Você está na página 1de 25

ELEVADORES – GEARLESS CETEC 669

INSTALAÇÃO,
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página:1 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

MANUAL DO PRODUTO

ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO,

AJUSTE E MANUTENÇÃO

Revisor Aprovador
Claudio Leone Sergio Roth
DECA DECA
Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A
Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 2 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

SUMÁRIO

1- OBJETIVO---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 3
2- CARACTERÍSTICA DO QUADRO DE COMANDO------------------------------------------------------------------------ 3
3. DIFERENÇAS ELÉTRICAS ENTRE FDG GEARLESS E FDG OU FDN--------------------------------------------- 3
3.1- Parâmetros da MCINV 4 ------------------------------------------------------------------------------------------------------- 3
3.2- Parâmetros da MCP-7 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------- 3
3.3 - Célula de Carga ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 3
3.4- Proteções nos enrolamentos do motor com PTC ------------------------------------------------------------------------ 4
3.5- Encoder----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 5
3.6- Cabo de manobra redondo ---------------------------------------------------------------------------------------------------- 7
4. DIFERENÇAS MECÂNICAS DO ELEVADOR GEARLESS ------------------------------------------------------------- 7
4.1- Contrapeso com aparelho de segurança----------------------------------------------------------------------------------- 7
4.2- Corrediças de cabina e contrapeso com 6 (seis) rolos ----------------------------------------------------------------- 7
4.3- Máquina Gearless---------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 8
4.4- Freio das Máquinas Gearless ------------------------------------------------------------------------------------------------- 8
4.5- Detalhes das ligações dos contatos BK ------------------------------------------------------------------------------------ 8
51- Medição em Sistemas de Aterramento -------------------------------------------------------------------------------------- 9
6- CONDUTOR NEUTRO-----------------------------------------------------------------------------------------------------------10
7. CUIDADOS GERAIS E DETALHES IMPORTANTES DURANTE A MONTAGEM--------------------------------10
8. PREPARAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO EM MANUTENÇÃO - CONECTOR MANUT: ---------------------10
8.1.Verificação das conexões elétricas de potência e controle no quadro de comando ----------------------------10
8.2 - Pontes provisórias dos quadros de comando SFII com MCP-7 ----------------------------------------------------11
9- CUIDADOS QUE ANTECEDEM A ENERGIZAÇÃO DO ELEVADOR: ----------------------------------------------11
10- AJUSTE DO MÓDULO MCINV 4 --------------------------------------------------------------------------------------------11
10.1-COLOCAR O ELEVADOR EM MOVIMENTO (BAIXA VELOCIDADE) -------------------------------------------11
10.1.1- Menu Ajuste ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------11
10.1.2- Menu PID:---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------14
10.1.3- Menu Vel ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------14
10.2- PRÉ-AJUSTE-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------15
10.2.1 Verificações, ajuste e testes antes de movimentar o elevador em modo automático.----------------------15
10.2.2- Menu Lim Lin. ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------15
10.3- AUTO-AJUSTE ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------16
10.3.1- Ajuste provisório em 1 vel.------------------------------------------------------------------------------------------------16
10.4- AJUSTE FINAL ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------17
10.5- Menu E2PROM ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------19
10.6- Menu ERRO --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------19
10.7- Menu MEDIDAS ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------19
10.8- TELAS DO TECLADO DO MÓDULO TLS (MCINV- 4) --------------------------------------------------------------20
10.9- TABELA DE CÓDIGOS DE ESTADOS DO MODULO MCINV-4--------------------------------------------------21
10.10- TABELA DE CÓDIGOS DE ERROS DO MODULO MCINV-4----------------------------------------------------22
11.0- ESTADO “INI” (INICIALIZAÇÃO).............................................................................................................24

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 3 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

1- OBJETIVO

Este manual tem por finalidade instruir aos instaladores, supervisores e técnicos, quanto aos
procedimentos de instalação e ajuste dos elevadores GEARLESS, dando ênfase nas diferenças
elétricas, mecânicas e de ajuste, existentes entre os elevadores com máquina engrenada e
GEARLESS.

2- CARACTERÍSTICA DO QUADRO DE COMANDO


O quadro de comando para elevadores GEARLESS contempla as mesmas características do
elevador com máquina engrenada, porém com melhor desempenho de controle e segurança.

3. DIFERENÇAS ELÉTRICAS ENTRE FDG GEARLESS E FDG OU FDN


Devido ao controle em elevadores com máquinas com tração direta, o quadro comando do
Gearless apresenta algumas diferenças na parte elétrica, tais como:

3.1- Parâmetros da MCINV 4


O elevador GEARLESS possui mais parâmetros a serem ajustados em relação ao elevador com
máquina com engrenagem, sendo:
Menu Ajuste: Rpm Síncrona ,Off Set Célula , Corrente de Campo , Ganho de Célula, Constante
Rotórica , Iqsmax Célula , Freqüência de Placa , número de pulsos do encoder.
Menu Vel : Tp Acel 5v , Rpm Max 5v.

3.2- Parâmetros da MCP-7


Para os elevadores FDG GEARLESS e FDG com engrenagem, deve-se ajustar na MCP-7, os
parâmetros de Resolução do encoder e Rotação Máxima em x Vel (rpm), ver item 10.3.

3.3 - Célula de Carga


Uma vez que no sistema Gearless a polia de tração esta acoplada diretamente no eixo do motor,
o sistema deve ser capaz de avaliar a carga da cabina a fim de determinar o torque necessário no
instante da partida. Portanto todos os elevadores com máquina Gearless deverão utilizar o
dispositivo de excesso de carga, independente do mesmo possuir ou não este opcional.

O Módulo Amplificador da Célula de Carga (MACC) recebe e amplifica o sinal da célula de carga,
transformando-o em duas saídas iguais de corrente que são S1 e S2. A saída S1 juntamente com o
T100 são enviadas para o Módulo Indicador de Carga da cabina. A saída S2 juntamente com o T100,
são enviados para a MCINV, via cabo blindado, onde atua no controle do elevador (determinando o
torque necessário na partida).

