Você está na página 1de 13

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO – UFMA

CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - CCSST


CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS
DISCIPLINA: FÍSICA EXPERIMENTAL III

(Autor (a)) HEMILY CAROLINE SOUSA DE OLIVEIRA


Prof. Dr.: RICARDO LIMA

ASSOCIAÇÃO EM SÉRIE E EM PARALELO EM LÂMPADAS


26/06/2021

IMPERATRIZ-MA
2021
1. CIRCUITO ELÉTRICO
Um circuito elétrico é a ligação de elementos elétricos, tais
como resistores, indutores, capacitores, diodos, linhas de transmissão, fontes de
tensão, fontes de corrente e interruptores, de modo que formem pelo menos um caminho
fechado para a corrente elétrica. Ele começa e termina no mesmo ponto e é formado por
vários elementos que se ligam e, assim, tornam possível a passagem da corrente elétrica.
Um circuito elétrico simples, alimentado por pilhas, baterias ou tomadas, sempre apresenta
uma fonte de energia elétrica, um aparelho elétrico, fios ou placas de ligação e um
interruptor para ligar e desligar o aparelho. Estando ligado, o circuito elétrico está fechado
e uma corrente elétrica passa por ele. Esta corrente pode produzir vários efeitos: óticos,
cinéticos, térmicos, acústicos, mecânicos, etc. Circuitos elétricos são conjuntos formados
por um gerador elétrico, um condutor em circuito fechado e um elemento capaz de utilizar
a energia produzida pelo gerador.

ELEMENTOS DE UM CIRCUITO ELÉTRICO


Os circuitos elétricos podem conter uma grande quantidade de elementos variados, com
funções diversas, tais como produzir calor, armazenar cargas elétricas, interromper a
passagem da corrente elétrica etc.
Resistores
Os resistores, ou resistências, são componentes do circuito elétrico que têm duas
funções. Uma delas é converter a energia elétrica em energia térmica, a outra é limitar a
passagem da corrente elétrica através do controle da voltagem. Dissipam energia elétrica
exclusivamente na forma de calor. Esse fenômeno é conhecido como Efeito Joule. Quanto
maior é a resistência elétrica do resistor, menor é a corrente elétrica a atravessá-lo. Panelas
elétricas e chapinhas são exemplos de resistores.

Capacitores
Os capacitores, ou condensadores, são componentes elétricos que armazenam as cargas
elétricas quando submetidos a alguma diferença de potencial. Essas cargas elétricas são
utilizadas sempre que haja resistência, ou seja, sempre que a passagem da corrente elétrica
seja dificultada. São utilizados na maior parte dos circuitos elétricos, tanto para o
armazenamento de cargas quanto para estabilizar o fluxo de elétrons no circuito.

Geradores
Os geradores são dispositivos que prolongam a diferença de potencial entre dois corpos.
É dessa forma que eles são capazes de transformar diversas formas de energia em energia
elétrica. A principal função do gerador é provocar uma diferença de potencial entre os
terminais dos circuitos elétricos, de modo que a corrente elétrica possa fluir. Pilhas, baterias
e tomadas são exemplos de geradores.

Condutores
Os condutores são os elementos que permitem que as cargas circulem facilmente num
circuito elétrico.

Indutores
Os indutores são os dispositivos que armazenam a energia elétrica.

Receptores
Convertem energia elétrica em energia cinética. O ventilador, a batedeira, o
liquidificador, o ar-condicionado e a geladeira são exemplos de receptores, pois, dentro
deles, há um motor elétrico que produz movimento ou que comprime algum tipo de gás. O
símbolo usado para representar os receptores é igual ao símbolo dos geradores, no entanto,
nos receptores, a corrente elétrica sempre flui do menor potencial elétrico para o maior
potencial elétrico.

Dispositivos de controle
Os dispositivos de controle são utilizados para medir e controlar as variáveis mais
importantes de um circuito elétrico, como potencial elétrico e corrente elétrica. Os
principais dispositivos de controle conhecidos são os amperímetros e os voltímetros.
Amperímetros
Os amperímetros são dispositivos que medem corrente elétrica. São formados por
galvanômetros (dispositivos sensíveis capazes de medir baixas intensidades de corrente
elétrica), os quais se ligam em série com o circuito no ramo em que se deseja determinar o
módulo da corrente elétrica. Em geral, os amperímetros têm resistência elétrica muito baixa
e não devem ser ligados em paralelo em nenhuma ocasião. Os amperímetros são
dispositivos de controle que medem a corrente elétrica no circuito.

