Você está na página 1de 119

Formação Técnica

Responsabilidade Social
e Ambiental no Agronegócio
Formação Técnica

Curso Técnico em Agronegócio

Responsabilidade Social e
Ambiental no Agronegócio

Brasília, 2015
S491c

SENAR - Serviço Nacional de Aprendizagem Rural.

Curso técnico em agronegócio: responsabilidade social e ambiental


no agronegócio / SENAR, PRONATEC, Rede e-Tec Brasil. – Brasília (DF):
SENAR, 2016. – (SENAR Formação Técnica)
117 p. : il.

Inclui bibliografia.
ISBN 978-85-7664-113-1

1. Agronegócio – Aspectos ambientais. 2. Ecologia agrícola.


3.Sustentabilidade. I. Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico
e Emprego. II. Rede e-Tec Brasil. III.Título. IV. Série.

CDU: 630
Sumário
Introdução à unidade curricular–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 6

Tema 1: Compreensão da responsabilidade socioambiental––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9

Tópico 1: Fatores e condições que influenciam o desenvolvimento sustentável–––––––––––– 1 1

1. Questões relevantes para a sociedade e o planeta ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 1 2

2. Relação entre responsabilidade social e desenvolvimento sustentável––––––––––––––––––––––––– 1 9

Tópico 2: Responsabilidade social a história de um conceito com


múltiplas definições–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 21

Tópico 3: A responsabilidade socioambiental como ferramenta para o


desenvolvimento sustentável–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––24

1. Tendências atuais da responsabilidade social––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 2 5

2. Princípios e diretrizes internacionais–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––2 8

3. Reconhecimento global–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3 6

4. Os cinco estágios da responsabilidade socioambiental–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3 6

Encerramento do tema––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3 9

Atividades de aprendizagem––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 3 9

Tema 2: Agronegócio e gestão de partes interessadas–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––4 4

Tópico 1: O papel das partes interessadas na responsabilidade social––––––––––––––––––––––––––––––4 9

1. As diversas relações entre as partes interessadas (stakeholders)–––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 2

Tópico 2: Caracterizando o agronegócio sob o olhar socialmente responsável–––––––––––– 5 4

1. Aspectos sociais e ambientais realidades, desafios e oportunidades–––––––––––––––––––––––––––––5 7


Tópico 3: A diversidade do ambiente agroindustrial––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 8

Tópico 4: A complexa gestão contemporânea do agronegócio–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 5 9

1. Gestão administrativa––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 6 0

2. Gestão socialmente responsável––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 6 2

Encerramento do tema–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––6 4

Atividades de aprendizagem–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––6 4

Tema 3: Princípios e práticas da responsabilidade social––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––6 8

Tópico 1: Conscientização e desenvolvimento de competências para a gestão


socialmente responsável––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 70

1. Accountability–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––7 0

2. Transparência –––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––7 1

3. Comportamento ético––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 2

4. Respeito das partes interessadas–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 2

5. Respeito pelo estado de direito–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––7 3

6. Respeito pelas normas internacionais de comportamento–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––7 3

7. Respeito pelos direitos humanos–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––74

Tópico 2: Análise de risco e gestão socialmente responsável–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––75

1. A importância da comunicação dialógica para um engajamento eficaz–––––––––––––––––––––––––7 7

Encerramento do tema––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 8

Atividades de aprendizagem––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 7 8
Tema 4: Práticas de responsabilidade social––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 1

Tópico 1: Liderança em responsabilidade social reconhecendo temas e questões


relevantes–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 82

1. Governança organizacional––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––8 4

2. Direitos humanos––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 5

3. Práticas de trabalho––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––8 6

4. Meio ambiente–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––8 6

5. Práticas leais de operação––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 8 7

6. Questões relativas ao consumidor ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––8 8

7. Envolvimento e desenvolvimento da comunidade––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––8 8

Tópico 2: O desafio de escolher a ferramenta de gestão adequada––––––––––––––––––––––––––––––––––––8 9

1. Ferramentas baseadas em princípios–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––8 9

2. Ferramentas baseadas em desempenho ––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 1

3. Ferramentas baseadas em processos–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 9 3

4. Ferramentas híbridas–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––103

Encerramento do tema–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––103

Atividades de aprendizagem–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 104

Encerramento da unidade curricular–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––107

Referências–––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 108

Gabarito––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––––– 113
Introdução à unidade curricular
Introdução à unidade curricular
Uma grande preocupação de produtores rurais, fornecedores e empreendedores, atualmente,
é criar meios e métodos para aumentar a produtividade nas áreas em que atuam e, ao mesmo
tempo, trabalhar de forma que o solo continue produzindo seus frutos e gerando matéria-
prima para os mais diversos serviços. Mas como conciliar o aumento da produtividade com a
preservação do meio ambiente?

Durante muitos anos, os recursos naturais foram utilizados como se fossem inesgotáveis
e, nesse processo, a sustentabilidade do meio foi comprometida. Por isso, no contexto da
responsabilidade social e ambiental, o maior desafio era e ainda é conectar o crescimento
econômico com a continuidade da produção.
7
Na década de 1960, muitos grupos sociais começaram a questionar os fundamentos do
desenvolvimento, simbolizado pelas máquinas a vapor, e o capitalismo, marcado pelo
liberalismo econômico, enquanto questões ambientalmente sustentáveis não estavam na
pauta de administradores, nem mesmo do governo da época.

Essas inciativas, no entanto, deram força e forma a uma questão de sobrevivência do planeta,
e a sustentabilidade, com o decorrer dos anos, passou a estar na consciência da maior parte
da população. O motivo disso é simples: sem o meio ambiente, não há produção!

Dessa forma, você, como futuro técnico em agronegócio, além de conhecer os aspectos
econômicos da produção e gestão do desenvolvimento de um negócio, precisa compreender
a relação entre o empreendimento rural, suas necessidades econômicas e o desenvolvimento
sustentável. Conservar o meio ambiente, minimizando impactos com responsabilidade social,
deve ser um objetivo de todos na sociedade. Além disso, diante de um segmento comercial
globalizado e exigente com essa prática, é necessário que você conheça muito bem os princípios
e as dimensões que compõem o desenvolvimento sustentável em relação à empresa rural.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


8

Esta unidade curricular foi estruturada em quatro grandes temas para que você possa ampliar,
de forma sistêmica e integrada, o entendimento de como o Brasil vem tratando o conceito de
responsabilidade socioambiental e como isso interage com o agronegócio.

Objetivos de aprendizagem

Com seu empenho, ao final desta unidade curricular, você será capaz de:

• Compreender os conceitos de meio ambiente e de responsabilidade social e


ambiental.

a • Analisar os processos de produção do ponto de vista da sustentabilidade e da


preservação ambiental.

• Identificar modelos de gestão e princípios fundamentais.

• Conhecer políticas públicas e privadas de desenvolvimento social integrado ao


meio ambiente.

Você gostou do que viu até aqui? Então, vamos adiante para aprofundar seus conhecimentos
e desenvolver novas práticas sobre esse tema tão abrangente e necessário em nossos dias.
Além da apostila, acompanhe também as videoaulas, o AVA e as leituras disponíveis na
biblioteca. Você pode contar com o apoio da tutoria a distância sempre que precisar. Bons
estudos!

Curso Técnico em Agronegócio


01
Compreensão da
responsabilidade
socioambiental
10

Tema 1: Compreensão da responsabilidade


socioambiental
Para compreender a relação dinâmica existente entre diferentes dimensões da vida em
sociedade, faremos uma viagem pelo processo de surgimento do conceito de responsabilidade
social.

Existe uma multiplicidade de entendimentos sobre esse conceito, quanto ao que ele
efetivamente quer dizer, e isso tem gerado, no Brasil e no mundo, pressão por uma
convergência conceitual, principalmente considerando que o planeta Terra é um só e que o
mundo está cada vez mais globalizado.

Assim, neste primeiro tema, você vai conhecer alguns desafios da modernidade que ajudarão
a definir os conceitos de responsabilidade social e de sustentabilidade e a diferenciar um do
outro. Para complementar seus estudos, você também conhecerá fundamentos, teorias, pa-
drões, acordos, recomendações e códigos unilaterais e multilaterais que abordam a respon-
sabilidade socioambiental. Com essa base teórica, será possível compreender a importância
e os diversos estágios da implementação de uma gestão socioambientalmente responsável.

Curso Técnico em Agronegócio


Comentário do autor

A partir dos conhecimentos obtidos neste tema, você será capaz de:

• Conhecer os desafios da modernidade.

• Definir os conceitos de “responsabilidade social” e de “sustentabilidade” e


diferenciar um do outro.

• Identificar diferentes práticas de gestão socioambiental.

d • Compreender os fundamentos e as principais teorias.

• Conhecer processo de surgimento do conceito de responsabilidade social.

• Conhecer padrões, acordos, recomendações e códigos unilaterais e


multilaterais.

• Entender o processo de elaboração da norma internacional de


responsabilidade social.

• Compreender a importância da responsabilidade social e identificar seus


diferentes estágios.

Tópico 1: Fatores e condições que influenciam o desenvolvimento


sustentável
Segundo Leonardo Boff (2004), não existe desenvolvimento em si, mas uma sociedade
que opta pelo desenvolvimento que quer e de que precisa. Assim, deveríamos falar de
sociedade sustentável ou de planeta sustentável como precondições indispensáveis para um
desenvolvimento verdadeiramente integral.

Sustentável é a sociedade ou o planeta que produz o suficiente para


11
si e para os seres dos ecossistemas onde ela se situa; que toma da
natureza somente o que ela pode repor; que mostra um sentido de
solidariedade geracional, ao preservar para as sociedades futuras os
recursos naturais de que elas precisarão.

Na prática, a sociedade deve se mostrar capaz de assumir novos hábitos e de projetar um


tipo de desenvolvimento que cultive o cuidado com os equilíbrios ecológicos e funcione
dentro dos limites impostos pela natureza. Não se trata de não consumir, mas de consumir
responsavelmente.

A responsabilidade socioambiental está ligada a ações que respeitam o meio ambiente e a


políticas que têm como um dos principais objetivos a sustentabilidade. Todos são responsáveis
pela diminuição das desigualdades e pela preservação ambiental: governos, empresas e cada
cidadão.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


É preciso reconhecer que o modo de vida vem se tornando insustentável e que a mudança
é difícil, pois implica aperfeiçoamento individual e coletivo, simultaneamente, mas não é
12 impossível e pode promover ações que aumentem a produtividade sem comprometer o meio
ambiente.

Legenda: Reduzir, reutilizar e reciclar é um exemplo de práticas que visam estabelecer relações mais harmônicas entre o
consumidor e o meio ambiente.

1. Questões relevantes para a sociedade e o planeta


O agronegócio consiste em uma ampla gama de atividades, interações e relacionamentos de
diversos segmentos que geram valor entre si. Setores agrícola, pecuário, comercial, industrial,
de logística e de serviços convivem com inúmeros desafios, oportunidades e problemas
decorrentes de fenômenos contemporâneos como a globalização, a concentração de renda, a
injustiça social, as mudanças climáticas e as barreiras não tarifárias.

Por isso, a preocupação com aspectos sociais e ambientais já faz parte dos negócios. A
responsabilidade social é tema permanente na agenda das organizações. Atualmente, é raro
encontrar uma empresa que não tenha algum princípio ou valor relacionado a questões
sociais, como a eliminação do trabalho infantil, ou ambientais, como a redução de seus
resíduos sólidos, por exemplo. A seguir, elencaremos os principais problemas que podem ser
enfrentados pelo setor produtivo.

Crescimento populacional
O crescimento populacional vem causando sérios impactos sobre o meio ambiente. Ele está
atrelado ao desenvolvimento da indústria, do comércio e aos diversos ramos dos serviços no

Curso Técnico em Agronegócio


meio rural e urbano e é considerado um dos determinantes para as mudanças ambientais
que afetam diretamente a qualidade de vida das populações.

Informação extra

A população mundial, de 7,2 bilhões de pessoas, chegará a 9,6 bilhões em 2050,

O segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). O crescimento ocorrerá,


principalmente, nos países em desenvolvimento. A população dos 49 países
menos desenvolvidos deve ir de cerca de 900 milhões de pessoas em 2013 para
1,8 bilhão em 2050.

Quanto maior for o crescimento demográfico, maiores serão os desafios para um crescimento
econômico compatível com a preservação ambiental. Some-se a isso o desafio de distribuir
renda de forma menos desigual.

Essa situação demandará do Brasil uma grande responsabilidade, pois nosso país é reconhe-
cido internacionalmente como um dos principais produtores de alimento. Assim, será preciso
aumentar os investimentos e estimular a inovação tecnológica e a criação de políticas públicas
que desenvolvam o agronegócio sem esgotar os recursos naturais do país.

Leitura complementar

Anualmente, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico


(OCDE) e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura
(FAO) lançam um documento sobre as perspectivas agrícolas no mundo. As
projeções abarcam um período de dez anos e, na edição de 2015, o relatório
dedica um capítulo às perspectivas agrícolas no Brasil, em que apresenta

c as perspectivas e os desafios a serem enfrentados na próxima década na


agricultura, nos biocombustíveis e na pesca e divulga o desempenho do setor.
13
Acesse a biblioteca do AVA e leia o documento “Perspectivas Agrícolas 2015-
2024” para compreender as expectativas da OCDE-FAO para o setor agrícola nos
próximos anos. Ao estudar pelo AVA, você também encontra o link para acessar
esse documento online.

No Brasil, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), por meio do Instituto CNA,
produziu recentes estudos demonstrando o avanço brasileiro na produção agropecuária com
o emprego de inovação tecnológica, o que permite o aumento da produtividade sustentável.

No agronegócio, muitos empreendedores optam por aliar a tecnologia a uma produção reno-
vável que dispense a abertura de novas áreas de produção para preservar o meio ambiente,
reduzir o desmatamento e aumentar a produção. Por exemplo, um método de irrigação ade-
quado é uma técnica aplicada por micro e pequenos produtores para resolver o problema

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


da estiagem e evitar que os animais sofram com a falta de pasto. Muitas vezes, é o caso de
ampliar a produção com a atividade da piscicultura, pois a criação de peixes possibilita a reu-
14 tilização da água, rica em nitrogênio e fósforo, na irrigação do pasto, que assim se mantém
bem cuidado para o gado o ano todo.

Legenda: Reutilização da água da piscicultura para irrigação de pasto, gerando economia para a propriedade rural e colaborando
para o desenvolvimento sustentável do planeta.

Informação extra

No site Canal do Produtor, vários programas estão disponíveis para


disseminar ações práticas de melhoria na produção consciente e sustentável.
Alguns deles são:

• Programa ABC;

O • Projeto Biomas;

• Trabalho Decente;

• Negócio Certo Rural.

Acesse <http://www.canaldoprodutor.com.br/sobre-sistema-cna/projetos-e-
programas> e fique por dentro!

Curso Técnico em Agronegócio


Trabalho infantil
Divulgado em 12 de junho de 2015 – Dia Mundial contra o Trabalho Infantil –, o relatório
da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre o tema afirmou que 168 milhões de
crianças realizam trabalho infantil, das quais 120 milhões têm idades entre 5 e 14 anos e cerca
de 5 milhões enfrentam condições análogas à escravidão.

Segundo a agência da ONU, entre 20% e 30% das crianças em países


de baixa renda abandonam a escola e entram no mercado de trabalho
até os 15 anos de idade. Além disso, cerca de 75 milhões de jovens
com idades entre 15 e 24 anos estão desempregados.

Por isso, a OIT recomenda intervenções precoces para tirar crianças do trabalho infantil e colocá-
las na escola, assim como medidas para facilitar a transição da escola para oportunidades de
empregos decentes para os jovens.

Segundo a agência, os países têm um duplo desafio:


• eliminar o trabalho infantil;

• garantir emprego decente para jovens.

O levantamento revelou que 47,5 milhões de jovens com idades entre 15 e 17 anos estão em
empregos perigosos e em situação vulnerável, quadro que se agrava para as meninas e as
jovens mulheres.

Trabalho análogo à escravidão


O trabalho em condição análoga à de escravidão pode assumir várias formas. Segundo a
definição apresentada pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social (2015), considera-se:
15
trabalho realizado em condição análoga à de escravidão o que resulte
das seguintes situações, quer em conjunto, quer isoladamente: a sub-
missão de trabalhador a trabalhos forçados e a jornada exaustiva; a
sujeição de trabalhador a condições degradantes de trabalho; a restri-
ção da locomoção do trabalhador, seja em razão de dívida contraída,
seja por meio do cerceamento do uso de qualquer meio de transporte
por parte do trabalhador, ou por qualquer outro meio com o fim de
retê-lo no local de trabalho; a vigilância ostensiva no local de trabalho
por parte do empregador ou de seu preposto, com o fim de retê-lo no
local de trabalho; a posse de documentos ou de objetos pessoais do
trabalhador, por parte do empregador ou de seu preposto, com o fim
de retê-lo no local de trabalho.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Em decorrência da amplitude apresentada nessa definição, entende-se que casos de trabalho
análogo ao de escravo podem ocorrer em vários setores. Por isso, para um desenvolvimento
16 sustentável, é necessário nos atentarmos a essas questões.

Consumo consciente
É comum pensarmos que o consumismo está relacionado ao gasto de grandes quantias
de dinheiro em coisas supérfluas. Mas, na verdade, o consumismo está ligado a tudo o que
pode ser consumido exageradamente. Por exemplo, nós, seres humanos, consumimos água
para prepararmos alimentos, para praticarmos a higiene, consumimos energia elétrica,
combustível e vários outros recursos naturais extraídos do meio em que vivemos. Será que
estamos consumindo com consciência?

A maneira encontrada para proporcionar equilíbrio entre o que é consumido e o que é


produzido chama-se consumo consciente. O Instituto Akatu é uma organização sem fins
lucrativos que, há mais de dez anos, trabalha com a conscientização e a mobilização para o
consumo sustentável da população. Para esse instituto, o consumo consciente visa transformar
o ato de consumir em um ato de cidadania.

Nesse sentido, o cidadão consciente é aquele que entende que o ato de consumir precisa
levar em consideração o bem-estar socioambiental. Para adotar essa consciência, que busca
o equilíbrio entre a satisfação e a sustentabilidade, temos os 5 Rs:

Reduzir a geração e o descarte de produtos. Reduzir significa avaliar tudo o que


consumimos atualmente, avaliar o que é importante e o que é absolutamente supérfluo
e procurar reduzir estes últimos, além de verificar a qualidade do que se compra e se sua
quantidade é suficiente ou exagerada.

Reutilizar significa dar um novo uso para as coisas e evitar que elas virem lixo. A
reutilização não é exclusiva dos materiais e das embalagens; água e alimentos também
podem ser reaproveitados. Em primeiro lugar, tente reduzir o consumo. Antes de
descartar materiais, água ou alimento, reutilize o que for possível.
5Rs

Reciclar, separando os diferentes tipos de resíduos e encaminhando-os para reciclagem.


Reciclar é a solução para o que não pode ser reutilizado. Depois de reduzir o consumo e
reutilizar o que foi possível, separe os diferentes materiais a descartar e recicle o que for
possível.

Recusar produtos que agridem a saúde e o meio ambiente também é contribuir para um
consumo consciente.

Repensar o comportamento, as atitudes e as práticas diárias. Com pequenas alterações


em nossos hábitos diários, podemos diminuir consideravelmente nosso efeito negativo
sobre o planeta.

Curso Técnico em Agronegócio


Informação extra

O Instituto Akatu recomenda dez caminhos para um consumo consciente.


Conheça-os e inspire-se em atitudes positivas para um consumo com sabedoria!

1. O durável mais que o descartável.

2. A produção local mais que a global.

3. O compartilhado mais que o individual.

O 4. O aproveitamento integral, e não o desperdício

5. O saudável nos produtos e na forma de viver, e não o prejudicial.

6. O virtual mais do que o material.

7. A suficiência, e não o excesso.

8. A experiência e a emoção mais que o tangível.

9. A cooperação para a sustentabilidade mais que a competição.

10. A publicidade não voltada a provocar o consumismo.

Comércio justo
Criado em 1966, o movimento internacional conhecido como Fair Trade, ou comércio justo, foi
iniciado com o objetivo de garantir melhores condições de troca para pequenos produtores,
especialmente os estruturados em formas cooperadas de produção.

Dada a diferença de poder em relação aos grandes compradores in-


ternacionais, esses produtores se viam diante de uma forte desvanta-
gem comercial. O comércio justo busca, no processo de negociação, 17
uma parceria comercial baseada em diálogo, transparência e respeito,
para que o produto chegue às mãos do consumidor por preço justo e
de modo a assegurar uma remuneração adequada ao produtor.

As normas de certificação do mercado justo procuram garantir um preço mínimo para os


produtos exportados, além de um prêmio para as organizações melhorarem as condições de
vida da comunidade local.

Internacionalmente, existem diversos “selos” de comércio justo, por meio dos quais o
consumidor é informado, na própria embalagem, sobre a condição de comércio do produto.
Tal condição é certificada por empresas especializadas de auditoria após a verificação da
conformidade do produto e de seu processo de produção às condições exigidas por todas as
organizações que desenvolveram normas para o comércio justo. Dependendo da organização
que originou determinada norma de fair trade (em inglês, comércio justo), além da promoção
da equidade social, buscam-se também outros objetivos relacionados ao desenvolvimento
sustentável, como o equilíbrio ambiental, o cuidado com a biodiversidade e o uso sustentável
dos recursos naturais, de modo a incentivar o respeito pelas futuras gerações.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


18

Legenda: O selo com a palavra “Fairtrade” (em inglês, “comércio justo”) indica que o produto está dentro de normas de
certificação internacional do mercado justo.

Em áreas urbanas, as normas de comércio justo estimulam o uso de materiais reciclados,


também com o objetivo de proteger o meio ambiente. Ao escolher comprar um produto
certificado como de comércio justo, o consumidor estará usando o ato de consumo como
um ato de solidariedade com a sociedade que o produziu. Esta compra se caracteriza como
“consumo consciente”: o consumidor tem consciência do impacto de suas compras sobre a
sociedade e o meio ambiente e busca satisfazer as suas necessidades de modo a impactar no
mundo da maneira mais positiva possível.

A biotecnologia é considerada uma ferramenta moderna de melhoria da agricultura e de


aumento da produtividade agrícola, o que, consequentemente, amplia a oferta de alimentos.

Comentário do autor

Essa tecnologia permite, por exemplo, o desenvolvimento de plantas resistentes


à seca em regiões áridas ou o incremento da produção de milho para ração
de aves e suínos, o que contribui para aumentar a oferta e baratear o preço
desses alimentos. Aliada ao aumento da oferta de empregos e à distribuição

d de renda, a biotecnologia pode ser um fator de melhoria das condições de vida


do homem. Com o lançamento comercial da primeira planta geneticamente
modificada nos EUA, em 1993, o mercado de insumos químicos (herbicidas,
inseticidas, fungicidas) sofreu significativa redução de volume. Isso ocorreu
porque as lavouras geneticamente modificadas demandam menor quantidade
de agroquímicos do que as convencionais.

As organizações que operam no agronegócio dependem da criação de produtos e proces-


sos inovadores que superem as dificuldades enfrentadas pelo movimento ambientalis-
ta em relação aos padrões da agricultura orgânica ou agroecológica. Para elas, responder

Curso Técnico em Agronegócio


às tendências ambientalistas na defesa da inovação biotecnológica significa orientar seus
produtos ao argumento de um impacto, supostamente, considerável, direcionando-os aos
“environmentally-friendly” (ambientalmente amigáveis). De outra forma, as novas tecnologias,
ou a combinação de tecnologias, resultam em novas trajetórias tecnológicas e são centrais
para a mudança na direção de uma agricultura sustentável voltada às novas tendências e
exigências ambientalistas. Acompanhe a seguir o caso da empresa Monsanto, uma multina-
cional de agricultura e biotecnologia que implantou no nordeste do Brasil uma maneira de
reaproveitar a água de chuva nos processos de produção.

Comentário do autor

A Monsanto é uma empresa dedicada à agricultura. É pioneira no


desenvolvimento de produtos com tecnologia de ponta na área agrícola:
herbicidas, sementes convencionais e geneticamente modificadas. Atenta à
necessidade de reduzir a água utilizada na agricultura, a Monsanto criou, em
2009, nos Estados Unidos, um centro com o objetivo de buscar formas de ajudar
produtores rurais a gerenciarem melhor o uso da água. O Water Utilization
Learning Center (Centro de Aprendizagem do Uso da Água) é o primeiro a
desenvolver pesquisas sobre uso de água na agricultura, sistemas de plantio,
práticas agronômicas e estudo de traços genéticos, incluindo tecnologias de
eficiência de uso de água, como sistemas tolerantes à seca. Nos 62 hectares da
unidade, localizada em Gothenburg (Nebraska), são feitas demonstrações de
plantio e irrigação. Tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos, a Monsanto faz
parte de uma iniciativa com toda a cadeia para monitorar e verificar ações para a

d redução dos insumos utilizados na agricultura, como água, CO2, solo e energia.

A Monsanto Nordeste, instalada no Polo Industrial de Camaçari (BA), é a


primeira fábrica da companhia a reaproveitar a água de chuva nos processos
de produção. Com essa iniciativa, há redução da demanda sobre os mananciais
da região, o que libera as fontes de água de boa qualidade para abastecimento
público e outros usos prioritários da comunidade.
19
O principal objetivo do projeto é reduzir a quantidade de resíduos gerados
e recuperar a água de chuva que fica acumulada em uma bacia de retenção
emergencial. Esse sistema, em funcionamento desde a instalação da fábrica,
em 2001, foi criado para separar águas pluviais que participam do processo de
produção e prevenir que elas entrem em contato com águas de rios e lagos.

