Você está na página 1de 27

c c

c c
 
TRANSFERENCIA IMEDIATA DA c(não da propriedade), ainda que os herdeiros
ignorem.
Entendendo melhor:
Num acidente morre o pai no local e o filho logo depois. O filho chegou a herdar?
SIM! Imediatamente após a morte do pai, pela saisine, o domínio e a posse dos bens passaram para o
filho.

CLASSIFICAÇÃO  decorre da lei. Mesmo que haja testamento, se estiver caduco ou nulo,
vale a lei.
DAS
SUCESSÕES   
       !"#$!"


   %&  cc  %'Pacto sucessório, acordo de herança de pessoa viva.
(c

)"#*+


%  é o herdeiro (legítimo ou testamentário). É universal porque recebe todos os
direitos e também as obrigações (universalidade de bens). Logo, responde pelo passivo. .
  ± É o legatário, só recebe, não responde por dívidas da herança.

A HERANÇA É INDIVISÍVEL ATÉ A PARTILHA ( c, -c.


O co-herdeiro não pode vender nem hipotecar, mas pode ceder os direitos hereditários.

TRANSMISSÃO:
+data e hora do óbito
 +último DOMICÍLIO do falecido. Se tinha vários --- qualquer um deles.

AÇÃO DE INVENTÁRIO: no último domicílio do falecido. Se não tinha domicílio ce rto, o local dos bens ou
da morte.
PRAZO: 60 DIAS ± encerramento nos 12 meses subseqüentes
NÃO OBSERVAÇÃO DO PRAZO: multa sobre o imposto = 10%. Se ultrapassar 180 dias = 20%

/01"2$ quando um dos interessados é incapaz ou quando há testamen to. Se não houver
nada disso e tudo correr amigávelmente o inventário pode ser por 0"2 3*$2 4 .

/02252 juiz nomeia um inventariante para administrar e representar o espólio, na ordem:


ù Cônjuge
ù Herdeiro que está na posse e administração dos bens
ù Qualquer herdeiro a critério do juiz
ù Um estranho escolhido pelo juiz, que administra mas NÃO REPRESENTA

Quando há herdeiro incapaz o MP tem que estar presente. O inventariante é fiscalizado pelos herdeiros,
pelo juiz e pelo MP.
c6ocultação dolosa de bens. Pode ser feita pelo inventariante ou por um dos herdeiros (não
fala que um bem está na sua posse). Se for o inventariante remove a inventariança
Se for o herdeiro ele devolve pro monte e o bem será repartido entre os out ros herdeiros, Se o bem não
existir mais ele será responsável por seu valor + P/D.
A ação prescreve em 10 anos e pode ser proposta pelos herdeiros, testamentários e credores no foro do
inventário.

-  apresentar no prazo de 10 dias os bens que foram doados em vida (adiantamento de
legítima) para verificar se não prejudicam a legítima.

2 72 20$28"# *# 9522/5:8#2/:


;6$29#02*$2<"2$2' 


PRAZO PARA IMPUGNAR TESTAMENTO: 5 anos após seu registro

 
 0#= 020/2/28$<8= 020/20 s 4condição suspensiva ±
capacidade sucessória). É nomeado "2(geralmente a mãe ± "22/0.'>?
 '- @)
 , AB cc  @
C> )
D?( 
c
 ' 
Se nascer morto é como se nunca tivesse existido.

   contemplados na lei segundo uma ordem de preferência (não deixou
testamento ou este caducou ou é nulo ). Descendente, ascendente e cônjuge
(necessários) e colaterais até o 4º grau.

