Você está na página 1de 5

- RELATÓRIO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL –

Nome: _Francisca Coutinho Moreira Silva___________________________________________________________ _______

Entidade receptora: Quintinha da Conceição Sousa e Silva, Lda._________ ______________________________________________

Data de início: 10 / 02 / 2014 Data de término 10 / 02 / 2015

1. INTRODUÇÃO
(local, descrição geral do plano de estágio)

A Quintinha da Conceição Sousa e Silva, Lda., sita em Pedrouços – Maia, abrange as seguintes valências: Lar de Internamento, Apoio Domiciliário e Centro de Dia,
dispondo de serviço de medicina, enfermagem, fisioterapia e apoio psicológico. Este Centro desenvolve uma abordagem integradora e multidisciplinar,
promovendo o bem-estar e a qualidade de vida do idoso e famílias. Segundo Osório & Pinto (2007), a velhice humana concebe uma diminuição da capacidade
funcional devido à passagem do tempo, no entanto, essas limitações não impossibilitam o desenvolvimento de uma vida plena, assim sendo, e nesta perspectiva é
crucial o papel da Psicologia Clínica e da Saúde no sentido de ajudar os utentes institucionalizados a constatar a problemática da sua situação, promover a auto-
estima, o bem-estar psicológico e a qualidade de vida, na realização da intervenção de forma integrada em função de cada utente, na aceitação do facto de que
o envelhecimento ativo se refere ao processo de otimização do potencial de bem-estar social, físico e mental das pessoas ao longo da vida. É com base nestes
pressupostos e no ambito de atuação do Centro que foram delineados os objetivos gerais: Aplicação de métodos e técnicas de intervenção específicas à
população-alvo e suas problemáticas; Proporcionar confiança à pessoa idónea; Responder às necessidades psicológicas e emocionais que o paciente apresenta;
Contribuir para a melhoria da qualidade de vida e bem-estar desta população, face à sua situação de doença; Promover a redefinição do sentido de vida na
população alvo, maximizando os mecanismos de Coping; Fomentar uma prática e postura ética em relação à população-alvo da intervenção, orientador de
estágio, equipa de trabalho e instituição. Para cumprir estes objetivos gerais do estágio desenvolveram-se estratégias/objetivos específicos: realização de
dinâmicas; realização de terapia de grupo, estimulação cognitiva; biblioterapia e apoio psicológico através de consultas; Este plano vai de encontro ao projeto de
estágio, uma vez que se teve em conta as abordagens psicoterapêuticas com base em evidências empíricas: a psicoeducação, a prestação de suporte emocional,
treino de competências, terapia cognitivo -comportamental. Tais objetivos foram alcançados, provocando o envolvimento e participação ativa da estagiária em
outros projetos, inicialmente não previstos – traduzindo-se em enriquecimento do seu percurso profissional.

2.REFLEXÃO CRÍTICA
(descrição das actividades desenvolvidas, avaliação qualitativa dos objectivos traçados em função dos objectivos inicialmente definidos para cada um dos pontos do projecto de estágio)

Competências-chave

A. Definição de Objectivos A análise das necessidades: Foi efetuada de acordo com a recolha de informação junto do Centro Geriátrico, sobre o
género de serviços de apoio psicológico já existentes e com base na literatura científica, indo ao encontro das
Análise de necessidades necessidades de intervenção psicológica no publico alvo. Verificou-se ao longo do estágio a necessidade de dar
resposta de forma a contribuir para a promoção do bem estar psicológico e da qualidade de vida dos utentes, de
uma utilização adequada dos serviços e recursos de saúde. No âmbito da população em causa, as necessidades de
Estabelecimento de objectivos intervenção prendem-se com a dificuldade na aceitação da doença (doente/cuidador informal), a institucionalização,
perturbação de ansiedade, depressão, problemas sociais, desenvolvimento de stress, situações de perda, morte e luto;
criação de planos de atividades consoante o utente, a adesão aos tratamentos, proporcionando de forma adaptativa a
lidar com as suas dificuldades e problemas.
O estabelecimento dos objetivos: Considerou-se fundamental, e de acordo com a Orientadora de Estágio, o cumprimento
das seguintes metas/objetivos: Realização de observação direta em consultas; Avaliações e intervenções Psicológicas
individuais e em grupo; Proporcionar confiança à pessoa idónea; Desenvolvimento de planos terapêuticos; Promover a
redefinição do sentido de vida na população alvo, maximizando mecanismos de Coping; Responder às necessidades
psicológicas e emocionais que o paciente apresenta; Contribuir/Sensibilizar para a melhoria da qualidade de vida e bem-
estar desta população, face à sua situação de doença; Promoção/realização de estimulação cognitiva a nível individual ou
grupal; Realização de terapia de grupo com o objetivo de partilha de experiências e conhecimentos, amenizando de
alguma forma a dor que sentem pela perda de autonomia. Promocão/realização de atividades de socialização, lúdicas e
recreativas; Fomentar uma prática e postura ética em relação à população-alvo da intervenção, orientadora de estágio,
equipa de trabalho e instituição. Desenvolver conhecimentos para melhorar formação teórico-prática; Aplicação de
métodos e técnicas de intervenção específicas à população-alvo e suas problemáticas.

