Você está na página 1de 11

Junior et al.

Revista Rios Saúde 2018, 1:1


http://www.fasete.edu.br/revistariossaude

ARTIGO DE REVISÃO

AUTOMEDICAÇÃO COM ANTIBIÓTICOS E SUAS CONSEQUÊNCIAS


FISIOPATOLÓGICAS: UMA REVISÃO

SELF MEDICATION WITH ANTIBIOTICS AND THEIR PATHOPHYSIOLOGICAL


CONSEQUENCES: A REVIEW

José Guedes da Silva Júnior1, Claudiane Galindo da Silva Tavares2, Talyta Valéria Siqueira do
Monte3, Weber Melo do Nascimento4, João Ricardhis Saturnino de Oliveira5, Maria Auxiliadora
Macêdo Callou6.

Resumo
A automedicação é uma prática que ocorre frequentemente em nosso cotidiano,
no Brasil e no mundo, com a utilização de medicamentos por conta própria ou
por indicação, para alivio de sinais e sintomas percebidos por um indivíduo sem
ter uma prescrição adequada. Trabalho que tem como objetivo estudar sobre a
automedicação com antibióticos que é considerada uma importante causa no
desenvolvimento de resistência bacteriana aos antibacterianos. Resultando de
uma revisão bibliográfica, elaborado a partir de artigos científicos. Diante do
estudo pôde ser percebido que há vários fatores que levam a automedicação
e a resistência bacteriana, o Brasil se encontra em 5° posição em automedica-
ção, tendo como causa as publicidades de medicamentos, precárias condições no
atendimento à saúde, falta de informações e toxicidade sobre os fármacos, falta
de ética profissional em alguns casos, entre outros. Para que esses problemas de
automedicação sejam minimizados é necessário que as organizações de saúde
em conjunto com os profissionais entrem em acordo e tenham em vista a dimi-
nuição dessas práticas rotineiras com a utilização racional de medicamentos em
geral, através de medidas preventivas.
Palavras-chave: Medicamentos. Resistência bacteriana. Multirresistência. Revisão.

Abstract
Self-medication is a practice that occurs frequently in our daily life, in Brazil and
in the world, with the use of medicines for own account or for indication, for the
relief of signs and symptoms perceived by an individual without having an ade-
quate prescription. Work that aims to study on self-medication with antibiotics is
considered an important cause in the development of bacterial resistance to anti-

1
Autor para correspondência: juniorguedes18@hotmail.com
Doutorando em Bioquímica e Fisiologia pela Universidade Federal de Pernambuco.

Junior et al. Revista Rios Saúde 2018, 1:1
http://www.fasete.edu.br/revistariossaude

bacterial. Resulting from a bibliographical review, elaborated from scientific ar-


ticles. Before the study could be perceived that there are several factors that lead
to self-medication and bacterial resistance, Brazil ranks 5th in self-medication,
due to drug advertising, poor health care, lack of information and toxicity on
drugs, lack of professional ethics in some cases, among others. In order for these
self-medication problems to be minimized, it is necessary for health organiza-
tions, together with professionals, to agree and to reduce these routine practices
with the rational use of medicines in general through preventive measures.
Keywords: Medications. Bacterial resistance. Multiresistance. Review.

INTRODUÇÃO to de expor aos leitores os riscos da automedi-


A automedicação é relacionada à utilização cação, diante da problemática: automedicação
de medicamentos sem uma prescrição por um com antibióticos soluciona ou apenas é o início
profissional de saúde competente1. Prática que de um problema em pessoas que se submetem
ocorre nos diversos países e que poderá oca- a essa prática e quais motivos levam a justificar
sionar sérios riscos e consequências ao próprio a automedicação e suas consequências? Tendo
indivíduo. A automedicação pode se suceder como objetivo esclarecer os seguintes pontos,
de várias formas e maneiras, com os diversos quais as causas, riscos, implicações, idades e
tipos e classes de medicamentos presente no gêneros que mais utilizam os antibióticos, os
âmbito em que vivemos1. principais antibióticos e possíveis soluções para
Uma das classes que mais se observa o diminuir essa prática na sociedade.
consumismo de forma impertinente é os an-
timicrobianos, que são uma das classes bas- MÉTODOS
tante ampla, que tem a função de combater ou Trabalho que se trata de uma revisão bi-
inibir o desenvolvimento dos microrganismos bliográfica de artigos do tipo narrativa, que
que estão causando algum tipo de doença. Os visa por meio desta, explicar e entender sobre
antibióticos estão inseridos nessa classe, são o tema automedicação com antibióticos e suas
substâncias produzidas a partir dos próprios consequências. A partir da identificação das
microrganismos como fungos, bactérias ou de causas da automedicação, mostrar os possíveis
síntese orgânica produzidas em laboratórios, riscos, ressaltar algumas implicações, princi-
com objetivo de mitigar ou erradicar possíveis pais gêneros e faixas etárias que utilizam essa
doenças relacionadas à ação das bactérias2. classe de medicamentos e os principais tipos
Este trabalho foi feito a partir de uma revisão de antibióticos utilizados.
bibliográfica sobre o tema a automedicação com A pesquisa foi realizada nos bancos de da-
antibióticos e suas consequências, com o intui- dos: Pubmed Central, do National Center for


