Você está na página 1de 4

Tema: Glorificando a Deus como o Nosso Próprio Corpo

Texto: 1 Coríntios 6. 12 – 20

INTRODUÇÃO
Paulo está falando para uma sociedade grandemente sensualizada.
Os coríntios se orgulhavam da liberdade cristã, e, portanto pensavam
que viviam “sem lei”. Gostavam do ditado: “Todas as coisas me são
lícitas” (Antinomismo).
Pensavam que o corpo e a alma estavam dissociados, de modo que
aquilo que faziam no corpo não afetava a alma (estoicismo).

Na visão de Paulo as questões relacionadas aqui, referentes às


práticas da imoralidade sexual era, antes de mais nada, uma má
compreensão da liberdade cristã, por parte dos coríntios.

Como viver a liberdade cristã?

I. A Liberdade Cristã deve ser vivida com bom senso e temor – v.


12
Esse era um dos ditados que os coríntios gostavam. Paulo, porém,
1) Apesar de ter liberdade em toda as coisas, nem tudo é permitido
para o cristão – v. 12a
2) O cristão não deve se deixar escravizar por aquilo que ele
permite – v. 12b
II. Somos uma possessão integral do Senhor – Corpo e Alma – v.
13
Os coríntios, como os gregos no geral, tinham o corpo como algo
sem muita importância, e diziam que o corpo era a escravidão da
alma. Além disso, pensavam que o corpo e a alma estavam
completamente dissociados, de modo que, o que se fazia no corpo
não maculava a alma.
Assim, outro ditado dos gregos era: Assim como o estomago tem
necessidade de alimento, o corpo tem necessidade de sexo.

1) O corpo é para o Senhor que o formou – v. 13


Paulo afirma que Deus é o Criador de coisas materiais, assim
como das espirituais, e as duas são inseparáveis.
Somos mordomos do nosso corpo.

2) A nossa redenção inclui a ressureição do nosso corpo – v. 14


A esperança futura do cristão é uma esperança corpórea – 1Co.
15. 35 – 49.
O corpo não é apenas um invólucro para o espírito a ser
destruído no fim da vida física.
O ser humano é uma unidade, e ela será julgada e redimida
como um todo.

3) O nosso corpo é membro de Cristo – v. 15


A ideia é a de pegar vasos sagrados, que são dedicados a
Deus, e utilizá-los a serviço de algo impuro.
Daniel 6. 1 – 6

III. Os cristãos foram chamados para a santidade integral –


corpo e alma – v. 16 – 20
A santidade do corpo é parte importante.

1) O corpo do cristão é templo do Espírito Santo – v. 19


Platão, filósofo grego, dizia que o corpo era moralmente
irrelevante. Paulo afirma, entretanto, que o corpo era a sede da
presença de Deus.

2) O cristão foi comprado por um preço – v. 20


Por isso, o cristão não pertence a si mesmo, antes, são servos
de Cristo.
Escravos, indivíduos comprados por um preço, não podem ser
“amantes de si mesmos”; espera-se que sejam “amantes das
virtudes” que honram seu benfeitor.
Uma vez que o corpo do cristão é santuário de Deus, seu
Benfeitor, a ordem de Paulo é cara: Glorifiquem a Deus com o
seu corpo.

CONCLUSÃO

1) Não podemos nos tornar escravos da nossa própria liberdade,


mas vivê-la com sabedoria e no temor do Senhor;
2) Devemos manter nossos corpos incontamináveis do mundo;
3) Devemos glorificar o Deus que nos comprou, com os nossos
corpos.

Você também pode gostar