Você está na página 1de 72

Mecânica dos solos II

Leandro Rosatto Moda


Eng Agrônomo
Doutor em Ciência do Solo - UNESP

S. J. RIO PRETO – SP
2018
Ementa
 Investigação do subsolo
 Compactação dos solos
 Tensões nos solos
 Tensões verticais devido à carregamentos em superfície
 Deformações devido a carregamentos verticais
 Resistência ao cisalhamento dos solos.
 Estabilidade de taludes.
 Empuxo de terra.
 Obras de arrimo e contenção.
 Barragens de terra.
Objetivos

 Transmitir aos alunos, conceitos relativos ao ementário da disciplina,


enfocando nos aspectos de resistência, consolidação e compactação do
solo; capacitando-os com conhecimento sobre estabilidade de taludes,
barragem e empuxo de terra, rebaixamento de lençol freático e obras de
arrimo e contenção.
Conteúdo programático
 Introdução: Ementa do curso de mecânica dos solos II e suas interações com outras
disciplinas básicas e geotécnicas oferecidas.
 Investigação do terreno: Métodos de investigação intrusiva, amostragem, seleção do(s)
método(s) de ensaio em laboratório, ensaios in situ (SPT e CPT) e métodos geofísicos.
 Compactação do solo: razões e histórico da compactação, o ensaio normal de
compactação (Proctor), influência da energia de compactação, aterros experimentais,
compactação no campo, resistência à penetração.
 Consolidação, compressibilidade, adensamento: Conceito de tensões num meio
particulado, tensões devidas ao peso próprio do solo, pressão neutra e conceito de
tensões efetivas, distribuição das tensões, tensões verticais devidas a cargas na superfície
do terreno, compressibilidade dos solos, ensaio de compressão confinada, cálculo de
recalque total, teoria de adensamento de Terzaghi, relação deformação x tempo,
cálculo da velocidade de recalque.
 Resistência ao cisalhamento dos solos: Comportamento mecânico dos materiais
(elasticidade e plasticidade), definição de ruptura em solos, resistência ao cisalhamento
e a teoria de Mohr – Coulomb, ensaios triaxial e de cisalhamento direto, interpretação de
ensaios de resistência e obtenção de parâmetros de resistência e deformabilidade,
comportamento das areias e argilas.
 Aspectos teóricos de estabilidade de taludes: Introdução, métodos de estabilidade de
taludes, considerações gerais.
 Aspectos teóricos de empuxos e barragens de terra, obras de arrimo e contenção:
Introdução, coeficiente de empuxo e sua interação solo/estrutura, tipo de estrutura de
arrimo e contenções, tipos de barragens e seus conceitos.
Bibliografia

 BÁSICA:
 AZEVEDO, I.C.D. Análise de Tensões e Deformações em Solos. Viçosa:
Editora UFV, 2007.
 CRAIG, R. F. Mecânica dos Solos. 7 ed. Rio de Janeiro: LTC (Grupo GEN),
2007.
 TIANDADE, T .P.; et al. Compactação dos Solos: fundamentos teóricos e
práticos. Viçosa: UFV, 2008.
 PINTO, C.S. Curso Básico De Mecânica Dos Solos: Com Exercícios
Resolvidos. São Paulo: Oficina de textos, 2006.
Bibliografia

