Você está na página 1de 60

Um Curso de Trigonometria

Trigonometria I
Trigonometria II
Trigonometria III
Trigonometria IV
Trigonometria V
Trigonometria VI
Trigonometria VII
Trigonometria VIII
Trigonometria IX
Exercícios Resolvidos de Trigonometria
Funções Trigonométricas Inversas
Teorema dos Senos - TS
Teorema dos Co-senos - TC
Teorema das Áreas - TA
Um Produto de Senos e Co-senos
Dois Problemas de Trigonometria
Três Exercícios de Trigonometria
Três círculos tangentes entre si
Uma soma de senos
Equações Trigonométricas I
Equações Trigonométricas II
Uma torre sob vários ângulos
Um triângulo na FTC
Trigonometricamente falando

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 1


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Trigonometria I

1 - Introdução

• Trigonometria: vocábulo criado em 1595 pelo matemático alemão Bartholomaus


Pitiscus (1561-1613), do grego trigonon (triângulo) e metron (medida).

• É claro que Hiparco (astrônomo e matemático grego (190 a.C. - 125 a. C.),
considerado o pai da Trigonometria, ainda não usava esta terminologia.

• A Astronomia foi a grande impulsionadora da Trigonometria.

• O desconhecimento dos números negativos, que se popularizou apenas no século


XVII, dificultou o desenvolvimento da Trigonometria.

• O documento mais antigo conhecido sobre o assunto, data-se do século II d.C. e


denominou-se Almagesto, de autoria de Ptolomeu. (Cláudius Ptolemaeus
astrônomo grego 90 - 168).
Afirma-se que Ptolomeu deixou o planeta Terra aos 78 anos.
Este grande astrônomo grego acreditava que a Terra era o centro do Universo,
ao redor da qual giravam Mercúrio, Lua, Vênus, Sol, Marte, Júpiter e Saturno,
em órbitas que seriam círculos perfeitos! Sua concepção foi considerada válida
até o século XVI, quando Nicolau Copérnico (astrônomo polonês - 1473/1543) a
substituiu pela teoria heliocêntrica (válida até hoje) , referendada por Galileo
Galilei (físico e astrônomo italiano - 1564/1642).

• Por enquanto, vamos ver apenas a definição de


círculo trigonométrico, após o resumo histórico
supra. Nos próximos textos, cuidaremos de
desenvolver o resumo da teoria.

Chama-se Círculo Trigonométrico, ao círculo orientado


de raio unitário, cujo centro é a origem do sistema de
coordenadas cartesianas, conforme figura a seguir.

O círculo trigonométrico é orientado positivamente


no sentido ABA’B’A. O sentido AB’A’BA é
considerado negativo. Assim, o arco AB (ângulo reto) mede 90º e o arco AB’ mede -90º
. O arco ABA’ (ângulo raso) mede 180º ( ou p radianos) e o arco AB’A’ mede (-180º).
O arco de uma volta completa (ABA’B’A) mede 360º ;
O arco AB’A’BA mede( -360º), ou seja, é um arco negativo.
Já sabemos que 360º = 2π radianos.

Podemos na Trigonometria, considerar arcos de mais de uma volta.


Sabendo que uma volta equivale a 360º, podemos facilmente reduzir qualquer arco à
primeira volta. Por exemplo, o arco de 12350º , para reduzi-lo à primeira volta, basta
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 2
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
dividi-lo por 360º (para eliminar as voltas completas) e considerar o resto da divisão.
Assim é que, 12350º dividido por 360º, resulta no quociente 34 e no resto 110º. Este
valor 110º é então trigonometricamente equivalente ao arco de 12350º e é denominado
sua menor determinação positiva.

Dois arcos trigonométricos são ditos côngruos, quando a diferença entre eles é um
número múltiplo de 360º. Assim é que sendo x e y dois arcos trigonométricos, eles
serão côngruos se e somente se x - y = k. 360º, onde k é um número inteiro.
Portanto, para descobrir se dois arcos são côngruos, basta verificar se a diferença entre
eles é um múltiplo de 360º (ou 2π radianos, pois 2π rad = 360º).
Os arcos 2780º e 1700º , por exemplo são côngruos , pois
2780º - 1700º = 1080º e 1080º é divisível por 360º
(1080º / 360º = 3 , com resto nulo).

Exercício resolvido:

Quantos são os valores de m compreendidos entre 30 e 40, que tornam côngruos os


arcos de medidas (4m+10). 180º e (3m-2). 180º?

Solução:

Pela definição de arcos côngruos dada acima, deveremos ter:

(4m+10).180º - (3m-2).180º = k . 360º, onde k é um número inteiro.


720m + 1800 -[540m - 360] = k . 360
720m + 1800 - 540m + 360 = k. 360
180m + 2160 = k . 360
180m = k . 360 - 2160
m = 2k - 12
Mas, pelo enunciado, temos 30 < m < 40. Logo:
30 < 2k - 12 < 40
42 < 2k < 52
21 < k < 26 ⇒ k = 22, 23, 24 ou 25.
Existem 4 valores possíveis para k e, portanto, também 4 valores possíveis para m,
já que m = 2k - 12.

Resposta: m possui 4 (quatro) valores distintos.

Testes Verdadeiro - Falso

1 - Os arcos de 4200º e 3480º são côngruos


2 - Os arcos de (- 420º ) e 300º são côngruos.
3 - O arco de 10.002º pertence ao segundo quadrante.
4 - O arco de (- 200º) pertence ao segundo quadrante.

Gabarito:
1-V
2-V
3-F
4-V
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 3
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Trigonometri
a II

1 - Funções trigonométricas: seno, cosseno, tangente, cotangente,


secante e cossecante.

Considere a figura abaixo, onde está


representado um círculo trigonométrico
(centro na origem e raio unitário).
Da simples observação da figura, temos os
seguintes pontos notáveis:
A (1; 0) , B(0; 1) , A’(-1; 0) e B’(0; -1).

Definiremos os seguintes eixos:

A’A = eixo dos cossenos (variando no


intervalo real de -1 a +1)
B’B = eixo dos senos (variando no intervalo real de -1 a +1)
AT = eixo das tangentes → variando no intervalo real (-∞ , +∞ ).

Observe também que as coordenadas cartesianas do ponto U são:


x0 = abscissa e y0 = ordenada, ou seja: U(x0 , y0).

Considere o arco trigonométrico AU de medida a. Nestas condições


definimos:
1 - Seno do arco de medida a = ordenada do ponto U = y0 e
indicamos: sen a = y0 .
2 - Cosseno do arco de medida a = abscissa do ponto U = x0 e
indicamos: cos a = x0

Lembrando que o raio do círculo trigonométrico é igual a 1 (por


definição), concluímos que o seno e o cosseno de um arco são
números reais que variam no intervalo real de -1 a +1.

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 4


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Da figura acima, podemos escrever: x02 + y02 = OU2; mas, OU = raio
do círculo trigonométrico
e portanto vale 1.
Daí vem a seguinte relação entre o seno e o cosseno de um arco, já
que x0 = cos a e y0 = sen a :

sen2a + cos2a = 1

denominada relação fundamental da Trigonometria.

Observando ainda a figura acima e considerando os sinais das


ordenadas e das abscissa ou seja, sinais do seno e do cosseno,
podemos concluir que o seno é positivo para os arcos compreendidos
entre 0º e 180º (1º e 2º quadrantes) e negativo para os arcos
compreendidos entre 180º e 360º (3º e 4º quadrantes).

Já para o cosseno, usando a mesma consideração anterior,


concluímos que o cosseno é positivo para os arcos compreendidos
entre 0º e 90º (1º quadrante) e para os arcos compreendidos entre
270º e 360º (4º quadrante) e, negativo para os arcos compreendidos
entre
90º e 180º (2º quadrante) e para os arcos compreendidos entre 180º
e 270º (3º quadrante).

Valores notáveis do seno e cosseno:

sen 0º = sen 180º = cos 90º = cos 270º = 0


sen 90º = cos 0º = cos 360º = 1
sen 270º = cos 180º = -1

Ainda na figura anterior observe o segmento AT.


O comprimento deste segmento, é por definição, a tangente do arco
AU de medida a.
Indicamos isto escrevendo tg a = AT.
A escala adotada no eixo das tangentes é a mesma dos eixos das
abscissas e das ordenadas.

Pela semelhança dos triângulos Ox0U e OAT, podemos escrever:

;
mas como y0 = sen a, x0 = cos a, AT = tg a e OA = 1, vem:

para cos a ≠ 0.

Nota: para saber o sinal da tangente nos 4 quadrantes, basta usar a


regra de sinais da divisão, já que a tangente é simplesmente o
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 5
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
quociente do seno pelo cosseno, cujos sinais nos quadrantes já
conhecemos.

Somente como exemplo, como o seno e o cosseno são negativos no


3º quadrante, sendo a tangente o quociente entre eles, concluímos
que neste quadrante, a tangente será positiva, pois menos dividido
por menos dá mais!

Os inversos multiplicativos do seno, cosseno e tangente, recebem


designações particulares a saber:

1 - inverso do seno = cossecante (símbolo: cossec)


2 - inverso do cosseno = secante (símbolo: sec)
3 - inverso da tangente = cotangente (símbolo: cotg )

Assim, sendo a um arco trigonométrico, poderemos escrever:

para sen a ≠ 0.

para cos a ≠ 0.

para sen a ≠ 0.

Exercícios Resolvidos

1. Qual o valor máximo da função y = 10 + 5 cos 20x?

Solução:
O valor máximo da função ocorre quando o fator cos20x é máximo,
isto é, quando cos 20x = 1. Logo, o valor máximo da função será y =
10 + 5.1 = 15.

2. Qual o valor mínimo da função y = 3 + 5 sen 2x?

Solução:
O valor mínimo da função ocorre quando o fator sen2x é mínimo, isto
é, quando sen2x = -1.
Logo, o valor mínimo da função será y = 3 + 5(-1) = - 2 .

3. Qual o valor máximo da função ?


Solução:
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 6
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
A função terá valor máximo, quando o denominador tiver valor
mínimo. Para que o denominador seja mínimo, deveremos ter cos 20x
=1∴
y = 10 / (6 - 2.1) = 10 / 4 = 5/2.
Portanto, o valor máximo da função é 5/2.

Qual seria o valor mínimo da mesma função?


Resposta: 5/4

4. Para que valores de m a equação sen 30x = m - 1 tem solução?

Solução:
Ora, o seno de qualquer arco, é sempre um número real pertencente
ao intervalo fechado [-1,1]. Logo, deveremos ter: -1 ≤ m -1 ≤ 1 ∴ 0 ≤
m ≤ 2.

Agora calcule:

a) o valor mínimo da função y = 2 + 9sen4x.


b) o valor máximo da função y = 10 - cosx .
c) o valor de y = sen 180º - cos270º
d) o valor de y = cos 180º - sen 270º
e) o valor de y = cos(360.k) + sen(360.k), para k inteiro.

Respostas: a) - 7 b) 11 c) 0 d) 0 e) 1

Trigonometri
a III

Fórmulas derivadas das fundamentais

Já sabemos as cinco fórmulas fundamentais da Trigonometria, a


saber:
Dado um arco trigonométrico x , temos:

Fórmula I: Relação Fundamental da Trigonometria.

sen2x + cos2x = 1
[o mesmo que (senx)2 + (cosx)2 = 1]

Fórmula II: Tangente.

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 7


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Fórmula III: Cotangente.

Fórmula IV: Secante.

Fórmula V: Cossecante.

Nota: considere nas fórmulas acima, a impossibilidade absoluta da


divisão por ZERO.
Assim, por exemplo, se cosx = 0, não existe a secante de x ; se sen x
= 0, não existe a cosec x, ...

Para deduzir duas outras fórmulas muito importantes da


Trigonometria, vamos partir da Fórmula I acima, inicialmente
dividindo ambos os membros por cos2 x≠ 0.
Teremos:

Das fórmulas anteriores, concluiremos inevitavelmente a seguinte


fórmula que relaciona a tangente e a secante de um arco
trigonométrico x:
tg2x + 1 = sec2x

Se ao invés de dividirmos por cos2x, dividíssemos ambos os membros


por sen2x, chegaríamos a:
cotg2x + 1 = cosec2x

As duas fórmulas anteriores, são muito importantes para a solução de


exercícios que comparecem nos vestibulares, e merece por isto, uma
memorização. Aliás, as sete fórmulas anteriores, têm
necessariamente de ser memorizadas, e isto é apenas o início! A
Trigonometria, infelizmente, depende de memorizações de fórmulas,
mas, se você souber deduzi-las, como estamos tentando mostrar
aqui, as coisas ficarão muito mais fáceis! Portanto, fique tranqüilo(a).

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 8


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Trigonometri
a IV

1 - Simplifique a expressão a seguir:<

Solução:

Das aulas anteriores, poderemos escrever:

2 - Sendo x um arco tal que cosx = tgx , calcule senx.

Solução:

Sabemos que tgx = senx / cosx.


