Você está na página 1de 8

Como obter o índice radiônico de uma pessoa ou animal usando uma

Máquina radiônica simples


18 de fevereiro de 2013
|
Por Angelus Dapaz
Enviar por e-mailBlogThis!Compartilhar no TwitterCompartilhar no FacebookCompartilhar com o Pinterest
Como mostrado anteriormente em “O que pode ser feito com uma Máquina
radiônica simples”, os índices radiônicos ou os equivalentes numéricos de
quaisquer “testemunhos” são a sequência dos números observados em cada
um dos diais de um equipamento radiônico. Então, para obtenção de índices
radiônicos de seres humanos, vivos ou “mortos”, basta que se tenha um
testemunho do sujeito a ser pesquisado que, nesse caso, pode ser uma gota
de sangue, saliva, mecha de cabelo, fotografia, assinatura ou até mesmo o
nome da pessoa escrito em um pedaço de papel. Em se tratando de animais,
vivos ou “mortos”, os “testemunhos” podem ser os mesmos dos humanos
colocando-se no lugar da mecha de cabelos, seus pelos. Na verdade, pode-se
dizer que um “testemunho” é tudo que carrega as “vibrações” ou que
representa, psiquicamente, o que será pesquisado no equipamento radiônico. 

Com relação aos índices radiônicos de humanos ou animais “mortos” é


preciso ressaltar que eles estabelecem uma ponte, um vinculo, pelo menos no
nível psíquico, entre as manifestações de natureza material e espiritual, o que
sugere prudência quando de sua pesquisa e utilização. 

Também é importante dizer que os índices radiônicos de humanos e animais,


podem considerar esses seres por inteiro ou apenas suas características.
Assim poder-se-ia dizer "índice de fulano" – no caso do índice por inteiro,
ou "índice da causa da ferida na mão direita de fulano" – no caso de suas
características. 

Obtendo o índice radiônico do Dr. Albert Abrams usando uma "Máquina


radiônica simples SM1" 
1 – Antes de começar a operação da “Máquina radiônica simples SM1”,
independente da finalidade de sua utilização, coloca-se os três potenciômetros
na posição zero, como mostrado na figura que segue. Assim feito, com um
lenço de papel ou um pano, se limpa o “pote de entrada ou emissão”, “o
pote de saída ou destino”e a “placa táctil”, mostrados na imagem acima, de
tal forma que não fiquem resíduos que possam interferir na composição
do “testemunho”;

  

2 – Com a máquina radiônica ajustada para o início de sua operação, sugere-


se que seu operador sente em uma cadeira confortável, diante de uma mesa
em que no tampo só se vejam os utensílios próprios à prática radiônica. Assim
feito, deve o operador se concentrar em seus pés, imaginando-os totalmente
relaxados. Depois, deve adotar procedimento semelhante para seus
calcanhares, pernas, joelhos, coxas, abdômen, tórax, costas, pescoço, braços,
faces, orelhas, testa, topo da cabeça, até que chegue ao relaxamento do
próprio cérebro. 

Essa sugestão não impede que se adotem diferentes práticas de relaxamento


e concentração. Os operadores de máquinas radiônicas devem ter em mente
que a condição de “relaxado” facilita a concentração no “sujeito” ou “objeto” de
suas pesquisas.

3 – Nesse caso e a título de exemplo foi pesquisado o índice radiônico do Dr.


Albert Abrams, depois que se conseguiu uma imagem mental o mais próxima
dele, com base na foto colocada no “pote de entrada”, conforme mostrado na
primeira imagem acima;

4 – Agora, tratando-se da pesquisa propriamente dita, com a foto do Dr.


Abrams no “pote de entrada”, liga-se a máquina radiônica, deslocando a
alavanca do “interruptor” para posição ON, como na imagem que segue; 

5 – Com a máquina ligada, seus potenciômetros zerados e a foto do Dr.