 COMPLEMENTAR:
 BARATA, F.E. Propriedades Mecânicas dos Solos. Rio de Janeiro: Livros técnicos e científicos. 1984.
 CAPUTO, H. P. Mecânica dos solos e suas aplicações. 6.ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos,
1994, V1, V2 e V3.
 CRUZ, P.T. Mecânica dos Solos – Problemas Resolvidos. São Paulo: USP,1980.
 MELLO, V. Fundações e Elementos Estruturais Enterrados: Apostila. São Paulo: EPUSP-PEF, 1975.
 NOGUEIRA, J.B. Mecânica dos Solos – Ensaios de Laboratório. São Carlos: USP/EESC, 1998.
 ORTIGÃO, J. A. R. Introdução à Mecânica dos Solos dos Estados Críticos. Rio de Janeiro: LTC, 1993.
 PINTO, C. S. Curso básico de mecânica dos solos (com exercícios resolvidos). 3 ed. São Paulo: Oficina de
Textos, 2006.
 SOUZA PINTO, C. Curso de Mecânica dos Solos – Exercícios Resolvidos. Oficina de textos, 2003, v.2.
 VARGAS, M. Introdução à Mecânica dos Solos. São Paulo.McGraw Hill, 1981.
Introdução – definição Solo
 Em Engenharia Civil, os solos são um aglomerado de partículas
provenientes de decomposição da rocha, que podem ser escavados com
facilidade, sem o emprego de explosivos, e que são utilizados como
material de construção ou de suporte de estruturas.

 Material de construção e Suporte de estruturas (natural)


Introdução
 Solo - constituído da reunião de partículas minerais (e orgânicos) soltos ou
fracamente unidos, oriundos da intemperização das rochas da crosta
terrestre (fase sólida), onde os espaços vazios existentes entre esses grãos
estão preenchidos de água (fase líquida) e/ou ar (fase gasosa), então o
solo fica caracterizado pela existência dos grãos (esqueleto sólido) e dos
vazios entre estes.

 Variedade global de solos (fatores de sua formação);

 Logo conhecer e entender o comportamento físico e mecânico


(movimento) é essencial para implantação de qualquer empreendimento
e para escolha de material (solo) a ser usado;
Tópico aplicado à
Introdução engenharia de Minas
(altamente específico) –
 Além de pensar nas estruturas (material utilizado, forma, etc.), é importante
Redes de fluxo...
considerar todas as características do terreno.

 A mecânica do solos estuda o comportamento mecânico dos solos


quando tensões são aplicadas (obras - fundações); ou aliviadas
(escavações), ou ainda diante da percolação da água pelos espaços
vazios;

 Logo em MEC. SOLOS, conhecer e entender cada característica (variável


de influencia) do solo é de essencial importância (prever seu
comportamento):

 Parte essencial de qualquer projeto de Eng. CIVIL


Não queremos isso... Certo???
Introdução
 Disciplina com características diferentes:
 Na Eng. Civil geralmente se trabalha com materiais cujas propriedades são
relativamente bem definidas;

 A variedade dos tipos de solos encontrados em problemas de engenharia


é quase ilimitada, variando de blocos de pedra dura, a pedregulhos,
areias, siltes, argilas até depósitos orgânicos.

 Para aumento de complexidade, todos estes materiais encontram-se


numa ampla variedade de densidades e conteúdos de água.

 Em um dado local, um número diferente de tipos de solos pode estar


presente, e a composição pode variar de intervalos grandes a pequenos
até poucos centímetros.
Introdução
 Trabalhos de comportamento de solos marcantes de MEC SOLOS:
 (Coulomb, 1773; Rankine 1856; Darcy, 1856);

 Por outro lado muitos insucessos em obras de Eng. Civil no inicio do sec. XX:
rupturas de canais (Panamá); rompimento de taludes em estradas e
canais na Europa e Estados Unidos – KARL TERZAGHI evidenciou que não se
podia aplicar aos solos, leis teóricas de uso corrente em projetos que que
envolviam materiais mais bem definidos como aço e concreto;

 Não era suficiente determinar em laboratório parâmetros de resistência de


deformabilidade em amostras de solos e aplicá-los a modelos teóricos
adequado àqueles materiais.
Introdução
 Depósitos heterogêneos e de comportamento complicado - Base de
estudos de Karl Terzaghi (Eng. Civil) – considerado o fundador da
mecânica de solos;

 Trabalhos de identificar o papel das pressões da água no estudo das


tensões do solo e a representação matemática para evolução dos
recalques das argilas com o tempo após carregamento foram
reconhecidas como marco inicial dessa nova ciência.

