Você está na página 1de 9

Rev Dor 2010;11(1):28-36 ARTIGO ORIGINAL

Validação do Questionário de Incapacidade Roland Morris para dor


em geral *
Validation of the Roland Morris Disability Questionnaire for general pain
Jamir João Sardá Júnior1*, Michael K. Nicholas2, Cibele Andrucioli de Mattos Pimenta3, Ali Asghari4,
André Luiz Thieme5

* Estudo conduzido como parte do projeto de pesquisa para obtenção do grau de Doutor. O doutorando pos-
suía bolsa da CAPES-MEC

RESUMO

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Diversos estudos testada pela análise de construto e de critério. Todas as
apontam que não existe uma relação direta entre fisio- análises foram conduzidas utilizando-se o pacote SPSS.
patologia e intensidade da dor e níveis de incapacidade. RESULTADOS: A análise dos dados sugere que o
Dado os aspectos multidimensionais da dor é necessário QIRM para dor em geral apresenta fidedignidade ade-
ampliar a compreensão desse processo para além da fi- quada e validade de construto e de critério.
siopatologia da dor, o que contribuiu para o desenvolvi- CONCLUSÃO: A análise das propriedades psicométri-
mento de diversas medidas de incapacidade. O objetivo cas do QIRM sugere que esta medida é válida e confiá-
deste estudo foi acessar as propriedades psicométricas do vel para a amostra brasileira com dor crônica e pode ser
Questionário de Incapacidade Roland Morris (QIRM), e usada em outras populações com dor crônica do Brasil.
testar sua validade e confiabilidade na população brasi- A disponibilidade de mais essa medida para avaliação
leira com dor crônica. da incapacidade associada à dor crônica contribui para a
MÉTODO: Estudo de corte transversal utilizando estatís- compreensão desse fenômeno e implementa as possibi-
tica descritiva e inferencial, análise de correlação, teste t e lidades de pesquisa e intervenção clínica.
ANOVA. Os dados apresentados são de 311 participantes Descritores: Dor crônica, incapacidade, questionários.
que compõem a amostra final. A análise da confiabilida-
de foi feita usando cálculos de fidedignidade segundo o SUMMARY
método de split-half e consistência interna. A validade foi
BACKGROUND AND OBJECTIVES: Several stu­
dies indicate that there is no direct relation between pain
1. PhD. Psicólogo. Professor do Curso de Psicologia da Uni- pathophysiology and intensity and disability levels. Since
versidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Centro Integrado de pain is a multidimensional process it is necessary to ex-
Tratamento da Dor, Itajaí, SC, Brasil.
pand the understanding of such process to beyond pain
2. PhD. Psychologist. Pain Research and Management Centre
– RNSH, University of Sydney, Sidney, Australia. pathophysiology, which contributes to the development
3. PhD. Enfermeira. Professora Titular da Escola de Enferma- of several disability measurements. This study aimed at
gem da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. accessing the psychometric properties of Roland Morris
4. PhD. Psychologist. Department of Psychology, University Disability Questionnaire (�������������������������������
RMDQ) �������������������������
and at testing its valid-
of Shahed, Tehran-Iran. Pain Research and Management Cen- ity and reliability for Brazilian chronic pain population.
tre – RNSH, Tehran, Iran. METHOD: Transversal study using descriptive and infer-
5. Psicólogo. Universidade do Vale do Itajaí, UNIVALI, Itajaí, ential statistics, correlation analysis, t and ANOVA tests.
SC, Brasil. Presented data are from 311 patients participating in the fi-
nal sample. Reliability analysis used trustworthiness calcu-
Endereço para correspondência:
lations according to split-half method and internal consis-
Dr. Jamir João Sardá Júnior
Av. Campeche 1157 - Residencial Cezarium, Bloco C-1/Apto tency. Validity was tested by construct and criterion analy-
403 – Campeche sis. All analyses were performed with the SPSS package.
88063-300 Florianópolis, SC RESULTS: Data analysis suggests that RMDQ for pain
Fone: (48) 3879-8335 in general has adequate trustworthiness and construct
E-mail: jamirsarda@hotmail.com and criterion validity.
28 c Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor

11 - Validacao do Questionario.indd 28 23.03.10 15:27:41


Validação do Questionário de Incapacidade Rev Dor 2010;11(1):28-36
Roland Morris para dor em geral

