Você está na página 1de 27

GESTÃO

HOSPITALAR 2
UM OLHAR PARA A SAÚDE
APRESEN TAÇÃO
Iniciamos os estudos desta etapa compreendendo a importância da
gestão dos serviços de saúde com qualidade total, que abrange a padronização
dos processos, identificando a certificações e prêmios advindos da qualidade.
Sequencialmente faremos nossos estudos acerca da seleção e padronização
dos medicamentos, que tem por objetivo escolher dentre as medicações
disponíveis no mercado aquela que seja a mais eficaz, segura e com a melhor
qualidade e os menores custos.

Concluímos esta etapa estudando conteúdos relacionados a hotelaria


hospitalar, que tem sua origem na mesma lógica de hospedagem atribuída
aos hotéis, eis que oferecem ambientes com instrumentos ou utensílios
que atendem as necessidades básicas daqueles que necessitam permanecer
alojados em unidades prestadoras de serviço de saúde por um determinado
período de tempo até sua recuperação ou reabilitação.

Saiba mais, leia com atenção e prossiga. Ainda restam mais alguns passos
até o fim desta caminhada, até lá!

Organização Reitor da Pró-Reitora do EAD Edição Gráfica


UNIASSELVI e Revisão
Sonia Adriana Weege Prof.ª Francieli Stano
Prof. Hermínio Kloch Torres UNIASSELVI
.01
QUALIDADE TOTAL
NO GERENCIAMENTO
DA SAÚDE
1 INTRODUÇÃO
No Tópico 1 desta unidade, você estudou os conceitos da qualidade e
sua evolução ao longo dos anos. Além disso, você teve conhecimento das
contribuições de alguns pesquisadores que se tornaram os gurus da qualidade,
pois contribuíram para melhorar a aplicabilidade do conceito em diversas
situações do cotidiano.

Dando continuidade ao estudo sobre qualidade, no Tópico 2, veremos


como surgiu a Gestão da Qualidade Total (TQM) na área da saúde, qual sua
origem, e porque as organizações de saúde estão adaptando seus processos
em busca de uma certificação.

2 GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL


A q u a l i d a d e s e m p re fo i u m p robl e m a a s e r a d m i n i s t ra d o p e l o s
gestores. Vimos, no Tópico 1, que inicialmente este problema estava sob a
responsabilidade dos departamentos de controle de qualidade de produtos nas
indústrias. Com a evolução dos processos, a competitividade do mercado e
com usuários cada vez mais exigentes, a visão de qualidade total foi estendida
a outros departamentos das organizações dando origem aos sistemas de
qualidade.

Mas o que quer dizer qualidade total? Chiavenato (2000, p. 433) afirma
que a qualidade total tem “como objetivo o acréscimo de valor contínuo
[. . . ] a p ri m o ra m en to con t í n u o e gra d ua l, im ple m e nta d o p o r m eio do
desenvolvimento ativo e comprometido de todos os membros da organização
no que ela faz e na maneira como as coisas são feitas”.

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


A origem da qualidade total foi na década de 50, com base na visão
japonesa conhecida como CWQC (Company-wide-Quality-Control) e na
visão norte-americana chamada TQC (Total Quality Control). Com o passar
dos anos ambos os modelos passaram por um processo evolutivo. Enquanto
os norte-americanos voltavam suas atenções para a detecção de problemas,
os japoneses estavam preocupados com o desenvolvimento de processos
eficazes que além de detectar, também, solucionavam os problemas. Todo
este processo evolutivo resultou no TQM (Total Quality Manegent), ou seja,
na Gestão pela Qualidade Total (MIGUEL, 2005).

A Gestão pela qualidade total ou Total Quality Management (TQM)
é uma visão da qualidade de forma mais ampla que abrange vários setores
econômicos: indústria, serviços e comércio. A TQM é constituída por várias
atividades/ações que devem ser adotadas pela empresa para alcançar a melhor
qualidade e se tornar competitiva no mercado.

Neste sentido, Miguel (2005, p. 53) afirma que a TQM é,

um sistema estruturado que visa satisfazer clientes internos e externos,


além dos fornecedores, integrando o ambiente de negócios com a melhoria
contínua, através de ciclos de desenvolvimento, melhoria e manutenção
aliados a uma mudança cultural na organização.

Autores como Feigenbaum (1986 apud SLACK et al., 1999) afirmam
que a TQM é um sistema eficaz que integra esforços no desenvolvimento,
manutenção e melhoria da qualidade, permitindo a redução de custos dos
serviços de forma que atendam plenamente à satisfação do consumidor.

Um dos primeiros passos para alcançar e manter a qualidade total seja
na produção ou na prestação de serviços é a padronização dos processos, ou
seja, fazer com que todas as organizações desenvolvam os serviços utilizando
os mesmos critérios e normas. Vamos ver como isso ajuda no processo da
gestão da qualidade?

2.1 PADRONIZAÇÃO DOS PROCESSOS


Os processos são essenciais para a gestão de qualquer instituição.
Qualquer produto resultante do trabalho humano é fruto de um processo.
Mas o que é um processo?

“Processo é o conjunto de causas que gera um determinado efeito ou [...]


um conjunto de meios para se chegar a um determinado fim”. (NOGUEIRA,
2003, p. 33).

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


Por que é importante padronizar esses processos?

Quantas vezes você já deparou com a situação de treinar um colaborador


novo do seu “jeito”? A padronização é a forma de uniformizar, reduzir riscos,
fazer com que cada pessoa se sinta seguro ao realizar uma tarefa.

