Você está na página 1de 471

OP-072DZ-20

CÓD: 7891182041751

JOÃO PESSOA
PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA
DO ESTADO DA PARAÍBA

Assistente Administrativo

EDITAL Nº 01/2020
• A Opção não está vinculada às organizadoras de Concurso Público. A aquisição do material não garante sua inscrição ou ingresso na
carreira pública,

• Sua apostila aborda os tópicos do Edital de forma prática e esquematizada,

• Alterações e Retificações após a divulgação do Edital estarão disponíveis em Nosso Site na Versão Digital,

• Dúvidas sobre matérias podem ser enviadas através do site: www.apostilasopção.com.br/contatos.php, com retorno do professor
no prazo de até 05 dias úteis.,

• É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila, de acordo com o Artigo 184 do Código Penal.

Apostilas Opção, a Opção certa para a sua realização.


ÍNDICE

Língua Portuguesa
1. Compreensão e interpretação de texto. Tipologia e gêneros textuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Figuras de linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
3. Significação de palavras e expressões. Relações de sinonímia e de antonímia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
4. Ortografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
5. Acentuação gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
6. Uso da crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
7. Fonética e Fonologia: som e fonema, encontros vocálicos e consonantais e dígrafos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
8. Morfologia: classes de palavras variáveis e invariáveis e seus empregos no texto. Locuções verbais (perífrases verbais) . . . . . . . . 22
9. Funções do “que” e do “se” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
10. Formação de palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
11. Elementos de comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
12. Sintaxe: relações sintáticosemânticas estabelecidas entre orações, períodos ou parágrafos (período simples e período composto por
coordenação e subordinação) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
13. Concordância verbal e nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
14. Regência verbal e nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
15. Colocação pronominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
16. Emprego dos sinais de pontuação e sua função no texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
17. Elementos de coesão. Função textual dos vocábulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
18. Variação linguística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

Matemática
1. Raciocínio Lógico E Matemático: Resolução De Problemas Envolvendo Frações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
3. Porcentagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
4. Sequências (Com Números, Com Figuras, De Palavras) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
5. Raciocínio Lógico-Matemático: Proposições, Conectivos, Equivalência E Implicação Lógica, Argumentos Válidos . . . . . . . . . . . . . . 25

Informática
1. Conceitos e fundamentos básicos. Conhecimento e utilização dos principais softwares utilitários (compactadores de arquivos, chat,
clientes de e-mails, reprodutores de vídeo, visualizadores de imagem, antivírus). Identificação e manipulação de arquivos . . . . . 01
2. Backup de arquivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3. Conceitos básicos de Hardware (Placa mãe, memórias, processadores (CPU) e disco de armazenamento HDs, CDs e DVDs). Periféricos
de computadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
4. Ambientes operacionais: utilização dos sistemas operacionais Windows 7 e Windows 10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
5. Conceitos básicos sobre Linux e Software Livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
6. Utilização de ferramentas de texto, planilha e, apresentação do pacote Microsoft Office (Word, Excel e PowerPoint) – versões 2010,
2013 e 2016 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
7. Utilização de ferramentas de texto, planilha e apresentação do pacote LibreOffice (Writer, Calc e Impress) - versões 5 e 6 . . . . . . 98
8. Utilização e configuração de e-mail no Microsoft Outlook. 12. Conceitos de tecnologias relacionadas à Internet e Intranet, busca
e pesquisa na Web, mecanismos de busca na Web. 13. Navegadores de internet: Internet Explorer, Mozilla Firefox, Google
Chrome . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
9. Segurança na internet; vírus de computadores; Spyware; Malware; Phishing e Spam . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
10. Transferência de arquivos pela internet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159

Conhecimentos Específicos
Assistente Administrativo
1. As comunicações oficiais: aspectos gerais da redação oficial; a redação dos atos normativos e comunicações; aplicação de princípios
da ortografia e de elementos da gramática à redação oficial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Arquivologia: gestão, classificação e avaliação de documentos; organização, planejamento, sistemas e métodos de arquivamento;
arquivística e informática; legislação arquivística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
ÍNDICE

3. Comportamento organizacional: as pessoas, os grupos e a dinâmica organizacional; comunicação; liderança e poder; conflito e nego-
ciação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
4. Ética geral e profissional: conceitos e fundamentos; relações de trabalho; a responsabilidade social das empresas; assédio . . . . . 95
5. Atendimento ao público: excelência e atendimento de qualidade na recepção e ao telefone . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
6. Introdução à Administração: conceito de administração; habilidades, competências e papéis do administrador e os processos admi-
nistrativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
7. Administração de pessoas: conceito e processos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
8. Administração de recursos materiais, patrimoniais e logística: compras e estoques; componentes da logística . . . . . . . . . . . . . . . 157
9. Administração financeira: objetivos econômico e financeiros; funções do gestor financeiro; a demonstração do resultado, fluxo de
caixa e o balanço patrimonial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
10. Redação empresarial: tipos de correspondências; estruturas e formas de tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
LÍNGUA PORTUGUESA
1. Compreensão e interpretação de texto. Tipologia e gêneros textuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Figuras de linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
3. Significação de palavras e expressões. Relações de sinonímia e de antonímia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
4. Ortografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
5. Acentuação gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
6. Uso da crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
7. Fonética e Fonologia: som e fonema, encontros vocálicos e consonantais e dígrafos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
8. Morfologia: classes de palavras variáveis e invariáveis e seus empregos no texto. Locuções verbais (perífrases verbais) . . . . . . . . 22
9. Funções do “que” e do “se” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
10. Formação de palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
11. Elementos de comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
12. Sintaxe: relações sintáticosemânticas estabelecidas entre orações, períodos ou parágrafos (período simples e período composto por
coordenação e subordinação) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
13. Concordância verbal e nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
14. Regência verbal e nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
15. Colocação pronominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
16. Emprego dos sinais de pontuação e sua função no texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
17. Elementos de coesão. Função textual dos vocábulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
18. Variação linguística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
LÍNGUA PORTUGUESA

COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO.TIPOLO-


GIA E GÊNEROS TEXTUAIS.ELEMENTOS DE COESÃO.
FUNÇÃO TEXTUAL DOS VOCÁBULOS

Compreensão e interpretação de textos


Chegamos, agora, em um ponto muito importante para todo o
seu estudo: a interpretação de textos. Desenvolver essa habilidade
é essencial e pode ser um diferencial para a realização de uma boa
prova de qualquer área do conhecimento.
Mas você sabe a diferença entre compreensão e interpretação?
A compreensão é quando você entende o que o texto diz de
forma explícita, aquilo que está na superfície do texto.
Quando Jorge fumava, ele era infeliz.
Por meio dessa frase, podemos entender que houve um tempo
que Jorge era infeliz, devido ao cigarro.
A interpretação é quando você entende o que está implícito, Além de saber desses conceitos, é importante sabermos
nas entrelinhas, aquilo que está de modo mais profundo no texto identificar quando um texto é baseado em outro. O nome que
ou que faça com que você realize inferências. damos a este processo é intertextualidade.
Quando Jorge fumava, ele era infeliz.
Já compreendemos que Jorge era infeliz quando fumava, mas Interpretação de Texto
podemos interpretar que Jorge parou de fumar e que agora é feliz. Interpretar um texto quer dizer dar sentido, inferir, chegar
Percebeu a diferença? a uma conclusão do que se lê. A interpretação é muito ligada ao
subentendido. Sendo assim, ela trabalha com o que se pode deduzir
Tipos de Linguagem de um texto.
Existem três tipos de linguagem que precisamos saber para que A interpretação implica a mobilização dos conhecimentos
facilite a interpretação de textos. prévios que cada pessoa possui antes da leitura de um determinado
• Linguagem Verbal é aquela que utiliza somente palavras. Ela texto, pressupõe que a aquisição do novo conteúdo lido estabeleça
pode ser escrita ou oral. uma relação com a informação já possuída, o que leva ao
crescimento do conhecimento do leitor, e espera que haja uma
apreciação pessoal e crítica sobre a análise do novo conteúdo lido,
afetando de alguma forma o leitor.
Sendo assim, podemos dizer que existem diferentes tipos de
leitura: uma leitura prévia, uma leitura seletiva, uma leitura analítica
e, por fim, uma leitura interpretativa.

É muito importante que você:


- Assista os mais diferenciados jornais sobre a sua cidade,
estado, país e mundo;
- Se possível, procure por jornais escritos para saber de notícias
(e também da estrutura das palavras para dar opiniões);
- Leia livros sobre diversos temas para sugar informações
ortográficas, gramaticais e interpretativas;
- Procure estar sempre informado sobre os assuntos mais
• Linguagem não-verbal é aquela que utiliza somente imagens, polêmicos;
fotos, gestos... não há presença de nenhuma palavra. - Procure debater ou conversar com diversas pessoas sobre
qualquer tema para presenciar opiniões diversas das suas.

Dicas para interpretar um texto:


– Leia lentamente o texto todo.
No primeiro contato com o texto, o mais importante é tentar
compreender o sentido global do texto e identificar o seu objetivo.

– Releia o texto quantas vezes forem necessárias.


Assim, será mais fácil identificar as ideias principais de cada
parágrafo e compreender o desenvolvimento do texto.

– Sublinhe as ideias mais importantes.


Sublinhar apenas quando já se tiver uma boa noção da ideia
principal e das ideias secundárias do texto.
• Linguagem Mista (ou híbrida) é aquele que utiliza tanto as – Separe fatos de opiniões.
palavras quanto as imagens. Ou seja, é a junção da linguagem O leitor precisa separar o que é um fato (verdadeiro, objetivo
verbal com a não-verbal. e comprovável) do que é uma opinião (pessoal, tendenciosa e
mutável).

1
LÍNGUA PORTUGUESA
– Retorne ao texto sempre que necessário. zade começou há uns 12 mil anos, no tempo em que as pessoas
Além disso, é importante entender com cuidado e atenção os precisavam caçar para se alimentar. Os cachorros perceberam que,
enunciados das questões. se não atacassem os humanos, podiam ficar perto deles e comer a
comida que sobrava. Já os homens descobriram que os cachorros
– Reescreva o conteúdo lido. podiam ajudar a caçar, a cuidar de rebanhos e a tomar conta da
Para uma melhor compreensão, podem ser feitos resumos, casa, além de serem ótimos companheiros. Um colaborava com o
tópicos ou esquemas. outro e a parceria deu certo.

Além dessas dicas importantes, você também pode grifar Ao ler apenas o título “Cachorros”, você deduziu sobre o pos-
palavras novas, e procurar seu significado para aumentar seu sível assunto abordado no texto. Embora você imagine que o tex-
vocabulário, fazer atividades como caça-palavras, ou cruzadinhas to vai falar sobre cães, você ainda não sabia exatamente o que ele
são uma distração, mas também um aprendizado. falaria sobre cães. Repare que temos várias informações ao longo
Não se esqueça, além da prática da leitura aprimorar a do texto: a hipótese dos zoólogos sobre a origem dos cães, a asso-
compreensão do texto e ajudar a aprovação, ela também estimula ciação entre eles e os seres humanos, a disseminação dos cães pelo
nossa imaginação, distrai, relaxa, informa, educa, atualiza, melhora mundo, as vantagens da convivência entre cães e homens.
nosso foco, cria perspectivas, nos torna reflexivos, pensantes, além As informações que se relacionam com o tema chamamos de
de melhorar nossa habilidade de fala, de escrita e de memória. subtemas (ou ideias secundárias). Essas informações se integram,
Um texto para ser compreendido deve apresentar ideias ou seja, todas elas caminham no sentido de estabelecer uma unida-
seletas e organizadas, através dos parágrafos que é composto pela de de sentido. Portanto, pense: sobre o que exatamente esse texto
ideia central, argumentação e/ou desenvolvimento e a conclusão fala? Qual seu assunto, qual seu tema? Certamente você chegou à
do texto. conclusão de que o texto fala sobre a relação entre homens e cães.
O primeiro objetivo de uma interpretação de um texto é Se foi isso que você pensou, parabéns! Isso significa que você foi
a identificação de sua ideia principal. A partir daí, localizam-se capaz de identificar o tema do texto!
as ideias secundárias, ou fundamentações, as argumentações,
ou explicações, que levem ao esclarecimento das questões Fonte: https://portuguesrapido.com/tema-ideia-central-e-ideias-se-
apresentadas na prova. cundarias/
Compreendido tudo isso, interpretar significa extrair um
significado. Ou seja, a ideia está lá, às vezes escondida, e por isso IDENTIFICAÇÃO DE EFEITOS DE IRONIA OU HUMOR EM
o candidato só precisa entendê-la – e não a complementar com TEXTOS VARIADOS
algum valor individual. Portanto, apegue-se tão somente ao texto, e
nunca extrapole a visão dele. Ironia
Ironia é o recurso pelo qual o emissor diz o contrário do que
IDENTIFICANDO O TEMA DE UM TEXTO está pensando ou sentindo (ou por pudor em relação a si próprio ou
O tema é a ideia principal do texto. É com base nessa ideia com intenção depreciativa e sarcástica em relação a outrem).
principal que o texto será desenvolvido. Para que você consiga A ironia consiste na utilização de determinada palavra ou ex-
identificar o tema de um texto, é necessário relacionar as diferen- pressão que, em um outro contexto diferente do usual, ganha um
tes informações de forma a construir o seu sentido global, ou seja, novo sentido, gerando um efeito de humor.
você precisa relacionar as múltiplas partes que compõem um todo Exemplo:
significativo, que é o texto.
Em muitas situações, por exemplo, você foi estimulado a ler um
texto por sentir-se atraído pela temática resumida no título. Pois o
título cumpre uma função importante: antecipar informações sobre
o assunto que será tratado no texto.
Em outras situações, você pode ter abandonado a leitura por-
que achou o título pouco atraente ou, ao contrário, sentiu-se atraí-
do pelo título de um livro ou de um filme, por exemplo. É muito
comum as pessoas se interessarem por temáticas diferentes, de-
pendendo do sexo, da idade, escolaridade, profissão, preferências
pessoais e experiência de mundo, entre outros fatores.
Mas, sobre que tema você gosta de ler? Esportes, namoro, se-
xualidade, tecnologia, ciências, jogos, novelas, moda, cuidados com
o corpo? Perceba, portanto, que as temáticas são praticamente in-
finitas e saber reconhecer o tema de um texto é condição essen-
cial para se tornar um leitor hábil. Vamos, então, começar nossos
estudos?
Propomos, inicialmente, que você acompanhe um exercício
bem simples, que, intuitivamente, todo leitor faz ao ler um texto:
reconhecer o seu tema. Vamos ler o texto a seguir?

CACHORROS

Os zoólogos acreditam que o cachorro se originou de uma


espécie de lobo que vivia na Ásia. Depois os cães se juntaram aos
seres humanos e se espalharam por quase todo o mundo. Essa ami-

2
LÍNGUA PORTUGUESA
Exemplo:

Na construção de um texto, ela pode aparecer em três modos:


ironia verbal, ironia de situação e ironia dramática (ou satírica).
ANÁLISE E A INTERPRETAÇÃO DO TEXTO SEGUNDO O GÊ-
Ironia verbal NERO EM QUE SE INSCREVE
Ocorre quando se diz algo pretendendo expressar outro sig- Compreender um texto trata da análise e decodificação do que
nificado, normalmente oposto ao sentido literal. A expressão e a de fato está escrito, seja das frases ou das ideias presentes. Inter-
intenção são diferentes. pretar um texto, está ligado às conclusões que se pode chegar ao
Exemplo: Você foi tão bem na prova! Tirou um zero incrível! conectar as ideias do texto com a realidade. Interpretação trabalha
com a subjetividade, com o que se entendeu sobre o texto.
Ironia de situação Interpretar um texto permite a compreensão de todo e qual-
A intenção e resultado da ação não estão alinhados, ou seja, o quer texto ou discurso e se amplia no entendimento da sua ideia
resultado é contrário ao que se espera ou que se planeja. principal. Compreender relações semânticas é uma competência
Exemplo: Quando num texto literário uma personagem planeja imprescindível no mercado de trabalho e nos estudos.
uma ação, mas os resultados não saem como o esperado. No li- Quando não se sabe interpretar corretamente um texto pode-
vro “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis, a -se criar vários problemas, afetando não só o desenvolvimento pro-
personagem título tem obsessão por ficar conhecida. Ao longo da fissional, mas também o desenvolvimento pessoal.
vida, tenta de muitas maneiras alcançar a notoriedade sem suces-
so. Após a morte, a personagem se torna conhecida. A ironia é que Busca de sentidos
planejou ficar famoso antes de morrer e se tornou famoso após a Para a busca de sentidos do texto, pode-se retirar do mesmo
morte. os tópicos frasais presentes em cada parágrafo. Isso auxiliará na
apreensão do conteúdo exposto.
Ironia dramática (ou satírica) Isso porque é ali que se fazem necessários, estabelecem uma
A ironia dramática é um dos efeitos de sentido que ocorre nos relação hierárquica do pensamento defendido, retomando ideias já
textos literários quando a personagem tem a consciência de que citadas ou apresentando novos conceitos.
suas ações não serão bem-sucedidas ou que está entrando por um Por fim, concentre-se nas ideias que realmente foram explici-
caminho ruim, mas o leitor já tem essa consciência. tadas pelo autor. Textos argumentativos não costumam conceder
Exemplo: Em livros com narrador onisciente, que sabe tudo o espaço para divagações ou hipóteses, supostamente contidas nas
que se passa na história com todas as personagens, é mais fácil apa- entrelinhas. Deve-se ater às ideias do autor, o que não quer dizer
recer esse tipo de ironia. A peça como Romeu e Julieta, por exem- que o leitor precise ficar preso na superfície do texto, mas é fun-
plo, se inicia com a fala que relata que os protagonistas da história damental que não sejam criadas suposições vagas e inespecíficas.
irão morrer em decorrência do seu amor. As personagens agem ao
longo da peça esperando conseguir atingir seus objetivos, mas a Importância da interpretação
plateia já sabe que eles não serão bem-sucedidos. A prática da leitura, seja por prazer, para estudar ou para se
informar, aprimora o vocabulário e dinamiza o raciocínio e a inter-
Humor pretação. A leitura, além de favorecer o aprendizado de conteúdos
Nesse caso, é muito comum a utilização de situações que pare- específicos, aprimora a escrita.
çam cômicas ou surpreendentes para provocar o efeito de humor. Uma interpretação de texto assertiva depende de inúmeros fa-
Situações cômicas ou potencialmente humorísticas comparti- tores. Muitas vezes, apressados, descuidamo-nos dos detalhes pre-
lham da característica do efeito surpresa. O humor reside em ocor- sentes em um texto, achamos que apenas uma leitura já se faz sufi-
rer algo fora do esperado numa situação. ciente. Interpretar exige paciência e, por isso, sempre releia o texto,
Há diversas situações em que o humor pode aparecer. Há as ti- pois a segunda leitura pode apresentar aspectos surpreendentes
rinhas e charges, que aliam texto e imagem para criar efeito cômico; que não foram observados previamente. Para auxiliar na busca de
há anedotas ou pequenos contos; e há as crônicas, frequentemente sentidos do texto, pode-se também retirar dele os tópicos frasais
acessadas como forma de gerar o riso. presentes em cada parágrafo, isso certamente auxiliará na apreen-
Os textos com finalidade humorística podem ser divididos em são do conteúdo exposto. Lembre-se de que os parágrafos não es-
quatro categorias: anedotas, cartuns, tiras e charges. tão organizados, pelo menos em um bom texto, de maneira aleató-
ria, se estão no lugar que estão, é porque ali se fazem necessários,
estabelecendo uma relação hierárquica do pensamento defendido,
retomando ideias já citadas ou apresentando novos conceitos.

3
LÍNGUA PORTUGUESA
Concentre-se nas ideias que de fato foram explicitadas pelo au- Receita: texto instrucional e injuntivo que tem como objetivo
tor: os textos argumentativos não costumam conceder espaço para de informar, aconselhar, ou seja, recomendam dando uma certa li-
divagações ou hipóteses, supostamente contidas nas entrelinhas. berdade para quem recebe a informação.
Devemos nos ater às ideias do autor, isso não quer dizer que você
precise ficar preso na superfície do texto, mas é fundamental que DISTINÇÃO DE FATO E OPINIÃO SOBRE ESSE FATO
não criemos, à revelia do autor, suposições vagas e inespecíficas.
Ler com atenção é um exercício que deve ser praticado à exaustão, Fato
assim como uma técnica, que fará de nós leitores proficientes. O fato é algo que aconteceu ou está acontecendo. A existência
do fato pode ser constatada de modo indiscutível. O fato pode é
Diferença entre compreensão e interpretação uma coisa que aconteceu e pode ser comprovado de alguma manei-
A compreensão de um texto é fazer uma análise objetiva do ra, através de algum documento, números, vídeo ou registro.
texto e verificar o que realmente está escrito nele. Já a interpreta- Exemplo de fato:
ção imagina o que as ideias do texto têm a ver com a realidade. O A mãe foi viajar.
leitor tira conclusões subjetivas do texto.
Interpretação
Gêneros Discursivos É o ato de dar sentido ao fato, de entendê-lo. Interpretamos
Romance: descrição longa de ações e sentimentos de perso- quando relacionamos fatos, os comparamos, buscamos suas cau-
nagens fictícios, podendo ser de comparação com a realidade ou sas, previmos suas consequências.
totalmente irreal. A diferença principal entre um romance e uma Entre o fato e sua interpretação há uma relação lógica: se apon-
novela é a extensão do texto, ou seja, o romance é mais longo. No tamos uma causa ou consequência, é necessário que seja plausível.
romance nós temos uma história central e várias histórias secun- Se comparamos fatos, é preciso que suas semelhanças ou diferen-
dárias. ças sejam detectáveis.

Conto: obra de ficção onde é criado seres e locais totalmente Exemplos de interpretação:
imaginário. Com linguagem linear e curta, envolve poucas perso- A mãe foi viajar porque considerou importante estudar em ou-
nagens, que geralmente se movimentam em torno de uma única tro país.
A mãe foi viajar porque se preocupava mais com sua profissão
ação, dada em um só espaço, eixo temático e conflito. Suas ações
do que com a filha.
encaminham-se diretamente para um desfecho.
Opinião
Novela: muito parecida com o conto e o romance, diferencia-
A opinião é a avaliação que se faz de um fato considerando um
do por sua extensão. Ela fica entre o conto e o romance, e tem a
juízo de valor. É um julgamento que tem como base a interpretação
história principal, mas também tem várias histórias secundárias. O
que fazemos do fato.
tempo na novela é baseada no calendário. O tempo e local são de-
Nossas opiniões costumam ser avaliadas pelo grau de coerên-
finidos pelas histórias dos personagens. A história (enredo) tem um cia que mantêm com a interpretação do fato. É uma interpretação
ritmo mais acelerado do que a do romance por ter um texto mais do fato, ou seja, um modo particular de olhar o fato. Esta opinião
curto. pode alterar de pessoa para pessoa devido a fatores socioculturais.
Crônica: texto que narra o cotidiano das pessoas, situações que Exemplos de opiniões que podem decorrer das interpretações
nós mesmos já vivemos e normalmente é utilizado a ironia para anteriores:
mostrar um outro lado da mesma história. Na crônica o tempo não A mãe foi viajar porque considerou importante estudar em ou-
é relevante e quando é citado, geralmente são pequenos intervalos tro país. Ela tomou uma decisão acertada.
como horas ou mesmo minutos. A mãe foi viajar porque se preocupava mais com sua profissão
do que com a filha. Ela foi egoísta.
Poesia: apresenta um trabalho voltado para o estudo da lin-
guagem, fazendo-o de maneira particular, refletindo o momento, Muitas vezes, a interpretação já traz implícita uma opinião.
a vida dos homens através de figuras que possibilitam a criação de Por exemplo, quando se mencionam com ênfase consequên-
imagens. cias negativas que podem advir de um fato, se enaltecem previsões
positivas ou se faz um comentário irônico na interpretação, já esta-
Editorial: texto dissertativo argumentativo onde expressa a mos expressando nosso julgamento.
opinião do editor através de argumentos e fatos sobre um assunto É muito importante saber a diferença entre o fato e opinião,
que está sendo muito comentado (polêmico). Sua intenção é con- principalmente quando debatemos um tema polêmico ou quando
vencer o leitor a concordar com ele. analisamos um texto dissertativo.

Entrevista: texto expositivo e é marcado pela conversa de um Exemplo:


entrevistador e um entrevistado para a obtenção de informações. A mãe viajou e deixou a filha só. Nem deve estar se importando
Tem como principal característica transmitir a opinião de pessoas com o sofrimento da filha.
de destaque sobre algum assunto de interesse.
ESTRUTURAÇÃO DO TEXTO E DOS PARÁGRAFOS
Cantiga de roda: gênero empírico, que na escola se materiali- Uma boa redação é dividida em ideias relacionadas entre si
za em uma concretude da realidade. A cantiga de roda permite as ajustadas a uma ideia central que norteia todo o pensamento do
crianças terem mais sentido em relação a leitura e escrita, ajudando texto. Um dos maiores problemas nas redações é estruturar as
os professores a identificar o nível de alfabetização delas. ideias para fazer com que o leitor entenda o que foi dito no texto.
Fazer uma estrutura no texto para poder guiar o seu pensamento
e o do leitor.

4
LÍNGUA PORTUGUESA
Parágrafo Língua escrita e língua falada
O parágrafo organizado em torno de uma ideia-núcleo, que é A língua escrita não é a simples reprodução gráfica da língua
desenvolvida por ideias secundárias. O parágrafo pode ser forma- falada, por que os sinais gráficos não conseguem registrar grande
do por uma ou mais frases, sendo seu tamanho variável. No texto parte dos elementos da fala, como o timbre da voz, a entonação, e
dissertativo-argumentativo, os parágrafos devem estar todos rela- ainda os gestos e a expressão facial. Na realidade a língua falada é
cionados com a tese ou ideia principal do texto, geralmente apre- mais descontraída, espontânea e informal, porque se manifesta na
sentada na introdução. conversação diária, na sensibilidade e na liberdade de expressão
do falante. Nessas situações informais, muitas regras determinadas
Embora existam diferentes formas de organização de parágra- pela língua padrão são quebradas em nome da naturalidade, da li-
fos, os textos dissertativo-argumentativos e alguns gêneros jornalís- berdade de expressão e da sensibilidade estilística do falante.
ticos apresentam uma estrutura-padrão. Essa estrutura consiste em
três partes: a ideia-núcleo, as ideias secundárias (que desenvolvem Linguagem popular e linguagem culta
a ideia-núcleo) e a conclusão (que reafirma a ideia-básica). Em pa- Podem valer-se tanto da linguagem popular quanto da lingua-
rágrafos curtos, é raro haver conclusão. gem culta. Obviamente a linguagem popular é mais usada na fala,
nas expressões orais cotidianas. Porém, nada impede que ela esteja
Introdução: faz uma rápida apresentação do assunto e já traz presente em poesias (o Movimento Modernista Brasileiro procurou
uma ideia da sua posição no texto, é normalmente aqui que você valorizar a linguagem popular), contos, crônicas e romances em que
irá identificar qual o problema do texto, o porque ele está sendo o diálogo é usado para representar a língua falada.
escrito. Normalmente o tema e o problema são dados pela própria
prova. Linguagem Popular ou Coloquial
Usada espontânea e fluentemente pelo povo. Mostra-se quase
Desenvolvimento: elabora melhor o tema com argumentos e sempre rebelde à norma gramatical e é carregada de vícios de lin-
ideias que apoiem o seu posicionamento sobre o assunto. É possí- guagem (solecismo – erros de regência e concordância; barbarismo
vel usar argumentos de várias formas, desde dados estatísticos até – erros de pronúncia, grafia e flexão; ambiguidade; cacofonia; pleo-
citações de pessoas que tenham autoridade no assunto. nasmo), expressões vulgares, gírias e preferência pela coordenação,
que ressalta o caráter oral e popular da língua. A linguagem popular
Conclusão: faz uma retomada breve de tudo que foi abordado está presente nas conversas familiares ou entre amigos, anedotas,
e conclui o texto. Esta última parte pode ser feita de várias maneiras irradiação de esportes, programas de TV e auditório, novelas, na
diferentes, é possível deixar o assunto ainda aberto criando uma expressão dos esta dos emocionais etc.
pergunta reflexiva, ou concluir o assunto com as suas próprias con-
clusões a partir das ideias e argumentos do desenvolvimento. A Linguagem Culta ou Padrão
É a ensinada nas escolas e serve de veículo às ciências em que
Outro aspecto que merece especial atenção são  os conecto- se apresenta com terminologia especial. É usada pelas pessoas ins-
res. São responsáveis pela coesão do texto e tornam a leitura mais truídas das diferentes classes sociais e caracteriza-se pela obediên-
fluente, visando estabelecer um encadeamento lógico entre as cia às normas gramaticais. Mais comumente usada na linguagem
ideias e servem de ligação entre o parágrafo, ou no interior do pe- escrita e literária, reflete prestígio social e cultural. É mais artificial,
ríodo, e o tópico que o antecede. mais estável, menos sujeita a variações. Está presente nas aulas,
Saber usá-los com precisão, tanto no interior da frase, quanto conferências, sermões, discursos políticos, comunicações científi-
ao passar de um enunciado para outro, é uma exigência também cas, noticiários de TV, programas culturais etc.
para a clareza do texto.
Sem os conectores (pronomes relativos, conjunções, advér- Gíria
A gíria relaciona-se ao cotidiano de certos grupos sociais como
bios, preposições, palavras denotativas) as ideias não fluem, muitas
arma de defesa contra as classes dominantes. Esses grupos utilizam
vezes o pensamento não se completa, e o texto torna-se obscuro,
a gíria como meio de expressão do cotidiano, para que as mensa-
sem coerência.
gens sejam decodificadas apenas por eles mesmos.
Esta estrutura é uma das mais utilizadas em textos argumenta-
Assim a gíria é criada por determinados grupos que divulgam
tivos, e por conta disso é mais fácil para os leitores.
o palavreado para outros grupos até chegar à mídia. Os meios de
Existem diversas formas de se estruturar cada etapa dessa es-
comunicação de massa, como a televisão e o rádio, propagam os
trutura de texto, entretanto, apenas segui-la já leva ao pensamento
novos vocábulos, às vezes, também inventam alguns. A gíria pode
mais direto. acabar incorporada pela língua oficial, permanecer no vocabulário
de pequenos grupos ou cair em desuso.
NÍVEIS DE LINGUAGEM Ex.: “chutar o pau da barraca”, “viajar na maionese”, “galera”,
“mina”, “tipo assim”.
Definição de linguagem
Linguagem é qualquer meio sistemático de comunicar ideias Linguagem vulgar
ou sentimentos através de signos convencionais, sonoros, gráficos, Existe uma linguagem vulgar relacionada aos que têm pouco
gestuais etc. A linguagem é individual e flexível e varia dependendo ou nenhum contato com centros civilizados. Na linguagem vulgar
da idade, cultura, posição social, profissão etc. A maneira de arti- há estruturas com “nóis vai, lá”, “eu di um beijo”, “Ponhei sal na
cular as palavras, organizá-las na frase, no texto, determina nossa comida”.
linguagem, nosso estilo (forma de expressão pessoal).
As inovações linguísticas, criadas pelo falante, provocam, com Linguagem regional
o decorrer do tempo, mudanças na estrutura da língua, que só as Regionalismos são variações geográficas do uso da língua pa-
incorpora muito lentamente, depois de aceitas por todo o grupo drão, quanto às construções gramaticais e empregos de certas pala-
social. Muitas novidades criadas na linguagem não vingam na língua vras e expressões. Há, no Brasil, por exemplo, os falares amazônico,
e caem em desuso. nordestino, baiano, fluminense, mineiro, sulino.

5
LÍNGUA PORTUGUESA
Tipos e genêros textuais Tipo textual expositivo
Os tipos textuais configuram-se como modelos fixos e abran- A dissertação é o ato de apresentar ideias, desenvolver racio-
gentes que objetivam a distinção e definição da estrutura, bem cínio, analisar contextos, dados e fatos, por meio de exposição,
como aspectos linguísticos de narração, dissertação, descrição e discussão, argumentação e defesa do que pensamos. A dissertação
explicação. Eles apresentam estrutura definida e tratam da forma pode ser expositiva ou argumentativa.
como um texto se apresenta e se organiza. Existem cinco tipos clás- A dissertação-expositiva é caracterizada por esclarecer um as-
sicos que aparecem em provas: descritivo, injuntivo, expositivo (ou sunto de maneira atemporal, com o objetivo de explicá-lo de ma-
dissertativo-expositivo) dissertativo e narrativo. Vejamos alguns neira clara, sem intenção de convencer o leitor ou criar debate.
exemplos e as principais características de cada um deles.
Características principais:
Tipo textual descritivo • Apresenta introdução, desenvolvimento e conclusão.
A descrição é uma modalidade de composição textual cujo • O objetivo não é persuadir, mas meramente explicar, infor-
objetivo é fazer um retrato por escrito (ou não) de um lugar, uma mar.
pessoa, um animal, um pensamento, um sentimento, um objeto, • Normalmente a marca da dissertação é o verbo no presente.
um movimento etc. • Amplia-se a ideia central, mas sem subjetividade ou defesa
Características principais: de ponto de vista.
• Os recursos formais mais encontrados são os de valor adje- • Apresenta linguagem clara e imparcial.
tivo (adjetivo, locução adjetiva e oração adjetiva), por sua função
caracterizadora. Exemplo:
• Há descrição objetiva e subjetiva, normalmente numa enu- O texto dissertativo consiste na ampliação, na discussão, no
meração. questionamento, na reflexão, na polemização, no debate, na ex-
• A noção temporal é normalmente estática. pressão de um ponto de vista, na explicação a respeito de um de-
• Normalmente usam-se verbos de ligação para abrir a defini- terminado tema.
ção. Existem dois tipos de dissertação bem conhecidos: a disserta-
• Normalmente aparece dentro de um texto narrativo. ção expositiva (ou informativa) e a argumentativa (ou opinativa).
• Os gêneros descritivos mais comuns são estes: manual, anún- Portanto, pode-se dissertar simplesmente explicando um as-
cio, propaganda, relatórios, biografia, tutorial. sunto, imparcialmente, ou discutindo-o, parcialmente.

Exemplo: Tipo textual dissertativo-argumentativo


Era uma casa muito engraçada Este tipo de texto — muito frequente nas provas de concur-
Não tinha teto, não tinha nada sos — apresenta posicionamentos pessoais e exposição de ideias
Ninguém podia entrar nela, não apresentadas de forma lógica. Com razoável grau de objetividade,
Porque na casa não tinha chão clareza, respeito pelo registro formal da língua e coerência, seu in-
Ninguém podia dormir na rede tuito é a defesa de um ponto de vista que convença o interlocutor
Porque na casa não tinha parede (leitor ou ouvinte).
Ninguém podia fazer pipi
Porque penico não tinha ali Características principais:
Mas era feita com muito esmero • Presença de estrutura básica (introdução, desenvolvimento
Na rua dos bobos, número zero e conclusão): ideia principal do texto (tese); argumentos (estraté-
(Vinícius de Moraes) gias argumentativas: causa-efeito, dados estatísticos, testemunho
de autoridade, citações, confronto, comparação, fato, exemplo,
TIPO TEXTUAL INJUNTIVO enumeração...); conclusão (síntese dos pontos principais com su-
A injunção indica como realizar uma ação, aconselha, impõe, gestão/solução).
instrui o interlocutor. Chamado também de texto instrucional, o • Utiliza verbos na 1ª pessoa (normalmente nas argumentações
tipo de texto injuntivo é utilizado para predizer acontecimentos e informais) e na 3ª pessoa do presente do indicativo (normalmente
comportamentos, nas leis jurídicas. nas argumentações formais) para imprimir uma atemporalidade e
um caráter de verdade ao que está sendo dito.
Características principais: • Privilegiam-se as estruturas impessoais, com certas modali-
• Normalmente apresenta frases curtas e objetivas, com ver- zações discursivas (indicando noções de possibilidade, certeza ou
bos de comando, com tom imperativo; há também o uso do futuro probabilidade) em vez de juízos de valor ou sentimentos exaltados.
do presente (10 mandamentos bíblicos e leis diversas). • Há um cuidado com a progressão temática, isto é, com o
• Marcas de interlocução: vocativo, verbos e pronomes de 2ª desenvolvimento coerente da ideia principal, evitando-se ro-
pessoa ou 1ª pessoa do plural, perguntas reflexivas etc. deios.
Exemplo: Exemplo:
Impedidos do Alistamento Eleitoral (art. 5º do Código Eleito- A maioria dos problemas existentes em um país em desenvol-
ral) – Não podem alistar-se eleitores: os que não saibam exprimir-se vimento, como o nosso, podem ser resolvidos com uma eficiente
na língua nacional, e os que estejam privados, temporária ou defi- administração política (tese), porque a força governamental certa-
nitivamente dos direitos políticos. Os militares são alistáveis, desde mente se sobrepõe a poderes paralelos, os quais – por negligência
que oficiais, aspirantes a oficiais, guardas-marinha, subtenentes ou de nossos representantes – vêm aterrorizando as grandes metró-
suboficiais, sargentos ou alunos das escolas militares de ensino su- poles. Isso ficou claro no confronto entre a força militar do RJ e os
perior para formação de oficiais. traficantes, o que comprovou uma verdade simples: se for do desejo
dos políticos uma mudança radical visando o bem-estar da popula-
ção, isso é plenamente possível (estratégia argumentativa: fato-

6
LÍNGUA PORTUGUESA
-exemplo). É importante salientar, portanto, que não devemos ficar Dissertativo-argumentativo Editorial Jornalístico
de mãos atadas à espera de uma atitude do governo só quando o Carta de opinião
caos se estabelece; o povo tem e sempre terá de colaborar com uma Resenha
cobrança efetiva (conclusão). Artigo
Ensaio
Tipo textual narrativo Monografia, dissertação de
O texto narrativo é uma modalidade textual em que se conta mestrado e tese de doutorado
um fato, fictício ou não, que ocorreu num determinado tempo e lu-
gar, envolvendo certos personagens. Toda narração tem um enredo, Narrativo Romance
personagens, tempo, espaço e narrador (ou foco narrativo). Novela
Crônica
Características principais: Contos de Fada
• O tempo verbal predominante é o passado. Fábula
• Foco narrativo com narrador de 1ª pessoa (participa da his- Lendas
tória – onipresente) ou de 3ª pessoa (não participa da história –
onisciente). Sintetizando: os tipos textuais são fixos, finitos e tratam da for-
• Normalmente, nos concursos públicos, o texto aparece em ma como o texto se apresenta. Os gêneros textuais são fluidos, infi-
prosa, não em verso. nitos e mudam de acordo com a demanda social.

Exemplo: INTERTEXTUALIDADE
Solidão A  intertextualidade  é um recurso realizado entre textos, ou
João era solteiro, vivia só e era feliz. Na verdade, a solidão era seja, é a influência e relação que um estabelece sobre o outro. As-
o que o tornava assim. Conheceu Maria, também solteira, só e fe- sim, determina o fenômeno relacionado ao processo de produção
liz. Tão iguais, a afinidade logo se transforma em paixão. Casam-se. de textos que faz referência (explícita ou implícita) aos elementos
Dura poucas semanas. Não havia mesmo como dar certo: ao se uni- existentes em outro texto, seja a nível de conteúdo, forma ou de
rem, um tirou do outro a essência da felicidade. ambos: forma e conteúdo.
Nelson S. Oliveira Grosso modo, a intertextualidade é o diálogo entre textos, de
Fonte: https://www.recantodasletras.com.br/contossur- forma que essa relação pode ser estabelecida entre as produções
reais/4835684 textuais que apresentem diversas linguagens (visual, auditiva, escri-
ta), sendo expressa nas artes (literatura, pintura, escultura, música,
GÊNEROS TEXTUAIS dança, cinema), propagandas publicitárias, programas televisivos,
Já os gêneros textuais (ou discursivos) são formas diferentes provérbios, charges, dentre outros.
de expressão comunicativa. As muitas formas de elaboração de um
Tipos de Intertextualidade
texto se tornam gêneros, de acordo com a intenção do seu pro-
• Paródia: perversão do texto anterior que aparece geralmen-
dutor. Logo, os gêneros apresentam maior diversidade e exercem
te, em forma de crítica irônica de caráter humorístico. Do grego
funções sociais específicas, próprias do dia a dia. Ademais, são
(parodès), a palavra “paródia” é formada pelos termos “para” (se-
passíveis de modificações ao longo do tempo, mesmo que preser-
melhante) e “odes” (canto), ou seja, “um canto (poesia) semelhante
vando características preponderantes. Vejamos, agora, uma tabela
a outro”. Esse recurso é muito utilizado pelos programas humorís-
que apresenta alguns gêneros textuais classificados com os tipos
ticos.
textuais que neles predominam. • Paráfrase: recriação de um texto já existente mantendo a
mesma ideia contida no texto original, entretanto, com a utilização
Tipo Textual Predominante Gêneros Textuais de outras palavras. O vocábulo “paráfrase”, do grego (paraphrasis),
significa a “repetição de uma sentença”.
Descritivo Diário
• Epígrafe: recurso bastante utilizado em obras e textos cientí-
Relatos (viagens, históricos, etc.)
ficos. Consiste no acréscimo de uma frase ou parágrafo que tenha
Biografia e autobiografia
alguma relação com o que será discutido no texto. Do grego, o ter-
Notícia
mo “epígrafhe” é formado pelos vocábulos “epi” (posição superior)
Currículo
e “graphé” (escrita).
Lista de compras • Citação: Acréscimo de partes de outras obras numa produção
Cardápio textual, de forma que dialoga com ele; geralmente vem expressa
Anúncios de classificados entre aspas e itálico, já que se trata da enunciação de outro autor.
Injuntivo Receita culinária Esse recurso é importante haja vista que sua apresentação sem re-
Bula de remédio lacionar a fonte utilizada é considerado “plágio”. Do Latim, o termo
Manual de instruções “citação” (citare) significa convocar.
Regulamento • Alusão: Faz referência aos elementos presentes em outros
Textos prescritivos textos. Do Latim, o vocábulo “alusão” (alludere) é formado por dois
termos: “ad” (a, para) e “ludere” (brincar).
Expositivo Seminários • Outras formas de intertextualidade menos discutidas são
Palestras o pastiche, o sample, a tradução e a bricolagem.
Conferências
Entrevistas ARGUMENTAÇÃO
Trabalhos acadêmicos O ato de comunicação não visa apenas transmitir uma informa-
Enciclopédia ção a alguém. Quem comunica pretende criar uma imagem positiva
Verbetes de dicionários de si mesmo (por exemplo, a de um sujeito educado, ou inteligente,

7
LÍNGUA PORTUGUESA
ou culto), quer ser aceito, deseja que o que diz seja admitido como instituição bancária e sua antiguidade, esta tem peso argumentati-
verdadeiro. Em síntese, tem a intenção de convencer, ou seja, tem vo na afirmação da confiabilidade de um banco. Portanto é provável
o desejo de que o ouvinte creia no que o texto diz e faça o que ele que se creia que um banco mais antigo seja mais confiável do que
propõe. outro fundado há dois ou três anos.
Se essa é a finalidade última de todo ato de comunicação, todo Enumerar todos os tipos de argumentos é uma tarefa quase
texto contém um componente argumentativo. A argumentação é o impossível, tantas são as formas de que nos valemos para fazer as
conjunto de recursos de natureza linguística destinados a persuadir pessoas preferirem uma coisa a outra. Por isso, é importante enten-
a pessoa a quem a comunicação se destina. Está presente em todo der bem como eles funcionam.
tipo de texto e visa a promover adesão às teses e aos pontos de Já vimos diversas características dos argumentos. É preciso
vista defendidos. acrescentar mais uma: o convencimento do interlocutor, o auditó-
As pessoas costumam pensar que o argumento seja apenas rio, que pode ser individual ou coletivo, será tanto mais fácil quanto
uma prova de verdade ou uma razão indiscutível para comprovar a mais os argumentos estiverem de acordo com suas crenças, suas
veracidade de um fato. O argumento é mais que isso: como se disse expectativas, seus valores. Não se pode convencer um auditório
acima, é um recurso de linguagem utilizado para levar o interlocu- pertencente a uma dada cultura enfatizando coisas que ele abomi-
tor a crer naquilo que está sendo dito, a aceitar como verdadeiro o na. Será mais fácil convencê-lo valorizando coisas que ele considera
que está sendo transmitido. A argumentação pertence ao domínio positivas. No Brasil, a publicidade da cerveja vem com frequência
da retórica, arte de persuadir as pessoas mediante o uso de recur- associada ao futebol, ao gol, à paixão nacional. Nos Estados Unidos,
sos de linguagem. essa associação certamente não surtiria efeito, porque lá o futebol
Para compreender claramente o que é um argumento, é bom não é valorizado da mesma forma que no Brasil. O poder persuasivo
voltar ao que diz Aristóteles, filósofo grego do século IV a.C., numa de um argumento está vinculado ao que é valorizado ou desvalori-
obra intitulada “Tópicos: os argumentos são úteis quando se tem de zado numa dada cultura.
escolher entre duas ou mais coisas”.
Se tivermos de escolher entre uma coisa vantajosa e uma des- Tipos de Argumento
vantajosa, como a saúde e a doença, não precisamos argumentar. Já verificamos que qualquer recurso linguístico destinado a fa-
Suponhamos, no entanto, que tenhamos de escolher entre duas zer o interlocutor dar preferência à tese do enunciador é um argu-
coisas igualmente vantajosas, a riqueza e a saúde. Nesse caso, pre- mento. Exemplo:
cisamos argumentar sobre qual das duas é mais desejável. O argu-
mento pode então ser definido como qualquer recurso que torna Argumento de Autoridade
uma coisa mais desejável que outra. Isso significa que ele atua no É a citação, no texto, de afirmações de pessoas reconhecidas
domínio do preferível. Ele é utilizado para fazer o interlocutor crer pelo auditório como autoridades em certo domínio do saber, para
que, entre duas teses, uma é mais provável que a outra, mais pos- servir de apoio àquilo que o enunciador está propondo. Esse recur-
sível que a outra, mais desejável que a outra, é preferível à outra. so produz dois efeitos distintos: revela o conhecimento do produtor
O objetivo da argumentação não é demonstrar a verdade de do texto a respeito do assunto de que está tratando; dá ao texto a
um fato, mas levar o ouvinte a admitir como verdadeiro o que o garantia do autor citado. É preciso, no entanto, não fazer do texto
enunciador está propondo. um amontoado de citações. A citação precisa ser pertinente e ver-
Há uma diferença entre o raciocínio lógico e a argumentação. dadeira. Exemplo:
O primeiro opera no domínio do necessário, ou seja, pretende “A imaginação é mais importante do que o conhecimento.”
demonstrar que uma conclusão deriva necessariamente das pre-
missas propostas, que se deduz obrigatoriamente dos postulados Quem disse a frase aí de cima não fui eu... Foi Einstein. Para
admitidos. No raciocínio lógico, as conclusões não dependem de ele, uma coisa vem antes da outra: sem imaginação, não há conhe-
crenças, de uma maneira de ver o mundo, mas apenas do encadea- cimento. Nunca o inverso.
mento de premissas e conclusões. Alex José Periscinoto.
Por exemplo, um raciocínio lógico é o seguinte encadeamento: In: Folha de S. Paulo, 30/8/1993, p. 5-2
A é igual a B.
A é igual a C. A tese defendida nesse texto é que a imaginação é mais impor-
Então: C é igual a A. tante do que o conhecimento. Para levar o auditório a aderir a ela,
o enunciador cita um dos mais célebres cientistas do mundo. Se
Admitidos os dois postulados, a conclusão é, obrigatoriamente, um físico de renome mundial disse isso, então as pessoas devem
que C é igual a A. acreditar que é verdade.
Outro exemplo:
Todo ruminante é um mamífero. Argumento de Quantidade
A vaca é um ruminante. É aquele que valoriza mais o que é apreciado pelo maior nú-
Logo, a vaca é um mamífero. mero de pessoas, o que existe em maior número, o que tem maior
duração, o que tem maior número de adeptos, etc. O fundamento
Admitidas como verdadeiras as duas premissas, a conclusão desse tipo de argumento é que mais = melhor. A publicidade faz
também será verdadeira. largo uso do argumento de quantidade.
No domínio da argumentação, as coisas são diferentes. Nele,
a conclusão não é necessária, não é obrigatória. Por isso, deve-se Argumento do Consenso
mostrar que ela é a mais desejável, a mais provável, a mais plau- É uma variante do argumento de quantidade. Fundamenta-se
sível. Se o Banco do Brasil fizer uma propaganda dizendo-se mais em afirmações que, numa determinada época, são aceitas como
confiável do que os concorrentes porque existe desde a chegada verdadeiras e, portanto, dispensam comprovações, a menos que o
da família real portuguesa ao Brasil, ele estará dizendo-nos que um objetivo do texto seja comprovar alguma delas. Parte da ideia de
banco com quase dois séculos de existência é sólido e, por isso, con- que o consenso, mesmo que equivocado, corresponde ao indiscu-
fiável. Embora não haja relação necessária entre a solidez de uma tível, ao verdadeiro e, portanto, é melhor do que aquilo que não

8
LÍNGUA PORTUGUESA
desfruta dele. Em nossa época, são consensuais, por exemplo, as - Para conseguir fazer exames com mais cuidado e porque al-
afirmações de que o meio ambiente precisa ser protegido e de que guns deles são barrapesada, a gente botou o governador no hospi-
as condições de vida são piores nos países subdesenvolvidos. Ao tal por três dias.
confiar no consenso, porém, corre-se o risco de passar dos argu-
mentos válidos para os lugares comuns, os preconceitos e as frases Como dissemos antes, todo texto tem uma função argumen-
carentes de qualquer base científica. tativa, porque ninguém fala para não ser levado a sério, para ser
ridicularizado, para ser desmentido: em todo ato de comunicação
Argumento de Existência deseja-se influenciar alguém. Por mais neutro que pretenda ser, um
É aquele que se fundamenta no fato de que é mais fácil aceitar texto tem sempre uma orientação argumentativa.
aquilo que comprovadamente existe do que aquilo que é apenas A orientação argumentativa é uma certa direção que o falante
provável, que é apenas possível. A sabedoria popular enuncia o ar- traça para seu texto. Por exemplo, um jornalista, ao falar de um
gumento de existência no provérbio “Mais vale um pássaro na mão homem público, pode ter a intenção de criticá-lo, de ridicularizá-lo
do que dois voando”. ou, ao contrário, de mostrar sua grandeza.
Nesse tipo de argumento, incluem-se as provas documentais O enunciador cria a orientação argumentativa de seu texto
(fotos, estatísticas, depoimentos, gravações, etc.) ou provas concre- dando destaque a uns fatos e não a outros, omitindo certos episó-
tas, que tornam mais aceitável uma afirmação genérica. Durante dios e revelando outros, escolhendo determinadas palavras e não
a invasão do Iraque, por exemplo, os jornais diziam que o exérci- outras, etc. Veja:
to americano era muito mais poderoso do que o iraquiano. Essa “O clima da festa era tão pacífico que até sogras e noras troca-
afirmação, sem ser acompanhada de provas concretas, poderia ser vam abraços afetuosos.”
vista como propagandística. No entanto, quando documentada pela
comparação do número de canhões, de carros de combate, de na- O enunciador aí pretende ressaltar a ideia geral de que noras
vios, etc., ganhava credibilidade. e sogras não se toleram. Não fosse assim, não teria escolhido esse
fato para ilustrar o clima da festa nem teria utilizado o termo até,
Argumento quase lógico que serve para incluir no argumento alguma coisa inesperada.
É aquele que opera com base nas relações lógicas, como causa Além dos defeitos de argumentação mencionados quando tra-
e efeito, analogia, implicação, identidade, etc. Esses raciocínios são tamos de alguns tipos de argumentação, vamos citar outros:
chamados quase lógicos porque, diversamente dos raciocínios lógi- - Uso sem delimitação adequada de palavra de sentido tão am-
cos, eles não pretendem estabelecer relações necessárias entre os plo, que serve de argumento para um ponto de vista e seu contrá-
elementos, mas sim instituir relações prováveis, possíveis, plausí- rio. São noções confusas, como paz, que, paradoxalmente, pode ser
veis. Por exemplo, quando se diz “A é igual a B”, “B é igual a C”, “en- usada pelo agressor e pelo agredido. Essas palavras podem ter valor
tão A é igual a C”, estabelece-se uma relação de identidade lógica. positivo (paz, justiça, honestidade, democracia) ou vir carregadas
Entretanto, quando se afirma “Amigo de amigo meu é meu amigo” de valor negativo (autoritarismo, degradação do meio ambiente,
não se institui uma identidade lógica, mas uma identidade provável. injustiça, corrupção).
Um texto coerente do ponto de vista lógico é mais facilmente - Uso de afirmações tão amplas, que podem ser derrubadas por
aceito do que um texto incoerente. Vários são os defeitos que con- um único contra exemplo. Quando se diz “Todos os políticos são
correm para desqualificar o texto do ponto de vista lógico: fugir do ladrões”, basta um único exemplo de político honesto para destruir
tema proposto, cair em contradição, tirar conclusões que não se o argumento.
fundamentam nos dados apresentados, ilustrar afirmações gerais - Emprego de noções científicas sem nenhum rigor, fora do con-
com fatos inadequados, narrar um fato e dele extrair generalizações
texto adequado, sem o significado apropriado, vulgarizando-as e
indevidas.
atribuindo-lhes uma significação subjetiva e grosseira. É o caso, por
exemplo, da frase “O imperialismo de certas indústrias não permite
Argumento do Atributo
que outras crescam”, em que o termo imperialismo é descabido,
É aquele que considera melhor o que tem propriedades típi-
uma vez que, a rigor, significa “ação de um Estado visando a reduzir
cas daquilo que é mais valorizado socialmente, por exemplo, o mais
outros à sua dependência política e econômica”.
raro é melhor que o comum, o que é mais refinado é melhor que o
que é mais grosseiro, etc.
Por esse motivo, a publicidade usa, com muita frequência, cele- A boa argumentação é aquela que está de acordo com a situa-
bridades recomendando prédios residenciais, produtos de beleza, ali- ção concreta do texto, que leva em conta os componentes envolvi-
mentos estéticos, etc., com base no fato de que o consumidor tende a dos na discussão (o tipo de pessoa a quem se dirige a comunicação,
associar o produto anunciado com atributos da celebridade. o assunto, etc).
Uma variante do argumento de atributo é o argumento da Convém ainda alertar que não se convence ninguém com mani-
competência linguística. A utilização da variante culta e formal da festações de sinceridade do autor (como eu, que não costumo men-
língua que o produtor do texto conhece a norma linguística social- tir...) ou com declarações de certeza expressas em fórmulas feitas
mente mais valorizada e, por conseguinte, deve produzir um texto (como estou certo, creio firmemente, é claro, é óbvio, é evidente,
em que se pode confiar. Nesse sentido é que se diz que o modo de afirmo com toda a certeza, etc). Em vez de prometer, em seu texto,
dizer dá confiabilidade ao que se diz. sinceridade e certeza, autenticidade e verdade, o enunciador deve
Imagine-se que um médico deva falar sobre o estado de saúde construir um texto que revele isso. Em outros termos, essas quali-
de uma personalidade pública. Ele poderia fazê-lo das duas manei- dades não se prometem, manifestam-se na ação.
ras indicadas abaixo, mas a primeira seria infinitamente mais ade- A argumentação é a exploração de recursos para fazer parecer
quada para a persuasão do que a segunda, pois esta produziria certa verdadeiro aquilo que se diz num texto e, com isso, levar a pessoa a
estranheza e não criaria uma imagem de competência do médico: que texto é endereçado a crer naquilo que ele diz.
- Para aumentar a confiabilidade do diagnóstico e levando em Um texto dissertativo tem um assunto ou tema e expressa um
conta o caráter invasivo de alguns exames, a equipe médica houve ponto de vista, acompanhado de certa fundamentação, que inclui
por bem determinar o internamento do governador pelo período a argumentação, questionamento, com o objetivo de persuadir. Ar-
de três dias, a partir de hoje, 4 de fevereiro de 2001. gumentar é o processo pelo qual se estabelecem relações para che-

9
LÍNGUA PORTUGUESA
gar à conclusão, com base em premissas. Persuadir é um processo - evidência;
de convencimento, por meio da argumentação, no qual procura-se - divisão ou análise;
convencer os outros, de modo a influenciar seu pensamento e seu - ordem ou dedução;
comportamento. - enumeração.
A persuasão pode ser válida e não válida. Na persuasão váli-
da, expõem-se com clareza os fundamentos de uma ideia ou pro- A enumeração pode apresentar dois tipos de falhas: a omissão
posição, e o interlocutor pode questionar cada passo do raciocínio e a incompreensão. Qualquer erro na enumeração pode quebrar o
empregado na argumentação. A persuasão não válida apoia-se em encadeamento das ideias, indispensável para o processo dedutivo.
argumentos subjetivos, apelos subliminares, chantagens sentimen- A forma de argumentação mais empregada na redação acadê-
tais, com o emprego de “apelações”, como a inflexão de voz, a mí- mica é o silogismo, raciocínio baseado nas regras cartesianas, que
mica e até o choro. contém três proposições: duas premissas, maior e menor, e a con-
Alguns autores classificam a dissertação em duas modalidades, clusão. As três proposições são encadeadas de tal forma, que a con-
expositiva e argumentativa. Esta, exige argumentação, razões a fa- clusão é deduzida da maior por intermédio da menor. A premissa
vor e contra uma ideia, ao passo que a outra é informativa, apresen- maior deve ser universal, emprega todo, nenhum, pois alguns não
ta dados sem a intenção de convencer. Na verdade, a escolha dos caracteriza a universalidade.
dados levantados, a maneira de expô-los no texto já revelam uma Há dois métodos fundamentais de raciocínio: a dedução (silo-
“tomada de posição”, a adoção de um ponto de vista na disserta- gística), que parte do geral para o particular, e a indução, que vai do
ção, ainda que sem a apresentação explícita de argumentos. Desse particular para o geral. A expressão formal do método dedutivo é o
ponto de vista, a dissertação pode ser definida como discussão, de- silogismo. A dedução é o caminho das consequências, baseia-se em
bate, questionamento, o que implica a liberdade de pensamento, a uma conexão descendente (do geral para o particular) que leva à
possibilidade de discordar ou concordar parcialmente. A liberdade conclusão. Segundo esse método, partindo-se de teorias gerais, de
de questionar é fundamental, mas não é suficiente para organizar verdades universais, pode-se chegar à previsão ou determinação de
um texto dissertativo. É necessária também a exposição dos fun- fenômenos particulares. O percurso do raciocínio vai da causa para
damentos, os motivos, os porquês da defesa de um ponto de vista. o efeito. Exemplo:
Pode-se dizer que o homem vive em permanente atitude argu-
mentativa. A argumentação está presente em qualquer tipo de dis- Todo homem é mortal (premissa maior = geral, universal)
curso, porém, é no texto dissertativo que ela melhor se evidencia. Fulano é homem (premissa menor = particular)
Para discutir um tema, para confrontar argumentos e posições, Logo, Fulano é mortal (conclusão)
é necessária a capacidade de conhecer outros pontos de vista e
seus respectivos argumentos. Uma discussão impõe, muitas ve- A indução percorre o caminho inverso ao da dedução, baseia-
zes, a análise de argumentos opostos, antagônicos. Como sempre, se em uma conexão ascendente, do particular para o geral. Nesse
essa capacidade aprende-se com a prática. Um bom exercício para caso, as constatações particulares levam às leis gerais, ou seja, par-
aprender a argumentar e contra-argumentar consiste em desenvol- te de fatos particulares conhecidos para os fatos gerais, desconheci-
ver as seguintes habilidades: dos. O percurso do raciocínio se faz do efeito para a causa. Exemplo:
- argumentação: anotar todos os argumentos a favor de uma O calor dilata o ferro (particular)
ideia ou fato; imaginar um interlocutor que adote a posição total- O calor dilata o bronze (particular)
mente contrária; O calor dilata o cobre (particular)
- contra-argumentação: imaginar um diálogo-debate e quais os O ferro, o bronze, o cobre são metais
argumentos que essa pessoa imaginária possivelmente apresenta- Logo, o calor dilata metais (geral, universal)
ria contra a argumentação proposta;
- refutação: argumentos e razões contra a argumentação oposta. Quanto a seus aspectos formais, o silogismo pode ser válido
e verdadeiro; a conclusão será verdadeira se as duas premissas
A argumentação tem a finalidade de persuadir, portanto, ar- também o forem. Se há erro ou equívoco na apreciação dos fatos,
gumentar consiste em estabelecer relações para tirar conclusões pode-se partir de premissas verdadeiras para chegar a uma conclu-
válidas, como se procede no método dialético. O método dialético são falsa. Tem-se, desse modo, o sofisma. Uma definição inexata,
não envolve apenas questões ideológicas, geradoras de polêmicas. uma divisão incompleta, a ignorância da causa, a falsa analogia são
Trata-se de um método de investigação da realidade pelo estudo de algumas causas do sofisma. O sofisma pressupõe má fé, intenção
sua ação recíproca, da contradição inerente ao fenômeno em ques- deliberada de enganar ou levar ao erro; quando o sofisma não tem
tão e da mudança dialética que ocorre na natureza e na sociedade. essas intenções propositais, costuma-se chamar esse processo de
Descartes (1596-1650), filósofo e pensador francês, criou o mé- argumentação de paralogismo. Encontra-se um exemplo simples de
todo de raciocínio silogístico, baseado na dedução, que parte do sofisma no seguinte diálogo:
simples para o complexo. Para ele, verdade e evidência são a mes- - Você concorda que possui uma coisa que não perdeu?
ma coisa, e pelo raciocínio torna-se possível chegar a conclusões - Lógico, concordo.
verdadeiras, desde que o assunto seja pesquisado em partes, co- - Você perdeu um brilhante de 40 quilates?
meçando-se pelas proposições mais simples até alcançar, por meio - Claro que não!
de deduções, a conclusão final. Para a linha de raciocínio cartesiana, - Então você possui um brilhante de 40 quilates...
é fundamental determinar o problema, dividi-lo em partes, ordenar
os conceitos, simplificando-os, enumerar todos os seus elementos Exemplos de sofismas:
e determinar o lugar de cada um no conjunto da dedução.
A lógica cartesiana, até os nossos dias, é fundamental para a Dedução
argumentação dos trabalhos acadêmicos. Descartes propôs quatro Todo professor tem um diploma (geral, universal)
regras básicas que constituem um conjunto de reflexos vitais, uma Fulano tem um diploma (particular)
série de movimentos sucessivos e contínuos do espírito em busca Logo, fulano é professor (geral – conclusão falsa)
da verdade:

