Você está na página 1de 6

Tradução de Vinicius Pimentel Ferreira da versão em inglês de Robert White de 1650

O Divino Pastor.
de Hermes Mercurius Trismegistus.

Título original: The Divine Pymander


HERMES TRISMEGISTUS Seu Primeiro Livro

1. Ó meu Filho, eu escrevo este primeiro Livro, tanto para o bem da Humanidade, como
para Piedade para com Deus.

2. Pois não pode haver religião mais verdadeira ou justa do que saber as coisas que são; e
para agradecer por todas as coisas, àquele que as fez, coisa que não deixarei de fazer
continuamente.

3. O que então deve um homem fazer, ó Pai, para levar sua vida bem, visto que não há
nada verdadeiro aqui?

4. Ser Devoto e Religioso, Ó meu Filho, pois aquele que o faz é o melhor e mais elevado
Filósofo; e sem Filosofia, é impossível atingir a altura e exatidão da Piedade ou Religião.

5. Mas aquele que aprender e estudar as coisas que são, e como são ordenadas e
governadas, e por quem e por que causa, ou para que fim, agradecerá ao criador como a
um bom Pai, um excelente cuidador e um administrador fiel, e aquele que dá graças deve
ser pio ou religioso, e aquele que é religioso deve saber tanto onde está a verdade, e o que
é, e aprendendo isso, ele será cada vez mais religioso.

6. Pois nunca, ó Filho, deve ou pode aquela Alma que enquanto está no Corpo se ilumina e
se eleva para conhecer e compreender o que é Bom e Verdadeiro, deslizar de volta para o
contrário; pois está infinitamente apaixonado pelo que é divino, e se esquece de todos os
males; e quando ele aprendeu e conheceu seu Pai e progenitor, não pode mais apostar ou
se afastar desse Bem.

7. E que isso, ó Filho, se vir o fim da Religião e da Piedade; e que quando chegar nossa
vez, ambos viveremos bem e morreremos abençoadamente, enquanto tua Alma não ignora
se deve retornar e voar de volta para o alto.

8. Só por isso, ó Filho, é o caminho para a Verdade, que nossos Progenitores percorreram;
e pelo qual, fazendo sua jornada, eles finalmente alcançaram o Bem. É um caminho
Venerável e simples, mas difícil é difícil para a Alma que está no Corpo.

9. Pois primeiro ele deve guerrear contra si mesmo, e depois de muita contenda e
dissensão, deve ser superado por uma parte; pois a contenção é de um contra dois,
enquanto voa e eles se esforçam para segurá-la e detê-la.

10. Mas a vitória de ambos não é semelhante; pois o primeiro se apressa para o que é bom,
mas o outro é vizinho do que é mau; e o que é bom deseja ser posto em liberdade; mas as
coisas que são do mal, amam a prisão e a servidão.

11. E se a segunda parte for superada, ele se cala e se contenta em aceitá-lo como seu
Governante; mas se o primeiro for superado pelo segundo, é por ele conduzido e levado
para ser punido por sua existência e continuação aqui.
12. Este é, ó Filho, o Guia no caminho que conduz para lá, pois primeiro você deve
abandonar o Corpo antes de seu fim e obter a vitória nesta contenção e luta de vida, e
quando vencer, retornar.

13. Mas agora, ó meu Filho, vou pelo Nöus percorrer as coisas que são: compreende o que
eu digo e lembra-te do que ouves.

14. Todas as coisas existentes são móveis; só o que não é existente, é imóvel.

15. Todo corpo é mutável.

16. Nem todo corpo é dissoluvel.

17. Alguns corpos são dissolúveis.

18. Todo vivente é imortal.

19. Nem todo vivente é imortal.

20. Aquilo que pode ser dissolvido também é corruptível.

21. Aquilo que permanece sempre é imutável.

22. Aquilo que é imutável é eterno.

23. Aquilo que é engendrado está sempre corrompido.

24. Aquilo que é feito apenas uma vez, nunca é corrompido, nem se torna qualquer outra
coisa.

25. Primeiro, Deus; Em segundo lugar, o mundo; Em terceiro lugar o homem.

26. O mundo para o homem, homem para Deus.

27. Da Alma, aquela parte que é sensível é mortal, mas aquela que é racional é imortal.

28. Toda essência é imortal.

29. Toda essência é imutável.

30. Tudo o que existe é duplo.

31. Nada está parado.

32. Nem todas as coisas são movidas por uma alma, mas tudo o que existe, é movido por
uma alma.

33. Tudo o que sofre é sensível, tudo o que é sensível sofre.


34. Tudo que é triste também se alegra e é uma criatura viva mortal.

35. Nem tudo que se alegra se torna triste, mas é um vivente imortal.

36. Nem todo corpo está doente; todo corpo que está doente é dissoluvel.

37. A mente(Nous) em Deus.

38. Razão (ou disputando ou discursando) no homem,

39. Logos e Nous.

40. A mente(Nous) não tem sofrimento.

41. Nada é verdadeiro em um Corpo.

42. Tudo o que é incorpóreo é vazio de Mentira.

43. Tudo o que é feito é corruptível.

44. Nada há de bom na Terra, nada há de mau no Céu.

45. Deus é bom, o homem é mau.

46. ​O bem é voluntário ou espontâneo.