CONCLUSION: The analysis of RMDQ psychome­ SIP para medir incapacidade física em forma de auto-
tric properties suggests that such measurement is val- relato para pacientes com dor na coluna. Tem 24 itens
id and reliable for the Brazilian chronic pain sample com pontuações de zero ou 1 (sim ou não) e o total varia
and may be applied to other Brazilian chronic pain de zero (sugerindo nenhuma incapacidade) a 24 (inca-
populations. The availability of one more measure- pacidade grave). O QIRM é uma medida simples, geral-
ment to evaluate chronic pain-associated disability mente leva 5 minutos e é fácil de calcular e analisar.
contributes to the understanding of such phenomenon Muitos estudos descrevem o QIRM com boa validade,
and implements possibilities of research and clinical confiabilidade e responsividade para a medida de inca-
intervention. pacidade física em pacientes com dor crônica, quando
Keywords: Chronic pain, disability, questionnaires. comparado a outras15-18. Tem boas correlações com ou-
tras medidas de incapacidade em funcionalidade física
INTRODUÇÃO como os SF-36, SIP e Questionário Oswestry15,19. O
QIRM foi validado em 12 línguas e adaptado para ou-
Diversas doenças podem resultar em dores crônicas, con- tras populações de pacientes com dor crônica com bons
ceituadas como as dores que ocorrem por um período supe- resultados17. Estudo conduzido por Nusbaum e col.9 des-
rior a três meses na maior parte dos dias. A prevalência de creveu confiabilidade e validade satisfatórias para a tra-
dor crônica na população é em torno de 20%1-3. Os impac- dução brasileira desta medida.
tos sociais e econômicos da dor crônica decorrentes da in- Quando comparado ao Questionário Oswestry de In-
capacidade e sofrimento associada e essas condição é alto. capacidade em Dor Lombar ou Índice de Incapacidade
Diversos estudos apontam que não existe uma relação Oswestry (ODI) parece mais sensível para detectar mu-
direta e linear entre fisiopatologia e tipo e localização danças na incapacidade em pacientes com incapacida-
da lesão e mesmo a intensidade da dor e níveis de in- de menor ou moderada, enquanto o Oswestry Disability
capacidade ou sofrimento4-7. Dado os aspectos multidi- Questionnaire parece mais aplicável para pacientes com
mensionais da dor é necessário ampliar a compreensão grave incapacidade. Turner e col.19 relataram que em pa-
desse processo para além da fisiopatologia da dor para cientes beneficiados pelo Instituto Nacional de Segurida-
entender a incapacidade. de Social (INSS), o QIRM mostrou maior responsivida-
Partindo desse pressuposto desde 1950 tem se discutido o de e habilidade para discriminar pacientes que estavam
conceito de incapacidade. A necessidade de compreender trabalhando daqueles que não estavam do que o SF-12
esse fenômeno de forma mais objetiva contribuiu para o e SF-36. Descobertas similares foram demonstradas por
desenvolvimento de diversas medidas de incapacidade. Grotle, Brox e Vollestad20.
Dentre as várias medidas de incapacidade, os questio- O ODI também foi desenvolvido para levantamento de
nários mais frequentemente utilizados nos estudos so- incapacidade em pacientes com dor na coluna. Este ques-
bre Dor são o SIP – Questionário de Impacto Físico8, tionário tem 10 itens; as respostas variam de zero a 5, o
o Roland e Morris Questionário de Incapacidade9,10, o que indica diferentes níveis de incapacidade relacionados a
Oswestry Questionário de Dor Lombar11,12 e o SF- 36 atividades diárias. A pontuação consiste em somar os pon-
Questionário de Saúde13,14. tos em cada item, e a pontuação geral variará entre zero e
O Sickness Impact Profile (SIP12) foi uma das primei- 50, o que é multiplicado por 2 e os resultados são dados
ras medidas de autoaplicação desenvolvida para levan- em percentagem11,21. O ODI tem demonstrado correlação
tamento do impacto do estado de saúde, tem 136 itens moderada com outras medidas como o McGill, e o SF-36, e
e acessa 12 áreas de funcionalidade, formando três es- confiabilidade e validade adequadas17,21. No entanto, assim
calas. É uma medida confiável e validada, mas alguns como o QIRM, ele apenas acessa incapacidade física.
itens não se referem a sintomas dolorosos, o que pode O SF-3614 foi desenvolvido como uma medida genérica
interferir na variabilidade, confiabilidade e sensibilidade para levantamento de qualidade de vida relacionada à saú-
quando comparado a outras medidas para incapacidade de. Tem oito escalas: funcionabilidade física, limitações
cotejadas a outras medidas referentes à dor crônica13,14. de atividade devido a problemas físicos, dor corporal,
Outra desvantagem deste questionário é seu processo de saúde geral, funcionabilidade social, limitação devido a
pontuação lento e complexo. Estas preocupações leva- problemas emocionais, percepção de vitalidade e saúde
ram à criação de novos instrumentos. mental. As primeiras quatro escalas fazem um levanta-
O Questionário de Incapacidade Roland e Morris mento de saúde física e as últimas, saúde mental. O SF-36
(QIRM)10 foi inicialmente desenvolvido com itens do é uma escala de 5 pontos; cada domínio é pontuado de

29

11 - Validacao do Questionario.indd 29 23.03.10 15:27:41


Rev Dor 2010;11(1):28-36 Sárda Júnior, Nicholas, Pimenta e col.