A padronização é o instrumento que garante a manutenção da qualidade


(NOGUEIRA, 2003).

Na conjuntura econômica atual, a competitividade faz com que as


exigências sejam cada vez mais crescentes, as organizações dependem de
sua capacidade de incorporação de novas tecnologias de produtos, processos
e serviços.

Nas instituições de saúde, implantar novas tecnologias tem sido um


desafio frente à problemática dos baixos repasses pelos sistemas de saúde
pelos serviços prestados. Entretanto, cada vez mais há a necessidade de se
inovar e paralelamente minimizar custos.

Neste sentido, cada vez mais a padronização tem sido utilizada como
meio para se alcançar a redução de custo dos serviços, evitando desperdício e
retrabalhos e consequentemente mantendo um padrão de qualidade. Campos
(1990) coloca que os padrões permitem ganhos de produtividade, a partir do
momento que se consegue comunicar de modo simples o conhecimento
técnico e gerencial às pessoas responsáveis pela execução dos processos e/
ou tarefas.

Lembre que a descrição dos processos e padrões deve ser simples e objetiva.

To d o s i s t e m a d e p a d r o n i z a ç ã o o u p r o t o c o l o n e c e s s i t a d e
acompanhamento. É necessário sempre controlar as alterações para que
somente as últimas versões estejam disponíveis para uso, para que não
ocorra o uso de documentos obsoletos. Assim, é muito importante que no
documento conste, o número do protocolo, a data de revisão e o responsável
pela alteração e aprovação (Figura a seguir).

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


MODELO DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

HOSPITAL PROCEDIMENTO Nº:


PADRÃO S.A OPERACIONAL DATA EMISSÃO:

TAREFA: MEDIDA TEMPERATURA REVISÃO Nº:


EXECUTANTE: AUXILIAR DE ENFERMAGEM DATA DESTA REVISÃO:

RESULTADOS ESPERADOS:

- Medidas acuradas (índice de erro menor que 1%).


- Registro preciso (índice de erro/omissão menor que 1%).

PREPARAÇÃO E MATERIAIS NECESSÁRIOS:

- Bandeja com termômetro em seu frasco com algodão e álcool iodado, gaze seca, caneta,
folha de registro de temperatura, relógio com ponteiro de segundos.

PRINCIPAIS ATIVIDADES:

1 - Informar o procedimento ao paciente.


2 - Retirar o termômetro do frasco.
3 - Enxugá-lo com gaze seca.
4 - Observar temperatura indicada e ajustá-la, se necessário, para menor ou igual a 35ºC.
5 - Colocar o termômetro sob a axila do paciente, com o bulbo em contato com a pele.
6 - Marcar três minutos no relógio, iniciando no momento em que o termômetro é colocado
em posição.
7 - Decorridos três minutos, retirar o termômetro, fazer a leitura até décimos de grau e
regstar na folha própria.
8 - Agitar o termômetro até marcar 35ºC ou menos e recolocá-lo no recipiente.

CUIDADOS:

- Nunca iniciar o procedimento sem conferir antes a temperatura já marcada no termômetro.


- O bulbo deverá ficar sempre em contato com a pele do paciente.
- Segurar firmemente o termômetro para agitá-lo, evitando que caia e se quebre.

AÇÕES EM CASO DE NÃO CONFORMIDADE:

- Qualquer temperatura acima de 38ºC, além de registrada, deverá ser comunicada


imediatamente à supervisora.

PREPARADO POR:

______________ ______________ ______________

FONTE: Nogueira (2003, p. 66)

Caro(a) acadêmico(a)! O documento de padronização também é conhecido


como Protocolo ou Procedimento Operacional Padrão – POP.

Lousana e Conceição (2007) coloca que os POPs referentes a um processo


devem ser documentados. Os procedimentos podem ser apresentados em
forma de texto, fluxogramas, tabelas, ou ainda uma combinação destes, de

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


acordo com a necessidade da organização. Porém, a autora salienta que há
a necessidade que o POP apresente os seguintes itens:

• Título.

• Propósito.

• Escopo.

• Responsabilidade e autoridade.

• Descrição de Atividades.

• Registro.

• Apêndices.

• Análise crítica, aprovação e revisão.

• Identificação das alterações.

Geralmente, para a elaboração de um POP também é utilizada a


ferramenta 4W1H, juntamente com o método PCDA:

• Qual (What).

• Quem (Who).

• Quando (When).

• Onde (Where) e.

• Como (How).

Os 4W são referentes à fase P (planejamento) do PDCA e o 1H corresponde


ao D (execução) do PDCA. Mas para complementar o PDCA, precisaremos
do C e do A, certo? O “C” corresponderá às condições de verificação se o
processo foi realizado corretamente. E, o “A”, corresponde à condição de caso
o processo não tenha sido executado corretamente, o que deverá ser feito
para corrigir.

Como você pôde observar, não existe um modelo padrão a ser seguido
para a construção do POP. As instituições elaboram os POPs a partir das
suas necessidades.

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


2.2 CERTIFICAÇÕES E PRÊMIOS DA QUALIDADE
As instituições da área de saúde buscam a certificação da qualidade
através da acreditação. De acordo com a Organização Nacional da Saúde (ONA,
2007), a “Acreditação é o procedimento pelo qual um organismo responsável,
ou seja, a instituição acreditadora reconhece formalmente que uma empresa
tem competência para cumprir as atividades definidas na sua razão social”.

