Você está na página 1de 4

INTRODUÇÃO

O Planejamento Tributário de uma empresa é de suma importância, e deve ser

realizado anualmente. Analisar a situação da empresa e escolher o tipo de

tributação a qual ela se enquadra melhor fará com que a instituição diminua o

pagamento de tributos. As opções são Simples Nacional (opção exclusiva para

Microempresas e Empresas de Pequeno Porte), Lucro Real (apuração anual ou

trimestral) e Lucro Presumido.

Os tributos (impostos, taxas e contribuições) podem representar um

significativo montante financeiro dos custos das empresas. Por isso, para que as

empresas sobrevivam é necessária uma correta administração na parte tributária.

Este trabalho visa à análise tributária da empresa BIA E BELA LTDA, para

verificar qual a melhor opção tributária para esta empresa. Para isto temos como

fonte de análise, três Demonstrações de Resultado do Exercício e dois controles

de estoque igualmente válidos.

http://www.artigonal.com/ciencias-artigos/a-importancia-do-planejamento-tributario-para-empresas-
optantes-pelo-simples-nacional-1028723.html
http://www.portaltributario.com.br/planejamento.htm
http://www.sebraemg.com.br
http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/LeisComplementares/2006/leicp123.htm
http://www.cebrasse.org.br/downloads/html/lucro_presumido_real.html
http://www.portaltributario.com.br/guia/lucro_presumido.html
2. TEXTO

Diante das Demonstrações de Resultado apresentadas foi possível verificar

que para o planejamento tributário da empresa BIA E BELA LTDA, foram

demonstradas as três formas de tributação existentes.

Na opção 1, temos o Regime Simples Nacional, lei complementar 123/2006.

Lei que estabelece tratamento diferenciado favorecendo as microempresas e

empresas de pequeno porte na apuração e recolhimento dos impostos Federais,

Estaduais e Municipais, obrigações trabalhistas e previdenciárias, incluindo as

obrigações acessórias mediante um regime único de arrecadação. Assim como, a

inclusão social destas empresas no mercado.

Diante disso, nessa opção 1 que somente consta o Imposto 1 e não tem

provisão de imposto após o lucro líquido apurado, foi deduzido tratar-se da

opção tributária do Simples Nacional. Outra evidência é com relação ao controle

de estoque utilizado, onde o valor médio do custo unitário de cada produto foi

calculado sem a dedução do ICMS.

Na opção 2, temos o Lucro Presumido que é a forma de tributação

simplificada, aplicando-se um determinado percentual sobre a Receita Bruta,

para calculo do Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido.

Podem optar pela tributação com base no lucro presumido as pessoas

jurídicas, cuja receita bruta total, no ano-calendário imediatamente anterior, tenha

sido igual ou inferior a R$ 48.000.000,00 ou ao limite proporcional de R$

4.000.000,00 multiplicados pelo número de meses de atividade no ano, se inferior a


12 (Lei nº 9.718/1998, art. 14, com a redação dada pela Lei nº 10.637/2002, art. 46).

Essas empresas para optarem pelo Lucro Presumido, não podem estar obrigadas a

optar pelo Lucro Real.

Conforme Instrução Normativa SRF nº 93/1997, art. 3º, §§ 1º e 2º, e art. 36, I.

a cada trimestre será aplicado sobre a receita bruta percentual que vária de acordo

com a atividade de cada instituição. Mesmo que está empresa naquele

mês/trimestre específico tenha tido prejuízo, será obrigada a pagar o imposto, pois o

mesmo é calculado sobre a Receita.

A Alíquota do IRPJ sobre o Lucro Presumido é de 15%, sendo que a parcela

do lucro presumido que exceder o valor resultante da multiplicação de R$ 20.000,00

(vinte mil reais) pelo número de vezes do período de apuração, está sujeito ao

adicional de 10% ao imposto. O adicional de que trata este item será pago

juntamente com o imposto de renda apurado pela aplicação da alíquota geral de

15%.

Na opção 3 temo o Lucro Real,

Assim, na opção 2 deduz-se que a tributação escolhida foi a do Lucro

Presumido, devido o ICMS e os impostos 1 e 2 com alíquotas de apuração de 3%

para COFINS e 0,65% para PIS e a provisão após o Lucro Líquido é de 1% para

CSLL e 1,5% para IRRF.

Sendo que no controle de estoque o custo médio é calculado com a dedução

do ICMS sobre compras.