Substituindo tgx por cosx (dado do problema), vem:
cosx = senx / cosx donde vem: cos2x = senx. Mas,
cos2x = 1 - sen2x .
Substituindo, fica: 1 - sen2x = senx.
Daí, vem: sen2x + senx - 1 = 0
Fazendo senx = y e substituindo: y2 + y - 1 = 0.
Resolvendo esta equação do 2º grau, usando a fórmula de Bhaskara,
fica:

Como y = senx, somos tentados a dizer que existem dois valores para
senx, dados pela igualdade acima. Lembre-se porém que o seno de
um arco é um número que pode variar
de -1 a +1. Portanto, somente um dos valores acima satisfaz o
problema ou seja:

que é a resposta procurada.

3 - Para que valor de m a expressão y = (m - 1) (sen4x - cos4x) +


2cos2x + m.cosx - 2.cosx + 1 é independente de x?

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 9


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Solução:

Podemos escrever:
y = (m - 1)[(sen2x - cos2x)(sen2x + cos2x)] + 2cos2x + mcosx - 2cosx
+1
Como sen2x + cos2x = 1, substituindo, fica:
y = (m - 1)(sen2x - cos2x) + 2cos2x + mcosx - 2cosx + 1
y = msen2x - mcos2x - sen2x + cos2x + 2cos2x + mcosx - 2cosx + 1
Escrevendo tudo em função de cosx, lembrando que sen2x = 1 -
cos2x, vem:
y = m(1 - cos2x) - mcos2x - (1 - cos2x) + cos2x + 2cos2x + mcosx -
2cosx + 1
y = m - mcos2x - mcos2x - 1 + cos2x + cos2x + 2cos2x + mcosx -
2cosx + 1
Simplificando os termos semelhantes, fica:
y = m + (4 - 2m)cos2x + (m - 2)cosx
Para que a expressão acima seja independente de x, deveremos ter
necessariamente 4 - 2m = 0 e m - 2 = 0
∴ m = 2, que é a resposta procurada.

4 - Agora resolva você mesmo:

Para que valor de m a expressão


y = m(sen4x - cos4x) + 2cos2x - 1 + m é independente de x?
Resposta: m = 1

5 - Sabendo que senx + cosx = m, calcule (m2 - 1)y sendo y dado


pela expressão:

Resposta: m(3 - m2).

Sugestão: Eleve ambos os membros da igualdade dada ao cubo, ou


seja:
(senx + cosx)3 = m3 , lembrando que (a+b)3 = a3 + b3 + 3(a+b).ab.
Eleve também ambos os membros da expressão dada ao quadrado,
ou seja:
(senx + cosx)2 = m2 , lembrando que (a+b)2 = a2 + 2ab + b2.

Trigonometri
aV

Cosseno da diferença de arcos

Dedução da fórmula

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 10


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Considere a figura abaixo que
representa uma circunferência
trigonométrica (centro na origem
O(0,0) e raio unitário). Sejam a e b
dois arcos trigonométricos com a > b.

Temos o arco PB de medida b e o arco PA de medida a. Nestas


condições, podemos concluir que o arco BA tem medida a - b.
Pelo teorema dos cossenos, sabemos que em qualquer triângulo, o
quadrado da medida de um lado é igual à soma dos quadrados das
medidas dos outros dois lados, menos o dobro do produto desses
lados, pelo cosseno do ângulo que eles formam.

Assim, na figura acima, poderemos escrever, pelo teorema dos


cossenos, para o triângulo OAB:
AB2 = OB2 + OA2 - 2. OB . OA . cos(a - b). (Equação 1)
Ora, OB = OA = 1 (raio do círculo trigonométrico, portanto, unitário).
AB = distancia entre os pontos A(cosa,sena) e B(cosb, senb).
Já vimos nesta página, a fórmula da distancia entre dois pontos; se
você não se lembra, revise os textos sobre Geometria Analítica .
Assim, substituindo os elementos conhecidos na fórmula acima
(equação 1), vem:
(cosa - cosb)2 + (sena - senb)2 = 12 + 12 - 2.1.1.cos(a -b)
Desenvolvendo, vem:
cos2a - 2.cosa.cosb + cos2b + sen2a - 2.sena.senb + sen2b = 2 -
2coss(a - b)
Lembrando que cos2a + sen2a = cos2b + sen2b = 1 (Relação
Fundamental da Trigonometria), vem, substituindo:
1 + 1 - 2cosacosb - 2senasenb = 2 - 2cos(a - b)
Simplificando, fica:
-2[cosacosb + senasenb] = -2.cos(a - b)
> Donde finalmente podemos escrever a fórmula do cosseno da
diferença de dois arcos a e b:

cos (a - b) = cosa . cosb + sena . senb

Exemplo: cos (x - 90º) = cosx. cos90º + senx . sen90º


Ora, como já sabemos que cos90º = 0 e sen90º = 1, substituindo,
vem finalmente:

cos(x - 90º) = senx.

Se fizermos a = 0º na fórmula do cosseno da diferença, teremos:


cos(0 - b) = cos0 . cosb + sen0 . senb
E como sabemos que cos0 = 1 e sen0 = 0, substituindo, fica:

cos(- b) = cosb

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 11


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Portanto:
cos( - 60º ) = cos60º = 1/2, cos( - 90º) = cos90º = 0, cos ( -180º) =
cos 180º = -1, etc.
Se considerarmos a função y = cosx , como cos( - x ) = cosx , diremos
então que a função cosseno é uma função par. Reveja o capítulo de
funções.

Para finalizar, tente simplificar a seguinte expressão:


y = cos(x - 90º) - cos(x - 270º).
Resposta: 2senx

Trigonometri
a VI

Adição e subtração de arcos

1. Vimos em Trigonometria V, a dedução da fórmula do cosseno da


diferença de dois arcos. Apresentaremos a seguir, as demais fórmulas
da adição e subtração de arcos sem as deduções, lembrando que
essas deduções seriam similares àquela desenvolvida para cos (a –
b), com certas peculiaridades inerentes a cada caso.

2. Sejam a e b dois arcos trigonométricos.

São válidas as seguintes fórmulas, que devem ser memorizadas!


Repito aqui, que uma das aparentes dificuldades da Trigonometria é
essa necessidade imperiosa de memorização de fórmulas. Entretanto,
a não memorização levaria a perda de tempo para deduzi-las durante
as provas, o que tornaria a situação impraticável. Talvez, a melhor
solução seria aquela em que os examinadores que elaboram os
exames vestibulares inserissem como anexo de toda prova, um
resumo das fórmulas necessárias à sua resolução, exigindo do
candidato, apenas o conhecimento e o raciocínio necessários para
manipulá-las algebricamente e, aí sim teria sido feito justiça! Fica a
sugestão aos professores!.

Eis as fórmulas, já conhecidas de vocês, assim espero.

cos(a – b) = cosa . cosb + sena . senb


cos(a + b) = cosa . cosb – sena . senb
sen(a – b) = sena . cosb – senb . cosa
sen(a + b) = sena . cosb + senb . cosa

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 12


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Nota: nas duas fórmulas da tangente, sempre leve em conta a
absoluta impossibilidade da divisão por zero!
Fazendo a = b nas fórmulas da soma, vem:
sen2a = 2sena. cosa
cos2a = cos2a – sen2a = 2cos2a – 1 = 1 – 2.sen2a

Trigonometria
VII

1 - Multiplicação de arcos

Problema: Conhecendo-se as funções trigonométricas de um arco a ,


determinar as funções trigonométricas do arco n.a onde n é um
número inteiro maior ou igual a 2.
Usaremos as fórmulas das funções trigonométricas da soma de arcos
para deduzi-las.

1.1 - Seno e cosseno do dobro de um arco

Sabemos das aulas anteriores que sen (a + b) = sen a .cos b + sen b.


cos a. Logo, fazendo a = b, obteremos a fórmula do seno do dobro do
arco ou do arco duplo:
sen 2a = 2 . sen a . cos a
Analogamente, usando a fórmula do cosseno da soma, que sabemos
ser igual a
cos(a + b) = cos a . cos b - sen a .sen b
e fazendo a = b, obteremos a fórmula do cosseno do dobro do arco
ou do arco duplo:
cos 2a = cos2a - sen2a

Da mesma forma, partindo da tangente da soma, obteremos


analogamente a fórmula da tangente do dobro do arco ou do arco
duplo:

A fórmula acima somente é válida para tga ≠ 1 e tga ≠ -1, já que


nestes casos o denominador seria nulo! Lembre-se do 11º
mandamento! NÃO DIVIDIRÁS POR ZERO! Sabemos que a divisão
por zero não é possível. Imagine dividir 2 chocolates por zero
pessoas!!!
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 13
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Exemplos:

sen4x = 2.sen2x.cos2x
senx = 2.sen(x/2).cos(x/2)
cosx = cos2(x/2) - sen2(x/2)
cos4x = cos22x - sen22x, ... , etc.

2 - Divisão de arcos
Vamos agora achar as funções trigonométricas da metade de um
arco, partindo das anteriores.

2.1 - Cosseno do arco metade


Ora, sabemos que cos2a = cos2a - sen2a
Substituindo sen2a, por 1 - cos2a, já que sen2a + cos2a = 1, vem:
cos2a = 2.cos2a - 1. Daí, vem:
cos2a = (1+cos2a) / 2
Fazendo a = x/2, vem, cos2(x/2) = [1+cosx]/2.
Podemos escrever então a fórmula do cosseno do arco metade como:

Obs: o sinal algébrico vai depender do quadrante ao qual pertence o


arco x/2.

2.2 - Seno do arco metade


Podemos escrever: cos2a = (1-sen2a) - sen2a = 1 - 2sen2a
Daí vem: sen2a = (1 - cos2a)/2
Fazendo a = x/2 , vem: sen2(x/2) = (1 - cosx) / 2.
Podemos escrever então, a fórmula do seno do arco metade como
segue:

Obs: o sinal algébrico vai depender do quadrante ao qual pertence o


arco x/2.

2.3 - Tangente do arco metade


Dividindo membro a membro as equações 2.1 e 2.2 anteriores,
lembrando que
tg(x/2) = sen(x/2) / cos(x/2), vem:

Obs: o sinal algébrico vai depender do quadrante ao qual pertence o


arco x/2.
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 14
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Exercício resolvido
Simplifique a expressão y = cossec2a - cotg2a

Solução:
Sabemos que cossec2a = 1 / sen2a e cotg2a = cos2a / sen2a . Logo,
y = (1/sen2a) - (cos2a/sen2a)
Simplificando, vem: y = (1 - cos2a) / sen2a . Portanto,

Portanto, cossec2a - cotg2a = tga.


Lembre-se que 1 - cos2a = sen2a.
Somente a título de ilustração, vamos ler a expressão resultado: A
cossecante do dobro de um arco subtraída da cotangente do dobro do
mesmo arco é igual à tangente do arco. Aqui pra nós: a linguagem
simbólica não é muito mais fácil?

3 - Transformação de somas em produto

Vamos deduzir outras fórmulas importantes da Trigonometria.


As fórmulas a seguir são muito importantes para a simplificação de
expressões trigonométricas.

Já sabemos que:
sen(a + b) = sen a . cos b + sen b . cos a
sen (a - b) = sen a . cos b - sen b . cos a
Somando membro a membro estas igualdades, obteremos:
sen(a + b)+ sen(a - b) = 2.sen a . cos b.

Fazendo
a+b=p
a-b=q
teremos, somando membro a membro:
2a = p + q, de onde tiramos a = (p + q) / 2
Agora, subtraindo membro a membro, fica:
2b = p - q, de onde tiramos b = (p - q) / 2

Daí então, podemos escrever a seguinte fórmula:

Exemplo: sen50º + sen40º = 2. sen45º.cos5º

Analogamente, obteríamos as seguintes fórmulas:

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 15


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Exemplos:

cos 30º + cos 10º = 2.cos20º.cos10º


cos 60º - cos 40º = -2.sen50º.sen10º
sen 70º - sen 30º = 2.sen20º.cos50º.

Trigonometria
VIII

Exercícios Resolvidos

1) Se sen3x + senx = cos3x + cosx, então:


a) senx = 0
b) cosx = 0
c) tgx = 1
d) sen2x = 1
e) tg2x = 1

Solução:
Vamos usar as fórmulas de transformação em produto, vistas na aula
anterior. Reveja as fórmulas se necessário, em Trigonometria VII.

Teremos:

Simplificando, vem:
2.sen2x.cosx = 2.cos2x.cosx. Ora, daí vem simplificando:
sen2x = cos2x e, portanto, sen2x / cos2x = 1 ⇒ tg2x =1.
Portanto a igualdade dada equivale à igualdade tg2x = 1. Logo, letra
E.
Nota: Lembre-se que sen h / cos h = tg h.

2) Determine o período da função y = sen20x. cos10x +


sen10x.cos20x.

Solução:

Sabemos que sena.cosb+senb.cosa = sen(a+b).


