Você está na página 1de 217

“Anos atrás, minhas filhas e esposa estavam inalando as histórias de

Robin Gunn e as amando, então eu tive que dar uma olhada para
descobrir o porquê. Eu fiz. Os personagens de Robin são verossímeis, e
suas histórias têm a mistura certa de esperança, corações partidos,
decepções, diversão alegre, alegria e uma perspectiva eterna. O Senhor
Jesus sempre desempenha um papel, seja nos bastidores ou no meio
das coisas. Robin vive a fé que é tão evidente em seus livros. Ela sabe
como contar uma história - e as histórias que ela conta fazem uma
diferença eterna. ”
R ANDY A LCORN, AUTOR DE D EADLINE
“Quando você lê um livro de Robin Gunn, sabe que receberá uma terna
lição sobre o que significa pertencer a Cristo - e você será abençoado
por isso.”
F RANCINE R IVERS , AUTOR OF R EDEEMING L OVE AND
T HE H ARK DO G ION S ERIES

“Felizmente o calor, a percepção e o humor de Robin transbordam de


seu coração para a página escrita. Ela nos encanta com o tecido bem
tecido de uma história bem contada e tenho certeza de que Robin
encanta o Senhor com sua óbvia paixão por ele. ”
P ATSY C LAIRMONT AUTOR OF G OD U SES C RACKED P OTS E S PORTIN ' A ' T UDE

“Robin Jones Gunn se preocupa. Ela se preocupa com seus


personagens, ela se preocupa com seus leitores e, acima de tudo, ela
se preocupa com a busca mútua por uma vida que agrade ao Senhor.
Seus romances são uma delícia de ler - perfeitamente elaborados,
comoventes e divertidos. Sempre fico emocionado quando um dos
livros de Robin aparece no topo da minha pilha de livros
para serem lidos ! ”
G IZ C Urtis H IgGs , AUTOR DO M IXED S IGNALS , B OOKENDS , E B AD L IRLS DA B IBLE

“Robin Jones Gunn é um daqueles raros e maravilhosos escritores que


infundem suas histórias com doses abundantes de humor, sabedoria e
calor humano. Seus livros tocaram e mudaram incontáveis corações e
deram a uma geração inteira de leitores uma série de personagens
fictícios que se sentem como amigos queridos! ”
C Arole L IFT P AGE, AUTOR DO H EARTLAND M EMORIES S ERIES

“Sempre que penso em histórias que tocam o coração, penso em Robin

Jones Gunn. Eles tocam meu coração e me deixam querendo mais. Ler
um romance de Robin Jones Gunn é como passar um tempo com um
bom amigo ... os problemas são mais leves e as alegrias são mais
profundas. ”
Um PIOLHOS L RAIO, AUTOR DO S CIAS PARA O H EART LIVRO COLLECTION

“Robin Jones Gunn escreve com um coração de amor. Suas ternas


histórias honram o Salvador e falam a verdade a um mundo
desesperadamente ansioso por ouvi-la. ”

Um ngela E LWELL H UNT, AUTOR DO T HE t RUTH T ELLER

“Robin Gunn é uma contadora de histórias talentosa e sincera que vai


direto ao cerne da questão com seus leitores.”
M ELODY C ARLSON, AUTOR DE H OMEWARD

T HE G LENBROOKE S ERIES
T ITLES NO G LENBROOKE S ERIES
# 1 segredos

# 2 Sussurros

# 3 Ecos

# 4 pôr do sol

# 5 Nuvens

# 6 Cachoeiras

# 7 Woodlands

# 8 Wildflowers
Esta é uma obra de ficção. Os personagens, incidentes e diálogos são produtos da imaginação
do autor e não devem ser interpretados como reais. Qualquer semelhança com eventos ou
pessoas reais, vivas ou mortas, é mera coincidência.
CACHOEIRAS
publicado por Multnomah Books

© 1998 por Robin's Ink, LLC


Número de livro padrão internacional: 978-1-59052-231-8

Design da capa e imagens de Steve Gardner / His Image PixelWorks


As citações das escrituras são de:
The Holy Bible , New International Version © 1973, 1984 pela International Bible Society, usada
com permissão da Zondervan Publishing House

A Bíblia Sagrada , Nova Versão King James © 1984 por Thomas Nelson, Inc.
Publicado nos Estados Unidos pela WaterBrook Multnomah, uma marca da Coroa
Publishing Group, uma divisão da Random House Inc, Nova York

M ULTNOMAH e seu colofão da montanha são marcas registradas da Random House Inc.

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS


Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, armazenada em um sistema de
recuperação ou transmitida, em qualquer forma ou por qualquer meio - eletrônico, mecânico,
fotocópia, gravação ou outro - sem permissão prévia por escrito.
Para informação:
LIVROS MULTNOMAH
11265 Oracle Boulevard, Suite 200
Colorado Springs, Colorado 80921
Dados de Catalogação na Publicação da Biblioteca do Congresso Gunn, Robin Jones, 1955–
Cachoeiras / de Robin Jones Gunn. p. cm. eISBN: 978-0-307-82467-7

I. Título. PS3557.U4866W36 1998 97-36524


813′.54 — dc21

v3.1

Para meu pai ,


Travis Garland Jones,
com todo meu coração .
Conteúdo
Cobrir
Folha de rosto
direito autoral
Dedicação
Epígrafe

Capítulo um
Capítulo dois
Capítulo três
Capítulo quatro
Capítulo Cinco
Capítulo Seis
Capítulo Sete
Capítulo Oito
Capítulo Nove
Capítulo Dez
Capítulo Onze
Capítulo Doze
Capítulo Treze
Capítulo Quatorze
Capítulo Quinze
Capítulo Dezesseis
Capítulo Dezessete
Capítulo Dezoito
Capítulo Dezenove
Capítulo Vinte
Capítulo Vinte e Um
Capítulo Vinte e Dois
Capítulo Vinte e Três
Capítulo Vinte e Quatro
Capítulo Vinte e Cinco
Capítulo Vinte e Seis

Capítulo Vinte e Sete


Capítulo Vinte e Oito
Capítulo Vinte e Nove
Capítulo Trinta
Capítulo Trinta e Um
“Chamadas profundas para as profundezas do
rugido de suas cachoeiras; todas as suas ondas e
arrebentações me atingiram. ”
P SALM 42: 7

Capítulo um

M
M eredith Graham rasgou a bolsa do tamanho de uma amostra da
máscara facial Sweet Avocado Bliss e leu as instruções em voz alta.
“Aplicar generosamente no rosto e pescoço. Deixe secar por quinze
minutos ou até que a máscara comece a endurecer e rachar. Enxágüe
com água morna. Seque. ”
Olhando para sua imagem no espelho do banheiro de hóspedes ,
Meredith começou a seguir as instruções, usando movimentos
ascendentes da garganta ao queixo. Ela ouvira uma vez que todas as
loções e produtos de limpeza deveriam ser aplicados com movimentos
para cima, como um ato de desafio à gravidade. Não que seu rosto de
vinte e quatro anos estivesse pronto para uma guerra contra a
gravidade. Meredith gostava de pensar que tinha algum controle sobre
sua aparência.
É por isso que ela pintou o cabelo. Ela fez isso por anos. Uma de
suas três irmãs mais velhas, Shelly, tinha provocado Meredith algumas
semanas atrás, dizendo que ela era uma morena em recuperação. O
marido de Shelly, Jonathan, acrescentou: “Sim, ela continua recobrindo
as raízes da morena”.
Meredith não se importou. Naquele exato momento, ela tinha o
alarme do relógio ajustado para 25 minutos e usava um boné de
plástico azul alegre sobre os cabelos curtos, encharcados e tingidos.
Seu rosto agora estava coberto por um tom sutil de limão. E ela estava
aproveitando cada minuto deste tratamento real.
Ela ergueu as sobrancelhas e observou as rugas se formando em
sua testa. Parecia a aparência de sua mãe quando ela estava
preocupada, e Meredith não gostava disso. Para ela, as pessoas que
andavam por aí com testas enrugadas e preocupadas eram pessoas
que não tinham

imaginações.
Meredith ergueu o queixo e verificou a pegajosa loção verde que
secava rapidamente em seu pescoço. Ela enfiou o gorro de plástico
azul atrás da orelha direita e fez uma careta horrível no espelho quando
a máscara secante rachou em seu rosto. Com sua melhor gargalhada,
Meri apertou o olho esquerdo e disse: "Eu ainda vou pegar você, minha
linda!"
A música country-western que flutuava no rádio portátil terminou em
sua terceira gargalhada, e Meredith ouviu com atenção. “São 8h42 de
um lindo primeiro sábado de manhã de maio”, disse a voz suave da
locutora. “Estamos procurando uma alta hoje no vale de Glenbrooke de
setenta e oito graus. Baixa esta noite por volta de sessenta com céu
parcialmente nublado amanhã de manhã. Máximas amanhã perto de
setenta. ”
"Perfeito", Meri murmurou, seus lábios começando a apertar nos
cantos. "Estou usando shorts."
O rádio começou a tocar uma música com letras repetitivas sobre
uma garota, uma caminhonete e um cachorro. Meredith desligou o
botão e vasculhou sua bolsa de cosméticos em busca de pasta de
dente e sabonete para viagem. Não que ela precisasse usar o seu
próprio. Jessica e Kyle forneceram bastante de tudo para os
convidados que estavam hospedados em sua casa vitoriana
restaurada para o grande evento de fim de semana.
O quarto atribuído a Meredith era o Quarto Patchwork. Algumas das
mulheres de Glenbrooke haviam feito a colcha de retalhos que
enfeitava a grande cama de latão. Um quadrado emoldurado de tecido
de patchwork sobre a cama fazia parte de uma colcha feita por uma
pioneira que migrou para o oeste na trilha do Oregon há mais de 150
anos. Jéssica recebeu a peça preciosa da tataraneta da pioneira .
Este quarto da torre era originalmente um local de armazenamento
até que Jessica o transformou em outro quarto de hóspedes. Kyle
tinha recentemente construído este pequeno banheiro adjacente onde
Meredith estava, verificando o cronômetro em seu relógio. Mais quatro
minutos até que ela pudesse entrar no chuveiro.
O grande pontapé inicial no acampamento foi ao meio-dia, mas
Meredith havia prometido a sua irmã Shelly que ela iria aparecer mais
cedo para ajudar com todos os preparativos. Shelly e seu namorado de
infância, Jonathan, se casaram em Seattle há um ano neste fim de
semana. Eles se mudaram para Glenbrooke, onde trabalharam lado a
lado para desenvolver um centro de conferências na floresta. Kyle e
Jessica eram donos da propriedade e tinham a visão original do
acampamento. Cerca de seis meses atrás, em um amplo golpe de
generosidade e confiança, Kyle e Jess transformaram todo o projeto

para Jonathan e Shelly. E hoje foi a grande inauguração do Heather


Creek Conference Center.
Meredith esguichou um pouco de pasta de dente em sua escova de
dentes e deu outro sorriso marciano selvagem no espelho. Como o
pacote de amostra havia prometido, seu rosto parecia rachado. É hora
de entrar no chuveiro.
Antes de abrir a torneira, Meredith percebeu que não tinha roupas no
banheiro porque estava tentando decidir o que vestir. Ela havia feito a
cama toda doce e arrumada, quase como se temesse que sua mãe
viesse para ver como ela estava e repreendê-la se ainda não estivesse
feita. Então Meredith enfiou a bagagem ordenadamente no canto da
sala e decidiu que, se mamãe viesse fazer uma verificação do quarto,
ela não teria nada a criticar.
Meredith enfiou a escova de dentes na boca e começou a escovar os
dentes, sorrindo de sua própria aparência horrível no espelho. A “calota
craniana” tingida de azul , o rosto verde-limão rachado e a espuma
pingando do canto da boca eram uma visão e tanto. Se mamãe
checasse Meredith agora, ela teria um choque que mudaria sua vida .
Abrindo a porta do banheiro, Meredith entrou no quarto de hóspedes
e se dirigiu para suas malas no canto. O ar mais fresco do quarto gelou
suas pernas sob sua grande camisola azul enquanto seus pés
descalços percorriam o quarto. Ela abriu o zíper da bolsa com as duas
mãos, chupando a escova de dente na boca, e tirou a calcinha, uma
camisa branca de algodão e um short.
Levantando-se com os braços cheios, Meredith estava voltando para
o banheiro quando congelou no lugar. Ela largou o short e, a
contragosto, engoliu a espuma da pasta de dente na boca. Ela não
conseguia se mover. Ela não conseguia gritar. Tudo o que ela podia
fazer era olhar.
Um homem estava dormindo em sua cama. Ele estava com todas as
suas roupas - até mesmo os sapatos - e parecia que tinha caído na
cama desmaiado, com os braços estendidos para os lados e as
palmas para cima.
O homem abriu os olhos e depois os fechou. De repente, seus
grandes olhos castanhos se abriram novamente. Ele pulou na cama.
Ele olhou para Meredith e soltou um grito selvagem que parecia um
animal preso em uma armadilha.
Meredith gritou também.
"Quem é Você?" ele gritou.
"Quem é Você?" ela gritou de volta, segurando sua escova de dentes
como um punhal.
"O que você está fazendo no meu quarto?" O rosto do pobre coitado parecia

apavorado.
Meredith percebeu que seu rosto parecia, bem ... "Este é o meu
quarto!" ela gritou. "O que você está fazendo na minha cama?"
Em um estupor confuso, o homem caiu da cama e agarrou
freneticamente sua bolsa de roupas perto da porta. Com um último
olhar perplexo e horrorizado para Meredith, o Abacate Alien, o homem
alto e loiro ensolarado saiu pela porta.
Para um efeito dramático, ela bateu a porta e trancou-a com um
estalo. Ela ficou parada, de costas para a porta, ouvindo. Espera. Seu
coração batia forte. Imaginando se alguém os tinha ouvido ou se ele
voltaria. Ela esquadrinhou o quarto por mais algum de seus pertences.
Parecia que ele havia levado tudo.
Assim que seu pulso desacelerou, ela se afastou da porta e recolheu
suas peças de roupa espalhadas. Eu não posso acreditar que isso
aconteceu! Eu provavelmente não deveria ter gritado com o pobre rapaz.
Ele parecia terrivelmente confuso. O que estou dizendo? Ele invadiu
minha privacidade! Eu deveria ter jogado algo nele .
Marchando para o banheiro, Meredith ligou o chuveiro com um giro
da maçaneta. Suas mãos ainda tremiam. Realmente foi minha culpa. Eu
deveria ter trancado a porta. Mas como ele poderia ter colocado o quarto
errado? E por que ele estaria dormindo às nove da manhã?
Meri ajustou a cortina do chuveiro para que a água não pingasse no
piso de cerâmica. E se ele estivesse esperando por mim? Talvez ele faça
paisagismo por aqui, e ele ouviu que uma adorável jovem princesa estava
hospedada na torre do canto, e ele queria me conhecer então ...
Meredith se olhou no espelho, e o fantasioso conto de fadas
desapareceu com um puf. Ela sorriu. Então ela soltou sua risada
prateada e vibrante, espalhando-a por todo o chão do banheiro. “Olhe
para você, Meri Jane Graham. Você é um susto de se ver! Você
assustou aquele pobre coitado até a morte. ”
Ela entrou no chuveiro quente ainda rindo. Foi ótimo enxaguar a
tintura de cabelo fria e fedorenta e liberar seu rosto rachado.
Ele não parecia exatamente um paisagista. Meredith pensou no
cabelo do intruso. A cor era bonita demais para ser natural, ela decidiu.
Os raios de sol e manchas douradas não poderiam ter ficado assim tão
cedo no ano sem a ajuda de uma garrafa de água oxigenada. A menos
que ele vivesse em algum lugar onde o sol já estivesse fazendo seu
mal. Ele parecia muito bronzeado. Ela tentou se lembrar do que ele
estava usando. Jeans. Mocassins descuidados, cor de camelo , sem
meias - ela se lembrava dessa parte da roupa. E uma camisa de
algodão de manga curta

com uma impressão da ilha. Ela gostou da camisa. Talvez ele morasse
no Havaí. Ou nas Bahamas. Os pais de Jonathan moravam nas
Bahamas. Talvez esse cara tivesse vindo das Bahamas com os pais de
Jonathan.
Enrolando uma toalha em volta do cabelo e saindo do chuveiro,
Meredith percebeu algo dolorosamente inevitável. Ela veria este
homem novamente hoje. Ele era obviamente amigo de Kyle e Jessica;
caso contrário, ele não estaria aqui. E ele provavelmente era amigo de
Shelly e Jonathan ou não estaria aqui neste fim de semana. Ele era
possivelmente até um parente do lado de Jonathan. Ela não se
lembrava de tê-lo visto no casamento, mas então, se ele era um salva-
vidas nas Bahamas, talvez ele não pudesse tirar uma folga do resort.
Não, não é um salva-vidas. Isso seria muito adolescente para este
homem. Ele tinha uma certa aparência polida, mesmo em seu frenesi.
O profissional de golfe do resort. Sim, foi isso. Ele era um profissional
de golfe em um resort em uma ilha remota e costumava trabalhar para
a CIA.
Meredith parou de secar as pernas e se perguntou por que isso
parecia familiar. Ela estava bastante confortável com a maneira como
sua imaginação a mantinha entretida infinitamente com as linhas da
história. Geralmente eram contos fantásticos e rebuscados, vagamente
baseados em todas as parcelas que ela consumia diariamente em seu
trabalho como editora de aquisições. Por um ano e meio, ela havia
enchido seu macarrão com a criatividade de centenas, talvez milhares,
de escritores que apresentaram a ela suas melhores ideias para livros
infantis. A enorme quantidade de informações tinha cobrado seu
preço, e ela estava enfrentando seu primeiro risco ocupacional. Ela
nunca estava sozinha. Uma linha de história estava sempre ao seu
alcance para diverti-la ou confundi-la. Nesse caso, isso a confundiu.
Mas esta não era uma história infantil. Este era um enredo de um
filme. Ela conhecia essa trama. O agente da CIA tenta recuperar sua
vida normal; então ele se esconde em alguma ilha chique em um resort
francês, onde é contratado como profissional de golfe. Aí aquela nova
atriz… qual é o nome dela?… A loira de lábios finos, vem ao resort e…
É isso - Falcon Pointe! Eu amei aquele filme! O cara Cachinhos
Dourados na minha cama parece o ator daquele filme. Foi a camisa. O
cara da CIA no filme sempre usava camisas assim .
Meri tirou a toalha da cabeça e verificou suas raízes no espelho.
Nem uma pitada de marrom apareceu.
Morena em recuperação, não é? Bem, ninguém precisa saber.
Especialmente quando meu cabelo fica tão bom. Eu tenho que me
lembrar dessa sombra. Creme de mel. Estou comprando este de novo .
Meri examinou cuidadosamente o rosto dela. A máscara não pareceu

ajudaram ou prejudicaram. Talvez fosse o melhor que alguém poderia


pedir em um experimento.
Ela começou a pentear o cabelo e teve uma compreensão repentina
e agradável. O homem misterioso pode não reconhecê-la. Eles
inevitavelmente se veriam novamente, mas ela poderia ser
apresentada a ele, e ele nem saberia que ela tinha sido a criatura
gritando sob o chapéu azul. Era possivel. Pode ser. Esperançosamente.
Pelo menos em sua imaginação.
Ele era muito bonito, para um homem que estava no meio de um surto
. Meredith se vestiu e então ajeitou o cabelo seco no lugar com uma
parte lateral. Ela alisou as pontas elegantes com um modelador e
sorriu com o resultado. Ela adorava dias raros como este, quando seu
cabelo ficava perfeito. A maquiagem foi um piscar de olhos. Um pouco
de delineador marrom, um pouco de rímel, um giro rápido do tubo do
batom e ela estava pronta. Ela só precisava de botas e meias de
caminhada e estava a caminho do Centro de Conferências de Heather
Creek.
A menos, é claro, que ela encontrasse algum hóspede pobre e
perturbado vagando pelos corredores. Algum homem alto,
de olhos castanhos , em uma camisa de estampa tropical, que tinha
uma história assustadora para contar sobre uma criatura da lagoa
verde que tão rudemente interrompeu sua soneca. Então ela parava
para ouvir com simpatia e sugeria uma xícara de café para afugentar
os pensamentos de pesadelo.
Meredith sorriu para si mesma. Não era todo dia que ela ficava perto
de homens que a lembravam de estrelas de cinema. E ela tinha uma
queda por estrelas de cinema. Tudo começou na escola primária,
quando ela costumava dar uma espiada nas revistas de
estrelas de cinema de seus amigos . Ela havia usado a mesada que
ganhara com dificuldade para comprar pôsteres de seus amigos, e
então teve que escondê-los de seu pai, o respeitado ministro, que não
aprovaria que tais itens estivessem em casa.
Ela adorava filmes também. Agora que ela morava sozinha e
trabalhava em seu escritório em casa, Meri ia ao cinema pelo menos
uma vez por semana para sair de casa. Ela se lembrou do quanto havia
gostado do Falcon Pointe quando o viu quatro meses atrás. As revistas
famosas na fila do caixa do supermercado anunciaram o novo e
desconhecido ator daquele filme como "o próximo Tom Cruise". Qual
era o nome dele?
Meri tinha acabado de amarrar as botas quando alguém bateu na
porta. Volte para se desculpar, não é? Desculpas aceitas. Agora que tal
aquela xícara de café?
"Quem é esse?" ela gritou docemente antes de destrancar a
porta. “Meredith? É sua mãe. ”

Meredith revirou os olhos enquanto destrancava a porta. Quando ela


agarrou a maçaneta e estava prestes a abrir a porta, o nome do ator
saltou diante dela. Ela abriu a porta e disse animadamente para a mãe:
“Jacob Wilde! Esse é o nome dele! O cara na minha cama era Jacob
Wilde! ”
Capítulo dois

Eu nem vou perguntar, ”a mãe de Meredith disse, levantando a mão


em um gesto de silêncio. "Eu não quero saber do que você está
falando."

Os vincos na testa da mamãe não eram atraentes. Meredith tentou


engolir a risada. “Não estou dizendo que foi Jacob Wilde; Só estou
dizendo que ele se parecia com Jacob Wilde. O cara no meu quarto,
quero dizer. ”
Quando sua mãe não respondeu, Meri acrescentou calmamente: “Foi
engraçado, só isso. Esse cara estava na minha cama e parecia Jacob
Wilde do filme Falcon Pointe . Você já viu aquele filme? ”
O que estou dizendo? Claro que ela nunca viu esse filme .
“Não importa,” Meredith disse em uma voz de menina . Parecia a
melhor maneira de fazer mamãe apagar as divagações de Meredith.
“Eu vim para lhe dizer que seu pai e eu estamos prontos para ir ao
acampamento, caso você queira uma carona”, disse a mãe.
"Certo. Estou pronta, ”Meredith disse, seguindo sua mãe para o
corredor. As duas mulheres caminhavam lado a lado em silêncio. Ellen
Graham era apenas dez centímetros mais alta que Meri, mas poderia
ter dezoito centímetros do jeito que Meri se sentia agora. As coisas
entre os dois tinham ficado incomumente tensas nos últimos seis
meses, e a única maneira de Meredith de lidar com isso era bancar a
loira estúpida para que mamãe a ignorasse. Desde que Shelly se casou
e a irmã mais velha de Meri, Megan, se mudou para o Brasil com o
marido e duas filhas, Meredith sentiu que se tornara o projeto de sua
mãe. Meri tinha trabalhado duro para sua independência, mas agora
ela era a única

filha perto o suficiente para experimentar o que ela chamou de um passeio


sempre que mamãe sentia necessidade de encher uma de suas filhas
com perguntas ou de remarcar seu antigo território.
Meri esperava que essa viagem a Glenbrooke os ajudasse a aliviar
um pouco a tensão. Talvez, compartilhando o sucesso de Shelly, eles
pudessem voltar a ser como as coisas eram nos últimos cinco anos.
Até agora não parecia estar funcionando.
"Você tomou café?" Perguntou a mãe.
“Não, mas tudo bem. Eu não estou com fome. Comeremos o dia
todo no centro de conferências, tenho certeza. ”
“Jéssica tem um bufê maravilhoso preparado,” mamãe disse
enquanto desciam a escada sinuosa um com o outro. "Você deveria
comer um pouco antes de irmos."
"Eu vou", Meri prometeu, sabendo que a mãe iria assistir para ter
certeza que ela faria.
"Pronto, senhoras?" O pai de Meri estava parado ao pé da escada em
suas novas calças e camisa xadrez. Mamãe insistiu que ele usasse
algo novo e eles pararam na casa de Mervyn no dia anterior.
Engraçado , Meri pensou, papai parece mais natural com seu colarinho
de clérigo do que com essas roupas esportivas .
Ele era careca, tinha olhos castanhos e um sorriso terno. Sua
aparência se encaixa em seu papel de ministro, que ele habilmente
desempenhou por mais de trinta anos. Meredith gostava de seu pai.
“Estamos prontos,” Meredith respondeu.
“Depois de cumprimentar sua anfitriã e tomar café da manhã,”
mamãe disse em voz baixa.
Meredith sabia a direção que este dia estava tomando, e ela não
queria ir para lá com sua mãe. "Você sabe o que?" ela disse. "Por que
vocês dois não vão para o centro de conferências, e eu vou com Kyle e
Jessica."
"Tudo bem. Quer que eu dirija, Perry? ” A mãe disse. "Não
querido. Eu vou dirigir."
"Até logo", disse Meri enquanto seus pais saíam da grande entrada.
“Sim, em vinte minutos, então,” mamãe falou por cima do ombro.
Vinte minutos? De onde veio isso? Eu nunca disse nada
cerca de vinte minutos. Ela tem que ter tudo tão limpo e definido. Ela está
me deixando louco!
Meredith respirou fundo de paciência quando a porta se fechou atrás
de seus pais e ela se dirigiu para a cozinha. Nada, nem mesmo sua
mãe controladora, poderia arruinar seu dia maravilhoso . Houve

luz do sol para ser tida e celebrar para participar.


"Bom Dia!" Meredith cumprimentou Jessica, que estava no balcão da
espaçosa e moderna cozinha gourmet. "Como você está se sentindo?"

“Muito bom, na verdade,” Jessica respondeu. Ela era uma mulher de


coração terno com pele clara, uma aparência régia e uma cicatriz em
forma de meia-lua no lábio superior. Ela também estava grávida de
quatro meses. Mesmo que seu corpo ainda não parecesse grávido,
Meredith sabia que Jessica se sentia pesada. Ela não tinha perdido
peso depois que seu filho, Travis, nasceu há quase um ano e meio.
Jessica tinha experimentado enjôos matinais por muito mais tempo
nesta gravidez e estava apenas começando a superar isso.
"Como você dormiu?" Jessica perguntou, apontando para a jarra de
suco de laranja diante dela.
Meredith serviu-se de um grande copo e disse: "Eu dormi bem, mas
..." Ela tomou um longo gole de suco e observou Jessica se inclinar
ligeiramente para ouvir o resto da frase de Meredith.
"Mas eu tenho uma coisa para te
perguntar." "Qualquer coisa", disse
Jessica.
Meredith sabia que Jessica faria tudo o que pudesse para fazer Meri
se sentir confortável. Ela também sabia que Jessica era toda doçura e
pouco atrevimento, o que causou mal-entendidos na amizade deles
quando Meri tentou provocar Jess sobre algo, mas Jess não entendeu.
As duas mulheres se conheceram quando Jessica enviou uma
proposta de uma série de livros infantis para a editora de Meri. Meri
viajou para Glenbrooke para oferecer a Jessica um contrato de livro.
No entanto, o pequeno Travis decidiu entrar no mundo naquele mesmo
dia e, desde então, Jessica descobriu que não tinha o tempo que
pensava que teria para seguir seu interesse pela escrita. O projeto
ficou em espera indefinidamente. Mas a amizade entre os dois
continuou a florescer.
Mantendo o espírito terno de sua amiga em mente, Meredith optou
por não dizer: "Obrigada, Jessica, por enviar um homem ao meu quarto
esta manhã."
“Isso é muito engraçado,” Meredith começou. “Você vai rir quando
ouvir o que aconteceu. Um cara achou que meu quarto era o quarto
dele e entrou e ... bem, acho que realmente o assustei. ”
"Foi você gritando?" Jessica perguntou. “Kyle me disse que ouviu
algo lá em cima um pouco atrás. Você está bem?"
"Ah, claro. Formidável. Multar. Estou bem. Eu acho que ele pode ser um pouco

chocado porque eu tinha essas coisas— ”


Antes que Meredith pudesse terminar, Kyle entrou correndo na
cozinha, girando Travis de um ano e meio como um avião e fazendo
todos os barulhos apropriados. Cabelo loiro, bochechas ruivas e
gritando , Travis estava aproveitando cada segundo do passeio.
“Ei, bom dia,” Kyle disse quando notou Meredith. “Estamos saindo
pela porta. Eu vi seus pais partirem há pouco. Você gostaria de vir
conosco? ”
"Certo. Há mais alguém indo com você? " Meredith perguntou
timidamente. “Acho que todo mundo já está lá, não estão?” Kyle olhou
para a esposa e colocou Travis debaixo do braço como um saco de
batatas. Meredith gostava de Kyle. Todos gostavam de Kyle. Ele era o
bom mestre do castelo. Um paramédico de cabelos escuros , de
constituição sólida, cuja energia parecia corresponder à sua
abundância de projetos, ele estava sempre construindo algo ou
iniciando alguma nova visão. Ele e Jéssica tinham uma aparência de
livro de histórias sobre eles, o belo príncipe e a bela
donzela.
Meredith uma vez perguntou a Kyle se ele tinha irmãos. Ele tinha
dois, mas os dois eram casados. Um deles, Kenton, morava em
Glenbrooke com sua esposa, Lauren. Ele possuía e dirigia o jornal local,
e Lauren substituiu Jessica como professora de inglês na pequena
Glenbrooke High School.
"Ninguém ainda está aqui na casa, então?" Meredith se
aventurou. Jessica e Kyle se entreolharam.
“Acho que todo mundo já foi embora”, disse Jessica.
Só então eles ouviram água correndo nos canos acima, indicando
que alguém havia aberto uma torneira.
“Oh sim,” Kyle disse, reajustando a contorção, agitando Travis em
seus ombros. Travis agarrou o cabelo escuro de seu pai com os dois
punhos e chutou os braços de Kyle com suas pequenas botas de
cowboy, como se estivesse tentando persuadir seu “pai cavalinho” a
ficar tonto. "Esqueci-me do nosso honorável Sr. Wartman."
As esperanças de Meri despencaram. Não que ela realmente
esperasse que o homem misterioso fosse Jacob Wilde, o ator. Mas
como ela poderia tecer um conto de fadas de sucesso sobre alguém
chamado Sr. Wartman?
"Oh, ele chegou aqui esta manhã?" Jessica disse. "Eu não o ouvi
entrar."
“Ele parou por volta das oito e meia. O pobre coitado está frito ”,
disse Kyle. “Ele estava com os olhos vermelhos de Nova York, e seu
voo de volta para Los Angeles sai de Eugene por volta das quatro da
tarde.”

"Ele deve estar exausto", disse Jessica.


“Eu disse a ele para dormir no quarto no final do corredor. Achei que
seria a sala mais silenciosa. ”
"Na extremidade direita ou esquerda do corredor?" Jessica perguntou.
“Certo, é claro. Meri está na Sala de Patchwork. ” Kyle começou a
pular um pouco para cima e para baixo para manter Travis entretido.
“Não tão apertado, amigo,” ele disse, tentando afrouxar o aperto de
Travis em seu cabelo.
“Eu acho que ele entrou no quarto errado,” Jessica disse, olhando
para Meredith e erguendo as sobrancelhas ligeiramente. "Ele deve ter
pensado que você se referia ao quarto no final do corredor à esquerda
porque Meri tinha uma pequena visita."
"Mesmo?" Kyle disse com um sorriso malicioso. "Eu pensei que Meri
tivesse um cordeirinho."
"Você é um comediante", disse Meri. “Mas não se preocupe com
isso. Acho que o Sr. Wartman quase teve uma vacinha, então isso nos
deixa ainda mais equilibrados. ”
Kyle deu uma risadinha. "É melhor sairmos daqui, então, antes que
uma briga no celeiro comece entre todas essas ovelhas e vacas."
"Moo," Travis saltou de seu poleiro principesco.
"Isso mesmo, querida", disse Jessica com orgulho. “Uma vaca diz
'muu'. - Estamos fora daqui - disse Kyle. "Você está pronta, Jess?"
"Certo. Você está com a bolsa de fraldas? ”
“Você quer dizer a mochila de Trav? Sim, é pela porta da frente. "
"Bolsa de lona", Jessica repetiu, balançando a cabeça e olhando para
o teto. “Oh, Senhor, por favor, deixe este próximo bebê ser uma menina
para que não tenhamos que nomear cada peça do equipamento do
bebê como algo masculino. Um homem."
- Amém - repetiu Meri, apoiando Jess.
“Vai ser um menino,” Kyle disse profundamente. “Gordon e Teri
tiveram dois meninos. Temos que acompanhar os Allistars. ”
“Pode ser uma menina,” Jessica disse calmamente enquanto
colocava algumas frutas e muffins em uma cesta de piquenique de
vime. "Vou deixar um recado rápido aqui no balcão e depois encontro
vocês na caminhonete."
Meri seguiu Kyle pela porta dos fundos e contornou a casa até onde
a picape de Kyle estava estacionada. Ela notou um Mustang
conversível preto e brilhante estacionado ao lado.
Do Sr. Wartman, sem dúvida. Tipo de sujeito chamativo. Eu me
pergunto o que ele está fazendo aqui?
“Aí está, garotão,” Kyle disse, prendendo Travis em sua cadeirinha.
Meri se perguntou se ela deveria entrar no táxi agora ou esperar até
que Jessica chegasse. Travis agitou-se e arqueou as costas como
cinto de segurança

veio sobre seus ombros. “Ele odeia essa coisa”, disse Kyle.
"Está tudo bem, Travis", disse Meri. Ela deslizou para o banco da
frente ao lado dele e deixou a porta aberta. Pegando um brinquedo
mole, Meredith disse em uma voz estridente, “Vamos ter um show de
marionetes. Diga oi para o Sr. Pato. Quack, quack, quack. ” Meredith fez
o companheiro amarelo brilhante dançar para Travis.
“Esqueci a mochila”, disse Kyle. "Eu volto já." Ele saiu correndo para a
casa, e Meri se atribuiu a tarefa de manter Travis entretido.
“Um dia, a estrela Wally estava flutuando no céu tão, tão alto ...”
Meredith puxou a suave estatueta de estrela para cima, e Travis a
acompanhou com os olhos. “E Wally disse para si mesmo: 'Gostaria de
ir até lá e ver como é a Terra'. Então, você sabe o que Wally fez? "
Travis não respondeu à pergunta, mas parou de choramingar. “Wally
caiu no chão, e lá ele encontrou o Sr.
Pato. 'Olá, Sr. Pato. Eu sou o Wally. Você quer jogar?'
“'Sim, eu quero. Quack quack ', disse o Sr. Pato.
Meredith tinha os dois brinquedos dançando alegremente agora.
Travis estava encantado.
Ela cantou uma canção boba improvisada com uma vozinha, e os
cantos da boca de Travis começaram a se curvar. “'Yay, yay, yay,
dançamos o dia todo! Somos amiguinhos felizes e gostamos de
brincar. Yay, yay, yay, jogamos o dia todo! '
“Os dois amigos dançaram e dançaram o dia todo, e então você
sabe o que aconteceu?”
Travis desviou o olhar dela, na direção da garagem. Meredith pensou
rápido, tentando chamar sua atenção. “Então Wally, a estrela, e o Sr.
Pato ficaram com tanto calor com toda a dança que decidiram dar um
mergulho. Com um grande respingo, eles mergulharam na água. ” Para
demonstrar o mergulho, Meredith pulou do assento e “mergulhou” no
chão da cabine do caminhão. Ela tinha a atenção de Travis novamente.
“A sensação da água era tão boa que Wally, a estrela, disse: 'Acho
que gostaria de morar aqui o tempo todo. Vou ficar aqui e nunca mais
voltar para o céu. ' Ele se acomodou bem na areia, todo bonito e
confortável. ” Meri demonstrou balançando o traseiro no espaço
apertado.
"Senhor. Duck estava nadando em cima da água, muito feliz, e disse:
'Para onde Wally foi? Para onde Wally foi? ”
Travis enfiou os dois primeiros dedos da mão esquerda na boca e
com o dedo direito apontou para onde Meri segurava a estrela no chão.
Ele tagarelou algumas palavras infantis como se estivesse contando
ao Sr. Pato

onde encontrar seu velho amigo Wally.


"Senhor. Duck enfiou o rosto na água e, com uma voz muito molhada
e vacilante, gritou: "Wally!" Até Meri ficou surpreso com o quão
engraçado seu grito de “Wally” debaixo d'água soou. Ela manteve a voz
boba.
“'Estou aqui, Sr. Pato. Eu gosto daqui. É aqui que vou ficar - disse
Wally. 'Não serei mais uma estrela. Serei uma estrela do mar no fundo
do mar. ' 'Então irei visitá-lo todos os dias', disse o Sr. Pato. ” Meredith
segurou o pato de forma que seu nariz ficasse na "água" e sua cauda
ficasse reta.
“E é por isso que sempre que você vê um pato enfiando a cabeça na
água, você sabe que ele está fazendo sua visita diária a Wally, a estrela
do mar.” Meredith espiou seu público de sua posição apertada. Travis
não estava olhando para ela. Ele estava olhando pela porta do
passageiro.
Meri seguiu seu olhar e ali, perto da porta aberta, estava o
misterioso Sr. Wartman, de olhos castanhos e um meio sorriso no
rosto bonito.

Capítulo três

O convidado não convidado aplaudiu lentamente a história de


Meredith. Ela lutou para se soltar do chão do táxi.
“Apenas um problema”, disse o homem. “As estrelas do mar vivem
em água salgada e os patos nadam em água doce.”
"É apenas uma história", protestou Meredith, um braço agarrando o
assento e o outro empurrando contra a parte inferior do painel. Sua
perna direita tinha adormecido.
“No entanto, a integridade da história é o elemento crucial em toda
ficção de qualidade”, disse ele.
Meredith ergueu as sobrancelhas e deu uma boa olhada nesse cara.
"Gabriel Kalen", disse ela lentamente. “Gabriel Kalen disse isso em seu
livro, The Art of Story . Eu o cito o tempo todo em meus workshops. ”
Agora as sobrancelhas do Sr. Wartman se arquearam com aparente
interesse. Meredith foi destravada o suficiente para puxar seu corpo
para fora do apertado
espaço. Ela se sentou no assento sem a menor graça e se perguntou
se aquele homem já havia descoberto que ela era a visão apavorante
de rosto de abacate que o saudara menos de uma hora antes. Se ele
sabia, ele não estava deixando transparecer.
Ela puxou o cabelo para trás com calma e se endireitou com o
máximo de dignidade possível. Meredith entregou
Wally-a-estrela-que-virou-estrela-do- mar para Travis. Ele segurou a
figura suave em sua bochecha e chupou seus dedos.
"Você conheceu Gabe?" O Sr. Wartman
perguntou. "Gabe?" Meredith ecoou.

"Gabriel Kalen."
"Não", disse Meredith. Ela não tinha certeza para onde olhar, para
Travis ou para este belo exemplo da criação de Deus que estava a
apenas alguns metros de distância.

Kyle e Jessica desceram os degraus da frente da casa de mãos


dadas. Jessica segurava uma cesta de piquenique, enquanto Kyle
pendurava a mochila no ombro. Meredith sabia que seu encontro
intrigante, mas embaraçoso, com este homem estava prestes a
terminar.
"Ter você?" ela perguntou rapidamente, colocando o cabelo atrás da
orelha e lançando seu olhar verde oceano para ele. "Você conheceu
Gabriel Kalen?" "Sim", disse ele, apoiando o braço na borda acima da
porta e inclinando-se para fora do sol. Ele teve uma visão completa de
Meredith, e ela estava desconfortavelmente ciente de quão
intensamente ele era
estudando ela. Ele descobriria quem ela era? Ele já tinha? “Estão todos
prontos?” Kyle gritou quando estava a poucos metros de distância
do caminhão. "Vocês dois se conheceram?"
"Papai!" Travis gritou, tirando os dedos da boca. "Papai!"
“Estou aqui, garotão”, disse Kyle, jogando a mochila, que parecia
exatamente uma sacola de fraldas, no banco de trás. "Você está pronto
para ir?"
“Estou indo para o centro de conferências agora também”, disse
Wartman. "Algum de vocês gostaria de cavalgar comigo?"
"Por que você não leva Meredith com você?" Jessica sugeriu. "Eu
queria falar com Kyle no caminho."
“Meredith,” ele repetiu lentamente como se tivesse acabado de
descobrir a palavra que faltava em um longo quebra-cabeça de
palavras cruzadas. "Você gostaria de cavalgar comigo, Meredith?"
Sabendo que não poderia recusar, ela deslizou para fora do táxi e
silenciosamente o seguiu até seu conversível preto. Seu coração
estava batendo forte, mas não muito. Ela se sentiu tola por ele a ter
visto no chão do caminhão, mas não muito tola.
No passado, isso teria sido o sonho da Barbie se tornando realidade,
um momento perfeito para lançar uma campanha de flerte. Mas sua
irmã havia ensinado que flertar não era a melhor maneira de chamar a
atenção de um homem. Meredith percebeu que não era a maneira mais
direta e honesta de conhecer alguém. Mentalmente, ela concordou
com todos esses conceitos.

Ainda assim ... todas as linhas inteligentes de Meri se juntaram em


uma fileira em sua cabeça e ficaram em posição de sentido. Ela
revisou as tropas e selecionou os melhores. Se ela fosse flertar, ela
usaria essas linhas. Eles iriam deslizar

sem serem detectados, atingem seu alvo e não deixam vestígios de


sua presença. O pobre e desavisado Sr. Wartman nunca saberia o que
o atingiu. Mas ela não deve lançar nenhum desses mísseis sedutores.
Ela não deve.
Ele abriu a porta para ela, e ela deslizou graciosamente. O sol estava
assando o assento de couro e, no instante em que a carne de Meredith
o tocou, ela soltou um não planejado "Yeouch!" Ela rapidamente
apertou os lábios para silenciá-los. Essa definitivamente não foi uma
das frases escolhidas. Quem deixou aquele renegado solto?
"Você está bem?"
"Cadeira quente", disse ela com um sorriso tímido. Ela tirou os
óculos de sol do bolso da camisa e arregaçou as mangas brancas.
Elegante, esse é o visual que você procura aqui. Grace Kelly com botas
de caminhada. Não preste atenção às queimaduras de terceiro grau na
parte de trás das coxas. Você está calmo e fresco como uma brisa de
verão .
Meredith reviu o que sabia sobre este homem enquanto ele tirava um
par de óculos escuros do visor. Como ele soube do dramaturgo Gabriel
Kalen? Kalen havia criado um roteiro baseado em um dos clássicos
cujos direitos a GH Terrison Publishing detinha. Isso foi antes de
Meredith começar a trabalhar para eles, mas as vendas de vídeos
atingiram quatro milhões de cópias no primeiro ano e colocaram GH
Terrison no mapa com seus produtos infantis de qualidade.
Ela queria apimentar aquele misterioso Sr. Wartman com perguntas,
mas sabia que era melhor deixá-lo ir primeiro. Não faz sentido assustá-
lo. Ela iria manter uma cara de pôquer e deixá-lo jogar a primeira carta.
Ele chegou ao final da entrada de automóveis, lentamente
diminuindo o relevo e disse: "O centro de conferências fica à esquerda,
não é?"
"Sim", disse Meredith. "Virar à esquerda aqui."
Ele diminuiu a velocidade na estrada principal sem aglomeração.
Eles dirigiram sob as sombras rendadas dos grandes cedros e cicutas
que ladeavam este trecho de estrada secundária.
“Desculpe pela, ah, confusão em seu quarto esta manhã. Meu erro."
“Oh,” Meredith disse, olhando para ele com calma controlada. Então
ele sabe. Ele está sendo muito galante sobre isso . "Lamento ter
assustado você."
Ele sorriu, mantendo os olhos fixos na estrada.
Meredith não conseguiu se conter mais. Seu primeiro encontro
absurdo foi muito engraçado. Ela jogou a cabeça para trás e lançou
sua risada contagiante. Ele preencheu o espaço silencioso entre eles
como um

centenas de bolhas de sabão iridescentes, cada uma flutuando


alegremente antes de estourar com uma efervescência.
Ele riu com ela. "Você é irmã de Shelly, não é?" ele perguntou depois
que cada uma das bolhas invisíveis da risada tinha desaparecido.
"Sim." Ela decidiu jogar uma de suas cartas. "E você é …?"
Ele não preencheu o espaço em branco com uma introdução
adequada. Em vez disso, ele olhou para ela, depois de volta para a
estrada, então para ela e novamente para a estrada. "O que você sabe
sobre mim?" ele perguntou.
“Você dorme com seus sapatos”, disse ela rapidamente. "Como
um cavalo." Ele riu de novo, sem a ajuda de sua risadinha
contagiante. "O que mais?" "Kyle o chamou de Sr. Wartman."
“Ele fez? Sr. Wartman, hein? "
"Sim. E é isso, Sr. Wartman. Isso é tudo que eu sei. Oh, exceto que
você voou de Nova York na noite passada. ”
“E cara, meus braços estão cansados”, ele
brincou. Agora Meredith riu na hora.
Ele olhou para ela, depois de volta para a estrada e de volta para ela.
"O que?" Meredith se sentiu enervada por seus olhares. Ela verificou
todos os botões.
Com outro olhar, ele ergueu uma sobrancelha e disse: "Você
realmente não sabe quem eu sou, não é?"
"Eu devo?"
“Eu sou o antigo vizinho da sua irmã,” ele disse suavemente.
“Ah, a pequena vizinha de Pasadena,” disse Meri. Ela invisivelmente
deu a si mesma um ponto “espirituoso”.
“Eu me lembro de ver fotos suas. Mas você parecia muito mais
jovem. ”
"Tudo o que Shelly tinha eram nossas fotos de bebê, certo?"
“Havia um de vocês todos de preto”, disse ele. “Seu cabelo estava
diferente. Você estava segurando um instrumento musical e estava
sentado ao lado de um senhor mais velho. ”
“Isso foi tirado cerca de quatro anos atrás. O instrumento era uma
flauta. ” "Você ainda joga?"
“Apenas por diversão. Essa foto foi tirada no meu último recital. ”
Então, como houve uma pausa, ela acrescentou, para dar um toque
de elegância: "O cavalheiro mais velho da foto era meu primeiro
marido".
"Mesmo?"
"Não." Meredith riu. Ele é ingênuo. Isso é bom . “Ele era meu instrutor
de banda do colégio. Não sei por que Shelly gosta dessa foto. ”
Meredith acabou de perceber que ela tinha largado quase todas as suas cartas
e

este homem misterioso ficou sentado ali, ainda segurando quase uma
mão inteira. "Você não é o Brad, é?" Meri perguntou. Ela se lembrava de
ter ouvido sobre o vizinho de Shelly, Brad, porque ele se casou com a
ex-colega de quarto de Shelly, Alissa, alguns meses atrás. Shelly estava
no casamento.
"Não, não sou o Brad."
"Você é o outro cara."
"Eu sou o outro cara."
Meredith vasculhou seus arquivos de memória tentando se lembrar
de algo, qualquer coisa, sobre os antigos vizinhos de Shelly. Nada veio
à sua mente. Sem nomes, sem bits de informação. Ele parecia ser
capaz de ler o sinal de “vago” em sua testa.
“Posso ver que Shelly tinha muito a dizer sobre mim.”
Uma onda desconfortável tomou conta de Meredith. Shelly namorou
esse cara, e foi uma experiência ruim? Seria muito estranho aparecer
na casa de Shelly com um de seus antigos namorados, especialmente
se Meri nem soubesse o nome dele. Aparentemente, Meredith Jane
Graham, a rainha dos jogos de gato e rato , tinha encontrado seu par.
"Vire à esquerda na próxima estrada", disse Meri, de repente
prestando atenção onde eles estavam. “Fica a cerca de um quilômetro
e meio daqui.”
Ele virou. O carro zumbia. O vento soprou em seus cabelos. Ele deu
um sorriso direto de lábios fechados e não disse nada.
Meredith sabia que eles estavam quase lá. Ela teve que jogar a
última de suas cartas, já que ele se recusava a largar qualquer uma
das suas. "Então, você quer que eu saia por aí chamando você de Sr.
Wartman o dia todo?"
Ele olhou para ela novamente e disse: “Você pode me
chamar de 'J.' ”“ Jay, ”ela repetiu.
Ele assentiu. “Esta é a entrada? Belo sinal. ”
Meredith estava preenchendo a informação. Jay Wartman. Que nome
horrível. Se eu fosse esse cara, já o teria mudado há muito tempo .
"Você já foi à cachoeira aqui?" ele perguntou.
"Várias vezes", disse Meri. "É lindo. Jonathan transformou toda a
área para que a cachoeira se transforme em um pequeno lago. Eles até
têm alguns barcos. ”
"Mesmo? Como está a
iluminação? ” "A iluminação?"
"Sim. Há muito espaço aberto sobre o lago ou a maior parte da luz
do sol entra pelas árvores? ”
Meri riu. "Eu nunca percebi."
Ele estacionou o carro e desligou o celular que estava recarregando
do isqueiro.

Meredith não sabia se deveria abrir a porta e seguir seu próprio


caminho ou esperar que Jay dissesse algo. Para sua surpresa, ele
estendeu a mão e cuidadosamente removeu algo de seu cabelo. Ele
mostrou a ela o inseto morto que extraíra de seus cabelos
desgrenhados e sedosos.
“A desvantagem de andar em um conversível”, disse Jay.
“Foi uma desvantagem maior para aquele sujeito do que para mim”,
disse Meredith.
Jay sorriu e deixou uma risada baixa ressoar em seu peito largo.
“Você precisa ir para o centro de conferências imediatamente?” ele
perguntou. "Ou você tem tempo para me mostrar o caminho para a
cachoeira?"
Agora Meredith sentia que eles estavam chegando a algum lugar.
"Certo. Vamos antes que minha irmã perceba que estou aqui e me
entregue uma de suas listas de tarefas . ” “Ela ainda faz as pessoas
tirarem os sapatos antes de chegarem
para dentro de casa? Ela era meticulosa com isso em Pasadena. ”
"Não muito mais", disse Meredith. “Ela e Jonathan vivem em uma
cabana de toras aqui na propriedade e é impossível impedir a entrada
de sujeira. Especialmente com Bob Two. ”
“Bob Dois?” Jay perguntou, enfiando as chaves no bolso da
calça jeans. “Ele é o cachorro deles. Um cocker spaniel
patético. ”
"Você não gosta de cachorros?"
Meredith balançou a cabeça. “Muito babado. Muito peludo. Muito
hiper. Você gosta deles?"
Jay fez uma pausa. "Não, muito ansioso."
Calma, Meri! Você vai assustá-lo com perguntas que parecem estar
buscando interesses comuns. Deixe ele falar. Jogue com calma. Não dê
muitas informações. Faça o que fizer, não aja muito ansioso .
Jay abriu a porta e abriu o porta-malas. Meredith abriu sua própria
porta. Ela deu a volta para a parte de trás do carro dele e olhou para
dentro do porta-malas. Vários sacos de bagagem pretos estavam
cuidadosamente alojados no espaço. Jay tirou uma sacola menor e a
pendurou no ombro.
Só então Jessica e Kyle pararam e estacionaram a caminhonete.
Kyle deu a volta para abrir a porta de Jess e desamarrou Travis.
Jessica veio na direção deles com a cesta de piquenique de vime
pendurada no braço. “Você sabe como chegar à cachoeira?” ela
perguntou a Jay.
“Meredith concordou em atuar como guia turística”, disse ele.
"Por que vocês não levam isso com vocês?" Jessica disse,
entregando-lhes a cesta. “São apenas as sobras de frutas e muffins do
café da manhã. Acho que nenhum de vocês teve tempo de comer.
Existem ótimos locais para piquenique perto da cachoeira. ”

"Obrigado", disse Meri, aceitando a oferta estendida. "Diga a Shelly


que estarei no chalé em breve."
Jessica sorriu. A cicatriz se curvou em seu lábio superior. “Não tenha
pressa”, disse ela. “Momentos na cachoeira não devem ser
apressados.”
Capítulo quatro

M eredith e Jay desceram pela trilha arborizada que levava à


cachoeira. Ele se ofereceu para carregar a cesta para ela, mas Meredith
disse que não havia problema. Ele estava com os braços cheios com
todo o seu equipamento, e ela certamente conseguia uma cesta de
vime.
“Você está planejando tirar fotos?” ela perguntou enquanto seus
sapatos se espatifavam no carpete úmido do chão da floresta. Ela
adivinhou que ele estava carregando uma bolsa para câmera.
"Sim", disse ele. Ele parou na bifurcação da trilha e puxou um sensor
de luz de sua bolsa de truques.
"A cachoeira está à direita", disse Meredith.
Jay olhou para cima por entre as árvores altas e parecia estar
ouvindo o barulho distante da cachoeira. Ele parecia satisfeito, como
se estivesse comprando algo especial e o tivesse encontrado.
Meredith ouviu. Um coro de pássaros cantava suas ipomeias nas
copas das árvores. Uma criatura tagarela que era muito rápida para
Meredith rastrear, disparou através da folhagem.
"É bonito aqui", disse Meredith.
“É perfeito,” ele murmurou, ainda perdido em seus cálculos
aparentes de iluminação. “Quanto chove em junho?”
"Em junho? Não sei." Meredith riu. Sua risada doce e alegre flutuou
facilmente pelo ar da floresta.
Jay se virou para olhar para ela. Ele
sorriu. Ele gosta da minha risada. Isso é
um bom sinal . "Você não mora aqui, não
é?" ele perguntou.

"Não."
Foi a vez dela reter informações. Se ele quisesse saber onde ela
morava, ele poderia perguntar. Mas ele não fez isso.
"Você disse que a cachoeira fica à direita?"
"Sim", disse Meri. Ela percebeu que o sol estava brilhando por entre
os galhos e refletindo em seus cabelos. Ele tinha um lindo cabelo
espesso, um tom perfeito e quente de loiro dourado ensolarado. Talvez
ela realçasse o cabelo dessa forma. Claro, ela teria que desabar e
pagar alguém em um salão de beleza para fazer isso se quisesse que
desse certo.
Posso estar falando sério sobre um homem que vai a um salão de beleza
para pintar o cabelo? Meredith encolheu os ombros enquanto eles desciam
a trilha. Não vejo porque não. Poderíamos marcar compromissos na mesma
hora e depois sair para almoçar. Eu me pergunto se ele vai a um salão de
bronzeamento também ... E o que
sobre a academia? Ele deve malhar. Olhe para esses ombros .
Eles pararam de novo e Jay puxou o sensor de luz de seu fotógrafo.
Cara, entre a academia, o cabeleireiro e o bronzeamento, quando um
cara como esse teria tempo de sair com alguém? Eu me pergunto se ele
está namorando alguém agora .
"É muito mais longe?" ele
perguntou. "Não muito."
Eles chegaram ao fim da trilha e ele parou abruptamente. Meredith
teve que admitir que era uma cena de tirar o fôlego. A cachoeira não
tinha muito mais que três metros de altura, mas se derramava em um
pequeno lago idílico que era cercado por enormes samambaias e
rochas escuras. O lago parecia diferente de quando Meri o viu pela
primeira vez. Jonathan projetou uma grande melhoria movendo todas
as pedras para fora do lago e expandindo as laterais para que ficasse
quase o dobro do tamanho original. Um velho barco a remo, amarrado
a uma estaca perto de seus pés, balançava e balançava calmamente
sob o doce sol da manhã.
“Perfeito,” Jay murmurou. Ele lutou para tirar a câmera da bolsa.
Afastando-se, ele deu uma longa foto, então ampliou a lente para um
close-up da cachoeira.
Perdido em seu projeto, Jay começou a andar ao redor do lago como
se Meri nem estivesse lá.
Procurou um lugar para pousar a cesta de vime e, então, como o
barco estava muito perto, decidiu sentar-se nela, em vez de no chão
lamacento. Com a cesta a reboque, ela entrou com cuidado no barco e
sentou-se no banco de trás.
Uma ponta do pano estava pendurada na cesta. Quando Meredith

espiou dentro, ela descobriu que era uma toalha de mesa tecida.
Jessica havia embalado uvas, morangos, tangerinas e muffins de
semente de papoula de limão . Meredith puxou o pano, os pratos,
frutas e duas pequenas garrafas de suco de cranberry. Era quase como
se Jessica tivesse feito esse piquenique com Meredith e Jay em
mente. Isso fez Meredith se perguntar.
Ela ocupada organizou o banquete do café da manhã dentro do
barco. Com olhares cuidadosos de vez em quando, Meredith traçou o
caminho de Jay ao redor do lago. Ele parecia estar procurando uma
maneira de ficar atrás da cachoeira. Meredith sabia que não era
possível sem ficar encharcada. Muitas rochas grandes repousavam ao
lado da margem do lago, diretamente atrás da cachoeira. Jay pareceu
descobrir isso sem se ensopar.
Eu me pergunto qual é o fascínio dessa cachoeira. Ele não se parece
tanto com uma estrela de cinema quanto eu pensei a princípio. O ator de
Falcon Pointe era mais alto .
Então, como se tivesse feito sua medição final, Jay voltou sua
atenção para Meredith. Do outro lado do lago, ele direcionou sua
câmera para ela e a segurou por um momento. Ela não sabia se ele
tirou uma foto dela ou não. A cachoeira era barulhenta demais para
ouvir o clique de uma veneziana. No entanto, ela não se moveu quando
ele se concentrou nela. Ela era natural na frente das câmeras e se
sentia à vontade estendida ao sol na parte de trás do barco.
Vá em frente. Tirar uma foto. Tem que ser melhor do que o que você
me viu no antigo apartamento de Shelly. O que isso significa, Camera
Man? Você está intrigado comigo? Você sabe que estou intrigado com
você, não é?
Jay caminhou de volta para onde ela descansava no barco atracado.
Colocando sua câmera na bolsa, ele fez uma última verificação leve e
então guardou seu equipamento. Ele colocou a bolsa no barco e
seguiu com uma guinada esguia.
"Uau!" Meredith disse, alcançando o banquete precário enquanto ele
balançava. "Não balance o barco, baby."
"O que tem para o café da manhã?" Jay perguntou, casualmente se
acomodando em frente a Meredith na nave oscilante.
“Coisas boas,” ela disse, largando os pratos que ela estava
protegendo.
Jay pegou um cacho de uvas e começou a enfiá-las na boca. “Alissa
estava certa,” ele disse. “Este lugar é perfeito.”
“Perfeito para um piquenique matinal?” Meri se aventurou. “Ou
perfeito como o local perfeito para a próxima reunião do Photo Buffs of
America Club?”
Ele sorriu. Evitando a pergunta dela, Jay segurou uma uva entre seus

polegar e indicador como se apontassem para sua boca. "Você pode


pegar?" ele desafiou.
Meredith riu. Ele riu. Ela abriu a boca e inclinou a cabeça para trás. A
primeira uva atingiu sua testa.
"Você pode jogar?" ela desafiou de volta.
“Melhor dois de três”, disse ele.
Com uma mira cuidadosa, ele atirou, e o segundo acertou o lado de
sua bochecha.
“Trabalhe comigo aqui”, disse ele.
Meredith riu. “Se você jogasse direto, não teríamos problemas.”
“Oh, é isso que você pensa? Abra."
Meredith manteve a cabeça baixa e os lábios firmemente fechados
em um ato de desafio. "Por que eu deveria?" ela disse com os lábios
apertados.
Jay enfiou a uva na boca e parecia estar pensando. Um sorriso se
espalhou por seu queixo bronzeado. "Porque se você não se abrir, eu
direi a todos os seus amigos como você é a primeira coisa pela
manhã." A visão de seu rosto verde e cabeça coberta de plástico veio
instantaneamente à mente. Meredith abriu a boca sem dizer uma
palavra. Mirando com cuidado, Jay lançou a uva no ar. Com um
plop sólido, atingiu o alvo pretendido.
“Sim, marque um para o Jakester,” Jay disse com um punho
levantado para flexionar os músculos .
“O Jakester, hein?” Meredith repetiu. Jay
pareceu surpreso.
"Tem certeza de que não deveria ser o piadista?"
Um sorriso calmo voltou ao rosto de Jay. "Suponho que você queira
uma chance de retaliar."
“Não,” Meredith disse calmamente, pegando um morango e
comendo em duas mordidas delicadas. "Não sou muito de jogar
comida."
Com o desafio dissolvido, Jay pegou um muffin e puxou o forro de
papel.
“Eu não comeria isso se fosse você,” Meredith
disse. "Por que?"
“Você sentiu o cheiro? Eles não parecem certos. ”
Jay levou o muffin ao nariz e cheirou.
Meredith aproveitou a oportunidade. Em um movimento suave, ela se
inclinou e empurrou a mão dele para que ele esmagasse o rosto com o
muffin.
Sem palavras, Jay procurou uma explicação no rosto dela.

