Você está na página 1de 45

GUIA DE DESENVOLVIMENTO MINISTERIAL

2013 - 2017
2

Direitos Reservados, 2009


IGREJA DO NAZARENO, REGIÃO CAR, MAC e SAM

Publicado com autorização da Vigésima Quinta


Assembleia Geral, reunida em Indianápolis, EUA,
de 24 a 28 de junho de 2001.

Traduzido por Roberto Jakob


3

PRÓLOGO
É um privilégio entregar o Guia de Desenvolvimento Ministerial aos membros da
Igreja do Nazareno da América Latina.
Este guia é o resultado do trabalho de líderes nazarenos ao redor do mundo, os
quais por cinco anos se reuniram para apresentar princípios bíblicos universais referentes à
preparação contínua para o ministério. Estes princípios e pautas foram aprovados pela
Junta Geral, a Junta de Superintendentes Gerais e finalmente pela Assembleia Geral da
Igreja do Nazareno em 1995.
A Assembleia Geral propôs no Manual da Igreja do Nazareno a criação de um guia
para cada região ou grupo linguístico. Este guia é uma continuação do Manual e marca as
normas para o treinamento mínimo e educação contínua para os ministros da Igreja do
Nazareno das regiões CAR, MAC e SAM.
As normas deste guia foram criadas por um comitê latino americano composto de
reitores de instituições, educadores, superintendentes distritais, pastores educadores, leigos
e administradores educacionais especializados. As normas foram aprovadas pela Junta
Geral e a Junta de Superintendentes Gerais. O guia para o período 2009-2012 foi revisado
cuidadosamente pelo COSAC (Comitê Regional do Programa de Estudos Ministeriais) das
distintas regiões, que foram nomeados por cada Conselho Regional Consultivo (CCR).
O Guia de Desenvolvimento Ministerial é uma ferramenta muito valiosa para o Comitê
de Estudos Ministeriais, para o Comitê de Estudos de Credenciais Ministeriais, para todo
ministro local e distrital, todo pastor, e cada pessoa chamada ao ministério cristão.
O Guia de Desenvolvimento Ministerial será o caminho para a ordenação seja para o
presbitério ou para o diaconato.
A importância do Guia de Desenvolvimento Ministerial fundamenta-se no fato de que
assegura a preparação mínima de cada ministro da Igreja do Nazareno para preservar a
integridade teológica e a prática mínima para o ministro da Igreja do Nazareno.
O Guia de Desenvolvimento Ministerial tem o mesmo nível de autoridade que
requisitos para o ministério do manual da Igreja do Nazareno.
Este guia será de grande ajuda para o desenvolvimento do Reino de Deus nas
regiões CAR, MAC y SAM.
4

INTRODUÇÃO
É um grande privilégio apresentar ao povo nazareno da América Latina este Guia de
Desenvolvimento Ministerial para o período de 2009-2012. Essa nova versão do guia tem
uma missão definida: facilitar o desenvolvimento dos servos–líderes em nossa região, já
que provê um detalhe da “jornada ministerial” desde o momento do chamado em diante.
Acreditamos que este guia seja um instrumento que sirva aos ministros nazarenos (em
todas as suas expressões) a nível local e distrital, e também às nossas instituições
teológicas. Cada pastor, cada superintendente distrital, cada reitor e diretor de educação
teológica, e cada professor, deve conhecer e difundir amplamente esse guia.
Na realidade o conceito do Guia do Desenvolvimento Ministerial (GDM) é bastante
recente em nossa igreja. No ano de 1997, em San Antonio, Texas, a Assembleia Geral
delegou a responsabilidade de programas que provessem os fundamentos educativos para o
ministério às diversas regiões mundiais encarregando-lhes a publicação de um Guia de
Desenvolvimento Ministerial para a sua jurisdição. (Manual de da Igreja do Nazareno, 527.5).
Nesse mesmo ano se iniciou um processo concluído em 1999 com o primeiro Guia de
Desenvolvimento Ministerial para as regiões de Caribe Hispânico (CAR), México e América
Central (MAC) e América do Sul (SAM), contando com o apoio do pessoal das três regiões
Ibero-americanas.
Da mesma maneira que o manual, o Guia de Desenvolvimento Ministerial necessita
ser revisado e atualizado periodicamente. A primeira revisão foi concluída com a
publicação de Guias Regionais nos anos 2003-2004 e a presente revisão representa
novamente um esforço conjunto das três regiões latino-americanas para produzir um Guia
inter-regional para o período 2013-2017.
Agradecemos a equipe de líderes internacionais das três regiões latino-americanas,
Dr. L. Carlos Sáenz (MAC), Dr. Christian Sarmiento (SAM) e Dr. John Smee (CAR) por sua
convicção de que a educação teológica deve ser uma prioridade em suas regiões.
O propósito da Igreja do Nazareno é claro: fazer discípulos nas nações, à semelhança de
Cristo. Nossos valores relevantes são simples: somos um povo cristão, de santidade e missional.
Queira o Senhor que este Guia de Desenvolvimento Ministerial seja de inspiração para milhares
de pessoas que Deus está chamando em nossas regiões para realizar um ministério de
excelência para extensão de Seu Reino na terra.

Andrés Hernández Rubén Fernández Jorge Julca


Coordenador Regional Coordenador Regional Coordenador Regional
de Educação Teológica de Educação Teológica de Educação Teológica
Região CAR Região MAC Região SAM
5

ÍNDICE
PRÓLOGO 3
INTRODUÇÃO 4

CAPITULO I

O CHAMADO AO MINISTERIO

Programa de Vida Ministerial 8


Informe-se sobre o seu chamado 10
Assegure-se de seu chamado 11
Aceite o chamado 11
Entenda a natureza e estrutura do Corpo de Cristo 11
Informe-se sobre a confirmação de seu chamado e ministério 11
Inscreva-se na Junta de Estudos Ministeriais do Distrito 11

CAPITULO II

O PREPARO EDUCATIVO

As dimensões do preparo educativo 13


Possibilidades do preparo educativo 13
Programas mistos 14
Limite de tempo 14
Guia para aprovar os programas educativos 14
Objetivos gerais do programa de estudos 14
Conheça os nomes e descrição dos cursos para a ordenação, e faça-os 15

CAPITULO III

AS LICENÇAS E A ORDENAÇÃO

Informe-se do que sucede antes da ordenação 20


Licença de Ministro Local 21
Renovação da Licença de Ministro Local 21
Licença de Ministro Distrital 21
Renovação da Licença de Ministro Distrital 22
Inscrição na Junta de Estudos Ministeriais do Distrito 22
Reuniões com a Junta de Credenciais Ministeriais do Distrito 22
Aprovação da Assembleia Distrital para a entrega de licenças 23
Conheça o que é a ordenação 23
A ordenação e sua importância 23
6

A ordenação é um ato que provê autoridade 24


A ordenação é um ato que confirma 24
A ordenação é um ato espiritual e teológico 24
Um enfoque sobre o crescimento pessoal 25
A ordenação: Um privilégio, não um direito 25
Reconhecimento de credenciais de Presbítero 26
O culto de ordenação 26
O que acontece depois da ordenação 26

CAPITULO IV

APRENDIZAGEM CONTÍNUA
Conheça o propósito primário da aprendizagem contínua 29
Desenvolva um plano de estudos para toda a vida 29
Informe-se de ajudas para a aprendizagem contínua 30
Envolva-se em programas e cursos que ajudem em seu plano de estudos 30
Informe-se sobre sua aprendizagem contínua 31
Continue até chegar ao topo 31
Quadro de aprendizagem contínua – programa de quatro anos 32

CAPITULO V

APÊNDICES
A Junta de Estudos Ministeriais do Distrito 34
Responsabilidades dos membros da Junta de Credenciais 35
Formulário de Programa de Estudos Ministeriais 36
Equivalências do Programa de Estudos do GDM e
do Mestrado em Ciências da Religião Inter-regional 38
Procedimento para renovação de licenças 40
Procedimento para ordenação 41
Glossário 42
7

CAPITULO I

O CHAMADO AO MINISTERIO

Programa de Vida Ministerial


O chamado ao ministério
Informe-se sobre seu chamado
Assegure-se de seu chamado
Aceite o chamado
Entenda a natureza e a estrutura do Corpo de Cristo
Informe-se sobre a confirmação de seu chamado e ministério
Inscreva-se na Junta de Estudos Ministeriais do Distrito
8

PROGRAMA DE VIDA MINISTERIAL


9

CAPITULO I
O CHAMADO AO MINISTERIO

CAPITULO II
O PREPARO EDUCATIVO

CAPITULO III
AS LICENÇAS E A ORDENAÇÃO

CAPITULO IV
APRENDIZAGEM CONTÍNUA
10

CAPITULO I

500. O CHAMADO AO MINISTÉRIO. Benvindo ao grupo dos “chamados”. Você está lendo
este Guia de Desenvolvimento Ministerial porque disse ao seu pastor, superintendente distrital
ou professor de uma instituição teológica, que foi chamado ao ministério ou sente que está
sendo chamado. Também é possível que seu pastor, superintendente distrital ou professor
tenha pedido que leia esta seção, porque observou que você tem dons para o ministério e
deseja coloca-los à disposição de Deus.
Informe-se sobre o seu chamado. A Igreja do Nazareno crê na experiência
individual do chamado e em sua confirmação pelo corpo de Cristo. A Igreja
pressupõe que seu chamado é genuíno; sem dúvida cada testemunho deve ser
confirmado por Deus, que outorga aos chamados “dons e capacidades”
apropriados para o ministério.
A Igreja do Nazareno reconhece varias qualificações ministeriais: Um presbítero ordenado é a pessoa
com chamado permanente ao ministério da pregação. Um diácono ordenado é a pessoa chamada a um
ministério que não inclui necessariamente a pregação. Um ministro com licença distrital é a pessoa
licenciada pela assembleia distrital que está em processo de ordenação. Outra categoria é o ministro leigo
certificado. As pessoas com esta última designação são chamadas a ministrar, mas não sentem o
chamado a “um trabalho público e oficial de ministério” e não planejam dedicar toda a sua vida ao ministério
(Manual, 503).
O ministro ordenado e ministros distritais licenciados podem receber a credencial de ministro
“designado”. O Serviço Pastoral (Manual, 522) “inclui o ministério de um pastor, um pastor adjunto e/ou um
pastor ajudante, que pode especializar-se como ministro de educação cristã, ministro de música, ministro
de visitação ou ministro de jovens. Um membro do corpo ministerial chamado a algum destes níveis de
serviço pastoral, em relação a uma igreja ou missão, pode ser considerado ministro designado”. Um
ministro ordenado “sem designação ativa” se denomina “ministro sem designação”.
A Igreja do Nazareno reconhece que Deus nos chama para servir de muitas maneiras. Esta seção
descreve a maioria das funções que uma pessoa pode escolher. As funções ministeriais e as referências no
Manual se incluem a seguir.
Funções de Corpo de Cristo: É requisito acadêmico para qualquer das [especialidades] funções
ministeriais o cumprirem com o programa mínimo de estudos do Guia de Desenvolvimento Ministerial
para o que opte ser parte do corpo ministerial (ministro licenciado, diácono, presbítero). Aconselha-se
fazer cursos adicionais especializados na área ministerial correspondente. (Para os requisitos práticos
veja o Manual de da Igreja do Nazareno 2013-217).
Administrador (Manual 505). O administrador será considerado um diácono.
Capelão (Manual 506). O capelão será considerado um diácono a menos que tenha um
chamado para a pregação, para o qual pode optar ao presbitério ao cumprir os requisitos que o
Manual estabelece.
Educador (Manual 508). Pessoa de uma instituição acadêmica ministerial.
Ministro de Educação Cristã (Manual 510). Pessoa responsável pela educação cristã de uma
igreja local ou distrito. O ministro de educação cristã será considerado um diácono.
Ministro de Compaixão (Manual 507). O ministro de compaixão cristã será considerado um diácono.
Evangelista (Manual 509).
Ministro de Música (Manual 511). O ministro de música será considerado um diácono.
Ministro por Faixas Etárias (crianças, adolescentes, jovens, etc.). Tal ministro será considerado
um diácono.
Pastor (Manual 513).
Missionário (Manual 512). Se a designação de missionário é de caráter técnico não necessita do programa
prescrito neste Guia de Desenvolvimento Ministerial, apenas se estiver envolvido em tarefas nas quais o Manual
requer que seja parte integrante do corpo ministerial.
Ministro Leigo (Manual 503). Existem muitas possibilidades que podem levar uma pessoa a ser parte
do corpo ministerial. Consulte a sua autoridade eclesiástica para que o oriente no processo a
seguir: (Manual 527).
11

