Você está na página 1de 26

CADERNO FORMATIVO

PARA PROFESSORES E
PROFISSIONAIS DA
EDUCAÇÃO BÁSICA

INICIAÇÃO AO ENSINO HÍBRIDO

Março/2021

Secretaria de
Educação
Prefeitura Municipal de Porto Ferreira
Rômulo Luís de Lima Rippa
Prefeito

Secretaria Municipal de Educação


Maria Cecilia Gallo da Cunha Leme
Secretária de Educação

Secretaria Municipal de Educação

Divisão de Ensino
Keila Hellen Barbato Marcondes

Coordenadora Pedagógica da área


de Matemática
Alexandra Cristina Canalli

Criação e Arte
Gabriela Bruno

Secretaria de Educação
Março/2021
APRESENTAÇÃO

A Secretaria de Educação, por meio da Divisão de Ensino, elaborou esse material


para ser utilizado na formação de professores e profissionais da Educação Básica, nos
encontros que ocorrem nas escolas, destinados à Educação Continuada. É interessante,
que cada professor tenha acesso a uma cópia desse exemplar, que consiste no I Bloco
formativo sobre o Ensino Híbrido.
O material foi elaborado de maneira sequenciada, reúne uma coletânea de textos
de autores especialistas em Ensino Híbrido. Conta, ainda, com atividades, sugestão de
vídeos e momentos de socialização.
Esperamos que, ao final da formação, os professores sintam-se desafiados e
instigados para aplicar essa metodologia em sala de aula.

Secretaria Municipal de Educação


Março/2021
SUMÁRIO

OBJETIVOS DA FORMAÇÃO..........................................................................................5

ATIVIDADE 1 - Levantamento de conhecimentos prévios...................................6

ATIVIDADE 2 – Live: Os desafios do ensino híbrido...............................................7

ATIVIDADE 3 – Texto: Ensino híbrido, o que é e como utilizá-lo?.......................8

ATIVIDADE 4 – Vídeos e Texto.................................................................................13

ATIVIDADE 5 – Para aprender sobre a prática....................................................19

ATIVIDADE 6 – Live: Os desafios do ensino híbrido...........................................21

ATIVIDADE 7 – Mapa Mental....................................................................................22

SUGESTÕES DE LEITURA............................................................................................23

REFERÊNCIAS................................................................................................................24

Secretaria de Educação
Março/2021
OBJETIVOS DA FORMAÇÃO

Iniciar contato com a proposta de Ensino Híbrido;


Reconhecer os diferentes modelos de ensino híbrido;
Aprofundar os conhecimentos sobre os submodelos: rotação por estações e sala de
aula invertida;
Avaliar o percurso da própria aprendizagem.

Secretaria de Educação
Março/2021 5
ATIVIDADE 1 - Levantamento de conhecimentos

prévios.

Objetivo: é destinado ao levantamento dos conhecimentos prévios e expectativas de


aprendizagem da formação. Com o objetivo de oferecer um percurso formativo que vá
ao encontro com as necessidades de cada participante.

CONHECIMENTOS PRÉVIOS

Tema: Ensino Híbrido

Saber

Quero saber

Este primeiro momento é destinado ao levantamento dos conhecimentos prévios, cada


participante deverá preencher apenas a segunda e terceira linha, referente:
SABER: diz respeito aos seus conhecimentos prévios;
QUERO SABER: refere-se às suas expectativas de aprendizagem da formação.

Secretaria de Educação
Março/2021 6
ATIVIDADE 2 - Live

Objetivo: caracterizar o ensino híbrido, conhecer os atores educacionais e suas


funções, refletir sobre as possibilidades do ensino híbrido.

TEMA: OS DESAFIOS DO ENSINO HÍBRIDO

A Secretaria de Educação, convida você para participar da live” Os desafios do ensino


híbrido” na quarta-feira, dia 31 de marco, às 18 horas.
A Live faz parte de um percurso de aprimoramento e formação, para os profissionais da
rede, abordará os desafios do ensino híbrido e a importância de ações para a retomada
das aulas presenciais.