zero a 100, indicando fraca e ótima saúde, respectivamen- sudeste foram coletados nas seguintes instituições: Hos-
te. Leva aproximadamente 10 minutos para preencher e pital Nove de Julho, Hospital AC Camargo e Hospital
está disponível em versões impressas e virtuais. dos Funcionários Públicos Estaduais na cidade de São
A responsividade, consistência interna, validade dos Paulo, e Hospital Universitário Fundão da Universidade
construtos e habilidade de discriminação foram relatados Federal do Rio de Janeiro, no estado do Rio de Janeiro.
em muitos estudos, suas propriedades psicométricas são A maioria dos dados foi coletada de pacientes que fre-
iguais ou melhores que outras medidas de qualidade de quentavam serviços públicos (52,6%).
vida relacionadas ao estado de saúde14,22. No entanto, em Os critérios de inclusão foram pacientes com dor crônica
algumas populações, esta medida mostrou alguns pro- por período maior que três meses nos últimos seis meses
blemas com sensitividade para mudanças, por exemplo, na maioria dos dias; idade superior a 18 e inferior a 80
para pacientes mais incapacitados14,22. Comparado com o anos; ter quatro ou mais anos de educação formal; apre-
QIRM e o ODI, o procedimento de pontuação do SF-36 é sentar disponibilidade para participar do estudo.
mais complexo. Apesar disto, o SF-36 foi auspiciosamen- Os critérios de exclusão foram não apresentar dor recor-
te validado para várias populações, incluindo a brasilei- rente de câncer, ter diagnóstico de transtorno psiquiátri-
ra13, tendo sido usado em diversas condições de saúde. co, como psicose ou demência, questionários com mais
Devido à falta de estudos com medidas psicológicas para de 10% de itens não respondidos.
a população brasileira sofrendo com dor crônica, embora
já existam alguns instrumentos como o ODI para popula- Procedimento
ção com dor lombar, Roland e Morris para incapacidade O procedimento de validação do teste se dividiu em duas
em pacientes com dor lombar e MIF9,12,23, mais estudos partes, (I) tradução para o português e adaptação da medida e
são necessários para testar as hipóteses geradas pelas (ii) coleta de dados. Pacientes com dor crônica frequentando
pesquisas anteriores para confirmar os modelos teóricos instituições para dor com vontade de participar deste estudo
de dor crônica ocorrida em outros países e para provi- foram indicados pelos médicos ao pesquisador, que ofereceu
denciar maior variedade de medidas validadas. Este es- explicações necessárias aos pacientes, um termo de consen-
tudo deve contribuir para melhorar o levantamento e o timento e os instrumentos a serem preenchidos. Os dados clí-
tratamento de pacientes com dor crônica no Brasil. nicos foram coletados dos prontuários dos pacientes.
O objetivo deste estudo foi examinar a validade e con- A tradução do QIRM foi baseada no método de re-tradu-
fiabilidade do Questionário de Incapacidade Roland e ção27 o que envolveu revisão, tradução e adaptação das
Morris em população brasileira com dor crônica. medidas do inglês para o português e novamente para
o inglês. Uma adaptação cultural preliminar foi neces-
MÉTODO sária, pois algumas palavras usadas para expressar sen-
timentos ou situações não fariam sentido em uma tra-
Após aprovação dos Comitês de Ética das Instituições dução literal. Depois da tradução e adaptação feita pelo
onde o estudo foi realizado, 348 participantes com dor pesquisador, três examinadores brasileiros envolvidos
crônica atendidos em clínicas de dor e estabelecimentos com psicologia da saúde e que utilizam o inglês como
similares no setor público e privado participaram deste segunda linguagem, traduziram o instrumento novamen-
estudo de corte transversal utilizando estatística descriti- te para o inglês. Posteriormente as três traduções foram
va e inferencial, análise de correlação, teste t e ANOVA. comparadas e poucas divergências foram encontradas,
Os sujeitos representam uma amostra de conveniência exceto por pequenas diferenças semânticas sendo que
de pacientes atendidos em clínicas para dor, sendo que 85% dos itens foram traduzidos da mesma forma pelos
37 sujeitos foram excluídos por não preencherem os revisores, e que foram resolvidas por discussão entre o
critérios de inclusão. Os dados apresentados são de 311 pesquisador e os revisores. Apesar das mudanças, a ver-
participantes que compõem a amostra final. são em português do QIRM foi mantida muito próxima
Os dados foram coletados em Instituições nas regiões da versão original em inglês, sem comprometer seu en-
sul e sudeste do Brasil. Na região sul em Florianópolis, tendimento e sendo adequada para o leitor brasileiro. A
SC, foram coletados nas seguintes instituições: Enfer- única grande mudança que ocorreu, quando comparado
maria de Reumatologia e Acupuntura no Hospital Uni- com a versão original, foi substituir a palavra dor nas
versitário da Universidade Federal de Santa Catarina, costas pela palavra dor.
IPE-MTC (Clínica de Acupuntura), Nidi - Clínica de Os questionários de autoeficácia - PSEQ24,25, Escala de
Neurociência da Dor e Clínica Santa Clara. Na região Pensamentos Catastróficos26,27, Questionário de Aceitação