Nota: Esta é uma lista representativa de ministérios. Reconhecemos que existe uma
variedade muito mais ampla de ministérios na igreja.
Assegure-se de seu chamado. Durante os primeiros anos de ministério será pedido que
descreva seu chamado para diferentes representantes da igreja. Em tempos difíceis seu
chamado servirá como ponte de apoio. Para ajuda-lo a ter confiança em seu chamado,
descreva-o, incluindo a data, ou período de tempo e a(s) experiência(s) que o guiaram ou que
crê que o guiarão a pensar em que Deus o chamou ao ministério cristão.
Aceite o chamado. Depois que se tenha informado sobre alguns aspectos gerais de seu
chamado e que se tenha assegurado de que Deus o está chamando ao ministério convidamos a
aceitar o desafio de seguir nesse maravilhoso caminho, rumo à preparação educacional e à
ordenação na Igreja do Nazareno. Você está unindo-se as fileiras de obreiros que tem dito “eis
me aqui”, frente aos grandes campos que estão prontos para a ceifa.
Entenda a natureza e a estrutura do Corpo de Cristo. A comunidade é o contexto
principal da igreja. Seu propósito de ministério será o de ganhar outras pessoas para
Cristo e integrá-las na vida de igreja. Por esta razão é extremamente importante que você
entenda a natureza e a estrutura do Corpo de Cristo. Esta tarefa envolve várias
dimensões. Cada igreja independente ou que seja parte de uma denominação tem uma
estrutura para preservar e desenvolver a vida espiritual de seus membros. V ocê
necessitará conhecer as estruturas institucionais e politicas da Igreja do Nazareno. Est es
são recursos importantes para seu ministério.
Leia o Manual, parágrafo 100 sobre o "Governo Local". Será conveniente que revise
periodicamente esta seção. Ela descreve as estruturas básicas que uma congregação local utiliza para
funcionar efetivamente para Cristo; inclui as responsabilidades do pastor e da junta da igreja. Primeiro
você deve saber como servir bem como leigo em uma igreja local antes de ter a oportunidade de servir
em outras áreas da estrutura da organização. No momento apropriado, também necessitará ler no
Manual os parágrafos 200 e 300 sobre o “Governo Distrital e o Governo Geral”.
Tão importante como conhecer as estruturas administrativas e institucionais da igreja, é
compreender e aceitar a visão de Deus para a igreja. Se você é ou tem sido membro de uma
igreja saudável, já experimentou alguns elementos chaves da visão de Deus para a igreja.
Deverá dar atenção especial à teologia da igreja em sua preparação para o ministério. Neste
ponto, deve estar consciente de que a igreja é uma instituição divina com uma organização
humana e na realidade teológica. O Novo Testamento apresenta a igreja como o Corpo de
Cristo. A igreja, em 1 Pedro 2:11 se descreve assim: “como estrangeiros e peregrinos”.
Vivemos neste mundo, mas nossa pátria verdadeira é o Reino de Deus.
Informe-se sobre a confirmação de seu chamado e ministério. A Igreja do Nazareno
realça a importância de seus ministros estarem apropriadamente relacionados com ela. Você já
começou este processo ao falar com seu pastor, superintendente distrital, ou professor e ter
recebido este Guia. A igreja desenvolveu um sistema pelo qual sua relação é confirmada em
vários âmbitos. Leia o Manual, parágrafos 529-538.9 sobre "Credenciais e Regulamentos
Ministeriais".
Inscreva-se na Junta de Estudos Ministeriais do Distrito. Estando consciente de
seu chamado você deve pedir a seu pastor que o inscreva na Junta de Estudos Ministeriais do
Distrito. A Junta de Estudos Ministeriais fará saber à Igreja do Nazareno através de suas
instancias (igreja local, distrito e igreja geral) acerca de seu chamado.
12

CAPITULO II

O PREPARO EDUCATIVO

As dimensões do preparo educativo


Possibilidades do preparo educativo
Programas mistos
Limite de tempo
Guia para aprovar os programas educativos
Objetivos gerais do programa de estudos
Conheça os nomes e descrição dos cursos para a ordenação, e faça-os
13

CAPITULO II

527. O PREPARO EDUCATIVO. A Igreja do Nazareno tem sustentado que o chamado


equivale a preparar-se para o ministério. Essa convicção foi a que guiou na fundação
de instituições educativas e nos sistemas acadêmicos. A educação tem um papel
significativo na vida da igreja. O preparo educativo facilita o entendimento do
contexto histórico e contemporâneo no qual o ministro vai servir. A educaçã o
teológica é uma parte essencial do desenvolvimento espiritual e da formação do
caráter. Também provê a riqueza da fé cristã dando ao ministro os recursos que
necessita para servir na salvação da sociedade.
As dimensões do preparo educativo. Há quatro dimensões no preparo educativo dos
ministros (Conteúdo, Competência, Caráter e Contexto). O conteúdo se relaciona com o
“CONHECER” (domínio de um conjunto básico de conhecimentos bíblicos, teológicos e
históricos”. As capacidades têm a ver com o “FAZER” (desenvolvimento de habilidades e
aptidões profissionais para a prática ministerial). O caráter ser refere ao “SER” (desenvolvimento
da qualidade pessoal do ministro com relação ao caráter, ética, espiritualidade e relações
interpessoais e familiares). O contexto se relaciona com o “LOCAL DE MINISTÉRIO” (contexto
no qual serve o ministro; inclui o ambiente social, politico, religioso, cultural e denominacional).
Estas quatro dimensões deverão ser levadas em conta, em maior ou menor profundidade, em
todos os cursos para a ordenação. Recomenda-se que todos os cursos devem ter as quatro
letras “C” como dimensões transversais do processo educativo. Estas dimensões devem ser
refletidas nos sílabos: nos objetivos, na metodologia e no processo de avaliação.
Possibilidades do preparo educativo. A seguir explicamos as possibilidades de preparo
educativo que você tem dentro da Igreja do Nazareno. O requisito mínimo para você ser
recomendado como candidato à ordenação é o término dos 30 cursos mais as três Práticas
Ministeriais supervisionadas assinalados neste Guia de Desenvolvimento Ministerial. Este
preparo educativo poderá ser feito em qualquer uma das instituições teológicas aprovadas por
qualquer uma das diferentes Regiões. Todo programa de um centro educativo de um distrito,
local ou descentralizado que não seja reconhecido por uma das instituições da Região não será
aceito para a ordenação. No caso da Região MAC, o SER* aprovou o Guia de Administração
Regional do ETED como instrumento oficial.

A seguir se apresenta a lista das instituições aprovadas nas diferentes regiões:


Região CAR
Centro Nazareno de Estudios Teológicos, CENET – San Juan, Porto Rico
Seminario Nazareno Dominicano, SND – Santo Domingo, República Dominicana
Seminario Teológico Nazareno Cubano, SETENAC – Havana, Cuba
Região MAC
Seminario Nazareno Mexicano, SENAMEX – México DF, Tecate e Tuxtla Gutiérrez, México
Seminario Teológico Nazareno, STN - Guatemala, Guatemala
Instituto Bíblico Nazareno, IBN – Cobán, Guatemala
Seminario Nazareno de las Américas, SENDAS - San José, Costa Rica
Región SAM
Seminario Teológico Nazareno Sudaméricano, SNTS - Quito, Ecuador
Seminario Teológico Nazareno del Cono Sur, STNCS - Pilar, Argentina
Seminário Teológico Nazareno do Brasil, STNB - Campinas, Brasil
Seminario Teológico Nazareno, STN - Chiclayo, Perú
Instituto Bíblico Nazareno, IBN – Amazonas, Perú
Seminario Nazareno del Área Central, SENAC - La Paz, Bolívia
Seminario Bíblico Nazareno, SBN - Santiago, Chile

*
Subcomitê de Educação Regional (Comitê Consultivo Regional do Programa de Estudos).·.
14

Programas mistos. Qualquer crédito recebido de um programa que outorgue diploma,


bacharelado ou estudos de pós-graduação, se relacionará apenas com a futura graduação do
Programa de Estudos Ministeriais e não com os créditos para obter um diploma ou um grau
acadêmico como um bacharelado, uma licenciatura ou um mestrado. Se uma instituição
educativa reconhece qualquer estudo realizado em outra instituição, a decisão será
estritamente dessa instituição.
Limite de tempo. O Guia Internacional de Desenvolvimento Ministerial aprovado
pelo Comitê Consultivo Internacional para Programa de Estudos (ICOSAC - sigla em
inglês) estabelece que o mínimo de tempo requerido par a cumprir os requisitos
educativos para a ordenação é de três anos de estudos em tempo integral ou seu
equivalente.
Por outro lado, desde a data em que se conceda a primeira licença distrital, o candidato tem
dez anos para completar o programa de estudos, qualquer que seja o provedor educativo que
escolha. (Manual 530.4)
Guia para aprovar os programas educativos. Os Conselhos Consultivos
Regionais (CCR) tem tomado a iniciativa de desenvolver um programa unificado para
as três regiões latino-americanas, que cumpre com os requisitos da educação
ministerial. Os ministérios de Educação Teológica tem apresentado este programa ao
Comitê Consultivo Internacional do Programa de Estudos ( Manual 527.1) para ser
ratificado. Uma vez ratificado, é apresentado à Junta Geral para que seja aceito pela
Junta de Superintendentes Gerais (Manual 527.1). Quando o estudante completa estes
programas, se gradua no Programa de Estudos.
Os Programas de Estudos com os propósitos dos cursos, os resumos e os requisitos de
acordo com os objetivos deverão ser arquivados na instituição de educação teológica com uma
descrição da forma em que se cumpriram os objetivos e como se desenrolaram as habilidades
esperadas no programa de estudos. O Comissionado de Educação e/ou Coordenador Regional
de Educação farão auditorias quando sentirem necessário. Cada instituição responsável
proverá certificados assinados (boletim escolar), com a declaração do progresso do estudante
no programa e fará o mesmo quando ele se graduar (histórico escolar). O estudante então
apresentará o certificado à Junta de Estudos Ministeriais do Distrito (ver anexo na página 41).
528. Objetivos gerais do programa de estudos. Para alcançar as metas da Igreja do Nazareno a
todos os seus ministros se adotou um programa de estudos que dirige sua atenção ao conteúdo,
competência, caráter e contexto. Estes são os objetivos mínimos que devem ser alcançados no
programa ministerial que se escolha, os quais deverão refletir o “ser”, “conhecer” e “fazer”, do
ministro em sua capacitação. Segundo o Manual (527.3), as seguintes categorias descrevem um
programa de estudos validado:

Conteúdo. O conhecimento do conteúdo do Antigo e do Novo Testamento, a teologia da fé cristã e a história e


missão da igreja, é essencial para o ministério. O conhecimento de como interpretar as Escrituras, a doutrina da
santidade e nossos princípios wesleyanos, a história e política da Igreja do Nazareno, deverão ser parte desses
cursos.
Competência. As aptidões na comunicação oral e escrita, na administração e liderança, nas
finanças e no pensamento analítico são também esse nciais para o ministério. Em adição à
educação geral nessas áreas se incluirão cursos que desenvolvam habilidades na pregação, no
cuidado e aconselhamento pastoral, na exegese bíblica, na adoração, no evangelismo ef etivo,
na mordomia bíblica integral, na e ducação cristã e na administração eclesiástica. Para
graduação do curso de estudos se requer um trabalho em sociedade entre a instituição que
provê a educação e a igreja local, de forma que se orientem os estudantes em suas práticas
ministeriais e no desen volvimento de suas capacidades.
Caráter. O crescimento pessoal no caráter, ética, espiritualidade, relações pessoais e familiares é vital para o
ministério. Deverão, pois, ser incluídos cursos referentes às áreas de ética cristã, formação espiritual,
desenvolvimento humano, a pessoa do ministro, a dinâmica do matrimonio e a família.
Contexto. O ministro terá que entender o contexto tanto histórico como contemporâneo, e interpretar a visão
do mundo e o ambiente social da cultura em que a igreja testifica. Deverão ser incluídos cursos referentes à
antropologia e a sociologia, a comunicação transcultural, as missões e os estudos sociais.
15

Espera-se que o ministro nazareno SEJA:


• Cristão: O Espírito Santo tem testificado ao seu coração que Deus o salvou por meio do
sangue de Cristo.
• Santo: Deus o tem santificado por completo pelo batismo com Espírito Santo, o que se reflete
em um caráter ético em todos os seus relacionamentos.
• Amoroso: Ama a Deus com todo o seu coração, alma, mente e força.
• Espiritual: Conhece a Deus e tem uma relação íntima e contínua com Ele. Tem o fruto do
Espírito Santo e o reflete no tratamento com seus semelhantes.
• Sábio: Discernimento, sentido comum e objetividade.
Espera-se que o ministro nazareno CONHEÇA:
• A Bíblia: Tenha um conhecimento amplo das Sagradas Escrituras e dos métodos de interpretação.
• As disciplinas teológicas clássicas: Espiritualidade, teologia cristã armínio-wesleyana,
adoração, ética, missões, educação cristã.
• A herança histórica da Igreja Cristã, da Igreja do Nazareno e o Manual da Igreja do Nazareno.
• Humanidades: Filosofia, psicologia, sociologia, comunicação, história, ética cristã, homilética,
tendências contemporâneas, problemas sociais atuais, instituições beneficentes próximas, situações
políticas do dia a dia.
• Disciplinas relacionais: Liderança, administração, família, dinâmicas interpessoais,
grupais e resoluções de conflitos, administração eclesiástica, leis que regem o contexto
político do entorno do estudante.
Espera-se que o ministro nazareno FAÇA:
• Vida devocional prática e consistente: Disciplinas espirituais (oração, jejum, diário espiri-
tual, leitura bíblica, estudo bíblico, retiros individuais, silêncio, reflexão bíblica, oração
comunitária, mentoreio espiritual, entre outras).
• Missão: Cumprir a Grande Comissão “fazendo” discípulos em todas as nações (Mateus 28:19).
• Prática Ministerial: Ensinar, pregar, servir, os sacramentos, cerimonias eclesiásticas, louvor e
adoração, aconselhamento, sensibilidade às situações cotidianas, hospitalidade, liderança,
administração, planejamento estratégico.
• Capacitação: Equipar os santos para a obra de ministério.
• Desenvolvimento familiar: Consciente e deliberadamente tenha planos para desenvolver a
vida espiritual, social e cultural de sua própria família.
• Mordomia dos recursos: Que o ministro estabeleça um plano de poupança para a velhice e cuidado
da saúde.
• Atualização constante de si mesmo: Acadêmica, cultural e social.
Você deve estudar estes resultados esperados ao iniciar sua preparação ministerial, e
periodicamente durante a mesma. Talvez se desanime quando os avaliar pela primeira vez,
pois é muito que necessita saber, ser e alcançar no ministério. Sem dúvida não se pede que
identifique todos os resultados esperados para desanimá-lo. Pelo contrário, queremos ajuda-lo
a enfocar seus esforços em seu máximo potencial e chegar a ser um servo de Deus excelente.
Será muito útil conhecer os resultados esperados que o ajudarão a estudar melhor. Saberá
onde necessita concentrar seus esforços e melhorar através da vida de serviço a Deus.
Conheça os nomes e descrição dos cursos para a ordenação, e faça-os. Os planos de
cada curso e os módulos (Livro para o estudante e Guia para o Professor) para todo o
programa estão disponíveis através dos ministérios de Coordenação Regional de
Educação Teológica. Esta seção do Guia do Desenvolvimento Ministerial 2009-2012
oferece o nome e a descrição dos cursos requeridos para a ordenação. O requisito das 34
horas presenciais será o mínimo para cada matéria.
Para obter este catálogo completo dos programas de estudo, pode comunicar -se com o
Coordenador Regional de Educação Teológica de sua jurisdição.
16

