Você está na página 1de 8

1  O patolÓGICO

O PATOLÓGICO
Centro Acadêmico Adolfo Lutz - Medicina Unicamp - ano mmviii - dezembro

Assume a chapa Roda Viva APROVADO


NOVO
ESTATUTO
DO CAAL
p. 5

PatoCultural
Confira a análise do novo
filme de Woody Allen
“Vicky Cristina Barcelo-
na”, por Marcelo Lopes.
» leia mais, p. 6

COBREM, COBEM,
COMAU E CASU
Projeto de lei 727/08 O CAAL faz um repasse sobre os
congressos que aconteceram e
“O médico beneficiado com a con- acontecerão na UNICAMP e no
cessão da bolsa no programa de país. » leia mais, p. 7
residência, após o término de seus
estudos, cumprirá cinco anos de tra-
balho remunerado, com carga horária
a ser estipulada pelo Poder Executivo,
na rede pública de saúde do Estado.”
» leia mais, p. 6
2  O patolÓGICO

BALANCETES
dezembro de 2008

OUTUBRO
Dia Descrição Dia Saldo
NOVEMBRO
Dia Descrição Dia Saldo
Debito Credito Debito Credito
Alê XLIV Saldo Mês Anterior R$ 45.611,68 Saldo Mês Anterior R$ 38.961,35
01/10 Inscrições CoMAU R$ 45,00 R$ 45.656,68 03/11 Salário Jerry R$ 844,38 R$ 38.116,97
Olá, Med Unicamp! Inscrições CoMAU R$ 45,00 R$ 45.701,68 Salário Cidinha R$ 1.621,82 R$ 36.495,15
Inscrições CoMAU R$ 510,00 R$ 46.211,68 CASU - Inscrição R$ 25,00 R$ 36.520,15
A gestão 2008 do CAAL acaba de se encerrar e os Inscrições CoMAU R$ 65,00 R$ 46.276,68 Entrada - Agasalhos R$ 59,25 R$ 36.579,40
últimos balanços mensais estão publicados. Foi um ano Entrada - Agasalhos R$ 89,00 R$ 46.365,68 CASU - inscrição R$ 40,00 R$ 36.619,40
financeiramente bom para o CA. Apesar de alguns eventos Salário Funcionários R$ 1.525,25 R$ 44.840,43 CASU - Pagamento Pré R$ 500,00 R$ 36.119,40
não terem acontecido como planejávamos e terem Boleto CoMAU R$ 2,50 R$ 44.837,93 Alarme R$ 309,08 R$ 35.810,32
dado um grande prejuízo fechamos a gestão com saldo Xerox - pagamento R$ 493,64 R$ 44.344,29 04/11 CASU - Inscrição R$ 50,00 R$ 35.860,32
positivo, devido à Calourada, ao repasse que aumentou, Alarme R$ 309,08 R$ 44.035,21 CASU - inscrição R$ 30,00 R$ 35.890,32
aos financiamentos da Reitoria. Estamos ainda com alguns 02/10 Cobem - reembolso de 1 passagens R$ 537,24 R$ 43.497,97 Contador R$ 1.585,00 R$ 34.305,32
déficits de reembolso de financiamentos, que esperamos Gráfica CoMAU R$ 2.490,00 R$ 41.007,97 CASU - técnico trapézio R$ 100,00 R$ 34.205,32
receber em breve. 03/10 Inscrições CoMAU R$ 55,00 R$ 41.062,97 Xerox pagamento R$ 105,75 R$ 34.099,57
Qualquer dúvida em algum valor, me procurem que eu Repasses Cantinas R$ 5.613,73 R$ 46.676,70 CASU - DuSON (2ª parcela) R$ 240,00 R$ 33.859,57
sempre estarei à disposição. Boleto CoMAU R$ 2,50 R$ 46.674,20 CASU - ônibus teatro R$ 250,00 R$ 33.609,57
Idiomas - Pagamento Professora R$ 840,00 R$ 45.834,20 CASU - vídeo R$ 150,00 R$ 33.459,57

AGOSTO/SETEMBRO
Contador R$ 1.585,00 R$ 44.249,20 05/11 CASU - Inscrição R$ 25,00 R$ 33.484,57
Caixinha Cultura R$ 10,35 R$ 44.259,55 Idiomas - 1 pagamento R$ 65,00 R$ 33.549,57
Dia Descrição Dia Saldo CoMAU - Resina Pen Drive R$ 237,00 R$ 44.022,55 06/11 Conta de Telefone R$ 647,06 R$ 32.902,51
Debito Credito 06/10 Inscrições CoMAU R$ 45,00 R$ 44.067,55 Entrada - Agasalhos R$ 36,00 R$ 32.938,51
Saldo até 29/08/08 R$ 42.325,72 Conta de Telefone R$ 356,06 R$ 43.711,49 OktoberMED - La Bodega R$ 249,60 R$ 32.688,91
25/08 Revista e jornal R$ 90,50 CoMAU - Salas FCM R$ 3.600,00 R$ 40.111,49 Oktober Canecas(2ªparcela) R$ 956,50 R$ 31.732,41
Inscrições ECEM R$ 2.550,27 Entrada - Agasalhos R$ 234,00 R$ 40.345,49 CoMAU - Prêmio Adolfo Lutz R$ 500,00 R$ 31.232,41
26/08 Inscrições COMAU R$ 55,00 Caneca oktoberMED R$ 922,50 R$ 39.422,99 CASU - ônibus CEDAI R$ 120,00 R$ 31.112,41
Boleto COMAU R$ 5,00 Boleto CoMAU R$ 2,50 R$ 39.420,49 CASU - certificados R$ 311,45 R$ 30.800,96
CoBEM - Reembolso de inscrições R$ 320,00 R$ 39.100,49 CASU - inscrições em dinheiro R$ 2.300,00 R$ 33.100,96
30/08 Repasse Cantinas - setembro R$ 5.613,73
07/10 Inscrições CoMAU R$ 55,00 R$ 39.155,49 10/11 Internet R$ 9,90 R$ 33.091,06
Inscrições COMAU R$ 45,00
CoMAU - entrada cheques R$ 260,00 R$ 39.415,49 10/11 Aluguel Randall R$ 800,00 R$ 33.891,06
Boleto COMAU R$ 2,50
Boleto CoMAU R$ 2,50 R$ 39.412,99 10/11 Entrada Agasalho R$ 36,00 R$ 33.927,06
Saldo Mês Anterior R$ 45.131,18
Xerox CoMAU R$ 50,00 R$ 39.362,99 10/11 Caneca OktoberMED R$ 40,00 R$ 33.967,06
01/09 Salário Cidinha R$ 1.585,42 R$ 43.545,76
Cerficados CoMAU R$ 74,20 R$ 39.288,79 10/11 Entrada - Agasalho R$ 98,00 R$ 34.065,06
Salário Jerry R$ 817,20 R$ 42.728,56
CoMAU - pagamento Banda Coquetel R$ 260,00 R$ 39.028,79 10/11 CASU - Coffee Break R$ 2.340,00 R$ 31.725,06
Alarme R$ 309,08 R$ 42.419,48
CoMAU - gastos extras R$ 56,76 R$ 38.972,03 11/11 OktoberMED - Som R$ 750,00 R$ 30.975,06
Inscrições COMAU R$ 55,00 R$ 42.474,48 08/10 Inscrições CoMAU R$ 55,00 R$ 39.027,03 13/11 CASU - Inscrições em cheque R$ 100,00 R$ 31.075,06
Boleto COMAU R$ 2,50 R$ 42.471,98 CoMAU - inscrições em cheques R$ 440,00 R$ 39.467,03 Entrada Agasalho R$ 137,00 R$ 31.212,06
02/09 Contabilidade R$ 1.400,00 R$ 41.071,98 Boleto CoMAU R$ 2,50 R$ 39.464,53 Entrada Agasalho R$ 359,00 R$ 31.571,06
05/09 Entrada Agasalho R$ 378,00 R$ 41.449,98 10/10 Internet R$ 9,90 R$ 39.454,63 Certificados Ama de leite R$ 107,00 R$ 31.464,06
08/09 Conta telefone R$ 300,29 R$ 41.149,69 Entrada - Agasalhos R$ 90,00 R$ 39.544,63 Foremp - financiamento R$ 94,25 R$ 31.369,81
Entrada Agasalho R$ 299,00 R$ 41.448,69 Idiomas - 2 Pagamentos + 95,00 R$ 225,00 R$ 39.769,63 CASU-pagamento arte gráfica R$ 330,00 R$ 31.039,81
Entrada Agasalho R$ 204,00 R$ 41.652,69 Aluguel Randall R$ 800,00 R$ 40.569,63 Imprensa - xetox para Pato R$ 72,00 R$ 30.967,81
Cobem - reembolso de 2 passagens R$ 1.074,48 R$ 40.578,21 CoMAU - inscrições em cheques R$ 110,00 R$ 40.679,63 ROEX - Inscrições R$ 140,27 R$ 31.108,08
10/09 Inscrições COMAU R$ 55,00 R$ 40.633,21 Passagem palestrante CoMAU R$ 633,04 R$ 40.046,59 Repasse Cantinas 3.114,42 R$ 34.222,50
Internet R$ 9,90 R$ 40.623,31 CoMAU - inscrições em dinheiro R$ 4.720,00 R$ 44.766,59 17/11 Mensalidade da conta R$ 35,00 R$ 34.187,50
Aluguel Randall R$ 800,00 R$ 41.423,31 Faixas CASU R$ 155,00 R$ 44.611,59 Financiamento CoMAU -
FAEPEX R$ 6.000,00 R$ 40.187,50
Boleto COMAU R$ 2,50 R$ 41.420,81 13/10 COMAU - Coffee Break R$ 4.392,00 R$ 40.219,59 OktoberMED - cooperativa R$ 884,70 R$ 39.302,80
CoMAU - transporte professor R$ 131,62 R$ 40.087,97 19/11 Cartucho impressora R$ 109,00 R$ 39.193,80
CENEPES - inscrições R$ 390,00 R$ 41.810,81
CoMAU - hospedagem professor R$ 166,00 R$ 39.921,97 Certificados - CoMAU R$ 2,20 R$ 39.191,60
Cobem - reembolso de 2 passagens R$ 1.074,48 R$ 40.736,33
Ida para São Paulo - advogado/estatuto R$ 63,67 R$ 39.858,30 20/11 Poupança R$ 380,00 R$ 38.811,60
Showmed - cartazes R$ 50,00 R$ 40.686,33
Faixas OktoberMED R$ 225,00 R$ 39.633,30 21/11 Conta de telefone R$ 77,49 R$ 38.734,11
Showmed - flyers R$ 180,00 R$ 40.506,33
15/10 Mensalidade da Conta R$ 35,00 R$ 39.598,30 24/11 TARIFA EXTRATO INTELIGENTE R$ 3,90 R$ 38.730,21
11/09 Financiamento Reitoria - CENEPES R$ 1.407,38 R$ 41.913,71
CoBEM - Reembolso de 1 financiamento R$ 567,00 R$ 39.031,30 Repasse Cantinas 2.499,31 R$ 41.229,52
12/09 Férias Cidinha R$ 823,10 R$ 41.090,61
Convites OktoberMED R$ 80,00 R$ 38.951,30 Chocolates residência R$ 37,20 R$ 41.192,32
Entrada Agasalhos R$ 129,00 R$ 41.219,61
Divulgação OktoberMED R$ 350,00 R$ 38.601,30 26/11 Chopp OktoberMED R$ 3.375,50 R$ 37.816,82
Entrada Agasalhos R$ 246,00 R$ 41.465,61
Entrada - Agasalhos R$ 38,00 R$ 38.639,30 28/11 Reembolso Pré-Colt R$ 560,00 R$ 38.376,82
12/08 Idiomas - 2 pagamentos R$ 130,00 R$ 41.595,61 16/10 Entrada - Agasalhos R$ 138,00 R$ 38.777,30 Idiomas - 2 pagamentos R$ 130,00 R$ 38.506,82
Idiomas - 2 pagamentos R$ 130,00 R$ 41.725,61 Pastas CASU R$ 1.671,00 R$ 37.106,30 Idiomas - 6 pagamentos R$ 390,00 R$ 38.896,82
15/09 Mensalidade da Conta R$ 35,00 R$ 41.690,61 CoMAU - Prêmio Adolfo Lutz R$ 500,00 R$ 36.606,30 Entrada - Agasalhos R$ 411,00 R$ 39.307,82
Entrada Agasalhos R$ 158,00 R$ 41.848,61 CoMAU - Prêmio Adolfo Lutz R$ 500,00 R$ 36.106,30 Saldão CAAL R$ 604,00 R$ 39.911,82
Cobem - reembolso de 1 passagem R$ 537,24 R$ 41.311,37 CoMAU - Prêmio Adolfo Lutz R$ 500,00 R$ 35.606,30 Devolução inscrição CoMAU R$ 100,00 R$ 39.811,82
Showmed - convites R$ 40,00 R$ 41.271,37 CoMAU - Prêmio Adolfo Lutz R$ 500,00 R$ 35.106,30 Saldo Final R$ 39.811,82
Entrada Agasalhos R$ 60,00 R$ 41.331,37 17/10 Aluguel Auditório CASU R$ 2.530,01 R$ 32.576,29
Devolução de cheque R$ 65,00 R$ 41.266,37 20/10 Conta de Telefone R$ 68,01 R$ 32.508,28
Idiomas - 1 pagamento R$ 65,00 R$ 41.331,37 Idiomas - 1 Pagamento R$ 65,00 R$ 32.573,28
17/09 Patrocínio CoMAU R$ 500,00 R$ 41.831,37 Idiomas - 4 pagamentos R$ 260,00 R$ 32.833,28
Inscrições COMAU R$ 65,00 R$ 41.896,37 Poupança R$ 380,00 R$ 32.453,28
Entrada Kit Calouro 06 - 1 pagamento R$ 65,00 R$ 41.961,37 21/10 Financiamento Reitoria CASU R$ 6.000,00 R$ 38.453,28
Reembolso Marília - passagem Denise
Ornelas R$ 190,42 R$ 42.151,79 Entrada - Agasalhos R$ 247,00 R$ 38.700,28