Junior et al. Revista Rios Saúde 2018, 1:1
http://www.fasete.edu.br/revistariossaude

Biotechnology Information (Centro Nacio- cios tanto sociais e econômicos4. No século


nal para Informação Biotecnológica, NCBI), XIX e começo do século XX ainda se tinha
Science direct (elsevier/ sciencedirect), Peri- poucos fármacos disponíveis para terapias,
ódicos Capes, Scielo, Scientific Electronic Li- destacando se os antipiréticos, antialérgicos,
brary Online (Biblioteca Científica Eletrônica xaropes5.
online), NESCON (Núcleo de Educação em A automedicação pode se ocorrer de várias
Saúde Coletiva), BVS (Biblioteca virtual em formas e maneiras: devido problemas sociais,
saúde). As palavras chaves utilizadas como econômicos, com a prática da utilização de
estratégia de busca foram: Automedicação, medicamentos sem uma receita, compartilha-
Antibióticos, uso indiscriminado de antibióti- mento de remédios entre familiares ou entre
cos, antibióticos na automedicação, resistên- pessoas do meio em que vive, reutilizar as
cia bacteriana, multirresistência. As fontes de receitas antigas, não utilizam a prescrição
dados foram as mais atualizadas possíveis, se corretamente se prolongando ou diminuindo
tratando de vários anos de estudos analisados. o tempo e a dose indicado pelo profissional,
na maioria das vezes por falta de informações
REVISÃO sobre os medicamentos e suas ações no orga-
A automedicação é praticada desde a anti- nismo, pela péssima qualidade e demora do
guidade, antes mesmo de surgirem os fármacos, sistema de saúde, demora em filas de hospi-
pois se utilizavam substâncias de origem natu- tais, espera árdua e demorada dos resultados
rais para tratar as doenças. Com o surgimento dos exames, por falta de condições financeiras
das drogas farmacológicas essa prática tem e acessibilidade aos ambientes de saúde6,7.
crescido vertiginosamente nos diversos países. O Brasil é um dos países que mais utili-
É uma realidade que ocorre desde muito tempo, zam medicamentos, estando em meio aos
pois foi a partir dessa ação própria que a medi- 10 países do mundo. Diante de estimativas,
cina começou a se desenvolver, possibilitando conforme a Associação brasileira da indús-
o tratamento de diversas doenças1. tria farmacêutica (ABIFARMA), 80 milhões
O surgimento dos medicamentos se deu a de brasileiros aderem à automedicação, co-
partir da interação entre à farmacologia e a locando o Brasil em quinta posição dentre
epidemiologia, áreas que estudam os efeitos os países do mundo que mais se automedi-
medicamentosos em uma população ampla3. cam. Esta posição revela a precariedade da
Medicamentos são uma das principais alterna- saúde no país, que muitas vezes por falta de
tivas utilizadas para o combate e tratamento qualidade e de atendimento aos indivíduos,
das doenças, podendo aumentar a expectativa induzem os mesmos a procurarem recursos
de vida das pessoas, proporcionando benefí- próprios para amenizar seu estado de saúde,


Junior et al. Revista Rios Saúde 2018, 1:1
http://www.fasete.edu.br/revistariossaude