1. Hermenêutica Bíblica
Compreende o estudo da história, princípios e métodos da interpretação bíblica, considerando
especialmente a relação do interprete frente ao texto bíblico e suas implicações para uma tarefa
hermenêutica contextualizada.
2. Antigo Testamento I
Compreende o estudo introdutório dos aspectos históricos, literários e teológicos do
Pentateuco, Livros Históricos, Livros Poéticos e Livros Sapienciais.
3. Antigo Testamento II
Compreende o estudo introdutório dos aspectos históricos, literários e teológicos dos Livros
Proféticos.
4. Novo Testamento I
Compreende o estudo introdutório dos aspectos históricos, literários e teológicos dos
Evangelhos e Atos dos Apóstolos.
5. Novo Testamento II
Compreende o estudo introdutório dos aspectos históricos literários e teológicos das Epistolas
Paulinas, Epistolas Gerais, Epistolas Joaninas e do Apocalipse.
6. Teologia Sistemática I
Compreende o estudo introdutório da teologia arminio-wesleyana clássica e contemporânea
sobre a mesma teologia, a revelação de Deus especialmente por meio das Escrituras, a doutrina
de Deus em relação a si mesmo e a humanidade que Ele criou.
7. Teologia Sistemática II
Compreende o estudo introdutório da teologia arminio-wesleyana clássica e contemporânea
sobre a doutrina do pecado, da cristologia da salvação e da pneumatologia.
8. Teologia Sistemática III
Compreende o estudo introdutório da teologia arminio-wesleyana clássica e contemporânea
sobre as doutrinas da eclesiologia, o ministério cristão, a ética e a escatologia.
9. Doutrina de Santidade I
Compreende o estudo das bases bíblicas e teológicas da graça de Deus manifesta na
salvação total do ser humano com especial ênfase na Doutrina Wesleyana da inteira
santificação e sua aplicação no ser e no fazer da igreja.
10. Historia Eclesiástica I
Compreende o estudo do desenvolvimento da igreja cristã desde a sua fundação até o
período prévio à Reforma Protestante.
11. História Eclesiástica II
Compreende o estudo do desenvolvimento da igreja cristã desde a Reforma Protestante até nossos
dias.
12. História da Igreja do Nazareno
Compreende o estudo da origem e desenvolvimento da Igreja do Nazareno, especialmente em sua
etapa formativa, provendo as orientações básicas para que o aluno analise e avance em seu
próprio contexto.
13. Educação Cristã I
Compreende o estudo dos fundamentos bíblicos teológicos, históricos e pedagógicos do
ministério de educação da igreja, com o proposito de definir seu marco filosófico. Além disso,
inclui algumas derivações contextuais da tarefa docente da igreja na realidade contemporânea.
14. Comunicação Escrita
Compreende o estudo das ferramentas básicas do idioma (ex.: gramática, redação), para o uso
apropriado na comunicação escrita, por parte do aluno durante sua etapa formativa e no exercício de
seu ministério.
15. Homilética I
Compreende o estudo introdutório na arte da oratória sacra levando em conta os seguintes aspectos: Os
fundamentos teológicos da pregação cristã, as características do mensageiro, o processo de estruturação
e planificação da mensagem e a importância da pregação como ato comunicativo.
17

16. Cuidado e Assessoramento Pastoral


Compreende o estudo do cuidado e assessoramento pastoral em suas dimensões bíblicas,
teológicas, psicoterapêuticas e práticas orientadas à saúde integral e ao desenvolvimento das
pessoas e da congregação.
17. Desenvolvimento Integral da Igreja
Compreende o estudo do desenvolvimento integral da igreja como um organismo saudável e suas
implicações para o cumprimento da missão à luz da Palavra de Deus.
18. Educação Cristã II
Compreende o estudo dos métodos e técnicas de ensino aplicados à tarefa educativa da igreja, em
função dos grupos meta com os quais trabalha e por meio de seus diferentes ministérios.
19. Organização e Política da Igreja do Nazareno
Compreende o estudo da organização e política da Igreja do Nazareno no âmbito local, distrital,
regional e geral, tal como se apresenta no Manual (vigente) da Igreja do Nazareno.
20. Administração e Liderança Cristã
Compreende o estudo dos princípios e habilidades básicas da administração e da liderança, no
marco do ministério cristão e em função do cumprimento da missão da igreja.
21. Bases Bíblicas e Wesleyanas da Adoração
Compreende o estudo dos fundamentos bíblicos, teológicos e culturais da adoração de uma
perspectiva wesleyana e suas implicações para a igreja atual.
22. Identidade Nazarena
Compreende o estudo das características distintivas que configuram a identidade da Igreja do
Nazareno como denominação evangélica no contexto contemporâneo.
23. Ética Ministerial
Compreende o estudo da natureza da ética cristã do ministro em seus aspectos bíblicos,
teológicos e contextuais. Inclui uma derivação especial orientada ao estudo de casos
referentes ao exercício profissional do ministro.
24. Psicologia do Desenvolvimento Humano
Compreende o estudo das diferentes etapas do desenvolvimento da pessoa (área física,
psicológica, intelectual e moral entre outras), dando atenção preferencial às implicações que
estas etapas têm para implementação de um ministério eficiente.
25. Formação Espiritual
Compreende o estudo da formação espiritual a partir da perspectiva wesleyana, enfocando o uso das
disciplinas espirituais, pessoais e grupais, assim como a participação nos meios da graça que
impulsionam ao serviço cristão.
26. Bases Bíblicas e Teológicas da Família
Compreende o estudo das bases bíblicas e teológicas da família com especial ênfase no tratamento da
família ministerial.
27. Introdução à Sociologia
Compreende o estudo dos fundamentos teóricos e metodológicos de analise social como
instrumento para o estudo da realidade da igreja e seu contexto.
28. Seitas e Novos Movimentos Religiosos
Compreende o estudo das seitas e novos movimentos religiosos com maior relevância no contexto atual
e seus desafios para o ministério da igreja cristã.
29. Introdução à Missão Urbana
Compreende o estudo introdutório da cidade a partir de uma perspectiva bíblica, teológica,
sócio antropológica, missiológica e seus desafios para o ministério da igreja no contexto
urbano.
30. Introdução à Missiologia
Compreende o estudo introdutório das bases bíblicas, teológicas, históricas e contextuais da missão e
sua conexão com a vida da igreja em sua projeção no mundo.
18

31. Prática Ministerial Supervisionada I


O estudante do primeiro ano que tenha cursado dez disciplinas ou menos. No princípio
do ano o estudante formalizará um contrato com sua igreja local ou distrito, que
incluirá objetivos específicos, com seu supervisor (pastor/tutor) com os propósitos de:
 Incrementar e desenvolver sua vida espiritual, e
 Fortalecer sua capacidade de comunicar o evangelho de pessoa a pessoa,
especialmente nas áreas de evangelismo pessoal, visitação e discipulado, entre
outras.
Neste nível o estudante deve desempenhar um ministério designado por seu
pastor/tutor no âmbito de sua igreja local. O curso, assim como o contrato, abrange
todo o primeiro ano de estudos. (entende-se que em casos excepcionais de
necessidade local ou distrital, um estudante pode ser nomeado para encarregar-se de
uma igreja ou uma missão sem importar as disciplinas que tenha cumprido. Sem
dúvida, para os propósitos da Obra Prática, a base de avaliação neste nível se fará
nas áreas que correspondem ao número de disciplinas concluídas).

32. Prática Ministerial Supervisionada II


O estudante do segundo ano é o que tem sido aprovado entre onze e vinte disciplinas.
No princípio do ano, o estudante formalizará um contrato com sua igreja ou distrito, que
incluirá objetivos específicos, com seu supervisor (pastor/tutor), mediante novas
responsabilidades com o propósito de:
 Incrementar e desenvolver sua vida espiritual, e
 Fortalecer sua capacidade de comunicar o evangelho em grupos organizados
na igreja.
Neste nível, o estudante deve planejar sua obra prática no âmbito de sua igreja local
ou em uma missão, sob a supervisão de sua igreja local, definindo sua área de
ministério a desenvolver, aprofundando-se nas áreas de pregação, ensino, liturgia e
liderança local (por meio dos departamentos auxiliares da igreja e/ou células) sob a
supervisão de seu pastor/tutor. (aplica-se a mesma exceção citada anteriormente). O
curso, assim como o contrato, engloba todo o segundo ano de estudos.

33. Prática Ministerial Supervisada III


O estudante de terceiro ano pode levar a cabo sua prática, em tarefas próprias de um
pastor. Deve receber o acompanhamento de um pastor/tutor nomeado pelo Coordenador
Distrital ou Superintendente Distrital. (neste caso, o supervisor pode ser um pastor maduro
com ampla experiência, que viva na mesma área ou região, ou o mesmo Superintendente
Distrital, caso viva na mesma área geográfica).
No inicio do ano o estudante deve identificar uma área específica de seu ministério pastoral
na qual se envolverá de maneira especial. Formalizará um contrato com sua igreja local ou
distrito, que incluirá objetivos específicos com seu supervisor (pastor/tutor) com o proposito
de:
 Incrementar e desenvolver sua vida espiritual, e
 Fortalecer seus dons de liderança e cuidado pastoral.
No principio do ano, elaborará e entregará um projeto com objetivos específicos e gerais,
estratégias a seguir, recursos humanos e materiais, orçamento e plano de avaliação.
Depois de haver implementado seu projeto durante o ano letivo, fará uma auto avaliação
trimestral com informações e cópias para seu supervisor/tutor e para o Superintendente
Distrital. O curso, assim como o contrato, abrange todo o ano de estudos.
Quem é pastor, poderá iniciar um processo progressivo em sua congregação, com novos
projetos, como a abertura de uma missão, com a possibilidade de tornar-se uma igreja. No
caso de quem não é pastor, deve envolver-se na abertura de um novo trabalho; neste caso
pode-se realizar uma prática de forma grupal onde várias pessoas estejam envolvidas
neste processo sob a supervisão do tutor.
Nota: A Igreja do Nazareno, baseada no critério de formação de ministros através do
programa de estudos, definirá um perfil de entrada e de saída de cada ministro ordenado.
19

ACRÉSCIMO APROVADO PELA REGIÃO NO PROGRAMA DO GDM PARA SER


MINISTRADO PELO STNB

BLOCO 2: MATÉRIAS COMUNS


PERÍODO
No. ÁREA MATÉRIAS TIPO CRÉDITOS
DURAÇÃO
31 BIBLIA Pentateuco BÁSICO REGULAR 3
32 GENERAL Metodologia da Investigação Teológica BÁSICO REGULAR 3
33 PASTORAL Evangelismo Integral BÁSICO INTENSIVO 3
34 BIBLIA Métodos Exegéticos BÁSICO INTENSIVO 3
35 TEOLOGÍA Doutrina de Santidade II ESTRATÉGICO INTENSIVO 3
36 PASTORAL Bases Bíblicas e Teológicas do Ministerio BÁSICO REGULAR 3
37 BIBLIA Romanos BÁSICO INTENSIVO 3
38 PASTORAL Introdução à Comunicação Cristã BÁSICO REGULAR 3
39 PASTORAL Pastoral e Mundo Contemporâneo BÁSICO INTENSIVO 3
40 BIBLIA Epístolas Pastorais BÁSICO REGULAR 3

BLOCO 3: MATÉRIAS CONTEXTUALIZADAS


PERÍODO
No. ÁREA MATÉRIAS TIPO CRÉDITOS
DURAÇÃO
41 CONTEXTO História da Igreja no Brasil BÁSICO REGULAR 3
42 CONTEXTO História do Movimento Wesleyano BÁSICO REGULAR 3
43 CONTEXTO Homilética II – Pregação Expositiva BÁSICO REGULAR 3
44 CONTEXTO Liturgia BÁSICO REGULAR 3
45 CONTEXTO Sem. de Administração da Igreja do Nazareno BÁSICO REGULAR 3
20

CAPITULO III

AS LICENÇAS E A ORDENAÇÃO

Informe-se do que sucede antes da ordenação


Licença de Ministro Local
Renovação da Licença de Ministro Local
Licença de Ministro Distrital
Renovação da Licença de Ministro Distrital
Inscrição na Junta de Estudos Ministeriais do Distrito
Reuniões com a Junta de Credenciais Ministeriais do Distrito
Aprovação da Assembleia Distrital para a entrega de licenças

Conheça o que é a ordenação


A ordenação e sua importância
A ordenação é um ato que provê autoridade
A ordenação é um ato que confirma
A ordenação é um ato espiritual e teológico
Um enfoque sobre o crescimento pessoal
A ordenação: um privilégio, não um direito
Reconhecimento de credenciais de Presbítero
O culto de ordenação
O que acontece depois da ordenação
21

