Você está na página 1de 9

Aula 03: CONCEITOS BÁSICOS DE PRIMEIROS SOCORROS – UNIDADE II

Aluno:

Data: / /
CE ARDALIÃO AMÉRICO PIRES
Prof. Esp. Leonardo Delgado

Aula 03: Conceitos Básicos de Primeiros


Socorros na Educação Física

Habilidades
- Conhecer a sequencia de fases de como
socorrer pessoas em perigo.
- Aprender as principais condutas para
saber agir em situações de risco;
- Contribuir em situações de urgência e
emergência Socorrista: Titulação utilizada dentro
de algumas instituições, sendo de caráter funcional
Introdução ou operacional, tais como: Corpo de Bombeiros,
Prezados alunos, nesta aula iremos Cruz Vermelha Brasileira, Brigadas de Incêndio, etc.
contextualizar alguns conceitos de higiene, Manutenção da Vida: Ações
segurança e primeiros socorros na educação física, desenvolvidas com o objetivo de garantir a vida da
que serão fundamentais para a compreensão desta vítima, sobrepondo à "qualidade de vida".
unidade de ensino. Além disso, devemos Qualidade de Vida: Ações
reconhecer os principais acidentes e lesões desenvolvidas para reduzir as sequelas que possam
esportivas que ocorrem em um ambiente escolar, surgir durante e após o atendimento
bem como medidas para a sua prevenção. Emergência é uma situação grave,
que aparece de forma súbita e imprevista, que
necessita de solução imediata, tanto clínica e/ou
cirúrgica, promovendo grande sofrimento ou risco
de vida. A parada cardíaca e as hemorragias são
exemplos de situações de emergências.
Urgência é a ocorrência ou situação
50
perigosa “de aparecimento rápido, mas não
necessariamente imprevisto e súbito, [...] que
apresenta quadro grave, clínico ou cirúrgico” e
necessita da abordagem terapêutica em um prazo
Os primeiros socorros são definidos um pouco maior do que da emergência. As
como uma série de procedimentos simples que luxações e as fraturas são exemplos de situações
têm como objetivo resolver situações de de urgências comumente vivenciadas na prática
emergência, feitas por pessoas detentoras desses profissional da Educação Física (KRUM; PARIS,
conhecimentos, até a chegada de atendimento 2011, p. 16).
médico especializado.
Os primeiros socorros são Tabela 1: Situações de emergência e urgência
habitualmente mencionados em situações graves Situações de urgência Situações de emergência
de emergência, embora sejam igualmente - Fortes dores abdominais - Parada respiratória
relevantes em casos como escoriações, lesões, - Dores de cabeça - Infarto agudo do
hemorragias, etc. (PORTAL SAÚDE, 2010). repentinas miocárdio
. Nesta mesma linha de pensamento, - Febre - Edema agudo do pulmão
os primeiros socorros podem também ser - Cólicas - Arritmias
- Vômitos - Acidente vascular
definidos como os cuidados de “emergência
- Cortes ou ferimentos cerebral – AVC (derrame)
dispensados a qualquer pessoa que tenha sofrido - Fraturas fechadas - Afogamentos
1
um acidente ou mal súbito (intercorrência clínica), - outros quadros que - Choque elétricos
até que esta pessoa possa receber o tratamento necessitem de
médico adequado e definitivo” (SÃO PAULO, 2007, atendimento e se
p.35). apresentem com
Prestador de socorro: Pessoa leiga, características que
mas com o mínimo de conhecimento capaz de impossibilitem o
prestar atendimento à uma vítima até a chegada deslocamento do paciente.
do socorro especializado. Acidente: Fato do qual resultam
pessoas feridas e/ou mortas que necessitam de
1 atendimento.
Qualquer ocorrência repentina de perda da estabilidade
hemodinâmica ou neurológica de um indivíduo.
Leonardo de A. Delgado. CREF. 001764-G/MA
Incidente: Fato ou evento desastroso descontaminação ocorre ao lavar com água, sabão
do qual não resultam pessoas mortas ou feridas, e escova tanto materiais como tecido vivo. A
mas que pode oferecer risco futuro. desinfecção promove destruição de micro-
Sinal: É a informação obtida a partir organismos nocivos sem esporos, com o uso de
da observação da vítima. componentes químicos (álcool, hipoclorito de
Sintoma: É informação a partir de sódio, detergentes, clorohexidina, entre outros),
