Você está na página 1de 232

PEllÍ(~lil (~()N'l,iÍIIII

..
Judicial e Extrajudicial
RILMOURA
Copyright© 2017 by Ril Moura
Professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610, de 19.2.1998.
Perito Judicial, Auditor Independente e Consultor de Empresas É proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios,
Membro da Associação de Peritos Judiciais do Estado do Rio de Janeiro bem como a produção de apostilas, sem autorização prévia,
Membro da Academia Brasileira de Economia (ANE) e da Academia de por escrito, da Editora.
Ciências Contábeis do Estado do Rio de Janeiro (ACCERJ)
Direitos exclusivosda edição e distribuição em língua portuguesa:
MariaAugusta Delgado Livraria,Distribuidora e Editora

Editor: IsaacD. Abula.fia


Capa: JairDomingos
Revisão de texto: Mariana Temoteo/JotaCabral

t•J~llÍ(~lil(~()N'l1ÍIIII .. 1 Diagramação: Neilton Lima

Judicial e Extrajudicial DADOS INTERNACIONAISPARACATALOGAÇÃONA PUBUCAÇÃO (CIP)

M929p
Moura, Ril.
Perícia contábil: judicial e extrajudicial / Ril Moura. - 4. ed. rev. e atual - Rio
de Janeiro: M. A. Delgado, 2017.
460p.; 23 cm
4ª Edição
lSBN 978-85-7987-291-4
Revisada e atualizada com as 1.Pericia contábil - Brasil. 2. Prova pericial - Brasil.
novas Normas do CFC e com LTitulo.
o NOVO CPC (Lei 13.105) CDD 657.450981

Freitas Bastos Editora


Tel./Fax: (21) 2276 -4500
freitasbastos@freitasbastos.com
vendas@freitasbastos.com
www.freitasbastos.com
Freitas Bastos Editora
Dedico este livro a Silene Lins Acioli
Moura, mãe de meusfilhos Sandra Lúcia, Rilton,
Ricardo e Rodrigo, agradecendo, de forma mui-
to especial, a feliz oportunidade do convívio
para o aprendizadoque continuo tendo.

OAu.tor
TEMPO EVIDA

O tempo utilizado com sabedoria rend e juros de progresso intelecto-moral.


A hora vazia fomenta os desequiltb rios que redundam em inequívocos
prejuízo s.
A ação tranquila e contínua produz resultados mais seguros do que o
labor agitado, sem método, nem pro ssegu imento .
Para o êxito de qualquer realização faz-se importante a programação da
atividade, obedecendo ao critério do tempo que pode ser investido.
O homem prudente valoriza o tempo, enquanto que o ocioso desperdiça-o
desnecessariamente .
Os ponteiros do relógio retomam sempre ao lugar por onde já passaram,
todavia, não mais trazem de volta o tempo que se foi.
O tempo, na sua marcha inexorável, a tudo transforma alterando a face
da vida e alcançando o homem, que se modifica. Conduze bem o teu tempo,
dele retirando os preciosos valores para a tua, e a vida daqueles que te cercam.
Quem malbaratou a dádiva dos minutos, quando os deseja para uma fi-
nalidade superior, já não os logra alcançar nas mesmas circunstâncias . Tempo
e vida são termos da equação da felicidade . Bem aproveitado, tempo é vida ;
desperdiçado, a vida é a morte da oportunidade de redenção.

Joanna de Ângelis

vii
PREFÁCIO

O eminente autor é professor da UFRJ, exerce funções de auditor e


contador no Rio de Janeiro onde angariou respeito de todos. Porém, foi nas
lides forenses onde mais se destacou, sendo expert de confiança de vários
Magistrados do primeiro grau.
Tive oportunidade de nomeá-lo em inúmeros processos quando Titular
da 6ª Vara Cível da Comarca da Capital; seus brilhantes laudos em muito me
auxiliaram no deslinde de questões de natureza contábil.
É certo que para a aferição de um fato, em determinados casos, torna-se
imprescindível a prova técnica diante da complexidade cada vez mais pre-
sente nas demandas judiciais. Novos contratos, como leasing, factoring,
franchising, cartões de crédito etc., passaram a ser uma constante ao lado da-
queles tradicionais, exigindo que os Juízes utilizem louvados de conhecimen-
to adequado de modo a preencher a "A LACUNA DE SUA CULTURA",
no dizer de Calamandrei.
A obra do Prof . Ril Moura coloca em mãos de estudantes e profissionais
do Direito e Ciências Contábeis estudo proficiente dos arts. 420 a 439 da Lei
de Ritos, não apenas no plano teórico, mas essencialmente prático, trazendo
interessantes questões, modelos de sentença, estudos, laudos, correspondên-
cias e tudo o que mais verse sobre o tema extraído de processos em que fun-
cionou e dando visão plena do que aborda.
Para completar, o autor termina com importantes notas sobre as normas
profissionais do perito e da ética profissional do contabilista, exibindo a serie-
dade da obra.
A técnica pericial adquire o seu natural prestígio, posto que ignorada pela
a maioria dos autores. Livros jurídicos, muitos existem, mas sem aprofunda-
mento quanto à questão ora tratada por sua alta importância .
Certo estou que este trabalho de invejável inteligência concorrerá para o
desenvolvimento a partir de agora de um estudo pragmático acerca das peri-
cias, corrigindo-se a lacuna intelectual até agora existente, constituindo-se em
valioso instrumento de trabalho e fonte de pesquisa para estudantes, contado-
res, advogados e profissionais do Direito.

OtávioRodrigues
Desembargador do Tribunal de Justiça
do Estado do Rio de Janeiro
ix
xll Ril Moura

hono rários, os diversos tipos de ações onde o perito pode atuar , e como iden-
APRESENTAÇÃO tificar um litigante que age de má fé.
Há um capítulo muito esclarecedor que reproduz diversos tipos de des•
pachos de juízes, alguns curiosos , outros de extrema tecnicidade o que vem
demonstrar o universo de fatos a serem decididos pelas autoridades togadas .
O autor trata também do desenvolvimento das perícias extrajudiciais ,
Ril Moura é um excelente economista e contador , com quem travei
expediente que se encontra atualmente em franca expansão , e das perícias
conhecimento quando presidia o Sindicato dos Economistas. Nessa ocasião
especializadas como, por exemplo , as que se referem a "fundo de comércio " e
ele colaborou na confecção de planos para o desenvolvimento d.e alguns mu-
a "concordatas preventivas".
nicípios do estado do Rio de Janeiro .
Em suma, tanto os alunos do curso de ciências contábeis onde a "perícia
Dai por diante acompanhei sua brilhante trajetória nos demais setores
contábil" constitui uma disciplina curricular, como os conta dore s que estão
onde se especializou . Foi executivo de empresas estatais . Atuou como auditor
se iniciando na atividade pericial, não poderão dispensar , daqui por diante, a
independente de diversas empresas bra sileiras .
leitura objetiva e prática deste livro de autoria do professor Ril Moura.
Na sua passagem como consultor da Confederação Nacional da Indústria
teve oportunidade de editar nove livros sobre temas econômico-financeiros ,
entre os quais destaco: "Cadastro, crédito e cobrança", ''Direitos do acionis-
ta", "Reservas: reforço de capital", e "Contabilidade para não contadores" . Fevereiro de 2002
Atualmente, e sem prejuízo da continuidade de suas atuações nos setores
citados, exerce as funções de perito judicial e leciona na Universidade Federal AmericoMatheusFlorentino
do Rio de Janeiro a disciplina de "Peric ia contábil',. Economi sta, administrador, contador e atuârio
Ril Moura teve a gentileza de me exibir os originais deste livro sobre Prof . Titular da UFRJ e da UERJ
"Pericia Contábil Judicial e Extrajudicial" na certa com a intenção de ouvir
minhas crit icas, mas o seu texto é tão abrangente, é tão didático , que com toda
a minha experiência profissional não encontrei um ponto onde p udesse criticar
ou orientar . Pelo contrário , aprendi muito sobre esse campo onde eventual-
mente sou chamado a atuar como perito assistente.
As explanações que o autor faz para definir o que é uma pericia contábil
são bem definidoras da importância dessa técnica que, como diz: "constitui o
conjunto de procedimentos técnicos e científicos destinado a levar à instância
decisória elementos de prova necessários a subsidiar a justa solução do litígio,
mediante laudo ou parecer, em conformidade com as normas jurídicas e pro-
fissionais pertinentes ."
Além de abordar os procedimentos técnicos a serem adotados pelo perito
como o planejamento, as normas e procedimento s, o laudo pericial, o parecer
final com as conclusões, o sigilo profissional, os termos de audiência de con-
ciliação, etc., o autor fornece inúmeros exemplos práticos como modelos de
petição, requerimentos , contratos de honorários , correspondências expedidas ,
e textos de quesitos.
O livro contém informações inéditas como , por exemplo, os impedi-
mentos que o perito tem para atuar, as justificativas para a fixação de seus

xi
XIV Ril Moura

2 .22 . Exemplo de parte introdutória ............................................................... 34


2 .23. Preparação e redação do laudo pericial.. ................................................ 35
SUMÁRIO 2.24 . Exemplos de conclusão .......................................................................... 36
2.25. Exemplo de conclusão quantificando valores ........................................ 39
2.26. Laudo e parecer de profissional não-habilitado .....................................40
2.27. Parecer técnico contábil ......................................................................... 40
Tempo e vida ......................................................................................................... vii 2.28. Estrutura .................................................................................................4 1
Prefádo ..u............................................
................................................................... ix 2.29. Apresentação do parecer pericial contábil ............................................. 42
Apresentação ........................................................................................................ xi
3. Normas e procedimentos do perito
Introdução ............................................................................................................... 1
3.1. Preliminares ...........................................................................................43
1. Perícia contábil 3.2 . Norma disciplinadora............................................................................. 43
1.1. Considerações gerais ................................... n . . ... . . . ...... . . . .... 5
. . . . ... . . .. . . . . . . .... . 3 .3. Norma técnica ........................................................................................ 44
1.2 Tipos de prova .......................................................................................... 5 3.4 . Conceito .................................................................................................44
1.3. Procedimen tos de perl.ciacontábil ........ ................................................... 6 3.5. Competência profissional....................................................................... 45
1.4. Realização da prova pericial .................................................................... 7 3.6. Independência ........................................................................................ 46
1.5. Competência profissional. ........................................................................7 37. . lmedim
p ento e suspe1çao· · - ....................................................................... 46
1.6. Missão do perito .......................................................................................8 3.8. Exemplo de escusa de nomeação de perito ............................................ 48
1.7 . Substituição do perito ..............................................................................9 3.9 . Exemplo de renúncia de nomeação de perito ........................................ 49
1.8. Dispensa da prova pericial .....................................................................1O 3.10. Exemplo de recusa de indicação de assistente técnico .......................... 50
2. Normas da perícia contábil 3.1I . Honorários periciais ............................................................................... 51
2.1 . Preliminares ............... .......... ......................................... ......................... 11 3.12. Modelo de orçamento para honorários periciais ......... u 53
.........................

2.2. Realização da prova pericial .................................................................. 11 3.13 . Exemplo de petição de honorários periciais ..........................................54
2 .3. Norma disciplinadora............................................................................. 11 3.14 . Outro exemplo de petição de honorários periciais .................................55
2.4. Normas técnicas ..................................................................................... 11 3.15. Exemplo de contrato de honorários - pericia extrajudicial ................... 56
2.5. Normas profissionais.............................................................................. 12 3.16 . Ex~~Pl.o ~e.requerimento de complementação de honorários -
2 .6. Conce1.tuaçao - e ob~etivos
.. ....................................................................... 12 penc1aJudicial........................................................................................ 57
2.7. Gratuidade da justiça .............................................................................. 14 3.17 . Exemplo de petição de entrega do laudo pericial e expedição do
2.8. PIaneJamento
. da peri·c1a . ......................................................................... 16 mandado de pagamento.......................................................................... 58
3 .18. Exemplo de peu·ção d e liberaçao ~ pareia · · l de h onoranos ' · ......................... 59
2.9. Exemplo de petição para requerer prazo suplementar ........................... 18
3.19. Exemplo de petição para o custeio de despesas de deslocamento ......... 60
2.1O. Desenvolvimento do planejamento........................................................ 19
3.20. C-0ntratopara prestação de serviços como assistente técnico ................ 61
2.11. Riscos .....................................................................................................20
3.21. Sigilo ...................................................................................................... 62
2.12. Pessoal....................................................................................................20
3 .22. Responsabilidade e zelo ................................ u ... .. .... .... .. 63 ...... .. .. .. ...... . . .. ..

2.13. Cronograma de trabalho.........................................................................20


3.23 . Responsabilidade e ética ........................................................................ 64
2.14. Modelo de planejamento para perícia judicial ....................................... 22
3.24. Responsabilidade civil e penal...............................................................64
2.15. Execução ................................................................................................ 25
3.25 . Responsabilidade profissional................................................................64
2 .16. Exemplo de correspondência do assistente técnico ao perito ................26
3.26 . Acompanhamento de processos ............................................................. 65
2.17. Exemplo de petição do assistente técnico ao juiz .................................. 27
3.27. Exemplo de consulta processual ............................................................ 65
2.18. Exemplo de correspondência para solicitar documentos....................... 28
3.28. Exemplo de informações obtidas através de "boletas" ..........................67
2. 19. Procedimentos ........................................................................................ 30
3.29. Exemplos de andamento de processos informado pelo tribunal.de
2.20. Laudo pericial contábil .......................................................................... 31 . . atraves
Justiça , de e-mai·1......................................................................... 68
2.21. Exemplos de resposta aos quesitos ........................................................ 32 3.30 . Exemplo de comunicação ao perito através de mandado de intimação . 72
xiii
SUMÁRIO XV XVI Ril Moura

3.31. Utilização de trabalho de especialista.................................................... 74 8.4. Resposta da parte autora ...................................................................... 150
3.32. Cadastro nacional de peritos contábeis (CNPC).................................... 74 8.5. Manifestação da parte ré ...................................................................... 152
3.33. Educação continuada ............................................................................. 76 8.6. Audiêncía de conciliação ..................................................................... 152
4. Ação - meio processual 8.7. Respostadaparteré ...........................................................................153
4. l . Preliminares ...........................................................................................77 8.8. Manifestação da parte autora ............................................................... 154
4.2. Tipos de ações ........................................................................................78 8.9. Decisão................................................................................................. 155
4.3. Litigante de má-fé .................................................................................. 79 8.10. Indicação de assistente técnico e formulação de quesitos pela
4.4. Despacho .....................................................................................
........... 80 parte autora ........................................................................................... 155
4.5. Tramitação de uma ação ........................................................................80 8.11. Formulação dos quesitos pela parte ré ................................................. 156
4.6. Exemplo de petição inicial .................................................................... 81 8.12. Honorários requeridos pelo perito ....................................................... 157
4.7. Exemplo de citação - via postal ............................................................ 83 8.13. Parcelamento requerido pela parte autora dos honorários do perito .... 158
4.8. Exemplo de citação - através de oficial de justiça ................................. 84 8.14. Manifestação do perito sobre o parcelamento de seus honorários ....... 159
4.9. Exemplo de petição contestatória ......................................................... 86 8.15. Despacho do juiz ..................................................................................159
8.16. Requerimento de expedição de guia para depósito da 1ª parcela
5. Publicação de despachos de juízes
dos honorários periciais ....................................................................... 160
5.1. Considerações gerajs..............................................................................93 8.17. Requerimento para juntada da guia do depósito da lª parcela dos
5.2. Exemplos de publicações extraídas do diário oficial de um estado ....... 94 honorários periciais .............................................................................. 160
6. Correspondências expedidas por peritos 8.18. Requerimento final da parte autora para juntada da guia do depó-
6.1. Preliminares ......................................................................................... 111 sito da última parcela dos honorários periciais .................................... 161
6.2. Exemplo de petição para requerer honorários .................................... 111 8.19. Correspondência expedida pelo perito ao assistente técnico .............. 162
6.3. Exemplo de petição para parcelamento do depósito de honorários..... 113 8.20. Petição do perito requerendo entrega do laudo pericial e de expe-
6.4. Exemplo de correspondência comunicando o início da produção dição do mandado de pagamento de seus honorários .......................... 163
da prova pericial e solicitando indicação de nome de pessoa de 8.21. Laudo pericial juntado aos autos .........................................................163
uma das partes para atender o perito ................................................... 114 8.22. Mandado de pagamento dos honorários do perito .............................167
6.5. Exemplo de correspondência para agendar reunião com assistente 8.23. Petição do assistente técnico sobre o laudo pericial ......................... 168
técnico .................................................................................................. ·11s
9. Desenvolvimento de perícia extrajudlclal
6.6. Exemplo de petição para fazer entrega do laudo pericial e Libera-
ção dos honorários ............................................................................... 116 9.1. "Pre
timin_are
s ..................
................................... .......... 169
.................................
6.7. Exemplo de petição para requerer honorários complementares .......... 117 9.2. Norma societária .................................................................................. 169
6.8. Exemplos de esclarecimentos prestados por peritos ............................ 118 9.3. ·Normas disciplinadoras ........·····~···...................................................... 171
6.9. Exemplos de outras correspondências visando a obtenção de do- 9.4. Exemplo de contrato de honorários - pericia extrajudicial ................ 171
cumentos para elaboração do laudo pericial. ....................................... 123 9.5. Exemplo de correspondência visando elaboração de laudo peri-
cial de avaliação ................................................................................... 172
7. Correspondências expedidas por assistentes técnicos
9 .6. Exemplo de laudo pericial extrajudicial - justo valor de mercado ...... 173
7.1. Preliminares ......................................................................................... 133
7.2. Exemplo de petição para que a realização das diligências sejam 1O. Fundo de comércio
em conjunto com o perito ....................................................................133 10.1. Considerações gerais............................................................................ 177
7.3. Exemplos de correspondências dirigidas ao perito .............................. 134 10.2. Valor da empresa.................................................................................. 178
7.4. Exemplos de correspondências sobre honorários do assistente técnicol36 l 0.3. Elementos constitutivos do fundo de comércio ................................... 179
7.5. Exemplos de correspondências dirigidas ao advogado........................ 138 10.4. Elementos intangíveis .......................................................................... 179
8. Desenvolvimento de perícia Judicial 10.5. Elementos tangíveis ............................................................................. 180
8.1. Considerações gerais............................................................................ 143 I 0.6. Avaliação do fundo de comércio..........................................................181
8.2. Petição inicial ....................................................................................... 144 10.7. Métodos de avaliação do fundo de comércio....................................... 181
8.3. Petição contestatória ............................................................................ 146 l 0.8. Doutrina e jurisprudência sobre fundo de comércio ............................ 183
SUMÁ
RIO XVII XVIII Ril Moura

11. Laudos de perícias judiciais 17. Sentenças prolatadas


11.1. Preliminares ......................................... ................. ............ ................... 187 17.1. Considerações gerais ........................................................ ................... 305
11.2. Norma disciplinadora ........................................ ................... .............. .. 187 17.2. Exemplos de sentenças ....... ................................................................. 306
11.3. Respostas aos quesitos ......................................................................... 188 18. Impedimento e suspeição
11.4. Exemplos de laudos de pericias judicia is ........................ ................... .. 190 18.1. Preliminares ......................................................................................... 32 1
12. Laudos de pericias extrajudiciais 18.2. Exemplos de suspeição de perito ................................................ ......... 323
12.1. Considerações gerais .................. .......................................................... 235 18.3. Exceção de suspeição de perito ............................................................ 323
12.2. Exemplos de laudos periciais extrajudiciais ........................................ 236 18.4. Informação prestada pelo perito ........................................................... 325
13. Pareceres técnicos 18.5. Audiência de instrução e julgamento ................................................... 327
13.1. Preliminares.........................................................................................
249 18.6. Acórdão - agravo de instrumento. Suspeição do perito ...................... 33 1
13.2. Nonnas disciplinadora s ................................ ................. ................ ....... 249 18.7. Exceção de suspeição de perito ............................................................ 334
13.3. Apresentação do parecer técnico ........... .................... .................. ........ 250 18.8. Informação prestada pelo perito ........................................................... 338
13.4. Exemplos de pareceres técnicos judiciais ............................................ 250 18.9. Decisão do juiz ..................................................................................... 339
18.10.Agravo de instrumento ......................................................................... 340
14. Pedidos de esclarecimentos
18.11.Comunicação da câmara cível ....................................~ .............. ......... 345
14.1. Considerações gerais ................ ................. .................... .................... ... 267
18.12.Acórdão - liminar em agravo de instrumento .......... ............... ............. 347
14.2. Exemplos de pedidos de esclarecimentos ............................................ 268
18.13.Acórdão - exceção de suspeição ......................................................... 349
14.3. Exemplo de intimação via postal ................................ ......................... 274
14.4. Exemplos de esclarecimentos prestado s por peritos ............................ 275 19. Acórdãos
19.1. Preliminare s .................... .................................................................... . 353
15. Impugnações
15.1. Consideraçõesgerais............................................................................281 Exemplos de acórdãos
15.2. Exe·mplosde impu_gt1ações ................................................................... 282 19.2. 1°E xemplo - supressão de um grau de jurisdição ........................... 354
15.2.1 1° Exemplo de impugnação ..................................................... 284 19.3. 2° Exemplo - exceção de suspeição .................................... ................ 356
15.2.2 2° Exemplo de impugnação ................ .................................. ... 282 19.3. 3° Exemplo - embargos de dec laração ......................... ........ ............... 36 l
15.2.3 3° Exemplo de impugnação .............................. ............ ........... 282 20. Testes de aferição
15.3. Exemplos de esclarecimentos pre stados pelos peritos .................. ....... 290 Teste nº 1 ................................................................... ................................... 365
15.3.1 1° Exemplo de esclarecimentos prestados pelo perito ............ . 290 Teste nº 2 .......................... .................... ............................... .............. ........ 367
15.3.2 2° Exemplo de esclarecimentos prestados pelo perito , em Teste nº 3 ..................................................... ................................................... 37 1
cumprimento ao despacho do juiz sobre o 3° Exemplo de impugnação .291 Teste nº 5 ........................................................................................................ 384
15.4. Manifestação da parte autora .................................. ............................. 293 Teste nº 9 .................................... ................................................................. 400
15.5. Esclarecimentos prestados pelo perito ............................................... .. 294 Teste nº 1O...................................................................................................... 405
15.6. Manifestação da parte ré ............................. ................................. ........ 294 Testen º ll ...................................................................................................... 410
15.7. Nova manifestação da parte autora .................................................. ~ ... 295 Teste nº 12 ..................................................................................................... 412
15.8. Despacho do juiz sobre manifestações ofensivas ............... 296 u . ........... . . . ..
Testen ° 13 ................................................................................................ 413
15.9. Decisão ainda sobre o 3° exemplo de impugnação ..................... ......... 296 Testenº 14 ..................................................................................................... 414
16. Audiências de concJllação Teste nº 15 ............... ............... ..................... ................................................... 415
16.1. Preliminares ......................................................................................... 297 Gabarito dos testes de aferição nºs 1 a 7 .........................................................431
16.2. Exemplos de audiências de conciliação ............................................... 297 Bibliografia ...........................................................................................................437
16.3. Audiênc ia de conciliação - j uizado informal de conciliação .............. 299 Nota sobre a obra ................................................................................................ 439
16.4. Audiência de conciliação , instrução e julgamento ............ ................... 300 Nota sobre o autor ..............................................................................................441
16.5. Exemplos de audiências especiais ................ ....................................... 30 1
16.6. Audiência especial conciliatória ..... on ............... . ................... 303 ...... .... n .. .
2 Ril Moura

fundo de comércio, além de outros, e o oferecimento de elementos elucidati-


INTRODUÇÃO vos para o deslinde de controvérsias .
Perito contábil é o contador regularmente registrado em Conselho
Regional de Contabilidade da sua jurisdição, que exerce a atividade pericial
de forma pessoal, devendo ser profundo conhecedor, por suas qualidades e
Pericia - expressão advinda do latim peritia - é um tipo de prova, e sig- experiências, da matéria periciada .
nüica ciência, conhecimento, experiência, habilidade, saber. Prova é expressão As Normas Brasileiras de Contabfüdade que tratam da pericia contábil,
também advinda do latim proba , de probare, e significa comprovar , evidenciar, emanadas do Conselho Federal de Contabilidade - CFC - , atribuem ao pro-
demonstrar, formar juízo de, reconhecer , confirmar, autenticidade de alguma fissional a qualidade de Perito do Juízo e Perito-Assistente, já o Código de
coisa, demonstração pela qual se verifica a exatidão de um cálculo. Processo Civil - CPC - dá o tratamento de perito ao profissional nomeado pelo
A perícia, sendo um tipo de prova, constitui o conjunto de procedimen- juiz, e o tratamento de assistente técnico ao profissional indicado pelas partes.
tos técnicos e científicos destinados a levar à instância decisória elementos A legis lação fixou as espécies de perícias em três provas : exame, vistoria
de prova necessários a subsidiar à justa solução do litígio - questão judicial; e avaliação .
pleito, demanda, pendência - mediante laudo periciai e/ou parecer pericial, A essas espécies de perícia, acrescenta-se, ainda, o arbitramento, ensi-
em conformidade com as normas jurídicas e profissionais, e a legislação espe- nando-nos Moacyr Amaral Santos (Comentários ao Código de Processo Civil)
cífica no que for pertinente . - 4° vol. - Forense-: "Tratando-se de apurar o valor, em dinheiro, do objeto
No Brasil, a partir de 27 de maio de 1946, com o advento do Decreto-Lei do litígio, de direitos ou da obrigação demandada , a perícia toma o nome de
de nº 9.295, através do qual foram criados o Conselho Federal de Contabilidade arbitramento. Sua .finalidade é a estimação do valor, em moeda, de coisas,
e os Conselhos Regionai s ( entidades de fiscalização do exercício profissional), direitos ou obrigações . Dá-se o nome de avaliação à mesma estimação do va-
a pericia contábil ficou institucionalizada, hoje fazendo parte das disciplinas lor, em moeda, de coisas, direitos ou obrigações , quando feita em inventário,
ministradas nas Universi dades. partilhas ou processos administrativos, e nas execuções, para a estimação da
Em conformidade com o Novo Código Civil, art. 212, salvo negócio a coisa a partilhar, ou penhoradas. Nesse caso, é bem a avaliação a determina-
que se impõe forma especial, o fato jurídico pode ser provado mediante: con- ção do justo preço de alguma coisa. "
fissão; documento ; testemunha; pre sunção; pericia. A pericia contábil não se confunde com a auditoria contábil, começando,
inclusive, com as suasconceituações, como seguem: a perícia contábil cons-
Segundo o princípio da lei processual, a perícia é a medida que vem
titui o conjunto de procedimentos técnico-científicos destinados a levar à ins-
mostrar o fato, quando não haja meio de prova documental para revelá-lo, ou
tância decisória elementos de prova necessários a subsidiar àjusta solução do
quando se quer esclarecer circunstâncias a respeito dele e que não se achem
litígio ou constatação de fato, mediant e laudo pericial contábil, e/ou parecer
perfeitamente definidos . técnico-contáh#, em conformidade com as normas jurídicas e profissionais e
Consoante Acórdão da 2ª Câmara do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, com a legislação especifica no que for pertinente; e a auditoria contábil, se-
por unanimidade, acordaram seus desembargadores que o laudo pericial subs- gundo o saudoso amigo, insigne professor, Américo Matheus Florentino, é um
crito por expertos oficiais é meio de prova que desfruta de acentuado grau sistema permanente de atividades especializadas exercidas em uma entidade,
de credibilidade, gerando presunção de procedência e verac idade , quanto aos compreendendo : o conhecimento das leis, normas ou costumes que regem as
fatos que descreve e as conclusões que emite. Essa presunção somente sedes - atividades da entidade; exame dos registros contábeis e dos documentos de
faz em caso de convinc ·ente prova em contrário ou manifesta incongruência suas operações ; a verificação ftsica dos bens ou valores da entidade ; e confir-
interna nos seus elementos de convicção . mação dos débitos e créditos de terceiros que transacionam com a entidad e.
Perícia contábiJ é a apuração, através de procedimentos técnicos diver- Ademais , em conformidadecomo Novo Códigode ProcessoCivil - NCPC
sos, visando a esclarecer dúvidas, efetuar cálculos de partilhas entre sócios, -, a perícia judicial é realizada por peritos nomeados pelo juiz, algumas vezes
reavaliações patrimoniai s, cálculo de ágio ou deságio de ações, revisão de nomeados por desembargadores, entre os profissionais legalmente habilitados e
cláusulas contratuais, apurações do valor do patrimônio liquido, apurações de os órgãos técnicos ou científicos devidamente inscritos em cadastro mantido pelo
tribunal ao qual o juiz está vinculado. O perito emite um laudo pericial ao final de
1
INTRODUÇÃO 3 4 Ril Moura

seu trabalho,documentoencaminhadoaojuiz ou ao desembargadorque despacha contas, apuraçãode haveres, etc., com tramitação na Justiça Estadual, Federal
as partes para se manifestarem, enquanto que a auditoria é realizada por audítor ou Trabalhista; sejam nas Varas Civeis, Fazenda; Varas Empresariais; Câmaras
- expressão também advinda do latim auditore- significandoaquele que ouve, Cíveis; Órgãos Especiais; e órfãos e Sucessões , bem como de laudos periciais
ouvidor (pessoa tisica ou jurídica), que examina o desenvolvimentodas opera- extrajudiciais, e, ainda, de julgamentos judiciais, não estão identificados, real-
ções contábeis desde o início até o balanço mediante contrato, o auditor emite um mente, o perito, o assistentetécnico, o Juízo, o número do processo, a parte auto-
relatório ao final de seu trabalho, com o título Relatório do Auditor Independente ra, a parte ré, o espólio, a firma,o requerente,o apelante,o apelado, o inventarian-
sobre as DemonstraçõesContábeis,documento encaminhadoao contratante. te, o advogado, o juiz, o desembargador, bem como, irreais, são alguns de seus
Para o desempenho de sua função, podem o perito e os assistentes técni- valores, indexadores,locais e datas, e os citados anexos não estão sendo exibidos.
cos valerem-se de todos os meios necessários, ouvindo testemunhas, obtendo
Com o advento da Resolução CFC n.0 1.502, de 19 de fevereiro de 2016,
informações, solicitando documentos que estejam em poder da parte, de ter-
ceiros ou em repartições públicas, bem como instruir o laudo com planilhas, alterada pela Resolução CFC n.º 1.513, de 21 de outubro de 2016, foi criado
mapas, plantas, desenhos, fotografias ou outros elementos necessários ao es- o Cadastro Nacional de Peritos Contábeis (CNPC) do Conselho Federal de
clarecimento do objeto da perícia. Contabilidade (CFC), estabelecendo, além de outros, que os contadores que
Os profissionais da perícia devem exercer o seu múnus com zelo, dili- exercem atividades de perícia contábil terão até 31 de dezembro de 2017 para
gência, honestidade e capacidade técnica; e manter conduta em relação aos se cadastrarem no Cadastro Nacional de Peritos Contábeis do CFC, por meio
colegas pautada nos princípios da consideração, respeito, apreço e solidarie- dos portais dos Conselhos Regionais de Contabilidade (CRCs) e no portal do
dade, em consonância com os postulados de harmonia da classe previstos no CFC, inserindo todas as informações requeridas.
Código de Ética Profissional do Contador. A partir de 1° de janeiro de 2018, o ingresso no Cadastro Nacional de
O desenvolvimento deste livro está amparado nas Normas Brasileiras de Peritos Contábeis - CNPC - estará condicionado à aprovação em exame es-
Contabilidade - NBC TP 01 - Pericia Contábil, NBC PP O1 - Perito Contábil pecifico, regulamentado pelo CFC; e a permanência do profissional no CNPC
e na Resolução CFC nº 803, instrumentos emanados do Conselho Federal de
estará condicionada à obrigatoriedade do cumprimento do Programa de
Contabilidade; no Novo Código de Processo Civil - NCPC -, que passou a
vigorar a partir de 18 de março de 2016. Educação Profissional Continuada, que será regulamentado pelo CFC.
Na qualidade de profissional que vem também atuando na área, o propó- De acordo com a Norma Brasileira de Contabilidade, - NBC - , PP 02, de
sito deste autor é mostrar de forma clara e objetiva as exigências e condições 21 de outubro de 2016, referida NBC dispõe sobre o Exame de Qualificação
necessárias para os profissionais da contabilidade na realização de pericia Técnica para Perito Contábil - EQT - , que tem por objetivo aferir o nível de
contáb~ uma das especializações do contador, haja vista ser a literatura sobre conhecimento e a competência técnico contábil necessários ao contador que
perícia contábil ainda hoje de conhecimento restrito. pretende atuar na atividade de perícia contábil.
Este livro trata das normas e procedimentos advindos de legislações per- É de se destacar que o desenvolvimento deste livro, sem nenhuma pre-
tinentes, abordando a prática e a processualística - TEORIA DO PROCESSO tensão de esgotar o assunto, como é lógico, pode atender aos interesses tanto
nJDICIAL - necessários ao conhecimento dos alunos - futuros peritos -, e dos alunos, dos profissionais da área em suas técnicas e procedimentos utiliza-
também dos profissionais que hoje se interessam por essa especialização. dos, e resume minha experiência, tanto teórica quanto prática, principalmente
Assim, como se verá, neste livro vamos encontrar, além da legislação que como resultado de aulas, cursos, palestras, seminários, trabalhos profissionais
trata das normas e procedimentosjudiciais e extrajudiciais,vários exemplos, to- e trabalhos de pesquisa.
dos reais, como experiência vivenciada na qualidade de perito, destacando-se,
A exemplo do que constou das três edições, se o conteúdo deste livro, de-
pela orde~ nomeação do perito, proposta de honoráriosprofissionais, indicação
de assistentes técnicos, laudos periciais - judiciais e extrajudiciais-, pareceres, vidamente revisado e atualizado, conseguir ser útil àqueles que se interessam
impugnações, solicitaçãode esclarecimentos,esclarecimentosprestados, senten- pela Perícia Contábil, o autor sentir-se-á mais um vez regiamente gratificado.
ças prolatadaspelosjuízes e acórdãosdos desembargadores. A.indavamos encon-
trar exemplos e todo o desenvolvimentode suspeição e impedimentos do perito. Rio de Janeiro, janeiro de 2017.
Para os vários exemplos apresentados de laudos periciais judiciais sobre
ações ordinárias, execução, embargos, indenização, consignatória, prestação de RILMOURA
6 Ril Moura

O Novo Código Civil, de janeiro de 2002, que passou a vigor a partir


1. PERÍCIA CONTÁBIL do dia 1Ode janeiro de 2003, dispõe, no art. 212, que o fato jurídico pode ser
provado mediante pericia.
É de se ressaltar que o referido Código estabelece, além da pericia, que
o fato jurídico também pode ser provado mediante confissão, documento, tes-
temunha, presunção.
1.1. CONSIDERAÇÕES
GERAIS De acordo com o referido Código Civil, dentre os artigos 213 a 232, fa-
zem prova os seguintes documentos: a escritura pública, lavrada em notas de
De modo amplo, entende-se por perícia um meio de prova, vez que atra-
tabelião, é documento dotado de fé pública; as certidões textuais de qualquer
vés dessa prova se examiname se verificam fatos da causa.
peça judicial, do protocolo das audiências, ou de outro qualquer livro a cargo
Pericia, segundo o princípio da lei processual, é a medida que vem mos-
do escrivão, sendo extraídas por ele, ou sob a sua vigilância, e por ele subscri-
trar o fato, quando não haja meio de prova documental para revelá-lo, ou
tas, assim como os traslados de outros, quando por outro escrivão consertados;
quando se quer esclarecer circunstâncias a respeito dele e que não se achem
perfeitamente definidos. os trasladas e as certidões, extraídos por tabelião ou oficial de registro, de
instrumentos ou documentos lançados em suas notas; as reproduções fotográ-
A pericia designa a diligência realizada ou executada por peritos, a fim de
ficas, cinematográficas, os registros fotográficos e, em geral, quaisquer outras
que se apurem, esclareçam ou se evidenciem certos fatos. Significa, portanto,
a pesquisa, o exame, a verificação acerca da verdade ou da realidade de certos reproduções mecânicas ou eletrônicas de fatos ou de coisas fazem prova plena
fatos, por pessoas que tenham reconhecida habilidade ou experiência na ma- desses, se a parte, contra quem for exibido, não lhes impugnar a exatidão.
téria de que se trata. A perícia importa sempre em exame que tem de ser feito Do mesmo modo, ainda fazem prova os seguintes documentos: os tras-
por técnicos, isto é, por peritos ou pessoas hábeis e conhecedoras da matéria lados e as certidões considerar-se-ão instrumentos públicos, se os originais
a que se refere. se houverem produzido em juízo como prova de algum ato; as declarações
Através da prova pericial, colhem-se percepções e fazem-se apreciações, constantes de documentos assinados presumem-se verdadeiras em relação aos
"não só para a direta demonstração ou constatação dos fatos que interessam à signatários; o telegrama, quando lhe for contestada a autenticidade, faz prova
lide, das causas ou consequências desses fatos, como também para o esclareci- mediante conferência com o original assinado; a cópia fotográfica de docu-
mento dos mesmos. O verbo verificar abrange as funções do perito: verificar é mento, conferida por tabelião de notas, valerá como prova de declaração da
provar a verdade de alguma coisa; é examinar a verdade da coisa; é investigar vontade, mas, impugnada sua autenticidade, deverá ser exibido o original; e
a verdade; é averiguar; é achar o que é exato.,, é o que nos ensina Moacyr os livros e fichas dos empresários e sociedades provam contra as pessoas a
Amaral Santos. que pertencem, e, em seu favor, quando, escriturados sem vício extrínseco ou
intrínseco, forem confirmados por outros subsídios.
1.2. TIPOSDE PROVA Em consistênciacom o art. 405 do NCPC, o documentopúblico faz prova
Como vimos anteriormente, por prova significa comprovar, evidenciar, não só da sua formação,mas também dos fatos que o escrivão,o chefe de secreta-
demonstrar, formar juízo de, reconhecer, confirmar, autenticidade de alguma ria, o tabeliãoou o servidordeclarar que ocorreramem sua presença.
coisa, demonstração pela qual se verifica a exatidão de um cálculo.
Prova é a forma aplicada, empregada, tendo por fim demonstrar a exis- 1.3. PROCEDIMENTOS
DE PERÍCIACONTÁBIL
tência do ato; aquilo que atesta a veracidade de alguma coisa; demonstração Os procedimentos de pericia contábil visam fundamentar o laudo e o pa-
evidente; ato que atesta ou garante uma intenção, um sentimento;testemunho. recer técnico e abrangem, total ou parcialmente, segundo a natureza e a com-
São características da prova: que esteja de acordo com a lei (admissi- plexidade da matéria, exame, vistoria, indagação, investigação, arbitramento,
bilidade); que seja aplicável ao fato que se quer provar (pertinência); e que mensuração, avaliação e certificação.
esteja em consonância com as alegações feitas e relativas ao ponto questio- Mencionados procedimentos são efetuados por intermédio de peritos,
nado (concludência). quer dizer: pessoas entendidas, de conhecimentos especiais sobre a questão
5
de fato que é objeto da pericia. Não se trata, entretanto, de uma verificação
CAPÍTULO
1. PERÍCIA
CONTÁBIL 7 8 Ril Moura

qualquer, e sim, de verificação judicial, isto é, relativa a fatos da causa e que verdade que um leigo que possa ter presenciado o evento, sempre pode ser útil.
se realiza no processo. Nesse caso, será arrolado como testemunha, mas não como perito. Por outro
A perícia geralmente é necessária quando da apuração de fatos que preci- lado, o perito não precisa ser necessariamente uma pessoa douta e portadora de
sam ser esclarecidos antes de se chegar a uma conclusão e em circunstâncias títulos extraordinários.Mas, seja como for, sempre deverá ter domínio pleno so-
em que se recomenda uma estreita visão dos fatos. bre o campo do qual deverá emitir opinião, essa aliás, que servirá como um dos
Nos casos de inventários,por exemplo, a avaliação dos bens a serem par- elementos auxiliares de ajuizamento da questão em pendência ou andamento.
tilhados são objeto de pericia. Da mesma maneira, o patrimônio das sociedades Os peritos são auxiliares da justiça, e, como tais, em seguida aos traba-
anônimas em processo de incorporação devem ser avaliados por peritos, assim lhos periciais realizados (trabalhos de verificação), deverão fornecer ao juiz ,
como a apuração de exatidão de livros contábeispara efeito de fiscalização. através de laudo pericial, o relato de suas démarches e observações ou as con-
clusões que das mesmas extraírem.
1.4. REALIZAÇÃODA PROVAPERICIAL
Os peritos não têm poder de decidir o caso, a contenda, a lide, a ques-
No momento da realização da prova pericial contábil, verifica-se a efi- tão judicial, mas eles não podem ter medo de chegar a uma conclusão técni-
cácia de uma contabilidade com registros atualizados e se os mesmos en- ca, lembrando que a atuação dos peritos é no sentido de suprir, completar o
contram-se em conformidade com as Resoluções e Normas Brasileiras de conhecimento técnico do juiz, embora esse não esteja adstrito, circunscrito,
Contabilidade do Conselho Federal de Contabilidade (CFC). cingido ao laudo pericial. O juiz tem sua livre convicção, certeza. Os peritos
Os livros comerciais e fiscais que preencham os requisitos exigidos por não podem inovar, renovar, consertar, eles apenas diligenciam, obtêm infor-
lei são provas, contra ou a favor, do seu autor, vez que, como prevê a le- mações, solicitam documentos, apuram, ouvem pessoas, analisam documen-
gislação vigente, a escrituração será mantida em registros permanentes, com tos acostados aos autos e/ou fornecidos pelas partes, por terceiros, e oferecem
obediência aos preceitos da legislação comercial e fiscal e aos Princípios resposta à questão formulada pelas partes, às vezes, pelo juiz, pelo desembar-
Fundamentais de Contabilidade, devendo observar métodos ou critérios con- gador, juntada aos autos.
tábeis uniformes no tempo, e registrar as mutações patrimoniais segundo o A atividade do perito (ressaltando-se que a atividade de perito não é pro-
regime de competência. fissão regulamentada) se exerce no sentido de satisfazer à finalidade da pe-
As demonstrações contábeis do exercício em que houver modificação rícia. É encarregado de verificar fatos relativos à matéria em que é versado,
de métodos ou critérios contábeis, de efeito relevante, deverão indicá-la em bom conhecedor, experimentado ou prático, quer apenas certificando-os quer
Notas Explicativas e ressaltar esses efeitos. apreciando-os ou interpretando-os, num e noutro caso transmitindo ao juiz um
As empresas observarão em registros auxiliares, sem modificação da es- relato ou um laudo.
crituração mercantil e das demonstrações reguladas na legislação, as disposi- Consiste essa verificação no exame de pessoas, coisas ou lugares, para
ções da lei tributária, ou de legislação especial sobre a atividade que constitui a simples percepção de fatos, a fim de fornecer ao juízo elementos de prova
seu objeto, que prescrevam métodos ou critérios contábeis diferentes, ou de- quanto à existência ou inexistência desses. Sua função é, então, a de pôr à
terminem a elaboração de outras demonstrações contábeis. vista, apresentar em exposição, mostrar, expor ao juiz as percepções e obser-
Todos os meios legais e morahnente legítimos, podem ser apresentados vações dos seus sentidos. No exercício dessa função, o perito se aproxima do
ao perito para apuração dos fatos. testemunho - perito perficiente - . Vê e sente os fatos para relatá-los ao juiz
segundo o que viu e sentiu.
1.5. COMPETtNCIAPROFISSIONAL
A perícia, por outro lado, deve ser sempre executada por uma pessoa que 1.6. MISSÃODO PERITO
entenda do assunto a ser examinado, analisado com atenção e minúcia, estudado. Certos que sejam os fatos, a missão do perito pode consistir na apuração
Uma perícia contábil, por exemplo, não pode ser levada a cabo por um de suas causas ou consequências. Ou, ainda, sua função será a de, conhecidos
engenheiro, assim como um contador não pode, por exemplo, executar uma os fatos, compreend~los, distingui-los, caracterizá-los, fornecendo ao juiz má-
perícia para explicar as razões pelas quais um edificio possa ter desabado. É ximas ou regras técnicas, científicas, ou mesmo de experiência não ordinária,
CAPÍTULO
1. PERÍCIA
CONTÁBIL 9 10 Ril Moura

capazes de servir para a interpretação dos mesmos fatos. A função do perito não Não ocorrendo a restituição voluntária, a parte que tiver realizado o
será, em tais hipóteses, a de perceber e observar os fatos, mas a de transmitir adiantamento dos honorários poderá promover execução contra o perito, na
as impressões que esses lhe causaram, as induções que deles extraiu e que se forma dos arts. 513 e seguintes do Novo CPC, com fundamento na decisão
prestem para melhor o juiz apreciá-los ou interpretá-los. Nesses casos, o peri- que determinar a devolução do numerário.
to, além de relatar os fatos, formuJa,justificadamente, conclusões, pareceres, O perito pode ser substituído quando: faltar-lhe conhecimento técnico ou
mesmo conselhos e advertências. Sua figura, no exercício dessa função, por isso científico; e sem motivo legítimo, deixar de cumprir o encargo no prazo que
que emite juízos, opiniões acerca dos fatos, aproxima-se à do juiz, razão pela lhe foi assinado.
qual se denominaperito judicante. É de se ressaltar que, conforme preceitua o art. 149 do NCPC, o perito é
Nessa última função, apreciando ou interpretando os fatos, todavia, não um dos auxiliares da justiça .
formula o perito senão um laudo, um parecer, uma opinião, que servirá de auxí- O perito pode ser removido de oficio pelo juiz, ainda que se não verifi-
lio ao juiz na apreciação dos mesmos. Sob esse aspecto, e considerando mesmo quem as hipótesesfaltar-lhe conhecimento técnico ou científico e sem motivo
a função específica do perito, autores ensinam que a esse é atribuída a missão legítimo, deixar de cumprir o encargo no prazo que lhe foi assinado.
de ministrar ao juiz os princípios segundo os quais possa apreciar os fatos.
(Moacyr Amaral Santos, Comentários ao Código de Processo Civil - IV vol.). 1.8. DISPENSADA PROVAPERICIAL
Quando a natureza do fato o permitir, isto é, quando o ponto controver- Em conformidade com a legislação, a prova pericial consiste em exame,
tido for de menor complexidade, o juiz poderá, de oficio ou a requerimento vistoria ou avaliação.
das partes, determinar, em substituição à perícia, a produção de prova téc- O juiz indeferirá a perícia quando: a prova do fato não depender de co-
nica simplificada. nhecimento especial de técnico; for desnecessária em vista de outras provas
A prova técnica simplificada consistirá apenas na inquirição de espe- produzidas; a verificação for impraticável.
cialista, pelo juiz, sobre ponto controvertido da causa que demande especial De oficio ou a requerimento das partes, o juiz poderá, em substituição à
conhecimento científico ou técnico, § 3¾1.oart. 464 do NCPC· perícia, determinar a produção de prova técnica simplificada, quando o ponto
Durante a arguição, o especialista, que deverá ter formação acadêmica controvertido for de menor complexidade.
específica na área objeto de seu depoimento, poderá valer-se de qualquer re- O juiz poderá dispensar prova pericial quando as partes, na inicial e na
curso tecnológico de transmissão de sons e imagens com o fim de esclarecer contestação, apresentarem sobre as questões de fato pareceres técnicos ou do-
os pontos controvertidos da causa, § 4o do art. 464 do NCPC. cumentos elucidativos que considerar suficientes.
Quando a prova tiver de realizar-se por carta, poderá proceder-se à no-
1.7. SUBSTITUIÇÃO
DO PERITO meação de perito e indicação de assistentes técnicos no juízo, ao qual se re-
quisitar a perícia.
Estabelece o art. 468 do Novo CPC, o perito pode ser substituído quando:
A perícia estabelece a diligência (execução de certos serviços judiciais
I - faltar-lhe conhecimento técnico ou científico; fora dos respectivos tribunais ou cartórios) a ser realizada, a fim de que se
II - sem motivo legítimo, deixar de cumprir o encargo no prazo que lhe apurem, esclareçam ou se evidenciem certos fatos obscuros. Significa, por-
foi assinado. tanto, basicamente, a pesquisa, o exame, a verificação acerca da verdade ou
da realidade..
No caso previsto no inciso TI,o juiz comunicará a ocorrência à corporação
profissional respectiva, podendo, ainda, impor multa ao perito, fixada tendo em
vista o valor da causa e o possível prejuízo decorrente do atraso no processo.
O perito substituído restituirá, no prazo de 15 (quinze) dias, os valores
recebidos pelo trabalho não realizado, sob pena de ficar impedido de atuar
como perito judicial pelo prazo de 5 (cinco) anos.
12 Ril Moura

pericial contábil e parecer técnico-contábil, apresentação do laudo pericial


contábil e oferta do parecer técnico-contábil, terminologia, estrutura, assina-
2. NORMAS DA PERÍCIA CONTÁBIL tura em conjunto, laudo e parecer de leigo ou profissional não habilitado, es-
clarecimentos sobre laudo e parecer técnico-contábil em audiência, quesitos e
respostas, e modelos exemplificativos.
Referida NBC TP O1 - Pericia Contábil - tem como objetivo estabelecer
2.1. PRELIMINARES regras e procedimentostécnico-científicosa seremobservadospelo perito, quan-
do da realização de pericia contábil, no âmbitojudicial, extrajudicial,mediante
A realização de Pericia Contábil constitui atribuição privativa de contador o esclarecimentodos aspectose dos fatos do litígio por meio de exame, vistoria,
inscrito no Conselho Regional de Contabilidade da sua jurisdição. Em outras
indagação, investigação,arbitramento,mensuração,avaliação e certificação.
palavras, se a perícia versar sobre matéria contábil, só o CONTADORem situ-
ação regular perante o Conselho Regional de Contabilidade de sua jurisdição 2.5. NORMASPROFISSIONAIS
pode realizá-la. As normas originadas da NBC PP 01 - Perito Contábil tratam do con-
As Normas da Perícia Contábil aplicam-seao perito contábilnomeado em ceito, alcance, habilitação profissional impedimento e suspeição, responsabi-
juízo e aos indicados pelas partes, esses referidos na legislação como assisten- lidade, zelo profissional, utilização de trabalhos de especialistas, honorários,
tes técnicos, assim como aos escolhidos pelas partes para pericia extrajudicial. esclarecimentos e modelos exemplificativos.
Nessas normas, constam explicitados os conflitos de interesse motivado-
2.2. REALIZAÇÃODA PROVAPERICIAL
res dos impedimentos e das suspeições a que está sujeito o perito nos termos
Cumpre ao perito elaborar seu trabalho sobre fatos concretos analisan- da legislação vigente e do Código de Ética Profissional do Contador.
do-os criteriosamente em face de provas idôneas que cabe aos litigantes pro- Veremos, a seguir, em resumo, em seus respectivos capítulos, que esta-
duzirem, e não mediante simples presunção - opinião ou juizo baseado nas belece referidas normas, além de outras pertinentes à perícia, atentando para o
aparências - formada com base em informaçõesquestionáveis, e até suspeitas,
princípio da lei processual.
ofertadas pela parte interessada.
Para a realização da prova pericial, pericia judicial, o Código de Processo 2.6. CONCEITUAÇÃO
E OBJmvos
Civil - CPC - estabelece, através dos artigos 464 a 480, todas as nonnas e pro- A perícia contábil, comojá vimos, constitui o conjunto de procedimentos
cedimentos concernentes, os quais são tratados com clareza, incluindo vários
técnico-cienti.ficosdestinado a levar à instância decisória elementos de prova
exemplos, nos capítulos desta obra.
necessários a subsidiar a justa solução do litígio ou constatação de fato, me-
2.3. NORMA DISCIPLINADORA diante laudo pericial contábil e/ou parecer técnico-contábil, em conformidade
com as normas jurídicas e profissionais e com a legislação específica no que
O Conselho Federal de Contabilidade- CFC - , no exercício de suas atri- for pertinente.
buições legais e regimentais, e com fundamento no disposto na alínea "f' do
art. 6° do Decreto-Lei nº 9.295/46, alterado pela Lei nº 12.249/10, aprovou, O laudo pericial contábil e/ou o parecer pericial contábil tem/têm por
em 27 de fevereiro de 2015, a Norma Brasileira de Contabilidade NBC TP 01 limite os próprios objetivos da pericia deferida ou contratada.
- PERíCIA CONTÁBIL, revogando a Resolução CFC nº 1.243/09, publicada Entendem-se como objetivos da perícia os fatos da causa que escapam
no DOU, Seção I, de 18/ 12/09. ao conhecimento comum, ordinário, porque dependem de conhecimento téc-
nico, de uma determinada profissão, ou cientifico, que tem o rigor da ciência,
2A . NORMASTtCNICAS podendo materialmente recair sobre pessoas, circunstâncias, coisas ou docu-
As normas emanadas da NBC TP O1 - Perícia Contábil - tratam do obje- mentos e que não possam ser provados, comprovados, por meios comuns, por
tivo, conceito, execução, procedimentos,planejamento, desenvolvimento,ris- meios ordinários.
cos e custos, equipe técnica, cronograma, termo de diligência, estrutura, laudo A perícia contábil tanto a judicial , como a extrajudicial , a arbitral,
a oficial e estatal, bem como a voluntária são, todas elas, de competência
11
CAPÍTU
LO2. NORMAS
DAPERÍCIA
CON
TÁBIL 13 14 Ril Moura

exclusiva de contador em situação regular perante o Conselho Regional de 2.7. GRATUIDADE


DAJUSTIÇA
Contabilidade de sua jurisdição . Com a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 5° - inciso LXXIV
Perícia judicial é a que tem origem em ação ajuizada, a que se faz nos - , ficou estabelecido que o Estado prestará assistência j urídica integral e gra-
processos, envolvendo o Poder Judiciário, aquela exercida sob a tutela da jus- tuita aos que comprovarem a condição de hipossu:ficiente, isto é, pessoa que
tiça, e que pode ser de oficio ou a requerimento das partes. é economicamente fraca,
Pericia extrajudicial é a que se realiza fora do processo, não envolvendo Os poderes públicos federal e estadual, independentemente da colabora-
o Poder Judiciário, extraprocesso, por "encomenda'', isto é, através de escolha, ção que possam receber dos municípios e da Ordem dos Advogados do Brasil
de consulta ao profissional da área a que é exercida no âmbito arbitral, esta- - OAB - , concederão assistência judiciária aos necessitados. É o que prevê a
dual ou voluntária, que em alguns casos pode vir a ser determinada a judicial. Lei 1.060, de 05.02.1950.
De acordo com o art. nº 98, do NCPC, a pessoa natural ou jurídica, brasi-
Perícia arbitral é a exercida sob o controle da lei da arbitragem, Lei
leira ou estrangeira, com insuficiênciade recursos para pagar as custas, as despe-
93.07, de 23/09/ 1996, uma forma de dirimir litígios, conflitos, demandas, re-
sas processuais e os honorários advocatícios tem direito à gratuidade da justiça.
lativos a direitos patrimonjais disponíveis, de natureza privados, desafogan-
A gratuidade da just iça, GJ ou JG, como é mais conhecida, compreende,
do o Poder Judiciário, isto é, independentemente da interveniência do Poder além de outros: as taxas ou as custas judiciais; os selos postais; as despesas
Judiciário. com publicação na imprensa oficia4 dispensando-se a publicação em outros
Pericias oficial e estatal são executadas sob o controle de órgão do Estado meios; a indenização devida à testemunha que, quando empregada, receberá
tais como pericia administrativa das Comissões Parlamentares de Inquérito, do empregador salário integral, como se em serviço estivesse; os honorários
de pericia criminal e do Ministério Público. do advogado e do perito e a remuneração do intérprete ou do tradutor nome-
Pericia voluntária é aquela contratada espontaneamente pelo interessa- ado para apresentação de versão em português de documento redigido em
do ou de comum acordo entre as partes. língua estrangeira.
As normas da pericia contábil aplicam-se ao perito nomeado em juízo, A concessão de gratuidade não afasta a responsabilidade do beneficiário
pelas despesas processuais e pelos honorários advocatícios decorrentes de sua
ao contratado pelas partes para a pericia extrajudicial, ao escolhido na arbitra-
sucumbência.
gem, para a oficial e estatal, também para a voluntária; e, ainda, ao assistente
O pedido de gratuidade da justiça pode ser formulado na petição inicial,
técnico indicado ou contratado pelas partes.
na contestação, na petição para ingresso de terceiro no processo ou em recur-
Em conformidade com o art. 95 do NCPC, para a realização da prova so. O juiz somente poderá indeferir o pedido se houver nos autos elementos
pericial judicial, cada parte adiantará a remuneração do assistente técnico que que evidenciem a falta dos pressupostos legais para a concessão de gratuida-
houver indicado, sendo a do perito adiantada pela parte que houver requerido de, devendo, antes de indeferir o pedido, determinar à parte a comprovação do
a perícia ou rateada quando a pericia for determinada de oficio ou requerida preenchimento dos referidos pressupostos.
por ambas as partes. O beneficiário da justiça gratuita não está obrigado ao adiantamento dos
De acordo com o Código de Processo Civil, a indicação de assistente honorários do perito e das despesas da perícia, respondendo pela remunera-
técnico é facultativa. O assistente técnico pode ser entendido como auxiliar, ção, na sucumbência, o não beneficiário, a outra parte do processo, se vencido,
defensor de uma das partes, assessor, consultor, da parte que o indicou; não é ou o Estado, ao qual incumbe a prestação da assistência judiciária .
perito do juízo . Por isso, cada parte, querendo, indica seu assistente técnico. Os beneflcios da assistência judiciária compreendem todos os atos do
A indicação ou a contratação de assistente técnico ocorre quando a parte processo até a decisão final do litigio, demanda, em todas as instâncias.
ou a contratante desejar ser assistida por contador, ou comprovar algo que Os honorários do perito e do advogado, e as custas do processo, além
dependa de conhecimento técnico-científico, razão pela qual o profissional só de outros, serão pagos pelo vencido, quando o beneficiário de assistência for
vencedor na causa, da demanda.
deve aceitar o encargo, a função se reconhecer estar capacitado com conhe-
A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada
cimento suficiente, discernimento, com irrestrita independência e liberdade
a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da
científica para a realização do trabalho.
CAPÍTU
LO2. NORMAS
DAPERÍCIA
CON
TÁBIL 15 16 Ril Moura

familia. Se dentro de cinco anos, a contar da sentença final, o assistido não Assim, face aos argumentos acima ex.pendidos,indefiro a gratuidade de jus-
puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita, tiça e determino o recolhimento dos valores devidos, no prazo de 5 dias,
Quando o requerente da prova pericial judicial for beneficiário da justiça sob pena de indeferimento da inicial. No mesmo prazo e sob a mesma pena,
gratuita, o perito deve arcar com todas as demais despesas pessoais ou mate- venha o depósito requerido na inicial, para tanto, determino que a serventia
riais necessárias ao desempenho do encargo, como as concernentes a serviços expeça-se guia correspondente.
técnicos complementares ou suplementares, custos de documentação e trans-
portes e outros quaisquer gastos.
Para funcionar em processo com justiça gratuita, o perito nomeado não
é compelido, obrigado, ou forçado a aceitar o encargo, pois não é obrigado a Rio de Janeiro, dia mês e ano.
trabalhar sem receber honorários, ou para receber do Estado, não se sabendo
quando.
Nem todos os pedido de gratuidade de justiça são deferidos pelos magis- Nome e assinatura do juiz
trados, como exemplo a seguir.

JUÍZO DE DIREITO DA ......VARACÍVEL DA COMARCA DO 2.8. PLANEJAMENTO DA PERÍCIA


RIO DE JANEIRO - CAPITAL
A perícia deve ser planejada cuidadosamente, com vista ao cumpri-
Processo nº 2015.001.083759-3 mento do prazo, inclusive o da legislação relativa ao laudo pericial ou
parecer técnico.
Para o planejamento da pericia toma-se importante a sua programação,
DECISÃO obedecendo ao critério do tempo que pode ser investido.
O planejamento da pericia pressupõe adequado nível de conhecimento
A Lei 1.060/50 estabelece normas para a concessão de assistência judici- específico do objeto da pericia contábil deferida ou contratada; é a etapa do
ária aos necessitados . trabalho pericial , que antecede as diligências, pesquisas, cálculos e respostas
Necessitado para os fins desta lei é o que afirme não possuir situação aos quesitos, na qual o perito estabelece a metodologia dos procedimentos
econômica que lhe permita pagar as custas processuais e os honorários de periciais a serem aplicados, elaborando-o a partir do conhecimento do ob-
advogados, sem prejuízo do sustento próprio ou da família (art. 2°, pará- jeto da pericia.
grafo único c/c artigo 4°, ambos da Lei 1.060/50). Ressalte-se que enquanto o planejamento da perícia é um procedimento
abrangente que se propõe a consolidar todas as etapas da pericia; o programa
Com a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 5° inciso LXXIV,
de trabalho é uma especialização de cada etapa a ser realizado o qual deve ser
ficou estabelecido que o Estado prestará assistência jurídica integral e gra-
elaborado com base nos quesitos e/ou no objeto da perícia.
tuita aos que comprovarem a condição de hipossuficiente, de forma que
o dispositivo mencionado, referente à Lei 1.060/50, não foi recepcionado Mesmo que o trabalho venha a ser realizado de forma conjunta com o
pela Carta Magna, ao exigir apenas a afirmação de hipossuficiente, para a assistente técnico, o planejamento da pericia deve ser realizado pelo perito.
obtenção da gratuidade de justiça . Quando a perícia exigir a necessidade de utilização de trabalho a ser exe-
cutado por terceiros (equipe técnica, apoio, trabalho de outros especialistas ou
Analisando os argumentos expendidos na inicial, vê-se que o autor ad- profissionais de outras áreas de conhecimento), o planejamento deve prever a
quiriu veículo assumindo prestações mensais no valor de R$ 2.370,00, orientação e a supervisão do perito, profissional que assumirá total responsa-
correspondente à três salários mínimos, superior à média de ganhos men- bilidade pelos trabalhos periciais executados, exclusivamente, por sua equipe
sais do trabalhador brasileiro, ato incompatível com uma pessoa que não técnica, de apoio.
tenha condições de arcar com as custas e taxa judiciária sem prejuízo do
sustento próprio ou de sua família.
CAPÍTU
LO2. NORMAS
DAPERÍCIA
CON
TÁBIL 17 18 Ril Moura

O planejamento deve ser revisado e atualizado sempre que novos fatos o 2.9. EXEMPLODE PETIÇÃOPARAREQUERER
PRAZOSUPLEMENTAR
exigirem ou recomendarem no decorrer da realização da prova pericial.
Quando do planejamento dos trabalhos deve ser realizada a estimativa
dos honorários de forma fundamentada, considerando os custos e a justa re- EXCELENTÍSSIM O SENH OR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA
muneração do profissional. •••••••••.•...V.ARAC'ÍVEL DA COMAR.CADE ........................
O planejamento da pericia deve ser mantido por qualquer meio de regis-
tro que facilite o entendimento dos procedimentos a serem adotados e sirva de
orientação adequada à execução do trabalho pericial. Processo nº 2015.001.009940-9
A conclusão do planejamento da pericia contábil ocorrerá quando o pe- Ação: Repetição de Indébito
rito completar as análises preliminares, dando origem, quando for o caso, à
Parte autora: 3RMS /A
proposta de honorários - nos casos em que o juizo ou o árbitro não tenha
fixado, previamente, honorários definitivos - , aos Termos de Diligências que Parte ré: Lindíssima S/A
serão efetuados e aos programas de trabalho.
Em conformidade com a NBC TP OI - Pericia Contábil- , os objetivos
do planejamento da pericia contábil são: RIL MOURA, economista e contador , perito nomeado nos autos do pro -
cesso em epígrafe (fl. 2 17), tendo em vista o prazo de 30 dias fixados por
» conhecer o objeto fim de permitir a
e a finalidade da pericia, a
esse r. Juízo para elaboração do Laudo Pericial, e considerando o pla-
adoção de procedimentos que conduzam à revelação da verdade, a
nejamento para a realização da prova pericial (incluindo diligências que
qual subsidiará o juízo, o árbitro ou o interessado a tomar a decisão
a respeito da lide; serão realizadas em outra Comarca), vem, respeitosamente, requer a Vossa
Excelência dilação do prazo para apresentação do Laudo Pericia l.
» definir a natureza, a oportunidade e a extensão dos procedimentos
a serem aplicados, em consonância com o objeto da pericia;
Finalizando, e agradecendo a oportunidade, ressalta que permanece à dis-
» estabelecer condições para que o trabalho seja cumprido no prazo posição desse respeitável Juízo.
fixado;
» identificar potenciais problemas e riscos que possam vir a ocorrer Nestes Termos
no andamento da pericia; Pede Deferimento
» identificar fatos importantes para a solução da demanda, de for-
ma que não passem despercebidos ou não recebam a atenção Localidade, dia, mês e ano
necessária;
>> identificar a legislação aplicável ao objeto da perícia;
» estabelecer como ocorrerá a divisão das tarefas entre os membros
da equipe de trabalho, sempre que o perito necessitar de auxiliares; RILM OURA
PERITO DO JUÍZO
» facilitar a execução e a revisão dos trabalhos. CORECON 1ª Região 2545
CRC - RJ - 9.786/0-6
Na impossibilidade do cumprimento do prazo fixado pelo juiz, deve o
perito, antes de vencido aquele, requerer prazo suplementar, apresentando os
Na perícia judicial, nos casos em que não houver publicação oficial
motivos que ensejaram a solicitação, sempre por escrito .
da concessão do prazo suplementar, deve o perito comunicá-la aos assis-
tentes técnicos.
CAPÍTULO
2. NORMAS
DAPERÍCIA
CON
TÁBIL 19 20 Ril Moura

Para que não ocorra a possibili dade de emitir laudo pericial ou parecer O planejamento deve ser realizado pelo perito , ainda que o trabalho ve-
pericial, com base em documentos e/ou informações inidôneos, na fase de nha a ser realizado de forma conjunta com o assistente técnico podendo este
elaboração do planejamento da pericia, devem o perito e o assistente técnico orientar-se com base no mesmo.
avaliar o grau de confiabilidade dos documentos e/ou informações fornecidos.
O planejamento deve considerar, ainda, os seguintes fatores relevantes 2.11. RISCOS
no desenvolvimento dos trabalhos periciais : Todo e qualquer trabalho tem e sempre terá riscos - possibilidade de per-
» quesitos formulados; da ou de responsabilidade pelo dano - por ocasião de sua realização.
Na fase do planejamento , com vistas a elaborar a proposta de honorários,
» o conhecimento detalhado dos fatos concernentes à demanda, ao
litígio; o perito deve : avaliar os riscos decorrente s das suas responsabilidades e todas
as despesas e custos inerentes; e ressaltar que, na hipótese de apresentação de
» a natureza, a oportunidade, a abrangência, as peculiaridades e a ex- quesitos suplementares, poderá estabelecer honorários complementares.
tensão dos procedimentos de pericia a serem aplicados;
Assim, tanto o perito quanto o assistente técnico, na fase de elaboração
» as diligências a serem realizadas, inclusive em outras Comar- do planejamento, para que não ocorra a possibilidade de emitir laudo pericial
cas, atentando para os documentos a serem compulsados, livros ou parecer técnico, com base em informações ou documentos inidôneos , de-
contábeis, fiscais, societários, laudos e pareceres já realizados e in- vem avaliar o grau de confiabilidade dos mesmos.
formações que forem identificadas para que se possa determinar a
natureza dos trabalhos a serem executados;
2.12. PESSOAL
» o tempo necessário para elaboração do trabalho.
Para a reali zação da prova pericial pode haver necessidade de utiliza-
ção de trabalho de terceiros, devendo o planejamento prever a orientação e
2.1 O.DESENVOLVIMENTODO PLANEJAMENTO
a supervi são do perito, que assumirá total responsabilidade pelos trabalhos a
Por desenvolvimento , entende-se processo de estudo e trabalho visando serem executados .
à obtenção de uma realização, e por planejamento , trabalho de preparação Quando a perícia exigir a necessidade de utilização de trabalho a ser
para determinado empreendimento, segundo métodos determinados. executado por terceiros (equipe técnica ou trabalho de especialistas, isto é,
O perito deve levar em consideração que o planejamento da pericia, pessoas que se consagram com particular interesse e cuidado a certo estu-
quando for o caso, iniciar-se-á antes da elaboração da proposta de honorá- do, ou prát ica especial em determinada área), o planejamento deve prever a
rios, considerando-se que, para apresentá -la ao juízo ou aos contratantes, há orientação e a supervisão do perito, que assumirá total responsabilidade pelos
necessidade de se especificarem as etapas do trabalho a serem realizadas. Isso trabalhos a serem executados.
implica que o perito deve ter conhecimento prévio de todas as etapas, salvo Da mesma forma, quando a pericia exigir a utilização de pericia s inter-
aquelas que somente serão identificadas quando da execução da perícia, profissionais - que se efetua entre dois ou mais profissionais - , o planejamento
Na elaboração do planejamento da Pericia Contábil, servirão como base deve considerar tal necessidade.
as informações obtidas através dos documentos juntados aos autos.
2.13. CRONOGRAMADETRABALHO
Como prevê a norma originada do Conselho Federal de Contabilidade,
em caso de ser identificada a necessidade de realização de diligências, na eta- Cronograma é a representação gráfica da previ são da execução de um
pa de elaboração do planejamento , devem ser considerados, se não declarada a trabalho, na qual se indicam os prazos em que dever- se-ão executar as suas
preclusão de prova documental , a legislação aplicável, documentos , registros , diversas fases.
livros contábeis, fiscais e societários, laudos e pareceres já realizados e outras No cronograma de trabalho, devem ficar evidenciados, quando aplicá -
informações que forem identificadas como pertinentes para determinar a natu- veis, todos os itens necessários à execução da perícia, tais como: diligências
reza do trabalho a ser executado. a serem realizadas , deslocamentos , necessidade de trabalho de terceiros ,
pesquisas que serão feitas, elaboração de cálculos e planilhas, respostas aos
CAPÍTULO
2. NORMAS
DAPERÍCIA
CONTÁBIL 21 22 Ril Moura

quesitos formulados, prazo para apresentação do laudo e/ou oferecimento do


parecer, de forma a assegurar que todas as etapas necessárias à realização da X
perícia sejam cumpridas.
Para cumprir o prazo determinado ou contratado para realização dos tra-
balhos periciais, o perito e o assistente técnico devem considerar em seus pla- o
....J
~
a::
1 1i
X

nejamentos, quando aplicáveis, entre outros, os seguintes: ~


0..
o X

111
o
» o conteúdo da proposta de honorários apresentada e aceita pelo jui- <
~
zo, pelo árbitro ou pelas partes no caso de pericia extrajudicial ou 1-
U)
pelo assistente técnico; w

» o prazo suficiente para solicitar e receber os documentos, bem


como para a execução e a entrega do trabalho;
» a programação de viagens, quando necessárias. .r::::. .r::::. .r::::.

o
A conclusão do planejamento da perícia ocorrerá quando o perito com- ---
0..
~
---+-----+------------------
pletar as análises preliminares , dando origem, quando for o caso, à proposta ~ o
o
de honorários (nos casos em que o juízo ou o árbitro não tenha fixado, previa- ~ .r::::. .r::::.
mente, honorários definitivos), aos Termos de Diligências que serão efetuadas t5
w ca
e aos programas de trabalho. 1------t--+- --1----t-------t---+----------4 ·<3
' t::
Q,)
Considerando que o planejamento da pericia deve evidenciar as etapas a.
ca
e as épocas em que serão executados os trabalhos, em conformidade com o "'C
o
conteúdo da proposta de honorários apresentada, incluindo-se a supervisão e ~
:::,

revisão do próprio planejamento, os programas de trabalho quando aplicáveis,


até a entrega do laudo pericial ou parecer técnico, para o planejamento da pe-
~
rícia é apresentado o modelo a seguir, conforme prevê o Modelo nº 4, do item
70 da NBC TP O1, evidenciando-se as etapas dos trabalhos.

U)
w
o
e.>
<
ca U')
"'C o
·;::::
ô
tca ~
e:: o
e::
~
o
.r::::.
o (1)
"'C
ô
IB,ca ~
o
ca ·-
~
e..>
g
Cl)
o.
....
o
< a. o...

