Você está na página 1de 6

Cerâmicas Odontológicas: aspectos atuais, propriedades e indicações

Artigo de Revisão / Review


Henriques, A.C.G.,Article
et al

Cerâmicas Odontológicas: aspectos atuais, propriedades e


indicações
Dental Ceramics: current aspects, properties and indications

Águida Cristina Gomes Henriques*, Daene Patrícia Tenório Salvador da Costa*, Keylla Marinho de Albuquerque Barros*, Lúcia Carneiro de
Souza Beatrice**, Paulo Fonseca Menezes Filho***

* CD, Aluna do Curso de Mestrado em Odontologia com área de concentração em Clínica Integrada - UFPE
** CD, Professor Associado da Faculdade de Odontologia - UFPE
*** CD, Professor Adjunto da Faculdade de Odontologia - UFPE

Descritores Resumo

Cerâmica; Estética dentária; Porcelana A utilização das cerâmicas odontológicas em procedimentos restauradores tem se destacado devido
dentária. à influência atual da estética sobre o bem-estar físico, psíquico e social da população. As cerâmicas
puras, particularmente, apresentam uma excelente alternativa à infra-estrutura metálica por causa
das suas propriedades estéticas e mecânicas. Nesta revisão, as marcas comerciais existentes no
mercado foram descritas de acordo com sua composição e fabricação. Sendo assim, o objetivo
deste estudo é apresentar os diversos sistemas cerâmicos livres de metal disponíveis atualmente,
enfatizando suas indicações, vantagens e limitações.

Key-words Abstract

Ceramics; Dental Esthetics; Dental Porcelain. The use of the dental ceramics in restorative procedures has been enhanced due to the current
influence of esthetics above the physical, psychic and social well-being. The all-ceramics systems,
in particular, show an excellent alternative to the metallic infrastructure because of theirs aesthetic
and mechanical properties. In this revision, the available trademarks in the market were described
according to their composition and fabrication. Therefore, the aim of this study is to present the
various ceramics systems metal free available currently, enhancing their indications, advantages
289

Correspondência para / Correspondence to:


Águida Cristina Gomes Henriques
Av. 17 de agosto, 1536, Casa Forte - Recife – PE – CEP: 52061-540 E-mail: aguidacgh@gmail.com

Em virtude da grande diversidade de cerâmicas é impor-


INTRODUÇÃO tante o conhecimento de suas propriedades, indicações, vanta-
gens e limitações, a fim de indicar corretamente os materiais.
Nos dias atuais pode-se observar, na odontologia, uma
Desta forma, esse trabalho objetiva atualizar os profissionais da
procura cada vez mais acentuada por procedimentos estéticos
área protética com relação aos sistemas cerâmicos existentes,
devido à inserção da população em uma sociedade na qual a
comparando as propriedades dos materiais mais antigos com
aparência tem uma importância significativa na aceitação e
os mais novos disponíveis no mercado, apresentando assim, a
auto-estima.
evolução das cerâmicas odontológicas.
As cerâmicas dentárias, com uma série de caracterís-
ticas intrínsecas desejáveis, como biocompatibilidade, alta
resistência à compressão e abrasão, estabilidade de cor, REVISÃO DE LITERATURA
radiopacidade, estabilidade química, coeficiente de expansão
térmica próximo ao da estrutura dentária e excelente potencial HISTÓRICO
para simular a aparência dos dentes naturais, apresentam-se As cerâmicas odontológicas surgiram no século XVIII, para
como um dos principais materiais na ciência e arte da recons- confecção de próteses totais e dentes individuais, visando obter
trução dentária19,10,20,17. resultados estéticos semelhantes aos dentes naturais 9.
Entretanto, esses materiais foram inicialmente repre- Em 1887, Land introduziu as coroas ocas de porcelana,
sentados pelas porcelanas feldspáticas, as quais são friáveis confeccionadas sobre lâmina de platina. Desde então inúmeros
e frágeis sob tração, não sendo capazes de resistir às tensões sistemas de porcelana pura foram desenvolvidos. No entanto,
mecânicas presentes no ambiente bucal, além de gerar maior as primeiras cerâmicas odontológicas
desgaste no dente antagonista5,11,20. A confecção de restaura-
ções em cerâmica livre de metal tornou-se possível graças ao
surgimento da odontologia adesiva de cerâmicas reforçadas.
Esses sistemas baseiam-se no desenvolvimento de materiais (porcelanas feldspáticas), possuíam baixa resistência à tração
de infra-estrutura, em e à fratura 22, não resistindo às forças mecânicas exigidas pelo
sistema estomatognático 15.
substituição ao metal, que, associados às porcelanas de
cobertura, podem proporcionar excelente resultado estético
sem comprometer o desempenho mecânico indispensável à
Odontologia. Clín.-Científ., Recife, 7 (4): 289-294, out/dez., 2008
longevidade clínica da restauração 20,6. www.cro-pe.org.br
Cerâmicas Odontológicas: aspectos atuais, propriedades e indicações
Henriques, A.C.G., et al

