Você está na página 1de 185

Ice Planet Barbarian’s

Sinopse

Como recém-chegada à tribo alienígena, lutei para encontrar meu lugar. Pode ser
porque às vezes sou um pouco teimosa. E sim, poderia ter jogado algumas coisas na
cabeça das pessoas. Mas eu tinha boas razões para fazer um número, minha irmã
tímida foi roubada bem debaixo do meu nariz. Claro, agora ela está de volta e
acasalou. Todo mundo está feliz ... exceto eu.
Eu preciso de carinho.
Atenção.
Ok, estou sozinha. Realmente sozinha.
Curiosamente, a única pessoa que entende o que estou passando é o mesmo bruto
de pele azul que sequestrou minha irmã. É fatal ficar com ele, mesmo que apenas
como uma aventura sem sentido.
Exceto ... eu não sou muito boa em todas as coisas de "regras".
E ele não é muito bom com a 'aventura'.
Capítulo 1

MADDIE

É estranho quando você não se encaixa.


Eu pensei que, quando chegasse à idade adulta, não me sentiria mais como uma
pária. Que uma vez que eu passasse aqueles horríveis anos do colegial em que me
senti como o pino redondo no buraco quadrado, tudo seria uma lembrança ruim.
Que algum dia eu poderia olhar para trás e rir de quanto me incomodava ser a
esquisita lá fora.
Sentada aqui em uma caverna em uma festa para minha irmã, cercada por
alienígenas, sinto como se estivesse revivendo meus anos de ensino médio
novamente. É bem nojento, tenho que admitir. Ela não era popular na época, sendo
gorda e tímida. Esses alienígenas não se importam se eu sou gordinha ou se tenho
uma boca grande, e ainda estou na periferia.
É incomodo.
Alguém dança ao meu lado, rindo. Seu rabo bate no meu braço e então ele derrama
um pouco de sua bebida no chão de pedra na minha frente. Encantador. Deslizo
distraidamente um pouco do meu roupão sobre o álcool derramado, porque não
quero que alguém deslize na minha frente enquanto me sento e seguro uma
almofada sozinha no canto da caverna.
Não que as pessoas não sejam amigáveis. Inferno, eu nem precisaria me sentar
sozinha se não quisesse. Só que não tenho muita certeza do meu lugar entre essas
pessoas. Olho para a celebração da tribo, não prestando atenção nas pessoas que
dançam além com uma pele de sah-sah, ou na mulher que deixa cair a blusa para
amamentar não um, mas dois bebês azuis. Eu ignoro as exclamações sobre as frutas
que eles conseguiram saborear a noite toda, e tenho certeza que eu ignoro quando
eles começam a cantar novamente.
Todo mundo está malditamente feliz. Todos menos eu.
Eu? Estou perdida.
Nos últimos meses, meu mundo foi colocado em espera. Eu durmo uma noite e
acordo nos braços de um alienígena azul do espaço em um planeta congelado.
Aparentemente, fui sequestrada por alienígenas do mal enquanto dormia.
Aparentemente, eles também sequestraram minha irmã. Aparentemente, também
ficamos presas em cápsulas de sono por um ano ou mais e perdemos os bandidos
que estavam sendo derrubados.
Parece que dormimos por um longo tempo.
Embora parecesse estranho demais acreditar no começo, não demorou muito para
eu perceber que essa merda era real. Há dois sóis, duas luas e gelo e neve sem fim. As
pessoas aqui são azuis, cobertas de cotão macio, e agem como se uma tempestade de
neve é uma boa tempestade de chuva na primavera. Ah, e os parasitas. Eu nem quero
pensar em parasitas, especialmente aquele que agora vive dentro de mim, me
ajudando a 'me adaptar' a este mundo alienígena.
Minha irmã está prosperando, no entanto.
É estranho. Lila sempre foi uma introvertida tímida e ainda mais marginalizada do
que eu. Ela nasceu surda e, embora tivesse implante coclear aos 12 anos e não
precisasse mais de mim como ua um intérprete quando a leitura labial era muito
complicada, sempre senti a necessidade de protegê-la e cuidar dela. Mas aqui? Nós
fomos separadas e ela tem prosperado. Lila costumava ser a solitária e perdida, e eu
sou a ousada e extrovertida. Eu tenho que ser porque é assim que toda essa merda
funciona.
Exceto que Lila está indo bem sozinha e agora estou um pouco ... perdida. Eu sou o
único humano que não tem companheiro. Eu não conheço as outras. Elas estão
todas grávidas ou engravidando ou fazendo malabarismos com bebês e eu estou
sentada aqui, torcendo meus polegares com meu sinal de 'vaga' sobre a minha
vagina.
Não que eu queira um bebê. Ou um companheiro. Mas parece estranho ser a única
garota que não está conectada a esse lugar. Até a pombinha da minha irmã se
acasalou com um alienígena.
Ela está feliz aqui, apesar da neve, gelo, criaturas devoradoras de homens e falta de
banheiros. Ela quer ficar (não que tenhamos outra opção).
E eu?
Estou só um pouco aqui.
Sozinha.
Esfrego a mancha molhada no chão de pedra quando uma das humanas-Georgie?
Megan? Eu não sei qual delas - ela tira uma teta e começa a amamentar seu filho no
meio de uma conversa com uma mulher alienígena. Lila não vai mais participar da
festa; ela correu para sua caverna com seu garoto alienígena para fazer bebês com
ele. Literalmente. Ela literalmente vai fazer bebês com ele. É algo que ainda estou
lutando para entender. Parece que se meu parasita acordar e começar a ronronar,
escolherá um homem com quem eu deveria estar fazendo bebês.
Fico feliz que o meu decida ficar em silêncio.
No entanto, Lila está encantada por ser 'ressonante'. Claro que ela está, agora é uma
das mulheres humanas loucas por bebês que se acasalaram com alienígenas. Agora
ela se encaixa ainda mais, embora não estivesse se divertindo muito com isso. Ela
acasalou com um cara popular. Apareceu com frutas. Ela realizou todas as tarefas
da vida cotidiana como se elas fossem uma alegria para ela. Você tem que fazer fogo?
Lila pode fazer isso. Esfolar uma caça? Lila está logo ali. Fazer o jantar? Setas;
flechas? Estilingues ou raquetes de neve ou armadilhas de urso ou o que mais esses
aspirantes a Grizzly Adams podem pensar? Lila pode fazer isso. Ela pode sobreviver
bem porque está aprendendo a ser como eles.
E eles a amam por isso também. O povo da tribo aprendeu a língua de sinais para
falar com Lila e fazê-la se sentir bem-vinda. Fico feliz que eles a aceitaram tão
facilmente, mas também me deixa com ciúmes ... o que me torna uma irmã terrível.
Todos na tribo a adoram e mal podem me tolerar. Eu sou como um peido fedorento
que fica na caverna e todo mundo tenta ignorá-lo.
Não que eu possa culpá-los por me tratarem como merda; Não fui exatamente a
Srta. Agradável a viver enquanto minha irmã estava fora. Eu estava desesperada por
ela depois que eles a roubaram de mim, e quando eles não me deixaram ir atrás dela?
Eu não fui muito gentil com isso.
Ok, eu fui um pouco idiota.
Bem, mais do que um pouco.
Mas eu estava preocupada com a aparentemente frágil Lila neste planeta frio e
hostil. Então eu tirei isso de todo mundo. Eu poderia ter entrado em algumas brigas
e chutado algumas, e tudo bem, joguei algumas coisas na cabeça das pessoas. O que?
Alguém mais faria o mesmo se estivesse no meu lugar, sem saber o destino de sua
irmãzinha.
Eles não entendem o que é estar tão sozinha, nem mesmo entre um mar de pessoas.
Todo mundo aqui faz parte de uma família. Há mulheres felizes com bebês e
homens totalmente dedicados às suas damas. Enquanto eu assisto, o chefe - Vektal
- está jogando sua filha no ar e dando-lhe beijos exagerados apenas para fazer Talie
rir. E garoto, esse bebê ri. Seria adorável se não me fizesse sentir tão amarga por
dentro. Ele tem uma esposa e um bebê. Todos os humanos aqui têm alguém.
Eu tenho Lila. Como já fiz no passado, estou pronta para protegê-la dos danos do
mundo e interpretá-la quando alguém não conhece a linguagem de sinais.
Exceto que minha irmã não precisa mais de mim.
Assustada e tímida, a pequena Lila tornou-se totalmente autoconfiante e
apaixonada por Rokan.
Isso me deixa ... bem, me deixa sentada aqui sozinha em um tapete, limpando a
bebida derramada de outra pessoa.
Suspiro e olho para a entrada da caverna, me sentindo sozinha e ainda presa ao
mesmo tempo. Eu não me encaixo com essas pessoas, mas também não tenho a
opção de conhecer outras pessoas. Não há mais pessoas.
Às vezes me pergunto o que aconteceria se eu me levantasse e saísse. Eles me
perseguiriam como perseguiram Lila? Ou todos estariam em um plano de "boa
viagem" e não se importariam porque eu fui uma vadia?
Franzo o cenho para as sombras da entrada da caverna. Seria tão fácil levantar e sair
enquanto todo mundo está bêbado e festejando. Mas, enquanto olho, brilhantes
olhos azuis piscam para mim e uma forma volumosa e grande surge das sombras da
entrada da caverna, com uma lança em uma mão e um animal morto na outra. Ele
é um caçador que retorna de uma excursão noturna à neve.
E não apenas qualquer caçador.
É o Hassen. O bastardo que sequestrou minha irmã. Aquele que decidiu que queria
tanto uma companheira que a roubou.
O? Ele pode beijar minha bunda gorda.
Embora o olhar que ele está me dando agora? Isso me diz que eu gostaria muito.
Que eu faria mais do que beijá-lo se ele me despisse para inspeção.
E, por alguma razão, me encontro agitada de emoção ao pensar em Hassen
flexionando seu grande corpo para beijar minha bunda gordinha. O que é um erro
de todos os tipos. Ele é exilado. Ele é um idiota. Ele queria minha irmã. Nada disso
coloca ele na lista de Mais Desejados do Ice Planet.
Quando olho para ele, sua boca se torce em um sorriso cheio de presas.
Olho para o fogo, franzindo a testa. Eu não vou continuar imaginando ele com a
boca na minha bunda. Mordendo uma das minhas nádegas arredondadas. Passando
os dedos sobre o meu corpo e explorando o fato de que eu não tenho cauda ...
Eu me bato na bochecha para me trazer de volta à terra.
Perto daqui, Farli me olha surpresa. "Está bem?"
"Apenas distraída", digo a ela. Farli é uma boa garota, e a mais próxima que tenho
de uma amiga aqui, mesmo que ela tenha quinze anos. Agora mesmo? Ela é minha
com você está até a morte, porque, bem, eu não tenho mais ninguém. Até minha
irmã Lila está em um canto, se beijando com o novo marido. Eu não posso nem ficar
brava com isso, ela está tão feliz e é uma pessoa tão maravilhosa que merece toda a
alegria. Estou encantada por ela.
Tenho um pouco de inveja de sua felicidade radiante, com certeza, mas ainda estou
animada por ela.
Sou apenas uma irmã egoísta que não sabe o que fazer quando não é mais necessária
e de repente se vê sem amigos. É engraçado como eu sempre pensei que não
precisava de amigos. É engraçado como ficar presa em um planeta de gelo pode
mudar totalmente sua perspectiva sobre coisas assim. Em uma comunidade
pequena como essa, não seguir as regras o deixa para trás.
Hassen sabe tudo sobre isso.
Olho por cima do ombro na entrada da caverna. Apenas no caso de Hassen ainda
estar lá. Mas não está, e ignoro a pequena pontada de decepção que sinto.
A última coisa que preciso é me envolver com o garoto mau do planeta gelo.

∗∗∗∗∗∗∗

HASSEN

Está uma noite fria para mim.


O riso que vem de dentro da caverna da tribo se espalha pela neve, e eu posso sentir
o cheiro da carne queimada sendo cozida para os seres humanos. Alguém está
cantando e ouço Warrek tocando sua bateria. São todos bons sons, sons felizes.
Minha tribo está feliz, despreocupada e cheia de felicidade.
Essa alegria não se estende a mim.
Estou sozinho na neve em uma colina próxima, com uma fera recém-morta na mão.
E estou dividido, porque não sei se devo ignorar o castigo que o chefe me deu e
participar da celebração, ou se devo me virar e sair.
Eu sou exilado. Não sou nada para o meu povo agora. Eu não pensei que me
importaria, mas ... eu me importo. Seu desprezo me machuca.
Se eu entrar, serei recebido com olhares estranhos, mas eles não vão me rejeitar.
Alguns ficarão com nojo de como eu me comportei. Alguns sentirão pena de mim
com o meu castigo, porque arrisquei tudo e perdi. Tudo teria valido a pena se as
coisas tivessem acontecido de maneira diferente, mas estou de mãos vazias e sozinho
e, portanto, sou um homem com pena.
Eu não sou alguém que pensa sobre o que poderia ter sido, mas hoje à noite, eu me
pergunto. Eu me pergunto como seria ter a tribo comemorando minha ressonância.
Abraçar meu parceiro e levá-la para minha caverna, e juntos nossos peitos cantariam
até que nosso kit fosse criado.
Mas estou feliz por Rokan. Ele é um bom amigo e um bom caçador. Ele realmente
se importa com Li-lah, e juntos eles serão muito felizes.
Li-lah ... Eu tenho sentimentos mistos. Estou decepcionado por ela não ser minha
parceira ressonante e, no entanto, também estou incrivelmente aliviado. Quando a
vi pela primeira vez, achei que ela era perfeita: pequena, frágil, com cabelos escuros
e olhos grandes. Eu pensei que ela seria a mulher perfeita para mim, e ouvi meu
coração e não minha cabeça, e a peguei. Eu a mantive em cativeiro por dias na
caverna de um caçador e, a cada dia que passava, ficava cada vez mais preocupado.
Li-lah chorou. Muitas, muitas lágrimas. Ela se amontoou no fundo da caverna e
olhou para mim aterrorizada. E eu ... eu me senti como um monstro. Eu só queria
ressoar com ela, apreciá-la e começar uma família com ela. Quero o que os outros da
minha tribo têm com seus parceiros humanos. Quero sentir o calor de outro corpo
contra o meu, ter alguém com quem conversar. Ver sua barriga cheia com meu kit.
Eu nunca machucaria Li-lah, mas ela se afastava de mim toda vez que eu falava com
ela. E então ela chorou novamente. Logo cheguei ao ponto de procurar desculpas
para deixar a caverna e não ter que suportar ela chorando e tremendo.
E eu era tão terrível aos olhos de Li-lah que ela fugiu. Ela deixou a segurança da
caverna e foi capturada por Metlaks. Rokan estava na área e me ajudou a encontrá-
la, e quando ele voltou, e ressoou?
Eu senti alívio.
Essa mulher encolhida e aterrorizada não era minha. Minha alegria me encheu ainda
mais de vergonha. Eu não deveria estar triste porque Li-lah é de outra pessoa? Eu
não deveria ter ciúmes de Rokan? Mas eu não estou. Estou feliz por ele, mesmo que
a solidão doa. Não há muitas fêmeas sem par na tribo. Se algum dia eu tiver uma
companheira, terei que esperar que uma das outras fêmeas cresça na idade adulta, a
menos que meu khui escolha o último humano, Mah-dee.
Eu bufo para mim mesmo com o pensamento. Às vezes eu gostaria que tivesse sido
ela que eu levei ao invés da covarde Li-lah. Mah-dee não encolhe nem chora. Ela joga
as coisas fora quando está chateada e grita com todos por perto. Ela me atacou na
última vez que me viu. Ela é feroz.
Isso é uma mulher.
Entro na boca da caverna para entregar a carne fresca para àqueles que estão
sentados perto do fogo. Geralmente, há um caçador de plantão na frente da caverna.
Hoje à noite é Bek, braços cruzados, expressão tão emburrada quanto a minha. Ele
também não está interessado em comemorar. Ele também não está interessado em
levar minha presa para os outros por mim. Ele olha para mim desinteressadamente
e depois olha para o céu noturno. Sinto uma espécie de parentesco estranho com
Bek: ele sabe como é ter uma mulher humana e perdê-la. Embora eu pense que Bek
ainda tenha sentimentos por ela, penso nos meus e ainda sinto alívio por Li-lah
pertencer a Rokan. Minha perda é o que ela representou para mim, mas acho que
Bek realmente a amava Claire à sua maneira. Claire, no entanto, ressoou com outra
e até agora está sentada perto do fogo com seu parceiro, contente.
Sinto que olhos me encaram e vasculho a caverna.
Lá, de lado. Está a humana. Ela está olhando na minha direção. Pego o olhar dela e
a dou um olhar desafiador, desafiando-a a continuar me encarando. Ela acha que
sua aversão a mim me fará esgueirar-se como um metlak doente?
Para minha surpresa, uma expressão estranha cruza seu rosto e ela rapidamente
desvia o olhar novamente.
Curioso. Sua resposta me lembra quando Jo-see ressoou pela primeira vez com
Haeden. Ela falou repetidamente sobre o quanto o odiava ... e, no entanto, não
conseguia parar de encará-lo quando pensava que ninguém estava prestando
atenção nela. Os caçadores notaram, no entanto. É nosso trabalho observar nossas
presas, observar o comportamento dos outros. Os lábios de Jo-see disseram uma
coisa, mas o corpo dela disse outra.
Este poderia ser o caso de Mah-dee? Você está atraída por mim?
Sinto uma onda de orgulho e ponho a mão no peito. Meu corpo é bom e sou forte.
Sou um caçador incansável e tenho certeza de que, se tiver a oportunidade de testar
minhas habilidades, poderia ser tão incansável nas peles para agradar minha fêmea.
Mas não importa. Não posso ter uma companheira porque estou exilado. Não
tenho caverna para chamá-la de minha. Até a estação brutal chegar, minha cama é a
neve lá fora, e minha tarefa é trazer o máximo de comida possível. Depois de ter
trabalhado bastante, serei perdoado por trair as regras da tribo.
Até então, não tenho nada e ninguém.
Meu humor é sombrio, eu jogo a presa na frente de Hemalo. "Carne para você e
você ..." Eu falo, porque Hemalo rompeu o vínculo com sua companheira. Eles não
se falam, e agora ele dorme com os caçadores. É impensável para mim ter uma
parceira ressonante e optar por deixá-la. Eu não o entendo. "Carne", eu digo
abruptamente.
"Obrigado", responde Hemalo, sempre calmo. “Você vai se juntar a mim junto ao
fogo por um tempo? Para descansar?"
Eu hesito. Eu gostaria de me juntar a ele perto do fogo. Eu gostaria de compartilhar
uma xícara de sah-sah, rir e comer. Gostaria de me sentar entre minha tribo e
aproveitar a noite, apenas para celebrar a união de outro homem com a mulher que
roubei. Eu gostaria de ver se Mah-dee olha para mim.
Mas Vektal está sentado perto, sua filha pulando no joelho enquanto sua
companheira, Shorsie, compartilha um pedaço de fruta com outros humanos. Ele
está me observando.
E suas regras devem ser obedecidas se eu quiser ganhar meu lugar novamente entre
o meu povo. "Eu não devo fazer isso." Toco no ombro de Hemalo e depois saio, saio
na neve e na escuridão.
Sozinho.
Ainda não ganhei o direito de retornar. Mas eu pretendo fazer isso.

Capítulo 2

MADDIE
Uma semana depois

Como assim, você está saindo? “Olho para minha irmã como se uma segunda cabeça
tivesse crescido e depois gesticulo para perguntar a ela. Às vezes esqueço que seus
implantes cocleares se foram e agora ela está surda novamente.
Quero dizer, estamos saindo, Lila gesticula pacientemente. Uma viagem. Os outros
querem ver a caverna de frutas e colher algumas frutas lá, e pegar algumas plantas
para ver se podemos cultivar algumas nessa caverna. Rokan e eu somos os únicos que
sabemos onde fica, então vamos escolher alguns dos outros e mostrá-los.
Quando nós vamos? Eu pergunto. Eu não sinto vontade de correr na neve
novamente, mas se for preciso, tem de ser feito.. Além disso, ficar na caverna o dia
todo sem ninguém com quem conversar tem sido um pouco chato. Minha amiga
da caverna Asha não faz nada além de comer e dormir, e minha irmã ficou trancada
em sua caverna fazendo bebês com seu homem. Esticar as pernas com uma
caminhada parece uma boa ideia.
Lila inclina a cabeça para mim com curiosidade e começa a sinalizar de novo, lenta
e deliberadamente. Será um grupo muito pequeno.
Certo? Não sei o que isso tem a ver com nada ... e então percebo. Eu não estou
convidada, estou?
Lila parece magoada. Não é isso. Vamos viajar rápido e será um grande esforço. E
quando voltarmos, carregaremos muito peso em nossas mochilas.
Já vejo. E eles não querem que a garota gorda os desacelere. A única coisa que me
impede de atacar uma cadela é a dor óbvia no rosto da minha irmã. Ela está
claramente dividida entre me defender e ser uma das melhores garotas.
Ok, eu aceno para ela e coloco um sorriso brilhante no meu rosto, mesmo que não
esteja sentindo. No outro dia, torci o tornozelo, então é melhor ficar perto da
caverna.
O rosto de Lila está tão cheio de alívio que me sinto uma idiota. Sinto muito, ela
fala. Eu não sabia que você queria ir.
Não quero. Eu só quero passar um tempo com minha irmã, a única pessoa no
planeta que me sinto 100% confortável. Mas vou ter que me acostumar com a ideia
de que ela tem um homem em sua vida e que ele vai gastar muito tempo dela. Você
tem que ir? Eu respondo com sinais, porque não posso deixar de ser um pouco
mesquinha e idiota. O que passa com ficar grávida e tudo isso?
Seu rosto fica vermelho e ela hesita por um momento. Acho que ainda não estou
grávida, porque ainda estamos ressoando ... muito.
D.I.2, gesticulo com movimentos lentos e fluidos e faço uma careta. Mais uma razão
para não ir.
Ela ri e parece tão feliz que meu coração se aperta dolorosamente. Sinto que estou
perdendo minha irmã novamente, e desta vez não porque ela foi sequestrada, mas
porque está apaixonada. Não há como recuperá-la disso. O vínculo estreito que
tínhamos antes de chegarmos aqui se foi para sempre, porque Rokan sempre estará
ligado a ela agora. Não somos mais Maddie e Lila contra o mundo.
Agora sou eu contra o mundo e é o sentimento mais solitário da história.
Sorrio alegremente para ela para esconder minha dor e decido mudar de tática.
Então, você vai colher frutas? Quem vai? E estou falando sério, se você está grávida
ou quase grávida, Rokan pode ficar sem você, certo?
Suas sobrancelhas escuras se encontram e ela balança a cabeça um pouco e começa
a gesticular novamente. Alguém mais faz uma pausa, nos observando gesticulando
e nossa conversa não parece mais privada. Fico esquecendo que a tribo está
aprendendo a linguagem de sinais através do computador da Caverna dos Anciões
e nada do que digo para minha irmã é secreto. Lila acena, Rokan está nervoso com
alguma coisa há um tempo. Ele diz que está preocupado com a idéia de me deixar
para trás.
Provavelmente porque minha irmã é surda. Ele é inteligente por ser muito
atencioso. Eu entendo perfeitamente Lila não ouve perigo, e há muito perigo neste
planeta árido e invernal. É inteligente mantê-la com ele o tempo todo. Não posso
culpar o cara por isso.
Quanto a quem está indo ... ela faz uma pausa, pensando. Tiffany e Salukh, e Claire
e Ereven. Josie e Haeden deveriam ir, mas Josie se sente mal.
Parece um retiro de casais. Não é de admirar que eu não seja convidada. Sou gorda,
fora de forma e sou como uma quinta roda total. Você vai se divertir, eu digo a ela.
Quando você vai?
Depois do almoço, ela me diz, e sua expressão é entusiasta.
A sério? Hoje? Fui espiar a entrada da caverna hoje de manhã e a neve estava caindo
em grandes flocos de gordura. Está nevando.
Está sempre nevando, diz Lila com outra risadinha feliz. Está um bom tempo,
prometo, e os meninos sabem o caminho que estamos seguindo.
Bem, divirta-se, digo para minha irmã e depois a abraço impulsivamente antes que
ela se preocupe. Aperto-a com força e afago suas tranças. Realmente, é bom que ela
saia sem mim, digo a mim mesma. Eu odeio trabalho físico, suor, caminhadas e
coisas do gênero. Eu odeio neve, enquanto Lila adora estar ao ar livre aqui. Vai
entender.
Eu ainda sinto que estou ficando para trás.
Lila me abraça novamente e depois se afasta. Eu preciso terminar de empacotar.
Estaremos de volta em alguns dias. Ela sorri e depois se concentra em algo atrás de
mim.
Eu me viro e Rokan está lá, olhando para a companheira. Porque é claro que está.
Esses dois estão unidos no quadril.
Vá, eu gesticulo. Diverta-se.
Ela se despede de mim e corre para se juntar ao seu parceiro. Eu vejo sua expressão
ficar macia e faminta ao vê-la quando ele a puxa contra ele, e eu tenho que desviar
o olhar. É assim que uma mãe pássaro deve se sentir quando seus filhotes deixam o
ninho. Não que Lila seja minha filha, mas sempre cuidei e protegi Lila, mesmo antes
de nossos pais morrerem e nos deixarem sozinhas.
Eu vejo uma das mulheres perto do fogo comunal e estou indo nessa direção. É
Stacy, uma das novas mães e que gosta de cozinhar. Ela tem sua ridícula folha de
metal que funciona como uma frigideira e a segura sobre o fogo, fazendo bolos. Não
panquecas, infelizmente, mas um pedaço de merda de raiz que tem gosto de batata
combinada com cocô de cachorro. Todo mundo aqui os ama, mas acho que faz
apenas um mês ou dois desde que comi minha última batata frita, e para mim eles
não são os mesmos. "Olá, Stace."
"Oi Maddie", ela diz, e embora ela sorria, há uma nota de cautela em sua voz. Eu
poderia ter jogado um daqueles bolos na cabeça dela quando cheguei à caverna
principal. Céus, as pessoas guardam rancor. "Com fome?"
Eu aceno, mas não me sento. “Eu pensei que teria alguns bolos para levar a minha
colega de quarto.” Eu tenho certeza que Asha não saiu da cama hoje. Eu nem tenho
certeza que ela a deixou ontem.
A expressão de Stacy suaviza. “Pobre Asha. Ultimamente está mal. Aqui, eu vou
assar um bolo e colocar um pouco daquele tempero picante que todo mundo parece
gostar. Você quer um pouco no seu também?
"Eu? Deus não - eu faço um gesto. "Eu gosto de ter paladar, obrigado."
Ela ri e vai para o trabalho, dando tapinhas nas raizes de merda raladas e
adicionando algo que parece banha de porco de uma tigela pequena e depois
temperando em outra tigela. Forme um bolo e coloque-o delicadamente na panela.
Quando ela se inclina, vejo seu bebê nas costas como um menino indiano, punhos
balançando no ar. Oh que lindo.
"Que tal Asha como colega de quarto?", Ela pergunta. "Você está se dando bem?"
"Oh, isso é ótimo. Nós duas odiamos estar aqui, então é uma verdadeira experiência
de união ".
O olhar cauteloso retorna ao rosto de Stacy. "Você odeia estar aqui?"
"É apenas uma piada", digo rapidamente. Claramente, Stacy interpretou meu
sarcasmo pela verdade. Embora seja ... mas um pouco exagerado. Não posso odiar o
planeta do gelo se minha irmã adora estar aqui. "Estou tendo dificuldades para me
acostumar com isso, só isso"
Mas ela ainda parece preocupada. “Devo dizer algo ao curandeiro sobre Asha? Ela
está claramente deprimida ... "
“Tenho certeza de que está tudo bem.” Ótimo, agora Stacy também estará na bunda
de Asha. Tenho certeza que minha colega de quarto amarga vai amar isso. "Eu vou
falar com ela, ok?"
Stacy vira os bolos com um lance experiente, depois os desliza para um pequeno
prato que parece ser feito da vértebra do tamanho de uma baleia. "Posso..."
"Não, nada aconteceu. Ficarei bem. Eu vou falar com ela agora. Obrigada, Stacy.
Pego o prato e corro antes que algo lhe ocorra, embora saiba que provavelmente a
enlouqueci. Sou eu quem tem que morar com Asha, e tenho certeza que ela não
gostaria de uma conversa animada.
Eu atravesso a caverna movimentada, agindo como se tivesse que ir a um lugar
importante para que ninguém mais me parasse. Todo mundo é sempre tão tagarela
e não há muita privacidade. É como dividir a sala de estar com quarenta estranhos,
e todos eles levam seus artesanatos para a caverna principal para trabalhar juntos ou
conversar. Dois homens têm a caça esfolada ao lado e estão raspando enquanto
falam na língua alienígena que todo mundo parece saber menos eu mim. Outra
pessoa estendeu um cobertor e está assistindo um bebê engatinhar, e outras pessoas
estão reunidas e parecem estar costurando, tricotando ou fazendo algo igualmente
doméstico e totalmente fora do meu repertório. Eu sei como misturar bebidas e
equilibrar uma caixa registradora, não esse outro lixo. Em algum momento,
suponho que vou ter que aprender, mas o pensamento me deprime.
Esta não é a vida que me inscrevi. Ninguém me quer aqui. Eu não sou útil. Nem
sequer é bom estar comigo. Eu não estou fazendo bebês. Ah, e eu sou gorda, o que
significa que como mais, e se fala em falta de comida nos meses de inverno, o que
me deixa ansiosa. Em que ponto eles começam a me olhar mal porque sou gordinha
e gosto de comida? Claro, Lila não deixará que sejam más comigo, e então fico mais
deprimida porque sou eu quem deveria estar protegendo Lila, e não o contrário.
A tela de privacidade está sobre a nossa porta, e eu hesito, segurando os bolos. A
"tela de privacidade" deve funcionar como uma porta, ou melhor dizendo, a meia
na maçaneta que os colegas de quarto penduram para que o outro colega de quarto
saiba que não deveria estar entrando. Ninguém deve reconhecer que você existe do
outro lado se a tela estiver descida. O que acho que entendo, mas agora estou
oficialmente trancada fora do meu próprio quarto e não ouço nada além de silêncio
do outro lado.
Asha me deixou de fora para que ela pudesse tirar uma soneca? Para o inferno com
isso.
Eu escuto por mais um momento para ter certeza de que Asha não está fazendo sexo
quieto ou algo assim, porque eu me sentiria uma idiota se esse fosse o caso. Só que
eu também estou bastante convencida de que Asha não toma banho ou sai da cama
há dias, então eu duvido que ela se sinta sexy.
Foda-se. Coloco a tela de lado e entro. “Ei, Asha. Eu trouxe café da manhã para você.
Ou eu acho que é o almoço agora, ou o que seja. "
O interior da nossa pequena caverna é escuro e deprimente. Eu não tenho muita
merda desde que sou nova, então meu lado do quarto não passa de uma pilha de
peles que servem como minha cama. Asha tem algumas cestas alinhadas ao longo da
parede, mas nunca a vi pegá-las. Na verdade, eu nunca a vi fazer muito. Como colega
de quarto, é uma merda. Ou eu sento do lado de fora e tenho pessoas "legais" até a
morte, ou posso ir e sentar em um quarto escuro com a Wednesday Addams aqui.
Asha senta quando eu entro, seu cabelo bagunçado e sua testa franzida. Suas
bochechas parecem suspeitamente molhadas e ela chupa o nariz enquanto olha para
mim. Ela diz algo em alienígena que provavelmente é parecido com "Você não viu
a tela?"
"Sim, eu ignorei sua tela", eu digo em inglês, caindo na minha cama. “E eu sei que
você sabe inglês, e você sabe que eu não sei sa-khui, então nem comece comigo.”
Pego um dos bolos crocantes e o ofereço a ela. "Com fome?"
"Não", ela diz com uma voz sombria. Ela segura uma trouxa de roupas no peito e
deita-se novamente. "Eu quero ser deixada sozinha"
“E eu quero estar em casa e comer uma refeição feliz, mas nem sempre conseguimos
o que queremos.” Cara, esses bolos não são ótimos. Quero dizer, vou comer os dois,
mas definitivamente vou pensar em refeições felizes o tempo todo.
"Você não tem outro lugar para ir?" Asha me ataca.
“Deus, eu desejo.” Balanço minha cabeça e balanço o último pedaço de bolo antes
de pegar o dela. "É aqui que ficamos deprimidos, certo? Então pensei em me juntar
a você em sua autopiedade. "
Ela abraça as roupas - o manto de um homem aparece - contra o peito e franze a
testa para mim. "Por que você está deprimida?"
Meu nariz escorre com cada mordida, mas eu ainda estou comendo o bolo dela.
"Oh, para muitas coisas. Mas se você está falando de hoje, minha irmã está
caminhando com seu novo marido e eu estou muito gorda e fora de forma para ir".
Ela bufa "O passeio vai lhe fazer bem."
"Obrigado, Richard Simmons", digo secamente. “Além disso, são todos os casais
que vão e eu não pinto nada lá.” A solidão me invade como uma onda, e de repente
me sinto tão cansada e espancada pelo mundo quanto Asha. Eu me arrasto para a
minha cama e deito de bruços, sem olhar para nada. "Este lugar é péssimo", digo
depois de alguns minutos de silêncio. "Eu sou uma miserável."
E eu também sou. Sinto vontade de chorar, porque estou sozinha e esquecida e nem
tenho um trabalho que distraia.
"Bem, faça alguma coisa", Asha me diz, e ela parece irritada. "Não reclame comigo"
"Isso é um rico ... apoio emocional de você."
“Você está com raiva porque sua irmã não precisa de você. Qualquer um pode ver
isso.” Ela empurra seus cobertores, ajusta-os e depois os puxa de volta para colocá-
los em cima, enrolados por baixo.
"É incrível que você possa ver qualquer coisa, considerando que nunca sai da cama",
eu respondo com um grunhido, mas ela está certa. Eu mudo sem minha irmã. Quem
sou eu se não sou a protetora de Lila? Tudo o que eu tinha na Terra foi despedaçado
e, quando Lila se foi, eu me agarrei à presença dela como uma âncora. Pensei comigo
mesma que, quando Lila voltasse, as coisas seriam melhores. Nós encontraríamos o
caminho juntas.
Exceto que Lila voltou e ela não precisava mais de mim.
"O que você faz quando tudo é terrível?" Eu pergunto para Asha.
"Eu vou deitar na cama", diz ela em uma voz lacônica. “Você terá que pensar em
outra coisa, porque eu não quero companhia. Encontre outro lugar para se
esconder. Este é meu"
Amigo. Ela é dura. "Eu pensei que deveríamos ser colegas de quarto"
"Ninguém me perguntou se eu queria um companheiro"
Bem, ela está certa sobre isso. Eu rolo para o meu lado e a ignoro, tentando todas
essas coisas 'chafurdantes'. Eu tenho que admitir, é muito chato. Estou acostumada
a fazer coisas o dia todo, não me esconder. Isso não vai funcionar para mim. Rolo
de costas e olho para o teto e depois olho para Asha novamente. "Então,
basicamente, você está me dizendo que eu preciso de um hobby e que você já tem
mercado da depressão monopolizado e que eu preciso encontrar outra coisa"
"Algo assim, sim." Sua voz está abafada, cansada. "Encontre algo que te diverte"
"Como que?"
Ele suspira pesadamente, como se apenas me responder fosse cansativo. “O resto da
tribo se ajuda. Temos que cozinhar, coletar e bronzear ... ”Sua voz se recupera e ela
respira fundo antes de continuar. "E há kits para assistir enquanto os outros estão
caçando"
Oh Caçando. Estou intrigada. Eu me imagino com um arco e flecha, como Liz. Ela
é uma menina muito má. Eu também gostaria de ser uma garota durona. "Sabe o
que? Eu acho que você pode estar certa, Asha ”
"Tudo certo. Agora vá embora"

Capítulo 3

HASSEN
Do meu ponto de vista em um desfiladeiro nevado, vejo Taushen lutando para
puxar uma de suas redes para fora da água no vale abaixo. Ele agarra um punhado
da rede, puxa e então ele balança e escorre pelas margens lamacentas. Eu seguro
minha risada. Quanto sah-sah Taushen bebeu na noite passada? Vi ele e Hemalo
separando uma das peles enquanto estavam sentados ao redor de uma fogueira. Pelo
menos, ele está alerta o suficiente para se lembrar de jogar as bagas de sabão na água
antes de puxar as redes, ou haveria presas mastigando suas botas agora. Ele se levanta
do chão e esfrega a testa. E rola novamente.
E cai de novo.
Eu mordo o interior da minha bochecha para manter minha risada silenciosa.
Taushen é jovem demais para saber quando parar de beber sah-sah, embora Hemalo
devesse ter sabido melhor. Eu me pergunto por que eles estavam bebendo e depois
decido que não me importo. Sinto uma pontada de ciúmes. Eu deveria estar
bebendo com eles, me divertindo. Agora eu não sou nada. Um tolo amargo que deve
caçar incessantemente para fogueiras ao quais não sou bem-vindo.
Tento não deixar que isso afete meu estômago, mas não posso evitar. A tribo era
tudo que eu tinha e agora não tenho nada.
Agora estou tão baixo quanto Taushen, imagino. Eu não posso pagar. Um exílio
deve sempre funcionar. Enquanto eles comemoram e bebem, eu caço e alimento a
tribo. Corri pela trilha de Taushen hoje de manhã e decidi segui-lo depois de ver o
padrão desenfreado de seus passos na neve. Eu o observo para garantir que ele não
faça nada estúpido ou arriscado, mas Taushen é inteligente. Ele fica perto das
cavernas e verifica armadilhas e redes em vez de pescar, enquanto sua cabeça dói e
seus reflexos são lentos.
Eu suspeito que Taushen não foi o único que bebeu muito na noite passada e está
se movendo lentamente esta manhã. Eu rio para mim mesma quando o jovem
caçador puxa sua rede novamente e depois cai sobre sua bunda como um kit,
olhando para a água. Isso está se tornando muito divertido.
Estou tão concentrado em Taushen que quase não percebo o gato da neve que
espreita por perto, saindo furtivamente das folhas retorcidas de um arbusto em
direção a uma borda de neve. Eu preparei uma das minhas facas de osso, estudando
a criatura. Ele é magricela, com peles esmaltadas, e o brilho de khui em seus olhos é
fraco. Seus movimentos são lentos. Doente, então, ou cheio de minhocas e até agora
nem o seu khui pode mantê-lo saudável. Eu o vejo me estudando e então ele se
afasta. É fraco demais para disputar território, e relaxo meu punho de faca. Um gato
saudável da neve seria uma refeição decente para quem está na caverna, mas este não
é bom para comer.
Enquanto o observo recuar, um osso longo e reto balança no ar e cai no chão a uma
curta distância.
Eu estreito meus olhos, inclinando-me para ele. Estou vendo coisas? Leezh ou
Raahosh estão perto? Era uma das flechas deles? Mas já os vi caçar com a arma e
treinar com ela. Eu sei como mirar e acertar minha presa com uma das flechas finas,
mas esse tiro ... não foi bom. Não mataria o gato da neve, mesmo que a criatura
permanecesse completamente imóvel.
O gato da neve mole se afasta e, ao longe, ouço uma fêmea soltando uma série de
palavras humanas estranhas. Curioso, levanto-me e agacho, ficando no meu
esconderijo entre os arbustos intisar. Seus espinhos puxam minhas roupas, mas eu
cuidadosamente empurro as folhas para o lado, olhando para fora.
Uma figura envolvida em muitas camadas de pele se move pela neve. A forma é
pequena o suficiente para ser humana e curvilínea o suficiente para que você possa
adivinhar quem é. O que Mah-dee está fazendo aqui? Sozinha?
Ela se afasta, pega sua flecha e depois se dirige para um vale próximo,
presumivelmente para perseguir o gato da neve que ela está caçando.
Eu olho para Taushen. Está claro que ele não está em condições de caçar esta manhã,
e estou preocupado que não o abandone. Ao mesmo tempo, Mah-dee está sozinha
e na natureza. Ela vai se machucar ... ou pior, se ela encurralar o gato da neve doente.
Eu me sinto indeciso.
Volto a subir a colina e olho para Taushen novamente. Para meu alívio, ele desistiu
de suas redes e está indo em direção à caverna da tribo, um peixe longo e pesado
pendurado no ombro. Bem. Isso me deixa livre para resgatar Mah-dee de si mesma.
Eu me viro para ela e vejo que ela já está no vale, perseguindo sua presa. Seus passos
são lentos e desajeitados em raquetes de neve, e ela usa o fim do arco como uma
bengala para se ajudar. Enquanto eu assisto, ela tropeça para frente, plantando o
rosto primeiro na neve espessa.
Suspiro e desço a encosta da colina atrás dela, sufocando minha irritação. Os seres
humanos desconhecem dolorosamente como é perigoso para eles estarem na neve.
Mah-dee é mais inconsciente que a maioria, mas também é mais nova que as outras.
Se fosse Jo-see ou Claire, eu teria palavras duras para elas, mas acho que devo
perdoar quando se trata de Mah-dee.
Eu desço para procurá-la.
Todos os pensamentos de perdão e compreensão desaparecem quando ela para de
novo na neve e puxa o arco, e ouço o aviso do Metlak gritar, seguido pelo uivo do
gato da neve. Estou preocupado com golpes no peito. Como um pequeno humano
pode encontrar tantos problemas tão rapidamente? Eu acelero, puxando minhas
facas.
Mah-dee é corajosa. Ela move o arco em direção ao grito do Metlak, sem recuar. Sua
forma aperta e, ao longe, vejo os cabelos amarelos e sujos de um metlak contra a
neve. Ele se abaixa e grita novamente.
Mah-dee atira nele, mas sua flecha cai no chão perto de seus pés. Ela murmura algo
em humano novamente.
O metlak cobra.
Eu berro uma resposta, saltando para frente. Atravesso a curta distância entre Mah-
dee e eu em questão de momentos. Como caçador, meu dever é proteger, e estou
diante de Mah-dee enquanto ela procura outra flecha. Facas desembainhadas, eu
rosno para o metlak, desafiando-o a se aproximar.
Seu grunhido se transforma em um grito de medo. Ele se vira e se afasta, como
suspeitava. Eles são covardes, mas cruéis, e tendem a fugir se confrontados ou
encurralados. Ele não fugiu de Mah-dee, e eu estremeço ao pensar no que teria feito
com ela se ela ficasse em seu lugar e continuasse tentando atirar flechas. O
pensamento faz meu estômago apertar, e a raiva explode em minha mente.
Humano estúpido.
Eu persigo o Metlak um pouco mais, descarregando minha raiva nele. A criatura
continua gritando e gritando seu medo, e eu não paro até ter certeza de que não
voltará a Mah-dee. Eu desacelero meus passos e depois me viro, procurando pelo
gato da neve ou outros perigos que Mah-dee pode ter tropeçado. Mas não sinto
nada e relaxo o suficiente para embainhar minhas facas.
Mah-dee ainda está de pé onde eu a deixei, com a boca aberta. O arco está em suas
mãos, meio levantado, uma flecha descansando. "O que foi tudo isso?", Ela me
pergunta. "E de onde você veio?"
"Você não viu minhas pegadas?" Eu rosno para ela. "Você não viu a trilha do Metlak
antes de entrar neste vale?"
Ela pisca para mim. "Pegadas? Eu ... oh. Eu não pensei nisso. - Ela olha de novo para
a neve embaralhada deixada por seus sapatos de neve. "Suponho que deveria ter sido
óbvio."
Minha irritação aumenta ainda mais. Até o mais novo dos kits é ensinado a observar
de perto a neve. "Quem está contigo?" Eu vou bater na cabeça do caçador por ser
tão burro que deixa Mah-dee correr sozinha.
“Ninguém está comigo.” Ela levanta o queixo desafiadoramente. "Estou sozinha"
"O que? Porque?" Não há ninguém para protegê-la?
Suas sobrancelhas caem e ela me olha incrédulo. "Coloquei um pé na frente do
outro e saí?"
"E não havia ninguém para pará-la?"
“A última vez que verifiquei, era uma tribo, não uma prisão. E não sei se você notou,
mas as pessoas estão meio ocupadas ultimamente. Ninguém tem tempo para ficar
com um humano entediado. " Ela diz isso com uma voz casual, mas há uma tensão
em seu rosto humano redondo e engraçado.
Uma flecha desliza da aljava em seu ombro - seu ombro, de todos os lugares - e eu
distraidamente a pego. "Por que todo mundo está tão ocupado?"
"Houve uma festa no outro dia, que eu sei que você sabe, porque eu vi você lá". Suas
bochechas estão rosadas. "E então Maylak teve seu bebê, então um grupo de pessoas
foi caçar uma daquelas enormes criaturas ..."
"Sa-kohtsk", digo distraidamente, avançando e desatando a aljava de seu ombro.
"Isso vai para o seu quadril, não para o seu braço"
“Oh. Um sa-kohtsk, certo. De qualquer forma, eles precisam de piolhos para o bebê.
Eles têm que parasitar isso. Você sabe como é"
Não entendo parh-shi-tarrl, mas sei como funciona uma caçada ao sa-kohtsk. Os
delicados khui são removidos do coração da criatura e entregues ao kit recém-
nascidos para que ele possa viver. As crianças sa-khui nascem sem khui - são nativas
deste mundo e nós não. O khui entra no peito e envolve o coração, iluminando os
olhos do hospedeiro. Nos mantém fortes e saudáveis ... e nos dá ressonância. Os
humanos ainda não se sentem à vontade com a idéia de viver dentro deles, mas
aqueles sem khui morrem em poucos dias. "Um khui é uma coisa boa"
“É o que todo mundo me diz.” Ele encolhe os ombros. “E minha irmã e algumas
pessoas também estão indo para a caverna de frutas para colher e explorar a área. A
caverna ficará bem vazia por um tempo. "
“Entendo.” Amarro a aljava na cintura e a ajusto onde está. Mah-dee fica lá como
um kit, sem perceber o quanto estou perto. Minha cabeça está cheia de pensamentos
de guerreiro. Estou com raiva que a tribo não tenha ido a uma, mas a duas caçadas
e eu não fui incluído. Claro que não estava. Eu sou exilado. Não sou bem-vindo até
que tenha sido punido o suficiente para fazer Vektal feliz. O pensamento queima
no meu estômago.
Eu ainda estou chateado que Mah-dee está aqui sozinha. Ninguém pensou em
proteger o humano? Fazer ela fica ocupada? Dar a ela algo para fazer? "E então você
veio aqui porque ..." Eu me afasto, esperando ela terminar de pensar.
As bochechas de Mah-dee ficam vermelhas com entusiasmo. Finalmente, ela tira as
mãos de mim e franze a testa para mim. "Como eu disse, por que não é uma prisão?"
"Não sei o que é esse 'primo'"
"Não importa". Ela suspira. "Eu provavelmente perdi meu fôlego tentando explicar
como me sinto."
"Mas está tudo bem desperdiçar meu tempo e se arriscar tentando caçar?" Eu olho
para ela com curiosidade “Isso é algo humano que eu não entendo? Você gosta de
se colocar em perigo?
Ela suspirou com raiva e seus olhos se estreitaram em mim. Suas mãos vão para os
quadris. "Foda-se".
Eu fico muito quieto. Já ouvi essa palavra humana antes. Ocasionalmente, eles
cuspiram, mas eu o descartei como tagarelice. Não aprendi quando a Caverna dos
Anciãos me ensinou suas palavras, mas uma que ouvi Jo-see dizer a Haeden
recentemente, entre beijo e beijo. A luxúria queima através de mim, me
surpreendendo com sua intensidade. Eu estudo Mah-dee. Sob as peles, sei que sua
forma é exuberante e espessa, saudável e sólida. Ela não é feita como a pequena Jo-
see, mas forte e gorda de boa saúde. Seu cabelo é de uma cor pálida estranha, mas
seu rosto redondo é atraente por toda sua estranheza humana. Surpreende-me ... e
sinto-me honrado por ela ter me escolhido como um parceiro de prazer. "Você quer
que eu te foda? Concordo"
∗∗∗∗∗∗∗
Acasalar comigo?
"Espere, qual é o problema?" Eu levanto minhas mãos quando Hassen me puxa
contra ele, e minhas mãos batem em seu peito duro. Oh uau É realmente quente.
Eu não percebi o quão frio estava aqui fora até que eu o toquei, e agora tudo em que
consigo pensar é em sua almofada de aquecimento em chamas no peito com o
sedoso fiapo azul cobrindo seu corpo. Minhas mãos estão em seu peitoral e ele é
duro em todos os lugares, o que é fascinante e faz minhas partes femininas sentirem
e prestarem atenção.
"Farei isso certo para você", diz ele com voz rouca. "Diga-me como você gosta de ser
satisfazer e eu farei"
Suas palavras confusas me trazem de volta à realidade. "Espere, não, eu estava lhe
dizendo para se foder, não que eu queira fazer isso"
Ele abaixa a cabeça e parece claro para mim que ele não entende a distinção.
Caramba, toda vez que ele me toca, eu também começo a perder a distinção. Ele é
musculoso, sexy e quente, e Deus, realmente faz um tempo desde que eu fiz sexo.
Na verdade, já faz um tempo desde que alguém me tocou. Fiquei muito isolada e
sozinha aqui, e Lila está ocupada com seu novo homem e me senti ... descartada.
Não me sinto descartada agora, não com os olhos brilhantes de Hassen queimando
nos meus.
Lentamente, tristemente, dou-lhe outro empurrão e empurro para trás, para longe
dele. "Eu não vou fazer sexo com você. Era uma maneira de falar. "
Franze o cenho "Ah-baaar forh-mm? Não entendo..."
"Isso significa que eu estava dizendo algo que você interpretou mal."
"O que você quis dizer com isso?"
"Quero dizer, você está sendo rude e irritante."
Ele fica bravo com isso. "Então por que você exigiu que eu te fodesse?"
Ok, sério. A emoção que senti quando o toquei está desaparecendo rapidamente
por trás da irritação mais uma vez. "Eu. Não. Fiz." Eu paro a cada palavra. “Eu estava
tentando lhe dizer que posso fazer o que eu quiser. Não preciso perguntar a
ninguém se tenho vontade de caçar. Você não entende, não é?
Hassen me olha intrigado. "Por que você quer caçar?"
"Porque estou entediada. Estou muito chateada". Coloco o arco por cima do
ombro, irritada. “As outras garotas na caverna estão ocupadas criando bebês ou
tendo bebês. Todo mundo está caçando, coletando ou o que quer que faça. Até
minha irmã não me deixa ir com ela porque estou muito gorda e fora de forma.”
Isso ainda me pica. Desde que cheguei ao planeta do gelo, venho perdendo
centímetros como louca por causa de toda a atividade física. Eu pensei que
realmente parecia muito magra, então ouvir que eles me consideram um fardo dói.
Não, exclua isso. Isso me deixa irritada. Ninguém está me dando um acordo justo
neste planeta, tudo porque eu estava um pouco mal humorada quando descobri
que minha irmã foi sequestrada.
Hassen estica a mão e endireita o arco do meu ombro, empurrando um lado para
trás que provavelmente teria me atingido nos olhos se eu tivesse virado para a
esquerda. "Entendi"
Não era isso que eu esperava ouvir do grande idiota musculoso que roubou minha
irmã e apenas tentou me beijar. "A sério?"
“Eu entendo o tédio.” Ele gesticula para as intermináveis montanhas nevadas ao
nosso redor, com o rosto duro. "Você acha que eu não me canso de não ter alguém
com quem conversar? Caçar dia após dia sem sequer dizer uma palavra para outro?
Você acha que eu não desejo companhia em volta do fogo à noite? Eu aceitaria de
bom grado o ronco de Taushen, em vez do silêncio de estar sozinho.
"Eu ... oh" Eu de repente não sei o que dizer. Isso parece horrível, mas, ao mesmo
tempo, não acredito que tenho sentimentos de simpatia em relação ao idiota que
tirou minha irmã de mim. Porque eu sei o que é ser ignorado. Sei como é sentir que
todos estão contra você. Sei como é estar do lado de fora e querer desesperadamente
ser aceito.
Não achei que tivesse uma afinidade por Hassen. Disseram-me repetidas vezes que
Lila nunca esteve em perigo com ele, que ele apenas a seqüestrou porque queria
cuidar dela e acasalar-se com ela, mas guardei rancor por isso, apesar de tudo. Ele
tentou forçá-la, e isso não correu bem.
Mas agora também vejo outra camada sob o 'saco arrogante de merda'. Ele ainda é,
mas também é ... solitário e desesperado. Ele viu minha irmã como uma
oportunidade e se aproveitou disso. Eu deveria odiá-lo por isso. Em vez disso, fico
pensando em como seu peito peludo e aveludado estava quente.
Eu devo ser uma idiota. "Bem, se você ficar entediado, ensine-me a caçar", digo
levemente. "Nós podemos nos fazer companhia." Toco a corda do arco que se
encaixa entre os meus seios como um cinto de segurança. “Eu preciso aprender a ser
útil. Não apenas porque preciso contribuir com a situação alimentar, mas porque
preciso ter algo para fazer ”.
Não aponto para o pensamento que me preocupa no fundo da mente: que eu
preciso ser capaz de cuidar de mim mesmo se não puder suportar isso e quiser deixar
a tribo. Fico dizendo a mim mesma que isso nunca vai acontecer, e continuo
pensando nisso. Porque não me sinto amada, nem preciso, nem aceita, e não sabia
o quanto precisava daquelas coisas até agora.
Hassen me observa por tanto tempo que não sei o que está acontecendo em sua
cabeça. Ele está pensando em me ensinar? Ele está pensando coisas sujas sobre mim?
Ele está ... focado em sexo? Estremeço ao pensar nisso, porque é outra coisa que não
me vem à cabeça.
Cabeça estúpida, sempre segurando as coisas erradas.
Toco a corda do arco novamente e seu olhar vai para lá. Eu congelo, porque agora
isso significa que ele está olhando para os meus seios. Espero que não se pergunte
por que eles são muito maiores do que as outras garotas daqui. Nenhum dos
alienígenas é gordo, e isso seria uma conversa muito estranha.
"Eu deveria estar no exílio", ele finalmente diz, me olhando nos olhos novamente.
"Isso é ótimo", eu digo brilhantemente. "Eu vou me ensinar. Não é grande coisa".
Eu me viro.
Ele agarra meu braço e, para minha surpresa, rosna como um urso. É estranho ... e
faz meu corpo tremer um pouco mais do que deveria. "Você não me deixou
terminar, mulher"
"Pfff. Então vá em frente e termine, cara. Eu me viro para ele e faço um grande gesto.
"Continue".
Hassen cruza os braços sobre o peito. E tudo bem, eu realmente não devo prestar
atenção ao fato de que seus braços flexionam para se tornar o bíceps mais incrível,
ou que seus peões são aqueles quadris incríveis de músculos lisos que imploram para
serem acariciados novamente. “Não podemos dizer a ninguém que vamos nos
encontrar. Não quero que o chefe prolongue meu exílio ”
Oh É sua única preocupação? Eu sorrio aliviada. Parece que ele concordou em ser
meu amigo, e é estranho o quão feliz isso me deixa. "Ótimo. Então você vai ser meu
tutor, afinal?
Ele assente e me estuda novamente. "Mas não com esse arco"
"Porque não?"
"Seus braços não são longos o suficiente para se esticarem bem. Você é menor que
Leezh ”
Isso não é algo que ouço com frequência, e me gabo um pouco. Quero dizer, ela
claramente não está falando sobre nossos números, porque Liz acabou de ter um
bebê e eu ainda sou mais gorda que ela, mas eu gosto de ouvir assim mesmo. "Então
que?"
Ele pega minha mão e a estuda, franzindo a testa.
"O que você esta olhando?" Deus, eu pareço sem fôlego. Mas ele agarrando minha
mão me fez perder o controle. Suas mãos são tão grandes, e eu me sinto tão delicada
e feminina ao seu lado.
"Você tem dedinhos", ele me diz, e soa como um aviso. "E mãos pequenas. Muito
pequenas para minhas facas. "
"Existem extras em algum lugar em que eu possa emprestá-las?" Uma parte de mim
quer tirar minha mão da mão dele, e a outra parte de mim quer que ele passe o
polegar ao longo da palma da minha mão levantada. Ou beije-a. Sim, beijar
funcionaria.
Oh Deus, agora estou tendo fantasias sexuais estranhas sobre o cara que sequestrou
minha irmã.
Eu tiro minha mão da dele e ele parece surpreso, então ele parece dar de ombros. "A
caverna de armazenamento".
Penso no design da caverna tribal. Há uma ou duas salas na parte de trás da ala
"nova" - a área com toda a rocha áspera - onde são mantidos muitos pêlos, ossos e
outras coisas extras. "Acho que sei onde ela está. Eu vou procurar"
"Vamos nos encontrar lá de manhã", ele me corrige. "Vou escolher as armas
apropriadas para o tamanho da sua mão e vamos treiná-las"
Quero me opor à atitude chauvinista de 'Eu vou escolher para a defesa da mulher',
mas realmente não sei se o tamanho da minha mão vai afetar as coisas, afinal. Talvez
eu esteja apenas na defensiva. Olho as grandes facas amarradas ao cinto e tento
imaginá-las em minhas mãos. Ok, sim, ele pode estar certo. "Podemos voltar lá agora
..."
"Não. Por enquanto, eu vou te levar para casa. "
Idiota arrogante. "Por quê?"
“Porque existem metlaques nesta área e não é seguro para você.” Ele coloca a mão
no meu ombro e lentamente me vira na direção de onde eu vim. "Então eu vou guiá-
la para casa e depois vou encontrar Taushen e garantir que ele volte para a caverna."
Taushen? Oi? "Ta bem. Que horas vamos nos encontrar de manhã, então? Porque
tenho que avisar que minha agenda está bastante cheia - digo levemente.
"Cronograma?" A maneira como ele diz a palavra é engraçada, toda alongada e
estranha. "O que é isso?"
"É uma piada", respondo secamente. "Não importa".