Avaliação da formação
Objetivo: Enviar seu feedback sobre a Live que você acabou de participar, incluindo
comentários sobre a estrutura, o conteúdo e sugestões, com o objetivo de
melhorarmos nosso trabalho, para auxiliar as ações da rede municipal de ensino.
Ferramenta: GOOGLE FORMS
Link de acesso: Será encaminhado posteriormente para a equipe gestora

Secretaria de Educação
Março/2021 7
ATIVIDADE 3 - Leitura do texto

Objetivo: aprender por meio do texto de Trevisani (2019),o que é Ensino Híbrido e seus
modelos.

APÓS A LEITURA, OS PARTICIPANTES PODERÃO DISCUTIR


COLETIVAMENTE AS CARACTERÍSTICAS GERAIS DO ENSINO HÍBRIDO

MATERIAL DE ESTUDO

FERNANDO DE MELLO TREVISANI (2019)

Fernando de Mello Trevisani, autor do texto que você irá ler a seguir, é consultor da
Fundação Leman, atuando na área de Inovação nas Escolas com os projetos Khan
Academy e Ensino Híbrido. Participou como coordenador no Grupo de Experimentação
em Ensino Híbrido, parceria entre o Instituo Península e a Fundação Lemann. Neste
texto, ele apresenta o conceito de Ensino Híbrido e sua taxonomia.

Ensino híbrido, o que é e como utilizá-lo?

Ensino Híbrido é um modelo de educação formal que se caracteriza por mesclar dois
modos de ensino: o online, em que geralmente o aluno estuda sozinho, aproveitando o
potencial da internet; e o offline, momento em que o aluno estuda em grupo, com o
professor ou colegas, valorizando a interação e o aprendizado coletivo e colaborativo.

Secretaria de Educação
Março/2021 8
Aprendizado Online
Na parte online, o aluno possui controle sobre algum elemento do seu estudo, como o
tempo, o modo, o ritmo ou o local.
Por exemplo, o aluno pode estudar na escola, em sua casa, no laboratório de
informática, na biblioteca ou na mesa do pátio da escola. Ele pode fazer pesquisa em
livros, em seu celular, em um computador ou usando um tablet. Pode estudar sozinho,
em grupos ou somente pedir ajuda a alguém quando sentir necessidade.
O que importa, na parte online, é o aluno ter controle sobre parte de seu estudo,
tomando decisões que favoreçam sua autonomia. Aqui, valoriza-se, principalmente, a
relação existente entre alunos e tecnologia, sendo está uma ferramenta utilizada para a
construção do conhecimento.

Aprendizado Offline
Já a parte offline, deve ser realizada na escola e pode ter vários momentos diferentes: o
aluno estudando em grupos ou com a turma toda, com ou sem a presença fixa do
professor, ou até mesmo em momentos individuais.
O ponto forte dessa parte é a valorização das relações entre professor e alunos e entre
alunos e alunos. Todos os momentos estarão conectados a um objetivo central que é o
objetivo de aprendizagem da aula.

Melhor dos dois mundos


Nesse sentido, a ideia é que a parte online e o offline se conectem e complementem,
proporcionando diferentes formas de ensinar e aprender um determinado conceito.
Os dois momentos devem buscar um objetivo central em comum, sendo que cada
pequena parte desses dois momentos terão características próprias de modo que se
complementem e ofereçam diferentes formas de aprender e ensinar algo.

Os modelos de Ensino Híbrido


No Ensino Híbrido há alguns modelos de ensino que são divididos entre duas
categorias: os modelos sustentados, que conservam algumas características do ensino
considerado tradicional; e os modelos disruptivos, que rompem com as características
do formato de escola que mais temos hoje. Nesse texto serão abordados somente os
modelos sustentados por considerá-los mais passíveis de serem aplicados à realidade
brasileira pelas suas características.

