Você está na página 1de 17

Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica

Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica

PRODUÇÃO DE RECURSOS EDUCACIONAIS

Produção de Conteúdos Educacionais

Prof. Dra. Renata Gomes de Abreu Freitas

Rio Branco, AC
Setembro de 2019
Contextualização

“Muitas são as denominações usadas para descrever os recursos educacionais: recursos de

apoio à aprendizagem, conteúdos pedagógicos, conteúdos escolares, conteúdos

instrucionais, conteúdos didáticos, conteúdos educativos, entre outros”.

“Estamos diante do desafio de falar sobre recursos educacionais em que mídias e

tecnologias convergem, o que significa que sua produção é mais complexa do que se

estivéssemos trabalhando, por exemplo, apenas com materiais físicos, como no caso dos

tradicionais livros didáticos impressos”.

(FILATRO e BILESKI, 2017).


Visão geral da produção de conteúdos educacionais

(FILATRO e BILESKI, 2017).


Dimensões da produção de conteúdos educacionais

• Dimensão tecnocientífica: Essa dimensão está atrelada, de um modo geral, à


organização curricular.

• Dimensão pedagógica: Premissas epistemológicas e abordagens explicativas


sobre o aprender e ensinar.

• Dimensão comunicacional: Explora as linguagens e as mídias como suporte


aos conteúdos educacionais.

• Dimensão tecnológica: Foca nas inovações tecnológicas em relação aos


processos de aprender, ensinar, apresentar conteúdos e propor atividades.

• Dimensão organizacional: considera como os recursos humanos, financeiros e


materiais são aplicados, contribuindo para a aprendizagem.
Dimensões comunicacional e tecnológica

• Do ponto de vista da dimensão comunicacional, a veiculação de conteúdos


educacionais hoje é baseada em dois tipos de suportes: a mídia convencional
impressa (livros, jornais e revistas) e as mídias recentes digitais (podcasts,
animações, vídeos e infográficos).

• Podemos compreender melhor o potencial de mídias tradicionais e digitais,


aplicadas à educação, baseada em uma categorização por potencialidades
(affordances) relacionadas.

• Contudo, não podemos abordar a produção de conteúdos hoje sem considerar a


dimensão tecnológica. Afinal, ela viabiliza a comunicação, algo que buscamos
ao desenvolver livros, vídeos, podcasts e animações educacionais.
Tipos de Mídias

(LAURILLARD, 2007 apud FILATRO e BILESKI, 2017).


Panorama tecnológico para a educação no Brasil

(HORIZON REPORT, 2012 E NMC, 2014, apud FILATRO e BILESKI, 2017).


Produção de conteúdos educacionais
• Os conteúdos educacionais são classificados com base em alguns consensos
relativos à linguagem. Nesse sentido, alguns dos conteúdos educacionais mais
utilizados são apresentados no quadro a seguir.

• Veremos alguns destes conteúdos educacionais com maior profundidade no


decorrer da disciplina: Recursos educacionais impressos (Semana 5) e
Recursos educacionais digitais (Semana 6).

• No entanto, gostaria de deixar claro que, devido a carga-horária da disciplina,


não abordaremos aqui as diretrizes recomendadas (passo-a-passo) no que se
refere a autoria, a roteirização e a produção de recursos educacionais. Este
nível de detalhamento pode ser encontrado no Livro “Produção de
Conteúdos Educacionais”, de Filatro e Bileski (2017).
Classificação de conteúdos educacionais baseados na linguagem

(FILATRO e BILESKI, 2017).


O que são recursos educacionais?
• Um recurso educacional pode ser definido como qualquer recurso capaz de ser
utilizado como catalizador do processo de aprendizagem (SARTORI e
ROESLER, 2005).

• Para Brito e Belão (2012) e Fernandez (2009), podem ser definidos como
recursos que utilizam uma mídia como suporte para a comunicação e têm o
objetivo final de promover a aprendizagem.

• Com base nessas definições, pode-se considerar então que, um recurso


educacional é qualquer recurso desenvolvido com uma finalidade educativa e
que, por isso, pode ser utilizado na mediação do processo de ensino e
aprendizagem, podendo estar organizado e ser disponibilizado em uma ou mais
mídias (impressa, eletrônica ou digital).
Recursos Educacionais Abertos (REAs)
• Os Recursos Educacionais Abertos (REAs) são materiais de ensino e pesquisa,
apresentados em qualquer suporte ou mídia, que estejam sob domínio público ou
licenciados de maneira aberta, permitindo que sejam utilizados ou adaptados por
terceiros.

• Os REAs têm por objetivo ampliar o acesso à educação por meio do


compartilhamento aberto de recursos educacionais na web, além de
democratizar o conhecimento e expandir o acesso à educação.