∗∗∗∗∗∗∗

Eu vago na caverna tribal pelo resto do dia. Na verdade, não tenho nada para fazer
e todo mundo parece tão preocupado que me sinto desconfortável ao perguntar se
alguém precisa de ajuda. E realmente, não há muito que eu possa fazer para ajudar
com muitas coisas. Eu não sei nada sobre bebês, ou esfolar, ou fazer flechas, ou tricô,
ou algo assim, então acabo sentada ao redor do fogo parecendo entediada.
Normalmente, há algumas pessoas sentadas perdendo tempo, mas hoje a caverna
parece incrivelmente vazia. Há alguns velhos sentados ao redor, e eu posso ouvir um
bebê chorando ao longe. O fogo continua a arder em cinzas, então eu tenho que
continuar alimentando-o, o que não é algo em que eu seja boa. Acabo jogando
muitos pedaços grandes de estrume seco no fogo e esperando o melhor.
O que significa que tenho um grande incêndio quando alguém se aproxima.
"Deus, você está com frio?" Stacy balança novamente com seu menino indiano e me
oferece um olhar curioso. "Você precisa de mais pêlo? Porque alimentar o fogo tão
alto só queima muito combustível ... "
"Foi um acidente", digo defensivamente. "Eu não queria que fosse tão grande. Ele
continuou disparando.”
“Oh. Bem, você deve empilhar as peças para que elas queimem por um longo tempo.
É por isso que alguns deles estão juntos. " Ela se aproxima do fogo e usa dois paus
para colocar todo o combustível em uma pilha justa e ordenada. As chamas morrem
um pouco e retornam a um rugido que não queima.
"Obrigado", eu digo, e tento parecer séria. Eu odeio que todo mundo me corrija
constantemente sobre como fazer as coisas mais básicas.
"É claro", ela diz, e a expressão em seu rosto me diz que ela está contemplando uma
retirada estratégica do fogo. Porra, eu sou tão desagradável de estar por perto?
Sorrio para Stacy, um pouco desesperada por companhia. Toco um dos bancos
próximos, incentivando-a a ficar. "Então, o que você está fazendo?"
A tensão diminui em seu corpo e ela relaxa. Ela não se senta no banquinho ao meu
lado, mas puxa um deles pelo fogo e tira a frigideira da bolsa. “Josie vomitou a tarde
toda, então pensei em fazer alguns bolos para ela. Eles são mais leves no estômago
do que carne crua. Ou carne cozida. "
"Ou aquela coisa de carne seca em pimenta"
Stacy torce o nariz. "Sim. Então, pensei em fazer bolos. " Ela pega sua tigela pequena
de gordura e esfrega a superfície da panela, e eu a observo. A frigideira em si parece
bem surrada: é um quadrado com bordas dobradas para formar um flange, soldado
a uma longa alça de metal com uma alça de osso. De onde eles tiraram a solda, não
faço ideia. Stacy é a única com uma frigideira, e isso faz dela a cozinheira não oficial
do grupo, assim como Tiffany é a jardineira não oficial. Ambas têm habilidades que
estão colocando em prática.
Não tenho nada prático para oferecer, o que é realmente uma chatice. Um garçom
em um planeta de gelo é tão útil quanto um modelo de passarela.
Stacy pega um pedaço da raiz branca carnuda, corta-a e depois adiciona um pouco
mais de gordura e alguns outros ingredientes que não reconheço antes de dar um
tapa em um bolo e colocá-los na panela no fogo. "Como está sua colega de quarto?"
"O mesmo"
"Ela gostou do bolo que eu fiz para você? Devo fazer mais?
Dou de ombros. "Posso levar mais se você os fizer, mas não sei se ela os comerá."
Não indico que ela não tenha comido o último. Finalmente alguém está aqui
comigo e conversando comigo, e não quero assustá-la. "Você viu Farli
ultimamente?" Ela geralmente sai comigo. " A adolescente é minha melhor amiga
na caverna, aparentemente.
“Ela foi com os outros caçar o sa-kohtsk. Pashov foi com eles. Georgie também ”
"Eles vão caçar?" Tento imaginar a esposa do chefe e a adolescente Farli atacando
uma dessas coisas.
"Elas provavelmente vão ajudar a sair da caverna por um tempo antes que a
temporada brutal chegue."
Verdade. Porque o inverno está chegando, blá, blá, blá. Eu tenho ouvido muito
sobre isso há semanas, mas não vejo como isso pode ficar muito pior do que já é.
Stacy olha para cima e sorri para alguém atrás de mim. “Oi Josie. Como se sente?"
Levanto os olhos quando Josie cai no banquinho ao meu lado. Seu rosto está pálido
e seu cabelo está mole e suado. "Horrível. Eu disse a que você queria enjôo matinal?
Eu sou claramente louca. - Suas mãos vão para o estômago. "Por favor, me diga que
isso não dura muito."
"Não dura muito", diz Stacy.
"Mentirosa".
"Você não pediu a verdade", diz Stacy. Aqui, estou fazendo bolos para você. Talvez
você possa mantê-los dentro. "
Josie coloca um dedo embaixo do nariz para bloquear o cheiro. "Eu suponho. Eu
gostaria que Haeden estivesse aqui. Ela pisca com enormes lágrimas. "Eu odeio ficar
doente o dia todo e ele está caçando. Eu preciso dele "
"Oh querida", diz Stacy, sua voz suave. “Você está hormonal. Ele saiu com a festa de
caça de Maylak. Eles estão recebendo um khui por seu bebê fofo. Você sabe que ele
não pode ficar na caverna e acariciar seu cabelo o dia todo. "
“Não pode?” Ela diz melancolicamente. Ele olha para mim como se estivesse
olhando para mim pela primeira vez. "Você não foi com os outros, Maddie?"
"Eu não estava com vontade", eu minto. Obviamente Josie está em sua caverna há
tempo suficiente para não saber que eu não fui convidada. Não vou decepcioná-la
com essa ideia. "Pensei em ficar e esperar aqui"
"É chato sem o meu Haeden", diz Josie, suspirando profundamente.
Stacy apenas revira os olhos.
"É difícil para você manter-se ocupada?" Eu pergunto. Deus, eu sei como é.
"Não da maneira que quero estar ocupada", diz Josie com uma careta.
"Informação demais", diz Stacy, virando um bolo e deslizando-o para um dos
pratos.
"Oh vamos. Estou grávida. Às vezes, coça e realmente precisa ser arranhado. Você
não estava com tesão quando estava grávida, Stace?”
Stacy entrega a Josie o prato. "Tenho certeza que sim, mas também tenho certeza
que Maddie não quer ouvir sobre sua vida sexual."
Josie pega o prato de Stacy e olha para mim. "Sinto muito".
"Oh está bém. Pelo menos um de nós está fazendo sexo. " E, por alguma razão, no
momento em que as palavras saem da minha boca, penso em Hassen.
Você quer que eu te foda? Concordo.
De repente me sinto muito inquieta. Penso na sensação de sua pele sob minhas
mãos, no calor de seu corpo, em quão grande e forte era. Como foi bom tocá-lo. Eu
não deveria estar percebendo essas coisas sobre Hassen de todas as pessoas. E ainda
assim. E ainda assim.
Eu sou atraída por ele, e eu não fui atraída por mais ninguém neste planeta. Eu não
conseguia superar os chifres, as presas e as caudas, caro senhor, as caudas. Mas com
Hassen, não estou pensando nisso. Estou pensando acima de tudo sobre isso. E quão
suave e aveludada era sua pele.
Você quer que eu te foda? Concordo.
É errado ... querer bater no traseiro de um homem que sequestrou minha irmã?
Provavelmente
Estou pensando nisso de qualquer maneira?
Oh sim.
"Eu não pensei que seria tão ruim quando não estava grávida", diz Josie. “Pensei
que, assim que o bebê chegasse, não gostaria que Haeden me tocasse até sair
novamente. Mas, oh cara. ”Ela suspira dramaticamente e envolve os braços em volta
do tronco dela. "Estar grávida significa apenas que eu preciso de sexo o tempo todo."
"Nós sabemos", diz Stacy secamente, colocando um novo bolo no fogo. "Você é
barulhenta"
"Eu não ligo", a voz de Josie é alegre. "É só que às vezes você tem que coçar a coceira,
sabe? E ultimamente, cara, eu tenho comichão ”
Stacy ri, mas eu não digo nada. O que Josie está dizendo é que me bate bem na cara.
Estou inquieta e solitária desde que cheguei ao planeta do gelo. É disso que eu
também preciso? Alguém para coçar minha coceira? Josie parece tão feliz e vomitou
a tarde toda.
Você quer que eu te foda? Concordo.
Talvez ... talvez eu devesse ter aceitado sua palavra. No momento em que a idéia
passa pela minha cabeça, eu não odeio. Eu não a odeio. Não pode ser um
acasalamento "real" porque não estamos ressonando. Eu não posso engravidar.
Também não há ninguém para me julgar. Os alienigenas são muito abertos sobre
sexo. Caramba, eu vi casais se beijando na piscina pública, deixando pouco para a
imaginação, e ninguém aqui perto piscou. Eu ouvi pessoas fazendo sexo em suas
cavernas à noite. Isso faz alguém zombar um pouco e nada mais.
E para torná-lo ainda mais conveniente?
Todo mundo se foi. Eles estão caçando ou coletando frutas. A caverna está
praticamente vazia e provavelmente o será por mais uma semana.
Este seria o momento perfeito para arranhar minha "coceira".
Além disso, há uma vantagem em que Hassen é exilado. Eu não deveria estar por
aqui. Se as coisas ficarem desconfortáveis, não precisarei lidar com ele
constantemente. Não estará perto do fogo no café da manhã. Ele não vai sair
durante as reuniões da tarde. Ele é exilado.
Quanto mais penso nisso, mais a idéia me intriga. Não sou contra uma aventura
noturna. Tenho certeza de que não me importo de coçar a coceira que está me
incomodando ultimamente. Quero dizer, se eu me deitar e relaxar? Isso é uma
vitória. Não há consequências.
Claro, eu preciso saber como ele realmente se sente sobre minha irmã antes de
decidir reivindicá-lo por minhas necessidades egoístas. Se ele está esperando Lila,
não vou tocá-lo.
Mas se não for ... cruzo minhas pernas com força, apertando minhas coxas. Talvez
seja um erro concentrar minha atenção nele. Provavelmente o cara errado.
Mas é tão apropriado de tantas outras maneiras que não posso evitar. Começo a
pensar em outras idéias. Taushen não foi com os outros. Warrek também. Hemalo.
Alguns dos mais velhos. Nenhum deles chega perto de me fazer pensar em querer
sexo. No momento em que penso em Hassen, é tudo o que tenho em mente.
Eu poderia esperar os outros caras voltarem da caça, mas ... eu gosto de pensar que
a caverna está tão vazia. Isso me dará a liberdade que eu normalmente não poderia
ter.
É agora ou nunca. Olho para a entrada da caverna, mas está vazia.
Ok, é amanhã de manhã ou nunca.

Capítulo 4

HASSEN

Estou na Caverna Tribal cedo na manhã seguinte, pronto para começar as aulas de
caça do dia com Mah-dee. Admito que estou ansioso por este momento mais do que
eu esperava. Enquanto meus dias estão cheios de caça, como de costume, são as
noites intermináveis em torno de um fogo solitário que estão começando a me
cansar. Não é o mesmo que estar nas trilhas, sabendo que tenho um fogo quente e
amigos para ir para casa. Como exilado, não tenho nada ou companhia para quebrar
os dias sem fim.
Eu pensei que não iria me incomodar, mas faz.
Ajudar Mah-dee a aprender a caçar não resolverá a dor da solidão, mas é algo a se
fazer quando verifico minhas armadilhas, e é feroz e interessante conversar com ela.
Não sei se será fácil ensinar, mas essa é a menor das minhas preocupações. Só estou
ansioso para ter companhia o dia todo.
Entro na caverna e é estranho não ter carne à mão para alimentar a tribo. Eu sinto
que não deveria estar aqui, embora não haja ninguém olhando para mim com olhos
julgadores. Um dos humanos fica perto do fogo principal, mas o resto da caverna
está vazio; é muito cedo para a maioria acordar. Coloquei minha lança perto da
entrada e fui para a caverna de armazenamento traseira.
Para minha surpresa, Mah-dee já está lá. Ela está de costas para mim, sua juba
amarela brilhando e caindo pelos ombros. No entanto, ela não está vestida para sair,
vestindo apenas uma túnica de couro leve e shorts. "Você não pode usar isso", eu
digo em saudação, passando por ela para entrar na câmara de armazenamento.
"Você é humano. Você não se aquece. "
"Eu sei", diz ela, com um pouco de irritação na voz. "Você acha que eu não percebi
que sou humano?"
"Eu acho que sim". Eu olho em volta da caverna. Existem cestas de peles, ossos,
chifres, sementes e qualquer outra coisa que a tribo possa precisar. Não vejo mais
flechas, no entanto, nem fundas. Existem algumas lanças encostadas na parede, mas
posso ver rapidamente que elas são grandes demais para alguém com mãos pequenas
como Mah-dee. "O que você achou?"
"Eu não tenho procurado", diz ela, e se aproxima de mim. "Eu tenho uma pergunta
para você"
Franzo a testa quando olho para ela. Uma pergunta? "O que aconteceu?"
O olhar em seu rosto é cauteloso, as mãos cruzadas atrás das costas. "Minha irmã
acasalou com seu amigo, Rokan. Como isso faz você se sentir?"
Eu estreito meus olhos para ela e depois me movo para pegar a menor lança do
suprimento. É leve e frágil, e ainda assim suspeito que seja pesado demais para Mah-
dee. "Por que isso importa?"
"Vamos dizer que eu me importo, ok?"
"Por que não podemos ser amigos se tenho sentimentos por sua irmã? É por isso
que você pergunta? Eu não sou um idiota.”
Elaencolhe os ombros.
Eu levanto a lança, testando seu peso. Leve, mas equilibrado. Eu ofereço a ela.
"Tente isso"
Mah-dee pega e depois olha para mim novamente. "E bem?"
Suspiro, porque sei que ela não vai desistir disso. Além disso, é um tópico que não
quero discutir. Só de pensar nisso, sinto-me como se tivesse que retirar uma camada
de pele e me expor. "Eu ... é complicado"
"Eu tenho tempo para ouvir"
Eu rosno e vejo como ela agarra a lança. Suas mãos são pequenas ao longo do eixo
muito mais grosso. Talvez lanças sejam uma má idéia e devam dar mais flechas. Mas
ele não era muito habilidosa com o arco. "Estou feliz por Li-lah e Rokan"
"De verdade?"
Eu concordo. "Rokan é um bom caçador. Ele merece uma companheira. Ele está
feliz com isso. Então, eu estou feliz por eles ”
“Isso é uma total evasão de uma resposta.” Ela me empurra com a lança,
aproximando-se. "Como você realmente se sente? Você sequestrou minha irmã
porque queria que ela fosse sua namorada. Não me diga que não sente nada. "
"Oh, eu sinto coisas" Eu sinto muitas coisas.
"E bem?" Ela me bate de novo, a ponta da lança rastejando contra o meu braço e
deixando um arranhão.
Eu a agarro e olho para ela. "Você quer saber como eu me sinto? Estou aborrecido"
Os olhos dela se arregalam. "Continue".
“Estou com raiva porque sou um homem forte e capaz, e ainda assim meu khui está
calado. Tenho vergonha de ter violado as regras da minha tribo e roubado uma
mulher que me odiava e não fazia nada além de chorar toda vez que a olhava. Estou
triste que eu não seja mais bem-vindo. Estou decepcionado que eu arrisquei tudo e
não ganhei nada. E ainda ... estou feliz por Rokan. E eu estou... ”Deixo as palavras
me escaparem, porque lembro que Mah-dee é a irmã de Li-lah.
"O que você estáo quê?", Ela diz. “Desembucha.”
“Estou ... feliz que Li-lah não seja minha mulher.” As palavras têm gosto de areia na
boca, mas mesmo quando as digo, elas são curiosamente libertadoras. "Ela e eu ...
nós não éramos um bom casal. Eu pensei que talvez eu me acostumasse, que nós nos
aproximaríamos um do outro, mas ... nós não, e eu estou feliz por isso. E então eu
estou ainda mais irritado por ter quebrado as regras da tribo para ela. " Afasto a
ponta da lança da minha pele. "Isso satisfaz você?"
Por alguma razão, Mah-dee sorri brilhantemente. "Na verdade sim."
Eu gemo. Às vezes, as mulheres são realmente compreensivas. "Então eu estou feliz
que minha dor te agrade."
"Não é que eu queira que você sofra", diz ela, e coloca a lança de lado. "É só que ...
bem" Ela considera. "Isso facilita as coisas para mim"
Franzo o cenho em sua direção e viro para as lanças, procurando uma arma ainda
mais leve. Talvez a que eu lhe dei não esteja se sentindo bem e precise de outra. "Mais
fácil para quê?"
A mão dela vai para o meu braço. "Para eu fazer algo por mim"
Mah-dee não faz sentido. Ele olhou nos olhos dela. "O que?"
Ela estende a mão e pega meu colete, me puxando para frente. Há um sorriso
travesso em seu rosto e um brilho em seus olhos que faz meu pau responder. Eu
endureço, porque o toque dela não deveria ser emocionante. Estou aqui para lhe
ensinar, nada mais. Quando dou um passo para trás, Mah-dee faz beicinho, todo o
lábio inferior saindo de uma maneira que me fascina. "Por que você vai embora?"
"Estou tentando entender o que você está fazendo"
Ele encolhe os ombros e fica na ponta dos pés, tentando se aproximar. "Talvez eu
queira te beijar"
"O que? Por quê?" Não tenho muita certeza se ouvi corretamente.
Ela morde o lábio e, de repente, sou fascinado pela maneira como eles brilham,
brilhosos e rosados. "Porque eu pensei que poderíamos ficar bobos um pouco"
"Ficar de bobo?" Eu não entendo essas palavras juntas.
Mah-dee suspira. “Acho que preciso mostrar para você.” A mão dela desliza pela
meu corpo acariciando meu peito, e eu congelo no lugar. As pontas dos dedos dela
descendo pelas cordas do meu peito e depois fazendo cócegas no umbigo parecem
... incríveis. Meu pau dói, endurece imediatamente. Fico parado enquanto a mão
dela desliza mais para baixo.
Então ela coloca a mão no meu pau e olha para mim.
"Você quer ser bobo?" Sua voz é um sussurro rouco.
Eu tenho a boca seca. O sangue lateja nos meus ouvidos e não consigo pensar em
nada além da mãozinha que acariciando meu pau. "Você ... você disse que não
queria transar"
"Mudei de idéia", diz ela naquela voz sensual. "Nós podemos nos foder apenas por
diversão, sabe? Desabafar. Ninguém está aqui para notar. ”Seus dedos se movem
para cima e para baixo sobre a borda dura do meu pau na minha tanga.
Ela quer se tornar uma parceira de prazer? Estou chocado. Eu pensei que ela me
odiava. Foi por isso que ela perguntou sobre sua irmã? Olho para o rosto levantado,
me perguntando se ela está fazendo uma brincadeira comigo. Mas há interesse e
emoção brilhando em seus olhos, e seu olhar está fixo na minha boca. Os lábios delas
se separam.
"Por quê?" Peço novamente, mas minha voz é um rosnado baixo, pois sou incapaz
de esconder meu interesse. Não que eu possa esconder de qualquer maneira - a mão
dela está no meu pau. Ela sabe o quanto estou interessado.
"Estou entediada", diz Mah-dee, seus lábios se curvando com um sorriso enquanto
ela me acaricia novamente. "E nervosa. Eu pensei que isso poderia me acalmar. Você
nunca fez sexo só para, sabe, coçar?”
Balanço minha cabeça lentamente. "Eu nunca estive com uma mulher"
"Então com um homem?"
Eu franzo a testa. "Com ninguém"
"Oh, Deus. Você é virgem? Seus olhos se arregalam e seu sorriso aumenta. "Isso vai
ser divertido, então. Teremos que testar sua resistência. Sua mão desliza para baixo,
embala minhas bolas e ela as aperta através da pele.
Eu gemo, meus olhos quase rolam. "Você ... acasalou antes, Mah-dee?"
"Sim. Isso te incomoda?" Sua mão aperta minhas bolas novamente.
Balanço a cabeça. "Neste momento, a única coisa que me incomodaria é se você
parasse."
Ela ri, e o som é leve e sedutor e faz todo o meu corpo desejar. Pego um punhado de
suas mechas amarelas, com cuidado para não puxá-las, e as envolvo em volta da
minha mão. "Então você quer beijar?"
"Entre outras coisas"
Eu me inclino para ela. Ela vira o rosto para o meu, e suas mãos cercam meu pescoço,
e eu rosno baixo, porque quero que esses dedinhos voltem ao meu pau, acariciando-
o. Eu estudo sua boca. Vi os outros encostarem os lábios nos companheiros e agirem
como se estivessem devorando suas fêmeas. Gostaria de saber se há algo mais do que
colocar uma boca em cima da outra.
Ela sorri para mim e lambe os lábios. “Deixe-me tomar a iniciativa.” E então ela puxa
meu pescoço até eu chegar perto dela. Sou tão alto que estou debruçado sobre sua
forma menor, mas isso não importa quando seus lábios roçam nos meus. Eles são
macios e doces, e estou impressionado com o quão bem eles se sentem contra os
meus. Por que meu povo nunca se beijou antes da chegada dos humanos? Isso
parece ... natural. Bem. Certo. Seus lábios se movem contra os meus, beliscando
suavemente o canto duro da minha boca, e eu a deixo direcionar porque é o que ela
quer.
Mah-dee ri e morde meu lábio inferior. "Relaxe, grande homem."
Tento. Nada no meu corpo está "relaxado" com o pensamento do toque de Mah-
dee. Tudo é tenso, doloroso e desesperado por mais carícias.
Então sua língua atinge a linha da minha boca. "Abra para mim. Basta olhar para as
presas. "
Eu faço, e então sua língua macia desliza contra a minha. Eu gemo quando ela
suspira e se afasta, os dedos voando para a boca. "O que acontece?" Eu pergunto,
preocupado. "Eu fiz errado?"
"Sua língua. Está ranhurado!
"Sim?" Penso novamente na sensação dela deslizando na minha boca e depois coloco
o rosto dela em minhas mãos. "O seu não é? Mostre-me "
Ela enfia a língua para mim e é rosa, macia e suave. Fascinante. Esfrego o polegar ao
longo de seu lábio liso enquanto ela desliza a língua de volta à boca, fascinado pelas
diferenças. Eu vi as outras fêmeas humanas ao redor da caverna, mas não parei para
pensar em como essas diferenças seriam contra as minhas. "Eu quero que você
coloque sua língua na minha boca novamente"
Mah-dee ri. "Desde que você pediu tão gentilmente ... deixe-me saber se você tem
outras surpresas, ok?"
Penso por um momento e depois me inclino para colocar minha boca na dela. Antes
de fazer isso, eu digo: "Meu pau também tem sulcos". Apenas no caso de ela não
saber.
Mah-dee dá um pequeno gemido, recuando antes que nossos lábios se encontrem.
"De verdade?" Sua respiração acelera.
Eu concordo. "É bom?"
"Oh, acho que sim", ela suspira e depois pressiona a boca contra a minha
novamente.
Eu separo meus lábios e espero por sua língua. Mah-dee não me decepciona; Sinto
sua língua escovar meus lábios e depois deslizar na minha boca um momento depois.
O sentimento é incrível e me faz querer mais. Não tenho certeza se devo ficar quieto
e deixá-la deslizar a língua contra mim, tento esfregar minha língua na dela.
Ela faz um barulho suave de prazer que faz meu pau palpitar em resposta.
Minha própria necessidade ameaça explodir. Deslizo minha língua sobre a dela
novamente, e ela inclina o ângulo da cabeça. Então nos beijamos mais
profundamente, nossas línguas emboladas e emaranhadas enquanto nossas bocas se
devoram. Repetidamente nos beijamos.
É a melhor coisa que já me aconteceu.
Eu quero continuar beijando-a, mas Mah-dee tira sua boca da minha e suas mãos
rasgam meu colete. "Tire isso", ela me diz. "Eu quero ver a mercadoria."
Ainda estou chocado com a sensação de sua boca contra a minha. Eu quero isso de
volta. Quero que a língua dela deslize de volta para a minha boca e escove contra a
minha sensação suave e escorregadia. Eu quero o gosto dela nos meus lábios
novamente. Eu gemo quando ela tira meu colete dos meus braços, prendendo-os no
couro.
"Não seja como uma criança", ela murmura enquanto puxa as roupas. "Eu vou
colocar a minha boca na sua novamente." Suas mãos vão para o meu peito nu um
momento depois e ela suspira com intenso prazer. "Deus, você é tão duro com
tudo?"
"Mais difícil aqui", digo a ela, pego a mão dela e coloco no meu pau novamente. É
uma jogada ousada, mas estou aprendendo que Mah-dee é uma mulher ousada.
"Mmm, sim, você é", ela suspira e esfrega meu pau novamente. "Eu não consigo
sentir os sulcos nas suas calças. Eu acho que você terá que tirá-las. "
Ela realmente quer acasalar? Eu amo que essa fêmea humana seja tão corajosa e
ousada, ao contrário de sua irmã chorosa. "Sou maior que você. Você não está com
medo, está?
"Pfff. Não. A coisa toda importa pouco para mim ”, ela diz, e eu não entendo todas
as suas palavras. Eu não preciso. Há emoção em seus olhos e fome quando ela olha
para mim. Isso me diz o suficiente. Ele olha para mim, uma expressão maliciosa no
rosto e sorri. Seus dedos vão para os cadarços nas laterais da minha tanga. "Vamos
nos livrar dessa fralda feia, hein?"
"Pa-ghal?"
"Não importa como se chama, porque está saindo, ela me diz, e então puxa o couro
com força. Os nós se apertam, e eu empurro seus dedos para o lado para que eu
possa mostrar a ela como desfazer os cadarços, porque quero ver a reação dela ao
meu corpo. Até agora, ela estava ansiosa para me tocar. Será que ela ficará tão
ansiosa quanto quando vir meu pau e seus cumes pronunciados?
Meus couros caem no chão e eu estou diante dela em minhas botas.
Mah-dee suspira, olhando para o meu pau ereto e tenso. Elae se ajoelha diante de
mim. "Uau. Sim, por favor, isso definitivamente estará na minha lista de desejos.
"Eu não entendo o que você quer dizer", murmuro, minha voz grossa. Ela ajoelhada
diante de mim está dando à minha mente todo tipo de idéias malucas.
"Shhhh", ela diz para mim. "Não interrompa. Preciso de alguns momentos a sós com
esse grandalhão. Sua mão enrola em meu pau, e eu assobio com a sensação. Nada foi
melhor do que aquele pequeno toque. Nada. “Droga, meu amigo. Você está com
muito calor debaixo dessa fralda peluda.”
"Sa-khui são naturalmente mais quentes que os humanos", digo a ela, totalmente
distraído por seu toque.
“Não era o que eu queria dizer, mas sim, eu percebi.” E ela se inclina e esfrega o
rosto no meu pau.
Eu gemo alto novamente e depois mordo minha boca, olhando para a porta aberta.
Embora a caverna de armazenamento esteja escondida nos fundos da Caverna
Tribal, não quero que ninguém venha ver a estranha criatura que está gemendo e
rosnando aqui.
Mas então ela geme enquanto arrasta minha cabeça de pau ao longo de sua língua,
me chupando em sua boca. A mão dela desliza entre as coxas dela e sinto o cheiro
almiscarado de sua excitação.
Parece que minha imaginação é fraca, afinal.
Isso tira minha boca de mim e sinto a perda de sua língua. Em vez disso, ela acaricia
a mão para cima e para baixo no meu comprimento, me bombeando. Seu olhar se
move sobre o meu corpo e então ela olha para mim. "Ok, eu preciso perguntar sobre
a questão mais importante. O que é isso?" Ela gesticula com a outra mão na minha
direção. "Eu tenho que admitir, isso é novo para mim. E eu tenho tentado ser legal
com isso, mas ... eu preciso saber."
"É a minha espora"
"Super. Que é o que faz?"
Faz? Dou de ombros, cobrindo sua mão com a minha para me acariciar com mais
força. "Está aí. Não sei se ele faz alguma coisa.”
"Os humanos não têm isso." Ela inclina a cabeça, estudando-a. "Isso não vai tornar
o sexo impossível, é?"
"Os outros humanos não reclamaram com seus companheiros", digo.
"Hmm. Me parece justo. Eu posso tocar? "
"Prefiro que você continue tocando meu pau, mas você pode tocá-lo, sim. Eu sou
seu para tocar em qualquer lugar ”
Ela olha para cima e balança as sobrancelhas para mim. "Não me faça testar essa
teoria"
Suas palavras fazem a nova luxúria vir através de mim. Esta fêmea não tem medo.
Eu não percebi o quão atraente isso poderia ser.
Eu fico parado quando a mão dela se move do meu pau e acaricia meu esporão.
"Parece difícil", diz ela, com curiosidade em sua voz. "Que estranho".
As pontas de seus dedos são delicadas, e meu pau estremece em resposta aos seus
leves toques suaves. "É sim."
"Eu me pergunto que tipo de objetivo evolutivo ele tem ... Há uma razão para tudo,
e não consigo entender a razão disso."
"Você precisa de um motivo para existir?" Eu não consigo me concentrar em suas
palavras, não com seus dedinhos acariciando minha espora como meu pau.
"Acho que continuará sendo um mistério por mais algum tempo", diz ela, e depois
se inclina para lamber. "Posso brincar com seu rabo?"
Meu rabo? Estremeço ao pensar nisso, porque então vou realmente derramar minha
semente. A parte inferior é mais do que sensata. "Eu ... queria explorar você agora"
Os olhos dele brilham. "Você faria? Adoro quando um homem é voluntário.” Ela
se move um pouco e desliza as vestes sobre a cabeça, jogando-a de lado. Ela usa a alça
estranha sobre os mamilos que eu já vi usada por outros humanos, e ela rapidamente
tira a roupa antes de tirar o short e jogar a pele para o lado.
Eu me aproximo dela, admiro seu corpo. Ela é pequena - todos os seres humanos
são -, mas seu corpo parece ser mais robusto que os outros, suas coxas grossas e
cheias, sua barriga arredondada. Seu perfume é leve e almiscarado, mas encantador,
e seus mamilos são grandes e gordos, com mamilos rosados que chamam minha
atenção.
Passo um dedo sobre a pele pálida e ela parece macia, mas diferente da pele de sa-
khui. Por um momento, estou impressionado. Faz muito tempo desde que senti o
calor da pele de outra pessoa contra a minha. Eu não percebi isso até tocar sua
suavidade. Viver como um caçador sem companheira é uma vida solitária, mas um
caçador no exílio? Esmaga meu espírito. Engulo em seco para me livrar do nó na
garganta. "Eu gosto de como você se sente"
"Você faz?" Há uma nota um pouco nervosa em sua voz. Ela dá um pequeno
movimento e coloca as mãos nos meus braços, acariciando-os. "Eu não sou muito
estranha para você?"
"Talvez eu goste de estranho", digo mal-humorado. Não possui sulcos protetores
nos braços ou na barriga redonda. Ela é vulnerável e suave em todos os lugares. E
ainda assim ... eu gosto. Eu gosto de tocar sua suavidade. Eu gosto de sua pele rosa
macia e a pequena mecha de cabelo entre suas coxas. E eu gosto de seus grandes seios
saltitantes. Eles atraem minhas mãos e eu as toco fascinadas. As fêmeas da minha
tribo não crescem tão generosamente aqui quanto os humanos.
Mah-dee respira profundamente, suas unhas arranhando meus braços. Há um olhar
vítreo em seus olhos de pálpebras pesadas quando a toco, e sou fascinado por sua
resposta. Eu quero fazer mais. Eu acaricio seus seios pesados, traçando sua forma.
Meu polegar passa por cima do botão rosa apertado de um mamilo e ela faz outro
som estrangulado. Então eu faço de novo, acariciando o nó com a ponta do polegar,
repetidamente enquanto olho para o rosto dela.
Seus lábios se separam e ela fecha os olhos. Outro som suave e gutural escapa dela, e
então sinto o cheiro almiscarado de sua excitação no ar. Ela gosta que eu toque seus
seios assim. É como meu pau, então? Porque quando ela esfregou o rosto nele, eu
quase desmoronei.
Eu gostaria de fazer isso com ela.
Então eu me ajoelho e coloco seu corpo contra mim.
Ele faz uma pequena exclamação, mas suas mãos vão para os meus ombros. Mah-
dee passa os dedos pelos meus cabelos enquanto enterro meu rosto entre os mamilos
e começo a lamber sua carne. Seu gemido ofegante de prazer é encorajador, e eu
acaricio sua pele macia e suave até encontrar um daqueles mamilos rosados e lambê-
los.
Suas mãos apertam meu cabelo e ela engasga. "Oh, meu Deus".
"Diga-me se você não gostar do que eu faço", digo entre lambidas na pele. Até seus
mamilos são macios. Os meus são duros e ásperos, mas os dela parecem macios sob
a minha língua, e eu lambo o fundo de um deles, arrastando minha língua sobre ele.
Ela treme e geme contra mim. "Eu não sei se isso é humanamente possível"
Sua excitação - e o forte aperto de suas mãos no meu cabelo - me incentivam a fazer
mais. Deslizo uma mão pelo lado dela, acariciando seu quadril e bunda. Ela é gorda
em todos os lugares, e macia, e tocá-la assim faz meu pau esticar, desesperado por
ser enterrado dentro de seu calor.
É isso que é ter um companheiro, percebo com espanto. Abraçar sua fêmea e agradá-
la. Sabendo que ela é sua para sempre. Estou cheio de desejos tão intensos que me
deixam sem fôlego. Imagino Mah-dee na minha pele todas as noites, acordando com
sua suavidade aconchegada contra mim. Eu imagino o corpo dela arredondado com
o meu kit. Eu a imagino perto do meu fogo, me dando aqueles olhares afiados e
provocadores para ela enquanto ela cuida do nosso filho em seus braços.
Minhas mãos apertam sua pele.
Eu quero isso.
Eu quero tudo isso.
Aperto um lado arredondado e deslizo a mão sobre a coxa dela. Quero tocar aquela
mancha de cabelo entre as coxas e as dobras rosa que ela esconde por baixo. Quero
descobrir o terceiro mamilo de que ouvi caçadores falarem. As mulheres sa-khui não
têm um, e só posso imaginar como é.
Se ela ficar excitada pela minha língua em seus mamilos, como ela reagirá se eu
colocar minha boca nela? Eu gemo com o pensamento e pressiono meu rosto de
volta no vale entre seus mamilos, tentando manter o controle. Não deveríamos estar
aqui, no armazém, nus e explorando um ao outro. Eu estou no exílio. Meu dever é
caçar e ficar longe das cavernas.
E, no entanto ... não consigo parar de tocar em Mah-dee.
Eu vou agradá-la primeiro. Então vamos parar.
Eu empurro minha mão entre suas coxas, segurando seu monte. O cabelo aqui não
é liso como a crina na cabeça, mas é enrolado com cachos. Ele também está molhado,
com sua excitação, e minha boca se abre em resposta. Eu quero tentar isso. Quero
ver como essa umidade tem gosto na minha língua. Mas suas coxas tremem contra
a minha mão. Eu não quero empurrá-la com muita força. "Você quer que eu pare?"
"Você está de brincadeira?" Parece tão sem fôlego quanto eu. "Agora, quando você
está alcançando a terra prometida?"
"Terra?"
"Não importa. Apenas continue. " Mah-dee se move contra a minha mão,
esfregando sua boceta na minha palma. "Eu vou ficar quieta"
Senhor “Você não ficou em silêncio desde que entrei nesta caverna. Duvido que
você comece agora.” Ela sente todas as dobras molhadas sob a minha mão, macias e
delicadas. Eu arrasto a ponta de um dedo ao longo da linha de sua vagina, traçando-
a. "Você é sensível aqui?"
"Oh meu Deus", respire. "Você não tem idéia de quanto"
"Quero aprender"
A mão de Mah-dee dá um nó no meu cabelo, seu aperto é forte. "Então continue."
Eu faço. Eu a exploro com meus dedos, prestando atenção a cada suspiro, cada
respiração e aprendo seu corpo. Encontro a entrada de seu núcleo, onde ela é mais
escorregadia e quente, e não posso deixar de empurrar um dedo na abertura,
imaginando que é meu pau. Seus gemidos suaves e o jeito que ela aperta minha mão
me dizem que ela está imaginando a mesma coisa. Quero empurrar mais fundo,
empurrar dentro dela e ver seu corpo tremer, mas ... quero que seja meu pau, não
minha mão. Então eu procuro seu terceiro mamilo.
Acho que está escondido na frente das dobras dela, um pequeno nó escondido na
suavidade escorregadia. Ela geme alto quando meus dedos a percorrem. Quero
colocar a mão na boca e prová-la, mas também quero continuar dando prazer. A
necessidade de agradá-la domina meu próprio egoísmo e giro as pontas dos dedos
ao redor do mamilo, observando sua expressão. Seu rosto está tenso, as sobrancelhas
franzidas como se estivesse focada, os lábios entreabertos.
Ela é tão encantadora que minha boca está salivandoo novamente.
Existe outra maneira de explorá-la, então.
Eu olho ao meu redor. Há muitas peles extras em um canto do armazém, atrás de
algumas cestas. Pego Mah-dee pelas coxas e a levo em meus braços enquanto me
levanto. Ela faz um pequeno ruído de protesto, mas é baixo; Ela também não quer
ser encontrada. Eu a carrego para as peles e a deito de costas, e antes que ela possa
dizer qualquer coisa, separo suas coxas e minha boca está nela. Dou-lhe uma longa
e completa lambida, certificando-me de passar a língua sobre o mamilo. Tem um
sabor doce e almiscarado, e estou cheio do aroma de Mah-dee, seu sabor.
Estou com fome de mais.
Mah-dee geme. Sinto suas pernas tremerem, e então ela coloca uma coxa no meu
ombro. Suas mãos seguram meus chifres. Ela não está me afastando. Ela quer mais.
Estou ansioso para lhe dar mais. Com um grunhido faminto na garganta, eu a lambo
novamente. E outra vez. Uso minha língua para lhe dar prazer, tentando fazê-la
produzir mais daqueles gritinhos que fazem meu corpo se apertar em resposta.
"Estou tão perto", diz ela, puxando meus chifres. "Use seus dedos também." Mova-
os para mim. "
Seu tom exigente me enche com uma resposta feroz. Se ela quiser mais, eu darei
tudo o que puder. Dobro minha ferocidade, lambendo e beijando seu mamilo.
Deslizo meus dedos pelas dobras escorregadias de sua vagina, procurando por sua
abertura, e quando a encontro, ela grita novamente. Ela quer que eu use meus
dedos? O farei. Entro nela com um, e é quase a minha queda.
Está tão molhada por dentro, tão quente e tão apertada. Eu posso sentir sua boceta
apertando em volta do meu dedo em resposta à minha invasão, e imagino como seria
em torno do meu pau.
Estou muito, muito perto de perder o controle. Ofegando, recuo, abandonando
meus esforços para agradá-la. Se eu a tocar agora, vou gozar antes que meu pau se
aproxime de sua vagina.
E eu quero gozar dentro dela.
Coloco a mão na testa, pronto para o meu corpo obedecer. Meu pau lateja
incessantemente, minha cabeça coberta por minha própria umidade. Não ouso
lamber meus lábios, porque então provarei Mah-dee. Minhas mãos ainda estão
molhadas com seus sucos, e eu quero experimentá-las, mesmo sabendo que não
deveria.
Ela vem até mim e quer acasalar. Devo agradá-la e mostrar que mereço sua atenção.
Derramar a pele em vez de dentro dela não é suficiente.
Mah-dee faz um pequeno ruído de protesto. "O que? Por que paramos? Tem
alguém vindo? Porque eu sei que não sou eu, se você entende o que eu quero dizer
"
Não sei o que ela está dizendo, na verdade. E eu não me importo se alguém se
aproxima. Neste ponto, estou muito longe. "Dá-me um momento".
"Eu não quero", diz ela em uma voz provocante, e seu dedo empurra minha coxa.
"Foi tão perto"
"Eu também", eu digo. "Esse é meu problema"
"Oooh" Mah-dee se apoia nos cotovelos. Ouso olhar para ela, e ela é quase a minha
queda. Ela é encantadora de assistir, suas coxas ainda abertas, úmidas e
aconchegantes. Ela morde o lábio enquanto olha para mim e inclina a cabeça. "Eu
não acho que isso seja um problema. Porque eu também quero gozar. Então, se você
está esperando permissão, você a possui. "
"Desculpe?" Se ela não estivesse em tanta agonia física, suas palavras me pareceriam
divertidas. Ela acha que estou esperando sua aprovação? Estou tentando me
controlar para fazer algo de bom por ela. Então ela vai me pedir para acasalá-la uma
e outra vez.
"Sim. Desculpe. É uma palavra chique que significa 'todo seu', grandalhão. "E o
dedo do pé dela desliza e escova meu pau.
O controle pelo qual tenho lutado desaparece em um instante. Dou um passo à
frente, cobrindo o corpo dela com o meu. Ela abre bem as coxas, me recebendo, e
seus braços envolvem meu pescoço. Minha boca cai na dela, e então nos beijamos
novamente, lábios febris enquanto pressiono meu pau contra sua entrada.
Se ela não quer que eu me controle, não vou. Se ela não quiser que eu seja paciente,
eu serei um animal para ela.
"Sim", ela murmura contra os meus lábios. Suas mãos torcem dolorosamente nos
meus cabelos e seu corpo se eleva ansiosamente sob o meu. "Sim!"
Aproximo-me dela ... e quase reviro os olhos. Sua boceta me aprisiona, mais quente,
mais úmida e mais apertada do que qualquer coisa que eu já senti. É ... indescritível.
Eu sinto que meu mundo inteiro mudou no abraço de seu corpo.
Abaixo de mim, ela suspira. "Ram", respira. "Oh-meu-deus-esporão-oh-meu-deus."
Sua mão flutua entre nossos corpos.
Eu posso sentir meu esporão, aninhado no vale escorregadio das dobras de sua
vagina. "Algo errado?"
"Porra. É demais - ela murmura. “Eu vou ficar por aqui, desmoronando.” Seus olhos
se fecham, e o olhar tenso retorna ao seu rosto.
"Eu deveria ... deixar você ir?"
"Faça isso e eu mato você", diz ela, e suas mãos torcem contra o meu cabelo
novamente. "Comece a se mover de novo, porque eu preciso sentir mais disso."
Ela gosta do esporão? Encantado, acaricio ela novamente. Solto o ar sibilando nos
meus pulmões com o quão confortável e apertado. Estar na buceta dela é muito
melhor do que meu próprio punho. Mah-dee me arruinou para todo o resto.
Mah-dee geme novamente, e eu me inclino para abafar seus barulhos altos com a
minha boca. Eu a beijo profundamente, minha língua rastejando contra a dela
enquanto a empurro para trás. Ela faz um som de encorajamento, e suas unhas
cravam no meu couro cabeludo.
Eu não posso mais me conter. Eu a penetro cada vez mais rápido. Meus quadris
nunca se moveram tão rápido. Agarro seus quadris para mantê-la quieta e a bato
ainda mais. É como se toda a necessidade e desejo que eu sentisse fossem canalizadas
para fora de mim e irrompessem em nossos corpos. Eu sinto sua boceta apertando
forte em volta do meu pau, e Mah-dee se contorce debaixo de mim. Os barulhos
que produz são selvagens quando puxam meus cabelos, o que me incentiva a me
mover mais rápido, a empurrar com mais força.
Eu faço. E enquanto sinto, sinto seu aperto mais forte, sua boceta me ordenhando
como um punho. Enquanto isso, seus gemidos ficam mais altos.
Então, como uma onda subindo do grande lago salgado, meu saco aperta e tudo o
que tenho escondido. Eu rosno o nome de Mah-dee em seu pescoço enquanto me
liberto, batendo em seu corpo macio, me perdendo nela. Meus quadris trabalham
repetidamente enquanto eu derramado em seu corpo, segurando sua forma menor
e mais apertada contra mim enquanto uma onda de prazer me arrasta
repetidamente. Quando acabou, eu endureço e caio em cima dela, equilibrando
meu peso em meus braços, para não esmagá-la debaixo de mim.
O tempo passa. Não estou ciente de nada além de minhas respirações duras e
ofegantes, a sensação escorregadia de nossa pele pressionada ...
E o conhecimento de que essa é minha mulher, agora e sempre. Mah-dee se entregou
a mim hoje, e eu nunca a deixarei ir.