A iniciativa apresenta ótimos resultados: de dezembro de 2009 a fevereiro de


2010, foram recuperados 10.590,8 metros cúbicos de água, e a geração de
efluentes foi reduzida em 89% nesse período.

2. Relação entre responsabilidade social e desenvolvimento sustentável


Existe uma discussão acirrada acerca da definição dos termos responsabilidade social e
desenvolvimento sustentável. Muitas vezes, esses termos são usados como sinônimos e
de forma intercambiável, e é certo que há uma relação inegável entre eles, no entanto, são
conceitos diferentes. Entenda-os melhor:

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Desenvolvimento sustentável

20 Para definir desenvolvimento sustentável, recorremos à norma da Associação Brasileira de


Normas técnicas (ABNT) NBR 16001:2012, que estabelece alguns requisitos em relação ao
sistema de gestão da responsabilidade social. Para resumir, ela apresenta o conceito de
desenvolvimento sustentável como um objetivo norteador amplamente aceito, e com isso
obtém reconhecimento internacional do relatório Nosso Futuro Comum, da Comissão Mundial
sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, da ONU. Segundo essa norma:

O desenvolvimento sustentável refere-se a satisfazer as necessidades


do presente dentro dos limites ecológicos do planeta sem comprometer a
capacidade das futuras gerações de suprir suas próprias necessidades.
Assim, para o desenvolvimento sustentável, é impossível dissociar as
três dimensões – econômica, social e ambiental – que se mostram
fortemente interligadas e interdependentes.

Por exemplo, a eliminação da pobreza não é só uma questão de desenvolver as pessoas


economicamente e financeiramente, significa também melhorar, da mesma forma, a qualidade
de vida, por meio da promoção de justiça social, saneamento básico, qualidade nutricional,
educação básica que promova o crescimento profissional e outros direitos do cidadão.

Responsabilidade social
Comprometer-se com o desenvolvimento sustentável é assumir a responsabilidade de não só
satisfazer interesses pessoais, mas também considerar os interesses da sociedade e do meio
ambiente. Essa atitude é o que chamamos de responsabilidade social, a qual está amparada
pelo tripé da sustentabilidade.

Social

Ambiental

Econômico

Curso Técnico em Agronegócio


Assim, vemos que a responsabilidade social está intimamente ligada ao desenvolvimento
sustentável, pois os objetivos econômicos, sociais e ambientais comuns a todas as pessoas
podem e devem ser usados para compreender as expectativas mais amplas da sociedade, ou
seja, devem ser considerados por quem busca agir responsavelmente.

Existe certa confusão, também, em relação a atividades filantrópicas e a ações de respon-


sabilidade social. A doação de bens ou valores monetários a instituições beneficentes, por
exemplo, é uma ação pontual filantrópica caracterizada como assistencialista e que beneficia
uma comunidade ou organização. Já a responsabilidade social relaciona-se à maneira como a
empresa conduz seus negócios com o objetivo de solucionar problemas sociais.

Para ser sustentável, é preciso ter responsabilidade social e investir em


ações que contribuam para garantir, a longo prazo e de forma sustentada,
os recursos indispensáveis à sobrevivência da empresa rural, considerando
as necessidades sociais, econômicas e ambientais.

Então, chega o momento de refletir sobre se as ações sustentáveis que conhecemos estão
realmente relacionadas com a preocupação com os fatores social, ambiental e econômico.
Em linhas gerais, o termo responsabilidade social é amplamente divulgado, porém é preciso
conhecer e entender com propriedade seu conceito para desenvolver ações conscientes e
o compromisso com a sobrevivência da empresa e da sociedade. No próximo tópico, você
estudará mais sobre a base desse conceito!

Tópico 2: Responsabilidade social: a história de um conceito com


múltiplas definições
Para compreender melhor o conceito de responsabilidade social, vamos buscar a origem e
o significado dessas palavras. A palavra “responsabilidade” é originária do latim responsus
ou respondere, que significa responder (por atos próprios ou alheios, ou por algo que lhe foi
confiado), comprometer-se ou prometer em troca. 21
O termo “social” está relacionado à sociedade, à característica de interação dos organismos
vivos, de sua coexistência coletiva, independentemente de serem ou estarem conscientes
dessa interação ou de a interação ser voluntária ou involuntária. Aplica-se tanto às populações
de seres humanos quanto às de outras formas de vida.

Assim, se juntarmos essas palavras com seus significados, podemos inferir que responsabilidade
social está relacionada à resposta que damos a todos aqueles que, de alguma forma, estão
ligados ou interligados a nós. São aqueles a quem nossas atitudes, escolhas e decisões,
de algum modo, geram consequências, impactam ou afetam. E se, por ventura, alguma
atitude nossa causar algum prejuízo a alguém, devemos então “oferecer”, “prometer” ou nos
“comprometer” com algo em “troca”, a fim de reparar o dano causado.

Portanto, a responsabilidade social está intrinsecamente relacionada aos indivíduos, à res-


ponsabilidade perante os outros a quem, direta ou indiretamente, consciente ou inconscien-
temente, estamos ligados e para quem nossas escolhas, decisões e ações possam causar
impactos.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Até recentemente, a responsabilidade social esteve associada à filantropia, isto é, a uma ação
caridosa que as organizações e/ou empresas realizam, de forma voluntária, para ajudar as
22 pessoas. Isso ocorre porque acreditava-se que somente o Estado, os governos e suas institui-
ções tinham obrigações para com a sociedade e para com o meio ambiente. Porém, na medi-
da em que aumentou a consciência da sociedade (das pessoas, dos grupos e das organizações
que a compõem) de que vivemos em uma única casa, que é nosso planeta, e que estamos
todos interligados, a noção de responsabilidade social se ampliou e ganhou outro sentido.

O termo em estudo tornou-se mais amplamente usado no início da década de 1970, embora
vários aspectos da responsabilidade social já fossem objeto da ação de organizações e
governos desde o final do século XIX e, em alguns casos, até mais cedo. Nesse período, a
atenção à responsabilidade social esteve voltada, primeiramente, aos negócios, e o termo mais
conhecido era “responsabilidade social empresarial” (RSE). Assim, com o estímulo do mundo
empresarial, diferentes organizações reconheceram que também tinham responsabilidade
pelo desenvolvimento sustentável.

Os elementos da responsabilidade social refletem as expectativas


da sociedade em um momento específico e são, portanto, passíveis
de mudança. Conforme as preocupações da sociedade mudam, suas
expectativas em relação às organizações também mudam para refletir
essas preocupações.

A noção inicial da responsabilidade social era centrada em atividades filantrópicas, como


doações a instituições beneficentes. Temas como práticas de trabalho e práticas leais de
operação surgiram há mais de cem anos. No século atual, situações de desrespeito a direitos
civis trouxeram à tona a importância de se inserirem nessa discussão os direitos humanos.
Nesse mesmo caminho, os problemas decorrentes das mudanças climáticas e os recentes
escândalos financeiros com a participação de políticos e funcionários públicos trouxeram à
tona os temas meio ambiente, defesa do consumidor e combate à fraude e à corrupção.

Foi a partir dos anos 1990 que surgiu uma nova visão sobre o tema: um posicionamento
que se materializa por meio de políticas, estratégias e ações que visam, em última instância,
contribuir para o desenvolvimento sustentável (DS). Assim, para que o desenvolvimento seja
realmente sustentável, passa a ser necessária uma revisão de crenças e valores que embasam
as ações sociais de todas as organizações, bem como o desenvolvimento de novos modelos
de atuação dos diferentes atores sociais.

Nesse histórico, a responsabilidade social já foi batizada com vários nomes, por exemplo:
responsabilidade social corporativa, responsabilidade social empresarial, responsabilidade
socioambiental, responsabilidade social e cidadania empresarial, responsabilidade nos
negócios, responsabilidade social e sustentabilidade.

Mas por que houve essa mudança de nomenclatura? Na verdade, podemos concluir que
responsabilidade social é um conceito dinâmico, assim como o é a própria sociedade, em
permanente evolução e em estado contínuo de transformação. Esse conceito está diretamente
relacionado às expectativas e às necessidades da sociedade e ao modo como respondemos

Curso Técnico em Agronegócio


às consequências de nossas atitudes e aos impactos que causamos a indivíduos ou grupos e
ao ecossistema.

No contexto internacional, o debate, entre os países-membros das Nações Unidas, sobre


temas como direitos humanos, direitos do trabalho, meio ambiente e desenvolvimento
sustentável acarretou a reformulação da ideia com relação às organizações de todos os
setores sociais.

Em 2010, a Organização Internacional de Normalização (ISO), entida-


de que coordena a elaboração de normas técnicas de diversos assun-
tos, publicou a Norma Internacional ISO 26000 – Norma de Diretrizes
em Responsabilidade Social –, segundo a qual a responsabilidade so-
cial se aplica a todos os tipos e portes de organizações: privadas, pú-
blicas ou organizações sem fins lucrativos, sejam pequenas, médias
ou grandes.
Fonte: ISO (2010).

Organizações

Por organizações entende-se qualquer entidade ou grupo de pessoas e instalações com um


conjunto de responsabilidades, autoridades e relações e com objetivos identificáveis. (ISO, 2010)

A partir da elaboração dessa norma, passou-se a adotar o termo responsabilidade social sem
complementos. A definição cunhada pela ISO 26000 também é adotada na Norma Brasileira
ABNT NBR 16001.

Com isso, o termo passa a ter um entendimento compartilhado entre vários países e distintas
organizações. No entanto, mesmo com a evolução da denominação do termo e de seu
significado, é interessante notar que, independentemente do conceito, algumas palavras
se repetem nas definições trazidas pela ISO 26000, pela ABNT NBR 16001 e pelo Instituto
Ethos de Empresas e Responsabilidade Social: ética, transparência, partes interessadas e 23
desenvolvimento sustentável.

Responsabilidade social é a relação ética e transparente da


ABNT NBR 16001 organização com todas as suas partes interessadas, visando ao
desenvolvimento sustentável.

Responsabilidade social empresarial é a forma de gestão que se


define pela relação ética e transparente da empresa com todos
os públicos com os quais ela se relaciona e pelo estabelecimento
ISO 26000 de metas empresariais compatíveis com o desenvolvimento
sustentável da sociedade, preservando recursos ambientais
e culturais para gerações futuras, respeitando a diversidade e
promovendo a redução das desigualdades sociais.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Responsabilidade social é a responsabilidade de uma organização
24 pelos impactos de suas decisões e atividades na sociedade
e no meio ambiente, por meio de um comportamento ético
Instituto Ethos
e transparente que: contribua para o desenvolvimento
de Empresas e
sustentável, inclusive a saúde e o bem-estar da sociedade; leve
Responsabilidade
em consideração as expectativas das partes interessadas; esteja
Social
em conformidade com a legislação aplicável e seja consistente com
as normas internacionais de comportamento; esteja integrada em
toda a organização e seja praticada em suas relações.

Fonte: Alledi e Quelhas (2007).

Informação extra

O Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social é uma Oscip, ou seja,

O uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público cuja missão é mobilizar,


sensibilizar e ajudar as empresas a gerirem seus negócios de forma socialmente
responsável, de modo a torná-las parceiras na construção de uma sociedade
justa e sustentável.

Tópico 3: A responsabilidade socioambiental como ferramenta para


o desenvolvimento sustentável
A preocupação com a responsabilidade social das organizações tem aumentado por inúmeras
razões: globalização, mais mobilidade, acessibilidade, comunicação instantânea. Isso significa
que indivíduos e organizações em todo o mundo têm mais facilidade para conhecerem as
atividades das organizações, tanto as que estão mais próximas quanto as que estão distantes.
Mas como verificar se a responsabilidade socioambiental realmente está sendo praticada?

Isso é o que você estudará neste tópico! Abordaremos, a seguir, as principais tendências
sobre responsabilidade social e normas internacionais, como os padrões, os acordos, as
recomendações e os códigos unilaterais e multilaterais que envolvem esse conceito. Dessa
forma, você poderá compreender o papel da empresa rural na aplicação efetiva e integrada
dos aspectos relacionados à responsabilidade social na sociedade.

Além disso, você conhecerá os cinco estágios que compõem o processo da RS nas empresas,
e assim poderá verificar o alinhamento desta com os princípios da sustentabilidade.

Leitura complementar

Uma empresa rural do setor da agricultura que pratica a responsabilidade social

c e a sustentabilidade busca implantar a agricultura sustentável. Para conhecer


mais sobre esse termo, acesse a biblioteca do AVA e faça a leitura do material
complementar “A agricultura sustentável”.

Curso Técnico em Agronegócio


1. Tendências atuais da responsabilidade social
A facilidade de encontrar informações permite que políticas ou práticas adotadas pelas orga-
nizações em diferentes lugares sejam comparadas rapidamente. Esse fator confere às organi-
zações a oportunidade de se beneficiarem com a aprendizagem sobre novas formas de ope-
rar e solucionar problemas e sinaliza que suas atividades estão sujeitas a uma investigação
cada vez mais aprofundada por uma série de grupos e indivíduos.

A natureza global de algumas questões ambientais e de saúde, o reconhecimento da


responsabilidade mundial pelo combate à pobreza, as mudanças climáticas, a crescente
interdependência financeira e econômica e a crescente dispersão geográfica das cadeias de
valor significam que assuntos relevantes a uma organização poderão ter um alcance muito
maior do que assuntos restritos à área mais imediata onde se localiza a organização.

É importante que as organizações abordem a responsabilidade social sob quaisquer


circunstâncias socioeconômicas. Documentos como a Declaração do Rio sobre Meio Ambiente
e Desenvolvimento, a Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável e os
Objetivos de Desenvolvimento Sustentável enfatizam essa interdependência mundial.

Leitura complementar

c Faça a leitura completa desses documentos, que você pode acessar na biblioteca
virtual do AVA.

Ao longo das últimas décadas, a globalização tem resultado em um aumento no impacto de


diferentes tipos de organizações, inclusive as do setor privado, as ONGs e o governo, nas
comunidades e no meio ambiente. ONGs e empresas têm se tornado prestadoras de muitos
serviços, geralmente, oferecidos pelo governo, especialmente em países onde se enfrentam
sérios desafios e limitações, e têm sido incapazes de prestar serviços em áreas como saúde,
educação e bem-estar. Conforme a capacidade dos governos dos países se expande, os papéis
dos governos e das organizações do setor privado sofrem mudanças. Independentemente 25
de vivermos em momentos de crise ou abundância, de termos consumidores conscientes
ou não, é inegável que as organizações causam impactos significativos em grupos sociais,
especialmente os mais vulneráveis.

Legenda: A globalização é um processo de integração econômica, social, cultural e política.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Uma empresa socialmente responsável precisa buscar trabalhar de forma integrada questões
sociais, econômicas e ambientais, não só em sua própria gestão, mas, preferencialmente
26 de forma sinérgica com outras empresas e com o poder público. No entanto, isso nem
sempre é possível de ser feito de forma rápida, barata e robusta, infelizmente. Não é raro
encontrarmos organizações em diferentes níveis de atuação e de processos de internalização
da responsabilidade socioambiental; há desde ações pontuais até empresas que inserem a
preocupação com a sociedade e o planeta em seus planejamentos estratégicos.

Algumas empresas apresentam formas mais simples de dedicarem tempo e recursos às


questões que afligem a sociedade. Algumas realizam ações sociais (também conhecidas como
assistencialistas/filantrópicas) ou ações pontuais, como distribuição de agasalhos e alimentos
às populações carentes e a comunidades do entorno de seus empreendimentos.

Em outros casos, algumas empresas chegam a ter projetos mais estruturados, mas que, pelo
fato de estarem relacionados apenas às comunidades, são reconhecidos como programas de
investimento social.

Atente-se às diferenças entre as ações assistencialistas/filantrópicas e as de investimento


social privado, segundo o Grupo de Institutos Fundações e Empresas (GIFE).

Ações assistencialistas/
Investimento social privado
filantrópicas

• Atendem às necessidades • Ocorre o repasse voluntário de recursos


momentâneas por meio de ações privados de forma planejada, monitorada e
pontuais. sistemática para projetos sociais, ambientais e
culturais de interesse público.
• Não são capazes de gerar uma
transformação social. • Pode ser alavancado por meio de incentivos
fiscais concedidos pelo poder público e
também pela alocação de recursos não
financeiros e intangíveis.

• Há preocupação com o planejamento, o


monitoramento e a avaliação dos projetos.

• A estratégia é voltada para resultados


sustentáveis de impacto e transformação
social.

• Há ênfase na profissionalização da forma de


atuação e envolvimento da comunidade no
desenvolvimento da ação.

Curso Técnico em Agronegócio


Ressalta-se que ambas as formas são parte integrante da gestão socialmente responsável,
que é composta da responsabilidade social, do investimento social e da ação social:

Ações oriundas do
Responsabilidade planejamento estratégico
social Todas as partes
interessadas

Investimento Ações contínuas


social Comunidade

Ação Ações pontuais


social Comunidade

Legenda: Diferença entre os conceitos de ação social, investimento social e responsabilidade social.
Fonte: Elaborada pela autora.

Segundo o site Mundo ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial), as empresas têm um


importante papel como financiadoras de ações sociais que permitam assegurar o cumprimento
de direitos universais, como educação e cultura, ou até mesmo a defesa de direitos, como a
luta contra todas as formas de discriminação e o apoio à diversidade.

Dica

O site do Mundo ISE é uma plataforma criada por iniciativa da BM&FBOVESPA, 27


realizada pelo Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV-EAESP (GVces),
com uma interface lúdica que utiliza charges e lustrações para você aprender

' sobre o conjunto de temas que envolve a sustentabilidade empresarial e


estimula a disseminação de boas práticas. Os temas tratados são interessantes
para quem trabalha com o agronegócio. Vale a visita!

Acesse pelo link: <http://mundoise.isebvmf.com.br>.

Os recursos privados que são voluntariamente repassados a uma causa, de forma planejada,
monitorada e sistemática para projetos sociais, ambientais e culturais de interesse público são
chamados de Investimento Social Privado (ISP) empresarial. O ISP inclui doações filantrópicas
feitas pelas companhias, apoio a projetos de organizações sem fins lucrativos e projetos
próprios que tenham como objetivo gerar benefício público.

Além das empresas, a ação voluntária de indivíduos, igrejas, grupos ou famílias também cumpre
o papel de financiar essas agendas, mas as corporações podem garantir uma infraestrutura de
governança e de avaliação dos impactos desse financiamento de forma bastante estruturada.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Comentário do autor

28 É importante distinguir o ISP de investimentos sociais não voluntários, que


atendem, por exemplo, a uma imposição legal, a atos administrativos ou a

d decisão judicial, incluindo obrigações decorrentes de licenciamento ambiental,


Termos de Ajustamento de Conduta e contrapartidas socioambientais de
financiamentos. Diferentemente do ISP, esses investimentos têm como objetivo
mitigar ou compensar os impactos negativos das empresas, em vez de gerarem,
de forma voluntária, um benefício público por meio de recursos privados.

2. Princípios e diretrizes internacionais


A responsabilidade social das organizações nasce de um contexto internacional em que temas
como direitos humanos, direitos do trabalho, meio ambiente e desenvolvimento sustentável
passam a ser cada vez mais discutidos entre os países-membros das Nações Unidas. E com
essas discussões, nascem diretrizes que orientam sua formulação conceitual inclusive no
âmbito empresarial.

Essas iniciativas são traduzidas em padrões, acordos, recomendações e códigos unilaterais


e multilaterais que ajudam a compreender a responsabilidade social como tema emergente
para as organizações.

Leitura complementar

Os princípios e as iniciativas internacionais servem como referência para


empresas e organizações que desejam tornar suas ações sustentáveis e apontam

c algumas diretrizes que ajudam a estabelecer metas, verificar desempenho


e realizar uma gestão das mudanças. Ficou interessado? Acesse o material
complementar desta unidade curricular na biblioteca do AVA e aprofunde seus
conhecimentos com a leitura das “Diretrizes para relato de sustentabilidade”.

Documentos elaborados ou publicados pelas Nações Unidas e seus organismos (OIT, FAO,
OMC, IFC e PNUD) conferem um patamar considerado o mínimo aceitável para os padrões
de sustentabilidade e, apesar de alguns terem mais afinidade com o agronegócio do que
outros, não há como negar que todos os documentos citados a seguir são inspiradores para
a implementação da responsabilidade social:
• Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU;

• Declaração do Rio Agenda-21, da ONU, que trata de meio ambiente, desenvolvimento sus-
tentável e erradicação da pobreza;

• Declaração da OIT sobre os Princípios e Direitos Fundamentais do Trabalho e seu Segui-


mento;

• Carta da Terra;

Curso Técnico em Agronegócio


• Declaração Tripartite sobre Empresas Multinacionais da OIT;

• Convenção 169 sobre Povos Indígenas e Tribais;

• Diretrizes para Empresas Multinacionais da OCDE.

Quanto ao aspecto legal, destaca-se que as regulamentações trabalhistas brasileiras incorpo-


ram as Convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT). A OIT é uma instituição
internacional responsável pela elaboração e a supervisão das Normas Internacionais do Tra-
balho, que prescrevem a participação tripartite (representantes de governos, de emprega-
dores e de trabalhadores têm o mesmo direito de voto). A Declaração sobre os Princípios e
Direitos Fundamentais do Trabalho (ILO, 1998) e seu seguimento preveem, para as relações
trabalhistas, princípios como:

• Convenção no 184 sobre a Segurança e a Saúde na Agricultura (essa convenção embasou a


Norma Regulamentadora no 31 – Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária
Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura);

• Liberdade de Organização e o Direito a Negociações Coletivas (Convenções 87, 98, comple-


mentadas pela Convenção 135 da OIT);

• Proibição de trabalho forçado (Convenções 29 e 105 da OIT);

• Proibição de trabalho infantil (Convenções 138 e 182 da OIT);

• Proibição de discriminação no trabalho e na profissão (Convenções 100 e 111 da OIT) e as


Convenções 87 e 98 (complementadas pela Convenção 135 da OIT).

Entre os princípios e as diretrizes internacionais que servem de referência para a gestão so-
cialmente responsável, temos as convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Leitura complementar 29
Especificamente a Convenção 184 da OIT serviu como referência para a Norma
Regulamentar do trabalho no 31, que trata da segurança e da saúde no trabalho
em agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e aquicultura.

c Essa norma também se aplica às atividades de exploração industrial


desenvolvidas em estabelecimentos agrários. Para saber mais sobre esse
assunto, acesse o documento NR 31 na biblioteca virtual do AVA desta unidade
curricular.

Quanto à dimensão ambiental, a preocupação da sociedade começou a tomar forma durante a


Conferência sobre o Meio Ambiente, a Rio-92. Hoje, somam-se a essas dezenas de convenções
e acordos, entre os quais destacamos:

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Painel Intergo-
vernamental
30 sobre Mudan-
ças Climáticas;
Convenção
Aarhus, pela
qual estabele-
ceu-se pela
primeira vez Convenção de
Estocolmo
uma relação
Convenção de sobre os
entre os direi-
Viena para a Convenção de Poluentes
Proteção da Combate aos tos humanos e Orgânicos
Camada de Desertos e à os direitos Persistentes
Ozônio; Desertificação; ambientais; (POP);

Cúpula da Protocolo de Protocolo de Relatório


Terra, no Rio Kyoto (ratifica- Cartagena Stern.
de Janeiro – do em 1999); sobre Biosse-
como produto gurança;
dessa Confe-
rência, foram
assinados
cinco docu-
mentos:
1. Agenda 21;
2. Declaração
do Rio sobre
Meio Ambiente
e Desenvolvi-
mento;
3. Princípios
para a Admi-
nistração
Sustentável
das Florestas;
4. Convenção
sobre Mudança
do Clima;
5. Convenção
da Biodiversi-
dade;

Amplamente aceitos em todo o mundo, esses tratados, diretrizes e instrumentos citados atin-
gem diretamente toda atividade empresarial – o que inclui o agronegócio – e suas obrigações
e atribuem às empresas as responsabilidades na promoção e no cumprimento de direitos.

Entre os documentos mais importantes, destaca-se a Declaração Universal dos Direitos


Humanos, que inclui em seu preâmbulo a importância das empresas para a garantia da plena

Curso Técnico em Agronegócio


realização dos direitos humanos quanto aos ideários de liberdade, igualdade e fraternidade.
Além desse, outros documentos merecerão destaque a seguir.

Carta da Terra
Diferentemente da Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada na
Cúpula da Terra em 1992, a Carta da Terra nasceu da ideia de se criar um movimento mundial
que nascesse de baixo para cima, a partir da escuta dos desejos da humanidade para com sua
casa: a Terra.

A consulta mundial, que durou dois anos, envolveu 46 países e mais de 100 mil pessoas com
mais diversas características socioeconômicas. A Carta da Terra é estruturada em quatro prin-
cípios fundamentais, detalhados em 16 proposições de apoio. Estes são os quatro princípios:

1. respeito e cuidado à comunidade de vida;

2. integridade ecológica;

3. justiça social e econômica;

4. democracia, não violência e paz.

Leitura complementar

O que você achou dos princípios dispostos na Carta da Terra? Você topa

c o desafio? No site do Ministério do Meio Ambiente, há vários materiais


interessantes para a disseminação da Carta da Terra, incluindo o folder
informativo Carta da Terra, do Programa Agenda 21, que você pode encontrar na
biblioteca do AVA. Não deixe de ver!