“Eu não jogo comida porque sou muito melhor em esmagá-la.” Sua
risada contagiante e brilhante encheu o ar, competindo com a agitação
da cachoeira.
Jay caiu na gargalhada. Não havia outra maneira de explicar. Ele
começou a rir tanto que não conseguia nem tirar todo o bolinho do
rosto e da camisa.
“Você tem um pouco mais naquela bochecha,” Meredith disse,
apontando para o ponto em sua bochecha direita. “E algumas daquelas
minúsculas sementes pretas ainda estão lá no seu queixo. Não, do
outro lado. Lá. Você conseguiu tudo." Eles se demoraram, rindo
contentes no rescaldo de uma brincadeira bem executada.
"Onde você vive?" ele perguntou de
repente. Oh, então agora ele pergunta .
“Ilha Whidbey.”
"Onde é isso?"
"Fora de Seattle."
"Oh."
Meredith esperou um suspiro e meio antes de perguntar: "Você ainda
mora em Pasadena?"
"Sim. Mesmo duplex nos últimos quatro
anos. ” "O que você faz?"
Ele tirou os óculos escuros e os colocou na perna. Com seus olhos
castanhos calorosos, ele parecia estudá-la novamente. “Bem, eu
costumava ser garçom,” ele disse sem se mover. “Em um pequeno
lugar em Santa Monica chamado Chez Monique's.”
“Já ouvi falar”, disse Meredith. Ela não queria mencionar que
conhecia o restaurante porque costumava ser listado em suas revistas
de fofoca favoritas de Hollywood como o ponto quente para atores que
queriam ser vistos pela cidade. “Você costumava ser um garçom,”
Meredith repetiu suas palavras. "O que você faz agora?"
“Um pouco de tudo,” ele disse vagamente. “Tive muitas mudanças na
minha vida nos últimos seis ou sete meses. Estou meio que entre
empregos agora. ”
Meredith acenou com a falsa compreensão. Como pode alguém de
sua idade ser tão indiferente a sua carreira? Por que todos os bonitos
eram flocos?
Ela levava sua forte ética de trabalho a sério. A partir do momento
em que descobriu, no segundo ano do ensino médio, que tinha uma
pontuação alta no campo da publicação em um teste de carreira,
Meredith perseguiu esse objetivo acima de tudo. Ela foi para a escola
de verão na faculdade e procurou

as posições mais desejáveis na publicação. Quando ela tinha


vinte e três anos, ela conquistou seu cargo atual como editora de
aquisições. As pessoas deram tapinhas em sua cabeça e disseram
que ela tinha sorte. Ela sabia que havia conquistado toda aquela sorte.
“Eu sou uma editora de aquisições,” Meredith se ofereceu. “Para GH
Terrison Publishing. Eu adquiro produtos infantis. ”
Ele parecia apropriadamente impressionado, o que foi recompensador
para ela. “Estou com eles há cerca de um ano e meio”, ela continuou. “A
melhor parte é que eu trabalho em casa e só volto para Chicago
cerca de seis vezes por ano. ”
Jay inclinou a cabeça. “Posso fazer um comentário
aqui?” "Um comentário?"
"Sim, uma observação."
"O que?"
“Você acabou de dizer: 'Sou um editor de
aquisições'. Meredith assentiu. "Eu sou."
Jay balançou a cabeça. “Um editor de aquisições é o que você faz.
Não é quem você é. ”
“Certo,” Meredith disse rapidamente. "Eu sei que."
Jay voltou a colocar os óculos escuros. "Então você é uma pessoa
mais sábia do que eu."

Capítulo Cinco

J ay permaneceu um enigma como o pequeno-almoço piquenique


continuou. Eles falaram sobre Shelly e o centro de conferências. Eles
conversaram sobre os insetos que enxameavam em torno de sua
comida. Eles até falaram sobre o tempo. Mas poucas informações
pessoais sobre qualquer um deles foram trocadas.
Jay parecia relaxado, no entanto. Ele deu todas as indicações de que
estava encantado com Meredith e até ofereceu-lhe a mão quando ela
saiu do barco. Ele a soltou assim que ela saiu, o que ela esperava. Este
homem que ela acabara de conhecer não tinha motivo para segurar
sua mão enquanto caminhavam juntos pela floresta. Mas Meredith
estava morrendo de vontade de saber se ele queria segurar a mão
dela.
O que ele deve pensar de mim? Primeiro, os gritos se encaixaram no
quarto, depois o show de marionetes na picape e, em seguida, um muffin
quebrado em seu rosto. Tudo isso o diverte? deliciar ele? nojo dele? E por
que deveria importar para mim o que ele pensa?
Porque, seu idiota , o alter ego dela entrou na conversa, você está se
divertindo, encantado e intrigado com ele. Quando foi a última vez que
isso aconteceu? Você quer ver esse cara de novo e não consegue se
lembrar de quando se sentiu assim depois do primeiro encontro, não é?
Não, não posso , respondeu a si mesma em silêncio.
"Você vai voltar para LA hoje?" Meri perguntou enquanto
caminhavam juntos pela floresta.
"Sim", disse ele. "Você já veio para LA?"
Ela ficou surpresa com a forma como seu coração deu uma pequena
amarelinha

em torno de suas palavras. Então ele está interessado. Um pouco .


“Na verdade, tenho uma viagem a Los Angeles no mês que vem para
uma conferência de escritores. É em Anaheim, eu acho. ”
“É a Conferência de Histórias e Mais?” ele perguntou, parecendo um
pouco surpreso.
"Sim, acho que é esse o nome."
"Que coincidência. Eu estarei nessa conferência também. ”
"Mesmo?" Não fique muito animado e o assuste, Meri! "Que tal isso?"
ela disse calmamente. “Bela coincidência. Teremos que ficar juntos
então. Vou comprar um muffin para você. ”
"Um muffin?"
"Para compensar o que você não recebeu esta
manhã." "Ok", ele concordou. "Vou deixar você me
comprar um muffin."
Pareceu a Meredith que ele queria dizer outra coisa. Ele parecia
preocupado. Talvez não preocupado, mas hesitante.
Ela decidiu ficar quieta e calma. Se ele quisesse se abrir um pouco
mais com ela, ele poderia fazer isso. Se este não fosse o momento
para ele dizer algo mais pessoal do que já havia dito, então ela poderia
aceitar isso também. O silêncio confortável que emanava dela era para
ser um convite. Ele não RSVP
Eles deixaram o bosque sem mais conversa e entraram no
estacionamento, onde dezenas de carros agora alinhados em fileiras
organizadas. Muitas pessoas de Glenbrooke e arredores estavam
aparecendo na hora certa. Para uma pequena comunidade, este foi um
grande evento. Jonathan e Shelly disseram que esperavam cerca de
mil pessoas.
"Parece que as festividades estão prestes a começar", disse
Meredith, olhando para o relógio. "Você está saindo agora ou está
planejando ir para o chalé?"
Jay consultou o relógio. "É melhor eu ir embora. Ei, antes de vir para
a conferência ... ”
"Sim?"
O celular em sua mochila tocou antes que ele pudesse terminar a
frase. Ele murmurou um pedido de desculpas e atendeu a ligação,
virando as costas para ela. Um fluxo de carros parou na área de
estacionamento de cascalho. Jay teve que tampar o ouvido para ouvir
a pessoa do outro lado.
Percebendo que ele havia deixado cair a capa do telefone no
cascalho, Meredith pegou para ele quando ele estava dizendo que
ligaria de volta para a pessoa. A bolsa era de couro preto macio e era
suave ao toque. Meredith olhou para a caixa e notou um nome gravado
em letras douradas na lateral. Ela olhou de perto no brilho

do sol do meio-dia, tentando ter certeza de que ela havia lido o nome
corretamente. Não houve engano. O nome na capa do telefone era
Jacob Wilde. Jay se virou para ela e Meredith olhou para ele com novos
olhos.
"Jacob?" ela questionou. "Você é Jacob Wilde?"
Parte do brilho caiu de seus olhos. Ele não respondeu de imediato.
Um grupo de quatro mulheres que havia saído de um carro
estacionado atrás de onde estavam diminuiu a velocidade quando
ouviu Meredith.
"Você é, não é?" Meredith começou a sentir uma onda de excitação.
Seu rosto ficou vermelho brilhante. Isso é o que ela sonhou durante
toda a sua vida, encontrar uma estrela de cinema cara a cara. E aqui
estava ele, a apenas alguns metros de distância.
Incapaz de controlar seu espanto, Meri soltou um grito e, em
seguida, apertou a mão contra a boca em um esforço para abafar sua
reação repentina. “Eu pensei que era você esta manhã! Eu até contei
para minha mãe. Eu disse: 'Mãe, acabei de ver um cara que se parece
com Jacob Wilde.' A voz de Meredith estava em um tom elevado. As
quatro mulheres pararam e olharam para Jacob. Eles começaram a
sussurrar.
“Minha mãe achou que eu estava louco, mas tudo bem. Ela sempre
acha que sou louco. Mas eu sabia que era você, ou pelo menos pensei
que fosse você. Por que você não me contou? Por que você disse que
seu nome era Jay? ”
Jacob começou a parecer nervoso. As quatro mulheres se
aproximaram. Um deles segurou uma caneta na mão e rapidamente
remexeu em sua bolsa.
“O que eu disse é que você poderia me chamar de J.” Ele fez a letra J
no ar com o dedo.
"Oh! J , não Jay. Entendo. Mas de onde veio o Wartman? ” Jacob
parecia estar corando. Ele olhou para baixo e ajustou seu
oculos escuros.
Antes que ele pudesse responder, a mulher se aproximou com um
pedaço de papel e estendeu a caneta. “Você se importaria de me dar
seu autógrafo? Eu te amei em Falcon Pointe . Você tem mais algum
filme saindo em breve? ”
"Não", disse Jacob enquanto rabiscava rapidamente seu nome no
verso da lista de compras da mulher. Ele sorriu agradavelmente para
ela e disse: "Obrigado."
"Ah não! Obrigada ”, disse ela.
Sua amiga deu um passo à frente e se colocou entre Meri e Jacob.
"Você se importaria se tirássemos uma foto rápida?"
Antes que Jacob pudesse responder, a câmera clicou e a mulher já
estava agradecendo.
"É Jacob Wilde!" a mulher de óculos anunciada ao adolescente

meninas indo em direção ao chalé. Com um whoosh, cinco, seis, então


nove outras mulheres se reuniram em torno de Jacob.
Meredith se sentiu oprimida. De onde vieram todas essas pessoas?
Por que eles estavam abrindo caminho entre Jacob e ela? Eles não
podiam ver que ela estava com ele? Ela estava, não era?
Tanta coisa estava acontecendo tão rápido. Uma das mulheres pediu
animadamente a Jacob para assinar a parte de trás de seu talão de
cheques. Mais duas pessoas saíram de seus carros e vieram ver o que
estava acontecendo. Meredith estava sendo empurrada cada vez mais
para o lado enquanto a multidão curiosa enchia Jacob de perguntas.
Enquanto Meredith observava, Jacob respondeu pacientemente às
perguntas de todos. Ele posou para mais duas fotos e deu mais
autógrafos. Quando ele olhou para o relógio novamente, Meredith
sabia que ele estava indo embora. Jacob se virou e olhou para ela
através do aglomerado de fãs. Sua expressão era completamente
diferente da maneira como ele parecia durante o tempo na cachoeira.
Uma tristeza pairava sobre seu sorriso. Ou ele estava com raiva? Será
que ele estava bravo com Meredith por estragar seu disfarce? No
momento, ela não podia culpá-lo.
“Eu tenho que ir,” Jacob disse para a multidão enquanto ainda olhava
para Meredith. "Prazer em conhecer todos vocês."
Ela não tentou se aproximar dele quando ele entrou no carro. Outras
mulheres o seguiram. Uma delas colocou os braços em volta do
pescoço dele e, antes que ele pudesse entrar no carro, deu um grande
beijo em sua bochecha. Jacob aceitou tudo com bom humor, mas Meri
não pôde deixar de notar que ele não estava engolindo a atenção.
Pareceu constrangê-lo e frustrá-lo.
Ela se sentiu mal. Tudo tinha sido tão sonhador até que ela chamou
a atenção para quem ele era. Seu comentário na cachoeira de repente
fez sentido. Esse papel de estrela de cinema não era quem ele era; foi o
que ele fez. Aparentemente, ele havia lutado com isso e agora estava
encontrando maneiras de não mostrar seu nome por todo o lugar. Isto
é, até que Meredith fez esse bando de admiradores aparecer. Eles a
separaram dele. E ela os convidou para fazer isso.
O que você estava pensando? ela se repreendeu. Por que você teve
que agir assim? Já é ruim você voltar a ser criança perto de sua mãe,
mas por que, oh, por que você agia assim com ele? Por que você não
pode simplesmente ignorar a capa do telefone? Ele não queria ser
descoberto. É por isso que ele era tão reservado sobre seu nome. Você
estragou tudo, você sabe .
Jacob ligou o motor e deu a Meredith um leve aceno e um

sorriso vazio. O sorriso era muito diferente dos que ele deu a ela uma
hora atrás. Esse sorriso era forçado e nada alegre.
Ela retribuiu um sorriso, que ela imaginou que devia ser parecido
com o dele. “Tchau,” ela gritou, levantando a mão para acenar. Lá
estava ela, uma das muitas admiradoras fascinadas, sorrindo e
acenando enquanto o ator deixava Glenbrooke em seu conversível
preto brilhante.
"Ele é lindo ou o quê?" uma das mulheres disse enquanto o carro de
Jacob ressoava no cascalho e saía da entrada do centro de
conferências.
“Você viu os olhos dele? Qual a cor deles? Ele estava com aqueles
óculos escuros, e eu não sabia dizer.
“Brown,” Meredith murmurou para si mesma. “Marrom como cacau
quente.” Ela sabia que era inútil meditar sobre esse cara. Ela nunca
mais olharia para aqueles olhos castanhos cor de chocolate. Quando a
visse no mês seguinte na Califórnia, ele fugiria e se esconderia. Ela
tinha certeza disso.
A multidão fez seu caminho para o centro de conferências,
parecendo uma grande onda de tagarelice, alegria e risos prontos para
ir para a recepção e apagar todos os presentes com a grande notícia.
Meredith permaneceu fixa no estacionamento, não querendo entrar
no centro de conferências. Ela sabia que sua mãe estaria lá, pronta
para repreendê-la por não aparecer mais cedo para ajudar. Todos
aqueles fãs estariam delirando com todos que viram o Jacob Wilde.
Aquele que o beijou teria a maior história para contar. Meredith queria
ir para casa, para seu pequeno e seguro Chalé Tulip, na Ilha Whidbey, e
pular o resto do dia.
Sair dessa! Isso não é sobre você. É o dia de Jonathan e Shelly. Você
veio atrás deles. Vá lá e fique feliz por eles .
Colocando uma bota na frente da outra, Meredith fez seu caminho
para o chalé com várias dezenas de outras pessoas que tinham
acabado de chegar. Era um alojamento impressionante. Grande em
tamanho e design, tinha sido feito de toras por insistência de Kyle e
tinha uma ampla varanda na frente por insistência de Jessica. Todos
os detalhes internos foram escolhidos por Shelly. Uma grande lareira
de pedra de rio era circundada por sofás verde-floresta, e dois longos
assentos acolchoados na janela corriam ao longo da parte de trás da
sala com uma vista fabulosa do prado intocado. Shelly havia projetado
recantos embutidos para serviço de café e chá no salão principal. Ela
agrupou cadeiras e mesas finais em aconchegantes meios-círculos
para convidar conversas tranquilas. A área de jantar adjacente
acomodava oitocentos em mesas redondas.
Meredith já tinha visto tudo isso antes. Ela passou horas ouvindo os
planos de Shelly e dando sua opinião. Ela até ajudou Shelly a escolher

o tecido da cortina para a sala de jantar.


E agora a grande inauguração havia chegado finalmente. Meredith se
esforçou para se recompor nos últimos passos até o chalé. Ela não
poderia estragar este dia para sua irmã. Ela não iria.
Capítulo Seis

A re você está bem?” Mamãe disse, varrendo a sala lotada e indo


para o lado de Meredith no momento em que ela entrou pela porta. As
pessoas estavam por toda parte, de pé, sentadas, bebendo copos de
limonada rosa.

"Estou bem", disse Meredith, forçando um sorriso e tentando abaixar


a voz para que não soasse infantil. "Desculpe, não cheguei a tempo de
ajudar."

“Não havia muito o que fazer. Você conhece sua irmã; ela tinha tudo
organizado e sob controle antes mesmo de chegarmos aqui. ” Mamãe
sorriu por cima da cabeça de Meri para um casal entrando pela porta.
"Jessica disse que você foi à cachoeira com alguém chamado Jake."
Meredith assentiu, ainda mantendo intacta sua
aparência agradável. "Você se divertiu?"
"Sim. É lindo na cachoeira. Você e papai viram desde que Jonathan
puxou todas as pedras e alargou o lago? "
"Não. Por falar em Jonathan, aqui está ele. ”
Jonathan Renfield, o homem com o sorriso constante, se aproximou
e beijou Meredith na bochecha. "Ei, eu me perguntei quando você iria
aparecer." Jonathan crescera ao lado dos Graham e era tão irmão de
Meredith quanto era cunhado.
“Eu estava dizendo a mamãe como o lago da cachoeira é
maravilhoso. Você fez um trabalho incrível de transformar aquele lugar.

"Você acha?"

"É lindo", disse Meredith.


Os olhos cinzentos de Jonathan brilharam com apreciação por seu elogio.
“Talvez seja bonito o suficiente para ser o cenário de um filme.” Um
homem barbado com longos cabelos castanhos entrou na conversa
sem ser convidado. "O que você acha?"
Meredith achou o cara rude, mas de um jeito encantador. Ele parecia
vagamente familiar.
“Você conheceu Brad Phillips?” Jonathan perguntou, deslizando o
braço em volta do ombro de Brad em um aperto rápido e amigável.
Essa foi a maneira de Jonathan convidar Brad para a conversa. "Brad,
esta é a irmã de Shelly, Meredith, e a mãe deles, Ellen Graham."
“Nós nos conhecemos”, disse Ellen. "Com licença. Vou encontrar
Perry. ” Meredith sabia que essa era a maneira educada de sua mãe
dizer: "Eu conheci
esta pessoa, e eu não o considero digno da minha atenção, então eu
vou embora. ”
“Brad era vizinho de Shelly em Pasadena”, Jonathan disse a Meredith
depois que sua mãe foi embora.
"Oh!" A lâmpada acendeu-se no sótão de Meredith. “O companheiro
de quarto de Jacob. Foi muito gentil da sua parte vir para isso. "
“Foi ideia da minha esposa”, disse Brad.
"Você já conheceu Alissa?" Jonathan
perguntou. "Acho que não."
“Vai ser difícil perder ela”, disse Brad, olhando ao redor da sala. Ele
tomou um gole de sua limonada e disse com naturalidade: "Ela é a
mulher mais linda aqui."
Meredith soltou uma risada brilhante.
"Ela é", disse Brad sem pestanejar. Ele tomou outro gole longo e
fresco de sua limonada. “Se eu soubesse que a vida de casado poderia
ser tão incrível, teríamos nos casado há muito tempo.”
“Lembro-me de Shelly ter ido a Los Angeles para o seu casamento”,
disse Meredith. "Não foi no mês passado?"
Brad sacudiu seu cabelo rebelde. "Amanhã serão exatamente dois
meses."

"Parabéns", disse Meredith. Sua boca estava entregando uma


conversa adequada e educada, mas sua mente estava girando com a
imagem de Jacob Wilde sendo um companheiro de quarto deste
homem terreno que agora estava diante dela em uma camisa de
flanela e shorts. Os dois caras eram opostos. Ou foram? Ela não sabia
o suficiente sobre Jacob para determinar se ele e Brad tinham mais em
comum do que aparentava. Ela estava morrendo de vontade de saber
mais sobre Jacob.

"Obrigado", disse Brad. “Você deveria ter vindo ao casamento com


Shelly. Tínhamos no Descanso Gardens. O dia estava perfeito. ”
“Foi um casamento muito bom”, Jonathan concordou. “Eles o tinham
em um jardim de rosas, e as flores eram lindas.”
Meredith se perguntou se Jonathan estava com um pouco de inveja.
Ele e Shelly queriam se casar fora, mas mamãe insistiu que o tempo
estava muito imprevisível em Seattle em maio. O casamento foi
realizado dentro da igreja onde o pai de Meri e Shelly havia servido
como ministro por mais de trinta anos. Então, como se Deus estivesse
aproveitando a oportunidade para validar sua mãe, choveu forte
naquele dia.
Mas Meredith estava se perguntando como era Jacob em um
smoking. Ele era o padrinho? Talvez Shelly tivesse uma foto em algum
lugar.
Então, algo perplexo ocorreu a ela. Como todas essas pessoas
poderiam conhecer Jacob e não ficar impressionadas com sua fama
na tela de cinema? Shelly nunca tinha mencionado uma vez que sabia
que uma estrela de cinema ou que seu next-door vizinho era um ator.
Por que ela nunca me contou? Ela estava com medo de que eu
corresse até lá e fizesse papel de boba? Ela sabia que sua irmã podia ter
razão.
Então, como sua curiosidade a estava matando, Meredith perguntou
a Brad: "O que você estava dizendo sobre um filme sendo filmado na
cachoeira?"
"Cuidado", disse Jonathan, dando um soco brincalhão no braço de
Brad antes de sair para cumprimentar alguns outros convidados.
“Minha irmã-de-lei aqui é viciada em estrela de cinema . Não conte a
ela sobre você-sabe-quem. "
"Quem?" Meredith desafiou quando Jonathan começou a se afastar.
"Jacob?"
Jonathan olhou para trás por cima do ombro.
"Eu já conheci o seu querido Sr. Wartman e não desmaiei nem nada."
Jonathan deu-lhe um queixo-up sorriso e continuou, misturando-se à
multidão.
O rosto de Brad assumiu uma careta fixa. "Você o chamou de Sr.
Wartman, e ele não bateu em você?"
“Eu não o chamei assim. Kyle fez. ”
"Bem," Brad ergueu o copo e deu um gole nos restos. “Acho que os
potenciais investidores podem chamar os potenciais produtores do
que quiserem”.
"Esse não é o nome verdadeiro dele?"
“Sim, é o nome verdadeiro dele. Jacob Frederick Wartman. Ele odeia
isso. Seu agente mudou para Jake Wilde quando ele começou a fazer
comerciais em

alguns anos atrás. Em seguida, eles mudaram para o mais sofisticado


Jacob Wilde quando ele fez Falcon Pointe . Mas não divulgue essa
informação para os trapos. Kyle acha que é engraçado e
provavelmente pode se safar, mas Jake odeia que as pessoas joguem
o 'Wartman' na frente dele. ”
"Eu posso entender isso", disse Meredith. “Mas é o nome dele. Quero
dizer, família e herança não são algo para se descartar assim. ”
“Ele tem uma família estúpida . Mas então ”, acrescentou Brad,“ hoje
em dia e em nossa sociedade, quem não gosta? Seus avós o criaram, e
ele era filho único. Eles nem eram seus avós. Eles eram um casal de
velhinhos gentil que o adotou quando eles estavam na casa dos
cinquenta. Os dois se foram agora, então ele não sente uma grande
obrigação de continuar com o nome Wartman. ”
"Entendo", disse Meredith. Ela achou todas essas informações
privilegiadas sobre Jacob incríveis. Não admira que Shelly e seus
outros amigos não idolatrassem Jacob. Para eles, ele era apenas um
cara comum - amigo deles . Oh, como Meri gostaria de poder voltar no
tempo e ser apenas amiga de Jacob.
“Como você conhece Jake? Por meio de Shelly? ”
"Na verdade, eu o conheci esta manhã na casa de Kyle e Jessica."
"Ele está aqui?" Brad pareceu surpreso. Foi o primeiro indício de
emoção. “Achei que ele estivesse em Nova York até a semana que
vem.”
“Eu acho que ele voou esta manhã, mas ele saiu cerca de meia hora
atrás. Acho que ele vai voltar para LA ”
“Eu não disse a ele que Alissa e eu iríamos subir. Ele ficará surpreso
ao descobrir que estivemos aqui ”, disse Brad.
A curiosidade de Meredith era insaciável. “Eu tenho que te perguntar
uma coisa. Jacob, ou Jake, como você o chama, está pensando em
fazer um filme aqui? Você disse algo sobre a cachoeira e os
investimentos de Kyle. ”
Brad concordou. “Da última vez que ouvi, Jake e Kyle estavam nas
negociações finais. É um roteiro em que Jake vem trabalhando desde
que eu o conheço. Algum tipo de conto de fantasia ou algo assim. Ele
conheceu esse cara Kalen, e ele tem ajudado Jake com o roteiro. ”
“Gabriel Kalen? Jake tem trabalhado com Gabriel Kalen? ”
"Sim, você o conhece?"
“Só por sua reputação. Trabalho para uma editora que distribui o
vídeo infantil de Gabriel Kalen. ”
“Então você deveria ter falado sobre negócios com Jake. Ele está
indo atrás deste projeto em grande momento. ”
A mente de Meredith estava girando com pensamentos de Jake e
seu roteiro. Era por isso que ele estaria na Conferência Stories and
More? Eles estavam meio que na mesma linha de trabalho. Por que
não

Jake disse alguma coisa?


"Com licença", disse Brad. “Vou voltar para o bebedouro. Não se
esqueça de se apresentar a Alissa. Ela ficará feliz em conhecê-lo. ”
"Eu irei. Prazer em conhecer você também."
Meredith estava sozinha em uma sala lotada com centenas de
pessoas. Ela não conseguia parar de se acusar do jeito que ela se
tornou uma fã enlouquecida perto de Jacob e estragou o início de uma
amizade normal.
Abrindo caminho através da multidão, Meredith foi até a cozinha. Ela
sabia que poderia encontrar um pouco de solidão lá e talvez algo
salgado para comer. Sempre que se sentia deprimida, ela queria
batatas fritas. Antes que ela chegasse à cozinha, Shelly a interceptou e
agarrou seu braço.
"Onde você esteve?" As palavras de Shelly não soaram acusatórias
como as de mamãe. Seus lábios carnudos iluminaram seu sorriso
brilhante. “Jessica disse que você e Jake foram para a cachoeira. Nós
vamos? Como foi?" Ela usava um suéter azul marinho com uma
camiseta rosa suave de mangas curtas por baixo. Seu longo cabelo
castanho sedoso caia suavemente sobre seus ombros, e seus olhos
castanhos brilharam com curiosidade.
Meredith há muito invejava a aparência natural de Shelly. Sempre
que elogiava Shelly por sua aparência acolhedora, Shelly gemia e dizia
que desejava ter herdado as características mais finas de Meredith - o
queixo estreito, o nariz fino e os lábios delicados. Eles compartilhavam
algumas características comuns, no entanto. Seus olhos eram
semelhantes em forma, embora diferentes na cor. Os olhos verdes de
Meredith foram realçados por suas lentes de contato coloridas.
Meredith e Shelly tinham sobrancelhas arqueadas e bem definidas .
Shelly ensinou Meredith a puxar moderadamente e persuadir as
sobrancelhas dramáticas a obedecerem. Meredith ensinou Shelly, a
moleca, como se barbear em volta dos tornozelos sem machucar o
osso do tornozelo.
"Não há nada a dizer", disse Meredith. “Ele é um cara legal. Estou
surpreso que você não tenha me contado sobre ele antes. "
“Eu te falei sobre ele muitas vezes. Você nunca se interessou. Ele é
um amor, não é? "
“Você e Jessica estavam nisso juntos? Você estava tentando nos
armar ou algo assim? "
"Não!" Shelly parecia chocada que sua irmã suspeitasse de tal coisa.
Definitivamente era o tipo de coisa que Meredith faria, mas Shelly não
se envolvia em casamentos.
“Por que você queria saber como foi? Como era para

vai?"
Shelly puxou Meredith para fora da sala barulhenta e para o deque
traseiro. O sol havia esquentado o convés e as cadeiras Adirondack
voltadas para a campina estavam todas vazias. Shelly se sentou na
beirada da primeira cadeira e fez um gesto para Meredith se sentar ao
lado dela. Shelly havia trabalhado como comissária de bordo por cinco
anos e tinha um jeito suave quando queria que as pessoas
cooperassem com seus arranjos. Meredith se sentou na cadeira
quente.
"Yeouch!" ela disse, baixando o short para cobrir a parte de trás das
pernas. “Segunda vez em um dia. Já se passou muito tempo desde
que usei shorts e muito tempo desde que estive ao sol em um dia
quente. ” "Eu sei. O tempo está perfeito, não é? Eu amo isso aqui! ”
Shelly se inclinou para frente. “Não se sinta pressionado por Jake. Não
quero parecer agressivo. É que parece que ele vai trazer uma equipe de
filmagem para cá em alguns meses, e todos estão animados com isso.
Você pode
querem descer novamente quando começarem a produção. ”
“Eu ouvi sobre o filme”, disse Meredith. “Parece que vai ser muito
divertido para vocês.”
“Você vai pensar que sou louca”, disse Shelly, “e talvez eu seja. Isso é
tão diferente de mim, mas quando Jessica me disse que você tinha
saído para dar uma volta com Jake, eu pensei, é claro! Meri e Jake.
Eles são perfeitos um para o outro. ”
“Você pensou isso, hein? Bem desse jeito? Fora do azul?"
Shelly sorriu. "Eu te disse antes, não disse, que saí uma vez com
Jake?"
Meredith se sentiu desconfortável. Ela tinha suspeitado de algo assim.
"Que desastre!" Shelly disse com um aceno de cabeça. “Ele gosta de
música clássica, como você, por isso fomos a um concerto de verão
no parque. Eles tocaram toda a sua música Vivaldi, e nós sentamos
nessas cadeiras de praia baixas na grama. Foi uma noite linda e
quente, e Jake recostou a cadeira e adormeceu. Fale sobre um primeiro
encontro cintilante. Ele vinha trabalhando muitas horas no restaurante
e como feitor em um estúdio apenas para obter alguma experiência na
indústria cinematográfica . Os pobres
cara estava frito. Esse foi o nosso primeiro e último encontro. ”
Meredith não sabia como contar à irmã sobre seu primeiro e último
encontro com o mesmo homem. Parecia inútil, mesmo à luz dos
delírios de Shelly sobre como eles se dariam bem.
“Eu não acho que há muita chance de Jacob estar interessado em
me ver novamente,” Meredith disse suavemente. “Ele parece um cara
muito legal, como você disse, mas eu meio que acertei três rebatidas
com ele, todas seguidas.
Acho que estou fora. ” Ela decidiu não listar os três ataques e ficou
feliz por Shelly não ter pedido detalhes. Foi humilhante o suficiente
lembrar como ela ficou com o rosto verde diante do homem inocente
enquanto ele dormia e como ela gritou para ele sair. Em seguida, houve
o show de fantoches. O muffin na cara, o que pode ou não ter sido uma
coisa ruim. Mas isso realmente não importa. A greve do rei foi a
maneira como ela se transformou em uma idiota delirante quando
descobriu quem ele era. Ela estava fora de lá.
"Oh," Shelly disse suavemente. Ela colocou as mãos sobre o
estômago e disse: “Foi só uma ideia. Não sinta que estou
pressionando você para nada. ”
"Tudo bem. Eu sei que você está apenas sendo uma irmã, e eu
agradeço isso. ” “É engraçado”, disse Shelly. “Eu sempre penso em
você como o casamenteiro.
Agora entendo por que é divertido estar nessa posição. ”
Sim, bem, agora eu sei que é muito mais divertido ser o casamenteiro
do que aquele que está sendo casado . Meredith olhou para o prado. O
poderoso sol do meio-dia estava fazendo com que as altas flores
silvestres caíssem. Logo a cor brilhante deles secaria e Jonathan os
derrubaria com seu cortador elétrico. Ela se sentia como aquelas
flores silvestres. Seu breve e brilhante momento com Jacob veio e se
foi na cachoeira esta manhã. Por dentro, ela também se sentia abatida.
“Eu queria te dizer outra coisa,” Shelly disse, captando o olhar de
Meredith e trazendo-a de volta para o convés e para o pequeno círculo
de confiança que abraçava as duas irmãs.
"Sim?"
"Estou seis dias atrasado."

Capítulo Sete
L comeu para quê?” Meredith disse distraidamente.

"Você sabe." Shelly deu uma risadinha. "Estou seis dias atrasado." Ela
fez uma pausa. "Acho que posso estar grávida."
Meredith se iluminou e agarrou as mãos de Shelly. "Mesmo? Você
acha que você é?"
"Não sei. Nunca cheguei tão tarde antes. ”
"Você contou a Jonathan?"
Shelly balançou a cabeça. “Não, ele está tão sobrecarregado com
todos os detalhes aqui no acampamento que eu não quis colocar nada
sobre ele até depois que isso acabasse. Eu estava morrendo de
vontade de contar a alguém e estou morrendo de vontade de descobrir!
Não diga nada, ok? "
Meredith
assentiu. "Você
promete?"
"Sim, claro!" Meredith estendeu o dedo mínimo e Shelly
automaticamente ligou-o da maneira que costumavam fazer quando
eram crianças, quando selavam promessas.
“Agora, eu tenho um grande favor para te pedir. Na verdade, é por
isso que eu queria que você viesse cedo esta manhã. "
"Desculpe, eu não estava aqui."
“Não, não se preocupe com isso. Está bem. Mas o que eu queria
perguntar é se você poderia correr até a drogaria da cidade para
comprar um teste de gravidez caseiro para mim. Todo mundo na
cidade me conhece, e se eu for, vai ser fofoca por toda parte antes
mesmo de eu ter os resultados do teste. Eu teria entrado em Eugene
para comprar um, mas não consegui escapar nos últimos dois dias. Se

é positivo, quero ser capaz de contar a mamãe e papai antes de partirem. ”


"É melhor você contar a Jonathan primeiro."
"Oh eu vou. Eu só preciso fazer um teste de gravidez. ”
“Mostre-me a farmácia mais próxima. Eu sou seu parceiro
silencioso, ”Meredith disse.
“Oh, bom. Você pode levar meu carro. Está estacionado perto de
nossa cabana. Você conhece a drogaria na rua principal, não é? ”
Meredith assentiu.
“Aqui está algum dinheiro.” Shelly tirou algum dinheiro do bolso do
suéter. “Quando você voltar, deixe o teste no banheiro da nossa casa e
depois venha me contar.”
"Entendi", disse Meredith. Ela adorava a emoção de uma aventura.
“Onde estão as chaves do seu carro?”
“Dentro de casa no cesto sobre o balcão. Não deixe Bob Two sair.
Ele sabe que algo está acontecendo por aqui hoje, e ele sabe que não
pode ter o controle do acampamento. Estamos tentando fazer com
que ele se acalme. ”
"Eu estarei de volta em um flash", disse Meredith, pegando o dinheiro
de Shelly e subindo as escadas do convés com um passo leve.
“Mamãe é a palavra certa,” ela disse por cima do ombro. "Ou devo
dizer, mamãe é a palavra certa?"
"Shhh", disse Shelly, colocando o dedo nos lábios.
Meredith fez uma careta. "Desculpe! Eu volto já." Ela tinha certeza de
que ninguém a tinha ouvido. Muito barulho vinha de dentro do chalé.
Meredith foi direto para a pequena e charmosa cabana de toras que
Jonathan construiu para Shelly e ele mesmo. Consistia em dois
quartos, um banheiro, uma cozinha e uma sala de estar. De acordo
com Jonathan, isso era tudo que alguém precisava.
Bob Two, o cocker spaniel cor de caramelo , começou a latir antes
mesmo de Meredith chegar à porta da frente. “Sou só eu,” ela gritou.
"Estou entrando para pegar as chaves, então não me morda, seu vira-
lata."
Passou por sua mente que Jake também não gostava de cachorros.
O pensamento a fez rir alto. Talvez eles tivessem muito em comum,
como Shelly sugeriu.
Talvez Jake possa ignorar meus “ataques”. Talvez ele me ligue. Ele
sabe que moro em Whidbey. Talvez ele procure meu número. Ou ligue e
peça para Shelly. E podemos ter uma segunda chance. Vamos começar
uma amizade por telefone, ou melhor ainda, um romance por e-mail !
Meredith fez uma pausa antes de abrir a porta de tela da frente. Não,
isso nunca aconteceria .
“Cai fora, isca de pulgas”, disse ela a Bob Dois. Na verdade, para um cachorro,
ele

estava bem. Não baba demais; apenas um pouco ansioso demais. "To
entrando."

Bob Dois não pareceu perceber que Meri achava que ele estava bem.
Ele deu todas as indicações de que não gostava dela. Encostando-se
no canto da cozinha, ele latiu e suas orelhas balançaram. Meri agarrou
as chaves e soprou um beijo sarcástico para o cão. "Até mais!"
Certificando-se de que a porta de tela estava bem fechada atrás
dela, Meredith se dirigiu para o jipe de Shelly e Jonathan. Bob Dois
ainda estava latindo.
O rugido do motor abafou seus protestos, e ela disparou pelo
caminho de cascalho em direção à cidade. Uma vez que ela estava na
estrada principal lisa, Meri inclinou o espelho retrovisor em sua direção
e verificou sua aparência. O topo de seu nariz parecia queimado de sol,
assim como o arco alto de suas bochechas.
“Ah, sol de verão. Como senti sua falta. ” Ela percebeu que seu
cabelo estava extraordinariamente cooperativo e ainda parecia bom,
apesar do passeio no conversível, da caminhada até a cachoeira e da
corrida até a cabana de Shelly.
O que Jake pensa de mim? Eu sou simples em comparação com as
estrelas de cinema glamorosas com quem ele sai? Ele pensaria menos de
mim se soubesse que meu cabelo era realmente tão castanho quanto o de
Shelly? Não, eu não acho que ele faria. Acho que ele gosta de loiras. Acho que
ele gostou do meu cabelo. Ele percebeu isso. Eu sei que sim. E ele tirou uma
foto minha. Eu me pergunto o que ele vai fazer com aquela foto. ...
Meredith parou sua linha de pensamento. Espere um minuto. Isso
não tem sentido. Por que ainda estou pensando nele? Deixe-o ir, Meri .
Ela entrou na cidade e diminuiu a velocidade do Jeep até o limite de
velocidade de 25 mph. A cidade parecia limpa. Poucos carros estavam
estacionados ao longo da rua nas pequenas lojas. Meri sabia por quê.
Eles estavam todos no centro de conferências.
Ela estacionou o jipe e saltou, ansiosa para comprar o teste de
gravidez e devolvê-lo a Shelly. Ela estava tão ansiosa para saber os
resultados quanto sua irmã. Bem, talvez não tão ansiosa, mas ela se
sentiu especial sabendo que Shelly tinha confidenciado a ela antes de
contar a qualquer outra pessoa. Ela gostava de compartilhar esses
momentos significativos com sua irmã e estava feliz em fazer o que
pudesse para participar.
Uma campainha soou na porta quando Meredith entrou na pequena
farmácia. Parecia que nada havia mudado nesta loja desde os anos
cinquenta.

Foi isso que Shelly disse que gostava em Glenbrooke. Parecia ser a
cidade que o tempo esqueceu. Muitas pessoas viviam de acordo com
os valores de meio século atrás. Todo mundo conhecia todo mundo.
Alguns dos

as pessoas que viviam aqui nunca estiveram fora de um raio de


oitenta quilômetros de sua gentil cidade. Isso ajudou a explicar um
pouco melhor a reação selvagem quando as mulheres viram Jacob
mais cedo. As estrelas de cinema simplesmente não vieram para
Glenbrooke.
Meredith parou no corredor de testes de gravidez e rapidamente
examinou as caixas. Ela tinha três opções. Tudo o que ela sabia fazer
era verificar a data de validade nas caixas. Eles eram todos atuais.
Todos eles tinham o mesmo preço. Ela fez um eenie-meenie-minie-mo
e pegou a caixa branca maior. Pegando um pacote de chiclete de
hortelã e uma barra de chocolate Via Láctea, Meredith correu para o
balcão. Ela se lembrou de sua infância que Jonathan gostava das
barras de chocolate da Via Láctea. Se o teste for positivo, a Via Láctea
pode ajudar na divulgação das notícias. Talvez ela devesse comprar
uma Via Láctea para Shelly também. E para seus pais.
Por que não? ela pensou e pegou a caixa inteira com uma dúzia ou
mais barras de chocolate. Ela jogou a caixa no balcão na frente do
cavalheiro idoso de jaleco branco e, indiferente, colocou o teste de
gravidez ao lado do monte de barras de chocolate. O farmacêutico
olhou para a compra dela com desconfiança e disse: "Isso é tudo para
você hoje, senhorita?"
Ela sorriu para ele. "Sim, obrigado."
A campainha da porta soou novamente. Meredith esperava que o
cara se apressasse e terminasse. Ele estava registrando cada barra de
chocolate separadamente. Pela primeira vez, ela percebeu como era
embaraçoso comprar um teste de gravidez e entendeu por que Shelly
não queria vir aqui para fazer a compra sozinha. Mesmo que ninguém
em Glenbrooke conhecesse Meredith e ela soubesse que não tinha do
que se desculpar ou se envergonhar, ela ainda sentia suas bochechas
começando a esquentar com mais do que o tom de queimadura de sol
que as enfeitava.
Vamos! Vamos! Se apresse!
“Isso não tem preço”, disse o homem, segurando o teste de gravidez
e olhando a parte de baixo e ao redor da caixa.
Meredith estava ciente de que quem tinha entrado na drogaria um
momento atrás agora estava atrás dela na fila.
Largue a caixa, senhor! O preço está ali no topo. Você não pode ver
isso?
Antes que Meredith pudesse apontar, o farmacêutico encontrou o
adesivo e digitou os números na caixa registradora. O total apareceu
na janela do registro. Meredith de repente percebeu que ela não tinha

dinheiro suficiente.
“Faltam quinze centavos”, disse ela, ciente de que estava segurando
a pessoa na fila atrás dela. “Você poderia, por favor, tirar uma das
barras de chocolate? Ou espere, apenas tire este pacote de chiclete. ”
O farmacêutico lançou-lhe um olhar vazio, como se ela tivesse
acabado de lhe pedir que recitasse a Declaração da Independência ao
contrário.
“Aqui estão quinze centavos”, disse a calma voz masculina atrás dela.
Ela conhecia aquela voz. Meredith mordeu o lábio inferior e se virou
lentamente. “Oi,” ela disse para a relutante estrela de cinema atrás dela.
“Oi,” Jacob respondeu.
Meredith se lembrou de que Shelly a fizera prometer não contar a
ninguém sobre o teste de gravidez. Então ela apenas voltou para o
farmacêutico. Ele estava colocando as mercadorias em um saco de
papel. Certamente Jacob tinha visto o kit de teste de gravidez .
"Não é para mim", disse ela rapidamente, olhando para
Jake novamente. Sua expressão não mudou.
"E as barras de chocolate também não são
para mim." Nem o farmacêutico nem Jake
disseram uma palavra.
Então, porque ela não sabia mais o que fazer, ela disparou em
direção à porta.
"Meredith!" Jake gritou.
Num impulso, ela se virou e disse: “Sinto muito pelo que aconteceu
no estacionamento”.
Jacob se dirigiu para ela, o frasco de aspirina que estava prestes a
comprar ainda em sua mão. “Está tudo bem,” ele disse calmamente.
Ela ficou nervosa. Era Jacob Wilde falando com ela. Ele estava
olhando para ela com aqueles olhos castanhos calorosos. O que ele
estava pensando? Ela não se sentia nervosa assim quando ele era o Sr.
Wartman.
"Não se preocupe com isso", disse ele, olhando para a bolsa e de
volta para Meredith.
Ele mudou sua opinião sobre mim também. Eu posso dizer. Ele está
parado aqui, tentando ser educado, mas não está mais intrigado ou
encantado. O pouquinho de eletricidade que despertou esta manhã se foi
.
“Eu me diverti na cachoeira,” Meredith disse, se empurrando para
frente. "Me desculpe por ter reagido da maneira que agi e chamar tanta
atenção para você."
"Está tudo bem", disse Jake. “Eu provavelmente deveria ter dito algo
para você antes, mas, para ser honesto,” ele fez uma pausa e sua voz
suavizou, “Eu estava gostando de ser Jay por um tempo.”
Meredith acenou com a compreensão.

“Eu teria subido para o chalé com você, mas às vezes pode ficar um
pouco louco no meio da multidão. Voltei para a casa de Kyle e Jessica
para fazer alguns telefonemas e ...
“Ei,” Meredith interrompeu, “Eu não estava tentando dizer que pensei
que você deveria ter ficado por aqui. Eu entendo completamente."
"Bom", disse Jacob.
Uma pausa estranha pairou entre eles. Pareceu a Meredith que o
conteúdo de sua bolsa estava queimando um buraco em seu braço. Ela
queria dizer algo para ele - qualquer coisa. Ele achou que ela estava
grávida? Todos os seus pensamentos se acumularam como uma bola
de chiclete e grudaram no céu, tornando impossível pensar. Ele parecia
como se a mesma doença o tivesse atingido também.
A porta se abriu e um adolescente entrou. Ele parou e olhou para
Jake. “Ele é você! Minha irmã disse que você estava aqui. Ela disse que
você estava dirigindo um Mustang preto e que eu estava indo para
casa, e lá estava o seu carro e - oh, cara, não posso acreditar! Olha
Você aqui!" Ele emocionado derramou suas palavras sobre Meredith e
Jacob.
Mais uma vez, Meredith sabia o que era ser cortada de Jake. E bem
quando as coisas também tinham o potencial de ser remendadas.
“Cara, cara! Você pode esperar aqui um segundo? Eu tenho que
pegar o Russell. Ele nunca vai acreditar nisso. Não vá, ok? Só mais um
minuto. Fique ali mesmo." O garoto saiu correndo pela porta e saiu
correndo pela rua principal.
"Sinto muito", disse Meredith.
Jake deu um sorriso como se a câmera tivesse acabado de ligar
para ele e fosse hora de fazer a cena final. “Não pense mais nisso. Às
vezes é assim. ” Sua voz baixou e ele inclinou a cabeça para a direita.
"Nada disso é sua culpa ou responsabilidade."
Antes que Meredith pudesse acrescentar seu pensamento final, a
porta se abriu e sete adolescentes entraram correndo com o rapaz que
havia saído alguns momentos antes.
"Veja, eu disse que era ele!"
“Podemos ter seu autógrafo?”
“Você vai fazer mais filmes?” "Como é que
você está em Glenbrooke?" “Aqui, assine meu
braço. Não tenho papel. ”
“Esta é a coisa mais legal que já aconteceu em toda a minha
vida!” “Você é a primeira estrela de cinema que eu já vi!”
Meredith foi mais uma vez posta de lado quando Jake foi
emboscado pelo jovem fã-clube. Ele olhou para Meredith e sorriu.

“Devo quinze centavos a você”, disse ela.


“Você não me deve nada”, disse ele, assinando um bloco de papel.
Suas palavras pareciam a linha final.
Você não me deve nada.
"Bem, tchau, então", disse ela, lançando descuidadamente suas
palavras para o grupo de adolescentes admirados.
Jake ergueu os olhos. Um menino estava puxando a manga da
camiseta e implorando a Jake que escrevesse nas costas de seu braço
com um marcador permanente.
"Adeus, Meredith." Sua voz tinha um eco agridoce quando ela saiu da
drogaria e entrou no jipe. O carro alugado de Jake estava estacionado
quatro vagas abaixo do dela.
Adeus, Meredith. Ele quis dizer adeus para sempre ou adeus até que
nossos caminhos se cruzem novamente?
Lentamente dando ré no jipe, Meredith girou o volante e se dirigiu
para o centro de conferências com a sacola da farmácia no assento ao
lado dela.

Capítulo Oito

D o que você quer que eu entrar?” Meredith perguntou a Shelly meia


hora depois, enquanto ela estava do lado de fora da porta do banheiro
de Shelly.
"Claro", disse Shelly, abrindo a porta. Ela segurava um bastão de
plástico branco na mão. A caixa do teste de gravidez estava no canto
da pia.
"O que agora?" Meredith perguntou.
“Diz aqui para esperar três a cinco minutos. Se uma linha aparecer
neste graveto, significa que não estou grávida. Se aparecerem duas
linhas, então eu sou. ”
"Três a cinco minutos, hein?"
"Sim", disse Shelly, olhando para o relógio. “Estes serão os cinco
minutos mais longos da minha vida.”
“Eu vou te contar uma pequena história para passar o tempo,” Meredith
ofereceu.
Shelly lançou-lhe um olhar ligeiramente irritado. As histórias não
eram a maneira de Shelly distrair sua vida.
“Acho que você vai gostar dessa história. É sobre uma irmã amorosa
que vai a uma drogaria em uma pequena cidade e compra para sua
querida irmã um kit caseiro de gravidez. Então, o cliente na fila atrás
dela é amigo da mulher potencialmente grávida. Mas ele, é claro, acha
que o teste de gravidez pertence à irmã amorosa. ”
“Quem era? Kenton? ”
“Não,” Meredith disse
lentamente.
"Isso mesmo", disse Shelly. “Kenton e Lauren se foram esta semana.
Quem foi? Todo mundo estava no centro de conferências. ”
"Quase todo mundo."

Shelly definitivamente parecia irritada agora. "Quem era, Meredith?"


“Experimente um certo homem que ama Vivaldi , com cabelos lindos
e um rastro de
fãs enlouquecidos o seguindo por toda
Glenbrooke. ” "Jake estava na drogaria?"
“Ele entrou depois de mim, mas não o vi até estar no caixa.”
"Você não disse a ele que o teste de gravidez era para mim, disse?"
“Não, eu disse a ele que era para mim,” Meredith disse
sarcasticamente. Ela podia ver sua irmã começando a suar.
"Se você contar a ele", disse Shelly, com o rosto ficando vermelho, "e
ele contar a Brad, isso vai sair no noticiário das seis antes que eu tenha
a chance de falar com Jonathan."
"Não se preocupe. Ele não perguntou e eu não contei. Você pode
imaginar como me senti com ele parado ali olhando para mim com um
teste de gravidez na minha mão? Exatamente o que precisávamos para
garantir que nunca houvesse qualquer chance possível e ligeiramente
esperançosa de um relacionamento se desenvolver entre nós. ”
"Oh, Meri, sinto muito." Shelly se acalmou e olhou para o relógio.
"Está bem. Mesmo. Achei que você deveria saber para que possa dar
um descanso aos seus planos malucos de casamentos. "
“Eu não vou dizer nada sobre isso novamente. Lamento que você
tenha ficado preso nessa situação embaraçosa por minha causa. ”
“Vou me lembrar disso da próxima vez que quiser um favor seu”,
disse Meredith.
Shelly rapidamente olhou para a vara. Ela não disse nada. Meredith
se aproximou. As duas irmãs ficaram com as cabeças se tocando,
olhando para o bastão de plástico, desejando que a segunda linha
aparecesse. Um minuto e meio completo se passou.
“É apenas uma linha”, disse Shelly.
"Há quanto tempo?" Meredith perguntou.
Shelly olhou para o relógio e colocou a vareta de teste em cima da
caixa. "Sete minutos."
"Tem certeza?" Meri disse, tentando oferecer esperança.
"Sim. Sete minutos, ”Shelly disse com um suspiro triste.
“Definitivamente, há apenas uma linha.”
Eles ficaram em silêncio por um momento. Shelly reuniu as
instruções e colocou todas as peças de volta na caixa.
“É provavelmente todo o estresse que você tem passado
ultimamente,” sugeriu Meredith. "Você teve muito esforço para se
preparar para isso

grande abertura."
"Você está certo. Tenho certeza que é isso. Além disso, realmente
não estamos prontos para ter um bebê. Conversamos sobre tentar em
um ano ou mais. Temos muita coisa acontecendo agora, sabe, com a
inauguração do centro de conferências e tudo. ”
Meredith viu uma lágrima solitária na borda da pálpebra de Shelly.
“Não seja tão corajoso. Você estava quase grávida, e você tem todos
direito de se emocionar com isso. ” Meredith abriu os braços e Shelly
recebeu seu abraço reconfortante.
"E quem sabe", disse Meredith enquanto Shelly se afastava e
enxugava as lágrimas. "Você ainda pode estar grávida, mas não está
grávida o suficiente para que apareça no teste."
"Isso é verdade. Exceto que não acho que posso suportar o
suspense de fazer outro teste em casa. Se eu não tiver começado até o
final da próxima semana, vou ver um médico. ”
"Boa ideia. Você vai contar a Jonathan? "
"Sim, claro. Eu eventualmente conto tudo a ele. Faça-me um favor e
não diga nada para a mamãe, ok? "
"Eu não vou," Meri prometeu. "Você quer voltar para seu chalé cheio
de convidados agora?"
“Suponho que sim. Não sobraram tantas pessoas assim, não acho. ”
Shelly jogou o resto do teste caseiro na lata de lixo do banheiro.
“Lamento que você tenha perdido a cerimônia de dedicação enquanto
estava na drogaria. Foi realmente maravilhoso. Papai orou, Kyle disse
algumas coisas muito boas sobre Jonathan e eu cortei a fita. Queria
que você pudesse ter estado lá. Mas agradeço que você tenha ido à
farmácia para mim, embora isso tenha acabado te envergonhando. ”
"Tudo bem. Fiquei feliz em fazer isso por você. ”
Shelly abriu a porta do banheiro. Bob Dois estava sentado lá,
ofegante e esperando por eles. Pegando a pequena bola de pelo, Shelly
disse: "Por enquanto, você será nosso bebê".
Ele lambeu sua bochecha, e Meredith se encolheu. "Como você
agüenta ter saliva de cachorro em você?"
"Você nunca ouviu falar como a língua de um cachorro é limpa?"
"Você só pode estar brincando. Sem ofensa, Bowser, mas eu vi você
lambendo o lixo da cozinha mais cedo. Você é uma grande
bola de lodo, sabia disso? "
"Não fale com meu bebê desse jeito!" Shelly disse, colocando Bob
Dois no chão. “Você fica aqui, Bob Two. Estaremos de volta mais tarde
esta noite. Eu não posso te deixar sair porque muitas velhinhas doces
estão por aqui, e você

pode assustá-los até a morte. ”


“Sim, certo,” Meredith murmurou.
Bob Two latiu quando eles saíram pela porta de tela.
“Ele não gosta de você”, disse Shelly.
“Claro que não. Ele é um homem. Diga a ele para entrar na fila, ”Meri
disse.
“Sabe, eu estava pensando. Por que você não liga para Jake? " Shelly
sugeriu enquanto eles voltavam para o alojamento central.
"Por que? E eu pensei que você não iria mencioná-lo novamente. "
“Bem, eu mudei de ideia. Eu acho que você deveria ligar para ele para
dizer a ele
o teste de gravidez era para mim e você prometeu não dizer nada. Não
importa agora porque não estou grávida. ”
"Você não acha que está grávida."
"A mesma coisa neste ponto."
"Não acho que ligar para ele mudaria alguma coisa", disse Meri. “Não
foi apenas a aparência questionável de eu ter comprado um kit de
gravidez. Eu aterrorizei o cara o dia todo. Ele não quer mais ouvir falar
de mim; Posso garantir isso. ”
“Aterrorizado? O que você fez?"
Meredith descreveu com cautela o encontro matinal com o rosto de
abacate e o chapéu azul. Shelly começou a rir.
"Tem mais", disse Meri e começou a compartilhar a parte sobre o
show de fantoches, o muffin esmagado e a explosão imatura no
estacionamento.
"Sabe", disse Shelly depois de controlar o riso, "pelo menos, você
deixou uma impressão duradoura no cara."
- É disso que tenho medo - murmurou Meri.
Eles pararam do lado de fora do chalé e além da audição de uma
dúzia ou mais de pessoas sentadas na varanda da frente visitando.
"Você sabe oque eu penso?" Shelly disse. “Acho que seu piquenique
deve ter sido uma experiência revigorante para Jake depois de lutar
contra a atenção que ele tem recebido desde que Falcon Pointe saiu.
Ninguém esperava que aquele filme se tornasse um sucesso tão
grande. Ele era um sem-nome, do nada, e agora ele é repentinamente
famoso e sendo atacado em estacionamentos e drogarias. Deve ser
frustrante. Eu posso ver porque ele não queria que você soubesse
quem ele era pelo maior tempo possível. "
“Eu gostaria de poder voltar no tempo e começar o dia de novo.”
“Não, não precisa. Esta é a vida. Esta é a sua vida louca e incrível, e
nada aconteceu com você hoje que não passou pelos dedos de Deus
antes de chegar a você. ”

Meri sorriu. Ela costumava ser aquela que era rápida em oferecer
idéias espirituais e encorajamento para sua irmã. Agora Shelly era
quem a estava aconselhando.
“Se Deus está realmente no controle, acho que ele deve estar com
um humor muito estranho hoje”, disse Meri.
Shelly parecia séria. "Você realmente acha que Deus tem humor?"
"Estou brincando", Meri respondeu. "Vamos entrar. Você acha que
sobrou alguma comida? ” Então ela se lembrou das barras de
chocolate. “Oh, eu comprei todas aquelas barras da Via Láctea. Onde
eu os coloquei? ”
“Você os deixou no balcão da cozinha. Eles ficarão bem lá. Jonathan
vai agradecer profusamente. Você trouxe para ele um suprimento de
duas semanas , você sabe. ”
"Só para que seu vira-lata não chegue até eles."
"Não se preocupe. Bob Two ainda não descobriu como subir nos
balcões. ”
"Quando ele o fizer, você estará em apuros."
Eles subiram os degraus da frente juntos e Shelly cumprimentou
calorosamente todas as pessoas nos bancos e nas cadeiras de
balanço.
“Sua mãe estava procurando por você, Meredith,” uma das mulheres
mais velhas disse.
"Eu aposto que ela estava," Meri murmurou baixinho. Então ela sorriu
e disse: "Obrigada." Algo dentro dela começou a encolher para o
tamanho do ginásio novamente. Ela sabia que no minuto em que visse
sua mãe, ela seria advertida sobre como perder a cerimônia de
dedicação. E o que ela diria à mãe? “Eu estava na farmácia, mas não
posso te dizer por quê”?
Felizmente, mamãe estava ocupada na cozinha e não prestou muita
atenção em Meredith até que o longo dia chegou ao fim, e Meredith,
sua mãe e seu pai voltaram para a casa de Kyle e Jessica depois das
nove. Minha mãe disse despreocupadamente: “Eu não vi você na
cerimônia, Meredith. Onde você estava? "
Ela respirou fundo. “Eu tive que fazer uma missão na cidade. Não
voltei a tempo. ”
"Que tipo de missão?" Mamãe quis saber. "De
quem é o carro que você pegou?" Papai
perguntou.
“Peguei o jipe de Shelly e não era nada. Uma tarefa rápida para
ajudar Shelly. É por isso que descemos, não é? Para ajudar? Bem, eu
estava ajudando. ”
Mamãe se virou e deu a Meredith um olhar de desaprovação. “Eu só
fiz uma pergunta simples”, disse ela. “Você não precisa ser tão

defensiva."
Meredith pensou sobre essa frase enquanto lavava o rosto e se
preparava para se enfiar em sua cama confortável no Patchwork Room.
Mas preciso ficar na defensiva com você, mãe. Como posso te dizer isso?
Você não vê o quanto você mudou nas últimas semanas? Você está
tentando me dizer o que fazer o tempo todo e não está me tratando como
um adulto .
Meredith colocou a toalha quente sobre o rosto e puxou a água
fumegante com uma respiração profunda. Talvez ela esteja me tratando
como uma criança porque eu deixei. Eu me transformei em uma
garotinha sempre que estou perto dela. Por que estou fazendo isso? Eu
não costumava .
Vestindo a camisola e indo para a cama, Meredith notou algo em seu
travesseiro. Ela havia tirado suas lentes de contato e não conseguia
descobrir o que era. De cor esverdeada, definitivamente não era
hortelã. Foi um bug? Ela pegou a arma mais próxima, que era um livro
de poesia na mesa de cabeceira. Cautelosamente, ela se aproximou do
intruso com o livro em posição, pronto para quebrar a qualquer
momento. Meri semicerrou os olhos. Foi isso? Era!
"Uma uva", disse ela em voz alta. "Como uma uva solitária entrou
aqui?" Um sorriso se espalhou por seu rosto. Ela pegou a uva verde e
riu. Até Meredith se sentiu melhor quando ouviu sua própria risada.
Jake deve ter colocado lá quando voltou para casa para fazer seus
telefonemas.
Rastejando sob as cobertas, ela segurou a uva solitária entre o
polegar e o indicador, rolando-a para frente e para trás. Ela sorriu
satisfeita para si mesma. Então, o homem tem imaginação .
Capítulo Nove

Uma semana depois, Meredith estava sentada em sua mesa


bagunçada em seu escritório em casa quando o telefone tocou. Ela
saltou antes de atender ao segundo toque. O telefone tocando no meio
do dia não deveria tê-la surpreendido. Tocou o tempo todo. Mas no
momento ela estava perdida em um sonho.
"Esta é Meredith", disse ela depois de apertar o botão do viva-voz.
“Sou eu”, disse Shelly. "Você
ocupado?" "Na verdade. E aí?"
“Eu comecei”, disse Shelly.
Demorou Meredith um momento para entender o que ela queria
dizer. "Oh. Você está bem?"
"Certo. Estou bem. Um pouco inchado, mas você sabe como é. Eu
acho que você estava certo. Fiquei confuso por causa da agenda
maluca e do estresse. As coisas devem se equilibrar agora. ”
"Bom. Espero que sim ”, disse Meri. "O que está acontecendo com
vocês?"