CAPITULO III

529. AS LICENCAS E A ORDENAÇÃO.


Enquanto você está no processo de preparação ministerial, talvez pense que a vida será muito mais
simples e fácil depois que complete seus estudos. Sem dúvida, em geral a realidade é diferente. A etapa de
estudos formais inclui também a busca de um lugar onde servir e colocar em prática o que se tem aprendido.
Em seguida queremos levar ao seu conhecimento qual é o processo até a ordenação, depois que tenha
iniciado sua carreira ministerial.
529.1. Informe-se do que sucede antes da ordenação.
Enquanto se prepara academicamente, começa também a etapa de “candidato”. Em geral, refere-
se a um tempo de experiência ministerial que o guiará à ordenação como Ministro do Evangelho de
Cristo. Na igreja do Nazareno, descreve-se como “receber licença”. Primeiro de uma igreja local e depois
do distrito.
O Manual estabelece os principais pontos da carreira de candidato. A entrega de licença local de
ministro e a decisão dessa licença é da junta da igreja local sob a recomendação de seu pastor. (Manual
529.1). O segundo passo é a entrega de uma licença de ministro distrital. Esta requer uma
recomendação da Junta de sua igreja local para a Junta de Credenciais do Distrito que vota se
recomenda ou não à Assembleia Distrital (Manual 228,530). Se a Assembleia Distrital aprova a
recomendação da Junta de Credenciais, o passo final é a aprovação do Superintendente Geral na
Assembleia Distrital (Manual 532.3).
Uma parte significativa da etapa de “candidato” é a de descobrir seus dons e virtudes para o
ministério. Da aprendizagem na sala de aula passa-se à experiência prática na igreja.
Assim como o processo educacional requer experiências de avaliação dos professores e dos
sistemas acadêmicos, o tempo de candidatura exige uma avaliação prática de seu ministério na igreja
local e distrital.
Se sua carreira ministerial é semelhante à da maioria, então haverá uma superposição do
processo educativo e do período de candidatura. Se o processo for ideal você receberá sua primeira
licença de ministro local e a primeira licença de ministro distrital enquanto você ainda está no processo
educativo. Sem dúvida, a etapa de candidatura estará em pleno processo quando o ministério formal
começar e sendo responsável ante a igreja local onde ministra e ante a Junta de Credenciais do Distrito.
No processo normal você termina a preparação acadêmica e ministra por três anos em tempo integral
como ministro licenciado distrital. Neste ponto, a Junta de Credenciais Ministeriais do Distrito poderá
considerar se você está pronto ou não para ser ordenado.
Caso sua carreira ministerial não siga o processo apresentado anteriormente, não se sinta só.
Muitas pessoas chamadas ao ministério se encontram em ministério de tempo integral enquanto estão
no processo de completar a carreira acadêmica. Ainda que você esteja numa instituição educacional, ou
seja, Instituto Bíblico, Seminário, Estudos Descentralizados ou Programa de Pós Graduação para sua
preparação acadêmica, é muito importante filiar-se à Junta de Credenciais Ministeriais do distrito e
solicitar credenciais à medida que desenvolve um ministério local ou distrital. As etapas de candidatura
devem ocorrer quando se está no ministério. A forma que você coordena sua preparação acadêmica e
sua candidatura, talvez não seja idêntica a de outra pessoa, sem dúvida, todos os ministros que aspiram
à ordenação na Igreja do Nazareno devem completar a parte acadêmica e o processo de candidatura.
Para tornar mais fácil sua carreira ministerial, trataremos de responder algumas perguntas relacionadas à
mesma e aos passos para alcançá-la.
Dependendo de sua idade, maturidade, dons para o ministério e tarefas que realiza na igreja local, seu
pastor decidirá quando é o momento adequado para recomendá-lo à licença de ministro local. Poderão
se passar vários meses, ou talvez anos, até que o seu pastor o observe e faça perguntas sobre o
entendimento de seu chamado.
Ele ou ela talvez lhe peçam que busque conselho e direção de outros lideres espirituais como parte
do processo de aclarar seu chamado.
22

529.2. Licença de Ministro Local.


Uma vez que seu pastor chegou à conclusão que é apropriado recomendá-lo,
lhe entregará um formulário de solicitação e considerará esta solicitação na próxima
reunião da igreja local. Você necessita preencher a solicitação e devolve-la ao seu
pastor. Logo será convidado para a Reunião da Junta para que apresente seu
testemunho, dando ênfase especial a seu chamado. A Junta talvez lhe faça outras
perguntas. Se você é casado, talvez lhe peçam a seu cônjuge para se apresentar e
responder algumas perguntas. Quase sempre, quando você for entrevistado lhe
pedirão que saia do recinto para discutir e votar se aprovam ou não sua solicitação.
Caso a junta vote em não conceder-lhe a licença de ministro local, você deverá
consultar seu pastor sobre como encontrar a vontade de Deus sobre sua vida no
ministério.
Se a igreja decidir conceder a licença de ministro local, espera-se que seu
pastor lhe entregue a licença em um culto público. Talvez lhe peça que compartilhe
em poucas palavras o testemunho de sua relação com o Senhor e seu chamado ao
ministério. É possível que o pastor peça a vários membros da Junta e da congregação
que se acerquem do altar para impor as mãos sobre você, enquanto um deles ou seu
pastor ora. Se você não tem estado ativo no ministério de sua igreja local, se espera
neste ponto, que se envolva. Seu pastor deve instruí-lo a escrever um compromisso
de escrever o que você espera alcançar em seu desenvolvimento ministerial,
educacional e no ministério de sua igreja local. Você deve fazer uma cópia desse
compromisso neste guia (GDM) e consulta-la periodicamente.
Uma vez que se tenha concedido a licença de ministro local, seu pastor o
inscreverá na Junta de Estudos Ministeriais (Manual 529.4) por meio de uma carta
oficial dirigida ao presidente ou secretário. Você deve prestar atenção imediata aos
estudos designados para um ministro local através do Centro de Estudo
Descentralizado mais próximo ao local de sua residência.
529.3. Renovação da Licença de Ministro Local.
Uma igreja pode conceder uma licença de ministro local por um ano (Manual 529.1),
portanto você necessita solicitar a renovação da licença a cada ano (Manual 529.3).
Durante a entrevista, você deve estar preparado sobre o seu crescimento espiritual, seu
chamado ao ministério, sua participação no ministério e quanto avançou em seu preparo
acadêmico.
Se a igreja local lhe conceder a renovação da licença, o pastor lhe deve enviar
uma cópia com as “instruções para a entrevista da renovação de ministro de licença
local”.
“Os ministros locais realizarão o curso de estudos para ministros sob a direção da Junta de Estudos
Ministeriais do distrito. A licença local não se renovará depois de dois anos sem a aprovação escrita do
Superintendente Distrital se o ministro local não tenha completado satisfatoriamente em pelo menos duas
disciplinas do curso de estudos”. (Manual 529.4)
530. Licença de Ministro Distrital.
Você deverá completar o mínimo de um ano com uma licença de ministro local antes
que o pastor considere recomendá-lo para uma licença distrital (Manual 530.1). Se você
não tem demonstrado progresso suficiente nos dons e competência para o ministério, o
pastor talvez decida recomendá-lo para outra licença de ministro local. Talvez seja
necessário que revise seu compromisso para levar em consideração as observações e
conclusões que seu pastor faça.
Caso seu pastor decida que você já está pronto para uma licença distrital, talvez lhe
peça que escreva umas linhas de reflexão sobre seu crescimento e desenvolvimento
ministerial pessoal, como ministro local. A pauta de recomendação para que você receba
uma licença de ministro distrital será colocada na agenda da Junta da igreja local.
Uma vez mais lhe será solicitado que se apresente perante a Junta da igreja local e
explique a razão pela qual você crê que Deus o está dirigindo a solicitar a licença distrital.
A Junta talvez lhe faça perguntas mais profundas referentes à sua vida espiritual, seu
chamado ou seu entendimento sobre o ministério. Suas respostas e sua atitude serão de
base para a decisão deles.
23

Se a Junta da igreja o recomenda ao distrito para que solicite a licença distrital, seu
pastor deverá dar-lhe uma “Solicitação para Licença Distrital”, e ajudá-lo a verificar
quando você precisa se apresentar à Junta de Estudos Ministeriais e à Junta de
Credenciais Ministeriais do distrito. Caso seu pastor não lhe forneça o formulário e a
informação, você poderá obtê-la com o secretário do distrito (seu pastor e/ou escritório da
igreja local devem ter uma cópia das minutas da Assembleia Distrital que contém os
nomes, endereços e números telefônicos de todo o pessoal do distrito).
Caso a igreja local decida não recomendá-lo para obter uma licença distrital, você
deverá dialogar com seu pastor sobre as razões pelas quais não foi recomendado para
dar este passo. Não deve assumir que a Junta está “contra você”. O ministério na igreja
sempre requer que nos submetamos e que aceitemos o discernimento e avaliação dos
outros. Uma resposta irada ou imatura de sua parte quando a Junta recusa uma licença,
na realidade confirma a sabedoria dela. Todos, de algum modo, e de vez em quando,
recebemos a recusa de uma petição à junta da igreja. Aprender a forma adequada de
responder a uma negativa pode ser de ajuda ainda nesta etapa do ministério.
530.3. Renovação da Licença de Ministro Distrital.
A licença de ministro distrital é concedida anualmente. Você não deve assumir que a
licença será renovada automaticamente a cada ano, mesmo que esteja servindo como pastor. O
processo original para receber a licença deve ser repetido a cada ano (Manual 530.3).
Você necessita apresentar um registro atualizado de seu progresso em seu preparo
educacional à Junta de Estudos Ministeriais do distrito. Depois de receber sua primeira licença de
ministro distrital, você será responsável de completar um mínimo de duas disciplinas por ano para
continuar sendo elegível par a renovação de sua licença distrital (Manual 530.3).
Para renovar sua licença distrital você deve seguir o mesmo procedimento de obter a
primeira licença de ministro distrital. Você deve fazer tudo que esteja ao seu alcance para estar
disponível para uma entrevista por ano com a Junta de Credenciais Ministeriais, mesmo se não
vive na localidade onde está localizado o escritório do distrito. Se o chegar lá lhe é extremamente
difícil, essa Junta tratará de ajudá-lo para conseguir que seja entrevistado. Não se requer que a
Junta de Credenciais o ajude fora da data oficial, porém esta fará todo o possível para ajuda-lo em
seu processo educativo. Algumas instituições educativas da Igreja do Nazareno tem recebido
permissão dos distritos em jurisdição, para que os estudantes sejam entrevistados por um comitê
da faculdade de religião/teologia e/ou pastores da área onde atuam.

Inscrição na Junta de Estudos Ministeriais do Distrito.


Quando você recebe sua primeira licença de ministro local, deverá inscrever-se na Junta de
Estudos Ministeriais do distrito (JEMD). A JEMD lhe proverá direção em sua carreira através do
Guia de Desenvolvimento Ministerial . Durante a sua carreira rumo à ordenação lhe será solicitado
que se apresente na Junta de Estudos Ministeriais para que revise seu progresso no cumprimento
dos estudos ministeriais.
Reuniões com a Junta de Credenciais Ministeriais do Distrito.
Suas reuniões com a Junta de Credenciais Ministeriais do distrito poderão ser os
passos mais importantes na carreira pública até a ordenação. Uma vez que tenha
estabelecido uma data para entrevista com a Junta de Credenciais Ministeriais você deve
fazer todo o esforço para chegar à entrevista. Se necessitar pedir licença em seu trabalho
secular, faça-o. A entrevista é muito importante.
A Junta de Credenciais poderá pedir a seu cônjuge para estar na entrevista para
sua primeira licença distrital. Se a Junta deseja entrevistar seu cônjuge nas reuniões
seguintes para a renovação de licença, faça todo o esforço possível para atender a esse
pedido. O procedimento da entrevista varia segundo cada distrito.
Não importa a estrutura ou horário, você deve estar preparado para as perguntas
do exame cuidadoso da Junta de Credenciais. Eles deverão perguntar-lhe sobre sua vida
espiritual, sobre sua experiência quando foi inteiramente santificado e como apoia as
doutrinas, ensinos e princípios da Igreja do Nazareno.
Perguntarão sobre sua teologia de ministério e como você vê que o seu ministério
está sendo cumprido. Eles necessitarão saber de sua estabilidade financeira, caso tenha
dívidas, se elas poderão limitar os lugares para onde você possa ser designado.
24

Perguntarão sobre seu entendimento acerca da Igreja do Nazareno e de sua disposição


para trabalhar dentro das estruturas da igreja à medida que você cumpra o chamado de
Deus para sua vida. Se você está casado(a), a Junta necessitará examinar a saúde de
seu casamento e qualquer área de problemas em potencial.
Algumas Juntas de Credenciais distritais lhe farão certas perguntas em sua primeira
entrevista anual, e farão outras perguntas diferentes nas entrevistas seguintes. Não se
pode determinar a estrutura particular dos padrões das perguntas. Certas juntas utilizarão
pequenos subcomitês para entrevistá-lo ou a junta integral para conduzir a entrevista.
Eles necessitarão determinar o quanto você lê e seu interesse em aprender. Eles lhe
perguntarão como você responderia a certos problemas que surgem em uma igreja local.
Algumas vezes, os mesmos membros da Junta estão enfrentando esses problemas e
tem pensado profundamente sobre o assunto. A tarefa da Junta de Credenciais é
determinar se você é o tipo de ministro que eles creem que possa unir-se para cumprir a
Grande Comissão e à Declaração de Missão da Igreja do Nazareno. Esta é uma
responsabilidade grande e você deve estar preparado para responder cuidadosa e
seriamente a cada uma destas questões.
Espera-se que a entrevista seja de apoio e o afirme enquanto estiver sendo
avaliado; esse é o propósito. Se o processo parece ser humilhante e está confrontando-o
sem necessidade, deve falar com seu pastor depois da entrevista. Ele ou ela o ajudarão a
desenvolver uma perspectiva do processo.
Caso a Junta decida não recomendá-lo para uma licença distrital, você deve
perguntar a seu pastor as razões dessa decisão. Uma vez mais é uma oportunidade para
seu crescimento. Uma resposta inapropriada só confirma a decisão da Junta de não
recomendá-lo.
530.3. Aprovação da Assembleia Distrital para a entrega de licenças.
Se a Junta de Credenciais Ministeriais recomenda você para receber uma licença distrital, essa
recomendação será encaminhada à Assembleia Distrital para aprovação por meio de votos (Manual
203.4,530.1). Se a Assembleia Distrital votar a favor e recomendar para que você receba a licença, a
decisão final caberá ao Superintendente Geral que preside a Assembleia ou seu encarregado. Sendo
aprovado em cada passo, você receberá uma licença de ministro distrital. Seu pastor talvez queira
entregar-lhe esta licença em um culto público de sua igreja local, para que os membros da congregação
se alegrem com você nesse passo em seu caminho para a ordenação.
532. Conheça o que é a ordenação.
A carreira ministerial pela candidatura leva você até a ordenação, ou seja, ao
presbitério ou ao diaconato. A ordenação é o ato em que a igreja autentica, autoriza,
reconhece e confirma o chamado de Deus à liderança ministerial como mordomos de
pessoas que proclamam o evangelho e a igreja de Jesus Cristo.
A ordenação e sua importância.
É importante entender que Deus chama e a igreja ordena. A igreja não pretende ter o
direito de chamar pessoas ao ministério. Esta é a tarefa de Deus e do Espírito Santo. Se você
não tem em sua vida o testemunho do chamado de Deus ao ministério, a igreja não o
ordenará.
Por outro lado, algumas pessoas falam do chamado de Deus à sua vida, mas não
demonstram os dons e virtudes necessários para o ministério. Nestes casos, a igreja deve
trabalhar com a pessoa que sente o chamado, para aclarar o entendimento que tem de Deus e
do seu chamado, e pode aceitar no ministério e dar à pessoa toda a oportunidade que o
chamado é genuíno. Sem dúvida, a igreja não pode aceitar no ministério uma pessoa cuja vida
não apresenta as qualidades e a percepção do ministério autêntico, não importa quão
sinceramente o candidato fale do chamado de Deus. Portanto, a ordenação está no final da
autenticação do processo do chamado de uma pessoa.
Este processo às vezes pode ser difícil. Sem dúvida, a igreja reconhece humildemente
de que qualquer dificuldade que suceda durante a caminho é menos dolorosa do que se
acontecesse sem esse processo de autenticação. O dano que recebem os ministros e as
igrejas quando não se tem os dons e virtudes ainda é mais doloroso. Cremos que Deus
desenhou o processo de ordenação para proteger a igreja e os indivíduos da profunda dor da
falta de qualidade de liderança para o ministério. Se você acha que parte deste processo é
25