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio – ODM (UNDP – 2000) 31


Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) foram estabelecidos no ano 2000 e in-
cluíam oito objetivos de combate à pobreza que deveriam ser alcançados até o final de 2015:

Legenda: Ícones dos 8 Objetivos do Milênio.

Fonte: PNUD (2015).

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Alguns progressos significativos foram realizados de forma a, efetivamente, melhorarem a
vida de milhões de pessoas. No entanto, a chegada do prazo final e a constatação de que muito
32 ainda precisaria ser feito levou as Nações Unidas a definirem os Objetivos de Desenvolvimento
Sustentável (ODS) como parte de uma nova agenda de desenvolvimento sustentável que
deverá finalizar o trabalho dos ODMs e não deixar ninguém para trás.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) (UNDP – 2015)


Essa agenda, lançada em setembro de 2015 durante a Cúpula de Desenvolvimento Sustentável,
foi discutida na Assembleia Geral da ONU, onde os Estados-membros e a sociedade civil
negociaram suas contribuições.

O processo rumo à agenda de desenvolvimento pós-2015 foi liderado pelos Estados-membros


e teve a participação dos principais grupos e partes interessadas da sociedade civil. A agenda
reflete novos desafios de desenvolvimento e está ligada ao resultado da Rio+20 – a Conferência
da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável –, que foi realizada em junho de 2012 no Rio de
Janeiro, Brasil.

Em dezembro de 2014, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, lançou seu Relatório de síntese,
em que resume essas contribuições e apresenta sua visão para a agenda de desenvolvimento
sustentável pós-2015.

Nesse relatório, baseado na experiência de duas décadas de prática de desenvolvimento e


em contribuições obtidas por meio de um processo aberto e inclusivo, chamado de Synthesis
Report of the Secretary-General On the Post-2015 Agenda (O Caminho para a Dignidade em 2030)
apresenta um mapa com o objetivo de alcançar a dignidade nos próximos 15 anos.

O documento final destaca a erradicação da pobreza como o objetivo primordial da nova


agenda de desenvolvimento e busca, em sua essência, a integração das três dimensões do
desenvolvimento sustentável – econômica, social e ambiental.

A nova agenda de desenvolvimento pede uma ação por todos os países, pobres, ricos e de
renda média. Os Estados-membros se comprometem a não deixarem ninguém para trás.
Os “cinco Ps” (pessoas, planeta, prosperidade, paz e parceria) mostram um pouco do amplo
alcance da agenda.

Estamos determinados a acabar com a pobreza e a fome, em


todas as suas formas e dimensões, e a garantir que todos os seres
Pessoas
humanos possam realizar o seu potencial em dignidade, em um
ambiente saudável.

Estamos determinados a proteger o planeta da degradação,


sobretudo por meio do consumo e da produção sustentáveis, da
Planeta gestão sustentável dos seus recursos naturais e tomando medidas
urgentes sobre a mudança climática, para que ele possa suportar as
necessidades das gerações presentes e futuras.

Curso Técnico em Agronegócio


Estamos determinados a assegurar que todos os seres humanos
possam desfrutar de uma vida próspera e de plena realização
Prosperidade
pessoal, e que o progresso econômico, social e tecnológico ocorra
em harmonia com a natureza.

Estamos determinados a promover sociedades pacíficas, justas


e inclusivas que sejam livres do medo e da violência. Não pode
Paz
haver desenvolvimento sustentável sem paz e não há paz sem
desenvolvimento sustentável.

Estamos determinados a mobilizar os meios necessários para


implementar esta Agenda por meio de uma Parceria Global para
o Desenvolvimento Sustentável revitalizada, com base em um
Parceria espírito de solidariedade global reforçada, concentrada em especial
nas necessidades dos mais pobres e mais vulneráveis e com a
participação de todos os países, todas as partes interessadas e
todas as pessoas.

Os vínculos e a natureza integrada dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável são de


importância crucial para assegurar que o propósito da nova Agenda seja atingido. Se realizarmos
as nossas ambições em toda a extensão da agenda, a vida de todos será melhorada, e nosso
mundo será transformado para melhor.

Os 17 objetivos sustentáveis e as 169 metas visam superar barreiras-chave sistêmicas para


o desenvolvimento sustentável, como a desigualdade, o consumo e os padrões de produção
insustentáveis, infraestrutura inadequada e falta de empregos. A dimensão ambiental do
desenvolvimento sustentável é coberta nas metas sobre os oceanos e recursos marinhos e
nas metas sobre os ecossistemas e a biodiversidade.

33

Legenda: 17 ODS.

Fonte: ONU BR (2015).

Os meios de implementação delineados no documento final coincidem com suas ambiciosas


metas e dão destaque a finanças, tecnologia e desenvolvimento de capacidades. Além de uma
meta independente sobre os meios de aplicação para a nova agenda, meios específicos são
adaptados a cada um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Pacto Global
Assim como a Carta da Terra, citada anteriormente, o Pacto Global, criado pela ONU no mesmo
período, é uma iniciativa voluntária que procura fornecer caminhos socialmente responsáveis
para empresas preocupadas com o futuro e cientes de suas responsabilidades.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


34

Legenda: Os dez princípios do Pacto Global.

Fonte: Pacto Global Rede Brasileira (2013).

Curso Técnico em Agronegócio


As empresas participantes do Pacto Global são diversificadas e representam diferentes
setores da economia e regiões geográficas. Elas buscam gerenciar seu crescimento de maneira
responsável, que contemple os interesses e as preocupações de suas partes interessadas
– incluindo funcionários, investidores, consumidores, organizações militantes, associações
empresariais e comunidade. A participação de milhares de empresas ao redor do mundo
foi decisiva para a criação da norma internacional de responsabilidade socioambiental ISO
26000, a qual detalharemos a seguir.

Dica

' Caso sua empresa rural ou organização queira assinar e se engajar no Pacto
Global, poderá fazê-lo preenchendo a carta modelo (que está disponível no site
do Pacto Global Rede Brasileira) de acordo com seu perfil.

Princípios empresariais para alimentos e agricultura


Como um desdobramento do Pacto Global, foram desenvolvidos, em 4 de março de 2014, os
Princípios Empresariais para Alimentos e Agricultura (PEAA).

Considerados o primeiro conjunto de valores empresariais globais e voluntários para o


agronegócio e a indústria alimentícia, buscam impulsionar o desenvolvimento sustentável e a
segurança alimentar em um setor econômico estratégico para a economia brasileira.

Os seis princípios citados a seguir oferecem uma abordagem sustentável e integrada para o
enfrentamento do desafio da crescente demanda global por alimentos.

1. Promover segurança alimentar, saúde e nutrição.

2. Ser ambientalmente responsável.

3. Garantir viabilidade econômica e compartilhar valores. 35

4. Respeitar os direitos humanos, criar trabalho digno e ajudar as comunidades rurais a


prosperarem.

5. Incentivar a boa governança e a responsabilidade.

6. Promover o acesso e a transferência de conhecimento, habilidades e tecnologia.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


3. Reconhecimento global

36
A norma ISO 26000 é uma referência mundial relacionada ao
termo responsabilidade social, porque é o resultado de um grande
esforço para criar um consenso entre diferentes países com cultura,
economia e legislação diferentes. Além disso, agrupa referencias
como Pacto Global da ONU e a Declaração Universal dos Direitos
Humanos, visando construir um conjunto de diretrizes que auxilie na
implementação de ações de responsabilidade social.

Um dos objetivos da iniciativa é simplificar e unificar as normas e os tratados internacionais


sobre responsabilidade social; com isso, ela busca facilitar a adoção das diretrizes principais
pelas instituições e orientar as decisões das empresas. Ao contrário de outras normas da
ISO, como a ISO 9000 (direcionada para a qualidade da gestão empresarial), a ISO 14000
(relativa ao meio ambiente) e a ISO 22000 (relativa à segurança alimentar), a ISO 26000 não
tem um caráter de certificação, ou seja, as instituições que decidirem participar não são
fiscalizadas.

Comentário do autor

d Pela abrangência e o reconhecimento, essa norma funcionou como principal


referência teórica desta unidade curricular.

4. Os cinco estágios da responsabilidade socioambiental

Sabemos que, cada vez mais, empresas, indústrias e propriedades rurais identificam a res-
ponsabilidade social empresarial como prioridade em seus processos. No entanto, é possível
perceber que há pouca conscientização sobre o tema, especialmente em pequenas e médias
empresas, com relação ao entendimento de seu papel na sociedade e à maneira de incorpo-
rar de forma efetiva e integrada os aspectos relacionados com a RS nos negócios.

Mas como verificar se uma empresa está alinhada com os princípios da responsabilidade so-
cial? Existem diversas abordagens para o mapeamento do estágio de alinhamento das empre-
sas com relação à RS e à sustentabilidade, cada uma com nomenclatura e linguagem próprias.
Entre essas abordagens, destacam-se duas, uma indicada pelo Instituto Ethos e outra pelo
Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC):

Curso Técnico em Agronegócio


Indicadores Ethos para negócios
sustentáveis e responsáveis

Nível 21
Estágio
A empresa atende a legislação, quando pertinente, e/ou
trata o tema de forma incipiente.

Estágio 2
A empresa desenvolve iniciativas e implementa práticas
coerentes.

Estágio 3
A empresa adota políticas formalizadas e implementa
processos para promover valores.

Estágio 4
A empresa mensura os benefícios de sua gestão e os con-
sidera nas tomadas de decisão e na gestão de riscos (in- 37
cluindo a cadeia de valor).

Estágio 5
A empresa passou por transformações e inovações para a
geração de valores e atualização de suas práticas.

NEGÓCIO SUSTENTÁVEL E
RESPONSÁVEL

Legenda: Adaptado dos indicadores Ethos para Negócios Sustentáveis e Responsáveis.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Guia de sustentabilidade para as empresas – IBGC

38 Estágio 1: Pré-cumprimento legal

Nesse estágio, a empresa entende que os lucros são sua única obrigação, ignora o tema
sustentabilidade e coloca-se contra qualquer regulamentação nesse sentido, pois representaria
gastos adicionais.

Estágio 2: Cumprimento legal

A empresa gerencia seus passivos obedecendo à legislação trabalhista, ambiental, de saúde e de


segurança. Limita-se ao cumprimento legal e o faz com competência. Ações sociais e ambientais
são consideradas como custos, e a sustentabilidade é tratada “da boca para fora”.

Estágio 3: Além do cumprimento legal

A empresa apresenta postura proativa, percebe que pode economizar custos por intermédio
de iniciativas de ecoeficiência e reconhece que investimentos socioambientais podem
minimizar incertezas e riscos na operação, melhorar a reputação e impactar positivamente
no valor econômico. Iniciativas de sustentabilidade estão concentradas em departamentos
especializados, em vez de serem institucionalizadas.

Estágio 4: Estratégia integrada

A empresa redefine-se em termos de marca e integra a sustentabilidade com suas estratégias-


chave de negócios. O fórum principal do tema na empresa é o conselho de administração.
Consegue agregar valor econômico por meio de iniciativas diferenciadas que beneficiam suas
partes interessadas. No lugar de custos e riscos, percebe investimentos e oportunidades,
desenvolve produtos e serviços limpos, está atenta ao ciclo de vida dos seus produtos e serviços
e beneficia-se das iniciativas de sustentabilidade.

Estágio 5: Propósito & paixão

Nesse nível a empresa se recusa a contribuir com a insustentabilidade mundial. A gestão é


influenciada fortemente, já que a sustentabilidade é vista de forma estratégica.

Fonte: IBGC (2007).

Comentário do autor

É importante ressaltar que, em ambas as abordagens, o “cumprimento legal” está

d em um estágio bem inicial. No Brasil, onde a leniência com o descumprimento


legal é quase uma regra, isso pode ser um impeditivo para a gestão socialmente
responsável.

Curso Técnico em Agronegócio


Encerramento do tema
Neste tema, você conheceu os principais desafios da modernidade que influenciam o desen-
volvimento sustentável. Viu também que existe uma acirrada discussão em relação aos con-
ceitos de sustentabilidade e responsabilidade social.

Apesar de esses dois conceitos estarem interligados, não são sinônimos. De acordo com
a NBR 16001:2012, o desenvolvimento sustentável refere-se a satisfazer as necessidades
do presente dentro dos limites ecológicos do planeta sem comprometer a capacidade
das futuras gerações de suprir suas próprias necessidades. Já a responsabilidade social
representa o comprometimento com ações que contribuam para garantir, a longo prazo e
de forma sustentada, os recursos indispensáveis à sobrevivência da empresa e da sociedade,
considerando as necessidades sociais, econômicas e ambientais.

Para alcançar essas definições, um longo caminho foi percorrido, porque os elementos da
responsabilidade social refletem as expectativas da sociedade em um momento específico e
são, portanto, passíveis de mudança. Conforme as preocupações da sociedade mudam, suas
expectativas em relação às organizações também mudam para refletir essas preocupações.

Assim, você conheceu os documentos elaborados para definir padrões, acordos, recomenda-
ções, códigos unilaterais e multilaterais para promover o desenvolvimento sustentável e o his-
tórico da Norma Internacional de Responsabilidade Social, a ISO 26000, documento reconhe-
cido internacionalmente por apresentar um consenso entre diferentes países sobre o tema.

Por fim, você compreendeu a importância da RS e as principais formas para identificar seus
diferentes estágios nas empresas e organizações. No próximo tema, você aprofundará seus
estudos sobre a sustentabilidade e as relações existentes entre o agronegócio, a sociedade e
o meio ambiente.

Atividades de aprendizagem 39
1. Para que possamos entender o porquê do surgimento do conceito de responsabilidade
socioambiental, é necessário reconhecer que, entre os problemas contemporâneos, temos:

I. o trabalho infantil;

II. o trabalho análogo ao de escravo;

III. o aumento da produção de alimentos;

IV. o consumo irresponsável dos recursos naturais;

V. o crescimento populacional;

VI. a igualdade social.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Estão CORRETAS as afirmações descritas apenas em:

a) I, II, V e VI.
40
b) I, II, IV e V.

c) I, II e V.

d) I, II, V e VI.

e) I, II, III, IV, V e VI.

2. Apesar de badalados, é muito comum a confusão entre os conceitos de responsabilidade


social e de desenvolvimento sustentável. Algumas pessoas os veem como sinônimos,
outras os veem como complementares e outras como similares.

Podemos chegar à conclusão de que esses conceitos são dinâmicos, assim como a própria
sociedade, em permanente evolução e em estado contínuo de transformação. Por isso, ao
analisar as opções a seguir, relembre como esses conceitos estão definidos atualmente
nas diversas ferramentas de gestão analisadas ao longo do nosso curso.

1) Responsabilidade social

2) Desenvolvimento sustentável

(( )Começou em grande parte como sinônimo de filantropia.

(( )Relaciona-se aos indivíduos, à responsabilidade perante os outros a quem, direta ou


indiretamente, estamos ligados e para quem nossas escolhas, decisões e ações possam
causar impactos.

(( )É o desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual sem comprometer


a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações.

(( )Começou em grande parte com a preocupação ambiental.

(( )Refere-se à integração de objetivos de alta qualidade de vida, saúde e prosperidade


com justiça social e manutenção da capacidade da Terra de suportar a vida em toda a
sua diversidade.

Curso Técnico em Agronegócio


(( )Significa obter crescimento econômico necessário, garantindo a preservação do meio
ambiente e o desenvolvimento social para o presente e as gerações futuras.

(( )Forma de gestão que se define pela relação ética e transparente da empresa com todos
os públicos com os quais ela se relaciona e pelo estabelecimento de metas empresariais
compatíveis com o desenvolvimento sustentável da sociedade, preservando recursos
ambientais e culturais para gerações futuras, respeitando a diversidade e promovendo
a redução das desigualdades sociais.

A sequência CORRETA, de cima para baixo, é:

a) 1, 2, 1, 2, 2, 2, 1.

b) 1, 2, 2, 1, 1, 2, 1.

c) 1, 1, 2, 2, 1, 2, 1.

d) 1, 2, 1, 1, 2, 2, 1.

e) 2, 1, 2, 2, 2, 1, 1.

3. Quando analisamos os documentos que tratam da responsabilidade social, percebemos


que a maioria ou está relacionada com governos ou prioriza atividades industriais, vistas
pela sociedade como as que mais impactam o meio ambiente. No entanto, aos poucos,
vemos o surgimento de guias e manuais que destacam outros setores, entre eles, o
agronegócio. Identifique, a seguir, qual documento, de forma inédita, traz um conjunto
de valores empresariais globais e voluntários de modo a impulsionar o desenvolvimento
sustentável e a segurança alimentar no agronegócio e na indústria alimentícia. Assinale a
alternativa que contempla o nome desse documento.

a) Pacto Global 41

b) Carta da Terra

c) Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

d) Princípios Empresariais para Alimentos e Agricultura (PEAA)

e) Declaração Universal dos Direitos Humanos

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


4. As empresas podem ajudar a sociedade e o meio ambiente de várias formas. Em alguns
casos, elas podem realizar ações bem simples, como dedicar tempo e recursos de
42 forma pontual; em outros casos, elaborar projetos mais estruturados que demandarão
monitoramento e avaliação quanto à eficácia das atividades propostas e realizadas. Esse
primeiro modo, também conhecido como filantropia e ações assistencialistas, é denominado
de ação social. Identifique, a seguir, exemplos de ações que qualquer empreendimento
agropecuário, independentemente do porte e do número de funcionários, pode fazer.

Assinale exemplos de ações sociais que podem ser realizados por todas as pessoas e
empresas.

I. Doação de agasalhos

II. Doação de alimentos

III. Cessão de funcionários para atividades pontuais em escolas e igrejas, como pintura e
capina

IV. Elaboração e implementação de um programa de inclusão digital para crianças carentes

V. Financiamento e execução de um programa de revegetação de mata ciliar no seu mu-


nicípio

Estão CORRETAS as afirmações descritas apenas em:

a) I, II, V.

b) II, IV, V.

c) I, II, III.

d) II, III, V.

e) III, IV, V.

5. Existem diversas abordagens para o mapeamento do estágio de alinhamento das empresas


com relação à responsabilidade social e à sustentabilidade, cada uma com nomenclatura e
linguagem próprias. Classifique as afirmações a seguir como verdadeiras (V) ou falsas (F).

(( )Como a gestão socioambientalmente responsável é bastante complexa, ela passa por


alguns estágios.

(( )Apenas uma abordagem se destaca, a do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa.

(( )Independentemente da abordagem, o cumprimento legal é considerado o estágio mais


avançado.

Curso Técnico em Agronegócio


(( )O cumprimento legal encontra-se nos estágios iniciais de ambas as abordagens.

(( )Nas abordagens de ambos os institutos, o estágio considerado mais elevado é aquele


em que a empresa passa por transformações e inovações de forma a gerar valor e
atualizações de suas práticas e coloca a sustentabilidade como parte da estratégia.

Assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA, de cima para baixo.

a) V, F, V, V, F

b) V, V, F, V, F

c) V, F, F, V, V

d) F, F, V, V, V

e) V, F, V, F, V

43

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


02
Agronegócio e
gestão de partes
interessadas
Tema 2: Agronegócio e gestão de partes
interessadas
No tema anterior, você estudou as diferenças entre os conceitos de responsabilidade social e
desenvolvimento sustentável. Neste tema, vamos abordar suas relações com as mais diversas
partes interessadas e correlacioná-los com a realidade do agronegócio nacional. 45
Mas o que são partes interessadas? Segundo a norma ISO 26000, o termo “partes interes-
sadas” pode ser definido como “indivíduo ou grupo que tem interesse em quaisquer decisões
ou atividades de uma organização”.

Partes interessadas

Partes interessadas também são descritas como stakeholders ou públicos de interesse.

Considerado extremamente estratégico nos dias de hoje, o ato de identificar e compreender


como indivíduos ou grupos podem ser afetados e como eles podem reagir às organizações é
algo que pode antecipar riscos e cenários. É, portanto, um ato fundamental para a sobrevivência
de algumas organizações.

Por isso, é importante que o empreendedor rural se preocupe com os interesses de sócios,
empregados, clientes e fornecedores que serão afetados pelas decisões tomadas no geren-
ciamento da empresa rural.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Assim, neste tema, buscaremos responder aos questionamentos: de que forma é possível aplicar
a responsabilidade social no setor do agronegócio? Como gerenciar essa responsabilidade em
46 uma empresa rural?

Para responder a essas questões, vamos conhecer as especificidades dos processos de pro-
dução sob o ponto de vista da sustentabilidade e da preservação ambiental e identificar a di-
ferença entre o modelo de gestão tradicional e o modelo de gestão socialmente responsável.

A responsabilidade social envolve uma compreensão mais ampla das expectativas da socie-
dade. Isso significa dizer que, quanto maior e mais diversificado for um país, mais complexa
será essa etapa do processo.

Temos como exemplo o fato de o Brasil estar muito à frente de outras economias em alguns
aspectos: possui uma matriz energética predominantemente limpa, tem uma democracia
consolidada, uma agropecuária forte e inovadora e busca melhorias na distribuição de renda
e na redução da pobreza. Por outro lado, outros aspectos apontam para questões sérias e
não resolvidas, como o desmatamento, a qualidade da educação, o nível de corrupção e as
condições de trabalho de milhões de trabalhadores.

Legenda: Contrastes do Brasil: matriz energética limpa (Usina Itaipu Binacional) e desmatamento da Amazônia.

Essa diversidade de cenários e olhares acaba por demandar um modelo de desenvolvimento


mais inclusivo e responsável por todas as partes interessadas. Em meio a tantas informações,
e a partir de perspectivas e fundamentações distintas, são compreensíveis as dúvidas quanto
às diferenças, semelhanças e relações entre responsabilidade social, sustentabilidade e
desenvolvimento sustentável. Isso porque a sustentabilidade de determinada organização

Curso Técnico em Agronegócio


pode ou não ser compatível com a sustentabilidade da sociedade, a qual é obtida quando se
lida com aspectos sociais, econômicos e ambientais de maneira integrada.

Consumo sustentável, uso sustentável de recursos e meios de vida sustentáveis são relevantes
a todas as organizações e têm a ver com a sustentabilidade da sociedade de modo geral. Assim,
esse conceito é, cada vez mais, entendido como um imperativo transversal às organizações,
independentemente da sua natureza.

O novo ambiente empresarial e os desafios de sustentabilidade exigem perspectivas diferentes


sobre o engajamento de partes interessadas. A novidade é o enfoque e a importância estratégica
que vêm sendo dados ao tema no contexto específico da sustentabilidade corporativa.

Há um consenso de que uma abordagem inclusiva das partes interessadas é crítica, não ape-
nas para dar credibilidade e responder às demandas dessas partes por serem ouvidas, mas
também para impulsionar o conhecimento, a inovação e o desempenho no âmbito do negócio.

Está claro que, para tomarem decisões significativas e acertadas, as empresas devem
estar atentas aos sinais que suas partes interessadas estão dando, os quais podem afetar
materialmente, significativamente o seu negócio.

Empresas que estão liderando o caminho são aquelas capazes de


antecipar as respostas para as questões sociais, ambientais e de
governança por meio de planejamento empresarial constante, de
abordagens eficazes e da capacidade de entender e responder às
oportunidades e aos riscos levantados para com seus funcionários,
colaboradores, clientes, fornecedores e pelas comunidades onde
atuam.

Sejam quais forem as motivações, é importante que as empresas implantem a gestão de


responsabilidade social mesmo que, gradativamente, adequando o negócio às demandas
47
atuais, estabelecendo e utilizando ações de acompanhamento e avaliação dos resultados
e impactos e gerando condições para manutenção e ampliação de práticas socialmente
responsáveis.

A identificação e o engajamento de partes interessadas são ações fundamentais para se


praticar a responsabilidade social. É preciso determinar quem tem interesse em suas decisões
e atividades para poder compreender seus impactos e como lidar com eles.

Mas, apesar de as partes interessadas poderem ajudar uma organização a identificar a


relevância de assuntos específicos para suas decisões e atividades, elas não substituem a
sociedade de modo mais amplo na determinação de normas e expectativas de comportamento.
Um assunto pode ser relevante para a responsabilidade social da organização mesmo quando
não é identificado especificamente pelas partes interessadas que ela consulta.

Ao se acompanhar e avaliar a adesão da responsabilidade social, é possível identificar resul-


tados ao negócio e às partes interessadas, de modo a contribuir para a imagem, a reputação,

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


a produtividade, a competitividade e a perenidade do negócio. Além disso, é importante des-
tacar que as responsabilidades e relações com as diversas partes interessadas variam em
48 função de especificidades setoriais e de diferenças culturais.

As empresas que se envolvem em projetos de responsabilidade social estão integrando


os valores do desenvolvimento sustentável em sua gestão. Desse modo, as organizações
“responsáveis” não trabalham apenas para satisfazer as suas próprias necessidades, mas
também para buscar o bem-estar da sua geração e das gerações futuras.

Para entendermos como a responsabilidade social efetivamente acontece, primeiramente,


precisamos estudar sobre uma prática fundamental: a identificação e o engajamento das
partes interessadas, o que veremos no tópico a seguir.

Curso Técnico em Agronegócio


Comentário do autor

Assim, ao final deste tema, você será capaz de:

• Identificar as partes interessadas.

• Organizar as partes interessadas por ordem de prioridade.

• Compreender, analisar e discutir as relações existentes entre o agronegócio,

d
a sociedade e o meio ambiente no contexto das políticas públicas e de outros
espaços de construção social.

• Entender os processos de produção.