~ ,--
UJ N
t::
ITEM ATIVIDADE AÇÕES TEMPO PRAZO
ESTIMADO REA
L ESTIMADO REAL
5 Sumário Combasenadocumentação existente nos au- h h XX/XX/XX XX/XX/XX
tos,elaborar o sumário dosautos , índicando o
tipododocumento eafolhadosautos emque e.-.,
)>
podeserencontrado . -e
=r
6 Assistentes
técni
cos Umavezaceita a participação do períto-as- e:
sistente , ajustara formadeacesso deleaos S
~

trabalhos. :z
o
:e
7 Diligências Comfundamento noconteúdo doprocesso e h h XX/XX/XX XX/XX/XX ~
)>
nosquesito s, preparar o(s)termo(s) dedili- V,

gênc ia(s)necessário (s}, emqueserárelac io- ~


-e
nada a documentação ause ntenosautos . m
:e
ô
8 Viagens Programar asviagens quando necessár ias. h H XX/XX/XX XX/XX/XX )>
e.-.,
9 Pesquisadocumental Comfundamento no conteúdodo processo , h h XX/XX/XX XX/XX/XX o
z
definiraspesqu
dalegis
isas,os estudos
laçãopertinente .
e o catálogo ~
a,
.-
-
10 Programadetrabalho Exame dedocumentos pertinentes à períc ia. h h XX/XX/XX XX/XX/XX
Exame delivroscontábe is, fiscais, societários h h XX/XX/XX XX/XX/XX
eoutros .
Análisescontábeis aseremrealizadas . h h XX/XX/XX XX/XX/XX
Entrevistas , vistorias
, indagaç ões,investiga- h h XX/XX/XX XX/XX/XX
ções , informações necessárias . li,)
~

,..
li,)

ITEM ATIVIDADE AÇÕES TEMPO PRAZO


ESTIMADO REAL ESTIMADO REAL
Laudos interdisc iplinares eparece restécnicos. h h XX/XX/XX XX/XX/XX
Cálculos , arbitramen tos, mensu rações e ava- h h XX/XX/XX XX/XX/XX
liaçõesaserem elaborados .
Preparação e redação dolaudopericial. h h XX/XX/XX XX/XX/XX
11 Revisões técnicas Procede r à revisãofinaldolaudoparaverificar h h XX/XX/XX XX/XX/XX
eventuais correções , bemcomo verificar
seto-
dososapêndices e anexos citados nolaudo
estãonaordem lógicae corretamente enume- ~
rados. ~
o
e:
12 Prazo suplementar Diantedaexpe ctatNadenãoconcluir o laudo h h XX/XX/XX XX/XX/XX ~
noprazo determ inadopelo juiz,requerer, an-
tesdovencimento doprazo dete rminado, por
petição, prazo suplementar , reprogramando o
planejamento .
13 Entrega do laudoperi- Devolverosautos doprocesso epeticionar, re- h h XX/XX/XX XX/XX/XX
cial contáb
il. querendo ajuntada dolaudoeo levantamento
ouarbitramento doshonorários .
CAPÍTU
LO 2. NORMAS
DAPERÍCIA
CON
TÁBIL 25 26 Ril Moura

No planejamento, considerar, ainda, o tempo com horas estimadas e ho- Para a execução da pericia contábil, o perito deve ater-se ao objeto e ao
ras reais utilizadas, bem como o prazo em dias ou meses, também estimados e lapso temporal da pericia a ser realizada.
reais utilizados para cada item / atividade / ação. Mediante termo de diligência, o perito deve solicitar por escrito todos os
documentos e informações relacionadas ao objeto da pericia, fixando o prazo
2.15. EXECUÇÃO para entrega.
Conforme estabelece a NBC TP O1 - Perícia Contábil -, ao ser intimado A eventual recusa no atendimento a diligências solicitadas ou qualquer
para dar início aos trabalhos periciais, o perito do juízo deve comunicar às par- dificuldade na execução do trabalho pericial deve ser comunicada, com a de-
tes e aos assistentes técnicos: a data e o local de início da produção da prova vida comprovação ou justificativa, ao juízo, em se tratando de perícia judicial;
pericial contábil, exceto se designados pelo juízo. ou à parte contratante, no caso de perícia extrajudicial.
De acordo com o § 2° do art. 466 do NCPC, o perito deve assegurar aos O perito deve manter registro dos locais e datas das diligências, nome das
assistentes das partes o acesso e o acompanhamento das diligências e dos pessoas que o atender, livros e documentos ou coisas vistoriadas, examinadas
exames que realizar, com prévia comunicação, comprovada nos autos, com ou arrecadadas, dados e particularidades de interesse da perícia, rubricando
antecedência mínima de 5 (cinco) dias. a documentação examinada, quando julgar necessário e possível, juntando o
elemento de prova original, cópia ou certidão.
Prevê o art. 474 do NCPC: As partes terão ciência da data e do local de-
signados pelo juiz ou indicados pelo perito para ter início a produção da prova. A execução da pericia, quando incluir a utilização de equipe técnica,
deve ser realizada sob a orientação e supervisão do perito do juízo, que assume
Caso não haja, nos autos, dados suficientes para a localização dos assis-
a responsabilidade pelos trabalhos, devendo assegurar-se de que as pessoas
tentes técnicos, a comunicação deve ser feita aos advogados das partes e, caso
contratadas sejam profissionais e legalmente capacitadas à execução.
esses também não tenham informado o endereço nas suas petições, a comuni-
cação deve ser feita diretamente às partes e/ou ao juízo.
2.16. EXEMPLODE CORRESPONDlNCIA
DO ASSISTENTE
T~CNICOAO PERITO
O assistente técnico pode, tão logo tenha conhecimento da pericia ou
de sua indicação nos autos para funcionar na pericia, manter contato com o
perito, pondo-se à disposição para o planejamento, para o fornecimento de Niterói, dia, mês e ano
documentos em poder da parte que o contratou, bem como para a execução
conjunta da perícia.
Na impossibilidade da execução da perícia em conjunto, o perito deve Ilmo. Sr.
permitir aos assistentes técnicos o acesso aos autos e aos elementos de prova Dr. Rilton Acioli Moura
arrecadados durante a pericia, indicando local e hora para exame. MD Perito Judicial
O assistente técnico pode entregar ao perito do juízo cópia do seu parecer Rua São Clemente, 185 / 703
técnico, previamente elaborado, planilhas ou memórias de cálculo, informa-
Rio de Janeiro
ções e demonstrações que possam esclarecer ou auxiliar o trabalho a ser de-
senvolvido pelo perito. Prevê o §1° do art. 477 do novo CPC: As partes serão Telefone (21) 2516-3144
intimadas para, querendo, manifestar-se sobre o laudo do perito do juízo no
prazo comum de 15 (quinze) dias, podendo o assistente técnico de cada uma Prezado Senhor,
das partes, em igual prazo, apresentar seu respectivo parecer.
O assistente pode, logo após sua contratação, manter contato com o ad- Na qualidade de perito assistente técnico do BANCO 123 S.A. nos autos
vogado da parte que o contratou, requerendo dossiê completo do processo do processo nº 2015.001.000000-2, sendo a outra parte GRUPO DANIEL,
para conhecimento dos fatos e melhor acompanhamento dos atos processuais JULIANA e NATÁLIA, que tramita na 18ª Vara Cível da Comarca de
no que for pertinente à pericia. ......., coloco-me à disposição de V.Sa. para obter todos os documentos
julgados necessários à elaboração do laudo pericial, bem como para parti-
O perito e o assistente técnico, enquanto estiverem de posse do processo
cipar das diligências e concluirmos os trabalhos periciais.
ou de documentos, devem zelar por sua guarda e segurança e ser diligente.
CAPÍTU
LO 2. NORMAS
DAPERÍCIA
CON
TÁBIL 27 28 Ril Moura

Por oportuno, e em conformidade com o art. 474 do Código de Processo Termos em que pede Deferimento
Civi l, aguardo comunicação do início da produção da prova.
Outrossim, por ocasião da entrega do laudo pericial, solicito o forneci- Niterói, dia, mês e ano
mento de cópia completa de seu laudo, incluindo cópia das planilhas que
forem elaboradas, visando o atendimento do parágrafo único do art. 4 77 Nome e assinatura
do mesmo Código de Processo Civil. Perito-assistente técnico
Contador - CRC ........
Atenciosamente,

As partes terão ciência da data e do local designados pelo juiz ou indica-


Nome e assinatura
dos pelo perito para ter início a produção da prova .
Perito Assistente Técnico Para a execução da Perícia Contábil, isto é, para e execução da prova pe-
Contador - CRC .......... ricial, o perito e o assistente técnico devem ater-se ao objeto do trabalho, bem
como ao lapso temporal (espaço de tempo) da perícia a ser realizada .
Querendo, pode ainda o assistente técnico, após a sua indicação em Juízo Nas diligências, o perito e o assistente técnico devem relacionar os livros,
pela parte, peticionar nos seguintes termos: os documentos, as informações e os dados de que necessitem, solicitando-os,
por escrito, mediante termo de diligência.
TtCNICO AO JUIZ
2.17. EXEMPLODE PETIÇÃODO ASSISTENTE
2.18. EXEMPLODE CORRESPOND~NCIA
PARASOLICITARDOCUMENTOS
EXCELENTÍSSIM ,
O SENH OR DOUTOR JUIZ DE DIREIT O DA
•••••.•VARA.CI.VEL DA COMARCA DE ................................ . Florianópolis , dia, mês e ano

Processo nº: 2015.001.000000-2 Ilma. Sra.


Ação: Ordinária Dra . EDLA SILVA DE OLIVEmA
Autor: Grupo Danie l, Juliana e Natália Av. Rio Branco, ............................ ...
Réu : Banco 123 SI A

Ref. Processo nº ................. .


NOME DO PROFISSIONAL, perito-assistente técnico indicado pelo .......... Vara Cível
BANCO 123 S/A., nos autos da Ação Ordinária , promovida pelo GRUPO Partes :
DANIEL, JULIANA e NATÁL~ vem, mui respeitosamente, requerer a Cor do Pecado
Vossa Excelênc ia que as diligências a serem real izadas pelo ilustríssimo Restaurante do Mau Tempero
Dr. perito desse Juízo sejam com a participação deste signatário, visando
maior agilidade nos procedimentos pertinentes . Prezada Senhora ,

Por oportuno, e em conformidade com o art. 474 do Código de Processo Na qualidade de perito do Juízo da .....Vara Cível- processo em referência,
Civil, aguarda comunicação do inicio da produção da prova . como resultado da reunião realizada nesse endereço com V.Sa. no dia 29 do
corrente mês, e visando a obtenção de documentos e/ou informações para
CAPÍTULO
2. NORMAS
DAPERÍCIA
CONTÁBIL 29 30 Ril Moura

O perito e o assistente técnico devem documentar, mediante papéis de


elaboração do Laudo Pericial, solicito que seja informada, no prazo de 1O trabalho, os elementos relevantes que serviram de suporte à conclusão forma-
(dez) dias, a dívida a nível fiscal e comercial do RESTAURANTEDO lizada no laudo pericial e no parecer técnico, quando não juntados aos autos,
MAU TEMPERO, juntando, no que couber, cópia quitada do último pa- visando fundamentar o laudo ou parecer e comprovar que a perícia foi execu-
gamento, para o que segue, além de outros: FGTS, INSS , COFINS, PIS, tada de acordo com os despachos e decisões judiciais e as Normas Brasileiras
ICMS, IR, CONTRIBUIÇÃOSOCIAL, ALUGUEL, FORNECEDORES de Contabilidade.
(fornecendo os nomes), BANCOS (fornecendo os nomes) e AÇÕES
Entende-se por papéis de trabalho a documentação preparada pelo perito
TRABALIIlSTAS (fornecendo nome dos reclamantes e das Varas).
e pelo assistente técnico para a execução da pericia . Eles integram um pro-
Solicito, também, o fornecimento de cópia do Balanço Patrimonial e DRE cesso organizado de registro de provas, por intermédio de termos de diligên-
dos exercícios sociais findos em 31.12.2013, 31.12.2014 e 31.12.2015, cia, informações em papel, meios eletrônicos, plantas, desenhos, fotografias,
bem como de cópias da Declaração do Imposto de Renda relativas a esses correspondências, depoimentos, notificações, declarações , comunicações ou
exercícios. outros quaisquer meios de prova fornecidos e peças que assegurem o objetivo
da execução pericial, elaboração da prova pericial .
Solicito, ainda, informar se o contrato locativo era de 5 (cinco) anos , e se
foi proposta ação renovatória do contrato, fornecendo data e números do Conforme prevê a NBC TP 01, o perito-assistente pode, logo após sua
processo e da Vara. contratação , manter contato com o advogado da parte que o contratou, reque-
rendo dossiê completo do processo para conhecimento dos fatos e melhor
Atenciosamente , acompanhamento dos atos processuais no que for pertinente à perícia .

2.19. PROCEDIMENTOS
RaMOURA
PERITODO JUÍZO Em confomúdade com a NBC TP O1, os procedimentos periciais contá-
beis visam fundamentar o laudo pericial contábil e o parecer técnico-contábil
e abrangem , total ou parcialmente , segundo a natureza e a complexidade da
A eventual recusa no atendimento a diligências solicitadas , ou qualquer matéria , exame, vistoria, indagação , investigação , arbitramento , mensuração ,
dificuldade na execução do trabalho pericial deve ser comunicada , com a de- avaliação e certificação.
vida comprovação ou justificativa, ao juízo , em se tratando de pericia judicial;
ou à parte contratante, no caso de perícia extrajudicial. O exame é a análise de livros , registros de transações e documentos .
A vistoria é a diligência que objetiva a verificação e a constatação de
O perito e o assistente técnico utilizar-se-ão dos meios que lhes são fa-
situação , coisa ou fato , de forma circunstancial.
cultados pela legislação normas concernentes ao exercício de sua função, com
vistas a instruírem o laudo pericial contábil ou parecer técnico com as peças A indagação é a busca de informações mediante entrevista com conhe-
que julgarem nece ssárias . cedores do objeto ou de fato relacionado à pericia.
O perito e o assistente técnico devem manter registro dos locais e datas A investigação é a pesquisa, que busca trazer ao laudo pericial contábil
das diligências , nome das pessoas que os atenderem, livros e documentos ou ou parecer técnico-contábil o que está oculto por quaisquer circunstâncias .
coisas vistoriadas, examinados ou arrecadadas, dados e particularidades de in- O arbitramento é a determinação de valores, quantidades ou a solução
teresse da perícia , rubricando a documentação examinada, quando julgarem de controvérsia por critério técnico-científico.
necessário e possível, juntando o elemento de prova original , cópia ou certidão. A mensuração é o ato de qualificação e quantificação tisica de coisas ,
A execução da perícia , quando incluir a utilização de equipe técnica, bens, direitos e obrigaçõe s.
deve ser realizada sob a orientação e supervisão do perito, que assume a res- A avaliação é o ato de estabelecer o valor de coisas, bens , direitos, obri-
ponsabilidade pelos trabalhos, devendo assegurar-se de que as pessoas contra- gações , despesas e receitas.
tadas sejam profissionais e legalmente capacitadas à execução . A certificação é o ato de atestar a informação trazida ao laudo ou ao
parecer pelo perito.
CAPÍTU
LO 2. NORMAS
DAPERÍCIA
CON
TÁBIL 31 32 Ril Moura

Concluídos os trabalhos periciais, o perito do juizo apresentará laudo ser elaborado de forma sequencial e lógica, para que o trabalho do perito seja
pericial contábil e o perito-assistente oferecerá, querendo, seu parecer técni- reconhecido também pela padronização estrutural.
co-contábil, obedecendo aos respectivos prazos. Por outras palavras, o laudo pericial contábil é uma peça escrita, na qual
O perito , depois de concluído seu trabalho, deve fornecer, quando solici- o perito expressa, de forma circunstanciada, abrangente, clara e objetiva , as
tado, cópia do laudo ao assistente técnico, informando-lhe com antece,dência a sioteses do objeto da pericia , os estudos e as observações que realizou, as di-
data em que o laudo pericial contábil será protocolado em cartório. ligências realizadas , os critérios adotados e os resultados :fundamentados, e as
A efetiva apresentação do parecer do assistente técnico é assunto que fica suas conclusões de formar clara e precisa.
a critério da parte que o indicou, que o contratou . O laudo pericial ainda é uma peça especializada elaborada por profis-
De acordo com o Código de Ética Profissional do Contador (CEPC), a sional habilitado sobre matéria fâtica para dirimir polêmicas em discussões
conduta do profissional da contabilidade com relação aos colegas deve ser judiciais e extrajudiciais .
pautada nos princípios de consideração, respeito, apreço e solidariedade, em O perito deve registrar no laudo pericial contábil os estudos, as pesqui-
consonância com os postulados de harmonia da classe. sas, as diligências ou as buscas de elementos de provas necessárias para a
Quando o assistente técnico opõe assinatura, em conjunto com o perito, conclusão dos seus trabalhos, e apresentar, de forma clara e precisa , as suas
em laudo pericial de consenso, isto é, quando todos os profissionais envolvi- conclusões .
dos se manifestam favoráveis com o laudo pericial, não pode emitir, elaborar, A linguagem adotada pelo perito deve ser clara, concisa, evitando o
parecer pericial contrário a esse laudo. prolixo e a tergiversação, possibilitando aos julgado res e às partes o devido
Ao assistente técnico é vedado assinar em conjunto o laudo pericial , quan - conhecimento da prova técnica e interpretação dos resultados obtidos . As res-
do o documento tiver sido elaborado por leigo ou profissiona l de outra área, postas devem ser objetivas , completas e não lacônicas .
devendo, nesse caso, oferecer um parecer técnico sobre a matéria periciada. Deve o perito elaborar o laudo, utilizando-se do vernáculo, sendo ad-
Quando se tratar de laudo pericial contábil, assinado em conjunto pelos mitidas apenas palavras ou expressões idiomáticas de outras linguas de uso
peritos, hâ responsabilidade solidária sobre o referido documento. comum nos tribunais judiciais ou extrajudiciais .
Em conformidade com o Novo Código de Processo Civil, o perito proto- As respostas aos quesitos serão circunstanciadas, devendo o perito evitar
colará o laudo em juízo, no prazo fixado pelo juiz , pelo menos vinte dias antes respostas apenas com as palavras "§im" ou "não',,, isto é, palavras de um.a só
da audiência de instrução e julgamento . sílaba, ressalvando-se os quesitos que contemplam especificamente esse tipo
Os assistentes técnicos , independentemente de intimação, deverão ofere- de resposta.
cer os seus pareceres no prazo de 15 (quinze) dias após a apresentação do lau-
do do perito, sendo certo que o tenno inicial se regulará pela efetiva intimação 2.21. EXEMPLOSDE RESPOS
TA AOSQUESITOS
da parte, que diligenciará para a tempestiva juntada aos autos do trabalho de
seu auxiliar técnico . 1º Exem
plode respostaaosgu,esitos
O prazo de que dispõe o assistente técnico para juntada de seu parecer
é preclusivo, de modo que, apresentado extemporaneamente, poderá ser ele QUESITO
desentranhado .
"1) O contrato celebrado entre as partes contém cláusula de estipulação de
2.20. LAUDOPERICIALCONTÃBIL juros de mora? Referida taxa encontra -se dentro dos limites praticados no
mercado financeiro?"
Entende-se por laudo pericial contábil peça escrita fundamentada, na
qual os peritos expõem as observações e estudos que fizeram e registram as RESPOSTA
conclusões da perícia .
O laudo pericial contábil é um documento escrito, no qual o perito deve Afinnativa a resposta, com base nos docwnentos de fls. 30/41, constando
registrar, de forma abrangente, o conteúdo da pericia e particularizar os as- cláusula com estipulação de juros moratórios de 1% (um por cento) ao mês.
pectos e as minudências que envolvam a demanda, a lide, o litígio, e deve
CAPÍTULO
2. NORMAS
DAPERÍCIA
CON
TÁBIL 33 34 Ril Moura

Para a parte final quesitada, a resposta é positiva, com base no merca- Por ocasião da elaboração do laudo pericial, alguns peritos fazem uma
do financeiro. introdução, com base no que consta dos autos, principalmente no que consta
nas petições inicial e contestatória.
2° Exemplo
deresposta
aosgpesitos
2.22. EXEMPLODE PARTEINTRODUTÓRIA

QUESITO
INTRODUÇÃO
"É licito por parte de contratante emfactoring a recompra de títulos
anteriormente vendidos."
RESPOSTA
Tratam os presentes autos de ação ordinária movida por FLEXA E ARCO
A empresa de factoring não pode se voltar contra o faturizado para SIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO em face de CENTRAL ENERGÉTICA
que esse satisfaça a obrigação não cumprida pelo devedor. S/A, alegando a parte autora (/Is. 02/19), em síntese, que até 1993, na
qualidade de consumidora industrial de energia elétrica com consumo
No Contrato de Faturização, havendo cláusula de responsabilidade, mensal superior a 2.000 Kw/h, era obrigada a pagar o Empréstimo em
o endossante se responsabiliza por riscos e prejuízos no caso de os favor da CENTRAL ENERGÉTICAS/A, no valor co"espond ente a 32,5%
títulos negociados não serem legítimos ou isentos de vícios e nuli- sobre o consumo, pelo prazo de 20 anos, e em contrapartida, a mutuária
dades; igualmente, quando não forem legais, autênticos, verdadei- ré obrigou-se ao pagamento de juros de 6% a.a., bem como, após o termo
ros; ou quando, nas decisões judiciais, não se acolhendo as exceções legal do empréstimo, a resgatar o valor devidamente corrigi,do.
e defesas, restar definido que não são devidos. QUESITO A parte autora ainda alega que em gritante violação à nonna legal, a ré
''É usual quando da compra de um título, sendo este por qualquer procedeu ao resgate do mútuo, antecipando seu termo final , deixando de
aplicar a correção monetária devida; e requer, além de outros, seja julgado
motivo viciado, fazer o vendedor a recompra do mesmo."
procedente o pedido para condenar a ré e, se esta não pud er cumprir com a
RESPOSTA obrigação, a União Federal, ao pagamento de todas as diferenças devidas à
autora, relativas ao cômputo a menor da correção monetária incidente sobre
Conforme resposta oferecida ao quesito precedente, no Contrato de o recolhimento do Empréstimo emfavor da CENTRAL ENERGÉTICA SIA.
Faturização, havendo cláusula de responsabilidade, o endossante se
responsabiliza por riscos e prejuízos no caso de os títulos negocia- Na contestação (/Is. 44/67), a part e ré declara, em resumo, que: "Da lei-
tura da inicial da autora, infere-se claramente que a mesma repassa os
dos não serem legítimos ou isentos de vícios e nulidades; igualmente,
ônus deco"entes do recolhimento do empréstimo aos consumidores finais
quando não forem legais, autênticos, verdadeiros; ou quando, nas de- de seus produtos, haja vista tratar-se de uma empresa que desenvolv e
cisões judiciais, não se acolhendo as exceções e defesas, restar defini- atividades industriais e comerciais. Assim, tais consumidores seriam os
do Que não são devidos. contribuintes de fato, enquanto a autora seria a contribuinte de direito. ";
o empréstimo instituído em favor da CENTRAL ENERGÉTICAS/A tem
finalidade públi ca e social, uma vez que é aplicado em sua integridade
Sendo necessária a juntada de documentos, quadros demonstrativos e
no desenvolvimento do setor específico do pais, regulam entado por legis-
outros anexos, estes devem ser identificados e numerados, bem como mencio- lação especial; e o crédito da autora será um crédito especial, oriundó
nada a sua existência no corpo do laudo pericial contábil. de uma operação forçada de natureza administrativa, regido por normas
O laudo pericial contábil não deve conter elementos e/ou informações de Direito Público , consubstanciando -se em inegável beneficio aos seus
que conduzam a dúbia, ambíguo, incerta interpretação, para que não induza Cóntribuintes que, ao contrário dos demais consumidores, têm os valores
os julgadores a erro. pago s a esse título restituídos.
CAPÍTU
LO 2. NORMAS
DAPERÍCIA
CON
TÁBIL 35 36 Ril Moura

A parte ré ainda declara que "é certo o descabimento do pedido de devo- ses apresentadas pelas partes, de forma a não representar a opinião
lução das diferenças do empréstimo, no que concerne à forma de co"eção pessoal do perito).
apresentada, pot não ser a mesma baseada em índices mensais, mas sim em
parâmetros anuais de co"eção, confonne evidenciado pela própria Autora .
No laudo, o perito deve apresentar sua fundamentação em Hnguagem
Trata-se de legislação específica, à qual a ré está vinculada, inclusive em
simples e com coerência lógica, indicando como alcançou suas conclusões.
relação aos juros incidentes, em consonância com o princípio da legalidade É vedado ao perito ultrapassar os limites de sua designação, bem como
imposto pelo artigo 37, caput, da Constituição Federal. Por isso, em face de emitir opiniões pessoais que excedam o exame técnico ou científico do objeto
tales ecialidade normativa, descabe a a lica ão de outros institutos /e ais. " da perícia.

Em conformidade com o Novo Código de Processo Civil, o perito e os 2.24. EXEMPLOSDE CONCLUSÃO
assistentes técnicos devem entregar, respectivamente, laudo e pareceres em
prazo fixado pelo juiz. t º Exemplodeconclusão
Resumidamente, o laudo pericial contábil é uma peça técnica escrita pelo
perito - um especialista em contabilidade -, de forma objetiva, clara, precisa, CONCLUSÃ O
concisa, sucinta, completa e esclarecedora.

2.23. PREPARAÇÃO
E REDAÇÃODO LAUDO PERICIAL
Com base nos documentos acostados aos presentes autos, a parte autora
A preparação e a redação do laudo pericial são de exclusiva responsabi- alega que é correntista da parte ré; que "não há no contrato de abertura de
lidade do perito, que adotará um padrão próprio, e deverá conter, no mínimo, crédito o convencionamento expresso da taxa de juros a ser cobrada pela
os seguintes itens: utilização do crédito''; e que os juros cobrados foram de 15,50% a.m.,
• Identificação do processo e das partes (exemplo: nº do processo, existindo anatocismo.
Vara em que tramita o processo, nome da parte autora e da parte ré,
tipo da ação); A parte ré declara que o autor é seu cliente desde 2002, quando abriu uma
• Exposição do objeto da pericia; conta corrente, efetuando, também um contrato de LIS Portfólio, no valor
inicial de R$ 2.000,00, tendo realizado algumas renovações do contrato
• Análise técnica ou científica realizada pelo perito;
inicial, e que ainda o autor contraiu vários crediários.
• Indicação do método utilizado, esclarecendo-o e demonstrando ser
predominantemente aceito pelos especialistas da ãrea do conheci- Os extratos bancários foram juntados pela parte autora, fls. 51/62 , e pela
mento da qual se originou; parte ré - período de 04/01/2003 a 08/ 11/2008 -, fls. 115/182 .
• Resposta conclusiva, de forma clara, objetiva, concisa e completa,
a todos os quesitos apresentados pelo juiz , pelas partes e pelo órgão Como se observa através dos extratos, no período de 04 de janeiro a 18
do Ministério Público; de fevereiro de 2003, os saldos se apresentaram todos credores, e a partir
• Identificação das diligências realizadas (todos os procedimentos e do dia 19 de fevereiro de 2003 a 05 de novembro de 2008, com poucas
atitudes adotados pelo perito na busca de infonnações e subsídios exceções, os saldos se apresentaram devedores.
necessários à elaboração do laudo pericial contábil); Utilizando as informações constantes dos referidos extratos, a pericia
• Transcrição dos quesitos, na forma explicita formulados; e elaborou a planilha objeto do anexo nº 3, a qual fornece toda evolução
• Conclusão (quantificação, quando possível, do valor da demanda, financeira com os juro s/encargos praticados pela parte ré de forma des-
lide, litígio, podendo reportar-se a demonstrativos apresentados capitalizada, onde se constata que a partir do dia 01/11/2004 o saldo da
como anexos, no corpo do laudo pericial contábil ou em documen- conta se apresenta credor a favor da parte autora, assim permanecendo até
tos auxiliares) e (apresentação de alternativas, condicion.ada às te- o dia 08/ 11/2008.
CAPÍTU
LO 2. NORMAS
DAPERÍCIA
CON
TÁBIL 37 38 Ril Moura

Como se vê através da planilha objeto do anexo 3, em 08/ 11/2008 o saldo Afirma a ré que no período compreendido de 20/ 12/201 Oa 02/01/2012, isto
da conta corrente da parte autora era credor no valor de R$ 3.294,66, as- é, no mesmo período sobredito, recebeu o montante de R$ 4.868 .864,47,
sim demonstra do, saldo credor de R$ 3.723,56 menos juros acumulados sendo R$ 4.569 .976,78 referentes às viagens realizadas e R$ 298 .887,69,
de R$ 428,90 = R$ 3.294,66, vale dizer, saldo credor considerando os alusivo a pedágios e impostos, fls. 74.
juros/encargos praticados pela parte ré de forma descapitalizada .
A planilha juntada por linha, contendo 25 (vinte e cinco) folhas, totaliza o
Ainda como se observa através da planilha, anexo nº 3, no dia 10/ 11/2004, valor de R$ 4.569 .976,78, período de 16/06/2010 a 18/01/2012 , sendo R$
o saldo da conta já se apresenta credo r a favor da parte autora no valor 4.569.976,78 (período de 16/06/2010 a 18/01/2012) - viagens realizadas
de R$ 42,73, assim demonstrado, saldo credor de R$ 471,63 menos juros (valor de fretes) - e R$ 298 .887,69 (período de 12/06/2010 a 31/01/20 12)
acumula dos de R$ 428,90 = R$ 42,73 . - pedágios e impostos.
Para o que consta do quesito nº 1O, da série da parte ré, isto é, "Qual o valor
O Registro de Saídas, juntado também por linha, corresponde ao perío -
do débito atual da parte Autora referente a todas as operações contratadas
do de 01/10/2010 a 28/09/2012, observando-se nesse Registro lançamen-
com o Réu?"", e considerando os documentos acostados aos presentes autos,
tos de valores de Conhecimento de Transportes Rodoviários de Cargas
notadamente os de fls . 46/62 e 105/ 182, a resposta fica prejudicada, uma vez
- CTRCs - até o dia 18/01/2012, que constam da planilha juntada por
que referidos documentos não fornecem elementos esc larecedores, e tendo a
linha, contendo 25 (vinte e cinco) folhas, onde se observa "F era" e "Fera
parte ré permanecido em silêncio, até esta data, sobre a correspondência da-
(Temop )" na coluna Cliente.
tada de 17 de dezembro de 2006, correspondência através da qual a perícia
visava à obtenção de quaisquer outros documentos, além dos que constam É de se observar que a ré não apresentou o Registro de Saídas , para os
dos autos anexo nº 1. Conhecimentos de Transportes Rodoviários de Cargas - CTRCs -, emiti-
dos no período de ll / 12/2012 a 31/ 12/2012 (fls. 34/61) e 02/01/2013 (fls.
29/31), que compõem as Faturas de nº 818-13, 817-13, 814-13, 812-13 e
2ºExem
plode conclusão 809-12 (fls.27/28, 32/33 e 49), totalizando R$ 228.639,68, va lor que a ré
alega pendente de pagamento .
CONCLUSÃO
Sendo corrigido o valor de R$ 228 .639,68, como quer a ré, nesta data
Em conformidade com a Notificação Extrajudicial, a ré comunica o valor seria de R$ 285 .234,32, a seguir demonstrado: R$ 228.639,68 x
que em 22/04/2013 resta pendente o pagamento de R$ 228.639 ,68,juntan- 1,24752763 (Relatório de Correção Monetária do TJRJ) = R$ 285 .234,32,
do planilha, fls. 92/93, a seguir resumida : correspondendo a 95.005,27 UFIR -RJ.
Fatura Vencimento Valor ENCERRAMENT
O
809-12 15/01/2013 78.021,30 Concluindo este laudo pericial, o perito coloca-se à disposição do juízo e
812-13 28/0 1/2013 87.846,97 das partes para quaisquer esclarecimentos reputados necessários.
814- 13 28/01/2013 35.050,90
817-13 18/02/2013 23.465,91 • Outras informações, a critério do perito, entendidas como impor-
tantes, relevantes, para melhor esclarecer ou apresentar o laudo pe..
818-13 18/02/2013 4.254,60
ricial contábil.
Total 228.639,68 • Identificação do perito ( o laudo pericial contábi l será datado, rubri-
cado e assinado pelo contador, que nele fará constar a sua categoria
A autora declara que, no período de 20/ 12/2010 até 02/01/2012, pagou a
profissional de contador e o seu número de registro em Conselho
ré o montante de R$ 3.949 .770,00 e que a ré alega ser detentora de crédito, Regional de Contabilidade).
no mesmo período de mais R$ 228.639,68, fls. 05.
Ainda como conclusão,o perito deve considerar, no laudo pericial con-
tábil, as formas a seguir:
CAPÍTU
LO 2. NORMAS
DAPERÍCIA
CON
TÁBIL 39 40 Ril Moura

• A quantificação de valores é viável em casos de: apuração de have- O laudo pericial contábil deve sempre ser encaminhado por petição pro-
res , liquidação de sentença, inclusive em processos trabalhistas, re- tocolada, quando judicial ou arbitral. Quando extrajudicial, por qualquer meio
petição de indébito, resol ução de socieda de, avaliação patrimonial, que comprove sua entrega .
entre outros.
• A conclusão pode ser elucidativa apenas quanto ao objeto da peri - 2.26. LAUDOE PARECER
DE PROFISSIONALNÃO-HABILITADO
cia, não envolvendo, necessariamente, quantificação de valores.
Em conformidade com o Decreto Lei nº 9 .295/46, na alínea "c" do
• A conclusão pode , também, reportar-se às respostas apresentadas
nos quesitos. art . 25, é determinado que o laudo pericial contábil e o parecer técnico-
-contábil somente sejam elaborados por contador ou pes soa jurídica , se a
lei assim pennitir, que estejam devidamente registrados e habilitados em
2.25. EXEMPLODE CONCLUSÃOQUANTIFICANDOVALORES
Conselho Regional de Contabilidade . A habilitação é comprovada mediante
Certificação de Regularidade Profissional emitida pelos Conselhos Regionais
CONCLUSÃO de Contabilidade.
Em conformidade com os documento s juntados aos presentes autos, De acordo com a NBC TP O1 - Perícia Contábil - , considera-se leigo
nota.damente os extratos mensais de fls. 27/49, relativo s ao cartão de cré- ou profissional não habilitado, para a elaboração de laudo e parecer contá-
dito nº 4011.3135.9995.0052, em 26 de abril de 2011, como quer a ré, o beis, qualquer profissional que não seja contador habilitado perante Conselho
Regional de Contabilidade.
débito do autor era de RS 3.206,32.
Com base nos mesmos extratos de fls. 27/49, a pericia elaborou a planilha Em conformidade com o inciso IV do art. 3° do Código de Ética
objeto do anexo 6, a qual fornece, no período de maio de 2013 a abril de Profissiona l do Contador - CEPC - , é vedado ao profissional da contabilidade
2015, todas as cobranças efetuadas pela ré, evidenciando os encargos con- assinar documentos ou peças contábeis elaborados por outrem, alheio à sua
tratuais, todos praticados de forma capitalizada . orientação, supervisão e fiscalização.
O perito assistente não pode firmar o laudo pericial quando o docwnento
De acordo com o requerido por ambas as partes, e circunscrito aos docu- tiver sido elaborado por leigo ou profi ssional de outra área, devendo , nesse
mentos acostados aos presentes autos, este perito, muito respeitosamente, caso, oferecer um parecer técnico-contábil sobre a matéria periciada.
submete à consideração de Vossa Exce lência duas hipóteses para o estabe - O perito assistente, quando opuser a assinatura, em conjunto com o peri-
lecimento do saldo do titular do cartão de crédito. to do juízo , em laudo pericial contábil, não pode emitir parecer técnico-contá-
1ª hipót ese bil contrário a esse laudo .

Como quer a parte autora, isto é, considerando a taxa de juros simp les de 1%
2.27. PARECER
11CNICOCONTÃBIL
am., juros calculados linearmente, e conforme consta na planilha objeto do
anexo 7, em 26 de abril de 201 1 o saldo do autor seria credor de R$ 622,54, Entende-se por parecer técnico contábil, ou parecer técnico, a peça técni-
a seguir demonstrado : saldo credor de RS 813,06 (coluna 17) menos R$ ca elaborada de forma sequencial e lógica, na qual o assistente técnico expres-
190,52 a título de juros , multa e mora (colunas 7, 9 e 10) = R$ 622,54. sa, de maneira circunstanciada, clara, objetiva e precisa, os estudos, as pesqui-
sas, as observações, as diligências que realizou ou as buscas de elementos de
2ª hipótese provas necessárias para a conclusão do seu trabalho .
Em conformidade com a norma emanada do Conselho Federal de
Caso sejam mantidos os juros ( despesas financeiras) praticados pela parte
Contabilidade , o parecer técnico contábil é documento escrito, no qual o as-
ré, sem capitalização, e conforme consta na planilha objeto do anexo 7, em
sistente técnico deve registrar, de forma abrangente, o conteúdo da perícia e
26 de abril de 2011 o saldo do autor seria devedor de RS 559,37, a seguir
particularizar os aspectos e as minudências que envolvam o seu objeto e as
demonstrado: saldo credor de RS 813,06 (coluna 17) menos despesas finan-
buscas de elementos de prova necessários para a conclusão do seu trabalho.
ceiras de RS 1.316,77 (coluna 8), multa de R$ 37,11 (coluna 9) e mora de
R$ 18,55 (coluna 10) = R$ 559,37. O parecer pericial contábil é também uma peça técnica, escrita de for-
ma objetiva , clara, preci sa, objetiva, concisa, sequencial, lógica e completa, e a
CAPÍTU
LO 2. NORMAS
DAPERÍCIA
CON
TÁBIL 41 42 Ril Moura

preparação e a sua redação são de exclusiva responsabilidade do assistente técni- • Síntese do objeto da pericia (relato sucinto sobre as questões bá-
co, que adotará padrão próprio, devendo ser redigido de forma circunstanciada. sicas que resultaram na indicação ou na contratação do assistente
Ao efetuar suas manifestações no parecer pericial contábil, o assisten te técnico);
técnico não pode omitir nenhum fato relevante encontrado no decorrer de suas • Metodologia adotada para os trabalhos periciais e esclarecimentos
pesquisas ou diligências; e não deve emitir qualquer opinião pessoal a respeito (conjunto de técnicas e processos utilizados);
das respostas oferecidas aos questionamentos, bem como na conclusão dos • Relato das diligências realizadas (todos os procedimentos e atitu-
trabalhos , que contrarie o Código de Ética Profissional do Contador . des adotados pelo assistente técnico na busca de informações e sub-
O parecer técnico deve contemplar o resultado final alcançado por meio sídios necessários à elaboração do parecer pericial contábil);
de elementos de prov~ inclusos nos autos, ou arrecadados em diligências que • Transcrição dos quesitos, na forma explícita formulados, e suas res-
o perito tenha efetuado, por intermédio de peças contábeis e quaisquer outros pectivas respostas, de forma clara, objetiva , concisa e co.mpleta;
documentos, tipos e formas . • Transcrição dos quesitos, e suas respectivas respostas para o pare-
Na esfera judicial, o parecer pericial contábil serve para subsidiar o ju- c•er técnico contábil, em que houver divergência das respostas for-
ízo e as partes, bem como para analisar de forma técnica e científica o laudo muladas pelo perito;
pericial contábil. • Conclusão (quantificação, quando possível, do valor da demanda,
lide, litígio, podendo reportar-se a demonstrativos apresentados
Na esfera arbitral, o parecer pericial contábil serve para subsidiar o árbi-
como anexos, no corpo do parecer pericial contábil ou em docu-
tro e as partes nas suas tomadas de decisão.
mentos auxiliares) e (apresentação de alternativas, condicionada às
Na esfera extrajudicial , o parecer pericial contábil serve para subsidiar as teses apresentadas pelas partes) , de forma a não representar a opi-
partes nas suas tomadas de decisão. nião pessoal do assistente técnico);
Quando o parecer pericia l contábil for contrário às posições do laudo • Outras informações, a critério do assistente técnico , entendidas
pericial contábil, o assistente técnico deve fundamentar suas manifestações . como importantes para melhor esclarecer ou apresentar o parecer
Se houver concordância com o laudo pericial contábil, ela pode ser ex- pericial contábil;
pressa no parecer pericial contábil . • Termo de encerramento, constando a relação de anexos e apêndices.
Havendo divergências do laudo pericial contábil, o assistente técnico po-
derá transcrever o quesito objeto de discordância, a resposta do laudo, seus 2.29. APRESENTAÇÃO
DO PARECERPERICIALCONTÃBIL
comentários e, finalmente, sua resposta devidamente fundamentada .
O parecer pericial contábil será datado, rubricado e assinado pelo assis-
Quando houver quesitos não respondidos pelo perito, o assistente técnico
tente técnico, que nele fará constar a sua categoria profissional de contador e
a eles responderá de forma circunstanciada, devendo ser evitadas respostas
o seu número de registro em Conselho Regional de Contabilidade, compro-
como "sim" ou "não", ressalvando-se os que contemplam especificamente
vado mediante Certidão de Regularidade Profissional (CRP) e sua função :
esse tipo de resposta .
perito-assistente da parte, sendo permitida a utilização da certificação digi-
Não havendo quesitos, o parecer será orientado pelo conteúdo do laudo tal, em consonância com a legislação vigente e as normas estabelecidas pela
pericial contábil.
Infraestrutma de Chaves Públicas Brasileiras - !CP-Brasil.
Sendo necessária a juntada de documentos , quadros demonstrativos e
O parecer contábil deve sempre ser encaminhado por petição protoc-0la-
outros anexos, esses devem ser identificados e numerados, bem como mencio -
da, quando judicial e arbitral , e por qualquer meio que comprove sua entrega ,
nada sua existência no corpo do parecer pericial contábil.
quando extrajudicial.
Em conformidade com o Novo Código de Processo Civil - NCPC - , o
2.28. ESTRUTURA
assistente técnico de cada uma das partes, pode, no prazo de 15 (quinze dias),
Como estrutura, o parecer pericial contábil, ou parecer técnico, deve con- apresentar seu parecer sobre o laudo do perito.
ter, pelo menos, os seguintes itens:
• Identificação do processo e das partes (exemplo : nº do processo,
Vara em que tramita o processo , nome da parte autora e da parte ré);
44 Ril Moura

- PERITO CONTÁBIL - , revogando a Resolução CFC nº 1.244/09, publica-


3. NORMAS E PROCEDIMENTOS DO PERITO da no DO U, Seção I, de 18/ 12/09.
A NBC PP O1 - Perito Contábil - evidencia o contador na função de
perito do juízo e perito-assistente, já o Código de Processo Civil especifica
perito e assistente técnico, sen do o perito, nomeado pelo juiz, e o assistente
técnico, indicado pela parte. Na prática, as funções dos assistentes técnicos
são idênticas às dos peritos.
3.1. PRELIMINARES
Por normas do perito, entende-se um conjunto de condições, requisitos 3.3. NORMAltCNICA
básicos, métodos e regras para que o perito possa exercer a atividade.
ANorma Brasileira de Contabilidade (NBC PP O1- PERITO CONTÁBIL
Por procedimentos do perito, entende-se um conjunto de técnicas (atos
- , de 27 de fevereiro de 2015) estabelece critérios inerentes à atuação do con-
a serem praticados) que os profissionais utilizam para conseguir realizar a
tador na condição de perito, inicia conceituando o que seja perito, perito ofi-
perícia.
cial, perito do juizo, perito-assistente, e trata, além de outros, da habilitação
Para o exercício da função de perito, em ações judiciais, o Novo Código
profissional, impedimento e suspeição, responsabilidade, zelo profissional e
de Processo Civil - NCPC - fornece e disciplina as condições, requisitos bási- da utilização de trabalho de especialista.
cos, métodos e regras para que o perito possa exercer a atividade.
Veremos, a seguir, em resumo, o que estabelece referida norma, além de
Quando a prova do fato depender de conhecimento técnico ou científico,
outras pertinentes à perícia, atentando para o princípio da lei proce ssual.
o juiz será assistido por perito.
O perito é auxiliar da justiça na busca da verdade dos fatos.
3.4. CONCEITO
O juiz, ao determinar a prova judicial, quer se valer desse recurso para
poder melhor decidir a lide, demanda, e para issoconsta com a colaboração de Perito é o conta dor, regularmente registrado em Conselho Regional de
um profissional de sua nomeação e confiança, o perito. Contabilidade, que exerce a atividade pericial de forma pes soal, devendo ser
A principal função do perito é fornecer ao Magistrado todos os elementos profundo conhecedor, por suas qualidades e experiências, da matéria periciada.
esclarecedores das questõe s controvertidas encontradas nos documentos sob Perito oficial é o investido na função por lei e pertencente a órgão espe-
exame, proporcionando ao juízo subsídios para poder pronunciar-se de forma cial do Estado destinado, exclusivamente, a produzir perícias e que exerce a
precisa, com exatidão. atividade por profissão.
Os perito s serão nomeados entre os profissionais legalmente habilitados Perito do juízo é nomeado pelo juiz, árbitro, autoridade pública ou priva-
e os órgãos técnicos ou científicos devidamente inscritos em cadastro mantido da para exercício da Perícia Contábil.
pelo tribunal ao qual o juiz está vinculado. Perito-assistente é o contratado e indicado pela parte em perícias
Na localidade em que não houver inscrito no cadastro disponibilizado contábeis .
pelo tribunal, a nomeação do perito é de livre escolha pelo juiz e deverá recair De forma ampla, perito é uma pessoa que, pelas qualidades especiais que
sobre profissional ou órgão técnico ou cientifico comprovadamente detentor possui, geralmente de natureza científica ou artística, completa, preen che, su-
do conhecimento necessário à realização da perícia. pre as insuficiências do juiz no que tange à verificação ou apreciação daquele s
fatos da causa que para tal exijam conhecimentos técnicos. Informando tecni-
3.2. NORMA DISCIPLINADORA camente ao juiz, não o substitui , porém , nas suas atividades, apenas o auxilia,
isto é, colabora na formação do material probatório, que serve de prova, que
O Conselho Federal de Contabilidade - CFC - , no exercício de suas atri- contém prova, quer recolhendo percepções dos fatos quer emitindo pareceres,
buições legais e regimentais, e com fundamento no disposto na alínea " f,, do transmitindo umas e outros ao juiz para que esse, após o trabalho critico de-
art. 6º do Decret o-Lei nº 9.295/46, alterado pela Lei nº 12.249/ 10, aprovou, vido, forme convicção quanto aos mesmos fatos. Assim, o perito é essencial-
em 27 de fevereiro de 2015, a Norma Brasileira de Contabilidade NBC PP 01 mente um auxiliar do juízo . (Moacyr Amaral Santos, Prova Judiciária, 5° vol.,
43 nº 14, e Capitulo III).
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 45 46 Ril Moura

O perito deve comprovar sua habilitação como perito em contabilidade, entendimento da aplicabilidade das normas legais, por estarem essas ligadas
por intermédio de Certidão de Regularidade Profissional (CRP) emitida pelos ao mérito, matéria de direito, sendo exclusivamente de decisão do juízo. Deve,
Conselhos Regionais de Contabilidade. O perito deve anexá-la no primeiro então, o perito, o expert,abster-se de falar sobre as questões pertinentes à in-
ato de sua manifestação e na apresentação do laudo ou parecer, para atender ao terpretação das leis.
disposto no Código de Processo Civil. É permitida a utilização da certificação
digital, em consonância com a legislação vigente e as normas estabelecidas 3.6. INDEPENDiNCIA
pela Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileiras - !CP-Brasil.
O perito e o assistente técnico devem evitar e dar a conhecer qualquer
Em conformidade com o § 5° do art. 156 do Código de Processo Civil
interferência que possam constrangê- los em seu trabalho, não admitindo, em
- CPC, na localidade em que não houver inscrito no cadastro disponibilizado
nenhuma hipótese, subordinar sua apreciação a qualquer fato, pessoa, situação
pelo tribunal, a nomeação do perito é de livre escolha pelo juiz, e deverá recair
ou efeito que possam comprometer sua independência, autonomia .
sobre profissional ou órgão técnico ou científico comprovadamente detentor
do conhecimento necessário à realização da perícia.
3.7. IMPEDIMENTOE SUSPEIÇÃO
As partes terão ciência da data e do local designados pelo juiz ou indica -
dos pelo perito para ter início a produção da prova pericial. Consoante a NBC PP O1, impedimento e suspeição são situações fáticas
ou circunstanciais que impossibilitam o perito de exercer, regulannente, suas
3.5. COMPETENCIAPROFISSIONAL funções ou realizar atividade pericial em processo judicial ou extrajudicial, in-
clusive arbitral. Os itens previstos nessa Norma explicitam os conflitos de inte-
Entende-se por competência qualidade de quem é capaz de apreciar e re-
resse motivadores dos impedimentos e das suspeições a que está sujeito o perito
solver determinado assunto, determinada coisa, habilidade, aptidão, capacidade .
nos termos da legislação vigente e do Código de Ética Profissional do Contador.
Por competência profissional pressupõe ao perito e ao assistente técnico
Para que o perito possa exercer suas atividades com isenção, é fator de-
demonstrar capacidade para pesquisar, examinar, analisar, sintetizar e funda-
terminante que ele se declare impedido, após nomeado ou indicado, quando
mentar a prova no laudo pericial e no parecer pericial.
ocorrerem as situações a seguir.
O contador, na função de perito ou assistente técnico, deve manter ade-
Quando nomeado, o perito do juízo deve dirigir petição, no prazo legal,
quado nível de competência profissional - capacidade, habilidade, aptidão,
justificando a escusa ou o motivo do impedimento ou da suspeição.
idoneidade - , pelo conhecimento atualizado de contabilidade, das Normas
Brasileiras de Contabilidade, das técnicas contábeis, especialme nte as apli- O perito do juizo deve se declarar impedido quando não puder exercer
cáveis à perícia, da legislação relativa à profissão contábil e das normas jurí- suas atividades, observados os termos do Código de Processo Civil.
dicas, atualizando-se permanentemente, mediante programas de capacitação, O perito-assisten te deve declarar-se suspeito quando, após contratado,
treinamento, educação continuada e especialização, realizando seus trabalhos verificar a ocorrência de situações que venham suscitar suspeição em função
com a observância da equidade. da sua imparcialidade ou independência e, dessa maneira, comprometer o re-
O espírito de solidariedade do perito e do assistente técnico não induz sultado do seu trabalho.
nem justifica a participação ou a conivência com erros ou atos infringentes das Os casos de suspeição a que está sujeito o perito do juízo são os seguintes:
nonnas profissionais e éticas que regem o exercício da profissão. (a) ser amigo íntimo de qualquer das partes;
A nomeação, a escolha ou a contratação para o exercício do encargo, da (b) ser inimigo capital de qualquer das partes;
função de perito deve ser considerada como distinção e reconhecimento da ca- (e) ser devedor ou credor em mora de qualquer das partes, dos seus côn-
pacidade e honorabilidade do contador, devendo esse escusar-se dos serviços, juges, de parentes desses em linha reta ou em linha colateral até o
por motivo legítimo ou foro íntimo, ou sempre que reconhecer não estar capa- terceiro grau ou entidades das quais esses façam parte de seu quadro
citado a desenvolvê-los, contemplada a utilização do serviço de especialistas societário ou de direção;
de outras áreas, quando parte do objeto da pericia assim o requerer. (d) ser herdeiro presuntivo ou donatário de alguma das partes ou dos
Deve o perito do juízo oferecer as respostas aos quesitos formulados seus cônjuges;
pelo juiz, quando houver, e pelas partes, sempre buscando ser isento do (e) ser parceiro, empregador ou empregado de alguma das partes;
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 47 48 Ril Moura

(f) aconselhar, de alguma forma, parte envolvida no litígio acerca do I - ao membro do Ministério Público;
objeto da discussão; e Il - aos auxiliares da justiça;
(g) houver qualquer interesse no julgamento da causa em favor de algu- m- aos demais sujeitos imparciais do processo ."
ma das partes.
Prevê o art . 149 do NCPC: "São auxiliares da Justiça, além de outros
O perito pode ainda declarar-se suspeito por motivo íntimo , sem necessi- cujas atribuições sejam determinadas pelas normas de organização judiciária,
dade de declarar suas razões . o escrivão, o chefe de secretaria, o oficial de justiça, o perito, o depositário,
O perito pode escusar-se, ou ser recusado por impedimento; ao aceitar a o administrador , o intérprete , o tradutor, o mediador, o conciliador judicia!, o
escusa, o juiz nomeará novo perito. partidor, o distribuidor, o contabilista e o regulador de avarias.
Deve o perito se declarar impedido quando não puder exercer suas ati- Quando nomeado em juízo , a escusa será apresentada no prazo de 15
vidades com imparcialidade e sem qualquer interferência de terceiros, ao ser (quinze) dias, contado da intimação, da suspeição ou do impedimento super-
nomeado, contratado ou escolhido para o encargo, a função, nas seguintes veruente, sob pena de renúncia ao direito a alegá-la .
condições :
3.8. EXEMPLO
DEESCUSADENOMEAÇÃO
DEPERITO
1. a matéria em litígio não ser de sua especialidade;
2. constatar que os recursos humanos e materiais de sua estrutura pro -
fissional não permitem assumir o encargo; cumprir os prazos nos EXCELENTÍSSIM O SENH OR DOUT OR JUIZ DE DIREIT O D A
trabalhos em que for nomeado, contratado ou escolhido ; ou que for ..... VARA FEDERAL SEÇÃ O JUDICIAL DO ESTADO DO RIO
indicado; DE JANEIR O
3. tiver atuado como assistente técnico ou prestado depoimento como
testemunha no processo;
4. ter atuado para a outra parte litigante na condição de consultor ou Processo nº 2015 .007.8606-2
contador responsável , direto ou indireto em atividade contábil ou Parte autora: Isadora Roepke Carvalho
em processo no qual o objeto de perícia seja semelhante àquele em Parte ré: Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ
discussão;
5. exercer cargo ou função incompatível com a atividade de perito , em
função de impedimentos legais ou estatutários; RIL MOURA, economista e contador, perito nomeado nos autos do pro-
6. for parte do processo; cesso em epigrafe, vem, respeitosamente, agradecer a honrosa nomeação,
e informar a Vossa Excelência que encontra-se impedido de funcionar
7. tiver cônjuge ou parente seu, consanguineo ou afim, em linha reta ou
como perito no processo, uma vez que é professor da Universidade Federal
em linha colateral até o terceiro grau, postulando no processo;
do Rio de Janeiro UFRJ (parte ré no processo), lotado na Faculdade de
8. tiver interesse, direto ou indireto, mediato ou imediato, por si, por
Administração e Ciências Contábeis - FACC.
seu cônjuge ou parente, consanguíneo ou afim, em linha reta ou em
linha colateral , até o terceiro grau no resultado da prova pericial;
9. receber quaisq uer valores e beneficios, bens ou coisas sem autoriza- Nestes Termos
ção ou conhecimento do juiz; Pede Deferimento
Rio de Janeiro, dia, mês e ano
1O.receber dádivas de interessados no processo; e
11. subministrar meios para atender às despesas do litígio .

É de se ressaltar que o NCPC trata dos impedimentos e da suspeição Rll,M OURA


PERITODO rutzo
através dos artigos 144 a 148, fixando este último: "Aplicam-se os motivos de
impedimento e de suspeição:
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 49 50 Ril Moura

Sob pena de preclusão (perda de uma determinada faculdade processual


civil, ou pelo não exercício dela na ordem legal, ou por haver-se realizado uma Parte ré: Pense Nisso
atividade incompatível com esse exercício, ou, ainda, por já ter sido ela valida- RIL MOURA, economista e contador, perito nomeado nos autos do pro-
mente exercitada), a suspeição do perito deve ser arguida na primeira oportu- cesso em epígrafe,vem, muito respeitosamente, agradecer a honrosa no-
nidade em que a parte falar nos autos, após ter ciência da nomeação (ST-3ªT., meação, e informar a Vossa Excelência de sua não aceitação, por razão
AI 500.602-AgRg, rel. Min. Castro Filho, j. 16.11.04, negaram provimento, de foro intimo.
v.u., DJU 6.12.04, p.286 RT 497/ 104, 601/ 148, RJTJESP 44/242 89/296, JTA
88/ 131, 88/251 bem fundamentado), ou após haver tomado conhecimento do Nestes Termos
fato que autoriza a alegação de suspeição. A parte não pode recorrer desde logo
da nomeação; há de primeiro aduzir a exceção; se repelida é que lhe caberá Pede Deferimento
recorrer (RT 579/ 152, 73/327, JTA 39/313, 39/370, 89/301 RF 256/245). Rio de Janeiro, dia, mês e ano
Como suspeição do perito, nela incide o experto (que sabe ou tem conhe-
cimento; sabedor, ciente) que, tendo já sua remuneração arbitrada pelo juiz
entra em negociação particular com uma das partes e com essa acerta retribui- RILMOURA
ção em bases diversas e para ele mais vantajosas, chegando a embolsar uma PERITO DO ruízO
parcela do valor assim avençado (RJTJERGS 165/204).
É suspeito, que inspira desconfiança, o perito que adianta às partes o Quando indicado pela parte e não aceitando o encargo, o assistente
resultado de seu trabalho (RT 731/334). É ainda suspeito o perito que se em- técnico deve comunicar a ela sua recusa, devidamente justificada por escrito,
penha em que as partes façam.acordo (Bol. AASP 1.611/265). com cópia ao julzo.
Como motivos legais de suspeição e impedimento do juiz aplicam-se
também ao perito, está este impedido de funcionar no processo em que o juiz 3.1O. EXEMPLO
DERECUSADEINDICAÇÃO
DEASSISTENTE
T~CNICO
seja seu parente em segundo grau na linha colateral (irmão), considerando-se
que o impedimento não funciona apenas entre o perito e as partes ou entre as EXCELENTÍSSIM O SENH OR DO UTOR JUIZ DE DIRE ITO DA
partes e o juiz senão também entre o juiz e o perito. Interpretação sistemática
.............. VARA CÍVEL DA COMARCA DA CAPITAL
dos art. 36 e 138 Il, do CPC (RT 826/372), NEGRÃO, Theodoro GOUVÊA,
José Roberto F. Código de Processo Civil e legislação especial processual em
vigor, fls. 261/262. 38. ed. Editora Saraiva/2006.
Na hipótese de o perito declarar-se suspeito por motivo intimo, suspeição Processon º : 2015.001.050171-8
de foro íntimo, fica isento, nesse caso, de declinar os motivos.
Autor: Industrial Lt<la.
O perito pode renunciar, recusar, ou ser recusado por suspeição; ao acei-
tar a renúncia ou julgar procedente a impugnação, o juiz nomeará novo perito. Réu: Industrial da Margem Ltda.

3.9. EXEMPLO
DERENÚNCIA
DENOMEAÇÃO
DEPERITO
RILTON ACI OLI MOURA, indicado pela parte autora para funcionar
EXCELENTÍSSIM O SENH OR DOUTOR JUIZ DE DIREIT O DA como seu perito assistente técnico, .fls.333 do processo em epígrafe, vem,
..... VARAFEDERAL SEÇÃ O JUDICIAL DO ESTAD O DO RIO respeitosamente, informar a Vossa Excelência que, como resultado dos
DE JANEIR O
entendimentos mantidos com o patrono da parte autora, fica sem efeito a
sua indicação.
Processo nº 2015.007.6600-3
Finalizando, e agradecendo a oportunidade, ressalta que permanece à dis-
Parte autora: Ser Jovem Grupo Iana Moura, Eliza Moura e Angela Moura posição desse respeitável Juízo.
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 51 52 Ril Moura

Nestes Termos PERITO - Honorário - Arbitramento - Valor Excessivo - Redução -


Pede Deferimento Admissibilidade . O arbitramento dos honorários do perito é uma das tarefas
mais dificeis do magistrado pela existência de parâmetros objetivos de avalia-
Rio de Janeiro, 28 de dezembro de 2016 ção do valor devido . No exercício profissional liberal, o valor dos honorários
relaciona- se à competência e à lei da oferta e procura, circunstâncias essas
que não ocorrem na hipóte se de avaliação pericial. São raríssimos os casos de
RJLTONACIOLI MOURA incompetência, além do que o chamamento do perito pelo juízo não obedece
CORECON1ª ............. à lei da oferta e da proc~ é óbvio.
CRC- RJ- ................. Acontece que o perito exerce um múnuspúbli co desde que se posiciona
dentro do proce sso como auxiliar da justiça (artigo 149 do NCPC) .
O perito e o assistente técnico não devem aceitar o encargo quando cons - Na ordem institucional, interna e casuística do processo judicial, o peri-
tatarem que os recursos humanos e materiais de sua estrutura profissional não to, enfim, presta serviço público . Ne ssa condição , perde o perito o privilégio
permitem assumir o encargo, sem prejuízo do cumprimento dos prazos dos que teria na vida profissional particular de cobrar o que entende devido pelo
trabalho s nomeados , indicados, escolhidos ou contratados. desempenho de sua competência técnica . É fato notório que a antevisão do
que pode ser fixado como honorário do perito desestimula a parte na bu sca
Os assistentes técnicos são de confiança das partes, não sujeitos a impe-
da justiça trazendo como consequência a sublimação desse interesse. Logo o
dimento ou suspeição .
honorário de perito judicial não pode ser fixado segundo critério vigente no
mercado comum de prestação de serviço s~ Como igualmente não pode en-
3.11. HONORÃRIOS
PERICIAIS
trar em cogitação qualquer justificativa de ordem econômica, corporativista
Cada perícia abrange ou encerra muitos elementos ou partes, com núme- como defe sa da valorização profissional , subsistência, política salarial etc.,
ros de quesitos e graus de complexidade distintos, despendendo , consumindo, porquanto a atividade do perito é sempre eventual e de cooperação obediente
por tal motivo , de determinado número de horas para a realização do trabalho a um princípio maior que é o interes se do Estado . (JTACSP - LEX 144, pág .
pericial, da prova pericial , não se podendo fixar previamente um valor para 332/334, 378.555 /5-00 , 2ª Câm . 2° TAC, Relator Ferraz de Arruda .)
todas as perícias que serão realizadas , uma vez que, como é sabido, cada pro- PERITO - Honorário - Arbitramento - Valor Excessivo - Redução -
cesso tem suas peculiaridades, características , particularidades. Admis sibilidade . A atividade pericial é múnuspúblico indispensável à admi-
A proposta de honorários periciais deve ser muito bem elaborada, como nistração da justiça devendo até por isso, ser bem remunerada , para o seu bom
resultado do planejamento dos trabalhos a serem desenvolvidos , honorários exercício e atração de bons profissionais ; mas, sendo excessivo o valor do
que deverão representar o valor justo , digno, adequado , dos trabalhos que se- honorário do perito - que não se prende a qualquer tabelamento preestabeleci-
rão realizados, não existindo uma receita, uma fórmula , que possa determinar do - , admite-se a sua redução . (JTACSP, pág . 520, LEX 144, AL 374.346 - 4ª
o valor dos trabalhos do profissional . Câm . Relator Rodrigues da Silva - J. 05 .03.93)
Após ser nomeado para atuar no processo, o perito deve requerer seus Visando a realização da prova pericial, o perito deve requerer a homo-
honorários levando em consideração, além de outros , o local da prestação do logação de seus honorários profissionais , conforme o orçamento elaborado .
serviço, a natureza, a complexidade, a peculiaridade , a relevância, o vulto, o Pode , eventualmente, o valor dos honorários requeridos superar o valor
risco, a quantidade de horas, o pessoal técnico, o tempo estimado do trabalho da causa , o valor do litígio , o valor da demanda .
a ser realizado e a forma de recebimento , procurando não tomar a demanda Em conformidade com o NCPC , art. 95, cada parte adiantará a remune -
onerosa em demasia para nenhuma das partes, dese stimulando a procura da ração do assistente técnico que houver indicado , sendo a do perito adiantada
tutela jurisdicional. As sim, a verba honorária pretendida pelo perito deve ser pela parte que houver requerido a pericia ou rateada quando a perícia for de-
razoável e compatível com o trabalho a ser despendido . term inada de oficio ou requerida por ambas as partes.
Éesse, inclu sive , o entendimento dos nossos egrégios Tribunais que de- § 1º O juiz poderá determinar que a parte responsável pelo pagamento
cidem no sentido de que o arbitramento excessivo de honorários periciais de- dos honorários do perito deposite em juízo o valor correspondente .
sestimula a sociedade de procurar a tutela jurisdicional , como demonstram as § 2º A quantia recolhida em depósito bancário à ordem do juízo será
decisões a seguir: corrigida monetariamente e paga de acordo com o art . 465 , § 4º·
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 53 54 Ril Moura

§ 3° Quando o pagamento da perícia for de responsabilidade de benefici- 3.13. EXEMPLODE PETIÇÃODE HONORÃRIOSPERICIAIS
ário de gratuidade da justiça, ela poderá ser:
I - custeada com recursos alocados no orçamento do ente público e reali-
zada por servidor do Poder Judiciário ou por órgão público conveniado; EXCELENTÍSSIMOSENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA
II - paga c-0mrecursos alocados no orçamento da União, do Estado ou ........ VARAFEDERAL SEÇÃO JUDICIALDO ESTADO DO RIO
do Distrito Federal, no caso de ser realizada por particular, hipótese em que DE JANEIRO
o valor será fixado conforme tabela do tribunal respectivo ou, em caso de sua
omissão, do Conselho Nacional de Justiça.
§ 4° Na hipótese do § 3°, o juiz, após o trânsito em julgado da decisão Processo nº ...........................
final, oficiará a Fazenda Pública para que promova, contra quem tiver sido con- Ação: Embargos
denado ao pagamento das despesas processuais, a execução dos valores gastos Parte autora: Sandra Lúcia Acioli Moura
com a perícia particular ou com a utilização de servidor público ou da estru-
Parte ré : União Federal / Fazenda Nacional
tura de órgão público, observando-se, caso o responsável pelo pagamento das
despesas seja beneficiário de gratuidade da justiça, o disposto no art. 98, § 2°.
§ 5º Para fins de aplicação do§ 3º, é vedada a utilização de recursos do
fundo de custeio da Defensoria Pública. R.IL MOURA, economista e contador, perito nomeado nos autos do pro-
Considerando que o orçamento da pericia deve evidenciar a especifica- cesso em epígrafe (fls. 189), com base na extensão, abrangência e pecu-
ção detalhada dos trabalhos a serem executados até a entrega do laudo peri- liaridades dos quesitos formulados às fls. 191, 194/198 e 202/203, con-
cial, para o referido orçamento é apresentado o modelo abaixo, evidenciando- siderando as horas estimadas para realização do trabalho, bem como a
-se, pelo menos, as seguintes etapas, que constam do modelo nº 7, anexo que qualificação do pessoal técnico que irâ participar da execução dos servi-
acompanha a NBC PP O1. ços, vem, respeitosamente, requerer a VossaExcelência a homologação de
honorários profissionais no valor de R$ ................... ( ................... ),corres-
3.12. MODELODE ORÇAMENTOPARAHONORÃRIOSPERICIAIS pondentes a ..................... UFIR-RJ, à época do efetivo depósito, dando-se
em seguida início aos trabalhos periciais.
CUSTO DA PERÍCIA HORAS TOTAL
Este perito se reserva o direito de pleitear complementação de honorários,
ESPECIFICAÇÃO DOTRABALHO PREVISTAS
R$/HORA R$
caso venham aos autos, a partir dos quesitos sobreditos, outros que requei-
Retiradaeentrega dosautos ram nova apreciação.
Leiturae interpretaçãodoprocesso
Preparação determos dediligência
Realização dediligências Nestes Termos
Pesquisa eexame delivros edocumentostécni
cos Pede Deferimento
Laudos interdisciplinares
Elaboração dolaudo Vitória, dia, mês e ano
Reuniões comperit os-assistentes
, quando
foro caso
Revisãofinal
Subtotal
Impostose encargos RILMOURA
PERITO DO JUÍZO
TOTAL
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 55 56 Ril Moura

3.14. OUTROEXEMPLODE PETIÇÃODE HONORARIOSPERICIAIS


Finalizando, agradece a oportunidade, realçando a sua disponibilidade a
esse respeitável Juízo .

EXCELENTÍSSIM O SENHOR DO UTOR JUIZ DE DIREITO DA Nestes Termos


... VARA CÍVEL DA COMARCA DA CAPITAL Pede Deferimento

Rio de Janeiro, di~ mês e ano


Processo nº : 0004577 -67 .2016.8.19.0001
Nome do perito , assinatura e seu registro no Conselho
Embargante : ADMINISTRADORA
DE CONSÓRCIOS.A.
Embargado : ADVOGADOSASSOCIADOSS/C
3.15. EXEMPLODE CONTRATODE HONORÁRIOS- PERÍCIAEXTRAJUDICIAL

RILTON ACI OLI MOURA, perito nomeado nos autos do processo em


Rio de Janeiro , dia, mês e ano
referência (fl 1285), com base na Sentença, fls. 837/844, bem como do
Acórdão, fls. 928/947, vem, respeitosamente , expor e requerer a Vossa
Excelência, como segue: D.mos. Srs.
Diretore s de
1. O objeto do exame e suas particularidades; SÓ PARTICIPAÇÕES LTDA.
2. A dimensão, extensão, abrangência e peculiaridade s dos quesitos de fls. VITÓRIA-ES
1287/ 1292, da embargante, e 1310/ 1323, do embargado;
3. O exame de grande massa de documentos , em tomo de 1.700 (mil e Prezados Senhores ,
setecentas) folhas do processo em refer ênc ia, inclusive juntados por linha;
4. Prazo estimado de 90 (noventa dias) dias para conclusão da prova Na qualidade de perito, e conforme solicitação, vi.mos apresentar-lhes pro-
pericial; posta de prestação de serviços para apuração de haveres do sócio ........ .
que pretende se afastar dessa sociedade, com data de .... ./...../..... .
5. A necessidade de contar com a participação de 3 (três) outros
profissionais; Nossos honorários profissionais, para todos os trabalhos que o caso re-
quer, estão fixados em R$ ........... ( ........ ...), pagáveis da seguinte forma:
6. A quantidade estimada de homem/hora a ser despendida para elabora-
ção do laudo pericial; e . R$ ...... .... na aprovação desta proposta; e

7. A alíquota de 27 ,5% como base de cálculo do Imposto de Renda . . R$ .......... por ocasião da entrega do laudo pericial.