Logo,
sen20x.cos10x+sen10x.cos20x = sen(20x+10x) = sen30x
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 16
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Portanto, a função dada é equivalente a y = sen30x.
Mas, o período de uma função da forma y = senbx é dado por T = 2π
/ b.
Logo, o período da função dada será: T = 2π / 30 = π /15 radianos.
Resposta: o período da função é igual π /15 rad.

3) Qual o valor máximo da função y = f(x) definida por:

Solução:

Sabemos que cosx. cos4x - senx.sen4x = cos(x+4x) = cos5x


Para concluir isto, basta lembrar da fórmula do cosseno da soma!
Portanto, podemos escrever:

Para que y seja MÁXIMO, devemos ter 100+cos5x = MÍNIMO.


É claro que isto ocorrerá para cos5x = -1.
Logo, o valor máximo da função será: y = 100 / (100 - 1) = 100/99.

Resposta: 100/99.

4) Seja dada a função y = f(x), definida por:

Nestas condições, pede-se calcular o valor de y = f(π /17).

Solução:

Vamos transformar em produto o denominador da função:

Mas, cos13x = cos (17x - 4x) = cos17x. cos4x + sen17x.sen4x.


Como x = π /17, vem imediatamente que 17x = π . Logo,
substituindo vem:
cos13x = cosπ .cos4x + senπ .sen4x = -1.cos4x + 0.sen4x = - cos4x
Já que cos13x = - cos4x , para x = π /17, substituindo, vem
finalmente:
y = - cos4x / (2.cos4x) = -1/2.

Resposta: y = - 1/2.
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 17
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Trigonometri
a IX

Período das funções trigonométricas

Considere uma função y = f(x) de domínio D. Seja x ∈ D um elemento


do domínio da função f. Consideremos um elemento p ∈ D.

Se f(x+p) = f(x) para todo x ∈ D, dizemos que a função f é periódica.

Ao menor valor positivo de p , denominamos período da função f.

Complicado? Não!
Veja o exemplo abaixo:

Seja y = f(x) = senx


Temos que f(x+2π ) = sen(x+2π ) = senx.cos2π + sen2π .cosx
=senx .1 + 0.cosx = senx
ou seja, f(x+2π ) = f(x).
Portanto, sen(x+2π ) = senx

Da definição acima, concluímos que o período da função y = senx é


igual a 2π radianos.

Analogamente, concluiríamos que:


O período da função y = cosx é 2π radianos.
O período da função y = secx é 2π radianos.
O período da função y = cosecx é 2π radianos.
O período da função y = tgx é π radianos.
O período da função y = cotgx é π radianos.

As afirmações acima equivalem às seguintes afirmações:


cos (x+2π ) = cosx|
sec(x+2π ) = secx
cosec(x+2π ) = cosecx
tg(x+π ) = tgx
cotg(x+π ) = cotgx

De uma forma genérica, poderemos dizer que o período T da função


y = a+b.sen (rx + q)
é dado por:

Observe que somente o coeficiente de x tem influencia para o cálculo


do período da função.
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 18
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
A fórmula acima aplica-se também para o caso da função y = a +
b.cos(rx+q).

No caso das funções y = a + b.tg(rx+q) ou y = a + b.cotg(rx+q) a


fórmula a ser aplicada para o cálculo do período T é:

Exemplos:

Determine o período das seguintes funções trigonométricas:


a) y = sen (2x - 45º)
Resposta: T = 2π /2 = π radianos

b) y = 2. cos(3x+45º)
Resposta: T = 2π /3 rad = 120º . (Lembre-se que π rad = 180º).

c) y = 5 + 10. cos(π x + 2)
Resposta: T = 2π /π = 2 rad

d) y = tg (2x - π )
Resposta: T = π /2 rad

e) y = sen2x. cos4x + sen4x.cos2x


Resposta: A função pode ser escrita como y = sen(2x+4x) = sen6x
Logo, T = 2π /6 = π /3 rad ou 60º.

f) y = senx + cosx
Resposta: Antes de aplicar a fórmula do período, temos que
transformar a soma do segundo membro, num produto. Logo,
y = senx + sen(90º - x)

Observe que sen(90º-x) = sen90º.cosx - senx.cos90º = cosx.


Logo, a função dada poderá ser escrita como, usando a fórmula de
transformação da soma de senos em produto.

Portanto o período procurado será T = 2π /1 = 2π rad.

Agora resolva estes:

Determine o período das seguintes funções:


a) y = sen10x
Resposta: T = π /5 rad.

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 19


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
b) y = 1 + cos(2x+π /4)
Resposta: T = π rad.

c) y = sen(x/3) + cos(x/2)
Resposta: T = 12π rad.

Exercícios Resolvidos de
Trigonometria

1 - (UNI-RIO) Os lados de um triângulo são 3, 4 e 6. O cosseno do


maior ângulo interno desse triângulo vale:

a) 11 / 24
b) - 11 / 24
c) 3 / 8
d) - 3 / 8
e) - 3 / 10

Solução:

Sabemos que num triângulo, ao maior lado opõe-se o maior ângulo.


Logo, o maior ângulo será aquele oposto ao lado de medida 6.
Teremos então, aplicando a lei dos cossenos:

62 = 32 + 42 - 2 . 3 . 4 . cos b ∴ 36 - 9 - 16 = - 24 . cos β ∴ cos β = -


11 / 24 e, portanto, a alternativa correta é a letra B.

Lembrete: TC - Teorema dos cossenos: Em todo triângulo, o quadrado


de um lado é igual à soma dos quadrados dos outros dois, menos o
dobro do produto desses lados pelo cosseno do angulo que eles
formam.

2 - (UNESP) Se x e y são dois arcos complementares, então podemos


afirmar que
A = (cosx - cosy)2 + (senx + seny)2 é igual a:

a) 0
b) 1/2
c) 3/2
d) 1
e) 2

Solução:

Desenvolvendo os quadrados, vem:


A = cos2 x - 2 . cosx . cosy + cos2 y + sen2 x + 2 . senx . seny + sen2 y
Organizando convenientemente a expressão, vem:
A = (cos2 x + sen2 x) + (sen2 y + cos2 y) - 2 . cosx . cosy + 2 . senx .
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 20
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
seny
A = 1 + 1 - 2 . cosx . cosy + 2 . senx . seny
A = 2 - 2 . cosx . cosy + 2 . senx . seny
Como os arcos são complementares, isto significa que x + y = 90º ∴
y = 90º - x.
Substituindo, vem:
A = 2 - 2 . cosx . cos(90º - x) + 2 . senx . sen(90º - x)
Mas, cos(90º - x) = senx e sen(90º - x) = cosx, pois sabemos que o
seno de um arco é igual ao cosseno do seu complemento e o cosseno
de um arco é igual ao seno do seu complemento.
Logo, substituindo, fica:
A = 2 - 2 . cosx . senx + 2 . senx . cosx
A = 2 + (2senxcosx - 2senxcosx) = 2 + 0 = 2 , e portanto a
alternativa correta é
a letra E.

3 - Calcule sen 2x sabendo-se que tg x + cotg x = 3.

Solução:

Escrevendo a tgx e cotgx em função de senx e cosx , vem:

Daí, vem: 1 = 3 . senx . cosx ∴ senx . cosx = 1 / 3. Ora, sabemos que


sen 2x = 2 . senx . cosx e portanto senx . cosx = (sen 2x) / 2 , que
substituindo vem:
(sen 2x) / 2 = 1 / 3 e, portanto, sen 2x = 2 / 3.
Resposta: 2 / 3

4 - (ITA - 96) Seja α ∈ [0, π /2], tal que sen α + cos α = m .


Então, o valor de

é:

a) 2(m2 - 1) / m(4 - m2)


b) 2(m2 + 1) / m(4 + m2)
c) 2(m2 - 1) / m(3 - m2)
d) 2(m2 - 1) / m(3 + m2)
e) 2(m2 + 1) / (3 - m2)

Solução:

Quadrando ambos os membros da expressão dada, vem:


(sen α + cos α )2 = m2 . Desenvolvendo, fica:
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 21
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
sen2 α + 2 . sen α . cos α + cos2 α = m2
Simplificando, vem: 1 + 2 . sen α . cos α = m2 ∴ 1 + sen 2α = m2 e,
portanto,
sen 2α = m2 - 1
Seguindo o mesmo raciocínio, vamos elevar ambos os membros da
expressão dada ao cubo:
Lembrete: (a + b)3 = a3 + b3 + 3(a +b) . ab
Logo:
(sen α + cos α )3 = m3 . Desenvolvendo, vem:
sen3 α + cos3 α + 3 (sen α + cos α ) (sen α . cos α ) = m3
Lembrando que sen α + cos α = m e sen α . cos α = sen 2α / 2, e
substituindo, fica:
sen3 α + cos3 α = m3 - 3 (m) . (m2 - 1) / 2
Substituindo esses valores encontrados na expressão dada, teremos
então:

E, portanto, a alternativa correta é a letra C.

Funções Trigonométricas
Inversas

1 – Função arco seno

Considere a função y = senx. Sabemos que para achar a inversa,


basta permutar x por y e vice-versa. Nestas condições a inversa será
x = seny.

Entretanto, sabemos do estudo geral das funções, que a inversa de


uma função será também uma função se e somente se a função dada
for bijetora. Como sabemos que a função y = senx não é bijetora em
R, (se necessário, revise esse conceito no capítulo Funções) , para
que a sua inversa seja também uma função, deveremos definir um
intervalo na qual a função seno seja bijetora.
Este intervalo é: [-π /2, π /2]
Assim, a função f: [-π /2, π /2] → [-1, 1] definida por y = senx é
bijetora.
Então, a inversa x = seny terá domínio [-1, 1] e conjunto imagem [-
π /2, π /2] e, neste caso, será também uma função.

A igualdade x = seny costuma ser escrita como y = arcsenx que lê-


se: y é o arco cujo seno é x.
Em resumo: y = arcsenx para -1 £ x ≤ 1 e -π /2 ≤ x ≤ π /2.

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 22


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Nunca esqueça que y = arcsenx ⇔ seny = x, considerando-se as
limitações para x e y impostas acima.

Exemplos:

a) sen π /6 = 1/2 ⇔ π /6 = arcsen (1/2)


b) sen π = 0 ⇔ π = arcsen 0
c) sen 0 = 0 ⇔ 0 = arcsen 0 (lê-se: 0 é o arco cujo seno é 0).

Exercício Resolvido

Qual o domínio e o conjunto imagem da função y = arcsen 4x?


Solução:
Podemos escrever: 4x = seny. Daí, vem:
Para x: -1 ≤ 4x ≤ 1 ⇒ -1/4 ≤ x ≤ 1/4. Portanto, Domínio = D = [-1/4,
1/4].
Para y: Da definição vista acima, deveremos ter -π /2 ≤ y ≤ π /2.
Resposta: D = [-1/4, 1/4] e Im = [-π /2, π /2].

Analogamente definiríamos as funções arco coseno e arco tangente .

1. Função arco coseno


y = arccosx ⇔ x = cosy, para 0 ≤ y ≤ π e –1 ≤ x ≤ 1.
Exemplo: cos 60º = 1/2, logo 60º = arccos 1/2 (Obs: 60º = π /3 rad)

2. Função arco tangente


y = arctgx ⇔ x = tgy , para -π /2 < y < π /2 e x ∈ R.
Exemplo: tg 45º = 1, logo 45º = arctg 1 (Obs: 45º = π /4 rad)

Exercícios Resolvidos:

1. Calcule y = tg(arcsen 2/3)

Solução:
Seja w = arcsen 2/3. Podemos escrever senw = 2/3. Precisamos
calcular o cosw. Vem:
sen2w + cos2w = 1 (Relação Fundamental da Trigonometria).
Substituindo o valor de senw vem:
(2/3)2 + cos2w = 1 de onde conclui-se: cos2w = 1 – 4/9 = 5/9.
Logo:
cosw = ± √ 5 / 3. Mas como w = arcsen 2/3, sabemos que o arco w
pode variar de
–90º a +90º, intervalo no qual o coseno é positivo. Logo: cosw = +√
5 /3.
Temos então: y = tg(arcsen 2/3) = tgw = senw / cosw = [(2/3) / (√
5/3)] = 2/√ 5
Racionalizando o denominador, vem finalmente y = (2√ 5)/ 5 que é o
valor de y procurado.
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 23
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
2. Calcular o valor de y = sen (arc tg 3/4).

Solução:
Seja w = arc tg 3/4. Podemos escrever:
tgw = 3/4 ⇒ senw / cosw = 3/4 ⇒ senw = (3/4).cosw
Da relação fundamental da Trigonometria, sen2w + cos2w = 1, vem,
substituindo o valor de senw:
[(3/4).cosw]2 + cos2w = 1 ∴ 9/16.cos2w + cos2w = 1 ∴ 25/16 . cos2w
=1
cos2w = 16/25 ⇒ cosw = ± 4/5.
Como w = arctg 3/4, sabemos da definição da função arco tangente
que w varia no intervalo
–90º a +90º , intervalo no qual o coseno é positivo.
Logo, cosw = + 4/5.
Mas, senw = (3/4). cosw = (3/4).(4/5) = 3/5 , e portanto:
y = sen(arctg 3/4) = senw = 3/5, que é a resposta procurada.

