Você está na página 1de 3

Questão de FILOSOFIA- 305

TEXTO:
1. Os juízos morais podem ser diferentes a depender do código moral no
qual se baseiam. No entanto, qualquer juízo moral tem em comum com
o outro dois aspectos:

a) Aspecto formal e aspecto físico;


b) Aspecto formal e aspecto de conteúdo;
c) Aspecto formal e aspecto relativo;
d) Aspecto de conteúdo e aspecto físico.

2. A moralidade é um fenômeno complexo que pode ser entendido de


formas diferentes e estudado por abordagens distintas. Qual é a área da
Filosofia que estuda a moralidade e qual é a sua função?

a) Filosofia Estética. Tem apenas uma função, que é a de estudar o motivo


pelo qual determinada ação é considerada bela.
b) Filosofia Política. Tem duas funções: estudar o motivo pelo qual determinada
ação é considerada bela e estudar quais são as implicações dessa ação para a
sociedade.
c) Filosofia da Religião. Tem quatro funções: estudar quais são os traços
distintivos da moral, estudar o motivo pelo qual uma ação é considerada justa,
investigar as razões da moralidade e buscar o desenvolvimento de uma moral
religiosa.
d) Filosofia Moral. Tem uma tríplice função: estudar quais são os traços
distintivos da moral, investigar as razões da moralidade e buscar o
desenvolvimento de uma “moral crítica”.

3. [ENEM/2016] Pirro afirmava que nada é nobre nem vergonhoso, justo ou


injusto; e que, da mesma maneira, nada existe do ponto de vista da verdade;
que os homens agem apenas segundo a lei e o costume, nada sendo mais isto
do que aquilo. Ele levou uma vida de acordo com esta doutrina, nada
procurando evitar e não se desviando do que quer que fosse, suportando tudo,
carroças, por exemplo, precipícios, cães, nada deixando ao arbítrio dos
sentidos.

LAÉRCIO, Diógenes. Vidas e sentenças dos filósofos ilustres. Brasília: Editora


UnB, 1988.
O ceticismo, conforme sugerido no texto, caracteriza-se por:
A) Desprezar quaisquer convenções e obrigações da sociedade.
B) Atingir o verdadeiro prazer como o princípio e o fim da vida feliz.
C) Defender a indiferença e a impossibilidade de obter alguma certeza.
D) Aceitar o determinismo e ocupar-se com a esperança transcendente.

Questão de FILOSOFIA- EJA

1. A diferença que existe entre as diversas concepções de Ética possibilitou o


estabelecimento de alguns aspectos sobre o que é a Moralidade. Assinale a
alternativa que não corresponde a um dos aspectos da Moralidade:
a) A moralidade como aquisição de virtudes para alcançar a felicidade.
b) A moralidade como aquisição de meios para alcançar a riqueza.
c) A moralidade como aptidão para resolver conflitos.
d) A moralidade como prática solidária das virtudes comunitárias.

Leia o fragmento abaixo:


“Os homens não são maus, mas submissos aos seus interesses... Portanto,
não é da maldade dos homens que é preciso se queixar, mas da ignorância
dos legisladores que sempre colocam o interesse particular em oposição ao
geral. […] Até hoje, as mais belas máximas morais não conseguem traduzir
nenhuma mudança nos costumes das nações. Qual é a causa? É que os vícios
de um povo estão, se ouso falar, escondidos no fundo de sua legislação.”
Helvetius
2. Quais são as ideias principais contidas no fragmento acima?
a) Não há nenhuma relação entre as leis e os costumes, pois sãos os homens
que fazem as leis que os beneficiam.
b) Não limitar os interesses humanos particulares, é preciso haver leis que
prefiram os interesses gerais.
c) Os homens buscam seus interesses e isso não significa que eles sejam
maus;
d) Não há relação entre as leis e os costumes, pois as leis permitem ou
impedem que os homens cometam erros.

3. – Ernst Fischer, na obra “A necessidade da arte”. Rio: Zahar, 1983, considera a


arte como o elemento essencial para a compreensão da realidade, na medida em que
ajuda o homem, não apenas nessa compreensão, mas também porque possibilita o
suporte necessário para o aumento da “determinação de torná-la mais humana e
mais hospitaleira para a humanidade.”
A partir dessa afirmação, é correto afirmar que:
a) a obra de arte, além de favorecer a interpretação do mundo, reivindica
transformações.
b) não importa o nível de letargia da arte, o que interessa é que funcione como
bálsamo para espíritos exaustos.
c) se a arte acompanha as transformações do mundo, e se vivemos em uma época
explicitamente mercadológica, então a obra de arte deve adequar-se às exigências de
mercado.
d) a força transformadora da arte, assim como numa perspectiva místico-
espiritualista, prescinde de conotações sociopolíticas e históricas.