Capítulo 5

MADDIE

Ah, sim, eu precisava disso.


Meus dedos do pé se curvaram e solto um suspiro de pura satisfação. A coceira?
Arranhada. O formigamento? Sumiu. Preocupação com o futuro? Não se preocupe
quando você for desossado por uma semana. Solidão? Não estou bem.
Acima de mim, o grande bárbaro suspira como se tivesse sido morto. Dou uma
pequena sacudida, bastante orgulhosa. Acabei de tocar o mundo desse cara, e isso
tem sido bastante impressionante. Claro, também era impressionante estar do lado
da recepção. Este foi o melhor sexo que eu já tive. É como se seu corpo fosse feito
para agradar uma garota - com aquele pênis com nervuras? Sim por favor. Aquele
esporão maravilhoso e terrível que esfregava meu clitóris com cada golpe que ele
dava? Sim por favor. Aquele corpo musculoso coberto de veludo? Sim, sim e sim,
por favor.
Estou definitivamente feliz por ter decidido abandonar a cautela e conseguir um
pouco disso.
Eu levanto minha mão e dou um tapinha no braço de Hassen. Ele está suado, sua
pele aveludada e escorregadia de suor. "Você está bem, grandalhão?"
"Você ..." ele suspira. "Isso foi ... não há palavras"
Eu rio, porque sei exatamente o que isso significa. É claro que rir significa que meu
corpo está se movendo e, quando meu corpo está se movendo, posso sentir seu
impulso contra o meu clitóris, enviando mais ondas de prazer através do meu corpo.
"Sim, isso foi incrível."
Ele se levanta nos cotovelos e olha para mim. A partir deste ponto, seu rosto parece
áspero, duro e totalmente alienígena, pronunciando as rugas na testa. Quero passar
um dedo sobre elas, mas isso poderia ser um convite para o segundo turno, e não
tenho certeza se tenho a constituição para isso. Ele acaricia minha bochecha com
um dedo grande. "Estou honrado por você ter me escolhido para ser seu parceiro de
prazer"
É como se eu pudesse ouvir praticamente o arranhão do disco no ar. "Hummm, o
quê?"
"Estou feliz por sermos companheiros de prazer", ele diz novamente. “Vou falar
com meu chefe sobre a aquisição de uma caverna para nós dois, sozinhos. Pode ser
essa, mas eu não ligo. " Sua boca se curva com um meio sorriso. “Muitos desses
suprimentos desaparecerão na temporada brutal.” Ele se inclina e morde meu
ombro. "E este lugar agora terá um significado especial para mim."
Oh, meu Deus. Ele acha que somos parceiros? Eu tento me mexer debaixo dele, mas
é impossível com seus braços maiores me enlaçando e seu pau ainda enterrado
profundamente dentro de mim. "Não, nenhuma caverna é necessária. Isso foi
apenas uma aventura. O arranhão de uma coceira ”
Sua testa dura desce e ele franze a testa para mim enquanto pega um dos meus seios
e começa a brincar com o meu mamilo. "Não, somos companheiros de prazer"
"Se você quer dizer que nós 'fodemos', então sim, sim, nós fizemos. Isso é tudo o
que é "
"Tudo o que é isso?" Hassen olha para mim, incrédulo.
Afasto a mão dele do meu seio antes que ele possa me aquecer e me perturbar
novamente, o que realmente não demoraria muito. Mas é uma conversa importante
que precisamos ter, e precisamos estabelecer alguns limites antes de foder
novamente. “Seu povo só acasala quando há ressonância, certo? Tenho certeza de
que não ressoamos no momento.
"Nós não. Mas meu povo tem companheiros de prazer ”
"Ok, e explique como isso funciona. Todo mundo que fode automaticamente se
emparelha?
"Bom não..."
Eu levanto minhas mãos. "Ok, entendeu? Então, por que você acha que somos
parceiros? Por que não podemos ser amigos?
Um olhar possessivo cruza seu rosto e embala meu peito novamente. "Porque você
é minha, Mah-dee. Eu reivindico você como minha mulher ”
"Whoa, whoa, recue. Ninguém disse nada sobre alguém reivindicando alguém! Nós
apenas vamos ser amigos. "
Ele faz uma careta. "Você faz isso com todos os seus amigos?"
"Somente aqueles com esporas mágicas."
Um olhar de alarme cruza seu rosto. Ele se senta e eu quero chorar de decepção
quando seu pau sai do meu corpo. Ele pega sua tanga de onde caiu no chão e começa
a colocá-la novamente, com um olhar indignado no rosto. "Você gostaria de
compartilhar com qualquer caçador nesta caverna? Eu não sou especial para você?”
Céus, ele parece um pouco magoado. Se eu soubesse que haveria tanto drama, teria
repensado as coisas. A maioria dos terráqueos fica feliz em sair e desistir, mas Hassen
parece querer um maldito anel de casamento. “Se isso faz você se sentir melhor, você
é o único que eu ataquei.” E agora que eu o despedi, estou desapontada por não
haver mais explosões no futuro, porque caramba, esse sexo foi incrível.
Mas parece que também vem com um acompanhamento de possessividade, e não é
isso que eu quero agora.
Ele franze a testa para mim. "Mas você não será meu parceiro de prazer"
"Eu não acho que é a hora certa", eu digo, tentando manter minha voz leve. Sento-
me nas peles e meus músculos estão deliciosamente rígidos. Deus, eu preciso de um
bom banho. Talvez hoje à noite, depois de um dia de aulas de caça. "Você entende
isso, não é?"
Hassen olha para mim e depois se vira e sai da caverna.
Bem, merda. Parece que nossa lição foi cancelada pela demonstração de ciúme
masculino de Hassen. Reviro os olhos, levanto meu corpo bem fodido das peles e
me visto de novo.
Talvez eu tome um banho e fique na caverna hoje, afinal. Uma coisa é certa: eu me
recuso a me sentir culpada por sua reação.

∗∗∗∗∗∗∗
A CAVERNA PRINCIPAL está vazia de todas as novas mães, então eu
rapidamente mergulho na banheira de hidromassagem da comunidade no centro
da caverna e lavo o cabelo. Eu ainda não me acostumei 100% com a coisa do 'banho
em público', mas é mais fácil quando a grande maioria da tribo não está por perto
para notar o tamanho da minha coxa.
Não que Hassen tenha dito algo sobre minhas coxas. Ele parecia gostar delas.
Ok, talvez eu esteja um pouco deprimida com o fato de que ele acabou sendo
possessivo. Por que não podíamos ser amigos? Amigos com todos os tipos de
benefícios? Eu não preciso de um parceiro agora. Inferno, ainda estou pensando em
mim. Não preciso atrair outra pessoa para a minha cabeça, especialmente porque
minha cabeça está uma bagunça. Não sei como essas outras garotas conseguem se
acasalar de uma só vez. Ouvi dizer que Georgie e Vektal eram um casal desde o
momento em que se conheceram. Não consigo imaginar isso.
Por outro lado, penso no esporão e no pênis grande de Hassen entrando e saindo,
seu grande corpo pairando sobre o meu enquanto fazíamos sexo, e sinto outro
arrepio de excitação deslizando através de mim.
Ok, talvez eu entenda um pouco.
Mas, falando sério, por que ele tinha que ser tão apegado? Tudo que eu queria era
tirar todo o estresse do meu sistema e sentir o toque de outro ser humano, er,
alienígena. Eu não percebi o quão sozinha e isolada eu estava até tocar em Hassen,
e então me senti desejando por ele. Eu queria mais
Aparentemente, ele quer muito mais.
Está claro para mim que estou obcecada, então saio do banheiro, me visto e vou para
minha caverna antes que alguém possa me parar e começar uma conversa. De fato,
estou decepcionada por não caçarmos hoje; Eu estava ansiosa por esse momento.
Talvez Hassen se recupere de sua lesão amanhã e possamos continuar com as aulas.
Enquanto isso, acho que estou presa à Asha, Srta. Merry pessoalmente. Suponho
que posso trocar de roupa, pois elas cheiram um pouco a sexo e não sei se quero ser
pego cheirando a excitação e couro.
Eu volto para a caverna. Surpresa, surpresa, Asha tem a tela de privacidade. Eu a
ignoro novamente e vou para dentro, movendo-me em direção à minha pele. Eu
troco de roupa e cavo a pequena cesta de meus pertences, o tempo todo tentando
ignorar minha colega de quarto. Asha está em sua cama. Outra vez.
Ela se senta quando eu começo a me despir, no entanto, me estudando. "O que você
está fazendo?"
"Me mudando"
"Por quê?"
Aquelas peles cheiram. “Quem é? Minha mãe?"
Ela está calada, então eu coloco meu novo roupão sobre minha cabeça e olho para
ela. Há um sorriso sábio em seu rosto.
"O que?" Eu exijo, e posso sentir meu rosto esquentando. O que ela acha que sabe?
"Se você tem um parceiro de prazer, sugiro que aprenda a ficar mais quieta." Parece
que ela sacode o travesseiro, um que roubou da minha cama. "Você e Hassen me
acordaram"
Oh, Deus. Acho que não estávamos muito calados. É ainda mais embaraçoso
considerando que a caverna de armazenamento está a uma distância considerável da
minha caverna. Opa Eu acho que o bolo todo foi descoberto. "Você nos ouviu?"
“Eu teria que ser surda para não.” Ela passa a mão sobre os cobertores. Antes que
eu possa perguntar se essa é uma dica para minha irmã, ela continua: “Acho que
ninguém mais ouviu isso. Eu não vi outras pessoas por aqui ”
Eu relaxo um pouco nisso. "Então você vai me chantagear com essa informação?"
A cabeça dela se inclina. "Não entendo"
"Para usá-la contra mim. Me forçando a fazer o que quiser, para não dizer nada.
Cruzo os braços sobre o peito. "Eu esperava manter as coisas em segredo sobre toda
essa situação."
Asha bufa delicadamente. "Então você deve aprender a ficar mais quieta. Quanto a
manipular você, não preciso. Eu não me importo se você acasalar com todos os
caçadores solitários. " Ele encolhe os ombros. "É da sua conta, não da minha"
Ela cobre minhas costas? Isso é bonito. Inesperado, mas agradável. "Obrigado"
Asha encolhe os ombros. “Eu fui a mesma uma vez. Antes de ressoar, escolhi os
caçadores. Todos eles me amavam. Foi legal. ”Sua expressão fica triste novamente.
"Então tudo mudou"
Não estou dizendo nada, porque sei que ela está pensando no companheiro e no
bebê que perdeu. E realmente, o que posso dizer que ela nunca ouviu um milhão de
vezes antes? Anime-se, menina? Tudo vai sair bem? Duvido que Asha queira ouvir
isso.
Ela vira as mãos no colo por um momento e depois olha para mim. "Eu escolheria
com mais cuidado se fosse você"
"Escolher?"
“Se você vai acasalar com caçadores, escolha aqueles que agradecerão por qualquer
atenção. Taushen é jovem. Ele a seguirá aonde quer que você vá. Harrec também.
Vaza é mais velho, mas ele será discreto se desejar, imagino, simplesmente para não
precisar competir com os caçadores mais jovens. ” O olhar que ela me dá é
calculador. "Hassen é uma má escolha para um amante"
“Eu não sei se minhas partes femininas concordam com isso.” Eu aperto minhas
coxas porque, por misericórdia. Eu ainda me sinto muito bem com sexo por dentro.
Má escolha para amante? Não no meu livro. "Eu pensei que era muito bom. Quero
dizer, sem treinamento, claro, mas posso trabalhar nisso. ”Na verdade, eu gosto
disso, porque posso ensiná-lo a lamber minha boceta ferozmente por horas e não
ouvir nenhuma queixa se demorar muito para gozar. Certa vez, namorei um cara
que continuava falando sobre quanto tempo levei para atingir o orgasmo em
comparação com suas amantes anteriores. Foi uma verdadeira dor de cabeça, então
eu o despensei. Hassen é uma lousa em branco na cama. Isso me excita um pouco.
Não que tenhamos a segunda rodada, é claro. Não se vai ser o Sr. Colado na minha
calcinha comigo.
Asha revira os olhos para mim. “É uma má escolha para um amante, porque ele vai
querer reivindicar você. Aquele quer desesperadamente uma companheira e uma
família. Ele se sente sozinho. Ele não vai se contentar com as sobras que você joga
nele e ser feliz. Ele vai querer mais ”
Eu mordo o interior da minha bochecha enquanto considero suas palavras. Ela não
está errada. Há uma ferocidade em Hassen, uma ânsia quase brutal. Ele me segurou
nas minhas peles e me rolou como se não houvesse amanhã. E enquanto ele me
segurava pelos quadris, havia uma possessividade selvagem em seus olhos e muita
satisfação. Como se metade de sua excitação fosse inteiramente devida ao fato de
que ele me possuía. E não apenas qualquer garota. A mim.
Um pequeno calafrio percorre-me. Bem, por tudo isso, não é inteligente brincar
com um cara que quer ser um casal depois de um rolo de pele, mesmo que tenha
sido muito divertido brincar com ele. "Hassen não me conhece muito bem", digo
para Asha. "Se ele quiser mais, terá que me deixar tomar as decisões, não ele."
Ela encolhe os ombros como se dissesse "tanto faz" e deita na cama, divertida.

∗∗∗∗∗∗∗

HASSEN me evita o resto do dia. O que, tudo bem, não é exatamente difícil, já que
estou na caverna e ele está na natureza, sendo um exilado e fazendo coisas exiladas.
Ele não vem por aqui, e tenho certeza que ele está me evitando.
A ausência dele significa que passo a maior parte do dia com Stacy, Josie e algumas
das outras mulheres. Todo mundo está amamentando e louco por bebês (exceto
Josie, que está grávida e louca por bebês), então eu me sinto uma estranha, mesmo
sabendo que elas estão fazendo tudo o que podem para me incluir. Eu não pertenço
à gangue de bebês, e depois de algumas horas conversando sobre a produção de leite
e a melhor maneira de manter o rabo de um bebê limpo, estou começando a me
perguntar se devo me esconder na caverna com Asha.
Lamento não poder ir às aulas de caça com Hassen. Eu estraguei tudo fazendo sexo
com ele?
No dia seguinte, decido tirar uma das lanças da caverna de armazenamento e sair e
encontrá-lo. Se as lições não vierem para mim, eu irei até elas.
Eu esgueiro-me como a pessoa terrível que sou depois do café da manhã, quando o
fogo está vazio e as meninas estão colocando seus bebês na cama para dormir no
meio da manhã. Hemalo e um dos anciãos estão trabalhando na caverna principal
em uma grande pele de couro, mas eles não estão olhando na minha direção, de
costas para mim. Pego a lança que escondi perto da porta e corro, carregando minha
capa e sapatos de neve comigo enquanto vou. Vestirei-me adequadamente para os
elementos assim que estiver fora da vista da caverna.
É claro que, uma vez que estou fora da vista da caverna, não encontro nada além de
neve sem fim. A área em que a caverna principal da tribo está localizada é
relativamente plana e atrás de mim não há nada além de paredes íngremes do
penhasco. À minha frente, existem colinas brancas pontilhadas com algumas
árvores rosadas que flutuam aqui e ali. À distância, vejo penhascos e, ainda mais, o
toque das montanhas. O dia está claro e frio, e os dois sóis fracos estão fazendo o
possível para emitir alguma luz solar decente, mas ainda não é suficiente para
aquecer o local. Eu ando em uma colina próxima, atravessando a neve, e quando
estou longe o suficiente para achar que ninguém vai correr atrás de mim e me
arrastar de volta para a caverna, paro para calçar minhas botas de neve e enrolar uma
capa ao meu redor do meu corpo.
E então eu vou embora. A última vez que fui caçar, Hassen reclamou que tinha que
seguir os passos, então vou fazer o que ele diz. Encontro novos rastros saindo das
cavernas e imagino que eles devam pertencer a um dos caçadores. Usando minha
lança como um bastão de esqui, ando em busca de Hassen.
Ou de outro caçador.
Ou animais, suponho, desde que estou caçando.
É claro que quanto mais longe estou da caverna, mais exposta e vulnerável me sinto.
A última vez que me aventurei, não foi. A última vez que saí, eu havia sido atacada
por um Metlak e uma daquelas coisas feias e magras de gato. Lembro-me deles e do
medo e raiva no rosto de Hassen quando ele percebeu que eu estava fora. Foi
quando eu percebi que estava em perigo. Agora olho para a neve, preocupada que
haja perigos ocultos que não vejo atrás de cada colina branca e fofa.
Estou fora há uma hora quando uma figura grande aparece ao longe e começa a me
perseguir, com cabelos pretos distintos flutuando sobre os ombros azuis. Ele tem
duas lanças cruzadas nas costas. Sim, eu conheço esse cara. Ele é Hassen e parece
zangado.
Ok, ele também parece muito malvado agora e está me fazendo enlouquecer com
minha calcinha inexistente. Por que olhar para aquele peru arrogante? Aquela coisa
furiosa de perseguição que ele está fazendo? Isso me faz pensar em nosso intenso
pequeno ataque ao armazém, e meu corpo está gritando por uma segunda rodada.
Eu nunca me considerei uma garota particularmente faminta por homens, mas
Hassen? Ele está conseguindo comigo. É por isso que eu brinquei com ele, apesar de
saber que era uma má ideia e saber que ele era o idiota que tirou minha irmã de
mim.
Além disso, de toda essa feliz tribo de benfeitores e mães, ele é um pária. E garoto,
posso me relacionar com isso? Ele é aquele que não se encaixa, aquele que não
pertence quando os casais se reúnem ao redor do fogo e são acolhedores. Ele é quem
nunca consegue o que quer, e certamente não é o herói.
Isso faz dele um dos meus, porque eu sei como se sente com tudo isso.
Então dói que ele esteja com raiva de mim depois do que compartilhamos. O que
tínhamos ontem foi bastante impressionante. Estou disposta a falar com ele, mas
não se ele vier com a intenção de me reivindicar. Deus, o que Lila diria? Ela olharia
para mim como se eu tivesse enlouquecido. E talvez eu tenha. Um pó rápido e
descartável é uma coisa. Sair com um cara como substituto da minha irmã é outra.
E não importa o que Hassen me diga, eu sei como será para todos os outros.
Isso me lembra que estou tomando a decisão certa. Que pode ser bom ir dormir com
ele escondido, mas isso não pode significar nada, nem para ele nem para mim.
À medida que se aproxima, tento parecer legal. Como se eu tivesse tudo sob controle
e soubesse o que estou fazendo aqui. "Oh, oi, Hassen. Como vai tudo?"
"O que você está fazendo aqui, Mah-dee?" Ela cruza os braços sobre o peito quase
nu, enfatizando os peitos que eu não tive tempo de lamber ontem.
Eu sorrio feliz. "Eu vou caçar, é claro."
“Você vai sozinha de novo? O que está jogando?" O cenho franzido de Hassen é tão
sombrio que eu juraria que intimidaria pessoas de três estado. "Este mundo é
perigoso"
"Sem jogos. Quero ajudar. Eu quero aprender a me cuidar. Não há ninguém na
caverna, exceto mulheres grávidas e idosos. Todo mundo está ocupado. E eu tinha
um professor, mas ele ficou com uma bunda mesquinha e mudou de idéia sobre me
ensinar a caçar, lembra?”
Ele está chegando ainda mais perto de mim, e agora estamos praticamente nos
tocando. Minha respiração fica mais rápida, porque estou pensando em ontem. Em
seu grande corpo cobrindo o meu. Em seu pau me penetrando, e a maneira como
ele me beijou, e ...
“Você mudou as coisas entre nós, Mah-dee.” Sua voz é baixa, rouca. Ferida.
Maldito seja. "Não me faça sentir culpada. Você poderia ter dito não ”
"Como eu poderia dizer não?" O olhar que ele me dá é devorador. Faz cócegas em
todos os lugares, e um pulso familiar começa entre minhas coxas. "Eu a queria"
"Você quer uma companheira. Eu só quero um pouco de diversão ", eu o corrijo.
“Nunca foi um compromisso. Era uma necessidade e um prazer mútuos. Isso é
tudo"
"Eu não quero uma noite sua em minhas peles. Quero você nelas todas as noites ”.
Ele estende a mão e acaricia minha bochecha. Seus dedos são incrivelmente quentes
e deliciosos contra o frio cortante.
"Eu não estou dizendo que só tem que ser uma noite", eu rapidamente retifico. Eu
sei que não me importaria de outra rodada. “Mas não estou me comprometendo.
Nenhuma garota em sã consciência dorme com um garoto uma vez e depois se muda
com ele. " Quando ele continua a tocar minha bochecha, me custa tudo o que tenho
para não me apoiar em sua carícia. "Você nunca ouviu falar de sexo casual?"
"Não", ele diz sem rodeios.
Céus. "As pessoas não dormem com outras pessoas apenas por diversão em sua
tribo?"
“Às vezes eles fazem. Eu não sou um deles"
Não, acho que não, considerando que ele era virgem até ontem. Ainda assim, toda
a coisa de 'precisar de compromisso' poderia ter surgido antes que eu colocasse
minhas mãos em seu pau. Ele poderia ter dito alguma coisa e então teria encontrado
outra pessoa para brincar.
Exceto ... acho que não teria. Hassen é perfeito para minhas necessidades porque
está sozinho. Ele não retornará à caverna do caçador para fofocar com os outros. E
ele é um exilado, então ele sabe como é ficar sozinho. E com esse cenário ... fazia
sentido.
Ok, só porque ele é o cara mais sexy do planeta gelo também não machuca as coisas.
Quero dizer, em geral, como uma raça, os Sa-khui são bonitos. Eles são altos,
musculosos, bem formados, e se você conseguir superar o azul, a cauda e os chifres?
Oh mamãe. Aos meus olhos, Hassen envergonha os outros.
Então, tudo bem, talvez eu não pudesse ter encontrado alguém para brincar. Eu não
teria jogado nada. Não fui atraída por mais ninguém como sou por Hassen. "Você
está arruinando o que poderia ser bom", eu digo, já que ele está segurando suas
armas. "Nós poderíamos nos divertir juntos."
"Sim, nós poderíamos". Ele acaricia minha bochecha e seu polegar desliza sobre o
meu lábio inferior.
Tenho a sensação de que não estamos falando da mesma coisa. Maldito seja. E eu
gostaria que o toque dele não fosse tão incrível ou que meus mamilos endurecessem
como diamantes. "Eu não vou mudar de idéia. Eu não estou acasalando. Não com
você, não com ninguém. "
A mão de Hassen cai.

Capítulo 6

HASSEN
Todas as mulheres humanas são teimosas?
Olho para minha companheira - porque não aceito mais nada - e ela me olha com
determinação nos olhos, com uma inclinação desafiadora no queixo pequeno. Seria
adorável se não fosse tão frustrante.
Sendo esse o caso, sou tentado a agarrá-la, arrastá-la para a neve e mostrar-lhe como
posso fazê-la sentir-se. Nosso acasalamento de ontem está marcado em minha
mente. Não consigo esquecer e reviver cada momento. Ontem à noite, na minha
fogueira solitária, me segurei em minhas mãos e me acariciei pensando nela. Uma e
outra vez.
Dois dias atrás, eu teria me perguntado o que me motivou a continuar. Eu me senti
derrotado. Sozinho.
Agora, eu tenho um propósito, e meu objetivo é Mah-dee.
Ela fala sobre independência, sobre não querer um companheiro, mas quando eu a
toco, ela se inclina para o meu toque. Ela olha para mim ansiosamente e eu sei que
ela pensa sobre o que fizemos no armazém. É tudo o que consigo pensar.
Então ... devo convencê-la de que sou a combinação certa para ela. Que uma relação
de prazer comigo será tão satisfatória quanto a ressonância. Que eu não quero nada
mais que ela pelo resto dos meus dias. Que eu acordaria todas as manhãs com a
cabeça amarela de Mah-dee descansando no meu peito e agradecia porque é minha.
Ela atingiu meu coração como um raio e deixou marcas de queimadura onde quer
que ela pousasse.
Amaldiçoo o dia em que vi Li-lah, porque ela era pequena, frágil e assustada, e
pensei que era isso que eu queria. Eu pensei que precisava de alguém para cuidar
dela e que eu poderia ser aquele homem. Quando a vi hoje de manhã, pensei que ela
estava vindo me ver. Para me dizer que ela havia mudado de idéia.
Vê-la aqui, com sua expressão teimosa? Ela acabou de me convencer de que ela é
minha companheira. Não preciso de uma companheira para murchar e chorar. Eu
preciso de uma mulher forte e capaz para me desafiar e me empurrar para ser
melhor.
Mah-dee precisa me deixat amá-la.
Mas se ela deve estar convencida, devo convencê-la. Devo convencê-la a perceber
que sou o homem que ela quer. Se alguém olhar para ela, arranco sua garganta como
um metlak louco. Mas não consigo pensar assim. Preciso encontrar uma maneira de
retornar à tribo, apenas para poder fornecer uma caverna adequada para Mah-dee.
Devo dificultar que ela me rejeite ... de agora em diante.
Eu olho para a lança em suas mãos. "Você ainda quer aprender a caçar?"
O olhar que ela me dá é cauteloso. "Sim? Você não vai enlouquecer comigo, vai?
"Enlouquecer?"
Ela acena uma mão no ar. "Crackpot. Louco. O que seja. Eu preciso saber se estamos
bem ”
"Nós estamos?" Eu quero tocar sua bochecha macia novamente, sentir sua pele
contra a minha.
Mah-dee coloca a mão no peito. "Eu quero que sejamos amigos. Eu realmente
preciso de amigos aqui. - Sua voz aperta de uma maneira que faz meu coração doer.
“E eu esperava que pudéssemos ser amigos que também fizeram sexo. Mas se não
podemos, então eu realmente preciso de um amigo normal, ok? Um parceiro de caça
e um amigo que fala comigo. "
"Eu posso ser essas coisas para você" Eu posso ser muito mais, mas vou me contentar
com isso por enquanto. E posso convencê-la, com o tempo, de que posso ser o
melhor amiga possível.
Ela é minha.
Seu sorriso retorna e suas feições suavizam com alívio. "Tudo bem então. Vamos
esquecer sexo e coceira e sermos amigos novamente, ok?”
“Amigos,” concordo, embora não tenha muita certeza do que estou aceitando. Eu
acho que ela quer dizer amigos, e eu serei dela.
"Então você pode me ensinar a caçar?" Ele salta um pouco, abraçando sua lança de
uma maneira que nenhum caçador faria. "Estou tão aborrecida. Por favor, Hassen.
Ajude-me a obter uma habilidade útil para não ser uma sanguessuga gorda. "
Eu não posso resistir a ela, especialmente quando ela me implora. Eu concordo.
"Será como você quer". E se eu vou cortejá-la para ser minha parceira, funciona
perfeitamente para mim estar com ela todos os dias. “Eu devo continuar caçando e
trazer comida, mas você pode me acompanhar quando eu estiver fazendo minhas
rondas perto da Caverna Tribal. Você não pode me acompanhar quando me
aventuro mais longe ”
"Isso está bem!" O prazer e a impaciência em seu rosto fazem meu pau doer de
desejo.
"Não vai ser fácil"
"Estou cansada de sentar na minha bunda grande de qualquer maneira"
Sua bunda é magnífica, mas eu não digo a ela, já que somos amigos. Por agora. "Eu
não vou facilitar para você"
"Bem".
"Se você atrapalha minha capacidade de caçar para a tribo, devo deixar você para
trás."
"Não o farei!"
"E se eu disser para você fazer algo, você deve fazê-lo."
"Não há problema". Mah-dee me responde. "Podemos começar hoje ou é um mau
momento?"
"Podemos começar hoje", eu concordo, olhando para o céu. O clima está
aguentando e não há nuvens no horizonte, o que significa que não há neve
entrando. Isto é uma coisa boa; Mah-dee está vestida com roupas leves e eu não a
quero presa em uma tempestade. "Ninguém está esperando por você na caverna?"
Ela bufa: - “Eles provavelmente ficarão felizes por eu ter saído. Eu acho que deixo
outras mulheres desconfortáveis. "
Eu sorrio para mim mesmo. Ouvi reclamações de que Mah-dee jogou fora as coisas
enquanto sua irmã estava comigo. “Se alguém perguntar, diga que você estava com
Asha. Eles não vão gostar de você passar um tempo comigo.”
"Por que você é o idiota que sequestrou minha irmã?" Suas palavras são duras, mas
há um sorriso provocador em seu rosto.
"Porque estou no exílio", digo, recusando-me a morder o gancho. Pego sua lança e
certifico-me de que a cabeça está firme e enrolada. Um dos mais velhos é esquecido
e tende a usar bem suas armas quebradas. "Parte do meu castigo é que devo estar
sozinho"
"Não direi nada", Mah-dee me diz. "Você se arrepende?"
"Me arrependo?"
"Do que fez?"
Minha resposta teria sido muito diferente dois dias atrás. Dois dias atrás, ele teria
dito que sim. Mas agora há Mah-dee, e tudo em que consigo pensar é que, se não
estivesse no exílio, não estaria aqui com ela. Eu estaria caçando o sa-kohtsk para o
novo filho de Maylak. Não me arrependo das minhas ações, porque elas colocaram
meus pés nesse caminho e trouxeram Mah-dee para mim. "Não"
"Não? A sério?" Sua mandíbula está aberta.
"Eu não posso mudar o passado. Mas também não sinto falta da sua irmã.” Estendo
a mão e bato em sua boca, indicando que ela deve fechá-la. "Não olho para trás
porque não posso mudar o passado. Você não deveria fazer isso também. Essa é uma
das primeiras coisas que você deve aprender como caçador: não se arrependa do que
não tem. Faça uso do que você tem ”.
As sobrancelhas dela ssobem. "Eu não tenho certeza de que tudo isso se encaixa,
grandalhão".
"Sim", eu digo com confiança. "Agora vem. Hoje vou mostrar a você como seguir as
trilhas enquanto reviso minhas armadilhas. ” Eu me viro e começo a me afastar.
"Quando posso usar minha lança?" ela ofega, tentando acompanhar-me. Depois de
alguns passos, ela estende a mão e toca meu braço. "Abrande um pouco. É difícil
andar rápido com os sapatos de neve. ”
Seus dedos parecem gelo. Eu paro e ela quase derrapa contra mim, perdendo o
equilíbrio. Eu a pego antes que ela caía na neve. "Onde estão suas luvas?"
Mah-dee encolhe os ombros. "As grandes luvas de couro que eu tenho? Aquelas são
horríveis. Não consigo pegar nada forte com isso, e pensei que poderia precisar de
uma boa aderência com algo como uma lança para caçar.
Pego a pequena mão dela na minha e pressiono-a entre as palmas das mãos para
aquecê-la. Ela não vai embora, o que me diz que está mais fria do que ela gostaria de
admitir. "Você não usa luvas o tempo todo, mas passa a maior parte do dia de um
caçador andando."
“Oh. Vou me lembrar da próxima vez”. - Sua mão se fecha com um punho, e ela
encolhe os ombros para abaixar o roupão às mãos expostas, cobrindo-as na frente
dos elementos. "Tenho certeza que ficarei bem"
Eu gemo. “Há uma caverna de caçadores ao longo do caminho que tomaremos hoje.
Vamos parar por aí e pegar suas capas para as mãos. "
"Ótimo".
“Até lá, no entanto, você deve me acompanhar.” E eu me viro e começo a andar.

∗∗∗∗∗∗∗

MADDIE

Ele não estava mentindo quando disse que não iria me facilitar.
Eu estou alguns passos atrás dele enquanto caminhamos pelos vales sem fim
cobertos de neve e colinas que parecem compor todo o maldito planeta. Não posso
reclamar, porque disse que queria caçar. Estou fora de forma e não estou
acostumada a andar com tanta neve. Mas ele está certo, meus dedos estão
congelados. Eu continuo dobrando-as nas mangas, mas isso só funciona por um
tempo.
Eu gostaria que ele pegasse minha mão novamente, mas acho que é minha culpa que
ele não pegou. Em vez disso, sigo em frente, evitando qualquer coisa que pareça um
caminho. Ocasionalmente, ele se agacha ao lado de um conjunto de pegadas e depois
me indica que devo me juntar a ele. Quando o faço, ele me conta sobre a criatura
que passou, há quanto tempo e sobre qualquer outra coisa que ele possa me dizer.
Algumas marcas são nítidas, que ele diz pertencer a gatos da neve que levantam as
patas a cada passo. Outros são mais como uma mancha na neve, o que significa que
uma criatura está arrastando sua barriga. Ele aponta para cada um e pacientemente
explica para mim, e quando eu absorvo tudo, ele se desconecta novamente,
caminhando vigorosamente para a próxima colina.
E não tenho escolha a não ser seguir.
Mesmo que seja um pouco atlético demais para mim, estou gostando de "caçar". O
dia está bom e, embora faça frio, há muito para ver e sinto que estou fazendo algo
útil. Eu não sabia o quanto minha inutilidade me incomodava até agora. Acho que
estou preocupada que, quando o inverno chegar, ninguém vai querer um humano
gordo e solitário comendo toda a comida. Se eu conseguir encontrar o meu, posso
sobreviver sozinha. Eu não vou depender de ninguém.
Estamos caminhando em direção a um penhasco cinza e, à medida que nos
aproximamos, Hassen aponta para algo. "Você vê?"
Eu tiro o cabelo suado da minha testa antes que ele se cristalize e congele lá, e
examino a neve. "O que eu estou procurando?"
"A caverna. É a caverna de um caçador. As falésias têm pequenas cavernas e existem
muitas cavernas instaladas. Você deve sempre procurar uma caso precise de
suprimentos ou um lugar para descansar.
"E você sabe onde todos elas estão?"
Ele acena com a cabeça em concordância. “Eu os visitei muitas vezes. Os caçadores
passam muito tempo na natureza. "
“Isso não é tão selvagem, não é? Ainda estamos muito perto da casa da caverna,
certo?” Algumas horas a pé, talvez, mas para esses caras, isso não é nada.
Hassen olha para mim. “É uma caminhada fácil hoje, com bom tempo. Em um dia
tempestuoso? Quando a neve voa do céu, mesmo uma curta viagem pode ser
perigosa ".
Ele tem razão. "Então vamos entrar?"
"O faremos. Verificamos se é necessário reabastecer e receberemos luvas ”.
"Tudo bem então. Guie nos". Eu poderia fazer uma pausa e uma chance de
descansar meus pés, embora eu nunca diria a ele. Hassen não me tratou como uma
mulher gorda incompetente e eu serei eternamente grata. Pensando em minha irmã
e no fato de que ela está viajando sem ser picada.
Quando chegamos à caverna, vejo que há uma tela de proteção de privacidade que
está seriamente danificada pelos elementos, colocada em frente à porta. "Não
devemos entrar? Há alguém aqui?"
Ele empurra a tela para o lado, respondendo a essa pergunta. “Uma tela não importa
na natureza. Apenas na caverna da tribo. "
"Quando alguém pode surpreendê-la montada em seu homem? Eu entendo.”
Suponho que, se você dá um passeio na natureza, não pode ser realmente
desagradável, porque tudo isso é sobre sobrevivência.
Hassen rosna quando reconhece minhas palavras e empurra a tela para o lado, então
espera. Suponho que ele esteja me esperando, então dou um passo à frente para
entrar e ele coloca a mão no meu peito, me parando. Então ele afasta a mão como se
estivesse escaldada, percebendo o que estava segurando. "Não entre ainda"
"Não? Existe alguém lá afinal?
Ele balança a cabeça e se aproxima da entrada, então eu faço o mesmo, agachando-
me ao lado dele. "Você deve procurar predadores antes de entrar em uma caverna
escura, Mah-dee. Use seus sentidos "
Oh Maldita seja. Eu odeio que ele esteja certo, e eu odeio que nunca me ocorreu
verificar isso. De volta à Terra, eu não tropeçaria em uma caverna escura sem
verificar o meu entorno. Não deve ser diferente aqui. Isso me lembra como minhas
habilidades de sobrevivência são patéticas. "Como verificamos? Eu acho que jogar
uma tocha acesa provavelmente não é a resposta mais prática ".
Sua boca sorri quando ele olha para mim. "Você tem uma tocha acesa?"
"Não, caso contrário, eu provavelmente já estaria na caverna"
Ele ri, e o som faz minhas tripas apertarem. Sinto que é estranho ouvi-lo rir, e
quando o faço é ... legal. Muito bonito. Ele deveria rir com mais frequência. "Então
não podemos enviar uma tocha acesa", ele me diz. "Então, nesse caso, o que você
está fazendo?"
Que posso fazer? Além de lamentar o fato de eu não querer ser bobo apenas por
diversão? Mordo o lábio, tentando me concentrar. "Eu não ouço nada?"
Ele assente, apontando para os olhos dele. "Use seus sentidos antes de tudo. Procure
pegadas na neve. Ele gesticula para o pó fresco aos nossos pés, depois gesticula para
o nariz. "Procure cheiros. Os Metlaks têm um odor desagradável. Uma criatura que
mora aqui e não se assusta com o cheiro de sa-khui, geralmente é um limpador e
deixa sua comida em casa. ” Ele estende a mão e passa o dedo sobre minha orelha
fria. "E ouça. Sempre ouça problemas "
Eu concordo. Simplificando, eu preciso ser mais atenta. Eu tenho que pensar nos
meus arredores ao invés de tropeçar sem pensar e esperar pelo melhor. Penso em
todos os dias que passei na Terra com a cabeça inclinada sobre o telefone celular.
Eu imagino o quão horrorizado Hassen ficaria com isso, e isso me faz sorrir.
"Entendi"
Verifico tudo e, quando não encontro nenhum problema, falo para ele novamente.
Ele assente, e eu me aventuro na pequena caverna, lança na mão. É uma pequena
caverna, um pouco maior que um guarda-roupa, e mal alta o suficiente para Hassen
se levantar. Tudo está quieto e, embora exista luz solar lá fora, não há muito na
caverna. Ainda consigo distinguir cestas bem colocadas contra uma prateleira
rochosa e vários pêlos ao lado. "Lindo lugar".
"Cada caçador procura outro nas trilhas", diz ele, movendo-se em direção à caverna
atrás de mim. Seu corpo é tão grande - e delicioso - que está bloqueando a maior
parte da luz solar. "Precisamos verificar os suprimentos para garantir que eles sejam
bem supridos. Não seria justo usarmos o que está aqui e não substituí-lo, mas às
vezes há uma razão para voltarmos para casa. E às vezes os catadores entram e
estragam o que é deixado para os outros. Portanto, devemos revisar tudo primeiro.
Se algo precisar ser reabastecido, adicionaremos à nossa lista de tarefas. Você
entende?"
Eu faço. Há muito mais em ser um caçador do que apenas passear com uma lança e
esfaquear as coisas. Trata-se de cuidar dos outros, não apenas de outros caçadores,
mas da tribo. Por um momento, estou impressionada com o desinteresse da tarefa.
Hassen e qualquer um dos outros caçadores solteiros poderiam sobreviver por
conta própria, mas optam por trabalhar incansavelmente para trazer comida para a
tribo em casa. Por sua vez, a tribo cuida deles quando estão feridos ou doentes, dá a
eles um lugar para dormir e pessoas para socializar. É tudo muito "círculo da vida",
e estou fascinada com o quão diferente parece comparado à minha antiga vida na
Terra. Então, eu senti que tinha que trabalhar para pagar as contas. Eu sonhava em
parar de fumar regularmente. Mas não há salário para esses caras, e você não pode
desistir.
E para Hassen, especialmente, não há recompensa. Não há ninguém para voltar para
casa depois de um longo dia. Sinto-me um pouco culpada pela sua situação. Ele não
deveria ter roubado minha irmã, mas ... estou começando a entender por que ele fez
isso.
Eu o encaro, seus traços quase ocultos na sombra, exceto por seus olhos brilhantes.
Não é à toa que ele quer me agarrar e me declarar sua companheira. Ele está
desesperadamente sozinho, e tenho certeza de que o exílio só piora as coisas. Talvez
eu não devesse ter dormido com ele. Talvez isso fosse egoísta da minha parte.
Mas .... nós dois gostamos. E não posso mudar o que aconteceu. Tudo o que posso
fazer é focar neste momento. “Bem, o que devo fazer agora? Fazer uma fogueira?"
"Você precisa de fogo?", Ele pergunta. "Você está quente o suficiente? Você precisa
cozinhar? Pode ver?"
"Estou bem"
"Então não acendemos um fogo", diz ele. "Porque, se acendermos um fogo,
precisamos reabastecer o suprimento de combustível para que a próxima pessoa que
fique aqui."
"Entendi". A sobrevivência parece um trabalho sem fim. Mas de certa forma, isso
me motiva um pouco. Você pega, você devolve. Isso faz sentido. "Acho que posso
ver bem ... se você sair da porta"
Ele se move um pouco para frente e nossos corpos se esfregam. Tudo parece parar,
e estou muito consciente da presença dele e de como estamos sozinhos. E penso no
ontem de novo porque como não posso fazer isso? Mas ele vem até mim com um
aceno de rabo e senta do outro lado da caverna, e fico com a sensação de dor e
tristeza de que não vamos experimentar a segunda rodada de sedução como a da
caverna de armazenamento .
"Vamos revisar os suprimentos aqui", diz ele. "Venha"
Então eu vou para o lado dele e, por um tempo, ele verifica o conteúdo de cada cesto
e cada pele enrolada, explicando o que está armazenado aqui, para que é usado e se
algo está acabando. Aparentemente, precisamos de mais adubo (uma frase que
nunca pensei que diria na minha vida) e rações de nozes, que levaremos pela manhã.
Quando desenrolamos um dos pacotes de peles, há um ruído suave lá fora.
Levanto-me ao mesmo tempo que Hassen e me aproximo da frente da caverna,
espreitando. Há outro baque e, ao longe, vejo uma forma coberta de pêlos perto de
um par de árvores rosadas e dobradas. Ele está resmungando consigo mesmo e
cavando na neve, com um par de presas a seus pés.
Um momento depois, sinto a mão de Hassen apertar no meu ombro. Taushen.
"Eu vejo", eu sussurro. Provavelmente fica a cerca de 30 metros de distância, mas
ainda me sinto completamente visível, já que estamos na entrada da caverna do
caçador mais próxima. Se ele vier aqui, ele nos verá. "Estamos com problemas?"
"Não", ele diz, e eu sinto o polegar dele se mover contra as peles que cobrem meu
corpo, como se ele quisesse acariciar minha pele. "Ele não vem aqui. Ele está
enterrando sua presa no depósito próximo ”
"Tenho certeza que se ele nos vir, será ruim", digo a Hassen. Ele está no exílio e não
deveria estar saindo. E eu? Tenho certeza de que, se descobrirem que estou aqui
com ele, me designarão um cão de guarda na caverna que não me deixará ir a lugar
nenhum sem pedir permissão. Para o inferno com isso.
"Então fique quieta", Hassen murmura. Sua mão desliza para a minha cintura, e eu
tremo. Eu posso sentir o calor do seu grande corpo pressionando contra o meu.
Estamos a alguns metros da porta, escondidos nas sombras, e tenho uma mão
segurando a borda do osso duro da tela de privacidade. Digo a mim mesma que é
para poder lançá-lo rapidamente, caso Taushen pareça assim, mas provavelmente
estou mentindo. Com a proximidade de Hassen, tenho a sensação de que, se largar
essa coisa, vou derreter em uma poça de gosma. Uau uau.
"Que devemos fazer?" Sussurro.
“Nós colocamos a tela e esperamos que ele vá.” Sua voz é suave e baixa, e eu tenho
certeza que senti quando ele tirou o cabelo do meu ombro. Estou bastante
convencida de que isso também está me deixando quente e perturbada.
Eu forço meus dedos a soltar a tela e a levanto. Não se encaixa perfeitamente e ainda
posso ver a neve onde Taushen está cavando, completamente alheio ao fato de que
Hassen e eu estamos escondidos a curta distância.
Ouço Hassen respirar fundo.
Não, espere, ele está cheirando.
Ele está cheirando meu cabelo?
Oh Deus, por que está tão quente? Sua mão ainda está na minha cintura, e eu estou
muito ciente de sua presença. Não está se movendo, e eu realmente, realmente
gostaria que isso acontecesse. Mas ela não se move. Ele fica com a testa pressionada
contra as minhas costas, como uma sombra grande e sexy.
Então, como se ele pudesse ouvir meus pensamentos, sua mão no meu quadril se
move. Eu o sinto levantar minhas cobertas de pele e, no momento seguinte, seus
dedos quentes roçam na minha barriga.
Inspiro quando a mão dele vai imediatamente para a cintura da minha calça e ele a
empurra para frente. E eu choramingo quando ele pressiona sua cabeça contra a
minha e morde minha orelha. "Silêncio, Mah-dee"
Verdade. Silêncio. "Eu vou ficar calada"
"Nós não queremos que ele nos ouça", Hassen murmura, e sua língua escova meu
ouvido, enviando calafrios pelo meu corpo. Sua mão grande embala minha boceta
e eu tenho que reprimir meu gemido. Silêncio. Verdade. Eu devo ficar calada. "Você
não quer que ele apareça"
Por alguma razão, essas palavras me fazem olhar através da neve, para onde Taushen
está. Ele está de pé com as mãos nos quadris, de costas para nós, o rabo se movendo.
Talvez ele esteja dando um tempo na escavação, ou talvez ele esteja prestes a se virar
e vir aqui.
Se o fizesse, encontraria a mão de Hassen em minhas calças.
E aquela mão, junto com o fato de que poderíamos ser descobertos?
Isso me deixa incrivelmente molhada.
Mordo o lábio inferior quando os dedos grandes de Hassen deslizam através das
minhas dobras escorregadias. "Silêncio", Hassen me diz novamente, embora sua voz
seja tensa. "Você vai ficar quieta quando eu tocar em você?"
"T-totalmente quieta", eu consigo dizer, embora eu sinta que estou prestes a sair da
minha própria pele. Estou congelada no lugar, olhando para Taushen, meio
desafiando-o a se virar, meio horrorizada que ele pode.
O outro braço de Hassen passa por baixo da minha pele, e então ele empurra meu
sutiã de couro e embala meu peito. Mordo um gemido e caio contra ele enquanto
seus dedos acariciam minha boceta. Deus, isso não é justo ... e eu não quero que seja.
Eu deveria estar chateada porque ele está se aproveitando da situação, mas tudo em
que consigo pensar é que era exatamente isso que eu queria, acrescentando um
pouco de voyeurismo.
Eu nunca pensei que ficaria tão animada ao ver um cara cavando um buraco.
"Tão molhada", Hassen respira no meu cabelo. "Sua boceta é sempre tão
escorregadia ao meu redor?"
Oh Deus, ele disse 'foda-se'. Oh Deus, isso é tão quente que eu tenho certeza que
fico excitada pelo som da sua voz profunda. "Eu posso ser"
"Eu devo tirar suas calças e lambê-la até que você grite meu nome", diz ele. "Mas
então você não ficaria quieta, não é?"
Balanço a cabeça. Seria totalmente barulhento e eu adoraria cada momento disso. E
então Taushen veria, e por alguma razão, isso me excita ainda mais. "Você precisa
ficar quieto também", eu digo, gaguejando minha voz enquanto um dedo áspero se
move sobre meu clitóris. "Oh merda, isso foi bom."
“Você quer que eu faça você vir assim?” Ele pergunta, esfregando o dedo na cúpula
do meu clitóris como se ele estivesse fazendo esse tipo de coisa há anos. "Ou você me
quer dentro de você quando você vem?"
"Oh, doce Jesus, isso está sobre a mesa? Eu quero o pau. " Eu já fiz isso.
Ele continua acariciando minha boceta escorregadia, enquanto tira uma camada de
pele, jogando-a no chão. "Então você deve ficar muito quieta, Mah-dee"
Taushen está cavando novamente. Não há chance dele vir aqui ... o que é bom,
porque estou começando a respirar com tanta força que consigo ouvi-lo ecoar na
caverna ao meu redor, e nem me importo. Coloco a mão na parede da caverna
enquanto Hassen arranca outra camada de pêlo das minhas roupas e depois puxa
minhas calças ao redor dos meus joelhos.
Um segundo depois, sinto algo duro e quente apertar minhas costas. O pau de
Hassen. Eu gemo, voltando para trás porque quero tocá-lo. Mas não vai me deixar.
Ele pega minha mão e a segura na parede, depois me inclina para frente. Coloco
minhas mãos na caverna e abro minhas pernas o mais largo que posso, com o monte
de minha bermuda nos pés.
O corpo grande de Hassen pressiona contra o meu mais uma vez, e então eu sinto
seu pênis empurrar na entrada do meu núcleo. Eu gemo com a estimulação,
arqueando minhas costas e impulsionando meus quadris para fora. Um momento
depois, ele me bate, tão grande e tão bom que minha cabeça quase explode.
Ou talvez o que esteja me deixando louca seja o estímulo pressionando minha
bunda. Eu nunca estive nesse tipo de coisa antes, mas sentir isso lá me deixa nervosa
e isso me excita muito mais. OMG esses homens alienígenas têm um time muito
travesso. Deus deve ser definitivamente uma mulher, porque isso é uma dádiva de
Deus, se é que alguma vez houve uma.
"Mais calma", diz Hassen, seu corpo contra o meu. É tão grande que parece que está
me cobrindo da cabeça aos pés enquanto me pressiona por trás. "Ele vai ouvir"
Eu nem percebi que estava fazendo barulho. Estou muito perdida nas sensações. Eu
me contorço contra Hassen, uma demanda silenciosa por mais, e sua mão desliza
pela minha testa, acariciando meu peito antes de retornar ao meu clitóris e
massageando-o.
Oh Deus, ela está tentando me matar, certo?
Eu choramingo seu nome quando ele coloca a mão no meu quadril, batendo
novamente. Parece que eu estou sendo perfurada duas vezes - uma vez por seu pênis
e outra por seu estímulo - e parece uma sobrecarga sensorial. Estou ofegando
quando ele para para esfregar meu clitóris novamente e gentilmente morde meu
ombro através do meu roupão.
Tudo em mim explode. Eu gozo tão rápido e tão forte que é chocante, até para mim.
As ondas de prazer se transformam em uma avalanche, e todos os músculos do meu
corpo bloqueiam em resposta. Não consigo me mexer, não consigo respirar, não
consigo falar, tudo o que posso fazer é sentar aqui e vibrar silenciosamente em
êxtase.
Ele sussurra meu nome e então ele bombeia de volta para dentro de mim, seus dedos
descansando no meu clitóris quando ele começa a cavar em mim por trás. E eu
pensei que estava tendo um orgasmo antes? Eu claramente não sabia o significado
da palavra, porque estou correndo de novo, e parece mais difícil e mais intenso do
que antes. Ondas após ondas de prazer correm através de mim enquanto Hassen me
fode com movimentos rápidos e difíceis. Estou perdida no orgasmo sem fim,
incapaz de formar pensamentos coerentes. Eu nunca cheguei tão difícil ou tão
longe, e não parece que isso vai parar.
Mas então Hassen está gemendo contra mim, e ele move seus quadris - e me estimula
- com um último golpe duro, e meus dedos se enrolam quando um novo orgasmo
penetra meu corpo. Ele me abraça, recupera o fôlego e depois se afasta de mim.
E eu praticamente desmaio. É bom que eu me agarre à rocha, porque não sei se ainda
tenho forças. Tudo foi (felizmente) estragado. Eu me ajoelho e pressiono minha
bochecha contra o chão frio da caverna, não importa quão ridículo possa parecer.
O mundo está girando e tenho certeza de que levarei dias para sair desse nível de
endorfina. Valeu a pena.
"Mah-dee?" A mão de Hassen toca minha bunda, que sobe no ar. "Está bem?"
Eu acho que seu pau me quebrou. "Eu sou fabulosa", eu digo com uma voz sem
fôlego. "Desossada, mas fabulosa."
Ele acaricia minha bunda com a mão. "Isso vai esfriar. Não quero que congele, gosto
de ver como se move quando a levo. "
Com qualquer outro cara, eu provavelmente me sentiria insultada se ele me dissesse
que minha bunda grande se move quando fazemos sexo. Mas a maneira como
Hassen diz isso - como uma carícia - me diz que gosta de mim. "Eu vou me mudar
em um minuto. Eu preciso recuperar forças. "
Ele me dá um tapinha na bunda. Descanse e depois seguiremos as trilhas
novamente. Taushen se foi. "
Espere, ele espera que eu caça depois disso? Além disso, ele espera que eu seja capaz
de andar? Eu rolo de costas e olho para ele. “Eu acho que você está superestimando
minha recuperação. Vou precisar de mais alguns minutos ”
Ele ri. "Eu não entendo muitas das suas palavras, mas vou deixar você descansar se
precisar descansar." Ele ajusta as calças, as amarra novamente e parece muito feliz
consigo mesmo.
"Sim, então enquanto eu deixo minha metade inferior se recuperar, talvez
devêssemos conversar sobre o que acabamos de fazer."
Sempre elegante, apesar do tamanho enorme, Hassen dobra as pernas e se senta no
chão ao meu lado. Ele estende a mão e tira um pouco do meu cabelo suado do meu
rosto, e apenas essa pequena carícia faz tudo tremer em resposta. "O que quer
dizer?"
"Eu pensei que você não queria fazer todas essas coisas de 'sexo casual'". E
mentalmente me preparo para outra rodada de proclamações de um homem
batendo no peito sobre como agora sou sua esposa.
Mas ele apenas dá de ombros. "Eu pensei no que você disse"
"Oh?"
Ele acena com a cabeça em concordância. "Se você quiser me usar para coçar, como
você diz, é justo que eu use você para coçar a minha"
Er, tudo bem. Então não era isso que eu esperava ouvir. Em vez de falar sobre como
devo ser dele e como devemos criar uma pequena caverna feliz juntos, passamos a
"usar" um ao outro. É estranho que eu me sinta um pouco magoada com isso? Eu
não deveria, porque é o que eu queria ... mas caramba. O cara se move rápido. "Você
não vai me pedir para acasalar com você de novo?"
O rosto dele está em branco. “Como exilado, não posso oferecer nada a uma
companheira. Agora eu percebo isso. Você fez bem em me rejeitar.”
Oh "Não foi por isso que ..."
"Não importa. Se é isso que você quer, é isso que faremos. Significa prazer para nós
dois. Não vejo nenhum problema com isso.” Ele acaricia minha bochecha.
Sorrio e não posso deixar de sentir que isso é muito mais fácil do que eu esperava. E
ceder ao que eu quero assim? "O que fez você mudar de opinião?"
"Sua proximidade", diz ele sem rodeios. “Eu podia cheirar seu cabelo e sentir seu
corpo contra o meu e eu queria você. Então eu te levei ”
Eu tremo. "Sim, sim, você fez"

