adquiridos num
concessionário Volkswagen.
Notas

defm'v.eis Comprimir a patilha de mola no sentido


áo tente, em caso nenhum "repara" da seta 1 e virar para o lado a tampa de
I fundido nem o subst&f3
mais forte, pois poderá
rias noutros pontos da ins-
- H Desligar a ignição e o consumidor
afectado,
coberturado porta-fus[veis(seta2).
Com base na tabela de fusíveis (ver a
éctrica. Emcertascondiçóes Removera cobertura do Painel de bordo página seguinte), detetminar qual o que
rovocer inclusivamente um Pela frente. pertence ao consumidor que deixou de
funcionar.
..,:L?*-li
.
. .:.-r. , < ..'. r,
-..r.
. ..L-L.F$!,ii .'
Substituir o fuslvel queimado - que se
H Se um fusível substituído voltar a fundir- reconhece pela tira de metal fundida - por
s e ao fim de pouco tempo, a instalação um fusível novocoma mesmaamperagem.
eléctrica deverá ser inspeccionada, quanto
antes, por uma oficina autorizada Volks- Prender a tampa de cobertura do porta-
wagen. fuslveis, do lado esquerdo. e virá-la para a
direita, até a patilha de mola engatar.
H Alguns dos consumidores mencionados
equipam apenas algumas versões dos Prender a tampa de cobertura, em baixo,
modelos ou são equipamentos opcionais. no painel de bordo, e virá-la para cima, até
ficar firmemente engatada.
I
II I
AUTO-AJUDA

1 No Consumidor A" No Consumidor A1l


9 - Sistema electrónico do motor ....... 10 21 - Luzes de emergencia .................... 10
10 -Sistema electrónico do motor ....... 15 22 - Indicadores de direcçáo ................. 5
11 -Buzina, aquecimento dos bancos .. 15 23 - Limpallava-pára-brisas ...................15
12 -Máximos, lado direito, controle 24 - Limpallava vidro traseiro, regulação
de máximos ...................................10 eléctrica dos espelhos exteriores .. 10
13 -Máximos. lado esquerdo ............... 10 I
i
I 14 - MBdios, lado direito. regulação
do alcance dos faróis, direita ......... 10
No Consumidor
Fusíveis montados horizontalmente:
A'!
1
Disposição dos fusíveis
15 - Médios, lado esquerdo, regulação 25 - Desembaciador do vidro ................
traseiro,
do alcance dos faróis, esquerda .... 10 dos espelhos exteriores 15
ida esauerda Dara a direita)
16 -Luz traseira e de presença, 26 -Painel de instrumentos.
No Consumidor A"
lado direito ................................... 5 imobilizador electrónico ................. 5
Fusíveis montados verticalmente:
17 -Luz traseira e de presença, 27 -Painel de instrumentos. luz interior 5
1 - Sistema electrónico do motor ....... 15 lado esquerdo ............................ 5
2 - Sistema electrónico do motor ....... 10 28 - Isqueiro, rádio
18 - Farolins de marcha.atrás, fecho centralizado ......................... 15
3 - Sistema elétrico do motor .............7.5 do esguicho aquecidos, iluminação
da alavanca selectora ....................7.5 29 - Luz interior, motor de regulação
4 - Sistema de ignição ........................15 do ventilador .................................. 5
19 - Faróis de nevoeiro. luz traseira
5 - Caixa de velocidades automática .. 10 de nevoeiro................................ 30 -Ventilador .................................... 20
6 - Caixa de velocidades automática .. 5 20. L~~~~de travagem 10 31 -Iluminação da matrícula ................ 5
7 - Aparelho de comando do ABS ...... 5 32 -Bomba do combustível ..................15
8 - Injectores. sonda Lambda ............. 15
" Ampere
'I Ampere
I AUTO-AJUDA

' l - - Fusíveis de metal


Alternador ..........................................
A"
1102'
Porta-relés .......................................... 802'
Fusíveis automáticos
A capota eléctrica e todos os elevadores
eléct;cos dos vidros esrão protegidos por
f ~ s i v e i sautomilricos qde se oeslgam em
Velas de incandescencia (motor)........ 502' caso de sobrecarga (por exemplo imobi-
lização dos vidros pela formação de gelo),
Velas de incandescbncia (líquido de voltandoa ligar-se automaticamente, ao fim
refrigeração) ou ............................... 502' de alguns segundos.
Ar condicionado ..................................302'
Cor de identificação dos fusíveis:
bege: ......................................... 5 Ampere
Caixa de fusiv-.- -. castanho: .................................7.5Ampere
mento do motor, na bateria A''
vermelho: ............................. 10 Ampere
Fusíveis
az 15 Ampere
Aparelho de comando do ABS ..............30
amarelo: ............................... 20 Ampare
Aparelho de comando do ABS ..............30 branco: ....................................25 Ampere
Ventilador do líquido de refrigeraçáo ..... 20
verde: .................................... 30 Ampere
Ar condicionado .....................................10

'1 Ampere
2i Estesfusíveis s6 deverãosersubstituídos num
concession~rioVolkswagen.
!
I AUTO-AJUDA 1 1

r
Substituiçáo de lâmpadas
Antes de substituir uma Iâmpada, desligue Aconselhamos a que traga sempre no carro
sempre primeiro o respectivo consumidor. uma caixinha com lâmpadas de reserva que
poder6 comprar nos concessionários
Nãopeguenovidroda lâmpadadirectamente volkswagen-, incluindo, no as se-
com a máo - as impressóes digitais evapo- guintes que são importantes para
rariam por efeito do calor da lâmpada. con- a segurança no trânsito:
densando-se na superfície do reflector,
embaciando-o.
Uma Ihmpada só pode ser substituída por
outra de tipo igual. A designação figura no
casquilho ou no bolbo de vidro.

