Você está na página 1de 68

ANGELA MARIA LA SALA BATÀ

DO EU INFERIOR
AO EU SUPERIOR

Pensamento
ANGELA MARIA LA SALA BATA

DO EU INFERIOR
AO EU SUPERIOR
A Meditação Como Ciência de Treinamento Interior

Apresentação

GIORGIO FURLAN

Tradução
SUELI OLIVEIRA DE VASCONCELOS

EDITORA PENSAMENTO
São Paulo

Título do original:
Dal Se inferiore al Sè superiore
Copyright ®1979 - Casa Editrice "BABAJl"

Edição
Ano
1-2-3-4-5-6-7-8-9 84-85-86-87-88-89-90-91-92-93

Direitos reservados. EDITORA PENSAMENTO LTDA.


Rua Dr. Mário Vicente, 374 - 04270, São Paulo, SP, fone: 63-3141
Impresso em nossas oficinas gráficas.
Sumário

PREFÁCIO............................................................................................................................................................ 5

I - O CAMINHO A PERCORRER ..................................................................................................................... 6


I - QUESTIONÁRIO .................................................................................................................................... 11
II - RECONHECIMENTO DOS OBSTÁCULOS ........................................................................................... 12
II - QUESTIONÁRIO................................................................................................................................... 18
III - INTEGRAÇÃO DA PERSONALIDADE ................................................................................................. 19
III - QUESTIONÁRIO ................................................................................................................................. 24
IV - O PROBLEMA DA ILUSÃO..................................................................................................................... 25
IV - QUESTIONÁRIO.................................................................................................................................. 29
V - A IMAGINAÇÃO COMO TÉCNICA ESPIRITUAL............................................................................... 30
V - QUESTIONÁRIO................................................................................................................................... 34
VI - O DESAPEGO............................................................................................................................................. 35
VI - QUESTIONÁRIO.................................................................................................................................. 38
VII - O SILÊNCIO.............................................................................................................................................. 39
VII - QUESTIONÁRIO ................................................................................................................................ 42
VIII - A MEDITAÇÃO....................................................................................................................................... 43
ALGUNS EXERCÍCIOS DE RELAXAMENTO ........................................................................................... 47
IX - A MEDITAÇÃO.......................................................................................................................................... 48
EXERCÍCIOS PARA A AQUIETAÇÃO EMOTIVA..................................................................................... 52
X - A MEDITAÇÃO ........................................................................................................................................... 53
EXERCÍCIOS .............................................................................................................................................. 56
XI - A CONCENTRAÇÃO ................................................................................................................................ 57
ALGUNS EXEMPLOS DE EXERCÍCIOS DE ATENÇÃO E DE CONCENTRAÇÃO................................. 61
XII - O ALINHAMENTO COM A ALMA....................................................................................................... 62
ESQUEMA DE MEDITAÇÃO..................................................................................................................... 66
I - Alinhamento Inferior............................................................................................................................... 66
II - Alinhamento Superior............................................................................................................................ 66
III - Passagem ao Pensamento-Semente...................................................................................................... 66
IV - Invocação Final.................................................................................................................................... 67
PREFÁCIO
Neste livro, a Dra. Angela Maria La Sala Batà expõe, com palavras realmente compreensíveis e
claras, um dos melhores métodos de meditação apropriada e típica para os ocidentais.
Para o pesquisador sério, a meditação é um meio de enriquecimento interior, é a possibilidade
do desenvolvimento do Espírito (o Superego), é o degrau que o leva a provar infinitos e profundos
níveis do conhecimento interior transcendental.
O pesquisador ocidental pode valer-se da meditação para chegar a vivenciar os estados de
consciência acima citados. Mas, para obter esse resultado, ele deve se lembrar de que está sujeito à
mentalidade, usos e costumes do Ocidente, sendo-lhe, por isso, necessárias técnicas ocidentais de
meditação.
Esse foi, em síntese, o objetivo profundo e construtivo da autora ao compilar este manual.
Ao leitor o conteúdo revelar-se-á de uma extrema simplicidade, de uma modéstia realmente
exemplar e de uma construtividade verdadeiramente substancial para a psique e para o espírito.

Giorgio Furlan
I - O CAMINHO A PERCORRER
O objetivo da vida é a gradual manifestação do Si, o Espírito, isto é, o despertar da consciência
espiritual latente em nós.
Sabemos que dentro de nós existe essa centelha divina, essa essência espiritual, que é a nossa
verdadeira natureza, a que chamamos Alma, Si Espiritual, Si Superior... Não importa o nome,
sabemos que ela existe, que é a nossa verdadeira realidade, a nossa verdadeira individualidade,
recoberta por invólucros e que apenas espera se manifestar.
Entretanto, mesmo estando convencidos dessa verdade, será que alguma vez atinamos com o
que isso realmente significa?
Será que já refletimos sobre sua profunda importância? Será que já compreendemos o
verdadeiro significado nela oculto?
Conhecemos intelectualmente essa realidade, mas continuamos a viver, ou melhor, a ser
levados pela vida numa espécie de "sonolência" interior, de indiferença espiritual, azafamados e
arrastados pela assim chamada "vida", criando problemas fúteis, sentindo-nos freqüentemente
cansados e insatisfeitos, às vezes atormentados ou desesperados, sem perceber que a única coisa
importante da nossa vida, o único escopo para o qual vivemos e estamos encarnados é o de nos
tornarmos conscientes da nossa Alma, de nos tornarmos "unos" com ela, de uma forma consciente e
voluntária, para assim manifestar a vida do Espírito no plano objetivo e transformar-nos em seus
instrumentos.
A união com a Alma, com o Si, é talvez a última coisa em que pensamos, cansados de saber
que ela existe em alguma parte de nós mesmos, e adiamos sempre o momento de iniciar o trabalho
de ascensão e interiorização (necessário para nos tornar conscientes da realidade profunda), talvez
porque nos sintamos demasiado indolentes para tentar qualquer coisa nesse sentido ou, ainda,
porque estejamos muito ocupados e absorvidos pelas nossas atividades e preocupações cotidianas.
Isso talvez aconteça porque no fundo de nós mesmos existe a convicção de que se dedicar à
vida do Espírito significa distanciar-se do mundo e nele tornar-se um estranho, negligenciar as
próprias obrigações familiares e sociais, fechar-se em si mesmo, abandonar o trabalho e as
atividades,, absorver-se numa vida contingente e retirar-se para uma espécie de "torre de marfim"...
Tal convicção é errônea.
Podemos muito bem nos dedicar ao trabalho de "reencontrar o Si" sem negligenciar qualquer
uma das nossas obrigações, sem nos retirarmos para um eremitério.
Não é necessária qualquer mudança na nossa vida, nas nossas atividades sociais, nas nossas
relações com o mundo. A transformação deve ser só e essencialmente interior, um "deslocamento do
nível de consciência", uma "repolarização" numa vibração mais alta, que consente viver e agir nos
três mundos, em função de um objetivo único e fundamental: fazer a vida da Alma manifestar-se.
Toda a nossa ação, toda a nossa experiência, toda a nossa obrigação e toda a nossa dor
adquirem assim um novo aspecto, um novo significado, pois se tornam apenas meios para atingir a
união com o Si, e oportunidades de progresso espiritual.
Entretanto, para poder realizar esta "repolarização" interior devemos tentar vários estratagemas,
pois não é fácil elevar a vibração depois de termos estado por muito tempo imersos na vida objetiva,
completamente extrovertidos, tomados pelo ativismo e pelo caleidoscópio do mundo das formas, e
depois de nos termos identificado com a personalidade e a vida ilusória deste mundo.
Um dos estratagemas que nos ajudará a elevar nossas vibrações é refletir sobre a verdadeira
natureza da Alma, não de maneira exclusivamente mental e intelectual, mas também de maneira,
digamos, quase "afetiva" e "permeada de aspiração", desenvolvendo dentro de nós um senso de
amor pela Alma e um forte e profundo desejo de realizar a sua consciência. Além disso, devemos
procurar "sentir", ainda que superficialmente, aquilo que pode ser a vida da Alma, as suas qualidades,
a sua vibração. Não é fácil chegar a isso, mas, para ajudar-nos, podemos usar também a imaginação
- e nada há de estranho e absurdo nisso -, pois existe muita afinidade entre imaginação e intuição.
A imaginação é criativa e, como a visualização, é uma verdadeira técnica esotérica.
Por isso, a reflexão sobre a Alma, sobre sua verdadeira essência, ajuda a elevar as nossas
vibrações, mesmo que de maneira insciente, e a formar em nós, aos poucos, uma nova postura
frente à vida e às suas lutas. Tornar-nos-emos mais serenos, mais desprendidos e saberemos olhar
tudo com os olhos do Espectador interior.
Ao tentar "sentir" ou imaginar o estado de consciência da Alma, perceberemos que somos como
recém-nascidos no mundo interior, visto que, a princípio, tudo nos parecerá nebuloso, vago, sem
forma, vazio e obscuro.
E difícil saber "consistir no ser", como diz o Dr. Assagioli em seu livro 0 desenvolvimento do
sentido esotérico: "No dia-a-dia, vivemos objetivamente e exterior-mente, sempre em relação com
"objetos" externos, mas também com "objetos", digamos assim, "interiores", como as nossas
emoções, os nossos pensamentos. "Digamos assim" porque, para a Alma, todas as atividades da
nossa personalidade - dos três corpos: físico, emotivo e mental - são exteriores. Emoções e
pensamentos são mais ou menos pertinentes ao Eu, mas não são o Eu, a Alma, Nós mesmos. Eles
se sobrepõem ao Eu verdadeiro, ocultando-o e impedindo as Suas atividades. De fato, emoções e
pensamentos estão em contínua transformação, em perene flutuação: somente o Eu permanece
imutável, tal como é; somente o Eu, a Alma, nos dá o sentido da estabilidade, do repouso, da
verdadeira segurança, da realidade permanente. 0 poder de viver e de atuar subjetivamente é
para nós completamente novo."
Portanto, podemos exercitar-nos, aos poucos, e tornar-nos sensíveis a esse novo nível de
consciência, procurando observar entre as numerosas ocupações e preocupações da nossa vida,
com a maior freqüência possível, os momentos de pausa, de silêncio e de recolhimento a fim de
reencontrar o nosso centro de consciência interior e evitar a "dispersão pela periferia" da consciência.
Como se vê, inadvertidamente passamos para um segundo estratagema: o cultivo de
momentos de silêncio.
Esses momentos de silêncio não são ainda a verdadeira meditação, mas uma preparação para
ela.
Quem está muito absorvido pela vida ativa, pelas preocupações e pelas numerosas obrigações,
talvez julgue impossível poder dedicar, sequer, alguns momentos por dia a esse recolhimento interior.
E, na verdade, tal conciliação é possível.
Se quisermos que em nós cada ato, cada experiência, cada trabalho, cada sofrimento se
transformem em Luz, em Sabedoria, e contribuam para o despertar da nossa consciência espiritual,
devemos criar em nós esse "centro de consciência separado", devemos vibrar num nível mais alto e
continuar agindo nos três mundos com o mesmo dinamismo e esforço.
Em Luz do Caminho está escrito: "Esteja à parte numa batalha e, mesmo combatendo, não
seja você o guerreiro."
O que querem dizer essas palavras?
Querem dizer, justamente, que em cada luta e em cada ação devemos atuar apenas como
instrumentos da Alma e, mesmo se aparentemente a personalidade é quem age, na realidade é o Si
dentro de nós que nos guia e nos conduz à ação.
Tudo quanto foi dito até agora constitui somente o início, que serve, como se dizia há pouco,
para elevar o nosso nível de consciência, para "repolarizar-nos" depois de nos termos entregado à
vida da personalidade, com a qual, por força das circunstâncias, estivemos identificados por tão
longo tempo.
Este momento preparatório é todavia necessário para que se dê início ao Caminho que conduz
à união com a Alma, que não é breve ou fácil, e, pode-se dizer, constitui uma verdadeira ciência.
E bem verdade que o maravilhoso evento do despertar do Si Espiritual também pode acontecer
de repente, sem preparação.
Temos muitos testemunhos de pessoas que experimentaram este "despertar", ocorrido
aparentemente sem pré-aviso, de repente, como um raio que cai iluminando a cena para depois
desaparecer com a mesma rapidez com que veio.
Se, porém, examinarmos atentamente a vida desses homens, as provas pelas quais passaram,
seus sentimentos, seus estados de espírito, encontraremos certamente os "sintomas" desse evento.
Sintomas que talvez passaram despercebidos dos próprios protagonistas, porque não estavam
cientes daquilo que estava evoluindo dentro deles.
Quase todos os que passaram pela experiência do contato com a Alma tinham um corpo
emotivo refinado e purificado por vidas místicas e ascéticas, ou consagradas a qualquer outro ideal
de verdade e de amor altruístico. Sendo assim, houve a preparação, mesmo que de maneira
insciente.
Realmente, esse despertar repentino, esses contatos esporádicos, ocorrem quase sempre por
meio de uma elevação do corpo emotivo, que constitui um elo de ligação com o aspecto Amor da
Alma.
Eis por que esses contatos, ainda que maravilhosos e inesquecíveis, não podem repetir-se
voluntariamente, mas são esporádicos e intermitentes.
Não podemos, portanto, alicerçar nossas esperanças de união com a Alma sobre um contato de
tal gênero, de natureza espontânea e, por isso, incerta.
Não podemos ficar de braços cruzados, limitando-nos a desejar a união com o Si, sem nada
fazer de um modo ciente e voluntário.
Isso poderia ser perdoado naqueles que não conheciam a verdadeira natureza do homem, que
não tinham consciência da finalidade da vida e que tinham em si somente vagas intuições, pálidas
visões sentimentais da Verdade.
Quanto aos que estão convencidos de que o homem é essencialmente um ser espiritual, que
sabem que o verdadeiro Eu é a Alma, não se pode perdoar-lhes a inércia, a incúria e a indiferença.
Essa é a estrada do ocultista, a estrada daquele que sabe o que quer e que, com todas as suas
forças, com todos os seus meios, constrói pouco a pouco o Caminho, a ponte que deverá uni-lo com
a sua Alma, ou melhor, torná-Io ciente de ser uma Alma.
A estrada do ocultista é, pois, uma estrada mental, consciente, determinante. Uma dedicação
da mente, do coração e da vontade num só escopo.
0 ocultista não se limita a desejar, a rezar, mas estuda, pesquisa, experimenta e quer.
O místico poderia ser chamado o poeta do espiritualismo, enquanto o ocultista poderia ser
chamado o cientista do espiritualismo.

*
**

Neste caminho que reconduz à Nascente interior, estamos continuamente avançando, mesmo
que inconscientemente.
Devemos ter em mente que o objetivo da vida é um só: a manifestação do Espírito oculto sob os
invólucros da matéria com a qual se identifica. E, se esta é a meta, é natural que tudo contribua para
a sua realização.
Antes de mais nada, os grandes fatores que contribuem para esse despertar da consciência
interior vêm do exterior sob a forma de vários estímulos, sendo a dor o principal e o mais eficaz deles.
Quando, enfim, tivermos compreendido o profundo significado e a verdadeira função da dor
humana, só então seremos capazes de retirar dela todo o bem e toda a sabedoria que nos oferece, e
poderemos encontrar no aparente mal a ajuda e o estímulo necessários ao progresso interior.
Devemos ainda recordar que normalmente - aliás, quase sempre -, aquilo que é sofrimento para
a personalidade é, entretanto, júbilo para a Alma e vice-versa, pois o nosso Eu espiritual quer nos
conduzir a uma direção, e as forças da personalidade para outra, nascendo a dor do atrito entre estas
duas tendências.
A personalidade é movida por desejos egoístas, quer a felicidade para si, enquanto a Alma, que
tem a consciência universal, é movida pelo Amor e pelo Todo, e quer somente o bem do Todo.
O homem, identificado com a personalidade, é consciente só do eu único, está imerso na ilusão
da separatividade, agarrado ao mundo das formas; é escravo dos seus instintos, desejos e ambições,
e sofre por jamais poder satisfazê-los.
A dor agita, desperta, estimula, impele o ser humano ao recolhimento, ao refúgio em si mesmo
para se perguntar o porquê de tudo, induzindo-o.a desprender-se dos objetos, ensinando-lhe a
renúncia das coisas desejadas e adquiridas, conduzindo-o, afinal, para o caminho árido e escuro da
solidão, enquanto ele, vencido, não se voltar para a realidade, para a Luz; aquela Luz que ele,
anteriormente circundado pela névoa dos desejos, não tinha vislumbrado; e então compreende que
se enganara e reencontra a paz, a serenidade e a alegria.
Muitos poderiam objetar que nem sempre a dor produz este efeito, e que, freqüentemente, torna
o homem perverso, egoísta, rebelde ou, na melhor das hipóteses, árido, vazio, deprimido, sem
esperança e sem energia para prosseguir o caminho.
Isso é verdade. Mas não devemos esquecer o longo caminho evolutivo que o homem tem de
percorrer, os muitos degraus a subir e as suas numerosas vidas pregressas e futuras. De inicio, a dor
parece tornar o homem pior; eis por que ela nos agita tantas vezes quando ainda não atingiu o seu
objetivo, que é, como dissemos antes, tornar o homem consciente do seu destino.
Se o sofrimento não produz este resultado, quer dizer que não chegou ao "grau" necessário
para produzir a "cri-se" da reviravolta, que nos transformará completamente.
A dor é como um fogo que arde para fundir os minérios e separar a parte bruta do metal puro, e
deve atingir uma temperatura tal que produza a fusão. Cada mineral tem uma temperatura de fusão,
assim também cada homem tem necessidade de um diferente grau de sofrimento para despertar.
São necessárias várias encarnações para fazer com que o homem amadureça e se torne
"reativo" e sensível, de maneira a tirar o devido proveito da dor.
Portanto, é fácil compreender que, no Caminho ascendente que nos conduz à realização do Si,
a dor tenha a função de estímulo e de ajuda "exterior".
Quando começamos, ainda que de maneira vaga, a nos tornar conscientes da verdadeira
finalidade da vida, e nos propomos a colaborar com a evolução e a reencontrar o nosso Si Espiritual,
então, temos de nossa parte outros estímulos e ajudas, que vêm não mais do exterior, mas do interior
do nosso mundo subjetivo.
0 Caminho, portanto, começa a ficar mais rápido, pois o nosso estado de consciência nos ajuda
não só a subir menos lentamente, mas também a saber retirar dos estímulos externos a sabedoria
necessária e os ensinamentos devidos, que podem ocorrer na forma de provações, de dores, ou de
dificuldades várias.
De certo modo, podemos dizer que se forma uma processo de "ação e reação" entre os estímulos
internos e os externos, pois uns servem para despertar a consciência interior adormecida e os
outros para fazer com que transformemos em sabedoria as experiências da vida.

*
**

A essa altura, é natural a pergunta: o que podemos fazer depois de ter compreendido a
importância de voltar a nos reunir conscientemente com a Alma?
A primeira coisa a fazer é colocarmo-nos diante de nós mesmos com toda a sinceridade e
analisar o nosso comportamento interior relativo ao problema da união com o Si, para ver
claramente:
a) se somos presas da ilusão de nos julgarmos mais evoluídos do que somos e, portanto, se
somos presunçosos, orgulhosos, etc.;
b) se, ao contrário, nos sentimos desencorajados, deslocados, inferiorizados;
c) se nos sentimos excessivamente entusiasmados, emocionados, e se esperamos resultados
maravilhosos e rápidos.
Devemos ser capazes de ver dentro de nós os verdadeiros sentimentos que nos animam e
comportar-nos corretamente, com uma objetiva, serena e sábia convicção mental, e uma sólida,
firme e constante vontade de triunfar. Criemos dentro de nós estas duas forças:
a) convicção mental, e
b) vontade de triunfar, sem sentimentalismos excessivos, falsas ilusões, esperanças de
grandeza e, por outro lado, sem temores, pessimismo ou desânimo.
Encaremos a realidade. Aspiremos à transformação de toda a nossa experiência, de toda a
nossa dor, de todo o nosso sentimento em "consciência" e em "energia", que nos ajudem a liberar o
Si Espiritual dos liames da personalidade, e esta nossa aspiração certamente produzirá resultados.
Tais resultados podem ser grandes, mas podem também ser tão pequenos a ponto de passar quase
despercebidos. Entretanto, se empreendermos o Caminho com a visão clara, a mente destituída de
fantásticas quimeras, não sofreremos desilusões e não conheceremos a aridez do insucesso, mas
começaremos a sentir aquela serenidade, aquela alegria, "aquela paz que ultrapassa qualquer
entendimento", que são os verdadeiros sintomas de que a vida da Alma está se sobrepondo
lentamente à vida da personalidade.
I - QUESTIONÁRIO

1 - Você alguma vez se exercitou em momentos de recolhimento e meditação?


