Você está na página 1de 2

Grafocêntrico: a escrita como centro, como o elemento principal.

Uma sociedade
grafocêntrica é uma sociedade que á extrema importância para a palavra escrita e estabelece
sua organização e relações a partir dela.
Nos dias de hoje, ser alfabetizado, isto é, saber ler e escrever, tem se revelado condição
insuficiente para responder adequadamente às demandas contemporâneas. Há alguns anos, não
muito distantes, bastava que a pessoa soubesse assinar o nome, porque dela, só interessava o
voto. Hoje, saber ler e escrever de forma mecânica não garante a uma pessoa interação plena
com os diferentes tipos de textos que circulam na sociedade. É preciso ser capaz de não apenas
decodificar sons e letras, mas entender os significados e usos das palavras em diferentes
contextos.

A linguagem está sempre presente em nossas vidas, mesmo quando não percebemos: quando
escrevemos e lemos e até mesmo quando atravessamos a rua assim que o sinal fica verde para os
pedestres. Daí, pensando em você, leitor curioso, escrevemos este fascículo a partir da exclamação Esse
mundo da linguagem! Essa é uma exclamação que vem seguida de muitas interrogações, pois, como você
verá, preparamos um material a partir dos muitos questionamentos que o mundo da linguagem acarreta e,
longe de resolvê-los, geramos outras interrogações úteis.

A IMPORTÂNCIA DA ESCRITA

É sensível no mundo contemporâneo a importância da comunicação escrita no dia a dia.


Não é nenhum segredo que as melhores posições - em todas as profissões - são dadas aos
melhores comunicadores. Para estar sempre à frente é preciso falar, e principalmente escreve
bem.
Geralmente a linha divisória entre a pré-história e a história é atribuída ao tempo em que
surgiram os registros escritos. A importância da escrita para a história e para a conservação de
registros vem do fato de que estes permitem o armazenamento e a propagação de informações
não só entre indivíduos (privilégio também da linguagem), mas também por gerações.
O trabalho de escrever é árduo. Um texto para cativar o público precisa, primeiramente,
abordar um assunto que desperte a atenção do leitor; por isso, a escolha do tema é muito
importante.
Em segundo lugar, o texto deve estar bem escrito, ortográfica e gramaticalmente. E, além disso,
deve atingir as expectativas do leitor, fazendo com que ele crie um vínculo com suas ideias e
abordagens.
Outra característica necessária é ser coeso e coerente. Isto é, um texto coeso é aquele
que apresenta associação consistente entre seus elementos formadores. Dessa forma, vemos
que a coesão é a costura entre uma ideia e outra dentro do texto, é ela quem estabelece as
relações entre as informações apresentadas e elencadas. Ao passo que a coerência é a ligação
desses elementos textuais. Nós percebemos logo quando um texto não é coerente, pois ele não
conclui as ideias apresentadas e as ligações entre as palavras são prejudicadas, dificultando a
compreensão da mensagem.
Assim, percebemos que para a construção de um texto não bastam apenas algumas
ideias, é preciso cuidado na escolha do assunto, do vocabulário e na construção das frases.
A importância do ato de aprender a ler e a escrever está fundamentada na idéia de que o
homem se faz livre por meio do domínio da palavra. O uso da linguagem é tão importante que a
linha do tempo divide a história em antes e depois da escrita. A partir de então, o homem pôde
registrar sua cultura, as descobertas, as emoções, sua poesia, enfim, sua maneira de ver o
mundo. Isso não quer dizer que o homem não manifestasse o desejo de se expressar no mundo
antes de desenvolver a escrita. Ele se comunicava por meio do desenho e da pintura, mas foi
com a escrita que ampliou sua habilidade comunicativa e socializou o registro através de um
sistema convencional de sinais fechados.
No entanto, aprender a ler e a escrever é mais do que uma simples decodificação de
símbolos. Para o sujeito construir a habilidade de escrever e ler é necessário que compreenda a
sua própria existência. É preciso ter consciência de que a escrita tem por função registrar fatos
criados e vividos pelo homem. A escrita registra os significados dos homens.