10
LÍNGUA PORTUGUESA
Indução nos arbitrário, em que os caracteres comuns e diferenciadores são
O Rio de Janeiro tem uma estátua do Cristo Redentor. (parti- empregados de modo mais ou menos convencional. A classificação,
cular) no reino animal, em ramos, classes, ordens, subordens, gêneros e
Taubaté (SP) tem uma estátua do Cristo Redentor. (particular) espécies, é um exemplo de classificação natural, pelas caracterís-
Rio de Janeiro e Taubaté são cidades. ticas comuns e diferenciadoras. A classificação dos variados itens
Logo, toda cidade tem uma estátua do Cristo Redentor. (geral integrantes de uma lista mais ou menos caótica é artificial.
– conclusão falsa)
Exemplo: aquecedor, automóvel, barbeador, batata, caminhão,
Nota-se que as premissas são verdadeiras, mas a conclusão canário, jipe, leite, ônibus, pão, pardal, pintassilgo, queijo, relógio,
pode ser falsa. Nem todas as pessoas que têm diploma são profes- sabiá, torradeira.
sores; nem todas as cidades têm uma estátua do Cristo Redentor. Aves: Canário, Pardal, Pintassilgo, Sabiá.
Comete-se erro quando se faz generalizações apressadas ou infun- Alimentos: Batata, Leite, Pão, Queijo.
dadas. A “simples inspeção” é a ausência de análise ou análise su- Mecanismos: Aquecedor, Barbeador, Relógio, Torradeira.
perficial dos fatos, que leva a pronunciamentos subjetivos, basea- Veículos: Automóvel, Caminhão, Jipe, Ônibus.
dos nos sentimentos não ditados pela razão.
Tem-se, ainda, outros métodos, subsidiários ou não fundamen- Os elementos desta lista foram classificados por ordem alfabé-
tais, que contribuem para a descoberta ou comprovação da verda- tica e pelas afinidades comuns entre eles. Estabelecer critérios de
de: análise, síntese, classificação e definição. Além desses, existem classificação das ideias e argumentos, pela ordem de importância, é
outros métodos particulares de algumas ciências, que adaptam os uma habilidade indispensável para elaborar o desenvolvimento de
processos de dedução e indução à natureza de uma realidade par- uma redação. Tanto faz que a ordem seja crescente, do fato mais
ticular. Pode-se afirmar que cada ciência tem seu método próprio importante para o menos importante, ou decrescente, primeiro
demonstrativo, comparativo, histórico etc. A análise, a síntese, a o menos importante e, no final, o impacto do mais importante; é
classificação a definição são chamadas métodos sistemáticos, por- indispensável que haja uma lógica na classificação. A elaboração
que pela organização e ordenação das ideias visam sistematizar a do plano compreende a classificação das partes e subdivisões, ou
pesquisa. seja, os elementos do plano devem obedecer a uma hierarquização.
Análise e síntese são dois processos opostos, mas interligados; (Garcia, 1973, p. 302304.)
a análise parte do todo para as partes, a síntese, das partes para o Para a clareza da dissertação, é indispensável que, logo na in-
todo. A análise precede a síntese, porém, de certo modo, uma de- trodução, os termos e conceitos sejam definidos, pois, para expres-
pende da outra. A análise decompõe o todo em partes, enquanto a sar um questionamento, deve-se, de antemão, expor clara e racio-
síntese recompõe o todo pela reunião das partes. Sabe-se, porém, nalmente as posições assumidas e os argumentos que as justificam.
que o todo não é uma simples justaposição das partes. Se alguém É muito importante deixar claro o campo da discussão e a posição
reunisse todas as peças de um relógio, não significa que reconstruiu
adotada, isto é, esclarecer não só o assunto, mas também os pontos
o relógio, pois fez apenas um amontoado de partes. Só reconstruiria
de vista sobre ele.
todo se as partes estivessem organizadas, devidamente combina-
A definição tem por objetivo a exatidão no emprego da lingua-
das, seguida uma ordem de relações necessárias, funcionais, então,
gem e consiste na enumeração das qualidades próprias de uma
o relógio estaria reconstruído.
ideia, palavra ou objeto. Definir é classificar o elemento conforme a
Síntese, portanto, é o processo de reconstrução do todo por
espécie a que pertence, demonstra: a característica que o diferen-
meio da integração das partes, reunidas e relacionadas num con-
cia dos outros elementos dessa mesma espécie.
junto. Toda síntese, por ser uma reconstrução, pressupõe a análise,
Entre os vários processos de exposição de ideias, a definição
que é a decomposição. A análise, no entanto, exige uma decompo-
sição organizada, é preciso saber como dividir o todo em partes. As é um dos mais importantes, sobretudo no âmbito das ciências. A
operações que se realizam na análise e na síntese podem ser assim definição científica ou didática é denotativa, ou seja, atribui às pa-
relacionadas: lavras seu sentido usual ou consensual, enquanto a conotativa ou
Análise: penetrar, decompor, separar, dividir. metafórica emprega palavras de sentido figurado. Segundo a lógica
Síntese: integrar, recompor, juntar, reunir. tradicional aristotélica, a definição consta de três elementos:
- o termo a ser definido;
A análise tem importância vital no processo de coleta de ideias - o gênero ou espécie;
a respeito do tema proposto, de seu desdobramento e da criação - a diferença específica.
de abordagens possíveis. A síntese também é importante na esco-
lha dos elementos que farão parte do texto. O que distingue o termo definido de outros elementos da mes-
Segundo Garcia (1973, p.300), a análise pode ser formal ou in- ma espécie. Exemplo:
formal. A análise formal pode ser científica ou experimental; é ca-
racterística das ciências matemáticas, físico-naturais e experimen- Na frase: O homem é um animal racional classifica-se:
tais. A análise informal é racional ou total, consiste em “discernir”
por vários atos distintos da atenção os elementos constitutivos de
um todo, os diferentes caracteres de um objeto ou fenômeno.
A análise decompõe o todo em partes, a classificação estabe- Elemento especie diferença
lece as necessárias relações de dependência e hierarquia entre as a ser definido específica
partes. Análise e classificação ligam-se intimamente, a ponto de se
confundir uma com a outra, contudo são procedimentos diversos: É muito comum formular definições de maneira defeituosa,
análise é decomposição e classificação é hierarquisação. por exemplo: Análise é quando a gente decompõe o todo em par-
Nas ciências naturais, classificam-se os seres, fatos e fenôme- tes. Esse tipo de definição é gramaticalmente incorreto; quando é
nos por suas diferenças e semelhanças; fora das ciências naturais, a advérbio de tempo, não representa o gênero, a espécie, a gente é
classificação pode-se efetuar por meio de um processo mais ou me- forma coloquial não adequada à redação acadêmica. Tão importan-

11
LÍNGUA PORTUGUESA
te é saber formular uma definição, que se recorre a Garcia (1973, ou melhor; nos testemunhos são comuns as expressões: conforme,
p.306), para determinar os “requisitos da definição denotativa”. segundo, na opinião de, no parecer de, consoante as ideias de, no
Para ser exata, a definição deve apresentar os seguintes requisitos: entender de, no pensamento de. A explicitação se faz também pela
- o termo deve realmente pertencer ao gênero ou classe em interpretação, em que são comuns as seguintes expressões: parece,
que está incluído: “mesa é um móvel” (classe em que ‘mesa’ está assim, desse ponto de vista.
realmente incluída) e não “mesa é um instrumento ou ferramenta Enumeração: Faz-se pela apresentação de uma sequência de
ou instalação”; elementos que comprovam uma opinião, tais como a enumeração
- o gênero deve ser suficientemente amplo para incluir todos os de pormenores, de fatos, em uma sequência de tempo, em que são
exemplos específicos da coisa definida, e suficientemente restrito frequentes as expressões: primeiro, segundo, por último, antes, de-
para que a diferença possa ser percebida sem dificuldade; pois, ainda, em seguida, então, presentemente, antigamente, de-
- deve ser obrigatoriamente afirmativa: não há, em verdade, pois de, antes de, atualmente, hoje, no passado, sucessivamente,
definição, quando se diz que o “triângulo não é um prisma”; respectivamente. Na enumeração de fatos em uma sequência de
- deve ser recíproca: “O homem é um ser vivo” não constitui espaço, empregam-se as seguintes expressões: cá, lá, acolá, ali, aí,
definição exata, porque a recíproca, “Todo ser vivo é um homem” além, adiante, perto de, ao redor de, no Estado tal, na capital, no
não é verdadeira (o gato é ser vivo e não é homem); interior, nas grandes cidades, no sul, no leste...
- deve ser breve (contida num só período). Quando a definição, Comparação: Analogia e contraste são as duas maneiras de
ou o que se pretenda como tal, é muito longa (séries de períodos se estabelecer a comparação, com a finalidade de comprovar uma
ou de parágrafos), chama-se explicação, e também definição expan- ideia ou opinião. Na analogia, são comuns as expressões: da mesma
dida;d forma, tal como, tanto quanto, assim como, igualmente. Para esta-
- deve ter uma estrutura gramatical rígida: sujeito (o termo) + belecer contraste, empregam-se as expressões: mais que, menos
cópula (verbo de ligação ser) + predicativo (o gênero) + adjuntos (as que, melhor que, pior que.
diferenças). Entre outros tipos de argumentos empregados para aumentar
o poder de persuasão de um texto dissertativo encontram-se:
As definições dos dicionários de língua são feitas por meio de Argumento de autoridade: O saber notório de uma autoridade
paráfrases definitórias, ou seja, uma operação metalinguística que reconhecida em certa área do conhecimento dá apoio a uma afir-
consiste em estabelecer uma relação de equivalência entre a pala- mação. Dessa maneira, procura-se trazer para o enunciado a credi-
vra e seus significados. bilidade da autoridade citada. Lembre-se que as citações literais no
A força do texto dissertativo está em sua fundamentação. Sem- corpo de um texto constituem argumentos de autoridade. Ao fazer
pre é fundamental procurar um porquê, uma razão verdadeira e uma citação, o enunciador situa os enunciados nela contidos na li-
necessária. A verdade de um ponto de vista deve ser demonstrada nha de raciocínio que ele considera mais adequada para explicar ou
com argumentos válidos. O ponto de vista mais lógico e racional do justificar um fato ou fenômeno. Esse tipo de argumento tem mais
mundo não tem valor, se não estiver acompanhado de uma funda- caráter confirmatório que comprobatório.
mentação coerente e adequada. Apoio na consensualidade: Certas afirmações dispensam expli-
Os métodos fundamentais de raciocínio segundo a lógica clás- cação ou comprovação, pois seu conteúdo é aceito como válido por
sica, que foram abordados anteriormente, auxiliam o julgamento consenso, pelo menos em determinado espaço sociocultural. Nesse
da validade dos fatos. Às vezes, a argumentação é clara e pode reco- caso, incluem-se
nhecer-se facilmente seus elementos e suas relações; outras vezes, - A declaração que expressa uma verdade universal (o homem,
as premissas e as conclusões organizam-se de modo livre, mistu- mortal, aspira à imortalidade);
rando-se na estrutura do argumento. Por isso, é preciso aprender a - A declaração que é evidente por si mesma (caso dos postula-
reconhecer os elementos que constituem um argumento: premis- dos e axiomas);
sas/conclusões. Depois de reconhecer, verificar se tais elementos - Quando escapam ao domínio intelectual, ou seja, é de nature-
são verdadeiros ou falsos; em seguida, avaliar se o argumento está za subjetiva ou sentimental (o amor tem razões que a própria razão
expresso corretamente; se há coerência e adequação entre seus desconhece); implica apreciação de ordem estética (gosto não se
elementos, ou se há contradição. Para isso é que se aprende os pro- discute); diz respeito a fé religiosa, aos dogmas (creio, ainda que
cessos de raciocínio por dedução e por indução. Admitindo-se que parece absurdo).
raciocinar é relacionar, conclui-se que o argumento é um tipo espe-
cífico de relação entre as premissas e a conclusão. Comprovação pela experiência ou observação: A verdade de
Procedimentos Argumentativos: Constituem os procedimentos um fato ou afirmação pode ser comprovada por meio de dados con-
argumentativos mais empregados para comprovar uma afirmação: cretos, estatísticos ou documentais.
exemplificação, explicitação, enumeração, comparação. Comprovação pela fundamentação lógica: A comprovação se
Exemplificação: Procura justificar os pontos de vista por meio realiza por meio de argumentos racionais, baseados na lógica: cau-
de exemplos, hierarquizar afirmações. São expressões comuns nes- sa/efeito; consequência/causa; condição/ocorrência.
se tipo de procedimento: mais importante que, superior a, de maior Fatos não se discutem; discutem-se opiniões. As declarações,
relevância que. Empregam-se também dados estatísticos, acompa- julgamento, pronunciamentos, apreciações que expressam opi-
nhados de expressões: considerando os dados; conforme os dados niões pessoais (não subjetivas) devem ter sua validade comprova-
apresentados. Faz-se a exemplificação, ainda, pela apresentação de da, e só os fatos provam. Em resumo toda afirmação ou juízo que
causas e consequências, usando-se comumente as expressões: por- expresse uma opinião pessoal só terá validade se fundamentada na
que, porquanto, pois que, uma vez que, visto que, por causa de, em evidência dos fatos, ou seja, se acompanhada de provas, validade
virtude de, em vista de, por motivo de. dos argumentos, porém, pode ser contestada por meio da contra-
Explicitação: O objetivo desse recurso argumentativo é expli- -argumentação ou refutação. São vários os processos de contra-ar-
car ou esclarecer os pontos de vista apresentados. Pode-se alcançar gumentação:
esse objetivo pela definição, pelo testemunho e pela interpreta- Refutação pelo absurdo: refuta-se uma afirmação demonstran-
ção. Na explicitação por definição, empregamse expressões como: do o absurdo da consequência. Exemplo clássico é a contraargu-
quer dizer, denomina-se, chama-se, na verdade, isto é, haja vista, mentação do cordeiro, na conhecida fábula “O lobo e o cordeiro”;

12
LÍNGUA PORTUGUESA
Refutação por exclusão: consiste em propor várias hipóteses - analisar as condições atuais de vida nos grandes centros ur-
para eliminá-las, apresentando-se, então, aquela que se julga ver- banos;
dadeira; - como se poderia usar a ciência e a tecnologia para humanizar
Desqualificação do argumento: atribui-se o argumento à opi- mais a sociedade.
nião pessoal subjetiva do enunciador, restringindo-se a universali-
dade da afirmação; Conclusão
Ataque ao argumento pelo testemunho de autoridade: consis- - a tecnologia pode libertar ou escravizar: benefícios/conse-
te em refutar um argumento empregando os testemunhos de auto- quências maléficas;
ridade que contrariam a afirmação apresentada; - síntese interpretativa dos argumentos e contra-argumentos
Desqualificar dados concretos apresentados: consiste em de- apresentados.
sautorizar dados reais, demonstrando que o enunciador baseou-se
em dados corretos, mas tirou conclusões falsas ou inconsequentes. Naturalmente esse não é o único, nem o melhor plano de reda-
Por exemplo, se na argumentação afirmou-se, por meio de dados ção: é um dos possíveis.
estatísticos, que “o controle demográfico produz o desenvolvimen-
to”, afirma-se que a conclusão é inconsequente, pois baseia-se em Coesão e coerência fazem parte importante da elaboração de
uma relação de causa-feito difícil de ser comprovada. Para con- um texto com clareza. Ela diz respeito à maneira como as ideias são
traargumentar, propõese uma relação inversa: “o desenvolvimento organizadas a fim de que o objetivo final seja alcançado: a com-
é que gera o controle demográfico”. preensão textual. Na redação espera-se do autor capacidade de
Apresentam-se aqui sugestões, um dos roteiros possíveis para mobilizar conhecimentos e opiniões, argumentar de modo coeren-
desenvolver um tema, que podem ser analisadas e adaptadas ao te, além de expressar-se com clareza, de forma correta e adequada.
desenvolvimento de outros temas. Elege-se um tema, e, em segui-
da, sugerem-se os procedimentos que devem ser adotados para a Coerência
elaboração de um Plano de Redação. É uma rede de sintonia entre as partes e o todo de um texto.
Conjunto de unidades sistematizadas numa adequada relação se-
Tema: O homem e a máquina: necessidade e riscos da evolução mântica, que se manifesta na compatibilidade entre as ideias. (Na
tecnológica linguagem popular: “dizer coisa com coisa” ou “uma coisa bate com
- Questionar o tema, transformá-lo em interrogação, responder outra”).
a interrogação (assumir um ponto de vista); dar o porquê da respos- Coerência é a unidade de sentido resultante da relação que se
ta, justificar, criando um argumento básico; estabelece entre as partes do texto. Uma ideia ajuda a compreen-
- Imaginar um ponto de vista oposto ao argumento básico e der a outra, produzindo um sentido global, à luz do qual cada uma
construir uma contra-argumentação; pensar a forma de refutação das partes ganha sentido. Coerência é a ligação em conjunto dos
que poderia ser feita ao argumento básico e tentar desqualificá-la elementos formativos de um texto.
(rever tipos de argumentação); A coerência não é apenas uma marca textual, mas diz respeito
- Refletir sobre o contexto, ou seja, fazer uma coleta de ideias aos conceitos e às relações semânticas que permitem a união dos
que estejam direta ou indiretamente ligadas ao tema (as ideias po- elementos textuais.
dem ser listadas livremente ou organizadas como causa e conse- A coerência de um texto é facilmente deduzida por um falante
quência); de uma língua, quando não encontra sentido lógico entre as propo-
- Analisar as ideias anotadas, sua relação com o tema e com o sições de um enunciado oral ou escrito. É a competência linguística,
argumento básico; tomada em sentido lato, que permite a esse falante reconhecer de
- Fazer uma seleção das ideias pertinentes, escolhendo as que imediato a coerência de um discurso.
poderão ser aproveitadas no texto; essas ideias transformam-se em
argumentos auxiliares, que explicam e corroboram a ideia do argu- A coerência:
mento básico; - assenta-se no plano cognitivo, da inteligibilidade do texto;
- Fazer um esboço do Plano de Redação, organizando uma se- - situa-se na subjacência do texto; estabelece conexão concei-
quência na apresentação das ideias selecionadas, obedecendo às tual;
partes principais da estrutura do texto, que poderia ser mais ou - relaciona-se com a macroestrutura; trabalha com o todo, com
menos a seguinte: o aspecto global do texto;
- estabelece relações de conteúdo entre palavras e frases.
Introdução
- função social da ciência e da tecnologia; Coesão
- definições de ciência e tecnologia; É um conjunto de elementos posicionados ao longo do texto,
- indivíduo e sociedade perante o avanço tecnológico. numa linha de sequência e com os quais se estabelece um vínculo
ou conexão sequencial. Se o vínculo coesivo se faz via gramática,
Desenvolvimento fala-se em coesão gramatical. Se se faz por meio do vocabulário,
- apresentação de aspectos positivos e negativos do desenvol- tem-se a coesão lexical.
vimento tecnológico; A coesão textual é a ligação, a relação, a conexão entre pala-
- como o desenvolvimento científico-tecnológico modificou as vras, expressões ou frases do texto. Ela manifesta-se por elementos
condições de vida no mundo atual; gramaticais, que servem para estabelecer vínculos entre os compo-
- a tecnocracia: oposição entre uma sociedade tecnologica- nentes do texto.
mente desenvolvida e a dependência tecnológica dos países sub- Existem, em Língua Portuguesa, dois tipos de coesão: a lexical,
desenvolvidos; que é obtida pelas relações de sinônimos, hiperônimos, nomes ge-
- enumerar e discutir os fatores de desenvolvimento social; néricos e formas elididas, e a gramatical, que é conseguida a partir
- comparar a vida de hoje com os diversos tipos de vida do pas- do emprego adequado de artigo, pronome, adjetivo, determinados
sado; apontar semelhanças e diferenças; advérbios e expressões adverbiais, conjunções e numerais.

13
LÍNGUA PORTUGUESA
A coesão: um choque de interpretação, a voz do texto original é retomada
- assenta-se no plano gramatical e no nível frasal; para transformar seu sentido, leva o leitor a uma reflexão crítica
- situa-se na superfície do texto, estabele conexão sequencial; de suas verdades incontestadas anteriormente, com esse proces-
- relaciona-se com a microestrutura, trabalha com as partes so há uma indagação sobre os dogmas estabelecidos e uma busca
componentes do texto; pela verdade real, concebida através do raciocínio e da crítica. Os
- Estabelece relações entre os vocábulos no interior das frases. programas humorísticos fazem uso contínuo dessa arte, frequente-
mente os discursos de políticos são abordados de maneira cômica
e contestadora, provocando risos e também reflexão a respeito da
Intertextualidade é o nome dado à relação que se estabelece demagogia praticada pela classe dominante.
entre dois textos, quando um texto já criado exerce influência na
criação de um novo texto. Pode-se definir, então, a intertextualida- A Epígrafe é um recurso bastante utilizado em obras, textos
de como sendo a criação de um texto a partir de outro texto já exis- científicos, desde artigos, resenhas, monografias, uma vez que con-
tente. Dependendo da situação, a intertextualidade tem funções siste no acréscimo de uma frase ou parágrafo que tenha alguma re-
diferentes que dependem muito dos textos/contextos em que ela lação com o que será discutido no texto. Do grego, o termo “epígra-
é inserida. fhe” é formado pelos vocábulos “epi” (posição superior) e “graphé”
O diálogo pode ocorrer em diversas áreas do conhecimento, (escrita). Como exemplo podemos citar um artigo sobre Patrimônio
não se restringindo única e exclusivamente a textos literários. Cultural e a epígrafe do filósofo Aristóteles (384 a.C.-322 a.C.): “A
Em alguns casos pode-se dizer que a intertextualidade assume cultura é o melhor conforto para a velhice”.
a função de não só persuadir o leitor como também de difundir a
cultura, uma vez que se trata de uma relação com a arte (pintura, A Citação é o Acréscimo de partes de outras obras numa pro-
escultura, literatura etc). Intertextualidade é a relação entre dois dução textual, de forma que dialoga com ele; geralmente vem ex-
textos caracterizada por um citar o outro. pressa entre aspas e itálico, já que se trata da enunciação de outro
A intertextualidade é o diálogo entre textos. Ocorre quando um autor. Esse recurso é importante haja vista que sua apresentação
texto (oral, escrito, verbal ou não verbal), de alguma maneira, se sem relacionar a fonte utilizada é considerado “plágio”. Do Latim, o
utiliza de outro na elaboração de sua mensagem. Os dois textos – a termo “citação” (citare) significa convocar.
fonte e o que dialoga com ela – podem ser do mesmo gênero ou
de gêneros distintos, terem a mesma finalidade ou propósitos di- A Alusão faz referência aos elementos presentes em outros
ferentes. Assim, como você constatou, uma história em quadrinhos textos. Do Latim, o vocábulo “alusão” (alludere) é formado por dois
pode utilizar algo de um texto científico, assim como um poema termos: “ad” (a, para) e “ludere” (brincar).
pode valer-se de uma letra de música ou um artigo de opinião pode
mencionar um provérbio conhecido. Pastiche é uma recorrência a um gênero.
Há várias maneiras de um texto manter intertextualidade com
outro, entre elas, ao citá-lo, ao resumi-lo, ao reproduzi-lo com ou- A Tradução está no campo da intertextualidade porque implica
tras palavras, ao traduzi-lo para outro idioma, ao ampliá-lo, ao to- a recriação de um texto.
má-lo como ponto de partida, ao defendê-lo, ao criticá-lo, ao ironi-
zá-lo ou ao compará-lo com outros. Evidentemente, a intertextualidade está ligada ao “conheci-
Os estudiosos afirmam que em todos os textos ocorre algum mento de mundo”, que deve ser compartilhado, ou seja, comum ao
grau de intertextualidade, pois quando falamos, escrevemos, de- produtor e ao receptor de textos.
senhamos, pintamos, moldamos, ou seja, sempre que nos expres- A intertextualidade pressupõe um universo cultural muito am-
samos, estamos nos valendo de ideias e conceitos que já foram plo e complexo, pois implica a identificação / o reconhecimento de
formulados por outros para reafirmá-los, ampliá-los ou mesmo con- remissões a obras ou a textos / trechos mais, ou menos conhecidos,
tradizê-los. Em outras palavras, não há textos absolutamente origi- além de exigir do interlocutor a capacidade de interpretar a função
nais, pois eles sempre – de maneira explícita ou implícita – mantêm daquela citação ou alusão em questão.
alguma relação com algo que foi visto, ouvido ou lido.
Intertextualidade explícita e intertextualidade implícita
Tipos de Intertextualidade A intertextualidade pode ser caracterizada como explícita ou
A intertextualidade acontece quando há uma referência ex- implícita, de acordo com a relação estabelecida com o texto fonte,
plícita ou implícita de um texto em outro. Também pode ocorrer ou seja, se mais direta ou se mais subentendida.
com outras formas além do texto, música, pintura, filme, novela etc.
Toda vez que uma obra fizer alusão à outra ocorre a intertextuali- A intertextualidade explícita:
dade. – é facilmente identificada pelos leitores;
Por isso é importante para o leitor o conhecimento de mundo, – estabelece uma relação direta com o texto fonte;
um saber prévio, para reconhecer e identificar quando há um diá- – apresenta elementos que identificam o texto fonte;
logo entre os textos. A intertextualidade pode ocorrer afirmando as – não exige que haja dedução por parte do leitor;
mesmas ideias da obra citada ou contestando-as. – apenas apela à compreensão do conteúdos.

Na paráfrase as palavras são mudadas, porém a ideia do texto A intertextualidade implícita:


é confirmada pelo novo texto, a alusão ocorre para atualizar, rea- – não é facilmente identificada pelos leitores;
firmar os sentidos ou alguns sentidos do texto citado. É dizer com – não estabelece uma relação direta com o texto fonte;
outras palavras o que já foi dito. – não apresenta elementos que identificam o texto fonte;
– exige que haja dedução, inferência, atenção e análise por par-
A paródia é uma forma de contestar ou ridicularizar outros tex- te dos leitores;
tos, há uma ruptura com as ideologias impostas e por isso é objeto – exige que os leitores recorram a conhecimentos prévios para
de interesse para os estudiosos da língua e das artes. Ocorre, aqui, a compreensão do conteúdo.

14
LÍNGUA PORTUGUESA
Exemplos
FIGURAS DE LINGUAGEM O filósofo de Genebra (= Calvino).
O águia de Haia (= Rui Barbosa).
Figuras de Linguagem
As figuras de linguagem ou de estilo são empregadas para Metonímia: troca de uma palavra por outra, de tal forma que
valorizar o texto, tornando a linguagem mais expressiva. É um re- a palavra empregada lembra, sugere e retoma a que foi omitida.
curso linguístico para expressar de formas diferentes experiências
comuns, conferindo originalidade, emotividade ao discurso, ou tor- Exemplos:
nando-o poético. Leio Graciliano Ramos. (livros, obras)
Comprei um panamá. (chapéu de Panamá)
As figuras de linguagem classificam-se em Tomei um Danone. (iogurte)
- figuras de palavra;
- figuras de pensamento; Alguns autores, em vez de metonímia, classificam como siné-
- figuras de construção ou sintaxe. doque quando se têm a parte pelo todo e o singular pelo plural.

Figuras de palavra: emprego de um termo com sentido dife- Exemplo:


rente daquele convencionalmente empregado, a fim de se conse- A cidade inteira viu assombrada, de queixo caído, o pistoleiro
guir um efeito mais expressivo na comunicação. sumir de ladrão, fugindo nos cascos de seu cavalo. (singular pelo
plural)
Metáfora: comparação abreviada, que dispensa o uso dos co- (José Cândido de Carvalho)
nectivos comparativos; é uma comparação subjetiva. Normalmente
vem com o verbo de ligação claro ou subentendido na frase. Figuras Sonoras
Aliteração: repetição do mesmo fonema consonantal, geral-
Exemplos mente em posição inicial da palavra.
...a vida é cigana
É caravana Exemplo:
É pedra de gelo ao sol. Vozes veladas veludosas vozes volúpias dos violões, vozes ve-
(Geraldo Azevedo/ Alceu Valença) ladas.
(Cruz e Sousa)
Encarnado e azul são as cores do meu desejo.
(Carlos Drummond de Andrade) Assonância: repetição do mesmo fonema vocal ao longo de um
verso ou poesia.
Comparação: aproxima dois elementos que se identificam,
ligados por conectivos comparativos explícitos: como, tal qual, tal Exemplo:
como, que, que nem. Também alguns verbos estabelecem a com- Sou Ana, da cama,
paração: parecer, assemelhar-se e outros. da cana, fulana, bacana
Sou Ana de Amsterdam.
Exemplo: (Chico Buarque)
Estava mais angustiado que um goleiro na hora do gol, quando
você entrou em mim como um sol no quintal. Paronomásia: Emprego de vocábulos semelhantes na forma ou
(Belchior) na prosódia, mas diferentes no sentido.
Catacrese: emprego de um termo em lugar de outro para o
qual não existe uma designação apropriada. Exemplo:
Berro pelo aterro pelo desterro berro por seu berro pelo seu
Exemplos [erro
– folha de papel quero que você ganhe que
– braço de poltrona [você me apanhe
– céu da boca sou o seu bezerro gritando
– pé da montanha [mamãe.
(Caetano Veloso)
Sinestesia: fusão harmônica de, no mínimo, dois dos cinco sen-
tidos físicos. Onomatopeia: imitação aproximada de um ruído ou som pro-
duzido por seres animados e inanimados.
Exemplo:
Vem da sala de linotipos a doce (gustativa) música (auditiva) Exemplo:
mecânica. Vai o ouvido apurado
(Carlos Drummond de Andrade) na trama do rumor suas nervuras
inseto múltiplo reunido
A fusão de sensações físicas e psicológicas também é sineste- para compor o zanzineio surdo
sia: “ódio amargo”, “alegria ruidosa”, “paixão luminosa”, “indiferen- circular opressivo
ça gelada”. zunzin de mil zonzons zoando em meio à pasta de calor
da noite em branco
Antonomásia: substitui um nome próprio por uma qualidade, (Carlos Drummond de Andrade)
atributo ou circunstância que individualiza o ser e notabiliza-o.

15
LÍNGUA PORTUGUESA
Observação: verbos que exprimem os sons são considerados Exemplos:
onomatopaicos, como cacarejar, tiquetaquear, miar etc. Ouvir com os ouvidos.
Rolar escadas abaixo.
Figuras de sintaxe ou de construção: dizem respeito a desvios Colaborar juntos.
em relação à concordância entre os termos da oração, sua ordem, Hemorragia de sangue.
possíveis repetições ou omissões. Repetir de novo.

Podem ser formadas por: Elipse: Supressão de uma ou mais palavras facilmente suben-
omissão: assíndeto, elipse e zeugma; tendidas na frase. Geralmente essas palavras são pronomes, con-
repetição: anáfora, pleonasmo e polissíndeto; junções, preposições e verbos.
inversão: anástrofe, hipérbato, sínquise e hipálage;
ruptura: anacoluto; Exemplos:
concordância ideológica: silepse. Compareci ao Congresso. (eu)
Espero venhas logo. (eu, que, tu)
Anáfora: repetição da mesma palavra no início de um período, Ele dormiu duas horas. (durante)
frase ou verso. No mar, tanta tormenta e tanto dano. (verbo Haver)
(Camões)
Exemplo:
Dentro do tempo o universo Zeugma: Consiste na omissão de palavras já expressas anterior-
[na imensidão. mente.
Dentro do sol o calor peculiar
[do verão. Exemplos:
Dentro da vida uma vida me Foi saqueada a vila, e assassina dos os partidários dos Filipes.
[conta uma estória que fala (Camilo Castelo Branco)
[de mim.
Dentro de nós os mistérios Rubião fez um gesto, Palha outro: mas quão diferentes.
[do espaço sem fim! (Machado de Assis)
(Toquinho/Mutinho)
Hipérbato ou inversão: alteração da ordem direta dos elemen-
Assíndeto: ocorre quando orações ou palavras que deveriam tos na frase.
vir ligadas por conjunções coordenativas aparecem separadas por
vírgulas. Exemplos:
Passeiam, à tarde, as belas na avenida.
Exemplo: (Carlos Drummond de Andrade)
Não nos movemos, as mãos é
que se estenderam pouco a Paciência tenho eu tido...
pouco, todas quatro, pegando-se, (Antônio Nobre)
apertando-se, fundindo-se.
(Machado de Assis)
Polissíndeto: repetição intencional de uma conjunção coorde- Anacoluto: interrupção do plano sintático com que se inicia a
nativa mais vezes do que exige a norma gramatical. frase, alterando a sequência do processo lógico. A construção do
período deixa um ou mais termos desprendidos dos demais e sem
Exemplo: função sintática definida.
Há dois dias meu telefone não fala, nem ouve, nem toca, nem
tuge, nem muge. Exemplos:
(Rubem Braga) E o desgraçado, tremiam-lhe as pernas.
(Manuel Bandeira)
Pleonasmo: repetição de uma ideia já sugerida ou de um ter-
mo já expresso. Aquela mina de ouro, ela não ia deixar que outras espertas bo-
tassem as mãos.
Pleonasmo literário: recurso estilístico que enriquece a expres- (José Lins do Rego)
são, dando ênfase à mensagem.
Hipálage: inversão da posição do adjetivo (uma qualidade que
Exemplos: pertence a um objeto é atribuída a outro, na mesma frase).
Não os venci. Venceram-me
eles a mim. Exemplo:
(Rui Barbosa) ...em cada olho um grito castanho de ódio.
(Dalton Trevisan)
Morrerás morte vil na mão de um forte. ...em cada olho castanho um grito de ódio)
(Gonçalves Dias)
Silepse:
Pleonasmo vicioso: Frequente na linguagem informal, cotidia-
na, considerado vício de linguagem. Deve ser evitado. Silepse de gênero: Não há concordância de gênero do adjetivo
ou pronome com a pessoa a que se refere.

16
LÍNGUA PORTUGUESA
Exemplos:
Pois aquela criancinha, longe de ser um estranho...
(Rachel de Queiroz)

V. Ex.a parece magoado...


(Carlos Drummond de Andrade)

Silepse de pessoa: Não há concordância da pessoa verbal com o sujeito da oração.

Exemplos:
Os dois ora estais reunidos...
(Carlos Drummond de Andrade)

Na noite do dia seguinte, estávamos reunidos algumas pessoas.


(Machado de Assis)

Silepse de número: Não há concordância do número verbal com o sujeito da oração.

Exemplo:
Corria gente de todos os lados, e gritavam.
(Mário Barreto)

SIGNIFICAÇÃO DE PALAVRAS E EXPRESSÕES.RELAÇÕES DE SINONÍMIA E DE ANTONÍMIA

Significação de palavras
As palavras podem ter diversos sentidos em uma comunicação. E isso também é estudado pela Gramática Normativa: quem cuida
dessa parte é a Semântica, que se preocupa, justamente, com os significados das palavras. Veremos, então, cada um dos conteúdos que
compõem este estudo.

Antônimo e Sinônimo
Começaremos por esses dois, que já são famosos.

O Antônimo são palavras que têm sentidos opostos a outras. Por exemplo, felicidade é o antônimo de tristeza, porque o significado
de uma é o oposto da outra. Da mesma forma ocorre com homem que é antônimo de mulher.

Já o sinônimo são palavras que têm sentidos aproximados e que podem, inclusive, substituir a outra. O uso de sinônimos é muito im-
portante para produções textuais, porque evita que você fique repetindo a mesma palavra várias vezes. Utilizando os mesmos exemplos,
para ficar claro: felicidade é sinônimo de alegria/contentamento e homem é sinônimo de macho/varão.

Hipônimos e Hiperônimos
Estes conceitos são simples de entender: o hipônimo designa uma palavra de sentido mais específico, enquanto que o hiperônimo
designa uma palavra de sentido mais genérico. Por exemplo, cachorro e gato são hipônimos, pois têm sentido específico. E animais domés-
ticos é uma expressão hiperônima, pois indica um sentido mais genérico de animais. Atenção: não confunda hiperônimo com substantivo
coletivo. Hiperônimos estão no ramo dos sentidos das palavras, beleza?!?!

Outros conceitos que agem diretamente no sentido das palavras são os seguintes:

Conotação e Denotação
Observe as frases:
Amo pepino na salada.
Tenho um pepino para resolver.

As duas frases têm uma palavra em comum: pepino. Mas essa palavra tem o mesmo sentido nos dois enunciados? Isso mesmo, não!
Na primeira frase, pepino está no sentido denotativo, ou seja, a palavra está sendo usada no sentido próprio, comum, dicionarizado.
Já na segunda frase, a mesma palavra está no sentindo conotativo, pois ela está sendo usada no sentido figurado e depende do con-
texto para ser entendida.
Para facilitar: denotativo começa com D de dicionário e conotativo começa com C de contexto.

Por fim, vamos tratar de um recurso muito usado em propagandas:

17
LÍNGUA PORTUGUESA
Ambiguidade
Observe a propaganda abaixo:

https://redacaonocafe.wordpress.com/2012/05/22/ambiguidade-na-propaganda/

Perceba que há uma duplicidade de sentido nesta construção. Podemos interpretar que os móveis não durarão no estoque da loja, por
estarem com preço baixo; ou que por estarem muito barato, não têm qualidade e, por isso, terão vida útil curta.
Essa duplicidade acontece por causa da ambiguidade, que é justamente a duplicidade de sentidos que podem haver em uma palavra,
frase ou textos inteiros.

ORTOGRAFIA

ORTOGRAFIA OFICIAL
• Mudanças no alfabeto: O alfabeto tem 26 letras. Foram reintroduzidas as letras k, w e y.
O alfabeto completo é o seguinte: A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
• Trema: Não se usa mais o trema (¨), sinal colocado sobre a letra u para indicar que ela deve ser pronunciada nos grupos gue, gui,
que, qui.

Regras de acentuação
– Não se usa mais o acento dos ditongos abertos éi e ói das palavras paroxítonas (palavras que têm acento tônico na penúltima sílaba)

Como era Como fica


alcatéia alcateia
apóia apoia
apóio apoio

Atenção: essa regra só vale para as paroxítonas. As oxítonas continuam com acento: Ex.: papéis, herói, heróis, troféu, troféus.

– Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento no i e no u tônicos quando vierem depois de um ditongo.

Como era Como fica


baiúca baiuca
bocaiúva bocaiuva

Atenção: se a palavra for oxítona e o i ou o u estiverem em posição final (ou seguidos de s), o acento permanece. Exemplos: tuiuiú,
tuiuiús, Piauí.

– Não se usa mais o acento das palavras terminadas em êem e ôo(s).

Como era Como fica


abençôo abençoo
crêem creem

18
LÍNGUA PORTUGUESA
– Não se usa mais o acento que diferenciava os pares pára/ Acento circunflexo: marca a posição da sílaba tônica e o timbre
para, péla(s)/ pela(s), pêlo(s)/pelo(s), pólo(s)/polo(s) e pêra/pera. fechado.
Meu avô e meus três tios ainda são vivos.
Atenção: Acento grave: marca o fenômeno da crase (estudaremos este
• Permanece o acento diferencial em pôde/pode. caso afundo mais à frente).
• Permanece o acento diferencial em pôr/por. Sou leal à mulher da minha vida.
• Permanecem os acentos que diferenciam o singular do plural
dos verbos ter e vir, assim como de seus derivados (manter, deter, As palavras podem ser:
reter, conter, convir, intervir, advir etc.). – Oxítonas: quando a sílaba tônica é a última (ca-fé, ma-ra-cu-
• É facultativo o uso do acento circunflexo para diferenciar as -já, ra-paz, u-ru-bu...)
palavras forma/fôrma. – Paroxítonas: quando a sílaba tônica é a penúltima (me-sa,
sa-bo-ne-te, ré-gua...)
Uso de hífen – Proparoxítonas: quando a sílaba tônica é a antepenúltima
Regra básica: (sá-ba-do, tô-ni-ca, his-tó-ri-co…)
Sempre se usa o hífen diante de h: anti-higiênico, super-ho-
mem. As regras de acentuação das palavras são simples. Vejamos:
• São acentuadas todas as palavras proparoxítonas (médico,
Outros casos íamos, Ângela, sânscrito, fôssemos...)
1. Prefixo terminado em vogal: • São acentuadas as palavras paroxítonas terminadas em L, N,
– Sem hífen diante de vogal diferente: autoescola, antiaéreo. R, X, I(S), US, UM, UNS, OS, ÃO(S), Ã(S), EI(S) (amável, elétron, éter,
– Sem hífen diante de consoante diferente de r e s: anteprojeto, fênix, júri, oásis, ônus, fórum, órfão...)
semicírculo. • São acentuadas as palavras oxítonas terminadas em A(S),
– Sem hífen diante de r e s. Dobram-se essas letras: antirracis- E(S), O(S), EM, ENS, ÉU(S), ÉI(S), ÓI(S) (xarás, convéns, robô, Jô, céu,
mo, antissocial, ultrassom. dói, coronéis...)
– Com hífen diante de mesma vogal: contra-ataque, micro-on- • São acentuados os hiatos I e U, quando precedidos de vogais
das. (aí, faísca, baú, juízo, Luísa...)

2. Prefixo terminado em consoante: Viu que não é nenhum bicho de sete cabeças? Agora é só trei-
– Com hífen diante de mesma consoante: inter-regional, sub- nar e fixar as regras.
-bibliotecário.
– Sem hífen diante de consoante diferente: intermunicipal, su-
persônico.
– Sem hífen diante de vogal: interestadual, superinteressante. ACENTUAÇÃO GRÁFICA

Observações: Acentuação é o modo de proferir um som ou grupo de sons


• Com o prefixo sub, usa-se o hífen também diante de palavra com mais relevo do que outros. Os sinais diacríticos servem para
iniciada por r: sub-região, sub-raça. Palavras iniciadas por h perdem indicar, dentre outros aspectos, a pronúncia correta das palavras.
essa letra e juntam-se sem hífen: subumano, subumanidade. Vejamos um por um:
• Com os prefixos circum e pan, usa-se o hífen diante de pala-
vra iniciada por m, n e vogal: circum-navegação, pan-americano. Acento agudo: marca a posição da sílaba tônica e o timbre
• O prefixo co aglutina-se, em geral, com o segundo elemento, aberto.
mesmo quando este se inicia por o: coobrigação, coordenar, coope- Já cursei a Faculdade de História.
rar, cooperação, cooptar, coocupante. Acento circunflexo: marca a posição da sílaba tônica e o timbre
• Com o prefixo vice, usa-se sempre o hífen: vice-rei, vice-al- fechado.
mirante. Meu avô e meus três tios ainda são vivos.
• Não se deve usar o hífen em certas palavras que perderam Acento grave: marca o fenômeno da crase (estudaremos este
a noção de composição, como girassol, madressilva, mandachuva, caso afundo mais à frente).
pontapé, paraquedas, paraquedista. Sou leal à mulher da minha vida.
• Com os prefixos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró,
usa-se sempre o hífen: ex-aluno, sem-terra, além-mar, aquém-mar, As palavras podem ser:
recém-casado, pós-graduação, pré-vestibular, pró-europeu. – Oxítonas: quando a sílaba tônica é a última (ca-fé, ma-ra-cu-
-já, ra-paz, u-ru-bu...)
Viu? Tudo muito tranquilo. Certeza que você já está dominando – Paroxítonas: quando a sílaba tônica é a penúltima (me-sa,
muita coisa. Mas não podemos parar, não é mesmo?!?! Por isso sa-bo-ne-te, ré-gua...)
vamos passar para mais um ponto importante. – Proparoxítonas: quando a sílaba tônica é a antepenúltima
(sá-ba-do, tô-ni-ca, his-tó-ri-co…)
Acentuação é o modo de proferir um som ou grupo de sons
com mais relevo do que outros. Os sinais diacríticos servem para As regras de acentuação das palavras são simples. Vejamos:
indicar, dentre outros aspectos, a pronúncia correta das palavras. • São acentuadas todas as palavras proparoxítonas (médico,
Vejamos um por um: íamos, Ângela, sânscrito, fôssemos...)
• São acentuadas as palavras paroxítonas terminadas em L, N,
Acento agudo: marca a posição da sílaba tônica e o timbre R, X, I(S), US, UM, UNS, OS, ÃO(S), Ã(S), EI(S) (amável, elétron, éter,
aberto. fênix, júri, oásis, ônus, fórum, órfão...)
Já cursei a Faculdade de História.

19
LÍNGUA PORTUGUESA
• São acentuadas as palavras oxítonas terminadas em A(S), E(S), O(S), EM, ENS, ÉU(S), ÉI(S), ÓI(S) (xarás, convéns, robô, Jô, céu, dói,
coronéis...)

• São acentuados os hiatos I e U, quando precedidos de vogais (aí, faísca, baú, juízo, Luísa...)

Viu que não é nenhum bicho de sete cabeças? Agora é só treinar e fixar as regras.

USO DA CRASE

A crase é a fusão de duas vogais idênticas. A primeira vogal a é uma preposição, a segunda vogal a é um artigo ou um pronome de-
monstrativo.
a (preposição) + a(s) (artigo) = à(s)

• Devemos usar crase:


– Antes palavras femininas:
Iremos à festa amanhã
Mediante à situação.
O Governo visa à resolução do problema.

– Locução prepositiva implícita “à moda de, à maneira de”


Devido à regra, o acento grave é obrigatoriamente usado nas locuções prepositivas com núcleo feminino iniciadas por a:
Os frangos eram feitos à moda da casa imperial.
Às vezes, porém, a locução vem implícita antes de substantivos masculinos, o que pode fazer você pensar que não rola a crase. Mas... há crase, sim!
Depois da indigestão, farei uma poesia à Drummond, vestir-me-ei à Versace e entregá-la-ei à tímida aniversariante.

– Expressões fixas
Existem algumas expressões em que sempre haverá o uso de crase:
à vela, à lenha, à toa, à vista, à la carte, à queima-roupa, à vontade, à venda, à mão armada, à beça, à noite, à tarde, às vezes, às pres-
sas, à primeira vista, à hora certa, àquela hora, à esquerda, à direita, à vontade, às avessas, às claras, às escuras, à mão, às escondidas, à
medida que, à proporção que.
• NUNCA devemos usar crase:
– Antes de substantivos masculinos:
Andou a cavalo pela cidadezinha, mas preferiria ter andado a pé.

– Antes de substantivo (masculino ou feminino, singular ou plural) usado em sentido generalizador:


Depois do trauma, nunca mais foi a festas.
Não foi feita menção a mulher, nem a criança, tampouco a homem.

– Antes de artigo indefinido “uma”


Iremos a uma reunião muito importante no domingo.

– Antes de pronomes
Obs.: A crase antes de pronomes possessivos é facultativa.

Fizemos referência a Vossa Excelência, não a ela.


A quem vocês se reportaram no Plenário?
Assisto a toda peça de teatro no RJ, afinal, sou um crítico.

– Antes de verbos no infinitivo


A partir de hoje serei um pai melhor, pois voltei a trabalhar.

FONÉTICA E FONOLOGIA: SOM E FONEMA, ENCONTROS VOCÁLICOS E CONSONANTAIS E DÍGRAFOS

Muitas pessoas acham que fonética e fonologia são sinônimos. Mas, embora as duas pertençam a uma mesma área de estudo, elas
são diferentes.

Fonética
Segundo o dicionário Houaiss, fonética “é o estudo dos sons da fala de uma língua”. O que isso significa? A fonética é um ramo da
Linguística que se dedica a analisar os sons de modo físico-articulador. Ou seja, ela se preocupa com o movimento dos lábios, a vibração
das cordas vocais, a articulação e outros movimentos físicos, mas não tem interesse em saber do conteúdo daquilo que é falado. A fonética
utiliza o Alfabeto Fonético Internacional para representar cada som.

20
LÍNGUA PORTUGUESA
Sintetizando: a fonética estuda o movimento físico (da boca, lábios...) que cada som faz, desconsiderando o significado desses sons.

Fonologia
A fonologia também é um ramo de estudo da Linguística, mas ela se preocupa em analisar a organização e a classificação dos sons,
separando-os em unidades significativas. É responsabilidade da fonologia, também, cuidar de aspectos relativos à divisão silábica, à acen-
tuação de palavras, à ortografia e à pronúncia.

Sintetizando: a fonologia estuda os sons, preocupando-se com o significado de cada um e não só com sua estrutura física.

Para ficar mais claro, leia os quadrinhos:

(Gibizinho da Mônica, nº73, p.73)

O humor da tirinha é construído por meio do emprego das palavras acento e assento. Sabemos que são palavras diferentes, com signi-
ficados diferentes, mas a pronúncia é a mesma. Lembra que a fonética se preocupa com o som e representa ele por meio de um Alfabeto
específico? Para a fonética, então, essas duas palavras seriam transcritas da seguinte forma:

Acento asẽtu
Assento asẽtu

Percebeu? A transcrição é idêntica, já que os sons também são. Já a fonologia analisa cada som com seu significado, portanto, é ela
que faz a diferença de uma palavra para a outra.
Bom, agora que sabemos que fonética e fonologia são coisas diferentes, precisamos de entender o que é fonema e letra.

Fonema: os fonemas são as menores unidades sonoras da fala. Atenção: estamos falando de menores unidades de som, não de síla-
bas. Observe a diferença: na palavra pato a primeira sílaba é pa-. Porém, o primeiro som é pê (P) e o segundo som é a (A).
Letra: as letras são as menores unidades gráfica de uma palavra.

Sintetizando: na palavra pato, pa- é a primeira sílaba; pê é o primeiro som; e P é a primeira letra.
Agora que já sabemos todas essas diferenciações, vamos entender melhor o que é e como se compõe uma sílaba.

Sílaba: A sílaba é um fonema ou conjunto de fonemas que emitido em um só impulso de voz e que tem como base uma vogal.
A sílabas são classificadas de dois modos:

Classificação quanto ao número de sílabas:


As palavras podem ser:
– Monossílabas: as que têm uma só sílaba (pé, pá, mão, boi, luz, é...)
– Dissílabas: as que têm duas sílabas (café, leite, noites, caí, bota, água...)
– Trissílabas: as que têm três sílabas (caneta, cabeça, saúde, circuito, boneca...)
– Polissílabas: as que têm quatro ou mais sílabas (casamento, jesuíta, irresponsabilidade, paralelepípedo...)

21
LÍNGUA PORTUGUESA
Classificação quanto à tonicidade Derivado: Origina-se de um primitivo.
As palavras podem ser: Ex.: pedrada, pobreza.
– Oxítonas: quando a sílaba tônica é a última (ca-fé, ma-ra-cu-
-já, ra-paz, u-ru-bu...) Simples: Apresenta apenas um radical.
– Paroxítonas: quando a sílaba tônica é a penúltima (me-sa, Ex.: pedra, tempo, roupa.
sa-bo-ne-te, ré-gua...)
– Proparoxítonas: quando a sílaba tônica é a antepenúltima Composto: Apresenta mais de um radical.
(sá-ba-do, tô-ni-ca, his-tó-ri-co…) Ex.: pedra-sabão, guarda-chuva.

Lembre-se que: Coletivo: Embora no singular, expressa pluralidade.


Tônica: a sílaba mais forte da palavra, que tem autonomia fo- Ex.: enxame, cardume, frota
nética.
Átona: a sílaba mais fraca da palavra, que não tem autonomia Adjetivo
fonética. Palavra que modifica um substantivo, dando-lhe uma qualidade.
Na palavra telefone: te-, le-, ne- são sílabas átonas, pois são
mais fracas, enquanto que fo- é a sílaba tônica, já que é a pronun- Exemplo:
ciada com mais força. Cadeira confortável

Agora que já sabemos essas classificações básicas, precisamos Locução adjetiva


entender melhor como se dá a divisão silábica das palavras. Expressão formada de preposição mais substantivo com valor e
emprego de adjetivo. A preposição faz com que um substantivo se
junte a outro para qualificá-lo:
MORFOLOGIA: CLASSES DE PALAVRAS VARIÁVEIS E menina (substantivo)      de sorte (substantivo)
INVARIÁVEIS E SEUS EMPREGOS NO TEXTO.LOCUÇÕES     Menina de sorte
VERBAIS (PERÍFRASES VERBAIS)                  = sortuda (qualifica o substantivo)

CLASSES GRAMATICAIS Flexão do adjetivo - gênero


As palavras costumam ser divididas em classes, segundo suas Uniformes: Uma forma única para ambos os gêneros.
funções e formas. Palavras que se apresentam sempre com a Ex.: O livro comum – a receita comum
mesma forma chamam-se  invariáveis; são  variáveis, obviamente,
as que apresentam flexão ou variação de forma. Biformes: Duas formas, para o masculino e outra para o
feminino.
Artigo Ex.: homem mau – mulher má
É a palavra que antecede os substantivos, de forma determinada Flexão do adjetivo - número
(o, a, os, as) ou indeterminada (um, uma, uns, umas). Adjetivos simples: plural seguindo as mesmas regras dos
substantivos simples.
Classificação Ex.: menino gentil – meninos gentis
Definidos: Determinam o substantivo de modo particular.
Ex.: Liguei para o advogado. Adjetivos compostos: plural com a flexão do último elemento.
Ex.: líquido doce-amargo – líquidos doce-amargos
Indefinidos: Determinam o substantivo de modo geral.
Ex.: Liguei para um advogado. Observações
Havendo a ideia de cor no adjetivo composto, far-se-á o plural
Substantivo mediante a análise morfológica dos elementos do composto:
É a palavra que nomeia o que existe, seja ele animado ou
inanimado, real ou imaginário, concreto ou abstrato. – se o último elemento do adjetivo composto for  adjetivo,
haverá apenas a flexão desse último elemento.
Classificação
Concreto: Dá nome ao ser de natureza independente, real ou Ex.: tecido verde-claro – tecidos verde-claros
imaginário.
Abstrato: Nomeia ação, estado, qualidade, sensação ou – se o último elemento do adjetivo composto for substantivo,
sentimento e todos os seres que não tem existência independente o adjetivo fica invariável.
de outros.
Comum: Dá nome ao ser genericamente, como pertencente a Ex.: terno amarelo-canário – ternos amarelo-canário
uma determinada classe.
Ex.: cavalo, menino, rio, cidade. Exceção
Próprio: Dá nome ao ser  particularmente, dentro de uma – azul-marinho (invariável):
espécie. carro azul-marinho – carros azul-marinho
Ex.: Pedro, Terra, Pacífico, Belo Horizonte.
Flexão do adjetivo -grau
Primitivo: É  o que deriva uma série de palavras de mesma Há dois graus: comparativo (indica se o ser é superior, inferior
família etimológica; não se origina de nenhum ou igual na qualificação) superlativo  (uma qualidade é levada ao
outro nome. seu mais alto grau de intensidade).
Ex.: pedra, pobre.

22
LÍNGUA PORTUGUESA

Comparativo de superioridade Superlativo absoluto


Adjetivo
Analítico Sintético Analítico Sintético
Bom mais bom melhor muito bom ótimo
Mau mais mau pior muito mau péssimo
Grande mais grande maior muito grande máximo
Pequeno mais pequeno menor muito pequeno mínimo
Alto mais alto superior muito alto supremo
Baixo mais baixo inferior muito baixo ínfimo

Numeral
Palavra que exprime quantidade, ordem, fração e multiplicação, em relação ao substantivo.

Classificação
Numeral cardinal: indica quantidade.

Exemplos
duas casas
dez anos

Numeral ordinal: indica ordem.

Exemplos
segunda rua
quadragésimo lugar

Numeral fracionário: indica fração.

Exemplos
um quinto da população
dois terços de água

Numeral multiplicativo: indica multiplicação.

Exemplos
o dobro da bebida
o triplo da dose
Ordinal Cardinal Ordinal Cardinal
Um Primeiro Vinte Vigésimo
Dois Segundo Trinta Trigésimo
Três Terceiro Cinquenta Quinquagésimo
Quatro Quarto Sessenta Sexagésimo
Cinco Quinto Oitenta Octogésimo
Seis Sexto Cem Centésimo
Sete Sétimo Quinhentos Quingentésimo
Oito Oitavo Setecentos Setingentésimo
Nove Nono Novecentos Noningentésimo
Dez Décimo Mil Milésimo

Pronome
Palavra que designa os seres ou a eles se refere, indicando-os apenas como pessoas do discurso, isto é:
– 1ª pessoa, o emissor da mensagem (eu, nós);
– 2ª pessoa, o receptor da mensagem (tu, você, vós, vocês);
– 3ª pessoa, o referente da mensagem, (ele, eles, ela, elas).

O pronome pode acompanhar um substantivo, ou substitui-lo.

23
LÍNGUA PORTUGUESA
Pessoais

Pronomes Pessoais
Pronomes do caso reto Pronomes do caso oblíquo
(função de sujeito) (função de complemento)
átonos (sem preposição) tônicos (com preposição)
eu me mim, comigo
singular tu te ti, contigo
ele/ela o, a, lhe, se si, ele, ela, consigo
nós nos nós, conosco
plural vós vos vós, convosco
eles/elas os, as, lhes, se si, eles, elas, consigo

Tratamento (trato familiar, cortes, cerimonioso)


Você – tratamento familiar
O Senhor, a Senhora – tratamento cerimonioso
Vossa Alteza (V. A.) – príncipes, duques
Vossa Eminência (V. Ema.) – cardeais
Vossa Excelência (V. Exa.) – altas autoridades
Vossa Magnificência – reitores de universidades
Vossa Majestade (V. M.) – reis
Vossa Majestade Imperial (V. M. I.) – imperadores
Vossa Santidade (V. S.) – papas
Vossa Senhoria (V. Sa.) – tratamento geral cerimonioso
Vossa Reverendíssima (V. Revma.) – sacerdotes
Vossa Excelência Reverendíssima – bispos e arcebispos

Esses pronomes, embora usados no tratamento com o interlocutor (2ª pessoa), levam o verbo para a 3ª pessoa.
Quando se referem a 3ª pessoa, apresentam-se com a forma: Sua Senhoria (S. Sa.), Sua Excelência (S. Exa.), Sua Santidade (S. S.) etc.

Possessivos
Exprimem posse:

1.ªpessoa: meu(s), minha(s)


Singular 2.ªpessoa: teu(s), tua(s)
3.ª pessoa: seu(s), sua(s)
1.ªpessoa: nosso(s), nossa(s)
Plural 2.ªpessoa: vosso(s), vossa(s)
3.ª pessoa: seu(s), sua(s)

Observação: Dele, dela, deles, delas são considerados possessivos também.

Demonstrativos
Indicam posição:
1.ª pessoa: este(s), esta(s), isto, estoutro(a)(s).
2.ª pessoa: esse(s), essa(s), isso, essoutro(a)(s).
3.ª pessoa: aquele(s), aquela(s), aquilo, aqueloutro(a)(s).

Também são considerados demonstrativos os pronomes:


– o, a, os, as
– mesmo(s), mesma(s)
– próprio(s), própria(s)
– tal, tais
– semelhante(s)

Relativos
Os pronomes relativos ligam orações, retomam uma palavra já expressa antes e exercem função sintática na oração que eles
introduzem.
São relativos os pronomes que, o qual (e suas variações), quem, cujo (e suas variações), onde (advérbio relativo com o sentido de em
que), quanto.

24
LÍNGUA PORTUGUESA
Indefinidos Mesóclise
Vagamente, referem-se à 3ª pessoa: Na mesóclise, o pronome é colocado no meio do verbo.
todo(s), toda(s), tudo
algum(ns), alguma(s), alguém, algo É obrigatória somente com verbos no futuro do presente ou no
nenhum(ns), nenhuma(s), ninguém, nada futuro do pretérito que iniciam a oração.
outro(s), outra(s), outrem Dir-lhe-ei toda a verdade.
muito(s), muita(s), muito Far-me-ias um favor?
pouco(s), pouca(s), pouco
mais, menos, bastante(s) Se o verbo no futuro vier precedido de pronome reto ou de
certo(s), certa(s) qualquer outro fator de atração, ocorrerá a próclise.
cada, qualquer, quaisquer Eu lhe direi toda a verdade.
tanto(s), tanta(s) Tu me farias um favor?
os demais, as demais
vários, várias Colocação do pronome átono nas locuções verbais
um, uma, uns, umas, que, quem Verbo principal no infinitivo ou gerúndio: Se a locução verbal
não vier precedida de um fator de próclise, o pronome átono deverá
COLOCAÇÃO PRONOMINAL ficar depois do auxiliar ou depois do verbo principal.
A colocação do pronome átono está relacionada à harmonia Exemplos:
da frase. A tendência do português falado no Brasil é o uso do Devo-lhe dizer a verdade.
pronome antes do verbo – próclise. No entanto, há casos em que a Devo dizer-lhe a verdade.
norma culta prescreve o emprego do pronome no meio – mesóclise
– ou após o verbo – ênclise. Havendo fator de próclise, o pronome átono deverá ficar antes
De acordo com a norma culta, no português escrito não se do auxiliar ou depois do principal.
inicia um período com pronome oblíquo átono. Assim, se na Exemplos:
linguagem falada diz-se “Me encontrei com ele”, já na linguagem Não lhe devo dizer a verdade.
escrita, formal, usa-se “Encontrei-me’’ com ele. Não devo dizer-lhe a verdade.
Sendo a próclise a tendência, é aconselhável que se fixem
bem as poucas regras de mesóclise e ênclise. Assim, sempre que Verbo principal no particípio: Se não houver fator de próclise,
estas não forem obrigatórias, deve-se usar a próclise, a menos que o pronome átono ficará depois do auxiliar.
prejudique a eufonia da frase. Exemplo: Havia-lhe dito a verdade.

Próclise Se houver fator de próclise, o pronome átono ficará antes do


Na próclise, o pronome é colocado antes do verbo. auxiliar.
Exemplo: Não lhe havia dito a verdade.
Palavra de sentido negativo: Não me falou a verdade.
Advérbios sem pausa em relação ao verbo: Aqui te espero Haver de e ter de + infinitivo: Pronome átono deve ficar depois
pacientemente. do infinitivo.
Havendo pausa indicada por vírgula, recomenda-se a ênclise: Exemplos:
Ontem, encontrei-o no ponto do ônibus. Hei de dizer-lhe a verdade.
Pronomes indefinidos: Ninguém o chamou aqui. Tenho de dizer-lhe a verdade.
Pronomes demonstrativos: Aquilo lhe desagrada.
Orações interrogativas: Quem lhe disse tal coisa? Observação
Orações optativas (que exprimem desejo), com sujeito Não se deve omitir o hífen nas seguintes construções:
anteposto ao verbo: Deus lhe pague, Senhor! Devo-lhe dizer tudo.
Orações exclamativas: Quanta honra nos dá sua visita! Estava-lhe dizendo tudo.
Orações substantivas, adjetivas e adverbiais, desde que não Havia-lhe dito tudo.
sejam reduzidas: Percebia que o observavam.
Verbo no gerúndio, regido de preposição em: Em se plantando, Verbo
tudo dá. Conjugação
Verbo no infinitivo pessoal precedido de preposição: Seus São três:
intentos são para nos prejudicarem. 1ª conjugação: AR (cantar)
2ª conjugação: ER (comer)
Ênclise 3ª conjugação: IR (dormir)
Na ênclise, o pronome é colocado depois do verbo.
Observação: O verbo  pôr  (bem como seus
Verbo no início da oração, desde que não esteja no futuro do derivados:  compor,  depor  etc.) é considerado verbo da 2.ª
indicativo: Trago-te flores. conjugação, pois, no português arcaico, era poer.
Verbo no imperativo afirmativo: Amigos, digam-me a verdade!
Verbo no gerúndio, desde que não esteja precedido pela Número e pessoas
preposição em: Saí, deixando-a aflita.
Verbo no infinitivo impessoal regido da preposição a. Com Eu
outras preposições é facultativo o emprego de ênclise ou próclise: Singular tu
Apressei-me a convidá-los. ele / ela / você

25
LÍNGUA PORTUGUESA

nós Locução adverbial


Plural vós O advérbio também pode ser formado por mais de um vocábulo
eles / elas / vocês (normalmente expressa por preposição + substantivo), com valor e
emprego de advérbio.
Tempos verbais
Exemplos
Presente: pode indicar referência a fatos que se passam no
às pressas, por prazer, sem dúvida, de graça, com carinho etc.
momento em que falamos, uma verdade geral, sendo comum em
expressões proverbiais, pode também indicar um hábito. É comum,
Classificação
empregarmos o presente ao invés do futuro para indicar a realização
Tempo:  hoje, amanhã, depois, já, ontem, sempre, nunca,
próxima de uma ação.
jamais, antes, cedo, tarde, etc.
Passado: que usamos em referência aos fatos que se
Lugar: acima, além, aquém, atrás, dentro, perto, etc.
passam antes do momento em que falamos. São eles:
Intensidade:  muito, pouco, bastante, mais, menos, tão, meio,
Perfeito: (eu trabalhei), que indica uma ação concluída.
completamente, demais etc.
Imperfeito: (eu trabalhava), se trata de uma ação anterior
Modo:  bem, mal, assim, depressa, como, melhor, pior,
ao momento em que se fala, mas que tem uma certa duração no
calmamente, apressadamente, etc.
passado.
Afirmação: sim, certamente, deveras, realmente, efetivamente
Mais-que-perfeito simples e composto: (eu trabalhara ou tinha
etc.
trabalhado) que denota uma ação concluída antes de outra que já
Negação: não.
era passada, passado anterior a outro.
Dúvida: talvez, quiçá, provavelmente etc.
Futuro do presente: (eu trabalharei), refere-se ao momento
Interrogativo:  onde (aonde, donde), quando, como, por que
que falamos.
(nas interrogativas diretas e indiretas).
Futuro do pretérito: (eu trabalharia) refere-se a um momento
do passado.
Graus do advérbio
Alguns advérbios de modo, tempo, lugar e intensidade podem,
Modos verbais
algumas vezes, assim como os adjetivos e substantivos, sofrer a
Indicativo: Exprime o que realmente aconteceu.
flexão gradual.
Exemplo
Eu estudei bastante.
Comparativo:
De igualdade: O homem falava tão alto quanto o irmão.
Subjuntivo: Exprime algo possível, provável.
De superioridade: O homem falava mais alto (do) que o irmão.
Exemplos
De inferioridade: O homem falava menos alto (do) que o irmão.
Se eu estudasse bastante.
Superlativo:
Imperativo: Exprime ordem, pedido, instrução.
Absoluto analítico: O homem falava muito alto.
Exemplo
Absoluto sintético: O homem falava altíssimo.
Estude bastante.
Preposição
Formas nominais
Serve de conectivo de subordinação entre palavras e orações.
As três formas (gerúndio, particípio e infinitivo), além de seu
Vem antes da palavra por ela subordinada a outra.
valor verbal, podem desempenhar função de substantivo.
Exemplos
Exemplos
O carro de Ana é novo.  (A preposição  de  subordina o
O andar do menino trazia alegria aos pais. (infinitivo com valor
substantivo Ana ao substantivo carro; carro é
de substantivo).
subordinante e Ana, palavra subordinada.)
Mulher sabida (particípio com valor de adjetivo, qualificando o
substantivo mulher.
O antecedente da preposição pode ser:
Recebemos uma proposta  contendo  o valor.  (gerúndio com
- Substantivo: relógio de ouro;
valor de adjetivo).
- Adjetivo: contente com a sorte;
As formas têm duplo estado: são verbos (indicam processos:
- Pronome: quem de nós?;
andar, saber, conter; tem voz ativa ou passiva), mas ao mesmo
- Verbo: gosto de você.
tempo tem características e comportamentos dos nomes (flexão de
gênero e número).
Locução prepositiva
Geralmente formada de  advérbio + preposição, com valor
Advérbio
e emprego de preposição:  acima de,  atrás de,  através de,  antes
O advérbio  é uma palavra invariável que modifica o verbo,
de, depois de, de acordo com, devido a, para com, a fim de, etc.
adjetivo, outro advérbio ou toda uma oração.
Exemplo
Exemplos
O senhor ficou atrás de mim.
Ele fala bem. (verbo)
Ele fala muito bem. (advérbio)
Classificação
Ele é muito inteligente. (adjetivo)
Essenciais: guardam, o valor de preposição. São seguidas de
Realmente ele viajou. (oração)
pronome obliquo:  a, ante,  após, até, com, contra, de, desde, em,
entre, para, perante, por, sem, sob, sobre.