Para elevadores de tiro simples são usadas duas células de carga, uma na travessa superior,
que pesa a cabina mais a compensação, e a outra na travessa inferior, que pesa a compensação,
portanto, o módulo MC-INV e o módulo Indicador de Carga realizam a diferença de peso entre a
célula superior e a inferior encontrando o peso da cabina, sendo assim, os sinais S2 de cada
amplificador (superior e inferior) devem chegar a MCINV juntamente com sua referencia T100, sendo
conectados a seus bornes correspondentes, ou seja o sinal S2 da célula superior no borne 6 (S2-s)
do K8 na MCINV, e o sinal da célula inferior ao borne 7 (S2-i) do K8, as linhas T100 são unidas e
conectadas ao borne 8 do K8, conforme diagrama a seguir:

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 4 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

Para os casos de Tiro duplo ou


Tiro Duplo c/cabo de compensação Ligação via
cabo de
manobra

Ligação via
cabo de
manobra

Para os casos de Tiro simples ou


Tiro simples c/cabo de compensação

Para elevadores com duplo tiro é usada somente uma célula de carga instalada na base da
máquina, devido ao sistema que é compensado, onde a célula detecta diretamente a variação de
peso na cabina. Sendo assim, o sinal S2 é derivado do amplificador da célula até a MCINV (ponto
S2-s) no quadro de comando, e o sinal S1 é derivado do amplificador da célula até o indicador de
carga da cabina via cabo de manobra, tendo estes sinais uma variação de tensão entre 1,2VCC a 3,9
VCC dependo da carga na cabina.
Pesador de Carga para tiro duplo (base da máquina – casa de máquinas) 3X.5293.D

3.4- Proteções nos enrolamentos do motor com PTC


Nas máquinas Gearless nacionais (GLM 20 e GLM 39 II) e importadas são usados PTC´s para
proteger os enrolamentos do motor de tração contra altas temperaturas. O PTC é um sensor térmico
que atua pela elevação da temperatura nos enrolamentos do motor, sua ligação é feita diretamente
no módulo MCINV-4 nos pinos 51 (PTC1) e 52 (PTC2) no conector K14, conforme diagrama a seguir:

Obs.: Caso ocorra atuação do PTC nos motores das máquinas Gearless o display da MC INV-4
indicará o código de erro F7 na partida do elevador, tanto em manutenção quando em automático.
Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A
Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 5 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

3.5- Encoder
Para os elevadores GEARLESS com máquinas Francesa (Leroy Sommer) e nacionais com (GLM
39 II e GLM 20), são utilizados encoder com 5000 pulsos código X08.057.007 marcas Euchner ou
Hengstler.

As máquinas alemãs Thyssen Aufzugswerke, podem conter encoder com 5000, 16384 e 28800
pulsos. Isto poderá ser indicado dentro do Menu ajuste, no Sub-Menu “Pulsos Encoder”.

Nas máquinas alemãs Thyssen Aufzugswerke DAB 450 e DAB 530 o motor possui rotor externo
impossibilitando o uso de encoder convencional, por isso são adaptados MiniCoder e Interpolador
Eletrônico.
O MiniCoder possui um disco dentado acoplados ao rotor e sensores magnéticos, que com o
movimento do elevador geram sinais conforme desenho abaixo. Na maquina DAB 450 o disco
dentado possui 800 dentes gerando 800 pulsos por volta, na máquina DAB 530 o disco dentado
possui 900 dentes, gerando 900 pulsos por volta.
MiniCoder (GEL 244)

O Interpolador converte o sinal senoidal do MiniCoder para a forma de onda do encoder


convencional, e multiplica o numero de pulsos conforme a configuração do DIP switch.

Interpolador (GEL 214)

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 6 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

CONFIGURAÇÃO DO DIP
Os Dip switch devem estar configurados para o fator de multiplicação em 32, para obter o numero
de pulsos do encoder de 25600 para as máquinas DAB 450 e 28800 para as máquinas DAB 530,
valores a serem digitados na MCINV-4, MCP-7 e MGR.
Para a verificação e configuração dos Dip switch proceder da seguinte maneira:
• Remover a tampa preta através do 4 parafusos (1,2,3,4 conforme desenha a seguir):
• Com uma chave de fenda pequena posicionar os interruptores conforme tabela com fator
multiplicador.

Tabela de Configuração dos DIP switch


FATOR DIP SWITCH NUMERO DE PULSOS
1 2 3 4 5 6 DAB 450 DAB 530
1 800 900
2 1600 1800
4 3200 3600
6 4800 5400
8 6400 7200
10 8000 9000
12 9600 10800
16 12800 14400
20 16000 18000
24 19200 21600
32 25600 28800
40 32000 36000

= OFF = ON

Obs:. Os DIP switch 7 e 8 devem ficar


posicionados sempre em (ON).

ESQUEMA DE LIGAÇÃO

CABO DE LIGAÇÃO
CABO DE LIGAÇÃO MONTADO
FIXO CONFORME
ESQUEMA ABAIXO

PINAGEM CONECTOR DE 12 PÓLOS


(conexão c/quadro de comando)
PINO LINHA
5 PA
6 /PA
8 PB
1 /PB
9 / 10 0 V (GND)
12 +5V

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 7 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

3.6- Cabo de manobra redondo


Os elevadores GEARLESS acima de 180 m/min utilizam um cabo de manobra único redondo
com alma de aço de 59 vias, sendo 8 linhas blindadas.
Código X08.006.082 – desenho 3X.0563.FD, segue tabela com variáveis para escolha do cabo
pelo comprimento:
TABELA “A” – CABO DE MANOBRA REDONDO 59 VIAS – 3X.0563.FD
Complementação Em metros Complementação Em metros Complementação Em metros
do Código do Código do Código
FD.2 06 FD.14 54 FD.26 102
FD.3 10 FD.15 58 FD.27 106
FD.4 14 FD.16 62 FD.28 110
FD.5 18 FD.17 66 FD.29 114
FD.6 22 FD.18 70 FD.30 118
FD.7 26 FD.19 74 FD.31 122
FD.8 30 FD.20 78 FD.32 124
FD.9 34 FD.21 82 FD.33 128
FD.10 38 FD.22 86 FD.34 132
FD.11 42 FD.23 90 FD.35 136
FD.12 46 FD.24 94 FD.36 140
FD.13 50 FD.25 98
Maiores detalhes para instalação do cabo de manobra redondo consultar CETEC 897.

4. DIFERENÇAS MECÂNICAS DO ELEVADOR GEARLESS


Devido ao controle em elevadores de alta velocidade com máquinas com tração direta, o mesmo
apresenta algumas diferenças na parte mecânica, tais com:

4.1- Contrapeso com aparelho de segurança


O aparelho de segurança no contrapeso é utilizado conforme estipula a Norma, ou seja:
- Em elevadores de qualquer velocidade, quando houver área habitável em baixo do poço, ou
quando não habitados que sirvam de passagem de pessoas.
- É utilizado sempre que a velocidade do elevador for igual ou superior a 180 m/min.
Detalhes de ajuste das corrediças de contrapeso, consultar CETEC 653 índice 4.

