Você está na página 1de 2

MARKETING NA EBS

Para Kotler (1998, p. 27), “Marketing é um processo social e gerencial pelo qual
indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam por meio de criação, oferta e troca de
produtos de valor com outros”.

Nesse aspecto, marketing seria todo o processo de planejamento e execução da


criação, estabelecimento de preço, promoção e distribuição de idéias, produtos e/ou serviços,
com vistas a criar os intercâmbios que irão satisfazer as necessidades dos indivíduos e
organizações.

. O papel do Marketing é então identificar necessidades não-satisfeitas, de forma a


colocar no mercado produtos ou serviços que, ao mesmo tempo, proporcionem satisfação dos
consumidores, gerando resultados auspiciosos aos acionistas e ajudem a melhorar a qualidade
de vida das pessoas e da comunidade em geral.
Segundo Kotler (1996, p. 36), “marketing é a atividade humana dirigida para a
satisfação das necessidades e desejos, por meio dos processos de troca”. O marketing reside
nas necessidades e desejos humanos.
É importante definir e diferenciar necessidades de desejos. Necessidade é a sensação
de privação relativa à ausência de, por exemplo, comida, roupa, abrigo, ou alguma outra
satisfação básica para sobrevivência. Desejo é a satisfação de uma necessidade de uma
determinada maneira, de acordo com o histórico, crenças e a cultura do indivíduo, assim como
outras forças como o marketing.
A importante diferença entre necessidades e desejos é que os desejos podem ser
influenciados por uma infinidade de fatores, enquanto que as necessidades são inerentes à
condição humana, não podendo, desta forma, ser modificada. Para o autor, os desejos podem
ser continuamente moldados e remoldados por forças, instituições sociais, incluindo igrejas,
escolas, famílias e empresas.

O autor expõe que não é fácil atender as necessidades dos clientes, pois algumas vezes
estes não estão plenamente conscientes de sua existência ou ainda não sabem como expressá-
las. Desta forma, ele classifica as necessidades em cinco:
1) necessidades declaradas (aquelas que o cliente diz que quer);
2) necessidades reais (aquelas que o cliente realmente precisa);
3) necessidades não declaradas (aquelas que o cliente espera);
4) necessidades de prazer;
5) necessidades secretas.

Escola Bíblica como ferramenta de crescimento

Qual é o papel da Escola Bíblica? Para a maioria, se resume em “Comunhão e ensino


bíblico”. O propósito da Escola Bíblica e cumprir a Grande Comissão.

Em algumas igrejas, o crescimento é resultado da visitação, adoração e de um programa


agressivo para os jovens.

Fundamentos: pregação, ensino, treinamento e visitação.

Espiral de Crescimento da Escola Bíblica

VIII - Princípios em busca de crescimento na Escola Dominical


Pensando em redescobrir “As alegrias das manhãs de domingo”, o autor Ken Hemphill nos
sugere alguns princípios que poderão ajudar o crescimento de nossa Igreja.
1. Princípio de Processo
Este princípio afirma que o crescimento é um processo e não um evento. Ele requer:
· Planejamento
· Estabelecer alvos
· Gerenciar recursos
· Avaliação regular dos resultados e eficiência
2. Princípios da Pirâmide
Este princípio nos mostra que, para aumentar a pirâmide, é preciso alargar a sua base. A
base é a organização para o crescimento. Ela pode ser a estrutura dos grupos pequenos
(classes) na qual ocorrem os relacionamentos, discipulado, etc.
3. Princípios da Receptividade
A Igreja deve investir seus recursos e priorizar onde ela pode obter frutos. Receber bem,
acolher as pessoas e integrá-las, discipular são fatores fundamentais na Escola Dominical.
4. Princípio da Homogeneidade
Este princípio reconhece que o testemunho do evangelho freqüentemente alcança maior
receptividade mediante uma unidade de parentesco ou amizade.
5. Princípios da Unidade e Identidade
Este princípio visa a envolver novos alunos/as na vida e missão da Igreja.
6. Princípios da Liderança (professores) eficientes e eficazes
A Igreja deve capacitar e treinar seus líderes objetivando o crescimento da Escola Bíblica
Dominical.