um relato da vítima. radiação ultravioleta (UVA e UVB), água fervente
O Atendimento Pré-hospitalar (APH) ou vapor. Ao aplicar o produto na pele/mucosas, é
nas urgências e emergências ocorre, denominado antisséptico e em materiais
frequentemente, pelo Serviço de Atendimento (bancadas, mesas, piso) são considerados
Móvel de Urgência (SAMU) e/ou pelo corpo de desinfetantes (COSTA; TORRES, 2010).
bombeiros, que são acionados respectivamente A eliminação completa ou para níveis
pelos telefones 192 e 193. Estas equipes de resgate aceitáveis de todas as formas microbiológicas
utilizam ambulâncias e profissionais para o (vírus, bactérias, fungos, protozoários, esporos)
Suporte Básico de Vida (SBV) e Suporte Avançado ocorre através da esterilização, que
de Vida (SAV). frequentemente é realizada em equipamentos
As ambulâncias de Suporte Básico de cirúrgicos e alimentos enlatados e envasados.
Vida são equipadas com materiais básicos para No ambiente escolar, devemos
atender vítimas de menor complexidade e promover a prática correta da higienização
possuem uma equipe habitualmente composta por corporal, principalmente das mãos ao manusear
dois membros: um técnico ou auxiliar de alimentos, ao utilizar os sanitários e durante a
enfermagem e um condutor/socorrista. prática esportiva, tomando os cuidados
As ambulâncias denominadas necessários durante o banho em vestiários e
Suporte Avançado de Vida funcionam como uma banheiros públicos.
Unidade de Terapia Intensiva (UTI) móvel, por Além disso, são imprescindíveis os
estarem equipadas com todos os materiais cuidados com o preparo dos alimentos e da
necessários para atender todo tipo de vítima, manutenção adequada da água potável
classificadas em baixa, média e alta complexidade, (bebedouros) e condições salutares de refeitórios,
de acordo com o agravo.
A tripulação desse tipo de
salas, playgrounds e das instalações esportivas
como piscinas e ginásios.
51
ambulância é composta por pelo menos três
membros: um médico, um enfermeiro e um Dicas de segurança para a prática de
condutor que é capacitado para ser socorrista educação física
(SANCHES; DUARTE; PONTES, 2009, p. 98). 1- Respeitar e seguir as regras do esporte para
se evitar lesões.
Higiene e segurança no ambiente escolar 2- Incentivar o uso dos equipamentos de
A higiene pode ser definida como a segurança adequados e apropriados a cada
aplicação de meios não clínicos e fundamentais esporte, como, por exemplo, o uso de
para a manutenção da saúde humana, tanto em caneleiras e chuteiras no futebol, além de
um contexto individual ou coletivo. Ela emprega roupas e calçados adequados.
“conhecimentos e técnicas para evitar doenças 3- Promover a segurança ambiental, evitando-
infecciosas usando desinfecção, esterilização e se desníveis nas quadras, garantindo que a
outros métodos de limpeza com o objetivo de superfície seja confeccionada de materiais que
conservar e fortificar a saúde” (COSTA; TORRES, absorvam o impacto no momento das quedas.
2010, p. 9). 4- Proteger colunas e estruturas arquitetônicas
Nessa perspectiva, devemos destacar que possam oferecer risco durante esta prática.
a importância da higiene na escola, pois São 5- Educar as crianças com relação ao respeito
muitos os lugares do mundo nos quais os alunos aos outros competidores e ao trabalho em
faltam às aulas ou saem da escola por causa dessas equipe.
doenças que vêm na água que bebem.
As mãos sujas por falta d’agua Medidas preventivas para a prática de
também causam problemas do mesmo tipo. educação física
Crianças são as principais vítimas das baixas A segurança para a prática de
condições de higiene em um mundo onde educação física está associada à promoção
centenas de milhões de pessoas lutam pela constante de medidas preventivas, podem ser
sobrevivência (BRASIL, 2008, p. 20). sintetizadas como:
O controle de micro-organismos é 1. Epidemiologia desportiva (prevalência e
realizado através dos processos de incidência das lesões por modalidade).
descontaminação, desinfecção e esterilização. A
Leonardo de A. Delgado. CREF. 001764-G/MA