Abrams, inserida no pote de entrada, coloca-se o dedo polegar ou indicador da
mão direita ou, então, um pêndulo sobre a placa táctil e gira-se o “primeiro
potenciômetro à esquerda”. O giro desse potenciômetro é feito lentamente,
com a mão esquerda, até que se observe um “acordo”, que nesse caso
aconteceu justo na posição indicativa do número 58. Tenha-se em mente que
esse “acordo” se manifesta pelo surgimento de uma rotação positiva do
pêndulo ou uma aderência do dedo, quando friccionando a placa táctil. 

Quando o operador optar pelo uso dos dedos, polegar ou indicador da mão
direita, para obter o “acordo” deve usar um deles para friccionar levemente a
placa táctil, sendo que essa operação deve se iniciar um pouco antes do
momento em que se comece a girar lentamente cada um dos potenciômetros,
com a mão esquerda. Essa orientação sobre o uso das mãos foi desenvolvida
para indivíduos destros, não invalidando qualquer outra, desde que se
obtenham os mesmos resultados. 
Como as marcações dos potenciômetros são muito próximas, para que não
haja dúvidas, ao se pressentir a proximidade do “acordo” repete-se
mentalmente o número que se supõe apontado, perguntando se ele é o índice
procurado de fulano de tal, etc., observando nesse caso se o “acordo” é
confirmado. Caso o “acordo” não se confirme, pode-se perguntar pelos índices
próximos ao primeiro, ou seja, em suas laterais esquerda e direita, até que se
note a confirmação de um novo “acordo”. Se não houver “acordo” para o
número 58, por exemplo, pergunta-se pelos números 57 e depois 59 e, assim,
sucessivamente; 

6 – Aqueles que não obtiverem sucesso na obtenção desse primeiro índice


devem refazer o processo descrito acima, voltando o “potenciômetro” para a
posição zero e girando-o novamente até a posição onde ocorra o “acordo”. Na
ocorrência dessa situação é bom destacar que o foco ou a concentração no
“sujeito” ou “objeto” da pesquisa é muito importante para a obtenção do índice,
fornecido por cada potenciômetro. Também, a placa táctil pode ter um ponto
onde o “acordo” seja mais bem percebido, sugerindo que eventuais insucessos
podem ter ocorrido, porque a fricção foi feita em área da placa de baixa
percepção; 

7 – Obtido o índice do “primeiro potenciômetro à esquerda”, anotou-se o


número 58 em uma caderneta para manter o registro dessa operação. 

8 – Assim feito, com o “primeiro potenciômetro à esquerda” na posição onde


se deu o seu “acordo”, repetiu-se os procedimentos descritos do
item cinco ao sete para os potenciômetros do meio e da direita. Dessa
forma, em resumo, obteve-se para o primeiro potenciômetro da esquerda o
índice 58, para o do meio o índice 14 e para o da direita o índice 58; 

9 – Obtidos os índices dos três potenciômetros registrou-se seus números,


sequencialmente, com uma apresentação que os separava por vírgulas, hifens,
etc., como em (A) ou juntava-os como mostrado em (B). Como consequência,
utilizando-se uma “Máquina radiônica simples SM1”, o índice do Dr. Abrams
poderia ter uma apresentação final semelhante aos exemplos (A) e (B),
mostrados a abaixo: 

(A) Para o Dr. Albert Abrams, falecido, obteve-se os índices 58, 14, 58 ou 58-


14-58; 
(B) Os radionicistas acostumados com notações sequenciais poderiam
apresentar o índice do Dr. Abrams como 581458. Isso significa que os dois
primeiros dígitos foram registrados pelo primeiro potenciômetro, o 3º e o 4º
pelo potenciômetro central e o 5º e o 6º pelo terceiro e último. Caso os
números indicados pelos potenciômetros estivessem no intervalo de 0 a 9,
bastava colocar antes deles o número 0 (zero). Isso quer dizer que se o
primeiro potenciômetro estivesse indicado, por exemplo, o número 8 bastaria
colocar antes dele o número 0 (zero), passando o índice final a ter a seguinte
apresentação: 081458.

Em resumo, o índice radiônico 581458 é o representante numérico do Dr.