26
LÍNGUA PORTUGUESA
Acidentais: palavras essencialmente de outras classes Adversativas (posição contrária): mas, porém, contudo, todavia,
gramaticais que, acidentalmente, funcionam como entretanto, no entanto, não obstante etc.
preposição:  como, conforme, durante,  exceto, feito, mediante, Alternativas (alternância): ou… ou, ora… ora, quer… quer, já…
segundo, etc. já etc.
Conclusivas (conclusão):  logo, portanto, por  conseguinte,
Combinação e contração pois (posposto ao verbo).
As preposições  a,  de,  per,  em  podem juntar-se com outras Explicativas (explicação):  que, porque, por
palavras. Então, teremos: quanto, pois (anteposto ao verbo).

Combinação: sem alteração fônica. Conjunções subordinativas: Ligam uma oração principal a uma
oração subordinada com o verbo flexionado.
Exemplos
ao (a + o), aonde (a + onde) Classificação
Integrantes (iniciam oração subordinada substantiva): que, se,
Contração: com alteração fônica. como (= que).
Temporais (tempo): quando, enquanto, logo que, mal, apenas,
Exemplos sempre que, assim que, desde que, antes que etc.
à  (a + a),  àquele  (a + aquele),  do  (de + o),  donde  (de + Finais (finalidade):  para que, a fim de que, que  (=  para
onde), no (em + o), naquele (em + aquele), pelo (per + o), coa (com que), porque (= para que).
+ a). Proporcionais (proporcionalidade): à proporção que, à medida
que, quanto mais ... mais, quanto menos ... menos.
Interjeição Causais (causa):  porque, como, porquanto, visto  que, já que,
Palavra que exprime nossos estados emotivos. uma vez que etc.
Condicionais (condição):  se, caso, contanto que,  desde que,
Exemplos: salvo se, sem que (= se não) etc.
ah! (admiração) Comparativas (comparação):  como, que, do que, quanto, que
viva! (exaltação) nem etc.
ufa! eh! (alivio) Conformativas (conformidade):  como, conforme,  segundo,
coragem! (animação) consoante, etc.
bravo! (aplauso) Consecutivas (consequência):  que  (precedido dos termos
ai! (dor) intensivos: tal, tão, tanto, de tal forma etc.), de forma que etc.
bis! (repetição) Concessivas (concessão):  embora, conquanto, ainda  que,
psiu! (silencio) mesmo que, posto que, por mais que, se bem que etc.
cuidado! atenção! (advertência)
vai! (desapontamento)
oxalá! tomara! (desejo)
perdão! (desculpa) FUNÇÕES DO “QUE” E DO “SE”
adeus! (saudação)
arre! (desagrado, alivio) As palavras “que” e “se” podem exercer inúmeros papéis em
claro! pudera! ótimo! (assentimento) uma frase, como conjunção, pronome, partícula expletiva ou de
realce etc.
Locuções interjetivas
Expressões formadas por mais de um vocábulo, com valor e Funções do “QUE”
emprego de interjeição. Funções morfológicas: A palavra “que” pode pertencer às se-
guintes classes gramaticais:
Exemplos
Ora bolas! – Substantivo
Valha-me Deus! Precedido de artigo ou outro termo que funcione como adjun-
Raios te partam! to adnominal, e recebe acento.
Nossa Senhora!
Percebi um quê de mistério.
Conjunção
Conectivo de coordenação entre palavras e orações e o – Pronome
conectivo de subordinação entre orações. interrogativo:
As locuções com valor e emprego de conjunção (para que, a Que livros você leu? (= quais)
fim de que, à proporção que, logo que, depois que) são chamadas De que eles estavam reclamando? (= que coisa)
de locuções conjuntivas.
indefinido: é precedido por substantivo. Equivale a
Classificação QUANTO(A).
Conjunções coordenativas: Ligam termos oracionais ou orações Veja que horas o ônibus sai. (= quantas)
de igual valor ou função no período.
c) relativo: inicia a oração subordinada adjetiva, e pode ser
Aditivas (adição):  e, nem, e as correlações entre  não só, não substituído por: o qual, a qual, os quais, as quais.
somente, não apenas, mas também, mas ainda, senão etc. Os móveis que me restam são de doações.

27
LÍNGUA PORTUGUESA
– Preposição – Predicativo
Equivalente à preposição de. “Não conheço que fui no que hoje sou.”
Você tem que ir à festa.
– Adjunto adnominal
– Advérbio de intensidade Que horas são?
Aparece antes de adjetivos, e equivale a QUÃO.
Que difícil foi o trabalho! (=quão) – Complemento nominal
O partido a que sou afiliado é este.
– Interjeição
Representa surpresa, e recebe acento. É usado com ponto de – Adjunto adverbial
exclamação. Esta é a empresa em que trabalho.
Quê! Todos sumiram!
– Agente da passiva
– Partícula expletiva (ou de realce) Encontrou-se a arma por que ele foi alvejado.
É uma expressão dispensável no ponto de sintático.
Quase que ela tropeçou. Funções do “SE”

– Conjunção subordinativa Funções morfológicas


a) Integrante: inicia a oração subordinada substantiva. Pode
ser trocada pelo termo “isso”. – Conjunção subordinativa
É certo que ele seja reconhecido. a) Integrante:
Não sei se vocês já foram à Londres.
b) Causal: carrega em si a relação de causa e efeito. Pode ser
substituída por “porque”. b) Condicional:
Faça tudo certo, que se sua mãe chega e vê vira uma fera! Se você prefere ser feliz, arrisque-se.

c) Comparativa: c) Concessiva:
Os homens são mais lentos que as mulheres. Se não traçou o próprio destino, ficou à mercê da sorte.

d)Temporal: d) Causal:
“Já são oito anos passados que nos separamos.” Se ele sabe o que quer da vida, sabe que precisa tratar bem
uma mulher.
e) Consecutiva:
Estudou tanto, que caiu no sono. – Conjunção coordenativa alternativa
f) Concessiva: Se há lágrimas, se há risos, a felicidade habita em seu coração.
Jovem que é, não gosta de esporte.
– Pronome (ou partícula) apassivador
– Conjunção coordenativa Vendem-se ovos.

a) Aditiva: dá ideia de adição, e pode ser trocada pela conjun- – Partícula (ou índice) de indeterminação do sujeito
ção “e”. Vive-se bem.
“Dize-me com quem andas, que te direi quem és.”
– Parte integrante de verbo
b) Explicativa: equivale a “porque”, “pois”. Ele se arrependeu de tê-la deixado.
Não saiam, que vai chover.
– Partícula expletiva ou de realce (junto a verbos intransitivos)
c) Adversativa: dá ideia de oposição. Pode ser substituída por Passam-se as horas.
“mas”, “porém”, “contudo”.
Ele tem uma coragem que eu não. – Pronome
a) Reflexivo:
d) Alternativa: denota alternância entre ideias. Ele feriu-se com a faca.
Que deixem, que não deixem, farei o que quero.
b) Recíproco:
Funções sintáticas: O pronome “que” pode desempenhar as Mãe e filho deram-se as mãos.
seguintes funções sintáticas:
Funções sintáticas: Como pronome, o se pode exercer as se-
– Sujeito guintes funções sintáticas:
Há muros que impedem a felicidade.
– Objeto direto
– Objeto direto Marina se apressou em pedir perdão.
Os carros que vimos são interessantes.
– Objeto indireto
– Objeto indireto O réu reservou-se no direito de permanecer calado.
A mulher a que me referi, partiu.

28
LÍNGUA PORTUGUESA
– Sujeito (de uma oração infinitiva) Afixos
Marcus deixou-se estar à espera dela.” Os afixos são elementos que se acrescentam antes ou depois do
radical de uma palavra para a formação de outra palavra. Dividem-
se em:
Prefixo: Partícula que se coloca antes do radical.
FORMAÇÃO DE PALAVRAS Exemplos
DISpor, EMpobrecer, DESorganizar.
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DAS PALAVRAS
As palavras são formadas por estruturas menores, com Sufixo
significados próprios. Para isso, há vários processos que contribuem Afixo que se coloca depois do radical.
para a formação das palavras. Exemplos
contentaMENTO, reallDADE, enaltECER.
Estrutura das palavras Processos de formação das palavras
As palavras podem ser subdivididas em estruturas significativas Composição: Formação de uma palavra nova por meio da
menores - os morfemas, também chamados de elementos mórficos:  junção de dois ou mais vocábulos primitivos. Temos:
– radical e raiz;
– vogal temática; Justaposição: Formação de palavra composta sem alteração na
– tema; estrutura fonética das primitivas.
– desinências; Exemplos
– afixos; passa + tempo = passatempo
– vogais e consoantes de ligação. gira + sol = girassol
Radical: Elemento que contém a base de significação do
vocábulo. Aglutinação: Formação de palavra composta com alteração da
Exemplos estrutura fonética das primitivas.
VENDer, PARTir, ALUNo, MAR. Exemplos
em + boa + hora = embora
Desinências: Elementos que indicam as flexões dos vocábulos. vossa + merce = você

Dividem-se em: Derivação:


Formação de uma nova palavra a partir de uma primitiva.
Nominais Temos:
Indicam flexões de gênero e número nos substantivos.
Exemplos Prefixação: Formação de palavra derivada com acréscimo de
pequenO, pequenA, alunO, aluna. um prefixo ao radical da primitiva.
pequenoS, pequenaS, alunoS, alunas. Exemplos
CONter, INapto, DESleal.
Verbais
Indicam flexões de modo, tempo, pessoa e número nos verbos Sufixação: Formação de palavra nova com acréscimo de um
Exemplos sufixo ao radical da primitiva.
vendêSSEmos, entregáRAmos. (modo e tempo) Exemplos
vendesteS, entregásseIS. (pessoa e número) cafezAL, meninINHa, loucaMENTE.

Indica, nos verbos, a conjugação a que pertencem. Parassíntese: Formação de palavra derivada com acréscimo de
Exemplos um prefixo e um sufixo ao radical da primitiva ao mesmo tempo.
1ª conjugação: – A – cantAr Exemplos
2ª conjugação: – E – fazEr EMtardECER, DESanimADO, ENgravidAR.
3ª conjugação: – I – sumIr
Derivação imprópria: Alteração da função de uma palavra
Observação primitiva.
Nos substantivos ocorre vogal temática quando ela não indica Exemplo
oposição masculino/feminino. Todos ficaram encantados com seu  andar: verbo usado com
Exemplos valor de substantivo.
livrO, dentE, paletó.
Derivação regressiva: Ocorre a alteração da estrutura fonética
Tema: União do radical e a vogal temática. de uma palavra primitiva para a formação de uma derivada. Em
Exemplos geral de um verbo para substantivo ou vice-versa.
CANTAr, CORREr, CONSUMIr. Exemplos
combater – o combate
Vogal e consoante de ligação: São os elementos que se chorar – o choro
interpõem aos vocábulos por necessidade de eufonia.
Exemplos Prefixos
chaLeira, cafeZal. Os prefixos existentes em Língua Portuguesa são divididos em:
vernáculos, latinos e gregos.

29
LÍNGUA PORTUGUESA
Vernáculos: Prefixos latinos que sofreram modificações ou caco – mau: cacofonia.
foram aportuguesados: a, além, ante, aquém, bem, des, em, entre, cata – de cima para baixo: cataclismo, catalepsia.
mal, menos, sem, sob, sobre, soto. deca – dez: decâmetro.
Nota-se o emprego desses prefixos em palavras como:  dia – através de, divisão: diáfano, diálogo.
abordar, além-mar, bem-aventurado, desleal, engarrafar, maldição, dis – dualidade, mau: dissílabo, dispepsia.
menosprezar, sem-cerimônia, sopé, sobpor, sobre-humano, etc. en – sobre, dentro: encéfalo, energia.
endo – para dentro: endocarpo.
Latinos: Prefixos que conservam até hoje a sua forma latina epi – por cima: epiderme, epígrafe.
original: eu – bom: eufonia, eugênia, eupepsia.
a, ab, abs – afastamento: aversão, abjurar. hecto – cem: hectômetro.
a, ad – aproximação, direção: amontoar. hemi – metade: hemistíquio, hemisfério.
ambi – dualidade: ambidestro. hiper – superioridade: hipertensão, hipérbole.
bis, bin, bi – repetição, dualidade: bisneto, binário. hipo – inferioridade: hipoglosso, hipótese, hipotermia.
centum – cem: centúnviro, centuplicar, centígrado. homo – semelhança, identidade: homônimo.
circum, circun, circu – em volta de: circumpolar, circunstante. meta – união, mudança, além de: metacarpo, metáfase.
cis – aquem de: cisalpino, cisgangético. míria – dez mil: miriâmetro.
com, con, co – companhia, concomitância: combater, mono – um: monóculo, monoculista.
contemporâneo. neo – novo, moderno: neologismo, neolatino.
contra – oposição, posição inferior: contradizer. para – aproximação, oposição: paráfrase, paradoxo.
de – movimento de cima para baixo, origem, afastamento: penta – cinco: pentágono.
decrescer, deportar. peri – em volta de: perímetro.
des – negação, separação, ação contrária: desleal, desviar. poli – muitos: polígono, polimorfo.
dis, di – movimento para diversas partes, ideia contrária: pro – antes de: prótese, prólogo, profeta.
distrair, dimanar. Sufixos
entre – situação intermediaria, reciprocidade: entrelinha, Os sufixos podem ser: nominais, verbais e adverbial.
entrevista.
ex, es, e – movimento de dentro para fora, intensidade, Nominais
privação, situação cessante: exportar, espalmar, ex-professor. Coletivos: -aria, -ada, -edo, -al, -agem, -atro, -alha, -ama.
extra – fora de, além de, intensidade: extravasar, extraordinário. Aumentativos e diminutivos: -ão, -rão, -zão, -arrão, -aço, -astro,
im, in, i – movimento para dentro; ideia contraria: importar, -az.
ingrato. Agentes: -dor, -nte, -ário, -eiro, -ista.
inter – no meio de: intervocálico, intercalado. Lugar: -ário, -douro, -eiro, -ório.
intra – movimento para dentro: intravenoso, intrometer. Estado: -eza, -idade, -ice, -ência, -ura, -ado, -ato.
justa – perto de: justapor. Pátrios: -ense, -ista, -ano, -eiro, -ino, -io, -eno, -enho, -aico.
multi – pluralidade: multiforme. Origem, procedência: -estre, -este, -esco.
ob, o – oposição: obstar, opor, obstáculo.
pene – quase: penúltimo, península. Verbais
per – movimento através de, acabamento de ação; ideia Comuns: -ar, -er, -ir.
pejorativa: percorrer. Frequentativos: -açar, -ejar, -escer, -tear, -itar.
post, pos – posteridade: postergar, pospor. Incoativos: -escer, -ejar, -itar.
pre – anterioridade: predizer, preclaro. Diminutivos: -inhar, -itar, -icar, -iscar.
preter – anterioridade, para além: preterir, preternatural.
pro – movimento para diante, a favor de, em vez de: prosseguir, Adverbial = há apenas um
procurador, pronome. MENTE: mecanicamente, felizmente etc.
re – movimento para trás, ação reflexiva, intensidade, repetição:
regressar, revirar.
retro – movimento para trás: retroceder.
satis – bastante: satisdar. ELEMENTOS DE COMUNICAÇÃO
sub, sob, so, sus – inferioridade: subdelegado, sobraçar, sopé.
subter – por baixo: subterfúgio. A comunicação constitui uma das ferramentas mais importan-
super, supra – posição superior, excesso: super-homem, tes que os líderes têm à sua disposição para desempenhar as suas
superpovoado. funções de influência. A sua importância é tal que alguns autores
trans, tras, tra, tres – para além de, excesso: transpor. a consideram mesmo como o “sangue” que dá vida à organização.
tris, três, tri – três vezes: trisavô, tresdobro. Esta importância deve-se essencialmente ao fato de apenas através
ultra – para além de, intensidade: ultrapassar, ultrabelo. de uma comunicação efetiva ser possível:
uni – um: unânime, unicelular. - Estabelecer e dar a conhecer, com a participação de membros
de todos os níveis hierárquicos da organização, os objetivos organi-
Grego: Os principais prefixos de origem grega são: zacionais por forma a que contemplem, não apenas os interesses da
a, an – privação, negação: ápode, anarquia. organização, mas também os interesses de todos os seus membros.
ana – inversão, parecença: anagrama, analogia. - Definir e dar a conhecer, com a participação de membros de
anfi – duplicidade, de um e de outro lado: anfíbio, anfiteatro. todos os níveis hierárquicos da organização, a estrutura organiza-
anti – oposição: antipatia, antagonista. cional, quer ao nível do desenho organizacional, quer ao nível da
apo – afastamento: apólogo, apogeu. distribuição de autoridade, responsabilidade e tarefas.
arqui, arque, arce, arc – superioridade: arcebispo, arcanjo.

30
LÍNGUA PORTUGUESA
- Definir e dar a conhecer, com a participação de membros de cie humana, é aquela que mais atenção tem merecido dos inves-
todos os níveis hierárquicos da organização, decisões, planos, po- tigadores, caracterizando-a e estudando quando e como deve ser
líticas, procedimentos e regras aceites e respeitadas por todos os utilizada.
membros da organização.
- Coordenar, dar apoio e controlar as atividades de todos os Comunicação Escrita
membros da organização. A comunicação escrita teve o seu auge, e ainda hoje predo-
- Efetuar a integração dos diferentes departamentos e permitir mina, nas organizações burocráticas que seguem os princípios da
a ajuda e cooperação interdepartamental. Teoria da Burocracia enunciados por Max Weber. A principal carac-
- Desempenhar eficazmente o papel de influência através da terística é o fato do receptor estar ausente tornando-a, por isso,
compreensão e atuação em conformidade satisfação das necessi- num monólogo permanente do emissor. Esta característica obriga a
dades e sentimentos das pessoas por forma a aumentar a sua mo- alguns cuidados por parte do emissor, nomeadamente com o fato
tivação. de se tornarem impossíveis ou pelo menos difíceis as retificações e
as novas explicações para melhor compreensão após a sua trans-
Elementos do Processo de Comunicação missão. Assim, os principais cuidados a ter para que a mensagem
Para perceber desenvolver políticas de comunicação eficazes é seja perfeitamente recebida e compreendida pelo(s) receptor(es)
necessário analisar antes cada um dos elementos que fazem parte são o uso de caligrafia legível e uniforme (se manuscrita), a apre-
do processo de comunicação. Assim, fazem parte do processo de sentação cuidada, a pontuação e ortografia corretas, a organização
comunicação o emissor, um canal de transmissão, geralmente in- lógica das ideias, a riqueza vocabular e a correção frásica. O emis-
fluenciado por ruídos, um receptor e ainda o feedback do receptor. sor deve ainda possuir um perfeito conhecimento dos temas e deve
- Emissor (ou fonte da mensagem da comunicação): represen- tentar prever as reações/feedback à sua mensagem.
ta quem pensa, codifica e envia a mensagem, ou seja, quem inicia Como principais vantagens da comunicação escrita, podemos
o processo de comunicação. A codificação da mensagem pode ser destacar o fato de ser duradoura e permitir um registro e de per-
feita transformando o pensamento que se pretende transmitir em mitir uma maior atenção à organização da mensagem sendo, por
palavras, gestos ou símbolos que sejam compreensíveis por quem isso, adequada para a transmitir políticas, procedimentos, normas
recebe a mensagem.
e regras. Adequa-se também a mensagens longas e que requeiram
- Canal de transmissão da mensagem: faz a ligação entre o
uma maior atenção e tempo por parte do receptor tais como relató-
emissor e o receptor e representa o meio através do qual é transmi-
rios e análises diversas. Como principais desvantagens destacam-se
tida a mensagem. Existe uma grande variedade de canais de trans-
a já referida ausência do receptor o que impossibilita o feedback
missão, cada um deles com vantagens e inconvenientes: destacam-
imediato, não permite correções ou explicações adicionais e obriga
-se o ar (no caso do emissor e receptor estarem frente a frente), o
ao uso exclusivo da linguagem verbal.
telefone, os meios eletrônicos e informáticos, os memorandos, a
rádio, a televisão, entre outros.
Comunicação Oral
- Receptor da mensagem: representa quem recebe e descodi-
fica a mensagem. Aqui é necessário ter em atenção que a descodi- No caso da comunicação oral, a sua principal característica é a
ficação da mensagem resulta naquilo que efetivamente o emissor presença do receptor (exclui-se, obviamente, a comunicação oral
pretendia enviar (por exemplo, em diferentes culturas, um mesmo que utilize a televisão, a rádio, ou as gravações). Esta característi-
gesto pode ter significados diferentes). Podem existir apenas um ou ca explica diversas das suas principais vantagens, nomeadamente
numerosos receptores para a mesma mensagem. o fato de permitir o feedback imediato, permitir a passagem ime-
- Ruídos: representam obstruções mais ou menos intensas ao diata do receptor a emissor e vice-versa, permitir a utilização de
processo de comunicação e podem ocorrer em qualquer uma das comunicação não verbal como os gestos a mímica e a entoação, por
suas fases. Denominam-se ruídos internos se ocorrem durante as exemplo, facilitar as retificações e explicações adicionais, permitir
fases de codificação ou descodificação e externos se ocorrerem no observar as reações do receptor, e ainda a grande rapidez de trans-
canal de transmissão. Obviamente estes ruídos variam consoante o missão. Contudo, e para que estas vantagens sejam aproveitadas é
tipo de canal de transmissão utilizado e consoante as características necessário o conhecimento dos temas, a clareza, a presença e na-
do emissor e do(s) receptor(es), sendo, por isso, um dos critérios turalidade, a voz agradável e a boa dicção, a linguagem adaptada,
utilizados na escolha do canal de transmissão quer do tipo de co- a segurança e autodomínio, e ainda a disponibilidade para ouvir.
dificação. Como principais desvantagens da comunicação oral desta-
- Retro-informação (feedback): representa a resposta do(s) re- cam-se o fato de ser efêmera, não permitindo qualquer registro e,
ceptor(es) ao emissor da mensagem e pode ser utilizada como uma consequentemente, não se adequando a mensagens longas e que
medida do resultado da comunicação. Pode ou não ser transmitida exijam análise cuidada por parte do receptor.
pelo mesmo canal de transmissão.
  Gêneros Escritos e Orais
Embora os tipos de comunicação sejam inúmeros, podem Gêneros textuais são tipos específicos de textos de qualquer
ser agrupados em comunicação verbal e comunicação não verbal. natureza, literários ou não. Modalidades discursivas constituem as
Como comunicação não verbal podemos considerar os gestos, os estruturas e as funções sociais (narrativas, discursivas, argumentati-
sons, a mímica, a expressão facial, as imagens, entre outros. É fre- vas) utilizadas como formas de organizar a linguagem. Dessa forma,
quentemente utilizada em locais onde o ruído ou a situação impede podem ser considerados exemplos de gêneros textuais: anúncios,
a comunicação oral ou escrita como por exemplo as comunicações convites, atas, avisos, programas de auditórios, bulas, cartas, co-
entre “dealers” nas bolsas de valores. É também muito utilizada médias, contos de fadas, crônicas, editoriais, ensaios, entrevistas,
como suporte e apoio à comunicação oral. contratos, decretos, discursos políticos, histórias, instruções de uso,
Quanto à comunicação verbal, que inclui a comunicação escri- letras de música, leis, mensagens, notícias. São textos que circu-
ta e a comunicação oral, por ser a mais utilizada na sociedade em lam no mundo, que têm uma função específica, para um público
geral e nas organizações em particular, por ser a única que permite específico e com características próprias. Aliás, essas características
a transmissão de ideias complexas e por ser um exclusivo da espé- peculiares de um gênero discursivo nos permitem abordar aspectos

31
LÍNGUA PORTUGUESA
da textualidade, tais como coerência e coesão textuais, impessoa-
lidade, técnicas de argumentação e outros aspectos pertinentes ao SINTAXE: RELAÇÕES SINTÁTICOSEMÂNTICAS ESTABE-
gênero em questão. LECIDAS ENTRE ORAÇÕES, PERÍODOS OU PARÁGRA-
Gênero de texto então, refere-se às diferentes formas de ex- FOS (PERÍODO SIMPLES E PERÍODO COMPOSTO POR
pressão textual. Nos estudos da Literatura, temos, por exemplo, COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO)
poesia, crônicas, contos, prosa, etc.
Para a linguística, os gêneros textuais englobam estes e todos Agora chegamos no assunto que causa mais temor em muitos
os textos produzidos por usuários de uma língua. Assim, ao lado estudantes. Mas eu tenho uma boa notícia para te dar: o estudo
da crônica, do conto, vamos também identificar a carta pessoal, a da sintaxe é mais fácil do que parece e você vai ver que sabe muita
conversa telefônica, o email, e tantos outros exemplares de gêneros coisa que nem imagina. Para começar, precisamos de classificar al-
que circulam em nossa sociedade. gumas questões importantes:
Quanto à forma ou estrutura das sequências linguísticas en-
contradas em cada texto, podemos classificá-los dentro dos tipos • Frase: Enunciado que estabelece uma comunicação de sen-
textuais a partir de suas estruturas e estilos composicionais. tido completo. 
Domínios sociais de comunicação: Cultura Literária Ficcional. Os jornais publicaram a notícia.
Aspectos tipológicos: Narrar. Silêncio! 
Capacidade de linguagem dominante: Mimeses de ação atra-
vés da criação da intriga no domínio do verossímil. • Oração: Enunciado que se forma com um verbo ou com uma
Exemplo de gêneros orais e escritos: Conto de Fadas, fábula, locução verbal.
lenda,narrativa de aventura, narrativa de ficção científica, narrativa Este filme causou grande impacto entre o público.
de enigma, narrativa mítica, sketch ou história engraçada, biografia A inflação deve continuar sob controle.
romanceada, romance, romance histórico, novela fantástica, conto,
crônica literária, adivinha, piada. • Período Simples: formado por uma única oração.
Domínios sociais de comunicação: Documentação e memoriza- O clima se alterou muito nos últimos dias.
ção das ações humana.
Aspectos tipológicos: Relatar. • Período Composto: formado por mais de uma oração.
Capacidade de linguagem dominante: Representação pelo dis- O governo prometeu/ que serão criados novos empregos.
curso de experiências vividas, situadas no tempo. Bom, já está a clara a diferença entre frase, oração e período.
Exemplo de gêneros orais e escritos: Relato de experiência vivi- Vamos, então, classificar os elementos que compõem uma oração:
da, relato de viagem, diário íntimo, testemunho, anedota ou caso,
autobiografia, curriculum vitae, notícia, reportagem, crônica social, • Sujeito: Termo da oração do qual se declara alguma coisa.
crônica esportiva, histórico, relato histórico, ensaio ou perfil biográ- O problema da violência preocupa os cidadãos.
fico, biografia.
• Predicado: Tudo que se declara sobre o sujeito.
Domínios sociais de comunicação: Discussão de problemas so- A tecnologia permitiu o resgate dos operários.
ciais controversos.
Aspectos tipológicos: Argumentar. • Objeto Direto: Complemento que se liga ao verbo transitivo
Capacidade de linguagem dominante: Sustentação, refutação e direto ou ao verbo transitivo direto e indireto sem o auxílio da pre-
negociação de tomadas de posição. posição.
Exemplo de gêneros orais e escritos: Textos de opinião, diálogo A tecnologia tem possibilitado avanços notáveis.
argumentativo, carta de leitor, carta de solicitação, deliberação in- Os pais oferecem ajuda financeira ao filho.
formal, debate regrado, assembleia, discurso de defesa (advocacia),
discurso de acusação (advocacia), resenha crítica, artigos de opi- • Objeto Indireto: Complemento que se liga ao verbo transi-
nião ou assinados, editorial, ensaio. tivo indireto ou ao verbo transitivo direto e indireto por meio de
preposição. 
Domínios sociais de comunicação: Transmissão e construção de Os Estados Unidos resistem ao grave momento.
saberes. João gosta de beterraba.
Aspectos tipológicos: Expor.
Capacidade de linguagem dominante: Apresentação textual de • Adjunto Adverbial: Termo modificador do verbo que exprime
diferentes formas dos saberes. determinada circunstância (tempo, lugar, modo etc.) ou intensifica
Exemplo de gêneros orais e escritos: Texto expositivo, exposi- um verbo, adjetivo ou advérbio.
ção oral, seminário, conferência, comunicação oral, palestra, entre- O ônibus saiu à noite quase cheio, com destino a Salvador.
vista de especialista, verbete, artigo enciclopédico, texto explicati- Vamos sair do mar.
vo, tomada de notas, resumo de textos expositivos e explicativos,
resenha, relatório científico, relatório oral de experiência. • Agente da Passiva: Termo da oração que exprime quem prati-
ca a ação verbal quando o verbo está na voz passiva.
Domínios sociais de comunicação: Instruções e prescrições. Raquel foi pedida em casamento por seu melhor amigo.
Aspectos tipológicos: Descrever ações.
Capacidade de linguagem dominante: Regulação mútua de • Adjunto Adnominal: Termo da oração que modifica um subs-
comportamentos. tantivo, caracterizando-o ou determinando-o sem a intermediação
Exemplo de gêneros orais e escritos: Instruções de montagem, de um verbo.
receita, regulamento, regras de jogo, instruções de uso, comandos Um casal de médicos eram os novos moradores do meu pré-
diversos, textos prescritivos. dio.

32
LÍNGUA PORTUGUESA
• Complemento Nominal: Termo da oração que completa nomes, isto é, substantivos, adjetivos e advérbios, e vem preposicionado.
A realização do torneio teve a aprovação de todos.

• Predicativo do Sujeito: Termo que atribui característica ao sujeito da oração.


A especulação imobiliária me parece um problema.

• Predicativo do Objeto: Termo que atribui características ao objeto direto ou indireto da oração.
O médico considerou o paciente hipertenso.

• Aposto: Termo da oração que explica, esclarece, resume ou identifica o nome ao qual se refere (substantivo, pronome ou equivalen-
tes). O aposto sempre está entre virgulas ou após dois-pontos.
A praia do Forte, lugar paradisíaco, atrai muitos turistas.

• Vocativo: Termo da oração que se refere a um interlocutor a quem se dirige a palavra.


Senhora, peço aguardar mais um pouco.

Tipos de orações
As partes de uma oração já está fresquinha aí na sua cabeça, não é?!?! Estudar os tipos de orações que existem será moleza, moleza.
Vamos comigo!!!
Temos dois tipos de orações: as coordenadas, cuja as orações de um período são independentes (não dependem uma da outra para
construir sentido completo); e as subordinadas, cuja as orações de um período são dependentes (dependem uma da outra para construir
sentido completo).
As orações coordenadas podem ser sindéticas (conectadas uma a outra por uma conjunção) e assindéticas (que não precisam da
conjunção para estar conectadas. O serviço é feito pela vírgula).

Tipos de orações coordenadas

Orações Coordenadas Sindéticas Orações Coordenadas Assindéticas

Aditivas Fomos para a escola e fizemos o exame final. • Lena estava triste, cansada, decepcionada.
Adversativas Pedro Henrique estuda muito, porém não passa •
no vestibular. • Ao chegar à escola conversamos, estudamos,
lanchamos.
Alternativas Manuela  ora  quer comer hambúrguer,  ora  quer
comer pizza. Alfredo está chateado, pensando em se mudar.
Conclusivas Não gostamos do restaurante,  portanto não
iremos mais lá. Precisamos estar com cabelos arrumados, unhas feitas.

Explicativas Marina não queria falar,  ou seja, ela estava de João Carlos e Maria estão radiantes, alegria que dá inveja.
mau humor.

Tipos de orações subordinadas


As orações subordinadas podem ser substantivas, adjetivas e adverbiais. Cada uma delas tem suas subclassificações, que veremos
agora por meio do quadro seguinte.

Orações Subordinadas
Subjetivas É certo que ele trará os a sobremesa do jantar.
Exercem a função de sujeito
Completivas Nominal Estou convencida de que ele é solteiro.
Exercem a função de complemento nominal
Predicativas O problema é que ele não entregou a refeição
Exercem a função de predicativo no lugar.
Orações Subordinadas Substantivas
Apositivas Eu lhe disse apenas isso: que não se aborrecesse
Exercem a função de aposto com ela.
Objetivas Direta Lembrou-se da dívida que tem com ele.
Exercem a função de objeto direto
Objetivas Indireta Espero que você seja feliz.
Exercem a função de objeto indireto

33
LÍNGUA PORTUGUESA

Explicativas Os alunos, que foram mal na prova de quinta,


Explicam um termo dito anteriormente. terão aula de reforço.
SEMPRE serão acompanhadas por vírgula.
Orações Subordinadas Adjetivas Restritivas Os alunos que foram mal na prova de quinta
Restringem o sentido de um termo terão aula de reforço.
dito anteriormente. NUNCA serão
acompanhadas por vírgula.
Causais Estou vestida assim porque vou sair.
Assumem a função de advérbio de causa
Consecutivas Falou tanto que ficou rouca o resto do dia.
Assumem a função de advérbio de
consequência
Comparativas A menina comia como um adulto come.
Assumem a função de advérbio de
comparação
Condicionais Desde que ele participe, poderá entrar na
Assumem a função de advérbio de condição reunião.
Conformativas O shopping fechou, conforme havíamos
Assumem a função de advérbio de previsto.
Orações Subordinadas Adverbiais
conformidade
Concessivas Embora eu esteja triste, irei à festa mais tarde.
Assumem a função de advérbio de
concessão
Finais Vamos direcionar os esforços para que todos
Assumem a função de advérbio de tenham acesso aos benefícios.
finalidade
Proporcionais Quanto mais eu dormia, mais sono tinha.
Assumem a função de advérbio de
proporção
Temporais Quando a noite chega, os morcegos saem de
Assumem a função de advérbio de tempo suas casas.

Olha como esse quadro facilita a vida, não é?! Por meio dele, conseguimos ter uma visão geral das classificações e subclassificações
das orações, o que nos deixa mais tranquilos para estudá-las.

CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL

Concordância Nominal
Os adjetivos, os pronomes adjetivos, os numerais e os artigos concordam em gênero e número com os substantivos aos quais se re-
ferem.
Os nossos primeiros contatos começaram de maneira amistosa.

Casos Especiais de Concordância Nominal


• Menos e alerta são invariáveis na função de advérbio:
Colocou menos roupas na mala./ Os seguranças continuam alerta.

• Pseudo e todo são invariáveis quando empregados na formação de palavras compostas:


Cuidado com os pseudoamigos./ Ele é o chefe todo-poderoso.

• Mesmo, próprio, anexo, incluso, quite e obrigado variam de acordo com o substantivo a que se referem:
Elas mesmas cozinhavam./ Guardou as cópias anexas.

• Muito, pouco, bastante, meio, caro e barato variam quando pronomes indefinidos adjetivos e numerais e são invariáveis quando
advérbios:
Muitas vezes comemos muito./ Chegou meio atrasada./ Usou meia dúzia de ovos.

• Só varia quando adjetivo e não varia quando advérbio:


Os dois andavam sós./ A respostas só eles sabem.

34
LÍNGUA PORTUGUESA
• É bom, é necessário, é preciso, é proibido variam quando o
substantivo estiver determinado por artigo:
É permitida a coleta de dados./ É permitido coleta de dados.

Concordância Verbal
O verbo concorda com seu sujeito em número e pessoa:
O público aplaudiu o ator de pé./ A sala e quarto eram enor-
mes.

Concordância ideológica ou silepse


• Silepse de gênero trata-se da concordância feita com o gêne-
ro gramatical (masculino ou feminino) que está subentendido no
contexto.
Vossa Excelência parece satisfeito com as pesquisas.
Blumenau estava repleta de turistas.
• Silepse de número trata-se da concordância feita com o nú-
mero gramatical (singular ou plural) que está subentendido no con-
texto.
O elenco voltou ao palco e [os atores] agradeceram os aplau-
sos.
• Silepse de pessoa trata-se da concordância feita com a pes-
soa gramatical que está subentendida no contexto.
O povo temos memória curta em relação às promessas dos po-
líticos.

REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL

Regência Nominal e Verbal

• Regência Nominal 
A regência nominal estuda os casos em que nomes (substan-
tivos, adjetivos e advérbios) exigem outra palavra para completar-
-lhes o sentido. Em geral a relação entre um nome e o seu comple-
mento é estabelecida por uma preposição.

• Regência Verbal
A regência verbal estuda a relação que se estabelece entre o
verbo (termo regente) e seu complemento (termo regido). 
Isto pertence a todos.

COLOCAÇÃO PRONOMINAL

A colocação do pronome átono está relacionada à harmonia da


frase. A tendência do português falado no Brasil é o uso do prono-
me antes do verbo – próclise. No entanto, há casos em que a norma
culta prescreve o emprego do pronome no meio – mesóclise – ou
após o verbo – ênclise.
De acordo com a norma culta, no português escrito não se ini-
cia um período com pronome oblíquo átono. Assim, se na lingua-
gem falada diz-se “Me encontrei com ele”, já na linguagem escrita,
formal, usa-se “Encontrei-me’’ com ele.
Sendo a próclise a tendência, é aconselhável que se fixem bem
as poucas regras de mesóclise e ênclise. Assim, sempre que estas
não forem obrigatórias, deve-se usar a próclise, a menos que preju-
dique a eufonia da frase.

35
LÍNGUA PORTUGUESA
Próclise Se houver fator de próclise, o pronome átono ficará antes do
Na próclise, o pronome é colocado antes do verbo. auxiliar.
Exemplo: Não lhe havia dito a verdade.
Palavra de sentido negativo: Não me falou a verdade.
Advérbios sem pausa em relação ao verbo: Aqui te espero pa- Haver de e ter de + infinitivo: Pronome átono deve ficar depois
cientemente. do infinitivo.
Havendo pausa indicada por vírgula, recomenda-se a ênclise: Exemplos:
Ontem, encontrei-o no ponto do ônibus. Hei de dizer-lhe a verdade.
Pronomes indefinidos: Ninguém o chamou aqui. Tenho de dizer-lhe a verdade.
Pronomes demonstrativos: Aquilo lhe desagrada.
Orações interrogativas: Quem lhe disse tal coisa? Observação
Orações optativas (que exprimem desejo), com sujeito ante- Não se deve omitir o hífen nas seguintes construções:
posto ao verbo: Deus lhe pague, Senhor! Devo-lhe dizer tudo.
Orações exclamativas: Quanta honra nos dá sua visita! Estava-lhe dizendo tudo.
Orações substantivas, adjetivas e adverbiais, desde que não se- Havia-lhe dito tudo.
jam reduzidas: Percebia que o observavam.
Verbo no gerúndio, regido de preposição em: Em se plantando,
tudo dá. EMPREGO DOS SINAIS DE PONTUAÇÃO E SUA FUN-
Verbo no infinitivo pessoal precedido de preposição: Seus in- ÇÃO NO TEXTO
tentos são para nos prejudicarem.

Ênclise Pontuação
Na ênclise, o pronome é colocado depois do verbo. Com Nina Catach, entendemos por pontuação um “sistema
de reforço da escrita, constituído de sinais sintáticos, destinados a
Verbo no início da oração, desde que não esteja no futuro do organizar as relações e a proporção das partes do discurso e das
indicativo: Trago-te flores. pausas orais e escritas. Estes sinais também participam de todas as
Verbo no imperativo afirmativo: Amigos, digam-me a verdade! funções da sintaxe, gramaticais, entonacionais e semânticas”. (BE-
CHARA, 2009, p. 514)
Verbo no gerúndio, desde que não esteja precedido pela pre-
A partir da definição citada por Bechara podemos perceber a
posição em: Saí, deixando-a aflita.
importância dos sinais de pontuação, que é constituída por alguns
Verbo no infinitivo impessoal regido da preposição a. Com
sinais gráficos assim distribuídos: os separadores (vírgula [ , ], pon-
outras preposições é facultativo o emprego de ênclise ou próclise:
to e vírgula [ ; ], ponto final [ . ], ponto de exclamação [ ! ], reti-
Apressei-me a convidá-los.
cências [ ... ]), e os de comunicação ou “mensagem” (dois pontos
[ : ], aspas simples [‘ ’], aspas duplas [ “ ” ], travessão simples [ – ],
Mesóclise
travessão duplo [ — ], parênteses [ ( ) ], colchetes ou parênteses
Na mesóclise, o pronome é colocado no meio do verbo. retos [ [ ] ], chave aberta [ { ], e chave fechada [ } ]).
É obrigatória somente com verbos no futuro do presente ou no Ponto ( . )
futuro do pretérito que iniciam a oração. O ponto simples final, que é dos sinais o que denota maior pausa,
Dir-lhe-ei toda a verdade. serve para encerrar períodos que terminem por qualquer tipo de oração
Far-me-ias um favor? que não seja a interrogativa direta, a exclamativa e as reticências.
Estaremos presentes na festa.
Se o verbo no futuro vier precedido de pronome reto ou de
qualquer outro fator de atração, ocorrerá a próclise. Ponto de interrogação ( ? )
Eu lhe direi toda a verdade. Põe-se no fim da oração enunciada com entonação interrogati-
Tu me farias um favor? va ou de incerteza, real ou fingida, também chamada retórica.
Você vai à festa?
Colocação do pronome átono nas locuções verbais
Verbo principal no infinitivo ou gerúndio: Se a locução verbal Ponto de exclamação ( ! )
não vier precedida de um fator de próclise, o pronome átono deve- Põe-se no fim da oração enunciada com entonação exclama-
rá ficar depois do auxiliar ou depois do verbo principal. tiva.
Exemplos: Ex: Que bela festa!
Devo-lhe dizer a verdade.
Devo dizer-lhe a verdade. Reticências ( ... )
Denotam interrupção ou incompletude do pensamento (ou
Havendo fator de próclise, o pronome átono deverá ficar antes porque se quer deixar em suspenso, ou porque os fatos se dão com
do auxiliar ou depois do principal. breve espaço de tempo intervalar, ou porque o nosso interlocutor
Exemplos: nos toma a palavra), ou hesitação em enunciá-lo.
Não lhe devo dizer a verdade. Ex: Essa festa... não sei não, viu.
Não devo dizer-lhe a verdade.
Dois-pontos ( : )
Verbo principal no particípio: Se não houver fator de próclise, Marcam uma supressão de voz em frase ainda não concluída.
o pronome átono ficará depois do auxiliar. Em termos práticos, este sinal é usado para: Introduzir uma citação
Exemplo: Havia-lhe dito a verdade. (discurso direto) e introduzir um aposto explicativo, enumerativo,
distributivo ou uma oração subordinada substantiva apositiva.

36
LÍNGUA PORTUGUESA
Ex: Uma bela festa: cheia de alegria e comida boa. Podemos estabelecer, então, que se a frase estiver na ordem
comum (SVOAdj), não usaremos vírgula. Caso contrário, a vírgula
Ponto e vírgula ( ; ) é necessária:
Representa uma pausa mais forte que a vírgula e menos que o Ontem, Maria foi à padaria.
ponto, e é empregado num trecho longo, onde já existam vírgulas, Maria, ontem, foi à padaria.
para enunciar pausa mais forte, separar vários itens de uma enume- À padaria, Maria foi ontem.
ração (frequente em leis), etc.
Ex: Vi na festa os deputados, senadores e governador; vi tam- Além disso, há outros casos em que o uso de vírgulas é neces-
bém uma linda decoração e bebidas caras. sário:
Travessão ( — ) • Separa termos de mesma função sintática, numa enumera-
Não confundir o travessão com o traço de união ou hífen e com ção.
o traço de divisão empregado na partição de sílabas (ab-so-lu-ta- Simplicidade, clareza, objetividade, concisão são qualidades a
-men-te) e de palavras no fim de linha. O travessão pode substituir serem observadas na redação oficial.
vírgulas, parênteses, colchetes, para assinalar uma expressão inter- • Separa aposto.
calada e pode indicar a mudança de interlocutor, na transcrição de Aristóteles, o grande filósofo, foi o criador da Lógica.
um diálogo, com ou sem aspas. • Separa vocativo.
Ex: Estamos — eu e meu esposo — repletos de gratidão. Brasileiros, é chegada a hora de votar.
• Separa termos repetidos.
Parênteses e colchetes ( ) – [ ] Aquele aluno era esforçado, esforçado.
Os parênteses assinalam um isolamento sintático e semântico
mais completo dentro do enunciado, além de estabelecer maior in- • Separa certas expressões explicativas, retificativas, exempli-
timidade entre o autor e o seu leitor. Em geral, a inserção do parên- ficativas, como: isto é, ou seja, ademais, a saber, melhor dizendo,
tese é assinalada por uma entonação especial. Intimamente ligados ou melhor, quer dizer, por exemplo, além disso, aliás, antes, com
aos parênteses pela sua função discursiva, os colchetes são utiliza- efeito, digo.
dos quando já se acham empregados os parênteses, para introduzi- O político, a meu ver, deve sempre usar uma linguagem clara,
rem uma nova inserção. ou seja, de fácil compreensão.
Ex: Vamos estar presentes na festa (aquela organizada pelo go-
vernador) • Marca a elipse de um verbo (às vezes, de seus complemen-
tos).
Aspas ( “ ” ) O decreto regulamenta os casos gerais; a portaria, os particula-
As aspas são empregadas para dar a certa expressão sentido res. (= ... a portaria regulamenta os casos particulares)
particular (na linguagem falada é em geral proferida com entoação
especial) para ressaltar uma expressão dentro do contexto ou para • Separa orações coordenadas assindéticas.
apontar uma palavra como estrangeirismo ou gíria. É utilizada, ain- Levantava-me de manhã, entrava no chuveiro, organizava as
da, para marcar o discurso direto e a citação breve. ideias na cabeça...
Ex: O “coffe break” da festa estava ótimo.
• Isola o nome do lugar nas datas.
Vírgula Rio de Janeiro, 21 de julho de 2006.
São várias as regras que norteiam o uso das vírgulas. Eviden-
ciaremos, aqui, os principais usos desse sinal de pontuação. Antes • Isolar conectivos, tais como: portanto, contudo, assim, dessa
disso, vamos desmistificar três coisas que ouvimos em relação à forma, entretanto, entre outras. E para isolar, também, expressões
vírgula: conectivas, como: em primeiro lugar, como supracitado, essas infor-
1º – A vírgula não é usada por inferência. Ou seja: não “senti- mações comprovam, etc.
mos” o momento certo de fazer uso dela. Fica claro, portanto, que ações devem ser tomadas para ame-
2º – A vírgula não é usada quando paramos para respirar. Em nizar o problema.
alguns contextos, quando, na leitura de um texto, há uma vírgula, o
leitor pode, sim, fazer uma pausa, mas isso não é uma regra. Afinal, A vírgula realmente tem uma quantidade maior de regras, mas
cada um tem seu tempo de respiração, não é mesmo?!?! nada impossível de saber, não é?!?! Bom, já vimos muita coisa até
3º – A vírgula tem sim grande importância na produção de tex- aqui e não vamos parar agora.
tos escritos. Não caia na conversa de algumas pessoas de que ela é
menos importante e que pode ser colocada depois.
Agora, precisamos saber que a língua portuguesa tem uma or- VARIAÇÃO LINGUÍSTICA
dem comum de construção de suas frases, que é Sujeito > Verbo >
Objeto > Adjunto, ou seja, (SVOAdj). A Linguagem Culta ou Padrão
Maria foi à padaria ontem. É aquela ensinada nas escolas e serve de veículo às ciências
Sujeito Verbo Objeto Adjunto em que se apresenta com terminologia especial. É usada pelas pes-
soas instruídas das diferentes classes sociais e caracteriza-se pela
Perceba que, na frase acima, não há o uso de vírgula. Isso ocor- obediência às normas gramaticais. Mais comumente usada na lin-
re por alguns motivos: guagem escrita e literária, reflete prestígio social e cultural. É mais
1) NÃO se separa com vírgula o sujeito de seu predicado. artificial, mais estável, menos sujeita a variações. Está presente nas
2) NÃO se separa com vírgula o verbo e seus complementos. aulas, conferências, sermões, discursos políticos, comunicações
3) Não é aconselhável usar vírgula entre o complemento do científicas, noticiários de TV, programas culturais etc.
verbo e o adjunto. Ouvindo e lendo é que você aprenderá a falar e a escrever bem.
Procure ler muito, ler bons autores, para redigir bem.

37
LÍNGUA PORTUGUESA
A aprendizagem da língua inicia-se em casa, no contexto fa- Embaixo ou em baixo
miliar, que é o primeiro círculo social para uma criança. A criança O gato está embaixo da mesa ou em baixo da mesa? Continua-
imita o que ouve e aprende, aos poucos, o vocabulário e as leis rei falando em baixo tom de voz ou embaixo tom de voz? Quais
combinatórias da língua. Um falante ao entrar em contato com ou- são as frases corretas com embaixo e em baixo? Certo: O gato está
tras pessoas em diferentes ambientes sociais como a rua, a escola embaixo da cama
e etc., começa a perceber que nem todos falam da mesma forma.
Há pessoas que falam de forma diferente por pertencerem a outras Ver ou vir
cidades ou regiões do país, ou por fazerem parte de outro grupo A dúvida no uso de ver e vir ocorre nas seguintes construções:
ou classe social. Essas diferenças no uso da língua constituem as Se eu ver ou se eu vir? Quando eu ver ou quando eu vir? Qual das
variedades linguísticas. frases com ver ou vir está correta? Se eu vir você lá fora, você vai
Certas palavras e construções que empregamos acabam de- ficar de castigo!
nunciando quem somos socialmente, ou seja, em que região do
país nascemos, qual nosso nível social e escolar, nossa formação e, Onde ou aonde
às vezes, até nossos valores, círculo de amizades e hobbies. O uso Os advérbios onde e aonde indicam lugar: Onde você está?
da língua também pode informar nossa timidez, sobre nossa capa- Aonde você vai? Qual é a diferença entre onde e aonde? Onde indi-
cidade de nos adaptarmos às situações novas e nossa insegurança. ca permanência. É sinônimo de em que lugar. Onde, Em que lugar
A norma culta é a variedade linguística ensinada nas escolas, Fica?
contida na maior parte dos livros, registros escritos, nas mídias te-
levisivas, entre outros. Como variantes da norma padrão aparecem: Como escrever o dinheiro por extenso?
a linguagem regional, a gíria, a linguagem específica de grupos ou Os valores monetários, regra geral, devem ser escritos com al-
profissões. O ensino da língua culta na escola não tem a finalidade garismos: R$ 1,00 ou R$ 1 R$ 15,00 ou R$ 15 R$ 100,00 ou R$ 100
de condenar ou eliminar a língua que falamos em nossa família ou R$ 1400,00 ou R$ 1400.
em nossa comunidade. O domínio da língua culta, somado ao do-
mínio de outras variedades linguísticas, torna-nos mais preparados Obrigado ou obrigada
para nos comunicarmos nos diferentes contextos lingísticos, já que Segundo a gramática tradicional e a norma culta, o homem ao
a linguagem utilizada em reuniões de trabalho não deve ser a mes- agradecer deve dizer obrigado. A mulher ao agradecer deve dizer
ma utilizada em uma reunião de amigos no final de semana. obrigada.
Portanto, saber usar bem uma língua equivale a saber empre-
gá-la de modo adequado às mais diferentes situações sociais de que Mal ou mau
participamos. Como essas duas palavras são, maioritariamente, pronunciadas
A norma culta é responsável por representar as práticas lin- da mesma forma, são facilmente confundidas pelos falantes. Qual a
guísticas embasadas nos modelos de uso encontrados em textos diferença entre mal e mau? Mal é um advérbio, antônimo de bem.
formais. É o modelo que deve ser utilizado na escrita, sobretudo Mau é o adjetivo contrário de bom.
nos textos não literários, pois segue rigidamente as regras gramati-
cais. A norma culta conta com maior prestígio social e normalmente “Vir”, “Ver” e “Vier”
é associada ao nível cultural do falante: quanto maior a escolariza- A conjugação desses verbos pode causar confusão em algumas
ção, maior a adequação com a língua padrão. situações, como por exemplo no futuro do subjuntivo. O correto é,
Exemplo: por exemplo, “quando você o vir”, e não “quando você o ver”.
Venho solicitar a atenção de Vossa Excelência para que seja Já no caso do verbo “ir”, a conjugação correta deste tempo ver-
conjurada uma calamidade que está prestes a desabar em cima bal é “quando eu vier”, e não “quando eu vir”.
da juventude feminina do Brasil. Refiro-me, senhor presidente, ao
movimento entusiasta que está empolgando centenas de moças, “Ao invés de” ou “em vez de”
atraindo-as para se transformarem em jogadoras de futebol, sem “Ao invés de” significa “ao contrário” e deve ser usado apenas
se levar em conta que a mulher não poderá praticar este esporte para expressar oposição.
violento sem afetar, seriamente, o equilíbrio fisiológico de suas fun- Por exemplo: Ao invés de virar à direita, virei à esquerda.
ções orgânicas, devido à natureza que dispôs a ser mãe. Já “em vez de” tem um significado mais abrangente e é usado
principalmente como a expressão “no lugar de”. Mas ele também
A Linguagem Popular ou Coloquial pode ser usado para exprimir oposição. Por isso, os linguistas reco-
É aquela usada espontânea e fluentemente pelo povo. Mos- mendam usar “em vez de” caso esteja na dúvida.
tra-se quase sempre rebelde à norma gramatical e é carregada de
vícios de linguagem (solecismo – erros de regência e concordância; Por exemplo: Em vez de ir de ônibus para a escola, fui de bici-
barbarismo – erros de pronúncia, grafia e flexão; ambiguidade; ca- cleta.
cofonia; pleonasmo), expressões vulgares, gírias e preferência pela
coordenação, que ressalta o caráter oral e popular da língua. A lin- “Para mim” ou “para eu”
guagem popular está presente nas conversas familiares ou entre Os dois podem estar certos, mas, se você vai continuar a frase
amigos, anedotas, irradiação de esportes, programas de TV e audi- com um verbo, deve usar “para eu”.
tório, novelas, na expressão dos esta dos emocionais etc. Por exemplo: Mariana trouxe bolo para mim; Caio pediu para
eu curtir as fotos dele.
Dúvidas mais comuns da norma culta
“Tem” ou “têm”
Perca ou perda Tanto “tem” como “têm” fazem parte da conjugação do verbo
Isto é uma perda de tempo ou uma perca de tempo? Tomara “ter” no presente. Mas o primeiro é usado no singular, e o segundo
que ele não perca o ônibus ou não perda o ônibus? Quais são as fra- no plural.
ses corretas com perda e perca? Certo: Isto é uma perda de tempo.

38
LÍNGUA PORTUGUESA
Por exemplo: Você tem medo de mudança; Eles têm medo de (C) sábio.
mudança. (D) também.
(E) lâmpada.
“Há muitos anos”, “muitos anos atrás” ou “há muitos anos
atrás” 7. (ESAF – SRF – AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL – 2003)
Usar “Há” e “atrás” na mesma frase é uma redundância, já que Indique o item em que todas as palavras estão corretamente em-
ambas indicam passado. O correto é usar um ou outro. pregadas e grafadas.
Por exemplo: A erosão da encosta começou há muito tempo; O (A) A pirâmide carcerária assegura um contexto em que o po-
romance começou muito tempo atrás. der de infringir punições legais a cidadãos aparece livre de
Sim, isso quer dizer que a música Eu nasci há dez mil anos atrás, qualquer excesso e violência.
de Raul Seixas, está incorreta. (B) Nos presídios, os chefes e subchefes não devem ser exata-
mente nem juízes, nem professores, nem contramestres, nem
suboficiais, nem “pais”, porém avocam a si um pouco de tudo
isso, num modo de intervenção específico.
EXERCÍCIOS (C) O carcerário, ao homogeinizar o poder legal de punir e o
poder técnico de disciplinar, ilide o que possa haver de violento
1. (NCE/UFRJ – TRE/RJ – AUXILIAR JUDICIÁRIO – 2001) O item em um e de arbitrário no outro, atenuando os efeitos de revol-
abaixo que apresenta erradamente uma separação de sílabas é: ta que ambos possam suscitar.
(A) trans-o-ce-â-ni-co; (D) No singular poder de punir, nada mais lembra o antigo p
(B) cor-rup-te-la; der do soberano iminente que vingava sua autoridade sobre o
(C) sub-li-nhar; corpo dos supliciados.
(D) pneu-má-ti-co; (E) A existência de uma proibição legal cria em torno dela um
campo de práticas ilegais, sob o qual se chega a exercer con-
2. (FGV – SPTRANS – ESPECIALISTA EM TRANSPORTES – 2001) trole e aferir lucro ilícito, mas que se torna manejável por sua
Assinale a alternativa em que o x representa fonema igual ao de organização em delinqüência.
“exame”.
(A) exceto. 8. (FCC – METRÔ/SP – ASSISTENTE ADMINISTRATIVO JÚNIOR –
(B) enxame. 2012) A frase que apresenta INCORREÇÕES quanto à ortografia é:
(C) óxido. (A) Quando jovem, o compositor demonstrava uma capacidade
(D) exequível. extraordinária de imitar vários estilos musicais.
(B) Dizem que o músico era avesso à ideia de expressar senti-
3. (FUNDEC – TJ/MG – OFICIAL DE JUSTIÇA – 2002) Todas as mentos pessoais por meio de sua música.
palavras a seguir apresentam o mesmo número de sílabas e são pa- (C) Poucos estudiosos se despõem a discutir o empacto das
roxítonas, EXCETO: composições do músico na cultura ocidental.
(A) gratuito; (D) Salvo algumas exceções, a maioria das óperas do compo-
(B) silencio; sitor termina em uma cena de reconciliação entre os persona-
(C) insensível; gens.
(D) melodia. (E) Alguns acreditam que o valor da obra do compositor se
deve mais à árdua dedicação do que a arroubos de inspiração.
4. (FDC – PROFESSOR DE PORTUGUÊS II – 2005) Marque a série
em que o hífen está corretamente empregado nas cinco palavras:
9. (CESGRANRIO – FINEP – TÉCNICO – 2011) A vírgula pode ser
(A) pré-nupcial, ante-diluviano, anti-Cristo, ultra-violeta, infra-
retirada sem prejuízo para o significado e mantendo a norma pa-
-vermelho.
drão na seguinte sentença:
(B) vice-almirante, ex-diretor, super-intendente, extrafino, in-
(A) Mário, vem falar comigo depois do expediente.
fra-assinado.
(B) Amanhã, apresentaremos a proposta de trabalho.
(C) anti-alérgico, anti-rábico, ab-rupto, sub-rogar, antihigiênico.
(D) extraoficial, antessala, contrassenso, ultrarrealismo, con- (C) Telefonei para o Tavares, meu antigo chefe.
trarregra. (D) Encomendei canetas, blocos e crachás para a reunião.
(E) co-seno, contra-cenar, sobre-comum, sub-humano, infra- (E) Entrou na sala, cumprimentou a todos e iniciou o discurso.
-mencionado.
10. (CESGRANRIO – PETROBRAS – TÉCNICO DE ENFERMAGEM
5. (FUNIVERSA – CEB – ADVOGADO – 2010) Assinale a alterna- DO TRABALHO – 2011) Há ERRO quanto ao emprego dos sinais de
tiva em que todas as palavras são acentuadas pela mesma razão. pontuação em:
(A) “Brasília”, “prêmios”, “vitória”. (A) Ao dizer tais palavras, levantou-se, despediu-se dos convi-
(B) “elétrica”, “hidráulica”, “responsáveis”. dados e retirou-se da sala: era o final da reunião.
(C) “sérios”, “potência”, “após”. (B) Quem disse que, hoje, enquanto eu dormia, ela saiu sorra-
(D) “Goiás”, “já”, “vários”. teiramente pela porta?
(E) “solidária”, “área”, “após”. (C) Na infância, era levada e teimosa; na juventude, tornou-se
tímida e arredia; na velhice, estava sempre alheia a tudo.
6. (CESGRANRIO – CMB – ASSISTENTE TÉCNICO ADMINISTRA- (D) Perdida no tempo, vinham-lhe à lembrança a imagem mui-
TIVO – 2012) Algumas palavras são acentuadas com o objetivo ex- to branca da mãe, as brincadeiras no quintal, à tarde, com os
clusivo de distingui-las de outras. Uma palavra acentuada com esse irmãos e o mundo mágico dos brinquedos.
objetivo é a seguinte: (E) Estava sempre dizendo coisas de que mais tarde se arre-
(A) pôr. penderia. Prometia a si própria que da próxima vez, tomaria
(B) ilhéu. cuidado com as palavras, o que entretanto, não acontecia.

39
LÍNGUA PORTUGUESA
11. (FCC – INFRAERO – ADMINISTRADOR – 2011) Está inteira- 16. Assinale a alternativa que apresenta a correta classificação
mente correta a pontuação do seguinte período: morfológica do pronome “alguém” (l. 44).
(A) Os personagens principais de uma história, responsáveis (A) Pronome demonstrativo.
pelo sentido maior dela, dependem, muitas vezes, de peque- (B) Pronome relativo.
nas providências que, tomadas por figurantes aparentemente (C) Pronome possessivo.
sem importância, ditam o rumo de toda a história. (D) Pronome pessoal.
(B) Os personagens principais, de uma história, responsáveis (E) Pronome indefinido.
pelo sentido maior dela, dependem muitas vezes, de pequenas
providências que tomadas por figurantes, aparentemente sem 17. Em relação à classe e ao emprego de palavras no texto, na
importância, ditam o rumo de toda a história. oração “A abordagem social constitui-se em um processo de traba-
(C) Os personagens principais de uma história, responsáveis lho planejado de aproximação” (linhas 1 e 2), os vocábulos subli-
pelo sentido maior dela dependem muitas vezes de pequenas nhados classificam-se, respectivamente, em
providências, que, tomadas por figurantes aparentemente, (A) preposição, pronome, artigo, adjetivo e substantivo.
sem importância, ditam o rumo de toda a história. (B) pronome, preposição, artigo, substantivo e adjetivo.
(D) Os personagens principais, de uma história, responsáveis (C) conjunção, preposição, numeral, substantivo e pronome.
pelo sentido maior dela, dependem, muitas vezes de pequenas (D) pronome, conjunção, artigo, adjetivo e adjetivo.
providências, que tomadas por figurantes aparentemente sem (E) conjunção, conjunção, numeral, substantivo e advérbio.
importância, ditam o rumo de toda a história.
(E) Os personagens principais de uma história, responsáveis, 18. (VUNESP – TJ/SP – ESCREVENTE TÉCNICO JUDICIÁRIO –
pelo sentido maior dela, dependem muitas vezes de peque- 2011) Assinale a alternativa em que a concordância verbal está cor-
nas providências, que tomadas por figurantes, aparentemente, reta.
sem importância, ditam o rumo de toda a história. (A) Haviam cooperativas de catadores na cidade de São Paulo.
(B) O lixo de casas e condomínios vão para aterros.
12. (CONSULPLAN – ANALISTA DE INFORMÁTICA (SDS-SC) – (C) O tratamento e a destinação corretos do lixo evitaria que
2008) A alternativa em que todas as palavras são formadas pelo 35% deles fosse despejado em aterros.
mesmo processo de formação é: (D) Fazem dois anos que a prefeitura adia a questão do lixo.
(A) responsabilidade, musicalidade, defeituoso; (E) Somos nós quem paga a conta pelo descaso com a coleta
(B) cativeiro, incorruptíveis, desfazer; de lixo.
(C) deslealdade, colunista, incrível;
(D) anoitecer, festeiro, infeliz; 19. (ESAF – CGU – ANALISTA DE FINANÇAS E CONTROLE – 2012)
(E) reeducação, dignidade, enriquecer. Assinale a opção que fornece a correta justificativa para as relações
de concordância no texto abaixo.
13. (IMA – PREF. BOA HORA/PI – PROCURADOR MUNICIPAL – O bom desempenho do lado real da economia proporcionou
2010) No verso “Para desentristecer, leãozinho”, Caetano Veloso um período de vigoroso crescimento da arrecadação. A maior lucra-
cria um neologismo. A opção que contém o processo de formação tividade das empresas foi decisiva para os resultados fiscais favo-
utilizado para formar a palavra nova e o tipo de derivação que a ráveis. Elevaram-se, de forma significativa e em valores reais, de-
palavra primitiva foi formada respectivamente é: flacionados pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), as
(A) derivação prefixal (des + entristecer); derivação parassinté- receitas do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ), a Contribuição
tica (en + trist + ecer); Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), e a Contribuição para o Finan-
(B) derivação sufixal (desentriste + cer); derivação imprópria ciamento da Seguridade Social (Cofins). O crescimento da massa de
(en + triste + cer); salários fez aumentar a arrecadação do Imposto de Renda Pessoa
(C) derivação regressiva (des + entristecer); derivação parassin- Física (IRPF) e a receita de tributação sobre a folha da previdência
tética (en + trist + ecer); social. Não menos relevantes foram os elevados ganhos de capital,
(D) derivação parassintética (en + trist + ecer); derivação prefi- responsáveis pelo aumento da arrecadação do IRPF.
xal (des + entristecer); (A) O uso do plural em “valores” é responsável pela flexão de
(E) derivação prefixal (en + trist + ecer); derivação parassintéti- plural em “deflacionados”.
ca (des + entristecer). (B) O plural em “resultados” é responsável pela flexão de plural
em “Elevaram-se”.
14. (IMA – PREF. BOA HORA/PI – PROCURADOR MUNICIPAL – (C) Emprega-se o singular em “proporcionou” para respeitar as
2010) A palavra “Olhar” em (meu olhar) é um exemplo de palavra regras de concordância com “economia”.
formada por derivação: (D) O singular em “a arrecadação” é responsável pela flexão de
(A) parassintética; singular em “fez aumentar”.
(B) prefixal; (E) A flexão de plural em “foram” justifica-se pela concordância
(C) sufixal; com “relevantes”.
(D) imprópria;
(E) regressiva. 20. (FCC – TRE/MG – TÉCNICO JUDICIÁRIO – 2005) As liberda-
des ...... se refere o autor dizem respeito a direitos ...... se ocupa a
15. (CESGRANRIO – BNDES – ADVOGADO – 2004) No título do nossa Constituição. Preenchem de modo correto as lacunas da frase
artigo “A tal da demanda social”, a classe de palavra de “tal” é: acima, na ordem dada, as expressões:
(A) pronome; (A) a que – de que;
(B) adjetivo; (B) de que – com que;
(C) advérbio; (C) a cujas – de cujos;
(D) substantivo; (D) à que – em que;
(E) preposição. (E) em que – aos quais.