E c   8 


  %  descendentes, ascendentes e
Cônjuge. Receberão NECESSARIAMENTE 50% dos bens ( $<F0#2.'Os outros 50%
vão pra quem o defunto quiser.

    podem ser herdeiros (a título universal) ou legatários (a título


singular)


ccc ± priva de receber a herança. Atinge os necessários, legítimos e testamentários.
SE:
a) houverem sido autores, co -autores ou partícipes em ##F$8"0020/20 ,
contra a pessoa de cuja sucessão se tratar, seu cônjuge, companheiro, ascendente ou descendente.

b) houverem 2"22$"2#0# 1"F;2"02252 , ou incorreram em crime contra a


sua honra (calúnia, difamação e injúria), ou de seu cônjuge ou companheira (o).

c) /$G2"92" , inibiram ou obstaram o autor da herança de livremente dispor dos seus bens
por ato de última vontade

ë  @ @ 


  ë
 ë

 ë 
 ëë   @ 
  @      @
@ 
    @@ @
 @ 
@

   


 
 
ëë  
 ë 
   

 
ë 
OS DESCENDENTES DO INDIGNO HERDAM COMO SE ELE MORTO FOSSE (POR
 - .



? 

? ?

 
| | | | | |||||||||
 /    ? ?

 ?
  ?? ? ?
  ? !"#$%
!$&'()*
?
 ?

+ ",*"&!'-%$"$%$
  $.#"&#$%$&'(
  )
Se o indigno não tivesse filhos, só esposa, ela receberia? NÃO, a esposa (nora) não é herdeira do avô.

(- +o ofendido pode perdoar ± somente de forma EXPRESSA ± testamento ou escritura
pública


 - 
c-  201"F
   c 
          %
        c%%42020""22. 

ode ser REVOGADA OU ANULADA ± se depois for verificado que o aceitante não é herdeiro

?  ± declaração escrita PÚBLICA OU PARTICULAR

  ± praticou qualquer ato na qualidade de herdeiro (cobrança de dívi das, fazer-se representar por
advogado no inven tário, etc) NOTA: o simples fato de constituir advogado não é aceitação tácita. É preciso
que ele entra com a ação e que o interessado já esteja representado por ele.


c ± quem cala consente (após not ificado - 30 dias - ficou quieto), presume-se que aceitou.

O relativa ou absolutamente incapaz aceita através do representante ou assistente.

*. ± Há atos que embora praticados pelo herdeiro não revelam a intenção de aceitar a herança como :
ù atos meramente conservatórios,
ù o funeral do @ ,
ù a guarda provisória dos bens e
ù a cessão gratuita da herança aos demais co-herdeiros
H &? &4 
 H( 
   

4201";.



32#92/"0#:I32  2#002 I2025:4 c.02#:
0//4(.& H  %



)
+
  cc 2 2;: "22:202/I" 020#
2"0;25:1"; 

,    0"2 3*$2"201"2$ 

H  2252I/F/$$<8""20""2020"' 

 c c%
 c  a pessoa está muito endividada e renuncia para
que a herança passe para seus filhos e os credores não consigam receber. NÃO PODE! A lei permite que
os próprios credores aceitem a herança para evitar FRAUDE E SIMULAÇÃO.


  c  22
 J1"<4"=72"#202$. }c K

 C(>%'




 20!"""8
 8/2 22"0c



? 
| 
| 
| 
| 
| 
a| || 
a |
| a || 
| 0 0 
|

|

||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||| | 
| |||||||||||||||||||||||||||||| | 
a |

a|| | |







0208:2/"02##2$28 22 220!"""' 



 ? 




 
 
 0 0


   




  (  c  >    (-

"20  0

,
c - ** 
"9$#' 

 
 C  % %%




 

« Gratuita ou onerosa
« Entre a abertura da sucessão e a partilha
« Capacidade para alienar
« Por escritura pública
« O credor do espólio pode acionar o cedente
« O cessionário assume a mesma condição jurídica do cedente
« Tem que ceder toda a sua parte ± tudo ou nada ± não há individualização dos bens
« CESSÃO ONEROSA ± os outros herdeiros têm preferência
« EM REGRA o cedente não responde por evicção


- cE -
É a ação pela qual um herdeiro !" ou  reclama sua parte da herança, 20"
 2 20$2 . Deve ser instruída com /2 da qualidade de herdeiro.
Pode vir cumulada com investigação de paternidade

  

 cc% - E c   9G202*$2#$  UMA CLASSE SÓ É
CHAMADA SE NÃO HOUVER NINGUÉM NA CLASSE ANTERIOR


c c
 c      Herdeiros necessários ± pelo menos 50%
LD
( %%4
C . é deles (salvo hipótese de deserdação)

 CM 






 ?  ?  ? 1

   MN 

        ON 




 0   ?  
  