“Kyle e Jonathan estão trabalhando na limpeza da campina hoje. Faz


tanto calor a semana inteira que tudo seca, e Kyle acha que pode haver
risco de incêndio. Odiei ver todas as flores silvestres desaparecerem. ”
“Eu posso imaginar,” Meredith concordou. "É um belo prado." Ela
pegou uma caneta e começou a rabiscar no canto da sua mesa.
Apenas uma semana atrás, ela havia se comparado às flores silvestres
daquele campo: frescas e charmosas em um dia e aradas no outro.
Dela própria

a profecia havia se tornado realidade para ela. Ela esperou a semana toda, mas
Jacob nunca ligou. Ele não mandou e-mails e não escreveu. Toda a
esperança havia secado, murchado e murchado. Certamente qualquer
homem com imaginação suficiente para deixar uma uva em seu
travesseiro era capaz de contatá-la dentro de uma semana, se
quisesse.
"Falei com Jake ontem à noite." Shelly
disse. Meredith não respondeu.
“Eu disse a ele sobre o teste de gravidez. Eu disse a ele que era
para mim. ” "Tenho certeza de que ele ficou muito aliviado",
disse Meri.
"Isso soou muito sarcástico."
"Por que você sentiu a necessidade de contar a ele?"
"Eu queria que ele tivesse uma opinião mais precisa sobre você."
“Oh, bem, muito obrigado, Shelly, mas acho que é tarde demais para
isso. Meu breve encontro com aquele homem inocente foi muito maior
que a vida, sabe? Se ele e eu tivéssemos nos conhecido em outras
circunstâncias, em outra vida, em outro planeta, pode ter havido
alguma esperança para seus esforços. ”
“Ele disse que gostou de conhecer você”, divulgou Shelly.
“Tem certeza que ele não disse que foi 'memorável'? Se eu fosse ele,
usaria outras palavras além de 'gostei'. ”
"Ele disse que gostava."
"Quão gracioso da
parte dele."
"Meri, você nem quer saber o que mais ele disse?" "Acho
que não."
Houve uma pausa. “Eu vou te dizer de qualquer maneira. Jake disse
que gostou de conhecê-lo porque você é muito original. ”
"Original!" Meredith piou. "Oh isso é bom. Isso é terrível. Eu sou
original. Isso está no mesmo nível que 'Ela tem uma grande
personalidade'. Meri balançou a cabeça e rabiscou o girassol que
estava rabiscando. "Que triste. Ele acha que sou 'original'. ”
“Meri, você é tão engraçada quando se trata de homens. Eu nunca te
entendi. Você tem todos esses caras clamando para sair com você,
mas você nunca se interessa por eles. ”
"Então?"
"Então, aqui está um em que você está interessado e não vai
admitir." Meredith se sentiu frustrada com sua irmã perceptiva. Este
não foi
O papel usual de Shelly, o que tornava a situação ainda mais
desconfortável. Shelly nunca a havia pressionado a ter uma opinião
mais elevada sobre um cara antes, exceto quando eles estavam no
colégio e Dennis Trammel a convidou para um banquete de Natal em
sua igreja. Meri

recusou porque ela pensava que ele era um perdedor. Shelly a


repreendeu e disse que não era legal descartá-lo tão rapidamente. Ela
disse a Meri que deveria estar disposta a namorar alguns caras em
quem ela não estava totalmente interessada porque, pelo menos, ela
poderia praticar suas maneiras de namorar. Então, quando o Príncipe
Encantado aparecesse, ela estaria treinada.
Meri foi ao banquete de Natal, teve um momento terrível, e então
Dennis tentou beijá-la quando a acompanhou até a porta da frente. Ela
o empurrou, bateu a porta na cara dele e marchou escada acima para o
quarto dela, onde anunciou a Shelly que nunca mais “praticaria suas
maneiras de namorar”.
A parte triste foi que, durante os anos que se seguiram, muito
poucos Príncipes Encantados em potencial apareceram, mas uma
longa linha de caras para praticar boas maneiras apareceu. Meredith
costumava brincar que ela era um "ímã idiota". Cada idiota ambulante
em Seattle parecia ser atraído por ela.
“Ok, então estou interessado em Jacob Wilde. Pronto, eu admiti.
Agora posso entrar na fila com metade das mulheres da América.
Vamos formar uma linha de mulheres 'originais' interessadas em Jake.
Isso faz você feliz?"
"Que há com você? Você com certeza está arrogante hoje ”, declarou
Shelly. "Desculpe. É que não estou acostumada a receber
orientações de você, de todos
pessoas, na minha vida amorosa. Achei que você não fosse fazer isso. ”
"Eu mudei de ideia. Por que eu não deveria ajudar o Cupido a atirar
algumas flechas em sua direção? " Shelly perguntou. “Você com
certeza deu tudo de si quando se tratou de Jonathan e eu voltarmos.
Posso evitar se acho que você e Jake seriam bons um para o outro? "
“Não, você não pode evitar. Essa é sua opinião de irmã, e vou aceitá-
la com gentileza. Obrigada. Agora deixe pra lá. Não basta você pensar
que somos bons um para o outro. Jake também tem que pensar isso.
Se ele não se sentiu obrigado a entrar em contato comigo uma semana
após nosso primeiro encontro, não há interesse de sua parte. Essa é a
lei do desenvolvimento de relacionamento. ”
"Oh sério?" Shelly disse. "Você tem essa lei escrita em algum lugar?"
"Ainda não", disse Meredith, iluminando-se. “Estou pensando em
escrever um livro sobre o assunto e depois ele será escrito.”
Shelly riu. “Quero uma cópia quando esse livro for lançado, porque
adoraria poder citar todos os sábios conselhos que você me deu não
faz muito tempo.”
“Eu tenho outra ligação,” Meredith disse quando o tom de
chamada em espera soou em seu ouvido. “Eu te amo; você sabe disso,
não é? "

"Sim, eu sei disso. E eu te amo também. Falo com você mais tarde."
Meredith apertou o botão do telefone e atendeu a próxima ligação.
"Olá, aqui é Meredith." Um dos designers de arte de sua editora
precisava discutir o layout de um livro de imagens em que estavam
trabalhando.
Quinze minutos depois, Meredith desligou e verificou o relógio. 3:27.
Tempo para uma pausa. Ela ainda não tinha almoçado e estava com
fome, mas não sabia do que estava com fome. Caminhando escada
abaixo para a cozinha em sua cabana tranquila, Meredith vasculhou a
geladeira procurando por algo interessante. Ela escolheu uma caixa de
iogurte de amoras silvestres e saiu para a varanda da frente para
comer.
A tarde de primavera estava viva com as cores, aromas e sons da
floresta viva onde o Tulip Cottage ficava perto de um pequeno lago.
Respirando fundo o ar fresco, Meredith empoleirou-se na grade da
varanda e olhou para seu pequeno jardim. Ela o havia cercado, mas de
alguma forma os coelhos selvagens ainda estavam mordiscando as
pontas das cenouras e da alface. Tudo estava em fase de
florescimento, e ela temia que tudo fosse comido pela vida selvagem
da floresta antes mesmo de seu jardim começar a mostrar o que podia
fazer.
Um cheiro de pólen que coça no ar levou Meredith a começar a
espirrar. Tanto para ar fresco e jardinagem orgânica. Tudo na vida tem
um outro lado, não é? Acho que minha vida também tem um outro lado.
Amo trabalhar em casa, mas aqui estou, isolado do resto do mundo .
Meredith não estava acostumada a sentir pena de si mesma. Ela
normalmente tinha tanto tempo para refletir sobre o que estava
acontecendo dentro de seu coração estava severamente limitado. A
verdade é que estou arrasado. Achei que ele fosse ligar. Posso entender
por que ele não fez isso, mas eu esperava. E a esperança adiada deixa o
coração doente. Onde a Bíblia diz isso?
A curiosidade a obrigou a pegar a Bíblia na mesa da cozinha.
Passando para a concordância no final, ela examinou os versos com a
palavra esperança até encontrar aquele que citou espontaneamente.
Ela o encontrou em Provérbios 13:12: “A esperança adiada faz
adoecer o coração, mas o anseio realizado é árvore da vida”. Ela
sublinhou o versículo e encostou-se na lateral do balcão.
“Então, qual é o meu desejo que não está sendo realizado? É que eu
quero me casar porque todos os meus amigos são? Ou é porque dois
são melhores do que um, já que têm um bom retorno pelo seu
trabalho? ”
Meredith percebeu que era outro verso. Ser filha de um ministro
encheu sua mente com versos aleatórios ao longo dos anos, muito

da mesma forma que ser editora de aquisições havia preenchido sua


mente com uma variedade colorida de histórias. De volta à
concordância, ela foi e encontrou o versículo “melhor dois do que um”
em Eclesiastes 4: 9. Ela leu o versículo anterior. “Havia um homem
sozinho; ele não tinha filho nem irmão. Não havia fim para sua labuta,
mas seus olhos não estavam contentes com sua riqueza. 'Por quem
estou labutando', perguntou ele, 'e por que estou me privando do
prazer?' Isso também não tem sentido - um negócio miserável! ”
Meredith foi até a geladeira para comer alguma coisa. Ela se
perguntou sobre Jake. Brad disse que foi criado por um casal de
idosos que agora se foi. Jacob se sentia como um homem sozinho que
trabalhava duro na indústria do entretenimento, mas se sentia
insatisfeito com sua riqueza? Ele alguma vez se perguntou por que
estava se privando de diversão?
Um sorriso apareceu nos lábios de Meredith quando ela se lembrou
de como Jacob relaxou com ela na cachoeira, como ele jogou as uvas
e riu profundamente quando ela quebrou o muffin em seu rosto.
Movendo o pote de maionese de lado, Meredith puxou um pequeno
pote de vidro da parte de trás da geladeira e o ergueu contra a luz. Era
uma jarra de cerejas marasquino , mas agora continha apenas uma
esfera verde-clara flutuando em um mar de vinagre branco. O
marinheiro solitário não era uma cereja de marasquino, mas a uva que
Jake havia deixado em seu travesseiro.
Ela sorriu. Parecia estar se preservando muito bem. Uma semana em
seu cativeiro aquoso não causou muitos danos ao fruto
memorializado. De volta ao canto mais afastado da geladeira, estava a
jarra, deixando Meredith se sentindo satisfeita, como uma criança que
estava tendo sucesso em um experimento científico.
Agora, se eu pudesse preservar um relacionamento do jeito que eu
faço para conservar uvas. Então eu teria algo sobre o que escrever um
livro!
Contente por se contentar com uma maçã como prato final de seu
almoço, Meredith fez uma caminhada até a caixa de correio no final de
sua longa entrada para carros. O tempo estava excepcionalmente
quente em seu canto do mundo, e todas as flores silvestres delgadas
estavam curvadas na beira da estrada. As lindas donzelas que
esperavam mergulhavam seus gorros azuis, entregando seu pedaço
final de cor a um transeunte ocasional. Meri sentiu pena deles. E ao
sentir pena das flores silvestres condenadas, ela sentiu pena de si
mesma novamente.

Talvez ele tenha me escrito uma carta. Talvez uma carta apaixonadamente
romântica espere por mim neste exato segundo no final da estrada naquela
grande caixa de prata. Vou ficar aqui ao sol e cuidadosamente abrir o
envelope com meu

miniatura. Uma borboleta voará para ver o que há de tão interessante.


Vou deixá-la sentar no meu ombro e compartilhar meus segredos.
Juntos, vamos ler cada linha do concurso ,
“Minha querida ,
Você tem estado em meus pensamentos todas as noites e todos os
dias. Quando durmo, é o seu rosto que vejo em todos os sonhos.
Todas as manhãs o sol entra em meu quarto, e aí está você,
cavalgando em cada raio de sol, sua risada transbordando de mim
como uma refrescante chuva de primavera. Você está no meu
coração. Não vou nem tentar banir você dos meus pensamentos mais
profundos. Você está aqui. E aqui você vai ficar. Para sempre. Jacob. ”
Meredith colocou a mão no ferrolho de metal enferrujado e a caverna
de prata gemeu de desconforto quando ela abriu a porta e olhou para a
escuridão.

Capítulo Dez

A
A caixa de correio estava lotada. Isso foi um bom sinal. Isso
significava que as chances eram maiores de que uma carta de Jake
fizesse parte do pacote. Meredith puxou os dois grandes envelopes
pardos primeiro. Ambos eram de um agente com quem ela trabalhava
com frequência. Dois novos manuscritos e propostas para ela revisar.
Ela extraiu a outra correspondência com cuidado. Duas revistas, quatro
catálogos, um anúncio de uma nova pizzaria e quatro envelopes.
O primeiro envelope foi sua conta de telefone. Isso sempre foi
deprimente. Ela abriria aquele último. Os próximos dois eram extratos
bancários, um de cheque e um de poupança. A última carta era de uma
operadora de cartão de crédito anunciando na frente do envelope que
ela estava sendo recompensada por seu excelente crédito.
Meredith verificado dentro da oca caixa mais uma vez. Estava vazio.
Ela ficou parada por um momento, ouvindo os chapins no vale do outro
lado da estrada. Nenhuma borboleta chegou perto, muito menos
empoleirada em seu ombro.
Com um chute no seixo mais próximo na estrada, ela voltou para
casa. Ela tinha muito trabalho a fazer. Talvez tenha sido uma boa coisa
ela não ter recebido nenhum tipo de correspondência interessante.
Isso a teria desviado, e ela teria passado o resto do dia em La La Land.

E o que haveria de tão ruim nisso? Eu trabalho muito. Eu sempre tive.


Qual foi esse versículo? "Por quem estou labutando ... e por que estou
me privando de prazer?"

Ela não conseguiu responder a essa pergunta. Mesmo seu alter ego
atrevido não tinha comentários a fazer.
"Eu preciso de um pouco de diversão", disse Meredith mais tarde
naquela noite, enquanto falava com sua antiga colega de quarto de
faculdade no telefone. "Alguma chance de você deixar aquele seu
marido possessivo por um fim de semana para que possamos ficar
juntos?"
"Quando?" Karlee perguntou.
"Não sei. Sempre que você puder fugir. Prometemos um ao outro
que ainda teríamos nossos fins de semana malucos, embora você seja
casado, lembra? Acho que é hora de planejar um pouco de diversão.
Não fazemos nada maluco há mais de um ano. ”
"Parece divertido", disse Karlee. “Que tal o segundo fim de semana
de agosto?”
"Agosto? Estamos em maio, Karlee. Não quero esperar até agosto! ”
“Blake tem escola de verão começando em duas semanas e nos fins
de semana
é a única vez que nos veremos, já que ambos trabalhamos em tempo
integral. O que há de errado com agosto? Vamos reunir algumas das
outras mulheres selvagens e ter uma explosão. "
"Nós podemos fazer isso", disse Meri categoricamente. "Vai ser
divertido. Deixe-me saber o que é melhor para você, e faremos nossos
planos a partir daí. ”
Eles conversaram por mais alguns minutos, mas Meredith estava
sentindo uma onda de depressão tomando conta dela novamente. Não
ajudou que, aparentemente, Blake tinha começado a fazer cócegas em
Karlee, e Meri podia ouvir Karlee colocando a mão sobre o telefone e
dizendo: “Pare com isso, Blake! Quero dizer!"
Meredith não era uma doutora do amor, mas sabia o que estava
acontecendo. “Eu vou deixar você ir,” ela disse. "Ligue-me qualquer
hora."
"Ok", disse Karlee, sufocando uma risadinha. "Eu irei. Tchau."
Antes de Meredith desligar, ela ouviu Karlee soltar uma explosão de
alegria. "Você pediu por isso!" Karlee disse brincando, e então a linha
ficou muda.
Meredith ficou sentada por um longo tempo e se perguntou o que
fazer com seus desejos. Seria bom ter uma companhia, um amigo,
uma pessoa que fizesse cócegas enquanto ela estava ao telefone,
alguém que a amasse e a quem ela pudesse amar. Em suma, ela queria
um marido.
Seus pensamentos a lembraram da oração que ela fazia
constantemente desde os quatorze anos. Naquele verão, seu
conselheiro de acampamento, bem aqui no acampamento Autumn
Brook, disse-lhe para começar a orar por seu futuro marido. E então
Meredith, sentada em sua casa de campo Tulip, orou mais uma vez:
"Deus Pai, por favor, proteja meu futuro marido onde quer que ele
esteja, seja quem for, e direcione-o em uma linha reta

caminho. Traga-o para você, se ele ainda não for um seguidor seu.
Prepare-me em meu coração e em minha vida para ele, para que,
quando estivermos juntos, possamos estar bem preparados para servi-
lo juntos. Um homem."
A oração era familiar, mas não pronta. Ela quis dizer cada palavra,
embora tivesse orado centenas de vezes nos últimos dez anos.
Dez anos , Meredith pensou. Venho orando pela mesma coisa há dez anos.
Ou Deus se esqueceu de mim ou está trabalhando muito e muito tempo em
um herói para mim que vai superar minhas expectativas .
Uma imagem de Jacob Wilde se materializou em seus pensamentos.
Sim, certo , ela se repreendeu. Antes que sua imaginação pudesse
inventar qualquer história tentadora, Meredith se levantou e se
advertiu: Não vá por aí, Meri Jane. A fantasia é uma coisa maravilhosa,
mas não quando se trata de verdadeiras questões do coração. Fique
equilibrado. Deus está preparando alguém certo para você .
Sua imagem de longa data daquele alguém veio à mente. Ele seria
baixo e careca com óculos grossos de aro de tartaruga. E ele seria
eminentemente prático em todas as áreas da vida em que Meredith era
um desastrado. Ele criava os filhos com mão firme e os ensinava a
respeitar os mais velhos e a comer feijão. Ele nunca tiraria dinheiro da
conta de aposentadoria para comprar um carro e sorria calorosamente
para Meredith sempre que ela entrava na sala.
"Ha!" Meredith declarou em voz alta. "Ha, ha, e duplo ha!" Ocorreu-lhe
que todos aqueles anos sua imagem da escolha de Deus para seu
marido tinha sido uma duplicata de seu pai.
Isso é assustador? Eu tenho que repensar essa saudade-de-meu-coração
negócios . Ela olhou para os armários da cozinha. Ao fazer isso, sua
mente estava
desviada de pensar em casamento. Ela nunca tinha notado antes, mas
o armário na extremidade tinha o perfil de um rosto na textura da
madeira escura. Surpreendente. Se ela inclinasse a cabeça para a
esquerda apenas um pouco, parecia com Elvis. Elvis nos primeiros
anos.
“Acho que preciso de um peixinho dourado”, declarou ela de repente
para a silhueta no armário. A ideia surgiu do nada, de onde vieram seus
melhores e mais criativos pensamentos. E ela achou que era bom.

Na segunda-feira de manhã, Meredith se levantou cedo, tomou


banho, dirigiu até a cidade e entrou na única loja de animais da ilha
pontualmente às nove da manhã , assim que as portas se abriram. Não
havia muita seleção.
“Estes são seus melhores peixes dourados?” ela perguntou ao lojista.

“Tudo na minha loja é o melhor,” ele respondeu com uma voz forte. "Eu
gostaria daquele ali mesmo." Ela apontou para um peixinho dourado
rechonchudo com uma faixa iridescente ao longo das guelras. O
vendedor mergulhou um
pequena rede em uma varinha de metal no tanque.
“Não aquele,” Meredith disse. “Este aqui. Opa, lá vai ele. Bem ali. Vê-
lo? Aquele com a listra. Você pode pegá-lo? "
O homem se virou e olhou para Meredith. "Eles são todos iguais, na
verdade."

"Não, eles não são. Eles são todos diferentes. Eu quero o gordo com
a listra brilhante do lado. Ali. Aquele."
O homem tentou agradá-la, mas a picareta de Meredith era um
sujeito astuto e escorregou para fora da rede antes de ser retirada da
água.
"Bom para você, Elvis", disse Meri. “Eu gosto de um cara com
imaginação.” O vendedor se virou lentamente para examiná-la
novamente.
“Não desista,” ela pediu, não afetada pelos olhares do proprietário.
“Lá vem ele. Eu vou fazer isso. Dê-me a rede. Eu vou pegá-lo. ”
Meredith pegou a rede do homem antes que ele tivesse a chance de
protestar. Em uma pegada rápida, ela capturou seu peixe favorito. “Não
foi tão difícil”, disse ela, colocando Elvis no saco plástico cheio até a
metade com água.
"Agora, preciso de uma tigela e um pouco de comida, e você tem
algum daqueles pequenos mergulhadores de alto mar com os baús de
tesouro de cerâmica?" Meredith sorriu para o homem, que estava longe
de se divertir com seu entusiasmo infantil por este novo animal de
estimação.
"Último corredor à direita", disse ele. Então ele se virou e foi até a
caixa registradora como se fosse mais importante proteger o caixa
desse cliente do que ajudá-la a encontrar o que estava procurando.
Meredith localizou uma tigela, algumas pedras coloridas para o
fundo, folhagem verde de plástico, uma pequena lata de papelão com
comida de peixe e um decalque de cavalo-marinho , mas nenhum
mergulhador em miniatura com um baú de tesouro.
“Parece que você não tem mais mergulhadores e arcas de tesouro”,
disse ela, depois de levar todas as suas guloseimas para a caixa
registradora.
"Oh, vamos agora?" o homem disse.
"Você acha que vai conseguir mais?" "É
improvável."
Meredith percebeu que esta era uma pequena loja de animais em
uma ilha com recursos limitados. Seattle ficava a apenas um passeio
de balsa, mas ela ainda achava que o homem gostaria de fazer um
pedido especial para os clientes para mantê-los felizes.

Meri pagou por Elvis e seus acessórios. Então, antes de sair da loja,
ela se virou e perguntou: "Como você sabe se é um menino?"
“Ele é um menino”, disse o homem. "Confie em mim. Ele é um menino. ”
Meri encolheu os ombros e trotou para seu Explorer. “Pronto para ir
para a sua nova casa, Elvis?” Então, para ter certeza de que sua viagem
envolvia o mínimo de desconforto, Meri segurou a sacola de plástico
na mão direita e dirigiu com a esquerda. Ela estava na metade do
caminho para casa quando seu celular tocou.
“Ok, espere, Elvis. Você se senta bem aqui no banco, mas tente não
molhar nada, ok? Não que fosse sua culpa se você vazasse. ”
"Olá? Esta é Meredith. ”
"Oi", disse uma voz feminina familiar do outro lado da linha. “Que
bom que peguei você. Você recebeu os manuscritos que enviei outro
dia? ”
"Helen!" Meredith cumprimentou o agente literário que também se
tornou seu bom amigo. "Como você está? Adivinha? Eu peguei um
peixe!"
"Parabéns", disse Helen. "Quão grande é isso?"
Meredith olhou para o Elvis empurrando. "Cerca de uma polegada e
meia, eu acho."
Houve uma pausa antes de Helen dizer em um tom seco: "Você já
pensou em mudar sua isca?"
Meredith riu e girou o volante, manobrando o Explorer para a estrada
que levava para casa. “Eu comprei ele, seu idiota! Na loja de animais.
Seu nome é Elvis. Ei, Elvis, diga oi para Helen. ” Meredith colocou o
telefone ao lado da bolha saltitante por meio segundo e, em seguida,
colocou o telefone de volta no ouvido. “Ele é meio tímido”, explicou ela
a Helen.
Houve outra pausa, e então Helen disse: "Você está tomando
aquelas cápsulas de ervas, Meri?"
“Não, claro que não,” ela respondeu com uma risada. “Na verdade,
estou meio deprimido, então pensei que um peixinho dourado me
animaria.”
"Você não vai engolir nem nada, vai?" "Não." Meredith
riu. "Claro que não."
“Ok, então eu diria como um animal de estimação, parece que o
peixinho dourado está trabalhando para curar sua depressão. Lembre-
me de recomendar sua terapia do peixe dourado a todos os meus
editores deprimidos. Agora, de volta ao trabalho, ou você está tirando o
dia de folga? ”
"Não," Meredith disse, lentamente entrando em sua calçada
acidentada. "Estou indo para o escritório agora."
"Quer que eu ligue de volta?" Helen perguntou.
“Não, recebi os manuscritos, mas ainda não os li. Eles estão na pilha,
e você sabe como sou justo em aceitar meu

empilhar em ordem. ”
"Ouça, se você quiser marcar alguns pontos com os poderes
constituídos, esta é a hora de embaralhar a pilha e mover o manuscrito
do meu cliente para fora do envelope e colocá-lo em sua mesa."
"Por que?" Meredith disse, lentamente parando o carro na frente de
sua casa e desligando o motor.
"É um mel", disse Helen simplesmente.
Helen tinha níveis diferentes para os projetos que apresentava a
Meredith, e Meri havia aprendido seu código. Um “mel” era o tipo de
manuscrito no topo da lista e com os maiores prêmios , pelo menos na
opinião de Helen. A seguir, na lista, havia um "jogador". Isso significava
que o projeto proposto poderia ser considerado em qualquer editora de
renome, mas Meri teve a honra de ser um dos poucos escolhidos para
dar uma primeira olhada. A terceira série do projeto era um “guardião”.
Helen nunca teve manuscritos ou projetos ruins, mas os guardiões
eram aqueles que não cabiam na linha de frente.
"Bom. Já se passaram alguns meses desde que você me enviou
qualquer mel, ”Meredith disse, desafivelando o cinto de segurança.
"Devo dizer que já era hora."
"Falando em eu mandar mel para vocês ..." Helen disse.
O telefone celular começou a interromper sua transmissão e
Meredith percebeu que a bateria precisava ser recarregada. "Diga isso
de novo", disse Meredith.
“Eu disse que vou a Seattle com um cliente na sexta-feira. Você quer
nos encontrar na cidade, ou devemos sair para ver você? "
Por mais que Meredith gostasse de Helen, ela não gostava de fazer
viagens especiais a Seattle para conhecer Helen e seus clientes. A
última vez que tentaram se encontrar, o avião de Helen estava
atrasado, o que significava que Meredith havia perdido uma tarde
inteira de trabalho apenas esperando no aeroporto. Quando Helen
chegou, ela tinha apenas vinte minutos antes de seu próximo vôo, e
seu cliente era tão tímido que ela mal disse duas palavras.
“Se você tiver tempo, venha me ver. Vou alimentá-lo e apresentá-lo a
Elvis. ”
"Mal posso esperar", disse Helen. "Nos espere na hora do jantar, então."
"Até logo", disse Meredith. A transmissão foi interrompida antes que
ela ouvisse Helen se despedir. Ela cuidadosamente levantou a bolsa de
Elvis, pegou todas as outras guloseimas e se dirigiu para a casa.
“Você vai gostar daqui, Elvis. Só você e eu e os grilos do lado de fora
da minha janela. Você tem uma preferência de que lado do balcão da
cozinha você mora? Ou você quer sair no meu escritório? Sim, é onde
você pertence. No loft do escritório comigo. É uma espécie de

bagunça, mas é aconchegante. ”


Meri destrancou a porta e felizmente começou a preparar Elvis em
seu novo aquário. Assim que ele foi solto e nadou livre, Meri apoiou a
cabeça nas mãos e observou seu novo amigo se sentir em casa.
“Lamento não ter conseguido um pequeno mergulhador e um baú de
mar. Mas mantenha-o na sua lista de desejos de aniversário e veremos
o que acontece. ”
Meredith de repente se endireitou. "Aniversário!" ela disse em voz
alta. Com uma olhada no calendário de parede, ela verificou
novamente. Com certeza, sexta-feira era seu aniversário. “Oh, ótimo.
Posso passar meu aniversário com Helen e um de seus clientes. Não
que eu me importe de passar a noite com Helen, mas agora vai ser um
negócio. ”
Um vento forte de depressão veio sobre ela. Ela faria vinte e cinco
em quatro dias. Um quarto de século deveria ser marcado por uma
grande explosão, mas quem planejaria tal evento para ela? Shelly
mandava um presente para ela, e suas outras duas irmãs mandavam
cartões com alguns dias de atraso com notas rabiscadas
apressadamente dentro dizendo como uma das crianças estava com
catapora ou o aquecedor de água quebrou ou alguma outra razão
legítima para o atraso no aniversário desejos.
Meredith sabia que seus pais fariam um esforço concentrado para
fazer algo por ela. Eles provavelmente a convidariam para jantar em
sua casa, e mamãe comeria um daqueles bolos redondos e
escorregadios do supermercado com velas numéricas presas no topo
da cobertura branca e cerosa. Eles dariam a ela um certificado de
presente para JC Penney. Isso é o que eles sempre deram às quatro
garotas Graham em seus aniversários.
Com um suspiro, Meredith pegou a tigela de Elvis e lentamente subiu
as escadas para seu escritório no sótão. De certa forma, ela estava
feliz agora que Helen viria na sexta-feira. Isso significava que ela não
tinha que ir para a casa de seus pais e comer bolo de supermercado
com glacê branco ceroso e ser humilhada pelo fato de que, aos
25 anos (como as velas ousadas afixadas no centro do bolo
proclamariam) , ela estava muito sozinha neste mundo, sem ninguém
para comemorar com ela.
“Vou ter que dizer à minha mãe que já temos planos, não é, Elvis?”
Meredith afastou alguns papéis do canto de sua mesa e colocou o
aquário em cima de um antigo memorando de sua editora. "Então,
como você gosta da vista?"
Elvis abanou o rabo. Meredith se inclinou mais perto e imitou seus
movimentos de beijo de lábios abertos. Elvis não pareceu notar.
"Isso é bom para mim. Um homem que está alheio aos meus encantos, mesmo

quando tento lhe oferecer beijos. ”


O telefone tocou antes que ela pudesse afundar na depressão. Foi
uma teleconferência com seu editor. Ela havia se esquecido disso.
"Sim", disse Meredith, mudando para seu tom profissional e fingindo
que estava usando um terno de grife com uma blusa de seda em vez
de macacão e uma bandana. "Como estão todos vocês esta manhã?"
A teleconferência durou quase uma hora. Ela observou Elvis o tempo
todo e rabiscou em seu mata-borrão. Não era uma reunião da qual ela
precisava “comparecer” e era difícil parecer interessada à distância.
Também era uma tortura ficar sentada ali com montes de trabalho
empilhados ao seu redor. Meredith aprendera da maneira mais difícil
que não valia a pena tentar preencher a papelada durante uma dessas
teleconferências. O telefone dela não tinha um botão mudo, e aqueles
do outro lado podiam ouvir cada pedaço de papel chacoalhando no
viva-voz. Eles provavelmente podiam ouvir o arranhar de sua caneta
automática enquanto ela rabiscava. Mas eles não conseguiam ouvir
Elvis, outra razão pela qual ele era uma adição tão maravilhosa à vida
dela.

Capítulo Onze

M eredith comprou alguns balões na cidade na tarde de sexta-feira,


quando foi comprar mantimentos para o jantar de aniversário. Ela os
amarrou em sua caixa de correio apenas para se sentir mais feliz. Se
Helen tivesse esquecido que era o aniversário de Meri, os balões
poderiam acender uma lembrança quando ela dirigisse esta noite.
Depois que Meredith amarrou os balões na fechadura enferrujada da
caixa de correio, ela verificou dentro da caixa. Nada ainda. E pode não
haver nada. Certamente, a possibilidade de uma carta de Jake era
quase inexistente. Fazia quase duas semanas. Ela o veria em mais
doze dias na conferência em Anaheim, mas então, quem estava
contando?
Shelly já havia enviado seu presente de aniversário. Chegou na
quinta-feira e era uma pasta de couro linda e cara demais que Meredith
estava olhando em um catálogo de bordo por quase dois anos. Ela
nunca compraria para si mesma porque parecia uma bolsa de ombro
extravagante. Shelly era famosa por sua inconsistência ao dar
presentes. Ela não compraria nada, a menos que tivesse um
significado ou fosse muito bom. Em alguns aniversários, tudo que Meri
recebia dela era um telefonema, porque a filosofia de Shelly não era
comprar uma bugiganga apenas para dizer que havia comprado um
presente. Se ela fosse dar um presente, esperaria até encontrar algo
fantástico.
Meredith certamente achou a pasta fantástica. Quando ela ligou
para Shelly na noite passada para agradecê-la, Meri ligou para a
secretária eletrônica. Ela provocou Shelly e disse: "Eu amo a bolsa de
couro,

Shel! A única coisa é, eu sei que estarei em meus trinta e poucos anos antes de
pegue outro presente de você. ”
Meredith esperava que Shelly tivesse conseguido algum tipo de
desconto, porque a pasta foi oferecida em uma revista de companhias
aéreas e Shelly havia trabalhado para aquela companhia por cinco
anos antes de se casar com Jonathan. Não era provável, mas era
possível que a empresa desse descontos ao pessoal da companhia
aérea.
De qualquer forma, era o melhor presente que ela poderia ter pedido,
e ela o usaria bem por muitos anos.
Parando na frente da casa, Meri notou uma grande caixa em sua
varanda, que a UPS deve ter deixado enquanto ela estava na cidade.
Quem mais me mandaria alguma coisa? Não acho que mamãe e papai
mudariam de vale- presente para presentes de tipo mercadoria de
verdade tão tarde no jogo. Todos os meus outros amigos são casados e
falidos ou solteiros e esquecidos. Quem poderia ter enviado algo?
Por um momento infantil, ela pensou que Jake finalmente fizera seu
movimento. A grande caixa era uma cesta de frutas gigante. Era isso
mesmo!
Ela deixou as compras no carro e correu para ver de quem era a
caixa. No instante em que Meredith viu o endereço do remetente, seu
coração afundou. Era da tia Jane. Tia Jane, a solteirona peculiar que se
encaixa na descrição de todos os parentes estranhos e
maravilhosamente excêntricos que já viveram. O presente seria algo
completamente inútil, totalmente impraticável e valioso apenas quando
alguém precisasse de um ultrajante presente de elefante branco.
Dois anos atrás, no Natal - ou foram três? - tia Jane tinha dado a
Meredith dois chapéus de guarda-chuva combinando. Não eram
chapéus para usar na chuva, mas chapéus de guarda-sol. Eles se
encaixavam perfeitamente na cabeça e exibiam um guarda-chuva
listrado colorido que se espalhava como um cogumelo psicodélico.
Eles eram ótimos para rir, e Meri realmente usava um deles enquanto
trabalhava no jardim. Ele serviu bem ao seu propósito. Mas então,
ninguém a viu usando.
Meredith rasgou a fita da embalagem com as chaves do carro e se
perguntou em que catálogo sua tia havia encontrado aquele hummer.
Estava embrulhado duas vezes e estava causando problemas na
varanda da frente. Meredith chutou a grande caixa para dentro da casa
e a jogou no chão da sala. Ela lutaria com a besta mais tarde, depois
que trouxesse os mantimentos perecíveis para dentro.
Como era seu jantar de aniversário, Meredith selecionou todos os
seus favoritos. Ela comprou macarrão fresco, sua comida favorita de
todos os tempos . Um restaurante italiano perto do terminal de balsas
vendia massas frescas por

libra. Meri pegou fettuccine e linguine de ervas e alho . Ela comprou um


pouco de seu molho marinara fresco e palitos de mozzarella como
aperitivo. Ela mesma prepararia o molho Alfredo pouco antes de Helen
chegar.
O que mais a preocupava nas sacolas de supermercado era o
cheesecake de framboesa de um pequeno restaurante chamado
Rondi's, que ficava do outro lado da ilha. Ela trouxe a caixa e refrigerou-
a imediatamente. Nenhum número de velas se empoleiraria no topo
deste cheesecake, e nenhuma cobertura de cera iria aderir ao céu da
boca. Este pode não ser um aniversário tão ruim, afinal.
Depois que Meri guardou todas as compras e checou seu correio de
voz, ela voltou para a sala de estar pronta para ver o que tia Jane havia
enviado. Cortando a fita cuidadosamente com uma faca de cozinha,
Meredith retirou a primeira camada e encontrou um grande cartão da
tia Jane colado com fita adesiva na caixa embrulhada para presente .
“Feliz aniversário, Meredith Jane”, dizia no envelope externo. Tia
Jane gostava de lembrar a Meredith que ela havia herdado Jane como
seu nome do meio. Quando Meredith era mais jovem, a família a
provocava depois que ela havia feito uma de suas acrobacias malucas
e dizia que ela era igual à tia Jane. Isso incomodou tanto Meri que eles
finalmente pararam. Uma pontada de medo misturada com raiva veio a
ela com a memória. Aqui estava ela, com 25 anos e solteira. Ela
morava sozinha na floresta e conversava com peixes dourados. Talvez
ela estivesse se tornando igual a sua tia Jane, afinal.
Não, tia Jane era rica, mas vivia como uma pobre. Meri nunca seria
assim. Se Meri algum dia herdasse uma grande soma de dinheiro de
um estranho professor de piano, ela tinha certeza de que encontraria
maneiras maravilhosas de encher sua vida com belos excessos. O
único excesso em que tia Jane se entregou foi uma pequena cabana
na costa do Oregon, onde ela passou os meses de verão.
Rasgando o embrulho de rosa amarela para presente, Meredith pôde
ver o rótulo da caixa. Ela imediatamente se convenceu de que as
palavras na caixa não tinham qualquer relação com o que estava
dentro da caixa.
Tia Jane não me mandaria algo assim!
Meredith abriu a parte superior da caixa, que estava lacrada com
grampos largos de cobre. Ela puxou lentamente o conteúdo longo de
plástico da caixa. As instruções vieram com ele.
Ainda em choque, Meri leu as instruções. “Conheça o homem da
guarda! O único guarda-costas de que você realmente precisa. Guard
Man é realista e pode ser colocado. Vista-o com roupas casuais
quando ele se sentar na cadeira à sua frente

janela ou em traje formal quando ele o acompanhar a uma noite na


cidade. Você sempre se sentirá seguro quando o Homem da Guarda
estiver por perto! "
Meredith olhou para o manequim de borracha murcho que sua tia
maluca havia enviado para ela. Eu não acredito nisso. Tia Jane me
enviou um blow-up man!
Ela começou a rir, e toda a casa reverberou com a mistura de seu
choque e hilaridade. Rasgando o envelope com fita adesiva do cartão
de aniversário, ela encontrou um cartão e um “kit de remendo”
achatado. O cartão era, na verdade, um pedaço de papel com
linhas amarelas que dizia: “Comecei a pensar que você morava aí
sozinho e achei que deveria ter seu próprio homem da guarda. Eu
tenho o meu há dois anos e não fui roubado nenhuma vez. Meu guarda
vai para a cidade comigo também, e me sinto seguro como posso
estar. Aproveitar! E esteja seguro. Sua tia Jane. Amar."
Ela sempre assinou assim: primeiro seu nome e depois seu
sentimento final. Meredith folheou o cartão uma segunda vez e
imaginou sua tia de 68 anos correndo pela cidade com o Homem da
Guarda no banco do passageiro de seu Volvo 1979.
"Isto é inacreditável!" Meredith foi para o telefone portátil na parede
da cozinha. Ela discou o número três e o telefone discou rapidamente
o número de Shelly.
Shelly atendeu no segundo toque.
"Você não vai acreditar nisso", disse Meri. "Adivinha o que ganhei de
aniversário?"
"Você gosta disso?" Shelly perguntou.
"Gosto disso? Oh! Você quer dizer o estojo de couro. Sim eu amo.
Você não recebeu minha mensagem? Muito obrigado, muito, muito,
muito, Shelly. É muito caro e você não deveria, mas eu adoro isso e vou
usá-lo constantemente. Obrigado."
"De nada", disse Shelly.
Meredith respirou um pouco e olhou para a enorme bolha no chão.
“Agora adivinhe o que mais recebi de aniversário.”
"Deixe-me ver. Um vale-presente para o Penney's? ”
“Você não tem imaginação nenhuma, Shelly. Vamos. Tente
adivinhar." “Pelo menos me dê uma pista. De quem é? "
Meredith sabia que sua irmã tinha pouca paciência para jogos de
adivinhação. “É da tia Jane, e veio em uma caixa grande e está caído
no chão da sala agora. Vem com instruções. ”
“Da tia Jane? Não consigo nem começar a
adivinhar. ” “Shelly, ela me enviou um blow-up
homem.”
"Um o quê?"

“A blow-up homem. Um daqueles manequins de plástico em


tamanho real . Homem da Guarda. Devo vesti-lo de maneira casual
para as tardes em casa e formal para aquelas noites agitadas na
cidade. Você acredita nisso?"
Shelly estava rindo tanto que Bob Dois começou a latir ao fundo.
Demorou um minuto antes que ela pudesse responder a Meredith.
“Esse deve ser o melhor presente de gag de todos os tempos!”
"Ela não quis dizer isso como um presente de mordaça." Meredith gemeu.
“Não se atreva a tentar o elefante branco Sr. Guarda! Eu o quero lá,
de shorts, na varanda da frente da próxima vez que eu vier para uma
visita. ”
"Em calções?" Meredith repetiu. “Eu posso acomodar você lá. Isso é
tudo que o Sr. Guarda está vestindo. Cueca boxer branca pintada . ”
Shelly começou a rir novamente. “Graças a Deus por isso! Pelo menos
ele é modesto. ”
“O que vou fazer com esse cara?”
“A mesma coisa que você sempre faz com seus namorados:
esconda-o quando mamãe e papai vierem.”
"Muito engraçado."
"Eles estão vindo hoje à noite, não estão?"
"Não. Eu disse a eles que tinha planos. Helen está vindo para a
cidade com um cliente e estou preparando o jantar para eles. ”
“Você poderia fazer uma piada hilária com Helen”, disse Shelly.
“Arrume o Guarda Garoto todo vestido e coloque-o na despensa. Em
seguida, envie Helen para a despensa para buscar algo, e ele vai
assustá-la até ficar boba.
Meredith gostou da ideia. Helen tinha um bom senso de humor. Ela
gostaria da piada. Claro, Meredith não tinha ideia se o cliente seria um
velho chato ou uma coisa jovem tímida.
"Você é um gênio", disse Meri. “Quando você ficou tão criativo? Um
homem da guarda na despensa chegando. ”
“Me ligue amanhã e me diga o que acontecer”, disse Shelly. "Oh, e a
propósito, você nunca vai adivinhar quem vai jantar conosco amanhã à
noite."
"Desisto." Meredith estava muito ocupada tentando descobrir que
roupas ela tinha por perto para que o Sr. Guarda pudesse adivinhar.
“O primeiro e único Jacob Wilde”, disse Shelly com
orgulho. O coração e os planos de Meredith pararam.
“Eles têm autorização para filmar seu novo filme aqui na cachoeira, e
ele vem para fazer os arranjos finais com Jonathan. Há algo que você
queira que eu diga a ele? "

“Quando expira a sua licença de matchmaking?” Meri disse. "Você


tem que deixar essa obsessão ir, Shelly."
“Vou dizer a ele que você cumprimenta e está interessado em saber
mais sobre o filme.”
Essa parte era realmente verdade. "É sobre o que?" Meri perguntou.
“Kyle disse que é um filme infantil que é um remake de Pilgrim's
Progress com um toque narniano, se isso faz sentido. Kyle é um grande
fã de Pilgrim's Progress e iniciou uma coleção dos volumes mais
antigos do livro. Ele leu o roteiro há um tempo, mas acho que precisava
de algum trabalho. Eles contrataram um cara bem conhecido para
reescrevê-lo e agora estão trabalhando na filmagem. ”
“Parece um grande projeto,” Meredith disse calmamente.
“Kyle está por trás do filme mil por cento. Você realmente deveria vir
neste fim de semana, Meri. Não apenas para esbarrar em Jake
novamente; isto vai ser divertido. Venha participar da aventura.
Estamos todos muito animados. Desça esta noite. Você pode ligar
para Helen e reagendar? ”
“Eu não acho que posso fazer isso. Ela estará aqui em duas ou três
horas. Além disso, tenho o melhor truque do mundo para pregar nela.
Eu não vou deixar este escapar. "
"Venha amanhã de manhã", pediu Shelly.
"Eu tenho muito trabalho. Joguei o dia todo e não fiz nada. ”
“Bem”, disse Shelly lentamente, “há algo que você queira que eu diga
a Jake? Posso passar alguma mensagem? ”
"Não, obrigado. Vou vê-lo em algumas semanas em uma conferência
em Anaheim. Prefiro esperar e tentar começar tudo de novo com ele.
Acho que quanto menos falado até então, melhor. ”
"OK. Vou honrar isso. "
"É melhor você."
"Eu irei."
“Obrigado novamente pelo lindo presente de aniversário. É meu
segundo presente favorito até agora. ”
"Qual é o seu favorito? Sr. guarda homem? "
“Não, o vale-presente da JC Penney. Agora tenho dinheiro para
equipar meu novo hóspede permanente. ”

Capítulo Doze

Y OU precisar o quê?” Jack, o diretor do Camp Autumn Brook,


perguntou a Meri. O acampamento fazia fronteira com a propriedade
onde ficava o Chalé Tulip, e todo mês Meredith pagava o aluguel
diretamente para o acampamento porque o proprietário havia
recentemente cedido o chalé ao centro de conferências. Meredith
cresceu neste acampamento, frequentando o acampamento da família
e conferências de verão e inverno. Ela havia ajudado Jack mais de uma
vez, e agora era a vez dele fazer um favor a ela.
“Roupas velhas,” Meredith repetiu seu pedido. "Quaisquer roupas
masculinas velhas e perdidas ."
"O que você está fazendo? Fazendo um espantalho? ” ele perguntou.
“Sim,” Meri disse com uma risadinha, “é exatamente o que estou
fazendo. Uma coisa de homem-espantalho. "
“Por mim tudo bem se você se ajudar. Você sabe onde guardamos
todos os perdidos e achados, não sabe? "
"O galpão atrás da piscina?" Meredith adivinhou.
Jack concordou. "Está aberto; então vá em frente e sirva-se. Se
alguém tentar te impedir, diga a ele que eu disse que estava tudo bem.

Meredith não viu nenhum outro pessoal do acampamento enquanto
caminhava para o galpão atrás da piscina. Montes de roupas e
produtos esquecidos foram amontoados ao longo do lado sul do
galpão. Levou menos de cinco minutos para encontrar uma roupa
completa para o Guard Man, incluindo sapatos, meias e um boné de
beisebol do New York Giants. Ela havia trazido uma sacola de compras
Nordstroms com ela e teve que controlar suas risadas enquanto ela se
esgueirava pelo terreno do centro de conferências de volta para sua
casa,

sacola de compras chique carregada com roupas de acampamento fedorentas.


Uma vez dentro e
sentindo-se “segura” novamente, Meredith começou a trabalhar
lavando as roupas sujas, começando a salada para o jantar, pulando no
chuveiro e, em seguida, inflando o Homem da Guarda e equipando-o
para o grande evento. Afinal, aquela estava sendo uma festa de
aniversário muito divertida. Depois, porque não queria que Elvis se
sentisse excluído, subiu as escadas e trouxe o peixinho dourado para a
mesa de centro, onde ele poderia estar no centro de tudo.
Elvis e o homem da guarda pareciam se ignorar. “Pelo menos eu sei
que você não é do tipo ciumento”, ela disse. "Qualquer um de vocês.
Podemos chegar a um acordo agradável aqui. Você não ronca, não é,
homem da guarda? "
O manequim moreno com o boné de beisebol para trás respondeu
com um olhar fixo. Meredith estendeu a mão e o fez balançar a
cabeça.
“Eu não acho que você fez. Que tal tarefas? Você pode sentar
naquela cadeira o dia todo e mantê-la pesada para que ela não deslize
pelo chão em caso de um terremoto? ”
O Homem da Guarda acenou com a cabeça, com um pouco de ajuda.
"OK. Então, contanto que você nunca deixe seus pedaços de unha no
tapete, parece que temos um acordo. ”
Meredith pegou a mão do Homem da Guarda e apertou.
“Estou perdendo completamente a cabeça”, ela murmurou. “Já era
ruim o suficiente quando eu conversava com um peixe de
lábios carnudos o dia todo, sem ofensa, Elvis, mas agora olhe para
mim! Estou fazendo negócios com um cabeça-de-vento certificável! ”
Meredith se inclinou e deu uma olhada em seu peixe. “Você realmente
não tem lábios, tem? Retiro aquele comentário de lábios carnudos . "
Meredith olhou para o relógio na parede da cozinha. "Caramba! Hora
de se vestir. Você fica aqui e lê o jornal ou algo assim. ” Ela posicionou
o guarda na poltrona e cruzou as pernas. Ajustando seus ombros para
que ele não parecesse tão rígido, Meredith colocou o jornal em suas
mãos.
A curiosidade a torturou até que, apesar de seu guarda - roupa de
roupão e chinelos , ela correu para fora e olhou pela janela da garagem.
“Incrível,” ela murmurou, maravilhada com o presente da tia Jane. "Ele
parece real."

Deslizando de volta para dentro da cabana e vasculhando seu


armário, Meredith escolheu um vestido preto fino. Era básico, mas
muito mais formal do que o traje do Sr. Guarda. Ainda assim, era seu
aniversário, e ela

poderia usar o que ela quisesse. Depois de semanas usando shorts,


jeans e macacão como seu traje diário de carreira, ela queria usar um
vestido.
Helen sempre se vestia bem. Ela provavelmente iria aparecer em um
terninho com uma jaqueta longa cobrindo suas costas largas. O cabelo
curto de Helen seria colocado no lugar, e ela usaria brincos grandes.
Seus saltos seriam muito altos e pouco práticos para o caminho de
cascalho e as tábuas irregulares da varanda de Meri. Mas isso não
importou. Helen tirava os sapatos dez minutos depois de sua chegada,
reclamando de ter caminhado muito naquele dia. Em seguida, ela
esfregava as solas no carpete como um gato em um poste. Essa foi
Helen. A única característica aberta para especulação seria seu cabelo.
Ela mudava a cor do cabelo com a mesma frequência que trocava de
sapatos.
Meredith se apressou com a maquiagem e alisou o cabelo para o
lado. Ela deu um tapinha nas pontas soltas no lugar enquanto dava um
spray rápido no cabelo e depois balançava a cabeça para fazer o
cabelo se acomodar naturalmente.
Outra olhada no espelho levou Meredith a se examinar mais de
perto. Ela sorriu, e linhas finas surgiram ao redor de seus olhos. “Estou
ficando com rugas. Você ouviu isso, homem da guarda? Estou ficando
com rugas. Estou velho hoje. Vinte e cinco. Quantos anos você tem?"
Ele não respondeu.
“Ah, o tipo forte e silencioso. Eu posso respeitar isso. ” Ela examinou
sua roupa. "Entediante. Precisa de algo. Um colar? Um cachecol? O que
eu tenho?"
Meredith raramente usava brincos. Suas orelhas não estavam
furadas e, como ela passava tanto tempo ao telefone, era provável que
deixasse um brinco de prendedor na mesa e depois fosse para o
supermercado parecendo uma pirata.
A corrente de ouro, o colar de pérolas falsas e o lenço de seda que
ela experimentou com a roupa faziam com que parecesse muito
formal. Ela escolheu um longo colar de contas de madeira e uma
grossa pulseira de madeira entalhada que suavizava o vestido preto
sem mangas e dava a ela uma aparência mais terrena do que formal.
Afinal, não quero ultrapassar o meu homem da guarda .
"Como vocês dois estão aqui?" Meredith perguntou, voltando para a
sala de estar, onde Elvis e o Homem da Guarda permaneciam
exatamente onde ela os havia deixado. "Todo mundo feliz? O que você
acha da roupa? ” Ela se virou. “Sem reclamações? Bom. É hora de ir
jantar. ”

Meri vestiu um avental e pôs-se a trabalhar, enchendo uma grande


panela com água e colocando-a no fogão. Ela lavou dois cachos de
brócolis fresco

e os preparou para cozinhar. O linguine e o fettuccine estavam prontos


para serem cozidos, e os palitos de mussarela bem alinhados em uma
assadeira para colocá-los no forno no último minuto.
Meredith olhou para o relógio. Eram 6h37, mas não havia sinal de
Helen. Meri não queria começar nada até que Helen chegasse, então
tudo estaria fresco e quente. Havia muito tempo para arrumar uma
mesa chique, ou assim parecia. Meredith puxou seus três talheres de
porcelana boa da prateleira de cima de seu armário. Três
configurações era tudo o que ela tinha, mas era tudo o que ela
precisava. Um para ela, um para Helen, um para o cliente de Helen. O
Homem da Guarda não comeria com eles esta noite.
Homem da Guarda! Eu quase esqueci!
Meredith correu para a sala e agarrou o manequim da poltrona. Ela o
enfiou na pequena despensa e fechou a porta com força.
"Lá. Agora faça respirações superficiais e não usará todo o ar.
Quando Helen abre a porta, você diz: 'Buu!' ”
Meredith terminou de arrumar a mesa e até encontrou uma vela para
o centro. Ela puxou a pequena mesa da parede e inclinou-a para o lado
para que houvesse mais espaço ao redor. Parecia bom. Ela só
precisava de algumas flores. Sem problemas. A floresta ao redor de
sua casa estava carregada. Pelo menos eles estavam há um mês.
Pode ser mais difícil encontrá-los entre as gramíneas agora murchas .
Mas ela sabia que alguns pontos perto da casa eram sombreados
pelas grandes sempre-vivas que enchiam a ilha. O sol provavelmente
não havia queimado aquelas belezas da primavera ainda.
Aventurando-se no frio da noite, Meredith pegou a bainha do avental
e começou a juntar violetas, tremoços e amores-perfeitos selvagens. O
ar cheirava quente e almiscarado. Provavelmente choveria esta noite.
Uma sensação de se fechar nas nuvens se apoderou dela como um
xale enquanto caminhava. A sujeira grudava na parte inferior de seus
tamancos e caules secos de flores do campo, agora desbotados,
roçavam suas pernas nuas.
Acima, um pássaro phoebe uivou seu grito noturno: "Fee-bee,
fee-bee." Soou para Meredith como o grito de uma alma solitária,
procurando por sua companheira. "Fee-bee, fee-bee" , gritou com o que
Meri considerou um lamento frenético. O crepúsculo marcou o fim do
dia.
“Fee-bee,” Meredith sussurrou de volta. Ela se sentou em um toco
irregular e mofado e olhou para o céu riscado por nuvens cinzentas e
claras. O sol não se poria até quase nove. Seria uma noite perfeita para
uma caminhada ao redor do lago antes que as nuvens se
acumulassem em seu desfile.

Tudo estava quieto.