40
LÍNGUA PORTUGUESA
21. (ESAF – CGU – ANALISTA DE FINANÇAS E CONTROLE – 2008) (C) Oração coordenada sindética adversativa.
Assinale o trecho que apresenta erro de regência. (D) Oração coordenada sindética explicativa.
(A) Depois de um longo período em que apresentou taxas de (E) Oração coordenada sindética alternativa.
crescimento econômico que não iam além dos 3%, o Brasil fe-
cha o ano de 2007 com uma expansão de 5,3%, certamente a 26. (AOCP – PREF. DE CATU/BA – BIBLIOTECÁRIO – 2007) Leia
maior taxa registrada na última década. a seguinte sentença: Não precisaremos voltar ao médico nem fazer
(B) Os dados ainda não são definitivos, mas tudo sugere que exames. Assinale a alternativa que classifica corretamente as duas
serão confirmados. A entidade responsável pelo estudo foi a orações.
conhecida Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL). (A) Oração coordenada assindética e oração coordenada adver-
(C) Não há dúvida de que os números são bons, num momento sativa.
em que atingimos um bom superávit em conta-corrente, em (B) Oração principal e oração coordenada sindética aditiva.
que se revela queda no desemprego e até se anuncia a am- (C) Oração coordenada assindética e oração coordenada adi-
pliação de nossas reservas monetárias, além da descoberta de tiva.
novas fontes de petróleo. (D) Oração principal e oração subordinada adverbial consecu-
(D) Mesmo assim, olhando-se para os vizinhos de continente, tiva.
percebe-se que nossa performance é inferior a que foi atribuí- (E) Oração coordenada assindética e oração coordenada adver-
da a Argentina (8,6%) e a alguns outros países com participação bial consecutiva.
menor no conjunto dos bens produzidos pela América Latina.
(E) Nem é preciso olhar os exemplos da China, Índia e Rússia, 27. (EMPASIAL – TJ/SP – ESCREVENTE JUDICIÁRIO – 1999) Ana-
com crescimento acima desses patamares. Ao conjunto inteiro lise sintaticamente a oração em destaque:
da América Latina, o organismo internacional está atribuindo “Bem-aventurados os que ficam, porque eles serão recompen-
um crescimento médio, em 2007, de 5,6%, um pouco maior do sados” (Machado de Assis).
que o do Brasil. (A) oração subordinada substantiva completiva nominal.
(B) oração subordinada adverbial causal.
22. (FGV – SENADO FEDERAL – POLICIAL LEGISLATIVO FEDERAL (C) oração subordinada adverbial temporal desenvolvida.
– 2008) Assinale a alternativa em que se tenha optado corretamen- (D) oração coordenada sindética conclusiva.
te por utilizar ou não o acento grave indicativo de crase. (E) oração coordenada sindética explicativa.
(A) Vou à Brasília dos meus sonhos.
(B) Nosso expediente é de segunda à sexta. 28. (FGV – SENADO FEDERAL – TÉCNICO LEGISLATIVO – ADMI-
(C) Pretendo viajar a Paraíba. NISTRAÇÃO – 2008) “Mas o fato é que transparência deixou de ser
(D) Ele gosta de bife à cavalo. um processo de observação cristalina para assumir um discurso de
políticas de averiguação de custos engessadas que pouco ou quase
23. (FDC – MAPA – ANALISTA DE SISTEMAS – 2010) Na oração nada retratam as necessidades de populações distintas.”.
“Eles nos deixaram À VONTADE” e no trecho “inviabilizando o ata- A oração grifada no trecho acima classifica-se como:
que, que, naturalmente, deveria ser feito À DISTÂNCIA”, observa-se (A) subordinada substantiva predicativa;
a ocorrência da crase nas locuções adverbiais em caixa-alta. Nas (B) subordinada adjetiva restritiva;
locuções das frases abaixo também ocorre a crase, que deve ser (C) subordinada substantiva subjetiva;
marcada com o acento, EXCETO em: (D) subordinada substantiva objetiva direta;
(A) Todos estavam à espera de uma solução para o problema. (E) subordinada adjetiva explicativa.
(B) À proporção que o tempo passava, maior era a angústia do
eleitorado pelo resultado final. 29. (FUNCAB – PREF. PORTO VELHO/RO – MÉDICO – 2009) No
(C) Um problema à toa emperrou o funcionamento do sistema. trecho abaixo, as orações introduzidas pelos termos grifados são
(D) Os técnicos estavam face à face com um problema insolú- classificadas, em relação às imediatamente anteriores, como:
vel. “Não há dúvida de que precisaremos curtir mais o dia a dia,
(E) O Tribunal ficou à mercê dos hackers que invadiram o sis- mas nunca à custa de nossos filhos...”
tema. (A) subordinada substantiva objetiva indireta e coordenada sin-
dética adversativa;
24. Levando-se em consideração os conceitos de frase, oração (B) subordinada adjetiva restritiva e coordenada sindética ex-
e período, é correto afirmar que o trecho abaixo é considerado um plicativa;
(a): (C) subordinada adverbial conformativa e subordinada adver-
“A expectativa é que o México, pressionado pelas mudanças bial concessiva;
americanas, entre na fila.” (D) subordinada substantiva completiva nominal e coordenada
(A) Frase, uma vez que é composta por orações coordenadas e sindética adversativa;
subordinadas. (E) subordinada adjetiva restritiva e subordinada adverbial con-
(B) Período, composto por três orações. cessiva.
(C) Oração, pois possui sentido completo.
(D) Período, pois é composto por frases e orações. 30. (ACEP – PREF. QUIXADÁ/CE – PSICÓLOGO – 2010) No pe-
ríodo “O essencial é o seguinte: //nunca antes neste país houve um
25. (AOCP – PREF. DE CATU/BA – MECÂNICO DE VEÍCULOS – governo tão imbuído da ideia // de que veio // para recomeçar a
2007) Leia a seguinte sentença: Joana tomou um sonífero e não dor- história.”, a oração sublinhada é classificada como:
miu. Assinale a alternativa que classifica corretamente a segunda (A) coordenada assindética;
oração. (B) subordinada substantiva completiva nominal;
(A) Oração coordenada assindética aditiva. (C) subordinada substantiva objetiva indireta;
(B) Oração coordenada sindética aditiva. (D) subordinada substantiva apositiva.

41
LÍNGUA PORTUGUESA
31. (CESGRANRIO – SEPLAG/BA – PROFESSOR PORTUGUÊS – Estavam nisto, quando a costureira chegou à casa da baronesa.
2010) Estabelece relação de hiperonímia/hiponímia, nessa ordem, Não sei se disse que isto se passava em casa de uma baronesa, que
o seguinte par de palavras: tinha a modista ao pé de si, para não andar atrás dela. Chegou a
(A) estrondo – ruído; costureira, pegou do pano, pegou da agulha, pegou da linha, en-
(B) pescador – trabalhador; fiou a linha na agulha, e entrou a coser. Uma e outra iam andando
(C) pista – aeroporto; orgulhosas, pelo pano adiante, que era a melhor das sedas, entre
(D) piloto – comissário; os dedos da costureira, ágeis como os galgos de Diana — para dar a
(E) aeronave – jatinho. isto uma cor poética. E dizia a agulha:
— Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco?
32. (VUNESP – SEAP/SP – AGENTE DE ESCOLTA E VIGILÂNCIA Não repara que esta distinta costureira só se importa comigo; eu é
PENITENCIÁRIA – 2012) No trecho – Para especialistas, fica uma que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a eles, furando abaixo
questão: até que ponto essa exuberância econômica no Brasil é e acima…
sustentável ou é apenas mais uma bolha? – o termo em destaque A linha não respondia nada; ia andando. Buraco aberto pela
tem como antônimo: agulha era logo enchido por ela, silenciosa e ativa, como quem sabe
(A) fortuna; o que faz, e não está para ouvir palavras loucas. A agulha vendo que
(B) opulência; ela não lhe dava resposta, calou-se também, e foi andando. E era
(C) riqueza; tudo silêncio na saleta de costura; não se ouvia mais que o plic-pli-
(D) escassez; c-plic-plic da agulha no pano. Caindo o sol, a costureira dobrou a
(E) abundância. costura, para o dia seguinte; continuou ainda nesse e no outro, até
que no quarto acabou a obra, e ficou esperando o baile.
33. (FEMPERJ – VALEC – JORNALISTA – 2012) Intertextualidade Veio a noite do baile, e a baronesa vestiu-se. A costureira, que
é a presença de um texto em outro; o pensamento abaixo que NÃO a ajudou a vestir-se, levava a agulha espetada no corpinho, para
se fundamenta em intertextualidade é: dar algum ponto necessário. E enquanto compunha o vestido da
(A) “Se tudo o que é bom dura pouco, eu já deveria ter morrido bela dama, e puxava a um lado ou outro, arregaçava daqui ou dali,
há muito tempo.” alisando, abotoando, acolchetando, a linha, para mofar da agulha,
(B) “Nariz é essa parte do corpo que brilha, espirra, coça e se perguntou-lhe:
mete onde não é chamada.” — Ora agora, diga-me, quem é que vai ao baile, no corpo da
(C) “Une-te aos bons e será um deles. Ou fica aqui com a gente baronesa, fazendo parte do vestido e da elegância? Quem é que
mesmo!” vai dançar com ministros e diplomatas, enquanto você volta para
(D) “Vamos fazer o feijão com arroz. Se puder botar um ovo, a caixinha da costureira, antes de ir para o balaio das mucamas?
tudo bem.” Vamos, diga lá.
(E) “O Neymar é invendável, inegociável e imprestável.” Parece que a agulha não disse nada; mas um alfinete, de ca-
beça grande e não menor experiência, murmurou à pobre agulha:
Atenção: Leia o texto abaixo para responder as questões. — Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é
UM APÓLOGO que vai gozar da vida, enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faze
Machado de Assis. como eu, que não abro caminho para ninguém. Onde me espetam,
Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha: fico.
— Por que está você com esse ar, toda cheia de si, toda enrola- Contei esta história a um professor de melancolia, que me dis-
da, para fingir que vale alguma coisa neste mundo? se, abanando a cabeça: — Também eu tenho servido de agulha a
— Deixe-me, senhora. muita linha ordinária!
— Que a deixe? Que a deixe, por quê? Porque lhe digo que está
com um ar insuportável? Repito que sim, e falarei sempre que me 34. De acordo com o texto “Um Apólogo” de Machado de Assis
der na cabeça. e com a ilustração abaixo, e levando em consideração as persona-
— Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é agulha. gens presentes nas narrativas tanto verbal quanto visual, indique
Agulha não tem cabeça. Que lhe importa o meu ar? Cada qual tem a opção em que a fala não é compatível com a associação entre os
o ar que Deus lhe deu. Importe-se com a sua vida e deixe a dos elementos dos textos:
outros.
— Mas você é orgulhosa.
— Decerto que sou.
— Mas por quê?
— É boa! Porque coso. Então os vestidos e enfeites de nossa
ama, quem é que os cose, senão eu?
— Você? Esta agora é melhor. Você é que os cose? Você ignora
que quem os cose sou eu, e muito eu?
— Você fura o pano, nada mais; eu é que coso, prendo um pe-
daço ao outro, dou feição aos babados…
— Sim, mas que vale isso? Eu é que furo o pano, vou adiante,
puxando por você, que vem atrás, obedecendo ao que eu faço e
mando…
— Também os batedores vão adiante do imperador.
— Você é imperador?
— Não digo isso. Mas a verdade é que você faz um papel su-
balterno, indo adiante; vai só mostrando o caminho, vai fazendo o
trabalho obscuro e ínfimo. Eu é que prendo, ligo, ajunto…

42
LÍNGUA PORTUGUESA
(A) “- Por que está você com esse ar, toda cheia de si, toda en- Leia o texto abaixo para responder a questão.
rolada, para fingir que vale alguma coisa neste mundo?” (L.02) A lama que ainda suja o Brasil
(B) “- Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é agulha. Fabíola Perez(fabiola.perez@istoe.com.br)
Agulha não tem cabeça. Que lhe importa o meu ar?” (L.06)
(C) “- Sim, mas que vale isso? Eu é que furo o pano, vou adiante, A maior tragédia ambiental da história do País escancarou um
puxando por você, que vem atrás, obedecendo ao que eu faço dos principais gargalos da conjuntura política e econômica brasilei-
e mando...” (L.14-15) ra: a negligência do setor privado e dos órgãos públicos diante de
(D) “- Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco? um desastre de repercussão mundial. Confirmada a morte do Rio
Não repara que esta distinta costureira só se importa comigo; Doce, o governo federal ainda não apresentou um plano de recu-
eu é que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a eles, furando peração efetivo para a área (apenas uma carta de intenções). Tam-
abaixo e acima.” (L.25-26) pouco a mineradora Samarco, controlada pela brasileira Vale e pela
(E) “- Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela anglo-australiana BHP Billiton. A única medida concreta foi a aplica-
e ela é que vai gozar da vida, enquanto aí ficas na caixinha de ção da multa de R$ 250 milhões – sendo que não há garantias de
costura. Faze como eu, que não abro caminho para ninguém. que ela será usada no local. “O leito do rio se perdeu e a calha pro-
Onde me espetam, fico.” (L.40-41) funda e larga se transformou num córrego raso”, diz Malu Ribeiro,
coordenadora da rede de águas da Fundação SOS Mata Atlântica,
35. O diminutivo, em Língua Portuguesa, pode expressar outros sobre o desastre em Mariana, Minas Gerais. “O volume de rejeitos
valores semânticos além da noção de dimensão, como afetividade, se tornou uma bomba relógio na região.”
pejoratividade e intensidade. Nesse sentido, pode-se afirmar que Para agravar a tragédia, a empresa declarou que existem riscos
os valores semânticos utilizados nas formas diminutivas “unidi- de rompimento nas barragens de Germano e de Santarém. Segun-
nha”(L.26) e “corpinho”(L.32), são, respectivamente, de: do o Departamento Nacional de Produção Mineral, pelo menos 16
(A) dimensão e pejoratividade; barragens de mineração em todo o País apresentam condições de
(B) afetividade e intensidade; insegurança. “O governo perdeu sua capacidade de aparelhar ór-
(C) afetividade e dimensão; gãos técnicos para fiscalização”, diz Malu. Na direção oposta
(D) intensidade e dimensão; Ao caminho da segurança, está o projeto de lei 654/2015, do
(E) pejoratividade e afetividade. senador Romero Jucá (PMDB-RR) que prevê licença única em um
tempo exíguo para obras consideradas estratégicas. O novo mar-
36. Em um texto narrativo como “Um Apólogo”, é muito co- co regulatório da mineração, por sua vez, também concede priori-
mum uso de linguagem denotativa e conotativa. Assinale a alterna- dade à ação de mineradoras. “Ocorrerá um aumento dos conflitos
tiva cujo trecho retirado do texto é uma demonstração da expressi- judiciais, o que não será interessante para o setor empresarial”, diz
vidade dos termos “linha” e “agulha” em sentido figurado. Maurício Guetta, advogado do Instituto Sócio Ambiental (ISA). Com
(A) “- É boa! Porque coso. Então os vestidos e enfeites de nossa o avanço dessa legislação outros danos irreversíveis podem ocorrer.
ama, quem é que os cose, senão eu?” (L.11) FONTE: http://www.istoe.com.br/reportagens/441106_A+LA MA+-
(B) “- Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é agulha. QUE+AINDA+SUJA+O+BRASIL
Agulha não tem cabeça.” (L.06)
(C) “- Você fura o pano, nada mais; eu é que coso, prendo um 38. Observe as assertivas relacionadas ao texto lido:
pedaço ao outro, dou feição aos babados...” (L.13) I. O texto é predominantemente narrativo, já que narra um
(D) “- Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordi- fato.
nária!” (L.43) II. O texto é predominantemente expositivo, já que pertence ao
(E) “- Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco?” gênero textual editorial.
(L.25) III. O texto é apresenta partes narrativas e partes expositivas, já
que se trata de uma reportagem.
37. De acordo com a temática geral tratada no texto e, de modo IV. O texto apresenta partes narrativas e partes expositivas, já
metafórico, considerando as relações existentes em um ambiente se trata de um editorial.
de trabalho, aponte a opção que NÃO corresponde a uma ideia pre-
sente no texto: Analise as assertivas e responda:
(A) O texto sinaliza que, normalmente, não há uma relação (A) Somente a I é correta.
equânime em ambientes coletivos de trabalho; (B) Somente a II é incorreta.
(B) O texto sinaliza que, normalmente, não há uma relação (C) Somente a III é correta
equânime em ambientes coletivos de trabalho; (D) A III e IV são corretas.
(C) O texto indica que, em um ambiente coletivo de trabalho,
cada sujeito possui atribuições próprias.
(D) O texto sugere que o reconhecimento no ambiente cole-
tivo de trabalho parte efetivamente das próprias atitudes do
GABARITO
sujeito.
(E) O texto revela que, em um ambiente coletivo de trabalho, 01 A
frequentemente é difícil lidar com as vaidades individuais.
02 D
03 A
04 D
05 A
06 A

43
LÍNGUA PORTUGUESA

07 B ANOTAÇÕES
08 C
09 B ______________________________________________________
10 E ______________________________________________________
11 A
______________________________________________________
12 A
13 A ______________________________________________________
14 D ______________________________________________________
15 A
______________________________________________________
16 E
______________________________________________________
17 B
18 E ______________________________________________________
19 A ______________________________________________________
20 A
______________________________________________________
21 D
22 A ______________________________________________________

23 D _____________________________________________________
24 B
_____________________________________________________
25 C
______________________________________________________
26 C
27 E ______________________________________________________
28 A ______________________________________________________
29 D
______________________________________________________
30 B
31 E ______________________________________________________

32 D ______________________________________________________
33 E ______________________________________________________
34 E
______________________________________________________
35 D
36 D ______________________________________________________
37 D ______________________________________________________
38 D
______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

44
MATEMÁTICA
1. Raciocínio Lógico E Matemático: Resolução De Problemas Envolvendo Frações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02
3. Porcentagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
4. Sequências (Com Números, Com Figuras, De Palavras) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
5. Raciocínio Lógico-Matemático: Proposições, Conectivos, Equivalência E Implicação Lógica, Argumentos Válidos . . . . . . . . . . . . . . 25
MATEMÁTICA

RACIOCÍNIO LÓGICO E MATEMÁTICO: RESOLUÇÃO


DE PROBLEMAS ENVOLVENDO FRAÇÕES

Fração é todo número que pode ser escrito da seguinte forma


a/b, com b≠0. Sendo a o numerador e b o denominador. Uma fra-
ção é uma divisão em partes iguais. Observe a figura:
O MMC entre os denominadores (3,2) = 6

• Multiplicação e Divisão
Multiplicação: É produto dos numerados pelos denominadores
dados. Ex.:

O numerador indica quantas partes tomamos do total que foi


dividida a unidade.
O denominador indica quantas partes iguais foi dividida a uni-
dade.
Lê-se: um quarto.

Atenção:
• Frações com denominadores de 1 a 10: meios, terços, quar-
tos, quintos, sextos, sétimos, oitavos, nonos e décimos. – Divisão: É igual a primeira fração multiplicada pelo inverso da
• Frações com denominadores potências de 10: décimos, cen- segunda fração. Ex.:
tésimos, milésimos, décimos de milésimos, centésimos de milési-
mos etc.
• Denominadores diferentes dos citados anteriormente:
Enuncia-se o numerador e, em seguida, o denominador seguido da
palavra “avos”.

Tipos de frações Obs.: Sempre que possível podemos simplificar o resultado da


– Frações Próprias: Numerador é menor que o denominador. fração resultante de forma a torna-la irredutível.
Ex.: 7/15
– Frações Impróprias: Numerador é maior ou igual ao denomi- Exemplo:
nador. Ex.: 6/7 (EBSERH/HUPES – UFBA – TÉCNICO EM INFORMÁTICA – IA-
– Frações aparentes: Numerador é múltiplo do denominador. DES) O suco de três garrafas iguais foi dividido igualmente entre 5
As mesmas pertencem também ao grupo das frações impróprias. pessoas. Cada uma recebeu
Ex.: 6/3
– Frações mistas: Números compostos de uma parte inteira e (A)
outra fracionária. Podemos transformar uma fração imprópria na
forma mista e vice e versa. Ex.: 1 1/12 (um inteiro e um doze avos)
– Frações equivalentes: Duas ou mais frações que apresentam (B)
a mesma parte da unidade. Ex.: 2/4 = 1/2
– Frações irredutíveis: Frações onde o numerador e o denomi-
nador são primos entre si. Ex.: 5/11 ; (C)

Operações com frações


(D)
• Adição e Subtração
Com mesmo denominador: Conserva-se o denominador e so-
ma-se ou subtrai-se os numeradores. (E)

Resolução:
Se cada garrafa contém X litros de suco, e eu tenho 3 garrafas,
então o total será de 3X litros de suco. Precisamos dividir essa quan-
Com denominadores diferentes: é necessário reduzir ao mes- tidade de suco (em litros) para 5 pessoas, logo teremos:
mo denominador através do MMC entre os denominadores. Usa-
mos tanto na adição quanto na subtração.

Onde x é litros de suco, assim a fração que cada um recebeu de


suco é de 3/5 de suco da garrafa.
Resposta: B

1
MATEMÁTICA

CONJUNTOS

Conjunto dos números inteiros - z


O conjunto dos números inteiros é a reunião do conjunto dos números naturais N = {0, 1, 2, 3, 4,..., n,...},(N C Z); o conjunto dos opos-
tos dos números naturais e o zero. Representamos pela letra Z.

N C Z (N está contido em Z)

Subconjuntos:

SÍMBOLO REPRESENTAÇÃO DESCRIÇÃO


* Z* Conjunto dos números inteiros não nulos
+ Z+ Conjunto dos números inteiros não negativos
*e+ Z*+ Conjunto dos números inteiros positivos
- Z_ Conjunto dos números inteiros não positivos
*e- Z*_ Conjunto dos números inteiros negativos

Observamos nos números inteiros algumas características:


• Módulo: distância ou afastamento desse número até o zero, na reta numérica inteira. Representa-se o módulo por | |. O módulo de
qualquer número inteiro, diferente de zero, é sempre positivo.
• Números Opostos: dois números são opostos quando sua soma é zero. Isto significa que eles estão a mesma distância da origem
(zero).

Somando-se temos: (+4) + (-4) = (-4) + (+4) = 0

Operações
• Soma ou Adição: Associamos aos números inteiros positivos a ideia de ganhar e aos números inteiros negativos a ideia de perder.

ATENÇÃO: O sinal (+) antes do número positivo pode ser dispensado, mas o sinal (–) antes do número negativo nunca pode ser
dispensado.

• Subtração: empregamos quando precisamos tirar uma quantidade de outra quantidade; temos duas quantidades e queremos saber
quanto uma delas tem a mais que a outra; temos duas quantidades e queremos saber quanto falta a uma delas para atingir a outra. A
subtração é a operação inversa da adição. O sinal sempre será do maior número.

2
MATEMÁTICA
ATENÇÃO: todos parênteses, colchetes, chaves, números, ..., Resolução:
entre outros, precedidos de sinal negativo, tem o seu sinal inverti- São 8 livros de 2 cm: 8.2 = 16 cm
do, ou seja, é dado o seu oposto. Como eu tenho 52 cm ao todo e os demais livros tem 3 cm,
temos:
Exemplo: 52 - 16 = 36 cm de altura de livros de 3 cm
(FUNDAÇÃO CASA – AGENTE EDUCACIONAL – VUNESP) Para 36 : 3 = 12 livros de 3 cm
zelar pelos jovens internados e orientá-los a respeito do uso ade- O total de livros da pilha: 8 + 12 = 20 livros ao todo.
quado dos materiais em geral e dos recursos utilizados em ativida- Resposta: D
des educativas, bem como da preservação predial, realizou-se uma
dinâmica elencando “atitudes positivas” e “atitudes negativas”, no • Potenciação: A potência an do número inteiro a, é definida
entendimento dos elementos do grupo. Solicitou-se que cada um como um produto de n fatores iguais. O número a é denominado a
classificasse suas atitudes como positiva ou negativa, atribuindo base e o número n é o expoente.an = a x a x a x a x ... x a , a é multi-
(+4) pontos a cada atitude positiva e (-1) a cada atitude negativa. plicado por a n vezes. Tenha em mente que:
Se um jovem classificou como positiva apenas 20 das 50 atitudes – Toda potência de base positiva é um número inteiro positivo.
anotadas, o total de pontos atribuídos foi – Toda potência de base negativa e expoente par é um número
(A) 50. inteiro positivo.
(B) 45. – Toda potência de base negativa e expoente ímpar é um nú-
(C) 42. mero inteiro negativo.
(D) 36.
(E) 32. Propriedades da Potenciação
1) Produtos de Potências com bases iguais: Conserva-se a base
Resolução: e somam-se os expoentes. (–a)3 . (–a)6 = (–a)3+6 = (–a)9
50-20=30 atitudes negativas 2) Quocientes de Potências com bases iguais: Conserva-se a
20.4=80 base e subtraem-se os expoentes. (-a)8 : (-a)6 = (-a)8 – 6 = (-a)2
30.(-1)=-30 3) Potência de Potência: Conserva-se a base e multiplicam-se
80-30=50 os expoentes. [(-a)5]2 = (-a)5 . 2 = (-a)10
Resposta: A 4) Potência de expoente 1: É sempre igual à base. (-a)1 = -a e
(+a) = +a
1

• Multiplicação: é uma adição de números/ fatores repetidos. 5) Potência de expoente zero e base diferente de zero: É igual
Na multiplicação o produto dos números a e b, pode ser indicado a 1. (+a)0 = 1 e (–b)0 = 1
por a x b, a . b ou ainda ab sem nenhum sinal entre as letras.
Conjunto dos números racionais – Q m
• Divisão: a divisão exata de um número inteiro por outro nú- Um número racional é o que pode ser escrito na forma n , onde
mero inteiro, diferente de zero, dividimos o módulo do dividendo m e n são números inteiros, sendo que n deve ser diferente de zero.
pelo módulo do divisor. Frequentemente usamos m/n para significar a divisão de m por n.

ATENÇÃO:
1) No conjunto Z, a divisão não é comutativa, não é associativa
e não tem a propriedade da existência do elemento neutro.
2) Não existe divisão por zero.
3) Zero dividido por qualquer número inteiro, diferente de zero,
é zero, pois o produto de qualquer número inteiro por zero é igual
a zero.

Na multiplicação e divisão de números inteiros é muito impor-


tante a REGRA DE SINAIS:
N C Z C Q (N está contido em Z que está contido em Q)
Sinais iguais (+) (+); (-) (-) = resultado sempre positivo.
Subconjuntos:
Sinais diferentes (+) (-); (-) (+) = resultado sempre
negativo.
SÍMBOLO REPRESENTAÇÃO DESCRIÇÃO
Exemplo: Conjunto dos números
* Q*
(PREF.DE NITERÓI) Um estudante empilhou seus livros, obten- racionais não nulos
do uma única pilha 52cm de altura. Sabendo que 8 desses livros Conjunto dos números
possui uma espessura de 2cm, e que os livros restantes possuem + Q+
racionais não negativos
espessura de 3cm, o número de livros na pilha é:
(A) 10 Conjunto dos números
*e+ Q*+
(B) 15 racionais positivos
(C) 18 Conjunto dos números
- Q_
(D) 20 racionais não positivos
(E) 22 Conjunto dos números
*e- Q*_
racionais negativos

3
MATEMÁTICA
Representação decimal
Podemos representar um número racional, escrito na forma de fração, em número decimal. Para isso temos duas maneiras possíveis:
1º) O numeral decimal obtido possui, após a vírgula, um número finito de algarismos. Decimais Exatos:

2
= 0,4
5

2º) O numeral decimal obtido possui, após a vírgula, infinitos algarismos (nem todos nulos), repetindo-se periodicamente Decimais
Periódicos ou Dízimas Periódicas:

1
= 0,333...
3

Representação Fracionária
É a operação inversa da anterior. Aqui temos duas maneiras possíveis:

1) Transformando o número decimal em uma fração numerador é o número decimal sem a vírgula e o denominador é composto pelo
numeral 1, seguido de tantos zeros quantas forem as casas decimais do número decimal dado. Ex.:
0,035 = 35/1000

2) Através da fração geratriz. Aí temos o caso das dízimas periódicas que podem ser simples ou compostas.
– Simples: o seu período é composto por um mesmo número ou conjunto de números que se repeti infinitamente. Exemplos:

Procedimento: para transformarmos uma dízima periódica simples em fração basta utilizarmos o dígito 9 no denominador para cada
quantos dígitos tiver o período da dízima.

– Composta: quando a mesma apresenta um ante período que não se repete.

a)

Procedimento: para cada algarismo do período ainda se coloca um algarismo 9 no denominador. Mas, agora, para cada algarismo do
antiperíodo se coloca um algarismo zero, também no denominador.

4
MATEMÁTICA
b)

Procedimento: é o mesmo aplicado ao item “a”, acrescido na frente da parte inteira (fração mista), ao qual transformamos e obtemos
a fração geratriz.

Exemplo:
(PREF. NITERÓI) Simplificando a expressão abaixo

Obtém-se :

(A) ½
(B) 1
(C) 3/2
(D) 2
(E) 3

Resolução:

Resposta: B

Caraterísticas dos números racionais


O módulo e o número oposto são as mesmas dos números inteiros.

Inverso: dado um número racional a/b o inverso desse número (a/b)–n, é a fração onde o numerador vira denominador e o denomi-
nador numerador (b/a)n.

5
MATEMÁTICA
Representação geométrica • Multiplicação: como todo número racional é uma fração ou
pode ser escrito na forma de uma fração, definimos o produto de
dois números racionais a e c , da mesma forma que o produto de
b d
frações, através de:

Observa-se que entre dois inteiros consecutivos existem infini-


tos números racionais. • Divisão: a divisão de dois números racionais p e q é a própria
operação de multiplicação do número p pelo inverso de q, isto é: p
Operações ÷ q = p × q-1
• Soma ou adição: como todo número racional é uma fração
ou pode ser escrito na forma de uma fração, definimos a adição
entre os números racionais a e c , da mesma forma que a soma
de frações, através de: b d

Exemplo:
(PM/SE – SOLDADO 3ªCLASSE – FUNCAB) Numa operação
policial de rotina, que abordou 800 pessoas, verificou-se que 3/4
dessas pessoas eram homens e 1/5 deles foram detidos. Já entre as
• Subtração: a subtração de dois números racionais p e q é a mulheres abordadas, 1/8 foram detidas.
própria operação de adição do número p com o oposto de q, isto é: Qual o total de pessoas detidas nessa operação policial?
p – q = p + (–q) (A) 145
(B) 185
(C) 220
(D) 260
(E) 120

ATENÇÃO: Na adição/subtração se o denominador for igual, Resolução:


conserva-se os denominadores e efetua-se a operação apresen-
tada.

Exemplo:
(PREF. JUNDIAI/SP – AGENTE DE SERVIÇOS OPERACIONAIS
– MAKIYAMA) Na escola onde estudo, ¼ dos alunos tem a língua
portuguesa como disciplina favorita, 9/20 têm a matemática como
favorita e os demais têm ciências como favorita. Sendo assim, qual
fração representa os alunos que têm ciências como disciplina favo-
rita?
(A) 1/4
(B) 3/10
(C) 2/9
(D) 4/5
(E) 3/2

Resolução: Resposta: A
Somando português e matemática:
• Potenciação: é válido as propriedades aplicadas aos núme-
ros inteiros. Aqui destacaremos apenas as que se aplicam aos nú-
meros racionais.

A) Toda potência com expoente negativo de um número ra-


O que resta gosta de ciências: cional diferente de zero é igual a outra potência que tem a base
igual ao inverso da base anterior e o expoente igual ao oposto do
expoente anterior.

Resposta: B

6
MATEMÁTICA
B) Toda potência com expoente ímpar tem o mesmo sinal da base. Resolução:
Vamos resolver cada expressão separadamente:

C) Toda potência com expoente par é um número positivo.

Expressões numéricas
São todas sentenças matemáticas formadas por números, suas
operações (adições, subtrações, multiplicações, divisões, potencia-
ções e radiciações) e também por símbolos chamados de sinais de Resposta: E
associação, que podem aparecer em uma única expressão.
Múltiplos
Procedimentos Dizemos que um número é múltiplo de outro quando o primei-
1) Operações: ro é resultado da multiplicação entre o segundo e algum número
- Resolvermos primeiros as potenciações e/ou radiciações na natural e o segundo, nesse caso, é divisor do primeiro. O que sig-
ordem que aparecem; nifica que existem dois números, x e y, tal que x é múltiplo de y se
- Depois as multiplicações e/ou divisões; existir algum número natural n tal que:
- Por último as adições e/ou subtrações na ordem que apare- x = y·n
cem.
Se esse número existir, podemos dizer que y é um divisor de x e
2) Símbolos: podemos escrever: x = n/y
- Primeiro, resolvemos os parênteses ( ), até acabarem os cál-
culos dentro dos parênteses, Observações:
-Depois os colchetes [ ]; 1) Todo número natural é múltiplo de si mesmo.
- E por último as chaves { }. 2) Todo número natural é múltiplo de 1.
3) Todo número natural, diferente de zero, tem infinitos múl-
ATENÇÃO: tiplos.
– Quando o sinal de adição (+) anteceder um parêntese, col- 4) O zero é múltiplo de qualquer número natural.
chetes ou chaves, deveremos eliminar o parêntese, o colchete ou 5) Os múltiplos do número 2 são chamados de números pares,
chaves, na ordem de resolução, reescrevendo os números internos e a fórmula geral desses números é 2k (k ∈ N). Os demais são cha-
com os seus sinais originais. mados de números ímpares, e a fórmula geral desses números é 2k
– Quando o sinal de subtração (-) anteceder um parêntese, col- + 1 (k ∈ N).
chetes ou chaves, deveremos eliminar o parêntese, o colchete ou 6) O mesmo se aplica para os números inteiros, tendo k ∈ Z.
chaves, na ordem de resolução, reescrevendo os números internos
com os seus sinais invertidos. Critérios de divisibilidade
São regras práticas que nos possibilitam dizer se um número
Exemplo: é ou não divisível por outro, sem que seja necessário efetuarmos
(MANAUSPREV – ANALISTA PREVIDENCIÁRIO – ADMINISTRATI- a divisão.
VA – FCC) Considere as expressões numéricas, abaixo.

A = 1/2 + 1/4+ 1/8 + 1/16 + 1/32 e


B = 1/3 + 1/9 + 1/27 + 1/81 + 1/243

O valor, aproximado, da soma entre A e B é


(A) 2
(B) 3
(C) 1
(D) 2,5
(E) 1,5

7
MATEMÁTICA
No quadro abaixo temos um resumo de alguns dos critérios:

(Fonte: https://www.guiadamatematica.com.br/criterios-de-divisibilidade/ - reeditado)

Vale ressaltar a divisibilidade por 7: Um número é divisível por 7 quando o último algarismo do número, multiplicado por 2, subtraí-
do do número sem o algarismo, resulta em um número múltiplo de 7. Neste, o processo será repetido a fim de diminuir a quantidade de
algarismos a serem analisados quanto à divisibilidade por 7.

Outros critérios
Divisibilidade por 12: Um número é divisível por 12 quando é divisível por 3 e por 4 ao mesmo tempo.
Divisibilidade por 15: Um número é divisível por 15 quando é divisível por 3 e por 5 ao mesmo tempo.

Fatoração numérica
Trata-se de decompor o número em fatores primos. Para decompormos este número natural em fatores primos, dividimos o mesmo
pelo seu menor divisor primo, após pegamos o quociente e dividimos o pelo seu menor divisor, e assim sucessivamente até obtermos o
quociente 1. O produto de todos os fatores primos representa o número fatorado. Exemplo:

8
MATEMÁTICA
Divisores
Os divisores de um número n, é o conjunto formado por todos os números que o dividem exatamente. Tomemos como exemplo o
número 12.

Um método para descobrimos os divisores é através da fatoração numérica. O número de divisores naturais é igual ao produto dos
expoentes dos fatores primos acrescidos de 1.
Logo o número de divisores de 12 são:

Para sabermos quais são esses 6 divisores basta pegarmos cada fator da decomposição e seu respectivo expoente natural que varia de
zero até o expoente com o qual o fator se apresenta na decomposição do número natural.
12 = 22 . 31 =
22 = 20,21 e 22 ; 31 = 30 e 31, teremos:
20 . 30=1
20 . 31=3
21 . 30=2
21 . 31=2.3=6
22 . 31=4.3=12
22 . 30=4

O conjunto de divisores de 12 são: D (12)={1, 2, 3, 4, 6, 12}


A soma dos divisores é dada por: 1 + 2 + 3 + 4 + 6 + 12 = 28

Máximo divisor comum (MDC)


É o maior número que é divisor comum de todos os números dados. Para o cálculo do MDC usamos a decomposição em fatores pri-
mos. Procedemos da seguinte maneira:
Após decompor em fatores primos, o MDC é o produto dos FATORES COMUNS obtidos, cada um deles elevado ao seu MENOR EX-
POENTE.

Exemplo:
MDC (18,24,42) =

Observe que os fatores comuns entre eles são: 2 e 3, então pegamos os de menores expoentes: 2x3 = 6. Logo o Máximo Divisor Co-
mum entre 18,24 e 42 é 6.

Mínimo múltiplo comum (MMC)


É o menor número positivo que é múltiplo comum de todos os números dados. A técnica para acharmos é a mesma do MDC, apenas
com a seguinte ressalva:

9
MATEMÁTICA
O MMC é o produto dos FATORES COMUNS E NÃO-COMUNS,
cada um deles elevado ao SEU MAIOR EXPOENTE. Resolução:
Pegando o exemplo anterior, teríamos: Primeiro mês = x
MMC (18,24,42) = Segundo mês = x + 126
Fatores comuns e não-comuns= 2,3 e 7 Terceiro mês = x + 126 – 48 = x + 78
Com maiores expoentes: 2³x3²x7 = 8x9x7 = 504. Logo o Mínimo Total = x + x + 126 + x + 78 = 1176
Múltiplo Comum entre 18,24 e 42 é 504. 3.x = 1176 – 204
x = 972 / 3
Temos ainda que o produto do MDC e MMC é dado por: MDC x = R$ 324,00 (1º mês)
(A,B). MMC (A,B)= A.B * No 2º mês: 324 + 126 = R$ 450,00
Resposta: B
Os cálculos desse tipo de problemas, envolvem adições e sub-
trações, posteriormente as multiplicações e divisões. Depois os pro- (PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO/SP – AGENTE
blemas são resolvidos com a utilização dos fundamentos algébricos, DE ADMINISTRAÇÃO – VUNESP) Uma loja de materiais elétricos
isto é, criamos equações matemáticas com valores desconhecidos testou um lote com 360 lâmpadas e constatou que a razão entre o
(letras). Observe algumas situações que podem ser descritas com número de lâmpadas queimadas e o número de lâmpadas boas era
utilização da álgebra. 2 / 7. Sabendo-se que, acidentalmente, 10 lâmpadas boas quebra-
É bom ter mente algumas situações que podemos encontrar: ram e que lâmpadas queimadas ou quebradas não podem ser ven-
didas, então a razão entre o número de lâmpadas que não podem
ser vendidas e o número de lâmpadas boas passou a ser de
(A) 1 / 4.
(B) 1 / 3.
(C) 2 / 5.
(D) 1 / 2.
(E) 2 / 3.

Resolução:
Chamemos o número de lâmpadas queimadas de ( Q ) e o nú-
mero de lâmpadas boas de ( B ). Assim:
Exemplos: B + Q = 360 , ou seja, B = 360 – Q ( I )
(PREF. GUARUJÁ/SP – SEDUC – PROFESSOR DE MATEMÁTICA –
CAIPIMES) Sobre 4 amigos, sabe-se que Clodoaldo é 5 centímetros
mais alto que Mônica e 10 centímetros mais baixo que Andreia. Sa- , ou seja, 7.Q = 2.B ( II )
be-se também que Andreia é 3 centímetros mais alta que Doralice e
que Doralice não é mais baixa que Clodoaldo. Se Doralice tem 1,70 Substituindo a equação ( I ) na equação ( II ), temos:
metros, então é verdade que Mônica tem, de altura: 7.Q = 2. (360 – Q)
(A) 1,52 metros. 7.Q = 720 – 2.Q
(B) 1,58 metros. 7.Q + 2.Q = 720
(C) 1,54 metros. 9.Q = 720
(D) 1,56 metros. Q = 720 / 9
Q = 80 (queimadas)
Resolução: Como 10 lâmpadas boas quebraram, temos:
Escrevendo em forma de equações, temos: Q’ = 80 + 10 = 90 e B’ = 360 – 90 = 270
C = M + 0,05 ( I )
C = A – 0,10 ( II )
A = D + 0,03 ( III )
D não é mais baixa que C
Se D = 1,70 , então: Resposta: B
( III ) A = 1,70 + 0,03 = 1,73
( II ) C = 1,73 – 0,10 = 1,63
( I ) 1,63 = M + 0,05 PORCENTAGENS
M = 1,63 – 0,05 = 1,58 m
Resposta: B São chamadas de razões centesimais ou taxas percentuais ou
simplesmente de porcentagem, as razões de denominador 100, ou
(CEFET – AUXILIAR EM ADMINISTRAÇÃO – CESGRANRIO) Em seja, que representam a centésima parte de uma grandeza. Costu-
três meses, Fernando depositou, ao todo, R$ 1.176,00 em sua ca- mam ser indicadas pelo numerador seguido do símbolo %. (Lê-se:
derneta de poupança. Se, no segundo mês, ele depositou R$ 126,00 “por cento”).
a mais do que no primeiro e, no terceiro mês, R$ 48,00 a menos do
que no segundo, qual foi o valor depositado no segundo mês?
(A) R$ 498,00
(B) R$ 450,00
(C) R$ 402,00
(D) R$ 334,00
(E) R$ 324,00

10
MATEMÁTICA
Exemplo:
(CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP – ANALISTA TÉCNICO LEGISLATIVO – DESIGNER GRÁFICO – VUNESP) O depar-
tamento de Contabilidade de uma empresa tem 20 funcionários, sendo que 15% deles são estagiários. O departamento de Recursos Hu-
manos tem 10 funcionários, sendo 20% estagiários. Em relação ao total de funcionários desses dois departamentos, a fração de estagiários
é igual a
(A) 1/5.
(B) 1/6.
(C) 2/5.
(D) 2/9.
(E) 3/5.

Resolução:

Resposta: B

Lucro e Prejuízo em porcentagem


É a diferença entre o preço de venda e o preço de custo. Se a diferença for POSITIVA, temos o LUCRO (L), caso seja NEGATIVA, temos
PREJUÍZO (P).
Logo: Lucro (L) = Preço de Venda (V) – Preço de Custo (C).

Exemplo:
(CÂMARA DE SÃO PAULO/SP – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – FCC) O preço de venda de um produto, descontado um imposto de 16%
que incide sobre esse mesmo preço, supera o preço de compra em 40%, os quais constituem o lucro líquido do vendedor. Em quantos por
cento, aproximadamente, o preço de venda é superior ao de compra?
(A) 67%.
(B) 61%.
(C) 65%.
(D) 63%.
(E) 69%.

Resolução:
Preço de venda: V
Preço de compra: C
V – 0,16V = 1,4C
0,84V = 1,4C

O preço de venda é 67% superior ao preço de compra.


Resposta: A

11
MATEMÁTICA
Aumento e Desconto em porcentagem
– Aumentar um valor V em p%, equivale a multiplicá-lo por

Logo:

- Diminuir um valor V em p%, equivale a multiplicá-lo por

Logo:

Fator de multiplicação

É o valor final de , é o que chamamos de fator de multiplicação, muito útil para resolução de cálculos de
porcentagem. O mesmo pode ser um acréscimo ou decréscimo no valor do produto.

Aumentos e Descontos sucessivos em porcentagem


São valores que aumentam ou diminuem sucessivamente. Para efetuar os respectivos descontos ou aumentos, fazemos uso dos fato-
res de multiplicação. Basta multiplicarmos o Valor pelo fator de multiplicação (acréscimo e/ou decréscimo).
Exemplo: Certo produto industrial que custava R$ 5.000,00 sofreu um acréscimo de 30% e, em seguida, um desconto de 20%. Qual o
preço desse produto após esse acréscimo e desconto?

Resolução:
VA = 5000 .(1,3) = 6500 e
VD = 6500 .(0,80) = 5200, podemos, para agilizar os cálculos, juntar tudo em uma única equação:
5000 . 1,3 . 0,8 = 5200
Logo o preço do produto após o acréscimo e desconto é de R$ 5.200,00

SEQUÊNCIAS (COM NÚMEROS, COM FIGURAS, DE PALAVRAS)

Lógica Sequencial

Lógica Sequencial

O Raciocínio é uma operação lógica, discursiva e mental. Neste, o intelecto humano utiliza uma ou mais proposições, para concluir
através de mecanismos de comparações e abstrações, quais são os dados que levam às respostas verdadeiras, falsas ou prováveis. Foi
pelo processo do raciocínio que ocorreu o desenvolvimento do método matemático, este considerado instrumento puramente teórico e
dedutivo, que prescinde de dados empíricos. Logo, resumidamente o raciocínio pode ser considerado também um dos integrantes dos
mecanismos dos processos cognitivos superiores da formação de conceitos e da solução de problemas, sendo parte do pensamento.

12
MATEMÁTICA
Sequências Lógicas Nesse caso, associou-se letras e números (potências de 2), al-
ternando a ordem. As letras saltam 1, 3, 1, 3, 1, 3 e 1 posições.
As sequências podem ser formadas por números, letras, pes-
soas, figuras, etc. Existem várias formas de se estabelecer uma se- ABCDEFGHIJKLMNOPQRST
quência, o importante é que existam pelo menos três elementos
que caracterize a lógica de sua formação, entretanto algumas séries Sequência de Pessoas
necessitam de mais elementos para definir sua lógica. Algumas se-
quências são bastante conhecidas e todo aluno que estuda lógica Na série a seguir, temos sempre um homem seguido de duas
deve conhecê-las, tais como as progressões aritméticas e geomé- mulheres, ou seja, aqueles que estão em uma posição múltipla de
tricas, a série de Fibonacci, os números primos e os quadrados per- três (3º, 6º, 9º, 12º,...) serão mulheres e a posição dos braços sem-
feitos. pre alterna, ficando para cima em uma posição múltipla de dois (2º,
4º, 6º, 8º,...). Sendo assim, a sequência se repete a cada seis termos,
Sequência de Números tornando possível determinar quem estará em qualquer posição.

Progressão Aritmética: Soma-se constantemente um mesmo


número.

Sequência de Figuras

Esse tipo de sequência pode seguir o mesmo padrão visto na


Progressão Geométrica: Multiplica-se constantemente um sequência de pessoas ou simplesmente sofrer rotações, como nos
mesmo número. exemplos a seguir.

Incremento em Progressão: O valor somado é que está em pro-


gressão.

Sequência de Fibonacci

O matemático Leonardo Pisa, conhecido como Fibonacci, pro-


Série de Fibonacci: Cada termo é igual a soma dos dois ante- pôs no século XIII, a sequência numérica: (1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21,
riores. 34, 55, 89, …). Essa sequência tem uma lei de formação simples:
cada elemento, a partir do terceiro, é obtido somando-se os dois
1 1 2 3 5 8 13 anteriores. Veja: 1 + 1 = 2, 2 + 1 = 3, 3 + 2 = 5 e assim por diante.
Desde o século XIII, muitos matemáticos, além do próprio Fibonac-
Números Primos: Naturais que possuem apenas dois divisores ci, dedicaram-se ao estudo da sequência que foi proposta, e foram
naturais. encontradas inúmeras aplicações para ela no desenvolvimento de
modelos explicativos de fenômenos naturais.
2 3 5 7 11 13 17 Veja alguns exemplos das aplicações da sequência de Fibonacci
Quadrados Perfeitos: Números naturais cujas raízes são natu- e entenda porque ela é conhecida como uma das maravilhas da Ma-
rais. temática. A partir de dois quadrados de lado 1, podemos obter um
retângulo de lados 2 e 1. Se adicionarmos a esse retângulo um qua-
1 4 9 16 25 36 49 drado de lado 2, obtemos um novo retângulo 3 x 2. Se adicionarmos
agora um quadrado de lado 3, obtemos um retângulo 5 x 3. Observe
Sequência de Letras a figura a seguir e veja que os lados dos quadrados que adicionamos
para determinar os retângulos formam a sequência de Fibonacci.
As sequências de letras podem estar associadas a uma série de
números ou não. Em geral, devemos escrever todo o alfabeto (ob-
servando se deve, ou não, contar com k, y e w) e circular as letras
dadas para entender a lógica proposta.

ACFJOU

Observe que foram saltadas 1, 2, 3, 4 e 5 letras e esses números


estão em progressão.

ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTU

B1 2F H4 8L N16 32R T64

13
MATEMÁTICA
Se utilizarmos um compasso e traçarmos o quarto de circunfe- Exemplo 1
rência inscrito em cada quadrado, encontraremos uma espiral for-
mada pela concordância de arcos cujos raios são os elementos da
sequência de Fibonacci.

A sequência numérica proposta envolve multiplicações por 4.


6 x 4 = 24
24 x 4 = 96
O Partenon que foi construído em Atenas pelo célebre arqui- 96 x 4 = 384
teto grego Fidias. A fachada principal do edifício, hoje em ruínas, 384 x 4 = 1536
era um retângulo que continha um quadrado de lado igual à altura.
Essa forma sempre foi considerada satisfatória do ponto de vista Exemplo 2
estético por suas proporções sendo chamada retângulo áureo ou
retângulo de ouro.

A diferença entre os números vai aumentando 1 unidade.


13 – 10 = 3
17 – 13 = 4
Como os dois retângulos indicados na figura são semelhantes 22 – 17 = 5
temos: (1). 28 – 22 = 6
35 – 28 = 7
Exemplo 3
Como: b = y – a (2).
Substituindo (2) em (1) temos: y2 – ay – a2 = 0.

Resolvendo a equação:

em que não convém.

Logo:

Esse número é conhecido como número de ouro e pode ser


representado por:

Multiplicar os números sempre por 3.


Todo retângulo e que a razão entre o maior e o menor lado 1x3=3
for igual a é chamado retângulo áureo como o caso da fachada do 3x3=9
Partenon. 9 x 3 = 27
As figuras a seguir possuem números que representam uma se- 27 x 3 = 81
quência lógica. Veja os exemplos: 81 x 3 = 243
243 x 3 = 729
729 x 3 = 2187

14
MATEMÁTICA
Exemplo 4 02. Considere que a sequência de figuras foi construída segun-
do um certo critério.

Se tal critério for mantido, para obter as figuras subsequentes,


o total de pontos da figura de número 15 deverá ser:
(A) 69
(B) 67
A diferença entre os números vai aumentando 2 unidades. (C) 65
24 – 22 = 2 (D) 63
28 – 24 = 4 (E) 61
34 – 28 = 6
42 – 34 = 8 03. O próximo número dessa sequência lógica é: 1000, 990,
52 – 42 = 10 970, 940, 900, 850, ...
64 – 52 = 12 (A) 800
(B) 790
78 – 64 = 14
EXERCÍCIOS (C) 780
(D) 770

01. Observe atentamente a disposição das cartas em cada linha 04. Na sequência lógica de números representados nos hexá-
do esquema seguinte: gonos, da figura abaixo, observa-se a ausência de um deles que
pode ser:

(A) 76
(B) 10
(C) 20
(D) 78

05. Uma criança brincando com uma caixa de palitos de fósforo


constrói uma sequência de quadrados conforme indicado abaixo:

A carta que está oculta é: .............


1° 2° 3°

(A) (B) (C)


Quantos palitos ele utilizou para construir a 7ª figura?
(A) 20 palitos
(B) 25 palitos
(C) 28 palitos
(D) 22 palitos

(D) (E) 06. Ana fez diversas planificações de um cubo e escreveu em


cada um, números de 1 a 6. Ao montar o cubo, ela deseja que a
soma dos números marcados nas faces opostas seja 7. A única al-
ternativa cuja figura representa a planificação desse cubo tal como
deseja Ana é:

15
MATEMÁTICA
(A) (B) 09. Observe a sequência: 2, 10, 12, 16, 17, 18, 19, ... Qual é o
próximo número?
(A) 20
(B) 21
(C) 100
(D) 200
(C) (D)
10. Observe a sequência: 3,13, 30, ... Qual é o próximo núme-
ro?
(A) 4
(B) 20
(C) 31
(D) 21
(E)
11. Os dois pares de palavras abaixo foram formados segundo
determinado critério.
LACRAÇÃO → cal
AMOSTRA → soma
LAVRAR → ?
07. As figuras da sequência dada são formadas por partes
iguais de um círculo. Segundo o mesmo critério, a palavra que deverá ocupar o lugar
do ponto de interrogação é:
(A) alar
(B) rala
(C) ralar
(D) larva
Continuando essa sequência, obtém-se exatamente 16 círculos (E) arval
completos na:
(A) 36ª figura 12. Observe que as figuras abaixo foram dispostas, linha a li-
(B) 48ª figura nha, segundo determinado padrão.
(C) 72ª figura
(D) 80ª figura
(E) 96ª figura

08. Analise a sequência a seguir:

Admitindo-se que a regra de formação das figuras seguintes


permaneça a mesma, pode-se afirmar que a figura que ocuparia a
277ª posição dessa sequência é:

(A) (B)
Segundo o padrão estabelecido, a figura que substitui correta-
mente o ponto de interrogação é:

(C) (D)
(A) (B) (C)

(E) (D) (E)

16
MATEMÁTICA
13. Observe que na sucessão seguinte os números foram colo- 16. Em cada linha abaixo, as três figuras foram desenhadas de
cados obedecendo a uma lei de formação. acordo com determinado padrão.

Os números X e Y, obtidos segundo essa lei, são tais que X + Y


é igual a:
(A) 40
(B) 42
(C) 44
(D) 46
(E) 48

14. A figura abaixo representa algumas letras dispostas em for-


ma de triângulo, segundo determinado critério.

Segundo esse mesmo padrão, a figura que deve substituir o


ponto de interrogação é:

(A) (B)

(C) (D)

Considerando que na ordem alfabética usada são excluídas as (E)


letra “K”, “W” e “Y”, a letra que substitui corretamente o ponto de
interrogação é: 17. Observe que, na sucessão de figuras abaixo, os números
(A) P que foram colocados nos dois primeiros triângulos obedecem a um
(B) O mesmo critério.
(C) N
(D) M
(E) L

15. Considere que a sequência seguinte é formada pela suces-


são natural dos números inteiros e positivos, sem que os algarismos
sejam separados.
Para que o mesmo critério seja mantido no triângulo da direita,
1234567891011121314151617181920... o número que deverá substituir o ponto de interrogação é:
(A) 32
O algarismo que deve aparecer na 276ª posição dessa sequên- (B) 36
cia é: (C) 38
(A) 9 (D) 42
(B) 8 (E) 46
(C) 6
(D) 3 18. Considere a seguinte sequência infinita de números: 3, 12,
(E) 1 27, __, 75, 108,... O número que preenche adequadamente a quar-
ta posição dessa sequência é:
(A) 36,
(B) 40,
(C) 42,
(D) 44,
(E) 48

17
MATEMÁTICA
24. A sentença “Salta está para Atlas assim como 25435 está
19. Observando a sequência (1, , , , , ...) o pró- para...” é melhor completada pelo seguinte número:
ximo numero será: (A) 53452;
(B) 23455;
(A) (C) 34552;
(D) 43525;
(E) 53542.
(B)
25. Repare que com um número de 5 algarismos, respeitada
a ordem dada, podem-se criar 4 números de dois algarismos. Por
(C) exemplo: de 34.712, podem-se criar o 34, o 47, o 71 e o 12. Procu-
ra-se um número de 5 algarismos formado pelos algarismos 4, 5, 6,
7 e 8, sem repetição. Veja abaixo alguns números desse tipo e, ao
(D) lado de cada um deles, a quantidade de números de dois algarismos
que esse número tem em comum com o número procurado.

20. Considere a sequência abaixo: Número Quantidade de números de


dado 2 algarismos em comum
BBB BXB XXB
XBX XBX XBX 48.765 1
BBB BXB BXX 86.547 0
87.465 2
O padrão que completa a sequência é:
48.675 1
(A) (B) (C) O número procurado é:
XXX XXB XXX (A) 87456
XXX XBX XXX (B) 68745
XXX BXX XXB (C) 56874
(D) 58746
(D) (E) (E) 46875
XXX XXX
XBX XBX 26. Considere que os símbolos ♦ e ♣ que aparecem no quadro
XXX BXX seguinte, substituem as operações que devem ser efetuadas em
cada linha, a fim de se obter o resultado correspondente, que se
21. Na série de Fibonacci, cada termo a partir do terceiro é igual encontra na coluna da extrema direita.
à soma de seus dois termos precedentes. Sabendo-se que os dois
primeiros termos, por definição, são 0 e 1, o sexto termo da série é: 36 ♦ 4 ♣ 5 = 14
(A) 2
(B) 3 48 ♦ 6 ♣ 9 = 17
(C) 4 54 ♦ 9 ♣ 7 = ?
(D) 5
(E) 6 Para que o resultado da terceira linha seja o correto, o ponto de
interrogação deverá ser substituído pelo número:
22. Nosso código secreto usa o alfabeto A B C D E F G H I J L M (A) 16
N O P Q R S T U V X Z. Do seguinte modo: cada letra é substituída (B) 15
pela letra que ocupa a quarta posição depois dela. Então, o “A” vira (C) 14
“E”, o “B” vira “F”, o “C” vira “G” e assim por diante. O código é “cir- (D) 13
cular”, de modo que o “U” vira “A” e assim por diante. Recebi uma (E) 12
mensagem em código que dizia: BSA HI EDAP. Decifrei o código e li:
(A) FAZ AS DUAS; 27. Segundo determinado critério, foi construída a sucessão se-
(B) DIA DO LOBO; guinte, em que cada termo é composto de um número seguido de
(C) RIO ME QUER; uma letra: A1 – E2 – B3 – F4 – C5 – G6 – .... Considerando que no al-
(D) VIM DA LOJA; fabeto usado são excluídas as letras K, Y e W, então, de acordo com
(E) VOU DE AZUL. o critério estabelecido, a letra que deverá anteceder o número 12 é:
(A) J
23. A sentença “Social está para laicos assim como 231678 está (B) L
para...” é melhor completada por: (C) M
(A) 326187; (D) N
(B) 876132; (E) O
(C) 286731;
(D) 827361; 28. Os nomes de quatro animais – MARÁ, PERU, TATU e URSO
(E) 218763. – devem ser escritos nas linhas da tabela abaixo, de modo que cada
uma das suas respectivas letras ocupe um quadrinho e, na diagonal
sombreada, possa ser lido o nome de um novo animal.

18
MATEMÁTICA
33. Arborizado → azar
Asteroide → dias
Articular → ?
(A) luar
(B) arar
(C) lira
(D) luta
(E) rara

Excluídas do alfabeto as letras K, W e Y e fazendo cada letra 34. Preste atenção nesta sequência lógica e identifique quais
restante corresponder ordenadamente aos números inteiros de 1 a os números que estão faltando: 1, 1, 2, __, 5, 8, __,21, 34, 55, __,
23 (ou seja, A = 1, B = 2, C = 3,..., Z = 23), a soma dos números que 144, __...
correspondem às letras que compõem o nome do animal é:
(A) 37 35. Uma lesma encontra-se no fundo de um poço seco de 10
(B) 39 metros de profundidade e quer sair de lá. Durante o dia, ela con-
(C) 45 segue subir 2 metros pela parede; mas à noite, enquanto dorme,
(D) 49 escorrega 1 metro. Depois de quantos dias ela consegue chegar à
(E) 51 saída do poço?

Nas questões 29 e 30, observe que há uma relação entre o pri- 36. Quantas vezes você usa o algarismo 9 para numerar as pá-
meiro e o segundo grupos de letras. A mesma relação deverá existir ginas de um livro de 100 páginas?
entre o terceiro grupo e um dos cinco grupos que aparecem nas
alternativas, ou seja, aquele que substitui corretamente o ponto de 37. Quantos quadrados existem na figura abaixo?
interrogação. Considere que a ordem alfabética adotada é a oficial
e exclui as letras K, W e Y.

29. CASA: LATA: LOBO: ?


(A) SOCO
(B) TOCO
(C) TOMO
(D) VOLO
(E) VOTO 38. Retire três palitos e obtenha apenas três quadrados.

30. ABCA: DEFD: HIJH: ?


(A) IJLI
(B) JLMJ
(C) LMNL
(D) FGHF
(E) EFGE

31. Os termos da sucessão seguinte foram obtidos consideran-


do uma lei de formação (0, 1, 3, 4, 12, 123,...). Segundo essa lei, o 39. Qual será o próximo símbolo da sequência abaixo?
décimo terceiro termo dessa sequência é um número:
(A) Menor que 200.
(B) Compreendido entre 200 e 400.
(C) Compreendido entre 500 e 700.
(D) Compreendido entre 700 e 1.000.
(E) Maior que 1.000.

Para responder às questões de números 32 e 33, você deve ob-


servar que, em cada um dos dois primeiros pares de palavras dadas, a
palavra da direita foi obtida da palavra da esquerda segundo determi- 40. Reposicione dois palitos e obtenha uma figura com cinco
nado critério. Você deve descobrir esse critério e usá-lo para encontrar quadrados iguais.
a palavra que deve ser colocada no lugar do ponto de interrogação.

32. Ardoroso → rodo


Dinamizar → mina
Maratona → ?

(A) mana
(B) toma
(C) tona
(D) tora
(E) rato

19
MATEMÁTICA
41. Observe as multiplicações a seguir: 46. Qual o valor da pedra que deve ser colocada em cima de
12.345.679 × 18 = 222.222.222 todas estas para completar a sequência abaixo?
12.345.679 × 27 = 333.333.333
... ...
12.345.679 × 54 = 666.666.666
Para obter 999.999.999 devemos multiplicar 12.345.679 por
quanto?

42. Esta casinha está de frente para a estrada de terra. Mova


dois palitos e faça com que fique de frente para a estrada asfaltada.

47. Mova três palitos nesta figura para obter cinco triângulos.

43. Remova dois palitos e deixe a figura com dois quadrados.


48. Tente dispor 6 moedas em 3 fileiras de modo que em cada
fileira fiquem apenas 3 moedas.

49. Reposicione três palitos e obtenha cinco quadrados.

44. As cartas de um baralho foram agrupadas em pares, segun-


do uma relação lógica. Qual é a carta que está faltando, sabendo
que K vale 13, Q vale 12, J vale 11 e A vale 1?

50. Mude a posição de quatro palitos e obtenha cinco triângulos.

GABARITO
45. Mova um palito e obtenha um quadrado perfeito.

