Você está na página 1de 2

Instituto Federal de Brasília – Campus Ceilândia

Disciplina: Biologia
Professora: Caroline
Turma\Curso: 2º A - Técnico em Segurança do Trabalho
Aluna: Geovana Barbosa Dantas

Cólera
A cólera é uma doença bacteriana infecciosa intestinal aguda, que é causada pela
bactéria Vibrio cholerae. Ao infectar o intestino humano, os dois sorogrupos 01 e 0139 que são
específicos dessa bactéria, libera uma toxina que se liga às paredes intestinais, alterando o fluxo
normal de sódio e cloreto do organismo, o que faz com que os seres humanos eliminem uma
grande quantidade de água e sais minerais, acarretando uma séria desidratação. Os surtos de
cólera, em sua maioria, atingem grandes magnitudes, em que centenas de pessoas podem ser
infectadas em apenas um dia e outras milhares podem ter sua vida levada pela doença.
A transmissão da cólera ocorre por meio da contaminação de pessoa para pessoa, ou
também pela via fecal-oral, ou seja, pela ingestão de água ou alimentos contaminados. Outra
possível forma de se contaminar a cólera, é por meio do consumo de peixes e crustáceos de
água doce ou de água do mar, que estejam contaminados, isso porque, o agente causador da
cólera faz parte de um ambiente aquático, possibilitando a transmissão da cólera se esses
alimentos forem consumidos crus ou mal cozidos. A cólera geralmente surge e se propaga em
contextos que envolvem superlotação e acesso inadequado à água limpa, coleta de lixo ou
banheiro, ou seja, essa doença está majoritariamente ligada a questões higiênicas, onde há uma
falta de infraestrutura básica, como saneamento básico, ausência da coleta de lixo, em que há
rede esgoto a céu aberto, por exemplo.
A maioria das pessoas que estão infectadas pela cólera são assintomáticas, ou levam de
2 a 5 dias após o contato com a água ou alimento contaminado para os primeiros sintomas
aparecerem, e quando aparecem são leves ou com diferentes graus de intensidade, podendo
até ser confundidas com outras doenças. Os primeiros e principais sintomas são diarreia,
náuseas e vômitos. Pacientes mais graves apresentam diarreia aquosa intensa, vômito, câimbras
nas pernas e dores abdominais. Quando o paciente desenvolve uma desidratação, outros
sintomas são acarretados como irritabilidade, letargia, olhos encovados, boca seca, sede
excessiva, pele seca e enrugada, pouca ou nenhuma produção de urina, pressão arterial baixa,
arritmia cardíaca e desequilíbrio eletrolítico (perda de minerais do sangue)
A cólera pode ser diagnosticada por meio do exame de amostras de fezes ou do reto,
mas, devido à rápida evolução da doença, o tempo para a realização do exame é normalmente
curto. Em meio a uma epidemia, o diagnóstico é geralmente feito com base no histórico do
paciente e em um breve exame. O tratamento é iniciado antes mesmo que o laboratório
confirme o diagnóstico.
O tratamento da cólera consiste na reposição dos líquidos e minerais que são perdidos
na diarreia. As vítimas da cólera são sempre tratadas com soluções de reidratação oral, soluções
pré-embaladas de açúcares e sais misturados com água e ingeridos em grande quantidade. A
reposição dos fluidos em caso de estado grave deve ser feita de forma intravenosa e, por vezes,
combinada com antibióticos.
A prevenção de cólera se baseia na adoção de medidas de higiene pessoal e no consumo
seguro de água e alimentos. Algumas medidas de segurança são: lave sempre as mãos com
sabão e água limpa principalmente antes de preparar ou ingerir alimentos, após ir ao banheiro,
após utilizar conduções públicas ou tocar superfícies que possam estar sujas, após tocar em
animais, sempre que voltar da rua; evite o consumo de alimentos crus ou mal cozidos
(principalmente os frutos do mar) e alimentos cujas condições higiênicas, de preparo e
acondicionamento, sejam precárias; lave e desinfete as superfícies, utensílios e equipamentos
usados na preparação de alimentos e etc.
Existem vacinas para a cólera, mas atualmente a vacinação é indicada apenas para
populações de áreas com cólera endêmica, populações em situação de crise humanitária com
alto risco para cólera ou durante surtos de cólera, sempre em conjunto com outras estratégias
de prevenção e controle.

Bibliografia:
• https://www.tuasaude.com/colera/
• https://www.rededorsaoluiz.com.br/doencas/colera
• http://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/colera
• https://www.msf.org.br/o-que-fazemos/atividades-medicas/colera

Você também pode gostar