Diante de todo o exposto, e visando a realização da prova pericial, vem A aceitação das condições constantes da presente proposta poderá ser dada
respeitosamente , requerer a Vossa Excelência homologação e depó sito por correspondência de V.Sas. ou pelo simples "de acordo" , data e assina-
de seus honorários no valor de R$ ..............., correspondente a ............. . tura na cópia desta.
UFIR-RJ, dando-se em seguida início da prova pericial.
Igualmente, havendo necessidade da realização de diligências fora desta Atenciosamente,
comarca, que as despesa s correspondentes (transporte aéreo, condução, ali-
mentação e hospedagem) sejam custeadas, mediante prestação de contas. RILMOURA
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 57 58 Ril Moura

Pode o perito requerer a complementaçãodos honorários, se a importân-


cia previamente depositada for insuficientepara garanti-los. Nestes Termos
Pede Deferimento
3.16. EXEMPLODE REQUERIMENTODE COMPLEMENTAÇÃO
DE HONORÃfHOS
- PERÍCIAJUDICIAL Juiz de Fora, dia, mês e ano

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA RIL MOURA


....... VARA CÍVEL DA COMARCA DA CAPITAL PERITODO JUÍZO
O perito deverá requerer, por ocasião da entrega do laudo pericial, que o
depósito de seus honorários seja liberado com os acréscimos legais.
Processo n º ........................... Querendo, na mesma petição que fizer entrega do laudo pericial, a libe-
Ação: Ordinária ração dos honorários, poderá, também, ser requerida.
Parte autora: Dulce da Costa e Silva
3.17. EXEMPLODE PETIÇÃODE ENTREGADO LAUDO PERICIALE EXPEDIÇÃO
Parte ré: Empresa Faz-de-Conta S/A
DO MANDADO DE PAGAMENTO

RIL MOURA, contador e economista,perito nomeado nos autos do pro- EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA
cesso em epigrafe, vem, respeitosamente, informar a Vossa Excelência, ...... VARADE FAZENDAPÚBLICADAC OMARCADACAPITAL
como segue.
Por ocasião das diligências efetuadas nas dependências da parte autora, Processo nº ...........................
em Colatina, no Estado do Espírito Santo, a perícia constatou que para
quantificar os serviços prestados, isto é, estabe1ecer o valor para cada Parte autora: Goiabeiras S/A
prontuário apresentado com base nas tabelas e o multiplicador CH (coe- Parte ré: Panela de Barro Ltcia.
ficiente de honorários), toma-se necessária anãlise minuciosa de todos os
RIL MOURA, economista e contador, perito nomeado nos autos do pro-
assentamentos constantes nos documentos de fls. 50/428, fato que exige
cesso em epígrafe, tendo concluído o seu Laudo Pericial, em anexo, vem,
maior número de dias de trabalho, alocação de 2 profissionaisde seu escri-
respeitosamente, requerer a VossaExcelência:
tório, e a elaboração de planilhas demonstrativas de memória de cálculo.
1. Juntada do Laudo Pericial.
Com a quantificação dos serviços prestados, utilizando-se dos assenta-
mentos nos documentos de fls. 50/428, há necessidade de mais 45 (qua- 2. Expedição do maodado de pagamento de seus honorários que se en-
renta e cinco) dias de trabalho para conclusão do Laudo Pericial. contram depositados à disposição da Justiça (fls. 124, 126 e 134), com os
acréscimos legais.
Isto posto, considerando a grande massa de documentos e assentamen-
tos que serão analisados por este signatário com a participação de 2 pro- Nestes Termos
fissionais de seu escritório; a elaboração de planilhas demonstrativas de Pede Deferimento
memória de cálculo; bem como o recebimento (reembolso) de despesas
decorrentes das diligências realizadas em Cola~ inclusive com utili- Rio de Janeiro, dia, mês e ano
zação de veículo próprio, vem, muito respeitosamente, requerer a Vossa
Excelência a homologaçãode honorários complementaresno valor de R$ RILMOURA
................ (....................), correspondente a ....... UFIR-RJ. PERITODO .JUÍZO
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 59 60 Ril Moura

O perito requererá a liberação parcial dos honorários, depositados em


juízo, sempre que houver a necessidade, devidamente justificada. Nestes Termos
Pede Deferimento
3.18. EXEMPLODE PETIÇÃODE LIBERAÇÃOPARCIALDE HONORÁRIOS
Rio de Janeiro, dia, mês e ano

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR DESEMBARGADOR RE- Nome e assinatura


,. , RÉ-
LAT OR •••.•.•.•..••.• DA .............................
...... CA.MA.RA.CWEL DO EG Perito da ... Câmara Cível
GIO TRIBUNALDE JUSTIÇADO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CORECON 1• Região 2545
CRC - RJ - 9.786/0-6

O perito pode requerer o custeio das despesas referentes ao deslocamen-


Apelação Cível nº 2016.00 l .0099409 to para a realização do trabalho fora da Comarca em que foi nomeado.
Partes:
ROBRILS /A 3.19. EXEMPLODEPETIÇÃOPARAO CUSTEIODE DESPESASDE DESLOCAMEN
-
SAIDEIRA S/A TO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA


NOME DO PROFISSIONAL, economista e contador, perito nomeado ...... VARADE CÍVELDAC OMARCADACAPITAL
nos autos daApelação Cível em epígrafe (fis. 406), vem, respeitosamente,
informar a Vossa Excelência que, para a elaboração do Laudo Pericial, que
se encontra em desenvolvimento desde o mês de dezembro de 2015, expe- Processo nº : 2015.209.987123-0
diu correspondência aos assistentes técnicos de ambas as partes, realizou Ação: Repetição de lndébito
diligências na sede SAIDEIRA - onde examinou livros e documentos per- Parte autora: Fundição Afinidade Ltda.
tinentes aos quesitos formulados - , e realizou várias diligências na cidade
de Petrópolis - RJ, sendo a última na data de ontem. Parte ré: Banco Nosso Lar SIA

Para conclusão do Laudo Pericial, aguarda sejam disponibilizados pelas


várias locatárias de cópias dos termos de quitação, comprovantes de pa-
NOME DO PROFISSIONAL, contador, perito nomeado nos autos do
gamentos e demais documentos que possam comprovar quem efetuou tais
processo em referência, vem informar que durante as diligências realiza-
pagamentos, e se resultantes de sentença ou acordos celebrados entre recla-
das na sede da parte autora, nesta cidade, ficou constada a necessidade de
mante e reclamados, conforme o que consta de fls. 46 1/472, 529 e 544/554.
seu deslocamento para a unidade fabril localizada em Linhares - Estado
Como até esta data já efetuou pagamento de despesas visando a elabora- do Espírito Santo.
ção do Laudo Pericial, principalmente com deslocamentos e estadas em
Como à época do planejamento para a realização da prova pericial a parte
outra Comarca, e ainda considerando outras despesas que ocorrerão até o
autora afirmou que todos os documentos se encontravam à disposição nes-
final da prova pericial, vem, respeitosamente, requerer a Vossa Excelência
ta cidade, não houve previsão de verba honorária para viagens para fora
expedição de Mandado de Pagamento no valor de R$ ........................, a
desta comarca.
título de adiantamento, do total de seus honorários que se encontram de-
positados no Banco do Brasil S/A, conta nº 123321. Isto posto, para que seja realizada diligência na cidade de Linhares, e mui-
to respeitosamente, requer depósito do valor de R$ ................., para aten-
Finalizando, e agradecendo a oportunidade, ressalta que permanece à dis-
der despesas com passagens aéreas, hospedagem e locomoção, ficando de
posição dessa ..................... Câmara Cível.
prestar contas por ocasião de seu regresso a esta cidade.
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 61 62 Ril Moura

Nestes Termos 2° - 3% (três por cento) sobre o valor que exceder a R$ 3 .000.000,00 do
Aguarda Deferimento crédito a ser fixado para o sócio PALMIRO DE OLIVEIRA FILHO, que
serão pagos até 30 (trinta) dias da data do recebimento.
Local e data
Fica o economista e contador RIL MOURA autorizado , desde já, a
contratar profissionais com o fim de colaborar na prestação dos servi-
Nome e assinatura do perito ços ora contratados, se necessários, arcando o mesmo com honorários
correspondentes.
Quando se tratar de indicação pelas partes, escolha arbitral ou contra-
tação extrajudicial, devem o perito e o assistente técnico formular carta-pro- Fica eleito o foro desta cidade do Rio de Janeiro para dirimir quaisquer
dúvidas ou pendências nos casos omissos neste contrato.
posta ou contrato, antes do início da execução do trabalho , considerados, pelo
menos, os fatores anteriormente mencionados, tais como: "a) a relevância, o E, por estarem justos e contratados , foi digitado o presente contrato em
vulto, o risco e a complexidade dos serviços a executar; b) as horas estimadas duas vias de igual teor e forma na presença de duas testemunhas .
para realização de cada fase do trabalho; e) a qualificação do pessoal técnico
Rio de Janeiro, dia, mês e ano
que irá particípar da execução dos serviços; d) o prazo fixado, quando indi-
cado ou escolhido; e) a forma de reajuste e de parcelamento, se houver; f) os
laudos interprofissionais e outros inerentes ao trabalho ; g) no caso do assisten-
WILMA GOMES PONCELL
te técnico, o resultado que, para o contratante, advirá com o serviço prestado,
se houver; e h) o local em que o serviço será prestado. OAB-RJ- .................
RILMOURA
3.20. CONTRATOPARAPRESTAÇÃO
DE SERVIÇOSCOMOASSISTENTET~CNICO CORECON l ª Região 2545
CRC - RJ - 9 .786/0-6
CONTRATODE PRESTAÇÃODE SERVIÇOS
DE CONSULTORIA TESTEMUNHAS

Pelo presente instrumento de Contrato de Prestação de Serviços de


Consultoria, e na qualidade de advogado de PALMIRO DE OLNEIRA
FILHO - na Ação Ordinária, processo de número 5.277, que tramita na
...... Vara Cível de Vitória (ES) - fica contratado o economista e conta-
dor RIL MOURA, brasileiro, residente e domiciliado à rua Ribeiro de 3.21. SIGILO
Almeida, 21/302 - Laranjeiras, com escritório â rua Buenos Aires, 2 sala
Cabe ao profissional da contabilidade guardar sigilo sobre o que souber
1.201, nesta cidade, para fornecer consultoria econômico-financeira visan-
em razão do exercício profissional lícito, inclusive no âmbito do serviço públi-
do elaboração de proposta com o fim de serem estabelecidos valores quan-
co, ressalvados os casos previstos em lei ou quando solicitado por autoridades
titativos que venham a refletir a realidade da empresa CARAMBOLAS / A,
competentes, entre essas os Conselhos Regionais de Contabilidade, inciso II
face a exclusão do sócio PALMIRODE OLIVEIRA FILHO da sociedade.
do art. 2° do Código de Ética Profissional do Contador - CEPC - (Resolução
Ficam fixados os honorários do economista e contador RIL MO~ da CFC nº 803/96).
seguinte forma: Esse dever perdura depois de entregue o laudo pericial contábil ou o
1º -2% (doisporcento)a títulodehonoráriosatéovalordeR$ 3.000.000,00 parecer pericial contábil.
do crédito a ser fixado para o sócio PLAMIRO DE OLIVEIRA FTI.,HO, O dever de sigilo subsiste, vigora, mesmo na hipótese de o profissional
que serão pagos até 30 (trinta) dias da data do recebimento; e se desligar do trabalho antes de concluído .
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 63 64 Ril Moura

É permitido ao perito e ao assistente técnico esclarecer o conteúdo do Para o perito, o termo "zelo" refere -se ao cuidado que o mesmo deve
laudo pericial e do parecer técnico somente em defesa da sua conduta técnica dispensar na execução de suas tarefas, em relação a sua conduta, documentos ,
profi ssional, podendo, para esse fim, requerer autorização a quem de direito. prazos, tratamento dispensado às autoridades, aos integrantes da lide e aos
demais profissionais , de forma que sua pessoa seja respeitada, seu trabalho
3.22. RESPONSABILIDADE
E ZELO levado a bom termo e, consequentemente, o laudo pericial contábil e o parecer
técnico-contábil dignos de fé pública.
É dever do perito realizar seu trabalho, a prova pericial, sobre fatos con-
cretos, definidos, analisando-os criteriosamente, com discernimento, em face 3.23. RESPONSABILIDADE
E álCA
de provas idôneas, convenientes, que cabe aos litigantes produzirem, e não A responsabilidade do perito e do assistente técnico decorre da relevân -
mediante simples presunção , suposição - opinião ou juízo baseado nas apa- cia que o resultado de suas atuações podem produzir para a solução da lide,
rências - formada com base em informações questionáveis, e até suspeitas, da contenda.
ofertadas pela parte interessada ~ A responsabilidade ética do perito e do assistente técnico decorre da ne-
O profissional da contabilidade deve exercer a profissão com zelo, dili- cessidade do cumprimento dos princípios éticos, em especial, os estabelecidos
gência~ honestidade e capacidade técnica, observada toda a legislação vigen- no Código de Ética Profissional do Contador, Resolução CFC nº 893.
te, em especial aos Princípios de Contabilidade e as Normas Brasileiras de
Contabilidade, e resguardados os interesses de seus clientes e/ou empregado- 3.24. RESPONSABILIDADE
CIVIL E PENAL
res, sem prejuízo da dignidade e independência profissionais, Inciso I do art. 2° A legislação civil determina responsabilidades e penalidades para o pro-
do Código de ÉticaProfissional do Contador - CEPC (Resolução CFC nº 803). fissional que exerce a função de perito, as quais consistem em multa, indeni-
O perito e o assistente técnico devem cumprir os prazos estabelecidos no zação e inabilitação.
processo ou contrato e zelar por suas prerrogativas profissionais, nos limites de A legislação penal estabelece penas de multa e reclusão para os profissio-
suas funções, fazendo-se respeitar e agindo sempre com seriedade e discrição. nais que exercem a atividade pericial.que vierem a descumprir as normas legais .
De acordo com a lei processual, o perito tem o dever de cumprir o oficio,
no prazo que lbe assina a lei, empregando toda a sua diligência; pode todavia, 3.25. RESPONSABILIDADE
PROFISSIONAL
escusar-se do encargo alegando motivo legítimo. A responsabilidade profissional do perito e do assistente técnico na reali-
O perito e o assistente técnico, no exercício de suas atribuições, respei- zação dos trabalhos periciais compreende:
tar-se-ão mutuamente, vedados elogios e críticas de cunho pe ssoal ou profis-
sional, atendo-se somente aos aspectos técnicos do trabalho executado. (a) cumprir os prazo s fixados pelo juiz em perícia judicial e nos termos
contratados em perícia extrajudicial, inclusive arbitral;
Responderá pelos prejuízo s que causar à parte e ficará inabilitado para
(b) assumi r a responsabilidade pessoal por todas as informações pres-
atuar em outras perícias no prazo de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, independente-
tadas, quesitos respondidos, procedimentos adotados, diligências
mente das demai s sanções previstas em lei, o perito que, por dolo ou culpa, realizadas, valores apurados e conclusões apresentadas no laudo
prestar informações inverídicas, devendo o juiz comunicar o fato ao respecti- pericial contábi l e no parecer técnico-contábil;
vo órgão de classe para adoção das medidas que entender cabíveis. ( c) prestar os esclarecimentos determinados pela autoridade compe-
Tanto o perito como o assistente técnico devem conhecer as respon- tente, respeitados os prazos legais ou contratuais;
sabilidades sociais, éticas, profis sionais e Jegais, às quais estão sujeitos no (d) propugnar pela celeridade processual , valendo-se dos meios que
momento em que aceitam o encargo para a execução de perícias judiciais , garantam eficiência, segurança, publicidade dos atos periciais,
extrajudiciais e arbitrais. economicidade, o contraditório e a ampla defesa;
O termo "responsabilidade" , refere -se à obrigação do perito e do assis- (e) ser prudente , no limite dos aspectos técnico-científicos, e atento às
tente técnico em respeitar os princípios da moral, da ética e do direito, atuando consequências advindas dos seu s atos;
com lealdade, idoneidade e honestidade no desempenho de suas atividades, (f) ser receptivo aos argumentos e críticas, podendo ratificar ou retifi-
sob pena de responder civil, criminal , ética e profissionalmente por seus atos. car o posicionamento anterior.
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 65 66 Ril Moura

A transparência e o respeito reciproco entre o perito e o assistente técnico Comarca da Capital Cartório da 77ª Vara Cível
pressupõem tratamento impessoal, restringindo os trabalhos, exclusivamente,
Endereço: Erasmo Braga 115 sala XYZ
ao conteúdo técnico-científico.
Bairro: Castelo
O perito e o assistente técnico são responsãveis pelos trabalhos da sua
Cidade: Rio de Janeiro
equipe técnica, a qual compreende os auxiliares para execução do trabalho
complementar do laudo pericial e/ou parecer técnico , tais como: digitação em Oficio de Registro: 1º Oficio de Registro de Dis-
tríbuição
geral,pesquisas e análises, cálculos matemáticos e trabalhistas e pesquisas de
Tipo de ação: Declaratória
legislações pertinentes.
Rito: Ordinãrio
Autor MOREIRA DE CASTRO
3.26. ACOMPANHAMENTODE PROCESSOS
LTDA.
Quando da nomeação do perito, independentemente da publicação de Réu ADMINISTRADORADE
sua nomeação no Diário Oficial de cada Estado, funcionários do Cartório, ou CARTÕES DE CRÉDITO
advogados das partes, comunicam o fato ao perito, informando o nome do Advogado(s): RJ1002891 - JOSÉ MARIA
juiz, o dia da nomeação, o nº do processo e o nome das partes. MARIAJOSÉ
O acompanhamento, consulta proce ssua l, andamento, de cada processo RJ0612892 - WALTER
pode ser efetuado através da internet, mediante acesso ao site do Tribunal de LIMA LIMA WALTER
Justiça, inserindo o nº do processo , com impressão ou não das informações, RJ0805893 - OLNEIRA
lembrando que as informações contidas, no documento impresso, não produ- MADEIRA MADEIRA OLI-
VEIRA
zem efeitos legais. Somente a publicação no Diário Oficial oficializa despa-
Movimento: 88
chos e decisões e estabelece prazos.
Tipo do movimento: Atos da Serventia
Atualizado em: 01 /03/2016
3.27. EXEMPLODE CONSULTAPROCESSUAL
Data: 28/02/2016
A seguir, exemplo de impressão de consulta processual obtida pela Descrição: 1- Ao Dr. perito sobre o de-
Internet, com todos os dados disponíveis no site do Tribunal de Justiça. pósito. 2- Ao réu para pros-
seguir.
Publicar: SlDl
Resultado da consulta processual
Data do expediente: 01/03/2016
Data da publicação: 02/03/2016
Folhas do D.O.: 188/ 189
CONSULTAPROCESSUAL-NÚMERO - PRIMEIRAINSTÂNCIA
Processo(s) no Tribu- 2015.408.03297
nal de Justiça:
[D - Localização na ser- E44P8
ventia:
As informaçõesaqui contidas não produzem efeitos legais.
Somente a publicação no D.O. oficializadespachos e decisões e estabeleceprazos.
Os autos de processos findos terão como destinação final a guardapermanente ou
a eliminação, depois de cumpridos os respectivos prazos de guarda definidos na
Processo Nº 2015.408.138369-0 Tabela de Temporalidade de Documentos do PJERJ

TJ/RJ - 04/ 12/ 2016 14:44:44- Primeira instância - Distribuído em


06/01/2016
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 67 68 Ril Moura

CONSULTAPROCESSUAL- NÚMERO- PRIMEIRAINSTÂNCIA SITUAÇÃO ATUAL


MOVIMENTO: 70
TIPO DO MOVIMENTO: DIGITAÇÃODE DOCUMENTOS
DATADA EXPEDIÇÃO: 29/11/2007
Pode, ainda, o acompanhamento, andamento, de cada processo ser me-
diante a obtenção de BOLETAS em máquinas eletrônicas, isto é, através de DOCUMENTOS DIGITADOS: MANDADO DE PAGAMENTO- BANCO
terminais de auto atendimento, terminais localizadas em várias dependências DA ESPERANÇANº 6/28/2008/MPG.
do Fórum, em algumas locaHdades,onde podem ser obtidas consultas a anda-
SENHOR ADVOGADO: O MANDADO DE PAGAMENTOAINDA SERÁ
mentos de processos por número, por nome ou OAB.
ASSINADO PELO JUIZ E RECOLIITDOPELO BANCO DO BRASIL NO
PRÓXIMODIAÚTIL.AGUARDE2DIASÚfBISAPÓSORECOLHilvlENTO
PELO BANCO PARA CO:MPARECERÀ AGtNCIA . ANOTE O NÚMERO
3.28. EXEMPLODE INFORMAÇÕES
OBTIDASATRAVtSDE"BOLETAS
"
DO MANDADO PARA O ATENDilvIENTO.AVISO AO ADVOGADO:
DESPACHO DE FLS. 323 PUBLICADO NO D.O. (FLS. 85/86) NO DIA
25/11/2008, CONFORME CERTIDÃO DE FLS. 324. LOCALIZAÇÃO NA
••• TJERJ •••
SERVENTIA:C 8 - PROCESSONO TJ: 2008.001.25290.

PROCESSO Nº 2015.001.418802-l
Outro modo de acompanhar o andamento dos processos, é através do
cadastro do perito no Tnõunal de Justiça, bem como da inclusão do número de
COMARCADA CAPITAL- CARTÓRJODA ...ª VARAcivEL - EMITIDO cada processo, informando o Tribunal de Justiça, através de e-mail do perito,
EM 31/11/2014- 15:41:08 TERMINAL963 - DISTRIBUÍDOEM 03/04/2007 todo o andamento de cada processo, quando houver movimentação.
- ERASMO BRAGA 115 SALA 318 L - CASTELO - RIO DE JANEIRO -
CEP 20020-000 - OFÍCIO DE REGISTRO: 2ª OFÍCIO DE REGISTRO DE 3.29. EXEMPLOSDE ANDAMENTODE PROCESSOS
INFORMADOPELOTRIBU-
DISTRIBUIÇÃO- TIPO DE AÇÃO: DECLARATÓRIAC. C. REPETIÇÃO NAL DEJUSTIÇAATRAV~SDE E-MAIL
DE INDÉBITO E PERDA E DANOS - RITO: ORDINÁRIO.

AUTOR: BICO DOCE LIDA . Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro - Sistema de Informação
RÉU: PARAÍSO PERDIDO S/A Automática por E-mail.
O texto deste e-mail não foi acentuado propositalmente.
ADVOGADO(S): As informações aqui contidas não produzem efeitos legais .
OP0000001 - DEFENSORIAPÚBLICA Somente a publicação no D. O. tem validade para contagem dos prazos.
RJ0611287 - GILSON NETTO
RL08 l 257 l - ANTUNES PESSOA GUIMARÃES Prezado(a) Sr(a) RILMOURA.
MOVIMENTOSANTERIORES Conta/Lote: 0652897-3.
04/ 11/2008: REMESSA Consulta realizada no dia 21/01/2009 às 01:45.
08/ 11/2008: JUNTADA Segue o último movimento dos processos cadastrados na sua conta.
18/ 11/2007: CONCLUSÃOAO JUIZ
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 69 70 Ril Moura

*** PROCESSOSDA PRIMEIRAINSTÂNCIA***


Processo N° 2007.530.033772-4
Processo Nº 2008.001.055526-4 TJ/RJ - 21/01/2016 Primeira instância
TJ/RJ - 21/01/2009 Primeira instância Distribuído em 28/06/2014
Distribuído em 02/01/05 Comarca de Nova Iguaçu - Cartório da 1ª Vara Cível
Comarca da Capital - Cartório da 1oaVara Cível
Endereço: Dr. Mario Guimarães, 968
Endereço: Erasmo Braga, 115 sala 306 J Bairro: da Luz
Bairro: Castelo Cidade: Nova Iguaçu
Cidade: Rio de Janeiro CEP: 26255-230
CEP: 20020-000
Tipo de ação: Dissolução de Sociedade
Localização na seiventia: Casa Tipo de rito: Ordinário
Aviso ao advogado: ESTANTE G
Tipo de ação: Dissolução de sociedade Autor: JUNIOR ESTEVES
Tipo de rito: Ordinário Réu: JOSE SILVEIRA(ESPÓLIO)

Autor: GRÁFICA SEIS IRMÃOS LTDA Movimentos anteriores


Reu: JOSÉ ASSUNÇÃO E OUTROS
52) Conclusão ao juiz
Movimentos anteriores Data da Conclusão: O1/ 12/2008
51) Atos da Serventia
108) Conclusão ao juiz 50) Juntada
Data da Conclusão: 05/12/2008 Data da Juntada: 25/09/2008
107) Juntada
Data da Juntada: 12/ 12/2008 Último Movimento: 53
106) Juntada Fase: Vista ao Advogado
Data da Juntada: 10/ 12/2008 Advogado: Roberto da Silva Xavier - RJ06118618
Último Movimento: 109 Data da Remessa: 09/ 12/2008
Fase: Digitação de Documentos Prazo: 5
Atualizado em: 09/12/2008 Data da Devolução: Não devolvido.
Data: 07/ 12/2008 Documentos digitados: Vista de Autos
Documentos digitados : Aditamento a Mandado nº 10/71/2008/ADT
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 71 72 Ril Moura

Texto da Decisão: Processo nº 2008.001.035872-0 Autor: MARIO


Processo N° 2008.001.035872-0 ANTUNES GORE - (Adv. Luciano Pereira Fernandes, OAB/RJ 811045)
TJ/RJ - 21/01/2009 Primeira instância Réu: FUNDAÇÃO SOCIAL FUNSOCIAL -(Adv. Marta Mesquita de Souza,
OAB/RJ 887752) Preposto: Tarzan Jane. ASSENTADA (Audiência de
Distribuído em 26/04/2008
Conciliação)Aos sete dias do mês de dezembro do ano de dois mil e sete, na
Comarca da Capital - Cartório da 68ª Vara Cível Sala de Audiências da Quadragésima Oitava Vara Cível da Capital, perante o
MM . Juiz de Direito titular,(Nome do juiz). Feito o pregão compareceram as
partes e advogados conforme acima mencionado. Proposta a conciliação esta
Endereço: Erasmo Braga, 115 sala 611 D foi rejeitada. A ré apresentou contestação da qual teve vista a parte contraria. A
douta patrona da empresa rerequereu exclusivamente a prova pericial. Em se-
Bairro: Castelo guida pelo MM. Juiz foi proferida a seguinte DECISÃO: A empresa ré afirma
Cidade: Rio de Janeiro que o valor antecipado a título de AFA foi unicamente atualizado pelo INPC
sem a inclusão de qualquer valor a título de juros . O douto patrono do autor
concorda com ... <Mais informações no cartório>.
Localização na serventia: 8/9
Tipo de ação: Obrigação de fazer Alguns Cartórios e alguns Tribunais também se comunicam com o perito
Tipo de rito : Ordinário através de INTIMAÇÕES, como se vê a seguir.

3.30. EXEMPLO
DECOMUNICAÇÃO
AOPERITO
ATRAViSDEMANDADODEIN-
TIMAÇÃO
Autor: MAR.IO ANTUNES GORE
Réu: FUNDAÇÃO SOCIAL FUNSOCIAL
Movimentos anteriores

27) Juntada de AR
Data da Juntada: 16/ 11/2008
26) Digitação de Documentos
25) Atos da Serventia
PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA FEDERAL
Último Movimento: 28
Seção Judiciária do Rio de Janeiro
Fase: Decisão emAudiência DÉCIMA................VARAFEDERAL
Atualizado em: 21/01/2009
Av. Rio Branco 243, Anexo II - 10º andar - Centro
Juiz : (Nome do Juiz)
CEP 20040-009 - Rio de Janeiro- RJ
Data da Decisão: 07/12/2009 Tel. (Oxx2l) 2510-8173 / Fax. (Oxx21)2510-8172
Pública (S/N) N
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 73 74 Ril Moura

MAND ADO DE INTIMAÇÃ O 3.31. UTILIZAÇÃODETRABALHODE ESPECIALISTA


O perito e o assistente técnico podem valer-se de especialistas de outras
áreas na realização do trabalho, desde que parte da matéria objeto da pericia
. .
Situa ção: ____ _ assun o requerra .
Pode, o perito , requerer ao juiz a indicação de especialistas de outras
Área: âreas que se fizerem necessárias para a execução de trabalhos específicos.
Ressalte -se que, se o perito , por qualquer razão neces sitar da partici -
pação em seu trabalho de equipe técnica ou trabalho de especialistas, a sua
responsabilidade não é transferida .
Nº MAN.0017 .17122171-2 015 O perito e o assistente técnico ao contratarem os serviços de profissionais
de outras profissões regulamentadas , devem certificar-se de que os mesmos se
11111111 11111
.... . -··-------
._
111 11111111
· --· · --- -
encontram em situação regular no seu conselho profissional.
São exemplos de laudos interprofi ssionais para subsidiar a pericia contá-
bil, além de outro s:
a) de engenharia para avaliação de bens do ativo imobilizado;
Processo : ORDINÁRWIMÓVE IS nº 2015.Sl .01.171171-1 b) de medicina para subsidiar a Pericia Contábil em cálculo de
Autor: NETO HENRIQUE indenização de perdas e danos causado por acidente do trabalho ou
para apuração de danos emergentes ou lucros cessantes;
Réu: LAMBARI DO RIO SECO
c) de perito criminal em documento s cópia para reconhecer a autenti-
cidade ou a falsidade de documentos ;
Intimando: RIL MOURA (perito) d) de gemologia para avaliação de jóia s, pedras preciosas, semi-pre-
Endereço: RUA BUENOS AIRES 02 / 1201 - CENTRO ciosas com o fim de apurar valores para avaliação patrimonial;
FINALIDADE : INTIMAÇÃ O PARA INÍCIO DA PERÍCIA CONFORME e) de especiali sta em obras de artes com o fim de apurar valores para
O R. DESPACHO PROFERIDO NOS AUTOS EM EPÍGRAFE E QUE avaliação patrimonial.
SEGUE ABAIXO TRANSCRITO.
O perito e o assistente técnico também são responsáveis pelo s trabalhos
DESPACHO: realizados por especialista contratado para a realização de parte da pericia que
exija conhecimento específico em outras áreas do conhecimento humano . Tal
"Fls. 222: Aguarde-se o depósito dos honoráriospericiais.
obrigação assumida pelo perito perante o julgador ou contratante não exime o
Depositados, intime-se o Dr. perito para início dos trabalhos. " especialista contratado da responsabilidade pelo trabalho executado .
Expedido por ordem do(a) MM . Juiz(a) Federal desta Décima ............ Vara
Federal , Dr(a) ............... .. O que o cumpra, observadas as formalidades legais. 3.32. CADASTRONACIONALDE PERITOSCONTÁBEIS(CNPC)
Eu, .........., ANALISTA JUDICIÁRIO, digitei , nesta cidade do Rio de Janeiro. A Resolução CFC Nº l .S02, de 19 de fevereiro de 2016, dispõe sobre
em. 18 de dezembro de 2015, e eu, .............. Diretora de Secretaria, o subscre- o Cadastro Nacional de Peritos Contábeis (CNPC) do Conselho Federal de
vo e assino, por ordem do MM . Juiz Federal. Contabilidade (CFC) e dá outras providências .
O CONSELHO FED ERAL DE CONTABILIDADE , no exercício de
suas atribuições legais e regimentais , considerando de outro s, o disposto na
Nome e assinatura Lei nº 13.105 , de 16 de março de 2015 , Código de Processo Civil brasileiro ,
Diretor(a) de Secretaria em seu art. 156, que dispõe que o juiz será assistido por perito e que determina
aos tribunai s a realização de consultas aos conselhos de classe para formação
CAPÍTULO
3. NORMAS
E PROCEDIMENTOS
DOPERITO 75 76 Ril Moura

de seu cadastro de profissionais legalmente habilitados; as NBC PP 01 e NBC transitada em julgado; IV - tiverem os seus registros baixados pelos CRCs; e
TP 01, ambas de 27 de fevereiro de 2015; e o disposto no Decreto-Lei nº V - não atingirem, anualmente, a pontuação mínima exigida no Programa de
9.295, de 27 de maio de 1946, em seu art. 6°, alínea "f', alterado pela Lei Educação Profissional Continuada, nos termos do art. 7°.
n.º 12.249, de 11 de junho de 2010, que compete ao CFC regular acerca do
Com o objetivo de aferir o nível de conhecimento e a competência neces-
Cadastro de Qualificação Técnica e do Programa de Educação Continuada e
sários ao contador que pretende atuar na atividade de perito contábil, a Norma
editar normas brasileiras de contabilidade de natureza técnica e profissional,
Brasileira de Contabilidade, NBC PP 02, de 21 de outubro de 2016, díspõe
resolveu criar o Cadastro Nacional de Peritos Contábeis (CNPC) do Conselho
sobre o Exame de Qualificação Técnica (EQT) para perito contábil, em vigor
Federal de Contabilidade (CFC).
a partir de 1º de janeiro de 2017.
Conforme prevê a Resolução 1.502, os contadores que exercem ativi-
dades de perícia contábil terão até 31 de dezembro de 2017 para se cadastra-
3.33. EDUCAÇÃOCONTINUADA
rem no Cadastro Nacional de Peritos Contábeis (CNPC) do CFC, por meio
dos portais dos Conselhos Regionais de Contabilidade (CRCs) e no portal do Para que os profissionais possam obter constante qualidade em seus tra-
CFC, inserindo todas as informações requeridas. balhos, devem estar sempre se atualizando, se especializando, mantendo ade-
De acordo com o § 1° da referida resolução, para a validação do cadastro, quado nível de competência profissional.
o contador deverá comprovar experiência em perícia contábil, anexando, no Hoje, mais do que antes, e em qualquer local, constata-se que o mercado
mínimo, um dos documentos a seguir: globalizado está a exigir, cada vez mais, profissionais gabaritados, especializa-
I - cópia da Ata ou Despacho Judicial, contendo a nomeação e o protocolo de dos, tendo em vista que, em quaisquer segmentos dos mercados, quer nacio-
entrega do laudo pericial para comprovar a sua atuação como perito do juízo; nais, quer internacionais, a demanda por esses profissionais vem crescendo, de-
vendo os contadores buscar especializações em cursos de educação continuada.
II - cópia da Petição com a indicação formal e o protocolo de entrega do
Parecer Técnico Pericial para comprovar a atuação como perito assistente in- Em conformidade com o art. 7° da Resolução CFC nº l .502, a perma-
dicado pelas partes no processo judicial; nência do profissional no CNPC estará condicionada à obrigatoriedade do
cumprimento do Programa de Educação Profissional Continuada, que será
m - cópia do documento que formalizou sua contratação e a entrega do laudo regulamentado pelo CFC.
pericial ou do Parecer Técnico Pericial para comprovar atuação como perito O profissional, no exercício de suas atividades, deve comprovar a parti-
em demandas extrajudiciais que envolvam formas alternativas de solução de cipação em Programa de Educação Profissional Continuada, na forma a serre-
conflitos; gulamentada pelo Conselho Federal de Contabilidade, em conformidade com
N - cópia do ato relativo à sua nomeação ou certidão emitida por órgão poli- a Resolução CFC nº 1.502, de 19 de fevereiro de 2016.
cial para comprovar sua atuação como perito oficial em demandas de natureza Dessa forma, como competência técnico-profissional, o contador, na fun-
criminal. ção de perito ou de assistente técnico, deve manter adequado nível de compe-
tência profissional, atualizando-se permanentemente, mediante programas de
O ingresso no CNPC, a partir de 1º de janeiro de 2017, estará condicionado à
capacitação, treinamento e especialização.
aprovação em exame específico, regulamentado pelo CFC.
A permanência do profissional no CNPC estará condicionada à obrigatorieda-
de do cumprimento do Programa de Educação Profissional Continuada, que
será regulamentado pelo CFC.
Estabelece o art. 8º da mesma resolução: serão baixados do CNPC os profissio-
nais que: I - solicitarem a baixa; II - forem suspensos do exercício profissional,
nos termos das alíneas "d" e "e" do art. 27 do Decreto-Lei nº 9.295/1946, em
decisão transitada em julgado; m - forem cassados do exercício profissional,
nos termos da alínea "f' do art. 27 do Decreto-Lei nº 9.295/ 1946, em decisão
78 Ril Moura

O juiz não pode decidir , em grau algum de jurisdição, com base em ftm-
4. AÇÃO - MEIO PROCESSUAL damento a respeito do qual não se tenha dado às partes oportunidade de se
manifestar, ainda que se trate de matéria sobre a qual deva decidir de oficio
Em confonnidade com o Código Civil - CC, toda e qualquer pessoa pode
ser sujeito ativo ou passivo de uma relação jurídica . Entretanto , mister se faz dis-
tinguir a capacidade de direito ou de gozo da capacidade de fato ou de exercício .
A primeira refere- se à capacidade de a pessoa ser titular ou sujeito de direito s;
4.1. PRELIMINARES
todos a têm. Quanto à segunda , é a capacidade que tem a pessoa de agir por si
Entende-se por ação, o meio processual através do qual se pode reclamar mesma nos atos da vida civil, sendo adquirida pela emancipação ou maioridade.
à justiça o reconhecimento, a declaração, a atribuição ou efetivação de um Nas declarações de vontade se atenderá mais à intenção nelas consubs-
direito , ou, ainda, a punição de um infrator das leis . tanciada do que ao sentido literal da linguagem , art . 112 do CC . Os negócios
Através de uma ação, tem-se a faculdade de invocar o poder jurisdicio- jurídicos devem ser interpretados confonne a boa-fé e os usos do lugar de sua
nal do Estado para fazer valer um direito que se julga ter. celebração, art. 113 do CC ..
Em conformidade com o Novo Código de Processo Civil - NCPC , o pro-
cesso civil será ordenado , disciplinado e interpretado conforme os valores e as 4.2. TIPOSDE AÇÕES
normas fundamentais estabelecido s na Constituição da República Federativa
do Brasil, observando-se as disposições deste Código. Vários são os tipos de ações, das quais destacamos :
Toda pessoa que se encontre no exercício de seus direitos tem capaci- ALIMENTOS , ANULATÓRIA , APURAÇÃO DE HAVERES , ARRESTO ,
dade para estar em Juízo . Para postular em Juízo é necessário ter interesse e BUSCA E APREENSÃO, COBRANÇA, COMINATÓRIA, CONSIGNA-
legitimidade .
ÇÃO EM PAGAMENTO , DECLARATÓRIA , DESPEJO POR FALTA DE
Por iniciativa da parte o processo começa, e se desenvolve por impulso PAGAMENTO, DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE DE FATO, EMBAR-
oficial, salvo as exceções previstas em lei. GOS À EXECUÇÃO , EMBARGOS À PENHORA , EMBARGOS DE DE-
Caberá ao juiz , de oficio ou a requerimento da parte , determinar as pro- VEDOR , EMBARGOS DE RETENÇÃO , EMBARGOS DE TERCEIROS,
vas necessárias ao julgamento do mérito. EXECUÇÃO DE OBRIGAÇÃO A FAZER, EXECUÇÃO DE TÍTULO
O Estado promoverá, sempre que possível , a solução consensual dos EXTRAJUDICIAL , EXECUTÓRIA , EXIBIÇÃO DE DOCUMENTOS ,
conflito s. INDENIZATÓRIA, IMISSÃO DE POSSE, IMPUGNAÇÃO AO VALOR
A conciliação , a mediação e outros métodos de solução consensual de DA CAUSA, MEDIDA CAUTELAR INOMINADA, MONITÓRIA, NOTI -
conflitos deverão ser estimulados por juízes , advogados , defensores públicos FICAÇÃO, NUNCIAÇÃO DE OBRA NOVA, OBRIGAÇÃO DE FAZER,
e membro s do Ministério Público , inclusive no curso do processo judicial. OPOSIÇÃO , ORDIN~ OUTRAS NÃO ESPECIFICADAS, PERDAS E
Tê~ as partes , o direito de obter em prazo razoável a solução integral do DANOS, POPULAR , PRESTAÇÃO DE CONTAS, REINTEGRAÇÃO DE
mérito, incluída a atividade satisfativa. POSSE, RENOVATÓRIA, REPARAÇÃO DE DANOS, REPETIÇÃO DE
Aquele que de qualquer forma participa do processo deve comportar -se INDÉBITO , RESCISÓRIA, RESPONSABILIDADE CIVIL, REPARAÇÃO
de acordo com a boa -fé . Todos os sujeitos do proce sso devem cooperar entre DE DANOS , REVISÃO DE CLÁUSULAS CONTRATUAIS, RENOVATÓ-
si para que se obtenha , em tempo razoável , decisão de mérito justa e efetiva. RIA ; REVISÃO DE BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO , REVISIONAL , SU -
Ao aplicar o ordenamento jurídico , o juiz atenderá aos fins sociais e às MÁRIA, SUSPEIÇÃO, TRABALHISTA e USUCAPIÃO.
exigência s do bem comum, resguardando e promovendo a dignidade da pes-
soa humana e observando a proporcionalidade, a razoabilidade, a legalidade , A jurisdição civil é exercida pelos juízes e pelos tribunais em todo o ter-
a publicidade e a eficiência . ritório nacional , conforme as disposições do NCPC.
Não se proferirá decisão contra uma das partes sem que ela seja previa- Para postular em Juízo é neces sário ter interesse e legitimidade .
mente ouvida . Estabelece o art 18 do NCPC: "Ninguém poderá pleitear direito alheio
em nome próprio , salvo quando autorizado pelo ordenamento jurídico ."
77
CAPÍTULO
4. AÇÃO- MEIOPROCESSUAL 79 80 Ril Moura

O interesse do autor - aquele que inicia a ação, aque le que propõe a ação 4.4. DESPACHO
- pode limitar-se à declaração: da existência, da inexistência ou do modo de
São despachos todos os pronunciamentos do juiz praticados no processo,
ser de uma relação jurídica; da autenticidade ou da falsidade de documento .
de oficio ou a requerimento da parte.
De acordo com o Novo Código de Processo Civil - NCPC, são deveres,
Os atos meramente ordinatórios, como a juntada e a vista obrigatória,
além de outros previstos nesse Código, das partes (autora e ré), de seus pro-
independem de despacho, devendo ser praticado de oficio pelo servidor do
curadores e de todos aqueles que de qualquer forma participem do processo:
cartório e revistos pelo j uiz quando necessário.
I - expor os fatos em Juízo conforme a verdade;
Não sendo processo eletrônico, para que o j uiz possa se manifestar , isto
II - não formular pretensão ou de apresentar defesa quando cientes de é despachar, na primeira página das petições é necessário que haja espaço
que são destituídas de fundamento; em branco de dez a quinze linhas, aproximadamente, entre o endereçamen-
III - não produzir provas e não praticar atos inúteis ou desnecessários à to ao juiz de Direito da Vara, ao desembargador , ou presidente da Junta de
declaração ou à defesa do direito; Conciliação e Julgamento , e o inicio do teor da petição .
IV - cumprir com exatidão as decisões jurisdicionais, de natureza provi- Os despachos, as decisões interlocutórias, o dispositivo das sentenças e a
sória ou final, e não criar embaraços à sua efetivação; ementa dos acórdãos serão publicados no Diário de Justiça Eletrônico
V - declinar, no primeiro momento que Jhes couber falar nos autos, o en-
dereço residencial ou profissional onde receberão intimações, atualizando essa 4.5. TRAMITAÇÃODE UMA AÇÃO
informação sempre que ocorrer qualquer modificação temporária ou definitiva;
De um modo geral, dependendo do tipo da ação, são vários os passos
VI - não praticar inovação ilegal no estado de fato de bem ou direito
na tramitação de uma ação, destacando-se, além de outros, os seguintes:
litigioso.
Peça Inicial; Despacho Liminar de conteúdo positivo ("cite-se"); Concessão
Não basta simplesmente a propositura de uma ação qualquer . Ela precisa de Liminar/Tutela antecipada; Contestação; Impugnação de valor da causa;
parecer viável e demonstrar de modo logicamente aferível como se chegou à Decisão; Exceção de incompetência; Reconvenção; Denunciação à Lide;
justa pretensão. Deferimento de Denunciação; Intervenção de 3° (Oposição/Assistência);
Réplica; Contestação do Denunciado; Resposta à Reconvenção; Designação
4.3. LITIGANTEDE MÃ-Ff de Audiência de Conciliação; Saneador; Perícia; Quesitos do juiz; Quesitos
das partes; Laudo Pericial; Parecer dos Assistentes Técnicos; Pedido de
Responde por pe rdas e danos aquele que litigar de má-fé como autor, réu Esclarecimentos; Impugnação do Laudo Pericial; Designação da Audiência
ou interveniente. de Instrução e Julgamento; Ata da Audiência; Memorial das partes; Sentença;
Considera-se litigante de má-fé aquele que: Embargos de Declaração; Apelação; Contrarrazões; Agravo Retido; Agravo
I - deduzir pretensão ou defesa contra texto expresso de lei ou fato de Instrumento; Acórdão; Cite-se em Execução ; Embargos de Devedor.
incontroverso; Apresentamos, a seguir, exemplo de uma ação ajuizada, evidenciando
II - alterar a verdade dos fatos; a petição inicial (também conhecida por exordial, peça vestibular, peça ins-
III - usar do processo para conseguir objetivo ilegal; tauradora, peça de ingresso, peça inaugural; peça preambular, peça incoativa,
IV - opuser resistência injustificada ao andamento do processo; peça iniciativa); a citação (dois exemplos, o primeiro, citação via postal, o se-
V - proceder de modo temerário em qualquer incidente ou ato do processo; gundo, citação através de oficial de Justiça~ contendo Certidão); a contestação
(também conhecida por peça de bloqueio, peça de resistência, peça obstativa,
VI - provocar incidente manifestamente infundado;
peça contestatória, peça de combate), para as duas petições , a título de exem-
VII - interpuser recurso com intuito manifestamente protelatório .
plo, como pode ser observado, existe um espaço em branco que normalmente
De oficio ou a requerimento, o juiz condenará o litigante de má-fé a pagar varia entre 1Oa 15 linhas destinado ao despacho do juiz , fato que , por econo-
multa, que deverá ser superior a um por cento e inferior a dez por cento do valor mia, deixaremos de considerar em outros exemp los de petições, apresentando,
corrigido da causa, a indenizar a parte contrária pelos prejuízos que esta sofreu ainda, modelo de uma capa de processo, utilizada em alguns cartórios .
e a arcar com os honorários advocatícios e com todas as despesas que efetuou.
CAPÍTULO
4. AÇÃO- MEIOPROCESSUAL 81 82 Ril Moura

4.6. EXEMPLODE PETIÇÃOINICIAL


Pior , ainda , foi a constatação dos Representantes Legais da Empresa
que, ao solicitarem do contador os camês e guias do INSS para agilizar
EXCELENT ÍSSIMO SENHOR DO UTOR JUIZ DE DIREITO DA suas aposentadorias, descobriram que deviam muito àquele Órgão e não
.......... VARACÍVELDA COMARCADA CIDADE DO ...................... . poderiam se aposentar .
................ Os representantes legais da empresa, ÁLVARO VIEIRA e sua esposa
DULCE DA COSTA E SILVA com 63 e 60 anos de idade, viram-se em
situação constrangedora, inadimplentes e sem chances de se aposentarem .
Processo nº
Ação: Perdas e Danos Diante do exposto requer a Vossa Excelência o seguinte:
Autor: Bar Glória Ltda. a) Citação do réu para, querendo, conteste a presente Ação que julgará pro-
Réu: Banco Esperança S/A cedente o pedido da autora qu e é:
b) Condenação no pagamento do valor de todos os cheques pagos inde-
BAR GLÓRIA LTDA, neste ato representado por seu sócio-gerente vidamente, acrescido de juros e correção monetária a partir da data do
ÁLVARO VIEIRA , brasileiro , residente e domiciliado nesta Cidade à Rua pagamento;
......... ., n º 361/302, portador da Carteira de Identidade nº ..... , expedida
c) Condenação nos honorários advocatícios e custas judi ciais mais;
pelo Ministério da Marinha e do CPF nº .. .. .. ..... , por seu advogado infra-
-assinado, ve~ muito respeitosamente, perante Vossa Excelência, propor a d) A condenação nas perdas e danos cujo valor não deverá ser
presente AÇÃO DE PERDAS E DANOS contra o BANCO ESPERANÇA inferior a 1.000 (hum mil) salários-mínimos .
S/A, com sede nesta Cidade à Rua Tal, nº 94, 28º andar - Centro, pelo s
motivos que passa a expor: Protesta por todos os meios de provas em direito admitidos, especialmente
pelo depoimento pessoal do representante legal do réu, oitiva de teste-
O autor efetuou diversos pagamentos referentes a impostos - ISS, Confins, munhas, juntada de docwnentos, perícia e oficio ao Banco Harmonia S/ A,
Contnbuição Social, PIS, Imposto de Renda e INSS - através de cheques Agência nº ... .., para que remeta cópias dos cheques indevidamente pagos .
do Banco Harmonia S/A nominativos ao banco réu e entregues ao contador
Dr. (nome do contador). Dá-se à presente o valor de R$ 40.000,00 (quarenta mil reai s) para os devi-
dos e legais efeitos .
No verso dos referidos cheques sempre um dos Representantes legai s da
autora informava a destinação dos mesmos , datava e assinava .
Termos em que,
Ocorre que muitos dos cheques emitidos foram grosseiramente adulterados Pede deferimento.
e pagos.
Note -se, porém , que a adulteração é grosseira e fácil de ser constatada e Loca l e data
a autora custa a acreditar que o banco réu tenha deixado passar tamanhas
falcatruas. Nome e assinatura do advogado
OAB / .. ..
O banco réu é responsável pelo pagamento destes cheques grosseiramente
adulterados.
Foram muitos os cheques adulterados, sem o seu conhecimento o que fez
com que a empresa autora ficasse inadimplente com diversos Impostos,
ocasionando a paralisação das suas atividades, causando prejuízos
incalculáveis .
CAPÍTULO
4. AÇÃO- MEIOPROCESSUAL 83 84 Ril Moura

4.7. EXEMPLODE CITAÇÃO- VIA POSTAL


ADVERTÍNCIA
Não sendo contestada a ação, presumir-se-ão aceitos pelo réu, como verda-
CITAÇÃO deiros, os fatos articulados pelo autor (Art . 374 do NCPC).
Eu, (NOME DA PESSOA) - mat........... TÉCNICO(A) JUDICIÁRIO(A)
ESTADO DE ......... .. .
JURAMENTADO(A), conferi a presente e, sob a minha responsabilida-
PODERJUDICIÁRIO de, foi certificado nos autos a sua expedição, com os documentos que o
JUÍZO DE DIREITO DA .... VARACÍVEL integram.
DA COMARCADA CAPITAL
Endereço: ............ .. Local e data

MANDADO DE CITAÇÃO Nome e assinatura


ASSINO POR ORDEM DO M1vIDr. JUIZ DE DIREITO
= Via Postal =
Processo nº .. .. .... .... .
Ação: ORDINÁRIA 4.8. EXEMPLODE CITAÇÃO- ATRAVtSDE OFICIALDEJUSTIÇA
Parte autora: Bar Glória Ltcla.
Parte ré: Banco Esperança S/A CITAÇÃO
O JUIZ DE DIREITO - DR. (NOME DO JUIZ), em exercício neste Juízo,
MA N D A que se proceda, por via postal, a citação e intimação das pessoas
abaixo indicadas e qualificadas na petição inicial, em anexo, que faz parte PODER JUDICIÁRIO
integrante deste mandado, para obediência ao despacho do teor seguinte: JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
COMARCADA CAPITAL
VIGÉSIMAVARADE ÓRFÃOS E SUCESSÕES
DESPACHO ESCRIVÃO: .. .... ........ .... ... .
CITE-SE SUBSTITUTO: .. ...... ........ ...... ..... ..
·------ ·------------ Mandado nº 10001
Processo nº 2015.001.952741-8
LOCALDADILI<it,NCIA
Rua Tal, 194, 28º andar - Centro
Nesta Mandado de Citação
CEP-------
Escrivão da VigésimaVara de Órfãos e Sucessões da Cidade
PRAZO PARA RESPOSTA: ..... DIAS do Rio de Janeiro, Capital do Estado do Rio de Janeiro, República
Federativa do Brasil.
CAPÍTULO
4. AÇÃO- MEIOPROCESSUAL 85 86 Ril Moura

4.9. EXEMPLODE PETIÇÃOCONTESTATÕRIA


De ordem do MM. Juiz, mando ao senhor oficial de Justiça deste Juízo,
que em cumprimento ao presente, se dirija à Rua Presidente Vargas, 200,
loja H e cite o senhor ABX, inventariante dos bens deixados pela finada EXCELENTÍSSIM O SENH OR DO UT OR JUIZ DE DIREIT O DA
EBX, para contestar, querendo, em cinco dias, a ação de prestação de con- ......... VARA CÍVEL DA COMARCA DA CIDAD E DO .......... .............. .
tas proposta por EFG e HIJ , processada em apenso aos respectivos autos do
inventário, sob pena de não o fazendo serem aceitos como verdadeiros os
fatos articulados pelo autor na peça inicial que adiante segue por cópia. O Processo nº
que cumpra. Rio de Janeiro, vinte e oito de fevereiro de dois mil e oito. Eu, Ação: Ordinária
( .. .. .. ... .... ) TJJ - Responsável pelo Expediente - mat. 08.32.322 - digitei Autor: Bar Glória Ltcla.
o presente mandado de citação. Réu: Banco Esperança S/A

Nome e assinatura
BANCO ESPERANÇA SIA, instituição financeira inscrita no CNPJ sob o
Responsáve l pelo Expediente nº .. .... . ./0001-40, portadora da Carta Patente nº .. ..., com sede na Cidade
de Belo Horizonte/MO, e filial na Rua ... ......., 99, Zona Sul, ..... .. ... ,
por seus advogados (UT instrumento de mandato), que, para efeitos do ar-
CusmsdosatosdeQficial deJustiçarecolhidas atravésdo tigo l 06, inciso I, do NCPC, declaram que receberão intimações na Rua
Gred -9-valorR$ Tal, 194, 28° andar, vem, nos autos da ação promovida por BAR GLÓRIA
AVENIDA ERASMO BRAGA, NÚMERO 115 - CENTRO LTDAapresentar sua CONTESTAÇÃO à pretensão inicial, aduzindo, para
tanto, as seguintes razões de fato e de direito:
DAPRETENSÃ
O AUTORAL
A autora propôs a presente ação, alegando, em suma, que o banco réu aca-
tou indevidamente seus cheques, haja vista que estavam adulterados.
Sendo assim, como não se sente responsável pelo ocorrido, requer indeni-
CERTIDÃO
zação por danos morais e materiais.
Certifico e dou fé que nesta data, em cumprimento ao r. mandado, dirigi-me à
Rua PresidenteVargas, 200, loja H, e estando ai, às 14:28horas, após ler o man- PRELIMINARMENTE DA ILEGITIMIDADE PASSIVA
dado em seu inteiro teor, citei o Sr. ABX, que recebeu a contrafé e exarou ciente. Ad causam
Rio de Janeiro, 29/11/2015
O banco réu é parte ilegítima para figurar no polo passivo da presente
demanda.
Nome e assinatura
Oficial de Justiça É regra básica em que se lastreia o direito processua4 que só tem legitimi-
Mat. 08/51689 dade para ser parte aquele que foi sujeito da relação de direito material, cujo
conflito de interesses há de ser composto em Juízo.
A relação jurídica em causa na presente ação é a que foi estabelecida en-
tre o autor (TITULAR e EMITENTE DO CHEQUE) e o Banco Harmonia
(BANCO SACADO), com a qual não possui qualquer vínculo o banco réu.
CAPÍTULO
4. AÇÃO- MEIOPROCESSUAL 87 88 Ril Moura

DA DENUNCIAÇÃO À LIDE Sendo assim, repugna-se com veemência qualquer irregularidade praticada
pelo réu e/ou alegada pela autora.
O réu, vem requerer, ainda em preliminar, que seja determinada a CITAÇÃO Não se vislumbra, na hipótese, onde possa ter o Contestante faltado com
do Banco Harmonia S/A, detentor dos cheques referidos na petição inicial, seu dever jurídico de agir com prudência e cautela, a não se, que exigisse a
na pessoa de seu representante legal. autora, que o réu, quebrando o sigilo bancário, tivesse conhecimento dos
A denunciação formulada, contudo, não traduz qualquer concordância da ré cadastros do Banco Harmonia.
com o estabelecimento do consórcio passivo, pois, não há qualquer solida- Entretanto, nada obsta o réu de funcionar como mero prestador de serviços
riedade entre o réu e o banco denunciado, cabendo, ainda que aceita a denun- bancários, entre os quais o recebimento de valores.
ciação, a exclusão da ré da lide, com o reconhecimento de sua ilegitimidade
de parte, extinguindo-se,desde logo, o processo em relação a ela, devendo a Seria o cúmulo do absurdo responsabilizar um banco por falhas de serviços
ação prosseguir somente contra a denunciada. (RJTJESP 101/ 144). ocorridas, quando este atuasse exclusivamente como simples intermediário
do fluxo de pagamento.
DO MÉRITO
Sendo assim, improsperam todos os danos alegados pela autora, passíveis,
A parte autora alega na exordial, que foram dados para pagamento de suas ainda, de apw-ação,posto que representam prejuízos de ordem pecuniária
obrigações, em uma das agências do banco réu (banco apresentante), che- em detrimento do patrimônio do réu, que por sua vez é parte ilegítima na
ques de sua titularidade e emissão, cujo desconto operou-se na respectiva presente demanda.
conta corrente do Banco Harmonia S/A (banco sacado).
No que pertine ao procedimento adotado pelo banco réu, ressalte-se, ape- DAINEXISl'tNCIA DO DEVER DE INDENIZAR
nas, que não se constatou qualquer irregularidade na cártula de fis. 8, quan-
A responsabilidade civil para ser caracterizada, necessita da existência
do foi apresentada.
de certos elementos, quais sejam, o dano, a culpa do agente e o nexo de
Quanto a provável existência de irregularidade em outros supostos che- causalidade entre a lesão e a conduta ilícita deste (Washington de Barros
ques, vale dizer que o réu as ignora, posto que tais cheques pertencem ao Monteiro, Curso de Direito Civil, parte geral, 22 ed, pag. 277).
Harmonia e não foram, sequer, juntados aos autos pela parte autora.
O direito à indenização decorrente da culpa surge sempre que o dano resul-
Entretanto, mesmo que existam prováveis irregularidades no cheque ou nos tante da atuação do agente, voluntária ou não, seja contrária ao direito. Sem
cheques, cabe ao autor apontá-las e ao banco sacado verificá-las, pois o contrariedadenão há ilicitude, e, portanto, inexiste o dever de reparar o dano.
banco réu (banco apresentante) não se obriga quanto a verificação das mes-
Com isso, cabe, primeiramente, questionar a conduta do banco réu no even-
mas, senão vejamos:
to danoso, ou seja, se agir IRREGULARMENTE,o que, na presente ação,
Art . 39 da Lei do Cheque, parágrafo único: não ocorreu.
''Ressalvada a responsabilidade do apresentante, no caso da parte final des-
DAINEXIST.iNCIADE PROVA
te artigo, o banco sacado responde pelo pagamento de cheque falso, falsi-
ficado ou alterado, salvo dolo ou culpa do correntista, do endossante ou do
Outrossim, inexiste, nos autos, prova de que o evento relatado pela autora
beneficiário, ... ". Negrito nosso.
tenha resultado em eventuais danos de ordem mora ou material.
Indaga-se, pois, onde estaria o erro do contestante? Ainda que se queira
Na verdade, a petição inicial, data máxima venia, é confusa e contraditória.
argumentar ter havido rasura grosseira no cheque, o que pela simples ob-
servância da microfilmagemda cártula não se pode alegar, ainda assim, Confusa porque o representante da autora, lá pelas tantas, funciona como
por amor à retórica, convém indagar, qual seria a razão plausível para o verdadeiro demandante, postulando direito próprio, fundamentado em um
banco apresentante figurar no polo passivo da presente demanda? suposto dano que teria sofrido em função do atraso de sua aposentadoria.
CAPÍTULO
4. AÇÃO- MEIOPROCESSUAL 89 90 Ril Moura

Contraditória porque o representante da autora afirma que solicitou ao Prote sta provar os fatos alegados por todos os meios de prova permitidos
seu contador os carnês e guias do INSS, objetos da demanda, para agilizar por lei, notadamente o depoimento pessoal do representante legal da autora,
sua aposentadoria, quando descobriu que estava em atraso com as respec- testemunhal ( contador da autora), pericial (cheques do Banco Harmonia),
tivas obrigações (oitavo parágrafo da petição inicial). Ora Excelência, no documental superveniente e outras que se tomarem necessárias ao deslinde
segundo parágrafo da inicial, a autora afuma que entregou ao seu contador da causa.
os cheques com os respectivos pagamentos a serem feitos. Então , como
N. termos,
poderia os pagamentos estarem atrasados sem que a autora e seu contador
tivessem conhecimento?
P. deferimento

Salta aos olhos que se alguma fraude ocorreu, não é da responsabilidade Local e data
deste réu.
Nome e assinatura do advogado
A caracterização do direito ã reparação depende , no plano fático, da con- OAB / .... .. .
corrência dos seguintes elementos: o impulso do agente, o resultado lesivo
e o nexo causal entre ambos, que são, aliás, os pressupostos de responsa-
bilidade civil. (Carlos Alberto Bittar - Reparação Civil por Danos Morais, 4.1 O.CAPADE UM PROCESSO
Editora Revista dos Tribunais, 2ª. Edição, pág. 127).
Com isso, para ter direito à indenização, não basta demonstrar que determi-
nado fato é passível de causar dano, deve e isto sim, demonstrar que o fato
existiu, realmente causou um dano e a responsabilidade do seu causador. ESTADO00 RIO OEJANEIRO
PODERJUDICIÁRIO
Como nada disto demonstrou a autora, não merece acolhimento a pretensão TRIBUNAL OEJUSTIÇA
deduzida na presente demanda.

CONCLUSÃO ESTADODO RIO DE JANEIRO


PODER JUDICIÁRIO
Diante dos fatos colhidos, requer-se: TRIBUNAL DE JUSTIÇA
JUÍZO DE DIREITO ........ Vara Cível
a) seja acolhida a ilegitimidade pas siva ad causam do réu, com a sua con-
sequente exclusão da lide; 2015
b) seja acatado o pedido de denunciação da lide do Banco Harmonia, cuja
citação, desde já, se requer; JUIZ Dr. (nome do juiz)
Dr. (nome do escrivão)
e) seja a pre sente, caso examinado o mérito, julgada improcedente, face a
inexistência de comprovação dos fatos narrados pela autora, bem como da VALOR DA CAUSAR$ 200.000,00
responsabilidade desta ré no evento;
d) a condenação da autora nos ônus da sucumbência, incluindo-se aí os Etiqueta colada, com as seguintes infonnações:
honorários advocaticios.
CAPÍTULO
4. AÇÃO- MEIOPROCESSUAL 91

2015 .001.050865-9 CAT 30/11/2015 18:03


03-H Liv: 2015/0001 Fls. 169 (SORT.)
3. OFÍCIO. 70. VARA CÍVEL
DECLARATÓRIA
AUTOR : JARBAS VIEIRA DE CARVALHO
ADV.: Dr. BRUNO RIBEIRO DE CARVALHO OAB ......... .
RÉU: BANCO DO CÉUS/A
ADV.: Dra. CLAUDIAHENRIQUES
AUTUAÇÃO

Em 16 de março de 2016, autuo, em cartório, petição despachada


com .. ...... ... documentos que se seguem.
Eu, .. . .. . .... ..... Escrivão, subscrevo. Tombo:
Livro2015 .0001 Fls. 169. Reg. desent. :Livro ..... . ........ fls ................. .

Em algumas Comarcas, nas capas de seus processos são colados código


de barra , etiqueta de leitura ótica e tamb ém etiqueta de distribuição .
94 Ril Moura

b) a transação;
5. PUBLICAÇÃO DE DESPACHOS DE JUÍZES c) a renúncia à pretensão formulada na ação ou na reconvenção.
Decisão interlocutória é todo pronunciamento judicial de natureza deci-
sória que não se enquadra no § 1° do art. 203 sobredito.
Despachos são todos os demais pronunciamentos do juiz praticados no
processo, de oficio ou a requerimento da parte.
5.1. CONSIDERAÇÕES
GERAIS . Os atos meramente ordinatórios, como a juntada e a vista obrigatória,
mdependem de despacho, devendo ser praticados de oficio pelo servidor e
Em conformidade com o Novo Código de Processo Civil - NCPC, os
revisto pelo juiz quando necessários.
pronunciamentos do juiz consistirão em sentenças, decisões interlocutórias e
Serão redigidos, datados e assinados pelos juízes os despachos, as deci-
despachos.
sões, as sentença e os acórdãos.
Sentença, de acordo com o § J º do art. 203, ressalvadas as disposições
expressas dos procedimentos especiais, é o pronunciamento por meio do qual Os despachos, as decisões interlocutórias, o dispositivo das sentenças e a
o juiz, com fundamento nos arts. 485 e 487, põe fim à fase cognitiva do pro- ementa dos acórdãos serão publicados no Diário de Justiça Eletrônico.
cedimento comum, bem como extingue a execução. A lei processual diz que Intimação é o ato pelo qual se dá ciência a alguém
Em conformidade com o art. 485, o juiz não resolverá o mérito quando: dos atos e termos do processo, para que faça ou deixe de fazer alguma coisa.
I - indeferir a petição inicial; ,A intimação é ao advogado e não à parte, salvo disposição de lei em contrá-
rio. E nula a intimação quando feita com inobservância das prescrições legais.
II - o processo ficar parado durante mais de 1 (um) ano por negligência
das partes; É facultado aos advogados promover a intimação do advogado da outra
parte por meio do correio, juntando aos autos, a seguir, cópia do oficio de in-
Ili - por não promover os atos e as diligências que lhe incumbir, o autor
timação e do aviso de recebimento.
abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias;
O oficio de intimação deverá ser instruído com cópia do despacho, da
IV - verificar a ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvi-
decisão ou da sentença.
mento válido e regular do processo;
V - reconhecer a existência de perempção, de litispendência ou de coisa
As intimações realizam-se, sempre que possível, por meio eletrônfoo, na
forma da lei.
julgada;
O serviço de recortes do Diário Oficial, feito por empresa particular, é
VI - verificar ausência de legitimidade ou de interesse processual;
meramente supletivo, valendo a publicação do despacho no Diário Oficial.
V1I - acolher a alegação de existência de convenção de arbitragem ou
É indispensável, sob pena de nulidade, que da publicação constem os
quando o Juízo arbitral reconhecer sua competência;
nomes das partes e de seus advogados, suficientes para sua identificação.
VIII - homologar a desistência da ação;
IX - em caso de morte da parte, a ação for considerada intransmissível
5.2. EXEMPLOSDE PUBLICAÇÕESEXTRAÍDASDO DIÃRIO OFICIAL DE UM
por disposição legal; e
ESTADO
X - nos demais casos prescritos neste Código.
De acordo com o art. 487, haverá resolução de mérito quando o juiz:
I - acolher ou rejeitar o pedido formulado na ação ou na reconvenção;
ARROLAMENTO
II - decidir, de oficio ou a requerimento, sobre a ocorrência de decadên-
cia ou prescrição; "CUMPRA-SE O DESPACHO EXARADO NO APENSO."
III - homologar: Apenso nº ....... -APURAÇÃO DE HAVERES- NOME DAFIRMA (Adv. (s)
a) o reconhecimento da procedência do pedido formulado na ação ou na Dr. (a) (s) .................... - OAB/ ....... ......, ...................... - OAB/ .... ...............
reconvenção; "A FÓRMULA APRESENTADA PELO ILUSTRÍSSIMO PROCURADOR
93 DO ESTADO É USUAL PARADETERMINAÇÃO DO VALOR DO FUNDO
CAPÍTULO
5. PUBLICAÇÃO
OEDESPACHOS
DEJUÍZES 95 96 Ril Moura

DE COMÉRCIO DAS EMPRESAS. ISTO POSTO, DETERMINO AO DR.


PERITO O SEGUINTE: 1-QUE INFORME O VALOR DO FUNDO DE "I - EM SUBSTITUIÇÃO AO ILUSTRE PERITO NOMEADO A FLS.
COMÉRCIO , A SE R CALCULADO COMAFÓRMULAINDICADAPELO ....., QUE NÃO CONTA COM RELAÇÃO DE CONFIANÇA DESTE
PROCURADOR DO ESTADO ; 2-QUE ESSE VALOR SEJA SOMADO MAGISTRADO, NOME IO O DR ... ......... (TEL ......... ), QUE DEVERÁ SER
AO VALOR DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO APURADO NO LAUDO (FLS . INTIMADO . 2 - DESDE LOGO E STE JUÍZO AGRADECE O VALOROSO
.....); E, 3-QUE O VALOR TOTAL ASSIM OBTIDO SEJA RATEADO CONCURSO DO DR . .............. ..."
CONFORME A PARTICIPAÇÃO DO FALECIDO NA SOCIEDADE .
INTIME-S E O DR. PERITO PARA CUMPRIMENTO ."
"Defiro a JG . Encontrando- se o débito em litígio , o que exterioriza que não hã
certeza jurídica quanto ao seu real valor ou me smo quanto a sua existência ,
nada hã a obstar o acolhimento do pedido de tutela antecipada, como reque-
BUSCA E APREENSÃO
rido, isto porque , indubitavelmente , a anotação da nomeada autora junto ao
''DEFIRO LIMINAR . APREENDA -SE , DEPOSITE -SE E AVALIE-SE . SPC e SERASA enseja à mesma danos de difici l, quiçá impossível reparação ,
P ERITO NOMEADO : DR .. ................ , TEL .: ............ FIXO HONORÁRIOS face ao cance lamento do crédito que decorre de tais registros . Expeça-se a
EM .........UFIR. LAUDO EM ........DIAS. CITE-SE . (RM)" competente guia como requerido à fl. 14, item 2. Efetivado o depó sito, oficie -
-se ao SPC e SERASA a fim de que se exclua ou se abstenha de lançar o nome
da autora , no cada stro de devedores , até ulterior deliberação , relativamente ao
CARTADE SENTENÇA débito ora em discussão . Cite- se e intime -se, fazendo constar do mandado as
advertências legais aplicáveis à espécie. Cumpra-se . Intimem-se ."
" ...ANTE EXPOSTO DECLARO LÍQUIDA A CONDENAÇÃO,
ATRIBUINDO PARA CADA AUTOR A 1NDENIZAÇÃO ABAIXO E QUE
DEVERÁ SER CONVERTIDA EM MOEDA NACIONAL NA DATA DO ''Homologo os honorários solicitado s pelo Dr. perito às fls. 105, e assim pro -
AJUIZAMENTO DAAÇÃO , SENDO CORRIGIDA , A PARTIR DAÍ, PELOS cedo porque a impugnação ofertada veio destituída de qualquer elemento pro-
ÍNDICES DE REAJUSTE DOS DÉBITOS JUDICWS: p/ ..........: VALOR batório quanto ao alegado . Ademais , a verba solicitada é compatível com a
EQUIVALENTEA US$ 24,000.00 ; p/ ..........: VALOR EQUIVALENTEA US$ comple xidade do trabalho a ser reali z ado e oão afronta o princípio da razoabi-
12,000 .00: e p/ ..........: VALOREQUIVALENTEA US$ 68,000.00. (MR)" lidade. Intime .se~pois, o Dr . perito para designar dia e local para realização da
peric ia, a fim de viabilizar a ciência das partes , a teor do que dispõe o art . 474
do CPC , sendo certo que a parte autora é beneficiada da JG, incidindo a regra
CONSIGNAÇÃ O EM PAGAMENT O do art. 11 da Lei 1060/50."

