Você está na página 1de 6

CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMILO

MBA - Gestão de Saúde - EAD

Maickel Gomes Silveiro

GESTÃO DE MARKETING E RELACIONAMENTO


EMPRESARIAL

Boa Esperança - ES
10/2019
Maickel Gomes Silveiro

GESTÃO DE MARKETING E RELACIONAMENTO


EMPRESARIAL

Trabalho apresentado para a disciplina


de Gestão de Marketing e
Relacionamento Empresarial do curso
de MBA em Gestão de Saúde,
ministrada pela Prof. Leopoldo Veras
da Rocha.

Boa Esperança - ES
10/2019
1. INTRODUÇÃO

De acordo com Kotler, Shalowitze e Stevens (2010, p. 24) marketing é “uma


função organizacional e um conjunto de processos para criar, comunicar e fornecer
valor para clientes e para gerenciar as relações com clientes de modo que
beneficiem a organização e os principais envolvidos”.

Assim, o marketing não deve ser reduzido à propaganda, a vendas ou como


sinônimo de telemarketing (PACINI, 2009).

Marketing é o ato de conhecer o mercado de atuação de uma organização,


para posteriormente oferecer, de forma inovadora e criativa, os produtos e serviços
que esse mercado deseja, ou, como disse o professor Richers (2001), um famoso
professor da área e reconhecido propagador do tema: "Marketing é entender e
atender clientes".

O marketing é uma técnica de gestão (direção, planejamento, gerência)


empresarial que permite qualquer empresário conduzir seus negócios dentro de um
padrão de causa x efeito, objetivo x resultado. Não se trata de uma palavra mágica,
dizendo que faz marketing e que tudo se resolve. É muito mais do que isso, pois seu
gestor precisa ter o domínio, ou uma visão geral, do que a empresa é, do que ela é
capaz, o que deseja do mercado, o que deseja dos seus produtos, onde pretende
chegar, como encantar seus clientes, como enfrentar seus concorrentes.

2. DESENVOLVIMENTO

2.1 QUAL A RELEVÂNCIA DO MIX DE MARKETING PARA AS EMPRESAS DA


ÁREA DA SAÚDE?

Nos dias atuais os serviços de saúde crescem grandemente, sendo uma


verdadeira revolução, assim os profissionais estão precisando de apoio
urgentemente, pois um consultório ou uma clínica, não deixa de ser uma empresa, e
esta precisa possuir regras claras de operacionalização, processos padronizados e
controle de todas as suas atividades.

A ferramentas de marketing poderá melhorar o desempenho das empresas de


saúde, possibilitando aumento da atração, preferência, confiança e fidelidade de
clientes.

Assim, a empresa torna-se cada vez mais competitiva e atraente,


especialmente em contextos de elevada concorrência (KÖSCHE; KÖSCHE;
SCHNEIDER, 2012).

2.2 QUAIS OS BENEFÍCIOS PARA OS PACIENTES QUANDO AS EMPRESAS DA


ÁREA DA SAÚDE ESTABELECEM POLÍTICAS DE RELACIONAMENTO?

O marketing de relacionamento, fomentado com maior intensidade a partir


dos anos 1990 (TOLEDO; ROCHA; NUCCI, 2004), visa fortalecer a relação, a
fidelidade e os lucros que o cliente pode trazer à empresa. Dentre os vários sentidos
da palavra relacionamento existe sempre a ideia de troca mútua, em duas vias e que
gera benefícios para ambas as partes (GONÇALVES; MACHADO; MARQUES,
2012).

O crescimento das empresas e o advento do marketing de massa acabaram


por promover mudanças nesta forma de relacionamento e muitas empresas não
conseguiram manter proximidade com seus clientes. Neste percurso, então, ficaram
evidentes as diferenças entre o marketing de massa e o individualizado, sendo este
mais valorizado hoje. Tendo em vista as características mercadológicas atuais,
defende-se que é preciso conhecer muito bem o público-alvo para criar estratégias
diferenciadas de modo a oferecer soluções para suas necessidades, expectativas e
desejos dos clientes (SERRA et al., 2005).

O marketing de relacionamento tem na manutenção de clientes sua meta


principal e representa um processo complexo que envolve cliente, ambientes e
ações de longo prazo através de conceitos e práticas de criação de valor para o
cliente, integração do cliente à produção, geração de lucro, identificação de
necessidades, supressão de necessidades e geração de satisfação (TOLEDO;
ROCHA; NUCCI, 2004).

3. CONCLUSÃO

Conclui-se que a aplicação dos princípios do marketing na área da saúde vem


demonstrado importantes resultados para o desenvolvimento de profissionais e
organizações nos últimos tempos.

O marketing está presente em praticamente todo tipo de atividade. É peça


básica e fundamental para que as empresas possam interagir com seus clientes
e o mercado em geral. Sem dúvida nenhuma, um trabalho muito importante e
que precisa ser realizado com muita seriedade e competência.

Na área de serviços de saúde, o marketing médico deve ser organizado,


pensado e implantado de uma maneira bem específica, levando em
consideração os aspectos humanos, sociais e comportamentais de cada
indivíduo. 

Além disso, existem regras e diretrizes específicas de atuação na área da


saúde. Por esse motivo é muito importante que você siga as orientações e
determinações do Conselho Federal de Medicina, que conta com uma resolução
específica (CRM 1974/11).

Diante de tudo o que foi apresentado, percebe-se que são inúmeras as


ferramentas de marketing para o profissional da área da saúde, trazendo assim,
benefícios aos clientes/pacientes.
3. REFERÊNCIAS

KOTLER, P; SHALOWITZ, J.; STEVENS, R. J. Marketing Estratégico para a Área


da Saúde. Porto Alegre: Bookman, 2010.

MEZOMO, J. C. Gestão da qualidade em saúde: princípios básicos. Barueri:


Editora Manole, 2001.

MORAIS, D. Diversas estratégias de marketing podem ser aplicadas para gerar


mais resultados para um negócio na área da saúde. Disponível em:
https://rockcontent.com/blog/marketing-na-area-da-saude/. Acesso em 10 out. 2019.

TEIXEIRA, R. F. Marketing em organizações de saúde. Rio de Janeiro: Editora


FGV, 2010.

TOLEDO, G. L; ROCHA, T.; NUCCI, P. O marketing de relacionamento e a


construção da fidelidade do cliente: um estudo de caso em uma empresa
brasileira de seguros. VII

Você também pode gostar