Você está na página 1de 5

COMO AUMENTAR A FREQUÊNCIA DOS ALUNOS NAS AULAS

Os fatores que influenciam o aluno na regularidade de sua freqüência em sala


de aula são diversos e mudam com o passar do tempo, assim devemos ter
ciência de que esta ação é um processo dinâmico e deve ser analisado e
avaliado de tempos em tempos no intuito de corrigir e aperfeiçoar.

É preciso entender que a frequência do aluno não se dá apenas pelo esforço e


responsabilidade do professor, mas sim pelo esforço e responsabilidade de
todos que trabalham na escola. A relação na sala de aula é sim a mais intensa
que o aluno recebe, mas não é a única assim é fundamental que todo o
ambiente escolar esteja alinhado para aumentar o estímulo à sua participação
e frequência.

Manter a regularidade na freqüência das aulas é um processo composto de


muitas tarefas, é necessário que todos estejam empenhados neste objetivo
sempre observando as reações dos alunos e seu comprometimento com o
curso que faz, de maneira que ao perceber algo acione o Facilitador
Pedagógico da escola para que sejam feitas as análises pertinentes.

SANFELICE (1996), faz uma reflexão sobre a sala de aula, onde sintetiza que
o lar é a primeira sala de aula na vida de uma pessoa, pois trata-se de um
espaço em que o ensino e a aprendizagem estão presentes de diversas
maneiras.

Assim quanto mais agradável for o ambiente escolar mais forte será a relação
do aluno com a escola e ele sentirá prazer em freqüentar a aula, elevando
assim o índice de participação.

Desta maneira segue uma relação de estratégias que auxiliam no aumento de


freqüência dos alunos e prolongar o ciclo motivacional deles com relação ao
curso que estão fazendo.

Consultoria Pedagógica
Glauco Furlan
1) AMBIENTE ESCOLAR: o ambiente escolar deve ser agradável e
interessante, as pessoas se sentem bem em ambientes que as remetem
a coisas boas. Se estamos em uma escola profissionalizante o que faz o
aluno sentir prazer é ter contato com elementos que o remetam ao
sucesso profissional, desta forma toda a organização da escola deve
colaborar com este sentimento.

2) POSTURA PROFISSIONAL: as pessoas seguem modelos com os quais


se identificam, assim é saudável que o aluno encontre na escola
modelos que lhe permitam construir, agregar e até mesmo melhorar a
sua postura profissional e assim deseje mudar o rumo de sua carreira
profissional. Todos os profissionais da escola devem ter uma postura
ética, eficaz e alinhada com a missão da escola.

3) PLANEJAMENTO DAS AULAS: é fundamental que o professor tenha


suas aulas planejadas de forma que os alunos percebam que aula é
coerente, possui começo, meio e fim. Uma aula planejada tem
sequência clara e objetiva de maneira que os alunos estabelecem
conexões e constroem o conhecimento de forma eficiente e
sistematizada. Uma aula planejada permite ao professor antever
situações que reforçam as estratégias de ensino.

4) VIVÊNCIA DO CONTEÚDO DO CURSO: é muito importante que o


instrutor proponha situações na sala de aula que permitam aos alunos
colocarem em prática a teoria que estão recebendo. Para gerar
segurança e aumentar a aprendizagem do conteúdo exposto é
importante que os alunos pratiquem o que estão aprendendo.

5) UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AULA: o plano de


aulas fornecido pela franqueadora apresenta estratégias que podem ser
repensadas sempre e de acordo com a necessidade de cada turma. O
professor deve cultivar o ato de refletir o tempo todo sobre sua prática e
exercício profissional buscando estratégias e aprimorando metodologias
de aula sempre de acordo com a necessidade apresentada por suas
turmas.

Consultoria Pedagógica
Glauco Furlan
6) CLIMA DE SALA DE AULA: este é sem dúvida um dos elementos que
gera o maior nível de satisfação e motivação nos alunos, assim é
responsabilidade do instrutor observar e medir constantemente como
está o clima de suas aulas. O clima a prevalecer na aula é de
participação, questionamento, respeito mútuo, interação entre os alunos
e debate de ideias, isto aumenta a participação dos alunos.

7) CARACTERÍSTICAS DO PROFESSOR: que haja coerência entre o


discurso e a ação, segurança no estabelecimento do diálogo com o
aluno, preocupação com o aluno, relacionamento pessoal e amigo,
competência, capacidade didática, flexibilidade incentivo a participação e
dinamismo, clareza e objetividade na transmissão de conhecimentos,
interesse, dedicação e paixão pela ação docente.

8) GOSTAR DE ENSINAR E CONSIDERAR IMPORTANE O SEU


TRABALHO: é fundamental que o professor consiga demonstrar através
de sua essência que ele gosta de ensinar e que acredita nos conceitos e
experiências que divide com os alunos, isto não se faz com palavras e
sim com gestos e sabedoria. Inevitavelmente os alunos perceberão
quando há esta essência no professor.

9) CONHECER PROFUNDAMENTE O CONTEÚDO: o professor que


estuda, pesquisa e acumula conhecimento desenvolve melhor o
raciocínio durante uma explicação. Este é sem dúvida um professor
admirado e querido pelos alunos, pois vai além da informação superficial
sobre algo e alcança nuances marcantes no processo explicativo.