4.2- Corrediças de cabina e contrapeso com 6 (seis) rolos


Para obter uma melhor performance em elevadores de alta velocidade acima de 210m/min, são
utilizados corrediças com 6 (seis) rolos. A ação das traves móveis, braço lateral e braço facial,
compensam as irregularidades que possam causar desconforto na cabina.
Detalhes de instalação, ajuste e peças para reposição, consultar manual CETEC 690.

Corrediças Importadas - Cabina e contrapeso Corrediça Nacional de Cabina

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 8 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

4.3- Máquina Gearless


Em elevadores Gearless, as máquinas utilizam motores de baixa rotação, sendo que neste caso
a polia é acoplada diretamente ao eixo do motor. O torque do motor pode ser mantido constante
através do uso de um sistema de controle vetorial (MC-INV).
Tipos de máquinas Gearless
Leroy Somer (Francesa) - Modelo X5, X8,X13A, X20, X30 e X36.
ThyssenKrupp Aufzugswerke (Alemã) – Modelo DAF 330/380 e DAB 450/530.
ThyssenKrupp (Brasil) - GLM 39 II (15kw e 11kw) e GLM 20 – Eberle.
Estas máquinas são constituídas com freio de tração com acionamento através de duas bobinas
independentes e contato BK acoplado para cada sapata. Os contatos BK devem ser ligados em
paralelo, e as bobinas são ligadas em série.
Para maiores detalhes referentes às máquinas consultar manual CETEC 835.

4.4- Freio das Máquinas Gearless


Para o acionamento do freio das maquinas Gearless são utilizadas duas bobinas ligadas em série
e, um filtro RCD ligado em paralelo com ambas, conforme mostrado no desenho a seguir.

Obs.: Para a ligação do freio das máquinas Alemãs DAB 450 e 530, não devem ser utilizados os
contatos auxiliares da contatora B4 que estão em serie com a bobina do freio, portanto não é
necessária a utilização do filtro RCD, conforme desenho a seguir.

Verificar a existência do diodo D1, na qual


possibilita através da configuração dos jumpers a
tensão de saída de 200vcc.

Código da placa com diodo – 3Y.0591.SF.2

4.5- Detalhes das ligações dos contatos BK


Para cada bobina de freio das máquinas GEARLESS é usado um contato de BK,
consequentemente deve-se utilizar dois contatos de BK. Estes contatos são conectados em paralelo,
conforme mostrado nos desenhos a seguir.
Nas máquinas alemãs é necessário utilizar o modulo IBKG, para conexão dos mesmos.

CONTATO BK PARA MÁQUINAS LEROY SOMER E MÁQUINAS NACIONAIS (GLM 39 II E GLM 20)

CONTATO BK ELETRÔNICO PARA MÁQUINA THYSSEN ALEMÃ ( AUFZUGSWERKE )

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 9 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

Modulo IBGK – 3Z.0591.WB.1

5- ATERRAMENTO DO QUADRO DE COMANDO E DA MÁQUINA DE TRAÇÃO


• Só ligar o quadro de comando se a rede elétrica trifásica (R, S, T) e o cabo PE de
Aterramento (Terra) estiverem dimensionados de acordo com a Folha de Especificação
Elétrica do projeto executivo.
• Conforme NBR 5419 (descargas eletrostáticas - pára-raios) o valor da resistência de
aterramento deve ser da ordem de 10 ohms, mais importante até que a resistência, é uma
perfeita equipotencialização de todos os pontos de aterramentos na subestação, ou seja, os
cabos de aterramento de cada elevador da mesma edificação devem estar interligados num
único ponto, para evitar diferenças de potencial. Dúvidas conferir Manual de Aterramento
CETEC 802.
• Recomenda-se, por segurança, que o pára-raios do prédio esteja instalado;

51- Medição em Sistemas de Aterramento


Para medição de aterramento utilizar o Terrômetro Digital ou Medidor de Loop de Terra. O
medidor, semelhante a um amperímetro alicate, deve abraçar o cabo que interliga as hastes do
aterramento, estando posicionado na escala de resistência ôhmica.

DIAGRAMA DE LIGAÇÃO TERRÔMETRO ESCALA DE RESISTÊNCIA

• Os equipamentos que utilizam blindagens ou cabos blindados necessitam de aterramento


para estabelecer um potencial zero na blindagem e também para proporcionar um caminho
externo para as correntes interferentes (ruído eletromagnético). O cabo blindado utilizado
para ligação do motor deve ter sua blindagem conectada ao ponto terra no quadro de
comando, a outra ponta da blindagem deve estar conectada ao parafuso de terra do motor,
conforme CTC 09/2003.

• O cabo PE (terra de proteção) deve ter o mesmo potencial que o cabo N (neutro da
substação), ou seja, o cabo PE da casa de máquinas (terra) e o cabo N neutro da substação
devem estar interligados no mesmo ponto de aterramento na substação, porém devem subir
independentemente para a casa de máquinas.

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 10 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

6- CONDUTOR NEUTRO

6.1- O condutor neutro, nos elevadores FDG GL, é usado para o circuito de iluminação, tomadas
e alguns opcionais do elevador, maiores detalhes consultar, Circular Técnica 122/2002.

7. CUIDADOS GERAIS E DETALHES IMPORTANTES DURANTE A MONTAGEM

7.1- Observar no içamento da máquina, se o equipamento utilizado suporta o peso da máquina.

7.2- A estrutura da máquina Gearless, é montada no piso da casa de máquinas ou pode ser
chumbada diretamente à laje da casa de máquinas, conforme definição do cliente.

7.3- Verificar se a instalação dos amortecedores das máquinas de tração estão em conformidade
com o projeto executivo.

7.4- Detalhes para colocação dos cabos de tração podem ser verificados no manual de
MÁQUINAS GEARLESS CETEC 835.

7.5- A perfeição das guias é importantíssima para o bom conforto do elevador, portanto em
elevadores de alta velocidade (240m/min) utiliza-se guias T127-2/BE usinadas. Esta possui as
mesmas dimensões da guia T-160, porém com tolerâncias menores, para melhores detalhes de
alinhamento e instalação, consultar CETEC 674.

7.6- Ajustar corrediças de cabina e contrapeso conforme manual CETEC 690.

7.7- Ajustar o acionamento do freio da máquina Gearless e contato do BK conforme MANUAL


DE MÁQUINAS GEARLESS CETEC 835.

- O elevador FDNG 240m/min em manutenção deve ser ajustado para atingir a


velocidade máxima de 30 m/min. Durante a montagem, é obrigatório a utilização de
regulador de velocidade 60m/min como ferramenta para o contrapeso e cabina.

8. PREPARAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO EM MANUTENÇÃO - CONECTOR MANUT:

CUIDADOS E PRECAUÇÕES ANTES DE LIGAR O QUADRO DE COMANDO A REDE


ELÉTRICA

- Antes de ligar o quadro de comando deve-se verificar a fixação dos componentes que
compõem o quadro de comando, pois devido ao transporte podem ter se soltado. Verificar a fixação
do encoder no motor.

8.1.Verificação das conexões elétricas de potência e controle no quadro de comando


Os cabos no motor : no borne de potência do QC - linhas U2 ,V2 , W2, e aterramento.
Os cabos na unidade IGBT : verificar os parafusos e terminais da unidade onde são conectados
os cabos de potência , entrada e saída das linhas e os rabichos do Drive , quando com MCINV4 FDN
SFII existem dois rabichos conectados .
Conexão dos módulos MCP e MCINV e todos componentes do quadro de comando.
Os cabos de entrada de força : linhas R , S , T nos fusíveis da base de fusíveis do QC até a
chave de entrada de força da casa de máquinas e cabo terra.
Chave geral seccionadora ou disjuntor do quadro de entrada de força da casa de máquinas e DR
e disjuntor monofásico para linha RX.

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 11 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

8.2 - Pontes provisórias dos quadros de comando SFII com MCP-7


O conector MQ5M contém todas as pontes provisórias.

9- CUIDADOS QUE ANTECEDEM A ENERGIZAÇÃO DO ELEVADOR:

“AO CONECTAR O QUADRO DE COMANDO PELA PRIMEIRA VEZ, CERTIFICAR-SE DE QUE O


CONECTOR MQ5-M ESTEJA PLUGADO, POIS ESTE PONTEIA O CIRCUITO DE SEGURANÇA E
GARANTE QUE O ELEVADOR ESTEJA EM ESTADO DE MANUTENÇÃO. PARA CONFIRMAR O
ESTADO DE MANUTENÇÃO OBSERVAR QUE O DISPLAY DA MC-INV 4 INDIQUE O ESTADO 08”

10- AJUSTE DO MÓDULO MCINV 4

O ajuste do módulo MCINV 4 será dividido em 4 etapas:


• COLOCAR O ELEVADOR EM MOVIMENTO (BAIXA VELOCIDADE)
• PRÉ-AJUSTE
• AUTO-AJUSTE
• AJUSTE FINAL

10.1-COLOCAR O ELEVADOR EM MOVIMENTO (BAIXA VELOCIDADE)

Nesta etapa serão colocados os parâmetros básicos para o funcionamento do elevador em baixa
velocidade, para ser efetuada a montagem do elevador.

10.1.1- Menu Ajuste

RPM SÍNCRONA

Este parâmetro é calculado através da fórmula:


120 × F
RPMsíncrona =
N ° pólos
onde:
120 - Valor constante
F - Freqüência nominal do motor (placa de características do motor)
Exemplo:
N° pólos: Número Pólos do motor (varia conforme do tipo de motor) Máquina Le Roy com frequência
de placa = 9,6 Hz
- Máquina Alemã DAF380 = 12 e 16 pólos e
DAB 450 = 16 pólos 120 × 9,6
- Máquina Francesa (Le Roy) = 8 pólos RPMsíncrona = = 144
8
- Máquinas GLM-39 II e GLM-20 = 8 pólos

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 12 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

RPM DE PLACA

Colocar o valor de “RPM de placa” conforme a placa de características do motor.

FREQUÊNCIA DE PLACA

Colocar o valor de “freqüência de placa” conforme a placa de características do motor.

CORRENTE NOMINAL

Colocar o valor de “corrente nominal” conforme a placa de características do motor.

CORRENTE DE CAMPO

Para as máquinas importadas, este parâmetro deve ser calculado através das seguintes fórmulas, de
acordo com a máquina utilizada:

Corrente de campo = corrente nominal x (0,50 a 0,60) Formula utilizada para as máquinas Francesas.

Corrente de campo = corrente nominal x (0,50 a 0,55) Formula utilizada para as máquinas Alemãs

Para as máquinas nacionais usar os seguintes valores:


Maquina GLM 20 Corrente de campo = 4.1 A
Máquina GLM 39 motor de 11 kw Corrente de campo = 14 A
Máquina GLM 39 motor de 15 kw Corrente de campo = 21 A

CONSTANTE ROTÓRICA

Este parâmetro é calculado através da fórmula:

(escorrega mento × corrente de campo)


Constante Rotórica = × 10
corrente nominal
Obs. :
Máquina Alemã agregar ao resultado da fórmula (10%)
Máquina Francesa agregar ao resultado da fómula (30%)
Máquina GLM - 39 II (11 e 15 kw) agregar ao resultado da fórmula (10%)
Máquina GLM - 20 agregar ao resultado da fórmula (20%)

Escorregamento = RPMsíncrona - RPM de placa

Exemplo:
Máquina Le Roy (máquina francesa)
Escorregamento =RPMsincrona - RPMnominal = 144 – 136 = 8
Corrente nominal = 80 A
Corrente de campo = corrente nominal x 0,60 = 80 x 0,60 = 48
(escorrega mento × corrente de campo)
Constante Rotórica = × 10
corrente nominal
(8 × 48 )
Constante Rotórica = × 10 + ( 30%)
80
Constante Rotórica = 62,4

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 13 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

TENSÃO NOMINAL

Colocar o valor de “tensão nominal” conforme a tensão de entrada do quadro de comando.

POSIÇÃO LA

Ajustar este parâmetro inicialmente em 56, embora não seja necessário ajustar este parâmetro para
o elevador andar em baixa velocidade.

POSI_PORTA

Este parâmetro ajusta, através da contagem de pulsos do “posição LA” a abertura antecipada de
porta de cabina. O valor máximo de ajuste admissível pelo programa é a metade do valor do
parâmetro “posição LA”.
Exemplo1: “posi_porta” ajustado em 28 ⇒ A porta de cabina começará a abrir quando o contador de
pulso (tela zero) “posição LA” contar 28 dos 56 pulsos ajustados anteriormente.
Exemplo2: “posi_porta” ajustado para 0 (zero) ⇒ a porta de cabina começará a abrir quando o
contador de pulso (tela zero) “posição LA” contar 56 dos 56 pulsos anteriormente ajustados, ou seja,
não haverá abertura antecipada da porta de cabina.