Secretaria de Educação
Março/2021 9
Rotação por estações
O modelo de rotação por estações tem uma ideia semelhante aos chamados “cantos”
da pedagogia e educação infantil / ensino fundamental I, em que o espaço é dividido em
estações de trabalho, cada uma com um objetivo específico, mas todos ligados ao
objetivo central da aula.
Como é um modelo de Ensino Híbrido, pelo menos uma das estações deve ser a de
trabalho online, com alguma ferramenta com conexão à internet sendo utilizada pelos
alunos.
Após um determinado tempo pré-estabelecido, os alunos devem rodar entre as
estações, passando por todas elas até o final da aula. Por isso, elas não podem ser
dependentes uma das outras, pois se os alunos começarem por uma estação que
depende de outra estação prévia, não conseguirão alcançar o objetivo da mesma.
As estações devem, portanto, ser independentes, com começo, meio e fim intrínseco a
cada uma e com objetivos passíveis de serem alcançados no tempo estipulado para a
rotação.
O professor pode formular quantas estações desejar: o que importa é que o tempo
total de cada estação deve ser suficiente para que os alunos realizem as atividades
propostas e alcancem o objetivo de cada estação.

Laboratório Rotacional
O modelo laboratório rotacional consiste em dividir os alunos em apenas dois espaços
de trabalho, sendo um deles o laboratório computacional para a realização da(s)
atividade(s) online. O outro espaço pode ser determinado pelo professor, devendo ser,
prioritariamente a sala de aula (isso depende do professor; se o professor for de
laboratório de ciências, por exemplo, sua “sala de aula” será o laboratório de ciências; se
for de educação física, sua “sala de aula” provavelmente será um espaço externo a sala
de aula, onde alunos podem realizar atividades físicas adequadamente).
Assim como no modelo de rotação por estações, há um tempo fixo de permanência dos
alunos em cada um desses espaços, estipulado previamente. Após decorrido esse
tempo, os alunos devem alternar entre os dois espaços: quem estava no laboratório de
informática se dirige para o outro espaço escolhido pelo professor e vice-versa.
Os dois momentos também devem ser independentes. Caso contrário, os alunos
podem sentir dificuldades em iniciar um deles.

Secretaria de Educação
Março/2021 10
Rotação Individual
O modelo rotação individual é muito semelhante ao de rotação por estações, mas nele
os alunos têm roteiros individuais elaborados pelo professor e fazem rotações seguindo
esses roteiros personalizados.
Eles não devem necessariamente passar por todas as estações, mas devem passar por
aquelas que fazem sentido para sua aprendizagem, considerando o nível de conteúdo
em que se encontram, suas dificuldades e a forma como aprendem melhor.

Sala de aula invertida


A sala de aula invertida é o último modelo. Ela consiste em três momentos diferentes:
Primeiro, o aluno estuda o conceito que será visto na escola antes da aula, se
preparando para as atividades que serão realizadas. Esse estudo pode ser feito
baseado em referências pesquisadas pelos próprios alunos ou em referências
selecionadas pelo professor, que podem ser complementadas pelos alunos.
O segundo, é o momento da aula, em que os alunos usarão os conceitos aprendidos
previamente para construir com o professor a aula, aplicando o que aprenderam e
participando ativamente da mesma. Aqui, o professor passa a atuar como um
supervisor daquilo que foi aprendido pelos alunos, buscando identificar pontos
estudados e validar informações obtidas pelos estudantes.
O terceiro, é o momento posterior à aula, em que os alunos poderão aprofundar o que
foi estudado em um local externo à escola, buscando mais informações para
complementar aquilo que estudaram na aula. Esse momento é importante para alunos
solidificarem sua aprendizagem e buscar assuntos ligados ao tema que sejam de seu
interesse.