2. Trabalho multidisciplinar nos esportes e na Manter a segurança no local de atendimento
educação física escolar. A primeira atitude a ser tomada no
3. Avaliação dos alunos e atletas pré- local do acidente é avaliar os riscos para si próprio,
participação e exame em campo. para a vítima e terceiros.
4. Estratégias para atendimento nas Verifique se há fios soltos e
emergências e urgências desportivas. desencapados, tráfego de veículos, riscos de
5. Higiene pessoal e coletiva na educação física andaimes, vazamento de gás, máquinas
escolar e no desporto. funcionando, corrente elétrica, chamas, faíscas,
6. Conservação de instalações esportivas e uso fagulhas, enfim, qualquer elemento externo que
de equipamentos de proteção. possa tornar o atendimento arriscado. Em seguida,
7. Controle de imunizações ativas e passivas. sinalize o local com cones, fitas, triângulos ou
8. Utilização de órteses funcionais esportivas. galhos de árvore, para evitar a aproximação de
9. Aquecimento e alongamentos prévios à curiosos que possam atrapalhar o socorro.
prática esportiva. Na falta de qualquer recurso, peça
10. Controle das condições ambientais que alguém apenas sinalize com os braços, desde
(climáticas) e nutrição esportiva (hidratação). que a certa distância do local do acidente. O
11. Utilização de roupas e calçados adequados importante é marcar o ponto da ocorrência,
para as atividades esportivas. evitando maiores acidentes. Tomadas as devidas
12. Controle dos aspectos psicológicos precauções, todas bastante rápidas, é hora de
(ansiedade, motivação) no desporto. iniciar o atendimento a vítima.
13. Treinamento e recuperação funcional, uso
da técnica adequada (biomecânica). Utilização correta dos Equipamentos de
14. Programa de condicionamento físico, com Proteção Individual (EPI)
treinamento de força, potência, equilíbrio, É muito importante, para promover a
flexibilidade e reeducação sensório-motora sua segurança e das demais pessoas naquele
(propriocepção). ambiente, deve-se utilizar, se possível,
equipamentos de proteção (luvas, óculos,
A Sequência das Fases do Socorro máscaras e avental).
Embora cada acidente tenha
características próprias, alguns procedimentos
52
Solicitação de Recursos Adicionais
essenciais devem ser observados em todas as Solicitação de auxílio a serviços
situações de emergência. especializados como: Corpo de Bombeiros (193),
SAMU (192), Polícia Militar (190), polícia Civil (147),
1ª Etapa: Avaliação Diagnóstica da Cena do Defesa Civil (363 1350), CEB (0800610196), Cruz
Acidente Vermelha, etc., informando-os as condições
Essa etapa é entendida como uma clínicas (sinais e sintomas), mecanismos do trauma
ação avaliativa realizada no início de um processo e local em que ocorreu o acidente ou que a vítima
de socorro, que tem a função de obter sofreu o mal súbito.
informações sobre o acidente, sua situação, Pelo histórico do acidente deve-se
eventuais perigos, visando criar um rápido plano observar indícios que possam ajudar ao prestador
de ação para administrar os recursos materiais e de socorro classificar a vítima como clínica ou
humanos visando garantir a eficiência do traumática.
atendimento. Vítima Clínica: apresenta sinais e
sintomas de disfunções com natureza fisiológica,
Avaliar a situação como doenças, etc.
Inteirar-se do ocorrido com Vítima de Trauma: apresenta sinais e
tranquilidade e rapidez; sintomas de natureza traumática, como possíveis
Nesta etapa, o socorrista deve fraturas. Devemos nesses casos atentar para a
coletar o máximo de informações do local do imobilização e estabilização da região suspeita de
acidente para entender como o ocorreu. lesão.
Nesta fase, verifica-se também a
provável causa do acidente, o número de vítimas e 2ª Fase: Avaliação da Vitima do Acidente
a provável gravidade delas e todas as outras A avaliação do estado geral do
informações que possam ser úteis para a acidentado é a próxima etapa na prestação dos
notificação do acidente ao socorrista. primeiros socorros. As ações devem ser realizadas
simultânea ou imediatamente após a proteção do
acidentado.