Albert Abrams, considerando-se a utilização da “Máquina radiônica simples
SM1” e um determinado operador. Como se viu o operador é parte influente na
obtenção desse índice, porque quando de sua pesquisa ele passa a fazer parte
integrante do circuito radiônico, como mostrado no esquema de
funcionamento da “Máquina radiônica simples SM1”, em “O que pode ser
feito com uma Máquina radiônica simples”; 

10 – Depois de concluída a pesquisa, desligou-se a máquina radiônica e,


também, seus três potenciômetros foram levados à posição zero, como
indicado no item (1). 

Se assim não for feito, permanecerá o vinculo do operador com o “objeto” ou


“sujeito” da pesquisa, fato comprovado pelo operador nesse caso. 

CONTINUA>>> 

Esse tutorial e as imagens da  “Máquina radiônica simples desenvolvida


por Angelus Dapaz”, são licenciados com uma Licença Creative Commons -
Atribuição - Não Comercial - Compartilhamento pela mesma licença 3.0 - Não
Adaptada.

Trabalho disponível em www.radiestesiaecia.com. 

*Permitida a reprodução com um link válido para o endereço original* 

Artigos da série "O que pode ser feito com uma Máquina Radiônica
Simples", apresentando as diversas formas de utilização e operação de uma
máquina radiônica. 

1 - O que pode ser feito com uma Máquina radiônica simples 


2 - Como obter o índice bradiônico de uma pessoa ou animal usando uma
Máquina radiônica simples
3 - Como tratar radiônicamente pessoas, animais e plantas usando uma
Máquina radiônica simples 
4 - Experimentos telepáticos usando uma Máquina radiônica simples
5 - Experimentos telepáticos usando-se Cartas Zener e uma Máquina radiônica
simples 
6 - Dúvidas frequentes sobre a operação de uma Máquina radiônica simples  
Veja mais em Radiestesia e Cia
2leep.com
Marcadores: Máquinas radiônicas, Psiônica, Radiestesia, Radiônica, Tutoriais Por Angelus Dapaz 
| Imprimir esse artigo |

4 Comentários:
Anônimo disse...
ola sou o sergio, venho acompanhando o seu trabalho sobre amaquina
radionica e ja fiz alguns testes, quero saber se ao pesquisar o 2° potenciometro
é preciso colocar o 1° na posição zero?tambem quero saber sobre como fazer
um tratamento atravez da maquina, estarei aguardando, obrigado pela
gentileza e parabens.

11 de março de 2013 11:17

Angelus Dapaz disse...
Prezado Sergio.
Para obter o índice do 2º potenciômetro é preciso manter o 1º na posição onde
ocorreu o seu “acordo”, porque o índice do 2º depende do 1º e, assim,
sucessivamente.
Os tratamentos energéticos podem ser feitos tendo-se como base o tutorial
publicado sob o título “Como tratar radiônicamente pessoas, animais e plantas
usando uma Máquina radiônica simples”, localizado no link que segue:

http://www.radiestesiaecia.com/2013/03/como-tratar-radionicamente-
pessoas.html

Seu comentário contribuirá para o aperfeiçoamento desse texto, na medida em


que a partir dele será possível explicar com mais detalhes esse pormenor.

Muito obrigado!

Um fraternal abraço.

11 de março de 2013 17:48

Daniel Sampaio disse...
Olá sou o Daniel e gostaria muito de obter uma máquina radionica simples,
baixei todos os dados para a construção no entanto nao tenho a menos
aptidão para tal, gostaria de saber se não disponibilizaria uma sob encomenda,
grato
Daniel Sampaio

13 de agosto de 2013 11:09

Angelus Dapaz disse...
Olá! Daniel.

Gostaria muito de ajudá-lo nessa empreitada! Contudo, infelizmente, não


disponho de tempo para tanto.

No Brasil, vide a Internet, existem alguns fabricantes de máquinas radiônicas


que poderiam ajudá-lo a obter o equipamento ideal para suas necessidades,
deixando por conta de sua intuição a escolha daquele que melhor servirá aos
seu propósitos.

Boa sorte e um fraternal abraço!

13 de agosto de 2013 15:23


Texto original em http://www.radiestesiaecia.com/2013/02/como-obter-o-indice-
radionico-de-uma.html#ixzz4nc02PRmU 
publicado no site Radiestesia e Cia 

Você também pode gostar