47. O mal é involuntário ou contra vontade.

48. Os deuses escolhem coisas boas, como coisas boas.

49. O tempo é uma coisa divina.

50. A lei é humana.

51. A malícia é o alimento do mundo.

52. O tempo é a corrupção do homem.

53. Tudo o que está no céu é inalterável.

54. Tudo na Terra é alterável.

55. Nada no Céu é servido, nada na Terra é gratuito.

56. Nada desconhecido no Céu, nada conhecido na Terra.

57. As coisas na Terra não se comunicam com as do céu.


58. Todas as coisas no Céu são irrepreensíveis, todas as coisas na Terra estão sujeitas à
Repreensão.

59. O que é imortal não é mortal: o que é mortal não é imortal.

60. Aquilo que é semeado nem sempre é gerado; mas o que é gerado sempre é semeado.

61. De um corpo dissolvível, há dois tempos, um da semeadura à geração, um da geração à


morte.

62. De um Corpo eterno, o tempo vem somente da Geração.

63. Corpos dissolvíveis são aumentados e diminuídos.

64. A matéria dissoluvel é alterada em contrários; a saber, Corrupção e Geração, mas a


matéria eterna é em si mesma semelhante.

65. A Geração do Homem é Corrupção, a Corrupção do Homem é o início da Geração.

66. Aquilo que gera ou gera outro, é em si mesmo uma descendência ou gerado por outro.

67. Das coisas que são, algumas estão em corpos, outras em suas idéias.

68. Tudo o que pertence à operação ou trabalho, está em um corpo.

69. Aquilo que é imortal não participa daquilo que é mortal.

70. O que é mortal não vem para um Corpo imortal, mas o que é imortal, vem para o que é
mortal.

71. Operações ou trabalhos não são levados para cima, mas descem.

72. As coisas na Terra nada beneficiam as do Céu, mas todas as coisas no Céu aproveitam
e beneficiam as coisas da Terra.

73. O céu é capaz e um receptáculo adequado de Corpos eternos, a Terra de Corpos


corruptíveis.

74. A Terra é bruta, o Céu é inteligível.

75. As coisas que estão no Céu são submetidas ou colocadas abaixo, mas as coisas na
Terra são colocadas acima.

76. O céu é o primeiro elemento.

77. Providência é uma Ordem Divina.


78. A necessidade é o Ministro ou Servo da Providência.

79. Fortuna é o transporte ou efeito daquilo que está sem Ordem; o ídolo da operação, uma
fantasia ou opinião mentirosa.

80. O que é Deus? O Bem imutável ou inalterável.

81. O que é o homem? Um mal imutável.

82. Se você se lembra perfeitamente dessas coisas em sua cabeça, não pode esquecer
aquelas coisas que, em mais palavras, eu amplamente expus para você; pois estes são os
Conteúdos ou Resumos deles.

83. Evite toda conversa com a multidão ou as pessoas comuns, pois eu não gostaria que
você se submetesse à inveja, muito menos que fosse ridicularizado por muitos.

84. Pois o semelhante sempre toma para si o que é semelhante, mas o diferente nunca
concorda com o diferente: Discursos como estes têm muito poucos ouvintes, e talvez muito
poucos existam, mas eles têm algo peculiar em si mesmos.

85. O contrário deles, afiam e trazem homens maus para sua maldade, portanto, convém
evitar a multidão e tomar cuidado com eles como não entendendo a virtude e o poder das
coisas que são ditas.

86. O que queres dizer, ó Pai?

87. Assim, ó Filho, toda a Natureza e Composição daquelas coisas vivas chamadas
Homens, é muito propensa à Malícia, e é muito familiar e, por assim dizer, nutrida com ela,
e portanto se deleita com ela. Agora, esta criatura se vier a aprender ou saber, que o mundo
já foi feito, e todas as coisas são feitas de acordo com a Providência e a Necessidade, o
Destino ou o
a fatalidade, governando sobre todos: Ele não será muito pior do que ele mesmo,
desprezando o porque de ter sido criado. E se ele pode colocar a causa do mal sobre o
Destino ou Fatalidade, ele nunca se absterá de qualquer obra maligna.

88. Portanto, devemos olhar com cautela para esse tipo de pessoa, para que, estando na
ignorância, possam ser menos más, por medo do que está oculto e mantido em segredo.

Você também pode gostar