• Nesse sentido, mais recentemente, foram desenvolvidas algumas ferramentas de


código aberto, como o eXeLearning e o Educare, que permitem criar
conteúdos educacionais de modo simples, sem necessidade de que o usuário seja
um especialista em tecnologia.
Repositórios de conteúdos educacionais abertos
 São apresentados abaixo alguns dos principais repositórios de conteúdos
educacionais abertos:

• Banco Internacional de Objetos Educacionais (MEC/MCTI);


• Biblioteca Eletrônica Científica Online (SciELO);
• Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação (Cinted), da UFRGS;
• Ecossistema Digital Educacional da Fiocruz (EDUCARE);
• eduCAPES (MEC);
• Laboratório Didático Virtual (LabVirt), da Escola do Futuro, USP;
• Plataforma MEC de Recursos Educacionais Digitais (MEC RED);
• Portal do Professor (MEC);
• Portal Domínio Público (MEC);
• Recursos Educacionais com Licenças Abertas (REliA);
• Rede Interativa Virtual de Educação (Rived).
Tipos de Produtos Educacionais (CAPES, 2019)

• Para os cursos de Mestrado e Doutorado Profissional, destaca-se a produção


técnica/tecnológica na Área de Ensino, entendida como produtos e processos
educacionais que possam ser utilizados por professores e outros profissionais
envolvidos com o ensino em espaços formais e não formais. Produtos
educacionais podem ser categorizados, segundo os campos da Plataforma
Sucupira, como:
• (i) desenvolvimento de material didático e instrucional (propostas de ensino,
tais como sugestões de experimentos e outras atividades práticas, sequências
didáticas, propostas de intervenção, roteiros de oficinas; material textual, tais
como manuais, guias, textos de apoio, artigos em revistas técnicas ou de
divulgação, livros didáticos e paradidáticos, histórias em quadrinhos e similares,
dicionários, relatórios publicizados ou não, parciais ou finais de projetos
encomendados sob demanda de órgãos públicos);
• (ii) desenvolvimento de produto (mídias educacionais: vídeos, simulações,
animações, videoaulas, experimentos virtuais, áudios, objetos de aprendizagem,
ambientes de aprendizagem, páginas de internet e blogs, jogos educacionais de
mesa ou virtuais, e afins);
• (iii) desenvolvimento de aplicativos (aplicativos de modelagem, aplicativos de
aquisição e análise de dados, plataformas virtuais e similares);
• (iv) desenvolvimento de técnicas (protótipos educacionais e materiais para
atividades experimentais, equipamentos, materiais interativos (jogos, kits, etc);
• (v) cursos de curta duração e atividades de extensão (cursos, oficinas, ciclos
de palestras, exposições diversas, olímpiadas, expedições, atividades de
divulgação científica e outras);
• (vi) outros produtos como produções artísticas (artes cênicas, artes visuais,
música, instrumentos musicais, partituras, maquete, cartas, mapas ou similares),
produtos de comunicação e divulgação científica e cultural (artigo em jornal ou
revista, programa de rádio ou TV).
Critérios de Avaliação de
Produtos Educacionais (CAPES, 2018)
• Validação obrigatória: Realizada por comitês ad hoc, órgão de fomento ou
banca de dissertação.

• Registro do produto: Vinculação a um sistema de informações em âmbito


nacional ou internacional, como por exemplo, ISBN, ISSN, ANCINE, Registro
de Domínio, Certificado de Registro Autoral, Registro ou Averbação na
Biblioteca Nacional, além de registros de patentes e marcas submetidos ao INPI.

• Utilização: Comprovação do sistema de educação, saúde, cultura ou CT&I, que


expressa o demandante ou o público alvo dos produtos.

• Acesso livre (online): Em redes fechadas ou abertas, nacionais ou


internacionais, especialmente em repositórios vinculados a Instituições
Nacionais, Internacionais, Universidades ou domínios do governo.
Elaboração de Produtos Educacionais

(Adaptado de JULIANI E BLEICHER, 2018).


Referências Bibliográficas
• BRITO, G. S.; BELÃO, V. A utilização de material didático impresso na
educação a distância do século XXI. In: BRITO, G. S. (Org.). Cadernos de
educação a distância. Curitiba: UFPR, 2012.

• FERNANDEZ, C. T. Os métodos de preparação de material impresso para


EAD. In: Litto, M.F; FORMIGA, M. Educação a Distância: estado da arte.
volume 1. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009.

• FILATRO, A. C.; BILESKI, S. M. C. Produção de conteúdos educacionais.


Editora Saraiva, 2017.

• JULIANI, D. P.; BLEICHER, S. Produção de Recursos Didáticos. Material de


estudos I A EPT e os recursos educacionais. Santa Catarina: IFSC, 2018.

• SARTORI, A.; ROESLER, J. Educação a Distância: gestão da aprendizagem


e da produção de materiais didáticos e online. Tubarão: Editora Unisul, 2005.

Você também pode gostar