difícil, saiba que as dificuldades são parte da forma com que Deus o protege de problemas que
possam suceder no futuro ministério.
532.1. A ordenação é um ato que provê autoridade.
Por meio da ordenação, a igreja coloca o selo de aprovação em você como ministro. O
culto de ordenação em si mesmo, da testemunho à igreja universal e ao mundo em geral, de
que você é verdadeiramente um homem ou uma mulher de Deus, que você tem os dons e as
virtudes para o ministério público, que você tem uma sede de conhecimento, em especial da
Palavra de Deus e que você pode comunicar claramente a sã doutrina do evangelho. Para
que a igreja possa dar tais declarações sobre você, a igreja deve indagar e observá-lo em
situações normais e de estresse. O propósito disto não é para menosprezá-lo, e sim como a
frase bíblica diz “prová-lo pelo fogo”.
A Bíblia ensina que é por este meio que você prova o seu caráter e pureza. A
ordenação confirma que você está qualificado para caminhar com outros através do vale da
sombra da morte, e para segurar a mão deles e a mão de Deus, na sua.
A ordenação é um ato que confirma.
A ordenação também é um ato de confirmação da igreja. Antes do culto público de
ordenação, a igreja está avaliando você e seu potencial para o ministério. As juntas locais
consideram se sua participação e testemunho são razoáveis para conceder-lhe uma licença
de ministro local. A mesma junta considerará depois se você é digno de ser recomendado
para a licença distrital. A junta local e a junta de credenciais do distrito irão observá-lo
cuidadosamente para determinar se sua licença distrital deve ser renovada a cada ano.
Quando se torna evidente que todos os requisitos para a ordenação tenham sido cumpridos,
a junta de credenciais ministeriais irá recomendá-lo à Assembleia Distrital.
A Assembleia Distrital votará se apresenta ou não o seu nome ao Superintendente
Geral que preside a Assembleia Distrital. Este como representante da Igreja do Nazareno
Internacional dará a palavra final se você deve ou não ser ordenado. Se a decisão for
positiva, o Superintendente Geral lhe imporá as mãos, você estará rodeado de ministros
ordenados e, na presença da Assembleia Distrital você será separado como mordomo e
proclamador do evangelho. A ordenação é verdadeiramente um ato de toda a igreja.
532.3. A ordenação é u m ato es pí ri t u a l e teológico.
A ordenação também é um ato espiritual e teológico da igreja. Isto é mais que receber um
certificado de ministro. É mais do que passar em exames de qualificação para uma profissão. É um
reconhecimento da igreja, do chamado de Deus e de que você tem os dons necessários para
liderança ministerial na igreja.
A igreja afirma o sacerdócio universal e o ministério de todos os crentes. A ordenação é o
reconhecimento do chamado de Deus para certos indivíduos à liderança ministerial. A ordenação
não concede um estado especial ou privilegiado, exceto no sentido do serviço que presta ao corpo
de Cristo. Jesus ensinou que “o que deseja ser o primeiro entre vós seja vosso servo”.
Por esta razão, a ordenação reconhece e confirma o chamado de Deus à liderança como
mordomos do evangelho. A escritura ensina que em Cristo não há escravo nem livre, nem judeu
nem grego, homem ou mulher, mas sim que todos são um em Cristo, por isso a Igreja do
Nazareno ordena as pessoas sem considerar seu estado econômico, sua nacionalidade ou raça
ou seu gênero. O grupo de pessoas que se ordena com você pode consistir de candidatos de
varias raças, nascidos em diferentes países, incluindo tanto homens como mulheres. O assunto
principal é o testemunho do chamado de Deus e a demonstração na vida da igreja, dos dons e
virtudes para liderança ministerial.
Uma vez que a etapa da candidatura demande um grande investimento de sua energia e
recursos, a igreja trata de determinar o mais cedo possível, se há alguns impedimentos que
possam impedir que você cumpra com êxito a candidatura. Por esta razão, a igreja indagará
cuidadosamente qualquer atividade pecaminosa, má conduta sexual, divórcio, dívida ou outros
problemas significativos na história de sua vida.
Mesmo que você pense que certas perguntas são dolorosas, é melhor determinar o impacto
desses assuntos em sua vida, no inicio do processo para a ordenação, do que anos depois de sua
preparação para a candidatura.
26

Um enfoque sobre o crescimento pessoal


Havendo um impedimento potencial para que você seja ordenado, tal como um divórcio
ou uma condenação legal, o assunto deve ser tratado primeiro na entrevista da Junta de
Credenciais Ministeriais. Seu pastor deve informar o Superintendente Distrital ou o Secretário do
distrito quanto aos assuntos que precisam ser tratados com você. Sem dúvida, se o pastor não
fala desses assuntos com ele, você deve dar essa informação ao Superintendente Distrital para
esclarecer o assunto ante a Junta de Credenciais Ministeriais do distrito e, em alguns casos, ante
a Junta de Superintendentes Gerais.
Uma vez que você esteja no ministério de tempo integral ou parcial, você necessita ter um
mentor e ser responsável diante de alguém, para aprender os aspectos práticos do ministério.
Caso seu distrito não designe um mentor pastoral/espiritual ou um comitê, você deve
buscar um mentor notificando ao seu Superintendente Distrital. O melhor seria que houvesse um
grupo de três pessoas que se reunissem com você pelo menos a cada três meses e um deles,
que o chamasse por telefone uma vez por semana. Seria de grande valia se pelo menos uma
das pessoas fosse membro da Junta de Credenciais Ministeriais do distrito, que entendesse
sobre o desenvolvimento pessoal e a formação necessária durante esta parte do seu ministério.
Você deve encorajar os membros de seu comitê de mentores para que o visitem, sem convite
prévio na igreja onde você está servindo, durante os cultos e em outros momentos.
Desenvolva um tipo de compromisso por meio do qual você receba a avaliação e mostre
que tem sido responsável ante eles. Eles podem ser seus mentores aliados para ajudá-los a ser
o ministro que Deus quer que você seja.
530.4. A ordenação: Um privilégio, não um direito.
A Igreja do Nazareno tem certos requisitos de preparação acadêmica (antes
descritos) e de experiência ministerial, antes que uma pessoa possa ser ordenada (Manual
527). O período de ministério em tempo integral varia de dois a quatro anos segundo o tipo
de ministério que você exerça. O fato de completar a educação mínima requerida e o
tempo de experiência ministerial, não qualifica automaticamente uma pessoa para a
ordenação. A tarefa da Junta de Credenciais Ministeriais do distrito é determinar quando
você está pronto para ser entrevistado, com a possibilidade de ser recomendado para a
ordenação. Esta junta utilizará diversos métodos para chegar a esta conclusão.
As observações pessoais que a junta faz sobre você, os relatos de sua
congregação e de seu superintendente distrital são algumas das formas em que buscarão
informações que os ajudarão, a saber, se é tempo de convidá-lo a uma entrevista para a
ordenação.
Seja prudente. Não anuncie publicamente que cumpriu os requisitos, quando sua
solicitação ainda está em processo. Espere a comunicação oficial da Junta de Credenciais
de que é candidato ao culto de ordenação.
Você não necessita inquietar-se à medida que se aproxima o tempo para
ordenação. Você não receberá benefícios financeiros, mas aumentarão suas
oportunidades para o ministério quando for apresentado como alguém ordenado e não
como um ministro licenciado de seu distrito. Uma vez que a ordenação é para toda a vida,
a igreja, representada pela Junta de Credenciais Ministeriais do distrito, e você vão querer
estar seguros de que todos os assuntos espirituais, teológicos e pessoais estejam
completamente resolvidos antes da ordenação.
Nota: não é competência das instituições teológicas determinar se um candidato está
pronto ou não para ser ordenado. Tal atribuição é da Junta de Credenciais do distrito. As
instituições de educação teológica são as que proveem apenas a preparação acadêmica
para a ordenação, e informam que esse requisito foi cumprido pelo candidato.
É importante entender que este é um processo deliberado. A desilusão de esperar
outro ano para ser ordenado e/ou a dor de receber uma vez mais a renovação de licença
distrital são menos dolorosos do que ter que entregar sua credencial de ordenação por
alguma razão.
O processo cuidadoso e deliberado é importante para livrar você e a igreja do dano
que acompanha o fracasso no ministério. É por esta razão que se deve seguir o ensino das
escrituras em 1 Timóteo 5.22: “a ninguém imponha as mãos precipitadamente”. A versão
inglesa MRSV diz: “não ordene a ninguém às pressas”.
27

Quando a Junta de Credenciais do distrito reconhece que você está pronto para ser
entrevistado para a ordenação, você será convidado. Em geral, eles lhe fornecem a data
da entrevista varias semanas antes da Assembleia Distrital para que os membros de sua
família tenham tempo para fazer planos de assistir à sua ordenação, se você for aprovado.
Sendo casado(a) é muito importante que seu cônjuge assista a esta entrevista. A entrevista
é similar às entrevistas para obter ou renovar a licença distrital, exceto que esta entrevista
será mais intensa. Em geral, toda a Junta de Credenciais do distrito, ou um comitê mais
amplo participará da entrevista. Farão perguntas relacionadas à sua vida pessoal e familiar,
seu ministério e sua experiência ministerial, sua capacidade profissional, sua vida espiritual
e seu crescimento. A Junta de Credenciais deve ter completa certeza de que você está
qualificado e pronto para ser ordenado antes da ordenação. Espera-se que você possa
sentir o amor dos membros da Junta de Credenciais e a preocupação por você e pela
igreja durante a entrevista. Eles tem uma grande responsabilidade por você e pela igreja na
decisão que logo tomarão. Na verdade, se você está pronto para a ordenação, você
começará a sentir-se colega deles no cuidado da igreja.
Depois da entrevista, pedirão que você saia da sala e a Junta de Credenciais
tomará a decisão de recomendá-lo ou não à Assembleia Distrital e ao Superintendente
Geral. Em geral, você será notificado da decisão no mesmo dia.
533. Reconhecimento de credenciais de Presbítero.
Os ministros ordenados de outras denominações evangélicas, que desejam unir-se à Igreja
do Nazareno podem fazê-lo cumprindo todos os requisitos para a ordenação expressos no
Manual (533, 225, 527-533). A Junta de Credenciais do distrito também examinará a conduta, a
experiência pessoal e a doutrina das pessoas que desejam ter suas credenciais reconhecidas. É
necessário que cursem as dez disciplinas estratégicas do programa de estudos: Teologia I,
Teologia II e Teologia III, História da Igreja do Nazareno, Doutrina de Santidade I, Doutrina de
Santidade II, Formação Espiritual, Bases Bíblicas Wesleyanas de Adoração, Identidade
Nazarena e Politica e Organização da Igreja do Nazareno. Estes disciplinas deverão ser
realizadas em uma instituição de educação teológica residencial ou descentralizada.
O culto de ordenação.
O culto de ordenação é um momento importante de sua vida e do seu ministério. Procure
registrar as passagens significativas da Bíblia e os comentários que se fizeram durante e depois
do sermão de ordenação. É importante reconhecer as pessoas que foram instrumentos de Deus
desde o seu chamado ao ministério até este importante momento de sua vida em que você é
ordenado como Ministro Ordenado na Igreja do Nazareno.
O que acontece depois da ordenação.
Este processo de candidatura é tão intenso, e toma tanto tempo, que parece que
nunca termina. Às vezes pode haver um sentimento de desanimo depois da ordenação.
Também haverá a tentação de assumir que a parte mais já difícil ficou para trás.
Uma vez que a ordenação é uma ação para toda a vida, você não terá mais que
preencher formulários para renovar sua licença. Sem dúvida, isto não significa que você
pode avançar através do ministério sem ser avaliado, e nem ter que responder perante
alguém. Se você foi digno de ser ordenado, a igreja espera que você demonstre agora
sua liderança na igreja.
Em seu desenvolvimento ministerial você deverá edificar uma estrutura para ser
responsável perante alguém e também para sua auto avaliação. Talvez queira pertencer
a um grupo de formação espiritual perante o qual você poderá responder. Você
continuará lendo e estudando sobre a fé que proclama. Cumprindo seu ministério
fielmente talvez você seja convidado a ser mentor de um candidato, ou um membro da
Junta de Estudos Ministeriais ou Junta de Credenciais Ministeriais do distrito. Você terá
grande oportunidade de compartilhar o que aprendeu eu sua carreira de candidatura com
outros que vem atrás de você. Que eles o encontrem fiel!
28