embora a saúde seja um direito de todos8-10. sômica genes capazes de expressar proteínas
No país brasileiro, 35% dos medicamentos que levam a algum mecanismo de resistência
utilizados pelos indivíduos são conseguidos a medicamentos antibacterianos14.
pela prática própria de se automedicar11. Os antibacterianos têm diferentes mecanis-
O tratamento das infecções bacterianas só mos de ação sobre as bactérias como a ruptura
teve êxito com o surgimento dos antibióticos. da parede celular bacteriana, interrupção da
A penicilina foi o primeiro antibiótico desco- síntese do ácido nucléico, inibição da síntese
berto em 1928 e utilizado com bons resultados das lproteínas bacteriana e interferem no me-
por Alexander Fleming, pesquisador, bacte- tabolismo normal das bactérias. As principais
riologista, médico, com a grande descoberta classes de antibióticos são betalactâmicos,
ganhou o prêmio Nobel. Ele deixou culturas fluotoquinolonas, glicopepitídeos, oxazolidi-
de Staphylococcus aureus em placas de petri nonas, aminoglicosídeos, macrolídeos, linco-
sobre a bancada e viajou, na volta ao labora- saminas, nitroimidazólicos, sulfonamidas15.
tório percebeu que a placa estava invadida por Os riscos e implicações causados por me-
um fungo o Penicillium, que inativou o cresci- dicamentos são diversos e comuns no meio
mento das bactérias ao seu redor, percebendo médico, dentre eles estão às interações me-
que os fungos poderiam ter efeitos de antibi- dicamentosas, intoxicações, processos alérgi-
óticos, matando todas as bactérias. Surgindo cos, perda da sensibilidade do medicamento,
assim a penicilina o primeiro antibiótico, que as funções orgânicas desequilibradas, interna-
revolucionou a história da humanidade, desta ções, mortes16.
forma abrindo caminhos para a criação de no- Mesmo a maior parte dos antibióticos sendo
vos antibióticos12,13. prescrito em pequena quantidade e em determi-
Algumas cepas de bactérias patogênicas nado tempo de uso, a maioria deles apresentam
possuem uma maquinaria genética na forma adversidades de reações ao paciente como fe-
de DNA de plasmídeos extracromossômicos, bre, toxicidade nefrotóxicas e ototóxicas, ver-
que possuem a capacidade de transpor infor- melhidão na pele, náuseas seguida de vômitos,
mações gênicas de resistência para as novas problemas gastrointestinais, diarreia, dor abdo-
linhagens bacterianas independente do DNA minal, flebite, confusões mentais em idosos,
cromossômico. Além dos plasmídeos, algu- sendo contribuintes para internações17.
mas bactérias podem apresentar sequências de Pessoas internadas com sistema imune com-
DNA móveis, conhecidas como Transposons, prometido pela doença que esteja em questão
que mudam de posição no material genético oferecem um risco maior de contrair infecções
cromossômico ou até mesmo em um plasmí- por microrganismo como as bactérias. Existem
deo, conferindo a essa estrutura extracromos- dois grupos de bactérias que causam infecções,

10
Junior et al. Revista Rios Saúde 2018, 1:1
http://www.fasete.edu.br/revistariossaude

às bactérias que causam infecções obrigatoria- camada basal bloqueando a proliferação mi-
mente e as oportunistas, as infecções obrigató- crobiana, estrutura importante desses micror-
rias são causadas por bactérias que não perten- ganismos que conferem sustentabilidade e
cem a microbiota do homem e as oportunistas proteção à célula bacteriana, com caracterís-
estão em nossa microbiota normal, manifes- tica frequente em grande maioria de bactérias
tando se quando o sistema imune se encontra por apresentar essa camada basal composta
debilitado18. Podendo ocorrer decorrente de de polímero chamado de peptideogligano. Na
doenças que já estejam agredindo o organismo membrana citoplasmática agindo de duas for-
como: doenças cardíacas, leucemias, pacientes mas, seja desordenando a estrutura da mem-
em tratamento hormonal, com neoplasias ou em brana ou alterando os íons provocando defeito
tratamento, em pessoas desnutridas, com lesões na permeabilidade da membrana. Atuam na
expostas, problemas odontológicos18. sintetização dos ácidos nucleicos impedindo
Resistência bacteriana é considerada um que a replicação de informações genéticas
acontecimento ocorrido como consequência seja replicada tendo como consequência o blo-
da seleção natural, devido à utilização vasta de queio da ação do DNA polimerase, intervindo
antibacterianos e sua comparência ao meio em no metabolismo dos nucleotídeos e transcrição
que vivemos19. Com sua capacidade alta de se do DNA, atacando os genes das células bacte-
multiplicar e de fazer suas trocas genéticas, as rianas, causando morte celular. E na inibição
bactérias têm uma capacitação elevada de se da síntese proteica dificultam a tradução do
adaptar a muitos fatores, o que lhes conferem RNAm, provocando a formação de proteínas
alto poder de resistência quando exibidos a al- com defeitos, atuando nos ribossomos e sinte-
gum processo de seleção. As bactérias adqui- tizando novas proteínas21.
rem resistências aos determinados antibióticos O grupo de betalactâmicos possui seu me-
quando ocorre alguma modificação no seu ma- canismo de ação voltado para a inibição da
terial genético, podendo ocorrer de dois tipos formação da ligação cruzada entre as cadeias
mais importantes: a resistência natural que já de peptideoglicano, para impedir que a parede
existe, sendo próprio da bactéria, ocorrendo an- bacteriana se forme, inibe também a enzima
tes mesmo de ingerir o fármaco. E a resistência que confere a resistência bacteriana que des-
adquirida que acontece após a ingestão do me- trói os antibióticos betalactâmicos. Os macro-
dicamento, pois a bactéria vai desenvolver os lídeos, lincosaminase, aminoglicosídeos, oxa-
seus mecanismos de defesa através de mutação zolidinonas vão inibir a síntese proteica das
ou compartilhamento do material genético20. bactérias, atuando nas subunidades 30s e 50s
Os antibióticos podem atuar na parede ce- dos ribossomos, impedindo sua multiplicação.
lular da bactéria, eles impedem a síntese da Glicopepitídeos devido à complexidade com