SENTIDO MÁQUINA

Este valor deve ser ajustado conforme o sentido de deslocamento da cabine em relação a polia de
tração:
• Polia de tração girando no sentido horário, cabina subindo, “sentido de máquina” = 0
• Polia de tração girando no sentido horário, cabina descendo, “sentido de máquina” = 1

SELEÇÃO D/A

Este parâmetro deve ser sempre ajustado em 000.1, este parâmetro seleciona qual o tipo de curva a
ser coletado no momento do ajuste.
000.1 – Curva de torque x real do elevador.
000.5 – Curva real x curva padrão.
000.9 – Curva de corrente real x curva de corrente padrão.

OFF SET CÉLULA

Ajustar este parâmetro inicialmente em 0,000.

GANHO DE CÉLULA

Ajustar este parâmetro inicialmente em 0,000.

IQSMAX CÉLULA

Ajustar este parâmetro inicialmente em 0,000.

PULSOS ENCODER

Colocar o valor de “pulso encorder” conforme o numero de pulsos do encoder utilizado.

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 14 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

10.1.2- Menu PID:

GANHO KI SLIP

Ajustar este parâmetro de acordo com a máquina utilizada.


Máquina importada (Alemã e Francesa) – 10
Máquina GLM-39 (11kw) e GLM-20 – 5,0
Máquina GLM-39 (15kw) – 5,5

GANHO DE INÉRCIA

Ajustar este parâmetro de acordo com a máquina utilizada.


Máquina importada (Alemã e Francesa) – 15
Máquina GLM-39 – 3,0
Máquina GLM-20 – 1,8

GANHO KP SLIP

Ajustar este parâmetro de acordo com a máquina utilizada.


Máquina importada (Alemã e Francesa) – 1,5
Máquina GLM-39 (11kw) – 0,4
Máquina GLM-39 (15kw) – 0,5
Máquina GLM-20 – 0,3

GANHO KP VS

Ajustar este parâmetro de acordo com a máquina utilizada.


Máquina importada (Alemã e Francesa) – 4,5
Máquina GLM-39 – 8,0
Máquina GLM-20 – 22,0

10.1.3- Menu Vel

TP CURV

Ajustar inicialmente este parâmetro de acordo com a velocidade do elevador.


Até 105 m/min – 28
De 120 a 180 m/min – 35
210 m/min – 42
240 m/min – 46
300 m/min – 55

TP ACEL 5V

Ajustar este parâmetro inicialmente entre 55 a 60.

RPM NIV

Ajustar este parâmetro inicialmente em 1.

RPM MANUT

Ajustar este parâmetro inicialmente entre 15 a 20.

RPM MAX 1V

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 15 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

Ajustar este parâmetro inicialmente em 1/5 do valor da “rpm de placa de características do motor”.

RPM MAX 2V

Ajustar este parâmetro inicialmente em 2/5 do valor da “rpm de placa de características do motor”.

RPM MAX 3V

Ajustar este parâmetro inicialmente em 3/5 do valor da “rpm de placa de características do motor”.

RPM MAX 4V

Ajustar este parâmetro inicialmente em 4/5 do valor da “rpm de placa de características do motor”.

RPM MAX 5V

Colocar o valor de “rpm de placa” conforme a placa de características do motor.

OBS.: Verificar o ajuste do freio e atuação do contato BK, para funcionamento em baixa, fase
de instalação.

10.2- PRÉ-AJUSTE

Nesta etapa, com a montagem do elevador finalizado, serão feitas as verificações e testes dos
sistemas elétricos e mecânicos que antecedem o ajuste final do elevador.

10.2.1 Verificações, ajuste e testes antes de movimentar o elevador em modo automático.

• Ajuste do freio e contatos do BK


• Verificação da taragem cabina/ contra-peso
• Verificar ajuste de corrediças de cabina e contrapeso
• Equalização de cabos
• Verificação e instalação do sistema célula de carga
• Verificação e teste de aparelho de segurança e regulador de velocidade
• Teste de limites físicos
• Verificação e testes de limites lineares (TLS)
• Verificação e ajuste de portas (pavimento e cabina)
• Verificação de placas de parada e chaves eletrônicas
• Verificação de amortecedores (fundo do poço)
• Verificação e teste do circuito de segurança e circuitos de portas (Retirar o conector MQ5M)
• Verificar medidas de última altura e deslize de contra peso e cabina (Ha, Hb, Hc, Lcab e Lcp),
conforme PODECA-001 índice 004. Revisar dimensionamento de fusíveis e disjuntores do
quadro de comando, conforme TDECA-001 índice 003
• Verificar sinal DIR no módulo MGR, “1 subindo” e “0 descendo”
• Verificar o ponto PTC no módulo MCINV (ligações)

10.2.2- Menu Lim Lin.

VEL. ELEVADOR

Ajustar o parâmetro “vel. elevador” conforme a velocidade do elevador em metros por minuto.

CONTADOR SUP.

Com o elevador em manutenção, e direção de subida, verificar no extremo superior se o módulo


MCINV-4 efetua corretamente a contagem de pulsos na régua.
Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A
Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 16 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

CONTADOR INF.

Com o elevador em manutenção, e direção de descida, verificar no extremo inferior se o módulo


MCINV-4 efetua corretamente a contagem de pulsos na régua.

OBS.: A contagem de pulsos dos Limites Lineares no Módulo MCINV-4 é feita diferente do
Módulo MCP-7, ou seja, na MCINV-4 cada furo conta dois pulsos, na MCP-7 cada furo conta
um pulso.
TABELA DE VELOCIDADE X NUMERO DE RÉGUAS PERFURADAS
Velocidade N° de Réguas Total de
[m/min] Perfurados Furos
60 0 0
75 1 32
90 1 32
105 1 32
120 1 32
150 2 64
180 2 64
210 3 96
240 4 128
300 7 224

ESTADO LIMITE

Este menu mostra a posição do elevador em relação ao limite linear.

10.3- AUTO-AJUSTE

Nesta etapa, com as verificações e testes nos sistemas elétricos e mecânicos efetuados, será
realizado o mapeamento do poço através do auto-ajuste.
No processo de auto-ajuste o elevador faz uma viagem de subida em 1 vel, passando por todos os
pavimentos, para o reconhecimento (mapeamento) da caixa de corrida.
Para completar o auto–ajuste é necessário ajustar o elevador provisoriamente em 1 vel., pois o
processo de auto-ajuste só será concluído quando o elevador partir do 1º andar, reduzindo e parando
dentro da zona de nivelamento no ultimo andar.

