Você está na página 1de 3

PORTUGUÊS

● ANOTAÇÃO DA AULA
Quando o verbo vir estiver conjugado no futuro do subjuntivo, será vier e não vinher.
- Exemplo: Quando eu vier.

O verbo vir deve ser substituído pelo verbo ver, quando se encontrar no futuro do subjuntivo.

Os verbos “for” e “vir” são formas flexionadas no modo subjuntivo dos verbos de movimento “ir” e
“vir”?
- Naquela frase, “For” e “vir” não dão ideia de movimento, e sim dos verbos “ser” e “ver” serem
conjugados no futuro subjuntivo.

Os verbos “trazer” e “chegar” não estão corretos ao serem conjugados como “trago” e “chego”.

Caso o verbo “querer” seja conjugado com a letra “z”, como “eu quiz”, estará incorreto
- Deve ser escrito desta forma: “eu quis”.

Os verbos em mario são mediar, ansiar, incendiar, intermediar e odiar.

“Fui eu que respondi a questão” - Forma correta.


“Foi eu que respondi a questão” - Forma errada.

Na conjugação, “Que” é classificado como “presente subjuntivo”, exemplos: que eu, que tu, que ele[...]
Também na conjugação, “Quando” é classificado como “futuro subjuntivo”- quando eu, quando tu,
quando ele[...]

- Significados das seguintes palavras:


Provir: abastecer.
Intervir: parar, impedir.
Convir: concordar.
Advir: “vir junto”.
Sobrevir: “algo que vem depois, fica por cima”.

● VOZES VERBAIS
Os verbos apresentam flexão em voz. As vozes do verbo indicam se o sujeito gramatical é o agente ou
o paciente da ação verbal, ou seja, se pratica ou se sofre a ação.

Existem três vozes verbais no português: ativa, passiva e reflexiva.

Voz ativa: Ocorre quando o enunciado evidencia que o sujeito pratica a ação (também chamado de
sujeito agente). Nesse caso, o sujeito é aquele que executa, de modo ativo, a ação ocorrida no
enunciado, portanto, o agente fica em evidência.

Exemplos:
O rapaz ouve a moça no rádio.
Sujeito agente + verbo na voz ativa + continuação do predicado

Uma criança feriu seu filho na escola.


Sujeito agente + verbo na voz ativa + continuação do predicado

As meninas lerão muitos livros.


Sujeito agente + verbo na voz ativa + continuação do predicado
Voz passiva: Evidencia o sujeito que sofre determinada ação (o chamado sujeito paciente). Logo, a
voz passiva pode ser usada para evidenciar não o agente, e sim quem está sendo impactado por ela.
A voz passiva pode ser classificada em duas:

- Voz passiva analítica: As frases devem apresentam a seguinte estrutura:


Sujeito paciente + verbo auxiliar (ser, estar, ficar, entre outros) + verbo principal da ação conjugado
no particípio + agente da passiva.
Exemplos:
A moça é ouvida pelo rapaz no rádio.
Sujeito paciente + verbo auxiliar e verbo principal na voz passiva + continuação do predicado

Seu filho foi ferido por uma criança na escola.


Sujeito paciente + verbo auxiliar e verbo principal na voz passiva + continuação do predicado

Muitos livros serão lidos pelas meninas.


Sujeito paciente + verbo auxiliar e verbo principal na voz passiva + continuação do predicado

- Voz passiva sintética: É formada pelo acréscimo do pronome pessoal se, na função de partícula
apassivadora, a uma forma verbal na 3ª pessoa. As frases devem apresentam a seguinte
estrutura:
verbo transitivo + pronome se + sujeito paciente

Exemplos:
Cria-se muito gado aqui.
Verbo principal na voz ativa + partícula apassivadora (se) + sujeito paciente + continuação do
predicado

Não se vê uma pessoa nesta sala.

Alugam-se apartamentos.
Verbo principal na voz ativa + partícula apassivadora (se) + sujeito paciente

Descobre-se sempre o culpado.

Voz reflexiva: O sujeito executa a ação em si mesmo, ou seja, ele é o sujeito agente por executar a
ação e o sujeito paciente por sofrer a própria ação executada. Apresenta, obrigatoriamente, um
pronome oblíquo reflexivo (me, te, se, nos, vos, se) que atua como objeto de um verbo na voz ativa.
Exemplos:
Ele se feriu com a tesoura.
Alimento-me sempre de forma saudável.
Eles olharam-se longamente.

OBS: O pronome oblíquo que acompanha o verbo possui função sintática de objeto, ou seja, embora
esteja ligado ao verbo, seu significado está ligado ao objeto do enunciado.

Conversão da voz ativa na voz passiva analítica


● O sujeito se transforma em agente da passiva.
● O objeto direto se transforma no sujeito da passiva.
● O verbo transitivo se transforma em locução verbal.

Exemplo de conversão da voz ativa na voz passiva analítica:


Voz ativa: O diretor alterou o horário de funcionamento da empresa.

● O sujeito (o diretor) passa para agente da passiva (pelo diretor).


● O objeto direto passa para sujeito da passiva (o horário de funcionamento da empresa).
● O verbo transitivo (alterou) passa para locução verbal (foi alterado).

Voz passiva analítica: O horário de funcionamento da empresa foi alterado pelo diretor.

Conversão da voz ativa na voz passiva sintética


● O objeto direto se transforma no sujeito da passiva.
● O sujeito se transforma na partícula apassivadora se.
● Não há agente da passiva e o verbo transitivo mantém-se.

Exemplo de conversão da voz ativa na voz passiva sintética:

Voz ativa: O diretor alterou o horário de funcionamento da empresa.

● O objeto direto passa para sujeito da passiva (o horário de funcionamento da empresa).


● O sujeito (o diretor) passa para partícula apassivadora (se).
● Não há agente da passiva e o verbo transitivo mantém-se.

Voz passiva sintética: Alterou-se o horário de funcionamento da empresa.

Sara Ingrid Rodrigues Linhares

Você também pode gostar