01. Resposta: “A”.


A diferença entre os números estampados nas cartas 1 e 2, em
cada linha, tem como resultado o valor da 3ª carta e, além disso, o
naipe não se repete. Assim, a 3ª carta, dentro das opções dadas só
pode ser a da opção (A).

02. Resposta “D”.


Observe que, tomando o eixo vertical como eixo de simetria,
tem-se:
Na figura 1: 01 ponto de cada lado  02 pontos no total.
Na figura 2: 02 pontos de cada lado  04 pontos no total.
Na figura 3: 03 pontos de cada lado  06 pontos no total.
Na figura 4: 04 pontos de cada lado  08 pontos no total.
Na figura n: n pontos de cada lado  2.n pontos no total.

20
MATEMÁTICA
Em particular: 09. Resposta “D”.
Na figura 15: 15 pontos de cada lado  30 pontos no total. A regularidade que obedece a sequência acima não se dá por
padrões numéricos e sim pela letra que inicia cada número. “Dois,
Agora, tomando o eixo horizontal como eixo de simetria, tem- Dez, Doze, Dezesseis, Dezessete, Dezoito, Dezenove, ... Enfim, o pró-
-se: ximo só pode iniciar também com “D”: Duzentos.
Na figura 1: 02 pontos acima e abaixo  04 pontos no total.
Na figura 2: 03 pontos acima e abaixo  06 pontos no total. 10. Resposta “C”.
Na figura 3: 04 pontos acima e abaixo  08 pontos no total. Esta sequência é regida pela inicial de cada número. Três, Treze,
Na figura 4: 05 pontos acima e abaixo  10 pontos no total. Trinta,... O próximo só pode ser o número Trinta e um, pois ele inicia
Na figura n: (n+1) pontos acima e abaixo  2.(n+1) pontos com a letra “T”.
no total.
Em particular: 11. Resposta “E”.
Na figura 15: 16 pontos acima e abaixo  32 pontos no total. In- Na 1ª linha, a palavra CAL foi retirada das 3 primeiras letras da
cluindo o ponto central, que ainda não foi considerado, temos para palavra LACRAÇÃO, mas na ordem invertida. Da mesma forma, na
total de pontos da figura 15: Total de pontos = 30 + 32 + 1 = 63 pontos. 2ª linha, a palavra SOMA é retirada da palavra AMOSTRA, pelas 4
primeira letras invertidas. Com isso, da palavra LAVRAR, ao se reti-
03. Resposta “B”. rarem as 5 primeiras letras, na ordem invertida, obtém-se ARVAL.
Nessa sequência, observamos que a diferença: entre 1000 e
990 é 10, entre 990 e 970 é 20, entre o 970 e 940 é 30, entre 940 e 12. Resposta “C”.
900 é 40, entre 900 e 850 é 50, portanto entre 850 e o próximo nú- Em cada linha apresentada, as cabeças são formadas por qua-
mero é 60, dessa forma concluímos que o próximo número é 790, drado, triângulo e círculo. Na 3ª linha já há cabeças com círculo e
pois: 850 – 790 = 60. com triângulo. Portanto, a cabeça da figura que está faltando é um
quadrado. As mãos das figuras estão levantadas, em linha reta ou
04. Resposta “D” abaixadas. Assim, a figura que falta deve ter as mãos levantadas (é
Nessa sequência lógica, observamos que a diferença: entre 24 o que ocorre em todas as alternativas). As figuras apresentam as 2
e 22 é 2, entre 28 e 24 é 4, entre 34 e 28 é 6, entre 42 e 34 é 8, entre pernas ou abaixadas, ou 1 perna levantada para a esquerda ou 1
52 e 42 é 10, entre 64 e 52 é 12, portanto entre o próximo número e levantada para a direita. Nesse caso, a figura que está faltando na
64 é 14, dessa forma concluímos que o próximo número é 78, pois: 3ª linha deve ter 1 perna levantada para a esquerda. Logo, a figura
76 – 64 = 14. tem a cabeça quadrada, as mãos levantadas e a perna erguida para
a esquerda.
05. Resposta “D”.
Observe a tabela: 13. Resposta “A”.
Existem duas leis distintas para a formação: uma para a par-
Figuras 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª te superior e outra para a parte inferior. Na parte superior, tem-se
que: do 1º termo para o 2º termo, ocorreu uma multiplicação por
Nº de Palitos 4 7 10 13 16 19 22 2; já do 2º termo para o 3º, houve uma subtração de 3 unidades.
Com isso, X é igual a 5 multiplicado por 2, ou seja, X = 10. Na parte
Temos de forma direta, pela contagem, a quantidade de palitos inferior, tem-se: do 1º termo para o 2º termo ocorreu uma multi-
das três primeiras figuras. Feito isto, basta perceber que cada figura plicação por 3; já do 2º termo para o 3º, houve uma subtração de
a partir da segunda tem a quantidade de palitos da figura anterior 2 unidades. Assim, Y é igual a 10 multiplicado por 3, isto é, Y = 30.
acrescida de 3 palitos. Desta forma, fica fácil preencher o restante Logo, X + Y = 10 + 30 = 40.
da tabela e determinar a quantidade de palitos da 7ª figura.
14. Resposta “A”.
06. Resposta “A”. A sequência do alfabeto inicia-se na extremidade direita do
Na figura apresentada na letra “B”, não é possível obter a plani- triângulo, pela letra “A”; aumenta a direita para a esquerda; conti-
ficação de um lado, pois o 4 estaria do lado oposto ao 6, somando nua pela 3ª e 5ª linhas; e volta para as linhas pares na ordem inversa
10 unidades. Na figura apresentada na letra “C”, da mesma forma, – pela 4ª linha até a 2ª linha. Na 2ª linha, então, as letras são, da
o 5 estaria em face oposta ao 3, somando 8, não formando um lado. direita para a esquerda, “M”, “N”, “O”, e a letra que substitui corre-
Na figura da letra “D”, o 2 estaria em face oposta ao 4, não deter- tamente o ponto de interrogação é a letra “P”.
minando um lado. Já na figura apresentada na letra “E”, o 1 não
estaria em face oposta ao número 6, impossibilitando, portanto, a 15. Resposta “B”.
obtenção de um lado. Logo, podemos concluir que a planificação A sequência de números apresentada representa a lista dos
apresentada na letra “A” é a única para representar um lado. números naturais. Mas essa lista contém todos os algarismos dos
números, sem ocorrer a separação. Por exemplo: 101112 represen-
07. Resposta “B”.
tam os números 10, 11 e 12. Com isso, do número 1 até o número
Como na 3ª figura completou-se um círculo, para completar 16
9 existem 9 algarismos. Do número 10 até o número 99 existem: 2
círculos é suficiente multiplicar 3 por 16 : 3 . 16 = 48. Portanto, na
x 90 = 180 algarismos. Do número 100 até o número 124 existem:
48ª figura existirão 16 círculos.
3 x 25 = 75 algarismos. E do número 124 até o número 128 existem
mais 12 algarismos. Somando todos os valores, tem-se: 9 + 180 + 75
08. Resposta “B”.
A sequência das figuras completa-se na 5ª figura. Assim, conti- + 12 = 276 algarismos. Logo, conclui-se que o algarismo que ocupa a
nua-se a sequência de 5 em 5 elementos. A figura de número 277 276ª posição é o número 8, que aparece no número 128.
ocupa, então, a mesma posição das figuras que representam núme-
ro 5n + 2, com n N. Ou seja, a 277ª figura corresponde à 2ª figura,
que é representada pela letra “B”.

21
MATEMÁTICA
16. Resposta “D”. 22. Resposta “E”.
Na 1ª linha, internamente, a 1ª figura possui 2 “orelhas”, a 2ª A questão nos informa que ao se escrever alguma mensagem,
figura possui 1 “orelha” no lado esquerdo e a 3ª figura possui 1 cada letra será substituída pela letra que ocupa a quarta posição,
“orelha” no lado direito. Esse fato acontece, também, na 2ª linha, além disso, nos informa que o código é “circular”, de modo que a
mas na parte de cima e na parte de baixo, internamente em relação letra “U” vira “A”. Para decifrarmos, temos que perceber a posição
às figuras. Assim, na 3ª linha ocorrerá essa regra, mas em ordem do emissor e do receptor. O emissor ao escrever a mensagem conta
inversa: é a 3ª figura da 3ª linha que terá 2 “orelhas” internas, uma quatro letras à frente para representar a letra que realmente dese-
em cima e outra em baixo. Como as 2 primeiras figuras da 3ª li- ja, enquanto que o receptor, deve fazer o contrário, contar quatro
nha não possuem “orelhas” externas, a 3ª figura também não terá letras atrás para decifrar cada letra do código. No caso, nos foi dada
orelhas externas. Portanto, a figura que deve substituir o ponto de a frase para ser decifrada, vê-se, pois, que, na questão, ocupamos
interrogação é a 4ª. a posição de receptores. Vejamos a mensagem: BSA HI EDAP. Cada
letra da mensagem representa a quarta letra anterior de modo que:
17. Resposta “B”. VxzaB: B na verdade é V;
No 1º triângulo, o número que está no interior do triângulo OpqrS: S na verdade é O;
dividido pelo número que está abaixo é igual à diferença entre o UvxzA: A na verdade é U;
número que está à direita e o número que está à esquerda do triân- DefgH: H na verdade é D;
gulo: 40 5 21 13 8. EfghI: I na verdade é E;
A mesma regra acontece no 2º triângulo: 42 ÷ 7 = 23 - 17 = 6. AbcdE: E na verdade é A;
Assim, a mesma regra deve existir no 3º triângulo: ZabcD: D na verdade é Z;
? ÷ 3 = 19 - 7 UvxaA: A na verdade é U;
? ÷ 3 = 12 LmnoP: P na verdade é L;
? = 12 x 3 = 36.
23. Resposta “B”.
18. Resposta “E”. A questão nos traz duas palavras que têm relação uma com a
Verifique os intervalos entre os números que foram fornecidos. outra e, em seguida, nos traz uma sequência numérica. É pergunta-
Dado os números 3, 12, 27, __, 75, 108, obteve-se os seguintes 9, do qual sequência numérica tem a mesma ralação com a sequência
15, __, __, 33 intervalos. Observe que 3x3, 3x5, 3x7, 3x9, 3x11. Logo numérica fornecida, de maneira que, a relação entre as palavras e
3x7 = 21 e 3x 9 = 27. Então: 21 + 27 = 48. a sequência numérica é a mesma. Observando as duas palavras da-
das, podemos perceber facilmente que têm cada uma 6 letras e que
19. Resposta “B”. as letras de uma se repete na outra em uma ordem diferente. Tal
Observe que o numerador é fixo, mas o denominador é forma- ordem, nada mais é, do que a primeira palavra de trás para frente,
do pela sequência: de maneira que SOCIAL vira LAICOS. Fazendo o mesmo com a se-
Primeiro Segundo Terceiro Quarto Quinto Sexto quência numérica fornecida, temos: 231678 viram 876132, sendo
esta a resposta.
3x4= 4x5= 5x6=
1 1x2=2 2x3=6
12 20 30 24. Resposta “A”.
A questão nos traz duas palavras que têm relação uma com a
20. Resposta “D”. outra, e em seguida, nos traz uma sequência numérica. Foi pergun-
O que de início devemos observar nesta questão é a quantida- tado qual a sequência numérica que tem relação com a já dada de
de de B e de X em cada figura. Vejamos: maneira que a relação entre as palavras e a sequência numérica é
BBB BXB XXB a mesma. Observando as duas palavras dadas podemos perceber
XBX XBX XBX facilmente que tem cada uma 6 letras e que as letras de uma se re-
BBB BXB BXX pete na outra em uma ordem diferente. Essa ordem diferente nada
7B e 2X 5B e 4X 3B e 6X mais é, do que a primeira palavra de trás para frente, de maneira
que SALTA vira ATLAS. Fazendo o mesmo com a sequência numérica
Vê-se, que os “B” estão diminuindo de 2 em 2 e que os “X” es- fornecida temos: 25435 vira 53452, sendo esta a resposta.
tão aumentando de 2 em 2; notem também que os “B” estão sendo
retirados um na parte de cima e um na parte de baixo e os “X” da 25. Resposta “E”.
mesma forma, só que não estão sendo retirados, estão, sim, sendo Pelo número 86.547, tem-se que 86, 65, 54 e 47 não aconte-
colocados. Logo a 4ª figura é: cem no número procurado. Do número 48.675, as opções 48, 86 e
XXX 67 não estão em nenhum dos números apresentados nas alterna-
XBX tivas. Portanto, nesse número a coincidência se dá no número 75.
XXX Como o único número apresentado nas alternativas que possui a
1B e 8X sequência 75 é 46.875, tem-se, então, o número procurado.

21. Resposta “D”. 26. Resposta “D”.


Montando a série de Fibonacci temos: 0, 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, O primeiro símbolo representa a divisão e o 2º símbolo repre-
34... A resposta da questão é a alternativa “D”, pois como a questão senta a soma. Portanto, na 1ª linha, tem-se: 36 ÷ 4 + 5 = 9 + 5 = 14.
nos diz, cada termo a partir do terceiro é igual à soma de seus dois Na 2ª linha, tem-se: 48 ÷ 6 + 9 = 8 + 9 = 17. Com isso, na 3ª linha,
termos precedentes. 2 + 3 = 5 ter-se-á: 54 ÷ 9 + 7 = 6 + 7 = 13. Logo, podemos concluir então que o
ponto de interrogação deverá ser substituído pelo número 13.

22
MATEMÁTICA
27. Resposta “A”. 33. Resposta “A”.
As letras que acompanham os números ímpares formam a Na primeira sequência, a palavra “azar” é obtida pelas letras
sequência normal do alfabeto. Já a sequência que acompanha os “a” e “z” em sequência, mas em ordem invertida. Já as letras “a”
números pares inicia-se pela letra “E”, e continua de acordo com a e “r” são as 2 primeiras letras da palavra “arborizado”. A palavra
sequência normal do alfabeto: 2ª letra: E, 4ª letra: F, 6ª letra: G, 8ª “dias” foi obtida da mesma forma: As letras “d” e “i” são obtidas
letra: H, 10ª letra: I e 12ª letra: J. em sequência, mas em ordem invertida. As letras “a” e “s” são as
2 primeiras letras da palavra “asteroides”. Com isso, para a palavras
28. Resposta “D”. “articular”, considerando as letras “i” e “u”, que estão na ordem
Escrevendo os nomes dos animais apresentados na lista – invertida, e as 2 primeiras letras, obtém-se a palavra “luar”.
MARÁ, PERU, TATU e URSO, na seguinte ordem: PERU, MARÁ, TATU
e URSO, obtém-se na tabela: 34. O nome da sequência é Sequência de Fibonacci. O número
que vem é sempre a soma dos dois números imediatamente atrás dele.
A sequência correta é: 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, 144, 233...
P E R U
35.
M A R A
Dia Subida Descida
T A T U 1º 2m 1m
U R S O 2º 3m 2m
3º 4m 3m
O nome do animal é PATO. Considerando a ordem do alfabeto, 4º 5m 4m
tem-se: P = 15, A = 1, T = 19 e 0 = 14. Somando esses valores, ob-
5º 6m 5m
tém-se: 15 + 1 + 19 + 14 = 49.
6º 7m 6m
29. Resposta “B”. 7º 8m 7m
Na 1ª e na 2ª sequências, as vogais são as mesmas: letra “A”.
Portanto, as vogais da 4ª sequência de letras deverão ser as mes- 8º 9m 8m
mas da 3ª sequência de letras: “O”. A 3ª letra da 2ª sequência é 9º 10m ----
a próxima letra do alfabeto depois da 3ª letra da 1ª sequência de
letras. Portanto, na 4ª sequência de letras, a 3ª letra é a próxima Portanto, depois de 9 dias ela chegará na saída do poço.
letra depois de “B”, ou seja, a letra “C”. Em relação à primeira letra,
tem-se uma diferença de 7 letras entre a 1ª letra da 1ª sequência e 36. 09 – 19 – 29 – 39 – 49 – 59 – 69 – 79 – 89 – 90 – 91 – 92
a 1ª letra da 2ª sequência. Portanto, entre a 1ª letra da 3ª sequência – 93 – 94 – 95 – 96 – 97 – 98 – 99. Portanto, são necessários 20
e a 1ª letra da 4ª sequência, deve ocorrer o mesmo fato. Com isso, a algarismos.
1ª letra da 4ª sequência é a letra “T”. Logo, a 4ª sequência de letras
é: T, O, C, O, ou seja, TOCO. 37.

30. Resposta “C”.


Na 1ª sequência de letras, ocorrem as 3 primeiras letras do al-
fabeto e, em seguida, volta-se para a 1ª letra da sequência. Na 2ª
= 16
sequência, continua-se da 3ª letra da sequência anterior, forman-
do-se DEF, voltando-se novamente, para a 1ª letra desta sequência:
D. Com isto, na 3ª sequência, têm-se as letras HIJ, voltando-se para
a 1ª letra desta sequência: H. Com isto, a 4ª sequência iniciará pela
letra L, continuando por M e N, voltando para a letra L. Logo, a 4ª
sequência da letra é: LMNL.
= 09
31. Resposta “E”.
Do 1º termo para o 2º termo, ocorreu um acréscimo de 1 uni-
dade. Do 2º termo para o 3º termo, ocorreu a multiplicação do ter-
mo anterior por 3. E assim por diante, até que para o 7º termo te-
mos 13 . 3 = 39. 8º termo = 39 + 1 = 40. 9º termo = 40 . 3 = 120. 10º
termo = 120 + 1 = 121. 11º termo = 121 . 3 = 363. 12º termo = 363 = 04
+ 1 = 364. 13º termo = 364 . 3 = 1.092. Portanto, podemos concluir
que o 13º termo da sequência é um número maior que 1.000.

32. Resposta “D”.


Da palavra “ardoroso”, retiram-se as sílabas “do” e “ro” e inver-
teu-se a ordem, definindo-se a palavra “rodo”. Da mesma forma, da
palavra “dinamizar”, retiram-se as sílabas “na” e “mi”, definindo-se
a palavra “mina”. Com isso, podemos concluir que da palavra “ma-
ratona”. Deve-se retirar as sílabas “ra” e “to”, criando-se a palavra =01
“tora”. Portanto, há 16 + 9 + 4 + 1 = 30 quadrados.

23
MATEMÁTICA
38. 45. Quadrado perfeito em matemática, sobretudo na aritméti-
ca e na teoria dos números, é um número inteiro não negativo que
pode ser expresso como o quadrado de um outro número inteiro.
Ex: 1, 4, 9...
No exercício 2 elevado a 2 = 4

39. Os símbolos são como números em frente ao espelho. As-


sim, o próximo símbolo será 88.
46. Observe que:
40.
3 6 18 72 360 2160 15120
x2 x3 x4 x5 x6 x7

Portanto, a próxima pedra terá que ter o valor: 15.120 x 8 =


120.960

47.
41.
12.345.679 × (2×9) = 222.222.222
12.345.679 × (3×9) = 333.333.333
... ...
12.345.679 × (4×9) = 666.666.666
Portanto, para obter 999.999.999 devemos multiplicar
12.345.679 por (9x9) = 81
48.
42.

49.
43.

44. Sendo A = 1, J = 11, Q = 12 e K = 13, a soma de cada par de 50.


cartas é igual a 14 e o naipe de paus sempre forma par com o naipe
de espadas. Portanto, a carta que está faltando é o 6 de espadas.

24
MATEMÁTICA
São exemplos de proposições:
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO: PROPOSIÇÕES, p: Pedro é médico.
CONECTIVOS, EQUIVALÊNCIA E IMPLICAÇÃO LÓGICA, q: 5 > 8
ARGUMENTOS VÁLIDOS r: Luíza foi ao cinema ontem à noite.

RACIOCÍNIO LÓGICO MATEMÁTICO 2. Princípios fundamentais da lógica


Princípio da Identidade: A é A. Uma coisa é o que é. O que é,
Este tipo de raciocínio testa sua habilidade de resolver proble- é; e o que não é, não é. Esta formulação remonta a Parménides de
mas matemáticos, e é uma forma de medir seu domínio das dife- Eleia.
rentes áreas do estudo da Matemática: Aritmética, Álgebra, leitura Principio da não contradição: Uma proposição não pode ser
de tabelas e gráficos, Probabilidade e Geometria etc. Essa parte verdadeira e falsa, ao mesmo tempo.
consiste nos seguintes conteúdos: Principio do terceiro excluído: Uma alternativa só pode ser
- Operação com conjuntos. verdadeira ou falsa.
- Cálculos com porcentagens.
- Raciocínio lógico envolvendo problemas aritméticos, geomé- 3. Valor lógico 
tricos e matriciais. Considerando os princípios citados acima, uma proposição é
- Geometria básica. classificada como verdadeira ou falsa.
- Álgebra básica e sistemas lineares. Sendo assim o valor lógico será:
- Calendários. - a verdade (V), quando se trata de uma proposição verdadeira.
- Numeração. - a falsidade (F), quando se trata de uma proposição falsa.
- Razões Especiais.
- Análise Combinatória e Probabilidade. 4. Conectivos lógicos 
- Progressões Aritmética e Geométrica. Conectivos lógicos são palavras usadas para conectar as propo-
sições formando novas sentenças.
RACIOCÍNIO LÓGICO DEDUTIVO
Os principais conectivos lógicos são: 
Este tipo de raciocínio está relacionado ao conteúdo Lógica de
Argumentação. ~ não
∧ e
ORIENTAÇÕES ESPACIAL E TEMPORAL
V Ou
O raciocínio lógico espacial ou orientação espacial envolvem
→  se…então
figuras, dados e palitos. O raciocínio lógico temporal ou orientação
temporal envolve datas, calendário, ou seja, envolve o tempo. ↔ se e somente se
O mais importante é praticar o máximo de questões que envol-
vam os conteúdos: 5. Proposições simples e compostas
- Lógica sequencial As proposições simples são assim caracterizadas por apresen-
- Calendários tarem apenas uma ideia. São indicadas pelas letras minúsculas: p,
q, r, s, t...
RACIOCÍNIO VERBAL As proposições compostas são assim caracterizadas por apre-
sentarem mais de uma proposição conectadas pelos conectivos ló-
Avalia a capacidade de interpretar informação escrita e tirar gicos. São indicadas pelas letras maiúsculas: P, Q, R, S, T...
conclusões lógicas. Obs: A notação Q(r, s, t), por exemplo, está indicando que a
Uma avaliação de raciocínio verbal é um tipo de análise de ha- proposição composta Q é formada pelas proposições simples r, s e t.
bilidade ou aptidão, que pode ser aplicada ao se candidatar a uma
vaga. Raciocínio verbal é parte da capacidade cognitiva ou inteli- Exemplo:
gência geral; é a percepção, aquisição, organização e aplicação do Proposições simples:
conhecimento por meio da linguagem. p: Meu nome é Raissa 
Nos testes de raciocínio verbal, geralmente você recebe um q: São Paulo é a maior cidade brasileira 
trecho com informações e precisa avaliar um conjunto de afirma- r: 2+2=5 
ções, selecionando uma das possíveis respostas:
s: O número 9 é ímpar 
A – Verdadeiro (A afirmação é uma consequência lógica das in-
t: O número 13 é primo
formações ou opiniões contidas no trecho)
B – Falso (A afirmação é logicamente falsa, consideradas as in-
Proposições compostas 
formações ou opiniões contidas no trecho)
P: O número 12 é divisível por 3 e 6 é o dobro de 12. 
C – Impossível dizer (Impossível determinar se a afirmação é
Q: A raiz quadrada de 9 é 3 e 24 é múltiplo de 3. 
verdadeira ou falsa sem mais informações)
R(s, t): O número 9 é ímpar e o número 13 é primo.
ESTRUTURAS LÓGICAS
6. Tabela-Verdade
1. Proposição A tabela-verdade é usada para determinar o valor lógico de
Proposição ou sentença é um termo utilizado para exprimir uma proposição composta, sendo que os valores das proposições
ideias, através de um conjunto de palavras ou símbolos. Este con- simples já são conhecidos. Pois o valor lógico da proposição com-
junto descreve o conteúdo dessa ideia. posta depende do valor lógico da proposição simples. 

25
MATEMÁTICA
A seguir vamos compreender como se constrói essas tabelas- 8. O conectivo e e a conjunção
-verdade partindo da árvore das possibilidades dos valores lógicos O conectivo e e a conjunção de duas proposições p e q é outra
das preposições simples, e mais adiante veremos como determinar proposição que tem como valor lógico V se p e q forem verdadeiras,
o valor lógico de uma proposição composta. e F em outros casos. O símbolo p Λ q (p e q) representa a conjunção,
com a seguinte tabela-verdade: 
Proposição composta do tipo P(p, q)
P q pΛq
V V V
V F F
F V F
F F F

Exemplo

p = 2 é par 
q = o céu é rosa
Proposição composta do tipo P(p, q, r) p Λ q = 2 é par e o céu é rosa 

P q pΛq
V F F

p = 9 < 6 
q = 3 é par
p Λ q: 9 < 6 e 3 é par 

P q pΛq
Proposição composta do tipo P(p, q, r, s) 
A tabela-verdade possui 24 = 16 linhas e é formada igualmente F F F
as anteriores.
9. O conectivo ou e a disjunção
O conectivo ou e a disjunção de duas proposições p e q é outra
proposição que tem como valor lógico V se alguma das proposições
for verdadeira e F se as duas forem falsas. O símbolo p∨ q (p ou q)
Proposição composta do tipo P(p1, p2, p3,..., pn)
representa a disjunção, com a seguinte tabela-verdade: 
A tabela-verdade possui 2n  linhas e é formada igualmente as
anteriores. P q pVq
V V V
7. O conectivo não e a negação V F V
O conectivo  não e a negação  de uma proposição p  é outra
proposição que tem como valor lógico V  se p for falsa  e  F  se p é F V V
verdadeira. O símbolo ~p (não p) representa a negação de p com a F F F
seguinte tabela-verdade: 
Exemplo:
P ~P p = 2 é par 
q = o céu é rosa 
V F p ν q = 2 é par ou o céu é rosa 
F V
Exemplo: P q pVq
V F V
p = 7 é ímpar 
~p = 7 não é ímpar 
10. O conectivo se… então… e a condicional
A condicional se p então q é outra proposição que tem como
P ~P valor lógico F se p é verdadeira e q é falsa. O símbolo p → q repre-
V F senta a condicional, com a seguinte tabela-verdade: 

q = 24 é múltiplo de 5  P q p→q
~q = 24 não é múltiplo de 5  V V V
V F F
q ~q
F V V
F V
F F V

26
MATEMÁTICA
Exemplo:
P: 7 + 2 = 9 
Q: 9 – 7 = 2 
p → q: Se 7 + 2 = 9 então 9 – 7 = 2 

P q p→q
V V V

p = 7 + 5 < 4 
q = 2 é um número primo 
p → q: Se 7 + 5 < 4 então 2 é um número primo. 

P q p→q
F V V

p = 24 é múltiplo de 3 q = 3 é par 


p → q: Se 24 é múltiplo de 3 então 3 é par. 

P q p→q
V F F

p = 25 é múltiplo de 2 
q = 12 < 3 
p → q: Se 25 é múltiplo de 2 então 2 < 3. 

P q p→q
F F V

11. O conectivo se e somente se e a bicondicional


A bicondicional p se e somente se q é outra proposição que tem como valor lógico V se p e q forem ambas verdadeiras ou ambas
falsas, e F nos outros casos. 

O símbolo  representa a bicondicional, com a seguinte tabela-verdade: 

P q p↔q
V V V
V F F
F V F
F F V

Exemplo
p = 24 é múltiplo de 3 
q = 6 é ímpar  
= 24 é múltiplo de 3 se, e somente se, 6 é ímpar. 

P q p↔q
V F F

12. Tabela-Verdade de uma proposição composta

Exemplo
Veja como se procede a construção de uma tabela-verdade da proposição composta P(p, q) = ((p ⋁ q) → (~p)) → (p ⋀ q), onde p e q
são duas proposições simples.

27
MATEMÁTICA
Resolução
Uma tabela-verdade de uma proposição do tipo P(p, q) possui 24 = 4 linhas, logo: 

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V          
V F          
F V          
F F          

Agora veja passo a passo a determinação dos valores lógicos de P.


a) Valores lógicos de p ν q

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V        
V F V        
F V V        
F F F        

b) Valores lógicos de ~P

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V F      
V F V F      
F V V V      
F F F V      

c) Valores lógicos de (p V p)→(~p)

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V F F    
V F V F F    
F V V V V    
F F F V V    

d) Valores lógicos de p Λ q

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V F F V  
V F V F F F  
F V V V V F  
F F F V V F  

e) Valores lógicos de ((p V p)→(~p))→(p Λ q)

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V F F V V
V F V F F F V
F V V V V F F
F F F V V F F

13. Tautologia
Uma proposição composta formada por duas ou mais proposições p, q, r, ... será dita uma Tautologia se ela for sempre verdadeira,
independentemente dos valores lógicos das proposições p, q, r, ... que a compõem.

28
MATEMÁTICA
Exemplos: p ~P q Λ (~q)
• Gabriela passou no concurso do INSS ou Gabriela não passou
no concurso do INSS V F F
• Não é verdade que o professor Zambeli parece com o Zé goti- F V F
nha ou o professor Zambeli parece com o Zé gotinha.
Ao invés de duas proposições, nos exemplos temos uma única 15. Contingência
proposição, afirmativa e negativa. Vamos entender isso melhor. Quando uma proposição não é tautológica nem contra válida,
Exemplo: a chamamos de contingência ou proposição contingente ou propo-
Grêmio cai para segunda divisão ou o Grêmio não cai para se- sição indeterminada.
gunda divisão A contingência ocorre quando há tanto valores V como F
na última coluna da tabela-verdade de uma proposição. Exem-
Vamos chamar a primeira proposição de “p” a segunda de “~p” plos: P∧Q , P∨Q , P→Q ...
e o conetivo de “V”
Assim podemos representar a “frase” acima da seguinte forma: 16. Implicação lógica
p V ~p
Definição
Exemplo A proposição  P  implica a proposição  Q, quando a condicio-
A proposição  p∨ ♣ (~p)  é uma tautologia, pois o seu valor nal P → Q for uma tautologia.
lógico é sempre V, conforme a tabela-verdade.  O símbolo P ⇒ Q (P implica Q) representa a implicação lógica. 

p ~P pVq Diferenciação dos símbolos → e ⇒


O símbolo  →  representa uma operação matemática entre as
V F V proposições  P  e  Q  que tem como resultado a proposição  P  → Q,
F V V com valor lógico V ou F.
O símbolo  ⇒  representa a não ocorrência de  VF  na tabe-
Exemplo la-verdade de  P  →  Q, ou ainda que o valor lógico da condicio-
A proposição (p Λ q) → (p  q) é uma tautologia, pois a última nal P → Q será sempre V, ou então que P → Q é uma tautologia. 
coluna da tabela-verdade só possui V. 
Exemplo
p q pΛq p↔q (p Λ q)→(p↔q) A tabela-verdade da condicional (p Λ q) → (p ↔ q) será: 
V V V V V
p q pΛq P↔Q (p Λ q)→(P↔Q)
V F F F V
F V F F V V V V V V
F F F V V V F F F V

14. Contradição F V F F V
Uma proposição composta formada por duas ou mais propo- F F F V V
sições p, q, r, ... será dita uma contradição se ela for sempre falsa,
independentemente dos valores lógicos das proposições p, q, r, ... Portanto, (p Λ q) → (p ↔ q) é uma tautologia, por isso (p Λ
que a compõem q) ⇒ (p ↔q)
Exemplos:
• O Zorra total é uma porcaria e Zorra total não é uma porcaria 17. Equivalência lógica
• Suelen mora em Petrópolis e Suelen não mora em Petrópolis
Definição
Ao invés de duas proposições, nos exemplos temos uma única Há equivalência entre as proposições P e Q somente quando a
proposição, afirmativa e negativa. Vamos entender isso melhor. bicondicional P ↔ Q for uma tautologia ou quando P e Q tiverem
a mesma tabela-verdade. P ⇔ Q (P é equivalente a Q) é o símbolo
Exemplo: que representa a equivalência lógica. 
Lula é o presidente do Brasil e Lula não é o presidente do Brasil
Vamos chamar a primeira proposição de “p” a segunda de “~p” Diferenciação dos símbolos ↔ e ⇔
e o conetivo de “^” O símbolo  ↔  representa uma operação entre as pro-
Assim podemos representar a “frase” acima da seguinte forma: posições P e Q, que tem como resultado uma nova proposi-
p ^ ~p ção P ↔ Q com valor lógico V ou F.
O símbolo  ⇔  representa a não ocorrência de VF  e de FV na
Exemplo tabela-verdade P ↔ Q, ou ainda que o valor lógico de P ↔ Q é
A proposição (p Λ q) Λ (p Λ q) é uma contradição, pois o seu va- sempre V, ou então P ↔ Q é uma tautologia.
lor lógico é sempre F conforme a tabela-verdade. Que significa que
uma proposição não pode ser falsa e verdadeira ao mesmo tempo,
isto é, o princípio da não contradição.

29
MATEMÁTICA
Exemplo Equivalências da Condicional
A tabela da bicondicional (p → q) ↔ (~q → ~p) será: 
As duas equivalências que se seguem são de fundamental im-
p q ~q ~p p→q ~q→~p (p→q)↔(~q→~p) portância. Estas equivalências podem ser verificadas, ou seja, de-
monstradas, por meio da comparação entre as tabelas-verdade.
V V F F V V V Fica como exercício para casa estas demonstrações. As equivalên-
V F V F F F V cias da condicional são as seguintes:
F V F V V V V
1) Se p então q = Se não q então não p.
F F V V V V V Ex: Se chove então me molho = Se não me molho então não
chove
Portanto, p → q é equivalente a ~q → ~p, pois estas proposi-
ções possuem a mesma tabela-verdade ou a bicondicional (p → q) 2) Se p então q = Não p ou q.
↔ (~q → ~p) é uma tautologia. Ex: Se estudo então passo no concurso = Não estudo ou passo
Veja a representação: no concurso
(p → q) ⇔ (~q → ~p) Colocando estes resultados em uma tabela, para ajudar a me-
morização, teremos:
EQUIVALÊNCIAS LOGICAS NOTÁVEIS

Dizemos que duas proposições são logicamente equivalentes


(ou simplesmente equivalentes) quando os resultados de suas ta-
belas-verdade são idênticos.
Uma consequência prática da equivalência lógica é que ao tro-
car uma dada proposição por qualquer outra que lhe seja equiva- Equivalências com o Símbolo da Negação
lente, estamos apenas mudando a maneira de dizê-la. Este tipo de equivalência já foi estudado. Trata-se, tão somen-
A equivalência lógica entre duas proposições, p e q, pode ser te, das negações das proposições compostas! Lembremos:
representada simbolicamente como: p q, ou simplesmente por p
= q.
Começaremos com a descrição de algumas equivalências lógi-
cas básicas.

Equivalências Básicas

1. p e p = p
Ex: André é inocente e inocente = André é inocente

2. p ou p = p
Ex: Ana foi ao cinema ou ao cinema = Ana foi ao cinema É possível que surja alguma dúvida em relação a última linha
da tabela acima. Porém, basta lembrarmos do que foi aprendido:
3. p e q = q e p p↔q = (pq) e (qp)
Ex: O cavalo é forte e veloz = O cavalo é veloz e forte (Obs: a BICONDICIONAL tem esse nome: porque equivale a
duas condicionais!)
4. p ou q = q ou p Para negar a bicondicional, teremos na verdade que negar a
Ex: O carro é branco ou azul = O carro é azul ou branco sua conjunção equivalente.
E para negar uma conjunção, já sabemos, nega-se as duas par-
5. p ↔ q = q ↔ p tes e troca-se o E por OU. Fica para casa a demonstração da negação
Ex: Amo se e somente se vivo = Vivo se e somente se amo. da bicondicional. Ok?
6. p ↔ q = (pq) e (qp) Outras equivalências
Ex: Amo se e somente se vivo = Se amo então vivo, e se vivo Algumas outras equivalências que podem ser relevantes são as
então amo seguintes:
Para facilitar a memorização, veja a tabela abaixo:
1) p e (p ou q) = p
Ex: Paulo é dentista, e Paulo é dentista ou Pedro é médico =
Paulo é dentista

2) p ou (p e q) = p
Ex: Paulo é dentista, ou Paulo é dentista e Pedro é médico =
Paulo é dentista

Por meio das tabelas-verdade estas equivalências podem ser


facilmente demonstradas.
Para auxiliar nossa memorização, criaremos a tabela seguinte:

30
MATEMÁTICA
3. (PC-MA - Farmacêutico Legista - FGV/2012)
Em frente à casa onde moram João e Maria, a prefeitura está
fazendo uma obra na rua. Se o operário liga a britadeira, João sai
de casa e Maria não ouve a televisão. Certo dia, depois do almoço,
Maria ouve a televisão.
Pode-se concluir, logicamente, que
NEGAÇÃO DE PROPOSIÇÕES COMPOSTAS
A) João saiu de casa.
B) João não saiu de casa.
C) O operário ligou a britadeira.
D) O operário não ligou a britadeira.
E) O operário ligou a britadeira e João saiu de casa.

“Se o operário liga a britadeira, João sai de casa e Maria não


ouve a televisão”, logo se Maria ouve a televisão, a britadeira não
pode estar ligada.
(TJ-AC - Técnico Judiciário - Informática - CESPE/2012)
QUESTÕES COMENTADAS:
Em decisão proferida acerca da prisão de um réu, depois de
constatado pagamento de pensão alimentícia, o magistrado deter-
1. (PROCERGS - Técnico de Nível Médio - Técnico em Seguran-
minou: “O réu deve ser imediatamente solto, se por outro motivo
ça do Trabalho - FUNDATEC/2012) A proposição “João comprou um
não estiver preso”.
carro novo ou não é verdade que João comprou um carro novo e
Considerando que a determinação judicial corresponde a uma
não fez a viagem de férias.” é:
proposição e que a decisão judicial será considerada descumprida
A) um paradoxo.
se, e somente se, a proposição correspondente for falsa, julgue os
B) um silogismo.
itens seguintes.
C) uma tautologia.
D) uma contradição.
4. Se o réu permanecer preso, mesmo não havendo outro moti-
E) uma contingência.
vo para estar preso, então, a decisão judicial terá sido descumprida.
A) Certo
Tautologia é uma proposição composta cujo resultado é sem-
B) Errado
pre verdadeiro para todas as atribuições que se têm, independen-
temente dessas atribuições.
A decisão judicial é “O réu deve ser imediatamente solto, se por
Rodrigo, posso estar errada, mas ao construir a tabela-verdade
outro motivo não estiver preso”, logo se o réu continuar preso sem
com a proposição que você propôs não vamos ter uma tautologia,
outro motivo para estar preso, será descumprida a decisão judicial.
mas uma contingência.
A proposição a ser utilizada aqui seria a seguinte: P v ~(P ^ ~Q),
5. Se o réu for imediatamente solto, mesmo havendo outro
que, ao construirmos a tabela-verdade ficaria da seguinte forma:
motivo para permanecer preso, então, a decisão judicial terá sido
descumprida.
P Q ~Q (P/\~Q) ~(P/\~Q) P V ~(P/\~Q) A) Certo
V V F F V V B) Errado
V F V V F V
P = se houver outro motivo
F V F F V V Q = será solto
F F V F V V A decisão foi: Se não P então Q, logo VV = V
A questão afirma: Se P então Q, logo FV = V
2. (PM-BA - Soldado da Polícia Militar - FCC /2012) Não contrariou, iria contrariar se a questão resultasse V + F = F
A negação lógica da proposição: “Pedro é o mais velho da clas-
se ou Jorge é o mais novo da classe” é 6. As proposições “Se o réu não estiver preso por outro motivo,
A) Pedro não è o mais novo da classe ou Jorge não é o mais deve ser imediatamente solto” e “Se o réu não for imediatamen-
velho da classe. te solto, então, ele está preso por outro motivo” são logicamente
B) Pedro é o mais velho da classe e Jorge não é o mais novo equivalentes.
da classe. A) Certo
C) Pedro não é o mais velho da classe e Jorge não é o mais novo B) Errado
da classe.
D) Pedro não é o mais novo da classe e Jorge não é o mais O réu não estiver preso por outro motivo = ~P
velho da classe. Deve ser imediatamente solto = S
E) Pedro é o mais novo da classe ou Jorge é o mais novo da Se o réu não estiver preso por outro motivo, deve ser imedia-
classe. tamente solto=P S
Se o réu não for imediatamente solto, então, ele está preso por
p v q= Pedro é o mais velho da classe ou Jorge é o mais novo outro motivo = ~SP
da classe. De acordo com a regra de equivalência (A B) = (~B ~A) a ques-
~p=Pedro não é o mais velho da classe. tão está correta.
~q=Jorge não é o mais novo da classe.
~(p v q)=~p v ~q= Pedro não é o mais velho da classe ou Jorge
não é o mais novo da classe.

31
MATEMÁTICA
7. A negação da proposição relativa à decisão judicial estará Não havendo RESPOSTA: , modificaremos a condicional inicial,
corretamente representada por “O réu não deve ser imediatamente transformando-a em outra condicional equivalente, nesse caso uti-
solto, mesmo não estando preso por outro motivo”. lizaremos o conceito da contrapositiva ou contra posição: pq ~q ~p
A) Certo “Se Viviane não dança, Márcia não canta” “Se Márcia canta,
B) Errado Viviane dança”
Transformando, a condicional “Se Márcia canta, Viviane dança”
“O réu deve ser imediatamente solto, se por outro motivo não na forma de condição suficiente e condição necessária, obteremos
estiver preso” está no texto, assim: as seguintes possibilidades:
P = “Por outro motivo não estiver preso” 1ª possibilidade: Márcia cantar é condição suficiente para Vi-
Q = “O réu deve ser imediatamente solto” viane dançar. Não há RESPOSTA: para essa possibilidade.
PQ, a negação ~(P Q) = P e ~Q 2ª possibilidade: Viviane dançar é condição necessária para
P e ~Q = Por outro motivo estiver preso o réu não deve ser Márcia cantar.
imediatamente solto” RESPOSTA: “C”.
8. (Polícia Civil/SP - Investigador – VUNESP/2014) Um antropó- 11. (BRDE - ANALISTA DE SISTEMAS - AOCP/2012) Considere a
logo estadunidense chega ao Brasil para aperfeiçoar seu conheci- sentença: “Se Ana é professora, então Camila é médica.” A proposi-
mento da língua portuguesa. Durante sua estadia em nosso país, ção equivalente a esta sentença é
ele fica muito intrigado com a frase “não vou fazer coisa nenhuma”, A) Ana não é professora ou Camila é médica.
bastante utilizada em nossa linguagem coloquial. A dúvida dele sur- B) Se Ana é médica, então Camila é professora.
ge porque C) Se Camila é médica, então Ana é professora.
A) a conjunção presente na frase evidencia seu significado. D) Se Ana é professora, então Camila não é médica.
B) o significado da frase não leva em conta a dupla negação. E) Se Ana não é professora, então Camila não é médica.
C) a implicação presente na frase altera seu significado.
D) o significado da frase não leva em conta a disjunção. Existem duas equivalências particulares em relação a uma con-
E) a negação presente na frase evidencia seu significado. dicional do tipo “Se A, então B”.

~(~p) é equivalente a p 1ª) Pela contrapositiva ou contraposição: “Se A, então B” é


Logo, uma dupla negação é equivalente a afirmar. equivalente a “Se ~B, então ~A”
RESPOSTA: “B”. “Se Ana é professora, então Camila é médica.” Será equivalente
a:
9. (Receita Federal do Brasil – Analista Tributário - ESAF/2012) “Se Camila não é médica, então Ana não é professora.”
A negação da proposição “se Paulo estuda, então Marta é atleta” é
logicamente equivalente à proposição: 2ª) Pela Teoria da Involução ou Dupla Negação: “Se A, então B”
A) Paulo não estuda e Marta não é atleta. é equivalente a “~A ou B”
B) Paulo estuda e Marta não é atleta. “Se Ana é professora, então Camila é médica.” Será equivalente
C) Paulo estuda ou Marta não é atleta. a:
D) se Paulo não estuda, então Marta não é atleta. “Ana não é professora ou Camila é médica.”
E) Paulo não estuda ou Marta não é atleta. Ficaremos, então, com a segunda equivalência, já que esta con-
figura no gabarito.
A negação de uma condicional do tipo: “Se A, então B” (AB) RESPOSTA: “A”.
será da forma:
~(A B) A^ ~B (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Considerando
Ou seja, para negarmos uma proposição composta represen- que P e Q representem proposições conhecidas e que V e F repre-
tada por uma condicional, devemos confirmar sua primeira parte sentem, respectivamente, os valores verdadeiro e falso, julgue os
(“A”), trocar o conectivo condicional (“”) pelo conectivo conjunção próximos itens. (374 a 376)
(“^”) e negarmos sua segunda parte (“~ B”). Assim, teremos:
RESPOSTA: “B”. 12. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) (PC/DF –
Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) As proposições Q e P (¬ Q)
10. (ANVISA - TÉCNICO ADMINISTRATIVO - CETRO/2012) Se Vi- são, simultaneamente, V se, e somente se, P for F.
viane não dança, Márcia não canta. Logo, ( )Certo ( ) Errado
A) Viviane dançar é condição suficiente para Márcia cantar.
B) Viviane não dançar é condição necessária para Márcia não Observando a tabela-verdade da proposição composta “P (¬
cantar. Q)”, em função dos valores lógicos de “P” e “Q”, temos:
C) Viviane dançar é condição necessária para Márcia cantar.
D) Viviane não dançar é condição suficiente para Márcia cantar. P Q ¬Q P→(¬Q)
E) Viviane dançar é condição necessária para Márcia não can-
tar. V V F F
V F V V
Inicialmente, reescreveremos a condicional dada na forma de F V F V
condição suficiente e condição necessária:
“Se Viviane não dança, Márcia não canta” F F V V
1ª possibilidade: Viviane não dançar é condição suficiente para
Márcia não cantar. Não há RESPOSTA: para essa possibilidade. Observando-se a 3 linha da tabela-verdade acima, ―Q‖ e ―P ®
2ª possibilidade: Márcia não cantar é condição necessária para (¬ Q) são, simultaneamente, V se, e somente se, ―P‖ for F.
Viviane não dançar.. Não há RESPOSTA: para essa possibilidade. Resposta: CERTO.

32
MATEMÁTICA
13. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) A proposi- Sabendo-se que a condicional P3 é verdadeira e conhecendo-
ção [PvQ]Q é uma tautologia. -se o valor lógico de sua 2ª parte como falsa (F), então o valor lógico
( )Certo ( ) Errado de sua 1ª parte nunca poderá ser verdadeiro (V). Assim, a proposi-
ção simples ―a justiça é eficaz‖ será considerada falsa (F).
Construindo a tabela-verdade da proposição composta: [P Ú Q] Se a proposição simples ―a justiça é eficaz‖ é considerada falsa
® Q, teremos como solução: (F), então a 2ª parte da disjunção simples representada pela premis-
P Q Pv Q (Pv Q)→Q (p^~q)↔(~p v q) sa P2, também, será falsa (F).
V V V V→V V
V F V V→F F
F V V V→V V
F F F F→F V

P(P;Q) = VFVV
Portanto, essa proposição composta é uma contingência ou in-
determinação lógica.
Resposta: ERRADO.

14. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Se P for F e Sendo verdadeira (V) a premissa P2 (disjunção simples) e co-
P v Q for V, então Q é V. nhecendo-se o valor lógico de uma das partes como falsa (F), então
( )Certo ( ) Errado o valor lógico da outra parte deverá ser, necessariamente, verda-
deira (V). Lembramos que, uma disjunção simples será considerada
Lembramos que uma disjunção simples, na forma: “P vQ”, será verdadeira (V), quando, pelo menos, uma de suas partes for verda-
verdadeira (V) se, pelo menos, uma de suas partes for verdadeira deira (V).
(V). Nesse caso, se “P” for falsa e “PvQ” for verdadeira, então “Q”
será, necessariamente, verdadeira. Sendo verdadeira (V) a proposição simples ―a impunidade é
Resposta: CERTO. alta‖, então, confirmaremos também como verdadeira (V), a 1ª par-
te da condicional representada pela premissa P1.
(PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013)
P1: Se a impunidade é alta, então a criminalidade é alta.
P2: A impunidade é alta ou a justiça é eficaz.
P3: Se a justiça é eficaz, então não há criminosos livres.
P4: Há criminosos livres.
C: Portanto a criminalidade é alta.

Considerando o argumento apresentado acima, em que P1, P2,


P3 e P4 são as premissas e C, a conclusão, julgue os itens subse-
quentes. (377 e 378)

15. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) O argumen-


to apresentado é um argumento válido.
( )Certo ( ) Errado
Considerando-se como verdadeira (V) a 1ª parte da condicional
Verificaremos se as verdades das premissas P1, P2, P3 e P4 sus- em P1, então, deveremos considerar também como verdadeira (V),
tentam a verdade da conclusão. Nesse caso, devemos considerar sua 2ª parte, pois uma verdade sempre implica em outra verdade.
que todas as premissas são, necessariamente, verdadeiras. Considerando a proposição simples ―a criminalidade é alta‖
P1: Se a impunidade é alta, então a criminalidade é alta. (V) como verdadeira (V), logo a conclusão desse argumento é, de fato,
P2: A impunidade é alta ou a justiça é eficaz. (V) verdadeira (V), o que torna esse argumento válido.
P3: Se a justiça é eficaz, então não há criminosos livres. (V) Resposta: CERTO.
P4: Há criminosos livres. (V)
Portanto, se a premissa P4 – proposição simples – é verdadeira 16. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) A negação
(V), então a 2ª parte da condicional representada pela premissa P3 da proposição P1 pode ser escrita como “Se a impunidade não é
será considerada falsa (F). Então, veja: alta, então a criminalidade não é alta”.
( )Certo ( ) Errado

Seja P1 representada simbolicamente, por:


A impunidade não é alta(p) então a criminalidade não é alta(q)
A negação de uma condicional é dada por:
~(pq)
Logo, sua negação será dada por: ~P1 a impunidade é alta e a
criminalidade não é alta.
Resposta:ERRADO.

33
MATEMÁTICA
EQUIVALÊNCIAS LÓGICAS Equivalência fundamentais (Propriedades Fundamentais): a
equivalência lógica entre as proposições goza das propriedades si-
Diz-se que uma proposição P(p,q,r..) é logicamente equivalente métrica, reflexiva e transitiva.
ou equivalente a uma proposição Q(p,r,s..) se as tabelas-verdade
dessas duas proposições são IDÊNTICAS. 1 – Simetria (equivalência por simetria)
Para indicar que são equivalentes, usaremos a seguinte nota-
ção: a) p ∧ q ⇔ q ∧ p
P(p,q,r..) ⇔ Q(p,r,s..)
Essa parte de equivalência é um pouco mais chatinha, mas con- p q p∧q q∧p
forme estudamos, vou falando algumas dicas.
V V V V
V F F F
Regra da Dupla negação
F V F F
~~p⇔p
F F F F
p ~p ~~p b) p∨ ♣ q ⇔ q∨ ♣ p
V F V
F V F p∨ q∨
p q
♣ q ♣ p
São iguais, então ~~p⇔p V V V V
Regra de Clavius V F V V
~p→p⇔p
F V V V
F F F F
p ~p ~p→p
V F V c) p∨ ♣ q ⇔ q p
F V F
p∨ q∨ ♣
Regra de Absorção p q
♣ q p
p→p∧q⇔p→q V V F F
V F V V
p q p∧q p→p∧q p→q F V V V
V V V V V F F F F
V F F F F
F V F V V d) p ↔ q ⇔ q ↔ p
F F F V V
p q p↔q q↔p
Condicional V V V V
V F F F
Gostaria da sua atenção aqui, pois as condicionais são as mais F V F F
pedidas nos concursos F F V V
A condicional p→q e a disjunção ~p∨q, têm tabelas-verdades
idênticas Equivalências notáveis:
1 - Distribuição (equivalência pela distributiva)
p ~p q p∧q p→q ~p∨q a) p ∧ (q∨ ♣ r) ⇔ (p ∧ q)∨ ♣ (p ∧ r)
V F V V V V
V F F F F F q∨ p∧ p
p (p ∧ q)∨ ♣
F V V F V V p q r ♣ (q∨ ∧
∧r (p ∧ r)
F V F F V V r ♣ r) q
V V V V V V V V
Exemplo V V F V V V F V
p: Coelho gosta de cenoura V F V V V F V V
q: Coelho é herbívoro. V F F F F F F F
F V V V F F F F
p→q: Se coelho gosta de cenoura, então coelho é herbívoro. F V F V F F F F
~p∨q: Coelha não gosta de cenoura ou coelho é herbívoro F F V V F F F F
F F F F F F F F
A condicional ~p→~q é equivalente a disjunção p∨~q

p q ~p ~q ~p→~q p∨~q
V V F F V V
V F F V V V
F V V F F F
F F V V V V

34
MATEMÁTICA
b) p∨ ♣ (q ∧ r) ⇔ (p∨ ♣ q) ∧ (p∨ ♣ r) Da mesma forma que vimos na condicional mais acima, temos
outros modos de definir a equivalência da condicional que são de
q p∨ p∨ (p∨ ♣ q) igual importância
p∨ ♣ 1º caso – (p → q) ⇔ (~q → ~p)
p q r ∧ ♣ ♣ ∧ (p∨
(q ∧ r)
r q r ♣ r)
V V V V V V V V p q ~p ~q p→q ~q → ~p
V V F F V V V V V V F F V V
V F V F V V V V V F F V F F
V F F F V V V V F V V F V V
F V V V V V V V F F V V V V
F V F F F V F F
F F V F F F V F 2º caso: (~p → q) ⇔ (~q → p)
F F F F F F F F
p q ~p ~p → q ~q ~q → p
2 - Associação (equivalência pela associativa) V V F V F V
V F F V V V
a) p ∧ (q ∧ r) ⇔ (p ∧ q) ∧ (p ∧ r) F V V V F V
F F V F V F
q p
p ∧ (q p∧ (p ∧ q) ∧ (p
p q r ∧ ∧ 3º caso: (p → ~q) ⇔ (q → ~p)
∧ r) q ∧ r)
r r
V V V V V V V V
p q ~q p → ~q ~p q → ~p
V V F F F V F F
V V F F F F
V F V F F F V F
V F V V F V
V F F F F F F F
F V F V V V
F V V V F F F F
F F V V V V
F V F F F F F F
F F V F F F F F 5 - Pela bicondicional
F F F F F F F F a) (p ↔ q) ⇔ (p → q) ∧ (q → p), por definição
b) p∨ ♣ (q∨ ♣ r) ⇔ (p∨ ♣ q)∨ ♣ (p∨ ♣ r)
p q p↔q p→q q→p (p → q) ∧ (q → p)
q∨ p∨ ♣ p∨ p∨ (p∨ ♣ V V V V V V
p q r ♣ (q∨ ♣ ♣ ♣ q)∨ ♣ V F F F V F
r r) q r (p∨ ♣ r) F V F V F F
V V V V V V V V F F V V V V
V V F V V V V V
V F V V V V V V b) (p ↔ q) ⇔ (~q → ~p) ∧ (~p → ~q)
V F F F V V V V
p
F V V V V V V V ~q → ~p → (~q → ~p) ∧
p q ↔ ~q ~p
F V F V V V F V ~p ~q (~p → ~q)
F F V V V F V V q
V V V F F V V V
F F F F F F F F V F F V F F V F
F V F F V V F F
3 – Idempotência
a) p ⇔ (p ∧ p) F F V V V V V V
Para ficar mais fácil o entendimento, vamos fazer duas colunas
c) (p ↔ q) ⇔ (p ∧ q)∨ ♣ (~p ∧ ~q)
com p:
p p ~p
p p p∧p (p ∧ q)∨ ♣
p q ↔ ∧ ~p ~q ∧
V V V (~p ∧ ~q)
q q ~q
F F F V V V V F F F V
V F F F F V F F
b) p ⇔ (p∨ ♣ p) F V F F V F F F
F F V F V V V V
p p p∨p
V V V
F F F

4 - Pela contraposição: de uma condicional gera-se outra con-


dicional equivalente à primeira, apenas invertendo-se e negando-se
as proposições simples que as compõem.

35
MATEMÁTICA
6 - Pela exportação-importação 04. (TRT 12ª REGIÃO – Analista Judiciário – FGV/2017) Consi-
[(p ∧ q) → r] ⇔ [p → (q → r)] dere a sentença: “Se Pedro é torcedor do Avaí e Marcela não é tor-
cedora do Figueirense, então Joana é torcedora da Chapecoense”.
p∧ (p ∧ q) Uma sentença logicamente equivalente à sentença dada é:
p q r q→r p → (q → r) (A) Se Pedro não é torcedor do Avaí ou Marcela é torcedora do
q →r
V V V V V V V Figueirense, então Joana não é torcedora da Chapecoense.
V V F V F F F (B) Se Pedro não é torcedor do Avaí e Marcela é torcedora do
V F V F V V V Figueirense, então Joana não é torcedora da Chapecoense.
V F F F V V V (C) Pedro não é torcedor do Avaí ou Marcela é torcedora do
F V V F V V V Figueirense ou Joana é torcedora da Chapecoense.
F V F F V F V (D) Se Joana não é torcedora da Chapecoense, então Pedro não
F F V F V V V é torcedor do Avaí e Marcela é torcedora do Figueirense.
F F F F V V V (E) Pedro não é torcedor do Avaí ou Marcela é torcedora do
Figueirense e Joana é torcedora da Chapecoense.
Proposições Associadas a uma Condicional (se, então)
05. (IBGE – Analista Censitário – FGV/2017) Considere como
Chama-se proposições associadas a p → q as três proposições verdadeira a seguinte sentença: “Se todas as flores são vermelhas,
condicionadas que contêm p e q: então o jardim é bonito”.
É correto concluir que:
– Proposições recíprocas: p → q: q → p (A) se todas as flores não são vermelhas, então o jardim não é
– Proposição contrária: p → q: ~p → ~q bonito;
– Proposição contrapositiva: p → q: ~q → ~p (B) se uma flor é amarela, então o jardim não é bonito;
Observe a tabela verdade dessas quatro proposições: (C) se o jardim é bonito, então todas as flores são vermelhas;
(D) se o jardim não é bonito, então todas as flores não são ver-
q melhas;
p→ ~p → ~q →
p q ~p ~q → (E) se o jardim não é bonito, então pelo menos uma flor não é
q ~q ~p
p vermelha.
V V F F V V V V
V F F V F V V F 06. (POLITEC/MT – Papiloscopista – UFMT/2017) Uma propo-
F V V F V F F V sição equivalente a Se há fumaça, há fogo, é:
F F V V V V V V
(A) Se não há fumaça, não há fogo.
Observamos ainda que a condicional p → q e a sua recíproca q (B) Se há fumaça, não há fogo.
→ p ou a sua contrária ~p → ~q NÃO SÃO EQUIVALENTES. (C) Se não há fogo, não há fumaça.
(D) Se há fogo, há fumaça.
EXERCÍCIOS 07. (DPE/RR – Técnico em Informática – INAZ DO PARÁ/2017)
Diz-se que duas preposições são equivalentes entre si quando elas
01. (TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário - VUNESP/2017) possuem o mesmo valor lógico. A sentença logicamente equivalen-
Uma afirmação equivalente para “Se estou feliz, então passei no te a: “ Se Maria é médica, então Victor é professor” é:
concurso” é: (A) Se Victor não é professor então Maria não é médica
(A) Se passei no concurso, então estou feliz. (B) Se Maria não é médica então Victor não é professor
(B) Se não passei no concurso, então não estou feliz. (C) Se Victor é professor, Maria é médica
(C) Não passei no concurso e não estou feliz. (D) Se Maria é médica ou Victor é professor
(D) Estou feliz e passei no concurso. (E) Se Maria é médica ou Victor não é professor
(E) Passei no concurso e não estou feliz.
08. (PREF. DE RIO DE JANEIRO – Administrador – PREF. DO RIO
02. (UTFPR – Pedagogo – UTFPR/2017) Considere a frase: DE JANEIRO/2016) Uma proposição logicamente equivalente a “se
Se Marco treina, então ele vence a competição. eu não posso pagar um táxi, então vou de ônibus” é a seguinte:
A frase equivalente a ela é:
(A) Se Marco não treina, então vence a competição. (A) se eu não vou de ônibus, então posso pagar um táxi
(B) Se Marco não treina, então não vence a competição. (B) se eu posso pagar um táxi, então não vou de ônibus
(C) Marco treina ou não vence a competição. (C) se eu vou de ônibus, então não posso pagar um táxi
(D) Marco treina se e somente se vence a competição. (D) se eu não vou de ônibus, então não posso pagar um táxi
(E) Marco não treina ou vence a competição.
09. (PREF. DO RIO DE JANEIRO – Agente de Administração
03. (TRF 1ª REGIÃO – Cargos de nível médio – CESPE/2017) A – PREF. DO RIO DE JANEIRO/2016) Uma proposição logicamente
partir da proposição P: “Quem pode mais, chora menos.”, que cor- equivalente a “todo ato desonesto é passível de punição” é a se-
responde a um ditado popular, julgue o próximo item. guinte:
Do ponto de vista da lógica sentencial, a proposição P é equiva- (A) todo ato passível de punição é desonesto.
lente a “Se pode mais, o indivíduo chora menos”. (B) todo ato não passível de punição é desonesto.
( ) Certo (C) se um ato não é passível de punição, então não é desonesto.
( ) Errado (D) se um ato não é desonesto, então não é passível de puni-
ção.

36
MATEMÁTICA
10. (TJ/PI – Analista Judiciário – FGV/2015) Considere a sen- 09. Resposta: C.
tença: “Se gosto de capivara, então gosto de javali”. Vamos pensar da seguinte maneira:
Uma sentença logicamente equivalente à sentença dada é: Se todo ato é desonesto, então é passível de punição
(A) Se não gosto de capivara, então não gosto de javali. Temos p→q e a equivalência pode ser: “~q→~p” ou “~p∨q”
(B) Gosto de capivara e gosto de javali. Nesse caso, as alternativas nos mostram condicional.
(C) Não gosto de capivara ou gosto de javali. Se um ato não é passível de punição, então não é desonesto.
(D) Gosto de capivara ou não gosto de javali.
(E) Gosto de capivara e não gosto de javali. 10. Resposta: C.
Lembra da tabela da teoria??
GABARITO
p q p→q ~p ~p∨q
V V V F V
01. Resposta: B. V F F F F
p→q⇔~q→~p F V V V V
p: Estou feliz F F V V V
q: passei no concurso
A equivalência ficaria: Então
Se não passei no concurso, então não estou feliz. p: Gosto de capivara
q: Gosto de javali
02. Resposta: E.
Temos p→q e a equivalência pode ser: “~q→~p” ou “~p∨q” Temos p→q e a equivalência pode ser ~q→~p, mas não temos
P: Marcos treina essa opção.
Q: ele vence a competição Portanto, deve ser ~p∨q
Marcos não treina ou ele vence a competição Não gosto de capivara ou gosto de javali.
03. Resposta: Certo. Referências
Uma dica é que normalmente quando tem vírgula é condicio-
ALENCAR FILHO, Edgar de – Iniciação a lógica matemática – São
nal, não é regra, mas acontece quando você não acha o conectivo.
Paulo: Nobel – 2002.
CABRAL, Luiz Cláudio Durão; NUNES, Mauro César de Abreu -
04. Resposta: C.
Raciocínio lógico passo a passo – Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.
Temos p→q e a equivalência pode ser: “~q→~p” ou “~p∨q”
~p: Pedro não é torcedor do Avaí ou Marcela é torcedora do
LEIS DE DEMORGAN
Figueirense
~q→~p: Se Joana não é torcedora da Chapecoense, então Pe-
dro não é torcedor do Avaí ou Marcela é torcedora do Figueirense Negação de uma proposição composta
~p∨q: Pedro não é torcedor do Avaí ou Marcela é torcedora do Definição: Quando se nega uma proposição composta primi-
Figueirense ou Joana é torcedora da Chapecoense. tiva, gera-se outra proposição também composta e equivalente à
negação de sua primitiva.
05. Resposta: E. Ou seja, muitas vezes para os exercícios teremos que saber qual
Equivalência: p→q⇔~q→~p a equivalência da negação para compor uma frase, por exemplo.
Para negar Todos:
Pelo menos faz o contrário, ou seja, no nosso caso, pelo menos Negação de uma conjunção (Lei de Morgan)
uma flor não é vermelha Para negar uma conjunção, basta negar as partes e trocar o co-
~p: Pelo menos uma flor não é vermelha nectivo conjunção pelo conectivo disjunção.
Se o jardim não é bonito, então pelo menos uma flor não é ~(p ∧ q) ⇔ (~p∨ ♣ ~q)
vermelha.
~p∨ ♣
p q ~p ~q p∧q ~(p ∧ q)
06. Resposta: C. ~q
Nega as duas e troca de lado. V V F F V F F
Se não há fogo, então não há fumaça. V F F V F V V
F V V F F V V
07. Resposta: A. F F V V F V V
Nega as duas e troca de lado.
Se Victor não é professor, então Maria não é medica. Negação de uma disjunção (Lei de Morgan)
Para negar uma disjunção, basta negar as partes e trocar o co-
08. Resposta: A. nectivo-disjunção pelo conectivo-conjunção.
Temos p→q e a equivalência pode ser ~q→~p ~(p∨ ♣ q) ⇔ (~p ∧ ~q)
~p∨q
Nesse caso, como temos apenas condicional nas alternativas. p∨ ~(p∨ ♣
p q ~p ~q ~p ∧ ~q
Nega as duas e troca ♣ q q)
p: não posso pagar um táxi V V F F V F F
q: vou de ônibus V F F V V F F
~p: Posso pagar um táxi F V V F V F F
~q: Não vou de ônibus F F V V F V V
Se não vou de ônibus, então posso pagar um táxi

37
MATEMÁTICA
Resumindo as negações, quando é conjunção nega as duas e troca por “ou”
Quando for disjunção, nega tudo e troca por “e”.
Negação de uma disjunção exclusiva
~(p∨ ♣ q) ⇔ (p ↔ q)

p q p∨q ~( p∨q) p↔q


V V F V V
V F V F F
F V V F F
F F F V V

Negação de uma condicional


Famoso MANE
Mantém a primeira e nega a segunda.
~(p → q) ⇔ (p ∧ ~q)

p q p→q ~q ~(p → q) p ∧ ~q
V V V F F F
V F F V V V
F V V F F V
F F V V F F

Negação de uma bicondicional


~(p ↔ q) = ~[(p → q) ∧ (q → p)] ⇔ [(p ∧ ~q)∨ ♣ (q ∧ ~p)]

[(p ∧ ~q)∨
~[(p → q) ∧
P Q p↔q p→q q→p p → q) ∧ (q → p)] p ∧ ~q q ∧ ~p ♣
(q → p)]
(q ∧ ~p)]
V V V V V V F F F F
V F F F V F V V F V
F V F V F F V F V V
F F V V V V F F F F

Dupla negação (Teoria da Involução)


De uma proposição simples: p ⇔ ~ (~p)

P ~P ~ (~p)
V F V
F V F

b) De uma condicional: Definição: A dupla negação de uma condicional dá-se da seguinte forma: nega-se a 1ª parte da condicional,
troca-se o conectivo-condicional pela disjunção e mantém-se a 2a parte.
Demonstração: Seja a proposição primitiva: p → q nega-se pela 1a vez: ~(p → q) ⇔ p ∧ ~q nega-se pela 2a vez: ~(p ∧ ~q) ⇔ ~p∨ ♣ q
Conclusão: Ao negarmos uma proposição primitiva duas vezes consecutivas, a proposição resultante será equivalente à sua proposição
primitiva. Logo, p → q ⇔ ~p∨ ♣ q

EXERCÍCIOS

01. (CORREIOS – Engenheiro de Segurança do Trabalho Júnior – IADES/2017) Qual é a negação da proposição “Engenheiros gostam
de biológicas e médicos gostam de exatas.”?
(A) Engenheiros não gostam de biológicas ou médicos não gostam de exatas.
(B) Engenheiros não gostam de biológicas e médicos gostam de exatas.
(C) Engenheiros não gostam de biológicas ou médicos gostam de exatas.
(D) Engenheiros gostam de biológicas ou médicos não gostam de exatas.
(E) Engenheiros não gostam de biológicas e médicos não gostam de exatas.

