Você está na página 1de 23

TERMINOLOGIA CIRÚRGICA

É o conjunto de termos próprios que expressam:


• Segmebro corpóreo afetado.
• Interveção cirúrgica realizada.

Os termos que compõem a terminologia cirúrgica são formados por:


• RAIZ: a raiz permite identificar a estrutura corpórea que está relacionada com a intervenção cirúrgica.
• SUFIXO: o sufixo permite identificar intervenção cirúrgica realizada no tratamento
TERMINOLOGIA CIRÚRGICA
TERMINOLOGIA CIRÚRGICA
Existem, ainda, termos cirúrgicos que não seguem os mesmos padrões descritos anteriormente. São alguns exemplos:

• AMPUTAÇÃO: Retirada parcial ou total de um membro ou de um órgão.


• ENXERTO: Inserção de material autógeno ou sintético para corrigir defeito ou falha em tecidos ou órgão.
• EXÉRESE: Significa extirpação parcial ou total de um segmento corpóreo
• ANASTOMOSE: Comunicação cirúrgica realizada entre dois vasos sanguíneos ou entre duas vísceras ocas.
• ARTRODESE: Imobilização cirúrgica de articulação.
• CIRCUNCISÃO OU POSTECTOMIA: É a excisão do prepúcio para facilitar a exposição da glande.
• PARACENTESE: Punção de um espaço cheio de líquidos, utilizando agulha ou trocarte, com a finalidade de aspirar
o líquido ai contid
• TORACOCENTESE: Punção/aspiração do espaço intrapleural para remover líquidos anômalos, como é o caso do
hidrotórax, hemotórax ou empiema
• BIÓPSIA: Remoção de um tecido vivo para fins diagnósticos.
• CESARIANA: Extração do feto após incisão através da parede abdominal uterina.
• CAUTERIZAÇÃO: Destruição do tecido por aquecimento.
TERMINOLOGIA CIRÚRGICA
CIRURGIAS COM O SUFIXO TOMIA

• TORACOTOMIA: Abertura da cavidade torácica.

• CARDIOTOMIA: Abertura da cárdia

• COLEDOCOTOMIA: Abertura do colédoco.

• URETEROLITOTOMIA: Abertura do ureter para remoção do cálculo.

• FLEBOTOMIA: Incisão na veia para introdução de catéter.

• LAPAROTOMIA: Abertura da cavidade abdominal


TERMINOLOGIA CIRÚRGICA
CIRURGIAS COM O SUFIXO STOMIA

• TRAQUEOSTOMIA: “Formação de uma abertura na traqueia e sutura das bordas da abertura à pele do pescoço”.
Objetivo: Ventilar o paciente.

• GASTROSTOMIA: Formação de uma abertura no estômago e colocação de uma sonda através da parede
abdominal, geralmente utilizada para alimentação.

• JEJUNOSTOMIA: Formação de uma abertura no jejuno e colocação de uma sonda através da parede abdominal,
utilizada para alimentação

• ILEOSTOMIA: Abertura cirúrgica do íleo, através da parede abdominal, para desviar o trânsito intestinal.

• COLOSTOMIA: Abertura cirúrgica do cólon, através da parede abdominal, para desviar o trânsito intestinal.

• NEFROSTOMIA: Formação de uma abertura na pelve renal e colocação de uma sonda exteriorizada na região
lombar.
TERMINOLOGIA CIRÚRGICA
CIRURGIAS COM O SUFIXO ECTOMIA

• TIREOIDECTOMIA: Retirada da tireoide.

• MASTECTOMIA: Retirada da mama.

• ESOFAGECTOMIA: Retirada do esôfago.

• GASTRECTOMIA: Retirada do estômago.

• COLECISTECTOMIA: Retirada da vesícula biliar.

• ESPLENECTOMIA: Retirada do baço.

• COLECTOMIA: Retirada do cólon.

• HISTERECTOMIA: Retirada do útero.


TERMINOLOGIA CIRÚRGICA
• SALPINGECTOMIA: Retirada da tuba uterina.

• OOFORECTOMIA: Retirada do ovário.

• PROSTATECTOMIA: Retirada da próstata.

• SAFENECTOMIA: Retirada da safena.

• AMIGDALECTOMIA: Retirada da amigdala

• VARICECTOMIA: Retirada das varizes.

• FLEBOEMBOLECTOMIA: Retirada de êmbolo da veia.

• ADENOAMIGDALECTOMIA: Retirada das adenoides e amigdalas.

• LARINGECTOMIA: Retirada da laringe.