2 - Tem ímpetos místicos de amor a Deus, à Alma, ou não?
3 - Pensa que a vida espiritual esteja em contraste com a vida prática?
4 - Leu algum Iivro sobre misticismo?
5 - Provou alguma vez, ainda que de maneira incompleta e vaga, a "consciência" da Alma?
6 - Tem alguma idéia bem clara sobre a Alma, suas qualidades e essência?
7 - Em momentos de dor, de sofrimento, sabe retirar todo o ensinamento oculto?
8 - Está convencido de que o nosso verdadeiro Si, o verdadeiro Homem, é a Alma?
9 - O que se propõe fazer para apressar a revelação desse Si Superior?
II - RECONHECIMENTO DOS OBSTÁCULOS
Um fato que devemos ter sempre presente, quando nos dispomos a iniciar o trabalho, é que
para podermos obter resultados positivos torna-se necessário que sejamos objetivos e que não
tenhamos metas demasiado árduas ou em desacordo com o nosso temperamento.
Devemos procurar utilizar nossas tendências naturais, mobilizar nossas capacidades manifestas
e latentes, e não devemos tentar ser diferentes daquilo que somos, ou sufocar a nossa natureza para
sobrepor a ela uma natureza diferente e não espontânea.
Aquilo que devemos fazer é reconhecer objetivamente as nossas tendências, capacidades e
deficiências, sem a ilusão de sermos melhores e sem crer que somos piores do que de fato somos.
Nós, aspirantes espirituais que vivemos no Ocidente, não podemos nos comportar como os
discípulos do Oriente, que têm uma configuração psicofísica diversa e vi-vem num ambiente diferente
do nosso.
Nós, ocidentais, quer por temperamento quer por influência ambiental, somos mais propensos à
atividade, à extroversão e desenvolvemos nossa mente de modo mais racional e menos intuitivo.
Os orientais, ao contrário, são introvertidos, contemplativos e essencialmente intuitivos.
Além disso, a época em que vivemos obriga à atividade, à extroversão, ao uso da mente
concreta e não permite que nos retiremos do mundo, como os discípulos da Era de Peixes. Agora
está para iniciar-se a Era de Aquário, a Era do Sétimo Raio, que tem por objetivo manifestar a
energia espiritual também no plano físico.
Então, nós devemos utilizar as nossas tendências naturais e viver no mundo sem abandonar a
luta, sem procurar uma evasão, mas, ao mesmo tempo, sem jamais perder de vista a meta interior e
utilizar tudo para a sua realização.
E importante que procuremos realizar, com todos os nossos esforços, a "vida dúplice": viver no
mundo, mas não ser do mundo.
Como podemos realizar isso?
Primeiramente, devemos evitar a criação de dois compartimentos separados entre a nossa vida
pessoal, social, profissional e a nossa vida interior, espiritual, dando à primeira uma utilidade prática
e concreta, e transformando a segunda num meio para desenvolver nossas qualidades latentes e
para fazer experiências úteis à nossa formação.
Portanto, deveria existir em nós uma contínua "presença", um estado de consciência
destacado da personalidade, que nos permitisse ver tudo em função de uma só finalidade e de uma
só meta: a evolução da consciência e a realização em nós do Divino.
Patanjali, no Sutra Yoga, chama de Leitura Espiritual essa faculdade de "ler" aquilo que está
escondido por trás dos acontecimentos da vida e das formas objetivas. De fato, os acontecimentos
da vida objetiva não são senão símbolos que escondem a realidade profunda, símbolos cujo
significado pode ser compreendido somente se aprendermos a nos focalizar na consciência do
Espectador e se desenvolvermos a intuição.
Nos livros espirituais fala-se geralmente de quatro métodos Yoga, ou seja, métodos de união
com a Alma (Yoga = união, da raiz yug do verbo unir).
Estes métodos são:
a) karma yoga;
b) bhakti yoga;
c) jnana yoga;
d) raja yoga;
O Karma yoga é a via de união com a Alma por meio da ação e da experiência; refere-se,
portanto, ao plano físico.
O bhakti yoga é a via da devoção ao Divino ou a qualquer Ser superior e refere-se, portanto, ao
plano emotivo.
O jnana yoga é a via do conhecimento e da pesquisa mental da Verdade e refere-se, portanto,
ao plano mental.
O raja yoga, ou yoga real, vale por si só, porquanto seja a via de união por meio da
concentração mental, da meditação e da contemplação e, portanto, pode ser utilizado
simultaneamente a qualquer um dos três yogas precedentes.
Durante o caminho evolutivo, o homem pratica os quatro métodos de união porque, como
sabemos, o tipo de personalidade do indivíduo transforma-se a cada encarnação e, portanto, muda o
Raio ou o temperamento. Assim, acontece que numa vida o homem estará propenso a fazer
experiências no plano físico, noutra terá temperamento emotivo-místico e em outra, ainda, terá
tendências cognitivas e intelectuais, e assim por diante.
Note-se, porém, que os primeiros três yogas são praticados pelo homem quando ele ainda está
inconsciente da sua verdadeira natureza e do seu destino; o raja yoga, entretanto, é praticado
somente por aquele que "despertou", que conhece a meta e colabora conscientemente para a sua
autoformação.
Portanto, quando começamos a querer percorrer voluntariamente o caminho que leva à
realização do Si, porque compreendemos a finalidade da vida e vislumbramos a maravilhosa meta à
nossa espera, deixamos de seguir pela via espontânea e mais fácil (em cuja direção nosso tempe-
ramento nos conduz, e procuramos utilizar todos os nossos veículos, formar uma síntese de todas as
nossas energias em direção de uma só meta; e eis que tem início o Puma Yoga, ou yoga da síntese,
que utiliza e toma os três veículos pessoais simultaneamente e cria a integração e coordenação
harmônica da personalidade, de maneira a poder transformar-se num canal propício às energias da
Alma.
Este yoga da síntese é o método de união seguido pelo aspirante espiritual, isto é, por aquele
que consciente-mente percorre o Caminho, conhece a meta e sabe que ele é uma Alma.
As várias fases desse desenvolvimento consciente do aspirante espiritual são, segundo
Patanjali, as seguintes:
1) Aspiração à realização da Alma.
2) Reconhecimento dos obstáculos, ou seja, compreensão daquilo que impede o verdadeiro
conhecimento.
3) Compreensão intelectual da natureza daqueles obstáculos.
4) Determinação para eliminá-los.
5) Um repentino lampejo ou uma súbita visão da realidade da Alma.
6) Renovada aspiração e forte proposição de fazer daquela visão uma realidade permanente
na vida cotidiana.
7) A batalha final contra a personalidade e as suas tendências, simbolizada no Bhagavad Gita
pelo "Kurukshetra" (campo de batalha) com Krishna, a Alma, que encoraja Arjuna, o aspirante, ao
constante esforço.
A aspiração é uma manifestação da personalidade que tem uma verdadeira importância
esotérica e um profundo significado oculto.
Não é somente uma manifestação emotiva de desejo ou de devoção à Alma, mas é uma
verdadeira força magnética produzida pelo apelo concorde e simultâneo dos três veículos da
personalidade, que produz um perfeito alinhamento.
Assim se forma um canal livre de impurezas e de obstáculos, através do qual as energias da
Alma podem fluir.
"A aspiração produz inspiração", diz Alice Bailey no Tratado sobre os Sete Raios.
E ainda: "A aspiração é uma atividade de natureza científica e é inerente à própria substância...
A aspiração é um processo científico que governa a própria evolução. Quando existe um objetivo
determinado seguido de impulsos, a: aspiração é um meio que pode elevar a matéria e a
personalidade inteira ao Céu" (Tratado sobre os Sete Raios, vol. l, pp. 326-27).
Podemos então compreender facilmente o quanto é importante essa primeira fase e como ela
é indispensável para criar nos corpos da personalidade a vibração, o comportamento propício para
iniciar a via de acesso à Alma.
E, por assim dizer, a "chave" de todo o trabalho de alinhamento, de integração e, enfim, de
fusão com o Si Superior.
Sem a aspiração não podemos nem mesmo iniciar o caminho de união com a Alma, e isto é
óbvio, pois, como podemos esperar atingir a meta se não a "desejamos ardentemente", se não a
procuramos com todas as nossas faculdades, com todos os nossos desejos, com todas as nossas
energias?
É necessário, portanto, que procuremos ver objetivamente se em nós existe uma verdadeira
aspiração, se ela é suficientemente forte e profunda. Se descobrirmos que é frágil e incerta ou
mesmo esporádica, devemos indagar as razões dessa sua fragilidade e esporadicidade.
Será que temos ainda dúvidas?
Será que não estamos convencidos da importância do escopo que almejamos?
Será que a meta nos parece por demais distante e árdua? Será que ainda temos dúvida a
respeito da idéia da nossa imperfeição e inadequação?
Estas e outras perguntas similares podemos dirigi-Ias a nós mesmos, se notarmos que a nossa
aspiração à Alma não está suficientemente forte, e devemos procurar respondê-las com toda a
sinceridade e, se pudermos, devemos vencer todas as nossas dúvidas, as nossas incertezas, os
nossos temores, a nossa inércia.
Não podemos iniciar o caminho sem a certeza de triunfar. Não podemos nos preparar para o
trabalho e a luta inevitáveis sem uma reserva de energias, de entusiasmo, de confiança e de fervor.
Seremos derrotados ao primeiro sinal de batalha, cai-remos ao primeiro obstáculo, se não
acendermos dentro de nós o ardente fogo da aspiração pura e férvida.
A fase referente ao reconhecimento dos obstáculos e das dificuldades que se postam entre nós
e a meta a ser atingida é muito importante.
Percebemos que há qualquer coisa que nos impede o conhecimento do nosso verdadeiro Si,
sentimos como se houvesse uma espécie de "diafragma" entre nós e a Luz, mas não sabemos do
que é constituído e como podemos eliminá-lo.
Percebemos, além disso, que os obstáculos são de fato causados pela nossa personalidade e
pela vida dos três veículos que a compõem.
Entretanto, é necessário um contínuo exame de nós mesmos, uma sensata análise das nossas
reações, dos nossos pensamentos, dos nossos sentimentos, para se chegar à compreensão
verdadeira dos obstáculos.
Não é fácil chegar a tal compreensão, mesmo porque os obstáculos existentes em nós não
pertencem todos à atual encarnação, mas podem provir de vidas anteriores.
Quando um Ego se reencarna traz consigo uma bagagem de tendências, qualidades, defeitos,
impurezas, que não pôde superar e transmutar nas vidas precedentes. Tais samskaras (sementes),
provenientes de encarnações anteriores, jazem no nosso inconsciente e por isso é difícil reconhecê-
las. A elas unem-se as "sementes" da vida atual, as "sementes" trazidas pela família, pela raça a que
pertence-mos, e, assim, podemos compreender claramente como o problema do reconhecimento
dos obstáculos é intrincado e de difícil resolução.
Entretanto, se tivermos firmeza de propósito, verdadeira aspiração, firme vontade de triunfar,
veremos, aos poucos, aflorar tudo aquilo que devemos eliminar na nossa personalidade e que
constitui um empecilho ao afluxo da anergia anímica.
Talvez possa ser útil, nessa análise de nós mesmos, saber quais são os obstáculos
fundamentais, segundo Patanjali.
São eles:
a) Avidya (ignorância);
b) o senso da personalidade;
c) o desejo;
d) o ódio;
e) o apego.
Examinemo-los brevemente:
a) Avidya: é palavra sânscrita que significa "ignorância", mas o que quer dizer realmente?
Diz Pantajali: "Avidya (ignorância) é a causa de todos
os outros obstáculos, estejam latentes, em vias de eliminação, superados ou em plena força" (Livro II,
Sutra 4).
E ainda: "Avidya é o estado que nos leva a confundir o permanente, o puro, o beato e o Si com
o não-permanente, o impuro, o doloroso e com o não-Si" (Livro Il, Sutra 5).
Assim, tal ignorância é inerente à natureza humana ou, antes, podemos dizer que ela é
inevitável num longo período evolutivo, pois, sendo a Alma revestida de invólucros, identifica-se com
eles e se esquece de sua verdadeira origem.
Esse estado de ignorância é devido ao fato de sermos homens e de não estarmos ainda
conscientes do nosso verdadeiro Si.
Avidya, portanto, tem um significado muito vasto e geral porque abrange todos os erros, as
ilusões do homem nos três mundos da manifestação, desde o físico denso ao mental inferior, e
somente pode ser superado quando a Luz da Alma penetra na consciência do indivíduo, tornando-o
consciente da Realidade.
É óbvio que todos os outros obstáculos derivam dessa ignorância, principalmente o segundo
deles, que é:
b) o senso da personalidade, que significa "a identificação do Conhecedor com os
instrumentos do conhecimento, isto é, a identificação da Alma com os veículos que a revestem".
0 homem, por um infinito número de existências, é consciente apenas da vida da sua
personalidade. Ele não sabe que é um centro espiritual, uma centelha divina e vive completamente
imerso no mundo objetivo, ilusório. E, ainda que comece a compreender e a crer que o seu verdadei-
ro Eu é algo espiritual, que possui uma consciência mais ampla e tem uma vida imortal, não
consegue se libertar deste "senso da personalidade", porque ele só conhece a realidade
intelectualmente, mas nunca provou a verdadeira consciência anímica e não lhe foi revelada a vida
nos pia-nos hiperfísicos.
Na realidade, este "senso da personalidade" constitui o obstáculo mais difícil e somente será
vencido, por completo, quando a Alma tiver pleno domínio sobre o homem inferior e tiver travado
uma árdua e dura batalha com diversas vicissitudes.
A personalidade, mesmo sendo ilusória e transeunte, é uma verdadeira força que se opõe à
energia espiritual, engajando uma luta em todo os planos, até que finalmente venha a "rendição" e a
Alma triunfe em toda a sua luminosa plenitude.
Esta luta é rechaçada pelo homem até que se dê o seu primeiro contato com a Alma,
despertando nele a consciência de "quem" ele realmente é. Então, compreende a futilidade e a
inconsistência do seu louco combate contra aquela que é a única e verdadeira fonte de felicidade, de
serenidade e de luz, e não mais se opõe ao querer da Alma, antes, procura colaborar com ele -
ainda que, às vezes, mesmo não querendo, é assaltado pelo mundo da ilusão -, e consegue libertar-
se completamente do senso da personalidade.
Entretanto, sua aspiração e boa vontade irão guiá-lo àquelas percepções, àquelas práticas e
estudos que o ajudarão a reencontrar a Verdade entrevista e a Luz da qual ele percebeu o primeiro
vislumbre.
c) O desejo. "Desejo é um termo genérico que designa a tendência extrovertida do espírito
para a vida da forma. Ele pode significar o prazer que um canibal sente naquilo que come, o amor de
um homem pela própria família, a admiração de um artista por um belo quadro ou a adoração do
devoto pelo Cristo ou pelo seu próprio Instrutor." (Patanjali-Sutra Yoga, Livro Il, p. 137.)
Assim se lê em Patanjali, e é claro que esse termo "desejo" tem significado muito amplo,
compreendendo tanto os desejos mais baixos, ligados aos instintos e às paixões, quanto as
aspirações e os ideais mais elevados.
Isso pode parecer um exagero para nós que ainda devemos nos libertar dos desejos e dos
liames inferiores e devemos desenvolver as aspirações para as coisas elevadas, mas, do ponto de
vista da Alma, também os desejos superiores, que constituem um liame e um obstáculo à completa
consciência espiritual, devem ser superados.
"... parece que o progresso da Alma está nessa passagem de um objeto desejado a outro, até
que chega a hora em que a Alma é impelida em direção de si mesma e se encontra só. Ela exauriu
todas as possibilidades de apego e até o seu instrutor parece tê-la abandonado. Resta então
somente uma Realidade, a realidade espiritual, que é a própria Alma, voltando-se, portanto, o seu
desejo para o interior. O desejo pelo mundo exterior exauriu-se e a Alma encontra, assim, o reino de
Deus dentro de si" (Patanjali, Sutra Yoga, Livro lI, pp. 132-33, Ed. Nuova Era).
Dessa forma, a Alma pode reencontrar-se real e total-mente quando se volta para o interior e
finalmente descobre que o verdadeiro Caminho para Deus não está fora, mas dentro de si. Este é o
"Caminho secreto" que o homem descobre quando se desprende de tudo e compreende a ilusão do
mundo objetivo.
d) O ódio. Na realidade, este termo quer indicar o sentido separatista inerente à
personalidade; é o oposto do sentido de unidade que, ao contrário, é o comportamento natural da
Alma.
A separação é chamada, na Voz do Silêncio, a grande heresia, pois é a causa de infinitos
sofrimentos, erros e dificuldades para o homem.
Ela produz ódio, aversão, egoísmo, dureza, incompreensão, orgulho, enrijecimento, espírito de
crítica, etc. Em suma, todas aquelas qualidades negativas que derivam da falta de amor e
fraternidade.
Nenhum de nós está completamente livre de tal separação, pois ainda não temos plena
consciência da Alma e, assim, em cada um de nós existe certa dose de ódio, e incompreensão
para com os outros.
Esse obstáculo somente será superado quando o Amor da Alma puder fluir livremente nos
nossos veículos, dando-nos o sentido de união com todos.
e) O apego. Este obstáculo também é, por assim dizer, congênito no homem, pois "é o
elemento dominante na manifestação divina" por exprimir a relação entre os dois opostos: Espírito
e Matéria.
Em cada plano de manifestação reencontramos este apego e não podemos nos libertar até que
tenhamos encontrado um equilíbrio entre os "pares opostos" e descoberto o "Caminho sutil como a
lâmina de um navalha", de que fala o Buda.
Desejo e apego estão estreitamente ligados e ambos devem ser superados.
O homem não consegue o completo desprendimento de uma só vez, mas gradativamente. Aos
poucos ele se desprende daquilo que é inferior para apegar-se a qualquer coisa de superior. Todo o
caminho evolutivo do homem é prenhe destas crises de superação e de desapego, seguidas de
apego ou aspiração por qualquer coisa mais elevada.
Apenas quando a natureza inferior estiver unificada por completo à natureza superior, isto é,
quando "Espírito" e "Matéria" se tornarem um, só então cessará esse jogo alternado de atração e
repulsão, de apego e desapego. 0 homem não mais terá consciência da dualidade, mas, sim, da
unidade e estará completamente livre de apego.

*
**

Estes são, portanto, os cinco obstáculos fundamentais, segundo Patanjali.


Como dissemos antes, eles são de natureza geral e certamente cada um de nós os sentirá com
maior ou menor intensidade.
Além destes obstáculos, em cada homem existem outros de natureza particular e individual,
dependendo de seu grau de evolução, de seu Raio dominante, de seu temperamento etc.
Cabe a cada um descobri-los, procurando-os no fundo de nós mesmos e estudando o próprio
temperamento e a própria natureza.
Não será fácil descobrir todos os obstáculos, mesmo porque os mais graves estão de tal forma
enraizados em nós de modo a se tornarem irreconhecíveis à nossa consciência.
Estes obstáculos inconscientes constituem os glamours (ilusões) que são reencontrados em
cada plano da personalidade.
No plano físico-etérico encontramos maya.
No plano astral "o ofuscamento", e o no plano mental inferior, "a ilusão".
Por ora, menciono-os de passagem, porém, análises mais particularizadas de tais glamours
serão o tema de uma das lições deste curso.
Outro obstáculo fundamental para o livre afluxo das energias anímicas é a falta de integração
dos veículos pessoais, dos quais falaremos na próxima lição.
II - QUESTIONÁRIO

1 - A sua aspiração de alcançar a completa consciência da alma é suficientemente forte?


2 - Se não é, você pode identificar aquilo que a impede?
3 - Tem ainda dúvidas mentais ou incertezas sobre aquilo que diz respeito à realidade da Alma?
4 - Crê ser necessário aprofundar o seu conhecimento antes de se dispor a iniciar o trabalho para
realizar a união com o Si?
5 - Acha que a vida prática, as suas ocupações o impedem de dedicar-se ao recolhimento, ao
estudo, às práticas apropriadas para conseguir um desenvolvimento interior?
6 - Quais as ligações que na sua vida constituem obstáculo para a realização da consciência
espiritual?
7 - Consegue facilmente sentir um senso de desprendimento da personalidade, das suas reações,
dos seus desejos?
8 - Acha que é um tipo essencialmente extrovertido ou introvertido?
9 - Depois de refletir sobre karma yoga, bhakti yoga e jnana yoga, pode dizer por qual dos três sente
maior inclinação?
10 - Acha que é fácil conciliar a vida prática, ativa, com a vida interior, espiritual?
11 - Depois de ter refletido e meditado, poderia identificar qual é, atualmente, o seu maior obstáculo
entre os cinco relacionados por Patanjali?
III - INTEGRAÇÃO DA PERSONALIDADE
A personalidade é o instrumento da Alma nos planos da manifestação e é composta de três
veículos ou corpos que devem ser o perfeito reflexo dos três aspectos da Alma: Vontade, Amor e
Inteligência.
Entretanto, no momento da individuação, esses três veículos pessoais encontram-se em
estado amorfo, embrionário e o homem ainda não está consciente de todas as qualidades e
capacidades que traz, latentes e em potencial.
Há, portanto, uma evolução também dos três corpos da personalidade; muitos são os graus de
desenvolvimento e muitas as diferenças evolutivas de indivíduo para indivíduo, justamente por aquilo
que respeita ao grau de formação dos seus corpos sutis.
Aos poucos, com a sucessão das várias encarnações, e de acordo com as várias experiências,
provações e vicissitudes da vida, o homem constrói psicologicamente os seus vá-rios corpos sutis,
isto é, vai mudando suas qualidades latentes do estado potencial para o estado ativo, ao mesmo
tempo em que se vai conscientizando de todos os estados psíquicos e de todos os níveis inferiores,
dos emotivos aos mentais.
Contudo, não se pode chamar a verdadeira "personalidade" de entidade independente até que
os três veículos pessoais, completamente desenvolvidos e formados, estejam integrados e
coordenados entre si.
O que significa integração da personalidade?
Significa que os três corpos inferiores devem funcionar coordenada e harmonicamente,
colaborando entre si para um único fim, não devendo funcionar cada qual por conta própria em
direções e finalidades diversas.
Mesmo que pareça estranho, isso pode acontecer, porque, se no homem ainda não se
formaram o senso da identidade pessoal, isto é, a consciência do eu pessoal, e o senso da direção,
os três veículos não se podem coordenar e integrar, funcionando, assim, de maneira independente,
como se cada um tivesse vontade própria.
Isso acontece porque, não tendo sido ainda formada uma unidade de consciência pessoal, o
homem tem o ânimo multíplice; identifica-se ora com um veículo ora com outro, é presa dos seus
estados psíquicos em vez de ser-lhes senhor, e se sente continuamente impelido ora numa direção
ora em outra, conforme prevaleçam os impulsos instintivos (pertencentes ao corpo etérico), as
emoções (pertencentes ao corpo astral) ou as idéias e as formas-pensamentos (pertencentes ao
corpo mental inferior).
A sua vontade é frágil e ele vai em frente, vacilando continuamente entre um objeto e outro,
sem meta definida, sem uma meta bem definida a atingir.
Esta última frase nos oferece a chave de todo o problema.
Somente quando começa a se formar no homem uma meta, um ideal, é que ele pode criar a
integração dos seus veículos pessoais, porque o fim único, que deseja alcançar, focaliza e concentra
todas as energias da sua personalidade em uma só direção e, assim, os três corpos pessoais não
funcionam mais por conta própria, mas se alinham e se coordenam sob o comando da vontade.
Neste ponto, emerge a verdadeira personalidade que conserva uma energia peculiar, uma nota
particular, que não é a soma nem a fusão das energias dos três corpos inferiores, mas é uma força
independente, com fins, características e qualidades próprias.
O Dr. Roberto Assagioli, em Coordenação dos veículos pessoais, diz:
"Tem uma personalidade quem é consciente de uma meta e sabe disciplinar as atividades de
maneira a alcançá-la ou, pelo menos, tentar alcançá-Ia."
E mais:
"Criamos para nós uma personalidade sempre que antepomos a fé ao desejo do nosso eu
inferior, sempre que temos um ideal diante de nossos olhos e coordenamos os nossos
instrumentos, sempre que direcionamos todas as nossas forças para uma única meta, plasmando-
nos em função daquilo que deve ser alcançado. Sem meta, sem ideal, não pode existir uma
verdadeira personalidade...".
Portanto, a integração dos veículos pessoais e a formação de uma verdadeira personalidade
só serão possíveis se houver a presença daquele fio integrador conseqüente de um ideal, de um
propósito único a ser atingido.
A esta altura, perguntamos: qual é a importância da integração da personalidade aos objetivos
da união com a Alma? Por que a falta de integração dos veículos pessoais constitui um obstáculo
para essa união?
Como dissemos antes, a personalidade deve ser o instrumento de manifestação e de
expressão da Alma nos três planos exteriores, e como poderá ela, então, servir a esse fim se o seu
funcionamento não for organizado e harmônico, se não houver perfeito equilíbrio das energias, uma
disciplinada coordenação das atividades psíquicas sob o comando da vontade?
A Alma somente poderá servir-se da personalidade e manifestar os seus três aspectos através
dos três veículos pessoais, quando for harmônica e eficiente, pronta e madura.
A falta de integração dos corpos inferiores obsta o afluxo das energias anímicas e produz um
estado de desarmonia, de desordem na psique do homem, certamente desfavorável à elevação e à
sublimação das energias.
E verdade que em qualquer momento excepcional pode-se ter um contato fugaz com a Alma
através de um dos veículos, desde que seja (mesmo por momentos) vibrante nos subplanos mais
elevados; mas este contato é puramente casual, esporádico e instável e não se repete vo-
luntariamente, devido à falta de alinhamento e integração dos veículos.
Quando, ao contrário, ocorre o contato da Alma com a personalidade já integrada, ele é
estável e duradouro e as suas conseqüências são permanentes.
Não pode haver integração da personalidade quando existem deficiências de desenvolvimento
em qualquer dos veículos, pois, como dissemos antes, não é possível um harmônico equilíbrio de
forças em uma personalidade que não esteja igualmente desenvolvida e formada em todas as suas
partes.
óbvio, portanto, que a primeira coisa que devemos fazer é desenvolver cada lado da nossa
personalidade, preenchendo as lacunas que porventura encontrarmos em nossos veículos.
Essa deficiência ou falta de desenvolvimento de qualquer dos veículos é, portanto, um
obstáculo natural à integração da personalidade.
Há, também, outra série de dificuldades, mais complexas e mais profundas, que surgem depois
de os três veículos estarem formados e desenvolvidos. Estas dificuldades são as cisões.
Não é fácil compreender bem o que realmente significa "cisão".
necessário possuir certa experiência subjetiva para compreender plenamente o significado e
a importância do ponto de vista psicológico, desta palavra.
Mesmo assim falaremos nela, pois é útil conhecer a sua natureza, ainda que só
intelectualmente.
"Cisão" significa "fratura", separação, divisão. Cisão é o contrário de coordenação, colaboração,
harmonia e união.
Na personalidade podem existir cisões entre um veículo e outro e, às vezes, também no interior
de um mesmo veículo.
E óbvio que essas cisões, essas fraturas existem psicologicamente e não em estrutura; elas
existem apenas na consciência do indivíduo. De fato, uma cisão entre os corpos da personalidade
significa que o indivíduo não tem consciência deles como funções da sua psique, da qual é senhor,
identificando-se separadamente ora com um ora com outro.
Note-se que, enquanto se identifica com um dos corpos, o eu esquece totalmente os outros,
liga-se por completo a esse corpo, segue cegamente os impulsos dele e obedece às suas
exigências, acreditando estar seguindo a vontade do seu eu.
Depois, caso se identifique com outro dos seus corpos, ele faz o mesmo e se porta como se
fosse uma outra pessoa, pois pode acontecer de os impulsos, as qualidades e os desejos desse
corpo serem absolutamente diversos daqueles do veículo com o qual se havia identificado antes.
Tudo isso pode parecer confuso à primeira vista.
Entretanto, se pensarmos que cada um dos nossos veículos pessoais possui funções e
características diversas devido à sua própria natureza, compreenderemos como isso pode
acontecer.
E óbvio que o corpo físico-etérico possui funções e deveres bem diversos daqueles do corpo
emotivo, que, por sua vez, possui qualidades e objetivos diversos daqueles do corpo mental.. .
Portanto, se considerarmos nossos três veículos separadamente, como se fossem três
unidades diferentes, não pertencentes a um mesmo indivíduo, é como se fossem três identidades
diversas, com diretrizes e finalidades diferentes umas das outras.
As cisões tanto podem ser superficiais, temporárias e não causar graves distúrbios, como
podem ser mais profundas e duradouras.
E como se no homem florescessem alternadamente duas ou mais personalidades, não só
diversas, mas com freqüência conflitantes.
0 indivíduo não é sempre igual a si próprio, não é coerente, não tem uma única fisionomia, mas
é multíplice, caleidoscópico, faccionado.
Talvez cada um de nós tenha conhecido pessoas que em algumas circunstâncias agiram de
certa maneira e, em outras, de maneira totalmente diferente.
Pessoas que em suas profissões são eficientes, práticas, inteligentes e que na vida particular
são ingênuas, frágeis e supersticiosas.
Homens de mente clara e límpida, propensos às ciências concretas e que, afetivamente, são
como crianças inseguras e medrosas.. .
Indivíduos que parecem (e talvez sejam) honestos e íntegros no tocante às suas profissões e
que, no campo das emoções e dos sentimentos, são egoístas, cruéis, cínicos.. .
Poderíamos citar infinitos exemplos dessas cisões, porém nos estenderíamos demais.
Aquilo que deve estar bem claro à nossa mente é que pode existir entre um veículo e outro da
personalidade uma fratura, uma separação, que os impede de funcionar coordenada e
harmonicamente e cria penosas dificuldades e intensos distúrbios.
Isso pode acontecer mais facilmente:
a) se os Raios que influenciam os três corpos forem de naturezas opostas, como por exemplo
os II e o l, ou o V e o 11; 1
b) se o indivíduo não tem vontade diretiva e autodomínio sobre os corpos da sua
personalidade;
c) se não tem em si o elemento integrador de um ideal e de uma meta a alcançar.
Como vocês já sabem, todo o nosso veículo pessoal está sob o influxo de uma energia, de um
Raio e, assim, também a personalidade inteira.
Desta forma, pode acontecer, por exemplo, que haja uma personalidade composta da seguinte
maneira:
a) corpo físico-etérico de III Raio;
b) corpo emotivo de II Raio;
c) corpo mental inferior de I Raio.
Numa personalidade de tal modo constituída pode facilmente formar-se uma cisão entre os
corpos emotivo e o mental inferior, porque o Segundo e o Primeiro Raios possuem qualidades e
características quase contrastantes e finalidades quase opostas.
0 indivíduo que possui tais Raios na sua personalidade terá muitas dificuldades para coordenar,
harmonizar e integrar o corpo emotivo com o mental, porque enquanto estiver propenso a
comportamentos amorosos, compreensivos, inclusivos, construtivos devido ao Raio do seu corpo
emotivo, será, entretanto, impelido pelo Raio do corpo mental à prepotência, à rigidez, à