Considerações
Esse último modelo desenvolve bastante a autonomia dos alunos, tornando-os ativos na
construção do conhecimento.
É necessário que o professor trabalhe a conscientização da importância buscar,
selecionar e compreender informações usando os meios digitais, ensinando cada um
desses passos aos alunos. Somente assim terá resultados elevados com um número
alto de alunos.
É importante lembrar que para aplicar qualquer um desses modelos de ensino híbrido é
necessário que o professor planeje sua aula considerando cada um dos momentos
característicos de cada modelo, tendo em conta:

Secretaria de Educação
Março/2021 11
O que cada aluno ou grupo de alunos estará fazendo em cada momento (se estarão
sozinhos ou em grupo, em atividades de pesquisa, teórica ou prática, em atividades
online ou off-line);

O que o professor estará fazendo em cada um dos momentos (se estará fixo em
uma estação ou livre para circular entre as estações);

A dinâmica da aula como um todo.

Mesmo nesses modelos que usam espaços já utilizados pela educação formal realizada
na maioria das escolas, há uma mudança na postura dos alunos, do professor e da
própria escola em si.
O processo de apropriação de todos os atores envolvidos na nova dinâmica de ensino
não é construído de uma hora para a outra. É necessário um tempo de acomodação
após a ruptura no modelo de ensino usado há mais tempo.
Persistência, dedicação, abertura a mudanças, um bom planejamento do professor e
posturas abertas dos alunos são fundamentais para o sucesso de atividades nesses
modelos que exigem maior interação com seus colegas, professores e até mesmo com
a tecnologia digital.
Retirado do blog: https://silabe.com.br/blog/ensino-hibrido-o-que-e/. Acessado em 25
de fev. De 2019.

Secretaria de Educação
Março/2021 12
ATIVIDADE 4 - vídeos e texto

Objetivos:
Verificar aspectos relacionados à formação e à implementação de Ensino Híbrido,
pensando na personalização;
Explicar o conceito de ensino híbrido, utilizando animações, apresentando uma
abordagem para a esclarecer dúvidas dos educadores;
Compreender o que é a proposta do ensino híbrido, e socializar seus
conhecimentos.

MATERIAL DE ESTUDO
Assista aos vídeos dos links abaixo:

VÍDEO 1: HISTÓRICO DO ENSINO HÍBRIDO NO BRASIL :


https://youtu.be/VFk_EFMWv10

VÍDEO 2: PERSONALIZAÇÃO E TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO:


https://www.youtube.com/watch?v=E8NlU_07XRI

Secretaria de Educação
Março/2021 13
TEXTO 1: Ensino híbrido: quais são os modelos possíveis?

Acesse o texto, faça a leitura com o objetivo de conhecer os modelos e as heranças da


pandemia para o ensino híbrido no retorno presencial das atividades escolares.
https://novaescola.org.br/conteudo/19715/ensino-hibrido-quais-sao-os-modelos-
possiveis
Conheça os modelos e as heranças da pandemia para o ensino híbrido no retorno
presencial das atividades escolares

Carteiras e corredores vazios, portões das escolas fechados, alunos e professores em


casa. Depois de cerca de seis meses vivenciando a realidade do ensino remoto, o Brasil
ensaia voltar para as salas de aula nos próximos meses. Mas o retorno deve ser gradual
e híbrido. É provável que as escolas tenham que lidar por um período de tempo com
parte dos alunos em casa e parte presencialmente nas escolas.
O plano de retorno da rede estadual de São Paulo, por exemplo, prevê que as escolas
que estão retomando as atividades em setembro recebam, no máximo, 20% dos alunos
por dia. Mesmo quando todos estiverem de volta, o apoio da tecnologia pode
permanecer como uma herança da quarentena seja para reforçar e complementar as
aprendizagens no contraturno em casa ou para inovar na forma como os professores
dão suas aulas.

