Você está na página 1de 7

CONTABILIDADE I (CONCEITOS BÀSICOS)

UNIDADE VI – Critérios de Avaliação de Estoques

1. Preço Específico

O critério de avaliação Preço Específico consiste em atribuir, a cada unidade do


Estoque, o preço efetivamente pago por ela.
Esse critério só pode ser utilizado para Mercadorias de fácil identificação física,
como imóveis para revenda e veículos.
Exemplo:
Suponhamos os seguintes Fatos ocorridos durante o Exercício de x5, na
empresa comercial Veículos Vale Ltda:
1) Em 05/10 – compra de um automóvel marca Halley, chassi nº 2.000, por R$ 20.000.
2) Em 10/10 – compra de um automóvel marca Lord, chassi nº 134, por R$ 45.000.
3) Em 13/10 – compra de um automóvel marca Gurgel, chassi nº 22.221, por
R$ 22.000
Vamos assumir que, durante o referido período, tenha sido vendido o
automóvel marca Lord, chassi nº 134. Neste caso, no final do período, as duas unidades
remanescentes em Estoque serão avaliadas, cada uma delas pelo respectivo custo da
aquisição, pois esse tipo de Mercadoria possibilita facilmente tal identificação.

2. PEPS

Por este critério, atribuem-se aos Estoques os custos mais recentes.


A expressão “Primeiro que Entra, Primeiro que Sai (PEPS) é tradução da
expressão inglesa First In, First Out (FIFO).
Vamos considerar os seguintes Fatos ocorridos na empresa comercial Moura
Ribeiro S/A, atacadista de portas de mogno, tamanho 2,20 x 0,80 m:

1) Em 05/02 – aquisição, do Fornecedor Pereira Ltda., de 100 portas, por R$ 100


cada, conforme NF nº 7.002.
2) Em 08/02 – venda ao cliente Depósito Umaitá Ltda., de 20 portas, conforme NF
nº 101.
3) Em 10/02 – aquisição, do Fornecedor Pereira Ltda., de 50 portas por R$ 113
cada, conforme NF nº 8.592.
4) Em 19/02 – aquisição, do Fornecedor Pereira Ltda., de 50 portas por R$ 159
cada, conforme NF nº 9721.
5) Em 20/02 – devolução ao Fornecedor Pereira Ltda., de 10 portas, conforme NF
nº 115.
6) Em 27/02 venda ao cliente Taboão S/A, de 140 portas, conforme NF nº 102.
7) Em 28/02 – recebimento em devolução, do cliente Taboão S/A, de 5 portas,
conforme NF nº 142.

1
CRITÉRIO DE CONTROLE: PEPS
MERCADORIA: Portas de Mogno Tamanho 2,20 x 0,80 m
ENTRADAS SAÍDA SALDO
HISTÓRICO

QUANT CUST CUSTO QUANT CUST CUSTO QUAN CUST CUSTO


UNIT. TOTAL UNIT. TOTAL UNIT TOTAL

05/02 NF nº 7.002 100 100 10.000 - - - 100 100 10.000


08/02 NF nº 101 - - - 20 100 2.000 80 100 8.000
10/02 NF nº 8.592 50 113 5.650 - - - 80 100 8.000
50 113 5.650
130 13.650
19/02 NF nº 9.721 50 159 7.950 - - - 80 100 8.000
50 113 5.650
50 159 7.950
180 21.600
20/02 NNF nº 115 (10) 159 (1.590) - - - 80 100 8.000
50 113 5.650
40 159 6.360
170 20.010
27/02 NF nº 102 - - - 80 100 8.000
50 113 5.650
10 159 1.590
140 15.240 30 159 4.770
28/02 NFE nº 142 - - - (5) 159 (795) 35 159 5.565
TOTAIS 190 22.010 155 16.445 35 159 5.565

OBSERVAÇÕES:

- na coluna de saldo são controladas as quantias estocadas, devidamente separadas ou


identificadas pelos respectivos custos de aquisição. A cada venda, a baixa sempre deve
ser feita a partir dos custos mais antigos, no caso, pelos menores custos. Assim, o uso
desta ficha possibilita o controle das quantias estocadas pelos preços mais recentes. Por
isso, esse critério é denominado Primeiro que Entra, Primeiro que Sai.

- As Devoluções de compras efetuadas aos Fornecedores são lançadas negativamente


(entre parênteses) na coluna das entradas. Por outro lado, as Devoluções de vendas
recebidas no final do período – normalmente no final do ano -, deve-se encerrar cada
uma das Fichas de Controle de Estoques. A soma algébrica da coluna das entradas
refletirá o total das compras efetivas, enquanto a soma algébrica da coluna das saídas
refletirá o total das saídas efetivas, sou seja, o Custo das Mercadorias Vendidas. Na
coluna do saldo estará evidenciado o valor do Estoque Final.