Voltímetros
Os voltímetros são usados para determinar a diferença de potencial elétrico entre dois
pontos de um circuito. Assim como os amperímetros, também são formados a partir de
galvanômetros, no entanto, apresentam resistência elétrica altíssima e devem ser conectados
sempre em paralelo ao ramo do circuito em que se deseja determinar a tensão elétrica.
Fusíveis
Fusíveis são dispositivos de segurança que interrompem a passagem de corrente
elétrica nos circuitos caso exceda uma margem de segurança. Os fusíveis mais comuns são
produzidos com uma liga metálica de baixo ponto de fusão. Quando atravessadas por
grandes correntes elétricas, essas ligas metálicas derretem, interrompendo o circuito.

Chaves ou interruptores
Chaves ou interruptores são dispositivos de segurança que servem para “abrir” ou
“fechar” um circuito, podendo permitir ou interromper o fluxo de corrente elétrica. Esses
elementos são fundamentais para quaisquer circuitos elétricos.

TIPOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS


Existem circuitos elétricos simples, que são aqueles dotados de somente um dispositivo
elétrico, que é conectado diretamente a um gerador por meio de fios condutores, mas
também há circuitos elétricos em que há mais de um elemento, nesse caso, formando
circuitos mais complexos. Esses circuitos mais complexos podem ser classificados
em: circuitos em série, em paralelo ou mistos (quando há ligações em série e em paralelo
no mesmo circuito).
CIRCUITO ELÉTRICO EM SÉRIE
Circuito em série, como o próprio nome já diz é um circuito com duas ou mais cargas
que estão sendo alimentadas em série uma com a outra, ligadas em sequência, havendo apenas
um único caminho para a passagem de corrente elétrica. Uma outra forma de visualizar um
circuito em série é que as cargas têm apenas um ponto em comum entre elas, ou seja, não há
nenhum ponto de derivação. Por esse motivo, a corrente elétrica é igual em todos os elementos
do circuito. O mesmo não pode ser dito a respeito da tensão elétrica, que cai à medida que a
corrente elétrica passa por esses elementos.
Características
Em um circuito em série, corrente e tensão se comportam de maneira diferentes sobre
as cargas do circuito. O fluxo de elétrons, corrente elétrica, no circuito sempre será o mesmo
sobre as cargas, isso porque há apenas um único caminho para a passagem desses elétrons.
Porém a diferença de potencial, tensão, sobre as cargas será diferente, se as resistências das
cargas não forem iguais. A tensão elétrica sobre cada carga será diferente uma em relação a
outra devido à resistência ser diretamente proporcional à tensão, ou seja, quanto maior a
resistência, maior será a tensão, isso porque a corrente sempre é a mesma para todas as cargas.
Na associação de resistores, quando eles estão em série o valor dessas resistências se somam,
logo a associação de resistores em série, quanto mais cargas em série tiver no circuito, maior
será a resistências total.
Aplicações
Uma das aplicações mais comuns de um circuito em série são os circuitos de LED que
ficam nas árvores de Natal, chamados de pisca-pisca. Esse é o motivo pelo qual quando apenas
uma lâmpada queima todo aquele circuito para de funcionar, isto acontece porque o circuito é
interrompido, neste caso não haverá passagem de corrente para as demais lâmpadas.
Uma aplicação muito comum em elétrica predial é ligação de um sensor de presença ou relé
fotoelétrico estarem ligados a uma lâmpada, se não estivessem em série com a carga haveria
uma passagem alternativa para a lâmpada acender, permanecendo ligada constantemente.
