Você está na página 1de 6

Quem sou eu?

Se você caiu aqui de paraquedas e não me conhece, eu sou o Fabio Bindes,


sócio fundador e presidente (CEO) do Grupo Lago Franquias S.A. responsável
pelas redes Sushiloko, Hum! Burguer, Shoio Sushi Lounge e Brasil Vexado, com
mais de 50 Lojas espalhadas pelo Brasil, entre marcas de franquias e operações
próprias, e hoje possuí­mos um faturamento acima de R$ 60 milhões por ano.

Há alguns anos, assumi o Marketing Estratégico e Digital completo da Rede,


pois haví­amos passado por uma crise geral, tanto na economia brasileira, quanto
devido a oscilações no mercado de alimentação, principalmente sobre preços de
insumos e produtos relacionados ao nosso querido Sushiloko. E com esses
contextos mais complicados, precisávamos urgentemente aumentar nossas vendas
e os lucros nos restaurantes.

Somado a isso, tive que trocar de agência de publicidade por diversas vezes
e mesmo assim o faturamento da rede caía dia após dia. Fizemos propaganda em
canal de televisão na tentativa de melhorar as vendas, mas de nada adiantou. Até
que eu resolvi pegar pra mim a responsabilidade de fazer o Marketing da rede.

Confesso que gastamos muito no começo, passamos por crises e até


desperdiçamos muito dinheiro com anúncios naquela época. Contratamos várias
agências, consultores e muitas vezes até estudamos com fontes e materiais
errados, obtendo pouco ou nenhum resultado.

Passei dias e noites aprendendo em inúmeros Cursos Online e me


relacionando com outros Empresários e Professores do ramo, para conseguir
identificar as melhores práticas, que fossem capazes de transformar investimentos
em crescimento real de receitas e lucros recorrentes para as minhas lojas.

Depois de muito estudar, eu desenvolvi um método que foi capaz de salvar


as minhas empresas, pois estávamos a caminho de decretar a falência da rede.
Além disso, muitos empresários de diversos setores, acompanharam essa
recuperação no faturamento das lojas e me pediram ajuda em seus respectivos
negócios. Foi então que em 2018 eu montei a minha primeira turma para ensinar
tudo que eu aprendi e apliquei em minhas empresas.

Atualmente, mais de 1.000 alunos já passaram por mim, aplicaram os meus


ensinamentos em seus Negócios Locais, ou em Negócios Locais de seus clientes, e
o resultado de todo esse estudo foi o aumento tanto no faturamento quanto no lucro
de cada um.
Tráfego por si só, não resolve nada!

Antes de mais nada, eu quero deixar claro que Tráfego por si só, não
resolve nada!

Se você é dono de algum negócio local ou prestador de serviço, é importante


que você entenda que o anúncio patrocinado é sim muito importante, mas não é o
fator principal. Na verdade, ele está longe de ser o fator fundamental para um
negócio local e, sozinho, ele não consegue dar a solução que você e a sua empresa
tanto necessitam.

Ao longo deste curso, você vai entender quais são os fatores primordiais que
de fato vão gerar resultados para o seu negócio e, se você é um gestor de tráfego
para Negócios Locais, ou deseja ser, garanto que você sairá dessa aula com
insights estratégicos que vai elevar o seu nível de conhecimento, deixando de ser
um simples gestor de tráfego, para se tornar um Gestor de Marketing.

Então já pega suas anotações e vamos para o conteúdo.

Marketing Estratégico

O Marketing Estratégico é como se fosse a base de uma casa. Não adianta


você pensar no telhado, nas paredes e na decoração, sem antes ter uma base
sólida e muito bem feita. E é justamente isso que eu bato na tecla dos os meus
alunos e mentorandos, e vou bater nessa tecla com você também. Percebo que
muita gente fica fascinada com os anúncios patrocinados, colocando todas as fichas
somente nesse quesito, e acabam quebrando a cara. Não adianta um anúncio
patrocinado bem feito, boas estratégias no marketing digital, se a sua base não está
correta.

Evoluindo para uma definição mais aprofundada, segundo Philip Kotler,


Marketing é “A função que identifica necessidades e desejos insatisfeitos, define e
mede sua magnitude e seu potencial de rentabilidade, especifica que mercados-alvo
serão mais bem atendidos pela empresa, decide sobre produtos, serviços e
programas adequados para servir a esses mercados para pensar no cliente e
atender ao cliente.”

Se tratando de necessidades e desejos, podemos simplificar essa definição


usando uma famosa expressão: Vender água no deserto.
O seu papel como empresa é suprir a necessidade e o desejo dos seus
clientes. É válido ressaltar que o mercado hoje tem uma demanda reprimida
bastante competitiva, então você deve atender a essa necessidade ou desejo, de
uma forma um pouco melhor do que os seus concorrentes.

Quando eu fundei o Sushiloko, existiam os restaurantes tradicionais e


extremamente caros, além das temakerias que eram operações fast food de comida
japonesa, com pouca qualidade, pouca variedade e ambiente simplista.

