Você está na página 1de 2

c c

- Compreender os fundamentos histórico-filosóficos, psicossociológicos e legais como determinantes do trabalho


docente naeducação infantil (crianças de 0 a 6 anos).
- Formar uma atitude questionadora em face de tais determinantes, que orienteseu posicionamento e opção de
método detrabalho em atendimento às necessidades da criança de 0 a 6 anos, segundo suas condições sócio-
culturais.

c 
c c c

I Infância, história e educação.


ͻ História social da criança e da família.
ͻ O sentimento da infância.
ͻ Da família medieval à família moderna.
ͻ A história da infância no Ocidente.
ͻ As transformações nas concepções de infância ʹ um olhar na perspectiva da sociologia da infância.
II - Infância, educação e direitos humanos.
ͻ A Infância na Família, na Escola e no trabalho.
ͻ Infância, cultura contemporânea e educação contra a barbárie.
ͻ Direitos da criança e projeto político pedagógico de educação infantil.
ͻ Para uma história disciplinar: psicologia, criança e pedagogia.
III - A Educação Infantil Pública no Contexto Brasileiro.
1. De Comenius à Piaget: contexto gerador das propostas pedagógicas para a educação Infantil.
2. A concepção de trabalho docente em propostas pedagógicas para educação infantil.
3. Creche: realidade e ambigüidades.
IV ʹ Qualidade na Educação da primeira Infância: perspectivas pós-modernas.
Construindo a Instituição dedicada à primeira infância.

c cc   c


A metodologia usada neste curso buscará levar o aluno a confrontar cada conhecimento teórico adquirido com a
prática
pedagógica pré-escolar de modo a permitir-lhe a identificação da idéia de infância na pedagogia contemporânea.
O conteúdo será desenvolvido mediante as seguintes estratégias:
a) aulas expositivas
b) estudos dirigidos
c) pesquisas bibliográficas
d) seminários informativos e de integração de estudos.

  c c    


A avaliação dos conceitos e habilidades será feita periodicamente, através de instrumentos diversificados, tendo em
vista o
objetivo de avaliar o aluno em suas diferentes formas de produção, tais como:
a) provas subjetivas após cada unidade;
b) seminários informativos;
c) trabalho de discussão em grupo expresso em relatórios;
d) participação do aluno nas diferentes propostas de trabalho;
e) fichamento de textos.


 c  
1. ANGOTTI, Maristela. O Trabalho Docente na Pré-Escola: revisitando teorias, descortinando práticas. São
Paulo:PioneiraThomson Learning, 2002.
2. ARIÈS, P. História Social da Criança e da Família. 1ª edição, Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1975.
3. BAZÍLIO, Luiz C. Infância, Educação e Direitos Humanos. São Paulo: Cortez Editora, 2003.
4. BRASIL, Ministério de Educação, Secretaria de Educação Básica, MEC, Brasília - Política Nacional de Educação
Infantil:pelo direito das crianças de zero a seis anos à Educação, 2005.
5. BRASIL. ECA ʹ Estatuto da Criança e do Adolescente. São Paulo: CONDECA, 2000.
6. CAMPOS, M.M.; ROSEMBERG, F. & FERREIRA, I.M. Creches e Pré-Escolas no Brasil. São Paulo: Cortez, 2ª ed.,
1995.
7. Cadernos CEDES. Grandes Políticas para os Pequenos: Educação Infantil. nº 37, Papirus, 1995.
8. DAHLBERG, Gunilla. Qualidade na educação da primeira infância: perspectivas pós-modernas. Porto Alegre:
Artmed,2003.
9. FREITAS, Marcos C. de (org.) História Social da Infância no Brasil. São Paulo: Cortez Editora, 2001.
10. GARMS, G.M. Z. (RE)construindo o trabalho docente na Pré-escola: uma tentativa de intervenção. (Tese de
Doutorado).Universidade Estadual Paulista, Campus de Marilia, 1998.
11. HEYWOOD, Colin. Uma história da infância: da Idade Média à época contemporânea no Ocidente. Porto alegre:
Artmed,2004.
12. KUHLMANN. J. Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.
13. MACHADO, Maria L. de A. (org.). Encontros e desencontros em Educação Infantil. São Paulo: Cortez Editora,2002.
14. OLIVEIRA, Zilma M. Educação Infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002. ʹ (Coleção Docência em
Formação).
15. RIZZINI, Irene. O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para a infância no Brasil. Rio de Janeiro:
Petrobás ʹ BR: Ministério da cultura: USU Ed.Universitária: Anais, 1997.
16. ROSEMBERG, F. & CAMPOS, M.M. (Orgs.). Creches e Pré-Escolas no Hemisfério Norte. São Paulo: Cortez,
FundaçãoCarlos Chagas, 1994.
17. SANCHES, Emilia C. Creche: realidade e ambigüidades. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.
18. SARMENTO, M.J.; CERISARA, A. B. (Org.) ( 2004). Crianças e Miúdos: perspectivas sócio-pedagógicas da infância e
educaçãoPorto: Edições ASA.
19. SARMENTO, M.J.; PINTO, M. (Org.) (1997). As crianças, contextos e identidades. Centro de Estudos da Crianças,
IEC,Universidade do Minho.
20. SARMENTO, Manuel Jacinto. (2000). Sociologia da Infância ʹ correntes, problemáticas e controvérsias. Sociedade
e Cultura 2Cadernos do Noroeste, Série Sociologia, v.13 (2), 145-164.
21. TOZONI ʹ REIS, M. F. Infância, escola e pobreza: ficção e realidade. Campinas, SP: Autores Associados, 2002 ʹ
(Coleçãoeducação contemporânea).