Meredith aspirou o cheiro da rica terra ao seu redor e lançou seu


próprio grito de “abelha” a Deus. “Eu sei que você está aqui, padre. Eu
sei que você me ama profunda e intimamente, mas não é o mesmo
que ser amado por outro humano. Você sabe o que quero dizer, não é?
Claro que você faz. Você sabe tudo."
Um repentino bater de asas soou quando um grupo de amigos
emplumados decolou da árvore atrás de Meredith e se dirigiu para o
lago. “Eu sei que devo me deliciar em você e você vai me dar os
desejos do meu coração. E eu te amo, Deus. Eu faço. Estou
aprendendo a me deliciar em você. É que tenho essa saudade. Qual foi
esse versículo? 'Um desejo realizado é uma árvore da vida.' ”
Ela ergueu o queixo e estudou as árvores ao seu redor. Uma árvore
da vida. O que isso significa? Ela percebeu que tudo ao seu redor havia
vida. As árvores estavam cheias disso. Ela viu um pica-pau ocupado
cavando seu jantar. Dois esquilos de cauda espessa perseguiram um
ao outro pelos galhos. Os pássaros bebês cantavam persistentemente
em algum lugar à esquerda de onde ela estava sentada. Essas árvores
estavam cheias de vida.
"Eu amo meu trabalho; Eu adoro a minha casa; Eu amo tudo o que
você fez por mim, ”Meredith continuou sua oração. “Mas acho que
quero que meus dias sejam mais cheios de vida, sabe? Quero
compartilhar meus dias com quem te ama e que me ama. Quero que
minha pequena 'árvore' seja mais cheia de vida. Vida real. Não apenas
peixinhos dourados silenciosos e câmaras de ar em pose vestindo
roupas de acampamento. ”
Contente esperando que seus sussurros fossem levados pela brisa
da noite, Meredith ficou quieta, olhando para o buquê de flores
silvestres reunido em seu colo.
Ela sublinhou e ponderou muitos versículos ao longo dos anos, ao
pensar neles relacionados a seu futuro esposo. Ela até fez uma lista
deles e manteve no final da Bíblia. Um deles foi Provérbios 14:22,
“Aqueles que planejam o que é bom encontram amor e fidelidade”.
Outro era o Salmo 84:11, “Não retém nada de bom àqueles cujo andar
é irrepreensível.” Em seguida, o sempre popular Provérbios 3: 5–6,
“Confia no SENHOR de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio
entendimento; em todos os seus caminhos reconhecê-lo, e ele
endireitará os seus caminhos. ”
Esses e outros trechos das Escrituras, como Mateus 6:33, “Buscai
primeiro o reino de Deus e a Sua justiça, e todas essas coisas vos
serão acrescentadas”, formaram sua filosofia fundamental de caça ao
marido enquanto ela estava na faculdade. Foi fácil manter seu virtuoso

credo porque ela frequentou uma pequena faculdade cristã e a maioria


dos alunos, pelo menos, defendia a mesma filosofia. Todos eles
disseram que acreditavam que Deus era quem unia duas pessoas. A
parte de cada pessoa era esperar por ele e fazer o que as Escrituras lhe
diziam para fazer.
Meredith ainda acreditava nesses princípios básicos. Porém, quanto
mais velha ela ficava, era mais difícil permanecer convencida de que
esse plano realmente funcionava. Ela havia falado sobre isso uma vez
com Helen, que se autodenominava "uma protestante não praticante
que se casou com um advogado judeu porque acredito no poder do
amor". Helen apenas riu quando Meredith disse que sentia que estava
envelhecendo.
“Herb e eu tínhamos quase trinta anos quando nos conhecemos”,
disse Helen. “Foi a primeira vez para amor e casamento para nós dois,
e foi absolutamente maravilhoso. Você mal está na metade do
caminho, garota! Então, pare com a parte da velha solteirona e viva sua
vida feliz enquanto você ainda pode usar Spandex em público. ”
Meredith vagou de volta para a frente da casa. Ela ainda não viu
nenhum sinal de seus convidados para o jantar. Em vez de entrar, ela
deu uma olhada rápida no canteiro de flores ao lado da casa. Lá,
esperando por ela, estavam duas tulipas de floração tardia , ambas de
um tom roxo suave e apenas cerca de quinze centímetros de altura. Os
narcisos desapareceram há muito. Ela os havia “encabeçado” uma
semana atrás, arrancando suas flores secas e deixando os caules
verdes altos murcharem por conta própria antes de cortá-los. Isso é o
que mamãe sempre fazia com seus narcisos; então Meredith fez o
mesmo, embora não soubesse por que estava fazendo isso.
Que outras coisas eu faço na minha vida que são meramente imitações do
que vi outra pessoa fazer? Essa teoria de esperar pelo melhor de Deus é
algum tipo de imitação estúpida de meus colegas que agora estão casados e
felizes? Ou isso é meu? Eu realmente acredito que Deus tem um homem
perfeito para mim?
Meredith ficou surpresa que algumas prímulas de um azul profundo,
vinho e amarelo estavam começando sua segunda floração da
temporada no jardim lateral. Alguns jacintos rosa agrupados no canto
mais distante, e um tufo de tufo de doce branco estava derramando
sobre a borda de pedra na frente. O pequeno jardim de flores de
primavera tinha sido negligenciado este ano, já que Shelly era quem
gostava de jardinagem com flores. Meredith foi mais atraída para a
horta. Havia algo de poético sobre uma ervilha em flor ao escalar uma
treliça ou a maneira como as pontas das cenouras se espalhavam
como renda verde quando crescidas. Ela escolheu o jacinto e prometeu
a si mesma que trabalharia no patch na próxima semana.

Acima, cinco ou mais pássaros piando voaram em uníssono e


dispararam para a floresta. O paciente Phoebe gritou novamente no
agradável frescor da noite: "Fee-bee, fee-bee."
Eu poderia esperar, Deus. Eu poderia esperar mais vinte anos, desde
que soubesse que realmente havia alguém para mim. Alguém que, neste
momento, em seu canto do mundo também está falando assim com
você sobre mim. Alguém que quer uma alma gêmea tanto quanto eu
quero. Alguém que também pensa que dois são melhores do que um
porque têm uma boa recompensa pelo seu trabalho. Você está
trabalhando nisso, não está? Quer dizer, você não se esqueceu de mim,
não é?
Capítulo Treze

M eredith juntou as flores de seu avental e voltou para dentro para


terminar de decorar a mesa. Já eram 7h40 e nenhum sinal de Helen. O
erro da parte de Meredith, ela percebeu, foi que ela não fez perguntas
específicas. Helen apenas disse "hora do jantar". Isso pode significar
uma variedade de coisas para Helen. Depois, havia o fator da balsa. Se
Helen não tivesse conseguido se aglomerar em uma das balsas
durante a hora do rush das cinco horas, ela poderia acabar esperando
na fila por uma hora ou mais.

Teria sido mais fácil se Meri tivesse ido a Seattle para encontrar
Helen, Meri percebeu agora. Ela estaria indo contra o tráfego e poderia
ter ido cedo e passado a tarde fazendo compras.
Tarde demais para mudar os planos. Ela arrumou suas flores e
esperou. Não havia pressa para comer. A massa ficaria deliciosa
sempre que ela preparasse, mesmo que fosse à meia-noite.
Meredith lavou um talo de aipo e sentou-se para mordiscar enquanto
assistia à TV. Não havia nada que a interessasse. Ela estava prestes a
desligar a televisão quando surfou em um programa a cabo que
chamou sua atenção. Era uma competição de dança de salão .
Assistindo e quebrando seu talo de aipo, Meredith ouviu uma voz
zombeteira dentro de sua cabeça. Olhe para você. É seu aniversário e
você está sozinho, comendo aipo e vendo as pessoas com sorrisos
colados dançarem o tango .
Meredith ignorou a voz. Desde que Elvis e o Homem da Guarda
entraram em sua vida, ela desenvolveu um ponto fraco em seu coração
por aqueles que viviam com sorrisos colados . Nem o manequim nem
o peixe

poderia evitar que ele nunca mudou sua expressão. O pensamento do


dois deles a fizeram decidir verificar o Homem da Guarda para ter
certeza de que ele não tinha vazado na despensa. Tia Jane havia
enviado o kit de remendo por um motivo, Meri imaginou.
O Homem da Guarda estava bem. Ele saiu apropriadamente quando
Meri abriu a porta. Ela sabia que ele enviaria Helen pelo telhado.
Sempre que ela chegava, claro. Até então, Meri sentia um pouco de
pena do Homem da Guarda. A música na TV mudou para cha-cha.
Pegando o Homem da Guarda pela mão, Meri perguntou: "Você
gostaria de dançar?" Com a mão em seu ombro e a direita segurando a
mão direita na altura da cintura, Meri e o homem da guarda trotaram
pelo chão da cozinha até a sala de jantar.
“Não, assim,” ela instruiu seu parceiro silencioso. “Um, dois,
cha-cha-cha. É isso. Um dois. Você conseguiu. ”
Ela estendeu a mão e aumentou o volume da TV para que eles
pudessem sentir o ritmo da música. “Você é muito bom”, ela gritou em
sua blow-up da orelha do homem. “Na verdade, você é muito bom.
Acho que tenho o nome perfeito para você: Fred. Você gosta disso?
Existem muitos Freds muito legais, você sabe. Ali está Fred Astaire, o
dançarino. Fred Flintstone, o homem das cavernas, e Fred Mertz - você
sabe, o melhor amigo de Ricky Ricardo. Eles são todos muito legais,
assim como você. ”
Meredith tentou dar uma volta. Encarando seu Fred mais uma vez,
ela riu e disse: “O que é isso? Você acha que eu assisto muita televisão
tarde da noite ? Você pode estar certo."
A música parou. A audiência da TV aplaudiu e o próximo casal se
jogou no chão. O comentarista anunciou seu estilo de dança, e
Meredith disse: “Eu não conheço esse. Você?"
Ela assistia à TV por cima do ombro e tentava imitar seus
movimentos dramáticos enquanto mantinha Fred a reboque. Frente,
costas, lado, lado. Foi uma dança rápida e staccato, e Meredith riu de
como era bobo mover seus ombros e quadris do jeito que ela fazia,
imitando a profissional de saia roxa giratória.
Sua risada continuou quando o grande final chegou. Meri pegou a
deixa da música e se inclinou para trás como se Fred a estivesse
mergulhando como o cara na TV estava mergulhando seu parceiro.
O colar de contas de Meri voou em seu rosto quando o topo de sua
cabeça quase tocou o topo da mesa de café. Ela congelou.
Lá, a menos de um metro e meio de distância, estava Helen, que
havia aberto a porta para entrar. Ao lado de Helen estava sua cliente.
Mesmo que Meredith estivesse de cabeça para baixo, ela conhecia aquele rosto.
O

rosto bronzeado com a expressão de surpresa só poderia pertencer a


um homem: Jacob Wilde.
Meri ficou paralisada. Ela não sabia como se explicar com isso.
Helen e Jake também estavam congelados, as sobrancelhas erguidas
em perplexidade.
Endireitando-se lentamente, Meredith levou Fred até a poltrona e
colocou o jornal de volta em suas mãos. Ela calmamente ajeitou o
vestido e o cabelo, e então, pigarreando, ela se virou para encarar sua
companhia.
Os olhos de Helen ainda estavam arregalados por trás dos óculos
redondos. Sua boca estava aberta. Os lábios de Jake estavam
pressionados com força. Ele parecia prestes a desabar como na
cachoeira quando ela quebrou o muffin em seu rosto. Para ajudá-lo,
Meredith abriu um sorriso, depois uma risadinha, depois uma risada,
depois um rugido de hilaridade de partir o estômago .

Helen e Jacob rapidamente o seguiram. Nenhum deles se moveu de


onde estavam. Eles apenas se entreolharam e riram. Helen apontou
para Fred, e eles riram. A TV explodiu com a música da competição de
dança de salão , e Meredith riu até que as lágrimas deslizaram por seu
rosto. Ela enxugou as lágrimas, os ombros ainda tremendo.
Quando Helen finalmente encontrou sua voz, ela enxugou as
próprias lágrimas e disse: "Meredith Graham, gostaria que conhecesse
Jake Wilde."
Assim que ela fez a apresentação, Jake e Meri começaram a rir
novamente.
"Nós nos conhecemos", Jake finalmente conseguiu dizer.
“Sob circunstâncias ainda mais embaraçosas do que esta, se você
pode acreditar,” Meredith disse enquanto desligava a televisão.
“Eu acredito, namorada!” Helen disse, tirando os sapatos e indo para
a cadeira mais próxima. “Nunca na minha vida ... Você é o mais
engraçado ... Se eu tivesse uma câmera.” Helen se jogou na cadeira
e respirou fundo. Seu cabelo estava vermelho profundo esta semana.
O mesmo tom de seu rosto corado.
"Eu não sabia que você era cliente de Helen", disse Meri a Jake,
tentando salvar qualquer resquício de profissionalismo que ela
pudesse ter deixado. "Helen nunca mencionou seu nome."
Jacob sorriu para Meredith e se sentou no sofá. "Eu pedi para ela
não fazer isso."
“Mas eu não sabia que vocês dois se conheciam”, disse Helen.
“Achei que o plano incógnito era por causa de toda a atenção das
estrelas de cinema

você sempre reclama. ”


Isso muda tudo. Jacob sabia que ele estava vindo me ver. Ele não é o
mais astuto? Ele combinou isso com Helen depois que eu disse a ele que
trabalhava para GH Terrison?
“Agora sabemos para que serviam os balões”, disse Jake a Helen.
"Está acontecendo uma festa."
“É meu aniversário,” Meredith anunciou. Ela percebeu que não tinha
nada a esconder e nada a perder com aqueles dois. Se Jake já pensava
que ela era “original”, ela aproveitaria a oportunidade para provar isso à
décima potência. Ele deve gostar de mulheres originais. Por que mais
ele estaria aqui? "Fred e eu estávamos comemorando um pouco."
"Fred!" Helen explodiu em outro ataque de riso. "Onde você o
conseguiu?"
“Minha tia Jane o mandou hoje. Ele é um homem da guarda.
Garantido para me proteger aqui no boonies. ”
“Achamos que a festa estava a todo vapor quando chegamos e a
música estava muito alta. Você não pode nos ouvir bater. Podemos ver
você pela janela ”, disse Helen. "Parecia que você estava dançando
com um homem de verdade."
Meredith ainda estava parada no meio do chão da sala de estar .
“Deixe a festa continuar!” ela disse. “Tenho certeza de que será muito
mais divertido com convidados que respondem. Sem ofensa, Fred. Por
que vocês dois não relaxam um minuto, e eu começo o jantar. Aposto
que vocês dois gostariam de beber algo. Eu tenho suco, refrigerante
diet e chá gelado. ”
"Você tem vinho branco?" Helen perguntou. Então ela respondeu sua
própria pergunta. “Não, você não quer, não é. Eu deveria ter trazido
uma garrafa para você. Para o seu aniversário. Eu deveria ter me
lembrado. Feliz aniversário, Meri. Desculpe, não trouxe nada para você.

Uma vozinha travessa dentro da cabeça de Meredith disse: Você
está brincando? Você trouxe Jacob Wilde para a minha porta!
“Vou tomar um chá gelado, desde que não seja adoçado”, disse
Helen. "Posso pegar alguma coisa para você, Jacob?"
"O que há com 'Jacob'?" Helen perguntou. “Eu pensei que você disse
que o conhecia. Chame-o de Jake. ”
"Você gostaria de algo para beber - " ela fez uma
pausa - "Jake?" Ele parecia um pouco envergonhado. "Chá
gelado está bom."
Meredith encheu dois copos altos com chá da jarra na geladeira e
pegou alguns cubos de gelo na bandeja do freezer. Helen e Jake não
podiam vê-la. Algo dentro dela queria beijar o cubo de gelo que ela
estava prestes a jogar no copo para Jake. Ela não disse.

Era uma coisa boba e infantil que ela teria feito quando tinha doze
anos. Ah, beijar o cubo de gelo que tocaria os lábios de sua estrela
favorita.
Mas Jake não era mais uma estrela em sua mente. Ele era ... bem,
muitas coisas. Uma estrela de cinema era a menor de suas
qualificações. Esta noite ele era seu convidado, e ela era uma campeã
quando se tratava de hospitalidade. Ele também era cliente de Helen, e
Meredith podia ter certeza de que Helen tinha uma agenda. Mais
importante, ele era um homem que a intrigava apesar de todas as
circunstâncias estranhas. Meredith não estava apenas orando e
ponderando sobre a escolha de Deus para seu futuro marido? E aqui
estava Jake, sentado em sua sala de estar. Ele estava sorrindo. Ele
queria estar aqui. Isso era bom demais para ser verdade.
"Aqui está", disse Meredith, servindo o chá gelado.
"Podemos enviar seu Fred para outro quarto?" Helen disse,
esfregando os pés de meia no tapete. "Ele está olhando para mim de
forma engraçada."
“Eu ia enfiá-lo na despensa”, disse Meredith. “Foi ideia de Shelly, na
verdade. Então planejei mandar você para a despensa, Helen, e ver o
que aconteceu quando você abriu a porta e ele se lançou contra você.
“Eu teria pulado fora da minha pele! Ainda bem que invadimos sua
festa antes que você tivesse a chance de pregar sua maldita partida no
pobre e inocente mim. " Helen ergueu os óculos. "Onde você conseguiu
as roupas para ele?"
“Dos perdidos e achados no acampamento.” Meredith pegou Fred
pelos braços e carregou-o para o quarto de hóspedes. Desde que
Shelly havia se mudado há um ano, tudo que Meri tinha na sala era
uma estante de livros e uma cadeira. Ela mantinha um colchão inflável
no armário para os hóspedes que se hospedavam. Agora seu homem
inflável poderia se juntar à cama de hóspedes inflável no armário. Ela
não teve coragem de deixar Fred escapar, então ele se escondeu
totalmente imaginado.
"Ótimo chá", disse Helen quando Meredith voltou para a sala de
estar. "Quer ajuda com o jantar?"
“Não é problema. Eu tenho macarrão, então não vai demorar muito para
preparar.
"Claro que você tem macarrão", disse Helen. “Você vive de macarrão.
Eu não sei como você faz isso. ” Ela se levantou da cadeira e seguiu
Meri até a cozinha. “Vamos, vamos ajudar. É seu aniversário. O mínimo
que podemos fazer é ajudar o chef. ”
De repente, Jake estava em sua cozinha, sorrindo para ela. “Que tipo
de massa?” ele perguntou.
“Fettuccine e linguine.” Ela contou a ele sobre o lugar perto do
desembarque da balsa. “Eu não fiz o molho ainda; Eu poderia fazer
isso enquanto

vocês fazem os brócolis e macarrão. Eu também tenho alguns


aperitivos. ” “Que tal você me deixar fazer o molho Alfredo? Eu
peguei um
algumas dicas no Chez Monique's ”, disse Jake.
"Monique quem?" Helen perguntou, terminando o último gole de chá
gelado. "Chez Monique's", Meri respondeu por Jake. “É um
restaurante em
Santa Monica, onde Jake trabalhava. ”
"Oh sim. Eu me lembro ”, disse Helen. “Agora me diga novamente
como vocês dois se conhecem. Aqui eu pensei que teria a surpresa de
uma vida para você, Meri. Tem mais chá na geladeira? ”
"Certo. Fique a vontade." Meredith esperou para ver se Jake
explicaria como eles se conheceram.
Nenhum deles precisou porque Helen soltou um grito e tirou algo da
geladeira. Era um pequeno pote de cereja marasquino . “O que no
mundo é isso, garota? Parece o apêndice do meu marido. Ele exigiu
que o cirurgião ficasse com todas as peças, assim como o mecânico
quando ele conserta o carro. ”
Meredith sentiu suas bochechas ficando vermelhas. "Não é nada",
disse ela rapidamente, ajudando Helen a devolvê-lo ao fundo da
prateleira. "Aqui está o chá."
- Estou lhe dizendo - disse Helen, servindo-se de chá. - Não vou
deixar Herb guardar mais coisas assim. Não há mais pólipos em
conserva! Isso é o que eu disse a ele. ”
Meredith ficou aliviada ao ver que Jake não havia notado a
descoberta da uva sentimental. Ele estava ocupado se sentindo em
casa com as panelas e frigideiras.
"Você planeja usar este para o macarrão?" ele perguntou, apontando
para a panela maior, que estava cheia de água e esperando em
segundo plano.
"Sim. Mas se você precisar, vá em frente. ”
"Não, esta panela vai ficar bem." Ele se virou para Meredith. Eles
estavam a apenas alguns centímetros de distância um do outro na
apertada cozinha. Foi o mais próximo que ela já tinha estado dele. Um
cheiro sutil de manteiga de cacau parecia flutuar de sua pele. "Você
tem um avental sobrando?" ele perguntou, aquecendo-a com seus
profundos olhos castanhos.
Meredith se forçou a desviar o olhar. “Bem atrás de você no gancho.
Desculpe, mas eu não tenho nenhum particularmente viril. ”
Ela tinha dois aventais pendurados no gancho na parede. Um deles
ela havia usado antes ao coletar as flores. Era branco com finas fitas
amarelas entrelaçadas no ilhó na parte superior, na parte inferior e nas
tiras amarradas ao redor do pescoço. O

o outro avental não tinha renda. Era um punhado de limões amarelos


brilhantes sobre um fundo azul royal. Jake escolheu aquele.
“Tenho a sensação de que vou atrapalhar até aqui”, disse Helen,
saindo da cozinha. Ela se acomodou à mesa elegantemente posta e
encarou os dois cozinheiros, ambos com aventais. Helen sorriu sua
bênção para eles. “Isso pode ser interessante”, disse ela. “Duas das
minhas pessoas favoritas criando jantar juntas.” Erguendo o copo, ela
acrescentou: “Vá em frente. Surpreenda-me. ”

Capítulo Quatorze
W hen eles se sentaram juntos no meio da tabela, uma hora depois,
Meri acendeu a vela e apagou as luzes na cozinha.
"Cheira maravilhoso", disse Helen, colocando a última mordida de
seu aperitivo em sua bochecha.
"Nós estamos preparados?" Jake perguntou.
"Parece que sim", disse Meri, examinando rapidamente a mesa. Ela
jogou o molho na salada. O queijo parmesão estava em um prato de
vidro com uma colher, e todos os copos estavam cheios de água e
uma rodela de limão. A mesa parecia perfeita.
Jake pigarreou e disse: "Gostaria de agradecer antes de comer".
O coração de Meri derreteu um pouco. Ela sabia que Jake era um
cristão; Shelly deixara isso claro em uma de suas muitas
apresentações para fazer Meri se interessar por ele. Mas Meri
conhecia muitos homens cristãos que não iniciavam a oração durante
as refeições, especialmente em uma refeição de negócios com um
agente que não era particularmente aberto às coisas espirituais.
"Você dá as mãos quando ora?" Helen perguntou. “Herb tem um cliente
renascido que insiste em que devemos dar as mãos e orar antes de
comer. Até em restaurantes. Eu me acostumei. Você quer dar as
mãos? " Sem uma palavra, Meri ofereceu a mão aberta para Helen à
sua direita e Jake à sua esquerda. Helen colocou sua mão fria na de
Meri, mas Jake
hesitou.
Meredith espiou Jake de sua posição de cabeça baixa .
“Não dou as mãos quando oro”, disse ele.

"Como quiser", disse Helen, soltando a mão de Meri. “Apenas


termine a oração. É um pecado deixar essa comida quente esperando.

Jake orou: “Pai, obrigado por este alimento que você providenciou.
Obrigado pela oportunidade que temos de nos encontrarmos e
discutirmos possíveis acordos comerciais. Por favor, direcione nossa
conversa e nosso tempo juntos. Oramos isso em nome de Cristo,
amém. ”
"Amém", disse Helen, alcançando a tigela de fettuccine. "Isso tem um
cheiro celestial."
Por que ele não queria dar as mãos? Fui eu? Isso tudo é negócio para
ele, então ele não quer ser muito amigável? Ele me ofereceu a mão na
cachoeira. Foi diferente porque eu estava tentando sair do barco a remo?
“Antes de começarmos a falar de negócios”, disse Helen, “preciso
perguntar a você, Jake, só porque você despertou minha curiosidade:
andar de mãos dadas com mulheres quando ora não é cristão?”
"Possivelmente", disse ele com uma cara séria.
"Possivelmente?" Helen repetiu. "O que? Você não deve misturar
espiritual com físico? "
"Já estão misturados", disse Jake, oferecendo-se para despejar o
molho sobre o fettuccine no prato de Helen. “Somos pessoas inteiras.
O físico e o espiritual já estão misturados. Eu só não gosto de
confundir as duas partes. ” "Você me perdeu lá", disse Helen. Ela girou
o macarrão no garfo e deu uma mordida ansiosa. Então, fechando os
olhos e soltando um baixo,
feliz, ela disse: “Estou maravilhada. Isso é bem-aventurança! "
Meri tentou ansiosamente sua primeira mordida. Helen estava certa.
Foi maravilhoso. “Isso é delicioso, Jake. Odeio admitir, mas seu molho
é melhor que o meu. Meus cumprimentos a Monique e a você. ”
Ele seguiu o exemplo deles e deu uma mordida. “Isso sim é massa
fresca”, disse ele. “Este lugar aceita pedidos pelo correio? Como está o
linguine? ” Ele se serviu de uma colher do macarrão fumegante.
“Eu gosto do fettuccine o melhor dos dois,” Jake disse um momento
depois. "Eu amo tudo", disse Helen. Ela girou outra garfada generosa
antes de retornar às perguntas para Jake. “Então me dê sua filosofia,
Jake. Você não acredita em ficar de mãos dadas com mulheres
quando ora.
Eu não sabia disso. O que mais eu não sei? "
Jake comeu em silêncio, pensando antes de responder. Meredith
percebeu que o cabelo dele parecia mais claro do que há algumas
semanas. Ele tinha uma leve marca de nascença no lado direito do
rosto. A pequena mancha acastanhada, do tamanho de uma moeda de
dez centavos, estava localizada na linha do queixo, perto da orelha. Ela
percebeu que estava olhando e olhou de volta para o prato.

Não adiantou. Em vez de ver macarrão e salada, ela viu a imagem de


Jake em sua cozinha usando seu avental azul limão sobre sua camisa
de malha verde escura e jeans. Ele estava invadindo sua consciência.
Ele estava sentado ao lado dela. Seu cheiro de manteiga de cacau
ainda estava perto o suficiente para ela sentir se ela virasse certo.
Meredith estava assustada. Ela não se lembrava de ter se sentido
tão oprimida pela presença de um homem. Sem aviso, seu coração
começou a bater mais rápido e de repente ela sentiu sede.
“Minha filosofia de vida ou de amor?” Jake perguntou
a Helen. "Amor, é claro."
“O amor é uma escolha que envolve compromisso. Você pode se
casar com qualquer pessoa e fazer o casamento funcionar, se ambos
estiverem comprometidos com ele. A emoção do amor não é a base
para um relacionamento conjugal. Compromisso é. ”
"Não diga isso ao meu Herb", respondeu Helen. “Ele diz que é o
nosso amor que nos mantém juntos. Estamos fazendo dois anos
agora. ”
"Isso é mais longo do que a média", disse Jake.
“Média o quê?” Meredith perguntou, ligeiramente aborrecida com
sua abordagem insensível a coisas tão sagradas como amor e
casamento.
“Em média, um casal fica apaixonado dezoito meses. Todos os tipos
de estudos provam isso. Apaixonar-se, como o chamamos, é pouco
mais do que uma reação química. Depois que passa, tudo o que resta é
o compromisso. É por isso que é uma escolha. Decidir se casar
significa que você está olhando muito além da reação química
imediata que seu cérebro está experimentando quando você se
apaixona. Você está optando por se comprometer pelo resto da vida,
mesmo depois que a reação química acabar. ”
Helen largou o garfo com um fwap. “Esse deve ser o grupo de
besteiras mais ridículo que eu já ouvi! As pessoas não fazem
avaliações lógicas de valor como essa quando se trata de amor e
casamento. Eles se apaixonam e se casam. Isso é tudo que há para
fazer. É mágico, maravilhoso e avassalador. Não é uma reação
química! De onde você tirou todo esse absurdo? "
Jake parecia impassível por sua resposta forte. “Meu colega de
quarto Brad. Ele fez sua tese sobre isso. 'A falácia de se apaixonar e
por que os americanos passam a vida tentando recriar a sensação.' É
um papel fascinante. ”
Meredith se lembrou de como Brad tinha sido direto quando ela o
conheceu no centro de conferências. Ela também se lembrou de que
ele era casado e fez um comentário sobre como ele teria se casado
mais cedo se soubesse como era maravilhoso.

“Brad parece ser muito feliz como um homem casado”, disse Meri.
"Claro, ele está feliz", disse Jake. “Foi tudo de quê? Três meses.
Ele sabe que a emoção vai passar. É sobre isso que trata o seu artigo.
A maioria das pessoas não espera que os sentimentos desapareçam,
então, quando isso acontece, as pessoas pensam que algo está errado
com elas ou com seu cônjuge e vão em busca do que quer que vá
restaurar esses sentimentos. É por isso que os americanos, mais do
que indivíduos em qualquer outra cultura, fazem escolhas erradas
quando se trata de atender às suas necessidades emocionais. Eles
esquecerão os compromissos, a lógica e a virtude na busca por sentir
aquela reação química de amor mais uma vez. ”
"Você tem razão", disse Helen. “Tenho uma amiga que acabou de
abandonar um casamento de quinze anos porque disse que o marido a
repudia fisicamente. Eu vi o marido dela e posso dizer que não há nada
de repulsivo nele. É que seus sentimentos mudaram em relação a ele. "
Meredith também não podia discordar de Jake. Ela tinha ouvido seu
pai falar ao longo dos anos sobre como ele sempre ficava surpreso
quando um casal entrava no escritório da igreja e anunciava que estava
se divorciando. Muitas vezes, a razão que eles deram foi que eles não
estavam mais apaixonados. Seu pai pregou grandes sermões sobre
como fazer amor durar. Ele havia escrito um artigo para a
denominação deles sobre o ensino de jovens a se casar com o objetivo
de servir abnegadamente ao outro por toda a vida.
Meredith, a mais dócil das quatro filhas de Graham, ouvira
atentamente os ensinamentos de seu pai quando estava chegando ao
fim do ensino médio e tentava entender suas emoções de altos
e baixos . Como resultado, ela controlou bem o coração. Muitos
homens, ao longo dos anos, confessaram a ela que ela acendeu uma
chama em seus corações. Ela silenciou a todos com sua admissão
sincera de que não sentia o mesmo por eles e pediu-lhes apenas para
serem amigos.
“Acho que você está certo em alguns aspectos, Jake”, disse ela.
“Mas quando você olha para pessoas como Brad e Alissa ou minha
irmã e Jonathan, você não vê algo mais do que uma escolha lógica
para se casar? Acho que Shelly e Jonathan estão definitivamente
apaixonados emocionalmente, e eles se conhecem há toda a vida, o
que é muito além do seu limite de dezoito meses. ”
“Isso é porque eles escolheram estar apaixonados e estão
experimentando a reação química que vem com essa escolha. Os
sentimentos vão desaparecer, e então onde eles estarão? ”
Quando Helen e Meri não responderam imediatamente, Jake deu-lhes

sua resposta clínica. “Eles estarão comprometidos. Não


necessariamente apaixonado. E o compromisso é o que dura a vida
toda. ”
"Eu presumo", disse Helen, derramando seu último pedaço de linguine
na poça de molho branco em seu prato de porcelana, "que você nunca
se apaixonou." “Já me apaixonei muitas vezes, desde os 12 anos”,
disse ele com um sorriso. “Eu nunca estive comprometido, entretanto.
E eu
não pretendo ficar por algum tempo. ”
“Devemos supor que é por isso que você não se permite dar as
mãos às mulheres quando ora?” Helen disse. “O menor toque pode
levar a uma reação química, e aí está você, tendo que fazer uma
escolha sobre o compromisso para a vida toda.”
Jake não respondeu. Sua expressão facial disse a eles que Helen
estava perto da verdade, mas ele não iria admitir porque suas palavras
soavam tão severas.
Meri se sentiu roubado. De que adiantava guardar seu coração todos
esses anos apenas para descobrir que quando, pela primeira vez, ela
estava experimentando uma reação química e estava ansiosa para
considerar a possibilidade de um compromisso para a vida toda, a
outra parte foi fechada como uma fogueira o quinto de julho?
- Você sabe - disse Helen, sacudindo o garfo vazio para Jake -, você
dá uma boa comida, mas conversa péssima à mesa, Jacob. Somente
os homens fazem isso. Eles analisam todo o romance do romance. ”
“O que é romance?” Jake desafiou.
"Eu não quero ouvir sua opinião", disse Helen bem-humorada. “Eu
sou um grande fã de romance, e não vou deixar você estragar isso para
mim. Vamos falar de negócios. Tem que ser mais agradável do que
isso. ”
"Vou fazer café", disse Meredith, desculpando-se e deixando seu
prato cheio de macarrão pela metade. Ela havia perdido o apetite
quando perdeu todas as esperanças de que Jake pudesse estar
interessado nela. Parecia tão injusto. Primeiro suas emoções
dispararam, um aniversário alto, enquanto ela trabalhava lado a lado
com Jake, fazendo suas comidas favoritas. Então, a imagem de Jake
em seu avental limão e a descoberta da marca de nascença abaixo de
sua orelha direita aqueceram seu coração. E daí? Ele tinha
praticamente colocado por escrito que não estava interessado nela. De
que adiantava as esperanças quando você atingiu um quarto de século
e perdeu todo o interesse em comer seu próprio bolo de aniversário?
"Você leu o manuscrito de Jake, não é?" Helen chamou Meredith
quando ela deixou a mesa.
Ela nem mesmo abriu os envelopes pardos que Helen lhe mandou.
Se ela soubesse que um deles era de Jake, ela o teria mudado para

o topo de sua
pilha? "Não,
ainda não."
"Meredith!" Helen esbravejou. Ela parecia chateada. “Como é que
vamos ter uma discussão de negócios se você ainda nem olhou o
material?”
Meredith queria se virar e gritar com Helen do jeito que Meri e suas
irmãs costumavam brigar, dizendo: “Você não me disse que eu deveria
ler antes desta noite. Você não me disse que Jacob Wilde era o cliente
que você estava trazendo. Por que isso é minha culpa? É meu
aniversário, e todo mundo deve ser bom comigo, não gritar comigo e
destruir minhas esperanças! ”
Mas ela disse em sua voz profissional: “Por que vocês dois não me
dão um resumo? Adoraria ouvir diretamente de você. ”
“É um acordo pelos direitos do livro para acompanhar o filme que
Jake está produzindo”, disse Helen. - Pelo amor de Deus, Meri, quão
difícil teria sido abrir o envelope e dar uma olhada rápida? Eu disse que
este era um mel. "
"Sim, você fez", disse Meredith, colocando o café moído no filtro
branco desbotado e enchendo a água até o nível de dez xícaras . "Me
diga mais."
Jake se virou e a observou por um momento antes de dar sua
opinião. “É uma série para crianças”, disse ele, seu tom um pouco mais
suave do que quando ele estava falando sua filosofia de amor. “Eu o
chamo de Coração Jovem. O herói é um menino de dez anos que está
em uma jornada, como em Pilgrim's Progress . Você sabe, o clássico de
John Bunyan. ”
"Sim, eu sei disso", disse Meri.
“Na verdade, poderia ser classificado como uma fantasia. Uma
espécie de Pilgrim's Progress com um toque de Nárnia, se você quiser.
Estamos vendo seis vídeos e os livros que os acompanham. Há
potencial para mais livros. Temos financiamento apenas para os
primeiros seis vídeos; no entanto, gostaria de fazer doze. ”
“Eu ouvi da minha irmã que você está planejando fazer algumas
filmagens na cachoeira Heather Creek”, disse Meri.
“Sim, é realmente perfeito para várias cenas na floresta. Eu me
encontro com Kyle e Jonathan amanhã, e se tudo correr bem, devemos
começar a filmar em um mês. ”
Meredith limpou os pratos enquanto esperavam o café ficar pronto.
“A beleza deste projeto”, disse Helen, “é que os livros são
quase escrito, e se a Terrison Publishing pular direto nisso, os livros
podem ir para as prateleiras ao mesmo tempo que os vídeos. Nós
poderíamos fazer um forte

promoção cruzada para lançar a série e desenvolver alguns produtos


auxiliares desde o início. Eu estava pensando em bonecos de ação,
canetas e lápis em forma de espada, como a espada que Young Heart
carrega. ” O rosto de Helen se iluminou com seu entusiasmo.
“Queríamos que Terrison fornecesse o dinheiro para os produtos
auxiliares e concordasse em uma franquia de trabalho com a
produtora de filmes.”
“Uau,” Meredith disse. “Você vai ter que negociar tudo isso com Dan
no departamento jurídico. Não tenho muito o que dizer quando se trata
desse lado dos negócios. ”
Helen se inclinou para frente e foi direto ao assunto. “Gostaria de um
contrato de seis livros para meu cliente aqui, com uma opção para
mais seis e uma escala de royalties crescente. O lançamento dos livros
deve coincidir com o lançamento dos vídeos, ou o levaremos para
outro lugar. ” Helen se recostou na cadeira e olhou para Meredith como
alguém que acabou de lançar sua luva. Quando Helen falava de
negócios, ela falava de negócios.
"Você sabe que não posso lhe dar uma resposta agora", disse Meri.
“Mas parece muito intrigante.” Ela se conteve. Intrigante? Por que usei
essa palavra? Essa foi minha palavra para Jake. Serei capaz de separar o
homem do projeto? Acho que vou ter que fazer .
"Eu tenho uma pergunta", disse Meri, olhando para Helen e depois
para Jake. “Você disse que os livros estavam quase escritos. O que
exatamente isso significa?"

Capítulo Quinze

A cafeteira pingou a última gota, e Meredith serviu o café enquanto


Helen e Jake surgiam com uma resposta para sua pergunta.
Jake falou primeiro. “Eu inclinei o manuscrito para um formato de
roteiro. As histórias estão bem aí; eles só precisam ser retirados e
reestruturados em doze livros. ”
Meredith tentou não rir enquanto colocava a xícara de café diante de
Jake. “É um barco cheio de trabalho”, disse ela.
"É isso?" ele perguntou inocentemente.
“Precisaríamos contratar um ghostwriter”, declarou Helen. “O tempo
de Jake está reservado a partir de agora com os vídeos. Você não tem
acesso a ghostwriters? ”
"Claro que eu faço." Meredith entregou a Helen uma xícara de café e
voltou à geladeira para pegar um creme. Ela pegou o açucareiro do
armário e colocou o conjunto de cerâmica branca sobre a mesa. “Eu
trabalho com ghostwriters o tempo todo. Ajuda se eles tiverem acesso
ao autor, é claro, enquanto o projeto está em seus estágios iniciais. ”
“Poderíamos resolver alguma coisa”, disse Helen. “Eu quero o
melhor escritor.”

"Claro", disse Meredith, tomando um gole de café. “Você pode me


contar um pouco mais sobre as histórias? Que faixa etária você está
almejando? Qual é a extensão de cada livro? Está escrito na terceira
pessoa ou na primeira pessoa? ”

Helen e Jake se entreolharam e, em seguida, devolveram dois


olhares vazios para ela.

Meredith baixou o olhar para sua xícara de café com infusão de


creme . Eles não têm ideia. Isso vai dar muito trabalho! Olhando para
cima e reunindo sua coragem, Meredith começou com a primeira
pergunta. Afinal, essa era sua área de especialização. Ela não deveria
ser intimidada por ninguém, nem por Helen, nem pelo pragmático
Jacob Wilde.
“Qual é o seu grupo-alvo? Que idade?"
"Eu acho que crianças", disse Jake
inexpressivamente.
“Crianças, ou seja, de dois a cinco anos? Cinco para as sete? Oito às
doze? Doze a dezesseis? "
"Todas as idades, eu acho." Jake tomou um gole de café. "Isso é
bom. De que tipo é isto?"
Meredith encolheu os ombros. “Você está em Seattle. Todo café em
Seattle é ótimo. ” “Você está falando sobre a faixa etária dos vídeos
ou dos livros?”
Helen perguntou.
"Os livros, é claro", disse Meredith. “Imagine uma criança
esparramada em sua cama lendo um desses livros. Qual a idade desse
garoto? Ele pode ler sozinho ou a mãe dele está lendo para ele? ”
"Ele pode ler", disse Jake. "Ele tem cerca de nove anos."
"Será que sua irmã de cinco anos vai gostar da história tanto quanto
ele, se ele ler para ela?" Meri perguntou.
"Ela deve. Sua irmã de onze anos gostaria mais. ” Jake se inclinou
para trás e um sorriso calmo apareceu em seu rosto bronzeado. “Helen
disse que você era bom. Agora vejo por quê. Eu nem tinha pensado
nesse ângulo. Temos que conhecer nosso público antes que a cortina
suba. ”
"Exatamente", disse Meredith.
“Estou oferecendo no mínimo seis livros com opção de contrato para
mais seis”, disse Helen com firmeza.
"Eu entendo", disse Meredith. “Mas você está em um prazo próximo
com os vídeos entrando em produção. Você quer que eles sejam
lançados com os vídeos, mas ainda não foram escritos. ”
"Eles estão quase escritos", Helen a corrigiu.
Meredith sorriu. “Você sabe exatamente do que estamos falando,
Helen. São nove meses, no mínimo, antes que possamos colocar um
trabalho como este nas prateleiras. ”
"Nove meses é bom", disse Jake.
Meredith ergueu a mão. “Você percebe que tudo que eu acabei de
dizer era hipotético. Não temos nem um acordo verbal aqui. Estou
apenas falando em generalidades para que você saiba como funciona
o processo. Tenho que examinar a proposta primeiro. Farei isso
amanhã e direi a Helen o que penso. ”

Jake parecia surpreso. Este homem estava tão desacostumado a


ouvir não? O surpreendeu que Meredith não desmaiasse a seus pés e
implorasse pela oportunidade de publicar suas histórias?
O que Jake provavelmente não sabia, mas o que Helen deveria saber
agora, era que Meredith ganhou a reputação de ser boa no que fazia
porque era cautelosa e usava integridade em todos os seus negócios.
Helen deveria saber que Meri trataria a proposta de um livro de uma
estrela de cinema com o mesmo interesse com que costumava
considerar o manuscrito escrito à mão pela avó desconhecida no
Mississippi que havia enviado a única história que ela já havia escrito.
Todos os manuscritos foram avaliados por sua qualidade e quão bem
eles se encaixam no plano de marketing da GH Terrison Publishing.
“Suponho que não teria qualquer valor falar em dinheiro adiantado
agora, não é?” Helen disse secamente.
“Fale o quanto quiser. Minhas mãos estão amarradas até que eu leve
a proposta ao comitê e o orçamento seja definido. Então podemos
conversar. Mais café?"
Meredith alcançou a panela para encher suas xícaras. Uma quietude
pairava sobre eles. Se Jake havia destruído suas esperanças com sua
abordagem prática do amor e do compromisso, ela apenas destruiu
suas esperanças de ser publicada da noite para o dia. Seu discurso
anterior não teve nada a ver com a maneira como ela lidou com sua
conversa de negócios. Isso é o que ela fez, e ela não amoleceria por
ninguém. Nem mesmo uma estrela de cinema.
“Cheesecake está no cardápio, se algum de vocês tiver espaço,”
Meredith disse, voltando para a cozinha e puxando a caixa rotulada
“Rondi's” da prateleira de baixo. "Cheesecake de framboesa."
"Parece uma obrigação", disse Helen. "Se importa se nos retirarmos
para a sala de estar?"
"Boa ideia", disse Meredith. “Eu sei que essas cadeiras não são as
mais confortáveis.”
Helen foi para o sofá com sua xícara de café na mão. "Isto é real?"
Helen perguntou, acenando para Elvis em sua tigela.
“Claro que ele é real. Não se lembra quando apresentei vocês dois
ao telefone? Esse é Elvis. ”
"Olá, Elvis", disse Helen, inclinando a cabeça para o lado e olhando
para a tigela. Então ela gritou por cima do ombro, "Honestamente, Meri,
eu não sei por que você não consegue um pequeno poodle como as
pessoas normais."

"Ela não gosta de cachorros", afirmou Jake. Antes que Meredith


pudesse enfiar a cabeça para trás na sala de estar e reconhecer que
ele se lembrava

algo pessoal sobre ela, Jake perguntou: "Se importa se colocarmos um


pouco de música?"
"Vá em frente. O controle remoto do CD player está na mesa de
centro ”, disse Meri. Ela tirou o cheesecake da caixa. Por um breve
momento, ela desejou ter algumas velas numeradas velhas e idiotas
para colocar no topo.
Um instante depois, o primeiro CD começou a tocar. Era As Quatro
Estações de Antonio Vivaldi. Meri virou a cabeça para ver a reação de
Jake. Ela não tinha planejado isso; era apenas o próximo CD da fila.
Jake estava sentado na poltrona onde Fred estivera. Ele se virou em
direção à cozinha e olhou para Meredith, um vislumbre de surpresa
agradável em seu rosto. Ela sabia que não podia dizer nada sobre
saber que ele gostava de Vivaldi ou de ele adormecer em seu único
encontro com sua irmã. Homens que não acreditam no amor, mas
optam por se comprometer, não deveriam se preocupar com coisas
como gostos comuns na música, deveriam? E também não devem se
lembrar se uma mulher gosta ou não de cachorros, a menos que
estejam interessados nessa mulher.
Meredith desviou o olhar e começou a cortar seu bolo de aniversário.
Antes de cortar a primeira fatia, ela cantou silenciosamente, Parabéns
para você , Parabéns para você , Parabéns para você, querida Meredith,
Parabéns para você .
Ela ficou parada por um momento, imaginando o que desejaria se
tivesse, de fato, velas para soprar. Mas não havia velas e ela não tinha
desejos. Apenas convidados esperando na sala de estar pela
sobremesa.
“Você sabe o que me surpreende”, disse Helen, enquanto seu garfo
deslizava no cheesecake, “é que você não disse uma palavra sobre a
carreira de Jake no cinema. Você é o único que conheço que parece
ser capaz de ignorar esse lado de sua vida. ”
Meredith se sentou ao lado de Helen e respondeu sem olhar para
Jake. “Alguém uma vez me disse que o que você faz é simplesmente o
que você faz; não é quem você é. ”
Jake chamou sua atenção quando ela olhou para o prato. Mais uma
vez, ele pareceu agradavelmente surpreso.
"Tornou-se um filósofo comigo agora, não é?" Helen disse. Meredith
manteve seus pensamentos para si mesma e deu uma mordida no
aniversário
bolo de queijo.
"Isso é muito bom", disse Jake. “Outra especialidade da
ilha?” “Sim,” Meredith respondeu sem olhar para cima.
"É maravilhoso", concordou Helen. “Agora, deixe-me fazer meu trabalho como
Jacob

Agente literário de Wilde e se gabar dele um pouco. O sucesso de Jake


com o Falcon Pointe não veio do nada, como muitos críticos querem
que você acredite. Ele tem trabalhado constantemente em Hollywood
nos últimos cinco anos, mas sua oportunidade veio há alguns anos,
com um comercial de analgésico que durou mais do que qualquer
outro para esse produto. ”
Helen respirou fundo, pronta para continuar com os elogios ao
cliente, quando Jake a interrompeu. “Está tudo na biografia. Tenho
certeza que Meredith pode ler quando der uma olhada na proposta do
manuscrito. ” Ele continuou trabalhando em seu cheesecake sem olhar
para cima.
Meredith sentiu a tensão no ar. E não era necessariamente entre o
cliente e o agente. Jake ficou envergonhado por Helen ter revisado seu
currículo com Meri? Ou ele não queria divulgar nada que pudesse ser
considerado pessoal para ela? De qualquer maneira, ela se sentiu
desprezada. Ela podia entender seu desejo de manter sua carreira
separada de quem ele era, e depois de ver como ele foi cercado por
uma multidão em Glenbrooke, Meri honrou isso. Mas de que adiantava
tal divisão de vida e carreira, se ele também escolheu manter sua vida
fora do alcance dos outros?
“Um outro fato minúsculo e interessante não está listado na
biografia de Jake.” Helen continuou a se gabar de seu cliente como
uma mãe excessivamente protetora se gaba de seu único filho em seu
primeiro recital de piano. “Jake toca bongôs. Não é divertido? Você já
conheceu alguém que toca bateria de bongô? ”
"Não, acho que não."
Jake pareceu se iluminar com interesse renovado na conversa.
"Shelly alguma vez lhe contou sobre os festivais de bongô que Brad e
eu costumávamos ter em Pasadena?"
"Não, eu não acho que ela fez." Meredith casualmente encontrou o
olhar de Jake quando ele olhou para cima, e agora ela estava tendo
dificuldade em soltá-lo. Sentado na poltrona, ele era a antítese do
homem da guarda Fred. Eles eram quase do mesmo tamanho e
ocupavam a cadeira mais ou menos da mesma maneira. Mas Fred
apenas olhou para o esquecimento. Os olhos de Jake eram calorosos,
cheios de vida e, oh, tão intrigantes. Isso a deixou louca.
Por que me sinto assim quando olho para ele? Ele pode muito bem ser um
grande boneco inflável por todo o coração que parece ter. Por que, oh, por que
estou tão atraída por ele? Não é porque ele é um ator, certo? Não, eu estava
intrigado com ele antes de saber quem ele era. Estou apenas atraída por ele.
Ou, como diria Jake, estou passando por uma reação química. De acordo com
ele, eu deveria ser capaz de escolher desligá-lo agora. Então, por que não
posso?
Jake falou despreocupadamente sobre as noites no quintal quando
ele e Brad colocavam boinas francesas e tocavam bateria
espontaneamente

sob o céu noturno da Califórnia.


Realmente não é justo que eu deva estar lutando com essa reação
química enquanto ele não está tendo uma. Ele está mais animado em
tocar bateria de bongô do que em mim. Sou eu? Eu sou tão
desagradável?
Meredith sabia que não era o caso. Dezenas de homens ao longo
dos anos testemunharam seu apelo e teriam feito qualquer coisa para
que ela retribuísse seu afeto. De repente, ela sentiu pena daqueles
homens. Agora ela entendia o que era ser aquela que estava tendo a
reação química enquanto o destinatário pretendido daquele interesse,
atenção e sentimento afetuoso estava desligado, adormecido e sem
resposta.
Ela considerou por um breve momento enviar uma carta a cada um
daqueles homens, desculpando-se por sua falta de resposta quando
ele abriu o coração para ela. Ela os deixaria saber que sua indiferença
estava voltando dez vezes mais neste exato momento, enquanto ela
estava sentada aqui com Jacob Wilde, sabendo que, para ele, ela não
era nada.
Capítulo Dezesseis

H elen e Jake deixado em uma onda quando eles perceberam que


tinham de correr para pegar a última balsa fora da ilha. Jake tinha
reservas em um hotel perto do aeroporto. Ele planejava voar até
Eugene às seis horas da manhã e depois dirigir até Glenbrooke para
seu encontro matinal com Jonathan e Kyle. Helen tinha reservas
quanto a um olho vermelho de volta para Nova York e saiu em pânico
por não conseguir pegar o avião.

Suas despedidas apressadas consistiram em um beijo na bochecha


de Helen, um sorriso caloroso e um desejo de feliz aniversário de Jake,
e uma promessa de Meri de que ela examinaria o pedido de
casamento logo de manhã.
O carro alugado de Helen saiu da garagem, lançando cascalho e
soando muito mais alto do que qualquer coisa a que Meri estava
acostumada em seu canto tranquilo do mundo. Com um suspiro, ela
ficou na varanda, assistindo a lua brincar de esconde-esconde com ela
através da fina camada de nuvens claras. A chuva que ameaçava cair
mais cedo ou estava segurando ou tinha passado. Assim, a
tempestade fantasma deixou as flores murchas da primavera
implorando por um último gole.
Meredith sabia exatamente como eles se sentiam. Uma coisa é não
chover. Você aceita isso. Mas quando o cheiro da chuva está no vento
e o ar está pesado com a promessa de umidade, as esperanças
aumentam. Almas sedentas tornam-se expectantes. Então a chuva
nunca cai.
Meredith também experimentou decepção esta noite. A sugestão de
romance surgiu ondulando em sua vida, temperando fortemente o ar
com intriga. Então tudo explodiu pela porta.

Enquanto ela olhava para a lua, Meredith pensou novamente no


verso que ela havia sublinhado alguns dias atrás. “A esperança adiada
deixa o coração doente”, ela recitou em voz alta. "E, cara, eu sei que
isso é verdade."
Talvez não parecesse tão opressor se eu não tivesse orado novamente
esta noite para que Deus se preparasse e enviasse um homem para
minha vida. Não estou tentando ser egoísta sobre isso, Deus Pai. É para
que possamos fazer o que meu pai pregou todos aqueles
anos - trabalhar juntos pelo seu reino. Você disse que dois são melhores
do que um. Você realmente quis dizer isso? Existe realmente alguém lá
fora para mim, ou sou mais adequado para ser solteiro?
Ela achava que já sabia a resposta. Para ela, solteiro significava tia
Jane. Esse não era o tipo de pessoa que ela queria se tornar ou o tipo
de vida que ela queria levar.
Tudo o que tenho a dizer, Deus, é que se Jacob Wilde não for o homem
certo para mim, desafio você a encontrar alguém melhor .
A mão de Meredith voou para sua boca e a cobriu com força. Não se
deve sair por aí desafiando Deus a fazer alguma coisa, certo?
“Sinto muito,” ela sussurrou no ar frio da noite. “Eu não quis dizer
isso. Eu simplesmente não entendo. Por que você nos conectou,
humanos, frágeis, para ter todas essas emoções e desejos profundos
se eles não são nada mais do que uma reação química estúpida? Você
me fez assim. Agora, o que devo fazer com toda essa paixão e
esperança? ”
Frustrada, Meredith girou nos calcanhares e marchou para dentro,
batendo a porta atrás dela. Ela olhou para a pilha de pratos sujos no
balcão da cozinha e sabia que não iria passar a última hora de seu
aniversário limpando a cozinha. Em vez disso, ela se dirigiu ao
banheiro, onde tirou suas lentes de contato, lavou o rosto, puxou o
cabelo para trás com uma ampla faixa elástica e vestiu seu pijama
favorito. Ela voltou para a cozinha, pegou um refrigerante diet e fez um
pacote de pipoca para micro-ondas. Caindo no sofá, ela desligou a
música e ligou a TV. O volume estava tão alto que o pobre Elvis quase
saltou da tigela.
Mudando de canal até encontrar um filme antigo de John Wayne,
Meredith sorriu satisfeita para si mesma e se acomodou com um
punhado de pipoca. Nada como a arrogância do Duque para distrair
uma mulher de seus sofrimentos. Ela adormeceu no sofá e não
acordou até as três e quinze, quando um comercial barulhento a
despertou. Desligando a caixa de ruído, ela se aconchegou sob o
cobertor macio e passou o resto da noite no sofá.
Meredith acordou às sete e quinze, rígida e com dor de estômago.
Ela se sentia péssima e queria ir para a cama, desta vez sua própria
cama.

Tropeçando para fora da sala de estar e em seu quarto, Meredith


rastejou entre os lençóis e tentou por mais de uma hora voltar a dormir.
Foi inútil. Ela poderia muito bem se levantar e aproveitar o sol que
entrava pelas janelas.
Um banho ajudou. A brisa fresca da janela aberta do quarto ajudou.
Uma olhada na bagunça na cozinha não ajudou.
Meredith decidiu sair para tomar café. Esse truque a ajudou mais de
uma vez a se sentir como se tivesse uma vida quando o escritório em
casa ficou sufocante. Afinal, era sábado. Ela não precisava trabalhar.
Ela havia prometido a Helen que examinaria o manuscrito de Jake, mas
ela poderia fazer isso mais tarde, quando se sentisse um pouco
melhor.
Pegando sua bolsa e saindo pela porta da frente, ela viu um carro
virando em sua longa entrada. Era um Buick, um velho Buick familiar e
estável com o pai ao volante. Mamãe estava bem ao lado dele.
Meri esperou sob o sol quente no convés da frente até que ele
parasse o carro. Mamãe acenou agradavelmente.
Sem saber como se sentia sobre a chegada de seus pais, Meredith
casualmente acenou de volta. Ela amava seus pais e gostava de sua
companhia, mas eles não poderiam ter ligado antes? Só desta vez. A
viagem de sua casa para a dela durou quase uma hora. Meredith
poderia ter passado aquela hora limpando a cozinha.
"Oi, o que vocês dois estão fazendo?" Meredith perguntou,
protegendo os olhos do sol enquanto eles vinham em direção à casa.
“Não recebi seu cartão pelo correio”, disse a mãe segurando um
envelope do tamanho de um cartão. “Tivemos que vir aqui para
acampar de qualquer maneira para deixar as bandejas fumegantes que
pegamos emprestadas na semana passada para o café da manhã dos
homens. Foi um dia tão bom que pensamos em combinar as duas
tarefas. ”
"Você estava prestes a sair?" Papai perguntou, notando a bolsa
pendurada no ombro de Meredith.
“Eu ia sair para tomar café”, disse ela. "Queres juntar-te a mim?"
"Café da manhã!" Mamãe disse surpresa, checando o relógio. “Talvez
um brunch tardio ou um almoço mais cedo. Você acordou até tarde na
noite passada com seus convidados? "
"Não muito tarde", disse Meri. Tudo dentro dela estava em alerta. Ela
se recusou a derreter em uma criança na frente de sua mãe.
"Você teve um feliz aniversário?" Perguntou a
mãe. "Sim eu fiz."
- Estou interessado em sair para comer com você, Meri. Mas eu estava
esperando

para um pequeno passeio ao longo do lago. ” Papai estava com suas


roupas casuais e o que parecia ser um novo par de tênis. "O que você
acha de caminharmos primeiro e depois sairmos para comer alguma
coisa?"
“Não vou dar uma volta hoje”, disse a mãe. “Vocês dois vão em
frente e eu vou esperar aqui. Você tem café, querida? "
Meredith cerrou os dentes e tentou entender por que isso a estava
incomodando tanto. Ela estava pronta para ir ao seu pequeno café
favorito, o Brewed Awakenings. Lá, ela teria se entregado a uma manhã
inteira de carne assada francesa com muito açúcar e creme e pelo
menos um, e talvez dois, doces maravilhosamente decadentes. Sua
mente vagou vagarosamente por todas as informações que reuniu
sobre Jake, e ela poderia tê-las organizado em pilhas organizadas da
maneira como empilhou a abundância de manuscritos em seu
escritório.
Agora ela estava sob o domínio de seus pais. Como ela poderia não
caminhar ao longo do lago com seu pai? Quando foi a última vez que
ele quis fazer isso? Nunca nos quase dois anos que ela viveu aqui.
E como ela poderia deixar sua mãe ver a cozinha desastrosa? Meri
de repente entendeu por que uma irmã havia se mudado para o Brasil,
outra para a costa leste, e por que Shelly fora para Los Angeles logo
depois de se formar no ensino médio.
Seus pais estavam lá, esperando e parecendo patéticos em sua
ansiedade.
"OK." Meredith cedeu. "Uma caminhada e depois comida, mas você
está pagando."
“Claro”, disse o pai, sem dar qualquer indicação de que entendia que
ela estava brincando.
“Estaremos de volta em pouco tempo,” Meredith disse para sua mãe,
que estava subindo os degraus da frente enquanto Meri descia. “E não,
eu não tenho café; sim, eu sei que minha cozinha está uma bagunça; e
não, eu não quero que você limpe para mim. ”
Eles estavam a apenas alguns metros de casa quando a mãe disse:
“Meri, a porta está trancada”.
Meredith voltou, entregou as chaves para sua mãe e disse
novamente em um aviso justo: “Prepare-se. A cozinha é uma área de
desastre. ”
Mamãe deu a ela um olhar engraçado. "Não esperávamos que você
limpasse as coisas para nós."
"Como eu poderia?" Meredith disse. "Eu não sabia que você estava
vindo." Ela disse as palavras gentilmente, sem alterar a doçura de seu
tom.
Papai leu o significado em suas palavras e as trouxe de volta para
exame no minuto em que eles pegaram a trilha. "Incomodou você que
sua mãe e eu não ligamos antes de vir esta manhã?"
"Está bem. Ambos são bem-vindos, é claro, a qualquer hora. Eu
provavelmente não deveria ter dito isso. ”
Papai continuou a andar em um ritmo acelerado. “É lindo aqui”, disse
ele. "Apenas bonita. Ar fresco, luz do sol e olhe para aquela água. Pode
ser um ou dois peixes esperando para serem pegos lá. O que você
acha?"
"Pode ser."
"Você já pescou no lago?" Papai perguntou.
"Não." Pareceu uma pergunta engraçada
para Meri.
“Então vamos pescar na próxima vez que eu acordar. Só você e eu.
Podemos alugar um barco do acampamento? ”
"Acho que sim", disse Meredith. Ela tinha a sensação de que seu pai
estava tentando compensar o tempo perdido de sua infância ou algo
assim. Alguns hobbies que ele nunca conseguiu transferir para suas
quatro filhas. Seu amor pela pesca era um deles. Todas tinham ido
com ele algumas vezes durante seus anos de formação, mas nenhuma
das garotas Graham gostou do esporte. Então papai manteve todos os
seus anzóis e iscas para si mesmo.
“Dia perfeito para pescar”, disse ele, olhando para o céu claro.
“Gostaria de ter trazido algum equipamento comigo. Nem pensei nisso.

Eles seguiram em frente, Meri tentando acompanhar os passos
rápidos de seu pai.