Leonardo de A. Delgado. CREF. 001764-G/MA


Neste momento, se faz necessário
realizar dois exames básicos: o Exame Primário e o
Exame Secundário.
As prioridades durante a avaliação
de uma vítima são as seguintes:
- Garantir a segurança da vítima, de terceiros e
do socorrista durante toda a intervenção;
Ao final desta fase, necessita
- Identificar e corrigir as situações que implicam
imobilizar o pescoço com o uso de colar cervical
risco de vida;
adequado em quem recebeu descarga de energia
- Não agravar o estado da vítima;
(trauma). Se a vítima responder normalmente,
- Limitar o tempo no local ao mínimo
significa que provavelmente as vias aéreas estão
necessário para estabilizar a vítima, iniciar a
permeáveis e com respiração espontânea (MINAS
correção das situações que carecem de
GERAIS, 2013).
intervenção e preparar o seu transporte em
segurança;
- Recolher informações relevantes: CHAMU
2ª Situação: A Vítima está Inconsciente
(Circunstâncias, História, Alergias, Medicação e Se a vítima não responder
Última refeição). (INEM,2012) normalmente, você deve examinar e desobstruir as
vias aéreas (presença de sangue, vômitos, próteses
dentárias, corpos estranhos ou queda da língua em
Exame Primário
inconscientes).
O exame primário envolve a
Em pessoas que sofreram trauma ou
avaliação completa da vítima e tem por objetivo
desmaio sem causa definida deve-se realizar a
identificar e manejar situações que possa provocar
estabilização cervical e uma tração de mandíbula
risco de vida da vítima.
(Jaw-Thrust).
Ele segue as etapas ABCDE: A
(Airway), vias aéreas e controle cervical; B
(Breathing), respiração e frequência ventilatória; C
(Circulation), circulação com controle de
hemorragias; D (Disability), disfunção neurológica
e estado da consciência; E (Exposure), exposição
53
da vítima e controle da temperatura.

Airway
Na primeira etapa (A), deve-se
verificar a responsividade da vítima, ou seja, a
capacidade de responder e o nível de consciência. Já para casos clínicos realiza-se uma
O que implica em duas situações. hiperextensão cervical com elevação do queixo
(Chin-Lift).
1ª Situação: A Vítima está Consciente
Conseguir o máximo de informações
possível, enquanto a vítima está consciente.

O que devemos perguntar?


- Qual seu nome, idade?
- Consegue mobilizar (mexer) os seus membros
(braços e pernas)?
- Tem dores? Onde? Em que zonas do seu
corpo?
- Tem sensibilidade no seu corpo (sente tocar Breathing
no corpo)? Logo após verificar se as vias aéreas
- Aonde estamos tocando? Apresenta outras estão desobstruídas, devemos averiguar se a
lesões? respiração (B) está presente e efetiva
(profundidade, frequência, esforço e
Ao mesmo tempo em que realiza as bilateralidade). Assim, necessita ser examinada
perguntas, você deve estabilizar a coluna cervical e rapidamente (5 a 10 segundos) pela técnica Ver,
cabeça com as mãos e ou joelhos. Ouvir e Sentir, ou seja, “Ver se há expansão do
tórax e abdome; Ouvir se existe ruído do ar
exalado pela boca ou nariz e; Sentir o fluxo de ar

Leonardo de A. Delgado. CREF. 001764-G/MA


exalado pela boca ou nariz” (SÃO PAULO, 2007, p. (azulada ou arroxeada) e teste de enchimento
42). capilar alterado (OLIVEIRA; RODRIGUES, 2004).

Disability
Na próxima etapa da avaliação
primária, é analisado o estado de consciência e
possível disfunção neurológica (d), através de
procedimentos indiretos que preveem o estado de
oxigenação cerebral. Assim, você poderá utilizar a
escala AVDN:
• A = vítima encontra-se Alerta.
A frequência ventilatória será
• V = responde a estímulos Verbais.
observada pelo número de movimentos
• D = responde a estímulos Dolorosos.
respiratórios (expansibilidade do tórax e abdômen)
• N = Não responde.
por minuto. Caso a respiração esteja ausente,
iniciar de imediato a ventilação artificial.
Caso a vítima não se encontre
acordada, orientada e capaz de responder aos
Circulation
comandos do socorrista, é importante avaliar as
A análise do comprometimento
suas pupilas, principalmente em relação ao
circulatório (C) é a próxima etapa da avaliação
tamanho, simetria e reação à luz (GOIÁS, 2011).
primária.
Isocóricas (Normais): São simétricas
Nessa fase você deve checar a
e reagem á luz.
perfusão (pulsação, enchimento capilar, coloração,
umidade e temperatura) e a presença de
hemorragias.
Diagnóstico-Provável
Esta condição é normal, porém deve-
se reavaliar constantemente.