    PN 


       ON 

     MN 
    QN 



 

  
 0
 

      PN 



 2 


      MN 



 2 

 



Não se pode fazer qualquer distinção entre os filhos, sejam eles havidos ou não durante o casamento,
adotivos, etc. sendo que todos eles possuem os mesmos direitos













 |
? 
 |
 | | | | | | 0   ?2 ?

|

 | | | ||||||||||||||||43 |


  
 3

 
 
 
 

 
 
 




      








? 
 |
? 
 |

| | | | | 0  
  1    ?2 ?

|
| | | ||||||||||||||||43 |

|   3

 
 
| 
 
 
 
 
 
|
 
 
| | | 
 
 
| | | |  3
| |  |

 
 


     

     


| | | | ? | |
| | | | | ||||||||||
|
|
|
| | | 43  |
|    3
|
 
 
 
  

|   / 
|
| | |
|  
   
|
|
|
| | | | | | | | |
| | | | | | | | 45 45
     0     ?0    6
      !"!($7$8$'$7$%$%$ 

A sucessão por representação só ocorre na sucessão LEGÍTIMA (testamentária não!)


Só acontece em linha 08 "220' 
Na colateral, só a favor dos sobrinhos se tiver mais irmãos concorrendo.
: 025:232@ 

E -C)
c,
c?  
E c  'C2 20!"I7$8:I
J1"<

-  ( 
 ' 20I#2 20I2#"$20##
"##'

J1"<0#0R#25:R252' 


    

@@


  


 « Y
  
@ !"#"$%&Y Y
 
 « Y
  
@!Y'$ (
@ ) 

 $Y *
 



  

 

 @   
    
|






c(+



E   c(4 
E c)
.6
Ocorre quando o casal não faz pacto antenupcial ou quando este é nulo.
Casou sem escolher o regime, é parcial.

)
 é tudo o que o casal adquiriu ONEROSAMENTE durante o casamento, é o esforço comum
na construção do patrimônio.
A administração desses bens cabe a qualquer um dos cônjuges.

O patrimônio do casal e ntão é constituído de:

› !"# › !"#


$#% $#%
"#%&% NÃO SE COMUNICAM "+*"
 '#%" '#%"
 ›%#' ›%#'
 ( (
 %&#%%) %&#%%)

( (


*%'+#'% *%'+#'%
 "#&+,*%%! "#&+,*%%!
 ( (
 &+-#'%" &+-#'%"
 '+$)  '+$) 
$#%"0*+*"%
 &#%%) &#%%)
 #+%#'#
( (
 "+'#
$#%"# $#%"#
 ›%#'
%›#%%! %›#%%!
 (
( (
 "1!
 ".$*'% ".$*'%
#+1#
 #/*%'#'#%
     22#
,-+"%2
#/*%'#'#%
 '#%" '#%"
(
 ›%#' ›%#'
,'#-#')
 
  ë34 
  

 |


     4#0.  
     $I*0=00 
     022#0









E 
% c(&D

c Q7 20#J/F/$'

Cada cônjuge tem direito à METADE IDEAL DO PATRIMÔNIO COMUM


Tem que celebrar pacto antenupcial (se não celebrar, fica sendo parcial ± legal)

› !"#
$#%
› !"#
"#%&%
$#%
'#%"
"+*"
›%#'
'#%"
(
$#%"# $#%"0*+*"% ›%#'
#+%#'# (
%›#%%!
"+'# $#%"#

#/›)5"
›%#' %›#%%!
%&#%%)
( 
( #/›)5"
*%'+#'%"# "1! %&#%%)
&+,*%%! #+1# (
( ,-+"%2 *%'+#'%"#
&+-#'%"'+$)  ( &+,*%%!
&#%%) ,'#-#') (
( &+-#'%"'+$) 
 ë34 
"5-*"%'#+*+#% &#%%)
 

( | (
$#%""% "5-*"%'#+*+#%
)#6"%››)%) (
"#*›*›$*)*""# | $#%""%
)#6"%››)%)
"#*›*›$*)*""# |

   ,  c 


E 
%  
    LD
 
   
cc( 
c &- 
A metade dos bens já pertencia a ele antes da morte do cônjuge.