Helito (2010) coloca que a acreditação é um método de consenso,


racionalização e ordenação das organizações de saúde e que visa principalmente
a uma educação continuada de seus profissionais.

Você encontrará uma série de certificações do serviço de saúde. Neste


tópico vamos conhecer algumas delas. O estudo aprofundado sobre cada
uma você estudará na disciplina de Acreditação dos Serviços de Saúde.

2.2.1 CQH
O Programa de Controle da Qualidade Hospitalar – CQH foi criado pela
Associação Paulista de Medicina (APM) e pelo Conselho Regional de Medicina
do Estado de São Paulo (CREMESP).

O CHQ tem por objetivo contribuir para a melhoria contínua da qualidade


dos hospitais.

O selo (Figura a seguir) é concedido aos hospitais após os mesmos


passarem por um processo de avaliação e o cumprimento das normas e
critérios estabelecidos pelo programa.

SELO DE QUALIDADE – PROGRAMA CQH

FONTE: Disponível em: <www.cqh.org.br>. Acesso em: 6 ago. 2013.

De acordo com a CQH, cerca de 10 hospitais do Estado de São Paulo,


já receberam o selo de certificação. Além dos critérios, o Programa do CQH
tem embutido os seguintes valores:

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


• Ética: a participação no CQH requer das instituições integridade e
honestidade moral e intelectual.

• Autonomia técnica: possuem autonomia técnica para serem conduzidos,


independentemente de obrigações que contrariem os princípios definidos
em seus documentos básicos: Missão, Valores, Visão, Estatuto e Metodologia
de Trabalho.

• Simplicidade: as regras estabelecidas são bastante simples, por isso são


adequadas à realidade dos hospitais brasileiros.

• Voluntariado: a participação dos hospitais é voluntária, pois entendem que


a busca pela melhoria da qualidade é uma responsabilidade da instituição
com seus clientes.

• Confidencialidade: todos os dados coletados e analisados são confidenciais


de cada hospital.

• Enfoque educativo: estimula o processo educativo nas instituições.

2.2.2 Organização Nacional de Acreditação – ONA


A Organização Nacional de Acreditação – ONA é uma organização
não governamental de direito privado sem fins lucrativos e de interesse
coletivo (ONA, 2007). Sua área de atuação é nacional, sendo representada
por instituições credenciadas para avaliar e certificar as instituições de saúde.

O objetivo geral da ONA está em promover a implementação de um


processo permanente de avaliação e de certificação da qualidade dos serviços
de saúde.

SELO DE CERTIFICAÇÃO DA ONA

FONTE: Disponível em: <www.ona.org.br>. Acesso em: 6 ago. 2013.

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


A ONA oferece as instituições dois tipos de certificação:

• ACREDITAÇÃO: destinado às Organizações Prestadoras de Serviços para a


Saúde, aos Serviços Odontológicos e aos Programas da Saúde e Prevenção
de Riscos.

• SELO DE QUALIFICAÇÃO ONA: destinado aos serviços para a saúde.

O processo de certificação inicia com a seleção de uma Instituição


Acreditadora Credenciada para realizar a avaliação para a certificação. O
segundo passo é a organização de saúde atender aos requisitos de elegibilidade
estabelecidos nas Normas Orientadoras e se conclui com o agendamento da
visita de avaliação na instituição.

2.2.3 ISO – International Organization for Standartization


A International Organization for Standartization – ISO é uma organização
internacional que tem aceitação universal na definição de modelo para o
estabelecimento de Sistemas de Gestão da Qualidade.

Embora seja conhecida pela “Gestão da Qualidade”, a norma ISO


9001/2000 também contribui na melhoria na produtividade, custos e clima
organizacional dentro das empresas. A ISO 9000 está presente em diversos
tipos de empresas, de indústrias até os prestadores de serviços em geral como
escolas, hospitais, escritórios de advocacias, clínicas e outros (NBR ISO 9000,
2007).

Assim como as demais certificações, a ISO conta com instituições


parceiras, caracterizadas como “organismos certificadores”. Essas instituições
são responsáveis por fornecer a certificação ISO 9001 a partir do processo
de auditoria externa.

O sistema de gestão da qualidade da ISO 9000 é focado nos princípios


da:

• organização focada no cliente;

• liderança;

• envolvimento de pessoas;

• enfoque sistêmico para gerenciamento;

• melhoria contínua;

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


• tomada de decisões baseadas em fatos e,

• relacionamento com o fornecedor.

A norma ISO 9000 se divide em:

• introdução;

• objetivo;

• referência normativa;

• termos e definições;

• sistema de gestão da qualidade;

• responsabilidade da direção;

• gestão de recursos; realização do produto e/ou serviço;

• medição;

• análise e,

• melhoria.

O certificado emitido tem validade por quatro anos, porém, semestralmente


ou anualmente são realizadas auditorias de manutenção.

2.3.4 Joint Comission


Joint Comission International – JCI – A missão da JCI é melhorar a
qualidade da assistência à saúde na comunidade internacional, fornecendo
serviços de acreditação.

Inicialmente, a acreditação limitava-se apenas aos hospitais,


posteriormente, passou a oferecer novas modalidades de acreditação,
abrangendo outros tipos de serviços na área da saúde como: Manual de Padrões
Internacionais para o Cuidado Contínuo; Manual de Padrões Internacionais
para o Fornecedor do Transporte Médico; Manual de Padrões Internacionais
para Laboratórios de Análises Clínicas.