Eu identifiquei que havia uma necessidade de comida japonesa que ficasse


no meio termo, nem tão caro demais, nem tão fast food demais. Então eu atendi um
desejo de pessoas que queriam consumir comida japonesa com um preço mais
justo e uma variedade e qualidade melhor do que as temakerias.

Então você tem que se perguntar qual é a necessidade e desejo específico


que você atende e que seja diferente de todo o resto.

Uma vez definido sobre as necessidades e desejos de determinado grupo, a


gente segue para o próximo passo que é definir COMO atender a esse grupo, então
você vai definir como vai ser o seu produto ou serviço, para melhor atender aos
seus clientes.

Case Walmart

Não sei se é do seu conhecimento, mas o Walmart é uma potência nos EUA,
inclusive a marca já teve o título de mais valiosa do mundo e o seu fundador já
assumiu o posto de homem mais rico do mundo.

Em qualquer cidade que você for nos Estados Unidos vai ter um Walmart por
lá, mas em uma determinada época a empresa ficou muito mal vista porque onde
ela chegava, quebrava os comércios locais que já existiam ali. Essa fama foi criando
uma proporção tão grande que a marca começou a ser vista de forma negativa.

Foi então que o Walmart teve uma sacada de dar cursos e ensinar os
pequenos comerciantes a sobreviverem com ele e foi passado alguns pontos
importantes nesse treinamento.

O primeiro ponto é que não adianta os pequenos comerciantes bater de


frente com determinado tipo de concorrente. Não adianta querer concorrer com
preços e variedades. O Walmart tem um poder de barganha gigantesco, inúmeros
fornecedores e bater de frente com isso é fracasso na certa.
Mas existe uma série de necessidades e desejos que você pode atender
melhor do que o Walmart:

1. Atender a um Nicho Específico: Você pode atender a um grupo de


pessoas intolerantes ao glúten, ao leite, produtos Fit, etc

2. Ser Premium: Você pode ser um empório mais requintado, mais caro

3. Trabalhar com Produtos Locais: para prestigiar os produtores e


fabricantes locais.

Com isso concluímos que é totalmente possível atender as demandas e


necessidades mesmo diante de um grande concorrente, basta que você faça isso
da maneira correta.

Case Professor de Música

Outro case bastante interessante é o caso dos professores de música citado


pelo Seth Godin.

Em um determinado bairro havia dois professores de música. O primeiro


professor era um cara muito conhecido, pois ele tinha a fama de ser muito rigoroso
com os seus alunos. Inclusive ele já formou vários músicos famosos que se
tornaram profissionais.

Logo, seu estilo de aula é voltado para o perfeccionismo, não tolera erros,
não tolera atrasos e leva a sério o que faz.

O segundo professor tem a seguinte pegada: era divertido, ensinava de uma


forma lúdica e leve, voltado para pessoas que faziam as aulas por hobby e prazer.

Sendo assim, podemos concluir que os dois não são concorrentes, pois cada
um atendeu a um público específico.

3 Etapas do Marketing Estratégico

Levando em consideração os dois exemplos citados anteriormente,


juntamente com o case do Sushiloko, existem 3 etapas que você deve levar em
consideração:
1. Segmentação: Segmentar é escolher a quem você vai atender. No
exemplo dos professores de música, o primeiro professor escolheu atender aos
alunos que querem levar a música como profissão. O segundo professor decidiu
atender aos alunos que enxergam a música como hobby.

2. Posicionamento: Posicionar é escolher sobre como você vai atender.


Ainda no exemplo anterior, o primeiro músico escolheu atender de uma forma mais
rigorosa, enquanto que o segundo atendia de forma leve e divertida.

3. Diferenciação: Existe uma pesquisa que diz que cada consumidor


consegue enxergar um único diferencial quando pensa em uma marca. Escolha um
ponto específico que te diferencie dos seus concorrentes, ou seja, algo que seja
difícil de ser copiado.

Os 4 P’s do Marketing

Se você já tem clareza sobre quem você atende, como se posiciona e qual o
seu diferencial, avançamos para os 4 P’s do Marketing. Todas as suas decisões a
partir daí, serão mais fáceis e certeiras.

Não subestime o poder dos 4 P’s do Marketing. São eles:

1. Produto: Você vai pensar em como será esse produto, embalagem,


apresentação, etc.

2. Preço: Se você se posicionou como uma operação mais premium,


naturalmente você vai cobrar mais caro. E tudo bem! Você não tem obrigação
nenhuma de cobrar mais caro ou mais barato que a sua concorrência, mas você
tem a obrigação de ter um preço coerente com o seu posicionamento.

3. Praça: O seu ponto de venda também deve ser coerente com o seu
posicionamento. Será que faz sentido você ter uma operação super premium em um
bairro mais humilde? Talvez não.

4. Promoção: no sentido de promover algo, nada tem a ver com ofertas.


Nesse tópico você decide a maneira correta de divulgar o seu negócio.

Você também pode gostar