Secretaria de Educação
Março/2021 14
“A pandemia nos deu, como educadores, a oportunidade de olhar de forma cuidadosa e
perceber que temos muito potencial, que somos capazes de nos reinventar”, diz Aline
Soares, professora do Ensino Fundamental 1 e coautora do capítulo sobre avaliação no
livro Ensino Híbrido: Personalização e tecnologia na Educação. “Muitas pessoas
acreditam que para trabalhar com ensino híbrido é preciso ter os melhores recursos,
mas com acesso à internet, conhecendo e criando boas propostas, é possível. A
pandemia mostrou que todo professor é criador de conteúdo”.
Para Fernando Mello Trevisani, que é pesquisador, consultor educacional e professor da
pós-graduação em Metodologias Ativas do Instituto Singularidades, o ensino híbrido
proporciona um modo de trabalho interessante para o professor e para os alunos. Um
dos benefícios é a possibilidade do docente dedicar mais tempo às dúvidas e ao
acompanhamento mais próximo e individual dos alunos na aprendizagem.
Com o apoio da tecnologia, o professor também consegue visualizar, coletar e analisar
dados sobre as aprendizagens dos alunos de forma mais simples e precisa. “Com isso,
fica mais fácil fazer as implementações e as modificações rumo à personalização do
ensino, que é um dos objetivos também do ensino híbrido”, explica.

Fernando argumenta que, apesar dos obstáculos, dá para aplicar ensino híbrido em
diversas realidades e escolas do Brasil, inclusive em escolas públicas com poucas
tecnologias. “É importante ressaltar que o modelo não pressupõe o uso de um
dispositivo digital por aluno”, aponta Fernando. “O que é necessário é que o professor
tenha um planejamento adequado, que faça sentido para o que ele quer ensinar, que
tenha uma intencionalidade pedagógica”. Entre os modelos híbridos possíveis, há
aqueles que se apoiam no formato tradicional da sala de aula (como a sala de aula
invertida e o laboratório rotacional, que são chamados de modelos sustentados) e
aqueles que rompem completamente com o tradicional (os chamados modelos
disruptivos).

Secretaria de Educação
Março/2021 15
Da sala de aula invertida ao flex: o que é o que

O especialista do Singularidades afirma que é possível aplicar qualquer modelo de


ensino híbrido no Brasil. “Porém, é indicado começar pelos modelos sustentados, que
fazem menos modificações e já conseguem estar incorporados mais facilmente na
prática do professor e na realidade escolar vigente”, recomenda Fernando. Lilian Bacich
concorda, mas diz que o cenário de retorno presencial parcial pode exigir modelos mais
disruptivos pela distância. “Antes da pandemia, defendíamos muito que, no Brasil, os
modelos rotacionais eram os mais adequados para a nossa realidade: rotação por
estação, sala de aula invertida e laboratório rotacional”, explica. No entanto, diante do
atual contexto, considera-se outros modelos, como o flex, o a la carte e o virtual
aprimorado (ou virtual enriquecido), em que o fio condutor da aprendizagem é o online.
Lilian ressalta que, nesses casos, não é necessário que os alunos estudem as mesmas
coisas ao mesmo tempo, já que ele flexibiliza a aprendizagem. Conheça abaixo os
diferentes modelos de ensino híbrido:

MODELOS SUSTENTADOS

Sala de aula invertida


Consiste no envio prévio do material da aula para os alunos em casa, podendo este
material ser um vídeo ou outro formato de conteúdo que explique o tema que será
abordado em sala. “Assim, quando eles vão para o encontro com o professor, já vão
munidos de muitas informações”, explica a professora Aline. Há uma inversão do que
acontece, portanto, em sala e em casa: os alunos consumem a explicação do conteúdo
sozinhos e usam o espaço coletivo escolar e a presença do professor para fazer
resolução de atividades, aplicações práticas do conhecimento e tirar dúvidas.

Laboratório rotacional
Neste modelo os alunos são divididos em dois grupos, um trabalha no laboratório com
uma lista de atividades para realizar com apoio da tecnologia digital, enquanto o outro
trabalha na sala de aula com o professor. Enquanto o primeiro grupo atua de forma
autônoma, o professor pode fazer as intervenções mais diretas com a segunda metade
da turma, trabalhando conceitos e solucionando dúvidas dos estudantes.