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


.02
SELEÇÃO E
PADRONIZAÇÃO
DE MEDICAMENTOS
1 INTRODUÇÃO
A seleção de medicamentos é um processo dinâmico, contínuo,
multidisciplinar e participativo. O objetivo da seleção é escolher, entre todas
as opções de medicamentos do mercado, quais serão necessários na prática
diária hospitalar, seguindo critérios de eficácia, segurança, qualidade e custo.

Ne s te tó p i c o i re m o s e s t u d a r c o m o d e ve s e r fe i ta a s e l e ç ã o d e
medicamentos e quais rotinas relacionadas contribuem para uma seleção
correta, segura e com qualidade.

2 USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS


U t i l i z a r o s m e d i c a m e n to s d e fo r m a ra c i o n a l é g a ra n t i r q u e o s
medicamentos essenciais estarão disponíveis para uso, com qualidade e
quantidade suficientes, garantindo assim o tratamento mais adequado com
o menor custo possível.

O processo que envolve a seleção de medicamentos é fundamental para


garantir o uso racional deles. É necessário que haja uma comissão intitulada
como Comissão de Farmácia e Terapêutica, no hospital, para estabelecer as
diretrizes acerca da seleção e uso racional de medicamentos, assim como a
adoção de políticas e procedimentos efetivos relacionados a esse tema, na
prática diária do hospital.

O uso não racional de medicamentos é um dos principais problemas


nos hospitais. O resultado do uso não racional pode ser o aparecimento de
reações adversas a medicamentos (RAM), erros no uso de medicamentos,
e ainda, pode contribuir para desenvolvimento e propagação da resistência
bacteriana quando se utiliza antimicrobianos de maneira incorreta.

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2
3 OBJETIVOS DA SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS
Selecionar os medicamentos que irão compor a lista de itens padronizados
no hospital é o passo inicial para uma adequada organização da farmácia
hospitalar.

A seleção é um processo dinâmico, contínuo, multidisciplinar e


participativo, e deve garantir que se tenham os medicamentos necessários
para utilização nos pacientes atendidos, sem excesso ou falta de itens. A
seleção também favorece o processo de aquisição, armazenamento, controle
de estoque e distribuição adequados.

Como principais objetivos da seleção de medicamentos, Gomes e Reis


(2000) descrevem:

• Disponibilizar os medicamentos em tempo favorável, sem afetar a qualidade


da assistência prestada, ou seja, a garantia de que se terá o medicamento
adequado no momento correto.
• Melhorar a qualidade do uso de medicamentos com melhor relação risco-
benefício, de acordo com as evidências científicas disponíveis.
• Evitar e reduzir erros de medicação por redução do arsenal terapêutico
disponível.
• Diminuir os custos, evitando que ocorra duplicidade terapêutica, dessa forma
evita-se que sejam padronizados mais medicamentos do que o necessário.
• Servir como suporte para um sistema de dispensação eficiente.

Arsenal terapêutico: medicamentos padronizados e disponíveis no hospital.


Duplicidade terapêutica: medicamentos com o mesmo princípio ativo/ação.

É muito importante estabelecer critérios baseados na eficácia, segurança,


qualidade e custo dos medicamentos, para realização de uma seleção
adequada. Para isto, a Comissão de Farmácia e Terapêutica é um órgão
que serve como instrumento para promover o uso racional e contribui para
tratar os problemas de seleção, aquisição, distribuição, custos e utilização de
medicamentos.

Na seleção de medicamentos é aconselhável observar as seguintes


etapas, conforme descrevem Ferracini e Borges (2010):

1. Conscientização da equipe de saúde por meio de reuniões, boletins


informativos e outras estratégias educativas.
2. Formação da Comissão de Farmácia e Terapêutica.
3. Levantamento do perfil farmacológico do hospital.

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


4. Análise do nível assistencial e da infraestrutura de tratamento existentes no
hospital.
5. Análise do padrão de utilização de medicamentos.
6. Definição dos critérios de seleção adotados.
7. Seleção dos medicamentos, com desenvolvimento de formulários e métodos
a serem empregados.
8. Edição e divulgação do formulário farmacêutico.
9. Atualização anual do formulário farmacêutico.

Nos hospitais, a política de uso racional de medicamentos deve ser


implementada pela Comissão de Farmácia e Terapêutica, que é um órgão
assessor de caráter multidisciplinar e dinâmico ao processo de seleção de
medicamentos.

4 COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA (CFT)


A Comissão de Farmácia e Terapêutica pode ser conhecida como
Comissão de Medicamentos e Terapêutica, Comissão de Farmacoterapia,
Comissão de Padronização de Medicamentos ou Comissão de Uso Racional
de Medicamentos. Há a variação da nomenclatura pelos hospitais, mas o
importante é que as ações são abrangentes e voltadas para o uso racional de
medicamentos (NOVAES, 2009).

Na Figura 14 você pode observar as principais responsabilidades da CFT

RESPONSABILIDADES DA CFT

Estabelecer normas para utilização de


medicamentos

Padronizar, promover e avaliar o uso


seguro e racional de medicamentos

Elaborar guia farmacoterapêutico

Divulgar informações sobre


medicamentos

Realizar estudo de utilização de


medicamentos

Contribuir com a Farmacovigilância e


Farmácia Clínica
FONTE: A autora

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


A p r i m e i ra re s p o n s a b i l i d a d e d a C F T, d e s c r i ta n a F i g u ra 14, é o
estabelecimento de normas para utilização de medicamentos. Isto abrange
os processos de inclusão e exclusão de medicamentos na padronização
do hospital, assim como estabelecer em que casos podem ser utilizados
medicamentos não padronizados e como é este fluxo de aquisição. Devem
ser estabelecidas também normas referentes ao uso de amostras de
medicamentos, medicamentos importados, medicamentos de alto custo e
antimicrobianos de uso restrito.

