Você está na página 1de 6

A

empresa e a ação

• Surgimento das Ações

Duzentos anos antes de Cristo já se formavam no mundo romano


sociedades por ações. Mas mercados regulares para venda de ações em lugares
públicos só surgiram por volta do ano 1600 da nossa era.

Como se forma uma sociedade por ações?

Algumas pessoas decidem organizar uma companhia para explorar


comercial ou industrialmente uma idéia ou um ramo de atividade com o objetivo de
lucro.

Cada qual decide que quantia vai arriscar no negócio. O capital necessário
para dar início às operações sociais é dividido em ações com valor nominal
arbitrado de comum acordo.

A quantidade que cada sócio subscrever determinará o seu percentual de


participação e o nível da sua ingerência nos negócios.

A sociedade se chama, portanto, por ações. Ação é a parcela mínima do


capital. Eqüivale à escritura de um título de propriedade da parte ideal da
empresa.

Suponhamos que, após começar a funcionar, a organização seja aceita


pelo mercado, onde veio preencher uma necessidade dos consumidores. Ao
crescer, precisará de mais capital.

Novas subscrições são requeridas dos sócios. Se continuar o crescimento,


há uma hora em que se esgota a capacidade dos sócios originais de aportarem
mais capital.

1
A
empresa e a ação

Desse modo, pela primeira vez eles decidem admitir na sociedade pessoas
de fora. Ações são oferecidas ao público, ficando assim prontas para negociação
nos pregões da Bolsa de Valores.

Qualquer pessoa, por pequeno que seja o seu capital, desde que suficiente
para comprar um só ação, pode tornar-se acionista de empresa com ações na
Bolsa. Como acionista, participará dos seus lucros.

A parcela dos lucros que é distribuída chama-se DIVIDENDOS.

Quando a empresa se torna pública, suas responsabilidades assumem


outra dimensão. Os novos investidores só esperam que a companhia produza
lucros e os distribua entre os sócios, para que seus capitais sejam remunerados.
Não pretendem ser donos da empresa. Basta-lhes que esta gere lucros e
distribua o mínimo legal. Os sócios só querem que esse compromisso seja
respeitado.

Distribuir lucros regularmente é maneira de reter acionistas. Se a empresa


não gera e, portanto, não distribui lucros, os acionistas se decepcionam e vendem
suas ações a terceiros.

Para a empresa é ruim perder acionistas, porque então ficará difícil chamar
novas subscrições e recolher o capital que lhe permitiria prosseguir com seus
planos de expansão. Por isso é de toda conveniência que a companhia agrade
aos sócios e lhes dê o mínimo que eles desejam para permanecerem na
sociedade.

Os sócios precisam ser informados de tudo o que acontece com a


companhia. Eles não querem ser vítimas de mentiras, omissões e deslealdades;
não gostam de ser enganados.

2
A
empresa e a ação

Se a empresa for mentirosa, omissa e desleal, os sócios retiram-se. Têm


obrigação moral de fazê-lo, para prioritariamente defender seu patrimônio.

Alem do mais, dar as costas a administradores ruins, que façam negócios


obscuros e não zelem pelos interesses da empresa mais do que pelos interesses
próprios, fará com que outros administradores seja compelidos a respeitar o
Mercado e os Investidores.

• Quanto vale a empresa

No mundo pratico em que vivemos, em que predominam as relações de


troca, a questão fundamental é o preço das coisas que se vendem.

Sabe-se que na fixação do preço de mercadorias entram em conta fatores


como custos da produção, transporte, lucros do produtor e do revendedor e,
naturalmente, impostos.

O comprador precisa ter interesse no produto, além do dinheiro para


comprá-lo. O interesse é determinado pela possibilidade de uso objetivo da
mercadoria.

Na bolsa, há muitos papéis que subiram demais e atingiram preços de


colecionador. As ações da Bolsa, do ponto de vista de quem pretende fazer
investimentos, não especular, podem ser divididas em dois grupos: as que têm
utilidade prática, por produzirem dinheiro( dividendos); e as que são guardadas em
cofre, como reserva de valor, para que atinham preço ainda mais alto, a fim de
que possam ser vendidas mais tarde por uma fortuna, mas que no momento não
produzem rendimento proporcional ao preço.