11
Lâmpada d o farol principal e luz de ,I
presença
W Abrir a tampa do compartimento do mo- ,
casquilho 3' luz de travagem tor.
de vidro luz da matrícula Comprimir a patilha de mola (seta) para
cima e retirar a tampa de cobertura.
W Depois de se substituir a lâmpada,
reinstalar a tamDa de cobertura com as duas
sal ências de r e ~ e n ~ em
a o oatxoecomprm;.
-ia depois em frente. at8 a Dar Ina oe moa
ficar bem encaixada. I
Introduzir a ficha do cabo. Faróis de nevoeiro*
4 Mandar focar os faróis. As lâmpadas deverão ser substituídas num
Depois de se substituira Iâmpada, reins- concessionário VO'kswagen.
talar a tampa de cobertura com as duas
sali&nciasderetençãoembaixoecomprimi- indicadores de direcção dianteiros
-Ia depois em frente, até a patilha de mola
ficar bem encaixada. As IAmpadas deverão ser substituídas num
convessionário Volkswagen.
Luz de presença
4 Extrair a ficha do cabo (c).
4 Extrair a Iâmpada com casquilho devidro
L.,,,gda do farol principal fundida e montar uma lâmpada nova.
4 Extrair a ficha do cabo (a). 4 Introduzir o suporte da lâmpada (c) no
4 Desenganchar a mola de arame (b) e
rebatê-la. 4 Depoisdesubstituiralâmpada, reinstalar
T~~~~a lâmpada(1) e introduziruma nova atampadecobenuracomasduassaliências
de a que as saliênciasde fixação no de retenção em baixo e comprimi-la depois
prato fiquem encaixadas nos entalhes do em frente. até a patilha de mola ficar bem
reflector. encaixada.
Colocar a mola de arame sobre a base da
Ihmpada e comprimi-la em frente, até en-
caixar.
-

AUTO-AJUDA I
I

Indicadores de direcçáo laterais H Instalar o vidro do indicador de direcçáo.


enfiando primeiro as saliencias de retenção
H Comprimir o vidro Para trás (seta 1) e (seta 1) na abertura da carroçaria e encai-
retirá-lo (seta 2). xando-o depois no sentido da seta (2).
H Extrair o suporte da lâmpada.
Removera lâmpada decasquilhodevidro
e colocar outra nova.
H Abrir a tampa do porta-bagagens.
H Pressionar a Iâmpada fundida e rodá-la
para a esquerda, extraindo-a.
H Instalar uma Iâmpada nova e rodá-la para
a direita atb encostar.
Reinstalar o suporte da Iâmpada - as
patilhas de mola t&m de encaixar.
H Recolocar o revestimento do porta-ba-
gagens na sua posição.

aroiins traseiros Luz da matrícula


H Abrir a tampa do porta-bagagens. Abrir a tampa do porta-bagagens.
H Dobrar para trás o revestimento do porta- Levantar com cuidado a lâmpada para
bagagens junto do farolim traseiro. fora do pára-choques, aplicando a haste
achatada da chave de fendas no entalhe.
H Comprimiraspatilhasde mola nosuporte
da Iâmpada no sentido das setas e retirar o
I
AUTO-AJUDA (
I

W Rodar o suporte da Iâmpada e retirá-lo. Luz interior W Deslocar a tampa de plástico no sentido
W Extrair a Iâmpada de casquilho de vidro da seta e retirá-la.
W Removerosuporteda Iâmpadacompleto,
fundida e introduzir uma nova. introduzindo a haste achatada da chave de W Extrair a Iâmpada fundida do casquilho.
H Introduzir o suporte da Iâmpada nas fendasentrea Iâmpadaeoforrodotejadilho, W Instalar uma Igmpada nova.
guias e rodá-lo, até ficar encaixado. torcendo depois a chave de fendas.
W Introduzir a tampa com as patilhas-guia
H Instalar a Iâmpada com a superflcie sobre a caixa e empurrá-la para trás, até
desnivelada virada para o lado de trás da encostar.
abertura e prestando atenção A correcta
posição de montagem (ver a Iâmpada adja- Instalarosuporteda Iâmpadaprimeirodo
cente). premindo-a depois. até ficar en- lado esquerdo, comprimindo-o depois no
caixada. recorte do forro do tejadilho.
1 AUTO-AJUDA

Luz do porta-bagagens
'i
A lâmpada encontra-se por baixo da consola

.
esquerda. no porta-bagagens.
Desencaixaroconjuntodoladoesquerdo
e removê-lo.
Substituir a Iâmaada
,

Reinstalar o conjunto. começando por


introduzir as saliencias de retencáo e com-
primi-lo depois totalmente.

3. luz de travagem*
A substituição das lâmpadas da 38 luz de
travagem efectua-se a partir do habitáculo.
Retirar o suporte da lâmpada. Premir as
duaspatilhasdemolalaterais i1)para dentro,
. Extrair a(s) Iâmpadaís) com casquilho de
vidrofundidaís) e inserir Iârnpada(s)nova(s).
Reinserir O suporte da Iampada no seu
alojamento. até as patilhas de mola laterais
ficarem
puxaro suporte da Iâmpada (2) para baixo e
retirá-lo.
AUTO-AJUDA 1
Montagem do rádio
Na montagem posterior dum rádio ou na Além disso, podem destruir-se impor- H Os rádios do Programa de Acessórios
substituição do rádio montado de fábrica, tantes componentes electrónicos ou o Volkswagen" correspondem aos que são
dever-seáoobse~arasseguintes recomen- seu funcionamento ser prejudicado. Se, montados na fábrica egarantem uma instala-
daçóes: por exemplo, ficar destruido o sinal de çáo sem problemas. Estes aparelhos têm a
velocidade,issopoderaconduzirafalhas seu favor uma técnica avançada e um de-
As tomadas de ligação* já existentes no do comando do motor, da caixa de velo- sign. concebido ao pormenor, aue permite
carro estão previstas para a instalaçáo de cidades automática, do etc. um fácil manuseamento. AIBm disso. existe
rádios originais Volkswagenlla partir do ano na Alemanha paraestesradios um exemplar
modelo 1994. Jáasimplesligaçãodosinaldevelocidade de troca, onde um aparelho .
a aparelhos de rádio com ajustamento precisa de reparação pode ser
H Os aparelhos de rádio ligações de automático do volume de som de outros
encaixe diferentes terão de ser ligados com mesmo ao fim de vários anos, num con-
fabricantes pode dar origem a esse tipo cessionário Volkswagen, por um aparelho
cabos adaptadores que se podem adquirir de
nos concessionários Volkswagen. recondicionado, com a respectiva garantia.
! _. É. ~ o isso.
r aconselhável encarreaar da a preço vantajoso.
., -.r,
' , .,..*TI montagem do rádio uma oficina auto-rizada Recomendamosquese utilizem tambBm
Atenção +?iii,,Fg Volkswagen. cujo pessoal está informado
Não wrtar nunca o cabo de altifalantes, jogos de montagem, antenas e
sobre as particularidades técnicas dos conjuntos supressores de interferências do
deixantio-o sem isolamento. velculos e onde existem os aparelhos de
cessário, utilizar um ade~tador. Programa deAcess6riosVolkswagen11.Estas
rádio originais1)e as peças de montagem peçasforam especialmenteconcebidaspara
I" i:.'
De contrário, os cabos poderão ficpe, necessárias do Programa de Acessórios o respectivo modelo do veículo.
em sobrecarga ou produzir-se curto- Volkswagen, além dos trabalhos serem
-
circuitos perigo de incêndio1 executados de acordo com as directivas da
fábrica.