∗∗∗∗∗∗∗

HASSEN
Mah-dee está sorrindo para mim. Ela está satisfeita com a minha afirmação de que
não quero nada além de me acasalar com ela.
Sinto como se estivesse traindo ela, mas concordo com isso. A verdade é que não
mudei de idéia. Na minha opinião, Mah-dee é minha. Ela é minha companheira.
Mas estar perto dela e não poder tocá-la é uma tortura. Eu não vou escolher isso. Eu
vou achar outra maneira.
Deixe-a pensar que desisti da minha missão de reivindicá-la como minha. Eu dormi
com a minha raiva e agora tenho um plano. Não vou cegamente avançar. Vou
aproveitar esses dias com Mah-dee enquanto o tempo está bom e ela aprende a caçar.
E quando as neves mais pesadas chegarem, suportarei a estação brutal como exílio e
caçarei mais do que nunca. Quando terminar, falarei com Vektal sobre voltar à tribo
como caçador. Então, e só então, posso reivindicar Mah-dee como minha
companheira. A essa altura, Li-lah estará carregando o kit Rokan e todos terão
esquecido que eu roubei a irmã fraca e chorosa quando eu deveria ter roubado a
feroz.
Hoje foi um dia de risco. Não porque Taushen nos viu, mas porque Mah-dee
poderia ter decidido que não queria que eu a tocasse novamente. O fato de ela
desejar tanto o meu toque quanto eu o dela me enfraquece de alívio. Mah-dee
começou a acasalar comigo ontem. Eu não tinha certeza de que ela iria me receber
hoje.
O fato dela ter feito isso significa que posso lhe mostrar o quanto preciso. Eu
pretendo levar Mah-dee em muitas excursões de "caça".
E vou reivindicá-la sempre que puder. Eu quero que ela precise de mim tanto
quanto eu preciso dela.
Capítulo 7

HASSEN
Cinco dias depois

Mah-dee joga sua lança com força solta. Ela balança no ar e desliza na neve a alguns
passos de onde ela está agora. A árvore que ela deveria acertar balança de um lado
para o outro no vento forte, zombando de sua fraca habilidade de caça.
Cruzo os braços e faço o possível para parecer chateado. "Foi um lançamento
terrível. Você disse que praticou. "
"Eu tentei praticar", ela diz rispidamente enquanto corre para pegar sua lança. “É
difícil levantar e sair quando você está exausto o tempo todo. Deie alguns tiros na
caverna, mas pensei em praticar aqui com você. "
Exausta? Estou lhe desgastando? Pego um de seus peitos grandes, acariciando-a
através das muitas camadas de pêlo que ela está vestindo. "Devo parar com as
minhas atenções?"
Ele se contorce, rindo, mas o rubor nas bochechas e o brilho do seu olhar me dizem
que ela gosta do meu toque. “Não é sexo, embora, tudo bem, seja incrível e difícil
por si só. Estamos caminhando e caçando. Não sei se você notou, mas estou fora de
forma. "
Eu estudo a figura dela, franzindo a testa com as palavras dela. "Eu gosto do seu
corpo. Que tem de mau?"
Ela ri de novo. "Só por isso, você está totalmente sendo fodido de novo"
"Agora?" Faço um gesto quando vejo as colinas abertas e onduladas que nos cercam.
"Aqui na neve?"
"Agora não! Agora não há privacidade." Mah-dee coloca a língua para mim
novamente.
"Você não gosta de privacidade", eu a lembro, e fico feliz quando um rubor
brilhante toca suas bochechas rosadas. Nos dias desde o nosso primeiro
acasalamento na caverna de armazenamento, acasalamos o mais rápido possível.
Algumas vezes eles aconteceram nas cavernas de armazenamento ao meio-dia, e
Mah-dee fica mais quente quando ela pensa que podem nos pegar.
Quando ela aquece, eu também.
Ela traz a lança na minha direção e a segura. "Eu tenho que trabalhar nas minhas
mãos, você não acha?"
"Se todos os seus lançamentos são assim? Sim"
"De acordo". Ela envolve os dedos em torno da vara longa da lança e olha para mim.
"Assim?" Seu aperto se move para cima e para baixo. "Ou devo segurar mais aqui?
Talvez dê um pequeno soco quando estiver pronto para o lançamento?” E sua mão
se move de uma maneira que não tem nada a ver com a caça.
Eu posso sentir meu pau endurecer em resposta à visão de seus dedos subindo e
descendo o poste. O pequeno sorriso em seu rosto me diz que ela sabe exatamente
o que está fazendo e como vou responder. "Eu diria para você segurar o bastão com
mais força, mas acho que não estamos falando de caça"
Pisca rapidamente. "Por quê? O que quer dizer?"
"Há algo de errado com seus olhos?"
Mah-dee bufa. "Não. Há algo errado com o meu cérebro se estou tentando usar
técnicas humanas para flertar com você.”
Eu sorrio para ela, agarro-a pela cintura e a jogo contra mim. "Você está flertando
comigo então?"
"Você vê mais alguém para flertar?" Ela joga a lança de lado na neve e joga os braços
em volta da minha cintura.
"É porque você quer que eu precise de você? Ou porque você quer que eu enterre
meu rosto entre suas pernas e lamba sua boceta de novo?” Eu fiz isso logo antes das
aulas, mas terei prazer em fazê-lo novamente, se ela desejar. O gosto de Mah-dee na
minha língua é melhor que nada.
Ela parece considerar e depois suspira. "Acho que se fizermos de novo, não
caçaremos muito."
"Mmm" não sei se isso importa para mim. Minha Mah-dee está empolgada com
muitos aspectos da caça ... exceto matar animais. Ontem, encontramos um kit coxo
dvisti apenas nas estepes. Foi presa fácil e sugeri a Mah-dee que a derrubasse. Ela
não conseguiu. Ela chorou e cobriu os olhos quando eu coloquei minha lança na
garganta da criatura. Minha companheira tem um coração mole, mas ainda não
entende que às vezes matar é uma misericórdia.
Eu gostaria de poder protegê-la dessas coisas, mas se ela quiser sobreviver, ela deve
ser forte no corpo e no espírito.
“Acho que é melhor irmos caçar novamente, então.” Ela se aconchega perto de mim,
pressionando a bochecha contra o meu peito. "Eu preciso melhorar e passamos mais
tempo praticando outras coisas"
Eu acaricio sua crina amarela. Quero lhe dizer que ela não precisa aprender a caçar
se eu sou seu companheiro. Que eu posso cuidar dela e ficar com ela se me aceitar ...
e se o chefe me aceitar de volta. Toda noite em volta do meu pequeno fogo parece
ficar mais e mais solitário.
Mas, por enquanto, podemos caçar juntos e acasalar nas cavernas dos caçadores.
Enquanto tiver Mah-dee ao meu lado, aceitarei o que eles oferecem e serei grato.
Nós nos beijamos e eu devolvo a lança que ela jogou. "Vamos então"
Subimos uma das encostas suaves que cercam o vale que abriga a tribo. Mah-dee
gosta de vir aqui, porque podemos ver de longe. Deixei-a guiar, porque é
importante que ela aprenda a encontrar os conjuntos de trilhas sozinha. Mas
quando chegamos à beira dos penhascos, Mah-dee aponta para pontos móveis à
distância. "É um rebanho de Dvisti?"
"Muito pequeno", eu digo, descendo os penhascos alguns degraus para ver melhor.
Conto três mãos manchadas e vejo dois quadrados longos atrás de dois deles.
Trenós. O que significa ... "É a partida de Maylak. Eles devem ter matado um sa-
kohtsk." Olho para os trenós, curioso para vê-los. Normalmente, a carne sa-kohtsk
tem um sabor estranho e amargo, e meu povo a deixa para predadores, levando
apenas os khuis que eles enrolam em torno de seus corações. O fato de trazerem
carne sa-kohtsk para casa me diz que há mais preocupações com a estação brutal e
se há comida suficiente para tantas bocas.
Eu deveria ter a alegria em meu coração que meus homens da tribo estão voltando
saudáveis. Eu os vejo andando, e ninguém mancando ou se movendo lentamente.
Eles corre para a frente e depois giram para trás, seus movimentos são quase
divertidos. Eles estão felizes com o resultado da caçada. Eu deveria estar feliz.
Mas eu não estou. Estou desapontado ao vê-los, porque isso significa que muitos
rostos retornam às cavernas. A liberdade que Mah-dee teve para ir e vir quando
quisesse desaparecerá com o retorno de outros. Não serei capaz de esgueirar-me para
as cavernas de armazenamento com ela. Ela não será capaz de sair das cavernas e me
ver. Eu enterro minha raiva e frustração e me viro para ela. "Venha. Vamos
encontrar um conjunto de pegadas. "
"Todo mundo está voltando? Deveríamos ... devemos voltar para a caverna?” Mah-
dee me olha com curiosidade.
Suas palavras são como uma faca no estômago. "Você quer voltar? Eu posso levar"
Ela morde o lábio rosa. “Na verdade, prefiro passar o resto do dia com você, se
estiver tudo bem com você. Eu posso vê-los a qualquer momento. "
O calor enche meu peito. Concordo, porque não confio na minha voz. O fato de ela
escolher ficar comigo hoje é um presente. Estendo minha mão.
Mah-dee estende a mão e entrelaça seus dedos frios com os meus. "O que isso
significa para você e eu?", Ela pergunta.
Eu odeio ter que dizer as palavras. “Hoje será a nossa última viagem de caça. É como
você disse. Não existe 'você e eu' ”.

∗∗∗∗∗∗∗

MADDIE

Há uma festa naquela noite, mas é uma festa tranquila. Todo mundo está cansado
de sua jornada, por isso não é o encontro mais enérgico, mas todos se reúnem junto
ao fogo e Maylak caminha ao redor de seu bebê gordo e retorcido Makash, que agora
tem olhos acesos e brilhantes. Eles até me passam, e eu não aponto que é enorme e
acho estranho depois de ver tantos bebês meio-humanos azuis pálidos. Makash é
azul profundo e seus botões com chifres são duas vezes maiores que os outros. Até
o peito pequeno já tem o revestimento duro.
Maylak paira em torno do grupo, tocando todos, e parece ansiosa, apesar de sua
felicidade. Suponho que ela esteja preocupada que alguém tenha sido ferido
enquanto ela estava fora, mas as pessoas que ficaram eram um grupo monótono.
Duvido que mais alguém tenha saído da caverna além de mim ou Taushen, que
ficou para caçar carne fresca para as mulheres idosas e grávidas. Josie senta ao meu
lado perto do fogo, mas eu posso ser invisível de toda a atenção que ela me presta.
Seu companheiro está de volta e ela se apega a ele como se ele estivesse prestes a
desaparecer novamente. Acho que seria legal vê-los tão amorosos se não me sentisse
tão confusa.
Hassen não está aqui. A tribo inteira chegou a ficar junto, comer e recuperar o
atraso. Caramba, até Asha está sentada em frente ao fogo, a uma boa distância de
seu companheiro, e ela está segurando o bebê de Maylak com um olhar feliz no
rosto. Mas não Hassen. Não é permitido.
Olho para a entrada da caverna, mas são flocos de neve densos e substanciais que
voam e derretem nas pedras. Logo depois que os outros chegaram em casa, uma
tempestade começou. Acho que deveria me preocupar com Lila, mas ela está com
seu parceiro e muitas pessoas. Eles estão bem. Em vez disso, estou pensando em
Hassen. Ele está lá fora, e embora ele saiba se cuidar, não posso deixar de me
preocupar. Só é preciso um tornozelo torcido e ... Eu tiro esses pensamentos da
minha cabeça, porque não posso ir por esse caminho. Ele pode cuidar de si mesmo.
Eu odeio que ninguém cuide de suas costas agora.
É como ele disse. Não há você e eu.
Ele tem razão. Eu não esperava que me incomodasse tanto ouvir isso. Eu amei a
semana passada, foi muito divertido e não me senti entediada ou sozinha. Na
verdade, eu acordava todas as manhãs querendo enfrentar o mundo e ver que coisas
novas eu poderia aprender ou descobrir. Foi assim que Lila se sentiu?
Alguém cai no assento vazio ao meu lado. É Harrec, um dos outros jovens caçadores
que acabou de voltar com o grupo. Sorrio fracamente em saudação e volto ao fogo,
fingindo interesse na história que alguém está contando, quando tudo o que
realmente quero fazer é ir até a entrada da caverna e ver se Hassen está nos esperando
lá fora, nos observando. Querendo estar conosco.
Cara, esse pensamento é realmente uma chatice.
"Você está com fome, Mah-dee?" Harrec me oferece um espeto com vários pedaços
de carne cozidos demais. "Eu fiz isso por você"
"Obrigado?" Eu tomo, embora eu já tenha comido. Caso contrário, pareceria rude.
Ele sorri para mim, parecendo amigável. “Aprecie a carne com um bom sabor.
Quando a neve chegar, haverá muitas sopas. ”
"Gosto da sopa", eu digo mordiscando uma das peças.
"Você tem tigelas suficientes? Se não, eu posso fazer um pouco. Não sou tão bom
em esculpir como Aehako, mas adoraria ajudá-la.”
“E se eu tiver tigelas suficientes?” É a pergunta mais estranha que eu já fiz. Por
alguma razão, olho através do fogo e vejo Asha. Ela sorri para mim, erguendo as
sobrancelhas duras. Ah Merda. Está flertando? Harrec está flertando comigo? Sobre
as tigelas? “Terei que fazer um inventário quando voltar à minha caverna e
informarei a situação.” Eu deliberadamente escolhi muito jargão humano para
confundi-lo. Talvez eu esteja sendo uma vadia, mas sorrio amplamente como se
estivesse dizendo as coisas mais normais do mundo.
Ele acena para mim, parecendo satisfeito, embora eu tenha certeza que ele não tem
ideia do que eu disse.
Uma xícara fumegante de chá aparece perto da minha cabeça e eu volto, surpresa.
Ele é um dos mais antigos, Vaza, eu acho. Ele me oferece a caneca com um sorriso.
"Beba, ok?"
“Oh, uh, obrigada.” Pego a caneca e agora minhas mãos estão cheias de comida e
bebida. De repente todo mundo é muito legal.
Para minha surpresa, Vaza fica na pedra em que estou sentada e fica entre Josie e eu,
que parece surpreendida pela intrusão. "Se você gosta de chá, eu posso lhe trazer
mais. É a minha mistura especial.”
“Tenho certeza de que é ótimo.” Dou Josie um olhar de desculpas enquanto ela se
move para o colo de seu companheiro. No entanto, seu parceiro parece irritado,
com os dentes à mostra para proteger sua esposa.
Vaza não está ciente, no entanto. "Há uma certa folha que cresce perto da água que
faz o melhor chá"
"Não me diga", murmuro.
Harrec gesticula para a comida. "Está bom? Você quer mais?"
"Ótimo", eu digo, e dou outra mordida. Asha apenas sorri através do fogo,
claramente apreciando meu desconforto.
Não pela primeira vez hoje à noite, sinto-me muito triste por os outros terem
retornado. Prefiro passar meu tempo com Hassen.

∗∗∗∗∗∗∗

Na manhã seguinte, eu me visto com minhas duplas camadas de pêlo para caçar,
mas percebo que dez minutos depois isso não vai acontecer. Não posso me afastar
da tribo. Especificamente, dos homens da tribo. Quando saio da minha caverna,
Taushen está lá, perguntando se preciso de mais couro para fazer roupas quentes
para a temporada brutal. Quando vou ao fogo tomar café, Vaza está lá com mais
chá. Harrec então pergunta se eu quero ajudá-lo a reparar suas redes. Consigo
engasgar com algumas mordidas rápidas de uma torta sem batata antes de
murmurar desculpas e me dirigir para a entrada da caverna. Se não houver ninguém
por perto, eu poderia sair e dizer um oi para Hassen. Tenho certeza que ele está
esperando nas proximidades.
Mas na entrada, Maylak está lá, e Asha, que segura a garotinha de Maylak enquanto
ela amamenta seu recém-nascido. As duas estão de pé e conversando com Rukh e
Harlow, e a curandeira tem uma expressão preocupada no rosto. Todo mundo
parece estar tendo uma conversa intensa, então talvez eu possa fugir.
“Maddie! Oh bem, outro humano. Preciso da sua ajuda. Harlow acena para mim e
o pequeno grupo me encara.”
Merda. Não tenho escolha a não ser ir, colocando um sorriso no meu rosto. "Olá. O
que acontece?"
“Estou tentando explicar a Maylak que é muito importante que eu vá a nave, a
Caverna dos Anciões. Quero visitá-la mais uma vez antes que a temporada brutal
chegue. ” Ela ajusta o bebê nos braços e olha para o companheiro, que tem uma
mochila grande nas costas. Parece que eles estão prontos para sair pela porta. "É
sobre o computador"
"Oh?" Não vejo o que tenho a ver com isso.
"Sim, na última vez em que percebi que as coisas não acontecem quando eu faço
perguntas sobre o computador, e quanto mais eu sento e penso sobre isso, mais me
preocupo que haja algo errado com ele." Ele olha para o companheiro e depois volta
para mim. "Estou preocupado que os dados estejam corrompidos e tento explicá-
los, e ninguém os captura"
“Eu também não sou um gênio da computação, mas já tive esse problema antes no
meu laptop. Você acha que ele tem um vírus? Como ele foi infectado por um vírus
se caiu aqui?”
"Não sei se é um vírus, mas ... as coisas não fazem sentido. É um computador, por
isso só deve transmitir fatos, mas ainda encontro discrepâncias. Como .... ok. Você
sabe há quanto tempo o sa-khui está aqui, certo?
"Duzentos anos, certo?" Parece que me lembro de alguém me falando sobre isso.
“Duzentos e oitenta e nove anos. Ela equilibra o bebê no quadril. “É o que diz toda
vez que você pergunta. Mas quando falo com a tribo, não faz sentido. Maylak diz
que o mais velho da tribo é Vadren ”
A curandeira inclina a cabeça. "Ele viu cento e sessenta e duas temporadas brutais"
"Uau, isso é muito estranho."
"Fica mais estranho. Eu estava pensando sobre isso, certo? Então fui falar com
Vadren, e ele me disse que seu pai viveu cento e cinquenta temporadas. E seu pai
antes dele era mais ou menos o mesmo. "
"Eu não sou matemático, mas isso não se soma"
"Bem! E ele diz que ninguém tem tecnologia desde que se lembra. Ele aprendeu a
caçar com uma lança, e seu pai aprendeu a caçar com uma lança de seu próprio pai.
Se seu pai era criança no momento do acidente, você não se lembraria de algo?
Dou de ombros. "Eu suponho? Talvez eles fossem do tipo 'fora da rede' e decidissem
voltar à natureza quando pousaram aqui permanentemente? ”
“Eu estava pensando sobre isso, mas depois fiquei pensando sobre isso, e isso me
perturba.” Há angústia em seu rosto sardento. Seu bebê agarra um punhado de seus
cabelos alaranjados e puxa, e Harlow distraidamente puxa sua mão. “Sei que tive
algumas instâncias em que obteria um esquema do computador e as peças estavam
faltando ou pareciam incorretas e achei que era minha culpa. Mas agora eu me
pergunto se há corrupção no sistema em algum lugar. E estou preocupada porque
não sei se é seguro usá-lo para habilidades de linguagem. E se o laser irradiar o
cérebro de alguém e o fritar quando ele estiver ensinando a linguagem de sinais? ”
Céus. "Sim, isso não parece bom"
"Então, você pode entender? Ou você acha que sou só eu procurando coisas para
fazer? "Ele dá um olhar preocupada ao parceiro.
"Não, acho que se você quiser ir ver, não vai doer, certo?" Além disso, sou egoísta.
Até metade da tribo tem linguagem de sinais até agora, e quero que minha irmã seja
capaz de se comunicar com todos. Ela trabalhou duro para ensinar ao computador
sua "linguagem de mão", como outros dizem, e não quero que ela seja prejudicada
pela incapacidade de se comunicar. Mas também não quero que o cérebro de
alguém vire cocô só porque está tentando aprender a conversar com minha irmã.
"Estou preocupada", diz Maylak em sua voz baixa e gentil. "Eu sinto que você
deveria ficar aqui, com a tribo"
Neste Rukh franze a testa. "Vou assistir minha companheira. Eu a protejo ”
"Não é isso", continua Maylak. "É ... eu apenas me importo. Me desculpe ... ”Ela
suspira. "Talvez seja apenas um curandeiro preocupado com nada."
“Fazemos essa viagem o tempo todo. Nós ficaremos bem” - Harlow assegura.
Maylak assente, mas não parece convencida. "Apenas tenha cuidado".
Harlow sorri na minha direção e depois olha para Asha. "Algum de vocês gostaria
de vir conosco?"
“Oh, eu estou, umm, ocupada.” Eu sorrio feliz e espero que eles não façam muitas
perguntas sobre isso. "Eu tenho muito no meu prato"
"Reunindo todos os homens não pareados?" Asha diz com uma voz zombeteira.
Eu faço uma careta para ela. "Esperando minha irmã voltar?"
Apenas sorri, não incomodada com a minha irritabilidade.
Maylak, Rukh e Harlow começam a conversar novamente, e eu me viro, tentando
me libertar da conversa. Olho para fora da caverna, esperando ver uma figura
familiar no horizonte, mas está vazia.
"Procurando por alguém?" A voz de Asha é engraçada quando ela fica ao meu lado.
Nos braços, a garota chupa o polegar e olha para mim com grandes olhos brilhantes.
O sorriso de Asha retorna "Um caçador em particular, talvez?"
“Cale a boca.” Eu digitalizo o exterior novamente. "Você não o viu hoje, viu?"
"Não fiz. Talvez todos os homens que você atrai o incomode, já que você não quer
levá-lo ao seu pelo para sempre.”
Eu franzo a testa para ela. "O que quer dizer?"
“Gostaria de um chá, Mah-dee?” Ele zomba. "Talvez um pouco de couro para mais
roupas?"
Oh Isso. "Eu não estou torcendo por você! Não sei o que mudou para que de repente
eles comecem a prestar atenção em mim.”
"É porque você sorri agora. Antes, você franzia a testa para todos e jogava coisas.
Agora você sorri, e agora eles olham para você. " Seu olhar se torna astuto. "Eles não
percebem a razão pela qual você sorri, eu imagino"
Sinto minhas bochechas esquentarem. Sim, agora eu sei porque estou sorrindo. É
porque eu estou fazendo sexo. Na verdade, é mais do que isso. É a presença de
Hassen. Só que encontrei alguém que realmente me entende e à minha situação.
Não me sinto tão abandonada. Sinto que agora tenho um amigo. "Bem, eu quero
que eles me deixem em paz. Como faço isso?"
"Você ressoa", diz ela com a voz seca.
"Não é útil?"
"Não"
"Foi sarcasmo".
Ela encolhe os ombros e abraça a garota em seus braços. "Então pegue um parceiro
de prazer"
Argh. Essas pessoas são tão frustrantes. Estou prestes a reclamar sobre como é
irritante encontrar toda essa atenção quando vejo uma figura escura aparecer na
neve ao longe. Meu coração está acelerado e sinto uma vibração animada na minha
barriga. Hassen. Está esperando por mim.
Mas então uma segunda figura aparece, e minha vibração excitada morre. Oh. Não
é Hassen. Deve ser Lila e seu grupo voltando. Estou animada para ver minha irmã
novamente, mas ao mesmo tempo, sinto um pouco de medo. Enquanto ela não
estava, eu tenho dormido com o cara que a sequestrou.
Vai ser um inferno tentar explicar isso.
Estou preocupada que eu deva me sentir culpada. O que Hassen fez foi errado, mas
agora que o conheço melhor, não o odeio. Não estou feliz com suas ações no
passado, mas também me comportei como um idiota. Eu era meio idiota quando
acordamos, e fui idiota até recentemente. Merda, Marlene não sai de sua caverna
quando eu estiver por perto, e Stacy ainda se encolhe como se eu fosse jogar algo
nela novamente. Eu fico brava com as reações deles para mim, especialmente agora
que os meninos estão agindo como se eles me transformassem em merda da noite
para o dia. Eu não deveria ser julgada por como agi quando estava estressada e
assustada ... e me pergunto se estive julgando Hassen o tempo todo.
Afinal, uma das razões pelas quais eu o mantenho distante quando se trata de nosso
relacionamento é por causa da minha irmã. Porque não quero que Lila fique
decepcionada comigo. Estou confusa e não sei como lidar com as coisas.
Espero na entrada, abraçando minha capa perto do meu corpo enquanto o grupo
se aproxima. Alguns outros saem da caverna e vão dizer olá, mas eu fico para trás.
Eu odeio sentir que não sei mais estar com minha própria irmã. Olho para como ela
é, com o cabelo trançado, o rosto corado de frio. Ela está sorrindo amplamente e
carrega uma mochila grande nas costas e gesticula com as mãos enquanto explora
pessoas emergentes, procurando por alguém. Procurando por mim.
E então me sinto uma idiota, porque ela é minha irmã mais nova. Eu a amo. Eu vou
em frente e levanto minha mão para me ver, e o rosto de Lila se ilumina com prazer.
Sinto minha ansiedade diminuir e saio para a neve para dizer olá.
Aí está, ela gesticula enquanto se aproxima. Eu queria saber se você estava se
escondendo!
Chego ao lado de Lila e a abraço de perto, ignorando Rokan. Aperto com força e
parece bom. Cheira a suor e pêlo, mas parece ótima. Eu me inclino para trás e sorrio
para ela, depois gesticulo, não queria te sobrecarregar.
Você está autorizada. Ele pega minha mão e a aperta, e depois me diz por sinais: a
propósito, você está ótima. Como está tudo?
Estou bem. Tenho sentido sua falta. Eu percebo que é verdade. Estive ocupado com
a caça e com Hassen, mas agora que minha irmã voltou, parece que um pedaço
perdido voltou ao seu lugar. Por tudo o que estamos lutando para encontrar nosso
caminho neste planeta, ela continua sendo minha melhor amiga e minha família.
Preciso dela
Mas você parece bem, ela me diz, e tira as alças da mochila, olhando para o parceiro.
Estou exausta.
Ah Merda. Eu sou um idiota. Ela anda há dias e tem uma sacola cheia de frutas, que
não podem ser leves. Concordo, e aceno: Deixe-me ajudar.
Rokan e eu removemos o pacote das costas de Lila, e minha irmã se estica, depois
coloca a mão nas costas e faz uma careta. Eu preciso exercitar mais.
Por alguma razão, isso me parece engraçado. Fazer exercício? Em um planeta de
gelo? Lila já é uma varinha. Boba, digo a ela, e coloco um braço em volta da cintura,
pronto para ajudá-la a entrar na caverna.
Rokan pega sua mochila pelos ombros e toca o braço de Lila, uma pergunta em seus
olhos. Ela o tranquiliza com um sinal rápido e um sorriso, e se apoia em mim.
"Vou levar os pacotes", diz Rokan e gesticula. "Você está levando Li-lah para fogo
para que ela possa descansar?"
"Eu vou", eu digo. Eu nem estou ressentida com ele agora. Nós dois queremos o
melhor para minha irmã.
Nesse ponto, as pessoas estão saindo da caverna e há vozes animadas e altas em todas
as direções. As malas estão sendo distribuídas e os humanos estão se espalhando,
com os bebês nos braços, porque mal podem esperar para ver que tipo de fruta foi
trazida. Eu ando pela multidão com Lila e vou para a estaca. Pela primeira vez na
história, ninguém está sentado ao seu redor. Tenho certeza de que todos estão
empilhados na entrada. Estaciono Lila na frente do fogo, no melhor lugar, e a ajudo
a remover a camada superior de suas roupas. Eles estão um pouco úmidos, e eu os
espalho em um dos postos instalados nas proximidades para esse fim. Não há chá
borbulhando sobre o fogo, então pego um tripé e penduro um saco sobre ele, digo
à minha irmã que eu voltarei e o encho em uma das várias fontes que borbulham na
caverna. Há uma cesta de especiarias e chá perto da lareira - provavelmente de Stacy
- e eu procuro antes de encontrar o chá e fazê-lo. Na verdade, estou muito orgulhosa
de mim mesma por ter sabido fazer tudo isso apenas vendo os outros; Agora só
espero não estar cozinhando um chá feito com temperos de carne para minha irmã.
Sento-me ao lado de Lila e faço sinais novamente. Tem fome? Quer algo de comer?
Apenas cansada, ela me diz. Estava tudo bem até vermos a caverna tribal, e então
perdi toda a minha energia. O sorriso dela está cansado. Estou feliz por estar em
casa. Você deveria estar feliz por não ter ido. Foi uma jornada divertida, mas difícil.
Terminei.
Você recebeu muita fruta? Seu amigo caolho estava lá?
Nós obtemos muitas frutas, mas também comemos muito e apenas colhemos sementes
e mudas de plantas. Não podíamos trazer tudo. Há muito, é incrível. Trouxemos
tudo o que podíamos carregar, mas também enterramos alguns em um esconderijo.
Tivemos muito trabalho!
Parece isso.
E não, não havia sinal do meu amigo. Nós estávamos lá. Ela esfrega o estômago. Eu
gostava de frutas, mas gostaria de não comer mais por um tempo. Eu nunca pensei
que diria isso, mas eu preferiria carne crua agora!
Eu rio porque não é algo que eu espero ouvir também. Você está se tornando um
nativo então? Comer cru? Eu sei que é assim que os sa-khui preferem sua carne, e
alguns dos humanos mais ousados a aceitaram, mas não eu. Eu gosto do meu bife
bem feito e não fresco das tripas de alguma coisa.
Um olhar tímido cruza o rosto da minha irmã. Não que eu goste do pensamento, mas
tenho desejado nos últimos dias ... Ela para e junta as mãos, e vejo seus olhos
brilhando de lágrimas.
"OMG", eu suspiro alto, e então percebo o que fiz. Mas ela me entende e ri e assente.
Lila está grávida. Eu grito de emoção e agarro suas mãos nas minhas. Ela brilha
diante de mim e, naquele momento, estou muito animada pela felicidade da minha
irmã. Eu amo que minha irmã tímida e assustadora esteja florescendo aqui nesta
pista de esqui de um planeta. Isso também me faz chorar.
Minha irmã vai ter uma família e um bebê, como todos os outros. Estou tão feliz
por ela, e ainda ... ainda sinto a dor de perdê-la. E me sinto sozinha novamente.
O que me faz pensar em Hassen.
O que me faz pensar que devo dizer à minha irmã que estou flertando com Hassen.
Ok, dormindo com Hassen.
Não que alguém esteja dormindo demais.
Eu vejo o rosto feliz de Lila. Ela enxuga as lágrimas, radiante. Sabíamos que isso
aconteceria devido à ressonância, mas ainda assim, pensar sobre isso e realmente
acontecer são duas coisas diferentes.
Pode sentir isso Já? Toco meu peito, pensando no parasita dentro de mim: o khui.
Eu nunca consigo sentir isso, embora tenha notado casais ronronando quando
ressoam. É por causa do khui?
Ela balança a cabeça. É sim ... o que você não sente. A cor de suas bochechas. A
ressonância diminui. Além disso, Rokan sabe disso.
Você acha que sabe porque é homem?
Não, quero dizer que ele sabe disso. Ela bate na têmpora. No sentido de 'saber'.
Ah verdade. Eu continuo esquecendo que Rokan é um psíquico menor de algum
tipo. O piolho de Maylak faz dela uma curandeira, a de Rokan lhe dá um sexto
sentido, e o meu? Bem, o meu está lá como um caroço. O que provavelmente é uma
coisa boa. Não que eu tenha ciúmes de todos os bebês, mas é estranho e isolado ter
o único khui inerte em toda a tribo. Quero dizer, droga. Eu certamente tenho algo
que vale a pena passar para a próxima geração. Às vezes, sinto que preciso sentar no
canto dos bad boys com Hassen.
Yyyyyy, sim, eu realmente preciso contar à minha irmã sobre Hassen.
Engulo o nó de preocupação que se forma na minha garganta e aceno para ela. Estou
feliz que você está de volta. Temos que falar.
Está tudo bem?
Me desculpe, eu disse alguma coisa. De imediato. O cansaço no rosto de Lila parece
ser multiplicado por dez, e agora ela parece estressada. Estou estressando ela? Eu
sufoco o flash de irritação que sinto. Estou estressando ela? Eu cuido dela desde que
nossos pais morreram. Fui eu quem tomou as rédeas. Fui eu que tive que afogar
meus medos e ser o mais forte. Nós dois estamos em um novo território emocional
e preciso aprender a ser paciente, o que não é um dos meus pontos fortes. Mas desde
que eu já fui em frente, é melhor continuar. Você não viu Hassen quando voltou,
viu?
Não, e estou feliz. Eu ainda não me sinto confortável com isso. Sua expressão
endurece um pouco.
Suas palavras parecem um tijolo em minhas entranhas. Dizendo que isso foi um
erro. É muito cedo. Ela não vai entender. Inferno, eu nem tenho certeza se eu
mesmo entendo.
Por quê? O que acontece? Lila parece preocupada. Ele está incomodando você? Ele
deveria ser exilado como punição.
Não está me incomodando, respondo com sinais. É só que ... eu paro e depois
continuo. Nós nos tornamos amigos.
Os olhos dela se arregalam em alarme. Maddie, não. Não seja amiga dele.
Ok, Lila. Conversamos sobre por que ele sequestrou você. Sinto muito, e não é como se
ele estivesse apaixonado por você. Ele só queria uma companheira.
E é por isso que ele quer ser seu amigo agora! Está usando você porque você está
disponível!
Não é isso, digo a ela, e depois largo minhas mãos. Não é, é? Eu o procurei, não o
contrário. Mesmo quando digo a mim mesma que ela está errada, eu me preocupo.
Hassen estava tão desesperado por um parceiro que tentou roubar um. E então eu
vim, me jogando nele. Talvez não seja sobre ele e eu nos juntando e sendo amigos,
assim como amigos. Talvez seja sobre ele tentar conseguir outra companheira.
Penso no fato de que ele me pediu em casamento depois de irmos para a cama e
decidi não compartilhá-lo com minha irmã. Na verdade, eu decido que não vou
compartilhar muito com minha irmã. O olhar de horror que ela está me dando me
diz muito. Somos apenas amigos, eu gesticulo. Não entre em pânico.
Você tem que se afastar dele, irmãzinha. Eu vivi com ele por semanas. Eu sei como
ele é Ele é impaciente e autoritário e ... Ela balança as mãos no ar, claramente sem
palavras. Ele não é um bom homem! Eu não quero que ele tire vantagem de você!
Oh, isso é tão adorável. Considerando que tirei vantagem de Hassen no momento
em que ele decidiu namorar comigo, minha irmã está enganada em nome do
predador. Sério, somos apenas amigos. Eu só queria que você soubesse, ok? Dessa
forma, não haveria surpresas.
Vou falar com Vektal e dizer que ele está te incomodando, Lila gesticula com raiva.
Isso não está bem.
Não se atreva, eu respondo com a mesma rapidez, e seus olhos se arregalam com os
meus gestos veementes. Não diga uma palavra!
O que está acontecendo?
Nada. De acordo? Somos só amigos!
Você não ressoou, não é?
Droga, não! Eu só me sinto mal pelo cara, ok?
Como você pode se sentir mal por ele? Ele me sequestrou! Ele tentou me forçar a ser
sua companheira!
Sim, e ele perdeu tudo. O céu proíbe que um homem queira se apaixonar e cuidar de
uma garota. Paro mesmo quando penso nisso. Estou tendo síndrome de Estocolmo
em nome da minha irmã? Inferno, isso é possível?
Estou muito confusa. Eu me levanto. Eu acho que preciso de um tempo para mim.
Mas eu acabei de voltar, Lila gesticula, com dor nos olhos.
Dou-lhe um rápido abraço de urso. Eu sei e sou uma irmã horrível. Sinto muito.
Conversaremos mais tarde, ok?
Ela assente, confusa e pisca seus grandes olhos para mim dessa maneira magoada.
Eu me sinto como um idiota. Estou deixando minha irmã no momento em que ela
estava voltando de sua viagem para poder conversar com Hassen e tentar entender
por que estou tão confusa. Eu deveria ficar com ela. Ela não está aqui há dias.
Você não está com ela há dias porque não foi convidada, diz uma vozinha sediciosa
na minha cabeça. Pelo menos Hassen quer passar um tempo com você.
Isso decide tudo. Eu tenho que ir, gesticulo e dou um tapinha no ombro dela. Eu
pulo e vou, juntando minhas peles perto do meu corpo. Há um envoltório extra na
entrada de um escorredor, e eu o agarro e envolvo em volta dos meus ombros. Todos
na entrada estão ocupados conversando e exclamando sobre o que há nas malas.
Ninguém vai me notar se eu escapar, espero.
Eu ando pelas paredes do penhasco, estremecendo a cada passo, esperando alguém
gritar comigo para voltar, me perguntar para onde estou indo. Mas ninguém sabe.
Eles estão preocupados demais com tudo o que Lila e sua equipe trouxeram de volta.
Eu me afasto, meus passos acelerando, apesar da neve nas panturrilhas, e me agacho
em uma colina. Depois disso, sou livre. Ninguém vai me perseguir agora.
Hora de encontrar Hassen e obter algumas respostas. Ou desabafar sobre o quão
confusa estou com minha irmã. E sobre ele.
Na verdade, estou bastante confusa sobre tudo. Não sei se ele é a pessoa que devo
desabafar, mas agora sinto que ele é o único que realmente entenderá como me
sinto.
Há um bosque de árvores na próxima cordilheira, onde normalmente nos
encontramos. Vou lá e vejo se está perto. Eu não tenho uma arma comigo, mas não
está longe e posso esperar por ele. Com certeza chegará algum momento.
Por isso espero.
Algo parece que pressiona meu rosto e atinge minha bochecha. É gelo. Estou
chorando e minhas lágrimas estão congelando no meu rosto. Merda. Por que eu
estou chorando É porque sinto que minha irmã está mais distante do que nunca?
Que eu tenho ciúmes dela e de sua felicidade e do fato de que todos a amam
enquanto eu sou a leprosa do povo? Será que, de repente, sou eu quem precisa ser
cuidada e isso me incomoda? É porque ela odeia Hassen e eu sinto que tenho que
escolher entre a felicidade dela e a minha?
Como é que tudo isso se tornou tão complicado? Eu pressiono meus dedos contra
minha bochecha, aquecendo as lágrimas até que se dissolvam.
Capítulo 8