1
Ver o Iivro da mesma autora, Os Sete Temperamentos Humanos, para maiores informações sobre os Raios.
destrutividade, ao isolamento. Portanto, será como se nele houvesse duas personalidades bem
diversas, distintas e contrastantes, aflorando alternadamente, conforme sua polarização, no emotivo
ou no mental.
Somente quando focalizar todas as suas energias num propósito, num único ideal, será
verificada uma coordenação dos veículos da sua personalidade, pois a vontade tomará o comando,
formar-se-á uma unidade de consciência e cada lado da personalidade será utilizado só para aquele
fim.
Este é um dos muitos exemplos de casos de cisão que podem ser encontrados na
personalidade e que é bastante revelador.
Note-se que a pessoa que tem na sua psique qualquer cisão não é consciente desta,
justamente porque nela não se formou aquele senso de auto-observação e de objetividade que
aparece quando emerge a consciência do eu pessoal, que é uma identidade distinta dos conteúdos
psíquicos.
Como se vê, também a construção e a organização da personalidade têm os seus problemas e
suas dificuldades, e ocupam um período relativamente longo.
Quando o homem se torna senhor dos seus veículos e das energias que o compõem e é capaz
de servir-se delas para o seu objetivo, usando-as de maneira equilibrada e coordenada, de modo
que cooperem entre si, sem se obstarem reciprocamente ou criarem conflitos e contrastes, terá,
então, integrada a sua personalidade.
A integração da personalidade marca um momento evolutivo importantíssimo para o homem,
mesmo que esse desenvolvimento nem sempre corresponda a uma igual maturação espiritual.
A propósito, é muito importante saber que o desenvolvimento da personalidade não é sempre
simultâneo e paralelo àquele interior e espiritual, apesar de ser necessário à formação do indivíduo e
à sua futura obrigação de Servidor do Plano Divino.
Muitas vezes temos falado de tipos introvertidos e extrovertidos e de temperamentos orientais
e ocidentais.
Os primeiros desenvolvem-se interior e subjetivamente, pois voltam toda a sua atenção para o
mundo interior e para os valores intuitivos.
Os segundos, ao contrário, formam-se antes exterior-mente, isto é, como personalidade, pois
estão voltados para o exterior, para a atividade, para a experiência, para o mundo do pensamento
concreto e positivo.
Ambos os desenvolvimentos são necessários ao homem, e ele, de fato, não se pode
considerar completo até que amadureça, quer subjetiva quer objetivamente.
Eis por que, às vezes, podemos encontrar pessoas bem desenvolvidas e que atingiram uma
integração, mas que nada têm de espiritual, ou por outro lado, indivíduos muito maduros
espiritualmente e com intuição despertada, que têm personalidades truncadas, imperfeitas e falhas.
Aqueles que atingiram a integração dos veículos pessoais sem ter desenvolvido, mesmo que
de maneira primitiva, a intuição espiritual (e este é o caso mais comum nos países ocidentais),
encontrar-se-ão diante de muitas dificuldades e a luta a ser travada por sua Alma, para conquistar o
seu instrumento, será muito longa e árdua.
A personalidade integrada, mesmo não sendo o verdadeiro Eu, mas somente um reflexo dele,
é uma entidade muito forte, porém, separatista, orgulhosa e rebelde.
O homem que possui tal personalidade sente-se pleno de poder, de eficiência e de
inteligência, porque, de fato, a integração das suas energias proporciona-lhe uma sensação de bem-
estar, de força e de segurança, permitindo-lhe realizar seus objetivos e ambições e, por essa razão,
é orgulhoso e acredita ser superior aos outros. Entretanto, é inconsciente da vida da sua Alma e,
mesmo que esta procure comunicar-se com ele, repele os seus chamados porque os crê quimeras
inúteis que o tirariam do Caminho.
Realmente, a finalidade da Alma é muito diferente da finalidade da personalidade, pois,
enquanto uma é altruísta, desinteressada, universal, a outra é egoísta, interessada, separatista.
Tem início, portanto, uma longa e dura luta entre a Alma e a personalidade, porque esta última
se rebela contra a Luz da Alma, acreditando que "dar-se" a ela significa o seu fim e a sua destruição.
Esse é, no fundo, o drama do homem que se rebela contra aquela que é a sua salvação.
A frase do Evangelho: "Têm olhos e não vêem, têm ouvidos e não ouvem" quer significar,
justamente, essa cega obstinação do homem que, por vontade própria, volta as costas à sua Alma
para não ver a luz da realidade e não escutar a voz do seu verdadeiro Eu.
Entretanto, a personalidade é necessária ao homem e essa identificação com ela é inevitável,
e tem a sua utilidade.
0 homem deve evoluir como consciência, mas deve evoluir também "estruturalmente" (por
assim dizer), isto é, deve construir, aos poucos, as várias partes do instrumento que deverá em
seguida auxiliar a Alma nos seus fins espirituais e altruísticos de Serviço; tal instrumento é a per-
sonalidade. Eis por que são importantes a formação e o desenvolvimento dos três veículos da
personalidade, também chamados veículos de experiência e de expressão, bem como a integração
deles em um todo único, harmônico e eficiente, pronto para os comandos do Eu Superior.
III - QUESTIONÁRIO

1 - Você procura definir o mais claramente possível a Alma e a personalidade?


2 - Qual é o verdadeiro objetivo e a verdadeira função da personalidade?
3 - Qual é a sua utilidade para aquilo que concerne à Alma?
4 - Qual é a diferença entre a evolução da personalidade e a da Alma?
5 - O que significa "integração" dos três veículos pessoais?
6 - Por que a integração é tão necessária para o desenvolvimento do homem?
7 - Observando a si próprio, você pode dizer qual dos seus três veículos é menos desenvolvido?
8 - Qual dos seus três veículos é o mais desenvolvido?
9 - Existem em você cisões das quais seja consciente?
10 - Pode dar algum exemplo de cisão?
11 - Acha que tem conseguido certo grau de integração?
12 - Por onde reconhece ter conseguido certo grau de integração?
13 - Se não a alcançou, o que é, segundo você, que o impede?
14 - Tem um ideal na vida, uma finalidade bem clara a atingir, um objetivo bem definido?
IV - O PROBLEMA DA ILUSÃO
Outro obstáculo que encontramos em nossa personalidade e que se interpõe entre nós e a
plena revelação da Alma é o estado de obscuridade, de falta de visão, de ofuscamento da
consciência, conhecido pelo nome de ilusão, e que e o estado de consciência natural da
personalidade, porque ela própria é ilusória e vive no mundo do irreal.
A humanidade inteira é presa desta obscuridade, está envolvida por esse véu que ofusca a
consciência; e só quando a Luz da Alma começa a penetrar na mente dos homens e a intuição
começa a despertar é que a ilusão, em seus vá-rios aspectos, aos poucos se dissolve, diminui,
desaparece, para dar lugar à revelação e à compreensão da Realidade.
A ilusão deriva da identificação do homem com a forma e com o mundo objetivo; entretanto, ela
se encontra em níveis evolutivos bastante altos, pois apresenta-se sob vários aspectos e se introduz
na personalidade por vias insidiosas e obscuras. Com freqüência, aliás quase sempre, ela está
profundamente enraizada no inconsciente e é de difícil reconhecimento.
Nas primeiras fases do Caminho evolutivo, o estado de imersão na ilusão não constitui um
problema porque não somente é inevitável, mas é, em um certo sentido, útil.
O homem deve construir os seus veículos, deve desenvolvê-los e formá-los, sendo justamente
a identificação com eles que lhe dá o impulso para tal realização. Ele não está suficientemente
maduro para operar sobre os corpos da personalidade, mesmo sabendo que são temporários, ilusó-
rios e efêmeros.
Assim, por longas épocas, o homem, sem conhecer o verdadeiro e profundo significado da
obra que está realizando e sem mesmo estar consciente daquilo que está fazendo, constrói o
instrumento que servirá à sua Alma na realização dos seus objetivos.
Somente quando o indivíduo entra no Caminho da Prova (que é, na realidade, o Caminho da
Purificação), começa a se desenvolver o discernimento, isto é, a faculdade de discriminar o Real do
irreal, o ilusório do permanente, o Eu do não-eu.
Nesta altura, a imersão na ilusão torna-se um verdadeiro problema a ser resolvido e um
obstáculo a ser superado, porque o homem deseja a Luz e não pode vê-la, aspira descobrir a
Realidade, mas ela está escondida sob densos véus.
A ilusão revela-se nos três planos da manifestação e toma nomes diferentes em cada um
deles: 1
a) no plano etérico, chama-se Maya;
b) no plano astral, chama-se "Ofuscamento";
c) no plano mental, chama-se "Ilusão", e
d) a ilusão da personalidade integrada chama-se "Guardião do Limiar".

a) Maya, a ilusão no plano físico-etérico.


Dá-se pela identificação do homem com o aspecto material, denso, da criação. Ele não só crê
que o seu "eu" é o corpo físico, mas também que o verdadeiro mundo real é só aquele que ele pode
ver, tocar, sentir.. .
Maya é o dar excessiva importância a tudo aquilo que é material, às provas físicas, às
experiências sensíveis, às sensações. E o não poder e o não saber distinguir o material do imaterial; é
a impossibilidade de conceber qualquer coisa que não tenha forma e não seja controlável através
dos cinco sentidos.
Ainda que possa parecer estranho, maya é bem mais difundida do que se crê, não só nos
níveis evolutivos mais baixos da humanidade, mas também entre as pessoas de evolução média,
possuidoras de certa cultura e de certo desenvolvimento mental.
Há exemplos de médicos, cientistas, engenheiros e letrados incapazes de imaginar ou de
pensar alguma coisa que não seja física e que não seja controlável através dos sentidos.

1
Ver o livro de A. A. Bailey, A Ilusão Como Problema Mundial.
Eles não podem conceber senão o mundo físico, material e lhe dão precípua importância.
Vivem completa-mente imersos em maya e não estão conscientes nem mesmo da contraparte
energética do físico, isto é, do corpo etério.
Numa época onde ;ó se fala de energias e de forças psíquicas, há ainda uma infinidade de
pessoas incapazes, não digo de perceber, mas até mesmo de imaginar algo diferente do físico
denso.
Somente quando o homem começa a ter consciência da dualidade existente entre ele e as
forças, é que descobre a dualidade inicial entre o corpo físico, denso e o corpo etéreo, e aprende
que: "0 primeiro é o meio de contato no plano físico, o outro o instrumento de contato com as forças
internas, com as energias e com os mundos do ser." (A.A. Bailey, A ilusão como problema mundial,
p. 93.)
E nessa fase que ele começa a sentir o peso dessa imersão em maya e a lutar para superá-la.
"Maya torna-se um problema somente quando é reconhecida e nas primeiras fases da
evolução, tal reconhecimento não pode acontecer" (idem, p. 93).
"Maya, como efeito reconhecido, só é experimentada quando se está no Caminho, a começar
pelo Caminho da Prova" (idem, p. 93).
Poderíamos, portanto, dizer que estamos todos imersos em maya, justamente pelo fato de
termos um corpo f físico e os sentidos e que só nos conscientizamos dela ao entrar no Caminho da
Prova, porque ela (Maya) impede cada passo que damos para a Luz e para a libertação, nos man-
tém ligados ao mundo das formas e não permite que percebamos a realidade interior.
E nesta fase que damos início às primeiras tentativas sérias de purificação física e em que se
efetua a transmutação dos centros inferiores para os centros superiores.
De fato, enquanto as energias do nosso corpo etérico estiverem focalizadas nos centros aquém
do diafragma, não nos poderemos libertar de maya, e somente através da purificação e da
transmutação deslocaremos as energias para os
centros superiores.
Dessa forma, maya será totalmente superada apenas quando o aspirante tiver aprendido a
técnica da inspiração, que consiste na substituição das energias do corpo etérico pelas energias
anímicas que afluem na meditação.
Tal substituição pode até mesmo ter início, mas de maneira inconsciente, quando o aspirante
age com pureza de propósitos, quando tenta superar o apego ao plano físico, em suma, a cada vez
que pratica, consciente ou inconscientemente, um ato de purificação.
b) Ofuscamento ou ilusão no plano astral.
A ilusão no plano astral é chamada "ofuscamento" porque se apresenta aos olhos do
clarividente como uma verdadeira névoa que ofusca a luz e a visão.
Em A ilusão como problema mundial, de A. A. Bailey, está dito que, caso o corpo astral da
Terra, pudesse ser visto de um outro planeta, avistar-se-ia uma esfera turva, pois a humanidade, na
sua quase totalidade, é presa do
ofuscamento astral.
O que provoca essa névoa astral?
Ela é provocada por muitos fatores ínsitos na própria substância do plano astral, que é, por
sua natureza, ilusório e, além disso, pelo fato de o corpo astral, quando não coligado à Alma,
produzir estados emocionais, sentimentais, de caráter pessoal que ofuscam a visão, acarretam
falsos juízos, influem nas faculdades mentais e fazem o homem submergir, sempre mais
profundamente, no mundo da ir-realidade.
0 corpo emotivo deveria ser apenas "o instrumento de sensibilidade" do homem, o límpido
refletor do aspecto búdico do Ego, sem possuir uma atividade autônoma, independente.
Entretanto, por um longo período evolutivo, ele funciona por conta própria, de maneira
desordenada e agitada, continuamente movido pela mais leve vibração, provocando no homem um
estado de confusão, de falta de clareza, um estado de caos, que bem pode definir-se como ofusca-
mento.
Num certo sentido, o problema do ofuscamento emocional é mais difícil de ser resolvido
porque ocupa um campo vasto e indeterminado, sendo peculiarmente de difícil reconhecimento.
De fato, ele apresenta aspectos aparentemente positivos que, diante da pesquisa do sincero
aspirante espiritual, não se apresentam como características a serem superadas ou destruídas, mas
como qualidades e virtudes.
Em outras palavras, a maior parte das ilusões emocionais não se apresenta como defeitos ou
qualidades negativas, mas como qualidades positivas e virtudes apreciáveis.
A afetividade, o sentimentalismo, o assim chamado "amor" humano, os apegos, a
sensibilidade emotiva, a devoção etc., parecem e são, em certo sentido, ótimas qualidades e
características humanas positivas, mas escondem os mais perigosos estratagemas e mascaram,
inconscientemente, qualidades negativas e personalismos.
Além disso, a característica de quase todas as ilusões (em todos os planos) é a de serem
inconscientes e de se apresentarem alteradas e camufladas à consciência do indivíduo, sob o
aspecto de virtudes e qualidades. Eis por que é tão difícil reconhecê-las.
No livro anteriormente citado, A ilusão como problema mundial, a respeito das ilusões, está
escrito:
"Na maioria dos homens é ignara. Muitas pessoas não se apercebem delas; idealizam o seu
ofuscamento e consideram as próprias ilusões como preciosas possessões, duramente
conquistadas" (p. 55).
Esta última frase é muito significativa e pode nos dar a chave para o entendimento da
natureza e da qualidade da ilusão em seus vários planos, seja ela de caráter etérico, emocional ou
mental.
Como foi dito anteriormente, os ofuscamentos emocionais são particularmente difícies de ser
descobertos, pois parecem "virtudes duramente conquistadas" e, também, "por causa das belas
colorações que a névoa assume" (idem, p. 87).
E mais: "Um homem perde-se na extática nebulosidade de sua criação, emanada do seu
corpo astral..." (ibidem, p. 87).
Entretanto, devemos aprender a enxergar a verdade, a saber ver, com olhos iluminados,
aquilo que está realmente escondido pelos nossos sentimentos, pela nossa devoção, pelo nosso
amor, e aprender a discriminar a vibração do corpo astral da vibração da Alma.
Nessa difícil tarefa, somente a Luz da mente iluminada pelo Si pode nos ajudar.
Para dissipar a névoa, faz-se necessária a Luz, mas essa Luz deve ser filtrada pela mente,
que tem o discernimento, a objetividade e a faculdade de raciocinar.
A técnica de dissolver o ofuscamento é, de fato, a iluminação precedida de exercícios
formadores de uma sólida e permanente polarização mental. Quando esta polarização for
estabilizada, é necessário fazer afluir a luz no corpo astral e dispersar todas as névoas,
reconhecendo corajosamente os erros, os disfarces, os insidiosos estratagemas do
"sentimentalismo" e do astralismo.
c) Ilusão, a ilusão no plano mental.
A palavra "ilusão", quando se refere ao plano mental, tem um significado particular, bem
diverso daquele que lhe é dado comumente. Não significa "mal-entendido", "confusão" etc., mas
algo muito mais profundo e esotérico.
De fato, a ilusão mental é um problema que se apresenta somente quando o aspirante tem
certo grau de contato com a Alma, é sensível ao afluxo de idéias que provêm do plano anímico e
tem uma sólida polaridade no corpo mental.
No livro A ilusão como problema mundial, há também esta definição:
"A ilusão pode significar a reação da mente não disciplinada ao mundo das idéias com o qual
começa a tomar contato; isso acontece no momento em que o homem efetua o próprio alinhamento
e põe a própria natureza inferior em contato com a superior" (p. 95).
0 homem capta a idéia que lhe provém da Alma, mas a sua mente, ainda não purificada, a
colore e altera, dando-lhe uma interpretação distorcida e "ilusória".
Essa alteração da idéia é devida a várias causas, entre elas:
a) o grau de desenvolvimento da mente;
b) indeterminação da forma-pensamento;
c) o tipo de Raio do Ego;
d) instabilidade do contato da mente com a idéia percebida.
Tais causas são apenas algumas das muitas relacionadas no Iivro citado e podem ser
eliminadas pouco a pouco, com o gradual treinamento da mente a se tornar mais receptiva e
sensível, com a prática da meditação e com a purificação do aparato mental.
Entretanto, a técnica mais eficaz, aliás, quase "única", para dissolver a ilusão, é o
desenvolvimento da intuição.
Apenas a intuição pode nos dar o poder de superar os obstáculos, a obscuridade, as
confusões criadas pela mente concreta ainda ligada à personalidade e ao mundo das formas;
apenas a intuição pode nos colocar em contato direto com a Verdade pura, e dar-nos a capacidade
de captar a idéia na sua verdadeira essência e realidade.
Sem dúvida, a intuição não pode ser desenvolvida de uma só vez e a sua conquista requer
longo treinamento na prática da meditação, certas ampliações da consciência, desenvolvimento
interior e maturidade, que não se pode ter antes de determinado grau evolutivo.
Eis por que a verdadeira superação da ilusão não é possível antes que se tenha conseguido a
Iniciação.
e) Guardião do Limiar, a ilusão da personalidade integrada.
Têm-se muitas idéias confusas e freqüentemente erradas sobre a natureza do "Guardião do
Limiar", e muitas interpretações e definições mais ou menos justas foram dadas a respeito desta
entidade que se apresenta ante o discípulo em certo ponto de seu caminho evolutivo.
As seguintes palavras dão-nos um conceito preciso:
"Pode-se definir o Guardião como o conjunto das forças da natureza inferior, tal como acontece
com a personalidade antes da iluminação, da inspiração e da iniciação. A personalidade, nessa fase,
é muito forte e o Guardião encarna todas as forças psíquicas e mentais, desenvolvidas e nutridas
com cuidado no homem, ao longo das idades. Pode ser considerado como a potência da tríplice
forma material, antes da sua consciente cooperação e consagração à vida da Alma e ao serviço da
Hierarquia espiritual de Deus e da humanidade" (A ilusão como problema mundial, p. 99).
Esse "conjunto das forças da natureza inferior" constitui uma potente forma-pensamento, diante
da qual o discípulo, simbolicamente falando, se encontra quando deve passar pela Porta da Iniciação.
Tal conjunto é chamado, justamente, o Guardião do Limiar, porque vigia a Porta Sagrada que conduz
à Iniciação e o discípulo não pode ir além se antes não vencer e destruir a potente forma-pensa-
mento.
Na realidade, essa experiência significa que, ao estar o discípulo pronto para a Iniciação, a Luz
que flui da sua Alma fará com que ele veja todos os lados da sua personalidade, todo o conjunto das
suas forças psíquicas inferiores, que ele deve, de uma vez por todas, submeter e superar. Ele se vê
como realmente é, sem véus ou ilusões, e tal visão é uma experiência terrificante.
O discípulo sente-se conturbado e frágil diante da sua própria natureza, que se lhe ergue
contra como inimiga, e se horroriza ao ver quanta baixeza, quanta obscuridade, quanta negatividade
estão ainda escondidas e enraizadas na sua personalidade.
Entretanto, a Alma lhe dá força e coragem para lutar. 0 discípulo combate, vence a batalha e
entra pela Sagrada Porta "passando por cima do seu Si morto".

*
**

O problema que se apresenta a nós que aspiramos a realização da união com a Alma, é
descobrir à qual dos três tipos de ilusão estamos mais sujeitos e por quê.
Devemos ter presente, entre outras coisas, que a facilidade de ser presa de uma ou de outra
ilusão não depende sempre do grau evolutivo e não determina uma diferença de qualidade entre um
indivíduo e outro, mas depende também do tipo das experiências realizadas em vidas precedentes e
do tipo de Raio que nos influencia e dá a "cor" predominante às nossas tendências e aos nossos
comportamentos.
Poderíamos fazer esta sumária subdivisão:
a) Maya predomina nas pessoas que estão sob o influxo do V e do VII Raio.
b) 0 Ofuscamento emocional predomina nas pessoas que estão sob o influxo do II e do VI
Raio.
c) A Ilusão mental predomina nas pessoas que estão sob o influxo do III e do I Raio.
Naturalmente, esta subdivisão tem apenas um valor indicativo e não absoluto, mas pode nos
ajudar na procura das nossas ilusões e dos nossos ofuscamentos.
Devemos ter presente, sobretudo, que somente a Alma nos auxiliará na descoberta de nós
mesmos e no soerguimento dos véus que escondem a realidade. Portanto, é a ela que devemos
pedir luz e visão para superarmos, aos poucos, a obscuridade, a névoa e o erro que nos envolvem
por toda parte, mantendo-nos agarrados ao mundo da ilusão.
Devemos intensificar a aspiração e a vontade de realizar o nosso Si Divino, de nos abrir ao seu
influxo e de ampliar a nossa consciência.
Enquanto vivermos identificados com o eu pessoal, estaremos imersos na ilusão e
continuaremos a caminhar cegamente. Se nos desidentificarmos desse eu, abrir-no-emos à intuição e
a nossa mente tornar-se-á um dúplice instrumento: um receptor de Luz do alto, e uma força de
comando e de controle para baixo.
Naturalmente, para podermos alcançar tal estágio deveremos trabalhar, aprender muitas coisas,
ter a devida perspicácia, habituar-nos a comportamentos adequados, quer para conosco mesmos
quer para com os outros, e devemos nos preparar para práticas de concentração, de meditação e de
auto-afirmação aptas a produzir o despertar da consciência superior.
Até o momento tratamos dos obstáculos que se interpõem entre nós e a realização do Si
Espiritual; nas próximas lições, falaremos dos métodos, comportamentos e meios que favorecem tal
realização e que nos ensinam a viver como Almas e não como personalidades.