I '1 Náo comercializadosem todosos mercadosde


exportação
I AUTO-AJUDP
Ajuda no arranque
, . ... . .. . - ~.,. ?..
-:
~ ~

Se alguma vez o motor não arrancar por Atenção


I,
descarga da bateria. poder-se-á utilizar a pi
bateria de outro carro, com a ajuda dum ',Uma bateria descarregada pode con- ?
cabo auxiliar de arranque, devendo-se
.?qgelar a temperaturas inferiores a 0' C. ;
atentar no seguinte: ,:kAntes de se ligar o cabo auxiliar de
garranque 6 indispens8veldescongelar (
Ambasasbateriasdeveráoterumatensão ;a bateria que, de contrbrio, poder8 ,
de 12 Volt. A capacidade (Ah) da bateria
fornecedora de corrente não deverá ser
muito inferior 6 da bateria descarregada.
Entre os dois veículos não pode haver
H Só podem ser utilizados cabos auxiliares contacto, pois, de contrário, poderia haver
de arranque com uma secção adequada. fluxo de corrente ao serem ligados os pólos
Atentar nas indicações do respectivo fabri- positivos.
cante. A - bateria descarregada
H A bateria descarregada deverá estar
H Utilizar apenas cabos auxiliares com correctamente ligada A rede eléctrica do B - bateria fornecedora de corrente
pinças de ligação isoladas. veículo. A bateria está localizada no compartimento
H Ligar o motor do veículo fornecedor de do motor, do lado esquerdo.
corrente.
Prestaratençáoaqueaspinçasdospólos
disponham de contacto metálico suficiente,
nomeadamente a pinça que é fixada ao
bloco do motor.
-
L AUTO-AJUDA I
Ligar o cabo auxiliar de arranque impres-
Atenção
1 m Pôr o motor em marcha, conforme des-
I cindivelmente pela seguinte ordem: ?L>', crito no capítulo ((Arranquedo motor».
i I* - Uma extremidade do cabo (+) (geral- As panes não isoladas das pinç& Se o motor não pegar imediatamente,
mente vermelho) ao pólo (+) da bateria des- de ligação não podem entrar nunca interromper o processo de arranque ao fim
I carregada A. em contacto entre si. AI6m disso, o
cabo auxiliar de arranque, ligado ao
de 10 segundos e repeti-lo passado meio
ZQ - A outra extremidade do cabo verme- minuto.
I p61o positivo da bateria, não dever8
lho ao pólo (+) da bateria fornecedora de entrar em contacto com nenhum con- Comomotoremfuncionamento. desligar
corrente 8. -
dutor el6ctrico do veículo perigo de os cabos pela ordem exactamente inversa.
3'- Uma extremidade do cabo (-) (geral- curto.circuito I

If mente preto) ao pólo (-1 da bateria forne-


cedora de corrente B.
4*-A outra extremidade do cabo preto (X)
a uma ~ e c maci~a.firmementeaDarafu~ada
a
Colocar o caboauxiliar dearranque
de forma a não ser atingido Dor pecas
rotativas do compartimento do mo-
tor.
ao blo'co'do moior, ou ao
motor.
bloco do Evite debruçar-se sobre a bateria -
perigo de causticaçãol
Não ligar o cabo ao pólo negativo da Não aproximar da bateria nenhuma
bateriadescarregada. sob risco de inflamação fonte de inflamação (chama viva, ci-
do gás detonante que sai da bateria, devido garros acesos, etc.1- perigo de explo-
A formação de faíscas. são1
I AUTO-AJUDA
Rebocagem I Arranque por rebocagem
Recomendações gerais W Quando se utiliza o cabo de reboque, o
condutor do veículo rebocadordeverá arran-
W Observar as disposições legais sobre a car e engrenar as mudanças suavemente.
rebocagem.
O condutor do veículo rebocado devera
W O cabo ou a barra de reboque s6 podem ter atenção a que o cabo se mantenha
ser fixados às argolas próprias previstas sempre esticado.
para esse efeito.
Acender nos dois veículos as luzes de
W O cabo de reboque deverá ser elástico, emergbncia e 0 b s e ~ a outras
r disposições
para proteger ambos os veículos. S6 se legais em vigor no pals.
deverão utilizar, pois, cabos de fibra sintética.
O mais seguro é, por6m. o uso duma W A ignição deve ser ligada, a fim de não
barra de reboque! bloquear o volante e poderem accionar-se
as luzes indicadoras de direcção, a buzina e
Evite sempre as forças de tracção inadmis-
síveis e as cargas que possam provocar
o limpallava-para-brisas. Argola de reboque dianteira
(ver figura)
3
esticões. Nas manobras de rebocagem em W Como o servo-freio 56 funciona com o
estradas não asfaltadas existe sempre o motor ligado, o pedal do travão terá de ser Para rebocarovelculo, é necessárioenroscar
perigoduma sobrecarga daspeçasdefixação accionado com bastante mais força, com o primeiro uma argola de reboque no lado
que poderão ficar danificadas. motor parado. direitodopára-choquesdafrente.Essaargola
W Nos veículos com direcção assistida, faz parte do jogo de ferramentas de bordo.
W Antes de recorrer a rebocagem para
p6r o motor a funcionar, convém tentar estando o motor parado, é necessário em- D Removera coberturacoma hasteachata-
arrancar com a ajuda da bateria de outro pregar mais força para rodar o volante. da da chave de fendas (do jogo de ferra-
-
veículo ver pdgina anterior. W Sem lubrificante na caixa develocidades. mentasde bordo), usando-acomoalavanca,
deixando-a suspensa
W Ambos os condutores terão de estar su- o velculo só pode ser rebocado com as
ficientemente familiarizados com as rodas motrizes levantadas.
particularidadesda rebocagem.
AUTO-AJUDA I