30

11 - Validacao do Questionario.indd 30 23.03.10 15:27:41


Validação do Questionário de Incapacidade Rev Dor 2010;11(1):28-36
Roland Morris para dor em geral

da Dor (CPAQ)28 e a Escala de Depressão (DASS)29,30, Tabela 1 – Características sócio-demográficas e clínicas da amostra
além de um inventário sócio-demográfico e um inventário Características sócio-demográficas N (%)
clínico foram utilizados para coletar os dados. Faixa etária (anos)
O questionário sócio-demográfico coletou informações 18 – 30 39 (12,5)
referentes à idade, gênero, estado civil, nível de edu- 31 – 42 61 (19,6)
cação, profissão e situação empregatícia. O inventário 43 – 54 105 (33,8)
clínico tinha questões referentes ao local da dor, diag- 55 - 66 69 (22,2)
nóstico clínico, duração e intensidade da dor obtida por 67 - 81 37 (11,9)
uma escala verbal e numérica, uso de medicação, tipo de Média (DP) 48.9 (14,06)
intervenção e outros problemas gerais de saúde.
Gênero
Análise estatística Masculino 81 (26,0)
Alguns procedimentos estatísticos foram feitos para ob- Feminino 230 (74,0)
servar as propriedades psicométricas destas medidas,
incluindo: estatística descritiva (médias, desvio-padrão, Estado civil
medianas, amplitude); confiabilidade e validade. Solteiro 55 (17,7)
A análise da confiabilidade foi feita usando cálculos de fi- Casado 200 (64,3)
dedignidade segundo o método de split-half (correlação de Separado, divorciado ou viúvo 56 (18,0)
Pearson) e consistência interna (alpha de Cronbach). A vali-
dade foi testada através da análise de construto e de critério. Escolaridade
A validade de construto foi examinada utilizando validade 4 a 8 anos 101 (32,5)
convergente (correlação item-escala), validade discriminante 9 a 11 anos (incluindo curso técnico) 89 (28,6)
(correlação entre escalas ou medidas diferentes). A análise Nível terciário (ex: universitário) 121 (38,9)
de critério se baseou na hipótese de que algumas diferenças
deveriam ocorrer em algumas escalas, mas não entre algu- Vinculo de trabalho (N = 304)
mas outras variáveis. Todas as análises foram conduzidas Trabalhando 157 (51,6)
utilizando-se o pacote SPSS para Windows, versão 14.0. Trabalhando meio período 22 (7,2)
Desempregado em função da dor 125 (41,1)
RESULTADOS
Local da dor
Os dados apresentados são da amostra final de 311 su- Cabeça, face, pescoço 36 (11,6)
jeitos. No entanto, para avaliar a qualidade dos dados e Região cervical, ombros e membros superiores 48 (15,5)
procurar diferenças significativas entre a amostra total e Região torácica e abdominal 14 (4,5)
a final, os grupos foram comparados. Costas ou espinha dorsal 16 (5,1)
Não houve diferenças significativas entre os dois grupos Membros inferiores 22 (7,1)
no que se refere a gênero, nível de educação, situação em- Região pélvica, anal ou genital 5 (1,6)
pregatícia, local da dor e pontuação média em todas as Região lombar e membros inferiores 30 (9,6)
medidas (p ≤ 0,05). A maioria dos questionários excluídos Dor em dois ou mais locais 140 (45,0)
veio de uma clínica da região sul, onde o procedimento
de coleta de dados foi diferente de outras instituições. Os Duração da dor
questionários foram entregues para serem completados De 3 meses a 1 ano 28 (12,2)
em casa e devolvidos no próximo atendimento. Em ou- Mas de 1 e menos de 3 anos 60 (19,3)
tra clínica na região sudeste, o tratamento se estendia a Entre 3 e 5 anos 87 (28,0)
pacientes com câncer, e os questionários preenchidos por De 6 a 9 anos 39 (12,5)
estes pacientes foram eliminados da amostra geral. Mais de 10 anos 87 (28,0)
Devido ao fato do pesquisador não coletar pessoalmen-
te todos os dados, não foi possível especificar quantos Intensidade da dor na última semana (EVN)
pacientes foram convidados para participar da pesquisa, 1 a 4 (leve) 70 (22,5)
mas a maioria dos pacientes que atendiam aos critérios 5 a 6 (moderada) 94 (30,2)
de inclusão aceitaram participar do estudo (Tabela 1). 7 a 10 (intensa) 147 (47,3)

31

11 - Validacao do Questionario.indd 31 23.03.10 15:27:41


Rev Dor 2010;11(1):28-36 Sárda Júnior, Nicholas, Pimenta e col.

