Você está na página 1de 8

Como Entender o Livro de Apocalipse

Christian Chen

“Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até quantos o traspassaram. E
todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele.”
Ap 1:7

“Vi outro anjo forte descendo do céu, envolto em nuvem, com o arco-íris por
cima de sua cabeça; o rosto era como o sol, e as pernas, como colunas de fogo;
e tinha na mão um livrinho aberto.”
Ap 10:1

“Olhei, e eis uma nuvem branca, e sentado sobre a nuvem um semelhante a


filho de homem, tendo na cabeça uma coroa de ouro e na mão uma foice
afiada.”
Ap 14:14

Vamos prestar atenção na palavra “nuvens”. De alguma forma, essa expressão


“as nuvens” impressionou João profundamente. Essa palavra está repetida
várias vezes no livro de Apocalipse. Ele sempre via o Senhor e via a nuvem, via
a nuvem e via o Senhor.

A Revelação de Jesus Cristo


“Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos seus servos as
coisas que em breve devem acontecer e que ele, enviando por intermédio do seu
anjo, notificou ao seu servo João”
Ap 1:1

Esse livro é chamado de “a Revelação de João”. A Bíblia, no entanto, diz: “a


Revelação de Jesus Cristo” – revelada ao seu servo João. A palavra, aqui em
grego, significa que de alguma forma um véu foi aberto. Inicialmente havia um
mistério por trás do véu, que era impenetrável. Quando Deus remove esse véu,
então podemos ver o que está por trás dele.

Isso é a Revelação! A Revelação de Jesus Cristo. Se você ler o Evangelho de


João, vemos que ele teve a revelação de Jesus Cristo. Por isso é que o seu
evangelho começa com as palavras: “no princípio era o verbo... o verbo se fez
carne”. Sabemos que agradou a Deus revelar o Seu Filho ao coração de João.
Por causa dessa revelação temos o seu evangelho.

Quando você compara o Evangelho de João com os outros, ele é único, é


espiritual! Se você o ler, que revelação você terá! O Evangelho de Mateus nos
revela Jesus Cristo como o Rei, o Evangelho de Marcos nos mostra o Senhor
como o servo de Deus, enquanto o Evangelho de Lucas o expressa como o Filho
do Homem. Mas quando João nos dá a sua revelação – temos Cristo, o Filho de
Deus. A imagem de um rei é a de um leão, a do servo é a de um boi, a do Filho
de Homem é como a de um homem e a imagem do filho de Deus é como a de
uma águia. Essa é uma vida transcendente. Quando Deus criou a águia, equipou
seus olhos de forma que ela pode olhar para o sol fixamente sem ser consumida.
Todos somos pecadores, e não ousamos contemplar a glória de Deus, mas,
graças a Deus, o nosso Senhor é o único filho unigênito. Quando estava no seio
do seu Pai, era capaz de olhar para o Seu rosto. João nos fala dessa vida de
transcendência. E não só isso, mas essa vida está em mim e em você. Todo o
evangelho de João menciona duas vezes a palavra seio – no capítulo 1, “no seio
do Pai”, e no capítulo 13, “no seio [peito] de Jesus”. Quem estava no seio do
Pai? O filho unigênito do Pai. Quem se reclinou sobre o peito do Senhor Jesus?
João, que representa a todos nós.

Vemos que esse livro é muito objetivo – “Eis o unigênito de Deus” – e depois
descobrimos que nós também estamos no “seio do Pai”. Esse é o Evangelho de
João, uma revelação maravilhosa!

Mas então, porque nos é dito “Revelação de Jesus Cristo, para mostrar... ao seu
servo João”? Em outras palavras, isso significa que o quadro que temos no
Evangelho de João não é tudo – embora ele tenha recebido muita revelação –
ela pode crescer muito mais. Esse é o livro do Apocalipse.

Que tipo de revelação é essa? O que estava entre Cristo e João? O que não
estava claro na imagem de Cristo para Ele? Se vocês entenderem isso, podem
entender esse livro.

De alguma forma, algo se tornou um véu e João inicialmente não conseguia ver,
ou penetrar nesse mistério. Mas finalmente na Ilha de Patmos, Deus revelou
esse segredo para João.

O que é esse véu?