"Olhar. Bem ali." Ele apontou para a superfície plana da água perto da
costa. "Você viu ele pular?"
Meredith olhou, mas não viu nada.
“Venha aqui,” papai pediu, dirigindo-se para algumas pedras lisas e
cinzentas perto da costa. Ele se sentou à sombra e manteve os olhos
fixos na água. “Seria um ótimo local para pescar”, disse ele.
“Sim,” Meredith concordou. Ela não se sentia conectada aos
processos de pensamento dele. Por que a pesca era tão importante de
repente?
Papai se virou e olhou para ela. Um sorriso satisfeito apareceu em
seu rosto. "Estamos orgulhosos de você", disse ele de repente. "Você
sabe disso, não é?"
Meri sorriu.
“Sua mãe e eu temos orgulho de todas vocês, meninas. Não importa
o que aconteça, podemos sempre apontar para vocês quatro e ter
certeza de que fizemos algo certo. ”
“Você fez um monte de coisas certas,” Meredith disse.
Papai olhou para baixo. Ele suspirou e disse: "Não de acordo com a
diretoria."

Meredith sentiu um nó na garganta. Durante toda a sua vida, as


piores noites à mesa do jantar foram aquelas imediatamente antes ou
logo depois de uma reunião do conselho de anciãos da igreja. Eles
eram os que tomavam as decisões sobre como as coisas eram
conduzidas na igreja, mesmo que suas escolhas fossem
completamente opostas às idéias de seu pai sobre como as coisas
deveriam ser feitas. O tabuleiro era para ela o que o bicho-papão era
para as outras crianças. Não que seu pai discursasse e delirasse sobre
pessoas ou questões específicas. Foi a maneira como seu
comportamento mudou quando ele estava prestes a se defender
perante o conselho ou quando voltou para casa derrotado após uma
reunião do conselho.
"O que aconteceu?" Meredith perguntou. Ela sabia que seu pai não
compartilharia detalhes. Ele nunca fez isso. Era óbvio, porém, que ele
estava perturbado com alguma coisa.
“Eles votaram na semana passada para que eu me aposentasse
mais cedo e para que um novo ministro mais jovem tomasse meu
lugar.”
"Você está brincando!"
Papai balançou a cabeça. “Nós já sabíamos disso há algum tempo,
mas sua mãe e eu ficamos esperando que quando a votação fosse
encaminhada a moção não fosse aprovada. Queríamos ficar mais três
ou quatro anos. Mas existe a preocupação de eu não atrair famílias
jovens. Eles vão contratar um homem logo depois do seminário. ”
"Papai, isso é horrível."
“Não é tão horrível. É apenas uma mudança, e as mudanças são
difíceis quanto mais você envelhece. Acreditamos que Deus está
trabalhando em seu plano e não o questionamos ”. Ele suspirou
novamente. “Tem sido o mais difícil para sua mãe. Ela o segurou por
várias semanas. Não sei se você notou como isso fica sobre ela. Tem
sido, bem ... ”Ele olhou para a água. "Tem sido difícil para ela."
"O que você vai fazer?"
Meu pai endireitou os ombros e disse: “Já que a votação é final, terei
de fazer o anúncio no púlpito amanhã. Estaremos na igreja mais um
mês ou dois até que o novo ministro e sua família possam se mudar
para cá. Na próxima semana, um senhor do escritório distrital virá nos
encontrar. É um novo programa que a denominação tem para ajudar a
equipe pastoral e suas famílias conforme eles saem do ministério. ”
“Ciclo fora do ministério?” Meredith repetiu, cruzando os braços
sobre o peito. “Como você sai do ciclo do ministério? Isso é tudo que
você fez durante toda a sua vida - e na mesma igreja. O que você deve
faça agora?" Ficava zangada com o fato de alguém tentar patrocinar
seus pais. A denominação não reconheceu que seus pais haviam dado
suas vidas para esta igreja? Esta era a casa deles. Como eles poderiam
ser expulsos de casa?
“Não temos certeza de qual é o próximo passo. Estamos orando
sobre isso e, claro, falando muito sobre diferentes opções. É por isso
que decidimos dirigir até aqui esta manhã. Achamos que isso nos
daria um bom tempo para pensar e conversar. ”
“Sinto muito ouvir tudo isso, pai. Parece tão injusto. ”
“Suponho que seja o que parece. Sua mãe e eu estamos confiando
que este é o tempo de Deus e estamos confiando nele para o próximo
passo. ”
Parece um momento péssimo para mim .
Como se o pai dela tivesse lido seus pensamentos, ele disse: “É claro
que sabemos que o tempo de Deus nem sempre é o mesmo que o
nosso”. Ele esfregou as mãos e disse: “Os caminhos dele não são os
nossos. Seus pensamentos não são nossos pensamentos. ”
Meri se lembrava de ter memorizado aquele versículo há muito
tempo. O versículo seguinte diz: “Assim como os céus são mais altos
do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os
vossos caminhos e os meus pensamentos do que os vossos
pensamentos.” Ela inclinou a cabeça em direção ao céu silencioso.
Nem mesmo um fiapo de nuvem manchava o azul perfeito.
O que está fazendo aí em cima? Você se esqueceu de nós aqui embaixo?
“Há algo que eu possa fazer por você e pela mamãe?” Meredith
perguntou como
eles começaram a voltar para a
cabana. “Ore”, disse papai. “Apenas
ore por nós.”
Capítulo Dezessete

M eredith não tinha orado muito por seus pais ao longo dos anos.
Esse parecia ser o trabalho deles - manter a igreja funcionando e orar
por todos, especialmente por suas quatro filhas. Mamãe era uma
mulher capaz. A única vez que ela insinuou que precisava de oração foi
quando ela fez uma histerectomia durante o segundo ano de faculdade
de Meredith. Megan voltou para casa por uma semana para ajudar nas
tarefas domésticas, e Meredith ajudou em um longo fim de semana.
Além disso, seus pais nunca “precisaram” de oração por nada de que
ela pudesse se lembrar. Eles nunca precisaram de nada.
"Você gostaria que eu estivesse lá amanhã quando você fizer o
anúncio na igreja?" Meri perguntou.
Papai pensou um minuto. "Sim, acho que isso significaria muito para
sua mãe."
Enquanto Meredith se arrastava pelos seixos ao longo da trilha do
lago, com a cabeça baixa e o coração pesado, ela pensou em como
estivera irritada com a mãe nas últimas semanas. Agora fazia sentido.
Mamãe estava sob uma quantidade incomum de estresse. Sua
resposta natural seria tentar consertar ou controlar as poucas áreas de
sua vida nas quais sentia que ainda tinha algum poder. Meri, como a
filha mais nova e única solteira, provavelmente parecia a escolha lógica
de alguém que precisava "consertar".

Agora que Meredith percebeu quanta tensão sua mãe deve estar
sentindo, ela entendeu por que tinha sido tão autoritária. Afinal, como
você vai no dia a dia sabendo disso com um show de

mãos “o tabuleiro” alterou sua vida para sempre? Por que eles não poderiam
deixou mamãe e papai ficarem mais alguns anos como seus pais
haviam planejado? Eles poderiam ter se aposentado com alegria, com
uma grande festa e seus objetivos futuros definidos. Agora a igreja
estaria saindo da antiga, e a grande festa seria dar as boas-vindas ao
novo pastor e sua nova e jovem família.
“Estarei orando por você, papai”, disse Meredith quando chegaram
ao Chalé Tulip e começaram a subir os degraus. "Se eu puder fazer
qualquer outra coisa, qualquer coisa, você me avisa, ok?"
"Obrigado, Meri," seu pai disse calorosamente. Ele estendeu a mão e
pegou a mão dela para apertá-la. Surpreendeu-a sentir a aspereza de
seus dedos envelhecidos e a magreza de sua pele enrugada. Quando
foi a última vez que ela sentiu sua mão na dele?
Ela apertou a mão dele e deu a ele seu maior e mais reconfortante
sorriso. “Eu te amo,” ela disse suavemente.
Por meio segundo ele pareceu como se fosse derramar uma lágrima
com suas palavras. Mas ele se recompôs e disse: "Eu também te amo".
Eles entraram na casa. Meredith olhou em volta, sentindo-se como
uma garota em um conto de fadas que entrou na cabana errada. O
lugar estava limpo.
"Mamãe?" Meri gritou, percebendo que as bancadas foram limpas e
limpas e a máquina de lavar louça estava fazendo seu som alegre e
giratório. Até a mesa havia voltado à sua posição normal.
“Aqui,” mamãe chamou dos fundos da casa. “Estou procurando
um ...” Suas palavras foram cortadas por um grito agudo.
Papai saiu correndo em direção ao quarto de hóspedes dos fundos.
“Ellen, o que é? Você está bem?"
Meri ouviu um baque forte. Ela correu de volta e entrou no quarto de
hóspedes logo após seu pai. Mamãe estava deitada no chão com os
olhos fechados. Espalhado sobre ela estava o homem da guarda Fred,
que havia caído do armário.
"Ei!" O pai de Meri gritou em alarme. Ele agarrou Fred pelo ombro e
deu-lhe um cinto, bem no velho beijador.
O boné de beisebol de Fred voou pela sala, e Fred caiu no chão, sua
expressão agradável inalterada. Os olhos assustados de Ellen Graham
se abriram e dispararam de um lado para o outro pela sala.
O pai de Meredith se manteve firme, punho cerrado, rosto vermelho.
Quando o manequim não se moveu, ele se inclinou para olhar mais de
perto e disse: “O quê? Quem? Quão?"
“Meredith Jane Graham!” sua mãe berrou, puxando-se para cima.

"De todos os ...!"


"Ele não é real?" Papai imaginou.
"O que você está fazendo com aquela coisa escondida no seu
armário?" "Onde você conseguiu um absurdo, ridículo." A voz do pai
dela
diminuiu.
“De sua irmã,” Meredith disse, engolindo a risada. "Jane
enviou isso para você?" O rosto de papai ainda estava
vermelho como uma beterraba.
"Para o meu aniversário," Meri respondeu. "Ela diz que leva seu
guarda por toda a cidade com ela para proteção, que é o que ela
pensou que eu precisava, já que moro sozinho aqui nos tules."
Mamãe e papai se entreolharam. Nenhum deles estava disposto a
colocar a culpa em ninguém agora que a verdade fora revelada e
apontava para a tia Jane - esse assunto que ninguém queria discutir.
“Eu o chamei de Fred,” Meredith disse, uma bolha idiota borbulhando
dentro dela. "O que você acha? Ele é um dançarino muito bom e não
tem opinião real sobre as coisas. O tipo forte e silencioso. ”
Mamãe alisou o cabelo para trás. “Honestamente,” ela murmurou.
"O que você estava fazendo aqui, Ellen?" Papai disse, ainda soando
rude.
“Procurando um esfregão. Eu olhei em todos os outros lugares. Você
não tem um esfregão, Meredith? "
"Não, eu não."
“Como no mundo você limpa seu chão?”
“Com Windex e toalhas de papel.”
Mamãe olhou para ela incrédula.
“Não é um piso de cozinha muito grande, mãe!”
Completamente desvendada, mamãe pediu licença e voltou para a
cozinha, onde sua reconfortante xícara de java esperava por ela no
balcão. Meredith enfiou Fred de volta no armário e, ainda engolindo a
risada, juntou-se à mãe e ao pai.
"Obrigado por limpar, mãe", disse Meri. "Você não precisava." Ela
entendeu depois de sua conversa com o pai como era necessário para
sua mãe ter algo para pedir, classificar e organizar.
Surpreendentemente, não a incomodou que mamãe tivesse limpado os
restos de sua festa de aniversário. "Eu realmente gostei disso."
“Eu não consegui economizar muito da comida,” mamãe disse com
um estalo de língua. “E que pena. Você o deixou de fora a noite toda e
não achei seguro mantê-lo.
Meredith assentiu. Ela esperava que a mãe não fizesse uma palestra
sobre como, quando ela era menina, eles tinham que comer tudo em
seus

pratos porque a comida pode não estar disponível amanhã.


"Alguém mais está morrendo de fome?" Meri perguntou, esperando
mudar de assunto e tirá-los de casa - e se levantar da berlinda. Mas no
minuto em que disse isso, percebeu que o momento e o assunto eram
ruins.
“Nós poderíamos ter almoçado aqui com as sobras que eu tive que
jogar fora,” mamãe disse, balançando a cabeça.
"Vamos." Papai conduzia ternamente a esposa pelo cotovelo. "Eu
gostaria de levar vocês dois para almoçar."
Meredith se sentou no banco de trás e olhou pela janela. De alguma
forma, essa posição parecia estranha. Quando ela era realmente
pequena, ela era aquela que se sentava na frente entre a mamãe e o
papai enquanto suas três irmãs comandavam o banco de trás. Meri
secretamente desejava ter idade suficiente ou pelo menos grande o
suficiente para ser relegada para o banco de trás, onde suas irmãs se
empurravam e sussurravam e sempre tinham coisas divertidas para ler.
Agora ela estava no banco de trás só para ela e o achou um lugar
solitário.
“Eu contei a Meri sobre a decisão do conselho”, papai disse à
mamãe enquanto dirigiam para a cidade. “Ela perguntou se
gostaríamos que ela viesse ao culto amanhã de manhã.”
"O que você disse a ela?" Perguntou a mãe.
"Eu disse a ela que achava que isso seria bom."
Meri se sentiu estranha sentada no banco de trás do Buick do papai,
sendo comentada como se ela não estivesse ali. Era assim que os
criminosos se sentiam na traseira de uma viatura?
“Tudo bem”, disse a mãe. Papai estava esperando o carimbo de
aprovação de mamãe antes que o convite fosse oficial.
Ele olhou para Meri pelo espelho retrovisor. “Vamos procurar por
você, então, um pouco antes das dez. Agora, diga-nos, onde é o melhor
lugar para almoçar por aqui? ”
Meredith sugeriu vários lugares e mamãe tomou a decisão final. Seu
tempo juntos foi confortável. A conversa girou em torno da atualização
usual do que estava acontecendo com a família e amigos. Nenhum
deles mencionou a crise iminente da aposentadoria forçada de papai.
Mais tarde naquela noite, Meredith pensou que talvez tivesse sido
melhor assim. Papai disse a ela o que queria que ela soubesse. Eles
não tinham outros detalhes ainda. Discutir tudo teria sido doloroso
para seus pais.
Mas Meredith era da opinião que situações difíceis deveriam ser
discutidas. As pessoas devem examinar seus corações e suas mentes
para decidir o próximo passo. Ela empurrou sua irmã sempre prática
para

reconsidere seu relacionamento com Jonathan durante uma época em


que Shelly não podia admitir que ainda sentia algo por ele. Meredith
gostava de pensar que isso tinha sido uma coisa boa, especialmente
porque Jonathan e Shelly acabaram juntos.
Com seus pais, porém, ela nunca pressionou. Eles tinham sua
própria maneira de lidar com os problemas, e Meredith não
considerava sua função instruí-los sobre novos métodos de resolução
de conflitos.
Levando o telefone sem fio para o deck da frente e empoleirando-se
na grade, Meredith apertou três em sua discagem rápida. Shelly
respondeu, e Meredith pôde ouvir risos ao fundo.
"Oi, eu te peguei no meio de uma festa?"
"Meri!" Shelly gritou. “Estávamos falando sobre você. É Meri, pessoal!
"
“Quem somos 'nós'?”
“Kyle e Jess, Lauren e Kenton, Jake, Jonathan e eu. Lembrar? Eu
disse que Jake estava vindo. Ele estava nos contando sobre o seu Sr.
Guarda e o tango ou o que quer que você estivesse dançando quando
ele chegou lá ontem à noite. "
Meredith encostou a cabeça na moldura de madeira da varanda.
Com a interrupção da visita de seus pais, ela havia esquecido que Jake
estava indo para a casa de Shelly.
"Não acredite em uma palavra do que ele diz," Meri implorou.
“Eu acho isso hilário!” Shelly disse. Outra rodada de risadas ecoou no
telefone.
Meredith achava perturbador ser a vida da festa quando ela nem
estava lá. “Eu só queria que você soubesse algo que está acontecendo
com mamãe e papai. Não sei se mamãe planejava ligar para você ou
não. ”
A reverberação do latido de Bob Dois interrompeu suas palavras
quando Shelly disse: "Só um minuto."
Meri esperou e, um momento depois, ouviu uma porta se fechando, e
o barulho diminuiu muito. "Pronto", disse Shelly. “Estou no quarto
agora. O que você disse sobre mamãe e papai? ”
Meri contou à irmã sobre o anúncio de papai. Shelly teve a mesma
reação de raiva de Meri.
"Eu vou ao culto das dez horas amanhã", disse Meri. “Eu queria
mostrar a eles meu apoio, mas parecia difícil para eles aceitarem.”
"Você acha que Jonathan e eu devemos ir?"
"Não sei. É uma longa viagem para vocês chegarem lá às dez

horas. Você teria que sair por volta das três da manhã, não é? "
“Talvez pudéssemos voar para cima”, sugeriu Shelly. “Eu acho que há
um setecentos e cinquenta de Eugene que podemos pegar. Vou
perguntar a Jonathan o que ele pensa. Concordo com você. Mamãe e
papai nunca pediriam nosso apoio, mas esta é uma hora em que acho
que eles realmente apreciariam. Você contou a Molly? ”
"Não. Acho que mamãe quer contar a eles depois que for oficial. Se
vocês precisarem de uma carona do aeroporto, me avisem. ”
“Não, tenho certeza de que alugaremos um carro se subirmos. Vai
ser mais rápido. Muito obrigado por ligar. Eu gostaria que mamãe e
papai tivessem nos contado o que estava acontecendo. ”
"Eu sei. Acho que é a geração deles ou algo assim. Eles se sentem
mais confortáveis em manter os problemas para si mesmos. ”
"Talvez", Shelly concordou.
"É melhor eu deixar você voltar para sua festa."
“A propósito”, disse Shelly, “a reunião foi ótima hoje com Jake, Kyle e
Jonathan. Parece que eles vão começar a filmar aqui em cerca de um
mês. Você tem que descer. Vai ser muito divertido. Jake ofereceu ao
nosso pessoal da cozinha um contrato para fornecer toda a comida
para a tripulação. Estaremos ocupados! Nosso primeiro grupo de
campistas para o verão chega três semanas a partir de amanhã. ”
“Você estará ocupado,” Meri concordou.
“Ah, ei”, disse Shelly, “ouvi falar do seu peixinho dourado. Jake disse
que você o chamou de Elvis. Ele foi outro presente de aniversário da tia
Jane? ”
"Não", disse Meri, ofendida pela insinuação da irmã de que Elvis era
um tipo estranho de animal de estimação. “Eu mesma o comprei. Ele é
adorável."
Shelly riu. “Tenho certeza que ele está. É melhor eu ir. Vou deixar
você saber o que Jonathan e eu decidiremos amanhã. Ciao , baby. ”
" Ciao , bebê?" Meredith repetiu. Shelly não ouviu; ela já tinha
desligado. Isso foi conversa de estrela de cinema ou algo assim?
Meredith se sentou na grade e observou o céu ficar rosa no oeste.
Naquela tarde, ela havia capinado e regado seu jardim. Agora o rico
aroma de terra se misturava com a brisa da noite enquanto o dia
esfriava seus calcanhares, pronta para entregar o bastão à noite.
Num impulso, Meredith entrou na casa e tirou algo do armário do
corredor que ela não olhava há meses. Ela voltou ao convés e abriu a
caixa. Tirando o bocal, Meri juntou as três partes da coronha de prata.
Com uma agitação ágil de seus dedos, as teclas de seu instrumento
há muito adormecido flexionaram

almofadas sobre os orifícios.


Depois de soprar ar quente na flauta gelada, Meri respirou fundo.
Tudo voltou para ela. “Noturno das Fadas das Flores.” Os primeiros seis
compassos soaram baixos e suaves, soando como o zumbido de
peito profundo de um mineiro vindo do ventre da terra. Em seguida,
caiu na próxima medida como dentes-de-leão fugitivos correndo por
um prado. Notas doces, agudas e vibrantes ecoaram pelos cedros. O
refrão brincalhão se repetiu enquanto ela tocava o final da música sem
erro.
Respirando fundo que veio do fundo de sua alma, Meredith deu um
beijo de despedida na última nota e deixou-a soprar através de sua
flauta. A nota final, um lá bemol, lançou-se no esplêndido ar noturno,
dançando e girando como se tivesse em seus braços uma fada das
flores invisível.

Meredith colocou a flauta no colo e apertou os lábios. O único som a


ser ouvido na floresta era o pio assustador do pássaro solitário nas
árvores altas. “Fee-bee, fee-bee” , gritou.

Capítulo Dezoito

Um ll o encantamento do concerto noite de sábado de Meri foi ido


com o sol da manhã. Ela se levantou cedo para outro dia quente e
ensolarado e vestiu às pressas seu terno bege mais conservador. Ela
pegou a balsa exatamente como esperava e chegou à igreja às vinte
para as dez.
Shelly e Jonathan decidiram voar e chegaram em seu carro alugado
cerca de dez minutos depois de Meri. Os três estavam sentados na
primeira fila ao lado de mamãe, que usava um vestido velho. Ela tinha
uma expressão sombria ao redor dos olhos, mas manteve seus
pensamentos para si mesma.
Papai estava no púlpito, parecendo um pilar de força e virtude, como
sempre. Seu sermão foi sobre Gideão e como, quando o anjo de Deus
apareceu a Gideão, o anjo chamou Gideão de "homem valente". Papai
pregou sobre como todos nós somos chamados a ser fortes e
corajosos quando Deus nos pede para fazer seu trabalho,
especialmente quando não nos sentimos fortes ou corajosos.
Shelly e Meredith deram pequenas cutucadas uma na outra durante
o sermão. Quando eram pequenos, costumavam se beliscar
despreocupadamente na coxa para provocar e atormentar durante os
longos sermões. Agora, suas cutucadas expressaram amor e
compartilharam seu conhecimento da mensagem mais profunda de
Papai por trás de seu sermão.
Mamãe se sentou ereta e manteve os olhos à frente.
No final do sermão, papai fez seu anúncio. Sua voz tremeu um pouco
no final. A congregação deu uma resposta estranha. Alguns
sussurraram surpresos. Alguns farfalharam em seus assentos. No
geral, houve um silêncio assustado.

Meri notou quando eles entraram na igreja que a maioria da


congregação era composta por pessoas com mais de cinquenta anos.
Muitos deles ela conhecia desde sempre, e eles a saudaram com
abraços e espalharam beijos de batom em suas bochechas. A
congregação era calorosa, amorosa e generosa com a família Graham
ao longo dos anos.
No entanto, poucos casais jovens ou solteiros da idade de Meri
compareceram ao culto. E nenhum adolescente, oferecendo esperança
para uma próxima geração de crentes, sentou-se nos bancos. De certa
forma, Meri podia ver por que o conselho se sentiu compelido a fazer
uma mudança em sua equipe pastoral. Todos sabem que a maior parte
do dinheiro dos dízimos vem das famílias jovens, especialmente das
famílias de renda dupla . Apenas o paroquiano aposentado ocasional
que está bem de vida dará uma grande contribuição.
Meri ficou com raiva de si mesma por permitir que seus
pensamentos tomassem essa direção. Mesmo sabendo que poderia
ser verdade, ela não queria pensar que talvez o conselho tivesse
decidido dispensar papai com base nas finanças. Esta era uma grande
igreja em um grande imóvel no centro da cidade. Mesmo com as
atividades noturnas durante a semana, o prédio não estava sendo
usado em todo o seu potencial e não estava por alguns anos.
Foi tudo muito triste. Estar lá, na primeira fila, e olhar para seu pai
calvo enquanto ele erguia as mãos enrugadas em uma bênção para a
congregação, levou Meri às lágrimas.
Todos eles foram para a casa dos pais dela depois da igreja. Como
sempre fazia na juventude, mamãe colocara uma panela assada no
forno antes da igreja. A casa tinha um cheiro quente e convidativo. Era
uma fragrância alegre e familiar.
Meredith foi automaticamente até o armário de porcelana e pegou a
melhor mesa de domingo para colocar a mesa, assim como ela fazia
todos os domingos quando morava em casa. As três mulheres Graham
completaram suas tarefas de uma forma bem coreografada , embora
não tivessem representado essa cena de domingo depois da igreja por
mais de seis anos. Shelly despejou água nas taças de cristal e colocou
guardanapos de pano dobrados ao lado de cada garfo. Mamãe trouxe
a travessa de carne, cenouras e batatas e colocou-a na frente da mesa
de papai. Meredith trouxe a salada vermelha de gelatina , mexendo no
prato. Mamãe tinha uma coleção de moldes de cobre para sua salada
semanal de gelatina e , esta semana, ela havia usado o cacho de uvas.
O cronômetro disparou, anunciando que os rolos da geladeira
estavam prontos, e papai e Jonathan mudaram automaticamente da
sala de estar para a sala de jantar. Papai puxou seu capitão largo

cadeira, e os outros seguiram o exemplo, tomando seus lugares ao


redor da mesa. Jonathan jantou muitos jantares de domingo com os
Graham enquanto crescia na casa ao lado. Ele caiu direto em seu papel
também.
“Vamos orar”, disse papai. Meri ouviu suas palavras. Com o passar
dos anos, ela não prestou muita atenção às orações dele durante as
refeições, mas hoje ela ouviu. Apesar de seu floreio eloqüente com as
palavras simples, o verdadeiro coração de papai brilhava quando ele
orava. Ele era um homem que amava o Senhor e desejava
profundamente que outros conhecessem a Deus assumindo um
compromisso pessoal com Jesus Cristo.
Meredith assumiu esse compromisso quando tinha nove anos. Um
domingo, depois de um jantar não muito diferente deste, ela seguiu o
pai até a sala de estar, onde ele se esticou no sofá para sua habitual
soneca de domingo à tarde, enquanto mamãe lavava a louça.
"Papai?" Meri perguntou, aproximando-se dele com cautela. Seus
olhos estavam fechados e seu braço direito estava sobre a cabeça
com o pulso apoiado na testa. Ela se lembrava do momento
claramente.
"Hmm?" seu pai respondeu sem abrir os olhos. “Quero ir
para o céu, papai”, disse ela.
Ele lentamente abriu um olho e olhou para ela.
“Como aquele missionário disse na igreja esta manhã. Todos nós
somos pecadores e precisamos da passagem gratuita de Deus para ir
para o céu. Eu quero aquele ingresso. ” Papai abriu os dois olhos e
virou a cabeça na direção dela. O braço dele era
ainda na testa. “Você acredita que Jesus é o Filho de Deus?” "Sim."
"Você acredita que ele morreu pelos seus pecados?" O braço desceu
para o lado dele.
"Sim."
"Você está disposto a confessar seus pecados a ele e pedir-lhe que
entre em seu coração e assuma o controle de sua vida?"
"Sim."
“Então vá para o seu quarto, ajoelhe-se ao lado da cama e diga isso
a Deus. Depois de orar, volte e me diga o que aconteceu. ”
Meredith se lembrava de ter ficado tão surpresa com as instruções
de seu pai. Ela esperava que ele a pegasse pela mão e orasse por ela.
No mínimo, ele poderia ter sorrido ou beijado sua testa e dito a ela o
quanto estava orgulhoso por ela estar tomando essa grande decisão.
Em vez disso, ele ficou no sofá, ainda deitado, e a observou subir para
o quarto.

No tapete acidentado ao lado da cama, Meredith se ajoelhou. Ela


cruzou as mãos e apoiou os cotovelos na beira da cama. Meri não

lembre-se do que ela orou naquele dia. Ela tinha certeza de que tinha
dado todos os passos certos. Peça perdão, convide Jesus para entrar
na vida dela e agradeça a ele. Depois do amém, ela esperou. Seu pai
disse a ela para voltar e contar a ele o que aconteceu. Nada parecia
estar acontecendo. Ela esperou um pouco mais. Seu quarto
permaneceu em silêncio. Os únicos arrepios que sentiu foram nas
pernas, onde a circulação foi prejudicada.
Finalmente, convencida de que tinha feito algo errado, Meri desceu
as escadas para admitir timidamente a seu pai que havia falhado em
sua tentativa de se tornar cristã e garantir sua passagem para o céu.
Ele ainda estava deitado ali, com o braço sobre a testa, mas seus
olhos estavam abertos, e ele a observava vir em sua direção. Meri
sentou -se de pernas cruzadas no chão à sua frente e, com a cabeça
baixa, disse: "Eu orei e nada aconteceu."
“Nada aconteceu que você pudesse ver ou sentir”, corrigiu seu pai
com sua voz de pregador rico, agora atenuada para tocar o coração de
sua filha mais nova. “Mas tudo aconteceu dentro de sua parte eterna
que você não pode ver ou sentir. Você acabou de se tornar um cristão,
Meredith. Você é filha do rei. Seu nome acabou de ser escrito no Livro
da Vida do Cordeiro. Você agora é um co-herdeiro com Cristo. Seus
pecados foram lançados tão longe quanto o leste é do oeste. ”
Meredith olhou para o rosto gentil de seu pai. Todas as suas grandes
palavras a confundiram. “Vou para o céu quando morrer?”
Ele sorriu. "Sim. Ao entregar sua vida a Cristo, você acabou de entrar
no reino de Deus, e o reino dele é eterno. ”
Seu pai se aproximou e, com dedos fortes e flexíveis, segurou o
queixo dela. “Bem-vindo à família de Deus, meu querido filho.”
Meredith se sentiu um pouco insatisfeita. "Por que você não veio
comigo e orou comigo?"
“Você acabou de tomar a decisão mais importante da sua vida”,
disse ele. “Isso é entre você e seu Deus Pai. Ele sempre estará lá para
você. Não estarei sempre aqui. Desde o início você deve aprender a
depender totalmente dele e não de pessoas que vão acabar deixando
você ou decepcionando você. ”
“Mas não sei se orei direito.”
“Sempre que um coração se abre para Cristo, é uma oração certa. As
palavras não importam. Deus já sabe o que você está pensando. Ele
sabe tudo."

Meri olhou para baixo novamente e admitiu para seu pai: “Mas eu
não senti nada. Eu não deveria sentir algo quando faço mais

decisão importante da minha vida? ”


“Às vezes as pessoas gostam, às vezes não. Os fatos nunca mudam
por causa dos sentimentos. A Bíblia deixa claro que uma vez que você
convida Cristo para entrar em seu coração, ele nunca o deixará. Você
sempre pode confiar nesse fato imutável. ”
Meredith acreditou em suas palavras. Afinal, o negócio de seu pai
era levar pessoas para o reino de Deus. Ele saberia.
“Lembre-se”, disse ele, “este é apenas o começo. Agora seu
relacionamento com Deus deve continuar a crescer. Você ainda tem a
Bíblia que lhe demos no Natal passado? ”
Meri assentiu.
“Depende de você, não do professor da escola dominical ou de
qualquer outra pessoa, tomar a Palavra de Deus e escondê-la em seu
coração. Você entende isso?"
Meri assentiu novamente, solenemente.
Com todas as instruções dadas, o rosto de papai se abriu em um
grande sorriso. Ele se inclinou e beijou Meredith na bochecha. "Te amo
querido. Os anjos no céu estão se regozijando por você agora. ” Seus
olhos ficaram turvos, e ele disse: "Você nunca saberá como meu
coração está magnificamente regozijando-se por você neste momento
também."
Ela se deleitou com seu toque e suas palavras de aprovação. Em
seguida, ela pulou para o quintal e sentou-se no balanço por um longo
tempo.
Quando a memória comovente começou a desvanecer-se agora,
enquanto Meredith se sentava à mesa da sala de jantar com um prato
vazio à sua frente, ela desejou que o velho balanço ainda estivesse no
quintal. Ela se sentaria no balanço novamente esta tarde e se perderia
em seus pensamentos.
Mamãe se levantou para limpar os pratos. Shelly a ajudou e voltou
com uma torta de maçã que estava esquentando no forno.
“Eu vi a inscrição para a fazenda loganberry quando estávamos em
Whidbey ontem”, disse a mãe. “A placa dizia que eles abririam em
primeiro de junho deste ano. Não é cedo para amoras? ”
"Está excepcionalmente quente", disse Meri, entrando na conversa
quase pela primeira vez durante a refeição. “No estande também
vendem outras frutas silvestres. Não sei o que vai amadurecer primeiro
este ano. ”
“Estou pronta para fazer tortas de frutas vermelhas”, disse a mãe,
pressionando a faca na crosta caseira. “Espero que os mirtilos sejam
mais doces do que no ano passado. Não foi um bom ano de mirtilo. ”
Meri ficou pasma de que, apesar da crise com os pais, tudo o que
falavam eram bagas. Ela se lembrou que essa era a maneira que sua
mãe lidava melhor, e Meri tentou honrar isso.
A torta de maçã estava deliciosa, como sempre. O resto dos pratos eram

apagado com precisão. Papai pediu licença para sair da mesa,


colocando o guardanapo de pano, dobrado e arrumado, ao lado do
prato. Mamãe o lavava mesmo que não estivesse sujo. Ele empurrou a
cadeira para trás e disse: “Excelente jantar, Ellen. Obrigado." Então ele
deu os dezoito passos da mesa da sala de jantar para o sofá da sala
como um homem sob a atração de um ímã irresistível. Em três
minutos, seu ronco leve agitou o ar.
As mulheres começaram a limpeza na cozinha. Para o deleite da
mãe de Meri, Jonathan ordenou que ela saísse da cozinha, dizendo que
ajudaria a limpar. Mamãe não saiu da cozinha para relaxar como
Jonathan ordenara, mas sentou-se e pôs os pés para cima.
“Foi muito gentil da parte de vocês virem hoje”, disse a mãe. "Eu sei
que seu pai aprecia isso."
“Queríamos estar aqui”, disse Jonathan, lavando a porcelana com
muito menos delicadeza do que aqueles pratos frágeis estavam
acostumados. “Esta é uma encruzilhada importante para você e Perry.
Shelly e eu conversamos sobre isso e, se pudermos ajudar de alguma
forma, você sabe que estamos aqui para ajudá-lo. ”
"É muita gentileza sua, Jonathan, mas tenho certeza de que não há
nada que você possa fazer."
"Mesmo assim", disse Shelly. “Mantenha isso em mente. Se você
acabar se mudando desta casa, talvez precise de um lugar para ficar
por um tempo, e nós temos espaço. ”
"Em sua pequena cabana?" Mamãe disse com uma risada. “Eu
dificilmente penso assim. Meredith tem o dobro do espaço que vocês
dois têm. ”
Todos os olhos se voltaram para Meredith enquanto ela puxava uma
toalha seca da última gaveta. "Oh, claro", disse ela, entrando
rapidamente na caridade do momento. “Você é bem-vindo para vir ficar
comigo. A qualquer momento. Contanto que você goste. Adoraria ter
você. ” Ela não tinha certeza do por que seu coração estava batendo
tão forte. Talvez porque ela não estava acostumada a mentir.
“Tenho certeza de que nenhuma de sua hospitalidade será
necessária. Não temos pressa em vender esta casa. Quem sabe?
Podemos acabar encontrando outro pastorado aqui na cidade. ”
Meri sabia que isso não era provável. Ela esperava que eles
morassem com ela também não fosse muito provável.

Capítulo Dezenove

A epois os pratos foram feitas ea cozinha limpa, Shelly atraído


Meredith longe dos outros, dizendo que ela queria pegar algumas
flores do jardim da minha mãe e precisava de ajuda.
O jardim da mamãe era prático. Ela havia construído terraços anos
atrás e mantinha todas as flores em fileiras e seções bem organizadas.
O jardim não era particularmente bonito de se olhar, mas a abundância
de flora que produzia enfeitava todos os cômodos da casa quase nove
meses por ano.
Shelly pegou a cesta de coleta de mamãe no canto da sala de lama e
Meri a seguiu até o jardim. Bem enfiadas dentro da cesta estavam as
luvas de jardim de mamãe e um par de tesouras de podar.
“Se você vai falar comigo sobre convencer mamãe e papai a morar
comigo, economize seu fôlego,” Meri começou antes mesmo de
chegarem aos terraços. "Eu não quis dizer isso quando disse que eles
seriam bem-vindos a qualquer momento."
“Não se preocupe”, disse Shelly. “Eles nunca fariam isso. Eles
gostam de sua privacidade e agendam demais para se tornarem
dependentes de alguém. Eu estava pensando que poderíamos colocá-
los no acampamento em uma das cabines dos funcionários. Por pouco
tempo. Mamãe não parecia muito interessada. ”
“Estou tentando ser mais compreensivo com a mamãe agora que sei
o momento estressante que ela está passando, mas honestamente,
Shelly, ela me deixaria louco.”
"Não se preocupe!" Shelly disse novamente. “Mas eu não quero falar
sobre mamãe. Eu queria te contar o que Jake disse sobre você na noite
passada. "

"Oh, pu-leeze", disse Meri. “Quando você vai parar com a


combinação? Ele te contou sua visão do amor? Aquele iria pará-lo
morto em suas tentativas. Ele acha que se apaixonar é uma reação
química. Isso é tudo. Suas opiniões são tão românticas quanto uma
sopa fria de cabeça de peixe . ”
Shelly riu. "Onde você conseguiu isso?"
- Do próprio peixe frio - disse Meri, estendendo a mão e derrubando
alguns dos narcisos enrugados que mamãe parecia ter perdido. “Ele,
Helen e eu tivemos uma pequena discussão em minha casa na sexta à
noite. Jake parece pensar que o caminho espiritualmente correto para
o casamento é fazer uma escolha lógica em um parceiro de vida
adequado e então se comprometer com essa pessoa. Os sentimentos
não deveriam estar envolvidos. ”
“Essa não é uma ideia tão radical”, disse Shelly, cortando um monte
de amores-perfeitos na base. “Jonathan e eu assumimos um
compromisso lógico quando voltamos a ficar juntos e antes de
ficarmos noivos. Faz parte do processo. ”
“Sim, mas você e Jonathan também estavam apaixonados. Você
sabia que estava. Todo mundo sabia que você era. Você teve muitos
sentimentos entre vocês dois. É assim que eu quero que seja para
mim. Quero que algum homem fique absolutamente apaixonado por
mim e quero ser selvagem por ele, não lógico e calculado como Jake
diz que deveria ser, se é para durar. ”
Shelly jogou seu longo, de cor castanho cabelo sobre o ombro e deu
uma boa olhada em sua irmãzinha. "Você já é selvagem por ele, não é?"
"Jake?"
“Sim, claro, Jake. Posso ver no seu rosto, Meri. Agora eu sei por que
você estava sempre me importunando sobre admitir que eu ainda
estava apaixonada por Jonathan. Isso aparece no rosto de uma mulher
quando ela diz o nome dele, não é? "
Meri soltou um suspiro e se sentou na amarração da ferrovia
desgastada que segurava o segundo nível do terraço no lugar. “Você
me conhece”, ela começou sua confissão não planejada para a irmã.
“Eu não fico louco por homens. Eu defendi um herói. Estou puro como
a neve. Há anos oro por meu futuro marido. Estou confiando em Deus
que ele tem um homem perfeito para mim e que ele o trará para minha
vida quando chegar o momento certo. Também acredito no que todos
sempre me disseram sobre o amor: quando for certo, você saberá ”.
"Bem, todo mundo está errado", disse Shelly categoricamente. “Você
nem sempre sabe quando está certo. Pelo menos não. Levei cinco
anos para admitir que Jonathan era certo para mim. ”

"Vocês foram um caso especial", disse Meri, arrancando uma erva


daninha do solo ao lado dela.
“Todo mundo é um caso especial”, disse Shelly. "E agora você quer
ouvir algo que vai te assustar?"
Meri encolheu os ombros.
"Não acredito que haja apenas um homem para uma
mulher." "O que isto quer dizer?"
“Você acabou de dizer que acredita que Deus tem um homem
perfeito para você. Em primeiro lugar, ninguém é perfeito. Portanto, não
prenda a respiração esperando por alguém perfeito. E em segundo
lugar, concordo com Jake. O casamento é um compromisso. Não
acredito que haja apenas um homem perfeito esperando por você,
Meri. Acho que você pode acabar se casando com um de muitos
homens diferentes e ficar muito feliz e satisfeito se ambos estiverem
profundamente comprometidos um com o outro. ”
"Isso é demais", disse Meri, levantando-se e andando de um lado
para o outro na calçada do jardim. “De todas as pessoas, como você
pode dizer uma coisa dessas? Jonathan é o único para você, e você é o
único para ele. ”
“Foi assim que acabou. Mas se ele tivesse acabado se casando com
Elena, acredito que os dois teriam ficado muito felizes se ambos
estivessem comprometidos com seus votos. ”
"Oh, vamos lá", disse Meri. “Eles nunca teriam durado. Seu coração
era seu desde o início. ”
“Mas quando eu deixei Seattle, ele lentamente abriu espaço em seu
coração. Então, quando Elena apareceu, havia espaço suficiente para
ela caber lá confortavelmente sem nunca esbarrar em mim. ” Shelly
largou a cesta e bateu em uma mosca que escutava sua conversa.
“Jonathan e eu conversamos sobre isso antes. Ele concorda. A maior
parte do amor é a escolha. O que o torna real é o compromisso de
honrar e nutrir essa escolha. ”
"Você está estourando todas as minhas bolhas", disse Meri
categoricamente. “O que aconteceu ao amor de parar o coração,
arrepiar na espinha, de tirar o fôlego ? E, por favor, oh, por favor, não se
atreva a dizer que é apenas uma reação química , porque eu posso ser
forçado a usar este cortador no seu cabelo se você fizer isso! ”
Shelly fez uma pausa antes de deixar um sorriso largo e acolhedor
desenhar os cantos de sua boca. "Ele tira seu fôlego?"
"Quem? Jake? Não, claro que não!"
Shelly ergueu as sobrancelhas. “Parar um pouco o seu coração? Deu
um pequeno formigamento na espinha? "

Meredith ergueu o queixo. "Eu o acho intrigante."


Shelly riu. "Intrigante? Essa é a palavra exata que ele usou para
descrever você quando Jonathan perguntou a ele na noite passada.
Jake disse que você não era como nenhuma mulher que ele já
conheceu e ele a achou intrigante.
“Isso é um passo além do 'original'?”
Shelly sorriu. "Você sabe oque eu penso? Acho que romance de
arrepiar é muito mais do que uma reação química. Acho que é a cereja
no topo do relacionamento. ” Ela ergueu as sobrancelhas e deu a
Meredith um olhar astuto. "Acredite em mim, não há nada como ter seu
fôlego tirado e depois tê-lo devolvido a você por seu verdadeiro amor."
Meri sabia que essa era a voz da experiência falando.
“Mas você não pode viver de glacê”, disse Shelly.
“O formigamento na espinha vem e vai. É o compromisso que constrói
a verdadeira base para o amor. ”
“Você está me dizendo que não sente mais formigamento? Você
está casado há um ano e todos os formigamentos se foram? "
“Eu não disse isso!” Shelly riu e suas bochechas ficaram rosadas.
“Só está melhorando, acredite em mim. Tudo o que estou dizendo é
que se você planeja o compromisso, os arrepios virão.
No caminho para casa, Meredith refletiu sobre as palavras da irmã.
Ela dirigiu seu Explorer para a balsa e caminhou até o convés superior,
ansiosa para sentir o vento em seus cabelos. Para sua surpresa, ficou
frio depois que o barco entrou na água. Tremendo de frio. O sol, que
havia sido o guardião da área por tanto tempo, agora estava sendo
substituído por enormes nuvens que carregavam a chuva em suas
bordas escuras. Seria maravilhoso ter um pouco de chuva novamente,
mas quando Meri agarrou seus braços e voltou para dentro da balsa,
ela pensou em como sentiria falta do sol e do céu azul claro.
No momento em que ela saiu da balsa e dirigiu para casa na Ilha
Whidbey, as nuvens estavam deixando suas bainhas. Grandes gotas de
chuva respingaram em seu para-brisa. Meredith ligou o rádio, na
esperança de obter um boletim meteorológico. Uma canção de amor
familiar estava terminando.
“Quando eu te vejo, é quando eu sei
que o amor como este é só nosso .
Quando eu toco em você, é quando
você vê que Seus lábios foram feitos
apenas para mim. "
"Isso é muito egoísta" , murmurou Meri, mudando para outro canal. A
próxima música era antiga.
"Garota, o que você faz comigo é
melhor do que a onda perfeita

No dia perfeito
Na praia perfeita ,
Então venha aqui, baby ,
E faça tudo de novo. ”
"Meu Deus," Meri murmurou, discando em uma estação de
música ocidental. "Você me deixou
E aqui estou eu
Coração no meu chapéu ,
Chapéu na mão. ”
Ela não suportava ouvir o resto. Do jeito que a música estava se
desenrolando, Meri tinha certeza de que conteria uma referência terna
ao caminhão desse garoto do interior ou ao seu cachorro antes que
acabasse, e esses dois itens estavam no fim de sua lista de favoritos.
Claro, ela sabia que a maioria das canções era escrita sobre o amor.
Foi isso que manteve toda a indústria funcionando. Nunca havia
ocorrido a ela o quanto aquelas canções eram baseadas em
sentimentos e desejos egoístas. Ela nunca tinha ouvido uma música
que dissesse algo como
“Mesmo se você for atingido
por um semi E seu rosto ficar
amassado E você estiver em
uma cadeira de rodas , eu
ainda vou te amar
Assim como eu te amo agora. ”
É verdade que canções como essa podem não chegar ao topo das
paradas, mas ainda assim, a fez pensar sobre como toda a indústria
era inclinada para o romance. Inconscientemente, ela foi influenciada
ao longo dos anos por essas canções, enquanto formava seu conceito
de amor.
Ela se perguntou se Jake e Shelly tinham mais razão do que ela
queria admitir. De repente, Meredith se sentiu mais adulta. Era mais do
que fazer vinte e cinco anos e ver seus pais se aproximando da
aposentadoria, embora ambos os fatores certamente contribuíssem
para o que ela estava passando. Era também que sua imagem no
mundo dos sonhos de como seria encontrar uma estrela de cinema
tinha ficado tão abalada quando ela conheceu Jake. E sua visão
idealizada do amor havia sofrido um sério golpe nos últimos dias.

Meredith parou na frente de sua casa e correu para dentro da cabana


sob a chuva forte. Lá dentro, o ar parecia abafado e abafado. A manhã
estava quente, mas ela não tinha deixado nenhuma janela aberta.
Agora, a chuva deixara o ar úmido e a casa cheirava a mofo. Meri
deixou a porta da frente aberta para que a brisa gelada pudesse passar
e refrescar o lugar. Ela checou suas mensagens telefônicas

e vestiu um moletom e seus chinelos favoritos.


Elvis estava nadando contente em sua tigela. Ele saltou
ansiosamente para a superfície quando ela borrifou o jantar na água.
“Você gostaria de voltar lá para cima comigo, Elvis?”
Fechando a porta da frente e indo para o sótão de seu escritório com
Elvis debaixo do braço, Meredith sabia que era hora de se jogar no
trabalho. É verdade que era domingo à noite e ela deveria terminar seu
descanso de sábado do trabalho. No entanto, ela não podia esperar até
segunda-feira de manhã para ler um manuscrito em particular.
Cavando no meio da pilha de envelopes pardos, Meredith encontrou
os dois pacotes com o endereço do remetente de Helen em Nova York.
O primeiro manuscrito era de um autor que Helen havia apresentado a
Meredith várias vezes. Ela colocou aquele de volta no meio da pilha.
Com a curiosidade impulsionada, Meredith puxou o outro manuscrito e
folheou a carta de Helen.
Sim, sim, você me disse que é um mel , Meredith silenciosamente
respondeu enquanto os elogios de Helen a Jake e seu roteiro
pingavam da carta de apresentação. Agora me mostre o que ele tem .
Voltando para a sinopse de três páginas , Meredith leu
cuidadosamente as próprias palavras de Jacob descrevendo a jornada
de Young Heart para a cidade chamada “Plenitude de Alegria”. Ao
longo da jornada, Young Heart enfrentou escolhas. Como ele
respondeu em cada encruzilhada o levou ao próximo desafio até que
ele finalmente alcançou a Plenitude de Alegria.
Parece um videogame .
No final do resumo, uma referência da Escritura foi listada. Meredith
pegou a Bíblia de referência em capa dura que mantinha em sua mesa
e olhou o Salmo 16:11. Ela leu uma vez para si mesma e depois
novamente, em voz alta.
“Você vai me mostrar o caminho da vida; em sua presença há
plenitude de alegria; à sua direita estão os prazeres para sempre. ”
Meredith recostou-se e deixou as palavras afundarem. É esta a sua
filosofia de vida? Os prazeres só podem ser encontrados no céu? Ele
acha que a vida nada mais é do que uma jornada de escolhas,
compromissos e provações? Então a alegria não vem até que vamos
estar com o Senhor?
Meredith concordou com o conceito. Afinal, o versículo enfatizou o
prazer e a alegria que um dia experimentaríamos no céu se
confiássemos em Cristo e nos entregássemos a ele nesta vida. Mas
algo parecia estar faltando. Outras partes da Bíblia falam sobre como
a vida é maravilhosa ... não é?
Ela se sentia como Pollyanna, pronta para ir à caça de todos os "felizes"
versículos da Bíblia.
“As primeiras coisas primeiro,” Meredith disse a si mesma, passando
de sua cadeira de escrivaninha para sua cadeira de leitura confortável.
“Vamos ver o que você tem a dizer, Jake Wilde. Ou é Jacob Wartman
falando? ”
Colocando os pés em cima de uma pilha de manuscritos e
acomodando-se às páginas, ela disse com um sorriso: "Ok, seu cabeça
de peixe frio, prove para mim que você tem um coração, afinal."

Capítulo Vinte
Y es, Helen,”Meredith disse na manhã seguinte ao telefone,“você
estava certo. Eu já disse que você estava certo. É um mel. Agora estou
lhe dizendo, está quase lá, mas falta alguma coisa. ”
“Não vejo como você pode dizer isso”, respondeu Helen. “Gabriel
Kalen está por trás desse projeto, que entrará em produção de vídeo
em algumas semanas. Eu disse que tenho uma oferta firme da Editora
Medina & Beckmann, mas quando falei com Jake esta manhã, ele não
queria que eu respondesse até depois de ouvirmos de você. Ele
preferia estar com GH Terrison, por razões óbvias. ”
Meredith se gabou por um momento de que ela poderia ser a razão
óbvia. Então ela se lembrou da associação próxima de Gabe Kalen
com sua editora.
“Olha,” Meri disse diplomaticamente, “Eu fiquei acordada até meia-
noite lendo o roteiro várias vezes, tentando descobrir o que estava
faltando. Eu não consegui descobrir. É bom, Helen, mas não é ótimo.
Ainda não."
"Você não está sendo um pouco rígido aqui, Meri?"
“Tudo o que sei é que Terrison não me paga para encontrar bons
livros. Eles me pagam para encontrar bons livros. ”
“Você está dizendo que não quer este projeto?” Havia um tom tão
áspero na voz de Helen que Meri teve certeza de que Helen tinha
tingido o cabelo de preto hoje e estava usando salto alto preto para
combinar. Os dois haviam negociado bem no passado. Isso não foi
desconfortável para nenhum dos dois. Isso era negócio.

"Eu não sei ainda", disse Meredith.


"E quando você acha que vai saber?" Helen perguntou. “Você está
com o manuscrito há mais de uma semana e, como eu disse, temos
outra oferta da Medina & Beckmann.”
“Eu sei, Helen. Apenas me dê mais dois dias. Eu quero pensar sobre
isso. Seu cliente pode esperar mais dois dias? ”
Helen deixou escapar um suspiro exasperado. "Na quarta-feira de
manhã você receberá uma ligação minha às oito em ponto."
“Eu não chego ao meu escritório até as nove,” Meri disse com um
tom brincalhão em sua voz. "Por que eu não ligo para você?"
“Se você não ligar às nove, eu ligo para você”, disse
Helen. "Ok", Meri concordou.
"Tudo bem", afirmou Helen. Então, mudando seu tom, ela disse:
"Então, como foi seu fim de semana?"
Meri contou a ela sobre a renúncia forçada de seu pai e como ele
havia feito o anúncio do púlpito no domingo.
Helen disparou novamente. "Ver? É por isso que sou um protestante
não praticante. Coisas assim acontecem o tempo todo na igreja, e eu
não aguento. É muito injusto com seus pais depois de terem dado toda
a sua vida de casados àquela igreja. O que eles vão fazer agora? ”
“Eles ainda não sabem. Houve uma conversa desconfortável sobre
eu convidá-los para morar aqui se tivessem que vender a casa. ”
Meredith esperava a simpatia de
Helen. "Isso não é uma ideia tão
ruim."
"Diga-me que você não está falando sério, Helen."
"Certo. Deixe seus pais ficarem com a cabana na floresta. Eles
podem sentar na varanda e assistir o coelhinho Foo-Foo pular pela sua
horta. E você— ” Helen fez uma pausa para efeito—“ você vem para
Nova York para ter uma vida real ”.
"Eu vou desligar na sua cara agora, Helen."
"É um pensamento", disse Helen.
Antes que Meri pudesse pensar em uma resposta inteligente, o
clique de chamada em espera soou em seu ouvido. “Eu tenho outra
ligação. Falo com você na quarta de manhã. ”
"Vai ser tarde quando você ligar, mas para manter meu cliente feliz,
vou esperar por você."
"Adeus, Helen."
Meri passou a manhã inteira ao telefone com uma série de ligações
de negócios. Quando ela fez uma pausa para pegar algo para beber,
era quase meio-dia. Então ela percebeu que não tinha checado seu
e-mail ainda hoje. Desde que ela

normalmente tinha várias mensagens, ela decidiu que era melhor olhar
imediatamente. Um memorando estava esperando por ela de um dos
editores em Terrison anunciando uma reunião de publicações na
manhã seguinte às dez horas em Chicago. Não foi a reunião mensal
habitual em que os editores de aquisição apresentaram seus projetos
mais promissores. Shawn estava convocando essa reunião não
programada porque havia encontrado algo de que realmente gostava e
queria passar para o comitê imediatamente. Essas reuniões não
aconteciam com frequência. A política da empresa era que, se o
manuscrito fosse ótimo, seria ótimo um mês depois, quando o comitê
realizasse sua reunião regularmente agendada.
Meredith decidiu aproveitar a oportunidade. Ela começou a trabalhar
enviando seu próprio memorando por e-mail aos membros do comitê,
informando que ela tinha um projeto urgente e que o tempo não
permitiria que eles esperassem pela reunião de junho. Ela enviou
cópias do resumo e da proposta por fax a todos os membros do
comitê e, em seguida, telefonou para Helen.
Quando o correio de voz de Helen atendeu a ligação, Meri disse: -
Veja como sou bom para você, Helen. Não é nem quarta-feira e estou
ligando para você. Eu coloquei meu pescoço em risco por este mel de
um projeto, e deslizei para uma reunião de pub de emergência amanhã.
Tem que passar por esse bando de qualquer maneira. Pensei em
aproveitar a situação para acelerar o processo. Você pode dizer ao seu
cliente que vou dar a este projeto meu melhor argumento de venda na
reunião de amanhã e, se eles concordarem, podemos falar sobre
números amanhã à tarde. Você está feliz agora? Ah, e por falar nisso,
ainda falta algo, e pretendo descobrir o que é e consertar à medida que
avançamos. ”
Meredith desligou e começou a fazer sua parte menos favorita do
trabalho. Ela teve que fazer um orçamento. Qual seria o comprimento
de cada livro? Qual seria o custo do papel? Quantos livros seriam
publicados na primeira impressão?
Demorou a tarde toda. Ela digitou tudo e mandou por fax para seus
associados para que recebessem a proposta logo de manhã.
Para a surpresa de Meredith, quando a teleconferência veio na
manhã seguinte, o comitê queria discutir seu projeto antes de Shawn.
Ela se recostou na cadeira da escrivaninha e ouviu os outros
aprovarem com entusiasmo o projeto. Apenas um editor se preocupou,
e esse foi o momento do lançamento. Eles poderiam terminar os livros
para lançá-los junto com os vídeos? O produtor estaria disposto a
segurar os vídeos, se necessário, para deixar os livros prontos?
"Eu posso descobrir", disse Meri. “A maior preocupação que tenho é que nós

encontre o assistente ou ghostwriter certo para este projeto. Como


mencionei, agora está em forma de roteiro e faltam alguns elementos
básicos para que funcione como uma série de livros. ”
"Por que você não o fantasma?" sugeriu uma voz no viva-voz.

"Porque eu nunca fiz fantasmas antes", disse Meri.


"Eu vou fazer isso!" uma editora ofereceu. “Adoraria conhecer Jake
Wilde e trabalhar lado a lado com ele até tarde da noite.”
"Eu também", disse outra mulher. "Talvez pudéssemos fazer disso
um projeto de grupo para todas as editoras interessadas."
Um estrondo de comentários picantes e algumas risadas soaram ao
fundo. Essa era a parte que Meri menos gostava nessas
teleconferências. Ela nunca conseguia entender todas as insinuações
e piadas secundárias. Isso a incomodou especialmente hoje porque os
comentários eram sobre Jake. Nenhum deles sabia que ele era uma
pessoa real que se envergonhava facilmente. Eles pensaram nele
como uma estrela de cinema independente, o que o tornava um alvo
fácil. O que eles pensariam se descobrissem que este ícone havia
deixado uma uva em seu travesseiro?
“Vamos voltar ao assunto em questão”, afirmou o editor-chefe com
firmeza. “Estamos de acordo que você deve prosseguir com esta série,
Meredith. Certifique-se de fazer um orçamento para o ghostwriter e
faça com que o agente de Jake entre em contato com o produtor para
que possamos trabalhar com eles no lançamento dos livros e vídeos. ”
"OK. Excelente."
O projeto de Shawn não despertou tanto interesse e ele foi solicitado
a colocá-lo em espera. Quando desligou, Meredith percebeu como era
oportuno e incomum que o projeto de Jake recebesse sinal verde tão
rapidamente.
Helen ficou, é claro, encantada. Ela prometeu a Meri uma caixa de
chocolates Godiva por todos os esforços extras de Meri.
Meredith começou a trabalhar no projeto. Nos dias atarefados que
se seguiram, junto com sua carga de trabalho regular, ela defendeu e
tratou os livros de Jake por meio de todos os movimentos e voltas
necessários. Helen permaneceu como intermediária até o dia anterior
à partida de Meredith para a conferência de escritores na Califórnia.
Ela estava em seu quarto fazendo as malas para a viagem
quando o telefone tocou. "Meredith?" a rica voz perguntou.
"Sim?"
"Como você está? Este é Jake. ”
Ela se sentou na beira da cama, amassando a pilha de blusas e

não se importando nem um pouco. "Estou ótimo. E quanto a você?


Ouvi de Helen que tudo o que fizemos até agora nas negociações está
bem para você. ”

“Sim,” ele concordou. "Está tudo bem."


Ela se perguntou se isso era uma pitada de nervosismo em sua voz
ou se era a conexão telefônica ruim. Meredith tentou relaxar e manter a
conversa leve. “Você me pegou no meio de fazer as malas para esta
conferência. Você está pronto para ir?"
"Está praticamente no meu quintal, você sabe, então isso significa
que não tenho que fazer as malas como você."
Houve uma pequena pausa.
“Parece que será uma boa conferência”, disse Meri. “Você está
ministrando alguns workshops? Ou você é o orador principal de um
dos jantares e eu já deveria saber disso? ”
“Estou fazendo apenas um workshop”, disse ele. “Ainda não descobri
porque me pediram para vir. Eu também sou um novato neste campo. ”
"Sim, mas um novato famoso, e tenho certeza de que isso conta
para alguma coisa." Novamente, uma pausa.
“Como estão os vídeos?” Meri perguntou. “Não tenho falado com
Shelly ultimamente. Ela estava me mantendo atualizado sobre seus
planos de filmar no Camp Heather Brook. Ainda está tudo dentro do
prazo? ”
"Mais ou menos. Encontramos algumas dificuldades com
nosso elenco. ” "Oh?"
“Precisamos de uma Donzela da Cachoeira”, disse ele. “Tínhamos
uma atriz pronta, mas ela recebeu uma oferta melhor e saiu para fazer
um filme na Espanha. Então, começamos parte do trabalho de estúdio
e temos a equipe de filmagem no local pelo próximo mês e meio. Vou
me sentir melhor quando tivermos todas as peças lançadas. ”
“Não consigo imaginar quanto trabalho isso deve dar”, disse
Meredith, caminhando até a cômoda, onde equilibrou o telefone no
ombro e começou a puxar o short para ver se valeria a pena levar para
Los Angeles em algum deles. .
"É muito", concordou Jake. “Mas você tem feito muito no final do
livro do projeto. Quando Helen me envia atualizações, fico surpreso
com o quanto é gasto na produção de livros. Obrigado por todo o seu
trabalho árduo. ”
Meredith sorriu. "De nada. Obrigado por me agradecer. Parece que
esses editores raramente ouvem. Agradeço por você ter dito algo. ” Ela
não tinha certeza se deveria trazer à tona suas preocupações sobre o
elemento que faltava nos livros. Helen não indicou que havia dito algo
a ele. Ainda assim, era justo para ele pensar que tudo

estava bem do jeito que estava?


