Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

CURSO DE LETRAS/PORTUGUÊS
DISCIPLINA: LITERATURA DA LÍNGUA PORTUGUESA- TEATRO
DISCENTE: POLYANNA BELFORT OLIVEIRA

ATIVIDADE 06

VIANA-MA
2021
A obra de Gil Vicente é o marco para a dramaturgia Portuguesa, suas
obras são compostas por peças que transitam do pensamento cristão para a
satírica e a critica social. Assim como Gil Vicente, Martins Pena foi apenas
dramaturgo, o que mostra a obsessão pelo teatro e rara convergência de talento
e vontade numa direção. Dessa forma, a semelhança com o grande escritor
quinhentista português somente o enaltece e o torna sui generis, não só na
literatura brasileira como no espaço da cultura em vernáculo.
A primitiva e o viço do teatro do teatro de Gil Vicente são frutos da
irresistível vocação do teatro, que tem por base o improviso e a espontaneidade
com uma grande potência poética e dramática. Temos a Farsa de Inês que nos
mostra a peça cômica, sobre a relação do ser humano com a própria sociedade,
ou seja, os valores populares e cristãos em retratos da vida cotidiana. Vejamos
o trecho no terceiro parágrafo da Farsa de Inês Pereira:
Antes o darei ao Diabo Que lavrar mais nem pontada.
Já tenho a vida cansada
De fazer sempre dum cabo.
Todas folgam, e eu não,
Todas vêm e todas vão Onde querem, senão eu.
Hui! e que pecado é o meu,
Ou que dor de coração?
Já Martins Pena é considerado o consolidador do teatro no Brasil, em
função de sua importância na história da dramaturgia brasileira, Martins Pena é
chamado de o “Molière brasileiro”. Sua obra consta do período anterior ao
Romantismo, mas é considerado como teatro Romântico. Vejamos um trecho da
peça "Quem casa quer casa (1847)". Cena II. 10°paragráfo.

FABIANA – Que podes tu? Teu irmão casou-se, e como não teve posses
para botar uma casa, trouxe a mulher para a minha. (Apontando:) Ali está para
meu tormento. O irmão dessa desavergonhada vinha visitá-la frequentemente;
tu o viste, namoricaste-o, e por fim de contas casaste-te com ele... E caiu tudo
em minhas costas! Irra, que arreio com a carga! Faço como os camelos...

Percebemos que as peças de Martins Pena, brincavam com os costumes


na época do rei, com personagens populares. Vemos nesse trecho que refletia
o tempo da época âmbito social e o enredo, como: casamentos, festas da cidade,
decisão de herança e assim temos o humor e a ironia nas peças de Martins
Pena.
Referências:

Gil Vicente: conheça esse importante dramaturgo português. Disponível


em:
https://www.todoestudo.com.br/literatura/gil-vicente. Acesso em: 30 de jun.
2021.
Martins Pena. Martins Pena e suas comédias de costumes. Disponível em:
https://brasilescola.uol.com.br/literatura/martins-pena.htm. Acesso em: 30 de
jun. 2021.

Você também pode gostar