Agora resolva os seguintes:

1) Qual o domínio da função y = arccos (1 – logx)?

2) Resolver a equação: arcsenx = 2 arccosx

Respostas: 1) D = [1,100] 2) x = √ 3/2.

Teorema dos
Senos - TS

Considere a figura abaixo, onde vemos um triângulo ABC inscrito


numa circunferência de raio R. Observe que também podemos dizer
que a circunferência está circunscrita ao triângulo ABC.

Na figura acima, temos:


AH = diâmetro da circunferência
= 2R
(R = raio)
AO = OH = raio da circunferência
=R
Medidas dos lados do triângulo
ABC:
AB = c, BC = a e AC = b.
Para deduzir o teorema dos
senos, vamos iniciar observando
que os ângulos H e B são
congruentes ou seja possuem a
mesma medida, pois ambos
estão inscritos no mesmo arco CA. Além disso, podemos afirmar que

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 24


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
o ângulo ACH é reto (90º), pois AH é um diâmetro. Portanto o
triângulo ACH é um triângulo retângulo.
Podemos então escrever:
sen H = sen B = cateto oposto / hipotenusa = AC / AH = b/2R
Logo, fica: sen B = b / 2R e, portanto, b/senB = 2R.

Analogamente chegaríamos às igualdades


c/senC = 2R
a/senA = 2R
Como estas três expressões são todas iguais a 2R, poderemos
escrever finalmente:

Esta expressão mostra que as medidas dos lados de um triângulo


qualquer são proporcionais aos senos dos ângulos opostos a estes
lados, sendo a constante de proporcionalidade igual a 2R, onde R é o
raio da circunferência circunscrita ao triângulo ABC.
Este é o teorema dos senos – TS.

O teorema dos senos visto acima, permite a dedução de uma


importante fórmula para o cálculo da área de um triângulo qualquer.
Seja o triângulo ABC da figura abaixo, de altura h.

Sabemos que a
área de um
triângulo é igual
ao semiproduto da
base pela altura:
S = 1/2 . base .
altura . Logo,
S = 1/2 . a . h

Mas, no triângulo retângulo CAH, podemos escrever:


sen C = cateto oposto/hipotenusa = h/b ⇒ h = b.senC
Substituindo na fórmula da área acima, vem:
S = 1/2.a.b.senC

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 25


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Mas, sabemos do teorema dos senos que
c/senC = 2R, onde R é o raio da circunferência circunscrita ao
triângulo ABC. Logo: senC = c / 2R
Portanto, S = 1/2.a.b.c/2R = abc/4R.
Temos então a seguinte fórmula para o cálculo da área de um
triângulo qualquer:

onde a, b e c são as medidas dos lados do triângulo e R é o raio da


circunferência circunscrita ao triângulo e S a área do triângulo.
Já sabemos da Geometria Plana, que a área de um triângulo ABC,
cujos lados medem respectivamente a, b e c, é dada pela fórmula:

onde p é o semiperímetro do triângulo ou seja: p = (a+b+c) / 2


Esta fórmula é conhecida comumente como Fórmula de Heron.
Heron de Alexandria – célebre geômetra grego. Viveu no século 1º da
era cristã.
Assim, substituindo o valor de S da fórmula anterior, na fórmula
S=abc/4R, encontraremos uma fórmula útil para o cálculo do raio da
circunferência circunscrita a um triângulo qualquer
de lados a, b e c:
Temos: S = abc / 4R ⇒ R = abc / 4S
Portanto,

Onde p, conforme vimos acima é o semiperímetro dado por p =


(a+b+c)/2.

Exemplo de aplicação: Vestibular da Univ. Federal do Ceará/1990


Seja R o raio do círculo circunscrito ao triângulo cujos lados medem
10m, 17m e 21m. Determine em metros, o valor de 8R.

Solução:
Temos: a = 10, b = 17 e c = 21 ⇒ p = (10+17+21) / 2 = 24
Portanto, substituindo diretamente na fórmula acima, fica:

Como o problema solicita o valor de 8R, vem: 8R = 8.170/16 = 170/2


= 85.
Portanto, 8R = 85, que é a resposta do problema.
Resposta: 85m

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 26


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Teorema dos
Cossenos - TC

Considere o triângulo ABC na figura abaixo:


AH = altura do triângulo em relação
à base CB.
Medidas dos lados: AC = b, AB = c e
CB = a.
Podemos escrever no triângulo AHB:

AH2 + HB2 = c2 (Teorema de


Pitágoras).
Analogamente, podemos aplicar o
teorema de Pitágoras no triângulo
AHC:
b2 = CH2 + AH2
Mas, CH = CB – HB = a – HB
Portanto: b2 = (a - HB)2 + AH2
b2 = a2 – 2.a.HB + HB2 + AH2
Observe que HB2 + AH2 = AB2 = c2
Então fica: b2 = a2 + c2 – 2.a.HB
No triângulo retângulo AHB, podemos escrever:
cosB = cateto adjacente/hipotenusa = HB/c
Daí, HB = c.cosB
Substituindo, fica:
b2 = a2 + c2 – 2.a.c. cosB
Da fórmula acima, concluímos que num triângulo qualquer, o
quadrado da medida de um lado é igual a soma dos quadrados das
medidas dos outros dois lados, menos o dobro do produto das
medidas desses lados pelo cosseno do angulo que eles formam.
Isto é o Teorema dos cossenos – TC.
Analogamente, poderemos escrever:
a2 = b2 + c2 – 2.b.c.cosA
c2 = a2 + b2 – 2.a.b.cosC

Em resumo:

a2 = b2 + c2 – 2.b.c.cosA
b2 = a2 + c2 – 2.a.c.cosB
c2 = a2 + b2 – 2.a.b.cosC

Exemplo 1: Num triângulo dois lados de medidas 4 cm e 8 cm formam


entre si um angulo de 60º. Qual a medida do outro lado?
Ora, sendo x a medida do terceiro lado, teremos:
x2 = 42 + 82 – 2.4.8.cos60º = 16 + 64 – 2.4.8.(1/2), já que cos60º =
1/2.
x2 = 16 + 64 – 32 = 48 = 16.3; logo, poderemos escrever:

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 27


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
x2 = 42.3 ⇒ x =4√ 3 cm

Exemplo 2: Determine o comprimento do lado de um hexágono


regular inscrito num círculo de raio R.

R = raio do círculo.
Sabemos que um hexágono regular possui 6 lados de medidas
congruentes, ou seja de medidas iguais. Observe que o angulo A é
igual a 60º. Logo, o lado PQ do hexágono regular será dado pelo
teorema dos cossenos por:
PQ2 = R2 + R2 – 2.R.R.cos60º = 2R2 – R2 (Obs: cos60º = 1/2)
PQ2 = R2, de onde conclui-se: PQ = R.

CONCLUSÃO:
A medida do lado de um hexágono regular inscrito num círculo de raio
R é igual a R. Esta é uma propriedade importantíssima dos hexágonos
regulares.
Vale a pena memorizar esta propriedade dos hexágonos regulares.

Teorema das
Áreas- TA

Sabemos de aula anterior, Teorema dos Senos que a área S de um


triângulo ABC inscrito numa circunferência de raio R e cujos lados
medem a, b e c é dada pela fórmula:
S = abc /4R
Sabemos também, da teoria exposta no mesmo arquivo anterior, que
c/senC = 2R (Teorema dos senos – TS).
Podemos então dizer que c = 2R.senC
Substituindo na fórmula da área acima, vem:
S = a.b.2R.senC / 4R , que simplificada fica:
S = (1/2).ab.senC , onde C é o ângulo formado pelos lados de
medidas a e b .
Portanto, a área de um triângulo qualquer é igual ao semi-produto
das medidas de dois lados pelo seno do angulo que eles formam
entre si. Isto é o Teorema das áreas - TA.
Genericamente, podemos escrever a fórmula acima em função de
qualquer par de medidas dos lados a saber:

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 28


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Exemplo : Dois lados de um triângulo medem 10cm e 20cm e formam
entre si um angulo de 30º. Qual a área desse triângulo?
Solução: S = (1/2).10.20.sen30º = (1/2).10.20.(1/2) = 50cm2
Obs: sen30º = 0,5 = 1/2

Repetindo: a área de qualquer triângulo é igual a metade do produto


de dois lados pelo seno do angulo que eles formam.

Um produto de senos e
cossenos

Simplifique a expressão E = 8 . sen10º . cos20º . sen50º ?

Solução:

Sabemos que :
sen(a+b) = senacosb + senbcosa
sen(a-b) = senacosb – senbcosa
Somando membro a membro, vem:
sen(a+b) + sen(a-b) = 2senacosb

Daí, vem:
sena.cosb = 1/2 [sen(a+b) + sen(a-b)]

Portanto:
sen10º . cos20º = 1/2 [sen(10º + 20º) + sen(10º - 20º)]
sen 10º . cos 20º = 1/2 [sen 30º + sen (- 10º)]
sen 10º . cos 20º = 1/2 [1/2 – sen 10º] Obs: sen( - 10º ) = - sen 10º

Substituindo na expressão dada, vem:


E = 8 . {1/2 [1/2 – sen 10º]}. sen 50º
E = 8 . [1/4 – (sen 10º)/2] . sen 50º
E = [2 – 4.sen 10º] . sen 50º
E = 2.sen50º - 4.sen 10º . sen 50º (Eq. 1)

Mas, sena . senb = 1/2 [cos(a-b) – cos(a+b)]


Logo:
sen10º . sen50º = 1/2 [cos(10º - 50º) – cos(10º + 50º)]
sen10º . sen50º = 1/2 [ cos40º - cos60º ] Obs: cos(-40º) = cos40º ,
pois a função coseno é par ou seja
f(-x) = f(x) para todo x.

Substituindo na Eq. (01) acima, vem:

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 29


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
E = 2.sen50º - 4(1/2[cos40º - cos60º])
E = 2.sen50º - 2.cos40º + 1 (Obs: cos60º = 1/2)
E = 2(sen50º - cos40º) + 1

Como 50º e 40º são ângulos complementares, vem que sen50º =


cos40º
Daí vem, finalmente:
E = 2.0 + 1
Portanto, E = 1.
E = 8.sen10º.cos20º.sen50º = 1
E=1

Dois problemas de
Trigonometria

Dada a função f : R → R, definida por f(x) = 2sen2x – cos2x, assinale V


(verdadeiro) ou F (falso) para cada afirmação a seguir:
1 - f é uma função par
2 - f é uma função ímpar
3 - o período de f é π rad
4 - f não é par e não é periódica
5 - f(π ) = 1

Resposta: FFVFF

Solução:

1. f é uma função par (valor lógico F)


Sabemos que uma função y = f(x) é PAR, quando f(-x) = f(x), para
todo x pertencente ao seu domínio.
Teremos, substituindo x por –x na lei que define a função:
f(-x) = 2sen(-2x) – cos(-2x)
Da teoria, sabemos que a função seno é ímpar e que a função
cosseno é par.
Logo: f(-x) = -2sen2x – cos2x = - (2sen2x +cos2x)
Portanto, f(-x) ≠ f(x); a função f não é par .

2. f é uma função ímpar (valor lógico F)


Uma função y = f(x) é ÍMPAR, quando f(-x) = - f(x), para todo x
pertencente ao seu domínio. Do item anterior, sabemos que f(-x) = -
2sen2x – cos2x
Como f(x) = 2sen2x – cos2x, vem que – f(x) = -2sen2x + cos2x
Logo, f(-x) ≠ - f(x); a função, então, não é ímpar.

3. O período de f é π rad (valor lógico V)


Temos f(x) = 2sen2x – cos2x .
Uma função y = f(x) é periódica de período T, quando f(x + T) = f(x) ,
para todo x pertencente ao seu domínio. Logo, para verificar se a
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 30
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
função f tem período π , basta calcular f(x+π ) e, comparar com f(x).
Temos: f(x + π ) = 2sen2(x+π ) – cos2(x + π ) = 2sen(2x + 2π ) –
cos(2x + 2π ) =
2sen2x – cos2x , que é exatamente igual a f(x). Logo, a função é
periódica de período π rad.
Nota: as funções seno e cosseno são periódicas de período 2π rad,
ou seja:
sen(a + 2π ) = sena e cos(a + 2π ) = cosa

4. f não é par e não é periódica (valor lógico F)


Dos itens 01 e 03, concluímos que a afirmação 4 é falsa, pois trata-se
de uma conjunção onde uma proposição é verdadeira (f não é par) e
a outra também é falsa (f não é periódica; acabamos de ver, que f
tem período π rad). Sempre é bom rever: veja os arquivos de Lógica
Matemática nesta página!.

5. f(π ) = 1 (valor lógico F)


Temos f(x) = 2sen2x – cos2x
Logo, f(π ) = 2sen2π - cos2π = 2.0 – 1 = -1
Portanto, a afirmação 5 é falsa.