 Não se restringe apenas ao comportamento mecânico (química e a física


coloidal também é importante pra justificar os comportamentos dos solos)
ao passo que a geologia é essencial para solucionar problemas de
fundações.
Curiosidade...
Investigação do
Subsolo
 Parte Prática (grupos)
Sumário  Lista de Exercícios 1
 Parte Teórica  Parte Prática (individual)
 Introdução  Pesquisa de diversos métodos de
investigação de subsolo
 Métodos de investigação  Elaboração de relatório prático, se
intrusiva possível apresentar um exemplo
didático (artigos, livros, etc...)
 Amostragem  Sondagem rotativa
 Perfil de sondagem  Ensaio de Penetração de cone (CPT)
 Referências  Métodos geofísicos
 Refração sísmica
 Análise espectral das ondas
superficiais (SASW)
 Método da resestividade elétrica
Investigação do Subsolo

INTRODUÇÃO

Atividade preliminar essencial a execução de


um projeto

Obter informações para elaborar um projeto


seguro e econômico

Evitar dificuldades durante a construção


Investigação do Subsolo

INTRODUÇÃO

Objetivos:
a) determinar a sequência, as espessuras e a
dimensão lateral dos estratos dos solos;

b) obter amostras representativas dos solos e


rochas para identificação e classificação;

c) identificar as condições da água subterrânea.


Investigação do Subsolo

INTRODUÇÃO

Finalidades:

a) Fornecer informações adequadas para que seja


selecionado o tipo mais apropriado de fundação
para uma determinada estrutura;

b) Indicar se existe probabilidade de surgimento


de problemas especiais durante a construção
Investigação do Subsolo
 Antes de colocar os equipamentos em ação...
Estudo teórico; Coleta de informações sobre o
local
- Mapas geológicos
- Fotografias aéreas
- Mapas topográficos
- Imagens de satélite
- Furos de sondagens existentes
- Obs: atenção especial à locais já utilizados
anteriormente (riscos: fundações enterradas,
serviços subterrâneos, trabalhos em minas, etc.)
Investigação do Subsolo
 Antes de colocar os equipamentos em ação...

 Inspeção a pé no local e área circunvizinha


Leitos de rios, escavações existentes, pedreiras a céu
aberto e cortes de rodovias  informações valiosas,
natureza dos estratos e água subterrânea;

Estruturas existentes  possuem danos provenientes


de recalques??

Proprietários de áreas ou autoridades locais 


experiência das condições da área
Investigação do Subsolo
 Procedimento de investigação dependerá:
Natureza e tipo dos estratos
Tipo do projeto

 Procedimento de investigação envolverá:


Escavação de furos de sondagem
Poços de inspeção
Sondagens CPT

Sendo a quantidade e posição dos mesmos


planejadas para que se determine a estrutura
geológica básica do local
Investigação do Subsolo
 Quanto > a variação das condições do terreno, > a
qtdade de furos de sondagem ou poços de
inspeção

Tabela 1. Valores recomendados para espaçamento dos pontos de


investigação do terreno (Eurocode 7, Parte 2: 2007).
Tipo de construção Espaçamento dos pontos de investigação
Estrutura de grande altura ou industriais Padrão de malha, com espaçamento de
15-40 m
Estruturas de grandes áreas Padrão de malha, espaçamento ≤ 60 m
Estruturas lineares (rodovias, ferrovias, Ao longo da linha da estrutura, com
muros de contenção, etc.) espaçamento de 20-200 m
Estruturas especiais (por ex.: pontes, 2-6 pontos de investigação por fundação
chaminés, fundações de equipamentos)
Represas e barragens Espaçamento de 25-75 m, ao longo das
seções mais importantes
 De acordo com NBR 8036
Área construída (projeção, em m2) Número mínimo de furos
<200 2
200 – 400 3
400 – 600 3
600 – 800 4
800 – 1000 5
1000 – 1200 6
1200 – 1600 7
1600 – 2000 8
2000 – 2400 9
> 2400 A critério
Figura 1. Modelo de locação de furos de sondagem em terrenos (Nunes, s/d)
Investigação do Subsolo
- Importante!!!
- Investigação deve ser feita até profundidade
adequada de acordo com o tipo de projeto
- Deve incluir todos estratos que possam ser afetados
pela estrutura
- Deve se estender até um ponto abaixo de todos os
estratos que tenham resistência ao cisalhamento
inadequada para o apoio das fundações ou que
façam um recalque significativo
- Encontrada rocha, perfurá-la, pelo menos, 3 metros,
em mais um local (não se trata de enorme matacão)
- Furos e poços devem ser preenchidos após a
utilização
Investigação do Subsolo
- Custo:

- Depende  posição e tamanho do local, natureza dos


estratos e tipo de projeto

- Qto menos críticas as situações de seu terreno, menor


será o custo de investigação

- Em geral: 0,1 a 2% do custo do projeto  não há


justificativa para economizar nesta etapa
Investigação do Subsolo
MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO INTRUSIVA
a) Poços de inspeção (prospecção)

- Método simples e confiável


- Limitação: máximo 4-5 metros
- Remoção do solo por retroescavadeira
- Vantagens: exame visual do solo, limites dos
estratos determinados com precisão, facilidade
na tomada de amostras (deformadas e
indeformadas), ideal para qualquer tipo de
solo.
- Ex.: Poço de inspeção em parque eólico (fonte:
Berater)
- Coleta de amostra
deformada (perturbada)
Diferenciação visual dos
- Presença marcante de
estratos (ou horizontes)
pedregulho
Visão geral de um poço de inspeção
ou prospecção em solo
Investigação do Subsolo
MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO INTRUSIVA
b) Shafts (poços profundos) e galerias

- Precedidos por escavação manual, laterais


suportadas por madeiramento
- Passagens ou galerias escavadas lateralmente
no fundo dos poços profundos para o interior
das encostas, apoiados nas laterais e no teto
- Não é possível abaixo do lençol freático
- Alto custo ($$$)  aplicáveis estruturas muito
grandes (represas)
Investigação do Subsolo
MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO INTRUSIVA
c) Sondagem à percussão

- Equipamento = torre de elevação (tripé) +


unidade de força + guincho + cabo de aço +
roldana
- Pode possuir rodas para transporte da estrutura
- Ferramentas de perfuração (vários tipos)
- Perfuração avança através da ação percussiva
- 2 ferramentas mais utilizadas:
- Barrilete amostrador (empacotador, ou shell)
- Cortador de argila (clay cutter)
Investigação do Subsolo
 MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO INTRUSIVA
c) Sondagem à percussão
Barrilete: areias e outros solos grossos, tubo de aço pesado
que contém uma aleta ou válvula de controle (clack)
- Abaixo do lençol freático: percussão amolece o solo e
produz uma pasta (lama) no furo
- Acima do lençol freático: lama é produzida por
inserção de água no furo de sondagem
- Lama passa pela válvula durante a descida do
amostrador e nele fica retida quando retira-se o mesmo
- Quando cheio o amostrador é elevado até a superfície
para ser esvaziado
- Em solos sem coesão  furo deve ser revestido para
impedir o colapso
Investigação do Subsolo
 MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO INTRUSIVA
c) Sondagem à percussão
Cortador de argila: solos finos, tubo de aço aberto
com uma sapata de corte e um anel de retenção na
extremidade inferior (furo de sondagem seco)
- Matacões pequenos, pedregulhos e estratos duros
 penetrados por meio de ponteira (tipo cinzel ou
formão)
- Diâmetro dos furos: 150 a 300 mm
- Profundidade máxima: 50 a 60 metros
- Empregada na maioria dos tipos de solos,
entretanto há perturbação no solo abaixo da parte
inferior do furo de sondagem, onde são retirados as
amostras
Knappett e Craig (2014)
Investigação do Subsolo
MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO INTRUSIVA
c) Sondagem à percussão
Resistência à Penetração (SPT)
- Exame da amostra = informação do estado que
se encontra  quanto a resistência a
penetração
- São anotados o número de golpes do martelo
para cravar 15 cm do amostrador
- Define-se como resistência à penetração: o
número de golpes necessários para cravar 30
cm do amostrador.
- Valor N do SPT (SPT do solo)
Investigação do Subsolo
MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO INTRUSIVA
c) Sondagem à percussão
Resistência à Penetração (SPT)
- Particularidades:
- Quando o solo é muito fraco a ponto da
aplicação do primeiro golpe do martelo
ocasionar penetração maior que 45 cm, o
resultado deve ser expresso pela relação deste
golpe com a penetração (Ex.: 1/58)
- 1 golpe
- 58 cm de penetração
Investigação do Subsolo
 MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO INTRUSIVA
c) Sondagem à percussão
Resistência à Penetração (SPT)