• Compreender o valor do planejamento e da gestão com atividades essenciais


para o desenvolvimento sustentável do negócio rural.

• Conhecer a diferença entre a gestão tradicional e a gestão socialmente


responsável.

Tópico 1: O papel das partes interessadas na responsabilidade


social
A inserção das partes interessadas na estratégia organizacional teve o seu marco em 1984
com a publicação do livro “Strategic Management: a stakeholder approach”, de R. Edward
Freeman. A ideia central de uma gestão direcionada às partes interessadas sugere que os
gestores devam formular e implementar processos que satisfaçam todos, e não apenas os
grupos que investem no negócio.

A principal tarefa nesse processo é a de gerenciar e integrar as relações e os interesses de


acionistas, empregados, clientes, fornecedores, comunidades e outros grupos de forma a
garantir o sucesso a longo prazo das organizações. A gestão das partes interessadas enfatiza
a gestão ativa do ambiente de negócios, os relacionamentos e a promoção de interesses 49
comuns. (FREEMAN; MCVEA, 2001, p. 10).

Valendo-se da palavra inglesa “stockholders”, que significa “acionistas” e representa o pensa-


mento organizacional voltado para a dimensão econômica, Freeman propõe uma abordagem
mais ampla, a de “stakeholders”, que significa “partes interessadas” ou “públicos de relaciona-
mento” como “resposta a um desafio colocado por ele próprio. A ideia era expandir o conceito
de gestão estratégica para além de seus fundamentos econômicos tradicionais, focados na
geração de valor econômico para o acionista” (MARQUES, 2014, p. 93).

Em 1984, o mesmo autor sintetizou a teoria dos stakeholders com o seguinte esquema lógico:

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Não importa o motivo da sua existência, não importa
50
o seu objetivo final, você deve levar em conta os efei-
tos das suas ações sobre os outros, bem como seus
potenciais efeitos sobre você. 01
Fazer isso significa que você tem de entender os
comportamentos das partes interessadas, os valores
e as histórias ou os contextos, incluindo o contexto
social. Para ser bem-sucedido ao longo do tempo,
será melhor ter uma resposta clara para a questão
“qual é o sentido da nossa existência?”.
02
Existem algumas formas bem definidas para se
pensar sobre a gestão das partes interessadas, ou
pontos focais, que podem servir de resposta para a
pergunta “qual é o sentido da nossa existência?” ou a
estratégia empresarial.
03
Precisamos entender como as relações das partes
interessadas trabalham em três níveis de análise: ou
racional, ou /’organização como um todo”; o proces-
so, ou procedimentos operacionais padrão; e a tran-
sacional, ou negociação do dia a dia.
04
Podemos aplicar essas ideias no pensamento de
novas estruturas, processos e funções do negócio e
podemos especialmente repensar a forma como o
processo de planejamento estratégico trabalha para
levar em conta as partes interessadas.
05

06
Os interesses das partes interessadas precisam ser
equilibrados ao longo do tempo.

Legenda: Esquema lógico da teoria dos stakeholders.


Fonte: Freeman e Moutchnik (2013).

Curso Técnico em Agronegócio


O conceito da gestão das partes interessadas foi desenvolvido para que as organizações
pudessem reconhecer, analisar e examinar as características dos indivíduos ou grupos que
influenciam ou são influenciados pelas organizações (MAINARDES; ALVES; RAPOSO, 2011).
Dessa forma, segundo os autores, essa gestão é realizada em três níveis:

Nível 2
Construção de rela-
Desenvolvimento ções, com todo o
de processos de processo estrutura-
Identificação das identificação e inter-
partes interessadas do em torno dos
pretação de suas respectivos objeti-
necessidades e inte- vos da organização
resses

Nível 1 Nível 3

Legenda: Níveis de gestão das partes interessadas.

A teoria dos stakeholders tem origem em quatro áreas acadêmicas: ética, política, sociologia e
economia. Ela inclui a literatura sobre planejamento empresarial, teoria dos sistemas, respon-
sabilidade social corporativa e teoria organizacional. O objetivo era explicar o relacionamento
entre a empresa e o seu ambiente externo e o seu comportamento dentro desse ambiente.
Freedman define o seu modelo como um gráfico no qual a empresa está posicionada no cen-
tro e se encontra envolvida com as partes interessadas relacionadas com a empresa (MAINAR-
DES; ALVES; RAPOSO, 2011, p. 229).
51
Sobre a relação da teoria dos stakeholders
com a responsabilidade social corporati-
va, em 2010, Freeman criticou esta última
Governo
como algo “provavelmente supérfluo: uma
vez que as partes interessadas estejam
amplamente definidas e suas preocupa-
ções integradas aos processos do negócio,
Público
Organização interno simplesmente não há necessidade de uma
Acionistas
abordagem separada da responsabilidade
social corporativa” (FREEMAN, 2010 apud
FREEMAN; MCVEA, 2001, p. 6).

Consumidores De qualquer forma, convém que as orga-


nizações determinem quem tem interesse
em suas decisões e atividades para que
Legenda: Partes interessadas – visão tradicional.
possam compreender seus impactos e
como lidar com eles. Apesar de as partes
Fonte: Alledi e Quelhas (2007).

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


interessadas poderem ajudar as organizações a identificarem a relevância de assuntos espe-
cíficos para suas decisões e atividades, elas não substituem a sociedade na determinação de
52 normas e expectativas de comportamento. Um assunto pode ser relevante para a responsabi-
lidade social das organizações mesmo quando não identificado especificamente pelas partes
interessadas que elas consultam.

1. As diversas relações entre as partes interessadas (stakeholders)


A diversidade de partes interessadas amplia o número de demandas e reivindicações que,
não necessariamente, envolvem custos financeiros ou direitos legais para uma empresa. De
qualquer forma, para entender se o interesse envolve apenas o direito de ser informado, de
participar de forma mais ativa do planejamento e das decisões das empresas, ou mesmo para
impedir organizações de executarem o que está previsto em suas estratégias, será preciso
criar uma sistemática de priorização de partes interessadas.

Interessar-se pelo que é significativo para a maioria das partes interessadas pode estar rela-
cionado não só à responsabilidade social das organizações, mas também aos interesses da
sociedade. Podemos citar como exemplo os grupos politicamente motivados que buscam in-
formar, protestar e reivindicar para ganhar apoio, realizar debates e mobilizar participantes
para ações dentro e fora da rede. Essa ação é chamada de ciberativismo e pode impactar de
forma negativa a reputação das empresas, pois se fala em nome de partes interessadas espe-
cíficas ou que defendem causas realmente representativas e se têm credibilidade. Se
você é um empreendedor rural e trabalha com responsabilidade social, a realidade das redes
sociais trouxe um desafio a mais: identificar os interesses das partes interessadas também na
internet.

Ressalta-se que, em alguns casos,


não será possível levantar essa in-

O P
formação; assim, fica a cargo das
organizações dar ou não crédito às
VE demandas. Por exemplo: crianças
AL
LA

S
raramente possuem ou controlam
N

grupos organizados, e os animais


ET

selvagens nem sempre são defen-


A

didos por especialistas com conhe-


cimento científico e visão ecossis-
têmica. Nesse caso, convém que
uma organização esteja atenta aos
pontos de vista de grupos confiá-
veis que buscam proteger tais inte-
resses.

A norma ISO 26000 (ISO, 2010) su-


gere que algumas perguntas sejam
feitas nesse novo cenário de negó-
cios, em que as organizações deixa-
ram de ser o centro das relações.

Curso Técnico em Agronegócio


ONGs Governo

Grupos
Sindicatos
religiosos

Consumidores Concorrência
Setor Organizações
privado internacioanis

Acionistas Sociedade e Público


planeta interno

Fornecedores Meio
ambiente
Organização Imprensa

Gerações
Comunidades
futuras

Outros Escolas e
públicos academias

Legenda: Partes interessadas – rede de relacionamentos.

Fonte: Alledi e Quelhas (2007).

Entre as perguntas sugeridas, destacamos:


53
• Com quem as organizações têm obrigações legais?

• Quem poderia ser positivamente ou negativamente afetado pelas atividades ou decisões


das organizações?

• Quem provavelmente expressará preocupação com as decisões e atividades das organizações?

• Quem se envolveu no passado quando preocupações semelhantes precisaram ser tratadas?

• Quem pode ajudar as organizações a cuidarem de impactos específicos?

• Quem pode afetar a capacidade das organizações de arcar com suas responsabilidades?

• Quem seria desfavorecido se fosse excluído do engajamento?

• Quem da cadeia de valor é afetado?

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Dica

54 Se você é um produtor rural ou está envolvido de alguma forma com a

' agroindústria, responda a essas perguntas para visualizar quem compõe as


partes interessadas em sua área de atuação. Em seguida, você poderá mapear
com clareza quais são os grupos mais relevantes, nos quais se deve ter mais
atenção.

Tópico 2: Caracterizando o agronegócio sob o olhar socialmente


responsável
O fato de o agronegócio ser reconhecido como um setor estratégico para a economia brasileira
– por representar 23% do PIB brasileiro e ser o único setor com crescimento mais expressivo
diante da indústria claudicante e dos serviços em processo de exaustão – já o eleva à categoria
de extremamente sensível e relevante aos conceitos da responsabilidade social.

Mais do que sua relevância econômica, contudo, o que importa é o entendimento de que o
agronegócio – de base empresarial ou familiar – tem grande amplitude na cadeia produtiva,
pois envolve todos os processos: antes da porteira, dentro da porteira e depois da porteira da
propriedade. Esses três setores do agronegócio têm e terão grande aspecto “multiplicador” na
economia do planeta. Acompanhe, a seguir, a definição desses setores.

Antes da porteira

Insumos, bens de produção e serviços para a agropecuária: o antes da porteira diz respeito
à aquisição de sementes, mudas, fertilizantes, agroquímicos, tratores e implementos,
equipamentos de irrigação, embalagens etc. Representa cerca de 11% do volume de recursos
do agronegócio. As empresas que atuam nesse setor estão investindo pesado em tecnologia
e pesquisa para aumentarem sua competitividade. Meia dúzia de empresas transnacionais
domina esse setor. Outra característica forte nesse segmento são as fusões, acordos de cessão
de tecnologia e compras de empresas.

Dentro da porteira

É a produção agropecuária propriamente dita. O dentro da porteira, representado pela


produção primária (café, mamão, soja, milho, arroz, feijão, frutas, hortaliças, florestas plantadas,
pecuária, agroturismo, entre outras), envolve em torno de 26% do agronegócio. Nesse setor, a
produção rural também vem passando por significativo processo de concentração produtiva
e aumento de eficiência e de produtividade. Esse processo evolutivo tem levado milhões de
agricultores a abandonarem suas propriedades no mundo todo, bem como à concentração da
oferta de matérias-primas vegetais e animais nas mãos de menos propriedades – muito bem
gerenciadas, altamente produtivas e integradas eficazmente com o sistema que vem antes e
depois da porteira. Como exemplo, no Brasil, 75% da produção de grãos originam-se de 25% dos
estabelecimentos rurais considerados modernos, o que revela a rápida e forte mudança no perfil
tecnológico da produção rural.

Curso Técnico em Agronegócio


Depois da porteira

Processamento agroindustrial e distribuição. Finalmente, o depois da porteira, que é


o beneficiamento, transporte, armazenamento, processamento ou industrialização,
comercialização etc., é o responsável pela maior fatia do agronegócio: 63%. Esse é o setor
em que se concentra o maior potencial de mercado e desenvolvimento dos negócios. A
eficiência cada vez maior da cadeia competitiva do agronegócio, que vai da franquia urbana
ao pesquisador de tecnologia, barateia o produto final, estimula o consumo e contribui para o
aumento do consumo de alimentos.

Você percebe como a cadeia produtiva do agronegócio é complexa? Isso ocorre porque ela
envolve diferentes setores, processos e etapas até uma produção chegar ao consumidor
final. Devido a multiplicidades de etapas do agronegócio, mais complexo é o processo de
identificação e de engajamento de partes interessadas. Veja um exemplo dos elementos que
compõem o sistema do agronegócio:

Industrial

Produtos Fornecedor
Processa- Consumi-
de de Agricultor Varejista
dor dor
insumos insumos

55
Institucio-
nal

Legenda: Elementos do sistema do agronegócio.

Fonte: Abag.

Ainda devemos adicionar a esse conjunto os serviços financeiros, de transporte, marketing,


seguros, bolsas de mercadorias, instituições de ensino, pesquisa, extensão rural, assistência
técnica, crédito rural e as organizações de classe, que interagem e influenciam de maneira
intensa o agronegócio.

Mas, com essa complexidade, como é possível fazer um mapeamento de todos os envolvidos
no processo? De forma resumida, algumas representações gráficas podem ajudar no processo

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


de melhor entender o agronegócio. Uma delas é a representação da Associação Brasileira de
Agrobusiness (Abag), que divide o agronegócio em cinco principais setores:
56
Fornecedores Produção
de insumos agropecuária Processamento
Distribuição e Serviço de

+ + + +
e bens de (propriamente e transfor-
mação consumo apoio
produção dita)

Produção
Sementes Alimentos Restaurantes Agronômicos
animal

Calcário Lavouras Têxteis Hotéis Veterinários


permanentes
Lavouras
Fertilizantes Vestuário Bares Pesquisa
temporárias

Rações Horticultura Calçados Padarias Bancário

Defensivos Silvicultura Madeira Feiras Marketing

Combustíveis Floricultura Bebidas Supermerca- Vendas


dos

Tratores Extração Álcool Comércio Transporte


vegetal
Papel e
Colheitadeiras Indústria rural Exportação Armazenagem
papelão

Implementos Fumo Portos

Óleos
Máquinas Bolsas
essenciais

Motores Seguros

Produtos
veterinários

Legenda: Principais setores do agronegócio.

Fonte: Abag.

Comentário do autor

Cada setor tem a necessidade de criar um equilíbrio entre as ações de

d responsabilidade social em relação à cultura da empresa. Assumir uma postura


socialmente responsável também significa não descuidar da atividade fim a que
a empresa se dedica.

Curso Técnico em Agronegócio


1. Aspectos sociais e ambientais: realidades, desafios e oportunidades
Um dos pontos mais importantes dos argumentos utilizados quanto à dificuldade de se
integrarem os princípios da responsabilidade social à gestão organizacional está no fato de a
organização se abrir para o mundo e conhecer as expectativas das partes interessadas, além
de tomar conhecimento da realidade, dos desafios e das oportunidades pelo olhar do “outro”.

Esse processo realmente não é fácil, mas permite às empresas rurais a chance de minimizar
impactos negativos e maximizar os positivos. Com o agronegócio crescendo e concentrando-
se em grandes empresas multinacionais, alguns aspectos do cenário mundial precisam ser
considerados, pois são responsáveis por críticas positivas e negativas de algumas partes
interessadas.

A relação a seguir não é extensiva, mas traz uma reflexão quanto à forma como o agronegócio
nacional está se preparando para os desafios ou enxergando oportunidades.
• Novas tecnologias liberam o agricultor de atividades que consumiam seu tempo e de
práticas tradicionais agronômicas e veterinárias para que este possa dedicar-se à gestão e
aos fatores de marketing de sua empresa rural.

• O agronegócio é o setor econômico que envolve um número grande de trabalhadores e


ativos produtivos no mundo.

• O agronegócio representa grande parte das despesas dos consumidores.

• A intensificação tecnológica associada à maior vocação gerencial e à visão integradora


provoca um efeito seletivo entre a classe produtora: diminui o número de produtores
rurais e aumenta as áreas e a produtividade.

• Cresce intensamente o hábito de comer fora de casa em todas as populações do mundo.

• Desenvolve-se uma consciência ambientalista e de compromisso com a biodiversidade e


a saúde.
57
• Surge a agricultura de precisão, integrando os agentes pertencentes ao antes da porteira
em pacotes de tecnologia.

• As companhias químicas dominam a engenharia genética.

• A concepção dos produtos das companhias de alimentos e bebidas nasce na concepção


da engenharia de genes.

• Há mais fiscalização das condições de trabalho dos trabalhadores.

• Aumentam as exigências contratuais por parte de clientes, as quais vão muito além do
mínimo exigido pela legislação.

• É crescente a consciência de preservação do meio ambiente.

• O combate à fome tornou-se missão internacional.

• Aumenta o número de barreiras comerciais não tarifárias, inclusive com exigências socio-
ambientais.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


• A tecnologia continua avançando e modernizando o campo.

58 • O uso de fertilizantes cresceu muito nos últimos anos.

• A genética animal e vegetal jamais incorporou tanta produtividade e ainda traz consigo um
leque de alternativas biotecnológicas.

• Falta infraestrutura mínima no agronegócio brasileiro, principalmente no segmento de


transporte.

• Há maior risco de crédito.

• O produtor tende a privilegiar os investimentos na produção, e não na gestão.

Fique atento, pois esses apontamentos, se forem pertinentes, podem influenciar posturas
individuais, processos gerenciais e políticas públicas.

Tópico 3: A diversidade do ambiente agroindustrial


Para compreender melhor os processos de produção, vamos destacar, neste tópico, os
aspectos de diversidade, complexidade e abrangência do ambiente agroindustrial.

Segundo Pimentel (2008), as cadeias produtivas do agronegócio brasileiro englobam atividades


de produção agrícola, de fornecimento de insumos, de processo agroindustrial e de todas as
áreas que dão suporte ao fluxo de produtos até o consumidor final. Veja, na tabela a seguir,
os subsetores de atividade econômica que têm a função de dar suporte ao fluxo de produção.

Agropecuária Indústria Serviços

Lavoura permanente Extrativa mineral Comércio

Lavoura temporária Transformação Alojamento e alimentação

Pecuária Construção civil Transportes

Serviços industriais de
Horticultura Comunicações
utilidade pública

Extrativa vegetal Serviços financeiros

Atividades imobiliárias e
Silvicultura
serviços prestados a empresas

Pesca Administração pública

Investimentos em matas
plantadas e em culturas Demais serviços
permanentes

Indústria rural

...

Curso Técnico em Agronegócio


Agropecuária Indústria Serviços

Produção particular do
pessoal residente no
estabelecimento rural

Serviços auxiliares
da agropecuária

Legenda: Subsetores de atividade econômica.

Fonte: IBGE.

Um fato importante a se destacar com o crescimento do setor do agronegócio é o impacto


sobre a geração de empregos e o meio ambiente. Em decorrência da existência de vários
programas de políticas públicas, que direta ou indiretamente apoiam o setor, pode-se
assegurar que, além da questão mercantil, existe também, nesse universo, um novo padrão
de desenvolvimento, segundo o qual se busca a atenuação das disparidades econômicas,
sociais e regionais, por meio do crescimento sustentado, do respeito ao meio ambiente e da
valorização do trabalho.

Nesse sentido, é preciso criar condições para que o agronegócio se desenvolva, de modo
a integrar todos os seus segmentos e a superar as diversidades, entre elas os confrontos
socioambientais.

Leitura complementar

c Para ter uma visão do agronegócio brasileiro e relembrar a diversidade da


agroindústria do nosso país, acesse a biblioteca do AVA e leia o documento “O
agronegócio”.

59

Tópico 4: A complexa gestão contemporânea do agronegócio


O setor agrário brasileiro passou por profundas transformações a partir do processo de
modernização da agropecuária. Essa transformação, que ocorreu paralelamente à formação
e à consolidação dos complexos agroindustriais ocasionou inúmeros impactos, entre eles: a
dependência dos produtores aos financiamentos e aos poucos e enormes 96 conglomerados
comerciais e a degradação ambiental. Como as transformações continuam e os impactos
ambientais, sociais e econômicos também continuam a acontecer, será necessário migrarmos
de uma gestão administrativa eficaz, mas que deixa de lado o acordo de passivos com as
outras partes interessadas, para um modelo de gestão socioambientalmente responsável.

A seguir, esses temas serão apresentados de maneira relacionada com os princípios do geren-
ciamento empresarial, e seus aspectos de aplicabilidade e as alternativas serão aprofundados.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


1. Gestão administrativa

60 O alcance de metas e objetivos de uma propriedade rural depende da capacidade do gestor


em liderá-la como um empreendedor. Os resultados positivos são reflexos da transformação
na forma como a propriedade rural passou a ser pensada: como uma empresa rural. Visando
facilitar e dirigir um comportamento empreendedor a esses líderes, especialistas apontam
ferramentas essenciais para enfrentar as situações do mercado e do campo; dessa forma,
garantem uma boa gestão.

Para isso, podemos utilizar algumas dicas de gestão chamadas de “Os dez mandamentos da
boa gestão no agronegócio”, desenvolvidos pelo Núcleo de Estudos do Agronegócio da ESPM.
Acompanhe.

Os dez mandamentos da boa gestão no agronegócio

1. Monitoramento

Anotações relacionadas à produção (entradas, saídas, insumos)


são importantes. Esses dados, sistematizados, dão origem a índices
zootécnicos, administrativos e financeiros que servirão de parâmetros
para a adoção de melhorias nos processos. Registrar prazos e custos
de endividamento, obedecer a um orçamento, ter fluxo de caixa e
administrar estoques ajuda a controlar o negócio e a evitar surpresas,
porque aumenta a previsibilidade.

2. Delegação

Negócios em que funções e responsabilidades estão concentradas em


uma única pessoa tendem a apresentar mais falhas ou a crescer pouco.
Dividir, terceirizar e delegar melhora a gestão e abre caminho para uma
maior competitividade. Para isso, é preciso ter profissionais confiáveis
e qualificados e construir um ambiente de trabalho seguro, motivador,
com processos e relacionamentos claros. Promover o bem-estar do
funcionário é investir no negócio.

3. Criatividade

Um desafio ser financeiramente fora da realidade de um produtor


nem sempre é motivo para ser descartado. Bons empreendedores são
criativos. O investimento em equipamentos pode ser menos pesado
quando feito em cooperativa. Manter receitas e despesas registradas
e sob controle não exige, necessariamente, softwares complicados ou
computadores de última geração. A eficiência está no hábito de usar as
informações para tomar decisões.

Curso Técnico em Agronegócio


4. Curiosidade

Outros setores da economia podem sugerir ações que também servem


para o campo. Ter uma visão do todo é estar por dentro do que é
novidade e eficiente do lado de fora da propriedade. Saber como
produtores de outros países estão se comportando é entender o negócio
como parte de um universo maior. Claro que a solução dos outros
talvez precise ser adaptada ao seu contexto. É aí que entra a capacidade
criativa de cada produtor.

5. Renovação

Não adianta ser altamente produtivo sem conseguir um bom preço


para o resultado do trabalho. Para administrar riscos, é preciso estar
bem informado, considerar as tendências e saber como funcionam os
mercados futuros. Participar de cursos, eventos, oficinas, palestras,
mesmo que não sejam diretamente relacionados à atividade, pode
render boas ideias ou exercitar raciocínios que ajudarão a compreender
melhor as informações de mercado.

6. Autoavaliação

A ausência de indicadores qualitativos (certificações, representatividade


no setor) e a inconstância dos quantitativos (lucro, investimentos, acervo
técnico) revelam uma gestão fragilizada. É preciso conhecer bem o
comportamento do negócio, e isso ocorre por meio de avaliação interna
constante. Um bom gestor conhece o que tem na mão. Um sistema de
gestão imposto de fora, por exemplo, tem grandes chances de fracassar,
pois não considera peculiaridades. Não existem modelos prontos.
61

7. Sustentabilidade

Um bom gestor incorpora cada vez mais a ideia de produzir sem


prejudicar o ambiente, e para isso adota iniciativas sustentáveis que não
demandam tantos recursos, como redução do desperdício, reciclagem,
cuidado com a comunidade e preocupação com a origem dos produtos.
Essas ações valorizam a marca e podem ser o diferencial para vencer a
concorrência.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


8. Atitude
62
A mudança de postura do produtor para o empresário rural significa que
sua atenção deve alcançar mais do que as questões técnicas e também
abranger um entendimento do mercado. Um empresário planeja, tem
metas e objetivos em curto, médio e longo prazo. O foco ajuda na hora
das decisões, sejam pequenas, no dia a dia ou em um grande passo
motivado pelo mercado.

9. Longevidade

Projetar a propriedade para o futuro inclui pensar e planejar a


substituição de quem a administra. A longevidade do negócio passa,
necessariamente, por um processo de transição pensado com
antecipação. É importante observar as etapas que precisarão ser
cumpridas para que interesses, processos e pessoas fiquem alinhados
na mesma perspectiva.

10. Transição

Para que o processo de troca de comando ocorra de forma tranquila, é


necessário tomar alguns cuidados. Planejamento, diálogo e espaço para
que o atual e o futuro gestor troquem experiências são itens importantes
da transição.

2. Gestão socialmente responsável


Apesar de ser óbvio que uma organização seja responsável pelos impactos de suas decisões
e atividades sobre as partes interessadas, para algumas empresas, isso não é razão suficiente
para elas se responsabilizem por esses impactos.

Talvez seja esta, efetivamente, a diferença entre a gestão tradicional de uma empresa e a
gestão socialmente responsável: sua vontade de identificar e tratar os problemas resultantes
dos impactos de suas decisões e atividades, a partir do respeito e da consideração dos
interesses das partes interessadas, que serão afetadas por suas decisões e atividades.

Como vimos nos tópicos anteriores, entre os aspectos mais desafiadores da gestão socialmente
responsável está o reconhecimento das expectativas e dos interesses das partes interessadas
em seus múltiplos relacionamentos. No esquema a seguir, é possível visualizar a relação entre
a organização e suas partes interessadas.

