Você está na página 1de 7

Formador: Eng.

Sansy Moreno Módulo: Sistemas Elétricos e Eletrónicos

CAPÍTULO 4 – CORRENTE ALTERNADA MONOFÁSICA


1. Corrente Alternada
As correntes elétricas geradas por pilhas e baterias são do tipo contínuo, ou seja, elas percorrem o fio
condutor sempre num mesmo sentido. Essas fontes de tensão elétrica possuem sempre dois polos distintos,
ou seja, um polo positivo e um polo negativo. O sentido da corrente elétrica, nesse circuito, é sempre aquele
indicado (sentido horário).
A corrente elétrica que recebemos em nossas residências é do tipo alternada. Essa espécie de corrente sofre
inversão de sentido constantemente. No sistema brasileiro de transmissão de energia elétrica, ocorrem 120
inversões a cada segundo, ou seja, a corrente elétrica, a cada segundo, percorre o condutor 60 vezes num
sentido e 60 vezes em sentido contrário.
Por isso, dizemos que a corrente elétrica no Brasil tem frequência de 60 Hz ou 60 ciclos por segundo. Alguns
países, como o Japão, utilizam a frequência 50 Hz. Em razão dessas diversas inversões de sentido, que
ocorrem a cada segundo em correntes alternadas, não podemos identificar, por exemplo, em uma tomada,
qual dos polos é positivo ou negativo.
A figura abaixo nos mostra como varia a intensidade da corrente elétrica em função do tempo.

A tensão varia entre os valores máximo e mínimo ciclicamente. A tensão é positiva na metade do tempo e
negativa na outra metade. Isso significa que metade do tempo a corrente circula em uma direção e a outra
metade na direção oposta.

A forma mais comum de ondulação segue uma função trigonométrica semelhante a seno. Esta é a maneira
mais eficiente e prática de produzir energia elétrica usando alternadores. No entanto, existem certas
aplicações nas quais outras formas de onda são usadas, como a onda quadrada ou a onda triangular.
Corrente direta é aquela que mantém seu valor de tensão constante e sem alteração de polaridade.

Grandezas características da corrente alternada

Período

Período é o tempo que duram duas alternâncias, negativa e positiva, ou seja, o tempo de um ciclo. O período
é expresso em segundos e é representado pela letra T.

1
Formador: Eng. Sansy Moreno Módulo: Sistemas Elétricos e Eletrónicos

Frequência

Frequência é o número de ciclos efetuados durante um segundo, tanto pela corrente como pela tensão. A
frequência é representada pela letra f e expressa-se em Hertz [Hz], mas a unidade já foi
denomina de ciclos/ segundo.
A expressão que relaciona a frequência com o período é a seguinte:

Um Hertz é a frequência de uma corrente, ou tensão, cujo período é um segundo.


Os múltiplos mais utilizados são os seguintes:

Algumas das frequências utilizadas conforme o domínio de aplicação:

Características da corrente alternada sinusoidal

 Amplitude máxima - Amplitude máxima ou valor máximo, é o valor mais elevado seja da corrente,
tensão ou força eletromotriz, representando-se respetivamente por Im, Um ou Em. Existindo
amplitudes máximas positivas e negativas.

 Valor eficaz - O calor desenvolvido numa resistência num determinado período de tempo é o mesmo,
quer a corrente seja alternada ou contínua. Assim, deve haver uma corrente contínua que produza o
mesmo calor que a corrente alternada, ao fim de igual tempo. A este valor chamamos de Valor
Eficaz.Assim o Valor Eficaz de uma corrente alternada é a intensidade de uma corrente contínua que
2
Formador: Eng. Sansy Moreno Módulo: Sistemas Elétricos e Eletrónicos

nas mesmas condições,produz o mesmo efeito calorífico que a corrente alternada considerada.O valor
eficaz da corrente alternada é √2 menor que o valor máximo.

Fator de potência

 Recetores puramente resistivos - Quando temos recetores puramente resistivos, aparelhos de


aquecimento e lâmpadas incandescentes, estes oferecem a mesma resistência quer em corrente
contínua quer em corrente alternada. Assim, as fórmulas apresentadas abaixo e estudadas para a
corrente contínua são também válidas para a corrente alternada.

