Você está na página 1de 17

DOISROFICIAL.

COM

DESMISTIFICANDO...

MIXAGEM
DE VOCAIS
DE TRAP

Entenda o que você precisa para


ter resultados profissionais.
1) o que é mixagem?
Mixagem nada mais é que o processo de produção de uma
música, onde você precisa unir os elementos separados em
uma única arte. Isso significa que você precisa fazer com
que os instrumentos "conversem" entre si, dando uma boa
experiência para os seus ouvintes.
Na mixagem, nós teremos acesso a todas faixas de áudio
separadamente de uma música, ou seja, se foram gravados
5 violões, nós teremos que mixar esses 5 violões a fim de
deixa-los incrivelmente bons quando tocados juntos.
Quando somos iniciantes, é comum a gente querer que os 5
violões estejam perfeitos separadamente, mas o que
esquecemos é que o ouvinte não escuta só um violão no
Spotify e sim a música inteira, independente de quantos
elementos.

A questão é: o que a gente precisa fazer para ter uma boa


mixagem de vocal? E isso é algo realmente complicado de
se entender e explicar. Isso porque o vocal é definitivamente
o elemento mais complexo de ser mixado, visto que cada
pessoa tem uma voz totalmente diferente das outras
pessoas e que, em cada música, essa única pessoa pode
interpretar diversas e diversas vozes, o que nos deixa claro
que não é algo tão fácil quanto parece.

Mas, se você já me conhece, sabe que eu odeio ficar


enrolando. Então, vamos nessa!
2) pontos importantes
antes de mixar
Muitos produtores focam no que fazer na hora de mixar
um vocal, mas esquecem que as vozes passam por outras
etapas anteriores que influenciam absurdamente no
resultado final. Composição, imposição, afinação,
equipamentos, preparação etc. Tudo isso influenciará na
gravação de uma voz. Vamos entender um pouco mais a
fundo cada uma das etapas.

2.1) composição
Tudo começa na composição, seja do instrumental, seja da
letra da música. Você, como produtor musical, deve ajudar
o artista a escolher a melhor afinação e imposição vocal, de
acordo com suas composições - isso se for possível. Dê um
direcionamento para ele e gravem algumas guias
experimentando diversas formas de um mesmo vocal.
Nesta fase, é importante que você consiga extrair o máximo
do artista e que vocês saiam com uma guia bem
direcionada para o resultado final. Isso não significa que
não possam haver alterações depois, mas você realmente
tem como objetivo deixar tudo em um sentido próspero
porque, caso vocês deixem de fazer os devidos testes,
podem acabar não tendo o resultado que queriam e se
frustrarem com o resultado final.
2.2) antes da gravação
É interessante que o artista saiba o que pode e o que não
pode fazer antes de gravar um vocal. Você pode informa-lo
anteriormente para evitar problemas por falta de
conhecimento. Algo importante é saber quais alimentos
comer ou não comer antes de uma sessão de gravação.

Na lista abaixo, eu mostro alguns alimentos que não são


interessantes e que devem, ao menos, serem evitados.

Sorvete, leite, queijo e outros produtos


lácteos, pois causam irritações na garganta.

Comida/bebida muito quente ou gelada.


Também alimentos picantes.

Frutas cítricas (laranja, limão etc).

Alimentos de fast food.

Bebidas alcoólicas.
É importante deixar claro que o consumo dos alimentos
listados acima não significam que vão prejudicar de fato.
O ideal é você saber que PODE prejudicar, caso realmente
queira ter o melhor resultado possível.
Porém, não só os alimentos prejudicam a performace vocal
de um artista, coisas como gritar, cantar repetidamente ou
até falar em excesso, pode prejudicar suas cordas vocais.

Muitos cantores gostam de gravar suas vozes logo de


manhã para evitar o desgaste da voz durante o dia. Já
outros, preferem realizar as gravações mais para a tarde ou
até mesmo à noite, depois que já movimentou suas cordas
vocais o suficiente. Aqui não existe certo ou errado, o
cantor precisará testar e você deve ser a pessoa que o
alertará sobre isso.

2.3) gravação
A gravação é o momento em que todo o preparo até agora
deve ser recompensado. Porém não confunda isso achando
que tudo tem que sair perfeitamente. Na verdade,
nenhuma das etapas serão perfeitas. Na composição, o
artista vai errar muito até acertar a rima que queria. Antes
da gravação, vão o chamar para uma festa que só terá
coisas que ele não "pode" comer. É normal. O ideal é que
você entenda que está trabalhando com arte e que não
tem como a gente não ficar refém de coisas externas e de
dificuldades psicológicas. Por isso, não se fruste se tiver que
gravar 300 vezes o mesmo verso porque o cantor não
consegue acertar aquela rima mais fácil que escreveu.