TANTO NO REGIME DE COMUNHÃO UNIVERSAL COMO NO PARCIAL, PARA RENUNCIAR A UMA


HERANÇA PRECISA DA OUTORGA DO CÔNJUGE. Só na separação total é que não precisa
)
KE -+

Q. 
  +

:   C  =2 $# 228
2#+

c0
0
J1"<



    2 
    2 
   HERANÇA
    0
    ?  0? 
   Desse total, 50% é a
$<F0#2 (o que
necessariamente vai
para os herdeiros) e
50% o defunto pode dispor
50% é do cônjuge 50% é do defunto
Sobrevivente
(meação)

QNc c+

( 
+'''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''''' O2 2
  O/09$0 


(  
 +P''''''''''''''''''''''''''''''''''Q 2229$0 
    
"

c''''''''''''''''''''''''''''''''OS/09$0OS=2 2!"#!" 



 ?
?
         
         



 
 

 
  3

 
 

 
 
            morto



    






ON0+ 



?    1 
?     
?   ?  1  ? 1
              


         25% 25% 50%



 ?   ?  






 ?  ?

 0  0


Ficou só com a Meação. Se não tiver bens comuns, lascou -se


Herança só se o defunto deixou no testamento.

PNJ1"<
Não tendo descendentes nem ascendentes, o cônjuge recebe tudo.

O. 
 
+


2. <2+#0' 

c!"+

' D<##":"/2$* o cônjuge já recebe a meação

' D<# 225:*<2072* a lei proíbe

'ED(  
 <# 22$*' 

' D 221"2$#0"9204O2.



"128só concorre na comunhão parcial de bens em que o defunto deixou bens particulares,
bens que eram só dele.







2Q+o falecido não possui bens particulares, era um duro antes de casar!



   :# 02I#":"/2$" 22$*+ 
 
2   O cônjuge sobrevivente NÃO É HERDEIRO!!!!
NÃO HÁ HERANÇA, HÁ MEAÇÃO!!! O CÔNJUGE É MEEIRO!!!
0
Recebeu 50% de tudo!
A outra metade (do defunto) é que é herança e vai ser dividida
entre os descendentes ou ascendentes


2O+o falecido possui bens particulares

#":*& J1"<:*252 , já recebeu a meação.

#": 22$ 6O cônjuge sobrevivente recebe sua meação  #


0"20 *4 2#25:9"0T*
20"$2'




        
 2  2 
 0    ?  0? 
    



O cônjuge sobrevivente terá direito a "#!":<"2$2!" "#


2*528 não podendo sua quota 9R!"202 202252 se for 20
 com que concorre
Ou seja:
É mãe dos filhos ± mínimo ¼
Não é mãe (os filhos são só do falecido) ± concorre partes iguais
 








? 
 ?

QU2252
           T#25:

   3 


 

QUQU  QUQU 



 ? 
 ?


V2252T#25: 

ASCENDENTE

   3 


 

 c%c
 PUM

B) #20+ :# 02<#* 



Não há dificuldade:

Falecido deixou pai E mãe + esposa = 1/3 para cada um


Falecido deixou só pai OU mãe + esposa = ½ para cada
Falecido deixou avós + esposa = metade para esposa e metade para avós.

C) "2# $+não deixou nem ascendentes nem descendentes. A esposa recebe tudo desde que
não separada judicialmente ou de fato há mais de 2 anos.

O regime SEPARAÇÃO DE BENS não interfere na vocação hereditária. O cônjuge supérstite não recebe
a meação (porque não tem), mas concorre na herança.

Se o falecido tiver be ns com cláusula de incomunicabilidade ± também não interfere na vocação


hereditária. O cônjuge concorre.