" ...Assim, ante a discrepância entre os doi s laudos e não possuindo o Juízo
conhecimento técnico suficiente para dirimir o antagonismo evidenciado nos "l. Homologo os honorários periciais de fls. 450 (R$ ...............), eis que para
trabalhos dos peritos, justificável é a realização de uma terceira pericia, como tal fixação não dev e ser lev ada em consideração a capacidade financeira dos
requerido pelos autores . Portanto , reconsidero a decisão que foi objeto de autores , e sim o trabalho a ser desempenhado pelo perito do Juízo . Ressalte-se
agravo retido e determino: 1) proceda-se a nova pericia , nomeando perito ju- ainda que tal verba mostra-se adequada , justa e compatível com o labor a ser
dicial o contador ........ (tel. .....), que deverá ser intimado para dizer se aceita o realizado pelo expert ; 2. Tendo em vista que os autore s são beneficiários da
encargo e, em caso positivo , manifestar a sua pretensão de honorários. Faculto gratuidade de justiça (fls. 389) intime -se o perito para dar inicio aos trabalhos .,,
as partes a indicação de assistentes técnico s e a formulação de quesitos no
prazo comum de cinco dias. 2) E sclareçam os autores até quando efetuaram as
pre stações do contrato , uma vez que segundo o primeiro perito os pagamento s "Inexistem preliminares a serem apreciadas e decid idas pelo Juízo . Presente s
teriam sido feito s até a 133ª parcela, ao passo que o outro afirma terem os au- as condiçõe s da ação e os pres supostos legais de desenvolvimento do proces-
tores se tornado inadimplente s a partir da 114ª prestação . Intimem -se .1' so. Partes legítimas e bem representadas. Não há nulidades a declarar. Dou o
CAPÍTULO
5. PUBLICAÇÃO
OEDESPACHOS
DEJUÍZES 97 98 Ril Moura

feio por saneado . Tendo em vista que a relação existente entre as partes tra-
duz, indubitavelmente uma relação de consumo, apresentando-se a parte auto-
Dê-se ciência ao douto perito de fls. 114, que não obstante o valor lhe é de-
ra hipossuficiente tecnicamente em face do réu, defiroa inversãodo ônus da
vido nestes autos ã título de honorários periciais, os mesmos não poderão ser
prova, devendo a parte ré apresentar todos os documentos necessários para a
solvidos, diante da sentença de improcedência para o autor, estando o mesmo
sua defesa, no prazo de 1Odias. Defiro a prova pericial contábil, que requerida
amparado pela gratuidade de justiça. Contudo, nada obsta, havendo mudança
foi pela parte autora; para tanto, nomeio perito o Dr. Ril Moura, de telefone e
de status do autor, no tocante a sua hipossuficiência, que o mesmo venha a ser
endereço conhecidos no cartório, que deverá ser intimado para dizer se aceita
executado para pagamento dos honorários periciais devidos, ensejando pois
o encargo e, em caso positivo, apresentar a sua proposta de honorários, ciente
ação autônoma, casa entenda. Assim sendo, cumpridas as formalidades legais,
de que a parte autora é beneficiária da justiça gratuita. Faculto às partes a indi-
dê-se baixa e arquivem-se.
cação de assistentes técnicos e a apresentação de quesitos no prazo de 1Odias.
Indefiro a prova oral, requerida também pela parte autora, eis que no presente
feito se questiona tão somente excesso de cobrança, o que pode ser apurado Em que pese tratar-se de pericia de total relevância para o deslinde do fei-
tão somente pelas provas já deferidas. Cumpra-se. Intimem-se."' to, verifica-se que o valor pleiteado pelo ilustre perito encontra-se demasia-
damente elevado, principalmente se considerarmos que a verba mencionada
corresponde ao salário liquido mensal de um desembargador deste Tribunal.
CONSIGNATÓRIA
DESPACHO SANEADOR Assim, sem desmerecer o conceito do e:x,pertfixo os honorários periciais em
R$ .... ( ....), que deverão ser depositados previamente e de uma única vez.
"A preliminar está imbricada no mérito e com ele será apreciada. Presentes os Ao Dr. perito para se manifestar sobre o valor ora fixado. Havendo concor-
pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do pro- dância, deverá o apelante, desde logo, efetuar o depósito para dar-se inicio aos
cesso, concorrendo as condições da ação. Declaro saneado o processo e defiro trabalhos.
as provas requeridas. Nomeio o Dr. Ril., MOURA, contador, com endereço
conhecido da Secretaria, para funcionar como perito, que, intimado, dirá de
seus honorários. Indiquem as partes em cinco (05) dias, assistentes técnicos e DECLARATÓRIA
apresentem quesitos, querendo. Aceita a remuneração postulada pelo perito,
deposite-a os autores. O perito apresentará o laudo no prazo de trinta (30) dias,
contados da data que retirar os autos para exame e elaboração." "EXAMINANDO OS AUTOS PI PROFERIR SENTENÇA, HEI POR
BEM EM CONVERTER O JULGAMENTO EM DILIGÊNCIA PARA
DET ERMINAR QUE O PERITO INFORME O VALOR DO DÉBITO
DECISÃO ATUAL DO AUTOR, CONSIDERANDO-SE A INCIDÊNCIA DE JUROS
DE 1% A.M., CAPITALIZADOS, TÃO SOMENTE, NOS TERMOS DO
"A despeito de não deferida a realização de prova pericial contábil no des- ARTIGO 4 º, DO DECRETO 22.626/33, ALÉM DOS DEMAIS ENCARGOS
pacho saneador que não foi objeto de qualquer recurso por parte do autor, CONTRATUAIS (I)"
vê-se que a matéria a ser decidida depende essencialmente de tal prova que foi
requerida na audiência de conciliação. Assim, converto o julgamento em dili-
gência para determinar a prova pericial contábil para o que nomeio o contador "l. Processo sem vícios. 2. Defiro a prova pericial contábil, nomeando para o
e economista RIL MOURA cujos honorários fixo em R$ ............ devendo o encargo o Dr. Ril Moura (2516-1405 e 2516-0053). Intime-se-o para dizer se
mesmo ser intimado para manifestar-se se concorda com o valor e a nomea- aceita o encargo e apresentar proposta de honorários. 3. Quesitos e assistentes
ção, certo ser a parte autora beneficiária de gratuidade de justiça~Faculto às no prazo legal. Laudo em 30 dias. 4. Considerando que se cuida de relação
partes a apresentação de quesitos e indicação de assistentes técnicos no prazo de consumo e que o autor, cujas alegações serão verossimilhantes, é hipossu-
de 5 dias contados da publicação da presente." ficiente, inclusive assistido pela Defensoria Pública, determino a inversão do
ônus da prova em seu favor. (LL)''
CAPÍTULO
5. PUBLICAÇÃO
OEDESPACHOS
DEJUÍZES 99 100 Ril Moura

''Processo nº: ................ - Tribunal de Justiça - Autuado em: 27/ 11/2015. Verifico que foi detenninada a liquidação de sentença a fim de apurar a correta
Classe: APELAÇÃO . órgão Julgador : QUADRAGÉSIMA NONA CÂMARA fração ideal do terreno, as divergências havidas entre o apartamento modelo e
CÍVEL . Relator: DES. JOÃO MANOEL DE MELLO CALDAS. Revisor: o efetivamente entregue, bem como os defeitos de construção, sendo que tais
DBS. PAULO FIGUEIREDO MOURA . Apelado: BANCO DA ESQUJNA informações só podem ser apuradas por perito em engenharia civil e o laudo
DA SOMBRAS /A . Apelantes: RODRIGO, RICARDO e RILTON . Processo de fls. 349/359 foi elaborado por perito contábil.( ...) Observe que, diante da
originário: 2014.001.102959-8. Origem: COMARCA DA CAPITAL 50 controvérsia estabelecida entre as partes , caberia ao perito informar que não
VARA CÍVEL. Ação: DECLARATÓRIA . Fase Atual: CONCLUSÃO AO possui expertise sobre o assunto debatido nos autos (avaliação de imóvel e
RELATOR Data da Remessa: 22/04/2015. Data da Devolução: 27/04/2015" vício de construção), porém, o perito nomeado à fl. 314 nada mencionou quan-
to a isso . Realizou laudo inócuo sem sequer ter realizado vistoria no local.
Despacho : O artigo 13 da Lei Estadual n. 3.350/99, autoriza o Juiz fixar, em
Desse modo, entendo que deve ser restituído pelo perito R$ 3.600,00 do valor
favor dos peritos, o valor dos honorários, tomando como base de referência,
a tabela da respectiva classe, ou ainda, observando-se o grau de zelo do pro- adiantado pela autora. servindo R$ 1.200.00 comoremuneração pelotraba-
lho despendido nesses autos. Intime-se o perito para devolução da quantia
fissional, o lugar da prestação do serviço, a natureza, o tempo despendido e a
supramencionada.
complexidade do trabalho a ser realizado . Assim, não deve o trabalho desem-
penhado pelo expert, ser remunerado por um valor módico, e por seu turno ,
a remuneração também não pode importar em ônus excessivo para as par-
tes, o que dese stimularia a busca pela tutela jurisdicional. Desta feita, o valor DECLARAÇÃODE AUStNCIA
apresentado pelo expert do Juízo atende ao critério da razoabilidade, sendo
compatível com o usualmente cobrado em situações similares . Por tais razoes ,
D E C I S ÃO Rejeito a preliminar arguida visto que a petição inicial preenche
homologo os honorários apresentados à fl. 2552 ."
os requisitos legais, podendo com clareza se retirar do pedido a causa de pedir
e a relação lógica entre ambos. Considerando que se encontram presentes os
pressupostos proce ssuais e as condições de ação, não havendo outras prelimi-
DECISÃO nares a serem apreciadas, dou por sanado o feito .. Por último , defiro a pro va
pericial contábil, para a qual nomeio perito judicial o Sr. RIL MOURA, fixan-
Como bem esclarecido pelo Dr. Procurador do Estado, às fls. 442 , não foram
apresentados quesitos suplementares às tls. 432/435, mas verdadeira impug-
do, desde já, honorários de R$ ................, por ser condizente com o trabalho
a ser realizado, valor esse que deverá ser depositado ao final e na hipótese de
nação ao laudo pericial. Frise-se que os novos quesitos advieram do próprio
ser o réu sucumbente , face à gratuidade deferida ao autor . Faculto às partes a
laudo, como verdadeiro pedido de esclarecimentos, pelo que não há se falar
indicação de assistentes técnicos e apresentação de quesitos . Transcorrido o
em novos honorários periciais . Posto isso, abra-se vista ao Dr. perito para se
prazo de 5 dias , intime-se o perito acima nomeado para dar início aos traba-
pronllilciar sobre fls. 432/435, eis que aceitou o mister, ciente de que a parte
lhos . Laudo em 20 dias.
autora era beneficiária da Justiça Gratuita .

Como de sabença , os honorário s do perito são fixados pela regra da experiên- DESPEJO POR FALTADE PAGAMENTO
cia, ou ainda, pelo que de comum ocorre . Em assim sendo, necessário apre-
"APENAS PARA QUE O MAGISTRADO NÃO VENHA A AMARGAR
sentarmos um valor compatível com outras pericias , considerando, é claro,
A TRISTEZA DE SER EPITETADO (COMO O FOI POR ILUSTRE
a identidade exigida pelo parâmetro . Por consequência, considerando outras
JULGADOR DE SEGUNDO GRAU) APRESSADO TRANSGRESSOR
pericias do mesmo gênero, fixo os seus honorários em R$ 5.500,00. Traga a
DAS NORMAS COMEZINHAS DO PROCESSO, DIGA O RÉU,
parte ré, em até 1Odias, a documentação solicitada pelo Dr. perito . Após, inti-
me-se o experto para apresentação do laudo em trinta dias.
nJSTIFICANDO, COMPRIDAMENTE,QUE PROVASPRODUZIRÁ.(Y)"
CAPÍTULO
5. PUBLICAÇÃO
OEDESPACHOS
DEJUÍZES 101 102 Ril Moura

DISSOLUÇÃODE SOCIEDADEDE FATO CONTRA A PESSOA DO DR. PERITO, CONFORME FLS. ..... E A
PRESENTE. FICA A EMBARGADA PROIBIDA NA FORMA DO ART.
15 DE COMETER NOVOS PRONUNCIAMENTOS SOB PENA DAS
"RECONSIDERO O DESPACHO RETRO E O DESPACHO DE FLS. 36 SANÇÕES CABÍVEIS ... (H).',
DO APENSO, NO QUE SE REFERE AO PEDIDO DE GRATUIDADEDE
JUSTIÇA... ASSIM SENDO, HOMOLOGO OS HONORÁRIOS DE FLS.
152, QUE DEVERÃO SER PARCELADOS EM 5 VEZES, CONFORME "FLS........ -AO DR. PERITO PARATOMAR CIÊNCIA DA DECISÃO DO
FLS. 168. DEPOSITE-SE EM 72 HORAS A 1ª PARCEL~ SOB PENAS rutzo, BEM COMO PARA TIRAR CÓPIAS DAS PETIÇÕES RISCADAS,
DE RESTAR PREJUDICADA A PROVA PERICIAL. QUANDO A AÇÃO CASO QUEIRA ENTRAR COM AS MEDIDAS JUDICIAIS CABÍYEIS
CAUTELAR RECOLHA-SE CUSTAS E TAXA JUDICIÁRIA,EM 72 CRIMINAIS E CÍVEIS. (H).,,
HORAS.(AY'

"Com razão a Embargante, sendo por demais elevados os honorários pretendi-


dos,... Substituoo Dr. perito nomeadopelo Dr. (nome do perito) ... Intime-se-o,
EMBARGOSÀ EXECUÇÃO para dizer se aceita o encargo e apresentar proposta de honorários. Quesitos e
assistentesno prazo legal.... (MARIA)"
"FLS. 617 - A DIFERENÇA ENTRE O VALOR EXECUTADO E O
APRESENTADO PELO EMBARGANTE ASCENDE A R$ 400.000,00.
COM A PERÍCIA E O TEMPO DECORRIDO CHEGA AR$ 700.000,00. EMBARGOS DE DEVEDOR
EXISTEM ACUSAÇÕES DE FRAUDE, PROVA INIDÔNEA, E
LITTGÂNCIADE MÁ-FÉ (FLS. 484) . NESSAS CONDIÇÕES, EMBORA "CONVERTO O JULGAMENTO EM DILIGÊNCIA PARA DETERMINAR
SEM DESMERECER O LAUDO PERICIAL QUE SE ENCONTRA NOS AO PERITO QUE FUNCIONOU NA AÇÃO QUE : ESCLAREÇA SE AO
AUTOS E QUE SERÁ OPORTUNAMENTE APRECIADO PELO JUÍZO, CELEBRAR O LAUDO FOI APRECIADO O DISPOSTO NO ART. 5°
DEFIRO EM PARTE,ATÉP/ FINS COMPARATNO E ESCLARECEDORES PARÁGRAFO 1º DA LEI 4380/64, BEM COMO PARÁGRAFO2º LETRAS
- PEDIDO DE FLS. 639 DA EMBARGADAP/ A REALIZAÇÃO DE NOVO a E b E AS NORMAS PREVISTAS NAS LEIS DE Nºs 7989/89 E 7747/89;
TRABALHO CUJO EXPERT ESPECIFICAMENTE INFORMAR SOB OS TOTALIZAREM VISTA DAS REFERIDAS NORMAS O DÉBITO TOTAL
PONTOS CONTROVERTIDOSDO PRIMEIRO LAUDO APRESENTADO. DA EMBARGANTE (RM) ."
NOlvlEIO EXPERT O DR. (NOME DO EXPERT), RUA ........, ..... - SALA
......, TEL..... ...., QUE FARÁ LAUDO EM ..... DIAS DO DEPÓSITO DOS
HONORÁRIOS CUJO ÔNUS É DA EMBARGANTE. DESDE JÁ, FIXO OS "Despacho: Face à inércia da embargante, dou por preclusa a oportunidade de
HONORÁRIOS EM 100 UFERJ'S, MESMO VALOR ANTERIORMENTE se realizar prova pericial, e, tendo em vista que a matéria em discussão não
HOMOLOGADO E QUE NÃO FOI IMPUGNADO PELAS PARTES. demanda produção de prova oral, dou por encerrada a instrução. Venham as
DETERMINO O DEPÓSITO EM 15 DIAS. COMO QUESITO DO JUÍZO razões finais, em 05 dias, sucessivos.,,
DETERMINO QUE O LOUVADO ESCLAREÇA ARTICULADAMENTE
CADA UMA DAS IRREGULARIDADES APONTADAS PELA
EMBARGANTE ÀS FLS. 555/557. FACULTO NOVOS QUESITOS
PELAS PARTESEM 1ODIAS. APÓS O LAUDO E MANIFESTAÇÃODAS
EXIBIÇÃODE DOCUMENTOS
PARTES,OS AUTOS VIRÃO CONCLUSOS PI A SENTENÇA. (MR)."
"EM FACE DOS ELEVADOS HONORÁRIOS PLEITEADOS PELO
SR. PERITO ................, QUE AO MEU VER, NÃO CONDIZEM COM A
"FLS ........ - ESCLAREÇAM AS PARTES SE PRETENDEM PRODUZIR REALIDADE E AFRONTAA DIGNIDADE DA JUSTIÇA, O SUBSTITUO
OUTRAS PROVAS. FLS ....... - RISQUE-SE DOS AUTOS TODAS AS PELO SR ................, ECONOMISTA,COM ESCRITÓRIO NA PRAIA DE
MANIFESTAÇÕES INJURIOSAS LANÇADAS PELA EMBARGADA BOTAFOGO,.........(RJ), TELEFONES.......... E ...........INTIMEM-SE.(RAM)"
CAPÍTULO
5. PUBLICAÇÃO
OEDESPACHOS
DEJUÍZES 103 104 Ril Moura

pedido, não pode este atuar como perito do Juízo, haja vista a imparcialidade
nec~sária na elaboração de tal laudo . Desta forma, determino a expedição de
INDENIZATÓRIA oficio ao CRM para que indique médico de seus quadros, residente na região ,
e que não exerça atividade para a ré, a fim de nomeá-lo como perito do Juízo,
devendo constar que a autora é beneficiária da gratuidade de justiça. "
"DIGA O DR. PERITO SE ACEITA REDUZIR SEUS HONORÁRIOS OU ,
EM CASO NEGATIVO, SE DESEJA VER-SE LIBERADO DO ENCARGO,
PARA QUE OUTRO PERITO SEJA NOMEADO . (CJR)"
MEDIDA CAUTELAR

"l) Fls . ....... - HOMOLOGO A DESISTÊNCIA DAAÇÃO. DE-SE BAIXA .


"Insurge-se a autora contra a pretensão do perito às fls. 962 ao argumento de
que restou consignado no saneador de fls . 937 que a decisão pas saria a abranger 2) Fls ..... - DEFIRO A INCLUSÃO. ANOTE-SE. 3) A SUBSTITUIÇÃO
o presente feito, inclusive para fins de pericia única. Porém , razão não lhe as- DO PERITO , POR MERA SOLICITAÇÃO DE UMA DAS PARTES, SEM
MOTIVAÇÃO, CONSTITUIRIA PRECEDENTE PERIGOSO, VEZ QUE O
siste. O saneador
. de fls. 951 dos autos em apenso foi preferido em 26/ 10/2015 ,
PERITO INTERESSA A CONFIANÇA DO JUIZ, RESERVANDO -SE AS
nomeou pen to do Dr. .... Referido "expert'' declinou da incumbência às fls.
PARTES A INDICAÇÃO DE ASSISTENTES.-"
975, daquele s auto s, sendo substituído pelo Dr . ....... em 04 .12.2015 (fls. 976).
Ocorre que a decisão de fls. 937, estendendo os efeitos do saneador de fls.
951 ao presente feito , foi proferida em 22 .10.2014, ou seja, data anterior a no-
MONITÓRIA
meação do 2° perito, sem que o perito fosse comunicado da determinação de
perícia conjunta. Ressalte-se que referida decisão foi proferida em audiência,
"AOS INTERESSADOS PARA MANIFESTAREM-SE SOBRE OS
intimadas as partes no ato. Portanto, o perito não poderia ter requerido ho-
HONORÁRIO DO PERITO (ART. 162, PARAG . 4° DO CPC, COM
norários em relação a este feito pois só tomou conhecimento do deferimento
REDAÇÃO DA LEI 8952/94)."
da pericia em 14.03 .2014 (tls. 961), sendo certo que seu trabalho no feito de
nº 2015 .001.001739 -9 foi concluído . Ante o exposto, CHAMO O FEITO
A ORDEM para determinar que as partes se manifestem sobre o pedido de
ORDINÁRIA
honorários no proce sso 2015 .001 .001740-9 , já que o valor fixado no saneador
de fls. 951 dos autos nº 2015.001.001739-9 referia-se à pericia daqueles autos
"DEIXO NESTE JULGADO CONS IGNADO O MEU DESEJO DE QUE O
e a decisão de fls. 937 nestes autos ainda não havia sido proferida. "
REI DE LUZ E O SENHOR DO UNIVERSO FAÇAM RECAIR SOBRE AS
VIDAS EAS FAMÍLIAS DAS PARTES ENVOLVIDAS NESTE PROCESSO
O SENTIMENTO MAIOR DE PERDÃO, BEM ASSIM AS BÊNÇÃOS
"FLS. 148 - INDEFIRO . NÃO HÁ OBRIGATORIEDADE DO "EXPERr'
NECESSÁRIAS A LEVAR AOS CORAÇÕES DE CADA UM A PAZ, A
DO JUÍZO EFETUARAS DILIGÊNCIAS PERICWS CONJUNTAMENTE ,
HARMO~ O CONSOLO E O AMOR... HOMOLOGO , POR SENTENÇA
OU NA PRESENÇA DO ASSISTENT E TÉCNICO DA PARTE RÉ,
A TRANSAÇÃO CONSTANTEDAPEÇADE FLS . 823/843 .../L"
POD ENDO, POR CONSEGUINTE, O DR. PERITO PROSSEGUIR
NELAS, NOS MESMOS TERMOS ... D~ -SE CIÊNCIA AO DR. PERITO
PARA FINALIZAR ... '' "Revogo o despacho de fls. 1.242 . Anulada a sentença, mediante provimento
d~ Agravo re~do, anulo, ~mbém, a prova pericial efetivada nos autos, porque
f~ita por arquiteta profissional não qualificada e que não consta no rol de pe-
INDENIZATÓRIA-POR
DANOSMORAIS ntos de confiança deste Juízo , sem que haja, no entanto, qualquer restrição ao
seu nome. Assim, determino a realização de nova perícia de engenharia, a car-
''Despacho: Como se vê de fl. 63, o e:xpert fora indicado como assistente técnico go do autor, nomeando o engenheiro civil ............, Rua ........ , ..... - ........ , tele-
da ré , razão pela qual, muito embora haja solicitação da desconsideração de tal fone .........., que deverá ser intimado para a diligência e apresentar laudo em
CAPÍTULO
5. PUBLICAÇÃO
OEDESPACHOS
DEJUÍZES 105 106 Ril Moura

30 dias após o depósito dos honorários periciais, mantido quanto ao restante " ...DETERMINO AO DR PERITO JUDICIAL, PARA QUE NO PRAZO
o Saneador de f:ls. 736/738. Indefiro, desde logo, por totalmente desnecessária DE 10 DIAS IMPRORROGÁVEIS, ESCLAREÇA A ESTE rutzo,
a pretendida inspeção pessoal. Retire-se, por ora, o feito de pauta, que será PERICIALMENTE, SE AS AFIRMAÇÕES CONSTANTESDO PARECER
incluído oportunamente. Intime-se. (00)" TÉCNICO, FLS. 4008/4244, ALTERAM OU NÃO O FUNDO DE SUA
CONCLUSÃOPERICIAL....APÓS CONCLUSOS (CRIS)"

"FLS. 200: O ATO DE NOMEAÇÃO DO PERITO É DE COMPETÊNCIA " l . Feito em ordem. 2. A preliminar de fis . 83 ficou superada como se vê da
EXCLUSIVADO JUIZ QUE NÃO TEM QUE EXPLICAR SUAS RAZÕES decisão de fls. 143. 3. Defiro as provas periciais pedidas pelas partes. Para a
QUANDO SEQUER A PERíCIA HAVIA COMEÇADO. AO PERITO prova de engenharia pedida pela autora (fls. 143) nomeio expert a Ora .......... .,
NOMEADO. - LMC" tel. ........... Para a prova de contabilidade pedida pela ré (fls. 145) nomeio
experto Dr.... ......., tel. ......... e fax......... Os peritos farão os laudos em 20
dias do depósito dos honorários. A pericia de engenharia ficará por conta da
"(FLS. 639). DEFIRO COMO REQUER. (FLS. 652) RECEBO O RECURSO autora e a contábil será arcada pela ré , conforme requerido. Faculto quesitos
NO DUPLO EFEITO...AOS APELADOS. COSTUMO LER TODAS AS e assistentes técnicos em 1Odias. Após a pericia e a manifestação das partes,
PEÇAS PROCESSUAISE NÃO GOSTEI DAS INSINUAÇÕESLEVIANAS será aberta vista para memoriais, em 10 dias sucessivos para cada parte. Local
DAPARTEAPELANTE(AUTORA).NÃO SOU DAQUELES QUEACHAM e data - Nome e assinatura do Juiz Titular."
NORMAL OU COMPREENSÍVEL QUE ADVOGADOS LANCEM AOS
AUTOS IMPRECAÇÕES OFENSIVAS AO JUIZ DA CAUSA, MUITO
MENOS PORDEFESADO PRÓPRIO E MUITO MAIS PARAPRESERVAR "RECONSIDERO,EMPARTEO DESPACHODE FLS...... , PARANOMEAR
A DIGNIDADE DO CARGO E DA MAGISTRATURA. ADVIRTO AOS PERITO DE MINHA CONFIANÇA, DR .........., TEL.........., PARA
SIGNATÁRIOS DA PEÇA DE FLS. 652/666 QUE A Ilv1UNIDADEDOS REALIZAR PERíCIA DE ENGENHARlA, APÓS A QUAL SE SEGUIRÁ
ADVOGADOS NÃO LHES CONTEMPLAFAZER USO DE EXPRESSÕES A PERÍCIA CONTÁBIL. II) MANTENHO O DESPACHO DE FLS . .....,
INJURIOSAS OU ASSERTIVAS QUE CONFIGURAM CRIME DE PERMANECENDO SUBSISTENTES OS QUESITOS FORMULADOS
CALÚNIA E NÃO HESITAREI EM USAR DOS MEIOS LEGAIS PARA PELO AUTOR. III) NOMEIO, DESDE JÁ, PERITO CONTÁBIL, DR
POR COBRO A TAL SITUAÇÃO. EXIJO RETRATAÇÃOEM 48 HORAS. .........., TEL.. ...., DESTITUINDO O EXPERTO NOMEADO PELO MEU
INTIME-SE. (RM)." SUBSTITUTO, TAMBÉMAS FLS .. ..."

"I) Fls. ....: NÃO HOUVE HOMOLOGAÇÃO DOS HONORÁRIOS "Emende-se a inicial, em 1Odias sob pena de indeferimento. O autor está re-
PROFISSIONAIS, E O AÇODAMENTO ESTRANHÁVEL DO PERITO querendo cobrança de honorários contra pessoas falecidas. Pessoas falecidas
NOMEADO PELO JUÍZO SUBSTITUTO, NÃO JUSTIFICA DE FORMA não podem ser rés em demandas do mundo dos vivos. Além do mais o autor
ALGUMA MAN'IB-LO NO CARGO. NADA A PROVER. II) Fls...... : ÀS pede a cobrança e ao final requer a citação para pagamento em 24 horas sob
PARTES, EM 5 DIAS. (M)" pena de penhora o que denota total incongruência. Seria caso de indeferimen-
to da inicial...Intime-se. (H)"

"ART. 130. DECISÃO AGRAVADA MANTIDA, POIS NÃO POSSUI


ESTE JULGADOR CONHECIMENTOS DA C~CIA, REFERENTES "Assiste razão ao agravante.Revogo a determinaçãode fls. 426 e também a no-
A GRAFOTÉCNICA, E NEM O DOM DA ONISCIÊNCIA. PELO meação do perito de fis. 406, eis que o mesmo não trabalha gratuitamente,mas
CONTRÁRIO,COMOSER HUMANO,E FALÍVEL,DAIANECESSIDADE sim para sustentar-se.Nomeio perito o preposto do Estado(nome do preposto),
DO AUXÍLIO PERlCIAL, PARAAEXTRAÇÃO DA VERDADE REAL DA contador lotado no ....., onde deverá ser intimado, devendo apresentar o laudo
CAUSAEA TENTATIVADEUM JULGAMENTOLEGAL E JUSTO. (MT)" até 60 dias da data da intimação.Mantenho, quanto ao restante fls. 405. [N]"
CAPÍTULO
5. PUBLICAÇÃO
OEDESPACHOS
DEJUÍZES 107 108 Ril Moura

POPULAR REINTEGRAÇÃODE POSSE

"VISTOS. ETC... PROCESSO SEM VÍCIOS. PROCEDA-SE A PERÍCIA "1- Indefiro o chamamento de terceiros nesta fase. 2- Se o autor pretende nova
perícia, deverá ARCAR com os ônus respectivos, já que outro perito não tra-
CONTÁBIL. PERITO O DR. ............., TEL. .......... QUESITOS E
balha de graça. Esclareça se concorda [W]"
ASSISTENTES TÉCNICOS, QUERENDO, EM CINCO DIAS. LAUDO EM
60 DIAS. EXCLUO ............................ DA LIDE ANTE OS ARGUMENTOS
DE FLS . ....../...... ANOTE-SE. AUD~NCIA A SER OPORTUNAMENTE
REPETIÇÃODE INDÉBITO
DESIGNADA, SE FOR O CASO."
"Em que pese tratar-se de perícia de total relevância para o deslinde do feito,
verifica-se que o valor pleiteado pelo ilustre perito encontra-se demasiadamente
PRESTAÇÃODE CONTAS
elevado, principalmente se considerarmos que a verba mencionada corresponde
ao salário liquido mensal de um desembargador deste tribunal. Assim, sem,des-
''Examinando os autos não vislumbro a necessidade de se proceder a uma merecer o conceito do expert, fixo os honorários periciais em R$ 5.000,00 (cin-
nova perícia, pois ao que parece os quesitos formulados foram respondidos, co mil reais), que deverão ser depositados previamente e de uma única vez. Ao
sendo certo que algumas respostas ficaram prejudicadas pela dificuldade de perito para se manifestar sobre o valor ora fixado. Havendo concordância, de-
obtenção de documentos. Dessa fonna, faculto às partes a formulação de que- verá o apelante, desde logo, efetuar o depósito para dar-seinicio soa trabalhos.n
sitos suplementares, no prazo de 05 (cinco) dias . Após, dê-se vista ao Dr.
perito para indicar quais os documentos cuja apresentação se faz necessária,
para que se determine às partes as providências para sua exibição.(F)" RESCISÃODE CONTRATO

''DECISÃO - ... sendo deferida a perícia sobre os equipamentos, nomeando-se


"Revogo fls. 691 ... Defiro prova pericial contábil, a cargo dos autores, nome- para o encargo o Dr .... .......... Defiro, outrossim, a realização de perícia contá-
ando perito o economista e contador Dr. Ril Moura que deverá ser intimado bil, nomeando para o encargo o Dr. Ril Moura ... Defiro a inversão do ônus da
para a diligência e apresentar o laudo até 30 dias após o depósito dos hono- prova ... Defiro a prova oral consistente no depoimento pessoal das partes e na
rários periciais pela parte ré. Faculto as partes a indicação de seus assistentes oitiva de testemunhas... (FNM) "
técnicos e formulação de quesitos, no prazo legal . ... Intimem-se. [W]"

REVISÃODE CLÁUSULASCONTRATUAIS
"FLS. 169 - ÀS PARTES SOBRE O LAUDO. EXPEÇA-SE MANDADO
DE PAGAMENTO. COMPAREÇAM AS PARTES EM CARTÓRIO PARA
RETIRAROS DOcm.IBNTOS QUE INSTRUÍRAMAS PERíCIAS. (MJ)" ,cPor ser a parte autora hipossuficiente está amparada pela gratuidade da jus-
tiça. Por isso, este Juízo solicitou ao CRC-RJ a indicação de profissional para
prestação gratuita de seus serviços, sendo-lhe apontado para atuar como pe-
PRODUÇÃOANTECIPADADE PROVAS rito contábil o Dr.. .................. Foram homologados por este Juízo os valores
de honorários solicitados pelo expert que, entretanto, foram alterados pelo
Egrégio Tribunal que os fixou em R$ 3.500,00 (três mil e quinhentos reais)
"INDEFIRO. A OITIVA DO PERITO DEVE ATER-SE AOS QUESITOS para o caso, evidentemente, de sucumbência. Entretanto, instado a se manifes-
JÁ FORMULADOS, DAÍ A IMPERTINÊNCIA DA PRESENÇA DE tar nos autos o doutor perito resolveu recusar a prestar os serviços, indicando
ASSISTENTE TÉCNICO . TAMBÉM DISPENSÁVEL A PRESENÇA DO um administrador para realizar o trabalho em seu lugar, em sinal de protesto
REPRESENTANTE LEGAL DA REQUERIDA. (HL)" à ordem judicial emanada do Egrégio Tribunal, em total desrespeito face a
redução da verba honorária. Assim sendo, intime-se o Dr. perito para que dê
110 Ril Moura

ÀS FLS. 411/415, DEVERÁ SER DEVOLVIDO PELA PARTE AUTORA


início aos trabalhos no prazo de 48 horas, após a intimação, sob pena de comu- O VALOR DE R$ ......... EM 72 HORAS, JÁ QUE INDEVIDAMENTE
nicação ao órgão de classe e encaminhamento de peças ao Ministério Público RECEBIDAPELA MESMA. CABE SALIENTARQUE, O ACOSTAMENTO
para tomar a providência que entender de direito.,, DO PEDIDODAAUTORACONSTITUIRIAVERDADEIROBIS 1NIDEM,
COMO BEM ELUCIDADOÀS FLS. 418/421. (JJ)"

"Presentes os pressupostos processuais e as condições da ação considero sa-


neado o feito, rejeitando a alegação de inércia da petição inicial , visto que a "O LAUDO DO DR. PERITO APRESENTOU-SE BASTANTE MINUCIO-
parte autora sustenta a irregularidade dos valores que lhe vêm sendo cobra- SO, INDICANDO ADEQUADAMENTEA MÉDIA DE PREÇO DE MBR-
dos. Defir o a produção de prova oral consistente em depoimento pessoal das CADO...HOMOLOGO O LAUDO, TORNANDOLÍQUIDAA SENTENÇA,
partes que determinode oficio, devendo as partes procederaos recolhi- CONFORMEAPURADO NO LAUDO. P.R.I.-JÁ-"
mentos das custas correspondentes, e inquirição de testemunhas que forem
arroladas com os corretos endereços e as custas devidamente recolhidas no
prazo de 1O dias contados da publicação da presente, bem como documental
superveniente. Ficam as partes cientes de que o não recolhimento para as inti-
mações determinadas acarretará a presunção da prova contra os direitos invo-
cados. A audiência de instrução e julgamento será designada oportunamente.
Defiro , ainda a produção de prova pericial , para o que nomeio o contador RIL
MOURA, que deverá ser intimado para proposta de seus honorários."

"Efetivada a proposta de honorários periciais à fls. 436, as partes manifestaram


à fis. 442 e 443 pugnando pela redução dos honorários periciais . Cada perícia
guarda certa complexidade , com números de quesitos e graus complexidade
distintos , despendendo, por tal motivo , de determinado número de horas para
a realização do trabalho pericial, da prova pericial, não se podendo fixar pre-
viamente um valor para todas as pericias que serão realizadas. Compulsando
os presentes autos, bem como analisando os quesitos apresentados pelas part es
e os argumentos expendidos às fls. 137/ 138, homologo os honorários periciais
em R.$ •..•......•....... , por entender que tal valor é condizente com o trabalho a
ser realizado. Venha o depósito dos honorários homologados, no prazo de 5
dias , sob pena de perda da prova. Com a comprovação do depósito, intime-se
o Dr. perito para dar início aos trabalhos. Laudo em 30 dias."

RITO SUMÁRIO

"POR CONSEGUINTE, O PAGAMENTO DA SUCUMBmCIANA FORMA


DE FLS. 166 JÁ SE VERIFICOUAO CONTRÁRIODAS ALEGAÇÕESDA
AUTORA, NÃO POSSUINDOQUALQUERAMPARO LEGAL O PEDIDO
DE FLS. 425/427. NESSE PASSO,COMO BEM ENFRENTADOPELO RÉU
109
112 Ril Moura

Parte autora: Esperança


6. CORRESPONDÊNCIASEXPEDIDASPOR PERITOS
Parte ré: Companhia R$ 1,00
RILMOURA,economista e contador, perito nomeado nos autos do processo
em epígrafe (fls. 176), considerando o que consta dos quesitos formulados
às fls. 79/81 e 83/85, vem, respeitosamente, requerer a Vossa Excelência a
6.1. PRELIMINARES homologação de honorários profissionais no valor de R$ .................... , cor-
respondente a UFIR-RJ................... , à época do efetivo depósito, dando-se
Quando a prova do fato depender de conhecimento técnico ou científico, em seguida início aos trabalhos periciais.
o juiz será assistido por perito.
O juiz nomeará perito especializado no objeto da perícia e fixarâ, de ime- Esse perito se reserva o direito de pleitear complementação de honorários,
diato, o prazo para a entrega do laudo. caso venham aos autos, a partir dos quesitos sobreditos, outros que requei-
ram nova apreciação.
Os procedimentos de pericias contábeis visam fundamentar o laudo pe-
ricial contábil e o parecer técnico-contábil e abrangem, total ou parcialmente,
segundo a naturezae a complexidade da matéria, exame, vistoria, indagação, Nestes Tennos
investigação, arbitramento, mensuração, avaliação e certificação. Pede Deferimento
Em conformidade com o Novo Código de Processo Civil, a pericia é a
medjda que vem mostrar o fato, quando não haja meio de prova documental Rio de Janeiro, dia, mês e ano
para revelá-lo, ou quando se quer esclarecer circunstâncias a respeito dele e
que não se achem perfeitamente definidos.
RILMOURA
Pode o perito, para o desempenho de sua função, a exemp.lo também dos Perito do Juízo
assistentes técnicos, utilizar-se de todos os meios necessários, ouvindo teste-
munhas, obtendo informações, solicitando documentos que estejam em poder
das partes, de terceiros ou em repartições públicas, bem como instruir o laudo
e ou parecer com plantas, desenhos, fotografias, planilhas ou outros quaisquer Como não existe uma receita, uma fórmula, que posa determinar o valor
elementos necessários ao esclarecimento do objeto da prova pericial. dos trabalhos do perito, a proposta de honorários periciais deve ser muito bem
elaborada, como resultado do planejamento dos trabalhos a serem desenvol-
Além dos honorários periciais que serão requeridos através de petição,
deve o perito, com o objetivo de obter documentos e/ou informações necessá- vidos, honorários que deverão representar o valor justo, digno, adequado, dos
rios à elaboração do laudo pericial, expedir petições e uma série de correspon- trabalhos que serão realizados.
dência, como por exemplo, além de outras: Muitas das vezes, uma das partes, ou ambas as partes, não concorda com
o valor dos honorários requeridos pelo perito, alegando o patrono da parte, o
advogado, que os honorários são excessivos, exagerados, demasjados, desme-
6.2. EXEMPLODE PETIÇÃOPARAREQUERER
HONORÃRIOS didos, exorbitantes, abusivos, requerendo que os honorários sejam reduzidos,
e às vezes o advogado até requer a nomeação de outro perito em substituição.
Nesses casos, o juiz manda ouvir o perito sobre a impugnação, sobre o
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA insurgimento, dos honorários requeridos .
....... VARA CÍVEL DA COMARCA DA CAPITAL Se os honorários requeridos pelo perito representam o valor justo, ade-
Processo nº 2015.038.12344321-0 quado, dos trabalhos a serem realizados, e não podendo haver redução, dimi-
nuição, da verba honorária, o perito pode e deve sugerir o depósito parcelado
Ação: Repetição de Indébito
dos honorários, ou deixando a critério do juiz.
111
CAPÍTULO
6. COR
RESPONDÊNCIAS
EXPEDID
AS PORPERITOS 113 114 Ril Moura

6.3. EXEMPLO DE PETIÇÃO PARA PARCELAMENTODO DEPÓSITO DE para obtenção de documentos necessários, além dos que constam dos autos,
HONORÃRIOS o perito deve também encaminhar aos advogados das partes correspondência
para que seja indicado nome de pessoa para lhe atender.
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA
........ VARAFEDERAL SEÇÃO JUDICIALDO ESTADO DO RIO
DE JANEIRO
6.4. EXEMPLO DE CORRESPOND~NCIACOMUNICANDO O INfCIO DA
PRODUÇÃODA PROVAPERICIALE SOLICITANDOINDICAÇÃODE NOME DE
Processo nº : 2015.007.6068-4 PESSOADE UMA DASPARTESPARAATENDERO PERITO
Parte autora: Baleia dentro do aquário
Parte ré: Companhia R$ 2,00 Rio de Janeiro, ctia, mês e ano

RIL MOURA, contador e economista,perito nomeado nos autos do proces-


TI.ma
. Sra.
so em epígrafe, em cumprimento ao despacho de fls. 309, e relativamente aos
Dra. Joaquina Passos Sentidos
petitórios de fls. 288/289 e 301/308, vem, respeitosamente,informar a Vossa
Excelência que os seus honorários foram requeridos considerando a exten- Fax: 2265-8703
são, abrangência e peculiaridades dos quesitos formulados às fls. 239/240.
Processo nº : 2015.007.6068-4
Ressalte-se, como se observa às fls. 247, que, após, a parte ré fonnula que- .....ª Vara Federal
sitação.
Ação: Cobrança
Asfls. 286 os honorários periciais foram fixados em R$ ............... .. Parte autora: Baleia dentro do aquário
Como se vê de fls. 294/299, a parte ré formula QUESITOS SUPLEMENTA- Parte ré: Companhia R$ 2,00
RES, totalizando mais 30 quesitos, exigindo deste perito alocação de maior
número de horas de trabalho para a realização de seu múnus. Prezada senhora,

Isto posto, visando a realização da prova pericial, e muito respeitosamente,


o que pode sugerir é o parcelamento do depósito de seus honorários, ficando Na qualidade de perito do Juízo da .... Vara Federal - processo em epígrafe,
a critério de VossaExcelência a fixação do número de parcelas. e como início da produção da prova pericial, solicito no prazo de 5 (cinco)
ctias, expresso formalmente, o fornecimento de nome completo, endereço,
telefone, e-mail, fax e CEP de pessoa habilitada de seu cliente para que
Nestes Termos este signatário possa marcar reunião, visando a obtenção de todos e quais-
Pede Deferimento quer documentos e/ou informações, além dos que constam dos autos, de
qualquer forma vinculados à lide, e que contenham elementos par exame
Rio de Janeiro, dia, mês e ano e oferecimento de resposta pela pericia aos quesitos formulados, acostados
aos autos.
RILMOURA
Perito do Juizo
Atenciosamente,
De posse do processo, dos autos (conjunto ordenado das peças de um
processo), retirado do cartório para elaboração do laudo pericial, o perito deve RILMOURA
comunicar o início da produção da prova pericial e, visando agendar reunião,
Perito do Juízo
CAPÍTULO
6. COR
RESPONDÊNCIAS
EXPEDID
AS PORPERITOS 115 116 Ril Moura

Quando houver indicação nos autos de assistentes técnicos, após a retira Concluído o laudo pericial, por ocasião de sua entregada o perito deverá
do processo do cartório para elaboração do laudo pericial, e visando agendar requerer a sua juntada aos autos e requerer, também, a liberação de seus hono-
reunião para obtenção de documentos necessários, além dos que constam dos rários - através de alvará ou de mandado de pagamento - , com os acréscimos
autos, deve o perito encaminhar aos assistentes técnicos das partes correspon- legais.
dência para que seja agendada reunião. A seguir, mais um exemplo de petição fazendo entrega do laudo pericial
e requerendo liberação dos honorários.

6.5. EXEMPLO DE CORRESPOND!NClA PARA AGENDAR REUNIÃO COM


ASSISTENTETtCNICO 6 .6. EXEMPLO DE PETIÇÃO PARA FAZER ENTREGA DO LAUDO PERIC1AL E
LIBERAÇÃO DOS HONORÃRIOS
Rio de Janeiro, dia, mês e ano
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA
Iltno. Sr. ..... VARACÍVEL DA COMARCA DA CAPITAL
Dr. ROBERTO LUXIDI DUARTE
~ assistente técnico da companhia R$ 2,00
Av. Semambetiba Processo n° ................. ...
Barra da Tijnca Ação: .............................
Parte autora: Sardinha no Oceano
Parte ré: Companhia R$ 2,50
Processo nº : 2015.007.6068-4
.....ª Vara Federal
Ação: Cobrança RIL MOURA, contador, perito nomeado nos autos do processo em epigra-
Parte autora: Baleia dentro do aquário fe, tendo concluído o seu laudo pericial, em anexo, vem, respeitosamente,
Parte ré: Companhia R$ 2,00 requerer a Vossa Excelência:

Prezado senhor, 1. Juntada do laudo pericial


2. Expedição do mandado de pagamento de seus honorários que se en-
contram depositados às fls. 190 e 201, com os acréscimos legais.
Na qualidade de perito do Juízo da ....ª Vara Federal - processo em epígrafe,
e como início da produção da prova pericial, solicito no prazo de 5 (cin-
co) dias, seja agendada reunião informando-se com antecedência, expresso Nestes Termos
formalmente, o dia, o endereço e o horário, visando a obtenção de todos e Pede Deferimento
quaisquer documentos e/ou informações, além dos que constam dos autos,
de qualquer forma vinculados à lide, e que contenham elementos par exame
Rio de Janeiro, dia, mês e ano
e oferecimento de resposta pela perícia aos quesitos formulados, em anexo
transmitidos.
RILMOURA
Atenciosamente, Perito do Juízo
con tador
CRC/RJ 9.786/0 ·6
RIL MOURA
Perito do Juízo
CAPÍTULO
6. COR
RESPONDÊNCIAS
EXPEDID
AS PORPERITOS 117 118 Ril Moura

É comum, após o perito requerer os seus honorários para elaboração do esclarecimentos sobre várias questões, devendo o perito quando apresentar os
laudo pericial, ou após a entrega do laudo pericial, novos quesitos serem for- esclarecimentos considerar apenas a parte técnica dos quesitos formulados,
mulados por uma das partes, ou por ambas as partes, podendo o perito vir a sem adentrar em questões impertinentes.
requerer homologação de honorários complementares. A seguir, 3 (três) exemplos de esclarecimentos prestados por peritos.

6.8. EXEMPLOSDE ESCLARECIMENTOS


PRESTADOSPORPERITOS
6.7. EXEMPLODEPETIÇÃOPARAREQUERER
HONORÁRIOSCOMPLEMENTARES
1° Exe mplo de esclarecimentos prestados

EXCELENTÍSSIM O SENH OR DO UT OR JUIZ DE DIREIT O DA EXCE LENTÍSSIM O SENH OR DO UT OR JUIZ DE DIRE ITO DA
~

.... ...VARACÍVEL D AC OMAR CA DACAPITAL ..... VARA D E FAZENDA PUBL I CA

Processo nº .................... Processo nº : 2015.002.043225-4


Parte autora: ÁLVAROVIEIRADE CARVALHO Ação : Embargos de Devedor
Parte ré: Companhia R$ 3,00 Embargante : Mello Gujmarães
Embargado : Banco do Estado SIA

RIL MOURA, economista e contador, perito nomeado nos autos do pro- RIL MOURA , economista e contador, perito nomeado nos autos do pro-
cesso em referência, em cumprimento ao r. despacho de fls. 123, pertinente cesso em epigrafe, em cumprimento ao despacho de fls. 97, relativamente
ao que consta de fls. l 00 e 1O1, vale dizer, novos quesitos apresentados ao petitório de fts. 15/16, vem, respeitosamente, informar a Vossa Excelên-
pela parte autora, e considerando a extensão, abrangência e peculiaridades ct.a,como segue.
dos mesmos, exigindo deste profissional nova apreciação, vem requerer a 1. Utilizando os extratos correspondentes ao período de 30 de dezembro de
Vossa Excelência homologação de honorários no valor de R$ ..................... 2012 a 11 de abril de 2013, fls. 67/92, observa-se que o embargado cobrou
correspondente a UFIR-RJ .............., à época do efetivo depósito, dando em R$ 1O.780,81 a titulo de juros, de forma capitalizada, e sem capitalização,
seguida início aos trabalhos periciais. os juros totalizaram R$ 5.847,81, conforme demonstrado através da plani-
Este perito se reserva o direito de pleitear complementação de hono- lha de fls. 97/102.
rários , caso venham aos autos, a partir da petição sobredita, outros 2. Considerando os juros de R$ 1O.780,81 cobrados pelo embargado, de
quesitos que requeira nova apreciação . forma capitalizada, e os juros de R$ 5.847,81, o quantum de repetição seria
de R$ 4.933,00, totalizando R$ 9.866,00 (R$ 4.933,00 x 2).
Neste Termos
Finalizando, este signatário agradece a oportunidade, realçando a sua dis-
Pede Deferimento
ponibilidade a esse respeitável Juízo.
Curitiba, dia, mês e ano
Nestes Termos
Pede Deferimento
RILM OURA
Perito do Juízo Rio de Janeiro, dia, mês e ano

É comum uma das partes, ou ambas as partes, após a entrega do laudo RIL MOURA
Perito do Juízo
pericial, impugnar o laudo pericial e requerer ao juiz que o perito apresente
CAPÍTULO
6. CORRESPONDÊNCIAS
EXPEDIDAS
PORPERITOS 119 120 Ril Moura

2º Exemplo de esclarecimentos prestados


pago s em datas anteriores a _/_/___:, e R$ 60.398,34 teriam sido pagos
em data posterior a_/_/_ . Do valor de R.$ 60.398,34, que teria sido
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR DESEMBARGADOR pago pela Associação em data posterior a _/_/ __, sem comprovação
RELATOR DA DÉCIMA .................... CÂMARA CÍVEL DO seria o valor de R$ 5.479,91.
EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE Relativamente ao documento de fls. 373, e também em consistência com as
JANEIRO respostas constantes do laudo pericial (fls. 525/538), no dia _/_/_ a
Associação recebeu o valor de R$ 163.686,60 como de pagamento efetua-
Apelação Cível nº 2015.038.99401 do pela ABC , conforme recibo passado pelo Diretor Geral da Associação e
Partes: Robson Romualdo recibo de depósito do Banco Azul SIA. Este profissional examinou o Livro
Associação dos Disciplinadores Diário nº 4, contendo lançamentos de _/_ a _/_/ _, não sendo
localizada a contabilização do referido valor .
RIL MOURA, economista e contador, perito nomeado nos autos da Apela- 5. As fts. 622/623, e também no laudo pericial de fts. 525/538, consta ex-
ção Cível em epígrafe, em cumprimento ao r. despacho de fts. 635, relativa - presso fonnalmente que através dos documentos de fls. 583/585 e 587/594,
mente ao petitório de fls. 633/634, vem, respeitosamente , informar a Vossa as 1ª e 3ª Varas do Trabalho informaram da impossibilidade em fornecer
Excelência, como segue. os documentos, isto é, (cópias dos termos de quitação , comprovantes de
pagamentos e demais documentos que pudessem comprovar quem efetuou
1. Vê-se às fls. 385/389, que a sentença julgou procedente "a pretensão da
tais pagamento s, e se resultantes de sentença ou acordos celebrados entre
autora para declarar o saldo credor no valor de R$ 1.448 .193,96" , quantia
reclamante e reclamados , documentos extraídos dos autos, de fls. 261/272,
evidenciada à fl. 201 .
329 e 344/354, em atendimento ao quesito nº 16), por datarem de mais de
2. Referida quantia encontra-se especificada da seguinte forma: l Oanos , e que todos os autos encontravam-se inutilizados , conforme Reso-
lução Administrativa de nº 222/01.
Descrição RS 6. Diante de todo o exposto , para o último ano de mandato do réu, com-
Despesas le~ais 5.672,44 preendido entre_ /_ /_ a_ /_ /--' sendo considerado sem com-
Despesas da Associação 8.000.00 provação o valor de R$ 5.479 ,90, referente às reclamações trabalhistas , e
Despesas trabalhistas e previdenciárias 1.232.066,92 também sendo considerado como de sem contabilização parte da receita o
Patrocínios 80.000,00 valor de R$ 163 .686,60, recebido no dia _/_/__, o que consta do item
Receitas operacionais 122.454,60 2 sobredito passaria a ter a seguinte especificação:
Total 1.448.193,96
3. Como se observa às fls. 496/415 , a parte ré declara "que o Laudopericial Descrição R$
de fts. 188/201 não levou em consideração os Oficios de fls. 329, 344 e 372, Despesas legais 5.672.44
até porque só deferidos, expedidos e trazidos aos autos após a juntada do Despesas da Associação 8.000,00
referido laudo e que, certamente , se levados em conta pelo ilustre Vistor, Desoesas trabalhistas e previdenciárias 5.479,90
antes da elaboração do laudo, os teriam conduzido a outras conclusões no Patrocínios 80.000,00
curso de seu trabalho ,..." Receitas operacionais 0,00
4. Em consistência com as respostas constantes do laudo pericial (fls. Total 99.152,346
525/53 8), o valor que teria sido pago pela Associação , referente às reclama-
ções trabalhistas , totalizou R$ 1.286.985,36, contabilizado pela Associação Finaliz.ando, e agradecendo a oportunidade, ressalta que permanece à dis-
como despesa; do total de R$ 1.286.985,36 , R$ 1.226.587 ,02 teriam sido posição dessa DÉCIMA ......... CÂMARA CÍVEL.
CAPÍTULO
6. CORRESPONDÊNCIAS
EXPEDIDAS
PORPERITOS 121 122 Ril Moura

Nestes Termos No extrato do Banco Esperança (anexo nº 11), o cheque que aparece debi-
Pede Deferimento tado é o de nº 033905, e no recibo (anexo 7) o cheque édenº 1683-7, e o
banco é o Harmonia; e relativamente aos documento s de fls. 63, 64 e 65,
respectivamente, clieque, recibo e extrato bancário , constata-se que no re-
Rio de Janeiro, dia, mês e ano
cibo não constam o nº do cheque, o nome do banco e a agência, e o recibo
não se encontra assinado. No extrato bancário aparecem 3 (três) cheques
Rll,MOURA debitados, cada um no valor de R$ 600,00, sendo um cheque de nº 02460,
Perito da Câmara que no cheque anexo nº 8 consta a favor de Luiz Gama, e o recibo anexo nº
CORECON l ª Região 2545 9 não contém assinatura.
CRC - RJ - 9.786/0-6 3. Com base nos referidos documentos, e como consta do laudo pericial,
os documentos entregues pelo embargante à pericia, isto é, documentos
de fls. 61/66, como se encontram, não comprovam, de forma fidedigna, o
3° Exemplo de esclarecimentos prestados pagamento questionado.

EXCELENTÍSSIMO~ENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO 4. A parte embargante, agora, fls. 77, diz que o motivo da ausência de as-
DA ....... VARACIVEL DA COMARCADA CAPITAL sinatura da pessoa que recebeu o pagamento deveu-se ao fato de o condo-
mínio embargado não ter devolvido os ditos recibos assinados, e sobre o
cheque no valor de R$ 3.000,00, declara , in verbis : "Pesquisando acerca
do cheque mencionado no recibo , a Embargante acessou o site do Banco
Processo nº : 2014.001.064039-6
Harmonia e, fazendo um depósito de R$ 10,00 (dez reais), descobriu que o
Ação : Embargos do Devedor
Embargante : Administradora de Imóveis Batuta aludido número , na verdade, não se refere a cheque algum, mas sim à pró-
Embargado : Condomínio do Faz de Conta pria conta corrente do Sr. Cavalcanti de Sousa (doe. nº 01)." No documento
juntado, fls. 79, consta, além de outros: "Para: Conta Corrente Agência:
23845 Conta; 0001683-7 Favorecido: CAVALCANTE DE SOUSA Data
do Agendamentofl'ransferência: 19/10/2005 Valor: 10,00" .
RIL MOURA, economista e contador, perito nomeado nos autos do pro- Finalizando, e agradecendo a oportunidade, ressalta que permanece à dis-
cesso em epígrafe, em cumprimento ao despacho de fls. 81, relativamente posição desse respeitável Juízo.
ao petitório de fls. 76/78, vem, respeitosamente, informar a Vossa Excelên-
Nestes Termos
cia, como segue.
Pede Deferimento
1. Não existe equivocada conclu são deste profissional, como quer a em-
Rio de Janeiro, dia, mês e ano
bargante , uma vez que as resposta constantes do laudo pericial, fls. 50/54,
foram em consistência com os documentos entregues pela própria embar- RILMOURA
gante através do assistente técnico indicado às fls. 57, que informou da
inexistência de quaisquer outros documentos , além dos entregues à pericia , Perito do Juízo
por cópia, fls . 61/66 .
2. Como se observa através do laudo pericial, nos documentos de fls. 61/ Para a elaboração do laudo pericial, além dos exemplos de petições e de
e 62, respectivamente, cheque e recibo, constata-se que o nº do cheque e correspondências supraditos, que os peritos devem expedir, outras correspon-
o nome do banco , inseridos no recibo, não são os mesmos, e o documento dências podem ser expedidas, dependendo da extensão, abrangência e pecu-
recibo não se encontra assinado. liaridades da quesitação formulada, bem como sobre o atendimento daquilo
que tenha o perito solicitado.
CAPÍTULO
6. COR
RESPONDÊNCIAS
EXPEDIDAS
PORPERITOS 123 124 Ril Moura

A seguir, são apresentados 9 (nove) exemplos de correspondência, todas, Atenciosamente,


visando a obtenção de documentos para elaboração de laudo pericial.
RILMOURA
6.9. EXEMPLOSDE OUTRASCORRESPOND~NCIAS
VISANDO A OBTENÇÃODE Perito do Juízo
DOCUMENTOSPARAELABORAÇÃODO LAUDO PERICIAL
2° Exemplo
1° exemplo
ruo de Janeiro, dia, mês e ano
Florianópolis, dia, mês e ano
Tuna. Sra.
Ilmos. Srs.
Dra. EDLA SILVADE OLIVEIRA
Drs. Luiz, Teresa, Regina e Gleydes
Av. Rio BraI1co,...............................
Av. Jerônimo Monteiro Lobatto, 2 - 18° andar
E-mail: ..................................................
E-mail: .........................
Ref. Processo nº ..................
.......... Vara Cível
Ref. Processo nº ...............................................
Ação: ...................
.........Vara Cível
Partes:
Partes:
Cor do Pecado
Ângela Lynn Webster Moura
Restaurante do Mau Tempero
Paisagismo Natural
Prezada senhora,
Prezados senhores,
Na qualidade de perito do Juízo da .....Vara Cível - processo em referência,
como resultado da reunião realizada nesse endereço com V.Sa. no dia 29 do Na qualidade de perito do Juízo da ..... Vara Cível - processo em referência,
corrente mês, e visando a obtenção de documentos e/ou informações para e conforme o resultado da reunião realizada no dia ..../..../.... - já do vosso
elaboração do laudo pericial, solicito seja informada, no prazo de l O(dez) conhecimento - nos escritórios de seu cliente, com a participação do assis-
dias, a divida a nível fiscal e comercial do RESTAURANTE DO MAU tente técnico, e vez que o laudo pericial encontra-se em fase de conclusão,
TEMPERO, juntando, no que couber, cópia quitada do último pagamento, solicito:
para o que segue, além de outros: FGTS, INSS, COFINS, PIS, ICMS, IR, 1. Entrega, no prazo de 5 (cinco) dias, de todos os documentos e/ou infor-
CONTRIBUIÇÃO SOCIAL, ALUGUEL, FORNECEDORES(fornecendo mações prometidos; e
os nomes), BANCOS (fornecendo os nomes) e AÇÕES TRABALHISTAS
(fornecendo nome dos reclamantes e das Varas). 2. Depósito judicial (em nome do poder Judiciário) referente às 5 (cinco)
últimas parcelas vencidas de nossos honorários.
Solicito, também, o fornecimento de cópia do Balanço Patrimonial e DRE
dos exercícios sociais findos em 31.12.2003, 31.12.2004 e 31.12.2005, Atenciosamente,
bem como de cópia da Declaração do Imposto de Renda relativas a esses
exercícios.
Solicito, ainda, informar se o contrato locativo era de 5 (cinco) anos, e se Nome e assinatura
foi proposta ação renovatória do contrato, fornecendo data e números do Perito do Juízo
processo e da Vara.
CAPÍTULO
6. CORRESPONDÊNCIAS
EXPEDIDAS
PORPERITOS 125 126 Ril Moura

3° Exemplo
Ref. Processo nº 215.002003004-0
116ª Vara Cível
Rio de Janeiro, dia, mês e ano Partes:
Iana Moura
Ilmos. Srs. Aplicações Sociais
Drs. Sebastião Jorge e Maria José Prezado senhor,
Rua
E-mail: Na qualidade de perito do Juízo da 11611 Vara Cível - processo em referên-
ci~ de acordo com o resultado das reuniões realizadas com V.Sa.,e visando
Ref. Processo nº 2015.005006007-1 celeridade para o oferecimento de esclarecimentos determinados às fis. 797
128ª Vara Cível dos autos, solicito entrega, no prazo de 5 (cinco) dias, de todos os ele-
Ação: Ordinária mentos prometidos, incluindo memória de cálculo eletrônico pertinente às
Partes: prestações de contas (fls. 93/ 160), notadamente ao desconto do CDI + 2%,
Julia Horta Nasser até outubro de 2014, e CDI + 1,5%, após outubro de 2014.
Consultório de Psicologia Atenciosamente,
Prezados senhores,
Na qualidade de perito do Juízo da 128ª Vara Cível - processo em referên- RILMOURA
cia, e em aditamento ao expediente datado de 26 deste mês, cumpre-me Perito do Juízo
informar que nos nºs de telefones, fornecidos por esse escritório, não é
encontrado o Sr. Rocha Arlindo Desconhecido. SºExemplo
Assim, visando maior celeridade, solicito, reiterando, informar, expresso
formalmente, nome completo, endereço, telefone, e-mail, fax e CEP de pes- Rio de Janeiro, dia, mês e ano
soa habilitada de seu cliente para que este signatário possa marcar reunião.
Atenciosamente,
À
RILMOURA
Perito do Juízo Aos cuidados do Dr. Pequeno Veloz
Av. Presidente Vargas,4490 - 25° andar
4°Exemplo E-mail:

Rio de Janeiro, dia, mês e ano


Ref. Processo nº 2008.0078341-1
217ª Vara Federal
Ilmo. Sr. Ação: Ordinária
Dr. José de P Mota Filho Parte autora: Paz Social
MD assistente técnico do Banco XYD SIA Parte ré: Ação Individual
E-mail:
Prezado senhor,
CAPÍTULO
6. CORRESPONDÊNCIAS
EXPEDIDAS
PORPERITOS 127 128 Ril Moura

Na qualidade de perito do Juízo da 217ª Vara Federal - processo em referên- "2) Queiram o I perito e assistentes técnicos informar todos os encargos
cia, reportando-me ao expediente dirigido a VSa. no dia 21 de dezembro de cobrados pela parte ré, tais como juros durante o mútuo, juros no período
2006, bem como à correspondência eletrônica (e-mail) recebida nesta data, de inadimplência, comissão de permanência, correção monetária, muitas,
informo que anotei o número do documento, e visando conclusão do laudo capitalização, tarifas, tributos e outros que se verificarem, bem como a base
pericial, reitero sejam informados os valores, mês a mês, de todas dívidas legal ou contratual em que a ré se escuda para cobrança;"
existentes correspondentes ao período de fevereiro de 2014 a janeiro de
2015, bem como as vendas realizadas no mesmo período. "3) Queiram o I perito e assistentes técnicos apurar e informar os percen-
tuais, índices, trocase alíquotas referentes aos itens da resposta anterior;"
Atenciosamente,
H4)Queiram o I perito e assistentes técnicos apurar e informar se a empre-
RILMOURA sa ré é uma instituição financeiraautorizada a funcionar e fiscalizada pelo
Conselho Monetário Nacional, regida pela Leinº 4.595/, trazendo aos autos
Perito do Juízo
cópia do respectivo ato de autorizaçãot

6°Exemplo "5) Queiram o I perito e assistentes técnicos informar todos os limites de


juros e comissão de permanência autorizados pelo Conselho Monetário Na-
Rio de Janeiro , dia, mês e ano cional e Banco Central, para que as instituições financeiras pratiquem, refe-
rente ao período de duração da relação contratual entre as partes;"
Ilmo. Sr.
Dr. Pereira da Luz "6) Queiram o I perito e assistentes técnicos elaborar planilha contendo a
MD assistente técnico do Banco Esperança S/ A evolução do débito a partir dos encargos e demais itens cobrados pela ré, fa-
zendo-a de forma cliscriminada,separando em colunas distintas os valores
Fax:
correspondentes os juros durante o mútuo, juros no período de indigitada
Ref. Processo 2008.001.050864-9 inadimplência, comissão de permanência, correção monetária"'muitas, ca-
201ª Vara Cível pitalização, tarifas, tributos e outros que se verificarem-;"
Ação: Ordinária
Parte autora: Ponto Chique "7) Queiram o I perito e assistentes técnicos elaborar planilha considerando
os valores históricos dos lançamentos, deduzindo as parcelas pagas, proce-
Parte ré: Banco Esperança S.A.
dendo a atualização com juros de l % ao mês, pela forma linear;"
Prezado senhor,
Na qualidade de perito do Juízo da 201ª Vara Cível - processo em referên- QUESITOS DA PARTE RÉ- Fls. 220/221 -
cia, e visando elaboração do laudo pericial, solicito,no prazo de 15 (quinze)
dias, seja agendada reunião, informando-me local, dia e hora, para que a "1) Queira o i. Dr. perito informar se a taxa de juros cobradas a autora está
perícia possa obter documentos e/ou informações que sirvam para o ofereci- em conformidade com o previsto no Contrato>já anexado aos autos;"
mento de resposta aos quesitos formulados pelas partes, transcritos abaixo.
"2) Queira o i. Dr. perito dizer se o autora efetuou, nos vencimentos das
QUESITOS DAPARTEAUTORA-Fl s. 215/217- faturas indicadas na prestação de contas o pagamento integral dos seus gas-
"1) Queiram o I perito e assistentes técnicos informar todos os lançamentos tos·"
,
procedidos pela ré na conta do autor, bem como todos os pagamentos efe- "3) Queira o i. Dr. perito elaborar os cálculos que informem o valor devido
tuados pelo mesmo;" pelo autora na data da apresentação do laudo pericial;"
CAPÍTULO
6. COR
RESPONDÊNCIAS
EXPEDIDAS
PORPERITOS 129 130 Ril Moura

"4) Queira o i. Dr. perito indicar quaisquer outros elementos que julgue útil vendidas no mesmo período ; 3. relação dos fornecedores correspondentes ao
e oportuno para o deslinde da controvérsia;". período de 01 de janeiro de 2004 a 31 de dezembro de 2004; 4. Livros Diários
nº s 1, 2 e 3; 5. Livro Registro de Entradas de Mercadorias nº 2; 6. Livros Re-
gistro de Inventário nº s 1 e 2; e 7. Livros Registro de Saídas nºs l e 2 .
Atenciosamente,

Atenciosamente,
RILMOURA
Peritodo Juízo RILMOURA
Perito do Juízo
7°Exem plo
8° Exemplo
Rio de Janeiro, dia, mês e ano
Rio de Janeiro, dia, mês e ano

llmo . Sr. Ilmos. Srs.


Dr. Arrumação da Conceição Drs. Instaurador e Bloqueio
Assistente técnico do Banco da Praça S.A.
Fax: : 2265-8703
Ref. Processo nº 2015 .000.000001 -0
Fax:......................
Inventário nº 2015.000.000000-0
Ref. Processo 2007 .003 .300003-5
8~ Vara de Órfãos e Sucessões
Ação: Apuração de Haveres
22511Vara Cível
Ação : Embargos de Terceiros Req uerente: Renata ReisAmorim
Requerido : Associados e Irmãos
Partes :
Banco da Praça S.A . Prezados senhores,
Cicrano $ Beltrano Ltda.
Na qualidade de perito do Juízo da 89ª Vara de Órfãos e Sucessões - pro-
Prezado senhor, cesso em referência, e visando a obtenção de documentos e/ou informações
Na qualidade de perito do Juízo da 22~ Vara Cível - processo em referên- necessários à elaboração do laudo pericial , solicito entrega, no prazo de 1O
cia, e visando elaboração do laudo pericial complementar, solicito entrega, (dez) dias, do que consta a seguir, no que couber:
no prazo de 1O ( dez) dias, de documentos e/ou informações que possam 1. Livros Diários contendo a escrituração dos últimos três exercícios so-
ser úteis ao oferecimento de resposta aos quesitos formulados pela parte ciais anteriores ao óbito;
embargante, conforme consta do anexo.
2. Livro Diário contendo a escrituração do exercício social em que ocor-
Solicito também, para exame e devolução no prazo de 2 (dois) dias, conforme reu o óbito ;
consta de fls. 111, 113,115,116, 120, 122 e 181/182, entregado que segue: 1. 3. Livro de Inventá.rio de estoque (últimos três exercicios);
cópia de notas fiscais de aquisição de mercadorias no perlodo de O1 de janeiro
de 2004 a 30 de setembro de 2004; 2. cópia das notas fiscais das mercadorias 4. Cópia do Ba lanço na data do óbito (devidamente assinado pelos respon-
sáveis) , quando levantado segundo cláusula do Contrato Social;
CAPÍTULO
6. CORRESPONDÊNCIAS
EXPEDIDAS
PORPERITOS 131 132 Ril Moura

9° Exemplo
5. Declaração do Imposto de Renda (três últimos exercícios);
6. Contrato Social e alterações posteriores, até a última. Cópia contendo o Rio de Janeiro, dia, mês e ano
número de registro na Junta Comercial;
7. Relação dos bens e instalações pertencentes a firma, listando a quanti-
dade, marca, modelo, valor histórico e idade de cada item; Ilmo. Sr.
Dr. Erasmo Consciente
8. Relação dos veículos em nome da firma, com cópia dos respectivos
"Certificados de Registro e Licenciamento de Veículo"; Rua Henrique Lacombe, 2196/1202 - Jardim Guanabara
Ilha do Governador - Rio de Janeiro - RJ
9. Cópia de contratos com clientes vigentes na data do óbito; CEP 21940-240
1O. Guia do último imposto predial e respectivas escrituras dos imóveis da
firma (se possuir imóveis);
Assunto: 88ª Vara Cível da Comarca
11. Cópia de Contrato Social com coligadas e controladas;
Processo: 2002.000.010101-1
12. Cópia das contas dos telefones (da época do óbito e últimas) em nome Autora: Baleia do Atlântico
da firma, bem como discriminar o número das linhas pertencentes a Réu: Banco da Sombra S/A
PBX/PABXe troncos;
13. Cópia da planta baixa e de obras, quando for o caso;
Prezado senhor,
14. Cópia do CNPJ; da inscrição estadual e do Alvará de LocaUzação;
Na qualidade de perito judicial nomeado para o processo em referência,
15. Contrato de locação em vigor na data do óbito; vimos solicitar que nos seja encaminhado o seguinte documento:
16. Contrato de locação atual;
• Planilha com a evolução do financiamento desde a origem até a presente
17 Relação dos bancos onde a finna possui contas e/ou outro tipo de rela- data, referente ao contrato nº 18805901 assinado entre a autora e o réu
cionamento bancário;
em .... ./.... ./.. ...,t endo como objeto o imóvel sito à Rua das Laranjeiras,
18 Cópia de extratos bancários na data do óbito e no último dia do mês 1349/2605 - Bloco II - Laranjeiras- Rio de Janeiro/RJ.
anterior;
Tal informação é essencial à elaboração das respostas a diversos quesitos
19. Relação das ações trabalhistas ou de qualquer natureza, onde a firma formulados por ambas as partes, bem como à apresentação de uma posição
seja autora ou ré; atualizada dos cálculos e análises que integrarão o laudo pericial.
20. Relação das marcas e patentes, devidamente registradas nos órgãos No aguardo do pronunciamento de Vossa Excelência, finnamo-nos.
competentes em nome da firma;
21. Cópia do Laudo da ultima reavaliação do Ativo Permanente; e Atenciosamente
22. Quaisquer outros documentos e/ou informações que sejam julgados re-
levantes ao escopo da Apuração de Haveres.
Nome e assinatura
Atenciosamente, Categoria no Conselho

RILMOURA
Perito do Juízo
134 Ril Moura

Nestes Termos
7. CORRESPONDÊNCIAS EXPEDIDAS POR Pede deferimento
ASSISTENTES TÉCNICOS
Guaçui, dia, mês e ano
Nome e assinatura
CONTADOR - CRC
7 .1. PRELIMINARES
A seguir, 3 (três) exemplos de correspondências dirigidas ao perito.
Como já vimos, o juiz será assistido por perito quando a prova do fato
depender de conhecimento técnico ou científico. Querendo, as parte s indica-
rão seus assistentes técnicos. 7 .3. EXEMPLOSDE CORRESPONDtNCIASDIRIGIDASAO PERITO
A lei processual civil quando estabelece as normas para a realização da
pericia, prevê o § 3 do art. 473 que, para o desempenho de sua função, o pe- !ºExemp lo
rito e os assistentes técnicos podem valer-se de todos os meios necessários,
ouvindo testemunhas, obtendo informações, solicitando documentos que es- Rio de Janeiro, dia, mês e ano
tejam em poder da parte, de terceiros ou em repartições públicas, bem como
instruir o laudo com planilhas, mapas, plantas, desenhos, fotografias ou outros
elementos necessários ao esclarecimento do objeto da pericia. limo. Sr.
Tão logo tenham conhecimento da indicação pelas partes, os assistentes DR. RILTON ACIOLI MOURA
técnicos, querendo, podem, por petição se comunicar ao Juízo, e por outra MD. perito do Juízo
correspondência dirigir-se ao perito nomeado colocando-se à disposição para Fax: 2516-0053
o planejamento e a execução conjunta da perícia.
Os assistentes técnicos oferecerão seus pareceres no prazo comum de
15 (quinze) dias após a apresentação do laudo do perito, independentemente Prezado senhor,
de intimação. Na qualidade de assistente técnico do BANCO HARMONIA S/A, na
Ação Ordinária (processo nº ..........), sendo a outra parte NOME DO AU-
7.2. EXEMPLODE PETIÇÃOPARAQUEA REALIZAÇÃODASDILIG~NCIASSEJAM TOR, que tramita na 98º Vara Federal, e com o propó sito de oferecer todo
EM CONJUNTOCOM O PERITO
o necessário para a elaboração do laudo pericial, venho colocar-me à sua
disposição, inclusive para obtenção, se necessário, de todos e quaisquer
EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA documentos que porventura V.Sa. venha precisar.
93ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE...........
Por ~ coloco-me ã disposição de V.Sa. para participar das diligências,
Processo nº 2015.408.123321-9 bem como em conjunto, na época oportuna, concluirmos os trabalhos pe-
nciats.
(NOME DO PROFISSIONAL), perito assistente técnico indicado pelo
BANCO FAZ DE CONTAS/A., na Ação Ordinária, movida por NEVES
DA COSTA, vem, mui respeitosamente, requerer a Vossa Excelência que Atenciosamente,
as diligências a serem realizadas pelo ilustríssimo Dr. perito desse Juízo
sejam com a participação deste signatário, visando maior agilidade nos pro-
cedimentos pertinentes. Nome e assinatura
CONTADOR - CRC/ ....... .
133
CAPÍTULO
7. CORRESPONDÊNCIAS
EXPEDIDAS
PORASSISTENTES
TÉCNICOS 135 136 Ril Moura

2º Exemplo
Prezado senhor,

Castelo, dia, mês e ano Na qualidade de assistente técnico do BANC O ES PERANÇAS/A, na


Ação Ordinária (processo nº ..........), sendo a outra parte AUTOR CON-
FIANTE , que tramita na t 13ª Vara Cível, conforme contato telefônico des-
limo . Sr. ta data, e para que este assistente técnico possa se dirigir ao banco réu, so-
Dr. RICARDO ACIOLI MOURA licito informar, minuciosamente, por escrito, todos os documentos julgados
MD perito do Juízo necessários para a elaboração do laudo.
Tel/Fax:2205 -6746 Por fim, mais uma vez, e em conformidade com o expediente datado de
....!....!.... - dirigido a V.Sa. -, permaneço à disposição, e aguardando a opor-
tunidade de, juntos, concluirmos os trabalhos periciais.

