Você está na página 1de 5

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO - UFMA

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ANA PRISCILLA SEGUINS ABREU

RELAÇÕES INTERNACIONAIS
ATIVIDADE 11

Açailândia
2021
A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE E SUA ATUAÇÃO FRENTE A
PANDEMIA COVID -19

A Organização Mundial da Saúde (OMS) é uma agência internacional que


influencia, monitora e avalia as políticas de saúde em todo o mundo. Foi criada em
1948 no período pós-segunda guerra mundial como um órgão integrante do Sistema
da Organização das Nações Unidas (ONU). O principal objetivo é implementar o
conceito de saúde que abrange um estado de bem-estar físico, mental e social e não
meramente a falta de doença e enfermidade.
Em 31 de dezembro 2019, foi notificada à Organização Mundial da Saúde a
ocorrência de um surto de pneumonia na cidade de Wuhan, província de Hubei,
República Popular da China. Rapidamente, identificou-se o agente etiológico, um novo
coronavírus. Em fevereiro de 2020, de acordo com as melhores práticas da OMS para
nomear novas doenças infecciosas humanas, a doença causada pelo novo
coronavírus recebeu a denominação COVID-19.
A doença Coronavírus (COVID-19) causada pela síndrome respiratória severa
e aguda (SARS-CoV-2) é uma emergência de saúde global em andamento. É um vírus
respiratório emergente que se enquadra como um desafio à saúde pública, surgiu em
Wuhan, na China, em novembro de 2019, e no prazo de dois meses foram
confirmados milhares de casos e inúmeros óbitos. A COVID-19 ameaça a vida
humana, os meios de subsistência e o modo de vida de todos os indivíduos em todas
as sociedades.
Em março de 2020 houve disseminação para uma centena de países causando
doença respiratória e óbitos em massa. A doença apresenta espectro clínico variado,
desde sintomas leves como uma síndrome gripal (febre, coriza, tosse) até quadros de
síndrome do desconforto respiratório agudo com evolução fatal. Devido à velocidade
de disseminação, severidade e dificuldades para contenção, a Organização Mundial
de Saúde (OMS) declarou pandemia pelo novo coronavírus em 11 de março de 2020.
Desde então, a doença tem evoluído de forma muito rápida, esgotando a
capacidade de resposta dos sistemas de saúde em muitos países e gerando
intervenções que alteram de forma significativa o cotidiano das pessoas. Ainda
segundo a Organização Mundial da Saúde e a Organização das Nações Unidas, a
população pobre é a mais atingida por esse vírus, pois não possuem as condições
necessárias indicadas como forma de prevenção, deixando em evidencia a
desigualdade diante da pandemia.
Os dados que vem sendo divulgados pela OMS mostram que a doença tem um
índice de mortalidade relativamente baixo com relação ao número de casos,
entretanto, esses dados recaem sobre aqueles indivíduos que estão em maior
situação de vulnerabilidade econômica e social.
A Saúde Pública tem imensa responsabilidade na redução dos riscos e
impactos das emergências e dos desastres, devendo fortalecer suas capacidades nas
funções de vigilância em saúde. Dessa forma a OMS estabeleceu requisitos mínimos
para a implantação da prevenção e controle de infecção:
Com objetivo de prevenir a proliferação mais aguda, foi orientado pela OMA as
seguintes ações de combate ao vírus: lavar as mãos com água e sabão ou
higienizador à base de álcool para matar vírus, usar máscaras frequentemente caso
for sair de casa, limpar bem os objetos de uso continuo, evitar o contato direto com
outras pessoas e se resguardar em casa, manter um isolamento social rígido e
procurar uma unidade de saúde apenas caso seja extremamente necessário para
evitar superlotação nos hospitais (FIOCRUZ, 2020).
Na tentativa de controle da pandemia no Brasil, foi iniciado protocolo de
isolamento social visando a exposição mais lenta de indivíduos à doença, de modo
que o SUS não venha a colapsar, conseguindo assistir todos os pacientes, e que não
falte insumos, leitos e assistência básica em saúde.
O uso de máscaras faz parte de um pacote abrangente de medidas de
prevenção e controlo que podem limitar a propagação de certas doenças respiratórias
virais, incluindo a COVID-19. A OMS encoraja os países e as comunidades que
adoptam políticas sobre o uso de máscaras a realizarem investigação de qualidade
para avaliarem a eficácia dessa intervenção na prevenção e controlo da transmissão,
e faz as seguintes recomendações sobre o uso de máscaras, resultantes das
melhores práticas em unidade de cuidados de saúde:
 Fazer a higiene das mãos, antes de colocar a máscara;
 Colocar a máscara com cuidado, assegurando-se de que ela cobre a boca e o
nariz, ajustar a parte do nariz, e prendê-la bem, para minimizar aberturas entre
a face e a máscara;
 Evitar tocar na máscara durante o seu uso;
 Retirar a máscara, usando a técnica apropriada: não tocar na parte da frente
da máscara, mas antes desatá-la pela parte de trás.
 Depois de a retirar, ou quando a máscara for inadvertidamente tocada, limpar
as mãos com desinfetante à base de álcool ou com água e sabão, se as mãos
estiverem visivelmente sujas;
 Substituir as máscaras, logo que estas ficarem húmidas, por uma máscara
nova, limpa e seca;
 Não reutilizar máscaras de utilização única;
 Descartar máscaras de utilização única, depois de cada utilização e descartá-
las imediatamente depois de retiradas.