Reembolso 1 inscrição - CENEPES R$ 30,00 R$ 42.181,79 Cartazes OktoberMED R$ 100,00 R$ 38.600,28


22/10 TARIFA EXTRATO INTELIGENTE R$ 3,90 R$ 38.596,38
18/09 deposito R$ 20,00 R$ 42.201,79
23/10 Entrada - Agasalhos R$ 31,00 R$ 38.627,38
CENEPES - ônibus R$ 930,00 R$ 41.271,79
Idiomas - 2 pagamentos R$ 130,00 R$ 38.757,38
19/09 Showmed - Som R$ 450,00 R$ 40.821,79
Entrada - Agasalhos R$ 105,00 R$ 38.862,38
Showmed - Rudá R$ 832,00 R$ 39.989,79
CoBEM - Reembolso de 1 financiamento R$ 225,00 R$ 38.637,38
22/09 Extrato inteligente R$ 3,90 R$ 39.985,89
23/10 CASU - Gráfica R$ 840,00 R$ 37.797,38
Conta telefone R$ 44,83 R$ 39.941,06
24/10 CoMAU - Prêmio Adolfo Lutz R$ 500,00 R$ 37.297,38
Financiamento FCM - CENEPES R$ 612,78 R$ 40.553,84
24/10 CASU - DuSON R$ 500,00 R$ 36.797,38
Poupança R$ 380,00 R$ 40.173,84 27/10 CoBEM - Passagens R$ 537,24 R$ 36.260,14
Correios CoMAU R$ 94,35 R$ 40.079,49 CASU - Folderes R$ 850,00 R$ 35.410,14
23/09 Inscrições COMAU R$ 55,00 R$ 40.134,49 29/10 Idiomas - Pagamento Professora R$ 600,00 R$ 34.810,14
Entrada Agasalhos R$ 545,00 R$ 40.679,49 Fichas OktoberMED R$ 100,00 R$ 34.710,14
Boleto COMAU R$ 2,50 R$ 40.676,99 Ida para Pedreira - canecas oktoberMED R$ 27,20 R$ 34.682,94
Reembolso CoBEM - 1 passagem R$ 537,24 R$ 40.139,75 OktoberMED - Banda R$ 700,00 R$ 33.982,94
Entrada Agasalhos R$ 252,00 R$ 40.391,75 Reembolso - passagem CoMAU R$ 200,00 R$ 34.182,94
26/09 Pastas CoMAU R$ 115,75 R$ 40.276,00 30/10 CASU - Sala Pré-CASU R$ 266,29 R$ 33.916,65
Placa CoMAU - homenagem professora R$ 85,00 R$ 40.191,00 30/10 CASU- Inscrição R$ 25,00 R$ 33.941,65
Brindes palestrantes coMAU R$ 84,25 R$ 40.106,75 30/10 CASU- Inscrição R$ 25,00 R$ 33.966,65
Inscrições COMAU - 2 pagamentos R$ 110,00 R$ 40.216,75 31/10 CASU- Inscrição R$ 25,00 R$ 33.991,65
Idiomas - 1 pagamento R$ 65,00 R$ 40.281,75 CASU - transporte Caprioli R$ 250,00 R$ 33.741,65
Idiomas - 4 pagamentos + 35.00 R$ 295,00 R$ 40.576,75 CASU - Reembolso Nota gráfica R$ 50,70 R$ 33.792,35
CoMAU R$ 1.200,00 R$ 39.376,75 OktoberMED - entradas e antecipados R$ 5.169,00 R$ 38.961,35
Boleto COMAU R$ 5,00 R$ 39.371,75
Saldo Final R$ 38.961,35

Aluguel Salas CoMAU R$ 1.000,00 R$ 38.371,75


27/09 Almoço palestrantes Pré-CoMAU R$ 83,43 R$ 38.288,32
Certificados Pré-CoMAU R$ 8,80 R$ 38.279,52
Xerox programação Pré-CoMAU R$ 9,60 R$ 38.269,92
29/09 Inscrições COMAU R$ 45,00 R$ 38.314,92
Boleto COMAU R$ 2,50 R$ 38.312,42
Coffee Break - Pré CoMAU R$ 656,00 R$ 37.656,42
Cobem - reembolso de 1 passagem R$ 537,24 R$ 37.119,18
30/09 Inscrições COMAU R$ 45,00 R$ 37.164,18
Boleto COMAU R$ 2,50 R$ 37.161,68
Financiamento Reitoria - CoMAU R$ 8.450,00 R$ 45.611,68
Saldo Final R$ 45.611,68
3  O patolÓGICO dezembro de 2008

Editorial para os textos.


Nesta edição, contamos com os
balancetes do final do ano (agosto,
importante de adequação ao código civil de
nosso estatuto, através de Assembléia Geral
convocada pelo CAAL. O novo estatuto está
seção “SAIU NA MÍDIA” traz um projeto
de lei recente a respeito de programas de
residência médica.

O
setembro, outubro e novembro). nessa edição, para registro histórico desse E atenção: a próxima edição será já
primeiro “O Patológico” de Contamos também com textos momento e divulgação para a faculdade. em janeiro, portanto, envie seu texto o
nossa nova gestão já sai no informativos escritos pela gestão Nesta edição, apresentamos também quanto antes para chaparodaviva@gmail.
mês de dezembro. Temos Roda Viva, com os seguintes assuntos: a seção SPASMO! (com o poema com e tenha seu texto publicado no jornal
como proposta dentro de CoMAU, COBREM, COBEM, Pró-Saúde “Curandeirologia”), uma análise do último de nosso centro acadêmico. Queremos
nosso planejamento 12 edições no total, e a apresentação de nossa chapa. Além filme de Woody Allen e 3 textos com que “O Patológico” seja um meio de
começando por esta. Mesmo com bastante destes, a coordenadoria de Cultura da assuntos bem variados ( “A vida é Breve, comunicação com a faculdade de todas as
correria (tivemos a posse no dia 24 de gestão passada fez um texto sobre o III Longa é a Arte” , “De sonhos a meta, de instituições de nossa faculdade! Aproveite
novembro), muitos textos foram enviados CASU, ocorrido em novembro deste ano. escritor a linguagem”, “Espremendo o esse espaço!
e 8 páginas quase não foram suficientes só limão!”). E, para completar a edição, a
Tivemos também um momento Gestão Roda Viva

Ombudsman sem registrá-las por escrito. Desse modo, é


incompleta a crítica que analise apenas o
que consta em meia dúzia de textos e que
não exponha pelo menos um panorama
jeto de Lei sobre os egressos das residências
médicas, que teriam que prestar serviços
(remunerados) no SUS depois de formados.
É importantíssimo conscientizar a faculdade
ser cumpridos e, então, adicionar novas
propostas conforme o “tamanho da perna
do CAAL”? Essas respostas cabem a esses 29
que hoje se comprometem com o foi escrito
Foca (XLIII) geral da Med UNICAMP. É sob esta ótica que sobre o que está acontecendo e, principal- no texto da chapa, sendo cobrados disso ao