IV - QUESTIONÁRIO
1 - O que é "ilusão"?
2 - Quais são, em geral, as causas da "ilusão"?
3 - 0 que significa maya? 0 que a provoca?
4 - O que significa ofuscamento? Quais são as suas causas?
5 - 0 que significa "ilusão mental"? 0 que a provoca?
6 - Dê exemplos de ilusão mental no plano físico-etérico, no plano emotivo e no plano mental.
7 - A que tipos de ilusão você está mais sujeito?
a) à ilusão Maya?
b) ao ofuscamento?
c) à ilusão mental?
8 - Procure determinar o porquê de você estar mais sujeito a um tipo de ilusão que a outro.
9 - Como acha possível poder dissipar a ilusão a que está sujeito?
10 - Acha que está completamente isento de ilusões?
11 - Está certo de que os seus méritos, as suas qualidades não escondem, na realidade, ilusões?
V - A IMAGINAÇÃO COMO TÉCNICA ESPIRITUAL
Inicia-se com esta lição, a segunda parte deste Iivro, na qual procuraremos descrever e analisar
os vários métodos, percepções e técnicas para favorecer a união com a Alma.
Nos capítulos precedentes tratamos das dificuldades que impedem a realização interior; agora
trataremos dos recursos e apoios que encontramos dentro e fora de nós, que ajudam a atingir mais
facilmente a nossa meta.
E necessária, porém, uma breve premissa antes de adentrarmos-nos na descrição desses
métodos e técnicas.
Se quisermos realmente obter resultados sensíveis e dignos de nota, deveremos, antes de tudo,
mudar o nosso comportamento interior diante dos acontecimentos da vida. Devemos nos convencer
de que tudo aquilo que nos acontece não ocorre por acaso, mas por efeito de leis justas e imutáveis,
e que tudo tem um objetivo bem preciso e claro: servir de estímulo para o despertar da consciência
em nós adormecida.
A espiritualidade, para quem aspira realmente ao despertar do Si, não deve existir como teoria
ou como um sonho poético ou, ainda, como um momento de evasão. A espiritualidade deve tornar-se
parte integrante da vida de todos os dias, deve constituir o fundo, o substrato de todas as ações, de
todos os pensamentos e sentimentos.
A segunda coisa que devemos ter presente é que a Alma é a nossa verdadeira identidade e
que devemos nos transformar naquilo que já somos em potencial.
Na realidade, as palavras que geralmente usamos não são exatas, porque dizemos que
aspiramos à "união" com a Alma, e deveríamos dizer que aspiramos à consciência de ser Almas.
Usando a palavra "união" pressupomos uma divisão, uma cisão, uma dualidade. Entretanto,
entre a Alma e a personalidade não existe divisão, dualidade; existe somente "inconsciência",
insciência, ignorância, obscuridade.
Van der Leeuw descreve isso muito bem no seu Iivro Dei in esilio.
Ele diz: "... a consciência de sermos dois, um Eu superior no íntimo e um eu inferior no exterior,
baseia-se na ignorância. Nós não somos dois, mas um. Somos o Eu Divino e nada mais" (p. 22).
A centelha divina, que constitui o verdadeiro Homem interior, espiritual, mergulhando na matéria
dos vários planos, esqueceu a sua origem e identificou-se com os vá-rios invólucros e deve, portanto,
penosa e lentamente, aflorar, evoluir, readquirindo a consciência de si através das vá-rias
experiências nas sucessivas encarnações. Entretanto, o homem vive assim, ignaro da sua verdadeira
natureza, esquecido da sua origem divina por longas épocas.
"Assim poderia viver alguém que nos dias da juventude fosse banido da terra natal e por muitos
anos tivesse estado entre estrangeiros; ele, nas misérias do exílio, passando por privações, com
muito custo recordar-se-ia de que conhecera lugares diferentes. . . (Van der Leeuw, Dei in Esilio, p.
10).
Entretanto, chega o dia em que o homem começa a recordar, a despertar do seu sono de
inconsciência, tendo afloramentos e vislumbres, da sua verdadeira identidade, no começo raros e
alternados, tornando-se, aos poucos, cada vez mais freqüentes. Tem início, então, o período mais
significativo do caminho de volta, aquele em que o homem consciente e voluntariamente
colabora com a sua evolução, trabalha para o seu despertar, abre-se às energias espirituais e com
toda a sua aspiração e as suas forças procura realizar a sua verdadeira identidade espiritual.
Portanto, nós, que nos encontramos nesse período e desejamos com fervor nos tornar
conscientes do nosso verdadeiro Si, devemos em primeiro lugar criar em nós mesmos essa certeza
de sermos, na realidade, Almas, entidades espirituais, centelhas divinas que lutam com firmeza para
vir à luz; e, além disso, devemos compreender o significado oculto de cada fato, de cada
experiência que temos, e utilizar tudo como meio, estímulo e subsídio para o despertar da nossa
consciência interior.
Porém, acontece uma coisa estranha. Estamos convencidos de ser, na realidade, Almas.
Estamos certos interiormente de que o nosso verdadeiro Eu é uma entidade espiritual... Mas
sabemos muito pouco ou quase nada a esse respeito. E aquele pouco que sabemos nos parece
vago, nebuloso, confuso, indefinido.
Portanto, parece-me lógico que deveríamos ter uma idéia bem clara sobre a Alma, suas
qualidades, seus caracteres, as leis que a regem e, para tal, podemos recorrer quer aos livros que
tratam do assunto, quer à nossa intuição e à nossa imaginação.
A esta altura creio ser necessário abrir parênteses e deter-me um pouco no significado da
imaginação.
A imaginação foi considerada por muitos como fonte de ilusão e de erro, como por
Malebranche que a chamava "la folle du logis" (a louca da casa), e, por outros, como força benéfica
de invenção e progresso.
Ambas as apreciações são verdadeiras porque, se a imaginação se refere a objetos físicos, ela
tem a capacidade de mergulhar no fantástico e no absurdo, acrescentando ou subtraindo a esses
objetos tudo aquilo que queremos e criando novas formas, mesmo que nunca tenham existido ou
que nunca tenham sido vistas antes. Entretanto, se ela se refere a alguma coisa interior, a
sentimentos, idéias, estados de consciência, ela não pode "criar" coisas impossíveis, tendo, em
certo sentido, o caminho já traçado.
0 homem pode imaginar formas e objetos estranhos e nunca vistos porque é como se
"pintasse" com o pensa-mento, mas não pode imaginar sentimentos, idéias e estados de
consciência que nunca existiram e jamais poderão ser provados. E em razão disso que ele, nesse
caso, usa material da sua consciência, usa substância psicológica, que está em contínua
mutação e transformação e que tem em si, latentes, infinitas potencialidades e possibilidades.
A imaginação, portanto, quando se refere a coisas interiores, a estados de consciência, é
criativa, evocativa e dotada de grande força.
Mesmo que não nos apercebamos, estamos continua-mente movidos e influenciados pela
imaginação. Muitos estudiosos, entre eles Baudoin e Couè, põem a força da imaginação acima da
força da vontade e dizem que o homem é o produto da sua imaginação. No fundo eles têm razão.
0 que é, de fato, a imaginação? E um ato do pensa-mento. E nós sabemos muito bem qual é a
importância do pensamento para quem se dirige ao Caminho Espiritual.
"A energia segue o pensamento", diz Tibetano em um dos seus livros.
"O homem é aquilo que ele pensa em seu íntimo", diz a Bíblia.
E assim acontece também com a imaginação quando se refere a estados psicológicos. Eis por
que é considerada uma verdadeira técnica evocativa e formativa nas ciências esotéricas.
Quando imaginamos um sentimento, uma qualidade superior, evocamos no fundo de nós
mesmos poderosas forças latentes e, ao mesmo tempo, atraímos do alto energias afins com aquele
sentimento, com aquela qualidade que nos estamos esforçando para imaginar, mesmo que nunca a
tenhamos provado.
Por outro lado, quando imaginamos uma qualidade, criamos uma forma-pensamento, que
tenderá continua-mente a realizar-se no plano físico. Esta tendência de o pensamento efetuar-se foi
admitida e provada por muitos estudiosos.

Dizia Setchenoff: "Não existe pensamento sem expressão; o pensamento é um ato nascente,
um princípio de atividade". E Prentice Muldorf assegurava: "Os pensamentos são coisas".
Eis por que devemos continuamente nos esforçar para "imaginar" as qualidades da Alma,
pensando nelas com clareza e precisão e criando uma forma-pensamento nítida e clara.
Em cada momento do dia, em cada circunstância da nossa vida deveríamos ter sempre em
mente o pensamento: "Eu sou uma Alma e devo provar as qualidades da Alma e não as da
personalidade". E deveríamos nos esforçar por imaginar como realmente se comportaria a Alma, o
nosso Si Superior, em contato com as provas e com as vicissitudes da vida da nossa personalidade.
Muitos místicos cristãos, diante das provações da vida, costumam repetir esta frase: "0 que faria
Jesus?"
E nós também deveríamos nos perguntar: Que faria a minha Alma nessa circunstância? Como
eu agiria, como me sentiria, se eu realmente estivesse em poder da consciência anímica?
Sejamos sinceros conosco mesmos e reconheçamos que na realidade agimos sempre como
personalidades e não como Almas. As nossas reações são sempre personalísticas e é por isso que
não sabemos enfrentar a luta da vida, não temos força para superar certos obstáculos, sentimo-nos
infelizes, frágeis e cansados. Eis por que sofremos, somos deprimidos, corremos para todos os lados
à procura de qualquer coisa que possa resolver os nossos problemas, de qualquer coisa que torne a
nossa vida pessoal cômoda e mais bonita, como se esta fosse a verdadeira vida, a única realidade.
Tentemos um esforço de imaginação, elevemo-nos para além da mesquinha vida pessoal e
procuremos com todas as nossas forças intuir, pensar, imaginar como reagiríamos diante das
dificuldades da vida se já fôssemos Almas cientes.
Reagiríamos do mesmo modo?
Teríamos os mesmos sentimentos, os mesmos pensamentos?
Ou, então, haveria alguma coisa diferente no nosso comportamento; alguma coisa tão única e
especial que nos daria a solução para todas as dificuldades e a serenidade ante qualquer prova?
Ainda que não seja fácil sentir ou imaginar esse comportamento anímico, estaremos certos de
pelo menos uma coisa: ele será bem diverso daquele da personalidade.
Se pudéssemos somente captar, entender em que seria diferente e aquilo que há de errado
no nosso comporta-mento pessoal, já seria muito bom.
Nossa verdadeira dificuldade é que, mesmo tendo lido e ouvido falar muito a respeito da
Alma, ainda não temos bem claro na mente quais são as suas verdadeiras qualidades,
características e particularidades.
Sabemos que ela é algo maravilhoso, superior, bonito, luminoso, mas não sabemos dar uma
fisionomia precisa, um caráter bem definido a essa entidade espiritual que é o nosso verdadeiro Eu,
o verdadeiro Homem interior, como diz Patanjali.
E isso é natural porque somente quando tivermos a plena realização interior da Alma,
poderemos compreender e sentir qual seja a sua nota, a sua essência, a sua vida.
Para isso, entretanto, desde já, a imaginação e a discriminação podem nos ajudar. Do uso da
imaginação falamos anteriormente. Do uso da discriminação daremos agora um breve aceno.
Nesse caso, a discriminação deve ser usada para reconhecer, separar e discernir as
qualidades da personalidade daquelas da Alma.
Se não somos capazes de reconhecer as qualidades anímicas, devemos, ao menos, saber
distinguir as notas e as qualidades pessoais.
Devemos saber ver com objetividade e clareza quais são as coisas que pertencem à
personalidade, sem nos iludir com a possibilidade de que venham a pertencer à Alma, ainda que
aparentemente sejam qualidades boas e positivas.
Eis uma relação de reações pessoais, que certamente é incompleta e insuficiente, mas que
pode servir como exemplo:
1 - Sentir-se ofendido
2 - Sentir-se humilhado
3 - Desejar ser amado
4 - Desejar ser compreendido
5 - Sentir-se satisfeito
6 - Sentir-se superior aos outros
7 - Sentir-se orgulhoso
8 - Crer que as próprias idéias são as melhores
9 - Sentir-se juiz e crítico dos outros
10 - Sentir-se diferente dos outros
11 - Amar alguém com apego e desejar a retribuição
12 - Fazer uma gentileza e sentir-se bom
13 - Fazer um ato de bondade e desejar a gratidão
14 - Ser gentil e dócil por interesse
15 - Sentir-se irritado porque os outros não o apreciam
16 - Desejar elogio
17 - Ser indeciso e incerto
18 - Sentir-se deprimido
19 - Sentir-se triste
20 - Sentir-se infeliz
21 - Sentir-se eufórico
22 - Sentir ser algo excepcional
23 - Estar muito contente consigo mesmo a ponto de preferir-se aos outros ("não me trocaria por
ninguém")
24 - Desejar que todos saibam que fez uma coisa boa
25 - Ter medo do futuro
26 - Ter medo de ser enganado
27 - Rebelar-se contra a dor
28 - Sentir-se injustamente tratado
29 - Irritar-se e indignar-se com as maldades alheias
30 - Pretender a ajuda dos outros
31 - Desprezar aqueles que são menos inteligentes
32 - Fazer o bem somente àqueles que lhe são simpáticos
33 - Procurar somente a companhia dos afins
34 - Trabalhar apenas visando ao interesse
35 - Crer que os outros têm mais sorte
36 - Ser otimista demais
37 - Ser pessimista demais
38 - Desejar a felicidade
É óbvio que essas são apenas algumas das reações pessoais, que só podem servir como
estímulo à reflexão, ao pensamento e para incitar cada um de nós a procurar e reconhecer em nós
mesmos as reações pessoais, para distingui-las das anímicas.
Podemos dizer que tudo que vem da personalidade tem qualquer coisa de egoístico, de
interessado e de limitado, enquanto tudo que vem da Alma é altruístico, puro, desinteressado, amplo,
universal.
Todos os impulsos e tendências superiores de que somos capazes, como a sede de Verdade,
o amor pelo conhecimento, o senso de fraternidade para com os homens, a atividade altruística, o
amor desinteressado e impessoal, a abnegação etc., provêm da Alma.
Eles são "reflexos", na personalidade, das qualidades e das capacidades anímicas, e cada um
dos nossos veículos pode tornar-se espelho e receptor de tais qualidades.
Para que possamos melhor compreender quais sejam essas qualidades anímicas refletidas na
personalidade, tracemos o seguintes esquema:
Qualidades anímicas refletidas através
a) do corpo físico:
atividade, laboriosidade (com objetivos altruísticos) ordem
harmonia
ritmo
senso de bem-estar
senso de vitalidade
adaptabilidade física

b) do corpo emotivo:
serenidade
calma
amor desinteressado e impessoal a todos
alegria
simpatia (por todos)
sensibilidade pelo belo
compaixão
c) do corpo mental:
compreensão
sabedoria
sede de conhecimento
clareza mental
imparcialidade de julgamento
raciocínio livre de fanatismos
lógica serena
criatividade mental
discriminação
elasticidade mental
adaptabilidade mental
Todos vocês poderão por si mesmos acrescentar a esta relação outras qualidades que possam
ser anímicas, e torná-la, assim, mais completa.
Nada nos resta senão entrar em ação com seriedade de propósitos e férvida aspiração.
Peçamos ajuda ao nosso Si Divino, que está oculto no fundo da nossa consciência, como uma
luminosa lâmpada coberta por numerosos véus, à espera somente de poder revelar-se, e
comecemos a mudar o nosso comportamento.

Com a certeza interior de sermos Almas, procuremos discernir com todas as nossas forças, em
meio à névoa da ilusão que nos ofusca a vista, a verdadeira Luz da realidade, o verdadeiro vulto do
nosso Eu Espiritual e libertemo-nos das amarras da personalidade.
Pensemos na Alma, reflitamos sobre ela, invoquemo-la a cada momento do nosso dia,
afirmando: "Eu não sou uma personalidade separada, egoística, mas sou uma centelha espiritual,
uma Alma que tenta manifestar-se e realizar o seu plano a serviço dos outros."
Se de fato fôssemos capazes de fazer isso, de ter constantemente esse comportamento interior,
acho que muitos obstáculos seriam superados com maior facilidade, muitas coisas seriam resolvidas
e a Luz afluiria com maior rapidez à nossa consciência.

V - QUESTIONÁRIO

1 - Quando pensa na Alma, você se dirige a ela como a uma entidade que está fora de você, ou a
sente como a sua mais íntima essência, o seu verdadeiro Eu?
2 - Consegue facilmente sentir quais são as qualidades e as características da sua Alma, ou não?
3 - Se não consegue sentir as qualidades anímicas, experimente imaginá-las. Você é capaz disso?
4 - Tente imaginar você mesmo de posse da consciência anímica e ver-se nas várias circunstâncias
da sua vida:
a) as suas reações seriam as mesma de agora?
b) no que elas seriam diferentes?
5 - Quais são, segundo você, as qualidades anímicas?
a) as suas características principais?
b) as suas particularidades?
6 - E capaz de distinguir as suas reações, as suas qualidades impessoais e anímicas?
VI - O DESAPEGO
Depois de refletir sobre as qualidades da Alma, procurando imaginar a nossa personalidade
permeada por elas, e depois de termos procurado discriminar as notas pessoais das anímicas,
devemos passar, conforme nos for possível, à atuação prática, à verdadeira e concreta realização da
consciência do nosso verdadeiro Si.
Infelizmente, não podemos chegar com rapidez a essa realização, mas há comportamentos
interiores, métodos, que favorecem e preparam o despertar da consciência superior.
Um desses comportamentos, talvez, o principal, é o desapego.
O que significa realmente "desapego"?
O desapego é uma posição interior de indiferença por tudo o que faz parte do "não-Si". E
separar o real do ilusório, efêmero e relativo.
No livro de A. A. Bailey, A ilusão como problema mundial, a indiferença, ou desapego, assim se
define:
"Na realidade, "indiferença" significa conseguir uma posição neutra para com tudo o que é
considerado "não-Si"; implica repudiar qualquer semelhança entre o Si e o não-si; marca o
reconhecimento de uma diferença fundamental; indica a recusa em identificar-se com algo que não
seja a realidade espiritual, assim que ela for percebida e conhecida em certo ponto no tempo e no
espaço. Trata-se, por isso, de algo muito mais importante e vital do que o significado que geralmente
se dá a esta palavra. E um repúdio ativo, sem qualquer concentração sobre o que é repudiado."
Portanto, indiferença ou desapego é o comportamento do Espectador, daquele centro de
consciência que se encontra entre a personalidade e a Alma, através do qual podemos observar a
personalidade a viver, a agir, a sentir e a pensar nos três mundos da manifestação e, ainda, assim,
calmos, serenos, separados de tudo o que acontece no plano pessoal.
É claro que se conseguíssemos esse comportamento interior, o despertar gradual da verdadeira
consciência Anímica seria facilitado e favorecido, pois, como dissemos outras vezes, o que
fundamentalmente impede tal despertar é sem dúvida a nossa identificação com o não-Si, com as
formas e os objetos ilusórios, com os veículos da nossa personalidade...
Entretanto, não é fácil conseguir esse comportamento interior, pois ele é o resultado final de
graduais e sucessivos reconhecimentos; o homem não pode atingi-lo repentinamente, mas, aos
poucos, libertando-se dos apegos, das várias ilusões que o mantêm ligado ao mundo da irrealidade.
Antes de conseguir o verdadeiro "desapego", o homem passa por vários e graduais desapegos,
ou melhor,libertações, transferindo o seu desejo e o seu apego de um objeto inferior para um
superior e vai, aos poucos, reconhecendo a caducidade de um e apegando-se a outro que acha
verdadeiro e duradouro.
Poderíamos dizer que, no seu todo, o caminho evolutivo do homem está semeado por
superamentos e desapegos. Toda a ampliação de consciência pressupõe uma "libertação" de
certos apegos; portanto, podemos definir o desapego como sendo a própria técnica da evolução da
consciência a partir da prisão da forma.
Passemos agora a analisar mais particularmente esse comportamento interior chamado
"desapego".
E necessário estarmos bem atentos para não incorrermos em erros e interpretações
equívocas sobre esta palavra.
E importante observar a reação interior, suscitada em nós pelo termo "desapego", uma vez
que tal reação pode-ria ser o indício revelador de que temos uma idéia total-mente errada dessa
qualidade espiritual.
Pode ser que ela suscite em nós a idéia de frieza, de distanciamento, de isolamento ou de
evasão ao sofrimento...
Desapego não é frieza. Não é distanciamento ou isolamento nem, muito menos, evasão ao
sofrimento.
Desapego não é falta de amor e de compreensão.
Pode-se amar com profundidade, compreender, sentir todo o sofrimento, mesmo
permanecendo, interiormente, separados. Talvez seja essa a coisa mais difícil de se compreender e
de se realizar, justamente porque não sabemos amar com desapego, amar como Almas, isto é, dar
sem nada pedir, querer bem sem desejar retribuição, de maneira inclusiva, ampla, generosa,
superando a emotividade pessoal que é sempre egoísta, ciumenta, exclusivista.
Amar com desapego significa deixar os outros livres, amá-los como Almas e do ponto de vista
da Alma.
Para atingir isso, devemos entender a diferença profunda que existe entre o amor pessoal e o
Amor anímico.
Isso no que diz respeito ao amor, mas o desapego pode aplicar-se a todas as reações da
personalidade: à mente, ao corpo emotivo e ao corpo físico-etérico.
Em Luz sobre o Caminho está dito:
"1 - Destrua a ambição
2 - Destrua o desejo de viver
3 - Destrua o desejo de bem-estar
Trabalhe como trabalham os ambiciosos. Respeite a vida como aqueles que a desejam. Seja
feliz como quem vive para a felicidade".
Nestas admiráveis palavras que, aparentemente, são contraditórias e paradoxais, está oculto o
segredo do desapego.
E necessário superar a ambição, o orgulho, o desejo de ser louvado, de ter glória e fama, e,
entretanto, isso não quer dizer que não se deva mais trabalhar, que não se deva mais procurar
elevar-se e melhorar.
Devemos trabalhar, lutar como aqueles que são ambiciosos, isto é, com todas as nossas
energias e com toda a nossa inteligência, permanecendo, no íntimo, desapegados ao resultado das
nossas ações e esforços.
"Por isso sempre faça aquilo que deve ser feito, sem apego, pois o homem que realiza uma
ação desinteressadamente consegue o Supremo." (Bhagavad Gita, Canto III, p. 48.)
O artista que cria com um impulso espontâneo de verdadeira intuição artística, o faz por uma
necessidade inata, por um impulso interno e, não, visando qualquer ganho ou interesse.
E, assim, nas nossas ações deveríamos seguir o impulso verdadeiro e espontâneo que nos
vem do alto e não obedecer aos motivos de ordem contingente, egoística, restrita.
Devemos amar a vida, respeitá-la, gozar as suas belezas e alegrias, permanecendo, porém,
sempre desapegados internamente, sabendo que tudo é transitório, ilusório; esta vida é o reflexo de
outra mais verdadeira e real.
Não devemos deixar de nos dedicar às criaturas, às formas, mas devemo-nos dedicar tendo a
consciência de que são invólucros da Vida Una, da Vida Divina e não por apego e pavor da morte.
Quanto à felicidade, mesmo sabendo que as alegrias da terra são efêmeras e transitórias,
devemos saber gozá-las como dons temporâneos, sem sermos tétricos, tristes e exageradamente
sérios.
Devemos saber gozar um belo dia de sol, um jardim florido, um afeto sincero, a graça de uma
criança, uma obra de arte, mas, com desapego, sabendo, em nosso coração, que a verdadeira
alegria é outra, que a verdadeira felicidade é qualquer coisa diferente e inexprimível e que um dia
nos será possível conhecê-la e prová-la.
Devemos ser alegres e serenos, permanecendo, entretanto, livres e desapegados
interiormente.