Estudos comprovam que o coronavírus não é transmitido pelo leite materno
para o bebê, desde que a mãe deseje amamentar e esteja em condições clínicas
adequadas, lavar as mãos por pelo menos 20 segundos antes de tocar o bebê ou
antes de retirar o leite materno (extração manual ou na bomba extratora); Usar
máscara facial (cobrindo completamente nariz e boca) durante as mamadas e evitar
falar ou tossir durante a amamentação; A máscara deve ser imediatamente trocada
em caso de tosse ou espirro ou a cada nova mamada;
As orientações da OMS para o tipo de proteção respiratória a usar pelos
profissionais de saúde que prestam cuidados diretos aos doentes de COVID-19
baseiam-se em:
1) recomendações para orientações da OMS sobre PCI de infecções
respiratórias agudas de potencial epidémico e pandémico nos cuidados de saúde;
2) revisões sistemáticas atualizadas de ensaios controlados aleatórios sobre a
eficácia das máscaras cirúrgicas, em comparação com a dos respiradores sobre o
risco de: doença respiratória clínica, doença semelhante à gripe (ILI) e gripe ou
infecções virais laboratorialmente confirmadas;
3) Os momentos de descanso dos trabalhadores são imprescindíveis para a
recuperação do bem-estar e para as atividades necessárias de autocuidado. Você
também precisa se cuidar;
4) Parareduzir riscos, incluindo as diretrizes apropriadas e capacidades de
promover e possibilitar as medidas padrão de prevenção da COVID-19 em termos de
distanciamento físico, higienização das mãos, etiqueta respiratória e, potencialmente,
monitoramento da temperatura.
As orientações da OMS são semelhantes às recentes orientações de outras
organizações profissionais (Sociedade Europeia de Medicina de Cuidados Intensivos,
Sociedade de Medicina de Cuidados Críticos e Sociedade Americana de Doenças
Infecciosas). Nesse contexto, foi desencadeada uma corrida pelo desenvolvimento de
uma vacina. Cerca de 200 projetos de desenvolvimento estão registrados na OMS,
dos quais 13 estão na fase 3 para a avaliação de eficácia, a última etapa antes da
aprovação pelas agências reguladoras e posterior imunização da população.
A pandemia da COVID-19 continua a evoluir rapidamente. Isso aumenta a
necessidade de informações corretas, confiáveis e adaptáveis em cenários mutáveis.
Com isso iniciou-se uma busca mundial por uma vacina eficiente que conseguisse
barrar o avanço da doença. Em todo o mundo, várias indústrias farmacêuticas
iniciaram pesquisas e o desenvolvimento das vacinas. Atualmente, algumas vacinas
já estão liberadas para uso emergencial ou definitivo, e outras estão em fase de testes.
Na busca acelerada de uma vacina contra a COVID-19, um empreendimento
global se estabeleceu para coordenar parcerias inéditas entre acionistas e a OMS,
que são necessárias para alinhar o ecossistema em volta de um plano geral e para
descobrir todas oportunidades que possam acelerar a inovação e a escala de entrega.
Outra medida inédita que vem sendo adotada foi a criação do Covax Facility,
ação liberada pela OMS, que tem por objetivo acelerar o desenvolvimento e a
fabricação de vacinas contra a COVID-19 para garantir o acesso justo e equitativo
para todos os países do mundo, sendo que mais de 170 países já aderiram a esta
estratégia, inclusive o Brasil. Da iniciativa Covax Facility, o Ministério da Saúde terá
direito a uma reserva de 40 milhões de doses.
No contexto do amplo Plano de Ação de Pesquisa e Inovação, essa iniciativa
especial incentiva o foco global na rápida imunização em massa contra a COVID-19.
Com isso, pode-se concluir que muitos efeitos da crise provocada pela Covid-19 serão
sentidos nas estruturas que compõem o governo e a sociedade civil. A soma de fatos
que interligam aspectos ideológicos trazidos por Bolsonaro com o avanço do
coronavírus incidem diretamente no destino do Brasil enquanto potência emergente
na economia global.
Neste momento, a melhor ferramenta de controle existente para o Covid-19 é
a prevenção e não existe melhor lugar para desenvolvê-la do que na Atenção Primária
à Saúde (APS). Logo, é necessária a garantia do bom funcionamento da APS o que
envolve um melhor fortalecimento deste nível de atenção, incluindo a garantia de
condições dignas de trabalho e de assistência. Importante destacar que, dentre essas
condições, é fundamental o provimento de EPI’s adequados e em quantidade
necessária para que os profissionais possam ter segurança em sua atuação e,
consequentemente, protegerem seus pacientes.
A OMS continua a recolher dados e evidências científicas sobre a eficácia do
uso de diferentes máscaras e sobre os potenciais danos, riscos e desvantagens,
assim como sobre a sua combinação com a higienização das mãos, distanciamento
físico e outras medidas de PCI. O envolvimento de toda sociedade para a adoção
consciente das medidas de precaução frente a Covid-19 exige uma mudança de
comportamento individual e coletivo nesse momento, de forma imediata e rigorosa.
Nesse cenário da pandemia, é possível aprender que seu curso e impactos no
Brasil depende do esforço colaborativo de todos, poder público, famílias e cidadãos.
A realidade mundial ainda aponta uma situação de grande atenção e pode apoiar
escolhas do caminho a ser seguido para o enfrentamento desse momento crítico, a
fim de se permitir uma interferência na evolução rápida da Covid-19.
REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM nº 188, de 3 de fevereiro de 2020.