P
pretendo comentar O Pato durante estas mente, trazer novas informações e o que longo do ano.
erdoem-me os contrários à mi- edições. está sendo discutido no CAAL sobre esse Ótimo começo construindo um calen-
nha opinião, mas acho que esta Desse modo, este número d’O Patológi- assunto nos próximos jornais. Neste senti- dário anual e disponibilizando-a para toda
nova gestão do CAAL tem como co está bem mais palatável do que o anterior, do, gostaria de um texto sobre a posição da a faculdade, mostra responsabilidade, mas
primeira tarefa adquirir a con- com textos sobre assuntos variados e de di- AMERU (Associação de Médicos Residentes NUNCA o que é planejado sai como o espe-
fiança da faculdade. Não falo sobre uma versas turmas. Também dá pra perceber que da Unicamp) sobre o tema na edição de Ja- rado: não se organiza um evento em 1 dia,
pessoa ou (ex-) coordenadoria em especial, cada texto tem algo para acrescentar para neiro. as turmas têm provas, festas e afins em dias
mas senti que ao longo deste ano houve seu leitor: algo que aconteceu na faculda- Como não poderia deixar de ser, parabeni- que podem cair perto de eventos grandes
um distanciamento MEDICINA UNICAMP – de, uma reflexão ou uma livre expressão de zo a 41 pelo 6º ano terminado, por tudo que já programados e, por Deus, digam-me que
CENTRO ACADÊMICO. Por isso, percebo que sentimentos de alguns. Todos contribuindo representaram (passado, presente e futuro) apenas se esqueceram de incluir a semana
há muita desconfiança nos que agora assu- para a heterogeneidade dos assuntos abor- na faculdade e por um 2008 excelente (e da colourada no calendário!!! Eventos como
mem o CAAL, de que seja uma chapa que dados e fazendo com que esta edição esteja olha que nem foi a formatura ainda!). Para- o CASU e o CoMAU devem ser mantidos e
queira mudar muita coisa, talvez muito além muito mais gostosa de ler. béns e, apesar de pequenininha, uma gran- não se esquecer que eles TÊM que ser feitos,
do que fosse possível em tão curto período Um exemplo disso é o texto sobre o Del- de e feliz carreira médica para todos! por comissão externa ou pelo CAAL, mas
de tempo. Será, sim, bastante diferente das fos, que traz um pouco de reflexão sobre Por fim, acho que esse primeiro Patológico devem estar lá. Achei muito interessante
demais, já demonstrado pela nova organi- filosofia e mitologia para todos da Med UNI- do ano traz à tona as principais propostas e um trecho do poema escrito pelo André (XL)
zação interna que propuseram, mas não ne- CAMP. É importante a presença de grupos características da nova gestão do CAAL. Ela, que deixo de reflexão para a “Roda Viva”: “...
cessariamente pior ou menos representativa nos quais os interessados discutam sobre te- a princípio, parece um pouco mais unida e o médico é um pobre doente compulsivo, /
do que as anteriores. Não estou começando mas além da medicina científica e ortodoxa coesa do que as anteriores, permitindo que que tem a fixação de mudar os caminhos,
o ano descredenciando a atual gestão, mas que nos é imposta dia após dia. Este texto tomem decisões mais homogêneas entre / de interferir no mundo de Deus, / ledo
afirmo apenas que um dos compromissos foi uma grata surpresa nesta nova edição do seus integrantes. No entanto, essa organi- engano, / pois se as coisas acontecem de
desta é aproximar-se dos alunos. jornal e, por isso, sugiro que haja em cada zação permite que possíveis erros ao longo forma diferente / da que parecia que acon-
O Ombudsman não é o inimigo nº1 do Pato deste ano um pequeno texto de algum do ano sejam dissipados entre os membros, teceriam, / nem sempre é pela vontade do
CAAL e muito menos um mala que não tem membro do Delfos, uma breve reflexão so- não havendo ninguém, no final, realmente médico, / que controla não mais que algu-
nada o que fazer e que, ao invés de estudar, bre algum tema discutido no mês, amplian- responsável por algo. Pode ser que nesse mas variáveis apenas, / pois existe, / nesse
fica escrevendo palavras ofensivas contra os do o horizonte de visão de cada um que o ano seja muito diferente, mas a praxe é que fio de navalha entre a saúde e a doença, /
membros da atual gestão e, principalmen- ler. Também, poderiam deixar um contato a empolgação vá se exaurindo com o passar mais variáveis que supõe nossa vã tecnolo-
te, sobre os textos d’O Patológico (não que ou sugestão de aprofundamento no tema dos meses e haja sempre menos e menos gia.“.
a parte do mala não seja verdade...). É, sim, para os interessados. Seguindo a mesma li- pessoas dispostas a fazer o que era propos- Finalizando, faça como o Gabriel e o Bam-
alguém que tem um espaço reservado nes- nha, agradou-me a “Sessão cultural do mês”, to. Isso não é um desejo de alguém que quer bu: esprema o limão que há em você, assine
te periódico para elogiar pontos positivos sempre com uma sugestão de filme, livro, que esta gestão dê errado, mas a opinião de sua servidão (nem que seja por algumas
e criticar o que há de errado com o que cir- disco etc. para os que apreciam sair da rotina quem já passou por isso 2 vezes. As promes- horas) às palavras e escreva um texto para
cula neste jornal, mas sem se esquecer que médica diária. Crítica bastante consistente, sas de melhorias são boas, mas pergunto- O Patológico, o NOSSO jornal. Só assim ele
há todo um contexto dentro da faculdade, muito boa! me: darão conta de tudo? Não é melhor ter ficará cada vez mais rico e interessante para
onde pessoas falam sobre suas opiniões Outra boa iniciativa foi a inclusão do Pro- uma agenda básica de eventos que devem todos nós.
Retomando o Código de Ética Único
Agora as novas turmas também podem contribuir...Vamos lá 45ª 46ª e brevemente 47ª..Para quem não se lembra, esse é um projeto iniciado em 2007, por um Grupo de Estudo do CAAL, que
nasceu a partir da demanda dos próprios alunos para se conseguir um Código de Ética Único para todos os estudantes de Medicina da UNICAMP.De 2000 a 2005, os alunos do primeiro ano
de Medicina elaboravam um Código de Ética para sua própria turma.Após análise dos 6 códigos elaborados pelas turmas 39 a 43, surgiu a demanda de que houvesse apenas um Código para
todos os alunos, pois, assim, o código seria mais abrangente, válido e divulgado.Dessa forma, o Centro Acadêmico Adolfo Lutz, para atender a demanda dos seus alunos, criou um Grupo de
Estudo, que se comprometeu a estudar não apenas o Código sintetizado pela 44a turma, a partir dos 6 códigos já elaborados, como também analisar o interesse dos alunos para a consolida-
ção desse Código.Então, nos dias 18 e 19 de junho de 2007, ocorreu um Plebiscito para análise da opinião dos alunos quanto à existência do Código. O plebiscito contou com 270 votos, sendo
que destes, 234 (86,66%) foram a favor da consolidação do Código único contra 36 votos (13,33%) contrários.Sendo assim, o Grupo de Estudo, se comprometeu a organizar a consolidação.
Em agosto de 2007, o Código de Ética sintetizado pela turma 44, foi divulgado no Patológico e após a divulgação, durante 2 meses, o Grupo ficou recebendo críticas e sugestões dos alunos
a respeito do Código, através do email. Com a chegada das novas turmas na Faculdade: 45ª 46ª e brevemente 47ª, o Grupo de Estudo resolveu fazer novamente a divulgação do Código de
Ética Único e criar um novo prazo para receber críticas e sugestões de todos os alunos, incluindo as novas turmas que ainda não tiveram a oportunidade de colaborar com esse projeto surgido
por e para os alunos de Medicina da UNICAMP.Por isso, não deixem de participar!!! Façam suas sugestões e contribuições pelo email: ge_etica@yahoo.com.br até o dia 27 e março de 2009.
Após esse novo prazo, no mês de abril, faremos a esperada ASSEMBLÉIA GERAL PARA LEGITIMAÇÃO DO CÓDIGO DE ÉTICA ÚNICO DOS ESTUDANTES DE MEDICINA DA UNICAMP. Aguarde o
próximo Patológico com a data dessa assembléia!!! (acesse http://www.caalunicamp.com.br/portal/component/content/article/35-conheca-melhor-o-centro-academico/91-codigo.html para ver o código completo.)

PRO-SAÚDE nos Centros de Saúde de Campinas, separadas por ano e disciplina


são:
- 1° ano: MD 142/MD 242 – Ações de Saúde Pública I e II – 1º
Nossa camiseta de último dia
V
e 2º semestres - 60 horas no semestre.
ocê sabe o que é Pró-Saúde? Como ele funciona na - 2º ano: MD 342/MD 442 – Saúde e Sociedade I e II – 1º e 2º Medicina Unicamp XLI Turma
nossa faculdade?

T
semestres - 60 horas no semestre.
Pró-Saúde é um programa do governo federal, lançado - 4º ano: MD 756 / MD 856 - Atenção Integral à Saúde – 1º udo começou lá em 2003, nosso primeiro ano. Tivemos a
em novembro de 2005, que tem como “eixo central a e 2º semestres - 180 horas em cada semestre. Nos sub-módulos
integração ensino-serviço, com a conseqüente inserção dos sorte de en=trar na MED UNICAMP em uma época em que
de Saúde Coletiva, também realizamos atividades em Centros de
estudantes no cenário de práticas que é a Rede SUS, com ênfase Saúde. as tradições ainda tentavam ser passadas para as turmas mais
na atenção básica, desde o início da formação médica. Com ele, - 5º ano: MD 941 – Atenção Integral a Saúde da criança e do novas, sem que isso fosse considerado “opressivo”, “abuso de
espera-se formar cidadãos-profissionais críticos e reflexivos, com adolescente I – 1º e 2º semestres - 60 horas semestrais. poder” ou qualquer outro termo que temos ouvido nos últimos anos
conhecimentos, habilidades e atitudes que os tornem aptos a referindo-se à relação calouro-veterano.
atuarem em sistema de saúde integrado e qualificado”. MD 943 – Atenção Integral a Saúde do Adulto I – 1º e 2º
semestres. Passamos 12 horas semanais (DST) e 12 horas semanais Aprender com os mais velhos é sabedoria popular e não submissão
Com o Programa Nacional de Reorientação da Formação (Imuno).
Profissional em Saúde- Pró-Saúde - o Ministério da Saúde e ou humilhação.
da Educação assumiram o compromisso de apoiar técnica e MD 944 - Atenção Clinico-Cirúrgica I – 1º e 2º semestres – 120 Foram os mais velhos que construíram e tornaram a Unicamp o
financeiramente os cursos que decidissem por enfrentar os horas no ano cada aluno. Nesse módulo, além dos CSs, passamos
também no Hospital Estadual de Sumaré. que é. Foram eles que nos deram motivos para nos orgulhar de onde es-
processos de mudança curricular, focando-se numa formação tamos.
mais humanística. Para isso os cursos enviam um projeto para MD 945 – Saúde coletiva – 1º e 2º semestres – 90 horas no ano
implantação do programa na sua faculdade e aguarda sua cada aluno. Além dos CSs, vamos ao CAPES Desde os mais antigos, que têm suas histórias contadas de geração
aprovação. Na FCM, existe uma Comissão de Acompanhamento, que é em geração, ou que se mantêm próximos, como docentes e contratados,
Na UNICAMP, recebemos o financiamento do governo formado por estudantes, docentes, gestores e usuários do SUS. O contribuindo diretamente para nossa formação, até os mais jovens, pre-
federal, desde a existência do programa Pró-Med (em 2001) que nosso atual representante discente é o Luiz Gustavo, o Frango da sentes em todas as situações, tanto acadêmicas, quanto esportivas e de
visava objetivos bem parecidos com os do Pró-Saúde, mas que turma 43. E nesse momento, estamos sem um suplente para ele. lazer, eles nos inspiraram, nos motivaram e são os responsáveis pelo que
era destinado apenas para o curso de medicina. No entanto, No início do ano, o CAAL fará eleições de representantes
atualmente o Pró-Saúde abrange outros cursos de saúde, como discentes, entre eles, para o representante do Pró-Saúde e seu seremos em breve: Médicos! E não quaisquer médicos. Médicos forma-
Odontologia, Enfermagem, Fonoaudiologia, Psicologia. suplente. Se você conhece o tema ou se interessou, procure dos pela Unicamp.
No nosso currículo, o apoio do Pró-Saúde facilitada e alguém do CAAL para conseguir mais informações. Na edição de Somos muito gratos aos que chegaram a este fim de 6º ano antes
viabilizada a nossa inserção na rede básica de Campinas. As fevereiro traremos mais detalhes. de nós. Terminamos a graduação confiantes, porque sabemos que temos
atividades de ensino na rede, que ocorrem praticamente todas Gestão Roda Viva um futuro, porque temos um passado.
4  O patolÓGICO

assume a nova gestãO DO CAAL


dezembro de 2008

UMA NOVA RODA VIVA


“A Roda Viva de Chico Buarque é movimento incessante, corrupio, cortado. A Roda Viva de Chico Buarque remete
anos obscuros, onde fomos “abortados na capacidade de decidir o próprio destino, de adquirir autonomia como
um rio é barrado, como um fluxo de sangue é estagnado.”Durante os últimos três meses, nos fortalecemos como
um grupo com vontade e compromisso de assumir a gestão do nosso CAAL para o ano de 2009. Durante os últi-
mos três meses, dedicamos tempo e disposição para fazermos algo que valesse a pena.Acreditamos na mudança
e no potencial de repensar uma nova Roda Viva, que nos dê voz ativa e nos possibilite agir dentro do nosso Centro
Acadêmico, construindo e transformando coletivamente nosso destino como estudantes de uma Universidade.
Venha conhecer a nova Roda Viva e ver o mundo rodando fora da Roda Gigante que torna o mundo tão estático!”