3) 
 cc  cE(-  
||||||?| |||||| |

S t ,

|||| ? | ||||||?|


|

|
fil i , fi .
 || itO    i
fi    $  OOO 
     
#O '

t l ti fil i f i .
    O  #O  O'

  O   t f i O1
 O
 i l
i l: t i it t t f t fil il i l
t  t ; t f t fil 



  %       $  #O     O  $

O O   

S t i t l i ti ii tít l à AVE Á
E A P SSIBI I A E PA EI S B EVIVE E E A A E ISA,
f l i t t t .


                  
  %%W  





             
 ||||||2| ||||||2|
  | ?  ?|
    


  ti i t i
P ti i t í i

à A IA







    
;|     |  - &P
          E -&c%c#
          9$# 20<"2 
         QUP 
          

 
 
 &Q

MEAÇÃO DE a |
a |
JOÃO = 300

1/3 (100) 1/3 (100)

 % ,Ecc,


;|  |
RECEBE METADE DO
VALOR QUE COUBER A
CADA UM DELES (75)

 
 
 

MEAÇÃO DE a | a |


JOÃO

#20"$202$&QUP2002$22 252# '

Terá direito real de habitação !"20//":00"/2":"22#0 




RESUMINDO: CÔNJUGE
  W  
E  
E   T 
E   

%  (  
  (  
 
,E   , sobre a meação do  
 falecido + bens particulares 
 Partes iguais concorrendo 
7*2 com os filhos do falecido 7*2#25:
#25: Não podendo ser menor que
¼ concorrendo com os filhos
em comum
c, c   
2T#:&QUP 2T#:&QUP 2T#:&QUP
7 2"#: 7 2"#:&X 7 2"#:&X
&X  

%>c QUO QUO QUO
, c
 c  cE(-   %

COMPANHEIRA

( c)
 cc

 
FILHOS EM COMUM PARTES IGUAIS
FILHOS SÓ DO FALECIDO METADE QUE CADA UM RECEBER
ASCENDENTES OU COLATERAIS 1/3
NINGUÉM TUDO
 c  cE(- C  

 % 

*/25Y:
1 ± O concubinato impuro (também chamado de concubinato adulterino ou relação extramatrimonial ou
simplesmente de ³amante´) não estabelece qualquer direito 0entre os concubinos. &C
)
%  

No entanto, na prática, nossos Tribunais reconhecem alguns direitos em determinadas situações
especiais.
Exemplo: Uma pessoa é casada há 20 (vinte) anos, vivendo normalmente com sua esposa e tendo dois
filhos. No entanto tem uma ³amante´. Prova-se que ele convive com ela há 10 (dez) anos, sendo que
inclusive compraram uma casa juntos. A ³amante´ tem direito à parte que ajudou a comprar na vigência
desta ³relação´ (o u seja, tem direito ao valor de metade da casa comprada).

 


  | |
 | |



 |  |  |  |  |  |


| | | |
1/2 1/2 |
1/2

 |  |

1/4 1/4
   - 
#*2*12PN<2"002#*I#82$ 9G22* 




?  

       

#:*$202"<#2#:"$202 
Recebem o dobro Recebe a metade dos outros

Resumindo:
1) Descendentes ± Filho
Não tem filho ± neto
Não tem neto ± bisneto, ETC

2) Ascendentes ± pais
Não tem pais ± avós
Não tem avós ± bisavós, ETC

3) Cônjuge

4) Colaterais:

2º grau ± irmão
Não tem irmão ± desce sobrinho (3º grau)
Não tem sobrinho ± sobe tio (3º grau)
Não tem tio ± desce sobrinho neto (4º grau)
Não tem sobrinho neto ± sobe tio avô (4º grau)

:0/"#"2252:9202+ 

%# O F     $ ë ë ë l li ë ë ë ti ë i ëi ë

% O ë ë ë ëti   ëit


ë  it i
f l.