“Ditas estas palavras, foi Jesus elevado às alturas, à vista deles, e uma nuvem o
encobriu dos seus olhos.”
Atos 1:9

Uma das testemunhas desse momento descrito em Atos 1 era João. Uma nuvem
encobriu o Senhor diante dos seus olhos. A partir daí, João não conseguiu ver
mais.

Se desejar entender o livro de Apocalipse, tem que se lembrar dessa nuvem.

“E, estando eles com os olhos fitos no céu, enquanto Jesus subia, eis que dois
varões vestidos de branco se puseram ao lado deles e lhes disseram: Varões
galileus, por que estais olhando para as alturas? Esse Jesus que dentre vós foi
assunto ao céu virá do modo como o vistes subir.”
Atos 1:10-11

Muitas pessoas quando leem esse texto e veem os dois varões de branco
pensam logo que são anjos. A Bíblia nunca falou isso. Ela menciona dois varões
que estão de branco. Esses dois homens são duas testemunhas. Eles são as
duas testemunhas do reino, que tem revelação e podem interpretar a ascensão
do Senhor. Isso é muito importante. Se você entende a ascensão, então vai
entender o retorno do Senhor. Essas duas testemunhas disseram, “porque estão
olhando para o céu... esse Jesus... virá do mesmo modo como o vistes subir”
[essa ênfase ‘do mesmo modo’ está na tradução ASV - inglês].

Essa é a chave para o livro de Apocalipse.

Você tem duas testemunhas aqui. Em Apocalipse 11 também têm as mesmas


duas testemunhas, como no capítulo 17 de Mateus. No Monte da Transfiguração,
temos Moisés e Elias – duas testemunhas. Elas aparecem quando algo é
importante, quando Deus deseja revelar um segredo importante para nós – o
Reino dos Céus é um mistério (o Senhor revelou o Evangelho do Reino em
Mateus). Essas duas testemunhas estavam presentes em três momentos: no
monte da transfiguração, quando o Senhor ascendeu aos céus e estarão
presentes na grande tribulação. Quando Deus faz algo, Ele faz de forma muito
sistemática. As pessoas gostam de adivinhar quem são essas duas testemunhas
em Apocalipse 11. Temos um punhado de teorias, fruto de nossa imaginação
vívida. Se interpretarmos a palavra corretamente, veremos a forma sistemática
de Deus se apresentar.

Em Mateus 6:17, Jesus disse: “alguns de vocês, não provarão a morte antes de
verem o Filho do Homem descendo do céu na Sua glória”. A Sua volta tem a ver
com o Seu reino. A ascensão dEle tem a ver com o reino também. Não podemos
separar esses dois elementos.

Quando algo importante acontece no reino dos céus – Deus sempre mostra o
Seu segredo através das duas testemunhas.

Como foi que o Senhor subiu aos céus? Quando João e os outros discípulos O
viram ascender aos céus, Ele subiu do Monte das Oliveiras até o céu e uma
nuvem o escondeu. Sabemos, de acordo com a revelação dada pelos Apóstolos,
que o Senhor subiu ao céu. Deus o exaltou, e Ele recebeu o Espirito Santo da
promessa e o derramou. Deus já o fez “o Cristo” (Atos 2:33; 36).

Certamente você sabe que o Senhor já chegou aos céus. Qual era o caminho
para o Senhor subir ao céu? Em dois estágios – do Monte das Oliveiras até as
nuvens, e das nuvens até o trono. A primeira parte, visível. A segunda parte,
invisível.

Porque uma parte foi invisível, isso se tornou um mistério.

O Primeiro Seguidor do Cordeiro


João seguiu o Senhor todo o tempo. Ele foi o primeiro a seguir o Cordeiro. Quem
são os vencedores no capítulo 14 de Apocalipse? São aqueles que seguem o
Cordeiro por onde quer que Ele vá. Quando João e André ouviram seu mestre,
João Batista, dizer: “Eis o Cordeiro de Deus” (Jo 1:29) – eles foram os primeiros
a seguir o cordeiro.