F
oram mais de dade. zação do congresso.

A gestão 2009 50 horas de


formação de
Além desses meios, julgamos essencial a propa-
ganda mais informal, através de panfletos, carta-
CALOURADA: sendo tradicionalmente o CAAL res-
ponsável pela semana de calourada e pouco agen-
Alessandra XLIV
chapa: nos co- zes, faixas, e-mails para a faculdade e divulgação te modificador dela nos últimos anos, acreditamos
Ana Carolina XLV nhecemos, debate- boca-a-boca. ser nossa função enquanto gestão de um centro
Antônio Fernando XLV mos, conversamos, acadêmico, tornar a recepção de calouros uma se-
Brayner XLVI
Bruna XLVI viajamos e pensamos AVALIAÇÃO DO ENSINO mana diferente e inesquecível!
Camilla XLVI bastante. Precisáva- Sabemos a importância de um Centro Acadêmi- NOITE CULTURAL DO CAAL: planejamos um even-
Carolina XLVI mos saber o que era co ao analisar, discutir e propor mudanças para o to semestral (totalizando 2 edições) denominada
Diego Barbosa XLVI
Fernanda XLVI um centro acadêmico nosso curso médico. ‘Noite Cultural do CAAL’, realizado pelo CAAL e di-
Gines XLV e o que podíamos fa- Acreditamos ser nossa função como gestão vulgado para a universidade, com apresentação de
Heloisa XLVI
Henrique(Abrealas) XLV zer pelo da nossa fa- acompanhar a Representação Discente dentro de filmes, peças de teatro, shows, espetáculos em uma
Italo (Lili) XLVI culdade. nossa Faculdade, envolver-se com a Congregação noite repleta de atrações para todos os gostos.
Josué XLV e manter ininterrupta análise crítica de nossa Re-
Lucas (Trigo) XLV
Luiza Manhezi XLVI HORIZONTALIDADE forma Curricular. PROPOSTAS NOVAS
Karla XLVI Repensávamos um Assim, fazem parte de nosso planejamento o Julgamos não ter sentido formar uma chapa
Marcelo XLVI
Mariana Toro XLVI modo de fazer um Acompanhamento Curricular, a consulta de opi- apenas para dar continuidade ao trabalho da cha-
Miquelline XLV grupo unido, coeso e nião de todos da faculdade (desde o 1º ano até o pa anterior. Assim, a partir de demandas do pró-
Natália XLVI motivado. Assim, não internato) e o vínculo efetivo com os Representan- prio grupo, planejamos coisas novas.
Priscilla XLVI
Rafael (Habib) XLVI víamos sentido em tes Discentes. Estabelecemos como uma das prioridades da
Sarah (XLVI) compartimentalizar chapa o contato com a extensão popular univer-
Tati XLV
Thais MG XLV uma chapa em coor- EVENTOS sitária, através da inserção do CAAL e de nós, es-
Thaís Tubero XLVI denadorias fixas e com Passamos, durante a formação de chapa, por uma tudantes de medicina, dentro da nossa própria
Vanessa XLVI tarefas pré-definidas. análise dos eventos que o CAAL se responsabilizou sociedade, razão pela qual existe uma universi-
Victor(Baiano) XLVI
Formamos um gru- em fazer em gestões passadas. Reavaliamos e re- dade. Estamos em processo de sedimentação de
po sem cargos e divi- formulamos alguns eventos como: propostas e, assim que definidos parâmetros mais
sões, as quais julgamos desestruturar nossa vonta- CINECAAL: temos como proposta a realização de 7 completos, temos certeza da adesão da faculdade
de de união, de roda com voz ativa de fato. Somos edições, tanto na FCM, quanto no PB e na Casa do dentro do projeto.
um grupo menor, comparado às últimas gestões Lago (divulgando-os para todos da Universidade) Consideramos, também, necessária uma maior
do CAAL. E isso facilita para que uma gestão sem SHOWMED: pretendemos transformar o SHOW- politização e contextualização do movimento es-
hierarquização de funções tenha êxito nas pro- MED em um evento com maior participação da tudantil, principalmente da área médica, dentro de
postas a que se compromete. Não pretendemos faculdade, tendo como idéia a realização de um nossa faculdade. Inúmeras questões são discuti-
a quase impossível tarefa de todos fazerem tudo evento aberto dentro da própria faculdade, reali- das por CA’ s do país e é fundamental que o centro
que planejamos. Cada projeto que pretendemos zado no 1º semestre acadêmico seja responsável por trazer essas dis-
fazer é responsabilidade de um grupo específico OKTOBER: temos como objetivo transformá-lo em cussões para todos os estudantes. Assim, Grupos
dentro da chapa, mas que contém em sua estrutu- uma festa da Medicina conhecida e aderida pelos de Discussão, Seminários e a abertura de muitos
ração e idéia geral a construção coletiva prévia da outros cursos, tornando-se um projeto maior e espaços para a construção de posturas dentro do
chapa como um todo. melhor movimento estudantil são fundamentais e fazem
WORKSHOP: reconhecemos sua importância e parte de nosso planejamento.
COMUNICAÇÃO CONSTANTE pretendemos realizar um evento bem divulgado e Além disso, temos como objetivo o fortaleci-
Consideramos fundamental a comunicação e aderido por muitos interessados pelo nosso curso mento de ligas acadêmicas em nossa faculdade,
divulgação das atividades realizadas pelo nosso COMAU: infelizmente, a baixa adesão dos estudan- cientes de seu papel de influência e transforma-
centro acadêmico para todos os estudantes da Me- tes ao longo dos anos no COMAU fez-nos refletir e ção dentro da formação médica. Não obstante,
dicina, para a Universidade como um todo e para propor a volta da organização feita por comissões entendemos como função do CA regularizar seus
outros estudantes de Medicina também envolvi- paralelas, vinculadas ao CAAL. Cremos que, se hou- mecanismos e dar suporte quando necessário.
dos no Movimento Estudantil. ver demanda, haverá interesse da faculdade como Finalmente, gostaríamos de convidar a facul-
Portanto, temos como proposta o lançamento um todo em realizar um evento da magnitude do dade toda para participar e construir conosco um
de 1 Patológico mensal (totalizando 12 edições), COMAU, apoiado pelo CAAL. Centro Acadêmico que tenha como proposta nos-
relatando o que já fizemos, o que faremos, quais CASU(Congresso de Arte e Saúde da UNICAMP): a so fortalecimento e crescimento, como estudan-
discussões estamos fazendo, além da publicação ótima avaliação feita pelos participantes dos últi- tes de uma universidade como a nossa. Consulte
de textos de fora da chapa. mos CASU’s reflete em uma demanda dos interes- nosso planejamento no site: www.caalunicamp.
Propomos também em novo processo de refor- sados em Arte e Cultura dentro de nossa formação com.br/portal/calendario.html, apareça nas reu-
mulação do site do CAAL, criando mecanismos médica. Assumimos o compromisso, portanto, de niões e seja voz ativa no processo do movimento
dinâmicos de divulgar o CA dentro e fora da facul- formar a comissão pelo CASU e participar da reali- estudantil!
5  O patolÓGICO dezembro de 2008