Mióse: Ambas estão contraídas, sem


54
reação á luz.

Diagnóstico-Provável
Nas vítimas conscientes, devemos
Lesão no sistema nervoso central ou
averiguar (palpação) o pulso radial ou carotídeo,
abuso no uso de drogas (toxinas).
caso o primeiro esteja ausente ou em pessoas
inconscientes. No entanto, em lactantes observa-
Anisocóricas: Uma dilatada e outra
se na artéria braquial (GOIÁS, 2011).
contraída. assimétricas

Diagnóstico-Provável
Acidente vascular cerebral - AVC,
Traumatismos Crânio-encefálico-TCE.

Midríase: Pupilas dilatadas.

Em situações de emergência com


ausência de pulso carotídeo ou batimento cardíaco
Diagnóstico-Provável
(ausculta pelo estetoscópio), deve-se iniciar
Ambiente com pouca luz, anoxia ou
imediatamente a reanimação cardíaca.
hipoxia severa, inconsciência, estado de choque,
Além disso, torna-se fundamental
parada cardíaca, hemorragia. TCE
observar e tentar controlar hemorragias externas e
internas. Alguns sinais são indicativos de
Exposure
hemorragia ou estado de choque, como a presença
Na ultima etapa (e) desta avaliação,
de sangramento, pele fria, úmida, palidez, cianose
sempre quando necessário, realiza-se a exposição
Leonardo de A. Delgado. CREF. 001764-G/MA
do corpo da vítima, para identificar e intervir em - Otorragia (sangramento pelo conduto
possíveis lesões. Dessa forma, é necessário expor auditivo);
apenas os segmentos que foram afetados, - Distúrbios oculares: protusão ocular,
evitando, assim, constrangimentos e um tempo inflamações, irritações ou infecções;
demasiado de exposição, para não provocar - Paralisia de músculos da face com desvio de
hipotermia (queda da temperatura corporal) e, rima facial;
após este procedimento, precisa-se cobrir a vítima - Dificuldade em articular palavras;
(NAEMT, 2011). - Edema de face ou língua;
- Alterações pupilares;
Exame Secundário - Alterações sensoriais: visão, audição, olfato
O exame secundário é realizado após ou paladar;
a completa avaliação primária, em que foram - Alterações no hálito (cetônico, alcoólico,
identificados e aplicados os procedimentos de produtos químicos etc.);
primeiros socorros para as possíveis emergências - Fraturas ou avulsões dentárias;
que ameacem a vida. Esta fase visa verificar outras - Ulcerações, feridas, cortes nos lábios, nas
lesões de menor gravidade nos diversos segmentos gengivas ou na mucosa oral;
corporais e controlar (reavaliar) os sinais vitais. - Alterações na coloração da pele e das
A avaliação secundária é subdividida mucosas: cianose, palidez, eritema e icterícia.
em Subjetiva e Objetiva.
Pescoço: aplicar os procedimentos
Exame Subjetivo operacionais específicos para os traumas
No exame subjetivo (Anamnese), encontrados por meio de inspeção visual e
serão realizadas várias perguntas para a vítima, palpação com base nos seguintes sinais e sintomas:
acompanhantes ou testemunhas (GOIÁS, 2011): - Ferimentos abertos no pescoço;
• Nome, idade, endereço, telefone. - Edema localizado ou generalizado;
• Queixa principal, descrição do acidente, - Equimose ou hematoma;
sintomas. - Desvio de traqueia;
• AMPLA - Enfisema subcutâneo;
- Ambiente, eventos que levaram ao trauma.
- Medicações, de uso contínuo ou tomado
- Rouquidão na fala;
- Desalinhamento de vértebras cervicais
55
recentemente. (luxações ou fraturas);
- Passado Médico, doenças e cirurgias realizadas. - Estase sanguínea na veia jugular;
- Líquidos e alimentos, ingeridos antes do acidente. - Resistência ou dor ao movimento.
- Alergia, a medicamentos e alimentos.
Tórax: aplicar os procedimentos
Exame Objetivo operacionais específicos para os traumas
Durante a avaliação secundária encontrados por meio de inspeção visual e
objetiva, você deve examinar detalhadamente o palpação com base nos seguintes sinais e sintomas:
corpo, seguindo a mesma ordem (crânio, face, - Feridas soprantes na parede torácica ou no
pescoço, tórax, abdômen, quadril, membros dorso;
inferiores, superiores e dorso), observando: - Edema localizado ou generalizado;