Determine o período e o valor máximo da função y = 2sen2x –


cos2x.

Solução:

Para a determinação do período de uma função do tipo y = psenx +


qcosx, é sempre conveniente construir um triângulo retângulo.

Acompanhe com atenção:


Construa um triângulo de lados 1 e 2. Claro que a hipotenusa vale √
5, pelo teorema de Pitágoras. Seja θ o ângulo oposto ao lado de
medida 1. Podemos escrever: (Pegue agora uma folha de papel em
branco e faça a figura); você desejaria a figura pronta, não é? Mas, é
muito importante que você a construa, para acompanhar a solução.
Acho que é melhor assim, para um perfeito entendimento. Daí,
poderemos escrever:
senθ = 1/√ 5 (cateto oposto dividido pela hipotenusa}
cosθ = 2/√ 5 (cateto adjacente dividido pela hipotenusa)
Das expressões acima, vem que:
1 = senθ .√ 5
2 = cosθ .√ 5
Ora, f(x) = 2sen2x – cos2x = 2.sen2x – 1.cos2x
Substituindo os valores acima, vem:
f(x) = cosθ .√ 5.sen2x - senθ .√ 5.cos2x = √ 5(cosθ .sen2x - senq
.cos2x)
Observando cuidadosamente a expressão acima, perceberemos que o
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 31
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
segundo fator da multiplicação (em azul) é exatamente o seno da
diferença de dois arcos. Vem então:
f(x) = √ 5[sen(2x - θ )]
Como o período da função y = a . sen(bx ± c) é igual a T = 2π /b,
vem que:
T = 2π /2 = π rad.

Para calcular o valor máximo da função, sabendo que f(x) = √


5[sen(2x + θ )], fica muito fácil. Como o valor máximo da função
seno é igual a 1, vem finalmente que:
f(x)max = √ 5 . 1 = √ 5

Respostas:
período = π rad
valor máximo = √ 5

Três exercícios de
Trigonometria

1 – Dada a função:

f(x) = sen6x + cos6x – 2sen4x – cos4x + sen2x,

pede-se calcular o valor de

Solução:

Vamos inicialmente, simplificar a expressão que define a função


dada. Temos:
f(x) = sen6x + cos6x – 2sen4 x – cos4 x + sen2x

Arrumando convenientemente, vem:


f(x) = sen6x – 2sen4x + sen2x + cos6x – cos4x

Fatorando a expressão convenientemente em relação a senx e cosx,


vem:
f(x) = sen2x (sen4x – 2sen2x + 1) + cos4x(cos2x – 1)

Observe que:
sen4x – 2sen2x + 1 é igual a: (sen2x – 1)2.
Nota: Lembre-se que p2 – 2pq + q2 = (p – q)2 [produto notável].

Daí, substituindo, vem:


f(x) = sen2x(sen2x – 1)2 + cos4x(cos2x - 1)
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 32
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Mas, sabemos da Trigonometria, que:
sen2x + cos2x = 1 (Relação Fundamental)
Portanto:
sen2x = 1 – cos2x = - (cos2x – 1) \ cos2x – 1 = - sen2x
cos2x = 1 – sen2x = - (sen2x – 1) ∴ sen2x – 1 = - cos2x

Substituindo na expressão da função, vem:


f(x) = sen2x[- cos2x]2 + cos4x (- sen2x)
f(x) = sen2x . cos4x – cos4x . sen2x
f(x) = sen2x.cos4x – cos4x . sen2x = sen2x.cos4x – sen2x.cos4x = zero.

Ora, f(x) é então igual a zero, independente do valor de x.

Portanto:

E, portanto, a soma indicada é nula ou seja:

Resposta: 0

2 – Calcule o triplo do quadrado do coseno de um arco cujo quadrado


da tangente vale 2.

Solução:

Seja x o arco. Teremos:


tg2x = 2
Desejamos calcular 3.cos2x, ou seja, o triplo do quadrado do coseno
do arco.
Sabemos da Trigonometria que: 1 + tg2x = sec2x
Portanto, substituindo, vem: 1 + 2 = sec2x = 3
Como sabemos que:
secx = 1/cosx , quadrando ambos os membros vem:
sec2x = 1/ cos2x ∴ cos2x = 1/sec2x = 1/3 ∴ 3cos2x = 3(1/3) = 1
Portanto, o triplo do quadrado do coseno do arco cuja tangente vale
2, é igual à unidade.
Resposta: 1

Agora resolva este:


Se a . senx – cosx = 1 e b . senx + cosx = 1, calcule o produto a.b
Resposta: 1

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 33


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Três círculos tangentes
entre si

Determine o diâmetro X na figura abaixo, sabendo-se que os três


círculos são tangentes entre si.

Solução:

Observando atentamente a figura abaixo, podemos escrever:

No triângulo isóscele ABC, teremos aplicando a lei dos cossenos:


BC2 = AB2 + AC2 - 2. AB. AC. cos(BÂC)
(2r)2 = (50 - r)2 + (50 - r)2 - 2.(50 - r).(50 - r) . cos 120º

Nota: cos 120º = - 1 / 2.


INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 34
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
4r2 = (50 - r)2 + (50 - r)2 + (50 - r)2
4r2 = 3(50 - r)2
4r2 / 3 = (50 - r)2
(2r / √ 3)2 = (50 - r)2
2r / √ 3 = 50 - r
2r = 50√ 3 - √ 3.r
2r + √ 3.r = 50.√ 3
r(2 + √ 3) = 50. √ 3
Daí, vem:
r = 50. √ 3 /(2 + √ 3)
Racionalizando o denominador, vem:
r = 50(2√ 3 - 3)
O diâmetro, sendo o dobro do raio, vem, finalmente:
X = 100(2√ 3 - 3)

Portanto, o diâmetro procurado é igual a X = 100(2√ 3 - 3) mm, que


corresponde a aproximadamente
46,41 mm.

Uma soma de
senos

UFPE 1996 - Determine a menor solução real da equação:

Solução:

Lembrando da fórmula de transformação de soma em produto vista em Trigonometria,


vem:

sen p + sen q = 2.sen [(p + q)/2] . cos [(p - q) / 2]

Fazendo p = π x / 423 e q = 2π x / 423 e substituindo na fórmula acima, obteremos:

sen(π x / 423) + sen(2π x / 423) = 2.sen[3π x / 423)/2].cos[(π x / 423)/2]

Voltando à expressão dada, substituindo fica:

2.sen(3π x / 846).cos(π x / 846) = cos(π x / 846)

Simplificando o fator comum, vem:

2.sen(3π x / 846) = 1

sen(3π x / 846) = 1/2


INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 35
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Mas, 1/2 = sen π /6; logo, substituindo fica:

sen(3π x / 846) = sen(π /6)

Portanto, o menor valor positivo de x será obtido da igualdade


3π x / 846 = π / 6

Se a/b = c/d, sabemos pela propriedade fundamental das proporções que ad = bc.
Portanto:
(3π x).6 = 846.π

Resolvendo em relação a x, obteremos x = 47, que é a resposta da questão.

Equações
Trigonométricas I

1 – Introdução: as equações elementares

Equação trigonométrica elementar, é qualquer equação da forma


sen x = sen a, cos x = cos a e tg x = tg a, onde x é um arco trigonométrico incógnita – a
ser determinado – e a um arco trigonométrico qualquer.

Via de regra, qualquer equação trigonométrica não elementar, pode ser transformada
numa equação elementar, através do uso das relações trigonométricas usuais.

Nota: os arcos a e a + k.2π onde k é um número inteiro, possuem as mesmas


extremidades inicial e final, pois diferem entre si, por um número inteiro de voltas, ou
seja:

a + k.2π − a = k.2π

Este resultado é importante e, será utilizado para desenvolvimento do item 1.1 a seguir.

Observação: 2 π = 360º = uma volta completa.

Para a solução das equações trigonométricas elementares, vamos estabelecer as relações


fundamentais a seguir:

1.1 – Arcos de mesmo seno

Já sabemos que sen (π − a) = sen a.

Usando o conceito contido na nota acima, sendo x um arco trigonométrico, as soluções


gerais da igualdade acima serão da forma:

x = (π - a) + k.2π ou x = a + k.2π .
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 36
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
x = π + 2k. π - a ou x = a + k.2π

x = (2k + 1)π - a ou x = 2kπ + a

Portanto, a solução genérica de uma equação do tipo


sen x = sen a, será x = (2k + 1)π - a ou x = 2kπ + a.

Exemplo: seja a equação elementar sen x = 0,5.

Como 0,5 = sen 30º = sen π /6, vem, utilizando o resultado geral obtido acima:
sen x = sen π /6, de onde conclui-se:
x = (2k + 1).π - π /6 ou x = 2kπ + π /6, com k inteiro, que representa a solução
genérica da equação dada. Fazendo k variar no conjunto dos números inteiros,
obteremos as soluções particulares da equação.
Assim, por exemplo, fazendo k = 0, obteremos por mera substituição na solução
genérica encontrada acima,
x = - π /6 ou x = π /6; fazendo k = 1, obteremos
x = 17π /6 ou x = 13π /6, e assim sucessivamente. Observe que a equação dada, possui
um número infinito de soluções em R – conjunto dos números reais.

Poderemos escrever o conjunto solução da equação dada na forma geral:

S = {x| x∈R; x =(2k + 1)π - π /6 ou x = 2kπ + π /6, k ∈ Z}

Poderemos também listar os elementos do conjunto solução:

S = { ..., - π /6, π /6, 17π /6, 13π /6, ... }

1.2 – Arcos de mesmo cosseno

Já sabemos que cos (-a) = cos a.


Analogamente ao item 1.1 acima, poderemos escrever para as soluções gerais da
igualdade acima:

x = (-a) + 2kπ ou x = a + 2kπ , sendo k um número inteiro.

Portanto, a solução genérica de uma equação do tipo


cos x = cos a, será dada por:
x = 2kπ + a ou x = 2kπ - a, sendo k um inteiro.

1.3 – Arcos de mesma tangente

Já sabemos que tg(π + a)= tg a.


Analogamente ao item 1.1 acima, poderemos escrever para as soluções gerais da
igualdade acima:
x = (π + a) + 2kπ ou x = a + 2kπ
Arrumando convenientemente, podemos escrever:
x = (2k + 1)π + a ou x = 2kπ + a, sendo k um número inteiro.

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 37


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Observando que 2k é um número par e 2k + 1 é um número ímpar, para k
inteiro,percebemos que poderemos reunir as duas expressões acima numa única: x =
kπ + a.

Portanto, a solução genérica de uma equação do tipo


tg x = tg a , será dada por x = kπ + a .

Assim, teremos em resumo:


sen x = sen a ⇔ x = (2k + 1)π - a ou x = 2kπ + a

cos x = cos a ⇔ x = 2kπ + a ou x = 2kπ - a

tg x = tg a ⇔ x = kπ + a
sendo k um número inteiro.
Nota: O símbolo ⇔ significa: equivale a.

O uso das igualdades acima, permite resolver qualquer equação trigonométrica


elementar que possa ser apresentada.
Como qualquer equação trigonométrica pode ser reduzida a uma equação elementar
através de transformações trigonométricas convenientes, as igualdades acima são
básicas para a resolução de qualquer equação trigonométrica. Este é um aspecto muito
importante.

2 – Equações trigonométricas resolvidas

Resolva as seguintes equações trigonométricas:

a) 2cosx – 3secx = 5

Solução:

Lembrando que secx = 1/cosx, vem, por substituição:


2.cosx – 3.(1/cosx) – 5 = 0
2.cosx – 3/cosx – 5 = 0
Multiplicando ambos os membros por cosx ≠ 0, fica:
2.cos2x – 3 – 5.cosx = 0
Arrumando convenientemente, teremos:
2.cos2x – 5.cosx – 3 = 0.

Vamos resolver a equação do segundo grau em cosx. Teremos:

Portanto, cosx = 3 ou cosx = -1/2.

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 38


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
A equação cosx = 3 não possui solução, já que o cosseno só pode assumir valores de –1
a +1.

Já para a equação cosx = -1/2, teremos:

cosx = -1/2 = cos120º = cos (2π /3)


Logo,
cosx = cos(2π /3)
Do resultado obtido no item 1.2 acima, poderemos escrever as soluções genéricas da
equação dada:

x = 2kπ + 2π /3 ou x = 2kπ - 2p/3


Estas soluções podem ser reunidas na forma:
x = 2kπ ± 2π /3.