A CFT delibera, além dos itens que farão parte do arsenal terapêutico, a
padronização da forma de utilizar os medicamentos, realizando ações para
promover o uso seguro e racional de medicamentos. A CFT também avalia
como é a utilização dos medicamentos, com o objetivo de promover medidas
e intervenções para aprimorar a utilização destes em todos os processos que
envolvem o medicamento, como, por exemplo, prescrição, identificação,
fracionamento, dispensação, preparo e administração.

A coordenação da elaboração do guia far macoterapêutico é de


responsabilidade da CFT, em conjunto com a equipe de farmacêuticos do
hospital. O guia é um “livro de bolso” que contém a relação atualizada de
medicamentos selecionados para uso no hospital, com informações essenciais
sobre os medicamentos, normas e rotinas estabelecidas sobre a utilização
de medicamentos, critérios de inclusão e exclusão de medicamentos, bem
como diretrizes para utilização de medicamentos equivalentes terapêuticos,
ou seja, com ação equivalente.

O guia deve ser conciso, completo e de fácil consulta. É recomendado


que o guia seja revisado a cada ano e, além da versão impressa, pode-se ter
uma versão na intranet no hospital, por exemplo. A atuação do farmacêutico,
sugerindo ao médico substituição terapêutica ou farmacêutica e, também,
a prescrição de medicamentos que estão no guia, reforça a importância da
prescrição de itens padronizados, reduzindo custos. O Quadro 4 descreve a
definição de alternativas e tipos de substituições farmacêuticas, de acordo
com Gomes e Reis (2000).

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


DEFINIÇÃO DE ALTERNATIVAS E TIPOS DE SUBSTITUIÇÃO DE MEDICAMENTOS

Alternativa farmacêutica

• Medicamentos que contêm o mesmo fármaco/princípio


ativo, a mesma dosagem e diferem em relação à forma
farmacêutica ou via de administração. Exemplo: dipirona
injetável por dipirona via oral.

Alternativa terapêutica

• Medicamentos que contêm o mesmo fármaco/princípio


ativo, mas que pertencem à mesma classe famacológica,
apresentam o mesmo efeito quando utilizados em doses
equivalente. Exemplo: omeprazol por pantoprazol.

FONTE: Adaptado de Gomes e Reis (2000)

Conceito de fármacos/princípios ativos: substância quimicamente


caracterizada, cuja ação farmacológica é conhecida e responsável total ou
parcialmente pelos efeitos terapêuticos do medicamento.

FONTE: Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/medicamentos/glossario/


glossario_p.htm>. Acesso em: 21 out. 2013.

A CFT tem a função, também, de divulgar as informações relacionadas a


estudos clínicos dos medicamentos, assim como elaborar boletins periódicos
com as informações e os medicamentos que forem julgados como importantes
para a equipe de saúde do hospital.

Outra contribuição da CFT é a realização da avaliação da utilização


dos medicamentos, para identificar problemas potenciais, como os erros de
medicação e reações adversas, contribuindo, dessa forma, com as práticas
de farmacovigilância e farmácia clínica.

5 CRITÉRIOS PARA A SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS


A seleção de medicamentos é influenciada por vários fatores, como o
perfil de doenças, infraestrutura e a experiência da equipe disponível. Gomes
e Reis (2000) citam como critérios para seleção:

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


• A conformidade do registro do medicamento na ANVISA. Além de avaliar o
registro do medicamento, é necessário também verificar as documentações
de licença e a autorização de funcionamento, certificado de responsabilidade
técnica referente ao fabricante e distribuidor, ou seja, estabelecer os critérios
para qualificação de fornecedores.
• Analisar a frequência e quantidades utilizadas dos medicamentos, levando
em consideração o tipo de pacientes atendidos no hospital.
• Analisar a utilização do produto de acordo com as indicações de tratamento
estabelecidas pelo fabricante e, também, analisar a eficácia e segurança
utilizando-se como base os estudos clínicos dos medicamentos.
• Formas de apresentação (quantidade de produto por embalagem) e
necessidades especiais (refrigeração, fracionamento, tempo de validade).
• Princípio ativo identificado conforme Denominação Comum Brasileira
(DCB), Denominação Comum Internacional (DCI), além de informações, na
Classificação Anatômica Terapêutica (ATC) e Dose Diária Definida (DDD).
• Avaliar doses e formas farmacêuticas com o objetivo de dar preferência
para aquelas que promovem comodidade de administração.
• Evitar a padronização de medicamentos em associação, ou seja, com mais
de um princípio ativo.
• Número de indicações terapêuticas aprovadas.
• Número e tipos de contraindicações. Descrever os efeitos secundários mais
significativos (por frequência ou gravidade) e sua incidência.
• Considerar a segurança em pacientes com características especiais, como:
grávidas, crianças e idosos.
• Avaliar as notificações de suspeita de reação adversa.
• Identificar as possíveis vias de administração.
• Fazer uma análise farmacoeconômica, que é avaliar o custo efetividade
ou custo benefício com menor custo de aquisição, armazenamento,
distribuição e controle do medicamento. Devem-se utilizar os métodos e
critérios estabelecidos para realizar estes tipos de análise.
• Realizar a estimativa do impacto econômico anual de incluir o medicamento
no guia farmacoterapêutico.