11
Junior et al. Revista Rios Saúde 2018, 1:1
http://www.fasete.edu.br/revistariossaude

as cadeias peptídicas não ligadas e o bloqueio cia horizontal de genes. A mutação pode ser
da transpeptidação, impedem a formação da espontânea ou induzida, podendo dar origem
parede celular da bactéria. Fluoroquinolonas a resistência das bactérias, sendo um contri-
vai fazer o bloqueio da replicação e reparo do buinte para a elevação da variabilidade gené-
DNA (ácido desoxirribonucleico) bacteriano e tica. As mutações naturais são consequência
alteração da síntese dos ácidos nucleicos. As das alterações, inserções ou retirada das bases
sulfonamidas irão bloquear a formação dos dando origem novos arranjos de cromossomos
cofatores de ácido fólico, que tem importân- e as mutações de caráter induzido ocorrem por
cia para a síntese de ácidos nucleicos gerando agentes físicos, químico, por radiações ultra-
alterações no metabolismo celular. Nitroimi- violetas ou ionizantes, agentes alquilantes,
dazólicos inativam e impedem a síntese enzi- formas reativas de oxigênio, sendo um meca-
mática bacteriana22. nismo de resistência mais raro com relação à
Para que essas atividades citadas acima se- transferência horizontal de genes, porém pre-
jam desenvolvidas é necessário que os antibi- ocupante por transformar bactérias resistentes
óticos se liguem aos seus pontos bioquímicos, e predominantes, transmitindo seus genes de
com um limite satisfatório para que ocorra um geração para geração26.
cancelamento da função normal da bactéria e E o processo em que as bactérias adquirem
evite seu desenvolvimento23. Apesar de os an- o material genético é chamado de transmis-
tibióticos atuarem em determinadas partes das são horizontal dos genes, podendo ser entre
bactérias, as mesmas estão conseguindo se tor- bactérias de espécies similares ou diferentes,
narem resistentes devido ao exagero do consu- onde são vários os elementos genéticos que
mo de antibióticos, que está levando a sérias se movem (transposons, plasmídeos, íntegros
responsabilidades para os sistemas de saúde, e sequenciamento de inserções). Com funda-
causando inúmeros problemas ao indivíduo24. mental importância no processo de dispersão
O aumento da resistência bacteriana aos dos genes que conferem a resistência aos an-
antibacterianos está relacionado com as mu- tibacterianos entre espécies diferentes. Poden-
tações e transferências horizontais dos genes, do ocorrer de três formas, por transformação,
representando nos dias atuais um grave pro- onde vai receber pedaços do DNA que estão
blema em relação ao equilíbrio do tratamento presentes no meio e incorporar junto ao seu
das enfermidades originadas por bactérias, ex- material genético os fragmentos do DNA que
plicando desta forma a elevação da resistência foram obtidos. Conjugação acontece o con-
aos antibióticos25. tato entre as células das bactérias ocorrendo
A resistência ocorre por duas grandes ma- à troca das frações genéticas entre elas e na
neiras: mutação cromossômica ou transferên- transdução é transportada uma parte do DNA