Secretaria de Educação
Março/2021 16
Rotação por estações
O modelo consiste em organizar a sala por grupos (estações de aprendizagem) para
desenvolver atividades com objetivos de aprendizagens diferentes, mas
complementares. Os alunos se revezam nas estações de aprendizagem, enquanto o
professor atua como um mediador e intervém nos grupos que mais precisam de auxílio
– o que personaliza o ensino e dá autonomia e protagonismo para os alunos
construírem suas aprendizagens.

DISRUPTIVOS

Rotação individual
Os percursos são voltados para as necessidades individuais dos estudantes. “É um
modelo do ensino híbrido onde a personalização realmente acontece”, diz Aline. “O
professor precisa estar atento às necessidades dos estudantes, planejando roteiros
mais individualizados, para que as possíveis dificuldades sejam sanadas. Cabe ao
professor propor as melhores situações de aprendizagem”. Isto não significa, no
entanto, que o professor necessita propor um roteiro para cada aluno. “Significa que ele
produzirá diferentes atividades, algumas para alunos com perfis e necessidades mais
parecidas. Ele buscará os melhores recursos, online, por exemplo, para propor
situações de aprendizagem para alguns alunos ou grupo”, detalha a educadora. O
modelo pode se encaixar na realidade de muitas escolas que receberão alunos com
variados níveis de aprendizagem.

Flex
É o mais usual nas escolas durante a pandemia. O aluno tem alguns roteiros que são
entregues via plataforma digital, no qual realiza as atividades propostas em parte do
tempo, com o professor por perto, como um tutor, e em outros momentos pode
trabalhar em projetos com outros alunos ou fazer algo mais relacionado a uma
atividade física. Aqui, é possível intercalar ações individuais e coletivas online.

Secretaria de Educação
Março/2021 17
À la carte
É muito comum no Ensino Médio em países em que a ideia do ensino personalizado é
mais difundida, como nos Estados Unidos, segundo Lilian Bacich. No modelo, o
estudante é responsável pela organização do seu estudo a partir de objetivos gerais de
aprendizagem a atingir. As disciplinas podem ser eletivas e combinar, por exemplo, com
os itinerários formativos escolhidos pelos estudantes. Nesse modelo, pelo menos uma
disciplina é ofertada online, além das tradicionais da escola, e pode ser realizada no
momento e local mais adequado para o estudante.

Virtual aprimorado
O aluno tem todas as disciplinas ofertadas online e vai para a escola uma ou duas vezes
por semana para realizar projetos, debates e discutir o que foi estudado online. Além
disso, o presencial é utilizado como acompanhamento de como estão caminhando as
aprendizagens.

É preciso olhar para frente


Neste ano em que o mundo parou por conta de uma pandemia, diversas reflexões
surgiram na Educação e, como todo período desafiador, deixará algumas lições. “Que a
gente saia da pandemia olhando para a frente e não para trás”, diz Lilian Bacich. Como
uma das lições, a especialista ressalta a importância de olhar para um modelo de ensino
que ajude o estudante a desenvolver o protagonismo e a autonomia, e a realmente ser
um sujeito do seu conhecimento. Para Fernando Trevisani, o ensino remoto também
fortaleceu a importância da autonomia dos alunos com relação ao próprio aprendizado.
“Mostrou que o papel e as ações de cada um deles é essencial para que construam
conceitos e trilhem caminhos de aprendizagem mais independentes rumo a construção
do conhecimento”.
Endereço da página:
https://novaescola.org.br/conteudo/19715/ensino-hibrido-quais-sao-os-
modelospossiveis
Publicado em NOVA ESCOLA 09 de Setembro | 2020

Secretaria de Educação
Março/2021 18
ATIVIDADE 5 - para aprender sobre a prática

Objetivo: Aferir
O que você sabe sobre Ensino Híbrido?
Quão familiarizado você está com esta abordagem pedagógica?

MATERIAL DE ESTUDO E ATIVIDADE


Texto 1- Ensino híbrido: o que é e como utilizar essa estratégia

Metodologia que combina atividades presenciais e on-line é opção para retorno às aulas
com rodízio de alunos. Faça o teste online, clicando no link descrito, e verifique seus
conhecimentos sobre o tema.