D Aargolade reboquetem rosca compasso Arranque por rebocagem Rebocagem


para a esquerda. Enroscar a argola de
reboque, até encostar e apertá-la com a NOarranque por rebocagem 6 indispen- Na rebocagem de velculos com caixa de
chave de rodas - ver figura.
-
sávelqueocondutordoveículorebocado velocidadesautomáticadeveráoserconsi-

.. ..
mesmo que se trate de uma versão deradas, adicionalmente às indicações da
W Depoisda utilizaçáo.desenroscaraargola -
syncro observe adicionalmente o se- página anterior, as seguintes instruções:
e recolocá-Ia junto da ferramenta. A argola guinte:
de reboquetem desersempretransporta- Alavanca selectora na posição «Nu.

..
da no carro. Voltar a montar a cobertura. Antesde se iniciara rebocagem. engatar
a 2nou 3' velocidade. Náo ultrapassar a velocidade de 50 kmlh.

Argola de reboque traseira Ligar a ignição. A distância máxima de rebocagern é de 1


50 km.
A argola de reboque traseira está montada Quando os dois veículos estiverem em
movimento, soltar o pedal da embraiagem. No caso de distâncias maiores, o veículo
no lado direito. por baixo do pára-choques. terá de ser levantado pela frente.

.
Assim que o motor arrancar, pise o pedal
Motivo: com o motor parado, a bomba do
da embraiagem e desengate a mudança
61eo da caixa de velocidades não funciona;
paraevitaracolisáocomoveículorebocador. por isso. aca'xanáoés~ficientemen~e I ~ b-r
Nos veículos com catalisador, o mo- Iicaaa a velocidaaes mas elevadas e em
tor não pode ser posto em marcha, com distâncias maiores.
o catalisador a temperatura de servico.
por rebocagem ao iongo dum trajecto 4 No caso de rebocagem com grua, o veí-
com maisde 50 m". Nesse caso, poderia culo terá de ser levantado pela frente.
chegar combustível não queimado ao Motivo: se for levantado pela parte de trás,
catalisador que se queimaria depois os veios de transmissão rodam para trás.
dentro dele, danificando-o. Desse modo, os carretos planetários da cai-
D Por razões de natureza t6cnica. não é xa automática atingiriam um número de ro-
possível procederaoarranqueporreboca- tações tãoelevado, queacaixasedanificaria
gem dum veículo com caixa de valocida- ao fim de pouco tempo.
des automática!

'1 NZIoseaplicaaosmotoresdieselw m catalisador


I AUTO-AJUDA
Elevaçáo do veículo
Macaco hidráulico Elevador
Para evitar danos na parte inferior do carro, Antes de colocar o veículo sobre o eleva-
deve-se utilizar sempre um calçode borracha doi,tar-se-ádeassegurarqueexisteespa-
apropriado. co suficiente entre as Darter inferioresdo
Êarro e o elevador. .
O carro não pode ser levantado, em cir-
cunstância nenhuma, pelo cárter do óleo
do motor, pela caixa develocidades,pelo
eixo traseiro ou pelo eixo dianteiro, pois Pontos de recepção para o elevador
daí poderão resultar graves danos. e para o macaco hidráulico
n iot>iia h.
r~,rh no:ii;:. n e;<>.i!ii'.:-.'> O carros6podeser levantadonos pontosde
recepção indicados nas figuras, A frente no
reforçoda chapa do piso eatrás por baixodo
suporte de recepção: A frente
O veículo não poda ser levantado pelo A recepção do elevador ou do macaco
reiorço vertical da travessa inferior. hidráulicodeveseraplicada no ponto indicado
na figura, demodoaqueocentroda recepção
fique alinhado com a fenda na longarina
inferior (ver figura).
I
AUTO-AJUDA I
I
Macaco do carro
A elevação do veiculo com o macaco do
carro é descrita na página 138.

:i.-7,,F;Twq,r,v,,%.,.?
WN-017C 11
,.-:, w,i!j~X;a~l
~'

I Atrás
I A recepção do elevador ou do macaco
I nidrBu codeveseraplicaoanoponroino'caoo
oe modo a q-e o centro da recepção l i q ~ e

1
alinhado com o rebaixe na longarina inferior
(ver figura de cima).
Notas No caso de veículos especiais e de veí- A etiqueta de identificação do veículo no
culos destinados a outros países, os va- Plano de Assistência e a documentação
Desde que não haja indicação contrária lorespoderãodivergirdosaquiindicados. docarroinformá-10-áodomotormontado
ou anotação ti parte, os dados técnicos no seu veículo.
adiante mencionados são válidos para Ter em atenção que os dados registados
os veículos equipados de série na Ale- na documentação oficial do veículo são
manha. os que prevalecem.

Motores a gasolina

'1 Segundo a directiva da CEE e norma DIN.


Devido a métodos de medição diferentes. são
posslveis ligeiras diferenças.
" Com ligeira reduçáo da potencia
DADOS TÉCNICOS I ~

" Segundo a directiva da CEE e norma DIN.