Nos últimos anos, novos materiais e técnicas para confec- O Procera All-Ceram é um sistema que utiliza o processo
ção de restaurações puras foram introduzidos para substituir industrial computadorizado (CAD/CAM – Computer-Aided-
a infra-estrutura de metal, os quais ampliaram o leque de Design/Computer-Assisted Machining) para realização de
indicações para os materiais de cerâmica pura e, em certos restaurações dentais. Essas coroas são compostas por uma
casos, facilitaram o seu processamento11. Surgiram, assim, estrutura de óxido de alumínio (99,5%) altamente purificada
as cerâmicas reforçadas, que se caracterizam basicamente e densamente sinterizada e combinada com o uso de uma
por acrescentar uma maior quantidade da fase cristalina em porcelana de baixa fusão AllCeram, específica para recobrimen-
relação à cerâmica feldspática convencional. Diversos cristais to. O seu uso está indicado para coroas unitárias anteriores e
têm sido empregados, como a alumina, a leucita, o dissilicato posteriores para dentes naturais e sobre implantes, próteses
de lítio e a zircônia, os quais atuam como bloqueadores da pro- fixas de três elementos para a região anterior e posterior e
pagação de fendas quando a cerâmica é submetida a tensões laminados5,10,9.
de tração, aumentando a resistência do material 9. No sistema Hi Ceram as partículas dispersas de alumina
McLean e Hughes, em 1965, desenvolveram a primeira numa matriz de vidro representam a principal fase de reforço
cerâmica odontológica aluminizada reforçada pelo aumento cristalino. Sobre a infra-estrutura opaca é aplicada a cerâmica
da fase cristalina, com a incorporação de 40% em peso de de cobertura livre de leucita10.
alumina à fase vítrea, o que resultou no dobro da resistência
à flexão quando comparadas às cerâmicas feldspáticas con- Porcelanas aluminizadas reforçadas com vidro
vencionais. Esta classe de cerâmicas, durante sua fabricação, pas-
Em 1983 foi desenvolvido o sistema IPS Empress, tam- sa pela etapa de infiltração de vidro derretido nos poros da
bém conhecido como cerâmica prensada, a qual emprega a infra-estrutura de alumina sinterizada. Nesta estrutura inter-
técnica da cera perdida9. Outro tipo de cerâmica modificada penetrante há duas fases que são entrelaçadas e contínuas,
é a infiltrada de vidro, que é utilizada como material de infra- que impedem a formação de trincas, reduzem a porosidade,
estrutura à base de Al2O3 que surgiu em 1987, pelo francês quantidade de fendas e irregularidades de superfície, e mos-
Sadoun16,20. tram maior tenacidade do que as porcelanas feldspáticas
Em 1993 foi descrito o sistema cerâmico Procera All- convencionais10,14,11,20.
ceramâ (Nobel Biocare), o qual consiste na obtenção de uma Dentre os sistemas que utilizam este tipo de cerâmica
infra-estrutura com 99,5% de alumina 9. pode-se destacar o In-Ceram, que consiste em um material
Os materiais cerâmicos encontram-se em pleno desen- cerâmico à base de Al2O3, sendo considerado como o sistema
volvimento tecnológico, visto que, nas últimas décadas, foram totalmente cerâmico de maior resistência à fratura, que atual-
introduzidos no mercado novos sistemas cujas dureza e estética mente é disponível em três formas, Alumina, Spinell e Zircônia,
foram melhoradas através da incorporação de vidros cerâmicos através do método de confecção pó-líquido, e em uma forma,
e adição de cristais para reforço como o quartzo e a alumina. Celay, através do sistema CAD/CAM20.
A infra-estrutura do In-Ceram Alumina possui um grande
290 TIPOS DE CERÂMICAS ODONTOLÓGICAS conteúdo de alumina, com partículas variando entre 0,5 a 3,5
As porcelanas odontológicas podem ser classificadas µm, e contração de sinterização de 0,3%. Este sistema fornece
quanto ao tipo, ao ponto de fusão e à composição. Contudo, a boa resistência à flexão (400 a 600 Mpa), sendo indicado para
classificação mais utilizada atualmente baseia-se na composi- a confecção de coroas totais anteriores e posteriores e próteses
ção e fabricação das porcelanas, dividindo-as em: feldspáticas, fixas de três elementos para a região anterior até pré-molar.
aluminizadas (99,5%), aluminizadas reforçadas com vidro, e Porém, a alta percentagem de alumina (85% em volume) torna
vidros ceramizados 7. a infra-estrutura opaca10,18,20,6.
A substituição de parte do Al2O3, da estrutura original
Porcelana Feldspática do In-Ceram, por óxido de magnésio, formando a estrutura do
A porcelana feldspática foi a primeira a ser empregada In-Ceram Spinell (MgAl2O4), permitiu aumentar a translucidez
na odontologia e, até hoje, tem grande aceitação clínica. Sua devido ao baixo índice de refração do aluminato de magnésio e
estrutura vítrea é composta basicamente por dois minerais: da matriz de vidro. Contudo, essa alteração estrutural provoca
o feldspato, formando a fase vítrea e o quartzo, compondo a uma redução na resistência média à flexão em torno de 25%.
fase cristalina, as quais conferem algumas vantagens, como Desta forma, este sistema é indicado com segurança para
excelente estética, alta estabilidade química, baixa conduti- situações clínicas em que o fator estético seja imprescindível
vidade e difusividade, assim como resistência ao desgaste. e a restauração não fique exposta a grandes tensões masti-
Contudo, apresentam como desvantagens a maior dureza em gatórias, como coroas unitárias anteriores, inlays e facetas
relação ao esmalte dental e a degradação hidrolítica ao longo laminadas20,6.
do tempo. Além disso, são friáveis, tendo baixa resistência à Por outro lado, a obtenção da estrutura do In-Ceram
tração, o que lhe confere a característica de friabilidade, ou Zircônia (Al2O3ZrO2) a partir da adição de 33% de zircônio
seja, fratura frágil sem deformação plástica. Modificadores parcialmente estabilizado ao In Ceram Alumina, proporcionou
vítreos, pigmentos e opacificadores são adicionados para significativa melhora nas características mecânicas do siste-
controlar as temperaturas de fusão e sinterização, coeficiente ma original, sendo aproximadamente
de expansão térmica e solubilidade4.