02. (ARTES - Agente de Fiscalização à Regulação de Transporte - Tecnologia de Informação - FCC/2017) A afirmação que corresponde
à negação lógica da frase ‘Vendedores falam muito e nenhum estudioso fala alto’ é:
(A) ‘Nenhum vendedor fala muito e todos os estudiosos falam alto’.
(B) ‘Vendedores não falam muito e todos os estudiosos falam alto’.
(C) ‘Se os vendedores não falam muito, então os estudiosos não falam alto’.
(D) ‘Pelo menos um vendedor não fala muito ou todo estudioso fala alto’.
(E) ‘Vendedores não falam muito ou pelo menos um estudioso fala alto’

38
MATEMÁTICA
03. (IGP/RS – Perito Criminal 0 FUNDATEC/2017) A negação da (A) A empresa não alegou ter pago suas obrigações previden-
proposição “Todos os homens são afetuosos” é: ciárias ou apresentou os comprovantes de pagamento.
(A) Toda criança é afetuosa. (B) A empresa alegou ter pago suas obrigações previdenciárias
(B) Nenhum homem é afetuoso. ou não apresentou os comprovantes de pagamento.
(C) Todos os homens carecem de afeto. (C)A empresa alegou ter pago suas obrigações previdenciárias
(D) Pelo menos um homem não é afetuoso. e apresentou os comprovantes de pagamento.
(E) Todas as mulheres não são afetuosas. (D) A empresa não alegou ter pago suas obrigações previden-
ciárias nem apresentou os comprovantes de pagamento.
04. (TRT – Analista Judiciário – FCC/2017) Uma afirmação que
corresponda à negação lógica da afirmação: todos os programas fo- 09. (DPE/RS – Analista – FCC/2017) Considere a afirmação:
ram limpos e nenhum vírus permaneceu, é: Ontem trovejou e não choveu.
(A) Se pelo menos um programa não foi limpo, então algum Uma afirmação que corresponde à negação lógica desta afir-
vírus não permaneceu. mação é
(B) Existe um programa que não foi limpo ou pelo menos um (A) se ontem não trovejou, então não choveu.
vírus permaneceu. (B) ontem trovejou e choveu.
(C) Nenhum programa foi limpo e todos os vírus permanece- (C) ontem não trovejou ou não choveu.
(D) ontem não trovejou ou choveu.
ram.
(E) se ontem choveu, então trovejou.
(D) Alguns programas foram limpos ou algum vírus não perma-
neceu.
10. (DPE/RS – Analista – FCC/2017) Considere a afirmação:
(E) Se algum vírus permaneceu, então nenhum programa foi
Se sou descendente de italiano, então gosto de macarrão e gos-
limpos. to de parmesão.
Uma afirmação que corresponde à negação lógica desta afir-
05. (TRF 1ª REGIÃO – cargos de nível superior – CESPE/2017) mação é
Em uma reunião de colegiado, após a aprovação de uma matéria (A) Sou descendente de italiano e, não gosto de macarrão ou
polêmica pelo placar de 6 votos a favor e 5 contra, um dos 11 pre- não gosto de parmesão.
sentes fez a seguinte afirmação: “Basta um de nós mudar de ideia e (B) Se não sou descendente de italiano, então não gosto de ma-
a decisão será totalmente modificada.” carrão e não gosto de parmesão.
Considerando a situação apresentada e a proposição corres- (C) Se gosto de macarrão e gosto de parmesão, então não sou
pondente à afirmação feita, julgue o próximo item. descendente de italiano.
A negação da proposição pode ser corretamente expressa por (D) Não sou descendente de italiano e, gosto de macarrão e
“Basta um de nós não mudar de ideia ou a decisão não será total- não gosto de parmesão.
mente modificada”. (E) Se não gosto de macarrão e não gosto de parmesão, então
( ) CERTO ( ) ERRADO não sou descendente de italiano.

06. (TRF 1ª REGIÃO – Cargos de nível médio – CESPE/2017) A


partir da proposição P: “Quem pode mais, chora menos.”, que cor- GABARITO
responde a um ditado popular, julgue o próximo item.
A negação da proposição P pode ser expressa por “Quem não 01. Resposta: A.
pode mais, não chora menos” Nega as duas e muda o conectivo para ou
( ) Certo ( ) Errado |Engenheiros não gostam de biológicas OU médicos não gos-
tam de exatas.
07. (CFF – Analista de Sistema – INAZ DO PARÁ/2017) Dizer
que não é verdade que “Todas as farmácias estão abertas” é logica- 02. Resposta: E.
mente equivalente a dizer que: Nega as duas e coloca ou.
Vendedores não falam muito
(A) “Toda farmácia está aberta”. Para negar nenhum, devemos colocar pelo menos e a afirmativa
(B) “Nenhuma farmácia está aberta”. Pelo menos um estudioso fala muito.
(C) “Todas as farmácias não estão abertas”.
(D) “Alguma farmácia não está aberta”. OBS: Se fosse Todos a negação seria pelo menos 1 estudioso
(E) “Alguma farmácia está aberta”. não fala muito.

08. (TRT 7ª REGIÃO – Conhecimentos básicos cargos 1, 2, 7 e 03. Resposta: D.


8 – CESPE/2017) Texto CB1A5AAA – Proposição P Para negar todos, colocamos pelo menos um...
A empresa alegou ter pago suas obrigações previdenciárias, E negamos a frase.
mas não apresentou os comprovantes de pagamento; o juiz julgou, Pelo menos um homem não é afetuoso.
pois, procedente a ação movida pelo ex-empregado.
Proposição Q: A empresa alegou ter pago suas obrigações pre- 04. Resposta:B.
videnciárias, mas não apresentou os comprovantes de pagamento. Negação de Todos: Pelo menos um (existe um, alguns) e a ne-
A proposição Q, anteriormente apresentada, está presente na gação:
proposição P do texto CB1A5AAA. Pelo menos um programa não foi limpo.
Negação de nenhum : pelo menos um e a afirmação.
A negação da proposição Q pode ser expressa por: Pelo menos um vírus permaneceu.
Ou
Alguns vírus permaneceram.

39
MATEMÁTICA
05. Resposta: Errado. EXEMPLOS:
CUIDADO! 1. Todos os cariocas são alegres.
O basta traz sentido de condicional.     Todas as pessoas alegres vão à praia
Se um de nós mudar de ideia, então a decisão será totalmente  Todos os cariocas vão à praia.
modificada. 2. Todos os cientistas são loucos.
Portanto, mantém a primeira e nega a segunda (MANÈ)     Einstein é cientista.
Basta um de nós mudar de ideia e a decisão não será totalmen-  Einstein é louco!
te modificada.
Nestes exemplos temos o famoso silogismo categórico de for-
06. Resposta: Errado. ma típica ou simplesmente  silogismo. Os silogismos são os argu-
Negação de uma condicional: mantém a primeira e nega a se- mentos que têm somente duas premissas e mais a conclusão, e uti-
gunda. lizam os termos: todo, nenhum e algum, em sua estrutura.

07. Resposta: D. ANALOGIAS


Para negar todos: pelo menos uma, alguma, existe uma
Alguma farmácia não está aberta. A analogia é uma das melhores formas para utilizar o raciocí-
nio. Nesse tipo de raciocínio usa-se a comparação de uma situação
08. Resposta: A. conhecida com uma desconhecida. Uma analogia depende de três
Nega as duas e troca por “e” por “ou” situações:
A empresa não alegou ter pago suas obrigações previdenciárias • os fundamentos precisam ser verdadeiros e importantes;
ou apresentou os comprovantes de pagamento. • a quantidade de elementos parecidos entre as situações
deve ser significativo;
09. Resposta: D. • não pode existir conflitos marcantes.
Negação de ontem trovejou: ontem não trovejou
Negação de não choveu: choveu INFERÊNCIAS
Ontem não trovejou ou choveu.
A indução está relacionada a diversos casos pequenos que che-
10. Resposta: A. gam a uma conclusão geral. Nesse sentido podemos definir tam-
Negação de condicional: mantém a primeira e nega a segunda. bém a indução fraca e a indução forte. Essa indução forte ocorre
Negação de conjunção: nega as duas e troca “e” por “ou” quando não existe grandes chances de que um caso discorde da
Vamos fazer primeiro a negação da conjunção: gosto de macar- premissa geral. Já a fraca refere-se a falta de sustentabilidade de um
rão e gosto de parmesão. conceito ou conclusão.
Não gosto de macarrão ou não gosto de parmesão.
DEDUÇÕES
Sou descendente de italiano e não gosto de macarrão ou não
gosto de parmesão. ARGUMENTOS DEDUTIVOS E INDUTIVOS
Os argumentos podem ser classificados em dois tipos: Deduti-
LÓGICA DE ARGUMENTAÇÃO vos e Indutivos.

ARGUMENTO 1) O argumento será DEDUTIVO  quando suas premissas for-


necerem informações suficientes para comprovar a veracidade da
Argumento é uma relação que associa um conjunto de propo- conclusão, isto é, o argumento é dedutivo quando a conclusão é
sições (p1, p2, p3,... pn), chamadas premissas ou hipóteses, e uma completamente derivada das premissas.
proposição C chamada conclusão. Esta relação é tal que a estrutura
lógica das premissas acarretam ou tem como consequência a pro- EXEMPLO:
posição C (conclusão). Todo ser humano têm mãe.
O argumento pode ser representado da seguinte forma: Todos os homens são humanos.
Todos os homens têm mãe.

2) O argumento será  INDUTIVO  quando suas premissas não


fornecerem o “apoio completo” para ratificar as conclusões. Por-
tanto, nos argumentos indutivos, a conclusão possui informações
que ultrapassam as fornecidas nas premissas. Sendo assim, não se
aplica, então, a definição de argumentos válidos ou não válidos para
argumentos indutivos.
EXEMPLO:
O Flamengo é um bom time de futebol.
O Palmeiras é um bom time de futebol.
O Vasco é um bom time de futebol.
O Cruzeiro é um bom time de futebol.
Todos os times brasileiros de futebol são bons.
Note que não podemos afirmar que todos os times brasileiros
são bons sabendo apenas que 4 deles são bons.

40
MATEMÁTICA
Exemplo: (FCC) Considere que as seguintes afirmações são ver- SOLUÇÃO:
dadeiras: Se representarmos na forma de diagramas lógicos (ver artigo
“Toda criança gosta de passear no Metrô de São Paulo.” sobre diagramas lógicos), para facilitar a resolução, teremos:
“Existem crianças que são inteligentes.” I - Se uma mulher está desempregada, então, ela é infeliz. =
Assim sendo, certamente é verdade que: Toda mulher desempregada é infeliz.
(A) Alguma criança inteligente não gosta de passear no Metrô II - Se uma mulher é infeliz, então, ela vive pouco. = Toda mu-
de São Paulo. lher infeliz vive pouco.
(B) Alguma criança que gosta de passear no Metrô de São
Paulo é inteligente.
(C) Alguma criança não inteligente não gosta de passear no
Metrô de São Paulo.
(D) Toda criança que gosta de passear no Metrô de São Paulo
é inteligente.
(E) Toda criança inteligente não gosta de passear no Metrô
de São Paulo.

SOLUÇÃO:
Representando as proposições na forma de conjuntos (diagra-
mas lógicos – ver artigo sobre diagramas lógicos) teremos:
“Toda criança gosta de passear no Metrô de São Paulo.”
“Existem crianças que são inteligentes.” Com isso, qualquer mulher que esteja no conjunto das desem-
pregadas (ver boneco), automaticamente estará no conjunto das
mulheres que vivem pouco. Portanto, se a conclusão for a proposi-
ção “Mulheres desempregadas vivem pouco”, tem-se um argumen-
to correto (correto = válido!).

Argumento Inválido
Dizemos que um argumento é inválido, quando a verdade das
premissas não é suficiente para garantir a verdade da conclusão, ou
seja, quando a conclusão não é uma consequência obrigatória das
premissas.
Pelo gráfico, observamos claramente que se todas as crianças
gostam de passear no metrô e existem crianças inteligentes, en- Exemplo: (CESPE) É válido o seguinte argumento: Se Ana come-
tão alguma criança que gosta de passear no Metrô de São Paulo é teu um crime perfeito, então Ana não é suspeita, mas (e) Ana não
inteligente. Logo, a alternativa correta é a opção B. cometeu um crime perfeito, então Ana é suspeita.

CONCLUSÕES SOLUÇÃO:
Representando as premissas do enunciado na forma de diagra-
VALIDADE DE UM ARGUMENTO mas lógicos (ver artigo sobre diagramas lógicos), obteremos:
Uma proposição é verdadeira ou falsa. No caso de um  argu- Premissas:
mento dedutivo  diremos que ele é  válido  ou inválido. Atente-se “Se Ana cometeu um crime perfeito, então Ana não é suspeita”
para o fato que todos os argumentos indutivos são inválidos, por- = “Toda pessoa que comete um crime perfeito não é suspeita”. 
tanto não há de se falar em validade de argumentos indutivos. “Ana não cometeu um crime perfeito”.
A validade é uma propriedade dos argumentos que depende  Conclusão:
apenas da forma (estrutura lógica) das suas proposições (premissas “Ana é suspeita”. (Não se “desenha” a conclusão, apenas as
e conclusões) e não do seu conteúdo. premissas!)

Argumento Válido
Um argumento será válido quando a sua conclusão é uma con-
sequência obrigatória de suas premissas. Em outras palavras, po-
demos dizer que quando um argumento é válido, a verdade de suas
premissas deve garantir a verdade da conclusão do argumento. Isso
significa que, se o argumento é válido, jamais poderemos chegar a
uma conclusão falsa quando as premissas forem verdadeiras.

Exemplo: (CESPE) Suponha um argumento no qual as premis-


sas sejam as proposições I e II abaixo.
I - Se uma mulher está desempregada, então, ela é infeliz.
II - Se uma mulher é infeliz, então, ela vive pouco.
Nesse caso, se a conclusão for a proposição “Mulheres desem- O fato do enunciado ter falado apenas que “Ana não cometeu
pregadas vivem pouco”, tem-se um argumento correto. um crime perfeito”, não nos diz se ela é suspeita ou não. Por isso te-
mos duas possibilidades (ver bonecos). Logo, a questão está errada,
pois não podemos afirmar, com certeza, que Ana é suspeita. Logo,
o argumento é inválido.

41
MATEMÁTICA
Logo, a coluna abaixo representa a última coluna dessa tabe-
EXERCÍCIOS la-verdade.

(TJ-AC - Analista Judiciário - Conhecimentos Básicos - Cargos 1


e 2 - CESPE/2012) (10 a 13)

Considerando que as proposições lógicas sejam representa-


das por letras maiúsculas, julgue os próximos itens, relativos a ló-
gica proposicional e de argumentação.

1. A expressão é uma tautologia.


A) Certo
B) Errado

Resposta: B. A) Certo
Fazendo a tabela verdade: B) Errado
Resposta: A.
Fazendo a tabela verdade:
P Q P→Q (P→Q) V P [(P→Q) V P]→Q
V V V V V P Q R (P→Q)^(~R)
V F F V F V V V F
F V V V V V V F V
F F V V F V F V F
V F F F
Portanto não é uma tautologia.
F V V F
2. As proposições “Luiz joga basquete porque Luiz é alto” e F V F V
“Luiz não é alto porque Luiz não joga basquete” são logicamente
F F V F
equivalentes.
A) Certo F F F V
B) Errado
TJ-AC - Técnico Judiciário - Informática - CESPE/2012)
Resposta: A.
São equivalentes por que “Luiz não é alto porque Luiz não joga
basquete” nega as duas partes da proposição, a deixando equiva-
lente a primeira.

3. A sentença “A justiça e a lei nem sempre andam pelos mes-


mos caminhos” pode ser representada simbolicamente por PΛQ,
em que as proposições P e Q são convenientemente escolhidas.
A) Certo
B) Errado

Resposta: B.
Não, pois ^ representa o conectivo “e”, e o “e” é usado para
unir A justiça E a lei, e “A justiça” não pode ser considerada uma
proposição, pois não pode ser considerada verdadeira ou falsa.

4. Considere que a tabela abaixo representa as primeiras colu-


nas da tabela-verdade da proposição

42
MATEMÁTICA
Com base na situação descrita acima, julgue o item a seguir.

5. O argumento cujas premissas correspondem às quatro afirmações do jornalista e cuja conclusão é “Pedro não disputará a eleição
presidencial da República” é um argumento válido.
A) Certo
B) Errado

Resposta: A.
Argumento válido é aquele que pode ser concluído a partir das premissas, considerando que as premissas são verdadeiras então
tenho que:
Se João for eleito prefeito ele disputará a presidência;

Se João disputar a presidência então Pedro não vai disputar;


Se João não for eleito prefeito se tornará presidente do partido e não apoiará a candidatura de Pedro à presidência;
Se o presidente do partido não apoiar Pedro ele não disputará a presidência.

(PRF - Nível Superior - Conhecimentos Básicos - Todos os Cargos - CESPE/2012)


Um jovem, visando ganhar um novo smartphone no dia das crianças, apresentou à sua mãe a seguinte argumentação: “Mãe, se
tenho 25 anos, moro com você e papai, dou despesas a vocês e dependo de mesada, então eu não ajo como um homem da minha
idade. Se estou há 7 anos na faculdade e não tenho capacidade para assumir minhas responsabilidades, então não tenho um mínimo
de maturidade. Se não ajo como um homem da minha idade, sou tratado como criança. Se não tenho um mínimo de maturidade, sou
tratado como criança. Logo, se sou tratado como criança, mereço ganhar um novo smartphone no dia das crianças”.
Com base nessa argumentação, julgue os itens a seguir..

6. A proposição “Se estou há 7 anos na faculdade e não tenho capacidade para assumir minhas responsabilidades, então não tenho
um mínimo de maturidade” é equivalente a “Se eu tenho um mínimo de maturidade, então não estou há 7 anos na faculdade e tenho
capacidade para assumir minhas responsabilidades”.
A) Certo
B) Errado
Resposta: B.
Equivalência de Condicional: P -> Q = ~ Q -> ~ P 
Negação de Proposição: ~ (P ^ Q)  =  ~ P v ~ Q 

P Q R ¬P ¬Q ¬R P^¬Q (P^¬Q) → ¬R ¬P^Q R→ (¬P^Q)


V V V F F F F V F F
V V F F F V F V F V
V F V F V F V F F F
V F F F V V V V F V
F V V V F F F V V V
F V F V F V F V V V
F F V V V F F V F F
F F F V V V F V F V

Portanto não são equivalentes.


7. Considere as seguintes proposições: “Tenho 25 anos”, “Moro com você e papai”, “Dou despesas a vocês” e “Dependo de mesa-
da”. Se alguma dessas proposições for falsa, também será falsa a proposição “Se tenho 25 anos, moro com você e papai, dou despesas
a vocês e dependo de mesada, então eu não ajo como um homem da minha idade”.
A) Certo
B) Errado

Resposta: A.
(A^B^C^D) E
Ora, se A ou B ou C ou D estiver falsa como afirma o enunciado, logo torna a primeira parte da condicional falsa, (visto que trata-se da
conjunção) tornando- a primeira parte da condicional falsa, logo toda a proposição se torna verdadeira.

8. A proposição “Se não ajo como um homem da minha idade, sou tratado como criança, e se não tenho um mínimo de maturidade,
sou tratado como criança” é equivalente a “Se não ajo como um homem da minha idade ou não tenho um mínimo de maturidade, sou
tratado como criança”.
A) Certo
B) Errado

Resposta: A.
A = Se não ajo como um homem da minha idade,
B = sou tratado como criança,
C= se não tenho um mínimo de maturidade

43
MATEMÁTICA
A B C ~A  ~C (~A → B) (~C → B) (~A v ~ C) (~A→ B) ^ (~ C→ B) (~A v ~ C)→ B
V V V F F V V F V V
V V F F V V V V V V
V F V F F V V F V V
V F F F V V F V F F
F V V V F V V V V V
F V F V V V V V V V
F F V V F F V V F F
F F F V V F F V F F

De acordo com a tabela verdade são equivalentes.

Argumentos

Um argumento é um conjunto finito de premissas (proposições ), sendo uma delas a consequência das demais. Tal premissa (propo-
sição), que é o resultado dedutivo ou consequência lógica das demais, é chamada conclusão. Um argumento é uma fórmula: P1 ∧ P2 ∧
... ∧ Pn → Q
OBSERVAÇÃO: A fórmula argumentativa P1 ∧ P2 ∧ ... ∧ Pn → Q, também poderá ser representada pela seguinte forma:

Argumentos válidos

Um argumento é válido quando a conclusão é verdadeira (V), sempre que as premissas forem todas verdadeiras (V). Dizemos, tam-
bém, que um argumento é válido quando a conclusão é uma consequência obrigatória das verdades de suas premissas.

Argumentos inválidos

Um argumento é dito inválido (ou falácia, ou ilegítimo ou mal construído), quando as verdades das premissas são insuficientes para
sustentar a verdade da conclusão. Caso a conclusão seja falsa, decorrente das insuficiências geradas pelas verdades de suas premissas,
tem-se como conclusão uma contradição (F).
Métodos para testar a validade dos argumentos
(IFBA – Administrador – FUNRIO/2016) Ou João é culpado ou Antônio é culpado. Se Antônio é inocente então Carlos é inocente. João
é culpado se e somente se Pedro é inocente. Ora, Pedro é inocente. Logo:

(A) Pedro e Antônio são inocentes e Carlos e João são culpados.


(B) Pedro e Carlos são inocentes e Antônio e João são culpados.
(C) Pedro e João são inocentes e Antônio e Carlos são culpados.
(D) Antônio e Carlos são inocentes e Pedro e João são culpados.
(E) Antônio, Carlos e Pedro são inocentes e João é culpado.

Resposta: E.
Vamos começar de baixo pra cima.

Ou João é culpado ou Antônio é culpado.


Se Antônio é inocente então Carlos é inocente
João é culpado se e somente se Pedro é inocente
Ora, Pedro é inocente
(V)

Sabendo que Pedro é inocente,


João é culpado se e somente se Pedro é inocente
João é culpado, pois a bicondicional só é verdadeira se ambas forem verdadeiras ou ambas falsas.
João é culpado se e somente se Pedro é inocente
(V) (V)
Ora, Pedro é inocente
(V)

44
MATEMÁTICA
Sabendo que João é culpado, vamos analisar a primeira pre- 04. (UFSBA – Administrador – UFMT/2017) São dados os se-
missa guintes argumentos:
Ou João é culpado ou Antônio é culpado. ARGUMENTO 1
Então, Antônio é inocente, pois a disjunção exclusiva só é ver-
dadeira se apenas uma das proposições for. P1: Iracema não gosta de acarajé ou Iracema não é soteropo-
litana.
Se Antônio é inocente então Carlos é inocente P2: Iracema é soteropolitana.
Carlos é inocente, pois sendo a primeira verdadeira, a condicio- C:
nal só será verdadeira se a segunda proposição também for. ARGUMENTO 2
P1: Se Aurélia não é ilheense, então Aurélia não é produtora
Então, temos: de cacau.
Pedro é inocente, João é culpado, Antônio é inocente e Carlos P2: Aurélia não é ilheense.
é inocente. C:

EXERCÍCIOS ARGUMENTO 3
P1: Lucíola é bailarina ou Lucíola é turista.
P2: Lucíola não é bailarina.
01. (PREF. DE SALVADOR – Técnico de Nível Superior – C:
FGV/2017) Carlos fez quatro afirmações verdadeiras sobre algumas
de suas atividades diárias: ARGUMENTO 4
▪ De manhã, ou visto calça, ou visto bermuda. P1: Se Cecília é baiana, então Cecília gosta de vatapá.
▪ Almoço, ou vou à academia. P2: Cecília não gosta de vatapá.
▪ Vou ao restaurante, ou não almoço. C:
▪ Visto bermuda, ou não vou à academia.
Certo dia, Carlos vestiu uma calça pela manhã. Pode-se inferir que
(A) Lucíola é turista.
É correto concluir que Carlos: (B) Cecília é baiana.
(C) Aurélia é produtora de cacau.
(A) almoçou e foi à academia. (D) Iracema gosta de acarajé.
(B) foi ao restaurante e não foi à academia.
(C) não foi à academia e não almoçou. 05. (COPERGAS/PE – Auxiliar Administrativo – FCC/2016) Con-
(D) almoçou e não foi ao restaurante. sidere verdadeiras as afirmações a seguir:
(E) não foi à academia e não almoçou.
I. Laura é economista ou João é contador.
02. (TRT 12ª REGIÃO – Analista Judiciário- FGV/2017) Sabe-se II. Se Dinorá é programadora, então João não é contador.
que: III. Beatriz é digitadora ou Roberto é engenheiro.
IV. Roberto é engenheiro e Laura não é economista.
• Se X é vermelho, então Y não é verde.
• Se X não é vermelho, então Z não é azul. A partir dessas informações é possível concluir, corretamente,
• Se Y é verde, então Z é azul. que :

Logo, deduz-se que: (A) Beatriz é digitadora.


(B) João é contador.
(A) X é vermelho; (C) Dinorá é programadora.
(B) X não é vermelho; (D) Beatriz não é digitadora.
(C) Y é verde; (E) João não é contador.
(D) Y não é verde;
(E) Z não é azul. 06. (MPE/RJ – Analista do Ministério Público – FGV/2016) So-
bre as atividades fora de casa no domingo, Carlos segue fielmente
03. (PC/AC – Agente de Polícia Civil – IBADE/2017) Sabe-se as seguintes regras:
que se Zeca comprou um apontador de lápis azul, então João gosta
de suco de laranja. Se João gosta de suco de laranja, então Emílio - Ando ou corro.
vai ao cinema. Considerando que Emílio não foi ao cinema, pode-se - Tenho companhia ou não ando.
afirmar que: - Calço tênis ou não corro.
Domingo passado Carlos saiu de casa de sandálias.
(A) Zeca não comprou um apontador de lápis azul. É correto concluir que, nesse dia, Carlos:
(B) Emílio não comprou um apontador de lápis azul.
(C) Zeca não gosta de suco de laranja. (A) correu e andou;
(D) João não comprou um apontador de lápis azul. (B) não correu e não andou;
(E) Zeca não foi ao cinema. (C) andou e não teve companhia;
(D) teve companhia e andou;
(E) não correu e não teve companhia.

45
MATEMÁTICA
07. (PREF. DE SÃO PAULO – Assistente de Gestão de Políticas
Públicas – CESPE/2016) As proposições seguintes constituem as GABARITO
premissas de um argumento.
01. Resposta: B.
• Bianca não é professora. ▪ De manhã, ou visto calça, ou visto bermuda.
• Se Paulo é técnico de contabilidade, então Bianca é profes- ▪ Almoço, ou vou à academia.
sora. V f
• Se Ana não trabalha na área de informática, então Paulo é ▪ Vou ao restaurante, ou não almoço.
técnico de contabilidade. V F
• Carlos é especialista em recursos humanos, ou Ana não traba- ▪ Visto bermuda, ou não vou à academia.
lha na área de informática, ou Bianca é professora. F V
Assinale a opção correspondente à conclusão que torna esse 02. Resposta: D.
argumento um argumento válido. Vamos tentar fazendo que X é vermelho para ver se todos vão
(A) Carlos não é especialista em recursos humanos e Paulo não ter valor lógico correto.
é técnico de contabilidade.
(B) Ana não trabalha na área de informática e Paulo é técnico • Se X é vermelho, então Y não é verde.
de contabilidade. V V
(C) Carlos é especialista em recursos humanos e Ana trabalha • Se Y é verde, então Z é azul.
na área de informática. F F/V
(D) Bianca não é professora e Paulo é técnico de contabilidade. • Se X não é vermelho, então Z não é azul.
(E) Paulo não é técnico de contabilidade e Ana não trabalha na F F/V
área de informática.
Se x não é vermelho:
08. (PREF. DE SÃO GONÇALO – Analista de Contabilidade – • Se X é vermelho, então Y não é verde.
BIORIO/2016) Se Ana gosta de Beto, então Beto ama Carla. Se Beto F V
ama Carla, então Débora não ama Luiz. Se Débora não ama Luiz, en- • Se Y é verde, então Z é azul.
tão Luiz briga com Débora. Mas Luiz não briga com Débora. Assim: F F
(A) Ana gosta de Beto e Beto ama Carla. • Se X não é vermelho, então Z não é azul.
(B) Débora não ama Luiz e Ana não gosta de Beto. V V
(C) Débora ama Luiz e Ana gosta de Beto.
(D) Ana não gosta de Beto e Beto não ama Carla. 03. Resposta: A.
(E) Débora não ama Luiz e Ana gosta de Beto. Considerando que Emílio não foi ao cinema:
09. (PREF. DE RIO DE JANEIRO – Administrador – PREF. DO RIO DE Se João gosta de suco de laranja, então Emílio vai ao cinema.
JANEIRO/2016) Considerem-se verdadeiras as seguintes proposições: F F
Zeca comprou um apontador de lápis azul, então João gosta de
P1: André não gosta de chuchu ou Bruno gosta de beterraba. suco de laranja.
P2: Se Bruno gosta de beterraba, então Carlos não gosta de jiló. F F
P3: Carlos gosta de jiló e Daniel não gosta de cenoura.
04. Resposta: A.
Assim, uma conclusão necessariamente verdadeira é a seguinte: Vamos analisar por alternativa, pois fica mais fácil que analisar
cada argumento.
(A) André não gosta de chuchu se, e somente se, Daniel gosta OBS: Como a alternativa certa é a A, analisarei todas as alterna-
de cenoura. tivas, para mostrar o porquê de ser essa a correta.
(B) Se André não gosta de chuchu, então Daniel gosta de ce-
noura. (A) Lucíola é turista.
(C) Ou André gosta de chuchu ou Daniel não gosta de cenoura. Eu acho mais fácil fazer sempre com as premissas verdadeiras.
(D) André gosta de chuchu ou Daniel gosta de cenoura.
ARGUMENTO 3
10. (DPU – Agente Administrativo – CESPE/2016) Considere P1: Lucíola é bailarina ou Lucíola é turista.
que as seguintes proposições sejam verdadeiras. F V
P2: Lucíola não é bailarina.(V)
• Quando chove, Maria não vai ao cinema.
• Quando Cláudio fica em casa, Maria vai ao cinema. (B) Cecília é baiana
• Quando Cláudio sai de casa, não faz frio. P1: Se Cecília é baiana, então Cecília gosta de vatapá.
• Quando Fernando está estudando, não chove. V F
• Durante a noite, faz frio. P2: Cecília não gosta de vatapá.
Tendo como referência as proposições apresentadas, julgue o Mas se Cecília não gosta de vatapá a P2 seria incorreta, por isso
item subsecutivo. não é essa alternativa.
Se Maria foi ao cinema, então Fernando estava estudando.
( )CERTO ( ) ERRADO

46
MATEMÁTICA
(C) Aurélia é produtora de cacau Portanto:
P1: Se Aurélia não é ilheense, então Aurélia não é produtora Carlos gosta de jiló.
de cacau. Daniel não gosta de cenoura.
F F P2: Se Bruno gosta de beterraba, então Carlos não gosta de jiló.
P2: Aurélia não é ilheense. Carlos não gosta de jiló. (F)
Aurélia seria ilheense. e par a condicional ser verdadeira a primeira também deve ser
falsa.
(D) Iracema gosta de acarajé. Bruno gosta de beterraba. (F)
P1: Iracema não gosta de acarajé ou Iracema não é soteropo-
litana. P1: André não gosta de chuchu ou Bruno gosta de beterraba.
F V A segunda é falsa, e para a disjunção ser verdadeira, a primeira
P2: Iracema é soteropolitana.(F) é verdadeira.
Também entrou em contradição. André não gosta de chuchu. (V).
05. Resposta: B. Vamos enumerar as verdadeiras:
Começamos sempre pela conjunção. 1- Carlos gosta de jiló.
IV. Roberto é engenheiro e Laura não é economista. 2-Daniel não gosta de cenoura.
V V 3-Bruno não gosta de beterraba
4-André não gosta de chuchu
I. Laura é economista ou João é contador. (A) na bicondicional, as duas deveriam ser verdadeiras, ou as
F V duas falsas
(B) como a primeira proposição é verdadeira, a segunda tam-
II. Se Dinorá é programadora, então João não é contador. bém deveria ser.
F F (D) Como a primeira é falsa, a segunda deveria ser verdadeira.
III. Beatriz é digitadora ou Roberto é engenheiro.
10.Resposta: Errado
V/F V
• Durante a noite, faz frio.
06. Resposta: D.
V
- Calço tênis ou não corro.
F V
• Quando Cláudio sai de casa, não faz frio.
F F
- Ando ou corro.
V F
- Tenho companhia ou não ando. • Quando Cláudio fica em casa, Maria vai ao cinema.
V F V V
Resumindo: ele calçou sandálias, andou e teve companhia.
• Quando chove, Maria não vai ao cinema.
07. Resposta: C. F F
• Bianca não é professora.(V)
• Se Paulo é técnico de contabilidade, então Bianca é profes- • Quando Fernando está estudando, não chove.
sora. V/F V
F F Portanto, Se Maria foi ao cinema, então Fernando estava es-
• Se Ana não trabalha na área de informática, então Paulo é tudando.
técnico de contabilidade. Não tem como ser julgado.
F F
• Carlos é especialista em recursos humanos, Proposição
V Definição: Todo o conjunto de palavras ou símbolos que expri-
ou Ana não trabalha na área de informática, ou Bianca é pro- mem um pensamento de sentido completo.
fessora.
F F Nossa professora, bela definição!
Não entendi nada!
08. Resposta: D.
Sabendo que Luiz não briga com Débora Vamos pensar que para ser proposição a frase tem que fazer
Se Débora não ama Luiz, então Luiz briga com Débora. sentido, mas não só sentido no nosso dia a dia, mas também no
F F sentido lógico.
. Se Beto ama Carla, então Débora não ama Luiz Para uma melhor definição dentro da lógica, para ser propo-
F F sição, temos que conseguir julgar se a frase é verdadeira ou falsa.
Se Ana gosta de Beto, então Beto ama Carla.
F V Exemplos:
(A) A Terra é azul.
09 Resposta: C. Conseguimos falar se é verdadeiro ou falso? Então é uma pro-
Vamos começar pela P3, pois é uma conjunção, assim é mais posição.
fácil definirmos o valor lógico de cada proposição. (B) >2
Para a conjunção ser verdadeira, as duas proposições devem
ser verdadeiras.

47
MATEMÁTICA

Como ≈1,41, então a proposição tem valor lógico falso. P(p,q)


Se pensarmos em gramática, teremos uma proposição com-
Todas elas exprimem um fato. posta quando tiver mais de um verbo e proposição simples, quando
tiver apenas 1. Mas, lembrando que para ser proposição, temos que
Agora, vamos pensar em uma outra frase: conseguir definir o valor lógico.
O dobro de 1 é 2?
Sim, correto? Conectivos
Correto. Mas é uma proposição? Agora vamos entrar no assunto mais interessante: o que liga as
Não! Porque sentenças interrogativas, não podemos declarar proposições.
se é falso ou verdadeiro. Antes, estávamos vendo mais a teoria, a partir dos conectivos
Bruno, vá estudar. vem a parte prática.
É uma declaração imperativa, e da mesma forma, não conse-
guimos definir se é verdadeiro ou falso, portanto, não é proposição. Definição
Passei! Palavras que se usam para formar novas proposições, a partir
Ahh isso é muito bom, mas infelizmente, não podemos de qual- de outras.
quer forma definir se é verdadeiro ou falso, porque é uma sentença
exclamativa. Vamos pensar assim: conectivos? Conectam alguma coisa?
Vamos ver alguns princípios da lógica: Sim, vão conectar as proposições, mas cada conetivo terá um
nome, vamos ver?
I. Princípio da não Contradição: uma proposição não
-Negação
pode ser verdadeira “e” falsa ao mesmo tempo.

II. Princípio do Terceiro Excluído: toda proposição


“ou” é verdadeira “ou” é falsa, isto é, verifica-se sem-
pre um desses casos e nunca um terceiro caso.
Exemplo
Valor Lógico das Proposições p: Lívia é estudante.
Definição: Chama-se valor lógico de uma proposição a verdade, ~p: Lívia não é estudante.
se a proposição é verdadeira (V), e a falsidade, se a proposição é
falsa (F). q: Pedro é loiro.
¬q: É falso que Pedro é loiro.
Exemplo
p: Thiago é nutricionista. r: Érica lê muitos livros.
V(p)= V essa é a simbologia para indicar que o valor lógico de ~r: Não é verdade que Érica lê muitos livros.
p é verdadeira, ou
V(p)= F s: Cecilia é dentista.
¬s: É mentira que Cecilia é dentista.
Basicamente, ao invés de falarmos, é verdadeiro ou falso, de-
vemos falar tem o valor lógico verdadeiro, tem valor lógico falso. -Conjunção

Classificação

Proposição simples: não contém nenhuma outra proposição


como parte integrante de si mesma. São geralmente designadas
pelas letras latinas minúsculas p,q,r,s...
E depois da letra colocamos “:” Nossa, são muitas formas de se escrever com a conjunção.
Não precisa decorar todos, alguns são mais usuais: “e”, “mas”,
Exemplo: “porém”
p: Marcelo é engenheiro
q: Ricardo é estudante Exemplos
p: Vinícius é professor.
Proposição composta: combinação de duas ou mais proposi- q: Camila é médica.
ções. Geralmente designadas pelas letras maiúsculas P, Q, R, S,... p∧q: Vinícius é professor e Camila é médica.
p∧q: Vinícius é professor, mas Camila é médica.
Exemplo: p∧q: Vinícius é professor, porém Camila é médica.
P: Marcelo é engenheiro e Ricardo é estudante.
Q: Marcelo é engenheiro ou Ricardo é estudante. - Disjunção

Se quisermos indicar quais proposições simples fazem parte da


proposição composta:
p: Vitor gosta de estudar.
q: Vitor gosta de trabalhar

p∨q: Vitor gosta de estudar ou Vitor gosta de trabalhar.

48
MATEMÁTICA
- Disjunção Exclusiva 03. (IFBAIANO – Assistente Social – FCM/2017) Segundo repor-
tagem divulgada pela Globo, no dia 17/05/2017, menos de 40% dos
Extensa: Ou...ou... brasileiros dizem praticar esporte ou atividade física, segundo da-
Símbolo:∨ ♣ dos da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad)/2015.
Além disso, concluiu-se que o número de praticantes de esporte ou
p: Vitor gosta de estudar. de atividade física cresce quanto maior é a escolaridade.
q: Vitor gosta de trabalhar (Fonte: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/menos-de-
-40-dos-brasileiros-dizem-praticar-esporte-ou-atividade-fisica-fute-
p∨q Ou Vitor gosta de estudar ou Vitor gosta de trabalhar. bol-e-caminhada-lideram-praticas.ghtml. Acesso em: 23 abr. 2017).
Com base nessa informação, considere as proposições p e q
-Condicional abaixo:
p: Menos de 40% dos brasileiros dizem praticar esporte ou ati-
Extenso: Se...,então..., É necessário que, Condição necessária vidade física
Símbolo: → q: O número de praticantes de esporte ou de atividade física
Exemplos cresce quanto maior é a escolaridade
p→q: Se chove, então faz frio. Considerando as proposições p e q como verdadeiras, avalie as
p→q: É suficiente que chova para que faça frio. afirmações feitas a partir delas.
p→q: Chover é condição suficiente para fazer frio.
p→q: É necessário que faça frio para que chova. I- p ∧ q é verdadeiro
p→q: Fazer frio é condição necessária para chover. II- ~p∨ ♣ ~q é falso
III- p∨ ♣ q é falso
-Bicondicional IV- ~p ∧ q é verdadeiro
Extenso: se, e somente se, ... Está correto apenas o que se afirma em:
Símbolo:↔ (A) I e II.
(B) II e III.
p: Lucas vai ao cinema (C) III e IV.
q: Danilo vai ao cinema. (D) I, II e III.
(E) II, III e IV.
p↔q: Lucas vai ao cinema se, e somente se, Danilo vai ao ci-
nema.
04. (UFSBA - Administrador – UFMT /2017) Assinale a alterna-
tiva que NÃO apresenta uma proposição.
Referências
(A) Jorge Amado nasceu em Itabuna-BA.
ALENCAR FILHO, Edgar de – Iniciação a lógica matemática – São
(B) Antônio é produtor de cacau.
Paulo: Nobel – 2002.
(C) Jorge Amado não foi um grande escritor baiano.
(D) Queimem os seus livros.
EXERCÍCIOS
05. (EBSERH – Médico – IBFC/2017) Sabe-se que p, q e r são
01. (IFBAIANO – Assistente em Administração – FCM/2017) proposições compostas e o valor lógico das proposições p e q são
Considere que os valores lógicos de p e q são V e F, respectivamen- falsos. Nessas condições, o valor lógico da proposição r na proposi-
te, e avalie as proposições abaixo. ção composta {[q v (q ^ ~p)] v r} cujo valor lógico é verdade, é:
I- p → ~(p∨ ♣ ~q) é verdadeiro (A) falso
II- ~p → ~p ∧ q é verdadeiro (B) inconclusivo
III- p → q é falso (C) verdade e falso
IV- ~(~p∨ ♣ q) → p ∧ ~q é falso (D) depende do valor lógico de p
(E) verdade
Está correto apenas o que se afirma em:
(A) I e III. 06. (PREF. DE TANGUÁ/RJ – Fiscal de Tributos – MSCONCUR-
(B) I, II e III. SOS/2017) Qual das seguintes sentenças é classificada como uma
(C) I e IV. proposição simples?
(D) II e III. (A) Será que vou ser aprovado no concurso?
(E) III e IV. (B) Ele é goleiro do Bangu.
(C) João fez 18 anos e não tirou carta de motorista.
02. (TERRACAP – Técnico Administrativo – QUADRIX/2017) Sa- (D) Bashar al-Assad é presidente dos Estados Unidos.
bendo-se que uma proposição da forma “P→Q” — que se lê “Se P,
então Q”, em que P e Q são proposições lógicas — é Falsa quando P 07.(EBSERH – Assistente Administrativo – IBFC/2017) Assinale
é Verdadeira e Q é Falsa, e é Verdadeira nos demais casos, assinale a alternativa incorreta com relação aos conectivos lógicos:
a alternativa que apresenta a única proposição Falsa. (A) Se os valores lógicos de duas proposições forem falsos, en-
(A) Se 4 é um número par, então 42 + 1 é um número primo. tão a conjunção entre elas têm valor lógico falso.
(B) Se 2 é ímpar, então 22 é par. (B) Se os valores lógicos de duas proposições forem falsos, en-
(C) Se 7 × 7 é primo, então 7 é primo. tão a disjunção entre elas têm valor lógico falso.
(D) Se 3 é um divisor de 8, então 8 é um divisor de 15. (C) Se os valores lógicos de duas proposições forem falsos, en-
(E) Se 25 é um quadrado perfeito, então 5 > 7. tão o condicional entre elas têm valor lógico verdadeiro.

49
MATEMÁTICA
(D) Se os valores lógicos de duas proposições forem falsos, en- III- p → q
tão o bicondicional entre elas têm valor lógico falso. V→F
(E) Se os valores lógicos de duas proposições forem falsos, en- F
tão o bicondicional entre elas têm valor lógico verdadeiro.
IV- ~(~p∨ ♣ q) → p ∧ ~q
08. (DPU – Analista – CESPE/2016) Um estudante de direito, ~(F∨F) →V∧V
com o objetivo de sistematizar o seu estudo, criou sua própria le- V→V
genda, na qual identificava, por letras, algumas afirmações relevan- →V
tes quanto à disciplina estudada e as vinculava por meio de sen- 02. Resposta:.E.
tenças (proposições). No seu vocabulário particular constava, por Vamos fazer por alternativa:
exemplo: (A) V→V
V
P: Cometeu o crime A.
Q: Cometeu o crime B. (B) F→V
R: Será punido, obrigatoriamente, com a pena de reclusão no V
regime fechado. (C)V→V
S: Poderá optar pelo pagamento de fiança. V

Ao revisar seus escritos, o estudante, apesar de não recordar (D) F→F


qual era o crime B, lembrou que ele era inafiançável. V
Tendo como referência essa situação hipotética, julgue o item
que se segue. (E) V→F
A proposição “Caso tenha cometido os crimes A e B, não será F
necessariamente encarcerado nem poderá pagar fiança” pode ser
corretamente simbolizada na forma (P∧Q)→((~R)∨(~S)). 03. Resposta: A.
( )Certo ( )Errado p∧q é verdadeiro
~p∨~q
09. (PREF. DE RIO DE JANEIRO/RJ – Administrador - PREF. DE F∨F
RIO DE JANEIRO/2016) Considere-se a seguinte proposição: “Se F
chove, então Mariana não vai ao deserto”. Com base nela é logica- p∨q
mente correto afirmar que: V∨V
(A) Chover é condição necessária e suficiente para Mariana ir V
ao deserto. ~p∧q
(B) Mariana não ir ao deserto é condição suficiente para chover. F∧V
(C) Mariana ir ao deserto é condição suficiente para chover. F
(D) Não chover é condição necessária para Mariana ir ao de-
serto. 04. Resposta: D.
As frases que você não consegue colocar valor lógico (V ou F)
10. (PREF. DO RIO DE JANEIRO – Agente de Administração – não são proposições.
PREF. DE RIO DE JANEIRO/2016) Considere-se a seguinte proposi- Sentenças abertas, frases interrogativas, exclamativas, impera-
ção: tivas
P: João é alto ou José está doente.
05. Resposta: E.
O conectivo utilizado na proposição composta P chama-se: Sabemos que p e q são falsas.
(A) disjunção q∧~p =F
(B) conjunção q∨( q∧~p)
(C) condicional F∨F
(D) bicondicional F
Como a proposição é verdadeira, R deve ser verdadeira para a
GABARITO disjunção ser verdadeira.

06. Resposta: D.
01. Resposta: D. A única que conseguimos colocar um valor lógico.
I- p → ~(p∨ ♣ ~q) A C é uma proposição composta.
(V) →~(V∨V)
V→F 07. Resposta: D.
F Observe que as alternativas D e E são contraditórias, portanto
uma delas é falsa.
II- ~p → ~p ∧ q Se as duas proposições têm o mesmo valor lógico, a bicondicio-
F→F∧V nal é verdadeira.
F→F
V 08. Resposta: Errado.
“...encarcerado nem poderá pagar fiança”.
“Nem” é uma conjunção(∧)

50
MATEMÁTICA
09. Resposta: D. - Conjunção
Não pode chover para Mariana ir ao deserto.
Eu comprei bala e chocolate, só vou me contentar se eu tiver
10. Resposta: A. as duas coisas, certo?
O conectivo ou chama-se disjunção e também é representado Se eu tiver só bala não ficarei feliz, e nem se tiver só chocolate.
simbolicamente por∨ ♣ E muito menos se eu não tiver nenhum dos dois.
p q p ∧q
Tabela-verdade V V V
Com a tabela-verdade, conseguimos definir o valor lógico de V F F
proposições compostas facilmente, analisando cada coluna. F V F
F F F
Se tivermos uma proposição p, ela pode ter V(p)=V ou V(p)=F
-Disjunção
p
Vamos pensar na mesma frase anterior, mas com o conectivo
V
“ou”.
F Eu comprei bala ou chocolate.
Eu comprei bala e também comprei o chocolate, está certo pois
Quando temos duas proposições, não basta colocar só VF, será poderia ser um dos dois ou os dois.
mais que duas linhas. Se eu comprei só bala, ainda estou certa, da mesma forma se
eu comprei apenas chocolate.
p q Agora se eu não comprar nenhum dos dois, não dará certo.
V V
V F p∨
p q
F V ♣ q
F F V V V
V F V
Observe, a primeira proposição ficou VVFF
E a segunda intercalou VFVF. F V V
Vamos raciocinar, com uma proposição temos 2 possibilidades, F F F
com 2 proposições temos 4, tem que haver um padrão para se tor-
nar mais fácil! -Disjunção Exclusiva
As possibilidades serão 2n, Na disjunção exclusiva é diferente, pois OU comprei chocolate
Onde: OU comprei bala.
n=número de proposições Ou seja, um ou outro, não posso ter os dois ao mesmo tempo.

p q r p q p∨q
V V V V V F
V F V
V F V F V V
V V F F F F
V F F
-Condicional
F V V
F F V Se chove, então faz frio.
F V F
F F F Se choveu, e fez frio
Estamos dentro da possibilidade.(V)
A primeira proposição, será metade verdadeira e metade falsa.
A segunda, vamos sempre intercalar VFVFVF. Choveu e não fez frio
E a terceira VVFFVVFF. Não está dentro do que disse. (F)

Agora, vamos ver a tabela verdade de cada um dos operadores Não choveu e fez frio..
lógicos? Ahh tudo bem, porque pode fazer frio se não chover, certo?(V)

-Negação Não choveu, e não fez frio


Ora, se não choveu, não precisa fazer frio. (V)
p ~p
p q p →q
V F
V V V
F V
V F F
Se estamos negando uma coisa, ela terá valor lógico oposto, faz F V V
sentido, não? F F V

51
MATEMÁTICA
-Bicondicional Veremos outros exemplos

Ficarei em casa, se e somente se, chover. Exemplo 1

Estou em casa e está chovendo. Vamos pensar nas proposições


A ideia era exatamente essa. (V) P: João é estudante
Estou em casa, mas não está chovendo. Q: Mateus é professor
Você não fez certo, era só pra ficar em casa se chovesse. (F) Se João é estudante, então João é estudante ou Mateus é pro-
fessor.
Eu sai e está chovendo.
Aiaiai não era pra sair se está chovendo. (F) Em simbologia: p→p∨q
Não estou em casa e não está chovendo. P Q p∨q p→p∨q
Sem chuva, você pode sair, ta? (V) V V V V
V F V V
p q p ↔q F V V V
V V V F F F V
V F F
F V F A coluna inteira da proposição composta deu verdadeiro, então
F F V é uma tautologia.

Tentei deixar de uma forma mais simples, para entender a ta- Exemplo 2
bela verdade de cada conectivo, pois sei que será difícil para de- Com as mesmas proposições anteriores:
corar, mas se você lembrar das frases, talvez fique mais fácil. Bons João é estudante ou não é verdade que João é estudante e Ma-
estudos! Vamos às questões! teus é professor.
p∨~(p∧q)
Tautologia
P Q p∧q ~(p∧q) p∨~(p∧q)
Definição: Chama-se tautologia, toda proposição composta V V V F V
que terá a coluna inteira de valor lógico V. V F F V V
Podemos ter proposições SIMPLES que são falsas e se a coluna F V F V V
da proposição composta for verdadeira é tautologia. F F F V V
Vamos ver alguns exemplos.
Novamente, coluna deu inteira com valor lógico verdadeiro, é
A proposição ~(p∧p) é tautologia, pelo Princípio da não con- tautologia.
tradição. Está lembrado?
Exemplo 3
Princípio da não Contradição: uma proposição não pode ser Se João é estudante ou não é estudante, então Mateus é pro-
verdadeira “e” falsa ao mesmo tempo. fessor.

P ~p p∧~p ~(p∧~p) P Q ~p p∨~p p∨~p→q


V F F V V V F V V
F V F V V F F V F
F V V V V
A proposição p∨ ~p é tautológica, pelo princípio do Terceiro F F V V F
excluído.
Deu pelo menos uma falsa e agora?
Princípio do Terceiro Excluído: toda proposição “ou” é verda- Não é tautologia.
deira “ou” é falsa, isto é, verifica-se sempre um desses casos e nun-
ca um terceiro caso. Referências
ALENCAR FILHO, Edgar de – Iniciação a lógica matemática – São
P ~p p∨~p Paulo: Nobel – 2002.
V F V
F V V

Esses são os exemplos mais simples, mas normalmente con-


seguiremos resolver as questões com base na tabela verdade, por
isso insisto que a tabela verdade dos operadores, têm que estar na
“ponta da língua”, quase como a tabuada da matemática.

52
MATEMÁTICA
Podemos representar de duas maneiras:
EXERCÍCIOS

01. (UTFPR – Pedagogo – UTFPR/2017) Considere as seguintes


proposições:
I) p ∧ ~p
II) p → ~p
III) p∨ ♣ ~p
IV) p →~q

Assinale a alternativa correta.


(A) Somente I e II são tautologias.
(B) Somente II é tautologia.
(C) Somente III é tautologia.
(D) Somente III e a IV são tautologias. Quando “todo A é B” é verdadeira, vamos ver como ficam os
(E) Somente a IV é tautologia. valores lógicos das outras?
Pensemos nessa frase: Toda criança é linda.
02 (FUNDAÇÃO HEMOCENTRO DE BRASILIA/DF – Administra-
ção – IADES/2017) Assinale a alternativa que apresenta uma tau- Nenhum A é B é necessariamente falsa.
tologia. Nenhuma criança é linda, mas eu não acabei de falar que TODA
(A) p∨(q∨~p) criança é linda? Por isso é falsa.
(B) (q→p) →(p→q)
(C) p→(p→q∧~q) Algum A é B é necessariamente verdadeira
(D) p∨~q→(p→~q) Alguma Criança é linda, sim, se todas são 1, 2, 3...são lindas.
(E) p∨q→p∧q
Algum A não é B necessariamente falsa, pois A está contido
em B.
GABARITO Alguma criança não é linda, bem como já vimos impossível,
pois todas são.
01. Resposta: C.
Nenhum A é B.
P ou a própria negação é tautologia.
A e B não terão elementos em comum.
02. Resposta: A.

Antes de entrar em desespero que tenha que fazer todas as


tabela verdade, vamos analisar:
Provavelmente terá uma alternativa que tenha uma proposição
com conectivo de disjunção e a negação: p∨~p
Logo na alternativa A, percebemos que temos algo parecido.
Para confirmar, podemos fazer a tabela verdade

DIAGRAMAS LÓGICOS

As questões de Diagramas lógicos envolvem as proposições ca-


tegóricas (todo, algum, nenhum), cuja solução requer que desenhe- Quando “nenhum A é B” é verdadeira, vamos ver como ficam
mos figuras, os chamados diagramas. os valores lógicos das outras?

Definição das proposições Frase: Nenhum cachorro é gato. (sim, eu sei. Frase extrema,
mas assim é bom para entendermos..hehe)
Todo A é B.
Todo A é B é necessariamente falsa.
O conjunto A está contido no conjunto B, assim todo elemento Todo cachorro é gato, faz sentido? Nenhum, não é?
de A também é elemento de B. Algum A é B é necessariamente falsa.
Algum cachorro é gato, ainda não faz sentido.
Algum A não é B necessariamente verdadeira.
Algum cachorro não é gato, ah sim espero que todos não sejam
mas, se já está dizendo algum vou concordar.

Algum A é B.

Quer dizer que há pelo menos 1 elemento de A em comum com


o conjunto B.

53
MATEMÁTICA
Temos 4 representações possíveis: Nenhum A é B é necessariamente falsa
a) os dois conjuntos possuem uma parte dos elementos em Nenhum copo é de vidro, com frase fica mais fácil né? Porque
comum. assim, conseguimos ver que é falsa, pois acabei de falar que algum
copo é de vidro, ou seja, tenho pelo menos 1 copo de vidro.

Todo A é B , não conseguimos determinar, podendo ser verda-


deira ou falsa (podemos analisar também os diagramas mostrados
nas figuras a e c)
Todo copo é de vidro.
Pode ser que sim, ou não.

Algum A não é B não conseguimos determinar, podendo ser


verdadeira ou falsa(contradiz com as figuras b e d)
Algum copo não é de vidro, como não sabemos se todos os
copos são de vidros, pode ser verdadeira.
b) Todos os elementos de A estão em B.
Algum A não é B.
O conjunto A tem pelo menos um elemento que não pertence
ao conjunto B.
Aqui teremos 3 modos de representar:

a) Os dois conjuntos possuem uma parte dos elementos em


comum

c) Todos os elementos de B estão em A.

b) Todos os elementos de B estão em A.

d) O conjunto A é igual ao conjunto B.

Quando “algum A é B” é verdadeira, vamos ver como ficam os


valores lógicos das outras?
Frase: Algum copo é de vidro.

54
MATEMÁTICA
c) Não há elementos em comum entre os dois conjuntos Representação de uma proposição quantificada

(∀x)(x ∈ N)(x + 3 > 15)


Quantificador: ∀
Condição de existência da variável: x ∈ N .
Predicado: x + 3 > 15.

(∃x)[(x + 1 = 4) ∧ (7 + x = 10)]
Quantificador: ∃
Condição de existência da variável: não há.
Predicado: “(x + 1 = 4) ∧ (7 + x = 10)”.

Negações de proposições quantificadas ou funcionais


Seja uma sentença (∀x)(A(x)).
Quando “algum A não é B” é verdadeira, vamos ver como ficam Negação: (∃x)(~A(x))
os valores lógicos das outras?
Vamos fazer a frase contrária do exemplo anterior Exemplo
Frase: Algum copo não é de vidro. (∀x)(2x-1=3)
Negação: (∃x)(2x-1≠3)
Nenhum A é B é indeterminada (contradição com as figuras a
e b) Seja uma sentença (∃x)(Q(x)).
Nenhum copo é de vidro, algum não é, mas não sei se todos Negação: (∀x)(~Q(x)).
não são de vidro. (∃x)(2x-1=3)
Negação: (∀x)(2x-1≠3)
Todo A é B , é necessariamente falsa
Todo copo é de vidro, mas eu disse que algum copo não era. EXERCÍCIOS
Algum A é B é indeterminada
Algum copo é de vidro, não consigo determinar se tem algum 01. (UFES - Assistente em Administração – UFES/2017) Em um
de vidro ou não. determinado grupo de pessoas:

Quantificadores são elementos que, quando associados às sen- • todas as pessoas que praticam futebol também praticam na-
tenças abertas, permitem que as mesmas sejam avaliadas como tação,
verdadeiras ou falsas, ou seja, passam a ser qualificadas como sen- • algumas pessoas que praticam tênis também praticam futebol,
tenças fechadas. • algumas pessoas que praticam tênis não praticam natação.

O quantificador universal É CORRETO afirmar que no grupo

O quantificador universal, usado para transformar sentenças (A) todas as pessoas que praticam natação também praticam
(proposições) abertas em proposições fechadas, é indicado pelo tênis.
símbolo “∀”, que se lê: “qualquer que seja”, “para todo”, “para (B) todas as pessoas que praticam futebol também praticam
cada”. tênis.
(C) algumas pessoas que praticam natação não praticam fute-
Exemplo: bol.
(∀x)(x + 2 = 6) (D) algumas pessoas que praticam natação não praticam tênis.
Lê-se: “Qualquer que seja x, temos que x + 2 = 6” (falsa). (E) algumas pessoas que praticam tênis não praticam futebol.
É falso, pois não podemos colocar qualquer x para a afirmação
ser verdadeira. 02. (TRT - 20ª REGIÃO /SE - Técnico Judiciário – FCC/2016) que
todo técnico sabe digitar. Alguns desses técnicos sabem atender
O quantificador existencial ao público externo e outros desses técnicos não sabem atender ao
público externo. A partir dessas afirmações é correto concluir que:
O quantificador existencial é indicado pelo símbolo “∃” que se
lê: “existe”, “existe pelo menos um” e “existe um”. (A) os técnicos que sabem atender ao público externo não sa-
bem digitar.
Exemplos: (B) os técnicos que não sabem atender ao público externo não
(∃x)(x + 5 = 9) sabem digitar.
Lê-se: “Existe um número x, tal que x + 5 = 9” (verdadeira). (C) qualquer pessoa que sabe digitar também sabe atender ao
Nesse caso, existe um número, ahh tudo bem...claro que existe público externo.
algum número que essa afirmação será verdadeira. (D) os técnicos que não sabem atender ao público externo sa-
bem digitar.
Ok?? Sem maiores problemas, certo? (E) os técnicos que sabem digitar não atendem ao público ex-
terno.

55
MATEMÁTICA
03. (COPERGAS – Auxiliar Administrativo – FCC/2016) É verda- (A) algum professor de matemática gosta de empadão de ca-
de que existem programadores que não gostam de computadores. marão.
A partir dessa afirmação é correto concluir que: (B) nenhum professor de matemática gosta de empadão de ca-
(A) qualquer pessoa que não gosta de computadores é um pro- marão.
gramador. (C) alguma pessoa que gosta de empadão de camarão gosta de
(B) todas as pessoas que gostam de computadores não são pro- matemática.
gramadores. (D) alguma pessoa que gosta de empadão de camarão não é
(C) dentre aqueles que não gostam de computadores, alguns professor de matemática.
são programadores.
(D) para ser programador é necessário gostar de computador. 08. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2015) Se
(E) qualquer pessoa que gosta de computador será um bom todo estudante de uma disciplina A é também estudante de uma
programador. disciplina B e todo estudante de uma disciplina C não é estudante
da disciplina B, e ntão é verdade que:
04. (COPERGAS/PE - Analista Tecnologia da Informação
- FCC/2016) É verdade que todo engenheiro sabe matemática. (A) algum estudante da disciplina A é estudante da disciplina C.
É verdade que há pessoas que sabem matemática e não são enge- (B) algum estudante da disciplina B é estudante da disciplina C.
nheiros. É verdade que existem administradores que sabem mate- (C) nenhum estudante da disciplina A é estudante da disciplina C.
mática. A partir dessas afirmações é possível concluir corretamente (D) nenhum estudante da disciplina B é estudante da disciplina A.
que: (E) nenhum estudante da disciplina A é estudante da disciplina B.