TERMINOLOGIA CIRÚRGICA
• HEMORROIDECTOMIA: Retirada das hemorroidas.

• APENDICECTOMIA: Retirada do apêndice vermiforme

• LAMINECTOMIA: Retirada de parte da vértebra.

• CISTECTOMIA: Retirada da bexiga.

• ORQUIECTOMIA: Retirada do testículo.

• LOBECTOMIA: Retirada de lobo pulmonar.

• PNEUMECTOMIA: Retirada do pulmão.


TERMINOLOGIA CIRÚRGICA
CIRURGIAS COM O SUFIXO SCOPIA

• BRONCOSCOPIA: Visualização direta dos brônquios.

• ESOFAGOGASTRODUODENOSCOPIA: Visualização direta do esôfago, estômago e duodeno.

• LAPAROSCOPIA: Visualização da cavidade abdominal

• RETOSSIGMOIDOSCOPIA: Visualização do canal anal, reto e sigmoide.

• COLONOSCOPIA: Visualização do intestino grosso, válvula ileocecal e porção terminal do íleo.

• CISTOSCOPIA: Visualização da bexiga


TERMINOLOGIA CIRÚRGICA
CIRURGIAS COM O SUFIXO PLASTIA

• BLEFAROPLASTIA: Correção da pálpebra.

• RINOPLASTIA: Correção cirúrgica do nariz.

• QUEILOPLASTIA: Reparo de defeito nos lábios.

• RITIDOPLASTIA: Cirurgia indicada para corrigir rugas da face.

• MIOPLASTIA: Correção cirúrgica de músculos.

• COLPOPERINEOPLASTIA: Reconstituição da vagina e do períneo.

• MENTOPLASTIA: Reconstituição do queixo.


TERMINOLOGIA CIRÚRGICA
CIRURGIAS COM O SUFIXO RAFIA

• HERNIORRAFIA: Sutura para correção da hérnia.

• COLPORRAFIA: Sutura da parede vaginal.

• PERINEORRAFIA: Sutura do períneo.

• GASTRORRAFIA: Sutura da parede do estômago


TERMINOLOGIA CIRÚRGICA
CIRURGIAS COM O SUFIXO PEXIA

• RETINOPEXIA: Fixação da retina descolada.

• NEFROPEXIA: Elevação e fixação do rim.

• CISTOPEXIA: Elevação e fixação da bexiga.

• ORQUIOPEXIA: Fixação do testículo na bolsa escrotal.


POSICIONAMENTO DO PACIENTE
O bom posicionamento promove o bem estar e a segurança do paciente, enquanto atende as necessidades citadas.
A posição do paciente é determinada pela abordagem cirúrgica, mas a responsabilidade final do bem estar do paciente
é dividida entre o cirurgião, o anestesista e o profissional de enfermagem, que monitora constantemente o estado
fisiológico do paciente.

OBJETIVOS POSICIONAMENTO INCORRETO


• Facilitar exposição e acesso cirúrgico. O posicionamento incorreto do paciente na mesa cirúrgica
• Manter o alinhamento corporal. poderá acarretar:
• Preservar função circulatória e respiratória. • Dificuldade de controle do anestesista.
• Evitar o comprometimento vascular e da pele. • Repercussões no pós-operatório
• Fácil acesso para infusão venosa, • Dor postural.
medicamentos e anestésicos. • Lesões nervosas / neuropraxias.
• Complicações ventilatórias.
• Complicações circulatórias.
• Dificuldade técnica na execução do procedimento.
POSICIONAMENTO DO PACIENTE
CUIDADOS ESPECIAIS MESA CIRÚRGICA E ACESSÓRIOS

PELE
• Compressão.
• Proeminências ósseas.
• Lateral da boca – tubo endotraqueal.

MÃOS, PÉS, DEDOS E ORELHAS


• Estiramento e compressão.
RECURSOS DE PROTEÇÃO
OLHOS
• Ressecamento – prevenir com cremes hidratantes. • Colchonetes
• Braçadeiras
É IMPORTANTE ESTAR ATENTO • Travesseiros
• Perneiras
• Temperatura da sala – se fria oferecer cobertores.
• Fixadores de braços e pernas
• Uso de coxins.
• Protetores de calcâneo
• Mudança de posição com atenção.
• Protetores crânio - faciais
POSICIONAMENTO DO PACIENTE
FATORES DE RISCO QUANTO A POSICÃO CIRÚRGICA

• Procedimentos cirúrgicos muito longos: duas horas ou mais de pressão direta podem resultar em ruptura da
integridade da pele.
• Cirurgia vascular: existe a possibilidade de a perfusão sanguínea estar comprometida devido à doença do paciente
e aos efeitos da anestesia.
• Condições ósseas desmineralizantes: expõem o paciente a uma situação de risco para fraturas (osteoporose).
• Sustentação excessiva de pressão ou retração: pode aumentar o dano a integridade da pele.