Declara Emergência em Saúde Pública de importância Nacional (ESPIN) em
decorrência da Infecção Humana pelo novo Coronavírus (2019-nCoV) Seção
Extra:1. Disponível em: http://www.in.gov.br/web/dou/-/portaria-n-188-de-3-de-
fevereiro-de-2020-241408388. Acesso em 11 de abril de 2021.

CORONAVÍRUS BRASIL. COVID-19. Disponível em: https://covid.saude.gov.br/.


Acesso em 10 de abril de 2021.

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE Resolução nº 218, de 06 de março de 1997.


FIOCRUZ. CAMPANHA "SE LIGA NO CORONA!. Disponível em:
https://portal.fiocruz.br/es/coronavirus/perguntas-e-respostas. Acesso em 11 de abril
de 2021.

CHIA PY, Coleman KK, Tan YK, Ong SWX, Gum M, Lau SK, et al. Detection of air
and surface contamination by SARS-CoV-2 in hospital rooms of infected patients.
Nat Commun. 2020; Acesso em 11 de abril de 2021.

INSTITUTO BUTANTAN. Vacina contra a COVID-19.


https://vacinacovid.butantan.gov.br/ Acesso em 11 de abril de 2021.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Máscaras caseiras podem ajudar na prevenção


contra o Coronavírus [Internet]. Brasília, DF: 2020 [cited 2020 Apr 3]. Available from:
https://www.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/46645-mascaras-caseiras-podem-
ajudar-naprevencao-contra-o-coronavirus. Acesso em 11 de abril de 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 2020. Disponível em:


https://www.ufrgs.br/coronavirus/wp-content/uploads/2020/05/OMS-
Estrat%C3%A9gia-Atualizada-14-de-abril.pdf. Acesso em 10 de abril de 2021.

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. CORONAVÍRUS (COVID-19); Brasil Escola.


Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/doencas/coronavirus-covid-19.htm.
Acesso em 10 de abril de 2021.

Você também pode gostar