12
Junior et al. Revista Rios Saúde 2018, 1:1
http://www.fasete.edu.br/revistariossaude

das bactérias mortas através de fagos para o através da difusão por porinas, difusão na ca-
DNA da nova bactéria27,28. A resistência de ori- mada fosfolipidica ou promoção de auto ca-
gem bacteriana poder ser natural (intrínseca) pacitação. A entrada do fármaco nas bactérias
ou adquirida. A resistência natural é median- vai depender das características do mesmo β
te de três fatores: a falta de um procedimento lactâmicos, fluoroquinolonas e tetraciclinas
metabólico influenciado pelo antibacteriano, conseguem penetrar na membrana bacteriana,
as enzimas existentes que tem a capacidade de mas qualquer tipo de alteração nas porinas ina-
inativação do antibiótico criando um bloqueio tivará o fármaco que esteja em ação31,32. Podem
contra ele e a comparecia da morfologia par- ocorrer alterações do local de ação dos agentes
ticular inerente das bactérias, que levam a au- antimicrobianos. Nesse procedimento que tem
sência de eficácia terapêutica. Um significante como característica diminuir ou ausentar a afi-
exemplo de microrganismos com resistência nidade do antibacteriano no seu alvo de liga-
intrínseca é a Klebsiella pneunoniae e o Sta- ção, ocorre devido uma alteração na estrutura
phylococcus aureus, que resistem aos betalac- do peptidoglicano, que interfere na sintetização
tâmicos15,29. A resistência adquirida tem seus das proteínas ou do DNA, sem causar nenhum
vários mecanismos de resistirem aos antibió- dano à função celular da bactéria33,34.
ticos, existindo quatro mais comuns: alteração No mecanismo de bomba de efluxo ocorre
da permeabilidade da membrana, bomba de a ejeção dos antibióticos do meio intracelular
efluxo, mecanismo enzimático e a alteração para o meio extracelular, através de bombas
do local de ação15,30. de efluxo, proteínas que estão presentes na
A função permeável da membrana celular membrana da bactéria. Resistência que afeta
tem importância para que o antibiótico tenha a maioria das classes de antibacterianos, com
sua ação favorável, seja ele bacteriostático elevada eficácia na presença de macrólidios,
ou bactericida. As bactérias Gram negativas tetraciclinas e fluoroquinolonas, fármacos que
possuem uma membrana interna formada por inibem a síntese de proteínas e de DNA35.
fosfolipidios e externamente por lipídios, de- Também podem ocorrer alterações nos me-
vido sua composição apresenta uma devagar canismos enzimáticos. Nesse processo que vai
penetrabilidade do antibacteriano, sendo sua ocorrer à produção de enzimas por bactérias
passagem realizada através de porinas que que irá degradar ou inativar os antibacteria-
tem sua formação por canais hidrofílicos con- nos, sendo um dos mecanismos mais comuns.
sequentemente os compostos hidrofílicos terá A enzima produzida pelas bactérias é a β lacta-
mais probabilidade de atravessar a membrana. mase, que catalisam a hidrólise existente na li-
Os antibióticos têm capacidade de penetrar na gação do anel Betalactâmico, tornando impos-
membrana celular bacteriana por três formas, sível a ação, por destruir a localidade que os

13
Junior et al. Revista Rios Saúde 2018, 1:1
http://www.fasete.edu.br/revistariossaude

antimicrobianos se ligam as proteínas ligantes a um ou mais antibacteriano de três ou mais


de penicilina (PLPs)36. As β lactamases são classes de antibióticos, quando resistem a um
excretadas para o meio externo das bactérias ou mais antibiótico em quase todos os grupos,
gram positiva, sendo menos eficiente quando e os resistentes a todos os antibióticos que fo-
são comparadas as gram negativas que fazem ram experimentados31.
a secreção enzimática da β lactamase de forma As bactérias podem ser multirresistentes a
estratégica no meio periplasmático, alcançan- vários antibióticos podendo ocorrer de duas
do melhores concentrações, com mais eficácia diferentes formas, possuindo genes diferen-
sobre os fármacos contidos nesse local34-36. Um tes que possibilitem resistência a um antibi-
fenômeno que causa imensa preocupação é a ótico particularmente, pois agem acumulan-
multirresistência bacteriana. São consideradas do seus genes em plasmídeos e transferindo
bactérias multirresistentes, aqueles microrga- para as outras bactérias tornado as resistentes
nismos que se apresentam resistentes a dois ou a vários antibióticos, e através do mecanismo
mais grupos de antibacterianos, no qual deve- de bomba de efluxo, a bactéria vai expulsar
ria ter sensibilidade. A multirresistência entre vários antibióticos de sua célula favorecendo
os organismos é identificada como um grande a uma resistência cruzada aos diversos fár-
desafio para o controle das doenças de caráter macos, esse fenômeno ocorre principalmente
infeccioso. Cada vez mais é visto a ação das nas pessoas que se encontram em ambientes
multibactérias que são intermediadas por ele- hospitalares. As bactérias multirresistentes
mentos gênicos com motilidade, os plasmíde- são consideradas como um problema mun-
os, transposons e integrons. dial, devido às dificuldades encontradas no
Os integrons são os principais elementos tratamento, sendo necessário em alguns casos
gênicos, pois capturam os genes que conferem utilizar antibacterianos que conferem toxici-
a resistência aos antibióticos37. Os plasmídeos dade ao indivíduo acometido. A prevalência
são expressos como parte do DNA extracro- de bactérias multidrogas, microrganismos
mossômico, contendo genes que capacitam as resistentes a várias classes de antibióticos,
bactérias a se replicar de forma autônoma e são globalmente reconhecida, tendo como
transferir seu material genético para suas pro- exemplo as bactérias gram negativas que
cedentes. E os transposons são os fragmentos produzem ESBL (beta lactamase de espectro
do DNA que são enviados para a outra bacté- amplo), que são enzimas capazes de destruir
ria, e genes que se integram aos plasmídeos, a ação dos antibióticos betalactâmicos, ocor-
genoma ou cromossomo, por recombinação20. rendo através dos plasmídeos que conferem
A multirresistência bacteriana se apresenta em ligeiramente a resistência bacteriana aos anti-
três maneiras: Quando possuem resistência bacterianos de geração três as cefalosporinas.