Daquela época em diante, aonde o Cordeiro ia, João ia também. Não é de se


estranhar que no Evangelho de João você tem o registro de três Páscoas. Em
Mateus, Marcos e Lucas temos a menção de apenas uma páscoa. O que isso
significa? Se você não tem o registro de João, então os dias do Senhor na terra
foram apenas 31 anos. Como sabemos que o Senhor viveu na terra três anos e
meio? Por causa de alguém que seguiu o Cordeiro por onde quer que fosse. Isso
tem algo a ver com o Cordeiro de Deus. Quando João seguiu o Senhor no
primeiro ano, é como se anotasse no seu diário: “Essa é a Páscoa. Eis o
Cordeiro!” Naquela páscoa provavelmente ele e Pedro foram ao templo, e
especialmente entre 12:00h às 15:00h da tarde, no dia da Páscoa, receberam o
cordeiro pascal. Eles celebravam a festa da páscoa, mas João sabia muito bem
que estava seguindo o verdadeiro cordeiro de Deus. Quando eles celebravam a
primeira páscoa, ele sabia que aquilo não era a realidade, apenas uma sobra.
Houve uma segunda Páscoa, e na terceira Páscoa - no exato dia da Páscoa – de
acordo com o evangelho de João, o nosso senhor Jesus estava na cruz – no
mesmo período das 12:00h as 15:00h da tarde.

Enquanto muitos outros cordeiros estavam sendo sacrificados, ao mesmo tempo,


João estava à sombra da cruz, ele ouviu o Senhor dizer “meu Deus, meu Deus,
porque me desamparaste?” O Senhor tomou nosso lugar. João era um pecador,
devia estar lá naquela cruz, mas o seu mestre assumiu o seu lugar. Quando viu
este quadro, nunca pôde esquecer. Muitas coisas podem se apagar com a idade,
o homem exterior vai se desintegrando dia a dia, mas um quadro nunca escapou
de sua mente – ele se lembrava daquele quadro muito bem. Como ele foi capaz
de descrever esse quadro com quase 100 anos de idade! Muitas coisas já
estavam em decadência – então como você descreveria a cruz? Deus é amor! É
o amor que se tornou carne, morrendo na cruz por nós. João seguiu o cordeiro
por três anos. Por causa dele sabemos que o Senhor passou 33 anos e ½ na
terra.

Muitos discípulos já tinham partido – e o Senhor tinha antecipado isso – “quando


o pastor for morto, as ovelhas vão se espalhar” (Mt 26:31/Mc 14:27). Isso
também incluiu João, mas por alguma razão que não sabemos, ele se tornou a
única testemunha que viu o verdadeiro Cordeiro na cruz. Não é de se estranhar
que ele usou a palavra cordeiro 28 vezes no livro de Apocalipse. Por que? Essa
impressão foi tão profunda nele, que mesmo com quase 100 anos de idade,
exilado na ilha de Patmos, ainda O seguia – “aqueles que seguem o Cordeiro por
onde quer que ele vá” (Ap 14:4). Ele era um dos companheiros do Cordeiro.
Quem são os vencedores? Você é um dos companheiros do nosso Senhor? Essa
é a definição de um vencedor.

Um vencedor não é nada mais do que um discípulo de Cristo, e João foi o


primeiro. Ele estava qualificado para nos dar o livro de Apocalipse.

Mas antes de escrever esse livro maravilhoso, seguiu o Senhor por todo o
caminho até o Monte das Oliveiras. Ele não foi capaz de ascender com o Senhor
aos céus, mas seus olhos foram junto com o Senhor até as nuvens.

Enfermo de Amor
Ali João descobriu que aquela nuvem removeu seu Senhor. Por meio do
Testemunho do Espírito Santo e da palavra de Deus, João sabia que o Senhor
certamente teria chegado ao céu. Ele está sentado à destra de Deus Pai. Mas
sua enfermidade de amor era algo que apenas o Senhor era capaz de entender.
João foi aquele que se reclinou no peito de Jesus. João tinha suas falhas – era
um dos filhos do trovão, mas o Senhor foi tão paciente com ele! Quando o
Senhor ascendeu aos céus, os discípulos estavam dizendo adeus ao mestre – e
João sabia muito bem que só podia segui-lo até a nuvem. Desse lado da nuvem,
ele tinha outra revelação, que é o evangelho de João. Mas o que aconteceu
depois da nuvem? Isso se tornou um mistério.

Na última frase do livro de Apocalipse temos a expressão: “Amém, Vem Senhor


Jesus”. Quando o Senhor ascendeu aos céus – o coração de João se tornou o
coração de uma viúva. O mundo todo se tornou um deserto para ele, que
desejava muito saber o que aconteceu depois daquela nuvem. Trinta anos
tinham se passado desde a ascensão do Senhor. João sabia que o Senhor ia
voltar e estava O aguardando.