*
**

Conquistar o requisito do desapego conduz o homem a despertar em si a consciência do


Espectador e, na realidade, é justamente esta consciência que nos abre a estrada para uma ulterior
realização: a consciência da Alma.
Enquanto estivermos presos pelo turbilhão dos desejos, estaremos atados a uma infinidade de
apegos, estaremos preocupados, agitados, irrequietos, infelizes, sem perceber o chamado da nossa
Alma e sem podermos ser sensíveis ao seu contínuo e constante apelo.
como se estivéssemos imersos num tumulto de infinitas vozes, num marasmo nebuloso, e é
absurdo pensar ou esperar que possamos realizar, a consciência do verdadeiro Si, ainda que
minimamente, permanecendo nesse estado.
Só quando nos sentirmos interiormente "livres", serenos e quando não formos mais presa de
apegos e desejos, poderemos "ver" e "sentir" a verdadeira essência espiritual que está em nós.
Certamente, não é fácil atingir esse comportamento interior, mas há maneiras e métodos que
ajudam e favorecem o seu alcance.
Primeiramente, cada um de nós deveria, através de uma análise profunda, tentar descobrir em
qual dos seus três veículos existe maior apego. Pode ser que o descubramos em todos os três... Isto
não nos deve desencorajar. 0 importante é reconhecer a verdade sincera e objetivamente. Não
podemos atingir o desapego se antes não conhecermos os pontos fracos que ainda existem em nós.
Alguns talvez sejam muito apegados aos bens físicos, às comodidades, ao luxo, ao conforto.
Dão muita importância a todo o bem-estar material, prazer físico, riqueza etc.
Outros, talvez, não dêem excessiva relevância ao conforto material, mas são muito apegados
no campo emotivo e afetivo. Os seus afetos são profundos e exclusivos, os seus sentimentos fortes
e excessivos, a ponto de provocar ciúme, agitação e perturbação contínua. Eles acham que as
coisas principais da vida são a riqueza dos afetos, os apegos e não saberiam jamais renunciar ao
amor pelas pessoas queridas.
Outros, por assim dizer, ainda têm a sede dos seus apegos no corpo mental inferior; tal apego
manifesta-se como ambição, orgulho, desejo de fama, senso de superioridade, exagerada estima da
razão e da inteligência, com o conseqüente desprezo do sentimento, apego às próprias idéias,
intolerância, etc.
Em lato senso, podemos dizer que os que pertencem aos Raios pares (ll, lV, Vl) têm mais
facilmente apegos emotivos, e aqueles que pertencem aos Raios ímpares (l, IlI, V, Vll) têm, com
predominância, apegos mentais.
Os apegos materiais encontram-se tanto nos Raios pares como nos ímpares, mas
especialmente nos tempera-mentos de lV e Vll Raios.
Como fazemos para descobrir à qual forma de apego estamos mais sujeitos?
Deveremos procurar continuamente objetivar-nos, olhando-nos no espelho, por assim dizer, e
criando uma espécie de dualidade entre o eu que observa, que olha e a parte de nós que age, sofre,
deseja e pensa.
Deveríamos desidentificar a consciência do nosso "eu" dos seus conteúdos psíquicos e
reencontrar em nós mesmos o centro fixo e sólido, que não muda jamais e que nós dá o sentido da
nossa identidade, da nossa personalidade.
Esse "eu" não é o Eu Espiritual, mas é o seu reflexo na consciência pessoal e nem sempre
sabemos reconhecê-lo, no entanto, é essencial que o reencontremos para que depois possamos
proceder a ulteriores alargamentos.
Uma prática muito útil para formar em nós essa consciência do "eu" pessoal desapegado dos
conteúdos psíquicos e não-identificado com os três veículos é o exame noturno do qual tantas
vezes já se falou.
Tal exame, feito regularmente todas as noites ou em qualquer outro momento do dia, depois de
uma oportuna preparação interior, durante a qual procuraremos nos relaxar, acalmar e nos levar
acima da nossa personalidade, é uma prática indispensável para o aspirante espiritual. Somente
com o exame noturno, aos poucos, formar-se-á aquele ponto intermediário entre a personalidade
e a Alma, que não é mais a consciência da personalidade e não é ainda a consciência da Alma, mas
é o ponto onde se forma a consciência do observador silencioso, do Espectador desapegado e que
lhe dá a possibilidade de observar desapaixonadamente a sua personalidade, de não se identificar
com os seus veículos e de se sentir completamente "senhor" das energias inferiores, que lhe são
próprias.
Muitos sinceros aspirantes espirituais, às vezes, negam a idéia do desapego porque
inconscientemente pensam que isso seja uma espécie de frieza emotiva ou de indiferença desejada
e quase egoísta. O verdadeiro significado do desapego deve ser compreendido em toda a sua
profundidade, antes que qualquer opinião seja emitida.
Entretanto, é necessário dizer que não é fácil compreender a sua verdadeira essência e a sua
verdadeira natureza, quando não se provou o desapego, ao menos por algum tempo.
As vezes, as pessoas muito racionais e pouco amorosas têm a ilusão de já ter atingido o
desapego, pois não se comovem diante da dor, não se deixam influenciar pelos sentimentos, são
indiferentes aos estados emotivos e ficam calmas em certas situações que para outras são motivos
de agitação e de preocupação.
Tal calma, tal indiferença não é desapego, mas apenas falta de amor e de sensibilidade, pois,
com freqüência, o desenvolvimento da mente concreta paralisa e sufoca o desenvolvimento do corpo
emotivo e do coração.
É preciso estarmos muito atentos no julgamento e sermos sinceros e objetivos antes de afirmar
qualquer coisa.
Por outro lado, as pessoas muito sensíveis, com o corpo emotivo desenvolvido e com
tendências amorosas, evitam o desapego porque têm a inconsciente sensação de que é bom ter a
faculdade de comover-se com facilidade, ter muitos apegos, ter "um coração sensível, terno" etc.
Talvez não haja uma palavra adequada que possa descrever as qualidades do desapego, mas
ele significa profunda serenidade e calma interior, trespassada de amor, compreensão, alegria,
energia, força, e não significa indiferença, frieza, apatia, inércia...
O desapego é o comportamento de todo aquele "que sabe", de todo aquele que superou as
limitações e os apegos ilusórios e que está livre dos liames da forma.
"Ausência de paixão (ou desapego) é a consciência de ser "senhor" por parte daqueles que se
libertaram do desejo por qualquer objeto visto ou imaginado" (Sutra Yoga de Patanjali, Livro l, p. 44,
Ed. Carabba).
Mesmo que não possamos chegar a esse completo estado de desapego poderemos atingir,
progressivamente e, depois, aos poucos, de uma forma cada vez mais duradoura, um estado de
calma e de serenidade interior, que nos permitirão seguir o Caminho com os olhos mais límpidos e o
coração mais firme.
As energias da Alma não podem chegar até a nossa consciência se não estivermos calmos e
serenos e a sua voz não poderá ser ouvida se estivermos imersos no tumulto de uma constante
agitação.
Cultivemos, portanto, a cada momento do nosso dia, em cada atividade ou momento de
provação, um senso de liberdade interior, um comportamento calmo e sereno. Preservemos a
consciência do Espectador, invocando sempre a nossa Alma para que nos faça atingir o "desapego"
e nos faça conhecer a paz daqueles que, mesmo estando no mundo, "vivem no eterno".
Esse é o caminho "sutil como a lâmina de uma navalha", de que fala Buda, indicador do
perfeito equilíbrio alcançado pelo homem que "vive no mundo e não é do mundo", porque sabe que a
vida nos três planos da manifestação não é a verdadeira vida, não é a realidade, mas é o reflexo de
uma vida completa, da vida eterna e imutável, onde reina a verdadeira beleza, a verdadeira felicidade
e o verdadeiro amor.

VI - QUESTIONÁRIO

1 - 0 que significa desapego?


2 - Por que o desapego é tão importante para a vida espiritual?
3 - Que reação o pensamento do desapego provoca em você?
4 - Acredita que o desapego seja:
a) uma maneira para se evadir da dor?
b) indiferença às penas alheias?
c) recusa ao sofrimento?
d) frieza de sentimentos?
e) uma forma de absenteísmo egoístico?
5 - 0 que significa "amar com desapego"?
6 - O que significam as palavras da Luz Sobre o Caminho:
a) destrua a ambição;
b) destrua o desejo de viver;
c) destrua o desejo de bem-estar.
Trabalhe como trabalham os ambiciosos. Respeite a vida como aqueles que a desejam. Seja feliz
como quem vive para a felicidade.
7 - Consegue facilmente o comportamento do Espectador com relação a você mesmo?
8 - Quais apegos impedem o seu progresso espiritual?
9 - Em qual dos três veículos está mais desapegado?
10 - Na sua vida houve alguma crise de desapego?
11 - Por que o desapego é a chave da "paz que ultrapassa o entendimento"?
VII - O SILÊNCIO
"... e no silêncio profundo ocorrerá o evento misterioso que prova que o caminho foi
encontrado."
Estas sugestivas palavras, que se encontram no livro Luz sobre o Caminho, fazem-nos refletir
sobre a importância e o significado do silêncio do ponto de vista espiritual.
Nós que vivemos no mundo ocidental, tomados pelas atividades da vida cotidiana, imersos no
movimento e na extroversão, raramente podemos e sabemos retirar força e luz das profundas
nascentes do silêncio.
Existem, aliás, muitas pessoas que parecem fugir deliberadamente do silêncio, pois, mesmo
quando têm momentos de solidão e de pausa, se apressam em preenchê-los com sons,
movimentos, ligando o rádio ou a televisão, procurando a companhia de amigos, dedicando-se a
alguma atividade extemporânea. Dir-se-ia que elas têm medo do silêncio. E realmente é assim.
0 silêncio pode parecer um vazio terrível, um abismo assustador que se abre sobre o nada e
sobre a escuridão para aqueles que vivem completamente imersos na personalidade, no mundo
objetivo, e que jamais provaram, nem mesmo vagamente, a vibração que provém dos níveis es-
pirituais.
Só os que começaram a sentir, mesmo que inconscientemente, a influência da própria Alma,
do próprio Eu Espiritual, podem compreender e sentir o profundo significado do "silêncio".
Do ponto de vista espiritual, o silêncio não é apenas um emudecimento da palavra, uma
ausência de sons. Ê algo muito mais profundo, que tem em si, ainda, o completo apaziguamento das
emoções, dos desejos, dos sentimentos e a absoluta calma da mente e dos pensamentos.
Não basta criar em torno de si o silêncio material; é necessário levar, por inteiro, a
personalidade na mágica atmosfera do silêncio interior, que absorve e abrange todos os três
veículos, e só então a "voz sem som", a voz do silêncio, que é a voz da nossa Alma; poderá ser
sentida, no início de forma vaga e, depois, sempre mais clara e nitidamente.
Naturalmente não podemos atingir tal meta nem com rapidez, nem com facilidade, e devemos
passar por várias fases de silêncio antes de chegar ao verdadeiro silêncio, aquele que nos abre a
porta do mundo da realidade. 0 primeiro passo é dado no plano físico, com o domínio da palavra.
Todos aqueles que procuraram a verdade e a luz e quiseram, com seriedade de propósitos,
preparar-se para uma verdadeira vida espiritual, compreenderam o valor do controle da palavra.
Os discípulos de Pitágoras deviam observar o silêncio absoluto por dois anos para poderem
demonstrar o seu autodomínio.
Na Índia e no Tibete sempre se deu enorme relevância à observação do silêncio, e muitos
exercícios e práticas são feitos para que se crie o hábito de "entrar no silêncio".
Também em muitas ordens monásticas cristãs existe a regra quase absoluta do silêncio.
Tudo isso não foi feito por acaso. Há um profundo significado oculto no domínio da palavra,
significado que não é apenas de valor moral mas, também, e principalmente, "mágico".
Sobre isso é bom que nos detenhamos um pouco.
Compreendemos facilmente o aspecto moral do controle da palavra, mas o aspecto mágico
parece-nos obscuro e misterioso.
Para compreender tal aspecto "mágico", devemos refletir sobre a essência do som. 0 som é
vibração, é energia; toda vez que falamos emanamos energia, vibração diversa, dependendo da
natureza e da qualidade das nossas palavras. Sem nos apercebermos, dispersamos continuamente
energias durante o passar do dia, com o uso indiscriminado da palavra e do som.
O silêncio é conservação de energias. 0 verdadeiro ocultista conhece essa verdade e
sabe usá-la sabiamente no seu trabalho esotérico. Por exemplo, quando ele traça um plano ou um
projeto de trabalho, construindo na sua mente uma nítida e detalhada forma-pensamento, sabe que
não deve falar desse plano a ninguém, senão a energia criativa, que deve alimentar e manter a
forma-pensamento, desfaz-se e dispersa-se. Se isso ocorresse, o projeto idealizado não poderia ter
o necessário tempo de nutrição, de crescimento e de amadurecimento nos planos sutis, antes de
"precipitar" sobre o plano físico, mas tenderia a se manifestar antes do tempo e não poderia ser
realizado porque estaria ainda imaturo e sem forças.
Talvez tudo isso seja para nós um pouco obscuro, mas podemos ter provado algo semelhante
em níveis mais baixos, ao vermos naufragar algumas de nossas esperanças e falir algum plano
justamente porque falamos a respeito deles com muitas pessoas, dispersando, assim, as nossas
energias em vez de concentrá-las na mente e de observar total discrição sobre o nosso projeto.
Além disso, há também um outro lado desse aspecto "mágico" do silêncio, que se manifesta na
ajuda aos outros.
Podemos ajudar os nossos semelhantes com as palavras, mas muito mais com o silêncio.
Freqüentemente, as palavras são inadequadas ou mesmo desagradáveis, enquanto a vibração
pura da nossa compaixão, do nosso amor, pode atingir o objetivo sem obstáculos e sem causar
reações.
Há casos, situações na vida que não podem absolutamente ser resolvidas com as palavras e
apenas o silêncio pode dar-lhes uma solução.
Mas de que tipo de silêncio se trata?
É um silêncio que se poderia dizer ativo, construtivo, radiante, que age quando a personalidade
inteira se cala. Quando os lábios emudecem, as emoções se aquietam, até os pensamentos param,
aí, então, alguma outra coisa fala em nós.
Já lhe aconteceu alguma vez, quando você quis ajudar alguém, sentir-se impotente diante de
sua obstinação e incompreensão, a ponto de provar uma sensação de derrota, de falência, mesmo
que tenha permanecido em você o desejo "puro" de ajudar?
"Você entregou os pontos", renunciou a ajudá-la como personalidade; entretanto, ficou em você
o impulso desinteressado de amor e de compaixão por essa pessoa.
Aconteceu então uma coisa estranha: justamente quando havia desistido de ajudá-la, ela
mudou, escolheu o caminho certo, procurou a luz por iniciativa própria.
Talvez, no silêncio da personalidade, a sua Alma pôde falar à Alma dela e o amor puro e
silencioso criou uma ponte através da qual vocês se encontraram nos planos espirituais.
Diz Maurizio Maeterlink: "Quando os lábios começam a repousar, as Almas se despertam e se
põem em ação" (O tesouro dos humildes, p. 10).
Cale como personalidade e opere como Alma: só assim você poderá obter resultados.
Certamente não é fácil para a personalidade calar-se, porque se trata de obter um silêncio
tríplice; entretanto, obter, ao menos, o silêncio do plano físico já é alguma coisa; como dissemos
antes, alcançar o domínio da palavra é um passo necessário e indispensável para, em seguida,
conseguir e compreender o verdadeiro silêncio espiritual.
No Tratado de Magia Branca, de Alice Bailey, lê-se a este propósito:
"Só quando o número das palavras normalmente ditas for reduzido e for aprendida a prática do
silêncio, será possível à "palavra" exercitar o seu poder sobre o plano físico. Só quando as muitas
vozes da natureza inferior e do próprio ambiente emudecerem, poderá a "voz que fala no silêncio"
estar presente. Só quando o som de muitas águas desaparecer no aquietamento das emoções, será
ouvida a clara voz de Deus das águas" (Magia Branca, p. 165).

*
**

Tudo isso poderia fazer-nos pensar: "Mas, então, a palavra é unicamente nociva? 0 dom
concedido por Deus aos homens de poderem exprimir-se com a palavra foi inútil e prejudicial?
Não. A palavra tem grande importância e utilidade, mas, como diz a primeira frase do trecho
Tratado de Magia Branca, acima citado, poderemos "exercitar o poder da palavra" sobre o plano
físico e compreender-lhe o valor somente quando tivermos aprendido o verdadeiro significado do
silêncio e tivermos provado, mesmo que por instantes, a sua verdadeira essência.
O som tem um grande poder e o homem o usa indiscriminadamente; aliás quase sempre de
maneira nociva porque ignora essa verdade.
Como falamos antes, a cada som corresponde uma vibração, e a vibração é a energia que
produz efeitos definidos e determinados. E, ainda, a cada palavra dita corres-ponde um sentimento,
um pensamento, que são também energia, força dinâmica que se propaga e tende a criar
resultados concretos no plano objetivo. Sem contar também com o aspecto moral do uso da
palavra, que tanto foi salientado por todas as religiões e por todos os pensadores.
O Evangelho diz: "...De cada palavra ociosa que disserdes prestareis contas no dia do juízo
final, porque pelas tuas palavras sereis julgado e pelas tuas palavras sereis condenado" (Mateus, Xll,
36, 37).
Podemos fazer muito mal com as nossas palavras, quer sejam decisivamente más, quer sejam
simplesmente ociosas, inúteis e vazias.
Em Magia Branca diz-se: "as palavras podem ser de três tipos: 1) palavras ociosas, 2) palavras
amorosas e boas, 3) palavras nem boas nem amorosas. Por estas últimas, pagar-se-á o preço a
curto prazo. São as palavras egoístas, de ódio, as palavras cruéis, de maledicência venenosa...
Todas essas palavras destroem os vacilantes impulsos da Alma, cortam as raízes da vida e,
portanto, produzem morte..." (Tratado de Magia Branca, p. 541).
Como se pode ver, enquanto não tivermos conquistado o autodomínio e o discernimento, é
melhor "reduzir o número das palavras" destinadas ao uso e aprender a calar o máximo possível.
"E bom falar pouco; melhor ainda é emudecer total-mente, a menos que você esteja bem
seguro de que o que vai dizer é verdadeiro, amável e útil. Antes de abrir a boca, considere
atentamente se aquilo que vai dizer tem esses três requisitos e, se não os tem, cale-se" (Aos pés do
Mestre, p. 26).
Devemos lembrar sempre que o lema do verdadeiro ocultista é:
"Conhecer, querer, ousar e calar", e talvez este último seja o mais difícil de se alcançar.
Quando tivermos aprendido o controle da palavra e compreendido o valor do silêncio no plano
físico, então, aos poucos, se nos revelará o significado do silêncio interior, aquele que nos
conduzirá à revelação gradual do mundo espiritual e que será a preparação para o despertar da
consciência superior.
Para o nosso intento, que é o de ajudar e favorecer o despertar da consciência da Alma, é
muito importante que nos habituemos aos poucos a cultivar esse silêncio interior e não somente
aquele do plano físico - alternando, quanto mais possível, as "pausas", os interlúdios de silêncio, à
nossa vida de trabalho e de extroversão.
Pelo menos duas vezes ao dia, deveríamos encontrar alguns minutos de solidão e de
recolhimento para nos dedicar à prática do silêncio.
Entretanto, é necessário dizer que as múltiplas vozes da nossa natureza inferior emudecerão
somente quanto houver a "rendição" completa da personalidade, após o conflito final entre a Alma e
o seu instrumento. Conflito árduo, tempestuoso, em que as forças de involução se unirão contra as
forças da Luz, a fim de combaterem até a derrota completa, seguida pela rendição.
Esse conflito poderá também suceder-se em níveis inconscientes da psique, mas,
superficialmente, manifestar-se-á como um estado de sofrimento, de depressão, de mal-estar
profundo, de infelicidade, de cansaço e de desgosto pela vida e, às vezes, como verdadeiras
doenças físicas, mais ou menos graves.
Terminado o conflito, como dissemos antes, com a rendição da personalidade, segue uma
calma profunda, um silêncio completo que preludia um maravilhoso e misterioso evento, o despertar
da Alma, o abrir-se do ouvido interior à sua voz que finalmente poderá ser ouvida pelo aspirante.
"Espere que a flor desabroche no silêncio que segue à tempestade, não antes", está escrito em
Luz sobre o Caminho, e ainda: "... Até que, por inteiro, a natureza não se tenha entregue e não se
tenha sujeitado ao seu mais alto Si, a flor não se poderá abrir.
Portanto, sobrevirá uma calma semelhante à que nos países tropicais segue à chuva torrencial,
quando a natureza trabalha tão rapidamente que se pode ver a ação. Tal calma virá ao Espírito
atormentado. E no silêncio profundo acontecerá o evento misterioso que prova que o caminho foi
encontrado. Chame-o pelo nome que quiser, é uma voz que fala onde não há voz alguma: é um
mensageiro que chega, um mensageiro sem forma nem substância ou, então, é a flor da Alma que se
abriu."
Entretanto, podemos provar momentos vivificantes desse silêncio mágico, mesmo antes desse
evento, e utilizar os seus poderes e a sua força para tornar a nossa vida mais útil, harmônica, tanto
do ponto de vista pessoal como do espiritual.
Aprendamos a compreender a força da ação silenciosa, do serviço tácito, do Wu-wei, a ação sem
ação dos hindus, que nos abre a nascente das energias que jazem inaproveitadas em nós.
Aprendamos a entrar no mistério do silêncio, se quisermos realmente viver não como personalidade
mas como Almas.

VII - QUESTIONÁRIO

1 - Qual é o verdadeiro significado do silêncio?


2 - Por que as pessoas menos evoluídas fogem do silêncio?
3 - Alguma vez experimentou o verdadeiro silêncio?
4 - Há duas formas de silêncio:
a) o silêncio interior;
b) o silêncio exterior.
Que valor tem cada um deles?
5 - Você consegue, com facilidade, criar em você o silêncio?
6 - O que é a "voz do silêncio"?
7 - Sabe alguma coisa sobre o poder mágico do silêncio?
8 - Por que para alguns o silêncio incute pavor e angústia?
9 - O que sabe sobre o silêncio como conservação de energias?
10 - 0 que acontece quando toda a personalidade está em silêncio?
VIII - A MEDITAÇÃO
a) O Relaxamento Físico

Com este capítulo tem início a parte prática deste livro, onde serão descritos os métodos, os
exercícios técnicos e os treinamentos interiores aptos a preparar a personalidade, a fim de torná-la
canal das energias espirituais e criar em nós uma vibração mais elevada e pura que poderá, com o
tempo, contribuir àquele despertar da consciência anímica, que é a nossa meta.
Como já dissemos antes, a técnica "príncipe" para ajudar o contato com a Alma é a meditação.
Mas o que é esta meditação? O que significa meditar?
A meditação é uma verdadeira ciência de treinamento interior. Ela não é prece, não é um
comportamento místico de aspiração... A prece nasce do corpo emotivo, pois ela contém sempre um
desejo, um pedido. Há, naturalmente, vários níveis de prece, por assim dizer, dependendo do tipo de
pedido que ela exprime.
Em Do intelecto à intuição, de A. A. Bailey, estão catalogados quatro estágios de prece:
1) Prece para obter benefícios materiais ou ajuda de qualquer tipo;
2) Prece para adquirir virtude e qualidade de caráter;
3) Prece altruística ou de intercessão;
4) Prece para obter iluminação ou realização divina.
A meditação, ao contrário, não parte do corpo emotivo, mas do corpo mental e não usa o
desejo, mas a vontade, para atingir o seu objetivo.
A prece, uma vez no seu mais alto grau, forma o místico. A meditação, ao contrário, forma o
ocultista.
A verdadeira meditação oculta implica uma série de exercícios técnicos, de práticas e de
treinamentos dirigidos ao campo das energias psíquicas, que requerem diversos anos de exercícios e
certo grau de desenvolvimento mental.
A meditação é ainda criativa, pois movimenta energias, produz efeitos definitivos,
transmutações; suscita e evoca forças latentes e adormecidas, destrói a negatividade, constrói
qualidades positivas. Em outras palavras, muda completamente a nossa vida.
E absurdo pensar que possamos seguir a prática da meditação e continuar os mesmos. Eis por
que meditação e formação de caráter estão estreitamento coligados.
Aqueles que não sentem os efeitos provindos da meditação, na realidade, não meditaram, não
conseguiram criar em si aquele comportamento interior que eleva a vibração e que atrai, ainda que o
mínimo, as energias superiores.
Entretanto, é necessário dizer que os efeitos podem-se manifestar com atraso e que o trabalho
e a penetração das forças espirituais são quase sempre inconscientes. As vezes, aparentemente, não
obtemos resultados porque não nos
apercebemos e nem estamos cientes do que se está passando no profundo de nós mesmos,
sob os níveis da nossa consciência; e de repente, mais tarde, tais resultados manifestam-se, quando
não mais pensamos neles.
0 que devemos ter claro messe momento é que a meditação é uma verdadeira ciência e uma
técnica de melhoramento e purificação da personalidade. Ela é, portanto, considerada muito
seriamente e, ao nos dispormos a estudar as suas várias fases, devemos sempre saber que cada
uma delas tem um significado e um objetivo bem precisos que produzem efeitos determinados sobre
nossa personalidade. Poderíamos chamar essas várias fases da meditação de "exercícios de
ginástica interior", pois, de fato, os nossos corpos sutis (como também o corpo físico) podem ser
treinados e exercitados para se tornarem mais puros, mais fortes, mais desenvolvidos, e mais
vigorosos, com a observância regular das técnicas interiores; e, enfim, podem-se tornar perfeitos
canais e instrumentos da Alma.

*
**

A meditação tem várias fases:


A primeira fase é o alinhamento, que se subdivide em:
a) inferior,
b) superior.
O alinhamento inferior é aquele dos três corpos da personalidade que são levados, com
estratagemas apropriados, a uma temporária coordenação e sintonização e são mantidos sob o
controle da mente com um esforço de vontade, em calma, silêncio e relaxamento.
Este alinhamento dos três corpos cria na personalidade uma integração que, mesmo
momentânea, abre um canal para o afluxo eventual das energias Anímicas.
O alinhamento superior é aquele da personalidade alinhada com a Alma.
Obtém-se o alinhamento inferior fazendo primeiramente o relaxamento do corpo físico,
tranqüilizando depois o corpo emotivo e atingindo, por último, o silêncio mental.
Descrevemos agora, detalhadamente, cada uma dessas partes.