2
NOTAS:

- As Devoluções de compras deverão ser registradas na Ficha de Controle de Estoques


pelo valor pago ao Fornecedor por ocasião da respectiva compra.
- As Devoluções de vendas deverão ser lançadas pelos mesmos valores das respectivas
saídas.
- Os gastos eventuais, tanto na Devolução de compras como na Devolução de vendas
(Fretes, Seguros etc.) deverão ser considerados Despesas Operacionais (e não Custo).
Portanto, não serão lançados nas Fichas de Controle de Estoques.

3. UEPS
Por este critério, atribuem-se aos Estoques os custos mais antigos.
A expressão “Último que Entra, Primeiro que Sai (UEPS) é tradução da
expressão inglesa Last In, First Out (LIFO).

CRITÉRIO DE CONTROLE: UEPS


MERCADORIA: Portas de Mogno Tamanho 2,20 x 0,80 m
ENTRADAS SAÍDA SALDO
HISTÓRICO

QUANT CUST CUSTO QUANT CUST CUSTO QUAN CUST CUSTO


UNIT. TOTAL UNIT. TOTAL UNIT TOTAL

05/02 NF nº 7.002 100 100 10.000 - - - 100 100 10.000


08/02 NF nº 101 - - - 20 100 2.000 80 100 8.000
10/02 NF nº 8.592 50 113 5.650 - - - 80 100 8.000
50 113 5.650
130 13.650
19/02 NF nº 9.721 50 159 7.950 - - - 80 100 8.000
50 113 5.650
50 159 7.950
180 21.600
20/02 NNF nº 115 (10) 159 (1.590) - - - 80 100 8.000
50 113 5.650
40 159 6.360
170 20.010
27/02 NF nº 102 - - - 40 159 6.360
50 113 5.650
50 100 5.000
140 17.010 30 100 3.000
28/02 NFE nº 142 - - - (5) 100 (500) 35 100 3.500
TOTAIS 190 22.010 155 18.510 35 100 3.500

3
OBSERVAÇÃO:

A exemplo do que ocorre com o critério PEPS, na coluna do saldo são controlados as
quantias estocadas, devidamente separadas ou identificadas pelos respectivos custos de
aquisição. A cada venda, a baixa sempre deve ser feita a parti dos custos mais recentes,
que, no nosso exemplo, correspondem aos maiores custos. Assim, o uso desta ficha
possibilita o controle das quantias estocadas pelos preços mais antigos. Por isso este
critério é denominado Último que Entra, Primeiro que Sai.

NOTA:

A adoção do critério UEPS apresenta pelo menos duas implicações: uma delas é
de ordem técnica, e a outra fiscal.

a) Implicação do posto de vista técnico: se a empresa adotar a política de


Estoque mínimo e não zerar o estoque antes de efetuar novas compras, com a
inflação e troca de moeda – fatos muito comuns no Brasil nas últimas duas
décadas do milênio passado – os valores das moedas antigas se tornarão tão
irreais que causarão problemas para valorizar as unidades remanescentes em
Estoque.
b) Implicação do ponto de vista fiscal: a atribuição de preços mais recentes para
as Mercadorias vendidas e de preços mais antigos para os estoques
remanescentes resultará em lucros menores e, consequentemente, os valores
dos impostos recolhidos também serão menores. Em razão disso, o Governo
brasileiro não aprova a adoção desse critério.

4. INVENTÁRIO DE MERCADORIAS

Consiste no levantamento físico das Mercadorias existentes em Estoque no final


do Exercício Social, realizado para se conhecer o valor do Estoque Final de
Mercadorias.

Quando a empresa adota o sistema de Inventário Permanente, a atribuição de


custos às Unidades estocadas será feita mediante consulta às respectivas Fichas de
Controle de Estoques de cada mercadoria. Assim, os custos serão atribuídos conforme
constarem das Fichas de Estoques, seja qual for o critério de avaliação adotado pela
empresa (PEPS, UEPS, ou outro).
Quando a empresa adota o Sistema de Inventário Periódico, por não ,manter
Fichas de Controles de Estoques de Mercadorias, a maneira mais sensata para se
atribuir custos às unidades estocadas será adotar o critério PEPS, recorrendo-se às
últimas Notas Fiscais de compra. Se, por exemplo, no final do Exercício Social
constarem em Estoques 50 unidades de determinada mercadoria e contendo a última
Nota Fiscal de compra, datada de 15 de dezembro, apenas 30 unidades, a essas 30
unidades serão atribuídos os custos da referida NF, sendo que para as 20 unidades
remanescentes recorrer-se-á à penúltima NF; se esta ainda for insuficiente, , recorrer-

4
se-á à antepenúltima NF, e assim sucessivamente, até que sejam atribuídos custos a
todas as unidades existentes em Estoque.