Logo, o conjunto solução da equação proposta será:

S = {x | x = 2kπ ± 2π /3, k inteiro}.

b) 5tg2x – 1 = 7 secx
Resposta: x = kπ ou x = kπ + π /4.

c)3.senx - √3.cosx = 0

Solução:

Teremos: 3. senx = √3. cosx


Dividindo ambos os membros por cosx ≠ 0, fica:
3.senx/cosx = √3.cosx/cosx = √3.
3.tgx = √3
tgx = √3/3 = tg30º = tg(π /6)
Vamos então resolver a equação elementar
tgx = tg(π /6)
Do exposto no item 1.3 acima, vem imediatamente que:

x = kπ + π /6.

d) √3.senx – cosx = 0.
Resposta: x = kπ + π /6.

e) tgx + cotgx = 2

Solução:

Substituindo tgx e cotgx pelos seus valores expressos em função de senx e cosx, vem:
senx/cosx + cosx/senx = 2

Efetuando a operação indicada no primeiro membro, vem:


(sen2x + cos2x)/(senx.cosx) = 2
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 39
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Como sen2x + cos2x = 1, fica:
1/senx.cosx = 2
1 = 2.senx.cosx
1 = sen2x
sen2x = 1 = sen90º = sen(π /2).
sen2x = sen(π /2)
Aplicando o conhecimento obtido no item 1.1, vem:

2x = (2k+1)π - π /2 OU 2x = 2kπ + π /2.


Dividindo ambas as expressões por 2, fica:
x = (2k+1).π /2 - π /4 OU x = kπ + π /4.
Simplificando a primeira expressão, vem:
x = kπ + π /4 OU x = kπ + π /4.
Portanto, x = kπ + π /4, que é a solução procurada.

f) tgx + cotgx = 4/√3

Resposta: x = kπ + π /3 OU x = kπ + π /6.

g) 4(sen3x – cos3x) = 5(senx – cosx)

Solução:

Lembrando da identidade:

A3 – B3 = (A – B) (A2 + AB + B2), poderemos escrever:


4(senx – cosx)(sen2x + senx.cosx + cos2x) = 5(senx - cosx)

Como sen2x + cos2x = 1, vem, substituindo:


4(senx – cosx)(1 + senx.cosx) = 5(senx – cosx)
Simplificando os termos em comum, vem:
4(1 + senx.cosx) = 5
1 + senx.cosx = 5/4
senx.cosx = 5/4 – 1 = 5/4 – 4/4 = 1/4
senx.cosx = 1/4

Multiplicando ambos os membros por 2, fica:


2.senx.cosx = 2(1/4)
2.senx.cosx = 1/2

Como já sabemos da Trigonometria que 2.senx.cosx = sen 2x, vem:


sen2x = 1/2 = sen30º = sen(π /6)
sen2x = sen(π /6)

Aplicando o conhecimento obtido no item 1.1 acima, fica:


2x = (2k+1)π - π /6 OU 2x = 2kπ + π /6
Dividindo ambas as expressões por 2, vem:
x = (2k+1).π /2 - π /12 OU x = kπ + π /12
Simplificando a primeira expressão, fica:
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 40
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
x = kπ + 5π /12 OU x = kπ + π /12, que é a solução procurada.
Portanto,

S = {x | x = kπ + 5π /12 ou x = kπ + π /12, k inteiro}.

h) Resolva a mesma equação anterior, no conjunto universo


U = [0, π /2].

Resposta: S = {5π /12, π /12}.

Nota: basta atribuir valores inteiros a k na solução geral vista no exercício anterior e
considerar apenas aqueles resultados compreendidos no intervalo dado [0,π /2].

Existem diversos tipos de equações trigonométricas, sendo impossível aborda-las num


único arquivo, motivo pelo qual, prometemos voltar ao assunto. Afirmamos entretanto,
que qualquer que seja a equação trigonométrica dada, através de transformações
convenientes, sempre recairemos numa equação elementar, dos tipos vistos nos itens
1.1, 1.2 e 1.3 acima.

Equações
Trigonométricas II

FUVEST – O conjunto solução da equação

é:

A) {π /2 + kπ ; k ∈ Z}

B) {π /4 + kπ ; k ∈ Z}

C) {kπ ; k ∈ Z}

D) {kπ /2; k ∈ Z}

E) {kπ /4; k ∈ Z}

Solução:

Desenvolvendo o determinante pela Regra de Sarrus obteremos:

-sen2x.senx.senx + sen2x.cosx.cosx = 0

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 41


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
sen2x.cosx.cosx – sen2x.senx.senx = 0

Colocando sen2x em evidencia, vem:

sen2x(cosx.cosx – senx.senx) = 0

sen2x.(cos2x – sen2x) = 0

Lembrando da Trigonometria que cos2x – sen2x = cos2x, vem:

sen2x.cos2x = 0

Deveremos ter então:

sen2x = 0 OU cos2x = 0.

Para resolver equações trigonométricas desse tipo, onde o segundo membro é nulo,
poderemos raciocinar da seguinte forma:

O seno de um arco se anula para os arcos da forma kπ , onde k é um número inteiro, ou


seja, para os arcos: 0, π , 2π , ...

Portanto, para que tenhamos sen2x = 0, deveremos ter


2x = kπ , de onde vem imediatamente que x = kπ /2, com k ∈ Z.

Analogamente, sabemos que o cosseno de um arco se anula para os arcos da forma kπ


+ π /2, onde k é um número inteiro, ou seja, para os arcos π /2, 3π /2, ...

Assim, para que tenhamos cos2x = 0, deveremos ter


2x = kπ + π /2, de onde vem imediatamente que
x = kπ /2 + π /4, com k ∈ Z.

Teremos então, que as soluções procuradas serão:

x = kπ /2 OU x = kπ /2 + π /4, com k ∈ Z.

Atribuindo valores inteiros a k em ambas soluções, obteremos:


k = 0 ⇒ x = 0 ou x = π /4
k = 1 ⇒ x = π /2 ou x = 3π /4
k = 2 ⇒ x = π ou x = 5π /4
............................
............................

Resumidamente e ordenadamente, teremos que x assumirá os valores:

..., 0, π /4, π /2, π , 3π /4, 5π /4, ...

Observe que estes arcos são da forma kπ /4, com k ∈ Z; portanto, a alternativa correta é
a de letra E.
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 42
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Uma torre sob vários
ângulos

O ângulo sob o qual um observador vê uma torre, duplica quando ele se


aproxima 110 metros e triplica quando se aproxima mais 50 metros. Pede-se
calcular a altura da torre.

Solução:

Considere a figura abaixo, construída obedecendo os dados do problema, ou


seja: o ângulo inicial x, duplica (2x) quando o observador se aproxima 110
m e triplica (3x) quando ele se aproxima mais 50 m.

Se necessário comece revisando Trigonometria.

<>
Observe inicialmente o triângulo ABE. Como o ângulo externo <CBE mede
2x, pelo teorema do
ângulo externo - TAE os ângulos não adjacentes devem somar 2x. Isto
justifica o fato dos ângulos <BAE e <BEA serem congruentes e iguais a x.
Então, como os ângulos da base possuem a mesma medida, o triângulo é
isósceles, o que justifica o fato de que BE = AB = 110. Observe que o
problema só fornece a distância AB. A distância BE foi obtida usando o
raciocínio acima.

Pela mesma razão, observando o ângulo externo <DCE de medida 3x,


concluímos facilmente que o ângulo <BEC deve medir x, pois 3x = 2x + x.
Só relembrando: o teorema do ângulo externo – TAE - afirma que num
triângulo qualquer, cada ângulo externo é igual à soma dos ângulos internos
não adjacentes.

Pela simples observação do triângulo retângulo BDE, poderemos escrever:

sen 2x = DE / BE = h / 110 ∴ h = 110.sen 2x onde h é a altura procurada.


INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 43
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Vamos agora aplicar a lei dos senos ao triângulo BCE. Antes, observe que a
medida do ângulo <BCE é igual a 180º - 3x , ou seja, o ângulo oposto ao
lado BE é igual a 180º - 3x.

Aplicando a lei dos senos: 50 / sen x = 110 / sen(180 – 3x)

Lembrando que sen (180 – a) = sen a, concluímos que sen(180 – 3x) =


sen3x
Logo, a igualdade anterior fica: 50 / senx = 110 / sen3x o que é equivalente
a:
50.sen3x = 110.senx

Já sabemos da Trigonometria que sen3x = 3senx – 4sen3x

Substituindo na expressão anterior, vem:


50(3senx – 4sen3x) = 110senx
150senx – 200sen3x = 110senx

150senx – 110senx –200sen3x = 0


40senx – 200sen3x = 0

Colocando senx em evidencia:


senx . (40 – 200sen2x) = 0

Para que o produto acima seja nulo, deveremos ter


senx = 0 ou 40 – 200sen2x = 0

senx = 0 ⇒ x = 0, que não satisfaz ao problema pois o ângulo em questão é


positivo e menor do que 90º.
Basta visualizar a figura dada para concluir isto.

<>

Teremos então: 40 – 200sen2x = 0 ∴ 40 = 200sen2x ∴ sen2x = 40 / 200 =


1 / 5.

Temos pois sen2x = 1/5

Conhecemos sen2x e desejamos conhecer sen2x para usar na igualdade

h = 110. sen2x obtida acima, que resolve a questão.

Existem vários caminhos. Vou escolher um deles, que me parece mais fácil.
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 44
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Vamos calcular cos2x e, em seguida, pela Relação Fundamental da
Trigonometria,
obter sen2x.

Sabemos que cos2x = 1 – 2sen2x

Substituindo o valor conhecido de sen2x vem:

cos2x = 1 – 2(1/5) = 1 – 2/5 = 5/5 – 2/5 = 3/5

Ora, cos22x + sen22x = 1 (relação fundamental da Trigonometria)


Portanto, substituindo o valor conhecido de cos2x vem:

(3/5)2 + sen22x = 1 e portanto, sen22x = 1 – 9/25 = 25/25 – 9/25 = 16/25

de onde tiramos imediatamente que sen2x = ± 4/5.

Observe que sendo o ângulo x menor do que 90º somente o valor positivo
interessa. Logo,
sen2x = 4/5 e a altura h procurada será então, como vimos acima, igual a
h = 110.sen2x = 110.(4/5) = 440/5 = 88

Portanto, a altura da torre é igual a 88 metros.

Agora resolva este:

No problema anterior, qual a distância do observador ao pé da torre no


momento em que o ângulo de visão é o triplo do ângulo inicial, ou seja, qual
a medida de CD = y ?

Dica:

Observe na figura que (110 + 50 + y).tg x = h.


Basta calcular tg x, pois h já é conhecido do problema resolvido acima (h =
88 m).
Resposta: 16 metros.

Tang@ - Sen@ = 1/12

Resolva a equação trigonométrica tg x – sen x = 1/12 em U = [0, 360º] .

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 45


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Nota: o título acima, Tang@ - Sen@ = 1/12 (bastante sugestivo), constou de um e-mail
que foi-me enviado por um visitante da página, o qual solicitou a solução e se
identificou apenas como um vestibulando. Na verdade, o que se quer é resolver a
equação: tangente do arco x menos o seno do arco x , igual a 1/12.

Solução:

Esta equação aparentemente bem simples, tem uma solução muito trabalhosa.
Sabemos da Trigonometria que:

Nota 1: A solução que veremos a seguir é muito trabalhosa, mas, se você acompanhar o
raciocínio desenvolvido, uma coisa é certa: você não vai adoecer por isto.

Nota 2: Esta questão foi enviada através e-mail, por um visitante da página que se
identificou apenas como um vestibulando. Eta vestibulando danado de sabido!
Brincadeiras à parte, continuemos.

Fazendo tg(x/2) = y e substituindo na equação original o seno e a tangente em função


da tangente do arco metade (veja as fórmulas acima), vem:

Vamos resolver a equação acima, lembrando que o MMC (mínimo múltiplo comum)
dos denominadores é igual ao produto
12(1 – y2)(1 + y2)

Então, para y2 ≠ 1, podemos suprimir os denominadores iguais, ficando:

12.(1 + y2).(2y) – 12.(1 – y2).(2y) = (1 – y2)(1 + y2)


24y.(1 + y2) – 24y.(1 – y2) = (1 – y2)(1 + y2)

Colocando 24y em evidencia, fica:


24y[(1 + y2) – (1 – y2)] = (1 – y2)(1 + y2)

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 46


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
24y.(1 + y2 – 1 + y2) = (1 – y2)(1 + y2)
Desenvolvendo e simplificando ambos os membros, resulta:
48.y3 = 1 – y4

Nota: (1 – y2)(1 + y2) = 12 – (y2)2 = 1 – y4

Logo,
48y3 =1 – y4
Igualando a zero, teremos:
y4 + 48y3 – 1 = 0
Esta equação possui 4 raízes reais ou complexas.

Não existe uma fórmula geral para resolver a equação acima.


Observe que nesta equação y4 + 48y3 – 1 = 0, se fizermos P(y) = y4 + 48y3 – 1,
verificamos que
P(0) = 04 + 48.03 – 1 = -1 < 0 e P(1) = 14 + 48.13 – 1 = 48 > 0.

Como P( 0 ) < 0 e P(1) > 0 , é óbvio que P(x) se anula no intervalo (0, 1), pois o valor
da função P(x) mudou de
sinal (de menos (-) para mais (+)) quando x variou de 0 a 1.
Portanto, uma ou mais raízes da equação estarão no intervalo (0, 1).
Para achar uma solução aproximada sem recorrer a métodos iterativos que fogem ao
nível do curso médio, vamos raciocinar da seguinte forma:

Seja P(y) = y4 + 48y3 – 1.