Porcelanas Aluminizadas a 99,5%


A alumina possui alto módulo de elasticidade e alta

20% mais resistente. O óxido de alumínio representa, aproxi-


madamente, 67% da estrutura cristalina, o restante consiste
resistência à fratura, sendo sua dispersão em uma matriz vítrea em óxido de zircônio tetragonal, o qual possui um dos maiores
de coeficiente de expansão térmica similar, o que resulta no valores de tenacidade entre os materiais cerâmicos, aumentan-
fortalecimento significativo do núcleo. Tem sido proposto que do a resistência do material à propagação de trincas. Devido
a união excelente
Odontologia. entre aRecife,
Clín.-Científ., alumina e a289-294,
7 (4): fase vítrea é responsável
out/dez., 2008 à resistência à flexão de 750 Mpa e opacidade, esta nova
www.cro-pe.org.br
por esse aumento na resistência comparado com a cerâmica estrutura é apresentada como um material promissor para
reforçada por leucita11. Nessa classe de cerâmicas são encon- confecção de coroas totais e próteses fixas de três elementos
Cerâmicas Odontológicas: aspectos atuais, propriedades e indicações
Henriques, A.C.G., et al

Suaréz et al. (2004)23 avaliaram o desempenho clínico do A leucita funciona como uma fase de reforço; o maior
In-Ceram Zircônia em dezoito próteses parciais fixas na região conteúdo de leucita (comparado com a porcelana feldspática
posterior após três anos de utilização, analisando superfície, convencional) resulta em maior resistência flexural e contribui
cor, anatomia, integridade marginal e sangramento gengival. para um alto coeficiente de contração térmica9. A porcelana
Uma das dezoito próteses foi perdida devido à fratura radicular feldspática reforçada por leucita está disponível nas seguintes
após 28 meses. Todas as próteses remanescentes foram consi- formas comerciais: Optec HSP, Optimal Pressable Ceramic
deradas excelentes ou aceitáveis após o período de observação. (OPC), Finesse All-Ceramic e IPS Empress.
Os autores concluíram que, apesar dos resultados favoráveis A Optec HSP (120 a 130MPa) contém aproximadamente
em curto prazo, análises clínicas a longo prazo devem ser 55% de cristais de leucita, o que a torna com maior módulo
realizadas para que o sistema possa ser recomendado como de ruptura e resistência a compressão do que as porcelanas
alternativa às próteses parciais fixas metalocerâmicas. feldspáticas tradicionais. Suas principais vantagens são: au-
O sistema In Ceram Celay é uma alumina obtida pela sência de infra-estrutura metálica ou opaca, boa translucidez,
fresagem de um bloco cerâmico contendo 70 a 85% de moderada resistência à flexão e capacidade de ser utilizada
partículas de alumínio e indicados para confecção de coroas sem equipamento especial de laboratório. Como desvantagem
unitárias anteriores e posteriores, prótese parcial fixa anterior, apresenta falta de precisão marginal. Está indicada para uso
inlays e onlays. Sua confecção baseia-se numa réplica da em facetas laminadas, inlays, onlays e coroas submetidas a
restauração em resina fotopolimerizável sobre um modelo de baixas tensões10.
gesso. Em seguida, a estrutura é infiltrada por vidro à base de A OPC é uma porcelana prensável, indicada para res-
aluminossilicato de lantâno, e é concretizada a aplicação da taurações totalmente cerâmicas, tais como: coroas totais em
cerâmica de estratificação Vitadur Alpha (VITA), dando forma dentes anteriores, pré-molares e molares, incrustações com ou