“Eu estava me perguntando”, disse Jake, “se você teria algum tempo
livre durante a conferência. Eu gostaria de ter a chance de falar com
você sobre os livros. ”
"Claro", disse Meredith. “Acho que seria bom se pudéssemos
conversar sobre algumas coisas no início. Como Helen, tenho certeza,
disse a você, nós contratamos um fantástico ghostwriter que teve
experiência em transformar roteiros em romances. ”
"Sim, foi o que Helen disse."
Uma pausa. Desta vez Meri esperou que ele falasse
primeiro. "Então, vamos nos encontrar."
"Sim. Isso vai ser bom."
"Talvez devêssemos definir um tempo", sugeriu Jake. “Se esta for
como outras conferências das quais participei, o tempo pode fugir.”
"Boa ideia. Acho que à noite seria o horário mais aberto. ”
"As noites estão bem."
“Que tal terça à noite?” Meredith sugeriu. “Meu workshop termina
naquele dia às quatro e meia.”
“Só estarei livre por volta das sete”, disse Jake. “Você se importaria
se nos encontrássemos no saguão do hotel um pouco depois das
sete? Vou tratá-lo com cheesecake. ”
Meredith sorriu. Ele deve ter se lembrado que ela gostava de
cheesecake. "Parece ótimo", disse Meri. “Um pouco depois das sete
no hotel
salão."
"Excelente."
Uma
pausa.
"Bem", disse Meredith, sem saber por que ele não estava terminando a
conversa, "te vejo então, a menos que nos encontremos antes." "OK."
Jake parou novamente. “Acabei de pensar em algo. Poderia ser um
pouco mais fácil, sabe, se eu pudesse te pegar na frente do
hotel. Se eu entrar ... ”
“Bem pensado,” Meredith concordou. Ela podia vê-lo sendo inundado
por caçadores de autógrafos no saguão. Os dois podem nunca
conseguir sair para o cheesecake.
"Eu sei que é muito cafona, pedir para você esperar na calçada." "Não
se preocupe. Isso não me incomoda. Estarei aí um pouco depois das
sete,
então."
"Ótimo", disse Jake. Ele parecia aliviado, como se tivesse acabado
de convidar uma garota para o baile da oitava série e, além de todas as
suas esperanças e sonhos, ela tivesse concordado em ir com ele.

“Vejo você em alguns dias, então,” Meredith disse brilhantemente.


"Obrigado por ligar."
"Suponho que seja melhor deixar você voltar para suas malas."
“É uma tarefa monstruosa. Não estou acostumada a me vestir
muito. Essa é uma das vantagens de trabalhar em casa; chinelos e um
robe ajudam muito como vestuário de carreira. ” Meredith riu de seus
próprios comentários.
Jake riu com ela. Parecia que ele estava esperando que Meredith
desse a ele algo para rir. Mas a risada dele durou muito mais do que o
necessário para o comentário bobo que ela fez.
"Acho que devo perguntar, já que você está na linha", disse Meredith,
"como está o tempo?"
"Caloroso. Algumas tardes nebulosas. Faz frio à noite, mas não faz
frio. Principalmente na casa dos oitenta, eu diria. ”
“Está chovendo aqui há uma semana,” Meredith disse, olhando pela
janela do quarto. Na luz minguante do crepúsculo, a chuva ainda caía
continuamente. "Estou ansioso pelo sol."
"Tem sido bom aqui", disse Jake.
Novamente, cada um deles esperou para ver quem falaria em
seguida ou sugerir que encerrassem a ligação. Meredith tomou a
iniciativa desta vez. “É melhor eu voltar a fazer as malas. Tenho um
voo de manhã cedo. ”
"Tudo bem", disse Jake.
"Vejo você em alguns dias."
“Terça-feira,” ele repetiu.
"Tchau."
"Adeus, Meredith."
Ela desligou e sorriu, saboreando o som de seu nome em seus
lábios. Isso é muito promissor. Claro, é uma reunião de negócios, mas
ele quer ficar junto. Ele o iniciou. Ele até pensou no cheesecake! Claro,
nós dois entendemos de antemão que ele não tem formigamentos .
Ela deu uma risadinha. "Isso não significa que eu não possa
desfrutar de alguns, não é?"

Capítulo Vinte e Um

M eri desligou o telefone. Cantarolando baixinho, ela examinou sua


pilha de shorts, tentando decidir quais ela estaria disposta a ser vista
usando em público. Os de linho preto tinham potencial. Agora, que
camisa ela usaria com eles? E a grande questão, o que ela usaria na
terça à noite? Um vestido de verão, talvez.
Ela folheou os poucos vestidos que ainda estavam em cabides.
Nenhum deles saltou e disse: "Leve-me para um cheesecake!"
As roupas em sua cama pareciam desarrumadas e desatualizadas.
Ela não tinha comprado nada novo nesta primavera, e a roupa mais
nova que ela podia ver era um vestido longo, azul marinho, mangas
curtas com botões na frente. Ela só o tinha usado uma vez porque não
gostava da forma como a linha de botões se torcia quando ela andava.
Isso é lamentável! Por que não fui às compras semana passada? Eu
me pergunto se posso sair da conferência na segunda-feira para comprar
alguma coisa .
O telefone tocou. Ela considerou deixar a secretária eletrônica
atender, mas como era domingo à noite, seria alguém de sua família ou
amigo. Provavelmente Shelly estava ligando desde que Meredith
tentou ligar para ela naquela tarde e não encontrou ninguém em casa.
Sentindo-se alegre, Meredith atendeu o telefone de maneira divertida,
“Olá, você ligou para a secretária eletrônica de Meredith. Se você quiser
deixar uma mensagem, por favor, pule como um pássaro ao som do
bipe. Bip!"

Após uma pausa, uma rica voz masculina disse


hesitantemente: "Chilro?" Meredith engoliu suas risadas.
"Jake?"

"Meredith?"
"Sim." Ela soltou o riso e tentou explicar. "Eu pensei que você fosse
Shelly."
"Oh. Eu estava me perguntando, ”Jake disse lentamente. “Você disse
que tem um vôo cedo. A que horas você chega amanhã? ”
"Por volta das dez e meia, eu acho."
"Alguém está pegando você no aeroporto?"
"Acho que não. Eu entendi que deveríamos pegar o ônibus do hotel
no aeroporto. ”
"Entendo", disse ele.
"Por que você pergunta?" Meredith se aventurou.
“Bem, se você quiser, eu posso te pegar. Achei que você pudesse
passar no estúdio. Não vamos filmar amanhã de manhã, mas você
pode ver o design do cenário. ”
"Isso parece ótimo! Adoraria ver o estúdio. ” Ela esperava não
parecer muito entusiasmada. “Deixe-me verificar minha passagem e
dar-lhe as informações. Eu poderia encontrar você na calçada em
frente à esteira de bagagens, se isso fosse mais fácil para você. "
Meredith tirou sua passagem da pasta de couro que Shelly lhe dera.
“Eu chego no LAX às 10:10 de Seattle. Devo encontrá-lo fora da área de
retirada de bagagem por volta das dez e meia? "
"Isso funcionaria."
"Excelente. Que divertido! Obrigado por pensar nisso, Jake. ”
"Bom. Então, vejo você amanhã de manhã às dez e meia. Eu dirijo
um Ford Explorer cor de bronze . ”
"Você está brincando! Isso é o que eu dirijo. ”
"Eu sei. Eu vi na noite em que Helen e eu estávamos
lá. ” "Não é uma coincidência", disse Meri.
“Sim,” ele concordou, sua voz natural. "É melhor eu deixar você voltar
para suas malas."
"OK. Vejo você amanhã. Tchau, Jake. ”
"Adeus, Meredith."
Oh, adoro a maneira como ele diz isso! "Adeus, Meredith." Meu nome
sai de sua língua como mel .
“Meredith,” ela repetiu em voz alta, tentando captar sua inflexão. Ela
baixou a voz um pouco e lentamente disse a palavra: "Meredith".
Amanhã vou ver Jake e ele está me levando para o estúdio . Ela sorriu
amplamente para o espelho do quarto. Esse é o rosto de uma mulher
feliz!
Atrás dela, no reflexo do espelho, ela avistou o monte de

roupas em sua cama. Com um gemido, ela se virou para enfrentar


todos os trapos lamentáveis. "Agora, o que vou vestir amanhã?"
Três horas depois, Meredith estava sentada no chão do quarto,
cercada por todas as peças de roupa que possuía. Havia pilhas aqui e
pilhas ali. Ela havia criado uma bagunça, mas nada havia entrado em
sua mala ainda.
Sei que há problemas maiores neste mundo do que minha crise de
roupas, mas agora a fome mundial empalidece em comparação com
isso. O que vou vestir no estúdio de Hollywood?
Chateada consigo mesma por ser obcecada com sua aparência,
Meredith decidiu adotar uma abordagem diferente. “Jeans,” ela
declarou para as pilhas de roupas. “Vou usar jeans amanhã. O jeans
combina com tudo, a qualquer hora, em qualquer lugar, em qualquer
parte do mundo, certo? Agora, qual top? ”
Quando Meredith desceu do avião no ensolarado sul da Califórnia na
manhã seguinte, ela estava de jeans preto com uma ampla faixa preta
e uma blusa preta de manga curta de gola rulê. Uma fileira de pulseiras
de argola tilintou em seu braço enquanto ela pendurava a bolsa de
couro no ombro e se dirigia para a esteira de bagagens no andar
inferior.
Ela tinha dormido três horas na noite anterior, já que tinha que
acordar às cinco para pegar o avião para fora de Seattle. As sonecas
no avião ajudaram um pouco, mas ela sabia que seus olhos estavam
inchados. Ela estava feliz por poder se esconder atrás dos óculos de
sol pelo menos um pouco mais.
Sua bagagem chegou com o primeiro lote na esteira. Ela saiu,
procurando na área por um explorador bronzeado. Ele estava
estacionado a vinte metros de distância, bem perto do meio-fio, com
os pisca-piscas acesos. Meri sentiu seu coração batendo forte
enquanto puxava a bagagem com rodas em direção ao carro de Jake.
Ela foi até a porta do passageiro e, com um puxão ansioso, abriu e
disse: "Oi!"
O homem acima do peso no banco do motorista não era Jake.
"Oh, com licença. Eu sinto Muito!" Ela bateu a porta e começou a se
afastar.
“Não, espere,” o homem gritou atrás dela. "Você é Meredith?"
Ela parou e olhou para o estranho, que estava com a cabeça
pendurada para fora da janela do passageiro. "Jake me enviou", disse o
homem. “Ele ficou preso no estúdio.”
Meredith voltou, sentindo o brilho quente e vermelho que agora deve
estar manchando suas bochechas com um tom profundo de rosa.
“Eu sou Chad,” o homem grande disse. “Você precisa de ajuda com
sua bagagem?”

"Não. Vou colocá-lo aqui no banco de trás. ” Meredith colocou sua


bagagem dentro e então se acomodou no banco do passageiro. "Como
você está?" ela perguntou ao chofer improvável enquanto ele se
afastava do meio-fio.
"Multar." "Isso
é bom."
Chad dirigia silenciosamente e ela decidiu não atrapalhar sua
concentração, já que o tráfego na saída do aeroporto era intenso. Eles
entraram na rodovia e Chad ligou o rádio em uma estação de rock.
Aparentemente, ele gostava de sua música alta. Dirigindo com uma
das mãos no volante, Chad pendurou o braço esquerdo para fora da
janela aberta e bateu na porta ao som da música. Pela meia hora
seguinte, Meredith recebeu um curso intensivo sobre todos os
sucessos atuais do rock em LA, acompanhada por Chad, o aspirante a
baterista.
A brisa de sua janela aberta soprou em seu cabelo como um louco e
encheu suas narinas com o cheiro acre de emissões de combustível
subindo no ar quente e espesso da manhã. Ela não sabia por que não
conseguia pedir a esse cara para ligar o ar condicionado.
Quando eles chegaram ao estúdio, ela ficou surpresa com o quão
chato parecia. Eles entraram no primeiro prédio em uma fileira do que
parecia ser três depósitos. Uma luz vermelha estava pendurada sobre a
porta e uma placa em negrito dizia: Não entre quando a luz vermelha
estiver acesa. A luz vermelha estava apagada.
Uma lufada de ar fresco de boas-vindas encontrou Meri quando ela
entrou no estúdio. Um caminho estreito conduzia ao canto traseiro do
edifício. Ao longo de todo o caminho estreito havia cordas grossas
presas ao chão com fita adesiva. Algumas das cordas eram azuis,
algumas pretas e algumas verdes. Na parede direita havia pilhas de
enormes tábuas de madeira prensada dobradas, luzes em suportes
altos de metal e escadas. Mais cordas penduradas no teto muito alto e
escuro. O estúdio era completamente diferente do que ela havia
imaginado. Nada era glamoroso nisso até agora.
Chad a conduziu por um cenário que era uma cozinha, completa com
obras de arte infantis na geladeira. Parecia menor do que uma cozinha
real e não havia teto. Luzes quentes iluminaram o chão de linóleo
fosco. Eles saíram pela porta da cozinha e entraram no que parecia ser
um ferro-velho de adereços. A enorme área aberta do meio do estúdio
era cercada por diferentes paredes de palco cercando-a. Meredith
imaginou que cada uma dessas paredes emoldurava um cenário
exatamente como a cozinha pela qual haviam passado.

Ela queria parar e dar uma olhada em todos os adereços malucos


que foram colocados para descansar aqui nesta
terra de ninguém. Uma lâmpada Tiffany estava próxima

para um gorila empalhado e uma cadeira reclinável com uma grande


cesta de tulipas de seda no assento. Um cabideiro continha uma
jaqueta de couro, uma corda de pular e um cobertor de bebê. Uma bola
de basquete e a pintura de um veleiro estavam ao lado de uma mesa
de pátio cheia de bugigangas, como em uma venda de propriedade.
Meredith tinha visto esse tipo de confusão colorida apenas uma vez
antes, no armário de adereços do departamento de teatro em sua
escola. Mas este estúdio era a nave-mãe daquele armário de adereços.
Andar no meio de toda essa imaginação esperando para ser usada
encheu Meredith de excitação.
Eles dobraram uma esquina e lá estava Jake. Meredith o viu
primeiro. Seu coração deu um salto. Jake estava com shorts cáqui,
uma camisa de trabalho jeans azul e seus mocassins cor de camelo
sem meias. Seus óculos de sol estavam em volta do pescoço em um
cordão de couro preto. Ele segurava uma prancheta na mão e estava
lendo a lista de itens com um homem que segurava uma lata de Diet
Coke em uma das mãos e uma borboleta multicolorida de um metro na
outra.
Ainda bem que não me vesti bem para isso .
Ela sorriu e esperou Chad anunciá-la. Chad não disse uma palavra.
Ele passou por Jake e foi até uma caixa de gelo no chão, onde pescou
algumas bebidas. Ele voltou e entregou um Cactus Cooler pingando
para Meredith.
"O que é isto?" ela perguntou baixinho.
“Soda,” Chad disse, dando a ela um olhar
estranho. "Oh. Nunca ouvi falar desse tipo de
refrigerante. ”
Ele olhou para ela ainda mais estranhamente, como se ela tivesse
acabado de chegar de Marte. Jake deve ter ouvido eles conversando,
porque ele olhou e chamou a atenção de Meri. Sua expressão pareceu
iluminar-se. Ele disse mais algumas palavras ao homem com a
borboleta e se aproximou para cumprimentá-la.
“Oi,” ele disse. “Vejo que Chad achou você bem. Desculpe, não pude
estar lá. Obrigado, Chad. ”
"Sem problemas", Chad respondeu, abrindo a tampa de sua bebida e
indo embora agora que havia sido dispensado pelo chefe.
"É bom ver você", disse Jake.
Meredith sorriu. Ela se perguntou se parecia boba com seus óculos
de sol no topo da cabeça. Seus olhos pareciam muito inchados? Por
que ele estava sorrindo para ela tão calorosamente? Ele estava feliz
por finalmente estar em sua própria zona de conforto com ela?
"Este é um lugar e tanto", disse Meredith, desbloqueando seu olhar e
dando uma olhada geral no estúdio. “Eu nunca fui a Hollywood

antes."
“Eu odeio desiludir você,” Jake disse, “mas tecnicamente não
estamos em Hollywood. Conseguimos alugar este estúdio por
quinhentos dólares por dia a menos do que o estúdio do mesmo
tamanho em Hollywood. ”
“Parece uma boa escolha.” Ela abriu a lata de refrigerante e tomou
um gole cauteloso. Foi fofo. Muito doce. Uma espécie de refrigerante
de laranja com um toque de 7UP e muito açúcar.
"Chad já te deu o tour?" "Na verdade.
Ele não é muito falador. ”
“Não, acho que não. Deixe-me mostrar a você. ” Jake gentilmente
tocou o cotovelo de Meredith e a direcionou para a direita. Ele a soltou
imediatamente, mas a memória de seu toque durou o resto da turnê.
Enquanto Jake a conduzia por todos os sets e descrevia cada cena
que seria filmada e onde, ela se perguntou o que ele estava pensando.
Havia um vislumbre de uma chance de que esse legalista do amor
pudesse realmente estar com o coração batendo forte? O jeito que ele
olhou para ela quando ela entrou não era nada parecido com um
homem que está interessado apenas em negócios.
Ou estou inventando isso em minha imaginação hiperativa? Eu quero que
ele se interesse tanto que estou disposta a me convencer de que ele pode
estar?
Mas e se ele estiver? Como alguém pode começar uma amizade
casual com um homem como Jake Wilde? E quanto a todos os acordos
comerciais? Arriscarei minha integridade profissional se me envolver em
um relacionamento com esse cara?
O que eu estou pensando? Ele não deu qualquer indicação de que está
interessado em mim. E eu sei o quanto ele está interessado em um
relacionamento! Compromisso primeiro, depois sentimentos. Este não
parece ser um homem que está em posição de se comprometer com
qualquer coisa além de seu trabalho .
Pronto, isso deixa tudo claro. Nada está acontecendo entre nós, e não
tenho razão para inventar algo em minha imaginação, porque será
unilateral. Meu lado. E meu lado não precisa ter esperanças e seus
sentimentos doer .
"Então é isso", disse Jake quando a turnê chegou ao fim. "Está com
fome?"
“Sim, para falar a verdade, estou com muita fome.” Os pretzels e o
suco de laranja do avião haviam queimado há muito tempo.
“Temos um fornecedor que traz o almoço para a equipe”, disse Jake,
olhando para o relógio. “Eles devem estar prontos para servir em cerca
de vinte minutos. Você poderia ficar para almoçar, e então eu posso
chamar Chad

levá-lo até a conferência. ”


"Você não vem?" Meredith perguntou. A ideia de ser carregado pela
cidade por Chad não era atraente.
"Meu primeiro workshop é amanhã de manhã", disse Jake,
caminhando até a parede dos fundos do estúdio e pendurando a
prancheta em um pino. Um relógio de ponto e um quadro de avisos
carregado de avisos também estavam na parede. “Eu tenho um
encontro com nosso diretor de elenco esta tarde e então uma reunião
com o pessoal do guarda-roupa. Isso me lembra - eu queria te mostrar
isso. "
Ele a conduziu por um labirinto de caminhos alinhados com cabos e
cordas. Eles entraram em uma área aberta que era bem iluminada e
tinha várias prateleiras de roupas longas. “Essas são as fantasias de
Young Heart”, explicou Jake. “Achei que você gostaria de dar uma
olhada, já que sugeriu que fizéssemos fotos para as capas em vez de
desenhos. Gosto da ideia porque acho que vai construir uma
continuidade entre os vídeos e os livros. ”
“Eu acho que vai, também,” Meredith disse, tentando arduamente
colocar sua mente nisso como uma situação de negócios e não um
prelúdio para um encontro. Foi difícil não ficar um pouco desapontado
porque Chad, e não Jake, a levaria para a conferência. Ela temia a ideia
de passar a tarde no trânsito intenso naquela autoestrada quente com
a música de Chad e batucando na lateral do carro.
“Essa fantasia era a que eu tinha em mente para a capa do primeiro
livro,” Jake disse, puxando um cabide da prateleira. Pendurado no
cabide estava um par de calças verdes profundas com suspensórios
combinando. A camisa era amarelo-claro. “Claro, se isso funcionar,
gostaríamos que a capa dos vídeos e a capa dos livros fossem a
mesma foto.”
Meredith assentiu.
Um ajudante de palco entrou no camarim carregando uma tigela
com algo branco. Manchas pretas foram salpicadas na substância
branca e fofa.
“Acho que conseguimos, Jake”, disse o ajudante de palco. "Experimente isso."
Jake pegou a colher de sorvete no centro da tigela e tirou um monte
da mistura misteriosa. Ele o jogou em uma casquinha de sorvete que o
homem segurava na outra mão. Jake olhou para as coisas de um jeito
e de outro. Ele tocou o globo e então acenou com a cabeça satisfeito.

"É isso. Bom trabalho, Miguel. Guarde na geladeira e anote sua


receita. Não queremos esquecer as proporções desta vez. ”

- Peguei - disse Miguel, saindo com sua grande tigela de


penugem branca. "Ele não é o fornecedor, é?" Meredith
perguntou.
"Não." Jake riu. “Ele é o nosso homem de apoio. Essa foi a nossa
casquinha de sorvete de chocolate para a cena de abertura. ”
"Sorvete?"
“Na verdade, é purê de batata instantâneo com lascas de giz de cera
preto para as batatas fritas. O verdadeiro sorvete derrete sob essas
luzes quentes. Todo mundo sabe que você usa purê de batata
instantâneo na tela para fazer sorvete, mas não conseguimos fazer
com que as raspas de chocolate parecessem certas. ”
"Muito inteligente", disse Meredith.
Jake olhou para ela e sorriu com orgulho. “Nem tudo por aqui é o
que parece ser.”
“Estou começando a descobrir”, disse ela.
Capítulo Vinte e Dois

S ele não estava bravo com Jake, ela decidiu, enquanto Chad a
conduzia através do tráfego miserável para a conferência de escritores.
Não era culpa de Jake que ela tivesse criado expectativas irreais. Ele
nunca havia indicado que esta reunião seria outra coisa senão
negócios. Ele não tinha falhado propositalmente em ser o que ela havia
imaginado. Foi tão frustrante.
Ela ficou para almoçar, mas apenas o suficiente para comer uma
salada de taco e ouvir as conversas não tão interessantes dos
auxiliares de palco que dividiam a mesa de piquenique ao ar livre com
ela. Jake estava muito ocupado para comer e acenou um adeus
quando ela avisou Chad que estava pronta para partir.
Agora ela não estava ansiosa para ver Jake para o seu encontro de
cheesecake. O convite parecera muito mais promissor e romântico
quando ele o fez por telefone. Mas essa viagem ao estúdio estourou
todo tipo de bolha.
Depois que ela se acomodou em seu quarto de hotel com a agenda
da conferência diante dela, Meri percebeu o quão ocupada ela estaria
nos próximos três dias. Além das duas oficinas que ministrava,
esperava-se que ela lesse uma pilha de manuscritos que lhe foram
apresentados quando fez o check-in. Só ler os manuscritos levaria três
dias! Em seguida, os conferencistas marcaram encontros com ela por
segmentos de quinze minutos , começando esta noite após a sessão
de abertura.
O único conforto que Meri encontrou enquanto estudava a
programação era que ela estava livre na terça à noite. Isso significava
que ela poderia fugir por

cheesecake com Jake, embora o tempo livre fosse provavelmente


projetado para ler manuscritos.
Seu telefone tocou, e ela atendeu no segundo toque. Era um editor
que ela conhecera há um ano. As duas conversaram e então Paula foi
direto ao ponto da ligação. “Estou encarregado da esquete de abertura
esta noite, mas meu ditz ainda não chegou. Seu avião foi redirecionado
ou algo assim. Você consideraria bancar o loiro burro? "
"Eu deveria estar lisonjeado com esta oferta?" Meredith riu. “Você se
lembra dessa esquete”, disse Paula. “Conseguimos no último
conferência. Você era um cabeça-dura tão bom. Eu sei que você pode
pular direto para a parte novamente. Você vai, por favor? Estou
desesperado."
"Esse tipo de elenco ou o quê?" Meri murmurou. "OK. Onde eu tenho
que estar e quando? ”
"Lá embaixo, sala de reuniões principal, em quinze minutos para o
treino." "Quinze minutos!"
"Sim, temos apenas uma hora e meia antes da reunião de abertura e
temos que jantar antes disso."
Meredith se limpou e se dirigiu para o elevador com seu crachá
oficial preso em seu blazer cor de linho que ela agora usava sobre sua
blusa de gola alta preta e jeans. Ela arregaçou as mangas e deu ao
cabelo escovado um jato de perfume para se refrescar.
“Por que concordei em fazer isso?” ela murmurou. O elevador a levou
ao primeiro andar, onde ela encontrou seus colegas de trabalho e
outros atores na sala de reuniões principal.
“Aqui está nosso salva-vidas!” Paula anunciou quando Meredith
entrou. “Alguém dê o roteiro a ela. Vamos indo."
Eles praticaram apenas vinte minutos ou mais. Era um esboço bobo
sobre uma reunião do editor com diferentes conferencistas e como
cada um deles usou os quinze minutos designados. A intenção era ser
uma paródia para mostrar aos conferencistas pela primeira vez como
fazer bom uso de seus compromissos.
Meri se lembrou de como tinha sido em uma conferência anterior e
sabia que tudo o que ela tinha que fazer era fingir que estava
mascando chiclete, ficar com os olhos brilhantes quando o editor fazia
perguntas inteligentes e terminar com, “Você quer dizer que você está
no comando dos livros? ! Achei que você fosse o responsável pela
aparência . Eu me inscrevi para a Patty Fay Beauty Makeover
Convention. Estou na sala errada? ”
Tudo o que ela precisava fazer era sair correndo do palco em busca
do grupo Patty Fay. Era bobagem, mas deixava os conferencistas
nervosos à vontade, especialmente porque todos os papéis eram
desempenhados por editores.

Meredith jantou no café com seus amigos editores da esquete e riu


de algumas das piadas internas da indústria. Uma editora lançou um
livro com o título escrito incorretamente. O e e eu foram transpostos
para a palavra estranho . Pelo número limitado de pessoas que
escreveram para chamar a atenção para o erro ortográfico, o editor
adivinhou que a maior parte da América não sabia como escrever
esquisito .
Paula confidenciou que estava pensando em mudar de posição se
algum deles soubesse de uma vaga em outra casa grande. Ela
comprava livros de receitas há cinco anos, mas a editora estava
reduzindo para apenas dois livros por ano. Agora Paula revisava
manuscritos de ficção científica, que chegavam a uma média de
trezentos manuscritos por mês. Não era sua ideia de diversão.
Um dos homens perguntou a Meri se ela tinha algum novo produto
quente saindo. Ela não mencionou a série Young Heart porque a
papelada assinada ainda não tinha sido entregue em seus arquivos.
Helen havia dito que todos os detalhes contratuais foram acertados,
mas Meredith sabia que era melhor não se gabar dos projetos
prematuramente.
“Eu vou te dizer o que eu tenho,” ela disse aos outros ao redor da
mesa. “Tenho muito mais manuscritos do que jamais consegui ler
nesta conferência. Eles carregaram vocês também? "
"Você está de brincadeira?" Disse Paula. “Assim que eles
descobriram que eu pensaria em estudar ficção científica, minha pilha
triplicou. Se eu nunca tivesse que ler sobre outro alienígena de
olhos grandes que vive de sangue de gafanhoto e caroços de manga,
eu seria uma mulher feliz. ”
“Poços de manga? Sangue de gafanhoto? " uma das outras mulheres
questionou.
“Você não tem ideia”, disse Paula, balançando a cabeça. “É por isso
que quero voltar aos livros de culinária em que gafanhotos significam
bebidas verdes mentoladas e caroços de manga vão para a lata de lixo
ao fazer salada de frutas tropicais.”
Os editores encerraram sua conversa agradável e voltaram para a
sala de reuniões, onde se sentaram na frente. A conferência começou
às sete e, após os comentários e anúncios de abertura, os líderes do
workshop foram convidados a subir ao palco e fazer uma descrição de
dois minutos de suas sessões. Quase oitocentos aspirantes a
escritores haviam se registrado para esta conferência, que recrutou
mais de cinquenta instrutores para ministrar workshops. Meredith
estava tentando calcular quanto tempo isso levaria, já que a peça
teatral deles era o último item da agenda.
Deslizando para fora e caminhando para o palco, ela ouviu um leve

som estrondoso em todo o auditório. Ela se virou para ver o objeto de


interesse do público. Jake estava andando pelo corredor central, a
cabeça ligeiramente abaixada, aquele olhar de menino envergonhado
no rosto.
Não achei que ele viria depois de toda a programação que tinha hoje.
Eu me pergunto se ele me notou .
Quando Meredith chegou ao palco, parecia que Jake a tinha notado,
sim. Ele se aproximou e ficou ao lado dela na fila. Foi um movimento
suave. Para o observador casual, sua escolha fazia sentido porque
havia mais espaço ao lado de Meredith do que no final da linha, para
onde os outros do corredor central estavam indo. Mas Meri queria
acreditar que sua ação foi deliberada.
Eles ficaram lado a lado, nenhum reconhecendo o outro. Meredith
olhou para a sala de escritores esperançosos e sentiu-se seguro em
dizer que quase todos os olhos estavam voltados para Jake. Pelo
menos todos os olhos femininos, e isso representou mais de oitenta
por cento dos conferencistas.
“Se todos os líderes do workshop pudessem se afastar um pouco
mais, podemos colocar todos no palco. Depois de fazer uma
apresentação de seu workshop, sente-se ”, disse o mestre de
cerimônias. “E, por favor, lembre-se, não mais do que dois minutos. Por
favor!"
Enquanto todos se arrastavam para a esquerda, Meredith sentiu os
pelos do braço de Jake enquanto eles roçavam suavemente seu braço.
Ele percebeu isso? Era como eletricidade! Sou eu ou está estático no
ar? Isso é demais. Eu tenho que dizer algo .
"Eu nunca disse a você", disse Meri baixinho, sem se virar para olhar
para Jake. “Eu peguei sua uva. Muito criativo."
"Você gostou disso, hein?" ele sussurrou de volta, inclinando-se
apenas perto o suficiente para ela sentir o cheiro de manteiga de cacau
de sua pele.
Meredith sorriu para o mar de rostos na frente deles e em voz baixa
disse: “O que você pensa que é? A fada da uva? "
Uma risada baixa retumbou em seu peito.
“Você poderia escrever isso em Young Heart como um novo
personagem. Todas as almas boas encontram uma uva em seu
travesseiro no final de sua jornada, mas as almas más encontram uma
passa seca . ”
Jake cobriu a boca e camuflou sua risada com uma tosse. Conforme
a linha avançava, Jake se aproximou de Meredith. Foi ela
imaginação? Ou ele estava pressionando o braço contra o ombro dela?
A sensação de seu toque era tão leve e totalmente justificada que
tornava difícil saber se ela deveria interpretar algo no gesto. A mulher
ao lado de Meredith subiu ao pódio e usou um total

de trinta segundos para descrever seu workshop sobre como preparar


uma carta-consulta.
Meredith foi a próxima. Ela relutantemente se afastou da
proximidade de Jake e caminhou até o microfone. “Eu sou Meredith
Graham e represento a GH Terrison Publishing. Sou editor de
aquisições de livros infantis. Estamos sempre procurando por novas
idéias brilhantes e manuscritos bem escritos. Meu primeiro workshop
amanhã à tarde é intitulado 'Colocando o Pé na Porta'. Eu direi a você o
que fazer e o que não fazer quando estiver tentando chamar a atenção
de um editor. Meu segundo workshop na quarta-feira de manhã é
chamado 'Aprendendo com seus erros'. Eu estarei mostrando como
pegar um manuscrito devolvido e consertá-lo para que você possa
reenviá-lo. Obrigado."
A salva de palmas obrigatória seguiu Meri enquanto ela descia os
três degraus do palco para retornar ao seu lugar. Ela olhou para o
público e se perguntou se era sua imaginação ou se todos de repente
se animaram e se inclinaram para frente.
A voz de Jake ecoou pelos alto-falantes e cercou os ouvintes
ansiosos. "Boa noite. Meu nome é Jacob Wilde. ” Um grupo de
mulheres jovens no canto direito da sala imediatamente começou a
bater palmas, assobiar e bater os pés.
Quando a confusão acabou, Jake continuou sua apresentação.
“Estou ministrando um workshop na quarta-feira de manhã, intitulado
'Os princípios básicos de escrever um roteiro' Atualmente estou
envolvido na produção de um vídeo baseado em um roteiro que
escrevi. Estou ansioso para ver alguns de vocês em minha oficina. ”
Um murmúrio de admiração retumbou na multidão quando Jake
desceu. Em vez de voltar para onde quer que estivesse sentado antes,
ele se aproximou de Meredith e, com um sorriso, perguntou baixinho:
"Importa-se se eu sentar com você?"
Todos os assentos em sua fileira estavam vazios no momento, já
que seus amigos ainda estavam no palco. Sem uma palavra, Meredith
fez um gesto para que ele se sentasse. Ela estava ciente dos olhares
de todos no auditório. Jake parecia estar fingindo prestar atenção ao
líder da oficina que estava no pódio.
Quando restaram apenas três pessoas para fazer seus discursos,
Jake se inclinou e sussurrou para Meredith: "Você me faria um grande
favor e sairia daqui comigo depois que a última pessoa terminar?"
“Eu não posso. Eu tenho que ficar. Estou em uma esquete, ”ela sussurrou de
volta.
Jake pensou por um momento e então sussurrou: "Assim que a
encenação acabar, você se importaria se saíssemos juntos com
nossos braços

perto um do outro? "


Meredith se virou e olhou em seus olhos castanhos cor de
chocolate. Ele estava a apenas alguns centímetros de distância, e ela
sentiu todas as suas reações químicas acontecendo ao mesmo
tempo. Seu coração parou, sua espinha formigou e sua respiração
desapareceu. Ela perguntou: "Por quê?"
Seus olhos olharam para ela, implorando. “É para cobertura. Se eles
pensam que estou com alguém, eles não são tão enérgicos em me
encurralar. ”
Meredith deu a ele um olhar perplexo, ainda sem entender por que
ele a pediria para ser sua guarda-costas.
"Eu admito", disse Jake com o canto da boca. "Eu sou um covarde.
Você pode zombar de mim mais tarde, mas apenas diga que vai me
proteger. "
Meredith riu suavemente. "Seu grande
bebê." "Isso é um sim?"
Ela assentiu.
Poucos minutos depois, a esquete foi anunciada. Meredith se
levantou para se juntar aos outros no palco, e Jake agarrou seu pulso.
Ele deu um aperto quando ela passou por ele. Ela se virou para olhá-lo,
surpresa com seu gesto. “Não se esqueça de mim”, disse ele. O olhar
em seus olhos era de medo genuíno.

Meredith fez uma pausa e decidiu deixar os sentimentos de seu


coração serem conhecidos. Ela se aproximou e disse: “Não se
preocupe, Jacob Wilde. Eu nunca, jamais, serei capaz de te esquecer. ”

Capítulo Vinte e Três


Durante todo o caminho para o palco, Meredith
cerrou os dentes. Um coro de demônios acusadores se amontoou
perto dela. "Ha, ha!" eles bajularam. "Olhe o que você fez! Você se abriu
para um homem e agora ele vai pisar em seu coração. Seu idiota!"
A esquete foi anunciada, e Meredith tentou com todas as suas
forças ignorar o barulho que estava no volume máximo dentro de sua
cabeça. Ela trabalhou para entrar em seu personagem enquanto ficava
em segundo plano, mascando seu chiclete de mentira, checando suas
unhas e sacudindo bolas de pelo invisível de seu jeans.
Quando Meredith ouviu sua deixa, ela deu um passo à frente para
encontrar o editor. “Estou tão feliz em conhecê-lo!” Meri deixou
escapar. “Este é, tipo, totalmente um sonho que se tornou realidade!”
“Ora, obrigado”, disse a paciente editora, gesticulando para que
Meredith se sentasse em frente a ela na mesa do palco. Meri
continuou a jorrar e lisonjear o editor, o tempo todo mascando seu
chiclete invisível e jogando o cabelo para trás. Ela cruzou e descruzou
as pernas, riu e periodicamente sacudiu as bolas de penugem de suas
roupas.
“Eu simplesmente não consigo acreditar que estou aqui!” Meredith
arrulhou. “Sempre quis ir a uma dessas conferências, mas nunca
pensei que realmente iria a uma - e até mesmo a uma na Califórnia!”
“Sim,” a editora disse graciosamente enquanto olhava seu relógio.
“Nós temos apenas alguns minutos restantes para nossa reunião de
quinze minutos . Você gostaria de discutir algo específico? ”
"Bem, acho que a primeira coisa que devo dizer é que eu simplesmente amo,
amo,

amo sua maquiagem! ” Meredith disse.


“Ora, obrigado”, respondeu o editor lisonjeado.
“Quer dizer, eu gosto de tudo isso. Seu delineador, sua base, seu
batom. Ah, e eu amo, amo, amo, e quero dizer amor, seu perfume. ” A
editora checou seu pulso dando uma cheirada e pareceu surpresa,
como se ela não estivesse usando perfume. "Obrigada de novo", ela
disse.
“E eu posso dizer o quão bem seus limpadores funcionam para
você,” Meredith continuou. “Quero dizer, veja como seu tom de pele é
suave e uniforme. É, tipo, totalmente incrível. ”
"Sim", disse o editor, tocando sua bochecha com um olhar confuso.
"Bem, como eu estava dizendo, você tinha uma proposta de livro que
gostaria de discutir?"
"Um livro?" Meredith assumiu sua melhor expressão de cabeça de vento.
“Sim, um livro. Essas entrevistas de quinze minutos são
programadas para que você possa se reunir com os editores para
discutir as ideias do livro. ”
“Livros? Você está no comando dos livros ?! Achei que você fosse o
responsável pela aparência . Esta não é a Patty Fay Beauty Makeover
Convention? ”
"Porque nao."
“Eu não posso acreditar! Como eu acabei no quarto errado? ”
Meredith saltou da cadeira e, com um olhar atordoado, saiu em busca
da Convenção Patty Fay.
A editora jogou sua última parte puxando um grande espelho de
baixo da mesa e olhando para si mesma. Então, com um encolher de
ombros, ela gritou: "Próximo autor em potencial, por favor!" Ela
congelou no lugar, e a encenação acabou.
Meredith voltou ao seu lugar para encontrar Jake parado no corredor
esperando por ela. Assim que ela estava perto o suficiente, ele deslizou
o braço em volta dos ombros dela e sussurrou: "Me acompanhe agora,
ok?"
Ainda no modo de atuação, Meredith colocou o braço em volta da
cintura dele. Ela olhou para cima com todo o charme que possuía e
disse: "Você sabe que todos eles vão perguntar sobre nós agora."
Jake deu passos longos e rápidos até o fundo do auditório. "E o que
você vai dizer a eles?"
"A verdade", disse Meredith, sentindo-se muito alegre para seu
próprio bem. "Vou dizer a eles que você é louco por mim, mas você é
muito legalista para admitir seus sentimentos."
Eles estavam na porta dos fundos agora. Jake abriu para ela. No
minuto em que eles estavam fora da sala de reuniões e fora da vista da
grande audiência, Jake puxou o braço. Meredith também o soltou.

"Eu tenho que correr", disse ele, com as bochechas coradas.


"É isso? Você me desfila pelo corredor e sai? " Meredith jorrou.

"Eu sinto Muito. Eu tenho que— ”


"Eu sei eu sei. Você tem trabalho a fazer; pessoas esperando por
você. 'Havia um homem sozinho; ele não tinha filho nem irmão. Não
havia fim para sua labuta, mas seus olhos não estavam contentes com
sua riqueza. “Por quem estou labutando”, perguntou ele, “e por que
estou me privando do prazer?” Isso também não tem sentido - um
negócio miserável! ' ”
Jacob parou para olhar para ela com um olhar incrédulo no rosto. "O
que você está falando?"
"Nada", disse ela. “É que da próxima vez que você precisar de alguém
para colocar seu braço em volta, escolha alguém que não tenha um
coração.”
Ele esperou por uma explicação.
Meredith estava começando a se sentir mal por dentro. Ela expôs
seus sentimentos e ele os ultrapassou com o braço em volta dela. Era
tudo parte de uma atuação. E isso a deixou furiosa. Com raiva dele,
mas principalmente com raiva de si mesma.
"Eu tenho que ir. Adeus, Meredith, ”ele disse. Sem olhar para trás,
Jake decolou rapidamente.
"Viu o que você fez?" a fila de acusadores começou. Um por um, eles
a criticaram por deixar transparecer seus sentimentos e por ser tão
ousada. “Não admira que o cara tenha fugido. Você não apenas o
envergonhou, mas também o aterrorizou. ” “Que tipo de mulher cristã é
você? Ele provavelmente pensa que você vai atrás de homens o tempo
todo.
Meredith se forçou a andar, não correr, até o elevador. Ela apertou o
botão várias vezes, implorando para que chegasse antes que suas
lágrimas chegassem. O misericordioso elevador a carregou até seu
andar, onde correu para o quarto e trancou a porta atrás de si. Seu
coração estava batendo forte e as lágrimas agora ardiam em suas
bochechas.
“Por que estou fazendo tudo errado, Deus? Essa conexão com Jake
está condenada desde o início. Por que não posso sair bem o
suficiente sozinho? Ele vai cancelar nosso encontro com o cheesecake,
não é? Não posso acreditar que minhas emoções estão
descontroladas. É isso que acontece depois de anos enchendo minhas
emoções porque não havia nenhum cara em quem eu estivesse
interessado? De repente, um homem intrigante entra na minha vida e
eu sou um idiota emocional e fanfarrão. ”
Meri se jogou na cama, interrompendo a pilha de manuscritos em
sua queda. Ela queria um bom choro, mas tudo o que escapou foram
algumas lágrimas.

"Isso é ridículo", disse ela, sentando-se e enxugando os olhos. “Sou


uma mulher madura e responsável que tem muito mais controle de sua
vida do que isso. Pare de agir como uma criança. Não é mais
permitido. Não com sua mãe; não com Jake ou com qualquer outra
pessoa. ”
Ela se levantou e olhou seu reflexo no espelho. Ela poderia usar um
pouco de batom e um retoque com seu rímel. Olhando para o relógio
na mesa de cabeceira, Meredith fez uma rápida atualização da
maquiagem e terminou sua conversa particular de vitalidade.
“Em dez minutos você tem seu primeiro encontro com um autor em
potencial. É para isso que você veio. Esta conferência não é sobre
você. Não é sobre Jake. É sobre o seu trabalho para a Terrison
Publishing. Você está aqui para instruir e adquirir novos manuscritos.
Controle-se, Meri Jane. Volte lá com a cabeça erguida e faça o seu
trabalho. ”
Meredith realizou tudo o que disse a si mesma para fazer em sua
conversa estimulante. Mas ela não estava preparada para todas as
perguntas que os conferencistas lançaram sobre ela, não sobre Jake,
mas sobre conseguir que seus livros fossem publicados com GH
Terrison. Nunca antes em uma conferência ela tinha sido tão inundada
com perguntas. Ela adivinhou que era porque apenas um outro editor
de livros infantis de aquisições estava participando da conferência e só
chegou amanhã.
Felizmente, ela estava apaixonada pelo que fazia porque os
conferencistas ansiosos por aprender continuaram conversando com
ela muito depois do término da última consulta. Só depois de voltar
para o quarto naquela noite e deitar na cama, ela percebeu como tudo
isso era exaustivo, mesmo sem as explosões emocionais confusas
com Jake.
Por que diabos esse cara achava que tinha o direito de usá-la como
guarda-costas para escapar do auditório? Ele poderia ter partido
facilmente sem sua chamada proteção. Ao sair com o braço em volta
dela, ele deu a todos na conferência a nítida impressão de que ela e
Jake estavam juntos. Isso pode ter sido uma camuflagem conveniente
para ele, mas era injusto com ela.
No quarto escuro e silencioso, Meredith deitou-se de costas e
escreveu cartas imaginárias para Jake no teto. Ela disse a ele que ele
era injusto, imprudente e cruel em usá-la do jeito que tinha feito. Ela
usou a palavra defraudar e escreveu com sua tinta invisível em letras
maiúsculas: “Você não tinha o direito de me usar de uma forma que a
beneficiasse, mas me deu falsas impressões e me colocou em uma
posição comprometida. Agora cabe a mim explicar a todas essas
pessoas que não há nada entre nós. ”
Conforme o fogo de dentro dela se dissipava com cada palavra
quente que ela escrevia no teto, uma tímida pergunta veio à tona. "Que

é verdade, não é? Não há nada entre nós, certo? "


Ela teve uma noite agitada. Sua associação comercial com Jake
significava que ela teria muito mais contato com ele nos meses
seguintes. Por que ela arriscou tudo isso dizendo que nunca o
esqueceria e depois dizendo que ele era louco por ela, mas muito
legalista para admitir?
O sono veio apenas em partes irregulares. Se ela tivesse tido tempo
suficiente para juntar os remendos durante a noite, ela poderia ser
capaz de costurá-los todos juntos e ter cobertura suficiente para seu
cansaço. Na verdade, ela se levantou às sete e ficou no banho quente o
tempo suficiente para desenvolver dedos dos pés enrugados. Isso
ajudou a animá-la apenas um pouco.
Quando ela finalmente apareceu para seu primeiro encontro com um
conferencista às nove horas, ela foi mais uma vez assaltada com
perguntas sobre todos os detalhes da publicação. Por alguma razão,
ela se sentiu mais forte esta manhã do que na noite anterior, então ela
não teve problemas em dar respostas mais curtas às mentes
indagadoras que queriam saber.
Meredith descobriu que tinha uma pausa de uma hora e meia antes
de sua próxima rodada de entrevistas. Ela se retirou para o quarto,
pediu uma salada do chef e puxou uma cadeira da pequena varanda
para começar a ler sua pilha de histórias.
A paz e o silêncio fizeram bem a ela. Era a isso que ela estava
acostumada, enterrando-se em montes de histórias. Renovada e
pronta para a segunda rodada, Meredith voltou para a área da reunião
geral, onde ela teve várias outras reuniões antes de dar seu primeiro
workshop.
Era engraçado ficar na frente de uma sala cheia de rostos curiosos.
Cento e vinte pessoas compareceram ao workshop, o dobro do número
que ela esperava. Ela não sabia quantos deles tinham aprendido a
escrever e quantos eram Looky Lous que queriam ver de perto a
mulher que colocou o braço em volta de Jake Wilde.
Antes de começar seu workshop, Meredith decidiu fazer um de seus
movimentos ousados. Ela presumiu que muitos deles queriam saber
sobre Jake. “Como você sabe, saí do auditório ontem à noite com Jake
Wilde. Deixe-me fazer alguns comentários para prosseguirmos com
este workshop. Sou um sócio comercial de Jake. ”
Ela queria repreender o público e dizer: "A razão pela qual ele teve
que ter proteção quando saiu do auditório na noite passada foi por
causa da maneira como vocês o perseguem". Mas ela sabia que isso
não soava profissional. Também significava que ela estava defendendo
Jake, e ela se recusou a fazer isso.

“Se eu aprendi alguma coisa com Jake, é que os atores não são
diferentes de ninguém. Eles têm seus pontos fortes e fracos como
todos nós. Jake também me ensinou que ser ator é algo que você faz;
não é quem você é. Da mesma forma, espero que muitos de vocês que
ainda não publicaram se tornem autores. Quando o fizer, lembre-se de
que ser um autor é o que você faz. Não é quem você é. ”
Os conferencistas verificaram silenciosamente aqueles ao seu redor.
Nenhum deles parecia preparado para suas declarações iniciais, mas
alguns deles começaram a tomar notas.
“Agora, se você verificar seu plano de estudos, deverá encontrar o
esboço deste workshop na página dezessete na seção amarela.”
Meredith mudou para o modo de instrutor. Dar workshops era algo que
ela adorava fazer, e ela havia dado esta aula, “Colocando o Pé na
Porta”, três vezes.
A hora passou rapidamente, com os últimos quinze minutos usados
para perguntas, que este grupo tinha bastante. Quando ela terminou,
uma longa fila de conferencistas esperou um após o outro para ter a
chance de falar com ela. Eles ficaram lá ouvindo suas dicas sobre
como ser publicado. Então um dos organizadores apareceu e
diplomaticamente avisou Meredith que a próxima aula estava marcada
para começar nesta sala em cinco minutos e o instrutor estava
esperando do lado de fora ela terminar.
Meredith se desculpou e aproveitou a oportunidade para pegar sua
pasta e voltar para o quarto. Ela chegou até o saguão, onde um grupo
de seis continuou a pedir seus conselhos e a descrever seus projetos
para ela. Ela ouviu com paciência e fez sugestões, que agradeceram.
Quatro dos conferencistas que estavam fazendo perguntas entraram
no elevador com ela e a seguiram pelo corredor até seu quarto, ainda
conversando. Eles teriam entrado de bom grado, se ela não tivesse
dito, com muito tato, que precisava ler os manuscritos.
Fechando a porta atrás dela e respirando fundo, Meredith ficou
chocada ao ver que já eram seis e meia. Uma mensagem telefônica
estava esperando por ela.
Quando ela apertou o botão para reproduzir a mensagem, a voz rica
de Jake a cumprimentou. Meredith se surpreendeu sorrindo ao ouvi-lo.
“Oi, aqui é Jake. Estou apenas informando que chegarei um pouco
tarde para o intervalo do cheesecake esta noite. Espero que esteja
tudo bem para você se nos encontrarmos lá na frente às sete e meia.
Se não, aqui está o meu número de celular . ”
Houve uma pausa, típica das conversas telefônicas de Jake. Depois,
acrescentou com cautela: “Estou ansioso para vê-lo. Bom-

tchau, Meredith. "


Ela apertou o botão para reproduzir a mensagem. Inclinando-se para
mais perto do telefone como se pudesse captar melhor o significado
de suas palavras pairando perto da fonte, ela ouviu com atenção.
“Estou ansioso para vê-lo,” sua voz repetiu. "Adeus, Meredith."
Aquele “adeus, Meredith” sempre a pegou. Como ele fez isso? Adeus
parecia a palavra mais triste que um homem poderia dizer a uma
mulher. Não era assim com Jake. Foi o tom de sua voz ou como ele
pronunciou seu nome que derreteu seu coração?
Pelo menos ele ainda quer sair esta noite. E ele disse que estava
ansioso para me ver. Ele escorregou e disse isso? Ou ele está se
permitindo sentir algo por mim?
Meredith decidiu apressadamente o que vestir. Era uma roupa que
ela havia encomendado no verão passado na seção de encerramento
de um catálogo. Ela nunca o havia usado, em parte por causa da cor.
Era turquesa. Mas este terninho de seda com uma blusa sem mangas
bordada parecia perfeito para uma noite na cidade no sul da Califórnia
com Jake Wilde. Quando Meredith viu como isso realçava seu cabelo
loiro e olhos verdes do oceano, ela se sentiu confiante.

Se isso não virar a cabeça dele, desisto .

Capítulo Vinte e Quatro

H urrying ao lobby às sete e vinte e cinco, Meredith estava prestes a


sair correndo para o meio-fio quando alguém chamou seu nome. Um
dos conferencistas com quem ela havia falado anteriormente a tinha
visto.
“Esta é minha amiga Marsha”, disse o conferencista. "Eu disse a ela
o que você disse sobre enviar o manuscrito inteiro se for curto, mas ela
tinha mais algumas perguntas para você."
Meredith ouviu com atenção e deu algumas dicas antes de verificar
o relógio. Eram sete e meia.
"Eu preciso ir. Eu tenho um compromisso."
“Só mais uma pergunta”, disse a mulher. “Em seu workshop, você
nos disse para observar as tendências e enviar ideias quando elas
estiverem atuais e não depois que todos já as tiverem feito.”
“Sim,” Meredith olhou além da mulher na frente do hotel. Ela pensou
ter visto um Explorer bronzeado estacionar.
“Você pode nos dizer como devemos descobrir quais são essas
tendências?”
“Você pode ver as tendências se desenvolvendo lendo e ouvindo o
que as pessoas estão falando. Leia livros, revistas, jornais e até
mesmo os anúncios que chegam em sua casa pelo correio. ” Ela olhou
para além da mulher novamente. “Mencionei tudo isso no workshop.”
"Eu sei, mas meu amigo não estava lá e eu não me lembrava."
“Talvez você queira pegar a fita. Eu entendo que eles estão gravando
cada uma das oficinas. ”
A porta do saguão se abriu e Jake entrou, vestindo um par de

calça casual bege e uma camisa de manga curta listrada em azul claro . Ele pegou
tirou os óculos de sol e olhou em volta. Quando ele avistou Meredith,
um sorriso espontâneo se espalhou em seus lábios.
Ele deve gostar de turquesa. Isso é bom.
"Em. Graham? ” Um homem veio por trás de Meredith com um
envelope na mão. “Tenho um manuscrito aqui que não enviei durante o
registro porque não achei que seria compatível com a sua casa.”
Duas mulheres mais velhas estavam com o homem, e de repente
Meredith tinha uma multidão a impedindo de Jake.
“Depois que fui para sua oficina, tive certeza de que seria uma boa
combinação para GH Terrison. Eu sei que eles nos pediram para não
fazer isso, mas você consideraria tirar este manuscrito de mim agora?
Você pode me ligar depois de ter a chance de lê-lo, pois eu sei que
você tem que ler todos os outros manuscritos primeiro. ”
Meredith olhou para Jake, que estava a poucos metros de distância,
cobrindo o sorriso com a mão. Nenhum fã apaixonado estava se
aglomerando nele como ambos esperavam. Toda a ação girou em
torno de Meredith.
“Na verdade, eles deixaram claro que não devemos aceitar nada do
que é carinhosamente chamado de ' manuscritos do mercado negro '.
O diretor da conferência precisa manter um registro de quantos
manuscritos chegaram. Isso os ajuda a avaliar quantas pessoas
precisarão para a equipe no próximo ano. ”
“É apenas uma história”, disse o homem. "E é curto."
"Você pode perguntar no estande de informações", disse Meri. "Eu
não sou capaz de tirar de você."
Suas palavras firmes aparentemente desencorajaram todos os
conferencistas reunidos em torno de Meredith, e a multidão se
dispersou. Jake se aproximou dela com um sorriso. “Talvez eu deva
pedir seu autógrafo agora, antes que você se torne popular demais e
esqueça que me conheceu”, ele brincou.
"Olha quem Está Falando!"
"É por isso que sei do que estou falando", disse ele secamente.
Dezenas de pessoas estavam no saguão. Nenhum deles parecia
interessado que Jake Wilde estivesse em sua presença. Isso ou
ninguém ainda tinha descoberto.
“Vamos,” Meredith disse, caminhando rapidamente em direção à
porta. "Depressa, antes que alguém descubra que você está aqui."
Jake caminhou um pouco mais rápido e alcançou a porta a tempo
de abri-la para ela. Ele também abriu a porta do carro. Eles partiram
para a noite amena da Califórnia com um silêncio confortável aninhado
entre eles.
Depois que Jake entrou na rodovia, ele disse: “O único lugar que eu conheço

tem cheesecake que pode se comparar com o que você nos serviu é o
Cheesecake Factory em Hollywood. Espero que não se importe que
seja um pouco difícil. ”
"Não está bem. Isso vai me dar a chance de me desculpar e gritar
com você, ”Meredith disse.
Jake se virou para olhar para ela com surpresa. “Devo escolher qual
escuto primeiro?”
"Não. Você consegue ouvir o pedido de desculpas primeiro. Eu fui
um pouco tagarela ontem à noite. Eu não deveria ter dito muitas coisas
que disse. ”
"Nenhum deles me incomodou", disse Jake calmamente.
“Isso me leva à parte dos gritos. Não te incomodou sair com o braço
em volta de mim, mas me incomodou. Isso me fez sentir usado. Fui eu
quem flertou ontem à noite, mas você armou para mim. "
“Eu não via dessa forma.”
"Como você viu isso?"
“Atuar, talvez. Não sei. Sinceramente, não estava tentando usar você,
Meredith. Acho que não deveria ter envolvido você na minha saída.
Peço desculpas."
"Desculpas aceitas", disse Meredith, recostando-se e apreciando que
Jake estava com o ar condicionado baixo e as janelas fechadas. O
rádio nem estava ligado. Este passeio foi uma mudança pacífica de ser
carregado por Chad.
“É bom sair da convenção,” Meredith disse, mudando o tom antes
que eles se preocupassem em avaliar qualquer outra coisa.
"Eu posso ver por quê." Jake olhou para ela. "Seus adorados fãs não
vão te deixar em paz, vão?"
"Como você aguenta?"
“Eu não gosto muito disso.”
“Tive essa impressão em Glenbrooke”, disse Meri.
“Eu acho que porque Glenbrooke é uma cidadezinha tranquila, eu
causei mais agitação do que o normal,” Jake disse pensativo. “Aqui não
tem tanta pressa, sabe? Muitos atores e atrizes estão pela cidade.
Você percebeu que não recebi nenhuma atenção no saguão esta noite.
Eles estavam todos se aglomerando ao seu redor. "
“Isso é porque eles querem algo de mim. Eles querem seus livros
publicados e eu sou o guardião. ”
"Você lidou com isso com facilidade, eu percebi."
"Oh, você acha?" Meredith deu sua risada magnífica, leve e arejada.
"Isso é porque você não sabe o que eu estava pensando."

Jake riu junto. “Não tenha tanta certeza disso! Eu escondi muitos
pensamentos maldosos enquanto dava autógrafos. Há algo sobre ser
presumido que me deixa difícil. É como se algumas pessoas
pensassem que devo algo a elas simplesmente porque me
reconhecem. ”
“Parece ser assim,” Meredith concordou. "Nunca pensei muito sobre
isso antes."
“Há um ano, estava em um pequeno café em Pasadena. Depois que
terminei meu café e meus doces, percebi que deixei minha carteira em
casa. É um lugar familiar administrado por um casal alemão. A Frau
literalmente me levou pelo braço até a cozinha e me mandou lavar a
louça. ”
Meredith riu. "O que você fez?"
"Eu lavei pratos", disse Jake com um
encolher de ombros. "Eu não posso
acreditar nisso."
"Isso ocorreu há um ano. Então Falcon Pointe apareceu e, algumas
semanas depois, parei novamente na cafeteria. A mesma mulher me
reconheceu. Você consegue adivinhar o que aconteceu? ”
"Ela queria seu autógrafo."
"Isso foi apenas o começo! Ela pediu ao marido que tirasse nossa
foto, que agora está pendurada na parede em uma bela moldura
dourada de oito por dez . Ela me carregou com seus pãezinhos frescos
e bolo de café e me disse que sempre que eu entrasse, o café seria de
graça. ”
Com uma risada mais prateada, Meredith disse: "Você disse a ela
que era o vagabundo que lavava os pratos dela, não foi?"
Jake balançou a cabeça. "Eu não consegui lembrá-la." Meredith
olhou para Jake pensativamente. Ela novamente notou o dele
marca de nascença abaixo da orelha direita. Tinha a forma de um
ninho de pássaro. Pelo menos é o que parecia para ela. Mas então, ela
percebeu que era uma pessoa que viu o retrato de Elvis nos veios da
madeira de seu armário da cozinha. De uma forma doce e boba, a
marca de nascença do ninho de pássaro a confortou. Jake não era
apenas cem por cento humano, mas também tinha uma tatuagem
dada por Deus que representava para Meredith tudo o que estava livre
e seguro em sua floresta. Ela estava começando a se permitir se sentir
assim com ele.