Curso Técnico em Agronegócio


Sociedade e
Meio ambiente

Expectativas Impactos

Organização

Interesses Impactos

Partes
interessadas

Legenda: Relação entre a organização e as suas partes.

Fonte: International Organization for Standardization (2010).

Neste sentido, há algumas características que também deverão ser consideradas:


• a gestão terá de estar em total vínculo com o negócio da empresa;

• deve haver um total comprometimento da alta direção;

• por envolver partes interessadas, muitas vezes sensíveis, necessitará de uma gestão
profissional, sem improvisações;

• deve haver total envolvimento da empresa na gestão das ações a serem operacionalizadas;

• envolverá o cumprimento total da legislação;

• necessitará o envolvimento formal de todas as áreas; 63

• precisará de registros formais dos resultados e/ou avaliação das ações realizadas.

Além dessas características, há alguns princípios fundamentais para a gestão socialmente


responsável importantes de serem abordadas. É o que você estudará mais profundamente
no próximo tema.

Leitura complementar

Para compreender como superar os desafios e fazer uma gestão


socioambientalmente responsável, é necessário, antes de tudo, entender quais

c são os impactos econômicos do setor no meio ambiente e na sociedade. Para


conhecer mais sobre isso, acesse o conteúdo complementar 2, com os textos
"Impactos econômicos do agronegócio sobre a biodiversidade" e "Impactos
econômicos do agronegócio sobre as mudanças climáticas" na biblioteca do AVA.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Encerramento do tema
64 Neste tema, você conheceu o fundamento da gestão socialmente sustentável: a identificação
das partes interessadas, que aborda as ações necessárias para se praticar a responsabilidade
social. Conhecer quem tem interesse nas decisões e atividades de uma empresa ou organização
auxilia a compreender quais serão os impactos e como se deve lidar com eles.

Além disso, você estudou as relações existentes entre o agronegócio, a sociedade e o meio
ambiente no contexto das políticas públicas e de outros espaços de construção social.
Enfim, pôde compreender que o planejamento e a gestão são atividades essenciais para o
desenvolvimento do negócio sustentável.

No próximo tema, você vai conhecer os princípios da responsabilidade social no desenvolvi-


mento de competências para gestão socialmente responsável e análise de riscos. Avante!

Atividades de aprendizagem

1. Para a teoria econômica tradicional, o “dono” é o único interessado pelo que acontece com
a empresa. Se ela dá lucro, o dinheiro vai para ele, se dá prejuízo, o problema também é
só dele. No entanto, com o passar dos anos, vemos que isso não é bem assim. Conseguir
lucro degradando o meio ambiente ou deixar de fazer a manutenção preventiva de
equipamentos, o que, em muitos casos, coloca em risco a saúde e a integridade física de
seus funcionários, interessa também a outras pessoas.

Classifique as afirmações a seguir como verdadeiras (V) ou falsas (F), com base na teoria
dos stakeholders de Freeman.

(( )A gestão das partes interessadas prioriza os interesses dos acionistas, e não a promoção
de interesses comuns.

(( )Freeman propôs o conceito de stockholders como uma abordagem mais ampla,


significando “partes interessadas” ou “públicos de relacionamento”.

(( )Sobre a relação da teoria dos stakeholders com a responsabilidade social corporativa,


Freeman criticou esta última como algo “provavelmente supérfluo”.

(( )A teoria dos stakeholders tem origem em quatro áreas acadêmicas: ética, política,
sociologia e economia.

Assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA, de cima para baixo.

a) F, F, V, V

b) V, V, F, V

c) F, V, V, F

d) V, V, F, F

e) V, F, V, F

Curso Técnico em Agronegócio


2. Cada um dos setores produtivos do agronegócio possui características particulares. No
entanto, todos formam uma estrutura sistêmica de interdependências. Correlacione os
números dos setores do sistema agroindustrial com as características elencadas a seguir.

1) Antes da porteira

2) Dentro da porteira

3) Depois da porteira

(( )É onde se concentra o maior potencial de mercado e desenvolvimento dos negócios.

(( )É o responsável pela maior fatia do agronegócio.

(( )Aquisição de sementes, mudas, fertilizantes, agroquímicos, tratores e implementos,


equipamentos de irrigação, embalagens.

(( )Beneficiamento, transporte, armazenamento, processamento ou industrialização,


comercialização.

(( )Insumos, bens de produção e serviços para a agropecuária.

(( )Vem passando por significativo processo de concentração produtiva e aumento de


eficiência e de produtividade, o que tem levado milhões de agricultores a abandonarem
suas propriedades no mundo todo.

Assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA, de cima para baixo.

a) 3, 3, 1, 1, 1, 2

b) 1, 3, 2, 3, 1, 1

c) 3, 3, 1, 3, 2, 1
65
d) 3, 3, 1, 3, 1, 2

e) 3, 2, 1, 1, 3, 2

3. Vários grupos sociais têm interesses nas atividades que são executadas em um estabe-
lecimento agropecuário. Em sua própria empresa ou trabalho, as atividades realizadas
interessam aos funcionários, à comunidade do entorno, às instituições financeiras que
recebem o dinheiro produzido, aos governos municipais, estaduais e federais, que estão
vinculados pela legislação e pelos impostos etc. A gestão voltada à responsabilidade social
dá um nome especial a todos esses grupos.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Assinale a alternativa CORRETA referente ao nome que se dá a esse conjunto de indivíduos
ou grupos que têm interesse em quaisquer decisões ou atividades de uma organização.
66
a) Organizações

b) Stockholders

c) Acionistas

d) Empresas

e) Partes interessadas

4. Há diferenças entre a gestão tradicional e a gestão socioambientalmente responsável.


Nesse sentido, podemos afirmar que:

I. A diferença entre a gestão tradicional e a gestão socialmente responsável de uma empresa


está na sua vontade de identificar e tratar os problemas resultantes dos impactos de
suas decisões e atividades, a partir do respeito e da consideração dos interesses das
partes interessadas, que serão afetadas por suas decisões e atividades.

II. Por envolver partes interessadas, muitas vezes sensíveis, necessitará de uma gestão
profissional, sem improvisações.

III. Não precisa contar com o total comprometimento da alta direção.

IV. Entre os aspectos mais desafiadores da gestão socialmente responsável, está o


reconhecimento das expectativas e dos interesses das partes interessadas em seus
múltiplos relacionamentos.

V. Não envolverá o cumprimento total da legislação.

Estão CORRETAS as afirmações descritas apenas em:

a) I, II, IV.

b) II, IV, V.

c) I, II, V.

d) I, III, IV.

e) II, III, IV.

Curso Técnico em Agronegócio


5. Com o agronegócio crescendo e concentrando-se em grandes empresas multinacionais,
alguns aspectos do cenário mundial precisam ser considerados, pois são responsáveis por
críticas positivas e negativas de algumas partes interessadas.

Nesse sentido, são aspectos significativos:

I. Excelente infraestrutura do agronegócio brasileiro, principalmente no segmento de


transporte.

II. Menor risco de crédito financeiro.

III. Tendência do produtor de privilegiar os investimentos na produção, e não na gestão.

IV. O combate à fome tornou-se missão internacional.

V. Maior fiscalização quanto às condições de trabalho dos trabalhadores.

Estão CORRETAS as afirmações descritas somente em:

a) I, II, IV.

b) III, IV e V.

c) I, II e V.

d) I, III, IV.

e) II, III e IV.

67

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


03
Princípios e práticas
da responsabilidade
social
Tema 3: Princípios e práticas da
responsabilidade social
No tema anterior, você pôde perceber a complexidade que existe no processo de identificação
e engajamento das partes interessadas para uma gestão socialmente responsável. Isso ocorre
em decorrência da pluralidade de expectativas, nos interesses e relacionamentos da empresa
rural e das organizações, com os aspectos sociais e ambientais.

Dessa maneira, temos o desafio de alinhar as expectativas da empresa e das partes interessa-
das para que os valores e princípios sustentáveis sejam percebidos na prática cotidiana. Para
tanto, a norma ISO 26000, elaborada por especialistas de mais de 90 países e 40 organizações
representando governo, indústria, trabalhadores, ONGs etc., estabelece diretrizes sobre res-
ponsabilidade social empresarial com ênfase na contribuição para o desenvolvimento susten-
tável, direcionando gestores e empreendedores à incorporação de novos comportamentos.

69

Assim, você conhecerá, neste terceiro tema, os sete princípios da responsabilidade social e os
identificará em situações reais, com a referência da Norma ISO 26000; além disso, aprofundará
seus estudos sobre a importância da comunicação dialógica para um engajamento eficaz.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Comentário do autor

70 A partir dos conhecimentos obtidos neste tema, você será capaz de:

d
• Conhecer os princípios de responsabilidade social e identificá-los em
situações reais.

• Incentivar a comunicação entre indivíduos visando à integração das


organizações e do mundo.

Tópico 1: Conscientização e desenvolvimento de competências para


a gestão socialmente responsável
A responsabilidade social representa um campo de oportunidades e inovações. E para inovar,
é necessário que se invista na formação de profissionais sensíveis, éticos e responsáveis, com
visão de longo prazo, capacidade de conciliar resultados econômicos, sociais e ambientais,
habilidade para dialogar com stakeholders, coragem para influenciar atitudes e comportamen-
tos, romper paradigmas e mudar modelos de negócio e consciência para compreender o pro-
pósito moral e filosófico da mudança que se deve operar no modo de as empresas fazerem
negócios. No caso da gestão socialmente responsável, bons gestores aliados a ferramentas
inovadoras são de extrema importância ao processo.

No entanto, nada adiantará se alguns princípios básicos não forem levados em consideração.
Esses princípios estão relacionados com uma conduta moral e correta no contexto de situa-
ções específicas, mesmo quando essas situações representarem um desafio para as organi-
zações. Além disso, é aconselhável que as organizações considerem as diversidades sociais,
ambientais, jurídicas, culturais, políticas e organizacionais, assim como as diferentes condi-
ções econômicas. Para isso, a ISO 26000 cita sete princípios, os quais você conhecerá a seguir.

Dica

' A norma internacional de responsabilidade social será mais detalhada no Tema


4 – Práticas de responsabilidade social.

1. Accountability
Ainda sem tradução em português, o conceito de accountability
se refere à condição de uma organização de responsabilizar-se
por decisões, atividades e a prestação de contas aos órgãos de
governança, às autoridades legais e, de modo mais amplo, às
partes interessadas das organizações. Estas devem prestar contas
e se responsabilizar pelos impactos que causam na sociedade, na
economia e no meio ambiente.

Curso Técnico em Agronegócio


Esse princípio sugere que uma organização deve aceitar uma investi-
gação apropriada e também aceitar o dever de responder a essa in-
vestigação.

Esse princípio envolve a obrigação de a direção ser responsiva aos controladores da orga-
nização, assim como ser responsiva às autoridades legais em relação a leis e regulamentos.
A accountability, pelo impacto global de suas decisões e atividades na sociedade e no meio
ambiente, também implica que a condição da organização de ser responsiva pelos afetados
por suas decisões e atividades, assim como pela sociedade em geral, varie de acordo com a
natureza do impacto e das circunstâncias.

Ao se aplicar esse princípio, haverá um impacto positivo tanto nas organizações quanto na
sociedade. O seu grau de aplicação pode variar, mas convém que sempre corresponda ao grau
ou extensão do poder de influência. Aquelas organizações com grande poder de influência
estão propensas a tomar mais cuidado com a qualidade de suas decisões e sua supervisão.

A aplicação desse princípio também engloba aceitar a responsabilidade por erros: tomar as
medidas cabíveis para remediá-los e adotar ações para evitar que se repitam.

2. Transparência
Esse princípio relaciona-se com a franqueza das organizações
sobre decisões e atividades que afetam a sociedade, a economia
e o meio ambiente e a disposição de comunicá-las de forma clara,
precisa, tempestiva, honesta e completa.

Segundo a conduta esperada, convém que as organizações sejam


transparentes em suas decisões e atividades que impactam na so-
ciedade e no meio ambiente. As informações devem ser divulgadas
de forma clara, precisa e completa e em grau razoável e suficiente.
É desejável que estejam prontamente disponíveis e sejam diretamente acessíveis, assim como 71
sejam compreensíveis para aqueles que tenham sido ou possam vir a ser afetados de modo
significativo pelas organizações. É fundamental que sejam apropriadas, baseadas em fatos e
apresentadas de modo claro e objetivo para possibilitar que as partes interessadas avaliem
precisamente os impactos que as decisões e atividades das organizações têm em seus res-
pectivos interesses.

A responsabilidade com o princípio da transparência não pode ser


confundida com quebra de sigilo da informação, invasão à privacidade
ou roubo de segredos industriais.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


3. Comportamento ético

72 O comportamento ético deve estar de acordo com os princípios


aceitos de uma conduta moral e correta no contexto de uma situ-
ação específica e que seja consistente com normas internacionais
de comportamento. A maneira de proceder de uma organização
deve basear-se nos valores de honestidade, equidade e integrida-
de e implica na preocupação com pessoas, animais e meio ambien-
te, bem como no compromisso de lidar com o impacto de suas
atividades e decisões nos interesses das partes interessadas.

Como visto no Tópico 1, independentemente dos autores que conceituam a responsabilidade


social, observa-se que a ética é sua base de sustentação e se expressa através dos princípios
e valores adotados pelas organizações.

Mais do que idealizar uma empresa “perfeita”, a real preocupação do conceito da responsabi-
lidade socioambiental está em buscar a coerência entre o discurso e a prática de gestão das
empresas. Concluindo, empresas que não atuam de forma ética jamais conseguirão imple-
mentar eficazmente os critérios da responsabilidade social.

4. Respeito das partes interessadas


Como mostra Ashley (2005), a responsabilidade social é o compor-
tamento ético nos negócios que reflete no comprometimento das
empresas em termos de suas relações com os stakeholders. Pode-
mos assim afirmar que a responsabilidade social corporativa é um
processo de construção da relação com as partes interessadas, e
sua essência consiste em valorizar a interação, a participação, o en-
volvimento e o compartilhamento para que o diálogo efetivamente
aconteça.

As organizações devem respeitar, considerar e responder aos interesses de suas partes inte-
ressadas. Apesar de os objetivos das organizações poderem se limitar aos interesses de seus
proprietários, conselheiros, acionistas, clientes ou associados, outros indivíduos ou grupos
podem também ter direitos, reivindicações ou interesses específicos, e é interessante que
eles sejam considerados.

Comentário do autor

d É importante relembrar que, em alguns casos, seja pelo gigantismo, seja pela
diversidade, contemplar todas as partes interessadas da cadeia de valor do
agronegócio exigirá um grande esforço e uma grande predisposição ao diálogo.

Curso Técnico em Agronegócio


5. Respeito pelo estado de direito

A ISO 26000, ao abordar e praticar a responsabilidade social,


destaca que o objetivo mais amplo de uma organização é maximizar
sua contribuição para o desenvolvimento sustentável. Para essa
ferramenta normativa, utilizada em todo o mundo, o estado de
direito refere-se à supremacia da lei e, em especial, à ideia de que
nenhum indivíduo ou organização está acima da lei e de que o
governo também está sujeito à lei.

No contexto da responsabilidade social, respeitar o estado de direito significa obedecer a


todas as leis e regulamentos aplicáveis. Destacamos que a organização deverá não somente
tomar conhecimento das leis, mas também esforçar-se para cumpri-las. Para isso, deverá
inserir essa previsão já no planejamento de suas ações.

Estado de direito

O estado de direito protege os direitos fundamentais, políticos, sociais e econômicos da


população e institui que nenhum indivíduo, presidente ou cidadão comum está acima da lei.

O fato de a gestão socialmente responsável levar em conta as expectativas e os interesses


das partes interessadas resulta que essa análise também precisa considerar as diversidades
socioeconômicas, ambientais, políticas e organizacionais. Em resumo, uma organização so-
cialmente responsável: conhece, cumpre e avalia periodicamente o cumprimento das leis e
dos regulamentos.

6. Respeito pelas normas internacionais de comportamento


O respeito ao estado de direito é considerado o mínimo para uma
organização que deseja ser vista como socialmente responsável.
No entanto, quando a legislação ou sua implementação não prevê
73
salvaguardas socioambientais adequadas, seria recomendável que
as organizações se esforçassem para respeitar, no mínimo, as nor-
mas internacionais de comportamento.

Mas o que podemos entender com esse termo? Em geral, trata-se


de referências a instrumentos internacionais de reconhecida auto-
ridade que procuram dar uma condição mínima aceitável ao se tratar de assuntos relaciona-
dos com direitos humanos e planetários.

Geralmente, as mais citadas nas ferramentas de gestão socialmente responsáveis são as


Convenções das Nações Unidas e da Organização Internacional do Trabalho.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Dica

74 No primeiro tema desta unidade curricular, Tópico 3, Subtópico 2, estão citados

' outros princípios e diretrizes internacionais, entre eles: a Declaração Universal


dos Direitos Humanos da ONU; a Declaração da OIT sobre os Princípios e Direitos
Fundamentais do Trabalho e seu Seguimento e a Convenção 169 sobre Povos
Indígenas e Tribais.

7. Respeito pelos direitos humanos

Os direitos humanos representam uma conquista da humanida-


de, são frutos de ideias comuns e formam um sistema de valores
constituídos ao longo do tempo. No Brasil, muitos dos direitos hu-
manos estão na Constituição Federal como direitos fundamentais
e são expressos da seguinte forma:

• direito à vida;

• direito à igualdade de oportunidades;

• direito à integridade física, psíquica e moral;

• direito à educação, à saúde e à habitação;

• direito à liberdade de expressão e informação;

• direito à propriedade com função social;

• direito de reunião e associação;

• direito de participar do governo e da oposição;

• direito aos serviços públicos;

• direito de petição e de acesso ao judiciário;

• direito ao trabalho com remuneração justa;

• direito da mulher;

• direitos da criança e do adolescente;

• direito do idoso;

• direito das pessoas com deficiência.

Curso Técnico em Agronegócio


Espera-se de uma organização socialmente responsável que ela não só respeite os direitos
humanos, mas que também reconheça sua importância e universalidade.

Comentário do autor

Após a leitura dos sete princípios da responsabilidade social, reflita sobre quais

d são os mais relevantes para sua realidade profissional. Mesmo que nem todos
tenham uma relação próxima, os temas centrais das questões têm relevância
para todas as organizações.

Tópico 2: Análise de risco e gestão socialmente responsável


Embora todas as organizações gerenciem os riscos em algum grau, existe um número de
princípios que precisam ser atendidos para tornar a gestão de riscos eficaz. A Norma ABNT
NBR ISO 31000 recomenda que as organizações desenvolvam, implementem e melhorem
continuamente uma estrutura cuja finalidade é integrar os processos para gerenciar riscos
em governança, estratégia e planejamento, gestão, processos de reportar dados e resultados,
políticas, valores e cultura em todas as organizações. A gestão de riscos pode ser aplicada a
todas as organizações, em suas várias áreas e níveis, a qualquer momento, bem como as fun-
ções, as atividades e os projetos específicos. Segundo essa norma, quando implementada e
mantida de forma sistêmica e integrada ao negócio, a gestão dos riscos traz muitos benefícios
e possibilita:
• aumentar a probabilidade de atingir os objetivos

• encorajar uma gestão proativa;

• estar atento para a necessidade de identificar e tratar os riscos por meio de toda a
organização;

• melhorar a identificação de oportunidades e ameaças;


75
• atender às normas internacionais e aos requisitos legais e regulatórios pertinentes;

• melhorar o reporte das informações financeiras;

• melhorar a confiança das partes interessadas;

• estabelecer uma base confiável para a tomada de decisão e o planejamento;

• melhorar os controles;

• melhorar a eficácia e a eficiência operacional;

• melhorar o desempenho em saúde e segurança, bem como a proteção ao meio ambiente;

• melhorar a prevenção de perdas e a gestão de incidentes;

• minimizar perdas;

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


• melhorar a aprendizagem organizacional;

76 • aumentar a resiliência das organizações.

No entanto, há riscos para o agronegócio que extrapolam a capacidade das organizações de


evitarem ou minimizarem os danos. Há grupos de especialistas que vêm sinalizando aspectos
preocupantes quanto à perda de biodiversidade e ao agravamento das mudanças climáticas,
como é o caso do Fórum Econômico Mundial de 2015, em que foi apresentado um relatório
listando os riscos ambientais em termos de probabilidade e impacto. Acompanhe.

10 riscos em termos de 10 riscos em termos de

probabilidade impacto
1. Conflito entre Estados 1. Crises de água
2. Eventos climáticos externos 2. Propagação de doenças infecciosas
3. Falha na governança nacional 3. Armas de destruição em massa
4. Colapso do Estado ou crise 4. Conflito entre Estados
5. Desemprego ou subemprego 5. Falha de adaptação à mudança climática
6. Catástrofes naturais 6. Choque de preços de energia
7. Falha de adaptação à mudança climática 7. Informações críticas e colapso da
infraestrutura
8. Crise de água
8. Crises fiscais
9. Fraude ou roubo de dados
9. Desemprego ou subemprego
10. Ataques cibernéticos
10. Perda da biodiversidade e colapso do
ecossistema

Com relação ao agronegócio, podemos agrupar os riscos nos grupos:


• produtividade;

• variações nos preços dos produtos e dos insumos;

• variações na taxa de câmbio;

• sanitário;

• regulatório;

• reputação;

• ambiental;

• territorial etc.

Como a gestão empresarial socialmente responsável estabelece um relacionamento respeitoso


com todas as partes interessadas, visando identificar e tratar os problemas resultantes dos

Curso Técnico em Agronegócio


impactos de suas decisões e atividades, ela é um excelente aliado da gestão de riscos, à medida
que permite antecipar cenários e conflitos.

1. A importância da comunicação dialógica para um engajamento eficaz


Uma organização que aspira ser sustentável precisa se utilizar da comunicação dialógica. A
necessidade de comunicar é parte integrante das premissas da responsabilidade social e da
sustentabilidade.

É a troca de informações, baseada no diálogo, que gera simetria e permite uma relação mais
equilibrada e harmoniosa entre as organizações e seus públicos, com boa vontade para
adaptar seus comportamentos e resolver conflitos, aprimorar a compreensão e construir
relacionamentos de benefícios mútuos.

Com a aplicação dos princípios de desenvolvimento sustentável, surge o conceito de


“engajamento com partes interessadas”. Por ser um processo de buscar entender o ponto de
vista do outro, esse novo enquadramento transformou as redes de relações em uma variável
decisiva para a criação de valor empresarial e originou um novo modelo de negócio segundo
o qual as redes de relacionamento da empresa com as suas partes interessadas assumem um
valor estratégico.

A consistência das decisões organizacionais decorre da estreita


relação entre as ações de comunicação e seus objetivos e estratégias,
sustentadas por políticas que procurem avançar na direção de
práticas sustentáveis e da constante consideração da perspectiva dos
atores envolvidos.

As empresas são parte de uma rede social e ambiental em que qualquer tensão em algum
ponto afeta todos os demais. Para garantir a longevidade das organizações, é necessário
compreender os vínculos com todos as partes interessadas e desenvolver estratégias mais 77
equilibradas de relacionamento.

É possível concluir que a RS está relacionada às atividades de comunicação e ao gerencia-


mento de riscos reais e potenciais. Nota-se que, para obter sucesso e eficácia em termos de
envolvimento, divulgação e prestação de contas à sociedade, a utilização de estratégias de
comunicação dialógica é fundamental.

No entanto, há alguns perigos que precisam ser evitados, conforme identifica a norma ISO
26000 (2010):

ao engajar partes interessadas, convém que uma organização não dê preferência a um


grupo organizado porque é mais “amigável” ou porque apoia seus objetivos mais do
que outro grupo. Convém que uma organização não negligencie o engajamento das
partes interessadas meramente porque são silenciosas. Convém que uma organização
não crie ou apoie grupos específicos para dar a impressão de que tem um parceiro de
diálogo quando, na verdade, esse suposto parceiro não é independente. O verdadeiro
diálogo com as partes interessadas envolve independência e a divulgação transparente
de qualquer suporte financeiro ou apoio similar.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


No próximo tema, você conhecerá os assuntos, as questões e as ferramentas de gestão que
serão úteis em vários momentos para a gestão socialmente responsável.
78
Encerramento do tema
Neste tema, você conheceu os sete princípios da responsabilidade social identificados na
ISO 26000. Para uma gestão socialmente responsável, esses princípios são norteadores do
processo de planejamento de ações e práticas que podem efetivamente preservar o meio em
que a empresa está inserida. Após isso, viu a importância de a gestão empresarial socialmente
responsável estabelecer um relacionamento respeitoso com todas as partes interessadas
visando à integração das organizações do mundo.

Assim, concluímos que, para um gestor, produtor ou empreendedor rural, a responsabilidade


social também está relacionada às atividades de comunicação e gerenciamento de riscos reais
e potenciais para o agronegócio, as quais refletem na sociedade de maneira ampla.

No último tema desta unidade curricular, você estudará os assuntos considerados fundamen-
tais para a gestão socioambientalmente responsável e conhecerá ferramentas que podem ser
úteis nesse processo.

Atividades de aprendizagem

1. Uma organização que almeja implementar uma gestão socioambientalmente responsável


precisa ter um sistema de governança organizacional que possibilite colocar em prática
os princípios da responsabilidade social. Além do respeito pelos interesses das partes
interessadas, do respeito ao estado de direito, do respeito às normas internacionais
de comportamento e do respeito aos direitos humanos, há ainda outros três princípios
importantes:

I. Transparência

II. Comportamento ético

III. Partes interessadas

IV. Engajamento

V. Accountability

Estão CORRETAS as opções descritas apenas em:

a) I, II, V.

b) II, IV, V.

c) I, III, V.

d) I, II, IV.

e) I, II, III.