De acordo com aquelas testemunhas, Ele iria retornar da forma que subiu. João
estava esperando, e havia um mistério no seu coração. Ele orava, esperava,
pensava – hoje é o dia que o Senhor vai voltar – e desejava saber mais, saber o
que aconteceu depois da nuvem.

De acordo com Cântico dos Cânticos, a Sulamita às vezes pensava no seu


amado, e não conseguia suportar a tortura de estar separada dele, por isso a
Bíblia usa essa expressão de “doente de amor” (Ct 5:8 – na versão ARV a
expressão é “desfaleço de amor”). A pessoa fica doente de amor. Amamos o
Senhor ao ponto de ficarmos doentes?

Sabemos que quando pais têm filhos e estes são separados deles, anseiam por
estar juntos de novos. Porque João estava sempre aguardando o retorno do seu
mestre, por causa deste amor, Deus teve que revelar a ele a outra parte da
história. E por causa disso, estando João na ilha de Patmos, esse véu se abriu.
Esse é o livro do Apocalipse.

O Tema do Livro de Apocalipse


Antes da nuvem – vemos o Evangelho de João. Depois da nuvem – temos o livro
do Apocalipse.

Qual é o tema desses dois livros? A nossa união com Cristo. No Evangelho de
João, estamos aprendendo a nos unir ao Senhor Jesus na Sua história e Sua
experiência. Tomamos a Sua história como nossa, porque não temos história.
Fomos crucificados com Cristo, morremos com Ele. O que é união com Cristo?
Permanecer em Cristo? Ele é a videira e nós somos os ramos – temos união e
doce comunhão com Ele. Você toma a história do Senhor e a experiência dEle
como suas.

No livro de Apocalipse – a Revelação de João – temos também a nossa união


com Cristo. Dessa vez, tomamos para nós o futuro de Cristo. Nós não temos
futuro, a Igreja não tem futuro. Mas como Cristo tem um futuro, tomamos o
futuro dEle como nosso.

Mas, temos o seguinte problema: algumas vezes, quando estudamos esse livro,
imediatamente pensamos nas sete trombetas, nos sete selos... na primeira, na
segunda besta – nossos olhos ficam tão ocupados com essas coisas e perdemos
o tema essencial.
João teve apenas uma revelação, de um lado da nuvem ou do outro. Agradou ao
Pai combinar essas duas revelações em uma só. Se você deseja interpretar o
livro de Apocalipse, você precisa do Evangelho de João. Se quiser interpretar o
livro de João, precisa do livro do Apocalipse. O Evangelho de João tem 21
capítulos e o livro de Apocalipse tem 22. Se você analisar esse dois livros em
conjunto verá uma correspondência de um por um.

Vamos tentar compará-los:

Se você ler os primeiros 21 versículos do livro de Apocalipse e os primeiros 18


versículos do Evangelho de João, ambos apresentam uma introdução.

Depois, nos Capítulos 2 e 3 de Apocalipse, temos o testemunho da Igreja. No


capítulo 1:9 a 2:11 do Evangelho de João, temos o testemunho de Cristo.

No capítulo 2:12 a 4:54 do Evangelho de João, temos uma seção que


corresponde ao capítulo 4:1 a 5:14 de Apocalipse. Os dois trechos falam sobre a
glória de Deus. Se você estudar o Evangelho de João, vemos o retorno da glória
de Deus. Para entender isso melhor, você tem que voltar ao livro de Ezequiel.
Lá, antes da destruição do templo, a glória de Deus começou a se retirar e
finalmente parou no monte das oliveiras. Dali ela subiu aos céus (Ez 9:3; 10:14-
20; 11:23). Depois da glória de Deus ter desaparecido da terra e ascendido aos
céus, o Senhor permitiu que aquele templo em Jerusalém fosse feito em
pedaços. Aquele templo não passava mais de um amontoado de pedras como
qualquer outro prédio. Foi isso que aconteceu com o povo de Israel, e assim a
glória de Deus saiu do tempo. Se lermos Ezequiel de novo, veremos que a glória
vai voltar (Ez 43:1-5). Mas, observe, esse templo descrito em Ezequiel é
diferente do segundo templo (de Zorobabel) – não apenas na dimensão, mas em
muitos aspectos, é totalmente diferente.