novo estatuto aprovado


Aprovado dia 26/11 em VI. Votar e ser votado para os cargos eletivos
do CAAL.
mínimo de 1/10 (um décimo) de seus Associa-
dos.
CAPÍTULO III – DAS ELEIÇÕES
Art. 24. A Diretoria Executiva do CAAL será
Assembléia Geral o novo VII. Participar das reuniões da Diretoria Execu- § 2º. Nas votações de Assembléia será consid- eleita por voto secreto ou Assembléia Geral e
Estatuto, agora de acordo tiva com direito a voz e a voto. erada a maioria dos Associados presentes. seu mandato será de 1 (um) ano.
com o novo código civil. Art. 8º. São deveres do Associado:
I. Observar os dispositivos deste Estatuto.
§ 3º. A Assembléia convocada para a Refor-
ma do presente Estatuto instalar-se-á com o
Art. 25. As eleições para a Diretoria Executiva
do CAAL serão feitas através de chapas inscri-
II. Respeitar as decisões da Assembléia Geral. quórum mínimo de 1/6 (um sexto) dos Asso- tas com antecedência mínima de 5 (cinco)
TÍTULO I III. Zelar pelo Patrimônio do CAAL. ciados dias úteis ao pleito, que ocorrerá no mês de
DA ORGANIZAÇÃO IV. Não se pronunciar em nome do CAAL a me- § 4º. Não há quórum mínimo de instalação da outubro de cada ano letivo, convocadas pela
- nos que lhe seja incumbida essa atividade. Assembléia Geral para prestação de contas. Diretoria Executiva do CAAL, com antecedên-
CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, V. Pagar à entidade a contribuição anual cia mínima de 30 (trinta) dias, através de edi-
FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. definida em Assembléia Geral. Art. 17. As Assembléias Gerais Extraordinárias tal que constará:
Art. 1º. O Centro Acadêmico “Adolfo Lutz”, § 1º. A Assembléia Geral e a Diretoria Executi- não podem ser convocadas em períodos de I. Convocação para formação da Comissão
neste Estatuto referido como CAAL, fundado va poderão isentar Associados do pagamento férias oficiais da Universidade Estadual de Eleitoral no prazo máximo de 7 (sete) dias;
em vinte e dois de maio de mil novecentos da taxa por período determinado. Campinas. II. Dia(s) da votação;
e sessenta e três, é, na forma da lei, uma As- Art. 9º. A Diretoria Executiva em reunião or- Parágrafo Único. Qualquer deliberação de III. Local e prazo para retirada e entrega do
sociação Civil, sem fins econômicos, indepen- dinária poderá vetar, mediante notificação importância e urgência justificada poderá ser formulário de inscrição de chapas.
dente de partidos políticos, crenças religiosas, pública com cinco dias de antecedência, a tomada pela Diretoria Executiva, “ad referen- §1º. O registro prévio da chapa far-se-á na
raça e orientação filosófica, representativa dos participação dos Associados em débito ou dum” da Assembléia Geral, no prazo máximo sede do CAAL, junto à Comissão Eleitoral, sen-
alunos de Medicina da Faculdade de Ciências atraso nas atividades promovidas pelo CAAL. de 30 dias após o retorno das atividades do elegíveis apenas os Associados ao CAAL,
Médicas da Universidade Estadual de Campi- acadêmicas. sendo vedada a inscrição de um Associado
nas. TÍTULO III em mais de uma chapa simultaneamente;
§ 1º. O CAAL tem sede e foro na cidade de DA ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO II - DA DIRETORIA EXECUTIVA (AD- § 2º. É garantido aos eleitores:
Campinas, Estado de São Paulo, na rua Roxo Art. 10º. A administração do CAAL se realiza MINISTRAÇÃO) I. Sigilo do voto;
Moreira, s/ no, Barão Geraldo, CEP: 13.081- pelos seguintes órgãos de administração: Art. 18. A Diretoria Executiva é o órgão admin- II. Inviolabilidade da urna;
970. I. Assembléia Geral, órgão deliberativo sober- istrador do CAAL. III. Apuração pública imediata após o término
§ 2º. O CAAL tem prazo indeterminado de du- ano da entidade; § 1º. A Diretoria Executiva terá mandato de 1 da eleição;
ração. II. Diretoria Executiva (Administradores), (um) ano. § 3º. O voto é facultativo, não sendo permitido
Art. 2º. O CAAL tem como finalidades: órgão administrativo representativo do CAAL § 2º. A Diretoria Executiva se reunirá ordi- o voto por procuração;
I. Representar os alunos de Medicina da Facul- ativa e passivamente, judicial e extrajudicial- nariamente e extraordinariamente quando § 4º. A Comissão Eleitoral será formada por
dade de Ciências Médicas da Universidade Es- mente, eleita para mandatos de 1 (um) ano necessário, registrando-se as presenças de no mínimo 1 Diretor, 1 funcionário do CAAL
tadual de Campinas, através de sua Diretoria por eleições diretas. seus membros em livro próprio, assinado, (se houver), 1 Associado que não concorre às
Executiva ou pessoa legalmente credenciada Art. 11. As atividades dos administradores lavrando-se ata de cada reunião realizada. eleições.
para tal. serão exercidas sem qualquer remuneração § 3º. O quorum deliberativo das reuniões da § 5º. Compete à Comissão Eleitoral:
II. Contribuir para integração entre seus Asso- ou contra-prestação, a qualquer título. Diretoria Executiva é maioria simples. I. Organizar e apurar o processo eleitoral;
ciados e destes com o movimento estudantil. Art. 19. A Diretoria Executiva será constituída II. Apurar eventuais irregularidades durante o
Art. 3º. O CAAL tem como princípios funda- CAPÍTULO I - DAS ASSEMBLÉIAS GERAIS por membros eleitos na forma deste Estatu- processo eleitoral.
mentais: Art. 12. A Assembléia Geral é o órgão soberano to: III. Definir hora e local da votação, divulgando
I. Lutar por um ensino público de qualidade, do CAAL, sendo constituída por todos os seus § 1º. Primeiro Diretor Geral. com antecedência.
laico e socialmente referenciado; Associados em pleno gozo de seus direitos es- § 2º. Segundo Diretor Geral. Art. 26. O Eleitor deverá identificar-se, no ato
II.Lutar pela responsabilidade médico-social tatutários e será presidida por um Diretor. § 3º. Primeiro Diretor de Finanças. da votação, por documento com foto, e seu
e da adaptação do ensino médico à realidade Art. 13 - Compete à Assembléia Geral: § 4º. Segundo Diretor de Finanças. nome deverá estar contido na lista dos asso-
brasileira; I. Eleger, dar posse e destituir os membros da § 5º. Respeitando os cargos mínimos acima, ciados do CAAL.
III.Lutar por um sistema público de saúde, de Diretoria Executiva; cada gestão poderá a seu critério dispor os Art. 27. Será considerada eleita a chapa que
qualidade, acessível e que atenda aos princí- II. Reformular total ou parcialmente, inclusive demais membros eleitos em funções e comis- obtiver o maior número de votos, indepen-
pios da universalidade, equidade e integrali- no tocante à forma administrativa, o presente sões criadas para as atividades propostas pelo dentemente do número de votantes.
dade; Estatuto quando convocada para este fim. CAAL. § Único. Ficando 2 (duas) ou mais chapas
IV. Lutar para que não haja discriminação e III. Decidir sobre a extinção do CAAL, obser- Art. 20. Compete à Diretoria Executiva: empatadas em número de votos na primeira
distinção de raça, orientação sexual, religião, vando, no que couber, o presente Estatuto; I. Administrar o CAAL, segundo o disposto colocação, será convocada uma nova eleição
nível socioeconômico e concepção ideológi- IV. Discutir e votar qualquer matéria apresen- neste Estatuto e nas deliberações das Assem- com as chapas empatadas em 7 (sete) dias
ca. tada por qualquer de seus Associados, desde bléia Geral; corridos;
que obedecidas às normas de ordem do de- II. Promover e coordenar manifestações de Art. 28. A chapa vencedora tomará posse 10
bate, inclusive de alterações e transações pat- acadêmicos de Medicina da Faculdade de (dez) dias úteis decorridos da apuração dos
TÍTULO II rimoniais do CAAL; Ciências Médicas da Universidade Estadual votos, quando será lavrado, em livro próprio,
DOS ASSOCIADOS V. Apreciar o relatório de prestação de contas de Campinas - UNICAMP; uma ata de posse que será assinada por todos
CAPÍTULO I - DA DEFINIÇÃO, ADMISSÃO, DEMIS- apresentado pela Diretoria Executiva ao final III. Planejar e viabilizar as finanças da enti- os membros eleitos e registrada em cartório
SÃO E EXCLUSÃO DOS ASSOCIADOS. de seu mandato; dade; com a brevidade possível.
Art. 4º. São associados do CAAL todos os alu- VI. Eleger, em caso de destituição ou renún- IV. Apresentar balancetes mensalmente, Art. 29. A Comissão Eleitoral poderá, para os
nos regularmente matriculados no curso de cia de toda a Diretoria Executiva, uma junta prestações de contas e/ou esclarecimentos à casos omissos, convocar Assembléia Geral Ex-
Medicina da Faculdade de Ciências Médicas governativa de 3 (três) Associados, a qual Assembléia Geral, quando solicitados; traordinária.
da Universidade Estadual de Campinas – UNI- responderá pelo CAAL até que se processem V. Zelar pelo patrimônio e conservação do
CAMP. novas eleições no prazo máximo de 30 (trinta) CAAL; TÍTULO IV
Art. 5º. Qualquer Associado poderá solici- dias; VI. Divulgar comunicados e boletins aos Asso- DO PATRIMÔNIO E FONTES DE RECURSOS
tar sua retirada do quadro de Associados do VII. Julgar os recursos interpostos e decidir ciados do CAAL; Art. 30. O patrimônio do CAAL é composto
CAAL, em qualquer momento, mediante todas as demais atribuições previstas no pre- VII. Convocar eleições para Diretoria Executiva de bens móveis e imóveis que possua ou que
apresentação de solicitação escrita dirigida à sente Estatuto; do CAAL; venha a possuir pela subvenção e legados
Diretoria Executiva do CAAL. VIII. Discutir e deliberar sobre todo e qualquer VIII. Escolher seus representantes para partici- recebidos, juros e rendimentos de seus bens,
Parágrafo Único. Consideram-se excluídos assunto de interesse do CAAL para qual for par de reuniões, congressos, encontros e con- contribuições, auxílios financeiros públicos
automaticamente da Associação os alunos convocada; gêneres que se façam necessários; ou privados, taxas e multas.
que deixarem e/ou concluírem o curso de IX. Deliberar sobre casos omissos no presente IX. Promover ou acompanhar eleições para os
Medicina da Faculdade de Ciências Médicas Estatuto. cargos de representação dos estudantes de Art. 31. Os bens patrimoniais móveis e imóveis
da Universidade Estadual de Campinas – UNI- Parágrafo Único. Para as deliberações a que se medicina nos órgãos colegiados (Congrega- do CAAL são, em princípio, inalienáveis, sendo
CAMP. referem os incisos I e II deste artigo é exigido ção, Conselho Interdepartamental, Conselhos que sua venda ou troca ou doação deve pas-
Art. 6º A demissão de um Associado poderá deliberação da assembléia especialmente Departamentais, etc.). sar por aprovação de Assembléia Geral espe-
ser pleiteada em Reunião da Diretoria Execu- convocada para esse fim. Art. 21. Ao 1º Diretor Geral compete: cialmente convocada para esse fim.
tiva, convocada para esse fim. Art. 14. A Assembléia Geral reunir-se-á ordi- I. Representar ativa e passivamente o CAAL
Parágrafo Único. Todo associado excluído da nariamente para: em juízo ou fora dele; Art. 32. Em caso de dissolução do CAAL, o
Associação pela Diretoria Executiva do CAAL I. Conhecer e apreciar o relatório anual da II. Manter as contas correntes e de poupança patrimônio será destinado ao Diretório Cen-
tem direito a recurso da decisão, o qual deve Diretoria; da entidade nas instituições financeiras; tral dos Estudantes (DCE) da UNICAMP ou terá
ser encaminhado por escrito em até 15 dias II. Discutir e homologar as contas e balanços III. Contratar ou demitir funcionários e/ou destino decidido em Assembléia Geral.
corridos da reunião à Diretoria Executiva, con- aprovados pela Diretoria Executiva; prestadores de serviços.
vocando – conforme Art. 15, III – Assembléia III. No prazo máximo de 60 (sessenta) dias após Art. 22. Ao 2º Diretor Geral compete substituir
Geral que deferirá ou não no prazo de 15 dias o encerramento do exercício social, apreciar o 1º Diretor Geral em suas atividades legais no TÍTULO VI
corridos. as contas referentes ao exercício anterior. caso de impedimento. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRAN-
Art 15. A Assembléia Geral Extraordinária Art. 23. Aos Diretores de Finanças compete: SITÓRIAS
CAPÍTULO II - DOS DIREITOS E DEVERES DOS AS- realizar-se-á sempre que for necessário e será I. Manter sob sua responsabilidade o
SOCIADOS convocada: patrimônio flutuante do CAAL; Art. 33 O CAAL será dissolvido por decisão
Art. 7º. São direitos do Associado: I. Por qualquer Diretor da Diretoria Executiva. II. Receber verbas, subvenções, doações e da Assembléia Geral convocada extraordi-
I. Propor ou discutir em reunião da Diretoria II. Por requerimento subscrito por, no mínimo, legados destinados ao CAAL e apresentar nariamente para esse fim, quando se tornar
Executiva ou Assembléia Geral as medidas 30 associados. para a Diretoria Executiva. impossível a continuidade de suas ativi-
que julgar convenientes aos interesses do III. Por requerimento de qualquer Associado III. Lançar todo movimento de receitas e dades, e com a presença de no mínimo 1/5
CAAL. punido por decisão da Diretoria Executiva, despesas em livros apropriados com a devida de seus Associados com direito a voto.
II. Recorrer à Assembléia Geral das decisões com a finalidade única e exclusiva de reex- comprovação;
da Diretoria Executiva do CAAL, quando jul- aminar a referida punição. IV. Manter atividades em banco(s), inclusive Art. 34. Os casos omissos no presente Es-
gar prejudicial aos seus interesses, aos inter- Art. 16. A convocação de Assembléia Geral, abrir e encerrar contas-correntes e de poupan- tatuto serão resolvidos pela Diretoria Ex-
esses da Comunidade ou contrários ao pre- quer ordinária ou extraordinária, far-se-á ça, sempre em conjunto com um Diretor. ecutiva.
sente Estatuto. obrigatoriamente por edital afixado na porta V. Apresentar balancetes mensalmente, Parágrafo Único. A decisão da Diretoria Ex-
III. Requerer vistoria dos livros da Diretoria de do CAAL e amplamente divulgado nas de- prestações de contas e/ou esclarecimentos à ecutiva estará sujeita a reforma pela Assem-
Finanças e ter acesso a documentos ou fo- pendências da Faculdade de Ciências Médi- Diretoria Executiva, quando solicitados. bléia Geral, conforme artigo 16.
tocópias do CAAL. cas da Universidade Estadual de Campinas VI. Elaborar balancetes mensais, balanços anu-
IV. Participar de toda e qualquer atividade - UNICAMP, com antecedência mínima de ais, prestação de contas e eventuais relatórios, Art. 35. Os Associados não respondem
promovida pelo CAAL. 5 (cinco) dias, determinando o local, o dia e de acordo com a legislação em vigor; solidária ou subsidiariamente pelas obriga-
V. Pedir a convocação de Assembléia Geral, hora em que se realizará a reunião e a pauta VII. Rubricar livros contábeis do CAAL e as- ções construídas pelo CAAL.
quando atingido por qualquer das penali- da convocação. sinar os respectivos termos de abertura e
dades previstas neste Estatuto. § 1º. A Assembléia instalar-se-á com quórum encerramento; Campinas, 26 de Novembro de 2008.
Saiu na mÍDIA falácias
6  O patolÓGICO dezembro de 2008