Curso Técnico em Agronegócio


2. Independentemente do porte ou do fato de a empresa ser de antes, de dentro ou de fora
da porteira, uma coisa é inegável: não há como não respeitar as leis e os regulamentos
aplicáveis. Isso significa que as empresas precisam não só tomar conhecimento dessas
leis, mas também fazer um esforço para cumpri-las, o que significa inseri-las durante a fase
de planejamento e execução de suas ações. Esse é um dos sete princípios fundamentais
da responsabilidade social e recebe um nome especial.

Assinale a alternativa CORRETA.

a) Transparência

b) Normas internacionais de comportamento

c) Estado de direito

d) Accountability

e) Comportamento ético

3. A necessidade de comunicar é parte integrante das premissas da responsabilidade social


e sustentabilidade. A organização que aspira ser sustentável precisa utilizar comunicação
dialógica. Nesse sentido, podemos afirmar que:

I. A gestão socialmente responsável inclui atividades de comunicação com as partes


interessadas e gerenciamento de riscos reais e potenciais.

II. A consistência das decisões organizacionais decorre da falta de relação entre as ações
de comunicação e seus objetivos e estratégias.

III. Para garantir a longevidade das organizações, é necessário compreender os vínculos


com todas as partes interessadas e desenvolver estratégias mais equilibradas de rela- 79
cionamento.

IV. A troca de informações baseada no diálogo gera simetria e permite uma relação mais
equilibrada e harmoniosa entre as organizações e suas partes interessadas.

V. A utilização de estratégias de comunicação dialógica não é fundamental para a gestão


socialmente responsável.

Estão CORRETAS as afirmações descritas apenas em:

a) I, II, III.

b) II, IV, V.

c) I, II, V.

d) I, III, IV.

e) I, II, IV.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


4. O escândalo envolvendo os carros a diesel da Volkswagen traz à luz uma questão ética:
por que uma empresa, mesmo sabendo o que tem de ser feito, burla a legislação e mente
80 para toda uma sociedade? No caso dos alimentos, isso não é diferente. Temos casos de
amendoim contaminado por salmonela nos Estados Unidos, de leite adulterado com
formol no Brasil, de broto de feijão orgânico contaminado na Alemanha etc. Essa postura
está relacionada com outro princípio considerado fundamental para a gestão socialmente
responsável. Sem tradução para o português, esse princípio se refere à condição de uma
organização de responsabilizar-se por decisões e atividades e prestar contas dessas
decisões e atividades aos órgãos de governança, às autoridades legais e, de modo mais
amplo, às suas partes interessadas.

Assinale a alternativa com o nome desse princípio, segundo a norma ISO 26000.

a) Stockholders

b) Accountability

c) Desenvolvimento sustentável

d) Transparência

e) Stakeholders

5. A observância, a promoção e o encorajamento de padrões éticos estão implícitos em


todas as atividades de qualquer tipo de organização, inclusive do agronegócio. Nesse
sentido, disponibilizar informações que afetam a vida dos outros também é considerado
fundamental. Contudo, não basta disponibilizar, pois não adianta disponibilizá-las de forma
que ninguém entenda ou de forma tão demorada que, quando chega, não adianta mais.
É preciso que essas informações estejam prontamente disponíveis e sejam diretamente
acessíveis, assim como sejam compreensíveis para os que tenham sido ou possam vir a ser
afetados de modo significativo pela empresa.

Esse outro princípio também não pode ficar de fora da gestão socialmente responsável.
Indique-o entre as opções a seguir.

a) Transparência

b) Respeito aos direitos humanos

c) Desenvolvimento sustentável

d) Accountability

e) Globalização

Curso Técnico em Agronegócio


04 Práticas de
responsabilidade
social
82

Tema 4: Práticas de responsabilidade


social
Sabemos que, durante muitos anos, a gestão socialmente responsável, antes tratada de
forma ideológica, filosófica e utópica, evoluiu para a internalização e a concretização dos
princípios nos processos das organizações. Atualmente, as organizações empresariais e rurais
demonstram o crescente interesse e sua mobilização nos assuntos socioambientais e que
demandam ferramentas específicas para uma atuação eficaz.

Por isso, o conteúdo deste tópico apresentará temas fundamentais para a prática da RS
em empresas, os quais agregam estratégias para empreendedores que fazem a gestão da
comunicação e de riscos em seu negócio.

Comentário do autor

Ao final deste tema, você será capaz de:

d
• Compreender, analisar e discutir as relações existentes entre os temas
centrais e o agronegócio.

• Conhecer as normas e as ferramentas de gestão, suas estruturas e as


possibilidades de uso.

Tópico 1: Liderança em responsabilidade social: reconhecendo


temas e questões relevantes
As organizações empresariais tradicionais, que se desenvolveram ao longo dos últimos 50 anos,
passaram por processos de crescimento, especificaram-se e tornaram-se mais complexas.
Como consequência disso, os critérios técnicos que antes eram suficientes para seu sucesso,
hoje, recebem críticas por não considerarem as realidades dos sistemas ambientais e sociais.

Curso Técnico em Agronegócio


No entanto, seja pela motivação moral ou instrumental, não há como compreender que as
ações de RS possam ser superficiais e esporádicas em vez de terem um compromisso profun-
do e permanente com o desenvolvimento sustentável, já que esse é requisito para a própria
sobrevivência da empresa, produção ou organização.

Então, como integrar os aspectos ambientais, sociais e de governança nas decisões das
organizações? Uma forma eficaz de se fazer essa integração é unir esforços para que cada
organização se familiarize com as questões relativas à responsabilidade social vinculadas ao 83
negócio e às partes interessadas.

Para isso, em primeiro lugar, é necessário identificar questões relevantes e estabelecer


prioridades para a RS, de acordo com a cultura da empresa. Assim, vamos nos basear, mais
uma vez, nas diretrizes da ISO 26000. Nessa norma, de forma bastante didática, as questões
estão divididas em sete temas centrais:

1. governança organizacional;

2. direitos humanos;

3. práticas de trabalho;

4. meio ambiente;

5. práticas leais de operação;

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


6. questões relativas ao consumidor;

84 7. envolvimento e desenvolvimento da comunidade.

Leitura complementar

c Você pode encontrar o detalhamento das 37 questões relativas aos sete temas
na Norma ABNT NBR ISO 26000:2010. Acesse a biblioteca do AVA para fazer a
leitura desse documento.

1. Governança organizacional
Governança organizacional é o sistema pelo qual uma organização toma e implementa decisões
na busca de seus objetivos, por isso é tão relevante para qualquer tipo de organização.

Pode compreender, também, tanto mecanismos formais de governança, baseados em estru-


turas e processos definidos, quanto mecanismos informais, que emergem a partir da cultura e
dos valores das organizações, geralmente influenciados pelas pessoas que as estão liderando.

Os sistemas de governança variam, dependendo do porte e tipo das organizações e do contexto


ambiental, econômico, político, cultural e social em que operam. Eles são dirigidos por uma
pessoa ou grupo de pessoas (proprietários, conselheiros, sócios ou acionistas, associados ou
outros) que têm autoridade e responsabilidade na busca dos objetivos das organizações.

Governança organizacional é o fator mais crucial para possibilitar que


uma organização se responsabilize pelos impactos de suas decisões e
atividades e integre a responsabilidade social em toda a organização e
em seus relacionamentos.

A governança organizacional no contexto de responsabilidade social tem a característica


especial de ser tanto um tema central sobre o qual convém que as organizações atuem quanto
um meio de aumentar sua capacidade de se comportar de maneira socialmente responsável
em relação aos outros temas centrais. Por isso, uma organização que almeja implementar a
gestão socioambientalmente responsável precisa ter um sistema de governança organizacional
que possibilite colocar em prática os princípios da responsabilidade social:

1. accountability;

2. transparência;

3. comportamento ético;

4. respeito pelos interesses das partes interessadas;

5. respeito pelo estado de direito;

Curso Técnico em Agronegócio


6. respeito pelas normas internacionais de comportamento;

7. respeito pelos direitos humanos.

Dica

' Caso você queria relembrá-los, os sete princípios da responsabilidade social


foram especificados no Tópico 1 do Tema 3 desta unidade curricular.

2. Direitos humanos
Os direitos humanos são os direitos básicos conferidos a todos os seres humanos. Há duas
grandes categorias de direitos humanos: a primeira refere-se aos direitos civis e políticos e
inclui os direitos à vida, à liberdade, à igualdade perante a lei e à liberdade de expressão; a
segunda categoria refere-se aos direitos econômicos, sociais e culturais e inclui os direitos ao
trabalho, à alimentação, ao mais alto possível padrão de saúde, à educação e à seguridade
social.

DIREITO À DIREITO À
ALIMENTAÇÃO VIDA

DIREITO À
DIREITO À LIBERDADE
EDUCAÇÃO

DIREITOS
85

HUMANOS
IGUALDADE
PERANTE A LEI
DIREITO AO
TRABALHO
LIBERDADE DE
DIREITO
EXPRESSÃO
À SAÚDE

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


O reconhecimento e o respeito pelos direitos humanos, apesar de não garantidos, estão
afirmados amplamente na legislação e relacionam-se diretamente aos conceitos de justiça e
86 equidade social.

Os países, assim como as empresas, têm o dever e a responsabilidade de respeitar, proteger e


cumprir os direitos humanos, especialmente dentro de sua esfera de influência. Vale lembrar
que, no Brasil, muitos dos direitos humanos estão na Constituição Federal como direitos
fundamentais.

Entre os pontos relevantes que merecem atenção especial estão: a importância do due
diligence, do levantamento de situações de risco e de cumplicidade com o desrespeito para
com os direitos humanos, das práticas discriminatórias, em especial de grupos vulneráveis e
da garantia dos direitos civis, políticos, econômicos, sociais, culturais e do trabalho.

3. Práticas de trabalho
Uma sociedade justa, geralmente, é aquela em que há oferta de trabalho decente, com em-
pregos dignos e seguros que permitam, a partir do salário e de outras remunerações, propi-
ciar padrões de vida confortáveis.

A ausência dessas condições desencadeia graves problemas sociais, desrespeito ao estado de


direito, injustiça social e instabilidade dos povos. O trabalho expressivo e produtivo é essencial
no desenvolvimento humano.

Por práticas trabalhistas entendem-se as políticas e práticas relacionadas ao trabalho realizado


por ou em nome da empresa, como a jornada de trabalho, a remuneração, o recrutamento e
a promoção de trabalhadores, os procedimentos disciplinares e a resolução de reclamações.

Entre os pontos que podem ser motivo de preocupação e análise,


têm-se: a realidade dos empregos e as relações de trabalho, as
condições de trabalho e a proteção social e a importância do diálogo
social, de questões relativas a saúde e segurança no trabalho, do
desenvolvimento humano e do treinamento no local de trabalho.

4. Meio ambiente
A sociedade enfrenta diversos problemas ambientais que abrangem desde situações globais,
como as mudanças climáticas ou o esgotamento dos recursos naturais, até outros, de natureza
local, como gerenciamento de resíduo e educação ambiental.

A atividade das empresas contribui significativamente no agravo de alguns desses impactos.


Portanto, as empresas devem identificar opções que permitam preveni-los, minimizá-los
quando não possam ser evitados e, em última análise, corrigi-los.

Essas opções incluem a prevenção e a redução de tais riscos e impactos por meio dos
controles necessários, da gestão de emergências, da eficiência operacional, da gestão de
recursos hídricos, da gestão de resíduos, da eficiência no uso de materiais e do cumprimento
das normas e sistemas de gestão do meio ambiente da empresa.

Curso Técnico em Agronegócio


A responsabilidade ambiental é um pré-requisito para a sobrevivência e a prosperidade dos
seres humanos. É, portanto, um aspecto importante da responsabilidade social abrangendo
aspectos relativos à prevenção da poluição, ao uso sustentável de recursos, à mitigação e
adaptação às mudanças climáticas, à proteção do meio ambiente e da biodiversidade e à
restauração de habitats naturais.

Legenda: A responsabilidade ambiental é um pré-requisito para a sobrevivência e a prosperidade dos seres humanos.

5. Práticas leais de operação 87


As práticas leais de operação fazem referência à conduta das organizações quando realizam
transações com outras partes interessadas, em especial, parceiros, fornecedores, contratados,
clientes, concorrentes, associações e órgãos governamentais.

Para que essas relações ocorram de forma justa, as empresas devem adaptar suas práticas a
critérios como a prevenção da corrupção, implementando políticas e práticas a esse respeito,
o envolvimento político responsável, a concorrência leal, a promoção da responsabilidade
social na cadeia de valor e o respeito ao direito de propriedade.

Cabe ressaltar que o conceito de corrupção trata, normalmente, de uma promessa de


recompensa em troca de um comportamento que favoreça os interesses do corruptor;
raramente quem lesa os interesses dos corruptores é ameaçado com punição. Entre os
mecanismos e práticas mais conhecidos, destacam-se: caixa dois, corrupção ativa e passiva,
tráfico de influência, lavagem de dinheiro, evasão de divisas, formação de quadrilha, gestão
temerária, gestão fraudulenta, advocacia administrativa e concussão.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


6. Questões relativas ao consumidor

88 Depois dos acionistas, os clientes e/ou consumidores são as partes interessadas que
geralmente recebem mais atenção das organizações. Eles são considerados fundamentais
para a sustentação dos negócios. Assim, relacionar-se intimamente com os consumidores
inclui minimizar riscos decorrentes do uso de produtos e serviços por meio de procedimentos
de design, fabricação, distribuição, prestação de informações, educação para o consumo,
serviços de suporte, retirada de produto do mercado e recall.

Outros pontos que merecem atenção são: o uso de argumentos de


venda leais e processos contratuais justos, transparentes e úteis.
Além disso, a criação de processos que protejam a segurança das
informações e a privacidade dos consumidores também se inserem
nesse processo.

7. Envolvimento e desenvolvimento da comunidade


O envolvimento da comunidade vai além de identificar e engajar partes interessadas com
relação aos impactos das operações das organizações; ele também inclui apoio e construção
de um relacionamento com esta.

Trabalhar com, para e na comunidade é um desafio para aqueles que têm compromisso
efetivo com a melhoria da qualidade de vida local. O envolvimento e o desenvolvimento da
comunidade são parte integrante do desenvolvimento sustentável, que é um processo não
linear, lento e com resultados efetivos de longo prazo, pois envolve a participação, a construção
de relações de confiança e o empoderamento das pessoas para se tornarem protagonistas
dos projetos locais. Esses projetos podem ter múltiplas áreas de atuação: educação e cultura,
geração de emprego e capacitação, desenvolvimento tecnológico e acesso às tecnologias,
geração de riqueza e renda, saúde e investimento social.

Curso Técnico em Agronegócio


O envolvimento da comunidade, seja individualmente ou por meio de associações, visando ao
bem comum, ajuda a fortalecer a sociedade civil. No entanto, apesar de fazermos referência
à comunidade como uma única parte interessada, precisamos levar em conta que, dentro
desta, há diversas pessoas que podem ter interesses e expectativas diferentes, até mesmo
conflitantes.

Essas reflexões demonstram a necessidade de se repensar a gestão de relacionamento entre


empresa e comunidade na perspectiva da responsabilidade social corporativa (FIGUEIREDO;
FRANÇA, 2010)

Tópico 2: O desafio de escolher a ferramenta de gestão adequada


Muitas organizações têm desenvolvido iniciativas voluntárias, visando ajudar outras organiza-
ções a se tornarem socialmente mais responsáveis. Em alguns casos, uma iniciativa é, de fato,
uma organização criada para tratar expressamente de vários aspectos da responsabilidade
social, e o resultado é uma grande variedade de iniciativas disponíveis para os interessados
em responsabilidade social.

Algumas dessas iniciativas de responsabilidade social abordam aspectos de um ou mais te-


mas centrais ou questões; outras abordam modos de integrar a responsabilidade social nas
decisões e nas atividades de uma organização; é possível, também, encontrar iniciativas que
criam ou promovem ferramentas e guias práticos específicos que podem ser usados para
integrar a responsabilidade social por toda a organização, além de desenvolver ou promover
expectativas mínimas referentes à responsabilidade social. Essas expectativas podem tomar
várias formas, como códigos de conduta, recomendações, diretrizes, declarações de princí-
pios e declarações de valor.

O desenvolvimento dessas iniciativas foi criado por diferentes setores em um esforço para
tratar de alguns desafios específicos. A existência de uma iniciativa de responsabilidade
social em um setor em particular não significa que aquele setor seja necessariamente mais
responsável ou potencialmente mais nocivo.
89
A seguir, você conhecerá a classificação baseada no Guia de Sustentabilidade para Empresas
do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), cujo objetivo é meramente facilitar
o entendimento e o relacionamento entre as diversas iniciativas ligadas à sustentabilidade
para as empresas. A classificação sugerida pode e deve ser avaliada de forma crítica pelas
organizações.

1. Ferramentas baseadas em princípios


Ferramentas baseadas em princípios estabelecem alguns princípios de comportamento, porém
não indicam como eles serão atingidos nem traçam padrões para sua aferição. Podemos citar
como vantagens e desvantagens dessas ferramentas:

Vantagens Desvantagens

Identificação de escopo de temas e Falta de detalhes para implementação e


alinhamento externo. aferição.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Fazem parte desse grupo as iniciativas internacionais anteriormente citadas e os principais
pactos utilizados pelas empresas e os fundamentos que justificam suas criações.
90
Ressalta-se que um pacto não tem a sistematização de uma norma
nem a obrigatoriedade de atendimento de uma legislação; no entanto,
a subscrição de um pacto é um assunto extremamente sensível para
as empresas e a sociedade.

Pactos
Inúmeros padrões normativos e ferramentas foram criados nos últimos anos. Entre essas
ferramentas, destacam-se alguns acordos, que, no “mundo socialmente responsável”, são
geralmente denominados de pactos.

Para não sermos exaustivos, apresentaremos os mais significativos para a realidade brasileira
na tabela a seguir.

Na Mão Certa

Trabalha na luta contra a violência sexual e na proteção da


infância e adolescência.

Fonte: Childhood.

Pacto Contra Trabalho Forçado

Tem o objetivo de fortalecer, ampliar e dar sustentabilidade


às ações realizadas no âmbito do Pacto Nacional pela
Fonte: Inpacto. Erradicação do Trabalho Escravo.

Carta Empresarial pela Conservação e Uso


Sustentável da Biodiversidade

Busca promover a mobilização do setor empresarial


brasileiro para a conservação e o uso sustentável
da biodiversidade, com a participação e o apoio das
Fonte: Mebbrasil.
organizações da sociedade civil.

Curso Técnico em Agronegócio


Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do
Desmatamento na Amazônia

Nove ONGs firmam um pacto para estabelecer um amplo


compromisso entre vários setores do governo brasileiro e
da sociedade sobre medidas necessárias e urgentes para
assegurar a conservação da floresta amazônica.
Fonte: Instituto Socioambiental.

2. Ferramentas baseadas em desempenho


Ferramentas baseadas em desempenho concentram-se no que a organização efetivamente
faz e podem variar de metas específicas até listas de indicadores aos quais a empresa deveria
se comparar.

Vantagens Desvantagens

Dificuldade na definição de metas sensíveis ao


Ajudam a prover transparência sobre o que a
contexto de cada empresa. O estabelecimento
organização está alcançando.
de escopo mais restrito pode levar à
desconsideração de aspectos importantes.

Entre as ferramentas baseadas em desempenho, duas ganham destaque:

Indicadores Ethos de responsabilidade social empresarial1


Considerados por muitos especialistas em responsabilidade social como a melhor ferramenta 91
existente para a etapa de diagnóstico e planejamento da gestão socialmente responsável, os
Indicadores Ethos são uma ferramenta de gestão, de uso gratuito, que visa apoiar as empresas
na incorporação da responsabilidade social empresarial (RSE) em suas estratégias de negócio,
de modo que esse venha a apoiar o desenvolvimento sustentável.

A ferramenta é composta por um questionário que permite o autodiagnóstico da gestão da


empresa, por meio do qual é possível fazer o planejamento e a gestão de metas para o avanço
da gestão da responsabilidade social. O fato de se integrar bem com outras ferramentas da
gestão da responsabilidade social – como as diretrizes de relatórios de sustentabilidade da
Global Reporting Initiative (GRI), a Norma de Responsabilidade Social ABNT NBR ISO 26000,
CDP e outras iniciativas – confirma sua relevância para a gestão de negócios sustentáveis e
responsáveis.

1. Os documentos com os indicadores para grandes e pequenas empresas estão disponíveis no


material complementar desta disciplina.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


É importante ressaltar que é uma ferramenta de autoaprendizado
empresarial que não se propõe a medir o desempenho das empresas
92 nem a reconhecê-las como sustentáveis ou responsáveis.

Sua abrangência envolve quatro dimensões:


• social;

• ambiental;

• visão e estratégia;

• governança e gestão.

Leitura complementar

c Acesse a biblioteca desta unidade curricular para conhecer os documentos com


os indicadores Ethos para grandes e pequenas empresas.

Cada um de seus 47 indicadores é composto por esses três tipos de questões, sendo que
as questões de profundidade e as questões binárias são obrigatórias para a elaboração do
relatório de diagnóstico. Já as questões quantitativas são opcionais e podem ser preenchidas
paralelamente às perguntas qualitativas sem influenciar na geração do relatório de diagnóstico.
Observe no quadro a seguir a diferença entre os tipos de questão.

Características dos diferentes tipos de questões

Questões de
Questões binárias Questões quantitativas
profundidade
São questões numéricas
Representadas São perguntas com
para apoiar a definição de
por cinco quadros respostas “sim” ou
objetivos e metas claras
O que são contíguos, apresentam “não”, que orientam
para o próximo ciclo de
a evolução de práticas com clareza a escolha
aplicação dos Indicadores
em cada indicador. do estágio.
Ethos.

Fonte: Instituto Ethos (2014).

NBC T 15 – Normas Brasileiras de Contabilidade – informações de natureza social e


ambiental
Essa norma, que estabelece procedimentos para evidenciação de informações de natureza
social e ambiental, tem como objetivo demonstrar à sociedade a participação e a responsabi-
lidade social das organizações com ou sem fins lucrativos.

Curso Técnico em Agronegócio


Nenhuma organização está obrigada a elaborar ou a divulgar Informações de natureza social
ou ambiental, no entanto, as que optarem por sua apresentação e adotarem as regras esta-
belecidas pela NBC T 15 deverão divulgar informações sobre:
• a geração e a distribuição de riqueza;

• os recursos humanos;

• a interação da entidade com o ambiente externo;

• a interação com o meio ambiente.

Na tabela a seguir, veja outros exemplos de ferramentas baseadas em desempenho:


• balanço social IBASE;

• Carbon Disclosure Project (CDP);

• Dow Jones Sustainability Indexes (DJSI);

• Global Reporting Initiative (GRI);

• Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE);

• Pegada Ecológica.

Leitura complementar

c Ao acessar a biblioteca do AVA, você pode conferir os arquivos referentes às


atuais diretrizes para a elaboração de um relatório de sustentabilidade.

3. Ferramentas baseadas em processos 93

Ferramentas baseadas em processos descrevem os processos que a organização deveria se-


guir para melhorar seu desempenho e podem incluir métodos para a identificação de metas
apropriadas.

Vantagens Desvantagens

Proveem orientações práticas e ajudam a Não indicam níveis de desempenho e podem


estabelecer processos e comportamentos. ser muito burocráticas.

Por exemplo, é possível encontrar empreendimentos rurais em boas áreas produtivas com
mercados, disponibilidade de crédito e fornecedores, mas que, mesmo assim, têm seus
projetos produtivos fracassados. Por quê? Muitas vezes, trata-se de projetos de processos
mal concebidos, inconsistentes e que são deficientes em sua gestão. Na verdade, um conjunto
de variáveis compõe o bom desempenho da administração rural e precisa estar sempre claro
para o administrador.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Atualmente, o modismo acerca dos termos gestão e sustentabilidade, definitivamente, invadiu
o contexto dos administradores do agronegócio e das agroindústrias. Mas que gestão é
94 essa? Em geral, são etapas utilizadas para melhorar o controle eficiente de um processo. É
o chamado ciclo PDCA, em que cada letra representa uma etapa da gestão: planejamento,
execução de tarefas, verificação dos resultados e ações.

Gestão

Gestão é o conjunto de elementos que interagem com a força de trabalho (colaboradores


próprios e terceirizados), por meio de diretrizes e padrões (procedimentos, instruções de
trabalho etc.) para promover a melhoria da qualidade dos serviços e aumentar a postura
preventiva com relação às questões de meio ambiente, saúde ocupacional e segurança.

Planejamento
do inglês Plan

Planejar metas,
objetivos, métodos,
procedimentos
e padrões
Ação
do inglês Act

Agir corretivamente
e/ou para melhorar

Execução
do inglês Do
Verificação
do inglês Check Executar as tarefas
planejadas
Verificar os resultados
das tarefas executadas

A ação principal está em C (check, ou verificação), que prevê o monitoramento e a medição


do que foi realizado no D (do, ou executar). No check, encontramos o requisito denominado
auditoria, sobre o qual trataremos neste tópico.

Curso Técnico em Agronegócio


Pode-se afirmar que foi com a normalização, nascida apenas para sistema de gestão, que
ganhou força a partir de 1994 com a entrada em vigor da ISO 9001, que acabou se tornando,
com seu ciclo PDCA, modelo para normas como: a ISO 14001, OHSAS 18001, NBR 16001, entre
outras.