Pëë
ë:

    
t   i
ë.
É 
 
 
  
ë  l
ë  iiët l
ë.
S
 i
ë itië  tië ë ëë
 ë.
S ,   O# $, 
   i  l   % 

              '

C  %       

  %   ë ë ëë   
i 
Eët
ë 
f

l , f
  ë
l l ë    l, 
 t ë  i t i
 l

S   O O OO


#8 O  #O  '

  




     




l  l i i t 

 t
Vl  l i
i t 

 f it
t ët t
 
 t
  t 
 l  i  %      ë ëë

t  t

f 
t ët t
  i  %  
          ii    
         F  O 
          #O 

t ët t
   O$ $O  $, OO  # O1 O  #   
l


t ët t

jti
.

O O  '


i
  
 P E ES A SE ASSIS Ê IA.
A ii  ë  i t 
i li 
t ët t
fi.

S
 $ #O O    ii 
 t ët t
:

ë O F  O O 


ëit

ëëi i  , 
ië j f
i 
 i
 t  
t

t ët
, $  ë  ië
ëi 
ët ë  f i 
l tl  ëë
ë
 l ëi ë
iët t ë 
i ë  ë ëë
.

Aë  ëë
ë jí ië i it
li
t 
 lti  t  i ië ëit
ë 
Bëil
A E Ã ! A E Í I AÉS E Á EXIS I A ÉP A A ABE A A S ESSÃ !!!
São $20/2#02 2; para adquirir por testamento, proibindo que se nomeiem herdeiros ou
legatários:

A pessoa que, a rogo (a pedido), escreveu o testamento, seu cônjuge, seus ascendentes,
descendentes, e irmãos.

As testemunhas do testamento.

O concubinário (³amante´) do testador cas ado, 2$/ se este, #"$ 2"2, estiver separado de fato
do cônjuge #22 .

O tabelião, civil ou militar, o comandante, ou escrivão, perante o qual se fizer, assim como o que fizer,
ou aprovar o testamento.

c c- +



'2 /0#$

'0#!"= 002#08 2 0222"2 4não vale escritura pública, instrumento
particular, termo judicial, codicilo)

'  0"225: c   $"04M222*0"22":. 



'72 (descendentes, ascendentes, cônjuge)


+

22<2T+ 

.Deserdação dos descendentes por seus ascendentes (art. 1.962 CC):
ofensa física, injúria grave; relações ilícitas com a madrasta ou padrasto; desamparo do ascendente, em
alienação mental ou grave enfermidade.

(.Deserdação dos ascendentes pelos descendentes (art. 1.963 CC):


ofensa física; injúria grave; relações ilícitas com a mulher ou companheira do filho ou do neto/// com o
marido ou companheiro da filha ///ou o da neta; /// desamparo do filho ou do neto com deficiência mental ou
grave enfermidade.

    c cc@

   ?


 ?

  ?
|
  ?

Os descendentes não são afetados diante do caráter PERSONALISSIMO da pena civil ±


O deserdado é como se fosse morto - sucessão por representação

Não basta a deserdação no testamento. Os outros herdeiros têm que mover ação ordinária de deserdação
para confirmar a vontade do morto. Cabe ampla defesa ao deserdado.
A revogação tem que ser feita por testamento.

ORDINÁRIO PÚBLICO
PARTICULAR
FORMAS DE TESTAMENTO CERRADO

ESPECIAL MILITAR
MARÍTIMO
AERONÁUTICO

 H( +



« Tem que ser % (4até pode entregar minuta, mas tem que ler ± verbal)}se tem que ser verbal,
MUDO NÃO PODE
« Em língua nacional 
« O cego SÓ PODE POR TESTAMENTO PÚBLICO 
« Lavrado por tabelião em livro de notas 
« Na presença de 2 testemunhas 
« Depois que o oficial escreve, lê de novo 
« Todos assinam (o testador, o oficial e as 2 testemunhas) 
« Menção às formalidades 

*022":8/2 1";!"/G00"Z82<0 "# #0'









  c40"#F0. 