10)ACEITAR AS DIFICULDADES E LIMITAÇÕES DOS ALUNOS: o


professor que consegue, em pouco tempo, diagnosticar e mapear as
dificuldades de seus alunos sem dúvida vencerá de forma mais eficaz as
barreiras que serão apresentadas. É importante que o professor
conheça as dificuldades de seus alunos e mostre os caminhos a
seguirem no intuito de vencê-las e superar seus limites. Jamais cria
distinção entre os que apresentam mais ou menos dificuldade, ele busca
estratégias para solucionar as questões mapeadas e promove uma
elevação na alto-estima dos envolvidos. Ao conhecer as limitações e
dificuldades o professor tem a chance de criar soluções e estratégias de
aprendizagem focadas nas necessidades reais do indivíduo.

Consultoria Pedagógica
Glauco Furlan
11)SEJA AUTÊNTICO E HONESTO: autenticidade e honestidade no
relacionamento com os alunos fará com que o professor seja respeitado
e acima de tudo admirado pelo corpo discente. Posturas como esta
promovem um relacionamento espelhado, ou seja, a tendência é que os
alunos hajam da mesma maneira com ele.

12)LINGUAGEM CLARA, FÁCIL E ADEQUADA AO PÚBLICO: este é um


recurso de ouro da boa oratória, usar uma linguagem clara é
fundamental para que as pessoas compreendam o que você está
dizendo, isto sem dúvida facilita a construção de um raciocínio que
promove aprendizagem significativa em sala de aula. Perceba o público
para quem você fala, idade, escolaridade, cultura, e adéque o
vocabulário, a velocidade e o nível de detalhamento das informações
transmitidas.

13)CORDIALIDADE E AMISTOSIDADE: o professor deve ser um modelo


para seus alunos, de ética, profissionalismo, postura, de tal forma que
eles desejem “copiá-lo” isto implica em apresentar sempre e diante de
qualquer ocasião alto nível de cordialidade para que este valor seja
transmitido a todos. Deseja-se que o professor seja um apaziguador em
todas as ocasiões gerando e difundindo um clima amistoso, mesmo
quando conduzir um clima tenso e conflituoso.

14) PROVAS E AVALIAÇÕES: estes recursos não são instrumentos de


tortura e vingança, mas sim instrumentos de aferição do que foi
absorvido pelos alunos e o que falta para atingir ótimos níveis de
conhecimento. Assim o professor deve criar avaliações que façam o
aluno juntar o conhecimento que adquiriu e expressá-lo de maneira
objetiva mostrando ao final um resultado satisfatório.

15)VÁ ALÉM DA APOSTILA: o professor que faz a diferença é aquele que


não se prende ao conteúdo contido nas apostilas, antes disto ele sabe
avaliar o terreno em que se encontra e assim dimensiona se há espaço
e condições para expandir o conhecimento dos alunos inserindo
informações que complementem o conteúdo expressado na apostila.
Isto não quer dizer que a apostila será abolida ou que ela não faz a
diferença, mas sim que em situações específicas e propícias podemos ir
além do que está previsto e sem dúvida faremos a diferença.

Consultoria Pedagógica
Glauco Furlan
16)FLEXIBILIDADE E ESTÍMULO À PARTICIPAÇÃO: nos tempos atuais é
importante que o professor seja flexível a ponto de adaptar sua
estratégia de aula diante de imprevistos ou empecilhos, saiba tratar de
vários assuntos em um mesmo espaço e mesmo assim consiga criar
ligações entre eles; quebrar a rotina do ensino em diversas situações
estimula a participação dos alunos.

17)RETOMADA DE ASSUNTOS ESTUDADOS E ESTÍMULO À SÍNTESE:


é natural que ao longo da construção de um dado saber percamos pelo
caminho pontos importantes do conteúdo e conceitos fundamentais que
não foram fixados adequadamente, enfim é natural que de tudo o que
aprendemos nossa retenção não atinja a totalidade. Desta forma o ato
de retomar a explicação de conhecimentos transmitidos em aulas
anteriores, de forma investigativa e questionadora fazendo com que os
alunos retomem a linha de raciocínio sobre um dado conteúdo é um
fator altamente positivo para a construção adequada de seu
conhecimento. Neste momento o aluno busca em sua memória o que
armazenou da informação solicitada, e isto acarretará na confirmação ou
correção para prosseguimento de seus avanços pedagógicos. Esta
interação do tipo professor-aluno, aluno-aluno, é altamente estimulante
por eliminar o medo de se expor que os estudantes levam consigo. O
fato de participar da aula faz com que cada um se sinta parte dela e
queira contribuir elevando o nível de atenção e memorização.

Outro fator importante é estimular os alunos a realizarem suas próprias


sínteses sobre o que estão aprendendo, estou falando de ensiná-los a
estudar, ou seja, reserve um momento no começo do curso para ensiná-
los a criar seus resumos da aula anotando frases e palavras chave que
acionem os conteúdos memorizados, de forma que usarão isto a vida
toda e não apenas em sua aula. Ao desenvolver a habilidade de
sintetizar a aula que assiste o nível de aprendizagem se eleva e o aluno
aproveitará melhor o que aprende.

Consultoria Pedagógica
Glauco Furlan

Você também pode gostar