PACIENTES VULNERÁVEIS AO ROMPIMENTO DA PELE

• Idosos e Crianças
• Desnutridos e/ou Anêmicos
• Obesos
• Hipovolêmicos
• Diabéticos
• Hemiplégicos
• Arterioscleróticos
DECÚBITO DORSAL OU SUPINA
É aquela em que o paciente se encontra deitado de costas, com as pernas estendidas e os braços estendidos e/ou
apoiados em talas.
O dorso do paciente e a coluna vertebral estão repousando na superfície do colchão da mesa cirúrgica.

ÁREAS QUE DEMANDAM MAIOR ATENÇÃO

Exemplo – Todas as cirurgias gerais; Cirurgia abdominal – Laparoscopia, gastrectomia, colecistectomia,


apendicectomia.; Cirurgia de tórax anterior – Toracotomia; Cirurgia em MMII e MMSS; Cirurgia ginecológica
abdominal – Cesariana, histerectomia, ooforectomia, salpingectomia.
DECÚBITO VENTRAL OU PRONA
O paciente fica deitado de abdômen para baixo, com os braços estendidos para frente e apoiados em talas. O
sistema respiratório fica mais vulnerável na posição de decúbito ventral.
Dispositivo utilizado para posicionamento que eleva o tórax do paciente e permite a movimentação do diafragma
livremente e a expansão dos pulmões.

ÁREAS QUE DEMANDAM MAIOR ATENÇÃO

Exemplo – Cirurgias da coluna – Artrodese de coluna; Cirurgias intestino baixo – Ânus, reto
(hemorroidectomia).
FOWLER OU SENTADA
O paciente permanece semi sentado na mesa cirúrgica. Frequente nas cirurgias que necessitam de melhor
visualização torácica e para acomodação do tecido mamário.

ÁREAS QUE DEMANDAM MAIOR ATENÇÃO

Exemplo – mamoplastia, colocação de dreno torácico, artroscopia de ombro.


DECÚBITO LATERAL OU SIMS
O paciente permanece em decúbito lateral, esquerdo ou direito, com a perna que está do lado de cima flexionada,
afastada e apoiada na superfície de repouso.

ÁREAS QUE DEMANDAM MAIOR ATENÇÃO

Exemplo –Cirurgias renais.


LITOTOMIA OU GINECOLÓGICA
O paciente permanece em decúbito dorsal, com as pernas flexionadas, afastadas e apoiadas em perneiras
acolchoadas, e os braços estendidos e apoiados.

ÁREAS QUE DEMANDAM MAIOR ATENÇÃO

Exemplo –Cirurgias ginecológicas baixas – Histerectomia via vaginal, Colpoperineoplastia, Perineoplastia; Cirurgias
urológicas – Prostatectomia; Cirurgias Proctológicas – Hemorroidectomia.
TRENDELEMBURG
É uma variação da posição de decúbito dorsal onde a parte superior do dorso é abaixada e os pés são elevados.
Mantêm as alças intestinais na parte superior da cavidade abdominal.

ÁREAS QUE DEMANDAM MAIOR ATENÇÃO

Exemplo –Posição utilizada para cirurgias de órgãos pélvicos, Laparotomia de abdômen inferior; utilizada também
para melhorar a perfusão cerebral e aumento da pressão arterial;
TRENDELEMBURG REVERSO
Mantêm as alças intestinais na parte inferior da cavidade abdominal. Reduz a pressão sanguínea cerebral.

ÁREAS QUE DEMANDAM MAIOR ATENÇÃO

Exemplo –Posição utilizada para cirurgias de abdômen superior e algumas cirurgias cranianas.
CANIVETE – KRASKE
O paciente se encontra em decúbito ventral, com as costas e pernas para fora da mesa e o tórax sobre a mesa, a
qual está levemente inclinada no sentido oposto das pernas, e os braços estendidos e apoiados em talas.Devem ser
posicionados esparadrapos nas nádegas para abrir sulco interglúteo.

ÁREAS QUE DEMANDAM MAIOR ATENÇÃO

Exemplos - Cirurgias Proctológicas – Hemorroidectomia, Retosigmoidectomia, fissuras e fístulas anal.

Você também pode gostar