Você está na página 1de 4

Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES

Centro de Ciências Sociais Aplicadas – CCSA


Curso de Direito – 8ºPeríodo Noturno
Disciplina: Prática Jurídica Penal
Professor: Erick Rodrigues
Acadêmica: Jhennefer Suelen Alves Peixoto

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO


ESPECIAL CRIMINAL DA COMARCA DO RIO DE JANEIRO

Enrico, brasileiro, solteiro, engenheiro, RG nºxxxx; x, residente e domiciliado na rua


xxxx Praia de Itacareí – Niterói - RJ, por seu procurador infra-assinado, mediante
procuração com poderes especiais em anexo, vem, respeitosamente, à presença de
Vossa Excelência, oferecer QUEIXA-CRIME, com base nos artigos 30, 41 e 44,
ambos do Código de Processo Penal, e artigo 100, § 2º, do Código Penal, contra Helena,
brasileira, estado civil xxx, profissão xxx, RG nºxxx, residente e domiciliado no
endereço xxx, pelos fatos e fundamentos jurídicos a seguir expostos:

I. DOS FATOS
Em razão da comemoração do seu aniversário, em 19 de abril de 2014, Enrico,
ora o querelante, planeja, para a ocasião, uma reunião à noite com parentes e amigos
para festejar a data em uma famosa churrascaria da cidade de Niterói, no estado do
Rio de Janeiro. Na manhã de seu aniversário, resolveu, então, enviar o convite por
meio da rede social, publicando postagem alusiva à comemoração em seu perfil
pessoal, para todos os seus contatos.
Ao ter notícia da realização da festa, Helena, ex-namorada de Enrico publicou na
referida rede social, com o patente intuito de ofender ao querelante, a mensagem a
seguir transcrita, ipsis litteris:
“não sei o motivo da comemoração, já que Enrico não passa de um idiota,
bêbado, irresponsável e sem vergonha!”,
E, com o propósito de prejudicar Enrico perante seus colegas de trabalho e
denegrir sua reputação acrescentou, ainda: “ele trabalha todo dia embriagado! No
Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES
Centro de Ciências Sociais Aplicadas – CCSA
Curso de Direito – 8ºPeríodo Noturno
Disciplina: Prática Jurídica Penal
Professor: Erick Rodrigues
Acadêmica: Jhennefer Suelen Alves Peixoto

dia 10 do mês passado, ele cambaleava bêbado pelas ruas do Rio, inclusive,
estava tão bêbado no horário do expediente que a empresa em que trabalha
teve que chamar uma ambulância para socorrê-lo!”
No mesmo instante, o querelante, que estava acompanhado de seus amigos
Carlos, Miguel e Ramirez, obteve conhecimento da publicação feita por Helena
através de seu tablet. Muito envergonhado, Enrico tentou disfarçar o
constrangimento sofrido, mas perdeu todo o seu entusiasmo, e a festa comemorativa
deixou de ser realizada.
Diante do exposto, evidente é a difamação sofrida pelo ora querelante.

II. DO DIREITO
Dos fatos relatados, verifica-se que a querelada praticou o crime de difamação,
tipificado no artigo 139 do Código Penal nos seguintes termos:

Difamação Art. 139 – Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua


reputação. Pena – detenção, de três meses a um ano, e multa.
A referida infração penal, ademais, demanda a incidência da causa de aumento
de pena de um terço, disposta no inciso III do artigo 141 do Código Penal:
"Art. 141. As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço se
qualquer dos crimes é cometido (...):
III – na presença de várias pessoas, ou por meio que facilite a divulgação da
calúnia, da difamação ou da injúria."
Isso porque, ao proferir nas redes sociais a mensagem acima descrita, com a
nítida intenção de ofender a honra de seu ex-namorado, ora querelante, a querelada
imputou a Enrico, perante terceiros, fato ofensivo à sua reputação, maculando
profundamente sua honra.
Ademais, resta evidenciado que, pelo fato de a mensagem ter sido veiculada
publicamente através das redes sociais, perante inúmeras pessoas, Helena difamou
Enrico por meio que facilitou sobremaneira a divulgação das ofensas por ela
Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES
Centro de Ciências Sociais Aplicadas – CCSA
Curso de Direito – 8ºPeríodo Noturno
Disciplina: Prática Jurídica Penal
Professor: Erick Rodrigues
Acadêmica: Jhennefer Suelen Alves Peixoto

perpetradas, causando intensa exposição do querelante – inclusive diante de seus


amigos Carlos, Miguel e Ramirez, que presenciaram os fatos relatados.
Destarte, mister se faz a condenação da querelada pelo crime de difamação,
tipificado no artigo 139, com incidência da causa de aumento de pena prevista no
artigo 141, inciso III, ambos do Código Penal.

III. DO PEDIDO
Diante de todo exposto, é a presente para requerer:
A) A oitiva do membro do Ministério Público, na qualidade de custos legis;
B) O recebimento, o processamento e a autuação da presente queixa crime;
C) A juntada de procuração outorgando poderes especiais ao advogado que ora
subscreve, nos termos do previsto no artigo 44 do Código de Processo Penal;
D) A juntada do requerimento de instauração de inquérito policial, nos termos do
artigo 12 do Código de Processo Penal;
E) A citação de HELENA, ora querelada;
F) Designação de audiência preliminar ou de conciliação;
G) A condenação da querelada pela prática do crime de difamação, tipificado no
artigo 139, com incidência da causa de aumento de pena prevista no artigo 141,
inciso III, ambos do Código Penal;
H) A oitiva das seguintes testemunhas, em caráter de imprescindibilidade:
• CARLOS, brasileiro, estado civil, profissão, RG, CPF, endereço;
• MIGUEL, brasileiro, estado civil, profissão, RG, CPF, endereço;
• RAMIREZ, brasileiro, estado civil, profissão, RG, CPF, endereço;
H) A fixação de valor mínimo de indenização para reparação dos danos
causados pelo crime, considerando os prejuízos sofridos pelo ofendido, nos termos
do que dispõe o artigo 387, IV, do Código de Processo Penal.
Termos em que,
pede deferimento.

Niteróri, 19 de setembro de 2014.


Universidade Estadual de Montes Claros – UNIMONTES
Centro de Ciências Sociais Aplicadas – CCSA
Curso de Direito – 8ºPeríodo Noturno
Disciplina: Prática Jurídica Penal
Professor: Erick Rodrigues
Acadêmica: Jhennefer Suelen Alves Peixoto

Advogada
OAB XXXXXX MG

Você também pode gostar