Mantenha a calma. Dê pausas. Converse sobre outras


coisas com ele. E só finalize a sessão quando você tiver,
pelos menos, 4 faixas de cada vocal gravados
perfeitamente.

Tá, mas o que define um vocal bem gravado? Eis a lista!

Todas as frases ficaram entendíveis ou da maneira que


queriam.
Não existe nenhum barulho externo enquanto está
cantando.
Vocal bem afinado e ao menos testado no auto-tune
(opcional)
Vocal no tempo da música (BPM)

⚠ Não esqueça de gravar em 24bit e 48kHz e sempre


exporte todas as faixas em WAV, esqueça MP3.
2.4) edição
Muitos produtores ainda não conhecem essa etapa, mas
saibam que é uma das mais importantes do processo. A
edição serve para preparar o que foi gravado, antes de
levar para a mixagem de fato. Na edição você:

Afina os vocais (milimetricamente, caso seja a estética)


Deixa tudo no tempo (terão partes que devem estar
propositalmente fora do tempo)
Tira ruídos e barulhos externos (se esses barulhos ou
ruídos atrapalharem os vocais, regrave-os)
Processamentos básicos: equalização, compressão etc.
3) eis a mixagem!
Enfim, chegamos na parte que você mais esperava e pode
ter certeza que, se você tiver executado muito bem as
outras etapas, tudo será mais simples agora.

Abaixo, vou estar te mostrando uma sequência de


processamentos, mas peço que vocês entendam uma coisa:
NÃO É UMA REGRA! E eu sempre falo isso porque a galera
tem a mania de achar que existe uma fórmula mágica para
mixar e vou continuar dizendo isso sempre. Peço que vocês
levem como uma referência e não como um padrão.

Fechado? Então, bora!

Waves Real Tune


1. Auto-tune

Como estamos falando de vocais de


Trap, na maioria das vezes a gente
tem a presença do auto-tune, sendo
usado como um efeito de correção
ou até mesmo algo estético. Eu
costumo usar o auto-tune na própria
edição, mas se você ainda não o
colocou, agora é a hora – levando em
consideração que a sua faixa precisa
dele. Antares Auto-Tune
Pro-Q3 (FabFilter)
2. Equalização Redutiva
Como o nome mesmo já
sugere, nessa etapa nós
estaremos fazendo uma
equalização somente para
remover frequências que não
desejamos.

a) Graves (abaixo de 80-95Hz): nesta região, não temos a


presença da voz e, principalmente se for gravado em um
microfone de baixa/média qualidade, teremos frequências
indesejadas que deixarão a voz “pesada” ou mais “cheia” que o
necessário.

b) Frequências Ressonantes: Estas são frequências que


acabam incomodando quando são escutadas. Para você
identificar essas frequências antes de remove-las, puxe uma
banda do seu equalizador com um Q mais fechado,
levantando uns 6dBs e comece a procurar por estas
frequências. Um grande cuidado que precisamos ter é que
não necessariamente as frequências que você acreditar ser, de
fato serão frequências ressonantes ou que afetarão a sua
mixagem.

Recomendo que você, após abaixar em determinada


frequência, faça o teste A/B para ver se realmente estava
fazendo diferença negativamente.
DeEsser (Waves)
3. De-esser
O De-esser nada mais é que um
compressor com a função de reduzir
as sibilâncias (quando falamos palavras
com “s”, “p” ou “c”). E agora você pode
estar me perguntando o porquê de
não tirar essas sibilâncias no
equalizador redutivo acima. E esta
pergunta é perfeita!

Dependendo do sotaque e da imposição de voz do cantor,


você pode ter muitas sibilâncias e acabar tendo que tirar muito
no equalizador, o que faria a sua voz ter menos brilho (menos
definição). Por isso, optamos por um compressor multi-banda
(que neste caso é focado nas frequências agudas) para que
possamos apenas tirar o excesso, sem perder o brilho dos
seus vocais.
C6 (Waves)
4. Compressão Multi-Banda
Ué... mas de novo? Sim, de novo. Na
equalização, nós tiramos parte dos
graves desnecessários e algumas
frequências ressonantes. Depois, com
a utilização de um DeEsser,
reduzimos as sibilâncias dos vocais. Agora, estaremos usando
mais um compressor multi-banda, porém para tratarmos
especificamente das frequências graves e médias.

Muitas vezes, você terá um vocal que parece estar muito


“cheio”, com mais “peso” do que o necessário. Isto significa que
seu vocal tem uma sobra de frequências graves-médio graves.
Eu utilizo o plugin C6 da Waves, mas o Ozone Dynamics EQ
também é uma opção, pois em ambos nós temos a
possibilidade de solar em determinada região de frequência, o
que facilita na hora de acharmos a região que precisaremos
reduzir.