- Classificações:
- Em função da resistência à penetração
- Compacidade: areia, ou silte arenoso
- Consistência: argila, silte argiloso

- NBR 6484: Sondagens de simples reconhecimento com


SPT – Método de ensaio
- NBR 7250: Identificação e descrição de amostras de
solos obtidas em sondagens de simples
reconhecimento dos solos
Investigação do Subsolo
MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO INTRUSIVA
c) Sondagem à percussão
Resistência à Penetração (SPT)
- Apresentação dos resultados
- Os resultados são apresentados em Perfis do
Subsolo;
- Descrições de cada solo
- Cotas correspondentes
- Nível de água, Pressão; Data (posição em
diferentes épocas)
- Valores de SPT
 PDF do relatório de sondagem...
Investigação do Subsolo
MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO INTRUSIVA
d) Trados mecânicos

- Motorizados
- Pressão descendente: hidráulica, mecânica ou
pelo próprio peso.
- Tipos: helicoidal (de hélice) e caçamba
- Diâmetros:
- Helicoidal: 75 e 300 mm
- Caçamba: 300 mm a 2 m
Investigação do Subsolo
 MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO INTRUSIVA
d) Trados mecânicos
- Trados de hélice curta: comprimento limitado,
cortadores abaixo, unido a uma haste de aço (barra
kelly)
- Penetrado até encher de solo, içado a superfície, solo é
ejetado por giro

- Trados de hélice contínua: hélice que ocupa todo seu


comprimento, solo se eleva até a superfície ao longo
da hélice (evita necessidade de elevar o trado)
- Furo anvança  comprimentos adicionais são inseridos
ao trado
- Profundidades de até 50 m; porém: mistura de estratos
diferentes na elevação do solo
Knappett e Craig (2014)
Trado de hélice curta
Trado de
hélice
contínua
Investigação do Subsolo
MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO INTRUSIVA
e) Trados manuais e portáteis
- Profundidades de até 5 m (hastes de extensão)
- Girado e pressionado para baixo por manivela
em T
- Tipos: Iwan (D de até 200 mm) e helicoidal (D
até 50 mm)
- Retirado em intervalos frequentes para
remoção do solo
- Utilizado na maioria dos tipos de solos
Investigação do Subsolo
 MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO INTRUSIVA
f) Perfuração com circulação de água
- Água bombeada por série de hastes de perfuração
ocas e injetada por pressão em uma ponteira na forma
de talhadeira ou cinzel
- Solo é levado até a superfície pela água
- Equipamento: torre de elevação (tripé) + unidade de
força + guincho + bomba d’água + cabo de aço +
roldana + hastes de perfuração
- Utilizado na maioria dos tipos de solos; porém se houver
cascalho grosso ou superior  progresso se torna lento
- Identificação do tipo de solo prejudicada pela quebra
das partículas e da mistura de material
- Vantagem: solo abaixo do furo permanece
indeformado (não perturbado)
Investigação do Subsolo
AMOSTRAGEM
- Feito o furo de sondagem  retirar amostras
para ensaios em laboratório
- Divididas em duas categorias: indeformadas e
deformadas
- Indeformadas (não perturbadas): ensaios de
resistência ao cisalhamento e adensamento
- Visam preservar a estrutura in situ e teor de
umidade
- Retira-se o tubo de sondagem e coloca-se um
tubo amostrador
- A partir daí proceder como nos ensaios para
determinação de índices físicos
Investigação do Subsolo
AMOSTRAGEM
- Deformadas (perturbadas): classificação do solo,
ensaios de compactação
- Mesma distribuição de partículas, porém com
estrutura alterada ou danificada, teor de umidade
pode ser diferente