final a restauração10. sem recobrimento de cúspides e facetas laminadas. As próte-
ses realizadas com esse sistema apresentam boa adaptação
Vidros Ceramizados marginal e translucidez, apresentando resistência à flexão de
Outra forma de se obter uma prótese metal-free é através 140 a 156MPa5.
dos vidros ceramizados, que podem ser fundidos, usinados e No Finesse All-Ceramic (120MPa), as restaurações são
prensados ou injetados. fabricadas com materiais totalmente cerâmicos prensáveis
Os vidros ceramizados fundidos são bem representados e porcelanas de baixa fusão. O alto grau de translucidez e
pelo sistema Dicor, o qual contém 45% de cristais de mica uniformidade é devido ao tamanho e à distribuição de cristais
tetrasílica com flúor fundido à temperatura de 1350 a 1400ºC. de leucita através da matriz vítrea. A principal vantagem do
O processo de fundição é realizado pela combinação da técnica sistema é permitir, em dentes posteriores, o contato entre a
da cera perdida e injeção do vidro fundido por meio da centri- restauração com recobrimento oclusal e os dentes antagonistas
fugação. Esse material era indicado para confecção de coroas naturais ou com superfícies restauradas, pois a porcelana de
anteriores e posteriores, inlays, onlays e facetas laminadas, no baixa temperatura apresenta um desgaste superficial mais
qual são aplicados pigmentos na superfície externa para obter compatível com os dentes naturais, quando comparado a 291
a cor desejada. O material também podia ser utilizado como outros sistemas cerâmicos existentes. O sistema permite a
infra-estrutura, sobre o qual é aplicado à cerâmica feldspática, realização de inlays, onlays, facetas laminadas e coroas total-
resultando num material de cobertura mais estável e com mente cerâmicas5.
resistência flexural em torno de 90 a 120MPa10. O sistema IPS Empress (97 a 180MPa) é baseado na
O processo de usinagem possui como principal vantagem tradicional técnica da cera perdida, sendo sua fase cristalina ob-
a capacidade de confeccionar as restaurações em apenas uma tida a partir de um vidro por meio do processo de cristalização
única consulta. Contudo, o alto custo dos equipamentos, a adap- controlada, também conhecido como ceramização. Consiste,
tação marginal insatisfatória (comparada com restaurações de basicamente, em uma cerâmica feldspática reforçada por
ouro) e a alta opacidade dos materiais cerâmicos disponíveis cristais de leucita, prevenindo a propagação de microfraturas
constituem as principais desvantagens desse processo, sendo que poderiam se expandir pela matriz vítrea. O sistema permite
ainda a resistência uma questão a ser considerada. Dentre os a realização de restaurações através da técnica de pintura,
sistemas que utilizam os vidros ceramizados fundidos, pode-se sendo indicada para inlays, onlays, facetas e coroas unitárias
destacar o Cerec. O sistema Cerec utiliza a tecnologia CAD/ anteriores e posteriores, sendo contra-indicada para confecção
CAM que, após o preparo do dente, realiza o escaneamento de próteses parciais fixas2,5,9.
e a imagem é processada pelo computador. A restauração é Os sistemas que contêm o dissilicato de lítio como a fase
usinada a partir de blocos de cerâmica, através da usinagem cristalina principal apresentam como vantagens superiores
controlada por uma máquina em poucos minutos, sendo o resistências flexural e à fratura, a qual estende o seu leque
procedimento de fresagem desse de aplicações 11. Esse sistema cerâmico