« Surdo-mudo pode se souber ler e escrever 
« Escrito em língua nacional ou estrangeira 
« Qualquer vício o invalida (ex: rompimento de lacre) 
« Pode ser escrito mecanicamente desde que com páginas numeradas e assinadas 

M$#0+
I"$2002#02 escrita pelo testador ou por alguém a seu pedido (não pode ser beneficiário)

"00<2 tem que entregar PESSOALMENTE ao oficial na presença de 2 testemunhas.



"02 /25: lavrado pelo oficial e assinado por ele e pelas testemunhas

2#0 o tabelião lacra o envelope com cera derretida, costura a cédula com cinco pontos de retrós
e lança pingos de lacre sobre cada um. Após isso o tabelião entrega ao testador, lançando em seu livro
nota do lugar, ano, mês e dia em que o testamento foi
aprovado e entregue.

Nem o tabelião nem as testemunhas sabem o conteúdo.


LOGO, ANALFABETO E CEGO NÃO PODEM

› 3 
 78ë 4
9: ;
  
9    
ëë  <ë  = 

 ë
3ë

 ëë 

>ë 49 9:   ëë 49 
 :  <ë   ?  ë 
> @   9> 



  
 42*08$7<29" /2. 

« Só prá quem sabe LER E ESCREVER
« Não pode cego nem incapacitado de escrever
« Escrito de próprio punho ou processo mecânico. Não pode ter rasuras nem espaços em branco
« P testemunhas (o testador tem que ler para elas)
« Publicação em juízo após a morte do testador
« HOMOLOGAÇÃO PELO JUIZ
« Tem que ser confirmado pelas testemunhas (pelo menos uma)
« Em casos excepcionais pode ser confirmado pelo juiz
« Após ser confirmado pelas testemunhas e ouvido o MP, o juiz confirmará o testamento

   20 /780"25:#<G2 




.02#02F0#"0 
« declaração de vontade feita a bordo de navios ou aeronaves de guerra ou mercantes, em viagem
de alto mar.
« lavrado pelo c omandante ou escrivão de bordo perante duas testemunhas idôneas.
|
 :  o t ta@or não morr r na viag m o no 90 @ia   nt  apó o @  mar  o
t tam nto p r@ a vali@a@ (a@a).


(.02#0$02
« declaração de última vontade feita por militares e demais pessoas a serviço do exército em
campanha, dentro ou fora do país.
« Deve ser escrito por autoridade militar , na presença de duas testemunhas.
Admite a forma "" 20/2, isto é, 902  292 ; neste caso, pode ser feito de viva voz na
presença de duas testemunhas.

Em qualquer hipótese, se o testador não morrer na guerra ou nos 90 dias subseqüentes em lugar onde
possa testar na forma ordinária, o testamento caducará.

$""$22$2*$2 
« Só por justa causa
« Extingue-se com a morte do beneficiário, salvo se ele estendeu ao seu sucessor
« Não atinge os frutos e rendimentos

% 2*$"02#02 2;00#"2 A




ë BC ë<
 ëëë
3 < 
90[  @@ @  @  @
 +



% $20/2#02 2; 00#"2A

@ 
  @ëëë ë ë ë
 ëD?3E

 (   ëëë ë ë ë
 ëD?3 

90 }  @@ @
 ,

(
@ @   @


@
  - 

ë ë ë



9 3 
 

 @ @ @@ @  

m t tam nto púlio po@ r vogar m  rra@o; m t tam nto partilar po@ r vogar m  rra@o
t. 
  9 ë ë?9>    I/</$
002#02 20#!"0029$2/9222#0 

ë 
9 3  ë
ë
 <  ë
ë 
9 3 
 ë

  ( 
  
 


@   ë ë  F9  
ë  9
  

9 3
ë ëë 
9 3
   


9 3  ë
#/&+#%%'G›*'