1 - Relaxamento físico:
Antes de dizer como se faz o relaxamento físico, devemo-nos deter um pouco para falar do seu
objetivo e da sua utilidade no que diz respeito ao alinhamento e à meditação.
Dissemos antes que durante o alinhamento os três corpos da personalidade devem
permanecer num estado de calma e silêncio. Para obter essa condição no corpo físico-etérico,
devemos procurar diluir toda a tensão, relaxar cada músculo a fim de que o veículo físico se encontre
num estado de completa quietude que permita à nossa consciência abstrair-se totalmente dele,
esquecendo-o por completo.
Ainda que possa parecer estranho, nem sempre é fácil "esquecer" o nosso corpo físico, porque
ele atrai continuamente a nossa atenção com sensações, indisposições e exigências várias.
Durante o alinhamento preparatório à meditação, devemos dirigir nossa atenção para o interior,
abstrair-nos do mundo físico, devendo, portanto, em primeiro lugar "tirar nossa mente do corpo
material".
O relaxamento, colocando-nos num estado de quietude e de harmonia física, faz com que a
nossa mente esteja livre para se dirigir a outros níveis, introverter-se para o mundo psíquico, sem ser
perturbada por sensações físicas.
Além disso, nesse estado de quietude também as energias do corpo etérico poderão circular
mais harmônica e livremente, sem criar obstruções e congestões que resultem em indisposições e
sensações desagradáveis.
Sem que nos apercebamos, freqüentemente estamos num estado de tensão, que é o oposto
do relaxamento e, assim, submetemos nossos músculos e nervos a um esforço maior, bloqueando o
livre afluxo das correntes etéricas.
Aprender a distender-se, a relaxar-se fisicamente é sempre útil, mas o é, principalmente, no
que diz respeito à meditação.
Como se pratica um bom relaxamento?
Em primeiro lugar, é necessário distender-se numa cama, num divã, ou no chão, em posição
supina. Depois é necessário abandonar-se completamente, relaxando e soltando todos os músculos.
Isso não é tão fácil como pode parecer à primeira vista.
Para facilitar o bom êxito do relaxamento há vários estratagemas. Ramacharaka, em seu livro
Hatha-Yoga (p. 178), diz:
"Quando estiverem deitados e relaxados, mantenham na sua mente a idéia de que estão
deitados num catre brando e macio e que o seu corpo e as suas pernas estão pesadas como
chumbo. Repitam estas palavras lentamente e várias vezes: pesadas como chumbo, pesadas como
chumbo e, ao mesmo tempo, levantem os braços e retirem deles o Prana (com a imaginação) para
cessar a contração muscular e, então, deixem-nos cair para os lados pelo próprio peso."
O mesmo Ramacharaka aconselha também o seguinte exercício:
"Deitem-se de costas. Relaxem-se o quanto for possível, soltando todos os músculos.
Então, sempre relaxados, perscrutem com a mente todo o corpo, da cabeça aos pés.
Fazendo isso, descobrirão que aqui e ali há ainda certos músculos em tensão; relaxem-nos
novamente.
Se fizerem tudo isso, progredirão com a prática e chegarão a ter os músculos do corpo
totalmente relaxados e os nervos em repouso.
Façam algumas respirações profundas, continuando sempre tranqüilos e relaxados.
Poderão variar esses exercícios, virando-se com suavidade para um lado e depois relaxando-
se novamente, por completo.
Em seguida, virem-se para o outro lado e novamente relaxem-se (Hatha-Yoga, p. 177).
Alguns conseguem imediatamente e com facilidade praticar esse relaxamento, outros
encontram obstáculos e dificuldades; isso é devido ao diferente tipo de corpo físico que eles têm.
Sabemos que as qualidades da substância que nos compõe são três: tamas (inércia), rajas
(atividade) e satva (ritmo). Estas qualidades manifestam-se de maneira diferente nos indivíduos,
segundo seu Raio, grau de evolução etc.
A relação que segue foi feita tendo por base as duas primeiras qualidades (tamas e rajas), que
são as que se manifestam na média das pessoas comuns, pois satva é a manifestação do Espírito.

1 - Tipos tamásicos fisicamente e rajásicos mental-mente.


2 - Tipos rajásicos fisicamente e tamásicos mental-mente.
3 - Tipos rajásicos física e mentalmente.
4 - Tipos tamásicos física e mentalmente.
Naturalmente esta subdivisão é incompleta e imperfeita pois nela aparecem todos os tipos
possíveis de pessoas, mas pode servir como exemplo para facilitar a compreensão das próprias
características.
1 - Os tipos do nº 1, por terem um físico pouco ativo, preguiçoso e lento, não encontram
especiais dificuldades no relaxamento físico; em certo sentido, eles se encontram sempre num estado
de distensão muscular e precisam de muita força de vontade para pôr os músculos em movimento e
contraí-los para praticar uma ação. Porém, seu relaxamento, com freqüência, não é restaurador e
vivificante, mas é principalmente um hábito físico de torpor e preguiça. Mas, por serem dotados de
mente rajásica, isto é, ativa e vivaz, o seu relaxamento ocorre em "plena viva-cidade mental"; isso
lhes dá as maiores possibilidades para obterem êxito, principalmente se tiverem um pouco de força
de vontade.
Pode, entretanto, acontecer de esses tipos fisicamente preguiçosos serem também frágeis de
vontade e por isso não conseguirem controlar a mente. Para eles, portanto, o ponto a ser trabalhado
é a vontade.
2 - Vamos ao nº 2. Estes têm um físico dinâmico, ativo, sempre em movimento, pronto para a
ação... mas têm uma mente lenta e preguiçosa. Eles não pensam, fazem. Têm necessidade de agir e
de se mover. São os tipos extrovertidos por excelência.
Vejamo-los no relaxamento físico, preparatório à concentração, deste tipo. quase certo que
eles, ao tentarem relaxar-se, serão acometidos por milhões de sensações físicas inoportunas:
sensações de contração, de sufocamento, coceiras e, às vezes, até entorpecimento dos músculos...
São coisas que os farão mover-se, agitar-se na tentativa de encontrar uma posição mais cômoda.
Mas, a mínima coisa os incomodará: os travesseiros parecerão duros, a poltrona incômoda; não
saberão como fazer com a cabeça e as pernas e, finalmente, irritados, levantar-se-ão e se negarão a
fazer outras tentativas.
Por outro lado, não possuindo uma mente viva, ativa e acostumada a pensar, não poderão nem
sequer se ajudar com o interesse mental provocado pelo tema escolhido.
Ver-se-ão, portanto, numa posição de desvantagem. Mas, se tiverem alguma força de vontade
(aquela que dá o propósito de conseguir a todo custo) tentarão mais vezes, até conseguirem, de
início, relaxar-se quando quiserem, descobrindo que esta é uma maravilhosa forma de repouso para
ser alternada com a sua vida dinâmica e, em seguida, poderão empreender o trabalho do despertar e
do desenvolvimento da mente, chegando, assim, a consumar a meditação.
3 - Os tipos de n9 3 são muito ativos tanto no plano físico quanto no mental; são
organizadores, homens de negócio, diretores de grandes firmas etc. Eles se encontram num estado
de contínua tensão e dificilmente se relaxam, a não ser para dormir; freqüentemente, não sabem nem
mesmo dormir: têm um sono agitado e não repousante. Geralmente, estão sujeitos a esgotamentos
nervosos por excesso de trabalho. Ao tentar o relaxamento físico para a meditação, esses tipos, em
geral, não conseguem se distender e relaxar-se fisicamente e, caso não sejam controlados e
habituados a concentrar-se, não o conseguem nem mesmo na meditação; e, mesmo quando o
conseguem, fazem-no num estado de tensão e contração muscular do qual só se apercebem no fim
do exercício. Eles conseguem fixar a mente no tema escolhido, justamente porque têm certa força
mental, mas também empregam nesse esforço energias nervosas e musculares, pois na vida diária
estão acostumados a uma íntima correlação entre pensamento e ação. Com freqüência, quando
pensam ou refletem, enrugam a testa, cerram os maxilares, tamborilam com os dedos etc.,
esbanjando energias inutilmente. Portanto, é preciso, é necessário que esse tipo de pessoa aprenda
o relaxamento físico, que será para eles a resolução de mil problemas e um recurso a ser usado nos
momentos de esgotamento.
4 - Tamásicos, física e mentalmente. Esses, mesmo não tendo na aparência nenhuma
dificuldade para praticar o relaxamento físico, devido à sua natureza inerte e preguiçosa, não chegam
a um relaxamento vivificante, pois ele consiste em alguns momentos de repouso depois de muitas
horas de trabalho, com a finalidade de harmonizar as forças vitais e dar novas forças ao corpo físico
cansado; é, portanto, "um relaxamento depois de muitas horas de contração" e é justamente nesse
contraste que se sente o efeito benéfico da recuperação. Mas aqueles que, por costume, quase
sempre se encontram num estado de inércia não podem gozar de tal benefício, não só porque não
sentem o contraste, mas também porque neles até as correntes vitais são lentas e preguiçosas e é
justamente delas que deriva a sua preguiça. Eles deveriam se exercitar em fazer o relaxamento físico
não para repousar, mas com a intenção de harmonizar e repor em circulação as forças vitais (prana);
e, muito provavelmente, se conseguirem efetuá-lo em plena vivacidade mental, sem se deixarem cair
no torpor e no sono, conseguirão relaxar-se com um novo senso de vitalidade e de energia.
lnfelizmente, se unirem à inércia física a inércia mental, o problema se duplica, porque com
muita facilidade adormecerão ou, mesmo, mergulharão num estado de sonolência muito parecido
com o sono.
A essa subdivisão esquemática e imperfeita poder-se-ia naturalmente acrescentar muitos
outros tipos, subtipos e também tipos mistos, ou seja, pessoas que alternam estados de inércia com
estados de atividade, tanto no plano físico como no mental. E, além disso, não se pode esquecer a
parte importante representada pelo corpo emotivo para se conseguir o relaxamento físico. Por
exemplo: uma pessoa muito emotiva que se encontre num estado de contínua tensão para controlar
seus 'impulsos emotivos encontrará muita dificuldade no relaxamento, porque o esforço feito para se
dominar provocará um estado de acentuado nervo-sismo, irritabilidade e hipersensibilidade.
Esse tipo de pessoa deveria, portanto, insistir no emotivo e procurar acalmá-lo e distendê-lo
para, assim, conseguir também calma e relaxamento do corpo físico.
Ao contrário, o tipo emotivamente calmo e harmônico estará em posição de vantagem e
conseguirá relaxar-se com muita facilidade.

*
**

A esta altura, poderíamos perguntar: quais são, na realidade, as vantagens do relaxamento


físico?
Para melhor compreendê-las, examinemos por um momento o seu oposto, a "contração", o
estado em que se encontram os nossos músculos quando realizam um trabalho. Esses músculos se
contraem continuamente sob o impulso que vem do cérebro e entram em ação. Imaginem quantos
milhões de vezes durante um dia os nosso músculos se contraem a fim de executar os inúmeros
gestos que nos servem não só para trabalhar, mas, simplesmente para viver, como o respirar, o
comer, o sentar, o caminhar, o falar etc. Trata-se de um prana que aflui continuamente aos músculos,
fornecendo-lhes a energia motriz.
O segredo para não cansarmos, ou melhor, para não esgotarmos as nossas energias prânicas,
é procurar restabelecer, uma ou duas vezes ao dia, pelo menos, o fluxo de prana para todo o nosso
corpo, que por muitas horas o usou para praticar as mais variadas ações. Essa operação de
restauração e de restabelecimento da circulação prânica no corpo etérico (reservatório desta energia)
e, conseqüentemente, no físico pratica-se durante o relaxamento, quando todos os músculos estão
distendidos, as articulações em repouso e a corrente de energia vital pode, com liberdade, fluir por
todo o corpo, indo vivificar e restaurar todos os pontos mais depauperados e debilitados,
rearmonizando e equilibrando o nosso mecanismo físico e etérico.
Por isso é aconselhável fazer alguns momentos de relaxamento quando se está muito
cansado, o que alivia mais do que várias horas de um sono agitado.
Examinando o caso que nos interessa particularmente, isto é, o relaxamento durante a
meditação, é fácil compreender por que é tão útil ou, antes, necessário praticá-lo.
0 nosso corpo físico não é senão o invólucro que temos para praticar as experiências no plano físico,
mas, às vezes, identificamo-nos com ele, mesmo porque as suas fraquezas, dores e indisposições
requerem muito freqüentemente a nossa atenção. Pelo menos no momento da meditação
deveríamos conseguir desidentificar-nos dele e esquecê-lo por completo, de maneira a não nos dar
mais enfado e a não mais impedir o revelar-se da nossa Consciência Superior. Relaxando-nos e
harmonizando nossas correntes prânicas, poremos nosso corpo num estado de calma e tranqüilidade
completa, deixando as correntes vitais circularem livremente nele, vivificando-o e purificando-o. As
energias anímicas que poderiam ser evocadas encontrarão um invólucro calmo, receptivo e nele
poderão fluir livre-mente, purificando-o, harmonizando-o e praticando, aos poucos, a obra de
sublimação e transmutação da nossa matéria física.
ALGUNS EXERCÍCIOS DE RELAXAMENTO

1 - Retirar todo o Prana da mão, deixando que os músculos se afrouxem de maneira que a mão
possa mover-se livremente em torno do pulso, com aparência de morta. Agite-a para a frente e
para trás, até o pulso, fazendo o mesmo depois com a outra mão e, logo após, com as duas
mãos ao mesmo tempo.
2 - Relaxar o antebraço, deixando-o cair solto do cotovelo. Elevar o antebraço até o braço, evitando
porém a contração dos músculos. Agite o antebraço, mantendo-o frouxo e solto. Primeiramente
um braço, depois o outro, logo após, os dois ao mesmo tempo.
3 - Relaxar, por completo, o pé, fazendo-o girar livre-mente até o tornozelo. Será necessário um
pouco de tempo e de prática porque os músculos motores dos pés estão geralmente em
contração; entretanto, os pés de uma criança são bem soltos quando estão em movimento.
Primeiramente um pé, depois o outro.
4 - Relaxar a perna, retirando todo o Prana e deixando-a cair solta e frouxa até o joelho. Movê-la e
agitá-la. Primeiro uma perna e depois a outra.
5 - Relaxar a cabeça, deixando-a cair para a frente e em seguida movê-la através do movimento do
corpo. Depois, sentado numa cadeira, relaxe-a e deixe-a cair para trás naturalmente; assim, ela
cairá em qualquer direção quando dela você tiver tirado todo o Prana. Para atingir melhores
resultados, pense numa pessoa que está com muito sono e que, no momento em que o sono se
apodera dela, relaxa-se e, deixando de contrair os músculos do pescoço, deixa a cabeça cair
para a frente.
6 - Depois de ter praticado todos os exercícios anteriores o máximo possível, se você achar
conveniente, poderá relaxar todo o corpo, começando do pescoço até os joelhos, e cair
suavemente ao chão de uma só vez. Este é um hábito eficaz, especialmente nos casos de
queda ou de outros acidentes desse tipo.
(De Hata-Yoga, de Ramacháraka, pp. 179-180-181.)
IX - A MEDITAÇÃO

b) A Aquietação Emotiva

O corpo emotivo, o corpo astral, é um dos veículos da personalidade que, precisamente,


corresponde ao segundo aspecto da Alma; o Amor.
Tudo é tríplice no universo. Deus é uma trindade: Pai, Filho e Espírito Santo (isto é, Vontade,
Amor e Inteligência); a manifestação de Deus, o Homem, é também tríplice, pois, de fato, ele é feito
de Espírito, Alma e Corpo (como diz S. Paulo), ou seja, Mônada, Ego e Personalidade (como dizem
os esotéricos). Por sua vez, cada um desses três aspectos é tríplice; assim, a Mônada tem três
aspectos: Vontade, Amor e Inteligência; o Ego tem três aspectos que são o reflexo dos três aspectos
da Mônada; também a personalidade é composta de três partes: corpo mental, corpo emotivo e
corpo físico, que refletem os três aspectos da Mônada e do Ego.
Assim, tornando ao corpo emotivo, ele reflete, ou melhor, deveria refletir o segundo aspecto do
Ego: o Amor.
Entretanto, transcorre muito tempo e passam-se muitas encarnações antes que o corpo
emotivo do homem possa se tornar um límpido refletor e transmissor da energia do Amor da Alma. 0
corpo emotivo é composto de uma substância fluida, mutável, sensibilíssima e está aberto a todas as
influências e vibrações, sejam provenientes dos outros dois veículos da personalidade, sejam
provenientes do exterior, dos veículos das outras pessoas ou do plano astral em geral. E antes que o
homem possa regular essas influências, repelindo as negativas, aceitando as positivas, e possa dirigir
a receptividade do corpo astral para a Alma, deve-se tornar consciente de sua meta, desenvolver o
corpo mental, a vontade e o autodomínio.
No corpo emotivo, porque ele é a correspondência inferior do aspecto Amor da Alma, há o
amor pessoal como uma nota dominante, com todos os seus aspectos derivados, positivos e
negativos; assim há o amor e o ódio, a atração e a repulsão, a simpatia e a antipatia, a
benevolência e a inveja e o ciúme... 0 corpo emotivo é a sede de todas as paixões, de todos os
sentimentos, de todos os movimentos do ânimo humano, dos mais baixos aos mais elevados.
O corpo emotivo do homem comum está em contínua agitação e movimento, sendo fácil
entender por que é necessário acalmá-lo e aquietá-lo, se quisermos nos preparar para a prática da
meditação. As energias da Alma podem encontrar na sua agitação um formidável obstáculo e a
mente pode ofuscar-se, influenciar-se e tornar-se menos eficiente pelo tumulto das ondas emotivas.
A aquietação emotiva é, portanto, uma prática indispensável a quem quiser se tornar sensível
consciência anímica e abrir-se ao afluxo espiritual.
O corpo emotivo, durante o alinhamento, deveria estar calmo, sereno, recolhido para o alto e
límpido como um cristal. Os livros espirituais dizem que o símbolo do corpo astral é a água,
justamente porque a fluidez, a mutabilidade, a sensibilidade a cada vibração da substância emotiva o
faz parecer-se com o elemento áqüeo.
A aquietação emotiva alcança-se de muitas maneiras e por vários métodos, que diferem de
pessoa para pessoa, conforme seu temperamento, grau evolutivo, polarização etc.
Dissemos outras vezes que o desenvolvimento do corpo emotivo não é igual em todas as
pessoas, podendo algumas ter o corpo emotivo vago, informe e pouco desenvolvido, enquanto
outras têm um corpo emotivo formado e organizado, dependendo tal fato sobretudo do Raio
dominante naquela pessoa, Raio que a influencia e faz desenvolver nela certas partes e
negligenciar outras.
Em algumas pessoas pode estar mais desenvolvido o corpo mental que o emotivo e em
outras, o contrário.
Acho que poderia ser útil esquematizar, aqui, os vá-rios tipos possíveis:
1) tipos pouco desenvolvidos, com um corpo emotivo vago, informe, mas receptivo e
sensível;
2) tipos com corpo emotivo desenvolvido e organizado, mas não purificado e dominado, e
com corpo mental pouco desenvolvido;
3) tipos com corpo mental desenvolvido e corpo emotivo pouco desenvolvido e reprimido;
4) tipos desenvolvidos mental e emotivamente.
Falar dos tipos do primeiro grau é talvez inútil porque para eles a meditação é prematura,
pois deveriam, primeiro, procurar desenvolver o corpo mental e tornar-se, assim, mais positivos
emotivamente.
Para eles as tentativas de meditação poderiam ser infrutíferas, pois não seriam capazes de ter
aquele comporta-mento recolhido, concentrado, vigilante e atento interiormente, necessário a tal
prática e, adotando, espontaneamente um comportamento passivo e receptivo, semelhante ao
"transe", cairiam num estado de sonolência e abrir-se-iam às influências astrais mais baixas,
tornando-se presa das formas-pensamento e vibrações astrais negativas.
Os tipos da segunda categoria são aqueles que possuem maiores dificuldades em procurar
atingir a aquietação emotiva, pois têm o corpo astral muito desenvolvido e o mental ainda não
formado, e não podem com facilidade dominar as agitações, os tumultos dos sentimentos, e ainda
não conseguem estimular a força da mente, cuja tarefa é a de dirigir, controlar e governar a
personalidade.
Eles procuram aquietar as ondas emotivas, mas não conseguem por não terem nem mesmo
força de vontade. E, então, de que maneira esses tipos de pessoas devem prosseguir? Acaso, para
elas, o caminho da meditação está fechado?
Há uma só solução para essa categoria de corpo emotivo desenvolvido, não dominado e de
mente ainda informe: o caminho da purificação emotiva e da prece mística. A meditação oculta, a
verdadeira meditação, feita por via mental, seguindo o caminho da vontade, é impossível para eles, a
não ser que desenvolvam pouco a pouco o intelecto.
Na realidade, a verdadeira meditação só é possível às pessoas que pertencem à terceira e
quarta categorias, isto é, aos tipos desenvolvidos mentalmente e de corpo emotivo informe ou
reprimido e aos tipos desenvolvidos mental e emotivamente.
Em outras palavras, só quando a mente é bem desenvolvida e o homem aprende a pensar e a
usar o intelecto, a meditação é possível.
Num primeiro momento, poderão acontecer vagas tentativas, impulsos místicos, uma forma de
elevação e de prece, mas não a verdadeira prática meditativa, que pressupõe certa força mental, a
presença da vontade e uma capa-cidade de autodomínio bem desenvolvida.
Devemos ser sinceros conosco mesmos e procurar reconhecer com objetividade se estamos
prontos para a meditação ou não; julgando que a nossa mente começa a funcionar e que a nossa
vontade é suficientemente desenvolvida, poderemos, então, dedicar-nos ao trabalho interior ao qual
nos propusemos.

*
**

Vejamos agora quais podem ser os principais obstáculos à aquietação emotiva.


O obstáculo mais comum vem da própria natureza da substância que compõe o corpo emotivo
e que o faz estar em contínuo movimento e agitação, tornando-o vibrante e receptivo a todo pequeno
estímulo. Caso o corpo emotivo não seja dominado, estará sempre em movimento, se não por um
sentimento preciso, por uma emoção definida, por um conjunto de vibrações, de sensações e de
reações. Essa agitação da substância emotiva é comum a todos os que têm o corpo emotivo
desenvolvido e ainda não dominado.
Outro obstáculo que se pode encontrar no veículo emotivo do homem é de natureza mais
precisa: trata-se do estado de tensão, de congestão, que pode vir a se formar provocando uma
sensação de angústia, de preocupação e de mal-estar que, aparentemente, não tem causa precisa.
Isso ocorre quando há no nosso subconsciente algo que nos perturba, nos agita ou nos preocupa
sem que estejamos cientes; tal ansiedade inconsciente manifesta-se na superfície com uma
sensação desagradável de tensão e de angústia. Na realidade, do ponto de vista mecânico, essa
ansiedade decorre da congestão das energias emocionais que não podem fluir livre e
harmonicamente.
Tal estado de tensão pode ser um grave obstáculo no alinhamento, porque absorve toda a
nossa atenção e impede a mente de se sentir livre e clara.
Outro obstáculo, ainda, pode ser a presença no corpo emotivo de um sentimento ou de uma
paixão dominante e exclusiva, de um excessivo apego a alguma pessoa ou coisa, de um desejo
intenso de natureza pessoal e egoística.. .
Este último obstáculo pode nos fazer pensar que talvez nenhum de nós esteja pronto para a
meditação, por que, quem se pode dizer livre de todo o desejo, apego, ou sentimento pessoal?
Essa consideração é correta, mas é preciso uma aquietação das emoções temporâneas para
poder-se atingir o alinhamento necessário ao bom êxito da meditação. Portanto, devemos procurar
atingir a quietude e a calma do corpo emotivo por um período definido, isto é, aquele dedicado à
prática da meditação.
A aquietação estável e duradoura verificar-se-á em seguida e será o resultado da prática
constante, séria e repetida da meditação cotidiana.
Surge, então, espontaneamente, uma pergunta depois desse breve exame dos principais
obstáculos à aquietação emotiva: como podem ser superadas tais dificuldades e como se pode
alcançar a calma e a quietude emotiva?
É necessário antepor que se conseguirmos obter um bom relaxamento físico na primeira fase
do alinhamento, já preparamos o terreno para uma boa aquietação emotiva.
Há uma estreita conexão entre o corpo físico-etérico e o corpo emocional, conexão que se
pode ver claramente no relacionamento existente entre o sistema nervoso e a emotividade.
Acalmando e harmonizando as correntes etéricas no relaxamento físico, acalmamos o sistema
nervoso e, conseqüentemente, também as emoções.
Muitas pessoas provaram o quanto é útil, em momentos de agitação emotiva, procurar
relaxar-se por alguns minutos, deitando-se numa cama ou numa poltrona, fazendo algumas
respirações profundas e regulares. Podemos dizer ainda que a quietude emotiva, por sua vez, tem
uma influência harmonizante sobre o corpo físico-etérico.
Se não conseguirmos aquietar o corpo astral fazendo o relaxamento físico, devemos agir
diretamente sobre ele.
Há vários modos de agir sobre o corpo emotivo e talvez o mais eficaz seja o uso da
imaginação. A substância emotiva é muito sensível à imaginação que age sobre ela como uma
força plasmadora e criativa.
Aqueles que têm certa capacidade imaginativa podem usar essa força, procurando visualizar
imagens que suscitem vibrações de calma, serenidade, quietude. Uma imagem muito eficaz,
sugestiva e adaptada ao objetivo a que nos propomos é a de um límpido lago de montanha, terso,
cristalino.
Outra imagem adequada é a de um céu sereno e azul, não ofuscado por nenhuma nuvem.. .
Em outras palavras, são eficazes todas aquelas imagens que suscitam em nós sensações de
paz, calma e serenidade completa.
Outro método útil para aquietar a natureza emocional é o da afirmação, muito adequado às
pessoas volitivas.
Esse método é muito simples: basta repetir mental-mente ou em voz alta algumas frases
adequadas, como as seguintes:
"O meu corpo emotivo é calmo, sereno, límpido". "A paz e a quietude reinam no meu corpo
emotivo". "Toda emoção se esvai, todo sentimento se aquieta". "Somente a paz, a quietude e a
serenidade reinam em mim".
Naturalmente, estas frases devem ser ditas com força, convicção e profunda calma, sem
concitação ou agitação, mas com senso de segurança e de fé no seu efeito.
O terceiro método é adequado às pessoas mais polarizadas mentalmente e mais
acostumadas a pensar. Tal método consiste em retirar a atenção do corpo emotivo, dirigindo-a ao
mundo do pensamento e concentrando-a num motivo intelectual.
E óbvio que esse "retirar-se" da atenção pressupõe duas coisas: certo desenvolvimento da
vontade e certo desenvolvimento mental.
Existem pessoas que conseguem espontaneamente esquecer o mundo emotivo quando estão
absortas em ocupações intelectuais; são as pessoas acostumadas aos estudos e à reflexão, que têm
certo domínio sobre as próprias emoções.
Entretanto, esse último método raramente é usado, porque as pessoas que têm um corpo
emotivo dominado e bem organizado não são muitas e o verdadeiro hábito de pensar e de usar a
mente livre de influxos emocionais e instintivos não é muito difundido entre as pessoas comuns.
Portanto, os métodos mais usados geralmente são os da imaginação e da afirmação.
Ao tentar atingir a aquietação emotiva, apercebemo-nos de muitas coisas interessantes,
inerentes ao nosso mundo psíquico, uma das quais é a estreita conexão existente entre os vários
corpos da personalidade e as influências recíprocas exercitadas por um corpo sobre o outro. Podere-
mos nos aperceber, por exemplo, se o nosso corpo emotivo sofre as influências do corpo físico
etérico (isto é, dos instintos) ou não.
Há uma zona no corpo emocional das pessoas comuns e ainda não purificadas que é
continuamente influenciada e posta em movimento por impulsos e desejos instintivos, e, às vezes,
não é fácil distinguir o limite que separa os próprios instintos das emoções e dos sentimentos.
Por outro lado, o corpo emotivo está sujeito também a influências mentais que têm o pode de
modificar, aumentar, diminuir e dar continuidade aos estados emotivos.
Os sentimentos mais profundos e duradouros, por exemplo, são um misto de emoções
verdadeiras e estados mentais.
a mente que dá constância, estabilidade e profundidade às emoções e as transforma em
afetos e sentimentos, tanto positivos como negativos.
A descoberta de tudo isso é útil para podermos atingir mais facilmente o domínio do corpo
emotivo, purificá-lo e torná-lo mais límpido e estável.
Portanto, ao fazer o exercício da aquietação emotiva para atingir o alinhamento, conseguimos
dois resultados:
a) habituamo-nos a acalmar e a dominar as ondas emocionais para nos preparar à meditação.
b) conhecemos a qualidade e a natureza do nosso corpo emotivo e os seus lados bons e os
seus lados negativos; aprendemos, aos poucos, a purificá-lo e torná-lo bem organizado e estável.
EXERCÍCIOS PARA A AQUIETAÇÃO EMOTIVA

1º Exercício

Sentar em posição cômoda e procurar relaxar-se.