14
Junior et al. Revista Rios Saúde 2018, 1:1
http://www.fasete.edu.br/revistariossaude

Às infecções por bactérias produtoras de ES- que estão envolvidos, reduzir as prescrições de
BLs são perigosas e de difícil tratamento, que antibacterianos e seu prazo de uso, restringir
por sua vez está mais presente no cotidiano. algumas classes dos antimicrobianos, utilizar
Para conferir tamanha periculosidade pode se combinações de antibióticos, procurar lançar
exemplificar uma grande parte de indivídu- novas classes de antibacterianos, devem utili-
os que são portadores assintomáticos dessas zar os equipamentos de proteção individual e
bactérias as quais se destacam a Escherichia coletiva, parâmetros de assepsia, organização
coli e Klebsiella pneumoniae, que contribuem e limpeza adequada dos locais propícios de
ainda mais para casos de multirresistência33. infecções bacterianas. Diante disso o profis-
Mesmo com os avanços da tecnologia rela- sional de saúde habilitado só deve prescrever
cionados ao desenvolvimento dos antimicro- os antibacterianos após uma investigação con-
bianos, ainda existe grandes dificuldades te- creta do caso e relacionar o custo e os benefí-
rapêuticas, pois as bactérias estão se tornando cios aos pacientes38.
cada vez mais resistentes aos antibacterianos
em geral, resistência essa, que é considerada CONSIDERAÇÕES FINAIS
uma alerta para que se tomem medidas profi- Ao final dessa revisão bibliográfica, é pos-
láticas como: controle dos processos infeccio- sível concluir que a automedicação em geral
sos em ambientes hospitalares e sensibilização causa vários efeitos indesejáveis aos indivídu-
dos microrganismos presentes a partir de ór- os, com inúmeras reações adversas incluindo
gãos como a vigilância do perfil microbiológi- gastos e o próprio desgaste a saúde dos que
co, setor responsável em analisar os microrga- utilizam os medicamentos por conta própria.
nismos que estão em questão. Para que através Trabalho que apresenta como problema prin-
dessas estratégias estabeleçam medidas para cipal a resistência bacteriana que merece atenção
amenizar e erradicar esses casos de multirre- de órgãos e profissionais de saúde em nível bra-
sistência bacteriana29,37. sileiro e mundial por ser considerado um proble-
É necessário ter a utilização racional de an- ma de saúde pública. O aparecimento da resis-
tibióticos e dos procedimentos de caráter inva- tência bacteriana aos antibióticos é algo inerente,
sivos, reduzir o período de hospitalização, ter pois as bactérias têm evolução constante e o uso
um conjunto de saúde eficiente e consciente descontrolado de antibacterianos junto com ou-
para orientar os indivíduos de forma correta tros fatores podem favorecer o aparecimento
quanto aos riscos que podem estar expostos, dos diversos microrganismos multirresistentes.
os profissionais de saúde devem utilizar mais Sendo percebível durante o estudo que a maioria
dos exames laboratoriais para diagnosticar as das cepas resistentes é encontrada em ambien-
infecções e quais os tipos de microrganismos tes hospitalares, causadas pelo uso errôneo dos