MADDIE

Espero nas árvores o que parece ser para sempre. Provavelmente é apenas meia hora,
mas parece uma eternidade. Não há nada ao redor, exceto neve e mais neve. Não há
animais, não há muita vegetação e, certamente, não há Hassen. O vento escova
minhas roupas e minha pele exposta, e me sinto muito sozinha, pequena e
vulnerável.
E perdida. Ultimamente tenho me sentido muito, muito perdida, e odeio isso. Estou
cansada de me sentir assim. Estou cansada de sentir que todos estão bem, menos eu.
Mesmo agora, estou aqui em estado selvagem com um casaco úmido que não me
mantém muito quente, sem sapatos de neve e sem armas. Se isso não é idiotice, não
sei o que é.
Minha frustração aumenta por minutos e estou prestes a pular e retornar à caverna
quando uma figura aparece à distância. Eu vejo ombros grandes, chifres e muita
pele azul exposta, o que significa que ele é um dos sa-khui. Quando ele começa a
correr em minha direção a uma velocidade vertiginosa, acho que é Hassen.
E o eu estúpida começo a chorar novamente. Toda a frustração parece estar saindo
de mim com lágrimas femininas e fracas. Eu odeio isso. Eu não sou um bebê chorão.
Isso não é quem eu sou. Eu sou forte, caramba. Sou capaz. Eu não sou...
Não sou como a Lila. E Lila é feliz.
E isso me faz chorar ainda mais.
"Mah-dee!" Hassen corre ao meu lado, passa as mãos pelos meus braços e depois toca
meu rosto. "Você está com frio. Por que você está aqui fora? Quem está contigo?
Onde está sua lança?
"Estou aqui sozinha", digo, enxugando as lágrimas que congelam no meu rosto. "Eu
precisava falar com você"
"Sem uma arma? Mah-dee, você deve pensar antes de sair da caverna! Não é
seguro..."
"Eu sei", eu grito, batendo nas mãos dele enquanto ele tenta segurar minhas
bochechas. "De acordo? Eu sei! Te entendo. Eu sou péssima para me cuidar. Isso
não é exatamente uma manchete ". Eu tiro mais lágrimas que parecem
intermináveis.
Ele franze a testa para mim e coloca um dedo embaixo do meu queixo, inclinando
minha cabeça para cima. "Porque você está chorando? O que está errado?"
“Oh, você quer dizer além de tudo? Está tudo mal?"
"Por que está tudo errado? Você precisa me dizer. " Ele esfrega um nó na minha
mandíbula. "Eu não gosto de ver você chorar"
"Sim, bem, eu também não gosto de chorar"
Hassen puxa minhas cobertas para mais perto do meu corpo, e então sua respiração
assobia. "Mah-dee, isso está molhado ..."
"Sim, eu sei! Eu sou besteira quando se trata de sobrevivência. Eu sei! Eu só ... eu
tive que fugir antes que os meninos me vissem novamente ”
Ele me agarra e me arrasta em seus braços, não da maneira romântica que os heróis
carregam heroínas desmaiadas, mas como uma mãe carregando seu filho. "Vou levá-
la para a caverna de caçador mais próxima, trazer algo quente para vestir e depois
conversaremos."
"Ok", eu digo com uma voz chorosa e cheirando pelo nariz. Coloco meus braços em
volta do pescoço dele e enterro meu rosto ali, exceto quando o faço, bato minha
testa contra um de seus chifres que dobram para baixo. Típico. Até Hassen está
tentando me matar.
Ficamos em silêncio enquanto se move pela neve, infalivelmente indo para uma
caverna em particular que costumamos visitar muito. A caminhada parece durar
uma eternidade e, quando chegamos à caverna, estou tremendo de frio, as peles em
que estou enrolada parecem encharcadas e me sinto toda infeliz. Ele entra na
caverna, deixando a tela acima da entrada e depois me deixa gentilmente no chão.
Ele esfrega meus braços e pernas com suas grandes mãos quentes, tirando minha
pele molhada. A expressão em seu rosto está cheia de raiva, então eu não agradeço a
ele. Acho que não aprecio isso. Ele pega uma das peles embrulhadas, corta os laços
com a faca e depois joga em mim.
Eu sei que estou na casinha quando ele se move para a estaca e começa a fazer fogo.
Se eu estiver com frio o suficiente para justificar um incêndio e então tivermos que
reabastecer suprimentos para fazer um incêndio, vou ter que lutar com ele.
"Desculpe", eu começo, mas ele me lança um olhar irritado que me fecha
novamente. Ok, se ele não estiver de bom humor, vou sentar aqui e tremer. Eu
seguro mais as cobertas e sinto muito por mim mesma por toda a situação.
Demora poucos minutos antes do fogo começar, mas finalmente há uma pequena
chama acesa e Hassen me pega e me deixa perto do fogo como se eu fosse uma
garota. Ele aperta as peles ao meu redor, coloca meus pés embaixo delas e depois
descansa nos quadris, parando para olhar para mim. "Por que você está com a pele
molhada? Explique-se"
“Eu te disse.” Eu me movo no chão, um pouco desconfortável com seu escrutínio
zangado. "Eu tive que me esconder quando ninguém estava prestando atenção"
"Os outros estão de volta? Eu pensei ter visto os rastros dele. " Sua expressão
escurece. "Eles estão sendo cruéis com você?"
“Só se você contar tentando engasgar com presentes e atenção implacável, eu acho.”
Eu mexo meus dedos nus e os prego na parte de baixo peluda das cobertas, porque
tudo bem, é muito melhor do que minhas botas molhadas da neve.
"Presentes? Atenção?" Quando olho para ele, sua boca é contraída. “Quem está lhe
dando presentes? Bek?”
"Não ele" eu balanço minha cabeça. “Vaza me deu um chá e, toda vez que eu me
viro, Harrec tenta me alimentar, e Taushen tenta ser meu novo melhor amigo.
Quero dizer..."
Rosnados.
Estou tão surpresa com o som que paro de falar. Ele realmente rosnou. Como um
cachorro louco ... ou um urso. "Está bem?"
"Tudo bem", ele rosna para mim. "Alguem mais?"
"Mais alguém o que?"
"Alguém mais a corteja?"
Merda, espero que não. Esse pensamento me faz sentir infeliz. "Eu mal posso fugir"
"Não há mais escapatória", diz ele, puxando as peles para mais perto. "É claro que
você não pode se cuidar"
Por alguma razão, isso realmente dói. Eu caio em novas lágrimas. "Idiota. Agora
você parece a Lila. "
Ele inala e pega uma das minhas mãos frias e a agarra na dele, esfregando-a para
aquecê-la. “Sua irmã aprendeu a montar uma armadilha e acender uma fogueira.
Isso é tudo. Não deixe que as palavras dela te destruam ”
Na verdade, minha irmã nunca disse essas coisas. Lila é muito doce e gentil. Ela
nunca me machucaria de bom grado. E agora me sinto pior porque estou fazendo
Hassen pensar mal dela. "Ela é minha irmã. Ela está apenas tentando cuidar de mim
porque quer que eu seja feliz” - eu suspiro. "E não estou feliz porque não me
encaixo"
Embora eu não indique que fiquei feliz na semana em que ela se foi, porque isso me
faz sentir pior. Não quero pensar que não posso ser feliz com ela. Eu preciso da
minha irmã na minha vida. Eu a amo. Não tenho mais certeza de que estamos na
mesma onda.
Quando caímos aqui pela primeira vez, eu não estava realmente assustada, porque
eu tinha Lila. Eu tinha que ser forte por ela. Agora Lila não precisa de mim, e a
sensação avassaladora de perder tudo está começando a afetar minha mente. Agora
que ela voltou, sinto que também estou perdendo Hassen. Eu olho para ele,
sofrendo. Esta poderia ser minha última chance de ficar sozinha com ele.
Não posso perder um minuto.
Eu avanço, agarrando seu colete. "Vamos fazer sexo."
"O que?" Ele olha para mim, incrédulo.
"Agora mesmo. Eu amo você.” Eu o empurro para trás, montando seus quadris.
Coloco minha mão em seu peito, desespero misturado com luxúria. Eu esqueço de
estar com frio, de estar infeliz, de minha irmã. Tudo o que eu quero é esse momento
com ele. Quero-o dentro de mim, me penetrando profundamente e me fazendo
pensar apenas nele e no prazer.
Hassen hesita por um breve momento, depois me agarra pelos quadris, nos virando.
Ele reivindica minha boca em um beijo faminto, sua língua é um parafuso abrasador
quando entra em minha boca. Eu me agarro a ele, gemendo quando suas mãos
rasgam minhas calças. Eu arranco a sua também, porque preciso da sua pele contra
a minha. Eu preciso do seu corpo.
Eu preciso dele.
Seus dedos empurram entre as minhas coxas, e quando ele me encontra seca, ele
começa a esfregar um caminho lento e escorregadio para cima e para baixo através
das minhas dobras. Oh Deus sim. É incrível como ele sabe exatamente o que eu
preciso. Coloco um braço em volta do pescoço e o beijo com mais intensidade,
querendo mostrar a ele o quão bom ele me faz sentir. Eu corro minhas mãos pelos
ombros e pela espinha, e quando seu rabo bate na minha mão, eu o agarro na
próxima vez que ele vem e massageio sua bunda.
Ele sibila, e é como se eu tivesse desembalado um animal selvagem. Ele é feroz de
desejo, e seus dedos pressionam em mim, empurrando com força. Eu suspiro e torço
minhas mãos em seus cabelos, sem saber se vou impedi-lo ou cutucá-lo. Tudo o que
sei é que temos que gozar juntos antes de explodirmos.
Então seu peso está se movendo sobre mim, e ele está empurrando para abrir mais
minhas coxas. Está esticando as costuras da minha calça, mas não dou a mínima. Eu
preciso dele. Eu ignoro o som suave da lágrima do couro empilhado em meus
joelhos e eu o chuto. "Tire isso de mim", eu digo. "Eu quero envolver minhas pernas
em torno de você quando você me foder"
Hassen respira meu nome e sua mão deixa minha boceta - caramba - para me ajudar
a tirar o resto das minhas perneiras. Então ele está em mim e eu sinto seu pênis
pressionar contra o meu centro.
"Sim", eu digo. Oh sim.
Mas ele não terminou de me torturar. Ele desliza a cabeça pelos meus sucos e depois
a passa nas minhas dobras, como seus dedos faziam um momento atrás. Estou
praticamente levitando no chão, é tão incrível. Tudo isso porque eu toquei seu
rabo? Eu preciso fazer isso de novo. Pego o apêndice e, quando consigo encaixá-lo,
ele me empurra, e sua espora se senta contra meu clitóris. Oh maldito Ele não joga
limpo.
"Sua boceta está muito apertada, Mah-dee", diz ele, esfregando o nariz na minha
bochecha enquanto ele lentamente empurra mais fundo. "É onde eu pertenço, não
é? Dentro de você? "
Falar sacanagem. Querido senhor. Eu me sinto impotente com isso. Eu seguro seu
rabo, minha outra mão agarrando seu corpo, considerando as possibilidades. Eu
quero tocá-lo em todos os lugares e fazê-lo se sentir tão louco quanto ele me faz
sentir, mas tudo o que posso fazer é envolver minhas pernas em torno de suas coxas
e segurar seu rabo como uma louca.
Isso me bate, e toda a metade inferior acende. É a combinação do grande eixo
canelado e do dente reto que sempre o faz. Por seu terceiro golpe, estou apertando
em volta dele e as luzes piscam atrás dos meus olhos. No momento em que o número
seis gira, eu cruzei a linha, perdida no orgasmo imediato e violento que me atravessa.
Claro, Hassen nunca empurra apenas seis ou sete vezes. Às vezes acho que é só para
ver se ele pode me matar com seu pau. Pelo menos, é assim que eu sinto: morte de
um delicioso orgasmo. Ele me cobre com seu corpo, e eu sinto sua testa irregular
pressionando a minha enquanto ele me acaricia, uma e outra vez. Então ele vem, e
eu posso sentir o calor de suas sementes banhando meu interior. Ele grita meu nome
quando é lançado, e sinto um prazer ridiculamente feminino ao ouvi-lo, mesmo
quando chego ao clímax novamente.

∗∗∗∗∗∗∗
HASSEN

Eu carrego um grande cadáver dvisti em um ombro enquanto vou em direção às


Cavernas Tribais. A grande caçada é mais do que um dever: é uma oferta de paz e
uma demonstração de força ao mesmo tempo.
Hoje vou ver meu chefe. Vou mostrar que sou um caçador forte e capaz. Vou falar
sobre o incansável trabalho que fiz para alimentar a tribo, sobre os muitos
esconderijos que preenchi durante o exílio. Contarei a ele as intermináveis
armadilhas que montei e o farei ver que sou um caçador forte e digno. Apesar de
passar meus dias com Mah-dee, tenho caçado à noite para garantir que não vacile;
Agora, quando eu alimento a tribo, eu não apenas alimento os companheiros e a
família, mas também alimento Mah-dee.
Faz dois longos dias desde que vi minha companheira e sinto profundamente cada
momento. Embora eu o fizesse jurar que ela não iria para as árvores e me esperaria,
eu continuo lá regularmente, apenas por precaução. Minha Mah-dee é apaixonada
e amorosa ... mas ela não ouve bem as ordens. Mas ela ficou longe, e devo acreditar
que é porque a caverna está mais uma vez cheia. Ela não pode me ver.
Eu esperava isso.
Eu não esperava que isso me despedaçasse. Mesmo agora, a dor de sua ausência me
atormenta. Minha companheira deve estar ao meu lado, em minhas peles. Ela
deveria estar em meus braços à noite, pressionando seu pequeno rosto contra o meu
peito e me segurando com força. Eu deveria estar ao lado dela, dando-lhe mais lições
sobre como caçar e cuidar de si mesma, e confortando-a quando está triste. O fato
de eu não poder estar lá para ela me deixa louco.
Penso em Vaza, Harrec e o zangado e feroz Bek: eles estão confortando minha Mah-
dee? Oferecendo secar suas lágrimas com presentes?
Eu mostro meus dentes enquanto penso, e meus passos aceleram.
Hoje vou ao meu chefe exigir que ele termine meu exílio. A temporada brutal
chegará em alguns dias, e eu quero fazer uma caverna com Mah-dee. Ela é minha
companheira, mesmo que não ressoe, e devo cuidar dela como qualquer bom
caçador.
Não importa se Mah-dee não está convencida. Não darei aos outros tempo para
convencê-la do contrário. Se ela ainda não tiver certeza, usarei meu pau, minha
língua e meu estímulo para convencê-la de que é minha.
E farei o que Vektal me pedir, contanto que ele me dê.
Há alguns homens da tribo na neve perto da entrada principal das cavernas. Eu
levanto minha mão para cumprimentar quando passo por Teef-nee e Salukh. Eles
estão cavando novas fileiras de buracos em seu estranho fascínio por coisas que
crescem. Hemalo e Kashrem têm a pele espalhada pela neve, raspando enquanto
conversam. Sessah e Farli brincam com seu dvisti de estimação a curta distância.
Nas proximidades, vejo Bek na entrada principal da caverna, vigiando a manhã.
Eu estreito meus olhos ao vê-lo.
Embora Bek não tenha sido nomeado por Mah-dee como um de seus pretendentes,
desconfio dele. Ele já demonstrou interesse em humanos antes. Eu vou em sua
direção, cortando a neve. Farli me vê e me cumprimenta, depois corre atrás de seu
animal de estimação enquanto ele foge. Os outros não prestam atenção. Bom.
Bek assente, olhando o cadáver por cima dos meus ombros. "Boa presa. Muita carne
nele. "
"Eu sou um bom caçador"
Ele encolhe os ombros, encostando-se na parede da caverna. Seus braços estão
cruzados sobre o peito, e ele ociosamente explora o terreno, observando tudo.
Quando não vou embora, ele se vira para mim, franzindo a testa. "O que?"
Eu levanto o queixo para ele. "Um caçador melhor que você"
Seus olhos se estreitaram com o meu desafio, mas ele não se move. Seu rabo está
abanando, um sinal externo de seu aborrecimento com as minhas palavras. "Você
está na neve há muito tempo. Isso confundiu sua mente ”
"Eu sou o melhor caçador entre os homens não pareados", continuo. “O mais digno
de uma companheira”
Bek bufa. "É por isso que você se aproxima de mim? Você acha que eu vou atrás da
brava humana de cabelos amarelos?” Ele balança a cabeça e olha para longe. "Eu
terminei com os humanos. Ela é toda sua ”
Sua resposta amarga me agrada. Eu rosno em reconhecimento e passo por ele,
entrando na caverna. Bek foi avisado. Agora devo informar os outros sobre minhas
intenções: Taushen, Vaza, Harrec, até o tranquilo Warrek, se necessário. Os mais
velhos - salvando Vaza - não demonstraram muito interesse em mulheres humanas,
mas vou perguntar. Se eles devem ser mantidos afastados do meu Mah-dee, então
eu também rosnarei para eles.
Entro na caverna e espero um momento para meus olhos se ajustarem. A fogueira
central queima mesmo que seja de manhã cedo. Alguns dos humanos brincam nas
águas da primavera com seus kits, e vejo seus companheiros conversando nas
proximidades. Fique a ver é perto do fogo, e enquanto eu assisto, seu parceiro beija
sua bochecha e depois se despede, mergulhando mais fundo na caverna. Vektal e
seu parceiro, Shorshie, sentam-se com Li-lah perto do fogo e, do outro lado da
piscina, Kemli está conversando com Claire e Jo-see, apontando para o estômago e
rindo. Outros vêm e vão, ocupados com tarefas. É um bom dia, e a caverna está cheia
de pessoas.
Muita gente. Eu não vejo Mah-dee.
Sevvah e Aehako se aproximam quando me veem entrar. "Quanta carne!" Aehako
exclama, esfregando as mãos. "Você nos mima, Hassen"
Eu jogo a presa no chão antes que eles o façam. "Eu cumpro meu dever. Você viu
Taushen e os outros caçadores?” É cedo o suficiente para que eu possa pegá-los antes
que eles caiam nas trilhas. Eu preciso encontrá-los para avisá-los a ficar longe da
minha mulher.
"Taushen e Harrec estão recebendo pontas de flechas da minha companheira", diz
Sevvah. "Você precisa de mais também?" Ele puxa a faca de açougueiro e olha para
o animal morto, depois gesticula para as pernas. “Agarre-o por esse fim, Aehako.
Teremos que fumar muito disso antes que se quebre. Warrek trouxe dois animais
de penas ao amanhecer, e temos muita carne fresca.
Eu gemo. É um pequeno aviso. Quando o tempo está bom, trazemos de volta presas
menores e escondemos as maiores para a temporada brutal. Estou me gabando de
trazer um jogo tão grande, e o sábio e maternal Sevvah sabe disso. Eu toco seu
ombro. "Obrigado por cuidar disso."
"Vamos fazer bom uso da carne". Seus olhos brilham e estão cheios de diversão. "Eu
deveria me preocupar com Taushen e Harrec?"
"Eu vou esclarecer as coisas para eles."
"Ooohhh", diz Aehako com um sorriso, ajoelhando-se ao lado do dvisti e colocando-
o nos braços. "Eu gostaria de estar lá para vê-lo"
"Silêncio", diz Sevvah, batendo no braço dele. "Diga à sua doce Kira que precisamos
da ajuda dela com esta carne"
Ele sorri e a arrasta para uma das plataformas rochosas e salientes ao longo da parede
da caverna, reservada para as tarefas mais complicadas.
Sevvah apenas olha para mim com curiosidade e depois o segue. Ele não vai me
parar, embora tenha adivinhado claramente meus motivos. Não me importo. Deixe
os outros se perguntarem. Não importa. Eu só preciso de um pouco de tempo para
convencer Vektal e minha Mah-dee de que ela pertence a mim.
Estou indo para a caverna de Sevvah e Oshen, mas não dou mais do que alguns
passos antes de Rokan me atacar. Eu rosno um aviso, empurrando-o para trás. "Olhe
para onde você anda!"
Rokan pisca, e seus olhos parecem nublados. "Oi?"
“Você quase pisou no meu rabo, amigo.” Minha irritação se torna preocupação.
"Que te preocupa?"
Ele olha em volta da caverna, e seu olhar se fixa em sua companheira por um
momento, antes de voltar para mim. "Minhas desculpas, Hassen. Eu não sou ... eu
mesmo "
"O que acontece?"
“Nada ... ainda.” Sua carranca se aprofunda e ele esfrega o pescoço, lançando um
olhar preocupado à entrada da caverna. "Tempo ruim?"
Balanço a cabeça. "Muitas nuvens e neblina, mas sem neve"
"Névoa?"
Dou de ombros. "O ar está muito pesado hoje" Às vezes é, às vezes não. Não vale a
pena se preocupar. Não sou como Rokan para fazer um mundo de tempo. Você
tem que caçar, mesmo que as nuvens estejam cheias de neve.
Rokan esfrega o pescoço novamente, depois abaixa a mão. "Nada lhe pareceu
incomum?"
Eu faço uma careta para ele. "Não entendo. Fale francamente ”
Uma mão toca meu ombro e Vektal, meu chefe, aparece ao nosso lado. Ele acena
para mim. "Eu gostaria de falar com você, Hassen"
"E eu, com você" Meus grunhidos para os outros caçadores terão que esperar um
pouco.
Damos alguns passos, ainda na caverna principal. Olho para onde Rokan está, mas
ele está claramente distraído e não está prestando atenção em nós. Eu gostaria de ter
uma caverna particular onde possa conversar com Vektal, mas é por isso que estou
aqui hoje.
Eu quero Mah-dee na minha cama. Para sempre.
A expressão de Vektal é severa quando ele olha para mim. "Você trouxe uma grande
peça de caça". Suas palavras são suaves, e eu sei que isso precede suas verdadeiras
perguntas.
"Eu fiz", eu digo, sem vergonha. "Há muito mais bocas para alimentar agora"
Ele assente lentamente. "Taushen diz que você ficou nas trilhas perto da caverna
enquanto os caçadores se foram."
Não posso esconder minha carranca. Taushen é mais observador do que eu pensava.
"Muitos dos esconderijos perto da caverna estão cheios, graças aos meus esforços"
"Eu não disse que você não estava indo bem. Estou feliz com seus esforços.” Mas ele
não sorri e sua expressão não é relaxada. "Mas eu sei suas razões para estar tão perto
da caverna"
"A estação da brutalidade chegará em breve", digo, pulando na água. Devo ir ao meu
pedido antes que meu chefe ouça palavras mais amargas dos outros. "Eu quero que
meu exílio termine"
"Essa não é sua escolha. É minha"
"Você não me deixaria exilado durante a temporada brutal!" Estou surpreso - e isso
perfura meu coração - a idéia. Mesmo uma noite parece interminável. Não consigo
imaginar estar sozinho através das intermináveis neves pesadas da estação brutal,
incapaz de deixar minha caverna. Incapaz de ver alguém.
Incapaz de impedir que outras pessoas cortejem a companheira que eu escolhi ...
"Eu não disse isso", continua Vektal. Sua voz é baixa e ele olha para trás quando um
Rokan distraído passa, tocando as paredes da caverna. "Então, eu queria falar com
você. Então você pode se explicar. "
"Não há nada para explicar. Eu não tenho nada a esconder. Eu quero voltar. Minha
mão se fecha e eu a aperto no meu peito. “Sinto muito por ter levado a fêmea Li-
lah. Estou feliz que ela e Rokan tenham ressonado e não desejo mais reivindicá-la
como minha.” Mesmo dizendo isso em voz alta, é ruim. O dia em que roubei Li-lah
parece há muito tempo, mesmo que tenha sido menos de duas voltas completas das
luas.
Eu sou um caçador diferente daquele homem desesperado e agarrado. Eu vi o que
tenho a perder. E eu encontrei outra pessoa ... alguém infinitamente mais forte,
mais corajosa e muito mais inteligente. Alguém que me vê e vem até mim com suas
preocupações e lágrimas. Mah-dee é minha família agora. Ela é minha companheira.
Então eu continuo. "Desejo levar a fêmea Mah-dee como minha companheira por
prazer e fazer uma caverna privada para nós."
A expressão de Vektal endurece. "Deixe os humanos em paz."
Balanço minha cabeça, meus dentes rangendo de frustração. Eu posso dizer que ele
não gosta dessa ideia. Seus ombros estão rígidos e chicoteando seu rabo, como o
meu. "Eu não estou forçando. Mah-dee e eu nos acasalamos. Ela quer ficar comigo
”, digo e, ao mesmo tempo, espero desesperadamente que seja verdade. Que Mah-
dee não me rejeitaria se eu tivesse uma caverna para compartilhar com ela. Que ela
gostaria de ter a oportunidade de ser minha parceira de prazer. "Ela não me odeia"
“Você roubou a irmã dela e tentou forçar a ressonância.” As narinas de Vektal se
alargam. "Porque você não queria esperar que isso acontecesse. Você colocou a vida
dela em perigo. E agora você quer acasalar com a outra irmã? Você está louco? Estar
no exílio transformou seu cérebro em água derretida?
"Ela quer ficar comigo", eu digo.
"Você perguntou a ela? Ou você apenas exigiu dela como você exigiu Li-lah? Sua
expressão é incrédula. “Hassen, seu exílio é leve porque a tribo precisa de todos os
seus caçadores. Mas não precisamos que você prejudique as fêmeas. Preciso exilar
você completamente? Devemos rejeitar você completamente?”
Raiva brilha em minha mente. Ele não vai ouvir. "Não é o mesmo. Mah-dee não é o
mesmo que Li-lah ... ”
"Então você não vai levá-la com você?"
"Talvez eu deva", eu disse. "Se você não me der uma caverna para que eu possa tomá-
la como minha companheira, talvez eu deva roubá-la e ir embora pela temporada
brutal!" Mesmo quando as palavras desaparecem, eu sei que elas estão erradas. A
expressão de Vektal fica sombria e ele fica com raiva.
Eu sei que perdi. Eu sei que ele não vai me ouvir agora. Talvez nunca. Mah-dee está
ficando fora do meu controle e eu não posso fazer nada sobre isso, tudo porque eu
era um tolo impaciente que roubou uma mulher chorando que eu nem gostava.
"Você deve ir", Vektal rosna, apontando para a entrada da caverna. "Eu não quero
ver seu rosto até ..."
Perto, Rokan cambaleia para trás e quase colide conosco. É a segunda vez nos
últimos minutos, e eu pego seu braço para segurá-lo.
Ele se sacode e seus olhos são selvagens. Seu rosto está pálido e ele olha para mim.
"Fora da caverna! Todo mundo fora da caverna!
Capítulo 9

HASSEN

Todo mundo se vira e olha para Rokan, confuso.


"Fora da caverna!" Rokan ruge. Ele dá um passo à frente, tropeçando no centro da
caverna e se dirigindo a companheira. Li-lah vira as costas para ele e continua
conversando com Shorshie sem perceber. Enquanto eu assisto, Rokan pega e corre
para a entrada.
Um segundo depois, Maylak cambaleia para fora de sua própria caverna, com o kit
no peito. A mão dela está na testa e há dor nos olhos. "Meu chefe, estou preocupada
..."
Suas palavras são abafadas por um estrondo alto. Então outro. Então é como um
fluxo interminável de faíscas, e torna-se um rugido tão alto que coloco as mãos sobre
os ouvidos. Eu posso ouvir um dos humanos gritando, mas a pressão na minha
cabeça é tão forte que eu não sei quem. Então há um rugido ensurdecedor e não
consigo ouvir nada além de um zumbido nos meus ouvidos. O mundo ficou em
silêncio.
Nos entreolhamos assustados, surpresos. Outros estão saindo de suas cavernas
particulares, confusos e assustados. Eu vejo os lábios de Vektal se moverem, mas não
consigo ouvir suas palavras. Ele gesticula para mim, fala e depois aponta para a
entrada. Então ele corre para a companheira, que está parado perto do fogo, que se
levanta segurando seu kit choroso que não faz nenhum som que eu possa ouvir.
Ele quer que eu tire todos da caverna, como Rokan disse? Rokan com seu estranho
senso? Quem sabe tudo? Mas o que significa um som alto?
O chão treme sob os meus pés.
Não, ele não treme tanto quanto se move. A caverna inteira está se movendo. Eu
vejo Vektal estender a mão para segurar Shorshie, Talie segurando seus braços com
força. Ele grita alguma coisa e depois gesticula para a entrada.
Fora da caverna, Rokan havia gritado.
Algo está errado com a caverna. O chão continua se movendo sob meus pés e olho
para baixo para ver as rachaduras que se formam na boa e sólida rocha. Impossível.
A pedra se move sob meus pés novamente e quase perco o equilíbrio. Não é seguro
ficar de pé. Quando olho para cima, as paredes da caverna parecem tremer ao meu
redor. Um estrondo alto cresce através do zumbido nos meus ouvidos e então vejo
a abertura no teto. Um pedaço de pedra cai de cima.
Fora da caverna.
Tudo está acontecendo tão rápido. Não há tempo para pensar.
Mah-dee. Ela está por aqui em algum lugar.
Através do rugido da caverna trêmula, eu posso ouvir pessoas gritando. Os kits estão
chorando. As pedras estão caindo no ar para pousar aos meus pés. Perto, vejo uma
pedra atingindo Jo-see, derrubando-a no chão. Haeden berra de medo e levanta sua
companheira, sua expressão de olhos arregalados. Vektal joga um cobertor sobre o
fogo, sufocando-o, enquanto os outros correm em direção à entrada. A necessidade
de escapar é esmagadora.
A caverna - nossa casa - parece uma armadilha.
Eu tenho que encontrar Mah-dee. Eu tropeço para frente e uma pedra caindo me
bate no ombro. Uma pontada aguda de dor me perfura, mas eu a ignoro, assim
como ignoro a pedra que se move e recua sob meus pés, e tropeço para frente.
Onde ela está?
Eu bato em Farli enquanto descia o túnel traseiro. Ela está chorando, tentando usar
seu casaco de estimação. Sua perna está em um ângulo estranho e a criatura a está
mordendo. Ela diz algo para mim, sua expressão devastada e cheia de medo, e ela
estremece quando a caverna inteira treme ainda mais alto, chovendo detritos de
cima.
Não há tempo para pensar. Não posso deixar Farli, mas tenho que procurar Mah-
dee. Eu devo ser rápido.
Pego seu dvisti, agarro-o em um braço, depois o jogo sobre o outro e corro para a
frente da caverna. Eu me esquivo de rochas que não estavam lá alguns segundos
atrás e corro sobre rochas caídas, enquanto o ar se enche de poeira e a caverna
continua tremendo. Farli se contorce contra mim, mas eu ignoro seus movimentos.
Não há tempo para ela reclamar. Não há tempo.
Chego à entrada da caverna principal e há algumas pessoas reunidas na neve a uma
curta distância, tossindo. Largo Farli e depois entrego o dvisti. Ela me pergunta uma
coisa, mas eu não consigo ouvir. Meus ouvidos ainda estão tocando e eles doem.
Mah-dee, digo, e depois volto para as cavernas, porque preciso encontrar minha
cmpanheira.
Eu empurro as pessoas que saem da caverna. A crina amarela de Mah-dee não está
entre eles, então devo continuar procurando. Volto para dentro, apenas para
encontrar a passagem que tirei de Farli agora bloqueada por um turbilhão de
pedras. "Mah-dee!" Eu grito, mas não consigo nem ouvir minha própria voz.
Empurro a pedra que bloqueia o caminho, mas ela não se move. Não consigo chegar
à caverna de Mah-dee. Eu rosno de frustração, jogando meu corpo para ela,
enquanto as pedras caem ao meu redor. Não vou sair desta caverna sem minha
comapanheira. Se ela morrer aqui, eu vou morrer com ela.
Uma mão toca meu braço.
Eu olho, mas é Hemalo, não Mah-dee. Estou decepcionado.
Ele gesticula para a rocha e indica que ele vai me ajudar a levantá-la. Bem. Apesar de
ser um curtidor de couro e não um caçador, Hemalo é grande e forte, com os braços
cheios de músculos grossos. Ele pode me ajudar a mover essas pedras. Eu aceno para
ele e me movo para o lado das pedras. Ele fica do outro lado e conseguimos mover
o primeiro, mas outros rolam em seu lugar. Rochas chovendo ao nosso redor, e
Hemalo gesticula novamente. Rapidamente, seus movimentos estão dizendo, e há
um grande medo em seu rosto.
Sei como se sente. Minha companheira também está lá.
Nós nos movemos mais rápido, agarrando a próxima pedra gigante e rolando-a
através do túnel. Mais pedras me atingem nas costas enquanto trabalho, mas as
ignoro. Contusões não importam se minha companheira está presa. Vou encontrar
Mah-dee e libertá-la. Devo fazê-lo.
Hemalo puxa seus grandes ombros. Mais pedras caem livremente, enterrando
nossos pés e nos cobrindo de poeira. Afasto as pedras e, ao fazê-lo, sinto o chão
tremer novamente. A terra inteira parece que está desmoronando, e meu estômago
aperta inquieto.
"Mah-dee!" Eu grito de novo.
Entre os tremores e as pedras que caem, acho que ouço alguma coisa. Olho para o
topo da pilha e vejo pequenos dedos humanos se movendo através de uma pequena
brecha nas rochas.
Alívio toma conta de mim, e eu subo para o topo para poder tocar seus dedos. Ela
se apega à minha mão e depois, um momento depois, se afasta, e eu posso ver seus
olhos através da fenda estreita. Ela tem sangue no rosto e poeira, mas está viva. Seus
dedos arrancam as pedras, tentando removê-las. Então ela gesticula.
Presa.
Eu sei o idioma das mãos. Eu concordo. "Eu vou tirar você", eu grito, embora não
tenha certeza de que ela possa me ouvir. "Eu tenho você, Mah-dee!"
Hemalo e eu dobramos nossos esforços e, momentos depois, a diferença é grande o
suficiente para alguém rastejar por ela. Passo um braço por ela, procurando por
Mah-dee. Para minha surpresa, ela empurra uma Asha ferida. Seu ombro está
inchado, e ela pega minha mão para que eu possa puxá-la através da abertura
estreita. Eu a ouço gritar de dor enquanto a puxo para frente, embora eu seja gentil,
e o rugido de Hemalo lá embaixo, angustiado pela angústia de sua companheira.
Parece levar uma eternidade, mas então Asha e seus membros longos estão livres, e
ela cai nos braços de Hemalo.
Não paro para ver se estão bem; ela é sua agora. Ele cuidará dela. Em vez disso,
empurro minha mão de volta pela rocha, alcançando Mah-dee. Sua mão pequena
agarra a minha, e então ela se move para frente, tentando empurrar seu corpo
através do pequeno buraco. Puxo seus braços, arrastando-a para a frente, mas suas
roupas se arrepiaram, e eu posso sentir as pedras rasgando sua pele. Ela grita, mas
me dá um toque no braço, indicando que eu deveria continuar puxando.
Então eu faço. Dou um último empurrão forte, e seus couros rasgam minhas mãos,
e ela cai em meus braços, enviando nós dois ao chão.
Mah-dee. Eu seguro seu rosto e dou beijos rápidos e febris em sua pele exposta. Eu
não me importo se está sangrenta e suja. Está viva e completa. Suas mãos agarram as
minhas e eu a pressiono perto de mim.
A terra sacode novamente com força, e eu a sinto balançar. Novas pedras são
lançadas contra nós, e a caverna rosna alto o suficiente para que até meus ouvidos
zumbindo possam ouvir perigo. Eu tenho que tirar Mah-dee daqui.
Espere, ela gesticula para mim.
Balanço a cabeça e a agarro, puxando-a para fora do corredor. Ela pode me dizer
mais quando estiver segura. Eu corro para fora da caverna em colapso, observando
alarmado o quanto o círculo perfeito da caverna tribal desabou sobre si mesmo. O
chão perto da piscina é um poço largo e a caverna do chefe está completamente
enterrada atrás de uma enorme laje de rocha caída. Não vejo nenhum sinal da
pequena caverna de Warrek que ele compartilha com seu pai - esse fim da caverna
está completamente destruído. Mesmo enquanto eu assisto a destruição, o chão se
move e sobe na minha frente, transformando-se em uma pedra. Eu enfio meus
dedos na borda e arrasto nós dois, Mah-dee agarrado às minhas costas, para fora da
caverna e para a frente na neve.
Lá fora, há pessoas por toda parte. Kemli acaricia os cabelos de Farli, chorando, e
vejo os humanos agarrados aos companheiros. Agora que estou fora da caverna,
posso ouvir kits chorando de angústia, e mais de uma mãe está com a túnica aberta
para amamentar o filho.
Maylak está debruçado sobre Jo-see. O pequeno humano está vomitando na neve,
seu parceiro acariciando suas costas, seu rosto inchado e machucado. Hemalo coloca
Asha gentilmente deitada na neve, acariciando seus membros e a embalando contra
seu peito.
Alguém está gritando. Uma fêmea. Eu posso ouvir, mas meus ouvidos doem e não
entendo o que diz.
Vektal está por perto, espreitando através dos pequenos grupos de pessoas, tocando
cada braço. A devastação da caverna parece coincidir com a tensão em seu rosto,
como se ele levasse tudo para o lado pessoal. Ele é nosso chefe, e nós somos sua
responsabilidade. Sei como se sente. Este é o meu povo. Esta é a minha casa. Vê-lo
destruído ... me destrói por dentro.
E ainda assim, Mah-dee está segura. Ela está segura e nada mais importa. Coloco-a
gentilmente na neve e dou-lhe outro beijo no rosto. Ela me abraça pela cintura, me
aperta com força e depois olha em volta. Minha irmã, ela gesticula. Onde?
Olho através da neve suja e escura. Lá, na parte de trás do grupo, sentada com Liz e
Raahosh, estão Rokan e Li-lah. Guio Mah-dee em direção a ela, e as irmãs se
abraçam, Mah-dee caindo nos braços finos de Li-lah. Rokan tem um olhar tenso no
rosto, nos olhos vazios. Ele olha para mim e depois se levanta.
Eu volto.
Uma das fêmeas humanas está tropeçando para a frente. Ela grita algo, e outros
puxam seus braços quando ela se aproxima da caverna. Ela tem uma juba marrom,
e eu posso ver um kit amarrado nas costas, como uma mochila. Uma fêmea humana
usa seu equipamento assim: aquele com a comida e os sorrisos para todos. Stay-see.
Mah-dee gesticula para chamar minha atenção e depois assina, acho que alguém
ainda está na caverna. Lágrimas caem da lama em seu rosto.
Minha tribo. Minha gente. Eu aceno para ela e vou em frente, movendo-me para o
lado do Stay-see. Outros se aproximam dela, jogam-na fora, tentam fazê-la sentar-
se, acalmá-la. Ela grita algo de novo, e eu percebo que é o nome de seu parceiro.
Pashov. Seu rosto está vermelho de tanto gritar, e ela se lança para frente, apenas
para Shorshie agarrá-la e segurá-la. Stay-see, ver se apega a ela desesperadamente.
Pashov ainda está na caverna. No túnel onde encontrei Mah-dee, talvez. Eu me viro
e olho para a caverna novamente. A entrada está entrando em colapso. Se a Stay-see
entrar, ela e seu pequeno kit serão esmagados. Penso na borda rochosa que parou
eu e Mah-dee. Stay-see não tem braços longos o suficiente. E se Pashov não saiu ...
Rokan e eu nos lançamos ao mesmo tempo. Eu o parei, gesticulando para que ele
voltasse para sua companheira. Ele tem uma fêmea e um kit a caminho. A tribo
precisa de você. Eu sou apenas o exílado.
E eu sei onde Pashov pode estar.
Ouço Mah-dee gritar meu nome, o som confuso e doloroso em meus ouvidos.
Corro para frente, volto à caverna que está desmoronando e vou para o túnel. Ao
meu redor, o chão treme e se move, e meu coração está acelerado. Não há sinal de
ninguém. De qualquer coisa. Tudo o que tínhamos se foi. Penso nos humanos
amontoados na neve do lado de fora, agarrados aos companheiros, e minha
preocupação cresce. Os seres humanos são frágeis e devem ser mantidos aquecidos.
Só porque eles estão fora da caverna não significa que eles estão seguros.
Por enquanto, devo salvar Pashov antes que sua companheira tente entrar.
Uma grande pedra cai do penhasco, alojando-se contra a entrada da caverna. Todo
mundo recua, alarmado. Todos, exceto Stay-see. Ela empurra contra as mãos que a
seguram, chorando. Se não trouxermos o parceiro de volta, ela irá atrás dele, então
devo ir, e deve ser agora.
Eu entro, ignorando os gritos de Mah-dee. A caverna parece pior do que quando eu
a deixei alguns momentos atrás. Não resta muito tempo. Volto para a parte do chão
que caiu e desço para o túnel que abrigava as novas cavernas. Meu coração dói ao
vê-lo. Tudo o que meu povo tinha ... se foi em um instante.
O túnel está cheio de pedras mais uma vez, não há sinais do buraco pelo qual eu
empurrei Mah-dee. Subo na pilha e uso os dois braços para cavar os escombros,
porque tenho que torná-lo grande o suficiente para o meu corpo e preciso fazê-lo
rapidamente. Posso reabrir uma pequena parte da lacuna após um longo momento
de escavação e olhar através dela. Não há mão esperando para ser agarrada, e não
consigo ver nada nem ninguém. Está completamente escuro.
A casa de Pashov não está neste túnel, mas há uma caverna de armazenamento. Eu
posso encontrá-la no escuro, enquanto ela ainda está lá. Aumento o buraco,
deixando as pedras de lado, mesmo quando há mais quedas na superfície. Parece
uma batalha perdida, mas em minha mente, vejo o rosto devastado de Stay-see. Vejo
Pashov, meu amigo, que sempre tem um sorriso e uma lança afiada quando se
depara comigo nas trilhas, mesmo estando no exílio. E eu não consigo parar. Não
vou embora até que ele venha comigo.
Eu perdi minha família para a doença de khui. Minha tribo é tudo que tenho.
Minha tribo e Mah-dee. E agora que está segura, devo garantir que toda a minha
tribo esteja segura. Eu trabalho mais rápido. Quando o buraco é grande o suficiente,
eu rastejo para frente e empurro meu corpo através dele. As pedras rasparam meu
peito, rasgando os pelos que cobrem minha pele. Consigo chegar ao outro lado e
deslizar pela enorme pilha de escombros. O pó é espesso, mas também há luz, que
entra pelo teto de uma das cavernas, e antes não havia luz. O telhado desabou. A
caverna inteira está caindo e sinto outra pontada de dor.
É difícil andar com tanta pedra e entulho no túnel, e vejo que a caverna Dagesh está
completamente desabada. Haeden também. Mah-dee e Asha estão em melhores
condições, e meu coração bate de alívio ao vê-la, sabendo que é seguro. Mais abaixo
está a caverna de armazenamento, e minha preocupação aumenta à medida que a
vejo. A entrada sempre estreita é pouco mais do que um espaço no quadril. Eu
rastejo, olho em volta e há mais luz filtrando. Os cestos aqui foram esmagados, os
alimentos armazenados com tanto cuidado agora estão destruídos. Há um monte
de peles bem amarradas aos meus pés, e eu a agarro, jogando-a de volta no túnel. As
fêmeas precisam deles para se aquecer.
Mas não vejo Pashov. Não há ninguém aqui. Não há nada além de rocha e poeira.
Tanta poeira que me afoga.
Eu me viro para sair, para verificar as outras cavernas, quando piso em algo macio.
Eu levanto meu pé, pensando que são mais peles.
É uma cauda.
Respiro um pouco e caio de joelhos, arranhando os detritos caídos ao meu redor.
Na penumbra, eu não sabia que havia rocha suficiente para cobrir um corpo. Eu
vejo agora, dicas do manto de Pashov enterrado sob a poeira e detritos. Eu tiro e
solto meu amigo, viro-o de costas. Sua cabeça está tremendo, flácida, e há sangue
por toda parte. Um de seus chifres está completamente achatado e sua testa está
inchada.
Ele está morto.
A dor corre através de mim e eu agarro meu amigo perto do meu peito. Ele é um
bom caçador. Forte. Sempre gentil e calmo. Ele tem uma companheira e um kit.
Este não deve ser o seu destino. Eu uiv minha raiva e minha perda para as cavernas,
mas o som machuca meus ouvidos latejantes. Você merece um bom enterro, meu
amigo. Um com as canções de luto e despedidas. Se eu deixar aqui, não terá nada.
Como posso tirá-lo da caverna e me apresentar a companheira com o corpo? Parece
estar errado.
Passo a mão pelo rosto dele para fechar os olhos. No entanto, eles não estão abertos
e, por curiosidade, tenho a mão debaixo do nariz. O calor escova minha pele,
seguido por uma bolha de sangue.
Ele está respirando.
Pashov está vivo, mas por pouco.
Eu tenho que tirá-lo daqui.
Eu me levanto, mesmo que meu corpo dói. Seu peso solto é pesado, e estou
preocupado que ele se machuque mais. Consegui arrastá-lo para o buraco que fiz
nos escombros e jogo as peles para a frente antes de tentar empurrá-lo. Puxá-lo pelos
pés primeiro é difícil para mim, mas não posso puxá-lo para o outro lado e fazê-lo
cair sobre sua cabeça ferida. Os tremores no chão agora são meros espasmos e o
buraco não está se enchendo, o que significa que sou capaz de deslizar o corpo dele
para o outro lado. Eu rastejo atrás dele depois que isso é feito, e as pedras ficam
molhadas de sangue. Não sei se é seu ou meu.
Quando deslizo para o outro lado, minha força está falhando. Fico espantado
comigo mesmo: sou um caçador forte, capaz de viajar o dia todo e facilmente
concluir qualquer tarefa difícil. Eu não posso estar cansado agora. Pashov precisa
de mim. Mah-dee precisa de mim. Eu tenho que sair antes que o chão comece a
tremer novamente. Imagino o rosto de Mah-dee e imagino ela chorando como ficar
- veja se não saio da caverna, e isso me dá forças para me levantar. Pego Pashov nos
braços e o carrego pelo túnel, e depois devo carregá-lo na beira da borda que
costumava ser o chão antes de rastejar atrás dele. Eu pego de novo, porque o chão
está tremendo mais uma vez ... ou eu estou. Não importa, eu posso ver a luz do sol
e o que resta da caverna se abrindo.
Tropeço na luz do sol, meu amigo em meus braços, e lá, minha força desmorona.
Eu me ajoelho, minha cabeça está tocando. "Ele não está morto", digo em voz alta,
depois lembro que não consigo me ouvir, e provavelmente ninguém mais pode me
ouvir. Eu levanto minha cabeça, procurando por Maylak.
Alguém cai contra Pashov: é sua companheira, com as mãos nele. Seus gritos agudos
soam como gemidos dolorosos nos meus ouvidos, e minha cabeça está grossa. Eu
tusso e não consigo respirar o suficiente.
Mas então Maylak está lá, e ela está ajoelhada ao lado de Pashov. E estou aliviado,
porque isso significa que ele será salvo. Ela pode curar ele. Melhorar. Quero
confortar Stay-see com essas palavras, mas parece muito esforço. Todas as minhas
forças foram usadas para tirá-lo da caverna. Até me levantar parece uma tarefa
monumental para mim.
Uma mão se estende na minha frente. Eu olho para cima e é Vektal. Meu chefe. Seu
rosto está sombrio e empoeirado, mas posso ver a apreciação em seus olhos. Eu
aceno e deixo que ele me ajude a ficar de pé, apenas para dar mais alguns passos na
neve.
Dedos frios e macios tocam minha mão, e percebo que ainda estou segurando o
pacote de peles. Eles os tiram, e então os dedos tocam meu rosto, e olho nos olhos
preocupados de Mah-dee.
Eu a puxo contra mim e descanso minha testa em seu ombro. É tão bom que,
quando adormeço, nem me importo.