A glória do Senhor não voltou para aquele templo judaico. Essa foi a profecia de
Ezequiel. Quando João disse, e “o verbo se fez carne, e tabernaculou entre nós,
e vimos a sua glória” – ele disse “tabernaculou”. A glória de Deus está no
tabernáculo de Deus! Por isso, no Capítulo 2 de João, vemos que Cristo se
considerou a Si mesmo como templo de Deus. Se você ler esse trecho de João
(Jo 2:12 a Jo 4:54) – descobrirá que a profecia de Ezequiel é finalmente
realizada.

Mas, em Apocalipse 4:1-5:14, vemos que, porque os judeus disseram:


“crucifica-o, crucifica-o” (Lc 23:21), tivemos outra destruição do templo de
Deus. Mas, antes disso, temos a ascensão da glória de Deus de volta para o Seu
trono (conforme aconteceu em Ez 11:23). Aqui vemos a ascensão da glória de
Deus.

Em seguida, em João 5 a 12, onde vemos o conflito espiritual. E em Apocalipse,


capítulos 6 a 18, temos também batalha espiritual.

Do capítulo 13 ao capítulo 17 do Evangelho de João, temos a ceia do Senhor, e


nos primeiros 10 versículos do capítulo 19 de Apocalipse, temos as bodas do
cordeiro, que em grego significa a ceia do Cordeiro.

Do capítulo 18 ao capítulo 20 do Evangelho de João, temos o Cordeiro de Deus.


Em Apocalipse 19:1 – 22:5, temos o Leão de Judá. Será que dá para perceber a
correspondência? No final de ambos os livros temos o Epílogo e Conclusão.
Apesar de não termos tempo para discorrer sobre essas correspondências,
devemos saber que precisamos estar familiarizados com os dois livros ao mesmo
tempo.

Pela estrutura deles fica claro que a revelação de João foi uma só. Muitas
pessoas amam o Evangelho de João, mas quando chegam ao livro de
Apocalipse, imediatamente suas mentes se tornam muito ativas. Quando
estamos permanecendo em Cristo, sentados aos Seus pés como Maria, nosso
espírito é estimulado. Percebemos que estamos na presença do Senhor e
desejamos tirar os nossos sapatos. Mas como é comum que, o chegarmos ao
livro de Apocalipse, realmente tiramos os nossos sapatos – encontramos nossa
união e comunhão com Cristo.

Porque João recebeu essa revelação? Por causa deste amor. Por isso no
Evangelho de João temos o Discípulo que Jesus amava – reclinado sobre o peito
do seu mestre. Após a Sua ascensão ele adoeceu de amor. Ele sentia falta do
Seu mestre.

Por causa desse amor, agradou a Deus revelar isso tudo a João. Foi assim que
João escreveu esse livro e é dessa mesma forma que vamos entendê-lo.

Você quer conhecer o segredo das sete trombetas, da meretriz, da besta? O que
você quer? Não é de se esperar que esteja escrito, em Apocalipse, no Capítulo
19 “o Espírito da profecia é o testemunho de Jesus”.

No Evangelho de João, temos história e experiência, e em Apocalipse, temos o


futuro – temos profecia. Mas o Espírito da Profecia (o que está por trás) é o
Cristo. Assim, o Senhor vai revelar muito mais a você.
Esse livro pertence aqueles que amam o Senhor – se você O ama, esse livro vai
se abrir para você. É um livro simples para os puros de coração. Por sermos tão
complicados, o tornamos complicado! Já temos a nossa opinião e desejamos
saber se a mensagem vai coincidir ela. Se nos achegarmos a esse livro com esse
espírito, perderemos muito de sua mensagem.

O livro de Apocalipse foi projetado para aqueles que amam o Senhor. Por mais
de trinta anos, João queria ver, queria saber o que houve depois da ascensão –
cada detalhe. Cristo era sua única paixão e desejo. O mundo todo se tornou um
vazio e nada mais o interessava. Nada, a não ser Cristo iria levar João às
lágrimas, e é com esse coração que vamos entender esse livro.

Resumo da Palavra (1/18) do irmão Christian Chen que foi ministrada na Conferência de
Treinamento À Maturidade, no ano de 2006.

Você também pode gostar