Você está na página 1de 16

Introdução à Psicologia

Comportamental

Fabiana P. Ramos
Um pouco de história...
Behaviorismo Clássico de Watson
(1913): Psychology as the behaviorist
views it surge em contraposição às
psicologias mentalistas dominantes
(estudavam a mente e a consciência
humana adotando a introspecção) –
delimita um objeto de estudo para a
psicologia. Pardigma S-R
(Mecanicista e dualista). Conhecido
como behaviorismo metodológico.
“Mostre-me apenas uma consciência
em um tubo de ensaio”
Um pouco de história...

Neobehaviorismo mediacional de
Tolman e Hull (Behaviorismo
Intencional) 1932 Purposive behavior
in animal na men (Tolman) e
Principles of Behavior 1943 (Hull),
conceito de intencionalidade do
comportamento S-O-R (precursor de
algumas teorias cognitivistas).
Um pouco de história...

Behaviorismo Radical de Skinner: 1945


The operacional analysis of psychological
terms. Sentido de radical: negar
radicalmente a existência de uma mente
que governa o comportamento humano
(mente como causa), e aceita
radicalmente que a psicologia pode
estudar sentimentos, pensamentos,
emoções, etc. (fenômenos privados)
Paradigma Sd-R-Sr monista e
selecionista.
Terapia Comportamental

Terapia analítico-comportamental: a
partir da década de 60 surgem os
marcos do modelo clínico
comportamental. Modificação do
Comportamento: abordagem inicial
x terapia comportamental.
Requisitos
Quais os requisitos para que uma
psicologia seja considerada
comportamental? 1) no nível
metodológico, a análise funcional
de contingências 2) no nível
conceitual, conhecimento e
aplicação dos princípios de
comportamento 3) no nível
filosófico, rejeição ao mentalismo.
Psicologia Cognitivo-Comportamental
Movimento integracionista entre o
behaviorismo e o cognitivismo, criticado
por muitos autores (embora existam
vários aspectos semelhantes no que se
refere à condução terapêutica). Terapia
Cognitiva de Beck, Terapia Racional
Emotiva de Ellis: a atividade cognitiva
afeta o comportamento, a atividade
cognitiva pode ser monitorada e
alterada, e a mudança comportamental
pode ser afetada pela mudança
cognitiva = enfoque internalista.
Termos centrais: crenças, cognições e
pensamentos automáticos.
Terapia Comportamental

Na terapia analítico-
comportamental o foco de
intervenção é o comportamento
público e uso de análise funcional
(intervenção externalista). Na
terapia cognitiva o foco de
intervenção é sobre estruturas e
conteúdos cognitivos (enfoque
internalista).
B.F. Skinner (1904-1990)
Quem foi Skinner?
Burrhus Frederic Skinner nasceu em
20 de março de 1904 em
Pensilvânia/EUA.
Nascido em uma família presbiteriana,
teve uma infância tradicional, morando
com seu pai, sua mãe e mais um
irmão.
Pai advogado e mãe dona de casa.
Interessou-se desde cedo pelo
comportamento de animais, e se
dedicava a observá-los. Gostava de
construir coisas.
Quem foi Skinner?
Se formou em inglês no Hamilton College, e
os dois anos seguintes a sua formatura
foram dedicados a escrever.
A falta de sucesso como escritor deixou-o
bastante abalado.
Depois de ler os trabalhos de Watson e
Pavlov, acho impressionante, quis conhecer
mais e decidiu se inscrever na pós-
graduação de Psicologia em Harvard,
embora nunca houvesse estudado psicologia
antes. Ele estava então com 24 anos.
Quem foi Skinner?
Em seus estudos na pós-graduação começou a
observar o comportamento de ratos em
laboratório. Inventou o “cumulative record” um
equipamento mecânico que gravava as respostas
do rato, com movimentos de linha horizontal e
mostrava a taxa de resposta do rato. Esses
registros revelavam o impacto da contingência na
resposta. Skinner descobriu que a pressão à
barra não dependia do estímulo (como Watson e
Pavlov insistiam) mas da consequência do
pressionar a barra. Esse tipo de comportamento
operava sobre o ambiente e era controlado por
seus efeitos. Skinner o nomeou de
“comportamento operante” e passou os 5 anos
seguintes investigando os efeitos das
consequências no comportamento do rato de
pressão à barra, em diferentes esquemas.
Quem foi Skinner?
Concluiu o mestrado em 1930 e o doutorado em
1931.
Deu aulas na Universidade de Minnesota de 1936-
1945.
O método desenvolvido para observar os animais de
laboratório e suas reações aos estímulos levou-o a
criar pequenos ambientes fechados que ficaram
conhecidos como “caixas de Skinner”.
Casou-se com Yvonne Blue em 1936, então com 32
anos, com que teve dois filhos: Deborah e Julie.
Quando sua filha nasceu, Skinner criou um berço
climatizado (Baby tender), o que originou um boato de
que a teria submetido a experiências semelhantes às
que fazia em laboratório.
Em 1944, com a eclosão da II Guerra Mundial, ele
trabalhou em uma projeto secreto, treinando pombos
para guiar mísseis e bombas para o alvo.
Principais Obras
Seu livro de 1938, "O Comportamento dos
Organismos", descreve os pontos essenciais de
seu sistema inicial.
Seu livro de 1953, "Ciência e Comportamento
Humano", é tido como um manual básico da sua
psicologia comportamentalista.
Em 1948, aceitou o convite para ser professor
em Harvard, onde ficou até o fim da vida.
Em 1969, publicou “Contingências de
Reforçamento”, e em 1971 “O mito da liberdade”.
Em 1974, publicou “Sobre o Behaviorismo.”
O fim da vida...

Skinner manteve-se produtivo até a morte,


aos 86 anos.
Em 1989 recebeu o diagnóstico de leucemia
e morreu em 18 de agosto de 1990, uma
semana depois de receber o premio especial
da APA, por suas contribuições à Psicologia.
Na noite anterior à sua morte, estava
trabalhando em seu artigo final, "Pode a
Psicologia ser uma Ciência da Mente?“.
Mais informações sobre a vida e a obra de
Skinner em BFSkinner Foundation:
www.bfskinner.org

Você também pode gostar