Capítulo 10

Maddie
Eu acaricio a testa de Hassen quando sua cabeça repousa no meu colo. Ele parece
dormir melhor quando eu o toco, então corro meus dedos suavemente sobre sua
testa, repetidamente, traçando suas sobrancelhas e tentando ignorar o fato de que
está frio, que estou dolorida e que o mundo simplesmente virou antes do Café da
manhã.
Tudo é ... bem, é loucura. Não há outra maneira de descrevê-lo.
A caverna tribal desapareceu. A grande rosca oca da caverna com a piscina no centro
e os pequenos e agradáveis salões para todos dormirem são completamente
destruídos. É como se todo o penhasco tivesse desabado sobre si mesmo. Alguém
me disse uma vez que a caverna provavelmente foi escavada e ampliada pelos anciãos
quando eles caíram aqui, e suponho que todas essas alterações nas rochas acabaram
tornando-a quebradiça. Por outro lado, talvez tenha sido o poder do terremoto. O
chão ainda treme de vez em quando, lembrando-nos que nenhum lugar é seguro.
Estou ... surpreendentemente calma sobre tudo isso. O que é estranho para mim. É
terrível e horrível, mas estamos vivos. Algo nos ocorrerá. Talvez eu esteja me
adaptando rapidamente porque cheguei aqui. Meu mundo mudou completamente
quando acordei daquela cápsula e encontrei grandes alienígenas azuis acima de
mim. Isso foi um choque. Isso é péssimo, mas em comparação são pequenas batatas.
Hassen está bem, e minha irmã está bem, e isso é tudo o que importa agora.
Eu acaricio a bochecha de Hassen enquanto dorme. Ele parece um grande
machucado, o pobre rapaz. Ele tem uma ferida na testa e está coberto de arranhões.
Um dos ombros tem um corte irregular e raso, mas acho que é principalmente lama.
Eu tenho lavado delicadamente ele enquanto ele dorme, fazendo o meu melhor para
não incomodá-lo. Estou preocupada que ele esteja dormindo, mas espero que seja
apenas o choque da adrenalina e que sua onda de energia o tenha deixado
inconsciente e não algo mais sério. Se for um ferimento na cabeça ... A curandeira
está ocupada e não sei quando ou se ela pode ajudá-lo.
Olho onde Stacy está encolhida perto do lado de seu parceiro. Pashov ainda está
onde Hassen o colocou. Ela tem a mão dele apertada firmemente na dela, os olhos
afundados. O bebê de costas chora como uma tempestade, os punhos tremendo de
raiva. Na verdade, existem muitos bebês chorando. Alguns pais também, mas não
posso culpá-los. Maylak ainda está com as mãos pressionadas contra o peito de
Pashov, os olhos fechados e a expressão de intensa concentração. Ela faz isso há um
tempo e seu rosto está começando a parecer exausto.
Ninguém intervém. Ninguém pode. Existe apenas um curandeiro, então todos
temos que ter paciência e esperar o melhor. Ninguém quer ser a pessoa que a chama,
porque e se Pashov morrer? Não o conheço bem, mas conheço Stacy e já os vi
interagir. Ela claramente adora ele e seu bebê, e eles parecem felizes.
Eles pareciam, eu acho. Eu acaricio a bochecha de Hassen novamente.
A lesão de Pashov é grave, e a constatação de que Stacy pode em breve ser uma viúva
é muito preocupante. Eu vejo outras pessoas agarradas aos seus parceiros, então
acho que isso está afetando a todos. Haeden senta-se na neve com seu parceiro
embalado em seu colo, abraçando-a protetoramente. Por perto, Rokan paira sobre
Lila, tocando-a constantemente como se precisasse ter certeza de que está saudável
e bem. Não tem machucados, um dos poucos que saíram da caverna antes que as
pedras começassem a cair. E não sinto nada além de alívio disso. Estou tão feliz,
porque não sei o que faria se Lila estivesse deitada nas mãos de Maylak, imóvel.
Ou Hassen.
O pensamento entra em minha mente e eu estremeço. Hassen entrou na caverna
para me salvar. Asha e eu estávamos dormindo quando tudo começou, e levei alguns
segundos para perceber que o que havia me acordado do sonho era o som de tiros.
O que foi estranho, já que não há armas aqui. Mas então o chão tremeu e eu percebi
que algo mais estava acontecendo. Quando Asha e eu rastejamos para a entrada de
nossa caverna, era tarde demais: a sala estava bloqueada pelas pedras que caíam. Por
alguns momentos, pensei que estávamos mortas. Ninguém viria atrás de nós.
Afinal, não somos as pessoas mais populares da tribo, e nenhuma de nós tem amigos
nos procurando. Nós não sabíamos o que fazer.
Mas então Hassen veio atrás de mim.
Não só isso, ele me desenterrou, arriscando sua própria vida. E também salvou Asha.
Quero dizer, claro, talvez Hemalo estivesse lá, mas tudo que eu podia ver era Hassen.
Foi ele quem assumiu o risco de me salvar. E o olhar em seus olhos era tão intenso e
tão ferozmente protetor que eu me senti ... assustada. Sem fôlego e com medo ao
mesmo tempo, porque eu me preocupo por estar me apaixonando pelo cara e não
deveria estar. Não posso escolher entre ele e minha irmã.
Eu sei como me sinto sobre ele se tornando cada vez menos casual com o passar do
tempo. Talvez tenha sido um colapso para perceber o quanto isso significa para
mim, mas quando ele voltou através de Pashov, eu queria gritar e chutar. Eu queria
segurá-lo e não deixá-lo ir porque era perigoso.
E tenho certeza de que parei de respirar até que saísse novamente.
Eu acaricio sua testa, pensativa, estudando-o novamente. Respira uniformemente e
relaxo um pouco. Ele está bem. Está. Um pouco derrotado, mas inteiro. E um
pequeno herói depois de salvar Pashov. Espero que Vektal perceba isso. Olho em
volta para a dispersão de pessoas na neve, e Vektal e Georgie estão indo para cada
pequena família agrupada, para ver como estão. Alguém está fazendo um incêndio
no meio das coisas, o que parece ridículo, mas, novamente, que outra opção temos?
Não sabemos se é seguro retornar à caverna, e muitos de nós não estão vestidos para
ficar do lado de fora por um longo período de tempo. O chefe e seu parceiro estão
fazendo o que podem para acalmar as pessoas, mas há muito o que fazer. Ainda ouço
os bebês chorarem, e a pilha de peles que Hassen pegou é colocada em seu embrulho,
sem uso. Perto, Farli chora e abraça o pobre Chompy, que parece ter uma perna
quebrada.
Todo mundo está em choque.
Penso em Hassen e em como ele não hesitou em arriscar sua vida para resgatar
Pashov. Eu poderia estar ajudando. Talvez seja a hora de parar de me considerar
uma vítima. Estou presa aqui, mas são pessoas boas e estou feliz. É estranho dizer
isso enquanto assisto uma bagunça, mas eu faço. Eu tenho Hassen como amigo, e
minha irmã está aqui, e eles me alimentam e cuidam de mim. E eu posso ser mais do
que fui. Eu posso fazer mais do que o mínimo para permanecer vivo. Não preciso
me arrastar para a minha cama como Asha e esperar o mundo passar.
Posso ajudar.
Não estou em choque como os outros. Alguns estão derrotados. Alguns têm sangue
seco nos ouvidos, e me pergunto se o surto explosivo do terremoto quebrou alguns
tímpanos. Perto, Tiffany está tremendo sozinha. Eu procuro seu parceiro e vejo
Salukh em pé perto do curandeiro, confortando Kemli e seu parceiro, Borran. Seus
pais. Esqueci que Pashov é um de seus filhos ... e o irmão mais velho de Farli. Pobre
Farli. Ela tem sido uma boa amiga para mim e está aterrorizada. Isso deve ser
horrível para um adolescente.
Oh cara. Eu posso fazer mais do que sentar aqui e alisar as sobrancelhas de Hassen
enquanto dorme. Eu tiro o embrulho de pele dos meus ombros e o coloco como
travesseiro, depois o descanso suavemente no chão. Lila pega minha mão enquanto
me levanto. Ela estava chorando, seu rosto brilhava com lágrimas geladas. Onde você
está indo?
Eu vou ajudar, digo a ela. Fazer o que eu puder.
Ela assente e limpa as bochechas, depois aperta o joelho do parceiro e se levanta, de
frente para mim. Que posso fazer?
Deus, eu amo minha irmã. Como é que eu nunca percebi o quão corajoso ela é,
apenas no dia a dia? Eu a alcanço e lhe dou um abraço rápido e impulsivo. Eu ainda
tenho minha família. Estou bem, aconteça o que acontecer. Quando a solto, eu
gesticulo, você pode espalhar essas peles?
Aperta a mão de Rokan e se esgueira. Eu o vejo se levantar e depois parar, como se
estivesse indo atrás dela. Há uma expressão assombrada em seu rosto, como se ele
quisesse sufocá-la com proteção e tivesse que parar. "Você pode cuidar de Hassen
para mim? Deixe-me saber se ele acordar.” Pergunto-lhe. Ele está calado, e eu
percebo que ele também tem sangue nos ouvidos. Eu bato no braço dele e gesticulo
minha pergunta, e ele assente.
Eu imediatamente passo para o lado de Farli, no momento em que o bebê de Stacy
começa a chorar mais. Eu me ajoelho ao lado de Farli. É uma bagunça quente, com
um grande corte em sua bochecha, suja do colapso, e seus braços estão cobertos de
vergões estranhos. "Está bem?"
Ela olha para mim com lágrimas nos olhos, agarrada ao seu animal de estimação.
"Meu irmão..."
"Vai ficar tudo bem", asseguro a ela, mantendo minha voz suave e calma. É
engraçado como minhas habilidades de garçonete estão entrando em jogo agora.
Farli não é um bêbado triste, mas eu sei como a acalmar e fazer parecer que estou no
controle da situação. "Vamos dar uma olhada no seu animal de estimação, sim?"
Ela aperta com mais força, e Chompy bala e morde o braço de Farli, deixando outra
verruga levantada. Pobre cabrinha. Ela está tão assustada que nem percebeu. Eu
gentilmente o puxo para fora de seu abraço, e ele se afasta, berrando. Ela
imediatamente começa a chorar novamente. Merda. Eu não sou um veterinário,
mas a perna dela está claramente quebrada. Com tantas pessoas espancadas, é
impossível para o pobre curandeiro olhar para um animal de estimação. "Precisamos
imobilizar a perna dele. Então eu não ando nisso. Você pode me dar um pedaço de
pau ou algum tipo de pau? Um osso?"
Farli pisca para mim e depois respira fundo. "O-osso?"
"Sim. Enquanto seu irmão estiver se curando, vamos curar Chompy, ok?”
Ela assente novamente, depois se levanta lentamente. Ela balança um pouco, mas
parece se recuperar quando suas balas de estimação e fica um pouco mais perto,
cauteloso. "Acho que Hemalo e os outros estavam curtindo ... antes ..." Os lábios
dela tremem.
"OK bem. Veja se existem tiras de couro e um bom osso forte. Vamos deixar como
novo, eu prometo. "
Ela se afasta, e a pequena Dvisti manca atrás dela. Pelo menos ele está saindo do seu
estupor. Vou ter que pensar em como segurar a perna de um dvisti, mas uma coisa
de cada vez. O bebê de Stacy chora ainda mais alto, e eu vou para lá, porque não
posso mais ouvir e não posso fazer nada.
Asha parece ter a mesma idéia que eu, porque nós dois chegamos ao lado de Stacy
um momento depois. Ele já tem o bebê de Maylak nos braços. "Eu vou cuidar disso",
eu digo, e toco no ombro de Stacy. "Eu vou cuidar do seu bebê, ok? Fique aqui ao
lado do seu parceiro. "
Ela não parece ouvir uma palavra do que estou dizendo. Seu corpo inteiro está
focado em Pashov, seu olhar indo e voltando do curandeiro para o rosto inchado e
ensanguentado de seu parceiro. Ele ... não parece bem. Stacy também não. Ela está
tremendo e não sei se é por medo ou frio. Eu puxo o bebê do seu embrulho de papua
nas costas, e ele acena com as mãos, me dá um soco na mandíbula e grita comigo.
"Ok, amigo", eu digo, balançando-o. Sou tão boa com bebês quanto com dvisti, mas
é hora de aprender uma nova habilidade. "Vamos aquecer você, ok?"
Eu procuro minha irmã com os cobertores e, enquanto o faço, Ariana se aproxima
de mim, fria. Ela carrega um cobertor de bebê extra com ela, abraçando seu filho de
perto. "Peguei vários cobertores de Analay quando ficamos sem cobertores", ela me
diz. "Você precisa deste?"
"Você é salva-vidas", digo a ela, e ela sorri por entre as lágrimas. - “Se você vir minha
irmã, pode pedir para ela trazer um cobertor para Stacy? Eu acho que ela está com
frio ”.
Ariana se concentra em Stacy, e sua expressão suaviza, e então ela olha para mim
novamente. “Meu Zolaya foi a uma caverna próxima para procurar provisões. Vou
dar o meu até ele voltar. "
"Bem pensado", eu digo. Ela corre para o lado de Stacy, removendo a capa de pele e
gentilmente colocando-a nos ombros de Stacy. Enrolo Pacy ao redor da pele e o
puxo contra meu quadril. Seu invólucro está molhado, eu o tiro e o enrolo no
cobertor novamente. O patrão atual pode não ser a melhor coisa para um bebê, mas
precisa ser melhor do que ficar sentado no seu próprio xixi congelado. Ele se acalma
um pouco, soluçando, e eu bato no meu quadril, fazendo uma careta para ele. Certo,
menos um problema, e agora preciso encontrar Farli novamente. Eu olho para a
dispersão das pessoas. Alguns estão indo em direção ao fogo, e vejo Kira e Aehako
em pé ao lado de um homem ajoelhado na neve. Ele está cortando os chifres,
agarrando punhados de neve e esfregando-os no rosto. Raro. Sua dor é palpável, no
entanto, e meu coração aperta. Perdemos alguém. Olho para a curandeira, mas ela
ainda está trabalhando em Pashov. Portanto, não é sobre ele. Olho rapidamente
para Hassen, apenas para me tranquilizar, mas ele não se mexeu. Alguém mais
então.
Farli volta para mim, um longo osso na mão. "Isso vai funcionar?"
Eu aceno distraidamente. Pacy balança alguma coisa e me bate no ombro. Pego sua
mãozinha na minha. "Quem é esse, Farli?"
"Warrek". Seus lábios tremem e seus olhos se enchem de lágrimas. "Ele está de luto.
O pai dele, Eklan ... Ela balança a cabeça. "Era velho. Talvez ele não pudesse sair a
tempo. Mas ele erai gentil. Eu gostava"
Um morto. A dor de Warrek me atinge. “De quem ele é um bom amigo? Podemos
encontrá-lo e como você se sente sobre ele? Ele precisa de todo o apoio que puder
obter agora.
"Ele tem ensinado Sessá a caçar e cuida dele como se ele fosse seu próprio filho.
Talvez ele? Ou Hemalo? Estão perto"
“Os dois são bons. Corra e diga a eles para ajudá-lo. Quem precisa de amigos agora.
Me dê o osso e eu trabalharei no Chompy. "
"O chefe..."
Vejo onde Vektal esteve na última vez. Ele se mudou para Marlene e Zennek,
passando um curativo no braço de Zennek, que parece estar quebrado. "Ele está
fazendo coisas de chefe. Tenho certeza que você sabe. No momento, temos que
trabalhar juntos e fazer o que pudermos, ok?”
Ela acena para mim e foge. Chompy cambaleia atrás dela alguns passos e depois
para. Eu bato meus dedos e ele se vira para mim. "Venha aqui, amigo. Meu
amiguinho e eu vamos melhorar sua perna. Em teoria” - eu faço barulhos de beijo
como um cachorro e ele cambaleia ao meu lado. Pobre garotinho.
Ajoelho-me na neve e tento imaginar como vou enfaixar a perna de um dvisti
enquanto Pacy puxa meu cabelo e aperta um disparate no ouvido. Algo se move no
canto da minha visão e eu olho para cima. É a Lila. Para de gesticular para chamar
minha atenção e faz um gesto exagerado. Veja. Ele aponta para a distância.
Eu vejo.
E eu suspiro.
Há uma nuvem de fumaça subindo à distância. É como um dedo apontando para o
céu, deixando uma mancha de sujeira à medida que avança. Uma erupção vulcanica.
Penso nas fontes termais dentro da caverna. Não é o único. Talvez todo este planeta
seja um centro de atividade tectônica e é por isso que existem tantas fontes termais.
Isso explica os barulhos. Os terremotos.
Não parece estar perto - parece muito, muito longe, mais longe do que as
montanhas distantes - mas eu sei que as cinzas podem viajar longe. Eu já vi as
notícias. O que eu não sei é o que isso significa para nós.
Não posso deixar de me preocupar. A vida já é difícil aqui, e a temporada brutal de
que todo mundo está falando está quase chegando.
O que vamos fazer?

∗∗∗∗∗∗∗

"Aposto que é a ilha", diz Josie perto do fogo. "Lembra como eu te disse que tudo
era verde? Talvez estivesse quente o suficiente para que as plantas continuassem
crescendo por causa do calor vulcânico.
"Se esse for o caso, acabou", diz Georgie com uma voz cansada e abafada. "Eu não
sei se alguma coisa sobreviveria a essa explosão"
"Vol-kay-no?", Pergunta a pequena Esha. Ela está descansando contra a barriga
redonda de Claire, chupando o polegar.
"É uma grande montanha de fogo", explica Josie. "O fogo está na sua barriga e apaga
com a fumaça"
"E cinzas?" Esha pergunta.
"Muita cinza", diz Claire, removendo uma mancha do cabelo preto macio de Esha.
Com o passar do dia, a dispersão do povo foi se acumulando pouco a pouco. A
maioria está aglomerada perto do fogo, e a multidão cresceu à medida que os
caçadores foram às cavernas dos caçadores mais próximos e trouxeram suprimentos.
Alguns se aventuraram de volta aos escombros da caverna antiga, mas não há muito
a encontra a menos que esteja sob uma tonelada de rocha. Todo mundo agora tem
pêlo, e algumas tendas às pressas com lanças e peles foram erguidas para afastar o
pior do vento ... e das cinzas.
Estamos cobertos de cinzas.
A princípio, pensávamos que era apenas terra de caverna, mas quando a neve ao
nosso redor gradualmente ficou suja, percebemos que ela vinha do vulcão. Não sei
quanto tempo vai durar, mas até agora não é tão ruim assim. Apenas o suficiente
para fazer você se sentir sujo e lembrá-lo de que este planeta não é seguro, não
importa o quão confortável você se sinta.
Estou sentada perto do fogo ao lado de Lila, dividindo um cobertor com ela. Rokan
está dobrado no outro lado de Lila, o braço em volta da cintura, e eu posso sentir
seu calor irradiando. É estranho querer aconchegar-se a ele, mas quando o sol se põe,
fica cada vez mais frio. Ninguém está pronto para reclamar ainda, então estamos
nos segurando.
Hoje nós só existimos. Amanhã haverá planos e estratégias de sobrevivência, mas,
por enquanto, somos apenas uma família ferida na qual alguns se apoiam.
Na minha frente, Georgie cuida da filha, roçando os cachos dos chifres várias vezes.
Seu parceiro, Vektal, senta-se ao lado dela, sua postura é forte e orgulhosa. Somente
seu rosto mostra as linhas de inquietação e preocupação. Ele parece mais velho e
mais cansado à medida que o dia passa. Fico feliz por não ser o chefe, não tenho
certeza se quero tudo isso nos meus ombros.
Maylak e Pashov descansam em um abrigo próximo. Stacy não saiu do lado de seu
parceiro, apesar de não ter acordado. Maylak desmaiou de exaustão algumas horas
atrás e está tirando uma soneca muito necessária, Kashrem fornecendo seu colo
como um travesseiro para a curandeira.
Pashov não parece pior ... mas ele também não parece melhor, e Maylak se aniquilou
tentando ajudá-lo. Os cortes e contusões de todos - e alguns têm membros
quebrados - terão que esperar outro dia. Outros estão colaborando e ajudando, e o
bebê Pacy está atualmente com Megan. Makash, filho de Maylak, está com Liz.
À distância, existem algumas figuras curvadas na neve. Eles não querem se juntar ao
fogo. Um deles é Warrek, que está lidando mal com a morte de seu pai idoso. Ele
precisa de espaço, e eu não o culpo. Às vezes, você precisa resolver as coisas sem que
as pessoas conversem com você e façam perguntas. Dois caçadores estão ao seu lado,
oferecendo companhia silenciosa para que ele não precise ficar sozinho com sua dor.
Um deles é Bek ....
E o outro é Hassen.
Meu Hassen. É estranho dizer isso, mas agora, sinto que é meu. Ele me puxou para
fora da caverna e me salvou da morte certa. E percebi quando as pessoas se reuniam,
reunindo-se para as famílias, que Hassen não tinha nada. Ele é um dos muitos que
não têm família para sobreviver à doença de Khui de tantos anos atrás. Ele está
completamente sozinho.
Então, eu estou reivindicando ele. Agora é meu.
Observo suas costas enquanto ele se senta a alguns metros de Warrek. Normalmente
é cheio de energia e vida, mas hoje se move um pouco mais devagar, e isso me
preocupa. Eu sei que é por causa de tudo o que ele passou e ele está lutando com
uma infinidade de contusões e preocupações, todo mundo está. Mas não gosto de
ver isso em Hassen. Eu me preocupo com ele.
Ele também está me evitando. Ele acordou algumas horas atrás, examinou a tribo
como se estivesse contando mentalmente cabeças, e sentiu isso no momento em que
me viu. Arrepios subiram por todo o meu corpo. Eu queria que ele viesse me abraçar
na frente de todos, mas seu olhar foi para seu chefe e depois continuou. Alguns
momentos depois, ele se levantou e ficou do lado de Warrek, e está lá desde então.
Pobre homem. Também dói um pouco que tudo que eu consegui foi dar uma
olhada, mas como posso reclamar em um momento como este? Ele está confortando
um amigo.
Ok, mentalmente vou reclamar, mas não direi nada em voz alta.
Eu sei que é difícil agora. Eu sei que Hassen está em um terreno mais instável do
que nunca, então talvez seja por isso que ele esteja me evitando deliberadamente.
Ele é um exilado, e eu sou a única mulher que resta. E com tudo o que está
acontecendo, o tópico de relacionamentos deve ser o menor dos nossos problemas.
Mas eu ainda queria que ele me abraçasse perto do fogo, me mantendo quente
enquanto Rokan mantinha Lila quente. E eu sei que ele também tem que estar
sofrendo. Não apenas fisicamente, mas mentalmente. Todo mundo está. Você só
pode ser forte por um tempo antes de entrar em colapso.
Eu sei. Quando nossos pais morreram, eu cuidei de ser mãe e pai de Lila para que
ela não sentisse a falta. Eu tentei muito ser tudo para ela, e acho que acabei
precisando dela mais do que ela precisava de mim. Talvez seja por isso que lutei
tanto aqui no planeta gelo enquanto ela prosperou. Eu a fiz meu propósito na vida,
e agora ela não precisa mais de mim, então tive que encontrar um novo propósito.
Eu apenas ... ainda não o encontrei. E estou preocupada que, com Hassen, estou
segurando uma nova pessoa para torná-lo meu "projeto", por mais horrível que
pareça. Mas acho que não devo confiar no meu julgamento sobre relacionamentos
em um dia em que um vulcão explodiu e deixou todos desabrigados. Provavelmente
estou enlouquecendo e exagerando, como todo mundo.
Mas também não posso sentar aqui. Eu preciso falar com Hassen, apenas para ter
certeza de que ele está bem. Alguns dos sa-khui estão completamente perdidos, e eu
não os culpo. Isso é tudo o que eles já souberam e se foi.
Levanto-me, fingindo me esticar e depois me afasto do fogo. Lila me olha com
preocupação, mas eu aceno seu adeus. Estou inquieta e preciso me levantar e me
mexer. Eles estão todos encolhidos pelo fogo e, embora seja doce, também me faz
sentir sozinha. Olho as três figuras no horizonte e depois vou para as peles de
comida e água que foram coletadas das cavernas dos caçadores. É um monte de
nozes mistas e espasmódicas secas, nenhuma das quais eu gosto. É hora de aprender
a se divertir. Pego um saco de cada um e depois ando pelas cinzas e pela neve até
Hassen, Bek e Warrek.
Bek se levanta quando me aproximo, avisando com seu olhar. "Agora não é o
momento. Vá sentar com os humanos perto do fogo. "
Olho para os ombros caídos de Warrek e meu coração se parte um pouco mais por
ele. "Eu trouxe comida e água no caso de vocês estarem com fome"
Ouvindo minha voz, Hassen fica alerta e se vira.
"Ninguém está com fome", diz Bek.
Hassen ignora Bek. Ele se levanta e se aproxima de mim e, ao fazê-lo, pegoa a sacola
de comida e a pele de água semi-congelada. Eu achou que Hassen estava me
ignorando? Eu devo estar louca, por que o olhar devorador, faminto e possessivo
em seus olhos quando ele olha para mim? Sim, isso relaxa todos os meus medos.
Mas a comida não é tomada. Ele apenas cruza minhas mãos e as aperta um pouco.
"Você deveria comer"
Respiro. "Tenho certeza de que posso perder uma ou duas refeições. Trouxe para
você e seu amigo. " Eu quase perguntei se está tudo bem, mas é uma pergunta
estúpida. Sua casa desabou e seu pai morreu. Ele não está bem. "Existe algo que eu
possa fazer para ajudar?"
"Você pode voltar ao fogo", diz Bek, sombrio. Ele dá um passo à frente e está em pé
na frente de Warrek. Ele está sendo protetor com o amigo, eu o entendo. Eu nem
estou chateada.
Mas Hassen faz. Ele mostra os dentes de Bek e me puxa para me proteger dele, o
braço em volta dos meus ombros. "Mah-dee está tentando ajudar"
"Está bem. Realmente. Coloco uma mão em volta da cintura dele e não sei se é para
confortá-lo. "Eu só queria ver como você estava. Verificar se você está bem.
"Você está com frio", diz Hassen, colocando a mão na minha onde eu a pressiono
contra o seu lado. "Voltarei ao fogo e aquecerei você. Não há cobertores suficientes
para enrolar ... ”
"Não, fique aqui com seu amigo", eu digo baixinho. "Ele precisa de você. Eu não
vim para te afastar. Eu só ... bem, não sei o que queria. ”Estou apenas sendo
dependente e agora não é a hora. Tenho vergonha de distraí-los e sinto que o olhar
enojado de Bek na minha direção é tristemente apropriado. "Estou feliz que você se
sinta melhor. Acalme-se se sua cabeça dói, ok?”
Bek olha para mim, incrédulo.
Ok, sim, eu me sinto idiota mesmo por sugerir isso. Todo mundo está sofrendo.
Todo mundo está ferido. Ninguém pode se dar ao luxo de ficar com calma, e eu
estou fazendo uma bagunça. Aperto-o ao lado de Hassen. "Eu falo com você de
manhã, ok?"
"Você está com frio..."
"Eu estou bem, sério. Eu vou dormir com Lila e Rokan ”.
Ele rosna baixo na garganta. "Ao lado de Lila".
Eu rio, porque acho que isso soa estranho. "Sim, ao lado de Lila. Eu prometo. Por
impulso, pego a mão dele na minha e a levo aos meus lábios, e beijo seus nós dos
dedos. Suas mãos estão rasgadas de escavações anteriores, crostas e arranhões por
toda parte. Eu aliso meus dedos sobre sua pele, desejando poder ajudar. "Estou
voltando ao fogo agora. Apenas diga algo se houver algo que possamos trazer, ok?”
E eu vou e volto ao fogo, minha irmã e a tribo. Não sei se me encaixo lá, mas sei que
eles não precisam de mim aqui na colina. Estou apenas provocando. Sinto o olhar
de Hassen nas minhas costas enquanto passo, e tenho emoções misturadas sobre
isso. Por um lado, tenho vergonha de ter perturbado. Por outro lado, estou aliviado
por Hassen precisar de mim e querer estar comigo. É o seu senso de lealdade ao seu
amigo que o mantém ao seu lado.
Não posso culpá-lo por isso. Eu sei tudo sobre esse tipo de coisa, reflito quando
volto para o lado da minha irmã.
Capítulo 11

HASSEN

Eu vou para Mah-dee no meio da noite. Meu povo está amontoado na neve, sob
coberturas improvisadas, fazendo o possível para evitar o vento e as cinzas que isso
traz. A crina amarela de Mah-dee é fácil de encontrar, mesmo no escuro, e ela dorme
nas bordas de um cobertor, sua irmã do outro lado. Ela treme mesmo enquanto
dorme, e a sensação de proteção me invade quando a vejo. Eu deveria estar aqui
aquecendo com meu corpo. Deixe o chefe rosnar para mim de manhã. No
momento, ele está ocupado mantendo seu parceiro quente, seu kit aninhado entre
seus corpos.
Mah-dee precisa de mim.
Bek fica ao lado de Warrek quando eu saio. Meu velho amigo cala sua dor, mas estou
feliz que ele tenha companhia. Fui vê-lo porque sei como é perder a família. Perdi a
minha devido à doença de Khui e fiquei sozinho. Bek perdeu os pais então, e mesmo
agora, suspeito que ele lamenta a perda de Claire. A companhia silenciosa dele será
uma espécie de consolo, mesmo que Warrek não perceba por algum tempo.
Tiro a capa de cima e deito no chão ao lado de Mah-dee. A neve não me incomoda.
O vento está um pouco frio, mas o tempo ainda está bom. Tento não pensar no fato
de que isso mudará em menos de uma volta da lua. Tento não pensar em todos os
suprimentos nas cavernas de armazenamento, esmagados. Tento não pensar no fato
de que não temos onde morar. Tento não pensar no velho Eklan, ou em Pashov,
que ainda não acordou. Tento ignorar o grito baixo da companheira de Pashov.
Em vez disso, eu me concentro em Mah-dee. Eu a puxo contra mim, e ela
imediatamente se vira contra o meu peito e se aconchega. Envolvo-o na minha capa
e a seguro firmemente. Meu pau dói com a necessidade de estar dentro dela, mas é
apenas um reflexo e é fácil ignorar. Agora, tudo que eu quero fazer é senti-la
pressionada contra mim e saber que ela está segura. Coloco a cabeça debaixo do meu
queixo, a abraço com meus braços e tento dormir. Amanhã será um dia difícil.
Mesmo quando fecho os olhos, consigo ouvir os soluços de Stay-see. Não durmo
muito e, quando durmo, sonho com Mah-dee, presa atrás da rocha. Eu vejo seus
dedos atravessando o buraco, tentando me alcançar. Eu acordo coberto de suor,
minhas mãos atadas em seus cabelos como se eu estivesse tentando segurá-la, mesmo
durante o sono.
Mas Mah-dee ainda está dormindo. Ela saliva contra o meu peito e ronca, sem saber
dos meus pesadelos.
Eu a seguro até o amanhecer. Pelo menos, deve ser de madrugada. Em vez disso, a
luz é opaca e sinistra. As nuvens acima do céu são grossas e escuras, e mais cinzas
continuam a cair. Estou preocupado que Mah-dee esteja respirando e cobrindo a
cabeça enquanto dorme.
Precisamos fazer máscaras para todos da tribo, acho, até que as cinzas parem de cair.
É outra coisa a fazer. Meu coração dói ao pensar nisso.
Levanto-me devagar, certificando-me de que Mah-dee esteja a salvo do frio e
procuro Vektal. Meu chefe está parado em frente à caverna desabada, com os braços
cruzados. A partir daqui, não consigo ler sua expressão, mas sei o que ele deve estar
pensando.
Levanto-me e percebo que as cinzas saem do meu corpo ao fazê-lo. É uma
preocupação, mas, novamente, o que não é? Não temos casa, nem suprimentos, e
existem tantos kits pequenos e fêmeas humanas frágeis que precisamos trabalhar
ainda mais para manter todos alimentados. Eu não trocaria por nada, mas pesa
muito na minha cabeça.
Eu me aproximo do meu chefe, passando por Aehako, que está abanando o fogo.
Raahosh está pendurado no arco, pronto para caçar. Outros estão se levantando e
ouço o burburinho de mais de um kit sendo alimentado. Hoje, precisamos ter
soluções. E eu devo ser um deles, exilado ou não.
"Meu chefe?" Eu pergunto, vindo para o lado dele. "O que posso fazer para ajudar?"
Ele se afasta da caverna para me olhar, e há uma grande dor em seus olhos. Sua
mandíbula está em uma linha reta e ele acena para mim. “Hassen. Você está
machucado?"
"Estou bem o suficiente" Agora eu posso ouvir. Meus membros doem, mas meus
machucados estão desaparecendo. Nada está quebrado. "Diga-me o que fazer e será
feito"
Rokan se aproxima e Salukh também. Taushen está perto e se levanta. Até Hemalo,
que não é caçador, tem uma lança nas mãos e se aproxima.
"Não podemos ficar aqui", diz Vektal. "A caverna está arruinada"
"Nós podemos entrar? Resgatar o que pudermos cavando um pouco? Salukh
pergunta.
Vektal balança a cabeça. “Fiquei aqui assistindo e vejo as pedras caindo dentro. Mais
uma tremida e qualquer um dentro poderia morrer. Não podemos correr riscos.
"Precisamos ter suprimentos", diz Hemalo. "O que podemos fazer?"
"Precisamos de um lugar para morar e as fêmeas e os kits estarem seguros", diz
Vektal, esfregando o queixo. "Mas estou preocupado que a Caverna do Sul seja tão
ruim quanto esta."
"Então, a Caverna dos Anciãos?" alguém sugere. "Ou a caverna onde as fêmeas
pousaram?"
"As cavernas à beira do lago de sal?" adiciono outro.
"Muitas garras do céu", diz Taushen. "As fêmeas nunca poderiam sair da entrada da
caverna"
Vektal assente lentamente. "Eu escuto todos. E tenho muitas preocupações, mas
agora, precisamos encontrar um lugar seguro para o nosso povo durante a
temporada brutal. Se é a Caverna do Sul, iremos para lá. Caso contrário, deve ser
em outro lugar. Devemos verificar todos eles para ver qual deles resistiu ao
movimento da terra. Podemos enviar caçadores para cada um e ver se eles resistiram.
Se não parece seguro entrar, não entre ”. Sua expressão é sombria. “Ontem perdi
uma tribo e estou prestes a perder outra. Não quero mais perder ”.
"Para onde vamos primeiro?" Eu pergunto. "A Caverna dos Anciãos?" Har-loh e
Rukh estão lá ”
A boca de Vektal se estreita. "Se eles vivem, sim. Por enquanto, levaremos a tribo
para a Caverna dos Anciãos. Rokan, você e Li-lah vão para a caverna de frutas que
encontraram e ver se ainda está de pé. Raahosh, vá com Taushen às cavernas à beira
do lago de sal e verifique se há garras do céu e se são seguras ”.
"Vou levar minha Leezh", diz Raahosh. "Eu posso protegê-la das garras do céu. Mas
não vou deixar para trás enquanto não for seguro.
Vektal assente. "Entendi. Taushen irá com você de qualquer maneira. Haeden, leve
Jo-see com você e vá para as Cavernas do Sul para ver se eles sobreviveram. Harrec
e Ereven, vão para a caverna humana original. De onde meu Georgie e os outros
vieram. Veja se ele sobreviveu ou foi completamente enterrado ”
"Eu não posso levar minha Claire embora", diz Ereven, doendo. "Ela é pesada com
o meu kit"
"Eu irei", diz Salukh. "Tee-fah-nee e eu podemos ir com Harrec. Deixarei Ereven
ficar com sua copanheira "
Vektal se vira para mim. "Eu devo ficar aqui com a tribo. Caçadores com os kits
mais novos ficam com a tribo e caçam. Preciso de mais caçadores que possam ir às
cavernas mais afastadas e trazer de volta o que puderem. As cavernas mais distantes
devem ser verificadas e, se viáveis, tragam de volta todas as peles, armas,
suprimentos, tudo o que precisamos. Leve o material para a Caverna dos Anciãos.
Vamos fazer disso nossa casa por enquanto. Traga de volta tudo o que puder.
Hassen, pegue as cavernas para o norte. Hemalo e Asha podem rever as cavernas ao
sul. Bek pode ir para o oeste e Vaza para o leste ”
Eu aceno, mas quando eu faço, meu coração afunda. É um bom plano e, no entanto
... as cavernas mais distantes ao norte estão nas montanhas. Os outros estarão mais
próximos de suas famílias e retornarão muito mais rapidamente. Minha jornada é
longa. Levará muitas mãos de dias para viajar tão longe, e o retorno será muito mais
lento, carregado com trenós de suprimentos. Eu ficarei separado da minha tribo e
Mah-dee por um longo tempo.
Mas eu tenho que fazer isso. Minha tribo precisa de todos os caçadores ... e eu sou
apenas o exilado. Aquele que quebra as regras. Por que eu não deveria ir às cavernas
mais distantes? Não tenho família me esperando aqui. "Eu vou"
"Eu quero ir com Hassen." A voz de Mah-dee corta o ar. Ela caminha para a frente,
envolto em pêlo, e fica entre os caçadores. Alguns riem com diversão, mas outros
parecem irritados.
A expressão no rosto de Vektal fica sombria. "Mah-dee ..."
"Eu quero ajudar", diz ela. “Você está enviando todos os sozinhos, certo? Envie
também a mulher solteira. Hassen me deu lições e ensinou caça, para que eu possa
ajudar. Ele pode continuar a me ensinar no campo, e eu posso ajudá-lo a trazer
suprimentos de volta. ”
"Você não precisa ajudar, Mah-dee", digo, embora não queira nada além de tê-la
comigo. Meu coração bate no meu peito com o pensamento. “Vai ser muito
caminhar. Nem sempre é seguro. "
"Por que ficar aqui é seguro?" Ela gesticula em direção à caverna coberta de entulho.
“Nenhum lugar é mais seguro. Sou capaz. Deixa-me ajudar "
"Você pode ir com Bek", diz Vektal. "Sua jornada é mais curta"
Bek faz um grunhido que parece irritação.
Meus punhos cerram ao meu lado, mas meu chefe está certo. Minha jornada será a
mais longa. Vai custar.
"Eu não quero ir com Bek", diz ela calmamente. “Ele não foi quem me ensinou. Por
que não posso ir com Hassen? Por que ele é o cara que sequestrou minha irmã? Você
acha que eu não sei?
"Mah-dee", eu digo com uma voz de aviso. "Escute seu chefe"
Ela se move ao meu lado e aperta minha bochecha. "Isso é legal da sua parte.
Tentando me dar conselhos sobre isso.” Ela pisca para mim para tirar o sarcasmo de
suas palavras e depois se vira para Vektal. "Eu quero ir com Hassen. Somos uma boa
equipe e eu posso ajudar. Duas pessoas trazendo suprimentos é melhor que uma ”
Vektal coloca a mão no ombro de Mah-dee. "Você realmente quer fazer isso? Você
quer ir com ele?
"Você acha que alguém poderia me fazer ir a algum lugar que eu não quero ir?"
Desta vez, Rokan bufa.
"Consegue acompanhar?" O chefe pergunta a ela.
"Eu posso e vou fazer". O rosto manchado de cinza de Mah-dee é teimoso, mas
determinado. "Você não precisa se preocupar comigo"
Vektal se vira para mim. "Você a manterá segura"
Não é uma pergunta. Eu concordo. "Protegerei sua vida com a minha"
Vaza dá um passo à frente, apontando para mim. "Ele está no exílio!"
A expressão de Vektal fica sombria. "Meu amigo, agora estamos todos no exílio"
MADDIE

Prometo que ficarei bem, digo a Lila e aperto as mãos para confortá-la.
Ela puxa as mãos das minhas, um olhar preocupado no rosto. Se você quiser ajudar,
pode vir conosco, ela me diz, todo movimento do corpo indica sua preocupação. Você
não precisa ir com ele.
Eu quero ir com ele, digo a ela. Ele é meu ... Faço uma pausa na linguagem de sinais,
tentando pensar na melhor maneira de dizer isso. Amigo, eu decido. Ele não tem
ninguém além de mim, e eu quero estar com ele.
Suas sobrancelhas se encontram, e eu posso dizer que Lila está tentando entender.
Você não o odeia.
Balanço a cabeça. Eu odeio o que ele fez, mas não o odeio. E você?
Ela pensa por um minuto. Acho que me sinto da mesma maneira. Aquelas semanas
com ele foram horríveis, mas ele não queria me machucar. E agora eu tenho Rokan.
Mas tem certeza?
Ele não vai tentar me manter em cativeiro para forçar a ressonância, se é isso que
você está perguntando. Tenho certeza de que a idéia faria Hassen aparecer como
louco agora. Ele viu o que perdeu com sua tribo, e isso o está afetando bastante.
Além disso, agora eu o conheço e gosto de pensar que somos melhores amigos. Ele
não faria esse tipo de truque.
Não, eu não quis dizer isso. Rokan diz que é uma longa jornada. Estou preocupada
que seja difícil para qualquer um, e os seres humanos são um pouco mais frágeis do
que os locais.
Pode ser, mas não posso ficar aqui e coletar poeira. Eu balanço meu cabelo coberto
de cinzas, esperando ela ouvir a piada. E eu sou apenas uma boca extra para
alimentar se eu for com os outros para a Caverna dos Anciões. Dessa forma, eu posso
pelo menos ajudar.
Mas ... Hassen?
Hassen, eu concordo. Ele tem sido um bom amigo para mim, acredite ou não.
Eu confio no seu julgamento. A expressão de Lila é triste. Mas ainda vou me
preocupar com você.
Ah, também vou me preocupar com você, gesticulo. Como eu não posso fazer isso?
Ela é minha irmã mais nova, e não importa que ela possa cuidar de si mesma e que
ela tenha um parceiro para cuidar dela. Eu sempre vou me preocupar e quero
protegê-la e ajudá-la. Talvez seja assim que ela se sinta sobre mim também. A
ansiedade e o ressentimento que sinto pela felicidade de Lila desapareceram. É
estranho, mas pouco a pouco descobri que, se preciso de algo - apoio emocional,
amizade e até café da manhã - tenho que assumir o controle e conseguir sozinha.
Não vai cair no meu colo, e as pessoas não vão dar desculpas para eu ser uma pessoa
fodida. Se quero que as coisas mudem, tenho que fazê-las mudar. Eu odeio que um
terremoto tivesse que demolir nossa casa para me fazer perceber isso.
Mudar é bom. Nem sempre é fácil, mas é bom. E é hora de fazer algumas mudanças.
Vejo você na Caverna dos Anciãos, digo a Lila. Eu te amo. Não seja morta, ok?
Eu vou a uma caverna de frutas, ela responde com sinais, seu sorriso é irônico. Não
é perigoso.
A menos que toda a horda de Metlaks tenha se mudado para lá, mas não estou lhe
dizendo. Eu nem quero levá-lo para o universo. Apenas tome cuidado de qualquer
maneira.
O farei. Ela faz uma pausa no idioma com as mãos e depois me olha com
curiosidade. Existe algo entre você e Hassen?
Por que você pergunta?
Porque sou surda, não sou estúpida? Sua boca se transforma em um sorriso irônico.
Eu só sei que isso pode ser agressivo.
E eu não posso? Eu brinco com ela.
Verdade. Suponho que se alguém puder domá-lo, pode ser você.
A idéia de domar alguém deixa um gosto ruim na minha boca. Domesticar implica
que eu vou "consertar". Quebre-lo por meu capricho. E não é isso que me interessa.
Eu gosto de Hassen do jeito que ele é - impetuoso e autoritário, é claro, mas é porque
ele se importa muito. Ele sente as coisas muito intensamente. E eu não quero
quebrar isso. Vamos fazer isso juntos como amigos, digo à minha irmã. Se acabarmos
sendo mais do que isso, você será o primeira a saber.
Me parece justo. Ela faz uma pausa em seus gestos e depois me envolve em um abraço
apertado.
E eu a abraço com a mesma força, porque esta não pode ser a última vez que a vejo.
Não vai ser. Nem consigo pensar nisso ou vou começar a chorar.
Mas Lila tem que seguir seu caminho, e eu tenho o meu. Não posso deixar Hassen
sair sozinho. Não agora, não quando ele mais precisa de alguém atrás dele.