OBS.: Nos elevadores FDG deve-se verificar os parâmetros no módulo MCP-7, conforme
descrição a seguir:

Para os elevadores com velocidade igual ou maior que 120 m/min, antes de realizar o auto-ajuste
deve-se ajustar na MCP-7, os parâmetros de Rotação (rpm) e Resolução do encoder na MCP-7, para
isso proceder da seguinte maneira:
1. Conectar o TLS na MCP-7;
2. No menu “Manut/Config” colocar o elevador em manutenção;
3. Também no menu Manut/Config, dentro do sub-menu “Parâmetros Alteráveis”, acessar o sub-
menu “Cfg máquina” ajustar o parâmetro “Resoluc Encoder“ com valor igual ao número de
pulso do encoder utilizado no motor, e no parâmetro “Rotac máx em xv” a RPM especificada
na placa de característica do motor de tração.
Realizar o ajuste dos parâmetros do módulo MGR, conforme CETEC 838.

10.3.1- Ajuste provisório em 1 vel.

Com os parâmetros iniciais previamente ajustados no módulo MCINV 4 e nos módulos MGR e
MCP-7 quando FDG, para realizar o ajuste provisório em 1 vel., proceder da seguinte maneira:

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 17 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

OBS.: Para realizar auto-ajuste nos elevadores FDG, faz-se necessário o uso de dois módulos
TLS, um conectado no módulo MGR e outro no modulo MCP-7

• No módulo MCP-7, acessar o “menu Manutenção” e colocar o elevador em AUTO-AJUSTE,


verificando se o mesmo reduz e para na zona de nivelamento, abrindo porta.
• Caso o elevador não consiga atingir a zona nivelamento, conectar um dos TLS no modulo
MCINV 4, e ajustar o valor de “rpm max 1vel”, no “menu Vel.” para que pare na zona de
nivelamento. Refazer o AUTO-AJUSTE novamente repetindo o procedimento de ajuste de 1
vel., até que o elevador pare na zona de nivelamento, abrindo porta.
OBS.: Trata-se como “zona de nivelamento” quando a chave eletrônica 2IR3 encontra-se
dentro da placa de parada e o ponto P23 esta em 0 volt.
• Durante o processo de AUTO-AJUSTE nos elevadores FDG, deve-se monitorar
constantemente o módulo TLS do módulo MGR, pois quando o AUTO-AJUSTE se completa
aparecerá brevemente a indicação de “AUTO-AJUSTE OK", só assim o processo estará
completo.

10.4- AJUSTE FINAL

Com o AUTO-AJUSTE terminado e os pontos de reduções definidos, ajustar definitivamente os


parâmetros necessários para o funcionamento do elevador em alta velocidade, como segue:

AJUSTE DE CONFORTO DE PARADA


1. Na máxima velocidade, ajustar provisoriamente o valor de “tp curv”, de forma que o elevador
pare na zona de nivelamento (abra porta).
2. Ajustar definitivamente o valor de “posição LA” de modo que a cabina pare com nivelamento
zero, tanto subindo como descendo. Se a cabina parar negativo, aumentar o valor de
“posicao LA”. Se a cabina parar positivo, diminuir o valor de “posicao LA”.
3. Ainda na máxima velocidade, ajustar definitivamente o valor de “tp curv”, de forma que o
elevador mova-se entre 10 a 30mm em velocidade de nivelamento antes da parada.

TABELA DE VELOCIDADE POR PAVIMENTO


VELOCIDADE 1 VEL. 2 VEL. 3 VEL. 4 VEL. 5 VEL.
m/min
45/60 a partir de 1 pav. - - - -
75/90/105 1 PAV. a partir de 2 pav. - - -
120 1 PAV. 2 PAV. a partir de 3 pav. - -
150/180 1 PAV. 2 PAV. 3 PAV. a partir de 4 pav. -
210 1 PAV. 2 PAV. 3 PAV. e 4 PAV. 5 PAV. e 6 PAV. a partir de 7 pav.
240 1 PAV. 2 PAV. 3 PAV. e 4 PAV. 5 PAV. a 7 PAV. a partir de 8 pav.

AJUSTE DAS DEMAIS VELOCIDADE (1 VEL., 2 VEL., 3 VEL. e 4 VEL.)


4. Para as demais velocidades, deve-se reajustar o valor da “RPM” referente a cada velocidade,
para que o elevador mova-se entre 10 e 30mm em velocidade de nivelamento antes da
parada.

AJUSTE DA PARTIDA (célula de carga)


No “menu ajuste” os parâmetros “offset célula”, “ganho célula” e “iqsmax célula”, são responsáveis
pelo conforto na partida, bem ajustados proporcionam uma partida suave, sem socos e retorno da
cabina. Para o ajuste deste ganhos, proceder da seguinte maneira:
5. “offset celula” –Para ajustar o parâmetro de offset célula, deve-se transportar o valor da
“carga da célula” TECLA _4 para o “offset célula” no menu ajuste(TLS_MCINV), para isto
deve-se posicionar a cabina sem carga da seguinte forma; Para elevadores com duplo tiro
posicionar a cabina no extremo superior e para os elevadores de tiro simples posicionar a
cabina no meio do poço.

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 18 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

6. “iqsmax celula” - com o elevador em manutenção, cabina vazia posicionada no ultimo andar,
realizar movimentos de descida, aumentando o parâmetro até que a cabina não retorne na
partida. Valor inicial 200.Valores muito altos provocam socos na partida e, valores muito
baixos provocam retorno da cabina na partida.
7. “ganho celula” - com o elevador em automático, cabina com carga máxima (100%)
posicionada no primeiro andar, realizar movimentos de subida, aumentando o parâmetro até
que a cabina não retorne na partida. Valor inicial 200

REVISÃO DE CONFORTO

Fazer viagens dentro da cabina, subida e descida, em todas velocidades, verificando o conforto
durante o movimento do elevador. Para corrigir possíveis vibrações, socos na partida, etc... revisar e
ajustar os parâmetros no menu “PID” , conforme descrição a seguir:

MENU PID

KI-SLIP – corrige a curva real com a padrão em regime nominal. ajusta o torque zero, maior valor,
maior torque zero, ou seja, não deixa o elevador voltar quando o freio é liberado. Valor usual: 10
• Com o valor muito alto causa overshoot;
• Com o valor muito baixo a curva real não acompanha a padrão

GANHO INÉRCIA – com o valor muito alto pode-se sentir socos e oscilações nas transições da
curva, devido ao ganho de correção fazer com que a resposta fique muito fiel ao comando, e com o
valor muito baixo, sensação de elevador muito preso a resposta será mais lenta.
usual: 15
KP-SLIP – corrige a curva real com a curva padrão, em todo o percurso. Valor usual: 1,5 para
elevadores maiores maior ganho.
• Valor muito alto aumenta o ganho de correção, causa vibração e ruído no motor.