Avaliação Individual: Concretizou-se de acordo com o descrito no projeto, atendendo ao público-alvo a que a Quintinha
B. Avaliação preliminar da Conceição Sousa e Silva,Lda., está associada. A conceptualização de cada caso baseou-se numa abordagem cognitivo-
comportamental,integrada numa abordagem holística, tendo em conta a sintomatologia em causa, quer a nível da
reabilitação cognitiva, quer na promoção da modificação de comportamentos não funcionais. A avaliação cognitiva,
Avaliação individual
comportamental e interpessoal foi efectuada através de entrevista clinica estruturada, observação directa; aplicação de
escalas e instrumentos de avaliação adequados ao utente e objetivo em questão; registo de informações biopsicossociais.
Avaliação grupal Avaliação Grupal: No decorrer do estágio foram realizadas dinâmicas de grupo conforme estipulado no projeto, visto as
interacções interpessoais proporcionarem a partilha de experiências e conhecimento e tornarem conhecidas as
Avaliação organizacional necessidades de uma pessoa, originando o aprofundamento de pareceres, permitindo ao profissional uma avaliação grupal,
entendendo sinais contextuais, permitindo assim agir sobre os mesmos de forma apropriada. Foram deliniados grupos
C. Desenvolvimento homogéneos mediante a temática de cada dinâmica.
Avaliação organizacional: Constatou-se o respeito e o bem receber no que concerne a estagiários, profissionais e
utentes/famílias, evidenciando trabalho de equipa entre os diversos profissionais, demonstando responsabilidade,
Definição e Preparação integridade e ética no contexto organizacional. Demonstrou, enquanto organização, abertura e ajustamento a alterações
Estratégica pertinentes em prol do bem-estar e qualidade profissional.
Desenvolvimento e estratégia profissional: Para atingir os objectivos de estágio propostos relativamente à população em
Verificação e validação causa, foi adquirida postura dedicada à credibilização da profissão, salientando a importãncia da intervenção psicológica.
Aplicação de modelos e actividades a desenvolver, em função dos problemas apresentados e sintomatologia
psicopatológica. Durante o processo terapêutico foi efectuada avaliação e identificação de comportamentos, emoções e
Planeamento da intervenção cognições disfuncionais, mantendo atitude ativa e recetiva na recolha de informação, observação continua à possível
evolução dos fatores de risco e sinais de alerta, promovendo a adaptação e o retorno a um funcionamento saudável.
Procedeu-se à avaliação da eficiência do processo de intervenção, através da comparação dos níveis de bem-estar
D. Avaliação expressos pelos sujeitos antes e depois da sua implementação. Importa realçar que se efetuou a atualização constante
de conhecimentos necessários às problemáticas em causa, com o objetivo de assegurar o trabalho desenvolvido,
nomeadamente, estratégias de intervenção, a avaliação psicológica, acompanhamento e intervenção, utilização de
Planeamento da avaliação técnicas de estimulação cognitiva, reestruturação cognitiva, treino de competências emocionais, prestação de suporte
emocional, técnicas de relaxamento, biblioterapia, reconstrução do sentido de vida, planeamento racional, psicoeducação
e incentivo à mudança de hábitos de vida.
Verificação e Validação: As actividades foram verificadas e validadas continuamente conforme o decorrer das evoluções e
a pertinência das intervenções desenvolvidas, dependendo no entanto da adesão ao tratamento por parte do paciente, da
sua tomada de consciência relativamente à importância do processo terapêutico, colaboração e confiança no profissional.
A verificação e validação das estratégias de intervenção são indispensáveis, tendo sido sido realizadas frequentemente em