15
Junior et al. Revista Rios Saúde 2018, 1:1
http://www.fasete.edu.br/revistariossaude

fármacos e pelo desconhecimento preciso da 2. INFARMED. Ministério da Saúde: Prontuário tera-


pêutico. Lisboa.2012; 11(1).
doença do paciente. Diante disso é fundamental 3. Strom BL. Statins and over-the-counter availability.
N Engl J Med 2005; 352:1403-5.
que os médicos utilizem a administração correta 4. Gossel TA. Implications of the reclassification of
e prudente dos antibióticos em ambulatórios e drugs from prescription-only to over-the-counter
status. Clin Ther 1991;13:200-15.
consultórios e façam registros dos casos de re- 5. Castro, CGSO. coord. Estudos de utilização de medi-
camentos: noções básicas [online]. Rio de Janeiro:
sistência para se tentar reverter esse quadro. Editora Fiocruz, 2000. 92 p. ISBN 85-85676-89-2.
Available from SciELO Books.
Desta forma se é necessário que tenham ur- 6. Filho AG, Matos D, Giatti , Afradique ME, Peixoto
gentes mudanças nas atitudes dos profissionais V, Costa MF. Causas de internações hospitalares en-
tre idosos brasileiros no âmbito do Sistema Único
de saúde, dos indivíduos consumidores, das de Saúde. Epidemiol. Serv. Saúde. 2004 Dezembro;
13(4).
pessoas pertencentes a indústrias farmacêuti- 7. Naves O, Castro LL, Carvalho CM, Hamann M. Au-
tomedicação: uma abordagem qualitativa de suas
cas, dos cientistas, órgãos de saúde, ambientes
motivações. Ciência & Saúde Coletiva. 2010 Feve-
hospitalares e do governo, organizações que reiro; 15(1).
8. Fonseca FI, Dedivitis RA, Smokou A, Lascane , Ca-
estejam comprometidas no procedimento de valheiro RA, Ribeiro EF, et al. Frequência de auto-
medicação entre acadêmicos de faculdade de medi-
controle bacteriano. Pois a resistência bacte- cina. Diagn Tratamento. 2010 Fevereiro; 15(2).
riana é um fenômeno representativo de ame- 9. Miranda, LCP, Vieira, FO. Risco da automedicação:
Informação em prol da mudança de hábito. 2013.
aça contínua para a vida dos indivíduos em 10. Silva, MV, Mendes, IJM, Freitas, OO. Medicamen-
to, A automedicação e a Farmácia. Informa.. In:
geral. E só será revertida após conscientização Pharmacia Brasileira. 2002; 3(31) 65-66.
11. Aquino DS. Por que o uso racional de medicamen-
de todos que almejam condições de saúde pre- tos deve ser uma prioridade? Ciência & Saúde Co-
sentes e futuras melhores. letiva. 2008 Março; 13(2).
12. Bel V. Introdução dos antibióticos em Portugal:
ciência, técnica e sociedade (anos 40 a 60 do sé-
Detalhes dos autores: culo XX). Estudo de caso da penicilina. 2014. 405
1
Doutorando em Bioquímica e Fisiologia pela Univer- f. (Tese de Doutorado) - Faculdade de Farmácia da
sidade Federal de Pernambuco. Autor para correspon- Universidade de Coimbra, Coimbra. 2014.
dência: juniorguedes18@hotmail.com, 13. Pereira A, Pita JR. Alexander Fleming (1881-1955)
2
Biomédica-Faculdade Sete de Setembro, Da descoberta da penicilina (1928) ao Prémio No-
3
Residente em Traumatologia e Ortopedia pelo Hospi- bel (1945). Revista da Faculdade de Letras. 2005;
tal Otávio de Freitas-PE, Novembro: 6(1).
4
Doutorando em Ciências Biológicas pela Universida- 14. Mota, LM, et al. Uso racional de antimicrobianos.
de Federal de Pernambuco, Medicina, Ribeirão Preto. 2010; 43(2): 64-72.
5
Mestrando em Bioquímica e Fisiologia pela Universi- 15. Cabral, AM. Anotações em farmacologia e farmácia
dade Federal de Pernambuco, Clínica. Nova Friburgo, 2010.
6
Nutricionista mestranda docente da Faculdade de Jua- 16. Angelucci, MEM, et al. Riscos da automedicação.
zeiro do Norte FJN. Curitiba, 2004.
17. Mota, RA, et al. Utilização indiscriminada de an-
Conflitos de interesse: timicrobianos e sua contribuição a multirresistên-
Não há conflitos de interesse. cia bacteriana. Braz J vet Res anim Sci, São Paulo.
2005; 42(6): 465-470.
Recebido: 20 de setembro de 2017. Aceito: 20 de de- 18. Todar, K. Todar’s Online Textbook of Bacteriology.
zembro de 2017. Publicado: 30 Março 2018. Chapter 2, 2009
19. Zimerman, RA. Uso indiscriminado de antimicro-
REFERÊNCIAS bianos e resistência microbiana. In: BRASIL. Mi-
1. Trebien, AH, et al. Medicamentos: benefícios e ris- nistério da Saúde. Uso Racional de Medicamentos:
cos com ênfase na automedicação. Curitiba. Color. temas selecionados. Brasília: Rev. Hórus. 2012;
2011; p. 316- 319. (3):21-30.