Devido a m6fodos de medicáo diferentes. são
possíveis ligeiras diferenças.
1 Mais dados na página 94.
1 " S6 para certos mercados da exportaçáo.
Performances
Estes valores foram calculados sem equi-
pamentos que afectem o rendimento. por

CM = caixa de velocidades manual


CA = caixa de velocidades automática
-
-

I DADOS TÉCNICOS 1
Consumo de combustível
0 s valores de consumo foram determina- O cálculo da média do consumo global Notas
dos com base na directiva 9311 16lCE processa-se com base numa ponderaçãode m Os valores de consumo e das emissões
tendo em consideraçáo a tara efectiva do cerca de 37 % para o ciclo urbano e 63% apresentados nos quadros seguintes são
veiculo (classe de pesol. No cálculo do con- para o ciclo não urbano. válidos em relacão a tara do veículo na
sumo são realizados dois ciclos de medi- Para determinar as emissões de CO, é versão de base còm transmissão manual ou
ção no banco de ensaios de rolos. feita uma colheita dos gases de escape nos automática. Oualauer eauioamento extra
São aqui utilizadas as seguintes condições dois ciclos. Estes gases de escape são se- ou acessórios montados &osteriormente
de ensaio: guidamente analisados, revalando. entre aumentam a tara do veiculo e conduzem
outros, o valor das emissões de CO,. portanto a um ligeiro aumento dos valores
w Ociclourbano inicia-secomumarranque indicados.
em frio. Seguidamente é simulada uma con-
duçáo como a que é praticada no trânsito Conforme o estilo da condução, as con-
habitual na cidade. dições do piso e do trânsito, as influencias
ambientais e o estado doveiculo, os valores
w No ciclo fora da cidade é praticada uma poderá0 variar, na prática, dos que são
condução correspondente as condições no indicados.
dia-a-dia, com frequentes acelerações e
oassaaens oor todas as mudancas da caixa. Valores do consumo e das emissões-ver
ivélõcidade de circulação vaia entre O e na página seguinte.
120 kmlh.
1 '
Pressáo dos pneus
DADOS TÉCNICOS I

Pneus de Inverno Valores em bar


até meia cargalaté carga completa
1

Pneus de Inverno recomendados a frente atrás


Motores a gasolina

37 kW 155/70R 1375Q11 2,3 12.6 2.313.1

175165R 1 3 8 0 T 2.1 /2,3 2.1 12.6

1 '1 Excepto nos veicuios com ar condicionado. Ver notas na página seguinte.
Exceptonosveiculos com caixa develocidades
Pneus d e Inverno Valores em bar
até meia cargalate carga completa

Pneus de Inverno recomendados a frente atrás

Motores diesel -

42 k W SDI 175165 R 1380Q 2.3 12.5 2.3 / 2.8


47 k W 175165 R 1380 Q 2,3I 2.5 2.3 12.8
47 k W SDI 175165 R 13 80 O 2.4 12.5 2.4 12.8
Roda sobresselente
de emergência 42

Pneus d e Inverno Os valores de pressão são válidos para os


Atenção pneusfrios- não reduzira pressãq maisalta
Os valores da pressão dos Pneus indicados Deverá verificar e pressão pelo meno) dum pneu quente.
na tabela são válidos para os pneus de uma ver por m&, pois ela é muito im-
Inverno por nós recomendados. Osvaloresda pressão estãotambém indica-

Pneus d e Verão
-
pOrtante'emespecia'agrandevelOci-
dade ver phgina 124.
dos num autocolante afixado no interior da
tampa do depósito. Como não é de excluir
que estes valores venham a ser, em breve,
Os valores da pressão relativos a todas alterados por razões técnicas, é possível
as medidas de pneus normais montados que se registem diferenças entre o autoco-
de fábrica (pneus de Verão, pneus de lante e o Manual de Instruções. Se assim
todo otempol estão indicados num auto- for, devem-seconfirmarosvalorescorrectos
colante no interior datampadodepósito. num concessionário Volkswagen.
1

DADOS TÉCNICOS I
Pesos

Valores em kg Peso bruto Tara '1 Carga admissivel Carga admissivel Carga admissivel
admissivel em ordem de marcha deixo dianteiro sleixo traseiro sltejadilho
iincl. condutor)
Motores a aasolina

Motores diesel
42 kW SDI, 1435 1035 780 730 75
47 kW,
47 kW SDI

" Os valores sáo válidos para o modelo basico.


Qualquer equipamento extra ou versáo espe- ;, A carga a transportar dever6 ser
cial do modelo-porexemp~oainstalaçáodoar nenhum se deve ultra- arrumada deforma a que numa trava-
condicionado. o tecto de correr ou a capota, o ga sobre 0s eixos nem o 9"' brusca OS objectos não sejam
dispositivo de engate de reboque. etc - ou so bruto admissivel. projectados.em frente.
acessórios montados posteriormente aumen-
tam a tara. :!'jDever-se4 ter em atenção que, no
~f$ansportedeobjectospesados,ocom-
Notas >:p$rtamento
.~
do carro se poderá mo-
Todos os pesos são válidos para veículos @c?r por deslocação do centro de
que circulam na Alemanha. NOS veículos ..;%avldade. A condução ea velocidade
destinados a outros ,,a(ses ooderá haver .@vem ser ajustadas a circunstância.
diferença nestes valo;es. ~ r e k t aatenção
r a
que prevalecemsempreosdadosregistados
I! na documentação do carro.
Cargas de reboque

Cargas de reboque admissiveis


Valores em kg
Reboque sem travão Reboque com travão
em inclinações at6 10% em inclinações até 12%

Motores a gasolina
37 kW 450 800 650
44.55 e 74 kW 450 800 800
Motores diesel
42 kW SDI, 450 800 800
47 kW,
47 kW SDI
Nntar Pressão de aooio De acordo com a directiva 92/21 CEE
(versão 95/48/CE) o peso bruto admissivel
Todas as cargas de reboque sáoválidas para A pressão de apoio máxima admissivel da do veículo rebocador poderá ser excedido
veículos que circulam na Alemanha. Nos barra de reboaue sobre a rbtula de engate
. em 50 kg, no máximo, desde que a velo-
veículos destinados a outros países poderá não pode ultrapassar 50 kg. cidade de 100 kmlh não seja ultrapassada
haver diferença nestes valores. Prestar A pressão de apoio mínima necessária terá neste caso específico.
atenção a que prevalecem os dados de cifrar-se em 4% da carga efectiva do
registados na documentação do carro. Por razões de segurança não se deverá
reboque, sem necessidade de exceder, circular, porbm, a mais de 80 kmlh,
porém. 25 kg. É recomendável aproveitara mesmo nos países onde for permitida
carga máxima de apoio admissivel. uma velocidade mais alta.
1 DADOS TÉCNICOS I
Pontos de fixação do dispositivo de engate de reboque