Prezado senhor,
Atenciosamente,
Na qualidade de perito assistente técnico do BANCO FAZ D E CONTA
S/A, na Ação Ordinária (processo nº .........), sendo a outra parte NEVES
DA COSTA, que tramita na 93ª Vara Cível da Comarca da Capital, relativa-
mente ao que consta de sua petição de 01 de fevereiro de 2015, fls.148 dos Nome e assinatura
autos, e visando celeridade na obtenção de documentos julgados necessá- CONTADOR
rios à instrução laudo pericial, independentemente do que consta juntados CRC/ .......... .
aos autos, solicito informar, minuciosamente, todos documentos ainda não
disponibilizados, para que este assistente técnico possa solicitar do Banco Os assistentes técnicos devem estabelecer previamente seus honorários,
Faz de Conta S.A. mediante avaliação dos serviços.

7 .4. EXEMPLOSDECORRESPOND~NCIAS
SOBREHONORÃRIOSDO ASSISTENTE
Atenciosamente,
T~CNJCO

Nome e assinatura !ºExem plo


CONTADOR - CRC/ .... ....
Niterói, dia, mês e ano
3° Exemplo

São Paulo, dia, mês e ano


A
Indústria e Comércio de Molduras ANTOLÍVALtda.
Nesta

Ilmo. Sr.
Dr. RODRIGOACIOLI MOURA Ref. Proc .. .......................................
MD. perito do Juízo Ação: .......•.......................•....•..........
Tel/Fax:2265-8703 Partes: .....................x ....................
CAPÍTULO
7. CORRESPONDÊNCIAS
EXPEDIDAS
PORASSISTENTES
TÉCNICOS 137 138 Ril Moura

7 .5. EXEMPLOSDE CORRESPONDtNCIASDIRIGIDASAO ADVOGADO


Prezados senhores,
Na qualidade de perito assistente técnico dessa empresa nos autos da ação 1° Exemplo
em referência , consoante petit6rio de ..../... ./...., venho, respeito sament e, in-
formar a Vossas Senhorias que os meus honorário s profissionais estão fixa- Piuma , dia, mês e ano
dos em R$ ....... ( ..................), os quais poderão ser parcelado s da seguinte
forma : 50% neste ato (com depósito na conta corrente ........... ... - Agência Ilmo. Sr.
nº ............ do Banco ............., em nome deste signatário), e 50% restantes Dr. Roberto Silva de Oliveira
por ocasião da entrega do parecer técnico . Rua da Ajuda, 1570
Atenciosamente ,
Ref. PARECER
Carta de Sentença - Silva, Silva Lopes
Nome e assinatura
Processo ,..................
- ......VaraCível
do perito assistente técnico
Prezado senhor,
2ºExe mplo
Relativamente aos expedientes de 11 de abril e
Niterói, dia, mês e ano 3 1 de maio, servimo -nos desta para fazer entrega a V.Sa. do PARECER
sobre o laudo pericial datado de 30 de novembro de 2015, bem como da
planilha juntada aos autos pelo perito do Juízo , datada 27 de novembro de
A 2015 (fls. 155 dos autos) .
Indústria e Comércio de Molduras ANTOLÍVA Ltda . Como se verá do PARECER, na planilha apresen-
Ne s ta tada pelo perito constatam-se impropriedades na elaboração dos cálculos ,
em conformida de com o contratado pelas partes , inclusive desobe.decendo
Ref . Proc ............ ......... ................... . o julgado do Egrégio Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro .
Ação: ..............................................
Partes: ................... x ........ ........ .... .

Cordialmente,
Prezados senhores,
Na qualidade de perito assistente técnico dessa empresa nos autos da ação Nome e assinatura
em referência, consoante petitório de ..../..../ ...., em aditamento ao expedien - Perito assistente técnico
te datado de ..../... ./...., e tendo sido entregue o parecer técnico em ..../... ./....,
contador-C RC/ ....... .
venho , respeitosamente , solicitar suas providências no sentido de que seja
depositado o restante de meus honorários, no valor de R$ .......... , no Banco
............... S.A. -Agência nº ............... - conta corrente ......... .......... ..
Atenciosamente,

Nome e assinatura
do perito assistente técnico
CAPÍTULO
7. CORRESPONDÊNCIAS
EXPEDIDAS
PORASSISTENTES
TÉCNICOS 139 140 Ril Moura

2° Exemplo
Se fossem considerados os valores constantes do subitem 5.3.2., e
utilizando-se das áreasevidenciadas, o aluguel do imóvel, por esse
Alegre, dia, mês e ano
método, seria de R$ ............ ............. .
Ilma. Sra. Entretanto, considerando o momento econômico que se prolonga
Dra. OLGA THEBALDE VIEIRA DE CARVALHO
há mais de dois anos, com reflexos imediatos no tipo de comércio
Rua das Acácias
da parte ré, o aluguel que melhor atenderia ao mercado seria de R$
Nesta .......... , como resultado da média dos aluguéis obtidos através da
Ref. processo nº ............... Revisão Direta ou Atualização (R$ ..........) e do Método Comparati-
191ªVara Cível vo (R.$.......•..).
Ação: Revisionai Por epílogo, pelas características que são apresentadas no prédio situado
Partes: no Município de .••....•.., o aluguel mensal do imóvel em questão (loja A), a
partir de ...../...../..... - data da citação-, seria no valor de R$ ..............

Atenciosamente

Prezada senhora,
Nome e assinatura
Na qualidade de perito assistente técnico de SEGUROS SLAM, por defe- Perito assistente técnico
rência especial de V.Sa., considerando a entrega em cartório do laudo peri- CONTADOR
cial no dia .... ./.... ./....., como ainda não houve publicação do despacho do CRC/ .... .......
Juiz , e vez que estarei ausente desta cidade no período de ..... a ...../...../.....
(participando do ..... Congresso Brasileiro de Contabilidade - em ..........),
venho oferecer a V.Sa. algumas considerações sobre o laudo pericial, fato Algumas vezes, o advogado visando atravessar petição sobre os escla-
que certamente modificaráo valor do aluguel mensal indicado de R$ .......... , recimentos prestados pelo perito, solicita ao assistente técnico informações
a partir de ...../...../...... técnicas sobre os esclarecimentos.

Relativamente à Revisão Direta ou Atualização (subite_m 5.1. do laudo


pericial), o valor do aluguel em ...../...../..... seria de R$ .........., conforme EXEMPLO DE INFORMAÇÕES AO ADVOGADO SOBRE
demonstrado. Referido valor, considerando os períodos de inflação e o de ESCLARECIMENTOS
PRESTADOS
PELOPERITO
estabilidade da moeda, reflete hoje o poder aquisitivo da mesma.
Ponta Grossa, dia, mês e ano
Pertinente aos cálculos do Método da Rentabilidade (subitem 5.2. do laudo
pericial), não há discordância.
Com relação ao Método Comparativo, pare as amostras consideradas Ilmo. Sr.
(subitem 5.3.2. do laudo pericial) torna-se necessário que o laudo pericial Dr. Rubem Silva de Oliveira
seja instruído com cópia dos contratos de locação. Não há comprovação do Rua Semambetiba, 1234
inicio de vigência dos contratos e os seus respectivos valores. Nesta
Ademais, as amostrascorrespondem a 5 (cinco) lojas, representando ape-
nas 1/3 (um terço) do total, situação que distorce o real valor. Ref. ESCLARECIMENTOS
DOPERITO
Processo
,,,,,,,,,,,,,,,
-,,,,-,,,,,,,.VacaCfvel
CAPÍTULO
7. CORRESPONDÊNCIAS
EXPEDIDAS
PORASSISTENTES
TÉCNICOS 141 142 Ril Moura

Prezado senhor, . As fls. 239/242 o perito do Juízo oferece conclusão sem nenhum valor
comprobatório, haja vista que as respostas por ele oferecidas aos quesitos
Relativamente aos esclarecimentos de fls. 1691/ 1692 dos autos, constata- formulados pelas partes, como se vê ao longo do laudo pericial, não pos-
-se, mais uma vez, que o Sr. perito deixa de adentrar no âmago de suas suem embasamento de suporte técnico, e, em consequência, as planilhas
respostas e metodologia utilizada sem suporte técnico, esquecendo que: apresentadas carecem de esclarecimentos sobre a metodologia utilizada,
pois os valores nelas inseridos deixaram de considerar o que consta do con-
. As planilhas constantes dos anexos nºs 02, 02-A, 03 e 03-A do laudo peri- trato e seus aditamentos.
ciai além de terem sido elaboradas utilizando taxas de juros e de correção
não previstas no contrato e seus aditamentos , ainda apresentam erros . Os supostos saldos a favor da (NOME DA PARTE AUTORA) foram, to-
aritméticos, observados por am,ostragem nos meses de julho de2013,junho dos, preparados em total descumprimento ao contrato e seus aditamentos,
e julho de 2014 e julho e agosto de 2105 do anexo 02; junho e julho de 2014 e além do mais observam-se erros aritméticos em todas as planilhas que
do anexo 02-A;junho de 2014 do anexo 03; e junho de 2014,junho, agosto, instruem o laudo pericial.
setembro, novembro e dezembro de 2015 do anexo 03-A. . É necessário observar, ainda, e mais uma vez, que o contrato e aditamentos
Como se vê, os valores, como de suposto crédito, constantes das referi- firmadosentre as partes estão formalmenteperfeitos,celebradosnos moldes de
das planilhas de R$ 4.217.696,73, R$ 5.443.803,41 e R$ 6.040.939,03, em MútuoHipotecáriopara construçãode habitações/SistemaFinanceiroda Habi-
31.12.2001, respectivamente, não são verdadeiros, uma vez que, utilizando tação, onde ficou definidocristalinamenteo critério a ser adotado para os rea-
as taxas de juros e de correção corretas, isto é, utilizando as taxas constantes justes dasparcelas,fonna de pagamentodo principal,encargose saldodevedor.
do contrato e seus aditamentos, em 31.12.2015 o saldo da autora era deve- . Isto posto, obedecendo fielmente as cláusulas do Contrato e seus Aditivos
dor no valor de R$ 2.786.809,75 - em conformidade com os anexos nºs 1 e assinados com o banco, a dívida correta dos autores em ....I...J .... era de
1-A do nosso parecer. RS 4.547.767,19 (quatro milhões, quinhentos e quarenta e sete mil, sete-
centos e sessenta e sete reais e dezenove centavos), cujo valor encontra-
A taxa de juros aplicada nas parcelas pagas pelos autores foi exatamente a
-se minuciosamente demonstrado através dos quadros "EVOLUÇÃO DO
prevista contratualmente, isto é, nominal 1,18149% a.m. Não é demais ob-
SALDO DEVEDOR E PRESTAÇÕES" e "RESUMO DEMONSTRATI-
servar que os juros legais, nos contratos bancários, são os juros contratados.
VO DO SALDO DEVEDOR E ENCARGOS" - anexos nº s l, 1-A e 2 do
Não houve capitalização de juros , pois a utilização da TR como base para parecer técnico deste assistente.
remuneração está perfeitamente de acordo com a autorização contida no
• Ademais, como se vê dos autos, quando é requerido que o perito do Juízo
artigo 11 da Lei nº 8.177, que prevê:
forneça a metodologia de cálculo para a planilha com capitalização anual
"Nas operações realizadas no mercado financeiro, é admitida a utilização da de juros Guros de 14,058% a.a. - correção monetária BTN e TR -), o perito
TR e como base para remuneração dos respectivos contratos, somente quan- apresenta nova p1anilha, totalizando, em fevereiro de ........, R$ 2.680.276,76
do não tenham prazo ou período de repactuação inferior a noventa dias." a favor da parte autora (fls. 155/ 158 dos autos), sem, contudo, mencionar a
metodologia requerida (fls. 137 dos autos). E ainda com impropriedades na
. Como se observa na inicial, os autores para chegarem ao suposto crédito elaboração dos cálculos, em conformidade com o contratado pelas partes, e
não obedeceram as cláusulas do Contrato e seus Aditivos assinados com em desobediência do julgado do Tribunal de Justiça.
ambas as partes, utilizando, em seus cálculos, juros inferiores aos contra-
tados e correção monetária do saldo devedor com índices não previstos É o que, no momento, podemos oferecer.
contratualmente, e tendo havido, ainda, omissão do seguro.
Atenciosamente ,
É necessário ser lembrado que consoante contrato e seus aditamentos, a
taxa de juros é de 14,058% ao ano, correspondentes a 1,171% ao mês, e não Nome e assinatura
como foi calculado à taxa de 12% a.a.
Perito assistente técnico
Destarte,o valor indicadona inicialnão é :fidedigno,não é digno de fé. contador-CRC/ ..... .
144 Ril Moura

O perito apresentará em 5 (cinco) dias : proposta de honorários; currículo,


8. DESENVOLVIMENTO DE PERÍCIA JUDICIAL com comprovação de especialização; e contatos profissionais , em especial o
endereço eletrônico , para onde serão dirigidas as intimações pessoais.
O perito protocolará o laudo em Juízo , no prazo fixado pelo juiz, pelo
menos 20 (vinte ) dias antes da audiência de instrução e julgamento .
Para a execução da perícia contábil, o perito deve ater-se ao objeto do
8.1. CONSIDERAÇÕES
GERAIS trabalho a ser realizado.
Nas diligências, o perito deve relacionar os livros, os documentos e os
A perícia judicial , como já visto, é exercida sob a tutela do Poder Judicial , dado s de que necessite , solicitando-os , por escrito, em termo de diligência .
e constitui o conjunto de procedimentos técnicos e científicos destinados a A eventual recusa no atendimento de diligências, ou qualquer dificuldade
levar à instância decisória elementos de prova nece ssários a subsidiar à justa na execução do trabalho pericial devem ser comunicadas , com a devida com-
solução do litígio ou constatação de fato, mediante laudo pericial e/ou parecer provação ou justificativa , ao Juízo .
técnico, em conformidade com as normas jurídicas e profissionais e com a Com o propósito de sempre oferecer trabalho pericial prático , a seguir
legislação específica no que for pertinente. apresentamos , como exemplo , uma AÇÃO ORDINÁRIADE PERDAS E
Conforme as dispos ições do Novo Código de Processo Civil , o juiz diri- DANOS, processo real, não fornecendo elementos que possam identificá-lo,
girá o processo , incumbindo-lhe, além de outros , assegurar às partes igualdade consistindo , além de outros, como veremos , em petição inicial , contestação,
de tratamento; velar pela duração razoável do processo; prevenir ou reprimir produção de prova documental , pericial , audiência de conciliação , nomeação
qualquer ato contrário à dignidade da justiça e indeferir postulações meramen - do perito, formulação de quesitos por uma das partes, petição de honorários
te protelatórias . pelo perito, requerimento sobre pagamento parcelado dos honorários periciais ,
Caberá ao juiz , de oficio ou a requerimento da parte , determinar as provas concordância do perito sobre o pagamento parcelado de seus honorários , ho-
mologação dos honorários periciais, solicitação de guias para o depó sito dos
necessárias ao julgamento do mérito , isto é, o objeto da lide. O juiz indeferirá,
honorários pericia is, comprovante do pagamento dos honorários periciais , cor-
em decisão fundamentada , as diligências inúteis ou meramente protelatórias.
respondência expedida pelo perito , laudo pericial, modelo de mandado de pa-
O juiz poderá dispensar prova pericial quando as partes , na inicial e na gamento dos honorários do perito e parecer do assistente técnico , nesta ordem.
contestação , apresentarem , sobre as questões de fato , parecere s técnicos ou
documentos elucidativos que considerar suficientes . 8.2. PETIÇÃOINICIAL
Quando a prova do fato depender de conhecimento técnico ou científico ,
o juiz será assistido por perito, profissional devidamente inscrito no órgão de
classe competente . EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARACÍVEL DA
COMARCA DA CAPITAL
O juiz nomeará perito especializ.ado no objeto da perícia e fixará de ime-
diato o prazo para a entrega do laudo, incumbindo às partes, dentro em 15
(quinze) dias contados da intimação do despacho de nomeação do perito: in-
dicar assi stente técnico ; e apresentar quesitos. COR DO PECADO LTDA, neste ato repre sentado por seu sócio-
Se o perito , por motivo justificado , não puder apresentar o laudo dentro -gerente .. .... . ... , brasileiro , residente e domiciliado nesta Cidade à Rua
do prazo , o juiz poderá conceder -lhe, por uma vez , prorrogação pela metade .......... , nº 2 1/302, portador da Carteira de Identidade n º . .. .., expedida
do prazo originalmente fixado. pelo Ministério da Marinha e do CPF nº . .. . . . . .... , por seu advogado
O perito cumprirá escrupulo samente o encargo que lhe foi cometido , in- infra-assinado, vem , muito respeitosamente , perante V. Exa ., propor apre-
dependentemente de tenno de compromisso . Os assistentes técnico s são de sente AÇÃO ORDINÁRIA DE PERDAS E DANOS contra o BANCO
ESP ERANÇA SIA, com sede nesta Cidade à Rua .. .. . .... ., nº 194, pelos
confiança da parte e não estão sujeitos a impedimento ou suspeição.
motivos que passa a expor:
143
CAPÍTULO
8. DESENVOLVIMENTO
OEPERÍCIA
JUDICIAL 145 146 Ril Moura

A autora efetuou diversos pagamentos referentes a impostos - ISS, Protesta por todos os meios de provas em direito admitidos , especial-
COFINS , Contribuição Social , PIS , Imposto de Renda e INSS - através de mente pelo depoimento pessoal do representantelegal do réu, oitiva de tes-
cheques do Banco Harmonia S/A nominativos ao banco réu e entregues ao temunhas, juntada de documentos , pericia e oficio ao Banco Harmonia S/ A,
contador Dr. (nome do contador). Agência nº .. ..., para que remeta cópias dos cheques indevidamente pagos .

No verso dos referidos cheques sempre um dos Representantes legais Dã -se à presente o valor de R$ 40 .000,00 (quarenta mil reais) para os
devidos e legais efeitos.
da autora informava a destinação dos mesmos, datava e assinava.
Termos em que,
Ocorre que muitos dos cheques emitidos foram grosseiramente adul-
Pede deferimento.
terados e pagos .
Note-se , porém, que a adulteração é grosseira e fácil de ser constatada
Local e data
e a autora custa a acreditar que o banco réu tenha deixado passar tamanhas
Nome e assinatura do advogado
falcatruas .
OAB / .. .... .
O banco réu é responsável pelo pagamento destes cheques grosseira-
mente adulterados .
Foram muitos os cheques adulterados , sem o seu conhecimento 8.3. PETIÇÃOCONTESTATÓRIA
o que fez com que a empresa autora ficasse inadimplente com diversos
Impostos , ocasionando a paralisação das suas atividades , causando prejuí - EXCELENTÍSSIM O SENH OR DOUTOR JUIZ DE DIRE I-
zos incalculáveis. TO DA ... .. VARA CÍVEL DA COMARCA DA CIDADE DO
Pior , ainda , foi a constatação dos RepresentantesLegais da Empresa .•...... •...... .. ..•
que , ao solicitarem do contador os camês e guias do INSS para agilizar suas
aposentadorias, descobriram que deviam muito àquele Órgão e não pode- Processo nº .. .. .. .... .. .. .
riam se aposentar .
BANC O ESPERANÇAS/A, instituição financeira inscrita no CNPJ
Os representantes legais da empresa, .. . . ..... . e sua esposa ... .. . .... , sob o nº .. ... . . ./0001-40, portadora da Carta Patente nº .... ., com sede
com 63 e 60 anos de idade, viram-se em situação constrangedora, inadim- na Cidade de Belo Horizonte/MG , e filial na Rua . ......... , 99, Zona Sul ,
plentes a sem chances de se aposentarem . .... .... .. , por seus advogados (UT instrumento de mandato) , que , para efei-
tos do artigo l 06, inciso I, do NCPC, declaram que receberão intimações
Diante do exposto requer a V. Exa. o seguinte:
na Rua .. .. .. . ..., 94, 28° andar, ...... . ..., vem, nos autos da ação promovida
Citação do réu para , querendo, conteste a presente Ação que julgará por COR DO PECADO apresentar sua CONTESTAÇÃO à pretensão ini-
procedente o pedido da autora que é : cial, aduzindo, para tanto, as seguintes razões de fato e de direito :

Condenação no pagamento do valor de todos os cheques pagos in- DA PRETENSÃ


OAUTORAL
devidamente, acrescido de juros e correção monetária a partir da data do
pagamento ; A autora propôs a presente ação , alegando , em suma , que o banco réu
Condenação nos honorários advocatícios e custas judiciais mais; acatou indevidamente seus cheques, haja vista que estavam adulterados.

A condenação nas perdas e danos cujo valor não deverá ser inferior a Sendo assim, como não se sente responsável pelo ocorrido, requer
1.000 (hum mil) salários-mínimos . indenização por danos morais e materiais.
CAPÍTULO
8. DESENVOLVIMENTO
OEPERÍCIA
JUDICIAL 147 148 Ril Moura

PRELIMINARMENTE DA ILEGITIMIDADE PASSIVA Art. 39 da Lei do Cheque, parágrafo único:


AD CAUSAM "Ressalvada a responsabilida de do apresentante, no caso da parte final
O banco réu é parte ilegítima para figurar no polo passivo da presente deste artigo, o banco sacado responde pelo pagamento de cheque falso ,
demanda . falsificado ou alterado) salvo dolo ou culpa do correntista, do endossante ou
É regra básica em que se lastreia o direito processual, que só tem legi- do beneficiário , ... '' . Negrito nosso
timidade para ser parte aquele que foi sujeito da relação de direito material, Indaga-se , pois, onde estaria o erro do contestante? Ainda que se quei-
cujo conflito de interesses há de ser composto em Juízo. ra argumentar ter havido rasura grosseira no cheque, o que pela simples ob-
A relação jurídica em causa na presente ação é a que foi estabelecida servância da microfilmagem da cártula não se pode alegar, ainda assim, por
entre o autor (TITULARe EMITENTEDO CHEQUE)e o Banco Harmonia amor à retórica, convém indagar, qual seria a razão plausível para o banco
(BANCO SACADO), com a qual não possui qualquer vínculo o banco réu.. apresentante figurar no polo pas sivo da presente demanda?

DA DENUNCIAÇÃO À LIDE Sendo assim, repugna-se com veemência qualquer irregularidade pra-
ticada pelo réu e/ou alegada pela autora .
O réu, vem requerer, ainda em preliminar, que seja determinada a
Não se vislumbra , na hipótese, onde possa ter o Contestante faltado
CITAÇÃO do Banco Harmonia S/A, detentor dos cheques referidos na pe-
tição inicial, na pessoa de seu representante legal. com seu dever jurídico de agir com prud ência e cautela, a não ser, que exi-
gisse a autora, que o réu, quebrando o sigilo bancário, tivesse conhecimento
A denunciação formulada, contudo, não traduz qualquer concordância dos cadastros do Banco Harmonia.
da ré com o estabelecimento do consórcio passivo, pois, não há qualquer
solidariedade entre o réu e o banco denunciado, cabendo, ainda que aceita a Entretanto, nada obsta o réu de funcionar como mero prestador de
denunciação, a exclusão da ré da lide, com o reconhecimento de sua ilegiti- serviços bancários , entre os quais o recebimento de valores .
midade de parte, extinguindo-se, desde logo, o processo em relação a ela, de- Seria o cúmulo do absurdo responsabilizar um banco por falhas de
vendo a ação prosseguir somente contra a denunciada. (RJTJESP 101/ 144). serviços ocorridas , quando este atuasse exclusivamente como simples in-
DO MÉRITO termediário do fluxo de pagamento.
Sendo assim, improsperam todos os danos alegados pela autora, passí-
A autora alega na exordial , que foram dados para pagamento de suas
veis, ainda, de apuração, posto que representam prejuízos de ordem pecuni-
obrigações, em uma das agências do banco réu (banco apresentante), che-
ques de sua titularidade e emissão, cujo desconto operou-se na respectiva ária em detrimento do patrimônio do réu, que por sua vez é parte ilegítima
conta corrente do Banco Hannonia SIA (banco sacado) . na presente demanda .

No que pertine ao procedimento adotado pelo banco réu, ressalte-se, DA INEXISTÊNCIA DO DEVER DE INDENIZAR
apenas, que não se constatou qualquer irregularidade na cártula de fls. 8,
quando foi apresentada. A responsabilidade civil para ser caracterizada, necessita da existência
Quanto a provável existência de irregularidade em outros supostos de certos elementos, quais sejam, o dano, a culpa do agente e o nexo de
cheques , vale dizer que o réu as ignora, posto que tais cheques pertencem causalidade entre a lesão e a conduta ilícita deste (Washington de Barros
ao Harmonia e não foram, sequer, juntados aos autos pela parte autora . Monteiro, Curso de Direito Civil, parte geral, 22ª Edição , página 277) .

Entretanto, mesmo que existam prováve is irregularidades no cheque O direito à indenização decorrente da culpa surge sempre que o
ou nos cheques , cabe ao autor apontá-las e ao banco sacado verificá-las, dano resultante da atuação do agente, voluntária ou não , seja contrária
pois o banco réu (banco apresentante) não se obriga quanto a verificação ao direito . Sem contrariedade não há ilicitude , e, portanto , inexiste o
das mesmas, senão vejamos: dever de reparar o dano.
CAPÍTULO
8. DESENVOLVIMENTO
OEPERÍCIA
JUDICIAL 149 150 Ril Moura

Com isso, cabe, primeiramente, questionar a conduta do banco réu no a) seja acolhida a ilegitimidade passiva ad causam do réu, com a sua
evento danoso, ou seja, se agir IRREGULARMENTE,o que, na presente consequente exclusão da lide;
ação, não ocorreu. b) seja acatado o pedido de denunciação da lide do Banco Harmo-
nia, cuja citação, desde jã, se requer;
DA INEXISTtNCIA DE PROVA
c) seja a pre sente, caso examinado o mérito, julgada improcedente,
Outrossim, inexiste, nos autos, prova de que o evento relatado pela face a inexistência de comprovação dos fatos narrados pela auto-
autora tenha resultado em eventuais danos de ordem mora ou material. ra, bem como da responsabilidade desta ré no evento;
Na verdade, a petição inicial, data máxima venia, é confusa e d) a condenação da autora nos ônus da sucumbência, incluindo-se ai
contraditória. os honorários advocatícios.
Confusa porque o representante da autora, lá pelas tantas, funcio- Protesta provar os fatos alegados por todos os meios de prova per-
na como verdadeiro demandante, postulando direito próprio, fundamen- mitidos por lei, nota.damente o depoimento pe ssoal do representante legal
tado em um suposto dano que teria sofrido em função do atraso de sua da autora, testemunhal (contador da autora), pericial (cheques do Banco
aposentadoria. Harmonia), documental superveniente e outras que se tomarem necessárias
Contraditória porque o representante da autora afirma que solicito u ao deslinde da causa.
ao seu contador os camês e guias do INSS, objetos da demanda, para agili- N. termos,
zar sua aposentadoria, quando descobriu que estava em atraso com as res- P. deferimento
pectivas obrigações (oitavo parágrafo da petição inicial ).
Ora Exa., no segundo parágrafo da inicial, a autora afirma que entre- Local e data
gou ao seu contador os cheques com os respectivos pagamentos a serem Nome e assinatura do advogado
feitos. Então, como poderia os pagamentos estarem atrasados sem que a OAB/ ... .. . .
autora e seu contador tivessem conhecimento?
Salta aos olhos que se alguma fraude ocorreu, não é da responsabili-
8.4. RESPOSTA
DA PARTEAUTORA
.
dade deste réu.
A caracterização do direito à reparação depende , no plano fático, da
EXMO. SR. DR JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA
concorrência dos seguin tes elementos: o impulso do agente, o resultado
lesivo e o nexo causal entre ambos, que são, aliás, os pre ssupostos de res-
COMARCA DA CAPITAL
ponsabilidade civil. (Carlos Alberto Bittar - Reparação Civil por Danos
Morais, Editora Revista dos Tribunais, 2ª. Edição, página 127 - ).
Processo nº ..... ........ ..
Com isso, para ter direito à indenização, não basta demonstrar que de-
terminado fato é passível de causar dano, deve e isto sim, demonstrar que o
COR DO PECADO, nos autos da Ação Ordinária de Perdas e
fato existiu, realmente causou um dano e a responsabilidade do seu causador.
Danos que move face ao BANCO ESPERANÇAS/A., por seu advogado
Como nada disto demonstrou a autora, não merece acolhimento a pr~ infra-assinado, vem, muito respeitosamente, perante V. Exa. Requerer o se-
tensão deduzida na pre sente demanda. guinte:

CONCLUSÃO A autoranão conco rda com a denunciação requerida pelo banco


réu pois criaria um litígio paralelo o que causaria mais prejuízos à jurisdi-
Diante dos fatos colhidos, requer-se : cionada, contrariando o princípio da celeridade processual.
CAPÍTULO
8. DESENVOLVIMENTO
OEPERÍCIA
JUDICIAL 151 152 Ril Moura

8.5. MANIFESTAÇÃO
DA PARTER~
Não assiste razão ao banco réu que agiu com negligência ao
receber o cheque adulterado .
EXCELENTÍSSIMOSENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA
Consta no verso do cheque de fls. 8 com uma caligrafia que o ..... VARACÍVELDA COMARCA DA CIDADE DE ................... .
cheque destina-se ao pagamento de ISS referente a janeiro de 1996 . Logo a
seguir com outra letra foi inserido digo deposita-se .. .... .. .. .
Proce sso nº .............. .
Portanto, há uma flagrante irregularidade no cheque que não de-
veria ter sido aceito.
O Banco Esperança só aceitou este cheque porque estava se be- BANCO ESPERANÇA SIA, nos autos da Ação Ordinária De
neficiando. O dinheiro deste cheque foi depositado em seus cofres . Perdas e Danos que lhe COR DO PECADO, vem, por seu advogado, em
atenção ao r. despacho de fls... . , publicado no D.O. de _/_/_, pro-
Não tem razão, também, o banco réu quando nos diz que não testar pelo depoimento pessoal do representante legal da demandante , pelo
se obriga quanto a verificação das irregularidades constantes dos cheques. depoimento pessoal do contador da empresa autora, por provas pericial e
O banco réu deveria ter recusado o cheque adulterado . Só não o documental suplementar.
recusou, ressalte-se, em razão do cheque ter sido utilizado para depósito em Requer , entretanto, o demandado, prima facie, se digne Vossa
conta de seu correntista. Agiu assim com negligência. Excelência decidir sobre a prejudicial de mérito arguida em resposta, pos -
E sendo assim tem a obrigação de indenizar . to que, de clarada a ilegitimidade passiva ad causam do réu, como ali se
requer , haverá inegável celeridade na prestação jurisdicional e, por conse-
A Petição Inicial não é confusa. guinte, inegável economia processual.
Em razão dos diversos cheques recebidos indevidamente pelo Requer , por fim, se digne esse MM. Juízo determinar a juntada
réu, uma vez que estavam adulterados, a autora ficou inadimplente com o aos autos do processo do incluso instrumento de substabelecimento.
INSS,ISS, IR e outros encargos fiscais, o que lhe acarretou grandes prejuí-
zos. A empresa foi obrigada a paralisar as suas atividades . P. deferimento

Os sócios da empresa, por estas razões, da mesma forma foram Local e data
prejudicados porque sem o pagamento do INSS não podem se aposentar.
Mas isto será objeto de Açã o Própria. Nome e assinatura do advogado
Diante do exposto requer a procedênc ia do pedido com a produ - OAB / ... ... .
ção das provas requeridas.
Termos em que,
8.6. AUDl~NCIADE CONCILIA.ÇÃO
Pede deferimento

Proc . nº ....... . ............ .


Local e data
Ação: Ordinária
Nome e assinatura do advogado Autor: Cor do Pecado
OAB / ....... . Adv . autor : .. ................. .
Réu : Banco Esperança S/A.
Adv. réti: ... ..... ... . ... ..... .
CAPÍTULO
8. DESENVOLVIMENTO
OEPERÍCIA
JUDICIAL 153 154 Ril Moura

Em, _/_/ __, na sala de audiências deste Juízo, perante a conciliadora Termos em que,
deste Juízo de Direito da ..... Vara Cível da Comarca da Capital , às l 2,45hs. P. deferimento
Foi aberta a audiência de conciliação designada nestes autos. Ao pregão ,
Local e data
respondeu a parte autora, acompanhada de seu advogado , bem como a
parte ré na pessoa de sua advogada. Aberta a audiência pela conciliadora
.............. . , com a presença das partes acima mencionadas , deu-se início Nome e assinatura do advogado
a conciliação, a qual resultou infrutífera. Pelas partes foram reiteradas as OAB/ .. .. .. .
missivas de tis ... ./ ... e .. . , nas quais apresentam as provas que pretendem
produzir. Pela Ora. Concilia dora foi determinado que os autos fossem con-
clusos. Publicada em audiência, registre-se e publique-se. Nada mais ha- 8.8. MANIFESTAÇÃO
DA PARTEAUTORA
vendo , é encerrado o presente termo , que vai devidamente assinado e com
as formalidades legais . Para constar, eu .. .. .. ......... .. , auxiliar de cartório, EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARACÍVEL DA CO-
digitei . E eu, ............... , Titular, subscrevo . MARCA DA CAPITAL

Conciliador: .... . .... .. ... . Processo n º ..... ... .. .. . ..


Autor: Cor do Pecado
Adv. autor : .............. .
Réu : Banco Esperança S/ A COR DO PECADO, nos autos da Ação Ordinária de Perdas e
Adv. réu : ....... .. .. . .... . Danos que move face ao BANCO ESPERANÇAS/A., por seu advogado
infra-assinado , vem, muito respeitosamente, perante V. Exa . Requerer o se-
8.7. RESPOSTA
DA PARTER~ guinte:
A autora requer a produção das seguintes provas:
a) Oficio ao Banco Harmonia para que sejam remetidos cópias
EXCELENTÍSSIM:OSENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA
de todos os cheques do período de outubro de 2011 a dezembro de 2014, da
..... VARACÍVEL DA COMARCADA CIDADE DE ................... .
conta corrente da autora, sob pena de desobediência judicial
b) Após, perícia.
Processo nº ..... ........ ..
e) Depoimento pessoal dos representantes do réu.
d) Depoimento de testemunhas e ofícios.
BANCO ESPERANÇA S/A, nos autos da Ação pelo Procedi-
mento Ordinário que lhe promove COR DO PECADO, vem, por seus ad-
vogados, em atenção ao r. despacho de fls .... , reiterar os termos da petição Termos em que,
datada de _/_/ _, protestando pela produção de prova documental
Pede deferimento
suplementar, pericial , bem como pelo depoimento pessoal do representante
legal e do contador da demandante.
Requer , outrossim, que o autor forneça o endereço do contador, Local e data
Dr . . .. .... .. ...... ., a fim de que o mesmo possa ser intimado a prestar depoi- Nome e assinatura do advogado
mento em audiência a ser designada . OAB/ .. ..... .
CAPÍTULO
8. DESENVOLVIMENTO
OEPERÍCIA
JUDICIAL 155 156 Ril Moura

8.9. DECISÃO
3) Queira o Sr. perito informar se apesar da destinação dada aos referidos
Oficie-se ao Banco Harmonia. cheques (pagamento de impostos - ISS, Confins, Contribuição Social, PIS,
Determino realização de perícia, nomeando perito o Dr. (NOME DO PERI- Imposto de Renda e INSS), os mesmos foram compensados para este :fim;
TO), tel. 2516-1405. 4) Queira o Sr. perito infonnar, em complementação ao quesito anterior, se
Indiquem as partes seus assistentes técnicos, formulando quesitos em 5 dias. em razão do desvio da finalidade dos referidos cheques, a autora tomou-se
inadimplente com os diversos impostos acima mencionados;
Em / /
5) Queira o Sr. perito informar se a autora, em razão do não pagamento
Assinatura do Juiz dos impostos devidos, paralisou as suas atividades ocasionando a perda de
faturamento. Queira informar o valor desse faturamento;
6) Queira o Sr. perito informar os valores dos cheques indevidamente pa-
8.1 O. INDICAÇÃO DE ASSISTENTET~CNICO E FORMULAÇÃODE QUESITOS gos, corrigidos monetariamente a partir da data do pagamento:
PELAPARTEAUTORA 7) Queira o Sr. perito informar qualquer outro esclarecimento que se fizer
necessário;
EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARACÍVELDA CO-
8) Protesta por quesitos suplementares.
MARCADA CAPITAL

Processo nº .... .... ...... .


8.11. FORMULAÇÃODOS QUESITOSPELAPARTERt
COR DO PECADO, nos autos da Ação Ordinária que move
contra o BANCO ESPERANÇA S/A., por seu advogado infra-assinado, EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA
vem, muito respeitosamente, perante V. Exa., indicar como assistente téc- .. ........ VARACÍVELDA COMARCADA CAPITALDO ESTADO
nico da autora o Dr.. ...... ... ...., inscrito no CRC sob o nº ...... -., com DO .......... .
endereço nesta Cidade à Rua ... ....... , nº ... .., tel. ... .. ... e ...... .., bem
como formular os quesitos abaixo, protestando desde já pela produção
de quesitos suplementa res.
Processo n° ............. . .

Termos em que,
Pede deferimento BANCO ESPERANÇA S/ A, nos autos da Ação Ordinária que
lhe promove COR DO PECADO, em ao r. despacho de fls... ., vem escla-
recer a V.Exa. que não pretende indicar assistente técnico para acompanha-
Local e data mento da perícia a ser realizada.
Nome e assinatura do advogado Versando a ação em exame sobre ressarcimentode danos, funda-
OABI .. ..... . mentada a pretensão em alegação de alteração de cheques de emissão da par-
te autora, queira o ilustre "expert" esclarecer os quesitos a seguir formulados:
1) Queira o Sr. perito informar, se os cheques enviados pelo Banco 1) se os títulos de crédito em questão, obedeceram, no que concerne, tão so-
Harmonia S/A, são nominais ao banco réu; mente, aos requisitos essenciais e indispensáveis exigidos por lei para seu
2) Queira o Sr. perito informar se estes cheques tem destinações específicas; regular processamento, quando da sua apresentação ao banco apresentante.
CAPÍTULO
8. DESENVOLVIMENTO
OEPERÍCIA
JUDICIAL 157 158 Ril Moura

2) se o banco réu, dada, a sua condição de mero apresentante do cheque (NOME DO PERITO ), contador, perito nomeado nos autos do
teria condições de verificar qualquer espécie de adulteração dos cheques processo em epígrafe (fls... ...), conforme despacho de fls...... , e conside-
em questão? rando o que consta dos quesitos formulados (fls.. ... ./ ..... e ... ../..... ), vem,
respeitosamente, requerer a VossaExcelência a homologação de honorários
3) se o preenchimento dos títulos, considerando-se os valores numéricos, ex-
para elaboração da laudo pericial no valor de R$ ........... ..., correspondentes
tenso, local e data de emissão e assinatura do representante legal emitente,
a .......... UFIR-RJ - à época do efetivo depósito, dando-se em seguida
autorizavam seu processamento pelo banco réu, levando-se em conta, ainda,
início aos trabalhos periciais.
o conhecimento técnico exigido por instituições bancárias para o exercício
desta função e, considerando-se, também, a ausência de dados essenciais, Este perito se reserva o direito de pleitear complementação de
que somente são de conhecimento do banco sacado ( Banco Harmonia ). honorários, caso venham aos autos, a partir dos quesitos sobreditos, outros
que requeiram nova apreciação.
4) se a alegada adulteração dos títulos, se adulteração houve, é tão grossei-
ra e aparente, que, de plano, quando de sua apresentação, desautorizou o Nestes Termos
processamento, considerando-se, da mesma forma, o conhecimento técnico Pede Deferimento
exigido para o exercício de caixa e, ainda, as regras de experiências comuns
no desconto e/ou depósito de cheques;
Local e data
5) se, ao examinar os cheques, no momento do depósito, seria possível, ao
leigo, captar alguma espécie de falsificação? Nome e assinatura
Perito do Juízo
6) finalmente, apenas, pelo exame visual do cheque, seria possível consta- contador - CRC/ .... ...
tar a adulteração alegada;

Termos em que,
8.13. PARCELAMENTOREQUERIDOPELAPARTEAUTORADOS HONORÃRIOS
P. deferimento DO PERITO
Local e data
EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA
Nome e assinatura do advogado COMARCADA CAPITAL
OAB/ .. .... . Processo nº .... ....... .. ..

COR DO PECADO, nos autos da Ação Ordinária que move


8.12. HONORÁRIOSREQUERIDOSPELOPERITO contra o BANCO ESPERANÇA S/A., por seu advogado infra-assinado,
vem, muito respeitosamente, perante V. Exa., requerer ao Ilustríssimo Dr.
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR .TIJIZDE DIREITO DA perito do Juízo o parcelamento dos seus honorários em 10 (dez) parcelas
... .. VARACÍVELDA COMARCADA CAPITAL mensais e sucessivas de ......... UFIR-RJ.
É o pedido.

Processo nº: Local e data


Ação:
Nome e assinatura do advogado
Parte autora: Cor do Pecado
OAB/ ... .. .. .
Parte ré: Banco Esperança S/A
CAPÍTULO8. DESENVOLVIMEN
TO OEPERÍCIA
JUDICIAL 159 160 Ril Moura

8.14. MANIFESTAÇÃODO PERITO SOBRE O PARCELAMENTODE SEUS 8.16. REQUERIMENTO


DEEXPEDIÇÃODEGUIAPARADEPÓSITODA 1• PARCELA
HONORÃRIOS DOS HONORÃRIOSPERICIAIS

EXCELENTisSIM O SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA .... EXM O. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA
VARA CÍVEL DAC OMAR CA DAC APITAL COMAR CA DA CAPITAL

Processo oO ............. ..

Processo nº :
Ação:
Parte autora : COR DO PECADO COR DO PECADO, nos autos da Ação Ordinária que move
Parte ré: BANCO ESPERANÇA contra o BANCO ESPERAN ÇAS/ A., por seu advoga do infra-assinado,
vem, muito respeitosamente, perante V. Exa., requere r se digne determinar
a expedição de guia no valo r corresponde nte a .... .. .. UFIR-RJ para paga -
(NOME DO PERITO), contador, perito nomeado nos autos do mento da l ª parcela dos honorários do Dr. perito .
processo em epígrafe, em cumprimento ao despacho de fls... ..., relativa- Termo em que,
mente ao petitório de :fls.... .., vem, respeitosamente, informar a Vossa Ex-
Pede deferimento.
celê ncia que concordacom o depósito parcelado de seus ho norários, como
requerido .
Local e data
Nestes Termos
Pede Deferimento
Nome e assinatura do advogado
OAB/ ... ... . .
Local e data
8.17. REQUERIMENTO
PARAJUNTADADA GUlA DO DEPOSITODA 1• PARCELA
Nome e assinatura DOS HONORÃRIOSPERICIAIS
Perito do Juízo
contador - CRC/ .... .. . EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA
COMARCA DA CAPITAL

8.15. DESPACHODO JUIZ


Processo nº ........ ... .. . .
1. Aspartes
2. Homo logo os honorários periciais de fls.... ./..... Venha o depósito .
3. A perícia somente será inicia da, após o depósito da última parcela dos
honorários do Dr . peri to. COR DO PECADO, nos autos da Ação Ordinária que move
contra o BANCO ESPERAN ÇA S/A., por seu advogado infra-assinado ,
vem, muito respeitosamente, pe rante V. Exa., requerer a juntada da guia de
Local e data
depósito do pagamento da l ª parcela dos honorários do ilustre Dr. perito,
Assinatura do juiz
devidamente paga .
CAPÍTULO
8. DESENVOLVIMENTO
OEPERÍCIA
JUDICIAL 161 162 Ril Moura

DESPACHO
Termos em que,
Pede deferimento.
Ao Dr. perito para elaboração do laudo.
Local e data
Assinatura do juiz

Nome e assinatura do advogado


OABI .. ..... .
8.19. CORRESPONDlNCIAEXPEDIDAPELOPERITOAO ASSISTENTET~CNICO

Constou dos autos requerimento da parte autora para expedição de guias Campinas, dia, mês e ano
para depósito e juntada de guias das parcelas 2ª até a ga.
Ilmo. Sr.
Dr.
8.18. REQUERIMENTOFINAL DA PARTEAUTORAPARAJUNTADADA GUIA DO MD assistente técnico
DEPÓSITODA ÚLTIMAPARCELADOS HONORÃRIOSPERICIAIS Tel/Fax:

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CívEL DA Ref. Processo:............
COMARCA DA CAPITAL
202ª Vara Cível
Ação: Ordinária
Partes :
Processo nº ... ...... ..... . Cor do Pecado
Banco Esperança SIA
COR DO PECADO, nos autos da Ação Ordinária que move
contra o BANCO ESPERANÇA SI.A.,por seu advogado infra-assinado,
vem, muito respeitosamente,perante V.Exa., requerer a juntada da guia de Prezado senhor,
depósito do pagamento da 1()8 e última parcela dos honorários do ilustreDr.
perito, devidamente paga. Na qualidade de perito do Juízo da 201ª Vara Cível - processo em referên-
cia, e como início da produção da prova pericial , solicito, no prazo de 5
(cinco) dias, seja agendada reunião , informando-me local, dia e hora, para
Termos em que, que a pericia possa obter documentos e/ou informações que sirvam para o
Pededeferimento. oferecimento de resposta pela pericia aos quesitos formulados e juntados
aos autos pelas partes.
Local e data Atenciosamente;

Nome e assinatura do advogado


OAB/ ...... . .
Nome e assinatura
Perito do Juízo
CAPÍTULO
8. DESENVOLVIMENTO
OEPERÍCIA
JUDICIAL 163 164 Ril Moura

8.20. PETIÇÃODO PERITOREQUERENDOENTREGADO LAUDO PERICIALE DE


QUESITOS DA PARTE AUTORA
EXPEDIÇÃODO MANDADO DE PAGAMENTODE SEUSHONORÃRIOS
- Fls. 54 -
EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ..... VARA CÍVEL DA " 1) Queira o Sr. perito informar, se os cheques enviados pelo
COMARCA DA CAPITAL Banco Harmonia S/A, são nominais ao banco réu;"
RESPOSTA: Os cheques, por cópia, enviados pelo Banco Esperança S/A
Processo n° ..........................
. constam de fls. 70/965.
Parte autora: COR DO PECADO
Alguns dos cheques encontram-se nominativos ao banco réu, como se ob-
Parte ré: BANCO ESPERANÇAS/A
serva nos documentos de fls. 397, 399,401,409,411,413,419,421,423,
(NOME DO PERITO), contador, perito nomeado nos autos do 427,429,433, 441, 445559 , 723,731 , 733, 735,7 39,745,767,769,773 ,
processo em epigrafe, tendo concluído o seu laudo pericial, em anexo, 775, 807, 809 e 811.
vem, respeitosamente,requerer a Vossa Excelência: Nos demais documentos capeados través de fis. 70, constata-se que os che-
1. Juntada do laudo pericial ques não se encontram nominativos ao banco réu.

2. Expedição do mandado de pagamento de seus honorários "2) Queira o Sr. perito informar se estes cheques tem destinações
que se encontram depositados à disposição da Justiça (fls. 124, 126, 128, específicas;"
130, 132, 134, 136, 138, 140 e 142 ), com os acréscimos legais. RESPOSTA: Positiva é a resposta, como se vê no verso dos mencionados
Finalizando, e agradecendo oportunidade, ressalta a sua disponi- cheques, fls. 400,402 , 410, 412, 414, 420, 422, 424, 428, 430, 434, 442,
bilidade a esse respeitável Juízo. 446,448,450,456, 578, 746, 768, 770, 774, 776, 808, 810 e 812,

Nestes Termos "3) Queira o Sr. perito informar se apesar da destinação dada
Pede Deferimento aos referidos cheques (pagamento de impostos - ISS, COFINS,
Contribuição Social, PIS, Imposto de Renda e INSS), os mesmos
foram compensados para este fim;"
Locai dia, mês a ano
RESPOSTA: O que a perícia pode infonnar é que, com base nos documen-
Nome e assinatura tos de fls. 500, 502, 504, 510, 526, 560, 564, 566, 612, 640, 660, 662, 724,
Perito do Juízo 746, 810 e 812, no final dos endossas consta: "digo, deposita-se em C/C nº
..."; fls. 690: "... credita-se em C/C nº ...''; e fls. 740: " ... deposita-se C/C ... '' .
O nº da C/C constante dos endossos nem sempre aparece legível.
8.21. LAUDO PERICIALJUNTADOAOSAUTOS
"4) Queira o Sr. perito informar, em complementação ao quesito
anterior, se em razão do desvio da finalidade dos referidos che-
LAUDO PERICIAL ques, a autora tomou-se inadimplente com os diversos impostos
acima mencionados;"
RESPOSTA: Para o oferecimento de resposta a este quesito a parte auto-
Juízo de Direito: ....... Vara Cível ra fez entrega à pericia dos anexos nºs 5 e 6, totalizando 41 folhas, onde
Processo nº : ................................ constam documentos de arrecadação de receitas federais e municipais
Ação: Ordinária (dívida ativa da união - parcelamento de Contribuição Social, COFINS e
Parta autora: COR DO PECADO IRPJ -, parcelamento ISS "anexo nº 5", e parcelamentos já liquidados da
Parte ré: BANCO ESPERANÇA divida ativa da união do PIS, COFINS e IRPJ "anexo nº 6").
CAPÍTULO
8. DESENVOLVIMENTO
OEPERÍCIA
JUDICIAL 165 166 Ril Moura

"5) Queira o Sr. perito informar se a autora, em razão do não pa- RESPOSTA: Prejudicada a resposta, por tratar-se de matéria de direito.
gamento dos impostos devidos, paralisou as suas atividades oca~
"2) se o banco réu, dada , a sua condição de mero apresentante do
sionando a perda de faturamento. Queira informar o valor desse
cheque teria condições de verificar qualquer espécie de adultera-
faturamento;"
ção dos cheques em questão ?"
RESPOSTA: Conforme consta do documento, anexo nº 7, a parte autora
alega as razões pelas quais foram apontados pela prefeitura débitos de ISS RESPOSTA: O que a pericia pode informar é o que consta do Art . 39 e
e o não pagamento de várias parcelas do mesmo imposto, somente con- do Parágrafo único (Lei 7.357), respectivamente:
seguindo restabelecer os pagamentos através de um no parcelamento do "Art . 39. O sacado que paga cheque "à ordem ,.,é obrigado a verificar a
débito em 58 parcelas, em ...../...../....., ocasião em que obteve novos talões regularidade da série de endossos, mas não a autenticidade das assinatu-
de Notas Fiscais, retomando às suas atividades operacionais. ras dos endossos. A mesma obrigação incumbe ao banco apresentante do
As Notas Fiscais elencadas no anexo nº 7, bem como os seus valores, foram cheque a câmara de compensação. "
conferidos pela pericia em cotejamento com as cópias compondo dois talo- "Parágrafo único. Ressalvada a responsabilidade do apresentante, no caso
nários exibidos, das quais, como exemplo, juntamos cópia das notas de nº s da parte final deste artigo, o banco sacado responde pelo pagamento do
051 (emitida em ...../...../.....), 081 (emitida em ...../...../.....) e 145 (emitida cheque falso , falsificado ou alterado, salvo dolo ou culpa do co"entista , do
em ...../...../....), anexos nºs 8, 9 e 10. endossante ou do beneficiário, dos quais poderá o sacado, no todo ou em
Como se observa do anexo nº 7, as notas fiscais emitidas no período de part e, reaver o que pagou.,,
...../...../..... a ...../...../..... totalizamR$ 181.338,79, correspondendo a média "3) se o preenchimento dos títulos, considerando-se os valores nu-
mensal de R$ 7.844,29, que a parte autora alega como de valor potencial méricos, extenso, local e data de emissão e assinatura do represen-
mensal que deixou de faturar de ...../...../..... a ...../...../....., quando conseguiu tante legal emitente, autorizavam seu processamento pelo banco
retornar suas atividades normais, como declarado. réu, levando-se em conta, ainda, o conhecimento técnico exigido
A parte autora ainda fez entrega à perícia dos documentos, anexos nºs 11 por instituições bancárias para o exercício desta função e, consi-
(aquisição de quatro talões de Notas Fiscais), 12 e 13 (documentos de arre- derando-se, também, a ausência de dados essenciais, que somente
cadação de receitas municipais - processo nº 04/371.293/00). são de conhecimento do banco sacado ( Banco Harmonia)."
"6) Queira o Sr. perito informar os valores dos cheques indevi- RESPOSTA: A resposta fica prejudicada, por tratar-se de matéria de
damente pagos, corrigidos monetariamente a partir da data do direito.
pagamento:"
"4) se a alegada adulteração dos títulos, se adulteração houve, é
RESPOSTA: A resposta fica prejudicada por tratar-se de matéria de direito. tão grosseira e aparente, que, de plano, quando de sua apresenta-
"7) Queira o Sr. perito informar qualquer outro esclarecimento ção, desautorizou o processamento, considerando-se, da mesma
que se fizer necessârio;" fo~ o conhecimento técnico exigido para o exercício de caixa
e, ainda, as regras de experiências comuns no desconto e/ou de-
RESPOSTA: Outros esclarecimentos serão prestados nas respostas aos pósito de cheques;"
quesitos formulados pela parte ré.
RESPOSTA: Prejudicada a resposta, uma vez que, como quesitado, o
QUESITOS DA PARTE RÉ assunto foge à especialidade deste profissional.
- Fls. 56/57 -
"5) se, ao examinar os cheques, no momento do depósito, seria
" 1) se os títulos de crédito em questão, obedeceram, no que con- possfvel, ao leigo, captar alguma espécie de falsificação?"
cerne, tão somente, aos requisitos essenciais e indispensáveis
exigidos por lei para seu regular processamento, quando da sua RESPOSTA: A resposta fica prejudicada, em consistência com a oferecida
apresentação ao banco apresentante.,, ao quesito precedente.
CAPÍTULO
8. DESENVOLVIMENTO
OEPERÍCIA
JUDICIAL 167 168 Ril Moura

"6) finalmente , apenas , pelo exame visual do cheque, seria possí- IMPORTÂNCIA: ......... ......... ......... ( ............................ ), MAIS OS
vel constatar a adulteração alegada;,, ACRÉSCIMOS LEGAIS .
RESPOSTA: Prejudicada a respo sta, uma vez que, como quesitado, o PARA SER PAGA AO Perito do Juízo , DR. ................................. - NOME
assunto foge à especialidade deste profissional . DO ÓRGÃO DE CLASSE ENº DO REGISTRO.
Nada mais a acrescentar, este signatário informa que para a realização de A Juíza de Direito, da .................... ....., Dra . ...................... ....., manda ao
seu múnus, além da expedição de cartas solicitando documentos necessá- BANCO ... ..... ... ..... SIA, que, em cumprimento ao presente, extraído dos
rios à instrução deste laudo pericial (anexos nº s ......), recebeu a corres- autos do processo acima referido , pague a pessoa indicada a importância
pondência objeto do anexo nº ...., bem como os demais documentos que supra , depositada à disposição deste Juízo.
instruem este laudo pericial.
Conc luindo este laudo pericial, o perito coloca-se à disposição do Juízo e Local e data
das parte s para quaisquer esclarecimentos reputado s necessários .
Eu, ..................................., escrivão titular, o subscrevo .

Loca l e data Nome e assinatura


Juíza em Exercicio
Nome e assinatura
Perito do Juízo
CRC- ............. 8.23. PETIÇÃODO ASSISTENTE
TlCNICO SOBREO LAUDOPERICIAL

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIRE ITO DA ..... VARA CÍVEL DA


8.22. MANDADO DE PAGAMENTODOS HONORÃRIOSDO PERITO COMARCA DA CAPITAL

Processo n ° ................
...........
JUÍZO DE DIREITO DA ............. ...... ..
Autora: Cor do Pecado
COMARCA DA CAPITAL Réu: Banco Esperança S/A
Rua: ....... .................. ...........................
Cidade: ............... ........ ........ ............. ... (NOME DO ASSISTENTE TÉCNICO) , contador, indicado pela parte ré
para funcionar como perito assistente técnico , serve desta para informar
a V.Exa . que participou de todas as diligências , juntamente com o perito
MANDADO DE PAGAMENTO
desse Juízo, Dr. ..........., e nesta oportunidade se manifesta favo ravelmente
a todas as respostas oferecidas aos quesitos formulados por ambas as partes,
REFE~NCIA; constantes do laudo pericial.
Processo _
nº .................................. Nestes Termos
Ação: ........................................... Aguarda Deferimento
PARTE AUTORA: COR DO PECADO
Local e data
PARTERÉ : BANCO ESPERANÇA
Nome e assinatura
CONTA(S) : .................. ........ DATA DO DEPÓSITO :............... ..............
CRC .................. ...
170 Ril Moura

• A assembleia geral da companhia incorporadora, se aprovar o pro-


9. DESENVOLVIMENTO DE PERÍCIA tocolo da operação, deverá autorizar o aumento de capital a ser
subscrito e realizado pela incorporadora mediante versão do seu
EXTRAJUDICIAL Patrimônio Líquido, e nomear os peritos que o avaliarão (§ 1° do
art. 227).
• Aprovados pela assembleia geral da incorporadora o laudo de ava-
liação e a incorporação, extingue-se a incorporada, competindo à
primeira promover o arquivamento e a publicação dos atos da in-
9.1. PRELIMINARES corporação(§ 3° do art. 227).
• A assembleia geral de cada companhia, se aprovar o protocolo de
A perícia contábil extrajudicial é a que se realiza fora do processo, extra
fusão, deverá nomear os peritos que avaliarão os patrimônios líqui-
processo, por "encomenda", isto é, através escolha, de consulta ao profissio- dos da demais sociedades (§ 1º do art. 228).
nal da área, por exemplo, quando há necessidade de cálculo de partilha entre
sócios, reavaliações patrimoniais, cálculo de ágio ou deságio de ações, revisão • Na cisão com versão de parcela do patrimônio em sociedade nova, a
operação será deliberada pela assembleia geral da companhia à vista
de cláusulas contratuais, apurações do valor do Patrimônio Líquido, apurações
de justificação que incluirá as informações de que tratam os números
de fundo de comércio, aplicação de lucros ou reservas no resgate de ações, na
do art. 224; a assembleia, se aprovar, nomeará os peritos que ava-
amortização de ações ou no reembolso de ações, determinando as condições e liarão a parcela do patrimônio a ser transferida, e funcionará como
o modo de proceder-se à operação, além de vários outros, para que possa vir a assembleia de constituição da nova companhia (§ 2° do art. 229).
auxiliar num acordo ou transação, presente ou resguardar direito futuro.
Dessa forma, para que se processe a incorporação - lembrando que a in-
9.2. NORMASOCIETÃRIA corporação é a operação pela qual uma ou mais sociedades são absorvidas por
Especificamente sobre avaliações de bens, a Lei das Sociedades por outra, que lhes sucede em todos os direitos e obrigações - , deverão ser cumpri-
Ações, Lei nº 6404, fornece os procedimentos, como se vê a seguir, em con- das as formalidades exigidas pelo art. 227 da Lei nº 6.404: aprovação da opera-
formidade com o seu Art. 8°, que expressa formalmente: ção pela incorporada e pela incorporadora (relativamente ao aumento de capital
"Arl 8° -A avaliação dos bens será feita por três peritos ou por empre- a ser subscrito e realizado pela incorporada) por meio de reunião dos sócios ou
sa especializada, nomeados em assembleia geral dos subscritores, convocada em assembleia geral dos acionista (para as sociedades anônimas); nomeação de
pela imprensa e presidida por um dos fundadores, instalando-se em primeira peritos pela incorporada; aprovação dos laudos de avaliação pela incorporadora,
convocação com a presença de subscritores que representem metade, pelo me- cujos direitos deverão promover o arquivamento e publicação dos atos de incor-
nos, do capital social, e em segunda convocação com qualquer número.,, poração, após os sócios ou acionistas da incorporadora também aprovarem os
De acordo com o 1° parágrafo desse artigo, os peritos ou a empresa ava- laudos de avaliação e declararem extinta a pessoa jurídica incorporada.
liadora deverão apresentar laudo fundamentado, com a indicação dos critérios Como exemplo ainda de pericia extrajudicial, e em conformidade tam-
de avaliação e dos elementos de comparação adotados e instruídos com os do- bém com a Lei das Sociedades por Ações - Lei 6.404, os seus artigos 44 e
cumentos relativos aos bens avaliados, e estarão presentes à assembleia que co- 45 tratam de Resgate, Amortização e Reembolso de ações, não sendo demais
nhecer do laudo, a fim de prestarem as informações que lhes forem solicitadas. lembrar que o resgate consiste no pagamento do valor das ações para retirá-
A lei das sociedades por ações prevê, ainda, situações que dependem do -las definitivamente de circulação, com redução ou não do capital social, man-
concurso de peritos, como se constata por ocasião daformação do capital das tido o mesmo capital, será atribuído, quando for o caso, novo valor nominal às
companhias com operações de incorporação,fusão e cisão, como segue: ações remanescentes; a amortização consiste na distribuição aos acionistas,
• As operações de incorporação, fusão e cisão somente poderão ser a título de antecipação e sem redução do capital social, de quantias que lhes
efetivadas nas condições aprovadas se os peritos nomeados deter- poderiam tocar em caso de liquidação da companhia; e o reembolso é a ope-
minarem que o valor do patrimônio ou patrimônios líquidos a se- ração pela qual, nos casos previstos em lei, a companhia paga aos acionistas
rem vertidos para a formação de capital social, é ao menos, igual ao
montante do capital a realizar (art. 226). dissidentes de deliberação da assembleia-geral o valor de suas ações.