A distribuição de idade da amostra foi normal, com significativa entre as médias do QIRM dor em geral
maior concentração no grupo 43 a 54 anos. Havia mais (=12,03, DP=6,21) e a versão de Nusbaum e col. 9
mulheres entre os participantes do que homens (74% para dor lombar ( X =14,30, DP ± 7,47) 9, conside-
versus 26%, respectivamente). A maioria era casada rando o resultado do teste t (1,62 p < 0,05). O alfa
(64,3%), o nível de educação da amostra estava dis- de Cronbach foi igual a 0,90, o que indica um grau
tribuído proporcionalmente, com uma discreta supe- de consistência interna excelente inclusive para
rioridade de sujeitos com educação de terceiro nível propósitos clínicos também. O grau de consistência
(38,9%). A maioria dos sujeitos estava trabalhando, interna de 0,82 também confirma a fidedignidade
mas uma percentual substancial (41%) estava afastada do QIRM.
do trabalho devido à dor. Serão descritos os resultados das comparações feitas
Em relação ao local da dor, uma proporção substan- entre diferentes grupos demográficos (usando ANOVA)
cial de sujeitos (45%) tinha dor em dois ou mais lo- como uma forma de examinar a validade de critério do
cais. A duração média da dor foi de 4,3 anos. A média QIRM (Tabela 3).
de intensidade da dor foi 6. A maioria dos sujeitos Os resultados obtidos sugerem que existe uma as-
(82,4%) estava tomando medicamentos para a dor. A sociação entre aumento de níveis de escolaridade e
prevalência de comorbidades também foi investiga- presença de incapacidade. Esse padrão também foi
da. As doenças mais comuns desta população foram observado no tocante à empregabilidade. Partici-
hipertensão (28%), seguidas de transtornos psiquiá- pantes que estão trabalhando apresentavam escores
tricos (18%, principalmente depressão), disfunções médios mais reduzidos de incapacidade. Esses da-
endócrinas (10%) e diabetes (5%). dos indicam que o QIRM apresenta capacidade de
A análise estatística da distribuição das respostas no Ro- discriminação, uma vez que grupos diferentes apre-
land Morris indicou uma distribuição dos dados, com sentam escores diferenciado, no sentido esperado. A
valores de obliquidade curtos e menores que 1,031. Não habilidade para detectar algumas diferenças entre os

Tabela 2 – Estatística descritiva do Questionário de Incapacidade Roland Morris e consistência interna e correlação entre as metades

QIRM de dor em geral Média ± DP Obliquidade Curtose Floor (%) Ceiling (%)

12,03 ± 6,2 -0,02 -1,0 1,0 1,9


Número de Consistência Correlação entre formulários
itens Interna (split-half) coeficiente de Pearson
Alfa de Cronbach
24 0,90 0,82

houve necessidade de transformação estatística para nor- grupos sugere-se que estas medidas têm também va-
malizar os dados (Tabela 2). lidade concorrente e é capaz de identificar grupos e
Os resultados do teste t não indicaram diferença resultados distintos.

Tabela 3 – Comparação da pontuação média do QIRM por nível de escolaridade e empregabilidade


Questionários Até 8 anos de 2º grau completo ou 2º grau completo ou Teste de
escolaridade incompleto incompleto significância
F P
QIRM 14,55 ± 6,31 * 12,15 ± 5,62 * 9,85 ± 5,76 * 17,46 0,01
Trabalhando Meio período Afastado devido à dor Teste de
significância
F P
QIRM 9,29 ± 5,78 * 12,61 ± 6.53 * 14,78 ± 5,21 * 29,52 0,001
* Valores expressos em Média ± DP.

32

11 - Validacao do Questionario.indd 32 23.03.10 15:27:42


Validação do Questionário de Incapacidade Rev Dor 2010;11(1):28-36
Roland Morris para dor em geral

Tabela 4 – Correlações entre questionários e escalas do questionário de aceitação


Questionários QIRM PSEQ DASS EPC CPAQ
QIRM -
Questionário de autoeficácia (PSEQ) -0,58 -
Escala de Depressão (DASS) 0,34 -0,38 -
Escala de Pensamentos Catastróficos (EPC) 0,34 -0,39 0,59 -
Questionário de Aceitação da Dor (CPAQ) -0,39 0,64 -0,44 -0,47 -
Todas as correlações foram significativas no nível de significância de 0,001