A intensidade de corrente está em fase com a tensão, no caso de recetores óhmicos. Coincidindo, assim, os
valores nulos no tempo, passando a corrente e a tensão ao mesmo tempo pelo zero, com um ângulo ᵠ=0°.

3
Formador: Eng. Sansy Moreno Módulo: Sistemas Elétricos e Eletrónicos

Recetores indutivos

Utilizando uma fonte de corrente alternada a passar sobre uma bobina, verifica-se uma grande resistência há
passagem da corrente elétrica. Se reduzirmos o coeficiente de auto-indução da bobina, esta reduz a
resistência à passagem da corrente alternada. Aumentando a frequência da corrente, a resistência da bobina
aumenta. Assim, o efeito indutivo de uma bobina de coeficiente de auto-indução L numa corrente alternada de
frequência f favalia-se pelo produto:

Os valores máximos e nulos da intensidade de corrente têm um certo atraso em relação aos valores da
tensão, este atraso designado pela letra ᵠ é denominado de desfasamento. Diz-se que a intensidade de
corrente está desfasada em atraso relativamente à tensão. No caso da reatância indutiva o atraso é de 90°.

Recetores capacitivos

O condensador submetido a uma corrente alternadacria, alternadamente, excesso de eletrões em cada uma
das suas armaduras, sem que haja corrente através do seu dielétrico. Aumentando a capacidade do
condensador a resistência deste à passagem da corrente elétrica diminui, pelo que quanto maior for a
capacidade do condensador menor é a sua resistência à passagem da corrente elétrica.

Se aumentarmos a frequência da corrente alternada diminui a resistência que o condensador faz a essa
mesma corrente.

Chama-se reatância capacitiva, e a sua unidade é o Ω, ao efeito deresistência que o condensador faz à
passagem da corrente alternada, e é dado pela expressão:

Neste caso a corrente está em avanço em relação àtensão, e o ângulo de desfasamento, ᵠ, é de 90°.

4
Formador: Eng. Sansy Moreno Módulo: Sistemas Elétricos e Eletrónicos

Recetores RLC

Um circuito composto por resistência (R), coeficiente de autoindução (L) e com capacidade (C), é designado
por circuito RLC.Submetendo este conjunto a uma tensão alternada verifica-se que os efeitos da resistência
da bobina e do condensador se subtraem, sendo a reatância do circuito, que é representada pela letra X, a
diferença entre a reatância indutiva e a reatância capacitiva, cuja expressão é:

Impedância de um recetor é a dificuldade que este opõe à passagem da corrente elétrica alternada. A
impedância é representada pela letra Z, e a sua unidade é o Ω.A lei de Ohm para a corrente alternada é:

O valo de Zé o valor da hipotenusa de um triângulo retângulo, cujos catetos correspondem aos valores de Re
de X, respetivamente a resistência e a reatância.

5
Formador: Eng. Sansy Moreno Módulo: Sistemas Elétricos e Eletrónicos

A expressão que relaciona a resistência, a reatância e a impedância, é dada por:

2. Potência

Em corrente alternada os valores da intensidade de corrente e da tensão são variáveis ao longo do tempo,
pelo que o seu produto também é variável, afetado pelo valor do ângulo ᵠ.
Potência ativa

É a potência que realmente é consumida num circuito, é representada pela letra P e a sua unidade é o
Watt [W].

Assim, a potência ativa em corrente alternada é o produto da intensidade de corrente e da tensão


multiplicado pelo fator de potência, cuja expressão é a seguinte:

Potência reativa

A potência reativa é dada pela expressão é a seguinte:

A potência reativa é representada pela letra Q e a sua unidade é o Volt Ampère reativo [VAr].

Apesar de não ser consumida, esta energia circula no circuito. Esta energia oscila entre o gerador e a
bobina sem ser consumida e é esta energia que se vai armazenar na bobina sob a forma de um campo
magnético.

Potência aparente

A potência aparenteé dada pela expressão é a seguinte:

6
Formador: Eng. Sansy Moreno Módulo: Sistemas Elétricos e Eletrónicos

A potência aparente é representada pela letra S e a sua unidade é o Volt Ampère [VA], e representa o
máximo valor de potência que pode ser consumida com a tensão e a intensidade de corrente dadas.

Triângulo de potências

Multiplicando por I2 os valores da resistência (R), reatância (X) e da impedância (Z) obtemos o triângulo
das potências.