reuniões de orientação e supervisão sobre a evolução do estágio e análise das intervenções.
Planeamento da Intervenção: Nem sempre é possível cumprir e garantir de forma efectiva o cumprimento de um plano
de intervenção, no entanto foram realizadas a nível individual intervenções semanais, duas vezes/semana em casos mais
severos, espaçamento quinzenal no final do processo, para evitar interrupção abrupta, sendo os planos de intervenção
adaptados e adequados ao individuo, patologia, modelo e técnicas associadas. No acompanhamento individual existiu a
preocupação de eleger e ajustar espaços destinados a consulta psicológica de continuidade e estabelecimento de horário.
Quanto às intervenções em grupo, foram agendadas tendo em conta as particularidades específicas de cada atividade,
tempo de preparação/realização necessária, horário e dia com o objetivo da participação do maior número de utentes.
Planeamento da avaliação: Foi concretizada tendo por base os objetivos delineados no plano estipulado, tendo sido
efetuadas reuniões com a orientadora de estágio, nas quais foram analisados e avaliados os registos de intervenção
desenvolvidos e o impacto na evolução terapêutica do utente, salientando a importância da análise crítica da prática
psicológica, os contributos e as iniciativas para o benefício da organização, realçando o grau de interesse demonstrado na
aprendizagem e na autonomia, relações estabelecidas com utentes e restantes profissionais. As ações do projeto
envolveram uma profunda pesquisa, investigação e planeamento, levados a reunião para serem discutidos com a
orientadora de estágio, e, em casos específicos, com outros elementos de equipa para a sua concretização, de modo a
criar momentos de auto-reflexão e auto-avaliação.
American Psychiatric Association. (2002). DSM-IV-TR: Manual de diagnóstico estatístico das perturbações
mentais (4ª ed). Lisboa: Climepsi Editores.
Beck, J. (1998). Terapia Cognitiva. Teoria e Pratica. Porto Alegre: Artmed.
Capitão, C. G., Scortegagna, S. A., & Baptista, M. N. (2005). A importância da avaliação psicológica na
saúde. Avaliação Psicológica, 4 (1), 75-82.
E. Bibliografia utilizada
Hawton, K., Salkovskis, P., M., Kirk, J., & Clark, D., M. (1997). Terapia Cognitivo-comportamental para Problemas
Psiquiátricos. São Paulo.
Lemos, M. (Coord.) (2005). As Misericórdias Portuguesas na Assistência aos Idosos. Observatório de Idosos
e Grandes Dependentes, União das Misericórdias Portuguesas. Lisboa: Fundação Oriente.
Leahy, R., L. (2006). Técnicas de Terapia Cognitiva – Manual do terapeuta. Porto Alegre: Artmed.
Lidel Vieira, E., B. (2004).Manual de Gerontologia: Um Guia Teórico-Prático para Profissionais, Cuidadores e Familiares. 2ª
Ed. Riode Janeiro: Revinter
Martins, B. (2010). Psicologia do Envelhecimento e do Idoso. 4 Ed. Porto: Livpsic
Montgomery, S., A. (2000). Ansiedade e depressão. Lisboa: Climepsi Editores.
Osório, A., R., & Pinto, F.,C. (2007). As Pessoas Idosas: Contexto Social e Intervenção Educativa. Lisboa: Instituto Piaget.
Parente, M., A., M., P. (2006). Cognição e Envelhecimento. Porto Alegre: Artmed Editora.
Prista Guerra, M., & Lima, L. (2005). Intervenção psicológica em grupos em contextos de saúde. Lisboa: Climepsi.
Ribeiro, O., & Paúl, C. (2011). Manual de Envelhecimento Activo. Porto.
Teixeira, J, (2007). A Psicologia e o Centro de Saúde do século XXI. Analise Psicológica, 25 (2), 311-313.
Vaz Serra, A. (2011). O Stress na Vida de Todos os Dias. (3ª Ed.). Coimbra: Adriano Vaz Serra.
Veras, R. P., & Caldas C. P. (2004). Promovendo a saúde e a cidadania do idoso: o movimento das universidades da
terceira idade. Ciências e Saúde Coletiva, 9 (2), 423- 432