CAPITULO IV

APRENDIZAGEM CONTÍNUA

Conheça o propósito primário da aprendizagem contínua


Desenvolva um plano de estudos para toda a vida
Informe-se de ajudas para a aprendizagem contínua
Envolva-se em programas e cursos que ajudem em seu plano de estudos
Informe-se sobre sua aprendizagem contínua
Continue até chegar ao topo
Quadro de aprendizagem contínua – programa de quatro anos
29

CAPITULO IV

527. APRENDIZAGEM CONTÍNUA.

Você alcançou uma parte muito importante de sua carreira ministerial. Na última
Assembleia Distrital se celebrou uma das maiores conquistas de seu ministério: sua ordenação.
Você cumpriu os requisitos acadêmicos e práticos e recebeu o certificado oficial da
ordenação.
Já é um ministro ordenado! Finalmente alcançou esta meta!
Talvez você pensa que chegou ao final de sua carreira e que não necessitará de estudos
ou de ser responsável perante alguém. Ou talvez conheça outros ministros que lhe tenham dito
algo semelhante. Sem dúvida, Deus e a igreja tem um caminho mais excelente!
Você é chamado a uma aprendizagem contínua!
A excelência ministerial a qual Deus nos tem chamado requer uma vida de estudos e
aprendizagem. Mesmo que a Bíblia permaneça constante, os métodos para entendê-la e
comunicá-la estão constantemente mudando. A teologia da igreja dia a dia encontra novas
formas de expressão para suprir as necessidades de uma cultura em transição. O conhecimento
prático do ministério sempre está se desenvolvendo.
Uma pessoa nunca chegará a aprender o suficiente sobre o ser humano e suas
necessidades. Para ser um bom mordomo do ministério ao qual Deus o tem chamado, você
necessitará de uma aprendizagem por toda a vida.
A ordenação é uma credencial para toda a vida. Está baseada em verdades espirituais e
teológicas que a fazem diferente das suposições que estão incluídas em credenciais de outras
profissões. Na integridade espiritual, mais que na aquisição de conhecimentos, está o coração
da ordenação. Portanto, diferente das credenciais de outras profissões, de você não se requer
que tome certo numero de cursos por ano para que a credencial de ministro ordenado lhe seja
renovado. Sem dúvida, parando de estudar você diminuirá sua integridade espiritual e o
conhecimento que é somado à tarefa do ministério.
Ao reconhecer estas verdades, a Igreja do Nazareno entende que o ministério inclui um
processo de aprendizagem contínua. O Manual (527.6) declara que: “um ministro, havendo
cumprido os requisitos de um programa de estudos validado para um ministério. Manterá um
padrão de aprendizagem contínua que ressalte o ministério para o qual Deus o tem chamado.
Uma expectativa mínima consiste em 20 horas por ano . . . todos os ministros licenciados e
ordenados, com ou sem designação, deverão informar seu progresso em um programa de
aprendizagem contínua como parte de seu relato à Assembleia Distrital. Um relatório atualizado
de seu programa de aprendizagem contínua será usado no processo de revisão da relação da
igreja com o pastor e no processo de chamado de um pastor”. (vide anexo na pág. 37).
É claro que a Igreja do Nazareno entende que a aprendizagem contínua é parte da
mordomia espiritual e profissional de seus ministros ordenados. É por isso que o mesmo
parágrafo (Manual 527.6) indica que o relatório atualizado de seu programa de aprendizagem
contínua será requerido no processo de revisão da relação pastoral e quando for objeto de uma
nova designação pastoral.
O amor por aqueles que ministramos demanda que melhoremos em conhecimento,
habilidades e práticas. Amamos nossos irmãos e irmãs no ministério de tal maneira que
desejamos que eles e nós mesmos ministremos a partir de uma perspectiva integral, de amor,
significado e plenitude.
Aprendizagem contínua nos oferece a oportunidade de ajudarmos a nós mesmos e
àqueles que ministram conosco com energia e efetividade. Uma vez que nossa tarefa é ser uma
igreja missionária a aprendizagem contínua é algo de suma importância para a vida dos
ministros. Não podemos assumir que nosso ministério está dentro de nações cristãs. Então o
ministro deve ser luz do evangelho para todos.
Os padrões em transformação da cultura requerem que nos atualizemos tanto no
conhecimento como nas habilidades ministeriais se desejamos estabelecer o reino de Deus na
terra. A mesma natureza da missão da igreja chama a uma aprendizagem contínua.
30

Nas conferências “A Preparação do Corpo Ministerial para o Século XXI” que aconteceram
em Breckenridge, Colorado, Estados Unidos, a igreja afirmou a importância de “conhecer, fazer
e ser” como os planos essenciais nos quais a competência no ministério deve nutrir-se. Seu
desenvolvimento como adulto, que está passando através de etapas de mudança, significa que
diferentes assuntos impactarão você e sua obra, e seu conhecimento à medida que progride em
seu ministério. Isto significa que você desejará planejar cuidadosamente sua estratégia de
aprendizagem contínua para os assuntos sobre “conhecer, ser e fazer”, incluindo as dimensões
de conteúdo, competência, caráter e contexto.
As tarefas dos cursos e das unidades de educação contínua (UEC) nos provêm os
recursos e a responsabilidades ante outros, de caráter e assuntos do “ser” na vida. Sem dúvida,
como parte de sua aprendizagem contínua, você desejará dar atenção especial ao processo
contínuo de guardar sua vida espiritual através de seu ministério. A aprendizagem contínua lhe
proverá recursos; sem dúvida, você deve tomar a iniciativa de não abandonar o cuidado de sua
vida espiritual enquanto se preocupa com a vida dos outros.

527.1. Conheça o propósito primário da aprendizagem contínua.


O propósito primário em um programa de aprendizagem contínua é o crescimento
contínuo e o ministério eficaz. Este tem vários aspectos:
1. Permite a você atualizar-se em um ambiente em transformações contínuas, não
atualizar-se em um mundo em mudanças significa que o ministro chega a ser
irrelevante no contexto em que ministra.
2. Ajuda a você a equipar-se para o futuro. Um bom planejamento não só enfoca a
situação atual, mas também faz desafios para o futuro.
3. Facilita você crescer em conhecimento e prática. É a oportunidade de aumentar e
desenvolver seu entendimento para ser mais eficaz em seu ministério atual.
4. Oferece a você a possibilidade de concluir estudos em outras áreas. Para alguns é a
oportunidade de concluir, por exemplo, a educação secundária, ou talvez continuar
com uma licenciatura ou mestrado. O assunto chave é: “o que me ajuda a ser um
melhor ministro do evangelho do Senhor Jesus Cristo?”.
5. Dá a você a oportunidade de crescer nas habilidades ministeriais. Quando os ministros
crescem em suas habilidades, todos ganham: O ministro, o distrito, a igreja local, a
área, a região e o Reino de Deus. Com a variedade de responsabilidades e desafios, a
igreja necessita de líderes competentes.

527.2. Desenvolva um plano de estudos para toda a vida.


Como ministro ordenado e profissional, a igreja espera que você continue preparando-se em um
programa de aprendizagem constante, para o desenvolvimento de suas necessidades profissionais.
Você terá uma variedade de oportunidades de aprendizagem à sua disposição. Sem dúvida deve ser
sua visão e força para melhorar a mordomia de seu ministério que dará forma a seu programa.
Pela Consulta Breackenridge sobre “A Preparação do Corpo Ministerial para o Século XXI”, a
igreja recomenda que você inclua uma aprendizagem de vida contínua nas dimensões de conteúdo,
competência, caráter e contexto a cada quatro anos. A forma como você organizará e adquirirá essa
rotatividade está em suas mãos e em sua visão para o ministério que Deus lhe tem confiado. Sem
dúvida, seria enganar-se a si mesmo planejar uma aprendizagem contínua que apenas enfoque uma
ou duas áreas do plano de estudos. Aprendizagem contínua revela que a ordenação não é o topo da
montanha, mas sim, que ordenação é o acampamento base. O exame de suas necessidades e seu
progresso na aprendizagem contínua a cada quatro anos lhe servirão como refúgio o acampamento
base à medida que você sobe rumo ao topo da montanha ministerial.
Você deverá desenvolver um quadro de quatro anos para registrar sua aprendizagem contínua no
desenvolvimento e descobrimento de seu ministério. Este lhe proverá uma visão panorâmica de seu
progresso. Seu distrito, instituições educacionais da Igreja do Nazareno em seu país ou área lhe
proverão oportunidades para desenvolver um programa de aprendizagem por toda a vida.
O conceito de uma unidade de educação contínua (UEC) corresponde a dez horas/aula em uma
instituição responsável que providencie para esta disciplina uma pessoa responsável e capacitada.
31

Se a experiência de aprendizagem contínua visa alcançar o máximo de benefício, você deve


buscar oportunidades que não só incluam o tempo de aula, mas também, as designações de leituras e
trabalhos escritos.
527.6. Informe-se de ajudas para aprendizagem contínua.
Há uma variedade de ajudas para a aprendizagem contínua que podem prover apoio para
alcançar as expectativas do Manual 527.6 [duas unidades de educação contínua (UEC) equivalem há
vinte horas relógio de aprendizagem a cada ano].
Você pode fazer um curso ou vários que outorgam créditos em uma universidade ou instituição
educacional ou em um programa de estudos teológicos descentralizados. Caso esteja a seu alcance,
você pode utilizar os meios massivo de comunicação modernos como o vídeo ou a internet. Muitas
agencias governamentais, empresas e instituições locais fornecem cursos que podem equivaler aos
créditos da UEC (você deve consultar a Junta de Credenciais Ministeriais antes de fazer estes cursos
para saber se são qualificados como UEC).
Sua Junta de Estudos Ministeriais tem a responsabilidade de providenciar-lhe a aprendizagem
contínua caso não haja oportunidades disponíveis na área onde você vive.
Você deve aproveitar as oportunidades anunciadas na Junta de Estudos Ministeriais para a
aprendizagem contínua. Elas serão um bom recurso para você. Uma vez mais incentivamos a
aproveitar as oportunidades fornecidas pelos meios massivos. Em ultima instancia, você é
responsável por encontrar e registrar na Junta de Credenciais Ministeriais seu progresso na área de
aprendizagem contínua.

528. Envolva-se em programas e cursos que ajudem em seu plano de estudos.


Os programas de aprendizagem contínua podem ser desenvolvidos pelo distrito ou igreja
local, instituições educacionais ou em programas descentralizados. A Junta de Estudos
Ministeriais do distrito será responsável por determinar o numero de créditos que podem dar e
por manter um arquivo desses créditos. Você como ministro dever ser informado de todos
esses cursos programas. (527.1 – 5)

As instancias respectivas devem seguir os seguintes passos para estabelecer um


programa:
1. Determinar a necessidade.
Um questionário ou avaliações de um distrito ou Junta Nacional dos
Superintendentes podem ajudar a determinar as necessidades dos ministros de uma
determinada área. É importante saber se há um número significativo de pessoas em um país ou
área, com as mesmas necessidades para que possam aproveitar os recursos. Sendo poucos os
que têm a necessidade, é preciso buscar uma solução, talvez com a participação de um tutor. Se
um curso específico é oferecido em uma instituição pública ou outra não nazarena, pode ser
avalizado pela Junta de Estudos Ministeriais do distrito para que receba os créditos pela Igreja
do Nazareno. Você como ministro que está em aprendizagem contínua, deverá informar-se dos
cursos e programas oferecidos, para que se envolva nos mesmos.
2. Buscar os recursos necessários.
Para os cursos, serão necessários livros, vídeos, guias de estudos, centros de
extensão, oficinas que serão oferecidos através dos distritos e dos seminários. Cada distrito
deverá dispor destes recursos ou ter convênios com instituições irmãs, dentro e fora da
denominação, para facilitar o estudo dos ministros.
Incentivamos você que está no plano de estudos de “aprendizagem contínua” para
que aproveite todos os recursos que tenha à sua disposição.
3. Oferecer os cursos estrategicamente.
A maneira mais econômica e eficaz para oferecer cursos, oficinas ou programas
de estudos é incluindo-os numa conferência ou assembleia onde se terá uma boa representação
de pastores e líderes. Os seminários também podem oferecer conferencias ou programas
intensivos com um enfoque de ajuda aos pastores e lideres em seu ministério. Qualquer curso
que se ofereça em um seminário ou centro de estudos teológicos descentralizados poderá ser
considerado como crédito se o aluno não tiver feito o mesmo recentemente. Além do menciona-
32

do, você tem uma quantidade de cursos novos neste Guia que podem ajudá-lo muito em seu
ministério.
Informe-se sobre sua aprendizagem contínua.

O Manual (527.6) declara que você deve informar sobre sua “aprendizagem contínua” em seu
relatório anual à Assembleia Distrital. Seu distrito, baseado no Guia de Desenvolvimento Ministerial
providenciará os formulários apropriados para isso.
A responsabilidade de registrar, arquivar e informar a aprendizagem contínua recai sobre a Junta
de Estudos Ministeriais, incluindo as Unidades de Educação Contínua (UEC). Assegure-se sempre de
que as instituições nas quais você faz as UEC estejam aprovadas pela Junta de Estudos Ministeriais
do distrito.

Continue até chegar ao topo.