De modo geral, as propostas para o retorno às aulas têm discutido estabelecer um


rodízio de alunos para se reduzir as aglomerações nas escolas e garantir a proteção à
saúde de todos. Nessa perspectiva, os professores terão o desafio de pensar em
estratégias que combinem atividades presenciais e não presenciais – característica que
embasa o ensino híbrido.
O modelo permite adotar a dinâmica das chamadas metodologias ativas, que propõem
um aluno mais ativo na construção do próprio conhecimento e um professor com
atuação de mediador, que elabora e orienta desafios de aprendizagem. Mas quão
familiarizados vocês estão com essa abordagem pedagógica? O teste abaixo, elaborado
com o auxílio de Lilian Bacich, diretora da Tríade Educacional e autora do livro Ensino
Híbrido:

Secretaria de Educação
Março/2021 19
O teste online, elaborado com o auxílio de Lilian Bacich, diretora da Tríade Educacional e
autora do livro “Ensino Híbrido: Personalização e @Tecnologia na Educação”, o ajudará a
aferir:
O que você sabe sobre Ensino Híbrido?
Quão familiarizado você está com esta abordagem pedagógica?

Atividade a ser realizada: Teste online que deverá ser feito pelo professor, clicando no
link descrito:

Nova Escola Box | Ensino híbrido: o que é e como utilizar essa estratégia

Secretaria de Educação
Março/2021 20
ATIVIDADE 6 - Live

Objetivos: fazer a contextualização sobre o primeiro contato com a proposta de Ensino


Híbrido, reconhecendo seus diferentes modelos, desafios e a importância de ações para
a retomada das aulas presenciais.

TEMA: OS DESAFIOS DO ENSINO HÍBRIDO

A Secretaria de Educação, convida você para participar da Live ” Os desafios do ensino


híbrido” na quarta-feira, dia 14 de abril, às seis horas da noite.
A Live faz parte de um percurso de aprimoramento e formação, para os profissionais da
rede, faremos a contextualização sobre o primeiro contato com a proposta de Ensino
Híbrido, reconhecendo seus diferentes modelos, desafios e a importância de ações para
a retomada das aulas presenciais.

Avaliação da formação

Objetivo: Enviar seu feedback sobre a palestra que você acabou de concluir, incluindo
comentários sobre a estrutura, o conteúdo e sugestões, com o objetivo de
melhorarmos nosso trabalho, para auxiliar as ações da rede municipal de ensino.
Ferramenta: GOOGLE FORMS
Link de acesso: Será encaminhado posteriormente para a equipe gestora

Secretaria de Educação
Março/2021 21
ATIVIDADE 7 - Mapa Mental

Objetivo: Aprender a utilizar o programa Mindmeister, além de sistematizar os


conhecimentos construídos, durante o primeiro bloco formativo sobre o Ensino Híbrido.

MATERIAL DE ESTUDO
Faça um mapa mental destacando os principais pontos dos modelos de Ensino Híbrido.
Você pode utilizar o programa http://www.mindmeister.com/pt para criar seu mapa
mental.Com o objetivo de aprender a utilizar o programa Mindmeister, além de
sistematizar os conhecimentos construídos.

FONTE: Acessado em:< http://ideiaclara.com>

Enviar o mapa mental para o e-mail: alexandra.canalli@portoferreira.sp.gov.br

Secretaria de Educação
Março/2021 22
Dissertação
Neurociência cognitiva e
ensino híbrido: investigando o
modelo por rotação no ensino de
matemática

JULIANA MARCONDES DE
MORAIS
Orientadora: Maria Auxiliadora
Motta Barreto
Escola de Engenharia de Lorena
USP
2019

Secretaria de Educação
Março/2021 23
Material de consulta

ADRIAN Fuenteseb. Ensino Híbrido. 1 vídeo (9 min.). 2016. Disponível em:


www.youtube.com/watch?v=JzqrKv1jsNM. Acesso em: 25 de fev. 2019. Acesso em: 28 fev
2018.