(A) qualquer engenheiro é administrador. 09. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2015)
(B) todos os administradores sabem matemática. Considere verdadeira a seguinte afirmação: “Todos os primos de
(C) alguns engenheiros não sabem matemática. Mirian são escreventes”.
(D) o administrador que sabe matemática é engenheiro.
(E) o administrador que é engenheiro sabe matemática. Dessa afirmação, conclui­se corretamente que
(A) se Pâmela não é escrevente, então Pâmela não é prima de
05. (CRECI 1ª REGIÃO/RJ – Advogado – MSCONCURSOS/2016) Mirian.
Considere como verdadeiras as duas premissas seguintes: (B) se Jair é primo de Mirian, então Jair não é escrevente.
(C) Mirian é escrevente
I – Nenhum professor é veterinário; (D) Mirian não é escrevente.
II – Alguns agrônomos são veterinários. (E) se Arnaldo é escrevente, então Arnaldo é primo de Mirian

A partir dessas premissas, é correto afirmar que, necessaria- 10. (DPE/MT – Assistente Administrativo – FGV/2015) Consi-
mente: dere verdadeiras as afirmações a seguir.
(A) Nenhum professor é agrônomo.
(B) Alguns agrônomos não são professores. • Existem advogados que são poetas.
(C) Alguns professores são agrônomos. • Todos os poetas escrevem bem.
(D) Alguns agrônomos são professores.
Com base nas afirmações, é correto concluir que
06. (EMSERH - Auxiliar Administrativo – FUNCAB/2016) Consi- (A) se um advogado não escreve bem então não é poeta.
dere que as seguintes afirmações são verdadeiras: (B) todos os advogados escrevem bem.
(C) quem não é advogado não é poeta.
“Algum maranhense é pescador.” (D) quem escreve bem é poeta.
“Todo maranhense é trabalhador.” (E) quem não é poeta não escreve bem.

Assim pode-se afirmar, do ponto de vista lógico, que: GABARITO


(A) Algum maranhense pescador não é trabalhador
(B) Algum maranhense não pescar não é trabalhador 01. Resposta: E.
(C) Todo maranhense trabalhadoré pescador
(D) Algum maranhense trabalhador é pescador
(E) Todo maranhense pescador não é trabalhador.

07. (PREF. DE RIO DE JANEIRO/RJ – Assistente Administrativo


– PREF. DO RIO DE JANEIRO/2015) Em certa comunidade, é verda-
de que:

- todo professor de matemática possui grau de mestre;


- algumas pessoas que possuem grau de mestre gostam de em-
padão de camarão;
- algumas pessoas que gostam de empadão de camarão não
possuem grau de mestre.
Uma conclusão necessariamente verdadeira é:

56
MATEMÁTICA
02. Resposta: D. 06. Resposta: D.
Podemos excluir as alternativas que falam que não sabem digi-
tar, pois todos os técnicos sabem digitar.

07. Resposta: D.

03. Resposta: C.

Podemos ter esses dois modelos de diagramas:

(A) não está claro se os mestres que gostam de empadão são


professores ou não.
(B) podemos ter o primeiro diagrama
(C) pode ser o segundo diagrama.

08. Resposta: C.
O diagrama C deve ficar para fora, pois todo estudante de C não
é da disciplina B, ou seja, não tem ligação nenhuma.
04. Resposta: E.

Assim, os estudantes da disciplina A, também não fazem disci-


plina C e vice-versa.
05. Resposta: B.
Alguns agrônomos são veterinários e podem ser só agrônomos.

57
MATEMÁTICA
09. Resposta: A. ANOTAÇÕES

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________
Como Pâmela não é escrevente, ela está em um diagrama a
parte, então não é prima de Mirian. ______________________________________________________
Analisando as alternativas erradas:
______________________________________________________
(B) Todos os primos de primo são escrevente.
(C) e (D) Não sabemos se Mirian é escrevente ou não. ______________________________________________________
(E) Não necessariamente, pois há pessoas que são escreventes,
______________________________________________________
mas não primos de Mirian.
______________________________________________________
10. Resposta: A.
Se o advogado não escreve bem, ele faz parte da área hachura- ______________________________________________________
da, portanto ele não é poeta.
______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________
Referências
______________________________________________________
Carvalho, S. Raciocínio Lógico Simplificado. Série Provas e Con-
cursos, 2010. ______________________________________________________

______________________________________________________

_____________________________________________________

_____________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

______________________________________________________

58
INFORMÁTICA
1. Conceitos e fundamentos básicos. Conhecimento e utilização dos principais softwares utilitários (compactadores de arquivos, chat,
clientes de e-mails, reprodutores de vídeo, visualizadores de imagem, antivírus). Identificação e manipulação de arquivos . . . . . 01
2. Backup de arquivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3. Conceitos básicos de Hardware (Placa mãe, memórias, processadores (CPU) e disco de armazenamento HDs, CDs e DVDs). Periféricos
de computadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
4. Ambientes operacionais: utilização dos sistemas operacionais Windows 7 e Windows 10 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
5. Conceitos básicos sobre Linux e Software Livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
6. Utilização de ferramentas de texto, planilha e, apresentação do pacote Microsoft Office (Word, Excel e PowerPoint) – versões 2010,
2013 e 2016 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
7. Utilização de ferramentas de texto, planilha e apresentação do pacote LibreOffice (Writer, Calc e Impress) - versões 5 e 6 . . . . . . 98
8. Utilização e configuração de e-mail no Microsoft Outlook. 12. Conceitos de tecnologias relacionadas à Internet e Intranet,
busca e pesquisa na Web, mecanismos de busca na Web. 13. Navegadores de internet: Internet Explorer, Mozilla Firefox, Google
Chrome . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
9. Segurança na internet; vírus de computadores; Spyware; Malware; Phishing e Spam . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
10. Transferência de arquivos pela internet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
INFORMÁTICA
- Usavam linguagem de máquina para executar operações, só
CONCEITOS E FUNDAMENTOS BÁSICOS podendo resolver um problema de cada vez,
CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DOS PRINCIPAIS - A memória baseava-se em cilindro magnético,
SOFTWARES UTILITÁRIOS (COMPACTADORES - A velocidade de processamento era da ordem de milissegun-
DE ARQUIVOS, CHAT, CLIENTES DE E-MAILS, dos e a capacidade de memória era de 2 a 4 kbytes,
REPRODUTORES DE VÍDEO, VISUALIZADORES DE - A entrada de dados era feita por meio de cartões ou fita de
IMAGEM, ANTIVÍRUS). papel perfurados,
IDENTIFICAÇÃO E MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS - A saída de dados era feita por impressoras,
- Não existia sistema operacional. Os programadores eram
O que é a Informática? operadores e controlavam o computador por meio de chaves, fios
e luzes de aviso.
Informática é o nome genérico do conjunto das Ciências da In- Exemplos: ENIAC, UNIVAC
formação que inclui: a teoria da informação, o processo de cálculo,
a análise numérica e os métodos teóricos da representação dos co-
nhecimentos e de modelagem dos problemas. E a palavra Informá-
tica refere-se, também, especificamente ao processo de tratamen-
to automático da informação por meio de máquinas eletrônicas,
como computadores, laptops, netbook, tablets etc ...
De um modo geral, pode-se pensar em computador como um
equipamento capaz de armazenar e processar, lógica e matemati-
camente, quantidades numéricas.

O Computador
O computador é uma máquina programável capaz de realizar
processamentos sobre uma massa de dados, torna-los em informa-
ção útil e armazená-los.
- Dados: são fatos/descritores de coisas, pessoas, eventos não
processados;
- Informação: trata-se do conjunto de dados que foram proces-
sados e constituem informação útil.
Concretamente, o computador é um equipamento, constituído
por componentes mecânicos e eletrônicos que, a partir de dados
ENIAC
de entrada, realiza um processamento, gerando novos dados como
saída.
Segunda geração (1959-1964)
Basicamente um computador é composto de um processador
- Houve a substituição das válvulas eletrônicas por transistores
central, capaz de efetuar operações lógicas e matemáticas de modo
e os fios de ligação por circuitos impressos, o que tornou os com-
extremamente rápido, e de salvar informações, que utiliza vários putadores mais rápidos, menores, e de custo mais baixo. Mas ainda
dispositivos como disco rígido, memória, placa mãe e, também, vá- esquentavam muito.
rios dispositivos de entrada e saída de dados. - Mudança da linguagem de máquina binária para as lingua-
Atualmente é considerado quase como um eletrodoméstico e gens simbólicas, como FORTRAN, que permitiram que os programa-
é geralmente associado a um gabinete, a um monitor, um teclado, dores especificassem instruções em palavras,
a um mouse, a uma impressora, sendo extremamente importante - A memória passou de cilindro magnético para a tecnologia do
que haja conexão à Internet. núcleo magnético,
- A velocidade de processamento era da ordem de milissegun-
História dos computadores dos a capacidade de memória era de 20 megabytes,
Quando se pensa na história do computador e da Internet, - Surgiram os primeiros armazenadores externos de informa-
observa-se que, apesar de muitos equipamentos terem aparecido ções: fitas magnéticas e discos,
bem antes, eles surgiram em torno dos anos 40 do século passado - A entrada de dados era feita por cartões ou fita de papel per-
e eram enormes, ocupando vários metros quadrados. furados,
Esses equipamentos passaram por uma grande evolução, que - A saída de dados era feita por impressoras,
pode ser dividida em gerações. - Foram criados os sistemas em lote, “batch systems”, que pos-
Cada geração é caracterizada pelo desenvolvimento tecnoló- sibilitaram um melhor uso dos recursos computacionais. Havia um
gico no modo como o computador opera, resultando em equipa- programa monitor, usado para “enfileirar” as tarefas. Cada progra-
mentos cada vez menores, mais poderosos, eficientes rápidos,e ma era escrito em cartões ou fita de papel perfurados, que eram
baratos. carregados por um operador, juntamente com seu compilador. O
operador em geral utilizava uma linguagem de controle chamada
Primeira geração (em torno de 1940-1959) JCL (job control language).
- Os computadores eram lentos, enormes, ocupavam salas in- Exemplos: TRADIC, IBM TX-0
teiras e tinham muitos metros de fios,
- Eram equipadas com válvulas eletrônicas e gastavam muita
energia,
- Sua operação era muito cara e esquentavam muito, o que era,
frequentemente, a causa de mau funcionamento,

1
INFORMÁTICA
- A velocidade de processamento era da ordem de nanosse-
gundos,
- Apareceram linguagens múltiplas de programação como Co-
bol, Pascal, Basic,
- Começou a transmissão de dados entre computadores atra-
vés de rede,
- Intensificou-se a produção de computadores objetivando o
usuário doméstico.
Exemplos: Lisa, MacIntosh, IBM 5150, 386.

TX-0

Terceira geração (1964-1970)


- Os computadores passaram a ter circuitos integrados, sendo que
os transistores foram miniaturizados. Estes aumentaram a velocida-
de e a eficiência das máquinas, proporcionando redução dos custos
e aumento da velocidade de processamento. Sendo menores e mais
baratos tornaram-se acessíveis para um grande número de pessoas,
- Teclados e monitores substituíram os cartões e papel perfu-
rados,
- O sistema operacional passou a permitir que muitos progra-
mas pudessem ser executados ao mesmo tempo (multitarefa), in-
clusive monitorando a memória,
- A velocidade de processamento era da ordem de microsse-
gundos
Exemplos: DCC 6600, Nova
Intel 386

Quinta geração (época atual e futuro)


- O objetivo é desenvolver equipamentos que respondam à en-
trada de dados por voz e que sejam capazes de aprendizagem e de
organização,
- Altíssima velocidade de processamento,
- Grande capacidade de armazenamento de dados dos discos
rígidos (de 40 e 80 GBs já eram comuns em lojas brasileiras no início
de 2007), o DVD pode acumular uma quantidade dez vezes maior
de dados do que o CDrom,
- Alto grau de interatividade, inclusive com reconhecimento de
voz por alguns aplicativos
- O uso de processamento paralelo e de supercondutores está
impelindo o surgimento da “inteligência artificial”.
O que é um sistema computacional?
Em poucas palavras, um sistema computacional é um conjunto
de dispositivos eletrônicos que utilizamos para todo um processa-
mento de alguma informação, ou seja, união de hardware (parte
Quarta geração (de 1970 até a época atual) física) e software (parte lógica).
- O microprocessador, com milhares de circuitos integrados em Muitos são os conceitos e exemplos de um sistema computa-
um único “chip” de silicone, proporcionou maior grau de miniatu- cional. É importante entender que existe um processo “eficaz” ou
rização, confiabilidade e velocidade, já da ordem de nanosegundos não que envolve tecnologia computacional e seres humanos.
(bilionésima parte do segundo), Máquinas, programas e pessoas perfazem todo um complexo
- Outros equipamentos começaram a usar os microproces- dinâmico de processos que se relacionam. Nos dias de hoje, todo
sadores, esse mecanismo de manipulação de dados e informações está se
- Iniciou-se a ligação dos computadores em redes o que condu- tornando inteligente o suficiente para que o tempo de resposta
ziu ao desenvolvimento da Internet, seja muito mais rápido e eficiente.
- Houve o desenvolvimento da interface gráfica - GUI, “Gra- A sociedade não é um elemento estático, muito pelo contrário,
phical User Interface” - baseada em símbolos visuais, como ícones,
está em constante mutação e, como tal, a sociedade contemporâ-
menus e janelas que promoveram maior interação entre o sistema
nea está inserida em um processo de mudança em que as novas
e o usuário,
tecnologias são as principais responsáveis.

2
INFORMÁTICA
Alguns autores identificam um novo paradigma de sociedade que se baseia num bem precioso, a informação, atribuindo-lhe várias
designações, entre elas a Sociedade da Informação.
Este novo modelo de organização das sociedades se assenta em um modo de desenvolvimento social e econômico em que a infor-
mação, como meio de criação de conhecimento, desempenha um papel fundamental na produção de riqueza e na contribuição para o
bem-estar e qualidade de vida dos cidadãos.
Condição para a Sociedade da Informação avançar é a possibilidade de todos poderem aceder às Tecnologias de Informação e co-
municação, presentes no nosso cotidiano, que constituem instrumentos indispensáveis às comunicações pessoais, de trabalho e de lazer.
Dito isso, Sistema computacional pode ser definido como algo provindo da interação existente entre os diversos componentes de
hardware, software e peopleware que trabalham de forma conjunta sobre uma determinada massa de dados de forma a produzir infor-
mações/resultados de interesse para outros sistemas/usuários.

- Peopleware: são os agentes humanos (usuários e programadores) que fazem uso e configuram as ações a serem executadas pelo
hardware e software;
- Hardware: diz respeito a toda estrutura física que compõe o sistema computacional que é responsável pelo processamento, aqui-
sição e armazenamento de informações, ou seja, o próprio computador em sí e seu periféricos, como teclado, mouse, impressora, etc;
- Software: este elemento é composto de toda a lógica responsável por controlar os componentes de hardware através de comandos
e pela manipulação das informações que são recebidas. Refere-se a toda

Principais usos da computação


- Armazenamento de grandes volumes de informação;
- Realização de cálculos matemáticos complexos em curtos períodos de tempo;
- Controle e supervisão de processos complexos que envolvam riscos à saúde;
Melhoria do processo de comunicação e agilidade no processo de transmissão;
Geoprocessamento;
Processamento de imagem e voz;
Suporte para desenvolvimento de projetos de engenharia(CAD);
Entretenimento através de jogos e ferramentas para auxiliar o ensino;
Realidade virtual que pode ser empregada como auxílio à medicina, definição de ações, etc.;
Tipos de computador
Desktops ou computadores de mesa
Desktop, também conhecido como computador de mesa, é o tipo de computador mais usado no mundo, seja como computador
pessoal ou para trabalho.

3
INFORMÁTICA

Possui hardware flexível, o tornando compatível com diferen-


tes necessidades. Podem tanto possuir configurações mais simples,
com finalidade de acesso à internet e trabalhos de escritório, como
possuir configurações complexas e que exijam alto poder de pro-
cessamento e gráfico, como os destinados a executar jogos de úl-
tima geração e próprios para trabalhos de edição de foto e vídeo.
Pode ser comprado já com configuração fixa, montado de maneira
personalizada ou até mesmo pode ser turbinado para determinado
fim. Dentre os tipos de computadores de mesa, podemos destacar,
além do desktop propriamente dito:
- Servidor: Em resumo, um servidor é, basicamente, um com-
putador mais potente do que seu desktop comum. Ele foi desen-
volvido especificamente para transmitir informações e fornecer
produtos de software a outros computadores que estiverem co-
nectados a ele por uma rede. Os servidores têm o hardware para
gerenciar o funcionamento em rede wireless e por cabo Ethernet,
normalmente através de um roteador. - Workstation ou estação de trabalho: é o computador com
Eles foram desenvolvidos para lidar com cargas de trabalho capacidade de processamento de cálculos e gráficos superior aos
mais pesadas e com mais aplicativos, aproveitando a vantagem de comuns. Eles são destinados principalmente a usos profissionais
um hardware específico para aumentar a produtividade e reduzir o específicos, tais como arquitetura, desenho industrial, criação de
tempo de inatividade. filmes 3D ou em laboratórios de física. Não se trata simplesmente
Os servidores também oferecem ferramentas de gerencia- de um desktop “turbinado”, pois são feitos para atender a uma fi-
mento remoto, o que significa que um membro da equipe de TI nalidade específica. Entenda melhor a definição e veja se você pre-
pode verificar o uso e diagnosticar problemas de outro local. Isso cisa de uma workstation.
também significa que você pode executar manutenções de rotina,
como adicionar novos usuários ou alterar senhas. - Nettops: são mini desktops, ou seja, minicomputadores, que
- Clientes: Cliente é um termo empregado em computação e são vendidos por um preço mais em conta, gastam menos energia,
representa uma entidade que consome os serviços de uma outra ocupam menos espaço e são bastante modernos. São muito indica-
entidade servidora, em geral através do uso de uma rede de com- dos para centrais de multimídia. Permitem uma enorme economia
putadores numa arquitetura cliente-servidor de espaço em relação aos convencionais.
Ele é capaz de realizar tarefas que não exigem muito de uma
máquina, como navegar pela internet, acessar aplicativos para
Web, processar documentos, ver fotos, vídeos, escutar músicas e
etc… Fazendo uma comparação, um nettop é para um desktop o
que um netbook é para um notebook.

All-in-one: Como o nome em Inglês diz, os PCs “All-In-one” têm


tudo em um, isto é, tudo é feito para transformar a instalação dele
em seu lar ou escritório em uma experiência muito mais fácil. Você
se lembra do gabinete que a grande maioria dos computadores
tem? Esqueça!
Aqui temos monitor e gabinete numa única peça, ocupando
menos espaço. Podem ainda possuir tela sensível ao toque.
Tudo que você precisa está em um único bloco: drive de DVD,
entradas para os acessórios USB, leitores de cartão de memória,
ponto para o cabo de rede ou modem banda larga, entradas para
antena de rádio FM e televisão, com direito a controle remoto para
facilitar na hora de assistir filmes, programas de TV e rádio.
Alguns modelos mais poderosos, oferecem monitores de até 23
polegadas, HDs de 1 terabyte (quanta coisa, hein?) e contam com
função touch: isto é, além do mouse, você pode encostar seu dedo
na tela para escolher opções, arrastar ícones e assim por diante.

4
INFORMÁTICA
sua maioria, as telas são menores e não há o drive de disco ótico.
Além disso, os netbooks costumam ter telas menores (existem mo-
delos com 8 polegadas), e também por conta disto são mais leves e
fáceis de transportar.
Ah, sim: muitos netbooks usam discos rígidos do tipo SSD (Solid
State Disc, ou Disco de Estado Sólido), drasticamente aumentando
a velocidade do acesso aos dados e também reduzindo as chances
de falha de leitura por vibrações e balanços, pois não faz uso da
mesma tecnologia do HD tradicional.

- Ultrabook: Não seria legal se uma máquina portátil como um


netbook pudesse ser poderosa como um notebook? Foi pensando
nisso que a Intel implantou um novo conceito de equipamentos
chamado de ultrabook.
Portáteis

Computador portátil é todo o computador que pode ser fa-


cilmente transportado. Por vezes usando uma bateria como carga
elétrica e possuindo rede Wi-Fi.
Antigamente, quando falávamos de computador nos refería-
mos a dois tipos de equipamento: os computadores de mesa (tam-
bém chamados de desktop) e os notebooks (também chamados
de laptops). Hoje em dia, o público está mais amplo, o consumidor
mais exigente, e novas vertentes surgiram, principalmente no lado
dos portáteis.

Não é difícil ouvir a respeito de netbooks e ultrabooks. Os no-


tebooks continuam aí, firmes e fortes e, para somar um pouquinho Um ultrabook é uma máquina ultra portátil que não abre mão
mais, apareceram também os tablets, que poderiam ser encaixados do poder de processamento. São computadores leves, compactos,
fora desse artigo, mas decidimos manter tamanha a dúvida que ge- sem unidade de mídia óptica na maioria dos casos (ou seja, leitor e
ram. gravador de DVD e CD) que primam, também, pelo custo mais baixo.
Notebook e netbook: Por muito tempo, os computadores por-
táteis foram chamados “laptop” (em tradução livre, algo que pode - Tablets: são mais portáteis do que netbooks. Apesar de al-
ficar no seu colo); depois de um tempo, o termo “notebook” (como guns modelos oferecerem teclados físicos, são geralmente contro-
“caderno” em Inglês) ficou mais popular e, não mais que de repen- ladas por comandos na tela.
te, mais um novo nome apareceu no mercado: “netbook”.

Os tablets não são exatamente computadores, mas com a che-


gada do iPad e de uma avalanche de aparelhos Android, entre eles
o Xoom e o Galaxy Tab, caíram no gosto dos consumidores.
Os notebooks costumam ter muito do hardware oferecido em Mas, atenção: são tipos totalmente diferentes de aparelhos. A
computadores de mesa, como drive de DVD (e até mesmo o forma- começar pelo fato de que eles possuem tela sensível ao toque e a
to Blu-ray, dependendo do modelo), além de acessórios vendidos maior parte dos modelos não possui teclado físico, apenas virtual.
separadamente por aí, como leitores de cartão de memória. Por- Sendo assim, a digitação neles é um pouco mais desconfortável, a
tanto, se você quer um computador mais flexível para uso como os menos que você adquira, também, um teclado sobressalente espe-
de casa, então você quer um notebook. cífico para usos com tablets.
Mas e o netbook, do que se trata? Idealizada em 2007, esta Outro ponto a ser destacado é que os tablets possuem siste-
linha de computadores superportáteis vendida a um preço mais mas operacionais portáteis, então rodam com programas diferen-
camarada por uma variedade de razões. tes dos computadores tradicionais. Ter um tablet não é suficiente:
Como seu nome sugere, é um computador para uso mais cons- ele é um aparelho complementar a um outro computador, seja este
tante e facilitado com a Internet. Além do consumo de energia re- de mesa ou portátil. Mas é ótimo para ver emails, ler notícias e
duzido em comparação aos seus “irmãos maiores” pelo menos em livros digitais (e-books) e, é claro, navegar na internet!

5
INFORMÁTICA
- PDA: os primeiros computadores portáteis podem ser tam- Por exemplo, já notou que as previsões de tempo hoje são mui-
bém considerados como os pais dos smartphones. Palmtops são os to mais precisas do que há trinta ou mesmo vinte anos? Isso ocorre
principais representantes da categoria. porque os institutos de meteorologia e clima não mais tentam “adi-
vinhar” o que vai acontecer pela configuração prévia da atmosfera.
Em vez disso, um supercomputador simula, baseado nas condições
atuais e nas tendências anotadas, como o clima realmente estará.
A quantidade de cálculos para essa simulação é assombrosa, e deve
acontecer em poucas horas - caso contrário, não será possível emi-
tir a tempo um alerta de furação ou de maremoto, por exemplo.
Da mesma forma, apenas o imenso poder dos supercomputadores
tornam práticas as pesquisas científicas e simulações de armas nu-
cleares, modelagem química e molecular e projeto de aeronaves e
carros de corrida.
Mainframe: processam muitas informações ao mesmo tempo,
mas não são tão poderosos quanto supercomputadores. São reco-
mendados para empresas e centrais de dados.

- Mainframe é um computador de grande porte capaz de rea-


lizar processamento de dados complexos. Mainframes são usados​​
como sistemas centrais em grandes organizações (empresas, insti-
tuições, etc.). São caracterizadas por uma alta velocidade de execu-
Grandes máquinas ção de tarefas individuais e uma arquitetura projetada para permi-
Computadores comuns não são o suficiente para cálculos que tir que o equilíbrio entre benefícios e um maior nível de segurança.
exigem rapidez e precisão extrema. Por essa razão, grandes máqui- Usados, por exemplo, em bancos e órgãos de governo
nas com milhares de processadores e quantidades quase infinitas
de memória são montadas em ambientes restritos e com muita
refrigeração.
Supercomputador: responsáveis por cálculos supervelozes, são
muito utilizados por universidades e centros de pesquisas. Basica-
mente, um supercomputador é um computador cujo desempenho
é extremamente grande. A velocidade de processamento de uma
máquina dessas supera em milhares (às vezes milhões) de vezes a
de um computador doméstico. Ele também precisa ter uma capaci-
dade de memória absurdamente superior para dar conta da enor-
me quantidade de dados apresentados na entrada e depois produ-
zidos na saída. Por fim, a maioria dos supercomputadores usa um
tipo de processamento de informação chamado de processamento
paralelo, o que quer dizer que pode calcular várias coisas ao mesmo
tempo.
Embora essa capacidade de processamento possa parecer fú-
til, os supercomputadores são bastante úteis. Cálculos e simulações Componentes de Hardware
científicas que poderiam levar anos podem ser feitas em questão Os diversos componentes de hardware do computador são
de dias ou mesmo horas. Por conta disso, os supercomputadores responsáveis por prover os mecanismos de interação entre o usuá-
têm lugar cativo em centros de pesquisa, sejam elas aeroespaciais, rio e o sistema, além armazenar informações.
militares, de física, química e medicina. - Componentes de entrada
- Componentes de saída
- Componentes de armazenamento
- Componentes de processamento

Arquitetura de Von Neumman

Componentes de Armazenamento
Estes dispositivos são responsáveis pela guarda de todas as in-
formações que são geradas pelos dispositivos de entrada ou oriun-
dos de um processamento.
Neste sentido, tais dispositivos são classificados quanto ao tipo
de armazenamento que estes fornecem:

6
INFORMÁTICA
- Volátil;
- Não-volátil;
- Programável;
- Não-programável.

Memória de Armazenamento Volátil


Este tipo de dispositivo de armazenamento somente retém a informação enquanto está energizado. Como exemplo para este tipo de
memória podemos citar a memória RAM (Random Access Memory).

Memória de Armazenamento Não-volátil


Este tipo de dispositivo de armazenamento retém a informação independentemente de estar, ou não, energizado. Como exemplo
para este tipo de memória podemos citar as memórias ROM (Read Only Memory), Disco Rígido, CDs, DVDs, pen drive, etc...

Memória Programável
Este tipo de memória pode ser programada mais de uma vez, ou seja, esta memória pode ser gravada, apagada e gravada novamente.
Exemplos destes tipos de memória são: Disco Rígido, memória principal, CD-RW, pen drive, etc...

Memória Não-Programável
Alguns tipos de memória somente podem ser programadas (gravadas) uma única vez. Estes tipos de memória são conhecidas como
memória ROM (Read Only Memory) ou PROM (Programable Read Only Memory). Exemplos destes tipos de memória são:
CD-R, alguns chips e micro-processadores, etc...
Disco Rígido - HD
O Disco Rígido (Hard Disk), ou memória secundária, é uma memória de massa não-volátil destinada ao armazenamento de grandes
volumes de dados. Este tipo de memória possui um tempo de acesso bem maior, ou seja, ela é bem mais lenta que outros tipos de memó-
ria (Memória Principal, Cache, Registradores).
- Armazena grandes volumes de dados;
- Não-volátil;
- Armazenamento magnético;
- Acesso lento aos dados;
- Barata.

Memória Principal - RAM


A Memória Principal é uma memória que é destinada ao armazenamento dos aplicativos e programas que estão sendo executados
pelo computador. Trata-se de uma memória volátil, ou seja, os dados são armazenados enquanto esta estiver energizada. Além disso, ela
possui um tempo de acesso menor comparativamente à Memória Secundária, ou seja ela é mais rápida. Para os computadores estas são
chamadas de Memória RAM.
- Armazena volumes de dados moderados;
- Volátil;
- Armazenamento eletrônico;
- Acesso rápido aos dados;
- Custo moderado.

Memória Cache
Trata-se de um tipo de memória de alto desempenho que serve para melhorar o desempenho de processamento do computador
através da diminuição do tempo de acesso aos dados da Memória Principal - MP.
Esta memória armazena os dados e instruções que comumente são mais acessados pelo processador visando diminuir o gargalo
existente entre este e a MP.
- Armazena pequenos volumes de dados;
- Volátil;
- Armazenamento eletrônico;
- Acesso rápido aos dados;
- Alto custo.

Registradores
Trata-se de um tipo de memória que está inserida dentro dos processadores e é constituída por material que garante acesso ultrar-
rápido aos dados.
Estes dados são retidos por um curto período de tempo, e em geral permite que os dados sejam armazenados apenas para a execução
de uma instrução.
- Armazena pequenos volumes de dados, normalmente uma única palavra de dados;
- Volátil;
- Armazenamento eletrônico;
- Acesso ultra-rápido aos dados;
- Altíssimo custo.

7
INFORMÁTICA
Comparativo

Sistema Binário
Linguagem de computador
O computador trabalha com uma linguagem bastante simples. Como se trata de um sistema eletroeletrônico uma das formas mais
simples de comunicação é através de pulsos elétricos. Assim, o computador trabalha com duas variáveis, 1 e 0 que significam ligado (1) e
desligado (0).
Este sistema é conhecido como sistema binário, ou seja, são apenas dois dígitos que compõem os dados. O menor fragmento de
dados usado é o Bit, que vem do inglês Binary Digit. Logo, um Bit significa ou ligado ou desligado, 1 ou 0.
Entretanto 1 bit não constitui um dado, tampouco um arquivo. A menor unidade de dado armazenável é o byte. Um byte representa
um caractere armazenado no computador.
Então qual a diferença entre bit e byte?
Para representar um conjunto completo de caracteres e algumas teclas de comando, como o enter e esc, é necessário um conjunto
de 256 caracteres. Ou seja, para representar todas as letras (a,b,c,d…), números (1,2,3,4…), símbolos (%,¨,*,$…) e teclas de comando (esc,
enter…) essenciais é necessário um espaço para 256 itens, caracteres.

Como representar através de 2 dígitos cada um dos 256 itens?


Para que com apenas 2 dígitos consigamos representar unicamente (cada item deve ter uma representação única) precisamos de no
mínimo 8 dígitos combinados (1 ou 0). Sendo assim, um byte possui 8 bits.

Medidas de Armazenamento
Em Informática é muito importante considerar a capacidade de armazenamento, já que quando se faz algo no computador, traba-
lha-se com arquivos que podem ser guardados para uso posterior. Evidentemente, quando se armazena algo, isto ocupa um certo espaço
de armazenamento.
Assim como a água é medida em litros ou o açúcar é medido em quilos, os dados de um computador são medidos em bits e bytes.
Cada valor do código binário foi denominado “bit” (binary digit), que é a menor unidade de informação.
Cada conjunto de 8 bits forma o byte, o qual corresponde a um caractere, seguindo o código binário.

Por que 1 Kb equivale a 1024 bytes?


No caso do quilo e de outras medidas de nosso dia a dia, a estrutura numérica é construída sobre a base 10. O termo quilo representa
a milhar constituída de alguma coisa. Nossa base de trabalho numérica, sendo 10, faz com que, quando a base é elevada à terceira potên-
cia, atinja a milhar exatamente com 1000 unidades.
Mas, quando falamos em bytes, grupos de bits, não estamos falando em base 10, mas sim em uma estrutura fundamentada no código
binário, ou seja, na base 2, nos 2 modos que o computador detecta, geralmente chamados de 0 e 1.
Assim, quando queremos um quilo de bytes, temos que elevar essa base a algum número inteiro, até conseguir atingir a milhar.
Mas não há número inteiro possível que atinja exatamente o valor 1.000. Então, ao elevarmos a base 2 à décima potência, teremos
1024.

8
INFORMÁTICA
Com esse raciocínio agora podemos entender a seguinte tabela:

Bits: a menor parte de um dado


Para começar, vamos falar a respeito da origem do nome dos bits. “Bit”vem de BInary digiT,ou seja, dígitos binários. Isso porque cada
bit é exatamente isto: um dígito binário que pode corresponder aos valores “0” ou “1”. O conjunto deles forma os dados na forma que
nós conseguimos compreender.
Quando ainda estão como bits, apenas programadores conseguem decifrá-los, pois respondem a sequências binárias mais comple-
xas. Nos códigos de programação, você pode encontrar os binários como ativação ou negação de certas tarefas. Por padrão, o “0” desativa
as opções, enquanto o “1” faz o contrário.

Bytes: a informação tomando forma


Um conjunto de oito bits representa um byte, que é a fração dos dados que pode ser compreendida pelos usuários. Nesse caso, em
vez de duas combinações possíveis, existem 255. Um caractere, por exemplo, pode possuir o tamanho exato de um byte (dependendo da
codificação utilizada), por isso alguns arquivos no formato TXT podem ser encontrados com menos de 1 kB.
Quanto tem um byte?
Agora, uma curiosidade. Você pode estar se perguntando: “A imagem mostrada diz que o arquivo possui 23 bytes, mas ocupa 4 kilo-
bytes em disco. Como isso é possível?”. Apesar de possuir poucas informações, o computador gasta os 4 kilobytes para armazená-lo, pois
esse é o valor mínimo definido pela formatação do computador utilizado na ocasião.

Kilobytes: os dados tangíveis


Um kilobyte é composto por 1.024 bytes. Essa é a primeira unidade (entre as citadas) que a grande maioria dos usuários deve conhe-
cer. Muitos arquivos de texto e até mesmo fotografias com resoluções mais baixas possuem alguns kilobytes. Os antigos disquetes de 1,44
MB permitiam que os usuários carregassem vários arquivos com essas dimensões.
Essa unidade é muito lembrada quando downloads são realizados. As taxas de transferência são medidas em kilobytes por segundo.
E isso já funciona dessa forma há vários anos, desde a época das conexões discadas. Se em 1999 as pessoas baixavam músicas em veloci-
dades de 3 kB/s, hoje há várias conexões que permitem downloads de 200 kB/s ou mais.

Megabytes: o mundo multimídia


Se os kilobytes armazenam vários arquivos de texto, os megabytes permitem um mundo muito mais multimídia para os usuários. Em
média, uma música em MP3 ocupa 5 MB no disco rígido e uma foto em alta resolução pode passar dos 2 MB facilmente, dependendo do
formato de arquivo que for utilizado.
CDs (de áudio ou dados) possuem cerca de 700 MB de capacidade. Isso garante que muitos arquivos sejam armazenados, ou cerca de
20 músicas. “Mas uma música não possui apenas 5 MB?”. Sim, uma música em MP3 ocupa isso, mas para os CDs de áudio o formato dos
arquivos é diferente e ocupa muito mais megabytes.
Discos e mais discos
Você pode perceber que todo tipo de mídia pode representar alguns kBs ou muito MBs, tudo depende da qualidade com que são
codificados. Isso inclui fotografias e músicas, como já dissemos, e também filmes. Um filme em qualidade baixa pode ocupar menos de
500 MBs, enquanto o mesmo em qualidade 1080p pode chegar aos 25 gigabytes.

9
INFORMÁTICA
Gigabytes: a alta definição
Em tempos remotos (mas não tão remotos assim, quando o Windows 95 era o sistema operacional mais utilizado em todo o mundo),
discos rígidos não chegavam a possuir a capacidade de 1 GB. Mas os sistemas foram evoluindo, outros softwares também e a demanda
exigiu melhorias nos componentes de hardware.
Hoje, dificilmente encontram-se computadores sendo vendidos com discos rígidos inferiores aos 500 GB de capacidade. Até mesmo
HDs externos podem ser encontrados com capacidades maiores do que essas e sem serem vendidos por preços absurdos, como acontecia
até pouco tempo atrás.
Podemos afirmar que, nos próximos anos, os gigabytes devem limitar-se às mídias de alta definição e aos pendrives, visto que HDs
devem ultrapassar a casa dos terabytes em larga escala. Quanto às mídias: DVDs possuem 4,7 GB; Blu-rays, 25 GB e arquivos digitais po-
dem ir muito além disso.

Terabytes: a nova necessidade


Quem poderia imaginar, em 2005, que seria possível dispor de um disco rígido com capacidade para armazenar um terabyte de in-
formações? Pois hoje a realidade é outra e os HDs permitem exatamente isso. Você já parou para pensar em quantas músicas poderiam
ser armazenadas em um disco desses?
Cada dia mais frequentes
Vamos às contas. Uma música em MP3, com cerca de 3 minutos, ocupa 5 MB. Em 1 TB, poderiam ser armazenadas 200 mil músicas.
Caso fossem reproduzidas sequencialmente e sem interrupções, elas levariam 1 milhão de minutos para serem tocadas sem repetições de
arquivos. Isso representaria 17 mil horas ou 728 dias. Exatamente, seriam quase dois anos sem parar de ouvir músicas.
Se o mesmo cálculo fosse feito para filmes em Blu-ray, com cerca de 90 minutos e 25 GB, chegaríamos à conclusão de que 1 TB pode
armazenar 40 filmes em alta definição. O que exigiria dois dias e meio de “maratona” para que todos pudessem ser vistos sem pausas.
Para DVDs o período seria de 13 dias.

Petabyte: muito além do uso doméstico


Um milhão de gigabytes. É exatamente isso que representa um petabyte, muito mais do que qualquer pessoa precisa para armazenar
seus dados. Na verdade, é muito mais do que muitas empresas gigantes precisam. Petabytes só são tangíveis se somarmos uma grande
quantidade de servidores.
Segundo James S. Huggins (especialista em tecnologia da informação), se fôssemos digitalizar livros, apenas 2 petabytes seriam sufi-
cientes para armazenar toda a produção acadêmica dos Estados Unidos. Já o Google processa cerca de 24 petabytes de informações todos
os dias, o que demanda muitos servidores dedicados à atividade.
Exabyte: o tráfego da internet mundial
Não seria possível ouvir 1 bilhão de canções em apenas uma vida (capacidade de armazenamento de um HD hipotético de 1 EB). Os
exabytes ainda estão muito distantes dos computadores comuns, mas já são uma realidade na internet mundial.
O Discovery Institute (uma instituição sem fins lucrativos) realizou alguns estudos e concluiu que, todos os meses, são transferidos
cerca de 30 exabytes de informações na internet mundial. Isso representa 1 EB por dia, ou 1 bilhão de gigabytes de dados circulando a
cada 24 horas.

Zettabyte: todas as palavras do mundo


Você consegue imaginar o que são 1 bilhão de HDs de 1 terabyte? Agora imagine todos eles lotados de dados. Pois isso é o mesmo que
ocupar 1 zettabyte com informações. Essa unidade é muito maior do que conseguimos imaginar ao pensarmos em computadores comuns.
O estudo mais curioso que já foi realizado com base nos zettabytes é de Mark Liberman (linguista da Universidade da Pensilvânia,
Estados Unidos). Ele constatou que, se fossem gravadas todas as palavras do mundo (de todos os idiomas, digitalizadas em 16 bits e 16
kHz), seriam necessários 42 zettabytes para armazenar toda a gravação.

Yottabyte: mais do que existe


Some todas as centrais de dados, discos rígidos, pendrives e servidores de todo o mundo. Pois saiba que essa soma não representa
um yottabyte. Um trilhão de terabytes ou um quadrilhão de gigabytes: não é possível (pelo menos por enquanto) atingir essa quantia.
Dividindo um yottabyte pela população mundial, teríamos 142 terabytes para cada pessoa. Levanto em conta que apenas 25% das
pessoas possuem acesso a computadores, essa quantia seria aumentada para 568 terabytes (pouco mais do que a metade de um petaby-
te). Seriam 23 mil filmes em Blu-ray para cada um.

Discrepância entre a capacidade reportada e a capacidade real


Muitos clientes ficam confusos quando seus sistemas operacionais reportam, por exemplo, que seu novo disco rígido ST31000340AS
de 1000 GB estão reportando apenas 909 GB de capacidade útil. Diversos fatores podem estar em jogo quando você vê a capacidade
reportada de uma unidade de disco. Infelizmente, existem dois sistemas numéricos diferentes que são usados para expressar unidades
da capacidade de armazenamento: o binário, segundo o qual um kilobyte é igual a 1.024 bytes, e o decimal, segundo o qual um KB é igual
a 1.000 bytes. O padrão de armazenamento do mercado é exibir a capacidade em decimais. Embora no sistema binário você tenha mais
bytes, a representação decimal de um GB mostra capacidade maior. Para entender melhor a verdadeira capacidade de sua unidade de
disco, é necessário saber qual unidade básica de medida (binário ou decimal) está sendo usada para representar a capacidade. Outro fator
que pode causar uma representação incorreta do tamanho de uma unidade de disco são as limitações do BIOS. Muitos BIOS mais antigos
têm um limite para o número de cilindros que podem suportar.

10
INFORMÁTICA
Motivo para prefixos propostos para múltiplos binários
Há muito tempo, os profissionais de computador perceberam que 1.024 ou 2^10 (binário) era quase igual a 1.000 ou 10^3 (decimal)
e começaram a usar o prefixo “kilo” para significar 1.024. Isso funcionou bem o suficiente por uma década ou duas, pois todas as pessoas
que usavam o termo kilobytes sabiam que ele significava 1.024 bytes. Mas, de um dia para outro, um número muito grande de pessoas
comprou computadores e os profissionais que trabalham com computadores passaram a precisar conversar com físicos e engenheiros
e até mesmo com pessoas comuns, cuja grande maioria sabia que um quilômetro equivale a 1.000 metros e um quilograma equivale a
1.000 gramas.

Dois sistemas de medida diferentes

Hertz ou (Hz) ou MegaHertz (MHz)


A velocidade dum processador mede-se em função da velocidade do seu relógio, que se mede em frequência (Hertz (Hz) ou Mega
Hertz (MHz)). A frequência corresponde ao número de ciclos por segundo.
A frequência interna do relógio do processador varia de processador para processador, sendo comuns velocidades entre 2 MHz e
3200 MHz (3.2 GHz).

Instruções por segundo


Por vezes, erradamente, esta medida é confundida com o número de instruções que o processador realiza por segundo. Na realidade,
cada instrução é realizada num número específico de ciclos, o que torna impossível definir com exatidão o número de instruções realizadas
num segundo. Existem instruções que são realizadas num único ciclo de relógio (no limite é o que se deseja), enquanto outras demoram
várias dezenas. Consequentemente quanto mais ciclos por segundo mais rápido será seguida as instruções.

Nota: Na tabela acima imagine uma instrução que precise de 80000 ciclos para se completar sendo executada em 2 computadores
com processadores de velocidades diferentes, observe a diferença de tempo para resolução

RPM – Rotações por minuto


Característica encontrada por exemplo no Hard Disk
HD de 500 GB / 7200 RPM
O RPM é a velocidade na qual o disco interno do disco rígido gira, sendo assim, quanto maior a velocidade menor será o tempo para
gravar ou ler informações no disco rígido deixando assim seu computador “mais rápido” ou “mais lento”.

GABINETE
O gabinete é uma caixa metálica (ou com elementos de plástico) horizontal ou vertical (nesse caso, também é chamado de torre), em
que ficam todos os componentes do computador (placas, HD, processador, etc).
O gabinete possui locais de encaixe para as placas e uma unidade de fonte elétrica, que converte a corrente elétrica alternada em
corrente contínua para alimentar todos os componentes - alguns, como os gabinetes voltados para jogos ou profissionais, por demanda-
rem mais alimentação de energia, vem sem fonte elétrica, ficando a critério da pessoa responsável pela montagem escolher aa adequada.
Assim, a fonte de alimentação elétrica deve ter uma potência adequada para a quantidade de periféricos que se pretende instalar no
microcomputador. Quanto mais componentes se deseja instalar mais potência será necessária.
Portanto, a placa mãe, os drives, o disco rígido (HD) e o cooler, devem ser ligados à fonte. As placas conectadas nos slots da placa-mãe
recebem energia por meio dela, de modo que dificilmente precisam de um alimentador exclusivo.

11
INFORMÁTICA

Para ajudar a dissipar o calor gerado pela fonte elétrica, o computador tem um ventilador acoplado, que joga o calor para fora pela
parte de trás e pelos orifícios existentes no gabinete.
Dentro do gabinete são instaladas as placas, que são grupos de circuitos eletrônicos que servem para comandar o microcomputador
e seus periféricos. As principais placas já vêm instaladas quando se compra o microcomputador, mas outras podem ser instaladas, para
melhorar o desempenho, tais como placa aceleradora de vídeo ou placa de som.
Atualmente, o modelo padrão de gabinete é o ATX, pois o AT foi descontinuado. É importante lembrar que o gabinete, a fonte e a
placa-mãe precisam ser de um mesmo padrão, pois, se assim não for, acaba ficando praticamente impossível conectá-los.
Pode haver vários leds (“Light Emitting Diod” =diodo emissor de luz) no gabinete. São pequenos semicondutores que tem a capacida-
de de emitir luz visível, quando submetidos a uma corrente elétrica. São as “luzinhas” no gabinete do computador.
O número de baias, localizadas na parte frontal do gabinete, pode variar. E é nesses espaços que os drives de CD, DVD e outros são
encaixados.
Externamente, na parte frontal, os gabinetes podem apresentar os seguintes botões e leds:
- Botão Reset
- Botão ou chave para ligar o computador (“Power”)
- LED de “Power On”
- LED indicador de acesso ao disco rígido (indica que o disco rígido está sendo acessado)

Em gabinetes antigos pode-se ver também:


- Display digital para indicação de clock
- Botão Turbo
- LED indicador de modo turbo

Pode existir, tanto na parte frontal quanto na traseira do gabinete uma ou mais portas USB.

AT ou ATX
Os gabinetes AT são do padrão antigo. Receberam esse nome devido ao tipo de fonte utilizada - Fonte AT* que resumidamente, não
interrompia a energia para o sistema operacional ao ser desligado. Assim, quando o sistema operacional era desligado, ficava na tela uma
mensagem informando: “ Seu computador já pode ser desligado”. O usuário então tinha de apertar o botão On/Off do gabinete para
conseguir desligar a maquina.
Praticamente hoje em dia já não se acha mais esses tipos de gabinete, Seu Uso Foi Constante De 1983 Até 1996. Nas Placas-Mãe AT, O
Conector Do Teclado Segue O Padrão DIN E O Mouse Utiliza Saída Serial. Já Os Conectores Das Portas Paralela E Serial Não São Encaixados
Diretamente Na Placa. Eles Ficam Disponíveis Num Adaptador, Que É Ligado Na Parte De Trás Do Gabinete E Ligados À Placa-Mãe Através
De Um Cabo.
Outra característica principal para você saber se o gabinete e AT ou ATX e a quantidade de baias Gabinetes AT não passam de 3 Baias
sendo assim acima de 3 baias são gabinetes ATX.

12
INFORMÁTICA
Foi então que surgiu o gabinete ATX, que vinha com muitas ria RAM disponível, é usada uma bateria de níquel-cádmio ou lí-
mudanças. tio, normalmente de 3 volts. Portanto, mesmo com o computador
Recebeu esse nome por usar o novo padrão de fonte - Fonte desligado, o relógio e as configurações de hardware são mantidos
ATX. Umas das mudanças foi a forma de desligar o computador. ativos. Assim, ao ligar o computador o BIOS executa o auto teste
Quando o sistema operacional é desligado, automaticamente a inicial do sistema.
fonte também já interrompe o fornecimento de energia para as
demais peças (Padrão que é utilizado atualmente). Essa mudança
alterou também o tipo do botão on do Gabinete, não mais ligado
diferentemente na fonte de alimentação, mais sim na placa-mãe.
Dessa forma, foi extinto o botão Turbo, O led Turbo e o Visor
com a velocidade do processador.
Quanto à fonte de Alimentação, também houveram melhoras
significativas. A começar pelo conector de energia ligado à Placa-
-Mãe. Ao contrário do padrão AT, nele não é possível encaixar o
plug de forma invertida. Cada “furo” do conector possui um forma-
to, impedindo o encaixe incorreto. Se a bateria ficar fraca aparecem as mensagens “Battery low”
e “Memory size wrong”. Então a bateria deve ser substituída por
PLACA MÃE outra com as mesmas características. Pode ser encontrada em lojas
É a placa principal, que possui um conjunto de circuitos inte- que vendem pilhas para relógios e telefones e tem uma vida útil
grados (“chip set”) o qual reconhece e gerencia o funcionamento que varia de dois a quatro anos. A substituição é simples, já que ela
de todo o equipamento. é apenas encaixada em um compartimento na placa-mãe. O cabo
de força da tomada deve ser desligado antes de realizar essa ope-
ração de remoção e recolocação da bateria.
O relógio ajuda a perceber quando a bateria está ficando fraca.
Se, toda vez que se ligar o pc, aparecer a hora e a data com informa-
ção errada, em muitos minutos ou horas e até dias, é o momento
para trocar a bateria.
As placas mãe se diferem uma da outra pelo formato, pela tec-
nologia suportada e pela velocidade de comunicação com os peri-
féricos.
Um pouco sobre o que a placa mãe faz com cada peça conec-
tada:
Processador: A placa mãe transmite os “pedidos” de dados
para a memória RAM e para o HD, e transfere estes dados para o
processador
Placa de vídeo: A placa mãe envia as informações e dados do
Processador e HD para a placa de vídeo, e a placa de vídeo envia
estes para o monitor.
Memória RAM: A memória RAM sempre precisa de dados do
HD, estes dados passam pela placa mãe para chegarem à memória.
Se tomarmos o processador o cérebro do computador, pode- HD: A placa mãe pega as informações e dados do HD quando a
-se dizer que a placa-mãe (ou motherboard) é sua a espinha dorsal, memória RAM precisa.
pois é por meio dela que o processador se comunica com os demais Leitor de CD/DVD: Quando o leitor interpreta os dados do CD
periféricos. ou DVD, ele envia estes dados para a memória RAM, que por sua
Ou seja, a placa-mãe interliga todos os dispositivos do equi- vez manda para o processador. Estes dados são enviados para a
pamento, possuindo vários tipos de conectores. O processador é placa de vídeo, que os transmite pelo monitor.
instalado em seu socket, o disco rígido (HD) é ligado nas portas IDE Gravador de CD/DVD. Embora seja feito pelo mesmo equipa-
ou ATA, a placa de vídeo pode ser conectada nos slots AGP 8x ou mento, o sistema de gravação age diferente. O processador manda
PCI-Express 16x e as outras placas (placa de som, placa de rede ...) os dados a serem gravados para o gravador, que interpreta e grava
podem ser encaixadas nos slots PCI. E ainda há o conector da fonte os dados.
e os encaixes das memórias. As placas mãe estão presas a evolução de outros Hardwares.
Toda placa mãe possui o programa de controle BIOS (“Basic Quando é lançado um novo processador, dificilmente este proces-
Input Output System”), armazenado em memória ROM, que é o sador será compatível com uma placa anterior, mesmo se esta for
responsável pelo teste inicial do sistema (“POST - Power On Self nova. Estes problemas de compatibilidade, juntado ao problema de
Test”) e que guarda as configurações do hardware e as informações algumas placas não aceitarem processadores de outras empresas,
referentes à data e hora. faz com que seja necessário trocar, algumas vezes, o computador
O BIOS faz o chamado “boot”, que consiste em carregar o pro- inteiro. Ainda tem melhorias nos pentes de memória, HD’s leitores,
grama do sistema operacional, que está arquivado no disco rígido gravadores e placa de vídeo.
para a memória principal. Com o sistema operacional carregado, o Atualmente, na maioria dos computadores, o BIOS possui um
microcomputador está pronto para executar os comandos e execu- sistema denominado plug-and-play (PnP), que detecta automatica-
tar outros programas. mente qualquer novo periférico, facilitando a sua instalação.
Para manter as configurações de BIOS, ou seja, os dados gra-
vados no chip de memória, responsável pelo armazenamento das
informações sobre a configuração da máquina, incluindo a memó-

13
INFORMÁTICA
Chipset que você conecte as placas para assim conseguir um desempenho
Outro componente de grande importância nas placas-mãe é superior. Para as placas Nvidia, a tecnologia chama-se SLI, e para as
o  Chipset. É ele quem controla os barramentos, acesso à memó- placas ATI, Crossfire.
ria, dentre outros. Hoje em dia, ele é divido em dois (na maioria
das vezes), que são a Ponte Norte (North Bridge) – que controla Conectores de Alimentação
a memória, barramento de vídeo (slot AGP ou slot PCI-Express), O conector de alimentação é o local onde você deve conectar
e transfere dados com a Ponte Norte – e a Ponte Sul (South a fonte (a qual distribui energia elétrica à placa e todos os demais
Bridge) – que controla componentes, periféricos, tais como componentes) à placa-mãe. Existem dois modelos padrão: os AT
HDs, portas USB, barramentos PCI, dispositivos de som e rede. e os ATX. O primeiro é mais antigo, e praticamente já está fora de
O Chipset é também uma espécie de delimitador de capacidade nas linha.
placas-mãe. É ele quem vai definir qual a quantidade e tipo de me- O segundo é o mais atual, e é o mais usado. Há também co-
mória suportada (confira aqui quais são os tipos de memória exis- nectores auxiliares que servem para suprir a demanda de ener-
tentes), quantos e quais tipos de HDs serão suportados (por exem- gia do processador, fazendo com que haja maior estabilidade no
plo, HDs SATA), qual a velocidade máxima que o processador que funcionamento. Vale lembrar que a fonte é um item de extrema
será ligado à placa-mãe poderá ter, dentre outros. importância para o bom funcionamento do computador. Confira
neste artigo informações detalhadas a respeito disso.
Componentes Onboard
Além de definir tudo o que foi citado acima, o Chipset tam-
bém especifica quais componentes onboard farão parte da placa-
-mãe. Componentes onboard nada mais são que dispositivos que
vêm junto com a placa-mãe – na maioria das vezes composto som,
rede e vídeo (este último nem sempre está presente) – para que
você não precise comprar placas separadas para poder ter as fun-  
cionalidades que eles possuem, barateando assim o custo do seu Bios e Bateria
computador.

Slots
- Memórias
Os slots de memória variam de acordo com o tipo de memória
suportado. Por exemplo, uma memória do tipo DDR2 não encaixa
em um slot para memórias DDR3, e vice-versa.

-Conexão com HD/Drivers ópticos


Os slots usados para a conexão entre a placa-mãe e HDs/dri-
vers de CD/DVD são os famosos IDE e SATA/SATA2.

Slots de Expansão
Os slots de expansão servem para que seja possível adicionar
recursos à sua placa-mãe. Neles você conecta placas de rede, placa
de som, modems, placa de captura, etc. Os mais usados atualmente
são os slots PCI (Peripheral Component Interconnect), PCI-Express Muitas pessoas não sabem, mas o computador faz uso de uma
1x, PCI-Express e AGP bateria. Essa bateria é responsável por manter o chip do BIOS (Basic
Input/Output System) configurado (o que também significa manter
as informações da data e hora do sistema), o qual é responsável
pelo controle básico do hardware.
É no BIOS que se localiza o software do Setup, local onde você
configura os dispositivos da placa-mãe. Lá é possível desativar dis-
positivos  onboard  (USB, som, rede, etc.), ajustar data/hora, con-
figurar velocidade do processador, dentre outros. Para acessá-lo,
basta você pressionar a tecla DEL logo após seu computador ligar
(em alguns computadores a tecla de acesso pode ser outra). 

Jumpers
Placas de Vídeo Jumpers são compostos de pequenos “quadradinhos” plásticos
Os conectores de vídeo mais atuais são o PCI-Express, PCI-Ex- revestidos de metal por dentro. Estas pecinhas servem para serem
press 2,0 e o AGP (este último já se encontra-se praticamente fora colocadas em pequenos pinos que se encontram na placa-mãe. De
do mercado, mas ainda é muito utilizado). Assim como frisamos acordo com o modo como estes “quadradinhos” são colocados nos
para os slots de memória, para estes slots também é impossível pinos, diferentes configurações da placa-mãe podem ser mudadas.
conectar uma placa que possua slot AGP em uma que possua slot
PCI-Express. Entretanto, é possível conectar placas PCI-Express 2.0
em slots PCI-Express, porém, haverá redução de desempenho.
Outro item relevante é a possibilidade de ligar duas ou mais
placas de vídeo no mesmo computador. Algumas placas-mãe pos-
suem mais de um slot PCI-Express ou PCI-Express 2.0 e permitem

14
INFORMÁTICA

HDMI
Usada para transmissão de imagem e áudio em alta definição.

Existem ainda jumpers que servem para a conexão de cabos


do gabinete. Estes cabos servem para que funcionem o botão ligar/
desligar, reset, os leds do gabinete, etc. Também existem jumpers
que servem para a conexão de saídas auxiliares, que são aquelas
portas USB e de áudio que se localizam na frente do gabinete, ou S/PDIF
ainda, outras saídas USB que são ligadas com placas auxiliares atrás Enquanto o HDMI envia imagem e áudio digitais, o conector S/
do gabinete. Para mais informações você deve ler o manual da sua PDIF transmite apenas áudio de alta qualidade, através de cabos
placa-mãe. Saiba mais sobre jumpers neste link. TOSLINK. É encontrado em dois modelos: óptico e coaxial.

Principais conectores das placas mãe (portas de entrada)


LAN (conector de rede)
É usada por cabos de rede para conectar o computador à in-
ternet. É importante não confundir essa entrada com a do Fax Mo-
dem, que é menor.

eSATA
USB Abreviação de “External SATA”. É uma maneira de conectar
Usadas por diversos aparelhos, as entradas USB têm modelos HDs SATA sem precisar instalá-los dentro do seu gabinete. Tem
diferentes, que apresentam variações de velocidade (vide USB 2.0 vantagem em cima dos discos rígidos externos conectados via USB
e USB 3.0). por ter uma taxa de transmissão de dados bem maior (até 300
MB/s em comparação aos 60 MB/s da conexão USB).

VGA (D-Sub) JACK DE ÁUDIO (três conectores e 5.1)


Conector mais comum para monitores e projetores. São as saídas de áudio do computador. As configurações mais
comuns são as com três conectores e as com seis. As cores de cada
conector têm funções diferentes: verde (caixas frontais/fone), azul
(entrada de linha), rosa (microfone), laranja (subwoofer e central)
e cinza (caixas laterais).

DVI
Usada por monitores, realiza a transmissão digital de imagem,
melhor que a exibida através do conector VGA.

15
INFORMÁTICA
PS/2 BARRAMENTO
Usada para periféricos como teclados e mouses. É identifica- Praticamente todos os componentes de um computador, como
do pelas cores verde (mouse) e roxa (teclado). Em algumas placas- processadores, memórias, placas de vídeo e diversos outros, são
-mãe, são encontrados conectores híbridos que podem ser usados conectados à placa-mãe a partir do que chamamos de barramento.
tanto por teclados quanto por mouses. Existem adaptadores com Sem entrar em termos técnicos, ele é o encaixe de que cada peça
entrada USB para conectores PS/2. precisa para funcionar corretamente.
Há barramentos específicos para praticamente todos os com-
ponentes conectados ao sistema, geralmente em siglas muito co-
nhecidas pelos usuários, mas que não são atreladas diretamente à
função que realizam.

Barramentos e funções
Há três funções distintas nos principais barramentos de um
computador, que, em termos simples, conectam o processador, a
PORTA SERIAL memória e os outros componentes conectados a ele pelo que cha-
Utilizada para conectar diversos equipamentos como mouses, mamos de barramentos de entrada e saída.
scanners, entre outros. Entrou em desuso devido ao surgimento de - Barramento de dados (data bus) – como o próprio nome já
alternativas melhores (como o USB). deixa a entender, é por este tipo de barramento que ocorre as tro-
cas de dados no computador, tanto enviados quanto recebidos.
- Barramento de endereços (address bus) – indica o local onde
os processos devem ser extraídos e para onde devem ser enviados
após o processamento.
- Barramento de controle (control bus) – atua como um regula-
dor das outras funções, podendo limitá-las ou expandi-las em razão
de sua demanda.

Barramentos de entrada e saída


Além da comunicação entre o computador e a memória, você
PORTA PARALELA pode adicionar diversos outros dispositivos à sua placa-mãe, com
Assim como o conector serial, era utilizada para conexão de um barramento especial para cada um deles. Alguns dos formatos
equipamentos como impressoras e scanners, mas entrou em desu- mais conhecidos neste quesito são o PCI, o AGP, o PCI Express e até
so com o surgimento de tecnologias melhores. mesmo o USB, amplamente utilizado em pendrives, impressores,
teclados, mouses e outros periféricos.

Os barramentos podem ser chamados também de:


- Interfaces;
- Portas;
- Conectores;
GAME PORT - Slots;
Comumente utilizado para conectar joysticks em computado-
res antigos. Segue abaixo os principais barramentos:
- USB;
- Firewire;
- Thunderbolt;
- Serial;
- PS/2 – MiniDin;
- Serial Din;
- SuperVideo/VGA/

Existem vários tipos de barramentos:


- Barramento do processador
FIREWIRE - Barramento de endereços
Tecnologia criada pela Apple para entrada e saída de dados - Barramento de entrada/saída
em alta velocidade. É comumente encontrada em computadores - Barramento de memória
da empresa da Maçã e câmeras da JVC, Panasonic, Canon e Sony. No entanto, quando nos referimos ao “barramento“ de um
computador pretendemos quase sempre referir o Barramento de
entrada/saída, o qual também é designado por “slots de expan-
são”. Este é o principal Barramento do sistema e é através do qual
a maior parte dos dados circula, tendo como origem ou como desti-
no, dispositivos como os drives, impressoras ou o sistema de vídeo.
Sendo este último o mais exigente em termos de recursos.

16
INFORMÁTICA
O Barramento do Processador O intervalo de tempo requerido para mover um grupo de bits
O Barramento do processador é o caminho através do qual o (tantos quanto a quantidade de bits definida pela largura do barra-
CPU comunica com o chip de suporte conhecido como “Chipset” mento) ao longo do barramento, é denominado ciclo de tempodo
nos sistemas mais recentes. Este barramento é usado para transfe- barramento ou, simplesmente, ciclo de barramento(bus cycle), se-
rir dados entre o CPU e a memória Cache, por exemplo. melhantemente ao que entendemos para o ciclo do processador e
para o ciclo de memória.
O Barramento da Memória
O Barramento da Memória é usado para transferir informação Barramentos Síncronos e Assíncronos
entre o CPU e a memória principal do sistema. Este barramento pode O barramento síncrono é simples de implementar e testar jus-
ser parte integrante do processador ou na maioria dos casos imple- tamente devido à sua natureza inflexível (periodicidade) quanto ao
mentado separadamente com auxílio de um chipset dedicado. tempo; em consequência qualquer atividade entre mestre e escra-
Um dos aspectos fundamentais quanto ao barramento, em es- vo somente pode realizar-se em quantidades fixas de tempo, o que
pecial quando tratamos de memória, é a quantidade de bits que ele acaba tornando-se uma desvantagem porque o barramento pode
é capaz de levar por vez. Um ótimo exemplo para elucidar isso é em ter problemas como, por exemplo, ao trabalhar com dispositivos
relação à placas de vídeo. que tenham tempos de transferências diferentes – nesta situação
Diversos modelos de placas, em especial nas mais antigas, há necessidade da inserção de estados de espera (wait states) que
apresentavam versões com barramentos diferentes de memória nada mais são do que ciclos de barramento extras.
dedicada. Embora elas tivessem a mesma aparência, clock de pro- Esse inconveniente não ocorre com o barramento assíncrono
cessamento e quantidade de memória disponível, as diferenças fi- que, por não depender de relógio com intervalos fixos de tempo,
nais eram assustadoras, graças ao barramento. pode conviver com dispositivos que velocidade baixa e alta que uti-
Como exemplo, existiam modelos de GeForce 4 com 32, 64 e lizam tecnologia antiga e avançada, tirando vantagens das melho-
até 128 bits de barramento, com os outros parâmetros praticamen- rias na tecnologia. Em contrapartida requer sinais adicionais para
te iguais entre elas. A diferença na velocidade dos jogos é realmen- prover a devida sincronização dos eventos.
te muito alta.
Slots de Expansão
Tipos de Barramentos Os slots do Barramento de entrada/saída permitem ao CPU co-
Basicamente existem dois: municar com os periféricos. O barramento e os respectivos slots de
- Barramento externo - interliga os diversos componentes de expansão são necessários porque os sistemas têm de se adaptar às
um sistema computacional tais como UCP, ou CPU, memória, uni- necessidades de evolução.
dades de entrada/saída etc. Possibilitam assim que se adicionem dispositivos ao compu-
- Barramento interno - interliga elementos no interior de um tador para aumentar as suas capacidades. Como exemplos, temos
componente (pastilha), como, por exemplo, os registradores, ou as placas de som ou vídeo e mesmo dispositivos mais específicos
registros, de um microprocessador. como placas de rede ou placas SCSI.