Vantagens e desvantagens
Uma de suas vantagens é a associação dos resistores para aumentar o valor da resistência
total do circuito, além de usar dispositivos elétricos e eletrônicos em série com cargas, como
chaveamento, ligando ou desligando. As principais desvantagens é que ao ligar as cargas em
série, qualquer uma delas que pare de funcionar irá abrir o circuito, consequentemente
interrompendo o funcionamento das demais. Além do mais, devido a tensão variar de uma carga
para a outra elas não irão trabalhar com a máxima potência.
CIRCUITO ELÉTRICO EM PARALELO
Circuito Elétrico em paralelo é aquele em que existe uma associação onde a corrente
elétrica se divide ao longo do circuito. Isso acontece para que haja tensão elétrica constante
em todos os pontos. O circuito em paralelo também é composto por duas ou mais cargas,
porém diferente do circuito em série, todas essas cargas possuem o mesmo ponto em
comum, ou seja, há um ponto de derivação para todas elas, fazendo com que o fluxo da
corrente elétrica separe proporcionalmente para cada carga, de acordo com o valor de sua
resistência. Nesse caso, todos os elementos que estão conectados em paralelo ficam
submetidos à mesma tensão, no entanto a corrente que passa por cada fio depende
da resistência elétrica do elemento que se encontra em cada fio.
Características
Temos como as principais características de um circuito paralelo que tanto a corrente e
tensão elétrica no circuito irão se comportar de maneira diferente. No caso da tensão elétrica,
será sempre a mesma para todos as cargas do circuito, ou seja, a mesma tensão entregue
pela fonte. Já a corrente elétrica não será a mesma nas cargas, exceto se tiverem duas com
o mesmo valor de resistência. Isso também se deve a uma relação matemática, sabendo que
a tensão é a mesma em todas as cargas, a corrente elétrica irá variar de acordo com a
resistência, pois são grandezas inversamente proporcionais.
Aplicações
Onde mais é aplicado este tipo de circuito são em instalações elétricas industrial e
predial, onde todas as tomadas e lâmpadas estão em paralelo, redes de distribuição,
equipamentos elétricos e eletrônicos.
Vantagens e desvantagens
O circuito em paralelo é mais utilizado em instalações elétricas prediais e industriais,
isso porque uma de suas vantagens, é a tensão elétrica em todas as cargas será a
mesma,127V; 220V; 380V dependendo do circuito. Pelo fato de a tensão ser a mesma em
cima das cargas, elas irão dissipar a máxima potência, e caso uma das cargas pararem de
funcionar as demais continuam funcionamento normalmente. Uma de suas desvantagens é
o consumo que é muito maior, pois se dissipa mais potência, maior o será o valor. Devido
a corrente elétrica se dividir de maneira proporcional para manter a mesma tensão na carga,
sendo assim o aumento de cargas em paralelo pode ser um problema.
DIFERENÇAS ENTRE O CIRCUITO ELÉTRICO EM PARALELO E EM
SÉRIE
Pode-se concluir que as principais diferenças entre circuito série e paralelo, é a forma
com que tensão e corrente se comportam. Circuito em séria a corrente é a mesma e tensão
diferente sobre as cargas, já em circuito paralelo será ao contrário, mesma tensão e corrente
diferente para as cargas. Outra diferença que se pode citar é que se no circuito em série uma
das cargas pare de funcionar todas as demais também irão parar, pois o circuito será
interrompido. Porém no circuito em paralelo às cargas funcionam de maneira independente,
se uma parar de funcionar as demais irão manter o seu funcionamento normalmente, isso
porque a corrente sempre terá um caminho alternativo.