sistema através de uma ponta diamantada e um disco de


desgaste (Cerec 2) ou duas pontas diamantadas em uma
unidade modular (Cerec 3). É indicado para inlays, onlays e
facetas10,9.
Na confecção dos vidros ceramizados prensados ou
injetados a prensagem pelo calor depende da aplicação de apresenta-se nas formas do IPS Empress 2 e do OPC 3G All
pressão externa para sinterizar e conformar a cerâmica em Ceramic System.
alta temperatura, o que auxilia na prevenção de poros gran- O IPS Empress 2 (300 a 400MPa) foi desenvolvido obje-
des, promovendo uma boa dispersão da fase cristalina dentro tivando o uso de um sistema cerâmico aquecido e prensado
da matriz vítrea9. Esta classe de cerâmica subdivide-se em: para confecção de próteses parciais fixas. Além das diferenças
porcelana feldspática reforçada por leucita e porcelana à base de composição química, existem diferenças consideráveis
de dissilicato de lítio. entre as microestruturas e as propriedades do IPS Empress. O
IPS Empress 2 possui 60% em volume de cristais de disilicato
de lítio, o que proporciona
Odontologia. Clín.-Científ., um material
Recife, com maior
7 (4): 289-294, resistência
out/dez., 2008
flexural após o procedimento de prensagem ewww.cro-pe.org.br
aumenta a
tenacidade do material. Está indicado para coroas em geral
Cerâmicas Odontológicas: aspectos atuais, propriedades e indicações
Henriques, A.C.G., et al