169
CAPÍTULO
9. DESENVOLVIMENTO
OEPERfCIA EXTRAJUDICIAL 171 172 Ril Moura

9.3. NORMASDISCIPLINADORAS 9.5. EXEMPLODE CORRESPOND~NCIA


VISANDO ELABORAÇÃODE LAUDO
PERICIALDE AVALIAÇÃO
Aplicam-se também ao perito contábil, na perícia extrajudicial , as
Normas Técnicas e Profissionais NBC TP O1 - Pericia Contábil e NBC PP
O1 - Perito Contábil , normas que revogaram, respectivamente , as Resoluções Serra , dia, mês e ano
CFC nº s 1.243 e 1.244.
Para a perícia extrajudicial , o perito deverá encaminhar o laudo por carta
protocolada ou registrada, datado, rubricado e assinado, que nele fará constar Ilmo . Sr.
a categoria profissional de contador e seu número de registro no Conselho Diretor Presidente de ............... ..
Regional de Contabilidade . Rua Pereira da Silva, l
A seguir, apresentamos um exemplo de contrato de honorários de perícia Nesta
extrajudicial , exemplo de corre spond ência encaminhada visando elaboração
de laudo pericial de avaliação, e um exemplo de laudo peric ial extrajudicial
(outro s exemplo s são fornecidos no capitulo nº 12. LAUDOS PERICIAIS
EXTRAJUDICIAIS), sem mencionar elementos que possam identificá-los . Prezado senhor,
De acordo com a nossa proposta de prestação de serviços datada de
9.4. EXEMPLODE CONTRATODE HONORÃRIOS- PERÍCIAEXTRAJUDICIAL ...../ .... ./..... , bem como do resultado dos entendimentos havidos na semana
passada, nessa empresa, e para que po ssamos atender os prazos fixados ,
solicitamo s suas genti s providências para :
Rio de Janeiro >dia, mês e ano
1. informar sobre o resultado da avaliação do s trabalhos de análise de
Ilmo s. Srs. contas da empresa PEROÁ ( essa avaliação ficou de ser realizada no dia
Diretores de ....J ...../..... pelo contador desse empresa, até esta data pendente);
SÓ PARTICIPAÇÕES LIDA.
VITÓRIA-ES 2. informar se o contador oferecerá, de fato, a documentação da PEROÁ
para análise /conciliação , visando encerrar o balanço das empresas até o
Prezados senhore s, dia .... 1.....1.....; e
Na qualidade de perito, e conforme solicitação, vimos apresentar -lhes pro - 3. encaminhar , ainda hoje , via fax ou e~mail:
posta de prestação de serviços para apuração de haveres do sócio .......... que
3.1. relação dos equipamentos das empresas PEROÁ e MANJUBA que
pretende se afastar dessa sociedade , com data de .... ./...../......
se encontravam nas obras / depósitos , com as suas características e
Nossos honorários profissionais , para todos os trabalhos que o caso requer, valores estimados no esta do em que se encontram
estão fixados em R$ .......... (..........), pagáveis da seguinte forma: 3.2. relação de imóveis adquiridos pelas empresas PEROÁ e MANJUBA
e seus respectivos valores .
• R$ .......... na aprovação desta proposta ; e
Outros sim, agradecendo a atenção, confirmamos que, como acertamos , es-
. R$ .......... por ocasião da entrega do laudo pericial.
taremos nessa empresa no dia ...../ ...../..... com a pre sença de um profissio-
A aceitação das condições constantes da presente proposta poderá ser dada nal de nossa equipe .
por correspondência de V.Sas. ou pelo simples "de acordo ", data e assi-
natura na cópia desta .
Atenc iosamente,
Atenciosament e,
RILMOURA RILMOURA
CAPÍTULO
9. DESENVOLVIMENTO
OEPERf
CIAEXTRAJUDICIAL 173 174 Ril Moura

9.6. EXEMPLO DE LAUDO PERICIAL EXTRAJUDICIAL - JUSTO VALOR DE


Os valores corretos para o aluguel seriam àqueles apurados a partir de amos-
MERCADO
tras levantadas de áreas compatíveis com a que o locatário ocupa (270,0S
m2 - térreo - e 225,02 m1 - 2° pavimento e entrepiso -), metragem da sala
São Mateus, dia, mês e ano 123 de 393,75 m2, que apresenta o valor de aluguel de R$ 20,32 /m2 , e não a
utilizada pelo locador - laudo de avaliação - de R$ 60,0 Vm2 (fls ... do laudo).
llmo . Sr.
Se utilizar as amostras de 100,00 m 2 , 125,00 m 2 e 393,75 m 2 , como opção,
Dr. Fernando Antonio Silva de Oliveira o valor do aluguel seria de, no máximo, de R$ 32,37 /mZ,ainda bem distante
Diretor de .......... do aluguel pretendido de R$ 60,01/m 2 •
Nesta Considerando a Teoria Estatística das Pequenas Amostras (n < 30) e o co-
eficiente de 1, 10 como apresentado, o JUSTO VALOR DE MERCADO,
Ref. JUSTO VALOR DE MERCADO pelo método COMPARATIVO,é de R$ 6.656,54, a seguir demonstrado:
Imóveis situados na Rua da Imaginação Utilizando o valor de R$ 20,37/m 2
Prezado senhor, MÉDIA/ml FATOR DE
Conforme solicitação de V.Sa., relativamente à avaliação dos imó- ÁREA
veis situados à Rua da Imaginação, neste Estado, venho apresentar UNITÁRIO
R$ 60,01 (fts. ..) RS 51,39m 1 (8s . ..)
as seguintes observações:
onde se observa, como fator de área, a participação de 0,856357.
Conforme consta de fls ...... do processo de avaliação, o profissional utili-
zou, na pesquisa , amostras da TABELA DE LOCAÇÕES "SK.AY"apenas Considerando a mesma participação de 0,856357, tem-se:
lojas de áreas com as metragens de 25,00 m2, 37,50 m2, 50,00 m2 e 59,25
m 2 , totalizando 1Oamostras, sem considerar , não sabemos o motivo, as áre- MÉDIA/m1 FATOR DE
as maiores , isto é, áreas de 100,00 m2 , 125,00 m 2 e 393,75 m2, vez que a ÁREA
área ocupada pelo locatário totaliza 495,07 m 2, com a seguinte distribuição, UNITÁRIO
270,05 m2 (térreo) e 225 ,02 m 2 (2° pavimento e entrepiso ). R$ 20,32 RS 17,40/m 2

Como se vê na referida tabela, anexada ao processo de avaliação, a mesma Valor locativo do térreo : R$ 17,40/m 2 x 270,05 m 2 = R$ 4.698,87
apresenta áreas bem maiores que as utilizadas pelo profissional, vale dizer, Valor locativo do 2° pavimento e entrepiso, com equivalência de 50%: 0,50
áreas de 100,00 m2 , 125,00 m2 e 393,75 m2, para as quais, proporcional- X R$ 17,40 X 225,02 m2 = R$ 1.957,67
mente, o valor do aluguel decresce, como exemplo demonstrado a seguir: Por conseguinte, para o prédio avaliando da Rua da Imaginação, o va-
lor locativo pelo método COMPARATIVO, com amostras obtidas da
ÁREA ALUGUEL ALUGUEL TABELA DE LOCAÇÕES "SK.AY,', será de R$ 4.698,87 + R$ 1.957,67 =
RS R$/ m2 RS 6.6S6,54 (A).
37,50 2.400,00 64,00 Considerando a mesma metodologia de cálculo, e utilizando o va-
41,80 2.700,00 64,59 lor de R$ 32,37/m 2 , o JUSTO VALOR DE MERCADO pelo método
50,00 2.760,00 55,20 COMPARATIVO,é de R$ 10.604,57, a seguir demonstrado:
60,00 3.150 ,00 52,50 MÉDIA/m 2 FATOR DE
100,00 3.840 ,00 38,40 ÁREA
125,00 4.800,00 38,40 UNITÁRIO
393,75 8.000,00 20,32 R$ 60,01 (fls. ..) RS Sl,39m 2 (Os... )
CAPÍTULO
9. DESENVOLVIMENTO
OEPERfCIA EXTRAJUDICIAL 175 176 Ril Moura

onde se observa, como fator de ãrea, a participação de 0,856357 . DETERMINAÇÃODO JUSTO VALOR
Considerando a mesma participação de 0,856357, tem-se: O justo valor , se for considerada a média aritmética entre os valores en-
contrados através dos métodos COMPARATIVO- R$ 6.656 ,54 (A) e R$
MÉDWm 2
FATOR DE 10.604 ,57 (B) - e RENTABILIDADE,bem como seus respectivo s per-
ÁREA centuais de 6% a 12% a.a ., será de :
UNITÁRIO
2 Utilizando o valor de (A)
RS 32,37/m RS 27,72/m2

Valor locativo do térreo: R$ 27,72 /m 2 x 270 ,05 m 2 = R$ 7.485, 79


% RS
6 7.308,30
Valor locativo do 2° pavimento e entrepiso, comequi valência de 50%: 0,50
7 7.971 ,64
x R$ 27,72 x 225,02 m2 = R$ 3.118 ,08 8 8.634 ,98
Consequentemente , para o prédio avaliando da Rua da Imaginação, o 9 9.298 ,31
valor locativo pelo método COMPARATIVO, com amostras obtida s da 10 9.961 ,65
TABELA DE LOCAÇÕES " SKAY", será de R$ 7.485 ,79 + R$ 3.118,78 = 11 10.624,99
RS 10.604,57 (B) . 12 11.288 ,33
Como valor locativo médio (A + B + 2) , tem-se, RS 8.630,SS mensal.
U tilizando o cálculo do valor locativo pelo método da RENTABil..IDADE, Utilizando o valor de (B)
e considerando para tal a mesma metodologia de fls . . .. .. do processo de ~ BS
avaliação, bem como as taxas de 6% a 12% a.a., o valor locativo será de: 6 9.282,31
7 9.945 ,65
~ Jll 8 10.608 ,99
6 7.960 ,06 9 11.272,33
7 9.286 ,74 10 11.935 ,67
8 10.613 ,42 11 12.599 ,00
9 11.940,09 12 13.262 ,34
10 13.266 ,77
11 14.593,44 Finalizando, este signatário coloca- se à disposição de V.Sa. para
12 15.920 ,12 quaisquer esclarecimentos reputados necessários,

a seguir demonstrado, com base no preço unitário relativo à construção Atenciosamente,


o valor de R$ 507,94 /m 2 (R$ 200 .000 ,00 7 393 ,75 m 2 , TABELA DE
LOCAÇÕES "SKAY") , ao invé s de R$ 616,00 /m2 como quer o locador:
Valor da construção nova : R$ 507 ,94/m 2 Nome e assinatura do perito
Valor do imóvel novo (térreo): R$ 1.150.451,11 Sua qualificação junto ao
CRC
Valor do imóvel usado (térreo): R$ 1.123.899 ,70
Valor do 2° pavimento e entrepiso : R$ 468.112,89
Valor dos imóveis (R$ 1.123.899 ,70 + R$ 468.112,89 ) : R$ 1.592.012,59
178 Ril Moura

esfera de atividade criada pelo exercício profissional do comércio, com as coi-


10. FUNDO DE COMÉRCIO sas e direitos que são geralmente inerentes ou acessórios do mesmo , incluindo
as dívida.s".
Em conformidade com o Novo Código de Processo Civil, parágrafo úni-
co do art. 630, na hipótese prevista no art. 620, § 1º, o juiz nomeará perito para
avaliação das quotas sociais ou apuração de haveres .
10.1. CONSIDERAÇÕESGERAIS Continuando, fundo de comércio é:

Um dos vários tipos de perícia contábil é a apuração de haveres , que, no • Direito pessoal que exerce o comércio .
entendimento deste autor, é a perícia contábil por excelência. • Conjunto de bens e direitos, tangíveis ou não, que constituem o
Na pericia contábil de apuração de haveres, há necessidade da apuração patrimônio do comerciante (instalações, mercadorias , nome e pon-
do fundo de comércio. to do estabelecimento , freguesia, etc .).
Nas apurações de havere s, quer inter vivos, quer in causa mortis, é usu- • O que uma empresa possui de valor acima do seu Patrimônio Líqui-
al incluir-se o valor incorpóreo, intangível , relativo ao negócio explorado. do, avaliado a preços de mercado (Boletim IOB 15/85).
Todavia, há que se observar e considerar as peculiaridades de cada caso. • Diferença entre o Patrimônio Liquido levantado com os Ativos
(bens e direitos) e Passivos (circulantes e exigível a longo prazo)
O fundo de comércio integra o patrimônio da sociedade e, por isso, deve
todos a preços de mercado e o Patrimônio Líquido (PL) conforme
ser considerado na apuração dos haveres, por ocasião da dissolução , sem que
seu valor de negociação como um todo .
a sua inclusão caracterize extra p etita, isto é, além do pedido .
• O "algo mais" de uma empresa (Boletim IOB 15/85).
Em todos os países, de há muito tempo, fundo de comércio é a expressão
usada como base de garantia, de solidez , do comerciante .
10.2. VALORDA EMPRESA
Como resultado de pesquisas, é sabido que a origem do fundo de comér-
cio data do século XIX, quando em 1872 a França, através de Lei (lei fiscal de Explicita o Boletim IOB 15/85 - Temática Contábil e Balanços: De onde
28 de fevereiro de 1872), passou a usar a expressão que designa o estabeleci- vem esse "algo mais" ? Trata-se do seguinte: uma empresa tem um valor
mento comercial como fondsde commerce. Anteriormente , a designação era contábil , mas este é preso aos princípios tradicionais de custo de aquisição e
"fonds de boutique ". outros ; tem um outro valor, quando cada ativo e pas sivo é mensurado a seu
O fundo de comércio (fond de commerce, do direito francês; azienda, do preço corrente de mercado, mas esta soma algébrica representa o saldo líquido
direito italiano) ou o estabelecimento comercial é, conforme lição de Rubens de um amontoado de itens . Mas, no fundo, o que realmente vale uma empresa
Requião , o instrumento da atividade do empresário . Com ele, o empresário não é pela soma individual de seus elementos patrimoniais, mas sim pelo que
comercial se aparelha para exercer sua atividade . Forma a base flsica da em- ela é capaz de produzir de lucros.
presa, constituindo um instrumento da atividade empresarial. O valor de uma empresa resulta de sua capacidade de geração de valor e
Estabelecimento comercia~ conforme Alberto Gomes da Rocha caixa no futuro .
Azevedo, é o conjunto de bens de natureza diversa , unificados pela vontade O amigo professor Pedro Schubert afirma que, de modo genérico , o fun-
do seu titular . do de comércio é a capacidade que o empreendimento tem de gerar lucros , e
O estabelecimento comercial, segundo Márcio Antônio Inacarato, é um nas análises realizadas, para a avaliação com o objetivo de compra de empre-
complexo de bens patrimoniais, corpóreos e incorpóreos que, embora conjuga- sas ou de suas ações, o seu valor é enquadrado no seguinte parâmetro:
dos no fundo de comércio , não perdem sua individualidade , entretanto , no seu VALOR DA EMPRESA = PATRIMÔNIO LÍQUIDO + LUCROS GERADOS
conjunto , é interpretado pela maioria dos juristas como um bem incorpóreo . EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO - t (t = 1 a n anos)
Rubens Requião, conforme obra citada, diz que VON GIERKE concei- O Patrimônio Líquido está registrado na contabilidade. O lucro gerado
tua o estabelecimento comercial como empresa de sentido estrito , "como uma no período de tempo t é o que vamos chamar de Fundo de Comércio .
Ainda conforme o amigo professor Pedro Schubert, "caberá , então, ao
analista de investimentos projetar, a partir destes bens intangíveis , diferentes
177
CAPÍTULO
1O.FUNDO
DECOMÉRCIO 179 180 Ril Moura

cenârios (simulações) para, até por métodos estatísticos, quantificar o lucro • ponto comercial
líquido anual esperado para determinado período de tempo t. • força atrativa
Este período de tempo t é função direta da empresa sob análise. Para • freguesia
uma casa comercial ou uma indústria de bens de consumo convencionou-se o • reputação
tempo t como 5 anos.
• contratos
Para um empreendimento de longa maturação, como indústrias de base
• conhecimento
(siderurgia, por exemplo) e de infraestrutura (energia elétrica) este tempo t
• conceito
pode ser de 15 a 25 anos .
• crédito
Só para adicionar mais imponderabilidade ao estudo do fundo de comér-
cio, podemos destacar que, com a velocidade da tecnologia poderá acontecer
10.5. ELEMENTOSTANGÍVEIS
que, processos e produtos, em 5 anos estejam superado s e, se, na análise da
capacidade da empresa de gerar lucros, esta macro variável não for considera- São elementos tangíveis (corpóreos, materiais ou palpáveis) :
da e se ocorrer mudanças na tecnologia no período t, considerado na análise e • terreno
se os novos donos não tiverem capacidade de ajustarem-se à nova realidade, • benfeitorias
com certeza, tomar-se-ão inviáveis e os lucros gerados no período não remu- • máquinas
nerarão o capital investido ." • equipamentos
O fundo de comércio compõe-se de elementos que o complementam • ferramentas
como organismo econômico e com repercussão na vida jurídica. • instalações
• móveis e utensilios
10.3. ELEMENTOSCONSTITUTIVOSDO FUNDO DE COM~RCIO
• veículos
Dois são os elementos constitutivos do fundo de comércio: • estoques
• Elementos intangíveis
Quando da apuração de haveres, por ocasião de saída de um dos sócios
• Elementos tangíveis
da sociedade, ou da negociação do estabelecimento comercial em conjunto,
ou ainda o seu desaparecimento pela perda do ponto, é uma situação que im-
10.4. ELEMENTOSINTANGÍVEIS prescindirá do estabelecimento de uma fórmula capaz de satisfazer às partes
São elementos intangíveis (incorpóreos, imateriais ou impalpáveis): envolvidas, apurando-se o fundo de comércio, ou seja, o que determinado
• nome comercial Patrimônio Liquido (PL) consegue ter de valor, se negociada a empresa como
• clientela um todo, acima do que seria obtido com a negociação de cada ativo individu-
almente a preços de mercado, no estado em que se encontram .
• relacionamentos
Com o desligamento de um sócio (ou falecimento), há necessidade de se
• marca de fábrica
atribuir a esse sócio uma participação no valor dos bens incorpóreos - intan-
• modelos gíveis ou imateriais.
• conectividade Para que ao ex-sócio possa ser atribtúda uma determinada quota-parte no
• desenhos valor desses bens, surge o problema de como apurá-lo, visando o estabeleci-
• símbo lo publicitário mento da sua exata proporção.
• insígnias Relativamente aos bens, como por exemplo: aviamentos; clientela; mar-
• direito de arrendamento (direito ao local) cas; firma; e insígnia, existem muitos métodos através dos quais se procura
estabelecer o valor provável desse conjunto de bens, integrantes do fundo de
• direito de renovação do contrato de locação
comércio, sendo necessário o estabelecimento da excelência da melhor fór-
• direitos autorais mula a ser aplicada para a sua avaliação do fundo de comércio .
CAPÍTULO
1O.FUNDO
DECOMÉRCIO 181 182 Ril Moura

Modernamente, o fundo de comércio abrange os elementos corpóreos a) É avaliado o contrato de arrendamento tomando-se por base a regra
(tangíveis, materiais) e os elementos incorpóreos (intangíveis, imateriais). da vizinhança, a saber: 1º) é calculada a média do valor locativo
por metro quadrado dos prédios circunvizinhos, estabelecendo-se a
10.6. AVALIAÇÃODO FUNDO DE COMÉRCIO diferença com o preço da locação fixado no contrato do estabeleci-
mento comercial ou industrial apurando; 2°) a diferença verificada
Sob o aspecto jurídico, o fundo de comércio é uma universalidade de di- multiplica-se pelo número de meses que restam para término da
reito, confundindo-se com a propriedade industrial e comercial e englobando locação, isto é, do contrato.
sinteticamente bens materiais e bens imateriais. b) É calculado o movimento global de vendas dos últimos três anos,
Assim, o fundo de comércio é indenizável e alienável, daí surgindo a e do total verificado é determinado o lucro liquido presumido, to-
necessidade da avaliação da propriedade comercial ou industrial. mando o perito por base as disposições do Imposto de Renda.
e) Os valores imobilizados existentes no estabelecimento, tais como
Surge, dessa forma, o problema da avaliação do fundo de comércio: móveis, utensílios, instalações etc., são estimados pelo valor de
1. quando o titular tem interesse em se desfazer do fundo de comércio; aquisição com uma depreciação de 10% a.a., de acordo com o tem-
2. quando o proprietário (dono) é despojado do mesmo; po decorrido até a data da avaliação.
3. quando ocorre o desligamento ou falecimento de um sócio.
Luiz Autuori ainda lembra que, como as verificações de haveres apre-
Fato importante a considerar é que, na hipótese de haver indenização a sentam sempre aspectos os mais complexos, torna-se preci so que o perito leve
uma pessoa jurídica, supondo, como exemplo, que a mesma seja forçada a em conta o tempo, isto é, desde quando o sócio falecido pertencia à sociedade
mudar de endereço, ou por força de retomada do imóvel pelo seu locador, ou, apurada, a fim de que o cálculo não o beneficie de forma a prejudicar aos de-
ainda, por ato expropriatório, podem surgir os seguintes elementos cabíveis mais, bem como tomar sempre em conta a estabilidade dos empregados, que
é importante.
de indenização: gastos com mudança; gastos com instalação; aluguéis não
desfrutados e/ou diferença de aluguéis; gastos com pessoa l; e lucros cessantes. Relativamente ao método clássico, como um dos considerados nessa
técnica para avaliação do fundo de comércio, podemos observar o que nos
Para efeito do estabelecimento do fundo de comércio, vários cálculos são
ensina Erymá Carneiro (obra citada): ''Tomam-se os lucros líquidos totais da
realizados, adotando-se a jurisprudência na fixação das diretrizes que devem
empresa num período de 3 anos. Deduzem -se desses lucros os lucros normais
ser atendidas pelo profissional - o especialista - de avaliação, convertendo
calculados à base de 12%, Guro bancário no Brasil) , tendo em vista o capital
em números os mais variados conceitos, sob o aspecto mercantilista, não es-
realizado, as reservas e, nas sociedades de pessoas, os créditos dos sócios que
quecendo a expectativa de futuros lucros, com base nos resultados pretéritos. não vencem juros . A diferença será o superlucro que irá determinar o valor
do fundo de comércio que nada mais será do que o capital necessário para
10.7. MfTODOS DE AVALIAÇÃODO FUNDO DE COMéRCIO produzir em 3 anos, à taxa de 12%, o lucro correspondente à citada diferença."
Com fulcro nas obras citadas na bibliografi a, vários métodos vêm sendo Concernente ao método fluxo de caixa descontado, é a avaliação que tem
usados em nosso país , dos quais podemo s destacar: como base o cálculo do valor de estabelecimento determinado pelos fluxos de
caixa gerados por um período predeterminado, sendo aplicada um taxa de des--
• Método de avaliação sem escrita regular conto, que normalmente acrescenta o risco hannônico ao investimento aplicado.
• Método clássico Na determinação de valor do fundo de comércio, ainda em conformi dade
• Método fluxo de caixa descontado com o mestre Erymá Carneiro, devem ser levados em consideração diver-
sos fatores, tais como a natureza do negócio, a escala ascendente dos lucros
Conforme lição de Luiz Autuori, obra citada, para a caracterização do anuais, ou seu grau estacionário ou sua escala descendente, a possibilidade
fundo de comércio de um estabelecimento comercia] que não mantenha escri- de alteração de fatores externos, tais como mudança no rumo do trânsito da
ta regu,lar - um dos métodos de avaliação-, tendo -se somente como elementos cidade (para os negócios que dependem de localização), possibilidade de re-
um contrato de arrendamento amparado por Lei e os livros fiscais, que regis- forma do contrato de locação, ameaça de aparecimento de concorrentes fortes,
tram a receita produzida com a exploração do negócio, alguns profissionais possibilidade de aparecimento de novos processos de fabricação mais baratos
tem assim procedido: e outros que deverão ser interpretados dentro de critério técnico .
CAPÍTULO
1O.FUNDO
DECOMÉRCIO 183 184 Ril Moura

Como resultado de pesquisas desenvolvidas sobre a determinação de "Comercial. Dissolução de socieda de limitada. Pedida a dissolução to-
fundo de comércio, constata-se que alguns métodos adotados em nos so país, tal por sócio dissi dente , não é possível, em principio, decretar a dis solução
não refletem o real valor a ser partilhado, sendo necessário, nas circunstâncias, parcial, com simples apuração contábil dos haveres do autor. Admitida que
proceder à avaliação dos bens e direitos a preço de mercado, em decorrência seja a dissolução parcial em atenção à conveniência da preservação do em-
da inflação, ainda que pequena. preendimento, dar-se-á ela mediante forma de liquidação que a aproxime da
dissolução total. Nesse caso, deve ser assegmada ao sócio retirante situação
10.8. DOUTRINAE JURISPRUD~NCIASOBREFUNDO DE COMtRCIO de igualdade na apuração de havere s, fazendo-se esta com a maior amplitude
possível, com a exata verificação, física e contábil, dos valores do ativo".
O exercício c-0ntinuo da atividade comercial ou empresarial exige do em-
No mesmo sentido votou o Ministro MOREIRA ALVES, conforme a
presário, ordinariamente, a sua fixação em um determinado local, onde aloca-
seguir transcrito:
rá suas instalações, constituirá sua freguesia, armazenará seu estoque, enfim,
onde se concentrará o instrumental necessário à consecução de sua atividade. " ...se se acolhe a dissolução parcial, isto implica que, por essa dissolu-
ção , o sócio dissidente sai da sociedade, como sairia se houvesse dissolução
A esse conjunto de ben s materiais e imateriais de stinados pelo empresário
total. Apenas, a diferença entre ambas as soluções é com relação aos demais
para atingir os fins para os quais se propões, dá-se o nom e de estabelecimento
sócios, que, se fosse, total não poderiam continuar na sociedade , que se teria
comercial, fundo de comércio ou fazenda. Como tal, o fundo de comércio é
extinguido. Como é parcial, eles continuam na soc iedade que permanece. Ora,
objeto de direito, sendo que classifica-se, dentre as diversas espécies de bens ,
assim entendendo, considero que, com referência ao sócio que sai, a ele não
como coisa universal ou coletiva, móvel ou incorpórea. É o que ensina Waldirio
se deve aplicar, por analogia, o art. 15, da Lei de Sociedades por Cotas de
Bulgare/li, Sociedades Comerciais,9ª ed. São Paulo, Atlas, 2000,p.205. Responsabilidade Limitada, uma vez que este artigo dá ao sócio dissidente a
Quando quebrada a confiança que deixa de existir entre os sócios, ces- possibilidade de retirar-se, possibilidade essa de que ele só se utilizará se veri-
sando, consequentemente, a ajfectiosocietatis,a Jurisprudência tem entendi- ficar que o valor dos bens, constantes do balanço socia l, correspondente exata-
do que a desarmonia entre os sócios é suscetível de acarretar a exc lusão de um mente a realidade . Em se tratando, porém, de dissolução parcial, em que ele se
deles por deliberação da maioria, independentemente de previsão contratual retira sem se utilizar dessa faculdade de retirada voluntária, entendo que aqui
ou, até mesmo, pronunc iamento judicial. deverá aplicar-se a regra da disso lução total com referência a ele, isto é, que
Por outras palavras, a desinteligência entre sócios é suficiente para en- como salientou o eminente Ministro DÉCIO MIRANDA - seja feita, quanto a
sejar a exclusão de um deles da sociedade por delfüeração da maioria, sem ele, a avaliação dos bens sociais, para o efeito da retirada da sua cota com base
necessidade de previsão contratual ou de decisão judicial. nos valores reais, e não apenas nos valores contábeis ." (RTJ 89/ 1.054-1.072).
Assim, rompida a imprescindível affectiosocietatis, legítima é a decisão de
excluir o dissidente, tomada pela maioria dos demais sócios, sendo necessário, 10.8.1. BASEDEVALORES
REAISPARAAPURAÇÃODE HAVERES
entretanto, a apuração de haveres do sócio excluído, através de pericia contábil Para efeito de apuração de haveres de sócio, deve o perito se basear nos
que levante balanço na data da exclusão, com rigorosa avaliação patrimonial. valores reai s, e não apenas em valores contábeis, tal como orientação juri s-
O critério de liquidação dos havere s, segundo a doutrina e juris prudên- prudencial acima, como exemplo , na seguinte hipótese, considerando 3 (três)
cia, há de ser, o balanço de determinação, como se tratasse de dissolução total, empresas do mesmo grupo, com a exclusão de sócio, como parte autora : os
sendo necessária a apuração real e efetiva dos havere s dos sócios dissidentes, livros contábeis de uma das sociedades foram entregues sem assinatura do
com o conhecimento pleno do valor de mercado da universalidade de bens que contador; os livros contábeis relativos às outras duas sociedades não foram
compunham o patrimônio da sociedade, na época do fato, utilizando-se, para entregues à perícia; e havendo informações ainda de que as duas últimas fir-
tanto, todos os meio s de provas aplicáveis, não se limitando a apuração, pois, mas não estão ativadas.
a mera perícia contábil. Tais constatações, por si sós, já seriam suficientes para afastar a apura-
Como é conhecido, esse, aliás, é o entendimento da Jurisprudência do ção meramente contábil. Depois de analisar os documentos apresentados pelos
Supremo Tribunal Federal, conforme Aresto proferido quando do julgamento réus o perito deve tomar por base o balanço patrimonial, escriturado no Livro
do RE 89.464-SP, relator designado para lavrar o acórdão Ministro DÉCIO Diário , bem como o fundo de comércio das demais empresas para, a final con-
MIRANDA, cuja ementa consignou: cluir, pelo critério de avaliação global do patrimônio os haveres da parte autora .
CAPÍTULO
1O.FUNDO
DECOMÉRCIO 185 186 Ril Moura

A inclusão, entre os haveres, dos dividendos porventura não pagos ao IV - na retirada por justa causa de sociedade por prazo determinado e na
sócio retirante, ainda que não pedida expressamente, tem por objetivo evitar o exclusão judicial de sóc io, a do trânsito em julgado da decisão que dissolver
enriquecimento indevido do sócio remanescente, não configurando julgamen- a sociedade; e
to extra petita . V - na exclusão extrajudicial, a data da assembleia ou da reunião de só-
O exame da possív el violação das cláusulas do contrato social da empre- cios que a tiver deliberado.
sa, quanto à base de cálculo para o caso de retirada, refoge à competência do Em caso de omissão do contrato social, o juiz definirá, como critério
Superior Tribunal de Justiça, a teor do verbete sumular nº 5/STJ. de apuração de haveres , o valor patrimonial apurado em ba lanço de determi-
Decorrido o prazo previsto no contrato sociai após a notificação do sócio nação, tomando-se por refer ência a data da resolução e avaliando-se bens e
retirante ao remanescente sobre a dissolução , incorrem este e a sociedade em direitos do ativo, tangíveis e intangíveis, a preço de saida, além do passivo
mora, tomando devido s, desde então, os juros moratórios. também a ser apurado de igual forma.
Até a data da resolução , integram o valor devido ao ex-sócio, ao espólio
10.8.2. DISSOLUÇÃO
PARCIALDESOCIEDADE ou aos sucessores a participação nos lucros ou os juros sobre o capital próprio
Entende-se por dissolução, rompimento ou extinção de um contrato, de declarados pela sociedade e, se for o caso, a remuneração como administrador.
uma sociedade, de uma entidade ou órgão coletivo. Após a data da resolução, o ex-sócio, o espólio ou os sucessores terão
De acordo com a Lei 6.404, Lei elassociedades por ações, dissolve-se a direito apenas à correção monetária dos valores apurados e aos juro s contra-
companhia de pleno direito, por decisão judicial e por decisão de autoridade tuais ou legais.
administrativa competente, nos casos de na forma prevista em lei especial. Uma vez apurados, os haveres do sócio retirante serão pago s confonne
O Novo Código de Processo Civil - NCPC, através dos artigos 599/609, disciplinar o contrato social e, no silêncio deste, nos termos do § 2° do art.
trata da ação de dissolução parcial de sociedade, estabelecendo o art. 599 que 1.031 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Có digo Civil), isto é:"§ 2Q.
a ação de dissolução parcial de sociedade pode ter por objeto: A quota liquidada será paga em dinheiro, no prazo de noventa dias, a partir da
I - a reso lução da sociedade empresária contratual ou simp les em relação liquidação, salvo acordo, ou estipulação contratual em contrário."
ao sócio falecido, excluído ou que exerceu o direito de retirada ou recesso; e Além do que já foi dito, e como epilogo deste capítulo, para as avaliações
II - a apuração dos haveres do sócio falecido, excluído ou que exerceu o de fundo de comércio os seguintes procedimentos devem ser adotados pelos
direito de retirada ou recesso; ou peritos por ocasião da elaboração de perícias judiciais ou extrajudiciais:
m - somente a resolução ou a apuração de haveres . • sejam conhecidos, em detalhes , as atividades da empresa;
Havendo manifestação expressa e unânime pela concordância da disso- • sejam conhecidos, in loco, todos os bens de propriedade da empresa;
lução , o juiz a decretará, passando-se imediatamente à fase de liquidação. • sejam incluídos possíveis elementos porventura não classificados
Para apuração dos haveres, o juiz: no patrimônio das empresas; e
I - fixará a data da resolução da soc iedade; • seja elaborada avaliação de todo s os bens de propriedade da
II - definirá o critério de apuração dos haveres à vista do disposto no empresa a preço de mercado, no estado em que se encontram .
contrato social; e
Ill - nomeará o perito .
Se o contrato social estabelecer o pagamen to dos haveres , será observado
o que nele se dispôs no depósito judicial da parte incontroversa.
A data da resolução da sociedade será:
I - no caso de falecimento do sócio, a do óbito;
II - na retirada imotivada~ o sexagésimo dia seguinte ao do recebimento,
pela soc iedade , da notificação do sócio retirante;
m - no recesso, o dia do recebimento, pela sociedade, da notificação do
sócio dissidente;
188 Ril Moura

O laudo pericial contábil é um documento escrito , no qual o perito deve


11. LAUDOS DE PERÍCIAS JUDICIAIS registrar, de forma abrangente , o conteúdo da perícia e particularizar os as-
pectos e as minudências que envolvam o seu objeto e as buscas de elementos
de prova necessários para conclusão do seu trabalho.
Pode-se acrescentar que o laudo pericial contábil deverá ser uma peça
técnica, escrita de forma objetiva, clara, precisa, concisa e completa , e que
o laudo pericial contábil deve ser uma peça técnica elaborada de forma se-
11.1. PRELI
MINARES
quencial e lógica, para que o trabalho do perito seja reconhecido também pela
Como já foi dito, a perícia contábil juc)jcial é exercida sob a tutela do padronização estrutural.
Poder Judiciário, a que se faz nos processos, e que pode ser de oficio ou a Em conformidade com o NCPC , estabelece o art. 473, o laudo pericial
requerimento das partes. deverá conter :
Entende-se por laudo pericial a peça escrita na qual o perito expressa , I - a exposição do objeto da perícia; II - a análise técnica ou científica
de forma circunstanciada, clara e objetiva, as sínteses do objeto da pericia, os realizada pelo perito; III - a indicação do método utilizado, esclarecendo-o e
estudos e as observações que realizou, as diligências realizadas, os critérios demonstrando ser aceito pelos especialistas da área do conhecimen to da qual
adotados e os resultados fundamentados, e as suas conclusões. se originou; IV - resposta conclusiva a todos os quesitos apresentados pelo
Assim , o laudo pericial contábil judicial é a peça escrita na qual o con- juiz , pelas partes e pelo órgão do Ministério Público .
tador, na qualidade, na função de perito , expres sa, de forma circunstanciada , § 12 No laudo , o perito deve apresentar sua fundamentação em linguagem
clara e objetiva, assínteses do objeto da perícia, os estudos e as observações simples e com coerência lógica, inc)jcando como alcançou suas conclu sões .
que realizou, as diligências realizadas, os critérios adotados e os resultados § 22 É vedado ao perito ultrapassar os limites de sua designação, bem
fundamentados , e as suas conclusões. como emitir opiniões pessoais que excedam o exame técnico ou cientifico do
O laudo pericial contábil é conduzido pelo perito do Juízo , que adota- objeto da perícia.
rá padrão próprio, respeitada a estrutura prevista na NBC TP O1 - Perícia O laudo pericial contábil tem por limite os próprios objetivos da perícia
Contábil , devendo ser redigido de forma circunstanciada, clara, objetiva , se- deferida ou contratada.
quencial e lógica, evitando o prolixo e a tergiversação, possibilitando aos jul-
O prazo estabelecido para a conclusão dos trabalhos , fixado pelo juiz, deve
gadores e às partes o devido conhecimento da prova técnica e interpretação
ser cumprido pelo perito como forma de não obstar a celeridade processual.
dos resultados obtidos .
Quando não for possível concluir o laudo pericial no prazo determinado
As respostas aos quesito s formulados devem ser objetivas , completas e
pelo juiz , deve o perito requerer a sua dilação antes de vencido aquele , apre-
não lacônicas , e os termo s técnicos devem ser inseridos no parecer , de modo a
sentando os motivos que ensejaram a solicitação.
se obter uma redação que qualifique o trabalho pericial, respeitadas asNormas
O assistente técnico deve cumprir o prazo fixado em lei, para suas mani-
Brasileiras de Contabilidade .
festações sobre o laudo pericial , de forma a não prejudicar a parte que o indicou.
Concluídas as diligências , o perito apresentará o laudo pericial contábil ,
11.2 . NORMADISCIPLINADORA
obedecendo aos respectivos prazos .
A Norma Brasileira de Contabilidade - NBC TP OI - Perícia Contábil ,
de 27 de fevereiro de 2015, revogou a Resolução CFC nº 1.243/09 . 11.3. RESPOSTAS
AOSQUESITOS
Referida NBC TP O1 - Perícia Contábil estabelece regras e procedimen -
O Conselho Federal de Contabilidade recomendava - pela Resolução
tos técnico-cientificos a serem observados pelo perito, quando da realização
CFC nº 858, já revogada - que havendo quesitos , estes seriam transcritos e
de pericia contábil , no âmbito judicial , extrajudicial , mediante o esclareci-
respondidos , primeiro os oficiais e na sequência os das partes , na ordem em
mento dos aspectos e dos fatos do litígio por meio de exame , vistoria, indaga-
que forem juntados aos autos .
ção, investigação, arbitramento, mensuração, avaliação e certificação.
Ressalte-se que o CPC anterior (CPC 1973) e o Novo Código de Processo
187 Civil - NCPC (CPC 2015) não estabelecia e não estabelece, respectivamente,
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 189 190 Ril Moura

referido procedimento sequencial, sendo usual, primeiro os quesitos oficiais, As partes serão intimadas para , querendo, manifestar-se sobre o laudo
isto é, os quesitos formulados pelo juiz, pelo desembargador, quando houver, do perito do Juízo no prazo comum de 15 (quinze) dias, podendo o assistente
e na sequência, os quesitos formulados da parte autora e os da parte ré, ou na técnico de cada uma das partes, em igual prazo , apresentar seu respectivo
ordem em que forem juntados aos autos. parecer.
As respostas aos quesitos devem ser circunstanciadas, evitando-se aque- A seguir apresentamos 8 (oito) exemplos, reais, de laudos periciais judi-
las como '-'sim" ou "não", ressalvando-se os que contemplam especificamente ciais, com exceção dos anexos, sem contudo expressar formalmente elemen-
este tipo de resposta. tos que possam identificar as partes , o perito, o advogado , o local, bem como
Não havendo quesitos, a pericia será orientada pelo objeto da matéria, se o nº do processo e o Juízo.
assim decidir quem a determinou.
Sendo necessária a juntada de documentos, planilhas, quadros demons-
trativos, elementos utilizados nos cálculos e outros anexos, estes devem ser 11.4. EXEMPLOSDE LAUDOSDE PERÍCIASJUDICIAIS
identificados e numerados, bem como mencionada a sua existência no corpo
do laudo pericial contábil.
11.4.1. - Ação: Apuração de Haveres
Para o desempenho de sua função , o perito pode utilizar-se de todos os
meios necessários, ouvindo testemunhas, obtendo informações, solicitando (Procedimento de avaliar o montante devido a sócio que se retira de uma so-
documentos que estejam em poder da parte, de terceiros ou em repartições ciedade não anônima)
públicas, bem como instruir o laudo pericial com planilhas, mapas, plantas,
desenhos, fotografias ou outros elementos necessários ao esclarecimento do
LAU D O PERICIAL
objeto da perícia .
A preparação e a redação do laudo pericial são de exclusiva responsabi- Juízo de Direito : ..... Vara de Órfãos e Sucessões
lidade do perito, devendo conter: a exposição do objeto da perícia; a análise Processo n° .............
técnica ou científica realizada; a indicação do método utilizado, esclarecendo- Ação: Apuração de Haveres
-o e demonstrando ser predominantemente aceito pelos especialistas da ârea Requerente: Grupo Telécio, Guilherme, Augusto e Vitor
do conhecimento da qual se originou; resposta conclusiva a todos os que- Requerida: Oficina Ltda.
sitos apresentados pelo juiz, pelo desembargador, pelas partes e pelo órgão
do Ministério Público; e elementos identificadores, tais como, referência ao
Juízo, número do processo e nome das partes.
Cada perito deverá estabelecer seu próprio estilo na elaboração de seus 1 - CAUSA DO EXAME PERICIAL
laudos periciais, devendo apresentar sua fundamentação em linguagem sim-
ples e com coerência lógica , indicando como alcançou suas conclusões . Falecimento de PEREIRA ANTERIO~ ocorrido em 25 de junho de 1995,
partícipe da firma OFICINA LTDA., com sede naAvenida Antonio Justo, 216
No Laudo, o perito deve expressar sua fundamentação em linguagem
- Laranjeiras, Rio de Janeiro, conforme consta de fls. 10, 15 e anexo nº 13.
simples e com coerência lógica, indicando como alcançou suas conclusões.
É vedado ao perito ultrapassar os limites de sua designação, bem como A finna tem como objeto a atividade de Oficina Mecânica em Geral, con-
emitir opiniões pessoais que excedam o exame técnico ou científico do objeto forme consta da Quarta Cláusula do Contrato Social (fls. 1O e anexo nº
da pericia. 1O);é por cotas de responsabilidade limitada; com inscrição Municipal nº
O laudo pericial será datado, rubricado e assinado pelo perito, que nele 01.708.999 (anexo nº 12); está inscrita no Cadastro Geral de Contribuintes
fará constar a sua categoria profissional de contador e o seu número de registro sob o nº 00.152.152/0001-0l (fls. 14 e anexo nº 11); e tem o seu contrato
em Conselho Regional de Contabilidade. social registrado no Registro Civil das Pessoas Jurídicas sob o nº 516433,
livro nº 48 , nº de ordem 134.277 do livro "A" nº 35, com data de 25 de
O perito protocolará o laudo pericial em Juízo, no prazo fixado pelo juiz,
julho de 1984, conforme consta do anexo nº l O;
pelo menos 20 (vinte) dias antes da audiência de instrução e julgamento.
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 191 192 Ril Moura

A sociedade gira com o capital social de R$ 2.400,00, dividido em 24 (vinte 4 - PATRIMÔNIO LÍQUIDO
e quatro) cotas no valor de$ 100,00 (cem reais) cada uma,distribuídas entre
Conforme consta do Balanço Patrimonial e da Demonstração do Re-
os sócios, na forma seguinte, conforme documentos de fls. 1O e anexo nº 1O:
sultado, ambos datados de 30 de junho de 1995, o Patrimônio Líqui-
SÓCIOS % COTAS R$ do da firma apresentava a seguinte composição contábil:
Pereira
Anterior 50 12 1.200,00 ELEMENTOS R$
MariadaCarambola 50 12 1.200,00 Capital 2.400,00
Soma 100 24 2.400,00
Reservas de Capital 1.219,55
Lucro do Período 2.185,31
Total 5.804,86
2 - CLÁUSULA CONTRATUAL RELACIONADA COM A APURA-
ÇÃO DE HAVERES
S - FUNDO DE COMÉRCIO
A cláusula contratual que cuida da hipótese de falecimento de sócio
Nas apurações de haveres, quer inter vivos, quer in causa mortis , é usu-
é a SÉTIMA do contrato social (fls. 1O e anexo nº 1O),que tem a
al incluir-se o valo r incorpóreo, intangível, relativo ao negócio explorado.
seguinte redação: Todavia, há que se observar e considerar as peculiaridades de cada caso.
O objeto da Sociedade OFICINA LTDA, como se vê da cláusula QUARTA
"Em caso de impedimento, morte ou ausência de
(fls. 1Oe anexo nº 1O)é a atividade de Oficina Mecânica em Geral.
um dos Sócios, a Sociedade não se dissolverá e aos
herdeiros, sucessores ou representantes legais, serão A firma em tela não ofereceu à perícia contrato de locação do imóvel onde
pagos os direitos e haveres que lhe competirem apu- funciona, conforme consta da correspondência objeto do anexo nº 2.
rados em Balanço Geral Extraordinário, que deverá Asfl.s. 31 constaque «a intenção da requerente nada mais é a possibili-
ser levantado no prazo máximo de trinta dias após a dade de dar baixa na firma, uma vez que a mesma encontra-se se m fim-
ocorrência do evento, da seguinte forma : 50% à vista cionamento, inclusive, existindo outra firma no local aonde funcionava a
e a parte restante em 1O (dez) prestações mensais e OFICINALTDA, desde o falecimento do seu companheiro."
11
sucessivas, corrigidas na forma da Lei. Portanto , ausentes estão os pressupostos (clientela e ponto) caracterizado-
res do bem incorpóreo seja originário ou criado.

3 - DOCUMENTOS QUE SERVIRAM DE BASEÁ APURAÇÃO DE Assim é que o perito deixa de incluir valor pertinente ao Fundo do Comércio.
HAVERES 6 - CONCLUSÃO

Para a realização de seu múnus , este signatário expediu a correspondência Face o exposto, por tudo examinado, considerando o Contrato Social (fl.s.
datada de 23 de julho de 2001 (anexo nº 1), tendo recebido o que consta 10/12 e anexo nº 10), o Balan ço Patrimonial em 30 de junho de 1995 (fls. 7
como anexos nºs 2/ 13, sem o oferecimento dos Livros, bem como de docu- e anexo nº 5), e sem outros documentos a considerar - além do que consta
mentos indicados no expediente (anexo nº 1). como anexos de nºs 2/ 13 -, corrigindo o valor de R$ 5.804,86 para 31
de agosto de 2001, utilizando os Fatores de Correção Monetária - Lei nº
O perito tomou por base o Balanço Patrimonial em 30 de junho de
6.899/81 - TJERJ -período de junho de 1995 a 31 de agosto de 2001 - pelo
1995, bem como a Demonstração do Resultado, na mesma data (fls. multiplicador de 1,59793230, tem-se R$ 9.275,77 x 50/ 100 = R$ 4.637,89,
28 e anexos nºs 5/6). como total dos haveres do falecido N'ewton Luiz Baptista da Fonseca .
CAPÍTULO
11. LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 193 194 Ril Moura

Nada mais a acrescentar, este signatário informa que para a realização de Na contestação , em resumo, a parte ré declara que a aplicação do índice de
seu múnus expediu a correspondência objeto do anexo nº 1, tendo recebido 84,32 % foi detenninada pelo Banco Central , não havendo reajuste ilegal.
apenas o que consta como anexos nº s 2/13, em atendimento ao que consta Para a realização da prova pericial o cartório fez entrega à perícia dos pro-
da correspondência datada de 23 de julho deste ano . cessos nº s 98.001.125077-7 (Carta de Sentença, contendo 376 folhas) e
Concluindo este laudo pericial e dando por encerrada a honrosa 218953 /98 (Agravos de nº s 13189, contendo 229 folhas , e 444, contendo
tarefa, o perito coloca-se à disposição do Juízo e das partes para os 349 folhas); o peáto expediu as cartas solicitando documentos necessários à
esclarecimentos reputados necessários . instrução deste laudo pericia l ( anexos de letras A, B e C), recebeu da parte ré
a carta datada de 21.07.98 (anexo de letra D), bem como dos demais anexos
que instruem este laudo pericial ; manteve contatos telefônicos com os pa-
Local e data
tronos da parte autora e várias reuniões com o assistente técnico da parte ré.

RaMOURA QUESITOS DA PARTE AUTORA


Perito do Juízo - Fls.1.254 / 1.257 -
contador CRC/RJ-9 .786/0 -6
"1 - Queira informar o Louvado o valor do saldo deve -
dor da GIRAL quando da utilização dos 84,32% ;"
11.4.2. - Ação:Carta de Sentença RESPOSTA:
(A carta de sentença será emitida pelo Poder Judiciário quando solicitada Considerando os documento s fornecidos pelo banco réu à perí-
pelo advogado da parte interessada, que poderá entrar com a execução daque- cia, o saldo devedor da GIRAL, em 20 de abril de 1990 , objeto
la ação . A carta de sentença é uma exceção a regra, pois a sentença somente do contrato nº 1.369.632-4 , era de Cr$ 466.210 .253 ,60 (anexo nº
pode ser executada após transitar em julgado, ou seja, quando não couber mais 1, contendo duas folhas) .
nenhum recurso).
"2 - Queira informar o Louvado o valor do saldo deve-
LAUDO PERICIAL dor da GIRAL nas datas de assinatura dos contratos dos
autores ;"
Juízo de Direito: ..... Vara Cível
Processo n º ...... ..... .. RESPOSTA:
Ação: Carta de Sentença Com base nos documentos e registros contábeis do banco réu
Parte autora : GIRAL & TREKOS fornecidos à pericia, o saldo devedor da GIRAL nas datas reque-
Parte ré: Banco Parcimonioso SIA ridas era o que segue (anexos n ºs 1 e 3):
INTRODUÇÃO
AUTORES CONTRATONº DATA VALORCrS
Tratam os pre sente s autos de Ação Ordinária movida por GIRAL & A 410 .376-9 18.10 .91 3 .517.308.495 ,96
TREKOS em face do BANCO PARCIMONIOSO S/A, alegando os au- B 410.475-7 05.11.91 4.555 .624.415 ,74
tores, em síntese, que assinaram em 1Ode setembro de 1988 contrato de fi- e 410 .523-0 11.11.9 l S.295 .316 .596 ,50
nanciamento de imóvel, com pagamentos a serem efetuados em prestações
mensais e consecutiva s; o saldo devedor , como previsto , seria atualizado
D '
410.406-4 18.10.91 3.517.308.495,96

pela aplicação dos coeficientes de atualização das cadernetas de poupança; "3 - Queira informar o saldo devedor da GIRAL na data
que em março de 1990 houve descumprimento pela parte ré com o reajusta- da utilização dos 84,32%, mas aplicando-se no lugar
mento em 84,32%, quando deveria ser pela variação do BTN fiscal, pedin- deste índice a variação do B1NF , na forma do parágrafo
do, por isso , além de outros, fosse reconhecida a ilegalidade e aplicando-se 20 ., do art . 60 ., da Lei 8.024/90;"
o índice correto, com a realização de recálculo.
CAPÍTULO
11. LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 195 196 Ril Moura

RESPOSTA: AUTORES CONTRATONº DATA VALORCrS


Utilizando-se a variação do BTNF , o saldo devedor da GIRAL A 410 .376-9 18.10.91 2.797.001 .636,35
em 20 .04.90 era de Cr$ 358.392 .016.65 (anexo nº 2). B 410.475-7 05.11.91 3.622.681.649 ,92
"4 - Queira informar o Louvado quais os valores e 410.523-0 11.11.91 4 .210.892.846,74
pagos pela GIRAL, a titulo de prestações de amor- D 410.406-4 18.10.91 2.797 .001 .636,35
tização do Mutuo Plano, desde abril de 1.990 , até
dezembro de 1.991 ;" "8 - Partindo do valor encontrado no item 7, qual seria o
valor do saldo devedor da GIRAL nas mesmas datas, após
RESPOSTA: compensado o indébito atualizado apurado no item 6;"
Para comprovar os valores pagos pela GIRAL , a parte ré fez en- RESPOSTA:
trega à perícia da planilha - contrato nº 1.369-632-4 - parcelas de Prejudicada a resposta, em consist ência com a oferecida aos que-
nºs 22 a 32 (anexo nº 1), o que não atende o solicitado. sitos nº s 5 e 6, desta série.
"5 - Queira informar o Louvado quais os valores que de- "9 - Qual foi o valor original de cada contrato assinado
veriam ter sido pagos pela GIR.AL,a título de prestações por cada um dos autores?"
de amortização do Mutuo Plano , desde abril de 1.990, até RESPOSTA:
dezembro de 1.991, após efetivado o expurgo do IPC e o
O valor do financiamento de cada contrato, assinado pelo s auto -
recâlculo dos encargos pelo B1NF em março de 1.990;' '
res, é o que con sta a seguir , com base, inclusive , no anexo nº 3,
RESPOSTA: contendo 56 folhas:
Para o oferecimento de resposta a este quesito, a parte ré fez en- li
VALORCrS
AUTORES CONTRATONº DATA
trega à perícia da PLANILHA DE FINANCIAMENTO (anexo
nº 2), cujos elementos não são suficientemente esclarecedores A 410 .376-9 18.10.91 18.367.425 ,28
para atender o quesitado . B 410.475-7 05 .11.91 22.233 .150,00
"6 - Queira informar o Louvado qual o total do indébito
suportado pela GIRAL referente às diferenças de pres-
e 410 .523-0 11.11.91 23.430 .900,00
tações pagas a maior por esta, atualizado até dezembro D 410 .406-4 18.10.91 19.997 .850,00
de 1.991;"
" 1O - Qual seria o valor de cada um dos contratos dos
RESPOSTA: autores, considerando- se a diferença apurado no saldo
Prejudicada a resposta , com base na oferecida ao quesito prece- devedor da GIRAL entr e os valores dos itens 2 e 8, pro-
cedendo-se à mesma redução proporcional do valor ini-
dente .
cial dos referidos contratos ?"
"7 - Considerando a aplicação do BTN Fiscal, informar
o saldo devedor da GIRAL nas datas das individualiza- RESPOSTA:
ções dos exequentes ;" Prejudicada a resposta, em consistência com a oferecida aos que-
RESPOSTA: sitos nºs 5, 6 e 8 desta série.
'"'11 - Informar o Louvado o valor dos saldos devedores
Com base nos documentos e registros contábeis do banco réu e das prestações atuai s dos autores , sem a efetivação do
fornecidos à perícia , o saldo devedor da GIRAL nas datas reque-
recálculo ·"
ridas era o que segue (anexo 2): '
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 197 198 Ril Moura

RESPOSTA: RESPOSTA:
Com base nas planilhas objeto do anexo nº 5, contendo 7 folhas, Prejudicada a resposta, com base na oferecida ao quesito precedente
os saldos devedores e o valor das prestações dos autores são os
"16 - Considerando que a exequente D quitou seu mu-
que constam a seguir:
tuo em setembro de 1.995 pelo valor de R$ 51.827,36, e
considerando todos os recálculos acima, qual o valor do
AUTORES DATA SALDORS PRESTAÇÃO RS
crédito que esta possui atualizado e acrescido de juros
A 18.10.98 78.542, 13 1.016,07 moratórios para a data de hoje;"
B 05.10.98 63.624,01 972,31 RESPOSTA:

e 11.10.98 46.400,35 1.007,22 Pelo que a parte ré ofereceu à perícia (vide o que consta do anexo
nº 6), o seu crédito é no valor de R$ 11.572,95, que atualizado
D 18.09.95 51.509,20 809,58 pelo coeficiente de 1,27062401 do TJERJ a partir de 18.09.95
até a data de 31.12.98, incluindo juros de 6% a.a., totaliza R$
"12 - Partindo dos valores encontrados no item 10; e 17.645,84, assim demonstrado (R$ 11.572,95 x 1,27062401 x
aplicados os índices previstos contratualmente desde 20% = R$ 17.645,84}.
então, informar quaisseriam os valores dos saldos deve-
"17 - Queira informar se os valores apresentados pelo
dores e das prestações dos exequentes na data de hoje;"
Executado às fls. 170/176 dos autos, como resultado do
RESPOSTA: cumprimento de sua obrigação de efetivar os recálculo
Prejudicada a resposta, com base na oferecida ao quesito nº 10. acima, estão corretos, na exequenda;"

" 13 - Consi derando os recálculos efetivados na forma RESPOSTA:


da decisão exequenda, informar se os autores pagaram Positiva é a resposta, considerando as datas constantesdas planilhas.
prestações por valor maior que o devido;,,
"18 - Queira informar o Louvado o valor atual do saldo
RESPOSTA: devedor e da prestação de cada wn dos autores; Para a
Positiva é a resposta, considerando o que consta dos autos, bem exequente D, que quitou o mutuo antecipadamente pelo
como dos documentos e registros contábeis oferecidos à pericia valor ilegal, informar o valor de seu crédito total na data
pela parte ré (anexos de nºs 1/7). de hoje, já atualizado e acrescido de juros moratório,
além do valor da pericia;"
"14 - Sendo positiva a resposta acima, qual os valores
apurados e atualizados dos indébitos suportados pelos RESPOSTA:
autores·", O valor atual do saldo devedor e da prestação dos autores cons-
RESPOSTA: tam a seguir (anexo nº 4, contendo 14 folhas:

Prejudicada a resposta, com base nas oferecidas aos quesitos nºs AUTORES DATA SALDORS PRESTAÇÃO RS
10 e 12 desta série.
A 18.10.98 60.037,63 885,99
"15 - Compensando-se os valo re s encontrados no item
14, com os valores encontrados no item 12, quais se- B 05.10 .98 50.571,34 805, 17
riam os va lore s dos sa ldos devedores dos autores na
data de hoje;"
e 11.10.98 36.780,54 856,53
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 199 200 Ril Moura

Relativamente a exequente D , consoante o que consta do anexo Ainda em conformidade com o citado contrato, prev ·ê a CLÁU-
nº 6, o seu crédito é no valor de R$ 11.572,95, que atualizado SULA DÉCIMA PRIMEIRA: "DOS REAJUSTAMENTOS":
pelo coeficiente de 1,27062401 do TJERJ a partir de 18.09.95 "Os reajustamentos a que está sujeita a presente abertura de
até a data de 31.12.98, incluindo juros de 6% a.a., totaliza R$ crédito obedecerão os seguintes critérios:
17.645,84, assim demonstrado (R$ 11.572,95 x 1,27062401 x l - Serão realizados mensalmente, a partir da data prevista para
20% = R$ 17.645,84). a liberação da primeira parcela do cronograma ftsico-.financei-
"19 - Por último, informar o valor total da sucumbência, ro, no dia previsto para as liberações das parcelas, inclusive no
considerando que a 6a. C. Cível do TJ, em Embargos de período de carência, pela aplicação de coeficiente da atualiza-
Declaração ao acórdão, determinou que os honorários ção monetária idêntico ao utilizado para os reajustamentos dos
depósitos de poupança livre mantidos nas instituições integran-
incidirão sobre o valor total da condenação, que confi -
tes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo."
gura o beneficio dos autores;,,
"02. Qual era o saldo devedor do contra to mencionado no
RESPOSTA:
item O1 quando da aplicação da correção dos 84,32% ?"
Em conformidade com o que consta dos autos, bem como dos
RESPOSTA:
anexos entregues à pericia, o valor total da sucumbência ainda
depende da homologação do MM Juiz. O saldo devedor do contrato nº 369 .632-4 era de Cr$
466.210.253,60 (anexo oº 1).
''20 - Queira prestar quaisquer outros esclarecimentos
que entender relevante à questão;,, "03. Qual o saldo devedor do contrato firmado entre
Construtora e Réu na data das individualizações das
RESPOSTA: unidades dos autores, ocorridas segundo os contratos,
Outros esclarecimentos serão prestados nas resp ostas aos quesi- respectivamente, em 18.11.1991 - contrato nº 310.406-
tos formulados pela parte ré. 4; 05.12.1991-contratonº 310.475-7; 18.11.1991 -con-
trato nº 310.376-9 e 11.12.91 - contrato nº 310.523-0?"
RESPOSTA:
QUESITOS DA PARTE RÉ
O saldo devedor do contrato nº 1.369 .632-4, firmado entre Cons-
- Fls. 1.235 -
trutora e Réu na data das individualizações das unidades dos au-
tores, é o que consta a seguir, com base no anexo nº 1:
"O1. Qual foi o tipo de contrato de financiamento assi-
nado entre o Réu e a GIRAL. Informando valor, amorti- AUTORES CONTRATONº DATA VALORCrS
zação, juros e correção?"
A 410.376-9 18.10.91 3.517.308.495,96
RESPOSTA:
B 410.475-7 05.11.91 4.555.624.415,74
Consoante o que consta do anexo nº 7, o contrato de financia-
mento nº 1.369.632-4, é INSTRUMENTO PARTICULARDE e 410.523-0 11.11.91 5.295.316.596 ,50
ABERTURA DE CRÉDITO, COM GARANTIA HIPOTECÁ- D 410.406-4 18.10.91 3.517.308.495,96
RIA E OUTRAS AVENÇAS; o valor do Crédi to Aberto foi de
Cz$ 2.847.734.400,00; Taxa de Remuneração Nominal e Efeti- "04. Qual seria o saldo devedor desse mesmo contrato
va: 12,28% a.a. e 13,00% a.a.; Taxa de Juros Nominal e Efetiva: expurgando o índice de 84,32% e considerando em seu
10,00% a.a. e 10,47% a.a.; Comissão de Concessão de Crédito lugar a variação do BTN Fiscal?,,
Nominal e Efetiva: 2,28% a.a. e 2,30% a.a.
CAPÍTULO
11. LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 201 202 Ril Moura

RESPOSTA: RESPOSTA:
O saldo devedor do contrato nº 1.369.632-4 seria no valor de Considerando o expurgo dos 84,32% e a aplicação do BTN Fis-
Cr$ 358.392.016,65 (anexo nº 2). cal, o valor de cada um dos contratos seria o que segue, conforme
consta do anexo nº 4:
"05. Considerando a aplicação do BTN Fiscal, informar
o saldo do contrato firmado entre GIRAL e o réu nas AUTORES CONTRATONº DATA VALORCrS
datas das individualizações dos autores ocorridas nas A 410.376-9 18.10 .91 14.685.495 ,68
datas mencionadas no quesito nº 3."
B 410.475-7 05.11.91 17.680.040,58
RESPOSTA:
e 410.523-0 11.11.91 18.632 .504,29
Com base nos documentos e registros contábeis do banco réu
fornecidos à perícia, o saldo devedor do contrato nº 369.632-4 ,
D 410.406-4 18.10.91 15.902.505,95
como quesitado, é o que segue (anexo 2):
"08 . Quais as diferenças apuradas para cada um dos
contratos?"
AUTORES CONTRATONº DATA VALOR CrS
RESPOSTA:
A 410 .376-9 18.10.91 2.797.001.636,35
Com base nas respostas aos quesitos 6 e 7 desta série, as diferen-
B 410.475-7 05.11.91 3 .622.681.649,92
ças encontram-se a seguir demonstradas :
e 410.523-0 11.11.91 4.210 .892.846, 74
AUTORES CONTRATONº
'1 DATA VALORCrS
D 410.406-4 18.10.91 2.797.001.636,35
A 410.376-9 18.10.91 3.681.929,60
"06. Qual foi o valor original de cada contrato assinado B 410.475-7 05.11.91 4.553 .109,42
por cada um dos quatro autores?" e 410.523-0 11.11.91 4 .798.395, 7 1
RESPOSTA: D 410 .406-4 18.10.91 4.095.344,05
O valor original de cada contrato, assinado pelos autores, é o que
consta a seguir, com base, inclusive, no anexo nº 3, contendo 56 "09. Quais são os valores atualizados das diferenças
folhas: apuradas ao incluirmos a aplicação dos juros contra-
tuais?"
AUTORES CONTRATONº DATA VALORCrS RESPOSTA:
A 410.376-9 18.10.91 18.367.425,28
Para o oferecimento de resposta a este quesito , a parte ré fez entrega à
B 410.475-7 05.11.91 22.233.150,00 pericia das planilhas objeto do anexo nº 6, que não oferecem elementos
e 410 .523-0 11.11.91 23.430.900,00 suficientemente esclarecedores .
D 410.406-4 18.10.91 19.997.850,00 "10. Qual o valor atual de cada contrato deduzindo-se a
diferença encontrada no quesito nº 09?,,
"07. Qual seria o valor de cada um dos quatro contratos RESPOSTA:
considerando-se o expurgo dos 84,32% e a aplicação da
variação do BTN Fiscal em substituição ao mesmo? " Prejudicada a resposta, com base na oferecida ao quesito precedente.
"11. Esclareça o Sr. perito tudo o mais quanto julgue
necessário ao deslinde da controvérsia."
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 203 204 Ril Moura

RESPOSTA: INTRODUÇÃO
Nada mais a aduzir
Tratam os presentes autos de EMBARGOS A EXECUÇÃO movida pelo
Nada mais a acrescentar, este signatário informa que para a realização de seu GRUPO ACCIOLY LOPES, HELSA E FILHOS, em face de POCONÉ
múnus, o cartório fez entrega à pericia dos processos nºs 98.001.125077- INVESTIMENTOS S/A., alegando a embargante em sua inicial (fls. 02/06)
7 (Carta de Sentença, contendo 376 folhas) e 218953/98 (Agravos de nºs que "Inobstante a circunstância do título executivo em causa apresentar,
13189, contendo 229 folhas, e 444, contendo 349 folhas); houve expedi- formalmente, aparência de liquidez, certeza e exigibilidade, a verdade é
ção de cartas solicitando documentos necessários à instrução deste laudo que a ora embargante está isenta da responsabilidade de pagar o crédito
pericial (anexos de letras A, B e C), recebeu da parte ré a carta datada de reclamado "; e que "a operação originária do crédito exequendo provém de
21.07.98 (anexo de letra D), bem como dos demais anexos que instruem um contrato de faturização, com cessão de créditos da embargada à embar-
este laudo pericial ; manteve contatos telefõnicos com os patronos da parte gante, decorrente de sua atividade industrial" .
autora e várias reuniões com o assistente técnico da parte ré.
No mérito, a.firma a embargante que nada deve a executante e que a Nota
Concluindo este laudo pericial , o perito coloca-se à disposição do Juízo e Promissória constante dos autos foi emitida por exigência da embargada
das partes para quaisquer esclarecimentos reputados necessários . com a finalidade de dar lastro ao contrato, ''uma vez que as normas do
Banco Central não permitem outra operação senão a faturização da ativida-
Castelo, dia, mês e ano de mercantil do comerciante".
Na contestação (fls. l 7/ 19), a embargada declara, em resumo, que "o título
RILMOURA
Perito do Juízo é devido, foi protestado, e nenhum contra protesto existiu''.
CORECON 2545 1ª Região
Para a realização de seu múnus, o perito expediu a correspondência objeto
CRC - RJ - 9.786/0-6
dos anexos nºs 1/7, e manteve vários contatos telefônicos com os advoga-
dos das partes , sem que os mesmos providenciassem a entrega de docu-
11.4.3. - Ação:Embargosà Execução
mentos e/ou informações solicitados pela pericia, permanecendo em total
silêncio com relação aos expedientes datados de 24 e 30 de março de 1998,
(Os embargos são uma ação de conhecimento, incidente ao processo de exe- anexos nºs 5 e 7.
cução, em que o executado terá oportunidade de apresentar ao juiz as defesas
que tiver, produzindo as provas que forem necessárias. Ou seja, é uma ação
QUESITOS DA EMBARGANTE- Fls. 35/36 -
autônoma, que veicula a defesa do executado, e que sempre é oposta inciden- " 1) Queira o Dr. perito definir o que seja uma operação de factoring, diante
temente no processo de execução) da regulamentação baixada pelo BANCO CENTRAL DO BRASIL ."
RESPOSTA:
EXCELENTíSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO Resumidamente , uma operação de factoring é a compra e venda de créditos
DA ....... VARACÍVEL DA COMARCADA CAPITAL comerctats.
LAUDO PERICIAL "2) O factoring é uma operação de risco?"
Juízo de Direito: ...... Vara Cível RESPOSTA:
Processo nº : Positiva é a resposta, uma vez que a empresa de factoring corre o risco de
Ação: Embargos à Execução
não receber o valor do crédito.
Embargante: GRUPO ACCIOLY LOPES, HELSAE FILHOS
Embargada: POCONÉ INVESTIMENTOS SIA "3) Ocorre nesta modalidade o que se chama endosso sem garantia?"
CAPÍTULO
11. LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 205 206 Ril Moura

RESPOSTA: Ás fls. 13 e 14 (respectivamente, BORDERÔ nº 00010/95 e CONTRATO DE


COMPRA E VENDA DE TÍTULOS DE CRÉDITO, ambos sem assinaturas
A resposta é afirmativa , considerando que a empresa de factoring não pode
e datados de 14.08.95), o total dos títulos é de R$ 21.947,62, e o valor líquido
exigir que o faturizado responda pela solvência do devedor. é de R$ 17.991,12."8) Consta nos registros contábeis da embargada algum
"4) Com referência à Nota Promissória, acostada às fls. 14, queira o Sr.peri- outro contrato de factoring (venda à vista de títulos) à ora embargante?"
to demonstrar, através dos assentamentos contábeis da exequente, a origem "7) O valor objeto da execução em apreço coincide, pelo menos por apro-
do valor nominal desse crédito, o capital efetivamente emprestado, a taxa ximação, com a soma dos saldos devedores dos títulos negociados pela
embargante, e não resgatados pelos devedores?"
de juros e a forma como se deu a transferência do dinheiro emprestado."
RESPOSTA:
RESPOSTA:
Prejudicada a resposta, vez que, para o oferecimento de resposta aos quesi-
Prejudicada a resposta , vez que, para o oferecimento de resposta a este que-
tos formulados pelas partes, a perícia expediu a correspondência objeto dos
sito, a pericia expediu a correspondência objeto dos anexos nº s 1, 3, 4 e 5, anexos nº s 1/7, não tendo sido atendida pelos advogados das partes até esta
não tendo sido atendida pelo patrono da embargada até esta data, consoante data, consoante anexos nº s 5 e 7.
anexo nº 5. QUESITOSDA EMBARGADA- Fls. 31/32 -
"5) Consta pagamento da embargante, nos escritos contábeis da exequente- "l - É lícito por parte de contratante em factoring a recompra de títulos
-embargada, da importância de R.$ 14.286,51 (quatorze mil duzentos e oi- anteriormente vendidos."
tenta e seis reais e cinquenta e um centavos), por conta da sobrefalada N.P., RESPOSTA:
emitida pelo valor global de R$ 32.842,43 (trinta e dois mil, oitocentos e
A empresa de factoring não pode se voltar contra o faturizado para que esse
quarenta e dois reais e quarenta e três centavos)? Caso positivo, discrimi- satisfaça a obrigação não cumprida pelo devedor.
nar os dados encontrados.' '
No Contrato de Faturização , havendo cláusula de responsabilidade, o endos-
RESPOSTA: sante se responsabiliza por riscos e prejuízos no caso de os titulos negociados
não serem legitimos ou isentos de vícios e nulidades; igualmente~ quando
Em confonnidade com os documentos disponibilizados à perícia, isto é,
não forem legais, autênticos , verdadeiros; ou quando, nas decisões j udiciais,
documentos juntados aos autos, referidos valores constam formalmente não se acolhendo as exceções e defesas, restar definido que não são devidos .
expressos no verso da nota promissória (fls. 14 - processo nº 14.415 - em
"2 - É usual quando da compra de um título, sendo este por qualquer motivo
apenso). viciado, fazer o vendedor a recompra do mesmo ."
"6) Informar se há alguma relação de causa e efeito entre a refilada N.P. e RESPOSTA:
a operação de factoring, a qual se encontra acostada nestes autos às fls .."
Conforme resposta oferecida ao quesito precedente, no Contrato de
RESPOSTA: Faturização, havendo cláusula de responsabilidade , o endossante se respon-
sabiliza por riscos e prejuízos no caso de os títulos negociados não serem
Como se vê de fls. 14-v do processo nº 14.415, em apenso, consta legítimos ou isentos de vícios e nulidades; igualmente, quando não forem
com data de 01.03.96: legais , autênticos, verdadeiros; ou quando , nas decisões judiciais , não se
''VALOR DA N .P. R$ 32.842,43 acolhendo as exceções e defesas, restar definido que não são devidos .
AMORTIZAÇÃO R$ 14.286,51 " 3 - Pelos documentos acostados às tls. 13/ 14 pelo embargante, pode-se
TOTAL DO SALDO DEV. R$ 18.555,92" dizer que os mesmos demonstram qualquer relação com o título de crédito
objeto da execução ."
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 207 208 Ril Moura

11.4.4. - Ação: Indenizatória


RESPOSTA:
O que a pericia pode informar é que às fls. 13 e 14constam, respectivamente, (Ação que visa a restabelecer uma situação existente antes do ato ilí-
sem assinaturas, BORDERÔ nº 00010/95 - emitido em 14.08.95 - no valor cito ocorrer, seja ele por negligência ou imprudência de outrem, para
total dos títulos de R$ 21.947,62, e contrato nº 0057/95 - CONTRATODE ressarcimento do dano causado)
COMPRA E VENDA DE TÍTULOS DE CRÉDITO - datado de 14.08.95,
também no mesmo valor, vale dizer, no valor de R$ 21.947,62. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA .....
Como se vê de fls. 14-v do processo nº 14.415, em apenso, consta com data VARA CÍVEL DA COMARCA DA CAPITAL
de 01.03.96:
"VALOR DA N.P. R$ 32.842,43
AMORTIZAÇÃO R$ 14.286,51
TOTALDO SALDO DEV. R$ 18.555,92" Juízo de Direito : ........Vara Cível
Processo nº
"4 - Os referidos documentos de tls. 13/ 14, tendo em vista não constar Ação : Indenizatória
qualquer assinatura ou testemunhas, pode ser usado como meio de prova." Parte autora : ANTONIO MOURA VIEIRA CARVALHO
RESPOSTA: Parte ré : SINTA BRASIL LTDA
A resposta fica prejudicada por tratar-se de matéria de direito.
"5 - Existe algum contrato firmado entre exequente e executada, vinculado RIL MOURA, perito nomeado nos autos do processo em referência, tendo
a Nota Promissória objeto da execução." concluído o que lhe foi determinado, vem apresentar a Vossa Excelência o
resultado do seu trabalho com base no seguinte
RESPOSTA:
A resposta é negativa, considerando os documentos juntados aos autos.
LAUDO PERICIAL
Nada mais a acrescentar, este signatário infonna que para a realização de
seu múnus, além de contatos telefõnicos e da expedição de cartas solicitan-
Trata-se de pericia detenninada para complementar a iniciada, conforme
do documentos necessários à instrução deste laudo pericial , manteve vários
se observa às fl. 913, fornecendo o cálculo final de conformidade com o
contatos com os patronos das partes, consoante correspondência objeto dos julgado, de acordo com a Sentença de Liquidação de fls. 1041 a 1046, onde
anexos nºs l, 2, 5 e 7. constam os seguintes parâmetros da liquidação, a seguir:
Relativamenteà correspondênciadatada de 24 e 30 de março de 1998(anexos " ... Assim, para evitar que o processo se arraste com inúmeros cálculos,
nºs 5 e 7), até esta data os advogadosdas partes permanecemem total silêncio. DECLARO LÍQUIDA A SENTENÇA, fixando a base de cálculo para as
Concluindo este laudo pericial, o perito coloca-se à disposição do Juízo e indenizações da seguinte fonna:
das partes para quaisquer esclarecimentos reputados necessários.
Florianópolis, dia, mês e ano LUCROS CESSANTES
Valor/ hora R$ 363,53

RILMOURA DANOS EMERGENTES


Perito do Juízo
CORECON 1ª Região 2545 Salário base R$ 11.000,00
CRC- RJ - 9.786/0-6
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 209 210 Ril Moura

O cálculo do dano emergente deve incluir as verbas relativas a FGTS, 13°


Parâmetros R$
salário e férias."
Salário base R$ 11.000 ,00
CÁLCULO DOS LUCROS CESSANTES
Período de 01.03.1996 a 05.09.1996
Como resultado dos cálculos demonstrados a seguir, conclui-se que o valor FGTS = 8,50%
da indenização a título de lucros cessantes, pelo período que a parte autora fi-
Férias com adicional de 1/3 = 12,12%
cou desempregada, isto é, de 01.03.1996 a 05.09.1996, é de RS 1.992.978,65
(um milhão, novecentos e noventa e dois mil, novecentos e setenta e oito 13° salário= 9,09%
reais e sessenta e cinco centavos), correspondentes a 1.028.793,44 UFIR: Cálculos
Salários= R$ l l.000,00 /30xl 85 67.833,33
Parâmetros R$
FGTS = R$ 67.833,33 x 8,5% 5.765,83
Valor hora R$ 363,53 Férias = R$ 67 .833,33 x 12,12% 8.221,40
13° salário 6.166,05
Período de 01.03.1996 a 05.09.1996
Subtotal 87.986,61
Remuneração 185 dias Correção (índices do TJERJ) e juros, conforme fls. 1043.
Cálculos R$ 87.986,61 x 2,18966881 (índice correspondente a se- 192.66 1,54
tembro de 1996)
Remuneração = 185 dias x 8 horas x R$ 363,53 538.024,40 Juros de 0,5% a.m. de 05.09.96 (data da citação) a 223.005,73
Subtotal 538.024,40 10.01.2003 e de 1% a.m . até 30.06 .2009: 115,75% x R$
192.661 ,54 / 100.
Correção (índices do TJERJ) e juros, conforme Total 503.6S3,88
fls. 1043.
CONCLUSÃO
R$ 538.024,40 x 1,7169192600 (índice corres-
923 .744,45 De acordo com a Sentença de fls. 1041/ 1046 , com base nos cálculos corres-
pondente a fevereiro de 2001 ).
pondentes aos LUCROS CESSANTES e DANOS EMERGENTES su-
Juros de 0,5% a.m. de 05.09 .96 (data da citação) a pracitados, e com inclusão da verba honorária de 10%, fls. 183, a presente
10.01.2003 ede 1%a ,m. até30.06.2009: 115,75% 1.069.234,20 liquidação de sentença totaliza R$ 2.746.29S,78 (doi s milhões, setecentos
X R$ 923.744,45 / 100 e quarenta e seis mil, duzentos e noventa e cinco reais e setenta e oito cen-
tavos), correspondentes a 1.417.662,49 UFIR/RJ, a seguir demonstrados :
Total 1.992.978,65
NATUREZA R$ UFIR/RJ
CÁLCULO DOS DANOS EMERGENTES Lucros Cessantes 1.992.978,65 1.028.793 ,43
Danos Emereentes 503.653,88 259.990,65
O valor da indenização a titulo de danos emergentes pelo período que a Honorários advocatícios 249 .663,25 128.878,41
parte autora ficou desempregad~ isto é, de 01.03.1996 a 05 .09.1996, é de Total 2. 746.295, 78 1.417.662,49
RS 503.6S3,88 (quinhentos e três mil, seiscen tos e cinquenta e três reais e
oitenta e oito centavos), correspondentes a 259.990,6S UFIR , como resul- Nada mais a acrescentar, e concluindo este laudo pericial, o signatário co-
tado dos cálculos demonstrados a seguir: loca-se à disposição do Juízo e das partes para quaisquer esclarecimentos
reputado s nece ssários.
CAPÍT
ULO11. LAUDOSDEPERÍCIAS
JUDICIA
IS 211 212 Ril Moura

Rio de Janeiro, dia, mês e ano Requerem, entre outros, recálculo do complemento da aposentadoria, me-
diante aplicação de correção monetária sobre a coluna "VP + Anuênios", re-
tificando-sea coluna ''VP + Anuênios Valorizados'\ apurando-senovo valor
RIL MOURA mensal global e novo do complemento; e condenação ao pagamento das di-
Perito do Juízo ferenças vencidas e vincendas nos complementos mensais de aposentadoria.
CORECON l ª Região 2545
CRC - RJ - 9.786/0-6 Na contestação, fls. 269/281, o réu declara, em resumo, que o pleito autoral
carece de fundamentaçãoa ensejar sua procedência, uma vez que não com-
provou qualquer equívoco cometidopela CPP na apuração do seu beneficio.
11 A .S. - Ação: llquldaç.ão de Sentença DESENV OLVIMENT O
(Entende-se por liquidação de sentença a fixação ou a determinação em quan- Trata-se de perícia determinada para proceder a Liquidação, conforme
tidade certa do valor da condenação assentada em decisãojudicial que não se Acórdão às fts. 446/450.
mostra liquida)
Observa-se do Acórdão, fls. 446/450, "Face o exposto, DÁ-SE provimento
ao recurso para reformar a sentença e julgar procedentes os pedido dedu-
EXCELENTÍSSIM O SENH OR DO UTOR JUIZ DE DIREIT O DA
zidos na inicial, cuja quantum deve ser apurado em liquidação, condenada
....... VARA CÍVELDA COMARCA DA CAPITAL
a ré ao pagamento das custas e honorários, fixados estes em 10% (dez por
cento) sobre o valor total das prestações vencidas.".
Para elaboração deste laudo pericial foi expedida a correspondência objeto
LAUDO PERICIAL
dos anexos nºs 1 e 2, tendo a parte ré, até esta data, permanecido silente
sobre a referida correspondência.
Juízo de Direito: ....... Vara Cível
Processo nº: 2444610-34.2010.8.19.0001 QUESITOS DA PARTE RÉ
Parte autora: Renata Amorim e Outros - Fls. 524/527 -
Parte ré: Caixa de Previdência dos Procuradores " l - Queira o Dr. perito informar se os autores eram funcionários da
Procuradoria ou da Caixa de Previdência dos Procuradores e por qual
período."
LIQUIDAÇÃO POR ARBITRA1\.1ENT
O
RESPOSTA:
INTROD UÇÃO Os autores eram funcionários da Procuradoria, o início do pagamento dos
Tratam os presentes autos de ação movida por RENATA AMORIM complementos de aposentadoria ocorreu em outubro e novembro de 1990,
E OUTROS em face da CAIXA DE PREVIDiN CIA DO S e a data de filiação consta de ft. 270.
PROCURADORES - CPP, alegando os autores, em síntese, fls. 12/30, "2 - Informe o Dr. perito, consultando a Superintendência Nacional de
que recebem complementação de beneficio pela ré, vez que se aposentaram Previdência Complementar (se necessário), se o Estatuto/Regulamentodo
como funcionários da Procuradoria, na vigência de regulamento que vigo- Plano de Beneficias nº 1da CPP, vigente na. data de início do beneficio dos
rou até dezembro de 1997. autores foi aprovadopor esta Superintendência(anteriormenteaprovadopela
Afirmam que os salários de contribuição efetivamente adotados pela ré para SPC)."
cálculo do complemento de aposentadoria não foram corrigidos monetaria- RESPOSTA:
mente, mas tão somente valorizados, o que teria acarretado diminuição da
aposentadoria. Positiva é a resposta, como se observa à fl . 450.
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 213 214 Ril Moura