'G›*'A
 ë ë Hë <ë
 ë 

 <  
  
  ë
 
 
Ië
 
 ë
9 9 
 3 

.&/"&Y  
 @,
  A
  ë 
< ëë
9ë 
#;A ë
 ë4 
ë4

ëëë>
 ë

#$! #"!$!Y
( 
   +
#;A4



ë4


  < ;: 
   ë
3 


2.E 70"$2 A
   ë
E
 ëë      ? E 
 ë
9J ë<
ë3ë 
   ë ë ë Hë 
.    @     

@,@&
 /0  @  
  -+

*.E 70"$2*$2 A


ëë ë3  ëë  4



3>
    ë3 E 
  E   <
  
.     
@  

@,
  @-@ @  @ 
  




ë
 ë

ëë    ë
  ?  9  

% <
4

 3>
 


 4   /02 #ë
9
 BKLK 
 
J 4
  <  ;  
ë 

  7 

ë
 9ë
 
 9>
  9  ë ë
 ë
 ë 
ëë 



c  o@iil m  9   o@ m ë?  3 
   F9     ë 
   

ëë 
ëë ë 
!"/2$ë   ëëë ë ë Hëë 


 > 9ë  9



9ë
ë 
&  
 ëë
 ë
 @ @  @   

     D 
ë
4

ë   @
@1
 

 4
<4 49 <
 ë 

  : /<2002#0 Eë   ë  ë  ë
;3
ë<
  ëEë ë
 ë?ë
   ëë 
 ë
'4  8 ë = 








c
C ë ë ë>
20F0"$<"$2 ë
 ;ëë 
ë
4" Iëëë 3: ë*10/"2$;2 

 4

$<2I0F 2":002#02 
 ë 
 ë


  
#; ëA@ i o a m  orinho m  an l @ gra poi o m mo  formo m @ir ito; @ i o a
amigo t@ioo a minha iliot a; @ i o a m  orinho o m  piano t. 

3    ?  ë
  A ëë

ë 

ë
    
   :9 ë ëEë<
 9 4
E
   ë 
  
 3>
     
3   
  3    

 >  
;
ëë 

ë3 ë  

#; ëAanlação @o t tam nto;
ali nação mo@ifiação o p r im nto @a oia;
fal im nto @o l gatário ant  @o t ta@or;
r vogação;
in@igni@a@  t. 




(
- %
 
# $m  ë3 ëëë  4

 3>
 
#; A ; ëë
8= % ë
 ë ë

8$= 

$0/2m 4>ë ëë 


#; A ; ëë
8= % ë
 ëë

8$=8›= 

F 2m  ë


 ë

    4

ë 3>
 ë ë

ëë ëë ë 
ë @ë   ëë 
ë
4 
#; A ; ëë
8=8$= 8›= % ë ë
   


  
>
 ë ë4

ë 
 
ëë 
8"= 



'"!Y"#&"**
 <  ëë 
0G 2 

,#00m ë
Eëë ë <  ëë 
|
," 3
9 mëë 4 ë 


3

 9
>ëë
 ëë
 <  ëë>
 E 
 

  
ë F9
 ë
; 

 ë ë ë
ë  : 

,#m F  ë>
  4
  3 %3  
› 3  <  ëë>
 / 2: *220# 22*0"22": 
›ë  <  ëë>
 ?>4ë  49
><  ëë ë
  

<  ëë>
 ë
> 

>
  ëë<   ë < >
 ëë
>I
    ë<
>
     
 <

9ë 
3 

% <  ëë>
  ë


  ë ë  ë ë < >
 

<  ëë ë ë
ë: ë 
#02 F/$ ëë ë
 
   

3: & ëë
Më   ëA 

} %02$Fmëë  

 
 < >
 

} 0#mëë  

   <;  ë


Eë

  
;  <  ëë 

} 2$m    
     
ë 9 




   @ 
 ë#0 ëë 93
ëë 
<  ëë>
 ë
<
ëë  < >
 " <  ëë>
 

9 ë   
 
   ëë
4
   3 
ë
 ëë
3ë 
ëë  ë
ë<  ëë # ë 3
ëë ë
ë
ë9 9 ë 





 






 2  2 
 0 ?  0? 






*2$&Y$@  *'"

Y#Y**"##1!më 
  3

 *'"

   4@

&$*$Y 

*Y5 6Y.$ *'Y.7 #"$*#&/Y *$2."$*" #"!Y""