Depois de ter obtido o relaxamento físico, procurar introverter-se e passar para o seu mundo
emotivo.
Procurar observá-lo ou estudá-lo, objetivando-o com um senso de desapego e, sentindo-o
agitado, imaginar que, aos poucos, se acalma, se aquieta e se torna gradativamente tranqüilo e
sereno. Deter-se na imagem de um lago na montanha, calmo, límpido e cristalino, de superfície lisa
como um espelho, onde se refletem o céu sereno e os picos das montanhas.
Manter esta imagem nos olhos de sua mente o mais que puder e procurar sentir toda a paz e
calma que dela emanam, absorvendo-as.

2º Exercício

Depois de ter feito o relaxamento físico, procurar acalmar e aquietar o corpo emotivo,
introvertendo-se como no primeiro exercício.
Fazer algumas respirações profundas, lentas, regulares e depois dizer em voz baixa:
"O meu corpo emotivo é calmo, sereno, límpido. Toda emoção se aquieta, toda preocupação se
esvai. Somente a paz, a quietude, e a calma reinam em mim. Paz, paz, paz."
Repetir várias vezes, lentamente, essas frases, procurando sentir em profundidade o significado
das palavras pronunciadas e evocar a vibração de calma e paz nelas contidas.
Fazer um ou outro desses exercícios por duas semanas, anotando as dificuldades encontradas
e os resultados obtidos.
X - A MEDITAÇÃO
c) O Domínio da Mente no Alinhamento
A mente foi sempre a parte do homem menos conhecida e menos compreendida, mesmo
tendo sido estudada, observada e analisada por filósofos, psicólogos e estudiosos de todas as eras.
Foi sempre considerada pela maioria de tais estudiosos como a parte mais elevada do homem
e, aliás, muitos têm identificado a Alma, o Eu Espiritual com a mente, não podendo conceber nada
superior a ela.
Para os espiritualistas, entretanto, a mente, o corpo mental, é também um veículo, um
instrumento da Alma, como os outros dois corpos da personalidade (o físico-etérico e o emotivo).
0 corpo mental, no seu conjunto, é composto, como os outros corpos, de sete subplanos:
quatro inferiores e três superiores. Os quatro primeiros formam o corpo mental inferior, que pertence
à personalidade, e os três mais elevados formam o corpo mental superior, que pertence à Alma.
O corpo mental, por sua própria natureza, não forma um todo único, mas é cindido, separado
em duas partes: uma vibrante no plano da personalidade e outra no plano espiritual. E, até que o
homem, através da evolução de muitas vidas, da meditação constante, não construa uma "ponte"
entre essas duas partes, podemos dizer que existem duas unidades mentais bem distintas, das
quais uma (a superior) está tão acima da nossa percepção, que é como se não existisse em nós. Ela
é a sede da intuição cognitiva mais alta, das idéias universais e tem uma natureza completamente
diferente do corpo mental inferior.
Por enquanto, ocupar-nos-emos somente do corpo mental inferior, que nos interessa de perto e
que devemos conhecer, estudar e dominar. Para simplificar, usaremos a palavra mente todas as
vezes em que nos referimos a ele.
A primeira coisa que devemos ter presente, quando nos propomos a ter em mãos, por assim
dizer, a nossa mente, é a sua natureza dúplice.
De fato, ela pode ser dirigida em duas direções: para o mundo exterior, objetivo e para o mundo
interior, subjetivo. como um Jano bifronte, que com uma face olha para o mundo da manifestação,
dos efeitos e com a outra olha para o mundo das causas.
Em geral, porém, só é conhecida a face dirigida para o exterior, porque o homem comum, de
evolução mediana, põe em movimento o seu instrumento mental só por efeito das sensações que lhe
vêm do mundo exterior e pensa apenas em conexão com "objetos".
Entretanto, quando o homem volta a mente para o interior, parece-lhe, a princípio, que se
encontra diante do vazio, do escuro completo, pois não sabe onde pôr a atenção, até que aprenda a
"pensar", no verdadeiro sentido da palavra, não mais por efeito de estímulos provenientes das
percepções sensoriais, mas porque está despertada nele aquela faculdade de "raciocinar", de
formular idéias e conceitos abstratos, impessoais e objetivos, própria da mente desenvolvida.
Mas a nossa mente pode ainda ir mais alto. . . Ela não só pode pensar de maneira abstrata,
mas pode se abrir ao mundo das intuições, das idéias superiores, dos conceitos universais e,
portanto, tornar-se, para o homem um verdadeiro meio de contato com o plano mental e com a Mente
Divina.
Como o corpo emotivo deve se tornar o recipiente e o transmissor do Amor da Alma, assim a
mente deve se tornar o receptor das idéias da Alma, de seus Propósitos e Planos.
E justamente essa a função da mente na meditação e é por isso que devemos nos tornar seus
senhores, colocá-la em atividade, se inerte, dominá-la, se muito vivaz, purificá-la, se receptáculo de
idéias preconcebidas e de pensa-mentos negativos.. .
Tal é o trabalho preparatório, que devemos fazer no alinhamento, quando, depois de ter
relaxado o corpo físico e aquietado o corpo emotivo, dirigirmo-nos ao nosso corpo mental.
*
**

Para muitos, o domínio da mente é a parte mais difícil do alinhamento.


Vejamos quais são essas pessoas. Elas tanto podem apresentar uma mente um pouco inerte
e letárgica, mas bastante desenvolvida, como podem apresentar uma mente vigorosa e dinâmica,
mas desorganizada e caótica.
Para melhor compreender as várias dificuldades que podem ser encontradas por tais pessoas,
devemos primeiro nos deter um pouco, para refletir sobre as palavras "domínio da mente" e sobre o
verdadeiro significado delas.
Domínio da mente significa tornar-se, por completo, senhor do nosso mecanismo de
pensamento, de maneira a poder guiá-lo como e quando quisermos. Significa, além disso, saber
discernir as influências emotivas e as provenientes das sensações físicas dos pensamentos
verdadeiros; significa libertar a mente de tais influências e saber conduzi-la de maneira
independente; significa saber concentrá-la, à vontade, em qualquer ponto e usar a sua faculdade de
raciocínio em qualquer direção.. .
Está claro, portanto, que podem surgir dificuldades tanto para as pessoas de mente lenta e
preguiçosa, como para as de mente dinâmica. As primeiras deverão fazer um grande esforço para
tornar a mente mais ativa, pronta, dúctil e vivaz; as segundas, ao contrário, deverão aprender a
dirigi-la de maneira organizada e controlada, a refreá-la, torná-la obediente e concentrá-la no motivo
desejado, sem divagar.
No alinhamento que precede a meditação, devemos, aos poucos, aprender a dominar a
mente, fazendo com que se torne um perfeito instrumento da nossa vontade. Como podemos fazer
isso?
O primeiro passo é introverter a nossa atenção, dirigindo-a para o mundo do pensamento e
começar a tomar contato, por assim dizer, com parte da nossa mente que está dirigida para o
interno.
Essa primeira fase do domínio da mente é chamada pelos yogues indianos pratyahara, que
significa (de acordo com as palavras de Ramacháraka no seu livro Raja Yoga) a arte de tornar a
mente introspectiva, ou seja, voltada inteiramente para si mesma.
De início, parecerá que nos encaminhamos para um mundo confuso e caótico, onde os
pensamentos se movem em desordem, independentes da nossa vontade, mudando livremente de um
motivo para outro, sem pausa. Conseguir domar e reorganizar esse mecanismo rebelde e complexo
poderá parecer um empreendimento absurdo. Entretanto, pouco a pouco, com perseverança e
paciência, conseguiremos obter resultados.
Nessas primeiras tentativas de domínio da mente, faremos importantes descobertas.
A primeira delas será a constatação de que, na realidade, não sabemos pensar e não usamos
toda a mente, mas uma pequena parte dela, isto é, a mais mesclada por emoções, instintos e desejos
e que os hindus chamam de Kama-manas; percebemos, então, a necessidade de desemaranhar o
verdadeiro pensamento de todas as influências espúrias, se quisermos aprender a usar a mente, que
deve ser libertada da névoa emotiva, tornando-se então receptiva à Luz, e se quisermos que a Alma
possa dela fazer uso como seu instrumento de conhecimento e de serviço.
Nós achamos que pensamos, mas, na realidade, nada fazemos senão exprimir conceitos
confusos, opiniões provindas de influências externas, desejos que acreditamos ser convicções etc.
Entretanto, se quisermos usar a mente, como de fato deve ser usada, como órgão de
integração e de controle da personalidade, como aparelho receptor das intuições cognitivas da Alma,
devemos aprendera pensar, no verdadeiro sentido da palavra.
A segunda descoberta será que nos conscientizaremos, por experiência direta, de que há
alguma coisa acima dos pensamentos, acima do nosso mecanismo mental. Sentiremos como que
um centro de consciência, uma vontade, uma força que não é a mente, mas "alguma coisa" que
pode dominá-la e dirigi-la. Esse centro de consciência é o reflexo do Eu na personalidade.
Estudamos e ouvimos dizer que o Eu não é a mente, que o Pensador é uma coisa e os
pensamentos são outra; mas fazer a experiência direta e adquirir a consciência interior é diferente.
E algo que nos dá certeza, é um amplia-mento da consciência, é um real conseguimento que não
pode ser perdido.
E interessante perceber que essa experiência interior é um pouco diferente de pessoa para
pessoa, sentindo-a cada uma segundo o seu temperamento ou tipo psicológico. Esse Eu será
sentido pelos tipos volitivos como centro de vontade, de força; pelos tipos intelectuais como uma
nascente de pensamento, como o Pensador; e pelos tipos intuitivos-emotivos, como um centro de
consciência viva e de sensibilidade.
Naturalmente, essa descoberta interior poderá ocorrer, como um lampejo fugaz, e depois
desaparecer; de modo intermitente, poderá aparecer e é difícil que, no início, ele permaneça por
muito tempo; para podermos captar de novo esse lampejo, teremos de fazer um esforço vez por vez.
Mas virá o momento, depois que tivermos repetido vá-rias vezes o exercício de domínio da mente e
estivermos habituados a usá-la na meditação, que esse senso do Eu se tornará permanente.
Tal senso do Eu não é ainda a consciência da Alma, do Eu Espiritual, mas é um reflexo dele,
quase um "ponto intermediário" entre o plano da personalidade e o plano da Alma.
A descoberta desse Eu separado, que não é a mente, é uma grande ajuda e uma grande força
para podermos chegar a dirigir e a controlar a mente como quisermos. Trata-se de um ponto de
apoio a que podemos recorrer e de onde podemos obter energia e vontade para podermos nos tor-
nar senhores da nossa mente. Portanto, podemos dizer que a fase do alinhamento dedicado à mente
consta de duas partes:
a) a primeira consiste na introversão da mente sobre si mesma e no contato com o mundo do
pensamento (pratyahara);
b) a segunda consiste no domínio da mente através da vontade e do seu uso na direção
desejada.
Esta segunda fase é a conhecida pelo nome de "concentração" (dharana).
A concentração mental, que os hindus chamam de "dharana", é uma faculdade muito
importante para quem deseja realmente aprender a meditar; podemos dizer que ela é a base sobre a
qual se apóia toda a meditação.
Portanto, é necessário que nos detenhamos um pouco sobre este tema, a que será dedicada a
próxima lição.
EXERCÍCIOS

a) Ponha-se em posição cômoda e, o máximo possível, livre de influências exteriores que


perturbem. Não faça esforço violento para controlar a mente, mas, acima de tudo, permita que ela se
solte, por um momento, enquanto esgota os seus impulsos. Ela aproveitará a oportunidade e, primei-
ramente, dará saltos como um macaco solto até que, aos poucos, se acalmará à espera de sua
ordem. Na primeira vez, poderá ser preciso um pouco de tempo para domá-la, mas a cada nova
experiência o tempo necessário será menor. Os yogues despendem muito tempo na aquisição dessa
calma e paz mentais, mas se consideram bem recompensados.
b) Quando a mente estiver bem calma e em perfeita paz, fixe o pensamento sobre "Eu sou".
Distinga o Eu como uma entidade independente do corpo, uma entidade imortal, invulnerável, real.
Depois considere-o independente do corpo e capaz de existir mesmo sem o seu invólucro de carne.
Medite sobre isso por algum tempo e, depois, aos poucos, dirija o pensamento ao
reconhecimento do "Eu" como independente, superior à mente e capaz de controlá-la.
Em seguida, faça a seguinte afirmação:
"Eu" tenho uma vontade, minha propriedade inalienável, meu direito. "Eu" decido cultivá-la e
desenvolvê-la com a prática e o exercício. A minha mente obedece à minha vontade. "Eu" afirmo a
minha vontade acima da minha mente. "Eu" sou o senhor da minha mente e do meu corpo, e
asseguro que os domino. A minha vontade é dinâmica, cheia de força, de energia e de poder. "Eu"
sinto a minha força. "Eu" sou forte. "Eu" sou um centro de consciência, de energia, de força e de
poder.
XI - A CONCENTRAÇÃO
Dissemos, no fim da lição precedente, que só se pode chegar ao domínio da mente através da
concentração, sendo esta a base sobre a qual se apóia a verdadeira meditação, a chamada
meditação oculta, porque nela a mente é utilizada como órgão de ligamento e de contato com a Alma.
A mente dá à estabilidade, a constância, a firmeza de propósito e, ainda, a possibilidade de
poder traduzir em conceitos e em pensamentos as percepções recebidas.
Enquanto só aspirarmos, mesmo que de todo o coração, nos aproximar da Verdade, desejando,
com ardor, conhecer e entender as razões divinas de tudo e procurando nos reunir com o nosso
verdadeiro Si, estaremos continua-mente num estado alternado de insatisfação e de êxtase.
De insatisfação conosco mesmos, que por mais que estejamos ansiosos para compreender o
profundo significado das coisas, não conseguiremos alcançá-lo; de êxtase porque, às vezes,
impelidos pela nossa fervente aspiração, conseguimos ter uma súbita visão da verdade e um rápido e
temporâneo contato com a nossa Alma. . . Mas é somente um relâmpago, depois do que a nossa vida
cotidiana nos parece mais obscura e vazia e mais difícil e árduo o Caminho.
Se quisermos realmente progredir, chegar a um contacto estável com o Ego e ter uma
consciência clara e duradoura da Realidade, deveremos substituir a aspiração emotiva o
desejo por uma decisiva e firme determinação de nos tornar senhores da nossa mente, para
poder usá-la segundo o seu verdadeiro objetivo, isto é, o de ser a intermediária do mundo da
Alma.
O Caminho da aspiração tem a sua importância. E o Caminho do coração, o Caminho
percorrido pelos Grandes Místicos e pelos Grandes Santos. . . Mas aqueles que quiserem
ingressar no Caminho do conhecimento, para estabelecer um contacto bem definido com a
Alma e se tornarem "intérpretes" e executores da vontade dos Seres Superiores, devem armar-
se de vontade, perseverança e firmeza e iniciar o Caminho da meditação oculta.
Diz Alice Bailey no seu livro Do intelecto à intuição: "Começamos ver uma realização
emocional da nossa meta e, depois, através do fogo da disciplina, vamos além, até as alturas
da certeza intelectual", e continua: ". . . A prece é possível a todos. A meditação só é possível
aos que estão polarizados mentalmente.. .
"Todos os que se sentem prontos para transmutar suas emoções em devoções espirituais
podem ser Santos, mas nem todos os homens podem ser conhecedores, porque isso requer
tudo o que foi alcançado por um Santo, mais o uso do intelecto e o poder de pensar, até chegar
ao conhecimento direto."
Patanjali chama esse conhecimento direto de "leitura espiritual", isto é, a faculdade de ler
com os olhos da Alma
através de todas as formas materiais, que não passam de símbolos da realidade divina, da
verdade que nelas se esconde.
Mas, antes que a mente possa se tornar o órgão dessa leitura espiritual, ela deve se
tornar um perfeito instrumento do pensamento, obediente à vontade, e um límpido refletor das
idéias da Alma, sendo que só se pode chegar a isso, primeiro, através da concentração e,
depois, através da meditação. Eis por que a prática da concentração é tão importante.
O que significa realmente "concentração"?
Esta palavra vem do latim cum - conjunto, e centrare centrar, levar ao centro, ou seja,
levar junto a um centro comum.
Concentração mental, portanto, quer dizer "juntar", centrar todos os pensamentos e
conduzi-los para um mesmo ponto, sem distrações e divagações, eliminando tudo o que for
estranho ao objeto de nossa atenção.
Patanjali nos seus Sutra Yoga define assim a concentração: "Concentração, ou dharana,
é fixar a substância mental (chitta) sobre um objeto particular" (p. 11, Livro I I I , Ed. Nuova
Era).
A concentração poderia também ser definida como "Uma intensificação da atenção sobre
um tema escolhido".
A atenção, como se sabe, pode ser involuntária ou voluntária.