Nessa carreira, assim como ao escalar uma montanha, para a aprendizagem contínua deve-se
considerar que nunca se chega ao topo ou à meta de um conhecimento completo nesta vida. Alguns
ministros anciãos que você admira e ama, ainda estão estudando e aprendendo mesmo durante sua
aposentadoria.
Eles representam a visão da aprendizagem contínua para todos os ministros da Igreja do Nazareno.
Nossa esperança é que ainda durante o tempo de aposentadoria você continue crescendo e aprendendo
mais sobre a vida, o ministério e o evangelho de Cristo. Quando finalmente nos graduarmos desta vida e
nos sentarmos aos pés de nosso Mestre e Senhor para toda a eternidade, a transição será mais fácil
quanto mais tenhamos aprendido.
Até lá, alegre-se por sua carreira de aprendizagem continua! Você tem companheiros no seu
caminho.
33

QUADRO DE APRENDIZAGEM CONTÍNUA - PROGRAMA DE 4 ANOS

Proposta

AREA CURSO CURSOS OPCIONAIS

SAÚDE
PASTORAL
1º Ano INTEGRAL DO
Pastoral MINISTRO
PREGAÇÃO PASSAGENS DE
BIBLIA
NARRATIVA DIFICIL
INTERPRETAÇÃO
DOUTRINA,
TEOLOGIA IDENTIDADE
2º Ano E VALORES
Teologia
ASPECTOS LEGAIS CONTABILIDADE
GERAL
DO MINISTÉRIO PARA PASTORES

APOSTOLADO
BIBLIA
E PROFECIA
3º Ano
Bíblia
MEDIAÇÃO E
VIOLÊNCIA
PASTORAL RESOLUÇÃO
INTRA-
DE CONFLITOS
FAMILIAR

COMO
PRESIDIR
GERAL
JUNTAS E
REUNIÕES
4º Ano
ANUAIS
Geral
ACONSELHAMENTO
SEXUALIDADE ESPECIALIZADO EM
PASTORAL
E MINISTERIO ADOLESCENTES E
JOVENS
34

CAPITULO V

APÊNDICES

A Junta de Estudos Ministeriais do Distrito


Responsabilidades dos membros da Junta de Credenciais
Formulário de Programa de Estudos Ministeriais
Equivalências do Programa de Estudos do GDM e
do Mestrado em Ciências da Religião Inter-regional
Procedimento para renovação de licenças
Procedimentos para a Ordenação
Glossário
35

A JUNTA DE ESTUDOS MINISTERIAIS DO DISTRITO

As responsabilidades da Junta de estudos Ministeriais do distrito são:


1. Facilitar a comunicação entre a instituição religiosa que provê o preparo acadêmico e o
candidato.
2. Supervisionar o candidato que tenha expressado um chamado ao ministério, no
desenvolvimento de seus estudos.
3. Avaliar o progresso do candidato a cada ano e informar a Assembleia Distrital.
4. Assegurar que o candidato completou os 30 cursos (90 créditos) mais as três Práticas
Ministeriais Supervisionadas requeridas para a ordenação com o Histórico Escolar oficial da
instituição teológica correspondente.
5. Designar mentores para acompanhar os candidatos em seu preparo ministerial.
6. Prover direção para aprendizagem contínua aos que tenham terminado seus programas
acadêmicos formais.
Requisitos para ser membro da Junta de Estudos Ministeriais do distrito. Um resumo
dos deveres da Junta de Estudos Ministeriais do distrito se encontra no Manual (230.1-
231.4).
Requisito. Ao selecionar os candidatos para esta Junta, deve-se assegurar que seja
composta de ministros maduros. Devem ter a formação necessária para assumir a
responsabilidade de educadores. Devem apresentar altos padrões de ministério e ser modelos
destes padrões. É essencial que estejam dispostos a manter um interesse contínuo e pessoal no
avanço educacional dos candidatos. Além disso, devem ser fiéis à sua igreja, crer em seu
governo e ministrar com alegria dentro de sua estrutura.
É de especial importância para o êxito da junta, arquivar meticulosamente as informações e
responder às correspondências com prontidão e eficiência. Quem for eleito como secretário desta
junta deve ser detalhista e estar disposto há dedicar o tempo necessário para cumprir suas
tarefas.
Deveres do Presidente. Os deveres do Presidente da Junta de Estudos Ministeriais do
distrito são:
1. Familiarizar-se com o Manual vigente e com o Guia de Desenvolvimento Ministerial. O
Guia é uma extensão oficial do Manual que esboça o plano de estudos e os processos
administrativos (Manual, 527.3-5).
2. Fazer acordos com o Superintendente Distrital para estabelecer um orçamento que
cubra os gastos da Junta.
3. Assegurar-se que cada membro da Junta tenha cópia do Guia de Desenvolvimento
Ministerial e os Guias de Estudo apropriados.
4. Trabalhar com o secretário de sua junta para preparar o formulário para o Livro de Atas
do distrito.
5. Designar mentores para os candidatos inscritos. Se possível, os mentores devem
ajudar os mesmos candidatos durante todos os níveis do programa de estudos.
Deveres do Secretário. Os deveres do secretário são:
1. Conseguir, manter e arquivar os documentos de todos os candidatos incluindo atas e
ações prévias da junta e os arquivos dos cursos de cada candidato inscrito.
2. Obter materiais, formulários diversos, histórico dos cursos, formas de inscrição, uma
cópia do manual vigente, o Guia de Desenvolvimento Ministerial, Guias de Estudo e os
formulários de administração necessários.
3. Registrar em detalhes as atas de cada reunião.
4. Inscrever os novos candidatos.
5. Informar a cada candidato quem é seu mentor.
6. Colaborar com o Superintendente Distrital na preparação da ata do distrito para
informar os candidatos sobre as mudanças de pessoal na junta.
7. Transferir para a Junta de Estudos Ministeriais do distrito toda a informação e arquivos
correspondentes, logo que possível, quando um estudante se transfere para outro
distrito.
8. Preencher o formulário dos cursos requeridos para a ordenação, para demonstrar que
o candidato tenha feito todo o curso de estudos da ordenação.
36

RESPONSABILIDADES DOS MEMBROS DA JUNTA DE CREDENCIAIS

Esta junta se compõe de cinco ou mais ministros ordenados, eleitos pela Assembleia Distrital
por um período de quatro anos, com o propósito de examinar, analisar e guiar os possíveis
candidatos de seu distrito à ordenação.
Requisitos. Ao selecionar candidatos para esta junta, deve-se assegurar o seguinte:
 Que sejam ministros maduros não necessariamente na idade, mas sim no caráter e
com experiência no ministério.
 Devem apresentar altos padrões éticos para o ministério e ser um exemplo desses
padrões.
 Devem ser fieis à sua igreja, crer em seu governo, ministrar com alegria dentro de
sua estrutura.
 Devem ser diligentes no cumprimento de sua responsabilidade para examinar,
analisar e aconselhar os possíveis candidatos à ordenação.
Deveres do Presidente. Os deveres do Presidente da Junta de Credenciais Ministeriais
do distrito são: (Manual, 228)
 Familiarizar-se com o Manual vigente e com o Guia de Desenvolvimento Ministerial.
O Guia é uma extensão oficial do Manual que esboça o plano de estudos e os
processos administrativos (Manual, 527,3-5).
 Estabelecer em consulta com o Superintendente Distrital, a metodologia para
examinar, analisar e guiar os possíveis candidatos à ordenação, antecipadamente a
Assembleia Distrital.
 Estabelecer um calendário de reuniões com os membros da Junta Credenciais
Ministeriais do distrito e com os possíveis candidatos à ordenação durante o ano
prévio à Assembleia Distrital.
 Fazer acordos com o Superintendente Distrital para estabelecer um plano que cubra
os gastos da Junta, a compra deste Guia e assegurar-se de que cada membro
tenha uma cópia do mesmo.
 Assegurar-se de que cada candidato tenha uma cópia do Guia de Desenvolvimento
Ministerial.
 Designar assessores ou mentores para cada um dos possíveis candidatos à
ordenação.
 Deverá apresentar um relatório a Assembleia Distrital.
Deveres do Secretário. Os deveres do Secretário são:
 Arquivar os documentos de todos os possíveis candidatos à ordenação e as
solicitações de renovações de licenças.
 Registrar em detalhe as atas cada reunião.
 Adquirir cópias suficientes do Guia de Desenvolvimento Ministerial e dos formulários
de administração.
 Solicitar à Junta de Estudos Ministeriais do distrito, uma declaração de que o
possível candidato cumpriu às 90 horas de crédito requeridas para a ordenação
(usar formulário oficial).
 Arquivar a recomendação que a Junta Consultiva do distrito ou a Junta Oficial da
igreja faz, a favor de um possível candidato.
 Informar a cada possível candidato quem é seu mentor.
 Transferir à Junta de Credenciais Ministeriais do distrito toda a informação e
arquivos correspondentes, logo que possível, quando um possível candidato se
transfira para outro distrito.
Deveres dos Membros.
 Assistir a todas as reuniões que sejam convocados.
 Ser mentor de possíveis candidatos à ordenação.
 Manterem-se leais e discretos em relação às decisões da Junta de Credenciais do
distrito determine, cuidando da integridade e prestígio da mesma e recordando que
são decisões colegiadas.
36

Formulário de Programa de Estudos Ministeriais


Junta de Estudos Ministeriais do Distrito (JEMD)
Igreja do Nazareno ________ Distrito __ _____ Nome do aluno
Programa Básico de Educação requerido como mínimo para um candidato a Ordenação como Ministro na Igreja do Nazareno - Período 2009/2012

CURSO EQUIVALENTE ASSINATURA E


CURSOS / CRÉDITOS INSTITUIÇÃO PROGRAMA DATA QUALIFICAÇÃO *
REALIZADO / CRÉDITOS CARIMBO DA
INSTITUIÇÃO

Hermenêutica Bíblica (3)

Antigo Testamento I (3)

Antigo Testamento II (3)

Novo Testamento I (3)

Novo Testamento II (3)

Teologia Sistemática I (3)

Teologia Sistemática II (3)

Teologia Sistemática III (3)

Doutrina de Santidade I (3)

História Eclesiástica I (3)

História Eclesiástica II (3)

História da Igreja do Nazareno (3)

Educação Cristã I (3)

Educação Cristã II (3)

Comunicação Escrita (3)

Homilética I (3)

Cuidado e Assessoramento Pastoral (3)


Desenvolvimento Integral da Igreja (3)
37

CURSO EQUIVALENTE ASSINATURA E


CURSOS / CRÉDITOS INSTITUIÇÃO PROGRAMA DATA QUALIFICAÇÃO *
REALIZADO / CRÉDITOS CARIMBO DA
INSTITUIÇÃO

Organização e Política da Igreja


do Nazareno (3)
Administração e Liderança
Cristã (3)
Bases Bíblicas e Wesleyanas da
Adoração (3)

Identidade Nazarena (3)

Ética Ministerial (3)


Psicologia do Desenvolvimento
Humano (3)
(3)
Formação Espiritual (3)
Bases Bíblicas e Teológicas da
Família (3)
Introdução à Sociologia (3)

Seitas e Novos Movimentos


Religiosos (3)
Introdução à Missão Urbana (3)

Introdução à Missiologia (3)


Prática Ministerial Supervisionada
I (3)
Prática Ministerial Supervisionada
II (3)
Prática Ministerial Supervisionada
III (3)

* A JEMD deverá arquivar neste expediente do candidato o Histórico Acadêmico das Instituições. Por meio Geral
Completado em: / /___ Assinatura: Estudos Ministeriais ___ __________________ Assinatura: Superintendente Distrital__ __________________
PROGRAMA DE ESTUDOS DO GUIA DE
INSTITUIÇÃO: Seminario Nazareno de las Américas - SENDAS
DESENVOLVIMENTO MINISTERIAL
(GDM) REGIÕES CAR / MAC / SAM PROGRAMA: Maestría en Ciencias de la Religión Interregional

CURSOS CURSOS 2007 CURSOS 2008 M O U


Seminário avançado em interpretação bíblica
Hermenêutica Bíblica Panorama Integrador de Estudos Teológicos IV (Exegese) 1
e contextual

Antigo Testamento I Panorama Integrador de Estudos Teológicos I (Bíblia) Panorama integrador da Bíblia 2

Antigo Testamento II ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ SE CURSA 1

Novo Testamento I ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ SE CURSA 2

Novo Testamento II XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 3

Teologia Sistemática I E Panorama Integrador de Estudos Teológicos II (Teologia) Panorama integrador de Teologia 3

Teologia Sistemática II E XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 4

Teologia Sistemática III E XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 5

Doutrina de Santidade I E XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 6

História Eclesiástica I Panorama Integrador de Estudos Teológicos III (Hist/Min) SE CURSA 4


Bases bíblicas, teológicas e históricas da
História Eclesiástica II ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ 7
missão
BASE PARA A ORDENAÇÃO

História da Igreja do Nazareno E XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 8


Formação da espiritualidade da
Formação Espiritual E Bases Bíblicas e Wesleyanas da Espiritualidade
Perspectiva wesleyana
5
SE CURSA ou se reconhece caso tenha 19 14
Psicologia do Desenvolvimento Humano XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX ? ?
nível universitário
Identidade Nazarena E XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 9
As demandas éticas da santidade no
Ética Ministerial As Demandas Éticas da Santidade 6
contexto histórico

Bases Bíblicas e Teológicas da Família XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX SE CURSA 10

Educação Cristã II Elaboração do Projeto Ministerial Integrador O líder como educador de líderes 7

Educação Cristã I O Líder como Educador de Líderes SE CURSA 8

Organização e Política da Ig. do Nazareno E XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 11

Bases Bíblicas e Wesleyanas da Adoração E XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 12


Estratégias contemporâneas para o
Desenvolvimento Integral da Igreja Crescimento da Igreja e Evangelismo Mundial 9
desenvolvimento integral da igreja
Seminário avançado em aconselhamento pastoral
Cuidado e Assessoramento Pastoral Seminário Avançado em Aconselhamento Pastoral 10
REG
Estratégias bíblicas e contemporâneas de
Administração e Liderança Cristã Estratégias Bíblicas e Contemporâneas da Liderança 11
liderança
Liderazgo
Comunicação Escrita Nível Universitário Nível Universitário 1

Homilética I Seminário Avançado em Interpretação e Exposição Bíblica Seminário avançado em exposição bíblica REG 12
Prática Ministerial Supervisionada: Formação de
Prática Ministerial Supervisionada I Prática Ministerial Supervisionada: Formação de Líderes 13
Líderes
Implementação de Projeto Ministerial no Campo
Prática Ministerial Supervisionada II Implementação do Projeto Ministerial no Campo do Ministério 14
do Ministério
Prática Ministerial Supervisionada: Ministérios
Prática Ministerial Supervisionada III Prática Ministerial Supervisionada: Ministérios Transculturais 15
Transculturais
SE CURSA ou se reconhece caso tenha 18 15
Introdução à Sociologia Estratégias Contemporâneas de Ministérios Transculturais
em sua formação universitária ? ?