- Inspeção (cor da pele, presença de sudorese, - Equimose ou hematoma;
simetria, alinhamento, deformidades e - Alteração de expansibilidade torácica
ferimentos). bilateral;
- Palpação (procurar ao toque deformidades, - Ruídos ventilatórios (adventícios): sopros,
crepitação, rigidez, flacidez, alteração na sibilos ou roncos;
temperatura e sudorese). - Fraturas de costela ou esterno;
- Enfisemas subcutâneos;
Cabeça: aplicar os procedimentos - Dificuldade ventilatória com uso de
operacionais específicos para os traumas músculos acessórios da ventilação.
encontrados por meio de inspeção visual e
palpação com base nos seguintes sinais e sintomas: Abdômen: aplicar os procedimentos
- Ferimentos abertos no couro cabeludo; operacionais específicos para os traumas
- Deformidades ósseas (afundamento, encontrados por meio de inspeção visual e
abaulamento); palpação com base nos seguintes sinais e sintomas:
- Crepitação óssea; - Ferimentos abertos no abdômen;
- Hematomas periorbitais ou na região do - Eviscerações abdominais;
mastoide; - Alterações de forma ou volume;
- Epistaxe ou rinorragia (sangramento nasal);
Leonardo de A. Delgado. CREF. 001764-G/MA
- Abaulamentos ou retrações da parede 4ª Fase Avaliação Continuada
abdominal; Nesta fase, verificam-se
- Alterações de movimentos abdominais: periodicamente os sinais vitais e mantém-se uma
pulsação em parede abdominal por aneurisma, constante observação do aspecto geral da vítima.
rigidez abdominal; Reavaliar vítimas - Críticas e Instáveis
- Edema localizado ou generalizado; a cada 3 minutos;
- Equimose ou hematoma;
- Dores localizadas ou generalizadas. QUESTÕES
1. Quando sabemos que a vítima necessita de
Pelve e nádegas: aplicar os primeiros socorros?
procedimentos operacionais específicos para os a) Quando não tem condições de cuidar de si
traumas encontrados por meio de inspeção visual mesma.
e palpação com base nos seguintes sinais e b) Quando está andando.
sintomas: c) Quando apresenta somente febre.
- Ferimentos abertos na pelve ou nas d) Quando desrespeita as leis de trânsito.
nádegas; e) N.D.A.
- Deformidades ou instabilidade da parede
pélvica; 2. Primeiros socorros são medidas que devem ser
- Crepitação óssea; aplicadas o mais rápido possível à pessoa que
- Alterações de movimentação e necessita de ajuda. Quanto mais tempo demorar o
sensibilidade de extremidades inferiores atendimento à vítima, pior pode ser o
concomitantes, como trauma pélvico. agravamento da situação. Sobre os primeiros
socorros, classifique V para as sentenças
Extremidades: aplicar os verdadeiras e F para as falsas:
procedimentos operacionais específicos para os ( ) Primeiramente, deve ser observado o local do
traumas encontrados por meio de inspeção visual acontecimento, com o propósito
e palpação com base nos seguintes sinais e de verificar se há riscos para a vítima e para o
sintomas: prestador do atendimento.
- Ferimentos abertos nas extremidades
inferiores ou superiores;
( ) Quanto mais pessoas ao redor da vítima, melhor
e mais prático será o atendimento, pois a vitima se
56
- Fraturas ou deformidades ósseas; sentirá segura.
- Alteração de motricidade: incapacidade ( )Caso exista um pronto atendimento próximo,
total ou parcial de movimentar a extremidade coloque a vítima no carro e a leve até o pronto
afetada; atendimento, não esperando o atendimento de
- Alterações vasculares: ausência de pulso uma equipe especializada (bombeiros, por
distal, comprometimento da perfusão capilar; exemplo).
- Alterações de sensibilidade: dor acentuada, ( ) A pessoa que prestará os primeiros socorros
anestesias (ausência de deve possuir um conhecimento
- sensibilidade), parestesias (formigamentos); básico na realização dos procedimentos.
- Alterações da coloração da pele: cianose, Assinale a alternativa que apresenta a sequência
palidez, entre outros; CORRETA:
- Alteração de temperatura da pele (fria ou a) F - F - V - F.
quente); b) F-V-V-V.
- Alteração da umidade da pele (úmida ou c) V-V-F-V.
seca). d) V-F-F-V.