É fundamental que a CFT monitore os processos de prescrição e os


estudos de utilização de medicamentos, bem como a análise do consumo dos
medicamentos, sendo assim um trabalho contínuo que tem como objetivo
principal o uso seguro e racional de medicamentos.

Quando se identifica a necessidade de inclusão de item na padronização


ou a utilização pontual de um medicamento não padronizado, deve ser
realizada uma solicitação formal, por parte do requisitante, para que a CFT e/
ou equipe de farmacêuticos avalie e dê o parecer final. É recomendado que
se utilizem formulários padrões para preenchimento, pelo requisitante, dos
dados necessários para posterior avaliação.

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


6 SOLICITAÇÕES DE INCLUSÃO DE MEDICAMENTOS NA
PADRONIZAÇÃO
A solicitação de novos medicamentos na padronização do hospital deve
ser documentada com as informações detalhadas pelo médico ou farmacêutico
solicitante. Essa solicitação de padronização deve ser encaminhada à CFT
com a documentação necessária sobre o medicamento, para que seja feita
a avaliação e se emita o parecer final.

De acordo com Gomes e Reis (2000), as principais questões que


devem ser avaliadas na proposta de inclusão de medicamento no guia
farmacoterapêutico são:

1) Nome genérico.
2) Nome comercial.
3) Fabricante.
4) Composição (princípios ativos).
5) Apresentação.
6) Ação farmacológica principal.
7) Uso terapêutico que justifica sua inclusão.
8) Citação dos medicamentos incluídos no guia que podem estimar-se como
similares.
9) Razões clínicas para que o medicamento proposto seja padronizado.
10) Informação se é possível substituir alguns dos medicamentos incluídos
atualmente no guia ou se há medicamentos que podem ser excluídos.
11) Citação do médico ou equipe solicitante.
12) Data e assinatura.

O farmacêutico e demais membros da CFT devem analisar a solicitação


do fármaco conforme os critérios já descritos acima e devem emitir um parecer
final: inclusão ou não no guia farmacoterapêutico. É importante lembrar que
quando inserir um novo medicamento, o ideal é avaliar a exclusão de outro,
a fim de evitar o crescimento inadequado da padronização.

A Figura 15 demonstra um exemplo de formulário de solicitação de


inclusão ou exclusão de medicamento na padronização, formulário este que
deve ser adotado na íntegra ou com adaptações nos hospitais.

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE REVISÃO DA PADRONIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Solicitação de Revisão da Padronização de Medicamentos

INCLUSÃO EXCLUSÃO

2.2 Nome do Fármaco: ___________________________________________________


2.3 Nome(s) Comercial(is): _________________________________________________
2.4 Fabricante(s): _______________________
2.5 Forma(s) farmacêutica(s) e concentração(ões) a incluir ou excluir:
-Comprimido -Cápsula -Injetável -Xarope -Elixir
-Solução Oral -Creme -Pomada -Supositório -Outros
5. Indicações Terapêuticas Principais: __________________________________________
Outras Indicações: ______________________________________________________
6. Classe(s) Terapêutica(s): ________________________________________________
7. Esquema terapêutico recomendado: _______________ _______________
Pediatria Adultos
Duração do tratamento: __________________________________________________
8. Justificativa da escolha em relação a outro substituto incluído na padronização:
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
9. Qual(is) medicamento(s) padronizado(s) será(ão) excluídos(s) com a inclusão
proposta:
______________________________________________________________________
10. Efeitos observados:
Benefícios: _______________________________________________________
Reações adversas: ___________________________________________________
11. Relacionar as contra-indicações, advertências e toxicidade associadas ao uso ou
abuso do medicamento:
___________________________________________________________________
12. Citar e enviar cópias de no mínimo três ensaios clínicos randomizados, controlados
por medicamentos padrões ou placebo publicados em revistas científicas reconhecidas
internacionalmente, que demonstrem a eficácia e a efetividade do fármaco cuja
inclusão está sendo solicitada ou referências bibliográficas de livros-texto. No caso de
exclusão, devem ficar igualmente bem fundamentadas a ineficácia ou a toxicidade do
medicamento a ser retirado.
1- ______________________________________________________________________
Autor principal, título de artigo, revista, ano, vol., página.

2- ______________________________________________________________________
Autor principal, título de artigo, revista, ano, vol., página.

3- ______________________________________________________________________
Autor principal, título de artigo, revista, ano, vol., página.
OBS.: Em caso de exclusão preencher somente os itens 1,2,3,4,11,12.

Solicitante: _________________________________________ Data: ____/____/____

Chefe do serviço ou Unid. de Internação:_________________ Data: ____/____/____

FONTE: Gomes, M. J. V. M.; Reis, A. M. M. (2000)

7 SOLICITAÇÕES DE UTILIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS NÃO


PADRONIZADOS
Em situações específicas pode surgir a necessidade de prescrição de
medicamentos não pertencentes à lista de itens padronizados, como, por
exemplo:

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


1. Pacientes com patologias raras.
2. Intolerância aos efeitos colaterais do medicamento que está sendo utilizado.
3. Pacientes que já utilizavam o medicamento antes da internação e a
substituição terapêutica não é recomendada.