Seitas e Novos Movimentos Religiosos XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX SE RECONOCE SI LO DICTA ¿????????? 13

Introdução à Missão Urbana A Igreja Local como Comunidade que Ministra Estratégias contemporâneas da missão urbana 16
Estratégias contemporâneas de ministérios
Introdução à Missiologia Bases Bíblicas e Teológicas da Missão transculturais 17

E: CURSOS ESTRATÉGICOS Azul se obvia Sem convalidar:

Amarelo se ensina ou em curso Sem. avançado em pastoral contemporânea REG


A Igreja local como comunidade que ministra à 17 13
Lilás em curso sociedade - - 1
19 15
39

M: CURSOS DO PROGRAMA DO MESTRADO 17-19


O: CURSOS QUE NECESSITA FAZER 12-14
U: CURSOS QUE SE CONVALIDAM NO NIVEL UNIVERSITÁRIO
40

PROCEDIMENTO PARA RENOVAÇÃO DE LICENÇAS

Passos para Obter a Licença Local. (Manual 529)


1. Ser examinado quanto a sua experiência pessoal de salvação.
2. Conhecimento básico das doutrinas da Bíblia.
3. Conhecimento básico dos regulamentos da igreja.
4. Ter um chamado claro ao ministério.
5. Demonstrar seu chamado através de suas virtudes, dons e idoneidade.
6. Prestar um relatório à sua igreja local na reunião anual.
7. Ter a recomendação do pastor para a Junta local.
8. Ser aprovado pela Junta local.
9. Ter participação significativa em um ministério local ou distrital.
10. Ter duas matérias anuais completas prescritos neste Guia de Desenvolvimento Ministerial.

Passos para Obter a Primeira Licença Distrital. (Manual 530)


1. Ter recebido licença local por um ano.
2. Ter recomendação da Junta local para obter a Licença Distrital.
3. Completar o formulário de solicitação da Licença Distrital.
4. Entregar o formulário à Junta Consultiva do Distrito.
5. Passar por uma entrevista com a Junta de Credenciais Ministeriais.
6. Ter sido aprovado por pelo menos em10 disciplinas do programa de Estudos
Ministeriais prescritos neste Guia de Desenvolvimento Ministerial.

Passos para Renovação da Licença Distrital. (Manual 530.3)


1. Ter obtido licença distrital por pelo menos um ano.
2. Ter recomendação da Junta local para receber a Licença Distrital.
3. Preencher o formulário de solicitação da Licença Distrital.
4. Entregar o formulário à Junta Consultiva do Distrito.
5. Passar pela entrevista com a Junta de Credenciais Ministeriais.
6. Ter sido aprovado por pelo menos em dois cursos a mais do programa de Estudos
Ministeriais prescritos neste Guia de Desenvolvimento Ministerial.
7. Se o candidato é pastor titular, a recomendação deve vir da Junta Consultiva.
41

PROCEDIMENTOS PARA A ORDENAÇÃO


Existem dois tipos de ordem na Igreja do Nazareno: Ordem de Diácono e Ordem de Presbítero.

Passos para ser considerado à ordenação de ministro. (Manual 531,532)

1. Ter tido pelo menos duas licenças de ministro distrital.


2. Ter cumprido a parte de prática ministerial.
3. Estar em um ministério ativo reconhecido pelas atas do distrito nos dois anos prévios a data
potencial de sua ordenação.
4. Ter completado o mínimo de 30 cursos e as três Práticas Ministeriais Supervisionadas (96
créditos) do programa de estudos ministeriais prescrito nesteGuia de Desenvolvimento Ministerial em
uma instituição nazarena reconhecida, ou seus equivalentes aprovados pela instituição, a
Junta de Estudos Ministeriais e a Junta de Credenciais Ministeriais. A Junta Consultiva
proverá o formulário correspondente.
5. Preencher o formulário de solicitação para nova Licença Distrital.
6. Preencher o formulário de solicitação para ordenação.
7. Que a igreja local envie solicitação para a Junta Consultiva pedindo sua ordenação (se seu
ministério é distrital, o Superintendente Distrital poderá recomendá-lo para a Junta
Consultiva).
8. Obter a recomendação da Junta Consultiva recomendando-o para a licença e para
a ordenação.
9. Passar pela entrevista com a Junta de Credenciais Ministeriais.
10. Obter a recomendação favorável da Junta de Credenciais Ministeriais para a Assembleia
Distrital, para a renovação da Licença Distrital.
11. Obter a recomendação favorável da Junta de Credenciais Ministeriais para a Assembleia
Distrital, para a ordenação.
12. Ter o voto de dois terços da Assembleia Distrital recomendando-o ao Superintendente
Geral, para receber a ordenação.
13. Passar por uma entrevista com o Superintendente Geral antes do Culto de Ordenação.
14. Ser aprovado pelo Superintendente Geral.
15. Receber a ordenação ao ministério cristão na Igreja do Nazareno, do Superintendente
Geral em jurisdição.
42

GLOSSÁRIO

Códigos de Credenciais:

ML, Ministro (Pregador) Local – Um ministro local é um membro leigo da Igreja do Nazareno a
quem a junta da igreja local concedeu a licença para o ministério, sob a direção do pastor e segundo se
apresenta a oportunidade, dando provisão assim para a demonstração, o emprego e o desenvolvimento
de dons e idoneidade ministeriais (Manual da Igreja do Nazareno, parágrafo 529).
MLIC, Ministro Licenciado – O ministro licenciado é aquele cujo chamado e dons ministeriais
foram reconhecidos formalmente pela Assembleia Distrital, concedendo-lhe licença como ministro,
designando-o e utilizando-o para servir em uma esfera de serviço mais ampla e concedendo-lhe maiores
direitos e responsabilidades que os do ministro local. Este cargo representa um passo para a ordenação
como presbítero ou diácono (Manual da Igreja do Nazareno, parágrafo 530).
D, Diácono (Ordenado) – O diácono é um ministro cujo chamado de Deus é para o serviço
cristão. Dons e idoneidade foram demonstrados e desenvolvidos mediante a capacitação apropriada e
a experiência, que foi separado para o serviço de Cristo pelo voto de uma Assembleia Distrital e pelo
ato solene da ordenação. Foi investido para levar a cabo certas funções do ministério cristão (Manual
da Igreja do Nazareno, parágrafo 531).
P, Presbítero (Ordenado) – O presbítero é um ministro cujo chamado de Deus para pregar. Dons
e idoneidade foram demonstrados e desenvolvidos mediante a capacitação apropriada e a experiência,
que o separaram para o serviço de Cristo através de sua igreja pelo voto de uma Assembleia Distrital e
pelo solene ato da ordenação. Assim foi investido plenamente de autoridade para desempenhar todas as
funções do ministro cristão (Manual da Igreja do Nazareno, parágrafo 532).
PR, Presbítero (Reconhecido) – O presbítero reconhecido é um ministro ordenado em
outra denominação evangélica que foi reconhecido pela Assembleia Distrital, depois de ter sido
aprovado em um exame na Junta de Credenciais Ministeriais do distrito e de haver cumprido
outros requisitos para o reconhecimento, como estipula o Manual da Igreja do Nazareno, parágrafo
533.
SC, Sem Credencial – Toda pessoa que não possua nenhuma das credenciais
ministeriais anteriormente mencionadas, reconhecidas pela Igreja do Nazareno, deve ser
classificada com o código SC, sem credencial.

Código de Condição ou Relação:

As seguintes definições foram tomadas do (Manual, parágrafo 536).


A, Designado – É um membro do corpo ministerial (ministro, diácono ou presbítero) com licença,
que está ativo nas funções enumeradas. Por extenção, um ministro local que tenha sido nomeado
interino (523, 529.2, 529.6) pode ser designado. O código de designação pode estar associado com
qualquer credencial, exceto SC (Sem Credencial).
SA, Não Designado – É um membro do corpo ministerial que está em boas relações com
a igreja, mas que no momento, não está ativo em tempo integral numa função reconhecida. O
código de “Não Designado” pode estar associado com qualquer credencial. Todo ministro local,
exceto quando tenha sido designado como pastor interino deve ser classificado como código de
“Não Designado”. Também todo leigo (Sem Credencial), exceto quando tenha sido designado
como pastor interino deve ser classificado com o código de “Não Designado”.
CA, Credencial Arquivada – A condição da credencial de um membro do corpo ministerial,
que esteja em boas relações com a igreja, mas que por inatividade no ministério, tenha se privado
voluntaria e temporariamente de seus direitos, privilégios e responsabilidades como membro do
corpo, ao arquivar sua credencial no escritório do Secretario Geral. A pessoa que arquiva sua
credencial continua sendo membro do corpo ministerial, e seus direitos, privilégios e
responsabilidades como tal, podem ser restabelecidos ao solicitar que sua credencial lhe seja
devolvida de acordo com o parágrafo (537), 538.2. O código de “Credencial Arquivada” só pode ser
associado à pessoa que tenha credencial de presbítero, presbítero reconhecido ou diácono.
43

BD, Disciplinado – É a condição do membro do corpo ministerial que tenha sido privado
de seus direitos, privilégios e responsabilidades como membro desse corpo, por meio de uma
ação disciplinaria (Manual, parágrafo 536).
REM, Removido – É a situação da credencial de um membro do clero cujo nome foi
removido do rol de ministros, de acordo com as provisões do parágrafo 537.3.
CE, Credencial Entregue – É a condição de credencial de um membro do corpo
ministerial que, por causa de conduta imprópria, acusações, confissões, como resultado da ação
de uma junta de disciplina, ou por ação voluntária devido a uma das razões anteriormente
mencionadas, ou por qualquer outra razão, exceto de inatividade no ministério, tenha entregado
sua credencial. O código de “Credencial Entregue” só pode ser associado com uma pessoa que
tenha a credencial de presbítero, presbítero reconhecido ou diácono.
CD, Devolução de Credencial – Relaciona-se com o ministro que tenha arquivado sua
credencial. Quando uma pessoa que tenha arquivado sua credencial, deseja que esta lhe seja
devolvida, com o propósito de retornar ao ministério ativo, deve se usar o código de “credencial
devolvida”. Este código só pode ser usado para pessoas que tenham arquivado suas
credenciais.
CR, Restauração de Credencial – Relaciona-se com o ministro que tenha entregado sua
credencial. Quando a Assembleia Distrital aprova a restauração de uma credencial entregue,
de acordo com o estipulado nos parágrafos 538 a 538.9, deve se usar o código de “Credencial
Restaurada”. Este código só pode ser usado para pessoas que tenham entregado suas
credenciais.
REN, Renúncia – É a condição da credencial de um membro do corpo ministerial que
estando em boas relações com a igreja, por razões pessoais, tenha decidido que já não deseja
ser considerado como ministro, e que abre mão de seus direitos, privilégios e responsabilidades
como membro deste corpo e assim torna-se leigo em caráter permanente. O código de
“renúncia”, só pode ser utilizado para uma pessoa que tenha tido credencial de presbítero,
presbítero reconhecido ou diácono. Os direitos, privilégios e responsabilidades como membro do
corpo ministerial podem ser restabelecidos de acordo com o parágrafo 537.1.
JA, Aposentado Designado – O código de aposentado designado deve aplicar-se
somente a ministros (presbítero, presbítero reconhecido, diácono ou ministro licenciado) aos
quais se concede a condição de pastor aposentado enquanto ministram em uma designação
ativa. A condição de “aposentado designado” é permanente e mantem o privilegio de
participação na vida e nos assuntos da Assembleia Distrital. (a condição de “aposentado
designado” não se relaciona com a função atual no distrito, mas especifica unicamente a
relação existente no momento da aposentadoria). A condição de “aposentado designado” é
concedida de acordo com as estipulações do Manual da Igreja do Nazareno, parágrafo 534.1.
JSA, Aposentado Não Designado - O código de “aposentado não designado” se
reserva para os ministros em boa relação com a igreja e aos quais se concede a condição de
aposentado mesmo estando sem designação. Os ministros que estejam na condição de
“aposentado não designado” não terão participação nem direito a voto na Assembleia Distrital.
Os ministros aposentados não designados podem ser nomeados temporariamente para servir no
distrito. Durante essa designação temporária, sua condição se classificará como “Aposentado
Especial” (ver mais adiante.) A condição de “aposentado não designado” é concedida de acordo
com as estipulações do Manual da Igreja do Nazareno, parágrafo 534.1.

Outros Códigos de Condição ou Relação:


Os códigos seguintes foram aprovados pelo escritório do Secretário Geral para serem usados em
outras descrições da relação da igreja geral com uma pessoa.
B, Removido- O código de “Removido” é reservado para designar o ministro que não
entrega sua credencial ministerial sendo removido da lista de ministros. O código de “Removido”
pode ser usado por qualquer pessoa que teve credencial ministerial.
NR, Não Renovado – O código de “Não Renovado” é reservado para ministros
licenciados cuja licença distrital não tenha sido renovada por qualquer razão de acordo com o
Manual da Igreja do Nazareno, parágrafos 530.3. O código de “Não Renovado” só pode ser
usado para pessoas que tiveram credencial de ministro licenciado.
44

JE, Aposentado Especial – O código de “Aposentado Especial” será usado para o


ministro ao qual se tenha concedido à condição de “Aposentado Não Designado”, mas que presta
serviço especial ao distrito. A condição de “Aposentado Especial” é temporária conserva o
privilegio de participação plena na Assembleia Distrital. É indicada para assinalar mais
claramente a membresia e participação na Assembleia Distrital.

Você também pode gostar