Projeto de lei 727, de 2008


“Artigo 1º - O Estado de São Paulo, ao aplicar recursos ou oferecer bolsas de estudos em programas de residência
médica, condicionará, contratualmente, tal oferta ao cumprimento das seguintes obrigações:
I - o médico beneficiado com a concessão da bolsa no programa de residência, após o término de seus estudos, cumprirá
cinco anos de trabalho remunerado, com carga horária a ser estipulada pelo Poder Executivo, na rede pública de saúde do
Estado.
AJUDE-NOS! MANDE AQUELE COMENTÁRIO
II - a instituição beneficiada com os recursos públicos aplicados no programa de residência oferecerá, ao menos, metade INFELIZ DO SEU AMIGO PARA NÓS!!!
de suas vagas em especialidades prioritárias para o sistema público de saúde. chaparodaviva@gmail.com

Spasmo!
Parágrafo único - O cumprimento das obrigações previstas neste artigo estende-se às instituições privadas ou
constituídas juridicamente como fundações,que tenham sido beneficiadas com a aplicação de recursos públicos nos
programas de residência médica.
Artigo 2º - As despe- sas decorrentes da
aplicação desta lei corre- “o médico beneficiado com a concessão da bolsa no rão a conta de dota-
ções orçamentárias pró- programa de residência, após o término de seus estudos, prias, consignadas

Curandeirologia
no orçamento vigente e cumprirá cinco anos de trabalho remunerado, com suplementadas se
necessário. carga horária a ser estipulada pelo Poder Executivo, na
Artigo 3º - O Poder rede pública de saúde do Estado.” Executivo regu-
lamentará esta lei no prazo de 120 (cento
e vinte) dias, contados da data de sua André Luquini - XL
publicação.
Artigo 4º - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. No imaginário popular, o médico é um mágico.
A presente propositura tem por escopo evitar que médicos formados, com residência realizada com recursos públi- Em suas mãos, a caneta-varinha prescreve poções milagrosas,
cos, trabalhem, após a conclusão de seus estudos, exclusivamente para os planos de saúde privados em detrimento Que transformam a ferida purulenta em pele sã,
às necessidades da rede pública de saúde. O condicionamento da oferta de bolsas de estudos para os programas de o pulmão doente em potente máquina de respirar,
residência médica à obrigação do futuro profissional da saúde atuar na rede pública; e a destinação de metade das o coração combalido em bomba hidráulica de primeira,
vagas às especialidades prioritárias para o sistema público de saúde, com toda certeza, atenuarão os problemas que as o que está por nascer em parido,
pessoas dependentes do Sistema único de Saúde tem vivenciado atualmente: a demora no atendimento, em virtude o gordo em anorético,
do número reduzido de médicos que atuam na área. Por fim, cumpre destacar que a presente propositura não fere o desnutrido em parrudo,
competência constitucional, uma vez que o Estado pode legislar, concorrentemente, os assuntos de saúde e educação, o calvo em cabeludo,
conforme dispõe o artigo 24, IX e XII, da Constituição Federal. o feio em bonito,
Sala das Sessões, em 13/11/2008 o que está entupido em pérveo,
Fernando Capez – PSDB” o que está diarréico em constipado,

Patocultural
(retirado de ftp://ftp.saude.sp.gov.br/ftpsessp/bibliote/informe_eletronico/2008/iels.nov.08/iels219/E_PL-727_2008.pdf) o vice em versa,
o versa em vice,
instantaneamente,
urgente,
no primeiro Pronto Socorro à sua frente.

Vicky Cristina Barcelona vantes das cenas e, muitas vezes, externando os


sentimentos dos personagens.
As atuações são, talvez, o ponto alto do filme;
Mal sabem que o pobre do médico
desejava sê-lo, sinceramente.
Mas a doença espreita o deslize

V
Marcelo Lopes XLVI enquanto Scarlet Johansson se esforça para sair de quem incauto se chafurde
icky Cristina Barcelona é o 39º filme do do lugar comum (e, finalmente, consegue), Rebec- todos os dias no hábitos insanos,
diretor norte-americano Woody Allen que, ca Hall encarna a personagem neurótica – uma ambientes desumanos,
pela quarta vez, abandona sua amada constante nos filmes do diretor – de maneira natu- vertendo no cálice casto do corpo
Manhattan e filma na Europa, especifi- ral e Javier Bardem (provando sua versatilidade um vinho muitas vezes cáustico
camente em Barcelona. Alguns dizem que essa é a após sua atuação como o psicopata de “Onde Os ácido, oxidante, impróprio,
retomada definitiva do diretor a seu auge depois de Fracos Não Têm Vez”) oferece a seu personagem que sua alma inconseqüente pede,
fiascos como Scoop (2006) galanteador, uma expressão pois o que é de gosto
e O Sonho de Cassandra constantemente triste. Mas é regalo da vida...
(2007); discordo. Não é quem rouba todas as cenas
em toda película que o em que aparece é mesmo
diretor realiza uma obra- Penélope Cruz. Encarna O médico não faz mágica,
prima, como o fez em a ex-mulher psicótica de faz é a chatice sem tréguas de insistir
Match Point (2005), mas maneira fenomenal. em querer mudar a história natural da doença,
todos os seus filmes são Além das atuações, a por mais que o paciente goste é de ouvir história,
de qualidade admirável. narração em off que per- e deixar a história seguir seu rumo,
Com Vicky Cristina Bar- meia o filme todo trans- que a natureza sabe o que faz,
celona, ele faz um traba- pondo os sentimentos das por mais que o paciente queira o espetáculo
lho bem acima da média, personagens e predizendo de ver sair da cartola um elixir,
graças a uma combina- o que acontecerá na tela e uma incisão heróica, um chá, uma xaropada, uma pomada,
ção de vários elementos: o roteiro bem estruturado que transforme o sertão em mar,
atuações acertadíssimas, fazem de Vicky Cristina o Lázaro em redivivo,
roteiro divertido e inteligente e direção correta. Barcelona um dos mais agradáveis filmes a o médico é um pobre doente compulsivo,
O filme, com um nome minimamente peculiar, nos estrear no Brasil em 2008. Se você ainda não que tem a fixação de mudar os caminhos,
apresenta a duas jovens americanas que vão passar conferiu, corra ao cinema e aproveite um dos de interferir no mundo de Deus,
as férias na cidade de Barcelona: Vicky (Rebecca Hall), melhores diretores da atualidade fazendo o ledo engano,
neurótica e desconfiada de todos – alter-ego do dire- que melhor sabe fazer: cinema inteligente e pois se as coisas acontecem de forma diferente
tor, e Cristina (Scarlett Johansson), mais extrovertida gostoso de assistir. da que parecia que aconteceriam,
e em busca de diversão. Na cidade, se envolvem E se você já assistiu a esse filme e gostou, não nem sempre é pela vontade do médico,
com o pintor Juan Antonio (Javier Bardem), que deixe de conferir àquelas que são consideradas que controla não mais que algumas variáveis apenas,
ainda tem uma ligação com sua ex-mulher, Maria obras-primas desse diretor: “Noivo Neurótico, pois existe,
Elena (Penélope Cruz). Há ainda outra personagem Noiva Nervosa” (1977); “Hannah e Suas Irmãs” nesse fio de navalha entre a saúde e a doença,
significativa na história, a cidade de Barcelona, com (1986); “Crimes e Pecados” (1989); “Todos Dizem mais variáveis que supõe nossa vã tecnologia...
seus pontos turísticos participando como coadju- Eu Te Amo” (1996) e “Match Point” (2005).
7  O patolÓGICO dezembro de 2008

CoMAU
almente prêmios aos melhores trabalhos de iniciação
te ano contamos com a presença de 29 integrantes na
científica apresentados pelos alunos. Os trabalhos ins-
Gestão atual. Sendo assim, torná-se inviável, por ques-
critos estão distribuídos entre 6 áreas: Básica, Cirúrgi-
tão de tempo e mão-de-obra, conciliar o cumprimento
DE VOLTA À ORIGEM