Recomendo você dar uma procurada entre 100 a 200 Hertz


por estas frequências, costumam estar nesta margem.
SSL Channel (Waves)
5. Equalização Aditiva
Antes nós tinhamos tirado frequências
indesejadas que estavam atrapalhando
nosso vocal, mas agora estaremos
fazendo o contrário. Nesta etapa,
precisamos evidenciar as frequências que
darão mais clareza e definição para os
vocais, principalmente nos médios-
agudos e agudos.

Neste caso, estarei usando o SSL Channel


da Waves, mas você pode utilizar
qualquer outro equalizador.
6. Exciter Oxone Exciter

O exciter serve para você dar um brilho a mais nos seus


vocais. Ou seja, talvez compense mais usar um exciter que a
equalização aditiva nos agudos. E como eu já disse, isso tudo
vai depender da música em que você está trabalhando e o
resultado que você está querendo chegar.

"Mas DoisR, então o que eu faço?"

Teste.

O exciter irá gerar harmônicos, que te trará um vocal mais


preenchido (neste caso, estamos falando de agudos, mas essa
é a função do exciter, independente de quais frequências
forem).

O equalizador irá aumentar a amplitude (volume) das


frequências. Por isso, você terá que ver qual o seu objetivo.
C6 (Waves)
7. Compressão
Quando falamos sobre compressor,
surgem mil e uma dúvidas sobre
como utiliza-lo, sobre seu parâmetros
etc. E, para facilitar a vida de vocês,
vou deixar alguns tópicos abaixo
sobre compressor que vocês precisam estar cientes:

a. Threshold – Defina um limite para a amplitude do


áudio. Passando disso, será comprimido.
b. Attack – Após passar o Threshold, o tempo que
irá demorar para começar a comprimir.
c. Realse – Após a amplitude voltar para baixo do
Threshold, o tempo que demorará para parar de comprimir.
d. Ratio – Quanto comprimirá.

E sabendo disso, você já consegue fazer uma boa compressão


no vocal porque o fundamental – entender os parâmetros –
você já está entendendo. Vocais de Trap, Pop etc. costumam
ser bem comprimidos, mas isso não significa que você irá
acabar totalmente com a dinâmica dos vocais. Na maioria dos
casos, o ideal é você conseguir deixar com uma dinâmica bem
relínea, mas ainda sim com um certo toque de humanização
porque não deixa de ser um instrumento humano.
8. Efeitos
Vamos agora falar um pouco dos efeitos que você pode estar
utilizando em suas mixagens de vocais.

a. Chorus e Flanger – Tanto o chorus, [CHORUS] Doubler (Waves)

quanto o flanger são basicamente


efeitos que multiplicam as ondas
sonoras do seu vocal, fazendo ficar
com um efeito “robótico”. A única
diferença entre eles é que no flanger
você tem variações de tonalidade
das ondas sonoras, enquanto o [FLANGER] MetaFlanger (Waves)
chorus mantém a tonalidade
original. O ideal é você dosar numa
quantidade que encaixe bem na sua
mixagem.

b. Reverb – O reverb é o efeito “sala Renaissance Reverb (Waves)

vazia” que tem como objetivo dar


mais ambientação para as suas
produções. Na maioria das vezes,
utilizamos o reverb em um canal
auxiliar para que possamos ter mais
controle sobre o efeito e aplicar em
diferentes tracks sem precisar
replicar o mesmo plugin com as
mesmas configurações.
c. Delay – O delay é o efeito “eco”, H-Delay (Waves)

como se a gente chegasse dentro


de uma caverna e gritasse...
gritassse... gritas... grita... Sacou?
Também é usado para dar
ambientação e em um canal
auxiliar, como o reverb. Gosto
muito de dizer que ambos se
completam e que você tem como
objetivo harmonizar os dois.

Entre outros...
4) considerações finais
E eu não poderia finalizar este material sem dizer que: se
você não entendeu completamente, fique tranquilo. É
extremamente normal surgirem diversas dúvidas e eu
estou disponível para te ajudar com minhas caixinhas de
perguntas nos stories, comentários dos posts do Instagram
e comentários no meu canal do Youtube.

Enfim, chegamos ao fim deste material sobre mixagem de


vocais de Trap. Espero de verdade que eu tenha te
ajudado e eu gostaria muito de saber a sua opinião sobre
este material. É só tu ir no meu Instagram e me mandar
uma mensagem dizendo seus aprendizados com este
conteúdo, vai ser absurdo saber o que você achou!

/doisroficial

Você também pode gostar