Atenção
Perigo de acidente,
Recomendamos que encarregue um
concessionbrio Volkswaeen da mon-
tagem posterior de um dFspositivo de
engate de reboqu

A = pontos de fixaçáo
B = min. 65 mm
Todas as medidas indicadas em mm.
Capacidades
(aprox. em litros)

Depósito do combustível 45
dos quais de reserva 7

Depósito do lava-pára-brisas 2,s


c/lava-faróis 7.0
Óleo do motor (c/substituição do filtro)
Motores a gasolina 3.5
Motores diesel 5.0
O nível deve ser controlado depois de um reabastecimento.
Não encher demasiado (ver página 108)!
-
Dados de identificação do veiculo
-
1 O número de identificação do
veículo
(número do chassis)
está localizado na caixa colectora de água,
imediatamente a seguira junta de borracha.
E visivel através de uma janela na cobertura
da caixa colectora de água.
2 - O numero do motor
encontra-se no bloco do motor, por baixo da
linha de separação entre o bloco e a cabeça
do motor.
A placa de identificação do modelo O número do motor está ainda indicado, por A etiqueta de identificação do
código de barras, numa etiqueta colada no veículo
está colocada do lado direito, ao lado do protector da correia dentada,
número do chassis, na chapa de reforco da está colada à chapa do piso do lado esauer-
caixa colectora de água. do da cavidade da roda sobresselente, no
porta-bagagens.
Os veículos destinados à exportação para
determinados países não têm placa de iden-
tificação do modelo.
- - -

DADOS TÉCNICOS I
Y

, A etiqueta contém os seguintes dados:


1 - número de controle da produção
2 - número do chassis
3 - número de referência do motor
4 - especificação do modelo/potência do
motor
5 - letras de identificação do motor e caixa
de velocidades
6 - número de código da pinturalequipa-
mento interior
7 - números de referência dos equipa-
I mentos opcionais
Os dados 2-7 figuram tambbm no Plano de
1 Assistência.
f
.A. .Condução pouco poluente .......... 83 Aquecimento e ventilação
.Conservação do veiculo ............... 96 .
.Comandos .......................
...... 66
Abastecimento .......................... 92
.Gasolina sem chumbo ................. 93 .Entrada de ar fresco .................... 68
Abertura de
.Lavagem do veículo ................... 97 Ar condicionado
.Portas.................................... 11. 12
.Comandos ..................... .
.Tampa traseira ......................... 12 13 . .Liquido de refrigeração................
.Líquido dos travões ..................... 113
112 ...... 69
.Entrada de ar fresco .................... 74
ABS 87
.Óleo do motor ............................. 109 .Interruptor da recirculaçáo do ar .. 70
Aceleração .......................................... 158
. . .Óleo usado .................................. 109 Argola de rebocagem ......................... 152
. IOS
AC~SS~~ 132
.Pneus .......................................... 126 Arranque do motor ............................. 48
Aditivos do líquido de refrigeração ..... 110
.Pneus velhos ............................... 126 .Depois de esgotado o depósito .. 50
A <litivos
' aos
' lubrificantes ................... 109
.Pressão dos oneus ...................... 124 Arranaue
. .~ o rebocaciem
r . ...................153
Airbag do passageiro .......................... 29
~ ~