O
ca, Clínica Médica, Ginecologia & Obstetrícia, Medicina
do planejamento da Gestão com a responsabilidade de
Congresso Médico Acadêmico da Unicamp Preventiva e Pediatria. organizar esse evento de maneira ideal e compatível
(CoMAU), que concluiu sua 17ª edição em ou- O CoMAU é um congresso que já tem um histórico
com sua grandiosidade.
tubro de 2008, surgiu em 1992, fruto da inicia- de ser organizado por uma Comissão Paralela e, após a
Para tal mudança, o CAAL se compromete a
tiva de acadêmicos da Faculdade de Ciências tentativa de levá-lo para a coordenadoria de científico
reunir esforços dentro da chapa para estimular a forma-
Médicas da Unicamp, que desejavam consolidar sua for- do CAAL em 2008, que não conseguiu promover outros
ção da futura comissão organizadora, apoiá-la no que
mação acadêmica por meio de um evento que congre- avanços na área científica, percebemos que assumir
for necessário e ajudar na divulgação do evento em to-
gasse atualização científica, ensino médico e visão glo- um evento de tal porte poderá atravancar o trabalho
dos os espaços que o CA participa (regional, CoBREM,
bal da saúde no Brasil. ECEM, EREM, CENEPES, dentre
A este objetivo, asso- outros) comprometendo-se a
ciaram-se a demanda de VENHA PARTICIPAR DA COMISSÃO ORGANIZADORA DO XVIII COMAU! lógico, site ediscussões intermediar
e-mail,
via pato-
para o apri-
Campinas e região por um
evento que atualizasse ENVIE UM E-MAIL PARA CHAPARODAVIVA@GMAIL.COM moramento do evento.
conhecimentos de profis- A tradição do CoMAU deve
sionais recém-formados, ser mantida, pois ele é um even-
bem como de professores to representativo da nossa facul-
e médicos interessados em reciclar seus conhecimen- da gestão CAAL 2009, portando a gestão “Roda Viva” dade, mas para isso, será necessária a colaboração de
tos. avaliou que a organização deveria voltar a ser como era todos os alunos da Medicina Unicamp.
O CoMAU é um evento totalmente organizado e pro- antes. Contamos com a compreensão e apoio de todos!
movido por alunos, que promove palestras com pro- É importante dizer que o CoMAU é um evento que
fissionais de renome da área da saúde e concede anu- demanda muito tempo para ser organizado e que nes- Gestão Roda Viva

CASU
rítimicos, com direito à interpretação de um poema
de Graciliano Ramos dessa forma! A apresentação
teatral “Retábulo das maravilhas”, de Miguel de Cer-
PORQUE ARTE TAMBÉM É SAÚDE

N
vantes, feita por alunos da graduação em Artes Cê-
o dia primeiro de novembro, foi realizado nicas da USP, também agradou muito. Com paródias
na Legolândia o Pré-CASU, uma oficina musicais e interação com a platéia, geraram muitas
de mosaicos com participação de Chico risadas e contribuíram para o sucesso da noite, bem
Fransé, artista plástico do Instituto Bol- como do evento.
drini. Contamos com 15 participantes e os mosaicos Foram meses de planejamento, trabalho, imprevis-
foram exibidos e colocados em votação durante os 3 tos e acertos de última hora, e gostaríamos de agra-
dias de Congresso, sendo que o mais votado (O mo- decer a todos que participaram do Congresso e àque-
saico da Vanessa - 46) ganhou uma cesta de chocola- les que ajudaram de alguma forma na sua realização:
trair-se com uma apresentação de teatro e se emo-
tes e livros no último dia do Congresso. com certeza não teríamos tido o mesmo sucesso sem
cionar com uma apresentação de dança, bem como
O III Congresso de Arte e Saúde ocorreu nos dias vocês!
com a musical. Um grande destaque foi a palestra e
4, 5 e 6 de novembro no Auditório da Faculdade de ...e agora só nos resta esperar o IV CASU, que já está
oficina “Euritmia: saúde em dança”, ministrada por
Ciências Médicas e contou com 105 participantes, os logo aí!
Marília Barreto, em que foram expostos conceitos
quais puderam aprender com oito palestras, descon- Cultura CAAL 2008
sobre a euritmia e foram ensinados movimentos eu-

COBEM COBREM
UNESP de Botucatu. Foram eleitos também represen- A programação definida será a seguinte:
tantes discentes que atuam nas respectivas regionais. Mesa 1: “Educação e o Trabalho em Saú-
Nossos representantes discentes são Giovana Tuccille de e o Brasil de Hoje”- Análise de conjuntura

O O
COBEM, Congresso Brasileiro de Educação Gomes da UNESP de Botucatu e Claudimar Amaro da Mesa 2: “Educação em Saúde: Quais os
COBREM (Congresso Brasileiro
Médica, do ano de 2008 aconteceu do dia USP de Ribeirão Preto. rumos da reorientação profissional?” Divisão
dos Estudantes de Medicina)
18 a 21 de outubro em Salvador, marcan- Historicamente a ABEM tem sido parceira dos es- em Grupos de Discussão após a apresenta-
acontecerá no ano de 2009
do a comemoração dos 200 anos de Ensi- tudantes em lutas relacionadas à educação médica ção da mesa 2: 1 - Atenção Primária em Saú-
na cidade de Fortaleza, ten-
no Médico no Brasil. O Congresso é realizado anual- tais como o Exame de Ordem e a Reforma Univer- de/ Pró-Saúde/ CINAEM 2- Avaliação
do como sede o Centro Acadêmico XII de
mente pela ABEM, Associação Brasileira de Educação sitária. Entretanto, esse ano, acreditamos que esses 3- Educação Superior
Maio da UFC. Ocorrerá entre os dias 11 de
Médica. temas não tiveram espaço suficiente para discussão. 4- Limites da Transformação Curricular e
janeiro e 18 de janeiro e terá como tema
Muitos estudantes da UNICAMP estiveram presen- O exemplo mais emblemático foi o Painel Novas Pro- Movimento Estudantil
principal “A Educação e o Trabalho em Saú-
tes, apresentando trabalhos aprovados pela comis- postas de Reforma Universitária, onde defensores de Mesa 3: “ Saúde: O trabalho em saúde e o
de e o Brasil de hoje: A organização dos es-
são organizadora, ou financiados e representando o projetos como a Universidade Nova, combatidos pe- direito da população” Divisão em Grupos de
tudantes pela defesa de nossos direitos”.
CAAL, participando da los estudantes, tiveram amplo es- Discussão após a apresentação da mesa 3: 1-
O objetivo de tal congresso é realizar o
programação e de reu- paço de apresentação, enquanto Público e Privado na Saúde
planejamento da DENEM (Direção Executiva
niões da DENEM (Dire- a ABEM se manteve neutra e não 2- O Trabalho e a
Nacional dos Es-
ção Executiva Nacional reservou espaço suficiente para Formação Médica
tudantes de Me-
dos Estudantes de Me- o debate. Essa atitude se mante- 3- Processo Saúde-
dicina) e, para
dicina) que ocorriam ve ao longo do Congresso, o que Doença e a luta pelo di-
isso, constará
paralelamente ao en- foi uma surpresa negativa para os reito na saúde
em sua progra-
contro. estudantes. Os painéis terão
mação mesas de
Por meio de painéis, A organização local dos espa- como temas: Hospitais
aprofundamen-
apresentações de tra- ços discentes deixou um pouco a Universitários de Ensino
to em temas
balhos, fóruns, oficinas desejar na infra-estrutura do alo- (HUE´s) e Gênero e Saúde
específicos ao estudante de medicina, além
e rodas de conversa, fo- jamento estudantil e no espaço As oficinas abordarão: Meio Ambiente e
de oficinas e painéis. Todo estudante de me-
ram abordados temas envolvendo majoritariamente para reunião da executiva. Com- Saúde; Estágios e Vivência; Escolas Médicas
dicina tem direito a voz durante os espaços
os eixos: Humanização na Saúde, Hospitais Universi- preendemos que a localização do Congresso não ofe- Pagas; Indústria Farmacêutica; Políticas Educa-
de planejamento, mas somente os delegados
tários, Extensão Universitária, Reforma Universitária, recia muitas opções acessíveis aos estudantes, mas cionais; Acesso e Permanência à Universidade;
eleitos pelas faculdades e aqueles indicados
Reforma Curricular, Metodologias de Ensino e Ava- ainda assim acreditamos que teria sido possível uma Planejamento de CA´s; Mídia; História da Resis-
pelos centros acadêmicos têm direito a voto
liação Institucional e do Estudante. Na programação organização melhor nesse sentido. tência do Povo Nordestino; CEV (Coordenado-
nas plenárias deliberativas. No COBREM 2009
do Congresso também estavam marcadas reuniões Apesar das surpresas com a ABEM e da infra-es- ria de Estágios e Vivências); Semana de Recep-
acontecerão também as eleições da Gestão
nacionais e regionais da ABEM. trutura estudantil, acreditamos que o COBEM foi um ção de Calouros.
2009 da executiva.
Nas reuniões da ABEM, foram eleitos os dirigentes espaço rico de diálogo entre estudantes e professores Quem se interessar em participar do con-
Os delegados eleitos pela Medicina Uni-
da instituição para o período de 2008 a 2010. Apenas de todo o país, e contribuiu muito para o amadureci- gresso procure o Centro Acadêmico e se infor-
camp em eleição realizada nos dias 17, 18
uma chapa concorreu, e o presidente eleito foi Mou- mento das discussões que certamente pretendemos me melhor sobre os prazos e preços das
e 19 de novembro foram: Fabrício (Bambu
rad Ibrahim Belaciano, professor da Universidade trazer para a faculdade durante o ano. inscrições!
– 45), Josué (45), Marcelo Lopes (46), Marília
de Brasília. Para a coordenação da Regional de São (44), Miquelline (45), Paulo Alexandre (45) e
Paulo foi eleita a Professora Eliana Goldfarb Cyrino da Gestão Roda Viva Gestão Roda Viva
Thais (45).
8  O patolÓGICO dezembro de 2008

“A vida é Breve, Longa é a Arte” De sonhos a meta, de escritor a linguagem


Grupo de estudos Humanísticos e Medicina da Unicamp-Delfos “Felicidade se acha é só em horinhas de descuido” - Guimarães Rosa