O fluxo do processo de utilização de medicamento não padronizado


deve ocorrer conforme ilustrado da Figura 16:

FLUXO DE SOLICITAÇÃO DE MEDICAMENTO NÃO PADRONIZADO

Identificação da
necessidade de utilização
de medicamento não
padronizado

Médico prescritor preenche


o formulário de solicitação
de não padronizado e
encaminha para a farmácia

Farmacêutico avalia a
solicitação

Sim
Sugere para
É possível a o médico a
substituição? substituição e nova
prescrição

Não

Providencia a
compra

FONTE: A autora

O c r i té r i o pa ra a u to r i z a ç ã o d e u t i l i z a ç ã o d e m e d i c a m e n to n ã o
padronizado deve ser rígido, no sentido de evitar aquisições desnecessárias,
mas, também, maleável no sentindo de buscar o que é melhor para o paciente.
O farmacêutico que fizer a análise deve considerar estes dois aspectos.

A Figura 17 demonstra um exemplo de formulário de solicitação/


justificativa de medicamento não padronizado ou padronizado de uso restrito,
que requer uma justificativa para liberação de uso.
CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2
SOLICITAÇÃO DE MEDICAMENTO NÃO PADRONIZADO E PADRONIZADO DE USO RESTRITO

FONTE: Gomes, M. J. V. M.; Reis, A. M. M. (2000)

8 TERMO DE RESPONSABILIDADE DE MEDICAMENTO


PRÓPRIO
No processo de prescrição e administração de medicamentos é
necessário que haja políticas orientando quanto ao uso de medicamentos
trazidos pelos pacientes. É de responsabilidade do hospital todo processo de
utilização de medicamentos, sejam fornecidos pelo hospital, sejam trazidos
pelos pacientes. Dessa forma, a farmácia hospitalar deve ter uma rotina de
verificação destes itens pelo farmacêutico (BORGES; FERRACINI, 2010).

A avaliação realizada pelo farmacêutico deve validar as informações obtidas


com o paciente ou acompanhante e as condições adequadas de conservação
e uso, além de colaborar para a prescrição dos medicamentos, garantindo sua
rastreabilidade, evitando assim a automedicação ou erros de medicação.
CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2
É proposto que se faça um termo de responsabilidade/compromisso
aprovado pela diretoria médica do hospital, assim como pela área jurídica.
O objetivo do termo é que o paciente e/ou acompanhante se responsabilize
pela procedência do medicamento.

A Figura 18 é um exemplo de termo de responsabilidade de medicamento


próprio, modelo este que pode ser adotado nos hospitais.

TERMO DE RESPONSABILIDADE DE MEDICAMENTOS DO PACIENTE

FONTE: Acervo da autora

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


.03
HOTELARIA HOSPITALAR:
UM NOVO CONCEITO NAS
INSTITUIÇÕES DE SAÚDE

1 INTRODUÇÃO
Neste tópico vamos estudar sobre a implantação da hotelaria hospitalar
nas instituições hospitalares.

As instituições de saúde sempre voltaram sua atenção para o atendimento
médico e para a tecnologia que envolve novos equipamentos no tratamento
das doenças. Além disso, há alguns aspectos que também são importantes
e fazem parte do tratamento do paciente como: organização, atendimento
adequado, com respeito e cortesia.

Lembrem-se sempre de que estes pacientes, quando chegam às
instituições de saúde em busca de ajuda, eles vêm acompanhados de vários
sentimentos e com expectativas.

O cliente de saúde pensa de acordo com sua situação-problema, busca
objetivos, de ter um corpo perfeito, ou de resolver seu problema de saúde,
ou ainda de ver como um parente ou familiar está.

Infelizmente, podemos dizer que atualmente ao procurar atendimento
nas unidades de saúde, o cliente passa por uma verdadeira via crucis para obter
um serviço e isso ocorre porque as pessoas muitas vezes não sabem repassar
as informações de forma correta. E, de acordo com Spiller et. al. (2006), esse
comportamento é o motivo que faz com que as instituições percam clientes.

2 CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SERVIÇO DE HOTELARIA


HOSPITALAR
A hotelaria hospitalar teve suas origens baseadas na hotelaria clássica,
ou seja, no processo de hospedagens em hotéis.

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


É possível perceber a semelhança entre hospitais e hotéis principalmente
se excluirmos o fator tratamento, pois sem ele ficam visíveis os vários setores
comuns que são fundamentais tanto em hospitais quanto em hotéis e suas
funções que se assemelham nos respectivos meios de hospedagem. Já a
diferença entre os dois é a finalidade para a qual são procurados.

Referindo-se à diferença entre hotel e hospital, Godoi (2008, p. 31) define


o hotel como um “empreendimento que comercializa a hospedagem de
pessoas em trânsito ou não, com a oferta de serviços parciais ou completos
que atendam às necessidades do viajante”, e os hospitais como sendo “um
empreendimento que comercializa serviços de saúde, sua manutenção, seu
resgate ou oferta de tratamento e a cura de doenças.”

FONTE: Disponível em: <http://twixar.me/9P51>. Acesso em: 21 set. 2015.

Pa ra C a s te l l i ( 19 9 2 ) , h o te l é u m e s ta b e l e c i m e n to c o m e rc i a l d e
hospedagem, que oferece aposentos mobiliados, com banheiros privativos,
para ocupação iminente ou temporária, oferecendo serviços completos de
alimentação, além dos demais serviços, inerentes à atividade hoteleira.

Enquanto o papel dos hotéis está em oferecer hospedagem àqueles


que se encontram em outra cidade que não a de sua residência, seja qual for
sua motivação, desde que haja somente a necessidade de um local para se
abrigar por uma ou mais noites, o papel dos hospitais está em tratar àqueles
que por diversos motivos necessitam de atendimento médico.