16
Junior et al. Revista Rios Saúde 2018, 1:1
http://www.fasete.edu.br/revistariossaude

20. Faco, EFS. Terapêutica medicamentosa em odon- 28. Trabulsi, LR, Alterthum F. Microbiologia. 5ª ed.
tologia: antibióticos. 2006. 130 f. (Mestrado) - Uni- Rio de Janeiro: Atheneu. 2008.
versidade estadual paulista Júlio de mesquita filho. 29. Baptista, MGFM. Mecanismos de Resistência aos
Araçatuba, 2006. Antibióticos. 2013. 51 f. (Mestrado) - Universidade
21. Fisher. JF, Meroueh, S.O, Mobashery, S. Bacterial Lusófona de Humanidades e Tecnologia, Faculdade
resistance to betalactam antibiotics: compelling de Ciências e Tecnologias da Saúde, Lisboa, 2013.
opportunism, compelling opportunity. Rev. Chem. 30. Goodman, LS, Gilman, AG. Manual of Pharmaco-
2005; 105(2): 395-424. logy and Therapeutics. Nova Iorque: McGraw Hill.
22. INFARMED. Ministério da Saúde: Prontuário tera- 2008.
pêutico. Lisboa, 11. (1ª ed.), 2012. 31. Declour, A. Outer Membrane Permeability and An-
23. Hoefler, R, et al. Ações que estimulam o uso racio- tibiotic Resistance. National Institutes of Health.
nal de antimicrobianos. Boletim Farmacoterapêuti- 2009; 1749(5): 808-816.
ca. n. 439, 2006. 32. Dzidic S, Suskovic J, Kos B. Antibiotic resistance
24. Guerra CA, Howes RE, Patil AP, Gething PW, Van Mechanisms in Bacteria: Biochemical and Genetic
Boeckel TP, Temperley WH, et al. (2010) The Inter- Aspects. J. Food Technol. 2008; 46(11): 11-21.
national Limits and Population at Risk of Plasmo- 33. Oliveira, KR, Munaretto P. Uso Racional de antibi-
dium vivaxTransmission in 2009. PLoS Negl Trop óticos: Responsabilidade de prescritores, usuários e
Dis 4(8): e774. https://doi.org/10.1371/journal. dispensadores. Rev. Contexto Saúde. 2010; 18(9):
pntd.0000774. 43-51.
25. Sánchez M, Fiz N, Azofra J, Usabiaga J, Recalde 34. Tortora, GJ; Funke, BR; case, CL. Microbiologia.
EA, Anitua E. A Randomized Clinical Trial Evalu- 10ª ed. Porto Alegre: Artmed. 2012.
ating Plasma Rich in Growth Factors (PRGF-En- 35. Antonio NS, Oliveira AC, Canesini R, Rocha JR.
doret) Versus Hyaluronic Acid in the Short-Term Mecanismos de resistência bacteriana. Rev. Cient.
Treatment of Symptomatic Knee Osteoarthritis. Elet. Med. Vet. 2009; 2(7):1-4.
ELSEVIER. 2012 August: p. 1070-1078. 36. Mayer, G. Genetic Exchange. Em Microbiology and
26. Martinez, JL. Baquero, F. Mutation Frequencies Immunology. 2010.
and Antibiotic Resistance. Antimicrobial Agents 37. Scih – Hum. Microrganismo multirresistente. Uni-
and Chemotherapy. 2000; 44: 1771-1777 versidade Estadual de Maringá, Serviço de controle
27. Cherobim, MD. Atividade in vitro e in vivo dos de infecção hospitalar. Maringá. 2013-2014.
peptídeos Pa-MAP 1.5 e Pa-MAP 1.9 derivados de 38. Lima, ME, Andrade, D, HAAS, VJ. Avaliação pros-
Pleuronectes americanus contra Klebsiella pneumo- pectiva da ocorrência de infecção em pacientes crí-
niae ATCC 13883. 2014. 89 f. (Mestrado). - Univer- ticos de unidade de terapia intensiva. Revista Brasi-
sidade de Brasília instituto de ciências biológicas, leira de Terapia Intensiva. 2007 ; 19(3).
programa de pós-graduação em biologia animal.
Brasília, 2014.

17

Você também pode gostar