3ª Fase Estabilização e Transporte 3. Primeiros socorros são medidas que devem ser
Nesta fase finaliza-se o exame da empregadas o mais rápido possível à pessoa que
vítima, avalia-se a região dorsal, preveni-se o depende de ajuda. Quanto mais tempo demorar o
estado de choque e prepara-se para o transporte. atendimento à vitima, pior pode ser o
A imobilização e o transporte para o agravamento da situação. Referente às orientações
hospital de vítimas acidentadas ou com para controle da situação, analise as sentenças a
enfermidades graves são de inteira seguir:
responsabilidade dos serviços de atendimento I- Deve ser analisado se a vítima apresenta
móvel de urgência (SAMU ou CB), que contam com hemorragias, ferimentos, fraturas ou queimaduras.
profissionais e equipamentos (ambulâncias) II- Caso exista amputação de algum membro, o
especializados para realizar o suporte básico de socorrista deve recolher o membro, cobrir com um
vida (SBV) ou suporte avançado de vida (SAV) pano limpo e entregar ao médico.

Leonardo de A. Delgado. CREF. 001764-G/MA


IIl- Oferecer água para o acidentado, mesmo se ele I- A avaliação primária é sempre o primeiro passo
estiver inconsciente, do socorrista, após a verificação das condições de
IV- Verificar se houve lesão na cabeça, segurança do local do acidente.
principalmente se o acidentado estiver II- Na avaliação secundária, o socorrista deve
semiconsciente ou inconsciente. procurar identificar os ferimentos e a deficiência,
Assinale a alternativa CORRETA: além de checar os sinais vitais, conhecer o histórico
a) As sentenças I, III e IV estão corretas. da vitima através de uma breve entrevista.
b) As sentenças II e III estão corretas. III- Na avaliação primária, o socorrista deve
c) As sentenças I, II e IV estão corretas. procedera análise das condições clínicas que
d) As sentenças II, IIl e IV estão corretas. possam resultar no risco eminente da vida, como
permeabilidade das vias respiratórias, estabilização
4. O objetivo do atendimento inicial à vítima é cervical, respiração eficiente, constância da
identificar rapidamente situações que coloquem a circulação e controle de sangramentos externos.
vida em risco e que demandem atenção imediata IV- A avaliação primária pode ser definida como
pela equipe de socorro. O atendimento inicial deve um processo ordenado, para constatar lesões ou
ser rápido, organizado e eficiente, permitindo problemas médicos.
decisões quanto ao atendimento e ao transporte Assinale a alternativa CORRETA:
adequados, assegurando à vítima maiores chances a) As afirmativas I, II e III estão correias.
de sobrevida. Uma das etapas do atendimento b) As afirmativas I. II e IV estão corretas.
inicial à vítima é a avaliação secundária. Com c) As afirmativas I. IH e IV estão corretas.
relação à avaliação secundária, analise as d) As afirmativas II. III e IV estão corretas.
afirmativas a seguir:
I- Essa avaliação objetiva os recursos necessários 6. Os sinais vitais são indícios que permitem
para que o socorrista possa tomar a decisão entender o estado geral de uma pessoa. Podem ser
correia dos cuidados à vítima. percebidos facilmente, deduzindo-se assim que,
II- É um processo ordenado, para constatar lesões em sua ausência, existem alterações nas funções
ou problemas médicos. vitais do corpo. Referente aos sinais vitais, analise
III- A avaliação secundária tem três características as sentenças a seguir:
diferentes, sendo elas: entrevista com a vítima ou
testemunhas, conferência dos sinais vitais e exame
I- Quando o acidentado está com a pele quente e
seca, pode ser considerado como um caso de
57
padronizado da cabeça aos pés. insolação.