O OPC 3G All Ceramic System é composto por cristais As porcelanas feldspáticas reforçadas com leucita, jun-
de dissilicato de lítio dispostos e unidos à matriz vítrea e é tamente àquelas a base de dissilicato de lítio, são igualmente
indicado para confecção de prótese parcial fixa anterior até classificadas em vidros ceramizados prensados. É relatada na
1º pré-molar, coroas anteriores e posteriores, inlays, onlays e literatura11 uma superior resistência flexural e resistência à
facetas laminadas. fratura para as reforçadas por dissilicato de lítio, o que corro-
Baseando-se na literatura consultada nesse trabalho, bora com Drummond et al. (2000)12, os quais realizaram uma
disponibilizamos a seguir (Tabela 1) as cerâmicas descritas pesquisa in vitro comparando quatro porcelanas feldspáticas
nessa revisão da literatura e suas respectivas indicações, a reforçadas por leucita com uma porcelana feldspática de baixa
fim de facilitar o entendimento. fusão e uma cerâmica contendo dissilicato de lítio, avaliando a
resistência flexural sobre cargas estática e cíclica; assim como
resistência à fratura sobre carga estática. A cerâmica contendo
DISCUSSÃO dissilicato de lítio obteve uma resistência flexural e à fratura
significantemente maior, sendo a primeira de 205Mpa. Suas
Ao longo dos anos, foram desenvolvidas cerâmicas odon-
melhores propriedades mecânicas foram atribuídas ao tama-
tológicas para suprir propriedades consideradas deficientes
nho da partícula e à sua distribuição, e não necessariamente
nas cerâmicas utilizadas em restaurações metalo-cerâmicas,
às mudanças na composição.
disponibilizando no mercado sistemas com maior resistência
A cerâmica feldspática reforçada por dissilicato de lítio,
à tração e flexão; maior tenacidade; maior translucidez; me-
IPS Empress 2, foi desenvolvida com o intuito de aumentar a
nor condutibilidade térmica e elétrica, minimizando reações
tenacidade do IPS Empress, possibilitando, assim, a indicação
pulpares adversas; menor potencial de danos periodontais
do sistema para confecção de próteses fixas de até três ele-
pelo menor acúmulo de placa na superfície vitrificada da
mentos2, contudo, em estudo realizado por Pagani, Miranda e
cerâmica; menor risco de sobrecontorno na margem cervical;
Bottino (2003)19 o In-Ceram Alumina ainda apresentou maior
menor tempo de processamento e melhor biocompatibilidade.
Entretanto, ainda não existe um sistema que apresente todas valor de tenacidade que o IPS Empress 2. Valendo salientar,
as propriedades ideais, havendo variações destas característi- ainda, que estes sistemas são alternativas que preenchem os
cas nos próprios sistemas metal-free, sendo a seleção destas requisitos para restaurações indiretas, alcançando trabalhos
dependente da necessidade clínica. duradouros, estéticos e com alta precisão marginal 2.
As porcelanas aluminizadas reforçadas com vidro apre- Apesar da casuística e do sucesso das restaurações
sentam maior tenacidade que as feldspáticas convencionais, o metalocerâmicas, a odontologia sempre buscou substituir ma-
que lhes conferem maior resistência à fratura. E ainda dentre teriais metálicos devido às suas desvantagens como estética
essas cerâmicas reforçadas, os autores são unânimes em precária e biocompatibilidade insuficiente 3,10 o que estimulou
relatar uma maior resistência mecânica do sistema In Ceram o uso das porcelanas como material para infra-estrutura, as
Zircônia 8,10,18,23.,6. quais são referidas por Alves et al. (2005)1 como o material
restaurador estético com as melhores propriedades ópticas
292 O sistema cerâmico In-Ceram Spinell devido as suas
para reproduzir as cores, a forma, o contorno e a textura de
propriedades ópticas está mais indicado para dentes anteriores
superfície da dentição natural.
por apresentar maior translucidez, enquanto que o In-Ceram
Entretanto, na tentativa de substituir o metal por cerâ-
Zircônia, por apresentar a maior média de módulo de ruptura
micas, algumas dificuldades são observadas no uso clínico
quando comparado com In-Ceram Spinell e Alumina, está me-
destes sistemas. Como exemplo, pode-se citar a necessidade
lhor indicado em regiões posteriores sobre dentes naturais ou
da realização de moldes e modelos na fase clínica e labo-
implantes18. Sendo assim, o In-Ceram Zircônia parece ter exce-
ratorial acarretando um maior risco de distorção devido às
lentes características mecânicas; entretanto, por ser bastante
alterações dimensionais relacionadas às propriedades dos
recente, são necessários estudos clínicos longitudinais a longo
materiais empregados nas diferentes fases de confecção.
prazo para que seu desempenho mecânico possa ser confir-
Diferentemente das estruturas metálicas que, rotineiramente,
mado clinicamente nas coroas e próteses fixas posteriores 20.
são seccionadas e unidas através de processos de soldagem a
O surgimento dos sistemas Spinell e Zircônia, por meio
laser ou brasagem, as estruturas cerâmicas não possibilitam
de modificações na estrutura do sistema In-Ceram Alumina,
de forma confiável a realização deste procedimento. Devido a
sugere uma importante versatilidade do sistema, aumentan-
isto, existe uma tendência de se admitir um maior desajuste
do sua aplicação clínica como material para infra-estrutura
marginal das estruturas cerâmicas ou a realização de maiores
cerâmica 20.
alívios na superfície interna dos copings, durante as fases de
Comparando-se as porcelanas feldspáticas convencionais
provas clínicas e laboratoriais. Este fato pode comprometer
com as feldspáticas reforçadas por leucita (Optec HPS, Optimal
a longevidade no uso de próteses parciais fixas totalmente
Pressable Ceramic (OPC), Finesse All-Ceramic e IPS Empress)
cerâmicas, tal como limita o seu uso na confecção de próteses
observa-se um maior coeficiente de expansão térmica para as
parciais fixas de 3 elementos, diminuindo desta forma o risco
com adição de leucita, o que garante uma maior estabilidade,
de distorção 18.
maior módulo de ruptura e resistência à compressão 10,5,9.
Qualquer um dos sistemas de cerâmica pura para infra-
estrutura atualmente disponível pode proporcionar bom ajuste
e aspecto de naturalidade, desde que cuidados sejam tomados
durante os procedimentos de confecção. O sucesso no uso dos
materiais totalmente cerâmicos está na apropriada seleção do
sistema, lembrando, ainda, que todos os sistemas apresentam
limitações e, quando, se tenta extrapola-las, a taxa de sucesso
tende a cair drasticamente 13.