A primeira se dirige às coisas que impressionam pela sua novidade, pelo interesse que
provocam, pela sua estranheza, e não implica uma força de vontade; é totalmente natural e
espontânea. Por exemplo, enquanto passeamos, nossa atenção é atraída, espontaneamente e sem
esforço de nossa parte, por todos os objetos que, de uma maneira ou de outra, têm algo que nos
interessa e impressiona a nossa fantasia. Essa atenção é involuntária. Também é assim aquela
que usamos para ler um livro de que gostamos, para fazer um trabalho que nos diverte e apaixona,
para admirar uma obra de arte, observar um rosto que nos atrai ou estudar um assunto que nos
interessa.
A atenção voluntária, ao contrário, é a que implica uma força de vontade, sendo dirigida para
qualquer objeto, seja ele interessante e agradável, ou não. Por exemplo, a atenção voluntária é usada
para estudar um assunto difícil, não particularmente interessante, mas que sabemos ser útil, e, ainda,
é a que se usa para realizar um trabalho que fazemos sem prazer, mas que devemos fazer por obri-
gação ou porque é útil. . . Em outras palavras, a atenção voluntária é aquela que usamos em coisas
ou objetos escolhidos não espontaneamente ou por atração natural, mas por vontade; ela requer
esforço e concentração para ser mantida e aprofundada.
Portanto, concentração é atenção voluntária, conduzida, por assim dizer, à máxima potência.
Essa concentração do pensamento num só objeto faz com que ele se torne muito mais intenso,
profundo e vigoroso. Citaremos analogias dessa intensificação de potência e de eficiência provocada
pela concentração de energia em todos os campos. Por exemplo, os raios do sol, quando dirigidos
para um só ponto através de uma lente, podem queimar um pedaço de papel; o vapor áqueo que
passa através de um pistom movimenta uma locomotiva. . . O mesmo acontece com o nosso
pensamento: se é disperso, difuso, errante, não pode ter a força, a eficiência e a perspicácia de
quando está totalmente dirigido e apontado para uma mesma direção.
Portanto, a concentração não serve apenas como meio de domínio e de controle da mente, mas
também como meio de desenvolvimento e de reforço do seu poder.
Sem dúvida, não é fácil atingir essa capacidade de concentração com rapidez, especialmente
para aqueles que têm uma mente vivaz, fluida e, sobretudo, caótica.
Tais pessoas, nas primeiras tentativas de domínio da mente, provam um aumento de
mobilidade e uma espécie de rebelião das correntes do pensamento que, estando sempre
acostumadas a vaguear livres aqui e ali, seguindo o impulso do momento, não sabem e não querem
obedecer ao comando da vontade.
A mente reage quase com violência nas primeiras tentativas de domínio e de reorganização -
pelo menos assim se afigura a nós, que nos esforçamos para detê-la e dirigi-la para um só objeto.
Na realidade, esse aumento de fluidez vem, não só porque a nossa mente não está habituada a
ser controlada, mas também porque, ao querermos nos concentrar mental-mente, é natural que se
forme uma polarização mental mais intensa, isto é, todas as forças da nossa personalidade alinham-
se e afluem para a mente, produzindo, assim, um aumento de energias intelectivas, que, por
natureza, não sendo ainda dominadas e organizadas, irrompem aqui e ali de forma caótica.
Esse é o primeiro obstáculo que podemos encontrar quando iniciamos as primeiras tentativas
de concentração, obstáculo que, em seguida, se transforma em riqueza e eficiência mental.
Outro obstáculo muito comum para os principiantes constitui-se nos pensamentos inoportunos
que vêm infiltrar-se na mente, distraindo a atenção do tema escolhido e fazendo-a divagar.
Os pensamentos inoportunos podem ser de vários tipos e, às vezes, chamam a nossa atenção
com muita insistência pois podem não ser apenas pensamentos fúteis e vazios, mas interessantes e
urgentes... Entretanto, devemos aprender a não nos deixar distrair por eles, porque, se quisermos de
fato dominar a nossa mente, devemos, pelo menos por aqueles cinco ou dez minutos dedicados à
concentração, ser capazes de pensar apenas no tema escolhido, sem divagações.
Ernest Wood, em Concentração, dá conselhos muito úteis à eliminação de pensamentos
inoportunos, por ele comparados a visitantes não-desejados que chegam de repente para nos falar
de seus problemas. Ele afirma não ser necessário expulsar violentamente tais visitantes porque,
sendo os seus problemas reais e importantes, voltariam à baila mais e mais vezes e não nos
permitiram concentrar.
E, se algum deles tiver de voltar, Wood aconselha que se combine um encontro com hora
marcada. Nesta hora, porém, não se deve deixar de manter o compromisso e de resolver aquele
problema.
Podem existir ainda outros distúrbios durante a concentração, isto é, ondas-pensamento,
imagens etc., oriundos de outras mentes; como tais distúrbios, em geral, não são muito potentes e
eficazes, basta mergulhar no trabalho de concentração para abstrair por completo a atenção deles.
Vejamos, agora, como a concentração se desenvolve. E errôneo pensar que ela consiste numa
condição estática da mente; ao contrário, a concentração é um estado de intensa atividade mental.
Patanjali, no seu Iivro Sutra Yoga (comentado por Alice Bailey), diz que a concentração tem
sete estágios:
1 - A escolha do objeto sobre o qual se concentrar.
2 - A retirada da consciência mental do mundo externo, que faz com que os meios de
percepção e de experiência (os cinco sentidos) sejam aquietados e a consciência não se volte mais
para o exterior.
3 - A consciência concentra-se e fixa-se na cabeça, mais precisamente, no centro entre as
sobrancelhas.
4 - A mente fixa-se e a atenção se dirige exclusivamente para o objeto escolhido.
5 - A visualização ou percepção imaginativa de tal objeto e o raciocínio lógico sobre ele.
6 - A extensão dos conceitos que foram formulados, passando do específico e particular para o
geral e universal ou cósmico.
7 - A procura daquilo que está por trás da forma escolhida como objeto de concentração, isto é,
a idéia que a produziu.
Esse procedimento eleva gradativamente a consciência e permite ao aspirante transferir-se do
lado forma para o lado vida da manifestação" (Sutra Yoga, Iivro III, p. 12, Ed. Nuova Era).
Examinando os estágios 5 e 6, entre os relacionados, vê-se com clareza como, durante a
concentração, a mente deve ser ativa e "raciocinar com lógica" sobre o tema, estendendo-o do
particular ao geral até atingir, se possível, o significado universal e cósmico.
Os objetos de concentração escolhidos podem ser os mais variados, começando por objetos
físicos até atingir conceitos abstratos e elevados.
Para os que ainda são principiantes nessa prática, cuja finalidade é atingir o domínio da mente,
o tipo de objeto de concentração não tem importância, por ser apenas um meio para alcançar a meta
almejada.
Quando, então, tiverem adquirido certo controle sobre o mecanismo do pensamento e certa
facilidade em concentrar a mente sem divagar, aí, sim, poderão pensar em escolher temas de
utilidade formativa e evocativa.
Inicialmente, nosso exercício será mais do que verdadeiro exercício de concentração: será uma
"chamada de atenção", pois nos aperceberemos muitas vezes de ter divagado e perdido de vista o
tema e, então, deveremos continuamente orientar a atenção para a direção desejada. Será
justamente nesse esforço contínuo, nesse ininterrupto reconduzir da atenção ao tema, que
obteremos os primeiros resultados importantes, isto é:
a) o fortalecimento da nossa vontade;
b) o aumento do poder mental;
c) o aumento de eficiência na vida cotidiana.
Esse terceiro resultado, mesmo sendo uma conseqüência, talvez, secundária da concentração,
não é de se desprezar, porque são justamente a faculdade da atenção, a unidade de propósito, o
saber fazer uma coisa por vez, os fatores que conduzem à eficiência e ao sucesso.
Todos os estudiosos, os pesquisadores, os grandes homens, os gênios, tiveram essa firmeza,
essa concentração de propósitos, esse poder de pensamento, essa intensa faculdade de atenção,
tanto no seu mundo mental quanto nas suas ações, e foram justamente essas qualidades que os
levaram a poder realizar os seus mais altos objetivos.
No tocante ao objetivo a que nos propomos, que é atingir o domínio da mente para poder usá-
la na meditação como instrumento da Alma, a concentração é o único meio adequado e eficaz.
Além disso, quando apontamos e fixamos (como diz Patanjali) a consciência na cabeça,
consegue-se um outro resultado importante totalmente espontâneo: uma momentânea integração de
todos os três veículos da personalidade; em outras palavras, forma-se o alinhamento dos três
corpos inferiores.
Portanto, se quisermos realmente aprender a meditar, no exato sentido da palavra, ou seja,
fazer da meditação uma verdadeira técnica para poder entrar em contato com a nossa Alma,
devemos passar "através do fogo da disciplina", ter paciência, constância e perseverança e, aos
poucos, tomar em mãos o nosso mecanismo do pensamento, com exercícios regulares de
concentração.
Eu disse "regulares" porque tais exercícios, para serem de fato eficazes, devem ser feitos
regularmente, todos os dias, pelo menos por alguns minutos. E melhor um breve período de cinco ou
seis minutos por dia, que meia hora ou uma hora em dias alternados. Esse é o único meio para se
conseguir a prática regular, constante, diária, pois somente por meio dela se forma um ritmo. Esse
ritmo tem ocultos um valor real e uma verdadeira utilidade. Todos os dias, mesmo que não nos
apercebamos, conseguimos certo resultado e, se interrompermos o ritmo, tal resultado se perde e
teremos de começar de novo. Todo exercício promove transformações dentro de nossa mente,
mesmo que leves e insensíveis, e a regularidade é a única chave para tornar tais transformações
sempre mais profundas e estáveis.
Por outro lado, essa regularidade só é difícil no início, pois, aos poucos, forma-se o hábito
interior e o ritmo se estabelece espontaneamente.
Dissemos acima que, no início, o exercício consistirá principalmente num contínuo "chamar a
atenção" para o tema escolhido e, ao fazer isso, perceberemos como a nossa mente pensa por
"associação". Se conseguirmos guiar e controlar tais associações, sem perder o fio que as relaciona
ao tema, descobriremos o segredo da concentração.
Os psicólogos observaram que a nossa mente pode pensar apenas uma coisa por vez, só que
passa tão rapidamente de uma coisa para outra, que parece pensar sobre todas ao mesmo tempo.
Portanto, na concentração nada mais fazemos senão usar a faculdade da mente em se dirigir a um
só tema por vez; impedimo-la de passar de um tema a outro, levando-a a aprofundar, ampliar e
estender o tema desejado.
Na realidade, é como se desenvolvêssemos um tema com o pensamento, como se
escrevêssemos uma composição da qual nos foi dado somente o título.
Essa faculdade de concentração, esse poder de aprofundar, de ampliar e de estender uma
idéia, um conceito, serão depois usados na verdadeira meditação, na qual os temas serão
escolhidos com fins bem precisos e com propósitos formativos ou cognitivos.
Então, ao se tornar educada, regulada e eficiente, a mente poderá nos dar resultados
admiráveis, uma vez que tem em si, latente, a possibilidade de entrar em contato com o mundo
mental do Si e com as idéias Universais.
Assim, aos poucos, a luz começará a penetrar na nossa mente e poderemos passar, como diz
Alice Bailey, "do intelecto para a intuição".
ALGUNS EXEMPLOS DE EXERCÍCIOS DE ATENÇÃO E DE CONCENTRAÇÃO

1º Exercício
Sente-se em seu quarto e olhe em torno com atenção, notando todas as coisas, mesmo as
menores. Depois, feche os olhos e faça passar de novo em sua mente todos esses objetos, na ordem
em que os notou precedentemente.

2º Exercício
Passeie com a imaginação por uma estrada que lhe seja bem conhecida, evocando todos os
detalhes possíveis que tiver encontrado pelo caminho; depois, volte e evoque as recordações em
ordem inversa até o ponto de partida. Torne a passear desse modo todos os dias, durante uma
semana, e toda vez em que a atenção fugir e se desviar da estrada que escolheu, volte e recomece o
passeio até realizá-lo sem interrupção.

3º Exercício
Escolha um tema qualquer, melhor será, se for simples e aparentemente pouco interessante,
como uma moeda, um lápis, um relógio; depois concentre a atenção sobre ele, procurando recolher o
maior número de idéias, como se estivesse desenvolvendo uma redação.
Se a mente divagar (como facilmente acontecerá nas primeiras vezes), reconduza-a, com
paciência ao tema.
Faça esse exercício todos os dias por poucos minutos, se possível à mesma hora, escolhendo o
momento mais adequado.
Tenha sempre ao seu alcance um caderno e anote:
a) o tema escolhido;
b) quantas vezes a mente divagou;
c) quanto tempo conseguiu manter a mente concentrada;
d) quais foram as divagações principais.
XII - O ALINHAMENTO COM A ALMA
Realizado o alinhamento inferior, o dos três veículos da personalidade, devemos passar à fase
mais importante da meditação: o alinhamento com a Alma, o alinhamento superior.
Na realidade, o alinhamento inferior não foi senão uma preparação para o superior, pois a
energia da Alma não pode penetrar nos três veículos pessoais se não estiverem harmonizados,
calmos e em perfeita sintonia.
Como dissemos outras vezes, a personalidade não é senão um instrumento da Alma; não é o
nosso verdadeiro Eu, mas só um reflexo do que constitui a nossa verdadeira essência, a nossa
verdadeira realidade interior.
Na meditação, tentamos fazer aflorar à consciência um vislumbre ao menos dessa realidade e
construímos um canal de comunicação entre o Si inferior e o Si Superior, a Alma.
Na realidade, a personalidade não é separada da Alma; existe um "fio" que liga os três veículos
inferiores com o Ego: o sutratma. Esse fio dourado de energia provém da Alma e passa através dos
três corpos pessoais. Chegando ao corpo físico, divide-se em dois ramos: um se ancora, digamos
assim, no cérebro (e precisamente na glândula pineal) e o outro desce até o coração e ali pára. O
ramo que pára na glândula pineal constitui o aspecto "consciência" da Alma, enquanto o ramo que
pára no coração constitui o aspecto "energia".
Esse fato é descrito no Tratado de magia branca, de A. Bailey (p. 566), da seguinte forma:

"Quando essa corrente vital chega ao corpo (sutratma), diferencia-se em duas correntes ou fios
e fixa-se, ou se ancora, em dois pontos do corpo. Este é o símbolo das duas diferenciações Atma ou
Espírito, em seus dois reflexos: Alma e corpo.
"A Alma, o aspecto consciente, que faz do homem um ser racional, uma entidade pensante,
está ancorada por meio de um dos aspectos desse "fio" num ponto do cérebro, na região da glândula
pineal.
"0 outro aspecto da vida, que anima cada átomo do corpo e constitui o princípio de coesão e de
integração, alcança o coração e ali se ancora [. . .]."
Portanto, estamos, na realidade, sempre ligados à Alma, mas não estamos conscientes dessa
ligação.
Na meditação, procuramos, através do alinhamento, conscientizarmo-nos aos poucos desse
contato, fortalecendo-o e tornando-o mais vital e vibrante.
Passando à parte prática da questão, é natural perguntar:
Como podemos fazer isso?
Quais são os meios para favorecer e ajudar esse alinha-mento com a Alma?
Ao fazermos o alinhamento dos três corpos inferiores, estamos aptos a receber as energias
superiores e preparamos o terreno para o despertar da consciência anímica, principalmente quando,
com a concentração, tomamos conta da nossa mente.
Como dissemos outras vezes, na meditação oculta, a mente é usada como ponte entre a
personalidade e a Alma e, por isso, utilizamos os exercícios de concentração para nos tornarmos
senhores do nosso instrumento mental e para movimentá-Io e detê-Io à vontade.
Quando nos dispusermos a fazer (ou tentar fazer) o alinhamento com a Alma, deveremos parar
a nossa mente e procurar criar nela o silêncio e a calma. Mas tal silêncio não deverá ser um vazio,
um estado de modorra ou de sonolência; deverá ser, ao contrário, um estado de atenta vigilância, de
completa vivacidade e de espera atenta.
Devemos criar o silêncio em nossa mente e dirigi-la para a Alma, imaginando que ela é um
cálice vazio à espera de ser enchido. Portanto, o nosso comportamento deverá ser, ao mesmo
tempo, de receptividade e de atenção.
E muito útil imaginar a Alma como uma nascente de Luz e de energia que, ao nosso chamado,
faz verter sobre a nossa mente receptiva raios de Luz resplandecente e de vigorosa energia.
Portanto, podemos dizer que a fase do alinhamento com a Alma consta de duas partes:
a) a fase de espera e de invocação.
b) a fase de visualização da Luz e da energia que afluem à mente.
Muito importante para aqueles que estão no início dessa prática é não esperar resultados
imediatos e maravilhosos, mas estar certos de que os resultados virão.
A Alma sempre responde.
Não há apelo da personalidade à Alma que não tenha uma reação e uma resposta por parte
desta última; porém, nem sempre estamos conscientes disso. A resposta pode, ainda, ser maior que
a esperada. "Disse Deus: Se alguém procura aproximar-se um palmo de Mim, Eu procuro aproximar-
me um cúbito; e se alguém procura aproximar-se um cúbito de Mim, Eu procuro aproximar-me dele
duas braças; e se alguém caminha em direção a Mim, Eu corro para ele." (Maomé)
A resposta e o afluxo de energia também podem ocorrer muito mais tarde, durante o dia ou
mesmo muitos dias depois, ou podem, ainda, tornar a forma de uma "lenta penetração", semelhante
à osmose numa substância porosa.
Devemos lembrar ainda que, às vezes, a resposta da Alma é bloqueada pela condição em que
se encontram os nossos três veículos; se eles ainda estão imperfeitos e impuros, havendo, portanto,
vibrações baixas, não poderão ser sensíveis às elevadíssimas vibrações provenientes do nível
Anímico.
Todos os nossos corpos são subdivididos em sete subplanos, dos quais os três mais elevados
correspondem aos três subplanos superiores do corpo mental, que pertence à Alma.
Sobre isso acena A. A. Bailey em Cartas Sobre Meditação Ocultista, no capítulo que trata do
alinhamento (p.17):
"Não esqueça que ele (o alinhamento) é principalmente uma questão de vibração.
"Os níveis abstratos do plano mental são constituídos por três níveis mais altos, dos quais o
primeiro é chamado de o terceiro subplano.
"Como expliquei antes, cada subplano tem a sua cor-respondência com os planos maiores.
"Por isso, quando vocês tiverem construído nos seus três corpos - físico, emotivo e mental -
matéria do terceiro subplano de cada um daqueles planos, então, o Si Superior (ou Alma) começará,
conscientemente e sempre com maior estabilidade, a funcionar, através da personalidade alinhada..
.
"As vibrações dos níveis abstratos podem começar a ser percebidas".
O que isso quer dizer?
Quer dizer que se nós não elevarmos as vibrações dos nossos três corpos aos três subplanos
mais altos de cada um deles, não poderemos formar uma vibração recíproca, um contato com a
Alma, que vibra nos três subplanos mais altos do corpo mental.
Essa elevação das vibrações advém, com o tempo, do alinhamento dos três corpos da
personalidade (quando é bem-sucedido) e pode ocorrer de forma mais estável por efeito da
purificação e da autoformação realizada consciente e voluntariamente pelo sério aspirante espiritual.
Eis por que em todos os livros espirituais está dito que junto com a prática da meditação deve
ser feita uma obra de autoformação. De resto, o trabalho de meditação, se feito seriamente, tem
como conseqüência natural o desejo de melhorar a si próprio e de elevar-se; de fato, a penetração
da energia da Alma na personalidade, mesmo que inicial e lenta, age como um fermento, como um
impulso interior para o crescimento subindo em direção à Luz.
Voltando ao alinhamento com a Alma, é de grande ajuda, quando nos propomos a tentá-Io,
pensar que não estamos fazendo algo difícil e absurdo, mas, que, antes, esse comportamento é o
correto, o "verdadeiro" e "real" comportamento de todo homem e deveria ser o único objetivo da vida:
procurar realizar a própria natureza divina e colaborar com a onda evolutiva. Se refletirmos com
profundidade sobre essas palavras, sentiremos o quanto são verdadeiras, pois somente quando nos
dirigirmos para a Luz, para a Alma, só então estaremos em sintonia, e em harmonia com a corrente
ascendente da evolução; pelo contrário, se vivermos como autômatos sonolentos ou, pior, se
seguirmos os impulsos inferiores, estaremos bloqueando essa ascensão e, num certo sentido,
estaremos andando "contra a corrente".
Se pensamos nisso enquanto tentamos nos "alinhar" com a nossa Alma, sentimos que temos,
de nossa parte, uma forte ajuda e sentimos também que nada pode impedir, mais cedo ou mais
tarde, a realização, do contato com o verdadeiro Si.
Dissemos antes que, para fazer o alinhamento com a Alma, devemos conseguir o silêncio da
mente concreta e depois dirigi-la para o alto, em atitude de espera e de receptividade.
A esta altura, podem-se usar dois métodos:
a) Invocar a Alma para que faça afluir a sua Luz sobre nós;
b) Afirmar com força que somos Almas e não personalidades.
Ambos os métodos são bons e cada um de nós poderá escolher um ou outro, como quisermos,
segundo o próprio temperamento e tipo psicológico.
Darei dois exemplos, um do primeiro método, outro do segundo.
1 - Método invocativo: Coloque-se em atitude receptiva para com a Alma e pronuncie a
seguinte invocação:
"Ó, tu que és eu mesmo, centro de Luz, centro de Amor, centro de Vontade, faze descer sobre
mim a tua energia vivificante e regeneradora, para iluminar a minha mente, transformar as minhas
emoções, purificar o meu corpo físico."
2 - Método afirmativo: Evoque o silêncio mental e, depois, voltando a mente para a Alma,
afirme com força: "Eu não sou o meu corpo físico
Eu não sou o meu corpo astral
Eu não sou o meu corpo mental inferior.
Eu sou Alma, Centro de força, de poder, de querer. Centro de Amor-Sabedoria, de amor-
atração.
Centro de atividade inteligente. Centro de Consciência Divina.
Centro de Luz Espiritual."
Existem nos vários livros espirituais muitas invocações e afirmações adequadas e cada um
poderá escolher aquela que sentir mais consoante com o seu temperamento.
Importante é saber que estamos, de fato, construindo "uma ponte" entre a Alma e a
personalidade e estamos lentamente formando um canal de comunicação através do qual as
energias espirituais poderão fluir em liberdade, transformando os nossos veículos em instrumentos
de ser-viço para o Eu Espiritual. Além disso, podemos ter a certeza de que a resposta por parte da
Alma não falha jamais, mesmo que a nossa consciência ordinária não a perceba logo de maneira
clara e nítida.
Devemos sempre lembrar que todo o trabalho de penetração e de manifestação da Alma se dá
na personalidade "inconsciente" e que a maior parte das nossas maturações, dos ajustamentos e
das ampliações da nossa consciência se realiza sem que nos apercebamos. Assim como existe uma
esfera subconsciente, onde se desenvolvem os conflitos, as elaborações e adaptações, referentes à
vida instintiva e afetiva da personalidade, existe também todo um mundo Supraconsciente, onde
estão armazenados os nossos melhores impulsos, as nossas aspirações, os nossos ideais
inexprimidos, as nossas qualidades superiores latentes e as nossas possibilidades de elevação. . .
justamente esse Supraconsciente que nos liga ao mundo espiritual, pois pela sua natureza mais
elevada, pura e impessoal, ela pode receber e transmitir as vibrações mais sutis da Alma. Quando
fazemos o alinhamento, aos poucos alargamos nossa esfera de consciência limitada e anexamos-lhe
seções sempre mais amplas do Supraconsciente. Em outras palavras, afluem em nós impulsos
elevados, qualidades de altruísmo, generosidade, sacrifício, possibilidade de sentimentos impessoais
e universais, intuições de verdades amplas, energias patentes de bem, que estavam latentes e ainda
sem expressão no Supraconsciente.
Tudo isso forma, aos poucos, uma "segunda consciência" que aflora apenas nos momentos de
meditação, de silêncio e de emergência; mas essa consciência, mesmo que intermitentes, torna-se
real e verdadeira e é como uma força interior à qual podemos nos dirigir todas as vezes que
precisarmos.
Ela está lá, como um refúgio, como uma âncora de salvação, como uma sólida rocha, à qual
podemos recorrer nos momentos de necessidade, e não é uma coisa externa
e objetiva, mas uma coisa interior, uma coisa que nos pertence: ela é "nós mesmos".
Essa é a maravilhosa realidade que aos poucos descobrimos: o auxílio divino, a força
espiritual, que não precisamos buscar nos outros, ou no mundo externo, mas, dentro de nós, no
profundo da nossa Alma.
Todos os místicos, os santos, os homens que procuraram a Luz com o coração puro,
descobriram essa verdade,
e nós também podemos dizer, como Santo Agostinho:
"Senhor, andei vagando como uma ovelha perdida, procurando-Te fora de mim com ansiosas
elucubrações, enquanto estavas dentro de mim.. .
"Vaguei por estradas e praças da cidade deste mundo, procurando-Te e não Te encontrei,
porque em vão procurava fora Aquele que estava dentro de mim."
ESQUEMA DE MEDITAÇÃO

I - Alinhamento Inferior

a) Relaxamento físico:
Sente-se em posição cômoda, com a espinha dorsal ereta, mas não rígida; os pés acavalados;
as mãos abandona-as sobre os joelhos; a cabeça levemente inclinada sobre o peito.
Estabeleça um ritmo de respiração calmo e regular, isso o ajudará a obter o relaxamento e a
harmonização das correntes vitais.
Procure relaxar-se completamente. Examine cada músculo, cada junta, começando dos pés e
subindo às pernas, ao tronco, ao pescoço e à cabeça.
Diga de modo inaudível: Cada músculo está relaxado, cada junta está solta. Não há nenhuma
tensão em mim, mas um completo relaxamento. Não há cansaço, mas um senso de calma, de bem-
estar e de harmonia.

b) Aquietação emotiva:
Passaremos agora ao mundo das emoções.
Procuremos, aos poucos, aquietar todas as nossas emoções; elas se acalmam, se dissolvem.
Não há mais nenhuma preocupação em nós, nenhuma tristeza. Uma grande quietude se faz, uma
paz profunda, um benéfico senso de serenidade.
0 nosso corpo emotivo está perfeitamente tranqüilo, como um lago de montanha terso e
cristalino. Nem mesmo uma leve encrespadura altera a sua superfície límpida, que reflete os picos
dos montes.
Paz, Serenidade, Calma.

c) Silêncio mental:
Voltemos agora a nossa atenção para a mente.
Com um ato decisivo de vontade, nos apossamos dela e a sentimos viva e desperta, depósito
infinito de energias, sob o nosso comando.
Somos os senhores dessas energias, somos os senhores dos nossos pensamentos e podemos
fazê-Ios calar quando quisermos, colocando-os à parte. Eles não nos interessam mais, permanecem
fora da nossa atenção, à margem da nossa consciência. No centro, há somente uma grande força
silenciosa e vigilante.
Um profundo silêncio pleno de expectativa permeia a nossa mente.
Os nossos três corpos estão alinhados. São concêntricos e uníssonos; vibram
harmoniosamente. Somos como copos vazios e virados para cima, à espera de ser enchidos por
uma energia Superior.

II - Alinhamento Superior
Voltemos toda a nossa aspiração fervente para a fonte dessa energia, o nosso Si Superior, a
nossa Alma, e peçamos com intensidade e força: "Ó, tu que és eu mesmo, centro de Luz, centro de
amor, centro de vontade, faze descer sobre mim a tua energia vivificante e regeneradora, para
iluminar a minha mente, transformar minhas emoções, purificar o meu corpo físico."
Imaginemos que essa luz, esse amor, essa potência, descem sobre nós, nos inundam.

III - Passagem ao Pensamento-Semente


Voltemos agora a nos focalizar na mente: sintamo-la outra vez viva e dinâmica, pronta aos
nossos comandos. Dirijamos toda a nossa força pensante para o pensamento-semente (seguem 5
minutos de concentração).

IV - Invocação Final
Do ponto de Luz dentro da Mente de Deus,
Aflua luz nas mentes dos homens.
Desça luz sobre a terra.
Do centro onde o Querer de Deus é conhecido, Aflua Amor nos corações dos homens.
Possa Cristo tornar à terra.
Do centro onde o Valor de Deus é conhecido,
Um propósito guie os pequenos desejos dos homens, 0 propósito que os Mestres conhecem
e servem. Do centro que é chamado de gênero humano, desenvolva-se o Plano de Amor e
da Luz,
E possa barrar a porta atrás da qual reside o mal.
Que a Luz, o Amor e o Poder restabeleçam o Plano sobre a terra.
Contracapa

DO EU INFERIOR AO EU SUPERIOR

Angela Maria La Sala Batà

O objetivo da vida é a gradual manifestação do Eu Espiritual, isto é, o despertar da consciência espiritual


latente em nós. Sabemos que dentro de nós existe essa centelha divina, essa essência espiritual, que é a nossa
verdadeira natureza e que chamamos de Alma, Eu Espiritual, Eu Superior - não importa o nome - mas sabemos
que ela existe, que essa é a nossa verdadeira realidade, a nossa verdadeira individualidade.
No entanto, a união com essa Alma, com esse Eu Superior é a última coisa em que pensamos, talvez
porque, no fundo de nós mesmos, existe a convicção de que a dedicação à vida do Espírito significa afastar-se do
mundo, negligenciar os deveres familiares e sociais, fechar-se em si mesmo, abandonar o trabalho para retirar-se
numa espécie de "torre de marfim".
Com esta obra a autora visa demonstrar o erro desta convicção, provando que a mudança que devemos
fazer é essencial-mente interior e que podemos muito bem dedicar-nos à obra do reencontro conosco mesmos
sem descuidar nenhum dos nossos deveres, nem mudar nada no nosso relacionamento com o mundo.

EDITORA PENSAMENTO