2. OBJETIVOS
Verificar o comportamento da corrente elétrica em circuitos elétricos compostos de
lâmpadas, em série e em paralelo, e comparar suas respectivas tensões de entrada com as
tensões das lâmpadas.

3. MATERIAIS
⮚ 3 Lâmpadas;
⮚ Multímetro;
⮚ Fonte de energia elétrica.
4. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL
Foram utilizados dois modelos de circuitos elétricos, um disposto em série para realizar o
experimento 1 e outro em paralelo na realização do experimento 2.
4.1 Experimento 1 – Associação em paralelo:
No início do experimento usou-se uma fonte de energia elétrica(corrente
contínua) de 20V, em seguida, usou-se o multímetro para medir a tensão de
entrada, as pontas de prova foram inseridas nas tomadas (inseridos em paralelo
no circuito), e obteve-se uma tensão de entrada de 6,12 V.

Figura 1 : tensão de entrada do circuito em paralelo.


4.1.1 Medida das tensões em cada terminal:
Primeiramente, utilizou-se as pontas de prova em cada terminal, em
seguida mediu-se cada lâmpada. estando todas em conexão em paralelo.
➢ Tensão na lâmpada A :
VA = 5,85V
➢ Tensão na lâmpada B :
VB = 5,86V
➢ Tensão na lâmpada C :
VC = 5,90V
4.1.2 Medida da corrente:
Primeiramente, utilizou-se as pontas de prova em cada terminal,
introduziu-se a ponta de prova vermelha em 10A e a ponta de prova preta em
COM, em seguida retirou-se o condutor e introduziu-se em série o multímetro
entre o polo da lâmpada A e o polo da chave, e obteve-se a corrente total da
associação de 0,79A.

Figura 2 : medida da corrente.


4.2 Experimento 2 - Associação em série:
Primeiramente, usou-se o multímetro para medir a tensão de entrada, as
pontas de prova foram inseridas nas tomadas (inseridos em série no circuito), e
obteve-se uma tensão de entrada de 6,83 V.

Figura 3 : tensão de entrada do circuito em série.

4.2.1 Medida das tensões em cada terminal:


Primeiramente, utilizou-se as pontas de prova em cada terminal, em
seguida mediu-se cada lâmpada. estando todas em conexão em série.
➢ Tensão na lâmpada A :
VA = 2,37V
➢ Tensão na lâmpada B :
VB = 0,80V
➢ Tensão na lâmpada C :
VC = 3,20V
Obs.: A medida da tensão é em paralelo e a associação é em série.

5. RESULTADOS E DISCUSSÕES
5.1 Experimento 1 – Associação em paralelo:
A associação em paralelo deve-se manter a mesma conexão de entrada,
logo, verificou-se que a tensão de entrada será a mesma em cada lâmpada, pois
ela é mantida aproximadamente com o mesmo resultado, ou seja, cada lâmpada
mantêm-se com a mesma tensão de entrada. Por não ser uma situação ideal,
ocorre-se algumas perdas, mas a tensão das lâmpadas é mantida
aproximadamente com a mesma conexão de entrada. As figuras abaixo
apresentam as fotos do sistema, onde mostra-se claramente cada lâmpada,
percebe-se que na lâmpada A é onde tem uma menor quantidade de luz, nas
lâmpadas B e C estão claramente fortes e quase não há diferença entre as duas,
isso acontece devido as tensões de cada uma das lâmpadas.

Figura 7 : tensão das lâmpadas em paralelo.


5.2 Experimento 2 - Associação em série:
A associação em série já mantêm uma grande diferença em relação as
outras tensões, sendo assim, verificou-se que a soma das tensões das lâmpadas
A,B e C resultou-se em 6,37V, ou seja, a tensão de entrada 6,83V foi distribuída
ao longo das associações. Concluindo-se que as tensões das lâmpadas A,B e C
tiveram valores baixos, ou seja, valores que não chegaram por volta do valor da
tensão de entrada, onde a soma das tensões das lâmpadas resultou-se
basicamente no mesmo valor da tensão de entrada, que a distribuiu pelas tensões
das lâmpadas. A figura 7 apresenta uma foto do sistema, onde mostra-se
claramente cada lâmpada, percebe-se que na lâmpada B quase não se ver luz, na
A já temos uma melhor visão, e na C está claramente forte, isso acontece devido
as tensões de cada uma das lâmpadas.

Figura 7 : tensão das lâmpadas em série.

6. CONCLUSÃO

Concluiu-se que a tensão de entrada na associação em paralelo e na associação em série


será aproximadamente o mesmo. Na associação em paralelo cada lâmpada permanece com
a sua tensão de operação que é 6V, já na associação em serie a energia que está sendo
introduzida no circuito é distribuída entre as lâmpadas, ou seja, elas operam abaixo da sua
capacidade, pois estão submetidas com tensões menores, sendo assim não operam com a
sua luminosidade máxima.
REFERÊNCIAS
Disponível em: < https://pt.wikipedia.org/wiki/Circuito_el%C3%A9trico >. Acesso em: 26 de
jun. de 2021.

Disponível em: < https://www.todamateria.com.br/circuito-eletrico/ >. Acesso em: 26 de jun.


de 2021.

Disponível em: <https://mundoeducacao.uol.com.br/fisica/circuito-eletrico.htm >. Acesso em:


26 de jun. de 2021.

Disponível em: <https://www.mundodaeletrica.com.br/diferencas-entre-circuito-serie-e-


paralelo/ >. Acesso em: 26 de jun. de 2021.

Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/fisica/circuitos-eletricos.htm >. Acesso em: 26


de jun. de 2021.

Você também pode gostar