Você está na página 1de 7

Resposta da tarefa

Turma: Turma 35
Unidade: As Bases Neurobiológicas da Leitura
Cursista: Lígia Regina da Silva Fujita

Tarefa respondida em 30/04/2021 às 01:56:38


Nota: 10.0
Tentativas utilizadas: 1

Questões

Além do envolvimento nos processos fonológicos, essa região foi implicada na

memória fonológica e no processamento semântico. A região descrita é a:

Região temporo-parietal.

Giro frontal inferior.

Cerebelo.

VWFA.

Gabarito: A

Selecione a alternativa correta:


A influência genética nos processos e distúrbios de leitura é inegável, por isso

podemos permitir-nos uma perspetiva determinística, visto que outros fatores,

como por exemplo o meio evolvente, não influenciam na aprendizagem da

leitura.

A leitura é uma invenção cultural recente e, por isso, não existem genes

específicos para este processo, mas sabe-se que há influências genéticas nos

traços cognitivos e comportamentais que suportam a leitura.

A influência genética na competência leitora foi demonstrada, no entanto, as

ocorrências familiares e os estudos com gémeos corroboram a natureza não

hereditária da dislexia, que ocorre em 15% dos gêmeos idênticos e em 5%

dos indivíduos que têm um familiar direto com tal disfunção.

Ainda não foram encontrados genes associados aos défices leitores e à

dislexia. Por isso não se pode assumir a influência genética nos processos e

distúrbios de leitura.

Gabarito: B

Marque a alternativa que completa corretamente as lacunas na frase.

A ______________ foca na conversão grafema-fonema, enquanto a _______ analisa a

palavra como uma unidade.

via fonológica / via morfológica

via fonológica / via lexical

via morfológica / via parietal


via parietal / via lexicall

Gabarito: B

Selecione a alternativa correta:

Os achados neuronais não podem dar um contributo fundamental na predição

do futuro sucesso ou insucesso na leitura.

As informações genéticas e familiares, em conjunto com com dados

comportamentais de competências pré-leitoras relevantes podem facilitar a

identificação de déficits. Tal abordagem permite gerar diagnósticos precisos e

confiáveis, apesar de não ter impactos na melhora da leitura das crianças, na

sua vivência escolar e familiar, e na própria dinâmica educativa.

Um dos contributos da neurociência poderá ser a identificação precoce de

marcadores neuronais de défices leitores, que podem estar presentes mesmo

antes da aprendizagem da leitura. Atualmente, a dislexia é sinalizada

habitualmente depois da criança iniciar a aprendizagem da leitura e o seu

insucesso ser detetado, quando o ideal seria intervir antes ou logo no início da

aprendizagem leitora.

Todas as opções

Gabarito: C

Selecione a alternativa correta:


Em 1930, Antoine Hipocampo descreveu um paciente amnésico Henry

Molaison mostrando que a formação de novas memórias depende do

hipocampo e do lobo frontal.

Em 1861, Paul Broca descreveu um paciente Tan que devido a um acidente

vascular cerebral ficou incapaz de falar. O exame post-mortem ao cérebro de

Tan revelou que este apresentava uma lesão na região posterior do lobo

frontal, atualmente designada área de Broca. O caso deste paciente

demonstrou que a linguagem é primeiramente representada no hemisfério

esquerdo do cérebro humano.

Em 1892, Joseph Déjèrine descreveu um paciente Mr.C que perdeu

subitamente a capacidade de ler. Após a sua morte, Déjèrine examinou o

cérebro de Mr. C. e detetou uma lesão resultante de um trauma craniano, na

parte anterior direita do cérebro. Esta região parece ser particularmente

importante para a leitura por iniciar a transformação da informação visual em

informação auditiva.

Todas as opções

Gabarito: B

Na leitura são ativadas principalmente as três seguintes regiões:

A área temporo-parietal, a área occipito-temporal e o cerebelo, lateralizadas

no hemisfério direito

O sulco temporal superior, a área temporo-parietal e o hipocampo,

lateralizados no hemisfério esquerdo.


A área occipito-temporal, o cerebelo e o giro supramarginal, lateralizados no

hemisfério direito.

A área temporo-parietal, a área occipito-temporal e o giro frontal inferior,

lateralizadas no hemisfério esquerdo.

Gabarito: D

Selecione a frase verdadeira.

O “cérebro” é um computador.

Usamos apenas 10% do nosso “cérebro”.

O funcionamento “cerebral” não pode ser reduzido a um hemisfério

lógico/racional e outro criativo/emocional.

O nosso “cérebro” tem um estilo de aprendizagem preferido.

Gabarito: C

A aprendizagem da leitura está associada:

Ao aumento da atividade neuronal nas regiões temporal e frontal do

hemisfério esquerdo, bem como a uma diminuição de atividade nas regiões

inferiores temporais e no giro fusiforme do hemisfério direito.


A redução da atividade neuronal nas regiões temporal e frontal do hemisfério

esquerdo, bem como a um aumento de atividade nas regiões inferiores

temporais e no giro fusiforme do hemisfério direito.

A leitura deixar de ser tão custosa e quase completamente dependente do

reconhecimento da palavra para ser mais automática e dependente da

conversão grafema-fonema.

Ao leitor típico se tornar mais proficiente, ocorrendo uma redução da

especialização do hemisfério esquerdo e um menor envolvimento das regiões

cerebrais posteriores; o oposto acontece com as regiões anteriores, cujo

envolvimento aumenta com o aumento da experiência.

Gabarito: A

As alterações cerebrais decorrentes de intervenção na leitura podem ser de:

Normalização da ativação e conetividade cerebrais em regiões dos circuitos

de leitura considerados hipoativadas em leitores com dislexia.

Aumento de ativação em regiões que tipicamente não são alocadas durante

os processos de leitura.

A diversidade de resultados e de relações entre achados comportamentais e

neuronais nos estudos de intervenção sugerem que as diferenças individuais

nas respostas neuronais à intervenção são provavelmente muito diversas.

Todas as opções.

Gabarito: D
Selecione a alternativa correta:

Os estudos funcionais reportam maioritariamente que os indivíduos com

défices leitores apresentam hipoativações (menor ativação) nas regiões

dorsais e ventrais dos circuitos posteriores de leitura quando comparados com

leitores típicos.

O circuito ventral está envolvido em processos fonológicos essenciais no

início da aprendizagem da leitura, enquanto o circuito dorsal está alocado ao

reconhecimento da palavra na leitura proficiente.

A dislexia é uma disfunção neurobiológica caraterizada por dificuldades leves

na aquisição da literacia. Tais dificuldades só ocorrem na ausência de défices

cognitivos e sensoriais (visão ou audição) e de problemas motivacionais ou de

oportunidades educativas, os indivíduos com dislexia exibem

consistentemente hiperativação na região anterior dos circuitos de leitura do

hemisfério direito durante a realização de tarefas de cariz fonológico e/ou

ortográfico.

Todas as opções.

Gabarito: A