A
Fernando Henrique (XLV) Fabricio (Bambu) XLV

O
filosofia, a mitologia, a música e até mesmo a história são áreas do conhecimento huma-
no que podem e devem contribuir substancialmente para a formação acadêmica e pes- frio parecia que diminuira ao longo da semana. A neblina baixa ainda contornava
soal do estudante de medicina. Há mais de dois milênios, à figura do médico é associada a as serras e morros. Pastos verde-empoeirados na vista das manhãs. De longe,
erudição. Chamados de físicos na Idade Média dominavam, naquela época, além da arte ouvia as vozes de minha mãe, que inquieta, remexia no quintal, conversando
da cura, conhecimentos humanísticos que em tempos de técnicas desprovidas de exatidão científica com as paredes e conduzindo uma vassoura em um samba das poeiras. Sentia
contribuíam de certo no cuidar, verbo mais próximo dos hipocráticos do que o curar. que era hora de acordar. Os olhos, no quarto escuro, ardiam com a intromissão dos raios de
Porém, hoje, inundado por termos incompreensíveis a qualquer não-médico, por centenas de arti- sol. Levantar era uma manobra difícil. Requeria os esforços. Livrar-se do peso dos cobertores,
gos científicos publicados em revistas especializadas todos os dias e cobrado para dar o melhor de si o dos resquícios de sonhos desconexos, das dúvidas e das certezas. Com um impulso, bati com
tempo todo e a qualquer custo, o estudante de medicina abandona a áreas de humanidades afim de força meus dois pés no frio piso. O frio pinicava os dedos convulsos que farejavam o paradeiro
aprender e assimilar tudo o que for possível para curar os homens. Não há tempo para a erudição. Ser das sandálias de dedo...
erudito não é mais status social, ter dinheiro é. Gostaria de ser escritor. Mas escrever o quê, para quem, para quando, por quê? Perguntas
Ainda assim, um grupo de alunos da Medicina Unicamp reúne-se quinzenalmente com professo- estas que sempre carregarei comigo, nas algibeiras da minha insignificante e inigualável
res e convidados às quintas-feiras para discutir e pensar sobre mitologia e a prática médica. Ousam, por condição humanóide. Há horas em que dá vontade de escrever o que vem a cabeça, escrever
vezes, adicionar à discussão filosofia, música e história. Não percebem que a Idade Média acabou e que mesmo que sejam palavras soltas, deslocadas, ininteligíveis, em parágrafos criteriosamente
não há espaço na agenda para tal extravagância? A resposta é: percebem e estão justamente no grupo pensados, com um rico vocabulário esculpido justamente para dar um corpo ao texto que
de estudos para juntar-se àqueles que decoram termos incompreensíveis, lêem artigos científicos todos redijo. Mas escrever, muitas vezes, não é uma tentativa de traduzir o inesperado? Dentro de
os dias e dão o melhor de si o tempo todo e a qualquer custo; mas que ainda querem ter um diferencial mim, as palavras tremulam, seguram as grades da prisão que as enclausuram, e batem latas,
no currículo. Enquanto todos buscam aquilo que é recente e inovador na medicina, esse grupo, junto a gritam, queimam colchões e recitam hinos profanos pedindo a liberdade do mundo exterior.
isso, também busca munir-se de conhecimentos antigos e firmes que sempre persistirão. Sou humano, escrevo para humanos. Não procuro as melhores palavras, procuro apenas aque-
A filosofia proporciona a habilidade de organização de pensamentos, a lógica e, com isso, o en- las que batem a minha porta, aquelas que entram e tomam um copo d’água e comentam sobre
tendimento mais consciente do mundo ao nosso redor. A mitologia é o que há de eterno em nós, foi o calor dos dias passados. Aquelas outras, estranhas, que ora tocam a campainha e correm
bem utilizada por Freud para entender a alma, a psique humana. A música nos ensina que a harmonia ao vento da incerteza, estas famosas, só as encontro em momentos de grande felicidade, no
vem do equilíbrio entre o forte e o suave, o quente e o frio, o veneno e o remédio. A história vem para descuido do flagrante, do tocar antes do correr na campainha da humana providência.
cobrir esses conhecimentos com seu manto de sapiência: de Shakespeare (“What´s past is prologue”) a No mundo, tão rico em possibilidades, escrever é uma tarefa que carece de muita coragem. E
Churchill (“The future is unknowable, but the past should give us hope”) os grandes homens souberam ao escritor, tão cruel. Como saber com quais palavras agradar as multidões? Não seria o silêncio
como tirar bons proveitos da história para construir grandes obras seja na arte ou na política. uma defesa? Não àqueles, os escritores. Estes desafiam a realidade e ousam mostrar as palavras
Dois mil e oito, para o Grupo de Estudos Humanísticos e Medicina da Unicamp, carinhosamente que possuem, sejam elas caiporas, modistas ou atuais. Acordo, escovo os dentes e, à moda dos
chamado de Delfos (ilha de Apollo, deus das Artes e da Medicina), é o ano da Medicina e Mitologia. cavaleiros andantes, armo-me com a destreza das palavras, com o escudo das orações. E os
No primeiro semestre, discutimos justamente a função da simbologia e do mito na sociedade e no textos como fazê-los ir ao mundo, serem notáveis, terem as asas sempre abertas e a habilida-
cotidiano das pessoas, o mito de Eros e Psique e o surgimento da Psiquiatria e Psicologia. Relembramos, de de faze- rem ninhos
ainda, o mito de Édipo e, com a ajuda de psicanalistas, buscamos entender em quê esse importante no maior “E as palavras partem, com os número de
mito ajudou a psicanálise na casas pos- lenços flamulantes borrados de síveis? Penso
compreen- “A questão da morte e o desafio que são de parte signifi- o seguinte: nanquim, à espera do pior dos queria que as
cante do de- o médico sempre trava, inutilmente, senvolvimento da palavras de pontos, o finalíssimo.” meus textos,
psique hu- para por fim nela. A morte como parte mana. Depois par- pequenas peninhas, for-
timos para o da vida no passado e sua ojeriza na mito de Tânatos e massem o corpo de um pássaro verde, de uma maritaca, a mulata cortadora de fios elétricos e
a questão da modernidade.” morte e o desafio grãos de milho, bico afiado e canto estridente, e que assim, toda brasilidade, voasse e irritasse.
que o médi- co sempre trava, Irritasse com as orações longas, de pontuação dúbia. Irritasse com o canto de algo do comum,
inutilmente, para por fim nela. do comum que acabamos por desprezar. Um bando de maritacas, impertinentes a cantarolar
A morte como parte da vida no passado e sua ojeriza na modernidade. sem sentido e a chamar a atenção pelo simples motivo de existir.
Prosseguindo com o tema “Mitologia”, Delfos, no segundo semestre do ano, entrou na questão do E assim, ouso escrever. Ouso ser humano em um mundo de perfeitos castelos de cartas. Em
culto à beleza, com o mito e a Síndrome de Adônis. Considerada a bulimia e anorexia masculina, a sín- cada parágrafo, teimo em reforças as minhas vulnerabilidades, a impotência de minha prosódia,
drome de Adônis leva homens a ficarem horas e horas do dia em uma academia em busca do corpo a inoperância de meu raciocínio, mas a impertinência de minha braveza. E a minha lerdeza de
mais que perfeito, o que, comprovadamente, altera a relação LDL/HDL, bem como pode causar sérios esperar que oportunidades ainda possam cair do céu, e aumentar a umidade relativa do ar,
problemas cardíacos. Como entender o que se passa na cabeça desses indivíduos? O mito nos ajudou. sossegar as poeiras. E no mais, pontuo e finalizo: escrever me fascina, poderes e porvires, um
Depois de um vasto estudo sobre“síndromes mitológicas”, visitamos o mundo na origem dos tem- alimento das ilusões, o melhor dos espelhos, o único terreno em que o erro e a glória caminham
pos e traçamos paralelos entre várias religiões, e claro, as recentes descobertas da medicina. Será que o de mãos dadas, a terra-de-ninguém em que repousa meu ser na travessia da pinguela da vida.
fogo, o ar, a terra e a água de Aristóteles não estão ainda no Oxigênio, no Nitrogênio, no Carbono e no E as palavras partem, com os lenços flamulantes borrados de nanquim, à espera do pior dos
Hidrogênio das bases nitrogenadas do DNA? Uma boa questão filosófica. pontos, o finalíssimo.
No final de nossos estudos de 2008, deixamos o mundo greco-romano e estudamos um novo Enquanto tiver as palavras, recursos de vida, terei em mim as potencialidades do infinito.
mundo, o cristão. Todos os deuses e imperadores perderam seus postos para um judeu nascido na po- Compreenderei o sertão, valorizarei as veredas. Verei em pedras, desafios e em tropeços,
breza, de uma mãe virgem: Jesus Cristo. Com a doutrina da humildade e aceitação de tudo o que ocorre danças. Verei que o mundo é bonito, mesmo que todos tentem provar o contrário a todos
na nossa vida, por ordem de Deus, como ficou a Medicina? os instantes, com tiros que teimam em acertar inocentes, mesmo que as palavras sejam
Uma vida é muito pouco para acumularmos conhecimentos e experiências para sermos excelen- tão desprezadas de suas vitalidades intrínsecas. Ah, palavras, que bando de loucas que me
tes médicos: apoiemo-nos, então, em ombros de gigantes da medicina, filosofia, mitologia, música, cantarolam aos ouvidos e me cegam os olhos. Assino aqui minha servidão a elas, mas estas
história... Para ver mais longe! me libertam com a carta mais áurea de todas – a vida.

Espremendo o limão! multaneamente, hiperestimar tudo aquilo


que vem e que acontece no exterior. Não
que seja uma inverdade dizer que muitos
nosso potencial, valorizando aquilo que pode-
mos conseguir?
Vivemos em um país com muitas dificulda-
tante deste todo, por que ainda continuamos
“para trás”em quase 509 anos de história?
A resposta está piscando aos nossos olhos: ainda
equipamentos e serviços produzidos e realiza- des, sejam elas financeiras, sociais, políticas, en- engatinhamos em círculos porque temos resis-

E
Gabriel Peres (XLIV)
ste texto é uma síntese de uma dos no exterior sejam realmente muito supe- tre outras que cada um de nós sabe enumerar tência em nos policiar para mudar o lado negati-
observação que não só eu faço, riores ao que temos aqui, pelo simples fato de com grande facilidade. Em contrapartida, mui- vo do nosso “jeitinho” brasileiro, aquele que joga
mas creio que todos aqueles, com querer ser patriota, defendendo cegamente tas vezes, nos esquecemos, que este mesmo papel na rua e entra na contramão se ninguém
um mínimo de sonho, o façam. E o que não existe concretamente. Entretanto, Brasil possui dimensões continentais e, princi- estiver de olho, que só “confere” a sua prova com
aqui irei compartilhar! também não precisamos menosprezar delibe- palmente, é detentor de uma vasta riqueza hu- a do colega, que só não devolve os centavos do
Ainda esta semana, recebi um e-mail radamente, apenas para alimentar hábito de mano-cultural (cabeças pensantes, capazes de troco errado, que só... que só... E que, conseqüen-
de um amigo, falando sobre a opinião de criticar. “dar nó até em pingo d´água”, o nosso “jeitinho” temente, irá desviar parte do erário quando assu-
uma holandesa quanto ao sentimento Durante a conversa, entre outros assuntos, brasileiro, na sua melhor concepção), e natu- mir um cargo público, irá atender com desprezo
“patriota” do nosso povo, além de con- fiquei sabendo que a Equipe do evento foi elo- rais, em que merece nota a fauna e a flora (sem seu paciente, irá desmatar e queimar apenas uma
versas com um amigo que participou na giada por um prestigiado autor científico que iguais em qualquer ponto deste planeta), além partezinha da sua fazenda, irá traficar drogas só
organização de um congresso, e com um muito se impressionou com a vontade de “fa- da diversidade de clima e solo (com inúmeras para ganhar mais um pouco de dinheiro, só ira...
outro amigo sobre algumas atitudes arrai- zer acontecer” da mesma. Ora, se ele que vive possibilidades de cultivo) e riquezas minerais só irá...
gadas na nossa gente. no topo do primeiro mundo, o qual tanto idea- (a maior reserva da essencial e preciosa água A limonada não estará nunca pronta nas nossas
O e-mail tratava do vício que nós, bra- lizamos e perante o qual tanto nos diminuímos, doce; além do cobiçado petróleo e gás natural mesas, adoçada e dentro do copo. Já temos o li-
sileiros, temos de criticar nosso país e, si- impressionou-se com o que observou aqui, por que são descobertos cotidianamente). mão, ou melhor, uma plantação inteira de limões
que não podemos nos orgulhar um pouco do Haja vista o acima exposto, e o potencial resul- ao nosso dispor. Basta querermos espremê-los!

Interesses relacionados