Capítulo 12

MADDIE

Hassen e eu partimos logo depois com um único pacote de suprimentos. Não há


muito para embalar além de uma ou duas peles extras de água. Todas as rações
permanecem com a tribo. Temos duas lanças e uma faca, mas tudo o mais terá que
ser feito do zero enquanto viajamos. Trenós extras, cobertores extras, o que for,
teremos que fazê-los. E com tudo o que não carregamos, percebo que essa viagem
será uma merda. Eu reclamaria, mas não posso dizer que nossa viagem será mais
difícil que as outras. Olho para a tribo, reunida em um grupo compacto, e tenho
certeza de que ainda posso ouvir os bebês chorando. Algumas pessoas carregam uma
maca improvisada para Pashov, que ainda não acordou.
Ninguém tem nada fácil agora. Nós apenas temos que esperar.
Nós caminhamos para o norte. Quero me virar e abraçar Lila uma última vez, mas
sei que ela já foi com Rokan. Eu gostaria que Hassen me pegasse pela mão, mas nós
dois carregamos lanças e ainda estamos perto o suficiente para a tribo ver ... mas isso
não significa que eu não a queira, apenas um pouco. É difícil encontrar sapatos para
neve, roupas e peles e, com muitos humanos em necessidade, todos os existentes
estão espalhados. O casaco que tenho é leve e serve apenas para manter o vento
afastado, mas teremos mais pêlos na caverna mais próxima. Minhas raquetes de neve
são precárias e parecem quebradiças, provavelmente porque foram feitas de peças
'extras' em um par existente e resistente. Nós os fortalecemo quando encontrarmos
mais ossos e couro. Lembro-me que poderia ser pior. Penso em Pashov, carregado
pelos outros, e na pobre Stacy, que está em um estado de ansiedade como um zumbi
... e me sinto com sorte. Hassen está seguro. Lila está segura. O parceiro de Lila está
seguro. Estamos bem.
Mais cinzas estão caindo, e os curativos emprestados que estou usando não são
particularmente quentes, mas a caminhada faz meu sangue queimar, e logo estou
ofegante e suada, apesar do frio no ar. São nuvens nubladas, densas e tempestuosas
que fazem parecer escuro mesmo ao meio dia. Há mais cinzas caindo do que neve
agora, e eu mantenho minha boca e nariz cobertos, como eu já vi outros.
Certamente não pode durar mais do que alguns dias. Eu só tenho que esperar. Mais
preocupante é o fato de as cinzas estarem entrando em tudo - considerando que
obter água fresca é tão fácil quanto tirar neve nova na maior parte do tempo, estou
um pouco preocupada.
Ainda mais preocupante é o quão tranquilo Hassen está enquanto viajamos. Ele é
cortês comigo se eu faço perguntas e me ajuda a libertar meus sapatos de neve se eu
tropeçar. Ele me oferece uma mão quando luto morro abaixo. Mas ele está muito
quieto, e a expressão em seu rosto é sombria.
Me preocupa. Não há determinação em seus passos, não há confiança. Ele está
fazendo o que tem que fazer, mas não há nada lá. Não sei se ele está com raiva de
mim, ou apenas com raiva do mundo. Não sei se ele está em choque ou se está
sofrendo por Eklan, como Warrek está ... mas sei que algo está errado. Meu coração
dói por ele. E enquanto eu estou acabando rapidamente e esta é apenas a primeira
tarde do que promete ser semanas de viagem, ainda estou feliz por estar aqui,
porque ele precisa de alguém. Ele não pode passar por isso sozinho.
No entanto, até que ele venha e me diga o que está incomodando, deixarei que fique
em silêncio. Às vezes você precisa estar com você mesmo para processar as coisas, e
repreendê-lo não ajuda. Além disso, está consumindo toda a minha energia apenas
para acompanhar. Inclino a cabeça e me concentro em colocar uma raquete de neve
na frente da outra, seguindo os passos dele.
Fazemos paradas intermitentes ao longo do dia, parando para atravessar um riacho
ou verificar trilhas. Vemos um rebanho de dvisti à distância, mas não estamos atrás
deles. Acho que teremos o suficiente para levar para casa sem acrescentar mais à
nossa carga. Conforme o dia passa, meus pés doem e meus dentes batem no frio,
mas não estou reclamando. No entanto, procuro todos os penhascos que passam na
esperança de encontrarmos a caverna de caçador e pararmos em breve. Eu tenho
que continuar até Hassen dar a ordem. Eu devo ajudar a me recuperar para os
outros, não sei que tipo de salvador eu seria se não pudesse acompanhar a
caminhada inicial.
E não quero que ele mude de idéia e se vire para que ele possa me levar com os
outros.
Não há sinais de sol no céu nublado e enfurecido, mas noto que escurece
progressivamente à medida que viajamos. Descemos um caminho fácil através de
um vale para subir uma colina íngreme, e quero reclamar, mas acho que há uma
razão pela qual estamos subitamente seguindo o caminho difícil. Quando vejo uma
entrada de caverna à distância, com um toque na tela que a cobre, soluço de alívio.
Existem algumas pedras caídas ao redor da entrada, mas por outro lado parece
inteira e imperturbável.
Graças a Deus.
Até agora não me ocorreu que talvez não houvesse uma caverna nas proximidades.
Que elas também não poderiam ter sobrevivido ao terremoto. Cara, estamos com
um problema tão sério.
Nós nos aproximamos dela, e eu estremeço por dentro, esperando que Hassen a
transforme em um momento de ensino. Que eu vou ter que atravessar a caverna,
acender uma fogueira, fazer um inventário, estou tão exausta que quero chorar
quando penso nisso. Mas isso tem que ser feito, então eu tenho que aturar isso.
Mas ele apenas distraidamente toca meu ombro. "Espera aqui. Vou inspecionar a
caverna ”
E isso também me preocupa. Porque não é como Hassen me mima. Ele
normalmente me provoca, me provoca sobre minhas más habilidades de observação
e depois me mostra o caminho certo para fazer alguma coisa depois de me deixar
tentar algumas vezes. Ele nem está tentando. E tudo bem, agora pode não ser o
momento perfeito para as lições, e estou agradecida, mas também estou preocupada
que essa seja mais uma prova de que Hassen está se retirando.
Ele não pode ficar longe de mim. Eu preciso dele. Ele precisa de mim. Não posso
deixar que ele me rejeite.
Hassen desaparece na caverna e retorna um momento depois, apontando para eu
entrar. Entro no escuro e procuro uma parede. As pedras aqui são um pouco ásperas
- provavelmente derrubadas pelo terremoto - e eu sou um pouco cuidadosa em me
mudar. "Você quer que eu faça o fogo?"
"Eu faço. Sente-se"
Eu deveria argumentar, mas não o faço. Caio no chão e, quando o faço, meus pés
gritam com alfinetes e agulhas. Eles parecem blocos de gelo e minhas botas estão
molhadas. Na verdade, tenho certeza de que tudo é meu. Eu me enrolo no chão,
odiando ser tão fraca. Que eu não posso acompanhá-lo. Que quero ajudar e que
acabarei sendo um fardo, afinal.
O fogo acende depois de um momento, e então eu vejo as feições de Hassen
acenderem quando ele começa a alimentá-lo. Olho em volta das sombras da caverna.
Parece estar bem abastecida, muita pele enrolada em um canto e cestas de
suprimentos ao longo das paredes. Uma extremidade da caverna parece um pouco
rochosa e entrou em colapso, mas de outro modo é grande e confortável, com o teto
alto o suficiente para Hassen poder ficar em pé completamente, e espaço suficiente
para nós dois nos movimentarmos com facilidade. Algumas cavernas de caçador são
bem pequenas, mas esta é espaçosa. Isso é bom e ruim, bom porque é bom alongar
e ruim porque leva muito mais tempo para esquentar.
Bem, posso sentar na minha bunda meio congelada, ou posso ajudar. Levanto-me e
ajusto a tela acima da entrada para que não haja rajadas de vento ameaçando nosso
pequeno fogo enquanto ele está sendo ventilado. Então eu vou para as peles e
começo a desenrolá-las, fazendo uma cama. Existem três pacotes grandes, o que
significa que temos o suficiente para duas pessoas e duas camas separadas ... mas
espero que não chegue a isso. "Você se importa se eu ficar nua?" Pergunto-lhe.
"Minhas roupas estão encharcadas"
Ele rosna. "Pendure-as no fogo para secar"
Este não é o seu momento de maior conversa. Ele nem sequer comenta o fato de que
eu estou prestes a ficar nua. Isso é bom. Não me sinto particularmente sexy agora,
apenas cansada e com frio. Retiro camadas úmidas de couro do meu corpo e retiro
a pulseira de couro que serve como sutiã. Agora estou nua e envolvo uma das peles
grossas ao redor do meu corpo como uma túnica antes de espalhar minhas roupas
pelo fogo. Ele nem me olha nos olhos, ele apenas continua alimentando pedaços de
combustível na chama.
Sinto meu peito me dando outro aperto doloroso. Ele está deprimido. Não posso
culpá-lo, o sa-khui teve um revés devastador. Ele pode ser emocional, mas agora
temos que ser fortes. Muitas pessoas dependem de nós para trazer suprimentos para
ajudar na temporada brutal. Não podemos falhar com eles. Acho que também não
quero reprová-lo. Eu acho que ele está apenas ... lutando.
Em vez de descansar na cama agradável, quente e peluda que acabei de fazer, levo
minha toga para as cestas e deslizo para as bolsas de couro enfiadas dentro. Sabão de
baga, especiarias, algo que parece isca seca, anzóis feitos de ossos ... e outra cesta tem
um pouco da mistura de nozes atrativamente apimentada que os sa-khui amam
tanto. Estou com tanta fome que até os vejo bem. Pego a bolsa e vou para o lado de
Hassen, oferecendo a ele. "Aqui. Coma"
"Coma você. Você precisa de sua força ”
"Oh, eu pretendo comer. Mas há o suficiente para nós dois, e duvido que você tenha
comido desde o colapso. Então vamos comer, meu amigo ”. Sacudo a sacola para ele,
deixando o conteúdo se agitar do que eu espero que seja de uma maneira tentadora.
Ele ignora, olhando para o pequeno fogo.
Eu engulo meu suspiro e coloco a comida de lado e coloco minhas mãos em seu
braço, abraçando seu membro contra o meu peito. Ele não me afasta, mas também
não responde. "Você quer falar sobre isso, grandalhão?"
"Eu deveria te mandar de volta"
"Desculpe?"
Hassen alimenta o fogo com a mão livre. “Essa será uma jornada longa e difícil. Você
não deveria vir. Você deveria ser deixada para trás com as outras fêmeas humanas.
"Vamos fingir que não ouvi toda essa merda sexista e falar sobre o que realmente
está incomodando você." Eu acaricio seu braço. "Porque claramente você não está
bem"
"Bem?" ele repete, em voz baixa. "Meu povo é um sem-teto. Meu amigo pode estar
morrendo. A temporada brutal está se aproximando. Eu não estou nada bem "
"Sim, eu não sei nada sobre perder tudo", respondi.
Ele olha para mim surpreso. Sua boca é colocada em uma linha escura e ele tira o
braço da minha mão. Eu acho que ele vai se levantar e me empurrar, mas, em vez
disso, ele me envolve em seus braços e me abraça contra seu peito. Ele não está me
confortando, está me segurando como se eu fosse seu salva-vidas.
Eu o abraço de perto, acariciando meus dedos pelas costas dele. “Eu sei que é difícil
agora, mas seu pessoal é forte e resistente. Eles vão superar isso. Se a caverna da casa
se foi, viveremos na Caverna dos Anciãos. Se não estiver lá, então em outro lugar.
Nós descobriremos e sobreviveremos. ”
"Eu ..." Ele para, claramente lutando com emoção. Suas mãos me seguram com
força. "Toda essa dor, esse desespero me lembra antes". Quero perguntar a ele do
que ele estava falando antes, mas ele continua. "Com doença de Khui. Minha
família..."
Oh. Deslizo meus dedos ao longo de sua pele sob seu colete, tentando confortar com
meu toque. "Você os perdeu"
"Eu perdi tudo. Fiquei muito desesperado por um longo tempo, e vejo tudo isso, e
sinto que estou voltando para aquele lugar escuro. ” Ele respira fundo e me segura
ainda mais, e eu posso praticamente sentir os sulcos em seu peito deixando uma
marca na minha bochecha enquanto ele me abraça contra ele. “Eu preciso estar lá,
para ajudá-los, e Vektal me mandou embora.” Sua voz quebra, e eu posso sentir a
tensão em seu corpo.
Ele está lutando muito. Meu pobre Hassen.
Eu me liberto de seu aperto sufocante e me sento, segurando seu rosto para que ele
tenha que olhar para mim. "Hassen", eu digo baixinho. “Você sabe que Vektal não
o mandou embora porque ele não queria você perto, certo? Ele o manda embora
porque você é o melhor para o trabalho. Você não precisa se preocupar com bebês,
parceiros ou mães que precisam de ajuda. Talvez seja uma pena que você tenha sido
escolhido para a tarefa que provavelmente é a menos divertida de todas, mas você é
o melhor para isso. Não é um golpe contra você, é um elogio.”
"Ele me escolheu porque estou sozinho", diz Hassen amargamente. "Porque a tribo
não se importa se eu vivo ou morro"
"Porque você está voltando com os suprimentos e ele não precisa se preocupar com
você", eu corrijo com firmeza. "E você não está sozinho. Estou aqui ao seu lado. "
"Você deveria ter ficado com sua irmã"
"Por quê? Ela não precisa de mim.” Inclino a cabeça, estudando-o. “Você também
não precisa de mim, não mesmo. Eu não vou mentir, provavelmente vou ser uma
companhia de merda nesta viagem. Vou ser lenta como melaço e não sou muito
forte. Mas você precisa de um amigo ... e eu posso ser um para você. "
Cobre as mãos que tenho nas suas bochechas com as suas e depois levante minhas
mãos para beijar cada palma da mão. "Somos apenas amigos, Mah-dee? Você sabe
que tem meu coração. "
Sinto um pouco de vibração na barriga. Quero lhe dizer que sim, mas ... me
preocupo com meu julgamento. Estou segurando-o porque ele precisa de mim? Ele
está me segurando porque quer amar alguém? A qualquer um? Mas não posso
recusar. Não quando ele está claramente machucado e eu quero confortá-lo.
Então, eu vou pular as palavras por enquanto. Eles podem sair mais tarde ... se o
fizerem. Eu vou em frente e pressiono minha boca contra a dele, beijando-o. Eu
movo meus lábios contra os dele, acariciando e suavizando-os. Quero que saiba que
agora ele é absolutamente amado e necessário. Eu o bato com a língua e sinto sua
respiração acelerar quando coloco meus braços em volta do pescoço.
Eu quero lhe mostrar o quanto eu me importo. Mostrar como é necessário. Que não
é descartável diante dos meus olhos.
Eu beijo sua boca docemente por mais um momento, e depois dou-lhe uma
cutucada suave no peito, indicando que ele deve se recostar. Ele olha para mim com
olhos ardentes e gananciosos. Puxo o colete de couro para o lado, expondo seu peito,
e suspiro de prazer ao ver todo aquele músculo duro. O azul é oficialmente a minha
cor favorita para um peitoral delicioso e firme com peitos perfeitos.
"O que você está fazendo, Mah-dee?" ele pergunta, sua voz rouca.
Eu apenas sorrio para ele e me inclino, pressionando um beijo em seu peito. Quero
que ele se sinta especial e sei como fazê-lo. Eu bato minha língua ao longo dos cumes
duros e prateados que cobrem o centro do seu peito. Imagino que não seja tão
sensível quanto outras partes do corpo, mas, a julgar pelo modo como a respiração
está ronronando, ainda é emocionante assistir. Eu também estou ficando animada.
Faço isso por ele, porque quero que ele se sinta bem ... mas gosto de fazê-lo. Tocar
nele me excita, e eu posso sentir minha boceta latejando em resposta à sua excitação.
Eu beijo mais baixo, movendo-me em uma linha direta em sua testa. Não quero que
haja nenhuma suposição do que estou fazendo, quero que ele observe e antecipe. Eu
bato minha língua ao longo da linha dura de seu abdômen de barra de chocolate e
roço os dentes ao longo de sua pele. Tem um pouco de suor e cinzas, mas também
tem um gosto de Hassen, e eu adoro isso.
"Mah-dee", ela suspira quando eu passo a barriga, indo para o umbigo. "Seu…"
"Shhhh" beijo mais baixo. "Eu estou me concentrando. Você não quer arruinar
minha concentração, não é?”
Seu gemido doloroso me diz que não, não vai. Eu mergulho minha língua na
depressão em seu umbigo, localizando-a antes de descer. Eu tenho um destino
muito específico em mente e posso dizer que ele já o adivinhou. Se ele não tiver, o
fato de eu colocar as mãos em sua tanga e puxar as cordas deve lhe contar tudo.
Um puxão nas fitas e ele sai desembrulhado, como se fosse meu aniversário. As peles
caem, e então vejo seu pênis grande, gostoso e estriado, subindo no ar. Seu esporão
chama minha atenção, e eu arrasto meus dedos sobre ele com uma carícia suave
antes de agarrar seu comprimento com a mão e puxá-lo.
A cabeça de Hassen recua, suas presas sibilando de puro deleite. Eu amo ver isso.
Com um sorriso, acaricio seu pênis novamente e abaixo a cabeça para beijá-lo.
Uiva meu nome em resposta.
Eu rio, arrastando meus lábios sobre a cabeça de seu pau, molhando-os com o fluido
pré-seminal que se acumula na ponta arredondada. “Eu acho que você não precisa
se preocupar em ficar quieto aqui, não é? É divertido falar alto, hein?” E eu o lambo,
certificando-me de arrastar minha língua lentamente sobre sua coroa.
"Mah-dee", ele suspira. "Meu coração". Ele estende a mão e acaricia meu rosto
enquanto eu me divirto chupando seu pau. "Apenas quando eu acho que você não
pode me dar mais prazer, você me surpreende"
Um cara doce. Você ainda não viu nada. Envolvo meus dedos em seu comprimento,
aperto e o enfio profundamente na boca. Eu pego o máximo que posso, deixando
seu comprimento deslizar pela minha língua. É profundo e sua circunferência é
enorme. Eu afrouxo minha mandíbula, fazendo-a trabalhar mais fundo, até que ele
me bate no fundo da minha garganta e desencadeia meu reflexo de vômito. Eu o
solto e ele geme novamente, impossivelmente excitado por minhas ações. Sim,
provavelmente está deixando-o louco agora.
É muito divertido, tenho que admitir.
Eu o tomo fundo novamente, chupando com força, e desta vez não tenho engasgos.
Desta vez, começo a cantarolar 'The Star-Spangled Banner'. É um truque que
aprendi com uma amiga quando comecei a trabalhar como garçonete, e ela me
contou como o namorado era selvagem. O zumbido aumenta a vibração na garganta
e na língua e é muito, muito bom para um homem. Talvez não seja tão bom quanto
fazer cócegas na próstata, mas ainda não sei se Hassen está pronto para esse tipo de
coisa.
O que eu sei é que ele gosta do burburinho. Sua mão grande toca meu cabelo e então
ele flexiona, puxando para trás. É como se ele quisesse empurrar minha cabeça e
tivesse medo de me machucar. Eu murmuro mais, trabalhando com o máximo de
saliva e movimentos das mãos que posso. É tão grande e as cordilheiras são um
pouco irritantes, que é difícil chegar tão fundo quanto eu quero, mas ele não parece
se importar. Repetidamente, eu bombeio com a boca, cantarolando aquela melodia
patriótica do jeito que eu faço. Eu posso sentir seu corpo apertando quando me
lancei ao clímax da música, mas ele não está lá comigo. Ainda não.
Então eu faço cócegas no fundo de seu estímulo reto. Imagino que se pareça com
meus mamilos, esfregá-lo suavemente no fundo o deixará tão louco quanto esse tipo
de coisa me leva de volta.
O corpo dele treme. A respiração explode em seus pulmões, e sua mão desce pela
parte de trás da minha cabeça, me segurando em seu pau. Eu perco o controle da
música, mas isso não importa. Levanta seus quadris, bombeia e, um momento
depois, minha boca está cheia de jatos quentes de porra. Ele me atira na garganta a
tal ponto que eu mal o provo, e fico quieta, apertando a base de seu pênis para
ordenha-lo. Quando não consigo mais engolir, volto para trás, minha boca se enche
com a última liberação dele e tusso um pouco enquanto minha garganta trabalha.
"Mah-dee", ele suspira, um olhar chocado nos olhos. Eu amo o jeito que ele diz meu
nome assim, depois do orgasmo. Como se ele tivesse acabado de melhorar seu
mundo novamente, apenas com a minha boca.
Eu tusso e engulo o que resta de seu fardo, sem graça, mas do jeito que ele olha para
mim, ele não se importa. "Desculpe", eu suspiro.
"Eu não deveria ter derramado em sua boca", diz ele, me puxando contra ele e me
embalando contra seu peito. Ele me abraça como se fosse a coisa mais preciosa do
mundo, e eu o abraço e o amo.
"Esse era o plano", brinco, aproximando-me mais. "Eu queria fazer você se sentir
bem"
"Você fez isso". Ele para por um momento e acrescenta: "Posso fazer você se sentir
bem?"
"Eu não fiz isso como barganha", eu disse. "Eu só queria te dar um pouco de prazer"
"Crux ...?"
"Recíproca.” Merda, ele provavelmente também não conhece essa palavra. Penso
por um momento, depois circulo seu abdômen delicioso e saboroso. "Eu não fiz
porque queria que você fizesse o mesmo comigo. Fiz isso porque queria que você se
sentisse tão maravilhoso quanto acho que é.
"Mas eu gosto de lamber sua boceta", diz ele, e um dedo corre pelo meu braço e
circula em torno de um dos meus mamilos, enviando um arrepio pelo meu corpo.
"Certamente você não me privaria de tanta alegria?"
Se isso pode fazer ele esquecer o mundo por algumas horas, acho que devo 'carregar
a peso' de ter minha buceta comida. Maldita seja. "Nem sonhe com isso, grandão."

Capítulo 13

HASSEN
Duas semanas depois

"Você está tão devagar hoje", provoco minha companheira enquanto subo ao topo
de uma grande colina. "Coloque os pés para cima. Temos um longo caminho a
percorrer "
Atrás de mim, Mah-dee murmura algo baixinho sobre uma bunda idiota e gesticula
com a mão que me diz que ela não está feliz comigo. Ela se move mais rápido,
embora não seja rápida o suficiente para acompanhar-me.
Eu apenas riu da resposta dela e olho através das planícies nevadas. Mah-dee faz
muitos barulhos raivosos, mas ela se esforça e nunca desiste. Posso zombar da
velocidade dela, mas nunca a deixaria para trás. Ter sua companhia nessa jornada
fez desaparecer as preocupações sombrias em minha mente. Ela é muito forte em
espírito, minha Mah-dee. Se você não tiver uma resposta, será possível. Para ela, não
é necessário chorar pelo que aconteceu, mas pela necessidade de encontrar uma
solução. Ela é boa para mim. Quando minha dor por minha tribo ameaça me
dominar, Mah-dee endireita minha cabeça.
Meu coração escolheu sabiamente, mesmo que meu khui esteja em silêncio.
Examino o terreno nevado, procurando mudanças. Eu já estive nessa trilha muitas
vezes no passado, mas grande parte da paisagem parece diferente após os
terremotos. Mais dois aconteceram nas últimas semanas, mas as coisas ficaram em
silêncio. As cinzas sumiram e a neve voltou a ficar clara, o céu ficou quase claro mais
uma vez. Quase parece normal.
Mah-dee chega ao topo da colina, ofegando rapidamente. Ela se move ao meu lado,
sua mão puxando a minha. "O que estamos procurando?"
"Dvisti. Metlak. Garras do céu ”.
"Não, não, e diaaaaablos não", ela proclama, aproximando-se um pouco de mim.
"Eu comi o número um o suficiente pelo resto da minha vida, e os números dois e
três são grandes idiotas no meu livro."
"Então seu livro ohh tem sorte. Não há nada que eu possa ver. " Essa é outra
mudança estranha depois da terraplenagem. Embora os dvisti tenham sido
abundantes, não vi uma única garra vinda do céu, e metlaks são raros. Enquanto
estou feliz que as garras do céu se foram, estou preocupado que algo tenha sido
esquecido. Este é o território Metlak. Deveríamos pelo menos ver vestígios deles.
"Como eles estão?", Ela me pergunta. "Comparado com antes? Alguma mudança
importante? Talvez seja por isso que não há ninguém por perto. "
"Nenhuma mudança", eu digo, estudando os penhascos distantes. Há menos vales
à medida que nos aproximamos das montanhas, e a terra se estende, lisa e branca.
Estamos nos aproximando dos limites de um território familiar. Mais ao norte,
estaremos perto da estranha e brilhante caverna onde Mah-dee e Li-lah foram
encontradas. Eu não irei tão longe nas montanhas; não há cavernas que caiam no
território metlak. Eles ficam em seus locais de caça, e nós nos nossos.
"Eu vejo uma caverna ali", diz ela, apontando para a distância. "Esta é a nossa
próxima parada?"
"Existem duas cavernas nesta área", digo a ela. “Aquela, e depois outro na esquina.”
Eu aponto na direção oposta, para os penhascos distantes.
"Eu tenho um pouco mais de energia", diz Mah-dee, ajustando a pele com mais força
ao redor da cabeça. "Podemos ir para a que está mais longe antes de chegar a noite"
Toco seu capuz, desejando poder acariciar sua crina. Eu tenho um grande carinho
por Mah-dee. Meu coração. Ela é forte e tenta o limite porque quer ser uma boa
combinação. Sua mochila seria tão grande quanto a minha se eu a soltasse, mas
cuido da minha companheira e garanto que ela não esteja se esforçando. "É a nossa
última parada"
“Nossa última parada ... no geral? A sério?" Ela olha para mim, surpresa. "Então,
vamos começar a viagem de volta?"
Eu concordo. Por muitos punhados de dias, visitamos cavernas de caçadoras,
procurando suprimentos. Algumas das cavernas foram completamente destruídas
por pedras. Outras permaneceram intactas. Algumas sofreram danos e uma ou duas
foram atacadas por Metlak e não tinham mais nada de útil. Mah-dee rabisca marcas
de carvão na pele, fazendo "anotações", como ela diz. Deixamos os suprimentos em
cada caverna, levando apenas o que precisamos para a sobrevivência imediata.
Depois de retirarmos as cavernas mais distantes de suas propriedades, retornaremos
ao caminho de onde viemos e limparemos as cavernas à medida que avançamos.
Aqui, nas cavernas mais distantes, teremos que caçar algo grande para que os ossos
e as peles grandes se estiquem para fazer trenós. Um grande para mim, e um menor
para Mah-dee. Se pudesse, arrastaria os dois atrás de mim, mas suspeito que minha
juba amarela feroz e humana não iria gostar tanto. Só de pensar na reação dela me
faz sorrir.
Estar com ela tem sido ... divertido. Não há outra maneira de descrevê-lo. Se eu
estivesse sozinho, ficaria cheio de desespero, cuidando da minha tribo. Mas com
Mah-dee, me obrigo a pensar logicamente. Confiar que os outros estão seguros sob
os cuidados do chefe e se concentrar na tarefa em questão. Para ela, não há problema
que não possa ser resolvido.
Essa jornada não foi tão solitária com ela ao meu lado. Acordo todas as manhãs com
ela nos braços e vou dormir todas as noites em uma caverna diferente, mas com as
mãos de Mah-dee pressionadas no meu peito. Nós nos acasalamos na maioria das
noites, mas às vezes ela está cansada demais, e tudo bem também. É o suficiente
mantê-la perto e inalar seu perfume. Apenas ouvir a risada dela ou ver o sorriso
cruzar seu rosto humano engraçado.
Quando ela está comigo, acho que nem a destruição da caverna é tão ruim. Não é
algo que nos destrói. Nós vamos sobreviver e seguir em frente. Mah-dee perdeu seu
mundo. Li-lah também. Toda fêmea humana encontrada aqui nas neves do nosso
planeta, longe de casa, começou seus mundos novamente. Sa-khui pode fazer isso e
ser mais forte por isso.
Mah-dee me ensina isso todos os dias.
"A que distância estamos do oceano?" Mah-dee pergunta, protegendo os olhos da
luz do sol. Hoje é um dos primeiros dias em que os sóis romperam as nuvens cinza-
escuras e vê-los nos deixou felizes. Luz solar significa que não há mais cinzas. Sem
nuvens ou tremores de terra, as coisas voltarão ao normal em breve ... e a estação
brutal ficará na baía por mais um dia.
O-shean significa água salgada para ela. Eu lembro disso Aponto para as montanhas
pontiagudas no horizonte. "No outro lado. Você quer ir?
"Podemos atravessar isso?"
"Não facilmente. Nós estávamos indo nos virar. Pegar o longo caminho.
Acrescentará mais dois dias de mãos para viajar ”. Penso por um momento e depois
acrescento: "Minhas mãos, não as suas".
Ela move os quatro dedos e sorri para mim. "Gostaria de ver como é o oceano aqui,
mas provavelmente devemos voltar à tribo o mais rápido possível. Acho que agora
não é hora de dar um passeio.
"Verdade. Eu ainda iria por você ”
"Você é muito gentil", diz ela, apertando meus dedos. "Você pode me dizer. É azul?"
"O que é azul?" Começo do outro lado da colina. A neve aqui é mais profunda, e me
viro e ofereço minha mão para que ela possa descer facilmente.
"É o oceano azul?" Ela agarra minha mão e inclina seus sapatos de neve como eu
mostrei a ela.
"Não, é verde"
"Isso parece nojento. Como uma piscina suja. Talvez eu finja que parece bom, já
que não vamos vê-lo. "
"Você não gostaria de nadar", eu a aviso. “A costa é muito rochosa e você coça os
pés. Além disso, há muitas coisas que vivem na água que podem comê-lo de uma só
vez.”
"Encantador. Eu amo esse lugar". Seu tom é seco. “Então onde nós estamos? Perto
de onde você encontrou minha irmã e eu?”
“Mais perto das montanhas. Precisávamos viajar mais um ou dois dias para chegar
lá.”
"Bem. Eu realmente não quero ir nessa direção. " Ela estremece e sinto o tremor em
sua mão. "Às vezes ainda tenho pesadelos com aqueles pequenos mortos-verdes e o
que poderia ter acontecido se a nave não tivesse colidido."
Aperto sua mão firmemente na minha. Não gosto de pensar nisso.
Mah-dee para na base da colina, fingindo ajustar as tiras da mochila. Eu aprendi
esses pequenos truques; Ela não quer me dizer que está cansada, então ela verifica
suas coisas. Às vezes são os sapatos dela, às vezes a mochila. Espero pacientemente,
fingindo não perceber que ela está respirando pesadamente. Todos os dias, fica mais
forte e pode durar mais, mas ainda é nova nesta vida. Isso levará tempo e, mesmo
assim, nunca será tão forte quanto um sa-khui feminino. Os seres humanos são
delicados.
É bom eu ser forte e capaz, porque posso cuidar dela. Esse pensamento me dá um
prazer feroz.
“Hmm.” Os passos de Mah-dee deixam de ranger na neve.
Eu paro e me viro. "O que acontece?"
"Pensei ter visto alguma coisa. O que é aquilo ali? "
Olho em volta, mas não vejo o que ela quer dizer. "O que?"
"Por ali. Eu pensei ter visto a neve se movendo ”
Olho para onde ela aponta e não vejo nada além de colinas e mais neve. Um grupo
de muitos arbustos cobertos de neve é visível no topo de um pequeno monte, mas
fora isso, não há nada incomum. Eu me viro para perguntar a Mah-dee o que a
incomoda ... quando um dos arbustos se move.
Não é um arbusto nevado, mas um Metlak.
E não é apenas um, mas vários. Pelo menos duas mãos. Quando outro arbusto se
move, percebo que são três Metlaks, talvez mais. E eles nos viram. Eles estão nos
caçando.
Os Metlaks normalmente evitam o sa-khui e ficam assustados com qualquer coisa
que carregue nosso perfume. Eles são criaturas covardes ... mas também têm fome.
Penso nas cavernas de caçadores que descobrimos que foram invadidas, o conteúdo
destruído e os suprimentos consumidos. Se eles são corajosos o suficiente para ir às
nossas cavernas, eles são corajosos o suficiente para me atacar e Mah-dee. Talvez eles
vejam nossos pacotes e pensem que temos comida.
Mah-dee está em perigo. Um calafrio se move sobre mim e eu examino nosso
ambiente. Mesmo que eu a leve à caverna de caçador, não haverá tempo suficiente
para acender uma fogueira para afastá-los. Nós devemos fazer algo, e rapidamente.
Eu me viro e agarro Mah-dee pelo braço, arrastando-a para longe. "Nós devemos ir"
"Aonde vamos? O que aconteceu?"
Com a mão livre, tiro uma das lanças das costas e a solto das amarras da mochila.
"Esses são metlaks, e eles vêm atrás de nós."
Ela corre ao meu lado, tentando se mover rápido, mas os sapatos de neve a
desaceleram. "Devemos tentar falar com eles? Lila diz que são inteligentes ... "
"Eles estão com fome", digo a ela. "Eles são imprevisíveis. Eu não quero arriscar.
Vamos andar mais rápido e espero que eles não nos sigam. "
É uma esperança estúpida, mas agora, é tudo o que tenho.
Mah-dee acelera seus passos, e eu posso ouvir sua respiração ofegante. "Devo tirar
minha arma?"
"Sim"
"Oh merda"
"Agora não", eu digo, examinando os penhascos distantes enquanto corremos em
direção a eles. Se chegarmos à caverna do caçador rápido o suficiente, talvez eu possa
segurá-los por tempo suficiente para Mah-dee acender. Metlaks odeiam fogo e são
facilmente assustados. Mah-dee é lenta como sílex, mas talvez hoje ...
Ela tropeça, um pequeno grito lhe escapa. Paro no meu caminho, me virando para
ajudá-la. "Está bem?" Ela se esforça para se levantar, balançando a cabeça, e um dos
sapatos cai ao redor do tornozelo, com as tiras de couro quebradas.
"Meu sapato", ela suspira. "Eu posso seguir em frente." Então ela tropeça
novamente, gritando, e suas mãos se agarram ao meu braço. "Ok, poderia ser meu
tornozelo também. Deixe-me, Hassen …”
Eu nem a deixo terminar. Com um grunhido de raiva, eu a pego em meus braços e
a penduro por cima do ombro, ignorando seu grito de protesto.
Não deixarei Mah-dee para trás. Eu vou morrer primeiro.
Com minha lança de pau, corro devagar em direção aos penhascos. Eles se
aproximam cada vez mais e, apesar do peso leve de Mah-dee no meu ombro e sua
torção, sou capaz de me mover mais rápido. "Eles ainda estão vindo?" Eu pergunto
a Mah-dee enquanto me adianto.
"Ah, sim", diz ela, com a voz vacilante. "Além disso, eu pode vomitar se não
desacelerarmos. Seu ombro está batendo no meu estômago ... "
"Então vomite", eu digo, e acelero.
"Tudo bem", ela diz fracamente. "Devo sacar uma arma?"
"Sim"
"Porra".
"Agora não", digo novamente, distraído. Estou me aproximando dos penhascos
distantes, e eles parecem ... diferentes. As pedras cairam aqui, a neve cai. O
movimento da Terra também afetou esse lugar, e estou preocupado que a caverna
do caçador nem esteja lá. O desespero me faz andar mais rápido, e vou em direção
aos penhascos salientes e à sombra que eles lançam. Estamos perto. Ao nos
aproximarmos, vejo a sombra da caverna ao longe e redobro meus passos, correndo.
Devo levar Mah-dee à segurança. Eu posso bloquear a entrada da caverna com ela
atrás de mim.
Um som inovador.
A neve sob meus pés desaparece. Eu grito de surpresa, e Mah-dee grita quando
caímos no ar. Empurro minha lança para o lado e enrolo meu corpo ao redor dela,
tentando protegê-la.
Nós pousamos. Caio de costas e, apesar da neve macia, o ar sai dos meus pulmões.
A escuridão dança atrás dos meus olhos, mas desaparece tão rapidamente, e sinto
Mah-dee gemer quando ela se afasta de mim. "O que…"
Eu tenho dificuldade em me sentar. Aqui está escuro, as sombras nos protegendo
da luz do sol acima de nós. Olho para cima e vejo que estamos em uma fenda, o chão
acima de nós se abriu. Uma camada de gelo deve ter coberto de alguma forma e eu
cai, afundando aqui. A neve se acumula ao nosso redor, e as paredes do penhasco se
elevam acima da minha cabeça e da de Mah-dee. Quando olho para cima, vejo um
Metlak olhando por cima da borda.
Mah-dee respira fundo, tocando meu braço.
A criatura grita conosco, depois pega um punhado de neve e a joga em nossa direção.
Outros aparecem ao lado dele, agitados. Eles contornam as bordas da fenda, olham
para nós e gritam sua raiva, mas ninguém chega perto.
"Não acho que eles possam nos alcançar", diz Mah-dee. Ela olha para mim,
preocupada. "Está bem?"
Sento-me e procuro minha lança. Está a vários braços de distância e levanto-me
lentamente, testando meu corpo. "Meu rabo está machucado", digo, esfregando-o.
"Mas eu vou viver"
Ela ri.
Eu faço uma careta para ela. "O que é tão engraçado?"
"Só você ... esfregando sua bunda enquanto estamos presos em um buraco"
"Não é um buraco", digo, olhando em volta, tentando determinar o que exatamente
é. É quase como se o chão tivesse uma ferida aberta e nós caíssemos nela. Não tenho
muita certeza de gostar.
"Um canyon, então. Nós os temos na Terra ”
Olhou para cima. “Pelo menos ele parou os Metlaks.” Eles jogam um punhado de
neve em nós como se em resposta às minhas palavras, mas não fazem nenhum outro
movimento. Eles não virão até nós. Eu nem sei se eles podem. Estamos pelo menos
dois corpos abaixo deles, talvez mais. Eu vejo as paredes rochosas. Vou ter que
escalá-las para subir e abaixar uma corda até Mah-dee. Mas isso é um problema para
mais tarde. "Estamos seguros por enquanto"
Estremece. "Aí está. Acho que vamos ficar aqui até eles partirem. "
Eu olho ao meu redor. O canyon é largo o suficiente para vários caçadores andarem
de frente, mas um rebanho de dvisti não conseguiria. Como um vale, é
extremamente estreito. Está em zigue-zague, e eu me pergunto para onde está indo.
Pego minha lança, esfrego meu rabo, depois pego minha mochila caída e a coloco
nas minhas costas. "Agora que estamos aqui em baixo, vamos ver aonde isso nos
leva"
Mah-dee olha para cima, onde os Metlaks nos observam de cima. "Sim, acho que
também poderíamos." Ela tira a raquete quebrada do pé e depois a outra e aperta as
botas antes de se levantar. “A neve não é muito profunda aqui. Isso é bom. Ela dá
alguns passos à frente e estende a mão.
A mão dela está fria, e eu me certifico de apertar os meus dedos nos dela.
"Nós ficaremos bem, certo?" Ela diz calmamente.
Sua preocupação faz meu coração doer. Ela geralmente é tão segura de si mesma, tão
confiante. Isso me manteve forte em muitos dias sombrios. Eu devo fazer o mesmo
por ela. Eu me viro e trago a mão dela para minha boca, pressionando meus lábios
nos nós dos dedos. "Eu não vou deixar nada te machucar, Mah-dee"
"Eu sei. Só estou ... um pouco chateada. Ela ri e olha para os Metlaks que ainda estão
assistindo. "Essas coisas são assustadoras"
"Fica perto de mim"
"Não há problema". Ela tira a mão da minha e coloca um braço em volta da minha
cintura. "Eu esfregaria sua bunda por você, mas prefiro me afastar dos Metlaks antes
de brincar."
Eu rosno, não tenho muita certeza de como aceitar isso. "Vamos ver aonde isso nos
leva, então."
Capítulo 14

HASSEN

Descemos o desfiladeiro estreito. Está escuro aqui, quase como caminhar por uma
longa e sinuosa caverna, se não fosse pela estreita faixa de céu acima. Observo as
paredes do desfiladeiro, caso haja um local raso o suficiente para os metlaks nos
alcançarem. Até agora, no entanto, as paredes ficaram mais altas a cada passo que
damos em direção ao canyon. Logo, as paredes são tão altas que cinco machos em
pé não conseguiram chegar à superfície ... e eu não sairia daquela queda com apenas
uma cauda dolorida.
Mah-dee inclina a cabeça enquanto caminhamos, admirando nosso ambiente. “Este
lugar é ótimo”
Um comentário estranho. "Claro que é mais legal. Estamos em um vale. Não será
tão quente como onde os sóis tocam a neve ”
Ela ri. "Não, quero dizer, é engenhoso. Não esta frio. Isso me lembra o Grand
Canyon em casa, exceto que é roxo e azul em vez de laranja e vermelho. Isso foi
esculpido por um rio?
“Ei, eu não sei.” Eu estudo nossos arredores. Eu nunca considerei isso. Tudo o que
sei é que aqui os penhascos quase se fecharam como dentes. Em algumas áreas, as
paredes do vale estão bem fechadas e quase parece que você está andando por um
túnel em uma caverna. "Mantenha perto".
"Estou perto. Se eu chegasse mais perto, eu estaria agarrando seu rabo e esfregando
sua bunda - ela resmunga atrás de mim. "Você provavelmente gostaria disso."
"Guarde para mais tarde, quando estivermos perto do fogo"
"Flerte".
Eu me divirto com suas palavras. Talvez eu esteja flertando. Eu gosto de tirar sarro
de Mah-dee. Ela zomba, ao contrário de sua irmã, que gritou e chorou se eu olhasse
para ela. Não é a primeira vez que amaldiçoo o dia em que peguei a irmã de cabelos
escuros em vez da irmã de cabelos amarelos.
Há silêncio enquanto caminhamos. Nossos passos rangem na neve, mas Mah-dee
acelera, se movendo ao meu lado e deslizando os dedos em volta do meu cinto. "Não
há muita neve aqui embaixo", diz ela. “Você pensaria que tudo iria cair e se
acumular, exceto que não está. Talvez este cânion esteja protegido das intempéries.
Olhe para cima.” Ela aponta, e eu obedientemente olho para cima. "Um lado do
canyon parece mais alto que o outro. Aposto que protege o fundo de muito tempo
inclemente. ”
"Talvez". Eu a puxo para mais perto de mim. "Tudo vai ficar bem, eu prometo."
"Eu sei. Estou com você.” Ela olha para mim e tem um pequeno sorriso no rosto.
“Tudo está bem quando estamos juntos. Você percebe isso, certo?
Sinto uma onda de carinho por ela, juntamente com intensa possessividade. Mah-
dee é minha. Nenhuma mulher jamais foi tão forte, tão inteligente, tão engenhosa,
tão doce ou tão generosa. Nenhuma mulher é tão perfeita para mim quanto ela.
Penso em Li-lah e ela chorando, e torço o lábio com nojo. Eu fui um tolo. "Eu vou
mantê-la segura", eu juro.
Ela sorri para mim. "Eu sei"
“Não, você não entende.” Eu paro e coloco minhas mãos em seus ombros, virando-
a para mim. Isso parece ... importante. Parece ótimo. Que ela deveria me ouvir. Que
devo dizer a ele como me sinto. "Você é meu coração, Mah-dee. Sem você não sou
nada. Você me viu como um exilado e ainda assim me levou a sua pele. Você é gentil
e generosa. "
Suas bochechas estão cheias de cor. "Hassen, você faz parecer caridade ..."
"Você não estava dando?"
"Eu não estava pensando em dar! Eu estava pensando em como eu queria dormir
com você. " Vergonha aparece em seu rosto.
“Você me escolheu dentre todos os homens na caverna. Você poderia ter algum dos
caçadores sem par. Em vez disso, você escolheu aquele que mais odeia. ” Coloco o
rosto dela nas minhas mãos. "O que voce viu em mim?"
“Parecia que você precisava de um amigo. E eu também precisava disso. " Ela coloca
as mãos nas minhas. "Não é mais do que isso. Eu precisava me conectar com alguém.
Eu me senti sozinha, e solitária, e me senti como ... bem, que você entenderia. Que
você saberia como é estar cercado por pessoas e ainda se sentir à deriva. ” Seus dedos
tocam minha pele. "Ninguém mais conseguiu se identificar. E eu não me importei
que você fosse o cara que roubou minha irmã de mim. Bem, importava um pouco,
mas eu precisava saber como você se sentia. Se você estivesse apaixonado por Lila,
eu não teria me aproximado de você. "
Meus lábios se curvam com o pensamento. “Apaixonado por Li-lah? Nunca"
"É por isso que eu queria você. Você cometeu um erro, mas isso não significa que
você deve ser punido para sempre. E talvez eu esteja olhando para ele usando óculos
cor-de-rosa ou algo assim, mas sei como é perder a cabeça em um momento ruim e
que as pessoas continuam jogando isso em seu rosto repetidas vezes. ” Ela sorri
ironicamente.
"Eu não tenho ideia do que você acabou de dizer."
Ela ri. "Eu imaginei. Eu só quero que você saiba que eu vejo além das suas ações a
pessoa por baixo, ok?” Ela me dá um tapinha na mão. "Você é uma boa pessoa. Não
esqueça nunca".
Sinto um calor no peito e sorrio para ela. Mah-dee vê o meu verdadeiro eu. Isso me
faz tão feliz. Pela primeira vez em muito tempo, estou satisfeito com o lugar que
ocupo. Se eu estou no exílio, que assim seja. Se perdi a confiança daqueles a quem
amo com minhas ações, desde que eu tenha Mah-dee, posso viver com isso. Talvez
nunca supere a vergonha da decepção, mas isso não me destruirá. Minha
companheira não permitirá. Sinto um rugido de prazer no peito por ter uma
mulher ao meu lado. "Minha companheira", eu digo baixinho. "O que eu faria sem
você?"
Os olhos dela se arregalam. "Sua companheira"
“Você é desde o dia em que me reivindicou.” Eu acaricio meu polegar sobre sua boca
macia, estranha e rosada. "Não há outra para mim. Nunca houve.”
"Nem minha irmã?" Sua voz é estrangulada.
Nunca "Sua irmã é o meu maior erro. Eu acho que nunca gostei ”
Mah-dee morde gentilmente meu polegar quando acaricio sua boca com ele
novamente. "Você pode querer aprender a amá-la, já que ela é minha família"
"Porque ela é sua família, eu a tolerarei"
As risadas de Mah-dee. "É terrível que você diga isso, e eu não devo rir"
"Você deveria rir. Você deveria rir o tempo todo. Eu amo ouvir isso. Isso me faz
feliz”. Eu me aproximo. "Você me faz feliz"
O sorriso dela escurece um pouco. “É horrível ser tão feliz quando as coisas estão
tão podres para tantos. Eu posso ... ”Sua expressão muda para uma de preocupação,
e ela pega meu colete. "Oh, meu Deus. Você sente isso?
"O que?" Não sinto nada além do rugido quente e contente no meu peito.
"Eu acho que é outro terremoto!"
O pânico em sua voz me faz puxá-la para protegê-la contra o meu peito, e corro
meus ombros sobre sua forma menor, tentando protegê-la com meu corpo. Não
estamos seguros aqui neste pedaço de terra. "Te tenho"
Um longo momento passa e espero senti-lo. No entanto, não sinto nada sob meus
pés, apenas o calor dela pressionado contra mim e as cócegas de sua juba contra meu
queixo.
Ela endurece contra mim e depois recua, franzindo a testa. "Ok, isso vai parecer
estranho ..." Sua mão pressiona o centro do meu peito. "Mas você está
estremecendo. Querido, você tem indigestão?
Não pergunto o que ela quis dizer. Agora eu também sinto isso. A vibração,
lentamente retumbando no meu peito que está espalhando calor por todo o meu
corpo. Eu ... não ouso ter esperança.
Eu me ajoelho e pressiono minha cabeça contra seus mamilos, ouvindo. Esperando.
"Oh", ela suspira, assim que seu peito começa a ressoar. Oh. Eu acho ... Eu acho que
o chão não está tremendo. Eu acredito que sou eu "
"E eu", digo, a alegria mais absoluta correndo por mim. Eu a seguro apertado,
enterrando meu rosto contra ela quando a ouço khui começar sua música.
Está cantando para mim.
E eu estou cantando em resposta também.
"Oh meu Deus", diz Mah-dee, sua voz desmaiada. "É o que eu acho que é?"
"Deixe acontecer", murmuro, acariciando suas costas. “Nós devemos ser, Mah-dee.
Até nossos corpos sabem disso. "
“Eu ... acho que sim.” Suas mãos vão para minha crina, e então ela toca minha
bochecha, acariciando meu rosto. "Eu amo você, grandalhão. Você sabe disso, certo?
Eu acaricio seus seios, desejando que ela não tivesse tantas camadas de pêlo. Eu
quero ouvir a música em seu peito tão alta quanto a estrondosa através da minha.
Eu quero sentir seu calor. Eu quero lamber seus mamilos e provar o suco de sua
vagina. Estou com fome disso com todo o meu corpo. Preciso dela. Aqui mesmo.
Agora mesmo.
Coloco minha mão sob sua túnica e depois ao redor da cintura de suas calças. Seu
pequeno grito de surpresa é abafado um momento depois pelo gemido de prazer
que ela solta quando meus dedos roçam seus cachos. Ela está molhada de
necessidade, seu perfume perfuma o ar e dá água na minha boca. "Eu devo tentar
isso", eu gemo, puxando suas roupas de pele de lado. "Vire as costas para mim, Mah-
dee, para que eu possa provar sua boceta"
Ela geme, desliza de joelhos. "Deveríamos? Os metlaks ... "
"Eles não podem chegar aqui. Eles estão muito atrasados." Longe o suficiente, pelo
menos. Travo um braço atrás das pernas e o outro atrás das costas, manobrando em
direção ao chão. No momento em que sua crina amarela se espalha na neve, eu a tiro
das calças, puxando-as pelos quadris. Estou desesperado por ela. A ressonância
zumbe através de mim, sua música mais poderosa que eu já imaginei. Como os
outros combatem isso? Não posso dar outro passo sem agradar minha Mah-dee. Eu
vou morrer se não tiver agora.
Eu sofro para me enterrar dentro dela, em guerra entre lamber suas dobras doces ou
penetrá-la diretamente e sentir o aperto firme de sua boceta ao meu redor. Faz horas
desde a última vez que nos acasalamos? Parece muito tempo. Parece uma
eternidade.
O suave gemido de necessidade de Mah-dee decide por mim. Devo agradar minha
companheira. Agora.
Eu levanto as pernas no ar, usando o couro de suas calças como uma alça. Suas coxas
se abrem diante de mim, molhadas e coradas com um delicado e suave rosa. Entre
eles, sua boceta brilha molhada para mim. Para mim. Eu rosno com prazer e enterro
meu rosto lá. Ela grita de surpresa, e eu sinto o tremor percorrer seu corpo enquanto
minha língua rasteja sobre suas dobras. Seu sabor nunca foi tão delicioso. Voraz,
coloco meu braço em suas coxas e redobro meus esforços, dando-lhe prazer com
minha boca e minha língua. Ela grita e torce contra mim, murmurando coisas como
"foda-se" e "sim" e "parece que você é ruim" e "exatamente assim". Enquanto isso,
seus sucos escorrem pelas coxas e pela minha língua, e a ressonância em seu peito
canta tão alto quanto a minha.
"Até sua boceta tem um gosto mais doce", eu digo roucamente entre as voltas duras
e insistentes da minha língua. "Como é possível?"
"Eu não sei", ela engasga. Suas mãos envolvem um dos meus chifres, e ela empurra
meu rosto mais fundo em sua boceta. "Não me importa. Apenas ... continue ...
fazendo isso. "
Uma tarefa fácil - estou com fome disso. Eu empurro minha língua dentro de seu
núcleo, acariciando-a dentro e fora como meu pau. Ela grita e suas coxas tremem
contra o meu braço.
"Meu clitóris", ela exige.
Eu empurro minha língua em sua direção novamente e movo minha mão entre suas
coxas. Eu descanso meu polegar no terceiro mamilo e esfrego enquanto cavo fundo.
Ela grita, segurando meus chifres, e eu sinto sua boceta tremer, tentando me
envolver. A necessidade de estar dentro dela se torna insuportável, e eu gemo
enquanto puxo meus couros para baixo, liberando meu pau dolorido. Quando me
sento, ela grita em protesto, mas depois estou afundando nela, e seu protesto se
afoga em outro gemido com o meu nome. Estar dentro dela, ressoando? Meus olhos
se fecham. Não há prazer mais doce. Agarro seu quadril com uma mão e a penetro
profundamente.
Esta é a minha casa. Mah-dee é minha casa. Aqui, dentro de sua vagina, é onde eu
pertenço. Volto a ela e sinto suas paredes apertarem ao meu redor, me segurando
como um punho. Eu quero entrar nela para sempre, sentir seu canal escorregadio
ao longo do meu pau, mas a ressonância está me dominando. Sinto meu saco
apertar, e então estou explodindo nela com impulsos selvagens, enchendo-a com
minha semente enquanto derramo com intensidade brutal. Ela geme meu nome,
sua boceta apertando com força, enquanto eu a bato repetidamente.
Mesmo quando estou exausto, minha semente sai dela e desce pelas coxas quando
solto meu membro, ainda estou duro. A necessidade ainda ressoa. Eu esfrego meu
peito, feliz e um pouco alarmado por ela poder aguentar novamente mesmo agora.
E outra vez.
E possivelmente de novo, de novo e de novo, pelas próximas horas. Ou dias. Não é
de admirar que Rokan não saiu da caverna com Li-lah por dias. A necessidade de
ressonância é esmagadora.
"De acordo". Mah-dee desliza as pernas devagar, seus movimentos lânguidos. "Não
acredito que fizemos isso."
"Ressonância?” É o maior desejo do meu coração.
"Não, grande tolo" Ela se apoia nos cotovelos. - “Não acredito que você me jogou
na neve e me acertou. E foi incrível. ” Ela olha para os penhascos íngremes acima da
cabeça. "Você não acha que os Metlaks ainda estão nos assistindo, acha? Isso pode
estragar as memórias. "
Balanço a cabeça. “Eles desistem facilmente com suas presas.” Estendo a mão para
o lado dela e a puxo contra mim, colocando seu corpo contra o meu peito.
"Diferente de mim".
Ela bufa, deslizando uma mão por baixo do meu colete e acariciando minhas costas.
Meu khui imediatamente começa a cantarolar alto, e sinto a necessidade de levantá-
la novamente. "Isso foi tudo ... inesperado", Mah-dee me diz. "Nunca pensei..."
“Todos os outros humanos ressoaram.” Eu a abraço mais forte, imaginando se ela
tivesse ressonado com outra pessoa. O pensamento me faz querer arrancar a
garganta de quem olhar para ela. Minha.
"Sim, mas eu não sou exatamente ... a mãe típica" Ela treme contra mim, e suas mãos
estão paradas. "Você acha que acabamos de fazer um bebê?"
"Ainda não". Não se minha necessidade for uma indicação. Eu ainda estou com
fome por isso. Eu não estou satisfeito nem um pouco.
“Mas é assim que funciona, certo? Ressonamos até que haja uma criança?” Parece
preocupada. "Eu não sei se é a hora certa ..."
"Por que estou no exílio?" Dói-me pensar que posso estar a decepcionado.
Mah-dee me bate no lado. "Não seu estúpido. Porque todos nós somos exilados.
Somos todos sem-teto. Não é só você. Somos todos nós. Você não pode ser exilado
da caverna, não há mais cavernas. " Ela pressiona sua bochecha contra o meu peito
e sua perna enrola na minha, um movimento que faz meu pau doer com a
necessidade de me enterrar dentro dela. “Não quero ser um fardo no momento em
que todos farão sua parte. Não sei se você notou, mas tenho um pouco mais de peso
do que a maioria. "
Suas palavras não fazem sentido. "Seu peso não é motivo para ter vergonha"
"Não é assim?"
Eu olho para o rosto dela. Ela está zangada? “Você é resistente. É forte. Você é
saudável. Por que eu deveria me importar? "
"Por que é preciso mais para me alimentar? Por que preciso de mais couro do que
Josie para um novo roupão?”
Esta louca. "Jo-see come mais por dois humanos. Isso significa que devemos nos
livrar dela?
"Bom não..."
"E Farli logo será mais alta que todas as mulheres humanas. Devemos nos livrar
dela?”
"Agora você está procurando apenas um metro para o gato ..."
"Eu amo seu corpo humano robusto", eu digo, inclinando-me para beijar sua boca
rosa. “Eu amo suas coxas macias que tremem quando mergulho em você. Eu amo
seus peitos grandes e saltitantes quando meu pau está dentro de você. Essas coisas
não mudam nada. Se você fosse do tamanho de Jo-see, eu cuidaria de você da mesma
maneira que agora.”
“Isso é bom, porque tenho certeza de que nunca serei como a Josie.” Ela está
sorrindo enquanto olha para mim. "Estou bastante convencida de que uma das
minhas mamas é maior que sua cabeça"
"Isso significa apenas que você pode alimentar nosso kit com muito leite"
“Eu tenho certeza que o tamanho dos seios não tem nada a ver com a produção de
leite, mas tudo bem.” Seus braços envolvem meu pescoço e ela me olha com olhos
grandes e preocupados. “Ainda não tenho certeza de como me sinto em ser mãe. Na
metade do tempo, nem tenho certeza de que posso me cuidar. "
"Eu estarei com você", eu digo. "Vamos fazer isso juntos."
"Vamos enlouquecer!"
Eu a coloco de costas, separando suas coxas. Seu khui começa a cantar mais alto. A
pergunta em seu olhar é silenciada quando eu esfrego a cabeça do meu pau ao longo
de sua boceta molhada e depois mergulho nela.
“Novamente?” Ela pergunta fracamente, e eu posso sentir seu corpo tremer
profundamente.
"Novamente", assento. "Repetidamente, pelo resto de nossos dias"
Então ela diz algo sobre Jay-sus e uma bicicleta antes de suas pernas envolverem
meus quadris mais uma vez.