A próxima análise examinou a correlação entre as dife- Para validade de critério, o escore médio do QIRM – g
rentes medidas utilizada no estudo (Tabela 4). (BrGCP) no grupo de trabalhadores, trabalhadores par-
Devido ao alto número de correlações (66), foi necessá- ciais e afastados foi significativamente diferente (p <
rio ajustar o nível de alfa e escolher um parâmetro para 0,001). Este resultado é semelhante aos relatados na li-
evitar as probabilidades ampliadas de um erro do Tipo I. teratura, que dão suporte a uma associação dos níveis de
Um ajuste de Bonferroni foi aplicado para o nível de sig- incapacidade auto relatados e situação empregatícia19,34.
nificância (p = 0,05/66). Desta forma, apenas as correla- Também houve diferenças significativas nas médias en-
ções com p = 0,001 foram considerados significativos. tre o grupo com nível de educação superior e grupo de 4
Correlações baixas a moderadas encontradas entre dife- a 8 anos de educação (médias foram 12,03 e 14,55, res-
rentes medidas sugerem que estas medidas têm validade pectivamente, f = 17,4 em p = 0,001). A discrepância na
discriminante adequada e medem dimensões diferentes. educação pode ser refletida pelo tipo de trabalho que estes
dois grupos desenvolvem; quanto mais anos de educação
DISCUSSÃO geralmente o índice de trabalho braçal é menor.
Estas diferenças nos escores médios sugerem que esta
Propriedades psicométricas do QIRM versão brasi- medida é sensível para detectar diferenças entre gru-
leira para dor em geral pos distintos ou condições diferentes. Estes resultados
O QIRM – versão brasileira para dor crônica geral (abre- apoiam a validade de critério do QIRM - g versão brasi-
viado QIRM – QIRM-g) teve um escore médio de 12,03 leira o que indica a eficácia desta medida para predizer
± 6,21), o que não parece muito diferente do escore mé- comportamento35. Estes resultados também são seme-
dio relatado na validação original de Roland e Morris lhantes a vários estudos9,17,32, o que providenciou maior
para dor lombar10 ( X =11,4, mas o desvio-padrão não apoio para a validade e sensibilidade do QIRM-g.
foi relatado neste estudo, então o teste t não pode ser cal- Coeficientes de correlação com outros testes que me-
culado). A média da amostra brasileira também foi abai- diam construtos diferentes foram examinados para
xo do ponto de corte esperado para alta incapacidade em testar propriedades discriminantes desta medida. É
pacientes com dor nas costas relatado por estes autores esperado que um teste não deva ter alta correlação
em sua validação original. com medidas de diferentes construtos35. O coeficien-
Quando comparado com a validação brasileira para pa- te de correlação (Pearson) do QIRM-g com o PSEQ,
cientes com dor lombar ( X =14,30 ± 7,47)9 o escore DASS-depressão, escala de pensamentos catastróficos
médio no estudo atual ( X =12,03 ± 6,21) foi mais bai- e questionário de aceitação foram na maioria dos ca-
xo que o relatado por estes autores, mas não significati- sos significativos (p < 0,001), mas este nível de sig-
vamente diferente (t = 1,62, p < 0,05). nificância é parcialmente inflado pelo grande número
A confiabilidade foi testada usando coeficientes de con- de sujeitos. No entanto as correlações corrigidas va-
sistência interna e correlação entre formulários (split- riaram de baixo a moderado. Estes dados estatísticos
half). O QIRM – g teve um alfa de Cronbach de 0,90 e sugerem que há uma relação entre alguns destes cons-
um coeficiente de correlação de Pearson entre formulá- trutos, mas ao mesmo tempo não há uma sobreposição
rios de 0,82, que são similares aos valores de consistên- entre estas medidas.
cia interna relatados na literatura 0,927 e 0,9032. Além do A correlação mais alta do QIRM-g foi com PSEQ
mais, de acordo com Jensen33 coeficientes de correlação (0,58), o que é apoiado por outras descobertas que re-
nesta faixa podem ser considerados adequados para pro- latam uma influência de auto-eficácia na medida de
pósitos clínicos e de pesquisa. incapacidade pelo PSEQ e o QIRM24. Estes resultados

33

11 - Validacao do Questionario.indd 33 23.03.10 15:27:42


Rev Dor 2010;11(1):28-36 Sárda Júnior, Nicholas, Pimenta e col.