CONSIDERACÕES FINAIS

Odontologia. Clín.-Científ., Recife, 7 (4): 289-294, out/dez., 2008


www.cro-pe.org.br
Cerâmicas Odontológicas: aspectos atuais, propriedades e indicações
Henriques, A.C.G., et al

Tabela 1 – Indicações das cerâmicas para próteses livres de metal segundo a composição e a fabricação.

Classe Cerâmica / Indicações


Fabricante

Porcelanas Aluminizadas Procera All-Ceram · Coroas unitárias anteriores e posteriores


a 99,5% (Nobel Biocare) sobre dentes naturais e implantes;
· Próteses fixas de três elementos para a
região anterior e posterior;
· Laminados.

In-Ceram Alumina · Coroas totais anteriores e posteriores;
(Vita Zahnfabric) · Próteses fixas de três elementos para a
região anterior até pré-molar.

In-Ceram Spinell · Coroas unitárias anteriores;
Porcelanas aluminizadas (Vita Zahnfabric) · Inlays;
reforçadas com vidro Facetas laminadas.
·
In-Ceram Zircônia · Coroas totais e próteses fixas de
(Vita Zahnfabric) três elementos em regiões posteriores,
sobre dentes naturais ou implantes.

In-Ceram Celay · Coroas unitárias anteriores e posteriores;
(Vita Zahnfabric) · Prótese parcial fixa anterior;
· Inlays e onlays.

Fundidos Dicor · Inlays e onlays;


(Dentsply) · Facetas laminadas;
· Coroas s em dentes anteriores e posteriores.

Usinados Cerec 1, 2 e 3 · Facetas;


(Sirona) · Inlays e onlays.
293
Optec HSP · Facetas laminadas;
(Jeneric/Pentron) · Inlays e onlays;
· Coroas submetidas a baixas tensões.

OPC · Inlays e onlays;
(Jeneric/Pentron) · Facetas laminadas;
· Coroas totais em dentes anteriores e
Vidros posteriores.
ceramizados
Finesse All-ceramic · Inlays e onlays;
(Dentsply) · Facetas laminadas;
Prensados ou · Coroas totais em dentes anteriores e
injetados posteriores.

IPS Empress · Inlays e onlays;
(Ivoclar) · Facetas;
· Coroas unitárias anteriores e posteriores

IPS Empress 2 · Coroas anteriores e posteriores;
(Ivoclar) · Próteses fixas de 3 elementos anteriores e
posteriores.

OPC 3G All · Inlays e onlays;


Ceramic System · Facetas laminadas;
(Jeneric/Pentron) · Coroas anteriores e posteriores;
· Prótese parcial fixa anterior até 1º pré-molar

Diversos sistemas cerâmicos estão disponíveis no seleção do melhor material para determinado caso em conjunto
mercado, fazendo com que os profissionais da área protética à habilidade do profissional no manuseio do produto.
necessitem de uma constante reciclagem acerca das suas
propriedades e indicações, visto que bons resultados não são REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
devidos exclusivamente ao tipo de material utilizado, mas sim, à

Odontologia. Clín.-Científ., Recife, 7 (4): 289-294, out/dez., 2008


www.cro-pe.org.br
Cerâmicas Odontológicas: aspectos atuais, propriedades e indicações
Henriques, A.C.G., et al

18. Miyashita E, Dias AHM, Castro Filho AA, Itinoche MK.


1. Alves GS, Miranda ME, Santos VMA, Guimarães PS, Sinhoretti Sistema In Ceram. In: Miyashita E, Fonseca AS. Odontologia
MA. Avaliação da rugosidade superficial e da dureza de diferen- Estética: o estado da arte. São Paulo: Artes Médicas; 2004.
tes cerâmicas odontológicas. RGO 2005, 53(3): 220-225. p. 249-270.