Mas o que é normalização? Normalização é a atividade que estabelece, em relação a problemas


existentes ou potenciais, prescrições destinadas à utilização comum e repetitiva com vistas à
obtenção do grau ótimo de ordem em um dado contexto.

Infotmação extra

É normalizar ou normatizar?

Embora o sistema linguístico da língua portuguesa permita o registro das duas


palavras, “normalização” e “normatização”, esta última não consta sequer no
Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras.

O A palavra “normalização” é também adotada pelos organismos de normalização


do mundo todo e tem seu uso consagrado no Brasil há mais de 60 anos.

A ABNT adota a palavra “normalização” por considerá-la a que melhor se


enquadra na tarefa exercida, de acordo com a definição do “Novo dicionário
ilustrado da língua portuguesa” (Aurélio Buarque de Hollanda), que define
“normalizar” como “submeter a norma; padronizar”.

O que são normas?


Normas são acordos documentados que contêm especificações técnicas ou outros critérios de
precisão utilizados consistentemente, como regras, padrões ou definições de características
para garantir que materiais, produtos, processos e serviços estejam de acordo com o seu
propósito.
95
Entendemos como processos e serviços todas as etapas da cadeia de
suprimentos, desde a produção primária em uma fazenda certificada
até o consumo final, incluindo o processamento, a transformação, a
fabricação e os estágios de armazenamento, em que o progresso do
produto para a fase seguinte na cadeia de suprimentos envolve uma
mudança de propriedade.

Entre os objetivos das normas, destacam-se:


• a economia, pois ela proporciona a redução da crescente variedade de produtos e
procedimentos;

• a comunicação, que melhora a confiabilidade das relações comerciais e de serviços;

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


• a segurança, no momento em que protege a vida humana e a saúde;

96 • a proteção do consumidor, que provê a sociedade de meios eficazes para aferir a qualidade
dos produtos;

• a diminuição de barreiras técnicas e comerciais, que evita a existência de regulamentos


conflitantes sobre produtos e serviços em diferentes países e facilita, assim, o intercâmbio
comercial.

Benefícios da normalização
Em uma economia em que a competitividade é acirrada e as exigências crescem cada vez mais,
as empresas dependem de sua capacidade de incorporação de novas tecnologias de produtos,
processos e serviços para se manterem no mercado. É nesse contexto que a normalização traz
benefícios cada vez maiores para a fabricação dos produtos, a transferência de tecnologia,
a melhoria da qualidade de vida por meio de normas relativas à saúde, à segurança e à
preservação do meio ambiente e, mais recentemente, para a responsabilidade social.

Ressalta-se a existência de normas chamadas “de requisitos”, que prescrevem uma série de
padrões para o sistema de gerenciamento das empresas, e outras, denominadas normas
“de diretrizes”, que aconselham as empresas sobre as melhores formas de atuar com
responsabilidade social, influenciando as estratégias e decisões corporativas sem propósitos
de certificação. Resumindo: normas de requisitos prescrevem, e normas de diretrizes
aconselham.

O que é certificação?
É um conjunto de atividades desenvolvidas por um organismo independente da relação
comercial com o objetivo de atestar publicamente, por escrito, que determinado produto,
processo ou serviço está em conformidade com os requisitos especificados. Esses requisitos
podem ser: nacionais, estrangeiros ou internacionais.

As atividades de certificação podem envolver: análise de documentação, auditorias/inspeções


na organização e coleta e ensaios de produtos no mercado e/ou na fábrica com o objetivo de
avaliar a conformidade e sua manutenção.

Não se pode pensar na certificação como uma ação isolada e pontual, mas como um processo
que se inicia com a conscientização da necessidade da qualidade para a manutenção da
competitividade e a consequente permanência no mercado; além disso, a certificação passa
pela utilização de normas técnicas e pela difusão do conceito de qualidade por todos os setores
da organização, inclusive por seus aspectos operacionais internos e pelo relacionamento com
a sociedade e o ambiente.

Marcas e certificados de conformidade da ABNT são indispensáveis na elevação do nível de


qualidade dos produtos, serviços e sistemas de gestão. A certificação melhora a imagem da
organização e facilita a decisão de compra para clientes e consumidores.

Curso Técnico em Agronegócio


A auditoria de certificação é realizada por uma organização de
terceira parte (organização independente) para atestar e declarar
que um produto, serviço, pessoa ou sistema está em conformidade
com os requisitos técnicos especificados. Após o processo de
auditoria, a empresa auditada recebe um certificado ou uma marca
que demonstrará para a coletividade que a empresa em questão está
em conformidade com o padrão auditado.

Há uma enorme quantidade de normas. Assim, para facilitar seu entendimento e manter a
atualização desse conteúdo diante das inúmeras revisões, optou-se por segregá-las por áreas
de atuação (social, ambiental, saúde segurança, manejo florestal e comércio justo), mesmo
sabendo que há sobreposições.

Normas de sistema de gestão da responsabilidade social

ISO 26000

Em 2010, a Organização Internacional de Normalização (ISO), entidade que coordena a


elaboração de normas técnicas de diversos assuntos, publicou a Norma Internacional ISO
26000 – Norma de Diretrizes em Responsabilidade Social.

A elaboração da norma envolveu 99 países e 42 organizações que atuam no tema – como a


Organização Mundial da Saúde (OMS), a Global Reporting Initiative (GRI), o Pacto Global da
Organização das Nações Unidas (ONU), e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento
Econômico (OCDE) –, totalizando 450 especialistas de diversas partes interessadas das
seguintes categorias: trabalhadores, consumidores, indústria, governo, organizações não
governamentais, serviço, suporte e outros (como academia), o que garante a legitimidade
necessária para um assunto complexo e abrangente como o da responsabilidade social.

A ISO 26000, como toda norma de sistema de gestão da ISO, é de caráter voluntário. Nesse
97
caso específico, a norma é composta de diretrizes e possui uma função educativa, por
isso, deve ser utilizada como um guia de RS para qualquer tipo de organização nos setores
privado, público e sem fins lucrativos, independentemente de seu porte ou de sua atividade
e experiência com o assunto. A norma apresenta sete temas, subdivididos em subtemas
relevantes, apresentados em forma de “questões”. Para melhor utilização e entendimento, o
padrão orienta que, após levantadas as demandas de suas partes interessadas, seja feita uma
reflexão sobre qual interface há entre essas demandas e os subtemas.

A RS se expressa pelo desejo e pelo propósito das organizações de incorporarem considerações


socioambientais em seus processos decisórios e de se responsabilizarem pelos impactos de
suas decisões e atividades na sociedade e no meio ambiente. Isso implica um comportamento
ético e transparente que contribua para o desenvolvimento sustentável, que esteja em
conformidade com as leis aplicáveis e seja consistente com as normas internacionais de
comportamento. Também implica que a responsabilidade social esteja integrada em toda a
organização, seja praticada em suas relações e considere os interesses das partes interessadas.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Escopo SEÇÃO 1 SEÇÃO 5 Duas práticas fundamentais da
responsabilidade social
98 Orientação para organiza-
ções de todo tipo, indepen-
Reconhecimento da
dentemente de seu tama-
responsabilidade social
nho ou localização

Termos e SEÇÃO 2
definições Identificação e engajamento
das partes interessadas
Definição de termos-chave

Compreensão da SEÇÃO 3
responsabilidade SEÇÃO 6 Temas centrais da responsabilidade social
social
História e características;
relacionamento entre Governança organizacional
responsabilidade social e
desenvolvimento sustentável
Direitos Práticas de Meio Práticas leais
humanos trabalho ambiente de operação
Princípios da SEÇÃO 4
responsabilidade
social Questões relativas ao
Envolvimento e
desenvolvimento da
- Accountability consumidor
comunidade
- Transparência
- Comportamento ético
- Respeito pelos interesses das Ações e expectativas relacionadas
partes interessadas
- Respeito pelo estado de direito
- Respeito pelas normas
internacionais de comportamento SEÇÃO 7 Integração da responsabilidade social
- Respeito pelos direitos humanos em toda a organização

Relação das Compreensão da


características com a responsabilidade social
responsabilidade social da organização

Práticas para integrar


Comunicação sobre a responsabilidade Iniciativas voluntárias de
responsabilidade social social em toda a responsabilidade social
organização

Análise e aprimoramento
Fortalecimento da
das ações e práticas da
credibilidade em relação
organização relativas à
à responsabilidade social
responsabilidade social

Bibliografia: Fontes com reconhecida


autoridade e orientação adicional
Maximização da contribuição
Anexo: Exemplos de iniciativas para organização para o
voluntárias e responsabilidade social desenvolvimento sustentável

Legenda: Visão geral esquemática da ABNT NBR ISO 26000.


Fonte: International Organization for Standardization (2010).

Curso Técnico em Agronegócio


Segundo a norma ISO 26000, os benefícios que a RS pode trazer para a organização são diver-
sos, e podemos destacar: melhorias das práticas de gestão de risco da organização, estímulo
a um processo decisório que leve em conta as expectativas da sociedade, a melhoria da repu-
tação da organização, a geração de inovação, a melhoria da competitividade, incluindo acesso
a financiamento e status de parceiro preferencial, melhoria do relacionamento da organização
com suas partes interessadas, aumento da fidelidade, do envolvimento, da motivação, da par-
ticipação e da moral dos empregados, melhoria da saúde e da segurança dos trabalhadores,
eficiência no uso de recursos, mais confiabilidade e prevenção ou redução de possíveis confli-
tos com consumidores por causa de produtos ou serviços.

SA 8000
Editada pela quarta vez em 2014, a SA 8000 é uma norma voluntária para verificação, aditável
por terceira parte, que estabelece os requisitos a serem atendidos pelas organizações, incluin-
do o estabelecimento ou a melhoria dos direitos dos trabalhadores, das condições no local de
trabalho e de um sistema de gestão eficaz.

Os elementos fundamentais dessa norma são baseados nas Convenções da OIT, normas
internacionais de direitos humanos e leis nacionais.

A norma SA 8000 é um padrão global em prol das boas condições de trabalho, desenvolvida e
supervisionada pela organização Social Accountability International (SAI). Na versão traduzida
para a língua portuguesa, recebeu o título de responsabilidade social. Essa norma é baseada
nos princípios internacionais dos direitos humanos e nas convenções da Organização Interna-
cional do Trabalho – International Labour Organization (ILO), em inglês –, os quais incentivam
a gerência a implementar mudanças sistemáticas e sustentáveis nas operações comerciais.

A norma SA 8000 divide-se em oito requisitos:

1. trabalho infantil e trabalho escravo;

2. sistemas de gestão da saúde e segurança ocupacional;

3. liberdade de associação e direito à negociação coletiva;


99
4. discriminação;

5. práticas disciplinares;

6. horas de trabalho;

7. remuneração;

8. sistemas de gestão.

Embora a SA 8000 seja aplicável universalmente e a certificação esteja, em princípio, disponí-


vel em todos os países ou indústrias, há exceções à certificação, segundo a SA 8000. O conse-
lho consultivo da SAI considera que há alguns setores em que a conformidade com todos os
requisitos da norma coloca certas dificuldades em razão de normas industriais e de necessi-
dades técnicas. A lista atualizada dessas exceções se encontra na página da SAI na internet. A
SA 8000 é revisada periodicamente à medida que as condições se alterem.

Norma ABNT NBR 16001:2012

A ABNT NBR 16001 – Responsabilidade social – Sistema da gestão – Requisitos teve sua pri-
meira edição publicada em novembro de 2004, e a sua segunda versão em julho de 2012.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Baseada na Diretriz Internacional ISO 26000, publicada em novembro de 2010, a revisão da
ABNT NBR 16001 ocorreu no âmbito da Comissão Especial de Estudos de Responsabilidade
100 Social da ABNT e ficou em consulta nacional.

A norma é passível de auditoria, estrutura-se em requisitos verificáveis


e permite que a organização busque a certificação por uma terceira
parte, o que não ocorre com a ISO 26000, que é uma norma de
diretrizes.

Essa norma estabelece um modelo de Sistema de Gestão da Responsabilidade Social (SGRS)


fundamentado na metodologia PDCA. Na figura a seguir, estão dispostas as ações de cada
etapa do PDCA com os principais itens que são inseridos no processo:

3. Política da responsabilidade social

3.4 Medição, análise e melhoria 3.1 Planejamento


• Monitoramento e medição • Identificação das partes
• Avaliação de atendimento a interessadas
requisitos legais e outros • Temas centrais da R5 e suas
• Não conformidade e ações questões
corretivas e preventivas • Due diligence
• Auditoria interna • Identificação de oportunidade
• Análise pela alta direção de melhoria e inovação
• Requisitos legais e noutros

2. Termo de definições
• Objetivos, metas e programas
• Recursos, funções,
responsabilidade e autoridades
1. Escopo

3.3 Requisitos e documentação 3.2 Implementação e operação


• Manual do SGRS • Competência, treinamento e
conscientização
• Controle de documentos
• Engajamento das partes
• Controle de registro interessadas
• Comunicação
• Tratamento de conflitos e
desavenças
• Controle operacional

Anexo: Bibliografia, identificação das partes interessadas,


engajamento das partes interessadas, comunicação,
questões de R5, oportunidade de melhoria e inovação,
monitoramento e medição.

Legenda: Requisitos da norma ABNT NBR 16001 inseridos no ciclo PDCA.


Fonte: ABNT (2012)

Curso Técnico em Agronegócio


O item “Escopo” estabelece os compromissos básicos, os objetivos e algumas considerações
sobre a norma e sua adoção. O item “Termos e definições” representa os principais conceitos
para a aplicação da norma. Em seguida, o item “Política da responsabilidade social” significa o
documento aprovado pela alta administração da organização, que contém as suas intenções
e diretrizes globais em relação à RS e orienta os desdobramentos do SGRS.

Em relação aos temas e questões da RS, a norma adota a mesma abordagem da ISO 26000:2010.

Normas setoriais

RSPO – Mesa Redonda para o Óleo de Palma Sustentável

Desde 2004, a Mesa Redonda sobre Óleo de Palma Sustentável (RSPO) objetiva a transformação
da indústria de óleo de palma e de toda a cadeia de abastecimento global em uma atividade
mais sustentável.

A RSPO é a única organização multi-stakeholder com alcance global que está exclusivamente
voltada a essa cadeia de produção. Para facilitar esse processo, elaborou uma certificação
composta por oito princípios, 39 critérios e mais de uma centena de indicadores de desempenho
centrados na sustentabilidade.

101

Legenda: A cadeia produtiva de óleo de palma dos trópicos para seu uso como ingrediente em produtos de varejo em todo o
mundo é complexa.

Os Princípios e Critérios RSPO abrangem o comprometimento com a transparência, as dimen-


sões ambientais, social e econômica da sustentabilidade e o compromisso com a melhoria
contínua.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Ao cumprir esses requisitos, as empresas contribuem para a geração de riquezas e bem-estar
para a sociedade, pois mantêm o equilíbrio saudável entre a utilização dos recursos naturais,
102 a geração e distribuição de renda e a rentabilidade do negócio.

O pacote de certificação pode estar calcado nos Princípios e Critérios RSPO ou no Sistema
RSPO de Certificação de Cadeia de Custódia. Os princípios são:
• responsabilidade ambiental e conservação dos recursos naturais da biodiversidade;

• comprometimento com a transparência;

• uso das melhores práticas nas áreas agrícolas e industriais;

• cumprimento das leis e normas aplicáveis;

• desenvolvimento responsável de novas áreas de plantio;

• comprometimento com a viabilidade financeira e econômica de longo prazo;

• responsabilidade com os colaboradores, indivíduos e comunidades afetadas pelas


plantações e usinas;

• comprometimento com a melhoria contínua.

Padrão Bonsucro

A Bonsucro é uma associação multi-stakeholder criada com o objetivo de reduzir os impactos


ambientais e sociais da produção de cana-de-açúcar. Diferentemente dos outros, o Padrão de
Produção Bonsucro não fixa ou avalia práticas de gestão (por exemplo, práticas de agricultura),
mas determina objetivos mensuráveis aos quais as usinas e seus fornecedores de cana-de-
açúcar devem atender.

Esse padrão está estruturado a partir de cinco princípios: cumprir a lei, respeitar os direitos
humanos e trabalhistas, gerenciar eficiências de insumos, produção e processamento de
modo a aumentar a sustentabilidade, gerenciar ativamente a biodiversidade e os serviços do
ecossistema e melhorar constantemente as áreas chaves do negócio.

Leitura complementar

Interessou-se pelo padrão Bonsucro? Acesse o arquivo “Guia para a Bonsucro”


no material complementar desta unidade curricular. Lá você encontrará todas as

c informações sobre certificação e padrões ao redor do mundo para a promoção


da sustentabilidade. A Bonsucro oferece uma ferramenta relevante para
endereçar os problemas reais que atingem o setor sucroalcooleiro, os quais os
atores envolvidos desejam ver enfrentados com sucesso. Vale conferir!

Curso Técnico em Agronegócio


4. Ferramentas híbridas
Ferramentas híbridas combinam elementos das três abordagens anteriores: ferramentas
baseadas em princípios, ferramentas baseadas em desempenho e ferramentas baseadas
em processos, visando ao estabelecimento de um grau de consenso antes da medição do
desempenho e do seu impacto. Provê uma arquitetura com o objetivo de extrair o melhor
de cada abordagem e de disponibilizar uma moldura de princípios, uma orientação prática
sobre o que deve ser feito e a possibilidade de aferir o desempenho. Alguns exemplos de
ferramentas híbridas são The Natural Step e The SIGMA Project.

Comentário do autor

Como visto no Tema 1 desta unidade curricular, a complexidade do conceito


de responsabilidade social com suas múltiplas definições, princípios e questões
transforma a tarefa das empresas, públicas ou privadas, pequenas ou
multinacionais, de qualquer pedacinho do Brasil em um grande esforço.

d Nesse sentido, temos um grande exemplo no Brasil: a Bunge, empresa produtora


de alimentos que, em 2015, foi escolhida, pela revista “Exame”, como a empresa
mais sustentável do país.

No site da empresa, é possível ver a quantidade de iniciativas que ela tem


desenvolvido visando superar o desafio da gestão socialmente responsável para
com todas as partes interessadas. Vale o acesso!

Encerramento do tema
Neste quarto e último tema desta unidade curricular, você pôde compreender que a prática
da responsabilidade social perpassa estratégias de gestão, que envolvem o planejamento da
comunicação, e de riscos em uma empresa. Em seguida, estudou os sete temas centrais das
diretrizes da ISO 26000, que são questões importantes na integração entre os aspectos ambien- 103
tais, sociais e de governança no estabelecimento de prioridades para a responsabilidade social.

Conheceu, também, várias iniciativas de responsabilidade social que visam ajudar outras
organizações a se tornarem socialmente mais responsáveis. Algumas dessas iniciativas
promovem guias práticos e específicos que podem ser usados para integrar a RS em toda
uma organização.

Assim, para compreender melhor o relacionamento entre as diversas iniciativas ligadas à sus-
tentabilidade para as empresas, você estudou a classificação de ferramentas baseadas no
guia de sustentabilidade para empresas do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa
(IBGC):
• ferramentas baseadas em princípios;

• ferramentas baseadas em desempenho;

• ferramentas baseadas em processos;

• ferramentas híbridas.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Atividades de aprendizagem
104
1. No início, o conceito de responsabilidade social era centrado em atividades filantrópicas,
como doações a instituições beneficentes. No entanto, com o tempo, outros temas foram
sendo acrescentados e receberam mais atenção. Entre esses temas está a corrupção.

Ficamos tão escandalizados com a corrupção envolvendo políticos que nos esquecemos
de que ela não é patrimônio exclusivo desse setor e pode ser encontrada em todos eles.
Casos envolvendo corrupção e concorrência desleal relacionados ao agronegócio não
recebem tanto destaque, mas também ocorrem. Corrupções de fiscais do meio ambiente
ou da justiça do trabalho, sonegação de impostos, desvio de verbas públicas, uso de
organizações não governamentais de fachada, fraude de planos de manejo e falsificação
de documentos são alguns deles.

Indique, nas opções a seguir, como podemos chamar esse outro princípio da gestão
socialmente responsável.

a) Questões relativas ao consumidor

b) Envolvimento e desenvolvimento da comunidade

c) Práticas leais de operação

d) Meio ambiente

e) Direitos humanos

2. Adotar uma gestão socialmente responsável não é fácil. Além dos problemas do cotidiano,
é preciso planejar, definir estratégias e traçar direcionamentos que permitam reforçar prá-
ticas que estejam vinculadas a todos os princípios que vimos no conteúdo. Mas por onde
começar, já que, durante o processo de gerenciamento, precisamos de direcionadores
diferentes? Se estivermos na etapa do planejamento, por exemplo, o ideal seria termos
apoio de ferramentas baseadas em princípios. Nas fases de execução, o ideal seria conhe-
cermos manuais operacionais voltados à realidade dos processos. Na etapa de monito-
ramento, um apoio na difícil escolha dos indicadores seria muito bem-vindo. Além disso,
devemos conhecer as ferramentas que ajudam na tarefa de disponibilizar os resultados a
todas as partes interessadas.

Algumas instituições elaboram guias com esse propósito, apresentam diversos instrumen-
tos e explicam para que serve cada um deles. O Guia de Sustentabilidade para Empresas
do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) classifica as diversas iniciativas
ligadas à sustentabilidade para as empresas em quatro categorias. Correlacione os itens
a seguir.

Curso Técnico em Agronegócio


1) Ferramentas baseadas em (( )The Natural Step
princípios

2) Ferramentas baseadas em (( )Carta Empresarial pela Conservação e


desempenho Uso Sustentável da Biodiversidade

3) Ferramentas baseadas em (( )Balanço social IBASE


processos

4) Ferramentas híbridas (( )SA 8000

A sequência CORRETA, de cima para baixo, é:

a) 1, 2, 3, 4.

b) 4, 2, 3, 1.

c) 4, 1, 2, 3.

d) 3, 2, 1, 4.

e) 2, 1, 3, 4.

3. Um dos pontos mais desafiadores do debate sobre a RS é como integrar os aspectos


ambientais, sociais e de governança nas decisões das organizações. Uma forma eficaz de se
fazer essa integração é unir esforços para cada organização se familiarizar com as questões
relativas à responsabilidade social vinculadas ao negócio e às partes interessadas. Segundo
a norma ISO 26000, são sete os temas centrais. Além da governança organizacional, há
questões relativas ao consumidor, a práticas leais de operação e a direitos humanos, e há
ainda outras três.

I. Partes interessadas 105

II. Práticas de trabalho

III. Meio ambiente

IV. Envolvimento e desenvolvimento da comunidade

V. Comunicação

Estão CORRETAS as opções descritas apenas em:

a) I, II, V.

b) II, IV, V.

c) II, III, IV.

d) I, II, IV.

e) I, II, III.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


4. Você sabe em qual estágio da responsabilidade social está sua empresa ou a empresa
em que você trabalha? Esse é um dos grandes problemas de um gestor que precisa
106 implementar um sistema de gestão socialmente responsável. Afinal, se não conhecemos
a fundo nossa empresa, não sabemos o que será preciso fazer. Nesse momento, temos
dois problemas: precisamos de um especialista ou então de um checklist que nos permita
fazer um diagnóstico preliminar. Especialistas são raros, e dinheiro é algo que, em tempos
de crise, não está fácil de achar. Pensando nisso, uma instituição de São Paulo elaborou
uma ferramenta gratuita de gestão que oferece às empresas um autodiagnóstico de
responsabilidade social empresarial que também auxilia na elaboração de um plano de
ação para suas práticas. Identifique essa ferramenta entre as opções listadas a seguir.

a) Pacto Global

b) Carta da Terra

c) Indicadores Ethos

d) SA 8000

e) Pegada Ecológica

5. Apesar de o Brasil ter elaborado, em 2004, a primeira norma do mundo de Responsabilidade


Social, foi somente a partir do lançamento, em Genebra, no dia 1o de novembro de 2010, da
Norma Internacional ISO 26000 – Diretrizes sobre Responsabilidade Social, que o conceito
ganhou projeção internacional.

Com a disseminação de suas diretrizes, coube às instituições normativas dos países refletir
sobre a necessidade de disseminação desses conceitos e inseri-los em suas normas
nacionais. Com o Brasil, não foi diferente. Após um processo que envolveu diversos
representantes dos mais variados grupos de partes interessadas, decidiu-se pela revisão
da norma brasileira. Não quanto à forma, já que ela continua sendo uma norma de
sistema de gestão, passível de auditoria, estruturada em requisitos verificáveis, permitindo
que a organização busque a certificação por uma terceira parte. Mas com alterações no
conteúdo, que agora contempla as definições, os princípios, os temas centrais e questões
da norma internacional ISO 26000.

Identifique, na lista a seguir, a norma brasileira de responsabilidade social.

a) ISO 9001

b) ABNT NBR 16001

c) Bonsucro

d) SA 8000

e) ISO 14001

Curso Técnico em Agronegócio


Encerramento da unidade curricular
Nesta unidade curricular, você pôde compreender como continua a dinâmica do crescimento
do agronegócio, seu papel social e de geração de riqueza no Brasil e o impacto sobre os
ecossistemas, o que justifica a importância de migrarmos de uma gestão administrativa eficaz,
mas que deixa de lado a tratativa de passivos com as outras partes interessadas e assume um
modelo de gestão socioambientalmente responsável.