também são similares a outros descritos na literatura1, tionnaire -- Brazil Roland-Morris. Braz J Med Biol Res,
18
. A correlação entre o QIRM (BrGCP) e a intensida- 2001;34:203-210.
de de dor média (relatado em um VNS variando entre 10. Roland M, Morris R. A study of the natural his-
zero e 10) foi significativo mas também baixo (r = tory of back pain. Part I: development of a reliable and
0,38), o que sugere que há uma relação entre inten- sensitive measure of disability in low-back pain. Spine,
sidade da dor e incapacidade, apesar de serem cons- 1983;8:141-144.
trutos distintos e incapacidade não ser apenas uma 11. Fairbank JC, Couper J, Davies JB, et al. The Os-
função da intensidade da dor. Esta descoberta também westry low-back pain disability questionnaire. Physio-
tem apoio em vários estudos36-38. therapy, 1980;66:271-273.
12. Vigatto R, Alexandre NM, Correa Filho HR. De-
CONCLUSÃO velopment of a Brazilian Portuguese version of the Os-
westry Disability Index: cross-cultural adaptation, reli-
As descobertas relatadas das propriedades psicométri- ability, and validity. Spine, 2007;32:481-486.
cas do QIRM - g sugerem que esta medida é válida e 13. Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W. Tradução para
confiável para a amostra brasileira com dor crônica e a língua portuguesa e validação do questionário genérico
pode ser usada em outras populações com dor crôni- de avaliação de qualidade de vida SF-36 (Brasil SF-36).
ca do Brasil. Esse resultado confirma as propriedades Rev Bras Reumatologia, 1998;39:143-150.
do QIRM. Além disso, a disponibilidade de mais essa 14. Ware JE Jr. SF-36 health survey update. Spine,
medida para avaliação da incapacidade associada à dor 2000;25:3130-3139.
crônica contribui para a compreensão desse fenômeno 15. Donald LP, Deyo RA, Atlas SJ, et al. Assessing
e implementa as possibilidades de pesquisa e interven- health-quality of life in patients with sciatica. Spine,
ção clínica. 1995;20:1899-1909.
16. Lurie J. A review of generic health status measures in
REFERÊNCIAS patients with low back pain. Spine, 2000;25:3125-3129.
17. Roland M, Fairbank J. The Roland-Morris Disabil-
1. Blyth FM, March LM, Brnabic AJ, et al. Chronic pain ity Questionnaire and the Oswestry Disability Question-
in Australia: a prevalence study. Pain, 2001;89:127-134. naire. Spine, 2000;25:3115-3124.
2. Gureje O, Von Korff M, Simon GE, et al. Persistent 18. Stroud MW, McKnight PE, Jensen MP. Assessment
pain and well-being: A World Health Organization Study of self-reported physical activity in patients with chronic
in Primary Care. JAMA, 1998;280:147-151. pain: development of an abbreviated Roland-Morris dis-
3. Harstall C, Ospina M. How prevalent is chronic pain? ability scale. J Pain, 2004;5:257-263.
Pain. Clinical Updates 2003;XI(2):1-4. 19. Turner JA, Fulton-Kehoe D, Franklin G, et al. Com-
4. Kovacs FM, Abraira V, Zamora J, et al. Correlation parison of the Roland-Morris Disability Questionnaire
between pain, disability, and quality of life in patients and generic health status measures: a population-based
with common low-back pain. Spine, 2004;29:206-210. study of workers’ compensation back injury claimants.
5. Main CJ, Robinson JP, Watson PJ. Disability, inca- Spine, 2003;28:1061-1067.
pacity, and rehabilitation for pain patients. In: IASP. 20. Grotle M, Brox JI, Vollestad NK. Cross-cultural ad-
11th World Congress on Pain; 2005; Sydney - Australia: aptation of the Norwegian versions of the Roland-Mor-
IASP; 2005;331-342. ris Disability Questionnaire and the Oswestry Disability
6. McDowell I, Newell C. Measuring Health: A Guide Index. J Rehabil Med, 2003;35:241-247.
to Rating Scales and Questionnaires. 2nd Ed, New York: 21. Battié MC, May L. Physical and Occupational
Oxford University Press; 1996. Therapy Assessment Approaches. In: Turk DC, Melzack
7. Jensen MP, Strom SE, Turner JA, et al. Validity of the R. Handbook of Pain Assessment. 2nd Ed, New York:
Sickness Impact Profile Roland scale as a measure of dys- The Guilford Press; 2001; 204-219.
function in chronic pain patients. Pain, 1992;50:157-162. 22. Bronfort G, Bouter LM. Responsiveness of general
8. Deyo RA. Comparative validity of the sickness im- health status in chronic low back pain: a comparison of
pact profile and shorter scales for functional assessment the COOP charts and the SF-36. Pain, 1999;83:201-209.
in low-back pain. Spine, 1986;11:951-954. 23. Riberto M, Miyazaki MH, Jucá SSH, et al. Valida-
9. Nusbaum L, Natour J, Ferraz MB, et al. Translation, ção da Versão Brasileira da Medida de Independência
adaptation and validation of the Roland-Morris ques- Funcional. Acta Fisiatrica, 2004;11:72-76.