.Sistema de depuração dos gases Assentos para crianças ...................... 30


Airbag do passageiro desactivado ...... 29 de escape ............... . . .......... 85 itn.liiI
.......... ............................... 133
Ajuda no arranque ............................. 150 ~ ~ ~
da superfície
l i de ~ carga ~ .......ã 38~
Auto-rádio ...........................................,--
Alavanca de médios 1 máxim0s .......... 64 Antena ............................................... 96 Avisador acústico ........................... 47. 61
Alavanca de .................... 42 Antena exterior ...................................131
Am~ancados indicadores de 64 Antena no tejadilho ........................... 96 B
Alavanca selectora 43 Anticongelante ................................. 110
v . .............................
Banco do condutc- -C
Q"
#j Ambiente Aquaplaning ........................................ 125
Banco regulável (?maltura .................. 37
- Abastecimento . 92 Aquecimento ................................. 66, 69
Banco traseiro .......................
.......... 38
- Bateria ................... .
...
............ 118 dos bancos dianteiros .. 63
~~~~~i~~~~~
--
Rnnrns . 36
INDICE REMISSIVO I

. Bancos dianteiros ............................... 36 Capota ............................................. 77 .Aditivos ..................


. ............. 94. 95
Bancos dianteiros aquecidos .............. 63 .Conservação da capota ....... 98 .Consumos ............................... 83. 159
Bateria ...............................................114 Carga no tejadilho ............................ 81 - Economia ..................................... 83
1 - Desmontagem .......................... 117 Carga útil 163 - Indicador do nível ........................ 53
- Recarga .......................................116 Cargas de reboque .............................164 .Motores diesel ............................ 94
..1 - Substituição .................... . ......... 118 Cargas sobre os eixos ........................163 - Pré-aquecimento do filtro ............ 95
- Utilização no Inverno ................... 115 10 Compartimento do motor ...................104
,
. Bloqueio de parqueamento ................ 43 156 Compressão ...................................... 156
Bloqueio electrónico do diferencial .... 68 Cinto de segurança abdominal ........... 23 Condução com reboque .................... 89
Buzin 8 Cintos de segurança ........................... 16 Condução económica ......................... 83
Cintos de segurança automáticos ...... 20 Conservaçáo da carroçaria ................. 96
Cinzeiro 80 Conservação da pintura ...................... 98
1
1
Cabo auxiliar do arranque ................... 150 Cobertura do porta-bagagens ............. 40 Conservação das cavidades ...............102
Caixa de primeiros socorros ............... 133 Código da pintura .............................. 169 Conservação do veiculo ..................... 96
. Caixa de velocidades automdtica ....... 42 Código de barras ................................ 168 ....
- Cintos de segurança ............ 99

I .Farolins traseiros ........................ 43


Caixa de velocidades manual ............. 42
Comandos
- Aquecimento e ventilação ...........
- Ar condiciondo ............................. 69
66
- Jantes de liga leve ....................... 100
. .
Conservação dos revestimentos
sintéticos ........................... .
....... 98

~
Capacidade do depósito do

.
combustível ......................
........... 167
Capacidades .......................................167
Comandos eléctricos dos vidros .... 14 63 . Consumo de óleo ............................
Consumo
108
159
Combustivel ..........................
........ 93
( Capot ..................................................103 Conta-quilómetros .............................. 54
I ~NDICEREMISSIVO

Conta-quilómetros diário .................... 54 .Ar condicionado ........................... 71 Espelhosretrovisores ......................... 15


Conta-rotações ................................... 51 Dimensões ......................................... 166 Esquema de mudanças ...................... 42
Correia trapezoidal ..............................119 Direcção ............................................ 89 Estacionamento ................................. 85
Correntes para a neve ....................... 128 Direcçáo assistida .............................. 89 Estrutura do presente manual ............ 5
Duplicado da chave ............................ 10 Etiqueta com código de barras ........... 168
D Etiqueta de dados do veiculo ............. 168
Dados de identificaçáo do veículo ...... 168
Dados do motor Economia de combustível .................. 83
.Motores a gasolina ...................... 156 Elevação do veículo ............................ 154 Faróis de nevoeiro .............................. 61
.Motores diesel ............................ 157 Elevador da oficina ............................. 154 Farolim de marcha-atrás ..................... 42
Dados tbcnicos ................................... 156 Elevadoreseléctricos dos vidros .... 14. 63 Farolins traseiros ...................
...... 146
Desbloqueamento do tampão do Emissões de escape .......................... 83 Fechadura da direcçáo ....................... 47
depósito .......................................... 93
Emissores l receptores ...................... 131 Fechadura da ignição....................... 47
Desembaciador do vidro traseiro ....... 62
Encostos de cabeça ........................... 35 Fechaduras ......................................... 12
Desembaciadoresdos espelhos
exteriores ...................................... 15 Equilibragem das rodas ...................... 124 Fechaduras das portas ....................... 12

Desembaciamento dos vidros Escovas dos limpa-vidros ................... 121 Fecho centralizado .......................... 11
- Aquecimento e ventilação ........... 67 Especificações do óleo ....................... 106 Ferramentas de bordo ........................ 134
- Ar condicionado ........................... 72 Espelho de cortesia ............................ 79 Filtro de poeiras e pólen ..................... 122
Destrancagem da porta .................. 11. 12 Espelho interior ....................
........... 15 Filtro do ar fresco ............................... 122
Difusores do ar Espelho interior antkencandeamento. 15 Fusíveis 140
- Aquecimento e ventilação ........... 67 Espelhos exteriores ............................ 15
172
G Indicador do nível do combustível ...... 53 K
Gases de escape ....................
........ 83
Indicadores de direcção ........ 56. 144 146 .
Indicadores de direcção laterais ......... 145
Gasóleo 94
índice de cetanas ............................... 94
Gasóleo biológico ............................ 94

..1
índice de octanas ............................... 93
Gasolina Lâmpada avisadora da prb-incandes-
Instalações de lavagem automática ... 96
- Aditivos ........................................ 94 cência 60

! - Consumos ....................
- Qualidade
.
......................
.
.......... 159
......... 93
Instruções de condução .................... 82
Instruções sobre a utilização do
presente ............................. 5
Lâmpada combinada
.Sistema anti-bloqueio .................. 59
I Gasolina sem chumbo ...................... 93 Instrumentos ...................................... 51 .Sistema de airbag ...... ........... 57
Lâmpadas avisadoras e de controle ... 56
Interruptor da recirculação do
ar condicionado ............................... 70 Lampadas interiores ........................... 78

I Hidroplanagem ................................. 125


Interruptor das luzes ........................ 61 Lâmpadas. substituição ...................... 143

i ...................................... 61
Interruptores 65
I Intervalos entre as inspecções ........... 109 120
i Intervalos entre mudanças do 61eo .... 109 Lavagem ............................................. 96
Iluminação .......................................... 61
Isqueiro ........................................... 80 Limpa-vidros ................................... 65
Iluminação da matrícula ......................146