Quanto ao Fluxo de Informações: PCI - Interconexão de Componentes Periféricos (Peripheral


- Barramento unidirecional - só pode transferir dados em um Component Interconnect)
sentido; sendo tipicamente utilizados para interligar dois dispositi- O barramento PCI (Peripheral Component Interconnect) foi
vos um dos quais é sempre a origem e o outro é sempre o destino; criado originalmente durante o desenvolvimento do microproces-
- Barramento bidirecional - pode transferir dados nos dois sen- sador Pentium, pela Intel, no inicio da década de 1990. O sucesso
tidos, mas não em ambos simultaneamente; eles são tipicamente da PCI encontra-se no fato que o sistema pode automaticamente
utilizados quando qualquer um dos dispositivos pode ser a origem reconhecer e configurar a placa, o PnP (Plug and Play) como é cha-
e qualquer outro pode ser o destino. mado, também criado pela Intel. Existem duas versões deste barra-
A comunicação da CPU, com o restante do sistema é feita atra- mento: Versão 1.0: Utilizado a 33 MHz; Possui largura de 32 bits em
vés de um barramento de dados bidirecional e de um barramento uma conexão de 124 pinos; Desempenho calculado = 32 (bits) x 33
de endereços unidirecional (saída). (MHz) / 8 (bits) = 132 Mbits/s; Suporta muitos dispositivos Versão
2.0: Projetado para ser independente do microprocessador; Sincro-
Largura do Barramento nizado com o Clock do microprocessador de 20 a 33 MHz; Possui
largura de 64 bits em uma conexão de 188 pinos; Desempenho
A largura, ou tamanho, de um barramento é uma unidade de calculado = 64 (bits) x 33 (MHz) / 8 (bits) = 264 Mbits/s; Todos os
medida que caracteriza a quantidade de informações (bits de uma pontos citados acima foram vantagens deste barramento em rela-
forma geral) que pode fluir simultaneamente pelo barramento. No ção aos anteriores. Embora com muitas vantagens, a PCI carrega
caso de fiação, conforme visto, consiste a priori, na quantidade de com si o problema de compartilhar largura de banda entre todos os
fios paralelos existentes no barramento ao passo que, em circuitos periféricos conectados, tornando-se um gargalo para o aumento de
impressos (placas), consiste nos traços impressos na placa com ma- velocidade deste barramento. As placas PCI têm 47 pinos (49 para
terial condutor (filetes de cobre) por onde flui a corrente elétrica, uma placa com “bus mastering”, que controla o barramento PCI
em última estância, as informações. sem intervenção do processador). O barramento PCI consegue tra-
Esta largura, maior ou menor, também se constitui em um dos balhar com poucos pinos por causa da multiplexação de hardware,
elementos que afetam a medida de desempenho de um sistema, que significa que o dispositivo enviar mais do que um sinal por
juntamente com a duração (largura) de cada bit ou sinal - a taxa de pino. Além disso, o PCI é compatível com dispositivos que usam
transferência, ‘velocidade’ do fluxo de informações, é geralmente tanto 5 volts como 3,3 volts. Com o recurso Bus mastering, as
especificada em bits (ou Kbits ou Mbits etc.) por segundo e depen- placas poderiam ter acesso direto a memória, independente do
de, fundamentalmente, da largura do barramento: quanto maior processador. A PCI tornou-se popular com a chegada do Windo-
esta maior será a taxa. ws 95, em 1995. O súbito interesse no PCI deveu-se ao fato de

17
INFORMÁTICA
o Windows 95 ser compatível com uma característica chamada A porta USB tem capacidade para detectar o dispositivo conec-
Plug and Play (PnP), já mencionado anteriormente. E foi larga- tado automaticamente, evitando o uso de um tipo específico de
mente utilizada, com placas para praticamente tudo, desde pla- conector para cada dispositivo. Assim, a instalação de mouse, te-
ca de rede até chegar a placa de som. clado, impressora, scanner, câmera digital, por exemplo, tornou-se
simples.
Barramento PCI Express A interface USB também possibilita conectar e desconectar
PCI Express (também conhecido como PCIe ou PCI - EX) é o pa- qualquer dispositivo USB com o computador ligado, sem que este
drão de slots para placas de expansão utilizadas em PCs. criada pela sofra danos, sem haver a necessidade de reiniciá-lo para que o apa-
Intel. Introduzido pela Intel em 2004, o PCI Express foi concebido relho instalado possa ser usado. (Antigamente, existia até o risco de
para substituir os padrões AGP e PCI. Sua velocidade vai de 1x até curtos-circuitos, se houvesse uma instalação com o equipamento
32x (sendo que atualmente só existe disponível até 16x). Mesmo a ligado).
versão 1x consegue ser seis vezes mais rápido que o PCI tradicional. Uma característica importante do USB é que sua interface
No caso das placas de vídeo, um slot PCI Express 16x é duas vezes permite que o dispositivo conectado seja alimentado eletricamen-
mais rápido que um AGP 8x. Isto é possível graças a sua tecnologia, te pelo cabo de dados, ou seja, não é preciso ter um outro cabo
que conta com um recurso que permite o uso de uma ou mais co- para ligar o aparelho à tomada elétrica. Mas, isso só é possível com
nexões seriais para transferência de dados. equipamentos que consomem pouca energia, já que a corrente não
A tecnologia utilizada no PCI Express conta com um recurso admite mais que 5 volts.
que permite o uso de uma ou mais conexões seriais (“caminhos”, É importante frisar que os cabos USB devem ter até 5 metros
também chamados de lanes) para transferência de dados. Se um de comprimento pois, acima disso, o aparelho pode não funcionar
determinado dispositivo usa apenas um caminho (conexão) a de- corretamente. Caso seja necessário instalar dispositivos em distân-
mais que o PCI comum, então diz-se que este utiliza o barramento cias longas, é recomendável o uso de hubs USB a cada cinco metros.
PCI Express 1x, se utiliza 4 conexões, sua denominação é PCI Ex-
press 4x e assim por consequentemente. Cada lane pode ser bidi- Características do USB
recional, ou seja, recebe e envia dados (250 MB/s em cada direção São características do barramento serial universal: podem ser
conectados ao computador até 127 dispositivos, diretamente ou
simultaneamente). O PCI Express utiliza, nas suas conexões, linhas
através de hubs USB; cabos individuais USB podem ter até 5 metros,
LVDS (Low Voltage Differential Signalling).
os dispositivos podem ficar até 30 m de distâncias do computador,
Pelo fato de ser um barramento serial, sua arquitetura de baixa
o que equivale a 6 cabos; um cabo USB possui dois fios para ener-
voltagem, permite grande imunidade ao ruído e também permite
gia(alimentação e aterramento), e um par trançado para condução
aumentar a largura de banda. Isso foi possível graças à redução de
de dados; Nos cabos de energia, o computador poderá fornecer até
atrasos nas linhas de transmissão (timing skew).
500 mA de energia a 5 volts; Os dispositivos de baixa potência(co-
Cada conexão usada no PCI Express trabalha com 8 bits por
mo mouse e teclado) são alimentados diretamente pelo barramen-
vez, sendo 4 em cada direção. A frequência usada é de 2,5 GHz,
to, já os dispositivos de alta potência (por demandarem uma maior
mas esse valor pode variar. Assim sendo, o PCI Express 1x consegue quantidade de energia, como impressoras) possuem fonte própria
trabalhar com taxas de 250 MB por segundo, um valor bem maior de alimentação e exigem uma energia mínima do barramento - os
que os 133 MB/s do padrão PCI de 32 bits. Existem algumas placas- hubs podem ter suas próprias fontes de energia para fornecer ener-
-mãe que possuem um slot PCIe x16 (por exemplo) que na verdade gia aos dispositivos conectados a ele; os dispositivos USB são Plug
trabalha em x8 ou x4, fato que ocorre por depender da quantidade and Play, podem ser conectados e desconectados a qualquer mo-
de linhas disponíveis para uso no chipset e também por ser possível mento, o drive é de fácil instalação, geralmente automática.
o uso de slots maiores com menos caminhos de dados.
O PCI Express é um barramento ponto a ponto, onde cada pe- Diferenças entre as versões1
riférico possui um canal exclusivo de comunicação com o chipset. - USB 1.1 - Lançado em 1998, essa versão foi desenvolvida para
Isto contrasta fortemente com o padrão PCI, que é um barramento unificar o tipo de interface utilizada para conectar periféricos, pois
em que todos os dispositivos compartilham a mesma comunicação, o padrão 1.0, lançado em 1996, definia as especificações técnicas
de 32 bits (ou 64 bits), num caminho paralelo. para todos os dispositivos USB, mas não dizia nada sobre um co-
Há contradições quanto a forma de se referir ao PCI Express nector padrão para ser utilizado, de forma que existia uma mesma
como sendo um barramento, já que, no sentido estrito da palavra, interface de implementação para todos os dispositivos, mas com
o termo “barramento” surgiu para descrever um canal de comuni- vários tipos de conectores. Essa especificação previa velocidades
cação compartilhado por vários dispositivos ou periféricos, no en- de 1,5 Mbps até 12 Mbps, dependendo da configuração de veloci-
tanto, em toda a sua documentação é usado o termo “PCI Express dade. Mesmo na época em que foi lançado, o USB 1.1 trazia velo-
bus” para mencioná-lo. cidades já consideradas lentas em relação a outros barramentos,
como o fireware e o SCSI, mas já era um grande avanço em ralação
USB às portas seriais e paralelas e na universalização de um conector
O USB, “Universal Serial Bus” é um tipo de conexão entre com- padrão para periféricos.
putador e periféricos que surgiu em 1995, a partir de um consórcio
de empresas: a “USB Implementers Forum”, formada por compa- - USB 2.0 A atualização do padrão USB para a versão 2.0 em
nhias como Intel, Microsoft e Philips, com o objetivo de desen- 2000 deu um grande passo em relação à sua popularização. Com a
volver uma tecnologia que facilitasse a vida do usuário. Em pouco velocidade máxima teórica de 480 Mbps de transferência, ele co-
tempo surgia o barramento USB, que pode ser usado para instalar meçou a ser bastante utilizado por dispositivos que exigiam mais
qualquer dispositivo que use esse mesmo padrão. largura banda, como pendrives e discos rígidos externos e até mo-
O periférico USB tem fornecimento de energia elétrica feito nitores. Com uma largura de banda 40 vezes maior que o modelo
pelo mesmo cabo usado para o tráfego de dados, isto é, dados e anterior, a versão 2.0 é o padrão até hoje, pois preenche a necessi-
energia chegam ao pc pela mesma porta USB à qual o equipamento 1 Fonte: http://canaltech.com.br/analise/hardware/quais-sao-as-diferencas-
é conectado no PC. -entre-o-usb-11-20-e-30-639/

18
INFORMÁTICA
dade da maioria dos dispositivos que utilizamos. Dispositivos mais Estrutura interna de um conector USB 3.0 A - Baseado em ima-
lentos, como teclados, mouses e pendrives, requerem uma largura gem da USB.org
de banda, consumo de energia e tempos de acesso bastante baixos,
de forma que o USB 2.0 possui especificações de sobra para dar
conta desses produtos. Conector USB padrão, tanto para a versão
1.1 até a 2.0

- USB 3.0 Ainda caminhando à popularização, o USB 3.0 fornece


uma taxa de transferência de dados (teórica) de até 4.8 Gbps, e um
fornecimento de energia 80% maior em relação aos padrões ante-
riores, o que o torna ideal para gadgets de alta performance como
pendrives e discos rígidos mais velozes.  Como muitas vezes acon-
tece na computação, uma especificação só se torna padrão devi-
do à demanda pelo seu uso, e como o USB 2.0 ainda preenche a Conector USB 3.0 A - imagem por USB.org
necessidade da maioria dos dispositivos no mercado atualmente Você deve ter percebido que é possível conectar dispositivos
os fabricantes ainda oferecem soluções híbridas em seus produtos, USB 2.0 ou 1.1 em portas USB 3.0. Este último é compatível com as
com uma ou duas portas USB 3.0 com outras USB 2.0 para bara- versões anteriores. Fabricantes também podem fazer dispositivos
tear o preço final. Outra mudança implementada no USB 3.0 é a USB 3.0 compatíveis com o padrão 2.0, mas, nesse caso, a velocida-
utilização de um conector de 9 pinos em vez dos 4 pinos utilizados de será a deste último. E é claro: se você quiser interconectar dois
nas versões anteriores para um melhor controle no fluxo de dados dispositivos via USB 3.0 e aproveitar a sua alta velocidade, o cabo
e gerenciamento de energia. Ele pode ser diferenciado dos outros precisa estar nesse padrão.
anteriores por seu conector de cor azul. Conector USB 3.0 É impor-
tante lembrar que todos os conectores USB são retrocompatíveis, - Conector USB 3.0 B
ou seja, um dispositivo USB 2.0 funciona em uma entrada USB 3.0 e Tal como acontece na versão anterior, o USB 3.0 também con-
vice-versa, e o mesmo ocorre com o USB 1.1. ta com conectores diferenciados para se adequar a determinados
dispositivos. Um deles é o conector do tipo B, utilizado em apare-
Conectores USB 3.02 lhos de porte maior, como impressoras ou scanners.
Outro aspecto no qual o padrão USB 3.0 difere do 2.0 diz res- Em relação ao tipo B do padrão USB 2.0, a porta USB 3.0 possui
peito ao conector. Os conectores de ambos são bastante parecidos, uma área de contatos adicional na parte superior. Isso significa que
mas não iguais. nela podem ser conectados tantos dispositivos USB 2.0 (que apro-
veitam só a parte inferior) quanto USB 3.0. No entanto, dispositivos
- Conector USB 3.0 A 3.0 não podem ser conectados em portas B 2.0:
Como você verá mais adiante, os cabos da tecnologia USB 3.0
são compostos por nove fios, enquanto que os cabos USB 2.0 uti-
lizam apenas quatro. Isso acontece para que o padrão novo possa
suportar maiores taxas de transmissão de dados. Assim, os conec-
tores do USB 3.0 possuem contatos para esses fios adicionais na
parte do fundo. Caso um dispositivo USB 2.0 seja utilizado, este
usará apenas os contatos da parte frontal do conector. As imagens
a seguir mostram um conector USB 3.0 do tipo A:

Conector USB 3.0 B - imagem por USB.org

- Micro-USB 3.0
O conector micro-USB, muito utilizado em smartphones, por
exemplo, também sofreu modificações: no padrão USB 3.0 - com
nome de micro-USB B -, passou a contar com uma área de contatos
adicional que, de certa forma, diminui a sua praticidade, mas foi a
solução encontrada para dar conta dos contatos extras:

Conector micro-USB 3.0 B - imagem por USB.org


2 Fonte: http://www.infowester.com/usb30.php

19
INFORMÁTICA
Atenção: Para facilitar a diferenciação, fabricantes estão adotando a cor azul na parte interna dos conectores USB 3.0 e, algumas
vezes, nos cabos destes. Note, no entanto, que é essa não é uma regra obrigatória, portanto, é sempre conveniente prestar atenção nas
especificações do produto antes de adquiri-lo.

Conector micro-USB 3.0 em um smartphone

Usb 3.1

A conexão USB 3.1 tipo C é um conector mais rápido do que uma USB 3.0, sua velocidade é de 10Gbps e o USb 3.0 com velocidade
de 5Gbps. Sua entrada é menor e pode ser conectada dos dois lados sem se preocupar com o lado certo. Afinal… quem nunca conectou
o USB do lado errado, não é?

O que é USB Tipo-C (USB-C ou USB Type-C)?


É um novo tipo de conexão para o padrão USB, que permite que você conecte o cabo em qualquer posição, sem ter que se preocu-
par qual o lado correto do cabo. Mas o USB tipo C é muito mais do que isso. Com o sucesso atingido pela interface USB, notou-se que
era necessário remover algumas restrições existentes para facilitar a vida do usuário, oferecer uma integração maior e permitir o uso da
interface em equipamentos cada vez mais compactos, além de suportar tecnologias futuras.
O novo USB Tipo-C não é apenas um novo cabo e conector, apesar deste ser o foco da mídia e do marketing.
O USB Tipo-C vai além – sendo o cabo e o conector reversíveis apenas a pontinha do iceberg – com uma engenharia impressionante
e capacidades integradas que farão os consumidores demandarem o USB Tipo-C pelos próximos 20 anos e onde desenvolvedores irão
oferecer soluções com o USB Tipo-C durante o futuro próximo (palavras de John Hyde da USB Design By Example).

REVERSÍVEL, PEQUENO E ROBUSTO


Um conector reversível facilita a conexão já que você não tem que descobrir qual o lado certo para encaixar, principalmente se for
difícil a visualização da porta USB.
Outra vantagem é que o conector Tipo-C é bem menor do que o tipo A (e só um pouquinho maior que o tipo B Micro, presente em
quase todos os smartphones – que não sejam da Apple), o que facilita a integração em equipamentos compactos e é robusto o bastante
para ser utilizado nos equipamentos maiores (como notebooks e tablets).

20
INFORMÁTICA
UM CONECTOR PARA TUDO
Independente do equipamento ou periférico suportar apenas o padrão USB 2.0 ou o USB 3.0 / 3.1, todos podem fazer uso do USB
Tipo-C. Assim a vida fica mais fácil, pois é possível utilizar um mesmo cabo (sem se preocupar com sua orientação) em várias situações.
Outro ponto muito importante: o USB Tipo-C não oferece suporte apenas para a interface USB, mas também é capaz de transmitir os
protocolos relativos aos padrões DisplayPort, PCI-Express e e-SATA.
E não é só isso. O USB Tipo-C foi o escolhido pela Intel para ser o meio físico pelo qual a interface Thunderbolt 3 será transmitida.

- Quadro comparativo entre as versões de USB

THUNDERBOLT
Criada em 2009 pela Intel, a tecnologia Thunderbolt chegou ao mercado em 2011, em produtos da Apple.
Utiliza cabos de cobre (na versão atual) e fibra óptica (em versões futuras) para transferir dados entre o computador e outros disposi-
tivos (como câmeras fotográficas) ou equipamentos periféricos (como monitores de vídeo). Trata-se de um novo padrão sugerido pela In-
tel. Essa tecnologia usa portas e cabos próprios, incompatíveis com outros padrões de transferência de arquivos no mercado, como o USB.

Thunderbolt 3
Fora a Apple, poucos fabricantes adotaram o padrão Thunderbolt. Mas a Intel continua apostando na ideia: a terceira versão da
tecnologia vem aí. O que há de novo? Conforme previsto, velocidade de transferência de dados de até 40 Gb/s (gigabits por segundo) e,
acredite, conector USB tipo C (USB-C).
A compatibilidade do Thunderbolt 3 com o USB tipo C é, com efeito, questão de conveniência e praticidade. Você pode ter uma porta
USB-C que suporta tanto conexões USB 3.1 quanto Thunderbolt 3.
Essa integração propicia o uso de ambas as tecnologias em dispositivos como o atual MacBook, que tem uma única porta USB-C para
dar conta de conexões HDMI, VGA, USB (obviamente), entre outros.
Quem vai se beneficiar do Thunderbolt 3? Essencialmente, quem precisa de muita velocidade na transferência de dados. O USB 3.1,
a versão mais atual (e ainda pouco usada), transfere dados à taxa máxima de 10 Gb/s. O novo Thunderbolt é quatro vezes mais rápido,
sendo útil, por exemplo, para profissionais que trabalham com produção de vídeo e frequentemente precisam transferir dezenas de
gigabytes entre dispositivos distintos.

21
INFORMÁTICA

PROCESSADOR
Organização do Processador (UCP)
A UCP (Unidade central de processamento ou no inglês Central process unit, a famosa CPU ) é a parte principal do computador res-
ponsável pelo processamento e execução de programas armazenados na memória principal. Sua função consiste em coordenar, contro-
lar e realizar todas as operações (execução de instruções) do sistema.

A UCP com o barramento do sistema

Suas partes principais são as seguintes:


- A unidade aritmética e lógica (UAL): realiza o cálculo real ou o processamento de dados (realiza as operações aritméticas e lógicas).
- A unidade de controle (UC): controla o movimento de dados e instruções dentro e fora da UCP e controla a operação da UAL, de
forma adequada e sincronizada.

22
INFORMÁTICA
- Os registradores: memória interna mínima e que consiste num conjunto de localizações de armazenamento.
- Barramento interno da UCP: é o caminho necessário para transferir dados entre os vários registradores e a UAL.

Estrutura interna da UCP

Em resumo, as atividades realizadas pela UCP podem ser divididas em duas grandes categorias funcionais:
- Função processamento - encarrega de realizar as atividades relacionadas com a efetiva execução de uma operação, ou seja, proces-
sar; e
- Função controle - exercida pelos componentes da UCP que se encarregam das atividades de busca, interpretação e controle da exe-
cução das instruções, bem como do controle da ação dos demais componentes do sistema de computação (memória, entrada/saída, etc).
a) Organização dos Registradores
O registrador na UCP tem duas funções:
- Registradores visíveis ao usuário: Estes permitem ou habilitam a máquina ou programador de linguagem Assembly a minimizar re-
ferências de memória principal aperfeiçoando uso de registradores.
Estes podem se caracterizar nas seguintes categorias: de aplicação geral, de dados, de endereço e de códigos de condição.
- Registradores de controle e de estado: Estes são usados pela unidade de controle para controlar a operação da UCP e por privilégio,
programas do sistema operacional para controlar a execução de programas. Quatro registradores são essenciais a execução de instrução:
contador de programa (CP), registrador de instrução (RI), registrador de endereço de memória (REM) e o registrador de dados da memória
(RDM).

b) Organização da Unidade Aritmética e Lógica


Em termos muito gerais, a UAL é interconectada com o resto da UCP. Os dados são apresentados a UAL através de registradores, e os
resultados de uma operação são armazenados também em registradores. A UAL também fixará flags como o resultado de uma operação.
A unidade de controle fornece sinais que controlam a operação da UAL e o movimento dos dados dentro e fora da UAL.

Entradas e saídas da UAL.

c) Organização da Unidade de Controle


A unidade de controle é aquela porção da UCP que, emite sinais de controle externos à UCP para causar a troca de dados com a me-
mória e os periféricos. A unidade de controle também emite sinais de controle internos à UCP para mover dados entre registradores, fazer
com que a UAL execute uma função especificada e para regular outras operações internas.
Entrada à unidade de controle consiste no registrador de instrução, flags e sinais de controle de fontes externas (por exemplo, sinais
de interrupção).
É visto que a responsabilidade básica da unidade de controle é causar uma sucessão de operações elementares, chamada microope-
ração, a ocorrerem durante o curso de um ciclo de instrução.
Há duas maneiras, utilizadas no projeto e funcionamento de uma UC, que caracterizam conceitos diferentes de controle:
- Controle programado diretamente no hardware (“hardwired control”); e - controle por microprogramação.
A diferença básica entre os dois tipos está no processo de controle da realização do ciclo de instrução. No primeiro caso, cada etapa é reali-
zada segundo uma lógica préestabelecida, implementada fisicamente no hardware da área de controle. No caso de controle microprogramado,
a interpretação e as conseqüentes etapas do ciclo de instrução são realizadas passo a passo por um programa, denominado microprograma.

23
INFORMÁTICA

Modelo da Unidade de Controle .

d) Organização do barramento interno da UCP


É uma rede de linhas de comunicação que conecta os elementos internos de uma UCP e também direciona-se para os conectores
externos que ligam a UCP aos outros elementos de um sistema de computação. Os três tipos de barramentos da UCP são:
- Um barramento de controle: que consiste numa linha que sente sinais de entrada e outra linha que gera sinais de controle a partir
da UCP (linha bidirecional);
- Um barramento de endereço: uma linha unidirecional da UCP que controla a localização de dados em endereços de memória;
- Um barramento de dados: uma linha de transferência bidirecional que tanto lê como escreve dados na memória.

Soquete
O soquete é o tipo de conexão fisica que o processador usa para se conectar à placa-mãe. Esta é a característica mais importante na
hora de se escolher um processador, pois é com base no soquete do chip que você escolherá o modelo da sua placa-mãe.
Os soquetes utilizados pelos processadores da AMD são os seguintes: AM3; AM3+; FM1 e FM2. Já os utilizados pela Intel são o
LGA1156; 1155; 1150; 1366 e 2011. Cada um desses soquetes é compatível com gerações distintas de processadores e são compatíveis
com diferentes recursos e funcionalidades.
É importante também ressaltar que um processador não encaixa numa placa-mãe cujo soquete seja diferente. Por isso, fique bem
atento ao tipo de soquete utilizado pelo seu processador e pela placa-mãe, para não acabar comprando um modelo incompatível.

Clock interno
O clock interno, conhecido simplesmente como clock, é o número de ciclos por segundo de um sinal de sincronismo usado dentro do
processador. Esse ciclo é medido em Hertz (Hz). Atualmente, os processadores já estão na casa dos GigaHertz (GHz).
Por muito tempo falou-se que o clock era um indicativo da velocidade do chip. Quanto maior o clock, mais rápido ele é. Porém, isso
não passa de um mito. Visto que os processadores de gerações e fabricantes diferentes usam arquiteturas diversas, é impossível comparar
a velocidade deles apenas com a frequência do clock.
Devido a arquitetura, um processador com clock interno mais baixo pode ser mais rápido que um outro chip que apresente o clock
mais alto. A frequência do clock só é parâmetro de comparação de velocidade se levarmos em conta processadores da mesma linha.

Overclock dinâmico
Tanto a Intel quanto a AMD possuem tecnologias que aumentam o clock do processador automaticamente sempre que o chip está
com uma grande carga de processamento. Cada uma delas dá um nome diferente para esta prática, que ficou conhecida como overclock
dinâmico.
A Intel chamou isso de Turbo Boost e a AMD de Turbo CORE. Na prática, ao comprar um processador, cheque se o modelo que você
está querendo comprar possui esta tecnologia, pois assim você ganha um pouco mais de desempenho em momentos cruciais sem que
você precise mexer em multiplicador de clock e outros termos comuns à overclockers.
Clock base
O clock base nada mais é do que um clock de menor frequência. O clock interno, falado no primeiro item, é obtido ao se multiplicar
este clock base.

24
INFORMÁTICA
Núcleos de processamento
O núcleo de processamento é, na verdade, o próprio processador, o chip que na prática faz o processamento de todos os bits e bytes.
Os processadores modernos trazem mais de um núcleo. Assim, na prática, ao comprarmos um processador dual-core, por exemplo, esta-
mos adquirindo dois processadores, só que unidos num mesmo encapsulamento.
É possível encontrarmos à venda processadores com dois, quatro, seis e oito núcleos de processamento, chamados de dual-core,
quad-core, hexa-core e octa-core. É importante frisar que processadores com mais núcleos não necessariamente são mais rápidos que os
com menos.
Para usar toda a potência de quatro núcleos, por exemplo, é importante que o programa que você use seja escrito para fazer uso de
quatro ou mais núcleos. Caso contrário, o chip será usado da mesma forma que qualquer outro.

Hyper-Threading
A Hyper-Threading é uma tecnologia da Intel que simula mais um núcleo de processamento para cada núcleo físico. Para exemplifi-
car: um chip dual-core possui dois núcleos de processamento. Com a tecnologia Hyper-Threading, o sistema operacional entende que ele
possui, na verdade, quatro núcleos.
Desta forma, esta tecnologia é sempre bem-vinda na hora de comprar um novo processador. No entanto, não se engane achando que
estes núcleos simulados são tão eficientes quanto os físicos. Eles existem apenas para complementar o processamento.

Controlador de vídeo
Os processadores modernos trazem um outro componente que é de grande ajuda para o desempenho geral da máquina: os contro-
ladores de vídeo. Assim, quando o usuário precisa executar vídeos em HD ou Full HD, a máquina não fica travando ou superaquecendo.
Desta forma, se você estiver montando um computador de entrada, que não será usado para jogos, escolha sempre um processador
que tenha um controlador de vídeo integrado, pois ele vai melhorar o processamento das animações do sistema, bem como rodar com
mais fluidez vídeos em alta resolução do YouTube ou do seu próprio HD.

APU
Como você pode imaginar, o trabalho de uma UCP nunca foi fácil, eles sempre precisaram de uma certa ajuda. Chips auxiliares fa-
cilitam o trabalho duro de lapidar os dados, como os coprocessadores aritméticos FPUs, se fosse preciso fazer contas mais elaboradas
a CPU recorria aos FPUs. Esses cálculos eram particularmente importantes para jogos, que usam cálculos complexos para gerar gráficos
melhores.
Como tudo evolui, os jogos e aplicações gráficas exigiam cada vez mais processamento. Então surgiram as GPUs, unidades de pro-
cessamento gráfico, ou simplesmente placa de vídeo, verdadeiros processadores de imagem, com funções de manipulação de vértices.
As APUs, a grosso modo, são a junção da CPU com GPU, ou seja, um processador com chip de processamento gráfico de uma placa de
vídeo, isso mesmo, dois produtos em um só.
O termo APU foi apresentado pela primeira vez durante a Computex 2010, o primeiro produto da união da AMD com a ATI. Uma APU
da ADM roda gráficos DirectX 11, com processamento paralelo ativado, aceleração de vídeo UVD3, com constantes atualizações de drive
melhorando gráficos e desempenho. Apesar de tantos recursos, esse tipo de processador oferece baixo consumo de energia e é menor
do que você pensa.
Vale lembrar que APU é um termo amplamente utilizado pela AMD, mas a Intel também possui chips com essa tecnologia, apesar de
evitar essa denominação. Veja abaixo os chips APU de ambos os fabricantes.

A grande vantagem desta junção é o custo mais barato para o fabricante e consequentemente para o consumidor. Uma APU hoje
custa muito mais barato do que uma CPU e uma GPU separadamente e a performance é equivalente. Além disso, temos uma economia
também no consumo de energia e simplicidade na implementação. Já a desvantagem é que se este chip apresentar problemas, você
perde a CPU e o GPU.
A tendência do mercado é usar APUs tanto em computadores, quanto em notebooks, tablets e smartphones. Até os principais con-
soles de video game já usam APUs da AMD.
Memória cache
A memória cache é um tipo de memória extremamente rápida e que se localiza dentro do processador. Ela é dividida em três níveis:
L1, L2 e L3. Quanto mais memória cache o chip tiver, mais rápido ele será.
Isso porque a memória cache armazena dados essenciais para o processamento das tarefas mais recentes ou mais utilizadas. Isso
agiliza o trabalho do processador, que depende mais da memória RAM que é um pouco mais lenta que a cache.

25
INFORMÁTICA
TDP (Thermal Design Power) Essa foi a primeira memória capaz de trabalhar sincronizada
Este item indica a quantidade máxima de calor que o processa- com os ciclos da placa-mãe, sem tempos de espera. Esse tipo de
dor pode dissipar. Ela é medida em watts (W). Ao comprar um novo memória superava as antigas memórias EDO (Extended Data Out) e
processador, escolha o que tiver o menor TDP possível dentro da FPM (Fast Page Mode) por sua capacidade de dividir os módulos de
categoria que você estiver analisando. memória em vários bancos, alocando até oito bancos em um mó-
Quanto menor o TDP, menos energia o chip consome e, conse- dulo DIMM (Dual Inline Memory Module). Como o próprio nome
quentemente, mais barata virá a conta de luz. Além disso, quanto diz, elas são capazes de realizar apenas uma transferência por ciclo,
menor o TDP, menos calor é gerado. Desta forma, as ventoinhas o que nos dias de hoje pode parecer pouco, mas na época em que
trabalharão menos e irão gerar menos ruído. eram padrão todos se orgulhavam de ter pentes com a denomina-
ção “PC-100” instalados na máquina :) Mesmo presentes em alguns
MEMORIA PRINCIPAL computadores ainda hoje, são muito difíceis de serem encontradas
A memória principal (ou memória primária) tem por finali- à venda, pois não são mais produzidas. Aqui temos os modelos e
dade o armazenamento de instruções e dados de programas que velocidades desse padrão:
serão ou estão sendo executados pela UCP. É considerada como
uma memória de trabalho para a UCP, sendo organizada em células
com tamanho fixo e igual, cada uma identificada por um número
denominado endereço. A MP pode ser acessada através de duas
operações:
a ) leitura: ler da memória - significa requisitar à MP o conteú-
do de uma determinada célula. O sentido de operação dá-se da MP
para a UCP.
b) escrita: escrever na memória - significa escrever uma infor-
mação em uma célula da MP. O sentido da operação dá-se da UCP - DDR-SDRAM (Double Data Rate): As memórias DDR supera-
para a MP. vam as memórias SDR por sua capacidade de realizar duas transfe-
rências por ciclo, o que não necessariamente dobrava a velocidade
Classificam-se em dois grupos: efetiva (devido ao mesmo tempo de acesso inicial), mas chegavam
. RAM (Memória de Acesso Aleatório) - dinâmica ou estática quase lá. Essa característica é possível devido à inclusão de circui-
- esta memória volátil retém as instruções e dados de programas tos adicionais, responsáveis por ler/escrever dados duas vezes por
que estão sendo executados, tornando o tempo de leitura e escrita ciclo. Com exceção dessa alteração, as trilhas tanto dos pentes de
extremamente rápidos. memórias como da placa-mãe permaneceram inalteradas, assim
como as demais características, o que contribuiu para o baixo preço
. ROM ou ROM padrão - é a memória somente de leitura, pois
e popularização desse padrão. Em programas de análise de hard-
as informações são gravadas no momento da fabricação e não mais
ware como o CPU-Z, a velocidade efetiva aparece com metade do
serão alteradas. Contém basicamente informações necessárias
valor real devido à transferência dupla, então um modelo DDR-400
para o funcionamento do computador, como rotinas que verificam
(PC-3200) vai ser mostrado como 200 MHz. Na imagem abaixo fize-
se os meios físicos estão aptos para o funcionamento. Outras ver-
mos a análise de uma máquina com pentes de memória DDR2, cuja
sões de ROMs são disponíveis - PROM, EPROM, EEPROM ou EA-
leitura é similar aos pentes DDR: Mesmo com fôlego para rodar os
PROM e memória flash - as quais podem ser programadas, no míni-
sistemas operacionais mais atuais, as memórias DDR saíram de li-
mo, uma vez; são todas memórias não voláteis.
nha em favor da geração DDR2. Ainda é possível encontrar modelos
A memória cache é uma memória (RAM estática) volátil de alta à venda em lojas especializadas, mas a um preço bastante salgado.
velocidade, localizada entre a UCP e a memória principal, usada A quantidade de modelos DDR com velo
com a finalidade de acelerar o processamento do subsistema UCP/
MP, funcionando como um buffer da memória principal.
Toda vez que a UCP faz referência a um dado armazenado na
memória principal, ela “olha” antes na memória cache. Se a UCP
encontrar o dado na cache, não há necessidade do acesso à memó-
ria principal (cache hit); do contrário o acesso é obrigatório (cache
miss ou cache fault).
Apesar de ser uma memória de acesso rápido (tempo de aces-
so é muito menor em relação à memória principal), seu uso é limi-
tado em função do alto custo.
A memória cache existe apenas nas placas de microcomputa-
dores com UCP’s mais rápidas, a partir do 386DX de 25 MHz.
As memórias secundárias (auxiliares ou de massa) são um tipo
de memória não volátil de grande capacidade de armazenamento, cidades diferentes também cresceu:
usada para guardar informações (instruções e dados de programas)
que não serão imediatamente usadas pela UCP.
Como exemplos de memórias secundárias tem-se as fitas mag- - DDR2: A taxa de transferência por ciclo de clock dobrou nova-
néticas, discos (fixos e removíveis), disquetes, winchesters, tambo- mente, e as memórias DDR2 são capazes de realizar quatro transfe-
res magnéticos, CD-ROM, e outros. rências por ciclo, mas mantendo praticamente o mesmo tempo de
acesso inicial, o que resultava em ótimos resultados em aplicativos
Dentre os principais tipos de memória RAM, destacamos: que necessitavam de uma grande quantidade de leitura sequencial,
- SDR-SDRAM (Single Data Rate Sincronous Dynamic Random mas para aqueles que exigiam apenas alguns acessos aleatórios ti-
Access Memory): ravam pouco proveito dessa velocidade em relação às memórias

26
INFORMÁTICA
DDR. No uso diário de um computador utilizamos vários tipos de aplicativos com necessidades de memória bastante distintas, o que torna
difícil de observar grandes diferenças de desempenho em tarefas cotidianas. Na verdade, vários usuários que adquiriram placas-mãe com
soquete DDR2 ficaram desapontados na época, pois em várias tarefas umas memória DDR2-533 leva mais tempo para responder do que
uma DDR-400. Ainda encontradas à venda, os módulos DDR2 são capazes de rodar os sistemas operacionais modernos sem gargalos e
com bastante fluidez. Elas também são consideradas SDRAM, assim como os modelos subsequentes, então se tornou comum chamar as
memórias apenas como “DDR2” ou “DDR3”.

DDR3: O modelo DDR2-1066 foi o último a ser reconhecido oficialmente pelo JEDEC (Joint Electron Device Enginnering Council - Con-
selho Conjunto para Engenharia de Dispositivos de Elétrons), entidade certificadora de memórias, e já operava a frequências altíssimas
(266 MHz multiplicado por 4). A partir desse ponto, como acontece com os processadores, aumentar a clock base aumentava exponencial-
mente o consumo de energia e geração de calor, então a solução mais efetiva foi dobrar de novo a quantidade de transferências por ciclo.
Essa simples mudança nos circuitos de transferência torna possível a criação de memórias operando a 2133 MHz (266 MHz multiplicado
por 8), o que é uma velocidade impressionante mesmo para os padrões atuais. Se o tempo de acesso continuasse o mesmo, as memórias
DDR3 não ofereceriam grandes vantagens em relação às DDR2, mas esses novos módulos trouxeram também um sistema de calibração de
sinal, o que diminui a latência sem comprometer o desempenho. A união de uma velocidade de transferência maior e um tempo de acesso
menor ainda supre tanto o mercado de computadores domésticos quanto os de alto desempenho nos dias de hoje, e a grande quantidade
de chipsets e plataformas suportadas contribuiu para uma queda drástica nos preços. Veja os modelos e velocidades:

DDR4: A DDR4 oferece melhor desempenho, maiores capacidades DIMM, maior integridade de dados e menor consumo de energia.
Alcançando mais de 2Gbps por pino e consumindo menos energia do que a DDR3L (DDR3 Baixa Voltagem), a DDR4 proporciona até 50 por
cento de aumento no desempenho e na largura de banda e, ao mesmo tempo, reduz o consumo de energia de todo o seu ambiente de com-
putação. Isso representa uma melhora significativa em relação às tecnologias de memória anteriores e uma economia de energia de até 40
por cento. Além do desempenho otimizado, computação de baixo custo e mais ecológica, a memória DDR4 também oferece verificações de
redundâncias cíclicas (CRC) para maior confiabilidade dos dados, detecção de paridade no chip para verificação da integridade de ‘transferên-
cias de comando e de endereço a partir de um link, maior integridade do sinal e outros recursos RAS robustos. (Fonte: Kingston)

27
INFORMÁTICA

Diferença no encaixe da chave


O encaixe da chave do módulo DDR4 está em um local diferente do encaixe da chave do módulo DDR3. Ambos os encaixes estão lo-
calizados na borda de inserção, mas o local do encaixe no módulo DDR4 é ligeiramente diferente, para evitar que o módulo seja instalado
em uma placa ou plataforma incompatível.

Maior espessura
Os módulos DDR4 tem uma espessura ligeiramente maior do que os DDR3, para acomodar mais camadas de sinal.

Borda curva
Os módulos DDR4 apresentam uma borda curva para ajudar na inserção e aliviar o estresse no circuito impresso durante a instalação
da memória.

DISPOSITIVOS DE ARMAZENAMENTO
Dispositivo de armazenamento é um dispositivo capaz de gravar (armazenar) informação (dado). Essa gravação de dados pode ser
feita virtualmente, usando qualquer forma de energia. Um dispositivo de armazenamento retém informação, processa informação, ou
ambos. Um dispositivo que somente guarda informação é chamado mídia de armazenamento. Dispositivos que processam informações
(equipamento de armazenamento de dados) podem tanto acessar uma mídia de gravação portátil, ou podem ter um componente perma-
nente que armazena e obtém dados. Tipos de dispositivos de armazenamento:
- Por meios ópticos (CDs, DVDs, Blu-Ray etc).
- Por meios magnéticos (HDs, disquetes).

28
INFORMÁTICA
- Por meios eletrônicos (SSDs) - chip - Exemplos: cartão de me- meio de seus polos. Para isso, a polaridade das cabeças muda em
mória e pen drive. uma frequência muito alta: quando está positiva, atrai o polo nega-
Observação: Memória RAM não é um dispositivo de armaze- tivo das moléculas e vice-versa. De acordo com esta polaridade é
namento, pois armazena apenas temporariamente as informações. que são gravados os bits (0 e 1). No processo de leitura de dados, o
cabeçote simplesmente “lê” o campo magnético gerado pelas mo-
DISCO RÍGIDO (HD - HARD DISK) léculas e gera uma corrente elétrica correspondente, cuja variação
O disco rígido - ou HD (Hard Disk) - é o dispositivo de arma- é analisada pelo controlador do HD para determinar os bits.
zenamento não-volátil (permanente) de dados mais utilizado nos Para a “ordenação” dos dados no HD, é utilizado um esquema
computadores. Nele é armazenado qualquer tipo de informação, conhecido como geometria dos discos. Nele, o disco é “dividido”
desde uma simples foto pessoal como dados usados pelo sistema em cilindros, trilhas e setores:
operacional. Basicamente, o papel principal do disco rígido é ar- As trilhas são círculos que começam no centro do disco e vão
mazenar dados, mas não é só isso os sistemas operacionais conse- até a sua borda, como se estivessem um dentro do outro. Estas
guem utilizar o HD como uma extensão da memória, na chamada trilhas são numeradas da borda para o centro, isto é, a trilha que
Gestão de memória Virtual. Porém esta função é utilizada somente fica mais próxima da extremidade do disco é denominada trilha 0,
quando a memória principal (memória RAM) está sobrecarregada. a trilha que vem em seguida é chamada trilha 1 e assim por diante,
Para que você possa compreender o funcionamento básico até chegar à trilha mais próxima do centro. Cada trilha é dividida
dos discos rígidos, precisa conhecer seus principais componentes. em trechos regulares chamados de setores. Cada setor possui uma
Os tão mencionados discos (pratos), na verdade, ficam guardados capacidade determinada de armazenamento (geralmente, 512 by-
dentro de uma espécie de “caixa de metal”. Estas caixas são seladas tes).
para evitar a entrada de material externo, pois até uma partícula de E onde entra os cilindros? Eis uma questão interessante: você
poeira pode danificar os discos, já que estes são bastante sensíveis. já sabe que um HD pode conter vários pratos, sendo que há uma
Isso significa que se você abrir um HD em um ambiente desprepara- cabeça de leitura e gravação para cada lado dos discos. Imagine
do e sem o uso dos equipamentos e das técnicas apropriadas, terá que é necessário ler a trilha 42 do lado superior do disco 1. O braço
grandes chances de perdê-lo. movimentará a cabeça até esta trilha, mas fará com que as demais
se posicionem de forma igual. Isso ocorre porque normalmente o
braço se movimenta de uma só vez, isto é, ele não é capaz de mo-
ver uma cabeça para uma trilha e uma segunda cabeça para outra
trilha.
Isso significa que, quando a cabeça é direcionada à trilha 42
do lado superior do disco 1, todas as demais cabeças ficam posi-
cionadas sobre a mesma trilha, só que em seus respectivos discos.
Quando isso ocorre, damos o nome de cilindro. Em outras palavras,
cilindro é a posição das cabeças sobre as mesmas trilhas de seus
respectivos discos.
Note que é necessário preparar os discos para receber dados.
Isso é feito por meio de um processo conhecido como formatação.
Há dois tipos de formatação: formatação física e formatação lógica.
O primeiro tipo é justamente a “divisão” dos discos em trilhas e
setores. Este procedimento é feito na fábrica. A formatação lógi-
ca, por sua vez, consiste na aplicação de um sistema de arquivos
apropriado a cada sistema operacional. Por exemplo, o Windows é
capaz de trabalhar com sistemas de arquivos FAT e NTFS. O Linux
Os pratos de um HDD são onde os discos são armazenados, pode trabalhar com vários sistemas de arquivos, entre eles, ext3 e
normalmente são de alumínio cobertos por um material magnético ReiserFS.
e por mais uma camada de material protetor.
Os discos ficam posicionados sob o motor (eixo), que é respon- Interfaces Principais
sável por fazê-los girar. Os HDs também possuem um dispositivo Padrão IDE
chamado de cabeça de leitura e gravação (uma espécie de agulha). O IDE, do inglês Integrated Drive Electronics, foi o primeiro pa-
Os dados são lidos e gravados sem que a agulha encoste no disco. drão que integrou a controladora com o Disco Rígido. Os primeiros
Isso só acontece porque o HD é hermeticamente fechado e em con- HDs com interface IDE foram lançados por volta de 1986 e na época
sequência à alta velocidade em que o disco é submetido, a cabeça isto já foi uma grande inovação porque os cabos utilizados já eram
de leitura acaba sendo expelida para cima. Nos últimos modelos de menores e havia menos problema de sincronismo, o que deixava os
HDD, a cabeça de gravação conta com dois componentes, um tem processos mais rápidos.
a responsabilidade de gravar e outro dedicado à leitura. Inicialmente, não havia uma definição de padrão e os primeiros
dispositivos IDE apresentavam problemas de compatibilidade entre
O atuador do HD é responsável por mover o braço acima da os fabricantes. O ANSI (American National Standards Institute), em
superfície dos pratos e com isso permitir que as cabeças de leitura 1990, aplicou as devidas correções para padronização e foi criado
executam o seu trabalho. O atuador funciona por atração/repulsão o padrão ATA (Advanced Technology Attachment). Porém com o
magnética. nome IDE já estava mais conhecido, ele permaneceu, embora algu-
A parte responsável por todo o armazenamento de dados são mas vezes fosse chamado de IDE/ATA.
os discos magnéticos.
A superfície de gravação dos pratos é composta por materiais
sensíveis ao magnetismo (geralmente, óxido de ferro). O cabeço-
te de leitura e gravação manipula as moléculas deste material por

29
INFORMÁTICA

As primeiras placas tinham apenas uma porta IDE e uma FDD (do drive de disquete) e mais tarde passaram a ter ao menos duas (pri-
mária e secundária). Cada uma delas permite a instalação de dois drives, ou seja, que podemos instalar até quatro Discos Rígidos ou CD/
DVD-ROMs na mesma placa. Para diferenciar os drives instalados na mesma porta, existe um “jumper” para configurá-los como master
(mestre) ou slave.
Inicialmente, as interfaces IDE suportavam apenas a conexão de Discos Rígidos e é por isso que há um tempo atrás os computadores
ofereciam como diferencial os famosos “kits multimídia”, que eram compostos por uma placa de som, CD-ROM, caixinhas e microfone. O
protocolo ATAPI (AT Attachment Packet Interface) foi criado para fazer a integração deste tipo de drive com o IDE, de forma que se tornou
rapidamente o padrão.
Obs.: Também é conhecida como ATA (Advanced Technology Attachment) ou, ainda, PATA (Parallel Advanced Technology Attach-
ment).

SATA
O SATA ou Serial ATA, do inglês Serial Advanced Technology Attachment, foi o sucessor do IDE. Os Discos Rígidos que utilizam o pa-
drão SATA transferem os dados em série e não em paralelo como o ATA. Como ele utiliza dois canais separados, um para enviar e outro
para receber dados, isto reduz (ou quase elimina) os problemas de sincronização e interferência, permitindo que frequências mais altas
sejam usadas nas transferências.

Os cabos possuem apenas sete fios, sendo um par para transmissão e outro para recepção de dados e três fios terra. Por eles serem
mais finos, permitem inclusive uma melhor ventilação no gabinete. Um cabo SATA pode ter até um metro de comprimento e cada porta
SATA suporta um único dispositivo (diferente do padrão master/slave do IDE).

Diferenças entre SATA I, SATA II e SATA III


- SATA I (revisão 2.x) conhecida como SATA 1.5Gb/s, uma segunda geração de interface SATA rodando a 1.5 Gb/s. O caudal de largura
de banda que é suportado pela interface é de até 150MB/s.
- SATA II (revisão 2.x), conhecida como SATA 3Gb/s, é uma segunda geração de interface SATA rodando a 3,0 Gb /s. O caudal de lar-
gura de banda que é suportado pela interface é de até 300MB/s.
- SATA III (revisão 3.x), conhecida como SATA 6Gb/s, é uma terceira geração de interface SATA rodando a 6.0Gb /s. O caudal de largura
de banda que é suportado pela interface é de até 600 MB /s. Esta interface é compatível com interface SATA de 3 Gb/s.
As especificações SATA II são compatíveis com versões anteriores para funcionar em portas SATA I. As especificações SATA III são
compatíveis com versões anteriores para funcionar em portas SATA I e SATA II. No entanto, a velocidade máxima será mais lenta devido
às limitações de velocidade das portas SATA.

30
INFORMÁTICA
Cache (buffer) Existem dois tipos de formatação, chamados de formatação
Ao procurar por especificações de um disco rígido, você certa- física e formatação lógica. A formatação física é feita na fábrica ao
mente verá um item de nome cache ou buffer, já mencionado neste final do processo de fabricação, que consiste em dividir o disco vir-
texto. Trata-se de outro recurso criado para melhorar desempenho gem em trilhas, setores, cilindros e isolar os bad blocks (danos no
do dispositivo. HD). Estas marcações funcionam como as faixas de uma estrada,
Os HDs, por si só, não são muito rápidos. Não adianta muito permitindo à cabeça de leitura saber em que parte do disco está, e
contar com processadores velozes se o acesso aos dados no HD onde ela deve gravar dados. A formatação física é feita apenas uma
prejudica o desempenho. Uma maneira encontrada pelos fabrican- vez, e não pode ser desfeita ou refeita através de software. Porém,
tes para amenizar este problema foi implementar uma pequena para que este disco possa ser reconhecido e utilizado pelo sistema
quantidade de memória mais rápida no dispositivo. Este é o cache. operacional, é necessária uma nova formatação, chamada de for-
Para esta memória vão, de forma temporária, sequências de matação lógica. Ao contrário da formatação física, a formatação ló-
dados que estão relacionadas à informação que está sendo dispo- gica não altera a estrutura física do disco rígido, e pode ser desfeita
nibilizada no momento. Com estas sequências no cache, diminui-se e refeita quantas vezes for preciso, através do comando Format do
a quantidade de procedimentos de leitura, já que muitas vezes os DOS, por exemplo. O processo de formatação é quase automático;
dados encontrados já estão lá. basta executar o programa formatador que é fornecido junto com
O buffer também pode ser utilizado para processos de grava- o sistema operacional.
ção: se, por algum motivo, não for possível gravar um dado imedia- Exemplos de sistema de arquivos
tamente após a solicitação, o controlador da unidade pode “jogar” Os sistemas de arquivos mais conhecidos são os utilizados pelo
esta informação no cache para gravá-la logo em seguida. Microsoft Windows: NTFS, FAT32 e FAT 16. O FAT32 é uma versão
Atualmente, é comum encontrar discos rígidos com até 64 MB evoluída do FAT16 introduzida a partir do MS-DOS 4.0. A partir do
de cache. Ao contrário do que muita gente pensa, o cache não pre- Windows NT foi introduzido o NTFS, que trouxe novos recursos.
cisa ter grande capacidade para otimizar o desempenho da unidade
Quando o micro é ligado, o BIOS (um pequeno programa gra-
S.M.A.R.T. vado em um chip na placa mãe, que tem a função de “dar a partida
O S.M.A.R.T (Self-Monitoring, Analysis and Reporting Techno- no micro”), tentará inicializar o sistema operacional. Independente-
logy - (Tecnologia de Auto-Monitoramento, Análise e Relatório em mente de qual sistema de arquivos esteja usando, o primeiro setor
português) é uma tecnologia implementada pelos fabricantes des- do disco rígido será reservado para armazenar informações sobre
ses equipamentos para que o usuário possa monitorar o desgas- a localização do sistema operacional, que permitem ao BIOS “achá-
-lo” e iniciar seu carregamento.
te dos componentes e planejar o backup, prevenindo a perda de
No setor de boot é registrado qual sistema operacional está
dados. Para acessar as informações coletadas pelo S.M.A.R.T é ne-
instalado, com qual sistema de arquivos o disco foi formatado e
cessário utilizar um programa especialista, como HDTune Pro, HDD
quais arquivos devem ser lidos para inicializar o micro. Um setor
Health ou HDD Scan. O usuário terá acesso a parâmetros como Taxa
é a menor divisão física do disco, e possui sempre 512 bytes. Um
de Erros, Temperatura, Velocidade de Rotação dos Discos e inúme-
cluster é a menor parte reconhecida pelo sistema operacional, e
ros outros parâmetros para, assim, verificar se os discos estão em
pode ser formado por vários setores.
boas condições ou se está na hora de fazer um backup de dados
Um único setor de 512 bytes pode parecer pouco, mas é sufi-
importantes.
ciente para armazenar o registro de boot devido ao seu pequeno
É um sistema de monitoramento incluído em dispositivos de tamanho. O setor de boot também é conhecido como “trilha MBR”,
discos rígidos (HDDs) e dispositivos de estado sólido (SSDs) “trilha 0”, etc.
Tamanhos HD Externo
- Em relação a dimensões O HD ou Hard Disk é o dispositivo que armazena os dados do
Os tamanhos mais comuns são de 3,5 e 2,5 polegadas. Estas seu computador. Todos os arquivos, fotos, programas, tudo, está
medições se referem ao diâmetro dos discos. As unidades de 3,5 guardado no HD. Todo HD possui um limite de memória, por isso,
polegadas são comumente empregadas em desktops, workstations quando temos arquivos demais, é necessário liberar espaço, tiran-
e servidores, enquanto que HDs de 2,5 polegadas são comuns em do os arquivos menos utilizados e colocando-os em outro lugar,
notebooks e outros computadores com dimensões reduzidas. no qual não haja risco de se perderem tais documentos, mas que
também tenhamos fácil acesso caso precisemos de algum deles. Eis
- Em relação à capacidade que entra o HD externo, que vai armazenar seus dados de maneira
Apesar de ainda encontrarmos hds de tamanhos menores, em segura para que você possa utilizá-los sempre que necessitar.
relação aos hds de 3,5´ os modelos fabricados hoje em dia vão de Outra facilidade do HD externo é que ele é ultra portátil, po-
500GB até os novos hds de 8TB, voltados para pequenas e médias dendo ser levado a qualquer lugar e acoplado em praticamente
empresas, pequenos escritórios e para profissionais que trabalham qualquer computador, sendo assim, você pode levar seu compu-
com grande volume de dados, como edição de vídeos em alta de- tador ali dentro, todos os dias, para onde quer que você vá. Dados
finição. seguros num dispositivo que cabe na sua mochila, alguns até no
No caso específico dos modelos de 2,5´, os modelos mais usa- seu bolso.
dos são os de 500GB e 1 TB. O HD externo funciona com entrada USB, podendo vir acom-
panhado de um cabo USB ou não. Os cabos USB que acompanham
Formatação o HD externo geralmente podem ser utilizados para acoplá-lo em
outros dispositivos, como câmeras fotográficas e ipods.
A formatação de um disco magnético é realizada para que o Atualmente existe uma infinidade de HDs externos, alguns
sistema operacional seja capaz de gravar e ler dados no disco, crian- mais simples, funcionando apenas como um pen drive de maior po-
do assim estruturas que permitam gravar os dados de maneira or- tência, e outros que já vêm com programas instalados e permitem
ganizada e recuperá-los mais tarde. compartilhamento de dados na rede.

31
INFORMÁTICA
Embora existam alguns modelos do tamanho de uma carteira masculina, sua portabilidade é um pouco menor do que a do Pen Drive
e em alguns casos necessitam de fonte de alimentação e proteção como um estabilizador ou no-break.

Qual é a importância da velocidade do disco rígido?


Quando você inicia o seu computador, abre um arquivo, ouve uma música ou faz qualquer outra coisa, você usa a unidade de disco
rígido. Os discos dentro da unidade giram. Quanto mais rápido eles giram, mais rapidamente o computador pode encontrar o arquivo que
você deseja.
Dessa forma, uma unidade de 7.200 RPM será mais rápida do que uma de 5.400 RPM. O que isso significa para você no uso diário vai
variar. Com discos externos, você dificilmente sentirá a diferença. Com discos internos, a diferença será pouca com arquivos e aplicativos
menores, mas será óbvia com arquivos e aplicativos maiores.

Você deve escolher um disco interno ou externo?


Um disco interno fornece armazenamento integrado a velocidades máximas. Um disco externo oferece uma maior flexibilidade e
armazenamento expandido sempre que você precisar.
Cada opção tem suas vantagens e desvantagens.
Os discos internos devem ser fisicamente instalados abrindo o computador, algo que algumas pessoas hesitam em fazer. Entretanto,
seus arquivos e programas são armazenados diretamente no computador e sempre estarão lá quando você precisar.
Discos externos são conectados ao computador por meio de cabos de encaixe, como o Backup Plus portátil, ou acessados por Wi-Fi,
como o Wireless Plus. Isso possibilita que você leve os arquivos para qualquer lugar, transfira-os para outros computadores ou adicione
armazenamento instantaneamente ao computador ou rede sem complicações técnicas.

SSD

SSD, em inglês, Solid State Disks3, ou mesmo Disco sólido, em português, é um tipo de HD que usa chips de memória Flash no lugar dos
discos magnéticos usados no HD normal, semelhantes aos cartões de memória e os pendrives. Ele é um tipo de HD mais moderno muito
usado em notebooks. Sua construção é baseada em um circuito integrado semicondutor, feito em um único bloco. Este tipo de HD é muito
mais resistente ao HD convencional pois não possui partes móveis, assim, são mais seguros a quedas e batidas, além de tudo, o consumo
de eletricidade é muito menor e os ruídos praticamente são inexistentes. Além de todas as vantagens mencionadas acima, os SSDs são
considerados mais seguros, pois não ficam expostos a ações mecânicas, diminuindo assim, o risco de erros ou falhas. Outra vantagem
bastante evidente é que, por possuir tempo de acesso relativamente baixo, o desempenho ao executar diversos aplicativos e iniciar o
computador é muito melhor. Há de se considerar também o peso menor em relação aos discos rígidos, mesmo os mais portáteis e possuir
um consumo reduzido de energia; conseguindo trabalhar em ambientes mais quentes do que os HDs (cerca de 70°C). Acima citamos várias
vantagens do uso do SSD, no entanto, há algumas desvantagens que podem ser cruciais na escolha do HD. No entanto, quem quer bastan-
te espaço, não deve escolher um SSD, já que, a capacidade de um HD convencional é muito maior. O “ciclo de vida” do SSD, isto é, o tempo
médio de duração do disco, é muito menor se comprado ao tradicional. Os discos de estado sólido não possuem o funcionamento igual
aos HDs que, podem ser sobrescritos muitas vezes. De acordo com especialistas e os próprios fabricantes, um mesmo setor de um SSD
pode sofrer um número limite de 10 milhões de escritas, isso na melhor hipótese. Abaixo veja a tabela comparativa entre o HD e o SSD:
3 Fonte: https://www.oficinadanet.com.br/artigo/hardware/qual-a-diferenca-entre-hd-e-ssd

32
INFORMÁTICA

Além disso, ainda custam muito caro, com valores muito superiores que o dos HDs. A capacidade de armazenamento também é uma
desvantagem, pois é menor em relação aos discos rígidos. De qualquer forma, eles são vistos como a tecnologia do futuro, pois esses dois
fatores negativos podem ser suprimidos com o tempo.
Atualmente, encontramos modelos de 60GB a 1TB de capacidade de armazenamento.
CD, DVD e Blu-ray
Apesar da evolução, as mídias CDs, DVDs e Blu-Ray ainda coexistem. Parecidos no formato e diferentes na capacidade, essas mídias
são usadas em muitas aplicações. Conheça mais um pouco sobre cada uma dessas tecnologias e descubra porque elas ainda sobrevivem
a era do stream multimídia e da mobilidade.

CD
Com um preço e uma capacidade menor (até 700 MB de dados), o CD sobreviveu à popularização do DVD e continua sendo muito
usado. Além de ser o mais barato e comum dos três, ele ainda é muito usado, especialmente por gravadoras. No uso pessoal, o CD é a
mídia mais versátil e pode ser usada para guardar gravações de áudio de até 74 minutos, vídeos de até 20 minutos e arquivos diversos
para fazer backup de pequenos dados do computador.

DVD
Sucessor do CD, o DVD pode ser usado para as mesmas funções do CD e um pouco mais, pois tem quase sete vezes a capacidade (4.7
GB) de seu antecessor (700 MB).  Ele pode ser usado para gravar arquivos da mesma forma que o CD e também no formato DVD, onde
é possível guardar filmes de alta qualidade com até quatro horas em vários idiomas, com suporte a menus e animações. Para completar,
arquivos gravados nesse último formato podem ser reproduzidos por aparelhos de DVD, eliminando a necessidade de um computador.

O principal motivo da longevidade do DVD frente ao Blu-Ray tem sido a popularização lenta deste último (que tem piorado com a
forte adoção de serviços de stream de vídeos). Além disso, o DVD ainda é uma mídia bastante usada para gravação e distribuição de filmes
por grandes empresas do mercado de entretenimento, tanto que muitas fornecem filmes nas duas mídias.

33
INFORMÁTICA
Blu-Ray
Mesmo tendo uma capacidade altamente superior, o Blu-Ray
ainda não está presente no cotidiano da maioria das pessoas. Ele
é mais usado como forma de distribuição de filmes e  jogos, sen-
do pouco usado para gravação de dados. Isso em parte se deve ao
fato de poucos equipamentos virem com unidades do formato. Na
prática, as três mídias ainda são usadas para jogos de videogame,
como os consoles Playstation 3 e Playstation 4 e XBox One.

Compatibilidade Drives de CD, DVD e Blu-ray


Independente das diferenças, as unidades Blu-Ray podem gra-
var dados e realizar leituras também em DVDs e CDs. Já as unidades
de DVD, podem gravar e ler em DVDs e CDs, e por último, unida- É um aparelho que reconhece as informações armazenadas
des de CD gravam e lêem dados apenas em CDs. Tudo isso garante nas mídias e transmite estas informações para o aparelho eletrô-
compatibilidade e consequentemente, mais sobrevida às mídias nico, que lê e interpreta os dados. Este aparelho pode ser um com-
antigas. putador, um aparelho de DVD, ou qualquer outro dispositivo que
Dentro dos padrões do CD e DVD existem algumas variações tenha um leitor óptico compatível com o tipo de mídia.
da tecnologia (CD-R, CD-RW, DVD-R, DVD-RW, DVD+R e DVD+RW), Esta unidade de disco óptico (ODD) ou o famoso leitor de CD,
que estão relacionadas à forma como os dados são gravados e DVD e do que vem se tornando popular, o Blu-Ray, é um dos prin-
quantas vezes o disco pode ser gravado. Mídias R são as “Rewri- cipais ou se não o principal Hardware para a leitura e gravação de
table”, ou seja, graváveis e podem ser usadas para salvar arquivos mídias. As unidades antigas eram capazes apenas e ler, hoje as uni-
apenas uma vez. Já as RW são as Rewritable, o que significa que dades mais recentes são capazes de ler e gravar. E para este proces-
elas são regraváveis - ou em outras palavras, são capazes de salvar so essa unidade utiliza um lazer de luz ou ondas eletromagnéticas
conteúdos infinitas vezes, como faz um pen drive, por exemplo. Fe- como processo de leitura ou gravação de dado para os discos.
lizmente, essa variação normalmente é coberta por unidades mul-
tiformato, que evitam o trabalho que o usuário teria para entender Drive externo
e lidar suas diferenças. Os gravadores externos são conectados ao computador por
Diferenças de tecnologia e capacidade uma porta USB, como um pen drive ou MP3 players e similares.
CDs podem armazenar 700 MB de dados, DVDs 4.7 GB (e alguns Essa porta deve ser de preferência uma USB 2.0 ou superior, pela
DVDs podem armazenar até 9 GB no caso dos Dual Layer) e discos rapidez com que esta versão trabalha, o que interfere na velocida-
Blu-Ray, podem armazenar até 50 GB (usando duas camadas). O DL de de gravação (queima) do DVD.
-dual layer ou dupla camada, dobra a capacidade da mídia, possível Modelos
graças à aplicação de duas camadas de dados em um único lado Slim: modelos externos, portáteis, leves, finos e práticos, e po-
da mídia. Para conseguir essa façanha, a primeira camada é feita dem ser levados para qualquer lugar com muita facilidade. Ideal
de um material que a torna semitransparente. Isso permite que o para quem trabalha fazendo backups de empresas ou usa vídeos
feixe de laser do aparelho consiga acessar a segunda camada, atra- pesados em palestras.
vessando a primeira. Gravador doméstico: é um reprodutor e gravador de mídias,
O modo como os dados são gravados em cada mídia, é o que que lembra os antigos aparelhos de vídeo cassete. Um dos modelos<