34

11 - Validacao do Questionario.indd 34 23.03.10 15:27:42


Validação do Questionário de Incapacidade Rev Dor 2010;11(1):28-36
Roland Morris para dor em geral

24. Nicholas MK. The pain self-efficacy ques- 31. Tabachnick BG, Fidell LS. Using Multivariate Sta-
tionnaire: Taking pain into account. Eur J Pain, tistics. New York: Allyn and Bacon; 2001.
2007;11:153-163. 32. Patrick DL, Deyo RA, Atlas SJ, et al. Assessing
25. Sardá JJJ, Nicholas MK, Pimenta CAM, et al. Pain- health-related quality of life in patients with sciatica.
related self-efficacy belief sin a Brazil lanchronic pain Spine, 1995;20:1899-1909.
patient sample: a psychometric analysis. Stress and 33. Jensen MP. Questionnaire validation: a brief
Health, 2007;23:185-190. guide for readers of the research literature. Clin J Pain,
26. Flor H, Behle DJ, Birbaumer N. Assessment of 2003;19:345-352.
pain-related cognitions in chronic pain patients. Behav 34. Robinson JP. Disability Evaluation in Painful Condi-
Res Ther, 1993;31:63-73. tions. In: Turk DC, Melzack R. Handbook of Pain Assess-
27. Sardá JJJ, Nicholas MK, Asghari A, et al. Validação ment. 2nd Ed, New York: Guilford Press, 2001;248-272.
da escala de pensamentos catastróficos sobre dor. Acta 35. Anastasi A, Urbina S. Testagem Psicológica. 7ª Ed,
Fisiátrica, 2008;15:31-36. Porto Alegre: ArtMed; 1997.
28. McCracken LM. Learning to live with pain: accep- 36. Linton SJ. A review of psychological risk factors in
tance of pain predicts adjustment in persons with chronic back and neck pain. Spine, 2000;25:1148-1156.
pain. Pain 1998;74:21-27. 37. Pincus T, Burton AK, Vogel S, et al. A systematic
29. Lovibond PF, Lovibond SH. The structure of nega- review of psychological factors as predictors of chronic-
tive emotional states: comparison of Depression Anxiety ity/disability in prospective cohorts of low back pain.
Stress Scale (DASS) with the Beck Depression and Anx- Spine, 2002;27:109-120.
iety Inventories. Behav Res Ther, 1995;33:335-343. 38. Eccleston C. Role of psychology in pain manage-
30. Sardá J Jr, Nicholas MK, Pimenta CA, et al. Psycho- ment. Br J Anaesth, 2001;87:144-152
metric properties of the DASS-Depression scale among
a Brazilian population with chronic pain. J Psychosom Apresentado em 21 de janeiro de 2010.
Res, 2008;64:25-31. Aceito para publicação em 16 de março de 2010.

35

11 - Validacao do Questionario.indd 35 23.03.10 15:27:42


Rev Dor 2010;11(1):28-36 Sárda Júnior, Nicholas, Pimenta e col.

ANEXO - QUESTIONÁRIO DE INCAPACIDADE ROLAND-MORRIS - QIRM


(Roland e Morris, 1983. Versão Modificada Sarda e col. 2010)

Nome/Iniciais: Data:

Quando você tem dor, você pode ter dificuldade em fazer algumas coisas que normalmente faz. Esta lista possui
algumas frases que as pessoas usam para se descreverem quando tem dor. Quando você ler estas frases poderá
notar que algumas descrevem sua condição atual. Ao ler ou ouvir estas frases pense em você hoje. Assinale com
um x apenas as frases que descrevem sua situação hoje, se a frase não descrever sua situação deixe-a em branco e
siga para a próxima sentença. Lembre-se assinale apenas a frase que você tiver certeza que descreve você hoje.
1. Fico em casa a maior parte do tempo por causa da minha dor. �
2. Mudo de posição freqüentemente tentando ficar mais confortável com a dor. �
3. Ando mais devagar que o habitual por causa da dor. �
4. Por causa da dor eu não estou fazendo alguns dos trabalhos que geralmente faço em casa. �
5. Por causa da dor eu uso o corrimão para subir escadas. �
6. Por causa da dor eu deito para descansar mais frequentemente. �
7. Por causa da dor eu tenho que me apoiar em alguma coisa para me levantar de uma poltrona. �
8. Por causa da dor tento com que outras pessoas façam as coisas para mim. �
9. Eu me visto mais devagar do que o habitual por causa das minhas dores. �
10. Eu somente fico em pé por pouco tempo por causa da dor. �
11. Por causa da dor tento não me abaixar ou me ajoelhar. �
12. Tenho dificuldade em me levantar de uma cadeira por causa da dor. �
13. Sinto dor quase todo o tempo. �
14. Tenho dificuldade em me virar na cama por causa da dor. �
15. Meu apetite não é muito bom por causa das minhas dores. �
16. Tenho dificuldade para colocar minhas meias por causa da dor. �
17. Caminho apenas curtas distâncias por causa das minhas dores. �
18. Não durmo tão bem por causa das dores. �
19. Por causa da dor me visto com ajuda de outras pessoas. �
20. Fico sentado a maior parte do dia por causa da minha dor. �
21. Evito trabalhos pesados em casa por causa da minha dor. �
22. Por causa da dor estou mais irritado e mal humorado com as pessoas do que em geral. �
23. Por causa da dor subo escadas mais vagarosamente do que o habitual. �
24. Fico na cama (deitado ou sentado) a maior parte do tempo por causa das minhas dores. �

36

11 - Validacao do Questionario.indd 36 23.03.10 15:27:42