“Tenho um amigo que fez sucesso em Hollywood”, continuou Jake.


“E ele ficou esperto. Ele carregava cartões de visita com seu nome
gravado em um lado e sua assinatura pré-impressa do outro lado.
Sempre que era abordado em shoppings ou restaurantes, ele tirava os
cartões do bolso e as pessoas iam embora felizes. ”

“Você vai comprar alguns cartões assim?” Meredith perguntou.


“Eu não acho que vou precisar. Minha popularidade parece estar
diminuindo. E eu não me importo nem um pouco. Você notou ontem à
noite que ninguém nos seguiu para fora do auditório? Acho que é uma
boa indicação de que estou de saída. ”
"É isso que você quer?"
Jake acenou com a cabeça e olhou por cima do ombro esquerdo
para mudar de faixa. “Estou muito mais interessado em dirigir e
produzir neste momento da minha vida. Atuar é um trabalho árduo.
Acho que não tenho estômago para isso. ”
Meredith ficou surpresa com suas palavras. “Parece que produzir e
dirigir também seria difícil. Muitas longas horas, toneladas de
responsabilidade. ”
“É verdade, mas algo sobre o processo criativo me dá energia. Com a
atuação, você tem que pegar a ideia de outra pessoa e criar um
personagem que reflita o que os outros tinham em mente. Acho que
gosto mais do lado da criação. ”
“Porque você tem imaginação,” Meredith sugeriu suavemente. Jake
pensou um minuto. “Talvez seja isso. Eu também tenho interesse em
ver as crianças esticarem a imaginação. É por isso que quis escrever
este roteiro. O que Clive Staples fez para abrir a imaginação há mais de
cinquenta anos ainda não foi duplicado, na minha opinião. ”
“Clive Staples?”
Jake olhou para Meredith e sorriu. “É assim que chamo
carinhosamente de Lewis. CS Lewis. Você nunca se perguntou o que
suas iniciais significavam? "
“Não, eu acho que nunca fiz. Sempre pensei que o nome dele era
Jack. ” “Era assim que os amigos dele o chamavam. Eu pesquisei
quando estava em
ginasial quando fiz uma reportagem sobre um dos contos de Nárnia.
Decidi então que qualquer um que pudesse ser batizado de 'Clive
Staples' e encontrar uma maneira de contornar esse nome seria meu
herói. ”
Meredith perguntou com cautela: "Isso é por causa do seu
sobrenome?" "Sim", Jake respondeu rapidamente. “Ser um 'Wartman'
era sobre o
pior maldição que uma criança no ensino fundamental poderia ter. Isso
e ter cabelo ruivo. ”
"Seu cabelo é realmente ruivo?"
“É marrom com um brilho vermelho profundo. Não sei como explicar.
É uma cor estranha e não natural. Eu não aguentava quando era
criança. ” Jake saiu da rodovia e parou em um semáforo vermelho em
um distrito comercial repleto de prédios altos.
“O meu é de um marrom fosco,” Meredith confessou de repente. "EU

comecei a pintar quando eu estava na oitava série e minha mãe teve


um ataque. Ela superou isso rapidamente, porém, porque eu era a mais
nova de quatro filhas, e acho que ela e papai perderam o fôlego quando
se tratou de preservar a imagem da família. Eu pintei novamente quatro
meses depois com um tom ainda mais claro de loiro, e tem sido esta
cor desde então. ” Meredith sentiu suas bochechas começarem a
corar. “Não acredito que estamos sentados aqui contando um ao outro
sobre nossas histórias de coloração de cabelo .”
Jake riu. “Você se esquece, eu vi você no meio de um de seus rituais
de colorir. Não era segredo para mim. ”
Meredith riu, sentindo-se mais envergonhada com as circunstâncias
de seu primeiro encontro do que na época.
"Eu acho", disse Jake, parando em um estacionamento e esperando
o atendente chegar ao carro, "qualquer pessoa que pinte o cabelo tem
grande imaginação."
Meredith gostou de suas palavras. Ela gostou de suas histórias e seu
estilo descontraído. Ela gostou especialmente de seu cabelo. "Deixe-
me abrir sua porta", disse Jake, pegando sua bolsa de couro preto.
Ele abriu a porta de Meredith e pegou a multa do manobrista,
deixando as chaves no carro. Eles caminharam alguns quarteirões,
passando por pequenas lojas e cafés com mesas ao ar livre.
"Onde estamos?" Meredith perguntou. Pareceu-lhe que esta rua
poderia ser o centro da ilha de Whidbey, mas os prédios altos
assomando no céu noturno atrás das lojas atraentes davam a
sensação de estarem em um pequeno vão da cidade grande.
"Rodeo Drive é por ali", disse Jake, acenando com um aceno de
cabeça. “Esta é Beverly Hills.”
"Você está brincando."
"Não é o que você esperava?"
"Não tenho certeza do que
esperava."
“Não fico muito por aqui, então não serei um guia turístico muito útil,
mas estou aqui para comer um cheesecake e vale a pena viajar.”
Meredith percebeu os grupos de pessoas sentadas do lado de fora
dos cafés pelos quais passavam e passeando ao longo das vitrines
sob a brisa fresca da noite. Ela estava vestida perfeitamente. As
pessoas eram chamativas aqui, bem vestidas e elegantes. Uma mulher
por quem passaram usava um largo chapéu de palha, short preto e
óculos escuros, embora fosse escuro. Ela usava sandálias douradas
com saltos pontiagudos e seu minúsculo poodle branco estava na
ponta de uma coleira de prata. Era difícil não olhar para as pessoas
enquanto elas passavam.
Jake abriu a porta de um restaurante, e eles se aproximaram da
recepção para colocar seus nomes. As pessoas estavam por toda
parte,

em pé e esperando para se sentar.


“Demorará cerca de quinze minutos, Sr. Wilde”, disse a anfitriã.
Por um momento Meredith ficou impressionada que a garota sabia
quem era Jake, mas então Meri percebeu que ele havia dado o nome
quando pediu um estande. Ela não pôde deixar de olhar ao redor. O
lugar devia estar apinhado de gente conhecida . Ela pensou em tentar
dar uma espiada na lista de espera para ver se reconhecia algum
nome. Mas não a atraía da maneira que teria feito há vários meses.
Sua imagem e seus pensamentos sobre estrelas de cinema eram
diferentes agora. Eles mereciam uma noite fora para comer uma fatia
de cheesecake sem causar confusão, como todo mundo.
"Você gostaria de esperar lá fora?" Jake sugeriu.
"Certo."
Eles deslizaram pela multidão, e Meri notou sua bolsa preta
novamente. Era para ser uma reunião de negócios? Meri tentou se
controlar. Tudo sobre a viagem parecia um encontro. Ela estava
aproveitando cada minuto de estar com este homem.
Não exponha seu coração tão rapidamente. Desacelerar. Tem cuidado.
Ele nunca indicou que está interessado em que isso seja algo mais do
que um relacionamento comercial, não é?
O contraego de Meredith vibrou: "Ele disse na mensagem por telefone
que estava ansioso para vê-lo."
Sim, ela argumentou de volta, mas Helen diz isso também. Isso
poderia ser uma linha de negócios .
Um momento de silêncio caiu no campo de batalha de sua mente, e
então seu contraego disparou sua bala de canhão mais rápida. "Os
meros associados de negócios geralmente deixam uma uva no seu
travesseiro?"

Capítulo Vinte e Cinco

T hey foram sentados em uma cabine janela cerca de vinte minutos


depois. Meredith estava nervosa. A conversa do lado de fora foi sobre
uma dúzia de coisas não relacionadas, como que tipo de garantia ela
obteve com seu Explorer e como seus pais estavam desde a renúncia
de seu pai.
O menu foi entregue a Meredith. Era uma lista alta e extensa de
todos os tipos de alimentos.
"Você já jantou?" Jake perguntou.
Ela não conseguia se lembrar. No momento ela não sentia muita
fome. “Por favor, peça o que quiser. Fica por minha conta."
Meredith examinou a longa lista e parou no final com um sorriso.
"Eles têm muffins, Jake", disse ela, olhando para ele por cima do menu.
"Eu ainda devo a você um inteiro, não amassado."
O sorriso de Jake se espalhou por seu rosto. Ele se inclinou para
frente e disse: "Você sabe que é a única pessoa no mundo que já me
pegou com uma pegadinha como essa?"
"Mesmo?" Meredith endireitou o corpo e endireitou os ombros para
demonstrar o quão orgulhosa estava de seu sucesso.
"Você é muito original."
Ela deu um sorriso malicioso. "Foi o que ouvi."
"Você não acha isso um elogio?"
Meredith balançou a cabeça. “Isso se enquadra ali com 'mas ela tem
uma grande personalidade'. ”
Jake riu. “Não, de jeito nenhum”, disse ele. “Você sabe como poucas
pessoas criativas sobraram neste mundo? Tantos conformistas e

imitadores. Você é genuíno. Original. É muito raro. ”


“Então agora eu sou rara,” Meredith brincou. “Você quer ir direto ao
ponto final?” Seu nervosismo e insegurança estavam colocando sua
boca em movimento antes que sua mente tivesse a chance de revisar e
aprovar as palavras. "Vá em frente. Diga - sou a pessoa mais estranha
que você já conheceu. Eu ando por aí parecendo um alienígena de
rosto verde ; Eu faço shows de fantoches no chão de cabines de
caminhões; Eu bato comida na cara das pessoas; Eu danço com
blow-up manequins. O que eu deixei de fora? "
“Você desempenha um papel muito convincente nas esquetes de conferências.”
"Sim, eu jogo um idiota muito convincente." Meredith se sentia
insegura. Ela daria qualquer coisa para parecer sofisticada e elegante
como as pessoas ao seu redor neste restaurante.
"Essas são todas as coisas que você faz", disse Jake, inclinando-se e
aquecendo-a com seus amáveis olhos castanhos. "Isso não é quem
você é."
Meredith engoliu suas palavras. Eles caíram com força. Ele estava
certo. Antes que ela tivesse a chance de responder, o garçom parou
diante deles.
"Você decidiu?"
"Eu gostaria de um cappuccino", disse Jake. Ele olhou
para Meredith. "Receio não ter tido tempo para decidir."
"Quer beber alguma coisa, então?"
“Hum, sim. Vou querer um café com leite.
Descafeinado com leite desnatado. ” “Um 'por
que se preocupar'”, repetiu o garçom.
"Um o quê?"
“Um 'por que se preocupar.' Isso é o que chamamos de descafeinado
com leite desnatado. ” “Você está certo,” Meredith disse rapidamente
antes que ele se afastasse.
“Isso é muito chato. Você poderia mudar isso para um destes? ” Ela
apontou para uma lista de bebidas especiais de café no final do menu.
“Que tal uma Floresta Negra?”
"Certo. Isso é um café expresso com leite mocha com cereja e
chantilly. ”
"Parece muito incômodo", disse Meredith. "Eu vou levar."
Jake parecia estar cobrindo o sorriso com a mão enquanto examinava
o verso do menu, onde as dezenas de cheesecakes aromatizados
estavam listadas. “Eu comi framboesa com limão”, disse ele. "Isso foi
matador." “Olhe para esta lista!” Meredith silenciosamente leu todos os
tipos de cheesecake e se decidiu por gotas de chocolate. Jake pediu o
limão. O garçom trouxe seus cafés, anotou seus pedidos e voltou
alguns momentos
mais tarde, com duas fatias enormes de cheesecake alto e fofo.
Meredith deu uma mordida e disse: “Você está certo. Este é um
segundo próximo ao cheesecake de Rondi. ” Ela deu uma segunda
mordida e quase engasgou

nele quando viu quem estava se aproximando da mesa. Foi Clint


James.
Clint tinha sido sua estrela de cinema favorita quando ela estava na
faculdade. Ele apareceu em cinco filmes durante seus quatro anos de
faculdade, e ela tinha visto cada um deles pelo menos meia dúzia de
vezes. O que colocou Clint no topo de sua lista de estrelas de cinema
foi que ele apareceu como um ator infantil em sua sitcom favorita.
Todas as sextas-feiras à noite quando ela estava crescendo, Meredith
se plantava na frente da televisão às oito horas e esperava por sua
“dose” semanal de Clint James. Ela gastou sua mesada suada em
pôsteres dessa estrela adolescente, que era pelo menos sete anos
mais velha que ela. Os pôsteres foram comprados de seus amigos na
escola e levados para casa, onde ela os escondeu em seu quarto,
implorando a Shelly para guardar seu segredo. As filhas de Graham não
podiam perder seu tempo ou dinheiro com essa "adoração a ídolos".
Agora, aqui estava o ídolo de carne e osso , bem ao lado de sua
mesa. Clint deu um tapa nas costas de Jake e disse: “Achei que fosse
você, Wilde. O que você está fazendo fazendo favela por essas
bandas? ”
“Clint,” Jake respondeu, estendendo a mão para apertar. "Como você
tem estado? Ouvi dizer que o acordo com a Left Coast Productions
parece estar acontecendo para você. Parabéns."
“Veremos,” Clint disse, voltando seu foco para Meredith. “Os papéis
finais ainda não foram assinados.” Ele soltou uma série de palavras de
quatro letras . “Eles não sabem o que estão fazendo lá. Não acho que
haja meio cérebro entre todos eles. ”
Mais palavrões saíram de sua boca, e então, com seu rosto
finamente esculpido voltado para Meredith, ele perguntou: "E quem é
este?"
“Clint, gostaria que conhecesse Meredith Graham. Meredith, este é
Clint James. ”
Meredith descobriu que não sentia nenhum temor frenético ao
conhecer e apertar a mão de Clint James. Seu hálito cheirava a álcool
e ele segurou a mão dela por muito tempo para um simples aperto de
mão. Ela realmente teve o desejo de lavar a mão depois que ele a
devolveu.
“Jake já te disse que ele deve seu sucesso a mim? Fui eu que
consegui para ele o papel em Falcon Pointe . ”
Meredith sorriu educadamente. "Ele não tinha mencionado isso ainda."
"Vamos, Jake, você está se tornando uma grande decepção." Clint
colocou o braço em volta do ombro de Jake e colocou alguns
palavrões incisivos na mesa antes de dizer: “Você está sabotando uma
carreira perfeitamente boa. Eu te entrego Hollywood em uma bandeja
de prata, e você recusa

a sequência. Você é um ingrato, é isso que você é. ” O juramento


continuou por mais duas frases enquanto Clint agredia Jake com suas
acusações de jogar fora as oportunidades de uma vida inteira de
escrever um roteiro cafona para crianças.
Meredith ficou surpresa com o quão bem Jake recebeu a
repreensão, que era alta e desagradável.
Clint voltou sua atenção para Meredith. “Ele está te mostrando um
bom tempo? Porque se você está pronta para se livrar desse perdedor,
pode vir comigo, linda Meredith. Estamos indo para Malibu. Jake nunca
quer ir a essas festas comigo, mas uma mulher bonita como você não
deveria ficar a noite toda presa com um perdedor como Jake. " Clint
pegou a mão de Meri em um gesto de persuasão.
Isso teve um efeito negativo sobre ela. Ela puxou a mão e disse
calmamente: “Acho que sou uma perdedora maior do que Jake. Veja,
uma vez eu admirei você, Clint James. Até pensei que queria conhecê-
lo algum dia. Isso foi antes de eu saber que você era um mulherengo
bêbado e palavrão. Obrigado pelo tiro de realidade. ”
Clint parecia chocado. Meri se afastou dele e se concentrou no
cheesecake como se ele não estivesse ali.
Ela podia ouvir Clint dando um tapa nas costas de Jake e dizendo:
"Você com certeza sabe como escolher, Wilde."
Jake permaneceu em silêncio. Meredith podia ouvir Clint se
afastando. Ela se perguntou o que as pessoas ao seu redor estavam
pensando. Não importa. Ela não se importava com o que os outros
pensavam. Esta foi uma encruzilhada em sua vida. Toda a franqueza e
confiança que ela tinha quando se tratava de assuntos editoriais
encontraram sua voz no lado cotidiano de sua personalidade. Helen
teria dito a ela que ela tinha "poder". Ela se sentia livre, livre para ser
seu eu original, sem ser controlada pelo que outras pessoas
pensavam. Neste momento ela acreditou que poderia até enfrentar sua
mãe.
Quando Meri finalmente olhou para Jake, ele estava olhando para
ela. Parecia que ele ainda estava tentando decidir se apreciava a
reação dela ou se isso o incomodava.
“Não há muitos cristãos nesta indústria”, disse Jake lentamente,
falando com palavras gentis e calmas. “A maioria das pessoas com
quem saio é muito parecida com Clint.”
"E isso torna tudo bem?" Meredith desafiou.
“Acho que o que estou tentando dizer é que nem todos têm os
mesmos padrões ou estilo de vida que eu, mas ainda sou amigo de
muitos deles. Às vezes, eles se abrem e me perguntam sobre minha fé.
Me dá

uma chance de contar a eles sobre meu relacionamento com Cristo. ”


Meri se sentiu condenada por sua ousadia. “Peço desculpas se eu
estava fora da linha. Você acha que acabei de arruinar uma amizade
para você? "
"Não. Duvido que ele se lembre de ter conhecido você. Sem ofensa.
Não é porque você não é memorável, porque você é. É porque ele está
um pouco alto para se lembrar disso amanhã de manhã. ”
Meredith largou o garfo e olhou para Jake. Memorável. Original.
Esses são os únicos sentimentos que ele tem por mim?
De repente, ocorreu a Meredith, na esteira de sua recém-descoberta
liberdade de ser intimidada por estrelas de cinema ou controlada pela
opinião de outras pessoas, que ela poderia controlar seus sentimentos
por Jake. Ela não precisava sair por aí jorrando seu interesse
emocional por ele, como fizera na noite anterior. Ou provocando-o
dizendo que ele era louco por ela, mas não estava disposto a admitir
isso.
Ela poderia se conter e ter um pouco de disciplina nessa área
emocional de sua vida também. Ela havia evitado por muitos anos
confiar em um cara o suficiente para lhe oferecer a chave do jardim de
seu coração. Por que deveria ser diferente agora só porque seu
coração batia forte, sua espinha latejava e sua respiração parava
sempre que ele entrava na sala?
Essas são reações químicas , Meredith disse a si mesma com
firmeza. Jake estava certo. Shelly estava certa. Posso dizer a Clint
James para cair fora. Posso me defender com um enxame de escritores
em uma conferência. Posso viver sozinho e plantar minha própria horta.
Certamente posso crescer emocionalmente e parar de fazer papel de
boba com Jacob Wilde .
"Você tem algum negócio que deseja discutir?" Meredith disse,
pegando Jake de surpresa.
"Sim eu quero. Não temos que pular direto nisso, a menos que você
queira. ”
"Pode ser uma boa ideia", disse Meredith.
“Tenho algumas perguntas sobre um dos pontos do contrato”, disse
Jake, pegando sua pasta. "Eu ia enviar para Helen, e ainda posso, mas
pensei que, já que você estava bem aqui, poderia ser útil se eu
soubesse de você."
"Tudo bem", disse Meredith. O sentimento de estar-fora-de-Jake, só-
nós -dois- de-nós que ela experimentou no caminho foram se
dissipando rapidamente quando ela assumiu seu papel de
editora de aquisições e Jacob se tornou apenas um cliente para ela.
Ele puxou alguns papéis de sua bolsa e os examinou linha por linha.
Meri explicou a cláusula de franquia do contrato da melhor maneira
possível e anotou o número de telefone de Dan, o

assessor jurídico da editora.


Jake terminou seu cheesecake. Ela comeu cerca de metade do seu e
bebeu a maior parte do café da Floresta Negra. Tudo parecia ter
perdido o sabor quando ela repreendeu seus sentimentos e suavizou
sua abordagem com Jake. Ela se sentia pesada. Talvez um pouco
triste.
Depois que Jake pagou a conta e ela agradeceu devidamente, eles
voltaram para o carro.
"Você está bem?" Jake
perguntou. "Sim, tudo bem."
"Parece que você ficou quieto depois que Clint saiu."
Meredith caminhou ao lado de Jake mais meio quarteirão e então
parou. Ele parou também. Eles estavam na frente de uma loja de
produtos de beleza, e Jake olhou pela vitrine da loja fechada como se
Meredith tivesse parado por causa de algo que viu na vitrine. Então ele
se virou para olhar para o rosto dela.
Ela tentou manter um sorriso alegre ali para cumprimentá-lo.
“Comecei a pensar sobre o que você disse na minha casa sobre os
relacionamentos serem baseados em compromissos lógicos ao invés
de respostas emocionais.”
"Sim", disse Jake, parecendo confuso.
Meri olhou para baixo e depois para cima. "Eu concordo com isso.
Tenho cedido às minhas respostas emocionais muitas vezes. As
coisas sedutoras que eu disse a você ontem à noite, o jeito que eu falei
com Clint. Não preciso ser tão controlado pelo que sinto. Estou
inaugurando uma nova era em minha personalidade. ” Ela abriu os
braços. “Esta é a nova e melhorada Meredith Graham. Uma mulher
mais sábia e menos balística. ” Ela deu um tapa na testa com a mão.
"O que eu estou fazendo?"
"O que você está fazendo?" Jake
perguntou. "Eu estou tentando …"
Jake esperou que ela terminasse.
“Você não sabe como é ...” Suas
sobrancelhas se ergueram e ele
esperou.
Dentro de Meredith, um vulcão estava prestes a explodir. Ela queria
dizer a esse homem que era louca por ele, que adorava estar com ele e
queria beijar o ninho do passarinho em sua mandíbula e assumir todos
os tipos de compromissos com ele. Mas se tudo isso fosse uma
reação química, então, de acordo com a filosofia de Jake, era inválido.
Ela estava dizendo a si mesma para não ouvir seus sentimentos e
dar passos lentos e constantes de progressão lógica no
relacionamento. Deixe Deus resolver os detalhes.
Além disso, ela apontou para si mesma, como uma mulher de tal

paixão alguma vez ser feliz com uma cabeça de peixe fria como Jake?
Mas ele não estava com frio. Ele era muito gentil, terno e se
preocupava com seus amigos bêbados estrelas de cinema.
Talvez tenha sido ela. Jake simplesmente não estava interessado
nela do jeito que ela estava nele. Ela não fazia seu coração disparar
como ele fazia com o dela.
Foi um trabalho exaustivo impedir a erupção de um vulcão.
Meredith respirou fundo. “Eu não sei o que estou dizendo. Não me
escute. Deixa para lá."
"Tem certeza? Parece que algo está realmente incomodando você. ”
Ela queria gritar de volta: “Algo está me incomodando! É você!
Você está me deixando louco!"
Mas tudo o que ela disse foi: “Tenho certeza. Esqueça o que eu disse. ”
Eles começaram a andar novamente. Depois de cerca de um metro e
oitenta, Jake parou e disse: "Meredith, há algo que quero te perguntar."
"Sim?"
“É muito importante”, disse Jake. “Eu não sei como você se sentirá
sobre isso. Eu tenho tentado decidir se devo dizer alguma coisa. ”
"Está bem. O que você quer perguntar?"
Jake respirou fundo e disse: “Vamos para o carro. Acho que você
pode querer se sentar quando eu pedir. "
Eles caminharam rapidamente em direção ao estacionamento,
nenhum deles falando.

Meredith de repente entendeu por que Shelly disse que odiava os


jogos de gato e rato de Meredith . Eles eram divertidos apenas para o
gato e absolutamente nada para o rato.
Capítulo Vinte e Seis

T hey estavam no carro e puxando para fora do estacionamento


antes de Jake surgiu a pergunta. “Não é realmente uma grande coisa.
Bem, talvez seja e talvez não seja. Não sei. Só não sei como você se
sentirá sobre isso, e é muito incomum que eu pergunte a você. "
"Tenho certeza que está tudo bem", disse Meri, sua
paciência se esgotando. “Você tem a liberdade de me dizer
que estou louco”, Jake começou. Eu também tenho a
liberdade de dizer que você está me deixando louco?
“Quando eu vi você na esquete ontem à noite, eu tive uma ideia.
Você se lembra que eu disse que ainda precisávamos lançar o papel da
Donzela da Cachoeira? Eu gostaria de saber se você consideraria um
teste para o papel. ”
Meredith olhou para ele com pouca resposta emocional. Era possível
que ela tivesse usado todas as suas emoções ardentes tentando negar
seus sentimentos durante a última meia hora.
"O que está envolvido?"
“Você precisaria vir ao estúdio amanhã ou no dia seguinte e ler o
papel. Vamos gravar você e passar para o diretor de elenco. O papel
não é muito grande, mas é crucial arranjarmos alguém imediatamente
porque começaremos a filmar em uma semana. As cenas com a
Donzela da Cachoeira estão na primeira sequência de filmagens. ”
“Claro,” Meredith disse com um encolher de ombros.
"Você vai fazer isso?" Jake olhou para ela e de volta para a estrada.
"Isso é ótimo! Claro, não posso garantir que você vai conseguir o papel,
já que o diretor de elenco tem a palavra final, mas acho que você tem o
visual certo e o

voz. Você provou ontem à noite que pode atuar. Eu acho que pode ser um
boa partida."
“A que horas devo ir ao estúdio?”
“Eu posso pedir para Chad te buscar. Ou melhor ainda, como está
sua agenda amanhã depois da meia-noite e meia? "
"Abrir. Eu ensino meu último workshop às onze. ”
"É quando o meu também está programado", disse Jake. “Isso vai
funcionar muito bem. Vou levá-lo comigo depois que terminarmos
nossos workshops, e podemos levá-lo de volta ao hotel sempre que
precisar. O teste de tela deve levar apenas uma hora ou mais. ”
"Tudo bem", disse Meredith, ainda sem emoção sobre o convite.
Ela permaneceu sem emoção pelas próximas 12 horas. Jake a
deixou no hotel quase às onze. Ela agradeceu, e eles concordaram em
se encontrar no saguão amanhã assim que os workshops
terminassem. Meredith voltou para seu quarto e leu os manuscritos até
duas e meia da manhã. Ela compareceu à primeira consulta matinal às
nove e meia um pouco tonta e se reuniu com as pessoas até o
workshop às onze.
Foi fácil dedicar-se ao tópico “Aprendendo com seus erros”, pois ela
sentiu que havia cometido incontáveis erros com Jake. Como ela disse
aos alunos em seu workshop: “Não tenha medo de cometer erros. Só
não seja idiota e cometa o mesmo erro duas vezes. ” Ela se perguntou
se isso se aplicava tanto a relacionamentos quanto a publicações.
Ela poderia apagar todos os seus discursos loucos da noite anterior
e começar de novo com Jake hoje? Ela tinha que acreditar que isso era
possível; caso contrário, tudo o mais em sua oficina também seria
falso.
Ela não seria uma idiota e cometeria o mesmo erro duas vezes. Ela
acalmava suas emoções quando estava perto de Jake e se lembrava
continuamente de que era apenas um acordo de negócios. Eles se
encontraram no saguão, e Jake a levou às pressas para o carro,
brincando que não queria que nenhum de seus devotos alunos a
seguisse. Ele conversou durante todo o caminho até o estúdio sobre o
papel da Donzela da Cachoeira, dizendo que sua explicação sobre o
cenário a ajudaria a se preparar para o papel.

“Você se lembra da filha de Ramandu na Viagem do Peregrino da


Alvorada? Jake perguntou. “O pai dela era uma estrela em repouso.
Todas as manhãs, os pássaros traziam para ele uma baga de fogo do
Valley in the Sun. Ele comeria a fruta e ficaria mais jovem. ”
“Eu não me lembro exatamente dessa parte,” Meredith admitiu.
“A filha dele acabou se casando com o Príncipe Caspian. Ela acolheu

Príncipe Caspian e sua tripulação em sua jornada para o Extremo


Oriente. Uma grande mesa de banquete foi colocada para eles. ”
"Sim eu lembro. Os três lordes narnianos adormeceram à mesa.
"Isso mesmo. Pense na filha de Ramandu ao ler esta parte. O traje
será um longo vestido azul esvoaçante com brilhos. Assim como uma
cachoeira. ”
“Daí o nome, Donzela da Cachoeira.”
"Exatamente", disse Jake. “Eu deveria ter falado para você vestir o
que estava usando ontem à noite. Foi um visual perfeito para este
teste de tela. ”
Meredith agora usava um terno clássico: saia de linho, blusa de seda
e jaqueta de linho combinando. Era da cor da manteiga e não mostrava
seus cabelos e olhos como a roupa turquesa. Mas a cor amanteigada
de baunilha combinava com o que ela sentia enquanto ia para o
estúdio com Jake. Brando. Neutro. Inofensivo para ninguém.
No estúdio, Meredith foi conduzida a uma pequena sala à prova de
som. Ela teve meia hora para ler as duas páginas do diálogo e uma
garrafa de água mineral. Quando tudo estava pronto, ela parou na
frente da câmera de vídeo e leu a parte para o cinegrafista, com Jake
parado ao lado dele. Jake continuou sorrindo, oferecendo elogios não
verbais. Meredith teve dificuldade em entrar no papel. Ela interrompeu
o teste antes que estivessem na metade.
"Eu sinto Muito. Preciso de mais um
minuto aqui. ” "Sem problemas", disse
Jake.
A câmera parou, a luz vermelha apagou e alguém entrou pela porta.
Foi Chad. Ele tinha uma mensagem para Jake.
"Eu já volto", Jake prometeu. “Vá em frente se você estiver pronto.”
Meredith leu as primeiras linhas novamente e tentou esclarecê-la
pensamentos. Ela realmente não se sentia nervosa. Ela não sentia
muita coisa. Aliviado apenas por Jake não estar mais na sala olhando
para ela.
“Pronto para começar?” perguntou o
cameraman. Ela assentiu.
"Do topo. E ação ”, disse ele.
Um homem baixo parou na frente de Meredith e ergueu uma placa
dizendo: "Meredith Graham, Donzela da Cachoeira, Take Two." Com
uma batida rápida no tabuleiro, ele se afastou e a câmera se
aproximou.

“Salve, jovem viajante,” Meredith começou, sentindo-se mais livre e


mais interessada no papel. "De onde você veio?"

Um leitor sentado em uma cadeira ao lado leu o trecho de Young


Heart. Meredith permitiu que suas expressões faciais e movimentos
corporais refletissem sua resposta ao que Young Heart estava dizendo
a ela.
“Então você escolheu bem. Entre agora no Vale da Paz. Sua jornada
adiante conterá muitas mais aventuras. Você deve estar descansado
antes de poder abraçá-los. ”
Ela fez um gesto elegante e acolhedor com o braço e a mão aberta.
“Venha, Jovem Coração. Beba da água viva até que sua alma se
apague. Coma da generosidade preparada aqui para você. ”
Young Heart então questionou como ele poderia saber se esta era
mais uma armadilha como as muitas que ele já havia enfrentado.
“Você não pode saber,” a Donzela da Cachoeira respondeu
gentilmente. “Você só pode escolher entrar ou seguir seu caminho. A
crença não oferece garantias até que o viajante tenha entrado de todo
o coração. ”
Ela leu por mais cinco minutos, sentindo-se cativada pelo
personagem que estava interpretando. De repente, importou muito que
ela conseguisse o papel.
“E corta”, disse o cinegrafista depois que ela falou a última linha. Ele
saiu de trás da câmera e disse: “Isso foi bom. O chefe vai gostar deste.

Meredith juntou suas coisas, ainda sentindo seu coração palpitar por
ter colocado tanto na leitura. Ela conversou com a mulher que estava
sentada na cadeira e lia as falas para ela.
"Devo esperar aqui?" Meredith perguntou.
"Poderia muito bem. Jake estará de volta eventualmente. Você já fez
muito isso? ”
"O que? Atuando? Ninguém."
"Mesmo?" A mulher na cadeira parecia impressionada. “Você tem o
visual certo e a voz certa para esta parte. Acho que você pode se sentir
bem confiante de que vai conseguir. ”
Jake entrou apressado pela porta com uma prancheta na mão.
"Você está quase pronto para entrar aqui?"
"Já entendi", disse o cinegrafista, acenando para a câmera. “Quando
você quer ver?”
"Prepare-o para Jan, e nós o veremos em seu escritório." Ele se virou
para Meredith. "Aquilo foi rápido."
Meredith assentiu.
“Você quer voltar para o centro de conferências ou pode ficar por
aqui um pouco?”
Ela olhou para o relógio. "É melhor eu ir. Eu tenho uma pilha de manuscritos

para ler antes dos meus compromissos noturnos. ”


“Próxima conferência”, disse Jake, aproximando-se, “diga a eles que
você não consegue ler manuscritos. Você está lá apenas para ensinar.
Isso é o que eu fiz."
“Claro,” Meredith disse com uma provocação em sua voz. “Você não
é um editor de aquisições. É por isso que me convidaram para vir. Eu
compro livros, como você bem sabe. Não posso fazer nenhuma
exigência e dizer que sou um ator famoso como você. ”
"Ainda não", disse Jake, dando-lhe uma piscadela, que só ela
percebeu. “Vamos decidir depois de ver a fita se você vai ser uma atriz
famosa ou não.”
Chad levou Meredith de volta ao hotel. Ele falou três palavras durante
todo o caminho. Desta vez, ela pediu que ele deixasse as janelas
abertas e o ar condicionado ligado. Ela também perguntou se ele se
importaria de desligar o rádio. Ela havia trazido manuscritos com ela e
queria fazer algumas leituras. Chad obedeceu, mas ela poderia dizer
que ele não estava feliz com isso.
Meredith leu dois manuscritos na viagem de volta e marcou seus
comentários no formulário do editor que acompanhava cada
manuscrito quando ele foi devolvido ao conferencista pela estação
central. O sistema era bom, e Meredith descobriu que não estava tão
sobrecarregada quanto pensara a princípio. Mais quinze manuscritos
esperavam por ela de volta na sala. Se ela lesse por cerca de quatro
horas esta noite, ela provavelmente poderia terminar todos eles. Em
seguida, ela se encontraria com sua próxima rodada de compromissos,
começando às nove da manhã e indo até uma e quinze.
Vestindo um short e uma camiseta, Meredith puxou uma cadeira
para sua pequena varanda para que pudesse tomar sol nas pernas
brancas. Assim que ela se acomodou e pegou o primeiro manuscrito, o
telefone tocou.
"Olá. Este é o Meredith Graham? "
Ela reconheceu a voz de Jake, mas não estava acostumada com sua
saudação alegre. "Oi, Jake."
Ele fez uma pausa antes de dizer: “Acho que tenho boas notícias
para você. Você conseguiu o papel! ”
"Mesmo?" Ela vinha tentando não pensar nisso desde que esperava
por isso, e isso tornava ainda mais provável, em sua opinião, que não
funcionasse. Ela sabia tudo sobre como a esperança adiada deixa o
coração doente.
“Precisamos que você desça amanhã e faça o guarda-roupa de
Muriel. Eu deveria ter pensado nisso hoje para economizar a viagem
adicional. ”

"Tudo bem. Estarei livre a maior parte da tarde de amanhã, e meu


avião não sai antes das sete e meia da noite de amanhã. ”
“Muriel só está aqui até às quatro de amanhã. Devo enviar Chad por
você? "
Meredith se sentou rapidamente na beira da cama. A notícia a
atingiu e ela se sentiu um pouco fraca com os joelhos. “Não, vou alugar
um carro. Assim posso dirigir até o aeroporto. Não acho que Chad
queira me ver nunca mais. ”
“Os papéis precisam ser assinados, é claro, e Gina maquiada quer
algumas fotos Polaroids.”
"Papéis?" "Seu
contrato."
De repente, os papéis se inverteram no relacionamento, e Meri foi
quem se sentiu perdida. “Eu preciso de um agente?”
"Você tem um?" "Não,
mas eu conheço
alguns."
"Você decide. É um contrato padrão para atores não sindicalizados.
Pelo tamanho da sua função e pela sua experiência, temo que você
não terá muito poder de negociação, se é isso que está pensando. ”
Meredith começou a rir e caiu de costas, rindo do teto onde ela havia
escrito aquela carta desagradável para Jake algumas noites atrás.
Todas as suas palavras ferozes foram apagadas.
“Não, Jake, não estou pensando em negociar nada. Isso tudo é tão
inesperado. Eu não esperava que funcionasse. ”
“É uma boa surpresa para nós dois”, disse Jake. “Começamos a
filmar em Glenbrooke na segunda-feira.”
"Segunda-feira!"
"Sim. Precisamos de você lá por pelo menos dois dias, mas planeje
três ou quatro, já que são os primeiros dias de filmagem. Muita coisa
pode dar errado. ”
"OK. Entendi. Amanhã vou para o estúdio por volta das duas horas,
vou me encontrar com Muriel, assinar alguns papéis, deixar Gina tirar
algumas fotos Polaroid de mim e chegar ao LAX às seis. Poderia
acontecer."
“Pode e vai acontecer. Você é um salva-vidas, Meri. Seu teste de tela
foi perfeito. ”
Ele nunca a chamara de Meri antes, e ela não tinha certeza se
gostou tanto quanto quando ele disse Meredith, e isso saiu de sua
língua.
“Eu gosto desse personagem. Ela vai ser divertida de jogar. ”
"Eu também acho", disse Jake. “Agora, que tal sair para jantar
comigo? Podemos comemorar. ”
Foi a vez de Meredith fazer uma pausa. Uma cachoeira de pensamentos e
sentimentos

caiu em cascata sobre ela, quase afogando-a na cama. Se ela não


terminasse de ler todos os manuscritos esta noite, ela nunca seria
capaz de deixar a conferência à uma hora amanhã. Ela ficou lisonjeada
por ele querer comemorar com ela, mas e se fosse uma confusão
emocional como a noite passada na Cheesecake Factory?
"É melhor eu não", disse ela
lentamente. Jake esperou.
“Tenho uma pilha enorme de manuscritos para ler e realmente tenho
que lê-los esta noite.”
"Entendo." A decepção ficou evidente em sua voz. "Espero que eles
vão rapidamente para você."
“Obrigada,” Meredith disse, mordendo o lábio inferior e se
perguntando se ela tinha feito a escolha certa.
“Vejo você no estúdio, então, amanhã. Você se lembra de como
chegar aqui? ”
“Sim, saída Valley View,
certo?” "Direita."
"Vejo você perto das duas horas", disse Meri. "Tchau, Jake." "Adeus,
Meredith." Pela primeira vez, sua despedida soou triste.

Capítulo Vinte e Sete

M eredith leu como uma louca. Ela pediu o serviço de quarto, faltou
à sessão noturna e continuou lendo e escrevendo os comentários de
seu editor até bem depois da meia-noite. De todas as idéias que ela
tinha visto durante a conferência, apenas uma proposta parecia um
livro em que GH Terrison Publishing poderia estar interessado.
Meredith escreveu seus comentários sobre esse último. Ela pediu ao
escritor que fizesse algumas alterações e depois enviasse a cópia
revisada para Shawn no escritório de Chicago.

Ela se sentiu maravilhosa tendo todos os manuscritos agora em


uma pilha alta "para fora". Em casa, a pilha de saída cresceu tanto, mas
sempre vinham mais.

Ela caiu em um sono profundo e sonhou com cachoeiras e uma bela


donzela remando pelo lago no mesmo barco que ela e Jake haviam
compartilhado para o piquenique matinal. Quando o alarme soou na
manhã seguinte, Meredith tentou trazer seu sonho com ela para o
mundo desperto. Mas, como todas as coisas feitas de vapores
leves como uma pluma, seu sonho fugiu antes que pudesse se
aclimatar às duras realidades do mundo. As imagens doces voltaram
ao seu mundo de sonho.
Ocorreu a ela no chuveiro que Jake não tinha aparecido em seu
sonho, pelo menos até onde ela se lembrava. Isso significava que ele
não tinha acesso aos jardins lá no fundo, como ela pensava que ele
tinha? Jake só parecia maravilhoso e intrigante porque ela queria que
fosse assim? Talvez nada estivesse lá para começar, nenhuma reação
química mesmo.

Todas as análises lhe deram dor de cabeça.


Vestindo-se rapidamente e empacotando suas roupas enquanto seu
cabelo secava, Meredith percebeu que ia se atrasar para o
compromisso das nove horas. Não havia nada que ela pudesse fazer a
respeito. Ela esperava poder recuperar o tempo em outro lugar pela
manhã e não ter que reprogramar ninguém para a tarde.
Quando ela desceu para a área de reunião, eram 21h10. Ela viu uma
pequena mulher sentada sozinha à mesa que tinha o nome de
Meredith no cartaz. Com sinceras desculpas, Meredith conheceu a
mulher mais velha e apertou sua mão. Quando a mulher disse seu
nome, Meredith achou que parecia familiar. Então ela se lembrou.
“Tenho algo encorajador para lhe contar”, disse ela. “De todos os
manuscritos que li aqui esta semana, o seu foi o único que achei que
poderia ser compatível com a nossa editora. Eu tenho isso aqui. ”
A mulher parecia prestes a chorar quando Meredith lhe entregou o
envelope pardo com as notas do editor na capa. “Eu fiz algumas
sugestões. Gostaria que você fizesse essas alterações e, em seguida,
enviasse ao editor que listei para você. Certifique-se de incluir um
envelope endereçado e selado. Isso não é garantia de que
compraremos seu livro, mas é uma história adorável e acho que tem
muito potencial. ”
“Obrigada,” a mulher disse, se levantando e se curvando para
Meredith. Parecia ser seu costume asiático. Meredith acenou com a
cabeça para trás e felicitou a mulher novamente por seu bom trabalho.
"Obrigada", disse a mulher novamente. "Você me deu esperança."
Ao sair, Meredith imaginou como deve ter sido difícil para uma
mulher de sua idade ir a uma conferência como essa e tentar vencer as
chances de publicar um livro. Meri gostou de saber que pelo menos
uma pessoa deixaria a conferência com alguma esperança. A
esperança era uma coisa boa.
Os compromissos continuaram, um após o outro, até quase meio-
dia, quando Meredith teve um intervalo de quinze minutos . Ela foi ao
banheiro e então pegou uma barra de chocolate na máquina ao lado do
telefone. Os próximos três compromissos transcorreram como um
relógio. À uma e quinze, ela foi liberada do hotel e sentou-se no carro
alugado que ela havia providenciado para esperar por ela. Tudo estava
dando certo.
Ela tirou o carro do estacionamento do hotel e foi para o estúdio. Era
difícil para ela analisar o que sentia por Jake no momento. Em algum
lugar lá dentro, uma fonte de lógica surgiu, e ela começou a avaliar e
comentar cada um de seus pensamentos da mesma maneira que

tinha feito uma lógica ordenada da pilha de manuscritos que ela havia
vasculhado durante os últimos dias.
Primeiro, você acabou de fazer vinte e cinco anos. Esse pânico por sua
condição de solteiro estava fadado a atingi-lo. Jake estava por perto quando
o pânico o atingiu .
Em segundo lugar, você queria que Jake fosse a resposta a todas as
suas orações. Você desejou a si mesmo em suas respostas emocionais .
Terceiro, você tentou fazer algo do nada. Só Deus pode fazer isso.
Salvar uma uva como se tivesse um significado especial é ridículo. Você
estava se preparando para o desapontamento .
E quarto, este não é o momento de sua vida em que você precisa
procurar um relacionamento duradouro. Espere mais cinco anos .
Meredith observou o carro pelo espelho retrovisor enquanto ela
mudava de faixa.
Ok, mais três anos. Em três anos, você terá se estabelecido com a
Terrison Publishing bem o suficiente para que, se quiser tirar algum
tempo para se casar e ter filhos, eles vão deixar você trabalhar
meio período e recebê-lo de volta depois que os filhos chegarem escola .
Soltando um suspiro e entrando na rodovia, Meredith disse a si
mesma que estava certa em suas quatro leis lógicas. Fazia sentido
guardar seu coração como fizera todos esses anos. Quando fosse a
hora certa, ela saberia, e agora não era um momento conveniente para
começar um relacionamento com um homem que morava a mil
quilômetros de distância e estava trabalhando dia e noite em sua
produção de vídeo.
Nos veremos muito nos próximos meses com os livros e o vídeo. Se eu
tivesse deixado minhas emoções irem embora, só complicaria ainda mais a
manutenção de nosso relacionamento profissional. Estou feliz por ter
começado a pensar com clareza antes que fosse tarde demais .
Meredith encontrou o estúdio sem problemas e entrou no prédio
exatamente às 1:50. Ela se dirigiu para o canto de trás, onde Jake havia
mostrado o guarda-roupa em sua primeira visita. Muriel estava
esperando por ela e ficou encantada por Meri chegar cedo. Entregando
a Meri o vestido diáfano azul que havia sido criado para a atriz
originalmente escalada como a Donzela da Cachoeira, Muriel mostrou
a Meredith a pequena área de vestir. Meri colocou o vestido
espetacular.
Não havia espelhos no camarim. Apenas ganchos para pendurar
roupas. Meredith desistiu de tentar fechar o zíper do vestido e saiu,
pedindo a Muriel para ajudá-la.
Com o rosto voltado para o espelho de corpo inteiro perto da porta,
Meredith admirou o traje enquanto Muriel trabalhava para prendê-lo
nas costas. A cor era um azul mais suave do que turquesa, mais
parecido com o azul do ovo do tordo .

O tecido era tão transparente quanto um sussurro com um forro fino e


combinando. O corpete estava coberto com minúsculos brilhos e
mangas onduladas até os cotovelos . O tecido azul suave flutuava em
camadas e camadas abaixo da saia longa, cortado em ângulos como
asas de fada emplumadas. A parte mais incrível é que ele se encaixou
tão bem. Muriel começou a prender as laterais, o que precisava ser
feito com apenas um beliscão. Ela instruiu Meredith a ficar em cima de
uma caixa acarpetada para verificar a bainha. Não era uma bainha reta,
mas era pontudo por todas as camadas de tecido azul transparente
que caía em cascata no chão.
Muriel mexeu, beliscou e espetou Meredith duas vezes por acidente.
A costureira estava decidida a marcar a cintura para poder prender a
saia na cintura.
Meredith observava seu reflexo no espelho e tinha certeza de que era
Cinderela, e a qualquer momento os ratinhos viriam correndo para
ajudar Muriel a costurar este vestido encantador.
Houve uma batida na porta. Nenhum rato apareceu. Apenas Chad, o
grande rato, dizendo a Meredith que ela precisava ficar lá para que
Gina, da maquiagem, pudesse vir tomar alguns “Roids”.
Alguns momentos depois, uma Gina ruiva apareceu de shorts,
tamancos e uma camiseta rosa que dizia “Sr. Bolha." Ela tinha que ser
uma das mulheres mais simples que Meredith tinha visto durante seu
tempo em Los Angeles. Gina não usava nenhuma gota de maquiagem
e seus olhos pareciam arregalados e protuberantes como os de um
sapo. Ela não parecia ter cílios. Suas sobrancelhas eram loiras e muito
fracas ou ela não tinha nenhuma.
"Bom", disse Gina, verificando a luz acima de sua cabeça antes de se
aproximar de Meredith. “Fique assim. Eu preciso de um sério. ” Ela
clicou na câmera Polaroid e puxou a foto lentamente. “Aqui, espere um
segundo. Agora, um sorrindo. Muito bom. Espere. ”
"Você precisa de um com a peruca?" Muriel perguntou.
"Não faria mal", disse Gina. Ela tinha uma voz adorável com sotaque.
Australiano, talvez?
Muriel pegou a foto revelada da mão de Meredith e disse a ela para
se demitir. - Agora abaixe-se - ordenou Muriel. “Cuidado com os
alfinetes.”
Tarde demais. Meredith já havia se arpoado do lado direito. Muriel
levantou uma peruca branca extremamente longa e a colocou na
cabeça de Meredith. Parecia que pesava cinquenta quilos.
"Prenda o cabelo atrás da orelha", Gina instruiu. Ela avançou e
começou a mexer na peruca, tentando endireitá-la. O cabelo ondulado
branco caiu sobre os ombros de Meredith e para baixo dela

de volta até que tocou o chão. Muriel puxou algumas das longas
mechas sobre a frente do vestido de Meredith.
Meri se olhou no espelho e sorriu. “Eu pareço algo saído de um
conto de fadas”, ela disse, surpresa com o quanto a peruca
transformou sua aparência, especialmente com o vestido.
"Essa é a ideia", disse Muriel.
"Tudo que eu preciso é uma
varinha."
“Sem varinha. Desculpe." Muriel tentou enfiar os cabelos loiros
perdidos de Meredith sob a peruca do lado. “Faremos uma tampa
adequada e tudo para você quando chegar a hora. Isso é bom o
suficiente por agora. ”
"É bom o suficiente para mim", disse Gina, tirando mais algumas
fotos, uma do centro e outra de cada lado. “Você é alérgico a algum
cosmético que conheça?” Perguntou Gina.
"Não que eu saiba."
"Tudo bem então. Meu trabalho aqui acabou. Vejo vocês dois na
segunda-feira no local. ”
Muriel ajudou Meredith a tirar a peruca pesada. Meredith
imediatamente se sentiu mais fria e leve. - Também vou te ajudar com
o vestido - ofereceu Muriel. “Esses alfinetes podem ser um problema.”
Meri tinha acabado de tirar o vestido e estava na cabine colocando
suas roupas quando houve outra batida na porta. Desta vez foi Jake,
não Chad, quem entrou. Ela correu para vestir a saia jeans e
a camiseta.
"Você precisa fazer muitas alterações, Muriel?" Jake
perguntou. “Chega,” a mulher prática disse categoricamente.
"Gina já tirou as fotos?" "Ela
acabou de sair."
"Excelente. Onde está nossa Donzela da Cachoeira? ”
- Bem aqui - disse Meredith, balançando o cabelo despenteado e
abrindo a porta do vestiário.
Quando seus olhos se encontraram, o sorriso de Jake se espalhou
por seu rosto. Seu olhar se suavizou. Ele definitivamente deu a ela um
olhar terno e agradecido.
E por que ele não deveria ser grato? Acabei de impedi-lo de atrasar a
produção enquanto tentava encontrar uma Donzela da Cachoeira .
"Você tem um minuto?" Jake perguntou. “Temos que revisar alguns
papéis.”
Meri olhou para Muriel, que deu um aceno silencioso de que ela tinha
acabado com ela. "Certo. Eu sou todo seu."
Oh, isso foi bom. Eu sou todo seu. Por que você simplesmente não
disse “sim”?

Jake a conduziu escada acima para uma sala comprida e estreita


que havia sido transformada em um escritório. O lugar estava
abarrotado de quatro escrivaninhas, uma copiadora, uma máquina de
fax, vários computadores e uma grande televisão em um canto.
“Não é muito glamoroso, eu sei,” ele se desculpou quando eles
passaram por duas outras pessoas. Um estava digitando em um laptop
e o outro estava ao telefone. “Esses caras mal podem esperar por nós
irmos ao local para que eles possam ter seu espaço de volta. Vamos
sentar na mesa do canto. ”
Jake abriu um lugar na mesa e puxou alguns papéis da gaveta. “Este
é o contrato padrão. Você pode levá-lo com você, mas precisamos que
ele seja assinado antes de começarmos a filmar na segunda-feira. ”
Meredith assentiu.
“Aqui está nossa programação de produção e seu roteiro. O script é
o mesmo que você leu para o teste de tela. Não há nenhuma mudança
ainda. Eu deixei alguma coisa de fora? Oh sim, segunda-feira. A
tripulação estará toda em Glenbrooke até sexta-feira ou sábado, o mais
tardar. Se você pudesse passar o fim de semana fora e vir, seria útil.
Estou pedindo a todos os atores que estejam lá no domingo à tarde.
Quero pegar a luz da manhã, então planeje se maquiar às três horas da
manhã de segunda-feira. ”
"Ok", disse Meredith, absorvendo todas as informações. "Algo mais?"

Jake fez uma pausa e olhou para ela. Ele se inclinou sobre a mesa e
baixou a voz. "Estive pensando em algo que você disse e acho que
você pode estar certo."
Meredith não conseguia imaginar o que ela havia dito. A única coisa
que veio à mente foi quando ela disse que ele era louco por ela, mas
muito legalista para admitir.
“Você disse que faltava algo e acho que está certo. Mas não consigo
descobrir o que é. ”
Meredith não sabia o que dizer. Algo estava faltando em seu
relacionamento? Qual relacionamento? Eles não estavam tendo um
relacionamento. Quando ela disse que faltava algo?
“Repassei o roteiro ontem à noite e não consigo ver, mas sei o que
você estava dizendo. Há algo faltando na história. ”
Oh, a história!
“Se você tiver a chance de dar uma nova olhada, ou se você ainda
tiver tempo para pensar sobre isso nos próximos dias, e ver algo que
podemos melhorar, você me ligaria imediatamente?” Ele entregou a ela
seu cartão de visita. “Meu número de celular está atrás. Liga para mim

a qualquer momento." Aquele sorriso caloroso surgiu em seu rosto


bonito e ele disse: “Adoraria ouvir de você. A qualquer momento."
Capítulo Vinte e Oito

L comeu noite de sexta Meredith realizada cartão de visita de Jake


entre o polegar eo indicador e examinou-o da mesma forma que ela
havia examinado a uva. Ela não aceitou o convite dele para telefonar
nos últimos dias simplesmente porque tinha muito o que fazer. O
trabalho e as ligações tinham que ser retomados, e ela teve longas
conversas com Shelly e Helen sobre essa reviravolta de eventos da
Donzela da Cachoeira. Helen recomendou que um advogado em
Seattle examinasse o contrato de atuação, e Meri se encontrou com
ele naquela manhã. Ele a aconselhou a ir em frente e assinar e cobrou
cem dólares por seu tempo.

Então ela teve que fazer as malas. Não apenas roupas para a
semana que ela planejava ficar em Glenbrooke, mas também toda a
parafernália de negócios. Ela teve suas ligações encaminhadas para
seu telefone celular e embalou seu computador e duas caixas de
manuscritos. Ela decidiu que não queria deixar Elvis sozinho em casa
de novo, então arrumou o aquário dele dentro de sua pequena caixa de
gelo e o prendeu no chão do banco de trás, onde ela pensou que ele
sentiria menos solavancos.
Tudo estava pronto. Ela estava pronta para dormir e então caiu na
estrada quando o despertador tocou às cinco da manhã. Ela chegaria a
Glenbrooke perto do meio-dia de sábado, dando a ela a chance de se
instalar na casa de Kyle e Jessica.
Algo dentro dela queria ligar para Jake. Ela olhou para o número do
celular dele no verso do cartão de visita, fechou os olhos tentando
memorizá-lo e verificou novamente. O que ela diria se o fizesse

telefonar para ele? Desde que se despediu dele em LA, ela o colocou para fora
de seus pensamentos e emoções. Ele queria saber o que estava
faltando no roteiro. Ela ainda não sabia. Ela não tinha motivo para ligar.
Apagando a luz e orando na quietude de seu quarto, Meredith caiu
em um sono profundo e doce. O alarme a tirou da cama às cinco, e ela
entrou em ação, preparando todas as coisas de última hora . Ela
decidiu colocar uma jaqueta quente e foi até o armário do
quarto de hóspedes para puxá-la. Quando ela abriu a porta do armário,
o homem da guarda Fred saiu, assustando o recheio dela.
"O que? Você quer vir comigo para que possamos fazer uma piada
com Shelly? OK. Que bom que você pensou nisso, Fred. ” Meredith
colocou o manequim inflável no banco de trás, deitando-o de lado para
que pudesse ficar de olho em Elvis em seu domínio do baú de gelo .
Ela pegou a estrada na hora certa, pegou a balsa mais cedo e não
atingiu nenhum tráfego em Seattle, o que a surpreendeu. Quando ela
chegou a Portland, três horas depois, ela estava pronta para um
alongamento. Ela saiu da rodovia e comprou gasolina. Enquanto a
atendente enchia o tanque, ele ficava olhando para Fred no banco de
trás. Meredith abaixou a janela e perguntou onde poderia encontrar
uma boa xícara de café e alguns doces. O atendente olhou para ela
com desconfiança e contou sobre um lugar chamado Mama Bear's. Ele
disse que ficava a cerca de um ou dois quilômetros de distância na
Hawthorne, mas garantiu que eles tinham os melhores rolos de canela
da cidade.

Meredith não se importava com a pequena corrida se isso


significasse pãezinhos de canela premiados . Ela encontrou a padaria
em uma fileira de lojas charmosas e estacionou algumas portas abaixo
em frente a uma floricultura chamada ZuZu's Petals. Antes de sair, ela
decidiu que era melhor cobrir Fred para que os transeuntes não o
notassem deitado ali. A única coisa que ela tinha em mãos era um
saco de lixo preto. Ela abriu a porta dos fundos e rapidamente colocou
a sacola na cabeça de Fred e puxou-a para baixo. Só chegou a cerca de
joelhos, mas ela percebeu que estava tudo bem. Ninguém notaria jeans
e dois pés com tênis surrados. Era o rosto que eles sempre notavam e
foi isso que assustou as pessoas.
Ela trancou o carro e entrou na padaria. O aroma quente e acolhedor
de canela a saudou, e ela bebeu profundamente de sua fragrância.
Uma mulher redonda com um avental brilhante gritou: "Bom dia". O
avental era verde com peras amarelas por toda parte. Isso lembrou
Meredith de seu avental limão em casa, e ela teve que se esforçar para
afastar a imagem de Jake em sua cozinha usando seu avental limão.