"3 • Queira o Dr. perito informar qual o estatuto da CPP vigente quando da RESPOSTA:
data de aposentadoria dos autores.,,
Em conformidade com o art. 49, "a'', do Regulamento (fl. 298), a valoriza-
RESPOSTA: ção é pela s tabelas de vencimentos e adicionais do empregador.
Foi o estatuto vigente de 04/03/80 a 23/ 12/97, fls. 62/ 75.
"4.c - Queira o Dr. perito informar se há na Petição Inicial alegação dos
"4.- Com base nas alegações da parte autora, parcialmente transcritas abai- autores de que a CPP não utilizou corretamente as tabelas de vencimentos e
xo, queria o nobre expert informar:" adicionais da Procuradoria vigente na data de sua aposentadoria?"
"A ré viola direitos dos autores, causando prejuízos de ordem financeira aos RESPOSTA:
mesmos, posto que a ré não corrigiu monetariamenteCADA UM DOS 12
(doze) últimos salários de contribuição /participação (VP VENCIMENTO Como se observa à fl. 5, a autora a alega que a "ré viola direitos dos au-
tores, causando prejuízos de ordem financeira aos mesmos, posto que -ª
PADRÃO E ~NIOS) no momento do câlculo da aposentadoria( ...)"
ré não corri2fumonetariamente CADAUM nos 12 <doze)últimos
"Assim na Memória de Cálculo de Complemento de Aposentadoria os va- saláriosde contribuicão/participacão
<YPVENCIMENTO PADRÃQ
lores da coluna "VP + ~NIOS,, devem ser corrigidos monetariamen- e ANJJtNIQS) no momento do cálculo da aposentadoria provocando
te substituindo a coluna ''VP + ~NIOS VALORIZADOS" por ''VP + prejuízos financeiros de forma sucessiva no pagamento do complemento de
ANUÊNIOS'' que sejam CORRIGIDOS MONETARIAMENTE, manten- beneficio previdenciário em desobediência e descumprimento a cláusulas
do-se no mais o procedimento de cálculo adotados pela ré". contratuais e a princípios legais .".
RESPOSTA: "4.d - De acordo com as citações acima transcritas da petição inicial, qual é
a alegação técnica dos autores? ''
A pericia pode apenas informar o que se observa do Acórdão, fls. 446/450:
"Face o exposto , DÁ-SE provimento ao recurso para reformar a sentença RESPOSTA:
e julgar procedentes os pedido deduzidos na inicial, cuja quantumdeve ser
Conforme resposta oferecida ao quesito precedente , a autora alega que "a
apurado em liquidação ..."
ré não corrimimonetariamente CADAUM DOS 12 (doze) últimos
"4.a Qual a previsão de atualização dos salários de participação (remunera- saláriosde contribuicio/particiuacão (YP VENCIMENTO PADRÃO
ções sobre as quais tenham incidido as contribuições mensais) existente no e ANlrtNIQS} nomomento do cálculo da uosentadoriaprovocando
art. 49, "a", parte final?" prejuízos financeiros de forma sucessiva no pagamento do complemento de
beneficio previdenciário em desobediência e descumprimento a cláusulas
''Estatuto de 1980: Art. 49 -A mensalidade de aposentadoria do associado
contratuais e a princípios legais ." .
fundador será equivalente à soma das seguintes parcelas:
a) média aritmética das remunerações sobre as quais tenham incidido as con- "4.e - Queira o Dr. perito informar se no Estatuto de 1980 há dispositivo
que prevê a correção monetária dos salários de participação (VP +AN) por
tribuições mensais nos 12 (doze) meses imediatamente anteriores à data de
índice financeiro divulgado por instituto ou fundação? Se positivo , pode
concessão do beneficio, valorizadas asremunerações pelastabelas deven- transcrever tal artigo?"
cimentose adicionaisdo empregadorvigentes na data da aposentadoria;,,
RESPOSTA: RESPOSTA:

A perícia pode apenas informar que, como se observa à fl.274, consta que Negativa é a respo sta, como se observa às fls. 62/95 .
na "relação entabulada entre as partes, nunca existiu qualquer previsão para "5 - Queira o Dr. perito informar se o valor do salário de contribuição con-
correção dos salários de participação ...". siderado pela CPP para cálculo do complemento de aposentadoria dos au-
tores está sendo questionado na presente lide ou sua fonna de valoração?,,
"4.b - Essa valoração é efetuada por algum índice financeiro publica-
do por algum instituto OU PELA TABELA DE VENCIMENTOS DO RESPOSTA:
EMPREGADOR?"
Negativa é a resposta , como se observa nos autos.
CAPÍTULO
11. LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 215 216 Ril Moura

"6 - Há alguma alegação dos autores de que a CPP não aplicou corretamen- Incluindo também custas e honorários advocatícios de 10%, a Liquidação
te o art. 52 do Estatuto?" totaliza o valor de RS 1.259.926,64, correspondendo a 494.612,59 UFIR/
RJ, a seguir demonstrado:
RESPOSTA:
De forma explicita, se a CPP não aplicou corretamente o art. 52 do Estatuto, Nomenclatura Valor UFIR/RJ
não, como se observa dos autos. Diferença e Juros 1.144.018,38 449 .110,19
Custas 1.506,43 591,38
"7 - Queira o Dr. perito informar se a CPP obedeceu rigorosamente o que
dispõe seus Estatutos/Regulamentos,para efeito de atualização dos salários- Honorários advocatícios 114.401.83 44.911,02
de participação (VP + ~NIOS) no cálculo do beneficio dos autores." Totais 1.259.926 ..64 494.612,59

RESPOSTA: ENCERRAMENTO
Prejudicada a resposta, por tratar-se de matéria de direito. Concluindo este laudo pericial, com 10 (dez) páginas, rubricadas e a última
assinada, e, 9 (nove) anexos, a fim de que produza os devidos efeitos legais,
CONCLUSÃO
o seu signatário coloca-se à disposição do Juízo e das partes para quaisquer
Observa-se do Acórdão, fls. 446/450, "Face o expost-0,DÁ-SE provimento esclarecimentosreputados necessários.
ao recurso para reformar a sentença e julgar procedentes os pedido dedu-
Rio de Janeiro, 30 de maio de 2014
zidos na inicial, cuja quantum deve ser apurado em liquidação, condenada
a ré ao pagamento das custas e honorários, fixados estes em 10% (dez por
RILTON ACIOLI MOURA
cento) sobre o valor total das prestações vencidas.".
Perito do Juízo
Em conformidade com a inicial, o valor a ser complementado pela ré é a CORECON 1ª Região 23835-1
diferença entre o valor pago pelo INSS e o VALOR MENSAL GLOBAL,
de acordo com a MEMÓRIA DE CÁLCULO DA REVISÃO DO VALOR
INICIAL DE BENEFÍCIO, fls. 36, 43, 50, 53 e 58. 11.4.6. - Ação:De Exigir Contas

Para elaboração do RECÁLCULO DO COMPLEMENTO DE (A ação de exigir contas - anteriormente de prestação de conta - visa à
APOSENTADORIA,foram utilizados, além de outros, os períodos, os sa- extinção dessa obrigação, apurando-se o saldo porventura existente. A inicia-
lários de contribuição e os índices de correção indicados pela ré às fls. tiva pode caber a quem tem o direito de exigir as contas como àquele que tem
36, 43, 50, 53 e 58, totalizando RS 830.382,79. a obrigação de prestá-las)

Incluindo juros de mora de 12%. a.a. desde a citação (08/04/2011), fl . 30, LAUDO PERICIAL
até 31/05/2014, as diferenças evidenciadas nas planilhas, anexos nºs 3/7, a COMPLEMENTAR
favor de cada autor, são as seguintes:
Autor Diferença Juros Total Juízo de Direito: ..... VaraCível
Renata Reis Amorim 208.474,32 78.740,75 287.215,07 Processo nº .............
Natália Amorim Acioli Moura 119.486,34 45.130.00 164.616.33 Parte autora: Condomínio do Edificio Luz do Dia Solar
Angela Moura 153.315,17 57.907,14 211.222y31 Parte ré: Jupira Melancia
lanaMoura 129.010,11 48.727,12 177.737,23
Eliza Moura 220.096,85 83.130,58 303.227,43 INTRODUÇÃO
Totais 830.382,79 313.635 ..59 1.144.018 ..38
Asfls. 185/204 destes autos consta laudo pericial, instruído com os docu-
mentos de fls. 205/236.
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 217 218 Ril Moura

Conforme se vê do referido laudo pericial (fls. 189), para responder os RESPOSTA:


quesitos o perito expediu as cartas datadas de 19, 26 e 31 de agosto de 1994,
Em conformidade com os documentos juntados aos autos, cons-
conforme consta dejis . 205, 206, 208 e 21 O.Em resposta, o perito recebeu
tata-se que vários pagamentos deixaram de ser efetuados em seus
os expedientes datados de 22 e 30 de agosto e l O de setembro de 1994, con-
vencimentos.
forme consta defts. 207. 209 e 211.
Nas planilhas de nºs 1 a 11 (anexos de nºs 4/ 14), constam, mês
Sobre novos documentos juntados aos autos por linha (fls. 252), em aten-
a mês - período de junho de 1990 a abril de 1991 -, pagamentos
dimento ao que consta de :fls. 245, os patronos das partes se manifestaram
(desembolsos) efetuados, bem como a indicação dos documentos
(fls. 253/254, 256 e 262).
comprobatórios, e nas observações de cada planilha estão expli-
Ainda sobre os mesmos documentos juntados por linha (fls. 252), este sig- citados, além de outros fatos, os acréscimos resultantes dos paga-
natário assim se expressou: " ... . vários cheques foram emitidos ao porta- mentos efetuados fora do prazo.
dor; . vários cheques foram emitidos em nome do condomínio e endossados
Como se vê da planilha objeto do anexo nº 15, os acréscimos
em branco pelo réu; e . vários cheques foram emitidos em nome do réu.
moratórias totalizaram Cr$ 569.541,39.
Isto posto, os documentos agora apresentados para exame pela perícia não
servem de suporte técnico para o oferecimento de resposta consistente aos b) o repasse efetivo e imediato para o Condomínio de
quesitos de nºs 6, 7 (fls. 199). 1 e 2 (fls. 200 e 201). como supõe a parte qualquer receita em nome deste gerida ou recebida pelo
autora (/Is. 245), em nada modificando o laudo pericial de fls. 185/204, suplicado, notadamente as decorrentes de contribuições
deste signatário" (fls. 265). condominiais, ordinárias ou extraordinárias, vencidas
no período, informando sobre eventual desvio de nume-
Asfls. 290/291 a parte autora formula quesitos suplementares, objeto deste rário e seus valores;
laudo pericial complementar.
RESPOSTA:
Para a realização de seu múnus foi expedido o que consta como anexos nºs
1, 2 e 3. Com base em todos os documentos juntados aos autos, inclu-
sive os juntados por linha, bem como os cheques por cópia e
QUESITOS SUPLEMENTARES demais documentos fornecidos em 20.9.95 pelo Banco S/A, e
DA PARTEAUTORA considerando que os comprovantes de receitas não se encontram
identificados nas prestações de contas de fls. 90/ 100, vale dizer,
- Fls. 290/291 - nem valores e nem qualquer tipo do documento, referidos docu-
mentos, como se apresentam, não fornecem elementos suficien-
"l. Queira o louvado proceder ao exame analítico e pericial deta-
temente esclarecedores para resposta, como quesitado.
lhado da gestão do suplicado como síndico do autor, auditando as
contas neste período, e pronunciando-se conclusivamente quanto e) a regularidade na administração dos ativos disponí-
à existência de saldo credor em beneficio do suplicante, com vis- veis, sobretudo os depositados em bancos."
tas a isto investigando: RESPOSTA:
a) a pontualidade na realização dos pagamentos das obrigações Pertinente aos depósitos bancários, não existe compatibilidade
legais ou contratuais, ordinárias ou extraordinárias, exigíveis do entre os valores arrecadados, os depósitos efetuados e os cheques
Condomínio no período, descrevendo-as uma a uma, relatando emitidos, em razão da falta de identificação de seus valores e
as que foram cumpridas e as que não foram, no primeiro caso dos documentos de despesas, e ainda pela falta dos canhotos dos
juntando ao laudo a cópia dos comprovantes respectivos, e no cheques e das conciliações bancárias.
último, detalhando os valores acrescidos ao montante original,
em virtude do atraso;
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 219 220 Ril Moura

''2. Queira o perito apresentar o balanço minucioso da- Isto posto, em conformidade com os documentos examinados,
quelas contas, especificando ao máximo suas conclu - como se apresentam, as planilhas de nº s 1 a 11 (anexos nº s 4/ 14)
sões e os valores apurados, bem assim as irregularida- fornecem, mês a mês - período de junho de 1990 a abril de 1991 -,
des detectadas, descrevendo e totalizando as parcelas as despesas (desembolsos) realizadas,cujos totais estão inferiores,
integrantes do saldo credor do Condomínio, corrigidas em confronto com as prestações de consta objeto de fls. 90/ 100.
monetariamente." A planilha objeto do anexo nº 15 fornece RESUMO dos va-
lores que constam das observações evidenciadas nas planilhas
RESPOSTA:
de nº s 1 a 11 (anexos nº s 4/ 14), totalizando Cr$ 1.655 .018 ,32,
Para as receitas elencadas às fls. 90/ 100, com exceção "Salão correspondendo a UFIR 18.445,62, considerando em fevereiro
de Festas", os documentos por linha e os demais juntados aos de 1999 a UFIR de R$ 0,9770
autos, como se apresentam, isto é, sem a indicação dos valores
"3. Queira o perito prestar quaisquer outros esclareci-
recebidos - depositados e/ou creditados nos estabelecimentos de
mentos que repute necessários."
crédito-, e sem a exiõição dos extratos bancários completos, bem
como das necessárias conciliações , não fornecem elementos sufi- RESPOSTA:
cientemente esclarecedores para se chegar aos valores explicita-
Nada mais a aduzir .
dos nas colunas de "Crédito" das referidas prestações de contas e
sobre o repasse efetivo e imediato para o Condomínio das recei- Concluindo este laudo pericial complementar, o perito coloca-se à dis -
tas, bem como os depositados em bancos . posição do Juízo e das partes para quaisquer esclarecimentos reputados
necessários.
Assim a apresentação do balanço fica prejudicada, em consistên-
cia com as respostas oferecidas anteriormente . Rio de Janeiro, ( dia, mês e ano)
Para a parte final quesitada, cumpre informar que, com base em
RILMOURA
todos os documentos de receitas e despesas à disposição da pe-
Perito do Juizo
ricia (documentos juntados aos autos, inclusive os juntados por
contador
linha, bem como os cheques por cópia fornecidos em 20 .9.95) ,
CRC-RJ 9.786/0 -6
referidos documentos não fornecem elementos suficientemente
esclarecedores para resposta objetiva.
Ademais, como se vê da prestação de contas de fls. 90/ 100, o 1.1.7 - Ação:Revisãode CláusulasContratuais
valor do saldo anterior , totalizando Cr$ 14.369,43 , não figura nos (Como é sabido , um dos princípios mais importantes relacionados aos
extratos bancários; vários cheques foram emitidos ao portador ; contratos é, sem dúvidas, o princípio da força obrigatória (pacta sunt servan-
vários cheques foram emitidos em nome do Condomínio e en- da), segundo o qual o contrato , uma vez celebrado , constitui-se como verda-
dossados em branco pelo réu ; vários cheques foram emitidos em deira lei entre as partes , possuindo, suas cláusulas, força obrigatória)
nome no réu; não consta conciliação bancária; falta recibo /assi-
natura em documentos; várias contas foram pagas com acrésci- LAUDO PERICIAL
mos moratórios; vários documentos não contém o nome do Con-
domínio; vários recibos encontram-se assinados pela parte ré; e
Juízo de Direito: ...... VaraCível
pagamento de contas telefônicas em nome de Maria da Suposi-
Processo nº : 2002.121121121-3
ção (fls. 91, 168, 250, 404, 592 e 651) e Maria do Pensamento
Ação: Revisão de Cláusulas Contratuais
(fls. 713 e 966).
Parte autora: Grupo Rui Moura , Didi e Filhos
Parte ré : Administrações SIA
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 221 222 Ril Moura

RESPOSTA:
INTRODUÇÃO
Os percentuais de juros cobrados, fornecidos pela parte ré, constam das
Tratam os presentes autos de ação de revisão de cláusulas contratu- planilhas objeto dos anexos nºs 1, 2 e 3.
ais movida pelo GRUPO RUI MOURA, DIDI E FILHOS em face de "3) Queira informar as trocasnominais e efetivas mensais e acumuladas
ADMINISTRAÇÕES S/A, alegando os autores, fls. 2/ 14, em síntese, que entre a data do primeiro extrato apresentado pela ré e a data da elaboração
utilizam dos serviços de crédito junto à ré, e, em virtude dos altos e ilegais do laudo; "
encargos cobrados, gerou-se um débito ilusório; que após rápida análise,
puderam constatar que em virtude dos juros ilegais e extorsivos, aplicados RESPOSTA:
sobre o valor do principal devido , a dívida jamais teria fim; e que encon- As taxas praticadas pela ré constam dos anexos nºs 1, 2 e 3, não havendo
tram-se em situação financeira precária, tendo a mesma sido agravada mais distinção para taxasnominais e efetivas, pois as mesmas são aplicadas mês
ainda por todas as cobranças bancárias de dívidas, as quais já estariam qui- a mês sem nenhum relacionamento expresso entre elas.
tadas se tivessem sido corrigidas de forma legal.
"4) Gentileza elaborar quadro demonstrativo informando o saldo devedor
Requerem os autores, além de outros, seja declarado o valor real da dívida dos autores utilizando os juros cobrados pela ré;"
e, em caso de apuração de valor a favor, devolução do numerário pago in-
RESPOSTA:
devidamente e em excesso.
Como se observa da prestação de contas juntada pela parte ré, tem-se:
Na contestação, fls. 27/30, a parte ré declara , em resumo, que os autores são
devedores de notas promissórias , evidenciando os saldos por contratos; que • Contrato nº 1424
os autores eram pródigos em gastos e avaros quando faziam o pagamento Saldo devedor em fevereiro de 1999 = R$ 5.630,21 (anexo nº 1)
de suasnotas promissórias; que os autores não fizeram pagamento algum
• Contrato nº 2125
em excesso; e que o saldo devedor em .... ./...../..... totaliza R$ 14.930,45.
Saldo devedor em janeiro de 1999 = R$ 4.402 .50 (anexo nº 2)

QUESITOSDA PARTEAUTORA • Contrato nº 0005


- Fls. 266/267 - Saldo devedor em novembro de 1997 = R$ 3.168,25 (anexo nº 3)
"5) Gentileza de informar se na elaboração da planilha elaborada pelo con-
"1) Quais os procedimentos de atualização utilizados pela ré para atualiza- tador ................. , anexada ao petitório de réplica datado de 1º de fevereiro
ção dos saldos devedores dos autores?'' do corrente ano foram rigorosamente seguidas as disposições constitucio-
nais relativas a atualização monetária pelo IGPM e os juros constitucionais
RESPOSTA: máximos previstos da Carta Magna de 1988 e súmula 121 e 596 do STF no
Em conformidade com o CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, período calcuJado tendo em vista que à época a ré havia apresentado a tota-
fis. 34/35, o percentual máximo dos ENCARGOS CONTRATUAISa ser lidade dos demonstrativos . Em caso de resposta negativa, gentileza refazer
cobrado, se compõem de parte determinada pela Administradora (remu- o demonstrativo em pauta atualizando-o até a data da elaboração do laudo;"
neraçãopela garantiaprestada e pelos serviços de administração)e parte RESPOSTA:
variável representadapelo CUSTODO FINANCIAMENTO."
Nas planilhas apresentadas pela parte autora, fls. 132, 149 e 172, foram
Na prestação de contas juntada aos autos pela parte ré, constam débitos sob incluídos encargos não repassados aos autores, e os paga_mentos efetuados
os títulos "juros", "juro de mora'\ ''multa contratual" e "taxa de cobrança''. deixaram de ser considerados.
"2) Quais os percentuais de juros reais cobrados pela ré na atualização dos Se forem considerados os juros de 1% a.m., como quer a parte autora, os
saldo devedores dos autores?" resultados são os seguintes, demonstrados através das planilhas , anexos
nºs 4, 5 e 6.
CAPÍTULO
11. LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 223 224 Ril Moura

• Contrato nº 1424 RESPOSTA:


Saldo credor em fevereiro de 1999 = R$ 2.756,91
As taxas de juros cobradas ao autor encontram-se explicitadas nas planilhas
• Contrato nº 2125 (anexos nºs 1, 2 e 3).
Saldo credor em janeiro de 1999 = R$ 1.400, 16
Para a parte final quesitada, em confonnidade com o CONTRATO DE
• Contrato nº 0005 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, o percentual máximo dos ENCARGOS
Saldo devedor em novembro de 1997 = R$ 581.69 CONTRATUAIS a ser cobrado dos autores se compõem de parte determi-
nada pela Administradora (remuneração pela garantia prestada e pelo s
Nos valores sobreditos, não encontram-se os juros sobre a parte financiada,
serviços de administração) e parte variável representada pelo CUSTO DO
os quais constam dos anexos de nºs 4, 5 e 6, na coluna sob o título "Juros
FINANCIAMENTO.''
Financiamento" .
"II. Se o autor efetuou, nos vencimentos dos contratos indicados na presta-
"6) Queira o Sr. perito elaborar planilha comparativa entre o valor dos sal-
ção de, encontradas nos autos, o pagamento integral dos seus gastos e en-
dos dos autores atualizados pelos juros cobrados pela ré e os juros máximos
cargos, ou pelo contrário efetuou pagamentos mínimos, insuficientes, que
constitucionais de 12% acrescidos da atualização monetária pelo IGPM.;"
não incluíam juros ."
RESPOSTA:
RESPOSTA:
O valor dos saldos dos autores, com base na prestação de contas acostada
Com base nos documentos acostados aos autos, tem-se:
aos autos, consta das planilhas (anexos nº s 1, 2 e 3).
• Contrato nº 1424
Para a parte final quesitada, isto é, " ... e os juros máximos constitucionais
O autor pagou a totalidade do valor das dupli catas correspondentes aos
de 12% acrescidos da atualização monetária pelo IGPM.;" , já existem pla-
meses de dezembro de 1995, agosto, setembro, novembro e dezembro de
nilhas, com se vê de fls. 132, 149 e 172.
1996 e de janeiro de 1997.
"7) Queira o Sr. perito informar se os autores possuem débito ou crédi -
Para os demais meses, os pagamentos foram insuficientes para quitar o sal-
to para com a ré de acordo com o valor apurado no item 6 dos presentes
do devedor, e nada pagou a partir de novembro de 1998 (anexo nº 1).
quesitos;"
• Contrato nº 2125
RESPOSTA:
O autor pagou a totalidade do valor das duplicatas correspondentes aos
Prejudicada a resposta por tratar-se de matéria de mérito . meses de outubro e dezembro de 1996.
"8) Gentileza trazer ao laudo outro esclarecimento que se faça necessário Para os demais meses, os pagamentos foram insuficientes para quitar o sal-
aos deslinde da questão." do devedor, e nada pagou a partir de outubro de 1998 ( anexo nº 2).

RESPOSTA: • Contrato nº 0005


O autor pagou a totalidade do valor das duplicatas correspondentes aos
Outros esclarecimentos serão prestados nas respostas aos quesitos fomm- meses de outubro, novembro e dezembro de 1996.
lados pela parte ré. Para os demais meses , os pagamentos foram insuficientes para quitar o sal-
do devedor , e nada pagou a partir de novembro de 1997 (anexo nº 3).
QUESITOSDA PARTERÉ "ll . Se há pagamento em excesso a repetir, vez que na inicial o autor requer
- Fls . 265 - a repetição de indébito."

"I Queira o ilustre perito informar qual a taxa de juros cobrada ao autor e se RESPOSTA:
a mesma está em conformidade com o que reza o Contrato de Prestação de A resposta fica prejudicada, por tratar-se de matéria de direito.
Serviços, que nesta oportunidade está sendo junto aos autos ."
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 225 226 Ril Moura

"IV Elaborar cálculo que informem o valor (saldo devedor) devido pelo Concluindo este laudo pericial , o perito coloca-se à disposição do Juízo e
autor na data de apresentação do laudo pericial." das partes para quaisquer esclarecimentos reputados necessários.
RESPOSTA: Boa Vista, dia, mês e ano
Se forem considerados os valores constantes dos documentos de fls.
36/ 121 e 134/ 148, referidos valores, em dezembro de 2001, totalizam RS RILMOURA
13.200.96, representados por UFIR-RJ 13.747,42, a seguir demonstrados: Perito do Juízo
CORECON lª Região 2545
• Contrato nº 1424 CRC - RJ - 9. 786/0-6

Saldo devedor em fevereiro de 1999 em R$ 5.630,21


Saldo devedor em quantidade de UFIR (R$ 5.630,21 + R$ 0,9770) 5.762,75 11.4.8.- Ação:Trabalhista

• Contrato nº 2125 (A ação trabalhista também é denominada como reclamação trabalhista


ou dissídio trabalhista, sendo mais usual o termo reclamação trabalhista)
Saldo devedor em janeiro de 1999 em R$ 4.402,50
Saldo devedor em quantidade de UFIR (R$ 4.402,50 + R$ 0,9770 ' 4.506,14 LAUDO PERICIAL
• Contrato nº 0005
Saldo devedor em novembro de 1997 em R$ 3.168 ,25 Juízo de Direito: ....... Junta de Conciliação e Julgamento
Saldo devedor em uantidade de UFIR 3.168,25 + R$ 0,9108 3.478,53 Processo nº 123456759
Ação: Trabalhista
RESUMO Reclamante: José Delaine dos Santos
CONTRATOS R$ UFIR-RJ Reclamado: Empresa Voadora Ltda .

1424 5.630,21 5.762,75 INTRODUÇÃO


2125 4.402,50 4.506,14
Tratam os presentes autos de reclamação trabalhista movida por JOSÉ
0005 3.168,25 3.478,53 DELAINE DOS SANTOS em face a EMPRESA VOADORA LTDA,
Totais 13.200,96 13.747,42 alegando o reclamante (fls. .....), em resumo, que até .... ./ ...../ ..... ocupava
o cargo de Chefe ..... , não estando sujeito a remoção ao livre arbítrio do
"V. Queira o perito desempenhar sua função na fonna prescrita no art. 429 empregador, com consequente supressão da gratificação, uma vez que já
do C.P.C., utilizando todos os meios necessários, obtendo informações, so- possuía regras definidas de acesso e progressão no cargo de ..... , fixadas
licitando documentos que estejam em poder das partes, e tudo o mais que através do Boletim de Serviço, datado de .... ./ .... ./ .....; e conforme Circular
for necessârio para que a perícia atinja o objetivo colimado." da Diretoria ....., datada de .... ./ ...../ ....., a reclamada implantou, a partir de
. H • .1
..../....., Plano de Carreira, introduzindo Regulamento para Promoção ,
RESPOSTA:
estabelecendo os requisitos e critérios para as promoções.
Para a realização de seu múnus, além do exame dos documentos
acostados aos autos, este perito manteve contatos com os assistentes Continuando, o reclamante alega que em .... ./ .... ./ ..... foi dispensado; a fi-
técnicos das partes: o assistente técnico da parte autora., indicado às losofia ''prevalente no dito Regulamento, para promoção de ..... ..... e/ou
tls. 266, informou não possuir nenhum outro documento; e o assis- .......... para outra ...... .... e/ou .........., é a sen.ioridade, considerando -se,
tente técnico da parte ré, indicado às fls. 265, forneceu vários subsí- ainda, as qualificações e méritos dos ........... "; que "a implantação de tais
dios e as taxas de juros utilizadas pelo Banco. normas visou, efetivamente, eliminar a discricionaridade na promoção dos
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 227 228 Ril Moura

empregados pertencentes à classe de .........., segundo critérios ocultos e RESPOSTA:


absolutamente desconhecidos dos mesmos.,,; a reclamada, ''de fato e de
Direito, converteu as ditas ''funções,, em cargos e renunciou, de forma Conforme documentos apresentados à perícia pela parte reclamada, o recla-
expressa eformal, ao poder discricionário de designar e exonerar seus em- mante passou a exercer o cargo de supervisor a partir de .... ./ ....) ..... (anexos
pregados de tais funções a seu bel prazer."; e que ele, o reclamante, ''está nºs 6 e 7).
excluído da hipótese de mandato em que o elemento confiança é atributo
capital, uma vez que ocupa cargo por critério de natureza estritamente "2) Relacione os valores pagos a titulo de ocupação do cargo de .......... , titu-
técnica." lado como gratificação de função, nos últimos .. ... meses que antecederam
a remoção para o cargo de ...... ....''.
Finalizando, o reclamante requer, além de outros, a) retificação de sua
CTPS, para que seja consignada a ocupação do cargo de .......... ou, alter- RESPOSTA:
nativamente, o cargo de ........ .., a partir .... ./ ...../ ..... até a data da rescisão
Nos últimos ...... meses, conforme o que consta de fls. ....., bem como dos
de seu contrato de trabalho; e b) o pagamento de todas as diferenças de
contracheques (anexo nº 8, contendo 69 folhas), os valores pagos a titulo
salário, gratificações, férias , 13° salário, FGTS e demais verbas salariais a
de " ..........UÇ., ,oram •.
que fazia jus, a partir de .... ./.... ./ ..... até a data da rescisão de seu contrato de
trabalho, inclusive as verbas rescisórias. MÍS VALOR
Na contestação (fls...... ), a reclamada declara, em síntese, que a função
ocupada pelo reclamante até ...../ ...../ ..... - Chefe de ...... . - é de confiança
e gratificada, sendo-lhe inerente a precariedade, a provisoriedade e a pos-
sibilidade legal de destituição a qualquer momento, ante conveniência e
necessidade do empregador; a retirada do autor da função de Chefe de ...... .
foi legitima, motivada "e até negociada com aqueles, inclusive com a par-
"3) Favor relacionar o número de horas de trabalho pagas ao Reclamante,
nos últimos ... .. meses que antecederam a transferência para o cargo de
ticipação direJa da .............. , que inclusive deu sugestões sobre o melhor
.........., bem como a respectiva remuneração por hora de trabalho, e o total
caminho a ser seguido pela empresa naquele momento muito critico."; pago a cada mês, a tal título.,,
com a desativação .........., as funções gratificadas ocupadas pelo reclamante
deixaram de existir na proporção direta da diminuição de operações, não RESPOSTA:
sendo possível a colocação do reclamante em idênticas funções, com igual
gratificação, em outras áreas , diante da existência de critério de ..........; e Com base no que consta de fls. ....., bem como dos contracheques (anexo
que não houve prejuízo salarial para o reclamante com a pequena redução nº 8, contendo 69 folhas), a planilha a seguir informa o nº de horas de
do valor da gratificação de função . trabalho pagas:

Para a realização de seu múnus, o perito expediu as cartas objeto dos Mts VALOR
anexos de nºs 1, 2, 3, 4 e 5, manteve vários contatos com funcionários da
reclamada, participou de reuniões com o assistente técnico da parte recla-
mada, não tendo a parte reclamante oferecido à pericia nenhum documento
ou informação para a realização da prova.
QUESITOSDO RECLAMANTE Observações:
(*) A hora de trabalho corresponde a ..... do valor do ordenado
- Fls . ..... -
(**) O ordenado garante um número de ..... horas trabalhadas ou não
"I) Em que data passou o Reclamante a exercer o cargo de Supervisor de "4) Favor relacionar nos ..... meses iniciais de ocupação do cargo de ..........,
..........?,, a remuneração paga, a título de '~gratificação de função".''
CAPÍTULO
11. LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 229 230 Ril Moura

RESPOSTA: "7) Considerando-se a denominada gratificação de função de .......... , soma-


dos com a média de horas de trabalho que o autor cumpriu nos últimos .....
Em conformidade com o que consta de fls ...... , bem como dos contrache-
meses do cargo de .......... , remuneradas como se no cargo de .......... , nos .... .
ques (anexo nº 8, contendo 69 folhas), a remuneração paga nos ..... me ses
iniciais, a título de gratificação de função, consta da planilha a seguir: meses iniciais desse último cargo, favor demonstrar , discriminadamente,
as remunerações de cada item e do total , observados os reajuste s salariais
~S REMUNERAÇÃO
PAGA incidentes à época.º
RESPOSTA:
Com base nos documentos de fls . ....., bem como nos contracheques (anexo
de nº 8, totalizando 69 folhas), na planilha que consta a seguir, tem-se as
seguintes valores de pagamentos:
"5) Com base no apurado nos itens 2 (dois) e 4 (quatro) e, levando-se em
conta os reajustes salariais aplicados à época, informar se a remuneração MÊS REMUNERAÇÃO PAGA
titulada gratificação de função por ocupação do cargo .........., foi maior,
menor ou igual ao de cargo de ........... ".
RESPOSTA:
Em consistência com as respostas oferecidas aos quesito s de nºs 2 e 4 desta
série, com base nos documentos oferecidos à pericia, que instruem este Pertinente aos reajustes salariais incidentes à época, a reclamada fez entre-
laudo pericial, bem como da tabela de funções gratificadas (anexo nº 9), a ga à pericia de RELAÇÃO DE AUMENTOS (anexo nº 10), que evidencia
remuneração titulada gratificação de .........por ocupação do cargo de ......... , percentuais para os meses de ..... de ... .. a ..... de ......
é menor ao de cargo de ............ "8) Informe se o Reclamante , compensada a distorção de reaju stes salariais
"6) Relacionar o número de horas de trabalho cumpridas pelo Reclamante praticados à época, teve de prestar mais horas de trabalho para manter a
nos ...... primeiros meses de ocupação do cargo de .........., a remuneração mesma média de remuneração anterior à passagem para o cargo de ..........."
individual da hora e o pagamento total a tal título."
RESPOSTA:
RESPOSTA:
Pelo que a pericia pôde constatar, em conformidade com o que consta de
Com base nos contracheques (anexo nº 8, contendo 69 folhas), a planilha a fls ...... , e consoante o "REGULAMENTO PARA PROMOÇÃO" (fls ...... ),
seguir fornece o quesitado: com a promoção de .......... houve , consequentemente, aumento de número
de horas trabalhadas.
MíS Nº DEHORASDETRABALHO
"9) Considerando os reajustes salariais da categoria no período discutido,
informe se o Reclamante , passando do cargo de .......... para .......... , teve de
aumentar a carga horâria de trabalho para manter o seu rendimento bruto."
RESPOSTA:
Observações : De acordo com o que foi oferecido à pericia pela reclamada para exame, e
(*) A hora de trabalho corresponde a ..... do valor do ordenado que instrui este laudo pericial , o valor mínimo, garantido, é de ..... ( ..........)
(* *) O ordenado garante um número de ..... horas trabalhadas ou não horas de trabalho mensal, horas trabalhadas ou não .
CAPÍTULO
11. LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 231 23 2 Ril Moura

O número de horas trabalhadasa mais, do que as ..... garantidas,poderá ser em RESPOSTA:


consequênciado ..........., isto é, quando ocorrem eventos de maior duração. Às fls ...... vê-se '~Assunto:" .......... DE CARGO EM COMISSÃO", com o
QUESITOSDA RECLAMADA seguinte teor:
- Fls. 141/142 - "Pela presente informamos que a partir de ...../...../..... passará a exercer o
"l - Informar se as funções .........do .........., são gratificadas,perce- cargo gratificado de .........., deixando de exercer o cargo de ......... ..
bendo o respectivoexercentegratificaçãode função discriminadaem Considerandotratar-sede cargo de confiançaimediata, o mesmo será exerci-
separadono contracheque,variável em razão das diversas funções ?" do enquanto a direção da .........., a seu exclusivo arbítrio, julgar conveniente.
RESPOSTA: A partir do momento em que por qualquer motivo deixar de exercer o cargo
para o qual está sendo designado, será cancelada a gratificação que estiver
O que a perícia pode informar, com base no que consta dos autos
percebendo pelo exercício do mesmo."
-fls. .....-, bem como dos documentos fornecidos à pericia pela re-
clamada - anexos nºs 12 e 13-, é que nos referidos documentos "5- Informe se na vida funcional do autor existe registro de manifestação
. a discnmmaçao
· . . "' " ..........,,, e am
. da códi · d e " ......." , com relação a alteração de função .......... ou ..........?"
está explicita • gos
" ......." ,aem
1' de " ..........." . RESPOSTA:
"2- O acesso a ditas funções pode ser natural ou opcional? Explicar minu- Afirmativa é a resposta, considerando o que consta dos QUESTIONÁRIOS
ciosamente.n PARA..........DE CARREIRA .........., objeto dos anexos nºs 15/17.
RESPOSTA: "6- Informe se entre .......... e .........., foi decidida a paralisação total
O acesso pode ser natural ou opcional, conforme consta do "QUADRO DE ................ no bojo de uma série de medidas saneadoras urgentes, tendentes
ACESSO" que explicita por linha contínua( ..........) e por linha tracejada a manter sobrevivência financeira da .......... ? Em caso afirmativo respon-
(..........) - fls...... . der minuciosamente.

"3- Pode o .......... exercente de função gratificada ser destituído da mesma RESPOSTA:
? Em que casos? Pode o .......... manifestar intenção de deixar determinada
Confonne documento nº ....., de ...../...../....., houve fusão incorporação
função, passando a outra, gratificada ou não ?"
de ...........
RESPOSTA: O teor do referido documento (anexo nº 18) fornece todo o quesitado.
O que consta de fls..... . - "REGULAMENTOPARAAPROMOÇÃO" - tra- ~'7-Esta desativação redundou em excesso de........... alocados àquela situ-
ta do quesitado, incluindo, além de outros, SENIORIDADE. ação, era funções gratificadas ? Quantos chefes de .......... sobraram ? Era
Para o oferecimento de resposta a este quesito, além do antes exposto, a possível, o aproveitamento de todos nas situações .......... ?,,
reclamada fez entrega à pericia do anexo nº 14.
RESPOSTA:
"4- Informe o ilustre expert e assistente, se na comunicação escrita da em-
Em consonância com o que consta de fls...... , bem como do documento
presa ao funcionário, de lhe estar sendo cometida função de .........., consta
apresentado à perícia pela reclamada, anexo nº 19, com a desativação da
ser a esta a provisoriedade, traduzida na possibilidade de destituição se ne-
.......... ocorreu excesso de ...... Chefes ....., conforme explicita o documento
cessário ou conveniência para o empregador ?"
nº ..... "REDUÇÃO DE .................".
CAPÍTULO
11.LAUDOS
DEPERÍCIAS
JUDICIAIS 233

Para instruir este laudo pericial, a reclamada fez entrega à perícia do ane-
xo nº 20.
_,,g_Cumpriu a reclamada rigorosamente a lista de preferência? Qual a po-
sição do reclamante na aludida lista ? A vista dos acontecimentosde ..........
poderia a reclamadacumprir o desejado pelo autor nestes autos sem desres-
peitar à lista de preferência ?"
RESPOSTA:
A reclamada cumpriu o estabelecido no "REGULAMENTOPARA PRO-
MOÇÃO" -fls . ..... e anexos nºs 12 e 13.
A posição do reclamante na lista de PREFERÊNCIA,à época, era de .....,
conforme demonstrado através do anexo nº 19.
Para a parte final quesitada, a perícia deixa de informar por tratar-se de
matéria de direito.
"9- Informe o que é "taxa horária variável" ? É correto afirmar que este
ingresso aumenta na proporção direta dos trabalhos realizados, ou seja,
quanto mais o profissionaltrabalha, obedecendoo teto máximo legal (lei nº
......), mais aufere à guisa de taxa horária variável ?"
RESPOSTA :
Pelo que a perícia constatou, através dos documentos que lhe foram ofe-
recidos, a taxa horária variável é o correspondente ao pagamento devido
pelas horas ultrapassadasdas ....... garantidas,acrescido das horas noturnas.
Para a parte final, a resposta é afirmativa.
Nada mais a acrescentar, este signatário informa que para a realização de
seu múnus, expediu as cartas objeto dos anexos 1, 2, 3, 4 e 5, manteve vá-
rios contatos com funcionáriosda reclamada, não tendo a parte reclamante
oferecido à perícia, além do que consta dos autos, nenhum outro documento
ou informação para a realização da prova
Concluindo este laudo pericial, o perito coloca-se à disposição do Juízo e
das partes para quaisquer esclarecimentosreputados necessários.
Porto Velho,dia, mês e ano

RILMOURA
Perito do Juizo
CORECON t • Regjão2545
CRC - RJ - 9.786/0-6
236 Ril Moura

A seguir são apresentados 4 (quatro) exemplos reai s de laudos periciai s


12. LAUDOS DE PERÍCIAS EXTRAJUDICIAIS extrajudiciais, dois de avaliação de bens do imobilizado, e um de concordada
preventiva, não sendo fornecidos, a exemplo de outros laudos , elementos que
possam identificá-los.

12.2. EXEMPLOSDE LAUDOSPERICIAISEXTRAJUDICIAIS


12.1. CONSIDERAÇÕES
GERAIS
12.2.1. Laudosde Avaliaçãode Bensdo Imobilizado
Como já vimos, a pericia contábil extrajudicial é exercida no âmb ito ar-
bitral, estatal ou voluntária, é a que se realiza fora do processo, extra processo, !ºExemp lo
por "encomenda", isto é, através escolha, de consulta ao profissional da área,
por exemplo, quando hã necessidade de cálculo de partilha entre sócios, re- Castelo, dia, mês e ano
avaliações patrimoniais, cálculo de ágio ou deságio de ações, apurações do
valor do Patrimônio Líquido, apurações de fundo de comércio, além de vários Ilmos. Srs.
outros, para que possa vir a auxiliar num acordo ou transação, presente ou Diretores de Indústria e Comércio Beija Flor S/A
resguardar direito futuro. Rua da Esperança, s/nº
A exemplo da pericia contábil judicial , a pericia contábil extrajudicial
também é de competência exclusiva de contador registrado em Conselho Ref. LAUDO DE AVALIAÇÃO DE BE NS DO
Regional de Contabilidade, e constitui o conjunto de procedimentos téc- ATIVOPERMANENTE
- IMOBILIZADO
nico-científicos destinados a levar à instância deci sória elementos de prova
necessários a subsidiar a justa solução do litígio ou constatação de fato, Prezados senhores,
mediante laudo pericial contábil e/ou parecer técnico -contábil, em confor- De acordo com o solicitado por V.Sas., procedemos avaliação de bens per-
midade com as normas jurídicas e profissionais e com a legis lação específica tencentes a empresaANTOLÍVIAe, como resultado, estamos ap resentando
no que for pertinente . este Laudo de Avaliação.
O laudo pericial contábil extrajudicial é também a peça escrita na qual o
perito expressa, de forma circunstanciada, clara e objetiva, as sínteses do objeto Para a realização da avaliação dos imóveis - objeto de sta avaliação - , com
da perícia, os estudos e as observações que realizou, as diligências realizadas, os base no dia .... ./ .... ./ ....., os Peritos signatários procederam pesquisa junto
critérios adotados e os resultados fundamentados , e as suas conclusões . a Administradoras e Corretoras de Imóveis desse Estado, bem como em
O perito e o assistente técnico devem estipular, de comum acordo com a Jornais dessa Cidade.
parte contratante, os prazos necessários para a execução dos trabalhos, junto Relativamente aos cálculos de depreciação dos Imóveis (salas e garagens),
com a proposta de honorários e com a descrição dos serviços a executar . toma- se necessário segregar contabilmente o valor da fração ideal do terreno .
A realização de diligências para busca de provas , quando necessárias, é
Para os Imóveis a seguir, são os seguintes valores atribuídos com data de
de responsabilidade exclusiva do perito ou do assistente técnico.
...../...../ .....:
Concluídas as diligências, o perito apresentará o laudo pericial contábil,
obedecendo aos respectivos prazos. Imóveis RS
O laudo pericial será datado, rubricado e assinado pelo perito , que nele
• Terreno caracterizado pelo lote 11 850.000,00
fará constar a sua categoria profissional de contador e o seu número de registro
em Conselho Regional de Contabili dade. . Salas den º s 01, 02, 03, 04, 11, 12, 13 e 14 700.000,00
O laudo pericial extrajudicial deve semp re ser encaminhado por meio . Salas 15, 16, 17, 18 e 19 500.000,00
que possa comprovar a sua entrega. • Quatro vagas de garagem 120.000,00
235
CAPÍTULO
12. LAUDOS
DEPERÍCIAS
EXTRAJUDICIAIS 237 238 Ril Moura

Em ...../...../....., o valor de mercado para os Imóveis objeto desta avaliação 2. valor de mercado dos bens em uso em função do tempo de aqui-
totalizou R$ 2.170.000,00 (dois milhões, cento e setenta mil reais). sição;
As escrituras das salas e das vagas de garagem encontram-se registradas no 3. preços obtidos de firmas do ramo e de representantes, na venda
Cartório Geral de Imóveis, Livro 4.U, matricula4321 e Livro 07, sob onº 41. de bens usados nas cidades do Rio de Janeiro e Vitória;
Finalizando, colocamo-nos à disposição de V.Sas.para quaisquer esclareci- 4. preços obtidos de firmas especializ.adase representantes, na ven-
mentos, se necessários. da de bens novos, com pagamento à vista e com descontos, apli-
cando-se percentuais de depreciação, em função do tempo de
Atenciosamente, vida útil econômica;
5. preços obtidos através de administradoras e corretoras de imó-
SILENE LINS ACIOLIMOURA TELÉCIO BARBOSA FILHO veis;
Economista - CORECON ........... Engenheiro - CREA ........... 6. preços obtidos através de publicações em jornais do Rio de Ja-
neiro, São Paulo, Vitória e Belo Horizonte;
RILMOURA
Economista - CORECON 7. preços de bens considerados semelhantes, novos e usados.
contador - CRC ................
Faz parte integrante deste LAUDO DE AVALIAÇÃO:

2° Exem plo
a) Resumo das contas do Ativo Permanente da empresa PEROÁ
b) Reswno das contas do Ativo Permanente da empresa MAN-
JUBA
Serra, dia, mês e ano
c) Listagem de todos os bens localizados e identificados, por tipo
de conta do Ativo Permanente e por empresa.
Ilmo. Sr. Outrossim, relativamente aos Imóveis (salas e garagens), toma-se necessá-
Dr. ..........................
.......................... rio, para efeito de cálculos de depreciação, segregar contabilmente o valor
Diretor Presidente da Indústria Amor sem Fronteiras da fração ideal do terreno. Este procedimento se aplica também ao imóvel
Rua Pereira Nunes, 1 (apartamento) localizado em Cachoeiro de Itapemirim.
Nesta
Finalizando, colocamo-nos à disposição de V.Sa. para quaisquer esclareci-
mentos julgados necessários.
Ref. LAUDO DE AVALIAÇÃO DE BENS DO
ATIVOPERMANENTE
- IMOBILIZADO Atenciosamente,
Prezado senhor,
De acordo com o solicitado por V.Sa., procedemos avaliação dos bens per- SILENE LINS ACIOLI MOURA TELÉCIO BARBOSA FILHO
tencentes às empresas PEROÁ e MANJUBA e, como resultado, estamos Economista - CORECON ........... Engenheiro - CREA ...........
apresentando o LAUDO DE AVALIAÇÃO.
Para a realização da avaliação dos bens dessas empresas, com base no mês
de dezembro de 2014, os critérios de avaliação adotados foram os seguintes:
RILMOURA
1. valor de mercado dos bens usados no estado em que se encontra- Economista - CORECON
vam (mês de dezembro de 2014); contador - CRC ................
CAPÍTULO
12. LAUDOS
DEPERÍCIAS
EXTRAJUDICIAIS 239 240 Ril Moura

12.2.2. Laudode ConcordataPreventiva


Conforme consta dos documentos para exame, a Concordatária VIA
LÁCTEA LTDA, em resumo, confessa sua autofalência; declara que o seu
Teresina, dia, mês e ano Ativo encontra-se devidam .ente registrado em sua contabilida de ; e re-quer a
convolação de sua Concordata Preventiva em Falência.
Consoante da SENTENÇA, em .... ./ .. .../ .. ..., foi decretada a falência de
Ilmos. Srs.
VIA LÁCTEA LTDA.
Drs. Rilton, Ricardo e Rodrigo Acioli Moura
Nesta PERÍODODEABRANGiNCIA
DOS TRABALHOS PERICIAIS
Prezado senhores,
Na qualidade de perito contábil para funcionar na Concordata Preventiva con- Os trabalhos periciais tiveram início no dia ... ../ . ... ./ ... ..,nas cidades de
vertida em Falência de VIA LÁCTEA LIDA., cujos trabalhos tiveram início Picos e Parnaíba , - parque industrial da Massa Falida VIA LÁCTEA LTDA
no dia ....... próximo passado, na cidade de Marechal - Estado do Piauí, ve- -, e de MarechaL na sede administrativa da Massa falida VIA LÁCTEA
nho apresentar o LAUDOPERICIAL, em anexo, abrangendo o período de LTDA, ocasião em que houve arrecadação e inventário dos bens que ali
Agosto de 2000 a novembro de 2001, em consistência com toda a documen - se encontravam.
tação entregue pela contadora BIANCA GABRIEL MOURA, e com base nos
No dia .... ./ .... ./ . .... , no escritório da contadora BIANCA GABRIEL
registros das operações constantes dos Livros Diários de números 6, 8 e l O.
MOURA, este signatário arrecadou e inventariou os documentos contá-
Atenciosamente, beis e fiscais da Massa Fa lida VIA LÁCTEA LTDA, tendo referida conta-
dora declarado não existir mais ''NENHUM DOCUMENTO E LIVROS
CONTÁBEIS E FISCAIS EM POD ER DESTE ESCRITÓRIO' ,.
Nome e assinatura
Perito Contábil Os trabalhos objeto desta pericia, abrangeram o período de agosto de 2013
a novembro de 2014, em consistência com toda a documentação entregue
pela contadora BIANCA GABRIEL MOURA, e com base nos registros das
LAUDO PERICIAL operações constantes dos Livros Diários de números 6, 8 e 10.
INTRODUÇÃO ANÁLISEDOS REGISTROS
Tratam os presentes dossiês de PEDIDO DE CONCORDATA CONTÁBEISE DA DOCUMENTAÇÃO
PREVENTIVA, propondo a requerente - VIA LÁCTEALTDA - resgatar a
integralidade seu passivo quirografário em duas parcel as e no prazo de 36 DE SUPORTETÉCNICO
(trinta e seis) meses, correspondendo no 18º mês a 35% e no 36° mês aos Para a realização de seu múnus, este profissional examinou os Livros
65% restantes, acrescido tais pagamentos dos juros de lei . Diários de nº s 6, 8 e 1O de Via Láctea Ltda., contendo os de nºs 8 e 1O,
Em síntese, a requerent e declara manter duas fábricas de rações para fran- cada um, respectivamente, 48 e 45 folhas numeradas por folha através de
go de corte, situada s em Picos e Parnaíba, com produção mensal de 1.000 processo eletrônico de dados, com termos de abe.rtura e de encerramento
toneladas; com administração centralizada em Marechal; não obstante a datados de .... ./ .... ./ ..... e .... ./ .... ./ ..... assinados pela contadora BIANCA
sua forte representatividade no setor avícola, enfren~ além da grave crise GABRIEL MOURA - CRC ....... .
conjuntural por que passa a economia brasileira, uma das mais longas e Como se observa no Livro Diário nº 1O,o balancete mensal correspondente
atípicas crises na avicultura de corte com o despencar do preço do produto ao mês de novembro de 2014 encerrado em .. .. ./ .... ./ ... .., constante de fis.
no varejo; e descompasso na lucratividade do setor, elevando as taxas de 30/32, bem como os termos de abertura e de encerramento (fls. O1 e 49) não
juros, razões do presente pedido moratório. contêm assinatura do representante legal de VIALÁCTEALTDA.
CAPÍTULO
12. LAUDOS
DEPERÍCIAS
EXTRAJUDICIAIS 241 242 Ril Moura

Como resultado do exame dos registros mensais efetuados nos Livros 4. Sob a rubrica de "EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS - EM-
Diários de nºs 8 e 1O,antes mencionados, a perícia constatou: PRÉSTIMOS BANCO HARMONIA SIA, desde o mês de agosto de
2013 até o mês de novembro de 2014 figura dívida da VIA LÂCTEA
1. Despesas realizadas sob o título de "OUTRAS DESPESAS no Valor de R$ 305 .741 ,68 sem nenhuma contabilização de acréscimos .
OPERACIONAIS", para as quais não existe nenhum documento que possa
servir de suporte técnico: Como se observa no Diário nº 6, fls. 09, consta registro no mês de agos-
to de 2000 de empréstimo do Banco Esperança S.A., no valor de R$
2013 RS 300.000,00, aparecendo o mesmo valor contabilizado sob a rubrica de
Julho 234.994,93 "OUTRAS DESPESAS ADMINISTRATIVAS", cujas despesas não estão
Agosto 201.789,75
comprovadas.
Setembro 601.121,53
Outubro 70.665,22 5. Comparando o Ativo Permanente constante do Balancete especialmente
Novembro 129.211 ,00 levantado em . ..../ ...../ . ...., para a Concordata, com o AUTO DE AR-
Dezembro 253.437,91 RECADAÇÃO, constatam-se as seguintes faltas:
. Balança eosacadeira automática
2014 R$ . Máquina de costura industrial c/ esteira transportadora
Janeiro 12.248,25 . Balança manual filizola tipo braço
Fevereiro 19.299,40
. Transportador tipo sem-fim e/ 9 M . e/Motores
Março 1.224,45
. Túnel de encolhimento p/ filme P.V.C. e/esteira
Abri) 42,00
. Máquina automática VACUUM FORMIG e/cortador automático
2. Despesas realizadas sob a rubrica de "REMUN. DIR1G . CONS. ADMI- . Máquina de solda
NISTRAÇÃO", também . sem nenhum tipo de documentação de suporte . Serra elétrica p/ferro
técnico : . Fura deira de bancada
. Politriz
2013 RS . Silo metálico p/ 6 TN.
Janeiro 5.511,17 . Cortinas TA-1. 75 pi galpões
Fevereiro 5.264,54 . Bomba centrífuga BC-20 10 CV. C/ chave
Março 68.685,52 . 400 bebedouros
Abril 5.411,39
Maio 2.665,44 No Livro Diário nº l O(:fls. 11), constatam-se os seguintes registros, para os
Junho 692,70 quais não existem documentos comprobatórios, isto é, recibos:
Julho 3.689,50
• Prejuízo de R$ 1.000,00 na venda de um computador (não consta
Agosto 912.27
sequer qualquer característica do veículo) ;
Setembro 912,27
• Baixa de um fax e uma impressora EPSON no valor de R$
3. Despesas realizadas sob o título de "DESPESAS FINANCEIRAS", sem 600,00;
nenhum tipo de documento que sirva de suporte técnico:
• Venda de 4 alimentadores automáticos SHORT-TIME no vaJor
2014 RS de R$ 2.000,00; e
Julho 170.148,20 • Prejuízo na venda de um fax e uma impressora EPSON no valor
Agosto 171.489,19 de R$ 200,00 .
Setembro 103.274,68
Outubro 250.000,00 7. As:fls. 31 do Livro Diário nº 8 figuram registros de "estornode lança-
Novembro 29.2 11,00 mento no período,,, no valor de R$ 356.091,56, e "acerto de lançamento
no período", no valor de R$ 250 .000,00, cujos históricos não detalham a
natureza clara das operações.
CAPÍTULO
12. LAUDOS
DEPERÍCIAS
EXTRAJUDICIAIS 243 244 Ril Moura

12.2.3. Laudode Apuraçãode Haveres


CONCLUSÃO
LAUDO DE APURAÇÃO DE HAVERES
A pericia constatou que no período de 60 (sessenta) dias anteriores ao
Balancete especialmente levantado para a Concordata, até o Balancete que
constou do requerimento da autofalência (novembro de 2014), houve sig-
nificativa mutação patrimonial , incluindo venda e desaparecimento de al-
guns dos itens do Ativo Permanente, estorno e acerto de lançamentos, e 1 - CAUSA DA APURAÇÃO DE HAVERES
várias despesas , sem a necessária documentação de suporte técnico , repre- Retirada de sócias da IMOBILIÁRIA 3RM LTDA, sociedade estabelecida
sentando os seguintes valores: na Rua das Borboletas, 80, sala 4, nesta cidade .
A IMOBILIÁRIA 3RM LTDA é por quotas de responsabilidade limita-
. Despesas realizadas: R$ da; está inscrita no Cadastro Geral da Pessoa Juádica - CNPJ sob o nº
Outras Despesas Operacionais 1.289 .039 ,51 63.012 .014/0001-82; com. o seu Contrato Social registrado no Cartório de
Remun.Dirig. Cons.Administração 93.744,80
Registro Civil de Pessoas Jurídicas da Comarca da Capital do Estado do
Despesas Financeiras 653 .974,00
Rio de Janeiro sob o nº 2013 .206 em 14 de outubro de 1946, na matrícula
. Venda de Ativos 3.800,00
174, conforme consta da 52ª ALTERAÇÃO CONTRATUAL.
. Desaparecimento de Ativos 136.550,00
. Estorno e acerto de lançamentos 606 .091,56 A sociedade gira com o capital social de R$ 1.000.000,00 (hum milhão de
Total 2,783,199.87 reais), dividido em 100.000 (cem mil) quotas no valor nominal de R$ 10,00
(dez reais) cada uma, distribuídas entre os sócios, na forma seguinte, con-
Isto posto, em consistência com os fatos e ocorrências antes explicitados; forme cláusula 6ª da 42ª Alteração Contratual.
considerando as operações como se encontram registradas nos Livros
Diários (os lançamentos não expressam formalmente as operações indivi-
Quotistas Quotas RS
dualizadas) , e ainda, e principalmente , pela falta total dos documentos
Silene Lins Acio]i Moura 20 .000 200.000 ,00
comprobatórios das despesas e receitas contabilizadas através dos Livros
Diários de n ºs 4, 5, 6, 8 e l O, conclui esta perícia que os registros das ope- Sandra Lúcia Acioli Moura 20.000 200.000,00
rações realizadas pela firma VIA LÁCTEA LTDA, que se encontram conta- Rilton Acioli Moura 20 .000 200.000,00
bilizadas em seus Livros Diários , e, como consequência~ os demonstrativos Ricardo Acioli Moura 20 .000 200 .000,00
contábeis oferecidos à não .refletem com fidedignidade os seus resultados Rodrigo Acioli Moura 20.000 200 .000,00
econômico-financeiros. Totais 100.000 1.000.000,00
Concluindo este laudo pericial , o perito coloca-se à disposição de Vossa
Senhoria para quaisquer esclarecimentos reputados necessário s. 2 - CLÁUSULA CONTRATUAL RELACIONADA COM A
Teresina, dia, mês e ano APURAÇÃO DE HAVERES
O Parágrafo Primeiro da Cláusula 27ª, da 52ª Alteração Contratual, cuida
Atenciosamente , da hipótese de intenção dos representantes legais do sócio premorto, inter-
dito ou falido de não ingre ssarem na Sociedade , prevendo que os haveres
deste serão apurados em balanço extraordinário, a ser levantado no prazo de
Nome a assinatura até 30 dias da data do evento e, neste caso, a liquidação desses créditos será
CONTADOR feita em 12 prestações mensais , sucessivas e corrigidas pelo índice oficial
CRC-RJ-9.786/0-6 de inflação fornecido pela autoridade competente .
CAPÍTULO
12. LAUDOS
DEPERÍCIAS
EXTRAJUDICIAIS 245 246 Ril Moura

3-DOCUMENTOSCONTÁBEISEXAMINADOS A Sociedade em tela, como contribuinte, apresentou guias do IPW - 2014,


Dentre os documentos contábeis examinados, constaram os Balanços
a seguir:
Patrimoniais dos exercícios sociais findos em dezembro de 2011, 2012 e Endereço do imóvel Valor venal RS
2013 assinados pelo representante legal da sociedade e pelo contador, tudo RuaAmaury Monteiro, 135. sala 201 - 1 VG 50.265,00
em conformidade com os Livros Diários correspondentes, bem como com Av. das Américas, 2801, sala 411 62.967,00
o Balanço Extraordinário de 30 de setembro de 2014. Rua das Borboletas, 80, sala 4 62.182,00
4 - PATRIMÔNIOLÍQUIDO Av. Passos, l O,Box 420 14.430,00
Av. Presidente Var~as, 387, Box 1907 16.687,00
Conforme consta do referido Balanço Extraordinário do mês de setembro
Av. Presidente Vargas, 387, Box 2707 16.687,00
de 2014, o Patrimônio Líquido da sociedade apresentava a seguinte com-
Soma 223.218,00
posição contábil:
6 - AVALIAÇÃODOS IMÓVEIS CONSIDERANDO LAUDOS DE
PATRIMÔNIOLÍQUIDO RS AVALIAÇÃOEMITIDOSEM FEVEREIRODE 2015
Capital Social 1.000.000,00 Valor de
Lucros Acumulados 632.307,47 Endereço do imóvel
MercadoRS
Resultado do Período 1
499.335,23 RuaAmaury Monteiro, 135, sala201 - l VG 520.000,00
Total li 2.131.642,70 Av. das Borboletas, 80, sala 4 375.000,00
Rua da Alfândega, 108, sala 504 284.000,00
5 - FUNDO DE COMÉRCIO Av. Passos, 1O,Box 420 60.000,00
Nas apurações de haveres, quer inter vivos, quer in causa mortis, é usu- Av. Pre sidente Vargas, 387, Box 1907 75.000,00
al incluir-se o valor incorpóreo, intangível, relativo ao negócio explorado. Av. Pre sidente Vargas, 87, Box 2707 75.000,00
Todavia, há que se observar e considerar as peculiaridades de cada caso. Soma 1.389.000,00
Modernamente, nos processos em que se trata de Análise Patrimonial 7 - AJUSTES EFETUADOS NO BALANÇO EXTRAORDINÁRIO
é conditio sine qua non a inclusão do bem incorpóreo como parcela do DE 30 DE SETEMBRO DE 2014
Patrimônio susceptível de avaliação em moeda corrente.
7.1 Imóveis
O Fundo de Comércio, também conhecido como "Goodwill", é resultante
da existência de bens intangíveis (ativos), ou seja~ que não possuem subs- Valor Cootabili- Ajustes Diferença
Itens
tância corpórea, mas que possuem valor, e não estão reconhecidos nos de- zadoRS Efetuados RS RS
monstrativos econômico-financeiros, tais como: nome comercia~ ponto Imóveis 83.872,06 1.014.000,00 930.127,94
comercial, tradição ou reputação comercial, rede de relacionamento, loca- Imóveis Barra 67.583,52 375.000,00 307.416,48
lização geográfica, legislação privilegiando setor, e outras condições que
Totais 151.455,58 1.389.000,00 1.237.544,42
resultam em geração de lucros.
O objeto da IMOBILIÁRIA 3RM LIDA, como se vê na Cláusula 6ª, da 52ª 7.2 Impostos a Pagar (Auto de infração INSS), 77 parcelas restantes x
Alteração Contratual, é a Administração de Bens em Geral, de Condominios R$ 6.912,00 = R$ 532.224,00, lembrando que o valor de cada parcela sofre
Prediais e de Imóveis para Renda, a Corretagem e Compra e Venda de correção monetária e juros mensal.mente.
Imóveis e Loteamentos, a Organização de Incorporações para Construção de 7 .3 Ações ajuizadas (Processos judiciais envolvendo a 3RM) = RS
Edificios, Assistência Técnica Especializada no ramo e atividades correlatas. 101.944,00.
CAPÍTULO
12. LAUDOS
DEPERÍCIAS
EXTRAJUDICIAIS 247 248 Ril Moura

7.4 Considerando a natureza das atividades desenvolvidas pela PATRIMl>NIOLIOUIDO AJUSTADO RS


IMOBILIÁRIA 3RM LIDA , para efeito de chegar ao valor que correspon- Capital Social 1.000.000,00
de ao bem incorpóreo , foi avaliada a situação global de seu patrimônio , ten- Lucros Acumulado 632.307,4 7
do sido adotado o Lucro Líquido de três exercícios anteriores, critério habi- Resultado do Período 499.335,23
tual para os cálculos de apurações de haveres das sociedades, e não apenas Ajuste a título de Imóveis I.237 .544A2
os elementos qualitativos e quantitativos divulgados através do Balanço Ajuste a título de Impostos a Pagar (Auto de Infração INSS ' (532.224.00)
Patrimonial, que não considera o Fundo de Comércio, importante elemento
Aiuste a título de Acões Aiuizadas (101.944 ,00)
de registro susceptivel de avaliação .
Fundo de Comércio 2.824 .348.27
Assim considerando, e conforme se observa através dos documentos exami- Total S.559.367.39
nados, para os exercícios sociais findos em 31 de dezembro de 2011 , 2012 e
2013 , o Lucro Líquido foi de R$413 .630 ,89, R$ 93 .541 ,03 e R$ 358 .049,86 , ENCERRAMENTO
respectivamente , acusando Lucro Líquido médio de R$ 288.407,26 que , Dando por encerrada a honrosa tarefa, colocamo-nos à disposição
praticando a média dos Lucros Líquido s num período de 3 anos , e deduzin-
para quaisquer esclarecimentos reputados necessârios.
do-se os lucros normais calculados à base de 12% , chega-se inicialmente
ao Fundo de Comércio no valor de R$ 692. 705 ,57, a seguir demonstrado :
Rio de Janeiro , 14 de outubro de 2015
R$ 288.407,26 + R$ 288.407,26 + R$ 288.407,26 =
{l+o ,12) {1+0,12 )2 ( l+o,12) 3 RILMOURA
CORECON lª Região 2545
= R$ 257 .506,48 + R$ 229 .916 ,50 + R$ 205.282,59 = R$ 692.705,57. CRC - RJ - 9.786/0-6
7.4.1 É de se ressaltar que na forma de apuração do valor do Fundo de
Comércio acima, deve-se incluir valor relativo à marca , um dos itens que
compõem o Fundo de Comércio .
A função da marca é de identificar wn produto ou serviço ou até o nome de
uma empresa ou instituição , uma ideia, um artis~ dentre outros, ganhando
destaque como um elemento diferenciador .
Por esta fonna , e em razão de a IMOBILIÁRIA 3RM LTDA se encontrar
inscrita no Cadastro Geral da Pessoa Jurídica, com o seu Contrato Social
registrado no Cartório de Registro Civil de Pes soas Jurídicas da Comarca
da Capital do Estado do Rio de Janeiro, desdel4 de outubro de 1946, isto é,
funcionando, aproximadamente, há 70 anos, atribui-se, à marca ZIRTAEB,
valor igual ao do Patrimônio Líquido em 30 de setembro de 2014, de RS
2.131.642,70; que adicionado ao valor sobredito de RS 692.705,57 totaliza
RS 2.824.348,27 , a título de Fundo de Comércio.
8 - PATRIMÔNIOLÍQUIDO AJUSTADO EM 30 DE SETEMBRO
DE2014
Em consistência com o valor obtido como de Fundo de Comércio, bem
como do s valores como de ajustes no Balanço de 30/09/2014, o Patrimônio
Líquido passa a ter a seguinte composição .
250 Ril Moura

Referida NBC TP O1 - Perícia Contábil estabelece regra s e procedimen-


13. PARECERES TÉCNICOS tos técnico-científicos a serem observados pelo perito , quando da realização
de pericia contábil, no âmbito judicial , extrajudicial, mediante o esclareci-
mento dos aspectos e dos fatos do litígio por meio de exame, vistoria, indaga-
ção, investigação, arbitramento, mensuração, avaliação e certificação.
Ressalte -se que o CPC anterior (CPC 1973) e o Novo Código de Processo
Civil - NCPC (CPC 2015), respectivamente, não estabelecia e não estabelece
13.1. PRELIMINARES
procedimento algum sobre a metodologia da elaboração do parecer técnico .
O parecer técnico contábil, isto é, o parecer técnico, é o documento escri- Conforme prevê o Novo Código de Processo Civil, os assistentes técni-
to, no qual o contador deve registrar, de forma abrangente, o conteúdo da peri- cos são de confiança das partes e não estão sujeitos a impedimento ou suspei-
cia e particularizar os aspectos e as minudências que envolvam o seu objeto e ção, o que previa também o CPC anterior (CPC 1973).
as buscas de elementos de prova necessários para a conclusão do seu trabalho
Por outras palavras, o parecer técnico, é peça escrita na qual o profissio- 13.3. APRESENTAÇÃO
DO PARECERT~CNICO
nal da contabilidade, o contador, expressa, de forma circunstanciada , clara e
objetiva, os estudos, as observações e as diligências que realizou e as conclu- Havendo quesitos não respondidos pelo perito, o assistente técnico a
sões fundamentadas dos trabalhos. eles responderá de forma circunstanciada, evitando-se resposta como "sim" ou
"não", ressalvando-se os que contemplam especificamente este tipo de resposta.
Na esfera judicial, o parecer técnico serve para subsidiar o Juízo e as partes,
bem como para analisar de forma técnica e científica o laudo pericial contábil. Concluídas as diligências, o assistente técnico apresentará seu parecer
técnico, obedecendo aos respectivos prazos.
Na esfera extrajudicial, serve o parecer técnico para subsidiar as parte s
nas suas tomadas de decisão . Nas perícias judiciais, os assistentes técnicos podem oferecer seus pa-
receres no prazo comum de 15 (quinze) dias após a apresentação do laudo
O parecer técnico, na esfera arbitral, serve para subsidiar o árbitro e as
pericial (que ocorrerá no prazo fixado pelo juiz, pelo menos vinte dias antes
parte s nas suas tomadas de decisão .
da audiência de instrução e julgamento), independentemente de intimação.
A preparação e a redação do parecer técnico são de exclusiva responsa-
Oferecemos, a seguir, 5 (cinco) exemplos reais de pareceres técnicos ju-
bilidade do assistente técnico.
diciais, sendo um sobre ação monitória, ação disso lução parcial de sociedade,
O parecer técnico é conduzido pelo assistente técnico, que adotarápadrão
ação repetição de indébito, ação revisão de cláusulas contratuais e dissolução
próprio, respeitada a estrutura prevista na NBC TP 01 - Perícia Contábil, deven-
e liquidação de socieda de, deixando de considerar elementos identificadores
do ser redigido de forma circunstanciada, clara, objetiva, sequencial e lógica, .
tais como o Juízo, o local e a data , o número do processo, nome reais das
'
evitando o prolixo e a tergiversação, possibilitando aos julga dores e às partes o
partes e o nome do profissional, o perito assistente técnico.
devido conhecimento da prova técnica e interpretação dos resultados obtidos.
As respostas aos quesitos formulados devem ser objetivas, completas e
13.4. EXEMPLOSDE PARECERES
T~CNICOSJUDICIAIS
não lacônicas, e os termos técnicos devem ser inseridos no parecer , de modo a
se obter uma redação que qualifique o trabalho pericial, respeitadas as Normas 13.4.1. Ação:Monitória
Brasileiras de Contabilidade.
Havendo concordância com o laudo pericial, ela deve ser expressa no EXCELENTÍSSIM O SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA
parecer pericial, no parecer técnico. ......... VARA CÍVEL DA COMARCA DA CAPITAL

13.2. NORMASDISCIPLINADORAS Proc. 2002.001.001100-0


A No .rma Brasileira de Contabilidade - NBC TP OI - Perícia Contábil , Ação: Monitória
de 27 de fevereiro de 2015, revogou a Resolução CFC nº 1.243/09. Autor: Caipira Ltc:la.
Réu: Banco da Atualidade S/A
249
CAPÍTULO
13. PARECERES
TÉCNICOS 251 252 Ril Moura

NOME DO PROFISSIONAL, contador, perito assistente técnico nos autos "letra b". Discordamos da resposta dada pelo perito.
do processo em referência indicado pela parte ré, vem, respeitosamente,
RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - Não "cumulou ainda
apresentar o seu PARECER TÉCNICO, informando a V.Exa. que, discor- correção monetária por sobre tais juros capitalizados".
dando da forma de algumas respostas dadas pelo ilustríssimo perito desse
respeitável Juízo, oferece, a seguir, as suas razões. Pertinente a forma de atualizar o capital, face a desvalorização da moeda
os índices aplicados são os que refletem a inflação no País em determinado
QUESITOS DA PARTE AUTORA- Fls. 2272/2274 período, antes denominado correção monetária e hoje simplesmente atuali-
1° Quesito. Discordamos da resposta dada pelo perito. zação monetária, nada mais.
RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - Não foram contados "letra e". Discordamos da resposta dada pelo perito.
juros sobre juros ou juros compostos, mas tão somente em aplicação de ju- RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - Os juros da Tabela Pri-
ros sobre o capital devidamente corrigido ante a desvalorização da moeda. ce, vale dizer, previstos no contrato, não estão acima daprevisão constitucio-
2º Quesito. Discordamos da resposta dada pelo perito. nal, uma vez que os juros legais, nos contratos bancários e habitacionais são
, . . os juros contratados, não tendo aplicação a norma do § 3º do artigo 192 da
RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TECNICO - Os Juros mensa1s co- Constituição, esta face à decisão do Supremo Tribunal Federal, 1N CASU,
brados pela parte ré estão de acordo com o que consta dos contratos assina- de acordo com reajuste da poupança, para o saldo devedor e prestações.
dos pelas partes e não configuram a chamada capitalização de juros .
5° Quesito. Discordamos da resposta dada pelo perito.
Não se constata nas planilhas juntadas pela parte ré aos autos a prática de
RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - Os Demonstrativos
juros capitalizados, ou anatocismo, como quer o perito, mas tão somente apresentados pelo perito às fls. 304/308 e 309/312 não guardam consis-
em aplicação de juros sobre o capital devidamente corrigido ante a desva- tência na sua elaboração, feitos para atender aos interesses da parte autora
lorização da moeda. - critérios de calculo pleiteados pelos autores -, deixando de observar o que
foi contratado entre as partes. Os saldos neles inseridos são falsos, fictícios,
3° Quesito. imaginários e ilusórios.
RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - O levantamento con-
Os débitos da parte autora, ainda sem considerar juros moratórios e multa,
tábil apresentado pela parte autora,, planilha que instrui a inicial, não tem
são os que constam de fls. 323/326, de R$ 40.614,52 em 09.05.2002, cujos
qualquer valor econômico-financeiro, uma vez que a presente demanda está
atrelada a Contratos de Financiamento Habitacional, e não a serviços pres- cálculos foram efetuados em total obediência ao contrato firmado entre as
tados pelo Banco réu, não havendo no caso dos autos relação de consumo. partes, não podendo agora a parte autora, a seu critério, eleger INPC ou ou-
tro índice a ser criado em seu interesse, isto é, não previsto contratualmente,
4° Quesito prejudicando, inclusive, os poupadores de cadernetas de poupança, origem
"letra a". Discordamos da resposta dada pelo perito. dos recursos obtidos pelo autor para aquisição da casa própria.

RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - Em consistência com 6° Quesito. Discordamos da resposta dada pelo perito.
os valores apresentados nas planilhas elaboradas e apresentados pelo Banco RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - A dívida do autor não
réu aos autos, verifica-se que não foram contados juros sobre juros ou juros está quitada, bastando observar os seus débitos explicitados através daspla-
compostos, mas tão somente em aplicação de juros sobre o capital devida- nilhas de fls. 323/326.
mente corrigido ante a desvalorização da moeda.
7° Quesito. Discordamos da resposta dada pelo perito.
Ademais, e como já afirmado, o levantamento contábil apresentado pela
parte autora, documento que instrui a inicial, não tem qualquer valor eco- RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - O mutuário não tem
nenhum saldo credor, uma vez que os Demonstrativos apresentados pelo
nômico-financeiro, uma vez que a presente demanda está atrelada a Contra- perito às fls. 304/308 e 309/312 não guardam consistência na sua elabora-
tos de Financiamento Habitacional, e não a serviços prestados pelo Banco ção, feitos para atender aos interesses da parte, deixando de observar o que
réu, não havendo no caso dos autos relação de consumo. foi contratado entre as partes. Os saldos neles inseridos são imaginários.
CAPÍTULO
13. PARECERES
TÉCNICOS 253 254 Ril Moura

QUESITOS DA PARTE RÉ - Fls. 2275/2276 7° Quesito.


2° Quesito. RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - Como se vê do contra-
to firmado entre as partes, juntado aos autos, trata-se de empréstimo onde
RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - Relativamente ao va- não há prestação de serviços ao autor, pois não foi conferida qualquer obri-
lor do seguro, cabe informar que para o referido contrato e operação de fi- gação de fazer que pudesse enquadrar-se entre os chamados serviços, não
nanciamento habitacional existe seguro restituído para SFH sendo as partes sendo o Banco réu produtor, nem fornecedor de serviços nesta espécie Con-
no contrato de seguro, o mutuário e a Cia. Seguradora, cabendo ao Agente tratual, que somente pactuou relação entre mutuários do Sistema Financeira
Financeiro-Réu apenas arrecadar os prêmios e repassá-los à Seguradora, da Habitação, que não é relação de consumo, portanto, não sendo aplicável
conforme consta expressamente pactuado no contrato, e é a SUSEPEque a Lei 8078/90, nem a Lei 9298/96.
fixa os prêmios de seguro.
Os juros legais, nos contratos bancários e habitacionais são os juros contra-
3° Quesito. tados, não tendo aplicação a norma do § 3° do artigo 192 da Constituição,
RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - Quanto a segunda esta face à decisão do Supremo Tribunal Federal,1NCASU, de acordo com
parte do quesito, os critérios e índices aplicados estão de acordo com as reajuste da poupança, para o saldo devedor e prestações.
normas de ordem pública, cogentes, editadas pelo Governo Federal, atinen- Os juros, isto é, a remuneração do capital, é aquela que as partes previamen-
tes à matéria. te fixaram na assinatura do contrato de mútuo, já sabendo antes de pagarem
4° Quesito. as parcelas quanto, em percentual (%) iriam pagar de juros em cada mês.

RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - Como se observa das A forma de atualizar o capital, face a desvalorização da moeda, os índices
planilhas de fis. 323/326, o reajuste das prestações contratuais, ainda pen- aplicados são os que refletem a inflação no Pais em determinado período,
dente de inclusão de juros moratórios e multa, foi feito de acordo com o antes denominado correção monetária e hoje simplesmente atualização mo-
contrato e com as normas de ordem pública, cogentes, editadas pelo Gover- netária, nada mais.
no Federal, atinentes à matéria. Como se observa dos autos, os autores não concordam com as taxas utiliza-
5° Quesito. Discordamos da resposta dada pelo perito. das nos contratos assinados pelas partes.
RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - Em conformidade com Todas as estipulações contratuais ajustadas para reger o funcionamento
o contrato firmado entre as partes, quanto menos o autor pagar de suas obri- concedido, foram rigorosamente observadas pelo Banco réu, assim como a
gações assumidas, maior será o resíduo no final do contrato, como é lógico legislação pertinente emanada do sistema Financeiro da Habitação, e, como
e cristalino o entendimento. resultado, em 9 de maio de 20 de 2015 os autores figuram como devedores
do Banco da Atualidade S/A pelo valor de$ 40.614,52, sem incluir juros
Sobre o sistema de amortização - Tabela Price -, os juros são escalona-
moratórios e multa, de acordo com as planilhas de fls. 324/326.
dos nas prestações mensais pecuniárias. O escalonamento se dá de forma
regressiva. Do início ao fim do contrato, a bem da verdade, as prestações Concluindo este PARECER TÉCNICO, o signatário coloca-se à
pecuniárias mensais sofrem alternância de composição de amortização e disposição do Juízo e das partes para quaisquer esclarecimentos jul-
juros . No início do contrato paga-se maior parte de juros e menor parte gados necessários.
de amortização e no final, como é lógico, o inverso, vale dizer, menor
parte de juros e maior parte de amortização. Espera Feliz, dia, mês e ano
6° Quesito.
RESPOSTA DESTE ASSISTENTE TÉCNICO - Em conformidade com Nome e assinatura
o contrato firmado entre as partes, o ônus de pagar o resíduo no final do Perito assistente técnico
contrato é do comprador. contador-CRC-... .............
CAPÍTULO
13. PARECERES
TÉCNICOS 255 256 Ril Moura

13.4.2.Ação:DissoluçãoParcialde Sociedade 13.4.3.Ação:Repetiçãode lndébito

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA


EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO
......VARACÍVEL DA COMARCA DA CAPITAL
Processo nº .......... ............... . DA ..... VARA C~L DO EST.ADO ••••••••••••••••
.•••••••••••••••••••••••
Ação: Dissolução Parcial de Sociedade
Autor: ANTONIO MOURA
Réu: AMIGOS IRRESISTÍVEIS
PARECER TÉCNICO
Processo nº :
NOME DO PROFISSIONAL, contador , economista e engenheiro, assis-
tente técnico indicado pela parte ré, nos autos do processo em referência, Ação: Repetição de Indébito
vem, respeitosamente, apresentar o presente parecer técnico, informando Parte autor : Grupo Raquel , Rafael , Camila , Andréa , Ana Luiza , Victor ,
a Vossa Excelência que discorda do VALOR DOS HAVERES LÍQUIDO .Mariana, Gustavo e Vicente .
DO SÓCIO ............... no total de R$ ................ , bem como da resposta ao Parte ré : Grupo Robson, Bianca, Renata, Luiz Cristóvão e Denise
que sito ....... da parte autora "Saldo em UFIR-RJ ......................", da forma
oferecida pelo ilustríssimo perito desse Juízo, pelas seguintes razões :
1ª - Como se vê do laudo pericial, "O saldo da Conta do Imobilizado nº NOME DO PROFISSIONAL , indicado pelo GRUPO RÉU para
.. ...... ..... ... - Terrenos - foi ajustado pelo valor venal lançado no carnê do funcionar como assistente técnico nos autos da Ação .......... que lhe move
IPTU - 97, emitido pela Prefeitura do Município de ............... ..'\ o que GRUPO AUTOR, vem, a Vossa Excelência , com base no laudo pericial de
não pode ser aceito , uma vez que o valor venal contido no camê do IPTU fls ...... a ..... dos autos, apresentar os seguintes "COMENTÁRIOS ", com
sempre é muito aquém do de valor de mercado. referência as respostas dadas pelo "ilustre expert,, des se rufzo, aos quesi-
Isto posto , este signatário , visando a indicação de valor correto para o tos formulados pelas partes, como segue:
Terreno em ............ , obteve de profis sionais do ramo, no local, em abril de Primeiramente , quanto aos quesitos da série dos autore s (fls ..... ./.....) :
2015 , o valor de R$ ............, representado por UFIR-RJ ........., bem diferen-
te de UFIR -RJ ........ ......, explicitado no laudo pericial. 1 - QUESITO "C ,,
2ª - Para se ter ideia segura das receitas de serviços prestados por (nome "Queira o Dr. Perito informar quais são as taxas de juros contra-
da empresa autora), durante o período de ........... a ............, uma vez que vá- tuais e quais foram efetivamente cobradas mensalmente pelo réu,
rios valores deixaram de ser contabilizados pela empresa - valores que de- desde a abertura da conta corrente até esta data , e qual o percen -
vem ser acrescidos ao VALOR DOS HAVERES LÍQUIDOS DO SÓCIO tual acumulado no período ";
........................... -, toma-se necessário solicitar todos os valores relativos
à comissões creditadas e/ou pagas pelas seguintes representadas, cujos e RESPOSTA COMENTADA: Data venia, salvo melhor análise, o
endereços constam de fls .. ...../..... dos autos : ilustre expert ao atender ao presente quesito , faz, inicialmente , men-
a)- ção de encargos financeiros e de penalidades, que não foram perquiri-
b) - dos. Agora com referência sobre as taxas cobradas efetivamente pelo
c)- Grupo réu, foram aquelas estabelecidas no CONTRATO DE ABER-
Concluindo este parecer técnico , o seu signatário coloca-se à disposição do TURA DE CHEQUE ESPECIAL , pactuados pelas partes , essencial-
Juízo e das parte s.
mente, de acordo pelos termos legais determinados pelas NORMAS
Maceió , ( dia, mês e ano) OPERACIONAIS DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS E ASSE-
JvIBLHADAS DO BACEN - BANCO CENTRAL DO BRASIL
Nome do assistente técnico
(Resolução nº ........ - Anexo nº 01) de que as taxas de juros são
Qualificação profissional do
assistente técnico livremente pactuadas (Grifo Nosso).
CAPÍTULO
13. PARECERES
TÉCNICOS 257 258 Ril Moura

Todavia, quanto ao percentual acumulado no período todo, observa-se RESPOSTA COMENTADA: Como se verifica a resposta do ilus-
neste curso uma variação percentual de taxas, fecundas pela impontuali- tre expert, foi simplesmente, para atender o perquirido, isto é, sem
dade dos autores, relativas ao compromisso da dívida, como se comprova qualquer resultado técnico que venha modificar os encargos previstos
através dos EXTRATOS DE CONTA CORRENTE DOS AUTORES , em através das disciplinas contratuais. Todavia, cumpre, ressaltar, que
número de 74 foJhas, conforme demonstrados no anexo nº 01, apensado
o Grupo réu não está cobrando dos autores A TAXA DE PERMA-
pelo ilustre expert desse JUÍZO .
NÊNCIA , como se comprova pelos EXTRATOS. Agora, quantos aos
2 - QUESITO "D" demais encargos, previstos através das disciplinas contratuais, con-
"Queira o Dr. perito informar se os juros contratuais inicialmente forme AFIRMA O ILUSTRE EXPERT DESSE rutzo, AO RES-
pactuados Guros sobre juros), uns sobre os outros ou são cobra- PONDER O QUESITO Nº 04-DA SÉRIE DO GRUPO RÉU, esses
dos de forma linear''; poderão ser cobrados em razão das Resoluções editadas pelo Banco
Central do Brasil.
RESPOSTA COMENTADA: Data venia, os juros contratuais ini-
cialmente pactuados, são aqueles cobrados de forma estabelecida 5 - QUESITO "W'
pela Resolução nº ........ - editada pelo Banco Central do Brasil assim "Queira o Dr. perito informar, em caso afirmativo ao item ante-
expresso: "AS TAXAS DE JUROS SÃO LIVREMENTE PACTUA- rior, se os juros moratórias, foram e estão sendo cobrados capita-
DAS"-, conforme anexo nº 01. Assim como, o ilustre expert desse lizados incidindo uns sobre os outros''
JUÍZO, AFIRMA AO RESPONDER O QUESITO N º 03 DA SÉRIE RESPOSTA COMENTADA: Data venia. Cumpre, esclarecer que os
DO GRUPO RÉU, como se vê às fl.s. ..... do laudo pericial. E, não juros moratórios , pela essência técnica, se caracteriza pelo número de
conforme respondeu o próprio expert, por tratar-se de matéria já ana- dias em atraso, ou seja, entre a data efetiva do vencimento da divi-
lisada por ele próprio (perito). da em relação a data efetivamente do PAGAMENTO DA OBRIGA-
3 - QUESITO "F,, ÇÃO DA DÍVIDA. Em síntese, não constitui capitalização, à vista de
tratar-se de uma nova obrigação, em decorrência pela impontualida-
" Queira o Dr. perito efetuar o cálculo dos juros, que foram pa-
de dos autores, quanto ao compromisso pactuado.
gos pelos autores mensalmente, desde a data da efetiva utiliza-
ção do numerário /cheque especial, comparando-o com o saldo E, finalmente, quanto aos quesitos da série do Grupo réu (fls.. ..../.....)
atual cobrado ";
a - QUESITO "06n
RESPOSTA COMENTADA: O ilustre expert para atender o presen-
"Queiram os Drs . Peritos esclarecer, à vista do contrato , a partir
te quesito elaborou as planilhas de cálculos, meramente ilustrativas . de quando os autores, ficaram inadimplentes";
Em razão de que essas "Dedução de juros debitados, não retratam
a luz da verdade um resultado concreto". A vista de que os autores, RESPOSTA COMENTADA: Salvo melhor Juízo, os autores ficaram
sempre efetuaram seus pagamentos com atraso e, inclusive, também, inadimplentes, a partir de ...../ ...../ ....., quando o BANCO RÉU EFE-
sempre ultrapassaram o limite permitido, conforme o próprio expert TUOU A TRANSFERÊNCIA DA SUA DÍVIDA, NO VALOR DE
AFIRMA AO RESPONDER AOS QUESITOS DE Nºs 02 e 05 DA R$ ................. , PARA CRÉDITO EM CONTA DE LIQUIDAÇÃO
(CL), CONFORME DETERMINAÇÃO DO BANCO CENTRAL
SÉRIE DO GRUPO RÉU (fis .. .... do laudo pericial).
DO BRASIL, através da Resolução nº ....., datada de .... ./...../ ..... Esta
4 - QUESITO "G" operação configura-se através do lançamento do extrato da conta cor-
"Queira o Dr. perito informar se o réu cobrou ou está cobrando rente dos autores (última folha do anexo nº 01 - acostado ao laudo
dos autores juros moratórios, taxas de pennanência e/ou outros pericial, cujo o total do débito em ...../ ...../ ....., é de R$ ...............,
encargos, se positivo, desde que data"; perante ao GRUPO RÉU.
CAPÍTULO
13. PARECERES
TÉCNICOS 259 260 Ril Moura

Para tanto, requer a sua juntada aos autos, para apreciação oportuna, Este assistente não tendo recebido do perito nenhuma manifestação, em ra-
observadas as formalidades de estilo . zão do que consta do anexo nº 2, em ...../ ...../ ....., vide anexo nº 3, novamen-
São Gabriel da Palha, dia, mês e ano te se dirigiu ao perito da seguinte forma: "e reportando-me ao expediente
dirigido a V.Sa.em .....!...../....., até a está data sem manifestação, reitero
o favor de esclarecer se os documentosjá enviadospelo assistente técnico
Nome e assinatura anterior do Réu atenderam ao solicitado", e com o intuito de transmitir via
contador fax o seu conteúdo, ficou sabendo pelo próprio perito que o laudo já havia
CRC .............. sido entregue no cartório desse respeitável Juízo, cabendo ainda esclarecer
que a este assistente o Sr. perito deixou de Lhefornecer sinal eletrônico para
13.4.4. Ação:Revisãode CláusulasContratuais que o fax fosse conectado .
Relativamente as respostas oferecidas através do laudo pericial, este assis-
EXCELENTÍSSIMOSENHORDOUTORJUIZ DE DIREITODA ..... tente oferece às seguintes considerações:
VARACÍVELDA COMARCADA CAPITAL
QUESITOSDO AUTOR - Fls . 171
QUESITO 1. Qual o valor, atualizado, do Contrato de Mútuo em Dinheiro
Processo nº : celebrado entre as partes em 1º de junho de 2013?
Ação: Revisão de Cláusulas Contratuais
Autor: Grupo Gustavo, Daniela e Filipe Di scordamo s da forma apressadadada na resposta a este quesito, uma vez
Réu: Grupo Paulo , Maria Fernanda e Bruno que, como se vê às fls. 215 e 216, não houve nenhuma manifestação do
perito para obtenção de forma real o valor atualizado do contrato.
PARECER TÉCNICO Conforme se vê de fls. 217 e 227, o patrono da parte ré solicitou ao perito ,
em .... ./ .... ./ ....., dilatação do prazo por mais 10 dias para o atendimento do
NOME DO PROFISSIONAL, contador, assistente técnico nos autos do
solicitado.
processo em referência indicado pela parte ré, vem, respeito samente, apre-
sentar este PARECER TÉCNICO, informando a V.Ex.a.que, discordando Assim, com a dificuldade demonstrada pelo perito a consecução da prova
da forma de algumas respostas oferecidas pelo ilustríssimo perito desse pericial em conjunto, solicitação através dos anexos nºs 2 e 3, este assis-
respeitâvel Juízo, oferece , a seguir, as suas razões, para as respostas aos tente técnico está providenciando a obtenção de informações para que a
quesitos do autor, únicos juntados aos autos. resposta não fique prejudicada.
Preliminarmente, é muito importante deixar bem explícito que embora este QUESITO 3. Qual o percentual de juros aplicado?
assistente técnico tenha efetuado contatos com o perito desse Juízo, através
de ligações telefonicas, bem como, do que consta dos anexos nºs 1, 2 e 3, De acordo com o contrato de fls. 18, os juros aplicados foram de 10,471
em momento algum houve por parte do referido perito espaço para que % ao ano.
este signatário pudesse atuar, junto ao mesmo, para a realização da prova QUESITO 4. Houve aplicação de juros sobre juros? Qual o valor total, atu-
pericial na forma de subsídios para a conclusão dos trabalhos periciais, bas- alizado em ''Real", pago pelo autor sob a forma de juros sobre juros?
tando observar que o anexo de nº 2 - correspondência datada de ...../ .... ./ .....
Discordamos da resposta . Como o perito pôde responder , quando afirma
-, vale dizer, quatro dias antes da entrega do laudo, nessa correspondência
este assistente assim de expressou: "solicito esclarecer se os documentos que não houve fornecimento de memória de cálculo?
encaminhados a V.Sa.,pelo assistente técnico anterior do Réu, atendem QUESITO 8. Qual o percentual de juros? Houve aplicação de juros sobre
ao solicitado, colocando-me à disposição de V.Sa.para, em conjunto, na juros? Qual o total dos valores, atualizados, pagos pelo autor sob a forma
época oportuna concluirmos os trabalhospericiais ". d.e juros sobre juros?
CAPÍTULO
13. PARECERES
TÉCNICOS 261 262 Ril Moura

Discordamos da resposta. Como o perito pôde responder, quando afirma Assim, com a dificuldade demonstrada pelo perito a consecução da prova
que não houve fornecimento de memória de cálculo? pericial em conjunto, solicitação através dos anexos nºs 2 e 3, este assisten-
QUESITO 15. Queira o ilustre perito efetuar o cálculo dos juros que foram te está providenciando a obtenção de informações para que a resposta não
pagos pelos autores até dezembro de 2015; fique preju dicada.

Discordamos da forma apressada dada na resposta a este quesito, uma vez Concluindo este PARECER TÉCNICO, o seu signatário coloca-se à dispo-
que, como se vê às fls. 215 e 216, não houve nenhuma manifestação do sição do Juízo e das partes para quaisquer esclarecimentos julgados neces-
perito para obter de forma real o valor atualizado do contrato. sários.
Conforme se vê de fls. 217 e 227, o patrono da parte ré solicitou ao perito, Alegre, dia, mês e ano
em ...../...../....., dilatação do prazo por mais 10 dias para o atendimento do
solicitado.
Nome do assistente técnico
Assim, com a dificuldade demonstrada pelo perito a consecução da prova Qualificação profissional do
pericial em conjunto, solicitação através dos anexos nºs 2 e 3, este assisten- assistente técnico (contador - CRC- ..........)
te está providenciando a obtenção de informações para que a resposta não
fique prejudicada.
13.4.5.Ação:Dissoluçãoe Liquidaçãode Sociedade
QUESITO 17. Queira o ilustre perito informar em caso afirmativo do item
anterior se os juros moratórios e encargos estão sendo cobrados capitaliza- EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA
dos, ou seja, incidindo uns sobre os outros; .... VARAEMPRESARIALDO ESTADO........
Também discordamos da forma apressada dada na resposta a este quesito,
uma vez que, como se vê às fls. 215 e 216, não houve nenhuma manifesta-
ção do perito para obter de forma real o valor atualizado do contrato. PARECER TÉCNICO

Conforme se vê de fls. 217 e 227, o patrono da parte ré solicitou ao perito, Juízo de Direito: 15ª VaraEmpresarial
em ...../...../....., dilatação do prazo por mais 10 dias para o atendimento do Processo oº : 0722657-61.2015.8.19.1000
solicitado. Parte autora: Manoel Antunes e Julia M. Ribeiro de Carvalho
Assim, com a dificuldade demonstrada pelo perito a consecução da prova Parte ré: Armindo Cardoso
pericial em conjunto, solicitação através dos anexos nºs 2 e 3, este assisten- DESENVOLVIMENTO
te está providenciando a obtenção de informações para que a resposta não
fique prejudicada. Consta da DECISÃO de fls. 1004/ 1006:
QUESITO 19. Para que o ilustre perito responda com exatidão os quesitos " ...Toma-se, ainda, necessário esclarecer a considerável divergência deva-
constantes dessa peça, requerem os autores que o mesmo tenha acesso à lores atribuídos ao estoque na data de liquidação da empresa, uma vez que
contabilidade do banco relativo às parcelas pagas pelos autores, bem como utilizando diferentes metodologias de cálculo, os valores apresentadas pelo
as que o réu entende serem corretas nos contratos sub judices; perito oficial (fls. 873/876 e ffs. 962) e parecerista técnico (fls. 995/997)
Ainda discordamos da forma apressada dada na resposta a este quesito, apontam para números significativamente discrepantes.
uma vez que, como se vê às fls. 215 e 216, não houve nenhuma manifesta- É cediço que após a homologação do laudo, o mesmo valerá como titulo
ção do perito para obter de forma real o valor atualizado do contrato. executivo judicial. Assim, como meio de formar a convicção deste Juízo,
Conforme se vê de fls. 217 e 227, o patrono da parte ré solicitou ao perito, diante de tantas impugnações ao laudo pericial e das atuais divergências
em ...../...../....., dilatação do prazo por mais 1O dias para o atendimento do entre a complementação do laudo e o parecer do assistente técnico, toma-se
solicitado. cogente a realização de uma nova perícia.
CAPÍTULO
13. PARECERES
TÉCNICOS 263 264 Ril Moura

Assim, apesar de ter havido nestes autos, em momento anterior_,manifes- O laudo pericial agora juntado aos presentes autos, elaborado pelo Dr......,
tação do Egrégio Tribunal sobre a desnecessidade de nova perícia, os fatos ilustríssimo perito desse respeitável Juízo, ao longo de suas 26 (vinte e
novos advindos da complementação do laudo pericial (fl s. 871/892) e de seis) folhas, considerou, apenas, alguns empréstimos efetuados pelo sócio
manifestação do perito às fls. 961/964 e, ainda dos pareceres técnicos de fls. réu (ARMINDO CARDOSO ), no valor de R$ 140.803,02, incluindo em-
913/923 e 993/1001,justificam a necessidade de nova perícia elucidativa.'' préstimos efetuados no mês de dezembro de 2003, como se observa através
"Diante do exposto, como forma de dirimir definitivamente a questão em da folha nº 17, do laudo pericial; no balanço patrimonial correspondente
análise por este Juízo empresarial, Determino a realização de nova perícia ao mês de outubro de 2003, fl. 18 do laudo pericial, os empréstimos efe-
contábil de forma que o perito se manifeste objetivamente frente aos 18 tuados pelo sócio réu totalizaram R$ 139.303,02, quando estava pendente
quesitos constantes de fls.844/848, enfrentando, também, as divergências de pagamento o valor de R$ 71.357,13, a título de Fomecedores e ICMS
apontadas no relatório supra, assim como outras existentes entre o laudo a Recolher; e o Patrimônio Liquido da Drogaria da Comunidade Ltda. era
pericial e sua complementação e o parecer do assistente técnico do autor." negativo de R$ 131.265,38.

Para a realização desta prova pericial, e em consistência com o que consta Em março de 2004, fl. nº 19, do laudo pericial, pelo Liquidante Judicial os
de fls. 1046/1047, o perito do Juízo declarou que tomou como fundamento sócios foram intimados a depositar, cada um, o valor de R$ 49.485,54, quan-
a Decisão, fls. 1004/1006, isto é: " ...Toma-se, ainda, necessário esclarecer do as dívidas/exigibilidades somavam R$ 98.971,08; cada um dos sócios
a considerável divergência de valores atribuídos ao estoque na data de li- depositou R$ 49.485,54, em 21.06.2004, Armindo Cardoso, e 23.07.2004,
quidação da empresa, uma vez que utilizando diferentes metodologias de Manoel Antunes; à fl. nº 24, do laudo pericial, o perito declara que o valor
cálculo, os valores apresentadas pelo perito oficial (tls. 873/876 e fls. 962) e que seria ressarcido ao sócio autor era de R$ 49.485,54, olvidando que para
parecerista técnico (fls. 995/997) apontam para números significativamente o sócio réu, os empréstimos efetuados até a data de 21.06.2004, somavam
discrepantes." e R$ 190.288,56;
Da mesma forma, a perícia tomou como bom o Quadro de fl. 874, relativo Referido laudo pericial (fl . 17), comprova que a contabilidade da Drogaria
a Compras, ICM Creditado e ICM Rec-0lhidopor Substitujção Tributária, da Comunidade Ltda. apresenta, com fidedignidade, todas as operações re-
bem como corretas as conclusões de fls. 886/888 e 961/964. alizadas.
O Laudo Complementar, fls. 871/888, foi elaborado cumprindo o respeitá- A resposta oferecida ao quesito nº 17, fl. nº 25, do laudo pericial, não apre-
vel despacho de fl. 754, bem como o VenerávelAcórdão de fls. 725/726, senta verossimilhança com os documentos juntados aos autos, vez que no
que determinou a complementaçãodo laudo, de forma que se possa decidir balanço de outubro de 2003, além dos outros, não constam diferenças e im-
sobre a má administração do agravado. propriedades incorridas nas contas patrimoniais, como quer a parte autora.
Como se observa através do referido Laudo Complementar, bem como Discordamos da resposta oferecida ao quesito18, fl. nº 25, do laudo peri-
dos esclarecimentos prestados, os 18 (dez-0ito)quesitos formulados pelo cial, bastando observar o balanço de 31.10.2003 (fl. 18 do laudo pericial)
agravante, fls. 798/807, foram respondidos, como se vê às fls. 877/888 e que espelha de forma cristalina: "Empréstimo do Sócio Armindo Cardo-
961/964, em consistência com os documentos disponibilizados ao perito. so de R$ 139.303,02 "
Ademais, os empréstimos efetuados pelo sócio Armindo Cardoso encon- CONCLUSÃO
tram-se registrados nos livros Diário da Drogaria da Comunidade Lula.,
vale dizer, livro obrigatório pela legislação comercial, que registra as ope- A Drogaria da Comunidade Ltda. funcionava em imóvel pertencente aos
rações da empresa, cuja escrituração obedece as Normas Brasileiras de dois sócios; não pagava aluguel desde o mês de setembro de 2000; acumu-
Contabilidade, e como se observa à fl. 519, referidos empréstimos "...ser- lou prejuízos ao longo dos anos de 1998 a 2003; e teve a sua dissolução
viram para reforçar o capital de giro da sociedade e constam da res- societária decretada em 29 de outubro de 2003.
pectiva declaração de imposto de renda da pessoa física".
Para fins de apuração do Balanço Patrimonial de Dissolução da Sociedade,
foram efetuados vários ajustes contábeis, fl. 882 e 963/964.
CAPÍTULO
13. PARECERES
TÉCNICOS 265

Ressalte-se que, com base no Balanço de Liquidação, em 06 de novembro


de 2003 a Drogaria da Comunidade Lula. apresentou Patrimônio Líquido
Negativo totalizando R$ 237 .823,17, fls. 963/964 .
De acordo com o Balanço Patrimonial em 12 de fevereiro de 2004, o
Patrimônio Líquido Negativo apurado em 06 de novembro de 2003, no
valor sobredito de R$ 237.823,17, ficou representado por R$ 253.061,84.
fls. 887 e 963/964.
Como se obsetva do referido Balanço Patrimonial, para satisfazer exigibi-
lidades no valor de R$ 118.474,38, a Drogaria da Comunidade Ltda. pos-
suia disponibilidades no valor de R$ 118.186,64. acusando diferença de R$
287,74, cuja diferença , adicionada aos empréstimos realizados pelos sóc ios
Armindo Cardoso e Manoel Antunes, nos montantes de R$ 203.288,56 e
R$ 49.485 ,54, respectivamente, totalizam R$ 253.061,84, repre sentando
Patrimônio Líquido Negativo da Drogaria da Comunidade Ltda., em 12 de
fevereiro de 2004 .
Os empréstimos no valor de R$ 203.288,56 (:fl. 963), efetuados pelo sócio
Armindo Cardoso, foram para reforçar o capital de giro da Drogaria da Co-
munidade Ltda ., tendo ele o direito ao respectivo reembolso /ressarcimento
acrescido de correção monetária e de juros legais.

ENCERRAMENTO
Concluindo este PARECERTÉCNICO, a fim de que produza os devidos
efeitos legais, o seu signatário coloca-se à disposição do Juízo e das partes
para quaisquer esclarecimentos reputados necessários.
São Paulo, 01 de outubro de 2016

Assinatura e nome
ASSISTENTETÉCNlCO DA PARTERÉ
CORECON 1• Região 2545
CRC-RJ -9 .786/0-6
268 Ril Moura

A seguir são apresentados três exemplos de pedidos de esclarecimento e


14. PEDIDOS DE ESCLARECIMENTOS também três esclarecimentos prestados por peritos, todos reais, sem contudo
expressar formalmente elementos que possam identificar as partes, o perito, o
advogado, o local, bem como o nº processo e o Juízo.

14.1. CONSIDERAÇÕES
GERAIS 14.2. EXEMPLOSDE PEDIDOSDE ESCLARECIMENTOS

As partes têm o direito de empregar todos os meios legais, bem como 1° Exe mplo de pedido de esclarecim ento
os moralmente legítimos, ainda que não especificados no Código de Processo
Civil, para provar a verdade dos fatos em que se funda o pedido ou a defesa de Exmo . Sr. Dr. Juiz de Direito da .......... Vara Cível do ...................... ..... .
influireficazmente na convicção do juiz.
Caberá ao juiz, de oficio ou a requerimento da parte, determinar as pro- Processo n º ....................
vas necessárias ao julgamento do mérito. Parte autora: Alfredo Vieira de Carvalho e Álvaro Vieira
É assegurada às partes paridades de tratamento em relação ao exercí- Parte ré: Grupo Luiz , Maria Regina, Teresa, Gladys e Patrícia
cio de direitos e faculdades processuais, aos meios de defesa, aos ônus, aos
ALFREDO VIEIRA DE CARVALHO e ÁL V ARO VIEIRA , por seus
deveres e à aplicação de sanções processuais, c-0mpetindoao juiz zelar pelo
advogados, nos autos da ação..............que movem contra Grupo Luiz, Ma-
efetivo contraditório.
ria Regina, Teresa, Gladys e Patrícia, em curso perante esse MM . Juízo,
O perito protocolará o laudo em Juízo, no prazo fixado pelo juiz, pelo vêm, respeitosamente à presença de V.Exa.,em cumprimento ao respeitável
menos 20 (vinte) dias antes da audiência de instrução e julgamento; as partes despacho de fls ........, expor e requerer o que segue:
serão intimadas para, querendo, manifestar-se sobre o laudo do perito no pra-
zo comum de 15(quinze) dias, p-0dendoo assistente técnico de cada uma das 1. Em sua manifestaçãode fls.... a ..., em oomplementaçãoao laudo pericial
de contabilidade,o Dr~perito judicial não indica qual a cotação do (nome
partes, em igual prazo, apresentar seu respectivo parecer.
da moeda estrangeira) teria utiJi'.l8dopara converter os valores expressos
No prazo de 15 (quinze) dias, o perito do Juízo tem o dever de esclarecer em (nome da moeda nacional) e em (nome de outra moeda estrangei-
ponto: sobre o qual exista divergência ou dúvida de qualquer das partes, do ra) para a moeda (nome de outra moeda estrangeira), nem a respectiva
juiz ou do órgão do Ministério Público; divergente apresentado no parecer do data de conversão, não esclarecendo ainda se os expurgos infiacionãrios
assistente técnico da parte. de ........ e ........de .........(Plano..........) e de.......de......... (Plano.........) foram
Havendo necessidade ainda de esclarecimentos, a parte requererá ao juiz incluídosno cálculo de atualizaçãomonetáriado valor das perdas e danos.
que mande intimar o perito ou o assistente técnico a comparecer à audiência 2. Ocorre que, sem tais informações,não é possível à autora avaliar a corre-
de instrução e julgamento, formulando, desde logo, as perguntas, sob a forma ção do cálculo elaborado pelo Dr. perito judicial, razão pela qual requer-
de quesitos; o perito ou o assistente técnico será intimado por meio eletrônico, -se, respeitosamente, a V.Exa. que se digne de determinar a intimação
com pelo menos 1O(dez) dias de antecedência da audiência. do ilustre "expert'', para que preste os esclarecimentos ora solicitados,
protestando desde já por nova vista do processo e ulterior manifestação,
Independentemente dos esclarecimentos prestados em audiência, cons- tão logo se pronuncie o Dr. perito.
tata-se, na prática, algumas vezes, por ocasião da manifestação sobre o laudo
pericial concluído e entregue em cartório (geralmente o despacho do juiz é: 1. Termos em que,
Junte-se. 2. Expeça-se mandadodepagamentoafavor do perito. 3. Aspartes P. deferimento.
sobre o laudo), que uma das partes, ou ambas requer esclarecimento do perito
sobre respostas e/ou valores inseridos em laudo pericial, ou impugna o laudo Linhares, dia, mês e ano
pericial, o que veremos no Capítulo seguinte, sob o título "IMPUGNAÇÕES". Bruno Ribeiro de Carvalho
OABI ..
267
CAPÍTULO
14. PEDIDOS
DEESCLARECIMENTOS 269 270 Ril Moura

2º Exemplo de pedido de esclarecimento


1. O laudo pericial não está correto. Há respostas conforme a seguir serão
mostradas, em que o Dr. perito abandona completamente as determina-
Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da ..... Vara Cível - Comarca da Capital ções da legislação existente, para adotar critérios pessoais. Também em
vários quesitos admite as construções hipotéticas criadas pela ré e a ela
Processo nº ........... dá respostas igualmente hipotéticas e destituídas de verdade.

ANTÔNIOMOURA, nos autos da AÇÃO .......... proposta contra a 2. O Dr. perito é um profissional graduado em nível superior registrado em
órgão de classe que o habilita a desenvolver trabalhos sob a responsa-
empresa IMAGINÁRIA, em fase de Liquidação, cumprindo Respeitável
bilidade definida. É um "expert" com conhecimento de .........., .......... e
Despacho de V.Exa., vem falar obre o Laudo do Dr. perito, como segue: atua como .........., sabendo-se que é contador.
1. Inicialmente, quer a suplicante dizer que concorda com o trabalho do 3. O Código de Processo Civil toma legal a assistência do perito ao Juiz,
Louvado do Juízo e com os valores apresentados. Contudo, como in- quando a prova de fato depender de conhecimento técnico ou científico;
forma o citado profissional, a empresa Apoio, que, autorizada pelo réu, mas também no mesmo Código há exigência de que esse perito cumpra
produziu e vendeu o material objeto da querela, esclareceu ao Dr. perito, "escrupulosamente" o encargo que lhe foi cometido.
como consta dos autos, que, terceirizavaa fabricação de tais bens;
4. Data Vênia, não podem os autores silenciar quando observam que houve
2. Assim, para complementar sua tarefa, necessário seria que o Dr. perito falta de profissionalismo do expert do MM Juízo quando violou este,
acessasse a contabilidade das instituições sublicenciadas pela parte ré. propositadamente, em suas deduções, para alterar radicalmente conclu-
sões do laudo original ao atender o pedido de esclarecimento da parte:
3. Destarte, com o objetivo de viabilizar o encerramento das tarefas do ci-
tado técnico, é a presente para requerer a V.Exa. a manifestação escrita a) A atuária e a matemática são ciências calcadas em dogmas bastantes
do Dr. perito, em cinco dias, para que o mesmo esclareça os meios de rígidos, exatamente para que todos os seus profissionais, com base na
que necessita para concluir a pericia em tela. mesma massa de dados, possam chegar a um mesmo resultado ou a re-
sultados relacionáveis.
Termos em que b) O cálculo atuarial, é o único cálculo que altera a reserva matemática, só
P. deferimento pode ser feito por atuário. O expert não é atuário, mas alterou a reser-
va a seu prazer e interesse. Para tanto, supôs mantidas as premissas do
Cariacica, dia, mês e ano .........., cometendo duplo contrassenso pois, a .......... não se remete ao
passado e sim do futuro para o presente. Se mantidas as mesmas premis-
sas .......... do cálculo antigo, o valor da reserva não pode variar.
Nome e assinatura do advogado
OABI ... c) Na parte contábil o desastre foi maior, porque se trata da sua própria
formação profissional.
3° Exemplo de pedido de esclarecimento d) Desconsiderouque a contabilidadesó admite o registro, o tratamento,e a
interpretaçãode atos e fatos efetivamente,ocorridos. Esta ciência não ad-
mite hipóteses,pois do contrário,os demonstrativoscontábeis,só demons-
EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA .......... VARA CÍVEL DA trariam a vontade do contador,nunca a realidadedos atos e fatos ocorridos.
COMARCA .............. _.................. .
e) Desconsiderou o principio das partidas dobradas, que é o fundamento
Processo nº .................
básico da ciência contábil. Ao admitir, por hipótese, que aumentos da
DULCE DA COSTA E SILVA e OLÍVIA MOURA, nos autos da reserva levaria a redução de resultado, agiu como se sua formação não
Ação............... que movem em face da Companhia Esperança, vêm por seus tivesse qualquer compromisso com a verdade. Em ocorrendo tal hipó-
advogados infra-assinados, atendendo ao D. despacho de V.Exa. de fls......, tese, as contas de contrapartida dessa rubrica também aumentariam o
dizer para ao final requererem o seguinte: que, obrigatoriamente, levaria a um resultado de exerc.iciodiferente, não
permitindo qualquer conclusão quanto as sobras
CAPÍTULO
14. PEDIDOS
DEESCLARECIMENTOS 271 272 Ril Moura

f) Hipóteses , em hlpóteses, não levam a nada que possa ser válido à qual- dados contábeis que em princípio foram utilizados pelo i. perito para ba-
quer decisão empresarial. sear suas afirmativas, pois tal documento , denota indícios graves de falsi-
g) Desrespeitou seu próprio grau de conhecimento , quando apresentou dade, uma vez que , as informações deveriam constar de papel timbrado de
operações aritméticas , em sequência ano a ano . Assim como não pode - (NOME DA EMPRESA DE AUDITORIA) da mesma forma que o docu-
ria ser diferente, concluiu pela redução sistemática das reservas a serem mento de fls. .....
distn1mídas.
Outra observação de extremo valor , é que o Dr . perito, foi louvado em ação
h) Agiu como se a reserva fosse o caixa da entidade e desconheceu que a
da mesma natureza, processo nº .............. ..., da ........ Vara Cível da Co-
operação inicial das suas hjpóteses ( a que supôs o primeiro pagamento
das sobras) seria, logicamente , em caso de não ter sido prevista pelo marca do ................. , tendo apresentado em ... ./ ..../ ...., laudo pericial onde
contador, amortizada por contra partida da reserva de lucro não tendo responde de maneira diversa a vários dos quesitos similares apresentados
nada a ver com a reserva de contingência. neste laudo (Doe . Anexo nº .....).
5. Os quesitos suplementares da primeira série (fls.. ../... de números Exemplo nº O1: Em resposta ao quesito nº ..... apresentado na ......
.... e ....) são baseados em avaliações do (NOME DE FIRMA DE
Vara Civel, o Dr. perito encontrou reserva de .......... e reserva .......... , bas-
ASSESSORAMENTO) da ré, contratada para esse fim. Data vênia,
como pode o Dr. perito trazer para o seu laudo conclusões baseadas nos tantes diferentes para os anos de .... e .... , dos que agora afirma respondendo
estudos de entidade comprometida com os resultados da parte contrária ao que sito ...., às fls . .... do laudo (fls . ...... dos autos ).
aos autores, evidentemente são sem significado processual.
Exemplo nº 02: Em resposta ao quesito nº ......... , o Dr. perito apre-
O i. expert reportou-se a documento de fls ... ... e anexo ....., que se trata sentou referência fiel a toda documentação que envolve a problemática do
de posição do primeiro perito Dr........ e do relatório de auditoria contá- ........, respondendo ao laudo atual , no quesito nº ........ , fls ... ... do seu laudo
bil de (NOME DA EMPRESA DE AUDITORIA). Acontece que oi. ex- (fls.... ... dos autos), foi bastante sucinto e até mesmo omisso, apresentando
pert do Juízo não apresentou o completo relatório às fls . ... ./ ...., faltando
somente dois documentos , diferentes daqueles anteriores que nada esclare-
parte fundamental desse documento .
cem quanto ao quesitado . Por estas razões , os autores , juntam os documen-
6. "3° Quesito : se for afirmativa a resposta ao quesito nº 2, informar se nos tos que realmente respondem ao quesitado (Doe . Anexo nº .../ ....).
exercíc ios de ....... , ...... , .......... e ........., houve sobra e se esta foi dest i-
nada a estabilizar o déficit ?" Exemplo nº 03: Na resposta ao quesito nº .... , daquele laudo (Doe .
Anexo nº ...), admite que os .......... e .......... serão debitados, pela transfe-
A resposta do i. perito repetiu a resposta do perito anterior Dr ......... às fls.
rência por cobertura ou revertidos, o que quer dizer adicionado ao resulta-
.... que não respeitou o estabelecimento no Art ....... da Lei ...... ./ ........, no
do, incrementando as sobras
que diz respeito as sobras. Também baseou -se o i. perito em documento
que anexou às fls. .. ..... Exemplo nº 04: Na re sposta ao quesito nº .... , também daquele laudo,
Tal documento trata -se do relatório de Auditoria elaborado por (NOME o expert consolida a dissociação do resultado, das sobras.
DA EMPRESA DE AUDITORIA) do qual o i. perito não apresentou o Exemplo nº 05: Na resposta do quesito suplementar nº .... do laudo
seu completo teor, deixando de anexar a Demonstração de Resultados da ...... V.C., o L expert nega o que aqui afirma , nos quesitos nºs ... , ... e ....
e as Notas Explicativas, o que mostra que se valeu de documentação
inconclusiva para emitir opinião . Exemplo nº 06 : Finalmente na resposta ao quesito nº .... suplementar
da .... V.C., (Doe. Anexo nº ......), o expert, apresenta os percentuais de 12%,
Chama a atenção dos autores nesse Re latório de Auditoria Contábil de 11%. 9% e 15% COMPLETAMENTE DISTINTOS, dos que aqui apresen-
(NOME DA EMPRESA DE AUDITORIA) , que às fJs. ..... consta em pape l
ta ao quesito de nº .... , página ..... do seu laudo e ..... dos autos .
timbrado do (NO:ME DE FIRMA DE ASSESSORAMENTO) , contendo
Muito mais foi dito . Para não ficar cansativo, pararemos por aqui.
CAPÍTULO
14. PEDIDOS
DEESCLARECIMENTOS 273 274 Ril Moura

14.3. EXEMPLODE INTIMAÇÃOVIA POSTAL


CONCLUSÃO
Os esclarecimentos pedidos nestas duas baterias de quesitos complementa-
res, data vênia, é uma tentativa de modificar os rumos da própria contesta-
ção da ré que não focalizou como tema de defesa alguns dos assuntos agora ESTADO00 RIO OEJANEIRO
ventilados . Entre eles está a" ........'' que criada recentemente pela ré tem por PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNALOE JUSTIÇA
objetivo diminuir os índices encontrados para as sobras anuais na fase de
liquidação de sentença. É portanto um pré questionamento para uso futuro,
porquanto nesta fase da lide o que se procura fixar é um índice da reserva
anual. Traz aos autos a discussão do desconto de ....... que o Regulamento
da entidade fixa sobre o valor mensal da suplementação paga e traz ainda o Comarca da Capital
desconto do Imposto de Renda na Fonte . Cartório da ........ Vara Cível
Erasmo Braga, 115 sala ....... .
Data vênia em princípio tais assuntos têm de ser vedados a serem aceitos
CEP: 20020-000 - Castelo - Rio de Janeiro - RJ
nos autos, para discussão em face dos artigos do CPC, pertinentes ao caso.
Tel.: 2S88-322S e-mail: cap .... vciv@tj.rj.gov.br
Independentemente portanto das razões que apresentam os autores, com
relação a atuação tecnicamente incorreta do Dr. perito louvado do MM . Ju- INTIMAÇÃO POSTAL
ízo e dos contra argumentos que apresentam as respostas do mesmo expert
requerem a V.Exa. sejam expurgados dos autos os quesitos da ré (nºs 4, 5), Processo Nº: 2006.111.111222-1 Distribuído em: 15/07/2011
o Imposto de Renda (nºs 8 e 1O dos quesitos sup lementare s), desconto de
8% (quesito 9 dos quesitos suplementares). Ação : Monitória
Autor: Vários Condôminos
Réu : Condomínio só Esperança

Nestes Termos, Destinatário : RIL MOURA


P. Deferimento. Endereço: RUA BUENOS AIRES, 2 / 1201 - RIO DE JANEIRO - CEP:
20.070-020
Finalidade: Intimar o Dr. perito Ril Moura a manifestar-se a respeito dos
Vila Velha, dia, mês e ano esclarecimentos de fls. 30 1/303 dos autos.
Nome e assinatura do advogado
OAB/ .. nº Despacho: 1. Deixo de apreciar o requerimento, eis que o autor mani-
festou-se à Os. 301/303; 2. Intime-se, o perito, desta vez, por via postal, à
manifestar-sesobre Os.301/303. (D13)
Independentemente do acompanhamento , consulta processual , andamen- Eu,_______ Dário Neto - Técnico de Atividade Judiciária -
to, dos processos que o perito obtém através do site do Tribunal de Justiça , Matr. xly2z3, digitei a presente. E eu,._______ Nefertiti do Nilo
normalmente, o cartório intima, via telefônica, e-mail, o perito para se mani- - Subst. do Escrivão - Matr. 0xl y2z, certifiquei nos autos a sua expedição e a
festar nos autos , às vezes os próprios advogados das partes também comuni- subscrevo. Rio de Janeiro, 20 de dezembro de 2015
cam ao perito do despacho dos juízes.
Em outras oportunidades , o cartório faz intimação do perito via postal , Nefertiti do Nilo - Subst. do Escrivão - Matr. Oxly2z
como exemplo, a seguir. Assino por ordem do MM . Juiz de Direito
CAPÍTULO
14. PEDIDOS
DEESCLARECIMENTOS 275 276 Ril Moura

14.4. EXEMPLOSDE ESCLARECIMENTOS


PRESTADOSPOR PERITOS
É necessário lembrar que às fls . 1Oa autora declara: "A documentação
adunada pelo réu em nada modifica o bom direito do autor, nem supre a im-
Exemplo nº 1 de esclarecimentos prestados pelo perito
perio sa necessidade de exame pericial das contas diante das irregularidades
apontadas às fls. e comprovadas com as cópias ali anexadas."
EXCELENTÍSSIMOSENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA
.......VARA CÍVEL DA COMARCA DA CAPITAL Como se vê de fls. 500/504, as partes apresentam os quesitos formu -
lados. Com base nos documentos acostadas aos autos, bem como nos que
instruem o laudo pericial , os quesitos fonnulados pelas partes foram todo s
Processo nº 2014 .111.111222- 1 respondidos pela perícia .
Ação: Monitória
Importante é esclarecer - o autor expressa formalmente" .... o que se
Parte autora: Vários Condôminos
deseja , em linguagem leiga e acessível a qualquer um, é que o perito audite
Parte ré : Condomínio só Esperança
as contas ....... " (item ..... de fls.. ....) - que AUDITORIA é um sistema de
atividades especializadas que tem por objetivo a verificação de elementos
NO.ME DO PROFISSIONAL, perito nomeado nos autos do processo contábeis e determinar a fidedignidade e a exatidão das demonstrações fi-
acima, em cumprimento ao despacho de fls .... ..., vem informar, como segue: nanceiras ou contábeis da entidade elaboradas sob a responsabilidade de
sua administração.
a) Preliminarmente, engana-se muito o patrono da parte autora quando
afirma que o perito tem força contida no art 140, do Código de Processo O objetivo básico dos trabalhos de auditoria é verificar se as demons-
Civil, e está investido das funções inerentes ao do Dr. Juiz, conforme está trações financeiras ou contábeis representam adequadamente, em todos os
expressamente no texto legal. aspectos relevantes , a posição patrimonial e financeira da entidade auditada
em determinada data, as origens e aplicações de seus recursos referentes ao
b) O teor do anexo nº 11, do laudo pericial (fis. 600/650) demons-
período ou exercício social findo naquela data, de acordo com os princípios
tra o contrário do alegado através do item 14 de fls . ... ./ .....
fundamentais da contabilidade.
c) Os anexos nºs 12/ 13 do laudo pericial (fls. 600/650) respondem Vê-se nos autos, através de fls ..... ....., que a parte autora trata de
aos itens 7 e 8 de fls. 660. PERÍCIA. Entrementes, às fls . ...... , a parte autora, creio, equivocadamente,
d) Com base nos documentos juntados aos autos, inclusive nos diz: "De parte do requerente, o que se deseja , em linguagem leiga e aces-
que instruem o laudo pericial, os quesitos formulados pelas partes s.ível a qualquer um, é que o perito audite as contas do réu, pois que outra
foram respondidos pela perícia . coisa não significam os documento s apresentados pela parte do que a ver-
são mais m.inudente do que ora se quer mais uma vez explicitar ."
e) A perícia analisou as contas apresentadas pela parte ré corres-
A partir do item 1 1 até o 15 (tls. 660/669), a parte autora passa a se ma-
pondentes aos meses de janeiro a dezembro (fls.38/180), em con-
nifestar no sentido de que o perito apresente as contas em forma mercantil.
fronto com os documentos de nºs 201/364.
Por outras palavras, a parte autora pretende, agora , modificar o múnus do
f) No item 9 de fls. 660, a parte autora expressa formalmente: ''De perito, tendo em vista os quesitos formulados pelas partes e já respondidos
parte do requerente, o que se deseja, em linguagem leiga e acessível (fls. 600/650).
a qualquer um, é que o perito audite as contas do réu no período g) Como se vê ao longo do petitório de fls. 660/669, a autora está com-
em que síndico do Edificio Bons Amigos, pois que outra coisa não pletamente indecisa com relação ao tipo de trabalho que deseja ver reali-
significam os documentos apresentados pela parte do que a versão zado, vale dizer, PERÍCIA , AUDITORIA ou PRESTAÇÃO DE CONTAS
mais minudente do que se quer mais uma vez explicitar." DE FORMA MERCANTIL . Sendo a escolha pela pericia, a mesma já se
encontra realizada; se a escolha for agora pela Auditoria, este profissional
CAPÍTULO
14. PEDIDOS
DEESCLARECIMENTOS 278 Ril Moura

está habilitado, possuindo escritório especializado para a sua realiza- documento, e nem este signatário havia se comprometido com o peticioná-
ção; se a escolha , também agora, for pela Prestação de Contas em Forma rio, como quer o patrono da parte embargante. Informou, ainda, este profis -
Mercantil , há que se atentar para o fato de que, tecnicamente , quem elabora sional , que os documentos , também acostados aos autos em .... ./...../....., fls.
e apresenta a Prestação de Contas não pode auditá-la, consoante normas e 240/243 , não altera vam as respostas constantes do laudo pericial.
procedimento de auditoria. Fls. 364
Finalizando , este perito coloca-se à disposição do Juízo e das Este perito em momento algum se comprometeu com os embargantes para
partes para quaisquer outros esclarecimento s reputado s neces sários, man- prestar esclarecimentos , como quer o peticionário , uma vez que , como afir-
tém na íntegra o seu laudo pericial (fls. 600/650) , e requer a juntada desta mado por este signatário às fls. 255/256, os documentos de fls. 259/352 não
peça aos autos. oferecem elementos que alarguem o conhecimento que possam alterar as
respostas constantes do laudo pericial (fls. 205/216) .
Nestes Termos
Fls. 367 /368
Pede Deferimento
Relativamente aos que sitos nºs 2, 5, 8, 9, 10, 16, 17 e 18, e como se observa
Parnaíba, dia , mês e ano do laudo pericial (fls. 205/216), bem como de fls. 255/352, os documentos
exibidos , entregues à perícia, e acostados aos autos pela parte embargante,
Nome, assinatura e qualificação do perito
não fornecem elementos esclarecedores para que possam ser alteradas as
respostas constante do laudo pericial.
Exemplo nº 2 de esclarecimentosprestados pelo perito Sobre os quesitos suplementares de letras A, B, C e D, atentando para o
que consta de fls. 255/256 , e conforme documentos de :fls. 219., 220 e 221,
EXCELENTÍSSIMOSENHORDOUTORJUIZ DE DIREITO DA a pericia solicitou entrega de todos os documento s e/ou informações que
...... VARA CÍVEL DA COMARCA DA CAPITAL pudessem ser útei s para o oferecimento de resposta aos quesitos formu-
lados pelas partes , não tendo documento algum sido entregue pela parte
embargante, como se vê de fls. 222 , documento dirigido ao patrono da parte
Processo nº 2012.001 .100111-0
embargante. O documento acostado aos auto s pela parte embargante (fls.
Ação : Embargos de Devedor
240/243) foi capeado pelo petitório de fls. 235/239.
Parte autora: ENGENHARIA SEGURA LTDA
Parte ré: BANCO DA PRAÇA LINDAS.A. Isto posto , para o quesitado pelas letras A, B, C e D, e sem entrega de outros
documentos , além dos juntados aos autos - lembrando que na petição de
RIL MO~ economista e contador, perito nomeado nos autos do pro- fls. 367 /369 consta que outros documentos "serão oportunamente apre sen-
cesso em epígrafe, em cumprimento ao r. despacho de fls. 367, relativa- tados " e que a "contabilidade da embargada " será apresentada em Juízo-,
mente aos petitórios de fls. 356/357, 364 e 367/368, vem, respeitosamente, este perito mantém , na íntegra , todas as resposta s do laudo pericial.
informar a Vossa Excelência, como segue: Finalizando, este signatário agradece a oportunidade, realçando a
Fls. 356/357 sua disponibilidade a esse respeitável Juízo .
O laudo pericial foi concluído e entregue em ...../...../ ..... {fls. 205/216), não
tendo a parte embargante entregue sequer um documento à perícia, como Nestes Termos
se constata de fls. 217,219 , 220, 221 e 222 . Pede Deferimento

Após a entrega do laudo pericial , o patrono da parte embargante acostou Fortaleza , dia, mês e ano
aos autos em ...../.... ./..... a petição de fls . 235/239, sobre a qual este profis-
sional informou às fls. 249 que não se encontrava em suas mãos nenhum RILMOURA
Perito do Juízo
CAPÍTULO
14. PEDIDOS
DEESCLARECIMENTOS 279 280 Ril Moura

Exemplo nº 3 de esclarecimentos prestados pelo perito


6. As respostas aos quesitos nº s 5, 6, 7, 8 e 9, como se encontram formula-
dos, não poderiam ser diferentes (fls. 715/717).
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA
..... VARACÍVEL DA COMARCADA CAPITAL 7. Relativamente aos quesitos suplementares (fls. 567/572), o de nº 2 ex-
pressa formalmente: "Queira o Sr. perito transcreveros parágrafos l º e 2°
Processo nº 2009.121.213312-8 do artigo 56 do estatuto social da FUNDAÇÃO, reproduzido nos parágra-
Ação: Indenizatória fos 1° e 2° do artigo 98 de seu regulamento que trata dos reajustes pedidos
Parte autora: Massa Patrimonial pelos autores." (Grifos nossos). Como se vê do laudo pericial (fls. 718), o
Parte ré: Fundação de Segurança Social perito atendeu, na íntegra, o solicitado.
NOME DO PROFISSIONAL, perito nomeado nestes autos, cumprindo 8. Na quesitação nº 6 Oaudo pericial - fls. 720), vê-se explicitamente:
despacho de fls. 1.054, vem, respeitosamente, informar a Vossa Excelência, "Queira o Dr. perito informar se para a apuração do reajuste decorrente
como segue: de sobras deve-se calcular o percentual que as reservas para futuro rea-
1. Inicialmente,é importante esclarecer que, como se vê ao longo do laudo ju ste representam sobre as reservas matemáticas. Em caso positivo quais
pericial (fls.713/734),as respostas oferecidassão concisas,claras, e objetivas, seriam os percentuais em cada ano ." Como é lógico, truísmo é dizer que a
respondendoao quesitado fonnulado pela parte ré, em sua forma explicita. resposta oferecida foi para o quesitado.
2. Todos os documentos (fls. 739/982) que instruem o laudo pericial de fls. 9. Para os quesitos nº s 5, 13, 14, 16, 17 e 20, como quesitados, as respostas
713/734 foram entregues à pericia pela parte ré. não podem ser alteradas.
3. Observa-se que muitos dos comentários constantes do petitório de fls. Especificamente ao quesito 16, vale dizer, a mesma quesitação de fls. 426
1054/ 1072diferem dos de fls. 1034/ 1051,ambos os petitórios da parte autora. - item 3.6 (laudo pericial anterior), os percentuais de fls. 724, objeto da
resposta deste signatário, são os mesmos de fls. 517, para os quais - laudo
4. A exemplo dos demais quesitos, também para os de nºs 1, 2 e 3 (fls. pericial anterior-, a parte autora às :fls. 679 expressa formalmente: '' ...os
714/715), o perito ofereceu as respostas atentando para o que foi quesitado. autoresconsideram-se satisfeitos com a perícia anterior ."
Conveniente é observar que às fls. 1035 (pela parte autora) há concordância
com as respostas oferecidas por este signatário. 10. Sobre os quesitos nº s 42 e 43, fato é, quesitos formulados pela parte ré
e com desistência pela mesma - fls. 737 - (petitório original não juntado aos
O documento citado por este signatário como de fls. 425 instruiu o laudo
pericial anterior (fls. 414/427), para o qual a parte autora às fls. 679 ex- autos - na época os autos se encontravam com este perito), só o cartório
pressa formalmente: " ...os autoresconsideram-se satisfeitos com a pericia pode informar sobre o mesmo.
anterior ." 11. Nesta oportunidade junta cópia da Demonstração do Resultado do
5. Cabe infonnar que o teor dos quesitos nº s 1, 4, 9, 14 e 2 e 5 suplemen- Exercício social findo em 31.12.91 (anexos nºs 4 e 5), e cópia das Notas
tares (processo nº 12.993 - da 6ª Vara Cível) é totalmente diferente dos Explicativas (anexo nº 6, contendo 6 folhas).
quesitos de fls. 521/522 e 567/572. 12. Isto posto, respeitosamente, mantém todas as respostas oferecidas,
É necessário observar que as sobras mencionadas na resposta oferecida ao constantes do laudo pericial de fls. 713/734.
quesito nº 1 (processo nº 12.993 - 6° Vara Cível) - fls. 1073 destes autos
- são as mesmas que constam do documentojuntado pela parte autora - nu- Termos em que
merado por Doe. Anexo nº 2 (:fls.1086 e 1087), e o Doe. Anexo nº 03 (fls. Pede Deferimento
1088/1090). Brasília, dia, mês e ano
O quesito nº 4 (fls. 522) expressa formalmente: "Com base em que va-
lores são calcuJadasas Reservas Matemáticas, de Benefícios Concedi- Nome e assinatura
dos?", e não o que consta de fls. 1058, como explicitado pela parte autora. Perito do Juízo
282 Ril Moura

O juiz determinará, de oficio ou a requerimento do ofendido, que as ex-


15. 1M P U G NA Ç Õ E S pressões ofensivas, sejam riscadas e, a requerimento do ofendido, determina-
rá a expedição de certidão com inteiro teor das expressões ofensivas e a co-
locará à disposição da parte interessada, e quando essas expressões ofensivas
forem manifestadas oral e presencialmente, o juiz advertirá o ofensor de que
não as deve usar ou repetir, sob pena de lhe ser cassada a palavra.
Os pedidos de esclarecimentos contendo impugnações pelas partes têm
15.1. CONSIDERAÇÕES
GERAIS
variado muito, desde o de simples esclarecimento, por quaisquer dúvidas pe-
Quando a prova do fato depender de conhecimento técnico ou científico, las partes de forma real, como também para dificultar, atrapalhar e prejudicar
o juiz será assistido por perito - uma vez que o perito é auxiliar da Justiça o andamento normal do processo.
- que o nomeará, fixando de imediato o prazo para entrega do laudo, e o pe- A seguir são apresentados 3 (três) exemplos de impugnações, manifes-
rito cumprirá escrupulosamente o encargo que lhe foi cometido, utilizando-se, tações de peritos, manifestações das partes, e também de determinação do
para o desempenho de sua função, de todos os meios necessários, ouvindo juiz sobre o emprego de expressões depreciativas, expressões ofensivas, des-
testemunhas, obtendo informações, solicitando documentos que estejam em corteses e agressivas constatadas em processos, sendo importante observar a
poder da parte, de terceiros ou em repartições públicas, bem como instruir o diferença de tratamento dos patronos das partes sobre o trabalho pericial.
laudo com planilhas, mapas, plantas, desenhos, fotografias ou outros elemen-
tos necessários ao esclarecimento do objeto da pericia.
Apresentado o laudo pericial em cartório, o juiz determina.que as partes
se pronunciem sobre o mesmo, quando pode ocorrer pedido de esclarecimen- 15.2. EXEMPLOSDE IMPUGNAÇÕES
to pelas partes, ou impugnação do laudo pericial, como vimos no Capítulo 1s.2.1 . 1º Exemplode impugnação
precedente.
O juiz não está adstrito, circunscrito, ao laudo pericial, podendo formar a Laudo pericial concluído e entregue em cartório, o juiz despacha às partes
sua convicção com outros elementos ou fatos provados nos autos. para que se manifestem sobre o mesmo.
É de se ressaltar que, mesmo que o juiz não esteja adstrito, circunscrito, MANIFESTAÇÃODA PARTERÉ
ao laudo pericial, não há dúvida que um laudo elaborado sem vício intrínseco
ou extrínseco é elemento fundamental, essencial, necessário, para formar o
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA
convencimento do Juízo.
.... VARACÍVEL
Quando a matérianão lhe parecer suficientementeesclarecida,o juiz pode-
rá determinar, de oficio ou a requerimentoda parte, a realizaçãode nova pericia.
Processo nº
Embora seja defeso, proibido, às partes, a seus procuradores, aos juí-
zes, aos membros do Ministério Público e da Defensoria Pública e a qualquer NOME DA PARTE RÉ, nos autos do processo epigrafado,
pessoa que participe do processo empregar expressões ofensivas nos escritos vem, perante Vossa Excelência, em atendimento ao despacho de fls.
apresentados, vale dizer, palavras escritas ou orais incompatíveis com a lin-
guagem de estilo forense, ocorre, como algumas vezes temos constatado, a IMPUGNAR OS CÁLCULOS
parte através de seu patrono, quando deseja esclarecimentodo perito, ou quan- oferecidos pelo Dr. perito nos laudos de fls. em razão do seguinte:
do o laudo pericial não lhe é favorável, se insurge com suspeição do perito,
e não raro, impugnando cálculos, lança baterias de expressões depreciativas, A primeira reação que se sente, ao deparar com laudo a (NOME
descorteses, agressivas, sem polidez, palavreado chulo, rude, atentatório à se- DE UM PERITO DE OUTRO ESTADO),é indignar-se com o despautério,
riedade do processo, maculando o profissional, o perito judicial. asneira desmedida, das conclusões do segundo perito. É vontade de chamar
a imprensa para mostrar que, aqui também temos pericias falsas, mormente
quando em jogo os interesses da maior empresa de .......... privada do País.
281
CAPÍTULO
15.1MP U GNAÇÕES 283 284 Ril Moura

Lastimavelmente, estamos diante de laudo cuja falsidade aflora Pela impugnação total da terceira perícia, para a qual somos
mediante seus próprios termos, pois o Sr. perito levou quase 150 dias para ora intimados a falar, bem como oficio ao Ministério Público para exami-
apresentar o traste a que deu o nome de laudo e cometeu erros clamorosos nar o aspecto criminal do caso.
e suspeitos.
Pede deferimento
É evidente que outros interesses devem ter norteado a conduta
do Sr. perito, o que só a polícia poderá apurar em investigação aprofunda- Local e data
da , considerando que as conclusões desse malsinado laudo não reportam à
verdade dos fatos, revelando descomunal despreparo para a tarefa atribuí da Nome e assinatura do advogado
por Vossa Excelência . OAB nº ...........

Nestas condições, face a confrontação dos laudos dos dois pe-


ritos do juízo, é de se verificar a ocorrência de solerte conduta do último 15.2.2. 2º Exemplo de impugnação
perito, que não traduziu fielmente o acontecido na matéria fática . Laudo pericial concluído e entregue em cartório, e esclarecimentos prestados
Esse novo perito obviamente não entendeu aquiJo sobre o qual pelo perito, o juiz despacha às partes para que se manifestem sobre os mesmos .
opinou. Faz nos lembrar o Marquês de Maricá: "Ler sem entender é co-
mer sem digerir." Ou teria comido demais ... MANIFESTAÇÃODA PARTEAUTORA
O Sr. perito, voluntâria ou involuntariamente, foi induzido pela
Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da. ......... Vara Cível do ........................... .
má-fé da ré ora Executada, posto que fundamentou seu papelucho, cha-
Processo n° .............u •••• •

mado laudo, em informações da ré, ora Embargante, e não como de-


via fazê-lo, noestatuto ..............dosfatos , que regia a relação entre a NOME DA PARTE AUTORA, por seus advogados, nos autos da
.. ..... .. e seus associados e considerava os ••.•••..••• Os cálculos do perito ação ..............que move contra NOME DA PARTE RÉ, em curso perante
são inferiores aos da prÓJ'riaré, esse MM . Juízo, vem, respeitosamente à presença de V.Exa., em cumpri-
mento ao respeitável despacho de fls ........, expor e requerer o que segue:
Num prazo maior, os 140 meses, o Sr. perito encontrou cálculo
1. Em sua manifestação de fls .... a ..., em complementação ao laudo pericial
menor do que a parte ré.
de contabilidade, o Dr. perito judicial não indica qual a cotação do (nome da
O Sr. perito, além do mais, calcula juros inferiores aos conven- moeda estrangeira) teria utilizado para converter os valore s expressos em
cionados entre as partes . (nome da moeda nacional) e em (nome de outra moeda estrangeira) para a
moeda (nome de outra moeda estrangeira) , nem a respectiva data de con-
Tão somente por estes fatos percebe-se o erro em que incorreu o versão, não esclarecendo ainda se os expurgos inflacionários de .... ./ .... ./ .....
Sr. Perito, laborando em calamitoso erro . Plano ..........) e de .... ./...../ ..... (Plano ....~ ....) foram incluídos no cálculo de
atualização monetária do valor das perdas e danos .
No entanto para corroborar nossas afirmações sobre o laudo cri-
minoso apresentado, elaboramos estudo técnico - ora juntado, para se veri- Ocorre que, sem tais informações, não é possível à autora avaliar a corre-
ficar o acerto de nossas afirmações . ção do cálculo elaborado pelo Dr. perito judicial, razão pela qual requer-se,
respeitosamente, a V.Exa que se digne de determinar a intimação do ilustre
A manutenção dos cálculos da primeira e segunda pericias , por "expert'', para que preste os esclarecimentos ora solicitados, protestando
conseguinte deve ser acatado com o espancamento das grosseiras conclu - desde já por nova vista do processo e ulterior manifestação, tão logo se
sões da terceira e falsa perícia, em seus números e valores. pronuncie o Dr. perito.
CAPÍTULO
15.1MP U GNAÇÕES 285 286 Ril Moura

Por todo o exposto, o autor impugna o laudo apresentado às :fls. 186/211. "Negativamente,,, isto é, a empresa ré não sendo entidade financeira, não
poderia cobrar juros sobre os empréstimos de capital. Como se observa no
Termos em que, contrato sub judice não há, em momento algum, referência à taxa de juros
P. deferimento. cobrada, somente em planilhas , não demonstrando a taxa real aplicada e
como estes encargos são aplicados. Não se sabe por que, o perito do Juízo
deixou de efetuar os cálculos requeridos . Constata-se que o requerido , para
Local e data o qual, além de outros, a verba honorária paga foi em atendimento, cabe,