Limpallava vidro traseiro .................... 65
Iluminação do porta-bagagens .......78. 148
J
Limpeza do veículo ............................. 96
Iluminação dos instrumentos ............. 62
Janelas ....................
....................... 14 Limpeza e conservação do compani-
Imobilizador electr6nico ..................... 10 mento do motor ............................ 101
Jantes ................................................ 123
Indicador da temperatura do liquido Líquido dos travões ............................ 113
de refrigeração................................ 52 Jantes de liga leve ............................ 100
Lubrificantes .......................................106 - Intervalos entre mudanças O
do 61eo ..................................... 109
Luz avisadora do alternador ................ 58 61 .......... 106
- Letras de identificação ................ 169 eos ............
Luz avisadora dos travões .................. 58
- Ligar .......................................... 48
Luz da placa da matrícula ................... 146 P
- Nível do 61eo ................... . ........ 108
Luz de parqueamento ........................ 64
- Número ..................................... 168 Painel de bordo .................................. 8
Luz do porta-bagagens ...................78, 148 ...................... 8
- 61eo 106 Painel de instrumentos
Luz traseira de nevoeiro ..................... 61 - Para 50 Palas de sol ....................................... 79
Luzes de emergencia ......................... 62 - Pres ...................
.... 60 Parar o motor .................... . . ........... 50
Luzes de presença ............................. 61 Motores a gasolina ........................... 156 peças 132
Luzes traseiras ............................. 146 - A~~~~~~~...................................... 49 Pedai 41
Motores diesel .............................. 157 performances .....................................
158
M - Arranque ...................................... 49 peso brut 163
Macaco .......................... . .
134 138 155 - Dep6sito esgotado .....
............. 50 Pesos 163
Marcha-atrás ...................................... 43 Placa do modelo .................................168
Máximos ........................................... 56 N Pneus 123
Medidas Neutralizaçáo dos faróis ..................... 129 - Estado ........................................ 125
Modificações ......................................132 Nível do Ilquido de refrigeração...... 56.111 - pneus com sentido de marcha
Modificações técnicas .................... 132 Número de c6digo ....................
....... 168 programado .................................135
Motor Número de identificação do veiculo ... 168 - Pressão do ar ....................... 124, 161
- Consumo de 61eo ........................108 Número do chassis ........................... 168 - Rodagem .................... .
............ 123
- Dados 156 Níimero do motor ............................ 168
174
L
Pneus com sentido da marcha Profundidade do perfil dos pneus ...... 125 Relógio 52
programado...........
................... 135
Protecção do chassis ....................... 102 Relógio digital .....................................52
.
Pneus de Inverno ................... .
...... 127
.
Renovação do ar ................. .
....... 66,69
Poder antidetonante do combustível . 93
Resew.3 de combustível .................. 58
Pontos de fixação do dispositivo de
engate de reboque ........................ 165 Quantidades de enchimento .............. 167 Roda de emergencia ...................
. 135
Pontos de recepção do macaco ......... 138 Roda sobresselente ........................... 135
Porta-bagagens ....................... .
...... 39 R 82
Porta-bagagens no tejadilho ............... 81 Rádio 149 123
79 Rebocagem ....................
............... 153
12 Regulação da temperatura S
- Tranca de segurança para crianças 13 .Aquecimento e ventilação ........... 66 Segurança das crianças ...................... 30
Potbncia 156 .Ar condicionado ........................... 69 Servo-frei 87
Pré-aquecimento do filtro ................... 95 Regulação do alcance dos faróis ........ 62 Sinais de luzes .................................... 64
Pré-incandescência .......................... 49 Regulação do banco em altura ........... 37 Sistema anti-bloqueio (ABS)............... 87
Pré-tensor do cinto de segurança ...... 25 Regulação do cinto de segurança Sistema de depuração dos Qasesde
em altur 22 escape 85
Pressão de apoio .......................... 89.164
Regulação do volante em altura ......... 46 Sistema de lavagem por alta pressão 97
Pressão do 61eo .................................. 60
Regulação dos bancos ....................... 36 Sistema de refrigeração ..................... 110
Pressão dos pneus ............................. 161
.Banco do condutor ................... 36 Sistema de travagem ....................... 113
Primeiros (Os) 1500 km .................... 82
.Banco do passageiro ................... 36 Sistema limpallava-vidros................... 65
Produtos de limpeza ........................... 98
Regulação dos ejectores do esguicho 120 Sistemas de retenção .................... 16.30
Substituição de peças ........................ 132 U Ventilação de ar fresco

Substituição de uma chave ................ 10


Utilizaçáo no Inverno
- Aquecimento e ventilação ........... 68
Substituição de uma Iampada ............ 143 - Bateria 115 - Ar condicionado ........................... 74
Substituição de uma roda ................... 137
- Conservação do veículo ............... 96 Ventilador .......................................
66 69 .
Suporte do cinto de segurança .......... 24 Ventilador do radiador ........................112
- Correntes para a neve ................. 128
Viagens ao estrangeiro .......................129
- Gas6leo ....................................... 95
T - Lava-pára-brisas ........................
Vidros
120
- Desembaciamento ..................67 . 72
Tampa do compartimento do motor ... 'O3 - Óleo do motor .......................... 106 - Remoção do gelo ........................ 99
Tampa do porta-bagagens .................. 13
Tampa traseira .................................... 13 Volante regul6vel em altura
................ 46
Tampão do dep6sito .......................... 92 - Sistema de refrigeração .............. 110
Tapetes 41
Tecto de abrir ..................................... 76 V
Telemóvel 131 Valores de aceleração ........................ 158
Terceira luz de travagem .................... 148
Vareta do 61eo do motor ..................... 108
80' 89 vela 119
.... 13
Velocidade máxima .......................... 158
Transporte seguro de crianças ........... 30
Velocidades ....................
........... 82
Travão de mão ................ .
............. 41
Velocímetro ........................................ 54
Travões 86 ........ 68. 74
Ventilação ..........................
. .
Triângulo de pré-sinalização ............... 62
176
- - ~ ~ p~~~~ - --

7
- Poderá registar aqui os mais importantes dados do seu vefculo.

68
74 O segundo a norma W 501 01
O segundo a norma W 500 00
i, 69
112
129
.... ...........,.,,,,.,,.,..,,,
', 72
'1 Encontrará estes dados na etiqueta
99 Combustive121 de identificaçáo no Plano de Assis-
46 gasolina normal sem chumbon
Assinalar com uma cruz
O gasolina super sem chumbo 95 oct. Motores sem catalisador também
4 Com pneus montados de fábrica

Em virtude de a VOLKSWAGEN AG prosseguir um constante aperfeiçoamento dos seus modelos e tipos, apelamos para a sua
compreensão no sentido de nos reservarmos o direito de efectuar, em qualquer momento, alterações quanto a forma, equipamento e
tecnologia do produto fornecido. Por esta razão náo se pode inferir qualquer direito com base nos dados, ilustraçóes e descrições do
presente Manual de Instruções.
Não B permitida a impressão. reprodução ou tradução no todo ou em parte deste Manual sem a prévia autorização, por escrito, da
Volkswagen AG. que se reserva expressamente todos osdireitos de autor, de acordo com a legislação da propriedade intelectual e m vigor.
Reservado o direito a alteraçóes.
Impresso na Alemanha.
@ 1997 VOLKSWAGEN AG @ Impresso em papel fabricado com pasta celulósica branqueada sem cloro.

Você também pode gostar