Meredith pediu um café normal, leite e um pãozinho de canela. O


pãozinho era enorme e servido quente em um prato com um garfo. Ela
foi até a caixa registradora, onde uma adolescente bonita com cabelo
loiro encaracolado e rebelde pegou seu dinheiro. A garota estava com
o mesmo avental brilhante e uma fileira de pulseiras prateadas que
tilintavam no braço que tilintavam alegremente como um carrilhão de
vento quando ela deu o troco a Meredith. O sorriso alegre do
adolescente convidou a um sorriso de volta de Meredith.
Ah, ser jovem e inocente. Agora existe um Coração Jovem. Isso
aparece em seu rosto. Não é uma preocupação no mundo, aposto .
Uma jarra ao lado do caixa registrava uma placa que dizia: Se você
tem medo da mudança, deixe aqui. Meredith sorriu e jogou o troco no
frasco de gorjetas. Ela levou o pãozinho e o café para uma mesa lateral
e voltou para pegar o leite. Olhando para o relógio na parede atrás dela,
ela percebeu que era um urso marrom com o mostrador do relógio em
sua barriga.
Nove e quarenta e cinco. Eu tenho muito tempo .
Ela apreciou cada mordida em seu pãozinho e observou a jovem no
caixa. Formou-se uma fila de clientes e todas as mesas, exceto uma,
estavam ocupadas.
No fundo de sua mente, Meri começou a juntar alguns fios finos de
uma ideia. Talvez o que faltou no roteiro do Young Heart era que se
tratava apenas de um menino. Que tal trazer uma garota para a
história?
Meredith não conseguia juntar todas as peças, mas ela sabia que o
grânulo de uma boa ideia estava lá. O elemento suave e feminino daria
à história muito mais dimensão. Com um último olhar para a garota no
caixa, Meredith se dirigiu para o carro, ansiosa para voltar para a
estrada. Quando ela saiu do Mama Bear's, ela notou uma multidão de
pessoas reunidas ao redor de seu carro. Uma mulher baixa e vigorosa
com cabelo preto azeviche estava ao lado do Explorer de Meri. Ela
segurava um taco de beisebol e estava pronta para bater na janela
traseira.
"Ei!" Meredith gritou, correndo para o carro. "O que você está
fazendo?" “Este é o seu veículo?” perguntou um homem na
multidão.
"Sim! O que está acontecendo?"
Todos olharam para ela e uns para os outros, nenhum querendo
falar. "Eu chamei a polícia", disse a mulher de cabelos escuros , ainda
empunhando o bastão. Ela parecia disposta a atacar
Meredith. "Qual é o problema? Eu estacionei no seu
espaço? ”
“Você tem que explicar quando a polícia chegar”, disse a mulher.
"Observe-a. Certifique-se de que ela não saia correndo. ”
De repente, ocorreu a Meri que todas essas pessoas estavam espiando

a janela traseira, olhando para Fred com o saco de lixo na cabeça. Ela
soltou sua risada cintilante e todos pareceram ainda mais assustados.
Mais pessoas se reuniram.
“Esse é o meu homem da guarda,” Meredith disse levemente. “Ele é
um daqueles companheiros de viagem infláveis. Eu vou te mostrar." Ela
atravessou a multidão e destrancou a porta dos fundos. Levantando
Fred e tirando o saco de lixo, Meredith o mostrou para o grupo
desconfiado de espectadores.
Uma onda de risadas percorreu o grupo.
“Charlotte,” uma mulher disse para a garota mal-humorada com o
bastão, “você definitivamente bebeu café demais esta manhã.
Qualquer um poderia dizer que era um manequim. "
Charlotte parecia humilhada. Ela largou o taco. Com um encolher de
ombros e uma risadinha fraca, ela disse: "Desculpe".
"Tudo bem." Meri abriu a porta da frente e posicionou Fred no banco
do passageiro, com cinto de segurança com alça de ombro . A
multidão se dispersou e Charlotte voltou para dentro do ZuZu's Petals
ainda discutindo com a outra mulher que ela não tinha como saber que
era apenas um manequim.
Ansiosa para sair da agitação das manhãs de sábado em
Hawthorne, Meri voltou para a rodovia e não parou novamente até
chegar a Glenbrooke. No fundo, ela pensou em como adicionar o
elemento feminino ao Coração Jovem.
Kyle era o único em casa quando Meri chegou no início da tarde. Ele
a ajudou a carregar suas coisas e deu uma boa risada sobre o guarda
Fred. Meri decidiu deixar Fred no carro para que ela pudesse levá-lo
para a casa de Shelly naquela noite. Ela esperava fazer algum trabalho
antes disso. Kyle ofereceu a Meredith seu escritório e preparou uma
mesa extra para ela usar como estação de trabalho. O aquário de Elvis
foi a primeira coisa que ela colocou no canto da mesa.
Enquanto configurava o laptop e conectava o telefone para
recarregá-lo, ela perguntou a Kyle: "Por acaso você tem uma cópia de
Pilgrim's Progress de John Bunyan?"
Kyle sorriu. “Em que idioma você gostaria?” "O
que?"
“Lá em cima”, disse ele, apontando para uma fileira de livros na
prateleira de cima. “É o meu hobby desde que nos mudamos para cá.
Eu colecionei trinta e quatro cópias. Sete deles estão em idiomas
diferentes. ” Ele parecia orgulhoso de sua coleção, e com razão.
“Só preciso de uma cópia. Em inglês por favor."
Kyle deslizou a escada com rodas até a prateleira superior e desceu

com uma edição com capa de couro de 1902 . “É a versão mais


recente e tem a encadernação mais resistente”, explicou.
"Obrigado. Isto é perfeito."
"Posso pegar algo para comer ou beber antes de mergulhar em seu
projeto?"
“Seria ótimo beber alguma coisa. Eu posso pegar."
"Não, deixe-me." Kyle voltou em poucos minutos com um prato de
queijo, biscoitos e maçãs, uma garrafa de vidro de um litro de água
mineral com gás e um copo cheio de gelo.
“Que serviço!” Meri comentou. "Obrigado, Kyle."
"Sem problemas. Estou indo para o acampamento. Jess e Travis
devem chegar em casa logo. Vou deixar um recado para ela que você
está aqui. ”
Meredith começou a trabalhar, lendo o roteiro, procurando um lugar
provável para inserir outro personagem. Ela imaginou um companheiro
de viagem para Young Heart. Mas como isso funcionaria?
Houve uma batida na porta.
"Está aberto. Entre."
Ela ouviu passos e pensou que Kyle havia voltado, então não ergueu
os olhos dos papéis.
Uma voz rica atrás dela disse: "Ele parecia solitário em seu carro,
então eu o trouxe."
Meri se virou para ver Jake parado ali com o braço em volta de Fred.
Ela começou a rir. O boné de beisebol de Fred estava virado para trás,
ele estava com os óculos de sol de Jake e sua camisa estava
desabotoada e pendurada. Seus braços estavam dobrados, fazendo-o
parecer um cantor de rap.
“Ele só precisa de calças largas e algumas correntes de ouro e
podemos colocá-lo na capa de um álbum. O que você acha?" Jake
estava gostando desse momento.
"Eu acho que você é um pouco louco", disse Meri.
"Da rainha dos loucos, vou tomar isso como um elogio." Jake largou
Fred e o manequim sem apoio tombou. “O cara não consegue segurar
seu refrigerante”, brincou Jake.
“Ajude-o a encontrar um canto agradável e tranquilo para se sentar,”
Meredith disse. "Estou trabalhando aqui."
"Estou vendo", disse Jake. "Devo levá-lo de volta para o seu
carro?" "Boa ideia."
Jake voltou alguns minutos depois e parou diante da mesa recém-
arrumada de Meredith. Ele bateu na tigela de Elvis e o observou nadar,
sem ser afetado. Meredith continuou trabalhando como se Jake não
estivesse lá.

“Sua diligência é muito impressionante, Srta. Graham. No entanto,


uma pessoa sábia certa vez me lembrou das palavras de Eclesiastes,
capítulo 4, e cito vagamente: 'Seu trabalho não tem fim, mas seus
olhos não se contentam com sua riqueza. “Por quem estou labutando”,
perguntou ela, “e por que estou me privando do prazer?” Isso também
não tem sentido - um negócio miserável. ' ”
“Eu ouvi isso em algum lugar,” Meredith disse, olhando para cima
com um sorriso tímido.
"Eu esperava que você tivesse algum tempo livre esta tarde", disse
Jake. “Estamos todos instalados no acampamento e eu disse à equipe
para tirar o resto do dia de folga”. Ele se sentou no sofá de couro do
outro lado da sala e então, aparentemente não contente apenas em se
sentar, ele tirou os sapatos, se esticou e colocou um travesseiro sob a
cabeça.
“É bom para uma pessoa parar de trabalhar e experimentar um
pouco das alegrias da vida”, continuou Jake. Ele cruzou os braços
sobre o peito e fechou os olhos. "Então, que tal?"
"Você parece que sua maior diversão na vida agora seria um cochilo",
disse Meredith, intrigada com a facilidade com que ele acabara de se
sentir em casa.
“ Cochilo ... cochilo . Eu sei que já ouvi essa palavra antes. O que isso
significa? Não consigo me lembrar. ”
Só então eles ouviram pequenos passos batendo no chão de
madeira. Os passos rápidos e maternal de Jessica não ficaram muito
atrás.
"Travis", ela gritou quando a criança entrou correndo na biblioteca.
“Ei, Travis,” Meredith disse. "O que você está fazendo?"
Ele parou e olhou para os dois, seus olhinhos como duas bolas de
gude azuis.
"Olá!" Jessica gritou quando alcançou seu filho. “Eu vi Kyle no meu
caminho. Ele disse que você está tudo pronto aqui. Isso é bom."
Jessica se aproximou para dar um abraço caloroso em Meri. "Você
sabe que pode ficar o tempo que quiser."
"Obrigado. Vocês são tão graciosos. Eu amo estar aqui. ”
Travis seguiu sua mãe e agarrou a barra do short dela. Ele colocou
os dois primeiros dedos na boca e olhou para Jake.
“Você se lembra de mim, não é, Tiger? Eu estive aqui ontem à noite.
Fui eu quem te deu a carona na nave. ” Jake se sentou e abriu os
braços, convidando Travis a ir até ele.
Timidamente, Travis se moveu em direção a Jake, puxando sua mãe
com ele enquanto caminhava. Quando Travis chegou ao sofá, Jake
quebrou sua pose congelada e

cambaleou para a frente, pegando o encantado Travis e virando-o de


cabeça para baixo, fazendo sons altos de nave espacial. Jake se
levantou e ergueu Travis no ar, levando-o para o passeio de nave
espacial de sua vida. Travis estava todo alegre e sem medo.
A cena trouxe risos para Jessica e Meri.
Enquanto Meri observava, uma imagem longamente guardada no
fundo de sua mente desapareceu. Uma nova foto tomou seu lugar. Sua
imagem do marido perfeito, o homem frugal e careca que se parecia
com seu pai, foi substituída por uma nova imagem. A imagem era Jake,
agora, bem aqui, exatamente assim.

Deus, você será misericordioso comigo, por favor? Tire esse homem de
mim agora! Tire ele da minha vida. Estou tentando tanto não ter sentimentos
por ele, mas como no mundo posso permanecer imune a isso? Eu sou apenas
uma mulher, Deus. E eu não tenho um coração de aço .

Capítulo Vinte e Nove

I
I t teve um total de cinco minutos para o comandante espaço para
correr fora do combustível e trazer o pequeno foguete para uma
aterragem no sofá. Seguiram-se alguns minutos de cócegas na barriga
e depois as palavras firmes da mãe. “Vamos, Travis. É hora de eu ler
uma história para você. ”
Meri adivinhou que era um estratagema para colocá-lo em seu
quarto, todo acalmado e sonolento para que estivesse mais disposto a
tirar uma soneca. Jessica e o relutante Travis partiram, e Jake voltou
para sua posição reclinada no sofá.
Sem tirar os olhos dos papéis, Meri disse: "Claro, é difícil fazer
qualquer trabalho por aqui."
Jake fechou os olhos e deixou sua respiração rápida desacelerar. “Eu
amo crianças pequenas”, afirmou. "Eu quero pelo menos uma dúzia."
Meri ficou surpreso com seu comentário, mas deu uma resposta
rápida. “Você sabe o que dizem: 'Primeiro vem o amor, depois o
casamento, depois vem o bebê no carrinho'. Essa progressão pode ser
um pouco confusa para alguém que não acredita no amor. ”
Jake abriu os olhos e virou a cabeça para Meredith. “Eu nunca disse
que não acreditava no amor. Eu disse que não concordo com a ideia de
me apaixonar e deixar que isso seja a base para um relacionamento. ”
Meredith não respondeu.
Jake se sentou. "É por isso que você me chama de cabeça
de peixe fria?" Meredith parecia chocada. "Eu não te chamo
de cabeça de peixe fria!" "Isso é o que Shelly disse."
"Você não pode acreditar em tudo que ouve." Meredith se sentiu

rubor. Ela estava furiosa com sua irmã intrometida. Como pode uma irmã
faça isso?!
“Eu não sou um peixe frio. Eu
sou exigente." “Eu também,”
Meredith atirou de volta.
“Existem muitas armadilhas por aí quando se trata de
relacionamentos.”
“Muitos perdedores,” Meredith ecoou.
Jake se inclinou para frente, as mãos nos joelhos, sua voz
aumentando. “Um relacionamento conjugal é baseado em um
compromisso duradouro, não em sentimentos.”
“Sem sentimentos não seríamos humanos.”
“Com os sentimentos, tomamos decisões fracas e tolas.”
“Se Deus está no controle, tudo o que acontece vem de suas mãos.”

Jake se levantou para encará-la, um oponente digno na guerra de


palavras. “Se dependemos dele, não precisamos depender de emoções
frágeis.”
"Ele fez nossas escolhas emocionais!" Meredith gritou, levantando-
se para enfrentar Jake.
Jake fez uma pausa. Com uma voz mais calma, ele disse: “Eu
acredito no compromisso”.
“Eu acredito no amor,” Meredith
retaliou. “Deus nos chama para uma
vida de compromisso.”
“Então por que ele não disse, 'Estes três permanecem: fé, esperança
e amor. Mas o maior deles é o compromisso '? ”
Jake olhou para ela.
Ela olhou de volta.
Nenhum deles falou.
Meredith se sentou primeiro, um gesto não verbal de sua vitória.
Jake se deitou e deu um longo suspiro. Ele colocou o braço sobre a
testa e continuou respirando profundamente.
Meredith pegou o exemplar de Pilgrim's Progress e começou a
examinar as páginas, tentando colocar sua mente de volta em sua
tarefa. Ela ainda era, acima de tudo, a editora desse homem. Melhor
deixar os cachorros dormindo, por assim dizer.
“Você sabe,” Jake disse calmamente, “o amor é mais do que uma
emoção. É uma escolha primeiro. Essa escolha leva ao compromisso.

Meredith teve que sorrir. Esse cara trabalhou duro para chegar a
essa conclusão. A verdade é que ela concordou com ele. Ela deveria
dar a ele a satisfação de saber disso?
“Você está certo,” ela disse docemente.
"Você concorda comigo?" ele perguntou, abrindo um olho.

"Sim, claro. Cem por cento." "Então,


pelo que estávamos brigando?"
“Isso foi uma luta? Isso não foi uma luta. Você deveria me ver
quando eu lutar! É uma visão grandiosa e gloriosa. ”
Jake balançou a cabeça. "Você é de longe a mulher mais viva que já
conheci."
"Vivo?" Meri repetiu. "Isso é bom. Podemos colocar isso aí com
'original'. ”
Mais uma vez, Jake parecia perplexo. Ele tinha ficado sem munição
verbal e parecia ansioso para fechar os olhos e voltar a dormir.
Meri alisou as páginas do livro precioso de Kyle e começou a fazer
anotações de alguns dos pontos-chave do Peregrino . O personagem
principal, Cristão, iniciou sua jornada após ler na Bíblia que foi
condenado à morte por causa de seus pecados. Ele conheceu
Evangelista, que o encaminhou para o caminho estreito. Com um fardo
pesado pendurado no ombro, Christian tomou o caminho estreito, onde
foi encontrado por muitos que se opuseram ou questionaram sua
busca. Seu fardo foi absorvido por um sepulcro quando ele veio à cruz,
confessou seu pecado e se rendeu a Cristo. O resto da viagem foi
cheio de altos e baixos enquanto Christian avançava em direção à
Cidade Celestial.
Ela silenciosamente leu a parte em que Christian e seu companheiro,
Esperançoso, estavam prestes a entrar na Cidade Celestial. “Os
peregrinos viram que a cidade foi construída de pérolas e pedras
preciosas. As ruas foram pavimentadas com ouro. Os reflexos dos
raios de sol na glória natural da cidade deixaram Cristão doente de
desejo. Ele e Esperançoso gritaram: 'Se você vir meu Amado, diga a ele
que estou doente de amor'. ”
Parece uma reação bastante emocional de um cara que deveria estar
em busca de um compromisso! Ela verificou a nota do autor no final do
livro para verificar suas lembranças. Sim, John Bunyan escreveu este
clássico durante os doze anos que passou na prisão por pregar sem
permissão da igreja estabelecida. Ele escreveu essas palavras por
volta de 1647.
Olhando para Jake, que estava dormindo no sofá confortável, Meri
pensou: Você está errado, Sr. Lógica. A doença do amor e a paixão não
são uma doença americana moderna. Já existe há muito tempo. Se João
pode citar Cânticos de Salomão e se safar, há algo nisso que é maior do
que nós dois .
Meredith percebeu que, assim como o Pilgrim's Progress era uma
alegoria da jornada de um cristão pela vida, talvez se apaixonar
também fosse uma alegoria viva de como será quando chegarmos ao
céu e pudermos cair.

nos braços de nosso amante implacável, Deus. A vida espiritual de


amor e a vida física não estavam tão separadas como ela pensava. Ela
se lembrava de como Jake não queria dar as mãos durante o jantar
quando oravam, porque não queria “confundir” o físico com o
espiritual. Talvez o físico e o espiritual já estivessem tão entrelaçados
que não fosse possível dissecá-los ou limitá-los dizendo que um era
bom e o outro era mau.
Ela percebeu como Jake parecia em paz no momento. Ele estava
com a mão na testa e parecia o pai dela tirando uma soneca de
domingo à tarde no sofá. Aqui estava a prova viva de uma vida física e
espiritual totalmente interligadas.
De repente, como um turbilhão de vento forte, uma forte impressão
veio sobre Meredith, prendendo sua respiração e formigando sua
espinha. Seu coração começou a bater forte. Este foi o homem por
quem ela orou todos esses anos. Ela estava apaixonada por Jake
Wilde, e nada ou ninguém poderia mudar isso. Nem mesmo Jake. Ela
não conseguia controlar suas emoções. Tudo dentro dela declarava
que ela estava em todos os sentidos - física, emocional, espiritual e
mental - doente de amor por aquele homem.
Por que está me dizendo isso, Deus? Que tipo de piada você está
fazendo aqui?
Um forte pensamento veio a ela logo após suas dúvidas: descanse
com esperança .
Ela ficou quieta. Deus tinha acabado de falar com ela? Parecia tão
claro. Essa frase, descanse com esperança , parecia familiar. Meredith
pegou sua Bíblia de referência e olhou em sua concordância confiável.
Lá estava. Salmo 16: 9. Engraçado, esse foi o mesmo capítulo de onde
veio o versículo chave de Jake para sua história de Young Heart.
Meredith leu o versículo para si mesma enquanto Jake dormia profundamente.
“Esperança,” ela sussurrou na quietude. “Descanse com esperança.”
Eu posso fazer isso. Eu posso descansar em você, padre. E eu posso ter
esperança .
Ocorreu-lhe que Hopeful era o nome do companheiro de viagem de
Christian. Ela folheou a história, lendo como Faithful tinha sido seu
companheiro constante no início, mas então Hopeful assumiu e
completou a jornada com Christian.
Meredith começou a ficar animada com esse conceito, embora não
tivesse certeza do porquê. Fiel. Eu tenho sido fiel. Eu me salvei para o
homem certo. Tenho sido obediente à Palavra de Deus. Agora Hope se
tornará minha companheira. É isso que está faltando na jornada do
Young Heart! Ele está tentando tanto e sendo tão diligente com cada
inimigo que enfrenta, mas ele não tem esperança .

Meredith abriu uma nova página de papel e começou a trabalhar,


esboçando suas ideias em frases longas e fluidas. Ela achou esse
método mais libertador para seus sentidos criativos do que digitá-lo no
computador. Em uma hora, ela encontrou a solução e se sentiu tonta
de como tudo aconteceu.
Ligando o computador, ela se preparou para colocar seus rabiscos
em ordem. Seu laptop emitiu um som agudo ao ser ligado. Foi o
suficiente para acordar o gigante adormecido. Enquanto ele dormia,
tudo mudou para Meredith. Ela percebeu e admitiu que estava
apaixonada por aquele homem, sentiu uma nova palavra de
encorajamento e direção de Deus e resolveu o problema do que estava
faltando na história de Young Heart. Com o espírito renovado e
totalmente viva, Meredith o saudou com um sorriso ansioso e
amoroso.
Jake, por outro lado, parecia assustado quando acordou.
Aparentemente, ele tinha dormido tão profundamente que não se
lembrava de onde estava. Quando ele olhou para Meredith, foi como se
ela tivesse surgido do nada. Olhando ao redor rapidamente e
umedecendo os lábios secos, Jake tentou se concentrar em Meredith.
"Você tirou uma boa soneca?" ela
perguntou. "Huh? Ah sim."
Meredith riu para si mesma com o quão sonolento Jake estava. Não
admira que ele tenha fugido de seu quarto em tanto pânico na primeira
vez que se viram. Esse cara pode adormecer em um segundo e dormir
como uma pedra. Ela se perguntou se Eva teria recebido uma recepção
tão encantadora quando Deus acordou Adão de seu sono profundo e
declarou que, uma vez que não era bom para o homem ficar sozinho,
este era o ajudante que ele havia feito adequado para ele.
Tornou-se claro muito rapidamente que, embora Meredith tivesse
ouvido vozes e visões durante a última hora, nenhum anjo apareceu
para Jacob em seus sonhos. Ele parecia quase irritado por ter dormido
tanto.
“Não sei o que aconteceu”, disse ele, sentando-se e passando os
dedos pelos cabelos.
"Você estava cansado", sugeriu Meredith. "Você está indo muito forte
e rápido há muito tempo."
"Eu falei durante o sono?"
Meredith riu. "Não. Você normalmente?"
"Disseram-me que sim." Jake deixou escapar um grande bocejo. Ele
olhou para o relógio novamente. “Tenho que voltar ao acampamento
em cerca de uma hora. Você quer ir até lá comigo? "

"Certo. Primeiro, tenho um anúncio a fazer ”.


"Oh sim?" Jake se levantou e colocou os braços sobre a cabeça. Ele
esticou o pescoço rígido e girou os ombros.
“Eu gostaria de sugerir um novo personagem na série de vídeos e
nos livros.”
“Um walk-on part, certo? Sem linhas? ”
Meredith balançou a cabeça. Seu sorriso era firme. “Eu sei que isso
vai ser um grande aborrecimento, mas estou convencido de que é
disso que a história precisa. Estou empenhado em ajudá-lo a
reescrever. ”
“Você está empenhado em ajudar a reescrever”, ele repetiu. Ele fez
soar como uma piada.
Destemida, Meredith avançou. “O jovem Coração precisa de um
companheiro em sua jornada, da mesma forma que Christian teve Fiel
e então Esperançoso como seus companheiros de viagem. Young
Heart precisa de um companheiro que traga para sua jornada o lado
mais suave da graça e da misericórdia em meio a todas as suas
provações. ”
Jake acenou com a cabeça ligeiramente como se
estivesse rastreando com ela. "Ele precisa de
esperança."
"Esperança", repetiu Jake.
Meredith ergueu seu esboço a lápis de como ela achava que a jovem
companheira deveria ser. "Ter esperança."
Jake se sentou e colocou a cabeça entre as mãos. "Você percebe o
que isso significa? Temos que encontrar uma atriz, reescrever todo o
roteiro, atrasar as filmagens e quem sabe o que mais. ”
“Sim,” Meredith declarou calmamente. "Eu sei."
Jake olhou para ela. Ela quase podia ver o zilhão de pensamentos
correndo por sua mente.
"A escolha é sua, é claro", disse Meredith. “Eu só ofereço isso como
uma sugestão. Você tem uma boa história aqui. Será um bom vídeo e
uma série de livros. Se você adicionar Esperança, acredito que terá
uma ótima história e dobrará o apelo do público ”.
Jake continuou olhando para ela, ainda pensando em tudo isso.
“Você está certo,” ele finalmente disse. “Não quero mudar tudo, não
quero parar a produção, não quero perder dinheiro, mas você tem toda
a razão.”
Meredith deu a ele um sorriso reconfortante. Ela sabia que estava
certa. No fundo, ela se sentia bem. Melhor do que se sentia
emocionalmente, espiritualmente, mentalmente e fisicamente há muito
tempo. Ela estava apaixonada e, em seu coração, descansava na
esperança.

Capítulo Trinta

I t levou apenas dias dez para Meri e Jake para reescrever o script.
Eles trabalharam lado a lado dia e noite. Kyle os deixou assumir seu
escritório e eles o transformaram em um espaço de trabalho duplo.
Desde o início, Meri e Jake se uniram. As ideias de um deles geraram
ideias no outro. Seus hábitos e estilos de trabalho se misturaram,
assim como seus processos de pensamento.
Meri tirou o tempo de folga do trabalho como suas férias de
duas semanas . Como ela nunca tirou férias desde que começou a
trabalhar, não havia problema. Jake mandou a equipe para casa e
imediatamente mandou um fax para o estúdio com detalhes sobre a
seleção do elenco e preparação do guarda-roupa. Jessica e Kyle os
mantinham bem alimentados, e Travis os visitava regularmente,
procurando passeios de nave espacial com Jake e dando beijos
pegajosos e molhados na bochecha de Meri.
Apenas uma vez eles fizeram uma pausa genuína. Numa sexta-feira
à noite, um pouco mais da metade da reescrita, eles decidiram que
precisavam desesperadamente de uma mudança de ritmo. Parecia que
até seus níveis de tolerância eram os mesmos quando se tratava de
quanto eles podiam enfiar em sua imaginação. E Jake era um homem
com imaginação. Meri sabia que havia muito mais histórias dentro dele
que precisavam ser escritas. Ela serviu como uma força propulsora
para colocar suas idéias em movimento.
A pausa deles era para jantar na casa de Jonathan e Shelly. Quando
eles entraram, descobriram que Shelly havia amarrado Bob Two a um
poste no quintal para não atrapalhar a noite.
"A mamãe conseguiu falar com você?" Shelly perguntou.

"Não."
“Ela acabou de ligar para cá e disse que a diretoria ofereceu a papai
um cargo de meio período na igreja como pastor de visitas.”
“Ele pegou? Parece que eles estão apenas jogando um osso para ele
depois de como tudo desabou. "
“Mamãe ficou feliz com isso. Eles vão ficar em casa e,
supostamente, papai trabalhará menos horas. Ela vai voltar para ver
Molly na próxima semana. ”
"Estou feliz que é o que eles querem", disse Meri com um suspiro.
“Sou totalmente a favor de que as pessoas consigam o que desejam.”
Na mesa de jantar, Jonathan perguntou se Jake e Meredith já
estavam prontos para estrangular um ao outro, tendo trabalhado tanto
tempo juntos.

Jake pareceu surpreso com a ideia. “Não, está indo


excepcionalmente bem. Eu sinto que estou junto para o passeio. A
mente de Meri é como uma cachoeira, fresca, fluindo, sempre
transbordando. Eu simplesmente entro na minha pequena jangada e
vou dar uma cambalhota. ”
Meri absorveu suas palavras com gratidão. Apesar de toda a
proximidade de seus dias e noites de trabalho juntos, Jake não tinha
feito nenhum gesto romântico. Meri não sentiu necessidade de tentar
convencer Jake de que eles deveriam ter um relacionamento ou lutar
para compreender ou expressar seus sentimentos. Em todos os
sentidos, ela descansava na esperança.
Jake cortou um pedaço do tenro bife T-bone que Jonathan tinha feito
para ele e disse: “Se eu estivesse reescrevendo este roteiro sozinho,
demoraria um ano. Talvez dois anos. É impressionante o quanto
realizamos em tão pouco tempo ”.
"Você sabe o que dizem", interrompeu Shelly. “Melhor dois do que
um, porque eles têm uma boa recompensa pelo seu trabalho.”
“Não foram 'eles' que disseram isso; foi Deus ”, disse Meredith. “Eu
conheço esse versículo.”
“Você conhece muitos versos”, disse Jake. Ele se virou para Shelly e
Jonathan. “Estaremos escrevendo, e de repente Meri adicionará esta
grande linha. Direi: 'Onde já ouvi isso antes?' e ela irá à sua
concordância e a encontrará. ”
“É uma das desvantagens de ser um PK”, disse Shelly. "Eu tenho o
mesmo problema. Conheço milhares de versos, mas nenhum de seus
endereços. ”
“Meri é a única pessoa que conheço que consegue fazer uma
concordância e encontrar o que procura em um minuto”. Jake deu a ela
um sorriso caloroso.

Parecia a Meri que ele estava começando a sentir algo por ela.
Respeito e admiração, se nada mais. Esses eram bons alicerces para
um relacionamento.
No momento em que terminaram as revisões finais na quarta-feira
seguinte, outros detalhes já haviam se encaixado nas filmagens. O
diretor de elenco havia enviado um lote de vídeos para Jake revisar
para o papel de Hope. Meri e Jessica sentaram-se com Jake para
revisar as jovens atrizes nas fitas. O quarto que viram foi de longe a
melhor escolha. Jake imediatamente fez uma ligação para colocar
todas as rodas em movimento.
“Estamos realmente prontos para chamar a tripulação de volta?”
Jake perguntou enquanto andava pelo escritório.
“Eu acho que sim,” Meredith disse, examinando a bagunça ao redor
deles. “Podemos chamar uma lixeira para limpar este lugar?”
Jake já estava ao telefone, ligando para o estúdio para verificar se
eles estavam prontos para ligar de volta para a equipe. Quando
desligou o telefone, bateu palmas, agarrou Meri pelos ombros e
dançou um pouco. Foi a dança mais desajeitada e com
dois pés esquerdos que Meri já vira. Ela começou a rir e esbarrou em
uma cesta de lixo, derrubando-a.
"Você é um desastrado!" ela disse a ele.
“Mas sou um desajeitado feliz”, disse ele, soltando os ombros dela e
endireitando a cesta de lixo. “A equipe estará de volta aqui no sábado
de manhã, e devemos poder começar a filmar na segunda-feira, se
nossa pequena Hope estiver pronta. Acho que é hora de comemorar! ”
"Contanto que não seja jantar e dança," Meri brincou. "Vou jantar,
mas dispenso a dança."
“Que tal um piquenique na cachoeira?”
Meredith sentiu suas esperanças crescerem. Ele queria voltar para
seu lugar. Sem a pressão, eles podiam relaxar e conversar. Conclusões
maravilhosas podem ser tiradas quando um homem tem a chance de
refletir e comer ao mesmo tempo.
"Vou ver se Jess e Kyle querem vir conosco." Jake saiu correndo do
escritório.
Meri manteve seu sorriso corajoso à mostra quando ele saiu, mas
seu coração estava desmaiando. Tenho sido muito paciente, Senhor.
Quase duas semanas sozinha com este homem, e estou
desesperadamente apaixonada por ele. Eu mantive todo o meu amor
escondido. Por que ele não consegue ver como somos perfeitos juntos?
Senhor, quando você vai abrir os olhos dele?
Ela se consolou com o pensamento de que Deus deve ter colocado

As emoções de Jake em um sono profundo. Ela tentou se convencer


de que tudo o que Deus havia revelado a ela naquela tarde na
biblioteca ainda era verdade, embora Jake ainda não tivesse
respondido.
O que era aquele ditado que papai costumava nos dizer? “Nunca
duvide na escuridão do que Deus lhe revela na luz.” Eu não duvido. Vou
permanecer fiel e descansarei na esperança .
Por volta das seis e meia, o grupo estendido se reuniu na cachoeira e
espalhou um grande piquenique. Jake convidou Jess, Kyle e Travis.
Eles, por sua vez, convidaram o irmão de Kyle, Kenton, e a esposa de
Kenton, Lauren. Meri ligou para Shelly e ela e Jonathan apareceram
com Bob Dois. A noite de junho foi perfeita, e a fartura da comida
incrível considerando a rapidez com que fora preparada. Jonathan e
Kyle foram nadar; Bob Two saltou com eles. Jessica tentou conter
Travis, que lamentava que queria ir com o pai.
- Vou levá-lo para dentro, Tigre - disse Jake, tirando a camiseta e
tirando os sapatos. Ele tirou o cinto de couro e esvaziou os bolsos no
cobertor. Pegando Travis nos braços, ele saiu lentamente.
A carteira de Jake caiu aberta quando ele a jogou, e Shelly foi a
primeira a notar a foto ao lado de sua carteira de motorista. "Meri",
disse ela, pegando-o e olhando mais de perto. "É você. Onde isso foi
tirado? "
Meredith agarrou a carteira. A imagem parecia ter sido cortada de
uma foto maior. Ela estava sentada em um barco a remo com um
grande sorriso no rosto. O sol da manhã derramou-se por entre as
árvores, banhando-a com um brilho dourado. Era uma foto
deslumbrante. E estava em sua carteira. Raios de esperança correram
pela espinha de Meri.
"Aqui", disse ela para Shelly calmamente.
Shelly entregou a carteira para Lauren e Jessica. Kenton olhou por
cima dos ombros. “É uma imagem muito boa”, todos comentaram.
"Vocês dois estão chegando muito perto?" Lauren perguntou. Ela
olhou rapidamente para Shelly e Jessica para ter certeza de que ela
não estava errada ao fazer tal pergunta. “Quero dizer, é claro que você
está. Você é uma equipe de redatores agora. As palavras podem unir
duas pessoas com muita força. ”
Shelly se inclinou um pouco mais perto e parecia pronta para ouvir
cada palavra da resposta de Meredith. Shelly lembrou Meri mais de
uma vez durante a última semana e meia que ela tinha sido
extremamente boa em não perguntar como as coisas estavam indo
entre eles. Ela havia prometido a Meri que esperaria até que Meri
tivesse algo que ela quisesse dizer a ela.

Meredith Graham, a rainha da recatada, tirou as sandálias e enfiou a


blusa dentro do short jeans. "Alguém mais vai entrar?"
"Você vai entrar de roupa?" Shelly perguntou.
“Eles vão secar. A vida é muito curta para sentar na praia e apenas
imaginar. ” Com isso, Meri se levantou e com passos leves entrou na
água.
“Nunca fui um espírito tão livre”, Meri ouviu Jessica dizer. Entrando
lentamente, Meri sentiu a água atingir seus joelhos. Jake estava a
poucos metros de distância, com água até a cintura, segurando Travis
e mergulhando suas perninhas nuas na água.
Com um movimento gracioso, Meri se esticou na água. Ela prendeu
a respiração com o choque da água fria. Fechando os olhos, ela
submergiu, sentindo o frio enquanto penetrava em todos os poros.
Eu estou vivo! Estou totalmente vivo e adoro experimentar todas as
sensações que existem neste planeta!
Surgindo para respirar um pouco de ar quente, Meri descobriu, para
sua surpresa, que Jake estava bem ao lado dela. Kyle havia tirado
Travis dele e Jonathan estava saindo da água.
"Venha comigo para a cachoeira", disse Jake. Seu cabelo molhado
estava penteado para trás e gotas d'água brilhavam em seus cílios.
Meri pensou que ela nunca tinha visto uma visão mais atraente. Era
tudo o que ela podia fazer para não pegar aquele rosto bonito em suas
mãos e beijar aqueles lábios perfeitos.
Eles nadaram juntos em um ritmo constante, o rugido da cachoeira
ficando mais alto conforme eles se aproximavam. Jake apontou para o
lado e gritou: "Vamos tentar ir atrás disso."
Meri o seguiu. Eles romperam a água batendo, recebendo uma
massagem completa e congelante no couro cabeludo no processo.
Então eles descobriram um pequeno bolso onde as pedras estavam
gastas. Um espaço de cerca de trinta centímetros ficava entre a parede
de pedra fria e cinza e o lençol de água. Meri e Jake estremeceram,
pisando na água enquanto a queda d'água ecoava em seus crânios
entorpecidos.
Meredith riu. Ela não pôde evitar. Esta foi uma experiência tão
selvagem e revigorante. Jake riu com ela. Eles não disseram uma
palavra.

Incapaz de suportar o frio mais um minuto, Meri balançou seu


caminho para fora, sob a água agitada. Ela nadou o mais rápido que
pôde com Jake bem atrás dela, ambos ansiosos para sair e se
aquecer. Shelly jogou para Meri uma toalha de mesa que eles não
tinham usado e se enrolou nela. Ela se sentou na praia tremendo.
"Que correria!" Jake disse, jogando o cabelo para trás e enxugando o rosto

com as mãos. Jonathan jogou uma toalha para ele.


"É usado", disse Jonathan. "Melhor que nada."
Jake se secou e enrolou a toalha nos ombros. "Você pode nos ouvir
rindo?"
"Pareceu muito estranho", disse Jess. “Como se a cachoeira tivesse
ganhado vida e estivesse rindo.”
"É isso", disse Jake, olhando para Meri em busca de apoio. “Vamos
pedir a Tom para fazer isso. Vamos gravar sua risada e fazer com que
ele misture com o som da cachoeira. Que grande idéia." Ele se sentou
ao lado de Meredith, mais perto do que nunca. “Como seria esse
projeto sem você? Eu não quero saber. ” Ele colocou o braço em volta
do ombro dela em agradecimento e deu-lhe um aperto de amigo, como
um treinador parabeniza o garoto que acabou de fazer a melhor jogada
do dia.
Todo mundo estava assistindo. As mulheres lançaram olhares
sutilmente simpáticos a Meri. Eles agora podiam ver por si mesmos o
quão próximos ela e Jake eram. Era tudo negócios e nenhum romance.
"É uma pena", Meri quase podia ouvi-los dizer.
“Sim, Jake,” Shelly disse, saltando com os dois pés, “onde você
estaria neste projeto sem Meredith? E uma questão maior é: onde você
estará o resto de sua vida sem ela como sua parceira? ”
Todos olharam para Shelly, surpresos com sua franqueza. Então eles
olharam para Jake, então de volta para Shelly.
"Você terá que desculpar minha esposa", disse Jonathan. "Ela estava
ausente em um dia sutil."
"Jonathan!" Shelly disse, dando um tapa nele. "Porque você
disse isso?" "Por que você disse o que disse?"
Seguiu-se uma briga. Meredith pensou: Oh, ótimo! Em vez de ajudar a
empurrar Jake na minha direção, esses dois estão apenas provando sua
teoria de que se apaixonar é uma reação química que passa, e esses
dois estão prestes a atingir a data de validade .
“Estamos prontos para voltar”, disse Jessica. Travis estava sentado
contente no colo dela, chupando os dois primeiros dedos. "Eu tenho
um menino com sono aqui."
"Sim", brincou Kenton, "e Travis provavelmente deveria ir para a cama
também."
A turma recolheu os restos do piquenique e desceu a trilha até os
carros. Shelly e Jonathan emergiram da trilha silenciosa da floresta de
mãos dadas e parecendo ter se reconciliado.

Não que importasse para Meri se Jake notasse seus olhos brilhantes.
Ela tinha uma confiança tranquila de que, quando chegasse a hora
certa, Jake acordaria. Se eles fossem ficar juntos, seria obra de Deus e
de ninguém mais.
Capítulo Trinta e Um

Com o passar dos dias, Meredith estava começando a repensar


sua opção de ter sua irmã ajudando um pouco neste romance que não
leva a lugar nenhum . Talvez com algumas aulas extracurriculares de
sutileza, Shelly pudesse ter uma influência mais positiva sobre Jake.
A equipe chegou no sábado com a nova atriz e sua mãe. As
filmagens começaram segunda-feira, e Jake estava em movimento o
dia todo, todos os dias. Meri aproveitou o tempo para colocar em dia
seu trabalho para a editora. Com as mudanças no roteiro, Jake não
planejou filmar a cena da cachoeira com Meri até o quarto dia de
filmagem. Acabou sendo o quinto dia porque choveu na quarta-feira.
Todo o elenco esteve no alojamento na quarta-feira, esperando a
chuva diminuir e agindo completamente entediado. Meri tirou Fred do
homem da guarda de seu carro e achou que poderia fazer uma
piadinha com Chad. Ela pretendia usar Fred para surpreender Shelly,
mas provocar Chad seria muito mais divertido. Eles disseram a Chad
que um membro do elenco estava esperando na van por uma carona
para o aeroporto. Todos assistiram enquanto Chad correu para fora do
chalé na chuva e sentou no banco do motorista com Fred amarrado no
banco do passageiro. Chad ligou a van e saiu.
“Ele não é muito conversador,” Meredith disse com uma risadinha.
"Chad provavelmente não vai notar que Fred não fala até que eles
cheguem ao aeroporto e ele descubra que Fred também não se move."
A tripulação espiou através das cortinas no chalé. Brendon, o ator
infantil que interpretou Young Heart, foi o primeiro a ver a van de volta.
Chad dirigiu de volta para o chalé, estacionou a van,

saiu, entrou sem dizer uma palavra a nenhum deles e voltou para
trabalhar nas palavras cruzadas do jornal. Todo mundo pego. Todos
menos Chad.
No dia seguinte, eles estavam filmando na floresta. Brendon e Emilie,
a garota escalada para o papel de Hope, pregou uma peça em Jake.
Eles entraram nos tanques de hélio em suportes, encheram alguns
balões e, em seguida, sugaram o hélio. Quando eles pegaram a marca
e Jake convocou a ação, suas palavras saíram como sons de rato
estridentes. Meredith percebeu o quão bem Jake reagiu com a piada
em meio a todo o frenesi para voltar ao cronograma.
Meredith gostava de Brendon e Emilie e achava que eles eram
perfeitos para seus papéis. Quando eles pediram emprestado Fred
para fazer uma piada com alguém, ela concordou e o entregou a eles.
Na quinta à noite, durante o jantar no chalé, Jake procurou Meri para
perguntar se ele poderia falar com ela. Eles saíram da sala de jantar
para o corredor.
"Como vai?" Jake perguntou.
"Excelente. Como vai?"
Jake acenou com a cabeça. "Está acontecendo." Ele olhou para seus
pés e depois para Meri. “Tem estado tão ocupado que não tenho a
chance de falar com você há mais de uma semana. Quer dizer, eu já vi
você por aí, mas não é como na semana anterior. ”
"Não, não é. Você está correndo a toda velocidade. Eu não queria
atrapalhar. ”
Os olhos de Jake procuraram os dela.
"Obrigado", disse ele. "Para que?"
“Obrigado por ser coautor do roteiro comigo. Obrigado por ser
honesto e me dizer o que havia de errado com isso, embora você
provavelmente soubesse que eu não queria ouvir. Obrigado por estar lá
para mim."
"Foi todo um prazer", disse Meri. “Tenho certeza de que você tem
muito mais histórias em você que precisam ser reveladas. Este é
apenas o começo para você. Sinceramente, sinto-me honrado por ter
feito parte do processo. ”
Ele parecia pensativo. "Você é incrível. Você sabe disso, não é? " “Às
vezes eu esqueço,” Meri disse brincando. “Então é bom ser
lembrado de vez em quando. Obrigado."
Jake sorriu. “Ei, queria dizer que consegui ajustar o orçamento. Há
um cheque chegando para cobrir seu tempo e trabalhar como
consultor no projeto. ”
“Não esperava qualquer pagamento.”

"Eu sei. Mas você mereceu. Você ganhou o dobro do que tenho que
pagar. Três vezes."
"Obrigado", disse Meredith. "Eu agradeço."
Ele ficou em silêncio por um momento. Ele ficou olhando para ela
como se tivesse algo mais que queria dizer, mas não conseguia
descobrir como dizer. Ele era como um ator que havia esquecido suas
falas e estava de olho no alvo, mas estava atento ao ponto no fosso da
orquestra, esperando por uma deixa.
Quando nenhuma palavra saiu de seus lábios, Meredith disse: “Você
já teve a chance de comer? Está muito bom esta noite. Costeletas de
porco."
"Não. Estarei aí em um minuto. Você poderia dizer a eles para
oferecerem um jantar para mim? "
"Certo." Ela se virou para ir embora. Se ele pensava que esse
encontro próximo era fácil para ela, estava enganado. Seu coração
batia forte e seus olhos lacrimejavam. Como ele pode estar tão perto e
não ser capaz de dizer nada pessoal como “Senti sua falta. Eu quero
estar com você"? Essas frases queimaram o céu da boca enquanto ela
as mantinha dentro.
"Meri?" ele disse.
Ela se virou, piscando para afastar as lágrimas e esboçando um
sorriso. Ele estava parado onde ela o havia deixado, parecendo perdido
e incapaz de se mover daquele local até que ela o soltou.
“Que tipo de perfume você está usando? Eu queria te perguntar isso
há muito tempo. ”
"Lindo", disse ela.
Um leve sorriso apareceu em seus lábios. Ele deu um passo à frente
de seu lugar e disse com um aceno de cabeça: "E eu acho que você é."
Ele se virou e voltou para o chalé. Agora era ela que estava com os
sapatos colados no chão. Isso foi o mais próximo que ele já tinha
chegado de algo romântico. Suas esperanças aumentaram.
Às 3:00 da manhã de sexta-feira, Meredith apareceu no acampamento,
pronta para a maquiagem. Prometia ser um dia perfeito e todos
estavam de bom humor. Demorou quase uma hora para aplicar a
maquiagem e prender a peruca. Ela esperou na fila do trailer do guarda-
roupa até que Muriel estivesse pronta para ajudá-la a vestir o lindo
vestido azul. Chad a encontrou na porta do trailer e a levou até o fim da
trilha da cachoeira em um carrinho de golfe. Ele não disse nada.
Dois ajudantes estavam no final da trilha, prontos para ajudá-la a
descer até a plataforma que haviam construído na beira da água. Ela
caminhou devagar e com cuidado, com medo de pisar na ponta de sua
longa peruca

e puxar de sua cabeça.


Ela recebeu sua marca às seis horas. A primeira luz do sol filtrava-se
pelas árvores em um ângulo perfeito. Mais de trinta pessoas se
reuniram ao redor do lago, todas com uma tarefa específica. Uma
câmera foi montada em um guindaste alto com um cinegrafista
sentado atrás dela. Outro estava amarrado ao ombro de um homem de
short laranja. Ela se perguntou se havia algum significado na cor de
seu short. Ela não viu Jake em lugar nenhum.
Meri teve que ficar parado pelo que pareceu um longo tempo. Muriel
se aproximou e afofou os ombros. Gina se aproximou e retocou a
maquiagem. Shelly se aproximou e ofereceu-lhe água por um canudo
em um copo de papel.
“Você está incrível”, disse Shelly. “Sei que você descreveu essa roupa
para mim, mas quando te vi, tive vontade de pedir que me realizasse
um desejo! Você está lindo."
Meri sorriu. "Qual o seu desejo?"
“Acho que você já sabe”, disse Shelly.
Meri assentiu. “Um bebê,” ela sussurrou.
"Não", disse Shelly, parecendo surpresa. “Podemos esperar por isso.
Na verdade, é muito melhor não estarmos esperando um bebê agora.
Meu desejo é que você e Jake fiquem juntos. ”
Meredith não esperava que sua irmã dissesse isso e ficou
profundamente comovida. “Um desejo, e você deseja para mim! Que
doce irmã você é. "
Uma voz alta ecoou em um megafone, "Silêncio no set." O homem
entregou o megafone para Jake.
"OK. Bom Dia. Estão todos aqui? ” Seus olhos examinaram a área até
que ele avistou Meredith do outro lado do lago, de pé em sua
plataforma. Jake abaixou o megafone e olhou para ela. Todos
observaram sua reação e olharam para Meredith para ver se algo
estava errado. Ela ficou parada, sentindo -se constrangida por causa da
roupa e da peruca.
Tom chamou Jake: "Oh, capitão, nosso capitão, você ainda está
conosco?"
Jake tirou os olhos de Meredith. Ele parecia atordoado e não tinha
certeza de onde estava. Para Meredith, parecia que ele estava agindo
da mesma maneira que agiu nas duas vezes em que o vira acordar de
um cochilo.
"Sim eu estou bem. Acho que estamos prontos para começar ”, disse
Jake no megafone. "Está tudo pronto, Donzela da Cachoeira?"
"Sim", Meri gritou através da água.

“Jovem Coração e Esperança? Vocês dois estão prontos? "


“Estamos prontos,” Brendon gritou da beira da floresta.
“Silêncio no set.”
A tripulação passou por toda a rotina usual de pré-lançamento e ,
pela primeira vez, Meri ficou nervoso. Ela rapidamente repassou as
linhas em sua cabeça. Ela engoliu rapidamente e lambeu os lábios.
Tom, o homem do som, estava a apenas alguns metros de distância,
segurando um microfone em uma longa haste fora do alcance da
câmera.
Jake gritou “Ação”, e Young Heart and Hope veio marchando da
floresta em trajes esfarrapados. Eles interpretaram bem o papel de
duas crianças que haviam feito uma longa jornada e ficaram surpresos
ao encontrar um refúgio tão agradável no final da trilha. Parando, eles
se entreolharam, sem saber o que fazer com a gloriosa cachoeira e o
lago.
“Salve, jovens viajantes.” Meredith começou suas falas. Sua voz saiu
clara e nem um pouco trêmula como ela se sentia. "De onde você
veio?"
“Já passamos pela Floresta da Verdade”, disse Young Heart. “Cada
uma de nossas palavras foi pesada e achamos muitas delas pesadas
demais para carregar.”
“Por favor, diga-nos quem você é”, disse Hope. “E que lugar é este
lindo?”
“Eu sou a Donzela da Cachoeira,” Meredith respondeu. Com um
gesto gracioso de sua mão, ela disse: “E este é o Vale da Paz. Sua
jornada adiante conterá muitas mais aventuras. Você deve descansar
antes de abraçá-los. ”
Ela fez um gesto elegante e acolhedor com os dois braços,
oferecendo as mãos abertas. “Venha, Jovem Coração. Venha, Hope.
Beba da água viva até que suas almas sejam saciadas. Coma da
generosidade preparada aqui para você. ”
Young Heart bloqueou Hope, que estava prestes a correr para a
água. “Como podemos saber se esta é outra armadilha como as
muitas que já enfrentamos?”
“Você não pode saber,” a Donzela da Cachoeira respondeu
gentilmente. “Você só pode escolher entrar ou seguir seu caminho. A
crença não oferece garantias até que os viajantes tenham decidido
entrar de todo o coração. Eu ofereço tudo o que é meu para dar, e
ofereço de todo o meu coração. ”
"Cortar!" Jake gritou.

Todos, incluindo o cinegrafista, pareceram surpresos. Tudo estava


indo tão perfeitamente. Todos os olhos estavam em Jake, que estava
olhando para

Os pés dele. Meri mordeu o lábio inferior. Ela tinha feito algo errado? O
que foi isso? Ele a estava observando pelo monitor da câmera, o que
significava que ele tinha uma visão de perto de tudo que ela fazia.
“Todos dêem um tempo,” Jake gritou. "Vai. Todo mundo fora do set.
Esteja de volta aqui em exatamente quinze minutos. Todos, exceto a
Donzela da Cachoeira. ”
Ah não! Ele vai me despedir! Eu não pensei que fosse tão ruim .
Meredith nervosamente passou de um pé calçado para o outro. O
elenco e a equipe confusos começaram a voltar pela trilha até o
carrinho de lanches que Shelly havia montado na bifurcação da trilha
da floresta. Enquanto a multidão se dispersava, Jake veio em direção a
Meri com pequenos passos em staccato. Era como se ele não
quisesse ir até ela, mas algo o pressionava. Ou foi alguém?
Quando ele a alcançou, apenas duas pessoas estavam no Vale da
Paz. Ela nunca tinha visto a expressão que ele agora tinha no rosto. Ele
parecia feliz, triste, aliviado e com medo, tudo ao mesmo tempo.
Jake subiu na plataforma e ficou diante dela, absorvendo sua
aparência como um homem que se perdeu no deserto bebe com
gratidão de um copo d'água redentor.
Ela não disse nada, ela não perguntou nada e ela não tentou explicar
nada. Meredith tinha uma boa ideia do que estava acontecendo dentro
de Jacob neste momento. Ela esperou muito tempo para que Deus se
movesse, e agora que ele estava, ela não iria interromper.
Você acabou de acordá-lo, não é, Deus?
Jake olhou para as mãos dela. Ele lentamente estendeu a mão e
tocou sua mão direita. Ele acariciou sua carne macia com o polegar e
levou sua mãozinha aos lábios, onde beijou seus dedos dobrados
como um herói em um drama vitoriano. Abaixando a mão dela, ele a
segurou e olhou em seus olhos claros.
"Completamente contra a minha vontade", ele começou em voz
baixa, "Eu me apaixonei por você."
O coração de Meredith começou a bater descontroladamente. Ela
esperou que ele continuasse.
“Quando você disse sua fala agora, tudo ficou muito claro. Eu fui um
covarde. Queria uma garantia de que o que senti por você todas essas
semanas não foi uma armadilha. Você acabou de dizer isso. Não há
garantias. Posso escolher entrar ou seguir meu caminho. ”
Ele levou a mão dela aos lábios e timidamente beijou seus dedos
novamente. “Meredith, eu escolho entrar em um relacionamento com
você. Tudo o que você disse o tempo todo está certo. O amor é mais
do que uma escolha lógica. ”

Ele fechou os olhos e engoliu em seco. "Estou apaixonado por você",


disse ele, abrindo os olhos castanhos e convidando-a a derreter em
sua suavidade.
"E eu estou apaixonado por você, Jacob." Meredith fez algo que
ansiava fazer desde a primeira vez que vira seu rosto bonito. Ela ergueu
a mão e acariciou sua bochecha. Seu dedo tocou a marca de
ninho de pássaro na lateral de sua mandíbula. “Eu escolho entrar de
todo o coração em um relacionamento com você. Eu sei que não há
garantias, mas meu coração está cheio de esperança para nós. ”
Jake sorriu. “Estou apaixonado por você”, ele
repetiu. "Então você disse," Meri disse com uma
risada gentil.
"Estou louco, louco de amor por você", disse ele, caindo na
gargalhada. "Nunca pensei que isso fosse acontecer comigo."
"O que você vai fazer sobre isso?" Meredith perguntou brincando.
"Vou mostrar o que vou fazer a respeito." Jake segurou o rosto dela
com as mãos e ergueu o queixo dela suavemente.
Meredith lentamente fechou os olhos e sentiu os lábios dele tocando
os dela. Com toda a esperança que ela estava armazenando dentro,
Meredith deixou seus lábios se beijarem e serem beijados pelo único
homem que já jogou uvas em sua boca. O único homem que já havia
citado versos para ela. O único homem que já fez sua espinha formigar
e seu coração bater forte, assim como eles estavam fazendo agora.
Eles se separaram lentamente, o brilho invisível de seu amor os
envolvendo com fé e esperança.
Nesse momento, um forte grito de alegria veio da floresta. Com os
braços em volta um do outro, Jake e Meredith se viraram para ver o
elenco e a equipe gritando e agitando os braços em comemoração.
Um objeto grande, longo e de formato estranho se ergueu da boca da
trilha e flutuou acima do lago como um balão. Era todo bege com uma
mancha branca no meio e estava amarrado a longas cordas como uma
entrada no desfile do Dia de Ação de Graças da Macy's.
Meredith notou Brendon e Emilie parados na abertura da trilha. Chad
estava ao lado deles, segurando as pontas das longas cordas.
Jake foi o primeiro a descobrir o que era. Ele riu muito. "É o seu
antigo namorado, Meri."
“Fred! Oh, meu pobre homem da guarda, o que eles fizeram com
você? " O pobre Fred não conseguiu responder. Ele já estava no topo
da árvore
linha, cheia de hélio e vestindo apenas a cueca pintada .
Um grito "oops!" ressoou da abertura da trilha quando Chad saltou no
ar. Ele estava tentando pegar uma corda que tinha

se soltou, lançando Fred para os céus.


"Desculpe, Meredith!" Chad chamou. "Vou comprar outro para você."
"Você realmente acha que precisa de outro homem da guarda, agora
que seu social
a vida mudou assim? ” Jake disse, afastando uma mecha de cabelo da
peruca da bochecha de Meredith.
"Oh, meu pobre Fred!" Meredith o observou flutuar preguiçosamente
em direção às nuvens brancas e fofas e desaparecer de vista. “Vou
sentir muita falta dele. Você pode muito bem saber disso agora, Jake.
Fred era um dançarino muito melhor do que você. ”

Antes que Jake pudesse se defender, Meredith ergueu o queixo e o


convidou a silenciar seus lábios provocadores com um beijo, o que ele
fez melhor do que qualquer estrela de cinema poderia ter feito.
Caro leitor,
Às vezes, desejo que Glenbrooke fosse um lugar real. Se fosse, eu iria
para lá.
Eu compartilharia uma xícara de chá do Irish Breakfast com Lauren.
Eu sonharia com uma tarde ensolarada na rede do quintal de Jessica.
Eu persuadiria Teri a fazer um lote de seus tamales. Posso dar um
passeio na tirolesa de Jonathan ou tocar um dueto de flauta com
Meredith. E eu definitivamente entraria na próxima vez que a turma
fizer um piquenique nas cachoeiras.
Glenbrooke representa para mim a doçura da vida: família, amigos,
lembranças duradouras e a prova reconfortante do amor de Deus. No
meio de tudo isso, a esperança chega na ponta dos pés, vestindo um
azul fino e fino e espalhando pó de desejo sobre nós. O que faríamos
sem esperança?
A vida real é difícil. Enquanto eu escrevia esta história, meu pai
sofreu um derrame que o deixou paralisado do lado direito. Sua fala foi
tirada dele e sua visão foi prejudicada. Por muitos longos dias, ficamos
sentados ao lado de sua cama de hospital, orando, esperando e
fazendo muitas perguntas. O maior presente de Deus para nós naquela
época foi a esperança.
“Descanse na esperança”, “Minha esperança está em você, SENHOR ,”
“Espero na sua Palavra”, “É bom que se espere e espere em silêncio
pela salvação do Senhor ”, “Cristo em você, a esperança da glória. ”
Descobri que minha Bíblia está cheia de palavras de esperança e
sublinhei todas elas.
Já se passaram quase nove meses desde o derrame do meu pai. Ele
melhorou apenas um pouco. Ainda temos esperança. É um terno
presente de nosso Pai celestial e é forte o suficiente para nos ajudar.
Mas nossa esperança não é apenas para esta vida. Não, nossa
esperança é baseada nas promessas eternas de Deus. Meu pai
entregou sua vida a Cristo anos atrás. Eu também. Descansamos na
esperança de que da próxima vez que andarmos lado a lado, será nas
ruas de ouro.
Glenbrooke não é um lugar real, mas o paraíso é. A esperança do
meu coração é que você também esteja lá.
Sempre,

W ATERFALLS R ECIPE

A mãe de Meredith e Shelly sabia tudo sobre alimentar a multidão no


domingo após os serviços religiosos. Ela também sabia tudo sobre tê-
lo pronto para comer poucos minutos depois de voltarem para casa.
Minha mãe também fez isso por anos. Ela tinha uma assadeira grande
e maravilhosa que ela encheria com um assado rodeado de batatas e
cenouras. Quando saímos pela porta para a escola dominical de
manhã, ela ajustou o forno para 300. Quando voltamos para casa, o
jantar de domingo estava pronto.

Mesmo se você não tiver uma assadeira, veja como você pode fazer
o Sunday Pot Roast em qualquer dia da semana.

H OUTRAS L Raão ' S S UNDAY P OT R OAST D INNER


Algumas dicas:
–Selecione um assado fresco, não congelado.

–Os melhores cortes para assar são a costela e o


lombo. –Um quilo de carne desossada vai servir
quatro pessoas.

Planeje assar carne por 20 minutos por quilo. A temperatura interna


da carne deve ser:
–140 graus para raros –160
graus para médios –170
graus para bem passado

Retire o assado da geladeira pelo menos 1/2 hora antes de prepará-


lo para cozinhar. Enxágue a carne, retire o excesso de gordura.
Tempere generosamente com sal e pimenta e um pouco de alho.
Cortes de carne menos tenros podem ser melhorados marinando por
várias horas.
Existem muitos tipos de marinadas engarrafadas disponíveis, ou você pode

gostaria de experimentar a seguinte marinada rápida à moda antiga :


1 xícara de molho francês com alho
1 colher de sopa de ervas secas ou
2 colheres de sopa de ervas frescas picadas

Coloque o assado em uma assadeira grande em forno pré-aquecido


(275 a 300 graus). Adicione de oito a doze cenouras que tenham sido
cobertas, lavadas e cortadas ao meio. Esfregue seis batatas grandes,
corte ao meio ou em quartos e coloque-as ao redor do assado. Se a
carne não foi marinada, você pode colocar uma xícara de caldo de
carne sobre o assado e os vegetais. Outros vegetais, como aipo, nabo
e cebola podem ser adicionados, mas permitem um tempo de
cozimento adicional.
O assado é feito quando a temperatura interna corresponde à
temperatura desejada listada acima. As cenouras e as batatas devem
estar sempre macias. As sobras fazem um delicioso guisado!