FONTE: Disponível em: <http://twixar.me/9P51>. Acesso em: 21 set. 2015.

A hotelaria hospitalar é a introdução de ferramentas e estratégias que


visem melhorar o atendimento ofertado ao paciente, familiares e colaboradores
levando em consideração aspectos físicos e emocional de cada pessoa.
Vamos pensar! É bom sermos bem atendidos quando chegamos a um local?
Ou ainda, é motivador trabalhar em um local organizado? Bem, isso é o que
proporciona a hotelaria hospitalar.

De acordo com Taraboulsi (2009), a hotelaria hospitalar é um serviço
adaptado ao meio hospitalar, que humaniza as condutas e os ambientes
e procura inserir todos os envolvidos com vínculos de respeito, atenção,
presteza e sorriso. No entanto, de todo o montante de hospitais que temos
no Brasil, muitos ainda não conseguiram implementar este conceito às suas
atividades diárias.

“A hotelaria hospitalar é uma mudança na essência do atendimento


em hospitais com a introdução de novos serviços e processos nas atividades
diárias de atendimento ao cliente de saúde, e não mais tratando as pessoas
como um paciente”. (TARABOULSI, 2004, p.18).

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


Spiller et al. (2004) colocam que numa instituição hospitalar os clientes
passam por um ciclo de serviços. E cada uma das etapas formam uma cadeia
contínua de eventos, ou seja, trata-se de vários processos que no final se
fundem em único processo.

O CICLO DE SERVIÇOS NUM HOSPITAL


1. Entrar no
11. Alta Médica estacionamento

2. Entrar no
10. Orientação Hospital

9. Medicação 3. Ser atendido

8. Análise dos 4. Assinar


Exames Documentos

5. Triagem
7. Exames
Clínicos
6. Consulta
Médica
FONTE: Adaptado de Spiller et al. (2004)

Zanovello e Guimarães (2007) colocam que no Brasil, a hotelaria hospitalar


vem se desenvolvendo e os hospitais passam a ter entre os seus princípios a
prevenção, a cura, o atendimento à saúde da comunidade, a função acolher,
bem como, também prezam por oferecer conforto e bem-estar e para isso
agregam às estruturas existentes serviços e novos ambientes que se comparam
à estrutura de um hotel.

A hotelaria hospitalar acabou se tornando uma tendência irreversível em


qualquer instituição de saúde, pois não se trata mais de uma opção da
empresa, mas de uma exigência do público que frequenta hospitais e que
começa a se acostumar com os serviços de hotelaria existente (BOERGER,
2003).

Você conhece a Sociedade Brasileira de Hotelaria Hospitalar? Para saber mais


sobre esta organização acesse o site: <http://www.hotelariahospitalar.com.
br>.

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


2.1 PRINCÍPIOS DA HOTELARIA HOSPITALAR NO
ATENDIMENTO AO CLIENTE
As doenças deste século levam as pessoas a um processo de internação
prolongado e por isso, o estado físico e emocional dos pacientes passou a
ser o foco de atenção dos gestores hospitalares. Para tanto, estão deixando
de lado a imagem clássica de hospital, e vêm transformando os ambientes
hospitalares em lugares mais agradáveis, afinal, as pessoas não procuram
hospitais por opções. (TARABOULSI, 2004).

Assim, os princípios da hotelaria hospitalar são pautados em:

• Excelência no atendimento.
• Qualidade.
• Humanismo.

Mas, lembre-se de que excelência de atendimento não significa a


estruturação de um espaço luxuoso, e sim, um local confortável, com
serviço de qualidade, que se inicia com a incorporação de serviços oriundos
da hotelaria clássica, porém, sempre respeitando as normas e a legislação
aplicada às instituições de saúde, bem como, respeitando as especificidades
de cada instituição.

Dias et al. (2006) coloca que, o cliente dos hospitais, durante o


atendimento, gostaria de ser visto como único, embora sabemos como é
a realidade das instituições de saúde brasileiras. Os momentos em que o
cliente permanece no hospital, geralmente, são carregados de angústias, dor
e sofrimento, por isso é necessário permitir que este se sinta seguro e que o
conceito antigo de hospital passe por mudanças e transformações.

O cliente espera ser tratado com dignidade e justiça, esperando dos


profissionais de saúde uma postura ética e respeitosa, ou seja, que o tratem
da mesma forma como gostariam de ser tratados. Assim, compreender as
necessidades e expectativas do cliente de saúde é o primeiro passo (GUZELA,
2014).

Neste sentido, segundo Zanovello e Guimarães (2007, p. 10), os clientes


esperam no atendimento que lhes é prestado:

• Confiança: a habilidade de executar o serviço prometido de modo seguro


e preciso.
• Responsabilidade: a vontade de ajudar e prestar serviço sem demora.
• Segurança: o conhecimento dos funcionários aliados à simpatia e sua
habilidade para inspirar credibilidade e confiança.
• Empatia: cuidado, atenção individualizada dedicada aos clientes.
• Tangíveis: aparência das instalações físicas, equipamentos, pessoais e
materiais impressos. (grifo nosso).

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2


Atualmente, tanto na rede privada como pública de hospitais, esse tipo
de serviço é imprescindível, uma vez que os pacientes e/ou clientes de saúde
buscam esse tipo de atendimento como complemento no tratamento de
saúde no momento em que estes buscam a ajuda médico-hospitalar.

CURSO LIVRE - GESTÃO HOSPITALAR - UM OLHAR PARA A SAÚDE 2

Você também pode gostar