MENU MANUT

Acessando o Menu Manut/CONFIG – PARAM FIXOS – CFG ESTADOS – INICIALIZAÇÃO


pelo TLS, nivelar o elevador em estado de inicialização, ou seja, em estado de elevador
perdido. Para o ajuste do Tempo de nivelamento para a Fase 1 do estado “Ini” ver o
procedimento no item 11 deste manual.

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 19 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

10.5- Menu E2PROM

No menu E2PROM existem três bancos de memórias, que possibilitam o armazenamento de três
diferentes ajustes de parâmetros no módulo MC-INV4. Para o gerenciamento deste bancos existem
três sub-menus.

RESTABELECE DADOS

Neste sub-menu é possível buscar (restabelecer) para tela do TLS, um dos bancos de memória com
um ajuste armazenado.

SALVA DADOS

Neste sub-menu são salvos os parâmetros de ajuste em um dos três bancos de memórias.

INICIALIZAR COM

Este sub-menu indica qual o banco de memória será utilizado quando o quadro de comando for
ligado.

10.6- Menu ERRO

No menu Erro ficam registrados os quatros últimos defeitos apresentados pela MC-INV 4.

10.7- Menu MEDIDAS

O menu medidas é utilizado como menu de verificação, portanto seus parâmetros não podem ser
alterados.
corr. Campo – mostra o valor da corrente de campo ajustado no menu ajuste;

const rotorica – mostra o valor da constante rotórica ajustado no menu ajuste;

limite de corr – mostra o valor de corrente de campo, multiplicado por dois, ajustado no menu
ajuste;

temperatura de – Informa temperatura através de um sensor na MCINV-4. Se a temperatura atinge


35ºC o todos os ventilador do QC, inclusive o da máquina de tração são acionados;

max_rpm_perm. - Mostra o limite máximo de RPM que o MCINV permite ao motor de tração
Sensor Hall de - Indica o valor do HALL que esta gravado no chip do MCINV - (até 19kw =100A;
acima de 19kw=200A)

num. Vezes de desl. - Informa o numero do vezes que o MCINV foi desligado;

celula carga1 - Indica o valor que está sendo medido na célula de carga superior;

celula carga2 - Indica o valor que está sendo medido na célula de carga inferior;

rpmmamut_nbk – Indica o valor da velocidade de manutenção que o elevador andara quando em


nobreak.

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 20 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

10.8- TELAS DO TECLADO DO MÓDULO TLS (MCINV- 4)


Tecla Tela do Teclado Significado
1 ROTAÇÃO APLICADA Indica a rotação que esta sendo aplicada ao motor, para o
mesmo possa atingir a rotação padrão.
2 ROTAÇÃO REAL Indica a rotação real no eixo do motor, medida através do
encoder.
Indica a RPM máxima ajustada no módulo TLS, para cada
3 ROTAÇÃO PADRÃO
velocidade
4 CARGA DA CELULAF Indica valor da carga da cabina medido pela célula de carga.

5 CORRENTE IQS Indica a corrente de campo do motor e é calculada pelo


programa da MCINV-4.
6 TENSÃO DO LINK Indica o valor da tensão no link, medida entre as linhas IN+ e
IN-
7 NÚMERO DE PARTIDAS Indica o número de partidas do elevador desde o momento em
que o quadro de comando foi ligado.
8 ERRO NA PARTIDA Indica o número de vezes em que houve erro na partida desde
a ultima vez que o quadro de comando foi ligado .

9 AUTO-DIAGNÓSTICO. Indica o estado em que o elevador encontra-se, em tempo real.

Esta tecla possui duas funções:


0 CONTAGEM DE PULSO Indica os números de pulsos contados desde a entrada da
placa de parada (P23=0) até a parada do elevador, e também é
utilizado como tecla de saída de menu.

* TECLA DE ACESSO AO MENU Esta tecla é utilizada para acessar e navegar nos menus

TECLA DE CONFIRMAÇÃO/ Esta tecla possui duas funções, pode-se verificar o ultimo erro
# e também tem como segunda função confirmação de entrada
ÚLTIMO ERRO
nos menus.

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 21 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

10.9- TABELA DE CÓDIGOS DE ESTADOS DO MODULO MCINV-4

CÓDIGOS ESTADOS
02 PARADO EM AUTOMÁTICO
0F ENTRADA DE ESTADO DE MAGNETIZAÇÃO
0E CÁLCULO DE TORQUE (CÉLULA DE CARGA)
0B LIBERA FREIO
0C ESPERANDO BK
A3 ACELERAÇÃO EM 1 VEL
A4 NOMINAL DE 1 VEL
A5 REDUÇÃO DE 1 VEL PELO MCP
A8 REDUÇÃO DE 1 VEL PELO MCINV
B3 ACELERAÇÃO EM 2 VEL
B4 NOMINAL DE 2 VEL
B5 REDUÇÃO DE 2 VEL PELO MCP
B8 REDUÇÃO DE 2 VEL PELO MCINV
C3 ACELERAÇÃO EM 3 VEL
C4 NOMINAL DE 3 VEL
C5 REDUÇÃO DE 3 VEL PELO MCP
C8 REDUÇÃO DE 3 VEL PELO MCINV
D3 ACELERAÇÃO EM 4 VEL
D4 NOMINAL DE 4 VEL
D5 REDUÇÃO DE 4 VEL PELO MCP
D8 REDUÇÃO DE 4 VEL PELO MCINV
H3 ACELERAÇÃO EM 5 VEL
H4 NOMINAL DE 5 VEL
H5 REDUÇÃO DE 5 VEL PELO MCP
H8 REDUÇÃO DE 5 VEL PELO MCINV
06 VELOCIDADE DE NIVELAMENTO
07 ELEVADOR FRENANDO
05 TORQUE ZERO ANTES DO FREIO
04 ESPERA DO SINAL DE FREIO (BKF)
03 DECREMENTA CORRENTE DE TORQUE
08 PARADO EM MANUTENÇÃO
09 NOMINAL DE MANUTENÇÃO
0A REDUÇÃO DE MANUTENÇÃO

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 22 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

10.10- TABELA DE CÓDIGOS DE ERROS DO MODULO MCINV-4

CÓDIGO
FALHA DETECTADA DESCRIÇÃO DAS FALHAS
ERRO

E0 Falha na fase EU
Unidade de potência, fonte (K7-12 c/ T100 ou K7-11
c/ T100 = 15V), rabichos K9 e K11, curto circuito no
E1 Falha na fase EV cabo do motor ou no próprio motor, ou seqüência de
fases no sensor hall errada ( fase U deve passar pelo
hall 1).
E2 Falha na fase EW

Falta de fases da rede ou os fusíveis ultra-rápidos


da entrada do Q.C. estão queimados. Medir K2-3,
E3 Falha na fase IN com K2-5, K2-3 com K2-7 e K2-5 com K2-7. Devem
estar com a tensão de alimentação da rede do QC
(220VCA ou 380VC A).