2. Bahlis A, Rodrigues ML, Loro RCD. IPS Empress/IPS Empress 19. Pagani C, Miranda CB, Bottino MC. Avaliação da tenacidade
2 – alternativas estéticas em sistemas totalmente cerâmicos. à fratura de diferentes sistemas cerâmicos. J Appl Oral Sci
Revista Odonto Ciência 2001, 6(33): 120-126. 2003, 11(1): 69-75.

3. Borges GA, Sphor AM, Correr Sobrinho L, Consani S, Sinhoreti 20. Rocha SS, Andrade GS, Segalla, JCM. Sistema In-ceram de
MAC. História e atualidade das cerâmicas odontológicas. Rev. infra-estruturas totalmente cerâmicas. Rev. Fac. Odontol. Lins
ABO Nac. 2001, 9(2): 112-117. 2004, 16(1): 7-12.

4. Borges GA, Spohr AM, Shinkai RSA, Sobrinho LC. Cerâmicas 21. Rosa JCM, Gressler AEN. Prótese fixa livre de metal: siste-
hidrotérmicas: o que são? Revista Odonto Ciência 2003, 18 ma In-Ceram com reforço de zircônia. Revista da APCD 2001,
(39): 51-54. 55(4): 291-295.

5. Bottino MA, Quintas AF, Miyashita E, Giannini V. Estética 22. Rosemblum MA, Schulman A. A review of all-ceramic res-
em reabilitação oral: metal free. São Paulo; Artes Médicas; torations. J Am Dent Assoc 1997, 128:298-307.
2002.
23. Suárez MJ, Jozano JFL, Salido MP, Martínez F. Three-year
6. Carli E. Restaurações cerâmicas de zircônio: uma revisão. clinical evaluation of In-Ceram Zirconia posterior FPDs. Int J
Maringá, 2006. 18 p. Monografia (Especialização em Prótese). Prosthodontic 2004, 17(1):35-38.
Maringá: Universidade Estadual de Maringá, Centro de Ciências
da Saúde; 2006.

7. Chain MC, Arcari GM, Lopes GC. Restaurações cerâmicas


estéticas e próteses livres de metal. RGO 2000, 48(2): 67-70.

8. Chong KH, Chai J, Takahashi Y, Wozniac W. Flexural strength


of In-Ceram Alumina and In-Ceram Zirconia core materials. Int
J Prosthodontic 2002, 15(2):487-489.

294 9. Conceição EM et al. Restaurações estéticas: compósitos,


cerâmicas e implantes. 1.ed. São Paulo: Ed Artmed, 2005.
Cap.8, p. 198-217.

10. Correr Sobrinho L, Borges GA, Sinhoreti MAC, Consani S.


Materiais Cerâmicos. In: Miyashita E, Fonseca AS. Odontologia
Estética: o estado da arte. São Paulo: Artes Médicas; 2004.
p.155-180.

11. Denry IL. Cerâmicas. In: Craig RG, Powers JM. Materiais Den-
tários Restauradores. São Paulo: Santos; 2004. p. 551-574.

12. Drummond JL, King TJ, Bapna MS, Koperski RD. Mechanical
property evaluation of pressable restorative ceramics. Dental
Materials 2000, 16: 226-233.

13. Giordano RA. Comparison of all-ceramic restorative

systems: part 2. Gen Dent 2002, 48(1):38-40, 43-45.

14. Gomes JC, Samra APB, Chibinski ACR, Cavina DA, Gomes
OMM. Próteses estéticas sem metal. Biodonto Dentística e
Estética 2004, 2(2): 1-11.

15. Huls A. All-ceramic restorations with the In-Ceram System:


6 years of clinical experience. Manual VITA, Gottingen 1995,
p. 1-31.

16. Hwang JW, Yang JH. Fracture strength of copy-milled and


conventional In-Ceram crowns. J Oral Rehabil 2001, 28:678-
83.
Recebido para publicação em 16/01/2008
17. Kina S. Cerâmicas dentárias. R Dental Press Estét 2005,
2(2): 111-128. Aceito para publicação em 08/05/2008

Odontologia. Clín.-Científ., Recife, 7 (4): 289-294, out/dez., 2008


www.cro-pe.org.br