https://novaescola.org.br/conteudo/19715/ensino-hibrido-quais-sao-os-
modelospossiveis - Publicado em NOVA ESCOLA 09 de Setembro | 2020

HÍSTORICO DO ENSINO HÍBRIDO NO BRASIL. 1 vídeo (9 min.). Disponível em:


https://youtu.be/VFk_EFMWv10

PERSONALIZAÇÃO E TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO. 1 vídeo (3 min.). Disponível em:


https://www.youtube.com/watch?v=E8NlU_07XRI

BENDER, W. N. Aprendizagem baseada em projetos: educação diferenciada para o


século XXI. Porto Alegre: Penso, 2014.

BLENDED, Learning Universe. Modelos de Ensino Híbrido. Disponível em:


https://www.blendedlearning.org/modelos/?lang=pt-br#lab. Acesso em: 25 fev 2019.

CAMARGO, F.; DAROS, T. A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para


fomentar o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso, 2018.

COLÉGIO Soter. Ensino Híbrido - Colégio Soter / Escola Bambinos. 1 vídeo (10 min.). São
Paulo, 2017. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=WEYEbr5vZSA&t=2s.
Acesso em 25 fev. 2019.

Secretaria de Educação
Março/2021 24
LISBÔA, E.; DE JESUS, A.; VARELA, A.; TEXEIRA, G.; COUTINHO, C. LMS em contexto
escolar: estudo sobre o uso da Moodle pelos docentes de duas escolas do concelho de
Braga. Educação, Formação & Tecnologias - ISSN 1646-933X, América do Norte, 2, jun.
2009. Disponível em: <http://www.eft.educom.pt/index.php/eft/article/view/74/52>.
Acesso em: 18 fev. 2019.

MELLO TREVISANI, F. Ensino híbrido, o que é e como utilizá-lo? 2019. Disponível em:
https://silabe.com.br/blog/ensino-hibrido-o-que-e/. Acessado em: 25 de fev. 2019.

MINDMEISTER. Disponível em:http://www.mindmeister.com/pt. Acesso em 25 fev. 2019.

RECCO, R. O que diferencia um bom programa de Ensino Híbrido de um ruim?. São


Paulo, 2018. Disponível em: http://www.foreducationedtech.com.br/edtech-news/o-
quediferencia-um-bom-programa-de-ensino-hibrido-de-um-ruim/. Acesso em 25 fev.
2019.

SOARES, S. S. K.; REICH, S. T. O. Planejamento e estruturação de cursos no Moodle:


material didático multimídia, atividades e avaliação. 15º Congresso Internacional ABED
de Educação a Distância. Fortaleza: Abed, 2009. Disponível em:
http://www.abed.org.br/congresso2009/CD/trabalhos/1552009205923.pdf. Acesso em:
25 fev. 2019.

VERGARA, A. C. E.; HINZ, V. T.; LOPES, J. L. B. Como Significar a Aprendizagem de


Matemática Utilizando os Modelos de Ensino Híbrido. Revista Thema, [S.l.], v. 15, n. 3, p.
885-904, ago. 2018. ISSN 2177-2894.Disponível em:
<http://revistathema.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/962>. Acesso em: 26 fev.
2019.

BUSHKO, K. Porque as escolas brasileiras estão implementando o ensino híbrido. 2018.


Disponível em: https://www.blendedlearning.org/por-que-as-escolas-brasileiras-
estaoimplementando-o-ensino-hibrido/?lang=pt-br. Acesso em 25 fev. 2019.

NUNES, T. Como fazer um plano de aula utilizando o ensino híbrido. 2017. Disponível
em: https://pontodidatica.com.br/plano-de-aula-ensino-hibrido/. Acesso em 25 fev.
2019.

Secretaria de Educação
Março/2021 25
Secretaria de Educação
Março/2021 26

Você também pode gostar