Capítulo 15

MADDIE

Estou um pouco impulsiva no coração, mas depois de quatro rodadas na neve dou
um tapinha nas costas do meu novo amigo e digo a ele que precisamos nos mudar.
Meus couros estão molhados da neve, estou com frio e com fome. Ainda estou
excitada, obrigado, mas também gostaria de uma fogueira antes do anoitecer.
Hassen me ajuda a arrumar minhas roupas e tira a pele extra de sua mochila,
envolvendo-a em volta de mim. Ele rouba alguns beijos enquanto faz isso, e eu não
posso ficar brava. Estou um pouco preocupada com o futuro, claro, mas com raiva?
Não. É estranho, mas tudo parece ... certo. Como se isso acontecesse. Talvez a razão
pela qual eu tenha sido atraída por Hassen esse tempo todo seja porque sempre
estivemos destinados a ficar juntos.
Ótimo, agora pareço um dos alienígenas.
Pressiono a mão no ronronar do meu peito. É tão estranho. Eu pensei que seria
estranho, mas é reconfortante, na verdade. E o sexo? Ok, sexo está fora de cogitação.
Talvez o momento da ressonância pudesse ter sido melhor, mas não acho que eu
seja uma daquelas que se senta e diz: "Sim, estou pronto para ser mãe".
Além disso, ressoando um com o outro quando estamos em perigo e sem teto?
Ainda podia ser melhor.
"Você está quieta", diz Hassen, curvando-se para consertar minhas botas. "Você se
arrepende?"
Continua me fazendo perguntas assim, e meu coração dói o tempo todo. Ele acha
que ela é uma pessoa tão horrível para se acasalar? Que eu gostaria de não ter
acasalado com ele? "De nada. Eu escolheria você sobre qualquer outro membro da
tribo. "
Hassen se levanta, com uma pitada de preocupação no rosto. "E sua irmã?"
"Ela vai conseguir. Eu não acho que te odeia, grandão. Só acho que não queria ser
sua namorada. " Eu sorrio para ele. "O que é bom, porque isso seria um pouco
nojento".
"A idéia de acasalar com sua irmã me deixa doente"
"Bem".
"E pensar que eu estava prestes a cometer um erro ..." Ele me empurra contra ele em
um abraço rápido. "Estou feliz que é você, Mah-dee"
"Estou feliz por ser eu também." Eu o aperto de volta e olho para o caminho sinuoso
de pedra. - “Você acha que vamos encontrar uma maneira de sair daqui? Ou vamos
ter que voltar?”
“Existe uma maneira de checar.” Ele para e olha para mim. "Eu tenho que te levar?"
"O que? Por quê?"
"Por que você está fraca por acasalar? Senti suas pernas tremerem toda vez que te
penetrei ”.
"Oh, meu Deus. Sem palavras sujas enquanto tento falar sério, por favor.” Eu aperto
meus joelhos porque ouvir isso está me excitando. "E eu posso andar. Eu o
informarei se isso mudar. "
Ele pega minha mão na dele e me abraça com força. Ele tira a mochila das minhas
costas e eu permito, porque estou um pouco cansada, se estou admitindo para mim
mesma. Ser desossado uma polegada de sua vida por um cara azul de um metro e
meio de polegasa é um grande desafio para sua resistência, ok. Mas não estou
reclamando.
O canyon em que estamos amplia quanto mais avançamos. A área em que caímos
tinha cerca de seis metros de diâmetro. Aqui, pode ser cem. "E tudo isso nunca
esteve aqui antes?" Pergunto-lhe.
Hassen balança a cabeça. "O movimento da terra abriu a terra"
"Ou talvez isso estivesse sob o gelo o tempo todo e o gelo estivesse muito grosso?"
Há muito pouca neve caindo por aqui, e é estranho imaginar tudo isso surgindo
magicamente.
"Talvez". Ele dá um passo à minha frente, um pouco, e pega sua lança com a outra
mão. "Seremos cautelosos caso haja mais gelo"
Não gosto de pensar nisso. Se cairmos em uma segunda camada de gelo ainda mais
profunda, não sei como vamos sair. Eu olho para as paredes íngremes do
desfiladeiro. Não tenho muita certeza de como vamos sair daqui, principalmente se
os Metlaks ainda estiverem lá, mas uma coisa após a outra. Hassen não deixará nada
acontecer comigo ... ou com o nosso bebê.
Eu toco meu estômago. Um bebê. Bolas de merda! Estou apavorada e animada ao
mesmo tempo. Ainda mais imediato e maravilhoso, no entanto, é que eu tenho
Hassen. Nós acasalamos, tanto física como espiritualmente. Nossos corpos sabem
que devemos estar juntos. Não estou mais sozinha, e ele também não. Estou
impressionada.
Também poderia estar um pouco drogada com endorfinas, mas tanto faz.
"Você quer um menino ou uma menina?" Eu pergunto a ele enquanto caminhamos.
Devo admitir que não estou prestando atenção ao que nos rodeia - neve e pedra,
pedra e neve -, mas estou vendo o perfil delae como uma espécie de adolescente
sonhadora. Ele é o cara mais bonito do planeta. Meu piolho é inteligente.
"Eu ficaria feliz com qualquer um. Tudo o que eu quero é que nosso kit seja
saudável ... e pareça com você ", acrescenta ele depois de um momento. "Mas se eu
quisesse, eu escolheria uma garota"
Oh! A maioria dos meninos não quer um filho que se pareça com eles?
Seu polegar acaricia meus dedos enquanto caminhamos, me distraindo. Eu posso
ouvir o ronronar em seu peito quase tão alto quanto o meu, e me pergunto se isso
significa que estamos prestes a ter o número cinco na neve. Duvido que tenhamos
caminhado uma milha ainda ... mas concordo com isso. "Eu gostaria de uma garota",
diz ele, me tirando dos meus pensamentos sujos. “Porque nossa tribo teve tão
poucas por tanto tempo. Gostaria que outros experimentassem a alegria que sinto
agora. ” Olha para mim. "E eu gostaria que ela tivesse sua crina amarela"
"Estou lisonjeada e horrorizada por você querer que nosso bebê se pareça comigo e
por estar pronto para entregá-la a um cara antes que ele seja uma célula no meu
ventre."
"Não é apenas alguém", ele me diz, passos rangendo na neve enquanto caminhamos.
"Ele teria que provar que é digno disso. E se ele é meio preguiçoso como Taushen,
eu vou bater na cabeça dele com minha lança.
Eu rio. Assim está melhor. "Taushen é preguiçoso, então?"
Ele faz uma careta. "Ele é jovem e eu prefiro passar um tempo conversando com
Farli do que verificando suas redes".
Então é basicamente como qualquer outro adolescente. Eu sorrio para mim mesma.
"Vamos voltar para o nosso bebê. Que tipo de nomes você gosta?
"Como quer que queira chamar. Desde que as fêmeas humanas chegaram, meu
povo tem combinado nomes. " Ele para em seus passos, franzindo a testa.
Eu também paro, feliz por estar ao seu lado enquanto fazemos uma pequena pausa.
Estou pensando em nomes, em juntá-los mentalmente. Como Madsen? Ou Hassie?
Eu tenho que admitir, eu não sou um grande fã de Hassie, e meu nome verdadeiro
é Madeline, não Maddie, então acho que isso muda as coisas ... "
"Um barco".
Demoro um momento para perceber que ele não está sugerindo que chamemos
nossa filha de Una-ave, mas que ele está dizendo uma nave. "Como assim, uma
nave?"
Ele aponta para frente, um olhar incrédulo em seu rosto. "Há uma nave aqui em
baixo"
O cabelo na parte de trás do meu pescoço fica arrepiado. Ainda não sei do que ele
está falando, então olho para onde ele está apontando. Não vejo nada além de pedras
à frente e não há sinais de naves alienígenas. Tudo o que vejo é mais pedra, uma fina
camada de gelo cobrindo a parte do penhasco que ele está apontando.
Então, eu vejo.
Não é uma nave, é claro. Eu acho que sua mente bárbara ouve a palavra "navio" e
assume "caverna" ou "lugar onde as pessoas vivem" porque não é uma nave. É pedra,
mas é uma pedra cuidadosamente empilhada, pedra quadrada que se curva ao longo
da parede do cânion e mais ao longo da curva na trilha que a segue. Isso me lembra
um daqueles filmes de Indiana Jones em que o herói olha para cima e vê a entrada
para uma cidade na selva esquecida.
Exceto que isso não é uma selva. É um planeta alienígena. E não achei que alguém
morasse aqui, exceto nós.

Capítulo 16

MADDIE
É tão estranho virar a esquina para o que é uma fenda desabitada em um planeta
deserto e congelado, povoado com nada além de outros alienígenas em colapso ... e
perceber que havia mais alguém aqui antes de você.
Muito, muito antes de você.
Estendo a mão e toco em uma das pedras uniformes e bem empilhadas que
compõem a parede em ruínas. Aos meus pés há pedras mais uniformes, cobertas por
uma fina camada de gelo e detritos. Pedras de pavimentação. Essas pedras se
estendem para a frente e, quando deixo meu olhar se mover, vejo mais pedras, mais
caminhos de paralelepípedos ... e então, adiante, vejo edifícios.
Contra as paredes da fenda, existem muitos edifícios de pedra em ruínas. Eles são
quadrados e uniformes, alinhados em uma rua, e se eu já tive alguma dúvida de que
essas coisas eram feitas pelo homem (ou alienígenas), elas foram firmemente
deixadas de lado. Alguém morou aqui. Alguém morou aqui há muito tempo ... ou
está morando aqui agora.
"Este não é uma nave", digo a Hassen. "É uma cidade"
Ele franze a testa, tentando digerir esta palavra. "É um lugar onde as pessoas moram?
Como uma caverna tribal, mas ao ar livre?
"Certo"
Uma caverna tribal ao ar livre é o que está diante de nós. Não é uma cidade como a
que conheço, com arranha-céus e subúrbios. É uma cidade paleolítica de algum
tipo, situada ao longo das paredes do desfiladeiro rochoso. O caminho de
paralelepípedos sob meus pés se estende e leva a fileiras organizadas de pequenos
prédios de tijolos sem teto. Eles são quadrados e dispostos em fileiras organizadas
ao longo das ruas, quase como se alguém tivesse pegado uma grade e as colocado
exatamente onde deveriam estar. O tamanho de cada um é uniforme, quase do
tamanho de um quarto em casa, e mais abaixo na rua, os prédios ficam maiores, um
do tamanho de uma casa. Mas ainda não há teto.
Tudo é muito estranho. É como se todos os tetos desaparecessem e então ... todos
fossem embora? Mas isso não faz sentido.
"Eu não sei se alguém está aqui" Eu não vejo ninguém se mexendo, e a sensação que
tenho é de ... quietude. Silêncio. Vazio. Em um lugar tão grande, certamente haveria
barulho. Paro no meu caminho e começo a contar edifícios.
Paro quando chego aos 40, porque existem muitos edifícios. Há mais do que isso,
mas isso me diz muito, esse foi uma cidade de algum tipo. É uma cidade. "Poderia
ser ... Metlaks?"
Ao meu lado, Hassen faz um barulho de nojo. "Eles não criam coisas. Eles não vivem
em naves ".
"Cidades".
"Cidades", altera.
"E seu pessoal não construiu isso?"
"Se eles tivessem, eles não morariam aqui?"
Sim, acho que sim. Não parece natural deixar para trás uma cidade perfeitamente
boa. "Então, para onde eles foram? A menos que eles estejam aqui e não possamos
vê-los. " Penso nos Metlaks que nos assombraram antes e me aproximo um pouco
de Hassen, assustada.
"Não há pegadas", diz ele, apontando para o caminho diante de nós, e depois se
virando e acenando com a mão em direção ao caminho que deixamos para trás. "Se
houvesse pessoas, veríamos vestígios delas"
"Eu sei. A lógica diz que não há ninguém aqui, mas ... ”
Ele acena com a cabeça em concordância. "Eu sinto o mesmo". Ele solta minha mão
e as coloca em volta da boca. "Ho! Tem alguem ai?"
Seu grito ecoa nas paredes do desfiladeiro. É arrepiante, mas eficaz. Depois de um
momento, estou bastante convencida de que também estamos sozinhos aqui. Sou
corajosa o suficiente para dar alguns passos à frente, olhando para cima. A luz do
sol brota de cima, mas as paredes são íngremes e não vejo estrada ou caminho.
Ninguém virá deste endereço.
Então, embora isso seja selvagem e estranho ... também parece um pouco mais
seguro do que eu esperava. "Você acha que devemos ficar aqui hoje à noite?"
"Aqui onde?" Hassen me olha com curiosidade. "Em um dos buracos?"
“Acho que eram casas, embora não saiba para onde foram os telhados.” Dou de
ombros. "Nós poderíamos colocar uma pele em um canto e fazer um pequeno ninho
para a noite. Explorar o local e ver o que podemos encontrar. Talvez haja uma pista
de onde essas pessoas foram ".
"Eles estão todos mortos?", Ele pergunta.
"Boa pergunta". Eek, espero que não. “Embora exista apenas uma maneira de
descobrir. Nós vamos explorar? "
Hassen parece preocupado. "Eu não sei. É como entrar na caverna de um caçador
deixada por um ... um estranho. Eu não sei como eu me sinto"
Eu acho que estranho é um ótimo conceito para um cara que cresceu conhecendo
todas as pessoas do planeta. "Tudo vai ficar bem", eu digo, estendendo minha mão.
“Vamos verificar juntos. Prefiro ver o que está aqui embaixo do que voltar e
enfrentar os Metlaks.
Ele assente lentamente, depois pega minha mão, sua lança firmemente agarrada na
outra. "Vamos ver o que podemos encontrar, então"

∗∗∗∗∗∗∗

Não importa o que aconteceu com as pessoas desta pequena cidade da Idade da
Pedra, não foi uma praga, nem fome, nem nada. Olhamos para cada casa e todas
estão vazias. Cada um delas é completamente livre de pessoas - e ossos - o que me faz
sentir melhor. Acho que provavelmente teria me virado e encarado os Metlaks se
tivéssemos encontrado muitos corpos. É tudo muito calmo e pacífico, apenas ...
vazio.
Eu também acho que ele é velho, e estou dizendo a Hassen. Peças do que deveriam
ter sido móveis apodreceram em algumas das pequenas "casas". Não resta nada além
de algumas fotos e muita poeira sugerindo que aqui estavam coisas que não
sobreviveram aos elementos. Tudo é coberto com uma fina camada de gelo. Até o
chão. Cada uma das pequenas casas é feita da mesma maneira, uma pequena praça
perfeita com uma seção coberta de gelo que deve ser uma fogueira e algo que parece
suspeito como uma área de cozinha. Há um cubículo coberto de entulho anexado a
toda casa que tem sujeira e detritos cobertos de gelo, e eu não consigo imaginar para
que eles devem ser usados ... até encontrar um que tenha um buraco no chão e então
fico animada.
"Essas pessoas não são da Idade da Pedra", digo a Hassen. "Esse é um banheiro
maldito." Eu me ajoelho sobre o buraco coberto de gelo. "Me dê sua lança!"
"O que você está fazendo, Mah-dee?"
"Procurando por canos", eu digo. Ele me da sua lança e eu prego sua basea contra o
gelo, quebrando a capa grossa depois de algumas facadas descobrindo o buraco.
Dou uma olhada e depois jogo um pedaço de gelo no buraco. Não vejo nada lá
embaixo, mas, apesar das sombras, parece haver algum tipo de cano.
Tubos de drenagem também são tubos.
"Essas pessoas tinham banheiros", eu digo animadamente. Eu me levanto. As
paredes de pedra de repente parecem muito menos rudimentares para mim. Os
romanos tinham água encanada e canos, não tinham? Talvez este seja o planeta de
gelo equivalente a uma antiga civilização romana.
Vou ignorar todo o equivalente Pompéia-Vesúvio que meu cérebro extrai
imediatamente. Não há lava aqui. O vulcão estava a um milhão de quilômetros de
distância. "Este lugar é ótimo, Hassen!"
"Por que isso é fantástico?" Ele olha para mim, sobrancelhas baixas.
"Os banheiros. Isso significa água corrente em algum lugar aqui. Vamos olhar!"
Ele está confuso com a minha excitação, mas ele pega sua lança e me segue enquanto
corro pelos restos congelados da cidade.
Não estou enganada na casa grande, há uma fonte de água quente azul brilhante
borbulhando, as bordas alinhadas com paralelepípedos quadrados. Parece
profundo e cheira mais fedorento e sulfuroso que o da caverna antiga, mas é água
fresca. Eu olho ao meu redor. “Talvez fosse uma casa de banhos. ou um local de
encontro comum ”. Eu vejo muitos bancos e outro buraco que provavelmente é
uma fogueira. "Este lugar é ótimo!"
"Mmm"
Eu me viro para olhar para Hassen. "Não gosta?"
“Eu não gosto de que tinha pessoas aqui, Mah-dee.” Ele ainda segura sua lança,
alerta. "Como pode haver pessoas morando aqui sem que a tribo saiba disso?"
"Talvez eles sejam outros sa-khui?" Esfrego o lábio enquanto penso. "Na verdade,
isso não pode estar certo. Você caiu aqui cerca de trezentos anos atrás, e essas ruínas
parecem muito mais antigas. Isso significa que este planeta foi habitado antes de
você chegar ".
Sua boca é colocada em uma linha escura. "O que significa isto?"
"Eu não sei", eu digo honestamente, esfregando os braços. "Isso pode significar
muitas coisas. Isso poderia significar que as pessoas que moravam aqui se foram há
muito tempo e nós somos os únicos que restam no planeta. Isso pode significar que
existem pessoas que moram em outro lugar, mas estão distantes. Talvez eles não
gostaram do tempo frio aqui e foram embora.”
"Para Jo-see Island?" Bufo "Se sim, eles já se foram"
Estou chocada com a idéia de outra tribo de pessoas afetadas pela pobreza do modo
de vida. “Você pode não estar enganado. Mas nós não sabemos. O que eu acredito
é que devemos ficar aqui hoje à noite e depois temos que dizer a Vektal. Este poderia
ser um lugar para morar durante a temporada brutal ".
Olhe em volta, claramente não vendo o que vejo. "Aqui?"
“Sim, aqui.” Eu aceno para a piscina de água. "Nós temos água. Temos
encanamento, mesmo que esteja congelado. Nós temos casas. Elas são como
cavernas. As pessoas vivem nelas ”
"Não há tampas!"
"Nós podemos fazer tampas", eu digo. “Tetos, quero dizer. Podemos fazer telhados
para cada uma das casas. E olhe para este lugar!” Eu aponto para as altas paredes do
desfiladeiro. "Estamos confortáveis aqui. Aposto que não há muita neve. Nenhum
Metlak vai andar por aqui.
"Nem qualquer sa-khui. Caímos por um buraco ”, ele diz em uma voz plana.
"Então nós podemos fazer escadas. O que quero dizer é que não é a pior ideia. ”
"E se as pessoas que deixaram voltarem?"
"Tenho certeza de que eles não voltarão, grandão". Olho em volta da casa vazia e
desolada, tentando imaginá-la cheia de pessoas e móveis, com um fogo aceso na
grande lareira. "Tenho certeza de que todos eles deixaram centenas ou milhares de
anos atrás."
Capítulo 17

HASSEN

Mah-dee está certa sobre uma coisa, as "cah-sas" são quentes.


Terminamos de explorar e escolhemos uma das estruturas menores em forma de
xícara para a noite. Sob as instruções de Mah-dee, uso minha lança e várias peles
extras que carregamos para formar uma barraca no topo do cah-sa. Acendemos um
fogo no centro, e ela se move no meu colo para que eu possa envolvê-la na minha
pele e deixar que o calor do meu corpo a aqueça enquanto o sol se põe e escurece.
Uma vez que o fogo está queimando, ela não precisa do meu calor. A pequena
estrutura da cah-sa não demora muito para esquentar. Com o fogo aceso, é quase
agradável.
É muito calmo, não muito diferente da caverna da tribo quando todos os caçadores
estão viajando. Talvez Mah-dee esteja certa e este seja um bom lugar para nosso
povo. Penso na empolgação dela com os banheiros. Isso é bom, ela me diz. A piscina
de água quente parecida com nossa piscina em casa? Também é bom. O que
podemos transformar essas estruturas em pequenas cavernas quentes para cada
família? Este lugar está esperando para ser habitado novamente.
Mah-dee está animada. Ela acha que o chefe também ficará. Ela acredita que
podemos passar a temporada brutal aqui e ser felizes.
Mas duvido. Para mim, não é minha casa.
É um lugar frio e estranho que alguém deixou para trás. Não sei o que pensar sobre
isso.
Eu sei que esse pensamento está errado. Eu reflito sobre isso enquanto olho para o
fogo e seguro minha companheira perto. Os seres humanos se adaptaram à nossa
terra, certo? É estranho e aterrorizante para eles, e ainda assim eles fizeram o melhor
possível. Talvez seja hora de o sa-khui se adaptar à mudança também.
Esfrego os braços da minha companheira enquanto ela dorme no meu colo.
Talvez eu precise aprender a ser corajoso como minha humana. Mah-dee tem sido
forte e confiante desde que acordou das estranhas bolhas alienígenas. Quando a
irmã chorou, Mah-dee a protegeu. Quando a peguei, Mah-dee lutou com os outros
e queria recuperá-la. Mah-dee não sabe como parar. Ela nunca desiste. E ela vê tudo
- até esse lugar estranho e vazio - como uma oportunidade.
Eu preciso ser mais como minha doce companheira. Aceitar as mudanças que
entram na minha vida, da maneira que ela as aceita. Após a morte de minha família,
vivi com medo de mais mudanças. Quando roubei Li-lah e acabei sem nada, pensei
que a mudança era ruim. Eu pensei que tinha cometido erros e me arrependi de
minhas decisões.
Mas essas escolhas, essas mudanças me trouxeram Mah-dee, e ela é o melhor
presente que um caçador poderia pedir.
Talvez este lugar seja tão bom para o meu povo quanto Mah-dee para mim. Deslizo
a mão sobre sua coxa, me sentindo possessivo.
Meu khui imediatamente começa a roncar, sentindo meu humor. No meu colo,
Mah-dee dá um pequeno suspiro de prazer e se inclina contra mim, expondo seu
pescoço. Eu a belisco e movo minha mão entre suas coxas, alcançando seu pequeno
mamilo lá.
"Hmm, o que você está fazendo, Hassen?" Sua mão se move para a minha crina, e
ela torce os dedos enquanto me abraça. Suas costas arqueiam quando encontro o
ponto sensível em sua vagina e o acaricio. “Oh. É isso que estamos fazendo?”
"Estamos ressoando", digo entre beijos no pescoço macio dela. “Isso acontecerá e
acontecerá muitas vezes. Esta noite você é minha e só minha. "
"Total e exclusivamente sua", ela concorda, e eu ouço um sorriso em sua voz. “É
meio estranho, não é? Estar em casa e não ter outras pessoas por perto ”
"Muito estranho", eu concordo. Sinto falta dos sons de uma caverna movimentada,
mas depois de ser exilado, estou me acostumando. “Mas como você, acho que vai
funcionar. E amanhã partiremos e começaremos nossa jornada de volta para casa
para contar ao chefe sobre este lugar. " Meus dedos acariciam suas dobras macias e
molhadas. "Mas primeiro..."
"Primeiro", ela concorda, ondulando seus quadris contra a minha mão. "Primeiro,
nós temos todo o sexo"
∗∗∗∗∗∗∗

MADDIE
Duas semanas depois

"Vamos lá, grandão! Vamos lá! Você está se atrasando e estamos perto da linha de
chegada! ” Eu digo do meu lugar no primeiro trenó.
Hassen olha para mim, olhos estreitados. "Você esteve gritando durante toda a
manhã"
“É porque você não é um ótimo ouvinte, bebê.” Eu sorrio alegremente para ele para
tirar o aguilhão das minhas palavras. “Respire fundo e vamos lá! Ou você está muito
cansado? Você quer que eu saia e ajude você?
"Fique onde está", diz meu companheiro delicioso e sombrio. "Você precisará de sua
energia para mais tarde"
Apesar das semanas de ressonância, ainda sou burra o suficiente para corar e ficar
animada também. Aperto minhas coxas e tento não pensar muito em sexo, porque
se isso acontecer, meu piolho começa a ronronar, e então o seu piolho começa a
ronronar, e então pulamos na neve como um par de animais selvagens.
É muito divertido, mas também nos atrasou. A cada dia que passa, fica um pouco
mais frio e com neve, e suspeito que a temporada brutal esteja quase chegando. Isso
significa menos tempo para brincar e mais pressa para chegar em casa.
Essa é a razão pela qual eu ando de trenó em vez de puxar um atrás de mim.
Temos dois trenós conosco, um maior que o de Hassen atrás dele e outro menor
para o meu esqueleto. Ambos estão cheios de peles, alimentos e esterco seco como
combustível. Abatemos animais de caça e descascamos e fumamos carne enquanto
viajamos, adicionando-a à pilha de suprimentos para não destruir todas as cavernas
de caçadores que encontramos. Eles não estão completamente vazios, no caso de
alguém ter que vir durante uma emergência, mas estão definitivamente no osso. Por
enquanto, no entanto, levar suprimentos para a tribo é a coisa mais importante e,
como arrastar um trenó me deixa exausta demais todos os dias para chamar a
atenção do meu parceiro, ele decidiu que deveriamos amarrar os dois trenós juntos
e eu precisava subir em cima dele. De um deles enquanto ele puxa. O que parece
ridículo, exceto que ... funciona. E não desmaio quando paramos todas as noites,
deixando bastante tempo para nos aconchegar.
Meu Hassen deseja ter tempo para se aconchegar.
Ok eu também.
"Depois da próxima colina", ele me chama enquanto nos dirigimos a um dos muitos
vales ondulados. “E nós estaremos na Caverna dos Anciãos. Você está animada para
ver sua irmã?
"Não sei se animado é a palavra certa", falei. "Eu quero vê-la novamente, mas
também estou preocupada que ela perca a sanidade entre você e eu."
Eu o ouço rosnar enquanto ele cava os pés na neve, puxando um pouco mais forte
agora que estamos perto do nosso destino. “Ela terá que aprender um lugar seguro
para manter sua sanidade, então. Não tenho intenção de te perder.”
Eu sufoco minha risada com a resposta dele. Eu amo suas doces palavras,
especialmente quando misturadas com uma completa falta de conhecimento dos
eufemismos humanos. É divertido. Na verdade, tudo sobre estar com Hassen é
divertido. Eu o amo. Eu amo nosso sexo louco e apaixonado. Eu amo como ele me
abraça como se fosse a melhor coisa que já aconteceu com ele. Eu até amo que
viajemos juntos, embora seja difícil. Eu amo tudo.
Estou um pouco preocupada que a reação de Lila à nossa ressonância vá arruinar
minha felicidade.
Porque eu sou muito, muito feliz. Eu sei que devo estar cheia de desespero ou
preocupada com o futuro, pois houve um colapso e as pessoas estão feridas e o pai
de Warrek está morto. Eu sei que há muito estresse e que este lugar não é seguro e
que minha irmã nunca poderá receber sua audição e que estou grávida no pior
momento possível com um bebê que será meio alienígena e ... estou delirantemente
feliz. Como cagar no arco-íris e pássaros cantando feliz. E não é apenas porque eu
tenho feito amor regularmente - embora isso certamente ajude - mas porque eu amo
Hassen. Eu amo nossas conversas engraçadas e a maneira como ele se importa tanto
com tudo. Não consigo imaginar a vida sem ele ao meu lado.
Minha irmã vai ter que lidar, porque não vou desistir.
Estou perdida em meus pensamentos, tentando encontrar a melhor maneira de
amenizar as notícias que darei a minha irmã de que ressoei com o inimigo quando
percebo que os passos de Hassen estavam diminuindo a velocidade. - “Você precisa
que eu saia e caminhe por um tempo, grandalhão? Porque eu posso fazer isso. Não
me importa"
Ele não responde, e vejo que ele está olhando para algo mais longe. Eu me viro para
olhar.
E suspiro. Meu estômago aperta e todo o meu corpo parece ter sido mergulhado em
gelo.
Ainda estamos a uma curta distância, mas daqui posso ver algo se projetando sobre
os penhascos. Algo com curvas suaves de metal preto que estão completamente fora
de lugar nessa paisagem acidentada e com neve.
É a nave dos Anciãos. E parece que ele está completamente do lado dela. Ah Merda.
“É esse o ... tem que ser. Que significa isso?"
"Espere", Hassen me diz. Mal tenho chance de fazer isso antes que ele dê um passo
à frente, seus passos rápidos enquanto ele corre o resto da distância, indo em direção
a nave. Eu seguro as tiras de couro para me ancorar, preocupada. Se a nave estiver
de lado, ninguém poderá morar lá. Caramba, eu nem sei se alguém pode usar os
computadores. Tudo isso me preocupa.
Também é um pouco assustador, porque isso significa que é apenas mais um lugar
que foi removido da lista de possíveis locais para ficar durante a temporada brutal.
Agora, mais do que nunca, nossa descoberta da pequena vila de pedra escondida no
canyon parece importante. Eu sei que Hassen tem suas preocupações, mas acho que
estaremos seguros lá. Certamente mais seguro que no exterior.
Nós dois estamos em silêncio enquanto nos dirigimos para o vale, nos aproximando
da nave dos Anciãos. Mesmo a essa distância, vejo uma proliferação de pequenas
tendas escondidas, agrupadas em torno de uma fogueira central. A fumaça aumenta
e eu posso ver as pessoas se movendo. Isso significa que os sa-khui ainda estão aqui.
Bem. Um nó de preocupação na minha barriga afrouxa.
Algumas pessoas vêm até nossos trenós, e vejo Farli com seu animal de estimação,
que não está mais mancando. Há Georgie, segurando seu bebê enquanto ela se
aproxima, e Bek.
"Ho", grita Hassen. "Nós trazemos provisões." Sua voz é cuidadosa e uniforme, e eu
sei que tem que ser estressante. Seu olhar está focado em Georgie quando ele deixa
as alças do trenó. "Onde está meu chefe?"
"Ele está com Rokan e Lila", diz Georgie, movendo a filha de um quadril para o
outro. “Há um grande grupo na caverna de frutas coletando o máximo que pode
antes que a tempestade chegue.” Ela olha para o céu e faz uma careta. "Vai ser
desagradável, parece"
"A estação brutal está sobre nós", diz Hassen, sério. Ele se move para o trenó e
estende as mãos sobre mim, e eu o deixo me ajudar a descer. "Vocês estão bem?"
"Muito bom", diz Georgie. Olhe para Farli e Bek. "Você pode pegar os trenós?
Sevvah e Kemli estão fumando carne perto do fogo, e você pode pedir que as
companheiras ajudem a desempacotar as coisas. " Ela olha para mim, batendo Talie.
"Tem sido uma longa semana"
"Eu aposto que sim", eu digo, estendendo a mão para remover o bebê. Talie está
crescendo e Georgie parece exausta. "Então minha irmã não está aqui? A caverna de
frutas ainda existe?
"Ela voltará hoje à noite", diz Georgie, entregando seu kit. “Não tínhamos certeza
de quando eles voltariam, embora ela esteja animada em vê-la. E sim, a caverna de
frutas ainda está quase intacta, o que é bom. Eu tentei empilhar todos lá dentro, em
vez de aqui na neve, mas não há espaço suficiente. ”
"A Caverna dos Anciãos", pergunta Hassen, encarando o navio. "Está..."
"Do lado dele. Sim." Georgie esfrega a testa. "Rukh e Harlow dizem que
conseguiram sair bem a tempo, mas não há como nos acomodarmos lá no inverno.
Nós vamos ter que encontrar uma alternativa. ” Olhe para os trenós e um pouco da
tensão diminui em seu rosto. "Esses suprimentos vão ajudar muito. Fico feliz que
você voltou quando o fez ”
Parece ... derrotada. Isso não é bom.
"As cavernas do sul?", Pergunta meu amigo, sua expressão cada vez mais sombria.
"Elas são habitáveis?"
"Elas desapareceram." Ela balança a cabeça. "Algo irá nos ocorrer. Tudo vai sair
bem". O sorriso que ela nos oferece é tenso e cansado, e suponho que seja uma
resposta que ela teve que dar uma e outra vez ultimamente. Pobre Georgie.
Aperto Talie com força e o bebê pisca para mim com grandes olhos brilhantes. Ok,
eu não fui uma pessoa de criança no passado, mas agora que carrego a minha (pelo
menos, tenho certeza de que estou agora, se a lei das médias estiver comigo), de
repente é fascinante e adorável . “Todo mundo está bem, pelo menos? Tudo
saudável?
"Estamos fazendo isso", diz Georgie, cruzando os braços sobre o peito e olhando
para o pequeno acampamento disperso. “Maylak está exausta tentando curar todo
mundo, então estamos fazendo com que ele relaxe por um tempo.” Ela nos dá uma
rápida olhada. "Se você tiver algum osso quebrado, talvez eu tenha que esperar ..."
"Estamos bem", eu digo rapidamente. “Não se preocupe conosco.” Aproximo-me
de Hassen, querendo que ele me abrace. Sei que ele não se atreve porque voltou ao
estado de exílio e estou fora dos limites, mas vamos consertar isso. De alguma forma.
"Pashov?" Hassen pergunta, uma nota silenciosa em sua voz. "Está…"
"Bem e ruim", diz Georgie calmamente. "Ele está vivo e se recuperando, mas ... sua
memória desapareceu. Não se lembra de ninguém. Não Stacy, não seu filho, nada.
Mas o corpo dele? Seu corpo é saudável o suficiente ”
Hassen respira fundo. "Ele não se lembra da sua companheira ...?"
"Dê um tempo", eu digo, antes que Hassen se preocupe mais com o amigo. "Estará
bem. Imagino que nem mesmo um curandeiro consiga reparar uma lesão cerebral
traumática. Ele tem um piolho, e ele tem pessoas que cuidam dele. Vai tudo ficar
bem. Essas coisas levam tempo.
Georgie apenas assente. "Espero que você esteja certa"
"Posso te ver?" Hassen pergunta.
Georgie se vira e aponta para algumas tendas perto do fogo. “Está na loja à esquerda.
Vá dizer oi, mas não entre na outra. Stacy está tirando uma soneca. É ... difícil para
ela. Georgie olha para mim com preocupação.
Deus, aposto que ela faz. Seu parceiro quase morre e depois não se lembra dela?
Com um bebê pequeno também? E toda essa outra merda que está acontecendo?
Tem que estar passando pelo inferno.
Hassen dá um passo à frente e depois hesita, olhando para mim. Há tanta dor e
preocupação em seus olhos, eu só quero tirar tudo e absorver.
Estendo a mão e toco seu braço. "Vá em frente, grandalhão. Diga olá para Pashov.
Eu vou ficar aqui e conversar com Georgie por um minuto. "
Ele balança a cabeça para mim e vejo um flash possessivo em seus olhos. "Eu
retornarei"
"Estarei aqui. Eu não irei a lugar algum sem você ”
Um fantasma de um sorriso toca seu rosto. Ele esfrega a mão na mandíbula,
cansado, e depois vai para a pequena tenda.
Georgie espera Hassen ir embora e depois arqueia uma sobrancelha para mim.
"Devo perguntar?"
"Você pode, mas não tenho certeza do quanto estou disposto a lhe contar ainda."
Estou feliz que os piolhos de Hassen e os meus sejam mutuamente silenciosos,
porque não tenho certeza de como nossa ressonância afetará as coisas. "Ainda é um
exilado?" " Eu pergunto sem rodeios.
"Essa não é minha decisão", diz Georgie. "Isso é de Vektal. É a tribo dele ”
"Sim, mas você é a companheira dele"
"Sim, e Hassen roubou sua irmã depois de ser avisado de que o exílio aconteceria se
alguém o fizesse."
"Sim, e isso foi um grande erro da parte dele. Ele sabe disso e lamenta. E tenho
certeza de que, se você colocar um microfone no ouvido de Vektal, ele estará
disposto a recuperar o juízo e suspender a proibição de Hassen.”
"Por que fazer isso? Olha, eu gosto do Hassen tanto quanto qualquer um, e no geral
acho que ele tem boas intenções. Mas acho que também mostrou uma falta de
julgamento criminal ”
“Aje antes de pensar às vezes. Você sabe, como quando ele entrou na caverna para
salvar Pashov. " Não posso deixar de culpar isso por ele.
"Recebido"
“Estar no exílio está matando ele, Georgie. Ele não tem família, tudo o que tem é a
tribo. Não poder fazer parte da equipe o machuca muito, talvez mais do que a
maioria. ” Ela não está entendendo e estou cada vez mais frustrada com ela. Eu sei
que Georgie vai ver as coisas do ponto de vista de seu parceiro por pura lealdade.
Entendo perfeitamente, e provavelmente estou fazendo a mesma coisa quando se
trata de Hassen. “Ele provou seu valor para a tribo, não é? E qual é o sentido de
exilá-lo quando todos são sem-teto? Isso não parece injusto para você? Depois de
quanto ele trabalhou para apoiar essa tribo? ”
Sua boca se contrai e ela tira Talie dos meus braços. "Eu gostaria que fosse tão
simples, Maddie, realmente."
"É tão fácil. Você pode falar com Vektal. Faça ele ver as coisas do nosso jeito. "
O olhar em seu rosto é difícil. "Você acha que meu parceiro não tem o suficiente
com que se preocupar? Você acha que ele não está se matando lentamente tentando
consertar tudo para todos? Estar em todo lugar? Para ser o líder que eles precisam
que ele seja? Você acha que isso é fácil para ele?
"Eu sei que não é. Não é fácil para ninguém. ”Não vou a lugar nenhum com ela,
então terei que jogar duro. Se isso significa me expulsar da tribo também, que assim
seja.
Hassen é meu parceiro, e eu estarei ao seu lado. Penso em Lila e sinto um pouco de
ansiedade, mas a esmago. Mesmo se eu for exilaao com Hassen, minha irmã e eu
encontraremos uma maneira de nos visitar. Somos uma família. Eles não podem nos
separar.
Hora de tirar a artilharia pesada. "Hassen encontrou algo interessante enquanto
estávamos fora", digo calmamente enquanto ela ajeita a filha nos braços. Eu
deliberadamente esqueço minha parte nas coisas. Quero que meu parceiro tenha
toda a glória nisso, porque não quero desfocar a imagem. Vou colocá-lo de volta
nesta tribo, caramba.
"Oh?"
"Sim. E você vai querer ouvir sobre isso. É um ponto de virada. ” E então eu espero.
Ela olha para mim, com pequenas linhas de expressão aparecendo entre as
sobrancelhas quando eu não continuo. "E bem?"
Cruzo os braços sobre o peito e olho para ele. "Você vai conversar com seu parceiro
sobre o meu e deixá-lo voltar para a tribo?"
“Depende do que você encontrou. É melhor que seja bom pra caralho ”, ela diz, e
posso dizer que sua paciência acabou comigo.
"Banheiros, Georgie. Nós encontramos banheiros ”E toda uma cidade abandonada
anexada a eles, ou o que quer.
Os olhos dele se estreitaram. "Você disse banheiro?"
"Sim. Você disse que falaria com seu parceiro?
Ele olha para mim por um longo momento e depois acena com a mão, indicando
que devo continuar. "Estou escutando..."
Capítulo 18

HASSEN

Observo minha companheira a uma curta distância enquanto ela abraça sua irmã,
acenando com as mãos em uma conversa entusiasmada. Fico feliz que sua família
esteja em casa e segura. Ela se preocupa com sua Li-lah, embora o humano esteja em
boas mãos com Rokan. Eu sei que Mah-dee está preocupada que Li-lah seja contra
o nosso acasalamento, mas isso não faz sentido. Ressonância é ressonância. Li-lah
também pode estar zangada com a neve que flutua do alto por tudo o que importa.
Nossos khuis escolheram, e está decidido.
Mah-dee coloca a mão na barriga e nos gestos da irmã. Li-lah assente, e eles se
abraçam novamente. Rokan fica ao lado de sua companheira, sorrindo como um
tolo feliz, e eu estou feliz por ele. A ressonância parou, então, e Li-lah está com o
kit. Enquanto eu assisto, Mah-dee coloca a mão em seu próprio estômago e faz o
mesmo gesto, e depois olha para mim.
Meu peito ressoa, e eu também o conheço. Sinto uma onda de orgulho. Minha
companheira carrega meu kit. Aconteça o que acontecer, qualquer que seja o
caminho da tribo, Mah-dee e eu estaremos unidos para sempre.
A boca de Li-lah se abre surpresa e depois se fecha. Ela faz alguns movimentos para
a irmã e depois se vira para mim, as mãos estendidas em uma calorosa saudação.
E de repente me sinto ... envergonhado.
Tirei essa fêmea de sua segurança. Da família dela. Tudo porque eu queria
desesperadamente uma companheira e uma família. Eu fiz errado. Agora, talvez, eu
realmente entenda o que fiz e sinto muito. Eu me ajoelho e faço a mão falar. Me
perdoe? Sou um tolo.
Tudo está perdoado, Li-la responde gesticulando. Bem-vindo à família. Ela me
oferece uma mão e, quando eu a pego, ela me dá um abraço. Eu a abraço com força,
olhando para Rokan se desculpando. Mas as irmãs não se importam. Mah-dee dá
um grito alegre no momento seguinte e depois se lança para mim, todos os braços e
pernas pressionados juntos. Eu a levantou no ar e a giro, sorrindo.
"Estamos bem, grandão", Mah-dee me diz, passando os braços em volta do meu
pescoço e dando um beijo na minha bochecha. "Minha irmã é a melhor".
Li-lah apenas olha para Mah-dee com gentil diversão, e fico aliviado por ela me
aceitar como companheiro de sua irmã. Podemos seguir em frente a partir daqui.
Eu seguro minha companheira por perto e agradeço por ela, por seu khui que
escolheu o meu.
Então o chefe aparece, com a companheira ao seu lado. Shorshie tem uma expressão
ansiosa no rosto e segura o braço de Vektal. “Maddie? Hassen? Podemos conversar
com você quando tiver um momento? Vektal quer saber o que você descobriu em
sua viagem. "
"A nave ..." eu me pergunto, mas Mah-dee coloca a mão na minha boca.
"Deixe comigo", diz ela, e então sinto sua língua batendo no lóbulo da minha orelha
antes que ela se levante e sorria para o meu chefe com um sorriso vencedor.
Atordoado, observo enquanto ela amarra o braço em torno de Vektal e gesticula
para o acampamento. “Deixe-me contar uma pequena parte da história da
humanidade. Chama-se Colônia Perdida de Roanoke …”

∗∗∗∗∗∗∗
Coloco Mah-dee protetoramente contra o meu lado enquanto Vektal esfrega a
testa. O olhar em seu rosto está cansado, e meu chefe - que tem a mesma idade que
eu - parece ter servido muitos anos mais por preocupação. Mah-dee coloca as mãos
no meu joelho e as aperta para me tranquilizar.
"E este lugar, você acha que já foi o lar de outra tribo?"
Mah-dee assente. “É uma cidade velha. Podemos entrar, pegar algumas casas e
suportar a estação brutal de uma maneira agradável e acolhedora. Temos piscina,
encanamento, armazém, água fresca ... a única coisa que não existe é a caça ".
"A caça pode voltar", diz Vektal. Olhando Shorshie, sua companheira. "Nós
precisaríamos enviar um grupo de caçadores para determinar se é seguro trazer a
tribo. Eu precisaria ir "
Shorshie aperta a mão e assente. "Eu posso manter o forte aqui"
"Hassen e eu podemos te mostrar", diz Mah-dee, e seu aperto no meu joelho fica
mais forte. "Mas ele não vai mostrar nada a menos que você tire o status de exilado
dele."
Não é a primeira vez que minha companheira feroz discute meu exílio com o chefe.
Ela repete isso com frequência, deixando que ele saiba como ela está chateada. Não
salvei a vida de Pashov? Eu não salvei o sua? Não encontrei um novo lugar para a
tribo viver? Eu não sou aceito por Li-lah? Não ressoei com Mah-dee? Ela não vê
razão para o meu exílio continuar. Estou satisfeito com a ferocidade dela em meu
nome e preocupado que ela acabe no exílio comigo.
"Agora não é hora de falar sobre essas coisas", diz Vektal. "Minha tribo está
desmoronando. Precisamos focar em uma casa, alimentar todos pela temporada
brutal e ... ”
"E outro par de mãos ajudará nisso", diz Mah-dee firmemente. "Você precisa do
Hassen"
"Eu faço. Mas não consigo levantar o exílio tão rápido. Cometi um erro ao ser
indulgente com o exílio de Raahosh, porque ele fez Hassen acreditar que não seria
punido se roubasse uma mulher. Não posso cometer esse erro novamente. Meus
caçadores devem seguir as regras, ou ninguém estará seguro. "
"Mas as circunstâncias estão diferentes agora", diz Shorshie suavemente. "Eu não
acho que alguém iria censurá-lo por mudar de idéia. Esta não é uma situação
normal. Temos que nos adaptar ”Compartilha um olhar com Mah-dee. “Talvez
você possa dar a Hassen algumas das tarefas mais difíceis e menos desejáveis ao longo
da temporada brutal como penitência. Então ele continua sendo punido e não
banido da tribo ".
Eu prendo a respiração. Se me pedissem para limpar e raspar o intestino de todas as
foices sujas daqui até as montanhas, eu o faria com prazer se isso significasse que eu
sou parte da tribo novamente e que Mah-dee está comigo.
"E eu odeio ser tão idiota, mas Hassen não vai mostrar nada a ninguém, a menos
que ele volte para a tribo. E se ele não puder voltar, eu irei com ele.
"Agora não é hora de pressionar por essas coisas", diz Vektal, com as narinas abertas.
"Pashov ainda não está bem. Rukh é quase selvagem depois que Har-loh foi ferida
quando a Caverna dos Anciãos virou de lado. Ela está pegando tudo o que tenho
para convencê-la a ficar com a tribo, que ela está segura aqui. Minha tribo corre o
risco de morrer de fome. Você não pode esconder algo assim de nós ... ”
Ele tem razão. Abro a boca para falar, para dizer ao meu chefe que irei apesar de
tudo.
"Eu não ligo", diz Mah-dee ferozmente. Sua mão agarra meu joelho com tanta força
que sinto suas unhas cravarem nas cristas de prata lá. “Pode não ser o melhor
momento para você como líder, mas Hassen não tem escolha. Você o encurralou. "
"Hassen pode falar por si mesmo, não pode?" Vektal diz isso claramente com um
olhar irritado para mim.
"Ele pode", continua Mah-dee. “Mas é ele quem mais tem a perder aqui. Eu não
faço. Eu irei com ele apesar de tudo. E se ele permanecer no exílio, iremos viver na
colônia perdida sem o seu povo. Vou deixar lá.” Ela para e faz uma careta. "Acabei
de perceber que pareço uma garota exigente de dois anos de idade"
Vektal assente. "Minha filha é menos agressiva que você e é mimada."
Shorshie ri.
"Muito bem", diz Vektal e olha para mim. “Seu companheira feroz de prazer me
convenceu. Você receberá tarefas extras durante toda a temporada brutal como
penitência, mas não está mais no exílio. ”
Meu coração está cheio de alegria feroz. Quero agarrar minha companheira e
segurá-la forte contra mim, mas me forço a assentir. "Vou deixar você orgulhoso,
meu chefe"
"Eu preciso de todo o meu pessoal aqui. Sua casa é com o resto de nós "
"Na neve", diz Mah-dee. "Com todas as outras pessoas sem-teto. Quem vai ter um
novo lar por causa dele? Quando Shorshie lança um olhar irritado, Mah-dee levanta
as mãos. "Eu não vou falar, só estou dizendo ... Hassen está fazendo um favor a você.
Agora vou deixar passar. Eu senti que tinha que ser dito ”.
Vektal olha para ela exasperado e depois se vira para mim. "Sua primeira tarefa será
manter sua companheira de prazer sob controle"
E agora é minha vez de rir. "Ninguém controla Mah-dee. Ele faz o que quer".
"Maldito casulo", diz Mah-dee, e depois coloca a mão possessiva de volta no meu
joelho. "Quanto a essa bobagem do parceiro de prazer, acho que é outra coisa que
precisamos atualizá-los ..."

Epílogo

MADDIE

"Não acredito que você me deixou aqui!" Sinto-me dividida entre querer dar um
soco no rosto de Hassen e chorar em sua pele. "Você não pode estar falando sério!"
"Você foi quem se gabou para o chefe que ressoamos", ele diz, puxando meu cabelo
do meu rosto, jogado pelo vento. "Agora você vai ficar aqui com as outras mulheres
grávidas"
"Pendurada com minha própria corda", suspiro. "Maldito seja". Eu enterro meu
rosto no peito dele. "Você vai viajar rápido, certo?"
"Vamos correr até o fim", promete. "Podemos chegar lá na metade do tempo."
"Bem". Esfrego minha bochecha contra sua pele, respiro seu perfume e ouço o
ronronar sempre presente de seu piolho falando com o meu. Não vou chorar. Não
o farei. É apenas uma semana ou duas. Entrarei em um momento de união solitária
de irmãs quando Rokan sair com Vektal e Hassen. Eu deveria ter mantido minha
boca fechada, mas fiquei tão feliz que Hassen não estava mais no exílio e tenho
orgulho de ser sua companheira. Eu queria contar ao mundo.
Então eu fiz. E agora estou no banco.
Eu acho que é o melhor. Ontem à noite dormi como um tronco em nossa barraca,
cansada demais para fazer sexo com meu grande e sexy companheiro alienígena. A
viagem toda me afetou e acho que devo cuidar de mim mesma se tiver um bebê
oficial a bordo. Mas isso não muda o fato de que vou sentir muita falta dele. Eu
seguro-o um pouco mais apertado. “Certifique-se de mostrar o banheiro, ok? Esse
é um ótimo ponto de venda para Georgie e os outros ".
Ele ri e acaricia meu cabelo. "Eu vou mostrar. Eu prometo"
"E você estará seguro?" Eu me inclino para trás e olho para ele. Ele é tão bonito à luz
do sol, com os cabelos escuros em volta do rosto. Eu amo seus grandes chifres e
maçãs do rosto severas e a maneira como suas presas aparecem, só um pouco,
quando ele sorri para mim, como agora. "Esteja atento a Metlaks e tudo isso?"
"Eu serei o caçador mais seguro", ele me diz. "Porque eu tenho a companheira mais
feroz para voltar"
Isso é tão fofo. Ele acha que eu sou feroz. Bastante insistente, mas eu aceito. Envolvo
minhas mãos em seu colete e decido dar a ele algo para incentivá-lo. "E quando você
chegar em casa, chuparei seu pau com tanta força que você não poderá andar em
linha reta por semanas".
Os olhos de Hassen se arregalam. Ele olha em volta para o movimentado
acampamento da manhã, depois me pega e começa a se afastar dos outros.
Eu grito, segurando seu pescoço. "Aonde vamos?"
"De volta à nossa tenda. Temos alguns minutos antes que os outros partam. " Seus
olhos brilham com luxúria possessiva. "E eu preciso ter certeza de que minha
companheira sinta minha falta tanto quanto sinto sua falta enquanto estiver fora".
"Isso parece uma ótima idéia", digo sem fôlego. Meu piolho está cantando tão alto
que está enviando vibrações por todo o meu peito. "E então você vai correr para a
cidade e mostrar a todos como é incrível e como você salvou o dia"
"Sim", diz ele, entrando em nossa pequena tenda. Ele imediatamente se ajoelha e me
deita de costas, mão nas calças. É incrível a rapidez com que você pode colocá-las em
meus joelhos.
"E então você voltará para casa e começaremos nosso felizes para sempre, certo?"
"Minha felicidade não espera até mais tarde", ele me diz. "Minha felicidade é agora.
Aqui. Contigo. Não preciso de nada mais"
E quando ele abaixa a cabeça entre as minhas coxas, tenho que concordar. Eu não
preciso de nada mais do que meu companheiro.

Você também pode gostar