- Devem ser retiradas em todo local com


mudança de estrato
- Etiquetadas e identificadas (nome do projeto,
data, posição, número do furo, profundidade,
método de amostragem
- Cuidado na manipulação, transporte e
armazenamento (em especial das indeformadas)
Investigação do Subsolo
AMOSTRAGEM
- Qual o método deve ser seguido??
- Depende do ensaio a ser realizado... Deve estar
relacionado com a qualidade da amostra exigida
de acordo com a tabela a seguir.

- Classe 1: mais útil e de maior qualidade


- Classe 5: utilizada apenas para identificação visual
e tátil
- Classes 1 e 2: indeformadas
- Classes 3, 4 e 5: deformadas
Tabela 2. Qualidade da amostra em relação ao uso final (de acordo com o EC7-2:2007)
(Knappett e Craig, 2014)
Propriedade do solo Classe 1 Classe 2 Classe 3 Classe 4 Classe 5
Sequência de
X X X X X
camadas
Limites dos estratos X X X X
Distribuição
granulométrica
X X X X
(tamanho das
partículas)
Limites de Atterberg,
X X X X
conteúdo orgânico
Teor de umidade X X X
Compacidade
X X
(relativa), porosidade
Permeabilidade X X
Compressibilidade,
resistência ao X
cisalhamento
Investigação do Subsolo
PERFIL DE SONDAGEM

- Depois de concluído a investigação e obtidos os


resultados dos ensaios laboratoriais  condições do
terreno obtidas são resumidas na forma de um perfil
de sondagem
Perfil
- Descrição detalhada dos estratos
- NíveisCabeçalhos
e limites de cada estrato
- - Tipos de solos e detalhada
Identificação rocha apresentados
do
com local,
uma legenda (símbolos-padrão)
cliente e projeto
- Método - Profundidades
de investigação
- Detalhes - Valores N (SPT)
do equipamento
- Profundidade
- Posição e nível dodo lençol
terreno
- Diâmetro do furo
Descrição
Descriçãodo do solo
solo
-- Amostras
Amostras indeformadas:
deformadas:
- - Distribuição granulométrica
Características estruturais
- Grau de - compacidade
Plasticidade (areias)
- Cor,eforma e composição
consistência (argilas)das
partículas
Resumo
 A investigação do terreno por meio de métodos intrusivos ou geofísicos
pode ser empregada para determinar o local, a extensão e a
identificação dos depósitos no interior do solo;

 Furos de sondagem e poços de inspeção são essenciais para confirmação


visual dos materiais no interior do solo e para obtenção de amostras para
ensaios de laboratório;

 A qualidade (e o custo) da amostragem dependerá das


propriedades/características geotécnicas exigidas pelos ensaios em
laboratório com tais amostras
Prática 1
 Parte Prática (grupos)
 Resolução da Lista de Exercícios 1
Prática 2
 Parte Prática (individual)
 Pesquisa métodos de investigação de subsolo
 Escolher um tema dentre os listados abaixo
 Elaboração de relatório prático, se possível apresentar um exemplo
didático (artigos, livros, etc...)

1. Sondagem rotativa
2. Ensaio de Penetração de cone (CPT)
3. Métodos geofísicos
3.1 Refração sísmica
3.2 Análise espectral das ondas superficiais (SASW)
3.3 Método da resestividade elétrica

Você também pode gostar