Já sabemos que P(y) se anula no intervalo (0,1), portanto existe uma raiz entre 0 e 1.
Vamos dividir o intervalo (0,1) de 0,10 em 0,10, por exemplo e calcular os seus valores.

y P(y) == y4 + 48 y3 – 1
0,00 -1,0000
0,10 -0,9519
0,20 -0,6144
0,30 +0,3041
0,40 +2,0976
0,50 +5,0625
0,60 ...
0.70 ...
0,80 ...
0,90 ...
1,00 +48,0000

Observe que de y = 0,20 para y = 0,30 na tabela acima, P(y) mudou de sinal, o que quer
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 47
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
dizer que pelo menos uma raiz estará entre estes valores, pois P(y) ao passar de (-) para
(+), ela passará necessariamente pelo zero, ou seja, se anula.

Antes sabíamos que existia pelo menos uma raiz entre 0 e 1. Agora já restringimos mais
o intervalo e sabemos agora que deve existir pelo menos uma raiz real entre 0,20 e 0,30.
Vamos repetir o processo acima, dividindo o intervalo 0,20 a 0,30 de 0,02 em 0,02 por
exemplo e calcular os valores de P(y).

y P(y) = y4 + 48y3 – 1
0,20 -0,6144
0,22 -0,4865
0,24 -0,3331
0,26 -0,1518
0,28 +0,0598
0,30 +0,3041

Observe que de 0,26 para 0,28 houve uma nova mudança de sinal, indicando que a raiz
está entre 0,26 e 0,28. Repetindo-se o processo, vem:

y P(y) = y4 + 48y3 – 1
0,26 -0,1518
0,27 -0,0499
0,28 +0,0598

Observe que de y = 0,27 para y = 0,28 o valor de P(y) mudou de sinal ( de menos (-)
para mais (+)). Portanto, a raiz deve estar entre 0,27 e 0,28, ou seja 0,27 < y < 0,28.

Poderíamos repetir o processo, agora dividindo o intervalo 0,27 a 0,28 de 0,001 em


0,001 e assim sucessivamente.

Encontrei o valor aproximado y ≅ 0,2747


Nota: para efetuar os cálculos das tabelas acima, utilizei uma calculadora científica.
A calculadora do windows serve.

Ora, como a equação y4 + 48y3 – 1 = 0 é do quarto grau, pela teoria das equações
algébricas sabemos que ela possui 4 raízes reais ou complexas. Já achamos uma delas
de valor aproximado 0,2747 (ou 0,2747001 com 7 decimais)
Abaixo, indicamos um programa freeware que resolve equações polinomiais, também
conhecidas como equações algébricas.
Se você calcular os valores de P(y) = y4 + 48y3 – 1 para y = -48 e para y = -49, irá
perceber que neste intervalo P(y) muda de sinal, ou seja:
P(-48) = (-48)4 + 48(-48)3 – 1 = 484 – 484 – 1 = - 1 < 0
P(-49) = (-49)4 + 48(-49)3 – 1 = 494 – 493.48 – 1 = 493(49 – 48) – 1 = 117648 > 0
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 48
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Então, deve existir outra raiz real no intervalo (-49, -48).
Utilizando o mesmo método visto anteriormente, encontraremos o valor aproximado
–48,0000092 para a segunda raiz real de P(y) = 0.

Existe um programa freeware – tamanho 114 KB – Polynomial Teacher – que resolve


equações polinomiais ou equações algébricas.
Utilizando esse programa, obtive as seguintes raízes da equação y4 + 48y3 – 1 = 0:

Raízes reais: y1 = 0,245 e y2 = - 48,000


Raízes complexas: y3 = -0,137 + 0,239i e y4 = -0,137 – 0,239i
Observe que os resultados possuem apenas 3 casas decimais.
Aliás, o autor do software – Bob Terrell - adverte na tela de entrada do software que
"Numerical accuracy is not garanteed" ou seja, "precisão numérica não é garantida" .
Apesar disto, este freeware é uma "mão na roda" para achar as raízes aproximadas das
equações algébricas também conhecidas como equações polinomiais.

As raízes reais – as que nos interessam no presente caso - são então:

y = 0, 2747001 ou y = - 48,0000092

Como no início do problema fizemos a mudança de variável tg (x/2) = y, vem,


substituindo:

tg(x / 2) = 0,2747001 ou tg(x/2) = - 48,0000092


Temos que resolver estas duas equações trigonométricas que são do tipo tg a = tg b.
Já sabemos que : tg a = tg b ⇔ a – b = k.180º onde k é um inteiro.

Usando uma tabela trigonométrica ou uma calculadora, encontramos:


tg (x/2) = 0,2747001 = tg 15,3602º ou tg (x/2) = - 48,0000092 = tg (-88,8065º)

Resolvendo a primeira equação:


tg (x/2) = tg 15,3602º
Então, como vimos acima, poderemos escrever:
(x/2) – 15,3602º = k.180º onde k é um inteiro.
Logo, x/2 = 15,3602 + k.180º
Tirando o valor de x, fica:
x = 2(15,3602º) + 2.k.180º
x = 30,7204º + k.360º, sendo k um número inteiro.

Resolvendo a segunda equação:


tg(x/2) = tg(-88,8065º)
Então, como vimos acima, poderemos escrever:
(x/2) – (-88,8065º) = k.180º
x/2 = k.180º - 88,8065º
Logo, x = 2.k.180º - 2.88,8065º
x = k.360º - 177,6130º , sendo k um número inteiro.

Portanto, em R – conjunto dos números reais – o conjunto solução da equação dada


tg x – sen x = 1/12 é igual a:
S = {x; x = 30,7204º + k.360º ou x = k.360º - 177,6130º , k ∈ Z}
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 49
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Notas:
a) Z = conjunto dos números inteiros.
b) atribuindo-se valores inteiros a k, obteremos as raízes da equação trigonométrica
dada.
c) é claro que em R – conjunto dos números reais – o conjunto solução da equação dada
possui um número infinito de elementos.

Observe entretanto, que no enunciado da questão foi solicitado determinar as soluções


no intervalo [0,360º]. Deveremos pois, atribuir valores convenientes a k, para encontrar
as soluções que pertencem ao intervalo dado.

Teremos então:

Na primeira solução geral: x = 30,7204º + k.360º


k = 0 ⇒ x = 30,7204º + 0.360º = 30,7204º
Observe que para k = 1, obteremos uma raiz fora do intervalo dado, ou seja, 390,7204º.

Na segunda equação geral: x = k.360º - 177,6130º


k = 1 ⇒ x = 1.360º - 177,6130º = 182,3870º
Observe que para k = 0, obteremos uma raiz fora do intervalo dado, ou seja, -177,6130º

Portanto, o conjunto solução da equação dada no intervalo [0,360º] é igual a:


S = {30,7204º ; 182,3870º}

Um triângulo na FTC de Feira de Santana

Nota: FTC – Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana – Vestibular


2004.1

Num triângulo ABC, isósceles, de base BC = 6 cm, o ângulo A mede 120º . Se M é o


ponto médio de AC, e N, um ponto de BC, tal que BN = (1/3).BC, então MN mede, em
cm,
a) √ 7
b) √ 13
c) √ 31
d) √ (19+ 4√ 3)
e) √ (19 - 4√ 3)

Solução:

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 50


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Veja a figura acima
Como é dito que o triângulo é isósceles, os ângulos da base possuem a mesma medida
ou seja, são congruentes e, portanto, B = C. Pela lei angular de Tales, a soma dos
ângulos internos do triângulo vale 180º.
Portanto, A + B + C = 180º. Como B = C, vem:
120 + B + B = 180 de onde conclui-se que B = C = 30º .

Como foi dito que BN = (1/3).BC e BC = 6, vem que BN = (1/3).6 = 2 e portanto,


NC = BC – BN = 6 – 2 = 4.

Como foi dito que M é o ponto médio de AC, podemos dizer que AM = MC = x. Logo,
AC = AM + MC = x + x = 2x

Observe que sendo o triângulo ABC isósceles, conforme dito no enunciado, os lados
AB e AC possuem a mesma medida e, portanto, AB = 2x.

Posto isto, aplicando o Teorema dos Cosenos – TC nos triângulos MNC e ABC, vem:

∆ MNC: MN2 = MC2 + NC2 – 2.MC.NC.cos30º


MN2 = x2 + 42 – 2.x.4.√ 3 / 2, já que cos 30º = √ 3 / 2.
Daí, vem: MN2 = x2 + 16 – 4√ 3 x

∆ ABC: AB2 = AC2 + BC2 – 2.AC.BC.cos 30º


Como AB = AC = 2x e BC = 6 (dado do problema), vem imediatamente que:
(2x)2 = (2x)2 + 62 – 2.(2x).6. √ 3 / 2.
4x2 = 4x2 + 36 – 12√ 3 x ⇒ 4x2 – 4x2 – 36 + 12√ 3 x = 0 ⇒ 12√ 3 x = 36
Então: x = 36/(12√ 3) = 3 / √ 3 = (3.√ 3) / (√ 3).(√ 3) = √ 3

Como vimos acima que MN2 = x2 + 16 – 4√ 3 x, vem finalmente, substituindo o valor


de x:
MN2 = (√ 3)2 + 16 – 4√ 3(√ 3)
MN2 = 3 + 16 – 4.3 = 19 – 12 = 7 ⇒ MN2 = 7 ⇒ MN = √ 7

Portanto, a alternativa correta é a de letra A.

Agora resolva este:

Qual a área do quadrilátero ABMN do problema anterior?


Resposta: 2√ 3 cm2
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 51
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
DICA: observe que a área do quadrilátero ABMN será igual à área do triângulo ABC
menos a área do triângulo MNC e que a área de um triângulo é igual a metade dos
produtos de dois dos seus lados pelo seno do ângulo que eles formam entre si.

Trigonometricamente falando

Observando os dados da figura abaixo, podemos


afirmar que o valor de
4cos2β - √3 é igual a :

a) 2
b) 6
c) 8
d) 4
e) 1

Solução:

Inicialmente lendo a figura acima:

1) os pontos A, B e C são colineares, ou seja,


estão alinhados, o que equivale a dizer que
pertencem à mesma reta.

2) as retas r e s são perpendiculares, ou seja,


formam entre si um ângulo reto = 90º.

Vamos à solução:

No triângulo retângulo BOC acima, é factível


escrever:

cos β = OC / BC (igualdade I)

Justificativa: o cosseno do ângulo β é igual ao


quociente do cateto adjacente (na figura acima, OC)
pela hipotenusa (na figura acima, BC).

Aplicando a lei dos senos ao triângulo AOC, podemos


INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 52
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
escrever:

AO / sen β = OC / sen 30º (igualdade II)

Da igualdade I, vem que OC = BC . cosβ (igualdade


III)

Da igualdade II, vem que AO. sen30º = OC . senβ


(igualdade IV)

Lembrete: se A/B = C/D então A.D = B.C , para A, B,


C e D não nulos. Lembram-se quando o seu professor
do 1º grau sempre repetia: numa proporção, o
produto dos meios é igual ao produto dos extremos?
Pois, é isto aí!

Substituindo o valor de OC (da igualdade III), na


igualdade IV, fica:

AO.sen30º = (BC.cosβ ).senβ

Como foi dito no enunciado que BC = 2.AO vem,


substituindo:

AO.sen30º = (2.AO).cosβ .senβ


Simplificando o termo comum AO, fica:
sen30º = 2.cosβ .senβ

Ora, 2.cosβ .senβ = sen2β (seno do arco duplo) e,


portanto:
sen30º=sen2β

Como no triângulo AOC o ângulo <AOC é maior do que


90º, podemos concluir que 30º + β é um ângulo
menor do que 90ºe , portanto, β é um ângulo agudo.
Isto decorre da lei angular de Tales: a soma dos
ângulos internos de um triângulo é igual a 180º.
(Tales de Mileto – matemático grego – 624 a. C. -
548 a. C.).

Portanto, podemos concluir que 30º = 2β de onde


vem β = 15º.

Nota: o comentário acima justifica-se porque na


verdade a equação
sen30º = sen2β possui infinitas soluções em R
(conjunto dos números reais).

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 53


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Mas como 30º e β são ângulos agudos (menores do
que 90º), a conclusão de que
2β = 30º, é correta.

Logo, cosβ = cos15º

O problema pede para calcular o valor de 4cos2β -


√3 , ou seja,
como β = 15º, na verdade teremos que calcular
4cos215º - √3.

Teremos que calcular antes, o valor de cos15º.

Ora, cos15º = cos (60º - 45º) pois 60 – 45 =15.