NOTA:

No momento da elaboração do Balanço Patrimonial, a avaliação dos estoques


obedecerá aos critérios estabelecidos no artigo 183 da Lei nº 6.404/76, ou seja, o Custo
de Aquisição deduzido da Provisão para ajustá-lo ao valor de mercado quando este for
inferior. Tendo em vista o caráter introdutório da obra, não trataremos da constituição
desta Provisão.

5. RESULTADO COMPLETO DA CONTA MERCADORIAS

5.1 Fórmulas

Conforme já estudamos, os valores das compras e das vendas podem sofrer


alterações em função de Compras e Vendas Anuladas, Descontos ou Abatimentos
Incondicionais Obtidos ou Concedidos, Fretes e Seguros sobre Compras, além de
tributos incidentes sobre as compras e vendas.
Assim, para apurarmos o Resultado da Conta Mercadorias em empresas
comerciais, nas quais durante o ano ocorreram Fatos que alteraram os valores das
compras e das vendas, utilizaremos as seguintes fórmulas:

1ª Fórmula: CMV = EI + (C + FC – CA – DIO – AC) - EF

Em que:

CMV = Custo das Mercadorias Vendidas


EI = Estoque Inicial
C = Compras de Mercadorias
FC = Fretes e Seguros sobre Compras
CA = Compras Anuladas
DIO = Descontos Incondicionais Obtidos
AC = Abatimentos sobre Compras
EF = Estoque Final

2ª Fórmula: RCM = (V – VA – DIC – AV – TRIBUTOS) - CMV

Em que:

RCM = Resultado da Conta Mercadorias


V = Vendas de Mercadorias
VA = Vendas Anuladas
DIC = Descontos Incondicionais Concedidos
AV = Abatimentos sobre Vendas
TRIBUTOS = Compreendem os Impostos, Taxas e Contribuições

5
incidentes sobre as vendas, como o ICMS, o PIS sobre Faturamento e a COFINS.
CMV = Custo das Mercadorias Vendidas

Portanto, para contabilizarmos o Resultado da Conta Mercadorias quando


aparecem Fatos que alteram os valores das compras e vendas, o procedimento que
sugerimos é o mesmo já estudado para as fórmulas simplificadas do CMV e do RCM,
ou seja, primeiramente transferem-se para a Conta CMV todos os valores dos
elementos que compõem a respectiva fórmula (na ordem em que aparecem na
fórmula); em seguida, procede-se da mesma maneira em relação ao RCM.

Observe-se que na fórmula do CMV, colocamos entre parênteses o conjunto


(C + FC – CA - DIO – AC), que nos permite conhecer o valor das compras líquidas; e,
fórmula do RCM, colocamos entre parênteses o conjunto (V – VA – DIC – AV –
TRIBUTOS), que nos permite conhecer o valor das vendas líquidas.

ESTUDO DIRIGIDO

1. Cite três critérios que podem ser utilizados para valorização dos estoques.

2. Em que consiste o critério do Preço Específico?

3. Vendas de Mercadorias menos Custo das Mercadorias Vendidas é igual ao


_____________________ do exercício?

4. O Resultado da Conta Mercadorias, quando credor, representa o


____________________________.

5. Qual a fórmula do Custo das Mercadorias Vendidas?

6. Qual a fórmula do Resultado da Conta Mercadorias?

6
ATIVIDADES PRÁTICAS

1 – Considere os seguintes Fatos ocorridos em uma empresa comercial, durante o mês


de abril:

a) No dia 5, compra à vista, de 10 martelos marca Orelha, por R$ 5 a unidade.


b) No dia 8, compra, à vista, de 10 martelos marca Orelha, por R$ 6 a unidade.
c) No dia 20, venda , à vista, de 14 martelos marca Orelha.

Pede-se:

Supondo que não havia Estoque Inicial, indique o valor do Estoque Final em 30 de
abril utilizando cada um dos seguintes critérios: PEPS E UEPS

2 – Apure o Resultado da Conta Mercadorias efetuando os cálculos extracontábeis.


Depois, faça a respectiva contabilização em partidas de Diário.

- Estoque de Mercadorias (EI) ................................................ R$ 400


- Compras de Mercadorias ...................................................... 630
- Compras Anuladas ................................................................ 30
- Vendas de Mercadorias ......................................................... 2.090
- ICMS sobre vendas ............................................................... 230
- PIS sobre Faturamento .......................................................... 17
- COFINS ................................................................................ 60
- Vendas Anuladas ................................................................. 20
- Descontos Incondicionais Concedidos ................................. 50
- Estoque Final de Mercadorias .............................................. 700