IV- Essa fase de avaliação deverá ser completada II- Quando a respiração é profunda, pode ser que a
em, no máximo. 45 segundos, sendo que as ações pessoa esteja com uma doença cardíaca ou
de suporte básico à vida são iniciadas nessa etapa. pulmonar.
Assinale a alternativa CORRETA: III- Quando o acidentado está com a circulação de
a) As afirmativas I, II e IV estão corretas. sangue deficiente, a sua pele ficará pálida ou
b) As afirmativas I, III e IV estão corretas. branca.
c) As afirmativas II. III e IV estão corretas. IV- A leitura da pressão arterial é realizada através
d) As afirmativas I, II e III estão corretas. do aparelho decibelimetro, empregado
simultaneamente como estetoscópio.
5. Antes de qualquer outra atitude no atendimento Assinale a alternativa CORRETA:
às vítimas, deve-se obedecera uma sequência a) As sentenças I. III e IV estão corretas.
padronizada de procedimentos que permitirá b) As sentenças II e IV estão corretas.
determinar qual o principal problema associado c) As sentenças II, III e IV estão corretas.
com a lesão ou a doença e quais serão as medidas d) As sentenças I II e III estão cometas.
a serem tomadas para corrigi-lo. Essa sequência
padronizada de procedimentos é conhecida como 7. Para poder determinar em nível de primeiro
exame do paciente. Durante o exame, a vítima socorro, como Prestador de socorro, o
deve ser sumariamente examinada para que, com funcionamento satisfatório dos controles centrais
base nas lesões sofridas e nos seus sinais vitais, as dos mecanismos da vida, é necessário
prioridades do atendimento sejam estabelecidas. compreender os sinais indicadores chamados de
As informações obtidas por esse processo, que não sinais vitais.
se estende por mais do que alguns segundos, são Quanto aos tipos de Sinais Vitais, analise os itens
extremamente valiosas na sequencia do exame, abaixo:
que é subdividido em duas partes: avaliação I. Temperatura.
primária e secundária da vítima. Com relação à II. Pulso.
avaliação primária e secundária da vitima, analise III. Respiração.
as afirmativas a seguir: IV. Pressão arterial.
V. Dor
Leonardo de A. Delgado. CREF. 001764-G/MA
Estão CORRETAS as alternativas:

a) I, II, III, IV e V.
b) Apenas IV e V.
c) Apenas I, II, III e IV.
d) Apenas I, II, III e V.
e) Apenas III e V.

8. No que se refere às noções de primeiros


socorros, assinale a alternativa que apresenta uma
ação CORRETA ao se deparar com uma vítima de
acidente de trânsito:
a) Movimentar a cabeça da vítima em todas as
direções para verificar a existência de fraturas.
b) Caso a vítima apresente sudorese, deve-se
providenciar água para que ela se reidrate.
c) Caso haja uma hemorragia externa fazer uma
compressão no local do ferimento com gaze ou
pano limpo.
d) Verificada a existência de uma fratura de
membro inferior com desalinhamento do membro,
deve-se tentar voltar o membro à posição natural
para evitar o estado de choque.
e) Ofereça bebida alcoólica para aliviar a dor

9. Antes de movimentar ou transportar a vítima,


qual entre os procedimentos abaixo não é
indicado?
a) Conter uma hemorragia
58
b) Dar um analgésico para aliviar a dor
c) Chamar o corpo de bombeiros
d) Chamar pela consciência
e) Chamar o SAMU

10. Antes de proceder à avaliação secundária, o


socorrista deverá realizar
a) o transporte, não se preocupando com qualquer
análise.
b) a avaliação secundária.
c) a anamnese.
d) a avaliação primária e controlar todos os
problemas que ameaçam a vida.
e) a pesquisa do ambiente onde ocorreu o
acidente, relacionando-o com os problemas da
vítima.

Leonardo de A. Delgado. CREF. 001764-G/MA

Você também pode gostar