Diferentemente do passado, quando era vista de forma filantrópica e pontual, hoje, a


responsabilidade social vem convergindo para uma visão mais próxima das modernas práticas
de gestão, segundo as quais valores como a ética e a transparência são considerados pilares.
O futuro do agronegócio depende, de forma crucial, da capacidade e da possibilidade de seus
trabalhadores e gestores de minimizarem seus riscos e potencializarem oportunidades.

A configuração de um desenvolvimento rural sustentável nessa conjuntura de regionalização e


globalização aponta a necessidade de se conhecerem ferramentas de gestão que auxiliem no
planejamento e possam dar respostas aos problemas identificados e de inseri-las no contexto
social, econômico e ambiental, onde esses se manifestam, com adequação às diferentes
categorias e atores sociais presentes na complexa e abrangente cadeia produtiva.

Assim, concluímos que a gestão socioambientalmente responsável tem grande valor para o
agronegócio.

107

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Referências
108
ALLEDI FILHO, C.; QUELHAS, O. L. G. Transparência nos negócios a partir do diálogo. In:
SIMPÓSIO LATINO-AMERICANO DE TRANSPARÊNCIA NOS NEGÓCIOS, 1, 2007, Rio de Janeiro.
Anais... Rio de Janeiro: UFF, 2007. Disponível em: <http://www.latec.com.br/Eventos/Simpósios/
TransparêncianosNegócios/Programação/tabid/227/Default.aspx>. Acesso em: 05 set. 2015.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROBUSINESS. Elementos do sistema agronegócio. Disponível


em: <http://www.mettodo.com.br/ebooks/Norma%20AA1000.pdf>. Acesso em: 19 out. 15.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). ABNT NBR 16001: responsabilidade


social – sistema da gestão – requisitos. 2004. Disponível em: <http://www.inmetro.gov.br/
qualidade/responsabilidade_social/norma_nacional.asp>. Acesso em: 28 set. 2015.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. BNDES aprova financiamento


de R$ 28,6 milhões para a COPACOL. Disponível em: <http://www.bndes.gov.br/noticias/2015/
not081_07.asp>. Acesso em: 9 set. 2015.

BARROS, J. R. M.; BARROS, A. L. M. A revolução do agronegócio com ênfase na economia do


conhecimento. In: VELLOSO, J. P. R. O desafio da China e da Índia: a resposta do Brasil. Rio de
Janeiro: José Olympio, 2005.

BATALHA, M. O. Gestão agroindustrial. São Paulo: Atlas, 2001.

BITENCOURT, C. Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais.


Porto Alegre: Bookman, 2004.

BOBBIO, N. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BOFF, L. Saber cuidar: ética do humano: compaixão pela terra. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

BONSUCRO. Guia para o padrão de produção. 2015. Disponível em: <http://bonsucro.com/site/


wp-content/uploads/2013/02/PT_BonsucroGuidance_v4.1.1_all.pdf>. Acesso em: 26 dez. 2015.

BRANDÃO, A. S. P.; REZENDE, G. C.; MARQUES, R. W. da C. Crescimento agrícola no período 1999-


2004, explosão da área plantada com soja e meio-ambiente no Brasil: texto para discussão 1062.
Rio de Janeiro: IPEA/DIMAC, 2005.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. Exportação brasileira de


cooperativas por unidade da federação. Disponível em: <http://www.desenvolvimento.gov.br/
arquivo/secex/emprcoopbras/unidade20062005.xls>. Acesso em: 23 out. 2015.

______. Ministério do Meio Ambiente. Agenda 21. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/


responsabilidade-socioambiental/agenda-21/agenda-21-global>. Acesso em: 21 set. 2015.

______. Ministério do Meio Ambiente. Carta da terra. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/


responsabilidade-socioambiental/agenda-21/carta-da-terral>. Acesso em: 21 set. 2015.

Curso Técnico em Agronegócio


______. Ministério do Trabalho e Previdência Social. Combate ao trabalho em condições análogas
às de escravo. 2015. Disponível em: <http://www.mtps.gov.br/fiscalizacao-combate-trabalho-
escravo> Acesso em: 23 out. 2015.

BSD BRASIL. AA1000: estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais.


Disponível em: <http://www.mettodo.com.br/ebooks/Norma%20AA1000.pdf>. Acesso em: 19
out. 2015.

BURGO, M. N. Caracterização espacial de riscos na agricultura e implicações para o desenvolvimento


de instrumentos para seu gerenciamento. 2005. 116 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) –
Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2005.

BUSINESS FOR SOCIAL RESPONSABILITY. Business for social responsability. Disponível em:
<http://www.bsr.org>. Acesso em: 28 set. 2015.

CERQUEIRA, J. P. Sistemas de gestão integrados: ISO 9001, NBR 16001, OHSAS: 18001, SA 8000:
conceitos e aplicações. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2006.

COPACOL. Cooperativa Agrícola Consolata. Disponível em: <http://www.copacol.com.br>.


Acesso em: 27 out. 2015.

DRUCKER, P. F. Administração: tarefas, responsabilidades, práticas. São Paulo: Pioneira, 1975.

ESPM. ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING. Núcleo de estudos do Agronegócio.


Os 10 mandamentos da boa gestão no agronegócio. Disponível em: <http://agrors.espm.br/
artigos/os-10-mandamentos-da-boa-gestao-no-agronegocio>. Acesso em: 15 out. 2015.

FELIPE, D. L. Os sistemas integrados de gestão (ISO9000, ISO4000, OHSAS18001) como indicadores


de responsabilidade social (SA8000) em processos produtivos de indústrias de confecções no
Espírito Santo – Brasil. 2001. 160 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Curso
de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina,
Florianópolis, 2001. Disponível em: <http://teses.eps.ufsc.br/defesa/pdf/7492.pdf>. Acesso 109
em: 15 out. 2015.

FIGUEIREDO, R.; FRANÇA, S. Fatores estratégicos para a promoção de relações sustentáveis


entre empresas e comunidades. 2010. Disponível em: <http://www.excelenciaemgestao.org/
portals/2/documents/cneg6/anais/t10_0261_1460.pdf/>. Acesso em: 15 out. 2015.

FREEMAN, R. E. et al. Stakeholder theory: the state of the art. Cambridge: Cambridge University
Press, 2010.

FREEMAN, R. E.; MCVEA, J. A stakeholder approach to strategic management. Darden Business


School Working Paper, Charlottesville, n. 1-2, 2001.

FUNDAÇÃO ABRINQ. Programa empresa amiga da criança. Disponível em: <http://www.abrinq.


org.br>. Acesso em: 18 ago. 2015.

GLOBAL REPORTING INITIATIVE. G4: diretrizes para relato de sustentabilidade: princípios para
relato e conteúdos padrão. Versão em Português. Amsterdam: GRI, 2013.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


GLOBAL REPORTING INITIATIVE. G4: diretrizes para relato de sustentabilidade: manual de
implementação. Versão em Português. Amsterdam: GRI, 2013.
110
GOLAN, E.; KRISSOFF, B.; KUCHLER, F. Traceability for food marketing and food safety: what’s
the next step? Agricultural Outlook. Washington, D. C., p. 21-25, jan./fev. 2002.

ILO. INTERNATIONAL LABOUR ORGANIZATION. Declaração sobre os princípios e direitos


fundamentais do trabalho. 1998. Disponível em: <http://www.ilo.org/public/english/standards/
declaration/declaration_portuguese.pdf>. Acesso em: 21 set. 2015.

INSTITUTO BIODINÂMICO. Princípios e critérios da Round Table on Sustainable Palm Oil (RSPO)
para produção sustentável de óleo de palma. 2007. Disponível em: <http://ibd.com.br/media/
arquivo_digital/2162ebde-ba9a-4023-8c04-0407c7ca27f9.pdf>. Acesso em: 26 dez. 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS. Disponível em: <http://www.


balancosocial.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm>. Acesso em: 7 out. 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA (IBGC). Guia de sustentabilidade para


as empresas: IBGC. 2007. Disponível em: <http://www.ibgc.org.br/userfiles/4.pdf>. Acesso em:
21 set. 2015.

INSTITUTO ETHOS. Indicadores Ethos. 2014. Disponível em: <http://www3.ethos.org.br/


wpcontent/uploads/2014/10/Indicadores_Ethos_20141.pdf>. Acesso em: 12 set. 2015.

INTERNATIONAL FINANCE CORPORATION. Stakeholder engagement: a good practice handbook


for companies doing business in emerging markets. Washington D.C.: International Finance
Corporation, 2007.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. Norma ABNT NBR ISO 26000:2010.


2010. Disponível em: <http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/
arquivos/%5Bfield_generico_imagens-filefield-description%5D_65.pdf>. Acesso em: 4 jul.
2015.

ISE. ÍNDICE DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Plataforma Mundo ISE. Disponível em:


<http://www.ethos.org.br/DesktopDefault.aspx?TabID=3344&Alias=ethos&Lang=pt-BR>.
Acesso em: 12 set. 2015.

KARKOTLI, G.; ARAGÃO, S. D. Responsabilidade social: uma contribuição à gestão transformadora


das organizações. Petrópolis: Vozes, 2004.

MARIN, J. O. B. Trabalho infantil: necessidade, valor e exclusão social. Brasília: Plano; Goiânia:
Editora da UFG, 2005.

MARQUES, D. et al. Avaliação dos impactos sociais de tecnologias agropecuárias: geração de


empregos. 2008. Disponível em: <http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/
doc/256606/1/Avaliacaodosimpactossociais.pdf>. Acesso em: 21 set. 2015.

MARQUES, V. de L. Modelo para a gestão de stakeholders em empresas de construção civil. 2014.


Tese (Doutorado em Engenharia Civil) Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2014.

Curso Técnico em Agronegócio


MAXIMIANO, A. C. A. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução digital. 4.
ed. São Paulo: Atlas, 2004.

OCDE-FAO. Perspectivas agrícolas 2015-2024. Disponível em: <http://https://www.fao.org.br/


download/PA20142015CB.pdf>. Acesso em: 29 out. 2015.

______. Princípios empresariais para alimentos e agricultura. Disponível em: <http://www.


pactoglobal.org.br/Public/upload/ckfinder/files/Folder_PEAA_portugues(1).pdf/>. Acesso em:
12 out. 2015.

OLIVEIRA, J. A. O que significa agronegócio. 2010. Disponível em: <http://www.seea.org.br/


artigojoseadilson2.php>. Acesso em: 12 out. 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS. Título. Disponível em: <http://www.


brasilcooperativo.com.br/Portals/0/documentos/mercados/Números% 20do%20
Cooperativismo%20-%20Dez2006.pdf>. Acesso em: 29 out. 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Organização das Nações Unidas no Brasil.
Disponível em: <http://www.onu.org.br>. Acesso em: 9 out. 2015.

______. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Objetivos de


Desenvolvimento Sustentável (ODS). Disponível em: <http://www.pnud.org.br/ODS.aspx>.
Acesso em: 9 out. 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL (ONU BR). 17 objetivos para transformar nosso
mundo. 2015. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030>. Acesso em:
12 out. 2015.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Convenções ratificadas pelo Brasil.


Disponível em: <http://www.oitbrasil.org.br/convention>. Acesso em: 12 out. 2015.

______. Medir o progresso na luta contra o trabalho infantil: estimativas e tendências mundiais 111
2000-2012. Bureau international do Trabalho, Programa Internacional para a Eliminação do
Trabalho Infantil (IPEC). Genebra: OIT, 2013. Disponível em: <http://www.ilo.org/wcmsp5/
groups/public/---ed_norm/---ipec/documents/publication/wcms_221799.pdf>. Acesso em: 29
out. 2015.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Diretrizes para


multinacionais. Disponível em: <http://http://www.oecd.org/corporate/mne/38110590.pdf>.
Acesso em: 29 out. 2015.

PACTO GLOBAL REDE BRASILEIRA. Os 10 princípios. 2013. Disponível em: <http://www.


pactoglobal.org.br/artigo/56/Os-10-principios>. Acesso em: 12 out. 2015.

PIMENTEL, D. A educação de base na promoção da sustentabilidade ambiental do agronegócio


brasileiro. 2008. 174 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal
Fluminense, Niterói, 2008.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


PIMENTEL, D. A educação de base na promoção da sustentabilidade ambiental do agronegócio
brasileiro. 2008. 174 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) Universidade Federal
112 Fluminense, Niterói, 2008.

PORTAL DE CONTABILIDADE. Normas Brasileiras de Contabilidade: NBC T 15: informações de


natureza social e Ambiental. Disponível em: <http://www.portaldecontabilidade.com.br/nbc/
t15.htm>. Acesso em: 12 out. 2015.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Os objetivos de


desenvolvimento do milênio. 2015. Disponível em: <http://www.pnud.org.br/odm.aspx>. Acesso
em: 12 out. 2015.

RAMOS, P. (Org.). Dimensões do agronegócio brasileiro: políticas, instituições e perspectivas.


Brasília: MDA, 2007. 360p. Disponível em: <http://www.cairu.br/biblioteca/arquivos/
Agronegocios/Dimensoes_do_agronegocio_brasileiro.pdf>. Acesso em: 12 out. 2015.

RESPONSABILIDADE SOCIAL. O que é responsabilidade social? Disponível em: <http://www.


responsabilidadesocial.com/institucional/institucional_view.php?id=1>. Acesso em: 12 out.
2015.

SEBRAE. Guia prático para sustentabilidade nos pequenos negócios. 2014. Disponível em:
<http://sustentabilidade.sebrae.com.br/sustentabilidade/baixarArquivo?arquivo=54ae3cbc-
2c985410VgnVCM100000b072010aRCRD>. Acesso em: 9 out. 2015.

SOUZA, Z. P. de. A responsabilidade social empresarial sob uma perspectiva sistêmica. 2004. 251
f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Curso de Pós-Graduação em Engenharia de
Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004. Disponível em: <http://
teses.eps.ufsc.br/defesa/pdf/3769.pdf>. Acesso em: 8 out. 2015.

TENÓRIO, F. G. (Org.). Responsabilidade social empresarial: teoria e prática. Rio de Janeiro: FGV,
2004.

TORRES, C. Quando o social é a diferença. Disponível em: <http://www.base.br/paginas/


diferenca.html>. Acesso em: 28 out. 2015.

UNDP. UNITED NATIONS DEVELOPMENT PROGRAMME. United Nations Millennium Declaration.


Disponível em: <http://www.un.org/millennium/declaration/ares552e.htm>. Acesso em: 12
out. 2015.

WORLD ECONOMIC FORUM. The global risks landscape 2015. 2015. Disponível em: <http://
www3.weforum.org/docs/WEF_Global_Risks_2015_Report15.pdf>. Acesso em: 12 out. 2015.

ZACHARIAS, O. J. SA 8000/NBR 16000: responsabilidade social: estratégia para empresas


socialmente responsáveis. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2004.

Curso Técnico em Agronegócio


Gabarito
Tema 1
1. B

Com o aumento do número de pessoas no planeta, alimentar todo mundo passou a ser um
desafio. Por isso, o aumento da produção de alimentos não seria um dilema, e sim uma solução.
No entanto, sem educação para todos, alimentos para todos, saúde para todos, acesso a
saneamento para todos, não conseguiremos diminuir os diversos problemas enfrentados.
Condições de trabalho degradantes, crianças fora da escola e obrigadas a trabalhar para ajudar
no sustento das famílias, uso de recursos naturais de forma descontrolada, sem respeito à
capacidade de reposição, e o crescimento populacional de forma descontrolada em países
pobres e com poucos recursos justificam por que a igualdade social deveria ser vista como
solução, e não como um problema contemporâneo.

2. C

Apesar das diversas abordagens, os conceitos de responsabilidade social e desenvolvimento


sustentável precisam ser entendidos em sua complementaridade. É como se uma organização
enxergasse, lá no fim do túnel, uma chama de sustentabilidade, e aí tomasse a decisão de
gerenciar seus processos para atingi-la. A responsabilidade social seria essa forma de gerenciar
seus processos de modo socialmente justo, ambientalmente equilibrado e sem deixar de ser
rentável economicamente.

3. D

O Pacto Global não se orienta ao agronegócio, e a Carta da Terra, os Objetivos do Desenvol-


vimento Sustentável e a Declaração Universal dos Direitos Humanos não tratam de valores
empresariais.

4. C
113

Essa questão enfatiza a diferença entre os conceitos de ação e investimento social. As três
primeiras opções tratam de ações pontuais, já que, normalmente, ao fazermos doações,
não acompanhamos como elas serão utilizadas. No entanto, as outras duas opções fazem
referências a “programas”, o que já obrigaria a um acompanhamento contínuo das atividades
executadas visando à melhor adequação dos recursos utilizados.

5. C

O Instituto Ethos também vem procurando orientar as organizações quanto ao passo a passo
da gestão socialmente responsável, também, de forma didática, separando-o em etapas.
Como define a própria norma ISO 26000, o respeito ao estado de direito é fundamental, por
isso, não há como não cumprir as leis, e isso tem de ser uma prioridade, por estar nos estágios
mais iniciais. Dessa forma, as questões “falsas” são a segunda e a terceira.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


Tema 2
114 1. A

A teoria de Freeman trata da ampliação do olhar dos gestores para levar em conta vários
públicos que afetam e são afetados pelas organizações, além dos acionistas, como empregados,
clientes, fornecedores, financiadores, entre outros, por isso, a primeira e a terceira frases são
“falsas”. Stakeholders tem como tradução “partes interessadas”, e stockholders é que quer dizer
acionistas.

2. D

Chamam-se antes da porteira as atividades relacionadas com a produção de insumos, como


as sementes, as mudas e os fertilizantes, assim como os equipamentos, os bens de produção
e os serviços para a agropecuária.

O setor denominado dentro da porteira é o que concentra a produção primária propriamente


dita. É essa que vem passando pelas maiores mudanças, já que a tecnologia, a eficiência
operacional e a fusão de empresas vêm afastando milhares de trabalhadores dos postos de
trabalho. O maior setor é o depois da porteira; mesmo assim, é o que mais pode crescer, uma
vez que contempla todo o processamento e a distribuição agroindustrial.

3. E

A característica principal da gestão socioambientalmente responsável é exatamente levar em


consideração os interesses e expectativas de vários grupos sociais, por isso, as respostas às
quatro primeiras opções estão erradas, pois fazem referência a um único grupo.

4. A

A amplitude do conceito da responsabilidade social faz com que as mudanças na gestão


tenham de ter caráter estratégico, amplo e integrado, por isso, não há como ter uma gestão
socialmente responsável sem a participação ativa da alta direção. Assim, a opção III é falsa.

Quanto à opção V, ela é falsa pois, independentemente da responsabilidade social, não se


pode gerenciar uma organização sem cumprir as leis.

5. B

A precariedade do sistema de transporte brasileiro causa inúmeros problemas para o setor


agroindustrial. Não raro, há perda de cargas perecíveis devido aos problemas nos portos, nas
estradas e nos terminais, por isso, a afirmativa I é falsa.

A afirmativa II, relacionada com o crédito financeiro, é falsa porque, como se já não bastassem
as altas taxas de juros dos bancos, o setor ainda vem sofrendo com os baixos preços das
commodities no mercado internacional e com as mudanças climáticas, que trazem mais risco
para quem empresta dinheiro para o setor.

Curso Técnico em Agronegócio


Tema 3
1. A

As opções II e IV estão erradas, pois não podem ser consideradas princípios.

Parte interessada não é um princípio, mas o nome que se dá para aqueles que têm interesse
nas decisões ou atividades de uma organização. A palavra engajamento nomeia o processo de
buscar o ponto de vista do outro e criar oportunidades de diálogo de forma a fornecer uma
base sólida para as decisões que serão tomadas pela organização.

2. C

De todos os termos citados, o único relacionado diretamente com o aspecto legislativo é o


“estado de direito”. Como ressalta a norma ISO 26000, o respeito ao estado de direito quer
dizer que “a organização obedece a todas as leis e regulamentos aplicáveis. Isso significa
que convém que a organização tome medidas para estar ciente das leis e dos regulamentos
aplicáveis e informar a todos dentro da organização sobre sua obrigação de cumprir e
implementar essas medidas”.

Uma reflexão importante é quanto ao grau de dificuldade desse princípio na atual realidade
brasileira, uma vez que o não cumprimento das leis é encarado como normal pela sociedade
e pelas empresas tanto públicas quanto privadas.

3. D

As alternativas II e V estão erradas porque se contrapõem à própria definição de responsabi-


lidade social. É fundamental que haja relação entre as ações de comunicação e os objetivos e
as estratégias das organizações. Sem isso, estas ficariam extremamente vulneráveis, pois aca-
bariam por fazer uma coisa e dizer outra, atingindo em cheio outros princípios fundamentais
à gestão socialmente responsável, como o compromisso com a ética e com a transparência.

4. B 115
A tradução literal da palavra Accountability é “prestação de contas”. No entanto, na gestão
socialmente responsável, ela vai além. Significa explicar para a sociedade o que se fez, como
se fez, por que se fez, quanto se gastou e quais são os planos e justificar tanto os resultados
positivos quanto os negativos.

A outras palavras em inglês possuem outros significados e estão relacionadas ao conceito de


partes interessadas.

5. A

O princípio da transparência é descrito pela norma ISO 26000 como a “franqueza sobre
decisões e atividades que afetam a sociedade, a economia e o meio ambiente e a disposição
de comunicá-las de forma clara, precisa, tempestiva, honesta e completa”.

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


É importante destacar que o princípio da transparência não requer que informações
confidenciais venham a público nem implica fornecimento de informações que sejam privile-
116 giadas ou que possam significar violação de obrigações legais, comerciais, de segurança ou de
privacidade individual.

Tema 4
1. C

Segundo a norma ISO 26000, as práticas leais de operação referem-se a uma conduta ética nos
negócios da organização com outras organizações públicas e/ou privadas. Nesse caso, incluem
relações entre empresas, órgãos públicos, parceiros, fornecedores, empresas terceirizadas,
clientes, concorrentes e as associações de que são membros.

Quanto à abrangência, essas práticas leais fazem referência às áreas de combate à corrupção,
envolvimento responsável na esfera pública, concorrência leal, comportamento socialmente
responsável, relação com outras organizações e respeito pelos direitos de propriedade.

As outras opções tratam de temas muito diferentes: consumidores, comunidade, meio am-
biente e direitos humanos.

2. C

Um dos papéis mais difíceis do gestor que pretende implementar a gestão socialmente res-
ponsável é a distinção das ferramentas de gestão existentes, já que cada uma atende a neces-
sidades e objetivos específicos.

Nesse sentido, é importante reconhecer que cartas e pactos, como a Carta Empresarial pela
Conservação e Uso Sustentável da Biodiversidade, são consideradas ferramentas estratégicas,
já que trazem princípios delineadores de práticas. Além disso, não se pode confundir normas,
que trazem diretrizes e requisitos, como a SA 8000, para todas as áreas das organizações,
com as ferramentas, como o Balanço Social Ibase, que trazem exclusivamente indicadores de
monitoramento de desempenho.

Apesar de muito mais difíceis de serem utilizadas, existem ferramentas que têm um pouco
de cada coisa, como a Natural Step, que foi elaborada por cientistas e propõe mudanças
sistêmicas em todo o planeta.

3. C

O grande diferencial do conceito mais atual da gestão da responsabilidade social é considerar


os interesses e as expectativas das partes interessadas. Exatamente por isso, não pode ser
visto como um tema, e sim como uma condição, um pré-requisito. Quanto à comunicação,
essa também não pode ser vista como um tema, pois é fundamental durante todo o processo
em que as organizações precisam colocar a responsabilidade social em prática e de forma
integrada à sua gestão.

Os temas faltantes são práticas de trabalho, meio ambiente e envolvimento e desenvolvimento


da comunidade.

Curso Técnico em Agronegócio


4. C

O Pacto Global e a Carta da Terra não objetivam o diagnóstico da gestão; funcionam mais como
cartas de intenção e princípios.

A SA 8000 é uma norma que traz diretrizes para as práticas trabalhistas de toda cadeia
produtiva, mas não aborda os outros temas relacionados com o conceito de responsabilidade
social, como meio ambiente, questões relativas ao consumidor, desenvolvimento comunitário,
entre outros. O mesmo acontece com a Pegada Ecológica, que, apesar de também ser uma
ferramenta baseada em indicadores, privilegia a questão ambiental.

Para fazer uma autoavaliação da gestão, as empresas podem utilizar o questionário do


Instituto Ethos, sugerido para grandes e médias empresas, ou o questionário Ethos-Sebrae,
adaptado para micro e pequenas empresas. O conteúdo em ambos os tipos é o mesmo, mas
as abordagens se diferenciam, porque a complexidade da gestão tem suas peculiaridades
entre os portes.

5. B

A única norma com as iniciais da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é a da opção
B. Além disso, também há as iniciais NBR, abreviação adotada pela Associação Brasileira de
Normas Técnicas (ABNT), que quer dizer Norma Brasileira.

As demais opções ou foram elaboradas pela International Organization for Standardization


(ISO) ou pela Social Accountability International (SA) ou por uma organização sem fins lucrativos
mundial, organização multi-stakeholder com 400 membros de 32 países (Bonsucro).

117

Responsabilidade Social e Ambiental no Agronegócio


SGAN 601 MÓDULO K - EDIFÍCIO ANTÔNIO
ERNESTO DE SALVO - 1º ANDAR - BRASÍLIA
DISTRITO FEDERAL - CEP: 70830-021
FONE: + 55 61 2109 1300

WWW.SENAR.ORG.BR/ETEC
WWW.SENAR.ORG.BR

Você também pode gostar