3
A
empresa e a ação

No primeiro caso, o valor é objetivo; no segundo, subjetivo, sem


quantificação matemática possível.

Quando se levanta a questão do preço justo da ação, impõe-se primeiro a


pergunta “Qual é o preço justo da empresa ?”

Aqui muitas variáveis influem, como a qualidade da companhia e da sua


administração, sua capacidade de gerar lucros, a aceitação dos seus produtos,
sua posição no mercado, o conceito de que desfruta junto ao público, a bancos e a
fornecedores.

Se a empresa estiver sendo cogitada para venda, há que também


considerar a motivação do proprietário para vendê-la e também o grau de
interesse de quem deseja comprá-la, essa próxima semana mesmo iremos ver a
privatização da Telebrás onde se espera um ágio em torno de 100%.

Há diversas razões que levam um empresário a vender sua firma: ele quer
retirar-se do negócio, a empresa está perdendo mercado ou não consegue mais
competir, ou está estrangulada por dividas (Arapuã) por sua vez, o comprador
poderá querer comprar porque pretende diversificar ou expandir suas atividades,
aproveitar-se de um momento favorável, prevalecer-se das aperturas do vendedor.
O comprador nunca deseja pagar o preço justo e está sempre ansioso para
apoderar-se de uma “GALINHA MORTA”.

Aplicar na compra de ações com base no retorno em dividendos só foi


possível a partir de dezembro de 1976, no advento da Lei das S.A, que obrigou as
empresas a pagar dividendos mínimos de 25% do lucro liquido.

Antes da lei, cada empresa pagava o que queria, quando pagava. O


dividendo era calculado como percentagem do capital, com ou sem lucro.

4
A
empresa e a ação

A adaptação das empresas às novas normas foi gradual.

• Quanto vale a ação

Na determinação do preço de uma ação, o que deve ser considerado?

Já que preço é número, não haverá modo prático de determina-lo no caso


das ações?

Se a taxa básica de 6 % para remuneração de título de renda fixa é


universalmente aceita, admitamos então que seja 6% a taxa básica de
remuneração das ações.

A remuneração das ações como já vimos é dividendos, que não poderão


ser menores do que 6% ao ano para serem remunerativos.

Se aplicarmos o valor 100 num título de renda fixa, receberemos 6 de juros.


O capital é igual a 16,67 vezes o seu rendimento:

100 ÷ 6 = 16,67

Por essa lógica, o preço da ação deverá ser no máximo 16,67 vezes maior
do que os dividendos, que constituem a sua remuneração.

Todo aquele que compra ação para ser remunerado pelos dividendos não
deverá pagar mais do que 16,67 vezes o valor dos dividendos. Acima dessa
proporção, obterá resultado financeiro melhor se comprar títulos de renda fixa.

Há porém, outros objetivos para comprar ações que não seja pelos
dividendos. Esses objetivos são quatro:

1. Especular, comprando e vendendo para tentar ganhar em prazo curto.

5
A
empresa e a ação

2. Adquirir uma reserva de valor como garantia contra a desvalorização da moeda

3. Melhorar a posição na companhia, para quem já é acionista.

4. Comprar o controle da empresa.

Aquele que especula orienta-se pelo preço que estiver vigorando no


pregão, qualquer que seja. Para ele, o nome da companhia é o único referencial.
Se a empresa não existisse, mas se seu nome figurasse no boletim da Bolsa, não
faria diferença nenhuma; continuaria negociando enquanto houvesse interessados
em comprar e vender.

Quem compra ações para conservar o valor do seu capital também não
pensa em preço justo.

Aquele que, já sendo acionista, compra ações para reforçar sua posição na
empresa, orienta-se pelo valor patrimonial da ação, que pelo menos contabilmente
reflete o valor de cada ação da companhia.

Todo aquele que vida o controle da organização cuida para que o custo da
compra não seja muito maior do que a despesa em que incorreria se fosse instalar
uma companhia igual à que ele quer adquirir.

Ele também usa o valor patrimonial como referencia. Esse investidor não
pensa em remuneração presente, mas futura. Quando for dono da empresa,
poderá tirar dela o proveito que quiser. Mas no momento seria preferível até que a
companhia não pagasse dividendo nenhum e que o preço dos seus papéis não
subisse na Bolsa.