Fonte de alimentação (K4 – 3 ou K4-4 c/ K4-7 e K4-8


= 15V), ou resistores da RESC abertos. Verificar mini
E4 Falha de carga
contatoras #1E e #1EA, se estão ligando. CHINV não
operou.

Fonte (K4-3 c/ K4-7 = 15V), resistores da RESC


E5 Falha de subtensão
abertos ou contatora CHINV não operou.

Resistores de frenagem abertos ou módulo RX.1


E6 Falha de sobre tensão
(220V) no lugar de uma RX.2 (380V)

Falha de IGBT de Falha no IGBT de frenagem, rabicho de drive do


E7 frenagem conector K11.

Fonte (K7-9 e K7-10 c/ T100 = 5,1V), sinal A e /A


E8 Falha de encoder (K6-2 e K6-3 c/ T100 de 2,5V a 3,5V ou 0,4V a 0,8V),
fios soltos ou encoder danificado.

EA Falha de sinais MCP retirou os sinais por algum motivo

Falha na segurança de
Verificar segurança de poço, cabina e casa de
EC poço, cabina ou casa de
máquinas, contatos entre as linhas P1E e T2+
máquinas

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 23 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

CÓDIGO
FALHA DETECTADA DESCRIÇÃO DAS FALHAS
ERRO

Falha na segurança do Verificar tensão entre fusível FA, relé 50CR e


EE QC. termostato da unidade IGBT.

Falha de sub-velocidade Problema com encoder ou ainda parâmetros de


EF ou sobre velocidade velocidade errados ou zerados (MENU VEL)

Rabicho hall, parâmetros do motor errados, hall 1 na


fase V ou W, alimentação entre motor e Q.C. aberta.
F1 Falha do hall fase U
Mal contato no rabicho entre MCINV4 e sensores
hall.

Ganho KP-VS do teclado baixo. Aumentar um pouco.


F2 Falha do hall fase V
Exemplo: aumentar 0,5 ou 1.

Resistores de frenagem abertos ou problema com o


F4 Falha de frenagem
IGBT de frenagem.

Verificar chaves do limite linear e limites P40 e P42


F5 Falha de limite linear do poço. Só poderá estar zerado o limite onde o
elevador se encontra.

Falha de relé térmico Seqüência de fases do motor invertidas ou problema


F6 eletrônico com encoder.

Ponto K14-7 e K14-8 devem estar ligados ao PTC do


F7 Falha no PTC
motor

Houve pulsos do encoder sem que houvesse


B9 B9 – Falha de inércia
comando do QC para que o motor se movimentasse.

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 24 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

11. ESTADO “INI” (INICIALIZAÇÃO)


O elevador entrará no estado “Ini” (Inicialização) nas seguintes situações:
• ao ser ligado ou ao sair do estado “Manut” e detectar que a cabine não encontra-se no 1º
ou no último pavimento;
• após ocorrer alguma falha que o faça perder sua referência de posição (por ex., uma
falha de trinco durante o movimento, que causaria uma parada abrupta ficando a cabine
desnivelada).

Ao entrar no estado “Ini”, o elevador irá deslocar-se para baixo com o objetivo de encontrar o
sinal de limite de 1v. Este sinal, que (na maioria dos elevadores) está situado a 1,20m acima
da placa de nivelamento do 1º pavimento, é sua confirmação de posição. Encontrado este
sinal, o elevador seguirá descendo até a placa de nivelamento do 1º pavimento, onde irá
parar e encerrar o estado “Ini”.

O estado “Ini” consiste em uma movimentação em duas fases (duas etapas):

• Fase 1:
o Desce em baixa velocidade até encontrar uma placa de nivelamento qualquer.
o Abre porta ou não, conforme configuração de fábrica. Esta configuração pode ser
verificada, com o TLS na MCP, na tela MANUT/CONFIG – PARAM FIXOS – CFG
ESTADOS – INICIALIZAÇÃO:
Fase 1: abre Fase 1: não abre
porta ao nivelar ou porta ao nivelar

• Fase 2:
o Desce em alta (1v) até encontrar a placa de nivelamento do 1º pavimento (este
passo não existirá se, na Fase 1, a placa de nivelamento encontrada já for a do 1º
pavimento).
o Abre porta.
o Fim do estado “Ini”.

11.1. Ajuste do Tempo de nivelamento para a Fase 1 do estado “Ini”

Trata-se de do tempo em que o elevador andará em baixa velocidade, dentro da placa de


nivelamento, até parar, na Fase 1 do estado “Ini”. O ajuste deste parâmetro é fundamental
para que o elevador, nesta situação, pare corretamente nivelado, sem degrau. Portanto,
deve ser sempre ajustado, na instalação do elevador, antes de entregá-lo ao cliente, e deve
também ser sempre conferido ao substituir-se uma MCP ou MCC em campo.

Utiliza-se o TLS na MCC justamente para facilitar o ajuste por parte do técnico, pois, ao
fazê-lo de dentro da cabine, ele poderá ver se ela está nivelando corretamente.

Com o TLS na MCC, faça o seguinte:


1) Coloque o elevador em “Manut” e movimente a cabine posicionando-a um pouco acima
de uma placa de nivelamento.

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A
ELEVADORES GEARLESS INSTALAÇÃO, CETEC 669
AJUSTE E MANUTENÇÃO Índice: 02 Página: 25 de 25
(ITEM 10.4 MENU MANUT – NIVELAR ELEVADOR EM ESTADO “INI” - INICIALIZAÇÃO )

Obs.: isso poderá ser feito em qualquer pavimento, se o elevador estiver configurado
para, na Fase 1, “abrir porta ao nivelar”. Porém, se estiver configurado para, na Fase
1, “não abrir porta ao nivelar”, faça esse procedimento no1º pavimento.
2) Tire-o de “Manut”. Com isso, ele executará a Fase 1 do estado “Ini”.
3) Ao abrir a porta, se você perceber que a cabine está desnivelada, vá no menu
MANUT/CONFIG - PARÂMETROS ALTERÁVEIS - CFG ESTADOS – INICIALIZAÇÃO e
ajuste o valor para mais ou para menos:
Tempo de nivelam
010 cs
“cs” significa “centésimos de segundos”. O valor default é
10.

4) Repita os passos acima até obter um ótimo nivelamento.

Copyright © 2004-2009 ThyssenKrupp Elevadores S.A


Proibida a reprodução ou divulgação sem consentimento prévio da ThyssenKrupp Elevadores S.A