Competências profissionais

Estratégia profissional Estratégia Profissional: O psicólogo é confrontado na sua prática diária com situações de sofrimento, angústia, crises
pessoais e familiares, o que implica por parte do profissional congruência, comportamentos éticos e deontológicos. Assim
sendo, durante o percurso de estágio adotei como estratégia profissional uma postura de empatia, de escuta ativa,
Desenvolvimento profissional
fundada na compreensão das problemáticas apresentadas pelo utente e na dedicação à credibilização da profissão, de
contínuo
forma a consciencializar a população e os profissionais sobre a importância da intervenção psicológica, evidenciando como
principais objetivos a promoção do bem-estar e da qualidade de vida do utente. Optei pela partilha de conhecimentos com
Relações profissionais outros profissionais de saúde, o que considero fundamental para a qualidade dos serviços prestados. Enquanto estagiária
demonstrei como propósito a adaptação às necessidades, ao ritmo e singularidades de cada paciente.
Investigação e desenvolvimento Desenvolvimento Profissional Contínuo: No decorrer do estágio profissional mantive um nível elevado de actualização
científica, leitura regular de artigos científicos e livros a nível nacional e internacional, assim como a participação activa
em workshops, palestras e formações, reconhecendo a necessidade de formação contínua e especializada no futuro.
Gestão de clientes Relações Profissionais: A partilha de conhecimentos e experiências entre profissionais origina maior sucesso nas
intervenções, contribuindo como tal, para uma melhor qualidade de vida do paciente. As equipas multidisciplinares são
Qualidade imprescindíveis, visto proporcionarem troca de ideias e saberes de forma a desenvolver conhecimentos e competências no
profissional. Ficou reconhecida não só a relevância e campo de atuação da psicologia, nas suas vantagens e nos seus
limites, como também a exigência de respeitar as competências de outros profissionais. Os resultados obtidos em trabalho
Auto-avaliação de equipa (psicologia, medicina, enfermagem, educação social, entre outros) consolidaram-se em termos de organização,
avaliação, reflexão e análise crítica, fomentando o espírito de equipa e privilegiando uma intervenção multidisciplinar.
Auto-avaliação: O percurso efetuado durante o estágio profissional motiva para uma constante atualização de
conhecimentos, de competências necessárias ao exercício da Psicologia, constituindo um exercício prático e teórico, um
desafio aliciante, proporcionando momentos de auto-reflexão e auto-avaliação, permitindo refletir sobre os objetivos e
resultados atingidos. Assim sendo, denoto maior capacidade de comunicação e mais saber em compreender o outro, tendo
contribuído para este resultado a reflexão crítica, a automonitorização e a supervisão da orientadora de estágio.
3. AVALIAÇÃO GERAL Avaliação
Comentários
(avaliação quantitativa) 1 2 3 4
Objectivos gerais X
Actividades desenvolvidas X
Condições físicas do ambiente X
Condições técnicas do ambiente X
Integração na entidade receptora X
Competências teóricas adquiridas X
Competências práticas adquiridas X
Cumprimento de objectivos previstos X
Apoio recebido na entidade receptora X
Apoio por parte do orientador(a) X
Outros:

1 Inadequado 2 Pouco adequado 3 Adequado 4 Completamente adequado

4. APRECIAÇÃO FINAL
(comentários, sugestões)
Considero o Estágio Profissional a ponte imprescindível entre a formação académica/teórica e a verdadeira realidade. Realidade essa, em que por vezes o
estagiário não tem a noção do elevado grau de responsabilidade que se avizinha, sendo confrontado com dificuldades e limitações, despertando assim o interesse
e a necessidade para a contínua aprendizagem no sentido de promover a capacidade de abarcar com segurança os casos com que é deparado. Foi sem dúvida
alguma, uma experiência única que me permitiu não só aplicar e consolidar conhecimentos adquiridos na formação do curso de Psicologia Clínica da Saúde, como
fortalecer e diversificar as minhas competências profissionais. O local de estágio e seus profissionais proporcionaram as condições fundamentais ao
desenvolvimento do estágio, de acordo com os objetivos previamente delineados, comprovando que com a colaboração de todos é mais fácil alcancar o sucesso.
Foi perceptível no decorrer do estágio profissional a preocuparação da organização com a qualidade dos serviços prestados e com a exigência da qualidade da
contribuição do Psicólogo, de quem se espera um vigoroso contributo direcionado para o bem-estar psicológico e qualidade de vida dos utentes. Considero que
este ano de estágio profissional foi uma experiência desafiante e enriquecedora, quer em termos pessoais quer em termos profissionais uma vez que estamos
perante uma população (idoso/familiar) que se encontra numa posição de maior vulnerabilidade e sofrimento, motivado por doenças e alterações no seu modo de
vida. É gratificante concluir que, enquanto profissional de Psicologia, ao agir eticamente poderei contribuir para a promoção do respeito pela diginidade e
direitos do Ser Humano.