Usando a fórmula do cosseno da diferença de dois


arcos, vem:

cos15º = cos(60º-45º) = cos60º.cos45º +


sen60º.sen45º

Como já sabemos que:

cos60º = 1/2
cos45º = sen45º = √2/2
sen60º = √3/2

Nota: os valores do seno e cosseno dos arcos ditos


notáveis (30, 45 e 60º), vocês devem conhecer de
memória, pois nas provas de vestibulares, os
examinadores admitem que você os conhece e não
informarão, salvo raríssimas exceções.

Logo,
cos15º = (1/2).(√2/2) + (√3/2).(√2/2)
Efetuando as operações indicadas, fica:
cos15º = (√6 + √2) / 4

Daí vem: 4.cos15º = √6 + √2

Elevando ambos os membros ao quadrado, fica:

16.cos215º = 6 + 2 + 2√12
Nota: lembre-se que (a+b)2 = a2 + 2ab + b2

Então:

16.cos215º = 8 + 2√12 = 2(4 + √12)

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 54


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
16.cos215º = 2(4 + √12)
Ora, √12 = (12)1/2 = (4.3)1/2 = 41/2.31/2 = √4 . √3 =
2√3
Portanto,
16. cos215º = 2(4 + 2√3)
Dividindo ambos os membros por 2:
8.cos215º = 4 + 2√3
Colocando 2 em evidencia no segundo membro da
igualdade acima:
8.cos215º = 2(2 + √3)
Dividindo ambos os membros por 2:
4.cos215º = 2 + √3
Então, finalmente, passando √3 para o primeiro
membro:
4cos215º - √3 = 2, o que nos leva, tranqüilamente à
alternativa A.

Agora resolva este:

Qual o valor do ângulo <AOC na figura do problema


resolvido acima, em radianos?
Resposta: 3π /4 radianos
Nota: lembre-se que 180º = π radianos.

Exercícios Resolvidos XIX - Trigonometria


Dois arcos são côngruos se a diferença entre as suas medidas for um múltiplo de 360º. Nestas
condições, os arcos 20º e 740º são côngruos, pois , 740º - 20º = 720º que é múltiplo de 360º.
Considere os arcos trigonométricos A e B, de medidas
(3m - 10).180º e (2m + 2).180º. Sendo m um número inteiro maior do que 30 e menor do que
50, pede-se determinar quantos valores de m que tornam côngruos os arcos A e B.

Seguindo a definição de arcos côngruos, podemos escrever:


(3m - 10).180º - (2m + 2).180º = k.360º, onde k é um número inteiro.
Colocando 180º em evidencia, vem:
(3m - 10 - 2m - 2).180º = k.360º
Dividindo ambos os membros por 180º, vem:
m - 12 = k.2
m = 2k + 12
Como m está situado entre 30 e 50, vem:
30 < 2k + 12 < 50
30 -12 < 2k + 12 - 12 < 50 - 12
18 < 2k < 48
Dividindo por 2, fica:
9 < k < 24
Logo, k = 10, 11, 12, ... , 23.
Portanto, existem 14 valores possíveis para k e, por conseqüência, já que
m = 2k + 12, existem também 14 valores possíveis para m.

DICA: a quantidade de números inteiros existentes de m a n, onde m e n são inteiros, com m <
n, é dada por n - m + 1.
Por exemplo: de 102 a 305, existem quantos números? A resposta é 305 - 102 + 1, que é igual

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 55


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
a 204.
Quantos números existem entre -23 e 58?
Teremos 58 - (-23) + 1 = 82 números de -23 a 58. Como foi perguntado a quantidade de
números entre -23 e 58, temos que excluir esses dois, resultando como resposta, 80.
Claro que vocês perceberam que a dica acima, está relacionada diretamente ao assunto
Progressão Aritmética (para retornar clique em "VOLTAR" no seu browser).
No caso, a PA - Progressão Aritmética , tem razão igual a 1.

Quantos são os arcos côngruos a 420º compreendidos entre os arcos trigonométricos de


medidas 1000º e 6400º?

Todos os arcos côngruos a 420º possuem a forma geral:


420º + k.360º, onde k é um número inteiro.
Portanto, podemos escrever:
1000º < 420º + k.360º < 6400º
1000º - 420º < 420º + k.360º - 420º < 6400º - 420º
580º < k.360º < 5980º
Dividindo tudo por 360º, vem:
1,6111... < k < 16,6111...
Portanto, os valores possíveis para k, são: k = 2, 3, 4, ... , 15, 16.

Logo, usando a DICA vista acima, concluímos que existem 16 - 2 + 1 = 15 valores possíveis
para k. Logo, como a cada valor de k, corresponde um arco, concluímos que existem 15 arcos
côngruos, que satisfazem ao problema dado.

Para que valor de m a expressão y = (m - 1)(sen4x - cos4x) + 2cos2x + m.cosx - 2.cosx + 1 é


independente de x?

Podemos escrever:
y = (m - 1)[(sen2x - cos2x)(sen2x + cos2x)] + 2cos2x + mcosx - 2cosx + 1
Como sen2x + cos2x = 1, substituindo, fica:
y = (m - 1)(sen2x - cos2x) + 2cos2x + mcosx - 2cosx + 1
y = msen2x - mcos2x - sen2x + cos2x + 2cos2x + mcosx - 2cosx + 1
Escrevendo tudo em função de cosx, lembrando que sen2x = 1 - cos2x, vem:
y = m(1 - cos2x) - mcos2x - (1 - cos2x) + cos2x + 2cos2x + mcosx - 2cosx + 1
y = m - mcos2x - mcos2x - 1 + cos2x + cos2x + 2cos2x + mcosx - 2cosx + 1
Simplificando os termos semelhantes, fica:
y = m + (4 - 2m)cos2x + (m - 2)cosx
Para que a expressão acima seja independente de x, deveremos ter necessariamente 4 - 2m =
0 e m - 2 = 0 ∴ m = 2, que é a resposta procurada.

Determine os valores possíveis para m, de modo que a equação sen3x.cosx - senx.cos3x = - m/4
, possua solução.

Colocando senx.cosx em evidencia, vem:


senx.cosx(sen2x - cos2x) = - m/4
Observe que sen2x - cos2x = - (cos2x - sen2x) = - cos2x
Além disto, senx.cosx = (1/2).sen2x, já que sen2x = 2senxcosx
Substituindo, vem:
(1/2).sen2x .(- cos2x) = - m/4
Multiplicando ambos os membros por (-4) , vem:
2sen2xcos2x = m
Ora, se 2senAcosA = sen2A, então 2sen2xcos2x = sen4x
Daí, vem:
sen4x = m
Ora, o seno somente pode variar de -1 a +1. Logo,
-1 ≤ m ≤ 1 , que é a resposta procurada.

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 56


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
Qual o período e qual o conjunto imagem da função y = cos(4x)sen(6x) + sen(4x)cos(6x) ?

Como sen(a + b) = sena cosb + senb cosa, vem imediatamente, que:


y = sen(4x + 6x) = sen10x
Portanto:
Conjunto Imagem: Im = [-1,1]
Período: T = 2π /10 = π /5 radianos.
Revise Trigonometria AQUI. Para retornar, CLIQUE em VOLTAR no seu browser.

Simplifique a expressão E = 8sen10ºcos20ºsen50º

Sabemos que :
sen(a+b) = senacosb + senbcosa
sen(a-b) = senacosb - senbcosa
Somando membro a membro, vem:
sen(a+b) + sen(a-b) = 2senacosb
Daí, vem:
sena.cosb = 1/2 [sen(a+b) + sen(a-b)]
Portanto:
sen10º . cos20º = 1/2 [sen(10º + 20º) + sen(10º - 20º)]
sen 10º . cos 20º = 1/2 [sen 30º + sen (- 10º)]
sen 10º . cos 20º = 1/2 [1/2 - sen 10º] Obs: sen( - 10º ) = - sen 10º
Substituindo na expressão dada, vem:
E = 8 . {1/2 [1/2 - sen 10º]}. sen 50º
E = 8 . [1/4 - (sen 10º)/2] . sen 50º
E = [2 - 4.sen 10º] . sen 50º
E = 2.sen50º - 4.sen 10º . sen 50º (eq. 1)
Mas, sena . senb = 1/2 [cos(a-b) - cos(a+b)]
Logo:
sen10º . sen50º = 1/2 [cos(10º - 50º) - cos(10º + 50º)]
sen10º . sen50º = 1/2 [ cos40º - cos60º ] Obs: cos(-40º) = cos40º , pois a função coseno é par
ou seja f(-x) = f(x) para todo x.
Substituindo na (eq. 1) acima, vem:
E = 2.sen50º - 4(1/2[cos40º - cos60º])
E = 2.sen50º - 2.cos40º + 1 (Obs: cos60º = 1/2)
E = 2(sen50º - cos40º) + 1
Como 50º e 40º são ângulos complementares, vem que sen50º = cos40º
Daí vem, finalmente:
E = 2.0 + 1
Portanto, E = 8.sen10º.cos20º.sen50º = 1

Dada a função f(x) = sen6x + cos6x - 2sen4x - cos4x + sen2x, pede-se calcular f(π /10).

Vamos inicialmente, simplificar a expressão que define a função dada. Temos:


f(x) = sen6x + cos6x - 2sen4 x - cos4 x + sen2x
Arrumando convenientemente, vem:
f(x) = sen6x - 2sen4x + sen2x + cos6x - cos4x
Fatorando a expressão convenientemente em relação a senx e cosx, vem:
f(x) = sen2x (sen4x - 2sen2x + 1) + cos4x(cos2x - 1)
Observe que:
sen4x - 2sen2x + 1 é igual a: (sen2x - 1)2.
Lembre-se que p2 - 2pq + q2 = (p - q)2 . Portanto,
sen4x - 2sen2x + 1 = (sen2x - 1)2.
Daí, substituindo, vem:
f(x) = sen2x(sen2x - 1)2 + cos4x(cos2x - 1)
Mas, sabemos da Trigonometria, que:
sen2x + cos2x = 1 (Relação Fundamental da Trigonometria)
Portanto:
sen2x = 1 - cos2x = - (cos2x - 1) ∴ cos2x - 1 = - sen2x
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 57
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
cos2x = 1 - sen2x = - (sen2x - 1) ∴ sen2x - 1 = - cos2x
Substituindo na expressão da função, vem:
f(x) = sen2x[- cos2x]2 + cos4x (- sen2x)
f(x) = sen2x . cos4x - cos4x . sen2x
f(x) = sen2x.cos4x - cos4x . sen2x = seen2x.cos4x - sen2x.cos4x = zeroo.
Ora, f(x) é então igual a zero, independente do valor de x.
Portanto f(π /10) = 0.

Se asenx - cosx = 1 e bsenx + cosx = 1, com a e b reais, pede-se calcular o valor do produto ab,
sabendo-se que x é um arco não nulo.

Teremos:
asenx = 1+ cosx
bsenx = 1 - cosx
Multiplicando membro a membro, vem:
absen2x = (1 + cosx)(1 - cosx)
absen2x = 12 - cos2x = 1 - cos2x
Mas. 1 - cos2x = sen2x
Logo,
ab.sen2x = sen2x e, como x é um arco não nulo, e portanto senx ≠ 0 , dividindo ambos os
membros por sen2x, vem imediatamente que ab = 1.

Seja x um arco trigonométrico tal que sen2x + sen6x - 2 sen4x = 0, pede-se determinar o valor
da expressão
Y = 10sen4x + 8cos2x.

Sabemos que:
sen p + sen q = 2. sen[(p+q)/2].cos[(p-q)/2]
Revise Trigonometria AQUI. Para retornar, CLIQUE em VOLTAR no seu browser.
Portanto,
sen2x + sen6x = sen6x + sen2x =2.sen4x.cos2x
Substituindo, fica:
2sen4x.cos2x - 2sen4x = 0
Colocando sen4x em evidencia, vem:
sen4x(2cos2x - 1) = 0
Portanto,
sen4x = 0 ou 2cos2x - 1 = 0
Daí,
sen4x = 0 ou cos2x = 1 /2
Portanto,
Y = 10.0 + 8(1/2) = 0 + 4 = 4.

O seno de um ângulo agudo de medida x, é o dobro do seno de um outro ângulo y. Nestas


condições, pede-se determinar entre que limites está compreendido o ângulo y.

Temos: senx = 2seny


Logo, como o seno de um ângulo agudo (ângulo entre 0 e 90º) situa-se necessariamente no
intervalo real de 0 a 1, vem:
0 ≤ 2seny ≤ 1
Então, dividindo tudo por 2, vem:
0 ≤ seny ≤ 1 /2
Mas, 1 /2 = sen30º e 0 = sen0º.
Logo,
sen0º ≤ seny ≤ sen30º
Conclui-se pois, que 0º ≤ y ≤ 30º, ou seja, y está situado no intervalo [0º, 30º].

INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 58


E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 59
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.
INVISTA EM VOCE, ESTUDE NO CC – HÁ 15 ANOS FAZENDO EDUCAÇÃO NESTE CHÃO. 60
E-mail: colegiocascavelense@yahoo.com.br. www.colegiocascavelense.com.br
Cascavel - Ceará - Brasil.